Estoril Open 2011

Сomentários

Transcrição

Estoril Open 2011
WWW.ESTORILOPEN.NET
NOTÍCIAS
DEL POTRO E RAONIC JUNTAM-SE A SODERLING E VERDASCO
por Staff
|
16.03.2011
Com a divulgação oficial das listas de inscritos, foram apresentados os protagonistas com
entrada directa na 22ª edição do Estoril Open – que a Lagos Sports organiza entre os
próximos dias 23 de Abril e 1 de Maio no Complexo de Ténis do Estádio Nacional.
O maior evento tenístico português volta a reunir, em simultâneo, não só a fina-flor dos
circuitos profissionais masculino e feminino como também contará com a adesão maciça de
um núcleo duro de aficionados e convidados que desde sempre permitiram ao torneio
transcender o mero interesse competitivo para se transformar num fenómeno sócio-desportivo
internacional que catapulta o bom nome de Portugal além-fronteiras.
«Costumo dizer que o Estoril Open é património nacional e um exemplo raro no cenário
desportivo português – e este ano, na mais difícil conjuntura da sua história, conseguimos
fazer o milagre de o manter bem vivo e até solidificar o seu estatuto no escalão superior do
desporto em que se insere», refere João Lagos. «Foram necessários enormes sacrifícios, mas
o Estoril Open mantém-se de pé à custa de muito sangue, suor e lágrimas. Acredito que o
elenco que conseguimos reunir irá ajudar o público nacional a esquecer as agruras
conjunturais e passar excelentes dias no Jamor, entretido com ténis de qualidade e com os
vários centros de interesse que implementámos no perímetro do torneio de modo a tornar o
nosso evento desportivo também numa experiência familiar e empresarial inesquecível».
UM ‘TORNEIO-BOUTIQUE’: EXPERIÊNCIA INTIMISTA
A excelente reputação do Estoril Open foi recentemente cimentada com mais um galardão –
o ‘Prémio de Excelência’ de ‘Melhor Torneio Europeu na Categoria de Marketing e
Promoção’, atribuído pelo ATP World Tour – que premiou a imaginativa campanha e acções
promocionais da edição transacta, dando sequência à inclusão da prova numa lista da revista
americana Tennis Magazine (a publicação da especialidade com maior tiragem em todo o
mundo) que incluiu o evento português num lote restrito de 10 torneios do circuito profissional
ao mais alto nível que, fora dos quatro eventos do Grand Slam, devem ser visitados pela sua
qualidade tenística e envolvência. E Brad Gilbert, antigo profissional que se celebrizou como
técnico de Andre Agassi, Andy Roddick e Andy Murray que actualmente é líder de opinião
como comentador televisivo, definiu perfeitamente o espírito que se vive no Jamor: «é um
‘torneio-boutique’, um evento sofisticado e intimista que permite aos adeptos estarem mais
próximos das vedetas».
A prestigiada auréola internacional do Estoril Open fez mesmo com que o evento luso, numa
sondagem efectuada há quatro anos no site tennis.com (o sítio internet de ténis com maior
afluência à escala global) surgisse no segundo lugar, logo após o tradicional torneio londrino
do Queen’s Club, de uma lista dos torneios que a comunidade internacional de adeptos mais
gostaria de visitar fora dos mega-eventos do Grand Slam e Masters 1000. Uma significativa
mais-valia é o carácter misto do Estoril Open, vigente desde 1998 com a adição da prova
feminina à competição masculina inaugurada em 1990, integrando o evento português numa
elite muito restrita que reúne ao mesmo tempo e no mesmo local provas pontuáveis para as
classificações oficiais do ATP World Tour e do circuito WTA.
No Jamor, serão distribuídos 398.250 euros de um encargo total de 450.000 euros na
vertente masculina e 220.000 dólares no sector feminino.
HOSSANA NAS ALTURAS
A 22ª edição do Estoril Open afigura-se extremamente variada e com múltiplos focos de
interesse tanto nos homens como nas senhoras.
«Há três anos apresentámos uma campanha que ficou na retina de todos e que, em sentido
figurado, sublinhava que os gigantes estavam de regresso à terra», recorda João Lagos;
«este ano temos como protagonistas gigantes na verdadeira acepção do termo – e que, para
além da elevada estatura, são também grandes jogadores e que já venceram títulos na
presente temporada: o Juan Martin del Potro venceu em Delray Beach e é o único, para
além de Novak Djokovic, a contrariar o domínio bicéfalo de Roger Federer e Rafael Nadal
em torneios do Grand Slam na última meia dúzia de anos, sendo também o único a vencer
ambos num evento do Grand Slam; o Robin Soderling, apesar do seu poderio em pisos
rápidos que já lhe valeu três troféus em 2011, foi o único a derrotar Rafael Nadal em Roland
Garros e um ano depois foi o carrasco de Roger Federer no trajecto para uma segunda final
na terra batida parisiense; a coqueluche Milos Raonic tem uma enorme vocação atacante
que lhe deu acesso aos oitavos-de-final do Open da Austrália, ao título em San José e à final
de Memphis, sendo a maior revelação da época em curso; possui um serviço-canhão
prodigioso, sendo já comparado a Pete Sampras. E também há que destacar o Fernando
Verdasco, que é só ligeiramente mais baixo do que eles mas que apresenta elevado carisma
e nível de jogo».
Para além desse quarteto de colossos composto pelo argentino (1m98, mais alto campeão de
sempre da história dos torneios do Grand Slam), pelo sueco (1m93), pelo jovem canadiano
(1m96) e pelo espanhol (1m88), figura na lista de inscritos um jogador de estatura ainda mais
elevada do que a deles (o sul-africano Kevin Anderson, com 2m03!); outras menções
honrosas vão para o francês Gilles Simon (ex-top 10 e primeiro cabeça-de-série na edição de
2009), do melhor tenista brasileiro desde Gustavo Kuerten (Thomaz Bellucci), de dois excampeões juniores de Wimbledon (o francês Jeremy Chardy e o holandês Thiemo de
Bakker) e do lituano ex-campeão mundial de juniores Ricardas ‘Richard’ Berankis, que
ganhou o seu primeiro título profissional (um Future) em Portugal há quatro anos.
FILHOS DO ESTORIL OPEN
A edição de 2010, para além de ter estabelecido vários recordes diários de assistência que a
catapultaram para o segundo maior total (cerca de 52 mil espectadores) de sempre atrás da
edição de 2008 ganha por Roger Federer (mais de 53.000 entradas), pulverizou todos os
recordes de prestações lusas através de um lote de jogadores que cresceu a acalentar o sonho
de um dia brilhar no Jamor; no maior torneio de ténis português, os portugueses foram os
maiores protagonistas ao rubricarem uma catadupa de feitos inéditos: pela primeira vez
esteve um luso na final de um evento ATP World Tour (Frederico Gil, que chegou a liderar
por 3-0 no set decisivo!), dois elementos nacionais nos quartos-de-final (Frederico Gil e Rui
Machado), houve um total de quatro representantes portugueses na segunda ronda (para
além deles, Leonardo Tavares e Michelle Brito) e a dupla Leonardo Tavares/Pedro
Sousa chegou à meia-final de pares.
Este ano, e aquando do fecho das inscrições, nenhum representante da casa apresentou
classificação para entrar directamente no quadro principal – ficando assim à mercê de
desistências de última hora ou dos três convites (wild cards) que constituem prerrogativa do
director do torneio. Frederico Gil, primeiro na lista de ‘alternates’, deve ter o acesso à melhor
grelha praticamente garantido, ao passo que Rui Machado é o quinto dessa lista. «Não
deixarão de aceder ao quadro principal por falta de convite», adiantou João Lagos,
confirmando a tradição de entregar wild cards aos melhores jogadores portugueses.
LISTA FEMININA COM CAMPEÃS EM FOCO
Nas senhoras, a lista de entradas directas também se mostra interessante, a começar por três
campeãs que constam do palmarés da prova – a jovem letã Anastasija Sevastova (titular
em 2010), a húngara Greta Arn (inverosímil vencedora em 2007, após salvar match-points
na final diante de Victoria Azarenka) e a chinesa Zheng Jie (que, em 2006, se impôs na
primeira final cem por cento chinesa no WTA).
Mas o maior destaque mediático deverá rodear a participação da australiana Jelena Dokic, a
antiga menina-prodígio e número quatro mundial que jogou no Jamor pela primeira vez em
1999 enquanto campeã mundial de juniores semanas antes de atingir os quartos-de-final de
Wimbledon e que entretanto viveu um autêntico calvário de lesões físicas e psicológicas
infligidas por um pai tirano, ganhando recentemente o seu primeiro título WTA (em Kuala
Lumpur) desde 2002. As titulares da selecção norte-americana que no ano passado jogou a
final da Fed Cup, Bethanie Mattek-Sands (que enverga as indumentárias mais
espampanantes do circuito) e Melanie Oudin (menina-prodígio apontada como sucessora das
irmãs Williams) também estarão em foco.
Curiosamente, as duas ultra-possantes jogadoras que são as mais bem classificadas da lista já
tiveram acompanhamento técnico por parte de treinadores portugueses aquando de
participações anteriores no Jamor: a russa Alisa Kleybanova (Gonçalo Portas) e a australiana
Jarmila Groth (Miguel Horta).
Nenhuma portuguesa tem entrada directa no quadro principal, estando sujeitas a um dos
quatro convites disponíveis ou à passagem pela fase de qualificação.
NEGÓCIOS, DIVERTIMENTO E RESTAURAÇÃO
Mas o Estoril Open também apresenta trunfos fora dos courts – seja na área dos negócios,
da restauração ou de pura diversão juvenil.
O Sponsors Village é um local Corporate de excelência especialmente reservado aos
patrocinadores e seus convidados – mantendo-se como foco nevrálgico no mais relevante
acontecimento desportivo internacional levado a cabo anualmente em Portugal. A zona mais
exclusiva do Estoril Open conta com a presença diária de decisores, possibilitando a
realização de acções únicas de relações públicas. Com cerca de 7.000 m², o Sponsors
Village fortalece relações socio-profissionais, acolhe almoços no seu restaurante exclusivo e é
‘the place to be’ na semana do torneio.
Num registo mais lúdico, o Estoril Open voltará a ser muito popular junto das camadas mais
jovens graças ao Fun Center. Pensando nos aficionados e nas suas famílias, a Lagos Sports
continua a investir na área dedicada ao público baptizada ‘Break-Point’, que inclui uma
praceta/esplanada contígua ao Court Central que aglomera toda a zona de merchandising e
restauração. A zona inclui um palco de espectáculos dotado de écrã gigante e vários outros
centros de alimentação da mais diversa índole, desde pizzas a gelados. No que diz respeito ao
merchandising, a tradicional ‘Avenida das Palmeiras’ albergará stands de patrocinadores.
Está igualmente contemplado o habitual espaço de baby-sitting para que pais possam deixar
os filhos mais novos.
REDES SOCIAIS
Este ano, na partilha de comunicação do Estoril Open e na interacção do torneio com os seus
fãs, ganham maior peso as várias plataformas do torneio nas redes sociais – com novidades e
actualizações colocadas na página oficial do Facebook (Estoril Open) e da recém-criada
conta no Twitter (Twitter.com/EstorilOpen).
A não perder, de 23 de Abril a 1 de Maio!