Diagnóstico de Podologia - Espaço de Erika Liz

Сomentários

Transcrição

Diagnóstico de Podologia - Espaço de Erika Liz
Diagnóstico de
Podologia
Prof Erika Liz
A anamnese e o exame físico devem ser feitos
de maneira completa em cada paciente, pois é
de grande auxílio no diagnóstico de várias
patologias. Sugerimos ênfase em alguns pontos:
1. Idade do paciente: nas crianças, as unhas
crescem rápido, são finas, maleáveis e
transparentes; já nos idosos, têm crescimento
lento, são grossas, duras e amareladas. Desta
maneira, uma unha fina e frágil em um adulto
pode ser um indício de hipertireoidismo,
enquanto uma unha grossa em uma criança
pode ser sinal de psoríase.
ACHADOS CLÍNICOS
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
2. Casos semelhantes na história familiar:
deve ser questionado o grau de parentesco
dos pais, principalmente na suspeita de
doenças genéticas.
3. Medicamentos: podem causar alterações
no aparelho ungueal, tanto na cor, quanto na
textura e na adesão da placa. Na maioria dos
casos, estas alterações são transitórias,
cessando
com
a
interrupção
do
medicamento.
ACHADOS CLÍNICOS
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
4. Exame físico: lesões dermatológicas em
outras partes do corpo, como placas de
psoríase, áreas de alopecia ou lesões orais de
líquen plano, podem auxiliar no diagnóstico.
De forma semelhante, estigmas de doenças
sistêmicas
como
ginecosmastia
e
telangiectasias
na
cirrose
hepática,
exoftalmia no hipetireoidismo ou edema de
membros inferiores na insuficiência cardíaca
complementam o diagnóstico.
ACHADOS CLÍNICOS
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Causas de alterações
ungueais
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com
Traumas/iatrogênicas
líquen plano ungueal
Tumores
Infecções virais e bacterianas
Vasculites
Insuficiência vascular/microinfartos
Epidermólise bolhosa adquirida
Diminuição do tamanho da lâmina
ungueal
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com
psoríase
Microtraumas
Síndrome das unhas amarelas
Onicomicose
Idosos
Lâmina ungueal espessada
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Herança
autossômica
dominante
Idade avançada
Paquioníquia
congênita
Onicomicose
psoríase
Linfedema
Síndrome nefrótica
Unhas amarelas
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
HIV
Tiroidopatias
Medicamentos
D-Penicilamina
AZT
Pneumopatias
Síndrome
paraneoplásica
Cardiovasculares
Anemia
Doença coronariana
Metabólicas
Tireotoxicose
Hipotireoidismo
Outras
Policitemia vera
Coiloníquia
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
psoríase
líquen plano
Esclerodermia
Alopecia areata
Traumas
Idiopático
congestiva
Pulmonar
Cardiopatias
congênitas
Neoplasias
Gastrintestinal
Bronquite/
Colite ulcerativa
bronquiectasia
Neoplasias
Tuberculose
Hepática
Pneumonia aguda
Cirrose
DPOC
Cardiovascular
Insuficiência cardíaca
Hipocratismo digital
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Outras
Sífilis
Pós-tireoidectomia
Mixedema
Hanseníase
Esclerodermia
Aneurisma de aorta
Tumor de Pancoast
Linfangite
Trauma
Unilateral
Hipocratismo digital
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Traumas
Dermatoses que comprometam a matriz
Doenças sistêmicas
Linhas de Beau
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Idiopática
Sistêmicas
Doença tireoidiana Anemia ferropriva
Insuficiência arterial
periférica
Locais
Onicorrexe
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
líquen plano
psoríase
Traumas
Inflamações e
infecções
Contato prolongado
com água
Doenças
dermatológicas
psoríase
líquen plano
Alopecia areata
Dermatite atópica
Doenças bolhosas
Pitting
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Doenças sistêmicas
psoríase artropática
Lúpus eritematoso
sistêmico
Dermatomiosite
Sífilis
Amiloidose
Anemia
Cirrose hepática
Crioglobulinemia
Diabetes mellitus
Diálise
Discrasias
sanguíneas
Doenças
pulmonares
Doenças bolhosas
Eczema
Endocardite
Glomerulonefrite
HIV
Hipertensão arterial
Hemorragias em estilhaço
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Leucemia
Lúpus eritematoso
sistêmico
Normalidade (10 a
20%)
Onicomicose
psoríase
Púrpuras
Poliarterite nodosa
Porfiria
Reações
medicamentosas
Síndrome
antifosfolípide
Tireotoxicose
Úlcera péptica
Vasculites
Hemorragias em estilhaço
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Verd.Doenças
dermatológicas
Eritema polimorfo
Onicomicose
Psoríase
Doenças
cardiopulmonares
Leuconíquia
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Infarto do miocárdio
Insuficiência cardíaca
Pneumonia
Doenças renais
Insuficiência renal
Glomerulonefrite
Doenças
Mee)
endócrino/metabóli Chumbo
cas
Monóxido de carbono
Gota
Trauma
Hipoproteinemias
Aparente
Ciclo menstrual
Linhas de Muercke
Drogas/Envenename Hipoalbuminemia (pp.
nto
renal)
Quimioterápicos
Arsênico (linhas de
Leuconíquia
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Unhas de Lindsay (unhas meio a meio)
Insuficiência renal
Unhas de Terry (faixas eritematosas com
área esbranquiçada proximal )
Cirrose hepática
Insuficiência cardíaca
Diabetes mellitus
Tireotoxicose
Idiopática
Leuconíquia
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Dermatológicas
Traumas
Tumores
Onicomicose
psoríase
líquen plano
Sistêmicas
Amiloidose
Onicólise
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Anemia
Bronquiectasia
Câncer de pulmão
Diabetes mellitus
Fenômeno de
Raynaud
Gravidez
Isquemia periférica
LES
Porfiria cutânea tarda
Pelagra
Pênfigo vulgar
Reação medicamentosa
Sífilis
Síndrome das unhas amarelas
Tireoidopatias
Onicólise
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Cor
Droga
Unhas amarelas
D-Penicilamina
AZT
Azul-acinzentado
Prata
Minociclina
Azul – marrom
Antimaláricos
Púrpura
Warfarina
Tetraciclina
AAS
Hemorragias em estilhaço
Cetoconazol, Tetraciclina
Alterações na coloração das unhas
por medicamentos
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Cor
Droga
Marrom
Mercúrio
Sais de ouro
Fenotiazinas
Fenintoína
Andrógenos
Banda vermelha
Heparina
Branco (linhas de Mee)
Arsênico
Bandas longitudinais pigmentadas
Ibuprofeno
Alterações na coloração das unhas
por medicamentos
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
No
diagnóstico
diferencial,
pode-se
abordar a investigação do acometimento
ungueal
agrupando
as
alterações
associadas a doenças sistêmicas ou a
quadros puramente dermatológicos.
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Doença
Cardiovasculares e hematológicas
Insuficiência cardíaca
Insuficiência vascular periférica
Doença de Kawasaki
Anemias crônicas
Gastrintestinais
Doença de Wilson
Cirrose hepática
Doenças gastrintestinais
Estados carenciais
Metabólicas e hormonais
Doença de Addison
EXEMPLOS
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Alterações
Coloração avermelhada da lúnula
Distrofias ungueais
Eritema com edema e descamação do
tecido periungueal
Onicorrexe
Onicólise
Palidez do leito
Lúnula azulada
Unhas de Terry
Unha em pinça
Unhas frágeis
Melanoníquia estriada
psoríase
Pitting (edema)
Manchas salmão
Onicólise (solta)
Hemorragias em estilhaço
Hiperqueratose do leito (queratina)
Paroníquia (Inf.pele)
Traquioníquia (20unhas)
Alterações ungueais em doenças
dermatológicas
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
líquen plano
Pterígio dorsal
Onicólise
Traquioníquia (rugosa)
Hiperqueratose do leito
Acometimento de várias unhas
Síndrome das unhas amarelas
Atrofia ungueal
Síndrome das 20 unhas
Alterações ungueais em doenças
dermatológicas
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Alopecia areata
Pitting superficial e regular
Onicomadese (descolamento)
Leuconíquia geométrica (branca)
Linhas de Beau (estrias transv.)
Traquioníquia
Lúnula eritematosa (transversas paral. )
Alterações ungueais em doenças
dermatológicas
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Os exames complementares na propedêutica
do aparelho ungueal devem ser direcionados
de acordo com as hipóteses diagnósticas.
Sempre que houver dúvida, o paciente deve
ser encaminhado para avaliação do
especialista e biopsiado, se necessário.
Na investigação de alterações ungueais
secundárias a causas sistêmicas, os exames
complementares devem solicitados segundo
a provável doença de base.
EXAMES COMPLEMENTARES
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Tzanck - citologia e imunofluorescencia
direta
Ultra-sonografia
A
ultra-sonografia
diagnóstica
utiliza
dispositivos
que
emitem feixes sonoros e registram os
ecos refletidos pela incidência destes
feixes em diferentes interfaces.
Orientação
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Tomografia - é um exame, que consiste numa
imagem que representa uma secção ou
"fatia" do corpo. É obtida através do
processamento
por
computador
de
informação recolhida após expor o corpo a
uma sucessão de raios X.
Ressonância nuclear - é uma técnica que
permite determinar propriedades de uma
substância através do correlacionamento da
energia absorvida contra a frequência, na
faixa
de
megahertz
(MHz)
do
espectromagnético, caracterizando-se como
sendo uma espectroscopia.
Orientação
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Capilaroscopia periungueal - consiste na
visualização
in
vivo
da
rede
microvascular da região periungueal.
Trata-se de um exame não-invasivo e de
fácil execução, que tem encontrado
grande aplicação no estudo das acrosíndromes vasculares
Orientação
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Alteração
Eritema periungueal
Distrofia canalicular
Hipóteses diagnósticas
Colagenoses
psoríase
Paroníquia
Eczemas
Onicomicoses por fungos
não dermatófitos
Exames
Capilaroscopia
periungueal
Micológico direto
Epiluminescência
Cistos na matriz
Drenagem
Tumores ou lesões que
Ultra-sonografia
comprimam a matriz
Ressonância magnética
Principais exames
complementares direcionados
para hipótese diagnóstica
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Alteração
Hipóteses diagnósticas
Onicomicose
Espessamento da lâmina psoríase
e/ou leito ungueal
Eczemas
Idade
Herpes simples
Doenças
bolhosas
Pústulas nos dedos
infectadas
Infecções bacterianas
Paroníquia aguda
psoríase
Pitting
Alopecia areata
líquen plano
Onicomicose
Onicólise
sem
Traumas
hiperqueratose (dolorosa
Lesões tumorais
ou não)
Exostose óssea
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Exames
Micológico direto
Cultura
Tzanck
Gram
Cultura
Exame dermatológico
Biópsia
Micológico direto
Radiografia
Ultra-sonografia com ou
sem Doppler
Tomografia
computadorizada
Ressonância
nuclear
magnética
O tratamento das onicopatias é aplicado
na causa das alterações e, na grande
maioria
dos
casos,
consiste
de
medicamentos
tópicos,
intralesionais,
sistêmicos ou cirúrgicos. Parte importante
do tratamento são os cuidados gerais com
as unhas.
Tratamento
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
Cuidados gerais com as unhas
Corte adequado
Evitar
Contato frequente
detergentes
com
água
Uso de luvas de tecido por dentro e de
Esmaltes de unha
borracha por fora
Emolientes
Removedores de esmalte
Lixamento
da
lâmina,
quando
Retirar a cutícula
necessário
Limpeza embaixo da lâmina
Cuidados gerais com as unhas
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
e
1.
Zaias N. The nail in health and disease. 2. ed. Norwalk: Appleton &
Lange, 1990.
2.
Hamilton JB, Terada H, Mestler GE. Studies of growth throughout the
lifespan in Japanese: growth and size of nails and their relationship to age,
heredity and other factors. J Gerontology 1955; 10:401-415.
3.
Le Gros Clarck WE, Buxton LHD. Studies in nail growth. Br J Dermatol
1938; 50:221-235.
4.
Georghegan B, Roberts DF, Sampford MR. Possible climatic effects on
nail growth. J Appl Physiol 1958; 13:135-138.
5.
Hillman RW. Fingernail growth in pregnancy relations to some common
parameters of the reproductive process. Human Biology 1960; 323:119-134.
6.
McKusick VA, Francomano CA, Antonarakis SA, Pearson PL. Nail-patella
syndrome [NPS]; Onychoosteodysplasia; Turner-Kieser syndrome”. In:
Mendelian inheritance in man. A catalog of human genes and genetic
disorders. 11. ed. Baltimore and London: Johns Hopkins University Press,
1994. p.996-997.
7.
Beals RK. Hereditary onycho-osteodysplasia (nail patella syndrome).
Report of nine kindreds. J Bone Joint Surg [Am] 1969; 51: 505-515.
8.
Child FJ, Wering AB, Vivier AWP. Proteus syndrome: diagnosis in
adulthood. Br J Dermatol 1998; 139:132-136.
9.
Muller C. On the cause of congenital onychogryposis. Muenchen Med
Wochenschr 1904; 49:2180-2.
BIBLIOGRÁFIA
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
10. Tosti A, Piraccini BM, Di Chiacchio N. In: Doença da unhas:
clínico/cirúrgico. São Paulo: Luana Livraria Editora, 2007.
11. Stone OJ: Spoon nails and clubbing. Cutis 1975; 16:235.
12. Blum M, Avinam AL. Splinter hemorrhages in patients
receiving regular hemodialysis. JAMA 1978; 1239:44.
13. Seckler SG. A handful of pearls. Hosp Physician 1976; 12:4.
14. Runne U, Orfanos CE. The human nail. Curr Prob Dermatol
1981; 9:102.
15. Gross NJ, Tall R. Clinical significance of splinter
hemorrhages. Br Med J 1963; 12:1496.
16. Tosti A, Baran R, Dawber RPR. The nail in systemic diseases
and drug-iduced changes. In: Baran R, Dawber RPR, eds. Disease
of the nails and their management. 2. ed. Oxford: Blackwell
Scientific, 1994. p.175-261.
17. Terry R. White nails in hepatic cirrhosis. Lancet 1954;
i:757-759.
18. Holzberg M, Walker HK. Terry’s nails: revised definition and
correlations. Lancet 1984; i:896-899.
19. Captup R, Cappio F, Rigorri C. Pterygium inversum ungüis.
Arch Dermatol 1993; 129:1307.
BIBLIOGRÁFIA
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
20. Terry R. Red half-moons in cardiac failure. Lancet 1954; ii:842.
21. Barone SR et al. The differentiation of classic Kawasaki disease, atypical
Kawasaki disease, and acute adenoviral infection. Arch Pedriatr Adolesc Med
2000; 154:453-456.
22. Sampaio SAP, Rivitti EA. Onicoses. In: Sampaio SAP, Rivitti EA.
Dermatologia 3. ed. São Paulo: Artes Médicas, 2007. p.441-453.
23. Bearn AG, McKusick VA. Azure lunulae. JAMA 1958; 166:904.
24. Jemec GB, Kollerup G, Jensen LB, Morgensen S. Nail abnormalities in non
dermatologic patients: prevalence and possible role as diagnostic aids. J Am
Acad Dermatol 1995; 32:977-981.
25. Bissel GW, Sarakomoi K, Greenslit F. Longitudinal banded pigmentation
of nails in primary adrenal insufficiency. JAMA 1971; 215:1656.
26. Marks G, Ellis JP. Yellow nails. Arch Dermatol 1970; 102:619.
27. Kandil E. Yellow nail syndrome. Int J Dermatol 1973; 12:236.
28. Baran R. Paraneoplastic acrokeratosis of Bazex. Arch Dermatol 1977;
113:1613.
29. Michel C et al. Nail abnormalities in rheumatoid arthritis. Br J Dermatol
1997; 137:958-962.
BIBLIOGRÁFIA
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011
30. Garcia-Patos V, Bartralot R, Ordi J, Baselga E, Moragas JM,
Castells A. Systemic lupus erythematosus presenting with red
lunulae. J Am Acad Dermatol 1997; 36:834-836.
31. Urowitz M, Gladman DD, Chalmers A, et al. Nail lesions in
systemic lupus erythematosus. J Rheumatol 1978; 5:441.
32. Cribier B, et al. Nail changes in patients infected with
human immunodeficiency virus. Arch Dermatol 1998; 134:12161220.
33. Scher RK, Daniel III CR. Mails: diagnosis, therapy, surgery.
3. ed. Elsevier Saunders, 2005.
34. ABC of dermatology. Nails. Br Med J (Clin Res Ed) 1988;
296(6615):106-9.
35. Nail abnormalities: clues to systemic disease. Am Fam
Physician 2004; 69(6):1417-24.
BIBLIOGRÁFIA
Prof Erika Liz erikalizfarma.wordpress.com 2011

Documentos relacionados