26 de Julho de 2012

Сomentários

Transcrição

26 de Julho de 2012
EMERGING LEADERSHIP INICIATIVE
26 de Julho de 2012
EMERGING
LEADERS
PROGRAM
26 de Julho
de 2012
Quebrando Culturas de Resistência
por Guilherme
de Amorim Ávilla Gimenez
DIRETO DE AUSTIN - TX
NESTA EDIÇÃO
Quebrando Resistências
Esse boletim informativo tem como objetivo compartilhar
o que estou vivendo aqui no Curso de Liderança Avançada
que faz parte do Programa de Líderes Emergentes do ELI
(Emerging Leadership Iniciative). Diariamente enviarei um
resumo das aulas em forma de apontamentos, destacarei
as frases mais relevantes e espero que isso sirva para
edificação e incentivo de todos vocês.
Um forte abraço a todos, fiquem com Deus e tenham dias
de bênção e paz aí no Brasil.
Guilherme Gimenez
EMERGING LEADERSHIP INICIATIVE
É uma instituição sem fins lucrativos criada por Jonh
Burke, pastor da Gateway Church em Austin/TX. A missão
desta instituição é definida como “EQUIPAR UM NOVO
TIPO DE LÍDER PARA UM NOVO TIPO DE IGREJA.” O ELI
não tem sede própria, várias igrejas ao redor do mundo o
representam e oferecem capacitação de liderança. Aqui
em Austin acontece uma vez por ano, sempre no mês de
Julho, um programa de capacitação de líderes
internacionais. Como a procura é muito grande as vagas
para novos alunos estão fechadas até 2014 quando a atual
turma terminará sua capacitação. Em Austin o ELI
funciona nas dependências da GATEWAY CHURCH.
Alguns encontros acontecem em hotéis ao redor da
cidade. Há cerca de 120 voluntários que se oferecem para
manter os cursos e estrutura do ELI.
AUSTIN – TX - USA
BOLSISTA INTERNACIONAL
Apontamentos do encontro de hoje, dia 26 de Julho de 2012.
Aula com Craig (teoria) e Jonh Burke (prática e experiências
ministeriais). Grande participação da classe.
Pelo segundo ano consecutivo eu consegui uma bolsa de
estudos para fazer o curso de liderança avançada. Além
das aulas todo aluno passa por pelo menos 16 horas de
mentoria com um líder experiente e capacitado para esse
processo. A bolsa equivale a um investimento de
aproximadamente 12.000 reais. Esse ano cada aluno teve
que custear a mentoria que é paga diretamente aos
profissionais que a oferecem. Cada mentor dispõe de
tempo, leitura e outros compromissos com o aluno não
apenas por esse período mas também depois das aulas
quando o processo continua através de vídeo conferência.
Minha bolsa foi dada pela FELLOWSHIP CHURCH OF
DALLAS e sou imensamente grato ao pastor Gary por me
indicar para essa bolsta antes mesmo de me conhecer.
Encontro com Lucas
AUSTIN – CAPITAL DO TEXAS
Austin é a capital do Estado do Texas, a quarta maior
cidade deste Estado e é reconhecida como a cidade mais
verde dos Estados Unidos e um dos melhores lugares para
se morar segundo a revista Money (2006). Tem 177 anos
de fundação e conta com uma população de cerca de 800
mil moradores. Está situada no centro do Texas e tem
uma temperatura média de 32 graus celsius ao ano, sendo
que no verão há dias em que chega aos 42 graus.
Visitei a DBU (Dallas Baptist University) e me encontrei com o
Lucas, membro de nossa igreja, e aluno no curso de inglês
daquela universidade. Muita conversa e até um gosto lanche
neste encontro. Outros membros da igreja também irão para
Dallas nos próximos meses. Ambiente cristão e excelentes
professores são os pontos relevantes da Unversidade Batista de
Dallas.
EMERGING LEADERSHIP INICIATIVE
Quebrando culturas
de resistência
por Guilherme Gimenez
O primeiro grande estudo sobre
resistência
em
organizações
(incluindo igrejas) é de D.A.
Nadler e se chama Discontinuos
change: leading organizational
transformation. Ele diz que toda
estrutura tem suas resistências
que podem ser definidas como:
a) Resistências emocionais os organizadores lembram de
como começaram e isso lhes dá
um sentimento de domínio sobre
a organização (ou igreja). Eles se
entristecem quando percebem
que aquela imagem inicial da
organização está sendo mudada.
Em uma igreja a imagem que se
tem é de quando tudo começou,
em geral com um grupo pequeno,
bem informal, onde todos se
conheciam. Eles viviam como uma
família, alguns de seus filhos se
AUSTIN – TX - USA
2
casaram
com
as
outras
famílias
pioneiras e criou-se
um ambiente onde
todos tinham algum
vínculo não apenas
espiritual mas também familiar.
Quando a igreja começar a
crescer vão entrando outras
pessoas e estas chegam com suas
diferenças e vão promovendo
mudanças.
A
resistência
emocional é a tentativa de manter
uma estrutura como era antes.
b) Resistências culturais - todo
grupo tem um "jeito" e uma
maneira de enxergar a vida, as
pessoas, e a si mesmo. Com o
tempo se cria uma cultura própria
que é diferente do "ramo de
atuação." A Starbucks, por
exemplo, tem como ramo de
atuação o COFFEE TEAM mas sua
cultura é de FREE RELATIONSHIP,
eles aprovam o relacionamento
homossexual
entre
os
funcionários. É mais do que
respeito, é uma cultura. A
diferença entre o ramo de
atuação e a cultura é que o ramo
define o que se faz e a cultura é o
que está por trás disso. Uma
igreja prega o evangelho e isso é
o seu ramo de atuação. Mas, ela
pode ser, por exemplo, uma igreja
fechada em si mesma. Essa é a
sua cultura, ela vive para si.
Então, se o pastor fizer um apelo
evangelístico no domingo à noite
ela já se sentirá satisfeita em seu
ramo de atividade, ou seja, a
pregação do evangelho.
EXEMPLOS DE CULTURA DE IGREJA

Igrejas de compaixão e ação social

Igrejas musicais

Igrejas engajadas politicamente

Igrejas familiares

Igrejas de grande força no
marketing

Igrejas fortes em algum ministério,
como Feliz idade, por exemplo

Igrejas televisivas

Igrejas fortes na comunhão dos
membros ou na recepção aos
visitantes

Igrejas frias em relacionamento

Igrejas que atraem pessoas da
classe mais alta da sociedade

Igrejas evangelísticas

Igrejas fortes na pregação da
Palavra

Igrejas tradicionalistas e cheias de
regras

Igrejas com grande apelo emocional

Igrejas na cidade grande mas com
uma estrutura de igrejas do interior

Igrejas engajadas na denominação
Batista
EMERGING LEADERSHIP INICIATIVE
A cultura surge em geral com o
pensamento dos líderes iniciais,
não apenas os pastores mas
principalmente
as famílias dominantes. Se uma
família dominante da igreja era
fofoqueira, por exemplo, a igreja
corre o risco de criar essa cultura.
Se os líderes iniciais eram
arrojados, a igreja pode ter uma
cultura de grandes conquistas.
A cultura dita a forma como as
pessoas se relacionam, como elas
encaram a vida, os desafios, etc.
O novo (seja um modelo,
proposta, ou até uma nova ideia)
acaba trazendo grande incômodo
pois traz uma cultura nova. Muitos
pastores
de
igreja
foram
rejeitados porque traziam uma
nova cultura que chocou a cultura
existente. Não importa se era uma
visão bíblica e espiritual, se ela
não combinava com a cultura
local, com certeza foi recebida
como
uma
ameaça.
Novos
membros também podem ser
recebidos dessa forma quando
trazem uma outra cultura.
c) Resistências estruturais uma estrutura foi construída de
acordo com a cultura das pessoas
que fazem parte de determinado
grupo (ou igreja). Ela passou a
existir para "servir" essas pessoas.
Nessa construção foi levado em
conta principalmente a forma de
ver o mundo e também as
paixões pessoais. Isso sem contar
com a teologia que essas pessoas
adotaram. Essa estrutura não foi
construída para servir diferentes
culturas. Todas as organizações
sofrem (inclusive igrejas) com
estruturas que serviam a um
pensamento anterior, a uma
cultura anterior e não a desse
tempo e às mudanças que a
globalização acabaram impondo
nos últimos anos. Igrejas não
são exceção nisso.
AUSTIN – TX - USA
26 de Julho de 2012
Vamos imaginar uma igreja que
foi criada em uma cultura de
erudição. Ela tinha um grande
órgão de tubos e cadeiras fixas
para o coro atrás do púlpito. Com
o passar dos anos muita coisa
mudou e hoje não há sequer um
organista para aquele órgão de
tubos cuja manutenção custa
mais de 1000 dólares por ano. Ele
está parado há meses. O coro se
tornou muito maior, mas como as
cadeiras são fixas, eles vivem
tendo problemas para aceitar
mais pessoas. Esse é um exemplo
pequeno e fictício. Mas mostra
bem
como
uma
estrutura
acompanha um momento da
história.
Uma
estrutura
inadequada
pode
oferecer resistências terríveis. Elas
envolvem dinheiro, problemas
com espaço, locomoção com as
pessoas e até mesmo o modo
como as pessoas se relacionam.
A estrutura afeta cargos, maneira
como as pessoas gastam o
dinheiro, etc... E o pior: ela
impede o crescimento!
d) Resistências espirituais - A
Bíblia fala sobre demônios,
potestades
e outras forças
espirituais. Seria inocência tentar
lidar apenas com as resistências
do homem. Aliás, a nossa grande
guerra é contra as resistências
espirituais. Billy Graham certa vez
contou que na hora de pregar no
Quênia ficou MUDO. Não saia uma
única palavra de sua boca. Então
os pastores locais impuseram as
mãos sobre ele e começaram a
orar. Oraram por mais de 2 horas
enquanto o povo esperava...
Foram 2 longas horas de oração.
Então a voz de Billy Graham
voltou. O diabo faz de tudo para
que o ‘novo’ da parte de Deus
para esse tempo não apareça,
não aconteça... Mas Deus dá a
vitória. Agora, essas "castas"
precisam de oração e jejum
(Mateus 17:21). A resistência de
algumas pessoas ao novo não é
apenas implicância:
é uma
resistência espiritual. Em geral os
mais resistentes têm pecados não
confessados, coisas até da
infância
que
não
foram
consertadas por meio do perdão e
restauração. Então essas pessoas
são dominadas por poderes
espirituais que com esperteza
sugerem algum tipo de resistência
para manterem o domínio sobre
essas pessoas. Jesus certa vez
repreendeu um de seus discípulos
com grande rigidez: "E dizia
abertamente estas palavras. E
Pedro o tomou à parte, e
começou a repreendê-lo. Mas ele,
virando-se, e olhando para os
seus discípulos, repreendeu a
Pedro, dizendo: Retira-te de
diante de mim, Satanás; porque
não compreendes as coisas que
são de Deus, mas as que são dos
homens" (Marcos 8:32-33). Pedro
estava resistindo a Jesus não por
si mesmo mas sim pelo diabo.
Esse é o tipo de resistência mais
forte que existe nas igrejas. Pedro
era amigo de Jesus, trabalhava
muito, mas estava naquela hora
sendo usado pelo inimigo para
resistir.
Resistência
espiritual
existe em toda igreja. O diabo não
quer que nossa igreja cresça, seja
relevante e conquiste muitas
coisas para Deus.
PERGUNTA: NOSSAS
RESISTÊNCIAS SE
DEVEM A QUE? SERÁ
QUE O DIABO ESTÁ
USANDO ALGUMA
RESISTÊNCIA PARA
IMPEDIR O AVANÇO DA
OBRA DE DEUS?
EMERGING LEADERSHIP INICIATIVE
NO PRÓXIMO INFORMATIVO: COMO
COMEÇAR A QUEBRAR UMA CULTURA DE
RESISTÊNCIA.
4
curso pois a DBU está Se algum jovem de nossa
investindo
em
outros igreja se interessar pelo
convênios.
programa é só entrar no
site: www.dbu.edu
Coincidentemente
na
última quarta-feira o Lucas INFORMAÇÕES RÁPIDAS
foi aprovado em mais uma
 Já estão disponíveis as
fase do curso.
apostilas da série CRISTÃO
100%. Você pode retirá-las
em papel no balcão de
informações ou então em
arquivo digital através do
site
www.ibatistabetel.org.br
Visita à DBU
(Universidade
Batista de Dallas)
Estive com nosso querido
irmão Lucas Alves que
desde o semestre passado
está estudando inglês nesta
universidade. Ele foi o
primeiro aluno membro de
nossa igreja a participar do
nosso convênio com aquela
universidade. Ele teve 50%
de bolsa nos estudos.
Além do Lucas há outros 10
estudantes
brasileiros
enviados
por
igrejas
batistas e nos próximos
meses mais alunos farão o
AUSTIN – TX - USA
E, como uma boa conversa
sempre vem acompanhada
de uma boa comida, o
Lucas me levou para
experimentar um sanduíche
que está fazendo sucesso
aqui nos Estados Unidos:
o Chick-fil-A's. Ainda bem
que estou provisoriamente
fora de dieta!

Em
agosto
teremos
programação especial nos
cultos para os nossos
adolescentes e jovens. Em
especial no dia 12 no culto
das 18:00 horas vamos
celebrar
com
nossa
juventude e teremos como
convidada a banda CROSS.

A campanha SUBA COM A
GENTE continua a todo
vapor.
Nosso
alvo:
R$600.000
reais
até
Outubro!

O irmão Rubens de Oliveira
aceitou o convite para ser
nosso líder no Ministério de
Louvor, Adoração e Artes!
Seja bem vindo Rubens!!!
ME ADICIONE!!!!
FACEBOOK: Guilherme Gimenez
TWITTER: pastorgimenez

Documentos relacionados