anais_2013_ibnec_sbnp_final

Сomentários

Transcrição

anais_2013_ibnec_sbnp_final
1
COMISSÕES
COMISSÃO ORGANIZADORA
Dora Fix Ventura (Presidente do Congresso)
Leandro Malloy-Diniz (Presidente da Comissão Científica)
Elaine Cristina Zachi
Eliane Fazion dos Santos
Rosani Aparecida Antunes Teixeira
Thiago Rivero
Daniela Tsubota Roque
Andressa Moreira
Annelise Júlio-Costa
Emmy Uehara
Helena Mitie Miazak
Isabela Sallum
Laiss Bertola
Rosa Monte
Yana Ribas
COMISSÃO CIENTÍFICA
Alcyr Alves de Oliveira
Izabel Hazin
J. Landeira-Fernandez
Sergio Fukusima
Rosa Almeida
Débora Azambuja
Jerusa F. de Salles
Lucia Iracema Mendonça
Neander Abreu
Vitor Haase
EDIÇÃO DOS ANAIS
Elaine Cristina Zachi
Andressa Moreira Antunes
2
NEUROBRIGHT
EQUIPES PARTICIPANTES DO 2° NEUROBRIGHT – OLIMPÍADA EM
NEUROPSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIA COMPORTAMENTAL
Nome da equipe: GNCE
Orientador: Rochele Paz Fonseca
Instituição: PUC-RS
Alunos: Hosana Gonçalves, Natalie Pereira,
Renata Pereira
Nome da equipe: The Big Brain Theory
Orientador: Rosinda Martins Oliveira
Instituição: UFRJ
Alunos: Ana Elena Vedoveli Francisco, Carolyne
Batista Juvenil, Helena Rego Henriques
Nome da equipe: NeuroVibes
Orientador: Rosa Almeida, Lisiane Bizarro
Instituição: UFRGS
Alunos: Carolina Piletti Chatain, Luís Alexandre
M. de Almeida, Vanessa Farias Oliveira
Nome da equipe: The Walking Brain 2º
Temporada
Orientador: Rosinda Martins Oliveira
Instituição: UFRJ
Alunos: Douglas Dutra, Eduarda Peçanha,
Rebeca Bartolote
Nome da equipe: Mixórdias da Farmácia
Orientador: Orlando Francisco Amodeo Bueno
Instituição: UNIFESP/EPM
Alunos: Marcus Vinicius Costa Alves, Silmara
Batistela, Jackeline Neves Pereira
Nome da equipe: Neurobaianos
Orientador: Neander Abreu
Instituição: UFBA
Alunos: Chrissie Vivas-Carvalho, Gustavo
Siquara, Andréa Tourinho
Nome da equipe: Neurocog
Orientador: Jerusa Fumagalli de Salles
Instituição: UFRGS
Alunos: Diego Berwig, Jaqueline de Carvalho
Rodrigues, Natália Becker
Nome da equipe: Trissomia de Berlim
Orientador: Claudia Berlim de Mello
Instituição: UNIFESP
Alunos: Alexandre Aquino Lobato, Roberta
Magalhães Barrocas, Tatiana Góes Freitas
Nome da equipe: UFPR
Orientador: Ana Paula Almeida de Pereira
Instituição: UFPR
Alunos: Ana Paula Cunha , Tatiana Proença
Isleb
Nome da equipe: Neurovibrations
Orientador: Rosa Almeida
Instituição: UFRGS
Alunos: Juliana Jaboinski, Mailton Vasconcelos,
Morgana Scheffer
Nome da equipe: NeuroEvil
Orientador: Rosinda Martins Oliveira
Instituição: UFRJ
Alunos: Priscila do Nascimento Marques, Iasmin
Andrade Gabrig, Antônio Malvar Martins Neto
Nome da equipe: LINCs
Orientador: Leandro Fernandes Malloy- Diniz
Instituição: UFMG
Alunos: Emanuel Henrique Gonçalves Querino,
Isabela Sallum, Thaís Dell’Oro de Oliveira
3
PALESTRAS
4
22/11 – SEXTA-FEIRA
Alcyr Alves de Oliveira
Universidade Federal de Ciências da Saúde de
Porto Alegre
Transplantes Neurais: uma ponte entre o
laboratório e a clínica
A técnica de transplantes neurais progrediu
significativamente desde o marco inaugural da
área publicado por Walter Gilman Thompson
em 1890 no New York Medical Journal. Apesar
de
seus
estudos
terem
apresentado
interpretações limitadas pelas técnicas da
época, abriram espaço para uma abordagem
crítica a respeito da possibilidade de sucesso
de enxertos cerebrais. Thompson estava
interessado na capacidade de sobrevivência
de implantes cerebrais entre cães e gatos e
abriu caminho para a pesquisa sobre o uso de
enxertos em doenças neurodegenerativas.
Apenas na década de 1970, contudo, as
neurociências teriam o conhecimento e
tecnologia necessários para explicar uma
parte pequena do que foi observado.
Já na metade da década de 70 foram
iniciados estudos clínicos, um passo acelerado
diante de inteligentes argumentos teóricos mas
contestável argumentação teórico-prática. Os
resultados positivos e negativos se acumularam
e a necessidade de explicações mais precisas
tornou-se urgente. O argumento fundamental
é de que mesmo recuperando uma função
perdida, a simples recolocação de tecido
perdido não pode ser capaz de explicar uma
gama complexa de funções de um encéfalo
em deterioração progressiva. Assim, com a
premência de uma explicação experimental,
os
estudos
pré-clínicos
de
laboratório
continuaram
produzindo
substancial
conhecimento sobre os sucessos e os insucessos
observados.
Existem ainda inúmeras lacunas a serem
preenchidas e entendidas neste processo. A
técnica tem sido vista como a maior
esperança para a cura de doenças
neurodegenerativas ou incuráveis tais como
Parkinson, Alzheimer, Huntington, acidentes
encefálicos, danos espinhais com plegias e
paralisias e outras afecções do sistema
nervoso. Contudo, é necessário cautela antes
de partir para os implantes em seres humanos.
O conhecimento sobre a integração entre
material implantado e os possíveis efeitos
adversos se existem ainda é limitado.
Nos dias de hoje, com novas técnicas e o
conhecimento
em
neurobiologia
e
neuropsicologia aplicadas aos estudos clínicos,
neuroimagem, imunologia e eletrofisiologia
para estudos pré-clínicos e clínicos e
neurociência
comportamental,
biologia
molecular, neurofisiologia e outras áreas, há a
possibilidade de padronização dos métodos.
Estes avanços tem produzido novos dados e
explicações. O desenvolvimento no campo de
células-tronco
e
da
biologia
celular
contribuíram com um novo impulso e
explicações nesta área.
Os casos clínicos bem sucedidos são
promissores e geram esperança. No entanto,
não é concebível eticamente que o simples
desejo de cura de um transtorno supere a
segurança. Em caso de cura, todos ficaremos
felizes. Mas em casos repetidos de insucesso, a
perda de pacientes afetará a todos incluindo
aqueles que esperam pela oportunidade de
serem submetidos à cirurgia. Os financiamentos
institucionais para pesquisa sofrerão retrocesso
e, com isso, uma quantidade maior de
pacientes terá seu tratamento adiado. Não há
como contestar, entretanto, que os primeiros
casos clínicos bem sucedidos ajudaram a
impulsionar os estudos em todos os setores
incluindo a pesquisa básica. Há poucos dias,
no
Annual
Meeting
da
Society
for
Neuroscience em San Diego, o Professor Curt
Freed, um dos pioneiros em transplantes de
tecido embrionário em pacientes portadores
da doença de Parkinson, mostrou resultados
post mortem de pacientes com até 26 anos
pós-implantes levando vida normal. Um de seus
mais interessantes casos foi o de um homem
que faleceu aos 85 anos, 22 anos de implante,
com porcentagem de células sobreviventes de
quase 90% e vida normal neste período.
Nesta apresentação, serão apresentados
alguns resultados experimentais e dados
clínicos com o uso da técnica de transplantes
neurais.
5
Cesar Galera
Universidade de São Paulo.
Memóriade trabalhovisuoespacial: estruturae
controvérsias
O modelo de memória de trabalho proposto
por Baddeley e Hitch (1974)era formado por
dois
sistemas
de
armazenamento,
um
específico para a informação fonológica e
outro para a informação visuoespacial,
controlados por um sistema atentivo, o
executivo central. O desenvolvimento do
subsistema visuoespacial foi impulsionado pelo
modelo de memória de trabalho visuoespacial
proposto por Logie (1995; 2012). De acordo
com este modelo, a informação visual de uma
cena, seja ela adquirida através da visão, do
tato ou da audição, é armazenada num
armazenador passivo, o visual cache. Por sua
natureza amodal, este armazenador só é
acessado pela informação interpretada com
base na informação contida na memória de
longo prazo. Desta forma, o visual cache não é
propriamente uma memória visual, mas uma
memória semântica que contém a informação
necessária para reconstruir a informação visual.
Este modelo apresenta alguns problemas
teóricos, entre os quais a ausência de um
sistema
de
armazenamento
visual
propriamente
dito,
não
interpretado
semanticamente.
Nós
discutimos
a
necessidade de um sistema de memória visual,
um visual buffer, baseados em tarefas
secundárias que utilizam a informação visual
irrelevante.
CNPq, FAPESP.
Rosa Maria Martins de Almeida
UFRGS
Simpósio Neuropsicologia da Impulsividade
A impulsividade é multifacetada e serão
apresentados nesse simpósio modelos de
estudos em animais e, também, modelos de
estudos com humanos, apresentando dados
com grupos clínicos e não clínicos, avaliados
com testes, escalas e tarefas comportamentais.
Será apresentada a Columbia Card Task, uma
nova tarefa computadorizada de tomada de
decisão sobre risco, que avalia a propensão ao
risco por meio de três tarefas e dois
questionários. Duas destas tarefas focam nos
processos afetivos e uma nos processos
deliberativos envolvidos da tomada de
decisão. Há ainda o Questionário de
Necessidade de Excitação e o Questionário de
Estratégias Utilizadas, que completam a tarefa.
Serão vistos os efeitos que a negligência e/ou o
abuso na infância poderiam provocar no
âmbito cognitivo e como isso estaria associado
a comportamentos impulsivos. Particularmente
comportamentos suicidas, de exposição a risco
e
desregulação
de
humor
estariam
relacionados a déficits em funções executivas,
tomada de decisão, e cognição social em
indivíduos que relatam exposição precoce ao
estresse. E, apesar de diversas linhas de
pesquisa e teorias considerarem que as
decisões econômicas são tomadas de forma
racional,
estudos
usando
paradigmas
neuropsicológicos mostram que características,
como, por exemplo, a impulsividade, exercem
importante papel na compra, venda e
manutenção de ativos financeiros.
9:00 - Impulsividade: Modelos animais e grupos
clínicos. Rosa Almeida.
9:50 - Avaliacao neuropsicológica da inibição
na normalidade e na patologia: dissociações
entre paradigmas frios e quentes. Rochele Paz
Fonseca.
10:40 - O uso da Dice Task para avaliação da
tomada de decisão em um cenário de risco.
Patrícia Rzezak.
11:30 - Aspectos frios e quentes da Tomada de
Decisão: o uso do CCT. Bruno Schiavon.
14:00 - Por que é difícil mudar? Tomada de
decisão e "modo dafault". Leandro Malloy-Diniz.
14:50 - "Estou com sorte": impulsividade,
tomada de decisão e decisão no mercado
financeiro. Felipe Filardi da Rocha.
15:30 - "Eu não tenho sorte": Impulsividade e
Vitimização Precoce na Tomada de Decisão
de Dependentes de Crack - Rodrigo GrassiOliveira.
6
Simpósio Neuropsicologia da Impulsividade
Rochele Paz Fonseca
Faculdade de Psicologia, Programa de PósGraduação em Psicologia – Cognição
humana,
Coordenadora
do
Grupo
Neuropsicologia Clínica e Experimental (GNCE)
– PUCRS
Avaliação neuropsicológica da inibição na
normalidade e na patologia: dissociações
entre paradigmas frios e quentes
[email protected]
Um dos principais indícios de dificuldades de
controle da impulsividade é um conjunto de
sinais de desinibição observado em diferentes
procedimentos em um complexo processo de
avaliação neuropsicológica. Tarefas clínicas,
ecológicas e/ou padronizadas de exame
neurocognitivo de componentes das funções
executivas são as que mais classicamente
utilizadas por sua sensibilidade em auxiliar na
identificação de alterações inibitórias. Há dois
tipos clássicos de tarefas de avaliação das
funções executivas: (1) mais voltadas para o
exame
de
componentes
frios
destas
habilidades e (2) mais desenhadas para o
exame de seus componentes quentes. Dentre
os paradigmas mais representativos da primeira
vertente, destacam-se os testes bipartides, que
examinam em uma primeira parte iniciação e
atenção e em uma segunda, inibição, com
observação da flexibilidade cognitiva na
transição da parte que demanda processos
mais automáticos para aquela que requer
processos mais controlados. Na segunda
vertente,
destacam-se
paradigmas
que
investigam tomada de decisão afetiva. Nesta
conferência do Simpósio de Impulsividade,
dados de tarefas bipartides e da tarefa Iowa
GamblingTask serão apresentados a partir dos
resultados da avaliação neuropsicológica de
componentes executivos frios e quentes de
adultos sem diagnóstico neurológico e/ou
psiquiátrico,
com
traumatismo
cranioencefálico, com acidente vascular
cerebral, entre outros. Todos os achados, em
conjunto, levam a importantes reflexões: (1) há
adultos saudáveis e pacientes destes grupos
clínicos que, embora apresentem déficits
cognitivos em outras funções executivas, não
demonstram dificuldades inibitórias em tarefas
bipartides ou de tomada de decisão; (2) há
pacientes com alterações inibitórias em tarefas
de funções executivas frias, mas com
preservação do controle de impulsividade em
tarefa de tomada de decisão; (3) há casos
com déficits em ambos tipos de tarefas. De tal
forma, há indícios de dissociação entre
controle inibitório mais frio verbal e não-verbal,
assim
como
entre
mais
frio
e
predominantemente quente, que devem ser
considerados
nos
diagnósticos
e
planejamentos
de
intervenção
neurocognitivos.
Symone Fernandes Melo
UFRN
Intervenção Neuropsicológica Precoce: Por
quê? Quando? Como?
Desenvolvimento da comunicação mãe-bebê
na Síndrome de Down: subsídios para
intervenção
neuropsicológica
precoce.
Departamento de Psicologia. Universidade
Federal do Rio Grande do Norte.
O
presente
trabalho
aborda
o
desenvolvimento do sistema de comunicação
entre a mãe e seu filho com Síndrome de
Down, discutindoa sua relevância para a
intervenção neuropsicológica precoce.A SD,
cromossomopatiaque
provoca
alterações
globais no processo de desenvolvimento, com
alta incidência na população e possibilidade
de diagnóstico precoce, tem sido alvo de
investigação no campo da Neuropsicologia,
verificando-se importantes avanços no tocante
à
compreensão
de
seu
fenótipo
comportamental. O conhecimento acumulado
possibilita
o
avanço
na
direção
do
desenvolvimento de estratégias de intervenção
em períodos precoces do desenvolvimento,
visando potencializar recursos e minimizar
danos. Considerando o papel da interação
mãe-bebêno desenvolvimento dehabilidades
fundamentais para o neurodesenvolvimento,
busca-se, a partir da perspectiva dos sistemas
dinâmicos,discutir como a compreensão
mocroanalítica do sistema de comunicação
entre a mãe e seu filho com SD,ao
evidenciaras particularidades da construção
conjunta de uma história relacional, possibilita
o
desenvolvimento
de
estratégias
de
7
intervenção voltadas ao desenvolvimento da
linguagem em tais crianças.
MESA:
Intervenções
em
Reabilitação
Neuropsicológica:
diversidades
e
particularidades
Coordenação: Rosinda Martins Oliveira
UFRJ
Andreza Moraes da Silva
Reabilitação
Cognitiva
em
Deficiência
intellectual leve
O
objetivo
desta
apresentação
será
caracterizar
e
discutir
a
Reabilitação
Neuropsicológica em caso de deficiência
intelectual leve e a relevância de um trabalho
com enfoque psicoterapeutico conjugado à
promoção do desenvolvimento cognitivo
nestes casos. Para tal será apresentado um
caso clínico de uma adolescente, atualmente
com 16 anos cursando o 1o ano do ensino
médio.
A paciente
se
encontra
em
atendimento há 2 anos. Será apresentado o
percurso do atendimento, mostrando as
mudanças no foco principal do trabalho
terapêutico ao longo do tratamento desde a
promoção do desenvolvimento de funções
executivas e gerenciamento atencional dentro
do contexto social, privilegiada inicialmente,
até sua aplicação ao contexto acadêmico,
com o progresso do trabalho.
Priscila do Nascimento Marques
Apoio escolar
orientado a partir da
Reabilitação Neuropsicológica
A
abordagem
de
dificuldades
na
aprendizagem no contexto da reabilitação
neuropsicológica e sua conjugação com
apoio escolar será o alvo desta apresentação.
A reabilitação restrita ao atendimento semanal
no consultório em geral se depara com
dificuldade no transfer de habilidades e
conhecimentos adquiridos neste contexto para
o dia-a-dia e, em particular, para as atividades
escolares. Um conjunto de intervenções
domiciliares, desenvolvido com o objetivo de
facilitar este transfer, será apresentado no
contexto de um caso clínico de deficiência
intelectual leve e sua eficácia será discutida.
Conceição Santos Fernandes
Interfaces da Reabilitação neuropsicológica
com psicoterapia
Esta apresentação terá por objetivo retratar as
relações existentes entre as intervenções
praticadas
na
terapia
cognitivocomportamental,
a
reabilitação
neuropsicológica e as neurociências. Será
apresentado um modelo de intervenção que
conjuga
treinamento
cognitivo
com
psicoterapia. A eficácia desse modelo será
discutida através de um caso clínico que inclui
queixas cognitivas e comportamentais, com
avaliação incial e final e intervenção com
duração de 2 anos. Em função deste perfil, a
intervenção incluiu técnicas combinadas de
reabilitação
neuropsicológica
(déficits
executivos e atencionais) e psicoterapia
cognitivo-comportamental (treinamento em
habilidades sociais e manejo de ansiedade).
Iasmin Andrade Gabrig
Intervenção em Neuropsicologia com foco no
treinamento cognitivo
O objetivo desta apresentação será a
caracterização e discussão dos alcances e
limites de uma intervenção de reabilitação
neuropsicológica cujo foco principal tem sido o
treinamento cognitivo. A discussão sera
ilustrada pela reabilitação neuropsicológica de
uma paciente, com duração de um ano, após
AVC, cujo objetivo tem sido o desenvolvimento
das habilidades linguísticas, da organização do
pensamento, do controle atencional e da
memória episódica da paciente. A intervenção
é
implementada
no
contexto
de
aprendizagem de uma nova habilidade: o uso
de equipamentos eletrônicos como notebook
e tablet. O tratamento será descrito e serão
discutidas as evidências de incremento nas
habilidades treinadas e seus efeitos gerais sobre
a qualidade de vida da paciente.
Neander Abreu
Universidade Federal da Bahia
Neuropsicologia
e
Neurotoxicologia:
Explorando os efeitos da exposição ambiental
a metais e seus efeitos sobre o funcionamento
neuropsicológico
Diversos estudos têm investigado os efeitos
sobre a saúde da exposição a metais tais
8
como o chumbo e manganês, que podem
gerar contaminação através da água ou ar.
Apesar da literatura indicar
prejuízos
cognitivos, há ainda poucas investigações
sobre efeitos neuropsicológicos específicos em
crianças, adultos e idosos expostos a estas
substâncias. Estudos neuropsicológicos nesta
área podem contribuir para diversas ações,
incluindo a descrição precisa dos possíveis
efeitos cognitivos e comportamentais de
exposição ambiental a estes elementos. Serão
apresentados dados de estudos recentes
desenvolvidos no país, incluindo investigação
neuropsicológica sobre o desempenho de
crianças e adultos expostos ao manganês em
pessoas vivendo em comunidades expostas a
metal através do ar e água. Efeitos
neuropsicológicos e comportamentais tais
como sobre as funções executivas, atenção e
impulsividade
serão
apresentados.
Os
resultados dos estudos que vem sendo
realizado na área no Brasil e no mundo devem
ser alvo de atenção de profissionais e
pesquisadores em neuropsicologia, uma vez
que envolvem o diagnóstico e indicam
necessidade de intervençãoo de estimulação
e reabilitação cognitiva.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Ana Carolina de Almeida Prado; Annelise JúlioCosta; Andressa Moreira Antunes; Vitor Geraldi
Haase
Tarefas de habilidades somatossensoriais e
cognição incorporada em crianças em idade
escolar.
Os instrumentos neuropsicológicos Gnosias
Digitais e Orientação Direita-Esquerda podem
ser úteis na avaliação de habilidades
somatossensoriais em crianças em idade
escolar. A primeira tarefa consiste em se tocar
os dedos da criança, ora com sua mão visível,
ora escondida; em seguida, dois dedos são
tocados simultaneamente, com sua mão
escondida. A criança deverá, então, nomear
o(s) dedo(s) tocado(s), apontá-lo(s) em um
desenho (folha de estímulo da tarefa) ou falar
seus números. A segunda tarefa consiste em
comandos de identificação dos lados direito e
esquerdo, usando como referenciais partes do
corpo.
Estas
tarefas
são
ferramentas
importantes na avaliação do raciocínio
espacial, orientação corporal e esquema
corporal, sendo, portanto, importantes no
âmbito neuropsicológico, uma vez que as
dificuldades de nomeação/localização dos
dedos
e
diferenciação
dos
lados
direito/esquerdo podem estar associadas a
transtornos do desenvolvimento ou indicar
sintomas de síndromes genéticas. Além disso, a
consistência interna dos instrumentos é alta
(GD: KR-20=0,79; D/E: KR-20=0,80) e estudos
exploratórios mostram que crianças com
dificuldades de aprendizagem da matemática
têm um desempenho significativamente inferior
nestas tarefas.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Luciane Piccolo
Apresentação do NEUPSILIN-INF e tarefas e
avaliação de leitura
O objetivo da conferência é apresentar uma
bateria de avaliação neuropsicológica breve,
e instrumentos de avaliação da leitura de
palavras e compreensão textual para crianças
brasileiras. O Instrumento de Avaliação
Neuropsicológica Breve Infantil–NEUPSILIN-INF é
constituído de tarefas que avaliam diferentes
funções
neuropsicológicas:
atenção,
orientação temporal e espacial, memória,
linguagem, habilidades aritméticas, funções
executivas,
linguagem
oral
e
escrita,
habilidades visuoconstrutivas e percepção. A
bateria foi normatizada para a população
brasileira infantil de 6 a 12 anos de idade, de
pré-escola até a 7ª série de escolas públicas e
particulares. Outro instrumento permite a
avaliação da precisão na leitura oral de
palavras/pseudopalavras isoladas, que variam
em suas características psicolinguísticas de
regularidade,
lexicalidade,
extensão
e
frequência de ocorrência na língua. Possui
normas para crianças brasileiras de 1º a 7º ano
escolar, de escolas púbicas e privadas. Por fim,
há duas tarefas para avaliar a compreensão
textual, com extensão e níveis de legibilidade
apropriados para a escolaridade da amostra.
As tarefas de reconto e questionário a partir da
história “A Coisa” permitem avaliar crianças de
1º a 3º anos e as mesmas tarefas a partir da
9
história “O Coelho e o Cachorro” avaliam
crianças de 4º ano até a 6ª série. Os escores
normativos estão divididos por anos completos
de escolarização e tipo de escola.
Palavras-chave: avaliação neuropsicológica,
leitura, compreensão textual.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Rodolfo Santos Flaborea
Instituto de Psicologia (USP) - Departamento de
Psicologia Experimental
Aplicações Diagnósticas da bateria CANTAB
na Doença de Alzheimer
A
bateria
CANTAB
(Cambridge
Neuropsychological Automated Test Battery) é
um software de avaliação neuropsicológica
formado por 22 testes capazes de analisar
diversos domínios cognitivos, como funções
executivas, atenção, memória, entre outros.
Sua aplicação se dá por meio da interação do
paciente com uma tela touchscreen de um
computador. O avaliador, por sua vez, apenas
fornece as instruções para cada tarefa,
enquanto que o registro dos diversos
parâmetros de cada um dos testes é realizado
pelo próprio programa. No campo das
demências, a bateria CANTAB tem mostrado
potencial no diagnóstico precoce e na
diferenciação de alguns subtipos dessa
condição. Mais particularmente, escores do
teste Paired Associates Learning (PAL), um teste
de
memória
vísuo-espacial,
mostraram
utilidade tanto como (1) marcadores clínicos
para risco de conversão de demência
questionável para Doença de Alzheimer (DA)
como (2) parâmetros de especificidade para a
DA, em comparação com depressão,
demência
fronto-temporal
e
demência
semântica. Tais características provavelmente
se devem ao fato de as tarefas do teste PAL
demandarem o funcionamento de estruturas
hipocampais, que são especialmente afetadas
pela neuropatologia da Doença de Alzheimer.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Joice Dickel Segabinazi, Jerusa Fumagalli de
Salles, Denise Ruschel Bandeira, Clarissa Marceli
Trentini, Claudio Simon Hutz
Teste de Retenção Visual de Benton: estudos
brasileiros
Investigações das propriedades psicométricas
de instrumentos neuropsicológicos contribuem
para o uso apropriado desses testes. OBenton
Visual Retention Test ouTeste de Retenção
Visual de Benton (BVRT) é internacionalmente
utilizado para avaliação do processamento
perceptivo, da memória visual e das
habilidades visoconstrutivas. Com o intuito de
agrupar evidências de validade do teste em
amostras brasileiras um manual para o teste foi
organizado. Os capítulos do manual brasileiro
do BVRTapresentam pesquisas originais que
abordaram diversas fontes de validade. Os
autores revisaram as principais funções
cognitivas avaliadas pelo BVRT e os critérios de
pontuação
do
teste,
investigaram
a
confiabilidade e correlações com outros testes
que
avaliam
construtos
semelhantes,
construíram normas de desempenho para
crianças, adolescentes e idosos saudáveis, e
pesquisaram a execução do teste em
diferentes
grupos
clínicos.
Estudos
complementares
continuam
investigando
aspectos psicométricos do teste por meio da
Teoria da Resposta ao Item e Modelosde
Equações Estruturais e do desempenho no
teste de pacientes que tiveram Acidente
Vascular Cerebral.
Palavras-chave:Teste de Retenção Visual de
Benton; evidências de validade; avaliação
neuropsicológica; memória visual.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Mirella Liberatore Prando
PUCRS
Discurso Narrativo Infantil (Prando, Casarin,
Scherer, Ska, Parente, Joanette & Fonseca, in
press)
A Tarefa Discurso Narrativo Infantil foi
adaptada da Bateria Montreal de Avaliação
da Comunicação – Bateria MAC (Fonseca et
al, 2008) para uma versão destinada a avaliar
crianças de 6 a 12 anos de idade.
Originalmente, constitui um dos quatro
processamentos
comunicativos
orais
investigados, o processamento discursivo, que
além de envolver subcomponentes linguísticos
complexos, investiga de modo subjacente
10
alguns componentes executivos, mnemônicos
e atencionais. A tarefa é composta pelo
reconto parcial (informações essenciais e
presentes), o reconto integral, compreensão
(questões sobre o texto) e processamento
inferencial. Quatro etapas constituíram o
processo de adaptação: 1) Adaptação de
Termos do Texto Original; 2) Análise das
Proposições do texto original e da versão
adaptada; 3) Análise de Juízes Especialistas e
4) estudo piloto, sempre intermediadas pela
análise dos autores da nova versão gerada
após mudanças, em contato constante com os
autores do instrumento original. A sua
aplicação requer cerca de 10 a 15 minutos.
Para cada etapa da tarefa foram construídas
normas de desempenho a partir de uma
amostra de 319 crianças com desenvolvimento
típico distribuídas em dois grupos por tipo de
escola (n=160 de escola privada e n=159 de
escola pública) e 7 grupos por idade, de 6 a 12
anos.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Marjorie R M E Moraes, Silvia A P Bolognani,
Sabine Pompeia, Monica C Miranda, Orlando F
A Bueno
Estórias Alternativas da bateria Wechsler
Memory Scale – Revised (WMS-R)
Correspondência: [email protected]
O teste Memória Lógicada WMS-R é composto
de duas estórias relatadas ao paciente e
evocadas de maneira verbal imediatamente e
após 30 minutos, ou seja, avalia a recordação
imediata e tardia. Bolognani et al., (2010)
desenvolveram
seis
estórias
alternativas
quetem uma estrutura geral baseada em
quatro conteúdos temáticos: apresentação do
personagem,
conflito,
agravante/complemento
e
resolução,
semelhante a WMS-R. Em 2013, Martins e
colaboradores fizeram amplo estudo a fim de
analisar as propriedades psicométricas, bem
como critérios de correção.
As 6 estórias que levam o nome dos
personagens
principais
são:
Maria
da
Conceição; Suzana Borges; Regina Cardoso;
Luís Marques; José Oliveira; Alberto Lemos. Em
todas são analisadas e pontuadas seguindo
alguns critérios aceitos para recordação, sendo
1 ponto para cada item aceito, podendo se
chegar ao máximo de 25 pontos por estória.
Por exemplo: Maria =1 ponto; da Conceição=
1ponto; nenhum ponto para qualquer outro
nome; do sertão = 1 ponto para Soares ou
sinônimos como interior; do Ceará = 1 ponto ou
sinônimo como Cearense. As estórias foram
desenvolvidas com intuito de evitar que haja
efeito de prática em testagens repetidas como
em casos de avaliação pré e pós-operatória
de pacientes.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Mirella Liberatore Prando
PUCRS
Pedro no Acampamento – um software de
estimulação cognitiva(CTS Informática – Santos,
Prando, Casarin & Frison, 2012)
Pedro no Acampamento é um software criado
especificamente para a estimulação e/ou
habilitação das funções cognitivas de crianças
a partir dos cinco anos. Fundamentado em
teorias
da
Neuropsicologia
e
das
neurociências, tem por objetivo promover, de
forma lúdica, o desenvolvimento e o
aperfeiçoamento de funções cognitivas como
atenção (concentrada, seletiva, dividida e
sustentada), percepção, nas modalidades
visual e auditiva, planejamento espacial,
memória
episódico-semântica
viso-verbal,
memória de trabalho (operacional), linguagem
oral
/
processamento
de
inferências,
linguagem escrita (vias de decodificação da
leitura) e funções executivas. Propõe a seleção
de tarefas a serem executadas e/ou uma
sequência pré-definida. Oportuniza selecionar
a presença ou não de ruído de fundo em todos
os jogos para estimular a atenção seletiva
auditiva, além de utilizar pausas nos jogos para
melhor conduzir o processo terapêutico, como
também verificar o desempenho do paciente
por intermédio de relatórios e comparar o
tempo de execução de cada tarefa. A sua
construção envolveu uma ampla variabilidade
de
estímulos
apresentados
de
forma
aleatorizada. O nível de complexidade em
cada tarefa se dá de maneira progressiva e o
avanço para níveis mais elevados só é possível
mediante a obtenção de acertos esperados
em cada fase. Desse modo, é possível a sua
11
utilização com uma faixa etária mais
abrangente, a apresentação de graus de
dificuldade distintos, além da possibilidade de
estimular no jogador a tolerância e a
persistência.
Juízes
especialistas
com
background em neuropsicologia analisaram os
estímulos e a proposta das tarefas. Estudos
futuros serão conduzidos no campo na
neuropsicologia educacional.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Fabiola Schwengber Casarin
PUCRS
Bateria
Montreal
de
Avaliação
da
Comunicação – versão abreviada – MAC B
A Bateria Montreal de Avaliação da
Comunicação Breve – Bateria MAC Breve foi
adaptada para o Português Brasileiro do
instrumentos original canadense Protocole
Montréal d’Évaluation de La Communication
de Poche - Protocole MEC de Pochee da
versão expandida brasileira a Bateria MAC.
Examina
quatro
processamentos
comunicativos
orais
principais:
léxicosemântico (nível da palavra e da sentença),
prosódico (prosódia em sentenças e no
discurso), pragmático e discursivo (nível de
sentença e discurso com processamento de
inferências). Além de duas tarefas com
subtestes de leitura e escrita. O tempo médio
total de aplicação é 40 minutos. Esse
instrumento auxilia o diagnóstico de distúrbios
comunicativos, com normas, validade e
confiabilidade para indivíduos entre 19 e 75
anos de idade e diferentes níveis de
escolaridade. Inúmeros quadros neurológicos
(p.ex. pacientes com lesão em hemisfério
direito,
traumatismos
crânio-encefálico,
demências)
e/ou
psiquiátricos
(p.ex.
esquizofrenia, transtornos de humor) podem
apresentar sequelas cognitivo-comunicativas
envolvendo
um
ou
mais
destes
processamentos. Essa avaliação auxilia no
diagnóstico
e
programa
terapêutico
adequado a cada caso.
Centro
de
Estudos
Neuropsicologia (CEAN)
Thiago Rivero
UNIFESP
Avançados
em
Neurogames – estimulação cognitiva jogando
videogames
Nas ultimas décadas, com o advento de
tecnologias cada vez mais poderosas e mais
moveis, uma revolução no campo de
instrumentos e ferramentas de suporte para
tratamento neuropsicologico ocorreu. Entre
todas as tecnologias, o video game vem
ganhando cada vez mais notoriedade por
colaborar na criacao de simulacoes de
situacoes de vida diaria, na motivacao e no
engajamento de pacientes em seus protocolos
de
tratamento.
A
rede
NeuroGames
desenvolve
um trabalho de congregar
pesquisadores de diversos campos do estudo
do
video
game
e
da
reabilitacao
neuropsicologica, para criacao de metodos e
instrumentos baseados em evidencia que
tenham foco no treinamento e tratamento de
diversos transtornos neuropsiquiatricos.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Natália Martins Dias
Universidade Presbiteriana Mackenzie
Programa de Intervenção em Autorregulação
e Funções Executivas_PIAFEx
Funções executivas (FE) permitem o controle
de comportamentos, cognições e emoções.
São
habilidades
fundamentais
à
aprendizagem, ao desenvolvimento sócioemocional e funcionamento adaptativo. No
âmbito
internacional,
programas
para
promoção de FE em crianças têm sido
desenvolvidos
e
testados.
No
Brasil,
desenvolvemos o Programa de Intervenção
emAutorregulação e Funções Executivas –
PIAFEx. O programa possui 10 módulos básicos
e um complementar: M1–Organização de
Materiais/Rotina e Manejo do tempo; M2Organização de ideias, estabelecimento de
objetivos e planos: estratégias para o dia a dia;
M3-Organização de ideias, estabelecimento
de objetivos e planos: Atividades de
estimulação;
M4-FE
nas
Atividades
Físicas/Motoras; M5-Comunicação e Gestão de
conflitos;M6-Regulando
emoções;
M7Trabalhando com colegas – oportunidade de
exercitar a hétero e autorregulação; M8Jogando com os significados das palavras; M9Conversando sobre as atividades; M10-A
12
Brincadeira Planejada;Módulo ComplementarO Diário de Nina.OPIAFExfoi eficaz em
promover o desenvolvimento de FE em
crianças de 5-6 anos. Houve generalização de
ganhos para medidas de comportamento e
aprendizagem.
Palavras-chave: autorregulação, intervenção
precoce, desenvolvimento infantil. Fomento:
FAPESP
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Karin Zazo Ortiz
Bateria Montréal-Toulouse de Avaliação da
Linguagem
A adaptação de um instrumento que se
destina a avaliação de linguagem não é um
processo simples e demanda muitos anos de
estudo e equipes com diversos especialistas em
diferentes áreas de conhecimento. Além disso,
requer grupos operacionais de trabalho, para
que o instrumento possa ser testado na
população saudável e para que possa ser
revisado quantas vezes for necessário, até que
se consiga o instrumento mais adequado à
determinada população. Com a Bateria MTLBrasil não foi diferente: ela passou por anos de
estudo até que se pudesse apresentar sua
forma final.
A partir da decisão que seria feita uma nova
versão adaptada do Protocole MontrealToulouse d’examenlinguistique de l’aphasie MT86, um grupo de pesquisadores se reuniu para
esta tarefa, que se iniciou com a tradução e
retrotradução do manual de instruções e do
livro de estímulos. Após esta etapa os estímulos
passaram por uma etapa de reconhecimento
poulacional, os desenhos foram refeitos, a folha
de marcação aprimorada. Também houve a
análise dos juízes especialistas. Considerandose os modelos da neuropsicologia cognitiva
que buscam explicar subprocessamentos
linguísticos, para as diversas tarefas foram
consideradas pseudopalavras e palavras e
ainda
efeitos
como
imageabilidade,
concretude e frequência. O teste foi aplicado
em
500
indivíduos
adultos
saudáveis,
considerando-se variáveis sociodemográficas
que sabidamente interferem no desempenho
cognitivo como idade e escolaridade.
Finalizado o estudo, consideramos que
obtivemos um instrumento útil para a avaliação
de linguagem em adultos com lesão cerebral,
primeiro instrumento feito, estudado e
publicado no Brasil.
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Breno Vieira
Bateria Brasileira para Avaliação de Teoria da
Mente
Teoria da Mente (ToM) é a habilidade de inferir
os estados mentais, pensamentos e intenções
das outras pessoas. A investigação da ToM tem
sido motivada, uma vez que esta habilidade
reflete
a
intercepção
entre
funções
neuropsicológicas
e
a
expressão
comportamental, em especial em ambientes
sociais. Portanto, diversos métodos de
investigação já foram desenvolvidos para
testar a ToM, sendo que entre estes, três são os
principais paradigmas de avaliação – (1) o de
abstração não verbal de estímulos, (2) o de
discurso indireto e (3) o de crenças falsas.
Nesse sentido, este trabalho apresenta uma
bateria brasileira de avaliação da ToM. A
bateria conta com uma das principais tarefas
de cada um dos paradigmas: o Reading the
Mind in the Eyes (1); o Hinting Task (2); e
o ToM Stories (3).
Centro
de
Estudos
Avançados
em
Neuropsicologia (CEAN)
Larissa de Souza Siqueira
Teste
Hayling
Infantil:
Avaliação
dos
componentes executivos iniciação, inibição e
flexibilidade cognitivo-verbais
O Teste Hayling (Burgues e Shallice, 1997) é
uma
tarefa
conhecida
por
avaliar
componentes das funções executivas (FE)
como
iniciação,
inibição,
flexibilidade
cognitiva e velocidade de processamento na
modalidade verbal. Divide-se em duas partes:
na Parte A, as sentenças devem ser
completadas com palavras relacionadas à
frase; na Parte B, os participantes devem
completar as frases com palavras não
relacionadas. O processo de desenvolvimento
da versão infantil do Teste Hayling para o
Português
Brasileiro
envolveu
alguns
procedimentos,
como
(1)
tradução,
13
retrotradução, tradução comparada e ajustes
linguísticos
nas
instruções,
normas
de
pontuação e nos estímulos; (2) construção de
novos estímulos; (3) estudo piloto de análise dos
novos estímulos com crianças de ambos os
sexos, de escolas pública e privada, com idade
entre 6 e 12 anos, analisando-se a frequência
de respostas em cada frase. As sentenças
foram classificadas considerando-se critérios
psicolinguísticos para que a tarefa cumprisse
seu objetivo de examinar componentes
executivos verbais. No procedimento (4)
análise de juízes especialistas dos conjuntos
instruções-estímulos, considerou-se um mínimo
de 80% de concordância nos julgamentos dos
componentes executivos avaliados pelo
instrumento. O procedimento (5) é o estudo
piloto com administração do instrumento em
sua versão final em crianças de 6 a 12 anos, de
escolas
públicas
e
privadas.
Esses
procedimentos são necessários para que um
teste de FE, como o Hayling, seja apto para
avaliar habilidades executivas em crianças,
para obtenção de dados normativos e
evidências psicométricas, e discriminativo na
clínica neuropsicológica.
Marina Leite Puglisi
Universidade de São Paulo
Funções executivas e linguagem: dissociação
ou dependência?
“Funções executivas” (FEs) é um termo
abrangente utilizado para identificar os
processos cognitivos envolvidos no controle de
pensamentos e comportamentos complexos,
direcionados a um objetivo. Embora o conceito
de FEs não seja novo, apenas mais
recentemente – especialmente na última
década – o tema tem sido extensamente
explorado nas ciências cognitivas. Este
crescente interesse reflete, por um lado, a
busca por um melhor entendimento sobre
modelos teóricos que embasem as FEs; por
outro, a necessidade de explorar e caracterizar
o funcionamento executivo em diferentes
distúrbios do desenvolvimento. Ainda assim,
relativamente pouco se sabe sobre estrutura e
o desenvolvimento das FEs, e sua relação com
outras habilidades cruciais para a vida, como
por exemplo a linguagem.
Esta palestra tem o intuito de discutir modelos
de FEs e linguagem a partir de evidências
científicas atuais, tanto no desenvolvimento
típico quanto atípico (distúrbio específico de
linguagem). Serão discutidas as implicações
clínicas e teóricas, bem como perspectivas
científicas futuras na área.
Tatiane Cristina Ribeiro
UNIFESP
Transtornos do Espectro Autista
O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um
conjunto de fenótipos clínicos que afeta a
comunicação,
sociabilidade
e
comportamento. O TEA é um transtorno do
neurodesenvolvimento de início precoce que
acomete cerca de 1% da população. O
diagnóstico é clínico e não existe, até o
momento, exames que o confirmem. Com
base nos resultados dos testes de Cognição
Social, a avaliação neuropsicológica pode
contribuir para o diagnóstico, em especial os
testes de Teoria da Mente (ToM) que
frequentemente aparecem deficitários nos
pacientes com TEA. Para isso, a avaliação
neuropsicológica tem como objetivo fornecer
padrões de fraquezas e forças nas habilidades
cognitivas, porém não há um modelo cognitivo
que forneça uma explicação completa sobre
a multiplicidade das apresentações clínicas no
TEA. Resultados de estudos neurobiológicos em
indivíduos do espectro autista indicam que há
processamento afetado nos lobos frontais,
relacionado
com
déficits
em
funções
executivas (FE). As FE podem se referir a uma
variedade de funções incluindo memória de
trabalho, planejamento, controle de impulsos e
flexibilidade mental. Pesquisas mostram que
crianças com TEA apresentam dificuldade em
controle inibitório e flexibilidade mental que
pode se refletir em um padrão mais rígido e
concreto, eventualmente se expressando em
um comportamento perseverativo. Estudos
mostram que há uma correlação positiva entre
FE e ToM. A disfunção executiva pode também
explicar os comportamentos repetitivos e
interesses restritos, o que parece contribuir para
dificuldades em flexibilizar o pensamento e por
conseguinte se colocar no lugar do outro e/ou
atribuir intencionalidades. O nível de eficiência
intelectual parece não contribuir para as
14
dificuldades em FE nos indivíduos com TEA,
podendo assim serem atribuídas mais aos
sintomas do TEA. A importância do estudo de
FE no TEA está no fato de que as FE são
importantes para o funcionamento diário,
comportamento adaptativo do dia a dia,
competência
social
e
desempenho
acadêmico.
Marcelo Camargo Batistuzzo
Universidade de São Paulo
Transtorno Obsessivo-Compulsivo
O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)
acomete de 1 a 3% da população ao longo da
vida. O modelo neurobiológico do TOC,
baseado em estudos de neuroimagem,
pressupõe o envolvimento de regiões do córtex
pré-frontal, tais como o córtex órbito-frontal
(COF) e o cíngulo anterior, bem como regiões
dos gânglios basais como o núcleo caudado,
globo pálido e putâmen. Inúmeros estudos
indicam que, mesmo em estado de descanso
(em repouso), essa circuitaria fronto-estriatal
estaria hiperativada nos pacientes em relação
aos controles saudáveis. Em paralelo a isso, a
literatura
neuropsicológica
da
área
frequentemente indica déficits em funções
cognitivas nos pacientes com TOC, em
especial em funções executivas e na memória
visuo-espacial. Tais dificuldades em testes
neuropsicológicos corroboram o modelo
neurobiológico proposto para o transtorno,
uma vez que as funções executivas estão
diretamente relacionadas ao córtex pré-frontal.
Assim, as dificuldades em funções executivas
de pacientes com TOC poderiam estar
relacionadas a prejuízos do funcionamento das
estruturas cerebrais acima ressaltadas. Na
tentativa de explicar os déficits de memória
dos pacientes com TOC, inúmeras hipóteses já
foram elaboradas, entre elas: a) a própria
repetição dos sintomas de checagem poderia
levar a dúvidas sobre a condição do objeto
checado; b) a confiança na própria memória
(metamemória) também poderia levar a
prejuízos na evocação; c) a codificação
desnecessária de estímulos sem relevância em
detrimento a estímulos relevantes poderia
acarretar em dificuldades na evocação e d) a
hipótese da mediação, na qual os déficits
mnêmicos seriam secundários a problemas de
funções executivas, em especial organização e
planejamento. Esta última hipótese foi
estudada tanto para estímulos verbais como
para não-verbais, sendo consistente em ambos
os casos. Na prática, o maior problema dos
pacientes com TOC parece estar na
codificação dos estímulos, pois não há, na
literatura, estudos que tenham apresentado
prejuízos na memória de reconhecimento
destes pacientes: uma vez que os pacientes
conseguem
registrar
e
consolidar
a
informação,
conseguem
retomá-las
posteriormente. Além do mais, se estratégias
para melhorar a codificação dos estímulos
forem explicitamente ensinadas aos pacientes,
eles não apresentam dificuldades em utilizá-las,
e melhoram seu desempenho. Por isso,
pesquisas que enfocam o treinamento das
funções executivas, em especial o manejo e a
utilização
de
estratégias,
vêm
sendo
conduzidas em pacientes com TOC. Tais
pesquisas são promissoras para o campo, pois
além da melhora dos próprios déficits
executivos e mnêmicos, também há, na
literatura, relatos de melhora dos sintomas
obessivo-compulsivos após esses treinamentos.
Portanto,
os
resultados
dos
estudos
neuropsicológicos
com
intervenções
e
treinamentos indicam que a intervenção com
foco nos déficits executivos dos pacientes com
TOC pode ser uma alternativa aos tratamentos
convencionais. Possibilitar um alívio da
sintomatologia do transtorno é crucial pois, os
casos mais graves chegam a apresentar sérios
prejuízos nos âmbitos social e profissional.
Annelise Júlio-Costa
Universidade Federal de Minas Gerais
Neurogenética comportamental: influências da
dopamina na cognição numérica
A Catecol-O-metil transferase (COMT) é uma
enzima de degradação de catecolaminas,
sendo muito importante no metabolismo da
dopamina, com forte expressão em áreas préfrontais do cérebro. Um polimorfismo funcional
da COMT (val158met) tem sido associado com
funções cognitivas, tais como memória de
trabalho e cognição numérica. Entretanto, os
dados ainda são escassos em relação a
população infantil. O objetivo do estudo que
será apresentado foi investigar as associações
15
entre COMT, memória de trabalho e cognição
numérica. Crianças em idade escolar foram
submetidas a aplicação de uma bateria
neuropsicológica e uma bateria de cognição
numérica. Posteriormente, foram divididas de
acordo com o polimorfismo val158met da
COMT. Não foram constatadas diferenças
demográficas, intelectuais e nem no domínio
de memória de trabalho entre os grupos. Por
outro lado as crianças com pelo menos uma
cópia do alelo de metionina apresentaram
melhor desempenho em todas as tarefas de
cognição numérica. Os resultados sugerem
que a modulação dopaminérgica relacionada
a enzima COMT pode estar envolvida
especialmente no desempenho numérico de
crianças. As implicações desses resultados
abarcam as práticas educacionais e uma
possível direção de investigação de um
endofenótipo relacionado ao transtorno de
aprendizagem na matemática.
Bruno Kluwe Schiavon
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande
do Sul
Aspectos frios e quentes da Tomada de
Decisão: o uso do CCT
Ainda
são
poucos
os
instrumentos
desenvolvidos
para
investigar
os
comportamentos de risco a partir de modelos
normativos e descritivos dos processos de
tomada de decisão, focando principalmente
nos modelos de duplo-processamento da
informação. Neste sentido, o Columbia Card
Task
(CCT)
é
um
jogo
de
cartas
computadorizado composto por três tarefas
distintas (CCT-c, CCT-h1, CCT-h2), além de dois
questionários (QNE, QEU). O CCT-h1 e o CCT-h2
investigam os processos afetivos (quentes) e o
CCT-c os processos deliberativos (frios)
envolvidos da tomada de decisão. O QNE
investiga o quanto a pessoa tende a se expor a
situações que eliciam respostas emocionais
intensa no dia-a-dia, o QEU é aplicado após
cada uma das tarefas para investigar o quão
deliberativas ou afetivas foram as estratégias
utilizadas pelo participante. Baseado na
perspectiva desenvolvimental dos modelos de
duplo-processamento, pretende-se adaptar e
validar este instrumento versátil, que poderá
suprir algumas lacunas referentes ao uso de
informações na tomada de decisão e o papel
que estratégias de regulação emocional
desempenham no padrão de escolhas de
risco.
Mesa: Fenomenologia, Neurofenomenologia e
Pesquisa Experimental
Leonardo Lana de Carvalho
Thiago Gomes de Castro
Luciano da Silva Alencastro
As relações entre fenomenologia e ciências
cognitivas vêm sendo estudadas nos últimos 20
anos por um movimento científico denominado
naturalização
da
fenomenologia.
Nesse
contexto, o retorno à fenomenologia tende a
uma integração experimental entre as
evidências da pesquisa indireta com processos
básicos e a descrição direta da respectiva
experiência consciente. A linha de pesquisa
reconhece a não sincronia entre algumas
respostas perceptivas e a subsequente tomada
de consciência, mas procura investir na
pesquisa das dinâmicas intencionais préreflexivas do corpo na resolução de tarefas. Os
interesses metodológicos desse encontro
repousam nos acréscimos que ensaios
controlados sobre a fenomenalidade da
experiência consciente podem fornecer para
investigações com populações clínicas e não
clínicas. As exposições da mesa-redonda
evidenciam o processo de incorporação da
fenomenologia nas ciências cognitivas através
de três eixos: 1) diferenciação dos sentidos de
cognição e consciência nas epistemologias
das ciências cognitivas contemporâneas; 2)
identificação
do
aporte
teórico
entre
fenomenologia e experimentação científica
com percepção e ação; e 3) ilustração da
interface
fenomenologia-cognição
pela
explanação de modelos na pesquisa com
depressão.
Thiago Gomes de Castro
PUC-PR/UFGRS
Fenomenologia Experimental e Teoria Enativa
da Percepção: Exemplo Efeito Simon
O
processo
de
naturalização
da
fenomenologia nas ciências cognitivas indica
uma convergência com a ascensão de
16
modelos
enativos
de
investigação da
percepção. Ainda que de origens histórica e
epistemológica distintas, fenomenologia e
teoria
enativa
concordam
quanto
à
delimitação de uma natureza operante e
proposicional em processos básicos. Desponta
nessas literaturas a noção de emergência, que
embora se destaque nos últimos 30 anos, tem
sua origem em 1875. O conceito denota a
ideia de uma cooperação não concorrente
entre forças ou variáveis para a explicação de
um fenômeno. Nesse caso, a soma das forças
não explica a ocorrência do fenômeno,
portanto a investigação não deve se balizar
pela causalidade do resultado, mas pela
organização do campo perceptivo. Exemplo
concreto de observação de modelos distintos
na explicação da percepção espacial é o
efeito Simon. Mesmo com resultados robustos
ao longo das décadas, o efeito tem sido
rediscutido como decorrência de novos
resultados
gerados
pela
variação
da
percepção
em
inovadores
settings
experimentais (Fenomenologia Experimental).
Nesse panorama, desponta o embate entre as
teorias
enativas
e
os
modelos
de
processamento da informação, que buscam
resguardar a melhor compreensão científica
sobre as atualizações da percepção espacial.
Leonardo Lana de Carvalho
UFVJM
Cognição, Consciência e Epistemologia nas
Ciências Cognitivas
Uma perspectiva emergentista e sistemas
complexos vem modificando o modo de
entender
a
cognição
e
também
a
consciência. O ponto de vista emergentista é
caracterizado como uma posição materialista
alternativa ao eliminacionismo e à identidade
mente-corpo. Como posição materialista, o
emergentismo apresenta fortes críticas ao
dualismo cartesiano e ao dualismo de
propriedades. Como defende J. Searle, um de
seus mais fervorosos defensores, a consciência
pode ser vista como um sistema emergente
causalmente eficaz, o que contraria a tese
epifenomenalista,
tão
influente
no
behaviorismo quanto no cognitivismo. Trazendo
novos ares para as Ciências Cognitivas, o
emergentismo é baseado em uma análise da
mente em termos de estrutura, processos e
propriedades.
Sendo
a
consciência
propriedade emergente, ela é irredutível aos
elementos estruturais ou aos processos do
sistema, mas consiste em qualidades, em
experiências
subjetivas.
Todavia,
uma
investigação de cunho histórico em ciências
cognitivas não pode deixar de notar as
influências das escolas psicológicas na
construção do emergentismo. Destaca-se aqui
o conceito de Gestalt Qualitäten de Chistian
von Ehrenfels (1859-1932) e também de
Gestalten de Wolfgang Köhler (1887-1967) que
refere-se às propriedades gerais mas também
denota a unidade ou a entidade concreta que
tem como atributo uma forma, uma
característica ou um formato específico.
Luciano da Silva Alencastro
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
A integração de dados cognitivos, narrativos e
corpóreos na fenomenologia da depressão
Foi investigada a relação entre escore de
depressão e variáveis verbais (prosódia e
coerência narrativa), verificando também se
existem diferenças no padrão prosódiconarrativo-motor da depressão não-melancólica
e melancólica. Participaram 15 pacientes com
diagnóstico de depressão, avaliados através
dos seguintes instrumentos: 1) Mini International
Neuropsychiatric
Interview
(MINI-Plus),
2)
Hamilton Depression Rating Scale (HAM-D); 3)
Beck Depression Inventory – BDI); 4) The CORE
Assessment of Psychomotor Change, 5)
Avaliação da Atividade Motora através do uso
do actígrafo durante 7 dias; 6) Avaliação da
prósódia através do relato verbal de três
eventos de vida e do uso do software Praat. O
escore de depressão associou-se a: 1) maior
velocidade e menor extensão do relato do
evento mais feliz; e 2) déficit na expressão das
emoções e avaliações nos três eventos. A
depressão melancólica, por sua vez, associouse a: 1) diminuição na amplitude da frequência
fundamental; e 2) baixos escores de coerência
narrativa no relato autobiográfico. Foi
evidenciado um padrão global de diminuição
na movimentação em pacientes com
depressão melancólica – tanto em relação aos
aspectos vocais quanto aos aspectos motores.
Esta
investigação
buscou
integrar
a
17
subjetividade da perspectiva de primeira
pessoa (relato autobiográfico verbal) e a
objetividade de ferramentas tecnológicas
(software Praat e actigrafia).
Lisiane Bizarro
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
A Popularização da Psicologia
Ao
reconhecermos
a
importância
da
popularização da ciência, percebemos que a
psicologia, se comparada a outras ciências
como a química, a física e a biologia, está
longe do conhecimento do público geral. Não
há na educação formal informação sobre
comportamento, psicopatologias, emoções,
memória, personalidade ou inteligência, por
exemplo. A popularização da ciência em
geral e em especial a da psicologia podem
contribuir para incrementar a aplicação da
ciência e o diálogo entre academia e prática
profissional; para atrair os melhores alunos para
os cursos de psicologia; para estimular a
investigação
científica,
a
formação
continuada e a prática baseada em
evidências; e para valorizar a profissão e o
profissional. Mas quem fará a popularização da
psicologia? Discutiremos a popularização da
psicologia na formação de psicólogos,
professores de psicologia e pesquisadores e
como
a
formação
de
cidadãos
psicologicamente letrados poderá contribuir
para o bem estar e a saúde mental.
Mesa: Genética do Comportamento e
Transtornos do Desenvolvimento
Coordenação: Claudia Berlim de Mello
(UNIFESP)
Leslie Domenici Kulikowski (USP);
Ana Luiza Pilla (UNIFESP);
Claudia Berlim de Mello (UNIFESP)
Leslie Domenici Kulikowski
HC, Universidade de São Paulo
Citogenômica aplicada ao diagnóstico e
investigação
em
transtornos
do
neurodesenvolvimento
Estudos em doenças neurológicas tem
mostrado
que
processos
genéticos
e
epigenéticos
desempenham
um
papel
fundamental nas funções cognitivas. O estudo
da variação do numero de cópias gênicas e a
investigação do perfil de metilação do DNA
são alguns exemplos. Nesse sentido, discutimos
a utilização das técnicas citogenômicas para
fins de diagnóstico e investigação científica.
Relatamos os parâmetros críticos para a
implementação bem sucedida dessas novas
tecnologias, bem como o impacto econômico
e os potenciais benefícios para melhorar o
diagnóstico genético pós-natal em doenças
neurológicas e síndromes malformativas, com
ênfase naquelas que cursam com problemas
de aprendizagem ou deficiência intelectual.
Palestra 2: Fenótipo neurocognitivo e
comportamental: caracterização e elementos
de investigação na pratica clínica.
Ana Luiza Pilla
UNIFESP/ NANI CPN
Fenótipo neurocognitivo e comportamental:
caracterização e elementos de investigação
na prática clínica
O conceito de fenótipo consiste nas
características
clínicas,
cognitivas
e
comportamentais
mais
frequentemente
associadas a uma síndrome malformativa ou
genética já diagnosticada. No contexto
clinico, a investigação envolve a analise das
dismorfiase a obtenção de dados a respeito de
funcionamento cognitivo e comportamental,
entre outros aspectos. A avaliação do fenótipo
neurocognitivo
comportamental
(FC)
é
importante para a definição do diagnóstico e
prognóstico nos diversos quadros, bem como
para
a
intervenção.
Nesta
palestra,
discutiremosa relevância da abordagem
interdisciplinar
dos
fenótipos
neurocomportamentais.
Claudia Berlim de Mello
UNIFESP
Avaliação neuropsicológica associada aos
estudos em fenótipo neurocognitivo e
18
comportamental
nos
transtornos
do
neurodesenvolvimento
Estudos sobre fenótipo neurocognitivo e
comportamental
tem
ampliado
o
conhecimento sobre disfunções cognitivas e
comportamentais
mais
frequentes
em
síndromes malformativas ou genéticas já
diagnosticadas, o que pode ser importante
para orientar intervenções terapêuticas e
pedagógicas apropriadas a cada caso. Esses
estudos até recentemente eram centrados na
investigação do Quociente Intelectual (QI),
mas tem sido cada vez mais associados a
investigações
neuropsicológicas.
Serão
discutidos modelos de investigações que
associam medidas neuropsicológicas, escalas
comportamentais e instrumentos qualitativos
em estudos de fenótipo neuropsicológico em
algumas condições clínicas diagnosticadas
mais frequentemente na infância.
Marcelo Fernandes da Costa
Universidade de São Paulo
Psicofísica
do
processamento
cortical
assimétrico de frequencias espaciais
Avaliamos o processamento de frequências
espaciais pelos hemisférios direito e esquerdo
por medida psicofísica de sensibilidade ao
contraste. Medidas de sensibilidade ao
contraste especial de luminância foram
realizadas em 7 sujeitos (idade média= 26 anos;
DP= 2,5; 3 mulheres) com acuidade visual
normal ou corrigida para normal. Estímulos
consistiram de ondas senoidais (0.25; 0,50; 2,00;
8,00 cpg) multiplicadas por uma função Gabor
(DP= 1º de ângulo visual), localizadas a 6 graus
à direita e à esquerda do ponto central.
Medidas de contraste limiar foram obtidas num
paradigma de 2IFC (1500ms de apresentação
para cada estímulo; 3000ms intervalo entre
estímulos). Limiares forma calculados por
método de escada, após 12 reversões pela
média das 6 últimas reversões. Limiares de
sensibilidade ao contraste processados pelo
hemisfério direito foram: 0.25cpg= 3,04%;
0,50cpg= 2,35%; 2,00cpg= 1,46%; 8,00cpg=
11,3%. Para o hemisfério esquerdo, os valores
encontrados foram: 0.25cpg= 4,50%; 0,50cpg=
2,26%; 2,00cpg= 1,09%; 8,00cpg= 7,09%. Baixas
frequências espaciais são preferencialmente
processadas pelo hemisfério direito enquanto
que as altas frequências espaciais são
preferencialmente processadas pelo hemisfério
esquerdo. Estes resultados sugerem que as
especializações de funções visuais mais
complexas podem ter seu início em estágios de
processamento visual ainda em córtex
primário.
Thiago Leiros Costa
Departamento de Psicologia Experimental,
Universidade de São Paulo-SP
Organização perceptual e funções visuais
superiores na pesquisa em neuropsicologia
A percepção tem um papel fundamental e
estruturante na cognição. No contexto da
avaliação neuropsicológica, a percepção
visual
é
um
fator
determinante
em
praticamente todos os testes. Apesar de
existirem
testes
neuropsicológicos
especializados
para
a
avaliação
da
organização perceptual e funções visuais
superiores, achados presentes na literatura
sugerem que é necessário aprofundar o
conhecimento sobre como algumas doenças
afetam estas funções. O aprofundamento da
pesquisa neste campo pode não só
desenvolver ferramentas para o diagnóstico
diferencial como também elucidar possíveis
fatores de confusão no desempenho em outros
testes neuropsicológicos. Esta apresentação se
propõe a discutir tais questões iniciando por
uma
breve
revisão
do
conceito
de
organização perceptual, seguida de uma
discussão sobre os testes mais comuns
disponíveis no presente e apresentando
resultados da literatura na área que apontam
para a relevância e adequação de uma
avaliação mais aprofundada destas funções.
Priscila Covre
UNIFESP
Avaliação
ecológica
para
Reabilitação
Neuropsicológica
A validade ecológica de um teste psicométrico
é dada conforme o desempenho nesse teste
prediz o comportamento de um indivíduo em
seu
cotidiano.
Apesar
dos
testes
neuropsicológicos tradicionais terem pouca
19
validade ecológica, cada vez maisse exige
uma abordagem ecológica e funcional para a
Avaliação Neuropsicológica. De acordo com a
Organização
Mundial
de
Saúde,
a
Reabilitação Neuropsicológica deve enfocar a
melhora da funcionalidade e participação
social de indivíduos com alterações no
funcionamento ou estrutura cerebral. Assim, ao
avaliar para reabilitar, deve-se tentar prever o
impacto
das
disfunções
cognitivas
e
comportamentais no dia a dia do paciente a
fim de auxiliar o estabelecimento de metas
adequadas para o tratamento. Não basta
identificar os déficits, pois nem sempre é
possível eliminá-los. Em geral, opta-se por uma
análise das dificuldades e incapacidades
decorrentes desse déficit (no dia a dia e nas
interações), o que possibilita uma gama maior
de intervenções, desde a tentativa de
eliminação do problema à compensação da
situação
problema
através
do
desenvolvimento de habilidades ou estratégias
alternativas. O objetivo dessa palestra é discutir
a importância da abordagem ecológica na
avaliação quando se pensa em avaliar para
reabilitar.
Walther M. Zúñiga
Profesor Jornada Completa, Programa de
Psicología. Universidad Libre-Cali (Colombia)
[email protected]
Clínica Psicológica de los Trastornos Neurales:
Una mirada crítica a la función social del
Neuropsicólogo
en
la
sociedad
contemporánea a la luz de los planteamientos
de L.S. Vygotsky y A.R. Luria
“Es más fácil aceptar mil hechos nuevos
que un punto de vista nuevo
sobre unos pocos hechos ya conocidos”
L. S. Vygotsky (1931)
En esta ponencia, se parte de un análisis crítico
a la práctica neuropsicológica en nuestro
contexto local y se revisan los fundamentos
teóricos y metodológicos de la propuesta
neuropsicológica de A. R. Luria todo con el fin
de sustentar que el propósito fundamental de
la práctica neuropsicológica es la intervención
en el desarrollo de las personas con
menoscabo de sus recursos neurales, o dicho
de otra forma: la rehabilitación.
La rehabilitación se considera como un
dispositivo cultural para la intervención al
desarrollo en condiciones de excepción, como
la que representa el menoscabo de los recursos
neurales.
Desde
la
perspectiva
neuropsicológica propuesta, el desarrollo se
entiende como un proceso altamente
dinámico, de permanente organización y
reorganización de sistemas funcionales al
interior de la experiencia social, mediado por
dispositivos e instrumentos de la cultura. Estos
sistemas funcionales que se van formando
sustentan las formas complejas de actividad
que permiten a los sujetos hacer frente a las
demandas cambiantes de su entorno social.
La neuropsicología de Vygotsky y Luria, ofrece
una forma novedosa de ver al sujeto que ha
sufrido una lesión cerebral (como un sujeto en
desarrollo en circunstancias particulares, dada
su condición neurológica excepcional); esta
forma de ver al sujeto se traduce en la
confección de un dispositivo cultural (la clínica
psicológica de los trastornos neurales)
orientado a favorecer su desarrollo. Esta
intervención al desarrollo pretende – como
toda intervención al desarrollo – que el sujeto
organice a partir de sus propios recursos
(neurales, sociales, culturales, psíquicos, etc.),
nuevos y más elaborados recursos que le
posibiliten hacer frente a las exigencias del
mundo, construir una vida y disfrutar de ella.
Dado que nuestro compromiso social como
psicólogos que trabajamos en el ámbito de la
neurología es con las personas, más que con
los modelos u otras abstracciones; la
autocrítica es una obligación.
Pompéia Villachan-Lyra
Universidade Federal Rural de Pernambuco
(UFRPE)
Neurodesenvolvimento, plasticidade e relações
de apego
A partir de uma perspectiva sistêmica e sóciohistórica,
concebemos
o
neurodesenvolvimento humano como um
20
sistema aberto e susceptível às interações que
ocorrem
no
contexto
das
relações
socioafetivas. É marcante o caráter de
imaturidade e plasticidade do SNC no inicio da
vida, e tal característica possibilita ao cérebro
em desenvolvimento reorganizar-se em função
das experiências. Isso torna os bebês e crianças
extremamente
sensíveis
às
influências
ambientais. No neurodesenvolvimento, o
cérebro se constitui através de um processo
dinâmico,
envolvendo
eventos
aditivos/progressivos
(a
exemplo
da
sinaptogênese)
e
eventos
subtrativos/regressivos (a exemplo da poda), o
que faz com que, apesar da superprodução
de neurônios nos primeiros meses de vida,
apenas metade sobreviva. Esse processo será
fortemente influenciado pela experiência do
indivíduo, sobretudo na primeira infância.
Assim, a construção de uma relação de apego
segura entre a criança e seus principais
cuidadores poderá favorecer a exploração do
ambiente pela criança, o que a conduzirá a
novas experiências de estimulação. Em
contrapartida, a construção de relações de
apego inseguras a conduzirá a evitar novas
experiências e, ao mesmo tempo, a concebêlas como eventos estressores, podendo
impactar
negativamente
sobre
o
seu
neurodesenvolvimento.
Mesa: Neurociência e Educação
Contribuições da neurociência para a
educação – Sidarta Ribeiro (UFRN)
Educação baseada no cérebro e neuromitos –
Roberta Ekuni (UENP/UNIFESP)
Pobreza e desenvolvimento cognitivo infantil –
Carolina Nikaedo (UNIFESP)
Visto que o cérebro é o órgão responsável pela
aprendizagem, e que há uma necessidade da
educação ser “baseada em evidências”
científicas (Stern, 2005) e não apenas em
técnicas empíricas, evidências científicas
apontam que a neurociência pode contribuir
para a educação (Goswami, 2006), surgindo
assim a possibilidade de uma interface entre
neurociência e educação. Assim, a presente
mesa, intitulada “Neurociência e educação”
pretende discutir essa interface, e também
apontar alguns equívocos, pois de acordo com
Pashler et al. (2009), em uma educação
baseada em evidências deve-se indicar as
técnicas de ensino que tem comprovação
experimental, e também apontar falsas
crenças que não tem eficácia comprovada.
Katie Moraes de Almondes
UFRN
Neuropsicologia do Sono
A qualidade de vida dos indivíduos pode ser
interrompida por vários fatores. Um desses
fatores, desvalorizado pela sociedade em sua
importância, é a perda de sono. A perda de
sono ocasionada pelos distúrbios de sono,
privação de sono total aguda e pela restrição
de sono crônica ocasiona impactos negativos
significativos no desempenho cognitivo. A
principal questão científica posta em análise é
a compreensão dos mecanismos que explicam
esta relação, que ainda são pouco
conhecidos. Algumas hipóteses, assumidas
como paradigmas, têm surgido para discutir
porque a performance cognitiva é a principal
repercussão das alterações de sono, sendo
extremamente vulneráveis à vigília prolongada,
aliadas a explicação dos mecanismos
reguladores do ciclo sono-vigília (mecanismos
homeostáticos e circadianos). Uma das
hipóteses é que os prejuízos cognitivos são
mediados pela decréscimo da atenção
através
dos
lapsos
atencionais
e
comportamentais, respostas lentificadas e a
instabilidade estado-vigília (com estados
flutuantes de vigília e micro-episódios de sono)
durante uma privação de sono prolongada
(privação de sono total aguda), atingindo
todos os processos cognitivos que envolvem
atenção. A segunda abordagem explica sobre
um seletivo impacto no funcionamento do
córtex pré-frontal, atingindo os processos
cognitivos dependentes desta área. Diante
disto, a presente proposta promoverá a
discussão em relação a fenomenologia e a
neurobiologia
destes
paradigmas,
aos
processos cognitivos atingidos e dados
neuropsicológicos
e
de
neuroimagem
(convergentes e divergentes) amparando estas
duas abordagens.
Katie Moraes de Almondes
UFRN
Neuropsicologia e Funções Executivas
21
A importância da presente proposta reside na
discussão da relação entre as alterações e/ou
distúrbios de sono e os prejuízos cognitivos com
repercussões acadêmicas, laborais e sociais,
além dos custos econômicos e custos para a
saúde biopsicossocial, atingindo todas as
etapas do desenvolvimento humano. É
inegável o conhecimento de que tanto a
privação de sono total aguda quanto a
restrição de sono crônica produzem déficits em
processos cognitivos como a atenção, a
memória
declarativa
e
memória
não
declarativa, e as funções executivas. Em
especial as funções executivas, os dados
resultantes das investigações desta relação
têm mostrado pontos divergentes quando
considerado os componentes das funções
executivas, os diversos distúrbios de sono, o
processo de encurtamento da duração de
sono, a etapa do desenvolvimento, os
aspectos metodológicos e os screenings
usados para diagnóstico. Como consequência
desta proposta, o estudo das alterações de
sono compõe uma área frutífera de pesquisa
para aumentar o conhecimento das funções
cognitivas e suas bases neurais, com retorno
para intervenções em saúde e em educação.
Sérgio Fukusima
Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto
Percepção de Expressões Faciais de Emoções
A face humana fornecer diversas informações
sobre um indivíduo e vários sinais de
comunicação que permeiam asrelações
sociaise por isso tem sido foco de investigação
em diversas áreas do conhecimento, em
especial pela psicologia e áreas afins. Dentre
essas informações fornecidas pela face,
expressões de emoções básicas como
alegria,tristeza, medo, raiva, nojoe surpresa têm
sido investigadas por diferentes abordagens
metodológicas, como a comportamental,a
psicofísica,a
neurofisiológica,
a
neuropsicológica
e
até
mesmo
a
computacional para saber como elas são
percebidas
ou
reconhecidas
pelos
observadores. Os conhecimentos gerados por
essas diversas abordagens têm contribuído
significativamente
para
uma
melhor
compreensão dos processos emocionais e do
funcionamento
das
estruturas
cerebrais
envolvidas. Nesta palestra serão abordados
alguns tópicos sobre esse tema, enfatizando
estudos sobre classificação das expressões
faciais de emoções, sobre as principais
hipóteses de como as emoções são
percebidas ou processadas, os principais
métodos para investiga-las e sobre algumas
potencialidades
aplicativas
dos
conhecimentos
gerados
por
essas
investigações.
Helenice Charchat
Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro
Comprometimento Cognitivo Leve: transição
do envelhecimento benigno e estágios préclínicos das demências
A conferência apresentará o diagnóstico de
comprometimento cognitivo leve e seus
possíveis riscos de evolução para síndromes
demenciais. Serão apresentados os perfis
neuropsicológicos
de
comprometimento
cognitivo leve e suas implicações nos modelos
de avaliação e reabilitação neuropsicológica
no processo de envelhecimento. Pesquisas
recentes sobre comprometimento cognitivo
leve e estágios pré-clínicos das demências
serão evidenciadas e discutidas. Caso clínico
de comprometimento cognitivo leve será
apresentado para ilustrar a transição do normal
para
o
patológico
no
processo
de
envelhecimento.
Patricia de Oliveira Lima Muñoz, Vinicius Frayze
David, Emma Otta,Vera Silvia Raad Bussab,
Orlando Bueno, Marie-Odile Monier Chelini,
Tania KiehlLucci, Nara Cortes Andrade, Claudia
Berlim de Mello,Mauro Muszkat, Juliana Maria F.
Lucena
Depto. de Psicologia Experimental, Instituto de
Psicologia da USP & Núcleo de Atendimento
Neuropsicológico Infantil, UNIFESP
Uso de eyetracker na avaliação de
reconhecimento de faces em autismo e TDAH
A habilidade de compreensão de emoções
(CE) está associada a importantes dimensões
do desenvolvimento humano tais como
habilidade social, regulação emocional,
desempenho
escolar,
agressividade
e
problemas de comportamento. Prejuízos no
desenvolvimento
de
competências
socioafetivas, tal como a CE, estão associados
22
a diversos transtornos neuropsiquiátricos e a
condições adversas relativas ao contexto de
desenvolvimento
da
criança.
Avanços
tecnológicos recentes permitem investigar,
com grande precisão, indicadores do
processamento de estímulos sociais e de
emoções, associando o rastreamento do olhar
e a pupilometria a medidas psicofisiológicas. É
possível que o comportamento ocular –
diâmetro pupilar, tempo de fixação – seja
diferente para as faces com olhar dirigido e
desviado. O contato ocular parece ser
emocionalmente ativador demais para as
crianças com TEA, que procuram evitá-lo.
Estudo preliminar mostrou que crianças com
TEA de baixo funcionamento evitam menos o
olhar de um cão do que de outro ser humano
(Chelini, Lacerda, Mangabeira &Otta, 2012).
Participaram desta pesquisa 45 crianças e
jovens entre 5 e 16 anos de idade divididos em
três grupos: Desenvolvimento Típico (DT),
Transtorno do Espectro Autista (TEA) e
Transtorno
de
Déficit
de
Atenção
e
Hiperatividade (TDAH). Foram comparadas a
reação comportamental e psicofisiológica de
crianças com TEA, TDAH e com DT a imagens
humanas e de cães com olhar de frente, com
olhar desviado e neutras utilizando o
Eyetracker. Resultados preliminares indicam
que houve efeito de grupo em duas fotos: cão
de frente e homem de frente.
23/11 – SÁBADO
Sérgio Leme Da-Silva
Instituto de Psicologia – Universidade de Brasília
Coordenador do Serviço de Neuropsicologia
do Centro de Medicina do Idoso–HuB-UnB
Um modelo de Reabilitação Neuropsicológica
e a possibilidade de estar estimulando Memória
Operacional em Idosos Demenciados
Modelos de reabilitação neuropsicológica
para estimulação da memória em pacientes
demenciados devem fazer uso de técnicas
como estratégias compensatórias, orientação
para realidade, reminiscências, aprendizagem
sem erro e a educação psicológica dos
cuidadores, conjuntamente com conceitos
retirados de estudos da neurociência cognitiva
como os sistemas de memória de curto,
operacional e de longo prazo além de recursos
cognitivos mnemônicos como repetição, préativação, ativação de rede semântica, rimas,
agenda, jogos, sinalizadores e dos suportes
psicológicos e sociais como a história
biográfica, experiência emocional, inclusão,
autoestima e interesses pessoais. Dados clínicos
do Serviço de Neuropsicologia do Centro de
Medicina do Idoso do Hospital Universitário de
Brasília veem levantando a hipótese sobre a
possível estimulação do sistema executivo
central
da
memória
operacional,
especificamente dos componentes alça
fonológica e do buffer episódico, quando
utilizamos associação de um sinalizador neutro,
como a cor de um avental a ser utilizado
associado a uma reminiscência significativa de
idosos demenciados, em estágios inicias e
moderados atendidos em grupo levando a
uma elevação de autoestima e redução de
indicadores de depressão.
André Russowsky Brunoni
Universidade de São Paulo
Níveis integrados de tratamento do transtorno
depressivo maior com neuromodulação nãoinvasiva
O Transtorno Depressivo Maior (TDM) é uma
condição crônica e debilitante, sendo
considerada
a
principal
causa
de
incapacidade no mundo, à frente de outros
transtornos psiquiátricos e de doenças clínicas.
Isto porque o TDM atinge adultos jovens, em
idade economicamente produtiva, na forma
de vários episódios depressivos agudos ao
longo da vida. Os sintomas depressivos são
caracterizados
por
tristeza,
pessimismo,
lentidão psicomotora, baixa estima, dificuldade
de concentração e alterações do sono, o que
traz grande prejuízo para o paciente, em
termos pessoais e profissionais. Além disso, a
depressão se associa com doenças clínicas
graves, como diabetes melito, hipertensão
arterial e infarto agudo do miocárdio. O
tratamento do TDM é feito com drogas
antidepressivas, porém as mesmas apresentam
efeitos colaterais que limitam seu uso e, além
disso, cerca de 30% dos pacientes são
refratários a antidepressivos. Estas questões
demonstram
a
necessidade
do
desenvolvimento
de
novas
técnicas
terapêuticas e, dentre elas, as diferentes
23
técnicas de neuromodulaçãonão-invasiva tem
sido
utilizadas,
como
a
estimulação
transcraniana por corrente contínua (ETCC) e a
estimulação
magnética
transcraniana
repetitiva (EMTr). A ETCC utiliza uma corrente
elétrica de baixa intensidade para modular o
Sistema Nervoso Central (SNC), através de dois
eletrodos, o ânodo e o cátodo, sendo que
estes respectivamente aumentam e diminuem
a excitabilidade cortical local. A EMTr, por sua
vez, gera um campo magnético de alta
intensidade o qual, por sua vez, induz uma
corrente elétrica no SNC. Entre 2006 a Junho de
2013, 8 ensaios clínicos controlados usando
ETCC na depressão, sendo muitos deles pilotos
e com resultados inconclusivos, porém os
maiores ensaios e meta-análises conseguintes
demonstraram a eficácia da técnica no
tratamento da depressão, com tamanhos de
efeito semelhantes aos antidepressivos. Já a
EMTr é estudada desde 1996, e grandes ensaios
clínicos, que culminaram com a aprovação de
seu uso na prática clínica, foram desenvolvidos
entre 2007 - 2009. Nesta palestra, discutiremos
as principais vantagens do uso da EMTr no
tratamento
clínico
da
depressão,
notadamente a ausência de efeitos adversos e
interações farmacológicas, sua eficácia em
monoterapia e sua maior eficácia quando
combinada com antidepressivos. Discutiremos
também estudos atuais e futuros investigando o
uso da ETCC na depressão - considerando o
baixo custo, a portabilidade, a facilidade de
uso, o baixo número de efeitos adversos e a
eficácia da técnica, discutimos a ETCC como
uma alternativa promissora no tratamento da
depressão, especialmente nos níveis de
atenção primários e secundários.
Lucia Iracema Zanotto de Mendonça
Universidade de São Paulo / Pontifícia
Universidade Católica
Estimulação
Cerebral
Transcraniana:
controvérsias
A estimulação cerebral transcraniana tem sido
estudada como recurso na reabilitação das
afasias, nas fases sub-aguda e crônica após a
lesão. Após lesão cerebral ocorre uma
tentativa de recuperar os efeitos do dano,
relacionado com a recuperação funcional
espontânea. Na recuperação de afasia pode
haver a participação predominante do
hemisfério não dominante (D), ou a retomada
da função por áreas indenes do hemisfério
dominante (E). Tem sido apontado que a boa
recuperação ocorre quando o hemisfério E
reassume a função, podendo ser maladaptada a resposta executada pelo
hemisfério D.
No entanto, duas principais
variáveis interferem nesse processo. O tamanho
da lesão e o tempo decorrido do evento
causal. Em lesões extensas tem sido observada
importante participação do hemisfério D na
recuperação. Inicialmente, após a lesão,
ocorre uma realocação da função da
linguagem
para
o
hemisfério
D
e,
posteriormente, nova redistribuição para o
hemisfério E, particularmente nas lesões
menores.
Nas
afasias,
a
estimulação
transcraniana pode ser utilizada estimulando a
atividade do hemisfério E ou inibindo a
atividade de áreas homotópicas do hemisfério
D. O alvo mais utilizado é o giro frontal inferior.
No entanto, as sub-regiões do giro frontal
inferior (pars orpecularis, pars triangularis e pars
orbicularis) subservem aspectos diferentes do
processamento da linguagem. Em indivíduos
normais, a pars opercularis do hemisfério D
participa do processamento fonológico. Assim,
áreas homotópicas não necessariamente são
homólogas. Mais recentemente tem havido
propostas para definir caso a caso o local de
aplicação da estimulação, dependendo do
tipo clínico da afasia e a realização prévia de
ressonância magnética funcional. É possível
que a resposta à estimulação cerebral
transcraniana seja melhor se houver a
concomitância da terapia da linguagem. A
contribuição de cada hemisfério cerebral na
recuperação
da
linguagem
ainda
é
controversa. O hemisfério D parece possuir e
utilizar uma rede funcional capaz de
compensar o dano do hemisfério E. Nem
sempre esta resposta é disfuncional. Os estudos
com estimulação transcraniana carecem de
randomização. A recuperação da afasia
provavelmente
requer
uma
complexa
reorganização, com a participação de
24
hemisfério
lesado
e
do
contralateral,
dependendo do momento da recuperação,
da localização e extensão da lesão, do
aspecto afetado da linguagem, da idade, sexo
e grau de lateralização da linguagem do
paciente e da terapia utilizada.
Maria Emília Yamamoto*
Programa
de
Pós-Graduação
em
Psicobiologia, Universidade Federal do Rio
Grande do Norte
O conceito de consciência na abordagem
evolucionista
John Tooby e Leda Cosmides afirmam em seu
texto The Psychological Foundations of
Culture(1992) que os organismos, entre eles os
seres humanos, são melhor entendidos como
executores de adaptações do que como
maximizadores de aptidão. Isto é, diante de
escolhasadaptativas, a opção de um indivíduo
reflete sua história evolutiva, e não uma
escolha consciente da ação que mais
aumenta sua aptidão. A razão pela qual isto
ocorre se deve ao fato de que as causas
cognitivas são ontologicamente distintas das
causas evolutivas. Causas cognitivas podem
ser deliberadas mas as evolutivas geralmente
não o são. Um exemplo desta distinção é o
chamado auto-engano, no qual indivíduos
enganam a si mesmo para aumentar a
probabilidade
de
enganar
a
outrem,
ganhando
dessa
maneira
vantagens
evolutivas. Discute-se que essa distinção,
devido a um descompasso temporal, pode
levar a ações que são prejudiciais à aptidão
do indivíduo.*Agradecimentos: CNPq, CAPES e
Pronex/FAPERN
Izabel Hazin
“Não há esperança de se achar as fontes da
ação livre humana nos obscuros desvãos da
mente ou nas profundezas do cérebro”...Onde
então?
A citação que compõe o título desta
contribuição foi escrita por Luria, pioneiro no
domínio da neuropsicologia e um dos
representantes do projeto científico da
psicologia histórico-cultural. A parceria com
Vigotski e Leontiev resultou em sistema teóricometodológico que vem contribuindo para a
compreensão dos processos de constituição,
mediação e importância da consciência para
as formas superiores de pensar, sentir e atuar
do ser humano. Na citação aludida destaca-se
a postulação de Luria, ainda revestida de
caráter atual, que a proposição de uma
psicologia da consciência sem a consideração
de fenômenos subjetivos é tão inócua quanto
a proposição de estudos que pretendem
investiga-la sem considerar o papel dos
sistemas cerebrais na sua emergência.
Independentemente da posição assumida nos
dois contextos, a dualidade surge como
instauradora de dicotomias que impossibilitam
o avanço na compreensão desta categoria.
Para Luria, não há sentido no estabelecimento
de
dicotomias
como
interno/externo,
objetivo/subjetivo, mente/cérebro. O ser
humano é resultante da interação dialética
entre
planos
desenvolvimentais
que
consideram aspectos históricos da espécie e
suas características filogenéticas, que juntas
possibilitam a interação mediada do sujeito
com o entorno sociocultural que o rodeia.
Sendo assim, a consciência é um sistema
dialético, resultante do tangenciamento das
linhas cultural e natural de desenvolvimento, o
que promove a experiência humana marcada
pela significação.
William B. Gomes
Thiago G. DenCastro, Marcos Janzen
Laboratório de Fenomenologia Experimental e
Cognição, Instituto de Psicologia, Universidade
Federal do Rio Grande do Sul
Do realismo fenomenal a reversões entre
consciência e ação corporal: qual o gradiente
para autonomia deliberativa?
Ao aderirmos à modernidade, assumimos
premissas metafísicas que orientam nossas
interpretações frente aos fatos, mas nem
sempre as colocamos em suspenso para
exame crítico. A história das idéias, na filosofia
e na ciência, mostra como filósofos e cientistas
defenderam posições e modelos que se
exemplares na precisão e na descrição, nem
sempre avançaram na análise das implicações
25
probabilísticas por negligenciarem, justamente,
as premissas metafísicas. Nesta exposição,
toma-se
a
fenomenologia
experimental
(premissa metafísica) para tratar do realismo
perceptual, das pistas ecológicas, e da
condição molecular da autoconsciência para
demonstrar: a ação conjunta e ao mesmo
tempo distinta entre o que se pensa e o que se
é pensado. Por realismo perceptual aponta-se
para a condição sensorial e neural do
fenômeno
apreendido,
diferenciando-se
presentação de representação em níveis de
consciência. Por pistas ecológicas entendemse oportunidades ambientais diretamente
perceptíveis que guiam as ações corporais.
Enfim, por condição molecular entende-se a
consciência
como
uma
manifestação
neurofisiológica na qual o corpo e seus
movimentos constituem atos pré-reflexivos, que
poderão ou não progredir para atos reflexivos.
O reverso também ocorre. O argumento será
ilustrado pelas implicações fenomenológicas
de um membro fantasma e pela ilusão
produzida no experimento da mão de
borracha. Em conclusão, nós diferenciamos e
sincronizamos, ao mesmo tempo, ação
corporal e consciência, para reafirmar a
dependência neural e a independência
funcional na experiência consciente, entre o
ato de pensar (conceitual e autônomo - foco)
e o objeto pensado (sensorial, perceptual,
imaginativo, memoriais - alvo). CNPq. Palavras
chaves:
consciência,
ação
corporal,
neurocognição, affordance, fenomenalidades
Fernando Cardenas
Universidad de los Andes, Bogotá, Colômbia
E no fim das contas: “EU” onde stou?
A percepção da própria existência, a
sensação de existir e de ser diferente dos
objetos ao redor, a ideia da mente e do
mundo interno, o concepto EU SOU... São
pensamentos que tem interessado ao homo
sapiens possivelmente desde o mesmo
momento do seu aparecimento no planeta. A
neurociência tem brindado algumas luzes
sobre a questão, mas a explicação tem se
mostrado elusiva, devido em parte a que
parece não haver uma única consciência.
Muitos dados, vindos da clínica e da pesquisa
em modelos animais, apontam para uma visão
de “múltiplas consciências” (por analogia ao
conceito das múltiplas inteligências). Nesse
sentido o estudo inicia com a pergunta sobre
se a consciência existe como processo do
sistema nervoso ou se cria a partir da nossa
experiência.
Existem
evidências
de
consciências
corticais
e
sub-corticais,
hemisféricas (consciência direita e esquerda),
regionais(visual,
auditiva,
sensorial, etc.),
emocionais, morais, semânticas, espaciais,
associadas aos reflexos (visual, auditiva,
cinestésica), etc., etc. Mas a percepção
subjetiva de cada um de nós é que somos um.
O processo de integração de todas essas
consciências no conceito EU depende de
múltiplos processos:o padrão de impulsos
nervosos, atividade dos osciladores tálamocorticais, quantidade de neurotransmissores
liberados, funcionalidade de receptores, etc.,
etc.
Givago da Silva Souza, Carolina dos Santos
Araújo, Bárbara Begot Risuenho Oliveira,
Isabelle Christine Vieira da Silva Martins, Letícia
Miquilini de Arruda Farias, Bruno Duarte Gomes,
Luiz Carlos de Lima Silveira
Universidade Federal do Pará, Núcleo de
Medicina Tropical e Instituto de Ciências
Biológicas, Belém, Pará, Brasil
Potencial Cortical Visual Como Ferramenta Da
Avaliação Funcional Das Vias Paralelas Visuais
O potencial cortical provocado visual é um
método de registro eletrofisiológico não
invasivo da atividade do córtex visual em
resposta
à
uma
estimulação
visual.
Pesquisadores
têm
manipulado
as
características dos estímulos com o intuito de
favorecer a ativação de mecanismos de
detecção de contraste de luminância ou de
cor previamente conhecidos através de
estudos anteriormente feitos com psicofísica
visual ou de registro celular unitário. Assim nos
últimos 40 anos, o potencial cortical provocado
visual tem sido usado para revelar a ativação
diferencial das vias paralelas visuais. Novos
métodos de estimulação e extração do sinal
foram desenvolvidos e tem se mostrado
resultados anteriormente não encontrados por
métodos não convencionais.
Paulo Roney Kilpp Goulart
26
Universidade Federal do Pará
Caracterização genética e comportamental
da visão de cores de primatas do novo mundo
como suporte adicional à investigação das vias
cromáticas
Uma
versão
adaptada
do
teste
de
discriminação de cores de Mollon-Reffin foi
utilizada para a avaliação psicofísica da visão
de cores de dez macacos-prego (Sapajus
spp.). Paralelamente, todos os animais foram
geneticamente caracterizados da seguinte
forma:
uma
fêmea
tricromata,
sete
deuterânopes (seis machos e uma fêmea) e
dois machos protânopes, um dos quais foi
identificado como um “protânope ML”. Para a
caracterização psicofísica, os sujeitos foram
testados em três regiões do diagrama CIE 1976
u’v’, cada avaliação consistindo de 20 vetores
de variação cromática distribuídos radialmente
ao redor do ponto de cromaticidade definido
como fundo. Os dados comportamentais
concordaram com as predições feitas a partir
da análise genética, inclusive com os limiares
do
protânope
ML
apresentando
uma
distribuição intermediária entre deutan e
protan clássico, com linhas de confusão
orientadas horizontalmente e paralelas entre si.
A
demonstração
de
repercussões
comportamentais claras de variações sutis na
sensibilidade dos fotopigmentos M/L, renova a
necessidade de que diferentes métodos
(genético, eletrofisiológico, comportamental
etc.) sejam tomados como complementares,
visto que dados fornecidos por diferentes níveis
de análise deverão se corroborar para uma
completa caracterização da visão de cores de
primatas.
Patrícia Martins de Freitas
Universidade Federal da Bahia
Processamento
Lexical
na
Hemiplegia
Congênita
O estudo do processamento lexical em
crianças com lesões cerebrais precoces é uma
importante foco de investigação para
compreender
os
processos
de
desenvolvimento
da
linguagem
e
os
mecanismos adaptativos associados. Para
investigar o processamento lexical de crianças
com hemiplegia congênita foi desenvolvida a
Bateria de Avaliação Neuropsicológica do
Processamento Lexical (BANPLE) constituída de
tarefas
que
avaliam
os
componentes
fonológico,
lexical
e
semântico
na
compreensão e produção de palavras
isoladas. O estudo investigou 50 crianças com
hemiplegia
congênita
comprando
as
alterações considerando a lateralidade da
lesão. Os resultados do estudo demonstram
que as crianças com hemiplegia direita
apresentaram mais prejuízos nos componentes
do processamento lexical. Enquanto, o grupo
com hemiplegia esquerda apresentou perfil de
desempenho mais equivalente ao grupo
controle. Apesar das diferenças verificou-se
que os déficits apresentados são sutis. As
evidências sugerem um possível efeito de
neuroplasticidade
funcional,
preservando
funções da linguagem em detrimento de
funções visuo-espaciais.
Palavras-Chave: hemiplegia, processamento
lexical, neuroplasticidade.
Mesa: Avaliação neuropsicológica na infância
e nos transtornos do neurodesenvolvimento
(TDAH e TEA)
Coordenação: Elaine Cristina Zachi (USP)
Daniela Tsubota Roque (USP)
Rosani Aparecida Antunes Teixeira (USP)
Elaine Cristina Zachi (USP)
Daniela Tsubota Roque
Universidade de São Paulo
Avaliação Neuropsicológica Infantil
A avaliação infantil tem características únicas
que estão relacionadas com as complexidades
encontradas na tentativa de avaliar a
integridade de um cérebro em maturação.
Identificar o alcance e a magnitude dos efeitos
comportamentais relacionadas à integridade
ou interrupção da maturação cerebral e
esclarecer se essas capacidades estão
preservadas ou prejudicas é um grande
desafio. O fato do cérebro e a criança estar
em desenvolvimento exige que os profissionais
que trabalham com essa faixa etária tenham
conhecimentos sobre a maturação cerebral
normal e sua correlação com os complexos
27
processos de mudanças que ocorrem na
infância, assim como sobre as mudanças nas
demandas ambientais impostas às crianças ao
longo do desse desenvolvimento, e requer
também compreensão dos períodos sensíveis,
plasticidade
cerebral
e
estágios
do
desenvolvimento (Black & Stefanatos, 2000,
Ferrari, 2006, Semrud-Clikeman & Ellison, 2009,
Davies, 2011). A avaliação neuropsicológica
infantil é uma importante ferramenta na
compreensão de aspectos como maturação
biológica, desenvolvimento cognitivo, relação
entre cognição e ensino formal, estilos de
interação familiar, cultura, entre outros. E é de
fundamental importância na definição de
quadros clínicos na infância, como a dislexia, o
autismo ou o transtorno do déficit de atenção
com ou sem hiperatividade (Miranda, 2006). A
interpretação
neuropsicológica
das
dificuldades funcionais da criança baseia-se
na interação das informações obtidas no
desempenho formal e informal nas escalas e
nos testes, nas observações clínicas, na história
da criança (história do desenvolvimento,
médica, educacional, social e cultural), no
conhecimento fisiopatológico das bases
neurais e dos perfis neuropsicológicos das
diferentes
doenças
e
alterações
do
desenvolvimento (Black & Stefanatos, 2000,
Strauss, Sherman & Spreen, 2006). Objetivos:
Discutir as particularidades da avaliação
neuropsicológica infantil e apresentar dados
sobre
o desenvolvimento das
funções
cognitivas na infância.
Rosani Aparecida Antunes Teixeira
Universidade de São Paulo
TDAH, avaliação neuropsicológica clínica
Déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)
começa a ser publicado na literatura científica
no início do século XX por George Still (1902).
Entretanto, Alexander Crichton em 1798
descreveu todas as características essenciais
do subtipo desatento em seu livro "inquietude
mental" (Erica D. Palmer & Stanley Finger, 2001).
A terminologia usada para descrever os
sintomas de TDAH passou por muitas mudanças
ao longo do século XX. O termo atualmente
utilizado (TDAH) passou a ser utilizado no DSMIII-R
e
nas
edições
subsequentes.
A
Organização Mundial da Saúde (OMS) utiliza o
nome Distúrbio Hipercinético. Segundo o DSM
IV-TR, o TDAH é um transtorno crônico,
debilitante que se inicia na fase do
desenvolvimento infantil e se caracteriza por
um padrão persistente de desatenção e/ou
hiperatividade, mais frequente e severo do que
aquele tipicamente observado em indivíduos
em nível equivalente de desenvolvimento. A
etiologia ainda é desconhecida, mas estudos
recentes sugerem uma forte ligação tanto
genética, fatores ambientais, como, parto
prematuro e tabagismo materno durante a
gravidez. Estudos que utilizam os critérios do
DSM-IV da APA sugerem a prevalência de 3-5%
de todas as crianças em idade escolar. No
Brasil
estudos
com
crianças
mostram
prevalência entre 8,6% e 17,1%, sendo 5,3%
com probabilidade do tipo desatento, 2% com
probabilidade de apresentar o subtipo
hiperativo/impulsivo e apenas 0,6% de
apresentar o subtipo combinado (Fontana e
col, 2007; Pastura, Mattos e Araujo, 2007; Freire
& Pondé, 2005; Vasconcelos e col, 2003).
Objetivo:
Apresentação
de
avaliações
neuropsicológicas clínicas de crianças e
adolescentes com diagnóstico de TDAH com
idades variando entre 7 e 14 anos, buscando
demonstrar as diferenças de resultados na
avaliação nos diferentes subtipos de TDAH.
Elaine Cristina Zachi
Universidade de São Paulo
Avaliação Neuropsicológica do Transtorno do
Espectro do Autismo
No contexto da avaliação sob suspeita de TEA,
são fundamentais a compreensão da
cognição social e da habilidade de atenção
compartilhada (joint attention), que pode ser
definida como a habilidade de coordenar a
atenção entre um parceiro social e um objeto
ou atividade de interesse mútuo. A avaliação
da comunicação implica não somente na
capacidade de compreender e expressar a
linguagem falada, mas também de enviar e
receber sinais não verbais, os quais fornecem
informações importantes nas interações sociais.
Alterações
como
a
dificuldade
de
estabelecer/manter
o
contato
ocular,
presença de ecolalia, uso da 3ª pessoa para se
auto-referir e aprosoidia são freqüentes.
28
Dentre os instrumentos que auxiliam no
diagnóstico para TEA, destacam-se os
questionários com validação nacional: Autism
Screening Questionnaire (ASQ) (Questionário
de triagem para autismo) (Sato et al., 2009)
que permite o rastreamento de sintomas
autistas e Childhood Autism Rating Scale
(CARS) (Pereira, Riesgo & Wagner, 2008) que
avalia a gravidade dos sintomas. Embora não
apresentem estudos de adaptação ou
validação brasileiros, o questionário Autism
Diagnostic Interview Revised (ADI-R) (Lord,
Rutter, & Le Couteur, 1994) a ser realizado com
pais/cuidadores e o protocolo estruturado
Autism Diagnostic Observation Schedule
(ADOS) (Lord et al. 1989) que avalia a
qualidade da interação social recíproca por
meio de observação do comportamento
diante de um roteiro de tarefas padronizadas
constituem padrão ouro no diagnóstico em
autismo. Objetivos: descrever as peculiaridades
da avaliação neuropsicológica como parte do
processo diagnóstico do Transtorno do
Espectro Autista (TEA), assim como instrumento
para
verificação
de
fraquezas
e
potencialidades a fim de orientar o
estabelecimento de intervenções. Também
serão apresentadas as modificações no
diagnóstico dos transtornos do espectro autista
propostas pelo DSM-V, as características
freqüentes no exame neuropsicológico de
crianças e adolescentes do espectro e os
principais
instrumentos
de
avaliação
padronizados utilizados no diagnóstico do TEA.
Mesa: Ensinando indivíduos com autismo:
avaliação de repertório, procedimentos de
ensino, e orientação a pais
Coordenação: Romariz da Silva Barros (UFPA)
André Augusto Borges Varella (UFSCar)
Camila Graciela Santos Gomes (FCMMG)
Romariz da Silva Barros (UFPA)
André Augusto Borges Varella
Universidade Federal de São Carlos
Avaliação
de
habilidades
básicas
de
aprendizagem em pessoas com autismo: o
teste ABLA
O teste ABLA (Assessment of Basic Learning
Abilities)
consiste
em
uma
avaliação
comportamental de habilidades discriminativas
básicas direcionada a indivíduos com autismo
e atraso no desenvolvimento. Este teste busca
avaliar rapidamente como e em que medida
um indivíduo aprende seis tipos de tarefas,
denominadas
níveis,
que
requerem
a
aprendizagem de imitação motora (Nível 1),
discriminação
de
posição
(Nível
2),
discriminação
visual
simples
(Nível
3),
discriminação condicional visual-visual (Nível 4),
discriminação auditiva (Nível 5) e discriminação
condicional auditivo-visual (Nível 6). Diversos
estudos
têm
identificado
importantes
características do ABLA, tais como a
organização hierárquica dos níveis quanto ao
grau de complexidade (indivíduos que passam
em um determinado nível também passam nos
níveis inferiores, e indivíduos que falham em um
determinado nível também falham nos níveis
superiores), o bom potencial preditivo (o
desempenho em um determinado nível prediz
a facilidade ou dificuldade do indivíduo para
aprender
tarefas
semelhantes)
e
boa
confiabilidade teste-reteste. Em virtude de suas
características e de suas implicações para o
tratamento comportamental de indivíduos
com autismo e atraso no desenvolvimento, o
ABLA se constitui como uma ferramenta útil a
pesquisadores e profissionais para auxiliar no
planejamento das condições de ensino destes
indivíduos.
Palavras-chave: avaliação comportamental,
teste ABLA, autismo, atraso no desenvolvimento
Gomes, Camila Graciella Santos & Silveira,
Analice Dutra
Capacitação
de
cuidadores
para
a
intervenção intensiva de crianças com autismo
em Belo Horizonte, MG
O autismo é um transtorno que acomete a
sequência e a qualidade do desenvolvimento
infantil provocando alterações graves na
interação social, na comunicação e nos
comportamentos da criança afetada, com
início dos sintomas antes dos três anos de
idade. É o terceiro maior distúrbio da infância e
29
não tem cura, porém intervenções intensivas,
fundamentadas
em
análise
do
comportamento, têm demonstrado efeitos
significativos no desenvolvimento de crianças
com esse diagnóstico. No Brasil não há estudos
publicados descrevendo os efeitos desse tipo
de intervenção no desenvolvimento de
crianças brasileiras com autismo. A explicação
para isso pode estar relacionada ao custo
financeiro da intervenção, que requer muitas
horas semanais de estimulação (de 15 a 40
horas),
realizadas
por
profissionais
especializados. Uma alternativa poderia ser a
capacitação de cuidadores (pais, parentes ou
empregados) para a realização desse tipo de
intervenção. O objetivo desse estudo foi
verificar os efeitos da capacitação de
cuidadores para a intervenção intensiva,
fundamentada em análise do comportamento,
no desenvolvimento de crianças com autismo
de um centro especializado de Belo HorizonteMG, Inicialmente o desenvolvimento das
crianças foi avaliado por meio de escalas
padronizadas. Após a avaliação inicial, metas
foram estabelecidas para a intervenção com
cada uma das crianças. Na sequência
realizou-se a capacitação dos cuidadores na
residência das crianças com autismo. Após
aproximadamente doze meses de intervenção
as avaliações foram realizadas novamente e os
resultados dos participantes foram analisados.
Os
dados
indicaram
ganhos
no
desenvolvimento das crianças após a
intervenção.
Palavras-chave:
autismo,
análise
do
comportamento aplicada, intervenção na
infância
Borba, Marilu Michele Cruz & Barros, Romariz da
Silva.
UFPA
Intervenção ao autismo via ensino de
cuidadores: uma experiência em Belém, PA
Intervenção
precoce,
intensiva
e
individualizada ao autismo é altamente efetiva,
mas inacessível a grande parcela da
população no norte do Brasil. Um programa de
intervenção intensiva via cuidadores foi
estruturado na Universidade Federal do Pará,
para funcionar como um laboratório para
pesquisas voltadas para a intervenção ao
autismo. Apresentaremos e discutiremos dados
desta pesquisa aplicada, avaliando a eficácia
do programa de intervenção baseado no
ensino de cuidadores sobre o desempenho de
seis crianças (dois a seis anos) diagnosticadas
com autismo em Belém. Os seguintes
repertórios básicos foram o foco da
intervenção: sentar, atender ao nome, esperar,
“visual tracking”, imitação com e sem objetos.
A Fase 1 do estudo (que durou 32 horas)
objetivou ensinar conceitos básicos de Análise
do Comportamento aos cuidadores através do
Sistema Personalizado de Instruções. Enquanto
isso, as crianças foram avaliadas para que se
pudesse elaborar o plano individual de
intervenção. Na Fase 2, os cuidadores foram
ensinados a aplicar os programas de
intervenção,
usando-se
role-play
e
demonstrações com monitores. Na Fase 3, os
cuidadores aplicaram os procedimentos com
suas crianças no laboratório. Na Fase 4, os
cuidadores foram autorizados a aplicar os
programas em casa. Cinco das seis crianças
atingiram responder independente em todos os
programas (com exceção de um programa
para uma das crianças). Os dados mostram
que
esse
programa
simplificado
de
intervenção via cuidadores é uma alternativa
promissora para prover acesso mais amplo à
intervenção
analítico-comportamental
ao
autismo.
Palavras-chave: autismo, intervenção
comportamental, ensino de cuidadores.
Alessandra Gotuzo Seabra1; Claudia Berlim
Mello2; Monica Carolina Miranda2 (coord.) e
Simone Aparecida Capellini2
1Universidade Presbiteriana Mackenzie;
2UNIFESP
Serviços de grande demanda: abordando
possibilidades de avaliação multidisciplinar
breve dos distúrbios de aprendizagem
Estudos apontam que as dificuldade de
aprendizagem atingem aproximadamente de
15 a 20% das crianças brasileiras das séries
iniciais - razão pela qual tem sido considerada
um importante problema social, principalmente
porque sabe-se que, se as estatísticas de vários
países forem consideradas, estes números são
30
capazes de chegar a 50% dos escolares nos
primeiros seis anos de escolaridade. Dessa
forma,
queixas
de
dificuldades
de
aprendizagem, problemas de agitação e
desatenção
constituem
um
dos
mais
frequentes motivos de encaminhamento de
crianças para serviços médicos ou para
profissionais de saúde, como psicólogos e
fonoaudiólogos. O impacto que estas
dificuldades podem ter no desenvolvimento
global das crianças impõe a necessidade de
ações coordenadas entre equipes de saúde e
educação na abordagem de cada caso, o
que inclui a definição do diagnóstico seguido
do atendimento de demandas educacionais
especificas. No Brasil há uma escassez de
atendimento público para as queixas de
dificuldades de aprendizagem o que promove
uma alta demanda aos poucos serviços
existentes. Assim, o objetivo desta mesa será
apresentar e discutir abordagens que vem
sendo desenvolvidas no que diz respeito a
eficiência de modelos de avaliação e
agilidade na obtenção do diagnóstico, a partir
das experiências desenvolvidas em centros de
pesquisas no Brasil, nesse caso o Núcleo de
Atendimento
Neuropsicologico
Infantil/Universidade Federal de São Paulo/;
Universidade Mackenzie; do Laboratório de
Investigação dos Desvios da Aprendizagem LIDA - FFC/UNESP-Maríília-SP. Espera-se que as
discussões e a apresentação de metodologias
com bases cientificas possam para as políticas
de atendimentos em serviços públicos de
saúde na infância.
Lucia Iracema Zanotto de Mendonça
Afasia Subcortical
O conceito e as idéias sobre afasia subcortical
tem evoluído desde a década de 80, quando
se passou a admitir sua existência. Inicialmente,
conceituava-se afasia subcortical aquela
decorrente de lesão na substância branca do
centro semioval e/ou nos núcleos da base.
Os estudos mais recentes com estimulação
intra-operatória sob anestesia local, em
diferentes locais da subcorticalidade, mas
dirigidos basicamente para a substância
branca, e o desenvolvimento da tratografia,
que permite a visualização in vivo dos
fascículos que conectam as várias regiões
cerebrais
relacionadas
à
linguagem
contribuiram para a compreensão dos circuitos
fonológicos e semânticos e, portanto, das vias
subcorticais
da
substância
branca
no
processamento da linguagem.
No estágio atual do conhecimento e visando a
elucidação do papel da subcorticalidade na
linguagem, devemos separar as lesões da
substância branca das que envolvem
especificamente os gânglios da base. Nesta
apresentação vou me ater às evidências da
participação dos núcleos da base na fala e na
linguagem.
Embora
haja
grande
variabilidade na
apresentação clínica das afasias subcorticais,
têm sido apontadas características para a
afasia talâmica e para a extra-talâmica. Em
ambas são clássicas a reversibilidade, a
preservação da repetição, a presença de
hipofonia, os distúrbios motores, com disartria,
apraxia oral e disfluência, e alterações
sintático-semânticas.
A maioria dos autores é de opinião que o
córtex é o centro neural para as funções
cognitivas, inclusive a linguagem. Os sintomas
afásicos observados nas lesões subcorticais
seriam resultantes, na verdade, de disfunção
funcional da atividade cortical. A variabilidade
e a reversibilidade apontam o córtex como o
centro responsável pelo sintoma afásico.
Outros pesquisadores defendem um papel
mais específico para as estruturas subcorticais.
O córtex se conecta com os gânglios da base
através de alças ou circuitos córticosubcorticais. Essas alças estão envolvidas no
processamento motor básico da fala, mas
tambem na iniciativa, sequenciação e
planejamento do gesto articulatório.
Tem havido interesse crescente em relação às
conexões fronto-subcorticais. É possível que os
gânglios da base atuem em concerto com a
corticalidade na seleção do item lexical
apropriado e na inibição de alternativas
competitivas ou irrelevantes. Distúrbios da
função executiva, do comportamento e do
discurso são observados nas lesões subcorticais.
O gene FOXP2 é o primeiro gene descrito
relacionado ao desenvolvimento da fala e da
linguagem. Parece que o gene FOXP2 está
31
implicado no desenvolvimento de circuitos
córtico-estriatais e olivocerebelares.
A função das estruturas subcorticais na fala e
na
linguagem
permanece
controversa.
Aspectos da evolução do sistema nervoso
precisam ser considerados. O conhecimento
atual sugere não a independência, mas a
interrelação entre a corticalidade e a
subcorticalidade.
Carla Andréa Tieppo
Qual é o papel do cerebelo na linguagem?
Desde sempre, o pequeno cérebro (cerebelo)
foi considerado como uma estrutura que
desempenha funções ligadas à execução
motora envolvendo reflexos, funções viscerais e
movimentos
balísticos.
Porém,
estudos
anatômicos, clínicos e de neuroimagem tem
trazido novas perspectivas para a função
cerebelar, especialmente para as funções de
aquisição de estratégias linguísticas. Assim,
aspectos conhecidos das funções cerebelar
somados a estas novas evidências podem
ampliar a discussão sobre qual é o papel desta
estrutura pouco conhecida nas funções
cognitivas e, em especial, na linguagem.
Karin Zazo Ortiz
UNIFESP
Apraxia de membros, gestos e linguagem em
pacientes pós-AVC
A apraxia é um distúrbio na realização de
gestos ou atos motores aprendidos sem que
haja anormalidades em canais sensoriais
aferentes
ou
eferentes,
deterioração
intelectual, nem alteração de atenção ou de
compreensão
dos
comandos
verbais.
Geralmente, ocorre após lesão no hemisfério
cerebral esquerdo que também pode causar o
distúrbio de linguagem denominado afasia.
É curioso observar que pacientes afásicos usam
poucos
gestos
espontâneos
para
se
comunicar. Em 2000. Cubelli e col publicaram
um modelo neuropsicológico para explicação
da compreensão e da produção de gestos e
nele podemos observar que há um sistema de
análise visual que ativa o léxicon de ação de
entrada, podendo ativar o sistema de ação
semântico. O mesmo sistema permite a
ativação do léxicon de ação de saída que
pode ativar os sistemas motores e gerar uma
resposta motora. A publicação de modelos
que buscam explicar a produção e a
compreensão de gestos deu origem a muitas
pesquisas sobre a compreensão e produção
de gestos também em pacientes afásicos. A
maioria dos estudos demonstra dificuldade na
produção de gestos transitivos mais complexos
e de pantomimas, nesta população. Além
disso, por se tratar de uma atividade complexa,
sofre influência de fatores sócio-demográficos
como idade e escolaridade.
Rosinda Martins Oliveira*, Helenice CharchatFichman**, Andreza Moraes da Silva*, Priscila
do Nascimento Marques*
*UFRJ; **PUC-RJ
Paradigmas clássicos para Avaliação de
Memória, atenção e funções executivas:
dados de crianças brasileiras e utilidade clínica
Dentre as medidas de memória, atenção e
funções executivas mais usadas na avaliação
do funcionamento cognitivo estão os Testes
Aprendizagem auditivo-verbal de Rey (AAVR),
Fluência Verbal, Stroop e Figura Complexa de
Rey. Os diferentes escores do AAVR informam
sobre o funcionamento da memória episódica
e da memória de trabalho (que inclui o
Executivo Central). O Teste de Fluência Verbal
(fonológica e semântica) acessa a memória
semântica e as funções executivas. O Stroop
avalia a capacidade seletiva da atenção
atribuída ao Executivo Central. A figura
complexa de Rey permite a avaliação da
Memória e das Funções Executivas. Os dados
de 400 crianças brasileiras de 7 a 14 anos de
idade nestes 4 paradigmas serão comparados
com a literatura internacional e será discutida
sua aplicação clínica.
Adriana Foz
Universidade Federal de São Paulo
Plasticidade Emocional: da reabilitação à
superação
Serão abordados e desenvolvidos os seguintes
temas: estruturas e funções cerebrais, janelas
de oportunidade do cérebro e estratégias
cognitivas. Por meio de um caso real de
superação serão evidenciados aspectos da
plasticidade
cerebral
e
em
especial,
32
características da plasticidade emocional. Este
conceito foi desenvolvido pela autora, hoje
especialista em Neuropsicologia, foi vítima de
um AVC e após 5 anos conquistou plena
reabilitação.
Maria Cecília Corrêa de Faria
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Síndrome
de
Down:
Intervenções
psicoprofilaticas, reabilitadoras e familiares.
Quer por exames prenatais ou quer logo em
seguida ao parto, detectada a existência da
SD, a primeira intervenção é realizada de
imediatosendo intituladaHORA DA NOTICIA. Ela
tem algumas condições ótimas de realização,
que
com
frequência,
não
são
atendidas/procuradas.A Hora da Noticia deve
serseguida
de
Consultas
Terapêuticas
(Winnicott)
realizadas
junto
aospais
e
familiares.Temobjetivos
psicoprofilaticos
e,
talvez restauradores da auto imagem dos pais.
São facilitadoras da existência de ambiente
“suficientemente bom”.
As intervenções diretas com o bebê que tem a
S.D podem e devem ter inicio imediato
(primeira quinzena de vida) através de um
conjunto
de
ações,
cuidadosamente
moduladas, pela equipe multidisciplinar de
atendimento. Objetivam a instauração de
funções executivas que constituem um
conjunto de processos que permitem a
regulação da cognição e do comportamento.
A intervenção
multidisciplinar precoce vai
facilitar ao bebê,desde a sua rotina vida diária,
o engajamento em ações complexas com a
redução
dos
déficits
intelectivos
e
psicomotores, característicos da S.D.
É desejável que a equipe de atendimento ao
bebê se torne, ao longo do percurso, em uma
equipe transdisciplinar.
Moisés da Cunha Lima
IMREA FMUSP, HSPE -SP
TRT SP
Neuroplasticidade conceitos e avanços
O conceito que a recuperação da função do
sistema nervoso central pode ser promovida
por agentes farmacológicos, transplante de
células tronco, estímulos externos, fatores
hormonais entre outros é muito novo na história
da ciência. Anteriormente acreditava-se que o
sistema
nervoso
central,
depois
de
desenvolvido, era imutável e que a
“recuperação” pós lesão ocorria por truques
comportamentais
estratégicos
que
os
indivíduos utilizavam para superar os seus
déficits,
definidos
como
estratégias
compensatórias. Recentes estudos e revisão de
conceitos sobre a plasticidade que ocorre em
um cérebro adulto pós lesão apontam que o
mesmo é capaz de muito mais mudanças
dinâmicas (em função e em estrutura) do que
se pensava nas últimas décadas de pesquisa
na área. Conceitos como função vicariante,
equipotencialidade e reversão de diásquise,
com reorganização e recuperação procuram
explicar os achados mais recentes. O desafio
científico nos próximos anos será o de aplicar a
ciência para entender os efeitos das novas
intervenções a fim de incorporá-las na prática
clínica com segurança e efetividade.
Daniel Mograbi (PUC-Rio); Gustavo Gauer
(UFRGS); François Delaere (CEMDIC)
A Neurobiologia do Self - Perspectivas teóricas
e casos clínicos
Apesar de sua importância para entendermos
nossa relação com o mundo, tradicionalmente
o conceito de self não foi tema de pesquisas
científicas. No entanto, este panorama tem se
alterado drasticamente nos últimos anos.
Durante este simpósio, exploraremos este
conceito
através
de
uma
visada
neurobiológica,
combinando
perspectivas
teóricas e clínicas.
Daniel Mograbi
PUC-Rio
Durante esta comunicação, a relação entre
self e memória será explorada considerando
evidências de pacientes com Doença de
Alzheimer. Em particular, será discutido como
as dificuldades de consolidação destes
pacientes interferem na formação de um senso
de
identidade,
impactando
na
autoconsciência dos mesmos.
Valéria Trunkl Serrao
Universidade de São Paulo
Resumo Reabilitação Cognitiva pós AVE
O acidente vascular encefálico (AVE) é uma
ocorrência clínica de impacto sobre as
33
unidades e os serviços de saúde, quer seja pelo
grande número de doentes quer pelos gastos
relacionados
com
as
tentativas
de
recuperação funcional neurológica que, via de
regra, é variável e de pequena monta. A
avaliação do déficit neurológico, realizado nas
fases iniciais e tardias do AVE, permite certa
previsão sobre o grau de recuperação
esperado na evolução. Como observam os
autores ANDREWS et al., 1981, SARNO; LEVITA,
1981, SKILBECK et al., 1983, BJORNEBY;
REINVANG, 1985, mesmo que a melhora
funcional ocorra nos primeiros três a seis meses,
a recuperação tardia também pode ser
observada. Também é verdade que os
pacientes com mais de seis meses de evolução
a partir do ictus, quando já nenhuma
recuperação
espontânea
adicional
é
esperada,
podem
apresentar
melhora
significante depois de um programa de
reabilitação (BLOCH; BAYER, 1978). Tais ganhos
funcionais
são
mais
observados
no
desempenho de atividades de vida diária e na
mobilidade. Todavia, como o objetivo final da
reabilitação é alcançar uma recuperação
funcional segura, independente, satisfatória e
de altos níveis funcionais, mesmo nos
seguimentos a longo prazo, acredita-se que
sua aplicação e a análise crítica dos dados
disponíveis
permitirão
um
melhor
conhecimento que certamente contribuirá
para a redução dos custos totais da
abordagem reabilitacional. A experiência
diária evidencia a possibilidade da melhora
clínica e funcional em muitos casos crônicos de
longa evolução.
Gustavo Gauer
Departamento
de
Psicologia
do
Desenvolvimento
e
da
Personalidade,
Laboratório de Biossinais em Fenomenologia e
Cognição, Universidade Federal do Rio Grande
do Sul, Porto Alegre, RS
Memory, consciousness and the problem of
intermodal binding in event processing
The experience of maintaining conscious
representations of specific events is pervasive in
everyday life. In episodic recollection, a state of
autonoetic awareness accompanies the
processes of recalling or recognizing the
previous event. The typical item of episodic
memory is not information embedded in the
stimulus itself or conveyed by it, but the actual
event
of
the
stimulus´
presentation.
Nevertheless, reality does not come naturally
separated into events with well defined
beginnings and ends. Representing events
involves both segmenting a continuous reality
into discrete occurrences, and binding
perceptual elements of scenes into coherent
referents that might be properly called events.
This communication reviews theoretical and
empirical investigations on the functions
segmentation and binding processes in
memory and consciousness play in event
processing. Events are compared to other
cognitive units, such as percepts and
sentences. In any case, such units present
specific patterns of part-whole relationships.
Boundaries mark units as separate from each
other (e.g., outlines of visual objects) and
coherence permits their parts to be identified as
belonging to the same wholes. Despite
subsiding on myriads of simultaneous signals,
generated from external and internal sources,
conscious states are also experienced as
unified. Binding must take place in order to
permit multiple signals to inform a unified
experience, and is a product of specific ways of
interaction between consciousness, attention,
short- and long-term memory.
Keywords: episodic memory, consciousness,
event segmentation, binding, event processing
Harumi Nemoto Kaihami
Instituto de Medicina Física e Reabilitação do
Hospital das Clínicas da FMUSP
Avaliação neuropsicológica em crianças com
Paralisia Cerebral
A avaliação neuropsicológica tem por objetivo
a investigação das funções corticais superiores,
sendo que a participação do cérebro se
processa de forma global, em que as áreas são
interdependentes, como um sistema funcional.
A neuropsicologia infantil busca identificar,
precocemente,
alterações
no
desenvolvimento cognitivo e comportamental,
e para tanto utiliza-se de instrumentos
adequados
a
estafinalidade
(testes
neuropsicológicos e escalas para a avaliação
do
desenvolvimento).
Estes
instrumentos
podem detectar precocemente os distúrbios
34
do desenvolvimento, fornecendo uma visão
qualitativa e quantitativa do processo que
ocorre no sistema funcional, possibilitando
intervenções terapêuticas efetivas. Tendo em
vista as crianças com Paralisia Cerebral, temos
que considerar o desenvolvimento motor que
pode apresentar prejuízo, interferindo na
aquisição de habilidades práxicas e funções
psíquicas. A curiosidade em relação ao meio, a
interação com as pessoas e os objetos podem
estar presentes, entretanto necessitam do outro
para que se concretizem. Desta forma, a
avaliação deve considerar o que a criança é
capaz de aprender e o que é capaz de fazer,
para termos a real dimensão da disfunção ou
lesão cerebral.
35
RESUMOS
36
SUMÁRIO
Sumário
22-001- ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS DE CRIANÇAS GÊMEAS E SEUS PARES: DADOS
PRELIMINARES ........................................................................................................................................... 51
22-002- EFEITO DO APRENDIZADO MUSICAL EM UMA CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL: UM
ESTUDO DE CASO ..................................................................................................................................... 51
22-003- PERFIL COMPORTAMENTAL E A CORRELAÇÃO COM O VOCABULÁRIO RECEPTIVO E
EXPRESSIVO DE INDIVÍDUOS COM PARALISIA CEREBRAL. .................................................................. 52
22-004- CASO CLÍNICO - SÍNDROME DE LOUIS BAR ............................................................................ 53
22-005- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM UM CASO DE SÍNDROME DE FLOATING HARBOR
.................................................................................................................................................................... 54
22-006- FENÓTIPO NEUROCOGNITIVO DA SÍNDROME DE DELEÇÃO DO CROMOSSOMO
22q11.2: EVIDÊNCIAS PRELIMINARES ..................................................................................................... 55
22-007- DESEMPENHO COGNITIVO DE INDIVÍDUOS COM SÍNDROME DO X-FRÁGIL: RESULTADOS
PRELIMINARES ........................................................................................................................................... 55
22-008- FENÓTIPO COMPORTAMENTAL DAS HABILIDADES VISUOESPACIAIS NA SÍNDROME DE
WILLIAMS.................................................................................................................................................... 56
22-009- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM CRIANÇA COM SÍNDROME DE RUBINSTEIN-TAYBI:
UM ESTUDO DE CASO. ............................................................................................................................. 57
22-010- DESEMPENHO EXECUTIVO EM PORTADORES DA NEUROFIBROMATOSE TIPO ................... 58
22-011- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE UM CASO DE DESORDENS DO ESPECTRO
ALCOÓLICO FETAL ................................................................................................................................... 58
22-013- EFEITOS SOB O DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOLÓGICO DE CRIANÇAS EXPOSTAS
AMBIENTALMENTE AO MANGANÊS: ESTUDO CASO-CONTROLE....................................................... 59
22-014- ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS EM CRIANÇAS COM EXPOSIÇÃO AMBIENTAL AO
MANGANÊS: BASES PARA UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO ......................................................... 60
22-015- VARIABILIDADE DO PERFIL NEUROPSICOLÓGICO EM CRIANÇAS COM TRANSTORNOS
DA ATENÇÃO ............................................................................................................................................ 61
22-016- O ELEVADO IMPACTO DO TDAH NA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS E
ADOLESCENTES ......................................................................................................................................... 61
22-016A- NÍVEL SOCIOECONÔMICO E IMPULSIVIDADE: PRIVAÇÃO FAVORECERIA O ‘ESTILO DE
RESPOSTA EVITATIVO’ NO CPT-II EM MENINAS ..................................................................................... 62
22-017- IMPACTO DO TDAH NA ESCRITA: DIFERENÇAS DE GÊNERO ................................................ 63
37
22-018- PERCEPÇÃO DE CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DEFÍCIT DE ATENÇÃO E
HIPERATIVIDADE: UM ESTUDO POR MEIO DO RORSCHACH .............................................................. 63
22-019- PERFIL NEUROPSICOLÓGICO DE CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO DÉFICIT DE
ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) COM A BATERIA NEPSY-II........................................................ 64
22-020- AVALIAÇÃO DAS COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) ....................................... 65
22-021- DESEMPENHO DE NOMEAÇÃO, FLUÊNCIA VERBAL , LEITURA E ESCRITA DE CRIANÇAS
COM TDA/H E DISLEXIA ........................................................................................................................... 66
22-022- DESEMPENHO EM QI VERBAL E QI DE EXECUÇÃO EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO
OBSESSIVO COMPULSIVO E EM CRIANÇAS EM RISCO PARA DESENVOLVER O TRANSTORNO .... 66
22-023- DESEMPENHO COGNITIVO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM TRANSTORNO
OBSESSIVO COMPULSIVO (TOC): IMPACTO DO TRATAMENTO NAS TAREFAS DE PLANEJAMENTO
DE INFORMAÇÕES VISUAIS E MEMÓRIA NÃO VERBAL ....................................................................... 67
22-024- PADRÕES DE PERMANÊNCIA E MUDANÇA AO LONGO DO IOWA GAMBLING TASK
DIFERENCIAM CRIANÇAS COM TRANSTORNOS EXTERNALIZANTES DE CONTROLES ...................... 68
22-025- PREDITORES NEUROPSICOLÓGICOS DE EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE PAIS EM GRUPO
PARA CRIANÇAS COM TRANSTORNOS EXTERNALIZANTES................................................................. 69
22-026- REABILITAÇÃO COGNITIVA EM CRIANÇAS COM TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS ........... 70
22-027- INTELIGÊNCIA E DESEMPENHO ESCOLAR: QUAL O PAPEL DO CONTROLE INIBITÓRIO? .. 71
22-028- PERFIL NEUROSPICOLÓGICO DE CRIANÇAS COM TRANTORNO DE APRENDIZAGEM .... 71
22-029- IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMA: CATEGORIZAÇÃO DAS DIFICULDADES DE
APRENDIZAGEM........................................................................................................................................ 72
22-030- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA E DIFICULDADE DE LEITURA E ESCRITA ...................... 73
22-031- CONTRIBUIÇÕES DA NEUROCIÊNCIA PARA A EDUCAÇÃO PARA O PROCESSO DE
APRENDIZAGEM........................................................................................................................................ 74
22-032- REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM CRIANÇAS COM TRANSTORNOS DA
APRENDIZAGEM SOB A PERSPECTIVA DO MODELO DE REUVEN FEUERSTEIN .................................. 74
22-033- REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DA COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA LEITURA ......... 75
22-034- MELHORA DE MEMÓRIA FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM
USO DO JOGO DIGITAL POCOLOTO .................................................................................................... 76
22-035- RELAÇÃO ENTRE NÍVEL SOCIOECONÔMICO, FUNÇÕES EXECUTIVAS E SINTOMAS
PSICOPATOLÓGICOS EM PRÉ-ESCOLARES: TESTANDO MODELOS DE MEDIAÇÃO E
MODERAÇÃO ........................................................................................................................................... 76
22-036- ESBOÇO VISUOESPACIAL DA MEMÓRIA OPERACIONAL COMO PREDITOR DO
DESEMPENHO ACADÊMICO EM MATEMÁTICA ................................................................................... 77
38
22-037- INFLUÊNCIAS DOPAMINÉRGICAS NA TRAGETÓRIA DO DESENVOLVIMENTO DO SENSO
NUMÉRICO ................................................................................................................................................ 78
22-038- COMPARAÇÃO DE MAGNITUDES NÃO SIMBÓLICAS COMO UMA FERRAMENTA DE
RASTREIO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA .............................................. 78
22-039- ANÁLISE PSICOMÉTRICA DE UMA TAREFA DE CÁLCULOS MULTIDIGITAIS .......................... 79
22-040- NEUROGENÉTICA COMPORTAMENTAL: COMO OS POLIMORFISMOS DA COMT SE
RELACIONAM À ANSIEDADE MATEMÁTICA? ....................................................................................... 80
22-041- SÍNDROME DE WILLIAMS: UM MODELO PARA O ESTUDO DAS HABILIDADES NUMÉRICAS
BÁSICAS ..................................................................................................................................................... 81
22-042- NUMBER TRANSCODING IN ELEMENTARY SCHOOL CHILDREN: RULE KNOWLEDGE,
NUMERICAL LEXICAL AND MATHEMATICS ACHIEVEMENT. ................................................................ 82
22-043- FUNÇÕES COGNITIVAS ENVOLVIDAS NO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA E
POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO. ....................................................................................................... 82
22-044- TRANSFORMANDO 600013 EM 6013: PROGRAMA DE REABILITAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA EM TRANSCODIFICAÇÃO E VALOR POSICIONAL - ESTUDO DE CASO ..... 83
22-045- AFASIA E ACALCULIA: O QUE A AVALIAÇÃO E A REABILITAÇÃO DE AFÁSICOS TEM A
DIZER........................................................................................................................................................... 84
22-046- RELATO VERBAL DE CRIANÇAS COM DISCALCULIA DO DESENVOLVIMENTO SOBRE O
APROVEITAMENTO DO TREINO MUSICAL ............................................................................................. 85
22-047- REAVALIAÇÃO DE CRIANÇAS COM DISCALCULIA DO DESENVOLVIMENTO APÓS SEIS
MESES DE INTERVENÇÃO ......................................................................................................................... 85
22-048- PREJUÍZO NA MEMÓRIA VISUOESPACIAL DE CRIANÇAS COM DISTÚRBIO ESPECÍFICO DE
LINGUAGEM: UM ESTUDO PRELIMINAR ................................................................................................. 86
22-049- RELATO DE CASO DE TRANSTORNO DE LINGUAGEM EXPRESSIVA NA INFÂNCIA ............. 87
22-050- ESCORES DO TESTE DE APRENDIZAGEM AUDITIVO-VERBAL DE REY COMO MEDIDAS DE
MEMÓRIA DE CURTO-PRAZO E CAPACIDADE ATENCIONAL NA INFÂNCIA.................................... 88
22-051- PHONEMIC AWARENESS AS A ROUTE TO NUMBER WRITING ................................................ 89
22-052- INVESTIGAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE REDES SEMÂNTICO-LEXICAIS EM CRIANÇAS
PRÉ-ESCOLARES A PARTIR DE TAREFA DE IDENTIFICAÇÃO DE RELAÇÕES SEMÃNTICAS ENTRE
PALAVRAS ................................................................................................................................................. 89
22-053- VERIFICAÇÃO DAS CORRELAÇÕES ENTRE QUATRO TAREFAS SEMÂNTICO-LEXICAIS PARA
ESCOLARES................................................................................................................................................ 90
22-054- FLUÊNCIA E PRECISÃO DE LEITURA E SEUS CORRELATOS EM TERMOS DE HABILIDADES DO
PROCESSAMENTO FONOLÓGICO ......................................................................................................... 91
39
22-055- MEMÓRIA OPERACIONAL E DESEMPENHO ACADÊMICO EM CRIANÇAS DE ESCOLAS
PÚBLICAS E PRIVADAS ............................................................................................................................. 91
22-056- O EFEITO BINDING NA MEMÓRIA OPERACIONAL VISUO-ESPACIAL: DADOS DO TESTE DE
ARRUMAÇÃO DO ARMÁRIO - VERSÃO INFANTIL (TAAI) .................................................................... 92
22-057- QUAL É O PAPEL DA ESCOLARIDADE DA CRIANÇA E DOS PAIS NO PROCESSAMENTO
EXECUTIVO EM TAREFAS DE FLUÊNCIA VERBAL? ................................................................................. 93
22-058- PAPEL DE FATORES BIOLÓGICOS E SOCIOCULTURAIS NO PROCESSAMENTO DISCURSIVO
NARRATIVO: DADOS NORMATIVOS PARA CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS .......................................... 94
22-059- A IMPORTANCIA DA AVALIAÇÃO NEUROPSICOLOGICA PARA AVANÇOS NO
DESEMPENHO ESCOLAR .......................................................................................................................... 95
22-060- FEITOS DE INTERAÇÃO ENTRE AS VARIÁVEIS DO AMBIENTE FAMILIAR, COMPORTAMENTO
E INTELIGÊNCIA SOBRE DESEMPENHO ESCOLAR DE CRIANÇAS ENTRE 6 E 11 ANOS. .................... 95
22-061- PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA COGNITIVA EM PRÉ-ESCOLARES . 96
22-062- DIFICULDADES DE DIAGNÓSTICO INFANTIL PELO RELATO FAMILIAR: A RELEVÂNCIA DA
AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA ...................................................................................................... 96
22-063- ORIGEM ORGÂNICA OU AMBIENTAL? AS DIFICULDADES E IMPORTÂNCIA DA
DELIMITAÇÃO ETIOLÓGICA NA AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA............................................... 97
22-064- VALE A PENA INVESTIGAR A PERSONALIDADE EM AVALIAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS?
REFLEXÕES A PARTIR DE UM ESTUDO DE CASO COM RORSCHACH ................................................ 98
22-064A- TESTE DE CANCELAMENTO DOS SINOS: PAPÉIS DA IDADE E DO TIPO DE ESCOLA EM
CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS .................................................................................................................... 99
22-064B- PERFIL DE DESEMPENHO DE DISLÉXICOS ADULTOS NO WAIS-III: ANÁLISE PRELIMINAR 100
22-065- REVISÃO SISTEMÁTICA DO NEPSY II: BATERIA DE DESENVOLVIMENTO
NEUROPSICOLÓGICO INFANTIL ........................................................................................................... 100
22-066- REDES DE CORRELAÇÃO DE SUJEITOS TÍPICOS ENTRE 3-16 ANOS COM A BATERIA NEPSYII: O QUE MUDA COM O DESENVOLVIMENTO CEREBRAL? .............................................................. 101
22-067- AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS EM DE CRIANÇAS DE SEIS A DEZ ANOS COM A
VERSÃO ABREVIADA DO TESTE WISCONSIN DE CLASSIFICAÇÃO DE CARTAS (WCST-64) ........... 102
22-068- CHILDREN´S MEMORY SCALE: APRESENTAÇÃO E PROCESSO DE TRADUÇÃO DE UM
INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DA MEMÓRIA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ............... 102
22-069- ANÁLISE PSICOMÉTRICA DE UM TESTE EXECUTIVO COMPUTADORIZADO: O JOGO DAS
CARTAS MÁGICAS ................................................................................................................................. 103
22-070- ESTRUTURA FATORIAL E CONFIABILIDADE DO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA BREVE INFANTIL NEUPSILIN-Inf ........................................................................ 104
40
22-071- NORMAS DE DESEMPENHO EM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE COMPREENSÃO
LEITORA A PARTIR DE RECONTO E QUESTIONÁRIO PARA CRIANÇAS DE 1º ANO A 6ª SÉRIE ...... 104
22-072- FIDEDIGNIDADE E DADOS NORMATIVOS DO TESTE ACRE DE ATENÇÃO CONCENTRADA
PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE CURITIBA-PR ........................................................................ 105
22-073- PREDITORES DO ESCORE DE APRENDIZAGEM DO TESTE DE APRENDIZAGEM AUDITIVOVERBAL DE REY: EVIDÊNCIAS DE VALIDADE ....................................................................................... 106
22-074- DIFERENÇA ENTRE GÊNEROS EM ADOLESCENTES DE 14 E 15 ANOS NO TESTE DE MATRIZES
DE VIENA (WMT-2) .................................................................................................................................. 106
22-075- ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE OS ÍNDICES DE AUTORREGULAÇÃO EMOCIONAL DO
CHILD BEHAVIOR CHECKLIST (CBCL) E BEHAVIOR RATING INVENTORY OF EXECUTIVE FUNCTION
(BRIEF) EM CRIANÇAS COM TDAH....................................................................................................... 107
22-076- TRIAGEM COGNITIVA REALIZADA EM UM PROGRAMA DE ATENDIMENTO À SAÚDE
MENTAL NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA .......................................................................................... 108
22-077- MÉTODO NEUROPSICOLÓGICO PARA UMA ESTRUTURAÇÃO MENTAL EVOLUTIVA:
CRIAÇÃO DO DOSSIER RAMAIN PRÉ-F e DOSSIER RAMAIN DE MOVIMENTOS ............................. 109
22-078- DA AVALIAÇÃO INTERDISCIPLINAR À DEFINIÇÃO DE PLANO DE REABILITAÇÃO
HOLÍSTICA: EXPERIÊNCIAS COM CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL ............................. 109
22-079- APRESENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE DIAGNÓSTICO DA NEUROPSICOLOGIA NO
AMBULATÓRIO DA APAE DE SÃO PAULO (APAE) ............................................................................. 110
22-080- TREINO DAS HABILIDADES SOCIAIS ........................................................................................ 111
22-081- RECONHECIMENTO DE EXPRESSÃO DE ALEGRIA EM FACE MASCULINA E FEMININA NOS
HEMICAMPOS VISUAIS DIREITO E ESQUERDO ..................................................................................... 111
22-082- UTILIZAÇÃO DO READING THE MIND IN THE EYES TEST (EYES TEST) – REVISED VERSION
(BARON COHEN, 2001) NA INVESTIGAÇÃO DE HABILIDADES “TEORIA DA MENTE” EM
TRANSTORNOS PSIQUIATRICOS: UMA REVISÃO ................................................................................. 112
22-083- ESTUDO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA PERCEPÇÃO EMPÁTICA E DO
COMPORTAMENTO IMPULSIVO EM ALUNOS DE GRADUAÇÃO...................................................... 113
22-084- A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL NA PERCEPÇÃO DA MENTIRA......... 114
22-085- IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DA MENTIRA ATRAVÉS DA OBSERVAÇÃO DO
COMPORTAMENTO ................................................................................................................................ 114
22-086- NA ALEGRIA E NA TRISTEZA, NÃO COM RAIVA OU MEDO: EFEITOS DAS DIFERENTES
EMOÇÕES SOBRE A COMPATIBILIDADE ESPACIAL ........................................................................... 114
22-087- CONSTRUÇÕES COGNITIVAS NO AUTISMO: CONTRIBUIÇÕES PIAGETIANAS PARA A
TERAPIA DE TROCA E DESENVOLVIMENTO (TED) ............................................................................... 115
22-088- UMA TERCEIRA VIA DE INTERVENÇÃO PARA OS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO
AUTISMO .................................................................................................................................................. 116
41
22-089- TRAJETÓRIAS EVOLUTIVAS DE CRIANÇAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO
AUTISMO: OS DOMÍNIOS COGNITIVO E SÓCIO-EMOCIONAL EM UMA PERSPECTIVA
DESENVOLVIMENTAL .............................................................................................................................. 117
22-090- UMA REVISÃO DE ESTUDOS NEUROPSICOLÓGICOS DO TEMPO DE REAÇÃO NO
AUTISMO DE ALTO FUNCIONAMENTO E NA SÍNDROME DE ASPERGER .......................................... 118
22-091- ANÁLISE DA CORRELAÇÃO ENTRE MELATONINA, DISTÚRBIOS DO SONO E CITOCINAS
INFLAMATÓRIAS EM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO (TEA) .......................................... 118
22-092- A INFLUÊNCAI DA PERCEPÇÃO VISUAL ABSTRATA NA ADAPTAÇÃO SOCIAL DE
CRIANÇAS COM AUTISMO INFANTIL ................................................................................................... 119
22-093- DESENVOLVIMENTO DA ACUIDADE VISUAL E SENSIBILIDADE AO CONTRASTE EM RECÉMNASCIDOS PEQUENOS PARA A IDADE GESTACIONAL ..................................................................... 120
22-094- IMPACTO DA CATARATA CONGÊNITA NA SENSIBILIDADE AO CONTRASTE ESPACIAL DE
LUMINÂNCIA EM CRIANÇAS ................................................................................................................ 121
22-095- DESNUTRIÇÃO E SISTEMA VISUAL: EFEITOS NUTRICIONAIS NA SENSIBILIDADE AO
CONTRASTE VISUAL ................................................................................................................................ 121
22-096- FENÔMENO PERCEPTUAL COM FACES E OBJETOS NA PERIFERIA: ILUSÃO DE MÚLTIPLAS
CONFIGURAÇÕES .................................................................................................................................. 122
22-097- MÁSCARA CÔNCAVA OBSERVADA MONOCULARMENTE SOB DIFERENTES CONDIÇÕES
DE COR, ILUMINAÇÃO E ORIENTAÇÃO, EM UMA CÂMARA ESCURA E NO INTERIOR DE UMA
CAIXA....................................................................................................................................................... 123
22-098- PERCEPÇÃO MONOCULAR DA PROFUNDIDADE OU RELEVO DA MÁSCARA CÔNCAVA
NA SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA DO ÁLCOOL ................................................................................... 124
22-099- A PERCEPÇÃO VISUAL DA COR INFLUÊNCIA A PERCEPÇÃO DO SABOR DE SUCOS DE
LARANJA ................................................................................................................................................. 124
22-099A- EYETRACKING, DIÂMETRO PUPILAR E ESFORÇO COGNITIVO EM UMA TAREFA DE
AVALIAÇÃO DE FUNÇÕES EXECUTIVAS .............................................................................................. 125
22-100- NEUROEDUCAÇÃO: A MEDULA DA EDUCAÇÃO AINDA NÃO PERCEBIDA COMO TAL
NO MEIO DA PRÓPRIA INSTITUIÇÃO .................................................................................................... 126
22-101- O PENSAMENTO CONEXIONISTA EM PSICOLOGIA COGNITIVA: CRENÇA E
REPRESENTAÇÃO MENTAL .................................................................................................................... 127
22-102- REVISÃO DE PROPOSTAS PARA AUMENTO DA ACESSIBILIDADE AO TRATAMENTO
PSICOLÓGICO NA POPULAÇÃO ......................................................................................................... 128
22-103- A PERCEPÇÃO DE PESSOAS COM TRANSTORNOS MENTAIS EM RELAÇÃO A SUA
INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO .......................................................................................... 128
22-104- AVALIAÇÃO DE PROCESSO DE UM CURSO DE EXTENSÃO EM NEUROECONOMIA PARA
CONSULTORES JUNIORES DE ECONOMIA E GESTÃO ........................................................................ 129
42
22-105- CONVERGÊNCIA ESTRATÉGICA NO USO DE CONTEÚDO PERCEPTIVO VISUAL EM
PROPAGANDAS DE TABACO, ÁLCOOL E ALIMENTOS...................................................................... 130
22-106- PROPAGANDAS DE ALIMENTOS ECOLOGICAMENTE VÁLIDAS PARA ESTUDOS
EXPERIMENTAIS........................................................................................................................................ 130
22-107- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA DEPENDÊNCIA QUÍMICA .................................... 131
22-108- NÍVEIS DE ANSIEDADE EM HOMENS E MULHERES USUÁRIOS DE CRACK EM REABILITAÇÃO
DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA ................................................................................................................ 132
22-109- PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO DE MEMÓRIA E NEGLIGÊNCIA NA INFÂNCIA EM
MULHERES DEPENDENTES DE CRACK .................................................................................................. 133
22-110- ALTERAÇÕES COGNITIVAS EM DEPENDENTES QUÍMICAS DE CRACK: UM ESTUDO
CORRELACIONAL ENTRE OS NÍVEIS DE ATENÇÃO E IMPULSIVIDADE ............................................. 133
22-110A- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DA IMPULSIVIDADE EMDEPENDENTES QUÍMICOS DE
CRACK ..................................................................................................................................................... 134
22-111- O FUNCIONAMENTO EXECUTIVO EM USUÁRIOS CRÔNICOS DE CANNABIS ................... 135
22-112- ATENÇÃO NO TRÂNSITO: MOTORISTAS QUE BEBEM ÁLCOOL, NO PADRÃO “BINGE
DRINKING”, ESTÃO MAIS SUSCEPTÍVEIS A FALHAS ATENCIONAIS? .................................................. 136
22-113- ANFETAMINAS: SÃO ELAS CAPAZES DE POTENCIALIZAR O ESTADO DE ATENÇÃO
SUSTENTADA ENTRE MOTORISTAS?....................................................................................................... 136
22-114- ALTERAÇÕES NA PERCEPÇÃO DE FREQUÊNCIAS SONORAS NOS DIFERENTES SEXOS
DEVIDO A INGESTÃO DE ETANOL ........................................................................................................ 137
22-115- CORRELAÇÃO ENTRE OS FATORES MEDIDOS PELA ESCALA DE COMPORTAMENTOS
IMPULSIVOS (UPPS) E O USO DE CIGARRO/ÁLCOOL EM PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE TAB
.................................................................................................................................................................. 138
22-115A- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLOGICA DE SUJEITOS EM CONDIÇÃO DE OBESIDADE...... 139
22-116- BEHAVIORAL EVALUATION OF EIGHT RAT LINES SELECTED FOR HIGH AND LOW ANXIETYRELATED RESPONSES. ............................................................................................................................. 139
22-117- PREJUÍZOS NO COMPORTAMENTO SOCIAL E NA INVESTIGAÇÃO DE OBJETOS EM
ANIMAIS SUBMETIDOS AO PROCEDIMENTO DE HIPÓXIA-ISQUEMIA ENCEFÁLICA ....................... 140
22-118- O DESENVOLVIMENTO DE AGRESSIVIDADE EM RATOS WISTAR MACHOS ....................... 140
22-119- RESPOSTA NÚCLEO PARAVENTRICULAR DO HIPOTÁLAMO E ÁREAS LÍMBICAS
ASSOCIADAS AO ESTRESSE À INGESTÃO CRÔNICA E RETIRADA DO ÁLCOOL ............................. 141
23-001- LEXICAL-SEMANTIC PROCESSING AND READING: RELATIONS BETWEEN SEMANTIC
PRIMING, VISUAL WORD RECOGNITION AND READING COMPREHENSION ................................. 142
23-002- WORRY EFFECTS ON VISUOSPATIAL AND VERBAL WORKING MEMORY WITH AND
WITHOUT BINDING .................................................................................................................................. 143
43
23-003- EXPLORING THE ROLES OF SELF AND OTHER AS LEVELS OF PROCESSING IN
RECOGNITION MEMORY ....................................................................................................................... 143
23-004- INDIVIDUAL AND NORMATIVE PARAMETERS OF AUTOBIOGRAPHICAL MEMORY
ORGANIZATION IN A BRAZILIAN SAMPLE USING A LIFE SCRIPTS PARADIGM ................................. 144
23-005- DESEMPENHO DE ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS EM TAREFAS DE ATENÇÃO,
MEMÓRIA E FUNÇÕES EXECUTIVAS: UM ESTUDO DESENVOLVIMENTAL ......................................... 145
23-006- INVESTIGAÇÃO DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS ASSOCIADAS AO FENÔMENO DA
RESILIÊNCIA E SUA REPERCUSSÃO NO RENDIMENTO ACADÊMICO DE UNIVERSITÁRIOS DO
ESTADO DO AMAZONAS ....................................................................................................................... 146
23-008- ROTAÇÃO MENTAL, COMPATIBILIDADE ESPACIAL E RECONHECIMENTO DA
LATERALIDADE DE UMA FIGURA ........................................................................................................... 146
23-009- A COMPATIBILIDADE ESPACIAL AFETA A LATÊNCIA PARA O RECONHECIMENTO DA
LATERALIDADE DE PARTES DO CORPO? ............................................................................................. 147
23-010- A PREFERÊNCIA LATERAL INFLUÊNCIA A PERCEPÇÃO CORPORAL .................................. 148
23-011- ALIMENTOS REPUGNANTES AFETAM A DISTÂNCIA PERCEBIDA POR MULHERES
UNIVERSITÁRIAS ....................................................................................................................................... 149
23-012- COMPARAÇÃO ENTRE AS VERSÕES STANDARD E ABREVIADA DO TESTE WISCONSIN DE
CLASSIFICAÇÃO DE CARTAS (WCST) .................................................................................................. 149
23-013- TESTE WISCONSIN DE CLASSIFICAÇÃO DE CARTAS, VERSÃO ABREVIADA (WCST-64):
ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS REGIÕES METROPOLITANAS DO RIO GRANDE DO SUL E DE
MINAS GERAIS ......................................................................................................................................... 150
23-014- TAREFA PARA ACESSAR TOMADA DE DECISÃO AFETIVA E DELIBERATIVA: TRADUÇÃO,
ADAPTAÇÃO DO COLUMBIA CARD TASK (CCT) .............................................................................. 151
23-015- INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS BEHAVIOURAL ASSESSMENT
OF THE DYSEXECUTIVE SYNDROME (BADS): EVIDÊNCIAS DE VALIDADE DE CONSTRUTO NA
ADAPTAÇÃO BRASILEIRA ...................................................................................................................... 152
23-016- UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA SOBRE OS CUBOS DE KOHS NAS LÍNGUAS
PORTUGUESA E INGLESA NO PERÍODO DE 1990 A 2013 ................................................................... 153
23-017- VALIDADE E NORMATIZAÇÃO DOS CUBOS DE KOHS PARA A FUNÇÃO EXECUTIVA DE
PLANEJAMENTO ..................................................................................................................................... 153
23-018- PARADIGMA DE HEBB E AS DIFERENÇAS METODOLÓGICAS EM UMA VERSÃO
COMPUTADORIZADA............................................................................................................................. 154
23-019- APRENDIZAGEM DE ITENS INTERMEDIÁRIOS EM UM PARADIGMA MODIFICADO DE HEBB
E SUA RELAÇÃO COM A CONSCIÊNCIA DA REPETIÇÃO ................................................................. 155
23-020- Estudo piloto do teste de percepção visual Dali-Simas: versão informatizada em ipad
para avaliação de pessoas com esquizofrenia ............................................................................... 155
44
23-021- DESENVOLVIMENTO E VALIDAÇÃO DA VERSÃO “SIMPLIFICADA” DA FIGURA COMPLEXA
DE TAYLOR: UM INSTRUMENTO ADEQUADO PARA AVALIAÇÃO DE IDOSOS BRASILEIROS COM
BAIXA ESCOLARIDADE? ........................................................................................................................ 156
23-022- (NEUROPSICOLOGIA)³ - OS CUBOS NA HISTÓRIA DOS TESTES ........................................... 157
23-023- TESTE DE RETENÇÃO VISUAL DE BENTON (BVRT): INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS
SOCIOCULTURAIS E COGNITIVAS......................................................................................................... 158
23-024- VALIDAÇÃO DAS IMAGENS DO INTERNATIONAL AFFECTIVE PICTURES SYSTEM (IAPS) EM
BAIXA FREQUÊNCIA ESPACIAL ............................................................................................................. 158
23-025- COMPOSIÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM BANCO DE EXPRESSÕES FACIAIS BRASILEIRO .... 159
23-026- ESPANHÓIS versus BRASILEIROS: TRADUÇÃO DE INSTRUMENTO E RASTREIO DE
ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS EM ESTUDO PILOTO. .............................................................. 160
23-027- COMPARAÇÃO DO TESTE COGNITIVO PBAC COM OUTROS INSTRUMENTOS EM
PACIENTES COM RISCO CARDIOVASCULAR ..................................................................................... 161
23-028- DESEMPENHO COGNITIVO EM TESTES DE RASTREIO EM PACIENTES COM RISCO
CARDIOVASCULAR ................................................................................................................................ 161
23-029- AVALIAÇÃO COGNITIVA COM ÊNFASE EM FUNÇÕES EXECUTIVAS, STRESS E QUALIDADE
DE VIDA EM PACIENTE COM DIAGNÓSTICO DE DOR CRÔNICA: ESTUDO DE CASO CLÍNICO.. 162
23-031- DÉFICITS COGNITIVOS ASSOCIADOS À DOENÇA RENAL CRÔNICA: UMA REVISÃO DE
LITERATURA .............................................................................................................................................. 163
23-032- CORRELAÇÃO ENTRE DIMENSÕES DO INSIGHT E FUNÇÕES COGNITIVAS EM PACIENTES
COM ESQUIZOFRENIA DEFICITÁRIA E NÃO DEFICITÁRIA .................................................................. 164
23-033- ESTUDO DO DESEMPENHO COGNITIVO DE PESSOAS ADULTAS INFECTADAS PELO VÍRUS
DA HEPATITE C (HCV): RESULTADOS PARCIAIS. ................................................................................. 164
23-034- RELATO DA EXPERIÊNCIA DE UM ACOMPANHAMENTO COGNITIVO COM PACIENTE
COM ESCLEROSE MÚLTIPLA .................................................................................................................. 165
23-035- AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS FRENTE AO DIAGNÓSTICO DE
HIPOTIREOIDISMO CLÍNICO E SUBCLÍNICO ........................................................................................ 165
23-036- RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO INTELECTUAL GERAL E A MEMÓRIA OPERACIONAL DE
PACIENTES COM ESCLEROSE TUBEROSA............................................................................................. 166
23-037- Percepção Temporal na Síndrome de Deleção do 22q11.2 ........................................... 167
23-038- IMPORTÂNCIA DO GENE COMT (VAL158MET) PARA AS DIFERENÇAS DE SEXO NA
TOMADA DE DECISÃO AFETIVA ........................................................................................................... 167
23-039- A AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE SÍNDROME DE
CHARLES BONNET: UM ESTUDO DE CASO .......................................................................................... 168
45
23-040- NEUROFIBROMATOSE TIPO 1: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO EM ESCRITA E
ARITMÉTICA ............................................................................................................................................. 169
23-041- DIFERENÇA DA INFLUÊNCIA DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS NO DESEMPENHO ARITMÉTICO
ENTRE NF1 E POPULAÇÃO SAUDÁVEL ................................................................................................. 169
23-042- NEUROPSICOLOGIA DOS TUMORES DE HIPÓFISE: UMA REVISÃO CRÍTICA ...................... 170
23-043- CORRELAÇÃO ENTRE IMPULSIVIDADE A PARTIR DA ESCALA DE COMPORTAMENTOS
IMPULSIVOS UPPS E IDEAÇÃO SUICIDA EM PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE TRANSTORNO
AFETIVO BIPOLAR ................................................................................................................................... 171
23-044- COMPARAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE ANSIEDADE E IMPULSIVIDADE EM PACIENTES COM
DIAGNÓSTICO DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DA ESCALA DE
ANSIEDADE DE BECK (BAI) E ESCALA DE COMPORTAMENTOS IMPULSIVOS (UPPS ...................... 172
23-045- EVOLUÇÃO DE PREJUÍZOS EXECUTIVOS NO TRANSTORNO BIPOLAR: REVISÃO
SISTEMÁTICA DE ESTUDOS LONGITUDINAIS ......................................................................................... 172
23-046- INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE OS SINTOMAS DE DESESPERANÇA E OS FATORES DE
IMPULSIVIDADE A PARTIR DA ESCALA DE COMPORTAMENTOS IMPULSIVO UPPS EM PACIENTES
DIAGNOSTICADOS COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR EM FASE DEPRESSIVA. ...................... 173
23-047- MARCADOR DE ESTRESSE ASSOCIADO AO TRANSTORNO BIPOLAR: COMPARAÇÕES
RELATIVAS AO COMPRIMENTO DE TELÔMEROS ................................................................................ 174
23-048- ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS DA DEPRESSÃO ............................................................ 175
23-049- AVALIAÇÃO DA RESPOSTA TERAPÊUTICA EM PACIENTES DEPRESSIVOS ATRAVÉS DA
ANÁLISE DA ATIVIDADE DO EIXO HIPOTÁLAMO-PITUITÁRIA-ADRENAL (HPA) ............................... 175
23-050- ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS EM PACIENTES ADULTOS COM DEPRESSÃO
MELANCÓLICA OU NÃO MELANCÓLICA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA ........................................ 176
23-051- FUNÇÕES EXECUTIVAS COMO POSSÍVEL ENDOFENÓTIPO NEUROCOGNITIVO NOS
TRANSTORNOS DE ANSIEDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA .......................................................... 177
23-051A - A INFLUÊNCIA DO ESTRESSE PRECOCE NO TRANSTORNO DISFÓRICO PRÉ-MENSTRUAL
.................................................................................................................................................................. 178
23-051B - O IMPACTO DO ESTRESSE PRECOCE NO TRANSTORNO DE HUMOR ............................. 179
23-052- ESTIMULAÇÃO COGNITIVA E FUNCIONAL: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO EM
REABILITAÇÃO PSIQUIÁTRICA NO CRHD ............................................................................................ 180
23-053- COGNIÇÃO EM INDIVÍDUOS EM ESTADOS MENTAIS DE RISCO PARA PSICOSE .............. 180
23-054- PSICOPATIA, DIFERENÇAS DE GÊNERO E RECONHECIMENTO DE EMOÇÕES: UMA
REVISÃO SISTEMÁTICA ........................................................................................................................... 181
23-055- ANÁLISE DO DISCURSO DOS FAMILIARES DOS PACIENTES DO GRUPO DE PRIMEIRO
EPISÓDIO PSICÓTICO DO INSTITUTO DE PSIQUIATRIA DO HC FMUSP ............................................. 182
46
23-056- TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE: SUA EVOLUÇÃO NO MANUAL DIAGNÓSTICO E
ESTATÍSTICO DOS TRANSTORNOS MENTAIS (DSM) ............................................................................. 182
23-057- MEMÓRIA OPERACIONAL E SINTOMAS SUBCLÍNICOS DE TRANSTORNOS MENTAIS E
COMPORTAMENTAIS ............................................................................................................................. 183
23-058- CAPACIDADE DISCRIMINATIVA DO TESTE DO DESENHO DO RELÓGIO PARA PACIENTES
COM ESCLEROSE MÚLTIPLA .................................................................................................................. 183
23-059- FUNÇÕES EXECUTIVAS E MEMÓRIA DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA:
COMPARAÇÃO COM GRUPO CONTROLE NÃO-CLÍNICO.............................................................. 184
23-060- TRANSTORNOS NEUROCOGNITIVOS ASSOCIADOS AO HIV (HAND) EM UMA AMOSTRA
DO HUCFF-UFRJ ...................................................................................................................................... 185
23-061- RELAÇÃO ENTRE VOLUMETRIA CEREBRAL E DÉFICITS COGNITIVOS NO HIV+ ................. 185
23-062- NEUROPSICOLOGIA DA IMPULSIVIDADE NA EPILEPSIA....................................................... 186
23-063- RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FUNCIONAL NA NEUROCIRURGIA E NAS EPILEPSIAS.
APRESENTAÇÃO DE CASOS CLÍNICOS DO NATE - NÚCLEO AVANÇADO DE TRATAMENTO DAS
EPILEPSIAS DO HOSPITAL FELÍCIO ROCHO DE BELO HORIZONTE ..................................................... 187
23-064- REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA E INTERVENÇÕES PSICOPEDAGÓGICAS NO
TRATAMENTO DE PACIENTE ADULTO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL.......................................... 187
23-065- ALTERAÇÃO DA ATENÇÃO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO FISIOLÓGICO ......... 188
23-066- PROPOSTA DE NOVOS CRITÉRIOS PARA ANÁLISE QUANTITATIVA DO TESTE DO DESENHO
DO RELÓGIO BASEADO NA ÁNALISE DOS ERROS MAIS FREQUENTES EM IDOSOS ....................... 189
23-067- A VITAMINA E ESTARIA ASSOCIADA AO DESEMPENHO DA MEMÓRIA EM IDOSOS? ..... 189
23-068- AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE E DIFICULDADE DAS ETAPAS DA TAREFA TORRE DE
LONDRES PARA AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS EM IDOSOS SAUDÁVEIS NO BRASIL . 190
23-069- COMO O PLANEJAMENTO INFLUENCIA A CÓPIA DE FIGURAS COMPLEXAS? INIBIÇÃO E
MEMÓRIA OPERACIONAL COMO MEDIADORES EM IDOSOS ......................................................... 191
23-070- ESTRUTURA FATORIAL DO CONTROLE INIBITÓRIO NO ENVELHECIMENTO: COMPARAÇÃO
ENTRE AMOSTRAS DE ADULTOS E IDOSOS .......................................................................................... 192
23-071- ENVELHECIMENTO E MEMÓRIA - REVISÃO DA LITERATURA ................................................ 192
23-072- EFEITOS DA PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA NAS FUNÇÕES COGNITIVAS EM IDOSOS ... 193
23-073- A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA REALIZADA EM IDOSOS,
IMPACTO E ACOLHIMENTO AO PACIENTE E FAMILIAR ..................................................................... 194
23-074- EFEITOS DA ESCOLARIDADE E IDADE NO DESEMPENHO DE IDOSOS NO SUBTESTE
MEMÓRIA LÓGICA DA ESCALA DE MEMÓRIA DE WECHSLER ......................................................... 195
47
23-075- ASSOCIAÇÃO ENTRE DESEMPENHO EM TESTES NEUROPSICOLÓGICOS E CAPACIDADE
FUNCIONAL EM IDOSOS COM COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE ...................................... 195
23-076- PREDOMÍNIO DE COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE DISEXECUTIVO EM IDOSOS
ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DA GERIATRIA DE UM HOSPITAL PÚBLICO TERCIÁRIO NA CIDADE
DO RIO DE JANEIRO............................................................................................................................... 196
23-077- PERFIL CLÍNICO E DEMOGRÁFICO DE IDOSOS ASSISTIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE
GERIATRIA DE UM HOSPITAL PÚBLICO DO RIO DE JANEIRO: IMPORTÂNCIA DA HIPERTENSÃO
ARTERIAL NO DECLÍNIO COGNITIVO LEVE ......................................................................................... 197
23-078- COMPROMETIMENTO COGNITIVO SUBJETIVO: CONTROLES QUEIXOSOS PODEM
REPRESENTAR GRUPO DE DA PRÉ-CLÍNICO?...................................................................................... 197
23-079- COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DE INDIVÍDUOS COM COMPROMETIMENTO
COGNITIVO LEVE E DEMÊNCIA DE ALZHEIMER EM TAREFA DE FUNÇÃO EXECUTIVA MEDIADA E
NÃO MEDIADA PELA LINGUAGEM. ..................................................................................................... 198
23-080- AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DA CONSCIÊNCIA DA DOENÇA EM PESSOAS COM
DOENÇA DE ALZHEIMER LEVE .............................................................................................................. 199
23-081- INTERAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DIABETES MELLITUS: ASSOCIAÇÃO COM VELOCIDADE
DE PROCESSAMENTO, CONTROLE INIBITÓRIO E FLEXIBILIDADE COGNITIVA EM IDOSOS COM
COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE............................................................................................. 200
23-082- SUBGRUPOS DE PACIENTES COM COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE E DOENÇA DE
ALZHEIMER DEFINIDOS PELO METABOLISMO CEREBRAL DE GLICOSE E SUAS ESPECIFICIDADES
COGNITIVAS: UM ESTUDO COM 18F-FDG PET/CT ............................................................................. 201
23-082A- ASSOCIAÇÃO ENTRE ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA BÁSICAS E INSTRUMENTAIS COM
ASPECTOS COGNITIVOS E DESTREZA MOTORA FINA: EM IDOSOS: PERFIL DE DUPLA
DISSOCIAÇÃO? ...................................................................................................................................... 202
23-083- COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO EM ITENS DA ESCALA MATTIS EM IDOSOS COM
COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE AMNÉSTICO, DE MÚLTIPLOS DOMÍNIOS, DOENÇA DE
ALZHEIMER E CONTROLES SAUDÁVEIS................................................................................................. 203
23-084- PRODUÇÃO DO DISCURSO NARRATIVO E PROCEDIMENTAL NA DOENÇA DE ALZHEIMER
.................................................................................................................................................................. 204
23-085- ANOSOGNOSIA EM IDOSOS COM DEMÊNCIA, CCL E DEPRESSÃO: CONCORDÂNCIA
DO RELATO DE SINTOMAS, PAPEL NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL E CORRELATOS COGNITIVOS
.................................................................................................................................................................. 205
23-086- RECONHECIMENTO DA EXPRESSÃO FACIAL NA DEMÊNCIA: UM ESTUDO LONGITUDINAL
.................................................................................................................................................................. 206
23-087- VALIDAÇÃO CLÍNICA DE UMA BATERIA BREVE DE TESTES DE RASTREIO PARA
DIAGNOSTICO PRECOCE DE DEMÊNCIA EM CLÍNICA GERIÁTRICA DE HOSPITAL PÚBLICO ...... 206
48
23-088- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA COMO AUXÍLIO NO DIAGNÓSTICO DE SÍNDROMES
DEMENCIAIS: SOMANDO CONHECIMENTOS PARA MELHORAR O DIAGNÓSTICO E O
TRATAMENTO .......................................................................................................................................... 207
23-089-A- ANÁLISE DO BIOMARCADOR 18F-FDG PET/CT NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DO
COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE E DA DOENÇA DE ALZHEIMER: AVALIAÇÃO POR
REGIÕES DE INTERESSE ........................................................................................................................... 208
23-090- PERFIL DE INTRUSÕES NA APRENDIZAGEM VERBAL E SEUS CORRELATOS COGNITIVOS EM
PACIENTES COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER ...................................................................................... 209
23-091- RUPTURA DO SISTEMA SEMÂNTICO NO ENVELHECIMENTO PATOLÓGICO: EVIDÊNCIAS
DA TAREFA DE FLUÊNCIA VERBAL SEMÂNTICA .................................................................................. 210
23-092- FLUÊNCIA VERBAL SEMÂNTICA: MEDIDAS DE CLUSTERING E SWITCHING, E O PAPEL
CENTRAL DAS NOVAS SUBCATEGORIAS ............................................................................................. 211
23-093- HIPOMETABOLISMO CEREBRAL E FLUÊNCIA VERBAL SEMÂNTICA EM IDOSOS ................ 212
23-094- EFFICACY OF CHOLINESTERASE INHIBITORS IN THE TREATMENT OF PARKINSON’S DISEASE
DEMENTIA: A SYSTEMATIC REVIEW AND META-ANALYSIS ................................................................. 213
23-095- DOENÇA DE PARKINSON: SINTOMAS DE DEPRESSÃO E DE ANSIEDADE INTERFEREM NA
IMPULSIVIDADE, MAS NÃO NAS FUNÇÕES EXECUTIVAS. .................................................................. 213
23-096- ASPECTOS PSICOBIOLÓGICOS DA PERSONALIDADE NA DOENÇA DE PARKINSON:
ESTUDO DO TEMPERAMENTO E DO CARÁTER .................................................................................... 214
23-097- PACIENTE COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDO À ESTIMULAÇÃO CEREBRAL
PROFUNDA UNILATERAL NO NÚCLEO SUBTALÂMICO: AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA E
QUALIDADE DE VIDA - UM ESTUDO DE CASO .................................................................................... 215
23-098- FLUTUAÇÕES NÃO MOTORAS - ANSIEDADE E DEPRESSÃO - EM PACIENTES COM
DOENÇA DE PARKINSON QUE APRESENTAM FLUTUAÇÕES MOTORAS DO TIPO WEARING-OFF 215
23-099- ASSOCIAÇÕES E DISSOCIAÇÕES DE DESEMPENHOS EM TAREFAS DE MEMÓRIA ENTRE
PACIENTES APÓS LESÃO CEREBROVASCULAR................................................................................... 216
23-100- INFLUÊNCIA COMBINADA DE HÁBITOS DE LEITURA E ESCRITA E ESCOLARIDADE NO
DESEMPENHO COGNITIVO DE PACIENTES PÓS-ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ....................... 216
23-101- ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO DIREITO: FUNÇÕES EXECUTIVAS E IMPULSIVIDADE 217
23-102- ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL: AVALIAÇÃO DA IMPULSIVIDADE MEDIDA ATRAVÉS DE
AUTORRELATO E DE TAREFA COMPORTAMENTAL ............................................................................. 218
23-103- IMPACTO DA GRAVIDADE DO TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO NA FLUÊNCIA
VERBAL SEMÂNTICA E FONÊMICA-ORTOGRÁFICA ........................................................................... 219
23-104- SÍNDROME DO DESCONTROLE EPISÓDICO: REMISSÃO APÓS LESÃO FRONTOTEMPORAL
TRAUMÁTICA ........................................................................................................................................... 220
49
23-105- DIFERENTES PARADIGMAS DE AVALIAÇÃO DA TOMADA DE DECISÃO NO
TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO ................................................................................................. 221
23-106- INIBIÇÃO E FLEXIBILIDADE VERBAIS PÓS-TCE AGUDO: QUANDO O PAPEL DOS HÁBITOS
DE LEITURA E ESCRITA SE SOBREPÕEM AO IMPACTO DA LESÃO .................................................... 222
23-107- PROCESSAMENTO DE INFERÊNCIAS EM PACIENTES COM TRAUMATISMO
CRANIOENCEFÁLICO AGUDO: RELAÇÃO ENTRE MEDIDAS SINTÁTICAS E DISCURSIVAS............. 222
23-108- ESTUDO DE CASO DE REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM PACIENTE COM TCE .. 223
23-109- APRENDIZAGEM E MEMÓRIA EPISÓDICA AUDITIVO-VERBAL: O PAPEL DA GRAVIDADE
NO TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO .......................................................................................... 224
23-110- QUAIS HABILIDADES PRAGMÁTICAS ESTÃO ENVOLVIDAS NO DÉFICIT DISCURSIVO
CONVERSACIONAL DE PACIENTES PÓS-TCE AGUDO? .................................................................... 225
23-111- AUTOCONSCIÊNCIA DE DÉFICITS COGNITIVOS NO TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO:
UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA CONTRIBUIÇÃO DE VARIÁVEIS COGNITIVAS, DEMOGRÁFICAS E
CLÍNICAS ................................................................................................................................................. 226
23-112- PERFIS DE FUNCIONAMENTO EXECUTIVO NO TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO: UMA
INVESTIGAÇÃO INICIAL DO PAPEL DE VARIÁVEIS INDIVIDUAIS, CLÍNICAS, NEUROLÓGICAS E
SOCIOCULTURAIS ................................................................................................................................... 227
23-113- ANÁLISE DOS INTERVALOS DA FLUÊNCIA VERBAL DE PACIENTES PÓS-TCE AGUDO: O
QUE NOS DIZ SOBRE AS FUNÇÕES EXECUTIVAS? ............................................................................... 228
23-114- REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA E TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO - ESTUDO
DE CASO COSTA BST1............................................................................................................................ 229
23-115- A PESSOA COM HEMIPLEGIA E O PROCESSO DE REABILITAÇÃO: CONSIDERAÇÕES
SOBRE OS ASPECTOS FÍSICOS E COGNITIVOS .................................................................................... 229
23-116- NEUROACADEMIA: UM AMBIENTE DE REABILITAÇÃO COGNITIVA ATRAVÉS DE JOGOS
COGNITIVOS E NEUROTECNOLOGIAS ................................................................................................ 230
23-117- AQUISIÇÃO DE HABILIDADES MOTORAS NA DANÇA DE SALÃO: DEBATE ENTRE
REPRESENTACIONALISMO E ECOLOGIA ............................................................................................. 231
23-118 BIOFEEDBACK CARDIOVASCULAR DE BAIXO CUSTO ........................................................... 232
23-019- COMPARAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO INTELECTUAL E ESCOLAR EM
CRIANÇAS/ADOLESCENTES COM SÍNDROME ALCOÓLICA FETAL ................................................. 232
50
DIA 22/11/2013 – SEXTA-FEIRA
22-001- ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS DE
CRIANÇAS GÊMEAS E SEUS PARES: DADOS
PRELIMINARES
Schlindwein-Zanini R1; Bastos MP1
1Universidade Federal de Santa Catarina Hospital Universitario
Gêmeos
são
bivitelinos(dizigóticos)
ou
univitelinos(monozigóticos).
Gêmeos
idênticos/monocoriônicos
geralmente
apresentam
maiores
semelhanças
psicológicas. Exceto dificuldades como atraso
no
desenvolvimento
relacionadas
à
prematuridade e baixo peso nos primeiros anos
(posteriormente
superadas
por
muitos),
gêmeos, trigêmeos e outros múltiplos têm igual
capacidade intelectual e de linguagem que
outras crianças, que vivem maior interação
com adultos. Objetivos:Verificar aspectos
neuropsicológicos
de
crianças
gêmeas,
incluindo Quociente Intelectual-QI geral entre
pares de gemelares, QI verbal e de execução
da amostra; investigar aspectos relacionais
entre pares de gemelares; verificar alterações
neuropsicológicas
auto-relatadas
em
indivíduos cuidadores de crianças gêmeas.
Métodos:Avaliar 10 indivíduos gemelares entre
07 e 12 anos, nascidos hígidos de ambos sexos,
uni e bivitelinos, alfabetizados, sem uso de
psicotrópicos, no Hospital Universitário-UFSC.
Aplicou-se nos gêmeos a Escala de
Inteligência de Wechsler para crianças(WISC)
e questionário estruturado acerca de aspectos
emocionais referentes a condição de gemelar;
e nos cuidadores, o Inventário de Alterações
Neuropsicológicas–SZC. Pesquisa aprovada
pelo Comitê de Ética(CEPSH-UFSC). Resultados
e Discussão:A avaliação neuropsicológica
pediátrica considera o desenvolvimento físico,
cognitivo, cerebral, linguístico e psico-social,
especialmente em gemelares. Observou-se
valores de média de 120 e desvio padrão de
19,16, considerando o QI geral (WISC),
obtendo classificação entre médio superior e
superior. Todos univitelinos estiveram na mesma
classificação intelectual que seus irmãos,
diferentemente dos bivitelinos. A maioria(7/10)
dos sujeitos apresentaram QI verbal superior ao
de execução.Assim como o predomínio de
destros. Acerca dos sentimentos referentes a
condição de gemelar na ocasião da ausência
do irmão gêmeo, as respostas mais freqüentes
foi “Sozinho“(6/10), seguida de “Infeliz“ e
“Calmo“(3/10), sendo que sua relação
subjetiva com seu gemelar não apresenta
distinção
se
comparados
as
gêmeos
univitelinos e bivitelinos. Nas alterações
neuropsicológicas
auto-relatadas
de
cuidadores dos gemelares, constatou-se que o
dominio
com
escore
menor
e
pior
desempenho foi de memória recente e da
escrita, podendo relacionar-se a carga dos
cuidados
entre
outras
atribuições.
Conclusão:Constata-se bom desempenho
cognitivo e equilíbrio cognitivo na classificação
entre gemelares, sendo mais evidente entre
univitelinos. Sentimentos de solidão são
presentes na ausencia do irmão gemelar. Nos
cuidadores, destaca-se a percepção de
alterações nas funções de memória recente e
escrita.A vivência cognitiva e afetiva de
gemelares e cuidadores é singular. Pesquisas
envolvendo gemelares são importantes,
permitindo investigar a contribuição diferencial
dos fatores genéticos e ambientais no
desenvolvimento e comportamento humano.
Apoio Financeiro: Não possui apoio financeiro.
Responsável pelo Envio:
Rachel Schlindwein Zanini
([email protected])
22-002- EFEITO DO APRENDIZADO MUSICAL EM
UMA CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL: UM
ESTUDO DE CASO
Maciel-Lima D1; Pereira APA1
1Ufpr – Psicologia
Diversas pesquisas têm apontado que a
música pode agir como um catalizador para o
desenvolvimento da cognição, fato que
aliado ao seu aspecto motivacional torna o
aprendizado musical adequado a se tornar
uma importante ferramenta auxiliar na
“reabilitação” neuropsicológica infantil. Ao se
considerar
as
dificuldades
comumente
enfrentadas pelas crianças com paralisia
cerebral como a redução da velocidade de
processamento,
dificuldades
atencionais,
51
dificuldades na coordenação visuo-motora, e
as pesquisas sobre os efeitos extramusicais do
aprendizado musical que apontam trazer
benefícios justamente para esses aspectos,
levantou-se a seguinte questão de pesquisa:
Quais são as influências cognitivas, emocionais
e comportamentais do aprendizado musical
na vida de uma criança com paralisia
cerebral?
Para
tanto,
utilizou-se
da
metodologia de estudo de caso instrumental
em que se acompanhou por dois anos uma
criança (R.M.) com idade inicial de 11 anos e
com paralisia cerebral à esquerda do tipo
espástica que participava de aulas de música
em teclado. Realizou-se uma avaliação
neuropsicológica pré e pós intervenções e
analisou-se dados de diversas fontes como
observação da aula de música, entrevistas,
visita à escola especial, análise de prontuário
médico e diário de campo. Em relação aos
resultados obtidos, observou-se que a criança
estudada
apresentou
um
aumento
generalizado nos índices de QI e apresentou
melhoras em relação à capacidade de
concentração, velocidade de processamento,
planejamento
motor,
auto-estima
e
comportamento. No período observado, a
criança também iniciou seu processo de
alfabetização. Tanto a sua família, quanto suas
professoras atuais relataram um avanço por
parte de R.M. em relação ao comportamento
e à capacidade atencional. Ambas as fontes
relataram que ele se tornou obediente,
carinhoso e sociável. Conclui-se que as
mudanças relatadas se devem a três fatores
principais: 1) a entrada na escola especial 2) o
sucesso e efetividade das aulas de música e 3)
trabalho de reabilitação cognitiva realizado
organizado em 12 sessões. Duas conclusões
principais podem ser tiradas do presente
trabalho. A primeira pode ser apresentada em
forma de hipótese, segundo a qual uma das
possíveis explicações para os estudos que
apontam que o aprendizado musical pode
trazer benefícios a longo prazo para a
capacidade atencional e velocidade de
processamento é que as exigências das aulas
de música levam ao desenvolvimento dessas
dimensões neuropsicológicas. Enquanto que a
segunda refere-se ao fato de que intervenções
interdisciplinares
e
trabalhos
mais
individualizados
que
respeitem
as
potencialidades e dificuldades de cada aluno
podem trazer resultados importantes para a
população com necessidades especiais.
Apoio Financeiro: UFPR/TN
Responsável pelo Envio:
Diego Maciel Lima
([email protected])
22-003- PERFIL COMPORTAMENTAL E A
CORRELAÇÃO
COM
O
VOCABULÁRIO
RECEPTIVO E EXPRESSIVO DE INDIVÍDUOS COM
PARALISIA CEREBRAL.
Melo FC1; Freitas NF1; Giacheti CM1
1Universidade Estadual Paulista UNESP - Marília
– Fonoaudiologia
A
Encefalopatia
Infantil
Crônica
Não
Progressiva ou Paralisia Cerebral (PC) consiste
em uma patologia permanente e não
progressiva,
sendo
suas
principais
e
fundamentais características as alterações
posturais e no movimento. A etiologia da PC
está relacionada com a ocorrência de lesão
no sistema nervoso central ainda em
desenvolvimento.
Estudos
mostram
que
concomitante às alterações motoras globais e
específicas, como a fala, também pode estar
entre o quadro de manifestações da PC a
presença de alterações comportamentais,
cognitivas e de linguagem. Há relatos de que
distúrbios motores e na comunicação
parecem estar frequentemente relacionados
com
ocorrência
de
problemas
comportamentais. Os objetivos deste estudo
foram: (1) caracterizar e comparar o perfil
comportamental, segundo os pais de
indivíduos com PC e controles; e (2)
correlacionar o perfil comportamental com o
desempenho
comunicativo
(vocabulário
receptivo e expressivo), também informado
pelos pais dos indivíduos com PC. Participaram
deste estudo 36 indivíduos de ambos os
gêneros, com idade entre 6 e 14 anos e seus
pais. Destes, foram 18 indivíduos com
diagnóstico de PC espástica (grupo pesquisa)
e 18 indivíduos de mesma idade cronológica
sem a patologia e com desenvolvimento
neuropsicomotor e de linguagem típicos
(grupo controle). O perfil comportamental dos
52
dois grupos foi obtido com a aplicação do
inventário comportamental Child Behavior
Checklist CBCL 6-18 anos, versão para os pais.
Os pais do grupo pesquisa também
responderam
sobre
a
habilidade
de
vocabulário expressivo e receptivo dos seus
filhos,
utilizando-se
o
Inventário
de
Desenvolvimento
de
Habilidades
Comunicativas MacArthur. Após a análise dos
dados,
foi
encontrada
diferença
estatisticamente significante entre o grupo PC
e controle nas escalas comportamentais:
“problemas sociais” e “problemas com o
pensamento”.
Também
foi
encontrada
correlação positiva entre os problemas
comportamentais
e
as
alterações
no
vocabulário receptivo e expressivo dos
indivíduos com PC. A partir dos dados obtidos
neste estudo conclui-se que os indivíduos com
PC
apresentaram
mais
problemas
comportamentais do que seus pares com
desenvolvimento típico, segundo relato dos
pais.
Tais
problemas
comportamentais
parecem
estar
relacionados
com
as
alterações no desempenho comunicativo dos
indivíduos com PC e com o nível de
comprometimento motor destes indivíduos,
uma
vez
que
mais
problemas
comportamentais foram citados pelos pais que
também relataram mais problemas na
comunicação e no aspecto motor. Esses
achados corroboram com dados da literatura,
uma vez que estudos anteriores também
reportaram a relação entre problemas
comportamentais e de linguagem. Os
problemas de comunicação em geral vividos
pelo sujeito com PC são fatores restritivos a
adaptação social dos mesmos, o que poderia
justificar as correlações encontradas neste
estudo. Apoio Financeiro: FAPESP
Responsável pelo Envio:
Fabiana Cristina de Melo
([email protected])
22-004- CASO CLÍNICO - SÍNDROME DE LOUIS
BAR
Guerra A B; Izabel Hazin; Barros Pm2; Paula P
A1
1UFRN - Psicologia ; 2Universidade Federal do
Rio Grande do Norte (ufrn) - Departamento de
Psicologia
Apresenta-se aqui o caso de A. L., adolescente
de sexo feminino, cursando o 3º ano do ensino
fundamental de escola particular, doze anos
no momento da avaliação. A.L. é portadora
da
Síndrome
de
Louis
Bar
(AtaxiaTelangiectasia), apresenta ataxia progressiva
com degeneração do Sistema Nervoso
Central, incluindo quadro de deficiência
intelectual, de acordo com o laudo de
Investigação Genética de 17/07/2006.Os
primeiros sinais da síndrome foram percebidos
a partir de disfunções no desenvolvimento
psicomotor. A.L. apresentou alterações de
equilíbrio e marcha, por volta dos 02 anos de
idade, quando começou a dar os primeiros
passos. Somente aos 06 anos, com a piora dos
sintomas, foi realizado diagnóstico genético.
Atualmente A.L. encontra-se em tratamento
oncológico por diagnostico de tumor das
células da granulosa do ovário. Foi submetida
à cirurgia no dia 08/10/2013 e iniciou
tratamento
de
quimioterapia
no
dia
28/10/2013. A demanda de avaliação
neuropsicológica surgiu do setor de psicologia
do hospital a partir do contato com a criança.
Utilizou-se o Protocolo Qualitativo desenvolvido
no LAPEN, que prevê a investigação de
diferentes
domínios
do
funcionamento
neuropsicológico: funções percepto-gnósicas,
funções motoras e práxicas, memória,
linguagem e cálculo. Além disso, utilizou-se de
questionários para os pais (CBCL) e técnica do
Desenho-Estória temático com o objetivo de
investigar a representação sobre a doença,
autoconceito e autoestima.
Até o presente momento, realizou-se apenas
uma sessão de avaliação, as demais sessões
estão previstas para ocorrer no dia 18/11/2013.
No que diz respeito ao desenvolvimento
psicomotor, foi possível observar que A.L
apresenta ataxia ocular e de marcha: a
adolescente mantem-se em pé com tremores,
locomove-se
de
forma
irregular,
descoordenada, com pouco equilíbrio e
ampliação
da
base
de
sustentação,
necessitando de assistência e apoio para
andar. Os movimentos voluntários são
53
descoordenados, imprecisos e com presença
de dismetria. A força está conservada e os
movimentos de coordenação motora fina
estão presentes apesar de serem realizados
com dificuldades. Apresenta telangiectasia
ocular
e
movimento
dos
olhos
descoordenados ao fixar o olhar para um
objeto. Além disso, foi possível perceber que
A.L. tem dificuldades no controle da saliva e
deglutição. No âmbito da linguagem, A.L.
compreende bem o que lhe é dito ou
solicitado, mas tem dificuldades na expressão
da linguagem no que diz respeito à
articulação dos fonemas. É capaz de
reconhecer e reproduzir os grafemas, mas não
escreve sílabas ou palavras. No que se refere
ao conhecimento logico-matemático, possui
princípio de contagem estabelecido, mas
apenas para o total de 15 elementos.
As dificuldades encontradas durante o
processo avaliativo dizem respeito ao contexto
hospitalar e a hospitalização de A.L., aos
efeitos colaterais da quimioterapia presentes
no momento da avaliação e, sobretudo às
dificuldades motoras decorrentes da A-T.
Responsável pelo Envio:
Amanda de Lourdes Bernardo Guerra
([email protected])
22-005- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM
UM CASO DE SÍNDROME DE FLOATING HARBOR
L Sousa A1; Santos Tb2; Mello C B3; Bueno O F
A4
1Centro Paulista de Neuropsicologia - NANI;
2Centro Paulista de Neuropsicologia - Nucleo
de Atendimento Neuropsicologico Infantil
Interdisciplinar; 3NANI
- Ambulatório de
Genética; 4Universidade Federal de São Paulo
– Psicobiologia
A Síndrome de Floating Harbor (FHS) é rara,
com 50 casos descritos na literatura.
Caracterizada por dismorfias craniofaciais;
baixa estatura, atraso da idade óssea;
anomalias esqueléticas (polegares curtos,
articulações proeminentes, anormalidades
claviculares);
alterações
de
linguagem
receptiva e expressiva; hipernasalidade e voz
estridente, deficiência intelectual (DI) leve a
moderada e alterações comportamentais.
Aspectos neuropsicológicos não tem sido
relatados com frequência. Neste trabalho
apresentamos
resultados
da
avaliação
neuropsicológica de um paciente pediátrico
com FHS, do Ambulatório de Genética do
Núcleo de Atendimento Neuropsicológico
Infantil Interdisciplinar (NANI). Trata-se de
menino de 7 anos, filho biológico, único, de
casal não consanguíneo. Evoluiu com atraso
no
desenvolvimento
neuropsicomotor.
Frequenta o 1º ano do E.F. As queixas atuais
abrangem dificuldades escolares, agitação
psicomotora, problemas de percepção social
(ingenuidade) e encoprese. No exame
genético verificou-se ponte nasal elevada,
nariz com columela alongada e alargada,
micrognatia, pescoço curto. O desempenho
intelectual mostrou-se na classificação médio
inferior (QI 85). Nos índices de compreensão
verbal, organização perceptual e velocidade
de processamento seu desempenho foi médio,
resultado limítrofe em memória operacional
(73, percentil (p) 4). Na escala de Matrizes
Coloridas de Raven o desempenho foi médio
(p.50). Nos subtestes da escala WISC-IV, os
resultados indicaram desempenho médio
(notas ponderados 10-11) nas capacidades de
estabelecer relações lógicas, raciocínio e
abstração,
formação
de
categorias,
conhecimento de regras e relacionamentos
sociais. Apresentou indicadores de déficits
(notas
ponderadas
2-5)
em
tarefas
relacionadas
ao
processamento
verbal
auditivo, capacidade de memorização de
associações, memória operacional, narrativa,
competência linguística e conhecimentos
lexicais. Na
avaliação neuropsicológica
verificamos: sinais de desatenção e problemas
de controle inibitório (Teste de Cancelamento
de Figuras, p. 16), déficits visoconstrutivos
(cópia da Figura Complexa de Rey, p.3) e de
memória visual (memória da Figura Complexa
de Rey, p. 3), dificuldades de nomeação e
acesso lexical (mas boa narrativa de
conteúdos
de
eventos
vividos).
Maior
dificuldade foi identificada em situação de
interferência (p.<1). Apresentou desempenho
médio em memória episódica auditivo-verbal
(RAVLT, p.37), incluindo recordação tardia (p.
75). Quanto aos aspectos comportamentais, a
análise
das
respostas
da
família ao
54
questionário comportamental (CBCL) revelou
indicação clínica para ansiedade, déficit de
atenção-hiperatividade,
problemas
de
violação de regras e de pensamento. No
Inventario de Estilos Parentais, obteve-se
indicadores de monitoria positiva. Assim, a
avaliação neuropsicológica contribuiu para
melhor caracterização da síndrome, e não
revelou indicadores de DI descritos na
literatura.
Apoio Financeiro: Associação Fundo de
Incentivo á Pesquisa
Responsável pelo Envio:
Andre Luiz de Sousa
([email protected])
22-006- FENÓTIPO NEUROCOGNITIVO DA
SÍNDROME DE DELEÇÃO DO CROMOSSOMO
22q11.2: EVIDÊNCIAS PRELIMINARES
Silva LSE1; Lobato AA2; Mello CB3; Kim CA1
1Universidade de São Paulo - Instituto da
Criança HC - Unidade de Genética;
2Universidade Federal de São Paulo Psicobiologia; 3Universidade Federal de São
Paulo - Campus Guarulhos
A Síndrome de Deleção do 22q11.2 (SD22q) é
uma condição genética que ocorre quando
há uma microdeleção no braço longo da
região q11.2 do cromossomo 22 nos seres
humanos. E descrita como a síndrome de
microdeleção mais freqüente na população,
com incidência de aproximadamente um em
cada 4000 nascidos vivos. A síndrome é
conhecida na literatura sob outros nomes,
como Síndrome de Velocardiofacial ou
Síndrome de DiGeorge, devido ao seu fenótipo
ser bastante variado entre os indivíduos
afetados. As condições clínicas associadas ao
diagnóstico incluem aplasia ou hipoplasia do
timo, aplasia ou hipoplasia das glândulas
paratireoides,
defeitos
cardíacos
de
conotronco, palato fendido, hipocalcemia e
disformismo facial (hipertelorismo), pálpebras
com aparência inchada, hélices das orelhas
espessadas, ponta do nariz bulbosa e
micrognatia. De particular interesse para a
Neuropsicologia é a maior frequência de
transtornos psiquiátricos na síndrome SD22q,
em especial esquizofrenia e transtorno
obsessivo compulsivo. Na literatura em que
consta mensuração do Quociente Intelectual
(QI), os sujeitos avaliados apresentam em sua
grande maioria quadro de deficiência
intelectual. Ainda há poucos estudos,
entretanto, abrangendo uma investigação
mais ampla de aspectos do funcionamento
neuropsicológico e comportamental. Estudos
sobre o fenótipo neurocognitivo nesta
síndrome são importantes tanto para pesquisas
em genética comportamental quanto para
favorecer os processos diagnósticos. O
objetivo deste trabalho é apresentar os
resultados preliminares de uma pesquisa que
tem como finalidade a investigação do
fenótipo neurocognitivo e comportamental
em uma amostra de 20 casos diagnosticados
com a síndrome 22q11.2, da Unidade de
Genética do Instituto da Criança do Hospital
das Clínicas da Faculdade de Medicina da
USP. Serão apresentados resultados referentes
a alguns casos já avaliados, com ênfase no
desempenho
intelectual
e
avaliação
neuropsicológica de funções como memória,
atenção, funções executivas, linguagem e
habilidades visos espaciais/visoconstrutivas, por
meio
de
testes
padronizados
e
tradicionalmente utilizados em pesquisas e na
pratica clínica. Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Larissa Salustiano Evangelista da Silva
([email protected])
22-007DESEMPENHO
COGNITIVO
DE
INDIVÍDUOS COM SÍNDROME DO X-FRÁGIL:
RESULTADOS PRELIMINARES
Santos ILS1; Guimaraes PR1; Argollo N2; Abreu
JNS3; Acosta AX1
1UFBA - Serviço de Genética Médica;
2Universidade
Federal
da
Bahia
Neuropediatria; 3Universidade Federal da
Bahia - Instituto de Psicologia
A Síndrome do X-Frágil (SXF) é a forma mais
comum de deficiência intelectual herdada,
produzindo
alterações
comportamentais,
cognitivas e médicas. Com o objetivo de
traçar o perfil neuropsicológico baseado na
idade mental, os sujeitos foram recrutados do
Centro de Genética Médica/UNIFESP e do
55
Serviço de Genética Médica do HUPES/UFBA,
com diagnóstico de SXF confirmado por
técnicas
moleculares.
Os
instrumentos
utilizados foram: Autism Behavior Checklist
(ABC), SON-R/6-40 (Inteligência Não-Verbal) e
7 subtestes da NEPSY-II. Dos 9 meninos
avaliados, a média de idade foi de 15,3 anos
(dp=6,6) e idade mental de 5,8 anos (dp=1,2),
com QI médio de 58,8 (dp=7,8). Em relação ao
diagnóstico de autismo, 5 ficaram abaixo do
ponto de corte da ABC para o transtorno e 4
acima. Os subtestes do NEPSY-II mostraram
como funções mais prejudicadas a habilidade
visuoconstrutiva (M=5,56±2,0) e capacidade
de compreender instruções (M=5,67±2,4). Em
relação à percepção social, ambos os
subtestes utilizados demonstraram escores
abaixo da média, sendo o reconhecimento de
emoções a habilidade mais prejudicada
(Teoria da Mente, M=7,1±1,96, Reconhecendo
Emoções, M=6,63±3,02). A tarefa de memória
encontrou-se rebaixada tanto em sua forma
imediata
(M=7,75±1,83)
como
tardia
(M=7,13±0,99). Encontraram-se dentro da
média os resultados dos subtestes de atenção
(M=9,0±2,82) e de fluência verbal (M=10,2±3,3).
Apesar dos sujeitos terem sido precisos nas suas
respostas ao estímulo alvo no teste de
atenção, tiveram altos índices de Erros por
Omissão (62,5% dos indivíduos pontuaram
abaixo da média). Quando comparados os
escores dos meninos com e sem autismo, o
primeiro grupo obteve pontuações mais baixas
em quase todos os testes, embora somente em
Atenção Auditiva e Produzindo Palavras as
diferenças
alcançaram
a
significância
estatistítica (p=0,036 e 0,047, respectivamente).
Os resultados corroboram pesquisas que
demonstram que fazem parte do fenótipo
cognitivo da SXF déficits em habilidades
visuoconstrutivas,
percepção
social
e
linguagem receptiva, em contraste com a
capacidade de vocabulário preservada. No
que diz respeito à atenção, a maioria das
pesquisas mostra que crianças com SXF têm
altas taxas de erros por inibição, o que não foi
evidenciado com a presente pesquisa.
Podemos levantar a hipótese de que o teste
utilizado requer baixa demanda das funções
executivas, o que possibilita um maior controle.
Além disso, os resultados agregam evidências
para a relação entre sintomatologia autista e
atenção, já apontada anteriormente por
alguns estudos. Já os baixos escores obtidos
pelas crianças com autismo em Produzindo
Palavras, devem estar ligados não apenas a
uma pior linguagem expressiva, mas a maiores
prejuízos em funções executivas.
Responsável pelo Envio:
Inis Leahy Sala Santos
([email protected])
22-008- FENÓTIPO COMPORTAMENTAL DAS
HABILIDADES VISUOESPACIAIS NA SÍNDROME DE
WILLIAMS
Leite MGO1; Prado ACA1; Julio-Costa A2;
Haase VG3
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Ufmg - Ppg Neurociencias;
3Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Psicologia
A Síndrome de Williams (SW) é uma desordem
neurodesenvolvimental de etiologia genética,
causada por uma microdeleção no braço
longo do cromossomo 7 e tem incidência
estimada entre 1:7.500 nascidos vivos. O perfil
cognitivo da Síndrome de Williams é
caracterizado por retardo mental leve a
moderado e processamento visoespacial
significativamente prejudicado. O presente
estudo tem como objetivo investigar o perfil de
crianças com SW quanto a habilidades
visoespaciais. Assim, considera-se a seguinte
hipótese:
Crianças
com
SW
terão
comprometimento
nas
habilidades
visoespaciais quando comparadas com
crianças com Desenvolvimento Típico (DT).
Participaram
do
estudo
15
crianças
diagnosticadas
com
SW,
com
idade
cronológica média de 12.4 anos (d.p. = 3.3) e
idade mental média de 6.5 anos (d.p.= 1.7).
Trinta e oito crianças com DT com idade de 06
anos (d.p.=0.00), pareadas ao grupo com SW
por idade mental, constituíram o grupo
controle. Foram utilizados como instrumentos
uma versão simplificada da Figura Complexa
de Rey-Osterrieth, uma tarefa de Rotação
Mental e a tarefa de Cubos de Corsi. Para as
análises, foi realizado o teste t de Student.
Foram observadas diferenças significativas
56
entre crianças com SW e crianças com DT na
versão simplificada da Figura Complexa de
Rey-Osterrieth (t = 4,49; p <0,001), na tarefa de
Rotação Mental (t = 2,49; p < 0.05); no alcance
da ordem inversa da tarefa de Cubos de Corsi
(t = 3.34; p <0.05), com o grupo SW
apresentando
desempenho
inferior
aos
controle estas tarefas. Todavia, no alcance da
ordem direta da tarefa de Cubos de Corsi as
diferenças foram apenas marginais (t = 1.999;
p= 0.051). Através do presente estudo, foi
verificado que crianças com SW apresentam
comprometimento
das
habilidades
visoespaciais, quando comparadas aos
controles pareados por idade mental. Este
resultado vai ao encontro do que é apontado
na literatura. No entanto, é necessário
estabelecer uma melhor caracterização desse
déficit, a fim de se compreender se está ligado
a uma dificuldade de processar informações
visuais globais. Apoio Financeiro: PROEX-UFMG;
CAPES; CNPq
Responsável pelo Envio:
Marina Goulart de Oliveira Leite
([email protected])
22-009- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM
CRIANÇA COM SÍNDROME DE RUBINSTEINTAYBI: UM ESTUDO DE CASO.
Andrade MN1; Medeiros WMB1; Calvo BF1;
Alves NT2; Minervino CASM1
1Universidade Federal da Paraíba - UFPB Psicologia; 2UFPB – Psicologia
A síndrome de Rubinstein-Taybi é uma
condição genética rara associada a uma
alteração no braço curto do cromossomo 16.
São conhecidas algumas características físicas
como baixa estatura, dedos das mãos e dos
pés grossos, cabeça pequena entre outras.
Sabe-se também que a deficiência intelectual
está associada a síndrome mas são escassas
as informações sobre o funcionamento
cognitivo de tais pacientes. O presente estudo
traz o caso clínico de um paciente portador
desta síndrome, submetido a avaliação
neuropsicológica. AASD, sexo masculino, 6
anos, foi encaminhado para avaliação com a
finalidade
de
investigar
suas
funções
cognitivas já que apresentava dificuldades na
aprendizagem formal e necessitava de
adaptações na escola. Houve intercorrências
durante a gestação. A criança nasceu sem o
reflexo de sucção, teve atraso psicomotor e de
linguagem e apresentou cranioestenose. Os
exames de ressonância apontaram gliose. Fez
cirurgias nos canais lacrimais e nos testículos.
Na avaliação foram aplicados os seguintes
testes: RAVLT, Escala de Inteligência Wechsler
para crianças (WISC-III), Bender e Escala de
Maturidade Mental Colúmbia. Também foram
realizadas atividades qualitativas de acordo
com o desenvolvimento. Através da análise
dos dados, percebe-se que AASD, possui
compreensão
verbal
de
sentenças,
percepção de detalhes e compreensão
simples e memória episódica preservados.
Apresenta déficits em várias funções: motoras,
vísuo-percepção, vísuo construção, funções
executivas, linguagem, atenção concentrada,
memória operacional e semântica, que
interferem no seu nível de cognição global.
Apresenta boa interação social, demonstra
sintomas de obsessões e compulsões. Os
resultados
na
WISC-III
evidenciaram
habilidades de execução e vísuo-espaciais
mais desenvolvidadas que as verbais, mas,
mesmo com QI de Execução Limítrofe, seu QI
Total ainda se apresentou dentro da
classificação Intelectualmete Deficiente. O
escore de QI total 63, juntamente com seu
histórico de atraso psicomotor e de linguagem,
acompanhado
de
limitações
no
funcionamento adaptativo nas áreas de
habilidades acadêmicas esperadas para
idade e atividades de vida diária nos faz
levantar hipótese da existência de uma
Deficiência Intelectual (CID. F70.9), que está
associada a sua síndrome. A literatura médica
afirma a existência da Deficiência Intelectual
na Síndrome de Rubinstein-Taybi variando a
gravidade a cada caso. Tanto os escores nos
testes, como as habilidades já adquiridas
excluem uma Deficiência Intelectual Grave.
Percebe-se que suas dificuldades de atenção
potencializam seus déficits. Através da
avaliação
neuropsicológica
pode-se
compreender melhor seu perfil cognitivo,
pontos fortes e pontos fracos, direcionando as
estimulações e adaptações adequadas.
Responsável pelo Envio:
57
Morgana do Nascimento Andrade
([email protected])
22-010DESEMPENHO
EXECUTIVO
EM
PORTADORES DA NEUROFIBROMATOSE TIPO 1
Dell´oro-Oliveira T1; Rocha MCM2; Soares LS2;
Costa DS3; Miranda DM3; Malloy-Diniz LF4
1Ufmg - Psicologia; 2Universidade Federal de
Minas Gerais - Psicologia; 3Ufmg - Medicina
Molecular; 4Ufmg – Psiquiatria
INTRODUÇÃO: A Neurofibromatose tipo 1 (NF1)
é
uma
condição
genética
cujas
manifestações afetam o sistema nervoso,
sendo o déficit das funções executivas
frequente. As funções executivas influenciam o
desempenho em muitas situações do
cotidiano, interferindo no planejamento e
execução de tarefas. Porém, a relação das
funções executivas em portadores da NF1
ainda é uma linha de pesquisa recente.
OBJETIVO: Comparar o desempenho executivo
entre portadores de NF1 e sujeitos sem a
doença. MÉTODOS: 19 pacientes de NF1, com
idades entre 7 e 18 anos (12,74±3,30), e 15
sujeitos controle, com idades entre 7 e 17 anos
(11,40±2,97) foram submetidos a uma bateria
de testes que avaliam diferentes funções
executivas e a escalas de comportamento. O
desempenho em cada teste e em cada
categoria de comportamento foi comparado
através do teste T de Student. O método de
reamostragem foi utilizado para replicar os
resultados para uma população normal
(k=5000). RESULTADOS: Os grupos diferem
significativamente em relação à memória
operacional, com tamanho de efeito pequeno
(t=1,96; p=<0,05; d=0.32), à flexibilidade, com
tamanho de efeito moderado (t=-1,70,
p=<0,05, d=0,61) e a comportamentos de
desatenção, com tamanho de efeito
moderado
(t=-1,83,
p=<0,05,
d=0,69).
DISCUSSÃO:
Os
resultados
encontrados
corroboram com a literatura no que diz
respeito às diferenças significativas entre o
desempenho executivo de pacientes NF1 e
pessoas saudáveis. Ainda assim, mais estudos
são necessários para se compreender o motivo
de essa diferença ser encontrada em domínios
específicos. Os resultados também mostraram
que comportamentos de desatenção são
comuns em portadores da NF1, indo de
encontro com a literatura já existente.
Responsável pelo Envio:
Thais Dell´oro-Oliveira
([email protected])
22-011- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE
UM CASO DE DESORDENS DO ESPECTRO
ALCOÓLICO FETAL
Barrocas RM1; Mello CB2; Antonialli GPM3
1Universidade Federal de Sao Paulo - Nani;
2NANI
Ambulatório de
Genética;
3Universidade Federal de Sao Paulo Departamento de Morfologia e Genética
As Desordens do Espectro Alcoólico Fetal
(DEAF) configuram um quadro caracterizado
por alterações físicas, comportamentais e
cognitivas resultantes do efeito teratogênico
do álcool sobre o embrião ou feto. Pacientes
com DEAF podem apresentar dismorfias
faciais, restrição de crescimento e alterações
estruturais, neurológicas e funcionais no
Sistema
Nervoso
Central.
Estudos
neuropsicológicos
evidenciam
imensa
variabilidade nas expressões cognitivas e
comportamentais nas DEAF, que incluem
prejuízos
na
capacidade
intelectiva,
aprendizagem,
memória,
funcionamento
executivo
e
visoespacial,
atraso
no
desenvolvimento motor e da linguagem e
dificuldades atencionais. Neste trabalho
apresentamos uma síntese e breve discussão
dos resultados da avaliação neuropsicológica
de K.G.S., paciente pediátrico diagnosticado
com DEAF segundo os Critérios de Washington,
atendido no Centro de Genética Médica da
Universidade Federal de São Paulo. A criança
conta atualmente com 9 anos de idade, é
filha primogênita de casal não-consanguíneo
e foi exposta a grandes quantidades de álcool
durante todo o período gestacional. Reside
atualmente
em
abrigo
e
apresenta
dificuldades escolares. Os resultados na escala
WISC-III revelam QI situado na faixa média
inferior (QIT = 80), sem discrepância entre os
domínios verbal (QIV = 85) e de execução (QIE
= 79). O desempenho nas Matrizes Coloridas
de Raven também foi médio (p 40). No Teste
58
de Atenção por Cancelamento, que mede
atenção seletiva e alternada, o resultado foi
classificado como baixo (p 9). Em teste de lista
de palavras do paradigma auditivo-verbal de
Rey, a memória episódica auditivo-verbal foi
considerada compatível com a média (p 47).
Já no teste da Figura Complexa de Rey, o
resultado é limítrofe na tarefa de cópia (p 6) e
médio inferior na tarefa de recordação
imediata (p 14), possivelmente denotando
dificuldades
visoconstrutivas.
Aspectos
comportamentais foram analisados pela Child
Behavior Checklist (CBCL), cujos resultados
indicaram perfil clínico em problemas
somáticos (p > 97) e déficit de atenção e
hiperatividade (p > 97). Este dado, associado
ao
pobre
desempenho
nas
medidas
atencionais e visoconstrutivas, pode sugerir o
TDAH como comorbidade associada ao
quadro clínico do paciente e está em
conformidade com a literatura, que indica
incidência significativamente superior de TDAH
em crianças expostas ao álcool durante a vida
intrauterina. A preservação da capacidade
intelectiva e da retenção de informação
verbal também se encontra em conformidade
com estudos prévios. A presente avaliação
fornece contribuições à caracterização
neuropsicológica das DEAF, quadro ainda
escassamente
pesquisado
pela
neuropsicologia brasileira. Apoio Financeiro:
Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa
Responsável pelo Envio:
Roberta Magalhaes Barrocas
([email protected])
22-013- EFEITOS SOB O DESENVOLVIMENTO
NEUROPSICOLÓGICO DE CRIANÇAS EXPOSTAS
AMBIENTALMENTE AO MANGANÊS: ESTUDO
CASO-CONTROLE.
Carvalho CF1; Carvalho CO1; Pinho MM1;
Menezes-Filho JA2; Argollo N3; Abreu JNS1
1Universidade Federal da Bahia - Instituto de
Psicologia; 2Universidade Federal da Bahia Faculdade
de
Farmácia;
3Universidade
Federal da Bahia – Neuropediatria
O manganês (Mn) é um metal essencial, no
entanto elevados níveis no organismo têm sido
associado há prejuízos no desempenho
neuropsicológico e comportamental de
crianças. Este estudo objetivou; (a) comparar
o desempenho em testes neuropsicológicos
entre crianças expostas ao Mn e crianças não
expostas, (b) avaliar a correlação entre os
níveis de Mn no organismo e o desempenho
nos testes. Foi comparado o desempenho
neuropsicológico e comportamental de 64
crianças expostas ao Mn com 64 crianças sem
risco de exposição ao Mn, entre 7-12 anos. A
amostra foi pareada por tipo de escola, sexo,
idade, escolaridade materna e classe
socioeconômica. As crianças do grupo
exposto (Ex) residem em duas comunidades na
região metropolitana de Salvador-BA que
estão sob influência da poluição atmosférica
gerada pelo processo de produção de ligas
ferro-manganês de uma siderúrgica. O grupo
controle (Cont) foi pareado a partir do banco
de dados de 152 crianças que participaram
da normatização brasileira do NEPSY-II que
residem no estado da Bahia. As funções
cognitivas testadas foram avaliadas pelos
testes do NEPSY-II: Memória para Lista de
Palavras-ML (Memória), Inibindo Respostas-IR
(controle inibitório) e Produzindo Palavras-PP
(Fluência Verbal). A velocidade motora foi
avaliada apenas no grupo exposto ao Mn
através do Grooved Pegboard Test. Utilizou-se
a Escala Abreviada de Conners para
professores a fim de avaliar comportamentos
de hiperatividade dos alunos. Os níveis de Mn
no cabelo das crianças do grupo exposto ao
Mn por via respiratória foram analisados e
correlacionados com o desempenho nos
testes. O Mn no cabelo é avaliado como o
melhor biomarcador de exposição ambiental.
O grupo de crianças expostas ao Mn
apresentou médias de desempenho inferior
em Fluência Semântica (Ex = 17,9 e Cont =
22,5; p<0,01), Fluência Fonológica (Ex = 7,2 e
Cont = 9,8 ; p<0,01), na Curva de AprendizadoML (Ex = 37,5 e Cont = 42,7; p<0,01),
Recordação Tardia-ML (Ex = 8,6 e Cont = 9,5;
p<0,05) e maior quantidade de erros em
controle inibitório na condição de mudança-IR
(Ex = 20,8 e Cont = 15,9; p<0,01). Análises de
regressão multivariada mostraram associação
59
inversa entre os níveis de Mn no cabelo e
recordação livre imediata; e associação
positiva entre Mn no cabelo e tempo para
execução motora e a presença de
comportamentos
de
hiperatividade.
O
desempenho do grupo exposto comparado
ao controle, agrupados por faixas etárias,
demonstrou um atraso na aquisição tanto das
funções de memória e aprendizado verbal
que tendem a se estabilizar aos 9 anos,
quando das mais complexas que envolvem a
maturação tardia de circuitarias cerebrais que
atingem a adolescência. Esses achados são
sugestivos de comprometimento nas funções
executivas de flexibilidade cognitiva e
categorização, função motora e memória
quando há exposição ambiental excessiva ao
Mn por via respiratória.
Apoio Financeiro: FAPESB
Responsável pelo Envio:
Chrissie Ferreira de Carvalho
([email protected])
22-014- ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS EM
CRIANÇAS COM EXPOSIÇÃO AMBIENTAL AO
MANGANÊS: BASES PARA UM PROGRAMA DE
ESTIMULAÇÃO
Fonseca MS1; Carvalho CF1; Duarte TS1; Bessa
JRC1; Santana YEG1; Carvalho CO1; Mota M1;
Farias M1; Menezes-Filho JA2; Abreu JNS1
1Universidade Federal da Bahia - Instituto de
Psicologia; 2Universidade Federal da Bahia Faculdade de Farmácia
Exposição por via respiratória ao Manganês
(Mn)
tem
sido
associada
a
efeitos
neurotóxicos, incluindo prejuízos cognitivo e
motores. Pesquisas mostram que programas de
intervenção baseados em Funções Executivas
trazem
efeitos
significativos
no
desenvolvimento
de
habilidades
sociocognitivas na infância. O objetivo deste
trabalho é apresentar (a) as principais
alterações associadas à exposição ao Mn em
crianças e (b) uma proposta de Intervenção
com bases nas alterações encontradas.
Participaram deste estudo 70 crianças entre 7
e 12 anos de idade. As crianças residem em
duas comunidades na região metropolitana
de Salvador que estão sob influência da
poluição atmosférica gerada pelo processo de
produção de ligas ferro-manganês de uma
siderúrgica.
Utilizou-se
uma
bateria
neuropsicológica: WISC-III (Vocabulário, Dígitos
e Cubos); Cubos de Corsi; TAVIS-3-Atenção
Sustentada
(AS);
Wisconsin
Teste
de
Classificação de Cartas (WCST), e as Escalas
Child Behavior Checklist e Abreviada de
Conners. O nível de Mn no cabelo em µg/g foi
usado como biomarcador de exposição. A
média de Mn no cabelo foi 11,48 (0,52-55,74)
µg/g, considerada 10 vezes superior às
referências para comunidades não-expostas.
Houve uma correlação negativa entre Mn no
cabelo e QI Estimado (rho= -0,448, p=0,0001) e
Mn no cabelo e Dígitos (rho= -0,410, p=0,0004).
Após ajustes para covariáveis, a análise de
regressão múltipla indicou que o Mn no cabelo
(µg/g
tranformado
em
log)
obteve:
associação inversa com QI estimado (β = -9.67;
95%CI = -16.97 to -2.37), Cubos (β = -2,50; 95%CI
= -3,91 to -1.10) e Dígitos (β = -2.59; 95%CI = 4.13 to -1.05); e associação positiva com o
escore de comportamento externalizanteCBCL (β = 7,92; p <0,05) e Escore Total-Conners
(β = 10,24; p <0,05). Esses achados indicam
alterações nas Funções Executivas e presença
de comportamentos externalizantes. Com
base nos prejuízos encontrados, foi proposto
um Programa de Estimulação que visa o treino
de habilidades cognitivas e comportamentais
a saber: Planejamento e Organização,
Automonitoramento, Solução de Problemas,
Flexibilidade Cognitiva e Autorregulação. Este
programa será constituído das seguintes
etapas: preparação e adaptação dos
conteúdos do programa de estimulação em
Funções
Executivas;
treinamento
dos
professores na utilização do programa em sala
de aula; implementação do programa nas
escolas; e avaliação dos alunos pré/pósestimulação
através
de
testes
neuropsicológicos e escalas comportamentais.
Estudos indicam que o domínio das Funções
Executivas
dependente
do
circuito
frontoestriatal, o qual pode estar sendo
prejudicado pelo acumulo de Mn em regiões
cerebrais que envolvem principalmente os
Núcleos da Base. Com a implementação de
um Programa de Estimulação, espera-se uma
melhora no desempenho em funções
60
executivas e na aprendizagem dos alunos.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB
Responsável pelo Envio:
Mauricio da Silva Fonseca
([email protected])
22-015VARIABILIDADE
DO
PERFIL
NEUROPSICOLÓGICO EM CRIANÇAS COM
TRANSTORNOS DA ATENÇÃO Borges KK1 1Andrea Carla Machado - Machado,AC
As funções executivas envolvem diferentes
componentes,
tais
como
seleção
de
informações, integração de informações
atuais
com
informações
previamente
memorizadas, planejamento, monitoramento e
flexibilidade. Tal complexidade cognitiva
reflete-se nas vastas conexões entre sua base
neurológica, especialmente o córtex préfrontal, e outras regiões encefálicas. Distúrbios
nas funções executivas e no córtex préfrontal
estão relacionados a transtornos psiquiátricos e
cognitivos, como o Transtorno de Déficit de
Atenção e Hiperatividade (TDAH). A presente
pesquisa teve como objetivo verificar o perfil
neuropsicológico de crianças com transtornos
de atenção (TA), subtipo desatento e analisar
a variabilidade das respostas nos subtestes
neuropsicológicos como: atenção, função
executiva, planejamento, QI
verbal e
execução, controle inibitório. Participaram da
pesquisa cinco crianças com média de idade
(M= 10) (DP= 1,7) sendo 90% do gênero
masculino e 10% do gênero feminino, todos
integrantes de escolas privadas em um
município de grande porte do interior do
Estado de São Paulo e com diagnóstico
multidisciplinar de Transtorno do Déficit de
Atenção, subtipo desatento. Foram aplicados
testes
neuropsicológicos
para
localizar
marcadores e, analisar o perfil dessas crianças.
Os resultados indicaram que em relação à
atenção, ou seja, um substrato importante no
perfil dessa clientela foi observado uma
variabilidade de resultados em relação às
mesmas, bem como em relação às tarefas das
funções executivas e controle inibitório. Os
achados
desse
estudo
corroboram
a
literatura1 a qual revelou em um estudo de
metanálise que no geral, este padrão de
resultados pode sugerir que nem todos os
aspectos do funcionamento executivo são
igualmente prejudicados em crianças com TA
e que outros déficits não executivos pode se
apresentar, e também que deve-se atentar
para o modelo proposto por Barkley2 o qual
baseia-se em achados de grupos hiperativoimpulsivo e do tipo combinado. O mesmo
estudo de metanálise1 sugere que um padrão
diferente de déficits neuropsicológicos possa
existir em grupos de TDAH do subtipo
desatento. Nessa perspectiva, revela-se a
necessidade de trabalhos futuros, com um
número maior de sujeitos, que possam
examinar
relações
estruturais
entre
determinados tipos de disfunção executiva,
comportamentais e sintomas observados,
clinicamente, em crianças com TDA/H, subtipo
desatento. Apoio Financeiro: Não se aplica.
Responsável pelo Envio:
Karina Kelly Borges
([email protected])
22-016- O ELEVADO IMPACTO DO TDAH NA
QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS E
ADOLESCENTES
Freitas LF1; Soares LS1; Oliveira TD1; Rocha
MCM1; Costa DS2; Miranda DM2; Malloy-Diniz
LF3 –
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Ufmg - Medicina Molecular; 3Ufmg
– Psiquiatria
INTRODUÇÃO: Embora seja um dos transtornos
mais bem estudados e validados em
psiquiatria, é surpreendentemente comum ao
público leigo representações de portadores do
Transtorno
de
Déficit
de
Atenção/Hiperatividade
(TDAH)
como
crianças
sem
limites,
desenfreadas,
desordeiras, desobedientes; na adolescência,
podem
ser
vistos
como
“drogados”,
baderneiros. Não há dúvida de que a atenção
pública está voltada há um tempo para o
TDAH, porém sua visão é geralmente negativa
o que tem trazido impacto importante para os
portadores inclusive por parte de profissionais
da saúde, além de no âmbito público, com
evidente
negligência
das
necessidades
61
inquestionáveis de tratamento do transtorno.
OBJETIVO: Comparar a qualidade de vida de
crianças e adolescentes com TDAH com a de
crianças com desenvolvimento típico (DT) em
quatro dimensões adaptativas. MÉTODO : Os
pais de 97 crianças com TDAH (10,7±3,2 anos;
76% meninos; 31%subtipo Desatento, 8%
subtipo Hiperativo-Impulsivo e 61% subtipo
Combinado_DSM-IV) do Hospital das Clínicas
da UFMG responderam o ‘Questionário
Pediátrico
de
Qualidade
de
Vida”
(PedsQL_versão4.0). A média e o desvio
padrão para essa amostra foi calculada para
as
dimensões
‘Saúde
Física
(SFis)’,
‘Funcionamento
Emocional
(FEmo)’,
‘Funcionamento
Social
(FSoc)’
e
‘Funcionamento Escolar (FEsc). As mesmas
medidas de uma amostra escolar de
estudantes com desenvolvimento típico
(n=240) do estado de São Paulo publicadas
em 2010 foram usadas como parâmetro de
comparação. RESULTADOS: A magnitude da
diferença entre os dois grupos foi bastante
elevada para todos os domínios avaliados (Sfis:
d=-1,8; FEmo:d=-1,4; FSoc:d=-1,5; FEsc:-2,7). 94%
dos portadores de TDAH obtiveram nível de
qualidade de vida igual ou abaixo de 2
desvios-padrão de diferença do grupo com DT
para ‘Sfis’, 60% para ‘FEmo’, 66% para ‘FSoc’ e
89% para ‘FEsc’. CONCLUSÃO: Como mostrado
em estudos prévios, a qualidade de vida é
fortemente prejudicada pelo TDAH. Alguns
dados apontam que esse prejuízos pode ser
maior do que o encontrado em outras
doenças crônicas como câncer e paralisia
cerebral. Em nossa amostra, o Funcionamento
Escolar parece ser o mais afetado em
comparação aos outros domínios. Nosso
estudo soma a um corpo consistente de
evidências sobre a gravidade funcional do
TDAH. O TDAH não representa apenas um
problema para seus portadores e para sua
família, mas tem elevado custo público, sendo
as ações que impedem sua identificação
precoce, além da criação e implementação
de políticas públicas específicas um problema
sério. Ações que favoreçam medidas voltadas
para este que é o transtorno mais frequente
entre os transtornos do desenvolvimento são
urgentes. Apoio Financeiro: CNPq, FAPEMIG,
CAPES
Responsável pelo Envio:
Leticia Ferreira Freitas
([email protected])
22-016ANÍVEL
SOCIOECONÔMICO
E
IMPULSIVIDADE: PRIVAÇÃO FAVORECERIA O
‘ESTILO DE RESPOSTA EVITATIVO’ NO CPT-II EM
MENINAS
Danielle de Souza Costa, Leandro Fernandes
Malloy-Diniz
Universidade Federal de Minas Gerais
Introdução.Usualmente, desfechos associados
a um menor nível socioeconômico (NSE) são
explicados por condições ambientais ou
características peculiarmente relacionadas a
indivíduos com menor poder aquisitivo como
baixa escolaridade. Uma nova abordagem,
contudo, tem trazido o foco para aspectos
cognitivos: o esforço contínuo empregado na
competição por recursos vitais acarretaria
numa diminuição de recursos cognitivos
disponíveis para pautar escolhas e ações
cotidianas. No entanto, esse modelo pode ser
condicionado à adultez, sendo os processos
decisóriosespecíficos diretamente afetados
pela pobreza na infância desconhecidos.
Objetivo: Verificar como o NSE afeta o ‘estilo
de resposta’, numa Tarefa de Performance
Contínua (CPT), em crianças e adolescentes.
Investigar se um possível efeito direto é
condicionado a características como sexo e
nível de problemas de desatenção. Método.
50 sujeitos de 6 a 15 anos (10,2±1,9; 50% sexo
masculino) participaram do estudo. Destes,
19(38%) têm diagnóstico de TDAH. Todos
realizaram a versão de Conners, Epstein e
Angoldde um paradigma CPT. Nesta tarefa,
um estilo de resposta (β) evitativo (tendência
para responder com cautela, evitando erros
por ação) é representado por um índiceβ
maior, enquanto que escores menores
representam uma tendência para responder
livremente
(i.e.,
pressionar
mais
frequentemente diante de qualquer estímulo
alvo). As mães dos participantes relataram o
nível de sintomas de desatenção dos filhos a
partir da escala SNAP-IV e o NSE da família
pelo Critério de Classificação Econômica Brasil
(CCEB). Para as análises estatísticas foi
62
empregada uma técnica de reamostragem
(k=5000). Resultados. 92% dos participantes
estão no espectro econômico classificado
como classe média (alta, média e baixa). O
índice β foi significativa e negativamente
correlacionado ao CCEB (r=-0,50; p<0,001) o
que indica que um estilo de resposta evitativo
seria favorecido por um menor NSE. Num
modelo de regressão OLS, verificamos que a
associação entre NSE e βfoi condicionada ao
grupo
com
desenvolvimento
típico
(0,64(SE=0,14),p<0,001),
sexo
feminino
(0,74(SE=0,16),p<0,001)e, embora tenha sido
homogênea para níveis de desatenção até 1
desvio padrão acima da média (p<0,001) para
esta amostra, não foi significativa para níveis
de desatenção extremos (>1DP: -0,09(SE=0,19),
p=0,62).Conclusão: Emboramenor NSE esteja
geralmente associado a maiores níveis de
impulsividade, nesta amostra encontramos
uma relação oposta dependente do sexo
feminino.
Mesmo
que
não
tenhamos
encontrado um efeito direto de sexo, existe um
efeito de interação que sugere que esse efeito
inesperado entre NSE e estilo de resposta
evitativo acontece apenas para meninas.
Considerando que NSE, impulsividade e sexo
são características extremamente relevantes
no estudo de características comportamentais,
estudos futuros são urgentes para esclarecer o
papel desses fatores num contexto de
interação.
22-017- IMPACTO DO TDAH NA ESCRITA:
DIFERENÇAS DE GÊNERO
Soares LS1; Costa DS2; Malloy-Diniz LF3
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Ufmg - Medicina Molecular; 3Ufmg
– Psiquiatria
INTRODUÇÃO: O transtorno do déficit de
atenção e hiperatividade (TDAH) repercute na
vida da criança e do adolescente levando a
prejuízos em múltiplas áreas, como a
adaptação
ao
ambiente
acadêmico,
relações interpessoais e desempenho escolar.
Este último é um dos prejuízos funcionais mais
importantes
e
frequentes
no
TDAH,
permanecendo até a adultez. OBJETIVO:
Verificar se há diferenças no desempenho
acadêmico relacionados à escrita entre os
gêneros de indivíduos diagnosticados com
TDAH. MÉTODO: 62 participantes com
diagnóstico de TDAH, sendo 49 do sexo
masculino e 13 do sexo feminino (média = 9,6
anos e dp = 1,77) participaram deste estudo,
respondendo a testes de desempenho escolar
(TDE)
contendo
tarefas
de
escrita.
RESULTADOS:
Verificamos
diferenças
extremamente significativas (p<0,001) para
desempenho acadêmico relacionado à
escrita, entre meninos e meninas com
elevadas magnitudes de efeito (d= -1,43). De
modo geral, indivíduos do gênero masculino
apresentam desempenho acadêmico em
escrita inferior aos do gênero feminino.
CONCLUSÃO: As magnitudes de efeito para os
testes de desempenho escolar de escrita
elevadas indicam maior vulnerabilidade dos
meninos aos efeitos do TDAH no que se refere
a atividades que envolvam tarefas de escrita.
Diante desses resultados deve-se apreender
que é necessário um grande cuidado,
especialmente com os meninos, os maiores
afetados, no intuito de amenizar os prováveis
prejuízos e aumentar o nível de adaptação
funcional desta população. O TDAH é o
transtorno mais comum entre os transtornos
psiquiátricos de início na infância, sendo de
grande importância definir acuradamente o
perfil desse grupo, fundamental para o
desenvolvimento
de
intervenções
bemsucedidas.
Responsável pelo Envio:
Lorrayne Stephane Soares
([email protected])
22-018- PERCEPÇÃO DE CRIANÇAS COM
TRANSTORNO DE DEFÍCIT DE ATENÇÃO E
HIPERATIVIDADE: UM ESTUDO POR MEIO DO
RORSCHACH.
Dias MFF1; Ribeiro AG2; Ramiro V3; Figaro
ADS4; Miranda MC4; Muszkat M4; Bueno OFA4
1Universidade Federal de São Paulo Psicobiologia;
2IPAFInstituto
Psicologia
Aplicada e Formação - Pesquisa; 3IPAF Academico; 4Universidade Federal São Paulo –
Psicobiologia
63
Algumas variáveis do Método de Rorschach
examina o processamento de informações de
um indivíduo. Este processo refere-se ao modo
pelo qual um indivíduo incorpora a informação
a partir do ambiente, a identifica e converte-a
de outros códigos e elabora a outros
conceitos. Este recurso é aplicado para avaliar
como as crianças diagnosticadas com TDAH
se percebem e os fatos ao seu redor, a forma
como organiza as informações e se eles
percebem
eventos
de
uma
forma
convencional. Este estudo tem como objetivo
avaliar o processamento de informações e
habilidades de crianças diagnosticadas com
Transtorno do Déficit de Atenção (TDAH),
utilizando o Método de Rorschach, de acordo
com o Sistema Compreensivo de Exner. Onze
crianças do sexo masculino e quatro crianças
do sexo feminino, com idades entre 7 e 15
anos participaram do estudo. 40% deles
apresentavam TDAH Tipo Predominantemente
Desatento,
7%
apresentaram
TDAH
predominantemente hiperativo-impulsivo e
53% apresentaram TDAH Tipo Combinado.
Após a avaliação neuropsicológica realizada
no Núcleo de Atendimento Neuropsicológico
Infantil -NANI, o Método de Rorschach foi
aplicado. Foram selecionadas as variáveis do
módulo de processamento de informação
para
interpretação
dos
resultados.
RESULTADOS: a) As habilidades de percepção:
67% dos participantes tendem a perceber
erroneamente os eventos e formar impressões
equivocadas das pessoas bem como o que
suas ações significam, 33% apresentaram boa
capacidade de formar impressões de si e dos
outros corretamente; b) Capacidade de
Atenção: 80% apresentaram dificuldades para
focar sua atenção com precisão e sintetizar os
aspectos
da
sua
experiencia,
20%
apresentaram boa capacidade; c) Entradas e
organização da informação 67% tendem a
incorporar mais informações do que eles
podem organizar de forma eficiente, 33%
apresentaram boa capacidade de fazê-lo; d)
Capacidade de relacionar eventos com
dados pré-existentes 67% apresentavam a
capacidade de organizar seus pensamentos e
ideias associadas de forma coerente, 20%
eram excessivamente meticuloso na análise de
informações, 13% apresentaram julgamentos
precipitados com pouca discriminação. As
crianças com TDAH apresentam dificuldades
em eventos de forma adequada de perceber
o significado das ações das pessoas, o que
torna difícil reconhecer os limites de seu
processo de
tomada
de
decisão e
comportamento.
Eles
incorporam
mais
informações do que pode organizar, o que
leva as dificuldades para discriminar o que é
essencial. O estudo do processamento de
informações no TDAH contribui para a
compreensão da complexidade dos sintomas.
Responsável pelo Envio:
Maria de Fatima Ferreira Dias
([email protected])
22-019PERFIL
NEUROPSICOLÓGICO
DE
CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO DÉFICIT DE
ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) COM A
BATERIA NEPSY-II.
Dias MFF1; Rizzutti S1; Argollo N2
1Universidade Federal de São Paulo - TDAH;
2Universidade
Federal
da
Bahia
–
Neuropediatria
O Transtorno do Déficit de Atenção e
Hiperatividade
é
um
transtorno
do
neurodesenvolvimento
mais
comum
na
infância e é associado a variáveis alterações
perceptivas, cognitivos e comportamentais,
constituindo assim um importante problema de
saúde cujas implicações podem resultar em
comprometimento na vida social, emocional,
escolar
e
familiar.
Em
função
da
heterogeneidade das expressões clinicas deste
transtorno, o diagnóstico de TDAH em crianças
no meio clínico não é fácil. Nesse sentido,
novos
procedimentos
de
avaliação
neuropsicológica no TDAH podem favorecer a
precisão diagnóstica. O objetivo deste estudo
é avaliar o perfil neuropsicológico de crianças
com TDAH por meio da Bateria de Avaliação
Neuropsicológica NEPSY-II, além de avaliar
quais subtestes desta bateria são mais sensíveis
para detectar características típicas de
crianças com esse transtorno. A amostra
clínica foi composta por 30 crianças entre 6 a
14 anos (23 meninos 7 meninas) com o
diagnóstico de TDAH, pareada a uma amostra
64
controle em relação à idade, gênero, tipo de
escola e condição socioeconômica. O
instrumento utilizado, composto de 32
subtestes
avalia
seis
domínios:
Atenção/Funções
Executivas,
Linguagem,
Memória e Aprendizagem, Sensório-Motor,
Percepção
Social
e
Processamento
Visoespacial. Os grupos foram comparados
por meio dos escores brutos de todos os
subtestes dos seis domínios. As crianças com
TDAH apresentaram prejuízos significativos em
relação às crianças do grupo controle nos
seguintes
domínios
e
subtestes:
1)
Atenção/Função Executiva nos subtestes de
Atenção Auditiva, Conjunto de Respostas,
Classificando Animais, Fluência em Desenhos e
Inibindo Respostas; 2) Linguagem nos subtestes
Compreendendo
Instruções,
Produzindo
Pseudopalavras e Produzindo Palavras; 3)
Processamento Viso espacial no subteste
Quebra Cabeça Imagens, Flechas e Copiando
Desenhos; 4) Memória e Aprendizagem nos
subtestes Lista de Palavras, Memória Narrativa,
Memória para Faces e Memória para Lista de
Palavras; 5) Sensório Motor no subteste
Imitando Posição da mão, Precisão VisoMotora e Tocando Ponta Dedos; 6) Percepção
Social no subteste Reconhecendo Emoções. A
curva Receiver Operating Characteristic (ROC)
determinou o ponto de corte das variáveis
estudas e evidenciou diferenças quanto ao
grau de importância de cada subteste,
incluindo os valores de sensibilidade e
especificidade de cada um, analisado em
relação à presença ou não diagnóstico do
TDAH. Os resultados com a análise da curva
ROC indicaram que os subtestes da bateria
NEPSY-II com maior sensibilidade para
discriminar sujeitos com TDAH foram nos
domínios: 1) Atenção/FE nos subtestes de
atenção auditiva, conjunto de respostas e
fluência em desenhos; 2) Linguagem nos
subtestes compreendendo instruções; 3)
Memória e Aprendizagem nos subtestes Lista
de Palavras e Memória para faces
Responsável pelo Envio:
Maria de Fatima Ferreira Dias
([email protected])
22-020- AVALIAÇÃO DAS COMORBIDADES
PSIQUIÁTRICAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E
HIPERATIVIDADE (TDAH)
Geha LM1; Rosario MC2; Rodrigues RS1
1UNIFESP - Unidade de Psiquiatria da Infância e
da Adolescência; 2UNIFESP – UPIA
O TDAH é uma condição neurobiológica que
atinge de 3 a 6% das crianças em idade
escolar. Cerca de 70% das crianças e
adolescentes portadores de TDAH apresentam
outros transtornos psiquiátricos associados,
aumentando
potencialmente
o
seu
comprometimento funcional e influenciando
negativamente no curso e prognóstico do
TDAH. Objetivo: estabelecer o perfil de
comorbidades nas crianças e adolescentes
com o diagnóstico de TDAH pelo DSM-IV.
Método: Foram avaliados 66 crianças e
adolescentes,
de
ambos
os
sexos,
acompanhados no Ambulatório de TDAH da
Unidade de Psiquiatria da Infância e
Adolescência da UNIFESP, entre maio de 2012
a agosto de 2013, com a entrevista
diagnóstica
semi-estruturada
KSADS-PL
Resultados: Trinta e oito (57,6%) participantes
apresentaram ao menos uma comorbidade,
com média de 1,15 ± 1,39 transtornos
comórbidos. Os transtornos mais frequentes
foram Transtorno de Oposição e Desafio (TOD)
em vinte participantes (30,3%), Transtorno de
Ansiedade (TA) em dezoito (27,3%) e
Transtorno de Conduta TC em onze (16,7%).
Não
foram
encontradas
diferenças
estatisticamente significativas entre o número
de comorbidades e as faixas etárias avaliadas
(6 a 12 e 13 a 18 anos). Discussão: Apesar do
número reduzido de participantes, o estudo
confirma a hipótese de que pacientes com
TDAH
apresentam
altas
taxas
de
comorbidades, reforçando a relevância do
uso de entrevistas estruturadas para a pesquisa
de comorbidade.
Responsável pelo Envio:
Raphael Suwwan Rodrigues
([email protected])
65
22-021DESEMPENHO
DE
NOMEAÇÃO,
FLUÊNCIA VERBAL , LEITURA E ESCRITA DE
CRIANÇAS COM TDA/H E DISLEXIA
Ferreira SFB1; Martins W2
1Pontificia Universidade Catolica de Goias Psicologia; 2PUC-Goiás – Psicologia
A nomeação de figuras e a fluência verbal são
processos cognitivos tidos como fortes
preditores de aquisições relacionadas à leitura
e à escrita. Mau desempenho escolar e déficits
em
atividades
relacionadas
a
essas
competências
são
frequentemente
encontrados em crianças com Transtorno de
Déficit de Atenção (TDA/H) e Dislexia. O
objetivo deste estudo foi comparar o
desempenho em provas de fluência verbal,
nomeação, leitura e escrita de crianças sem
queixas escolares e crianças com TDA/H e/ou
Dislexia. Os participantes foram divididos em
dois grupos, sendo o grupo controle composto
por 293 crianças sem queixas escolares. Esses
participantes eram provenientes de escolas
públicas e particulares do estado de Goiás. A
idade variou entre oito e 12 anos. O Grupo
clínico contou com a participação de 43
crianças com idade de oito a 12 anos com
diagnóstico multidisciplinar formalizado de
TDA/H e/ou Dislexia. Esses participantes
também eram oriundos de escolas públicas e
particulares do Estado de Goiás. O estudo foi
aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa
da Pontifícia Universidade Católica de Goiás
sob o protocolo 01108712.6.0000.0037/2012.
Todos os participantes tiveram os Termos de
Consentimento Livre e esclarecido – TCLE –
assinados pelos responsáveis. Utilizaram-se
como instrumentos de coleta de dados o Teste
de Nomeação de Figuras, o Teste de Fluência
Verbal Fonêmica (FAS) e Semântica (categoria
animais) e os subtestes de leitura e ditado do
Teste de Desempenho Escolar – TDE. Os
Resultados
apontaram
diferenças
estatisticamente significativas entre os dois
grupos. Na prova de nomeação a média do
grupo controle foi 72,9 (DP = 3,6) contra 69,6
(DP= 6,9) do grupo clínico. Na prova de
Fluência verbal as médias encontradas foram
32,7 (DP= 8,8) para grupo controle e 28,4 (DP =
8,5) para o grupo clínico. No subteste de
Leitura as médias encontradas foram de 63,9
(DP= 7,38) para os controles contra 47,3 (DP =
19,6) para a amostra clínica. Os resultados
obtidos no subteste de escrita apontaram
médias de 28,11(DP = 5,6) contra 19,51 (DP =
8,6) para o Grupo clínico. Os resultados ainda
indicaram menor tempo de leitura para os
controles 129’ (DP = 57,6) e 233,1’ (DP =161,9).
O teste inferencial Mann Whitney indicou que
as
diferenças
são
estatisticamente
significativas confirmando pior desempenho
do grupo clínico no conjunto das atividades
propostas. Discutiu-se ainda que programas de
reabilitação para pessoas com TDA/H e
Dislexia devem incluir atividades que envolvam
as habilidades de nomeação, fluência, leitura
e ditado como coadjuvantes a outras
estratégias e atividades já consagradas no
intuito de diminuir o impacto dos problemas
associados ao TDA/H e à Dislexia sobre o
desempenho escolar das pessoas acometidas
por estes transtornos. Apoio Financeiro:
CPGLS/PUC-GOIÁS
Responsável pelo Envio:
Sandra de Fatima Barboza Ferreira
([email protected])
22-022- DESEMPENHO EM QI VERBAL E QI DE
EXECUÇÃO EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO
OBSESSIVO COMPULSIVO E EM CRIANÇAS EM
RISCO PARA DESENVOLVER O TRANSTORNO
Bernardes ET1; Borcato S2; Diniz JB2; Batistuzzo
MC2; De Marco M3; Oki FH2; Chacon P2;
Morais RMCB2; Alvarenga P2; Asbahr FR4; De
Mathis A2; Shavitt RG2; Polanczyk GV5
1Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas
da Faculdade de Medicina da Universidade
de São Paulo - Departamento de Psiquiatria Programa
de
Transtornos
do
Espectro
Obsessivo-Compulsivo; 2Instituto de Psiquiatria
do Hospital das Clínicas da Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo Departamento de Psiquiatria - Programa de
Transtornos do Espectro Obsessivo-Compulsivo
(PROTOC); 3Instituto de Psiquiatria do Hospital
das Clínicas da Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo - Departamento de
Psiquiatria - Programa de Transtornos do
Espectro Obsessivo-Compulsivo (PROTOC) /
Laboratórios Integrados de Neuropsicologia da
Universidade de São Paulo (LINEU USP);
4Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas
66
da Faculdade de Medicina da Universidade
de São Paulo - Departamento de Psiquiatria Laboratório de Investigação Médica (LIM-23) /
Programa de Transtornos Ansiosos na Infância
e Adolescência; 5Instituto de Psiquiatria do
Hospital das Clínicas da Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo Departamento de Psiquiatria - Programa de
Transtornos do Espectro Obsessivo-Compulsivo
(PROTOC) / Programa de Diagnóstico e
Intervenção Precoce (ProDIP)
O TOC é um transtorno hereditário, com maior
risco para parentes de primeiro grau em
relação à população geral. Pacientes com
TOC não diferem de controles quanto à
eficiência intelectual, entretanto podem
apresentar
dificuldades
em
habilidades
visuoespaciais.
Déficits
neuropsicológicos
visuoespaciais são possíveis marcadores
endofenotípicos do TOC segundo estudos com
adultos, sendo possível que em crianças com
TOC encontremos resultados semelhantes.
Ademais, mecanismos patológicos e genéticos
dessa
doença
podem
ser
melhor
compreendidos
pela
identificação
de
potenciais endofenótipos. Dada a possível
utilização de déficits neuropsicológicos como
candidatos a marcadores endofenotípicos
para TOC, pode-se esperar que parentes de
primeiro grau de indivíduos com história de
TOC, e que apresentam sintomas subclínicos,
exibam perfil neuropsicológico similar ao
encontrado em indivíduos com o transtorno.
Esse trabalho teve por objetivo verificar: se
crianças com TOC apresentam discrepância
entre QI verbal e QI de execução; e se irmãos
de pacientes com TOC com sintomas
subclínicos exibem desempenho de QI verbal
e de QI de execução similar aos irmãos
acometidos. Foram incluídas 91 crianças com
idade entre 7 e 17 anos. Dentre estas, 55
estavam recebendo tratamento para TOC
(grupo TOC); 9 eram irmãs biológicas de
indivíduos com TOC que apresentavam
sintomas subclínicos de TOC (grupo irmãos); e
27 não apresentavam qualquer transtorno
psiquiátrico (grupo controle). Foi utilizada a
Wecshler Abreviated Scale of Intelligence
(WASI) para avaliação de QI e os diagnósticos
psiquiátricos foram examinados pela KiddieSads-Present and Lifetime Version (K-SADS-PL).
Não houve diferença significativa entre os
grupos TOC e irmãos, mas esses dois grupos
apresentaram QI verbal maior do que o grupo
controle (p<0,001, teste t). A diferença entre o
QI verbal e QI de execução foi maior no grupo
de irmãos (média=22, DP=10) do que no grupo
TOC (média=12, DP=14) que, por sua vez, teve
delta maior do que o grupo controle
(média=4, DP=12) (p=0,002, teste de Tukey). Os
resultados encontrados sugerem que, apesar
dos grupos apresentarem QI dentro da faixa
esperada, a discrepância entre os QIs em
crianças com TOC ocorre de forma similar aos
adultos, com melhor desempenho para o QI
verbal. Ademais, parentes de primeiro grau de
indivíduos com TOC, e que apresentam
sintomas subclínicos, exibiram desempenho de
QI verbal e de QI de execução semelhante
aos encontrados em indivíduos com o
transtorno, sugerindo que essas medidas
podem constituir marcadores endofenotípicos
do TOC. Apoio Financeiro: Fundação de
Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
(FAPESP) / Conselho Nacional de Pesquisa e
Desenvolvimento Científico e Tecnológico
(CNPq)
Responsável pelo Envio:
Marina de Marco e Souza
([email protected])
22-023DESEMPENHO
COGNITIVO
DE
CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM TRANSTORNO
OBSESSIVO COMPULSIVO (TOC): IMPACTO DO
TRATAMENTO NAS TAREFAS DE PLANEJAMENTO
DE INFORMAÇÕES VISUAIS E MEMÓRIA NÃO
VERBAL
De Marco M1; Batistuzzo MC2; Oki FH2;
Bernardes ET3; Monti C4; Borcato S2; Morais I2;
Ribeiro AEJ5; Fatori D2; Shavitt RG2 - 1Instituto
de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da
Faculdade de Medicina da Universidade de
São Paulo - Departamento de Psiquiatria Programa
de
Transtornos
do
Espectro
Obsessivo-Compulsivo (PROTOC) / Laboratórios
Integrados de Neuropsicologia - Universidade
de São Paulo (LINEU USP); 2Instituto de
Psiquiatria do Hospital das Clínicas da
Faculdade de Medicina da Universidade de
São Paulo - Departamento de Psiquiatria Programa
de
Transtornos
do
Espectro
67
Obsessivo-Compulsivo (PROTOC); 3Instituto de
Psiquiatria do Hospital das Clínicas da
Faculdade de Medicina da Universidade de
São Paulo - Departamento de Psiquiatria Programa
de
Transtornos
do
Espectro
Obsessivo-Compulsivo (PROTOC) / Programa
de Diagnóstico e Intervenção Precoce
(ProDIP); 4Instituto de Psiquiatria do Hospital
das Clínicas da Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo - Departamento de
Psiquiatria - Programa de Transtornos do
Espectro Obsessivo-Compulsivo (PROTOC) /
Laboratórios Integrados de Neuropsicologia da
Universidade de São Paulo (LINEU USP);
5Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas
da Faculdade de Medicina da Universidade
de São Paulo - Departamento de Psiquiatria Programa
de
Transtornos
do
Espectro
Obsessivo-Compulsivo (PROTOC)
O TOC é caracterizado pela presença de
obsessões e/ou compulsões, que interferem no
funcionamento
do
indivíduo.
Estudos
neuropsicológicos apontam que pacientes
com TOC apresentam prejuízo na capacidade
de planejamento de informações visuais, o
que pode impactar na recuperação destas,
tanto
imediatas
quanto
tardias.
Com
prevalência na população infanto-juvenil de
1,9 a 4,0%, a literatura indica melhora
significativa dos sintomas do TOC com Terapia
Cognitivo
Comportamental
(TCC)
e/ou
Inibidores
Seletivos
de
Recaptura
de
Serotonina (ISRS). Este trabalho investigou: 1) se
há melhora da capacidade de planejamento
não verbal e da memória após três meses de
tratamento do TOC ; e 2) se um tipo de
tratamento (TCC ou ISRS) seria mais efetivo na
melhora do desempenho nas tarefas de
planejamento e memória não verbal. Foram
avaliados 65 crianças e adolescentes, com
idades entre 6 e 17 anos, no período
imediatamente anterior e três meses após o
tratamento. Os pacientes foram randomizados
para duas modalidades terapêuticas: TCC em
grupo (n=33, 14 sessões semanais 2 horas de
duração) ou fluoxetina (FLX) (n=32, doses entre
20-60mg/dia, durante 14 semanas). A
gravidade dos sintomas foi aferida pela Escala
Yale-Brown de sintomas obsessivo-compulsivos
(Y-BOCS) e a capacidade de planejamento e
a memória não verbal por meio da Figura
Complexa de Rey (FCR) (avaliação inicial) e
Figura Complexa de Taylor (FCT) (após três
meses). A variação das figuras visou controlar
possíveis interferências do efeito aprendizagem
nos resultados, já que há evidências de que
essas figuras podem ser utilizadas de modo
intercambiável.
A
randomização
foi
balanceada
quanto
ao
sexo,
idade,
gravidade dos sintomas , escolaridade e
funcionamento global. As médias de idade
foram 11.7 anos para o grupo TCC e 11.2 anos
para o grupo FLX. A variação dos escores
YBOCS entre o pré e pós tratamento indicou
melhora
significativa
dos
sintomas,
independentemente do tipo de tratamento
recebido (Teste de Wilcoxon, p<0.001). Além
disso, identificou-se melhor desempenho
cognitivo dos pacientes no planejamento de
informações não verbais tanto após o
tratamento
medicamentoso
como
psicoterápico (Teste de Wilcoxon, p<0.001).
Também houve forte correlação entre
estratégias de planejamento de informações
visuais mais profícuas (valorização das
macroestruturas) e melhora na evocação
imediata e tardia das mesmas: diante da
melhora dos escores de planejamento (Teste
de Correlação Spearman, p<0.001), houve
melhora dos resultados obtidos nas evocações
imediata (Teste de Wilcoxon, p<0.001) e tardia
(Teste de Wilcoxon, p<0.001). Por fim, apesar
da
tentativa
de
controle
do
efeito
aprendizagem, apenas o acompanhamento
de longo prazo poderá informar sobre a
manutenção da melhora observada.
Responsável pelo Envio:
Marina de Marco e Souza
([email protected])
22-024PADRÕES
DE
PERMANÊNCIA
E
MUDANÇA AO LONGO DO IOWA GAMBLING
TASK
DIFERENCIAM
CRIANÇAS
COM
TRANSTORNOS EXTERNALIZANTES DE CONTROLES
Guimaraes IS1; Mata FG2; Miranda DM3;
Malloy-Diniz LF4
1Ufmg - Psicologia; 2Monash University - School
of Psychology and Psychiatry.; 3Ufmg Medicina Molecular; 4Ufmg – Psiquiatria
68
O Iowa Gambling Task (IGT) é o instrumento
mais utilizado na avaliação da tomada de
decisão afetiva em várias populações com
comprometimento frontal. A medida padrão
do desempenho no IGT é obtida através do
cálculo da diferença entre as escolhas nos
baralhos vantajosos e as escolhas nos baralhos
desvantajosas. Esta pontuação padrão não
permite a avaliação do uso de diferentes
estratégias para lidar com contingências de
ganhos e perdas ao longo da tarefa. Este
estudo tem como objetivo comparar o
método de análise padrão usado no IGT com
um método que analisa os padrões de
permanência e mudança em diferentes
baralhos ao longo das 100 opções ,
considerando as contingências de escolhas
com e sem perdas. Foram comparados o
desempenho do IGT de 24 crianças com
transtornos externalizantes (Transtorno de
Déficit de Atenção e Hiperatividade e
Transtorno Desafiador Opositivo) e 24 crianças
saudáveis pareadas por idade (de 7 a 14
anos). As análises com a medida padrão ao
longo
dos
blocos
não
apresentaram
diferenças entre crianças com transtornos
externalizantes e crianças controle. No
entanto, crianças saudáveis apresentaram um
padrão de mudar mais de baralhos
desvantajosos para baralhos vantajosos ao
longo de todos os blocos, independentemente
da contingência de perda. Por outro lado,
crianças com transtornos externalizantes
apresentaram um padrão de mudar mais de
baralhos
vantajosos
para
baralhos
desvantajosos em comparação ao grupo
controle, além de escolherem mais cartas do
baralho B ao longo de todos os blocos. Estes
resultados mostram que, apesar de as
diferenças entre os grupos não poderem ser
encontradas usando o método de análises
padrão, um tipo diferente de análise pode ser
capaz de mostrar estratégias distintas para a
execução do teste. Apoio Financeiro: Fapemig
Responsável pelo Envio:
Isabela Sallum Guimaraes
([email protected])
22-025- PREDITORES NEUROPSICOLÓGICOS DE
EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE PAIS EM GRUPO
PARA
CRIANÇAS
COM
TRANSTORNOS
EXTERNALIZANTES
Conde R1; Pimenta LCA1; Malloy-Diniz L2;
Kummer AM3
1UFMG - Programa de Pós Graduação em
Neurociências ; 2Ufmg - Psiquiatria; 3UFMG Saúde Mental
Transtorno de Déficit de Atenção e
Hiperatividade (TDAH), Transtorno de Conduta
e Transtorno Desafiador Opositivo (TDO) são
transtornos externalizantes que provocam
prejuízos no funcionamento social, acadêmico
e familiar. Um dos tratamentos mais eficazes
para essas crianças encontra-se os Programas
de Treinamento de Pais, visando capacitar os
pais a modificarem suas práticas disciplinares e
a atuarem sobre o padrão comportamental
indesejado de seus filhos.O presente trabalho
teve como objetivo verificar a eficácia do
Treinamento de Pais em grupo no tratamento
de crianças com Transtornos Externalizantes
em uma amostra de crianças provenientes do
Ambulatório de Psiquiatria da Infância do HCUFMG
e
identificar
possíveis
fatores
neuropsicológicos,clínicos
e
demográficos
preditores da Eficácia do Treinamento de Pais.
Vinte e cinco pais de crianças de 6 a 10 anos
com Transtornos Externalizantes participaram
do Treinamento de Pais e preencheram as
escalas antes(T1) e depois(T2) do tratamento.
Vinte e um pais, que se encontravam na fila de
espera para o tratamento, preencheram
escalas em dois tempos(T1,T2), com intervalo
de três meses, correspondente à duração do
tratamento. Foi utilizado o teste Wilcoxon(intragrupos) para analisar a eficácia do
tratamento. As crianças e os pais do grupo
clínico
passaram
por
avaliação
neuropsicológica antes de iniciarem o
tratamento. Foi utilizada a correlação
Spearman para verificar a relação entre as
variáveis
neuropsicológicas,
clínicas
e
demográficas e a taxa de mudança. Foram
realizadas regressões lineares para identificar
os preditores de eficácia. O grupo tratamento
apresentou diferença significativa entre os
escores em T1(antes do tratamento) e
T2(depois do tratamento) ou seja, houve
69
melhora significativa na intensidade de
sintomas
de
desatenção,
hiperatividade/impulsividade,
sintomas
do
TDO, comportamentos de desobediência e a
severidade desta desobediência assim como
nos comportamentos de violação de regras e
agressivos. O grupo lista de espera não
apresentou diferença significativa entre os
escores em T1 e T2. Uma maior taxa de
melhora nos sintomas de desatenção das
crianças foi previsto pela intensidade destes
sintomas antes da intervenção e por
dificuldades atencionais da criança em tarefa
neuropsicológica. Uma maior taxa de melhora
nos sintomas de hiperatividade das crianças foi
previsto por dificuldades atencionais da
criança em tarefa neuropsicológica. Uma
maior taxa de melhora de sintomas de TDO
nas crianças foi prevista pela intensidade
desses sintomas e por dificuldade dos pais em
tarefa de flexibilidade cognitiva. A eficácia do
tratamento nesta amostra foi comprovada e o
pior desempenho dos pais e das crianças nas
tarefas neuropsicológicas e uma maior
intensidade de sintomas antes do TP está
associado a uma maior taxa de melhora dos
sintomas nas crianças Apoio Financeiro:
CAPES
Responsável pelo Envio:
Barbara Romaneli Conde Paraiso
([email protected])
22-026REABILITAÇÃO
COGNITIVA
EM
CRIANÇAS COM TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS
Goto F1; Rocca CCA1
1Instituto de Psiquiatria da Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo - LINEU
- Laboratórios Integrados de Neuropsicologia
Crianças
com
transtornos
psiquiátricos
frequentemente possuem déficits cognitivos
significativos. O tratamento medicamentoso,
quando
realizado
isoladamente,
possui
resultados restritos na melhora cognitiva do
paciente,
mantendo
muitas
vezes
as
dificuldades que os pacientes têm na
realização das atividades cotidianas e
laborativas. Para aplacar esta demanda,
surgiram programas de reabilitação cognitiva,
um tratamento direcionado às funções que se
encontram prejudicadas. A reabilitação
cognitiva
pediátrica
envolve
a
reaprendizagem de habilidades cognitivas e a
elaboração de estratégias de tratamento para
amenizar ou compensar as funções afetadas.
Há significativa escassez de publicações com
o tema de reabilitação neuropsicológica de
crianças com transtornos psiquiátricos, e com
base nesta colocação, o objetivo deste
trabalho foi a realização de revisão
bibliográfica sobre o tema. Foi realizada
revisão bibliográfica sistemática de estudos
que tinham como foco a reabilitação de
funções
cognitivas
na
infância.
O
levantamento bibliográfico foi feito através de
consultas à Pubmed, Medline e Lilacs. As
palavras-chave pesquisadas nos bancos de
dados foram: cognitive rehabilitation children e
cognitive remediation children, no período
entre 1996 e 2012. Critérios de inclusão: artigos
que tratavam do assunto reabilitação
cognitiva em crianças, relacionadas a
transtornos
psiquiátricos
que
possuem
diagnósticos realizados na infância e que
estavam nos idiomas inglês, espanhol ou
português. Critérios de exclusão: artigos que
tratavam de reabilitação cognitiva como
consequência
de
problemas
físicos,
neurológicos,
imunológicos
e
déficits
adquiridos. Também foram excluídos os
estudos de casos e pesquisas com crianças
saudáveis. Foram encontrados 27 artigos, e
destes, 10 foram selecionados para análise. Os
estudos em reabilitação cognitiva de crianças
com transtornos psiquiátricos encontram-se
num estágio inicial de pesquisas, sendo que a
patologia mais estudada é o transtorno do
déficit de atenção e hiperatividade. Com
relação às funções cognitivas estudadas, nos
quadros psiquiátricos, a discussão relacionada
aos déficits cognitivos gira em torno das
funções executivas e da atenção. Como
limitações dos estudos, podemos mencionar a
amostra pequena, a ausência de um
acompanhamento e reavaliação a longo
prazo, e a não inclusão de um grupo controle.
Embora o número de estudos com reabilitação
cognitiva seja ainda pequeno, podemos
perceber pelo presente levantamento que os
resultados são promissores, qualquer se seja a
técnica
utilizada.
Contudo,
há
vários
70
transtornos psiquiátricos que não foram
incluídos nos programas de reabilitação
estudados, abrindo espaço para futuras
pesquisas.
Responsável pelo Envio:
Fabiana Goto
([email protected])
22-027- INTELIGÊNCIA E DESEMPENHO ESCOLAR:
QUAL O PAPEL DO CONTROLE INIBITÓRIO?
Rocha MCM1; Costa DS2; Miranda DM2;
Malloy-Diniz LF3
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Ufmg - Medicina Molecular; 3Ufmg
– Psiquiatria
Introdução: A capacidade de inibir um
comportamento
proeminente
(Controle
Inibitório) é apontada como uma das
principais Funções Executivas (FE), sendo estas
processos mentais superiores voltados para a
conquista de objetivos. A inteligência é
usualmente indicada como o principal fator
determinante do sucesso escolar, embora a
literatura venha apontando as FE como
melhores preditoras do bom desempenho
acadêmico com alguns modelos apontando
elevada sobreposição desses construtos. Com
base no exposto, este trabalho objetiva
verificar se há efeito indireto da inteligência no
desempenho escolar no domínio da escrita,
verificando se a capacidade de inibição atua
como um mediador nesta relação. Métodos:
Foram avaliadas 41 crianças entre 8 e 13 anos
de idade (9,8±1,5) de escolas públicas de Belo
Horizonte (4,6±1 anos de escolaridade), sendo
17 delas meninos e 24 delas meninas. Para
avaliar a inteligência foram administradas as
Matrizes Progressivas de Raven, enquanto o
Teste dos Cinco Dígitos e o Teste de
Desempenho
Escolar
acessaram,
respectivamente, a capacidade de Inibição e
o desempenho em Escrita. Para análise dos
dados
empregamos
uma
técnica
de
reamostragem (k=5000) nas regressões lineares
múltiplas. Resultados: Individualmente, a
inteligência
foi
preditiva
da
escrita
(β=0,38,t(40)=2,57,p=0,01) e significativamente
associada à capacidade de inibição (β=0,34,t(40)=-2,29,p<0,03). A capacidade de
inibição também foi individualmente bastante
preditiva
da
escrita
(β=-0,60,t(40)=4,72,p<0,001). Contudo, quando inseridas
simultaneamente no modelo de regressão, a
inteligência
deixa
de
ser
preditiva
(β=0,38,p=0,01 vs β=0,20,p=0,15), mas a
inibição se mantém como preditora da escrita
(β=-0,60,p<0,001
vs
β=0,53,p<0,001).
A
diferença entre o modelo de influência direta
e indireta da inteligência foi significativa
(z=1,94; p=0,05) o que sugere que a influência
da inteligência sobre a escrita se deu através
da capacidade de inibição, neste modelo.
Discussão: Os resultados obtidos apontam para
o importante papel do controle inibitório na
relação entre a inteligência e o desempenho
em atividades de escrita. A investigação da
influência exercida pelas FE no desempenho
escolar faz-se importante no planejamento de
intervenções visando ao sucesso acadêmico,
tal como o treino de funções executivas. Apoio
Financeiro: CNPq, FAPEMIG, CAPES
Responsável pelo Envio:
Mariana Castro Marques da Rocha
([email protected])
22-028PERFIL
NEUROSPICOLÓGICO
DE
CRIANÇAS
COM
TRANTORNO
DE
APRENDIZAGEM
Pereira C F1; Dell Agli BAV2
1Unicamp - Psicologia; 2Unicamp – Disapre
O Transtorno de Aprendizagem é definido por
dificuldades na aquisição ou no uso da leitura,
escrita e matemática na ausência de déficit
intelectual, sensorial e com adequada
instrução educacional. O diagnóstico é
complexo e os instrumentos neuropsicológicos
comumente citados na literatura ainda
carecem de aprofundamento em grupos
específicos em nosso país. O objetivo do
presente estudo foi descrever o perfil
neuropsicológico de crianças com Transtorno
de Aprendizagem. Foram avaliadas 9 crianças
com idades variando entre 9 a 11 anos (M =
9,67 e DP = 0,86), sendo 6 do sexo masculino e
3 do sexo feminino, todos estudantes de escola
pública. Dos participantes, 5 apresentavam
problemas de comportamento associados. Os
instrumentos utilizados para a coleta dos dados
71
foram: WISC-III, Bender, Wisconsin Card Test,
Trail Making Test (TMT), Teste de Cancelamento
(TC) Figuras Geométricas e Letras em Fileiras,
Stroop Color Test (SCWT), Figuras Complexas de
Rey (FCR), Quik Neurological Screening Test
(QNST) e Teste de Desempenho Escolar (TDE).
Os
instrumentos
comercializados
foram
corrigidos de acordo com as normas de
padronização e aqueles que ainda não
constam de padronização foi utilizado artigos
científicos que fizeram normatização. Os
resultados
evidenciaram
um
quociente
intelectual (QI) na média, sendo que o grupo
apresentou média do QI total de M=99,78 e
DP=17,12. Ao comparar o QI verbal com o de
execução do grupo observou-se melhor
resultado neste último. Quanto aos índices
fatoriais os piores resultados foram em
resistência à distração (M=89,11 e DP= 26,21) e
velocidade de processamento (M= 85,67 e
DP=31,12). No Wisconsin e nas FCR os
resultados encontraram-se na média e os
instrumentos que exigiam tempo como o TMT,
CT e SCWT os participantes gastaram um
tempo maior bem como cometeram mais
erros. Dentre estes testes o TMT parte B foi o
que os participantes encontraram maior
dificuldade. O QNST que é um instrumento de
triagem usado para avaliar sinais neurológicos
menores, os participantes obtiveram escore
abaixo de 25 que caracteriza o resultado
como sendo “normal”. No TDE os participantes
obtiveram escores abaixo em leitura (M=45 e
DP=23,48), escrita (M=14, DP=9,84) e aritmética
(M=11,23 e DP= 5,89). Conclui-se que os
resultados são compatíveis com a definição
de TA, ou seja, sem déficit intelectual e
desempenho acadêmico abaixo. A função
mais comprometida foi a atenção.
Responsável pelo Envio:
Camila de Fatima Pereira
([email protected])
22-029IDENTIFICAÇÃO
DE
PROBLEMA:
CATEGORIZAÇÃO
DAS
DIFICULDADES
DE
APRENDIZAGEM
Kaihami HN1; Frederico Neto F1; Cardoso AC1;
Pinto KO1; Petlik MI1
1Hospital Sírio-Libanês - Ambulatório de
Especialidades em Pediatria
O Ambulatório de Especialidades em Pediatria
é um dos projetos da Filantropia da
SBS/Hospital Sírio Libanês, proporcionando
atendimento multiprofissional gratuito às
crianças e adolescentes residentes na região
Sé. É através da equipe multiprofissional, com
visão interdisciplinar, que proporciona- se o
acolhimento necessário ao sofrimento dos
pacientes, através da escuta qualificada, o
que permite a construção de relações de
confiança entre profissional e usuários,
possibilitando identificar problemas e intervir-se
resolutivamente, com responsabilidade, em
relação
aos
problemas
de
saúde
apresentados. Nesse contexto, a atuação em
rede social dos equipamentos sociais da
região, com participação da comunidade e
definição de propostas de intervenção,
permite uma ação coordenada para
efetivarmos
transformações positivas na
realidade social desta comunidade. Na
medida em que ocorrem interlocuções entre
os equipamentos sociais propiciando melhor
aproveitamento
dos
recursos,
podemos
favorecer o desenvolvimento das famílias e o
efetivo atendimento às suas necessidades.
Neste cenário começamos a lidar com as
queixas em relação à dificuldade de
aprendizagem,
trazidas
pelos
pais
espontaneamente ou questionada pelos
pediatras, corroborado com os relatórios de
professores e/ou coordenadores de escolas
públicas. Atualmente o Ambulatório de
Dificuldade de Aprendizagem conta em sua
equipe de pediatra, psicólogo, fonoaudiólogo
e neuropsicólogo, atendendo pessoas na faixa
etária de 7 a 16 anos, com relatório escolar.
Efetuamos o diagnóstico e tratamento
necessário
quando
possível
e
encaminhamento para os atendimentos
especializados
necessários.
Tornou-se
importante categorizarmos as dificuldades de
aprendizagem que recebíamos, para que
pudéssemos otimizar o diagnóstico e os
encaminhamentos, bem como desenvolver
um protocolo de relatório que as escolas
enviam, possibilitando uma compreensão
também destes profissionais sobre o que está
ocorrendo. Desta forma, verificamos que
podemos
categorizar
as
crianças/
72
adolescentes, relacionando à Classificação
Internacional de Doenças - 10, em dois
grandes grupos: 1. sem dificuldade de
aprendizagem e apresentando problemas tais
como dinâmica familiar, faltas escolares,
defasagem pedagógica; 2. com dificuldade
de aprendizagem, sendo este subdividido em,
devido a: 2a. deficiência intelectual ( F70 a
F79);
2b.
transtornos
globais
do
desenvolvimento (F84) e transtornos do
comportamento (F90 a F93), 2c. transtornos
específicos
do
desenvolvimento
das
habilidades escolares (F81), 2d. transtornos do
desenvolvimento psicológico (F80, F82 a F83) e
Deficiência do Processamento Auditivo Central
(H90.3). O estudo encontra-se em andamento,
sendo que a coleta encerrou-se e os dados
estão sendo trabalhados segundo esta
categorização
para
breve
publicação,
podendo contribuir como modelo de
classificação para outros estudos.
Responsável pelo Envio:
Harumi Nemoto Kaihami
([email protected])
22-030- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA E
DIFICULDADE DE LEITURA E ESCRITA
Tavares LB1; Costa BST2
1Universidade
Estadual
da
Paraiba
Educaçao; 2Cempa – Administradora
Vivemos em um mundo onde ler e escrever
são atividades importantes para que o sujeito
alcance sucesso e se adapte de forma
satisfatória em nosso meio. Investigar possíveis
fatores que possam interferir nesta etapa de
aquisição de novos conhecimentos poderá
contribuir para que ações preventivas possam
ser desenvolvidas, visando minimizar, ou até
mesmo evitar a instalação de problemas, que
afetariam a vida do pequeno (a) aluno (a),
muitas vezes de forma permanente. Este
estudo teve como objetivos avaliar crianças
com dificuldade no processo de aquisição da
leitura; identificando possíveis alterações e
buscando prováveis relações entre estas e as
dificuldades percebidas nas crianças. A
amostra foi composta por 20 crianças de
ambos os sexos, com idades entre 8 e 10 anos,
alunos do 3º e 4º ano do Ensino Fundamental,
de uma escola pública. Os instrumentos
utilizados foram: Matrizes Progressivas Coloridas
de Raven, Teste de Desempenho Escolar – TDE,
Trilhas A e B, Figura de Rey, Teste de
Competência de Leitura de Palavras e
Pseudopalavras
(TCLPP)
e
Internacional
Dyslexia Test (IDT) – subtestes de Leitura e
Ditado de palavras e pseudopalavras.Os
sujeitos obtiveram um escore na média no
Raven, embora no TDE (teste de desempenho
escolar) tenham obtido uma classificação
inferior em todos os subtestes (Leitura, Escrita e
Aritmética). Não foram observadas falhas no
domínio perceptivo-motor, nem na memória,
mas no que se refere à atenção e resistência à
distração, o desempenho ficou abaixo do
esperado para a idade. Os resultados no
TCLPP (Teste de Competência de Leitura de
Palavras e Pseudopalavras) e IDT (International
Dislexy Test) apontam para déficits de
consciência fonológica. De acordo com
Capovilla & Capovilla (2002), os erros
cometidos quando a criança não aceita
como
corretas
as
palavras
grafofonemicamente irregulares pode ser um
indicativo de dificuldade ou mesmo falta do
processamento lexical. O fato de a criança
considerar
corretas
as
pseudopalavras
homófonas pode indicar a mesma dificuldade,
com uma leitura que se limita apenas à
decodificação fonológica. Ainda mais grave
seria a incapacidade da criança rejeitar
pseudopalavras com trocas fonológicas, que
poderia
estar
indicando
não
apenas
dificuldade na utilização do léxico, mas
também no próprio processo fonológico. Já a
não rejeição de palavras semanticamente
incorretas poderia indicar falta de acesso ao
léxico semântico. O insucesso na rejeição de
pseudopalavras com trocas visuais poderia
indicar dificuldade com o processamento
fonológico, e utilização da estratégia de leitura
logográfica. Por último, a falha na rejeição de
pseudopalavras estranhas poderia ser um
indicador de sérios problemas de leitura, com
ausência de processamento lexical, fonológico
e, mesmo, logográfico. Os dados obtidos nos
levam a inferir que as dificuldades de leitura e
escrita apresentadas pelas crianças se devem
a déficits de consciência fonológica.
Responsável pelo Envio:
73
Livania Beltrao Tavares
([email protected])
22-031- CONTRIBUIÇÕES DA NEUROCIÊNCIA
PARA A EDUCAÇÃO PARA O PROCESSO DE
APRENDIZAGEM
Tavares LB; Costa BST2; Lima GA1; Silva MB1
1Universidade
Estadual
da
Paraíba
Educação; 2Cempa – Administradora
Desvendar os mistérios do cérebro humano
sempre foi uma tarefa para os especialistas da
Neurologia, Neurobiologia, Neuropsicologia,
Neuroanatomia e Neurofisiologia (RELVES,
2011), mas também acaba de conquistar os
professores que ambicionando o sucesso de
seus alunos, tornaram-se cada vez mais
curiosos em relação ao funcionamento
cerebral no momento da aprendizagem, que
acontece em um meio social organizado,
integrando fatores cerebrais, psíquicos e
cognitivos. Sendo assim, a aprendizagem é
definida por Goméz e Terán (p. 31) como um
processo neuropsicocognitivo. O objetivo
deste estudo foi, através de um levantamento
bibliográfico, analisar as contribuições das
descobertas da Neurociência para aqueles
que estão diretamente envolvidos no processo
de aprendizagem. A Neurociência pode
contribuir no entendimento pelo professor do
porquê de alguns indivíduos aprenderem com
mais facilidade e outros não e, buscar nessa
nova área científica, informações seguras que
servirão de suporte para um melhor
planejamento das aulas, com base em
atividades que despertem o interesse dos
alunos, desenvolvendo sua aprendizagem a
partir de estímulos que irão contribuir para a
gênese de novas conexões neurais e,
consequentemente, contribuir também para
formação e desenvolvimento da inteligência.
Ao fazer a interação entre aprendizagem e
desenvolvimento mental, Vygotsky (1994)
afirma que o aprendizado da criança deve
respeitar o seu nível de desenvolvimento. A
partir daí, determinou-se dois tipos de níveis: o
real e o da zona de desenvolvimento proximal.
O primeiro se refere a tudo aquilo que a
criança pode realizar sozinha, já o segundo
nível aponta aquilo que ela pode realizar com
a mediação de outra pessoa, levando-a a um
estágio de maior desenvolvimento. Tal
fenômeno descrito por Vygotsky pode ser
explicado do ponto de vista neurocientifico,
por meio das Janelas de Oportunidades, pois
de acordo com Goméz e Terán (p. 42) essas
janelas “são períodos nos quais o cérebro
responde a certos tipos de estímulos para
consolidar conexões nervosas” e assim atingir
um significativo desenvolvimento. No entanto,
entende-se que cada indivíduo é um ser único
e que aprende a seu tempo e a sua maneira,
e que ao vivenciar suas experiências constrói o
conhecimento de forma particular. Desta
forma, a parceria entre a Neurociência e a
Educação poderá contribuir para possibilitar
uma aprendizagem mais significativa, que
respeite a individualidade de cada ser, dando
aos profissionais da Educação, envolvidos
neste processo, subsídios para tornar seu
trabalho mais prazeroso e eficiente.
Responsável pelo Envio:
Livania Beltrao Tavares
([email protected])
22-032- REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM
CRIANÇAS
COM
TRANSTORNOS
DA
APRENDIZAGEM SOB A PERSPECTIVA DO
MODELO DE REUVEN FEUERSTEIN
Quaranta T1; Fuentes D1
1Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo – LINEU
INTRODUÇÃO: Aprendizagem é um fenômeno
psicobiológico dentro de um contexto social
facilitador. Os transtornos da aprendizagem na
infância são diagnosticados quando os
achados do indivíduo em testes padronizados
de leitura, matemática ou expressão escrita
apresentam-se abaixo do esperado para sua
idade, escolaridade e nível de inteligência,
interferindo significativamente no rendimento
escolar e repercutindo na vida diária. Dentre
as abordagens de intervenção para esses
transtornos, destacam-se como eficazes a
Reabilitação Neuropsicológica, que tem por
objetivo corrigir e maximizar as capacidades
cognitivas e possibilita ao paciente encontrar
maneiras adequadas e alternativas para
alcançar
metas
funcionais
específicas,
74
priorizando a qualidade de vida como um
todo, e o Programa de Enriquecimento
Instrumental-PEI, teoria de Feuerstein que
apresenta o processo de desenvolvimento e
aprendizagem
compreendendo
necessariamente a presença do outro como
representante da cultura e mediador de sua
apropriação. OBJETIVO: Realização de revisão
crítica das duas abordagens de intervenção
(Reabilitação Neuropsicológica e PEI), visando
a identificação de pontos sobrepostos e
complementares entre elas. Esta revisão
apresenta a etapa preliminar de um estudo
maior, com a aplicação prática destas
técnicas
em
crianças
com
diferentes
desordens psiquiátricas e transtornos da
aprendizagem. RESULTADOS: A partir da
análise comparativa das propostas de
intervenção
através
de
técnicas
neuropsicológicas e do PEI, observou-se a
sobreposição dos princípios capazes de
promover nos indivíduos a habilidade de
reorganizar e potencializar suas funções
cognitivas e de desenvolver novos recursos de
linguagem, o que possibilita operacionalizar
com diversas fontes de informação e
redimensionar formas de convívio social,
cultural e afetivo. Entretanto, evidenciou-se a
complementariedade destes dois modelos
teóricos no que tange o uso de materiais
estruturados e padronizados pelo PEI, que
podem permitir maior controle das técnicas
empregadas e poder de verificação da
eficiência
terapêutica.
CONCLUSÃO:
O
grande
desafio
da
reabilitação
neuropsicológica, principalmente enquanto
treino cognitivo, é fazer possível a transferência
das
estratégias aprendidas
no setting
terapêutico para a vida prática do indivíduo.
Através do PEI, o mediador ajuda a criar
modelos
explicativos
de
experiências
anteriores, para testar a aplicabilidade dessas
estratégias numa variedade de situações do
dia a dia.
Responsável pelo Envio:
Thais Quaranta
([email protected])
22-033- REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DA
COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA LEITURA
Jeckel EM1; Souza TSL2; Zibetti MR3; Rinaldi J4;
Frison TB4
1PUCRS - Psicologia; 2Universidade Federal de
Ciencias da Saude de Porto Alegre Psicologia; 3UFRGS e Bitácora Centro de
Neuropsicologia - Psicologia; 4Bitácora Centro
de Neuropsicologia – Psicologia
O presente trabalho consiste no relato de
experiência de intervenção neuropsicológica
realizada em pacientes de uma clínica
privada do sul do Brasil. Os pacientes
envolvidos neste trabalho participam de um
programa de reabilitação realizado em
ambiente que reproduz os cômodos de uma
casa e cujo objetivo principal é desenvolver
habilidades de vida diária através da
intervenção nas funções cognitivas. Neste
caso, a intervenção consistiu na produção de
uma radionovela por parte de dois pacientes:
um do sexo masculino com 38 anos, em
reabilitação por causa de hipóxia cerebral
que causou déficits mnemônicos e de funções
executivas (iniciativa); e outra, do sexo
feminino, com 45 anos e em tratamento em
função do diagnóstico Síndrome de Asperger.
A intervenção iniciou há 4 meses e os
pacientes participaram ativamente de todo o
processo de planejamento e execução da
atividade: fizeram seleção de textos que
poderiam ser usados como roteiro, alterações
e adaptações nos textos selecionados e na
forma de leitura de cada trecho e ensaiaram
sistematicamente os trechos selecionados.
Para avaliar o progresso dos pacientes, a
gravação dos ensaios foi examinada por
clínicos verificando as mudanças ocorridas no
período no que tange a qualidade da leitura e
da prosódia em cada um dos trechos. Para
ambos, a atividade serviu também para
trabalhar a questão de expressão e
percepção emocional através da fala/voz.
Neste relato de experiência, além do processo
de planejamento e execução, serão expostas
as
dificuldades
enfrentadas
para
a
concretização das atividades bem como os
benefícios proporcionados por elas.
Responsável pelo Envio:
Erika Moriguchi Jeckel
([email protected])
75
22-034- MELHORA DE MEMÓRIA FONOLÓGICA
EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM
USO DO JOGO DIGITAL POCOLOTO
Olalla CES1; Lukasova K1
1Universidade Cruzeiro do Sul – Psicologia
O desenvolvimento de jogos digitais é pouco
explorado no âmbito educacional do Brasil.
Mundialmente, eles são usados para o ensino
de conteúdo escolar e treino de habilidades
específicas. Este estudo se propôs a
desenvolver e validar um jogo digital para
memória de trabalho fonológica, importante
para
a
alfabetização
bem
sucedida.
Participaram deste estudo 30 crianças: 16
Grupo Experimental (GE) e 14 Grupo Controle
(GC), idade média: 6,63 (dp=0,49), de ambos
os gêneros. Eles eram alunos do ensino
fundamental I de uma escola particular do
Município de São Paulo. Ambos os grupos
foram
submetidos
à
avaliação
préintervenção, intervenção e avaliação pós. Dois
jogos foram utilizados, sendo que o jogo
Pocoloto, utilizado pelo GE conta história de
um garoto que passa por diversos planetas,
onde deve aprender a linguagem dos
extraterrestres. Ele propicia o treino de
memória fonológica por trabalhar com sons de
pseudopalavras e tarefas mnemônicas, sendo
lúdico e auto-explicativo. Já o GC, treinou
com um jogo de naves, Gremlin, que requer
percepção e velocidade de reação. A
intervenção foi feita em grupo (uma criança
por computador) em 10 aplicações, 3 vezes
por semana, com 20 minutos de duração
cada. Foram utilizadas para a avaliação pré e
pós-intervenção: testes de memória Tarefa
Brown-Peterson (BP), parte I e II, Dígitos Ordem
Direta (OD) e Inversa (OI). Para verificar
influência da habilidade treinada na leitura e
escrita, foram aplicados os testes TNF-Escrita e
TCLP numa avaliação computadorizada em
grupo. Realizada a intervenção e as
avaliações,
foram
comparados
os
desempenhos pré e pós para ambos os grupos
com Teste-t pareado. Verificou-se então, que
as crianças do GE aumentaram pontuação
total no teste BP e no acerto com atraso de 18
segundos
(p<0,05).
Uma
melhora
foi
encontrada no TNF-Escrita e TCLP (p<0,01).
Crianças do GC não mostraram melhora
estatisticamente significativa nos testes. Após a
comparação dos grupos entre si na avaliação
pré e pós, com Teste-t, foi verificado que na
avaliação pré, GC obteve maior pontuação
do que GE no BP (p<0,01), e que GE acertou
mais do que GC no OI (p<0,02) e TCLP
(p<0,03). Já após a intervenção, GE continuou
com melhor pontuação do que GC no TCLP
(p<0,03) e ultrapassou GC na pontuação total
parte II no BP (p<0,05). Concluiu-se que a
intervenção com o jogo digital Pocoloto
melhorou em pouco tempo as habilidades de
memória fonológica nas crianças avaliadas.
Ademais, melhora nas tarefas de leitura e
escrita corrobora com os achados sobre a
importância da memória de trabalho na
aprendizagem e alfabetização. Além disso, o
jogo Pocoloto manteve a motivação das
crianças ao longo da intervenção mostrando
boa jogabilidade para o uso em salas de aula,
sendo adequado para o contexto escolar.
Apoio Financeiro: PIBIC/Cruzeiro do Sul
Responsável pelo Envio:
Camilo Ernesto Subenko Olalla
([email protected])
22-035RELAÇÃO
ENTRE
NÍVEL
SOCIOECONÔMICO, FUNÇÕES EXECUTIVAS E
SINTOMAS
PSICOPATOLÓGICOS
EM
PRÉESCOLARES:
TESTANDO
MODELOS
DE
MEDIAÇÃO E MODERAÇÃO
Guimaraes IS1; Mata FG2; Fernandes JN2;
Malloy-Diniz LF3
1Laboratório
de
Investigações
em
Neurociência e Clínica - Psicologia; 2Monash
University - School of Psychology and
Psychiatry.; 3UFMG – Psiquiatria
O nível socioeconômico (NSE) tem sido ligado
a diferentes desfechos de saúde em geral, e
em particular à saúde mental, tendo uma
importante
influência
sobre
sintomas
psicopatológicos. O NSE tem impacto
diferente
sobre
distintos
sistemas
neurocognitivos, sendo que apresenta efeito
moderado sobre o domínio das funções
executivas e estas, por sua vez, são um déficit
76
comum
em
todos
os
transtornos
neuropsiquiátricos. Desta forma, o presente
trabalho objetiva testar modelos de mediação
e moderação que expliquem as relações entre
nível
socioeconômico
(NSE),
funções
executivas (FE) e sintomas psicopatológicos
em crianças pré-escolares. Foram avaliadas
125 crianças (70 meninas) de 4 e 5 anos (M=
61.74 meses, DP=7.23) de escolas públicas e
particulares
de
Belo
Horizonte.
Foram
aplicados os testes Self Ordering Pointing Task
(SOPT) para memória de trabalho e o
Postergação do Reforço (PR) para habilidade
de postergar a recompensa. Um escore
composto foi criado a partir das somas dos
escores-z de cada teste para se criar um índice
de FE. Utilizou-se a escala CBCL 1-5 anos para
avaliação de sintomas psicopatológicos,
sendo tomados para as análises os índices de
total de sintomas internalizantes (TSI), total de
sintomas externalizantes (TSE) e total de
sintomas (TS). O Critério Brasil foi usado como
medida de NSE. Testou-se os seguintes
modelos: 1) FE como mediadoras da relação
entre NSE e Sintomas; 2) FE como moderadoras
da relação entre NSE e Sintomas; 3) NSE como
mediador da relação entre FE e NSE; 4) NSE
como moderador da relação entre FE e NSE. A
partir da testagem observou-se que os
modelos 1, 2 e 3 não foram significativos, mas o
4 se mostrou significativo quando analisado o
índice Total de Sintomas. Para este modelo,
encontrou-se uma interação significativa entre
NSE e FE para a explicação de Sintomas (b=0.1993, SEb=0.0691, β=0.53; p=0.0047). Ao se
analisar os declives de regressão para os
grupos 1dp abaixo da média, médio e 1dp
acima no NSE, observou-se que apenas para o
declive 1dp acima (NSE mais alto) houve
relação entre FE e Sintomas (b=-0.4241,
SEb=0.1524, β=0.51; p=0.0062). Observou-se
que houve um efeito moderador do NSE sobre
a relação entre FE e sintomas, sendo esta
apenas existente para crianças com NSE alto.
Tal efeito talvez exista pelo fato de que em
crianças
com
NSE
baixo
há
menos
variabilidade no desempenho dos testes que
então não se associam bem a relatos
comportamentais. Apoio Financeiro: Fapemig
Responsável pelo Envio:
Isabela Sallum Guimaraes
([email protected])
22-036- ESBOÇO VISUOESPACIAL DA MEMÓRIA
OPERACIONAL
COMO
PREDITOR
DO
DESEMPENHO ACADÊMICO EM MATEMÁTICA
Wyzykowski ABV1; Siquara Gm1; Sunano CF1;
Lima CS1; Duarte Ts1; Rosa VO1; Abreu JNS1
1Universidade Federal da Bahia - Instituto de
Psicologia
A Memória Operacional (MO) é um sistema
que armazena e manipula as informações em
um período de tempo. A MO está ligada a
atividades complexas, que exige raciocínio e
aprendizagem. O Modelo Multicomponente
da MO é composto pelo executivo central,
alça fonológica, retentor episódico e o esboço
visuoespacial. O esboço visuoespacial está
envolvido
com
o
processamento
de
informações visuais e espaciais. Estudos
apontam evidências de que existe uma boa
relação entre o esboço visuoespacial e o
desempenho em matemática. O objetivo
deste trabalho foi investigar se o esboço
visuoespacial pode predizer o desempenho
em matemática, e comparar o desempenho
entre crianças de escolas públicas e
particulares de Salvador. Participaram no total
202 crianças, sendo 104 do sexo feminino e 98
do sexo masculino. A média de idade foi de
9,86
anos
(dp=1,38).
Um
termo
de
consentimento livre e esclarecido (TCLE) foi
preenchido pelos responsáveis, além de um
questionário sócio-econômico e de fatores de
saúde. Foram excluídas crianças nas quais os
pais relataram transtornos de desenvolvimento.
A avaliação foi realizada individualmente, em
uma sessão nas escolas participantes. Foram
utilizados os instrumentos Cubos de Corsi
(ordem direta e inversa), além do subteste de
matemática do Teste de Desempenho Escolar
(TDE). Para análise dos dados foram realizados
correlação de Pearson, regressão linear e teste
t de student. Os resultados mostraram
correlações moderadas e significativas entre o
Corsi Direto e Matemática (r=0.45, p<0,00) e
Corsi Invertido e Matemática (r=0,58, p<0,00).
Ao utilizar o modelo de regressão linear com o
Corsi direto e inverso para predizer o
desempenho na tarefa de matemática, a
77
variância explicada foi de 0,36. As crianças de
escola pública e particular apresentaram
diferenças
significativas
(p<0,05)
no
desempenho nas tarefas de MO e TDE. Os
presentes
resultados
sugerem
que
a
capacidade de manipular a informação visual
e/ou
espacialmente
pode
predizer
a
capacidade
de
aprendizagem
em
matemática.
Apoio Financeiro: FAPESB
Responsável pelo Envio:
Adriele Brasil Vieira Wyzykowski
([email protected])
22-037- INFLUÊNCIAS DOPAMINÉRGICAS NA
TRAGETÓRIA DO DESENVOLVIMENTO DO SENSO
NUMÉRICO
Andressa Moreira Antunes1; Julio-Costa A2;
Vianna G3; Carvalho Mrs3; Haase VG4 –
1Ufmg - Psicologia; 2Ufmg - Ppg Neurociencias;
3UFMG - Programa de Pós-Graduação em
Genética; 4Universidade Federal de Minas
Gerais - Departamento de Psicologia
A catecol-orto-metil transferase (COMT) é uma
importante enzima envolvida no metabolismo
da dopamina. Um polimorfismo funcional da
COMT (val158met) tem sido associado a
funções cognitivas importantes para o
desempenho matemático, tais como memória
de trabalho e senso numérico (SN). O objetivo
do estudo é investigar possíveis associações do
polimorfismo da COMT com a trajetória do
desenvolvimento do senso numérico, ou seja
das
representações
não-simbólicas
de
magnitudes. A amostra foi composta por
crianças de 2ª à 6ª série do ensino
fundamental. A genotipagem da COMT foi
realizada pelo método ARMS-PCR. Os
indivíduos foram divididos em dois grupos de
acordo com o polimorfismo da COMT
(crianças homozigotas para o alelo valina
[valval, n=61, idade média=9,61(1,20) anos] e
crianças com pelo menos um alelo de
metionina [met_, n=94, idade média=9,81(1,10)
anos]). Os grupos foram pareados por idade,
sexo e inteligência. Para avaliar o senso
numérico foram utilizadas as tarefas de (1)
Comparação e (2) Estimação de magnitudes
não-simbólicas. A análise das trajetórias de
desenvolvimento do SN foi calculada a partir
de modelos de regressão linear simples. Os
resultados na tarefa de Estimação foram
significativamente mais acurados ao longo do
desenvolvimento no grupo met (beta=-0,293;
p=0,004), mas manteve estável no grupo valval
(beta=-0,132; p=0,310). Contudo, na tarefa de
Comparação a inclinação da curva do
desenvolvimento foi significativa em ambos os
grupos (quanto mais velhas as crianças melhor
o desempenho) (met_: beta=-0,289, p=0,005;
valval: beta=-0,273, p=0,033). Os resultados
demonstram que o desempenho do grupo
met_ melhorou uniformemente ao longo do
desenvolvimento em ambas as tarefas.
Entretanto, no grupo valval a melhora no
desempenho foi observada apenas na tarefa
de Comparação. Isso sugere distintas
trajetórias do desenvolvimento para os grupos,
sendo que o grupo valval apresenta atraso
desenvolvimental
de
um
aspecto
do
processamento de magnitudes não-simbólicas,
podendo este retardamento ser sensível aos
níveis de biodisponibilidade de dopamina. Este
é o primeiro estudo que evidencia uma
conexão direta entre os níveis dopaminérgicos,
operacionalizado pelo polimorfismo da COMT,
e o processamento de magnitudes. Sabendo
da importância do senso numérico para o
desempenho da matemática, sugere-se que o
polimorfismo valval seja um candidato
genético a fator de risco para dificuldade de
aprendizagem na matemática, entretanto
novos estudos são necessários.
Apoio Financeiro: CNPq, Capes, DAAD,
FAPEMIG
Responsável pelo Envio:
Andressa Moreira Antunes
([email protected])
22-038- COMPARAÇÃO DE MAGNITUDES NÃO
SIMBÓLICAS COMO UMA FERRAMENTA DE
RASTREIO
DAS
DIFICULDADES
DE
APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA
Prado ACA1; Moura Ricardo1; Julia LopesSilva2; Julio-Costa A3; Starling-Alves I4; Haase
VG4
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Ufmg - Psicologia; 3Ufmg - Ppg
78
Neurociencias; 4Universidade Federal de Minas
Gerais - Departamento de Psicologia
O processamento numérico é realizado a partir
de três sistemas de representação mental,
sendo um não simbólico, o Sistema Numérico
Aproximado – SNA, um verbal e um arábico. O
SNA obedece a leis psicofísicas tradicionais tais
como a fração de Weber (w), uma constante
que representa a estimativa da diferença
mínima percebida entre quaisquer dois
conjuntos de magnitudes. Estudos recentes
mostraram
que
w
está
indiretamente
correlacionado
ao
desempenho
na
matemática. Assim, considera-se a hipótese de
que as dificuldades de aprendizagem na
matemática (DAM) associam-se a déficits no
SNA. No entanto, ainda há inconsistências na
literatura. O objetivo do estudo é investigar a
eficácia de w como uma medida preditiva de
DAM. A w foi estimada a partir de uma tarefa
computadorizada
de
comparação
de
magnitudes não simbólicas. Crianças com
percentil <25 somente no subteste de
aritmética do Teste de Desempenho Escolar
(TDE) foram classificadas como DAM, já as
crianças com desempenho típico (DT)
obtiveram percentis >25 nos subtestes de
escrita e aritmética do TDE. Para as análises, as
crianças foram agrupadas de acordo com
suas séries escolares: grupo 1 (1ª e 2ª séries);
grupo 2 (3ª e 4ª série) e grupo 3 (5ª e 6º série).
No grupo 1, havia 9 crianças DAM e 18
crianças DT; no grupo 2 havia 23 crianças DAM
e 91 DT e no grupo 3 havia 6 DAM e 33
controles. Foram excluídas crianças com
escores acima ou abaixo de um desvio
padrão da média do QI, medido através das
matrizes progressivas coloridas de Raven. A
eficácia de w como medida preditiva de DAM
foi medida através da curva ROC, que
demonstrou ser baixa para o grupo 1 (.57) e 2
(.65). No entanto, para o grupo 3, o valor sobre
a curva (.82) evidenciou um bom poder
preditivo de w sobre DAM. Uma diferença
significativa entre os grupos DAM e DT nos
grupos 2 e 3 foi constatada (p’s <0.05),
enquanto
não
encontrou
diferença
significativa no grupo 1 (p=.20). Este efeito
pode ser causado por uma dificuldade de
conexão entre representações simbólicas e
não-simbólicas nas crianças com DAM. Essa
desconexão seria responsável pelo atraso na
melhora da acuidade do SNA, adquirida a
partir da escolarização. Nossos resultados
corroboram a literatura, mostrando que o
déficit no SNA aparece com mais frequência
em as crianças mais velhas. Nesse sentido,
nota-se que w é uma boa ferramenta de
predição das DAM em crianças mais velhas.
Apoio Financeiro: PROEX-UFMG; CAPES; CNPq
Responsável pelo Envio:
Ana Carolina de Almeida Prado
([email protected])
22-039- ANÁLISE PSICOMÉTRICA DE UMA
TAREFA DE CÁLCULOS MULTIDIGITAIS
Gomides MRA1; Oliveira LFS2; Julio-Costa A3;
Haase VG2
1UFMG - Psicologia; 2Universidade Federal de
Minas Gerais - Departamento de Psicologia;
3Ufmg - Ppg Neurociencias
A resolução de cálculos multidigitais inclui
diferentes tipos de conhecimentos, como fatos
aritméticos, conhecimento procedural e
conceitual das quatro operações. Sendo
assim, a avaliação dos procedimentos usados
para a realização de cálculos multidigitais
constitui um passo importante para avaliação
das habilidades aritméticas e pode ajudar a
elucidar os processos cognitivos envolvidos em
cada etapa do cálculo. No entanto, há uma
escassez de instrumentos validados no Brasil e
desenvolvidos com base em modelos
cognitivos. O objetivo é apresentar as
propriedades psicométricas, bem como
critérios normativos preliminares de uma tarefa
de cálculos multidigitais. Foram avaliados 45
adolescentes [média da idade: 12,43(0,62)] do
7º ano de uma escola pública de BH/MG,
sendo 21 do sexo masculino. A aplicação foi
em grupo. A tarefa é composta por 85
questões, sendo 23 de adição, 31 de
subtração e 31 de multiplicação. Foram
controlados a posição do zero, o número de
dígitos nos operandos e os procedimentos de
transporte. A consistência interna da tarefa é
de: α-cronbach=0,72. O teste de normalidade
(Kolmogorov-Smirnov) demonstrou que na
tarefa como um todo e no subteste de
79
multiplicação a distribuição foi normal.
Entretanto, a curva apresenta-se enviesada
para a direita nos subtestes adição
(KS=0,24,p<0,001) e subtração (KS=0,15,p<0,01).
A média e o desvio padrão de desempenho
das crianças foram: Total (med=72,36;dp=5,58),
adição
(med=21,78;dp=1,13),
subtração
(med=28,62,dp=1,16)
e
multiplicação
(med=21,93,dp=4,59). Não foram encontradas
diferenças com relação ao sexo na tarefa
como um todo, na adição e na subtração
(p>0.05). Entretanto, as meninas tiveram um
desempenho significativamente superior no
subteste de multiplicação (χ²=28,61;p=0,038).
Esta diferença entre sexos, pode ser explicada
por melhores habilidades verbais presentes no
sexo feminino. Os modelos neurocognitivos da
cognição númerica demonstram que tarefas
de multiplicação são mais correlacionadas a
habilidades verbais quando comparadas as
outras operações. A tarefa de cálculos
multidigitais se mostrou um bom instrumento
para avaliar os adolescentes do sétimo ano,
com bom indício de fidedignidade. É
necessário estender a amostra para outras
séries, investigar a validade e fazer uma análise
dos erros para que a tarefa seja útil para
avaliar os conhecimentos subjacentes aos
cálculos. Além disso, com a aplicação em
populações clínicas será possível verificar sua
sensibilidade
e
especificidade.
Apoio
Financeiro: FAPEMIG; CAPES;
Responsável pelo Envio:
Mariuche Rodrigues de Almeida Gomides
([email protected])
22-040- NEUROGENÉTICA COMPORTAMENTAL:
COMO OS POLIMORFISMOS DA COMT SE
RELACIONAM À ANSIEDADE MATEMÁTICA?
Prado ACA1; Julio-Costa A2; Andressa Moreira
Antunes3; Moreira B C4; Vianna G5; Wood G6;
Carvalho Mrs5; Haase VG7
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Ufmg - Ppg Neurociencias; 3Ufmg Psicologia; 4Universidade Federal de Minas
Gerais - Instituto de Ciências Bilógicas; 5UFMG Programa de Pós-Graduação em Genética;
6University of Graz - Psychology; 7Universidade
Federal de Minas Gerais - Departamento de
Psicologia
Os polimorfismos da enzima Cathecol-OMetilTransferese, COMT (val158met) estão
associados
a
diferentes
padrões
de
processamentos cognitivos e emocionais. O
alelo de metionina (met) associa-se a melhores
desempenhos em tarefas cognitivas e de
memória de trabalho e a maiores níveis de
ansiedade, assim como pior regulação
emocional,
quando
comparados
aos
indivíduos portadores do alelo de valina (val).
Além
da
memória
de
trabalho,
a
representação de magnitudes simbólica e não
simbólica também é um fator determinante no
desempenho de tarefas numéricas e está
diretamente associada aos polimorfismos da
COMT. Todavia, tais resultados são bem
estabelecidos em adultos, enquanto carecem
de melhores investigações em crianças. O
objetivo do presente trabalho é investigar
possíveis diferenças entre os indivíduos com os
diferentes tipos polimórficos da COMT em uma
tarefa que mede ansiedade matemática
(AM), em uma população de crianças de
escolas públicas e particulares de BH. A
amostra foi composta de 66 indivíduos
homozigotos para o alelo val (9.36 [1.37] anos)
e 121 crianças com pelo menos um alelo met
(9.41 [1.35] anos), sendo 82 do sexo masculino.
Não foram encontradas diferenças intergrupos
em relação à inteligência, idade, sexo e ano
escolar. Os instrumentos utilizados foram o
questionário de AM, uma escala de autorelato,
composto por 4 subescalas que medem
aspectos emocionais e de autopercepção
relacionados à aprendizagem da matemática,
e o CBCL, um inventário que avalia
competência
social
e
problemas
de
comportamento em crianças e adolescentes e
foi usado neste estudo como uma medida de
ansiedade generalizada. Uma comparação
de médias entre os grupos polimórficos na
pontuação do CBCL e de cada subescala do
AM
demonstrou
não
haver
diferença
estatística entre eles (todos p>0.05). No
entanto, ao se repetir a análise separando os
sexos; o resultado se manteve para as crianças
do sexo feminino; contudo, em relação ao
sexo masculino, foi constatada uma diferença
estatística específica na subescala de
ansiedade matemática (t=-2.32; p=0.023).
80
Novamente,
não
foram
encontradas
diferenças estatísticas entre os grupos na
pontuação do CBCL, na subescala de
ansiedade (p>0.4). Tais resultados corroboram
a literatura sobre diferenças de níveis de
ansiedade nos diferentes tipos polimórficos da
COMT, inclusive ao apontar o efeito somente
no sexo masculino. Além disso, uma análise de
correlação ponto bisserial revela que só existe
uma relação significativa entre polimorfismo
da COMT e a Subescala de ansiedade
matemática no sexo masculino (p<0.05). Todas
as outras subescalas não tiveram correlação
significativa (todos p’s > que 0.05) Nosso
estudo inova ao demonstrar esse resultado em
um componente específico de ansiedade, a
AM, uma vez que não foram encontradas
diferenças na ansiedade generalizada entre os
grupos polimórficos.
Apoio Financeiro: PROEX-UFMG; CAPES; CNPq
Responsável pelo Envio:
Ana Carolina de Almeida Prado
([email protected])
22-041- SÍNDROME DE WILLIAMS: UM MODELO
PARA O ESTUDO DAS HABILIDADES NUMÉRICAS
BÁSICAS
Prado ACA1; Julio-Costa A2; Starling-Alves I1;
Oliveira LFS1; Haase VG1
1Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Psicologia; 2Ufmg - Ppg
Neurociencias
A síndrome de Williams-Beuren (SW) é causada
pela microdeleção no braço longo do
cromossomo 7. O perfil cognitivo dos indivíduos
com SW pode ser caracterizado por uma
dificuldade persistente de aprendizagem da
matemática, que pode estar relacionada a
déficits no senso numérico (SN). O SN é a forma
mais
básica
de
processamento
de
quantidades, sendo uma habilidade inata de
estimar e realizar cálculos aproximados de
magnitudes não simbólicas. Uma maneira de
medir o SN é através da fração de Weber (w),
uma constante psicofísica que pode ser
entendida como a menor distância numérica
percebida entre diferentes conjuntos a serem
discriminados. O presente estudo investigou o
desempenho de pacientes diagnosticados
com SW em uma tarefa de comparação de
magnitudes não simbólica, comparando este
desempenho ao de crianças com déficit
intelectual global (DI) (F70) e crianças com
desenvolvimento típico (DT). Tem-se a seguinte
hipótese: crianças com SW terão um pior
desempenho em tarefas que medem o SN e
apresentarão maior w quando comparadas às
crianças DT e DI. Conjectura-se que não serão
encontradas
diferenças
estatisticamente
significativas nos valores de w de crianças DT e
DI. Participaram do estudo 3 crianças com SW,
com idades cronológicas de 15, 19 e 25 anos e
idade mental média de 15,2 anos (d.p.= 9,3);
28 crianças com DT (idade média = 10,64;
d.p.= 5 anos) e 12 crianças com DI (idade
cronológica média = 10,5; d.p.= 3 anos e idade
mental média de 8,62 anos). A mediana do w
das crianças SW foi de 0,36, enquanto crianças
do grupo DT apresentaram w médio de 0,25 e
as crianças com DI de 0,24. O teste de KruskalWallis revelou uma diferença significativa entre
os grupos (H= 6,18; p<0,05). Testes de MannWhitney foram realizados como análise posthoc. Os resultados demonstram que pacientes
com SW apresentam w (mean rank = 39,33)
significativamente maior que crianças as com
DT (mean rank = 20,93), U= 6.00, Z=-2.41, p <
0.05, e que crianças com DI (mean rank =
20,17), U = 2.00, Z =-2.31, p < 0.05. Não houve
diferença significativa entre o w de crianças
com DT e com DI, U=162.00, Z=-0.18, p=0.86.
Portanto, pacientes com SW apresentam
valores do w mais altos que crianças com DT e
DI e não há diferença no w entre crianças
com DT e DI. Além disso, o déficit no SN em
pacientes com SW não pode ser explicado por
outros déficits observados no perfil fenotípico
da síndrome, como DI, já que o desempenho
desses indivíduos, nesta habilidade, foi inferior
ao desempenho de indivíduos DI. Assim, o
estudo aponta um déficit no SN específico
relacionado à SW, o que corrobora com
achados de correlação anatomo-clínica que
apontam
para
alterações
no
sulco
intraparietal de indivíduos com SW, região do
lobo parietal que vem sendo associado ao
processamento numérico. Estes dados podem
ter implicações para diagnósticos e planos de
reabilitação para pacientes com SW.
81
Apoio
Financeiro:
Pró-reitoria
Extensão/UFMG, CNPq, Capes
Responsável pelo Envio:
Ana Carolina de Almeida Prado
([email protected])
de
22-042- NUMBER TRANSCODING IN ELEMENTARY
SCHOOL
CHILDREN:
RULE
KNOWLEDGE,
NUMERICAL
LEXICAL AND
MATHEMATICS
ACHIEVEMENT.
Moura RJ1; Wood G2; Lopes-Silva JB3; Haase
VG4
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2University of Graz - Psychology;
3Ufmg - Psicologia; 4Universidade Federal de
Minas Gerais - Departamento de Psicologia
Transcoding between numerical systems is one
of the most basic abilities acquired by children
during their early school years. One important
topic that requires further exploration is how
mathematics proficiency can affect number
transcoding. The aim of the present study was
to investigate transcoding abilities (i.e., reading
Arabic numerals and writing dictation) in
Brazilian
children
with
and
without
mathematics difficulties, focusing on different
school grades. We assessed 109 children from
public and private schools attending to early
(1st and 2nd grades) and middle (3rd and 4th
grades) elementary schools. Working memory
abilities were assessed by the Digit Span (verbal
component) and Corsi Cubes (visuospatial
component) tasks, and the intelligence by the
Raven’s colored matrices. Children who
performed below the 25th percentile in the
arithmetic task of the brazilian school
achievement test (Teste do Desempenho
Escolar - TDE) were classified as mathematics
learning difficulties (MLD; n = 29), and children
with performance above the 25th percentile in
both arithmetic and spelling tasks were
classified as controls. The two groups were
matched by intelligence and visuospatial
working memory (all p’s > 0.05), but control
children showed higher verbal working memory
skills (p < 0.01). A mixed model ANOVA showed
that children with MLD demonstrated lower
achievement in number transcoding in both
early and middle elementary school (all p’s <
0.05). Group differences, in older children,
increased with the complexity of transcoded
numbers (F[2,136] = 5.57, p < 0.05). An
inspection of the transcoding errors evidenced
that, in early elementary school, these
difficulties concerned the basic numerical
lexicon and the management of numerical
syntax. In middle elementary school, in turn, the
difficulties of MLD children concerned
numerical syntax only. Controlling the variance
attributable to working memory capacity in our
mixed ANOVA design, we found that group
differences cannot be fully accounted by
differences in working memory resources, as
main effects of group and interactions
involving this factor remained significant. A
deeper investigation of syntactic errors showed
that these group differences are better
explained by a poor knowledge of transcoding
procedures in MLD children, but not to
differences in working memory resources. The
results are discussed in the context of a
maturational lag in number transcoding ability
in children with mathematics difficulties. Apoio
Financeiro: CAPES/DAAD, CNPq, FAPEMIG
Responsável pelo Envio:
Ricardo Jose de Moura
([email protected])
22-043- FUNÇÕES COGNITIVAS ENVOLVIDAS
NO
APRENDIZADO
DA
MATEMÁTICA
E
POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO.
Rodrigues Camila Luisi1; Scarpari Giovanna
Kliemann2; Rocca CCA3
1Hc Fm Usp - Ipq; 2HC FMUSP - IPQ; 3Instituto de
Psiquiatria da Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo - LINEU Laboratórios Integrados de Neuropsicologia
Os números e a habilidade de quantificar são
usados em diversas atividades do nosso
cotidiano, desde idade, datas, números de
telefones,
realização
de
contas
e
movimentações
financeiras.
As
quatro
operações matemáticas e a habilidade para
fazer cálculos são essenciais no nosso dia-adia. A habilidade para realizar cálculos
representa
um
processo
cognitivo
extremamente complexo, pois abrange uma
série
de
mecanismos
neurocognitivos
82
compostos por um sistema funcional formado
pela interação de diversas regiões cerebrais.
Dentre esses processos, incluem: função
sensoriomotora (ex: contagem do número nos
dedos), linguagem, percepção visuoespacial,
atenção
e
memória
operacional.
O
desempenho adequado de uma operação
aritmética também exige a habilidade de
percepção visuoespacial, como por exemplo,
para organizar os números em colunas,
organizar espaços apropriados entre números
e começar uma operação da esquerda para
a direita. Quando uma operação aritmética
simples é apresentada a uma pessoa, como
“34+26= ?”, primeiro, ela tem de perceber a
organização do espaço, as quantidade
numéricas, a relação entre elas, entender o
significado do símbolo “mais” (+), reconhecer
os símbolos numéricos e seus valores e saber os
passos que devem ser seguidos para realizar o
cálculo adequadamente. Assim, é de
fundamental importância o papel da atenção
e memória operacional no desempenho de
qualquer operação aritmética. Quando um
problema de aritmética é lido para um
indivíduo, este deve manter o enunciado do
problema para que possa processá-lo. Esta
manutenção do enunciado pode ser feita
através da repetição mental ou em voz alta,
funções designadas a um componente
específico da memória operacional, chamado
alça fonológica, relacionado a habilidades
linguísticas. Depois, a pessoa precisa processar
a informação, ou seja, compreender e
representar mentalmente o problema (esboço
visuoespacial) e então buscar a solução do
mesmo, selecionando da memória de longo
prazo os algoritmos adequados para então
ocorrer a execução e monitoração dos
mesmos na busca do resultado, e, em seguida,
haver o recrutamento do modo de linguagem
para a emissão da resposta. A dificuldade de
alguns professores e pais no processo de
ensino-aprendizagem da Matemática e em
suas tarefas escolares existe há muito tempo.
Atualmente existem diversos recursos que
podem ser utilizados para estimular as crianças
e
adolescentes
no
aprendizado
da
matemática, por meio de materiais lúdicos,
como brincadeiras envolvendo dinheiro, ou
por meio do uso de dominó e dados, além de
jogos específicos. As atividades com jogos
podem representar um importante recurso
pedagógico, uma vez que os jogos constituem
uma forma interessante de propor problemas,
por serem apresentados de uma maneira
atrativa, favorecendo a criatividade na
elaboração de estratégias de resolução e
busca de soluções para lidar com situações do
cotidiano.
Responsável pelo Envio:
Camila Luisi Rodrigues
([email protected])
22-044- TRANSFORMANDO 600013 EM 6013:
PROGRAMA
DE
REABILITAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA EM TRANSCODIFICAÇÃO
E VALOR POSICIONAL - ESTUDO DE CASO
Barbosa DCBP1; Julio-Costa A2; Haase VG3
1UFMG - PPG em Neurociências; 2Ufmg - Ppg
Neurociencias; 3Universidade Federal de Minas
Gerais - Departamento de Psicologia
A
Dificuldade
de
Aprendizagem
da
Matemática (DAM) é caracterizada por déficit
nos conceitos de número, nas habilidades de
transcodificar entre os diversos sistemas de
representação numérica, na habilidade de
realizar as quatro operações aritméticas, bem
como na habilidade de resolver problemas. Ela
é inespecífica e se refere ao grupo de crianças
com desempenho em aritmética no quartil
inferior da distribuição dos escores em testes
padronizados. As causas da DAM são
múltiplas, variando desde pobreza e falta de
instrução informal, até questões motivacionais,
emocionais, e inadequações pedagógicas. A
reabilitação neuropsicológica (RN) preocupase com a melhoria dos déficits cognitivos,
sociais e emocionais causados por lesões ou
disfunções cerebrais e, para isso, utiliza-se de
técnicas cognitivas e comportamentais. A RN
se
refere
tanto
aos
procedimentos
psicoterápicos empregados com pacientes
neuropsicológicos, quanto à fundamentação
conceitual e metodológica das psicoterapias
em bases neurocientíficas. Caso: M.E.X., 10
anos, 4º ano, sexo feminino, avaliada no
Ambulatório
Número
(LND-UFMG),
com
hipótese diagnóstica de discalculia e dislexia.
Foi proposto um programa de RN da
83
dificuldade de aprendizagem da matemática
no módulo de transcodificação. A RN focou
na compreensão do valor posicional dos
números (unidade, dezena, centena) e na
transcodificação
(passagem
da
representação arábica para a escrita e viceversa).Foram utilizadas como medidas de pré e
pós testes: Transcodificação verbal-arábica;
Transcodificação
escrita-arábica;
Transcodificação
verbal-escrita;
Transcodificação arábica-verbal; Classificação
de valor posicional; Cálculos; Leitura de
Pseudopalavras. Foram realizadas 12 sessões
de 90 minutos, uma vez por semana. As sessões
de RN foram compostas de aprendizagem dos
conceitos e consolidação dos procedimentos
através de listas de exercícios e jogos
lúdicos.Os resultados foram encontrados a
partir da análise estatística do teste de
McNemar, usada para analisar frequências de
duas amostras relacionadas, tendo como
objetivo avaliar a eficiência de situações
“antes” e “depois”, em que o indivíduo é
utilizado como seu próprio controle.Os
resultados obtidos com o programa foram:
transcodificação
verbal-arábica:χ²=11,07,
p<0,001;
transcodificação
escritaarábica:χ²=5,14,
p<0,05;
transcodificação
verbal-escrita:χ²=6,12, p<0,05; transcodificação
arábica-verbal:χ²=9,09, p<0,01; classificação
de valor posicional:χ²=26,03, p<0,001. Nas
tarefas
de
cálculos
e
leitura
de
pseudopalavras
não
foram
verificadas
diferenças significativas. Pode-se concluir que
a garota teve uma melhora significativa no
módulo
treinado,
mas
não
houve
generalização da aprendizagem, confirmando
a eficácia do programa de RN. Por outro lado,
a melhora muito grande da garota sugere que
sua dificuldade pode ser consequência da
falta de estimulação no contexto escolar.
Apoio
Financeiro:
Coordenação
de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
(Capes)
Responsável pelo Envio:
Danielle Cristine Borges Piuzana Barbosa
([email protected])
22-045- AFASIA E ACALCULIA: O QUE A
AVALIAÇÃO E A REABILITAÇÃO DE AFÁSICOS
TEM A DIZER.
Martins GA1; Oliveira LFS2; Julio-Costa A2;
Machado RL3; Haase VG4; Couto EAB5
1Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório
de
Neuropsicologia
do
Dsenvolvimento; 2Universidade Federal de
Minas Gerais - Laboratório de Neuropsicologia
do Desenvolvimento; 3Universidade Federal de
Minas
Gerais
Departamento
de
Fonoaudilogia; 4Universidade Federal de Minas
Gerais - Departamento de Psicologia;
5Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Fonoaudiologia
O estudo de indivíduos com lesões cerebrais é
de grande importância para a neuropsicologia
permitindo
melhor
compreensão
de
correlações estrutura-função e de transtornos
neuropsicológicos.
A
investigação
da
linguagem e cognição numérica nestes
pacientes é relevante por auxiliar a pesquisa
de transtornos como a acalculia. O modelo de
processamento numérico mais utilizado, o
Triplo Código, supõe três representações
numéricas: uma verbal, com correspondente
anatômico na área perisilviana do hemisfério
esquerdo(HE), uma arábica representada no
giro fusiforme bilateral e uma analógica não
simbólica, responsável pela habilidade de
estimar, representada no sulco intraparietal
biltaral. Além da avaliação dos déficits
numéricos e linguísticos de afásicos, este
estudo objetiva propor um modelo de
reabilitação baseado na CIF (Classificação
Internacional de Funcionalidade) voltado para
reaquisição de processos funcionais. Espera-se
que
na
avaliação
dos
afásicos
as
representações numéricas verbais estejam
prejudicadas, enquanto as duas outras
preservadas. Uma equipe de neuropsicólogos
e fonoaudiólogos comparou o desempenho
de 10 afásicos, Grupo 1(G1 idade,62,9
(10,48)anos) e 10 controles, Grupo 2(G2, idade
62,8(11,06)anos) na tarefa comparação de
magnitude não simbólica (CMNS) e nos
subtestes da bateria matemática, EC301.
Todos os afásicos foram diagnósticados
através de avaliação fonoaudiológica e
exames de neuroimagem que comprovavam
84
lesão no HE. Após a avaliação realizou-se 10
sessões de 1 hora com 5 afásicos, com o intuito
de
reabilitar
competências
monetárias
básicas, utilizando–se a tarefa de cálculos
matemáticos como pré e pós teste. Os
resultados da avaliação foram analisados pelo
teste Mann-Withney, que mostra que os 2
grupos não diferiram em escolaridade, sexo e
idade. Contudo, o G2 foi superior nos seguintes
subtestes do EC301: Sequência numérica
X=8,50,
p=0,01,
Transcodificação
X=5,00
p=<0,001 e Cálculo Escrito X=20,50 p=0,02. O
G1 obteve escore superior na CMNS X=8,00
p=0,01. No pré e pós teste da reabilitação não
houve diferença nos escores. Os resultados
permitem concluir que os afásicos foram
inferior em todas as tarefas aritméticas que
envolviam uso de linguagem. Sugerindo que
lesão em áreas perisilvianas esquerdas além
da afasia propicia também déficits de
representação numérica verbal, tornando a
capacidade
de
transcrever
números
deficitária.
A
representação
analógica
preservada, sugere que o sulco intraparietal
além de preservado, pode ter efeito
compensatório
em
afásicos.
Ademais,
representações bilaterais diminuem o risco de
perda da função em caso de lesões. Os
resultados permitem ainda, inferências na
pesquisa sobre a discalculia verbal, uma vez
que são similares. O modelo de reabilitação
proposto, entretanto, não se mostrou eficaz.
Ressalta-se, contudo, a necessidade de
considerar tempo de lesão, surgimento de
demências, além de declínio cognitivo comum
em idosos. Apoio Financeiro: CNPq, Capes e
Prograd-UFMG.
Responsável pelo Envio:
Gizele Alves Martins
([email protected])
22-046- RELATO VERBAL DE CRIANÇAS COM
DISCALCULIA DO DESENVOLVIMENTO SOBRE O
APROVEITAMENTO DO TREINO MUSICAL
Ribeiro SF1; Razabone LC2; Santos FH1
1Universidade Estadual Paulista - Faculdade de
Ciências; 2Universidade Sagrado Coração Ciências Humanas
Estudos demonstram que o treino musical
pode contribuir para o desempenho da
aprendizagem
escolar,
melhorando
a
capacidade da cognição numérica em
crianças
com
desenvolvimento
típico.
Entretanto, pouco se sabe sobre a relação
entre o desenvolvimento cognição musical,
cognição numérica e o auto relato de
desempenho em crianças com Discalculia do
Desenvolvimento (DD). Objetivo: Verificar se há
relação entre medidas subjetivas e objetivas
sobre o desempenho em competências
matemáticas e observar se o treino musical
pode ser utilizado como uma forma de
reabilitação comparado o desempenho pré e
pós-treino. Participantes: 27 crianças com
critérios para DD, que realizaram treino musical
durante quatro meses foram divididas em dois
grupos, segundo a pontuação na escala Likert
do Instrumento de relato verbal musical póstreino: A. Crianças que responderam “melhora
no desempenho” acima de moderado (N=15)
e B. Crianças que responderam abaixo de
moderado (N=12). Materiais: A Zareki-R (Bateria
Neuropsicológica de Testes de Processamento
Numérico e Cálculo para Crianças) para
avaliação da Cognição Numérica. Resultados:
as análises demonstraram melhor desempenho
para o grupo A em três subtestes:
multiplicação (t=2.22; p=0.03); leitura de
números (t=2.49; p=0.01) e, ainda, para o
subteste de memória de dígitos para ordem
inversa (t=2.55; p=0.01). Conclusão: Os
resultados sugerem que o treino musical pode
auxiliar na melhora da Cognição Numérica e
da memória operacional em crianças com DD
demonstrado também o relato das crianças
pode ser uma medida qualitativa útil para
avaliar o desenvolvimento do cálculo e da
produção numérica. Apoio Financeiro: FAPESP,
11/01907-4
Responsável pelo Envio:
Luciana Castilho Razabone
([email protected])
22-047- REAVALIAÇÃO DE CRIANÇAS COM
DISCALCULIA DO DESENVOLVIMENTO APÓS SEIS
MESES DE INTERVENÇÃO
Tonoli MC1; Ribeiro SF2; Santos FH3
85
1Universidade Estadual Paulista - Campus Assis
- Psicologia; 2Universidade Estadual Paulista Psicologia; 3Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências
Crianças com Discalculia do Desenvolvimento
(DD) podem apresentar graves prejuízos
escolares e profissionais ao longo da vida, o
que demonstra a importância da elaboração
de métodos reabilitadores da DD. Há
evidências de que o treino musical pode
melhorar a capacidade da Cognição
Numérica em crianças com DD. Em nosso
estudo longitudinal, houve prejuízos na
habilidade para o cálculo no pré-teste que se
mantiveram nas testagens subsequentes (2ª e
3ª avaliações), entretanto as 2ª e a 3º
avaliações demonstraram que, após o treino
musical, houve melhora em relação ao
desempenho escolar e à compreensão
Numérica em comparação com a 1ª
avaliação. Contudo, não se sabe se após o
término do treino musical os ganhos são
persistentes. O objetivo deste estudo foi
investigar
mudanças
ocorridas
nos
componentes da Cognição Numérica de
crianças com DD, cerca de dez meses após a
intervenção
ocorrida
previamente,
configurando este trabalho como a 4ª
avaliação em relação ao grupo com DD.
Participaram do estudo dez crianças com DD,
de 9 a 10 anos de idade (nove meninos), que
receberam duas metodologias musicais
alternadas durante aproximadamente 5
meses: a Auditivo-musical e a Rítmica. Os
instrumentos utilizados nas avaliações foram o
Teste de Desempenho Escolar (TDE) e a Bateria
para Avaliação do Tratamento dos Números e
do Cálculo na Criança (Zareki-R). Como
resultado, foi encontrado na ANOVA com
medidas repetidas para o subteste Aritmética
do TDE, que a pontuação da 3ª avaliação foi
menor que da 4ª avaliação (Tukey p=0,03),
possivelmente
devido
ao
efeito
da
aprendizagem escolar em que essas crianças
foram submetidas em conjunto com o efeito
de repetição do teste. Por outro lado, não foi
encontrado significância entre 3ª e 4ª
avaliação para nenhum dos subtestes da
Zareki-R. Esta contradição entre instrumentos
pode se relacionar com a modalidade, ou
seja, as crianças com DD apresentam maiores
dificuldades em Cálculo Mental, pois esse
subteste exige o raciocínio verbal, em
contraste com o subteste Aritmética do TDE
que se apresenta na forma visual, visto que ao
visualizar os números, os símbolos numéricos e
a forma vísuoespacial facilita o entendimento
por parte da criança para realização do
processamento numérico e a sua reprodução.
Conclui-se que essas crianças, que realizaram
o treino musical durante um período como
intervenção, apesar de terem melhorado seu
desempenho em Aritmética do TDE não
melhoraram seu desempenho nas medidas de
Cálculo da Zareki-R entre a 3ª e 4ª avaliações,
sugerindo que a ausência de ganhos na
Compreensão Numérica e no desempenho
escolar de crianças com DD estaria
relacionada ao término do treino musical.
Contato:
[email protected]
Apoio
Financeiro: FAPESP (Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado de São Paulo), processo:
11/01907-4.
Responsável pelo Envio:
Marina Cury Tonoli
([email protected])
22-048- PREJUÍZO NA MEMÓRIA VISUOESPACIAL
DE CRIANÇAS COM DISTÚRBIO ESPECÍFICO DE
LINGUAGEM: UM ESTUDO PRELIMINAR
Caceres-Assenço AM1; Befi-Lopes Dm1
1Faculdade de Medicina da Universidade de
São Paulo - Programa de Pós-Graduação em
Ciências da Reabilitação do Departamento
de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia
Ocupacional
Crianças
com
distúrbio
específico
de
linguagem (DEL) possuem desenvolvimento
atípico das habilidades de linguagem
decorrente de dificuldades específicas e
persistentes em certos aspectos linguísticos. Tal
diagnóstico
ocorre
quando
há
comprometimento em duas ou mais áreas da
linguagem na ausência de qualquer déficit
neurológico,
psiquiátrico,
sensorial
ou
intelectual. Há indícios de que tais crianças
possuam dificuldades de memória verbal,
tanto de curto prazo quanto operacional, o
que
compromete
desde
a
aquisição
86
vocabular até a compreensão de linguagem.
Porém, não há consenso a respeito do
comprometimento da memória visuoespacial
nesta população grupo. Assim, esse estudo
preliminar buscou verificar se o desempenho
de crianças com DEL é inferior ao de seus
pares
em
desenvolvimento
típico
de
linguagem (DTL) em tarefas de memória verbal
e visuoespacial. Participaram do estudo 16
crianças cursando pré-escola pública com
idade entre 5 e 6 anos e 11 meses divididas
igualmente em dois grupos: DTL (média
idade=73,3 ±5,60 meses) e DEL (média
idade=74,3 ±6,88 meses). As crianças em DTL
tiveram desempenho compatível com a idade
em triagem de linguagem e as crianças com
DEL foram previamente diagnosticadas e
frequentavam
terapia
fonoaudiológica
semanal. O Raven infantil confirmou que seu
rendimento intelectual estava adequado. A
memória foi avaliada por quatro tarefas do
Automated Working Memory Assessment
(AWMA), divididas de acordo com o nível de
manipulação e tipo de estímulo: digit recall
(curto
prazo
verbal),
counting
recall
(operacional verbal), dot matrix (curto prazo
visuoespacial) e odd one out (operacional
visuoespacial). A comparação entre os grupos
foi realizada pelo teste não-paramétrico de
Mann-Whitney com nível de significância de
5%. As crianças com DEL tiveram desempenho
inferior aos seus pares nas tarefas verbais (Digit
recall: mediana DTL=24,5; DEL=16,0; p=0,001;
Counting recall: mediana DTL=12,5; DEL=6,0;
p=0,013) e na memória de curto prazo
visuoespacial (Dot matrix: mediana DTL=18,5;
DEL=12,5; p=0,009), porém na memória
operacional visuoespacial houve apenas uma
tendência estatística (Odd one out: mediana
DTL=18,0; DEL=11,0; p=0,073). Tais achados
confirmam o prejuízo na memória verbal das
crianças com DEL, mas também sugerem que
a memória visuoespacial esteja prejudicada. O
aprofundamento do conhecimento acerca do
funcionamento de módulos específicos da
memória nos permitirá ampliar a compreensão
do impacto verificado na escolarização e no
aprendizado de conceitos matemáticos desta
população.
Além
disso,
nos
permite
desenvolver estratégias específicas para
minimizar o impacto destas dificuldades no
cotidiano destas crianças. A continuidade
deste estudo prevê a ampliação do número
de sujeitos e de tarefas para que seja possível
realizar uma análise mais detalhada e que nos
permita ter resultados mais sólidos.
Apoio
Financeiro:
FAPESP
(processo
2011/24127-4)
Responsável pelo Envio:
Ana Manhani Caceres Assenço
([email protected])
22-049- RELATO DE CASO DE TRANSTORNO DE
LINGUAGEM EXPRESSIVA NA INFÂNCIA
Barros PM1; Pires IH2; Paula PA2; Guerra AB2
1Universidade Federal do Rio Grande do Norte
(ufrn) - Departamento de Psicologia; 2Ufrn –
Psicologia
1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Trata-se do caso
clínico de M.C., paciente do sexo feminino
com 4 anos de idade. A mesma possui
diagnóstico de alergia alimentar múltipla
indefinida e Síndrome da Má Absorção, o que
contribui para que seu peso e estatura estejam
abaixo da curva de crescimento. 2. HISTÓRIA
CLÍNICA ATUAL: M.C. foi encaminhada ao
Núcleo Infantil de Neuropsicologia Aplicada à
Reabilitação (NINAR) para investigação de
dificuldades persistentes na linguagem oral,
após exames complementares descartarem
déficits auditivos. A partir da observação
clínica e do desempenho nas atividades
qualitativas propostas, é possível afirmar que
M.C.
possui
linguagem
compreenssiva
preservada,
no
entanto,
destacam-se
dificuldades
na
linguagem
expressiva
(capacidade de produzir uma comunicação
simbólica com palavras e frases). Apenas em
raros
momentos
consegue
estabelecer
comunicação oral, que se dá através de
palavras isoladas. 3. METODOLOGIA: Nesta
avaliação foi utilizado o protocolo qualitativo
desenvolvido pelo LAPEN para investigação de
diferentes
domínios
do
funcionamento
neuropsicológico.
Foram
desenvolvidas
atividades lúdicas para investigação da
linguagem compreensiva e aquisição de
conceitos linguísticos como dentro/fora;
maior/menor; cima/baixo, como também
tarefas de reconhecimento de cores e objetos.
87
4. HIPÓTESE ETIOLÓGICA E INTERVENÇÃO: A
partir do conhecimento de relativos padrões
no desenvolvimento típicos dessas funções e
dos resultados brevemente descritos, esta
avaliação aponta para um Transtorno
Especifico
de
Linguagem
(TEL),
mais
especificamente Transtorno da Linguagem
Expressiva (DSM IV-R: 315.31) (American
Psychiatric Association, 2002). O diagnóstico
desse transtorno se deu após exclusão de
déficits neurológicos, cognitivos, auditivos, bem
como de privação sensorial e transtornos do
espectro do autismo. Esse transtorno inclui
discurso qualitativamente limitado, estreita
faixa de vocabulário ou evocação de
palavras
muito
curtas,
dificuldade
na
aquisição de novas palavras, estruturas
gramaticais
simplificadas
e
variedades
limitadas de estruturas gramaticais. A proposta
de intervenção do caso cínico relatado
consiste em uma etapa inicial pré-verbal, cujo
objetivo é a aprendizagem mediante sons,
gestos e imagens através de instrumentos de
comunicação alternativa, como o ADL. O
objetivo dessa primeira fase é estabelecer um
canal de comunicação eficiente entre
avaliador e avaliado. A etapa posterior
consiste na aquisição de palavras básicas para
o diálogo, combinando-as para produzir
pequenas frases com base nas atividades
diárias da vida da criança. Todo o processo
terapêutico terá a coparticipação de pais,
professores
e
acompanhamento
fonoaudiológico.
REFERÊNCIAS:
American
Psychiatric Association (APA). (2002). Manual
Diagnóstico e Estatístico de Transtornos
Mentais. Porto Alegre: ArtMed.
Responsável pelo Envio:
Priscila Magalhaes Barros
([email protected])
22-050- ESCORES DO TESTE DE APRENDIZAGEM
AUDITIVO-VERBAL DE REY COMO MEDIDAS DE
MEMÓRIA DE CURTO-PRAZO E CAPACIDADE
ATENCIONAL NA INFÂNCIA
Gabrig IA1; Oliveira RM1; Fichman H2; Marques
PN1; Moura EPT1; Neto AMM1
1UFRJ - Psicologia; 2PUC-RJ – Psicologia
O teste de aprendizagem auditivo-verbal de
Rey (TAAVR) é um paradigma clássico de
avaliação de aprendizagem e memória.
Consiste em sucessivas apresentações de uma
lista de palavras (Lista A) seguidas de
evocações imediatas, incluindo também uma
segunda lista de palavras (Lista B), cuja
codificação sofre interferência proativa da
aprendizagem da primeira lista. A evocação
da lista B (B1) e a primeira evocação da lista A
(A1) são classicamente interpretadas como
medidas de armazenagem temporária na
memória de curto-prazo. Além disso, estudos
mostram que o desempenho em medidas de
interferência proativa, como B1, se mostra
relacionado a medidas controle atencional
inibitório e a relação entre memória de curtoprazo e a atenção tem sido destacada em
diferentes modelos teóricos. No entanto, são
escassas as evidências de validade que
fundamentem a interpretação de A1 e B1
nesses termos, na infância. O presente estudo
investigou a relação entre A1 e B1 e medidas
de
memória
de
curto-prazo
(escores
ponderados do subteste Dígitos – WISC-III (DIG),
escores brutos para as repetições em ordem
direta (OD) e para ordem inversa (OI) do
mesmo subteste) e atenção (IRD), para as
quais existem estudos de validade com
crianças, inclusive brasileiras. Foram testadas
37 crianças, de 7 a 14 anos de idade, com
queixa de dificuldade de aprendizagem,
principalmente de cunho atencional (DA) e 59
crianças, da mesma faixa etária, sem queixa
de dificuldade de aprendizagem e sem
diagnóstico neuropsiquiátrico (SDA). Também
foi investigada a relação entre aqueles escores
e medidas mais globais de nível de
funcionamento cognitivo (QI verbal e QI de
execução – WISCIII). Os dados foram
submetidos a análises de correlação de
Pearson e Teste t de Student. Não houve
diferença de idade entre os grupos (t=-1,63,
p=0,11). O grupo DA apresentou desempenho
inferior aquele do grupo SDA em DIG, OD, OI,
QIV, QIE e IRD (2,62> t>6,42; 0,001>p>0,01).
Para o grupo DA houve correlação
significativa entre A1 e OD, A1 e OI, e A1 e IRD
(0,374>r > 0,496; 0,003>p> 0,03), assim como
entre B1 e OI . Para o grupo SDA houve
correlação entre A1 e OD, A1 e OI, B1 e OD, e
88
B1 e OI (0,264>r>0,419; 0,001>p >0,043), mas
não entre A1 e IRD ou entre B1 e qualquer
outra medida. Embora não significante, houve
uma tendência à correlação entre B1 e IRD,
tanto para o grupo SDA (r=0,22; p=0,10)
quanto para o grupo DA (r=0,30; p=0,08). Para
os dois grupos houve correlação entre A1 e QI
verbal (SDA r=0,40, p=0,002; DA r=0,638,
p=0,002) e B1 e QI verbal (SDA r=0,34, p=0,009;
DA r=0,38, p=0,02), mas não houve correlação
entre esses escores e o QI de execução. Estes
resultados fornecem evidências de validade
de A1 como medida de memória de curtoprazo e de B1 como medida não apenas de
armazenagem temporária, mas também de
memória
de
trabalho,
relacionada
a
mobilização de recursos atencionais, na
infância. Apoio Financeiro: CNPq; FAPERJ
Responsável pelo Envio:
Iasmin Andrade Gabrig
([email protected])
22-051- PHONEMIC AWARENESS AS A ROUTE
TO NUMBER WRITING
Lopes-Silva JB1; Moura RJ2; Julio-Costa A3;
Haase VG4; Wood G5
1Ufmg - Psicologia; 2Universidade Federal de
Minas Gerais - Psicologia; 3Ufmg - Ppg
Neurociencias; 4Universidade Federal de Minas
Gerais - Departamento de Psicologia;
5University of Graz – Psychology
Introduction: Although verbal and numerical
abilities have a well-established interaction, the
impact of phonological processing on numeric
abilities remains elusive. Besides that, both
verbal and visuospatial working memory play
an important role in numerical transcoding but
no study so far has investigated the interplay
between phonemic awareness and working
memory
in
number
transcoding
tasks.
Objective: The aim of the study is to investigate
the role of phonemic awareness in number
processing and to explore its association to
other functions such as working memory (WM)
and magnitude processing. We also wanted to
investigate
the
influence
of
semantic
magnitude
representations
on
number
transcoding. Methods: One hundred and
seventy two children from 2nd to 4th grade
were evaluated regarding their intelligence,
number transcoding, phonemic awareness,
verbal and visuospatial WM and number sense
(nonsymbolic
magnitude
comparison)
performance. All of the children had normal
intelligence. Results: Phonemic awareness and
number
transcoding
were
moderately
correlated (r=0.36; p<0.001). Among these
measurements of magnitude processing, WM
and phonemic awareness, only the last one
was retained in hiearchical regression models
predicting transcoding ability (beta = -0.337;
p<0.001; r² change=0.088). In path models
analysis, it was observed that phonemic
awareness mediated the influence of verbal
WM on number transcoding (χ2=4.156, df=8 ;
p=0.843; RMR=1.071, GFI=0.993; AGFI=0.976;
CFI=1.000; RMSEA=0.000): the exclusion of the
mediaton path led to statistically significant
decrease in model fit (χ2=30.654, df=9, p<0.001;
RMR=3.388;
GFI=0.954;
AGFI=0.858;
CFI=0.563;RMSEA=0.119). Discussion: Evidence
points out that phonemic awareness is
responsible for a significant impact on number
transcoding. Such association is robust and
should be taken into account in cognitive
models of both dyslexia and dyscalculia. Apoio
Financeiro: CAPES/ CNPQ/ FAPEMIG
Responsável pelo Envio:
Julia Beatriz Lopes Silva
([email protected])
22-052INVESTIGAÇÃO
DO
DESENVOLVIMENTO DE REDES SEMÂNTICOLEXICAIS EM CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES A
PARTIR DE TAREFA DE IDENTIFICAÇÃO DE
RELAÇÕES SEMÃNTICAS ENTRE PALAVRAS
Adorno CA1; Carvalho F1; Silvestre G1; Leite
JN1; Gameiro Ms1; Souza MS1; Ramos MM1;
Roque NMCF1; Takiuchi N1
1Faculdade de Ciências Médicas da Santa
Casa de São Paulo – Fonoaudiologia
Introdução: Na literatura há poucos estudos
que investiguem o desenvolvimento de redes
semântico-lexicais em crianças pré-escolares.
Esse desenvolvimento é essencial para a
continuidade da aquisição lexical e para a
aprendizagem de novos conceitos. Objetivo:
investigar o efeito da idade cronológica na
89
habilidade de identificação de relações
semânticas entre duas palavras. Método: A
casuística foi composta por 34 crianças com
idade entre 4 e 6 anos, divididas em grupo I (4
a 5 anos) e grupo II (5 a 6 anos). Os critérios de
inclusão
foram:
crianças
regularmente
matriculadas
na
educação
infantil;
monolíngues em Português Brasileiro; ausência
de deficiências sensoriais, intelectuais, lesão
neurológica ou transtornos do espectro do
autismo; pontuação acima do percentil 10 em
triagem de desenvolvimento de linguagem. Os
dados foram coletados em uma escola
pública de educação infantil localizada na
cidade de São Paulo. Para garantir a
compreensão da tarefa, a criança era
exposta, antecipadamente, a dois itens de
treino. A tarefa de identificação de relações
semânticas era constituída por 7 pares de
palavras com semelhanças por função,
categoria superordenada ou característica
visual. O critério de pontuação atribuído à
tarefa foi de 0 para erro e 1 ponto para cada
acerto. Resultados: A análise revelou que
houve efeito de idade no desempenho na
tarefa
de
identificação
de
relações
semânticas, com as crianças do grupo mais
jovem apresentando pontuação inferior. As
médias de pontuação foram de 2,94 para o
grupo I e de 4,29 para o grupo II, com
diferença
estatisticamente
significativa
(p=0,012). Observou-se maior dificuldade na
identificação de semelhança quanto à
categoria superordenada, em ambos os
grupos. A função comum mostrou-se como o
traço semântico mais facilmente identificável
pelas crianças. Conclusão: O desenvolvimento
de redes semânticas pode ser observado já na
idade pré-escolar, e alguns traços (como a
função)
demonstram
maior
força
na
construção de relações entre itens lexicais
neste período.
Responsável pelo Envio:
Noemi Takiuchi
([email protected])
22-053- VERIFICAÇÃO DAS CORRELAÇÕES
ENTRE QUATRO TAREFAS SEMÂNTICOLEXICAIS PARA ESCOLARES
Camacho GS; Barboza CR; Laviano LR; Takiuchi
N1
1Faculdade de Ciencias Medicas da Santa
Casa de Sao Paulo – Fonoaudiologia
Introdução:
No
desenvolvimento
de
linguagem, quanto melhor é a rede
semântico-lexical, maior é a facilidade de
aquisição
de
novos
conceitos
e
conhecimentos. Estudos apontam que o
vocabulário relaciona-se com conhecimento
de mundo, memória, desenvolvimento da
linguagem,
leitura/escrita,
desempenho
acadêmico geral. No Brasil, existem poucos
estudos que abordam as tarefas semânticolexicais em crianças em idade escolar e estes
utilizaram, em sua maioria, desempenho em
testes de vocabulário expressivo. Objetivo: o
objetivo deste estudo foi verificar as
correlações entre quatro tarefas semânticolexicais. Método: participaram 116 crianças,
estudantes do primeiro ano do ensino
fundamental, entre seis e sete anos,
participantes de um projeto de extensão. As
tarefas semântico-lexicais analisadas foram:
Nomeação de Categorias Superordenadas,
Antônimos,
Identificação
de
relações
semânticas
e
Definição
de
palavras.
Resultados e Discussão: Os dados foram
submetidos à análise estatística descritiva e
inferencial. As tarefas em que foram
observadas maior dificuldade para os
escolares foram Definição de Palavras e
Nomeação de Categorias Superordenadas.
Na análise da matriz de correlação, observouse correlação positiva de fraca a moderada
entre as tarefas, variando de 28% a 43%, com
significância estatística. As correlações com
maior força foram encontradas entre as
tarefas
de
Nomeação
de
categorias
superordenadas e Identificação de relações
semânticas (43%), e entre Definição de
palavras
e
Identificação
de
relações
semânticas
(36%).
Nossa
hipótese era
encontrarmos correlações mais fortes, porém
estes resultados sugerem que em cada tarefa
participam
habilidades
linguísticas
e/ou
cognitivas distintas, e não um funcionamento
semântico geral e homogêneo. Novos estudos
são necessários para verificar a sensibilidade
das tarefas na identificação de crianças com
90
distúrbios de linguagem. Conclusão: As tarefas
semântico-lexicais investigadas apresentaram
níveis diferentes de complexidade. Os
escolares apresentaram maior dificuldade em
Definição
de
Palavras.
As
tarefas
apresentaram correlação fraca a moderada,
com significância estatística.
Responsável pelo Envio:
Noemi Takiuchi
([email protected])
22-054- FLUÊNCIA E PRECISÃO DE LEITURA E
SEUS
CORRELATOS
EM
TERMOS
DE
HABILIDADES
DO
PROCESSAMENTO
FONOLÓGICO
Santana GR1; Correa J1
1Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Psicologia
A leitura, segundo o modelo simples de leitura,
compreende
a
decodificação
e
compreensão. Embora o modelo não inclua a
fluência
de
leitura,
mensurada
pela
velocidade de leitura das palavras, sua
importância vem sendo examinada em
psicolinguística. As dificuldades na precisão de
decodificação na leitura podem afetar a
velocidade de leitura, porém as evidências
empíricas disponíveis não são suficientes para
melhor delinearmos a relação entre essas duas
habilidades, ou entre estas e outras
habilidades que lhes possam ser correlatas.
Assim, esse estudo buscou examinar a relação
entre precisão e fluência de leitura, como a
associação que mantêm com as habilidades
de processamento fonológico (consciência
fonológica, nomeação automatizada rápida e
memória de trabalho), estas últimas, citadas
por pesquisas, quer de natureza longitudinal,
quer de intervenção, como associadas ao
aprendizado
da
linguagem
escrita.
Participaram do estudo 14 crianças (M = 109
meses; DP = 7 meses), cursando o 3º. ano do
ensino fundamental. As crianças foram
solicitadas a realizar as tarefas de precisão de
leitura (subteste de leitura do Teste de
Desempenho Escolar – TDE); de velocidade de
leitura (palavras do subteste de leitura do TDE
lidas por minuto), de consciência fonológica
(Prohmele, subtestes de consciência silábica e
fonêmica), nomeação automatizada rápida
(objetos, cores, números e letras) e memória
de trabalho (repetição de palavras e
pseudopalavras; repetição de dígitos–Wisc III).
As análises realizadas (Correlação de Pearson)
mostram que precisão e velocidade de leitura
estão
positiva
e
significativamente
correlacionadas. A precisão de leitura
correlaciona-se positiva e significativamente
com: identificação de semelhança de sílabas
medial e final; subtração de fonema e
repetição de palavras. Por sua vez, a
velocidade de leitura correlaciona-se de
forma negativa e significativa com a
nomeação automatizada rápida de objetos,
números e letras. Os resultados indicam
padrões distintos acerca dos correlatos
linguístico-cognitivos da precisão e da
velocidade de leitura. A precisão na leitura de
palavras correlaciona-se ao desenvolvimento
da consciência fonológica, ou seja, à análise
sublexical. Encontra-se associada à repetição
de palavras, índice de imagem acústica, fator
que concorre para a formação do léxico
ortográfico. Por sua vez, a velocidade de
leitura correlaciona-se a automatização, e,
portanto, rapidez, com que objetos (elemento
semântico),
como
itens
alfanuméricos
(constituintes básicos e fundamentais dos
sistemas de escrita e de numeração) são
nomeados. Concluindo, a precisão e a
velocidade
de
leitura
são
processos
associados, porém distintos, conforme indica
os padrões de associação estabelecidos com
as habilidades do processamento fonológico.
O conhecimento de tais padrões pode auxiliar
o aprendizado da leitura em crianças como a
remediação
das
dificuldades.
Apoio
Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Giuliana Ramires de Santana
([email protected])
22-055MEMÓRIA
OPERACIONAL
E
DESEMPENHO ACADÊMICO EM CRIANÇAS
DE ESCOLAS PÚBLICAS E PRIVADAS
91
Sunano CF1; Siquara GM1; Lima CS1;
Wyzykowski ABV1; Duarte TS1; Rosa VO1; Abreu
JNS1
1Universidade Federal da Bahia - Instituto de
Psicologia
A memória operacional (MO) se refere à
capacidade
de
processar
e
lembrar
informações durante um período de tempo,
sendo constituída por múltiplos componentes.
Estes são responsáveis pelo armazenamento
temporário, manipulação e compreensão de
informações verbais e visuoespaciais. O
desempenho acadêmico (DA) se refere aos
resultados obtidos em tarefas de avaliação
escolar de habilidades como a aritmética, a
leitura e a escrita. O objetivo deste trabalho foi
investigar a relação da MO com o
desempenho em aritmética, leitura e escrita
de crianças de 7 à 12 anos de idade de
escolas públicas e particulares de Salvador Bahia. Foram avaliadas 204 crianças (105
meninas), sendo 52 de escolas públicas e 152
de escolas particulares, a média das idades foi
de 9,83 anos (dp=1,33). Houve diferenças
significativas entre a renda familiar mensal das
crianças de escolas públicas e particulares. As
famílias assinaram o Termo de Consentimento
Livre e Esclarecido (TCLE) e responderam a um
questionário socioeconômico. Foram avaliadas
somente as crianças cujos responsáveis não
relataram algum tipo de transtorno do
desenvolvimento.
Elas
foram
avaliadas
individualmente com testes neuropsicológicos
em sessão de duas horas de duração na
própria escola. Para avaliar o desempenho
acadêmico, foram utilizados os subtestes de
leitura, escrita e aritmética do Teste de
Desempenho Escolar (TDE). Para avaliação da
MO, utilizou-se o Teste de Amplitude (Span) de
Dígitos invertido e o teste Cubos de Corsi
invertido. Os dados foram analisados no
pacote estatístico SPSS 18.0 com os testes: T
student, Correlação de Pearson e Regressão.
Os resultados mostraram correlações positivas
e significativas entre as tarefas de MO e o TDE.
As análises também mostraram que as
crianças das escolas públicas obtiveram
resultados significantemente inferiores (p≤0,05)
em comparação às crianças das escolas
particulares, no TDE e nas tarefas de MO. Esses
dados sugerem uma relação entre MO e o DA.
Os resultados da presente investigação
também sugerem que a MO é uma medida
do potencial de aprendizagem da criança,
mas também pode ser influenciada por outros
fatores, tais como o status socioeconômico da
família e escolaridade da mãe/do pai.
Apoio Financeiro: FAPESB
Responsável pelo Envio:
Carolina Fuuka Sunano
([email protected])
22-056- O EFEITO BINDING NA MEMÓRIA
OPERACIONAL VISUO-ESPACIAL: DADOS
DO TESTE DE ARRUMAÇÃO DO ARMÁRIO VERSÃO INFANTIL (TAAI)
Siquara GM1; Sunano CF1; Lima CS1;
Wyzykowski ABV1; Duarte TS1; Rosa VO1; Abreu
JNS1
1Universidade Federal da Bahia - Instituto de
Psicologia
O retentor episódico é um componente do
Modelo
Multicomponente
da
Memória
Operacional (MO). O retentor episódico
parece ser o responsável pelo efeito binding, e
é definido como um recurso cognitivo
responsável pela conexão temporária entre
duas ou mais informações de natureza
semelhante ou diferente. O objetivo do
trabalho é apresentar os resultados do TAAi em
diferentes condições de interferência no
intervalo da tarefa e suas relações com a MO
em crianças de 7 a 12 anos de Salvador.
Participaram do estudo 92 crianças (M=10
anos, dp= 1,28) de 7 a 12 anos, sendo 46 de
escola pública. As crianças fizeram a testagem
neuropsicológica na própria escola, com a
prévia autorização dos pais. Foi utilizado o TAAi
que consiste em um teste computadorizado
que simula um armário infantil em um quarto.
Durante o teste, figuras de objetos são
apresentadas e estas são guardadas dentro
de algumas das 12 portas do armário. A
criança deve lembrar qual o objeto e o local
em que ele foi guardado após um intervalo de
30 segundos. Nos 30 segundos de intervalo
foram
inseridas
diferentes
tarefas
de
interferência para investigar possíveis efeitos no
binding. Três tentativas com 3, 4, 5 e 6 objetos
92
e
localizações
são
apresentadas
sequencialmente. Além do TAAi foi utilizado o
teste de Amplitudes de Dígitos (direto e
inverso), Cubos de Corsi (direto e inverso), o
Teste de Desempenho Acadêmico e as tarefas
de cubos e vocabulários da Escala Wechsler
de Inteligência para Crianças – 3ª versão
(WISC-III) para estimativa do quociente de
inteligência. Para as análises de dados foi
utilizado o Pacote Estatístico do SPSS. A média
de bindings, ou seja, a recordação da
localização e objeto foi 2,12 (dp=0,78) no TAAi.
Comparando as crianças de escola públicas e
particulares houve diferença significativa na
quantidade de bindings nas condições com 4,
5 e 6 objetos. Não foi encontrado diferenças
significativas entre o número de bindings
considerando
as
diferentes
tarefas
intermediárias. A quantidade de bindings
apresentou correlações significativas com as
tarefas do TDE, QI estimado e tarefas de MO. O
presente estudo corrobora outros resultados
relativos à capacidade de recordação de
bindings. O número de bindings apresentou
relações com outras medidas cognitivas. O
TAAi mostrou-se promissor na avaliação do
efeito binding e do retentor episódico. As
relações entre o binding, a MO e o
desempenho acadêmico é discutida. Apoio
Financeiro: Fundação de Amparo a Pesquisa
do Estado da Bahia
Responsável pelo Envio:
Gustavo Marcelino Siquara
([email protected])
22-057- QUAL É O PAPEL DA ESCOLARIDADE
DA
CRIANÇA
E
DOS
PAIS
NO
PROCESSAMENTO EXECUTIVO EM TAREFAS
DE FLUÊNCIA VERBAL?
Jacobsen GM1; Joanette Y2; Kristensen CH3;
Fonseca RP4
1Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Faculdade de Psicologia,
Programa de Pós-Graduação em Psicologia
(Cognição Humana), Grupo Neuropsicologia
Clínica e Experimental; 2Institut Universitaire de
Gériatrie de Montréal - Centre de Recherche;
3Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - PPGP; 4Pontifícia Universidade
Católica do Rio Grande do Sul - Professora
Adjunta da Faculdade de Psicologia e do
Programa de Pós-Graduação em Psicologia
(Cognição Humana). Coordenadora do Grupo
de Neuropsicologia Clínica Experimental
(GNCE).
Vários fatores individuais e socioculturais
podem impactar o desenvolvimento cognitivo
das crianças. Nesse sentido, estudos têm
encontrado associação entre a escolaridade
da criança e a dos pais e as habilidades
cognitivas. A influência dessas variáveis no
desenvolvimento executivo ainda é pouco
compreendida, ainda mais nos processos
cognitivos subjacentes ao paradigma de
fluência verbal livre (FVL), fonêmico-ortográfica
(FVF) e semântica (FVS). O objetivo deste
estudo foi verificar se a escolaridade dos pais,
bem como a da criança, são fatores preditores
do processamento executivo de crianças em
tarefas de fluência verbal (FV). A amostra
conta com 144 participantes saudáveis, de 6 a
12 anos, 52% do sexo feminino, e escolaridade
do 1º ao 7º ano do Ensino Fundamental em
andamento e de escolas públicas. Foram
avaliadas com as tarefas FVL (2 minutos e 30
segundos, sem critério), FVF (2 minutos, letra
‘p’) e FVS (2 minutos, roupas), adaptadas para
crianças da Bateria Montreal de Avaliação da
Comunicação. As análises realizadas foram
Coeficiente de Correlação de Pearson e
Regressão Linear Múltipla. Encontraram-se
correlações positivas de fracas a moderadas
entre a escolaridade da mãe, do pai e a
média da escolaridade deles e o total de
acertos na FVL e na FVS. A escolaridade da
criança apresentou correlações positivas
moderadas com todas as modalidades da FV.
O modelo que mais explicou a variância no
desempenho na FVL (50%) e na FVS (30%) é o
que associa a escolaridade da criança à do
pai. Na FVF (30%), apenas a escolaridade da
criança foi um preditor. A escolaridade dos
pais parece influenciar o desenvolvimento
executivo
por
estar
associada
às
oportunidades de estimulação cognitiva
oferecidas à criança, principalmente nas
modalidades que demandam mais memória
semântica e iniciação. Apesar disso, a
escolaridade da criança também é um
preditor importante para o desempenho em
93
FV. Sendo assim, ele é influenciado por uma
multicausalidade de fatores. Esses resultados
têm implicação na área da educação e da
saúde em nível de intervenção e de
prevenção, mais especificamente, eles podem
contribuir para a elaboração de estratégias de
estimulação executiva na escola e programas
de
psicoeducação
de
cuidadores,
incentivando a leitura e outras atividades de
estimulação cognitiva para crianças.
Responsável pelo Envio:
Geise Machado Jacobsen
([email protected])
22-058- PAPEL DE FATORES BIOLÓGICOS E
SOCIOCULTURAIS NO PROCESSAMENTO
DISCURSIVO
NARRATIVO:
DADOS
NORMATIVOS PARA CRIANÇAS DE 6 A 12
ANOS
Prando ML1; Siqueira LS1; Moraes AL1;
Jacobsen GM1; Pureza JR1; Joanette Y2;
Fonseca RP1
1Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Faculdade de Psicologia,
Programa de Pós-Graduação em Psicologia
(Cognição Humana), Grupo Neuropsicologia
Clínica e Experimental; 2Institut Universitaire de
Gériatrie de Montréal - Centre de Recherche
Estudos sobre o papel de fatores biológicos e
socioculturais
são
relevantes
na
neuropsicologia devido à forte relação deles
com o desenvolvimento neurocognitivo.
Contudo, são poucos os estudos sobre o
impacto dessas variáveis no processamento
discursivo narrativo de crianças. Ele envolve
subcomponentes
linguísticos
complexos,
componentes executivos, mnemônicos e
atencionais. Este estudo teve como objetivo
investigar se há influência da idade e do tipo
de escola, assim como interação entre essas
variáveis,
no
processamento
discursivo
narrativo infantil, obtendo-se, ainda, normas de
desempenho. Foram avaliadas 319 crianças
com desenvolvimento típico distribuídas em
dois grupos por tipo de escola (n=160 de
escola privada) e 7 grupos por idade, de 6 a
12 anos, pela tarefa Discurso Narrativo,
adaptada para crianças da Bateria Montreal
de Avaliação da Comunicação. Ela é
composta pelo reconto parcial (informações
essenciais e presentes), reconto integral,
compreensão (questões sobre o texto) e
processamento inferencial. Após estatística
descritiva, foi realizada a análise fatorial de
comparação dos grupos empregando a
ANOVA de duas vias, seguida por post-hoc
Bonferroni, enquanto os percentuais de
ocorrência de inferências foram comparados
entre grupos pelo teste Qui-quadrado (p≤0,05).
Houve efeitos principais de idade e de tipo de
escola no reconto integral, reconto parcial e
processamento de inferência. Identificou-se
interação das variáveis no reconto parcial e
nas questões de compreensão. O aumento da
idade é acompanhado por um melhor
desempenho e crianças de escola privada,
independente da idade, obtiveram melhor
desempenho em todas as fases da tarefa.
Contudo, quanto mais nova a criança, maior a
diferença de desempenho entre o tipo de
escola, sendo mais evidente no reconto
parcial. Já no reconto integral, quanto maior a
idade da criança, melhor o desempenho,
principalmente as de escola privada. Tais
achados sugerem que o desenvolvimento
associado à idade é acompanhado pelo
aprimoramento das habilidades de memória e
linguagem além do processamento linguísticoexecutivo de inferências. A maior diferença no
desempenho quanto ao tipo de escola nos
anos iniciais pode estar associado ao fato de
crianças de escola privada terem mais
oportunidades de diferentes vivências, tais
como
a
educação
infantil,
e,
consequentemente,
maior
estimulação
cognitiva já na primeira infância. Ressalta-se a
importância da construção de tarefas com o
mesmo
propósito
para
avaliar
o
processamento da linguagem escrita. Futuras
análises comparativas entre o desempenho
considerando as duas modalidades permitirá a
verificação de possíveis dissociações oralescrita no processamento discursivo infantil.
Tais resultados são importantes para a geração
de
programas
de
psicoeducação
e
capacitação de educadores.
Responsável pelo Envio:
Geise Machado Jacobsen
([email protected])
94
22-059- A IMPORTANCIA DA AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLOGICA PARA AVANÇOS NO
DESEMPENHO ESCOLAR
Lima MV1; Ferraz BML2
1UESC - Clinica Infantil; 2FTC/VIC - Clinica
Infantil
A Avaliação Neuropsicológica (NA) investiga
funções cognitivas preservadas X funções
cognitivas comprometidas. Este trabalho
objetiva analisar a relação entre desempenho
escolar e comprometimento das funções
cognitivas de 14 crianças entre 06 e 12 anos
de idade, com queixa de baixo desempenho
escolar, de atenção, agitação, agressividade,
a fim de auxiliar no diagnóstico e na
compreensão da extensão das perdas
funcionais,
estabelecendo
intervenção
específica. Para isto foi utilizado os instrumentos
padronizados: Bender; WISC-III ; Escala de
TDHA; Columbia; BTN;TIG – NV; Figuras de Rey;
Wisc III; PROLEC; d2; Wisconsin,etc para
avaliação das funções cognitivas: inteligência,
atenção, memória, linguagem e funções
executivas.
Os
resultados
indicam
a
importância da AN para os avanços no
desempenho escolar, pois anterior à avaliação
as crianças não eram compreendidas pela
escola/
família,
sendo
rotuladas
de
preguiçosas, burras e mal educadas, não
sendo respeitada nas suas dificuldades, além
do desempenho acadêmico de 12 delas, não
ser condizente com o potencial cognitivo. A
AN foi importante também para verificar que o
comportamento inadequado de algumas
crianças pode ser pelo seu momento atual de
vida, ou outra causa. Entre as crianças
avaliadas, 1 tinha limitação auditiva; 2 tinham
a ver com a dinâmica familiar e 12 TDAH,
Disliexia e comorbidades.Conclui-se que AN
auxilia no diagnóstico correto e o tratamento
adequado contribuindo para avanços no
desempenho acadêmico.
Responsável pelo Envio:
Maristela Viana Lima
([email protected])
COMPORTAMENTO E INTELIGÊNCIA SOBRE
DESEMPENHO ESCOLAR DE CRIANÇAS
ENTRE 6 E 11 ANOS.
Oliveira Am1; Melo Ca1; Ramos Lrs1; Costa
Aps1; Freitas Pm1; Santos Mp1; Lima A V1; Dias
Jp1; Mattos Vcs1; Boas Gkv1; Oliveira J L1;
Oliveira J S1; Oliveira C C1
1Universidade Federal da Bahia - Psicologia
A influência do estilo parental, relações
familiares, estado emocional das mães são
variáveis que tem bastante influência no
desenvolvimento cognitivo e desempenho
acadêmico na infância. O objetivo do
presente estudo foi investigar a interação entre
variáveis psicossociais como estado emocional
das mães, clima familiar, comportamento e
inteligência da criança e o efeito dessa
interação sobre o desempenho acadêmico. O
delineamento do estudo foi do tipo estudo
quase experimental, transversal com a
comparação entre grupos. Participaram 111
crianças entre 6 e 11 anos (51% masculino e
49% feminino) e suas respectivas mães. Essas
crianças fazem parte de duas escolas públicas
da cidade de Vitória da Conquista-BA. A
coleta de dados, que aconteceu em duas
fases: primeiro com as mães aplicando sob a
forma de entrevista ficha de dados pessoais,
Critérios de Classificação Econômica Brasil,
Inventários de Comportamentos da Infância e
Adolescência (CBCL), Inventário de Estilos
Parentais, Inventário de Clima Familiar,
Inventário Beck de Ansiedade e Inventario
Beck de Depressão, na segunda fase com as
crianças Testes das Matrizes Progressivas
Coloridas de Raven e Teste de Desempenho
Escolar. Após análise de regressão múltipla
verificou-se que o modelo que melhor prediz o
desempenho
acadêmico
envolve
a
inteligência, clima familiar e o estilo parental.
Esse resultado demonstra que o desempenho
escolar é muito sensível a perfil cognitivo da
criança assim como aspectos familiares.
Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Adriel Muniz Oliveira
([email protected])
22-060- FEITOS DE INTERAÇÃO ENTRE AS
VARIÁVEIS
DO
AMBIENTE
FAMILIAR,
95
22-061- PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA COGNITIVA EM PRÉESCOLARES
Leon CBR1; Dias NM2; Seabra Ag2
1Universidade Presbiteriana Mackenzie Programa de Mestrado em Distúrbios do
Desenvolvimento; 2Universidade Presbiteriana
Mackenzie - Programa de Mestrado e
Doutorado em Distúrbios do Desenvolvimento
Nos últimos anos, a avaliação de crianças em
idade pré-escolar tem sido alvo de diversas
pesquisas, as quais sugerem a importância
dessa fase para o desenvolvimento infantil,
assim como a possibilidade de identificar
precocemente sinais preditores de futuras
dificuldades de aprendizagem. O presente
estudo descreve o protocolo de avaliação
neuropsicológica cognitiva em pré-escolares
utilizado pelo grupo de pesquisa em
Neuropsicologia Infantil, no período de
out/2010 a out/2012. O público atendido foi
composto por 16 pré-escolares (10 meninos e 6
meninas), com idades entre 3 e 6 anos,
cursando desde o maternal até o 1º ano do EFI
de escolas particulares da cidade de São
Paulo. Os encaminhamentos ao serviço foram
realizados pela escola, pelos pais ou por
ambos e, na maioria dos casos, referindo
dificuldades de atenção e concentração,
excesso de agitação ou dificuldades de
aprendizagem. O protocolo é composto por
diversos instrumentos que avaliam distintos
domínios cognitivos e que são utilizados de
acordo com as necessidades de cada caso.
Os domínios avaliados e os instrumentos
utilizados englobam: 1) Linguagem oral,
incluindo
vocabulário,
discriminação
fonológica,
nomeação,
consciência
fonológica, memória fonológica de curtoprazo (LAVE, TVIP, TDF, TIN, PCFO, TRPP); 2)
Atenção e funções executivas (TTP, TAC); 3)
Leitura e escrita (TRLS, PED, TCALL, TCLPP); 4)
Raciocínio não-verbal (EMMC). Escalas e
medidas funcionais respondidos por pais e
professores também são utilizadas em
complementaridade
aos
testes
de
desempenho, entre elas, o IFERI (avalia o
funcionamento executivo em situações do diaa-dia da criança por meio da observação de
pais e professores), MTA-SNAP-IV (avalia
sintomas de Transtorno do Déficit de
Atenção/Hiperatividade
e
sintomas
de
Transtorno Desafiador Opositivo) e SDQ
(rastreamento de problemas saúde mental
infantil). Outros instrumentos podem ser
integrados ao protocolo em função da queixa
específica, a exemplo de instrumentos que
auxiliam a identificar sintomas autísticos, como
o ASQ; ABC e CBCL. A avaliação é
relativamente
ampla
e
possibilita
o
delineamento de áreas de dificuldade,
auxiliando na compreensão do perfil da
criança e da queixa apresentada. O uso de
testes de desempenho em conjunto com
medidas funcionais colabora na compreensão
do funcionamento do indivíduo e de suas
dificuldades específicas. Nos casos atendidos
a partir deste protocolo, verificou-se a
necessidade de encaminhamento para outros
profissionais,
sobretudo
para
acompanhamento
psicológico
ou
psicopedagógico
e
avaliação
por
fonoaudiólogo, neurologista/neuropediatra e
oftalmologista. Os resultados obtidos na
avaliação também relevaram a necessidade
de orientação a pais e professores. O serviço
oferecido pode contribuir à identificação de
dificuldades em idade precoce e ao
encaminhamento adequado, de modo a
colaborar
ao
desenvolvimento
destas
crianças.
Apoio Financeiro: 1 CAPES; 2 FAPESP; 3 CNPq.
Responsável pelo Envio
Camila Barbosa Riccardi Leon
([email protected])
22-062- DIFICULDADES DE DIAGNÓSTICO
INFANTIL PELO RELATO FAMILIAR: A
RELEVÂNCIA
DA
AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA
Coutinho SR; Silva Aip1; Alves Amg2; Brasil Mg3
1Universidade Federal de Goias - Faculdade
de Educaçao; 2UFG - Hospital das Clínicas;
3UFG - Faculdade de Medicina
G.W.V.F. 8a 5m. Queixas: oscilação de humor,
agressividade, desobediência, impulsividade,
motricidade, estereotipia motora, “manias de
horário” (lancha 15:15, dorme 0 h), obsessões
96
com números, onicofagia, conversa sozinho e
tira roupas na escola.
Gestação sem intercorrências, parto cirúrgico,
3,8kg e 50 cm. O parto foi de emergência, mas
a mãe não sabe dizer o motivo.
A mãe da criança não se recorda sobre o
desenvolvimento neuropsicomotor, mas afirma
que foi atrasado. Aos 2 anos teve crise
convulsiva grave, parou de falar e foi
diagnosticado como deficiente auditivo. Fez
acompanhamento com fono e otorrino,
recebendo alta sem queixas sobre linguagem
e audiometria normal.
Há histórico familiar de esquizofrenia e
transtornos de humor.
Histórico clínico: Mãe relata crise convulsiva
aos 2 meses de idade, tônica generalizada,
quando iniciou o uso de Gardenal. Usou até 1
ano, quando adotaram Ácido Valpróico e
ficou 18 meses sem crise. G. teve RNM normal,
EEG normal, triagem para erros inatos
metabolismo normal, e recebeu hipótese
diagnóstica
de
Síndrome
epiléptica
indeterminada, criptogenética.
Durante o longo histórico clínico a ser relatado
na
apresentação
já
houve
hipótese
diagnóstica de TDAH, Transtorno ansioso,
transtorno
do
espectro
autista
e
acompanhamento
com
Setralina,
metilfenidato e fluoxetina.
Dados avaliação neuropsicológica:
Capacidade cognitiva - WISC-III: QIV médio
(91), QIE intelectualmente deficiente (68), QIT
(79) limítrofe; Raven: III-, intelectualmente
médio
Visopercepção - Figuras Complexas de Rey:
inferior, para cópia, tempo de cópia, memória
e tempo de memória.
Motricidade - Coordenação global do corpo ,
funções motoras das mãos , praxia oral e
Regulação verbal inferiores.
Atenção - Ausência de impulsividade e
desatenção, lentificação.
Memória - Memória operacional adequada,
preservação da recordação do estímulo
armazenado, capacidade de identificar a
informação armazenada e memória episódica
preservada.
Funções executivas - Teste Wisconsin de
classificação de cartas: total de erros Percentil
1, respostas perseverativas Percentil 1, erros
não perseverativos Percentil 40, respostas de
nível conceitual Percentil 1.
Características emocionais e comportamentais
- Escala de Stress Infantil (fase de quase
exaustão) e do HTP (sinais de agressividade,
pobreza psíquica e interação interpessoal
peculiar)
Perfil neuropsicológico - Funções Preservadas:
Cognição, atenção, memória, linguagem.
Funções Prejudicadas: Motricidade, Visopercepção, funções executivas, estresse
situacional. Hipótese diagnóstica: síndrome
disexecutiva e comprometimento motor
decorrente de lesão. Dificuldades: Sintomas
muito específicos e extremamente diversos,
percebidos em diferentes fases da vida da
criança avaliada. Histórico clínico extenso e
complexo.
Supervalorização
de
comportamentos e simulação familiar.
Responsável pelo Envio:
Ana Idalina de Paiva Silva
([email protected])
22-063ORIGEM
ORGÂNICA
OU
AMBIENTAL?
AS
DIFICULDADES
E
IMPORTÂNCIA
DA
DELIMITAÇÃO
ETIOLÓGICA
NA
AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA
Silva Aip1; Coutinho SR1
1Universidade Federal de Goias - Faculdade
de Educaçao
A
avaliação
neuropsicológica
busca
identificar e descrever o funcionamento
cognitivo e comportamental quanto a
existência
e/ou
importância
de
um
comprometimento
cerebral.
Algumas
características de personalidade, condições
ambientais ou simulações propositais podem
simular deficiências de base orgânica. Desta
forma, é de fundamental importância que o
neuropsicólogo seja capaz de identificar a
etiologia da dificuldade apresentada pelo
sujeito nos testes e procedimentos de
avaliação. A identificação da origem da
dificuldade direciona a terapêutica e pode ser
diferencial na melhora do paciente. No
entanto, realizar diagnóstico e determinar a
etiologia não são tarefas simples e podem
representar para o paciente longo período de
97
tratamento sem resposta. Para exemplificar
estas dificuldades, apresentamos um caso de
uma criança de 8 anos de idade, sexo
masculino, encaminhada para avaliação
neuropsicológica
para
esclarecimento
diagnóstico. O histórico clínico se iniciou aos
dois meses de vida por síndrome epiléptica
indeterminada, criptogenética, de difícil
controle e com diversos episódios até os 2
anos, idade da última crise. Após controle com
ácido valpróico, a família buscou serviço de
neuropsiquiatria quando a criança tinha 4
anos de idade com queixas de agressividade,
isolamento, impulsividade e fobias, quando há
hipótese diagnóstica de transtorno de humor,
iniciando uso de sertralina. Sem resposta, a
criança retornou ao serviço de saúde
apresentando,
segundo
a
família,
comportamentos repetitivos e manutenção da
agressividade, quando interroga-se sobre
transtorno
do
déficit
de
atenção e
hiperatividade e inicia-se metilfenidato. Com
metilfenidato e sertralina não há remissão dos
sintomas narrados pela mãe, retornando um
ano após com onicofagia, agressividade,
incoordenação motora e obsessões com
números, e é iniciado fluoxetina. Encaminhado
para avaliação neuropsicológica, os dados
relatados pela mãe à equipe médica foram
contestados e alguns sintomas não foram
confirmados, observando-se supervalorização
de comportamentos. A avaliação demonstrou
as funções atencionais, memória, linguagem e
inteligência preservadas, e motricidade,
visoconstrução
e
funções
executivas
prejudicadas. Seus resultados indicam uma
síndrome disexecutiva e comprometimento
motor decorrente de lesão. Foi observado que
os comportamentos agressivos e impulsivos
eram restritos ao contexto ambiental e
descartada hipótese diagnóstica de transtorno
do déficit de atenção e hiperatividade. Diante
dos resultados, e da ausência de impulsividade
e desatenção, retirou-se o metilfenidato e foi
realizado encaminhamento para reabilitação
neuropsicológica de funções executivas, onde
espera-se melhor resultado na funcionalidade
da criança.
Responsável pelo Envio:
Ana Idalina de Paiva Silva
([email protected])
22-064- VALE A PENA INVESTIGAR A
PERSONALIDADE
EM
AVALIAÇÕES
NEUROPSICOLÓGICAS? REFLEXÕES A PARTIR
DE UM ESTUDO DE CASO COM RORSCHACH
SILVA Aip1
1Universidade Federal de Goias - Faculdade
de Educaçao
A avaliação de aspectos de personalidade,
emocionais e comportamentais são de
extrema importância durante a realização de
uma
avaliação
neuropsicológica.
Esta
investigação
pode
identificar
se
há
interferência negativa de aspectos emocionais
no desempenho cognitivo, ou ainda se as
queixas neurológicas não são apenas
consequência de características psicológicas.
Comprometimentos cerebrais podem causar
alterações de personalidade, seja direta
(relacionada a lesão) ou indiretamente (como
consequência de prejuízos cognitivos ou
adaptação a dificuldades cognitivas). Dessa
forma, conhecendo a origem das dificuldades
do paciente, sejam cognitivas ou psíquicas, é
possível indicar a terapêutica mais adequada,
seja
ela
farmacológica,
reabilitação
neuropsicológica ou psicoterapia. Com o
objetivo de demonstrar as contribuições da
avaliação de personalidade foi realizada uma
avaliação neuropsicológica em uma paciente
do sexo feminino, 15 anos, encaminhada para
diagnóstico diferencial de Transtorno de Déficit
de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Foram
realizados os seguintes testes: WISC-III, Figuras
Complexas de Rey, Teste Wisconsin de
Classificação de Cartas (WCST), Inventário de
Habilidades Sociais para Adolescentes (IHS-A)
e
a
Prova
de
Rorschach
(sistema
compreensivo).
A
paciente
apresentou
desempenho
intelectual
global
médio,
desenvolvimento adequado das funções
mentais superiores relacionadas aos sistemas
de
visopercepção,
visoconstrução
e
linguagem. A atenção e memória foram
classificadas na faixa médio-inferior, o que não
seria esperado para um quadro de TDAH. Já o
WCST mostrou
grande
dificuldade de
flexibilidade mental, achados semelhantes
encontrados no Rorschach. O teste projetivo
98
sugere uma personalidade autocentrada, que
pode utilizar negação de suas dificuldades e
atuações, além de uma tendência a se fixar
em detalhes da situação e integração de
modo
pouco
realista,
desenvolvendo
operações
cognitivas
ilógicas.
Estas
características, aliadas a intelectualização
usada como estratégia defensiva, são
refletidas em seu comportamento com
decisões pouco práticas, não eficientes e que
se coloca em risco. Desta forma, a avaliação
de personalidade permitiu refletir sobre os
comportamentos antes compreendidos como
desatenção e hiperatividade, de forma mais
complexa e completa, contestando a
hipótese diagnóstica e permitindo melhor
terapêutica para a paciente.
Responsável pelo Envio:
Ana Idalina de Paiva Silva
([email protected])
22-064A- TESTE DE CANCELAMENTO DOS
SINOS: PAPÉIS DA IDADE E DO TIPO DE
ESCOLA EM CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS
Hosana Alves Gonçalves, Larissa de Souza
Siqueira, Janice da Rosa Pureza, Geise
Machado Jacobsen, Mirella Liberatore Prando,
André Luiz Moraes, Caroline de Oliveira
Cardoso & Rochele Paz Fonseca
¹Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação
em Psicologia (Cognição Humana), Grupo
Neuropsicologia Clínica e Experimental (GNCE)
Eixo temático:
Processos cognitivos
Palavras-chave:
atenção,
teste
de
cancelamento, idade, tipo de escola.
Tarefas de cancelamento de alvos têm sido
cada vez mais utilizadas, mostrando-se
sensíveis para a clínica neuropsicológica da
atenção
e
da
percepção.
Avaliam
principalmente atenção concentrada e
seletiva,
além
de
velocidade
de
processamento
visual,
organização
e
planejamento,
sendo
os
componentes
executivos
subjacentes
pouquíssimos
explorados ainda. Contudo, há uma escassez
deste tipo de instrumento para a população
infantil brasileira e pouco se sabe sobre a
influência das variáveis sociodemográficas e
culturais nesses processos cognitivos. Assim, o
objetivo deste estudo foi verificar se há efeito
da idade e do tipo de escola, além de possível
interação destes, no desempenho de crianças
no Teste de Cancelamento dos Sinos – versão 3
de complexidade (TS3 para crianças). Para tal,
foram avaliadas 408 crianças saudáveis com
idade entre 6 e 12 anos, estudantes de escolas
públicas e privadas de Porto Alegre. As
variáveis analisadas foram o número de
omissões e o tempo de execução do tempo 1
do teste, além do número total de erros (twoway ANOVA). Ademais, analisou-se a
distribuição
entre
grupos
quanto
à
organização das estratégias de cancelamento
utilizadas e à coluna em que o primeiro sino foi
cancelado (Qui-Quadrado).
Houve efeito
principal da idade no total de omissões e no
tempo de execução da tarefa, com crianças
de 6 anos se diferenciando principalmente
daquelas entre 9 e 12 anos nestas duas
variáveis e crianças de 7 anos se
diferenciando das de
11 e 12 anos em
omissões e das de 9 a 12 anos no tempo de
execução. Ainda, em relação ao tempo,
crianças de 8 anos se diferenciaram daquelas
de 11 e 12 anos. Nas variáveis que foram
evidenciadas efeito da idade, as crianças mais
velhas tiveram um melhor desempenho. Não
houve efeito principal de tipo de escola, nem
interação
nas
variáveis
quantitativas
analisadas neste estudo. Quanto à análise de
estratégias de cancelamento (primeiro sino
cancelado e estratégia de busca dos alvos),
observou-se que crianças mais velhas tendem
a apresentar estratégias mais organizadas, da
mesma forma, parece que crianças de escola
privada
escolhem
estratégias
mais
organizadas para a realização da tarefa. Os
resultados obtidos, além de evidenciar o efeito
da idade no desempenho do TS3, oferecem
normas para crianças de 6 a 12 anos de
escola pública e privada do estado do Rio
Grande do Sul. Além disso, curvas de
desenvolvimento das habilidades medidas
pelo TS3 puderam ser obtidas. Atualmente,
estudos com grupos clínicos vêm sendo
conduzidos utilizando este instrumento. Os
achados iniciais têm demonstrado que o
99
instrumento está sensível para a diferenciação
de grupos clínicos e controles.
E-mail: hosana.gonca[email protected]
Fomento: Vetor editora
22-064B- PERFIL DE DESEMPENHO DE
DISLÉXICOS ADULTOS NO WAIS-III: ANÁLISE
PRELIMINAR
Hosana Alves Gonçalves¹, Ana Bassoa, Eriane
Weinstein, Graciela De Jou², & Sônia Moojen³
¹Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul, ²Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, ³Hospital Moinhos de Vento-RS
Eixo temático: Transtornos Neuropsiquiátricos e
Doenças Neurológicas
Palavras-chave:
perfil
neuropsicológico,
dislexia em adultos, escalas Wechsler
A dislexia é um transtorno de aprendizagem
em nível severo que afeta as habilidades
nucleares da leitura e escrita, prejudicando,
em maior ou menor grau, a compreensão de
textos. Atinge um subconjunto minoritário de
crianças em idade escolar com problemas de
aprendizagem da leitura e escrita, sendo
persistente até a idade adulta. Essas
dificuldades não podem ser explicadas por
rebaixamento
intelectual,
dificuldades
sensoriais
não
corrigidas,
problemas
metodológicos de ensino ou por qualquer
patologia neurológica ou psicológica graves.
Sendo assim, as Escalas Wechsler de
Inteligência podem ser úteis na avaliação
deste transtorno e são muito aplicáveis na
clínica neuropsicológica, uma vez que dá
indícios do funcionamento cognitivo do
paciente quando seus subtestes e índices
fatoriais são avaliados separadamente. O
objetivo deste estudo foi identificar diferenças
entre disléxicos e controles nos QI’s e nos
subtestes do WAIS-III. Para isso, a escala foi
aplicada em 32 disléxicos diagnosticados com
base nos critérios do DSM-IV-TR e em tarefas de
avaliação da linguagem escrita e 15 controles
saudáveis emparelhados por idade, profissão,
nível de escolaridade e sexo. Todos os
participantes fazem parte de um projeto mais
amplo que avalia perfil de leitura, escrita e
funções neuropsicológicas relacionadas em
disléxicos adultos. A idade média dos
pacientes é de 33, 22 anos (DP=12,71; 50%
mulheres) e do grupo controle de 38,40
(DP=15,57; 60 % mulheres). ANOVA e Teste t
foram utilizados para analisar os dados de
acordo com a distribuição dos mesmos. Foram
encontradas diferenças significativas entre os
grupos no QI total e verbal do WAIS-III e nos
subtestes Vocabulário e Informação. As
habilidades de memória semântica requeridas
nestas tarefas podem estar rebaixadas em
disléxicos devido ao pouco contato com a
leitura, que muitas vezes é evitada por este
grupo clínico ou é realizada com dificuldade.
Além disso, este grupo pode ter dificuldades
na compreensão da linguagem oral e escrita,
necessárias para a memorização adequada
de informações. Pretende-se dar continuidade
a este estudo correlacionando escores nos
testes de compreensão leitora e oral com
escores nos subtestes do WAIS-III.
Contato: [email protected]
22-065- REVISÃO SISTEMÁTICA DO NEPSY II:
BATERIA
DE
DESENVOLVIMENTO
NEUROPSICOLÓGICO INFANTIL
Marina Martorelli1; Wyzykowski ABV1; Assis Ad1;
Carvalho Cf1; Conceiçao Cedraz1; Mota M1;
Reis Sps1; Miranda T1; Abreu JNS1; Argollo N2
1Universidade Federal da Bahia - Instituto de
Psicologia; 2Universidade Federal da Bahia –
Neuropediatria
Introdução: O Nepsy II é uma bateria de
desenvolvimento neuropsicológico da criança
e do adolescente. É composta por 36
subtestes, que avaliam diferentes domínios
cognitivos:
atenção/função
executiva,
linguagem,
processamento
visuoespacial,
sensório-motor e percepção social. Foi
realizada revisão sistemática dos estudos que
utilizaram o NEPSY II para avaliar amostras de
diferentes doenças e que passaram por
intervenções associadas a déficits cognitivos.
O objetivo desta revisão foi identificar quais
subtestes do NEPSY II são capazes de
discriminar
grupos
específicos
de
doenças/intervenções.
Método: A busca dos artigos que entraram na
revisão sistemática foi feita até outubro de
2013, nas seguintes bases de dados: PUBMED,
100
LILACS e WEB OF SCIENCE. Não houve restrição
do idioma e o descritor utilizado foi “NEPSY II”.
Os critérios de exclusão foram: estudos
exploratórios, populações duplicadas, estudos
que não utilizaram o NEPSY II. Foram
encontrados 21 artigos, após a aplicação dos
critérios de exclusão, restaram 13 artigos.
Resultados e Discussão: Os estudos que
entraram na revisão avaliaram amostras com
as seguintes doenças e intervenções: anorexia,
autismo, epilepsia, epilepsia com enxaqueca,
enxaqueca associada a picos centrotemporais, neurofribomatose do tipo I, crianças
que nasceram pré-termo, síndrome fetal
alcoólica, pacientes que passaram por
anestesia e transplante de fígado, coração ou
rim. Ao analisarmos as pesquisas, as seguintes
doenças/intervenções
apresentaram
alteração em algum subteste do NEPSY II,
foram elas: autismo, epilepsia, epilepsia com
enxaqueca, enxaqueca associada a picos
centro-temporais, neurofibromatose do tipo I,
crianças
ex-prematuras,
síndrome
fetal
alcoólica, transplante de fígado, coração e
rim. No estudo de anestesia não houve
alteração nas funções cognitivas avaliadas
com os subtestes do NEPSY II, mas também
não houve alteração na Escala de Inteligência
Wechsler abreviada (WASI), demonstrando
que a exposição à anestesia não afeta a
cognição em crianças. Na pesquisa que
avaliou crianças nascidas pré-termo não foram
encontradas
alterações
cognitivas
nos
subtestes do NEPSY II, nem na Escala de
Inteligência de Wechsler para Idade PréEscolar e Primária (WPPSI-R). Contudo, os
escores são inferiores em relação ao grupo
controle. Vale ressaltar que alguns estudos não
utilizaram a versão americana do NEPSY II e um
artigo que avaliou crianças nascidas pré-termo
apresentou os dados apenas por domínio
cognitivo, não especificando os escores por
subtestes utilizados. A partir dos dados
encontrados, nota-se que a bateria NEPSY vem
cada vez mais sendo utilizada na literatura
neuropsicológica
e
demonstrando
sua
utilidade em pesquisas e capacidade
discriminatória
para
traçar
o
perfil
neuropsicológico
de
diferentes
doenças/intervenções.
Responsável pelo Envio:
Adriele Brasil Vieira Wyzykowski
([email protected])
22-066- REDES DE CORRELAÇÃO DE
SUJEITOS TÍPICOS ENTRE 3-16 ANOS COM A
BATERIA NEPSY-II: O QUE MUDA COM O
DESENVOLVIMENTO CEREBRAL?
Carvalho CF; Santos SN; Pinho MM; Wyzykowski
ABV3; Assis AD2; Prinz MCC3; Reis SPS3; Miranda
T2; Miranda JGV4; Abreu JNS2; Argollo N1
1Universidade
Federal
da
Bahia
Neuropediatria; 2Universidade Federal da
Bahia - Instituto de Psicologia; 3 Universidade
Federal da Bahia - Instituto de Psicologia;
4Universidade Federal da Bahia - Instituto de
Física
Muito se conhece sobre as diferentes funções
cognitivas, contudo existem poucos estudos
que buscam compreender os mecanismos de
coordenação entre elas. A interdependência
entre as funções cognitivas tem se tornado um
campo de estudo em desenvolvimento. Alguns
métodos tem se mostrado eficazes na medida
de variáveis interdependentes como a Análise
de Redes da Teoria dos Grafos. Este estudo
objetiva caracterizar quantitativamente a
partir de redes de correlação alguns padrões
do
desenvolvimento
do
funcionamento
neuropsicológico. O estudo foi composto de
715 indivíduos entre 3 e 16 anos, dos estados
da Bahia e de São Paulo. As crianças e
adolescentes participaram da normatização
do NEPSY-II – Bateria Neuropsicológica do
Desenvolvimento e portanto responderam a
Bateria completa composta de seis domínios
cognitivos: Percepção Social, Atenção e
Funções Executivas, Memória e Aprendizagem,
Linguagem, Visuoespacial e Percepção
Sensoriomotora. Para a construção da rede de
correlação foi utilizada uma técnica de
visualização da matriz de correlações a partir
de uma rede de correlação entre os escores
dos indivíduos nos testes neuropsicológicos.
Cada variável da matriz de correlação é
considerada um nó da rede (representados
como círculos) e cada aresta (linha
conectando dois nós) é a existência de
correlação significativa com p<0,01 entre os
nós interconectados. Foram construídas sete
101
redes de correlação agrupadas por períodos
de dois anos de idade (3-4; 5-6; 7-8; 9-10; 11-12;
13-14; 15-16 anos). Foram calculados os
índices:
coeficiente
de
aglomeração,
modularidade, grau do nó e caminho mínimo
médio. Estes índices verificam o grau de
conectividade entre nós da rede e podem
inferir como os padrões de correlação se
organizam quanto a modularidade em
diferentes idades. Os resultados indicaram que
o Coeficiente de Aglomeração (CA) foi alto
aos 3-4 anos (CA=0,81) e diminuiu até os 7-8
anos (CA=0,61), e voltando a aumentar
gradativamente até os 11-12 anos (CA=0,74), e
diminuindo aos 13-14 anos (CA=0,58) e 15-16
anos (0,62). O menor índice de modularidade
foi evidenciado nas redes de correlação aos 34 anos (índice = 0,11) e 5-6 anos (índice =0,17),
enquanto que os maiores índices de
modularidade foram encontrados aos 12-13
anos (índice = 0,30) e 15-16 anos (índice =
0,40). Em todos os índices houve uma quebra
da tendência observada aos 11-12 anos,
indicando
que
nessa
idade
a
rede
subitamente apresenta-se aglomerada e com
menor modularidade. Uma possível explicação
para este fenômeno pode estar relacionado a
processos de maturação cerebral e a
estabilização de algumas funções, além de
aumento da demanda do funcionamento
executivo. Os resultados dos índices das redes
de
correlação
do
desempenho
neuropsicológico por faixas de idade apontam
para o desenvolvimento de uma rede
funcional compartimentalizada.
Responsável pelo Envio:
Chrissie Ferreira de Carvalho
([email protected])
22-067AVALIAÇÃO
DAS
FUNÇÕES
EXECUTIVAS EM DE CRIANÇAS DE SEIS A DEZ
ANOS COM A VERSÃO ABREVIADA DO
TESTE WISCONSIN DE CLASSIFICAÇÃO DE
CARTAS (WCST-64)
Monego B1; Trentini CM2 - 1UFRGS e FACOS Psicologia; 2UFRGS – PSICOLOGIA
abreviada do Teste Wisconsin de Classificação
de Cartas (WCST-64) na população brasileira.
O objetivo do presente trabalho foi avaliar o
desempenho de crianças no WCST-64. A
amostra foi oriunda de um banco de dados já
existente e foi composta por 38 crianças de
seis anos, 37 de oito anos e 43 de dez anos,
totalizando 118 participantes. Foram utilizados
os testes não-paramétricos Mann-Whitney e
Kruskal Wallis para a comparação entre os
grupos quanto aos escores Total correto (TC),
Total de erros (TE), Respostas perseverativas
(RP), Erros perseverativos (EP), Erros nãoperseverativos (ENP), Respostas de nível
conceitual (NC), Número de categorias
completadas (CC), Ensaios para completar a
primeira categoria (EPC) e Fracasso em
manter o contexto (FMC). Os resultados
indicaram que as crianças de seis e oito anos
tiveram desempenhos semelhantes em todas
as pontuações. Já os participantes de dez
anos obtiveram melhores resultados do que
aqueles de seis anos exceto por ENP e FMC e
foram significativamente melhores do que os
de oito em CC, TC, TE e NC. Tais resultados
permitem avaliar o desenvolvimento das
Funções Executivas durante a infância
mostrando que o perfil das crianças com dez
anos é superior àquelas de seis e oito anos e
que, entre seis e oito anos, ocorrem poucas
mudanças. Também pode-se observar que os
escores ENP e FMC, que demandam maior
nível de flexibilidade, controle inibitório e
atenção,
não
apresentaram
diferença
significativa entre os grupos indicando que tais
habilidades estão estáveis nesse período.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul
(FAPERGS)
Responsável pelo Envio:
Bruna Gomes Monego
([email protected])
22-068- CHILDREN´S MEMORY SCALE:
APRESENTAÇÃO E PROCESSO DE TRADUÇÃO
DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DA
MEMÓRIA
PARA
CRIANÇAS
E
ADOLESCENTES
Alguns estudos estão sendo conduzidos a fim
de investigar a aplicabilidade da versão
102
Rodrigues CC1 - 1Universidade Presbiteriana
Mackenzie - Centro de Ciências Biológicas e
da Saúde
A memória é composta por distintos
subsistemas
integrados
por
processos
conduzidos por diferentes circuitos neurais. Seu
desenvolvimento depende da interação de
muitos
fatores,
sendo
fundamental
a
identificação das habilidades de cada
indivíduo. Há uma escassez de instrumentos de
avaliação para a população brasileira que
avaliem esse constructo. O objetivo desse
estudo é apresentar a bateria de avaliação de
memória Children´s Memory Scale (CMS) e o
processo
de
tradução
e
adaptação
transcultural para o português brasileiro. A CMS
é uma bateria que contempla a avaliação da
memória verbal e visual, aprendizagem e
atenção, destinada a crianças e adolescentes
de 5 a 16 anos. O processo de tradução foi
realizado por meio da técnica de tradução e
retrotradução. Os itens foram traduzidos para o
português por três pesquisadores fluentes na
língua inglesa, sendo que um deles fez a
versão final em português. Em seguida, a
versão final em português foi vertida para o
inglês por outros dois pesquisadores, sendo que
um deles unificou a versão em inglês da
tradução final do português. Posteriormente, a
tradução
e
a
retrotradução
foram
comparadas quanto a sua equivalência
semântica por dois pesquisadores que
resolveram as discrepâncias existentes. Após,
foi realizada a primeira aplicação livre do
instrumento em 12 crianças, para testar a
compreensão das mesmas em relação aos
termos sugeridos nos itens do instrumento. Foi
solicitado que as crianças apontassem os
termos julgados difíceis ou incompreensíveis e
solicitado que sugerissem sinônimos. Foram
necessárias algumas adaptações no que se
refere ao uso cultural dos termos, a freqüência
das palavras utilizadas, assim como da
extensão e fonologia de vocábulos da língua
portuguesa. Após o estudo piloto, que está em
andamento, a versão final brasileira será
submetida à aprovação pelo autor do
instrumento. Os processos de tradução e
adaptação transcultural dessa bateria estão
sendo realizados para que se possa estudar o
desenvolvimento dos diferentes subsistemas de
memória, atenção e aprendizagem nas
crianças e adolescentes brasileiros por meio de
um instrumento que conte com estudos
psicométricos, possibilitando a identificação
das habilidades de cada caso, a fim de
estabelecer a intervenção adequada. A CMS
tem sido utilizada para avaliação e
investigação dos diferentes subsistemas de
memória
tanto
em
crianças
com
desenvolvimento
típico
como
para
a
compreensão de características de diferentes
distúrbios do desenvolvimento em outros países
e pode trazer grande contribuição para a
avaliação neuropsicológica clínica, assim
como para o estudo do desenvolvimento dos
processos cognitivos no Brasil.
Apoio Financeiro: MackPesquisa
Responsável pelo Envio:
Camila Cruz Rodrigues
([email protected])
22-069- ANÁLISE PSICOMÉTRICA DE UM
TESTE EXECUTIVO COMPUTADORIZADO: O
JOGO DAS CARTAS MÁGICAS
Uehara E1; Charchat-Fichman H2; LandeiraFernandez J3 - 1Puc-Rio - Psicologia; 2PUCRJ Psicologia; 3PUC – Psicologia
O Jogo das Cartas Mágicas (JCM) é um
instrumento computadorizado baseado na
tarefa Dimensional Change Card Sot (DCCS) e
foi elaborado para avaliar as funções
executivas em crianças de 3 a 8 anos de
idade. O JCM possui um layout circense lúdico
composto por três fases: fase 1 - cor (12 itens),
fase 2 - forma (12 itens) e fase 3 - cor e forma
(24 itens). Participaram desse estudo cem
crianças com desenvolvimento típico entre 3 a
8 anos moradores da cidade do Rio de
Janeiro. Além do JCM, as crianças realizaram
tarefas clássicas para a avaliação das funções
executivas e um instrumento para verificar o
desenvolvimento cognitivo das mesmas. A
validade convergente foi avaliada através da
Correlação de Pearson e a consistência
interna através do Alfa de Cronbach. Após
uma análise fatorial exploratória e uma
rotação varimax foram utilizados e foram
identificados
três
fatores.
Evidências
103
preliminares de validade convergente foram
obtidas na tarefa de fluência verbal semântica
- animal (r = 0.41) e fruta (r = 0.51), tarefa de
Stroop dia-noite (r = 0.53), Span de dígitos
direto (r = 0.45) e inverso (r = 0.56). Esses
resultados apresentados demonstram uma
correlação moderada com os paradigmas
clássicos utilizados. A consistência interna pode
ser observada através do resultados do escore
total do JCM (α = 0.83), escore total da fase 1
(α = 0.79), escore total da fase 2 (α = 0.89) e
escore total da fase 3 (α = 0.80). Apesar de
preliminares, estes resultados demostram uma
boa confiabilidade interna do JCM, podendo
ser útil no futuro como uma ferramenta
computadorizada de pesquisa e clínica na
área da neuropsicologia para avaliação de
funções executivas em crianças. Estudos
futuros
com
populações
clínicas
são
necessários para investigar sua especificidade
e sensibilidade, bem como sua utilização
como um instrumento de rastreio e/ou
intervenção
precoce
de
disfunções
executivas.
Apoio Financeiro: FAPERJ
Responsável pelo Envio:
Emmy Uehara Pires
([email protected])
22-070ESTRUTURA
FATORIAL
E
CONFIABILIDADE DO INSTRUMENTO DE
AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA BREVE
INFANTIL NEUPSILIN-Inf
Sbicigo JB1; Salles JF2; Machado WL3; Miranda
MC4; Fonseca RP5
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul Psicologia
do
Desenvolvimento
e
da
Personalidade; 2Universidade Federal do Rio
Grande do Sul (ufrgs) - Psicologia do
Desenvolvimento
e
da
Personalidade;
3Universidade Federal do Rio Grande do Sul Psicologia
do
Desenvolvimento
e
Personalidade; 4Universidade Federal de São
Paulo - Departamento de Psicobiologia ;
5Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Professora Adjunta da
Faculdade de Psicologia e do Programa de
Pós-Graduação em Psicologia (Cognição
Humana). Coordenadora do Grupo de
Neuropsicologia Clínica Experimental (GNCE).
Investigou-se a estrutura interna do Instrumento
de Avaliação Neuropsicológica Breve Infantil NEUPSILIN-Inf
com
Análise
Fatorial
Confirmatória (AFC). Participaram do estudo
840 crianças (421 da cidade de São Paulo, 419
de Porto Alegre, Rio Grande do Sul), com
idades entre seis e 12 anos, entre a primeira e
a sexta série do ensino fundamental, de
escolas públicas e privadas. Os subtestes que
compõem o instrumento buscam avaliar oito
funções cognitivas: orientação, percepção,
atenção concentrada focalizada, memórias,
linguagem oral e escrita, praxias construtivas,
habilidades aritméticas e funções executivas
(inibição, iniciação, flexibilidade cognitiva,
entre outras). Modelos teórico-hipotéticos
foram
testados
considerando-se
a
organização original do instrumento e a
literatura neuropsicológica. Sete modelos, que
contemplam
oito
funções
cognitivas,
apresentaram
índices
de
ajuste
e
confiabilidade adequados: linguagem, praxias
construtivas, memória de trabalho e funções
executivas,
memória
verbal,
memória
episódico-semântica, processamento visual e
desempenho acadêmico. Concluiu-se que o
NEUPSILIN-Inf apresenta evidência de validade
quanto à estrutura interna e pode ser utilizado
na avaliação neuropsicológica infantil no
exame desses grupos de componentes
neurocognitivos. Futuros estudos devem ser
conduzidos em busca de evidências de
validade de critério com amostras clínicas
desenvolvimentais,
neurológicas
e/ou
psiquiátricas, além de índices de sensibilidade
e de especificidade. Apoio Financeiro: CNPq,
editora vetor.
Responsável pelo Envio:
Juliana Burges Sbicigo
([email protected])
22-071- NORMAS DE DESEMPENHO EM
INSTRUMENTO
DE
AVALIAÇÃO
DE
COMPREENSÃO LEITORA A PARTIR DE
RECONTO
E
QUESTIONÁRIO
PARA
CRIANÇAS DE 1º ANO A 6ª SÉRIE
Piccolo LR1; Corso HV1; Mina CS1; Salles JF1 –
104
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(ufrgs) - Psicologia do Desenvolvimento e da
Personalidade
A compreensão leitora é caracterizada por
múltiplos processos cognitivos, que atuam de
forma
integrada.
Muitas
vezes,
a
complexidade dessa habilidade dificulta sua
avaliação. A utilização de tarefas diversas,
com suas demandas linguísticas e cognitivas
distintas, pode oferecer um entendimento mais
abrangente do processo de compreensão.
Este estudo apresenta as normas de
desempenho para duas tarefas que avaliam
compreensão leitora, a partir de dois textos
narrativos. A história “A Coisa” foi usada para
avaliar crianças de 1º a 3º anos, enquanto “O
Coelho e o Cachorro” é recomendada para
avaliar crianças que cursam 4º ano até a 6ª
série. Os escores normativos para crianças de
1º ano a 6ª série do Ensino Fundamental foram
divididos por anos completos de escolarização
e tipo de escola. Ambas as histórias avaliam a
compreensão do texto lido por questionário e
reconto. Juízes pontuaram os questionários de
acordo com as respostas corretas e analisaram
individualmente
os
recontos
e
os
categorizaram de acordo com a quantidade
de cláusulas recontadas, porcentagem de
cláusulas da cadeia principal da história e
número de inferências, interferências e
reconstruções. De maneira geral, os resultados
mostraram que as crianças de séries mais
avançadas
apresentaram
desempenho
superior em compreensão leitora em relação
às de séries anteriores. Os estudantes de
escolas privadas obtiveram maiores escores do
que os de escolas públicas. As tarefas
apresentadas oferecem recursos para a
avaliação da compreensão leitora em
diferentes aspectos, de forma que constituem
ferramentas relevantes para o entendimento
mais completo dessa habilidade em crianças,
tanto em um contexto clínico como escolar.
Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Luciane da Rosa Piccolo
([email protected])
22-072FIDEDIGNIDADE
E
DADOS
NORMATIVOS DO TESTE ACRE DE ATENÇÃO
CONCENTRADA
PARA
CRIANÇAS
E
ADOLESCENTES DE CURITIBA-PR
Praisner T1; Toni PM2
1Universidade Estadual do Centro OesteUnicentro - Depsi; 2Universidade Estadual do
Centro Oeste - Depsi
Desde 2003 o Conselho Federal de Psicologia
estabeleceu normas de construção e uso de
testes, fixando o prazo de dez anos para serem
revisados. A revisão e atualização de testes
psicológicos é fundamental para obter-se
dados confiáveis em avaliações psicológicas.
O teste ACRE, é um instrumento psicométrico
empregado na avaliação da atenção e
caracteriza-se pelo processo de análise de
conteúdos verbais apresentados sobre a forma
de linguagem escrita, possuindo utilidade na
abordagem psicopedagógica, pois a atenção
está diretamente relacionada aos processos
cognitivos que auxiliam na aprendizagem. Os
principais motivos para a escolha deste
instrumento foram: ausência de estudos
brasileiros de validade e precisão do Teste
ACRE conforme consta no parecer do
Conselho Federal de Psicologia; as tabelas
normativas desatualizadas de acordo com o
CFP e a ausência de normas para a
população infanto-juvenil. A pesquisa teve
como objetivo normatizar o Teste ACRE para a
população infanto-juvenil do município de
Curitiba bem como estimar o parâmetro
psicométrico de precisão do instrumento.
Justifica-se esta pesquisa pela importância de
oferecer
um
instrumento
psicométrico
adequado para ser empregado na avaliação
da atenção. A amostra foi composta por 1244
alunos entre 10 e 17 anos de ambos os sexos,
matriculados em escolas da rede pública e
particular do município de Curitiba-PR. Após
obtenção do termo de consentimento livre e
informado dos responsáveis, o Teste ACRE foi
aplicado aos alunos, coletivamente, em
ambiente escolar. Os resultados foram
analisados tanto quantitativamente quanto
qualitativamente, por estatística descritiva e
tabela normativa em percentis. Para a
precisão foi utilizado o método de teste-reteste
com intervalo de aproximadamente 2
105
semanas entre aplicações em uma subamostra de 78 participantes. A partir da análise
estatística, os resultados obtidos proporcionam
as conclusões de que apesar do Teste ACRE
ter sido desenvolvido para a população
adulta, o instrumento demonstrou-se aplicável
numa
população
infanto-juvenil,
sendo
possível a estimação de normas em percentil
para este faixa etária e que o Teste ACRE
apresentou bons índices de precisão por testereteste
(r=0,68
e
p<0,001).
Contato:
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Taynara Praisner
([email protected])
22-073- PREDITORES DO ESCORE DE
APRENDIZAGEM
DO
TESTE
DE
APRENDIZAGEM AUDITIVO-VERBAL DE REY:
EVIDÊNCIAS DE VALIDADE
Oliveira RM1; Charchat-Fichman H2; Mograbi
D3; Gabrig IA1
1UFRJ - Psicologia; 2PUCRJ - Psicologia;
3Pontificia Universidade Catolica-Rj - Pos
Graduaçao de Psicologia
O escore de aprendizagem (somatório das
primeiras tentativas de codificação da lista de
palavras, Soma A1-A4) do Teste de
Aprendizagem Auditivo Verbal de Rey (TAAVR)
reflete o ritmo de codificação de novas
informações na memória de longo prazo. A
literatura reporta aumento progressivo deste
escore ao longo do desenvolvimento na
infância e adolescência. O aprimoramento da
memória episódica de longo-prazo durante o
desenvolvimento tem sido atribuído a três
fatores principais: riqueza da base de
conhecimentos
do
indivíduo
(memória
semântica), uso de estratégias (executivo
central) e capacidade da memória de
trabalho. Este estudo verificou a consistência
dos preditores do escore de aprendizagem
com o modelo teórico de desenvolvimento da
memória, como evidência de validade deste
escore. Foram analisados os resultados de 396
crianças saudáveis entre 7 e 14 anos de idade,
em termos do escore de aprendizagem no
TAAVR (Soma A1-A4) e outras medidas
cognitivas: fluência verbal semântica (medida
de memória semântica), fluência verbal
fonológica (medida de memória semântica e
funcionamento
executivo),
escore
de
interferência do Stroop (atenção), escore de
evocação da lista de interferência da TAAVR –
B1 (medida de memória de trabalho), além
das variáveis demográficas idade e sexo. Uma
análise de regressão stepwise (com método
backward de entrada de variáveis) foi
conduzida para explorar a relação entre o
escore de aprendizagem e outras medidas
cognitivas a fim de identificar seus melhores
preditores. A análise de regressão indicou que
os melhores preditores para a aprendizagem
foram idade (Beta padronizado: .23; p-valor: <
.001), fluência verbal semântica (Beta
padronizado: .30; p-valor: < .001) e B1-memória
de trabalho (Beta padronizado: .24; p-valor: <
.001). A variância explicada pelo modelo
contendo estas variáveis foi de 35%. Este
padrão de resultado é consistente com o
previsto pelo modelo teórico explicativo do
desenvolvimento da memória episódica,
sendo evidência de validade para o escore de
aprendizagem do TAAVR. Apoio Financeiro:
FAPERJ, CNPq
Responsável pelo Envio:
Rosinda Martins Oliveira
([email protected])
22-074- DIFERENÇA ENTRE GÊNEROS EM
ADOLESCENTES DE 14 E 15 ANOS NO TESTE
DE MATRIZES DE VIENA (WMT-2)
Klimach TM1; Pereira DA1; Schlotfeldt CG2;
Malloy-Diniz LF2
1IBNeuro - Neuropsicologia; 2UFMG – Psiquiatria
Muitos pesquisadores sustentam a ideia da
diferença entre gêneros em habilidades
cognitivas, como percepção visoespacial,
raciocínio verbal e raciocínio matemático. No
entanto, algumas pesquisas não apontam essa
divergência no desempenho global nos testes
de inteligência em crianças entre 6 a 9 anos.
Porém, dos 9 aos 14 anos, o nível de
aceleração no desenvolvimento das meninas
é superior e, a partir dos 15 anos este nível
diminui, enquanto o dos meninos continua por
mais tempo. Esta diferença se respalda nas
106
mudanças maturacionais e estende-se para
todo o desenvolvimento das habilidades
cognitivas. Nosso objetivo foi verificar se há
diferenças prevalentes na inteligência global
entre gêneros em adolescentes de 14 e 15
anos de idade. O Teste de Matrizes de Viena
(WMT-2), composto por 18 problemas de
raciocínio matricial, foi utilizado em 179
estudantes de escolas públicas e privadas de
MG e DF, sendo 88 do sexo feminino e 91 do
sexo masculino. A aplicação do teste foi
coletiva, usando tempo máximo de 30 minutos.
Os dados foram tratados através do software
WINSTEPS 3.75, onde se estimou a habilidade
latente dos indivíduos e dos grupos através da
análise Rasch e para a estimativa do
funcionamento diferencial dos itens (DIF), e
pelo pacote R 3.0.2. O escore médio total foi
de 10,4 pontos (D.P.=3,51). Meninas tiveram
média de 10,79 (D.P.=3,72) e meninos de 9,94
pontos (D.P.=3,4). O teste t (1,59) mostrou que
a diferença entre os grupos não foi significativa
(p=0,11), com tamanho de efeito (d de
Cohen) de 0,238. Em relação aos itens,
quando individualmente analisados, o item
mais fácil para ambos os grupos foi o item R03
(-2,75) e o mais difícil foi o R18 (1,39). Somente
o item R11 apresentou DIF em relação ao
gênero (z=1,1). Podemos concluir que um item
com DIF não significa necessariamente que ele
possua viés em relação às respostas dos dois
grupos. Ainda, mesmo se houvesse o viés de
resposta, um único item não compromete a
confiabilidade do teste com 18 itens. Pudemos
constatar que a inteligência global entre
jovens de 14 e 15 anos não difere entre os
gêneros. No entanto, outras faixas etárias
devem ser incluídas para verificar se, de fato, a
inteligência geral sofre influência maturacional
de forma distinta entre os gêneros. Apoio
Financeiro: UFMG/CETTEPP
Responsável pelo Envio:
Tatiana Mendes Klimach
([email protected])
22-075- ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE
OS
ÍNDICES
DE
AUTORREGULAÇÃO
EMOCIONAL
DO
CHILD
BEHAVIOR
CHECKLIST (CBCL) E BEHAVIOR RATING
INVENTORY OF EXECUTIVE FUNCTION (BRIEF)
EM CRIANÇAS COM TDAH
Cardoso TSG1; Miranda MC2
1Universidade Federal de São Paulo - Escola de
Filosofia,
Letras
e
Ciências
Humanas;
2Universidade Federal de São Paulo Departamento de Psicobiologia
Estudos anteriores já haviam mostrado déficits
na autorregulação emocional (DESR-CBCL) em
crianças com TDAH, utilizando as subescalas
de
ansiedade/depressão,
atenção
e
agressividade (AAA) a partir do Child Behavior
Checklist (CBCL). O Behavior Rating Inventory
of Executive Function (BRIEF) é outro
instrumento amplamente utilizado para avaliar
as funções executivas, incluindo uma medida
de regulação comportamental. O Índice de
regulação comportamental (BRI-BRIEF) é
composto pelos fatores inibição, mudança e
controle emocional, e parece elevado em
crianças com TDAH. O objetivo deste estudo
foi examinar se o BRI-BRIEF e o DERS-CBCL
medem ou não os mesmos aspectos da
autorregulação emocional em crianças com
TDAH. Analisamos também as correlações
entre variáveis emocionais e medidas de
atenção e memória de trabalho presentes nos
instrumentos. Participaram desse estudo 67
crianças diagnosticadas com TDAH (32
meninos) com idades entre 7 e 15 anos (idade
média de 9,5 ± 1,8), sendo 61,8% (42) do
subtipo combinado, 26,5% (18) do desatento e
10,3 % (7) do subtipo hiperativo-impulsivo. O
DESR-CBCL foi definido como deficitário caso o
escore fosse ≥ 180 e ≤ 210 e severo caso o
escore fosse > 210 (2 dps). Para o BRI-BRIEF, os
déficits foram definidos como a pontuação ≥
60 e ≤ 70 (1 dp) e severo > 70 (2 dp). Os dados
foram analisados através do teste do Quiquadrado para analisar a distribuição de
frequências entre os índices do DESR-CBCL e
BRI-BRIEF. O coeficiente rho de Spearman foi
utilizado para analisar as correlações entre as
medidas emocionais do CBCL e BRIEF. Os
resultados revelaram que a porcentagem de
déficits DERS-CBCL não está associada
significativamente a porcentagem de déficits
no BRI-BRIEF, tanto na versão pais quanto
professores.
Provavelmente
trata-se
de
medidas diferentes, o DERS-CBCL indica que a
107
autorregulação emocional deficitária se
relacionada a processos de desatenção,
exacerbação de respostas agressivas e afeto
negativo. Enquanto que o índice de regulação
comportamental do BRIEF é uma medida que
pressupõe que a regulação emocional é
governada
por
ações
executivas,
autodirigidas. Os padrões de resposta
deficitários no BRI-BRIEF parecem dizer respeito
a respostas mais impulsivas, perseverativas e
não
autodirigidas
pelo
funcionamento
cognitivo superior. Concluí-se que os resultados
traduzem as discrepâncias entre os dois
constructos, demonstrando serem índices de
natureza diferente ainda que moderadamente
correlacionados na avaliação de aspectos
emocionais de crianças com TDAH. Apoio
Financeiro: Associação do Fundo de Incentivo
à Pesquisa - AFIP
Responsável pelo Envio:
Thiago da Silva Gusmao Cardoso
([email protected])
22-076- TRIAGEM COGNITIVA REALIZADA
EM UM PROGRAMA DE ATENDIMENTO À
SAÚDE
MENTAL
NA
INFÂNCIA
E
ADOLESCÊNCIA
Nascimento DF; Furlin V1; Beleroni NF1;
Gonçalves LTS1; Wanderley MR1; Azevedo
DAS1; Pereira APA1; Antoniuk SA1; Doria GMS1;
Elhker MN1; Bruck I1
1CENEP - Centro de Neuropediatria do Hospital
de Clínicas da Universidade Federal do
Paraná. – UFPR
INTRODUÇÃO: Os resultados dos estudos
epidemiológicos relatados por Cantwell (1999)
indicam a prevalência de psicopatologia
infantil clinicamente significativa em cerca de
22% da população. Em qualquer ponto no
tempo,
uma
em
cinco
crianças
e
adolescentes na população em geral tem um
transtorno
psiquiátrico
clinicamente
significativo. Tendo em vista o número
significativamente alto das psicopatologias
que afetam as crianças e os adolescentes, fazse necessário o trabalho preventivo com o
objetivo e reduzir riscos e danos na vida futura
de muitos cidadãos que são acometidos por
problemas de saúde mental. O trabalho,
portanto, vem contribuir com o diagnostico
diferencial entre Transtorno de Hiperatividade
e déficit de atenção e rebaixamento cognitivo
através da triagem cognitiva. OBJETIVO:
avaliar a importância da triagem cognitiva
para o diagnóstico diferencial em Saúde
Mental. MATERIAL E MÉTODOS: Foi analisado
através de uma triagem cognitiva, com
duração aproximada de duas horas, o perfil
neuropsicológico de 108 pacientes atendidos
no Centro de Neuropediatria do Hospital das
Clínicas da Universidade Federal do Paraná,
com idade entre 4 e 16 anos, ambos os sexos.
Foi avaliado o desempenho na escala Matrizes
Progressivas de Raven e os critérios de
desatenção e agitação psicomotora na
escala Vanderbilt- DSM IV-R. RESULTADOS:
Foram avaliados n=108 pacientes, com média
etária de 12a1m, 73,1% do sexo masculino e
26,9% do sexo feminino. Verificou-se que 44,4%
dessa amostra possui rebaixamento cognitivo
(sendo 25% com indício de deficiência
intelectual e 19,4% definidamente abaixo da
média na capacidade intelectual), 9,2%
preenchem critérios para desatenção, 7,4%
preenchem
critérios
para
agitação
psicomotora, 25,9% preenchem critérios para
TDAH do tipo combinado e 12,9% não
preencheram critério para desatenção e/ou
agitação psicomotora. Desses 12,9% que não
preencheram critério para desatenção e/ou
agitação psicomotora, 35,7% preenchem
critérios para Transtorno Desafiante Opositor e
64,2% para dificuldade de aprendizagem.
DISCUSSÃO: A importância da triagem
neuropsicológica no diagnóstico diferencial
entre o TDAH (do tipo desatento e/ou com
agitação psicomotora) e o rebaixamento
cognitivo, mostrou-se
fundamental, pois
conforme o estudo apresentado 44,4% dos
pacientes
apresentaram
rebaixamento
cognitivo. Este método mostrou-se eficaz por
ter baixo custo e pleitear com tempo reduzido
de avaliação, visto que a demanda do
hospital para a avaliação neuropsicológica é
grande, esse método possibilitou ampliar
significativamente o número de atendimentos.
Responsável pelo Envio:
Marjorie Wanderley
([email protected])
108
22-077MÉTODO
NEUROPSICOLÓGICO
PARA
UMA
ESTRUTURAÇÃO
MENTAL
EVOLUTIVA: CRIAÇÃO DO DOSSIER RAMAIN
PRÉ-F e DOSSIER RAMAIN DE MOVIMENTOS
Nassif MC1; Mazetto CTM2; Stefani Apl3;
Marchesan CR4; Werneck B5
1CARI clínica - Psicologia; 2Universidade de
São Paulo - Instituto de Psicologia; 3CARI clínica - Psicologia; 4CARI - clínica Pedagogia; 5Centro Pró-Auitsta Social –
Pedagogia
INTRODUÇÃO: A elaboração do Dossier Pré-F
apoia-se sobre a Metodologia Ramain, cujo
caráter transdisciplinar contempla referenciais
teóricos congruentes, como a noção de
integração dos sistemas cerebrais de Luria,
zona proximal de desenvolvimento de
Vygotski,
as
etapas
piagetianas
do
desenvolvimento cognitivo, as particularidades
neurodesenvolvimentais e neurofuncionais dos
Transtornos do Espectro do Autismo e as bases
fenomenológicas da empatia. Buscando
atender à necessidade de ampliar a
intervenção para além da situação individual,
em
um
contexto
de
intervenção
neuropsicológica, criou-se o Dossier em
questão, atendendo as características próprias
do Autismo. Este instrumento original tem um
olhar
multidimensional
sobre
o
desenvolvimento, a função neurológica e os
aspectos sociais, sendo estruturado para
intervenção em grupo, objetivando estimular o
processo global de adaptação psíquica e
social. OBJETIVO: Apresentar um instrumento
original
de
enfoque
multidimensional,
desenvolvimental, neurofuncional e sócioambiental estruturado especificamente para a
intervenção grupal, visando impulsionar o
processo global de adaptação psicossocial
dos portadores de autismo e patologias
associadas. MATERIAIS E MÉTODO: A criação
deste Dossier esteve baseada no estudo
teórico da estrutura dos diversos Dossiers do
Método Ramain, além de experiências piloto
com uma versão preliminar, a partir da qual
criou-se a edição atual. O Pré-F destina-se a
pessoas de todas as idades, mas com uma
deficiência
ou
distúrbio
do
neurodesenvolvimento, e inclui em especial
crianças cuja idade de desenvolvimento
corresponde ao período de desenvolvimento
cognitivo e sócio-emocional de três a seis
anos. Esta programação pode ser utilizada em
pequenos grupos de 3 a 4 crianças.
RESULTADOS E CONCLUSÃO: O Dossier
estrutura-se através da vivência de situações
baseadas em exercícios cognitivos, corporais,
e os de contexto e ação, abrangendo os
aspectos: intelectual, motor, comunicação e
linguagem, emoção e cognição social. A
programação dos exercícios, em séries,
encontra-se
distribuída
em
patamares
sucessivos com a intenção de provocar lenta e
progressivamente
uma
evolução
na
estruturação
mental.
A
programação
contempla
especialmente
os
aspectos
sucessivos do período sensório-motor, que
antecedem o período pré-operatório, sendo
este último o foco mais direto deste Dossier. Os
exercícios foram criados de modo a mobilizar
as estruturas neuropsicológicas subjacentes,
buscando integrá-las de um ponto de vista
funcional. Além disso, dadas as características
desta etapa de desenvolvimento, exploração
da linguagem estende de maneira privilegiada
sobre todas as propostas envolvendo em
grande parte, aspectos da recepção, a
simbolização, a expressão e a comunicação e
a dinâmica interativa do grupo agrega valor
para a evolução desses recursos.
Apoio Financeiro: Não houve
Responsável pelo Envio:
Camilla Teresa Martini Mazetto
([email protected])
22-078- DA AVALIAÇÃO INTERDISCIPLINAR
À DEFINIÇÃO DE PLANO DE REABILITAÇÃO
HOLÍSTICA: EXPERIÊNCIAS COM CRIANÇAS
COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL
Freitas TG1
1Centro Paulista de Neuropsicologia (CPN) Núcleo de Atendimento Neuropsicológico
Infantil Interdisciplinar (NANI)
Este estudo visa descrever um modelo de
definição de planos de reabilitação holística
em casos de deficiência intelectual adotado
pelo Ambulatório de Genética do Núcleo de
Atendimento
Neuropsicológico
Infantil
109
Interdisciplinar (NANI) - um setor do Centro
Paulista de Neuropsicologia (CPN). Como
unidade da área infantil voltada ao
atendimento de pacientes pediátricos com
desvios no funcionamento cognitivo e
comportamental decorrentes de condições
genéticas específicas, o Ambulatório atua de
forma a avaliar, interdisciplinarmente, aspectos
neuropsicológicos e de funcionalidade da
criança ou adolescente, visando contribuir
para
a
definição
de
fenótipos
comportamentais e de metas de reabilitação
holística. Para isso, conta com uma equipe
formada
por
neuropsicólogos,
médica
geneticista,
psicopedagoga,
terapeuta
ocupacional e fonoaudiólogas. O modelo de
abordagem dos pacientes é constituído da
seguinte forma: primeiramente o paciente
passa pelas avaliações interdisciplinares,
enquanto o seu responsável responde à
anamnese e à escalas de avaliação
comportamental. Feita essa parte é marcada
uma discussão de caso com todos os
profissionais, que o avaliam com base na
Classificação Internacional de Funcionalidade
e Incapacidade (CIF), preenchendo um
organograma padrão de raciocínio clínico. Em
seguida preenche-se uma tabela onde são
listadas as queixas do paciente, a meta para
solucionar cada queixa, a hipótese de
explicação respectiva e as estratégias
sugeridas para alcançar a meta determinada.
Por fim, passa-se para a etapa da construção
do relatório e posterior entrevista devolutiva.
Apoio Financeiro: Associação Fundo de
Incentivo à Pesquisa – AFIP.
Responsável pelo Envio:
Tatiana Goes Freitas
([email protected])
22-079- APRESENTAÇÃO DO PROTOCOLO
DE DIAGNÓSTICO DA NEUROPSICOLOGIA
NO AMBULATÓRIO DA APAE DE SÃO PAULO
(APAE)
Quaranta T1; Shayer B2; Christofolli D1
1APAE de São Paulo - Ambulatório; 2APAE de
São Paulo - Consultora do Ambulatório
(jan/2011 - ago/2012)
INTRODUÇÃO: O diagnóstico de deficiência
intelectual (DI) é realizado pela Instituição
desde 1967. Em 2011, o Ambulatório passou
por reestruturação administrativa e técnica. Os
novos protocolos foram desenvolvidos com
base em critérios internacionais aceitos para
diagnóstico da DI, sobretudo os descritos pela
AAIDD, DSM-IV e CID-10. A DI é caracterizada
por um funcionamento intelectual inferior à
média, associado à limitações adaptativas em
pelo menos duas habilidades, que ocorrem
antes dos 18 anos. Quase sempre é resultado
de uma alteração no desempenho cerebral,
provocada por fatores genéticos, distúrbios na
gestação e/ou problemas no parto ou na vida
após nascimento. OBJETIVO: Apresentar o
protocolo para o diagnóstico da DI elaborado
e utilizado atualmente pela equipe de
Neuropsicologia. MÉTODO: Descrever os
protocolos
através
da
exposição
dos
procedimentos e do fluxo utilizados pela
equipe para o diagnóstico de DI. RESULTADOS:
Foi definido pela equipe que a missão do
Ambulatório
seria
atuar
no
processo
diagnóstico identificando a presença ou
ausência de DI, possibilitando à elegibilidade
para
serviços
internos
de
habilitação,
recebimento de benefícios governamentais e
proteção legal. Para tanto, a equipe de
neuropsicologia primeiramente
avalia o
funcionamento intelectual, utilizando-se dos
seguintes
instrumentos:
WISC-III,
WAIS-III,
Matrizes Progressivas de Raven e/ou Columbia,
de acordo com a idade e/ou necessidade do
caso. Para padronizar a avaliação do
comportamento adaptativo são utilizados os
estímulos do Adaptive Behavior Assessment
System - Second Edition (ABAS II) e as respostas
são analisadas qualitativamente no contexto
clínico. Posteriormente, é desenvolvida uma
impressão clínica sobre o funcionamento dos
indivíduos com base em conhecimento
teórico-técnico na experiência profissional e é
realizada uma discussão multidisciplinar,
contribuindo
com
o
fechamento
do
diagnóstico. Em seguida, o atendido é
encaminhado para investigação etiológica da
DI mediante consultas com as especialidades
de Neurologia, Genética e Psiquiatria, de
acordo com as especificidades do caso. Os
atendidos que apresentam comprometimento
110
significativo dos recursos verbais e não
recebem o diagnóstico de DI podem ser
encaminhados
para
avaliação
fonoaudiológica a fim de investigar alterações
de processamento auditivo e/ou linguagem.
CONCLUSÃO:
O
protocolo
atual
da
Neuropsicologia tem atendido as expectativas
da
organização
quanto
ao
processo
diagnóstico
da
deficiência
intelectual,
contribuindo também para o diagnóstico
diferencial e facilitando o encaminhamento
para outros centros de avaliação e
intervenção.
Responsável pelo Envio:
Thais Quaranta
([email protected])
22-080- TREINO DAS HABILIDADES SOCIAIS
Rodrigues Camila Luisi1; Folquitto CTF1
1HC FMUSP – IPQ
As habilidades sociais são os comportamentos
existentes no repertório do indivíduo que
compõem um desempenho socialmente
competente. Muitas vezes, a pessoa possui em
seu repertório, mas não as utiliza, por alguma
razão como: ansiedade, crenças errôneas ou
dificuldade na leitura do ambiente. A
realização de um trabalho psicológico focado
para o treinamento das habilidades sociais em
crianças e adolescentes é importante para
melhorar a qualidade de vida, em especial
quando há um transtorno psiquiátrico. Ao
conseguir entender melhor seus sentimentos e
desejos,
a
criança
pode
também
compreender os sentimentos e desejos do
outro, fazendo uma melhor leitura das
situações sociais que assim permite um melhor
relacionamento com os demais. Sendo assim,
o objetivo desse estudo foi elaborar um
programa de treinamento das habilidades
sociais para crianças e adolescentes que
apresentavam dificuldades em relacionar em
grupo. Para isso, foram elaboradas 10 sessões
semanais com duração de uma hora que já
estavam
sendo
acompanhadas
individualmente em psicoterapia. Participaram
desse grupo nove crianças (a idade média foi
de 10,3 anos). Os pais participaram de duas
sessões de orientação para o esclarecimento
sobre
os
objetivos
do
programa
e
responderam a dois questionários(CBCL e o de
Habilidades Sociais). Os participantes também
responderam a um questionário elaborado
com perguntas abertas. Durante os encontros,
foram utilizados jogos, com o objetivo de
integrar o grupo e treinar as habilidades sociais
(entre elas: iniciar uma conversa, trabalhar em
conjunto,
pedir
desculpas,
expressar
sentimentos, entre outras). Um dos recursos
utilizado foi um jogo criado pelas autoras
especificamente para o treino das habilidades
sociais. Esse jogo aborda situações problemas
nos diversos contextos sociais (casa, escola,
parque), assim como o treino das emoções por
meio de dados com expressões faciais. No
início do programa, os pais avaliaram o grau
de habilidades sociais de seus filhos através de
um questionário de habilidades sociais, tendo
a média de resultado do grupo 38,2 pontos,
este resultado demonstrava dificuldade geral
nas habilidades sociais. Durante as sessões, o
jogo de habilidades sociais foi um importante
recurso para treino dessas habilidades e por
meio dele, os participantes puderam vivenciar
situações da vida real e trocaram experiências
pessoais sobre seus próprios comportamentos
de uma forma lúdica e espontânea. Alguns
pais relataram que na metade do programa
perceberam
algumas
mudanças
de
comportamento em seus filhos, como uma
melhora: na capacidade de expressar as suas
opiniões e sentimentos, na auto-estima, na
timidez, na autoconfiança e falar em público.
Percebemos que por meio de um treinamento
de
habilidades
sociais,
crianças
e
adolescentes podem se beneficiar e aprender
novas maneiras de se colocar no meio social,
aumentando
as
suas
competências,
interagindo melhor com o grupo, de uma
forma mais assertiva e saudável.
Responsável pelo Envio:
Camila Luisi Rodrigues
([email protected])
22-081- RECONHECIMENTO DE EXPRESSÃO
DE ALEGRIA EM FACE MASCULINA E
FEMININA NOS HEMICAMPOS VISUAIS
DIREITO E ESQUERDO
Kusano ME1; Fukusima SS2
111
1Universidade
de
Sao
Paulo/
Rp
Psicobiologia; 2Universidade de Sao Paulo / Rp
– Psicologia
Supõe-se que o processo de reconhecimento
de expressões faciais ocorre de maneira
diferente em homens e mulheres, destros e
canhotos e até mesmo segundo a valência da
emoção.
Para
explicar
esse
processo
ressaltam-se ao menos duas teorias: a Teoria
do Hemisfério Direito e a Hipótese das
Valências. A primeira sugere a superioridade
do hemisfério cerebral direito em todos os
processos emotivos, enquanto que a segunda
supõe que o hemisfério direito processa com
prioridade as emoções negativas e o esquerdo
as emoções positivas. Contudo, evidências
para as duas teorias ainda são controversas ao
considerar envolvimento de diferentes fatores.
Ao considerar essas observações, esta
pesquisa teve como objetivo investigar o
reconhecimento de faces alegres, masculina e
feminina, apresentadas no hemicampo visual
direito e esquerdo de homens e mulheres.
Participaram 8 mulheres e 7 homens,
voluntários adultos, destros e com acuidade
visual normal ou superior; cuja tarefa foi
reconhecer por escolha forçada a face que
expressava mais alegria entre duas faces
expostas
sucessivamente
em
um
dos
hemicampos visuais. Cada par de faces era
composto por uma face neutra e por uma
face emotiva que expressava certo grau de
alegria. O grau de alegria da face podia variar
de 0 (expressão neutra) a 100%, com passos de
20%, obtido por técnica computacional
gráfica chamada morphing. As faces, em
preto e branco, podiam ser de um homem ou
de uma mulher e a exposição de cada uma
delas foi de 150ms seguida de mascaramento
de ruído visual aleatório. Foram coletadas as
frequências
de
respostas
corretas
no
hemicampo visual direito e esquerdo, de
modo que se pudessem estimar, em função do
nível de morphing das faces emotivas, curvas
psicométricas ajustadas a curvas acumuladas
normais
pelo
método
de
máxima
verossimilhança. Os indicadores de ponto
central das curvas psicométricas são foram
afetados pelo sexo dos observadores e pelos
hemicampos visuais. Porém, houve diferença
entre os pontos centrais das curvas
psicométricas para reconhecer as faces
emotivas, masculina e feminina, sugerindo que
peculiaridades faciais podem afetar o padrão
de reconhecimento de faces emocionais.
Apoio Financeiro: Capes
Responsável pelo Envio:
Maria Elisa Kusano
([email protected])
22-082- UTILIZAÇÃO DO READING THE MIND
IN THE EYES TEST (EYES TEST) – REVISED
VERSION (BARON COHEN, 2001) NA
INVESTIGAÇÃO DE HABILIDADES “TEORIA
DA
MENTE”
EM
TRANSTORNOS
PSIQUIATRICOS: UMA REVISÃO
Menezes CE1; Coutinho AC2; Araujo DP1;
Cristino ED3; Souza M F4; Correia MP5
1Universidade Federal do Ceara - Fisiologia e
Farmacologia; 2Hospital Geral de Fortaleza Neurocogniçao; 3Universidade Federal do
Ceara - Psicologia; 4Universidade de Fortaleza
- Fisiologia e Farmacologia; 5
A Teoria da Mente (ToM) refere-se ao
subconjunto de cognição social que descreve
especificamente a capacidade de raciocinar
sobre os estados mentais de outras pessoas. A
ToM, atualmente, apresenta duas subdivisões:
um componente cognitivo e um afetivo. Em
uma visão mais complexa, envolve a
interpretação de estados emocionais e a
tomada de decições com base neste
reconhecimento empático do “outro”. Nos
indivíduos com transtornos psiquiatricos há um
déficit
funcional
das
habilidades
de
sensopercepção de “si” e do “outro”. Em
virtude disso, muitas pesquisas buscam
entender como esses transtornos afetam o
reconhecimento de alterações emocionais em
si próprios, e em outras pessoas. Cognição
social pode ser estudado quantitativamente
através do teste da leitura dos olhos (Reading
the Mind in the Eyes test), para avaliar a
compreensão que se tem de determinadas
situações e emoções. Gostariamos de
apresentar e relatar a utilização percentual do
teste leitura dos olhos em diferentes transtornos
psiquiatricos em periódicos científicos. Foi
realizada uma pesquisa bibliográfica via
112
internet, utilizando programas de pesquisa
científica (Pubmed e Lilacs), além de pesquisa
e livros relacionados ao assunto, nos últimos 10
anos até Setembro de 2013. Utilizando como
palavras chaves: Eyes Test, Reading the Mind in
the Eyes test, Theory of Mind, Social Cognition e
Psychiatry. Cinquenta e três artigos foram
selecionados. Vinte e quatro estavam
relacionados com a avaliação de pacientes
esquizofrênicos (45,3%), oito tratavam de
alterações em pacientes com depressão
(15%), sete em bipolares (13,3%), cinco
referentes a alterações no transtorno do
desenvolvimento autista (9,5%) , cinco
avaliaram indivíduos com transtorno do déficit
de atenção e hiperatividade (TDAH) (9,5%),
dois estudaram alterações em indivíduos com
transtorno de personalidade (3,7%) e dois
artigos utilizaram o teste em usuários abusivos
de substâncias psicoativas (3,7%). O teste
leitura dos olhos tem se revelado como um
importante instrumento psicométrico, para
estudos sobre a compreensão da empática
em diversos transtornos psiquiatricos.
Apoio Financeiro: Funcap
Responsável pelo Envio:
Carlos Eduardo de Souza Menezes
([email protected])
22-083ESTUDO
SOBRE
O
DESENVOLVIMENTO
DA
PERCEPÇÃO
EMPÁTICA
E
DO
COMPORTAMENTO
IMPULSIVO EM ALUNOS DE GRADUAÇÃO.
Menezes CE1; Coutinho AC2; Araujo DP1;
Rodrigues FT1; Souza M F3; Cristino ED4
1Universidade Federal do Ceara - Fisiologia e
Farmacologia; 2Hospital Geral de Fortaleza Neurocogniçao; 3Universidade de Fortaleza Fisiologia e Farmacologia; 4Universidade
Federal do Ceara – Psicologia
A experiência universitária, atualmente vivida
por muitos jovens brasileiros devido ao
investimento no acesso às faculdades e
universidades, tem se mostrado importante no
desenvolvimento de habilidades cognitivas,
afetivas e comportamentais. Nesse sentido, o
presente estudo tem como objetivo avaliar o
desenvolvimento dos construtos empatia e
impulsividade
em
duas
amostras
de
universitários. A primeira é composta por 95
estudantes dos semestres iniciais dos cursos de
Psicologia, Enfermagem, Medicina . Já a
segunda é composta por 90 estudantes desses
mesmo cursos, mas em semestres mais
avançados ou com graduação recente. Foi
utilizada a pontuação de alunos do curso da
Arquitetura como grupo de controle negativo
da aquisição das habilidades sociais durante a
formação acadêmica. Ambas as amostras são
formadas por estudantes da cidade de
Fortaleza. Dessa forma, busca-se avaliar se os
construtos citados tendem a sofrer alguma
alteração no decorrer do processo de
graduação. Os instrumentos utilizados para
avaliar empatia e habilidades da Teoria da
Mente foi o Interpersonal Reactivity Index de
Davis (1983), e o Reading Mind in the Eyes test
(Baron e
Cohen, 2001) Para
avaliar
impulsividade, foi usada a Barratt Impulsiveness
Scale (BIS-11) de Barrat (1959) . Os resultados
demonstraram que não houve diferenças
significativas nos índices globais de empatia e
impulsividade entre alunos do mesmo curso de
Enfermagem e Medicina. Entretanto os escores
de impulsividade total dos alunos terminais e
graduados em Psicologia (64,68 ±1,97) foram
significativamente maiores do que os alunos
dos semestres iniciais ((58,84 ±1,80). Esse
escorre global referente ao curso de Psicologia
foi reflexo da análise dos escores da subescala de Barrat, impulsividade por não
planejamento,
os
alunos
terminais
ou
graduados
de
Psicologia
(26,16±0,799)
apresentaram
escorres
significativamente
maiores nessa sub-escala do que os alunos
iniciais (23,56±0,56). Além disso no eyes test, os
alunos
terminais (10,68±0,54) do curso
Psicologia apresentaram número de erros
significativamente maior do que os iniciais (8,6
±0,53). Conclui-se que a relação inversa de
empatia e impulsividade no desenvolvimento
de habilidade sociais prevaleceu como a
principal alteração observado nos grupos
estudados
Apoio Financeiro: Apoio Financeiro: FUNCAP
Responsável pelo Envio:
Carlos Eduardo de Souza Menezes
([email protected])
113
22-084- A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO
NÃO VERBAL NA PERCEPÇÃO DA MENTIRA
Matias DWS1; Leime JL1; Pordeus LCM2; Alves
NT3
1Universidade
Federal
da
Paraíba
Departamento de Psicologia; 2Universidade
Federal da Paraíba - Departamento de
Fisiologia e Patologia; 3UFPB – Psicologia
A comunicação envolve não apenas o que é
falado, mas também os gestos, expressões
faciais e corporais, postura, aparência física,
relação de distância entre os indivíduos e a
modulação da voz. Neste contexto, destacase o fenômeno da mentira, que envolve a
dissimulação de ideias, sentimentos e emoções
por meio da comunicação não-verbal. O
presente estudo foi realizado com o objetivo
de avaliar a percepção da mentira em
profissionais do área do Direito e de outras
áreas. Para isso, foram gravados oito vídeos,
com duração média de dois minutos cada, de
dois homens e duas mulheres que contaram
estórias verdadeira e falsas envolvendo as
emoções de tristeza e alegria. Em seguida, os
vídeos foram apresentados a 17 voluntários
com formação em Direito e 17 voluntários com
formação em outras áreas do conhecimento,
em sua maioria Psicologia, seguido por
Medicina e Enfermagem. Os participantes
analisaram
as
estórias
gravadas
e
responderam a um questionário com 10 itens,
avaliando diferentes fatores como expressão
facial, tom de voz, emoção e empolgação.
Para a analise de dados foi realizado um teste
de Fischer no Software GraphPad Prism v.6.01,
que demonstrou melhor desempenho dos
profissionais do Direito (51% de acerto) em
comparação às demais áreas (44% de acerto).
Através do teste de correlação entre os itens,
verificou-se que os profissionais de outras áreas
tiveram mais acertos baseando-se na
observação de itens como “emoção”,
“empolgação” e “expressão facial”, enquanto
os profissionais do Direito tiveram maior sucesso
observando os itens “sequência cronológica
da estória” e “consistência da estória” (p <
0,05). Os resultados obtidos demonstraram que
apesar de terem sido encontrados melhores
índices de acerto nos profissionais do Direito,
ambos os grupos apresentaram baixo
desempenho na detecção da mentira. Isso
sugere que pistas emocionais podem dificultar
a identificação da mentira e contribuir para
tornar a história plausível.
Palavras-chave: comunicação não verbal,
mentira, dissimulação, comportamento.
Responsável pelo Envio:
Danilo Wagner de Souza Matias
([email protected])
22-085- IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DA
MENTIRA ATRAVÉS DA OBSERVAÇÃO DO
COMPORTAMENTO
Matias DWS1; Leime JL1; Pordeus LCM2; Alves
NT1
1Universidade
Federal
da
Paraíba
Departamento de Psicologia; 2Universidade
Federal da Paraíba - Departamento de
Fisiologia e Patologia
Na presente revisão foram levantados os
conceitos mais recentes a respeito da
percepção da mentira por meio da
observação da conduta, assim como os
fundamentos neurobiológicos e cognitivos do
comportamento mentiroso. Neste contexto,
verificou-se a importância do conhecimento
das técnicas de percepção da mentira no
ambiente jurídico-criminal e sua contribuição
para a qualificação dos profissionais que lidam
com o tema. No Brasil foram encontrados
apenas dois estudos sobre a percepção da
mentira, revelando que pesquisas na temática
ainda são escassas no país e que
investigações mais amplas são necessárias.
Considerando a diversidade cultural brasileira,
é possível pensar em estudos que abordem
como a mentira é contada e percebida no
país, especialmente por profissionais como
policiais, políticos, juízes e advogados, que
lidam diariamente com este tema.
Palavras-chave:
Mentira,
percepção,
comunicação, comportamento.
Responsável pelo Envio:
Danilo Wagner de Souza Matias
([email protected])
22-086- NA ALEGRIA E NA TRISTEZA, NÃO
COM RAIVA OU MEDO: EFEITOS DAS
114
DIFERENTES
EMOÇÕES
COMPATIBILIDADE ESPACIAL
SOBRE
A
De Carvalho LF1; Alves NT2; Gawryszewski LG3
1Universidade
Federal
Fluminense
Departamento de Neurobiologia; 2UFPB Psicologia; 3Universidade Federal Fluminense Ppg Em Neurociencias
A emoção influencia a tomada de decisão via
mecanismos
voluntários
e
automáticos.
Investigamos se a valência afetiva (positiva ou
negativa) de uma face emocional modula o
efeito de compatibilidade espacial (relação
espacial entre os lados do estímulo e da
resposta) realizando 3 experimentos com os
pares das faces: 1- Alegre e com Raiva; 2Alegre e com Medo e 3- Alegre e Triste. Em
todos os experimentos, no primeiro bloco,
metade dos voluntários foi orientada a
pressionar a tecla localizada no mesmo lado
do campo em que aparece a face Alegre
(valência positiva na condição compatível) e
a tecla do lado oposto quando aparece a
outra face (valência negativa na condição
incompatível). Em seguida, realizavam o
segundo bloco no qual a resposta era
incompatível para a face Alegre e compatível
para a face com valência negativa (Raiva,
Medo ou Tristeza). A outra metade dos
voluntários realizava os testes na ordem
inversa. Os três experimentos foram realizados
em uma sessão, na qual cada bloco com 120
testes era precedido por um treino com 24
testes. Para cada experimento, as médias dos
Tempos de reação manual (TRM) corretos
foram submetidas a uma ANOVA com os
fatores: Emoção (positiva/negativa), Campo
(esquerdo/direito) e Tecla (esquerda/direita).
Nos experimentos com os pares Alegria/Raiva
e Alegria/Medo houve uma interação
significativa entre os três fatores: F1,27=4,224;
p<0,050, para Alegria/Raiva; F1,27=8,459;
p=0,007, para Alegria/Medo). Os TRMs na
condição compatível foram 609ms para
Alegria e 661ms para Raiva e na condição
incompatível, 640ms e 632ms para Alegria e
Raiva, respectivamente. Resultados similares
foram obtidos no par Alegria/Medo, sendo os
TRMs na condição compatível iguais a 736ms
para a Alegria e 813ms para o Medo e na
incompatível, 773ms para a Alegria e 724ms
para o Medo. Desta forma, observa-se que
nestes experimentos, os estímulos positivos
apresentaram
o
efeito
usual
de
compatibilidade espacial e os negativos, uma
inversão
da
compatibilidade.
Surpreendentemente, no experimento onde
utilizamos faces de Alegria e Tristeza, não
houve uma interação significativa entre os
fatores Emoção, Campo e Tecla [F1,23 = 0,445;
p = 0,512]. Neste caso, não ocorreu uma
inversão da compatibilidade espacial para a
face com emoção negativa, ou seja, tanto
para a Alegria como para a Tristeza, os TRMs
compatíveis foram menores do que os
incompatíveis.
Comparando
os
três
experimentos, pode-se concluir que não é a
valência negativa que provoca a inversão da
compatibilidade pois esta inversão não
ocorreu para a Tristeza. Assim, nossa hipótese é
que são as reações de aproximação e
afastamento provocadas pelas faces alegre
ou com Raiva ou Medo respectivamente, que
influenciam os efeitos de compatibilidade
espacial, tornando os TRM para as faces com
Raiva ou Medo nas condições compatíveis
mais
lentas
do
que
nas
condições
incompatíveis.
Apoio
Financeiro:
CNPq,
FAPERJ, CAPES, PIBIC-UFFq/CNPq, PROPPi-UFF
Responsável pelo Envio:
Luana Ferreira de Carvalho
([email protected])
22-087- CONSTRUÇÕES COGNITIVAS NO
AUTISMO: CONTRIBUIÇÕES PIAGETIANAS
PARA
A
TERAPIA
DE
TROCA
E
DESENVOLVIMENTO (TED)
Mazetto CTM1; De Souza MTCC1
1Universidade de Sao Paulo - Instituto de
Psicologia
INTRODUÇÃO: O autismo é um dos mais graves
distúrbios do desenvolvimento infantil. Diversas
hipóteses etiológicas e propostas terapêuticas
foram criadas, partindo-se de concepções
psicodinâmicas bem como cognitivas e
comportamentais. Atualmente observa-se a
possibilidade de uma abordagem do autismo
apoiada na compreensão de que os padrões
de desenvolvimento atípicos destas crianças
115
seriam determinados por alterações primárias
no funcionamento neuropsicológico, que
afetariam os processos cognitivos e afetivos de
modo abrangente. Estudos atuais acerca do
processo de maturação cerebral indicam um
tratamento
particular
das
informações
sensoriais e igualmente das mensagens sociais,
como os gestos, as mímicas faciais, a palavra.
Piaget permite discutir esta abordagem
contemporânea a partir de uma teoria
clássica do desenvolvimento considerando-se:
os fatores necessários ao desenvolvimento, a
base biológica das estruturas cognitivas, os
níveis evolutivos do período sensório-motor e
da construção do real, a noção de inter-ação,
construção e coordenação dos esquemas.
Tais conceitos permitem criar hipóteses sobre
os processos interativos implicados no
desenvolvimento atípico, e compreender a
influência
das
possíveis
abordagens
terapêuticas sobre estes processos, tais como
a Terapia de Troca e de Desenvolvimento
(Thérapie d’Échange et de Développement TED, no original francês), criada nos últimos
trinta anos no serviço de psiquiatria infantil da
Universidade de Tours, na França, a partir de
uma
compreensão
neurofisiológica
e
desenvolvimentista do autismo. Ela conjuga
um enquadre e intervenções particulares,
enriquecendo as possibilidades de interação
da criança autista, e reorganizando o
funcionamento neurológico e cognitivo, base
dos processos de troca com o ambiente e
com o outro. OBJETIVO: Articular a teoria
piagetiana à proposta metodológica da TED,
refletindo sobre as construções cognitivas e os
processos evolutivos alterados no autismo.
MATERIAIS E MÉTODO: Para tanto, apresenta
(a) uma breve introdução dos estudos
anteriores ligados ao presente trabalho, (b) os
principais constructos piagetianos sobre o
desenvolvimento
que
permitem
uma
articulação com a TED, (c) uma apresentação
preliminar da TED, incluindo-se seus princípios
organizadores e sua técnica própria, para
finalmente passar à (d) uma articulação
teórica entre os conceitos piagetianos
apresentados e a TED, baseada na
apresentação
de
vinhetas
clínicas.
RESULTADOS E CONCLUSÕES: Os resultados
apontaram para uma relação possível entre
alguns dos conceitos mais centrais à teoria
piagetiana e a proposta da TED, confirmando
a hipótese de uma articulação possível entre a
compreensão de desenvolvimento proposta
por Piaget e os processos implicados no
trabalho
com
crianças
autistas,
compreendidos a partir da Terapia de Troca e
Desenvolvimento (TED).
Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Camilla Teresa Martini Mazetto
([email protected])
22-088UMA
TERCEIRA
VIA
DE
INTERVENÇÃO PARA OS TRANSTORNOS DO
ESPECTRO DO AUTISMO
Nassif Mc1; Mazetto CTM2; Stefani Apl3;
Marchesan CR4; Werneck B5; Domingues WM6
1CARI clínica - Psicologia; 2Universidade de
Sao Paulo - Instituto de Psicologia; 3CARI clínica - Psicologia; 4CARI - clínica Pedagogia; 5Centro Pró-Auitsta Social Pedagogia; 6Centro Pró-Auitsta Social –
Neurologia
INTRODUÇÃO: A etiologia do autismo passou
por diferentes considerações, com inúmeros
modelos de intervenção, estabelecendo-se
basicamente dois: os de base psicodinâmica e
os de base comportamental. Atualmente,
modelos
teóricos
da
psicologia,
neuropsicologia e da neurobiologia trazem
uma nova compreensão das particularidades
de funcionamento e desenvolvimento dessas
crianças. Cada modelo teórico trouxe
métodos de avaliação e intervenção, mas
poucos contam com evidências científicas
que comprovem suas hipóteses ou a influência
positiva de sua intervenção. Atualmente, uma
terceira
via
se
oferece
como
uma
possibilidade
efetiva,
com
evidências
científicas, baseada nas interpretações de
base fisiológica. Dessas pesquisas surgiram
técnicas terapêuticas originais: a Thérapie
d’Échange et de Développement (TED)
estimula as funções deficientes, mobiliza a
atividade dos sistemas integrativos cerebrais
realizando assim a reeducação das funções. A
TED apoia-se nas funções neuropsicológicas e
nos princípios da aquisição livre, do papel
116
fisiológico da motricidade e da imitação livre.
OBJETIVO: Apresentar a proposta de uma
abordagem que se constitui como uma
terceira
via
de
compreensão
e,
especialmente, de intervenção no campo do
Autismo, aprofundando-se e ampliando-se a
proposta originalmente francesa para uma
intervenção
desenvolvimental
e
neurofisiológica, incluindo além da TED a
proposta do Dossier Pré-F do Método Ramain,
e o programa de orientação sistemática de
pais. MATERIAL E MÉTODO: Este é um estudo
teórico. Baseando-se nas pesquisas evolutivas
de enfoque neurofuncional ligadas à TED,
buscou-se ampliar o modelo de intervenção
em contexto individual para atingir novas
etapas de desenvolvimento, através da
intervenção em pequenos grupos, criando um
processo de intervenção longitudinal e
abrangente. Valorizou-se uma intervenção
integrada e congruente aos princípios de base
neuropsicológica e relacional da TED, que
pudesse impulsionar de modo abrangente o
processo de adaptação psicossocial. Esta
intervenção, representada pelo Método
Neuropsicológico de Estruturação Mental
Evolutiva: Dossier Ramain Pré-F e Dossier de
Movimentos, integra com a TED e o Programa
Psicoeducativo para pais a proposta de
intervenção
apresentada
neste
estudo.
RESULTADOS E CONCLUSÕES: Consiste na
proposta de um programa estruturado de
intervenção no campo do Autismo, cuja base
é essencialmente neurofisiológica, mas que
integra aspectos abrangentes tais como a
reabilitação cognitiva e sócio-emocional da
criança, em contexto individual ou grupal, mas
também a orientação sistemática aos pais em
um programa semi-estruturado de ampliação
da
compreensão
das
dificuldades
e
particularidades
de
funcionamento
e
comportamento da criança autista, visando a
estimulação de seu desenvolvimento e a
qualidade de vida familiar, além da
orientação e troca com a escola e demais
ambientes próprios às atividades cotidianas da
criança.
Apoio Financeiro: Não houve
Responsável pelo Envio:
Camilla Teresa Martini Mazetto
([email protected])
22-089- TRAJETÓRIAS EVOLUTIVAS DE
CRIANÇAS
COM
TRANSTORNOS
DO
ESPECTRO DO AUTISMO: OS DOMÍNIOS
COGNITIVO E SÓCIO-EMOCIONAL EM UMA
PERSPECTIVA DESENVOLVIMENTAL
Mazetto CTM1; De Souza MTCC1; Adrien J-L2
1Universidade de Sao Paulo - Instituto de
Psicologia; 2Université Paris Descartes - Institut
de Psychologie et Processus de Santé
INTRODUÇÃO: Os Transtornos do Espectro do
Autismo refletem alterações neurológicas de
funções psicológicas globais desenvolvidas nos
primeiros anos de vida. O desenvolvimento
cognitivo e sócio-emocional típico tende a
uma construção hierárquica, relativamente
homogênea,
em
uma
equilibração
progressiva. No desenvolvimento atípico, há
uma heterogeneidade no desenvolvimento
das funções cognitivas e sociais, manifestada
por formas clínicas variadas, com trajetórias de
desenvolvimento incomuns. Mesmo em um
programa de intervenção individualizada,
essas crianças pode apresentar atrasos mais
ou menos significativos, estagnação ou
regressão em determinadas funções, com uma
perturbação fundamental da regulação da
atividade sensório-motora. Uma intervenção
desenvolvimental, como a Terapia de Troca e
Desenvolvimento (TED), pode facilitar a
emergência de certas funções cognitivas ou
sociais,
inicialmente
deficitárias.
Falta
atualmente
descrever
o
ritmo
e
as
características da evolução dessas áreas e do
desenvolvimento global, em relação com a
intensidade do transtorno. Estudos atuais
sugerem uma mudança global positiva e
diminuição
de
comportamentos
não
adaptados,
mas
manutenção
da
heterogeneidade dos perfis individuais e não
descrevem regularidades entre os diferentes
perfis.
OBJETIVO: Descrever
e
analisar
diferentes trajetórias clínicas de crianças com
autismo, em uma intervenção global com
sessões de TED, avaliando o desenvolvimento
em relação aos parâmetros clínicos iniciais,
pela análise da Bateria de Avaliação
Cognitiva e Sócio-Emocional (BECS), que
descreve o desenvolvimento cognitivo e sócio-
117
emocional nos diversos domínios avaliados.
MATERIAL E MÉTODO: O estudo foi realizado
em 18 meses com crianças autistas com
menos de quatro anos à avaliação inicial. As
avaliações foram realizadas com a BECS, a
cada seis meses: T0 ao início da terapia, T1
após seis meses, T2 após 12 meses e T3 após 18
meses do início da intervenção. RESULTADOS E
CONCLUSÕES: A avaliação dos casos permitiu
observar modificações qualitativas nos perfis
de cada criança durante esse período. Como
no desenvolvimento típico, as funções
psicológicas
se
desenvolvem
simultaneamente, por integrações mútuas,
recíprocas e contínuas, em decorrência das
ações e interações suscitadas pela terapia,
que mobiliza diversas funções. Em linhas gerais,
a análise qualitativa dos resultados revela os
efeitos desta abordagem desenvolvimental e
as
características
das
trajetórias
de
desenvolvimento de crianças com diferentes
perfis. Descreve-se uma regularidade das
aquisições, e ampliação dos níveis de
desenvolvimento potencial e consolidado em
áreas ligadas ao núcleo de alterações do
autismo. Considerando-se os perfis clínicos
individuais, observa-se uma tendência à
diminuição dos índices de heterogeneidade
de desenvolvimento, nos domínios avaliados.
Apoio Financeiro: Não houve
Responsável pelo Envio:
Camilla Teresa Martini Mazetto
([email protected])
22-090- UMA REVISÃO DE ESTUDOS
NEUROPSICOLÓGICOS DO TEMPO DE
REAÇÃO
NO
AUTISMO
DE
ALTO
FUNCIONAMENTO E NA SÍNDROME DE
ASPERGER
Silva CS1; Zachi EC2; Ventura DSF3
1Instituto de Psicologia da Universidade de Sao
Paulo
Departamento
de
Psicologia
Experimental; 2Instituto de Psicologia da Usp Departamento de Psicologia Experimental;
3Instituto
de
Psicologia
Psicologia
Esperimental
Objetivo: Revisar estudos neuropsicológicos
que tratem do tempo de reação de pacientes
com autismo e de pacientes com síndrome de
Asperger, a fim de comparar os resultados
obtidos para cada um dos transtornos.
Método: Há poucos estudos na literatura que
tratem diretamente do tempo de reação
relacionado ao autismo e à síndrome de
Asperger. Para embasar essa revisão, foram
encontrados quatro estudos, publicados entre
1998 e 2010, dos quais dois tratam do tempo
de reação apenas em autistas e dois
comparam resultados de pacientes com
autismo de alto funcionamento e de pacientes
com síndrome de Asperger. Para a busca de
artigos, foram utilizadas bases de dados como
a PsychINFO e a PubMed. Resultados: Os
resultados demonstraram lentificação do
tempo de reação para ambos os grupos. O
tempo de reação foi, em geral, maior para
esses grupos do que para grupos controle em
todos os estudos. Foi identificado, porém, que
o treino pode melhorar essa condição. Foram
encontradas diferenças qualitativas entre o
grupo do autismo de alto funcionamento e o
grupo da síndrome de Asperger. Enquanto o
primeiro mostrou atraso significante de
resposta em relação ao grupo controle, o
último apresentou apenas uma tendência nas
tarefas mais simples, realizando as complexas
com maior demanda cognitiva em tempo
similar ao do grupo controle. Discussão: As
diferenças
qualitativas
e
quantitativas
encontradas entre os grupos com relação ao
tempo de reação podem indicar diferentes
lesões neurológicas que podem associar-se a
sintomas para cada um dos grupos. A presente
análise corrobora a hipótese de autores que
consideram precipitada a proposta do DSM-V
de tratar o autismo de alto funcionamento e a
síndrome de Asperger como o mesmo
transtorno.
Apoio Financeiro: FAPESP
Responsável pelo Envio:
Carolina Souza e Silva
([email protected])
22-091- ANÁLISE DA CORRELAÇÃO ENTRE
MELATONINA, DISTÚRBIOS DO SONO E
CITOCINAS
INFLAMATÓRIAS
EM
TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO
(TEA)
Fadini CC1; Pinato L1
118
1Universidade Estadual Paulista - UNESP –
Fonoaudiologia
O Transtorno do espectro do autismo (TEA) é
um
conjunto
de
afecções
do
neurodesenvolvimento que comprometem a
interação social, a comunicação e o
comportamento. Na sintomatologia destacase a prevalência de distúrbios no ritmo sonovigília. Uma das possíveis causas está no
padrão anormal da produção de melatonina,
hormônio capaz de modular a qualidade do
sono. Além disso, este hormônio é controlado
por moléculas que sinalizam inflamação. O
presente estudo correlaciona o conteúdo de
aMT6s (metabólito da melatonina) a distúrbios
do sono e a citocina TNF em TEA. Participaram
do estudo 18 indivíduos com TEA (GP) e 18
indivíduos controles (GC), ambos os gêneros,
idade entre 4-18 anos (9,7 +/- 4,1). Foi utilizada
a escala de distúrbios do sono em crianças
(EDSC) e quantificações dos conteúdos de
aMT6s e da citocina TNF pela urina (72 horas) e
saliva (12 horas), respectivamente, pelo
método ELISA. Os resultados da EDSC mostram
que 44% dos indivíduos do GP apresentam
pelo menos um distúrbio do sono. O GP
apresentou os menores valores de conteúdos
de aMT6s. O conteúdo de TNF noturno esteve
maior para o GP quando comparado ao GC.
Houve correlação entre conteúdo de aMT6s e
presença de distúrbios do sono. Não foi
encontrada correlação entre o conteúdo de
aMT6s e o conteúdo de TNF. Os resultados
permitem concluir que os indivíduos do GP
apresentaram baixos níveis de aMT6s em
comparação ao GC, o que representa baixo
conteúdo de melatonina plasmática nesta
população, e que estes influenciaram nos
distúrbios do sono.
Apoio Financeiro: FAPESP
Responsável pelo Envio:
Cintia Cristina Fadini Knap Ribeiro
([email protected])
22-092- A INFLUÊNCAI DA PERCEPÇÃO
VISUAL ABSTRATA NA ADAPTAÇÃO SOCIAL
DE CRIANÇAS COM AUTISMO INFANTIL
Marteleto MRF1; Schoen TH2; Chiari BM3;
Perissinoto J3
1Universidade Nove de Julho - Departamento
de Psicologia; 2Universidade Federal de São
Paulo
Departamento
de
Pediatria;
3Universidade Federal de Sao Paulo Departamento de Fonoaudiologia
Para transformar informação sensorial em
percepções
significativas,
é
necessário
organizá-la e transformá-la no cérebro, com a
finalidade de perceber objetos como distintos
do seu ambiente tendo forma definida e
constante, e discernir sua distância e seu
movimento. Isso acontece conforme a
maturação cerebral e áreas específicas do
cérebro. A percepção visual abstrata conduz
a habilidades espaciais que se apresentam
como um pré-requisito para estimulação
ambiental diretamente, correlacionada à
inteligência fluida. O raciocínio abstrato visualespacial refere-se à habilidade para formar,
reter, recuperar e transformar imagens visuais.
Caracteriza-se pela habilidade de resolver
problemas compostos por símbolos abstratos.
A resolução de problemas visual-espaciais e a
percepção visual são apontadas como as
habilidades cognitivas específicas de maior
ênfase nas crianças com autismo. O autismo
infantil
também
é
caracterizado
por
dificuldades nas habilidades sociais, que
prejudicam os relacionamentos interpessoais,
sua autonomia e independência para realizar
tarefas de vida diária. Objetivo: O objetivo foi
deste estudo foi verificar a correlação entre o
desempenho visual-abstrato e a adaptação
social de crianças com autismo. Método: vinte
e seis crianças com diagnóstico de autismo
infantil, na faixa etária de 3 a 12 anos foram
avaliadas individualmente em dois momentos,
com diferença de um ano entre eles. Para
mensurar a habilidade visual abstrata foi
utilizada as provas de cubos e cópia do teste
de nível intelectual The Stanford-Binet
Intelligence Scale, 4ª Edição. Os responsáveis
pelas crianças foram entrevistados, também
em dois momentos. Para avaliar as habilidades
sociais e de vida diária foi utilizada a Vineland
Adaptive Behavior Scale. Para análise dos
resultados foi utilizada a Correlação de
Spearman. Resultados: A percepção visualabstrata apresentou correlação inversa com o
total da Vineland em todas as crianças deste
119
estudo, no decorrer de um ano (r = -0,44,
p=0,04). Em termos de desempenho médio no
teste, não houve aumento significativo entre as
médias dos dois momentos. Estes resultados
indicaram que, quanto maior o uso das
habilidades visuais espaciais, menor foi a
inserção social, independentemente do
momento de avaliação. Discussão: As crianças
podem ter tido dificuldade com a adaptação
social, porque percebem o mundo de uma
forma diferente, analisando e sintetizando
visualmente figuras geométricas, onde o
estímulo visual reforça o comportamento de
isolamento social. Conclusão: As habilidades
visuais abstratas, tão presentes em crianças
com autismo infantil, impedem sua inserção
social. Faz-se necessário outras estratégias de
intervenção que permitam introduzir atividades
que tenham a finalidade de desenvolver
outras habilidades cognitivas que possam
promover a inserção social destas crianças.
Responsável pelo Envio:
Teresa Helena Schoen Ferreira
([email protected])
22-093- DESENVOLVIMENTO DA ACUIDADE
VISUAL E SENSIBILIDADE AO CONTRASTE EM
RECÉM-NASCIDOS PEQUENOS PARA A
IDADE GESTACIONAL
França VCRM1; Hamer RD1; Diniz EMA2; Ibidi
SM3; Nishimura SMMR4; Ventura DSF1; Costa
MF1
1Universidade de São Paulo - Psicologia
Experimental; 2Universidade de São Paulo Pediatria; 3Hospital Universitário da USP Pediatria; 4Hospital Universitário da USP –
Enfermagem
Avaliar o desenvolvimento da Acuidade Visual
(AV) de resolução de grades e a Sensibilidade
ao Contraste (SC) de recém-nascidos de
termo pequenos para a idade gestacional
(PIG). Medimos a AV e a SC de 126 recémnascidos de termo com o potencial visual
evocado de varredura (PVEv). 73 recémnascidos nasceram com o peso adequado
para a idade gestacional (AIG - Média de
Idade = 11,3 ± 4,3 semanas) e 53 recémnascidos nasceram pequenos para a idade
gestacional (PIG - Média de Idade = 9,2± 3,8
semanas). O PVEv foi registrado com três
eletrodos ativos sobre a área occipital (O1, Oz
e O2) relacionados ao eletrodo de referência
no vertex. Utilizaram-se os estímulos de grades
senoidais verticais em reversão de fase em 6
Hz, gerados pelo sistema PowerDiva, com a
luminância média de 161 cd/m2. Para medir a
AV, o contraste de 80% era mantido fixo e a
freqüência espacial aumentava linearmente
em intervalos de 1 segundo, durante 10
segundos. Para avaliar a SC, a freqüência
espacial de 0,5 cpg era mantida fixa e o
contraste aumentava logaritmicamente em
intervalos de 1 segundo, durante 10 segundos.
Os resultados de ambas as funções visuais
foram baseados na média vetorial de pelo
menos três tentativas do PVEv. Analisou-se,
também, outros parâmetros do PVEv, tais
como a média do ruído e quatro medidas
supralimiares: amplitude máxima (Amáx),
razão sinal-ruído em Amáx (SNRmáx), fase em
Amáx (Fmáx) e a inclinação da reta do PVEv.
Considerou-se o canal que registrou a AV e a
SC mais alta com boa razão sinal-ruído
(SNR>3:1), fase constante e critério estatístico.
O teste Qui-quadrado mostrou que uma
proporção significativa de recém-nascidos PIG
menores de 9 semanas de idade apresentava
valores de AV e SC abaixo da média do grupo
AIG com o peso ao nascimento igual ou
acima do percentil 50 (P50). Além disso, para o
teste de AV, uma proporção significativa de
recém-nascidos PIG de 5 a 24 semanas de
idade apresentava valores de Amáx, ruído
médio e SNRmáx significativamente menores
que a média do grupo AIG (P50). A ANOVA
fatorial confirmou que a AV, SC, ruído médio e
todas as medidas supralimiares apresentaram
um desenvolvimento significativo, isto é, as
médias dos valores para os recém-nascidos
abaixo
de
10
semanas
de
idade,
apresentavam-se significativamente menores
do que as médias dos valores entre 10 e 24
semanas de idade. Além disso, a taxa de
desenvolvimento de Fmáx era semelhante
para os dois grupos. Concluiu-se que os recémnascidos de termo pequenos para a idade
gestacional
apresentaram
redução
na
acuidade visual de resolução de grades e na
sensibilidade ao contraste para frequência
espacial baixa, principalmente nos 2 primeiros
120
meses de vida quando as alterações foram
mais
evidentes.
Além
disso,
os
PIG
apresentaram redução no ruído médio e nas
amplitudes supralimiares durante os seis
primeiros meses de vida. Apoio Financeiro:
FAPESP
Responsável pelo Envio:
Valtenice de Cassia Rodrigues de Matos
França
([email protected])
22-094IMPACTO
DA
CATARATA
CONGÊNITA
NA
SENSIBILIDADE
AO
CONTRASTE ESPACIAL DE LUMINÂNCIA EM
CRIANÇAS
Martins CMG1; Costa MF1
1Universidade de São Paulo - Instituto de
Psicologia
A opacificação do cristalino presente ao
nascimento ou nos primeiros meses de vida é
denominada de Catarata Congênita (CC). As
primeiras semanas de vida são importantes no
desenvolvimento visual, já que há diferença
significativa no desempenho visual de crianças
que passaram pela cirurgia até seis semanas
de vida (com melhor desempenho visual) em
relação às crianças que realizaram a cirurgia
após seis semanas de vida. Crianças que
tiveram privação visual durante a primeira
infância por catarata bilateral apresentam
redução da visão espacial. O objetivo deste
trabalho foi verificar o impacto na Função de
Sensibilidade ao Contraste (FSC) em crianças
de
tratamento
cirúrgico
de
Catarata
Congênita,
durante
a
fase
de
desenvolvimento visual. Foram avaliados três
grupos: 11 crianças do grupo controle (média
idade =6,83; DP=1,38), 9 crianças do grupo CC
(média idade =6,87; DP=2,03) e 15 indivíduos
adultos (média idade =27,63; DP=4,16). Foi
utilizado o software Metropsis para avaliação
da sensibilidade ao contraste de luminância
de grade senoidal nas frequências espaciais
de 0,2 cpg; 0,5 cpg; 1,0 cpg; 2,0 cpg; 4,2 cpg e
8,9 cpg e luminância média de 34,4 cd/m².
Houve redução em toda a curva de
sensibilidade ao contraste (SC) do grupo CC
quando comparado ao grupo controle e não
houve relação entre o tempo de privação e a
redução da SC.
Apoio Financeiro: : CAPES
Responsável pelo Envio:
Cristiane Maria Gomes Martins
([email protected])
22-095- DESNUTRIÇÃO E SISTEMA VISUAL:
EFEITOS NUTRICIONAIS NA SENSIBILIDADE
AO CONTRASTE VISUAL
Neves JWJS1; Gomes FA1; Santos KMAF1;
Andrade MJO1; Santos NA1
1Universidade
Federal
da
Paraiba
Departamento de Psicologia
A desnutrição provoca sérias implicações
sensoriais
que
comprometem
o
desenvolvimento cognitivo e comportamental.
As informações que chegam ao córtex visual
primário são distribuídas para áreas visuais
posteriores, como: V2, V3, V4 e V5 (ou MT).
Estudos fornecem indícios para possíveis
alterações no desenvolvimento do contraste
cromático e acromático, sugerindo que a
desnutrição altera o funcionamento do sistema
visual humano. Parte das pesquisas que
envolvem métodos psicofísicos e função de
sensibilidade ao contraste (FSC) utilizam
estímulos de grades senoidais baseados em
que
esses
estímulos
possibilitam
o
mapeamento de áreas visuais, as quais
respondem
seletivamente
a
atributos
específicos da cena visual, o processamento
da informação se dá por uma circuitaria
neural em múltiplas áreas visuais no cérebro.
Desta forma, parte-se da hipótese que a
desnutrição pregressa interage de formas
diferentes com os mecanismos sensórios que
processam o contraste visual. Mediu-se a SC
de 20 crianças entre 5 e 10 anos de ambos os
sexos: 10 pregressas e 10 Controle. Todos
possuíam acuidade visual normal (20/20).
Foram utilizados estímulos visuais acromáticos
com modulação de grades senoidais verticais
e radiais de frequências espaciais de 0,25; 1,0;
2,0; 4,0; 8,0 cpg (ciclo por grau de ângulo
visual) e um estímulo neutro com padrão
homogêneo de luminância média (40,1
cd/m²). Os participantes deveriam escolher o
estímulo teste através do método psicofísico
121
da escolha forçada entre duas alternativas
espaciais. Os estímulos visuais foram gerados
em tons de cinza, no centro da tela do
monitor. Os limiares de contraste foram
transformados em sensibilidade ao contraste
(1/FSC) e a grande média foi utilizada para
traçar as curvas de FSC. Foi verificada a
normalidade dos dados em todas as
frequências espaciais testadas (K-S>0,05). Em
geral, as crianças apresentaram um padrão
em forma de U invertido da curva de
sensibilidade ao contraste, com pico de
sensibilidade em frequências espaciais médias
e atenuações em frequências espaciais baixas
e altas. Em relação ao estímulo de grade
senoidal vertical, os dados mostram que
crianças sem desnutrição apresentaram maior
sensibilidade nas frequências médias. A análise
de variância (ANOVA one way) apresentou
diferença significativa entre grupos e o teste
post-hoc demonstrou diferença significativa
nas frequências de 0,6 e 20 cpg. Quanto ao
estímulo grade radial a ANOVA também
apresentou diferença significativa entre os
grupos, a análise com teste post-hoc mostrou
diferença significativa nas frequências de 2,5 e
20cpg. Os resultados indicam que os
mecanismos que processam o contraste visual
diferem de acordo com o padrão de estímulo
apresentado, uma vez que, a grade senoidal
vertical é processada em áreas visuais
primárias e o estimulo de grade radial em
áreas visuais secundárias. Assim, ambos sofrem
efeitos causados pela desnutrição pregressa.
Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Jayston W. J. Soares Neves
([email protected])
22-096- FENÔMENO PERCEPTUAL COM
FACES E OBJETOS NA PERIFERIA: ILUSÃO DE
MÚLTIPLAS CONFIGURAÇÕES
Barros Silva JM1; Maranhao ACTCA1; Teixeira
FS1; Simas MLB1
1Universidade Federal de Pernambuco
Laboratório de Percepção Visual – LabVis
A ilusão de múltiplas configurações consiste na
observação de mudanças na configuração
de
imagens
complexas
quando
são
apresentadas na periferia do campo visual.
Caracterizam-se
pela
percepção
de
movimentos, mudanças na expressão facial e
alterações na forma, tais como novas faces/
objetos ou objetos sobrepondo a imagem
originalmente apresentada como estímulo. A
análise qualitativa teve como objetivo
investigar a fenomenologia da percepção de
Ilusão
de
Múltiplas
Configurações.
Participaram 81 voluntários (30 homens/ 51
mulheres), adultos (17 à 60 anos), com visão
normal ou corrigida, escolaridade acima de 12
anos de escolarização e sem transtornos
neuropsiquiátricos. Foram apresentados 12
estímulos contendo uma imagem e um ponto
de fixação no centro, 15 graus à direita ou 15
graus à esquerda, em ordem aleatória, em
notebook com tela 17”, durante 1 minuto.
Mantendo o olhar fixo no ponto de fixação, foi
solicitado que pressionassem a tecla 1 cada
vez
que
percebessem
movimento
ou
mudanças de expressão facial ou a tecla 2
para o surgimento de outra característica ou
outra imagem completa e posteriormente
foram questionados acerca das mudanças
percebidas. Observou-se que até 77% da
amostra percebeu a ilusão. A frequência de
observações por minuto variou entre os
sujeitos, sendo que a maior parte da
população apresentou de 1 à 10 observações
por minuto. Uma percentagem rara da
amostra
(>percentil
75%)
apresentou
desempenho superior a 100 observações por
minuto. A maior parte dos sujeitos relatou
eventos consistentes com movimentos locais
dos olhos e boca ou globais da face inteira
com ou sem uma expressão emocional. Os
movimentos
relatados
referem-se
a
movimentos "naturais" de uma face ou
movimentos de rotação tridimensional, mais
presentes nos objetos. As mudanças locais nas
faces referem-se a mudanças no formato da
boca, olhos, sobrancelhas e cabelo; nos
objetos, mudanças na parte inferior, como pés
e rodinhas da cadeira ou pára-choque e rodas
do carro e superior, como o surgimento de
encosto de outra cadeira e formato de parabrisas de outro carro. As mudanças globais
consistiram em mudanças de identidade da
face podendo ou não ser uma pessoa
conhecida e deformações como "uma face
122
monstruosa" ou de "desenho animado". Todos
os eventos foram mais freqüentes quando as
imagens foram posicionadas nas periferias. A
ilusão
é
mais
fortemente
percebida
perifericamente em todas as condições
experimentais. Concluiu-se que quanto maior o
grau de imprecisão do estímulo mais
freqüentemente ocorre a Ilusão de Múltiplas
Configurações, e por conseguinte, maior seria
o efeito preditivo baseado na memória. Já nas
imagens provenientes da periferia visual, o
mecanismo preditivo não poderia comparar os
arquivos mnemônicos selecionados com
informações mais detalhadas, implicando em
superposição top-down sobre a entrada
bottom-up observadas na Ilusão de Múltiplas
Configurações.
Apoio
Financeiro:
CNPq/FACEPE
Responsável pelo Envio:
Juliana Maria Barros Silva
([email protected])
22-097- MÁSCARA CÔNCAVA OBSERVADA
MONOCULARMENTE
SOB
DIFERENTES
CONDIÇÕES DE COR, ILUMINAÇÃO E
ORIENTAÇÃO, EM UMA CÂMARA ESCURA E
NO INTERIOR DE UMA CAIXA.
Quaglia MAC1; Bachetti LS2; Alves A1
1Universidade Federal de São João de-Rei Psicologia; 2Universidade Federal de São João
del-Rei – Psicologia
A ilusão da máscara côncava é um fenômeno
que se caracteriza pela percepção invertida
da profundidade de uma máscara que é
côncava, mas é percebida como convexa. Os
estímulos
sensoriais,
bottom-up,
são
sobrepostos pelos componentes cognitivos da
percepção visual, top-down, possibilitando a
ilusão. Esta ilusão ainda é pouco explorada na
literatura,
principalmente
quanto
ao
julgamento da percepção escalar e métrica
da profundidade ou relevo da máscara
côncava e à condição monocular de
observação. O objetivo desta pesquisa foi
comparar
a
inversão
monocular
da
profundidade e a percepção categórica e
métrica da profundidade ou relevo percebido
da máscara côncava de tamanho natural
com a de tamanho reduzido. Foram
apresentadas
máscaras
côncavas
monocromadas
e
policromadas,
respectivamente, em uma câmara e em uma
caixa experimental. Participaram do primeiro
experimento 40 estudantes da FFCLRP/USP, de
18 a 42 anos. As máscaras côncavas de
tamanho natural, 22 x 16 x 8cm, foram
alocadas em câmara escura a 140cm do visor
de observação monocular. No segundo
experimento, participaram 40 estudantes da
UFSJ, de 19 a 30 anos. As máscaras côncavas
reduzidas, 10 x 7 x 3cm foram posicionadas no
interior de uma caixa experimental de
dimensões 80 x 30 x 30m, e observadas
monocularmente através de um visor de
0,5mm. Todos possuíam acuidade visual de
6/6. As máscaras foram iluminadas por cima,
por baixo, pela esquerda, pela direita e na
posição invertida iluminada por baixo. Elas
foram julgadas como côncavas ou convexas,
atribuindo-se centímetros a este julgamento.
Também foram classificadas em uma escala
Likert de (1) extremamente côncava a (5)
extremamente convexa. A maioria dos
participantes realizou a inversão monocular da
profundidade e percebeu a máscara
côncava como convexa, em ambas as
condições
experimentais.
Não
houve
diferença significativa entre as atribuições
categóricas de concavidade e convexidade
à máscara côncava nas duas condições
experimentais, independente da cor, da
posição e da direção da fonte de iluminação
incidente (p>0,05). Não houve diferenças
significativas
entre
as
atribuições
em
centímetros para a profundidade ou relevo
percebido da máscara côncava na câmara e
na caixa experimental: F(4, 78)=0,44; p=0,51.
Entretanto,
observou-se
uma
interação
significativa entre os fatores câmara e caixa
experimental e a direção da fonte de
iluminação F(4, 78)=3,68; p=0,01: a máscara
côncava policromada de tamanho reduzido
iluminada por cima na caixa experimental
recebeu maiores estimativas métricas de
profundidade ou relevo do que a de tamanho
natural na câmara. Novas pesquisas precisam
ser realizadas para que estes resultados sejam
comparados. A ilusão da máscara côncava
mostrou-se robusta a despeito das diferentes
condições
experimentais.
Ressalta-se
a
123
preeminência dos processos top-down sobre
os bottom-up.
Responsável pelo Envio:
Livia da Silva Bachetti
([email protected])
22-098- PERCEPÇÃO MONOCULAR DA
PROFUNDIDADE OU RELEVO DA MÁSCARA
CÔNCAVA NA SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA
DO ÁLCOOL
Bachetti LS1; Quaglia MAC1
1Universidade Federal de São João del-Rei,
UFSJ – Psicologia
O abuso e a dependência do álcool são
alguns dos principais problemas de saúde
pública nacional e mundial. O prejuízo na
capacidade de realizar a inversão visual da
profundidade de objetos côncavos tem sido
investigado internacionalmente como um dos
efeitos do consumo abusivo do álcool. A
percepção de convexidade durante a
observação de objetos côncavos é uma ilusão
que demonstra a sobreposição dos processos
cognitivos, top-down, sobre os sensoriais,
bottom-up, em indivíduos saudáveis. Este
fenômeno pode ser ilustrado pela ilusão da
máscara
côncava,
caracterizada
pela
percepção invertida da profundidade de uma
face côncava, que é percebida como
convexa. Entretanto, estudos internacionais
encontraram que alcoolistas, durante a
Síndrome de Abstinência do Álcool (SAA),
apresentaram um déficit na sua capacidade
de
realizar
a
inversão
binocular
da
profundidade de objetos côncavos. Esses
resultados sugeririam um prejuízo no equilíbrio
entre os componentes perceptuais bottom-up
e top-down durante a SAA. Poucos estudos
investigaram esse fenômeno e alguns dos
resultados ainda são controversos. Além disto,
não existem pesquisas que investiguem a ilusão
na condição de observação monocular do
estímulo, durante a SAA. No presente estudo,
investigou-se a percepção monocular da
profundidade ou relevo de 16 indivíduos com
SAA moderada e 15 com SAA leve
comparativamente a 16 indivíduos saudáveis,
por meio da ilusão da máscara côncava. Os
participantes observaram monocularmente
uma face côncava de boneca dentro de uma
caixa fechada. A máscara foi iluminada por
cima e por baixo. Avaliou-se a capacidade de
percepção da ilusão da máscara côncava,
assim como a percepção da magnitude
categórica e métrica da mesma. Os resultados
demonstraram um prejuízo na capacidade de
perceber a ilusão pelos observadores com SAA
moderada, que, em sua maioria, classificaram
a
máscara
côncava
como
côncava
comparativamente ao grupo controle e ao
grupo com SAA leve. Os grupos controle e
com SAA leve realizaram a inversão monocular
da profundidade e perceberam a máscara
côncava
como
convexa.
Não
foram
observadas diferenças significativas entre os
grupos com relação à percepção métrica da
profundidade ou relevo da máscara côncava,
assim como não foram observadas influências
significativas da direção da fonte de
iluminação na percepção. Com o término da
SAA moderada, os indivíduos recuperaram sua
capacidade de perceber a ilusão da máscara
côncava. Os resultados apontam para a
importância da inversão monocular da
profundidade, em especial a ilusão da
máscara
côncava,
para
investigar
o
desequilíbrio entre os processos bottom-up e
top-down durante a SAA. Apoio Financeiro:
REUNI - Programa de Apoio a Planos de
Reestruturação e Expansão das Universidades
Federais.
Responsável pelo Envio:
Livia da Silva Bachetti
([email protected])
22-099- A PERCEPÇÃO VISUAL DA COR
INFLUÊNCIA A PERCEPÇÃO DO SABOR DE
SUCOS DE LARANJA
Alves D1; Nakaguma J1; Sobrinho J1; Leone
PH1; Consolo P1; Fukusima SS1
1Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de
Ribeirão Preto - Departamento de Psicologia
A percepção dos objetos no espaço depende
da integração de diferentes indícios sensoriais
que alcançam simultaneamente os vários
sistemas sensoriais. O mais conhecido exemplo
dessa experiência multissensorial decorre da
124
percepção e avaliação de comidas e
bebidas. Baseado nisso, o presente estudo
examinou a contribuição relativa da cor para
a avaliação do sabor de uma bebida. Trinta e
três voluntários (17 homens; 16 mulheres), em
boas condições de saúde, com idade média
de 26,21 anos (±8,30) participaram do estudo.
As amostras avaliadas foram compostas de
suco sabor laranja, preparados a partir de pó
para
suco
e
corantes
alimentares,
reconstituídos de acordo com instruções do
fabricante. Cada participante recebeu cinco
amostras de suco com cores diferentes
(vermelho, amarelo, verde, laranja e marrom),
para
serem
degustadas
e
analisadas
individualmente. Juntamente com as amostras
foi entregue uma escala visual analógica para
avalição do grau de sabor do suco. Ademais,
foi disponibilizado um copo com água para ser
consumido entre as amostras a fim de eliminar
a sensação da degustação anterior. As
pontuações de cada participante na escala
foram somadas, e agrupadas em função de
cada uma das cores do suco degustado.
Foram utilizados testes não paramétricos para
analisar a existência de diferença intergrupos e
intragrupos (p<0,05). O teste de Friedman
indicou diferenças significativas entre os
valores das pontuações das respostas entre as
cores dos sucos degustados (x²=35,158;
p=0,0001). O teste de Wilcoxon usado como
post hoc mostrou diferenças significativas entre
as cores: amarelo e marrom; amarelo e
vermelho; vermelho e laranja; laranja e
marrom; vermelho e marrom; verde e marrom
(ps=0,0001). Tais achados indicam que a cor
afetou a percepção do sabor, pois a maioria
dos participantes erroneamente respondeu
que as bebidas tinham sabor diferente. No
estudo as amostras foram inicialmente
percebidas por suas características visuais, e
em seguida, pelo seu sabor. Possivelmente, a
informação visual tenha estabelecido uma
expectativa entre os participantes sobre o
sabor do suco que estava prestes a ser
experimentado. Essa expectativa pode ter
origem em experiências prévias com estímulos
alimentares semelhantes, as quais possam ter
contribuído para a construção de associações
entre
o
aspecto
visual
e
o
sabor
experimentado. Em conclusão, os resultados
demonstram que as expectativas dos
participantes relacionadas a associações
entre cor e sabor podem modular suas
respostas de discriminação de sabor, até
mesmo para um alimento familiar, tal como o
suco de laranja. Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Patricia Consolo
([email protected])
22-099A- EYETRACKING, DIÂMETRO PUPILAR
E ESFORÇO COGNITIVO EM UMA TAREFA DE
AVALIAÇÃO DE FUNÇÕES EXECUTIVAS
Querino EHG1; Moreira L2; Schlotfeldt CG3;
Romano-Silva MA4; Miranda DM5; Malloy-Diniz
LF6
1LIN-INCT-MM - Medicina Molecular; 2Ufmg Laboratorio de Investigaçao Neuropsicologica;
3UFMG - Psicologia; 4INCT de Medicina
Molecular da Universidade Federal de Minas
Gerais - Departamento de Saúde Mental da
Universidade Federal de Minas Gerais; 5Ufmg Medicina Molecular; 6Ufmg - Psiquiatria
Introdução: Eyetracking é uma técnica capaz
de proporcionar informações precisas sobre
fixações visuais, piscadas e diâmetro pupilar
ao longo do tempo. Funções Executivas (FE)
são domínios cognitivos responsáveis por
comportamento direcionado a metas e
monitoramento de estratégias eficazes para
esse fim. Estudar a relação entre essas duas
variáveis pode ser fundamental para a
compreensão do papel da visão e da
atenção visual para todo o processamento
cognitivo e possível marcador fisiológico
comuns à uma série de psicopatologias. O
presente trabalho conduziu uma análise
exploratória da associação entre FE e
Eyetracking, utilizando o diâmetro pupilar
como medida fisiológica do nível de esforço
cognitivo. Método: 21 voluntários saudáveis
foram submetidos à avaliação de FE enquanto
utilizavam um equipamento de EyeTracker.
Utilizamos o Teste dos Cinco Dígitos, uma
versão adaptada do Teste Stroop Victoria
composta de quatro etapas de dificuldade
crescente em que são avaliadas habilidades
de decodificação, recuperação, inibição e
flexibilidade cognitiva. Nossa hipótese de
125
pesquisa era de que alterações no diâmetro
pupilar ocorreriam baseadas no paradigma de
associação direta e positiva entre o grau de
esforço cognitivo e alterações dessa medida.
Antes de cada etapa do teste, uma tarefa de
leitura simples era realizada. Esta tarefa foi
definida como tarefa de descanso sendo
utilizada como medida basal do diâmetro
pupilar. Foram investigadas a força da
associação entre as variáveis (correlação de
Pearson) e as diferenças do diâmetro pupilar
ao longo da tarefa (Teste T para amostras
repetidas). Resultados: A comparação da
dilatação média da pupila ao longo da tarefa
mostrou diferenças significativas (p<0,005)
entre as tarefas de descanso e de testagem,
sendo estas últimas as que apresentaram
maior média. Cada etapa foi dividida em duas
partes, 1ª metade e 2ª metade e então
comparadas.
Encontramos
diferenças
significativas em todas as comparações,
sugerindo possível efeito de aprendizado já
dentro de cada etapa. Além disso, houve
diferenças significativas (p<0,005) da quarta
etapa com todas as demais, corroborando
nossa hipótese de esforço cognitivo crescente
ao longo do teste, sendo maior com a
novidade do estímulo, e reduzindo após
habituação
com
cada
etapa,
mas
aumentando de acordo dificuldade crescente
do próprio teste. Conclusão: Nosso trabalho vai
ao encontro da literatura e elucida uma
medida fisiológica como potencial medida do
efeito de aprendizagem e da capacidade de
um tarefa de FE em recrutar recursos cognitivos
em indivíduos normais. Pelo seu baixo custo e
natureza não invasiva o uso de Eyetracking
tem se popularizado. Sua aplicabilidade
clinica é consequência tanto do avanço das
tecnologia de rastreamento visual quanto da
associação
dessas
medidas
com
o
funcionamento do sistema nervoso central.
Responsável pelo Envio:
Emanuel Henrique Gonçalves Querino
([email protected])
22-100- NEUROEDUCAÇÃO: A MEDULA DA
EDUCAÇÃO AINDA NÃO PERCEBIDA COMO
TAL NO MEIO DA PRÓPRIA INSTITUIÇÃO
Alves CL1; Cavalcante JNS1
1Universidade
Federal
da
Paraíba
Departamento de Psicopedagogia
-
Dialogando com profissionais da área
educacional, podemos nos deparar com
discursos
mais
arcaicos,
onde
alguns
pedagogos de tempos mais antigos não
costumam considerar a ideia de que sua
metodologia de ensino não é a mais
adequada ou, também, a explícita resistência
aos novos conhecimentos que chegam à
educação. Porém, a questão qual nos incita a
pesquisar é o fato de que a educação vem
sendo
gradativamente
atingida
pelas
alterações socioeconômicas políticas que o
mundo passa. Ou seja, o ser atualizado
acompanha com mais propriedade o
desenvolvimento
humano.
Diante
esta
perspectiva acreditamos que os profissionais
que trabalham com a educação, aqueles que
são responsáveis por educar de forma
acadêmica,
devem
permanecer
em
constante adaptação tanto às novas
interfaces da sociedade quanto ao seu objeto
de trabalho. Tal adaptação pode acontecer
pelo processo de autocriação, no qual,
consideramos aqui, como um fenômeno no
qual o profissional permite a si mesmo ter
abertura
para
as
novas
tendências
pedagógicas, assim como apropriar-se das
descobertas e inventos da ciência. Tomando
como base o supracitado, esta pesquisa
acredita no conhecimento propriamente dito,
e na busca por ele, as respostas para a
qualificação do profissional. Por isso, o
presente estudo tem como objetivo avaliar se
profissionais com formações na área da
educação têm conhecimento de como
ocorre o processo de aprendizagem. Para
tanto, fundamenta-se, principalmente, na
ciência que traz descobertas que mudam o
rumo da educação, no caso a neurociência e
suas demais variações, como por exemplo, a
Neuroeducação, a Neuropsicopedagogia
entre outras. Existem diversas descobertas
destacáveis, por exemplo, as descobertas da
“Área de Broca”, passando por próteses
sofisticadas, até às características do Autista.
Isto, porque se acredita que aquele que
ensina deva está em constante aprendizado,
já que seu objeto é uma inconstante sociável e
126
uma “máquina programada geneticamente”,
mas que possui suas especificidades. Com isso,
o professor que está engajado na busca do
conhecimento e compreende que seu
objetivo, o de ensinar, depende em grande
parte em como ele compreende como seu
objeto,
o
aluno,
aprende,
propiciará
assimilação e acomodação de conteúdo. Em
síntese, o homem jamais deixa de ser homem.
E este que tem como objeto de trabalho outro
homem, deve compreender como esse
funciona, assim como um mecânico deve
compreender o funcionamento de um carro. E
que, a abertura para as descobertas da
ciência pode permitir o aprendizado daqueles
que, aparentemente, não têm capacidade
de aprender, que ao contrário possuem
capacidades únicas e destacáveis até para o
mercado de trabalho. O que explica a
preocupação em se avaliar se tais profissionais
compreendem como ocorre o processo de
aprendizagem.
Contato:
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Carla Lucio Alves
([email protected])
22-101- O PENSAMENTO CONEXIONISTA EM
PSICOLOGIA
COGNITIVA:
CRENÇA
E
REPRESENTAÇÃO MENTAL
Almeida S1; Carvalho LL1
1Ufvjm – Fih
A neurociência cognitiva é o campo de
estudo das ciências cognitivas que vincula os
processos cognitivos ao sistema nervoso e ao
comportamento. Na psicologia cognitiva, na
linha de Broadbent, não há a negação de
eventos com base fisiológica, mas o
movimento cognitivo tem uma inspiração
bastante funcionalista. Muitos psicólogos
cognitivos, destaca Baars, tendem a acreditar
que a realidade é física e a experiência
subjetiva é uma perspectiva sobre uma parte
deste mundo material. O objetivo foi investigar
a influência do pensamento conexionista em
psicologia cognitiva buscando valorizar os
conceitos de crença e representação mental.
A
metodologia
usada
foi
a
revisão
bibliográfica usando livros de base e também
os periódicos capes, artigos dos últimos cinco
anos contendo os termos “psicologia” e
“conexionismo”. Dos dezoito artigos listados
após busca nos periódicos capes, apenas três
dos dezoito estão em língua portuguesa, o que
não demostra uma produção muito aquecida
no domínio no país. Todavia, identificou-se que
o conexionismo é uma das duas grandes
teorias das ciências cognitivas. Também
conhecida como abordagem subsimbólica,
divide influência sobre a psicologia com a
perspectiva simbólica mas também com o
enativismo e o dinamicismo. Apesar do
conexionismo ter grande influência sobre estas
últimas duas, uma autonomia teórica por parte
destas
parece
ser
inquestionável.
O
conexionismo nasceu buscando inspiração na
biologia. O modelo conexionista consiste em
um cálculo baseado em regras lógicas
instanciando a estrutura em rede dos
neurônios e seu processo de disparo. Um forte
marco histórico de fundação do conexionismo
é o artigo “A logical calculus of the ideas
immanent in nervous activity” de McCulloch &
Pitts publicado em 1943. No conexionismo as
representações mentais são vistas não como
elementos como os símbolos materiais, mas
como os padrões baseados em símbolos que
emergem na rede de neurônios. Um marco
histórico da interação entre psicologia e o
pensamento conexionista é o livro “The
organization of behavior” de Donald Hebb
publicado em 1949. Neste os neurônios
constituem-se
no
“substrato
físico
do
comportamento” para processos psicológicos
como a aprendizagem, o pensamento, a
sensação, o sentimento, etc. Hebb elaborou a
hipótese de que os pensamentos poderiam
realmente ser a atividade de reverberação em
circuitos
de
neurônios
chamados
de
“assembléias
neurais".
O
conexionismo
desenvolveu um modo biocomputacional
específico de compreender e explicar os
fenômenos mentais. O entendimento das
crenças como neurocircuitos ou esquemas na
complexa rede de neurônios que constitui o
sistema nervoso, na linha de A. T. Beck, deve
bastante ao conexionismo. Como perspectiva
a pesquisa busca retraçar historicamente os
fundamentos do conexionismo, suas obras e
127
seus autores principais em um contexto
interdisciplinar para compreender o jogo de
influências com a psicologia.
Responsável pelo Envio:
Samara Almeida
([email protected])
22-102- REVISÃO DE PROPOSTAS PARA
AUMENTO
DA
ACESSIBILIDADE
AO
TRATAMENTO
PSICOLÓGICO
NA
POPULAÇÃO
Siegmund G1; Gauer G1; Amaral Medeiros J2
1UFRGS - PPG Psicologia; 2FADERGS –
Psicologia
O número de pessoas com transtornos
psiquiátricos
tem
aumentado
consideravelmente
nos
últimos
anos.
Atualmente, existem tratamentos psicológicos
com eficácia comprovada para um grande
número
de
patologias
mentais
e
comportamentais. No entanto, uma parcela
considerável da população não chega a
receber o tratamento necessário. Os motivos
para esse fenômeno são diversos: limitação
financeira, barreiras geográficas, crenças e
atitudes negativas em relação a buscar
tratamento, falta de profissionais qualificados
para atender o problema, entre outros. Por
esse motivo, grupos de pesquisa e governos de
diversos países tem estudado formas de
aumentar o acesso da população aos
tratamentos psicológicos. O presente trabalho
teve por objetivo revisar e organizar artigos
que propusessem soluções para melhorar o
acesso e acessibilidade da população ao
tratamento psicológico. Foram pesquisadas
bases de dados internacionais, através da
combinação dos descritores “acesso” ou
“acessibilidade” com: tratamento psicológico,
terapia,
psicoterapia,
aconselhamento,
intervenção psicológica, e atendimento
psicológico. Incluiu-se apenas os estudos que
tornaram
explícita
uma
proposta
de
intervenção
para
aumentar
o
acesso/acessibilidade ao tratamento na
população. Os artigos selecionados foram
divididos em categorias de acordo com as
intervenções sugeridas. A promoção de
educação em saúde mental foi a proposta
que apareceu no maior número dos estudos
selecionados. Essas intervenções incluiriam
psicoeducação sobre transtornos mentais,
sobre os tratamentos disponíveis, e sobre
buscar auxílio profissional. Segundo essas
pesquisas, um dos principais motivos para as
pessoas não chegarem a tratamento é o fato
de não entenderem sobre as doenças mentais
e sobre os tratamentos existentes. Dessa forma,
a educação em saúde mental possibilitaria um
maior entendimento da doença, mais
conhecimento
sobre
os
tratamentos
disponíveis, e atuaria na correção de crenças
e atitudes negativas sobre o tratamento. Nos
artigos revisados, também foram consideradas
outras soluções como: expandir o atendimento
psicológico nos sistemas de saúde, aumentar o
número
de
profissionais
capacitados,
implementar formas de tratamento na própria
comunidade, e o desenvolvimento de
tratamentos
computadorizados.
Pode-se
considerar que embora o uso de ferramentas
computadorizadas não tenha sido a proposta
mais frequentemente citada, essa é uma
promissora forma de intervenção psicológica
para pessoas que de outra forma não
buscariam tratamento. Ademais, diversos
motivos e soluções sugeridas para os
problemas de acessibilidade poderiam se
beneficiar da tecnologia. Além de oferecerem
uma possibilidade de tratamento, programas
computadorizados de educação em saúde
mental poderiam ser utilizados para levar
conhecimento e informação para um grande
número de pessoas, e com boa relação custobenefício. Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Gerson Siegmund
([email protected])
22-103- A PERCEPÇÃO DE PESSOAS COM
TRANSTORNOS MENTAIS EM RELAÇÃO A SUA
INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO.
Nunes JML1; Franco FRA2
1Faculdade Integral Diferencial - FACID Centro de Atenção Psicossocial - CAPS;
2Faculdade Integral Diferencial - Centro de
Atenção Psicossocial
128
O presente estudo aborda a percepção de
pessoas com transtornos mentais em relação a
sua inserção no mercado de trabalho. Ao
longo dos anos, as pessoas com transtornos
mentais, lutam para garantir seus direitos e
viver com igualdade dentro da sociedade.
Historicamente, a visão construída socialmente
dessas pessoas, entre outras questões, é que
não podem trabalhar e são incapazes de
adequar-se às exigências presentes nos meios
de produção ou serviço. Essa concepção
acabou por isolar e impedir uma aproximação
maior dessas pessoas com o mercado de
trabalho. Esta pesquisa foi um estudo de
campo, baseado no enfoque qualitativo, de
natureza descritiva, compreendendo o uso de
uma
entrevista
semi-estruturada
como
instrumento de coleta de dados com 8 (oito)
sujeitos participantes de ambos os gêneros. A
pesquisa propôs, por meio de seu objetivo
principal, analisar a percepção de pessoas
com transtornos mentais em relação a sua
inserção no mercado de trabalho em um
Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Por
meio do estudo, verificou-se tipos de
atividades profissionais que as pessoas com
transtornos mentais acreditam que possam
desenvolver, o preconceito por parte da
sociedade como dificuldade apontadas em
relação à inclusão no mercado de trabalho.
Por fim, os sentimentos de natureza negativa
que envolvem a vivência pessoal do
desemprego.
Responsável pelo Envio:
Jessyk Maria Lopes Nunes
([email protected])
22-104- AVALIAÇÃO DE PROCESSO DE UM
CURSO DE EXTENSÃO EM NEUROECONOMIA
PARA
CONSULTORES
JUNIORES
DE
ECONOMIA E GESTÃO
Viacava KR1; Bizarro L1
1UFRGS – Psicologia
O objetivo desse estudo foi avaliar a
implementação de um curso de extensão de
cinco semanas (15-horas) em Neuroeconomia
Aplicada, cursado por 27 estudantes de
graduação (sendo 89% membros de empresa
júnior de economia) na Universidade Federal
do Rio Grande do Sul (Brasil), e identificar suas
percepções acerca da adequação e da
aplicabilidade do conteúdo do curso para a
consultoria. O foco do curso era desenvolver
métricas comportamentais para apoiar a
prática da consultoria econômica e gerencial
baseada em evidências. O curso consistiu em
cinco
módulos:
(1)
introdução
à
neuroeconomia (preferências, tomada de
decisão intertemporal, riso e incerteza); (2)
planejamento (aplicações e design); (3)
desenvolvimento (programação de tarefas
comportamentais
computadorizadas);
(4)
monitoramento (revisão e ajustamentos); e (5)
resultados (apresentação oral em grupo). Os
estudantes foram solicitados a atender o
mínimo de 75% do total do curso, apresentar
uma
proposta
de
intervenção
para
consultoria, e rodar um projeto piloto (métricas
para: plano de previdência, design e
gerenciamento de webpage, plano de
finanças pessoais, e recrutamento e seleção).
Ao final de cada aula, os estudantes
avaliaram
o
módulo
correspondente
respondendo a um questionário de 10-itens e
utilizando uma escala de cinco pontos,
baseado no modelo de avaliação de quatro
níveis desenvolvido por Kirkpatrick´s (1996):
reação, aprendizagem, comportamento, e
resultado. Para a análise dos dados, o Teste
Chi-quadrado (χ2) de Pearson foi utilizado.
Para atender aos critérios do teste, as
categorias extremas da escala de cinco
pontos foram agrupadas em uma escala de
três pontos, resultando em três categorias
(Muito fraco/Fraco, Neutro e Bom/Excelente).
O Método Exato de Clopper-Pearson foi
utilizado para estimar o intervalo de confiança
para proporção das respostas na categoria
Bom/Excelente. O SAS (Statistical Analysis
System) versão 9.3 foi utilizado, e o nível de
significância de 5% foi adotado. Os resultados
da análise de aderência apontaram um
associação entre a intervenção educacional e
a percepção dos estudantes quanto à
adequação e a aplicabilidade do curso para
os quatro níveis do questionário e em todos os
cinco módulos (p < 0.001). No que tange à
aplicabilidade, ao final de cada aula, os
estudantes consideraram que eles poderiam
transferir com facilidade os conhecimentos
129
adquiridos para a prática da consultoria (p <
0.001). No quinto (e último) módulo, a
proporção de respostas na categoria
Bom/Excelente para os resultados foi igual a
82% (IC 95%: 56,7 - 96,2). Em suma, esta
avaliação de processo sugere que o curso de
extensão em Neuroeconomia Aplicada foi
bem estruturado e ofereceu conteúdo
neurocientífico com valor teórico e prático a
estudantes que planejam uma carreira em
consultoria econômica e gerencial. Apoio
Financeiro:
Coordenação
de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino
Superior - CAPES
Responsável pelo Envio:
Keitiline Ramos Viacava
([email protected])
22-105- CONVERGÊNCIA ESTRATÉGICA NO
USO DE CONTEÚDO PERCEPTIVO VISUAL EM
PROPAGANDAS DE TABACO, ÁLCOOL E
ALIMENTOS
Viacava KR1; Weydmann GJ2; Vasconcelos
MF1; Jaboinski JR1; Scheffer M1; Almeida
RMM1; Bizarro L1
1UFRGS - Psicologia; 2UNISINOS – Psicologia
O uso estratégico de conteúdo perceptivo
visual em marketing pode influenciar o
processamento e a seleção de informações
relacionadas aos produtos e, inclusive,
incentivar o consumo impulsivo. Investigar a
utilização tática desses conteúdos é relevante
para salvaguardar a população dos riscos da
exposição à propaganda. Neste estudo,
comparou-se o uso de conteúdo perceptivo
visual nas propagandas utilizadas pelas
indústrias do tabaco, álcool e alimentos. O
objetivo foi verificar se haveria semelhanças
nas estratégias utilizadas quanto a variáveis
para a seleção de estímulos ligados aos
produtos, como cor, posição e tamanho. Uma
amostra não probabilística de imagens
publicitárias (n = 150, sendo 50 de cada
segmento industrial) foi selecionada na
Internet, durante o período compreendido
entre março e abril de 2012. O conteúdo das
imagens foi analisado por meio dos softwares
Scion Image e Corel Draw Graphics Suite.
Identificaram-se diferenças no uso das cores
verde (p = 0,040) e vermelha (p = 0,018), mas
não no uso da cor azul (p = 0,641). Um teste
post hoc de Tukey confirmou diferenças nas
cores verde e vermelha entre as indústrias de
tabaco e alimentos, mas não indicou
diferença significativa entre as indústrias de
tabaco e álcool, sugerindo que a indução de
sensações de agradabilidade decorrente do
uso da cor azul pode estar associada à
propagada dessas indústrias. Em relação à
posição do produto, observou-se uma
predominância do uso dos quadrantes inferior
esquerdo (p = 0,008) e inferior direito (p = 0,011)
nas três indústrias, indicando similaridades
estratégicas
de
“efeito
de
posição”,
privilegiando áreas percebidas como “mais
pesadas”. Quanto ao tamanho do estímuloalvo (i.e., produto e marca), 78% das
propagandas (82% tabaco, 88% álcool e 64%
alimentos) apresentaram estímulos dentro de
um intervalo de 0% a 25% do total da imagem.
Os
resultados
apontaram
algumas
semelhanças no uso de conteúdo perceptivo
visual em propagandas de tabaco, álcool e
alimentos, principalmente entre tabaco e
álcool. Apoio Financeiro: Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino
Superior - CAPES
Responsável pelo Envio:
Keitiline Ramos Viacava
([email protected])
22-106- PROPAGANDAS DE ALIMENTOS
ECOLOGICAMENTE VÁLIDAS PARA ESTUDOS
EXPERIMENTAIS
Viacava KR; Simoes RAG2; Santolim RR3;
Weydmann GJ4; Gatto G5; Damasceno BV1;
Almeida LAM1; Tietze AW4; Vigo A6; Bizarro L1
1UFRGS - Psicologia; 2Ulbra - Engenharia e
Gestao Ambiental; 3UFRGS - Economia;
4UNISINOS - Psicologia; 5UFCSPA - Psicologia;
6UFRGS – Estatística
Propagandas comerciais de alimentos têm
sido utilizadas em estudos experimentais, mas o
estabelecimento de critérios objetivos de
seleção
das
propagandas
permanece
escasso. Com o objetivo de selecionar
propagandas
ecologicamente
válidas,
analisou-se a proporção de propagandas
130
apresentadas em três dos canais abertos com
maior audiência da TV brasileira (Globo,
Record e SBT). A coleta dos dados consistiu na
gravação de 14 horas diárias de programação
em cada emissora (378h no total), entre 8h e
22h. As gravações foram realizadas durante
uma semana e dois finais de semana, na
segunda quinzena de maio de 2013. Os
comerciais
foram
classificados
em
24
categorias. Na categoria alimentos, as
propagandas também foram classificadas
entre “sólidos” ou “líquidos” e na categoria
supermercado entre “alimento in natura” ou
“alimento processado”. Os índices mais altos
na
frequência
de
divulgação
foram
considerados como critérios de seleção. Para
a
análise
dos
dados,
o
teste
de
homogeneidade de proporções baseado na
estatística qui-quadrado de Pearson foi
utilizado para comparar as proporções de
tipos de propagandas ou tipos de alimentos.
Para tabelas 2 x 2 foi utilizada a correção de
continuidade
de
Yates.
Os
resíduos
padronizados foram usados para avaliar
associação local nas tabelas de contingência.
Todas as análises foram realizadas no
programa Statistical Analysis System (SAS),
versão 9.3, ao nível de significância 5%. Os
resultados apontaram que as propagandas
registradas (n = 7369) estão igualmente
distribuídas nas emissoras (p=2850), sendo 2565
(34,8%) no SBT, 2431 (32,9%), na Record e 2372
(32,1%) na Globo, sugerindo que diferenças de
audiências sejam pouco relevantes na seleção
de
propagandas.
As
categorias
de
propagandas diferiram entre si, e as cinco com
maior frequência consistem em divulgações
da programação da própria emissora 1958
(26,6%), seguida de alimentos 720 (9,8%),
governo/instituições 711 (9,7%), beleza 531
(7,2%) e telecomunicações 506 (6,9%). Em
alimentos, especificamente, a proporção
estimada de comerciais na categoria sólidos
foi igual a 69% (IC 95%: 65,7-72,4) e na
categoria in natura foi de 1,1% (IC 95%: 0,351,88). A comparação entre turnos mostrou que
a proporção de alimentos sólidos é menor pela
manhã (59,9%) em relação aos turnos da tarde
(72,0%) e noite (73,2%) (p<0,005). Não há
evidências de diferenças entre turnos nas
proporções de propagandas de alimentos
durante os dias da semana (p=0,2672), mas no
final de semana a proporção de propagandas
de alimentos é maior pela manhã e tarde
(12,4%) do que pela noite (7,5%) (p<0,001). As
propagandas de alimentos mais divulgadas
foram
essencialmente
de
produtos
industrializados
(e.g.
embutidos,
achocolatados, refrigerantes, hambúrgueres,
margarinas). Os resultados apoiam a utilização
dessas propagandas em estudos experimentais
que tenham a frequência de exposição como
um possível determinante ambiental de
consumo. Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Keitiline Ramos Viacava
([email protected])
22-107- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA
NA DEPENDÊNCIA QUÍMICA
Faria LF1
1Policia Tecnico-Cientifica Psiquiatria e Psicologia Forense
Seçao
de
A Neuropsicologia é um campo da ciência
que estuda as relações entre as funções
psíquicas, comportamentais e o cérebro,
visando estabelecer correlações de base
funcional e topográfica (Lesak, 1995; Barbizet &
Duizabo, 1985). Consiste na utilização de
técnicas específicas de avaliação das funções
cognitivas do indivíduo, na tentativa de
correlacionar suas alterações à possíveis
disfunções da atividade cerebral. É utilizada
atualmente para identificar déficits, sua
gravidade e extensão, estabelecer interrelações entre estes déficits, determinar como
eles afetam o funcionamento geral do
indivíduo, correlacionar déficits específicos e
neuropatologia. As pesquisas com avaliações
neuropsicológicas na dependência química
têm detectado vários déficits cognitivos, e
dependendo da substância utilizada, da
intensidade e frequência de uso, forma de
administração os prejuízos podem ter variação
individual, de grau agudo ou crônico. É
importante conhecer os efeitos discriminantes
e generalizados em tais indivíduos, pois assim é
mais viável estabelecer estratégias para um
tratamento eficaz. Seja na reabilitação
131
cognitiva, no tratamento psicoterápico, ou na
melhor
escolha
do
tratamento
farmacoterápico. Posteriormente, é possível
avaliar a evolução do paciente no tratamento
empreendido. Nota-se que os prejuízos e
déficits cognitivos mais presentes na avaliação
neuropsicológica em dependentes químicos
estão relacionados à Função Executiva de
Lobo Frontal; Déficit Atencional; Dificuldade de
Raciocínio Lógico; Baixa Fluência Verbal;
Déficit de Memória; Alterações de humor. Os
prejuízos neuropsicológicos iniciam-se nos
primeiros dias de abstinência e persistem
mesmo após seis meses. Estes prejuízos são
específicos de atenção, concentração,
aprendizagem, memória, fluência verbal, assim
como alterações no fluxo sangüíneo. É possível
verificar que a neuroquímica e o cérebro
vascular retorne ao seu estado normal de
funcionamento, e o usuário recupere suas
capacidades neuropsicológicas depois de um
período muito longo de abstinência e
tratamento.
Estas
alterações
localizam
principalmente no lobo temporal e frontal,
assim como há uma desregulação na
produção de neurotransmissores como a
dopamina, ao qual gera déficits de memória e
aprendizagem. Quando não detectadas e
tratadas, tais prejuízos podem levar o paciente
a um quadro mais sério e progressivo de
deterioração mental, com perdas cognitivas
significativas, conhecido como demência.
Além disso, os déficits cognitivos podem
aumentar a probabilidade de recaída do
dependente, bem como interferir em sua
capacidade de assimilar e participar de
programas de tratamento e recuperação
(Strickland et al, 1993; Rogers, Robbins, 2001).
Neste caso, há recomendações específicas
para se trabalhar com as dificuldades
(Cleaveland, Denier, 1998).
Responsável pelo Envio:
Leonardo Ferreira Faria
([email protected])
22-108- NÍVEIS DE ANSIEDADE EM HOMENS E
MULHERES USUÁRIOS DE CRACK EM
REABILITAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA
Hess A R B1; Machado CER2; Martini R L2;
Mariana Sparremberger3; Almeida RMM4
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Psicologia; 2Faccat - Psicologia;
3Faccat - Estudante; 4UFRGS – Psicologia
A
dependência
química,
mais
especificamente
do
crack,
apresenta
frequentemente comorbidades psiquiátricas.
O objetivo deste estudo foi investigar níveis de
ansiedade em dependentes químicos de
crack,
internados
em
Comunidades
Terapêuticas (CTs) para desintoxicação e
reabilitação. A amostra foi composta por 41
dependentes químicos em abstinência, sendo
30 homens (73,2%) e 11 mulheres (26,8%),
oriundos de CTs da região do Vale do Rio dos
Sinos e Metropolitana de Porto Alegre-RS. A
média de idade dos participantes foi 29,65
anos (DP 7,70). Os instrumentos utilizados foram
um questionário sociodemográficas e a Escala
Beck de Ansiedade (BAI). A distribuição dos
escores dos participantes na BAI indicou que
23 participantes (57,5%) apresentaram nível
mínimo de ansiedade, 8 (20%) apresentaram
nível leve, 3 (7,5%), moderado e 6 (15,%)
apresentaram ansiedade considerada grave,
de acordo com a classificação proposta pelo
autor da escala. A média total no escore da
BAI
foi
de
13,87
pontos
(DP=13,77),
considerando os participantes de ambos os
sexos. Quando a ansiedade total foi
comparada por sexo, por meio do teste de
Mann-Whitney para amostras independentes,
não
foram
encontradas
diferenças
estatisticamente significativas entre homens e
mulheres quanto aos níveis de ansiedade
(U=119,5; z=-1,21; p=0,225). Apesar de alguns
dados da literatura apontarem alterações
significativas nos níveis de ansiedade em
dependentes de crack os mesmos podem ser
revertidos com o tempo de abstinência,
apresentando uma melhora, podendo a
variável “tempo” ter sido significativa para a
melhora deste aspecto. Por fim, ainda são
escassos os estudos brasileiros comparando
homens e mulheres dependentes químicos
com relação às alterações emocionais,
cognitivas e comportamentais.
Apoio Financeiro: CNPq e FACCAT
Responsável pelo Envio:
Adriana Raquel Binsfeld Hess
([email protected])
132
22-109- PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO DE
MEMÓRIA E NEGLIGÊNCIA NA INFÂNCIA EM
MULHERES DEPENDENTES DE CRACK
Sanvicente-Vieira B1; Schmegel-Rossi G L1;
Tractenberg S G1; Viola T W1; Gomes Cfa2;
Wearick L e1; Stein L M1; Kristensen C H1; GrassiOliveira R3
1Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - PPGP; 2Cornell University,
College of Human Ecology, Department of
Human Development. - Human Development
da Cornell University ; 3Pucrs - Ppg Psicologia
Introdução: A presença de déficits de
memória decorrentes do uso/abuso de
substâncias encontra-se fundamentada na
literatura científica. Entretanto, a natureza e
severidade de tais déficits podem variar
conforme diferenças individuais, inclusive no
que se refere à história de vida e
desenvolvimento nos primeiros anos. A
investigação de tais diferenças, no entanto,
não tem sido foco de pesquisas com usuários,
especialmente de cocaína e crack. Sabe-se
que
experiências
adversas
durante
o
desenvolvido corroboram para distinções
dentre os usuários de substâncias no que se
refere aos seus padrões de uso, curso da
dependência e prognóstico do tratamento.
Objetivos: Investigar o impacto da negligência
na infância na memória verbal a partir de uma
tarefa experimental de recordação livre de
palavras. Além disso, analisar os processos de
recuperação de memória através do modelo
de dupla recuperação de Brainerd, baseado
na metodologia de Marcov Chain. Método: O
estudo comparativo, transversal, incluiu um
total de 84 mulheres dependentes de crack. A
amostra foi dividida em dois grupos, 32
participantes com histórico de negligência na
infância (NI+) e 52 participantes sem tal
histórico (NI-). Uma lista de palavras de livre
recordação foi utilizada para avaliar os
processos de memória. Os dados gerados por
cada sujeito foram analisados conforme o
modelo de dupla recuperação de Brainerd.
Resultados: Os resultados apontam para uma
diferença entre o grupo NI+ em comparação
ao grupo NI- no que se refere a déficits na
recuperação de memória a partir da
recordação direta. Não houve diferenças
entre os grupos em relação à recuperação
com recordação através de familiaridade
e/ou reconstrução. Além disso, os prejuízos
apresentados pelo grupo NI+ relacionam-se
mais à memória imediata do que a memória
tardia. O grupo NI+ também demonstrou
prejuízos no que se refere à curva de
aprendizagem Conclusões: A partir do estudo
realizado
sugere-se
que
os
indivíduos
dependentes de crack com histórico de
negligência
na
infância
apresentam
comprometimento
significativo
na
recuperação direta dos traços mnemônicos,
na memória verbal imediata e no processo de.
Além disso, os achados indicam que
experiências adversas nos estágios iniciais do
desenvolvimento,
como
exposição
à
negligência na infância, podem estar
associados a déficits nos processos de
codificação de memória. Neste sentido,
baseado em estudos recentes acredita-se que
tais processos são fundamentais para a
recuperação direta dos traços mnemônicos,
recordação imediata e aprendizagem.
Apoio Financeiro: CNPq e FAPERGS
Responsável pelo Envio:
Breno Sanvicente Vieira
([email protected])
22-110- ALTERAÇÕES COGNITIVAS EM
DEPENDENTES QUÍMICAS DE CRACK: UM
ESTUDO CORRELACIONAL ENTRE OS NÍVEIS
DE ATENÇÃO E IMPULSIVIDADE
Machado CER1; Martini R L1; Mariana
Sparremberger1; Hess ARB2
1FACCAT - Psicologia; 2Universidade Federal
do Rio Grande do Sul - Instituto de Psicologia
A dependência química de crack está
associada a inúmeros problemas de ordem
física, psiquiátrica e social. O consumo da
droga provoca alterações cerebrais, agindo
sobre os circuitos neurais, ativando o sistema
de recompensa. A impulsividade é um dos
traços
que
tem
sido
freqüentemente
associado
ao
consumo
de
crack.
Adicionalmente, a atenção, que refere à
capacidade do indivíduo receber e selecionar
133
estímulos
também
tem
se
mostrada
prejudicada nesta população. O presente
estudo objetiva investigar as relações entre a
dependência química de crack e o
desempenho de tarefas com foco na
impulsividade e atenção, verificando possíveis
correlações
entre
as
alterações
na
impulsividade e na atenção de dependentes
químicas de crack em abstinência. Trata-se de
uma pesquisa de caráter transversal, de
delineamento quantitativo e correlacional,
com comparação de grupos. Essa pesquisa
está vinculada a um projeto maior intitulado
“Funções
Executivas,
Controle
Inibitório,
Cortisol e Fator Neurotrófico Derivado do
Cérebro (BDNF) em Mulheres em Abstinência
de Crack em Ambiente Protegido”, aprovado
pelo Comitê de Ética em Pesquisa da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS). A amostra será composta por 86
participantes do sexo feminino, com idades
entre 18 e 50 anos, divididas em dois grupos:
grupo clínico – composto por 43 mulheres
oriundas de Comunidades Terapêuticas,
internadas por um período mínimo de 30 dias e
máximo de 180, e grupo controle – composto
por 43 mulheres sem uso de crack ao longo da
vida, e de álcool, tabaco e benzodiapepínicos
nos últimos 30 dias. Os grupos serão pareados
em variáveis que podem alterar os resultados
dos
testes
neuropsicológicos:
idade,
escolaridade, nível sócio-econômico e estado
civil.
Os
instrumentos
utilizados
serão:
Questionário Sociodemográfico, Mini-Exame
do Estado Mental (MEEM), Escala de
Impulsividade de Barrat (BIS-11), Teste de
Atenção Concentrada (AC) e Teste dos Cinco
Dígitos.
Os
dados
serão
analisados
estatisticamente, utilizando-se os programas
SPSS 19.0®. Entende-se que a realização deste
estudo é relevante por possibilitar o
conhecimento de aspectos cognitivos que
possam estar sendo afetados, de maneira
negativa, pelo uso do crack, e, dessa forma,
contribuir para um melhor conhecimento e
manejo acerca dessa temática, almejando a
promoção e a prevenção da saúde. O
presente estudo poderá, ainda, subsidiar
futuras intervenções e o desenvolvimento de
Políticas
Públicas
voltadas
para
essa
população ainda muito negligenciada pela
literatura.
Apoio Financeiro: CNPq e FACCAT
Responsável pelo Envio:
Camila Elena Ribeiro Machado
([email protected])
22-110A- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA
DA
IMPULSIVIDADE
EMDEPENDENTES
QUÍMICOS DE CRACK
Adriana Raquel BinsfeldHess1,2, Mariana
Fonsêca
Sparremberger1,Camila
Helena
Ribeiro Machado1, Cíntia Hahn1,Rosa Maria
Martins de Almeida2
Eixo
Temático:Psicologia
Clínica
e
Neurociências
Palavras chaves: Avaliação Neuropsicológica.
Crack. Dependência Química. Impulsividade.
O uso de crack tem sido associado a escores
elevados de impulsividade e pobre controle
inibitório.
Nesse
sentido,
estudos
neuropsicológicos sugerem que dependentes
de cocaína/crack tendem a apresentar
alterações cognitivas, principalmente nas
funções
mnemônicas,
atencionais
e
executivas. O objetivo deste estudo foi
investigar a impulsividade em dependentes
químicos dependentes de crack, em processo
de reabilitação da dependência química. O
projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em
Pesquisa das Faculdades Integradas de
Taquara (FACCAT).A amostra foi composta por
30 homens, dependentes químicos em
abstinência, com idades entre 18 e 55 anos
(M=30,33
anos;
DP=8,48),
oriundos
de
Comunidades Terapêuticas da região do Vale
do Paranhana e do Vale do Rio dos Sinos (RS).
Os
instrumentos
utilizados
foram
um
questionário sociodemográfico, a Escala de
Impulsividade de Barrat(BIS-11) e o Teste dos
Cinco Dígitos. Inicialmente realizou-se uma
análise descritiva dos resultados em geral. As
associações entre variáveis foram analisadas
por meio de Correlação de Pearson. Foram
considerados como significativos todos os
resultados com p<0,05. Os resultados obtidos
indicaram correlação negativa da variável
‘Impulsividade de Não-Planejamento’ com as
134
variáveis ‘idade com que consumiu crack pela
primeira vez’ (r=0,43)e‘idade em anos’
(r=0,36).Verificou-se,
ainda,
correlações
negativas da variável ‘Impulsividade Motora’
com as variáveis‘Inibição de respostas (erro)’
(r=0,37) e ‘Flexibilidade Mental (erro)’ (r=0,42),
e correlações positivas com a variável‘Tempo
de Uso da droga’ (r=0,37).Também houve
correlações positivasentre a variável de
‘Inibição
de
Resposta
(tempo)’
com
‘Flexibilidade mental’ (r=0,81) e‘idade com
que consumiu crack pela primeira vez’
(r=0,40)e
negativa
com
a
variável‘escolaridade’
(r=0,36).Apesar
das
limitações,
nossos
achados
sugerem
associações entre a idade de início do
consumo do crack com a impulsividade. Por
fim, salienta-se a necessidade de mais
pesquisas sobre o tema.
Contato: [email protected]
Fomento: Edital de Iniciação Científica da
FACCAT
1Faculdades Integradas de Taquara (FACCAT)
2Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS)
22-111- O FUNCIONAMENTO EXECUTIVO EM
USUÁRIOS CRÔNICOS DE CANNABIS
Teixeira VPG1; Lima LPF1; Martins KKS1
1Faculdade Integrada Tiradentes - FITS –
Psicologia
As inquietações em relação aos efeitos
adversos do uso da cannabis, a popular
maconha, continuam a crescer no meio
científico e na sociedade de forma geral. A
maconha é a droga ilícita mais utilizada no
mundo e no Brasil. A maconha começa a ser
usada geralmente na adolescência, etapa
crucial para o desenvolvimento psicossocial,
bem como um período-chave para o
desenvolvimento e maturação neural, uma vez
que o córtex frontal ainda não está
completamente formado. Esta pesquisa teve o
objetivo de avaliar o desempenho cognitivo,
das funções executivas, em usuários crônicos
de maconha. Para tanto, foi aplicado um
questionário sócio-demográfico que permitiu a
identificação do sujeito, como também o
padrão de uso da maconha, posteriormente
aplicou-se o Mini International Psychiatric
Interview – M.I.N.I., que explora os principais
Transtornos Psiquiátricos do Eixo I e, por fim, foi
realizada a avaliação neuropsicológica das
funções executivas, utilizando-se o subteste
Semelhanças do WAIS-III, o Stroop Test e o
Wisconsin Card Sort Test – WCST. Foram
avaliados 42 sujeitos, todos do sexo masculino,
divididos em três grupos: o Grupo de Usuários
Crônicos de Maconha, segundo os critérios
diagnósticos do DSM IV-TR, – G1 – composto
por 14 sujeitos, o Grupo de ex-usuários crônicos
de maconha em abstinência há pelo menos
28 dias – G2 – composto por 14 sujeitos e o
Grupo Controle – GC – composto por 14
sujeitos que nunca fizeram uso de maconha.
Os grupos foram pareados por idade e anos
de escolaridade. Os resultados mostram que os
sujeitos do grupo G1 (usuários crônicos de
maconha) apresentaram pior desempenho
comparados tanto aos sujeitos do grupo G2
(ex-usuários crônicos) quanto aos sujeitos do
Grupo
Controle
(GC),
ou
seja,
pior
desempenho no subteste Semelhanças e no
WCST e performance lentificada ao executar a
prancha dois do Stroop Test; verificou-se,
ainda, que os sujeitos do G2 apresentaram um
desempenho melhor que os sujeitos do G1,
porém uma pior performance em relação ao
sujeitos do Grupo Controle (GC). Os resultados
sugerem que os usuários crônicos de maconha
apresentam prejuízos cognitivos na avaliação
das funções executivas, e que com a
cessação do uso há uma recuperação no
funcionamento executivo, porém de maneira
parcial. No entanto, devido ao desenho do
estudo, não há como afirmar se os prejuízos
identificados vão sendo recuperados de modo
crescente após a cessação do uso por
períodos
prolongados.
Os
resultados
encontrados nesta pesquisa corroboram com
os resultados que vêm sendo apresentados em
estudos ao longo do tempo. A identificação
de prejuízos no funcionamento executivo em
usuários crônicos de maconha, possibilita uma
intervenção
adequada
junto
a
esses
indivíduos, além de possibilitar aelaboração de
um plano de tratamento que vise a uma
reabilitação neuropsicológica desses usuários,
promovendo
uma
modificação
135
comportamental e de estilo de vida para esses
indivíduos.
Responsável pelo Envio:
Vanina Papini Goes Teixeira
([email protected])
22-112ATENÇÃO
NO
TRÂNSITO:
MOTORISTAS QUE BEBEM ÁLCOOL, NO
PADRÃO “BINGE DRINKING”, ESTÃO MAIS
SUSCEPTÍVEIS A FALHAS ATENCIONAIS?
Oliveira LG; Gouvea MJC1; Eckschmidt F2;
Barbosa LAS2; Oliveira AA2; Siqueira MG2;
Leopoldo K2; Almeida CVD2; Souza LMA1;
Gouveia PAR3
1Faculdade de Medicina, Universidade de São
Paulo - FMUSP - Departamento de Medicina
Legal, Ética Médica e Medicina Social e do
Trabalho;
2Faculdade
de
Medicina,
Universidade de São Paulo - FMUSP
Departamento de Medicina Preventiva;
3Hospital Israelita Albert Einstein - Serviço de
Psicologia e Neuropsicologia
Introdução: definido como o uso de cinco ou
mais doses alcoólicas por ocasião, entre os
homens, o “binge drinking” aumenta as
chances
de
envolvimento
em
comportamentos de risco no trânsito. Embora
seu efeito sobre a redução da capacidade de
crítica seja reconhecido, os desdobramentos
sobre a cognição ainda são controversos.
Objetivo: avaliar o efeito do uso de álcool, no
padrão
“binge
drinking”,
sobre
o
funcionamento de atenção entre motoristas
de caminhão. Métodos: 677 motoristas foram
recrutados em rodovias do Estado de São
Paulo. Após responderem um questionário
sobre informações sociodemográficas e
ocupacionais, os participantes foram avaliados
quanto ao uso de risco de álcool e outras
drogas (ASSIST-WHO), transtornos psiquiátricos
(Mini-Plus) e avaliação de atenção através dos
testes D2, Trilhas Coloridas (Formas 1 e 2) e
“Stroop Color
Word
Test”
(SCWT).
A
participação foi finalizada através da
solicitação de amostra de urina para
detecção do uso recente de drogas. O banco
de dados foi construído em Epi-Info v.3.5.4 e o
efeito do “binge drinking” sobre a atenção foi
avaliado através do software STATA v 11.2. A
hipótese nula foi rejeitada ao nível de p<0,05.
Resultados: 233 sujeitos foram excluídos da
etapa de análise de dados por apresentarem
alguma
condição
que
interferisse
na
avaliação de atenção. Os participantes
(N=443; 65,4%) tinham idade média de 36,7
(±7,8) anos, 8,7 (±2,3) anos de escolaridade e
17,7% (N=78) deles relataram ter bebido em
“binge drinking” nos trinta dias prévios à
entrevista. Os “binge drinkers” apresentaram
maior número de erros (p=0,06) e maior
oscilação de resposta (p<0,01) no teste D2,
assim como necessitaram de uma média de
3,5 segundos a mais para inibir a resposta
indesejada
no
teste
SCWT
(p<0,05).
Considerando que os “binge drinkers” bebem
maior número de doses alcoólicas por ocasião
(p<0,001), estão sob maior risco para
desenvolver dependência (p<0,001) e não
diferem de seus pares quanto ao uso de
drogas ilícitas, é possível que os efeitos
identificados sejam atribuídos ao álcool.
Discussão: sugere-se que o “binge drinking”
aumente a susceptibilidade de motoristas a
falhas atencionais, um efeito preocupante no
contexto do trânsito. Como os acidentes de
trânsito ainda permanecem como importante
desafio aos serviços de saúde de nosso país,
devido especialmente ao elevado número de
feridos e mortos, os efeitos do uso de álcool
sobre a cognição devem ser analisados em
detalhes, para que incentive, ainda mais, a
necessidade de fiscalização da legislação
competente.
Apoio
Financeiro:
FAPESP
(Processo n° 2011/11682-0) e LIM-40-HCFMUSP
Responsável pelo Envio:
Leticia Maria de Araujo de Souza Trintoni
([email protected])
22-113- ANFETAMINAS: SÃO ELAS CAPAZES
DE POTENCIALIZAR O ESTADO DE ATENÇÃO
SUSTENTADA ENTRE MOTORISTAS?
Oliveira LG1; Gouvea MJC1; Eckschmidt F2;
Barbosa LAS1; Oliveira AA1; Siqueira MG1;
Leopoldo K1; Almeida CVD1; Souza LMA1;
Gouveia PAR3
1Faculdade de Medicina, Universidade de São
Paulo - FMUSP - Departamento de Medicina
Legal, Ética Médica e Medicina Social e do
Trabalho;
2Faculdade
de
Medicina,
136
Universidade de São Paulo - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva;
3Hospital Israelita Albert Einstein - Serviço de
Psicologia e Neuropsicologia
Introdução:
a
literatura
aponta
que
medicamentos têm sido globalmente usados
como potenciadores cognitivos. No Brasil,
motoristas de caminhão relatam o uso de
anfetaminas com fins de focar a atenção para
então cumprirem com suas demandas
ocupacionais, mas ainda não se tinha um
conhecimento objetivo sobre o funcionamento
da atenção entre esses profissionais. Objetivos:
avaliar, entre motoristas de caminhão, o
estado da atenção sustentada e seus fatores
associados,
com
ênfase
no
uso
de
anfetaminas. Métodos: durante o ano de 2012,
uma amostra de conveniência de 342
motoristas de caminhão foi recrutada em
rodovias do Estado de São Paulo. A atenção
foi avaliada através dos seguintes testes
psicológicos:
(a)
Teste
de
Atenção
Concentrada-TACOM-B; (b) Teste D2; (c) Trilhas
Coloridas (Forma 1): TC1. O banco de dados
foi desenvolvido em Epi-Info v.3.5.4 e avaliados
em STATA v 11.2. Os participantes foram
divididos em dois grupos para então avaliar os
fatores determinantes de mau desempenho:
(a) percentil abaixo de 25 em pelo menos um
teste (<P25) e (b) superior à média em todos os
testes (>=P25); diferenças intergrupo foram
avaliadas. A hipótese nula foi rejeitada
quando p<0.05. Um modelo multivariado
hierarquizado foi desenvolvido com todas as
variáveis que apresentaram significância de
p<0,20 nas análises univariadas. Resultados:
todos participantes são homens, de 37,8±7,8
anos e 8,6±2,3 anos de escolaridade. Desses,
75,0% tiveram desempenho abaixo da média
no teste D2, 59,9% no TACOM-B e 17,6% no
teste TC1. Posteriormente, os participantes
foram categorizados em: (a) <P25 (N=195) e
(b) P>=25 (N=147). Aqueles do grupo P<25
apresentaram maior prevalência de uso de
anfetaminas (p<0,05) e pior qualidade de sono
(p<0,05). Após o controle da qualidade de
sono, o modelo de regressão multivariado
apontou que os participantes que faziam uso
regular de anfetaminas tinham 278% mais de
chances de ter mau desempenho em relação
àqueles que não faziam esse uso (OR= 3.78;
p<0,01). Conclusão: sugere-se que o uso
regular de anfetaminas seja determinante de
mau desempenho de atenção sustentada
entre motoristas de caminhão, o que pode
predispô-los a acidentes de trânsito. A isso se
soma que esse uso é expressamente proibido
por Lei (RDC-ANVISA 52/2011) desde o ano de
2011, necessitando então de fiscalização.
Apoio Financeiro: FAPESP (Processo n°
2011/11682-0) e LIM-40-HCFMUSP.
Responsável pelo Envio:
Leticia Maria de Araujo de Souza Trintoni
([email protected])
22-114- ALTERAÇÕES NA PERCEPÇÃO DE
FREQUÊNCIAS SONORAS NOS DIFERENTES
SEXOS DEVIDO A INGESTÃO DE ETANOL
Neves JWJS; Gomes FA1; Silva JA1; Angelo
FKS2; Porcino JMA2; Galdino MKC1; Santos NA1
1Universidade
Federal
da
Paraiba
Departamento de Psicologia; 2Faculdades
Integradas de Patos - Departamento de
Psicologia
Investigações fisiológicas têm apresentado
alterações significantes nas respostas neuronais
auditivas ocasionadas pela ingestão de etanol
por meio das bebidas alcoólicas (amplitude
dos potenciais neurais do córtex reduzida pela
presença de álcool no organismo). No
entanto, as investigações comportamentais
têm demonstrado resultados não conclusivos e
contraditórios. Estudos tem sugerido alterações
de forma negativa no que se refere a
discriminação para frequências sonoras. Neste
sentido, considerando a importância da
percepção auditiva para as interações sociais,
seja com o ambiente de forma geral ou dos
indivíduos com seus pares, o objetivo deste
estudo foi avaliar as consequências da
ingestão moderada de etanol na percepção
das frequências sonoras correspondentes às
notas musicais RÉ (293,7 Hz), FÁ (349,2 Hz) e LÁ
(440,0 Hz), em mulheres e homens adultos
jovens.
Utilizou-se
como
parâmetro
a
concentração de álcool no sangue de 0,08%
estimada por um etilômetro. Participaram do
estudo 20 homens e 20 mulheres de 18 a 29
anos de idade, não músicos, saudáveis, não
137
usuários de fármacos ou outras substâncias
tóxicas, bebedores moderados de álcool sem
intercorrências pessoais ou familiares. Os
mesmos voluntários foram avaliados em duas
condições: experimental, na qual era feita a
ingestão de etanol, e controle, na qual era
ingerido placebo. Em ambas as condições a
bebida era diluída em suco de maracujá, na
proporção de 1 : 3. A quantidade de bebida
alcoólica para cada participante era
calculada em função da idade, peso e altura.
No teste de discriminação de notas musicais
foram apresentados aleatoriamente para
cada participante três grupos de 20 pares de
estímulos, sendo um grupo para cada nota
utilizada. A tarefa dos participantes foi escolher
o estímulo de teste que era uma nota musical
apresentada ao indivíduo cinco vezes
consecutivas antes do início da sessão
experimental. A quantidade de acertos para
cada nota foi reunida por condição
(experimental e controle) de acordo com o
sexo dos participantes. Aplicou-se um teste X2
comparando
homens
e
mulheres
separadamente entre si nas condições de
ingestão e não ingestão de álcool para cada
nota musical, tomando como referência a
frequência de acertos na discriminação das
mesmas.
Encontraram-se
diferenças
significantes para a comparação entre
homens na nota musical Fá e entre mulheres
na
nota
musical
Ré.
Deste
modo,
concordando com a literatura existente, os
resultados encontrados sugerem que a
ingestão
de
etanol
pode
alterar
negativamente a percepção das frequências
sonoras (referentes às notas musicais) de forma
diferenciada concernente ao sexo dos
indivíduos. Estudos futuros precisam ser
realizados para avaliar se essa tendência será
mantida com outras frequências sonoras não
utilizadas nesse trabalho. Apoio Financeiro:
CNPq
Responsável pelo Envio:
Jayston W. J. Soares Neves
([email protected])
22-115- CORRELAÇÃO ENTRE OS FATORES
MEDIDOS
PELA
ESCALA
DE
COMPORTAMENTOS IMPULSIVOS (UPPS) E O
USO DE CIGARRO/ÁLCOOL EM PACIENTES
COM DIAGNÓSTICO DE TAB
Alves Alc1; Santos Ma1; Sediyama CYN2; Lima
IMM3; Neves F4; Correa H5; Malloy-Diniz L6
1UFMG - Psicologia; 2Universidade Federal de
Minas
Gerais
Medicina
Molecular;
3Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina; 4UFMG - Medicina;
5UFMG - Saude mental; 6Ufmg – Psiquiatria
OBJETIVO: Verificar se há diferença entre o
grupo controle e o grupo de pacientes com
Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) para o uso de
cigarro e álcool. E identificar se há correlação
entre os componentes medidos na Escala de
Comportamento Impulsivo (UPPS), o uso de
cigarro e de álcool no grupo controle e no
TAB. MÉTODO: Foram 52 controles (61,5%
feminino), entre 21 e 71 anos (M=49,5;
dp=14,27) e 44 pacientes (70,45% feminino),
entre 18 e 63 anos (M=39,75; dp=12,29), sendo
todos diagnosticados com TAB segundo o MNI,
versão PLUS, pelo Núcleo de Transtornos
Afetivos (NTA), Universidade Federal de Minas
Gerais (UFMG), Hospital das Clínicas de Belo
Horizonte (HC). Todos os participantes
responderam às escalas UPPS e o questionário
de tolerância de Fargerstron (QTF) e CAGE.
Para as análises estatísticas utilizamos o teste-t
e a correlação de Pearson. RESULTADOS:
Observou-se que há diferença significativa
entre os grupos apenas para o uso de cigarro
(p<0,05). No grupo controle houve correlação
significativa entre os componentes falta de
premeditação e de perseverança (rho=0,55).
Enquanto no grupo TAB houve correlação
entre falta de premeditação e urgência
(rho=0,48), falta de premeditação e de
perseverança (rho=0,45) e urgência e falta de
perseverança (rho=0,39). Porém, não houve
correlação entre as escalas Cage, QTF e os
fatores da UPPS em ambos os grupos, apesar
de apontar para uma diferença entre eles.
CONCLUSÃO: Embora o tamanho da amostra
seja uma importante limitação do estudo,
conclui-se que o comportamento impulsivo de
ter dificuldade em manter o foco em tarefas e
em antecipar consequências futuras está
presente em pacientes TAB e em não
pacientes. Além disso, pacientes TAB fumantes
buscam mais sensações excitantes que
138
podem ser prejudiciais e perigosas, sendo
necessário atentar para o tipo de intervenção
(terapêutica e medicamentosa) que é
fornecida e buscar tratamentos diferenciados
para esta população.
Responsável pelo Envio:
Ana Luiza Costa Alves
([email protected])
22-115A- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLOGICA
DE SUJEITOS EM CONDIÇÃO DE OBESIDADE
Bergamini GB1; Calheiros PRV1
1Universidade Federal de Rondonia - Pos
Graduaçao Em Psicologia
A obesidade hoje é um problema mundial e é
considerada pela OMS como doença
epidêmica do século 21. Os fatores que
levaram a esse reconhecimento permeiam
pelas doenças que aparecem devido a essa
condição
corpórea.
Considerada
uma
epidemia
mundial
sem
exceções
de
condições sociais e econômicas. As doenças
adquiridas devido à obesidade são das mais
variadas ordens: física, orgânica e inclusive
desordens
psicológicas
e
transtornos
psiquiátricos.
Os
fatores
de
alteração
metabólica – causado pela obesidade,
incluindo a disfunção e hiperfunção de
algumas
glândulas
responsáveis
pela
regulação do sistema límbico, bem como do
funcionamento cerebral, podem acarretar em
prejuízos cognitivos severos. Este estudo dar-seá através de um levantamento transversal. Os
objetivos são os de avaliar as funções
neuropsicológicas: atenção, memória, funções
executivas, funções motoras, linguagem,
inteligência,
praxia,
visuognósticas
e
visuoespaciais; Verificar a existência de
Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica –
TCAP e desempenho em atividade de vida
diária. Os sujeitos da pesquisa serão escolhidos
através de amostra de conveniência, ao total
50 sujeitos com IMC acima de 30. Para coleta
de dados será utilizado protocolo de
Avaliação Neuropsicológica Breve, Escala de
Compulsão Alimentar Periódica e Escala das
Atividades da Vida Diária. O estudo será
realizado no segundo semestre de 2014. Apoio
Financeiro: não se aplica.
Responsável pelo Envio:
Gesica Borges Bergamini
([email protected])
22-116- BEHAVIORAL EVALUATION OF EIGHT
RAT LINES SELECTED FOR HIGH AND LOW
ANXIETY-RELATED RESPONSES.
Landeira-Fernandez J1
1PUC – Psicologia
Anxiety traits can be stable and permanent
characteristics of an individual across time but
can be particularly influenced by a particular
situation. One way to study trait anxiety in an
experimental context is through the use of rat
lines, selected according to contrasting
phenotypes of fear and anxiety. It is not clear
whether the behavioral differences between
two contrasting rat lines in one given anxiety
test are also present in others paradigms of
state anxiety. Here, we examine the extent to
which multiple anxiety traits generalize across
selected animal lines originally selected for a
single anxiety trait. We review the behavioral
results available in the literature of eight rat
genetic models of trait anxiety - namely
Maudsley Reactive and Non-reactive rats,
Floripa H and L rats, Tsukuba High and Low
Emotional rats, High and Low Anxiety-related
rats, High and Low Ultrasonic Vocalization rats,
Roman High and Low Avoidance rats, Syracuse
High and Low Avoidance rats, and Carioca
High and Low Conditioned Freezing rats across 11 behavioral paradigms of innate
anxiety or aversive learning frequently used in
the experimental setting. We observed both
convergence and divergence of behavioral
responses in these selected lines across the 11
paradigms. We find that predisposition for
specific anxiety traits will usually be generalized
to other anxiety provoking stimuli. However this
generalization is not observed across all
genetic models indicating some unique trait
and state interactions. Genetic models of
enhanced-anxiety related responses are
beginning to help define how anxiety can
manifest differently depending on the
underlying
traits
and
the
current
139
environmentally
induced
Financeiro: CNPq, FAPERJ
Responsável pelo Envio:
Jesus Landeira-Fernandez
([email protected])
state.
Apoio
22-117- PREJUÍZOS NO COMPORTAMENTO
SOCIAL E NA INVESTIGAÇÃO DE OBJETOS
EM
ANIMAIS
SUBMETIDOS
AO
PROCEDIMENTO
DE
HIPÓXIA-ISQUEMIA
ENCEFÁLICA.
Jaboinski JR1; Almeida LAM1; Rysdyk A1;
Decker R1; Bizarro L2
1Ufrgs - Psicologia; 2Universidade Federal do
Rio Grande do Sul - Psicologia do
Desenvolvimento e da Personalidade
Eventos hipóxicos em neonatos são as
principais causas de mortalidade e morbidade
em humanos, podem ser causados por vários
processos patológicos como asfixia intrauterina
e
outras
complicações.
As
consequências mais comuns são: epilepsia,
déficits cognitivos e motores e paralisia
cerebral. O procedimento experimental de
hipóxia-isquemia encefálica (HI) provoca dano
em estruturas importantes para a memória e o
comportamento social (e.g. hipocampo,
córtex, estruturas límbicas associativas), esse
procedimento permite o estudo da relação
entre a hipoperfusão em áreas cerebrais e os
prejuízos no comportamento social e de busca
de novidade. O objetivo deste estudo foi
observar prejuízos no comportamento social e
na investigação de objetos em animais
submetidos ao procedimento de hipóxiaisquemia encefálica. Foram utilizados 24 ratos
Wistar, divididos em dois grupos (n=12): hipóxia
(HI) e controle (CTR). Os animais foram
submetidos ao modelo de hipóxia-isquemia
neonatal de Levine-Rice, no 7º dia pós-natal.
Entre o 45º e o 52º dia pós-natal, os animais
realizaram
testes
que
avaliaram
o
comportamento social. Nessa tarefa, um rato
(HI ou CTR) é exposto a outros dois juvenis não
familiares por 5 minutos. Foi avaliado o
comportamento social (cheirar áreas não
genitais do intruso, segui-lo e/ou exercer
dominância ou agressão) a partir do tempo
gasto realizando esses comportamentos.
Também foi mensurado o tempo gastona
realização de comportamentos não sociais
(e.g. self-grooming e rearing). Três dias depois,
os animais foram avaliados na tarefa de
interação com objetos. Nessa tarefa, cada
rato foi exposto a dois objetos iguais, os quais
ele poderia explorar por 5 minutos. Foi
avaliado o tempo que o animal passou
investigando cada objeto, através do cálculo
de um índice de interação (tempo de
investigação / tempo total). O desempenho
dos dois grupos foi comparado utilizando-se
teste t. Os animais do grupo HI apresentaram
menos tempo em comportamentos sociais
t(20) = -5.27, p = 0.01 e mais tempo em
comportamentos não sociais t(20) = 4.66, p =
0.01 do que os animais do grupo CTR. Na
tarefa de interação com objetos, os sujeitos do
grupo HI apresentaram menor índice de
interação que os do grupo CTR (t(20) = -3.027,
p = 0.007). Em ratos, o procedimento de HI
parece produzir prejuízos de interação social,
sugerindo uma preferência pelo desempenho
de comportamentos não sociais. Além disso, o
baixo índice de exploração de objetos sugere
também um comportamento exploratório
diminuído. Futuras análises do desempenho
nessas tarefas esclarecerão outros aspectos do
comportamento social afetados pela hipóxiaisquemia encefálica. Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Juliana Raquel Jaboinski
([email protected])
22-118O
DESENVOLVIMENTO
DE
AGRESSIVIDADE EM RATOS WISTAR MACHOS
Vasconcelos MF; Gehres SW1; Guahyba BL2;
Chatain CP3; Almeida RMM1
1UFRGS - Psicologia; 2FADERGS - Psicologia;
3Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento
de
Psicologia
do
Desenvolvimento e da Personalidade
Derrota
social
é
resultado
de
uma
confrontação intraespecífica de ratos machos,
etologicamente relevante, podendo ser
utilizada em estudos para a compreensão das
adaptações fisiológicas e comportamentais ao
estresse. Dentre os animais utilizados como
modelos experimentais, os ratos Wistar são
140
considerados
mansos.
Em
estudos
de
agressividade, são vistos como uma linhagem
pouco agressiva. Porém, é possível desenvolver
o comportamento agressivo nesses animais
através de algumas manipulações.O objetivo
do estudo é analisar o desenvolvimento do
comportamento agressivo de forma confiável
em ratos Wistar machos. Foram utilizados 6
animais, aos 64 dias de vida, chamados de
residentes,
pareados
com
6
fêmeas
laqueadas. Os residentes residiram em caixas
medindo 46x71x46cm, sendo expostos a outros
machos,
chamados
provocadores.
Os
provocadores,12 animais, residiram em caixas
medindo 15x20x25cm. A caixa do provocador
foi colocada dentro da caixa do residente por
10 minutos, esta é chamada etapa PréConfrontação.
O
intruso
permaneceu
protegido pela caixa, até que, passado o
tempo estipulado, foi retirado dela e
confrontado diretamente com o residente,
etapa chamada de Confrontação. Foram
observados os seguintes parâmetros: tempo de
latência até a primeira mordida e número de
mordidas. Observações foram feitas durante as
duas etapas. Estudos longitudinais feitos com
linhagens selvagens de Rattus norvegicus
apontam para uma distribuição individual
trimodal do comportamento agressivo em
testes do tipo residente-intruso. Em uma
progressão, foram observados animais não
agressivos, de baixa agressividade, e de alta
agressividade.
Mesmo
as
linhagens
laboratoriais mais agressivas não apresentam
os níveis de alta agressividade, assumindo uma
distribuição bimodal, característica à linhagem
Wistar. Porém, sob as condições apropriadas
de testagem, é possível escalonar o
comportamento agressivo do animal para que
ele chegue a um nível de alta agressividade.
Os resultados obtidos no nosso estudo
exemplificam essa possibilidade de obter uma
distribuição trimodal de comportamento
agressivo em Wistar. Obtivemos um animal que
nunca apresentou comportamento agressivo,
dois com baixa agressividade, e três com alta
agressividade. O animal 1 apresentou
agressividade baixa, com mordidas em 55,2%
das sessões; o animal 2 apresentou resultados
semelhantes, com mordidas
em igual
porcentagem; o animal 3 apresentou
agressividade alta, com mordidas em 86,2%
das sessões; o animal 4 apresentou
agressividade alta, com resultado em 93,1%
das sessões; o animal 5 mordeu em 82,1% das
sessões, apresentando agressividade alta; e o
animal 6 não mordeu em nenhuma sessão.
Analisando
os
dados
quantitativos
e
qualitativos
(piloereção,
posturas
e
comportamentos
específicos)
coletados,
podemos inferir que o comportamento
agressivo confiável foi obtido em 5 dos 6
animais. Estes residentes agressivos foram
considerados aptos ao protocolo de derrota
social. Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Mailton Vasconcelos
([email protected])
22-119RESPOSTA
NÚCLEO
PARAVENTRICULAR DO HIPOTÁLAMO E
ÁREAS LÍMBICAS ASSOCIADAS AO ESTRESSE
À INGESTÃO CRÔNICA E RETIRADA DO
ÁLCOOL
Wscieklica T1; Andrade JS1; Viana MB1; Spadari
RC1; Cespedes IC1
1Unifesp – Biociencias
A dependência a drogas é um problema
mundial e frequente envolvendo jovens e
adultos, onde o álcool se destaca como a
droga mais comumente usada. A ingestão
compulsiva de álcool é caracterizada pela
diminuição da função da neurocircuitaria de
recompensa (principalmente dopaminérgica)
e o recrutamento de mecanismos antirecompensa, do sistema de estresse (com o
aumento da atividade do sistema CRFérgico)
que seriam os elementos mais importantes
para este comportamento. A combinação
entre a perda da função de recompensa e o
recrutamento do sistema de estresse, fornece
uma potente base neuroquímica para a
hipótese de que os aspectos motivacionais
possuem papel chave no reforço negativo que
leva à dependência. Este estudo teve como
objetivo analisar a resposta de áreas
associadas ao controle suprasegmentar da
resposta de estresse durante a ingestão
crônica de álcool. Para tanto, foram
comparados os níveis de ativação neuronal no
141
córtex pré-frontal e no hipocampo frente à
ingestão crônica do álcool e sua retirada em
comparação à ativação destas áreas frente a
um estressor crônico psicogênico. Estas
respostas foram analisadas através da
imunorreatividade à proteína Fos e os seus
reflexos comportamentais analisados através
dos testes comportamentais de Campo Aberto
(CA) e Labirinto em Cruz Elevado (LCE). Foram
constituídos 4 grupos de animais sendo:
controle (CO), estresse por restrição (R), álcool
(A) e retirada (RA). No córtex pré-frontal e na
área CA1 do hipocampo observou-se maior
ativação nos grupos estresse por restrição (R) e
álcool (A) em relação ao grupo controle (CO).
Nas áreas hipocampais CA2, CA3 e giro
denteado não foram encontrados resultados
significativos. Com relação ao LCE, houve
percentagem de entradas no braço aberto no
grupo R quando comparado aos demais
grupos e maior percentagem no tempo de
permanência no braço aberto no grupo A em
relação ao grupo R. Houve maior número no
parâmetro grooming no grupo R em
comparação aos demais grupos. No teste CA,
foi observada maior atividade no parâmetro
rearing no grupo A em relação ao R, e no
parâmetro grooming
observou-se
maior
atividade no grupo R em relação aos grupos
CO e A e do grupo RA em relação aos grupos
CO e A. Desta forma concluímos que, a maior
ativação neuronal no córtex pré-frontal e na
área CA1 do hipocampo no grupo A
semelhante ao grupo R indica que a ingestão
crônica de álcool promove uma ativação
similar a um potente estressor psicogênico. Nos
testes comportamentais, houve ausência de
efeitos ansiogênico e locomotor nos grupos
álcool e retirada. Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Tatiana Wscieklica
([email protected])
DIA 23/11/2013 – SÁBADO
23-001- LEXICAL-SEMANTIC PROCESSING
AND
READING:
RELATIONS
BETWEEN
SEMANTIC
PRIMING,
VISUAL
WORD
RECOGNITION
COMPREHENSION
AND
READING
Nobre AP1; Salles J F1
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS) - Psicologia do Desenvolvimento e da
Personalidade
The aim of this study was to investigate relations
between lexical-semantic processing and two
components
of
reading:
visual
word
recognition and reading comprehension. Sixtyeight children from private schools in Porto
Alegre, Brazil, ranging from seven to 12 years,
were evaluated. The participants were divided
in two groups: a younger group composed of
children from the first and second grades, and
an older group, comprising children of the fifth
and sixth grades. Word recognition was
assessed with a word/nonword reading task,
consisting of reading aloud a series of stimuli
composed of regular words, irregular words
and nonwords. Reading comprehension was
evaluated with a task consisting of reading a
story, followed by two tasks: responding to a
questionnaire about the text and oral retelling
of the story. Lexical-semantic processing was
assessed with a semantic priming experiment,
consisting of the presentation of a prime
stimulus followed by a target, on which the
participant performed a lexical decision. The
experiment comprised 78 prime-target pairs, 39
of which were word (prime)-word (target) pairs
and 39 were word-nonwords. Half of the wordword pairs were semantically related. A stimulus
onset asynchrony of 1000 ms was employed.
Correlations were conducted in order to
examine the relations between semantic
priming effects and reading tasks. Regression
analyses were run to test the hypothesis that
word reading would mediate the relation
between semantic priming and reading
comprehension. The results showed that
semantic priming effects correlated with
reading of regular and irregular words but not
of nonwords, as predicted by word reading
models. Additionally, correlations were more
frequent and stronger in older than in younger
children. Concerning reading comprehension
measures, percentage of propositions retold by
time correlated with semantic priming effects,
especially in younger children. The regression
142
model showed that semantic priming effects
significantly
contributed
to
reading
comprehension even after controlling for word
reading. The results are discussed in the context
of reading models and other studies relating
semantic priming and reading measures.
Apoio Financeiro: Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico
(CNPq)
Responsável pelo Envio:
Alexandre de Pontes Nobre
([email protected])
23-002- WORRY EFFECTS ON VISUOSPATIAL
AND VERBAL WORKING MEMORY WITH AND
WITHOUT BINDING
Moreno AL1; Avila-Souza J2; Gomes WB3;
Gauer G2
1UFTM - Departamento de Psicologia; 2UFRGS Instituto de Psicologia - Biosphec; 3UFRGS Instituto de Psicologia
Worry consists of intrusive, repetitive negative
thoughts, usually in verbal form, about a future
event of uncertain outcome. Excessive
occupation of working memory (WM)
subsystems by worry-related representations
might cause deficits in WM performance and
efficiency. Attentional Control Theory (ACT)
predicts that worry occupies the central
executive, but not the storage components of
WM
(phonological
loop,
visuospatial
sketchpad). We tested, in visuospatial and
verbal WM memory tasks, with and without
binding, worry effects on the capacity of the
storage components and episodic buffer
performance. Forty-six Brazilian undergraduates
took part in this study, divided into one lowworry (LW, n=21, 11 female) and one high-worry
(HW, n=25, 23 female) group, assigned through
a measure of worry frequency. We measured
accuracy and reaction time (RT) in a modified
version of the constrained sentence span, in
two experimental conditions (with and without
binding), to assess phonological loop capacity
and episodic buffer performance for verbal
features. In order to assess visuospatial
sketchpad capacity and episodic buffer
performance for visuospatial features, we
measured accuracy and RT in a modified
version of a color-shape WM task in two
conditions (with and without binding). A dualtask paradigm was used to control the activity
of central executive component. The HW
group showed significantly lower accuracy in
the condition without binding of verbal tasks
and higher RTs in both conditions of the
visuospatial tasks. Within the HW group, binding
lead to lower accuracy in the visual task and
lower RTs in the verbal task. Results are
discussed according to ACT, which predicts
differential effects of worry on performance
and efficiency across WM modalities. These
results suggest that, contrary to what ACT
proposals, storage components are affected
by worry-related representations. Furthermore,
the episodic buffer, when assessed through
binding conditions, may have an important role
on the effects of worry in working memory.
Apoio Financeiro:CNPq
Responsável pelo Envio:
Andre Luiz Moreno
([email protected])
23-003- EXPLORING THE ROLES OF SELF AND
OTHER AS LEVELS OF PROCESSING IN
RECOGNITION MEMORY
Lannig G1; Avila-Souza J2; Gauer G3
1Ufrgs - Psicologia do Desenvolvimento e
Personalidade; 2UFRGS - Instituto de Psicologia;
3UFRGS - PPG Psicologia
Episodic memory refers to the ability to recall
information about personally experienced past
events contextualized in time and space. The
process involves voluntary effort and is
characterized by subjects´ belief in the
accuracy
of
the
information
and
a
phenomenological sense of recollection. The
Remember/Know (R/K) paradigm allows one to
explore the role of conscious recollection when
an item is recognized. Remember responses
reflect a subjective feeling of having actually
experienced the event. Know responses refer
to
items
recognized,
but
without
a
phenomenological experience of reliving. The
Levels of Processing (LoP) approach suggests
that information is stored in long term memory
at variable depths of processing depending on
143
conditions at encoding. Thus, some events
show better retention when a stimulus reaches
deeper levels of meaning. Self-reference is
accepted as engaging the deepest LoPs.
Nevertheless, the concept of self-reference
itself remains to be explored, in opposition not
only to other people with different degrees of
acquaintance to the subject, as in relation to
inanimate
objects.
In
this
study
27
undergraduates (mean age 23.6 years, 16
women) responded to a computerized R/K
recognition task manipulating three LoPs at
encoding: Self (deeper processing), Other
(intermediate processing) and Object (shallow
processing). In the Study Phase 78 adjectives
and quality-related words were sequentially
presented on the computer screen and the
subject answered yes or no via keyboard to
one of the LoP questions for each item. In the
Test Phase, the 78 items from the list were
randomly presented along with 50 distractors.
In each trial the subject responded if the word
was in the studied list (Old) or not (New). If the
response was Old a R/K judgment would be
prompted. Correct Old/New as well as R/K
responses and their reaction times (RT) were
recorded. We observed a significant difference
(χ²=12.230, p<.01) in RTs for recognition
accuracy between Self and Other (p<.01) and
between Self and Object conditions (p<.05).
R/K
judgment
RTs
showed
significant
differences (χ²=6.858, p<.05) in comparison
between Self and Object conditions (p<.05).
An association between R/K and LoP occurred
(χ²=25.355, p<.01). Remember responses were
significantly associated with the Self condition
whereas Know responses were more prevalent
in the other LoPs. The results suggest that selfreference can be considered a deep LoP in
episodic memory, with greater recognition and
shorter RT compared to other conditions. Also,
the results present aspects of living beingrelated semantic categorization associated
with LoPs, suggested by greater recognition for
a person unacquainted to self, than for
inanimate objects, however resembling the
human form. Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Guilherme Lannig de Souza
([email protected])
23-004- INDIVIDUAL AND NORMATIVE
PARAMETERS
OF
AUTOBIOGRAPHICAL
MEMORY ORGANIZATION IN A BRAZILIAN
SAMPLE USING A LIFE SCRIPTS PARADIGM
Avila-Souza J1; Moreno AL2; Gauer G3
1UFRGS - Instituto de Psicologia; 2Universidade
Federal do Triangulo Mineiro - Departamento
de Psicologia; 3UFRGS - PPG Psicologia
The influence of specific individual experiences
in the self-assessment of well-being and quality
of life is a topic of current and growing interest
in Psychological and Economic research. A
model with two domains as proposed by D.
Kahneman allows for the comparisons needed
for such assessment. One domain concerns an
experiencing self, providing the instantaneous
perspective from a self that is currently living
the immediate experience. The other relates to
a more permanent long-term extended self.
Thus, long-term information available for
retrieval from the subject’s autobiographical
experiences (mnemonic self), would inform
present evaluations (experiencing self) of
current quality of life. Long-term memory
systems provide maintenance and processing
of episodic knowledge referring personal
events from a subject’s life, as well as the
semantic knowledge of the schematic
organization life stories in general. Evaluation
activates both kinds of knowledge about the
course of a lifetime: the personal, referring to a
range of experiences from the individual´s own
life history; and the normative, covering
schemas that organize events that are
expected to occur as a rule in the social group
and cohort. The Life Scripts Paradigm requests
the participant to list the seven events more
likely to occur in the life course of a typical
newborn.
Life
scripts
embed
cultural
expectations about the order of events
expected to happen in the life of most
individuals. In other words, they represent
shared public knowledge and relate to a fixed
temporal order of events. This study
investigated relationships between parameters
of Life-Script (normative) and Life-History
(individual) events and self-consciousness.
Brazilian undergraduates (161 in total, 109
female, mean age 23,12) responded to on-line
144
Life-Scripts and Life-History questionnaires. Selfconsciousness was measured through the SelfConsciousness Scale - Revised. Regarding LifeScript events (7 events per subject, 1127 events
in total), there was a significant association (χ2
= 37.81; p < .01) between past events and
positive valence, contrasted with neutral and
negative
valence
events.
There
were
significant correlations between event valence
and distance in years (absolute difference from
subject´s current age to estimated age at
event): negative for events in subject´s past
(rho = -.25; p < .01), positive for events in
subject´s future (rho = .21; p < .01). For LifeHistory events, positive events were rated
significantly higher on personal importance
than neutral and negative ones (F = 37.86; p
<.01). Results are discussed according to the
Self-Memory System model of autobiographical
information organization, retrieval processes,
and their relationship to individual differences in
self-consciousness. Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Juliana Avila de Souza
([email protected])
23-005- DESEMPENHO DE ADOLESCENTES,
ADULTOS E IDOSOS EM TAREFAS DE
ATENÇÃO,
MEMÓRIA
E
FUNÇÕES
EXECUTIVAS:
UM
ESTUDO
DESENVOLVIMENTAL
Irigaray TQ1; Olveira SKOC2; Grassi-Oliveira R2;
Fonseca RP3; Kristensen CH4; Argimon IIL5 –
1Pucrs - Pos-Graduaçao Em Psicologia; 2PUCRS
- Programa de Pós-Graduação em Psicologia;
3Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Professora Adjunta da
Faculdade de Psicologia e do Programa de
Pós-Graduação em Psicologia (Cognição
Humana). Coordenadora do Grupo de
Neuropsicologia Clínica Experimental (GNCE).;
4Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - PPGP; 5Pucrs - Psicologia
Clinica
Ao longo do processo de desenvolvimento
humano, verificam-se mudanças significativas
no desempenho da atenção, memória e
funções
executivas.
Essas
ocorrem
principalmente nas duas primeiras décadas de
vida
e
ao
longo
do
processo
de
envelhecimento. Dessa forma, o objetivo desse
estudo foi comparar o desempenho de
adolescentes, adultos e idosos em tarefas de
memória
episódica
verbal,
atenção
concentrada focalizada visual e funções
executivas (planejamento, iniciação e inibição
verbais). Participaram deste estudo 300
indivíduos, sendo 100 adolescentes (média de
idade=15,13; DP=1,88), 100 adultos (média de
idade=22,36; DP=4,63) e 100 idosos (média de
idade=68,34; DP=6,77). Para avaliação dos
componentes cognitivos acima mencionados,
utilizaram-se o Teste D2, o Teste de
Aprendizagem Verbal Califórnia (adaptado) e
o Teste de Fluência Verbal Fonêmica “F”
(adaptado). A comparação entre os grupos
nas variáveis sociodemográficas, atenção,
memória e funções executivas foi realizada a
partir da análise de variância One-Way
ANOVA, com post-hoc Tukey. Como os grupos
diferiram de maneira significativa em relação
à
escolaridade,
realizou-se
ANCOVA
controlando-se o efeito dessa variável no
desempenho cognitivo. Nos Testes D2,
Califórnia e fluência verbal fonêmica os grupos
diferiram de maneira significativa (p=≤0,001).
No Teste D2, os adultos demonstraram melhor
nível de atenção concentrada (M=437,85;
DP=75,89),
seguido
pelos
adolescentes
(M=341,84; DP=67,95) e idosos (M=266,89; DP=
92,17). No teste Califórnia, os adultos (M=9,54;
DP=1,91) obtiveram médias superiores ao de
adolescentes (M=8,52; DP=2,04) e de idosos
(M=7,27; DP=2,01). Por fim, no Teste de Fluência
Verbal Fonêmica os adultos novamente
tiveram
melhor
desempenho
(M=13,60;
DP=3,40), seguido pelos idosos (M=9,58;
DP=3,02) e adolescentes (M=9,02; DP=3,35). Os
resultados do presente estudo sugerem um
padrão de desempenho em uma curva em U
invertido ao longo do ciclo vital em tarefas de
atenção concentrada, memória declarativa
episódica verbal e funções executivas. Estes
resultados podem ser relacionados a processos
neurodesenvolvimentais,
sobretudo
a
diferenças temporais na mielinização de
estruturas
que
integram
circuitos
frontocorticais-subcorticais
envolvidos
no
desempenho destas tarefas. Tais achados são
145
discutidos quanto as suas repercussões para a
caracterização
das
especificidades
do
processamento cognitivo no desenvolvimento
humano. Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Tatiana Quarti Irigaray
([email protected])
23-006- INVESTIGAÇÃO DAS FUNÇÕES
EXECUTIVAS ASSOCIADAS AO FENÔMENO
DA RESILIÊNCIA E SUA REPERCUSSÃO NO
RENDIMENTO
ACADÊMICO
DE
UNIVERSITÁRIOS
DO
ESTADO
DO
AMAZONAS.
Pessoa RC1; Aguiar KQ2; Dias SS2; Carvalho
ALLS2 –
1Universidade Federal do Amazonas-Ufam Psicologia; 2Faculdade Metropolitana de
Manaus - FAMETRO – Psicologia
O estudo do fenômeno da resiliência é algo
relativamente novo no campo das ciências
humanas, bem como no campo da
psicologia. A grande maioria dos estudos já
realizados nesse campo procura investigar a
resiliência por uma perspectiva social,
buscando
descrever
apenas
aspectos
subjetivos desse fenômeno. No que tange
relacionar
processamento
cognitivo
e
resiliência, existem algumas pesquisas no
campo das neurociências que procuram
explicar o processo neurobiológico subjacente
ao processo de resiliência. Contudo, esses
estudos ainda representam uma pequena
parcela do universo de investigações
interessadas em estudar resiliência. Assim
sendo, este estudo procurou pesquisar as
funções executivas (FEs) subjacentes ao
fenômeno da resiliência e de que modo isso
repercute no desempenho acadêmico de
universitários com idades entre 18 a 45 anos.
Para o efeito, tomaremos em consideração
uma amostra de n=500 estudantes sendo
n=300 em Manaus e n=200 em Humaitá. A
proposta foi aprovada pelo CEP-UFAM e os
participantes responderão, a um Questionário
Sócio-demográfico, à Escala Breve de Coping
Resiliente e serão submetidos ao instrumento
neuropsicológico Wisconsin, sendo estes dados
analisados através do programa SPSS versão
15.0 para o Windows. Os resultados
preliminares indicam que a maioria dos
acadêmicos que possuem melhor índice de
resiliência, são os mesmos que apresentam
melhor desempenho no teste Wisconsin, não
obstante a isso, apresentam ainda, bom
rendimento acadêmico. Espera-se que a
continuidade da pesquisa e análise total dos
testes, demonstre o mesmo fenômeno. A partir
disso, se espera contribuir com o surgimento de
novos paradigmas no que importa considerar
a análise da resiliência a partir de uma
perspectiva
neurobiológica.
Contato:
[email protected]
Apoio
Financeiro: FAPEAM
Responsável pelo Envio:
Rockson Costa Pessoa
([email protected])
23-008ROTAÇÃO
MENTAL,
COMPATIBILIDADE
ESPACIAL
E
RECONHECIMENTO DA LATERALIDADE DE
UMA FIGURA
Silva JAL1; Kamarowski LV2; Carvalho-Oliveira
S2; Gawryszewski LG3
1Universidade
Federal
Fluminense
Neurociencias;
2Universidade
Federal
Fluminense - Neurobiologia; 3Universidade
Federal Fluminense - Ppg Em Neurociencias
O Tempo de reação manual (TRM) para
decidir se a figura da cauda de um gato
corresponde à sua cauda direita ou à sua
cauda esquerda depende da perspectiva em
que se vê o gato (de frente ou de costas).
Quando um gato é visto de costas, o lado da
cauda em relação ao gato corresponde ao
lado
da
cauda
em
relação
ao
experimentador. Por outro lado, quando o
gato é visto de frente, o lado da cauda em
relação ao gato é oposto ao lado do
experimentador. No experimento 1, foram
testados 20 adultos destros, com a instrução:
“No centro da tela, aparecerá um gato de
frente ou de costas com a cauda para direita
ou para a esquerda. Aperte a tecla “a”
quando a cauda em relação ao gato estiver à
esquerda do gato e a tecla “6”, à sua direita”.
As medianas dos TRMs foram calculadas e
146
submetidas à uma ANOVA com os fatores
Cauda e Vista. O TRM para Vista do gato de
frente (576 ms) foi 48 ms maior (F( 1,19 )=20,427,
p<0,0003) do que o TRM para Vista de costas
(528 ms). Embora esse efeito possa ser devido
ao tempo necessário para realizar a rotação
mental, é possível que exista um efeito de
compatibilidade espacial. Para separar os dois
possíveis efeitos, realizamos o experimento 2,
com os mesmos estímulos e as mesmas teclas
de resposta, mas com a instrução: “No centro
da tela, aparecerá um gato de frente ou de
costas com a cauda para direita ou para a
esquerda. Quando o gato aparecer de costas,
aperte a tecla localizada no mesmo lado da
cauda. Quando o gato aparecer de frente,
aperte a tecla oposta ao lado da cauda”.
Foram testados 23 adultos destros e
encontramos que não existe diferença
significativa (F(1, 22)= 2,117, p=0,160) entre o
TRM para vista do gato de frente (573 ms) e o
TRM para vista de costas (564 ms). Para
verificar o efeito de compatibilidade entre o
lado da cauda e o lado da tecla
independentemente da vista, testamos 8
voluntários no experimento 3, o qual foi
realizado em dois blocos. No bloco 1, o
voluntário devia responder com a tecla
localizada no mesmo lado da cauda
(condição compatível). No bloco 2, devia
responder com a tecla localizada no lado
oposto ao da cauda (condição incompatível).
O TRM na condição compatível (336 ms) foi 51
ms menor (F(1,7)=, 17,521, p<0,005) do que na
incompatível (387 ms). Concluindo, estes
experimentos permitiram separar os efeitos da
rotação mental da figura do gato dos efeitos
relacionados com a compatibilidade espacial
entre os lados da cauda e da tecla. Apoio
Financeiro: CNPq, FAPERJ, CAPES, PIBICUFFq/CNPq, PROPPi-UFF
Responsável pelo Envio:
Sarah Carvalho de Oliveira
([email protected])
23-009- A COMPATIBILIDADE ESPACIAL
AFETA
A
LATÊNCIA
PARA
O
RECONHECIMENTO DA LATERALIDADE DE
PARTES DO CORPO?
Medeiros
CL1;
Carvalho-Oliveira
S2;
Gawryszewski LG3
1Universidade
Federal
Fluminense
Departamento
de
Neurobiologia;
2Universidade
Federal
Fluminense
Neurobiologia;
3Universidade
Federal
Fluminense - Ppg Em Neurociencias
O Tempo de reação manual (TRM) para
decidir se uma figura é a mão direita ou
esquerda depende da vista, sendo maior para
palma do que para dorso. Este retardo
relaciona-se com as limitações biomecânicas
envolvidas com esta decisão. Como a posição
do polegar varia com a vista, estando à direita
da mão direita quando a vista é da palma e a
sua esquerda quando a vista é do dorso (e
vice-versa para a mão esquerda), é possível
que a relação espacial polegar-tecla
influencie o TRM por um efeito de
compatibilidade espacial. Neste caso, na
condição compatível (polegar/estímulo e
tecla no mesmo lado), o TRM seria menor do
que na incompatível (polegar/estímulo e tecla
em lados opostos). Para analisar este possível
efeito, figuras da palma ou do dorso da mão
direita ou esquerda foram empregadas em
três experimentos distintos. No Experimento 1,
foram testados 10 participantes destros. A
instrução foi: "No centro da tela, aparecerá a
palma ou o dorso de uma mão esquerda ou
direita. Aperte a tecla "a" se for a mão
esquerda e a tecla "6" se for a direita”. No
experimento 2, foram testados 20 participantes
destros. Os mesmos estímulos e as mesmas
teclas de resposta foram empregados, mas os
voluntários foram divididos em dois grupos
iguais. No Grupo 1, a instrução foi: "Quando
aparecer o dorso da mão, aperte a tecla
localizada no mesmo lado do polegar,
quando aparecer a palma, aperte a tecla
localizada no lado oposto ao polegar” e no
Grupo 2: "Quando aparecer o dorso da mão,
aperte a tecla localizada no lado oposto ao
polegar, quando aparecer a palma, aperte a
tecla localizada no mesmo lado do polegar”.
Assim, a resposta era determinada pela
posição do polegar, mas a relação lado do
polegar-lado da tecla dependia da vista. As
medianas dos TRM foram calculadas e
submetidas a uma ANOVA com os fatores Mão
147
e Vista. No Experimento 1, encontramos que a
Vista influencia o TRM. O TRM para a Palma
(644 ms) foi 43 ms maior (F(1,9)= 18,284,p<0,001)
do que o para o Dorso (601ms), sendo que a
relação entre os lados do polegar e da tecla
não influenciou o TRM. O mesmo ocorreu nos
dois grupos do Experimento 2. O TRM para a
Palma
(554ms)
foi
19ms
maior
(F(1,9)=6,794,p<0,018) do que o para o Dorso
(539ms) e a relação polegar-tecla, nessas
condições, também não teve efeito. No
Experimento 3, onde foram testados 8 adultos
destros e a resposta era determinada pela
posição do polegar, independentemente da
vista, observou-se o efeito usual de
compatibilidade espacial, sendo que o TRM na
condição compatível (373ms) foi 36 ms menor
(F(1,7)=
27,468,p<0,001)
do
que
na
incompatível
(409ms).
Desta
forma,
demonstrou-se que a posição assimétrica do
polegar não afetou o TRM nos 2 primeiros
experimentos. Por outro lado, quando a
resposta era determinada somente pela
posição do polegar, independentemente da
vista, observou-se o efeito usual de
compatibilidade espacial.
Contato: [email protected]
Apoio Financeiro: CNPq, FAPERJ, CAPES,
FOPESQ-PROPP-UFF, PIBIC-UFF, PIBITI
Responsável pelo Envio:
Caroline Lourenço de Medeiros
([email protected])
23-010A
PREFERÊNCIA
LATERAL
INFLUÊNCIA A PERCEPÇÃO CORPORAL
Silva RC1; Brozinga TR1; Consolo P1; Fukusima
SS1
1Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de
Ribeirão Preto - Departamento de Psicologia
A percepção que um indivíduo tem do próprio
corpo envolve aspectos relacionados à
estrutura (tamanho e dimensões), à aparência
física (forma e aspecto) e a representação
neural do corpo no córtex. Existem evidências
que indivíduos com preferência manual direita
(destros) têm maior área de representação
cortical, em termos de território espacial, da
mão e braço direito no hemisfério esquerdo do
que no hemisfério direito do cérebro.
Diversamente,
os
canhotos
tem
uma
representação do corpo quase simétrica. Em
função dessas diferenças que ocorrem
naturalmente, o presente estudo examinou a
influência do índice declarado de preferência
manual, determinado por inventário, na
percepção de tamanho de estruturas
corporais (mãos e braços). Vinte voluntários de
ambos os sexos (10 destros; 10 canhotos), com
idade média de 23,90 anos (± 3,71),
constituíram
a
amostra
do
estudo.
Individualmente, cada participante foi instruído
a ficar em pé e estender o seu braço direito ou
esquerdo perpendicular ao seu corpo. A partir
disso, sua tarefa era ajustar numa trena retrátil
o comprimento percebido do seu braço
estendido: a distância entre o ombro e a
ponta do dedo médio de sua mão. Ao final do
experimento, o experimentador mensurava o
comprimento de cada um dos braços do
participante. O comprimento estimado na
trena pelos participantes foram registrados e
posteriormente submetidos à ANOVA mista de
modelo: 2 grupos (destros e canhotos) x [2
braços (direito e esquerdo)], seguido de Teste
de Bonferroni (p<0,05). As análises indicaram
efeito estatisticamente significativo dos fatores
principais e da interação entre eles (p<0,05). A
comparação por pares mostrou diferenças
entre as estimativas do braço esquerdo e
braço direito entre os participantes destros
(p=0,001). Os participantes destros emitiram,
em média, estimativas maiores para a mão e
braço direito comparativamente a mão e
braço
esquerdo,
enquanto
que
os
participantes canhotos perceberam ambos os
braços da mesma amplitude. Os resultados
confirmam estudo anterior e sugerem que as
estruturas corporais mais frequentemente
engajadas no desempenho de tarefas
motoras, necessitam de maior representação
somatosensorial
no
cérebro,
pois
a
retroalimentação sensorial é maior para essas
partes do corpo. Ademais, tais representações
podem
ser
modificadas
através
da
plasticidade neural a partir de alterações
adaptativas
por
estímulos
sensoriais,
experiência e aprendizado, tendo em vista
que os canhotos tem que se adaptarem ao
longo da vida às situações favoráveis aos
destros, o que pode implicar em diferença
148
desenvolvimental nas áreas corticais cerebrais
entre destros (assimétricos) e canhotos
(simétricos). Contato: [email protected]
Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Patricia Consolo
([email protected])
23-011- ALIMENTOS REPUGNANTES AFETAM
A DISTÂNCIA PERCEBIDA POR MULHERES
UNIVERSITÁRIAS
Prado APC; Souza AG; Vendramini DM;
Guimaraes LS; Consolo P1; Fukusima SS1 –
1Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de
Ribeirão Preto - Departamento de Psicologia
O termo nojo, em seu sentido mais simples,
significa algo ofensivo ao sabor. É curioso
como facilmente esse sentimento é induzido
por algo incomum no aspecto ou na natureza
dos
alimentos. Evidências
experimentais
mostram
que
as
emoções
podem
adaptativamente alterar a percepção visual
do espaço. Assim, o objetivo deste estudo foi
examinar o efeito da exposição de objetos
nojentos sobre a percepção de distância
dentro do espaço peripessoal. Ademais,
comparar o desempenho espacial entre os
sexos. Participaram do estudo 36 voluntários
(18 mulheres; 18 homens), com média de
idade de 20,36 anos (±2,56); distribuídos em
grupo experimental (alimentos repugnantes) e
grupo de controle (alimentos neutros). Três
alimentos diferentes e reais foram posicionados
em uma mesa e apresentados como estímulos
a uma distância pré-definida do observador.
Na condição repugnante os alimentos exibiam
características
visuais
indicativas
de
deterioração. A partir disso, a tarefa dos
participantes era ajustar numa trena retrátil a
distância percebida entre ele e o alimento. Em
cada condição, as estimativas produzidas
pelos participantes foram submetidas a uma
ANOVA mista
de modelo: 2 grupos
(experimental e de controle) × 2 sexos (homens
e mulheres) × [3 estímulos (folha de alface,
fatia de pão de forma e tomate) × 3 distâncias
(12; 43 e 98 cm)], seguido do teste de
Bonferroni (p<0,05). As análises indicaram
efeito significativo dos fatores principais e das
interações entre os fatores do modelo (p<0,05).
Diferenças significativas foram encontradas
entre as estimativas de homens e mulheres em
função da condição de apresentação dos
estímulos (ps<0,05). As mulheres perceberam os
alimentos repugnantes mais próximos ao seu
corpo do que os homens, possivelmente
devido à relevância destes estímulos. É
provável que homens e mulheres diferenciamse em relação aos custos e benéficos da
prevenção às doenças. As mulheres geram e
cuidam
dos
seus
descendentes,
consequentemente elas devem estar mais
preparadas para evitar as contaminações
causadas por alimentos deteriorados. Os
resultados confirmam estudo anterior e
sugerem que as distâncias são subestimadas
para objetos que atraem maior atenção do
observador. Quando o campo visual do
observador é limitado a uma área em torno de
um objeto, a distância é subestimada; a
redução do foco atencional limita o acesso a
indícios de profundidade, os quais são
imprescindíveis para a codificação das
distâncias acuradamente. Conclui-se que
alimentos provocando a mesma emoção
(nojo) produzem distorções na percepção de
distância, em função da importância que o
estímulo em questão tem para os seres
humanos. Contato: [email protected]
Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Patricia Consolo
([email protected])
23-012- COMPARAÇÃO ENTRE AS VERSÕES
STANDARD
E
ABREVIADA
DO
TESTE
WISCONSIN DE CLASSIFICAÇÃO DE CARTAS
(WCST)
Monego B1; Bier L2; Trentini CM2
1UFRGS e FACOS - Psicologia; 2UFRGS –
Psicologia
O Teste Wisconsin de Classificação de Cartas
(WCST) avalia as habilidades de resolução de
problemas, raciocínio abstrato e formação de
conceitos. Foi desenvolvido nos anos 40 e hoje
é considerado padrão ouro para a avaliação
das funções executivas. Dentre as versões
existentes do teste, há a standard que conta
149
com 128 cartas-resposta (WCST-128) e está
disponível para o uso clínico e experimental no
Brasil, e a versão abreviada com 64 cartasresposta (WCST-64), a qual ainda está em
estudo no país. O WCST-64 demanda menos
tempo de aplicação, possibilitando seu uso em
diversos contextos que exigem avaliações mais
rápidas. Consequentemente, também evita a
fadiga do testando. O objetivo do presente
estudo é investigar a compatibilidade do
WCST-64 com sua versão standard, a qual
possui uma literatura extensa sobre sua
relevância e aplicabilidade. A amostra foi
composta por 641 participantes, com idades
variando entre 6 e 88 anos (M = 29,30 anos; DP
= 25,70), sendo 459 do sexo feminino compondo 66% da amostra. Os participantes
compunham um banco de dados que fora
utilizado em estudos de validação e
normatização do WCST-128 e do WCST-64. Os
participantes responderam ao WCST-128 que
depois foi corrigido de acordo com as
orientações de seu respectivo manual. Em
seguida, os mesmos protocolos foram
reavaliados de acordo com o manual
americano
do
WCST-64,
considerando
somente as primeiras 64 cartas utilizadas.
Foram realizadas análises descritivas para a
caracterização da amostra e Correlação de
Spearman para comparar os escores do WSCT64 com os do WCST-128. Os resultados
indicaram correlações significativas entre as
mesmas variáveis de ambas as versões – Total
de categorias completadas (r = 0,70), Total de
acertos (r = 0,62), Total de erros (r = 0,86), Erros
não
perseverativos
(r
=
0,86),
Erros
perseverativos (r = 0,86), Fracasso em manter o
contexto (r = 0,70), Respostas de nível
conceitual (r = 0,77) e Respostas perseverativas
(r = 0,88). As correlações foram fortes, com
exceção da variável Total de acertos, que
apresentou correlação moderada. Os dados
apontam para a possibilidade do uso do
WCST-64 como uma alternativa ao WCTS-128,
embora ainda seja necessário estudos
adicionais de validade.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul
(FAPERGS)
Responsável pelo Envio:
Bruna Gomes Monego
([email protected])
23-013TESTE
WISCONSIN
DE
CLASSIFICAÇÃO DE CARTAS, VERSÃO
ABREVIADA
(WCST-64):
ESTUDO
COMPARATIVO
ENTRE
AS
REGIÕES
METROPOLITANAS DO RIO GRANDE DO SUL
E DE MINAS GERAIS
Monego B1; Bier L1; Ohno P3; Teodoro Mlm3;
Trentini CM2
1UFRGS e FACOS - Psicologia; 2UFRGS PSICOLOGIA; 3UFMG – Psicologia
As funções executivas (FE) englobam diversos
subcomponentes, tais como flexibilidade
cognitiva,
resolução
de
problemas,
planejamento, controle inibitório, entre outros.
Um dos instrumentos mais utilizados para
avaliar as FE é o Teste Wisconsin de
Classificação de Cartas, o qual possui uma
versão abreviada (WCST-64) ainda pouco
utilizada
no
Brasil.
Considerando
as
significativas diferenças culturais do país, é
importante que os estudos acerca de
instrumentos de avaliação neuropsicológica
incluam comparações regionais. O objetivo do
presente estudo foi investigar diferenças
quanto ao desempenho no WCST-64 em
amostras de duas cidades brasileiras, sendo
uma da região sul e outra da região sudeste. A
amostra foi constituída por 92 indivíduos,
dentre os quais 46 eram oriundos da região
metropolitana de Porto Alegre, RS, e 46 da
região metropolitana de Belo Horizonte, MG.
Os grupos foram pareados por idade e sexo e
não apresentaram diferença significativa
quanto à escolaridade (U = 938,00; p = 0,80).
Foram excluídos aqueles que apresentavam
sintomas depressivos de moderados a graves e
rebaixamento da inteligência. Todos os
participantes responderam a um questionário
sóciodemografico, ao WCST-64, ao Inventário
Beck de Depressão e aos subtestes
Vocabulário e Cubos da Escala Wechsler de
Inteligência para Adultos, terceira edição
(WAIS-III). Foram utilizadas análises descritivas
para a caracterização da amostra e o Teste
Mann-Whitney para amostras independentes
para a comparação entre os grupos. Os
resultados preliminares desse estudo indicaram
150
que não houve diferenças significativas nas
pontuações
das
variáveis
Categorias
completadas (U = 1241,50, z = 1,48, p = 0,14),
Total de acertos (U = 1279,00, z = 1,73, p = 0,08),
Total de erros (U = 837,00, z = - 1,73, p = 0,84),
Erros não perseverativos (U = 932,50, z = - 0,98, p
= 0,33), Fracasso em manter o contexto (U =
1056,00, z = - 0,02, p = 0,99) e Respostas de nível
conceitual (U = 1237,00, z = 1,40, p = 0,16).
Apenas Erros perseverativos (U = 722,50, z = 2,64, p = 0,01) e Respostas perseverativas (U =
735,00, z = - 2,54, p = 0,01) apresentaram
significância estatística, sendo que os gaúchos
obtiveram pontuações mais elevadas. Os
dados sugerem que o desempenho dos dois
grupos foi semelhante na maioria das
pontuações do WCST-64, especialmente
naquelas que demandam atenção, memória
de trabalho, formação de conceitos abstratos,
manutenção da estratégia de resolução de
problemas e eficácia dessas estratégias.
Contudo, os participantes gaúchos tiveram
mais dificuldade para criar e mudar suas
estratégias, perseverando mais do que os
mineiros e demonstrando menos flexibilidade
cognitiva e controle inibitório. Estudos futuros
incluirão amostras de outras regiões a fim de
avaliar a necessidade de normas específicas
para cada uma.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul
(FAPERGS).
Responsável pelo Envio:
Bruna Gomes Monego
([email protected])
23-014- TAREFA PARA ACESSAR TOMADA DE
DECISÃO
AFETIVA
E
DELIBERATIVA:
TRADUÇÃO, ADAPTAÇÃO DO COLUMBIA
CARD TASK (CCT)
Bortolotto VR1; Kluwe-Schiavon B2; Veiga EK3;
Sanvicente-Vieira B2; Grassi-Oliveira R4 –
1Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - FAPSI; 2Pontifícia Universidade
Católica do Rio Grande do Sul - PPGP;
3Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA;
4Pucrs - Ppg Psicologia
Com
o
objetivo
de
investigar
os
comportamentos de risco a partir de modelos
normativos e descritivos dos processos de
tomada de decisão, focando principalmente
nos modelos de duplo-processamento da
informação,
Figner
e
colaboradores
desenvolveram, em 2004, a tarefa Columbia
Card Task (CCT). O CCT é um jogo de cartas
computadorizado, que investiga as decisões
sobre risco, composto por três tarefas distintas
além de dois questionários. Duas destas tarefas
focam nos processos afetivos envolvidos na
tomada de decisão, sendo consideradas
tarefas "quentes" (CCTq1 e CCTq2). A terceira
tarefa tem o objetivo de avaliar os processos
deliberativos da tomada de decisão, sendo
considerada uma tarefa "fria" (CCTf). O
jogador é exposto a um baralho de 32 cartas,
disposto com a face para baixo, solicita-se
então que este faça a maior pontuação
possível a cada jogada, selecionando quantas
cartas quiser dadas as especificidades que
variam a cada jogada (número de cartas
ruins, valor das cartas ruins e valor das cartas
boas), de acordo com as peculiaridades de
cada uma das três tarefas. O Questionário de
Necessidade de Excitação procura investigar o
quanto a pessoa tende a se expor e procurar
situações que eliciem respostas emocionais
intensas. O Questionário de Estratégias
Utilizadas é aplicado após cada uma das
tarefas para investigar o quão deliberativas ou
afetivas foram as estratégias utilizadas em
cada tarefa. Para realizar a tradução e
adaptação da tarefa, os autores foram
contatados para uma autorização formal.
Seguindo recomendações de manuais para
tradução e adaptação de testes, este
trabalho está sendo desenvolvido em cinco
etapas: I) tradução, II) retro tradução, III)
avaliação semântica e conceitual para o
português brasileiro, IV) experimento de
aceitabilidade, V) estudo piloto. As etapas de
tradução e retro tradução foram realizadas
por linguistas profissionais independentes. Para
a avaliação semântica e conceitual, formouse um comitê de pesquisadores (VRB, BKS e
BSV) que, após as adaptações necessárias
reenviaram o texto para os autores originais
para conferência. A tarefa também foi
reprogramada para atender as necessidades
específicas da realidade de pesquisa brasileira
e facilitar a aplicação da mesma (EKV). A
151
versão brasileira do CCT ainda se encontra na
fase de adaptação para efetuação do
experimento de aceitabilidade e estudo piloto.
Espera-se que adaptação desta tarefa possa
vir a complementar o instrumental de
avaliação da tomada de decisão, dado a
escassez destes instrumentos no Brasil.
Apoio Financeiro: Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Responsável pelo Envio:
Bruno Kluwe Schiavon
([email protected])
23-015- INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DAS
FUNÇÕES
EXECUTIVAS
BEHAVIOURAL
ASSESSMENT
OF
THE
DYSEXECUTIVE
SYNDROME
(BADS):
EVIDÊNCIAS
DE
VALIDADE DE CONSTRUTO NA ADAPTAÇÃO
BRASILEIRA
Santos FC1; Macuglia GR2; Almeida RMM3;
Giacomoni CH2
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina; 2Universidade Federal
do Rio Grande do Sul - Instituto de Psicologia;
3UFRGS – Psicologia
As funções executivas (FE) compreendem um
conceito neuropsicológico que se aplica às
atividades
cognitivas
responsáveis
pelo
planejamento e execução de tarefas. Elas
incluem a estratégias, a tomada de decisões e
a resolução de problemas, além de estarem
relacionadas ao planejamento, início e
monitoramento de comportamentos dirigidos
a objetivos e flexibilidade cognitiva. Embora já
existam testes neuropsicológicos que avaliam
o comprometimento das FE validados no país,
a presente escala propõe-se a realizar uma
avaliação ecológica do desempenho de
sujeitos no que diz respeito às funções
executivas.
A
bateria
neuropsicológica
Behavioural Assessment of the Dysexecutive
Syndrome (BADS) compreende seis diferentes
subtestes que buscam avaliar aspectos das FE
tais como flexibilidade cognitiva, resolução de
problemas, planejamento, regulação do
comportamento, julgamento e estimativa.
Além dos subtestes, a bateria apresenta dois
questionários, um a ser respondido pelo
paciente e o outro por um familiar ou
cuidador. O objetivo do estudo foi apresentar
evidências
de
validade
convergentediscriminante e de grupos-critério da referida
escala. Participaram do estudo dois grupos, o
primeiro formado por 40 pacientes portadores
da Doença de Parkinson (DP), sendo 57,5% do
sexo feminino, com idades entre 44 e 75 anos e
escolaridade variando de 4 a 9 anos ou mais,
atendidos no Hospital de Clínicas de Porto
Alegre
(HCPA).
Do
segundo
grupo,
participaram 30 controles neurologicamente
saudáveis, emparelhados por sexo, idade e
escolaridade. Ambos os grupos responderam
aos seguintes instrumentos: questionário de
dados
clínicos
e
sócio-demográficos,
questionário CAGE, Avaliação Cognitiva
Montreal – MoCA, Mini Exame do Estado
Mental (MEEM), BADS, Teste de Stroop, os
subtestes
Span
de
Dígitos,
Aritmética,
Sequência de Números e Letras e Procurar
Símbolos da WAIS-III e Escala Hospitalar de
Ansiedade e Depressão (HADS). Foram
utilizadas correlações de Spearman entre a
BADS e demais instrumentos para a validade
convergente-discriminante e o Teste de MannWhitney para comparação do desempenho
da bateria entre os dois grupos. Os resultados
indicam
que
a
BADS
obteve
bom
desempenho diagnóstico para discriminar os
dois grupos. O escore total da bateria e o
questionário
DEX
independente
total
correlacionaram-se positivamente com os
escores
totais
da
MoCA.
A
BADS
correlacionou-se também com MEEM e com
todos os subtestes utilizados da WAIS-III, com
exceção do teste Dígitos ordem direta. A
bateria não se correlacionou com nenhum
subteste da HADS. Os dados sugerem que a
BADS possui consistentes evidências de
construto estando apta a ser utilizada em
pacientes neurológicos e psiquiátricos, no
entanto, futuros estudos são necessários para
fins de investigação de novas propriedades
psicométricas. Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Fabiane Caillava dos Santos
([email protected])
152
23-016- UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA
LITERATURA SOBRE OS CUBOS DE KOHS NAS
LÍNGUAS PORTUGUESA E INGLESA NO
PERÍODO DE 1990 A 2013
Praisner T1; Toni PM2
1Universidade Estadual do Centro OesteUnicentro - Depsi; 2Universidade Estadual do
Centro Oeste – Depsi
No início da década de 1920, na tentativa de
desenvolver um instrumento de medida não
verbal para a inteligência, Samuel Calmin Kohs
criou um teste, composto por uma única
prova, os Cubos de Kohs, que foi normatizado
para crianças e adolescentes de 5 a 19 anos.
No Brasil, em 1966, a versão americana dos
Cubos foi traduzida e publicada. O objetivo
deste trabalho foi realizar uma revisão
sistemática da literatura considerando os
aspectos neuropsicológicos envolvidos nos
Cubos
de
Kohs.
Além
de
detectar
perturbações viso-espaciais, o teste de Kohs
também possui importância na detecção de
perturbações de ordem verbal do tipo dislexia
ou afasia. Portanto, o desempenho nos Cubos
de Kohs pode estar envolvido com diversas
funções
cognitivas
como:
inteligência,
planejamento
mental,
orientação
visoespacial, atenção e até mesmo habilidades
verbais. Por outro lado, o desempenho pode
ser comprometido em pacientes com
Alzheimer. Quanto maior a quantidade de
informação presente no teste maiores recursos
cognitivos são exigidos do sujeito, portanto o
envelhecimento reflete no decréscimo do
processamento de informação. Os critérios de
seleção de artigos para este trabalho foram: 1)
publicados de forma completa; 2) em língua
portuguesa e inglesa; e 3) publicados dos anos
de 1990 a 2013. Foram buscados nos
indexadores Scielo, Capes, Medline e
PsycINFO, a partir das palavras-chave “Kohs” e
“Kohs Block”. No banco de dados Scielo foi
encontrado 3 artigos; no Capes 85 artigos; no
Medline 32 artigos; e no PsycINFO 34 artigos.
No total 154 artigos, dos quais 3 são em língua
portuguesa e 151 são em língua inglesa. As três
publicações encontradas em português são
referentes ao mesmo artigo, de 1995, que tem
por objetivo investigar alterações vísuoespaciais e construtivas. Dos outros 151 artigos,
somente 30 tratam diretamente dos Cubos,
enquanto que os outros 121 utilizam o teste
como um instrumento. A função cognitiva que
mais
recebe
atenção
nas
pesquisas
encontradas é a de orientação viso-espacial e
organização
perceptiva.
Estes
achados
demonstram que, além de um estudo de
padronização, que tenha por objetivo
examinar os constructos teóricos, é necessária
também uma adaptação dos Cubos de Kohs
para a realidade brasileira, modificando os
processos de aplicação e correção do teste,
auxiliando em uma melhor utilização e
indicação
deste
em
avaliações
neuropsicológicas.
Contato:
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Taynara Praisner
([email protected])
23-017- VALIDADE E NORMATIZAÇÃO DOS
CUBOS DE KOHS PARA A FUNÇÃO
EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO
Praisner T1; Toni PM2
1Universidade Estadual do Centro OesteUnicentro - Depsi; 2Universidade Estadual do
Centro Oeste - Depsi
O objetivo desta pesquisa foi desenvolver um
estudo de validade de critério dos Cubos de
Kohs
para
a
função
executiva
de
planejamento, relacionada às áreas préfrontais do cérebro, e normatizar o instrumento
para a população infanto-juvenil do município
de
Curitiba.
As
funções
executivas,
tradicionalmente são relacionadas aos lobos
frontais, mas, suas bases neurológicas
encontram-se no córtex pré-frontal. De modo
geral, podem ser compreendidas como um
sistema ou mecanismo gerenciador, cuja
função básica é a de manutenção e
manipulação online da informação. Na
avaliação neuropsicológica, as funções
executivas
têm
sido
relacionadas
ao
planejamento
e
execução
de
comportamentos
mais
complexos,
que
envolvem muitas funções cognitivas, como
atenção, memoria, raciocínio e julgamento. A
amostra foi composta por 543 participantes de
7 a 14 anos, sendo 49,7% do gênero masculino,
153
matriculados em escolas municipais (21,2%),
estaduais (39%) e particulares (39,8%) de
Curitiba-PR. Os instrumentos foram os Cubos de
Kohs, a cópia da Figura Complexa de Rey e o
subteste Labirintos do WISC-III. Assim, a
validade de critério para a função executiva
de planejamento foi investigada utilizando-se
dois instrumentos. Os resultados apontaram
que participantes com magnitudes diferentes
de planejamento (analisado pela cópia da
Figura de Rey) apresentaram uma diferença
significativa nos escores dos Cubos (t=3,9;
gl=165; p< 0,001). Além disso, observou-se uma
correlação entre a pontuação nos Cubos e na
Figura de Rey (r=0,50; p<0,001). De forma
semelhante, foi encontrada correlação entre
os Cubos de Kohs e os Labirintos do WISC-III
(r=0,48; p=0,004). Os resultados mostraram
validade de critério satisfatória para o
instrumento. Por fim, foram construídas tabelas
normativas
considerando
as
diferenças
encontradas entre as idades (F=23,26;
p<0,001). Assim, a tabela normativa ficou
composta por 4 faixas etárias (7/8 anos, 9/10
anos, 11/12 anos e 13/14 anos), considerando
as diferenças observadas entre as idades. Os
percentis 25-50-75 para cada faixa etária
foram, respectivamente, 3-7-12 (7/8 anos), 811-14 (9/10 anos), 11-14,5-16 (11/12 anos) e 1315-17 (13/14 anos).
Responsável pelo Envio:
Taynara Praisner
([email protected])
23-018- PARADIGMA DE HEBB E AS
DIFERENÇAS METODOLÓGICAS EM UMA
VERSÃO COMPUTADORIZADA.
Leite GL1; Bueno OFA2
1Unifesp - Psicobiologia; 2Universidade Federal
de São Paulo – Psicobiologia
Donald Hebb elaborou um experimento
usando a recordação imediata serial com 24
listas de 9 letras, na qual, a cada terceira
tentativa, uma sequência inteira se repetia ao
longo do experimento. Os estímulos foram
apresentados auditivamente e o tempo de
apresentação foi de uma letra por segundo.
Ele observou que as listas repetidas eram mais
bem recordadas. Este paradigma mostra-se útil
para investigar a aprendizagem em vários
domínios, como fonológico, espacial, e visual.
No entanto, a literatura dispõe de poucos
estudos que avaliem possíveis diferenças no
desempenho dos sujeitos, relacionadas às
variações metodológicas nas apresentações
dos estímulos. O objetivo deste estudo é
replicar o paradigma original de Hebb,
utilizando uma versão computadorizada,
modificando a forma de apresentação dos
estímulos,
ou
seja,
são
apresentados
visualmente e não auditivamente. É ainda
objetivo da pesquisa avaliar se os sujeitos
conscientes das repetições, obtiveram um
melhor desempenho quando comparados
àqueles que não conscientes. Participaram
desse estudo 20 sujeitos universitários saudáveis
com idades entre 18 e 26 anos de estudo (M=
9,73; DP= 2,08). Uma ANOVA (one way) para o
total de letras recordadas (recordação serial)
indicou um efeito de grupo (F(4,9) = 4; p<0,05),
as listas repetidas mostraram efeito significativo
(F(4,9) = 4; p<0,05) enquanto que as listas que
não repetiam não apresentaram (F(5,9) = 1,13;
p > 0,05). Desse modo, um teste T realizado
posteriormente
mostrou
efeito
de
aprendizagem, ou seja, a porcentagem de
recordação do grupo repetição comparado
com o grupo não repetição (32,94 ± 5,7 e 20,3
± 9,2) valores de média e DP. Um teste T
também foi usado para determinar se existia
diferença no desempenho dos sujeitos
conscientes e não conscientes da repetição.
Esta análise revelou um efeito significativo para
os sujeitos conscientes da repetição (T(18) =
4,167; p<0,05). Os resultados do estudo são
compatíveis com outros estudos que avaliaram
a aprendizagem hebbiana, houve um
aumento
significativo
no
acerto
das
sequências repetidas. Outro dado relevante
está relacionado à posição de itens, pois a
aprendizagem das posições iniciais (1, 2 e 3) foi
maior quando comparadas às posições
intermediárias (4, 5 e 6) e finais (7, 8 e 9). Podese observar, então, que houve um efeito de
primazia relacionado à posição de itens,
evidente tanto nas letras repetidas como nas
não repetidas. Este fato pode estar
relacionado às diferenças metodológicas, pois
estudos que envolvem a tarefa de recordação
imediata serial com estímulos auditivos
154
demonstraram um aumento no acerto das
posições finais. Em relação à consciência da
repetição, os sujeitos que perceberam as
repetições
demonstraram
melhor
desempenho. Este achado se junta a outras
evidências que questionam o caráter implícito
da aprendizagem hebbiana, sugerindo que
este paradigma envolva um caráterexplicito
neste tipo de aprendizagem. Apoio Financeiro:
CAPES
Responsável pelo Envio:
Gilmara de Lucena Leite
([email protected])
23-019APRENDIZAGEM
DE
ITENS
INTERMEDIÁRIOS EM UM PARADIGMA
MODIFICADO DE HEBB E SUA RELAÇÃO
COM A CONSCIÊNCIA DA REPETIÇÃO
Leite GL1; Bueno OFA2 - 1Unifesp Psicobiologia; 2Universidade Federal de São
Paulo – Psicobiologia
Estudos envolvendo o paradigma de Hebb
vêm contribuindo para o entendimento de
como uma informação de ordem serial de
curto prazo se torna uma representação
estável na memória de longo prazo. No
entanto, não há evidências que consiga
explicar se a aprendizagem das séries
repetidas ocorre apenas de forma serial. Desse
modo, o objetivo deste trabalho é verificar se a
repetição apenas de itens intermediários das
listas gera aprendizagem e em que condições
isso ocorre. Participaram deste estudo um total
de 72 sujeitos universitários saudáveis, de 18 a
57 (M=36,73; DP= 7) todos com escolaridade
acima
de
12
anos.
Inicialmente,
os
participantes foram divididos em 3 condições
experimentais. Ao final dos experimentos 2 e 3,
os sujeitos foram requisitados a responder o
seguinte questionamento: “O que você
percebeu
do
experimento?”,
os
que
perceberam as repetições foram tidos como
conscientes das repetições e os que não
perceberam
não
conscientes
.
No
experimento 1 participaram 30 sujeitos
(M=26,53; DP=9,4) sendo utilizado 36 listas com
nove letras consoantes cada. A cada terceira
lista havia uma sequência repetida nas
posições 4, 5 e 6. As letras repetidas a cada
terceira lista eram: M (posição 4), F (posição 5)
e T ( Posição 6) totalizando 12 listas com
repetição e 24 listas sem repetição. Uma
ANOVA (one way) mostrou que sujeitos não se
beneficiaram da repetição. O experimento 2
participaram 22 sujeitos (M=26,64; DP=7,7) e
seguiu o mesmo desenho metodológico, no
entanto
os
itens
intermediários
eram
circunscritos. Uma ANOVA (two way) revelou
haver aprendizagem apenas da série
sinalizada. O experimento 3 participaram 20
sujeitos (M=24,40; DP=6,44) e seguia também o
mesmo desenho metodológico, diferenciandose apenas no fato de que apenas o primeiro
item da série repetida era circunscrito, uma
ANOVA (two way) revelou que houve
aprendizado apenas do item sinalizado e não
da sequência inteira. Concluiu-se que os
aspectos perceptuais de um estímulo ajudam
no aprendizado de séries repetidas. Apesar da
tarefa de Hebb ser considerada uma forma de
conhecimento implícito, este estudo mostrou
que
os
sujeitos
que
desenvolveram
consciência da repetição apresentaram
melhor desempenho quando comparados
com os que não desenvolveram. Estes
resultados sugerem que a consciência no
paradigma
de
Hebb
influencia
a
aprendizagem. Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Gilmara de Lucena Leite
([email protected])
23-020- Estudo piloto do teste de
percepção visual Dali-Simas: versão
informatizada em ipad para avaliação de
pessoas com esquizofrenia.
Teixeira FS1; Maranhao ACTCA2; Barros Silva
JM3; Simas MLB2
1Universidade Federal de Pernambuco - PPG
Psicologia - LabVis; 2Universidade Federal de
Pernambuco - Departamento de Psicologia;
3Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Percepção Visual – LabVis
Estudos
envolvendo
os
aspectos
neuropsicológicos da esquizofrenia vêm
mostrando alterações severas na memória,
atenção e funções executivas de pessoas com
155
esquizofrenia, no entanto, a percepção visual
tem sido pouco estudada. Buscamos investigar
a percepção de forma e tamanho em
pacientes com esquizofrenia utilizando como
instrumento de avaliação 10 pinturas de
Salvador Dalí e 10 imagens das pranchas de
Rorschach. Este teste está sendo concebido
em versão informatizada para ipad. O estudo
foi conduzido comparando dois grupos:
experimental, composto de 36 pacientes com
esquizofrenia; e grupo controle, com 34
pessoas saudáveis (n= 70). Na triagem foi
utilizada uma entrevista semiestruturada, o
Mini-Exame do Estado Mental (MEEM) e a
Escala das Síndromes Negativa e Positiva
(PANSS) visando delimitar e caracterizar a
amostra. O objetivo da utilização do
Rorschach não é fazer uma análise da
personalidade dos participantes, mas sim
avaliar
os
tamanhos
percebidos
e
correlacionar com o desempenho no teste de
percepção visual Dalí-Simas. Verificamos que
pessoas com esquizofrenia perceberam figuras
com tamanhos diferenciados do grupo
controle. Após análise dos dados (utilizando
ANOVA
com
medidas
repetidas)
comparando-se os tamanhos percebidos entre
o grupo experimental e o grupo controle e
entre as figuras de Dali e do Rorschach,
resultados mostraram que o grupo de pessoas
com esquizofrenia percebe imagens maiores
do que o grupo de voluntários saudáveis. Esta
diferença foi estatisticamente significante
(p<0,01)
e
convergente
com
estudos
anteriores.
Apresentamos
os
resultados
preliminares, visto que o presente estudo faz
parte de um projeto de pesquisa de mestrado
e continua em andamento. O efeito de
percepção de forma e tamanho alterados
pode servir como marcador no diagnóstico
precoce da presença de sintomas positivos na
esquizofrenia. No Brasil há um prejuízo no
diagnóstico neuropsicológico decorrente da
carência
de
testes
desenvolvidos
e
padronizados no contexto sociocultural e
linguístico do país. Sugerimos que estas pinturas
de Salvador Dalí sejam utilizadas como
ferramenta para avaliar alterações na
percepção de formas e tamanhos em
pacientes com esquizofrenia e, assim, prevenir
o agravamento dos sintomas cognitivos. Apoio
Financeiro:
Coordenação
de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
(Capes); Fundação de Amparo à Ciencia e
Tecnologia do Estado de Pernambuco
(Facepe).
Responsável pelo Envio:
Flora Silva Teixeira
([email protected])
23-021- DESENVOLVIMENTO E VALIDAÇÃO
DA VERSÃO “SIMPLIFICADA” DA FIGURA
COMPLEXA DE TAYLOR: UM INSTRUMENTO
ADEQUADO PARA AVALIAÇÃO DE IDOSOS
BRASILEIROS COM BAIXA ESCOLARIDADE?
Avila RT1; De Paula JJ2; Costa MV3; Andrade
G1;
Moraes
EN4;
Malloy-Diniz
LF5
1Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Investigações em Neurociência
Clínica; 2Universidade Federal de Minas Gerais
- Medicina Molecular; 3Ufmg - Saude Mental;
4Universidade Federal de Minas Gerais Departamento
de
Clínica
Médica;
5Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Saúde Mental
O desenho de Figura Complexa é um
paradigma comumente utilizado na avaliação
das habilidades visioespaciais. Considerando a
influência da escolaridade nesse tipo de teste,
idosos com baixa escolaridade tendem a
apresentar pior desempenho, muitas vezes
invalidando os resultados de avaliação. Nesse
sentido propomos uma adaptação da Figura
de Taylor. Os elementos da figura original que
envolviam curvas e sobreposição de itens
foram excluídos, uma vez que são os erros mais
associados à baixa escolaridade. O presente
estudo objetiva avaliar as propriedades
psicométricas de cada etapa da Figura
“Simplificada” de Taylor (STCFT), que envolve
Cópia, Evocação Imediata de 3 minutos (EI) e
Evocação Tardia de 30 minutos (ET). Avaliamos
a confiabilidade, a validade de constructo, a
influência das variáveis sóciodemográficas no
desempenho e acurácia para a detecção de
pacientes com demência. 189 participantes,
sendo 26 com envelhecimento cognitivo
normal, 42 com comprometimento cognitivo
leve amnéstico, 48 com comprometimento
cognitivo leve amnéstico de múltiplos
domínios, e 73 com demência de Alzheimer
156
em fase inicial, realizaram além da STCFT, um
protocolo
abrangente
de
exame
neuropsicológico, envolvendo a Escala Mattis
para Avaliação de Demência, o Teste de
Construção com Palitos, a Matrizes Progressivas
de Raven Escala Especial e o Teste de
Aprendizagem Auditivo Verbal de Rey. Para
avaliação da confiabilidade foi realizado o
coeficiente Kappa para a concordância entre
juízes, com resultados satisfatórios (>0.6) para a
maioria dos itens individuais da figura e
correlações altas entre os escores totais. O alfa
de Cronbach foi utilizado para estimar a
consistência interna, também com bons
indicativos de fidedignidade: Cópia (0.912), EI
(0.846) e a IT (0.857). Avaliamos a estrutura
latente através da análise fatorial exploratória,
que identificou um fator para cópia,
responsável por 49% da variância. Para a EI e
ET foram identificados dois fatores, no entanto,
a maior parte da variância foi explicada por
um único fator na EI (33%) e na ET (35%).
Correlações parciais sugerem associação de
magnitude de efeito alta entre as evocações
e tarefas de memória episódica, entre a cópia
e tarefas de processamento espacial e
moderadas com o teste de inteligência
adotado.
A
influência
dos
fatores
sóciodemográficos foi avaliada através de
regressão linear múltipla, contendo as variáveis
idade,
escolaridade,
sexo
e
sintomas
depressivos como preditores da cópia, da EI e
ET. Idade e escolaridade foram encontradas
como preditores em todas as etapas da STCFT
(p<0.05),
e
sexo
como
preditor
de
desempenho na ET (p=0.01). As comparações
de grupo sugerem acurácia moderada para o
diagnóstico de demência. Esses resultados
sugerem que a STCFT é um instrumento válido
para a avaliação de idosos com baixa
escolaridade. Apoio Financeiro: Conselho
Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico (CNPQ)
Responsável pelo Envio:
Rafaela Teixeira de Avila
([email protected])
23-022- (NEUROPSICOLOGIA)³ - OS CUBOS
NA HISTÓRIA DOS TESTES
Leite MP1; Cruz ACB1; Mader-Joaquim MJ1
1Hospital de Clínicas da Universidade Federal
do Paraná - Serviço de Psicologia da Unidade
de Atendimento Multiprofissional (UNIMULTI)
A avaliação neuropsicológica conta com
diversos recursos, dentre os quais os testes
neuropsicológicos. Inicialmente, muitos desses
instrumentos eram utilizados em tarefas sem
intuito de avaliação formal, como jogos e
quebra-cabeças, sendo incorporados aos
métodos
de
avaliação
psicológica
e
neuropsicológica. O presente trabalho tem por
objetivo realizar uma revisão histórica a
respeito do uso de Cubos como testes em
Neuropsicologia, em especial os Cubos de
Corsi e os Cubos das Escalas Wechsler de
Inteligência. A revisão de literatura foi
realizada nos bancos de dados Scielo e
Periódicos Capes, com as palavras-chaves
“Knox’s Cube Imitation Test”, “Kohs Block
Design”, “Corsi Blocks” e “Block Design
Weschler Scale”. Os resultados indicaram que
os cubos foram utilizados para avaliação de
dois aspectos da cognição, memória e
organização visuo-espacial. Para a avaliação
da memória, os cubos começaram a ser
utilizados com H. A. Knox, em 1913, para
avaliação de imigrantes que chegavam aos
Estados Unidos na Ellis Island como uma
alternativa aos testes de span de verbais.
Posteriormente, P. M. Corsi, em 1972 no
Canadá, baseado no “Knox’s Cube Imitation
Test”, desenvolveu o teste “Corsi Blocks”, mais
complexo que seu antecessor e hoje
considerado o equivalente visuoespacial mais
fiel às tarefas de span verbal. Na década de
20, um brinquedo com cubos coloridos deu
origem ao “Kohs Block Design Test”. S.C. Kohs
observou nos cubos um atrativo ao público e
também uma alternativa para a avaliação
não verbal, apresentando a Stanford sua tese
com a descrição do instrumento e sua
correlação coma Escala de Inteligência
Stanford-Binet. O brinquedo tornou-se então
um dos métodos mais conhecidos de
avaliação de inteligência. Em 1936, David
Wechsler inclui o “Block Design” na Wechsler
Bellevue Scale, que dará origem ao WISC e ao
WAIS, passando por poucas alterações ao
longo de suas edições. Observa-se que a
estrutura
básica
de
alguns
testes
157
neuropsicológicos permanece a mesma ao
longo do século, com pequenas mudanças no
esquema de cores e número de peças. As
adaptações para as novas tecnologias
provavelmente trarão um novo fôlego para os
cubos do séc. XX.
Responsável pelo Envio:
Manuela Pimentel Leite
([email protected])
23-023- TESTE DE RETENÇÃO VISUAL DE
BENTON (BVRT): INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS
SOCIOCULTURAIS E COGNITIVAS
Costa VHLB1; Silva RB1; Leal KB1; Silva LA1;
Sadler M1; Paul FM2; Pawlowski J1; Segabinazi
J2; Salles JF3; Bandeira DR2
1Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Psicometria; 2Universidade
Federal do Rio Grande do Sul - Psicologia do
Desenvolvimento
e
da
Personalidade;
3Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(ufrgs) - Psicologia do Desenvolvimento e da
Personalidade
A influência da idade, dos anos de estudo e
do quociente intelectual (QI) nos escores de
testes neuropsicológicos pode ser observada
em diversos estudos, mais especificamente
aqueles que desenvolvem normas de
desempenho.
Recentemente,
aspectos
culturais como os hábitos de leitura e escrita
tem se mostrado relevantes na estimação de
habilidades cognitivas, dentre elas a memória
visual. Uma forma de mensurá-la é utilizando o
Teste de Retenção Visual de Benton (BVRT) que
avalia
também
percepção
visual
e
habilidades visoconstrutivas. Este teste está em
processo de normatização em duas regiões do
Brasil. Neste estudo, objetivou-se verificar a
influência das variáveis idade, anos de estudo,
QI e hábitos de leitura e escrita para explicar o
desempenho do BVRT. Participaram 60 adultos,
com média de idade de 47,12 (dp = 8,8) e
média de anos de estudo de 14,27 (dp = 5,8),
sendo 60% da amostra proveniente da cidade
de Porto Alegre (RS) e 40% do Rio de Janeiro
(RJ). Foram aplicados os instrumentos:
Questionário de condições de saúde e
aspectos socioculturais, BVRT na Administração
A (Forma C) e Escala de Inteligência Wechsler
Abreviada (WASI). Após a verificação dos
pressupostos para a utilização da análise,
realizou-se uma Regressão Linear Múltipla.
Optou-se pelo uso do método Stepwise, tendo
sido inseridas idade, anos de estudo, escore de
QI e hábitos de leitura e escrita como variáveis
preditoras e o escore de figuras reproduzidas
corretamente no BVRT. A associação entre as
variáveis preditoras e o escore do BVRT foi
moderadamente forte (R múltiplo=0,78) e o
modelo indicou que as variáveis QI, hábitos de
escrita e anos de estudo foram responsáveis
por 60% da variância no escore do BVRT. Os
coeficientes de regressão e intervalos de
confiança foram os seguintes: QI 0,05 (IC de
95% = 0,01-0,08), hábitos de escrita 0,21 (IC de
95% = 0,07-0,3) e anos de estudo 0,11 (IC de
95% = 0,02-0,2). Considerando esses valores
pode-se concluir que os coeficientes de
regressão para as três variáveis são positivos
(QI - t = 3,153; p = 0,003/hábitos de escrita - t =
2,986; p = 0,004/anos de estudo - t = 2,463; p =
0,017) e que a influência do QI é a mais forte.
A partir dos resultados do presente estudo,
confirmou-se a relevância dos anos de estudo
no modelo investigado e sua influência nos
escores em memória visual, porém a variável
idade não se mostrou relevante para a
explicação de memória visual do BVRT no
modelo para adultos. Dentre as variáveis que
geralmente não são referenciais para a
composição de tabelas normativas, destacase a importância dos escores de QI e hábitos
de escrita para a explicação da variância dos
escores de memória visual no modelo testado
com o BVRT. Em estudos futuros, pretende-se
aplicar a equação de regressão incluindo as
variáveis explicativas encontradas nesta
pesquisa para prever os escores do BVRT na
população adulta. Apoio Financeiro: CAPES e
CNPQ
Responsável pelo Envio:
Joice Dickel Segabinazi
([email protected])
23-024- VALIDAÇÃO DAS IMAGENS DO
INTERNATIONAL AFFECTIVE PICTURES SYSTEM
(IAPS) EM BAIXA FREQUÊNCIA ESPACIAL
Melchiades AM1; Pontes MK1; De Souza WC1 1Universidade de Brasília
158
Departamento de Psicologia - Programa de
Processos Psicológicos Básicos
O International Affective Pictures System (IAPS)
é um instrumento utilizado em muitos países do
mundo e já normatizado para a população
brasileira, composto por um conjunto de
imagens baseadas em um modelo dimensional
de emoções. Foi desenvolvido com o objetivo
de se tornar um instrumento padronizado de
estímulos emocionais que pudessem ser
empregados
em
experimentos
de
investigação de emoção e atenção. É
constituído por um banco normatizado de
aproximadamente 1000 imagens, as quais
eliciam diferentes emoções, categorizadas nos
grupos: "valência", "alerta" e "dominância".
Considera-se que informações categóricas
transmitidas por cada cena visual podem estar
relacionadas com a maneira pela qual esta
imagem será visualmente observada e
identificada e, portanto, uma frequência
espacial mais baixa poderia alterar a reação
emocional do observador. Este estudo faz de
um projeto maior, onde as reações oculares
de observadores diante de algumas das
imagens do IAPS serão investigadas, mediante
o uso de um eye-tracker. Entretanto,
compondo uma parte anterior, este estudo
teve como objetivo validar, segundo o critério
da expressão de valências emocionais, figuras
do IAPS com frequência visual alterada.
Participaram da pesquisa 100 jovens, entre 18
e 35 anos, de ambos os sexos, universitários ou
com ensino superior completo. Foram
apresentadas aos participantes 147 figuras
com frequência espacial rebaixada em 20%,
sendo cada imagem exposta por cinco
segundos. Eles tiveram oito segundos para
julgar duas dimensões emocionais informadas
pela imagem: prazer X desprazer e alerta X
relaxamento, pontuando cada uma conforme
sua intensidade em uma escala que varia de 1
a 9. Calculou-se a média da pontuação das
figuras com baixa frequência espacial,
comparando-as com as médias padronizadas
das
imagens
normais.
Os
resultados
encontrados sugerem que as imagens
alteradas obtiveram menores escores médios
em ambas as dimensões avaliadas em relação
às figuras padrão. Tal resultado pode estar
relacionada com a maior dificuldade do
observador em compreender o conjunto da
imagem que lhe era apresentada em baixa
frequência visual. Dessa forma, o impacto
emocional da cena não atingia os mesmos
resultados, tendendo mormente à média (5).
Apoio Financeiro: Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Responsável pelo Envio:
Marta Kerr Pontes
([email protected])
23-025- COMPOSIÇÃO E VALIDAÇÃO DE
UM BANCO DE EXPRESSÕES FACIAIS
BRASILEIRO
Batista NS1; Rodrigues MR1; Alves NT1
1UFPB – Psicologia
Nos últimos anos, diversos estudos na
psicologia e neurociências vêm utilizando
expressões faciais, tendo sido criados e
validados conjuntos de expressões faciais em
diferentes contextos sócio-culturais. Algumas
críticas têm sido feitas em relação ao uso de
estímulos estrangeiros. O objetivo deste
trabalho foi realizar a construção e a
validação de um banco de expressões faciais
brasileiro. Para a composição dos estímulos
foram convidados atores e estudantes do
curso de artes cênicas da cidade de João
Pessoa/PB, maiores de 18 anos. Uma câmera
Canon EOS Rebel T3i foi posicionada em um
tripé e a iluminação foi feita com um flash do
tipo Nissin Mark II Di 866 Professional. Para
diminuir a interferência de outros estímulos
também foi utilizada uma capa preta por cima
da roupa e um fundo branco. Um MacBook
Pro 13’’, com processador Intel Core i7 dual
core (2,7GHz, 4GB) e placa de vídeo Intel HD
Graphics
3000
foram
utilizados
no
armazenamento e edição das imagens
fotográficas. Participaram da validação 35
estudantes universitários, 16 homens e 19
mulheres, brasileiros e maiores de 18 anos. Os
participantes foram solicitados a sentar-se em
frente ao computador e receberam as
instruções. O software Superlab 2.0 foi usado
no controle da apresentação dos estímulos e
coleta das respostas dos participantes. Foram
apresentadas 173 fotografias: 15 modelos (09
159
homens e 06 mulheres) com as 7 expressões
básicas (alegria, tristeza, medo, raiva, surpresa,
nojo e neutra). Cada face foi apresentada na
tela do computador em conjunto com sete
possíveis opções de resposta, o participante
deveria indicar no teclado numérico a
expressão reconhecida. Para a análise dos
dados foram calculadas as freqüências de
resposta
das
emoções
atribuídas.
As
expressões de alegria, raiva, surpresa, tristeza e
a face neutra apresentaram alta frequência
de reconhecimento, acima de 70%, para a
maioria dos atores. A expressão de alegria e a
face
neutra
tiveram
melhores
reconhecimentos, com taxas de 82,85% e
90,03%, respectivamente. A expressão de
medo apresentou baixo reconhecimento, com
média de 53%, sendo confundida com a
expressão de surpresa. A expressão de nojo em
seis atores obteve frequências inferiores a 60%,
sendo confundida com tristeza e raiva. A
confusão entre expressões de medo e surpresa
está de acordo com estudos anteriores que
indicam semelhanças em suas unidades de
ação muscular superiores. Os resultados
apresentados sugerem que alguns modelos
não representaram da forma esperada
determinadas expressões, mas a maioria dos
estímulos
construídos
apresentou
alta
frequência de reconhecimento, o que
demonstra a viabilidade do banco de
expressões
faciais.
Contato:
[email protected]
Apoio
Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Natany de Souza Batista
([email protected])
23-026- ESPANHÓIS versus BRASILEIROS:
TRADUÇÃO DE INSTRUMENTO E RASTREIO DE
ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS EM
ESTUDO PILOTO.
Schlindwein-Zanini R1; Requena C2; Bastos
MP2; Schlindwein AP3; Cruz RM4
1Universidade Federal de Santa Catarina Hospital Universitario; 2Universidad de León Depto de Psicologia; 3Universidade Federal de
Santa Catarina - UFSC; 4Universidade Federal
de Santa Catarina - Depto de Psicologia
Atualmente observa-se crescente interesse de
profissionais de saúde e pacientes na
investigação
de
déficits
cognitivos,
frequentemente associados a condição
psicológica/psiquiátrica ou neurológica. Assim,
percebe-se necessidade de instrumentos para
rastreio destas alterações, com aplicabilidade
internacional, em âmbito clínico e de pesquisa.
OBJETIVOS:Verificar
alterações
neuropsicológicas
auto-relatadas
em
indivíduos espanhóis e brasileiros adultos;
comparar dados referentes aos espanhóis e
brasileiros; verificar a aplicabilidade do
Inventário de Alterações Neuropsicológicas–
SZC (Schlindwein-Zanini & Cruz), traduzido para
o idioma espanhol e aplicado neste grupo
piloto, via cooperação internacional entre
instituições. METODOLOGIA:Amostra de 138
indivíduos pareados, sendo 69 espanhóis
(residentes na Espanha) e 69 brasileiros
(residentes no Brasil), ambos sexos entre 21 e 84
anos, que concordaram em participar do
estudo. Realizou-se a tradução, adaptação e
aplicação experimental do instrumento na
versão no idioma espanhol na Espanha e em
Português no Brasil. Os escores nos atributos do
inventário variaram de 1 (melhor desempenho)
a 4 (pior performance) nos domínios de
concentração, irritabilidade, atenção, tomada
de decisão, memória visual, memória de curto
e longo prazo, planejamento, oscilação de
humor, independência/autonomia, orientação
espacial e temporal, destreza manual, escrita,
compreensão e expressão verbal. RESULTADOS
E
DISCUSSÃO:O
tratamento
estatístico
apresentou médias aritméticas e respectivas
medidas de tendência central e de dispersão,
com P<0.05. Sendo que o teste F,através da
análise de variância, revelou haver diferença
estatisticamente significativa(P<0,05) entre os
domínios. Na amostra espanhola, o domínio
com melhor desempenho referiu-se a
irritabilidade e seu controle (média:3,8; Desvio
Padrão:0,5 e Coeficiente de Variação%:14,1),
enquanto que a área mais prejudicada referiuse a oscilação do humor(média:2,5; DP:0,9 e
CV:35,5) e memória recente (média:2,7; DP:0,9
e CV:34,5). Acerca da amostra brasileira, os
domínios com melhor desempenho referiramse a orientação espacial, autonomia,
compreensão verbal (média:3,3; DP:0,8 e
160
CV:25,0 e 27,0) e história familiar de doenças
psicológicas/psiquiátricas e/ou neurológicas
(média:3,5; DP:0,8 e CV:22.0); enquanto as
maiores queixas recaíram sobre a oscilação de
humor (média:2,5; DP:0,87 e CV:30,3).
CONCLUSÃO: Em ambas amostras (brasileira e
espanhola), o domínio referente a oscilação
do humor apresentou pior desempenho,
enquanto distanciavam-se em outros domínios,
como sono e planejamento. Observou-se que
o Inventário de Alterações Neuropsicológicas–
SZC mostrou boa aplicabilidade em sua versão
espanhola
e
brasileira,
auxiliando
na
investigação de sintomas neuropsicológicos do
paciente. Apoio Financeiro: Não utiliza apoio
financeiro.
Responsável pelo Envio:
Rachel Schlindwein Zanini
([email protected])
23-027COMPARAÇÃO
DO
TESTE
COGNITIVO
PBAC
COM
OUTROS
INSTRUMENTOS EM PACIENTES COM RISCO
CARDIOVASCULAR
Vieira LG1; Vieira CL2; Yunes MP1; Pereira DA3
1IBNeuro - Neuropsicologia; 2ECOLAB Cardiologia; 3Ibneuro – Psicometria
O teste de rastreio cognitivo Philadelphia Brief
Assessment of Cognition (PBAC) tem sido
utilizado em várias pesquisas para avaliar
comprometimento cognitivo em idosos. Este
teste avalia memória de longo prazo usando
uma
lista
de
palavras,
conhecimento
semântico, linguagem, atenção e percepção
visuoconstrutiva. Estudos sugerem que este
teste apresenta características distintas para
pacientes com demência do tipo Alzheimer,
demência
vascular
e
demência
frontotemporal. No entanto, o teste PBAC
ainda está sendo validado no Brasil. Estudos
preliminares já mostraram que o teste possui
boas
características
psicométricas
para
detectar declínio cognitivo em idosos. O
objetivo deste trabalho é contribuir para a
validação
de
constructo,
validação
convergente e validação discriminante,
correlacionando os escores do PBAC com o
Mini Exame do Estado Mental (MMSE), o Teste
de Desenho do Relógio de Sunderland, o Teste
das Trilhas A e B, o Teste Stroop, bem como a
Escala de Depressão Geriátrica (GDS) e o
Questionário de Atividades Funcionais de
Pfeffer. A amostra foi composta por 28
pacientes com risco cardiovascular (média de
68,7 anos; D.P.=6,8 e escolaridade média de 13
anos) selecionados através do Escore de Risco
de Framingham (FSRP). Através da correlação
de Spearman, pode-se observar que o teste
PBAC teve correlação positiva com o MMSE
(N=28; rho=0,544; p=0,003), Desenho do
Relógio
(N=28;
rho=0,390;
p=0,04)
e
negativamente com a idade (N=28; rho=0,394; p=0,038). Não foram observadas
correlações significativas com Trilhas A e B,
Stroop, GDS e Pfeffer. Numa análise
alternativa, o PBAC foi dividido em duas formas
distintas: PBAC-A, que continha as tarefas de
evocação da figura complexa, aprendizagem,
evocação e reconhecimento de uma lista de
palavras e PBAC-B, que continha as tarefas de
trilha oral, fluência fonêmica, orientação de
linha e leitura de frase. Novas correlações
foram observadas entre PBAC-B e Stroop
(N=22; rho=-0,436; p=0,043) e com Trilhas A
(N=22; rho=-0,428; p=0,047). Apesar do
pequeno número de pacientes utilizados neste
estudo, os resultados obtidos estão de acordo
com o esperado. As correlações entre PBAC e
outros dois testes de rastreio cognitivo, MMSE e
Desenho do Relógio, apontam o PBAC como
um promissor instrumento de rastreio cognitivo
global. As correlações do PBAC-B com Stroop
e Trilhas A mostram o efeito da tarefa de trilha
oral presente nesta segunda versão. Análises
futuras poderão responder se o instrumento
possui fatores distintos para a avaliação da
cognição. Apoio Financeiro: Não há
Responsável pelo Envio:
Luciana Guimaraes Vieira
([email protected])
23-028- DESEMPENHO COGNITIVO EM
TESTES DE RASTREIO EM PACIENTES COM
RISCO CARDIOVASCULAR
Vieira LG1; Yunes MP1; Vieira CL2; Pereira DA3
1IBNeuro - Neuropsicologia; 2ECOLAB Cardiologia; 3Ibneuro – Psicometria
161
Muitos estudos apontam que doenças do
sistema vascular, como hipertensão e doenças
coronárias, são fatores de risco para o declínio
cognitivo que inclui lentificação nas respostas
motoras, memória e função executiva. No
entanto, outros estudos apontam somente
diferença no resultado da tarefa de dígitossímbolos, porém com tamanho de efeito
pequeno. Os fatores de risco cardiovascular
são avaliados considerando-se o histórico
familiar, sexo, idade, taxas de colesterol,
hipertensão, diabetes, obesidade, tabagismo
e sedentarismo. O objetivo deste trabalho foi
verificar se pacientes com risco cardiovascular
apresentam desempenho rebaixado em testes
de rastreio cognitivo como o Philadelphia Brief
Assessment of Cognition (PBAC) e o Mini
Exame do Estado Mental (MMSE). Uma
amostra de 28 pacientes no Distrito Federal
(média de 68,7 anos; D.P.=6,8 e escolaridade
média de 13 anos) foi previamente
selecionada
por
apresentar
risco
cardiovascular através do Escore de Risco de
Framingham (FSRP). Os escores dos testes
PBAC e MMSE deste grupo foram comparados
com um grupo normativo previamente
estabelecido em pesquisa anterior (N=104,
média
de
70,4
anos;
D.P.=7,4
com
escolaridade média de 12 anos). As médias
dos testes PBAC para o grupo normativo
(61,25; D.P.=7,3) e cardiovascular (61,41;
D.P.=9,89)
não
foram
significativamente
diferentes (t=-0,095; p=0,924). Também não
foram diferentes as médias do MMSE (25,85;
D.P.=2,25) entre o grupo normativo e (26,89;
D.P.=3,45) o grupo com risco (t=-1,934;
p=0,055). Os resultados mostraram que
pacientes com risco cardiovascular tiveram
resultados equiparáveis à amostra normativa.
No entanto, algumas limitações deste trabalho
incidem no fato de que o risco cardiovascular
não foi avaliado no grupo normativo. Além
disto, propõe-se classificar os pacientes de
acordo com seus riscos (se de baixo ou de alto
risco, de acordo com o FSRP) com o objetivo
de comparar o desempenho cognitivo entre
eles. Ainda é inconclusivo em estudos
longitudinais, diferenças nas tarefas de
memória, linguagem e funções executivas.
Sugere-se, ainda, a utilização de outros
instrumentos para melhor avaliar as funções
cognitivas, uma vez que testes de rastreio
podem ser pouco sensíveis para detectar se
existem ou não alterações decorrentes de
patologias cardiovasculares. Apoio Financeiro:
Não há
Responsável pelo Envio:
Luciana Guimaraes Vieira
([email protected])
23-029- AVALIAÇÃO COGNITIVA COM
ÊNFASE EM FUNÇÕES EXECUTIVAS, STRESS E
QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTE COM
DIAGNÓSTICO DE DOR CRÔNICA: ESTUDO
DE CASO CLÍNICO.
Castilho Acvs1
1Hospital Pitangueiras
Medicina Preventiva
-
Grupo
SOBAM-
Objetivo: Estudar e verificar, a influência de
aspectos cognitivos, funções executivas, nas
atividades de vida diária de paciente com dor
crônica (região cervical/ lombar).Método:
Avaliada uma paciente S.R.C. de 34 anos
através da aplicação de testes e escalas:
(HADS-Escala Hospitalar de Ansiedade e
Depressão,) Woqhol, WAIS, Figuras de Rey,
Wisconsin de Classificação de Cartas, Escalas
de Beck (BDI/BAI), Inventário de Stress,
Questionário Mc Gill e Inventário de Breve Dor.
Resultados: S.R.C., não obteve alterações na
escala HADS e leve alteração nas escalas de
Beck: BDI e BAI; porém obteve: com relação à
praxia construtiva, no WAIS, maior dificuldade
no processamento de informações visuais e
raciocínio abstrato. Em Figuras de Rey, na
cópia, obteve classificação inferior à média,
demonstrando
prejuízo
significativo
na
capacidade de percepção visual, no entanto,
na
reprodução
de
memória,
obteve
classificação média inferior, demonstrando
dificuldade
de
memória
imediata,
evidenciando tendência a fazer distorções de
forma e localização, bem como omissões de
elementos. No Wisconsin de Classificação de
Cartas, a paciente perseverou em erros, não
concluiu uma categoria sequer e teve dois
fracassos em sua categorização. No entanto,
em Woqhol, a paciente obteve (68,5% - boa
qualidade de vida), contudo no ISSL, paciente
obteve alteração relacionando stress na fase
162
2: resistência de 33%, escore bruto físico de 30%
e escore psicológico de 80%, demonstrando
maior vulnerabilidade psicológica, em seu nível
de stress. Com relação, ao Questionário Mc
Gill, S.R.C. obteve pontuação 5 na categoria
sensitiva e pontuação 2 na categoria afetivo.
Contudo, como descritores da dor obteve 8/20
(40%), índice da dor 24/78 (30,8%) e avaliação
da dor como 5 (insuportável). No Inventário de
dor breve que avalia a dor de forma
qualitativa,
descreveu
sua
pior
dor
7/10,interferência da dor em: sua vida 6/10 e
em seu trabalho 5/10. Contudo relata uma
melhora de 70% dos sintomas quando
medicada. Conclusão: S.R.C. apresentou
maior dificuldade em atividades relacionadas
aos testes Wiscosin Card Sorting e Figuras de
Rey. Mantendo equilíbrio nos resultados das
atividades dos testes de execução do WAIS.
Com relação ao seu estado emocional, podese dizer que a dor crônica está diretamente
relacionada ao estado de estresse, depressão
e ansiedade. Sendo assim, de forma à dar
continuidade às pesquisas com testes
neuropsicológicos, este estudo de caso,
evidencia a necessidade de novos estudos,
buscando derivar dados normativos para
casos brasileiros com o intuito de contribuir
para análise do desenvolvimento desta
patologia em pesquisas futuras.
Responsável pelo Envio:
Ana Carolina Viera Seron de Castilho
([email protected])
23-031- DÉFICITS COGNITIVOS ASSOCIADOS
À DOENÇA RENAL CRÔNICA: UMA REVISÃO
DE LITERATURA
Ribeiro JCS1; Magalhaes E1; Mestre MBA1; Cruz
VLP1
1Faculdade Evangélica do Paraná – Psicologia
Os rins desempenham papel essencial a
homeostase corporal, atuando na eliminação
de produtos indesejáveis do metabolismo e
produção de peptídeos e hormônios que
participam da regulação hemodinâmica
sistêmica. Sua importância se torna evidente
quando se observam as consequências da
perda da função renal. A insuficiência renal
crônica (IRC) é o diagnostico sindrômico da
perda progressiva e geralmente irreversível da
função renal. Dentre os principais sintomas da
perda renal estão a noctúria, edema,
hipertensão arterial, fraqueza, miopia proximal,
atrofia testicular, asterixe e o déficit de
atenção e memória. Assim, esse estudo
objetivou realizar uma revisão na literatura
sobre pesquisas que investigaram as funções
cognitivas em doentes renais crônicos (DRC).
Os bancos de dados PubMed Central,
Medline, Lilacs e o Banco de periódicos da
CAPES foram utilizados na pesquisa. Os
resultados mostraram a alta variedade de
metodologias utilizadas para avaliar as funções
cognitivas destes pacientes. Variando desde a
bateria de testes até o perfil de tratamento
adotado
pelas
amostras
escolhidas,
dificultando assim uma generalização dos
resultados. Pacientes em diálise apresentam
desempenho inferior na grande maioria dos
testes, sejam eles de atenção, memória ou
funções executivas, se comparado a doentes
renais crônicos ainda não iniciados no
tratamento de reposição renal, porém ambos
os quadros tem desempenho inferior quando
comparados a grupos de controles saudáveis.
Estudos
longitudinais
demonstram
uma
recuperação significativa de todas as funções
cognitivas após o transplante renal (TX) bem
sucedido. Doentes renais crônicos tendem a
ter um declínio progressivo das funções
cognitivas se não submetidos ao TX. Alguns
estudos indicam uma relação entre a taxa de
filtração glomerular estimada e o desempenho
nos testes neuropsicológicos. Com a revisão de
literatura conclui-se que doentes renais
crônicos são também acometidos, dentre
outras perdas, por significativo prejuízo das
funções cognitivas globais, caracterizando
mais um depreciador da qualidade de vida
destes pacientes. O transplante renal se mostra
como o único tratamento eficaz para
reestabelecer de uma só vez uma vida normal
ao paciente em diversos aspectos, dentre eles
o cognitivo. Indica-se novos estudos que visem
entender os mecanismos envolvidos nas
perdas cognitivas, possibilitando assim elaborar
planos para a reabilitação neuropsicológica
do doente renal crônico ou mesmo evitar que
163
o prejuízo cognitivo aconteça.
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Julio Cesar de Souza Ribeiro
([email protected])
Contato:
23-032- CORRELAÇÃO ENTRE DIMENSÕES
DO INSIGHT E FUNÇÕES COGNITIVAS EM
PACIENTES
COM
ESQUIZOFRENIA
DEFICITÁRIA E NÃO DEFICITÁRIA
Pegoraro LFL1; Dantas CR1; Banzato CEM1;
Fuentes D2
1Unicamp - Psiquiatria; 2Instituto de Psiquiatria,
Faculdade de Medicina, Universidade de São
Paulo – LINEU
Estudos anteriores demonstraram correlação
entre o insight pobre e prejuízos cognitivos na
esquizofrenia. A esquizofrenia deficitária foi
associada a um pior funcionamento cognitivo
e ao insight pobre. Este estudo teve objetivo
de investigar a relação entre componentes do
insight (mensuradas pela Schedule for the
Assessment of Insight, versão expandida – SAIE) e funções cognitivas específicas (avaliadas
por uma bateria neuropsicológica ampla)
considerando pacientes com esquizofrenia
deficitária (n = 29) e não deficitária (n = 44)
separadamente. Nós encontramos que a
memória de trabalho se correlacionou
positivamente e significativamente com a
consciência da doença mental (componente
do insight) em ambos os grupos. Em pacientes
não deficitários, a consciência da doença
mental se correlacionou também com a
fluência verbal e uma medida atencional. Se
confirmados, estes resultados podem ter
importantes consequências, tais como a
necessidade de adaptar a reabilitação
cognitiva de forma distinta para cada grupo.
Apoio Financeiro: FAPESP Grant 08/09488-8
Responsável pelo Envio:
Luiz Fernando Longuim Pegoraro
([email protected])
23-033ESTUDO
COGNITIVO
DE
DO
DESEMPENHO
PESSOAS
ADULTAS
INFECTADAS PELO VÍRUS DA HEPATITE C
(HCV): RESULTADOS PARCIAIS.
Batista MGR1; Pereira APA1
1UFPR – Psicologia
A infecção por Hepatite C (HCV), ao atingir o
nível crônico, reduz o desempenho físico, o
desempenho social, a saúde mental e,
consequentemente, acarreta em alterações
significativas na qualidade de vida, podendo
gerar sequelas no funcionamento do sistema
nervoso central. Acredita-se que algumas
alterações no desempenho cognitivo podem
estar
relacionadas
com
a
atividade
inflamatória, principalmente em casos de
hepatite crônica. O objetivo do presente
estudo é descrever o perfil cognitivo em
pessoas infectadas pelo HCV. O estudo
realizado é do tipo observacional/descritivo. O
grupo clínico é composto por 16 participantes
de ambos os sexos (62% são do sexo
masculino), com diagnóstico de Hepatite C,
em acompanhamento ambulatorial em um
hospital de Curitiba-PR. A amostra se
caracteriza pela idade média de 47 anos (DP=
8,5) e escolaridade média de 9 anos (DP= 2,4).
A avaliação neuropsicológica contou com os
seguintes testes adaptados e suas funções
avaliadas,
respectivamente:
Códigos
e
Procurar
Símbolos
(velocidade
de
processamento),
dígitos
(memória
operacional), Trilhas Coloridas (flexibilidade
cognitiva),
Stroop
(controle
inibitório),
Wisconsin (categorização e tomada de
decisão), FAR (fluência verbal). A seguir é
descrito o desempenho da amostra nos testes
avaliados: Códigos (Média dos pontos
ponderados=10) Procurar Símbolos (Média dos
pontos ponderados=13), Stroop 3 - Cores e
Palavras (M=30; DP= 8,5), Trilhas Coloridas –
Forma 2 (M= 112 seg; DP= 32), FAR (M=28
palavras; DP=13). Os resultados indicaram que
a função de velocidade de processamento
encontra-se dentro da média esperada para a
idade, bem como as demais funções
avaliadas. Discute-se sobre a especificidade
destes instrumentos para avaliar pessoas com
este quadro clínico e de que forma este tipo
de infecção pode afetar o processo cognitivo
e as funções executivas das pessoas
infectadas. Pretende-se que este trabalho
164
demonstre a importância da continuidade de
estudos
na
área
de
neuroinfecção,
especialmente com o quadro clínico de
infecção
por
HCV.
Contato:
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Maria Geny Ribas Batista
([email protected])
23-034- RELATO DA EXPERIÊNCIA DE UM
ACOMPANHAMENTO COGNITIVO COM
PACIENTE COM ESCLEROSE MÚLTIPLA
Fiorotto SM1; Barroso SM1
1Universidade Federal do Triângulo Mineiro –
Psicologia
A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença
crônica e autoimune que se caracteriza pela
desmielinização
neuronal
e
atinge
principalmente
adultos
jovens.
As
manifestações clínicas e a evolução da
doença são diversas, o que dificulta o
prognóstico dos pacientes. Entre 30 e 50% dos
indivíduos
com
EM
apresentam
comprometimento
cognitivo,
atingindo
principalmente a memória e a velocidade de
processamento de informações. A reabilitação
cognitiva é uma intervenção que auxilia os
pacientes com EM a conviver, lidar, reduzir
e/ou superar os déficits cognitivos decorrentes
da doença. O presente estudo baseia-se na
experiência de uma graduanda do curso de
Psicologia da Universidade Federal do
Triângulo Mineiro (UFTM) ao realizar o
acompanhamento cognitivo de um paciente
com EM. Inicialmente o paciente foi submetido
a uma avaliação neuropsicológica para
verificar que funções cognitivas estavam
preservadas e onde havia déficits. Observou-se
déficits
na
recordação
tardia,
na
compreensão léxica, compreensão aritmética
e aprendizagem numérica. Após a avaliação
o paciente recebeu acompanhamento
cognitivo pelo período de seis meses. Os
encontros ocorreram uma vez por semana,
com duração média de uma hora cada. A
cada encontro trabalhava-se entre duas e três
atividades relacionadas com os déficits
específicos do paciente e, ao fim de cada
sessão, era proposta uma nova tarefa de casa,
que deveria ser feita ao longo da semana.
Após o período do acompanhamento, foi feita
a reavaliação neuropsicológica, a fim de
verificar o impacto do acompanhamento. Foi
possível verificar uma melhora significativa na
capacidade de recordação tardia e na
aprendizagem aritmética, que deixaram de
consistir em déficits. Além disso, houve
abrandamento do déficit na compreensão
aritmética.
Os
demais
resultados
permaneceram sem alterações. O trabalho
mostra
o
impacto
positivo
que
o
acompanhamento cognitivo pode trazer ao
paciente com EM.
Responsável pelo Envio:
Samira Maria Fiorotto
([email protected])
23-035AVALIAÇÃO
DAS
FUNÇÕES
EXECUTIVAS FRENTE AO DIAGNÓSTICO DE
HIPOTIREOIDISMO CLÍNICO E SUBCLÍNICO
Branco ACLC1; Baise M1
1Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas
- USP – Ambulim
O Hipotireoidismo é um distúrbio endócrino
identificado pela falta de hormônio da
tireoide, seja por uma alteração da própria
glândula ou por uma diminuição em sua
estimulação por outros hormônios produzidos
no sistema nervoso central. O Hipotireoidismo
pode ser classificado como Subclínico,
caracterizado
por
níveis
discretamente
aumentados de TSH em vigência de T3 e T4
normais, apresentando sinais e sintomas
neuropsiquiátricos, musculares e cognitivos,
sendo déficits de memória, desânimo, sintomas
de depressão e ansiedade; e, Hipotireoidismo
Clínico, em que raramente a etiologia é
devido à doença infiltrativa ou infecciosa da
tireóide. Seus sintomas clínicos evoluem de
maneira insidiosa ao longo de vários anos e o
tratamento
medicamentoso
consiste
habitualmente
na
administração
de
Levotiroxina (LT4), o hormônio tiroidiano que
apresenta resposta favorável na estabilização
dos sintomas. O objetivo desta pesquisa foi
avaliar o perfil do funcionamento executivo de
duas pacientes com Hipotireoidismo, sendo
165
uma com Hipotireoidismo Subclínico e outra
com Hipotireoidismo Clínico em tratamento
com Levotiroxina, comparando os resultados
das
avaliações
através
das
Tabelas
Americanas e Brasileiras, identificando quais
impactos as alterações das funções executivas
podem ter na vida de pacientes com
hipotireoidismo e verificando os sintomas de
ansiedade e depressão segundo a Escala
Beck. Para a realização da pesquisa foram
utilizados os testes WAIS – III, Trilhas Coloridas,
Figuras Complexas de Rey e o Teste de
classificação de cartões de Wisconsin (WCST –
Wisconsin Card Sorting Test) para a avaliação
neuropsicológica das pacientes. Os resultados
encontrados identificaram déficits sutis em
domínios
cognitivos
específicos
na
comparação do HS com o HC, no que se
refere a Memória imediata, capacidade de
reversibilidade, velocidade de processamento,
atenção/concentração,
capacidade
de
conceitualização visoespacial, capacidade
de análise e síntese e estratégia de solução de
problemas. Na avaliação dos aspectos
emocionais, identificou-se que a paciente com
HS apresenta um quadro moderado de
depressão e em relação a ansiedade,
apresentou pontos significativos, sugerindo um
estado grave. No que se refere às funções
executivas, de um modo geral, observou-se,
com as devidas limitações, que houve uma
sutil diferença entre as duas pacientes,
inferindo-se um funcionamento executivo
satisfatório.
Responsável pelo Envio:
Andreza Carla Lopes Castelo Branco
([email protected])
23-036- RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO
INTELECTUAL
GERAL
E
A
MEMÓRIA
OPERACIONAL
DE
PACIENTES
COM
ESCLEROSE TUBEROSA
Masulk LF1; Azevedo DAS1; Nascimento DF1;
Teixeira R1; Lacava B2; Santos MLSF3; Bruck I2;
Antoniuk SA2
1Universidade Federal do Paraná - Psicologia;
2Universidade
Federal
do
Paraná
Neuropediatria; 3Hospital Pequeno Príncipe - .
A Esclerose Tuberosa é uma síndrome
neurocutânea
de
caráter
autossômico
dominante com expressões clínicas variadas,
entre elas acometimento cerebral, cutâneo,
renal, oftalmológico, cardiológico, distúrbios
psquiátricos, entre outros. É decorrente de
mutações heterozigotas que podem acometer
o gene TSC1 (gene9q43, hamartina) ou o gene
TSC2 (tuberina, gene 16q13). Grande parte dos
pacientes apresenta alterações nas funções
cerebrais, o que destaca a avaliação
cognitiva como um importante instrumento
para a avaliação das mesmas. O presente
trabalho tem como objetivo relacionar o
desempenho
intelectual
geral
com o
desempenho em memória operacional de
pacientes com diagnóstico de Esclerose
Tuberosa, atendidos no Hospital de Clínicas da
Universidade Federal do Paraná, situado na
cidade de Curitiba. Foram avaliados 12
sujeitos, de ambos os sexos (8 do sexo
masculino e 4 do sexo feminino) com idades
entre 6 anos e 0 mês e 29 anos e 11 meses.
Para a avaliação cognitiva foram utilizadas as
Escalas de Inteligência Wechsler Terceira
Edição, para crianças e adultos. A partir desta
avaliação obteve-se o nível intelectual geral e
o desempenho no subteste Dígitos de cada
participante. Em relação ao nível intelectual
geral os resultados obtidos demonstram que
33,3% dos participantes (4 sujeitos) encontramse em uma classificação média inferior, 16,7%
(2 sujeitos) encontram-se na média, 41,7% (5
sujeitos) apresentaram desempenho limítrofe e
8,3% (1 sujeito) encontram-se extremamente
abaixo do esperado. Em relação ao
desempenho em memória operacional,
avaliada pelo subteste Dígitos, 100% dos
participantes
apresentaram
desempenho
inferior, ou seja, abaixo da média esperada
para a faixa etária correspondente. Diante
disso, conclui-se que os sujeitos avaliados
apresentam baixo desempenho em memória
operacional, mesmo os pacientes com
desempenho intelectual geral dentro ou
próximo à média esperada. Observa-se a
influência do baixo desempenho em memória
operacional nos âmbitos acadêmico e social,
sendo esta dificuldade um dos fatores para
altos
índices
de
reprovação
escolar,
dificuldade de aprendizagem e dificuldades
166
diárias como esquecimentos frequentes, entre
outros. Com isso, faz-se necessária a
continuidade do presente estudo visando
contribuir para uma melhor qualidade de vida
dos pacientes.
Responsável pelo Envio:
Daiane Alex Seccon de Azevedo
([email protected])
23-037- Percepção Temporal na Síndrome
de Deleção do 22q11.2
Lobato A A1; Silva L S e2; Kim C A3; Mello C B3
1Universidade Federal de São Paulo Psicobiologia; 2Nani - Ambulatorio de
Genetica; 3Universidade Federal de São Paulo
- Instituto da Criança HC - Unidade de
Genética
Percepção do tempo é uma habilidade
essencial e necessária a todos os seres vivos
para uma adequada adaptação ao seu
ambiente.
“Perceber”
o
tempo
inclui
apreender graus variados de intervalos de
tempo, desde intervalos longos como os ritmos
circadianos, até intervalos bem curtos, como
ritmos musicais e movimento motor voluntário.
Diferentemente de outros sentidos, como a
visão e a audição, não existe um órgão
específico para a percepção temporal.
Modelos cognitivos e neurobiológicos tentam
explicar porque possuímos a sensação que o
tempo flui, porém ainda não são conhecidos
os substratos neuroanatômicos que permitem
esta percepção, assim como suas falhas.
Déficits na habilidade de percepção temporal
são
comuns
em
algumas
doenças
neurológicas como a Doença de Alzheimer e
lesões no encéfalo. Trabalhos recentes tem
investigado o déficit nesta habilidade em
algumas síndromes genéticas humanas, entre
elas a Síndrome de Deleção do 22q11.2
(SD22q11.2).
Esta
síndrome,
também
conhecida como Sequencia de DiGeorge ou
Síndrome Velocardiofacial, tem como etiologia
uma microdeleção no braço longo do
cromossomo 22. Entre as várias características
fenotípicas clínicas desta síndrome destacamse a má formação cardíaca e na faringe, junto
com alterações comportamentais e cognitivas
associadas, entre elas uma maior prevalência
para esquizofrenia e déficit em habilidades
visuoespaciais. Este trabalho tem como
objetivo apresentar dados preliminares de uma
pesquisa que pretende avaliar a percepção
temporal
associado
ao
fenótipo
comportamental
e
neurocognitivo
da
Síndrome de Deleção do 22q11.2. Serão
apresentados resultados preliminares referentes
a alguns casos já avaliados. As tarefas
adotadas
envolvem
procedimentos
informatizados desenvolvidos no software EPrime, e que tem como objetivo avaliar a
acurácia dos participantes em tarefas de
estimação temporal, tanto nas modalidades
visuais e auditivas, com estímulos variando
entre 100 ms e 1500ms de duração.
Contato: [email protected]
Fomento: CNPq
Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Alexandre Aquino Lobato
([email protected])
23-038- IMPORTÂNCIA DO GENE COMT
(VAL158MET) PARA AS DIFERENÇAS DE SEXO
NA TOMADA DE DECISÃO AFETIVA
Costa DS; De Paula JJ2; Medeiros DG1;
Miranda DM1; Malloy-Diniz LF3
1UFMG - Medicina Molecular; 2Instituto de
Ciência e Tecnologia em Medicina Molecular,
UFMG - Laboratório de Investigações em
Neurociência Clínica (LINC); 3Ufmg - Psiquiatria
INTRODUÇÃO. Fatores genéticos são fortes
candidatos para o dimorfismo sexual de
características comportamentais, mas a
identificação da participação de genes
específicos ainda é bastante escassa. O
polimorfismo
Val158Met
da
Catecol-OMetiltransferase (COMTrs4680) é um forte
candidato. A COMT parece ter um efeito
pleiotrópico na cognição, com portadores do
alelo
Val
(maior
degradação
das
catecolaminas corticais) apresentando melhor
desempenho em tarefas de regulação
emocional como o Iowa Gambling Task (IGT).
A primeira metade da tarefa envolve
processos de decisão sob ‘ambiguidade’ (os
riscos de perda não são conhecidos). A
segunda metade emprega processos de
167
decisão envolvidos em situações de ‘risco’ (é
possível inferir quando uma penalidade alta é
mais
provável).OBJETIVO.
Investigar
a
associação da COMTrs4680 com a tomada de
decisão afetiva (ambiguidade vs risco).
Verificar se tal associação é condicionada ao
sexo. MÉTODO. 192 adultos saudáveis
(28,12±10,15 anos de idade; 11,89±1,72 anos de
escolaridade; 57% sexo feminino) consentiram
livremente sua participação no estudo. A
distribuição do genótipo da COMT respeitou o
equilíbrio
de
Hardy-Weinberg
(p>0,05):
39met/met(56%feminino),
84met/val(54%feminino)
e
69val/val(59%feminino).
RESULTADOS. Num
modelo GLM Multivariado, o genótipo da
COMT se associou apenas com a toma da de
decisão de risco (F=3,09;p=0,04), mas não sob
ambiguidade (F=1,82;p=0,17). Análises posthoc mostraram diferença significativa de
desempenho entre o grupo val/val e os
demais
grupos
(met/met:p=0,01;
val/met:p=0,04) com uma diferença padrão
em z-escore moderada (z=0,50) e pequena
(z=0,32), respectivamente (grupo val/val
escolhas mais vantajosas). Num modelo de
regressão OLS, a partir de uma estratégia de
reamostragem
(k=5000;
BAc;
IC=95%),
verificamos que a associação do genótipo da
COMT com a tomada de decisão sob risco no
IGT foi condicionada ao sexo feminino
(feminino:
0,33(SE=0,13),p=0,01;
masculino:0,16(SE=0,15),p=0,30). CONCLUSÃO.
Verificamos que o genótipo da COMT está
associado à tomada de decisão sob risco, mas
não à tomada de decisão sob ambiguidade
medidas pelo IGT. Esse resultado é relevante
na medida em que os dois tipos de tomada de
decisão podem estar associados de modo
distinto a dimensões comportamentais afetivas
específicas como ansiedade e mania. Embora
os resultados na literatura ainda sejam
inconsistentes, somamos à um corpo crescente
de
evidências
que
sugerem
que
o
polimorfismo Val158Met da COMT pode ter
efeitos ainda mais relevantes para o sexo
feminino.
Apoio Financeiro: CNPq, CAPES, FAPEMIG
Responsável pelo Envio:
Danielle de Souza Costa
([email protected])
23-039A
AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA NO DIAGNÓSTICO
DIFERENCIAL DE SÍNDROME DE CHARLES
BONNET: UM ESTUDO DE CASO
Borges KK1; Martins CGB2; Madalena TP2;
Darakjian MC3; Lazarro C2; Garcia FR3
1Fundaçao Faculdade de Medicina de Sao
Jose do Rio Preto (funfarme/famerp) Departamento de Psiquiatria e Psicologia;
2Faculdade de Medicina de São José do Rio
Preto - Psiquiatria e Psicologia Médica;
3Faculdade de Medicina de São José do Rio
Preto - Ciências Neurológicas
A Síndrome de Charles Bonnet (SCB) é uma
doença descrita em 1760 pelo autor, ao
observar características clínicas apresentadas
por seu próprio avô. Mesmo havendo
controvérsias nos critérios diagnósticos, a
síndrome é caracterizada por apresentação
de alucinações visuais complexas, usualmente
descritas pelos pacientes de maneira bastante
detalhada, associadas comumente a déficits
visuais. Os pacientes que apresentam esta
síndrome também devem não manifestar
distúrbios cognitivos ou psiquiátricos e devem
mostrar consciência de que os fenômenos que
veem são irreais. A.A.P., 70 anos, sexo
masculino, apresentava glaucoma grave
havia 15 anos, além de outras doenças
prévias.
Foi
encaminhado
à
equipe
multiprofissional de Psiquiatria Geriátrica
relatando ver anjos e fantasma havia cerca de
1 ano, concomitantemente com declínio da
acuidade visual relacionado ao glaucoma.
Suas visões eram nítidas, surgiam em qualquer
período do dia, não podiam ser tocadas, não
produziam qualquer som e A. tinha
consciência de que elas eram irreais. A
avaliação neuropsicológica do paciente
consistiu na aplicação de: Mini Exame do
Estado Mental (rastreio cognitivo), Teste do
Desenho do Relógio (habilidades visoconstrutivas), Fluência Verbal (F.A.S. e Animais função executiva e memória semântica), Span
(dígitos – ordem direta, ordem inversa), Boston
Naming
Test,
Semelhanças
(WAIS
III),
Provérbios, Pfeffer (capacidade funcional), NPI
(Inventário Neuropsiquiátrico), CDR (Avaliação
168
Clínica da Demência), GDS (depressão),
Sequencia Motora/ Instruções conflitivas/ GoNo-Go/ Preensão de Luria (Função Frontal),
Sinos e Trail Making Test (atenção). O
desempenho do paciente na avaliação foi
condizente ao esperado para sua idade e
escolaridade, o que afastou a hipótese de
síndrome demencial. Além disso, não foi
observada a presença de qualquer transtorno
psiquiátrico. Estes resultados, unidos às
avaliações dos outros profissionais da equipe,
consolidaram o diagnóstico de Síndrome de
Charles Bonnet. Neste sentido, a avaliação
neuropsicológica
mostra-se
como
uma
ferramenta útil para excluir a presença dos
distúrbios supracitados e auxiliar o diagnóstico
da SCB. É indicado como tratamento a
maximização da função visual, psicoterapia,
tratamento
de
sintomas
psiquiátricos
associados (como depressão). Foi utilizada
uma intervenção farmacológica, com ajustes
de medicamentos em uso e introdução de
Ácido
Valpróico
(anticonvulsivante)
e
Clonazepam
(benzodiazepínico
–
caso
necessário). O resultado do tratamento teve
80% de efetividade, de acordo com relato de
paciente
e
familiar.
[email protected] Apoio Financeiro:
Não se aplica.
Responsável pelo Envio:
Karina Kelly Borges
([email protected])
23-040- NEUROFIBROMATOSE TIPO 1: UMA
INVESTIGAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO EM
ESCRITA E ARITMÉTICA
Soares LS1; Costa DS2; Malloy-Diniz; L.F.
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Ufmg - Medicina Molecular
INTRODUÇÃO: A Neurofibromatose tipo 1 (NF1)
é uma doença genética com prevalência
estimada de 1 em 3500. Essa população
apresenta uma frequente ocorrência de
transtornos de aprendizagem (30%-60%),
considerados a maior fonte de limitação nas
atividades de vida diária de crianças e
adolescentes. OBJETIVO: Verificar se há
diferenças no desempenho acadêmico
relacionados à escrita e aritmética entre
indivíduos
portadores
de
NF1
e
de
desenvolvimento
típico.
MÉTODO:
52
participantes pareados por idade, série, nível
socioeconômico e sexo, sendo 35 portadores
de NF1 (média = 19,38 anos e dp = 10,74) e 17
controles (média = 23 anos; dp = 17,54)
participaram deste estudo, respondendo a
testes de desempenho escolar (TDE) contendo
tarefas de escrita e aritmética. RESULTADOS:
Verificamos diferenças significativas (p<0,05)
entre os grupos clínico e controle para
desempenho acadêmico relacionado à
escrita e à aritmética, com moderadas
magnitudes de efeito (d= 0,63 e d= 0,81,
respectivamente).
De
modo geral, os
portadores de NF1 apresentam desempenho
acadêmico inferior aos indivíduos controle.
CONCLUSÃO: As magnitudes de efeito para os
testes de desempenho escolar de escrita e
aritmética
moderadas
indicam
maior
vulnerabilidade de portadores de NF1 em
atividades que envolvam tarefas cognitivas. Os
déficits cognitivos subjacentes a esses
transtornos têm sido considerados a maior
fonte de limitação nas atividades de vida
diária de crianças e adolescentes portadores
da NF1, sendo de grande importância definir
acuradamente o perfil cognitivo da NF1,
fundamental para o desenvolvimento de
intervenções bem-sucedidas, no intuito de
amenizar os prováveis prejuízos e aumentar o
nível
de
adaptação
funcional
desta
população.
Responsável pelo Envio:
Lorrayne Stephane Soares
([email protected])
23-041- DIFERENÇA DA INFLUÊNCIA DAS
FUNÇÕES EXECUTIVAS NO DESEMPENHO
ARITMÉTICO ENTRE NF1 E POPULAÇÃO
SAUDÁVEL
Dell´oro-Oliveira T1; Costa DS2; Miranda DM3;
Malloy-Diniz LF4
1Ufmg - Psicologia; 2Ufmg - Medicina
Molecular; 3Ufmg - Medicina; 4Ufmg –
Psiquiatria
INTRODUÇÃO: A Neurofibromatose tipo 1 (NF1)
é
uma
condição
genética
cujas
manifestações afetam o sistema nervoso,
169
sendo o déficit das funções executivas
frequente.. As funções executivas interferem
em
muitas
habilidades,
incluindo
o
desempenho aritmético. A relação das
funções
executivas
e
o
desempenho
aritmético em portadores da NF1 continua
subinvestigada.
OBJETIVO:
Comparar
o
desempenho aritmético entre portadores de
NF1 e sujeitos sem a doença e verificar a
associação entre as funções executivas e o
desempenho aritmético entre os dois grupos.
MÉTODOS: 35 pacientes de NF1, com idades
entre 7 e 50 anos (19,38±10,75), e 17 sujeitos
controle, com idades entre 7 e 58 anos
(23,47±16,12) foram submetidos a uma bateria
de testes que avaliam inteligência e diferentes
funções executivas. O desempenho em
aritmética dos grupos foi transformado em
escore z e comparado através do teste T de
Student. O método de reamostragem foi
utilizado para replicar os resultados para uma
população normal (k=5000). Cada domínio
das funções executivas foi comparado com o
escore z em aritmética, através da Correlação
de Pearson. RESULTADOS: Os grupos diferem
significativamente
em
relação
ao
desempenho aritmético, com tamanho de
efeito moderado (t=153,79; p=<0,001; d=0.62).
Para o grupo controle, inteligência e memória
operacional tiveram correlação significativa
com o escore z em aritmética (ρ=0.60; ρ=0.59;
ρ=0.76). Já para o grupo NF1, inteligência,
memória operacional, atenção, flexibilidade e
produtividade mental tiveram correlação
significativa com o escore z em aritmética
(ρ=0,68; ρ=0.53; ρ=-0.44; ρ=-0.52; ρ=0.53).
DISCUSSÃO:
Os
resultados
encontrados
corroboram com a literatura no que diz
respeito às diferenças significativas entre o
desempenho aritmético de pacientes NF1 e
pessoas saudáveis. Foi encontrado também
que o desempenho em funções executivas
pode ser um fator influente do desempenho
desse grupo.
Responsável pelo Envio:
Thais Dell´oro-Oliveira
([email protected])
23-042- NEUROPSICOLOGIA DOS TUMORES
DE HIPÓFISE: UMA REVISÃO CRÍTICA
Quaranta T1; Fuentes D1
1Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo – LINEU
INTRODUÇÃO: A hipófise produz numerosos e
importantes hormônios. A presença de
sintomas de excesso ou de deficiência de
hormônios hipofisários, associada à cefaleia ou
distúrbios visuais, levam o clínico a considerar
distúrbio hipotalâmico-hipofisário, muitas vezes
diagnosticando o tumor de hipófise. Os
avanços
nas
pesquisas
permitiram
o
diagnóstico precoce e o tratamento preciso
dos tumores de hipófise, através dos seguintes
tipos
de
tratamentos:
cirurgia
e/ou
radioterapia e/ou tratamento medicamentoso.
Após receber o tratamento, os pacientes
muitas vezes descrevem dificuldades de
memória, atenção e concentração. OBJETIVO:
Apresentar
os
resultados
de
estudos
envolvendo tumor de hipófise e funções
neuropsicológicas, a partir de revisão crítica.
MÉTODO: Foram buscados artigos que
abordavam a neuropsicologia associada aos
tumores de hipófise, publicados em revistas
indexadas ao Medline entre jan/1992 e
jan/2013.
RESULTADOS:
As
funções
neuropsicológicas frequentemente apontadas
nos estudos foram memória e funções
executivas. Notou-se que alguns pesquisadores
investigaram as alterações cognitivas e a
relação causal com os diferentes tipos de
tratamento para o tumor hipofisário. Em estudo
anterior, pesquisadores já haviam sugerido que
os
déficits
cognitivos
não
estavam
relacionados ao tamanho ou tipo do tumor e
nem ao efeito da radioterapia ou cirurgia. Em
seguida, outro estudo corroborou neste
aspecto com o anterior, indicando que as
alterações eram resultado do tratamento,
tanto cirúrgico quanto radioterápico, ao invés
do
próprio
tumor.
No
mesmo
ano,
pesquisadores mostrando que os pacientes
que
realizavam
a
cirurgia
transfrontal
apresentavam duas vezes mais prejuízos
cognitivos do que os pacientes com tumor de
hipófise que não necessitavam de nenhum
procedimento
cirúrgico.
Pesquisas
mais
recentes tem se preocupado em separar os
grupos estudados pelo tipo de tumor que
possui. CONCLUSÃO: A literatura clínica
170
levantada até então mostrou que, embora a
cirurgia tenha sido frequentemente apontada
como maior causa das alterações cognitivas
em pacientes com tumor de hipófise, ainda
não há origem definida para os déficits
apresentados. Considerando o perfil cognitivo
destes pacientes e as pesquisas que vem
sendo feitas em reabilitação neuropsicológica
nos grupos de pacientes com lesões cerebrais,
estudos futuros poderão integrar esta prática
da neuropsicologia como proposta de
intervenção complementar ao tratamento de
pacientes com tumor de hipófise.
Responsável pelo Envio:
Thais Quaranta
([email protected])
23-043CORRELAÇÃO
ENTRE
IMPULSIVIDADE A PARTIR DA ESCALA DE
COMPORTAMENTOS IMPULSIVOS UPPS E
IDEAÇÃO SUICIDA EM PACIENTES COM
DIAGNÓSTICO DE TRANSTORNO AFETIVO
BIPOLAR.
Jelihovschi Apg1; Sediyama CYN2; Chaves
Absc1; Lima IMM3; Loschiavo F4; Neves Fs3;
Correa H5; Malloy-Diniz L6
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia/ FAFICH; 2Universidade Federal de
Minas
Gerais
Medicina
Molecular;
3Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade
de
Medicina;
4UFMG
Neurociencias; 5UFMG - Saude mental; 6Ufmg
– Psiquiatria
O Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) é
caracterizado por alterações de humor
envolvendo episódios de mania, hipomania ou
depressão. Este transtorno é crônico e pode
trazer prejuízos funcionais e cognitivos durante
seu curso para a vida de sujeitos com esse
diagnóstico.
Comportamentos
impulsivos
representam um traço característico de
pacientes com TAB, variando os fatores
relacionados a esse construto dependendo do
estado de humor do paciente podendo
influenciar na ideação suicida dos mesmos. O
presente estudo tem como objetivo avaliar se
há relação entre os comportamentos
impulsivos, a partir dos subfatores da Escala de
Impulsividade UPPS, e a ideação suicida em
pacientes com diagnóstico de TAB. A amostra
contou com 44 pacientes para a UPPS e 40
pacientes para a BSI com média de idade de
35,31(dp=12,29), 10 do sexo masculino e 34 do
sexo feminino. Os participantes foram
diagnosticados com TAB através da aplicação
da Entrevista Diagnóstica Psiquiátrica MINI PLUS
por psiquiatras do Hospital das Clínicas da
UFMG. Os pacientes passaram previamente
por uma Avaliação Neuropsicológica, para
caracterização dos perfis cognitivos, realizada
por pesquisadores do Núcleo de Transtornos
Afetivos do HC. O humor foi controlado através
da Escala de Depressão de Beck(BDI),
evidenciando a predominância de humor
deprimido com média de 21,7 na pontuação.
Para
avaliação
de
comportamentos
impulsivos, a Escala de Impulsividade UPPS que
tem
como
quatro
subfatores:
urgência(tendência a experimentar fortes
impulsos, muitas vezes em condição de afetos
negativos), falta de premeditação(tendência
a não pensar sobre as consequências de uma
ação
antes
de
agir),
falta
de
perseverança(baixa
habilidade
de
um
indivíduo em permanecer focado em uma
tarefa que pode ser aborrecida ou difícil) e
busca por sensações(tendência a buscar
atividades excitantes e ter disposição para
novas experiências que podem ser perigosas
ou não) foi aplicada. O Inventário de Ideação
Suicida de Beck(BSI) foi aplicado para
avaliação da presença de comportamentos
suicidas. A análise estatística foi realizada por
Correlação de Pearson sendo p<0,05. Os
resultados apontam para uma correlação
fraca, porém significativa entre os escores da
BSI e a urgência da UPPS (rho=0,399). Ou seja,
não
houve
correlação
entre
os
comportamentos suicidas e os subfatores de
falta de premeditação (rho= 0,112),falta de
perseverança (rho=0,032) e busca de
sensações (rho=0,264). Este é um estudo
preliminar que aponta para uma fraca
correlação existente entre a BSI e o subfator de
urgência que pode ser consequência do
pequeno número de participantes da amostra.
Contudo, esse resultado aponta que pacientes
com TAB que tenham características de
urgência, podem ter maior possibilidade de
realizar comportamentos suicidas.
171
Apoio Financeiro: Fapemig; PROEX
Responsável pelo Envio:
Ana Paula Gomes Jelihovschi
([email protected])
23-044- COMPARAÇÃO ENTRE SINTOMAS
DE ANSIEDADE E IMPULSIVIDADE EM
PACIENTES
COM
DIAGNÓSTICO
DE
TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR ATRAVÉS
DA APLICAÇÃO DA ESCALA DE ANSIEDADE
DE
BECK
(BAI)
E
ESCALA
DE
COMPORTAMENTOS IMPULSIVOS (UPPS)
Sediyama CYN1; Chaves Absc1; Jelihovschi
Apg2; Loschiavo F3; Lima IMM4; Neves Fs4;
Correa H5; Malloy-Diniz L6
1Universidade Federal de Minas Gerais Medicina Molecular; 2Universidade Federal de
Minas Gerais - Psicologia/ Fafich; 3UFMG Neurociencias; 4Universidade Federal de Minas
Gerais - Faculdade de Medicina; 5UFMG Saude mental; 6Ufmg – Psiquiatria
O Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) é um
transtorno
crônico
caracterizado
por
alterações do humor, variando entre episódios
de depressão, hipomania e mania. Os
sintomas de ansiedade em comorbidade com
o TAB podem levar os pacientes a ter prejuízos
significativos durante o curso da doença como
qualidade de vida prejudicada, ausência de
resposta ao tratamento, principalmente no
que diz respeito aos estabilizadores de humor,
aumento de hospitalizações, maior duração
dos episódios, além de poder contribuir para o
desencadeamento de ideações suicidas. O
objetivo do estudo foi avaliar a relação entre
os sintomas de ansiedade e de impulsividade
em pacientes com TAB através da aplicação
da Escala de Ansiedade de Beck (BAI) e
Escala de Comportamentos Impulsivos (UPPS).
Caso indivíduos com escores significativos em
Urgência tendam a apresentar altos escores
em ansiedade, e isso é evidente em pacientes
com TAB, avaliar as relações entre ansiedade
e
impulsividade
possibilita
evitar
comportamentos prejudiciais para a saúde e
bem estar do paciente. A amostra contou
com 44 sujeitos para a UPPS e 40 para a BAI. Os
pacientes foram diagnosticados através da
entrevista diagnóstica MINI-PLUS, realizada por
psiquiatras do Hospital das Clínicas da UFMG; a
amostra apresentava humor deprimido no
período da avaliação, o que foi evidenciado
através da aplicação da Escala de Depressão
de Beck. O Inventário de Ansiedade de Beck
(BAI) é uma escala de auto-relato, composta
de 21 itens que tem como objetivo avaliar a
presença de sintomas de ansiedade dos
sujeitos durante a última semana. A escala
UPPS de Comportamento Impulsivo é uma
escala de auto-relato que avalia em 45 itens,
quatro
subfatores
da
impulsividade:
urgência(tendência a experimentar fortes
impulsos, muitas vezes em condição de afetos
negativos),(falta de) premeditação(tendência
a não pensar sobre as consequências de uma
ação
antes
de
agir),
(falta
de)perseverança(baixa habilidade de um
indivíduo em permanecer focado em uma
tarefa que pode ser aborrecida ou
difícil)e(busca
de)sensações(tendência
a
buscar atividades excitantes e ter disposição
para novas experiências que podem ser
perigosas ou não). Os resultados sugerem
correlações
significativas(p<0,5)entre
os
escores da BAI e Urgência da UPPS (rho=.565),
mas apresentam correlações baixa e não
significativas quando analisados os subfatores
falta de Premeditação(rho=.305), falta de
Perseverança (rho=.286) e busca de Sensações
(rho=.009). Conclui-se que pacientes TAB com
altos níveis de Urgência, a partir da escala de
Comportamento Impulsivo UPPS, podem
apresentar altos níveis de ansiedade, o que
pode prejudicar o tratamento dos mesmos. É
importante ressaltar que a amostra é pequena,
o que compromete a validade dos achados.
Apoio Financeiro: Fapemig; PROEX
Responsável pelo Envio:
Ana Paula Gomes Jelihovschi
([email protected])
23-045EVOLUÇÃO
DE
PREJUÍZOS
EXECUTIVOS NO TRANSTORNO BIPOLAR:
REVISÃO
SISTEMÁTICA
DE
ESTUDOS
LONGITUDINAIS
Cotrena C1; Branco LD1; Rucatti G1; Fonseca
RP2
1PUCRS - Departamento de Psicologia;
2Pontifícia Universidade Católica do Rio
172
Grande do Sul - Professora Adjunta da
Faculdade de Psicologia e do Programa de
Pós-Graduação em Psicologia (Cognição
Humana). Coordenadora do Grupo de
Neuropsicologia Clínica Experimental (GNCE).
O transtorno bipolar (TB) apresenta impacto
funcional, cognitivo e risco aumentado de
mortalidade. Um número crescente de estudos
sugere que os prejuízos cognitivos no TB
mantêm-se em períodos de eutimia. Embora o
impacto do TB na cognição geral já tenha sido
suficientemente investigado, pouco sabe-se a
respeito da evolução destes prejuízos ao longo
da vida, especialmente em relação às funções
executivas (FE). Estudos que busquem
demonstrar o curso das FE são necessários por
sua complexa relação com fatores de
funcionalidade e de integridade de conexões
frontais, ambos intimamente relacionados ao
agravamento de prejuízo cognitivo ao longo
da vida, e ao aumento de quadros
demenciais. O estudo objetivou caracterizar
investigações
longitudinais
acerca
do
desempenho executivo em bipolares. Para
tanto, consultou-se às bases de dados Web of
Science, PubMed/MEDLINE e PsycInfo, com a
sintaxe “longitudinal” OR “follow-up” AND
“executive function” OR “cognitive” OR
“cognition” AND “bipolar disorder” OR
“affective disorder” OR “mood disorder” OR
“euthymia” OR “mania” OR “hypomania”.
Foram selecionados estudos longitudinais com
pacientes adultos, publicados de 2003 a 2013
em português e/ou inglês e que apresentaram,
pelo menos, dois momentos de avaliação de
FE que efetuassem comparações entre o
desempenho de participantes no momento
um (M1; baseline) e momento dois (M2) de
avaliação. Foram excluídos estudos que não
apresentaram critérios diagnósticos claros de
TB com base no DSM ou CID ou com amostra
clínica mista. Inicialmente, 1957 abstracts e
após
análise
duplo-cega
entre
juízes
especialistas, foram selecionados 28 estudos
na íntegra, dos quais foram incluídos 20. De
modo geral, houve prejuízo executivo em
pacientes bipolares quando comparados a
participantes controles ou grupos normativos.
Prejuízos mostraram-se estáveis ao longo do
curso da doença. Não há consenso quanto às
FE mais prejudicadas, ou quanto à relação
entre o desempenho cognitivo e variáveis
clínicas. Limitações são apontadas como a
variabilidade nos métodos utilizados de
avaliação e no tempo entre as avaliações, o
baixo controle de comorbidades, a falta de
uma avaliação extensa de FE e o baixo
controle de fatores clínicos. Foi possível
verificar que prejuízos executivos no TB
permanecem mesmo em períodos de eutimia.
Desta
forma,
fazem-se
necessárias
investigações com baterias neuropsicológicas
extensas a fim de prejuízos e compreender as
FE de bipolares ao longo dos anos de curso do
transtorno.
Apoio
Financeiro:
CAPES,
FAPERGS,
BPA/PUCRS.
Responsável pelo Envio:
Charles Cotrena
([email protected])
23-046- INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE
OS SINTOMAS DE DESESPERANÇA E OS
FATORES DE IMPULSIVIDADE A PARTIR DA
ESCALA DE COMPORTAMENTOS IMPULSIVO
UPPS EM PACIENTES DIAGNOSTICADOS
COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR EM
FASE DEPRESSIVA.
Sediyama CYN1; Frez CS2; Souza KCP3; Lima
IMM4; Loschiavo F5; Neves F6; Correa H7;
Malloy-Diniz LF8
1Universidade Federal de Minas Gerais Medicina Molecular; 2Universidade Federal de
Minas Gerais - Psicologia; 3 - ; 4Universidade
Federal de Minas Gerais - Faculdade de
Medicina; 5UFMG - Neurociencias; 6UFMG Medicina; 7UFMG - Saude mental; 8Ufmg –
Psiquiatria
Objetivo: Investigar a presença de correlação
entre os fatores da Escala de Comportamentos
Impulsivos - UPPS e os sintomas de
desesperança em pacientes diagnosticados
com Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) em estado
depressivo. Método: A amostra contou com
um total de 44 pacientes em depressão,
diagnosticados através do MINI Plus por
psiquiatras do Hospital das Clínicas da UFMG. A
amostra foi composta por pacientes com TAB
do tipo I com média de idade de 40,81 anos,
173
sendo 35 pessoas do sexo feminino e 9 do sexo
masculino. Para a caracterização do perfil
cognitivo, os pacientes passaram por uma
avaliação neuropsicológica e o perfil de
personalidade impulsiva e de sintomas de
desesperança foi investigado pela Escala de
Comportamentos Impulsivos – UPPS e pela
Escala de Desesperança de Beck – BHS,
respectivamente. Resultados: Para a análise
dos dados foi conduzida a Correlação de
Pearson e adotado o valor de significância de
p<0.05. Houve correlação entre os sintomas de
desesperança e os fatores da UPPS de
urgência (rho=0,525) e falta de perseveração
(rho=0,401). Conclusão: A literatura aponta
que a falta de esperança é um dos principais
antecedentes da depressão e a impulsividade
se encontra potencialmente presente nos
episódios de depressão do TAB. A partir do
modelo da UPPS sugerimos um perfil de traços
de personalidade de urgência e de falta de
perseveração associada a sintomas de
desesperança em pacientes bipolares em
depressão. Futuramente pretende-se investigar
a relação desses traços de personalidade com
o comportamento suicida.
Responsável pelo Envio:
Carolina Soraggi Frez
([email protected])
23-047MARCADOR
DE
ESTRESSE
ASSOCIADO AO TRANSTORNO BIPOLAR:
COMPARAÇÕES
RELATIVAS
AO
COMPRIMENTO DE TELÔMEROS
Lima IMM1; Rosa DV1; Barros AGA1; Neves FS3;
Malloy-Diniz LF2; Miranda DM2
1Programa de Pós Graduação em Medicina
Molecular
Faculdade
de
Medicina,
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG),
Brazil; 2Instituto Nacional de Ciência e
Tecnologia
de
Medicina
Molecular
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG),
Brazil; 3Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina
Comprimento
de
telômeros
tem
sido
relacionado
a
estresse
oxidativo
e
desenvolvimento de doenças relacionadas ao
envelhecimento. Considerando a elevada
presença
de
doenças
como
as
cardiovasculares e diabetes em pacientes
com transtorno afetivo bipolar, é possível que
comprimento telomérico seja um importante
marcador de vulnerabilidade para esta
população. Dessa forma, este trabalho visa
descrever o comprimento telomérico neste
grupo clínico. Participaram do estudo 85
pacientes com TAB e 96 controles. Os grupos
foram pareados quando a idade, sexo e
escolaridade e comparados quando ao
comprimento de telômeros. Para comparação
de grupos foi utilizado o Teste de MannWhitney U para idade e comprimento de
telômeros e Qui-quadrado para variáveis
categóricas, sóciodemográfias e clínicas (sexo,
escolaridade, tipo de TAB, comorbidades).
Pacientes
apresentaram
comprimento
telomérico significativamente menor que
controles (p < 0,001). No entanto, quando
categorizamos comprimento telomérico em
classes de curtos, médios e longos, segundo o
percentil geral da amostra, não ocorre
diferença significativa entre pacientes e
controles na classe de telômero longo. Para as
demais classes a capacidade preditiva do
diagnóstico de TAB é significativa (β= -0.466, p<
0,001) e o modelo, controlando sexo, idade e
escolaridade explica 25% da variância do
comprimento de telômeros. Os dados sugerem
a importância do diagnóstico de TAB sobre
comprimento telomérico, o qual é uma
medida de envelhecimento, além de apoiar a
hipótese de que esta medida possa ser um
marcador de vulnerabilidade para este grupo
clínico. Além disso, a diferença entre pacientes
e controles ocorrida somente nos grupos de
sujeitos com telômeros curtos e médios não
pode ser explicada por agravamento de
fatores clínicos, visto que não ocorreram
diferenças entre os pacientes nos três grupos.
Diante da não ocorrência de fatores clínicos
de risco para comprimento telomérico de
bipolares, é possível a existência de fatores de
proteção envolvido em pacientes com
telômeros longos. Apoio Financeiro: Conselho
Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico - Cnpq
Responsável pelo Envio:
Isabela Maria Magalhaes Lima
([email protected])
174
23-048- ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS
DA DEPRESSÃO
Diegues D1; Souza-Silva JR2; Mendes PS3
1Universidade Presbiteriana Mackenzie
Distúrbios do Desenvolvimento; 2Faculdades
Metropolitanas Unidas - Psicologia; 3Hospital
das Clínicas da Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo (HCFMUSP) Neuropsicologia
A neuropsicologia é uma especialidade da
psicologia que relaciona a cognição e o
comportamento com as atividades do sistema
nervoso central, tanto em condições normais
quanto patológicas. Na prática clínica, uma
das principais finalidades da neuropsicologia é
o diagnóstico e à investigação da expressão
comportamental e cognitiva de alterações e
ou lesões cerebrais, transtornos neurológicos e
psiquiátricos. O Manual Diagnóstico e
Estatístico de Transtornos Mentais - 4ª edição
(2002) classifica a Depressão como um
Transtorno do Humor. A presente pesquisa tem
como objetivo por meio de uma revisão
bibliográfica rever os principais achados em
avaliação neuropsicológica na depressão
focando os processos atencionais, de memória
e das funções executivas. Para isso foi feita
uma busca na base de dados SciElo com os
seguintes descritores: depressão e avaliação
neuropsicológica. Foram encontrados 13
artigos que relacionavam ambos os temas. As
avaliações
neuropsicológicas
dos
participantes das pesquisas encontradas
apontaram comprometimento nos processos
atencionais, uma vez que há dificuldades na
capacidade de focar, manter e sustentar a
atividade cognitiva e também de alternar o
foco de atenção. Esses déficits teriam relação
com a gravidade do quadro, sendo mais
intensos em pacientes que necessitam de
internação hospitalar. Com relação à
capacidade de memorização a literatura
aponta dificuldades na memória de curto e de
longo prazo devido a baixa, prejudicando
assim os processos mnemônicos. Importante
ressaltar que os estudos não apontaram
alteração especifica na memória implícita. Em
relação às funções executivas, a flexibilidade
mental apresenta-se na maioria dos casos
comprometida, uma vez que se observa a
persistência de estratégias inapropriadas para
resolução de problemas, estratégias de
planejamento e tomada de decisão. Desse
modo, as alterações neurocognitivas durante
o estado depressivo podem trazer como
consequência a redução da atenção,
dificuldades de memória, além de menor
velocidade no processamento das funções
executivas. Os estudos sobre os aspectos
neuropsicológicos da depressão são de
grande importância na medida em que
permitem a aproximação do campo das
neurociências ao da psiquiatria, porém não se
pode perder a dimensão crítica da avaliação
neuropsicológica nos transtornos de humor
reduzindo as questões sócio-históricas a
meramente orgânicas potencializando assim
os sintomas relacionados aos processos
atencionais, de memória e às funções
executivas como resultados somente dessas
questões, retirando a dimensão sócio-histórica
do paciente, também fundamental para a
compreensão do sintoma como um todo e
para a busca de técnicas mais eficazes de
diagnóstico, tratamento e prevenção de
eventuais sequelas cognitivas.
Responsável pelo Envio:
Debora Diegues
([email protected])
23-049AVALIAÇÃO
DA
RESPOSTA
TERAPÊUTICA EM PACIENTES DEPRESSIVOS
ATRAVÉS DA ANÁLISE DA ATIVIDADE DO
EIXO
HIPOTÁLAMO-PITUITÁRIA-ADRENAL
(HPA)
Camacho FRB1; Baes CVW1; Tofoli SM1; Martins
CMS1; Juruena MF1
1Universidade de São Paulo - Faculdade de
Medicina de Ribeirão Preto
A Depressão é uma condição prevalente, de
curso crônico, recorrente, frequentemente
associada a incapacitação cognitiva e
funcional. O eixo HPA desempenha um papel
fundamental na resposta aos estímulos
externos e internos, podendo desencadear
episódios
depressivos
em
indivíduos
vulneráveis. Estudos têm corroborado que
175
alterações no funcionamento do eixo HPA
estão associadas à gravidade de quadros
depressivos e são indicativas de um
prognóstico desfavorável. OBJETIVO: Avaliar a
atividade do eixo HPA em pacientes
depressivos respondedores ou não ao
tratamento. METODOLOGIA: A amostra foi
composta por 16 pacientes depressivos em
regime de semi-internação no Hospital Dia do
Hospital das Clínicas da FMRP-USP, que foram
avaliados por meio de Entrevista Clínica de
acordo com os critérios diagnósticos do DSMIV para a confirmação do diagnóstico. Para
avaliação da gravidade dos sintomas foi
aplicada a Escala de Depressão de Hamilton
(HAM-D21), sendo incluídos apenas pacientes
com escore ≥17 na HAM-D21. Os sujeitos foram
divididos
em
dois
grupos:
pacientes
respondedores (n=8) e pacientes não
respondedores ao tratamento (n=8). Utilizamos
a Escala de Avaliação de Depressão de
Montgomery-Asberg (MADRS) para avaliação
da resposta terapêutica, sendo considerados
respondedores os pacientes com redução da
pontuação da MADRS≥ 50% entre a admissão
e 60 dias após. A avaliação endócrina foi
realizada na admissão e após 60 dias o
tratamento
através
do
cortisol
salivar
(coletado às 22h da véspera, ao acordar, 30 e
60 minutos após acordar e às 9h) e do ACTH
plasmático.
RESULTADOS:
Não
foram
encontradas diferenças nos níveis de cortisol e
de ACTH da admissão entre os pacientes
respondedores
e
não
respondedores.
Entretanto quando avaliado os níveis de
cortisol 60 dias após, observamos que os
pacientes não respondedores apresentaram
níveis significativamente maiores de cortisol 30
min após acordar do que os pacientes
respondedores
(p=0.05).
Dessa
forma,
demonstrando, que diferente dos pacientes
respondedores,
os
pacientes
não
respondedores permanecem apresentando
níveis elevados de cortisol mesmo após 60 dias
de tratamento. Não foram encontradas
diferenças significativas nos níveis de ACTH
entre os grupos 60 dias após o tratamento.
CONCLUSÃO: Nossos achados apontam para
o envolvimento do eixo HPA na depressão,
estando alterações no seu funcionamento
associadas
a
gravidade
dos
quadros
depressivos e a pior resposta terapêutica.
Dessa forma, nossos dados sugerem que o
aumento da atividade do eixo HPA esteja
associado a uma pior resposta terapêutica,
servindo
assim
como
um
potencial
biomarcador na avaliação do prognóstico de
quadros depressivos. Apoio Financeiro: Capes,
CNPq, FAEPA, FAPESP.
Responsável pelo Envio:
Fabio Ribeiro de Barros Camacho
([email protected])
23-050- ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS
EM PACIENTES ADULTOS COM DEPRESSÃO
MELANCÓLICA OU NÃO MELANCÓLICA:
UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
Bosaipo NB1; Martins Cms1; Baes RVW1;
Juruena MF2
1Universidade de São Paulo - Departamento
de
Neurociências
e
Ciências
do
Comportamento; 2Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
Um número crescente de estudos tem sido
conduzidos a fim esclarecer se a mistura de
subtipos depressivos como o melancólico e
não melancólico pode explicar parte dos
resultados contraditórios a respeito do
funcionamento cognitivo na depressão.
Entretanto, os resultados variam amplamente
em relação a fatores metodológicos e pouco
se
sabe
a
respeito
das
diferenças
neuropsicológicas
entre
a
depressão
melancólica
e
não
melancólica.
Considerando isso, o objetivo deste trabalho
foi revisar sistematicamente e analisar de
forma crítica a literatura a respeito de
alterações
cognitivas
apresentadas
por
pacientes adultos com os subtipos de
depressão melancólica e não melancólica. Foi
realizada uma busca nas bases de dados
eletrônicas PubMed, SCOPUS, Web of
Knowledge e PsicInfo, sem limite de tempo e
no idioma inglês ou português, a partir de
termos que descrevessem os subtipos de
depressão
melancólica
(Mel)
e
não
melancólica (ÑMel), combinados a palavras
relacionadas a déficit cognitivo e avaliação
neuropsicológica. Vinte e três artigos científicos
foram selecionados para a revisão. Estes foram
176
publicados entre 1984 e 2012, sendo o país de
origem mais frequente a Austrália (n=5). A
maior parte dos artigos (74%; n=17) comparou
o desempenho cognitivo entre melancólicos e
não
melancólicos.
Os
demais
artigos
compararam exclusivamente um subtipo de
depressão a grupos controle (CTRL) de
voluntários saudáveis (Mel vs. CTRL: 13%, n=3;
ÑMel vs. CTRL: 13%, n=3). De modo geral, os
achados sugerem que os grupos Mel
apresentaram um perfil cognitivo distinto e
com mais prejuízo comparado a pacientes
ÑMel, particularmente nas funções executivas
e na memória. Entretanto, os estudos
selecionados apresentaram resultados diversos
e muitas vezes conflitantes entre si. A análise
detalhada das metodologias empregadas
revelou grande variabilidade entre os estudos
especialmente quanto às características sócio
demográficas
dos
participantes,
características clínicas dos pacientes, e
instrumentos de avaliação neuropsicológica
adotados. Sendo assim, as evidencias
levantadas nesta revisão sistemática não
permitiram
distinguir
entre
os
subtipos
depressivos Mel e ÑMel, com relação conjunto
específico de alterações cognitivas. Há uma
importante heterogeneidade nos fatores
relacionados tanto à depressão quanto à
avaliação cognitiva entre os estudos que
impede conclusões mais específicas e sugere
a necessidade de considerar os subtipos
depressivos em novos estudos que relacionem
à neuropsicologia da depressão. A melhor
definição dos perfis cognitivos da depressão
melancólica e não melancólica pode ter
implicações significativas uma vez que
prejuízos cognitivos associados à depressão
podem reduzir o funcionamento, prejudicar a
qualidade de vida, interferir na resposta às
intervenções terapêuticas e contribuir para a
incapacidade dos pacientes depressivos de
modo distinto. Apoio Financeiro: FAPESP,
CAPES, Faepa - HCFMRP/USP
Responsável pelo Envio:
Nayanne Beckmann Bosaipo
([email protected])
23-051- FUNÇÕES EXECUTIVAS COMO
POSSÍVEL
ENDOFENÓTIPO
NEUROCOGNITIVO NOS TRANSTORNOS DE
ANSIEDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
Rocio DX; Muller JL1; Bordignon S1; Montagner
R2; Manfro GG2; Trentini CM2
1Ufrgs - Psicologia; 2UFRGS – Psiquiatria
Endofenótipos representam marcadores de
vulnerabilidade para o desenvolvimento de
doenças e disfunções cerebrais, estando
relacionados
à
origem
genética
de
determinado
transtorno.
As
disfunções
neurocognitivas vêm sendo investigadas como
sendo possíveis endofenótipos em diferentes
transtornos psiquiátricos. Tais avaliações são
realizadas,
por
exemplo,
através
da
comparação entre o desempenho de
indivíduos afetados por determinada doença
e familiares que não a manifestam. Ressalta-se
a importância de um melhor entendimento
sobre as funções executivas como um possível
endofenótipo neurocognitivo nos transtornos
de ansiedade, o que ainda não está bem
esclarecido. O objetivo do estudo foi analisar,
através de uma revisão sistemática da
literatura, estudos que avaliaram as funções
executivas como possível endofenótipo nos
transtornos de ansiedade, verificando-se se há
indícios de que essa função cognitiva poderia
ser um marcador intermediário desses
transtornos. Pesquisas nas bases de dados
LILACS, PUBMED e PSYCINFO foram realizadas,
considerando todos os estudos incluídos até
setembro de 2013, a partir da seguinte chave
de
descritores:
[“endophenotype”
AND
“executive function” OR “executive functions”
AND “anxiety” OR “anxiety disorders”]. O
mesmo foi realizado na base de dados LILACS
com os termos correspondentes em português.
No total foram encontradas 16 referências.
Posteriormente à aplicação de critérios de
exclusão, seis artigos foram analisados. Todos
os estudos que permaneceram na revisão
enfocaram amostras de participantes com
Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) e/ou
familiares destes. A partir dos resultados das
pesquisas
encontradas,
indica-se
que
componentes das funções executivas, como
habilidade de resolução de problemas,
planejamento, tomada de decisão e controle
177
inibitório,
poderiam
representar
um
endofenótipo neurocognitivo no transtorno. As
pesquisas indicam que alterações nas funções
executivas
podem
representar
um
endofenótipo no TOC, contudo, não foram
encontradas pesquisas sobre transtornos de
ansiedade, como o Transtorno de Ansiedade
Social, o Transtorno do Pânico e o Transtorno
de Ansiedade Generalizada. Além disso, de
acordo com a versão atual do Manual
Diagnóstico
dos
Transtornos
Mentais
(Diagnostic and Statistical Manual of Mental
Disorders, Fifth Edition), o TOC não se encontra
entre os transtornos de ansiedade, o que
reforça uma necessidade de estudos com
transtornos que atualmente encontram-se
entre os ansiosos. O desenvolvimento de
pesquisas com pacientes com transtornos de
ansiedade e seus familiares podem auxiliar na
compreensão e avaliação das funções
executivas como possível endofenótipo desses
transtornos. Melhores tratamentos e manejo
clínico mais adequado poderão ser atingidos
através
de
um
entendimento
de
endofenótipos associados a transtornos de
ansiedade. Apoio Financeiro: CAPES, CNPQ,
FIPE.
Responsável pelo Envio:
Juliana de Lima Muller
([email protected])
23-051A - A INFLUÊNCIA DO ESTRESSE
PRECOCE NO TRANSTORNO DISFÓRICO PRÉMENSTRUAL
Carr, CP1; Baes, CVW2; Juruena, MF3
1- Mestranda do Programa de Pós Graduação
em Saúde Mental da Faculdade de Medicina
de Ribeirão Preto – FMRP. Universidade de São
Paulo – USP.
2- Doutoranda do Programa de Pós
Graduação em Saúde Mental da Faculdade
de Medicina de Ribeirão Preto – FMRP.
Universidade de São Paulo – USP.
3Professor
Doutor
em
Psiquiatria.
Coordenador do Programa de Ensino, Pesquisa
e Assistência do Hospital Dia do HC.
Departamento de Neurociências e Ciências
do Comportamento. Faculdade de Medicina
de Ribeirão Preto – FMRP. Universidade de São
Paulo – USP.
EIXO TEMÁTICO: Transtornos Neuropsiquiátricos
e Doenças Neurológicas
PALAVRAS-CHAVE: Estresse Precoce, Abuso,
Negligência, Transtorno Disfórico Pré-Menstrual.
RESUMO
Introdução: O Transtorno Disfórico PréMenstrual é um diagnóstico que afeta milhões
que mulheres no mundo todo, porém poucas
pesquisas em relação a fatores psicosociais
são feitas na busca por fatores etiológicos. A
literatura existente aponta que abuso sexual e
abuso físico podem estar associados com o
aparecimento da patologia e agravando o
curso da doença. Objetivo: Investigar a
associação entre o Estresse Precoce (EP) e seus
subtipos (Abuso Emocional, Abuso Físico,
Abuso Sexual, Negligência Emocional e
Negligência Física) e a ocorrência do
Transtorno
Disfórico
Pré-Menstrual
em
pacientes da Santa Casa da Misericórdia do
Rio de Janeiro (SCMRJ). Método: Avaliamos 37
pacientes mulheres em fase ativa do ciclo
menstrual em relação a experiências de
Estresse Precoce através do Questionário sobre
Traumas na Infância (Childhood Trauma
Questionnaire; CTQ) e em relação a existência
de diagnóstico de Transtorno Disfórico PréMenstrual
através
da
MINI
Entrevista
Neuropsiquiátrica Internacional (MINI-Plus).
Resultados: Na amostra estudada, 70.3% das
pacientes sofreram algum tipo grave de EP
comparadas à 29.7% das pacientes que não
sofreram EP. Entre as pacientes com EP, 53%
apresentavam diagnóstico de Transtorno
Disfórico Pré-Menstrual comparadas a 18.2%
das pacientes sem EP (X2=4.01; d.f.=1.0;
p<0.05). Os resultados demonstram que
pacientes com EP têm uma chance 5 vezes
maior de apresentarem Transtorno Disfórico
Pré-Menstrual do que as pacientes sem EP
(OR=3.127; 95% IC; 1.14-8.56). Em relação aos
subtipos de EP, encontramos apenas uma
tendência
das
pacientes
com
Abuso
Emocional (AE) diferirem das pacientes sem AE
(p=0.06) em relação ao diagnóstico de
Transtorno Disfórico Pré-Menstrual. Em relação
aos outros subtipos não foram encontrados
resultados significativos: Abuso Físico (p=0.98);
Abuso Sexual (p=0.16); Negligência Emocional
178
(p=0.37);
Negligência
Física
(p=0.66).
Conclusões: O Transtorno Disfórico PréMentrual foi associado ao Estresse Precoce,
mas nenhum subtipo de Abuso ou Negligência
em particular foi determinante para o
desenvolvimento do Transtorno. Nosso trabalho
aponta que o acumulo de vários tipos de
experiências traumáticas na infância é mais
determinante para o diagnóstico de Transtorno
Disfórico Pré-Menstrual do que algum subtipo
específico isolado.
Contato: [email protected]
Fomento: CAPES
23-051B - O IMPACTO DO ESTRESSE
PRECOCE NO TRANSTORNO DE HUMOR
Carr, CP1; Baes, CVW2; Juruena, MF3
1- Mestranda do Programa de Pós Graduação
em Saúde Mental da Faculdade de Medicina
de Ribeirão Preto – FMRP. Universidade de São
Paulo – USP; Psicóloga so Setor de Psicoterapia
do Serviço de Psiquiatria da Santa Casa da
Misericórdia do Rio de Janeiro – SCMRJ.
2- Doutoranda do Programa de Pós
Graduação em Saúde Mental da Faculdade
de Medicina de Ribeirão Preto – FMRP.
Universidade de São Paulo – USP.
3Professor
Doutor
em
Psiquiatria.
Coordenador do Programa de Ensino, Pesquisa
e Assistência do Hospital Dia do HC.
Departamento de Neurociências e Ciências
do Comportamento. Faculdade de Medicina
de Ribeirão Preto – FMRP. Universidade de São
Paulo – USP.
EIXO TEMÁTICO: Transtornos Neuropsiquiátricos
e Doenças Neurológicas
PALAVRAS-CHAVE: Estresse Precoce, Abuso,
Negligência, Transtorno de Humor.
RESUMO
Introdução: O Transtorno de Humor é um
diagnóstico de alta prevalência mundial e
potencialmente nocivo para o sujeito e para a
sociedade. Existe um crescente número de
estudos validando a associação entre o
Estresse Precoce e o Transtorno do Humor,
embora ainda haja muito a se esclarecer
sobre como esta associação acontece.
Apesar disto, na America Latina estudos sobre
o tema ainda são escassos. Objetivo: Investigar
a associação do Estresse Precoce (EP) e seus
cinco subtipos (Abuso Emocional, Abuso Físico,
Abuso Sexual, Negligência Emocional e
Negligência Física) e a ocorrência de
Transtorno de Humor em um grupo de
pacientes psiquiátricos da Santa Casa da
Misericórdia do Rio de Janeiro (SCMRJ).
Método: Avaliamos 82 pacientes em relação a
experiências de Estresse Precoce através do
Questionário sobre Traumas na Infância
(Childhood Trauma Questionnaire; CTQ) e em
relação a existência do Transtorno de Humor
através da MINI Entrevista Neuropsiquiátrica
Internacional
(MINI-Plus).
Resultados:
Na
amostra estudada, 68.3% dos pacientes
sofreram algum tipo grave de EP comparados
a 31.7% dos pacientes que não sofreram EP.
Entre os pacientes com EP
96.4%
apresentavam diagnóstico de Transtorno do
Humor comparados a 61.5% dos pacientes sem
EP (X2=17.30; d.f.=1.0; p<0.001). Nossos
resultados demonstram que pacientes com EP
tem uma chance 17 vezes maior de
apresentarem o Transtorno de Humor do que
pacientes sem EP (OR=17.0; 95% IC; 3.35-85.05).
Sobre os subtipos de EP: encontramos
diferença significativa em relação ao Abuso
Emocional (p=0.002), este aumentando em 14
vezes a chance de um paciente ter o
diagnóstico; encontramos diferença entre os
grupos em relação ao Abuso Sexual (p=0.01),
este aumentando em 2 vezes a chance de um
paciente
apresentar
o
diagnóstico;
encontramos diferença significativa também
em relação a Negligência Física (p=0.05), esta
aumentando em uma vez a chance de um
paciente ter o diagnóstico; em relação a
Negligência
Emocional
apenas
uma
tendência foi encontrada (p=0.06); e em
relação ao Abuso Físico não foi encontrado
resultado significativo (p=0.09). Conclusões: A
vivência de Estresse Precoce na infância ou
adolescência
está
associada
ao
desenvolvimento do Transtorno de Humor. A
experiência dos subtipos; Abuso Emocional,
Abuso
Sexual
e
Negligência
Física
isoladamente também é fator de risco para o
aparecimento de Transtorno de Humor na vida
adulta.
Contato: [email protected]
Fomento: CAPES
179
23-052ESTIMULAÇÃO
COGNITIVA
E
FUNCIONAL:
UMA
PROPOSTA
DE
INTERVENÇÃO
EM
REABILITAÇÃO
PSIQUIÁTRICA NO CRHD
Mattos KMG1; Alves ALA2; Monteiro LC2; Villar
EM2; Toledo VC3; Fuentes D4; Oliveira AM2; Del
Sant R2
1Instituto de Psiquiatria-HCFMUSP - Hospital Dia;
2HCFMUSP - Psiquiatria; 3HCFMUSP - Psiqiatria;
4Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo – LINEU
A reabilitação psiquiátrica ajuda pessoas com
transtornos mentais graves e persistentes a
alcançarem um desenvolvimento emocional,
social e intelectual, que são necessárias para
viver, aprender e trabalhar na comunidade e,
se possível, com a menor quantidade de apoio
profissional. As pessoas com transtornos
mentais tendem a ter as mesmas aspirações
de vida como as pessoas sem deficiência, em
sua sociedade e cultura. O trabalho tem por
objetivo
verificar
se
há
melhora
no
funcionamento cognitivo dos pacientes
psiquiátricos do Centro de Reabilitação
Hospital Dia após o Programa de Reabilitação
Neuropsicológica e avaliar o impacto do
programa na adequação social e qualidade
de vida destes pacientes e se houve uma
melhora na funcionalidade. Os pacientes são
avaliados antes e após os grupos de
intervenção. Participam de dois grupos de
intervenção: O primeiro grupo é de
estimulação cognitiva, onde os pacientes
realizam atividades visando a estimulação da
atenção, memória e funções executivas,
durante a realização do grupo, recebem dicas
e orientações para concluírem sem erro o que
foi proposto e sugere-se a generalização para
outras atividades do seu dia a dia . No treino
de atividade de vida diária estende-se a
generalização a partir da realização de
atividades funcionais do dia a dia. Os
resultados são analisados com a comparação
dos dados sócio demográficos, clínicos e
neuropsicológicos da avaliação inicial e final
dos grupos. Nos pacientes que concluem o
programa observa-se melhoras significativas
da conscientização das dificuldades, levando
a melhor adesão aos demais tratamentos
oferecidos, além da realização de atividades
de vida diária e vida prática, como no
desempenho
ocupacional
e
maior
independência no dia a dia, retomando
atividades que não conseguiam mais realizar
ou mesmo planejando novas possibilidades.
Apoio Financeiro: não há apoio financeiro
Responsável pelo Envio:
Karen Melissa Gines Mattos
([email protected])
23-053- COGNIÇÃO EM INDIVÍDUOS EM
ESTADOS MENTAIS DE RISCO PARA PSICOSE
Depaula ALD1; Hallak JEC1; Machado-DeSousa JP1
1Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto,
Universidade de São Paulo - Departamento de
Neurociências e Ciências do Comportamento
A esquizofrenia é um grave transtorno
psiquiátrico caracterizado pela presença de
sintomas positivos e negativos, além de
prejuízos cognitivos que estariam diretamente
relacionados ao declínio do funcionamento
social observado nos pacientes. A limitada
eficácia dos tratamentos disponíveis e o
declínio progressivo associado ao transtorno
têm levado diversos grupos de pesquisa ao
redor do mundo a desenvolver estratégias
para a detecção precoce da psicose, de
modo a possibilitar intervenções tão logo
surjam os primeiros sinais e sintomas. A
cognição parece ser um aspecto central da
fisiopatologia da esquizofrenia. Deste modo,
parte considerável das investigações que
buscam detectar precocemente transtornos
psicóticos empregam testes neuropsicológicos
para avaliar as funções cognitivas e verificar a
existência de relações entre desempenho
cognitivo, sintomatologia e risco de conversão
para um transtorno psicótico franco. O
objetivo deste estudo foi o de produzir uma
revisão sistemática da literatura disponível
sobre a cognição básica e social em
indivíduos considerados em estados mentais
de risco para a psicose (EMRP). Para a seleção
dos artigos, foram utilizadas as seguintes
combinações de expressões de busca:
180
cognit*,
prodrome,
(psychosis
or
schizophrenia);
cognit*,
ultra
high
risk,
(psychosis or schizophrenia) e cognit*, “early
psychosis”. As bases de dados pesquisadas
foram o PubMed, PsycINFO, SciELO e LILACS.
Foram incluídos 49 artigos que se adequaram
aos critérios de inclusão e exclusão prédeterminados. A análise destes artigos revelou
a presença de déficits cognitivos pervasivos na
cognição básica e social em indivíduos em
EMRP, os quais envolveram principalmente a
memória operacional, a memória verbal, as
funções
executivas,
a
velocidade
de
processamento e o reconhecimento de
emoções faciais. Estudos que avaliaram as
taxas de conversão para transtorno psicótico
demonstraram que tais déficits são ainda mais
acentuados
entre
indivíduos
que
desenvolveram algum transtorno psicótico
posterior. A revisão mostra que o declínio
cognitivo
comumente
associado
aos
transtornos psicóticos tem início anterior à
instalação do quadro psicótico franco e pode
servir como marcador de vulnerabilidade em
indivíduos em EMRP. O artigo discute as
relações entre funcionamento cognitivo,
fatores de vulnerabilidade, risco de conversão
para psicose franca, sintomatologia, limitações
metodológicas e perspectivas futuras na área.
Contato: [email protected]
Apoio financeiro: CAPES
Palavras-chave:
Cognição,
esquizofrenia,
psicose, risco ultra alto, pródromo
Responsável pelo Envio:
Andre Luiz Damiao de Paula
([email protected])
23-054- PSICOPATIA, DIFERENÇAS
GÊNERO
E
RECONHECIMENTO
EMOÇÕES: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
Leime JL1; Matias DWS1; Alves NT1
1Universidade
Federal
da
Paraiba
Departamento de Psicologia
DE
DE
-
Embora as pesquisas sobre psicopatia,
neurociência e criminalidade estejam em
constante crescimento, estudiosos da área
ainda possuem opiniões divergentes quanto às
diferenças no transtorno entre os sexos. Além
disso, há pouco consenso quanto à eficácia
dos instrumentos de diagnóstico no público
feminino, bem como sobre suas características
neurobiológicas diferenciadas. Frente a essas
questões, o presente trabalho teve por
objetivo buscar nas bases de pesquisa
Medline, Pubmed, PsycINFO e Research Gate
artigos produzidos na última década sobre as
diferenças
de
gênero
na
psicopatia,
englobando estudos das neurociências,
diferenças de gênero e reconhecimento de
expressões faciais. Através do levantamento
sistemático, 13 estudos foram considerados
relevantes para a revisão. Desses, 50% foram
realizados nos Estados Unidos, e 38% tiveram a
Psychopathy Checklist-Revised (PCL-R) como
principal fonte diagnóstica. Verificou que 92%
dos estudos concluíram que há diferenças
significativas de gênero na psicopatia,
enquanto apenas um estudo (8%) não
constatou diferenças entre homens e mulheres.
Entre as diferenças encontradas, foi possível
observar que adultos psicopatas de ambos os
sexos e crianças com traços de psicopatia
apresentam déficits em reconhecer pistas
emocionais nas outras pessoas, tais como tom
de voz e expressões faciais de medo e tristeza.
No entanto, não mostram dificuldade em
reconhecer expressões vocais e faciais de
alegria. Observou-se ainda diferenças nas
regiões
corticais
orbitofrontais,
que
apresentam volume reduzido em indivíduos
diagnosticados com psicopatia, sendo esta
redução maior em homens que mulheres. A
revisão sistemática trouxe informações acerca
das pesquisas com amostras femininas, tais
como; 1) constatação da pouca eficácia dos
instrumentos diagnósticos em mulheres; 2)
diferenças neuroanatômicas que influenciam
a ocorrência de Psicopatia e Transtorno de
Personalidade
Antissocial,
3)
menor
prevalência de psicopatia em mulheres em
comparação a homens. Em suma, a presente
revisão mostrou que se faz necessária uma
investigação mais detalhada da psicopatia
feminina, considerando suas particularidades e
diferenciações da psicopatia masculina.
Estudos
de
neuroimagem
sobre
o
reconhecimento emocional e distinções de
gênero na psicopatia ainda são escassos na
área, mas avanços vêm ocorrendo.
Responsável pelo Envio:
181
Jamila Leao Leime
([email protected])
23-055- ANÁLISE DO DISCURSO DOS
FAMILIARES DOS PACIENTES DO GRUPO DE
PRIMEIRO
EPISÓDIO
PSICÓTICO
DO
INSTITUTO DE PSIQUIATRIA DO HC FMUSP
Oliveira LS1; Modelli A1
1Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas
da Faculdade de Medicina da USP - Serviço
de Psicologia e Neuropsicologia
O projeto de pesquisa foi realizado a partir do
Grupo de Psicose do Laboratório de
Investigações Médicas (LIM 27) do Instituto de
Psiquiatria do HC FMUSP, com familiares de
pacientes de primeiro episódio psicótico
atualmente
em
acompanhamento
ambulatorial nesta instituição. Foi realizado um
levantamento dos discursos das famílias a
respeito do seu processo de enfrentamento do
primeiro episódio psicótico, bem como uma
análise clínica destes dados coletados. A partir
disso, foram criadas formas de intervenções
para benefício das mesmas. Os familiares
foram divididos de forma randômica em
quatro grupos de cerca de 09 participantes
cada e estava prevista a realização de quatro
grupos com um encontro cada, sendo eles
com entrevista semi-estruturada e os discursos
gravados
mediante
a
permissão
dos
participantes. A análise qualitativa posterior se
pautou nos seguintes critérios: caracterização
das famílias, como foi o primeiro episódio,
hipóteses com relação ao desencadeamento,
o
que
conhecem
a
respeito
das
medicações/implicações, como tem sido o
dia-a-dia agora e as opiniões sobre o grupo
psicoterápico de pacientes e familiares já
existente. Revelou que a identificação e
procura por tratamento varia e pode demorar,
tanto quanto for aceitável para aquela família
determinados comportamentos. As hipóteses
mais
recorrentes
associadas
ao
desencadeamento
do
episódio
foram:
desgaste
físico
e
personalidade
mais
introspectiva. A maioria não entende os
mecanismos
das
medicações,
alguns
pesquisam a respeito, mas todos reconhecem
a necessidade da administração. Há um
evidente receio dos familiares na retomada
deste paciente para a vida, para as
atividades. Contudo, foram pensadas formas
de
intervenção
que
contemplem
o
acolhimento e a instrução, como a
elaboração de um grupo psicoeducativo, a
potencialização dos convites para o semanal
grupo psicoterápico de pacientes e familiares
já existente e, visando amenizar o desconforto
de assuntos emergentes de como os familiares
lidam versus como os pacientes enfrentam o
problema, dividir o grupo para que ambos se
sintam mais a vontade em expor as suas
questões.
Responsável pelo Envio:
Leticia Souza Oliveira
([email protected])
23-056- TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE:
SUA
EVOLUÇÃO
NO
MANUAL
DIAGNÓSTICO
E
ESTATÍSTICO
DOS
TRANSTORNOS MENTAIS (DSM)
Vaz RTG1; Wellausen RS1
1UFRGS – Psicologia
A partir da década de 80 os transtornos de
personalidade (TP) começaram a figurar entre
os transtornos mentais no DSM-III (Manual
Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos
Mentais). Desde então, nas edições posteriores
deste Manual algumas mudanças foram
empreendidas até a recente edição do DSM5. Através da revisão da literatura pertinente
ao tema buscou-se descrever as mudanças na
classificação dos TP desde a sua primeira
apresentação no DSM-III até o DSM-5.
Mudanças teóricas e epistemológicas foram
empreendidas nos últimos 30 anos com
repercussões importantes na forma de
diagnosticar os TP. Examina-se de que modo
das mudanças empreendidas na versão atual
do DSM os TP possam ter em relação as
avaliação clínicas de psicólogos e psiquiatras
em sua prática clínica e em pesquisas.
Responsável pelo Envio:
Rodrigo Trapp Gampe Vaz
([email protected])
182
23-057MEMÓRIA
OPERACIONAL
E
SINTOMAS SUBCLÍNICOS DE TRANSTORNOS
MENTAIS E COMPORTAMENTAIS
Rosanti S1; Santos FH1
1Universidade Estadual Paulista - Campus de
Bauru - Faculdade de Ciências
A memória operacional (MO) refere-se à
capacidade
de
manutenção
e
processamento de informações, por curtos
períodos de tempo, necessária em atividades
cognitivas, como raciocínio e aprendizagem.
Estudos recentes demonstram prejuízos em
componentes específicos da MO (alça
fonológica, esboço visuoespacial e executivo
central) na presença de Transtornos Mentais e
Comportamentais (TMC), como a Depressão,
Ansiedade, Transtorno de Déficit de Atenção e
Hiperatividade, entre outros. Entretanto, ainda
não se sabe em que medida os prejuízos
cognitivos e emocionais estão relacionados,
bem como, os seus efeitos sobre o
desempenho de funções acadêmicas e
profissionais. O objetivo da pesquisa foi
investigar as relações entre componentes da
Memória Operacional e TMC. Foram avaliados
20 universitários (15 mulheres e 5 homens)
avaliados pela AWMA (Automated Working
Memory Assessment) que avalia tanto o
armazenamento, quanto o controle de
processamento e por questionários de escalas
comportamentais (Escala de Auto-Eficácia
Geral Percepcionada, SF-36, POMS, BAI, BDI-II,
ASSIST, Y-BOCS e PSQI). A média de idade
entre os 20 participantes foi de 26 anos e o
nível socioeconômico foi M= 26 (±5,7), o que
corresponde a classe social B2. Realizou-se
análise de correlação pelo coeficiente de
Pearson, sendo consideradas as correlações
com p<0,05. Foram observadas correlações
moderadas positivas e negativas entre os
subtestes da AWMA e algumas escalas: alça
fonológica versus as subescalas Capacidade
Funcional (r= 0,56) e Saúde Mental (r=0,47) da
SF-36, e negativa com a subescala Tensão da
POMS (r=-0,51) e o Total da BAI (r=-0,54);
esboço visuoespacial teve correlação positiva
com as subescalas Capacidade Funcional
(r=0,47), Estado Geral de Saúde (r=0,51),
Vitalidade (r=0,47), Aspecto Emocional (r=0,49)
da SF-36 e correlação negativa com a
subescala PSQIDIST que mede o distúrbio do
sono da escala PSQI (r=-0,47); a MO verbal
teve correlação negativa com o item Opióides
da Escala ASSIST (r=-0,47); MO visuoespacial
teve correlação positiva com a subescala
Capacidade Funcional (r=0,47) da SF-36.
Embora preliminares os resultados sugerem que
fatores de proteção como qualidade de vida
e qualidade do sono indicam melhor
desempenho em componentes da MO como,
alça fonológica e esboço visuoespacial, e
fatores de risco como sintomas de Ansiedade,
estado de tensão e uso de substâncias
psicoativas
indicam
prejuízos
nesses
componentes.
Responsável pelo Envio:
Sofia Rosanti
([email protected])
23-058- CAPACIDADE DISCRIMINATIVA DO
TESTE DO DESENHO DO RELÓGIO PARA
PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA
Silva DP1; Moreno AL2; Barroso SM3
1Universidade Federal da Triangulo Mineiro Psicologia; 2Universidade Federal do Triangulo
Mineiro - Departamento de Psicologia;
3Universidade Federal do Triangulo Mineiro –
Psicologia
O Teste do Desenho do Relógio (TDR) é um
instrumento neuropsicológico utilizado no
processo
diagnóstico
de
problemas
neurológicos e demenciais. Ele permite
investigar déficits em funções visuoconstrutivas
e visuoespaciais, representação simbólica e
grafomotora, linguagem auditiva, memória
semântica e funções executivas. O TDR pode
auxiliar no diagnóstico de déficits cognitivos
em várias patologias, entre elas a Esclerose
Múltipla (EM), uma vez que em torno de 50%
dos indivíduos com EM apresentam déficits de
memória, atenção, abstração, linguagem e
visuoespaciais. O presente estudo visa verificar
a capacidade do TDR para diferenciar
pessoas com EM e sujeitos sem diagnóstico
neurológico. Participaram deste estudo 43
pessoas, sendo 24 participantes com EM e 19
controles da região do Triângulo Mineiro (MG),
equivalentes
quanto
ao
sexo,
idade,
183
escolaridade e região de residência. Os
participantes tinham média de idade de 46,22
(DP +14,5), maioria do sexo feminino (71,4%) e
nível de escolaridade de segundo grau ou
nível superior. O TDR foi aplicado na condição
de comando verbal (CLOX 1) e condição de
cópia (CLOX 2). Analisou-se a pontuação total
no teste, presença de contorno externo ao
relógio, diâmetro do desenho, presença,
tamanho e distorção dos ponteiros e dos
números nos desenhos e realização adequada
da tarefa. Os resultados mostraram diferenças
entre os grupos na execução do CLOX 1
quanto a presença de distorções na
numeração, aglomeração de números à
esquerda, numeração errada, posição errada
dos ponteiros e execução correta da tarefa.
Além disso, também foram observadas
diferenças significativas na execução correta
do CLOX 2. Analisados em conjunto, esses
resultados apontam que a condição CLOX 1
do TDR, que exige o uso da recuperação da
memória, discrimina sujeitos com EM e sujeitos
controle. Para a condição CLOX 2, que
oferece uma pista visual para execução da
atividade, apenas a execução correta da
atividade discriminou entre os grupos. Estes
resultados indicam que o TDR pode ser um
importante instrumento neuropsicológico para
avaliação de déficits cognitivos na EM,
particularmente quando a tarefa é realizada
por comando verbal. Além disso, discute-se o
papel da recuperação da memória enquanto
variável marcadora de
outros déficits
cognitivos em pacientes com EM.
Responsável pelo Envio:
Debora Prado da Silva
([email protected])
23-059- FUNÇÕES EXECUTIVAS E MEMÓRIA
DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA:
COMPARAÇÃO COM GRUPO CONTROLE
NÃO-CLÍNICO
Silva DP1; Fonseca MCI1; Barroso SM1
1Universidade Federal do Triângulo Mineiro –
Psicologia
A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença
crônica
e
progressiva
que
atinge
principalmente adultos jovens, compromete o
Sistema Nervoso Central, causando perdas
físicas e psicológicas. Muitos indivíduos que
tem o diagnóstico apresentam problemas
neuropsicológicos, principalmente déficits de
memória. Contudo, existem poucos estudos
sobre os déficits dos portadores de esclerose
múltipla que verifiquem a presença de déficits
cognitivos, pareando os pacientes com
esclerose múltipla com sujeitos controle,
utilizando instrumentos validados para esta
população. O presente estudo visa suprir essa
lacuna e avaliar o desempenho cognitivo de
portadores de EM comparados a um grupo
controle pareado. Os participantes foram 43
sujeitos, divididos em dois grupos: 24 pacientes
com EM acompanhados no Ambulatório de
Esclerose Múltipla do Hospital de Clínicas da
Universidade Federal do Triângulo Mineiro
(Grupo Clínico) e 19 sujeitos controle (Grupo
controle), pareados quanto as variáveis: sexo,
idade, escolaridade e região de residência. As
funções cognitivas foram avaliadas por meio
da Bateria de Memória de Trabalho (BAMTUFMG), Medida Funcional Composta para a
Esclerose Múltipla (MSFC) e provas clínicas de
memória e funções executivas (Questionário
de Queixa de Memória - QQM; Lista de
Palavras
–
Recordação
Imediata
e
Recordação Tardia; Testes Práticos de Função
Frontal e Teste do Relógio). Os dados foram
analisados por meio de análises descritivas e
de provas não paramétricas correlacionais e
de diferenças entre grupos. Os resultados
mostraram pior desempenho dos pacientes
com EM quando comparados ao grupo
controle. Foram observados vários déficits
cognitivos no grupo clínico, como lentidão nos
processos
cognitivos,
comportamentos
automáticos, compreensão verbal, autonomia
para
iniciar
comportamentos,
controle
inibitório e memória de trabalho. Os dados
também indicaram déficits de memória no
grupo controle. O trabalho mostra a
necessidade de avaliar aspectos cognitivos de
pacientes com EM e que a população geral
pode não estar percebendo dificuldades
cognitivas existentes em seu cotidiano.
Responsável pelo Envio:
Debora Prado da Silva
([email protected])
184
23-060- TRANSTORNOS NEUROCOGNITIVOS
ASSOCIADOS AO HIV (HAND) EM UMA
AMOSTRA DO HUCFF-UFRJ
Greca DV1; Bizzo B1; Kubo T1; Doring T1;
Gasparetto E1; Netto TM1; Fonseca RP2
1Ufrj - Radiologia; 2Pontifícia Universidade
Católica do Rio Grande do Sul - Professora
Adjunta da Faculdade de Psicologia e do
Programa de Pós-Graduação em Psicologia
(Cognição Humana). Coordenadora do Grupo
de Neuropsicologia Clínica Experimental
(GNCE).
Introdução: A infecção pelo HIV causa
frequentes
déficits
neurocognitivos
em
múltiplos domínios durante todos os estágios
da doença. Estes déficits ainda ocorrem
mesmo após os avanços nos tratamentos do
HIV,
promovendo
assim,
deficiências
adquiridas no funcionamento de atividades da
vida diária em pacientes infectados. A
identificação dos transtornos neurocognitivos
associados ao HIV (HAND) por meio de
testagem neuropsicológica pode contribuir
para um melhor entendimento dos diferentes
aspectos do HAND. Objetivo: Delinear o perfil
neurocognitivo associado ao HIV em uma
amostra do Hospital Universitário Clementino
Fraga
Filho
(HUCFF-UFRJ).
Método:
Participaram deste estudo 34 pacientes HIV+,
17 do sexo masculino e 17 do sexo feminino,
com, em média, 52 anos de idade e 10,59 de
escolaridade. Instrumentos neuropsicológicos
foram
organizados
em
6
dimensões:
verbal/linguagem,
atenção/memória
de
trabalho,
abstração/executivo,
memória
episódica (aprendizagem e evocação),
velocidade de processamento de informação
e habilidades motoras. As frequências de
déficits foram calculadas por meio das médias
dos z escores de cada dimensão referente a
cada paciente. Todos os z escores foram
baseados em normas padronizadas à
população brasileira. Os valores das médias e
desvios-padrão foram obtidos nas normas
brasileiras de cada instrumento, considerando
a idade e escolaridade do participante.
Resultados: Déficits mais frequentes ocorreram
nas dimensões abstração/executivo (76,47%),
memória
episódica
(aprendizagem
e
evocação)
(50%),
velocidade
de
processamento de informação (35,29%) e
habilidades
motoras
(25,81%).
Em
contrapartida,
as
dimensões
atenção/memória
de
trabalho
e
verbal/linguagem foram as que apresentaram
menor
déficit
(5,88%
e
17,65%,
respectivamente). Conclusão: A infecção pelo
HIV, nesta amostra, foi caracterizada por um
padrão de disfunção neurocognitiva afetando
predominantemente as funções executivas,
memória
episódica,
velocidade
de
processamento e habilidades psicomotoras,
enquanto a linguagem pode permanecer
intacta, conforme encontrado na literatura. Na
avaliação de nossa amostra, a atenção e
memória de trabalho permaneceram sem
grandes alterações, resultado discordante da
literatura.
Mais
estudos,
visando
à
caracterização dos perfis neuropsicológicos,
em pacientes com HIV+ são necessários.
Apoio Financeiro: CNPQ
Responsável pelo Envio:
Denise Vieira Greca
([email protected])
23-061- RELAÇÃO ENTRE VOLUMETRIA
CEREBRAL E DÉFICITS COGNITIVOS NO HIV+
Greca DV1; Bizzo B1; Kubo T1; Doring T1;
Gasparetto E1; Netto TM1
1Ufrj - Radiologia
A memória episódica está entre os indicadores
mais sensíveis dos transtornos neurocognitivos
associados ao HIV e é usualmente avaliada
por testes de listas de palavras. Pacientes HIV+
apresentam déficits nesta memória, assim
como alterações volumétricas nas áreas
responsáveis pelo processamento desta
função. O objetivo deste estudo foi verificar a
existência de diferenças entre a volumetria de
estruturas cerebrais de pacientes HIV+ com e
sem déficit na memória episódica (DME) e
controles. Foram incluídos 45 pacientes HIV+,
sendo 17 deles com DME, classificados de
acordo com o desempenho no teste Rey
Auditory Verbal Learning (RAVLT), 28 sem DME
e 17 controles saudáveis, com, em média,
50,46 anos de idade e 10,63 de escolaridade.
Todos os participantes foram submetidos a
185
avaliação neuropsicológica e exame de
ressonância magnética. As estruturas cerebrais
examinadas foram o hipocampo, amígdala,
gânglios da base (núcleo caudado, putâmen)
e ventrículos. Instrumentos neuropsicológicos
avaliaram a memória episódica, funções
executivas, atenção, memória de trabalho,
linguagem e praxias. A análise dos dados
comportamentais foram feitas utilizando
dimensões cognitivas (abstração/executivo,
memória episódica, atenção/memória de
trabalho, velocidade de processamento de
informação e habilidades motoras). O escore Z
de cada dimensão consistiu da média dos z
escores de cada um dos testes que
compuseram as dimensões. Nos resultados
neuropsicológicos, o grupo com DME
apresentou déficits em todas as etapas de
aprendizagem (A1 a A5) e B1, mas mesmo
assim foi capaz de aprender tão bem quanto
os outros 2 grupos. Este mesmo grupo também
apresentou déficits nas evocações imediata e
tardia, mas não nas interferências proativas e
retroativas. Nas análises da volumetria cerebral
foram encontrados aumento significativo no
caudado direito e esquerdo nos grupos com e
sem DME quando comparados ao grupo
controle, hipotrofia no núcleo accumbens
esquerdo e no núcleo accumbens direito no
grupo HIV sem DME em relação aos controles.
O putamen direito do grupo HIV sem DME
também apresentou hipotrofia em relação ao
grupo controle. O grupo com DME não
apresentou hipotrofia do hipocampo que,
historicamente, é uma das estruturas cerebrais
mais importantes no processamento da
memória episódica. Em contrapartida, nossos
resultados demostraram redução volumétrica
nos gânglios da base, estruturas que a
literatura recente tem apontado como de
grande importância para o processamento da
memória episódica. Conclui-se então que
déficits na memória episódica podem ser
também
decorrentes
de
alterações
morfológicas
nos
gânglios
da
base,
principalmente no núcleo caudado.
Apoio Financeiro: CNPQ
Responsável pelo Envio:
Denise Vieira Greca
([email protected])
23-062NEUROPSICOLOGIA
IMPULSIVIDADE NA EPILEPSIA
DA
Mello EM1; Cerminaro CAF1; Monti C2; Horta
EM1; Fuentes D1
1Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo - LINEU;
2Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo
PROTOC/LINEU
INTRODUÇÃO: A impulsividade é um dos traços
da personalidade que se mostra exacerbado
em diversos transtornos mentais, incluindo a
epilepsia. Comportamentos impulsivos muitas
vezes estão associados à própria origem do
diagnostico
principal
e
influenciam
grandemente no prognóstico, podendo gerar
prejuízos significativos na esfera pessoal e
social do indivíduo. OBJETIVOS: A partir de uma
revisão crítica de trabalhos anteriores que
abordaram a expressão da impulsividade na
epilepsia, este estudo buscou identificar quais
são
os
domínios
neuropsicológicos
e
instrumentos
utilizados
para
este
fim.
METODOLOGIA: Foram analisados artigos
publicados nos últimos 30 anos na base de
dados Medline/PubMed com as palavras
chaves
“epilepsy"
e
"impulsivity"
ou
"impulsiveness" que utilizassem instrumentos
neuropsicológicos.
RESULTADOS:
Foram
encontrados 196 artigos, dos quais 18 foram
selecionados. A maior parte dos estudos
avaliou atenção e inteligência, sendo as
Escalas
Weschler
de
Inteligência
os
instrumentos mais utilizados. Não foi observada
predominância de um teste específico para
avaliar as mesmas funções, verificando-se
maior uso de tarefas para avaliação da
atenção,
sobretudo
controle
inibitório,
incluindo
baterias
computadorizadas
desenvolvidas para este fim. A maioria dos
estudos são voltados para a população infantil
e estão relacionados ao Transtorno de Déficit
de
Atenção e Hiperatividade (TDAH).
DISCUSSÃO: A constatação de que a atenção
foi o domínio neuropsicológico mais avaliado
nos estudos de impulsividade em epilepsia se
deve provavelmente pelo fato dos estudos se
focarem no TDAH em comorbidade à epilepsia
em crianças. Apesar de se reconhecer a
186
importância da impulsividade no processo
diagnóstico e terapêutico da epilepsia, este é
um tema ainda pouco explorado, sobretudo
na população de adultos. Diferentemente do
que observamos em epilepsia, estudos sobre
impulsividade e neuropsicologia em outras
populações clínicas, incluído crianças com
TDAH, tendem a se focar nas funções
executivas. Esta discrepância de metodologia
pode revelar um atraso nos estudos
envolvendo aspectos psicopatológicos e
neuropsicológicos em epilepsia em geral e em
particular em impulsividade associada à
epilepsia.
Responsável pelo Envio:
Erica Marques de Mello
([email protected])
23-063RESSONÂNCIA
MAGNÉTICA
FUNCIONAL NA NEUROCIRURGIA E NAS
EPILEPSIAS. APRESENTAÇÃO DE CASOS
CLÍNICOS DO NATE - NÚCLEO AVANÇADO
DE TRATAMENTO DAS EPILEPSIAS DO
HOSPITAL FELÍCIO ROCHO DE BELO
HORIZONTE
Carreira EX1
1Núcleo Avançado de tratamento das
Epilepsias do Hospital Felício Rocho - Hospital
Felício Rocho
As epilepsias são um distúrbio cerebral
complexo que cursa com descargas elétricas
cerebrais anormais, excessivas, espontâneas e
recorrentes. Afeta mais de 50 milhões de
pessoas em todo o mundo e mais de 20
milhões não controlam as crises mesmo com
uso de medicamentos. Uma parcela dos casos
refratários
tem
indicação
cirúrgica.
A
investigação pré- operatória consta de vários
exames e a avaliação Neuropsicológica e
Neuroimagem são alguns dele. Paciente
feminino, 11anos, uma crise na escola foi
diagnosticada com uma má formação artériovenosa (MAV) em área motora e sensorial do
hemisfério cerebral à esquerda. Estudo
funcional cognitivo por fMRI ajudou a mapear
áreas corticais motoras, sensoriais e de
linguagem. Ajudou na tomada de decisão e
na conduta sugerida para o caso. Paciente
masculino, 47anos, MAV pial frontal superior à
direita e cisto temporal anterior à direita.O
estudo funcional, associado à técnica de
neuronavegação
intra-operatória,
favoreceram sobremaneira o pós operatório
do paciente. Contato: [email protected]
Responsável pelo Envio:
Eduarda Xavier Carreira
([email protected])
23-064REABILITAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA
E
INTERVENÇÕES
PSICOPEDAGÓGICAS NO TRATAMENTO DE
PACIENTE ADULTO COM DEFICIÊNCIA
INTELECTUAL
Souza TSL1; Gonzatti L2; Zibetti MR3; Frison TB4;
Rinaldi J4
1Universidade Federal de Ciencias da Saude
de Porto Alegre - Psicologia; 2Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul Psicologia; 3UFRGS e Bitácora Centro de
Neuropsicologia - Psicologia; 4Bitácora Centro
de Neuropsicologia - Psicologia
O objetivo deste estudo foi contextualizar a
reabilitação neuropsicológica de pacientes
adultos com deficiência intelectual através da
apresentação de um caso clínico. O trabalho
também
visa
proximar
a
reabilitação
neuropsicológica
com
intervenções
psicopedagógicas
de
estimulação
das
habilidades aritméticas e da percepção de
quantidades, através da evolução do
paciente em questão. Paciente G. L., do sexo
masculino, atualmente com 36 anos, destro,
que
apresenta
deficiência
intelectual
moderada de origem congênita. O paciente
apresenta dificuldade intelectual global,
sendo foco do processo de reabilitação as
dificuldades de escrita e de aritmética
(reconhecimento de números e percepção de
quantidades). O tratamento de reabilitação
neuropsicológica somado a intervenções
psicopedagógicas
iniciou
há
aproximadamente 4 anos, com o objetivo de
melhorar o seu comportamento e gerar maior
adaptação aos contextos nos quais está
inserido. Nos últimos 24 meses, foram realizadas
atividades para estimular a percepção do
paciente relativa a quantidades. O objetivo
187
principal dessa abordagem foi que o paciente
desenvolvesse de maneira mais adequada
atividades de vida diária que dependem
dessa função (ex.: utilizar quantidade
adequada de produtos para a limpeza ou
fazer bebida suficiente para o número de
pessoas no ambiente). As sessões foram
realizadas semanalmente e tinham duração
de três horas, ocorrendo em um ambiente que
replica uma casa. Durante o treino de
atividades diárias, o paciente recebeu
sistematicamente orientação quanto às
quantidades de materiais a serem utilizados.
Essas orientações visavam o reconhecimento
explícito das quantidades adequadas de
produto a serem utilizadas em cada uma das
tarefas específicas, utilizando a memória
semântica como suporte para a dificuldade
de percepção implícita de quantidades. Para
facilitar a implementação de estratégias
compensatórias foram inseridos treinos para o
reconhecimento da representação arábica
dos números. Como resultado percebeu-se
que G. L. se beneficia com as repetições e
explicações consecutivas, tornando-se mais
funcional durante o tratamento com o
cumprimento
das
metas
previamente
delimitadas. Esses resultados sugerem que a
associação
entre
a
reabilitação
neuropsicológica
e
as
técnicas
psicopedagógicas criam boas perspectivas na
intervenção em pacientes com o diagnóstico
de deficiência intelectual.
Responsável pelo Envio:
Thalita Soares Longarai de Souza
([email protected])
23-065- ALTERAÇÃO DA ATENÇÃO NO
PROCESSO
DE
ENVELHECIMENTO
FISIOLÓGICO
Tavares LB1; Costa BST2; Azevedo VMP3
1Universidade
Estadual
da
Paraiba
Educaçao;
2Cempa
Administradora;
3Faculdade Redentor - Neuropsicologia
É de suma importância o conhecimento das
variações cognitivas que ocorrem com a
idade. O declínio ocorre como um aspecto
normal do envelhecimento. A natureza exata
destas mudanças, no entanto, não é uma
certeza, e problemas relacionados à linha que
separa este declínio, de possibilidades de uma
possível
demência
são
muito
tênues,
principalmente por não haver ainda uma
referência consistente frente à demanda de
idosos nesta faixa etária. Este trabalho tem
como objetivo apresentar uma revisão teórica
sobre funções cognitivas, enfatizando a
atenção no envelhecimento normal. A maioria
dos autores se refere ao envelhecimento
normal como sendo uma alteração no lobo
pré-frontal, nos órgãos dos sentidos e uma
plasticidade diminuída no caso do idoso,
acarretando um déficit de atenção dividida e
sustentada. Observa-se que as alterações
estruturais e neurológicas associadas à idade,
considerando-se as diferenças individuais,
provavelmente provocam um déficit nos
processos perceptivos, atentivos e de
processamento
da
informação,
que
consequentemente, como o cérebro funciona
em rede de trocas entre as estruturas dos
diversos lobos, poderá acarretar dificuldades
entre outros domínios, e, caso não sejam
eficientes os processos de plasticidade nas
áreas afetadas, possivelmente surgirá alguma
incapacidade
comprometendo
a
funcionalidade
(MORAES,
2010).
Outros
autores, porém, não consideram significativas
apenas as mudanças fisiológicas a ponto de
alterarem funcionalmente, mas ressaltam que
quanto mais ativo fisicamente o idoso, mas
semelhança manterá com o jovem no que diz
respeito às funções cognitivas. Percebe-se que
a lentificação dos processos cognitivos
associados à idade ocorre em decorrência da
mudança nos aspectos do arco reflexo: vias
sensoriais, no processamento central de
informações e na resposta motora. Tem mais a
ver com os processos nervosos centrais que os
periféricos.
Está
comprovada
que
as
alterações ao nível das sinapses são uma das
possíveis causas da mudança no tempo de
reação associada à idade. Há controvérsias
na literatura relacionadas à hipótese frontal do
envelhecimento, no que se refere às funções
executivas serem as primeiras a sofrer a ação
do passar dos anos, uma vez que as
características
clássicas
da
síndrome
disexecutiva,
que
são
as
dificuldades
188
atencionais e de planejamento, podem estar
presentes, sendo que são comuns em
pacientes com lesão frontal, dificuldades de
abstração, raciocínio e de flexibilidade do
pensamento. É preciso que sejam levados em
conta os aspectos globais para que se defina
a linha divisória entre o normal e o patológico,
podendo-se investir em maiores recursos de
prevenção. O envelhecimento dito “normal” é
marcado pela presença de um somatório de
possibilidades que podem, ou não, trazer um
comprometimento cognitivo e, por isso
mesmo, deve ser cuidadosamente avaliado.
Responsável pelo Envio:
Livania Beltrao Tavares
([email protected])
23-066- PROPOSTA DE NOVOS CRITÉRIOS
PARA ANÁLISE QUANTITATIVA DO TESTE DO
DESENHO DO RELÓGIO BASEADO NA
ÁNALISE DOS ERROS MAIS FREQUENTES EM
IDOSOS
Ana Lara Malak1; Santos LCM2; Miranda CV2;
Fichman H2
1Pontificia Universidade Catolica - Psicologia;
2Pontificia Universidade Catolica-Rj - Pos
Graduaçao de Psicologia
O Teste do Desenho do Relógio (TDR) é um
instrumento utilizado como rastreio no
diagnóstico de demência. Os objetivos do
presente trabalho foram analisar qualitativa e
quantitativamente os tipos de erros do TDR e,
baseando-se nesta análise, propor novos
critérios de pontuação mais sensíveis aos erros
observados. Foram examinados os testes de 76
idosos (oito com envelhecimento normal, 41
com comprometimento cognitivo leve e 27
com demência), pacientes do Ambulatório de
Geriatria do Hospital Federal dos Servidores do
Estado do Rio de Janeiro. No total foram
identificados 479 erros no TDR dos pacientes:
76,4% do tipo funções executivas; 18,1% do
tipo habilidades visuoconstrutivas e 5,4% do
tipo funções executivas e habilidades
visuoconstrutivas. A partir desses resultados,
verificou-se a necessidade de propor novos
critérios de correção do TDR que permitissem
uma análise qualitativa de cada elemento:
círculo, quantidade dos números, posição dos
números, ponteiro dos minutos e ponteiro da
hora; para isso cada um desses itens recebeu
uma pontuação de zero a três, na qual zero
estava relacionado à ausência do elemento e
três estava relacionado a presença correta do
elemento avaliado. Afim de avaliar a validade
destes novos critérios, esses foram comparados
com os critérios estabelecidos por Sunderland
et al. (1989). Uma sub-amostra com 18 TDR de
idosos que apresentavam envelhecimento
normal e 18 de idosos diagnosticados com
demência, avaliados no mesmo ambulatório
de Geriatria, foi analisada. Os critérios novos
apresentaram alta correlação positiva com os
critérios de Sunderland et al. (1989) (r=0,846,
p<0,01). Ao comparar as médias do grupo
com DA (4,78) e o grupo de idosos saudáveis
(10,39) houve diferença significativa quando o
novo critério foi utilizado (t=6,65, p<0,01). Os
critérios novos de pontuação mostraram área
sob a curva ROC superior aos critérios de
Sunderland, 0,932 e 0,901 respectivamente.
Mostrando-se critérios altamente sensíveis
como rastreio de demência. O estudo mais
detalhado do TDR pode ser uma estratégia
para incluir a avaliação das funções
executivas em exames de rastreio cognitivo no
envelhecimento.
Estudos
futuros
são
necessários para testar a validade destes
critérios em amostras maiores e com níveis de
escolaridade e idade heterogêneos.
Contato: [email protected]
Responsável pelo Envio:
Ana Lara S Blum Malak
([email protected])
23-067- A VITAMINA E ESTARIA ASSOCIADA
AO DESEMPENHO DA MEMÓRIA EM
IDOSOS?
Zibetti MR1; Bordignon S2; Baierle M3; Garcia
SC3; Trentini CM2
1UFRGS e Bitácora Centro de Neuropsicologia Psicologia; 2UFRGS - PSICOLOGIA; 3UFRGS Ciências Farmacêuticas
O envelhecimento cognitivo tem sido
associado ao declínio de alguns módulos da
memória,
particularmente
da
memória
episódica e da memória de trabalho. Em
189
paralelo, a vitamina E tem sido descrita como
o principal antioxidante lipofílico do organismo
e do cérebro. Esta vitamina possui alta
lipossolubilidade, se distribui pelas membranas
lipídicas, constituindo-se numa das principais
defesas contra as lesões oriundas do estresse
oxidativo. Nesse sentido, o objetivo do
presente estudo foi investigar a relação entre o
desempenho mnemônico e o nível de
Vitamina E em idosos saudáveis. Para isso foi
realizado um estudo de caráter correlacional
que avaliou o desempenho de 29 idosos (15
mulheres/14 homens), entre 60 e 89 anos
(M=73,31, DP=7,64). Foram excluídos idosos
com auto-relato de problemas sensoriais não
corrigidos e com escores indicativos de
demência no Mini-Exame do Estado Mental
(escores inferiores a 26). Os participantes foram
recrutados na em unidades básicas de saúde
e casas de abrigo para idosos na região
metropolitana. Para avaliação da memória
episódica foram utilizadas duas tarefas da
Bateria CERAD (aprendizagem de lista de
palavras e memória visual de figuras semicomplexas). A avaliação da memória de
trabalho ocorreu através da tarefa Dígitos da
escala de inteligência WAIS III. Amostras de
sangue foram colhidas por venopunção para
quantificação da Vitamina E no plasma, a
qual foi realizada após extração líquido-líquido
por cromatografia líquida de alta eficiência
(CLAE) com detector de fluorescência. Os
dados foram inseridos em um banco de dados
e foram utilizadas correlação de Spearman
entre os escores brutos das tarefas cognitivas e
a medida de Vitamina E. Observaram-se
correlações
positivas
significativas
de
intensidade moderada entre os níveis de
Vitamina E e a soma das palavras lembradas
nos três ensaios (r=0,462, p<0,05) e entre os
níveis de Vitamina E e o total obtido na tarefa
de reconhecimento de palavras (r=0,500,
p<0,01). Não foram identificadas correlações
significativas da Vitamina E com as demais
tarefas de memória (visual e de trabalho). Os
índices de correlação encontrados sugerem
que, pelo menos nessa amostra, o nível de
Vitamina E está relacionado a memória
episódica, particularmente na etapa de
consolidação de informações (escores de
aprendizagem e de reconhecimento tardio).
Por fim, os dados obtidos nesse estudo são
promissores quanto a relação da Vitamina E
com o envelhecimento saudável da memória.
Sugere-se ampliação da amostra e inclusão de
grupos clínicos nesse estudo. Apoio Financeiro:
CNPq
Conselho
Nacional
de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico /
CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento
de Pessoal de Nível Superior
Responsável pelo Envio:
Murilo Ricardo Zibetti
([email protected])
23-068- AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE E
DIFICULDADE DAS ETAPAS DA TAREFA TORRE
DE LONDRES PARA AVALIAÇÃO DAS
FUNÇÕES
EXECUTIVAS
EM
IDOSOS
SAUDÁVEIS NO BRASIL
Andrade G1; De Paula JJ2; Avila RT2; Bertola
L1; Malloy-Diniz LF3
1Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Investigações em Neurociência
Clínica; 2Faculdade de Ciências Médicas de
Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil. Departamento de Psicologia; 3Universidade
Federal de Minas Gerais - Saúde Mental
A Torre de Londres (TOL) é uma tarefa utilizada
para a avaliação das habilidades de
planejamento, um componente das funções
executivas. O presente estudo objetiva avaliar
se a versão Portella apresenta os problemas
em ordem crescente de dificuldade e caso
contrário reordenar as etapas. Testar a força
de associação entre as duas versões da TOL e
a associação da versão Portella com o MiniMental (MEEM) e o Teste do Desenho do
Relógio. Avaliar se na população de idosos
brasileiros a versão Portella mantém sua
propriedade de amenizar o efeito de teto
característico da versão Krikorian, e verificar a
influência da idade (<80, >=80), escolaridade
(<8, >=8) e sexo (homens e mulheres) no
desempenho da versão Portella e propor
normas. Foi utilizada uma amostra constituída
por 249 idosos saudáveis que realizaram a
tarefa Torre de Londres. Para verificar a
dificuldade de cada etapa foi feita análise dos
histogramas de frequência de cada um dos
problemas da TOL. Também foi utilizada
190
análise do histograma de frequência para
avaliar o efeito de teto na versão Portella.
Foram feitas correlações parciais entre a
versão Portella e as demais variáveis,
controlando os efeitos da idade, escolaridade,
sexo e sintomas depressivos para testar a força
de associação entre as duas versões da TOL e
a associação da de Portella com o MEEM e
Desenho do Relógio. A análise da influência
da idade, escolaridade e sexo foi realizada
através de regressão linear contendo a Torre
Portella como variável dependente e a idade,
escolaridade e sexo como variáveis preditoras.
As análises dos histogramas de frequência
mostraram que a TOL não está ordenada por
dificuldade e que versão Portella não
apresenta efeito de teto (Média=30, escores
variando de 0 a 46), enquanto a versão
Krikorian apresenta forte efeito de teto
(Média=30, escores variando de 0 a 36). Foi
encontrada
uma
correlação
forte
e
significativa entre as duas versões da TOL
(r=0.853, p<0.001, R²=62%), fraca e significativa
com o MEEM (r=0.166, p=0.011, R²=3%), e não
significativa com o Desenho do Relógio
(r=0.092, p=0.159). O modelo de regressão é
significativo
(F=6.81,p<0.001,
R²=8%),
e
influenciado
por
escolaridade
(β=0.163,
p=0.009), idade (β=-0.213, p<0.001), mas não
sexo (β=-0.072, p=0.242). Maior idade e menor
escolaridade se associam à pior desempenho.
As análises sugerem que as etapas do teste
Torre de Londres não estão em nível crescente
de dificuldade, sendo assim, propomos uma
nova ordenação. Além disso, as variáveis
escolaridade e idade apresentam grande
influência no desempenho dos idosos na
tarefa, então, como norma, foram propostos
dois grupos para correção: de 60-79 anos, com
escolaridade <8 ou ≥8 e acima de 80 anos,
com escolaridade <8 ou ≥8. Apoio Financeiro:
FAPEMIG
Responsável pelo Envio:
Rafaela Teixeira de Avila
([email protected])
23-069COMO
O
PLANEJAMENTO
INFLUENCIA
A
CÓPIA
DE
FIGURAS
COMPLEXAS?
INIBIÇÃO
E
MEMÓRIA
OPERACIONAL
IDOSOS
COMO
MEDIADORES
EM
Avila RT1; Malloy-Diniz LF1; Costa DS2; De Paula
JJ3
1Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Investigações em Neurociência
Clínica;
2Ufmg
Medicina
Molecular;
3Faculdade de Ciências Médicas de Minas
Gerais, Belo Horizonte, Brasil. - Departamento
de Psicologia
Planejamento refere-se à habilidade de
estabelecer a melhor estratégia visando atingir
uma meta específica, considerando as etapas
a serem seguidas e suas consequências,
envolvendo a cooperação de vários outros
processos cognitivos. A Torre de Londres (TOL)
é um instrumento clássico para a avaliação do
planejamento. O presente estudo objetiva
investigar se há efeito do planejamento
mensurado pela TOL na cópia da versão
Simplificada da Figura Complexa de Taylor
(SFCT).
Considerando
o
domínio
do
planejamento como uma função executiva de
ordem superior, objetiva-se também verificar
se seu efeito na cópia da SFCT pode ser
indireto através da memória operacional,
flexibilidade cognitiva e controle inibitório, uma
vez que essas são consideradas como funções
executivas estruturais. Um total de 129
participantes,
sendo
26
(20%)
com
envelhecimento cognitivo normal, 38 (30%)
com
comprometimento
cognitivo
leve
amnéstico, 29 (22%) com comprometimento
cognitivo leve amnéstico de múltiplos domínios
e 36 (28%) com possível Demência de
Alzheimer, com idade média de 74,30 (7,48)
anos e escolaridade média de 5,25 (4,51) anos,
realizaram a TOL, a SFCT, o Cubos de Corsi e o
teste do 5 Dígitos (5D). O Cubos de Corsi foi
utilizado como uma medida de memória
operacional, os erros totais do 5 Dígitos da
etapa de inibição e flexibilidade foram
utilizados como medidas de controle inibitório
e flexibilidade cognitiva, respectivamente.
Visando verificar o efeito direto e indireto do
planejamento através dos mediadores na
cópia da SFCT, foi realizada a análise de
mediação através do PROCESS para o SPSS,
tendo sido utilizadas técnicas de regressão e o
teste Sobel. Foi utilizada a técnica de
191
reamostragem bootstrap (k=5000) e adotado
um intervalo de confiança de 95%. A TOL foi
inserida no modelo de mediação como
variável preditora (X), a cópia da SFCT como
variável desfecho (Y), o Cubos de Corsi total
ordem direta, 5D erros total da etapa de
inibição e da etapa de flexibilidade como
variáveis mediadoras (M). Os nossos resultados
indicam a presença de um efeito direto
significativo do planejamento na cópia da
SFCT (efeito = 0.22, p<0.001). Todas as variáveis
M se associaram significativamente com as
variáveis X e Y (p<0.05). Quando acrescentada
as potenciais variáveis mediadoras o efeito
direto do planejamento na cópia da SFCT foi
reduzido,
embora
tenha
se
mantido
significativo (efeito = 0.10, p=0.02). A diferença
entre o efeito direto e o indireto da TOL na
SFCT através da memória operacional (Z=44,
p=0.01) e da flexibilidade cognitiva (Z=2.32,
p=0.02) se mostraram significativos. Os nossos
resultados indicam a presença de um efeito
direto do planejamento na qualidade da
cópia da SFCT. Isso significa que esse efeito se
dá em parte através da memória de trabalho
e flexibilidade cognitiva. Apoio Financeiro:
Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico (CNPQ)
Responsável pelo Envio:
Rafaela Teixeira de Avila
([email protected])
23-070- ESTRUTURA FATORIAL DO CONTROLE
INIBITÓRIO
NO
ENVELHECIMENTO:
COMPARAÇÃO ENTRE AMOSTRAS DE
ADULTOS E IDOSOS
Magalhaes SS1; Hamdan AC1
1Universidade
Federal
do
Departamento de Psicologia
Paraná
-
Controle inibitório representa a habilidade de
controlar
atenção,
comportamento,
pensamento e/ou emoção de modo a
sobrepor intensa predisposição interna ou
estímulo externo saliente e agir de modo mais
apropriado ou adaptado. Pesquisas recentes
indicam que o construto inibição pode ser
fracionado
em
processos
distintos
e
possivelmente interdependentes. O objetivo
principal da pesquisa foi avaliar a composição
e organização do fracionamento do controle
inibitório, através de modelo publicado na
literatura, em amostra de adultos jovens e
idosos. O modelo de organização do controle
inibitório é composto pelos fatores de
Recuperação Estratégica (Fator 1); Atenção
Seletiva (Fator 2); e Alternância (Fator 3).
Foram avaliados 206 pessoas saudáveis,
divididas em dois grupos conforme critério
idade, no Grupo 1 foram 104 jovens (idade
média 25.82 ± 5.75 anos) e Grupo 2, com 102
adultos e idosos (idade média 57.91 ± 9.85
anos), de ambos os sexos e de alta
escolaridade. Os instrumentos utilizados para
representar o Fator 1 foram Geração Aleatória
de Números, Fluência Verbal Fonológica (letras
F, A e S) e Semântica (animais e frutas) e teste
Hayling; para o Fator 2 foram teste de Stroop,
Teste dos 5 Dígitos (5D) e teste d2; e para o
Fator 3 foram Teste de Mais ou Menos, Teste
das Trilhas e índice de alternância do 5D. Os
resultados indicaram que houve diferença
significativa entre os grupos em todas as
medidas inibitórias, com jovens apresentando
melhor
desempenho.
Análise
fatorial
confirmatória corroborou o modelo de 3
fatores para o Grupo 1, com bons índices de
ajuste, e para o Grupo 2 apresentou suporte
para modelo de 2 fatores, formado por
Recuperação Estratégica e Controle de
Interferências (resultado da junção entre os
Fatores 2 e 3). Ambos os modelos foram mais
robustos quando comparados a modelos
alternativos e mais simples com menor número
de parâmetros livres. Portanto, inibição deve
ser compreendida como um construto
fracionado, no qual habilidades distintas
compartilham processos subjacentes comuns.
É uma função sensível ao envelhecimento e as
relações entre os processos que a compõem
se alteram para padrões menos diferenciados
de organização e desempenho com o
aumento da idade. Apoio Financeiro: CAPES
Responsável pelo Envio:
Sabrina de Sousa Magalhaes
([email protected])
23-071- ENVELHECIMENTO E MEMÓRIA REVISÃO DA LITERATURA
Costa BST1; Tavares LB2
192
1Cempa - Administradora; 2Universidade
Estadual da Paraiba - Educaçao
O processo de envelhecimento da população
humana é um fenômeno mundial e o desafio
deste século possivelmente será conhecer essa
população,
a
maioria
com
níveis
socioeconômicos e educacionais baixos e,
como algumas pesquisas indicam, com alta
prevalência
de
doenças
crônicas
e
incapacitantes (PALÁCIOS, 2004). Os objetivos
propostos neste estudo foram analisar
pesquisas realizadas nos últimos dez anos sobre
memória e envelhecimento fisiológico e
verificar se este é acompanhado de declínio
cognitivo; além de averiguar se há relação
entre nível acadêmico e comprometimento
da memória em idosos no envelhecimento
fisiológico. A pesquisa foi realizada em artigos
indexados nos bancos de dados Scielo e
Bireme, a partir das fontes Lilacs e Medline. Na
busca dos artigos foram utilizadas as seguintes
palavras chaves: envelhecimento fisiológico,
memória e escolaridade. Entendemos que o
envelhecimento envolve múltiplos fatores
endógenos e exógenos, os quais devem ser
considerados de forma integrada, sobretudo
em situações diagnósticas. O envelhecimento
traz como consequência a reorganização
global das redes neurocognitivas e mudanças
neurais regionais, o que pode ser demonstrado
pelo desempenho de jovens e idosos em
tarefas de memória episódica, operacional,
percepção e controle inibitório em estudos de
neuroimagem funcional. Esta reorganização se
caracteriza pela diminuição da lateralização
hemisférica funcional, em contraste com um
aumento na atividade bilateral em adultos
mais velhos (SANTOS et al, 2009). Um fator de
proteção muito pesquisado atualmente é o
nível de escolaridade. Um estudo realizado
pelo
SABE
Saúde,
Bem-Estar
e
Envelhecimento avaliou 2.143 idosos residentes
na cidade de São Paulo com idade acima de
60 anos, contatou-se que 60% destes idosos
possuem menos de 7 anos de escolaridade.
Problemas cognitivos, observados em 11% da
amostra, foram mais frequentes em idosos que
nunca frequentaram escola (em 17%) do que
em idosos com mais de sete anos de estudos,
dos quais apenas 1% relatou dificuldades
(LEBRÃO, 2003). A escolaridade tem sido
associada a um bom desempenho em tarefas
cognitivas (WIEDERHOL, 1993). Conclui-se que
os idosos, no envelhecimento fisiológico,
apresentam algum prejuízo mnemônico,
mesmo que não patológico e queixam-se da
memória com maior frequência. A reserva
cognitiva pode minimizar alterações clínicas
ou cognitivas no envelhecimento fisiológico.
Entender a importância deste conceito pode
permitir a detecção mais precoce e melhor
caracterização de mudanças cognitivas
relacionadas à idade e de doenças
degenerativas.
Responsável pelo Envio:
Sandra Beltrao Tavares Costa Costa
([email protected])
23-072- EFEITOS DA PRÁTICA DE ATIVIDADE
FÍSICA NAS FUNÇÕES COGNITIVAS EM
IDOSOS
Piva DR1
1Centro de Referência do Idoso CRI-Norte
ACSC/OSS - Psicologia
A população idosa vem aumentando
sensivelmente,
apresentando
assim,
um
desafio
aos
profissionais
quanto
ao
entendimento de seus problemas específicos.
Atualmente
pesquisas
vêm
sendo
desenvolvidas
sobre
envelhecimento
e
declínio
cognitivo.
Avaliar
as
funções
executivas é relevante por apresentarem
declínio com a idade. O exercício e o
treinamento físico são conhecidos por
promover diversas alterações, incluindo a
melhoria na função cognitiva. O presente
estudo teve por objetivo analisar e comparar
padrões de desempenho de idosos praticantes
de atividades físicas em diferentes testes que
avaliam as funções executivas, em especial, a
avaliação da flexibilidade de pensamento.
Para isso 14 sujeitos sem comprometimento
cognitivo, entre 60 e 83 anos de idade e entre
1 a 4 anos de escolaridade foram avaliados
através
de
testes neuropsicológicos:Trail
Making Test, Stroop Test e Symbol Digit Modality
Test. Além de teste de cognição geral e escala
de ansiedade e depressão e entrevista semidirigida. A senescência traz um conjunto de
193
mudanças ao indivíduo dentre as quais
destacou-se neste estudo as questões
relacionadas ao aspecto neuropsicológico, no
qual revelou que o desempenho das funções
executivas tendem a declinar com a idade.
Escolaridade interferiu na velocidade de
processamento, mas não na atenção,
raciocínio e organização. Percebe-se que há
uma
necessidade
crescente
de
uma
avaliação mais acurada da função executiva
e suas derivações no idoso em nosso país e no
mundo, visando uma melhor qualidade de
vida, pois sabe-se que a expectativa de vida
da população vem aumentando. Seria
importante verificar a
flexibilidade de
pensamento na velhice saudável para
viabilizarmos novas formas de prevenção e
manutenção do equilíbrio biopsicossocial na
terceira idade. Dessa forma, o uso do exercício
físico como alternativa para melhorar a função
cognitiva parece ser um objetivo a ser
alcançado, principalmente em virtude da sua
aplicabilidade, pois se trata de um método
relativamente acessível a grande parte da
população em termos financeiros. Salienta-se
que o uso de provas neuropsicológicas está
sendo cada vez mais necessário para se obter
melhores resultados nas avaliações cognitivas
dessa população, sendo necessário maior
ampliação de estudos e pesquisas nesse área.
Portanto, acredita-se que seja relevante dar
continuidade ao estudo aumentando o
tamanho
da
amostra.
Contato:
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Denise Regina Piva
([email protected])
23-073- A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA
REALIZADA
EM
IDOSOS, IMPACTO E ACOLHIMENTO AO
PACIENTE E FAMILIAR
Piva DR1; Leite IA2; Moraes NC2; Brandao MH2;
Cardoso ES2 –
1Centro de Referência do Idoso da Zona Norte
de São Paulo CRI-Norte ASCS - Psicologia;
2Centro de Referência do Idoso - Psicologia
Introdução:
Segundo
Lezak
(2004),
a
Neuropsicologia é definida como uma ciência
aplicada
que
estuda
a
expressão
comportamental das disfunções cerebrais. A
avaliação neuropsicológica é considerada
uma das modalidades de psicodiagnóstico
realizada exclusivamente pelo profissional
neuropsicólogo,
tendo
como
base
a
psicometria para avaliar as funções cognitivas
tais como: memória, atenção, praxia,
linguagem, funções executivas, inteligência.
Apesar de não se tratar de um processo
conclusivo por si só, propõe a elucidação dos
aspectos cognitivos alterados e preservados,
sendo de suma importância uma boa
observação e investigação clínica, para que
enfim os resultados sejam informados e
compreendidos pelos familiares e pacientes.
Objetivo: Este trabalho propõe a reflexão sobre
a importância da avaliação neuropsicológica
e os efeitos terapêuticos após devolutiva do
processo aos familiares e aos pacientes idosos
atendidos no serviço de psicologia de um
ambulatório especializado em idoso do
Sistema Único de Saúde. Método: A avaliação
utiliza-se de técnicas e exames específicos
para verificar possíveis alterações, enfocando
principalmente as doenças que afetam o
comportamento e a cognição. Somando-se a
isto, leva-se em consideração entrevista clínica
e queixa do paciente, como também relato
do cuidador, dados biográficos e por fim,
achados
neuropsicológicos
durante
o
processo. Neste serviço, tal procedimento
costuma durar cinco sessões de atendimentos.
Resultados: A partir da devolutiva de
avaliação e esclarecimento sobre os achados,
é possível notar melhor apropriação tanto do
paciente quanto do cuidador sobre a real e
atual condição clínica, muitas vezes de um
adoecimento. Conclusão: A compreensão
sobre as queixas cognitivas relatadas abre a
possibilidade de uma nova organização
pessoal do paciente frente às suas limitações e
também sobre suas potencialidades, uma vez
que este passa a apropriar-se de novos
elementos do si mesmo. Do ponto de vista da
dinâmica familiar, também é verificado
mudanças em relação ao cuidado do idoso e
a forma como ele passa a ser visto pelos
familiares, dentro de suas particularidades e
limitações. A Neuropsicologia tem muito a
contribuir para o tratamento e diagnóstico das
194
síndromes demenciais, uma vez que auxilia a
posterior definição de conduta terapêutica e
medicamentosa. Para isso é necessário a
ampliação e maior validação de testes para o
público idoso. Cabe salientar a necessidade
da participação da equipe multidisciplinar
para melhor atuação junto ao tratamento do
paciente e familiares/cuidadores, afim de
contribuir para a sustentação e apoio na
evolução clínica da doença. Contato:
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Denise Regina Piva
([email protected])
23-074- EFEITOS DA ESCOLARIDADE E IDADE
NO DESEMPENHO DE IDOSOS NO SUBTESTE
MEMÓRIA
LÓGICA
DA
ESCALA
DE
MEMÓRIA DE WECHSLER
Gonzatti V1; Irigaray TQ2; Argimon IIL3; Esteves
CS4; Oliveira CR5; Ortiz CJ6; Gomes I4
1Pucrs - Ppgpsicologia; 2Pucrs - PosGraduaçao Em Psicologia; 3Pucrs - Psicologia
Clinica; 4PUCRS - IGG; 5Pontificia Universidade
Catolica do Rio Grande do Sul - Instituto de
Geriatria; 6Pucrs – Psicologia
Introdução e objetivo: O subteste Memória
Lógica da Escala de Memória Wechsler (WMS)
é um dos instrumentos mais empregados em
avaliações neuropsicológicas. Seu objetivo é
avaliar a memória declarativa e de trabalho
verbal. Em diversos estudos observa-se que há
declínio destas funções com o envelhecimento
e que o fator que influencia a recordação de
informações
em
idosos
pode
ser
a
escolaridade. No entanto, no Brasil, não há
dados normativos deste teste para idosos.
Assim, o presente estudo objetiva comparar o
desempenho de idosos de diferentes faixas
etárias e anos de escolaridade no WMS
(recordação imediata e tardia). Material e
métodos: Este estudo foi aprovado pelo
Comitê de Ética local sob o Nº. 10/04967. A
amostra foi composta por 300 idosos, com
idades entre 60 a 90 anos, recrutados no
Programa Estratégia Saúde da Família de Porto
Alegre. Foram excluídos idosos com sintomas
sugestivos de demência e depressivos a partir
do Mini Exame do Estado Mental e da Escala
de Depressão Geriátrica respectivamente. Os
participantes
assinaram
o
Termo
de
Consentimento
Livre
e
Esclarecido
e
responderam a uma ficha de dados
sociodemográficos e ao WMS. Foram alocados
em dois grupos de acordo com a idade (60-69
e 70-90 anos) e em três grupos conforme a
escolaridade (analfabetos, 1-4 e 5-8 anos de
estudo). Resultados: Verificou-se que o grupo
com mais anos de estudo (5-8 anos)
apresentou melhor desempenho do que o
grupo de analfabetos (p = 0,007) na
recordação imediata. Na recordação tardia,
os grupos com menos anos de estudo
(analfabetos)
demonstrou
escores
significativamente
menores
quando
comparados com os grupos com 1-4 (p =
0,007) e 5-8 (p <0,001) anos de estudo. Além
disso, o grupo com mais idade (70-90 anos)
obteve desempenho significativamente inferior
em ambas as formas de evocação (imediata
e tardia) quando comparado ao grupo mai
jovem (60-69 anos). Conclusões: Quanto menor
a escolaridade do idoso, pior é o seu
desempenho no WMS. Ao mesmo tempo,
quanto menor a sua idade, maior é a sua
pontuação no WMS. Apoio Financeiro: CNPQ
Responsável pelo Envio:
Valeria Gonzatti
([email protected])
23-075- ASSOCIAÇÃO ENTRE DESEMPENHO
EM
TESTES
NEUROPSICOLÓGICOS
E
CAPACIDADE FUNCIONAL EM IDOSOS COM
COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE
Faria CA1; Charchat-Fichman H2; Barbosa
ENB3
1Puc - Psicologia; 2PUCRJ - Psicologia;
3Pontificia Universidade Catolica - Psicologia
Durante o processo de envelhecimento,
podem ocorrer alterações na cognição. A
memória de trabalho, a velocidade de
processamento, o controle inibitório, e a
memória de longo prazo ficam menos
eficientes neste período da vida, afetando, na
maioria das vezes, o funcionamento no
cotidiano. Idosos com comprometimento na
cognição,
especialmente
nas
funções
executivas, costumam apresentar também
195
comprometimento nas atividades da vida
diária
(AVDs),
como
administrar
vida
financeira, usar os remédios corretamente,
lembrar-se de compromissos e resolver
problemas. Identificar as funções cognitivas
envolvidas na capacidade funcional pode
ajudar na detecção precoce da demência,
uma vez que o comprometimento nas AVDs é
um dos critérios para o diagnóstico da
demência. Porém, ainda não há consenso na
literatura sobre quais domínios cognitivos
predizem a capacidade funcional em idosos.
O objetivo deste estudo é investigar a
associação entre o desempenho em testes
neuropsicológicos e a capacidade funcional
em idosos com Comprometimento Cognitivo
Leve (CCL). A amostra consistiu em 49 idosos
com
CCL,
submetidos
à
avaliação
neuropsicológica ampla e a exame clínico por
neurologistas ou geriatras de um ambulatório
de um hospital público do Estado do Rio de
Janeiro. As análises de regressão linear simples
indicaram que as tarefas Stroop 1 e 3 (tempo
nas condições 1 e 3); RAVLT – A4 (quarta
apresentação da lista de palavras) e Memória
para Figuras – M5 (evocação após cinco
minutos) se associaram a escala Pfeffer (escala
de atividades instrumentais da vida diária)
significativamente, com p < .05. As análises de
regressão linear múltipla indicaram que as
tarefas Stroop 3 (β = .31; p = .03) e RAVLT – A4
(β = - .39; p < .01) tiveram uma associação mais
forte (R² = .27) com a escala Pfeffer. Os
melhores preditores de capacidade funcional
foram o desempenho na tarefa de controle
inibitório e na evocação da memória verbal.
Estes resultados podem direcionar programas
de intervenção nos estágios pré-clínicos de
demência,
visando
a
autonomia,
a
independência nas AVDs e a qualidade de
vida dos idosos.
Responsável pelo Envio:
Camila de Assis Faria
([email protected])
23-076PREDOMÍNIO
DE
COMPROMETIMENTO
COGNITIVO
LEVE
DISEXECUTIVO EM IDOSOS ATENDIDOS NO
AMBULATÓRIO DA GERIATRIA DE UM
HOSPITAL PÚBLICO TERCIÁRIO NA CIDADE
DO RIO DE JANEIRO.
Fernandes CF1; Fichman HC2; Oliveira RM3;
Caramelli P4; Aguiar D5
1Uerj - Departamento de Psicologia; 2Puc-Rio Psicologia; 3Universidade Federal do Rio de
Janeiro - Departamento de Psicometria; 4Ufmg
- Departamento de clínica médica; 5Hospital
dos Servidores do Estado - gERIATRIA
O diagnóstico precoce das demências,
especialmente da Doença de Alzheimer é
fundamental para prevenção de isolamento
social
e
doenças
psiquiátricas
no
envelhecimento. O objetivo do presente
trabalho foi mapear o perfil neuropsicológico
de uma amostra serial de idosos atendidos no
ambulatório da geriatria do Hospital dos
Servidores do Estado do Rio de Janeiro.
Metodologia: Participaram deste estudo 88
idosos atendidos consecutivamente. O critério
de inclusão foram idosos encaminhados para
o ambulatório de geriatria do Hospital
Servidores do Estado do Rio de Janeiro (HSE) e
que não apresentam diagnóstico clinicamente
provável de demência ou Doença de
Alzheimer. A avaliacão cognitiva foi composta
pelos seguintes instrumentos: 1) Mini Exame do
Estado Mental, 2) Teste de memória de figuras,
3) teste de fluência verbal semântica
categoria animais, 4) desenho do Relógio, 5)
Escala de atividades da vida diária Lawton e
Katz. Um algoritmo diagnóstico foi aplicado
para estabelecer se os idosos apresentavam
envelhecimento normal, comprometimento
cognitivo leve ou estado demencial. O
algoritmo foi descrido pelos seguintes passos:
1) avaliação do funcionamento cognitivo
global baseado no desempenho do Mini
Exame do Estado Mental, 2) avaliação das
funções
cognitivas
preservadas
e
comprometidas, 3) avaliação das atividades
da vida diária baseado no desempenho das
escalas Lawton e Katz. Resultados: Ao aplicar o
algoritmo
diagnóstico
proposto
na
metodologia, diferentes entidades clínicas
foram representadas na amostra. A maior
parte dos sujeitos (61,36%) foram classificados
em CCL não-amnéstico disexecutivo, a
segunda categoria mais frequente foi o CCL
amnésico com domínio múltiplo (32,95%), não
196
foram observados idosos classificados como
CCL amnésico domínio único ou CCL nãoamnesico domínio múltiplo. Apenas dois idosos
foram classificados como demência (2,27%) e
um único idoso foi classificado como normal
(1,14%). Dos idosos classificados como CCL,
31,2%
apresentaram
declínio
funcional
(prejuízo nas atividades da vida diária). Destes,
31,1% foram classificados em CCL amnésico
múltiplos domínios e 35,18% como CCL
disexecutivo. Os grupos com CCL múltiplos
domínios e disexecutivo não diferiram quanto
à idade e escolaridade. Os resultados
apontam, na amostra estudada, elevada
frequência de disfunção executiva, com um
subgrupo apresentando déficit de memória.
De todos os participantes com declínio
cognitivo (funções executivas, memória),
cerca de 1/3 já apresenta declínio funcional.
Estes achados se diferenciam dos encontrados
na literatura; além disso podem gerar estudos
quanto à avaliação do declínio funcional
associado a funções executivas e estudos
longitudinais para avaliar a evolução deste
quadro.
Responsável pelo Envio:
Conceiçao Santos Fernandes
([email protected])
23-077- PERFIL CLÍNICO E DEMOGRÁFICO
DE
IDOSOS
ASSISTIDOS
EM
UM
AMBULATÓRIO DE GERIATRIA DE UM
HOSPITAL PÚBLICO DO RIO DE JANEIRO:
IMPORTÂNCIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL
NO DECLÍNIO COGNITIVO LEVE
Barbosa ENB1; Miranda CV2; Fichman H2;
Correa B3; Lima D4; Novaes R4
1Pontificia Universidade Catolica - Psicologia;
2Pontificia Universidade Catolica-Rj - Pos
Graduaçao de Psicologia; 3Universidade
Federal do Rio de Janeiro - Psicologia;
4Hospital Federal Servidores do Estado Geriatria
O processo de envelhecimento é influenciado
por
fatores
genéticos,
demográficos,
neurológicos, psiquiátricos e sistêmicos. A
fragilidade de saúde física e mental interfere
na transição de um envelhecimento saudável
para o patológico. O presente estudo tem
como objetivo descrever o perfil clínico e
demográfico de uma amostra de 123 idosos
assistidos em um ambulatório de geriatria de
um hospital público do Rio de Janeiro
avaliados de forma sequencial durante dois
anos. Neste período, houve um predomínio de
mulheres (76%), a idade média foi de 79,97
anos (62 a 102) e escolaridade de 4,11 anos (0
a 11 anos). Destes idosos, 28,8% apresentaram
diagnóstico de demência; 29,6% diagnóstico
de depressão; 1,6% diagnóstico de demência
de Parkinson, 3,2% AVC prévio, 83,3% HAS,
23,2% dislipidemia, 1,6% infarto prévio, 17,6%
diabetes mellitus. Como a frequência de HAS
foi muito elevada nesta amostra, o grupo com
HAS e sem HAS foi comparado utilizando o
teste t de Student para as variáveis contínuas e
o teste de Chi-quadrado para as nominais.
Não houve diferença significativa entre os
grupos quanto a presença de demência
(p>0,05) ou depressão (p>0,05), os grupos não
diferiram quanto a idade, mas houve uma
tendência em relação a escolaridade
(p=0.07). Os grupo com HAS apresentou
desempenho significativamente pior que o
grupos sem HAS nas tarefas de memória de
trabalho
(memória
incidental,
memória
imediata 1 e soletração da palavra mundo em
ordem
inversa),
memória
episódica
anterógrada e funcionamento cognitivo
global (MEEM). Os resultados deste estudo
sugerem
que
fatores
cardiovasculares,
especialmente
hipertensão
arterial
apresentam
associação
com
comprometimento
cognitivo
no
envelhecimento. Neste contexto, avaliação
cognitiva
em
idosos
com
doenças
cardiovasculares devem ser recomendadas
para detectar risco de demência. Contato:
[email protected] Apoio Financeiro:
CAPES
Responsável pelo Envio:
Eduarda Naidel Barboza e Barbosa
([email protected])
23-078- COMPROMETIMENTO COGNITIVO
SUBJETIVO: CONTROLES QUEIXOSOS PODEM
REPRESENTAR GRUPO DE DA PRÉ-CLÍNICO?
197
Coutinho G1; Fonseca CMND2; Moll J3;
Oliveira-Souza R4; Teldeschi ALG5; Lima D6;
Fonseca RP7; Tovar-Moll F3; Mattos P3
1Idor - Cna; 2UFRJ - IDOR; 3IDOR - IDOR; 4IDOR
- Neurociências; 5Centro de Neuropsicologia
Aplicada - Neuropsicologia; 6IDOR - PESQUISA;
7PUCRS - Psicologia
Introdução: Os estágios pré-clínicos da
Doença de Alzheimer (DA) consistem de
indivíduos com fisiopatologia de DA, mas que
ainda
não
apresentam
sintomatologia
cognitiva compatível com diagnóstico de
Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) ou
demência devido à DA. Indivíduos com
queixas
de
declínio
de
memória
(Comprometimento Cognitivo Subjetivo –CCS),
mas sem critérios para CCL podem representar
casos de risco de progressão para CCL.
Objetivos: verificar se idosos CCS apresentam
diferença de desempenho frente a indivíduos
controles sem queixas pareados por idade e
escolaridade
em tarefas
de
memória
episódica e memória operacional. Grupos de
indivíduos com CCL amnéstico também foram
utilizados para comparação. Métodos: Estudo
transversal,
descritivo
com
indivíduos
integrantes do projeto “Envelhecimento
Normal e Declínio Cognitivo” que envolve
avaliação
clínica,
neuropsicológica,biomarcadores
e
neuroimagem. Quarenta e nove indivíduos
idosos foram divididos em três grupos: a) idosos
normais sem queixas de memória (N=10), b)
idosos normais com queixas de memória
(definidos como CCS) (N=17), c) idosos com
diagnóstico CCL amnéstico (N=22). Os grupos
estavam
pareados
por
idade
(média=71,32±6,25)
e
escolaridade
(média=13,77±3,17).
Foram
comparados
desempenhos entre os grupos em tarefa de
memória episódica (RAVLT) e memória
operacional (digit span e span visuoespacial).
Utilizou-se o teste ANOVA para medidas
paramétricas (RAVLT) com análise Post hoc de
Bonferroni. Dados não paramétricos (digit span
e span visuoespacial) foram comparados
utilizando o teste de Kruskal-Wallis. Resultados:
Grupo CCS apresentou desempenho superior
ao grupo CCL em tarefa de memória
operacional auditivo-verbal (p<0,05). Não
houve diferença quando comparado ao
grupo de controles sem queixas. Índices de
memória episódica revelaram-se semelhantes
entre os grupos de controles e CCS; o grupo
CCL revelou desempenho inferior aos demais
grupos em índices de memória episódica
(p<0,05). O índice de memória operacional
visuoespacial
revelou
diferença
estatisticamente significativa entre grupos CCS
e controles sem queixas, com superioridade
dos últimos (p<0,05). Não há diferença entre
grupos CCS e CCL em memória operacional
visuoespacial.
Conclusões:
Conforme
esperado, indivíduos com CCL apresentaram
desempenho deficitário em tarefas de
memória episódica comparados aos demais
grupos. Nossos achados sugerem que déficits
de memória operacional visuoespacial (que
envolvem participação de vias dorsais) sejam
as primeiras alterações neuropsicológicas em
indivíduos idosos pré-clínicos (com queixas
subjetivas, mas sem critérios para CCL). Os
achados podem ter relação com estudos que
demonstraram alterações de microestruturas
de substância branca em regiões que
interessam vias dorsais (em cíngulo posterior e
precuneus) em indivíduos controles queixosos
que posteriormente converteram para CCL
amnéstico. Apoio Financeiro: FAPERJ
Responsável pelo Envio:
Gabriel Coutinho
([email protected])
23-079- COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO
DE INDIVÍDUOS COM COMPROMETIMENTO
COGNITIVO
LEVE
E
DEMÊNCIA
DE
ALZHEIMER EM TAREFA DE FUNÇÃO
EXECUTIVA MEDIADA E NÃO MEDIADA PELA
LINGUAGEM.
Fonseca CMND1; Coutinho G2; Moll J3;
Oliveira-Souza R3; Teldeschi ALG4; Lima D5;
Fonseca RP6; Tovar-Moll F7; Mattos P7
1UFRJ - PCM/IDOR; 2Idor - Cna; 3IDOR Neurociências; 4CNA - Neuropsicologia; 5IDOR
- PESQUISA; 6PUCRS - Psicologia; 7IDOR - UFRJ
INTRODUÇÃO:
Diferentes
mecanismos
cognitivos
estão
correlacionados
ao
processamento executivo de iniciativa e
198
inibição de respostas verbais e não verbais.
Além das dificuldades mnésicas, funções
atencionais, visuoespaciais, executivas e
linguísticas
podem
compor
prejuízos
encontrados em pacientes com Demência de
Alzheimer-DA já em estágio inicial. Estudo
comparativo de habilidades executivas por
estímulo linguístico e não verbal, em indivíduos
com Comprometimento Cognitivo Leve
amnésico – CCL-A, com maiores chances de
progressão para DA, e DA, pode trazer
contribuições para entender a influência de
diferentes mecanismos neste processamento.
OBJETIVOS: Comparar o desempenho de
indivíduos com CCL-A e DA em tarefas de
processamento executivo linguístico e não
linguistico. MÉTODOS: Estudo descritivo com
participantes do projeto “Envelhecimento
Normal e Declínio Cognitivo” que envolve
avaliação
clínica,
neuropsicológica,
narrativa,biomarcadores
e
neuroimagem.
Comparação de resultados dos testes Trilhas e
Hayling. Utilizado ANOVA com análise Post
hoc, para verificar diferenças estatísticas entre
grupos. RESULTADOS: 68 indivíduos controlados
por idade (≥60 anos), sexo, escolaridade (≥8
anos) Escala de Demência - CDR ≤1. 27
Controles, 19 DA e 22 CCL. No Hayling-A não
houve diferença estatística no tempo de
reação entre Controles e CCL mas sim entre
Controle e DA (p<0.01) e CCL e DA (p<0.01). O
mesmo ocorreu para achados qualitativos
(número de acertos) entre Controle e DA
(p<0.01) e entre CCL e DA (p 0.012). Na parte B
–houve diferença no tempo de inibição
apenas entre Controles e DA (p<0.01) mas
quanto aos acertos e classificação das
respostas, houve diferença entre Controles e
DA (p<0.01) e CCL e DA (p<0.01). No teste
Trilhas, houve diferença estatística entre os três
grupos no tempo de execução do Trilhas A,
Trilhas B e diferença de tempo entre os dois
subtestes B-A (p<0.01). Na análise estatística
multivariada, o critério de R2 indicou que Trilhas
tem ajuste melhor em relação aos dados do
que Hayling, permitindo melhor discriminação
entre os grupos. No Hayling, o R2 indica que o
número de erros e acertos permite melhor
discriminação dos grupos do que o tempo de
reação.
CONCLUSÃO:
Nesta
amostra,
indivíduos com DA apresentaram dificuldades
tanto no processamento executivo por
estímulo linguístico como não linguístico,
enquanto o grupo com CCL manteve maior
dificuldade em tarefa não linguística. Na
tarefa do Hayling, a qualidade da resposta
permitiu diferenciar os grupos CCL de DA,
mostrando a interferência do domínio da
linguagem nos pacientes com DA. O Trail
Making Test foi mais eficaz na diferenciação
dos três grupos, sendo Controles>CCL>DA.O
teste envolve uma série de outros domínios
cognitivos como processamento visuoespacial,
sequenciação, atenção, dentre outros, que
devem ser considerados. Apoio Financeiro:
FAPERJ
Responsável pelo Envio:
Gabriel Coutinho
([email protected])
23-080- AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DA
CONSCIÊNCIA DA DOENÇA EM PESSOAS
COM DOENÇA DE ALZHEIMER LEVE
Sousa MFB1; Santos RL2; Nogueira M1; Simoes
P3; Belfort T1; Melo BTM1; Dias R1; Barbosa B1;
Dourado M1
1UFRJ - CDA/IPUB; 2UFRJ - IPUB/CDA; 3UFRJ ESS
A consciência da doença é um fenômeno
definido como a capacidade de perceber em
si e/ou nas atividades da vida diária alterações
causadas por déficits associados ao processo
de adoecimento. Esse estudo investiga os
fatores relacionados ao comprometimento da
consciência da doença em pessoas com
Doença de Alzheimer (DA) leve e seus
cuidadores. Por meio de um estudo
longitudinal (momento linha de base e um ano
após), avaliamos 69 pessoas com DA e seus
cuidadores por meio da Escala de Avaliação
do Impacto Psicossocial do Diagnóstico de
Demência (AIPD), Escala de Qualidade de
Vida na Doença de Alzheimer (QdV-DA) –
versão paciente e cuidador, Mini-Exame do
Estado Mental (MEEM), Estadiamento Clínico
das Demências (CDR), Escala Cornell de
Depressão na Demência (CORNELL), Inventário
Neuropsiquiátrico (NPI), Questionário de
Atividades Funcionais (PFEFFER) e Inventário de
Sobrecarga (ZARIT). Foi utilizada correlação de
199
Pearson para comparar o momento linha de
base (M1) e o segundo momento (M2) de
avaliação entre as pessoas com DA e seus
cuidadores. A correlação de Spearman foi
usada para investigar a relação entre
consciência da doença no momento linha de
base e o segundo momento de avaliação e os
dados sociodemográficos de pessoas com DA
e cuidadores (idade, gênero, escolaridade,
tempo de doença e estado civil) e estado
cognitivo,
funcionalidade,
presença
de
sintomas psicológicos e do comportamento,
estado depressivo, qualidade de vida do
paciente e sobrecarga de cuidado. Duas
regressões ordinais foram realizadas para
identificar os fatores que estavam associados
ao comprometimento da consciência da
doença no M1 e M2 da avaliação. Foram
observadas
diferenças
significativas
na
consciência da doença entre M1 e M2
(p=0,000). No M1, a regressão ordinal indicou
que o comprometimento da consciência da
doença
estava
relacionado
ao
comprometimento
da
funcionalidade
(p<0,001) e cognição (p<0,001). A regressão
ordinal
no
M2
indicou
que
o
comprometimento da consciência da doença
estava
relacionado
ao
déficit
na
funcionalidade (p<0,001) e ao maior nível de
escolaridade (p<0,001) e redução da
qualidade de vida do cuidador (p<0,05).
Nossos
achados
sugerem
que,
longitudinalmente, o comprometimento da
consciência da doença em pessoas com DA
leve não está relacionado apenas ao déficit
cognitivo. Assim sendo, os aspectos do
cuidador também devem ser considerados na
avaliação da consciência da doença na
demência. Apoio Financeiro: CNPQ, FAPERJ,
CAPES
Responsável pelo Envio:
Maria Fernanda Barroso de Sousa
([email protected])
23-081- INTERAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E
DIABETES MELLITUS: ASSOCIAÇÃO COM
VELOCIDADE
DE
PROCESSAMENTO,
CONTROLE INIBITÓRIO E FLEXIBILIDADE
COGNITIVA
EM
IDOSOS
COM
COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE
Costa MV1; Malloy-Diniz LF1; Diniz BSO2; Moraes
EN3; De Paula JJ3
1Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório
de
Investigações
em
Neurociências Clínicas do INCT em Medicina
Molecular ; 2Laboratório de Investigações em
Neurociências Clínicas do INCT em Medicina
Molecular - Dpartamento de Saúde Mental da
Universidade Federal de Minas Gerais ;
3Universidade Federal de Minas Gerais
Departamento de Clínica Médica
A depressão e a diabetes mellitus (DM) estão
associadas a aumento do risco para síndromes
demenciais e Comprometimento Cognitivo
Leve (CCL). Os perfis neuropsicológicos são
diferentes para os subtipos da DM, contudo, as
alterações
anatômicas
subcorticais
são
compartilhadas pelos subtipos mais frequentes.
O déficit central ocorre na velocidade de
processamento.
Este
perfil
de
comprometimento é semelhante ao da
depressão, condição na qual a velocidade de
processamento e funções executivas mediam
déficits em outros domínios. Estes, quando
associados ao envelhecimento, tornam-se
mais evidentes. O objetivo deste trabalho é
investigar a interação entre diabetes e
depressão em idosos com comprometimento
cognitivo leve, com foco nas funções
executivas e velocidade de processamento.
Participaram do estudo 122 idosos de 60 a 96
anos (M=75,DP=7), predominantemente de
baixa escolaridade (M=4, DP=4) provenientes
do núcleo de geriatria e gerontologia do
Hospital das Clínicas da UFMG. Nesta amostra
33% estavam deprimidos, 36% em tratamento
para diabetes e 10% destes com ambas as
condições. A velocidade de processamento,
controle inibitório e flexibilidade cognitiva
foram as variáveis dependentes do estudo,
mensuradas pelo Teste dos Cinco Dígitos. Por
meio
de
uma
análise
de
variância
multivaridada (tendo as variáveis cognitivas
como dependentes, depressão e diabetes
como fatores e idade e escolaridade como
covariáveis). Os resultados indicaram que a
diabetes está associada à redução da
velocidade de processamento (Tempo de
Leitura do 5 Digitos: F=5.50, p<0.05, n²=0.07) e
marginalmente de controle inibitório (Tempo
200
de Inibição do 5 Dígitos: F=3.76, p=0.05,
n²=0.05). Já a depressão a alterações em
controle inibitório (F=6.46, p<0.05, n²=0.08),
assim como a interação entre as duas
condições (F=6.42, p<0.05, n²=0.08). Através
dos
testes
post-hoc
diferenças
foram
encontradas entre diabéticos (7.63, p<0.05) e
não diabéticos (-7.63, p<0.05) em velocidade
de processamento e entre deprimidos (19.17,
p<0.05) e não-deprimidos (-19.17, p<0.05) em
controle inibitório. Concluiu-se que há
alteração no desempenho em tarefas de
velocidade de processamento e controle
inibitório em pacientes com CCL associado a
depressão e diabetes e a interação entre estas
duas condições está associada a pior
desempenho em controle inibitório. Estes
resultados corroboram aqueles encontrados
na literatura, onde o declínio cognitivo em
pacientes com depressão é mediado pelas
funções executivas e em diabetes pela
velocidade
de
processamento.
Apoio
Financeiro: Fundação de Amparo à Pesquisa
do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG): Grant
INCT-MM (FAPEMIG: CBB-APQ-00075-09), (APQ01972/12-10,
APQ-02755-10).
Conselho
Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico (CNPq): 573646/2008-2).
Responsável pelo Envio:
Monica Vieira Costa
([email protected])
23-082- SUBGRUPOS DE PACIENTES COM
COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE E
DOENÇA DE ALZHEIMER DEFINIDOS PELO
METABOLISMO CEREBRAL DE GLICOSE E
SUAS ESPECIFICIDADES COGNITIVAS: UM
ESTUDO COM 18F-FDG PET/CT
De Paula JJ1; Diniz BSO2; Avila RT3; Bertola L4;
Moraes EN5; Bicalho MAC6; Mamede M7;
Romano-Silva MA8; Miranda DM9; Malloy-Diniz
LF10
1Universidade Federal de Minas Gerais Medicina
Molecular;
2Laboratório
de
Investigações em Neurociência Clínica (LINCINCT-MM) - Departamento de Saúde Mental
da Universidade Federal de Minas Gerais;
3Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Investigações em Neurociência
Clínica; 4Universidade Federal de Minas Gerais
Laboratório
de
Investigações
em
Neurociência
Clinica
(LINC-INCT-MM);
5Faculdade de Medicina, Universidade Federal
de Minas Gerais, Belo Horizonte MG, Brasil. Departamento
de
Saúde
Mental;
6Universidade Federal de Minas Gerais Departamento
de
Clínica
Médica;
7Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina; 8INCT de Medicina
Molecular da Universidade Federal de Minas
Gerais - Departamento de Saúde Mental da
Universidade Federal de Minas Gerais; 9Ufmg Medicina Molecular; 10Ufmg - Psiquiatria
A análise do consumo de glicose pelo cérebro
em repouso é um dos biomarcadores que
afetam o envelhecimento cognitivo. A
literatura sugere padrões heterogêneos de
metabolismo de glicose no Comprometimento
Cognitivo Leve (CCL) e a Demência de
Alzheimer (DA). O presente estudo tem o
objetivo de identificar subgrupos com base no
perfil de metabolismo da glicose no espectro
CCL-DA, comparando a frequência dos
diagnósticos nos subgrupos encontrados e sua
relação
com
perfis
neuropsicológicos
específicos. Participaram do estudo 63 idosos
(33 CCL e 30 DA), diagnosticados por
consenso de especialistas. Todos realizaram
tomografia por emissão de pósitron (PET) com
marcador para glicose (18F-FDG), em repouso.
Os achados foram divididos em regiões de
interesse (envolvendo diferentes áreas do
córtex, giro do cíngulo, núcleo caudado,
ponte, e cerebelo) e comparados a idosos
saudáveis, criando escores-Z. Esses foram
utilizados em uma análise de conglomerados
hierárquica, que indiou uma separação em
três grupos com base no perfil metabólico
global (PMG): baixo, moderado e alto.
Comparamos a frequência dos diagnósticos
(CCL e DA) nos grupos pelo teste quiquadrado, com resultados significativos (χ²=7.9,
p=0.02). O CCL apresentou maior prevalência
no grupo de alto metabolismo (39% x 9%).
Analisamos então o efeito do diagnóstico e do
grupo sobre a cognição.Os participantes
foram agrupados junto à uma amostra maior
de pacientes e controles (n=557), que
realizaram
um
protocolo
de
exame
neuropsicológico composta pelo Span de
201
Dígitos e Cubos de Corsi, Torre de Londres,
Token Test, Construção com Palitos, Fluência
Verbal, Teste dos Cinco Dígitos, F-LIN, TN-LIN,
RAVLT e 9 Hole-Peg Test. Uma análise fatorial
exploratória
reduziu
as
variáveis
aos
componentes Memória Verbal, Memória
Operacional,
Memória
Não-Verbal,
Processamento Semântico, Controle Inibitório,
Velocidade de Processamento, Motricidade e
Fluência, . transformados em escores-Z com
base nos controles. Por meio de um modelo
linear geral multivariado avaliamos o efeito do
diagnóstico e grupo de PMG na cognição,
covariando Idade e escolaridade. Os
resultados indicam um efeito independente do
grupo de PMG no fator Memória Operacional
(F=4.89, p=0.01, pη²=0.15), mas não do
diagnóstico (F=0.02, p=0.90). Análises post hoc
indicam pior desempenho do grupo de baixo
metabolismo (-0.97) frente ao de metabolismo
moderado (-0.17, p=0.02) e alto (0.03, p=0.01).
Nosso resultados indicam que subgrupos de
pacientes com CCL e DA, baseados no perfil
metabólico de glicose no sistema nervoso
central, podem apresentar perfis cognitivo
distintos relacionados à eficiência da memória
operacional. Os achados possibilitam maior
compreensão de como esse biomarcador se
relaciona com esses diagnósticos e os
fenótipos cognitivos a eles associados. Apoio
Financeiro: FAPEMIG (APQ-01972/12-10, APQ02755-10)
Responsável pelo Envio:
Jonas Jardim de Paula
([email protected])
23-082A- ASSOCIAÇÃO ENTRE ATIVIDADES
DE VIDA DIÁRIA BÁSICAS E INSTRUMENTAIS
COM ASPECTOS COGNITIVOS E DESTREZA
MOTORA FINA: EM IDOSOS: PERFIL DE DUPLA
DISSOCIAÇÃO?
Jonas
Jardim
de
Paula1,2,3,
Maicon
Albuquerque1,2,4, Thaís Dell’Oro1,2, Guilherme
Menezes Lage1,2,5, Edgar Nunes de Moraes6,
Breno Satler Diniz1,2,7, Leandro Fernandes
Malloy-Diniz1,2,7
1 – Laboratório de Investigações em
Neurociência Clínica (LINC) – INCT em
Medicina Molecular – Universidade Federal de
Minas Gerais
2 – Instituto Nacional de Ciência de Tecnologia
em Medicina Molecular – Universidade Federal
de Minas Gerais
3 – Departamento de Psicologia – Faculdade
de Ciências Médicas de Minas Gerais
4 – Departamento de Educação Física Universidade Federal de Viçosa
5 – Departamento de Educação Física –
Universidade Federal de Minas Gerais
6 – Departamento de Clínica Média –
Universidade Federal de Minas Gerais
7 – Departamento de Saúde Mental –
Universidade Federal de Minas Gerais
As atividades de vida diária (AVDs)
representam aspectos do funcionamento
cotidiano em idosos. Envolvem desde o
autocuidado (AVDs Básicas) às atividades
complexas, como a gerência do lar e o
controle financeiro (AVDs Instrumentais). No
envelhecimento
cognitivo
patológico,
representado aqui pelo comprometimento
cognitivo leve amnéstico (CCL-A), amnéstico
de múltiplos domínios (CCL-A-MD) e pela
Doença
de
Alzheimer
(DA),
há
comprometimento progressivo da cognição e
posteriormente da autonomia para realização
de AVDs. Aspectos cognitivos são comumente
associados às AVDs. Aspectos motores,
quando estudados em sua relação com AVDs,
tem por foco a presença de quedas, tipo de
marcha ou força. Poucos estudos avaliaram a
associação de aspectos mais discretos da
motricidade, como a destreza motora fina no
envelhecimento patológico. Ainda não há
estudos que analisaram sua contribuição para
o desempenho funcional nos idosos.
O presente estudo objetiva avaliar a
associação da cognição e da destreza
motora fina com a autonomia para realização
das AVDs. Avaliamos 134 idosos (22 controles,
24 CCL-A, 31 CCL-A-MD, e 46 DA) em um
centro de referência à população idosa. Os
pacientes com DA encontravam-se em fase
leve-moderada da demência (CDR<2). Um
protocolo cognitivo envolvendo o Teste de
Aprendizagem Auditivo-Verbal de Rey, Teste
de Nomeação do LIN, Bateria de Avaliação
Frontal, Construção com Palitos e Teste dos
202
Cinco Dígitos foi aplicado aos pacientes.
Reduzimos tais variáveis ao componente
“Cognição Geral” por meio de uma análise
fatorial (fatoração por eixos principais, sem
rotação). Uma variável representando a
coordenação motora fina foi construída por
meio do Nine Hole-Peg Test, aplicado duas
vezes para cada mão. O tempo de execução
das quatro tentativas foi somado e utilizado
como a variável “destreza motora fina”. Os
índices de Katz (AVDs Básicas) e Lawton (AVDs
Instrumentais),
pontuados
objetivamente
serviram de medidas funcionais.
Usamos um modelo linear geral multivariado
(Variáveis dependentes: AVDs Básicas e
Instrumentais; Fatores: sexo e lateralidade;
covariáveis: idade, escolaridade, Cognição
Geral e Destreza Motora Fina) para avaliar a
associação entre as variáveis. A Cognição
Geral se associou ao Escore de AVDs
Instrumentais (p<0.001, pn²=0.21), mas não às
AVDs básicas. A Destreza Motora Fina
apresentou o padrão oposto, com associação
às AVDs Básicas (p<0.001, pn²=0.16) mas não
às Instrumentais.
Os padrões sugerem um perfil de dissociação
entre aspectos cognitivos e motores frete à
autonomia em AVDs. Concluímos que a
contribuição de variáveis cognitivas e da
destreza motora fina ao desempenho
funcional é dissociado, com a primeira
apresentando associação apenas às AVDs
Instrumentais e a segunda apenas às AVDs
Básicas.
23-083- COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO
EM ITENS DA ESCALA MATTIS EM IDOSOS
COM COMPROMETIMENTO COGNITIVO
LEVE AMNÉSTICO, DE MÚLTIPLOS DOMÍNIOS,
DOENÇA DE ALZHEIMER E CONTROLES
SAUDÁVEIS
Costa MV; Malloy-Diniz LF2; Diniz BSO2; Moraes
EN3; De Paula JJ1
1Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório
de
Investigações
em
Neurociências Clínicas (LINC-INCT-MM) ;
2Laboratório
de
Investigações
em
Neurociências Clínicas (LINC-INCT-MM)
Departamento
de
Saúde
Mental
da
Universidade Federal de Minas Gerais ;
3Universidade Federal de Minas Gerais
Departamento de Clínica Médica
-
A Demência de Alzheimer (DA), tipo mais
comum de demência, caracteriza-se pelo
comprometimento da memória associada ao
acometimento de pelo menos outro domínio
como função executiva, linguagem e
habilidades
visioespaciais.
O
Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) é
visto como um estado de transição entre as
alterações
cognitivas
relacionadas
ao
envelhecimento e a DA. O CCL pode
apresentar
manifestações
clínicas
heterogêneas, sendo assim classificado como
amnéstico, não-amnéstico ou de múltiplos
domínios. Instrumentos breves de avaliação
cognitiva como a Escala Mattis para
Avaliação de Demência são comumente
adotadas na avaliação e diagnóstico dessas
condições. O objetivo deste trabalho é
investigar de forma retrospectiva o perfil
apresentado por pacientes com CCL
Amnéstico (N=74), amnéstico de múltiplos
domínios (N=52) e DA (N=107) frente a
controles saudáveis (N=45) , de baixa
escolaridade (M=4, SD=4), na Escala Mattis.
Participaram do estudo 278 pacientes
provenientes do Núcleo de geriatria e
gerontologia do HC-UFMG, com idade entre
60 e 95 anos (M=75, SD=7). Comparamos os
quatro grupos nas subescalas da Mattis e
criamos outros subescores mais específicos.
Assim, os dois itens de contagem de letras
foram agrupados para formarem apenas uma
variável, assim como os itens de respostas a
ordens verbais, fluências verbais, gráficomotores e repetição de sílabas. Já os itens de
conceituação foram agrupados em verbais e
não-verbais e os de memória em orientação,
evocação e reconhecimento. Para as
comparações de grupos foi utilizada a ANOVA
não-paramétrica
de
Kruskal-Wallis
para
amostras
independentes.
Os
resultados
indicaram diferentes padrões de desempenho
para os grupos. Estes não diferiram nas
subescalas de Leitura (x²=3,78, p=0,28) e gestos
fluidos (x²=7,2, p=0,06), porém foi encontrada
diferença significativa em relação aos itens de
atenção: span de dígitos (x²=24,43, p<0.001),
combinação (x²=17,16, p=0.001), contagem
203
(x²=19,04, p<0.001); de praxiavisuoconstrutiva
(x²=37,86,
p<0.001);
de
iniciativa
e
perseveração: fluência (x²=109,42, p<0.001),
repetição (x²=25,67, p<0.001) e gráfico-motor
(x²=35,88, p<0.001); de conceituação verbal
(x²=90,11, p<0.001) e não verbal (x²=51,23,
p<0.001) e de memória: evocação (x²=104,80,
p<0.001), orientação (x²=95,57, p<0.001) e
reconhecimento
(x²=42,68,
p<0.001).
Concluimos que os desempenhos nos subitens
da escala variam para pacientes com CCL
Amnéstico, amnéstico de múltiplos domínios,
DA e controles saudáveis, exceto para a leitura
de palavras e gestos fluidos. Isto indica que
estes itens não contribuem para o diagnóstico
diferencial entre estas condições. Porém os
demais podem ser usados para diferenciar o
desempenho
entre
domínios
cognitivos
específicos. Apoio Financeiro: Fundação de
Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais
(FAPEMIG): Grant INCT-MM (FAPEMIG: CBBAPQ-00075-09), (APQ-01972/12-10, APQ-0275510). Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico (CNPq): 573646/20082).
Responsável pelo Envio:
Monica Vieira Costa
([email protected])
23-084PRODUÇÃO
DO
DISCURSO
NARRATIVO E PROCEDIMENTAL NA DOENÇA
DE ALZHEIMER
Jeronimo G1; Tessaro B1; Pereira N2; Scherer
LC2
1Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Letras/Linguística; 2Pontificia
Universidade Catolica do Rio Grande do Sul Psicologia-Cogniçao
Os distúrbios cognitivos apresentados por
portadores de doença de Alzheimer (DA)
estão sendo estudados amplamente na
atualidade, identificando-se déficits em várias
funções cognitivas. Visando a identificar os
déficits
discursivos
associados
a
DA,
desenvolvemos o estudo de caso aqui
apresentado. O participante da pesquisa é
morador de um Lar de Idosos, localizado no
município de Porto Alegre, possui 78 anos de
idade, escolaridade de 16 anos e diagnóstico
de
DA,
verificado
pelo
neurogeriatra
responsável pelo Lar. Seu desempenho
linguístico foi comparado com o de um
participante controle com características
semelhantes de idade e escolaridade. Foi
administrada uma bateria de testes linguísticos,
da qual fazem parte quatro atividades de
produção oral, compostas de duas narrativas,
a primeira uma narrativa livre sobre um
acontecimento significativo na vida do
participante e a segunda, baseada em uma
sequência de figuras, bem como duas
produções de discurso procedimental, uma
sobre
os
equipamentos
utilizados
e
procedimentos necessários à troca de um
pneu e outra sobre os ingredientes comuns e
procedimentos para preparar um sanduíche.
Além dos testes linguísticos, foi aplicado um
questionário de condições de saúde e hábitos
de leitura e escrita. Com base no desempenho
nas tarefas discursivas, verificamos que a
habilidade de produção do participante com
DA, mesmo com uma linguagem rebuscada e
retórica, oriunda provavelmente de um hábito
intenso de leitura, mostrou-se prejudicada. Ele
demonstrou baixo desempenho na produção
da narrativa de um fato pessoal, com um
discurso
muito
repetitivo,
contendo
informações bastante amplas e pouco
informativas. Na produção baseada em
figuras, a pista visual não ajudou o participante
com DA a depreender que as diferentes cenas
formavam uma sequência narrativa. No
discurso procedimental, o participante teve
anomias, demonstrando dificuldade mesmo
com ajuda de pista fonológica; incluiu poucos
detalhes e fez circunlóquios; no entanto, de
forma bem ampla, conseguiu explicar como se
troca um pneu e se faz um sanduíche.
Considerando a escolaridade e hábito de
leitura do participante com DA, em
comparação com os mesmos dados do
controle, após a realização das tarefas, pôdese, portanto, evidenciar um declínio intenso
em termos de produção do discurso no
participante com DA. Houve maior prejuízo nas
produções
narrativas
do
que
nas
procedimentais.
Ao
mesmo tempo, o
participante com DA fez uso de estratégias
comunicativas
compensatórias
como a
utilização
e
repetição
de
expressões
204
generalizadoras para responder a algo em
que
demonstrou
dificuldade.
Contato:
[email protected] Apoio Financeiro:
CNPq
Responsável pelo Envio:
Gislaine Machado Jeronimo
([email protected])
23-085- ANOSOGNOSIA EM IDOSOS COM
DEMÊNCIA,
CCL
E
DEPRESSÃO:
CONCORDÂNCIA
DO
RELATO
DE
SINTOMAS,
PAPEL
NO
DIAGNÓSTICO
DIFERENCIAL E CORRELATOS COGNITIVOS
Melo JB1; Avila RT2; Malloy-Diniz LF3; Moraes
EN4; De Paula JJ5
1Universidade Federal de Minas Gerais Psicologia; 2Universidade Federal de Minas
Gerais - Medicina Molecular; 3Ufmg Psiquiatria;
4Faculdade
de
Medicina,
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte MG, Brasil. - Departamento de Saúde
Mental; 5Faculdade de Ciências Médicas de
Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil. Departamento de Psicologia
Pacientes
com
demência
comumente
apresentam dificuldades em perceber a
existência, frequência ou intensidade dos
próprios sintomas, uma síndrome nomeada de
anosognosia. O presente estudo objetiva: 1)
Verificar se os grupos de pacientes com
Demência, Comprometimento Cognitivo Leve
(CCL) e Depressão diferem quanto à
frequência e intensidade dos sintomas de
anosognosia através de um escore facilmente
aplicável à prática clínica; 2) Analisar a
viabilidade de um ponto corte capaz de
diferenciar os três grupos com base nos
sintomas de anosognosia; 3) Testar quais
variáveis
cognitivas
se
associam
à
anosognosia. Avaliamos 95 idosos (38 homens)
sendo 42 diagnosticados com CCL amnéstico,
37 com demência e 16 com depressão. A
média de idade foi de 77.09 anos (DP:7.17) e
de escolaridade 4,09 anos (DP:3.97). A
avaliação funcional contou com a escala de
Lawton para Atividades de Vida Diária
Instrumentais, e a neuropsicológica com o
exame da cognição geral (Mini-Exame do
Estado
Mental
MEEM),
habilidades
visioespaciais (Subescala de Construção da
Escala Mattis), funções executivas (Bateria de
Avaliação Frontal), linguagem (fluência verbal
semântica animais) e memória (Teste de
Aprendizagem Auditivo Verbal de Rey). Por
meio da análise de concordância (índice
Kappa para analisar a concordância de
diferentes aspectos da funcionalidade. Os
resultados mostraram boa confiabilidade em
pacientes com CCL (média dos índices de
Kappa=0.51) e depressão (0.61), mas baixa nos
pacientes
com
demência
(0.22).
Posteriormente desenvolvemos um índice de
discrepância (relato do cuidador-relato do
paciente) com base no relato dos sintomas
funcionais. Uma análise de variância simples
verificou diferença entre grupos no índice
F(2,92)=20.20, p<0.001. Comparações de post
hoc (LSD) indicam diferenças significativas
entre Demência e CCL (p<0,001); Demência x
Depressão (p<0.001), mas não entre depressão
e CCL (p:0,579) Os grupos CCL e Depressão
foram combinados, e comparados aos
pacientes com demência pela análise de
curva ROC. Os resultados foram significativos
(AUC:0.848, SE:0.04, p<0.001). O índice de
discrepância que obteve melhor sensibilidade
(78%) e especificidade (80%) foi o corte 1/2
(CCL+Depressão / Demência). Um modelo de
regressão linear múltipla stepwise investigou a
associação dos sintomas cognitivos com a
anosognosia nos pacientes com demência. O
mesmo foi significativo (F(1,34):4,71, p:0,037,
R2:0,12), tendo como único preditor o MEEM
(β:-0.265, p=0.037). Em síntese, o índice
proposto se mostrou uma medida clínica
simples e eficaz para diferenciar pacientes
com Demência de CCL e depressão. A
anosognosia na Demência se associa à
integridade cognitiva do paciente. Apoio
Financeiro: O trabalho foi realizado no Instituto
Jenny de Andrade Faria de Referência ao
Idoso, no Hospital das Clínicas da Universidade
Federal de Minas Gerais. Agradecimentos:
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado
de Minas Gerais (FAPEMIG): LINC- Laboratório
de Investigações em Neurociência ClínicaINCT-MM (FAPEMIG: CBB-APQ-00075-09), (APQ01972/12-10,
APQ-02755-10).
Conselho
Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico (CNPq): 573646/2008-2).
205
Responsável pelo Envio
Jenyfer Basilio de Melo
([email protected])
23-086- RECONHECIMENTO DA EXPRESSÃO
FACIAL NA DEMÊNCIA: UM ESTUDO
LONGITUDINAL
Melo BTM1; Dias R1; Belfort T1; Santos RL2;
Nogueira M1; Sousa MFB1; Simoes P3; Dourado
M1
1UFRJ - CDA/IPUB; 2UFRJ - IPUB/CDA; 3UFRJ ESS
O reconhecimento da expressão facial é um
dos vetores mais importantes para a cognição
social. Além de outros dados do ambiente e
da prosódia, as pistas faciais nos permitem
fazer inferências sobre o estado emocional dos
nossos interlocutores e a partir disso, modular a
nossa resposta comportamental. A habilidade
de perceber e expressar as emoções conta
com um sistema neurobiológico complexo
envolvendo várias regiões do cérebro. Porém,
não há consenso na literatura se o
processamento emocional ocorre de maneira
automática ou se aspectos cognitivos
influenciam esta habilidade .Neste trabalho,
investigamos se a capacidade de reconhecer
as emoções em pessoas com Doença de
Alzheimer (DA) leve apresenta prejuízo ao
longo do tempo e que fatores estariam
relacionados a esse prejuízo. Por meio de um
estudo longitudinal (momento linha de base e
seis meses após), avaliamos 30 pessoas com
DA e seus cuidadores por meio da Escala de
Avaliação do Impacto Psicossocial do
Diagnóstico de Demência (AIPD), Escala de
Qualidade de Vida na Doença de Alzheimer
(QdV-DA) – versão paciente e cuidador, MiniExame
do
Estado
Mental
(MEEM),
Estadiamento Clínico das Demências (CDR),
Escala Cornell de Depressão na Demência
(CORNELL), Inventário Neuropsiquiátrico (NPI),
Questionário
de
Atividades
Funcionais
(PFEFFER) e Inventário de Sobrecarga (ZARIT).
Para a avaliação do reconhecimento facial
das pessoas com DA foi utilizada uma tarefa
experimental dividida em quatro subtarefas
que incluem combinação de expressões com
uma figura estímulo, rotulação da emoção e
reconhecimento emocional de uma situação
estímulo. Foi utilizada a correlação de
Spearmanpara comparar o momento linha de
base (M1) e o segundo momento (M2) de
avaliação e para investigar a relação entre o
prejuízodo reconhecimento emocional e os
dados sociodemográficos e clínicos. A análise
de Regressão foi usada para identificar os
fatores que estavam associados ao prejuízo do
reconhecimento facial no M1 e M2 da
avaliação. Encontramos diferença significativa
entre os momentos 1 e 2 na tarefa de
reconhecimento situacional . Na Regressão
observou-se que o MEEM é fator preditor para
o prejuízo do reconhecimentoemocional, o
que sugere um recrutamento da cognição
para a compreensão de situações emocionais
mais complexas.A informação se a pessoa
com demência tem ou não alteração na
capacidade de reconhecer as emoções por
meio de pistas permite que os cuidadores,
familiares e profissionais optem por estilos de
comunicação mais adequados e inteligíveis no
manejo com as pessoas com demência.
Responsável pelo Envio:
Bianca Torres Mendonça de Melo
([email protected])
23-087- VALIDAÇÃO CLÍNICA DE UMA
BATERIA BREVE DE TESTES DE RASTREIO PARA
DIAGNOSTICO PRECOCE DE DEMÊNCIA EM
CLÍNICA GERIÁTRICA DE HOSPITAL PÚBLICO
Miranda CV1; Mograbi D1; Santos LCM2;
Fernandes CF3; Fichman H1
1Pontificia Universidade Catolica-Rj - Pos
Graduaçao de Psicologia; 2Universidade
Federal da Paraíba - Departamento de Pos
Graduação de Psicologia; 3Universidade
Estadual Do Rio de Janeiro - - Departamento
de Pos Graduação de Psicologia
Atualmente o envelhecimento populacional é
um fenômeno mundial, e o prolongamento da
vida é uma realidade de qualquer sociedade.
A transição para o envelhecimento não pode
ser exclusivamente explicada por fatores
biológicos, mas também pelas condições de
gênero, socioeconômicas, culturais, científica,
entre outros. . Portanto entender o processo do
envelhecimento
apresenta
relevância
206
acadêmica e clínica, pois o envelhecimento
se refere à etapa que os indivíduos adultos
saudáveis
adquirem
uma
maior
vulnerabilidade orgânica, predispondo-os mais
facilmente a patologias. Entre as patologias
mais frequentes nesta etapa de vida está a
demência e a prevalência aumentando com
a idade, principalmente após os 75 anos, com
uma prevalência de 20% ou mais depois dos 85
anos. O sintoma inicial necessário para se fazer
o
diagnóstico
de
demência
é
o
comprometimento da memória e o seu
impacto na vida do sujeito. Contudo, a
confirmação da alteração cognitiva é feita
com o auxílio da avaliação neuropsicológica,
principalmente nas fases iniciais.Portanto o
objetivo da atual pesquisa é a validação
clínica
de
uma
bateria
de
testes
neuropsicológicos para rastreio de diagnóstico
precoce de demência de idosos atendidos em
um ambulatório de geriatria do hospital
público no estado do Rio de Janeiro. Metodos:
foram investigados 50 idosos, que virão para
uma consulta médica com diagnóstico
clinicamente provável de Demência (DSM-IV)
e 50 idosos com envelhecimento normal. Os
insttrumentos utilizados foram: Mini Exame do
Estado Mental (MEEM) ; Teste de Memória de
Figuras; Desenho do Relógio;Fluência verbal:
Escala de atividades da vida diária Lawton;
Escala de atividades da vida diária índice de
Katz. Os dados foram analisados com
metodologia quantitativa. Os pontos de corte
para cada variável foram gerados pela análise
das curvas ROC. O modelo diagnóstico
utilizando a bateria breve foi proposto a partir
da análise de regressão logística, que gerando
uma equação que determina a probabilidade
de cada sujeito apresentar o diagnóstico
clinicamente
provável
de
demência.
Resultados: Não houve diferenças significativas
entre os grupos em termos de idade,
escolaridade
e
gênero.
Pessoas
com
demência
obteve
desempenho
significativamente pior em todos os testes
cognitivos, com exceção do teste do relógio.
Não houve diferenças significativas entre os
grupos de auto-relatados das atividades
instrumentais e básicas da vida diária. Os
resultados das análises ROC indicou que
memória tardia e outras medidas de memória
foram os mais discriminativos para identificar
pessoas
com
demência
e
controles.Conclusão: Nossa bateria cognitiva
breve é precisa na identificação de pessoas
com
demência.
Numa
amostra
com
escolaridade
heterogênea,
perda
de
memória, tal como determinado por testes
cognitivos,
marcou
relevância
diagnóstica.Contato:
[email protected]
Responsável pelo Envio:
Cristina Vieira Miranda
([email protected])
23-088- AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA
COMO AUXÍLIO NO DIAGNÓSTICO DE
SÍNDROMES
DEMENCIAIS:
SOMANDO
CONHECIMENTOS PARA MELHORAR O
DIAGNÓSTICO E O TRATAMENTO
Silva DP1; Souza DC1; Zampier ALL1; Barroso
SM1
1Universidade Federal do Triângulo Mineiro –
Psicologia
A avaliação neuropsicológica aplicada às
demências é um procedimento que investiga
as funções cognitivas e práxicas, buscando
identificar distúrbios de atenção, memória e
sensopercepção e alterações cognitivas
relacionadas às demências. Sua realização é
geralmente solicitada por profissionais de
saúde, como médicos geriatras, neurologistas,
psiquiatras, psicólogos, fisioterapeutas e
fonoaudiólogos, sendo usada para nortear
diagnóstico diferencial e avaliação de
distúrbios cognitivos e emocionais. Auxilia
também no diagnóstico diferencial de
depressão e de reabilitação. A avaliação
utiliza testes neuropsicológicos e psicológicos
específicos,
de
relevância
clínica
e
padronizados para o Brasil. A definição de que
instrumentos usar é feita considerando as
características do avaliado (idade, sexo,
escolaridade, condições físicas, etc.), os
objetivos da avaliação e o tempo disponível
para
realiza-la.
Considerando
essas
características, o presente trabalho discute a
relevância da realização de avaliações
neuropsicológicas como parte do processo
diagnóstico de possíveis processos demenciais
207
em
indivíduos
que
frequentavam
o
ambulatório de Neurologia do Hospital de
Clínicas da Universidade Federal do Triângulo.
Foram avaliadas 25 pessoas, por meio da
solicitação de seus neurologistas ou por
convite
das
estagiárias
de
Psicologia
vinculadas a um projeto de extensão em
Neuropsicologia. A avaliação tinha duração
média de uma hora, envolvendo uma breve
entrevista e a aplicação de provas clínicas e
testes neuropsicológicos. Na bateria de
avaliação utilizou-se Mini-Exame do Estado
Mental; Teste do Desenho do Relógio; a
bateria neuropsiquiátricas CERAD, composta
pelo Escore Isquêmico de Hachinski, Teste de
nomeação de Boston, Escala de Depressão
Geriátrica (EDG), Teste de Fluência Verbal,
Teste de Recordação Imediata e Tardia,
Aprendizagem e Reconhecimento e Teste de
Habilidade Construtiva. Para pessoas abaixo
dos 60 anos a EDG foi substituída pela PHQ-9.
Todos os resultados das avaliações foram
devolvidos para os avaliados e disponibilizados
para os médicos solicitantes, mediante
autorização dos avaliados. Em algumas
avaliações foi possível perceber perdas
cognitivas e para estes casos foi indicada uma
reabilitação neuropsicológica, oferecida pelo
período de quatro meses, de forma gratuita,
pelas próprias estagiárias de psicologia.
Aqueles que tiveram interesse na reabilitação
passaram a receber acompanhamento
semanal
e
tarefas
diárias
a
serem
desenvolvidas
em
casa,
focando
na
preservação das habilidades cognitivas ainda
preservadas e na minimização dos danos das
capacidades comprometidas. A partir desse
trabalho foi possível concluir sobre a utilidade
da
avaliação
neuropsicológica
para
diagnóstico de síndromes demenciais e sobre
a importância de trabalhar de forma
interdisciplinar
diante
de
quadros
de
demências. Apoio Financeiro: PROEXT/MEC.
Responsável pelo Envio:
Debora Prado da Silva
([email protected])
23-089-A- ANÁLISE DO BIOMARCADOR 18FFDG PET/CT NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
DO COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE E
DA DOENÇA DE ALZHEIMER: AVALIAÇÃO
POR REGIÕES DE INTERESSE.
Jonas Jardim de Paula1,2,3, Fernanda
Monteiro de Castro Carvalho2, Breno Satler
Diniz1,2,4,
Marcelo
Mamede2,5,
Laiss
Bertola1,2, Rafela Teixeira Ávila1,2, Maria
Aparecida Camargos Bicalho2,6, Edgar Nunes
de Moraes6, Débora Marques de Miranda2,7,
Marco Aurélio Romano-Silva2,3, Leandro
Fernandes Malloy-Diniz1,2,3
1 – Laboratório de Investigação em
Neurociência Clínica – INCT em Medicina
Molecular – Universidade Federal de Minas
Gerais
2 – Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia
em Medicina Molecular – Universidade Federal
de Minas Gerais
3 – Departamento de Psicologia – Faculdade
de Ciência Médicas de Minas Gerais
4 – Departamento de Saúde Mental –
Universidade Federal de Minas Gerais
5
–
Departamento
de
Radiologia
–
Universidade Federal de Minas Gerais
6 – Departamento de Clínica Médica –
Universidade Federal de Minas Gerais
7 – Departamento de Pediatria – Universidade
Federal de Minas Gerais
A análise de biomarcadores é um aspecto
essencial para a compreensão, diagnóstico e
previsão do curso clínico da Doença de
Alzheimer (DA). A separação categórica entre
o quadro demencial e, o Comprometimento
Cognitivo Leve Amnéstico (CCL), considerado
um estágio que antecede a síndrome
demencial, permite a identificação de quais
fatores são candidatos à preditores de
conversão entre as duas condições. O
Metabolismo de glicose pelo cérebro em
repouso é um biomarcador adotado para tal
propósito. O presente estudo objetiva analisar
a precisão do 18F-FDG PET/CT (tomografia por
emissão de pósitron com marcador para
glicose) no o diagnóstico diferencial do CCL e
da DA. Analisamos as imagens de 63 idosos (33
com CCL e 30 com DA. Os participantes foram
diagnosticados por uma equipe multidisciplinar
de especialistas, com base em dados clínicos,
exame neuropsicológico, neuroimagem e
exames laboratoriais. Com base na análise de
208
regiões de interesse (ROI), foram avaliados o
metabolismo das regiões Frontal, Frontal
Medial, Temporal, Parietal, Parietal Medial,
Occipital, Visual, Sesnsóriomotora, Cíngulo
Anterior, Cíngulo Posterior e Núcleo Caudado,
bilateralmente. Os padrões metabólicos foram
definidos com base no metabolismo do
cerebelo e posteriormente transformados em
escores padrão (Z) om base em um banco de
dados de idosos saudáveis estratificados por
idade. Escores mais baixos dizem de maior
metabolismo de glicose, enquanto escore mais
altos de menor metabolismo. Usamos análise
discriminante (em um modelo stepwise para
reduzir a colinearidade) para avaliar o
potencial do 18F-FDG PET/CT na separação de
grupos.
Análises
univariadas
sugerem
diferenças nas ROI Temporal (bilateral), Frontal
(Esquerda), Cíngulo Posterior (Bilateral), Parietal
Medial
(Bilateral),
Visual
(Esquerda)
e
Associação (Bilateral), todas a p<0.05. As ROI
significativas no modelo geral foram o Cíngulo
Posterior Esquerdo (Λ(1,63)=0.875, p=0.004) no
passo 1, e a adição da ROI Visual Esquerda
(Λ(1,63)=0.802, p=0.001) no passo dois. Em
conjunto apresentam magnitude de efeito
baixa-moderada (Λ=0.802, χ=13.27, p=0.001),
respondendo
por
19.8%
da
variância
encontrada. A análise classificou corretamente
73% da amostra, (CCL=76% e DA=70%),
apresentando
sensibilidade
de
74%,
especificidade de 72%, valor preditivo positivo
de 76% e valor preditivo negativo de 70%. A
análise de Curva ROC das duas ROI, sugere o
ponto de corte de 0.75 como o que melhor
equilibra sensibilidade e especificidade para o
metabolismo do Cíngulo Posterior Esquerdo e
0.30 para o metabolismo da Região Visual
Esquerda. Os resultados sugerem que o 18FFDG PET-CT apresenta acurácia moderadabaixa para distinção entre as duas condições.
Eles corroboram outros achados da literatura
que sugerem regiões posteriores à esquerda
como as mais sensíveis à alterações no
metabolismo de glicose no CCL e na DA.
Estudos futuros, partindo desses resultados,
abordarão o papel do metabolismo dessas
regiões como preditor de conversão entre o
CCL e o DA, em uma perspectiva longitudinal.
23-090PERFIL
DE
INTRUSÕES
NA
APRENDIZAGEM
VERBAL
E
SEUS
CORRELATOS COGNITIVOS EM PACIENTES
COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER
Freire JB1; Malloy-Diniz LF2; De Paula JJ3;
Moraes EN4
1Universidade Federal de Minas Gerais Medicina Molecular; 2Ufmg - Psiquiatria;
3Faculdade de Ciências Médicas de Minas
Gerais, Belo Horizonte, Brasil. - Departamento
de Psicologia; 4Faculdade de Medicina,
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte MG, Brasil. - Departamento de Saúde
Mental
Objetivos: As intrusões nos testes de memória
verbal são consideradas marcadores clínicos
de quadros demenciais e outras síndromes que
cursam com sintomas de amnésia. A despeito
de sua interpretação ser frequente na prática
clínica, de forma qualitativa, poucos estudos
as analisaram de forma sistemática. O
presente
trabalho
visa
caracterizar
a
frequência e tipos de intrusões em uma tarefa
de aprendizagem verbal cometidas por
pacientes com Alzheimer e analisar seus
correlatos cognitivos. Foram avaliados 34
pacientes com Alzheimer em fase inicial
diagnosticados por uma equipe multidisciplinar
em um centro de referência. Os pacientes
realizaram o teste de Aprendizagem AuditivoVerbal de Rey (RAVLT) e suas intrusões foram
registradas e classificadas por consenso nas
categorias semântica, fonêmica, recorrente,
associação livre, listas anteriores e sem
relação, conforme sistematização proposta na
literatura. Como outras medidas cognitivas,
foram utilizadas a Bateria de Avaliação Frontal
(FAB), Span de Dígitos na Ordem Inversa (DSI)
Inverso, o Mini Exame do Estado Mental
(MEEM), subescala de Memória da Escala
Mattis Mattis (Mattis-M), Teste de Construção
com Palitos, Tempo de leitura do Teste dos 5
Dígitos e Escore Total do TN-LIN (teste de
nomeação). A Escala de Depressão Geriátrica
(GDS-15) foi usada como medida de sintomas
depressivos. A frequência das intrusões foi
avaliada por estatística descritiva e a
associação
com
outras
medidas
neuropsicológicas por correlações de natureza
209
exploratória e modelos de regressão linear. As
intrusões ocorreram em 94% dos pacientes. Os
erros mais frequentes foram dos tipos
recorrentes (28%) e semânticos (28%), seguidos
de listas anteriores (21%), sem relação (11%),
fonêmica
(11%)
e
associação
livre
(1%).Encontramos correlações entre intrusões
recorrentes com o MEEM (r=0.352; p=0.041),
FAB (r=0.415, p=0.015), Total de palavras do
RAVLT (r=0.381, p=0.026) e Mattis-M (r=0.339,
p=0.050). Intrusões do tipo Listas Anteriores
foram associadas à GDS-15 (r=-0.389, p=0.023)
e DSI (r=0.384; p=0.025). Além disso, houve
correlação entre o total de intrusões com a
FAB (r=0.413; p=0.015) e o total de palavras do
RAVLT (r=0.432; p=0.011). O modelo de
regressão linear múltipla para a variável
recorrentes foi significativo (F=6.64, p<0.01;
R²=17%), tendo a FAB como único preditor
(β=0.44; p<0.01). O modelo para intrusões do
tipo listas anteriores também foi significativo
(F=5.53; p=0.025; R²=14%), tendo por preditor a
variável DSI (β=0.38; p<0.025). Os resultados
sugerem que as intrusões são muito comuns
em pacientes com Alzheimer, sobretudo as de
natureza recorrente e semântica. Variáveis
relacionadas às funções executivas foram os
principais preditores do fenômeno. Contato:
[email protected]
23-091- RUPTURA DO SISTEMA SEMÂNTICO
NO
ENVELHECIMENTO
PATOLÓGICO:
EVIDÊNCIAS DA TAREFA DE FLUÊNCIA
VERBAL SEMÂNTICA
Bertola L1; Romano-Silva MA2; Lima MLC3; Diniz
BSO4; Malloy-Diniz LF4
1Laboratório
de
Investigações
em
Neurociência
Clínica
(LINC-INCT-MM)
Universidade Federal de Minas Gerais; 2INCT
de Medicina Molecular da Universidade
Federal de Minas Gerais - Departamento de
Saúde Mental da Universidade Federal de
Minas Gerais; 3Universidade Federal de Minas
Gerais - Faculdade de Letras; 4Laboratório de
Investigações em Neurociência Clínica (LINCINCT-MM) - Departamento de Saúde Mental
da Universidade Federal de Minas Gerais
Idosos com Comprometimento Cognitivo Leve
(CCL) e Demência de Alzheimer (DA)
apresentam comprometimento na tarefa de
fluência verbal semântica, não só devido a
uma menor capacidade em acessar as
informações, mas também por uma ruptura do
sistema semântico. É uma tarefa de simples e
rápida aplicação, onde o sujeito é solicitado a
produzir palavras pertencentes a uma
determinada categoria em um intervalo de
um minuto, e o escore padrão utilizado é o
total de palavras corretas produzidas,
excluindo erros e repetições. O objetivo do
presente estudo foi analisar a rede semântica
construída através da tarefa de fluência verbal
semântica, categoria animais, em três grupos
de idosos. A amostra foi composta por 15
idosos controles, 15 idosos com CCL e 15 idosos
com DA. Foram realizadas as seguintes análises
estatísticas para os dados socio-demográficos
e o escore usual de palavras corretas
produzidas dessa tarefa, visto a distribuição
não-paramétrica da amostra: Kruskall-Wallis
para amostras independentes, o U de MannWhitney para duas amostras independentes,
com significância estatística estabelecida em
0.05. As análises Pathfinder permitiram
comparar a similaridade as redes semânticas
construídas
pelos
grupos
através
de
proximidades entre pares de palavras. Os
grupos não diferiram em fatores sociodemográficos como idade, escolaridade e
sexo, mas diferiram no escore de palavras
corretas produzidas, sendo os controles quem
mais produzem palavras corretas, seguidos dos
CCL e em seguida os DA. Os animais comuns
selecionados
foram
controlados
por
frequência no idioma e compuseram as redes
semânticas. As análises de rede demonstram
que os grupos controle e CCL possuem redes
semânticas similares, porém com um índice de
similaridade desprezível, enquanto que as
redes entre controles e DA, e CCL e DA são
diferentes. Nossos resultados sugerem que a
ruptura do sistema semântico é visível no grupo
com demência, possível fator influenciador no
desempenho inferior no total de palavras
corretas desse grupo. Observamos também
que a similaridade da rede entre controles e
CCL ocorreu devido a poucos pares de
animais relacionados de forma aleatória,
devido ao similar número de exemplares
produzidos pelo grupo clínico em questão,
210
quando comparado aos controles, o que
tornou uma rede pouco similar significativa. O
presente estudo necessita ser replicado com
amostras maiores para que a similaridade
entre o grupo controle e CCL possa ser
verificada. No entanto, evidenciamos que
uma análise de rede semântica pode
contribuir
para
o
entendimento
do
comprometimento semântico durante o
envelhecimento patológico. Apoio Financeiro:
CAPES
Responsável pelo Envio:
Laiss Bertola de Moura Ricardo
([email protected])
23-092- FLUÊNCIA VERBAL SEMÂNTICA:
MEDIDAS DE CLUSTERING E SWITCHING, E O
PAPEL
CENTRAL
DAS
NOVAS
SUBCATEGORIAS
Bertola L1; Romano-Silva MA2; Lima MLC3; Diniz
BSO4; Malloy-Diniz LF4
1Laboratório
de
Investigações
em
Neurociência
Clínica
(LIN-INCT-MM)
Universidade Federal de Minas Gerais; 2INCT
de Medicina Molecular da Universidade
Federal de Minas Gerais - Departamento de
Saúde Mental da Universidade Federal de
Minas Gerais; 3Universidade Federal de Minas
Gerais - Faculdade de Letras; 4Laboratório de
Investigações em Neurociência Clínica (LINCINCT-MM) - Departamento de Saúde Mental
da Universidade Federal de Minas Gerais
A tarefa de fluência verbal semântica é
amplamente
utilizada
na
avaliação
neuropsicológica de idosos. É uma tarefa de
simples e rápida aplicação, onde é necessário
produzir palavras pertencentes a uma
determinada categoria em um minuto. O total
de palavras corretas produzidas, isto é,
excluindo erros e repetições, é o escore
padrão utilizado. Estudos internacionais que
buscaram investigar detalhes dessa tarefa,
sensível ao déficit cognitivo em idosos,
utilizaram medidas de clustering e switching e
identificaram diferenças entre indivíduos com
envelhecimento normal, Comprometimento
Cognitivo Leve e Demência de Alzheimer. Este
estudo comparou 100 idosos (25 controles; 25
Comprometimento Cognitivo Leve amnésico -
CCLa; 25 Comprometimento Cognitivo Leve
amnésico de múltiplos domínios - CCLamd e 25
idosos com Demência de Alzheimer - DA) nos
escores usuais da referida tarefa, categoria
animais, bem como medidas de clustering e
switching, além de em uma medida de
cognição geral (Mini Exame do Estado
Mental). Foram realizadas as seguintes análises
estatísticas,
visto
a
distribuição
nãoparamétrica da amostra: Kruskall-Wallis para
amostras independentes, o U de MannWhitney para duas amostras independentes, a
magnitude de efeito r e a ROC para a área
sob a curva. A significância estatística foi
estabelecida em 0.05. Os quatro grupos não
diferiram em idade e escolaridade. Os grupos
apresentaram diferentes desempenhos no
total de palavras corretas produzidas e no
número de novas subcategorias, com
exceção
dos
dois
grupos
de
Comprometimento Cognitivo Leve onde
nenhuma diferença foi encontrada. As
diferenças encontradas entre as medidas de
número de clusters e número de switches
ocorreram entre o grupo controle e os grupos
com CCLamd e DA, enquanto que entre os
grupos clínicos apenas os grupos CCLa e DA
diferiram
nessa
medida.
Não
foram
encontradas diferenças no tamanho médio
dos
clusters
e
nas
novas
variáveis
desenvolvidas pelos autores, como número de
clusters desenvolvidos e tamanho médio
desses,
que
apresentaram
apenas
significância marginal quando comparados os
grupos controle e DA. As análises da área sob
a curva demonstraram que além da medida
tradicional de total de palavras corretas
produzidas, a variável de novas subcategorias
apresenta
moderadas
áreas
quando
discrimina os grupos, por vezes com valores
superiores ou similares ao total de palavras
corretas e a medida de cognição geral.
Nossos resultados sugerem que uma das
medidas de clustering e switching mais
sensíveis as diferenças entre os grupos foi a de
novas subcategorias, indicando que um
comprometimento da memória semântica
pode ser um déficit visível e recente, que pode
contribuir para a diferença entre os grupos
mesmo em indivíduos que apresentam um sutil
211
comprometimento cognitivo. Apoio Financeiro:
CAPES
Responsável pelo Envio:
Laiss Bertola de Moura Ricardo
([email protected])
23-093- HIPOMETABOLISMO CEREBRAL E
FLUÊNCIA VERBAL SEMÂNTICA EM IDOSOS
Bertola L1; Avila RT2; De Paula JJ3; Bicalho
MAC4; Mamede M5; Romano-Silva MA6; Diniz
BSO7; Malloy-Diniz LF8
1Laboratório
de
Investigações
em
Neurociência
Clínica
(LIN-INCT-MM)
Universidade Federal de Minas Gerais;
2Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Investigações em Neurociência
Clínica; 3Faculdade de Ciências Médicas de
Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil. Departamento de Psicologia; 4Universidade
Federal de Minas Gerais - Departamento de
Clínica Médica; 5Universidade Federal de
Minas Gerais - Faculdade de Medicina; 6INCT
de Medicina Molecular da Universidade
Federal de Minas Gerais - Departamento de
Saúde Mental da Universidade Federal de
Minas Gerais; 7Laboratório de Investigações
em Neurociência Clínica (LINC-INCT-MM) Departamento
de
Saúde
Mental
da
Universidade Federal de Minas Gerais;
8Departamento
de
Saúde
Mental
da
Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Investigações em Neurociência
Clínica (LINC-INCT-MM)
Durante o envelhecimento saudável o cérebro
sofre alterações entre as quais, é possível
detectar
hipometabolismo
cerebral
de
determinadas regiões cerebrais. Em idosos
com envelhecimento patológico, o padrão de
hipometabolimo tende a ser acentuado,
correlacionando com o declínio cognitivo
apresentado. A tarefa de fluência verbal
semântica é bastante sensível aos déficits
iniciais presentes em quadros como o
Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) e
Demência de Alzheimer (DA). É uma tarefa de
simples e rápida aplicação, onde o sujeito é
solicitado a produzir palavras pertencentes a
uma determinada categoria em um intervalo
de um minuto. O objetivo do presente estudo
foi
verificar
a
correlação
entre
o
hipometabolismo cerebral de determinadas
regiões cerebrais e o desempenho na tarefa
de fluência verbal semântica, categoria
animais, em um grupo de idosos provenientes
do Centro de Atenção à Saúde do Idoso
Jenny Faria. A amostra foi composta por 64
idosos, sendo 2 controles, 31 idosos com CCL e
29 idosos com DA. Todos os participantes
realizaram a avaliação neuropsicológica,
incluindo medidas do estado cognitivo global
e a tarefa alvo, e exame de PET/CT para
aferição do hipometabolismo cerebral. Para as
análises foi considerada a amostra sem
discriminação de grupos, dado o continum de
degeneração comumente encontrado entre
os quadros, e para que um maior poder
estatístico pudesse ser atingido. Foi realizado
uma correlação parcial, que considerou como
variáveis de controle a idade, escolaridade,
estado cognitivo global e sintomas depressivos.
Os resultados demonstraram que o total de
palavras corretas produzidas na tarefa de
fluência verbal semântica se correlaciona com
principalmente com estruturas cerebrais a
esquerda, sendo elas o lobo temporal
(p=0.033), o parietal medial (p=0.046) e a área
associativa (p=0.034). Correlações com o
parietal direito (p=0.028) e temporal direito
(p=0.043)
também
foram
encontradas.
Correlações marginais foram observadas com
as seguintes regiões: parietal esquerdo
(p=0.055), frontal esquerdo (p=0.054), giro do
cíngulo posterior esquerdo (p=0.079), frontal
medial
esquerdo
(p=0.070)
e
o
hipometabolismo global (p=0.055). Nossos
resultados demonstram que, conforme o
esperado, a tarefa apresenta relação com o
funcionamento
de
regiões
cerebrais,
predominantemente à esquerda, envolvendo
áreas já correlacionadas ao funcionamento
da memória semântica. Outro importante
resultado é a correlação marginal com o
hipometabolismo global, sinalizando que essa
tarefa parece ser sensível ao déficit de
funcionamento cerebral global, o que é
compatível com estudos que demonstram a
sensibilidade dessa tarefa aos quadros
neurodegenerativos relatados e que compõe
a amostra. Apoio Financeiro: CAPES; FAPEMIG
Responsável pelo Envio:
212
Laiss Bertola de Moura Ricardo
([email protected])
23-094- EFFICACY OF CHOLINESTERASE
INHIBITORS
IN
THE
TREATMENT
OF
PARKINSON’S
DISEASE
DEMENTIA:
A
SYSTEMATIC REVIEW AND META-ANALYSIS.
Pinho MM1; Menezes LML2; Melo AS2
1Universidade
Federal
da
Bahia
Neurociencias; 2Universidade Federal da Bahia
Departamento
de
Neurologia
e
Epidemiologia
Introduction: Dementia is frequently associated
with Parkinson’s disease, especially in later
stages. The efficacy of cholinesterase inhibitors
(ChI) in dementia associated with Parkinson’s
disease (PDD) remains controversial. The
objective of this systematic review and metaanalysis was to assess the effects of ChI in PDD.
Methods: A comprehensive literature search
was performed up to May 2012 using the
descriptors “Parkinson’s disease”, “dementia in
Parkinson’s
disease”,
“cognition”,
“acetylcholinesterase
inhibitors”,
“cholinesterase inhibitors”, “anticholinesterase
agents”, “rivastigmine”, “donepezil” and
“galantamine” (Pubmed search strategy). All
randomized,
double-blinded,
placebocontrolled trials that met the eligibility criteria
and assessed the effects of ChI in PDD were
considered for analysis. Summary effect-sizes
were presented as standardized mean
differences (SMD) and the pooled analysis was
performed with a fixed-effects model.
Outcomes considered for analysis were the
Mini Mental Status Exam (MMSE) score and the
cognition scale for evaluation of dementia
ADAS-Cog. The degree of heterogeneity
between included studies was assessed
through the I2 test. Results: After a
comprehensive search, 169 references were
retrieved. From these, four randomized trials
involving 591 PDD subjects were included in the
review. The pooled analysis of four studies that
assessed the effects of ChI in MMSE total score
showed a SMD of 1.03 (CI 95% 0.40-1.66). Two
studies considered the effects of ChI on AdasCog and the pooled results showed a SMD of
0.29 (CI 95% 0.10-0.47). There was no significant
heterogeneity
between
the
studies.
Conclusions: The results of this systematic review
and meta-analysis suggest that ChI improve
cognitive impairment in PDD subjects. Despite
statistically significant, the translation of these
results into relevant clinical improvement should
be taken with caution, as the studies did not
address what would be considered a clinically
significant result. Apoio Financeiro: CNPq
Responsável pelo Envio:
Marina Martorelli Pinho
([email protected])
23-095- DOENÇA DE PARKINSON: SINTOMAS
DE DEPRESSÃO E DE ANSIEDADE INTERFEREM
NA IMPULSIVIDADE, MAS NÃO NAS
FUNÇÕES EXECUTIVAS.
Fonoff FMC1; Fonoff ET2; Barbosa ER3;
Quaranta T4; Machado RB4; Andrade DC3;
Teixeira MJ3; Fuentes D4
1Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo. - LINEU;
2Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo Departamento de Neurologia; 3Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo Departamento de Neurologia; 4Instituto de
Psiquiatria,
Faculdade
de
Medicina,
Universidade de São Paulo - LINEU
Introdução: A depressão e a ansiedade são
muitas vezes morbidades associadas com a
doença de Parkinson (DP). Recentes estudos
debatem sobre como transtornos afetivos
podem influenciar a cognição de pacientes
com DP. Nosso objetivo é investigar como a
depressão e a ansiedade afetam funções
executivas
específicas
e
traços
de
impulsividade desses pacientes. Métodos:
Vinte e oito pacientes com DP avançada e 28
voluntários saudáveis estreitamente pareados
(VS) foram avaliados quanto a sintomas
depressivos e de ansiedade, utilizando escalas
de Hamilton para Ansiedade (HAM-A) e
Depressão (HAM-D), impulsividade pela escala
de impulsividade de Barratt (BIS -11), função
executiva usando Wisconsin Card Sort Test
(WCST), e controle da atenção e resposta
comportamental
utilizando
Conners’
Continuous
Performance
Test
(CPT-II).
213
Resultados: Em comparação com o grupo VS,
o
grupo
DP
apresentou
respostas
perseverativas significativamente aumentadas
(p= 0.037) e lentidão para se adaptar às
mudanças
em
estímulos
ambientais,
aumentando o tempo de reação para a
mudança de intervalo inter-estímulo (p= 0.005).
Os
sintomas
de
depressão
estão
significativamente
correlacionados
à
impulsividade motora (r= 0.621, p <0.001) e o
total de BIS-11 (r= 0.488, p= 0.008). Além disso,
houve correlação significativa entre os
sintomas de ansiedade e impulsividade
atencional (r= 0.450, p= 0.016) e total de BIS-11
(r= 0.485, p= 0.009). A análise de correlação
entre o total de pontuação BIS-11 e CPT-II
indicam uma correlação positiva em Erro por
impulsividade (r = 0.454, p= 0.015) e uma
correlação negativa com o tempo de reação
(r = -0.537, p= 0.003) e detectabilidade (r = 0.375, p= 0.043) no grupo de DP. Conclusões:
Estes resultados sugerem que a impulsividade é
altamente influenciada pelos sintomas de
depressão e ansiedade, no entanto, não
aumentam o declínio das funções executivas
presentes em pacientes com DP. Esta pesquisa
sugere, ainda, que os erros por impulsividade
não são causados somente por uso
inapropriado do tempo, mas também pelo
processamento incompleto da informação. A
dificuldade do paciente DP em distinguir o
estímulo do não-estímulo pode corroborar com
o aumento do erro por impulsividade.
Responsável pelo Envio:
Fernanda Mara Colucci Fonoff
([email protected])
23-096- ASPECTOS PSICOBIOLÓGICOS DA
PERSONALIDADE
NA
DOENÇA
DE
PARKINSON: ESTUDO DO TEMPERAMENTO E
DO CARÁTER
Fonoff FMC1; Fonoff ET2; Barbosa ER3;
Quaranta T1; Teixeira MJ3; Fuentes D1
1Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo - LINEU;
2Instituto de Psiquiatria, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo Departamento de Neurologia; 3Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo Departamento de Neurologia
Introdução: Pacientes com doença de
Parkinson (DP) frequentemente experimentam
transtornos psiquiátricos, alterações cognitivas
e
traços
de
personalidade
distintos,
caracterizado como compulsivo, trabalhador,
introvertido, moralmente rígida, pontual, sério,
impassível e silencioso. Os sintomas de
Depressão e ansiedade são a morbidade
prevalente na doença de Parkinson (DP). No
entanto, estudos recentes debate se os traços
de
personalidade
depressivos
estão
associados
à
degeneração
das
vias
dopaminérgica encontrada em pacientes
com DP ou se resultam do próprio sintomas
depressivos presente na DP. Este estudo
investigou como os sintomas de depressão e
de ansiedade podem afetar os traços de
personalidade.
Métodos:
Vinte
e
oito
pacientes com DP e 28 voluntários saudáveis
pareados (HV) foram avaliados quanto a
sintomas depressivos e de ansiedade,
utilizando escalas de Hamilton para Depressão
(HAM-D) e Ansiedade (HAM-A) e a avaliação
de personalidade utilizando o Inventário de
Temperamento e Caráter de Cloninger (TCI).
Resultados: O grupo com os pacientes com DP
mostrou um aumento significativo em Esquiva
ao Dano (HA4, p = 0.003) e uma menor
pontuação
para
Dependência
por
Recompensa (RD4, p = 0.012), quando
comparado ao HV. Além disso, foram
exploradas as associações entre o traço de
personalidade e transtornos afetivos. O grupo
DP
apresentou
uma
forte
correlação
negativamente
significativa
entre
Auto
Direcionamento (SD2) e os escores de
depressão (r = -0.42, p = 0.025). Assim,
encontramos uma moderada correlação
negativamente significativa entre os SD 2 e
escores de ansiedade (r = -0.39, p = 0.04)
apenas no grupo PD. Conclusões: Os
resultados deste estudo sugerem que as
características
de
Temperamento
da
personalidade foram associadas diretamente
à doença de Parkinson em si, enquanto os
traços de Caráter da personalidade sofrem
maior influência dos sintomas de depressão e
ansiedade.
Responsável pelo Envio:
Fernanda Mara Colucci Fonoff
214
([email protected])
23-097- PACIENTE COM DOENÇA DE
PARKINSON SUBMETIDO À ESTIMULAÇÃO
CEREBRAL PROFUNDA UNILATERAL NO
NÚCLEO
SUBTALÂMICO:
AVALIAÇÃO
NEUROPSICOLÓGICA E QUALIDADE DE VIDA
- UM ESTUDO DE CASO
Borges KK1; Madalena TP2; Martins CGB2;
Miyazaki MCOS2; Oliveira FN3; Rocha CE3
1Fundaçao Faculdade de Medicina de Sao
Jose do Rio Preto (funfarme/famerp) Departamento de Psiquiatria e Psicologia;
2Faculdade de Medicina de São José do Rio
Preto - Psiquiatria e Psicologia Médica;
3Faculdade de Medicina de São José do Rio
Preto - Ciências Neurológicas
Estimulação cerebral profunda tem sido
utilizada para controlar alterações motoras e
melhorar qualidade de vida dos pacientes
com Doença de Parkinson (DP). Atualmente,
DBS em núcleo subtalâmico (STN) tem sido o
alvo
preferencialmente
escolhido
para
melhora motora e da qualidade de vida. O
procedimento tem sido associado com
declínio
cognitivo,
principalmente
na
linguagem e distúrbios psiquiátricos, assim
avaliou-se a influência do DBS em NST na
cognição e qualidade de vida. Foi realizado
um estudo de caso único, onde a escolha do
sujeito foi de forma aleatória, sendo sorteado
entre os pacientes candidatos para cirurgia de
implantação do DBS. O critério de exclusão foi
pacientes com demência ou déficit cognitivo
global. A avaliação neuropsicológica faz parte
do protocolo de investigação de queixas de
falhas cognitivas em pacientes que fazem
acompanhamento de distúrbio do movimento
em ambulatório de especialidades do hospital
escola participantes da pesquisa. O protocolo
de avaliação foi formado pelas seguintes
categorias: Teste de Aprendizagem AuditivoVerbal de Rey - RAVLT e Wechsler Memory
Scale Revised - WMS-R (avaliando memória),
Wechsler Adult Intelligence Scale -WAIS III
(Quociente Intelectual), Stroop Color e Trail
Making Test A and B (atenção), Hooper Test
(visuo percepção), Figura complexa de Rey
(visuo construção), Fluência verbal/semântica
e
Nomeação de Boston (linguagem),
Wisconsin Card Test e Fluência Verbal Fonética
(função executiva) e Parkinsons Disease
Quality of Life Questionnaire (PDQ-39)
(emocional). Os dados foram analisados
utilizando
testes
de
comparação
de
desempenho. Houve melhora estatisticamente
significativa no escore total e nas dimensões
de mobilidade e atividades de vida diária do
PDQ-39. Diferenças significativas não foram
encontradas na bateria cognitiva. DBS em SNT
melhorou a qualidade de vida no paciente
com DP sem trazer impacto negativo nas
funções cognitivas. Apoio Financeiro: Não se
aplica
Responsável pelo Envio:
Karina Kelly Borges
([email protected])
23-098- FLUTUAÇÕES NÃO MOTORAS ANSIEDADE E DEPRESSÃO - EM PACIENTES
COM DOENÇA DE PARKINSON QUE
APRESENTAM FLUTUAÇÕES MOTORAS DO
TIPO WEARING-OFF
Santos FC1; Margis R1; Rieder CRM1
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul –
HCPA
A maior parte dos pacientes com Doença de
Parkinson desenvolverá flutuações motoras
com a progressão da doença. Estas são
frequentemente incapacitantes e de difícil
manejo. Além das clássicas flutuações
motoras, sintomas de natureza não motora
também ocorrem. Entre as flutuações não
motoras os sintomas psíquicos são frequentes e
acarretam prejuízo importante na qualidade
de vida dos pacientes com doença de
Parkinson. Pouco se sabe sobre a taxa total de
ocorrência das flutuações não motoras
psíquicas entre estes pacientes. Este trabalho
pretende analisar flutuações nos escores de
ansiedade e depressão mensurados nos
diferentes períodos de flutuações motoras dos
pacientes portadores de Doença de Parkinson.
Foram avaliados pacientes com doença de
Parkinson que apresentavam flutuações
motoras do tipo fenômeno ‘wearing-off’,
definido como exacerbação dos sintomas
parkinsonianos antes da próxima dose de
215
levodopa. Foram incluídos somente indivíduos
alfabetizados, não-demenciados, capazes de
compreender a linguagem oral e que
concordaram em participar do estudo,
assinando
o
termo
de
consentimento
informado.
Todos
os
pacientes
foram
submetidos à coleta de dados baseada em
testes e escalas: Escala Unificada Para
Avaliação da Doença de Parkinson III,
Inventário de Beck para Depressão e IDATE S Teste de Ansiedade Estado. Foram avaliados
24 pacientes (11 homens e 13 mulheres). A
totalidade dos pacientes eram do estágio 1-3
da Escala de Estadiamento de Hoenh-Yahr. Os
escores do UPDRS motor variaram entre 1 e 27
na fase on e 22 e 58 na fase off. A média de
idade dos pacientes foi 60,7 ± 9,6. Houve
diferença significativa no escore de depressão
e de ansiedade entre o período on (m=13,9 e
m=40,0, respectivamente) e off (m=17,0 e
m=45,3, respectivamente); p<0,05 para ambas
as comparações. Os achados sugerem que há
uma influência das flutuações motoras sobre a
ansiedade e na depressão em pacientes com
Doença de Parkinson. Se as oscilações são
decorrente somente pela exacerbação dos
sintomas motores ou decorre dos níveis de
dopamina no SNC deve ser ainda elucidado.
Responsável pelo Envio:
Fabiane Caillava dos Santos
([email protected])
23-099- ASSOCIAÇÕES E DISSOCIAÇÕES DE
DESEMPENHOS EM TAREFAS DE MEMÓRIA
ENTRE
PACIENTES
APÓS
LESÃO
CEREBROVASCULAR
Mina Cs1; Rodrigues JC1; Becker N1; Trindade
At1; Berwig D1; Salles J F1
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Psicologia
Este trabalho analisou as habilidades e
dificuldades no processamento de memória
de adultos que sofreram acidente vascular
cerebral (AVC) unilateral em diferentes regiões
corticais e subcorticais. Participaram deste
estudo oito pacientes (quatro com lesão
cortical e quatro com lesão subcortical nas
regiões anteriores do cérebro), com idades
entre 49 e 70 anos e 4 a 14 anos de estudo
formal. Verificou-se o desempenho dos
participantes em tarefas de memória de
trabalho (Ordenamento Ascendente de
Dígitos e Span Auditivo de Palavras em
Sentenças),
verbal
episódico-semântica
(Imediata, Tardia e de Reconhecimento),
semântica de longo prazo, visual de curto
prazo e prospectiva, do Instrumento de
Avaliação Neuropsicolinguística Breve para
Afásicos Expressivos NEUPSILIN-Af. Foram
realizadas análises de série de casos,
considerando
déficit
os
escores
dos
participantes igual ou abaixo de -1,5 desviospadrão de seu grupo normativo. O caso com
pior desempenho nas tarefas de memória
apresentava lesão subcortical à esquerda, a
qual envolve áreas associativas com conexões
para regiões corticais anteriores. Os casos com
lesão nas regiões corticais frontais obtiveram
menores escores nas tarefas de memória
verbal episódico-semântica, corroborando a
importância desse lobo nos processos de
codificação e evocação. Os participantes
com lesão cortical à direita e subcortical à
esquerda apresentaram déficits em memória
semântica de longo prazo. Estas dificuldades
podem relacionar-se ao comprometimento do
processamento semântico associado ao
hemisfério cerebral direito e às regiões
subcorticais
esquerdas
associativas.
Os
achados do presente trabalho corroboram
estudos de neuroimagem funcional que
mostram ativação das áreas cerebrais
anteriores durante a execução de diferentes
tarefas de memória. Ainda, destaca-se a
importância de analisar o desempenho dos
adultos individualmente em tarefas de
memória, visto as associações e dissociações
encontradas de acordo com a modalidade
de memória mensurada e com os locais
específicos das lesões cerebrais.
Apoio
Financeiro:
DECIT/SCTIE/MS,
por
intermédio do CNPq, o apoio da FAPERGS e
SES/RS.
Responsável pelo Envio:
Camila Schorr Mina
([email protected])
23-100HÁBITOS
INFLUÊNCIA COMBINADA DE
DE LEITURA E ESCRITA E
216
ESCOLARIDADE
NO
DESEMPENHO
COGNITIVO DE PACIENTES PÓS-ACIDENTE
VASCULAR CEREBRAL
Branco LD1; Cotrena C2; Cardoso CO2;
Fonseca RP3
1Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Psicologia; 2 - ; 3Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul Professora Adjunta da Faculdade de Psicologia
e do Programa de Pós-Graduação em
Psicologia
(Cognição
Humana).
Coordenadora do Grupo de Neuropsicologia
Clínica Experimental (GNCE).
Prejuízos neuropsicológicos são frequentes
após acidente vascular cerebral (AVC), e estas
sequelas estão fortemente relacionadas a
fatores individuais e socioculturais de cada
paciente, como sua idade e escolaridade. A
frequência de hábitos de leitura e escrita
(FHLE)
é
uma
medida
intimamente
relacionada ao impacto da escolaridade e da
estimulação cognitiva diária na cognição. No
entanto, a influência desta variável nas
funções cognitivas de pacientes pós-AVC tem
sido pouco estudada. Assim, este estudo visou
a investigar o papel da FHLE na cognição de
pacientes
pós-AVC,
relacionando-a
ao
impacto da escolaridade. Participaram do
estudo 52 pacientes pós-AVC (n=26 mulheres)
com idades de 20 a 85 anos, e 1 a 20 anos de
escolaridade. Trinta pacientes apresentavam
AVC de hemisfério direito e 21 de hemisfério
esquerdo. Foram avaliados por questionário
sociodemográfico, Mini-exame do Estado
Mental
(MEEM),
além
dos
seguintes
instrumentos neuropsicológicos: Span de
Palavras em Sentenças do NEUPSILIN, Hayling
Test, Teste Wisconsin de Classificação de
Cartas Modificado (MCWST) e Teste de
Cancelamento dos Sinos 1 (TS1). Os
participantes foram divididos em quatro grupos
da seguinte forma: 1) baixa escolaridade,
baixa FHLE(n=14); 2) baixa escolaridade, alta
FHLE(n=8); 3) alta escolaridade, baixa
FHLE(n=12);
4)
alta
escolaridade,
alta
FHLE(n=17). As diferenças no desempenho
neuropsicológico
entre
grupos
foram
investigadas por ANCOVA, controlando o
efeito de idade e escore no MEEM.
Participantes no grupo 1 demonstraram
desempenho pior que o grupo 4 no Span de
Palavras em Sentenças. O número de
distratores
cancelados
no
TS1
foi
significativamente maior no grupo 2 do que
nos outros três grupos, com a maior diferença
nesta variável sendo encontrada entre os
grupos 2 e 4. O número de erros na parte B do
Teste Hayling foi maior no grupo 1 do que no
grupo 4, assim como o número de erros
perseverativos no MWCST. Ainda, o número de
categorias completas neste teste foi menor no
grupo 1 do que no grupo 4. Estes resultados
sugerem que a FHLE pode ter impacto
significativo na cognição, e potencializar o
impacto da escolaridade nas funções
cognitivas. A associação positiva entre FHLE,
escolaridade e melhor desempenho cognitivo
em
pacientes
pós-AVC
pode
ser
compreendida
através
de
fenômenos
relacionados à reserva cognitiva. Os resultados
aqui apresentados indicam que, além de
variáveis relacionadas à lesão e a fatores
demográficos, elementos socioculturais e
hábitos de vida diária podem exercer impacto
significativo no prejuízo cognitivo de pacientes
pós-AVC, e oferecer informações importantes
sobre a manutenção da cognição após lesões
encefálicas adquiridas. No entanto, estudos
com
amostras
maiores,
análises
de
preditibilidade e uso de medidas adicionais de
cognição ainda são necessários para verificar
o efeito da FHLE em outros processos
cognitivos. Apoio Financeiro: CNPq, FAPERGS,
BPA/PUCRS
Responsável pelo Envio:
Laura Damiani Branco
([email protected])
23-101- ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO
DIREITO:
FUNÇÕES
EXECUTIVAS
E
IMPULSIVIDADE
Scheffer M1; Kroeff K2; Steigleder BG3; Klein L4;
Almeida RMM5
1Ufrgs - Instituto de Psicologia; 2Universidade
Federal do Rio Grande do Sul -UFRGS - Instituto
de Psicologia; 3Universidade Federal do Rio
Grande do Sul-UFRGS - Instituto de Psicologia;
4Universidade do Vale do Rio dos SinosUNISINOS - Psicologia; 5UFRGS – Psicologia
217
O Acidente Vascular Cerebral (AVC) consiste
em uma queda aguda de funções
neurológicas, causadas por alteração na
circulação sanguínea cerebral e pode causar
alterações emocionais e cognitivas. Funções
executivas englobam planejamento, resolução
de problemas, decisão, controle e inibição
seletiva do comportamento. Essas funções
também são importantes na impulsividade.
Embora se saiba que prejuízo nessas funções
está mais relacionado ao hemisfério esquerdo,
estudos detectam tais déficits em pacientes
com AVC no hemisfério direito (HD). Objetivouse comparar o desempenho em funções
executivas e impulsividade de indivíduos que
sofreram AVC no HD com indivíduos saudáveis,
através dos seguintes instrumentos: Behavioral
Assessment Dysexecutive Syndrome (BADS);
Teste Wisconsin de Classificação de Cartasversão 48 cartas (WCST); Teste dos 5- Dígitos;
Tarefa Go-NoGo; Escala de Impulsividade de
Barrat (BIS-11) e Escala de Avaliação da
Impulsividade. Como variáveis de controle,
foram utilizados os seguintes instrumentos:
Inventário Beck de Depressão; índice de
Memória Operacional (WAIS-III); Abbreviated
Intelligence Scale (WASI); e Escala de Rankin. A
amostra foi do tipo não-aleatória, formada por
28 indivíduos saudáveis e 36 indivíduos que
sofreram AVC (média de tempo de lesão de
24,33(±11,80), com lesão predominantemente
nas regiões frontal, talâmica, núcleos da base,
cerebelo e têmporo-parietal. A média de
idade para o grupo controle e clínico foi de
M=53,85(±10,22) e M=60,44(±10,86) anos,
respectivamente, e de anos de estudo foi de
M= 10,07(±4,09) e M=9,30(±4,75). Os critérios de
exclusão foram: transtornos psiquiátricos (com
exceção da depressão); história de doença
neurológica além do AVC; tratamento
psicológico atual; sinais de demência;
heminegligência; quadros de afasia; e
participação em programas de reabilitação
cognitiva. Os participantes foram avaliados em
dois momentos, com duração de uma hora e
30 minutos cada. Para análises dos dados
foram utilizados dados descritivos e o teste
não-paramétrico de Mann-Whitney para
comparação entre as médias. Não houve
diferença estatisticamente significativa na
comparação de médias dos anos de estudos
entre os grupos (U=411,0; z=-1,114; p=0,270), no
desempenho da memória de trabalho
(U=503,0; z=-,014; p=0,989) e no Quociente de
Inteligência (U=490,0; z=-,190; p=0,850).Houve
diferença estatisticamente significativa entre
as médias dos grupos nos erros perseverativos
do WCST (U=338,5; z=-2,244; p=0,025), no
número de ensaios administrados do WCST
(U=375,5; z=-2,085; p=0,037), e inibição do teste
dos 5-dígitos (U=313,5; z=-2,580; p=0,010). Os
resultados mostraram que os participantes do
grupo clínico tiveram um desempenho inferior
aos do grupo controle nas tarefas de funções
executivas,
especialmente
flexibilidade
cognitiva e controle inibitório. Sugere-se que o
HD desempenha papel importante nesses
domínios.
Apoio
Financeiro:
LPNeC
(Laboratório de Psicologia Experimental,
Neurociências e Comportamento.
Responsável pelo Envio:
Morgana Scheffer
([email protected])
23-102- ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL:
AVALIAÇÃO DA IMPULSIVIDADE MEDIDA
ATRAVÉS DE AUTORRELATO E DE TAREFA
COMPORTAMENTAL
Scheffer M1; Steigleder BG2; Almeida RMM3 –
1Universidade Federal do Rio Grande do SulUFRGS - Instituto de Psicologia; 2Universidade
Federal do Rio Grande do Sul -UFRGS - Instituto
de Psicologia ; 3UFRGS – Psicologia
A impulsividade é caracterizada por falha no
controle inibitório, processamento rápido da
informação, busca por novidade e inabilidade
de
adiar
recompensas.
Teorias
neuropsicopatológicas
estabelecem
uma
relação entre danos vasculares em áreas préfrontais, suas conexões com áreas cerebrais
subcorticais e em áreas temporais associadas
a estruturas límbicas e regiões posteriores,
ligando tais lesões à incapacidade de
regulação dos impulsos e ao comportamento
impulsivo. Objetivou-se avaliar o desempenho
em tarefa comportamental de impulsividade
Go-NoGo e de medidas de autorrelato em
indivíduos que sofreram Acidente Vascular
Cerebral (AVC). A amostra é do tipo nãoaleatória, formada por cinco indivíduos
218
saudáveis e seis casos com lesão vascular
crônica (>6 meses). As regiões predominantes
das lesões foram frontal, núcleos da base,
temporal e parietal, quatro com lesão no
hemisfério direito e dois com lesão no
hemisfério esquerdo. Foi utilizada estatística
descritiva, teste não-paramétrico de MannWhitney para comparação entre as médias e
teste de correlação de Spearman. Os
instrumentos utilizados foram a Escala de
Avaliação da Impulsividade, Escala de
Impulsividade de Barratt (BIS-11) e Go/No-Go
Task. Para critérios de exclusão, foram utilizados
o Mini Exame do Estado Mental (MEEM) e SelfReporting Questionnaire. A idade média dos
grupos controle e casos foi M=53,33(±15,65) e
M=58,60(±8,59), respectivamente. Os anos de
estudo foram de M= 9,41(±5,37) no grupo
controle e de M=8,60(±4,72) no grupo de
clínico. Os resultados não demonstraram
diferenças estatisticamente significativas entre
os grupos em medida comportamental e de
autorrelato de impulsividade. Quantos às
correlação,
no
grupo
controle
houve
associação negativa entre impulsividade por
falta de planejamento e respostas corretas na
tarefa
Go-NoGo
(r=-0,940;
p=0,005)
e
associação
negativa
entre
falta
de
concentração e persistência por impulsividade
e erros de omissão (r=-0,833; p=0,039). No
grupo clínico, foram encontradas correlações
estatisticamente significativas negativas entre
falta de planejamento por impulsividade e
erros de omissão (r=-0,975; p=0,005) e
associação
positiva
entre
falta
de
planejamento por impulsividade e respostas
corretas na tarefa Go-NoGo (r=-0,900;
p=0,037).
Os
resultados
sugerem
que
especialmente a falta de planejamento por
impulsividade pode estar associada à
impulsividade, assim como à dificuldade para
manter o foco por períodos prolongados.
Conclui-se que medidas de autorrelato de
impulsividade podem estar associadas à tarefa
comportamental do mesmo constructo.
Sugere-se a utilização dessas formas de
avaliação para uma maior precisão de dados.
Entre os grupos controle e clínico, os achados
de escalas e de tarefas comportamentais
apresentaram
resultados
semelhantes,
podendo tal proximidade dever-se ao
tamanho reduzido da amostra. Apoio
Financeiro: : LPNeC (Laboratório de Psicologia
Experimental,
Neurociências
e
Comportamento).
Responsável pelo Envio:
Morgana Scheffer
([email protected])
23-103- IMPACTO DA GRAVIDADE DO
TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO NA
FLUÊNCIA VERBAL SEMÂNTICA E FONÊMICAORTOGRÁFICA
Goncalves Apb1; Pereira N2; Gentil BC3;
Nicolle Zimmermann4; Fonseca R P5
1PUCRS - grupo de neuropsicologia clínica e
experimental (GNCE); 2Pontificia Universidade
Catolica do Rio Grande do Sul - PsicologiaCogniçao; 3Ufrgs - Saude Coletiva; 4Ufrj Radiologia; 5Pontifícia Universidade Católica
do Rio Grande do Sul - Professora Adjunta da
Faculdade de Psicologia e do Programa de
Pós-Graduação em Psicologia (Cognição
Humana). Coordenadora do Grupo de
Neuropsicologia Clínica Experimental (GNCE).
Déficits cognitivos são muito comuns em
pacientes com traumatismo cranioencefálico
(TCE) de diferentes gravidades. Tarefas de
fluência
verbal
podem
contribuir
na
identificação de déficits no acesso léxicosemântico, no planejamento, na iniciação, na
inibição, na flexibilidade cognitiva e na
velocidade de processamento. Entretanto,
pouco se sabe sobre o comportamento de
duas modalidades da tarefa, a fluência verbal
semântica (FVS) e a fluência verbal fonêmicaortográfica (FVO), no que concerne às
diferenças dessas tarefas entre pacientes com
distintos níveis de gravidade de TCE. Dessa
maneira, o objetivo desse trabalho foi verificar
se há diferenças quanto à modalidade de
fluência verbal e à gravidade do TCE no
desempenho em tarefas de evocação de
palavras por critério semântico ou fonêmicoortográfico. Participaram deste estudo 39
pacientes com TCE leve e 60 com TCE grave,
variando entre 18 e 72 anos, com tempo póslesão de 17,37 (dp=17,20) em média nos TCE
leve e de 29,06 (dp=42,64) nos TCE grave.
Utilizaram-se as tarefas de FVS e FVO, com
219
duração de dois minutos cada, da Bateria
Montreal de Avaliação da Comunicação. Os
grupos não se diferenciaram quanto às
variáveis sociodemográficas e a distribuição
dos escores foi paramétrica. Fez-se uma mixed
ANOVA, com fator intrasujeitos da modalidade
da FV e entre sujeitos da gravidade do TCE e
teste qui-quadrado da análise de frequência
de déficits. Não houve diferenças intra-grupos
[F(1)=0,83, p=0,36, n² =0,00; leve FVS = 20,82
(6,80) e FVO = 19,38 (7,76), grave FVS = 16,85
(5,92) e FVO = 16,71 (7,40)]. A análise entregrupos evidenciou diferenças somente na
tarefa de FVS (p=0,003) com o desempenho
do grupo de TCE grave sempre inferior ao do
leve. Esses resultados foram corroborados pela
análise comparativa de frequência de déficits,
com 78,3% de pacientes com TCE grave com
déficits na FVS (p=0,001) e 72,2% na FVO
(p=0,074), ocorrência significativamente maior
do que no TCE leve. Ou seja, o uso do escore
total de ambas as tarefas identifica de forma
semelhante déficits em pacientes com TCE
leve e moderado/grave intra-grupos. No
entanto, a FVS identifica mais déficits nos
pacientes com TCE moderado/grave quando
comparado o desempenho entre-grupos.
Percebe-se,
ainda,
que
uma
análise
comparativa de grupos associada à análise
neuropsicológica
clínica
clássica
de
ocorrência de déficits é fundamental para
entender a relação de gravidade e
modalidades de tarefas cognitivas em um
diagnóstico modal funcional neurocognitivo.
Responsável pelo Envio:
Ana Paula Bresolin Goncalves
([email protected])
23-104- SÍNDROME DO DESCONTROLE
EPISÓDICO:
REMISSÃO
APÓS
LESÃO
FRONTOTEMPORAL TRAUMÁTICA
Coutinho G1; Miele F1; Bernardes C1; Lebreiro
A1; Mattos P1; Oliveira-Souza R2
1IDOR - CNA; 2IDOR – Neurociências
O objetivo é apresentar resultados evolutivos
de paciente encaminhada por traumatismo
cranioencefálico (TCE) sofrido em outubro de
2012,
enfatizando
a
recuperação
neuropsicológica e mudança benéfica de
traços de personalidade, discutindo possíveis
correlatos cerebrais subjacentes. Primeira
avaliação em fevereiro-março de 2013: REM,
45
anos,
casada,
destra,
pedagoga,
estadunidense, residindo no Brasil há 12 anos,
para onde veio com a missão de fundar uma
igreja. Mãe de 4 filhos. Foi agredida na
cabeça a pauladas por um morador de rua.
Perdeu a consciência e foi submetida a
neurocirurgia para remoção de partes do osso
frontal para acomodar o cérebro em
expansão. Permaneceu em coma por 9 dias.
Segundo o marido, sempre foi explosiva e
inflexível, quebrava utensílios e itens de mobília,
atirava objetos em discussões. Depois do
acidente, as explosões desapareceram,
tornando-se mais flexível, afetuosa e emotiva.
Exame
psíquico:
orientada
temporoespacialmente. Dificuldades expressivas leves.
Planejava voltar às atividades na igreja e
negava sentir raiva ou medo. Exame físico:
Discreta assimetria de expressão facial. História
patológica: Laqueadura tubária em 2004.
História familiar: nada digno de nota.
Medicamentos: Synthroid; Trileptal; Haldol.
Neuroimagem por RM: Lesão traumática
bilateral,
mais
evidente
no
hemisfério
esquerdo, no opérculo frontal e temporal;
cavitação do polo temporal esquerdo
(sequela de contusão). Avaliação quantitativa
foi conduzida em inglês utilizando grupos
normativos norte-americanos. Exame revelou
desempenho deficitário em tarefas de
memória operacional, destreza visuomotora,
tomada de decisão, abstração e prosódia
expressiva. Memória preservada. Lentidão em
tarefa de atenção. Achados consistentes com
os de neuroimagem.Tendo em vista a
possibilidade de melhora sintomática (parcial),
sugerimos reavaliação após 6 meses. Outubronovembro de 2013: Sente-se quase normal
quanto à capacidade cognitiva, porém
estaria menos “ágil” cognitivamente. Sem
mudanças de hábitos alimentares ou sexuais.
Segundo o marido, tornou-se mais afável,
flexível e mais ativa no trabalho. Hipóteses: Os
poucos casos de “mudança salutar da
personalidade” — que não excluem a
associação com declínio cognitivo — se
reportam a indivíduos com personalidade prémórbida anormal; a paciente em discussão
220
sofria de síndrome do descontrole episódico.
Lesões bilaterais de qualquer natureza em
polos temporais representam o correlato
cerebral mais comum da síndrome de KlüverBucy. A síndrome é constituída de agnosia
visual,
placidez/mansidão,
exploração
manual-oral contínua, hipersexualidade e
afasia. Propomos que a lesão temporopolar
predominantemente
unilateral
destruiu
circuitos cerebrais críticos para a produção de
agressão, levando a uma forma frustra da
síndrome de Klüver-Bucy, neste caso, salutar,
por ter normalizado sua propensão natural a
reagir com agressão. Apoio Financeiro:
Nenhum
Responsável pelo Envio:
Gabriel Coutinho
([email protected])
23-105- DIFERENTES PARADIGMAS DE
AVALIAÇÃO DA TOMADA DE DECISÃO NO
TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO
Ponsoni A1; Korndorfer Jvs2; Branco L D2;
Cotrena C2; Fonseca R P3
1Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Psicologia; 2Puc Rs - ;
3Pontifícia Universidade Católica do Rio
Grande do Sul - Professora Adjunta da
Faculdade de Psicologia e do Programa de
Pós-Graduação em Psicologia (Cognição
Humana). Coordenadora do Grupo de
Neuropsicologia Clínica Experimental (GNCE).
O traumatismo cranioencefálico (TCE) está
entre as condições neurológicas mais severas
e com maior potencial incapacitante no
mundo. O paciente pós-TCE pode sofrer
prejuízos cognitivos, além de alterações
emocionais e comportamentais, afetando,
dentre outras áreas, as funções executivas (FE)
e seu componente de tomada de decisão
(TD). No entanto, estudos a respeito da TD em
pacientes pós-TCE tem apresentado resultados
contraditórios, sem consenso na literatura
quanto ao impacto de fatores clínicos como
local e severidade da lesão na TD destes
pacientes. Ainda, dentre os diferentes
instrumentos utilizados para avaliar esta
habilidade cognitiva, pouco se sabe a respeito
de quais são mais sensíveis para detectar
diferenças na TD entre pacientes pós-TCE e
controles, ou entre subgrupos de pacientes
pós-TCE com diferentes características de
lesão. Neste contexto, estudos que busquem
melhor compreender o impacto do TCE no
processo de TD e que tragam evidências de
quais paradigmas são os mais indicados para
examinar este impacto são necessários. Dada
a grande variedade de métodos utilizados
para avaliar a TD nestes pacientes, no
presente estudo de revisão sistemática da
literatura, buscou-se caracterizar estudos que
empregaram diferentes paradigmas de TD no
processo de avaliação de pacientes pós-TCE,
quanto aos métodos e principais resultados
neuropsicológicos.
Para
tanto,
foram
consultadas as bases de dados Web of
Science,
PubMed/MEDLINE
e
PsycInfo,
buscando-se artigos publicados no período de
2003 até 2013, com as palavras-chave
“decision making” AND “traumatic brain
injury”. Foram selecionados estudos empíricos
somente de indivíduos com lesão encefálica
em decorrência de TCE. Foram encontrados
800 abstracts e, após análise duplo-cega, 16
estudos
foram
incluídos.
Os
principais
paradigmas utilizados tem sido, em ordem
decrescente, Iowa Gambling Task, Cambridge
Gambling Task, Simple/Choice Reaction Time,
Tarefa de Desconto Temporal e o Game of
Dice Task. De modo geral, foi evidenciado
prejuízo nos diferentes paradigmas de TD
utilizados em pacientes pós-TCE. Ainda, como
achados mais específicos, em alguns estudos,
não houve impacto na TD de fatores como o
local das lesões encefálicas ou o nível de
severidade do TCE. Algumas limitações são
apontadas nos estudos avaliados como a
variabilidade no tempo pós-lesão e ausência
ou
baixo
controle
de
variáveis
psicopatológicas,
demonstrando
a
necessidade de considerar com maior
especificidade estes fatores em investigações
futuras. O maior controle destas variáveis pode
aumentar a sensibilidade destes instrumentos
de TD na detecção de prejuízos de TD, e
auxiliar na compreensão da relação entre
fatores
clínicos
e
prejuízos
cognitivos,
principalmente os executivos.
Apoio Financeiro: BPA PRAIAS
Responsável pelo Envio:
221
Andre Ponsoni
([email protected])
23-106- INIBIÇÃO E FLEXIBILIDADE VERBAIS
PÓS-TCE AGUDO: QUANDO O PAPEL DOS
HÁBITOS DE LEITURA E ESCRITA SE
SOBREPÕEM AO IMPACTO DA LESÃO ermesPereira A1; Holz MR2; Goncalves Apb3; Pereira
Rs4; Pereira N5; Nicolle Zimmermann6; Fonseca
R P7
1Pontificia Universidade do Rio Grande do Sul Psicologia; 2Pontificia Universidade Catolica do
Rio Grande do Sul - Programa de PosGraduaçao Em Psicologia; 3Pucrs - Psicologia;
4Pontificia Faculdade Catolica do Rio Grande
do Sul - Psicologia; 5Pontificia Universidade
Catolica do Rio Grande do Sul - PsicologiaCogniçao; 6Ufrj - Radiologia; 7Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul Professora Adjunta da Faculdade de Psicologia
e do Programa de Pós-Graduação em
Psicologia
(Cognição
Humana).
Coordenadora do Grupo de Neuropsicologia
Clínica Experimental (GNCE).
O traumatismo cranioencefálico (TCE) é o
maior
causador
de
lesão
cerebral,
acometendo principalmente adultos jovens,
sendo frequentemente associado a déficits
cognitivos que afetam, por exemplo, as
funções executivas. O quadro é considerado
agudo durante o período de internação. No
âmbito da neuropsicologia do TCE, estudos
recentes investigam qual o impacto deste
quadro em componentes executivos, sendo,
ainda,
surpreendente
a
escassez
de
investigações sobre como é processada a
fluência verbal neste quadro em sua fase
agida. Assim, esse estudo buscou verificar se
há diferenças entre pacientes pós-TCE agudo
e controles, considerando-se o possível efeito
de hábitos de leitura e escrita. Participaram 19
pacientes com TCE agudo (até 12 dias) e 38
controles,
pareados
quanto
a
idade,
escolaridade e frequência de hábitos de
leitura e escrita, os pacientes com TCE tiveram
média de idade de 27,47 anos, escolaridade
m&e