Mergulho - Personal Club

Сomentários

Transcrição

Mergulho - Personal Club
ATIVIDADE FÍSICA EM AMBIENTES DE ESTRESS
O MERGULHO
AUTÔNOMO
E
LIVRE OU EM APNÉIA
Persas, Assírios, Macenas em torno de 4500 a. C
Comercialmente, na Polinésia, Japão e Coréia a.C
QUANTO TEMPO VOCÊ CONSEQUE
PRENDER A RESPIRAÇÃO
1
O MERGULHO AUTÔNOMO
Breve histórico
1691 - O silo de mergulho astrônomo Inglês Sir Edmund Halley.
1837 - Surge o escafandro de Siebe
Em 1808, Yon de Freiderich Drieberg inventou o Triton
Augustus Siebe, em 1819, desenvolveu uma roupa que era
alimentada por uma bomba manual
1866 - O equipamento SCUBA é criado
Em 1866, Benoist Rouquayrol desenvolve regulador de demanda
para usar em um cilindro de mergulho: surge o Self - Contained
Underwater Breathing Apparatus (SCUBA).
H. A. Fleuss em 1876, desenhou um equipamento de circuito
fechado
Com o auxílio de Robert H. Davis em 1902, aperfeiçoou o aparelho
1905 - Tabelas de descompressão
J. S. Haldame, fisiologista Inglês, realizou estudos com
mergulhadores da marinha Britânica entre 1905 e 1907.
1917 - MK V.
Em 1917 o U.S. Bureau of Construction & Repair First
inicia a utilização do capacete de mergulho Mark V.
1943 - Jacques Costeau
O Famoso oceanógrafo Jacques Costeau, então capitão da
Marinha Francesa e o engenheiro Emile Gagman,
desenvolveram um equipamento que fornecia ar quando o
mergulhador inspirava e regulava automaticamente o
suprimento de ar à pressão ambiente.
2
SCUBA- SELF CONTAINED UNDERWATER BREATHING APPARATUS
•1 cilindro alumínio ou aço comporta
•capacidade 2000L de ar
•pressão de 3000psi pounds per square inch,
•autonomia de 40 à 60 minutos considerando variáveis
•circuíto aberto
•circuíto fechado
Problemas especiais em respirar gases
com altas pressões
Embolia gasosa
Narcose causada
pelo nitrogênio
pneumotórax
Doença
descompressiva
3
RELAÇÃO DA PROFUNDIDADE NA ÁGUA PARA PRESSÃO E VOLUME
PROFUNDIDADE PRESSÃO
VOLUME PULMONAR (ML)
AR INSPIRADO (mmHg
PÉS
METROS
ATM
mmHg
6.000
PO2
PN2
33
10
1
760
3.000
159
600
66
20
2
1.520
2.000
318
99
30
3
2.280
1.500
477
1.802
133
40
4
3.040
1.200
636
2.402
3.003
1.201
166
50
5
3.800
1.000
795
200
60
6
4.560
857
954
300
90
7
5.320
600
1.113
4.204
400
120
10
7.600
461
1.590
6.006
3.604
MERGULHO LIVRE OU EM APNÉIA
1ª Grande Guerra, 1911quando um navio da esquadra italiana, o Regina Marguerita
Giorguios Haggy Statti, desceu aos -77metros
1948, um Capitão da esquadra húngara, Raimondo Bucher realizou um mergulho aos -30metros
Nos anos seguintes Enio Falco e Alberto Novelli, descendo -35metros e -39metros respectivamente.
Em 60 Américo Santareli, realizou as marcas, -44,-45,-46 metros
Enzo Maiorca-51metros chegando até aos -100metros em 1988
Jacques Mayol, o "Homem Golfinho1º homem a chegar aos -100metros em 1988
Em 1992Francisco Ferreras o Pipin-112metros
Em 1993, Umberto Pelizzari ,mais de 15 recordes, -150m metros em 2001
Herbert Nicht
Carlos Coste
Martin Stepanek
Luic Leferme
profundidades abaixo dos -90 metros nas modalidades de lastro constante e imersão livre, 135metros na de lasto variável e
"no limts“ Patrick Musimu –209 metros
4
MODALIDADES DO MERGULHO LIVRE DE COMPETIÇÃO
apnéia estática: determinada pelo tempo
permanecido, tanto no fundo como na
superfície;
imersão
livre:
o
mergulhador desce e
sobe, sem auxilio de
nadadeiras utilizando a
força
dos
braços
puxando o cabo;
lastro variável: um
aparelho com pesos
chamado sledge, o
mergulhador
desce
de cabeça para cima,
abandona
o
equipamento
no
fundo, retornando à
superfície com auxilio
de nadadeiras e o
cabo;
apnéia dinâmica: determinada pela
distância percorrida na horizontal,
piscinas oficiais para competições e
tentativas de recordes , 25m e 50m;
lastro constante: o mergulhador desce e
sobe com o auxilio de nadadeiras com a
mesma quantidade de peso, sem utilizar o
cabo como auxilio
``no limits`` : mesma forma
do lastro variável , porém na
subida o mergulhador aciona
um balão que se infla de ar
retornando à superfície;
FUNÇÕES PULMONARES
troca gasosa O2 do ar e CO2 do sangue venoso
zona condutora / espaço morto anatômico
zona transicional cerca de 2,5 à 3 L
5
Vol. Pulmonares estáticos
insp. exp.
VC- vol. corrente vol. ar
VRI- vol. reserva inspiratório vol. Adicional 2,5 à 3,5L acima do VC
VRE- vol. reseva expiratório exp. máxima } 1 à 1,5L
CVF- capacidade vital forçada volume ar
voluntáriamente desde
I.plena a
E. máxima
VPR- vol. pulmonar residual
Permanente 0,9 à 1,5L
exp. Máx.- vol.
Vol. Pulmonares dinâmicos
VVM- ventilação voluntária máxima - mede o
vol. de ar movimentado forçadamente durante a
respiração .
VENTILAÇÃO POR MINUTO
VE = freqüência respiratória x volume corrente.
12 x 0.5 = 6L/mi
Condição vol. Corrente (ml) X F. R.(I.r.min.) = Vent. Min.(mllmin) – Vent. Min. esp. morto(mllmin) = vent.min. alveolar (mll min)
R. normal
500
12
6.000
(150ml X 12)
4.200
R. profunda
1.000
6
6.000
(150ml X 6)
5.100
Espaço morto
•Anatômico 150 ml
•Fisiológico
ventilação alveolar de 4,2L em repouso, pl 5 L de sangue # 0.8L
6
QUANTO TEMPO VOCÊ CONSEQUE
PRENDER A RESPIRAÇÃO
CONTROLE DA VENTILAÇÃO
(DINÂMICA DA VENTILAÇÃO PULMONAR)
Fatores Neurais: neurônios inspiratórios e expiratórios
Fatores Humorais: estado químico do sangue => quimioreceptores periféricos => aumento
da PCO2, temperatura e acidez.
HIPERVENTILAÇÃO E APNÉIA
PCO2
para 15mmHg / PO2
Área motora
Área comportamento
emoção
90mmHg
Área sensorial
Área linguagem
Área audição
Área processo de informação
Área visão
Área fala
Área equilíbrio
7
LIMITES DE PROFUNDIDADE NO MERGULHO EM APNÉIA E
COMPRESSÃO TORÁCICA
“ blood shift”
DOENÇA DESCOMPRESSIVA NO MERGULHO LIVRE
TEMPO
PROFUNDIDADE TOTAL
TEMPO DE
APNÉIA
-25METROS
-30METROS
-35METROS
1’
2’
3’
1’
2’
3’
1’
2’
3’
2HORAS
3HORAS
4HORAS
NÚMERO
DE
MERGULHOS
37
18
12
31
15
10
26
13
09
34
17
11
28
14
09
24
12
08
30
15
10
25
12
08
22
11
07
5HORAS
29
14
09
24
12
08
20
10
07
PARÂMETRO DE EQUIVALÊNCIA ENTRE AS MODALIDADES DO
MERGULHO LIVRE
A P N É IA E S T Á T IC A
1 m in u t o
A P N É IA D IN Â M IC A
2 0 m e tro s
M ERG ULHO EM LASTRO
CONSTANTE
- 1 0 m e tro s
EXPOSIÇÃO HIPÓXICA
PROMOÇÃO DO AUMENTO DA MASSA SANGÜÍNEA
INDUZIDA PELA câmara hiper/ hipobárica
INDUZIDA PELA máscara hipóxica
INDUZIDA PELA câmara hipóxica
INDUZIDA PELA APNÉIA
Quadro comparativo entre altitude e pressão.
PO2
Altitude
Pressão
em ar
(metros)
barométrica
(mm Hg)
(mm Hg)
0
760
150
973
680
142
1.976
600
125
3.040
523
111
4.286
450
94
5.594
380
75
6.992
305
64
8.859
230
48
PO2
alveolar
(mm Hg)
105
94
78
62
51
42
31
19
Saturação
O2 arterial
(%)
97
96
94
90
86
80
63
30
8
V A LORES GERAIS
TREINO 14/02/05
220
200
180
160
140
120
100
80
60
40
20
0
t.total ap.
sat.final
fc final
t. recup.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
REPETIÇÕES
RODRIGO
M AURICIO
41
40
39
JORGE
HERICO
EDU
ALAIN
ALE
VALORES GERAIS
50
45
40
35
30
25
20
15
10
5
0
-5
-10
-15
-20
-25
ARIV AN
COMPORTAMENTO HEMATOLÓGICO
36,9
32,9
%HB
8,7
7,3
1,2
1 2,7 1,4
8,7
4,8
1
1
6,5 7,8
4
2,7
-0,2
%HT
%EPO
-2,5
-8 -7
-21
AMOSTRAS
percentual total
t.bloq
23%
t.resp
77%
Média saturação= 67%
9
APNÉIA ESTÁTICA HIPÓXICA
1,30 min..
resp. 1 min
1,30 min
resp.45seg
1,30min
resp 45 seg
1,30min
resp 30 seg
1,30 min
resp 15 seg
1,30 min
resp 5Seg
1,30 min
resp 5Seg
APNÉIA ESTÁTICA HIPERCÁPNICA
1,30 min
resp.1 min
1,45 min
resp.1 min
2
min
resp 1 min
2,15min
resp 1 min
2,30 min
resp 1 min
2,45 min
resp 1 min
3
min
resp 1 min
3,15 min
resp 1 min
3,30 min
resp 1 min
10

Documentos relacionados

apneia - Profissional

apneia - Profissional a maior profundidade ou estabelecer o maior tempo possível submerso. A imagem de que a apnéia é um esporte para super-homens acabou. As regras de segurança e de competição ajudaram a desmistificar ...

Leia mais

mergulho

mergulho • Lastro Constante: Em mar ou lago, descer a determinada profundidade sem usar o cabo • Lastro constante s/ nadadeiras: “sapinho”

Leia mais