Ele sobe para a minha barca Jesus confia em mim

Сomentários

Transcrição

Ele sobe para a minha barca Jesus confia em mim
"Faz-te
ao largo"
SEMENTES DO REINO
texto Darci Vilarinho foto E. Assunção
Foi este o convite de Jesus a Simão
Pedro que está nas margens do lago
a consertar as redes, depois de uma
noite de pesca frustrada. A ele e
aos seus companheiros de profissão. Jesus sobe para uma das barcas vazias, introduz-se delicadamente
nessa atmosfera de insucesso e pede
a Simão que se afaste um pouco da
margem, que lance as redes e volte a
pescar. Depois de uma breve hesitação
e um olhar meio desconfiado, Pedro
deixou-se convencer. Fez a pesca
mais extraordinária da sua vida. A
partir desse encontro, tudo mudou.
Pedro teve a percepção da imensa
distância entre a sua fragilidade e o
imenso poder de Deus que se escondia por detrás do rosto luminoso de
Jesus de Nazaré. “Afasta-te de mim,
Senhor, que sou homem pecador”.
Foi assim que se iniciou a aventura
de Pedro e a nossa.
minhas repetidas faltas. E apesar disso,
Jesus sobe para a minha barca vazia e
convida-me a partir de novo, a trabalhar para Ele, a confiar na sua palavra.
“Faz-te ao largo e lança as redes para
a pesca”. “Na tua palavra, lançarei
as redes”. E o milagre irá acontecer
também na tua vida. A proximidade
de Deus atemoriza o apóstolo. Como é
que posso estar perto de Deus, se sou
pecador? Como é que posso anunciar
o Evangelho com todos os meus pecados, que vão e voltam, que se repetem?
É belíssima a reacção de Jesus: não diz
que não é verdade, não absolve Simão,
não o humilha, mas pronuncia uma só
palavra: “não tenhas medo!". A sua
situação de indignidade não é desculpa
para afastar Deus da sua vida e para
não se empenhar a fundo num futuro
diferente.
Jesus confia em mim
Jesus dá confiança, conforta e fia-se de
nós. De hoje em diante, há que mudar
de rota. Permanecerás pecador, mas
não temas. Serás pescador de homens.
E o milagre acontece: não são as barcas cheias de peixe. Nem sequer as
barcas abandonadas na praia. O maior
milagre é Jesus que acredita em mim,
que não se deixa impressionar pela
minha fragilidade, que me confia o seu
Evangelho. É Deus que me chama, não
sou eu que o encontro. É paradoxal,
mas é assim mesmo: nós procuramos
Aquele que nos procura. É uma espécie
de jogo que envolve a nossa liberdade.
Deus deseja encontrar-nos, mas nós,
indiferentes, tentamos escapar ao seu
olhar. Feliz o dia em que os meus olhos
se cruzarem com os dele. Feliz o dia
em que o meu projecto se identificar
com o seu. Creio em Ti, Senhor, porque
acreditas em mim. Fio-me de Ti, porque Tu confias em mim. Seguir-te-ei
para onde quer que me chames. Como
Paulo, Francisco Xavier, Charles de
Foucauld, Allamano e todos aqueles
que, fiados na Palavra do Senhor, lançaram as redes.
Ele sobe para a minha barca
Sim, porque é a mim que o Senhor
hoje pede para colaborar com Ele, para
pôr a minha vida em jogo, para o ajudar numa missão que só Ele conhece.
Pede que lhe empreste a minha barca.
A minha e a tua! Deus quer subir para
a tua barca, precisa de ti para narrar
o Evangelho, precisa da tua disponibilidade para ir mais em profundidade.
E isto acontece, repara bem, ao cabo
de um dia de trabalho frustrante, sem
mérito algum da tua parte. Mas nem
sequer isso é suficiente para travar o
chamamento de Deus.
No insucesso destes pescadores entrevejo o meu próprio insucesso, as minhas
opções erradas, os meus dias inúteis, as
FÁTIMA MISSIONÁRIA
24
Edição LIII | Fevereiro de 2007
A palavra faz-se missão Luta contra
EM FEVEREIRO
04 5º Domingo Comum
Isaías, Paulo, Simão Pedro estão conscientes da própria indignidade. Não é
falsa humildade. Sabem muito bem que
não são santos acabados. Mas fazem
a experiência da misericórdia divina
que cobre, com a sua graça, a fraqueza
humana. Ninguém é candidato à fé cristã ou a qualquer serviço na comunidade
pelo facto de ser idóneo, com qualidades técnicas ou espirituais, mas porque
Deus o escolhe e o torna idóneo.
Obrigado, Senhor, pela confiança que
depositas em nós. Faz com que a
nossa vida, transformada pela Tua,
dê confiança a outras vidas.
vos amaldiçoam, orai por aqueles que
vos injuriam... Como quereis que os
outros vos façam, fazei-lho vós também... Sede misericordiosos, como
o vosso Pai é misericordioso. Não
condeneis e não sereis condenados.
Perdoai e sereis perdoados. Dai e dar-se-vos-á: deitar-vos-ão no regaço
uma boa medida, calcada, sacudida,
a transbordar”. Está tudo relacionado
com a caridade: O perdão, a misericórdia, a partilha de bens. É a prova
dos noves do nosso cristianismo. Se
conseguirmos realizar este programa,
seremos cristãos de verdade.
Dá-me, Senhor, um coração grande,
capaz de amar, abençoar e perdoar
como tu amas, abençoas e perdoas.
11 6º Domingo Comum
25 1º Domingo da Quaresma
Jr 17, 5-8; 1Cor 15, 12-20; Lc 6, 17-26
Dt 26, 4-10; Rm 10, 8-13; Lc 4, 1-13
Is 6, 1-8; 1Cor 15, 1-11; Lc 5, 1-11
Indignidade/Idoneidade
O segredo da felicidade
Todos procuram a felicidade. Onde
é que se encontra? No dinheiro, no
poder ou no prazer? Feliz daquele que põe a sua esperança no Senhor.
Felizes os pobres, os esquecidos, os
perseguidos. Felizes os artesãos da
paz, da justiça e da concórdia. Felizes
os que promovem a vida, os limpos
de coração e os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia e verão
a Deus, autor da felicidade.
Senhor que afastas os soberbos e
acolhes os humildes, escuta o grito
dos oprimidos e destrói o jugo da
violência e do egoísmo.
18 7º Domingo Comum
1Sm 26, 2-23; 1Cor 15, 45-49; Lc 6, 27-38
A prova dos noves
“Amai os vossos inimigos, fazei bem
aos que vos odeiam; abençoai os que
Renovação cristã
A Quaresma é um caminho espiritual que todo o cristão é chamado a
percorrer antes de chegar à Páscoa.
Como se canta ou reza no prefácio
da missa onde estão as etapas deste
caminho: “Todos os anos concedeis,
Senhor, aos vossos fiéis a graça de
se prepararem, na alegria do coração
purificado, para celebrar as festas
pascais, a fim de que, pela oração
mais intensa, pela caridade mais
diligente, participando nos mistérios
da renovação cristã, alcancem a plenitude da graça divina”.
Fazei Senhor, que eu por obra da
tua graça, purifique, o meu coração,
intensifique a minha oração, aumente a minha caridade e renove toda a
minha vida.
DV
FÁTIMA MISSIONÁRIA
25
Edição LIII | Fevereiro de 2007
a doença
Aumenta cada vez mais a média
etária das pessoas, a qual nos países
chamados desenvolvidos, chega a
atingir os 80 anos. Em contrapartida, nestes países, cada vez nascem
menos crianças.
Feitas as contas é fácil tirar as conclusões:
Aumenta o número de pessoas idosas e
diminui a população juvenil; aumentam
os hospitais, clínicas e centros de saúde e
fecham-se as maternidades e as escolas.
Nas igrejas e paróquias o fenómeno também se faz sentir: os párocos começam
a gastar mais tempo a presidir a funerais
do que a baptizar crianças; os espaços
litúrgicos e as celebrações da eucaristia
estão a ficar cada vez mais desertas. Para
onde caminha esta nova sociedade? Para
a vida ou para a morte?
Porém, se nos voltarmos para certos
países do chamado terceiro mundo,
os dados invertem-se: os adultos
não chegam a atingir a média de
50 anos. Em contrapartida, nascem
mais crianças e a população juvenil é
muito numerosa. Mas não tarda que
cheguem as doenças infecciosas que
atacam prevalentemente os países
pobres que não possuem recursos
suficientes para adquirir remédios a
preços altíssimos.
Assim, as grandes descobertas da
medicina passam ao lado dos pobres
sem que estes possam auferir delas
qualquer benefício. Para vencer esta
batalha, é preciso que Deus converta
os corações dos homens ao amor e à
solidariedade.
Intenção missionária
Para que a luta contra as
grandes epidemias no terceiro
mundo encontre uma colaboração generosa por parte dos
governos de todas as nações.