ITU - USF

Сomentários

Transcrição

ITU - USF
ARTIGO PARA JORNAL “CORREIO DA FEIRA”
Infecção Urinária… O que devo saber?
Ana Raquel Pereira, Enfermeira na USF Terras de Santa Maria
As infecções do sistema urinário são as infecções mais frequentes em pessoas de todas
as idades. Estas infecções contribuem para a falta de saúde e para o desenvolvimento de
incapacidades renais crónicas. A infecção tanto pode ser aguda como crónica em todas as
partes do sistema urinário. A infecção é considerada inferior quando envolve a bexiga ou a
uretra e superior quando envolve o rim e o bacinete.
As infecções do sistema urinário são provocadas por bactérias patogénicas que
invadem uma ou várias das suas estruturas anatómicas, ocorrendo mais frequentemente nas
mulheres do que nos homens. Os factores que contribuem para isso são: uma uretra mais
curta, próxima da vagina e do recto e a falta do líquido prostático, que fornece protecção
contra as infecções nos homens. O risco de infecção também aumenta com o aumento da
actividade sexual e com a gravidez. A Diabetes Mellitus, a Hipertensão Arterial, a anemia, a
malnutrição e a menopausa são, ainda, factores de risco associados ao desenvolvimento de
infecções urinárias. A utilização de cateteres urinários (algália), especialmente nos hospitais,
também contribui para o aumento do risco de infecção.
Os sintomas que levam uma pessoa com infecção urinária a procurar o médico
incluem: urinar frequentemente, urgência em urinar, ardor durante a micção, urina turva ou
com cheiro fétido, desconforto supra-púbico e nalguns casos presença de sangue na urina. As
infecções urinárias superiores estão associadas a febre, dores na região lombar, sensibilidade
no ângulo costovetebral, náuseas e vómitos.
No dia-a-dia, existem alguns cuidados que podem ser adoptados no sentido de
prevenir as infecções urinárias. Beber 1,5-2L de água por dia uma vez que o aumento do
consumo de líquidos ajuda a diluir a urina fornecendo um fluxo contínuo de urina que
minimiza a estase e a multiplicação da bactéria no sistema urinário. O consumo regular de
vitamina C em doses suficientes para ser eliminada pela urina, poderá reduzir o
desenvolvimento das bactérias. A vitamina C, quando eliminada na urina, acidifica a urina e as
bactérias não crescem tão facilmente em ambiente ácidos. O sumo de arando é eficaz na
prevenção da aderência das bactérias à parede da bexiga. Os banhos/duches podem
proporcionar conforto, mas não se devem utilizar produtos desinfectantes nem irritantes. O
sabão de barra rosa ou o sabonete de glicerina são boas opções. Tanto a mulher como o
homem devem lavar-se antes e após as relações sexuais. Nas relações sexuais deve-se evitar
praticar sexo oral, vaginal e anal consecutivamente no mesmo acto. As infecções urinárias
associadas a relações sexuais podem desenvolver-se rapidamente, cerca de 12h após o acto.
Devem ser evitadas roupas interiores sintéticas ou muito apertadas. Evitar usar pensos
higiénicos ou trocá-los regularmente (2 em 2 horas) e sempre que sentir vontade de urinar, ir à
casa-de-banho.
Em situações de algaliação crónica, devem-se adoptar alguns cuidados como: lavar
correctamente as mãos antes de mexer na algália, limpar a junção algália-meato durante a
higiene diária, evitar o contacto com fezes (trocar fralda regularmente), fixar correctamente a
algália, evitar desconectar desnecessariamente a algália e o saco colector e manter o saco
colector num nível inferior ao da algália.

Documentos relacionados

infEcçõES uRináRiaS: uma altERnatiVa natuRal E Eficaz

infEcçõES uRináRiaS: uma altERnatiVa natuRal E Eficaz superiores; as inferiores referem-se às infecções da uretra ou da bexiga, e as superiores às dos rins ou dos ureteres. No desenvolvimento de uma infecção urinária, a via ascendente é a mais comum. ...

Leia mais