10 atrações mais cruéis do mundo

Сomentários

Transcrição

10 atrações mais cruéis do mundo
Check-out
da crueldade
Como acabar com os horrores
do turismo com animais silvestres nas férias
Introdução
Queremos um mundo em que animais silvestres
possam viver no habitat ao qual pertencem. Mas uma
das maiores barreiras para a vida na natureza, em
liberdade, é o turismo global.
Quase um quarto desta indústria de trilhões de dólares
é movido pela demanda do turismo da vida silvestre1
2
. A maioria das pessoas desconhece o abuso e
crueldade inaceitáveis que os animais usados em
atrações turísticas sofrem. Estas atividades incluem
passeios em elefantes; nado com golfinhos em cativeiro;
e abraçar e posar para fotos com leões e tigres.
Uma pesquisa realizada pela Unidade de Pesquisa
e Conservação da Vida Silvestre da Universidade
de Oxford (WildCRU), comissionada pela Proteção
Animal Mundial, revelou o sofrimento global causado
a 550.000 animais silvestres devido a atrações
turísticas irresponsáveis3.
As atrações foram avaliadas por especialistas em
vida silvestre e comparadas com mais de 50.000
avaliações feitas por turistas no TripAdvisor. Isto
revelou que 80% das pessoas fizeram críticas positivas
a atrações que, na verdade, trata, os animais silvestres
com crueldade3.
Isto não significa que os turistas não se importem
com os animais. Sabemos que quando as pessoas
tomam consciência da crueldade por detrás destas
atividades, a maioria decide não ir mais4.
Nossa campanha, “Silvestres. Não Entretenimento.”, é
dedicada a acabar com o sofrimento desnecessário
causado aos animais pela indústria do entretenimento.
Nosso trabalho já garantiu o comprometimento de
mais de 80 agências de viagens ao redor do mundo
para impedir a venda e promoção de passeios em
elefante e apresentações.
Mas ainda há muito a ser feito.
Este relatório revela a crueldade por detrás do
turismo irresponsável com vida silvestre. Expomos as
piores atrações e celebramos as melhores. Também
mapeamos as soluções para desenvolver uma indústria
de turismo amiga dos animais, destacando o papel
crítico do TripAdvisor.
3
4
A escala global
do problema
A pesquisa do WildCRU aponta que pelo menos 560.000
animais silvestres são explorados atualmente em atrações
turísticas ao redor do mundo3. Mas sabemos que este
número é ainda maior, envolvendo milhões de animais
silvestres globalmente.
Os pesquisadores descobriram que os abusos ao bemestar ou a conservação desses animais ocorrem em
aproximadamente três de cada quatro atrações
inclusas no estudo3.
Abusos ao bem-estar dos animais incluem o fato de serem
separados de suas mães desde muito cedo, apanharem ou
serem feridos durante o treino. Eles também são forçados a
ser montados, fazer truques ou permanecer passivos para
as ‘tão importantes’ fotos de recordação das férias5.
Alguns dos piores eventos incluem parques de ursos;
elefantes e tigres; e uma fazenda de tartaruga.
Entretanto, é preciso mencionar que 25% de todas as
atrações com vida silvestre têm um impacto positivo no
bem-estar dos animais envolvidos. Isto inclui santuários que
resgataram esses animais de condições abusivas, incluindo
atrações cruéis. Pelo menos 13.000 animais silvestres entre eles, ursos, orangotangos, elefantes e leões - estão
sendo cuidados de maneira positiva. Estas instituições
não promovem apresentações, nem permitem que turistas
interajam diretamente com os animais3.
5
Turismo de vida
silvestre em números
O turismo de vida silvestre
é uma grande indústria
em crescimento...
$$$
1.8
bilhões
Globalmente o
turismo opera mais
de um trilhão de
dólares e responde a
9% do lucro global
Como uma indústria
em crescimento,
o turismo espera
ampliar em 1,8
bilhões de visitas
ao ano até 2030
Estima-se que as atrações de
vida silvestre constituam de
20 a 40% do turismo global
6
A Unidade de Conservação
da Vida Silvestre
(WildCRU) comparou essas
descobertas com a opinião
subjetiva de turistas
Wild CRU pesquisou
188 locais diferentes
e 51308 avaliações
deixadas no TripAdvisor
80% dos turistas não veem
impactos negativos das atrações
de vida silvestre no bem-estar
dos animais
4
m
i
l
Anualmente, mais de
4 milhões de turistas
visitam as atrações
prejudiciais ao bem-estar
animal pesquisadas
nesse estudo
h
õ
e
s
A World Animal
Protection estima que
aproximadamente 110
milhões de pessoas em
todo o mundo visitam locais
que promovem turismo cruel
com animais silvestres
WildCRU usou métodos
científicos para acessar o
impacto das atrações no
bem-estar animal...
75+T
75%
75% desses locais
possuem impacto
negativo sob os
animais silvestres
+
25+T
–
WildCRU identificou e
acessou 24 atrações
diferentes utilizando
métodos científicos objetivos
25%
25% desses locais
possuem um impacto
positivo sob os animais
silvestres
Nesses locais
estima-se a presença
de 550 mil animais
silvestres
Nesses locais
estima-se a presença
de 13 mil animais
Exemplos incluem
passeios em elefantes,
selfies com tigres
e manuseio de
tartarugas
Exemplos incluem
santuários sem
performances nem
contato direto (ursos,
orangotangos, leões)
worldanimalprotection.org/customer-not-always-right
**
Wildlife Tourist Attractions
7
A vida silvestre
na corda bamba
A pesquisa global neste relatório reafirma os resultados
do nosso relatório Vida Silvestre na Corda Bamba, de
2010, sobre o sofrimento de animais silvestres usados
na indústria do entretenimento na Tailândia. O relatório
“Vida Silvestre na Corda Bamba” é uma das maiores
avaliações nacionais já realizada sobre a indústria de
entretenimento com animais silvestre.
Descobriu-se que:
1.300 elefantes eram mantidos em cativeiro na
Tailândia, em 2010, para promover passeios e
apresentações para turistas. Ainda em andamento,
nossa pesquisa mostra que os elefantes mantidos em
cativeiro por estas instituições continuam acorrentados
dia e noite. Filhotes ainda sofrem um terrível processo
de treinamento chamado ‘quebra’, que mata seu
espírito e os força à submissão5.
8
614 tigres eram mantidos em cativeiro em 2010. Ainda
muito jovens, eles foram separados de suas mães
e confinados, geralmente em recintos ou jaulas de
concreto, onde turistas podem abraçá-los e tirar fotos5.
Nossa pesquisa indica que esta situação não melhorou
desde então.
290 macacos estavam amarrados ao solo ou eram
mantidos em pequenas gaiolas, soltos somente
para fazer apresentações para turistas. Nossos
pesquisadores notaram que eles geralmente são
fantasiados para, por exemplo, se parecerem com uma
gueixa e fazer truques6.
Alarmante falta
de conscientização
Por volta de 110 milhões de pessoas ao redor do mundo
visitam atrações turísticas com animais silvestres todos
os anos – uma estimativa conservadora de 10% de 1.1
bilhão de todas as viagens turísticas internacionais2.
Mesmo assim, a maioria não tinha consciência dos abusos
envolvendo esses animais.
Isto foi demonstrado pelo estudo acadêmico inovador da
WildCRU sobre o TripAdvisor. O objetivo era aprender
mais sobre a escala global de entretenimento turístico da
vida silvestre e obter um melhor entendimento dos níveis
de conscientização dos turistas que visitam atrações com
animais. O TripAdvisor é a maior rede de avaliações
turísticas online, disponível em 45 países e 28 idiomas
diferentes3 e, portanto, uma relevante fonte de pesquisa.
A WildCRU comparou o conhecimento científico de
especialistas em questões de bem-estar animal com mais
de 50.000 avaliações feitas por turistas no TripAdvisor.
Isto revelou que 80% das pessoas deixaram uma crítica
positiva para atrações que, na verdade, têm um impacto
negativo no bem-estar dos animais silvestres3.
Uma enquete global conduzida pela Taylor Nelson
Sofres (TNS) para a Proteção Animal Mundial, em 2014,
mostrou que 93% das pessoas participam de turismo
com vida silvestre por amarem os animais ou para se
divertirem4. 83% destes mesmos turistas disseram que
preferem ver os animais silvestres na natureza, se tiverem
oportunidade4.
Quando eles descobrem sobre o sofrimento envolvido,
muitos turistas não querem participar mais de atividades
como andar de elefante, abraçar um tigre ou leão.
Nossa campanha “Silvestres. Não Entretenimento.” está
mostrando a realidade. Ela educa e informa turistas que
amam animais, mas que pouco sabem sobre a forma cruel
com que eles são tratados pela indústria do turismo.
Impedir a busca por atrações turísticas como passeios
de elefante, shows e fotos abraçado a tigres ou leões é
fundamental para que o nosso movimento acabe de vez
com todas as atividades cruéis de entretenimento com
animais silvestres.
Fica claro que a maioria dos turistas simplesmente não
sabe que a atração que visitaram promove crueldade
contra animais.
9
As 10 atrações mais
cruéis do mundo
Os pesquisadores da WildCRU analisaram 24 tipos
diferentes de atrações que usam animais silvestres
ao redor do mundo. Elas foram classificadas com
base em critérios de bem-estar e conservação.
As pontuações relativas ao bem-estar foram dadas
de acordo com o cumprimento ou não das “Cinco
Liberdades” pelos estabelecimentos turísticos. As cinco
liberdades são usadas rotineiramente por cientistas e
especialistas em animais para avaliar o seu bem-estar.
Elas incluem: ser livre para comer e beber; viver livre de
desconforto desnecessário, de dor, lesões e doenças;
ter liberdade para manifestar seu comportamento
natural; e ser livre de medo e angústia desnecessários.
A pontuação máxima de +3 foi dada a atrações
turísticas que cumprissem com todas as Cinco
Liberdades. A pontuação mínima de -3 foi dada a uma
atração turística que não cumprisse com quaisquer das
Cinco Liberdades3.
10
Níveis de conservação foram atribuídos, em parte,
de acordo com a classificação da espécie pela Lista
Vermelha da IUCN - União Internacional para a
Conservação da Natureza (Criticamente em Perigo,
Em Perigo, Vulnerável, Pouco Preocupante e Quase
Ameaçada). Este status é usado rotineiramente (por
cientistas e especialistas em animais) para determinar a
extensão em que uma espécie está em risco de extinção.
A pontuação mínima de -3 foi dada a atrações
turísticas que põem em grande risco a sobrevivência de
populações silvestres. Uma pontuação de +3 foi dada
a estabelecimentos que contribuem com os esforços
existentes para salvar os animais silvestres da extinção5.
Temos usado essas classificações da WildCRU junto
com a nossa própria evidência, obtidas em pesquisas e
investigações feitas na Ásia e África 5 7 8 . Como resultado,
estabelecemos uma lista das 10 atrações turísticas mais
cruéis com os animais silvestres em todo o mundo.
1. Passeios em elefantes
Para tornar elefantes submissos o bastante para serem
montados por turistas, eles são levados de suas mães
quando filhotes e forçados a passar por um horrível
processo de treinamento conhecido como “a quebra”.
Isso geralmente envolve mantê-los em uma jaula pequena,
ou prendê-los com cordas ou correntes para que só
possam se mover mediante comandos. A dor intensa é
muitas vezes infligida com ganchos pontudos de metal
ou ripas de madeira para rapidamente estabelecer a
dominância7. Este processo pode demorar de poucos dias
a uma semana5.
A “quebra” de espírito do jovem elefante é feita para que
este animal silvestre aceite pessoas passeando em suas
costas ou qualquer outro contato direto entre turistas e
elefantes7.
O enorme trauma sofrido pelos elefantes pode perdurar
pelo resto de suas vidas e causar até mesmo estresse póstraumático9 10.
Seu sofrimento continua, uma vez que seu espírito foi
quebrado7. Em parques de elefantes, eles são impedidos
de formar relacionamentos sociais naturais uns com os
outros5. Isso é extremamente prejudicial para seu bem-estar
físico e psicológico, assim como o tamanho a que seu
mundo é reduzido em cativeiro. Eles são frequentemente
mantidos acorrentados ou em pequenos recintos e nunca
podem andar livremente como fariam na natureza6.
Contrariamente à percepção pública, o elefante é um dos
animais mais perigosos para se lidar5. Consequentemente,
os treinadores usam ganchos pontudos de metal para
mantê-los sob controle. Isto pode causar ferimentos graves,
incluindo cortes e feridas infectadas5.
Os elefantes mantidos em situações como esta
normalmente recebem pouca assistência veterinária6. Uma
doença relativamente leve pode rapidamente se tornar um
grande problema, causando sofrimento desnecessário em
longo prazo.
O polo turístico mundial para passeios em elefante é a
Tailândia, embora ocorra em outros países asiáticos5.
Também surgiu na África do Sul ao longo dos últimos
dez anos7.
11
2. Fotos com tigres
3. Andar com leões
Filhotes de tigre são separados de suas mães em suas
primeiras semanas de vida para que possam ser usados ​​
como adereços em fotos, por horas a fio5. Eles são
manuseados e abraçados por turistas e normalmente
mantidos acorrentados ou em pequenas jaulas com piso
de concreto6.
Filhotes de leão são criados e levados de suas mães
tipicamente quando têm um mês de idade para suprir
a crescente indústria do turismo com leão, a maioria
localizada no Sul da África8. Os turistas mexem nos filhotes
durante horas e posam com eles para fotos. Muitas vezes,
eles também são orientados a bater nos filhotes se estes
exibirem comportamento agressivo ou indesejável8.
Na Tailândia, encontramos 10 locais que acomodam
cerca de 614 tigres5. Embora a Tailândia seja um centro
de turismo cruel com tigres, a prática também é comum em
outras partes da Ásia, Austrália11, México12 13 e Argentina14.
Quando os filhotes estão grandes demais para os turistas
segurarem e abraçarem - mas ainda são jovens o suficiente
para serem controlados -, alguns deles são usados ​​para
uma experiência turística relativamente nova: o passeio
com leões. Os leões são treinados para passearem de
forma ‘segura’ com turistas, às vezes com coleiras.
Estes leões enfrentam uma vida inteira em cativeiro, pois
não podem ser soltos na natureza8.
12
4. Visitar parques de ursos
5. Segurar tartarugas marinhas
Os ursos são mantidos em ‘poços’ estéreis com o mínimo
- se houver - de enriquecimento comportamental15.
Estes poços são extremamente superlotados. Os ursos
são especialmente solitários na natureza, sendo assim,
a superlotação também pode levar a lutas internas e
desagradáveis lesões15.
A última fazenda de tartarugas marinhas restante no
mundo, que ainda atua como uma atração turística, está
nas Ilhas Cayman. Lá, os turistas podem segurar tartarugas
e até mesmo comê-las durante a visita16.
O estresse associado a essas condições de cativeiro
pode aumentar a susceptibilidade dos animais silvestres a
doenças causadas por infecções bacterianas16. Às vezes,
estes ursos são também forçosamente fantasiados como
palhaços e realizam truques de circo, como andar de
bicicleta ou balançar em uma esfera15.
Segurar uma tartaruga marinha faz com que ela sofra
uma grande quantidade de estresse, o que pode
enfraquecer seu sistema imunológico e aumentar a sua
susceptibilidade a doenças16. Quase 1.300 tartarugas
foram recentemente mortas na fazenda após um surto de
infecções de Clostridium17.
As tartarugas marinhas são criaturas naturalmente tímidas18.
Quando manuseadas por turistas, elas muitas vezes
entram em pânico e batem intensamente suas nadadeiras,
podendo causar garras fraturadas e deslocadas19. Sabese também que alguns turistas deixam cair acidentalmente
as tartarugas marinhas que estão lutando por liberadade16.
Isso pode causar danos significativos, como um casco
quebrado, o que pode matar a tartaruga16.
13
6. Apresentação de golfinhos
Milhões de turistas visitam tanques de golfinhos20, mas eles
não têm conhecimento da crueldade e abusos que estes
golfinhos suportam ao se apresentarem.
Os Estados Unidos são um dos vários países21 que
proíbem que golfinhos sejam capturados em seu
habitat natural e levados para esses tanques, devido
ao sofrimento envolvido. Os golfinhos são muitas vezes
perseguidos por barcos de alta velocidade antes de serem
puxados a bordo ou capturados em redes22. Para muitos,
o estresse é tão grande que morrem durante o transporte
para seus destinos23.
Aqueles mantidos em tanques, tanto os capturados quanto
os criados em cativeiro, enfrentam uma vida de sofrimento.
Eles passam a vida inteira em um espaço não muito maior
do que uma piscina - completamente antinatural e restritiva
em relação ao seu ambiente natural em mar aberto. As
piscinas são frequentemente tratadas com cloro, que pode
causar irritações dolorosas na pele e nos olhos22.
iStock. by Getty images
14
Muitas vezes, os golfinhos em tanques sofrem de
queimaduras solares, porque eles não podem escapar
para as profundezas do oceano. Sua ecolocalização
altamente sintonizada - usada para navegar - sofre
interferência pelas laterais dos tanques, que em nada se
parecem com as rochas e corais que formam os marcos
oceânicos naturais24. Muitos golfinhos também enfrentam
doenças relacionadas ao estresse e podem sofrer de
ataques cardíacos e úlceras gástricas25.
7. Macacos dançarinos
Muitas espécies de primatas são usadas para
​​
entretenimento de rua, mas também revelamos o abuso
sistemático de 290 macacos alojados em locais que
oferecem apresentações de macacos na Tailândia5.
Macacos jovens são treinados de forma agressiva e
dolorosa, para fazê-los andar, se comportar e parecer
mais humanos5. Eles são frequentemente fantasiados como
gueixas e repetidamente forçados a dançar e executar
truques para grupos de turistas5.
Quando não estão se apresentando, os macacos são
frequentemente mantidos acorrentados em pequenas
jaulas ou ao ar livre, com correntes curtas26. Conforme
o macaco cresce, a corrente pode incorporar-se à pele,
levando a infecções dolorosas e doenças26.
15
8. Passeio em plantações de café civeta
9. Encantar serpentes e beijar cobras
Uma única xícara de café civeta ou Kopi Luwak, chega a
US$ 10027. As civetas adoram comer as sementes do café
e o café Kopi Luwak é feito a partir dos grãos contidos
dentro das sementes que as civetas excretam.
Encantamento de serpente tem sido uma atividade de
entretenimento de rua por centenas de anos30 e a última
novidade nesta área é beijar cobras, na Tailândia.
Quando os grãos das civetas são coletados em seus
habitats naturais, não há crueldade envolvida. Mas, em
uma tentativa de produzir mais café civeta, os agricultores
começaram a apanhar as civetas e mantê-las em gaiolas
pequenas e lotadas27. As civetas engaioladas são
incentivadas a devorar uma dieta desequilibrada de
sementes de café.
Este cativeiro antinatural e a alimentação forçada resulta
em lesões, doenças e má nutrição27 . Muitos mostram
sinais de grande tensão, incluindo andar de um lado para
o outro de maneira compulsiva e a auto-mutilação27.
Existe agora uma crescente indústria do turismo de
plantação de café civeta na Indonésia, onde os turistas
visitam civetas enjauladas e provam o café29. Isso faz
com que mais e mais civetas sejam enjauladas e sofram
abusos29.
16
Cobras são comumente usadas para
​​
apresentações
mesmo sendo venenosas e com mordidas que podem
ser fatais para os seres humanos30. As cobras são
normalmente capturadas na natureza, então elas são
debilitadas com um alicate de metal e seus dutos de
veneno são bloqueados ou removidos - muitas vezes com
equipamentos não higienizados. Isso resulta em infecções
dolorosas, que podem matá-las30 31.
10. Fazendas de crocodilos
As fazendas de crocodilos envolvem um número grande
de crocodilos mantidos em cativeiro e criados de forma
intensa - principalmente para abastecer a indústria da
moda com suas peles, mas também por sua carne32. Essas
fazendas também são agora uma experiência bastante
comum de turismo com animais silvestres. As pessoas vêm
para ver os crocodilos e comê-los em restaurantes locais.
As condições nas fazendas costumam ser tão terríveis que
podem, de fato, matar os crocodilos33. Os animais são
normalmente alojados em poços de concreto, muitas vezes
submetidos à superlotação e falta de higiene33.
Crocodilos são muito sensíveis ao estresse33. E
situações severamente estressantes - como o ambiente
intenso da fazenda - podem levar a septicemia33. Se
um crocodilo permanece em um ambiente estressante,
pode não ser capaz de combater a infecção e
desenvolver doenças fatais33.
Por causa da competição por espaço limitado nos
poços, e também por comida e água, os crocodilos lutam
entre si, às vezes até a morte. Eles também arrancam as
pernas uns dos outros - tais ferimentos graves podem,
eventualmente, matá-los32.
17
Dois dos piores
18
Expondo o pior...
celebrando o melhor
Nong Nooch Garden, Tailândia
Ao contrário de genuínos santuários de elefantes, os elefantes em Nong Nooch Garden são mantidos acorrentados e muitas vezes isolados de outros elefantes. Isso faz
com que estes animais altamente inteligentes deixem de
expressar seus comportamentos naturais.
Eles também sofrem abuso mental e físico desde
​​
a infância
para torná-los submissos e obedientes aos comandos do
mahout (guardador).
Em Nong Nooch Garden, existem cerca de 60 elefantes.
Eles são montados, usados ​​para fotos e forçados a
entreter turistas jogando futebol, pintando, montando
triciclos, jogando dardos e dançando.
Estas apresentações fazem com que os animais se
mantenham repetidamente em posições não naturais,
durante muitas das apresentações. Isso causa
problemas de saúde, como deformidades articulares34,
claudicação35 e hérnias36.
Mais de 20 elefantes são forçados a se apresentar seis
vezes por dia, todos os dias. Entre as apresentações os
elefantes adultos são obrigados a levantar os turistas com
suas trombas; elefantes filhotes são forçados a ficar de pé
ou ‹dançar’ para serem fotografados.
O que os usuários do TripAdvisor
dizem sobre Nong Nooch.
Um visitante recente descreveu o local
como ‘um lugar feliz para se visitar”39.
Outro disse ‘Eu me sinto um pouco triste
que os animais estejam em cativeiro ....
Ainda assim, eu gostaria de voltar”40.
Atualmente, tem uma classificação de
4.5 / 5 estrelas, recebeu Certificado de
Excelência do TripAdvisor e é classificado
em 1º lugar de 19 coisas para os viajantes
fazerem na região41. A crueldade com
animais em Nong Nooch é tão evidente
que os usuários do TripAdvisor às vezes
comentam sobre isso, no entanto, isso
raramente afeta a pontuação dada.
Para fazê-los obedecer a comandos, os elefantes são
golpeados repetidamente com um gancho de metal.
Eles também têm as suas sensíveis orelhas beliscadas e
puxadas pelos seus mahouts.
A maioria dos elefantes, tanto adultos quanto jovens, são
acorrentados individualmente em Nong Nooch Garden
quando não estão trabalhando. Nos campos de elefantes,
os filhotes são separados muito cedo de suas mães para
serem treinados para apresentações. Essa separação
de suas famílias causa intensa ansiedade em elefantes
jovens e desenvolvimento anormal37. Serem acorrentados
individualmente também aumenta o estresse e elefantes
jovens mostram a maior taxa de comportamento anormal,
como resultado desse processo38.
19
Fazenda de Tartaruga
Cayman, Ilhas Cayman
A Fazenda de Tartaruga Cayman possui mais de 9.500
tartarugas verdes. É a última fazenda de tartarugas
marinhas do planeta a criar tartarugas marinhas para
consumo humano41. É também uma atração turística.
Estas condições também colocam as tartarugas sob
estresse desnecessário, resultando em um maior risco de
lesões, doenças e canibalismo - todos os quais foram
observados na fazenda16 41.
As tartarugas são alojadas em tanques pequenos, rasos,
de concreto, superlotados e geralmente sem sombra16.
Turistas de todas as idades são incentivados a pegar
e segurar as tartarugas, usá-las como adereços para
fotografia e remar entre elas em tanques16. Este manuseio
desnecessário das tartarugas é uma grave ameaça ao seu
bem-estar16.
Em seu habitat natural, as tartarugas apresentam muito
pouco risco para a saúde humana, mas o mesmo não
acontece com as tartarugas criadas de forma intensiva43.
Como outros répteis, tartarugas apresentam uma grande
variedade de bactérias, vírus e parasitas – que podem
ser transmitidas para as pessoas. Bactérias causadoras
de infecções, incluindo Salmonella e E.coli, foram
encontradas no sistema de água da fazenda e nos
tanques em que as tartarugas podem ser tocadas41.
As tartarugas marinhas são animais silvestres e, por
isso, essa interação não natural com os turistas provoca
um grande estresse. Pode enfraquecer seu sistema
imunológico tornando-as mais suscetíveis a doenças18.
O manuseio muitas vezes faz com que as tartarugas
assustadas entrem em pânico - desencadeando
movimentos intensos das nadadeiras e do corpo, que
podem causar autolesão como garras deslocadas,
fraturas, hematomas e sangramento19. Esta luta também
faz com que sejam derrubadas - especialmente se forem
seguradas por um indivíduo destreinado19.
Deixar cair uma tartaruga pode danificar seu casco ou
causar outros ferimentos graves16.
Tartarugas marinhas silvestres são criaturas normalmente
solitárias, a menos que estejam procriando16. Elas
nadam milhares de quilômetros e podem mergulhar a
profundidades de mais de 100 metros42. Na Fazenda
de Tartaruga Cayman, um único tanque pode abrigar
centenas de tartarugas marinhas. Tal confinamento e
superlotação impede que as tartarugas expressem
comportamentos naturais41.
20
Estas bactérias podem causar sintomas que variam
de diarreia e vômitos a condições que ameaçam a
vida, como septicemia, meningite e pneumonia41 43.
Crianças, idosos e pessoas com sistemas imunológicos
comprometidos ou se recuperando de uma doença correm
maior risco41 43.
O que os usuários do TripAdvisor dizem
sobre a Fazenda de Tartaruga Cayman
Um visitante recente comentou: “Maneira
maravilhosa de entrar em contato com as
tartarugas marinhas. Diversas atividades que
permitem interagir com elas com as mãos” 44.
Outro disse que foi um “lugar incrível para
passar o dia!” 45 A Fazenda de Tartarugas
Cayman tem atualmente uma classificação de
4/5 estrelas no TripAdvisor, um Certificado
de Excelência e está classificado como nº 2
entre 26 coisas para fazer na região46.
21
Dois dos melhores
Fundação de Sobrevivência do
Orangotango em Bornéu: Samboja
Lestari Eco-Lodge (Hospedaria
Ecológica Samboja Lestari)
A Fundação para a Sobrevivência do Orangotango em
Bornéu (BOSF) é uma organização líder no resgate de
orangotangos.
gostam de árvores e vegetação e são frequentemente
providos com enriquecimento ambiental para ajudá-los a
permanecer mental e fisicamente ativos49.
A BOSF acolhe e cuida de orangotangos que perderam
seu habitat, ficaram órfãos na natureza, foram utilizados na
indústria do entretenimento ou mantidos ilegalmente como
animais de estimação. Desde sua fundação em 1991,
salvou mais de 2.200 orangotangos e agora fornece
cuidados e reabilitação a cerca de 700.
Os turistas podem ficar em Samboja Lestari Eco-lodge
do BOSF situado em uma reserva de 1.850 hectares de
floresta tropical de regeneração50. Aqui, eles podem ver os
orangotangos residentes permanentes e apoiar o trabalho
da Fundação.
Seu objetivo final é libertar os orangotangos de volta
nas florestas. Infelizmente, alguns deles nunca podem
ser devolvidos à natureza devido a doenças, deficiência
ou idade47.
O BOSF de Samboja Lestari fornece um lar para alguns
destes orangotangos. Muitos vivem livremente em sete
ilhas artificiais designadas ou Escolas Floresta48 49. Eles
22
Os voluntários também apoiam BOSF fazendo dispositivos
de enriquecimento comportamental para eles, preparando
comida e coletando dados observacionais50.
Nos passeios guiados ao habitat os voluntários e visitantes
pode também detectar outras espécies silvestres como
águias, serpentes, gibões e outros primatas51.
23
24
Santuário de Ursos da Romêmia
O Santuário de Ursos da Romênia é um refúgio seguro para
ursos que antes viviam em cativeiro e eram usados ​​para
entretenimento. Mais de 25.000 visitantes por ano podem
ver ursos reabilitados em condições consideradas seminaturais e, ao mesmo tempo, aprender sobre as ameaças
que enfrentam e o trabalho a ser feito para protegê-los.
Na Romênia, os ursos eram capturados como filhotes e
mantidos ilegalmente em pequenas jaulas em locais como
restaurantes e postos de gasolina para atrair e entreter os
clientes.
Para resolver esta grave situação e oferecer-lhes um
santuário após o confinamento, fundamos o Santuário de
Ursos da Romênia com o nosso parceiro local Asociatia
Milioane de Prieteni (AMP).
O santuário é lar atualmente para 82 ursos, que vivem
em grandes trechos de florestas, de cerca de 30 hectares.
Há tocas de hibernação, grandes piscinas de água doce,
centenas de árvores e vegetação natural exuberante.
Uma vez que imita a natureza, os ursos são livres para se
comportar naturalmente.
Guias bem informados levam grupos de turistas ao redor
do santuário para ver os ursos. Eles também os educam
sobre os problemas de ursos em cativeiro, usados para
entreter, a história do santuário e histórias de sucesso de
ursos resgatados.
O bem-estar dos ursos é protegido em todos os momentos
e os visitantes têm orientações sobre como se comportar
no santuário. Isso inclui não alimentar os ursos, não fazer
barulho, não fumar, não tocar música, não jogar lixo e nem
beber álcool. Os visitantes deixam o santuário levando uma verdadeira
experiência de vida silvestre e um sentimento de carinho
por estes animais silvestres. Em troca, eles estão apoiando
os cuidados contínuos dos ursos.
25
Grande negócio.
Grande crueldade.
A indústria do turismo vale mais do que um trilhão de
dólares e fornece um em cada 11 postos de trabalho
mundialmente. Mais de 1.1 bilhão de pessoas viajaram
para o exterior durante suas férias, em 20142. Especialistas
em viagens preveem que a indústria aumentará pelo
menos 50% antes de 20302.
Enquanto estão de férias, muitas pessoas visitam as
atrações turísticas locais com animais silvestres52.
Quando bem feito, este turismo pode ajudar a proteger
animais silvestres53.
Ao gastar seus dólares com sabedoria - na observação
responsável da vida silvestre ou em genuínos centros de
resgate -, os turistas ajudam a prover as comunidades
locais e são fontes vitais de renda54.
26
No entanto, muitas atrações turísticas têm um impacto
negativo sobre os animais6 55. A maioria das pessoas fecha
os olhos para a extrema crueldade que estes animais
sofrem em nome do entretenimento turístico56. Alguns
desses estabelecimentos também ajudam a empurrar
espécies ameaçadas cada vez mais perto da extinção57.
Turismo combatendo
a crueldade
O grande desafio na luta contra o uso cruel de animais
no entretenimento é conseguir transformar a indústria. O
turismo deve tornar-se parte da solução para acabar com
os maus-tratos e proteger a vida silvestre, ao invés de
causar os problemas enfrentados pelos animais silvestres.
A indústria do turismo como um todo deve assumir mais
responsabilidade pelos locais para onde envia turistas
desinformados. E não há nenhuma regulamentação
internacional sobre como os animais silvestres são usados ​​
no turismo.
Estamos incentivando e trabalhando com agências de
viagens e com os turistas para acabar com a crueldade do
entretenimento com animais silvestres.
Nossa pesquisa mostra que as pessoas querem ter
experiências de férias que sejam boas para os animais
silvestres; elas esperam que os operadores turísticos mudem
a forma como trabalham com animais silvestres. Estamos
apontando nossas preocupações à indústria turística e
denunciando a crueldade do turismo irresponsável com
animais silvestres. Estamos incentivando-os a mudar suas
políticas e promover experiências de férias únicas aos seus
clientes, mas que sejam boas para os animais.
A maioria das pessoas (83%) disse que prefere
ver animais silvestres na natureza4. E outros
85% disseram que as agências de turismo
devem evitar atividades que causam danos
aos animais silvestres4.
27
A indústria de turismo
é parte da solução
Felizmente, muitas agências de turismo enxergam uma
grande oportunidade de mudar as suas ofertas de turismo
com animais silvestres. Após abordagens nossas, ao
longo dos últimos quatro anos, 87 empresas pelo mundo
se comprometeram a parar de vender apresentações e
passeios de elefantes.*
Agências de viagem
amigas dos elefantes
Essas empresas de viagens se afastaram corajosamente
dos lucros sujos associados ao cruel turismo de
entretenimento com elefantes. Muitas delas se
comprometeram a encontrar maneiras de prover
experiências “amigas” da vida silvestre para seus clientes.
No início de 2016, a Associação Holandesa de Agentes
de Viagens e Operadores Turísticos (ANVR) - com mais de
280 empresas afiliadas - lançou diretrizes que categorizam
a maioria das atrações turísticas com animais silvestres
como pobres em relação ao bem-estar e “inaceitáveis”,
incluindo passeios em elefantes e shows59. Isso faz com
que hoje a Holanda seja o país mais amigo dos elefantes
em todo o mundo.
Estamos trabalhando para conquistar o mesmo com
agências de viagem em todos os países do mundo. Isto
será vital para interromper o envio de turistas a locais de
entretenimento cruel com elefantes.
Quando as empresas se recusarem a trabalhar conosco e
continuar vendendo ou promovendo shows e passeios de
elefante, queremos que os seus clientes e os apoiadores
da World Animal Protection saibam.
Conhecimento é poder. Um exemplo aconteceu em
outubro de 2015, quando o Grupo Thomas Cook se
recusou a nos ouvir e uma esmagadora quantidade de
pessoas (174.091) assinou nossa petição, forçando-os a
assumir esse compromisso. Foi esse clamor público que
levou a empresa a retirar as apresentações e passeios de
elefante de suas promoções.
28
Holanda
333Travel
Baobab Reizen
BETje individuele reizen
Better Places
de Jong Intra Vakanties
Djoser
Diogenes Reizen
Fair Mundo Travel
FOX Verre Reizen van ANWB
Green Canyon Reizen
Holland International
Koning Aap
Kras
Sawadee
Shoestring
SNP Natuurreizen van ANWB
SRC Cultuurvakanties
Stip Reizen
Tenzing Travel
Tiara Tours
TUI
YourWay2Go
Bélgica
Jetair
Sunjets
VIP Selection
VTB Reizen
Suécia
Apollo (HQ in SE and offices in DK, NO, FI)
Fritidsresor
Jambo Tours
Kenzan Tours
Kinalotsen
Lejonresor
Naturresor
Odd Explorer
Odenresor
Rosa Bussarna
Swed-Asia Travels
Dinamarca
Albatros Travel (HQ in DK and offices in SE, NO, FI)
C&C Travel
Jysk Rejsebureau (part of Kilroy Group)
Spies
Star Tour
Noruega
Ving Norge AS (NO)
Finlândia
Tjäreborg (FI)
Estados Unidos
Contiki (Offices also in EU, Russia, Egypt, AUS, NZ,
South America, Asia)
GET
Islands in the Sun
Lion World
Qantas Vacations (offices also in AUS and NZ)
Trafalgar (offices also in AUS, Canada, China, NZ,
Singapore, SA, UK)
Uniworld (offices also in NL, Switzerland, FR, China)
Reino Unido
African Travel (offices also in SA)
Haggis
Insight Vacations
Shamrocker
Canadá
Comfortable Hiking Holidays
G Adventures (other offices around the world)
Merit Travel Group
World Expeditions (and offices in USA, UK, NZ, AUS)
Nova Zelândia
Air Tickets
Atlantic Pacific American Express
Go Holidays
United Travel
Austrália
AAT Kings (offices also in NZ)
Adventure Destinations
Adventure World Travel
Atlantic Pacific Travel
Better World Travel
Creative Holidays
Helloworld Limited (offices also in NZ, USA, Fiji, Asia,
UK and SA)
Helloworld for business
Harvey World Travel (offices also in NZ)
Insider Journeys (Previously Travel Indochina-)
Intrepid Travel (HQ in AUS, selling in 147 countries
worldwide)
Jetset Travel
Qantas Holidays
QBT
Rail Tickets
ReadyRooms.com.au
Scenic Tours (offices also in NZ, UK)
Tempo Holidays (part of Cox and Kings group)
(offices also in UK, NZ, Middle East)
Travelscene American Express (AUS)
Travelworld (AUS)
Viva! Holidays (AUS, UK, USA, NZ, Laos, Vietnam,
Cambodia)
China
W Travel
*Esta lista não é estática e é atualizada regularmente. Se você conhece ou tem
uma empresa de viagens que não oferece ou promove passeios de elefante,
apresentações com animais ou outras formas de contato direto entre os turistas e
os elefantes, entre em contato com a Proteção Animal Mundial pelo e-mail [email protected]
worldanimalprotection.org.br para que possamos dizer ao mundo.
Você foi viajar com uma das empresas de viagens listada acima e lhe foi oferecido
(por elas) um passeio em elefante ou uma visita a um show de elefante durante
as suas férias? Por favor, faça a sua reclamação para a empresa de viagens
diretamente e informe-nos pelo email [email protected]
29
Construindo
nosso legado
Nossa visão para um turismo amigo dos elefantes e de
outras espécies silvestres é alcançável. Fizemos isso antes
com ursos.
Ao trabalhar com parceiros locais e autoridades em vida
silvestre no Paquistão, praticamente abolimos eventos que
usavam ursos como isca. Trata-se de uma atividade de
jogo em que ursos são amarrados e atacados por cães.
Os ursos que resgatamos desta crueldade horrível estão
seguros em santuários. E apoiamos seus proprietários para
que transformassem suas vidas.
30
Ursos dançarinos também foram usados ​regularmente para
entreter turistas na Grécia, Turquia e Índia. Eles tiveram
seus narizes perfurados, foram amarrados em correntes,
muitas vezes mal alimentados e abusados com extrema
crueldade. Por anos fizemos campanhas contra esta
prática, juntamente com organizações locais de proteção
aos animais, e felizmente fomos capazes de pôr fim a esta
prática cruel. O desaparecimento de atrações com ursos
dançarinos não afetou o número de turistas que visitam
esses países.
Transformando o
TripAdvisor em amigo
da vida silvestre
A pesquisa da WildCRU sobre o turismo com animais
silvestres destaca o papel que o TripAdvisor – a maior
rede de avaliações online do mundo - pode desempenhar
em educar os turistas sobre a crueldade com a vida
silvestre.
A pesquisa revelou que 80% das pessoas que deixam um
comentário no TripAdvisor não têm conhecimento sobre
a crueldade infligida aos animais silvestres em locais de
entretenimento turístico3.
A evidência nos mostra que a maioria dos viajantes não
reconhece ou responde aos sinais abuso em atrações
turísticas da vida silvestre.
Se o fazem, isso não se reflete em seus comentários online. Isto contribui para um equívoco sobre a qualidade
de vida dos animais em tais lugares. Outros usuários do
TripAdvisor acabam inspirados a visitar esses locais, com
base no feedback positivo, continuando o ciclo de abuso.
Então, como o TripAdvisor
pode ajudar a vida silvestre?
O TripAdvisor não tem medo de premiar estabelecimentos
que fazem a coisa certa. Eles já promovem hotéis
ecológicos, por exemplo, e chamam essas empresas de
‘GreenLeaders’ (Líderes Verdes). Tais empresas estão
“comprometidas com práticas verdes como a reciclagem,
uso de comida local e orgânica e estações de carga para
veículos elétricos58.
Se o TripAdvisor pode endossar um hotel que oferece
frutas orgânicas para o café da manhã ou outras formas
de turismo ecológico, eles poderiam fornecer indicação
similar das melhores atrações de turismo da vida silvestre.
Um programa ‘WildlifeLeaders’ (Líderes da Vida Silvestre)
ajudará os potenciais turistas a encontrar locais com
padrões altos de bem-estar e conservação dos animais.
Isso reduzirá o número de visitantes às atrações pobres em
bem-estar animal.
Um programa ‘WildlifeLeaders’ também encoraja
as atrações turísticas que usam animais silvestres a
implementar melhores práticas.
Estamos sensibilizando os turistas sobre as crueldades
dos passeios em elefantes e outras atividades de
entretenimento com animais silvestres através da nossa
campanha mundial. Se as pessoas encontrarem atrações
que maltratam os animais, vamos pedir que informem
outros turistas através dos comentários no TripAdvisor.
Ao mesmo tempo, estamos em discussões com a
TripAdvisor para informá-los sobre as crueldades com
animais e abusos descritos neste relatório. Queremos
trabalhar com eles e encontrar soluções para que locais
que promovem a crueldade com animais silvestres não
possam mais receber menções enganosas, como um
Certificado de Excelência.
31
Movendo o mundo para
proteger a vida silvestre
Nossa campanha “Silvestres. Não Entretenimento.” está
expondo a crueldade que os animais silvestres sofrem com
turismo no mundo. E enquanto estamos trabalhando duro
para convencer a indústria do turismo a mudar, queremos
que os turistas tomem algumas ações simples para ajudar
a proteger a vida silvestre também.
A maioria das pessoas visitam atrações turísticas com vida
silvestre porque amam os animais e querem ter uma experiência autêntica com a natureza.
Uma autêntica experiência turística com a natureza não
permite o contato e as interações entre animais silvestres e
turistas. Experiências autênticas significam:
Nunca montar um animal silvestre
Nunca nadar com um animal silvestre em cativeiro
Nunca acariciar, segurar ou abraçar um animal silvestre
Nunca lavar um animal silvestre
Nunca manter um animal silvestre em uma corrente ou coleira
Nunca assistir um animal silvestre dançar, praticar esporte,
fazer truques, fazer massagens ou pintar quadros.
Os turistas também podem baixar o nosso guia para se
tornar um viajante amigo da vida silvestre.
Dizemos que…
Se você pode montá-lo, abraçá-lo ou tirar uma selfie com um animal
silvestre, ele provavelmente está sofrendo. Não frequente estas atrações.
32
Junte-se ao
movimento agora
Nosso movimento para acabar com o uso de animais
silvestres para o turismo de entretenimento está crescendo.
Em 2015, quase 250 mil pessoas em todo o mundo e
mais de 80 empresas de viagens se juntaram ao nosso
movimento de proteção dos animais silvestres. Por favor,
junte-se ao movimento também e descubra como você
pode ajudar. Seu apoio é fundamental, seja você parte
da indústria de viagens ou um membro do público.
Juntos, podemos acabar com a crueldade no turismo de
entretenimento com animais silvestres.
Junte-se ao movimento para proteger a vida silvestre
no site worldanimalprotection.org.br/silvestres-naoentretenimento
Baixe o seu guia completo para ser amigo dos animais
durante suas férias e fazer escolhas positivas para a vida
silvestre em sua próxima viagem:
http://www.worldanimalprotection.org.br/not%C3%ADcia/
12-dicas-para-ser-um-turista-amigo-dos-animais
Silvestres. Não entretenimento.
Nossa campanha “Silvestres. Não
entretenimento.” está construindo um
movimento mundial de protetores de
animais para impedir que a vida silvestre
seja usada para entretenimento.
Temos uma longa história de campanhas
para impedir tais abusos, incluindo acabar
com o urso dançarino na Índia, Turquia
e Grécia, através de nosso trabalho com
parceiros locais e funcionários do governo.
33
Referências
1 Filion F.L., Foley J.P., Jacqemot A.J., 1994. The economics of global ecotourism. In: M. Munasinghe, J.
McNealy, eds. Protected Area Economics and Policy: Linking Conservation and Sustainable Development.
Washington, DC: The World Bank. pp.235–52.
2 World Tourism Organisation (UNWTO). 2014. UNWTO Tourism Highlights, 2014 Edition 2014
[23/12/2014]. Disponível no link: http://mkt.unwto.org/publication/unwto-tourism-highlights-2014-edition.
3 Moorhouse T. P., Dahlsjö C. A .L., Baker S. E, D’Cruze N. C., Macdonald D. W., 2015. The Customer Isn’t
Always Right—Conservation and Animal Welfare Implications of the Increasing Demand for Wildlife Tourism.
PLoS ONE 10(10): e0138939. doi:10.1371/journal.pone.0138939.
4 TNS BMRB polling of 1,300 people in 14 countries. Setembro de 2014. Autorizado por World Animal
Protection.
5 World Animal Protection. 2014. Wildlife on a Tightrope: An overview of wild animals in entertainment in
Thailand. [Online] Disponível no link: http://www.worldanimalprotection.org/sites/default/files/int_files/
wildlife-on-a-tightrope-thailand.pdf.
6 Schmidt-Burbach J., Ronfot D., Srisangiam R. 2015. Asian Elephant (Elephas maximus), Pig-Tailed Macaque
(Macaca nemestrina) and Tiger (Panthera tigris) Populations at Tourism Venues in Thailand and Aspects of
Their Welfare. PLoS ONE. 10(9): e0139092. doi: 10.1371/journal.pone.0139092.
7 World Animal Protection. 2015. Breaking Africa’s elephants: Exposing the rise of cruel tourist rides. [ONLINE]. Disponível no link: http://www.worldanimalprotection.org/sites/default/files/int_files/breaking_africas_elephants_report.pdf [Acessado em 22 de dezembro de 2015].
8 World Animal Protection. 2015. Breeding cruelty: How tourism is killing Africa’s lions. [ONLINE]. Disponível
no link: http://www.worldanimalprotection.org/sites/default/files/int_files/lion_report.pdf [Acessado em 22
de dezembro de 2015].
9 Bradshaw G.A., Schore A.N., Brown J.L., Poole J.H., Moss C.J. 2005. Elephant Breakdown. Nature.
433(7028): pp.807.
10 Bradshaw G.A., Linder L. 2006. Post-Traumatic Stress and Elephants in Captivity. Elephant Sanctuary.
Disponível no link: http://www.elephants.com/joanna/Bradshaw&Lindner_PTSD-rev.pdf [Acessado em 13
de janeiro de 20116 2016].
11 DreamWorld. N.d. Tiger Photos [Online] Disponível no link: http://www.dreamworld.com.au/Wildlife/
Tiger-Island/Tiger-Photos.aspx [Acessado em 17 de dezembro de 2015].
12 TripAdvisor. Data Desconhecida. Vallarta Zoo [Online] Disponível no link: http://www.tripadvisor.co.uk/
ShowUserReviews-g150793-d933965-r170775279-Vallarta_Zoo-Puerto_Vallarta.html [Acessado em 22
de dezembro de 2015].
13 T.I.G.E.R.S: The Institute of Greatly Endangered and Rare Species (Data Desconhecida) Disponível no link:
http://www.myrtlebeachsafari.com/#about [Acessado em 17 de dezembro de 2015].
14 Zoo Lujan. Data Desconhecida. Website oficial [Online] Disponível no link: http://www.zoolujan.
com/#!ingles/cqs2 [Acessado em 10 de agosto de 2014].
15 McAlister, Ed., Jones, David. 2005. Bear Parks in Japan. Zoo’s Print. Volume XXII, Number 6 June 2006 (RNI
7:9) Disponível no link: http://www.zoosprint.org/ZooPrintMagazine/2006/June/1-4.pdf.
16 Arena, P.C., Warwick, C., Steedman, C. 2013. Welfare and Environmental Implications of Farmed Sea
Turtles. Journal of Agricultural and Environmental Ethics. Disponível no link: http://link.springer.com/article/10.1007/s10806-013-9465-8# [Acessado em Setembro de 2013].
17 Duncan, C. 2015. 1,268 Turtles Died from Illness at Turtle Farm in 2014. Cayman Compass. 2 de outubro
de 2015. Disponível no link: http://www.compasscayman.com/caycompass/2015/10/02/1,268-turtles-died-from-illness-at-Turtle-Farm-in-2014/ [Acessad em: 14 de janeiro de 2016].
18 Warwick, C., Lindley, S. & Steedman, C. 2011. Signs of stress. Environmental Health News. 10 (21).
19 Mettee, N., 2013. Capture and Restraint [Online] Disponível no link: http://www.widecast.org/What/
AnnualMeeting/2013/2013_Mettee_Sea_Turtle_Restraint.pdf [Acessado em 10 de dezembro de 2013].
20 Plummer, S. 2013. Free Ride: The Case Against Whale and Dolphin Apresentações. National Geographic.
VOICES: Ideas and Insight From Explorers. 22 de fevereiro de 2013 [ONLINE] Disponível no link: http://
voices.nationalgeographic.com/2013/02/22/free-ride/ [Acessado em 12 de dezembro de 2015].
21 Born Free Foundation. N.d. Captive Whales and Dolphins – Global. [Online]. Disponível no link: http://
www.bornfree.org.uk/campaigns/zoo-check/captive-whales-dolphins/global/ [Acessado em 17 de
dezembro de 2015].
22 The Humane Society of the United States & World Animal Protection. 2009. The Case against Marine
Mammals in Captivity. [Online] Disponível no link: http://faada.org/userfiles/159_the_case_against_marine_mammals_in_captivity_english_2009.pdf [Acessado em 17 de dezembro de 2015].
23 Small, R.J., DeMaster, D.P. 1995. Acclimation to captivity: a quantitative estimate based on survival of bottlenose dolphins and California sea lions. Marine Mammal Science. 11(4): 510-519.
24 Born Free Foundation. 2011. Dolphinaria: A review of the keeping of whales and dolphins in captivity in the
European Union and EC Directive 1999/22, relating to the keeping of wild animals in zoos. [Online] Disponível no link: http://www.bornfree.org.uk/fileadmin/user_upload/files/reports/Dolphinaria_Report_engl_FINAL.pdf [Acessado em 15 de Agosto de 2014].
25 Animal Concerns Research and Education Society. 2003. Suffering, Not Smiling: The truth about captive
dolphins. [Online] Disponível no link: http://www.zoocheck.com/wp-content/uploads/2015/06/AcresDolphinReport.pdf [Acessado em 17 de dezembro de 2015].
26 Jakarta Animal Aid. 2014. Free dancing monkeys. [ONLINE] Disponível no link: http://www.jakartaanimalaid.com/campaigns/free-dancing-monkeys/ [Acessado em 10 de dezembro de 2015].
27 World Animal Protection. 2013. The True Cost of the World’s Most Expensive Coffee. [Online] Disponível
no link: http://www.worldanimalprotection.org/sites/default/files/int_files/civets-true-cost-of-the-worlds-most-expensive-coffee.pdf.
28 Carder, G., Proctor, H., Schmidt-Burbach, J., & D’Cruze, N. In Press. The Animal Welfare Implications of
Civet Coffee Tourism in Bali. Animal Welfare.
29 Dutt, B. 2004. Biodiversity, livelihoods & the law: the case of the “Jogi-Nath” snake charmers of India.
Wildlife Trust of India and Rufford Maurice Laing Foundation. Wildlife Trust of India, New Delhi.
30 Dutt, B., Kaleta, R., Hoshing, V. N.d. From charmers to educators: Using indigenous knowledge for conservation education. Centre for Environmental Education. [Online] Disponível no link: http://www.ceeindia.org/
esf/download/paper48.pdf [Acessado em 14 de janeiro de 2016].
34
31 ABTA. 2013. Animal Welfare Guidelines. Tui Travel. [Online] Disponível no link: http://www.tuitravelplc.
com/sites/default/files/attachments/UnacceptableandDiscouragedPractices_IA_Aug2013.pdf [Acessado
em 14 de janeiro de 2016].
32 Huchzermeyer, F.W., 2002. Diseases of farmed crocodiles and ostriches. Revue scientifique et technique
(International Office of Epizootics), 21(2), pp.265-276.
33 Kurt, F. and Hartl, G. B. 1995. Asian elephants (Elephasmaximus) in captivity–a challenge for zoo biological
research. Research and Captive Propagation. Finlander Verlag. 4: 310–326.
34 Lindau, K. H. 1970. Lameness in circus elephants: a result of training? Erkrankungen der Zootiere. 12:
pp.129-131.
35 Kuntze, A. 1989. Work-related illness: Hernia perinealis, Bursitis praepatellaris and Tyloma olecrani in female
circus elephants (Elephas maximus). Erkrankungen der Zootiere. 31: pp.185-187.
36 Newberry, R.C., Swanson, J.C. 2008. Implications of breaking mother–young social bonds. Applied Animal
Behaviour Science. 110: Issues 1-2, pp.3-23.
37 Gruber, T.M., Friend, T.H., Gardner, J.M., Packard, J.M., Beaver, B, and Bushong, D. 2000. Variation in
Stereotypic Behavior Related to Restraint in Circus Elephants. Zoo Biology 19:pp.209–221.
38 TripAdvisor. 2015. Review of Nong Nooch Tropical Botanical Garden. TripAdvisor.co.uk. [Online]. Disponível no link: http://www.tripadvisor.co.uk/ShowUserReviews-g612389-d669526-r293948525-Nong_Nooch_Tropical_Botanical_Garden-Sattahip_Chonburi_Province.html [Acessado em 14 de janeiro de 2016].
39 TripAdvisor. 2015. Review of Nong Nooch Tropical Botanical Garden. TripAdvisor.co.uk. [Online]. Disponível no link: http://www.tripadvisor.co.uk/ShowUserReviews-g612389-d669526-r327324055-Nong_Nooch_Tropical_Botanical_Garden-Sattahip_Chonburi_Province.html [Acessado em 14 de janeiro de 2016].
40 TripAdvisor. 2015. Nong Nooch Tropical Botanical Garden. TripAdvisor.co.uk. [Online]. Disponível no link:
http://www.tripadvisor.co.uk/Attraction_Review-g612389-d669526-Reviews-Nong_Nooch_Tropical_Botanical_Garden-Sattahip_Chonburi_Province.html [Acessado em 14 de janeiro de 2016].
41 World Animal Protection. 2014. The Cayman Turtle Farm: A Continued Case for Chase. London. [ONLINE]
Disponível no link: http://www.worldanimalprotection.ca/sites/default/files/us_files/turtle_a_continued_
case_for_change_report.pdf. [Acessado em 07 de dezembro de 2015].
42 Sea Turtle Restoration Project. 2003. Sea Turtle Fact Sheet, Green Sea Turtle. [Online] Disponível no link:
http://www.seaturtles.org/pdf/Green.pdf. [Acessado em 21 de fevereiro de 2013].
43 Warwick, C., Arena, P. C., & Steedman, C. 2013. Health implications associated with exposure to farmed
and wild sea turtles. JRSM short reports. 4(1), 8. Disponível no link: https://www.researchgate.net/publication/235630598_Health_implications_associated_with_exposure_to_farmed_and_wild_sea_turtles.
[Acessado em 11 de dezembro de 2015].
44 TripAdvisor. 2015. Review of Cayman Turtle Farm: Island Wildlife Encounter. TripAdvisor.co.uk. [Online].
Disponível no link: http://www.tripadvisor.co.uk/ShowUserReviews-g1006573-d2173510-r330007096-Cayman_Turtle_Farm_Island_Wildlife_Encounter-West_Bay_Grand_Cayman_Cayman_Islan.html. [Acessado em 14 de janeiro de 2016].
45 TripAdvisor. 2015. Review of Cayman Turtle Farm: Island Wildlife Encounter. TripAdvisor.co.uk. [Online].
Disponível no link: http://www.tripadvisor.co.uk/ShowUserReviews-g1006573-d2173510-r327496460-Cayman_Turtle_Farm_Island_Wildlife_Encounter-West_Bay_Grand_Cayman_Cayman_Islan.html. [Acessado em 14 de janeiro de 2016].
46 TripAdvisor. 2015. Cayman Turtle Farm: Island Wildlife Encounter. TripAdvisor.co.uk. [Online]. Disponível no
link: http://www.tripadvisor.co.uk/Attraction_Review-g1006573-d2173510-Reviews-Cayman_Turtle_Farm_
Island_Wildlife_Encounter-West_Bay_Grand_Cayman_Cayman_Island.html. [Acessado em 14 de janeiro
de 2016].
47 Borneo Orangutan Survival Foundation (BOSF). 2015. Special Care Unit for our Orangutans in Samboja
Lestari. [Online] Disponível no link: http://orangutan.or.id/special-care-unit-for-our-orangutans-in-samboja-lestari/. [Acessado em 10 de dezembro de 2015].
48 Borneo Orangutan Survival Foundation (BOS).N.d. Accommodations. [Online]. Disponível no link: http://
www.sambojalodge.com/Amenities/. [Acessado em 10 de dezembro de 2015].
49 Sunderland-Groves, J (2015) Questions to support research. [Email] (Comunicação pessoal, 15 a 25 de
janeiro de 2015).
50 Borneo Orangutan Survival Foundation (BOS). N.d. Nature Trail. [Online]. Disponível no link: http://www.
sambojalodge.com/package/Tracking/. [Acessado em 10 de dezembro de 2015].
51 Borneo Orangutan Survival Foundation (BOS) N.d. Orangutan Package. [Online]. Disponível no link: http://
www.sambojalodge.com/package/Orangutan/ [Acessado em 10 de dezembro de 2015].
52 Higginbottom K. 2004. Wildlife tourism: an introduction. In: Higginbottom, K., editor. Wildlife tourism:
impacts, management and planning. Altona Vic, Australia: Common Ground Publishing Pty Ltd. p. 1-11.
53 Zeppel, H., Muloin, S. 2008. Conservation benefits of interpretation on marine wildlife tours. Human Dimensions of Wildlife. 13(4): 280–94.
54 Karanth, KK., DeFries, R., Srivathsa, A., Sankaraman, V. 2012. Wildlife tourists in India’s emerging economy:
potential for a conservation constituency? Oryx 46(03):pp.382-90.
55 D’Cruze N, Alcock R, Donnelly M. 2014. The Cayman Turtle Farm: why we can’t have our green turtle and
eat it too. Journal of Agricultural and Environmental Ethics. 28 (1):pp.1–10.
56 Hunter, LTB., White, P., Henschel, P., Frank, L., Burton, C. Loveridge, A. 2012. Walking with lions: why there is
no role for captive-origin lions Panthera leo in species restoration. Oryx. 47(01): 19–24.
57 D’Cruze, Neil; Sarma, Ujjal Kumar; Mookerjee, Aniruddha; Singh, Bhagat; Louis, Jose; Mahapatra, Rudra
Prasanna; Jaiswal, Vishnu Prasad; Roy, Tarun Kumar; Kumari, Indu; Menon, Vivek. 2011. Dancing bears in
India: A sloth bear status report. Ursus. 22(2):p.99.
58 TripAdvisor. N.d. GreenLeaders. TripAdvisor.co.uk. [Online] Disponível no link: http://www.tripadvisor.
co.uk/GreenLeaders [Acessado em 9 de dezembro de 2015].
59 Dutch Association of Travel Agents and Tour Operators (ANVR). 2016. Dierenbeschermingsorganisaties blij
met ANVR-training dierenwelzijn. [Online]. Disponível no link: http://www.anvr.nl/nieuws/dierenbeschermingsorganisaties-blij-met-anvr-training-dierenwelzijn-16846 [Acessado em 20 de janeiro de 2016].
35
World Animal Protection. Company Limited by Guarantee in England and Wales, Registration No. 4029540. Registered Charity 1081849.
INT0088/0116
worldanimalprotection.org/wildlife-not-entertainers

Documentos relacionados

Leia o relatório completo

Leia o relatório completo que eles são incapazes de construir relações sociais como fariam na natureza. Esse fato e o tamanho de seu mundo no cativeiro são extremamente nocivos para seu bem-estar físico e psicológico. Embor...

Leia mais