UMA TRADUÇÃO DE SETE POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART

Сomentários

Transcrição

UMA TRADUÇÃO DE SETE POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART
MÁTHESIS 9 2000 315-330
UMA TRADUÇÃO DE SETE POEMAS DE THE
BRIDGE, DE HART CRANE
JOÃO DE MANCELOS
São muito poucos os escritores que com apenas três obras
publicadas lograram entrar no cânone das letras norte-americanas.
Hart Crane conseguiu-o, quase duas décadas após a sua morte, com
White Buildings, The Bridge e Key West. Escritor polémico,
encarnação do poeta maldito, alcoólico, bissexual, suicida, nada o
ajudou a franquear os portões bem cerrados do panteão das letras. A
não ser o seu talento, feito de arrebatamento épico, nem sempre
contido na verborreia de imagens, e de momentos líricos, às vezes algo
alquímicos.
Apesar de alguma imperfeição da sua escrita, o autor tinha uma
rara qualidade: o sentido do seu tempo, o conhecimento de uma
América pós-pastoril, moderna, agressiva, materialista. O retrato que
faz da nação em The Bridge é permeado pelo êxtase quase xamânico
de um visionário. Tal como uma ponte, o seu poema é uma via que liga
sem atar e harmoniza sem fundir as facetas tantas vezes contraditórias
da América: o passado, o presente e o futuro; a espiritualidade e o
materialismo; o puritanismo e a liberdade dos quacres; o mundo euroamericano e o universo ameríndio; a natureza e a tecnologia.
Ao longo das páginas de The Bridge, mitos de origens
diferentíssimas e virtualmente pertencentes a todas as épocas
conhecidas da História humana, cruzam-se para desenhar uma
América do presente e uma nação do futuro. Por vezes, essa
diversidade resulta numa colagem pouco convincente e bastante
heterogénea; noutras ocasiões, Crane mergulha no inconsciente
colectivo, descobre laços entre os mitos, e efectua com sucesso uma
síntese mística da alma americana. Vultos da literatura como Poe,
Dickinson, Whitman, os progressos científicos da nação mais
avançada, as grandes cidades e as paisagens naturais esmagadoras,
sublimam-se numa obra mais inclusiva do que homogénea, o
316
JOÃO DE MANCELOS
testemunho de um homem que viveu a sua época e a sua pátria, até ao
suicídio que em 1930 o sepultou não muito longe do Mar dos Sargaços.
As traduções que aqui incluo são o resultado de um
distanciamento crítico em relação às primeiras versões, surgidas em
apêndice na minha dissertação de mestrado, há vários anos atrás.
Menos coladas ao original, talvez consigam ser, por isso mesmo, mais
fiéis ao espírito do texto, tanto quanto o trabalho de um tradutor /
traidor o pode permitir. Por óbvias razões de espaço, não me foi
possível incluir a obra na íntegra, tendo-me deixado levar ora pelo
gosto pessoal - critério sempre dúbio -, ora pelo desejo de apresentar
os textos que a crítica consagrou - critério mais aceitável. Dispenseime de incluir notas explicativas ou interpretativas, dado que já fiz a
exegese das traves-mestras e temáticas da obra de Crane em números
anteriores desta revista.
***
PROÉMIO: À PONTE DE BROOKLYN
1
Aurora após aurora, as gaivotas, de asas enregeladas
Pelo ondulante poiso, mergulham e rodopiam,
Derramando brancos anéis de tumulto, exibindo a sua liberdade
Nas alturas, sobre as águas agrilhoadas da baía.
5
Numa curva imaculada, as aves abandonam os nossos olhos,
Semelhantes ao fantasma de um veleiro que cruza
As facturas, os orçamentos e os balancetes a arquivar;
- A jornada termina e os ascensores libertam-nos do dia...
10
15
Sonho com as grandes salas de cinema, a magia panorâmica,
As multidões debruçadas sobre uma qualquer cena cintilante,
Uma profecia nunca revelada, incessantemente revista,
No mesmo écran, pelos espectadores da sessão seguinte.
E Tu, ó Ponte, caminhas sobre o porto, em passos de prata,
Como se o sol te imitasse, sem contudo copiar
O movimento do teu brilhante rasto, A tua livre originalidade assim preservada.
Fugido de alguma vigia de metro, cave ou sótão,
Um lunático precipita-se para os teus parapeitos,
Oscila por um instante, a camisa berrante, enfunada,
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 317
20
Um gracejo tomba dos transeuntes espantados.
Em Wall Street, dos andaimes até à rua, o meio-dia escorre
Como um rasgão luminoso no acetileno celeste;
Toda a tarde, os guindastes giram entre as nuvens...
Enquanto os teus cabos sorvem a calma do oceano.
25
A recompensa que ofereces
É tão obscura quanto o paraíso bíblico;
Aqueles que resgatas do anonimato, o tempo jamais destruirá.
Só Tu és senhora da indulgência e do perdão.
30
35
40
Ó harpa e altar em fúria fundidos,
(Como pôde o simples labor humano alinhar a harmonia
[da tuas cordas)
Terrível limiar da aliança do profeta,
Da oração dos banidos, do pranto dos amantes.
Mais uma vez os faróis dos automóveis deslizam velozes
Pelo teu indiviso idioma, como suspiros estelares, imaculados,
Contas de um rosário que condensa a eternidade.
E contemplamos a noite erguida nos teus braços.
Junto às tuas sombras, encostado aos pilares, eu esperei;
Só na escuridão são claras as tuas trevas.
Os edifícios da cidade, submersos pela neve de mais um ano,
lembram prendas de Natal desembrulhadas.
Insone como o rio que passa sob ti
Cobres o mar e sonhas com a turfa das pradarias.
Vem, ó Ponte, condescende com a nossa humildade,
E da tua curvatura empresta um mito a Deus.
***
ALVORADA NO PORTO
Quatrocentos anos, mais de quatrocentos anos…
ou será da margem silenciosa do sonho que o tempo…
5
Insistentemente, uma maré de vozes
Vem ao teu encontro, algures a meio de um sonho.
São sons longos, fatigados, nebulosos,
Gongos em sobrepelizes brancas, gemidos de além-túmulo,
Sirenas de nevoeiro, sinais dispersos e tão velados.
318
JOÃO DE MANCELOS
Um camião desloca-se preguiçosamente pelo cais,
Os guinchos vibram sobre o convés de um cargueiro,
Lá em baixo, as imprecações e as passos de um estivador bêbado
Ressoam através das ruas enevoadas pela neve.
10
15
20
E se acaso te roubam o sono, por vezes
De novo te o devolvem. Suaves bolsas de som
Velam o porto escurecido, a baía aconchegada;
Algures lá fora, na claridade, o vapor
Em vapor se derrama, e vagueia, levado-lavado
- perturbado pela sonoridade fria dos silvos, redemoinhando
Por entre distantes e as bóias tilintantes, à deriva. O céu
Fresco rebanho de plumagem, suspende, destila
Esta flutuante dormência... Vagarosamente Desde tempos imemoriais, a janela, a cadeira semi-nua
Mais não pedem que esta bainha de pálido ar.
…te regressa ao amor num sonho acordado
para fundir a tua semente…
E abençoada sejas tu que repousas a meu lado, enquanto as sereias
Cantam para nós, e furtivas nos tecem com os fios da aurora.
Serenamente, antes que o dia reclame os nossos olhos,
Os teus braços frescos em murmúrios me enlaçam.
25
30
Enquanto os dedos brancos da neve tocam as vidraças as tuas mãos são feitos épicos nas minhas mãos;
a minha língua na tua garganta - canta sagas,
os braços cerrados; olhos abertos, confiados
e escuros
bebem a alvorada um bosque estremece nos teus cabelos!
…com quem ?
35
Sem pressa, a janela se enloura. Levanta-se a geada.
Dois ou três olhos faíscam nas torres ciclópicas
Da outra banda de Manhattan. O disco solar
Liberta-se - e no alto, com as gaivotas, se confunde.
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 319
Quem é a mulher connosco na aurora…?
De quem é o corpo
que os nossos pés percorrem?
O nevoeiro repousa um instante ainda sobre o parapeito.
Sob o azevinho dos sonhos,
Como se fora juntar-se-nos nalguma distante colina,
Uma estrela devolve o desperto Ocidente e adormece.
***
VAN WINKLE
As ruas estendem-se para além da loja e da fábrica,
apressadas pela madrugada.
Aquele seu sorriso, como a memória, gazeteira do tempo,
há-de levar-te pela mão.
O macadame, cor de aço como o ventre do atum,
Estende-se de Far Rockaway até Golden Gate:
Escuta! toda a distância que a manivela do realejo percorre,
Desenrolando milhas e milhas de arpejos dourados.
5
Antigamente, quando corrias para a escola,
- A hora, a mesma, porém muito mais tarde Levavas Pizarro no caderno
E Cortes cavalgava, empertigado,
Firme e acre como o sabor do café na tua boca. Ala!
10
Havia a face de Priscilla encostada ao vento,
E o Capitão Smith, todo ele barbas e firmeza,
E Rip Van Winkle perguntando a toda a gente:
«É aqui o Sleepy Hollow, amigo?»
Rip, que se esqueceu da hora do expediente,
15
20
que nem do ordenado se lembrou;
o mesmo Van Winkle que hoje varre um apartamento
na Avenida Principal, E o realejo diz... Lembra-te, lembra-te
Do monte de cinzas, ao fundo do quintal,
Onde lapidávamos o ninho das cobrinhas,
E os monoplanos que lançávamos, com asas de papel
320
JOÃO DE MANCELOS
E elásticos torcidos... Recorda, recorda...
25
30
35
40
as línguas velozes
Tremulando debaixo da pilha de cinzas,
De cada vez que a tua vara descortinava
Um dorso de escamas distraído ao sol,
Que recuava rapidamente ao teu ataque, veloz como o fogo.
E Rip Van Winkle deu-se conta
de que não pertencia a tempo
algum. Acordou e jurou ter visto a Broadway
como uma primaveril grinalda de margaridas.
E assim bate a memória, a toque de tambor, ao ritmo das rimas,
Um frasco quebrado, cheio de um perfume qualquer,
A vergasta arrancada de uma árvore de lilases
Que, num dia de Primavera, o meu pai me deu,
Ou será o sorriso dominical, inconsciente,
Que a minha mãe quase me trouxe
Uma e apenas uma vez da Igreja?
E o sorriso reluziu, através do manto de neve, e cegamente
Desertou-a, na entrada, desaparecera
Mesmo antes de eu me afastar da janela.
Não voltou, quando me beijou, no vestíbulo.
O macadame, cinza-aço como o ventre do atum,
Estende-se de Far Rockaway até Golden Gate…
Guarda esses trocos para a viagem, Rip.
Já levas o Times?
Embora, despacha-te, Van Winkle, que já se faz tarde!
***
CUTTY SARK
5
10
Cruzei-me com um homem em South Street, era alto,
um dente nervoso de tubarão pendia-lhe do colar.
Os olhos de uma cor vegetal,
- seria dos óculos verdes, seria dos néons do bar? brilhavam.
Saiu, sem reparar em ti,
perdeste-o a alguns quarteirões de distância -
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 321
- bastou um níquel para que o piano mecânico trauteasse
«As Noites de Istambul»:
Ó Rosa de Istambul - os sonhos tecem a rosa!
15
20
Murmúrios do Leviatã, confidenciou-te,
quando o rum já fazia de nós filósofos...
«É o vapor Ala, de Antuérpia. Vê lá, rapaz, não te esqueças
de me acordar às três, zarpamos à hora certa.
A pontualidade já não é o meu forte, tenho a vista cansada,
e às vezes passo pelas brasas durante a vigia». As mãos ossudas
marcam o compasso... «Uma ocasião, um baleeiro Tenho de prestar atenção às horas e acabar de contar isto
- Eu sou Democrata - Sei que horas são - Não
não quero saber as horas - aquele
maldito Árctico branco matou-me o tempo...»
25
30
35
Ó Rosa de Istambul - os tambores tecem «Trabalhava com um guindaste a vapor, lá no Canal
do Panamá - fartei-me daquilo depois foi o Iucatão, vendi tachos, panelas e contas algum dia viste o Popocatepetl - é um buracão
onde nem os pássaros voam, rodeado de cinzas finas,
depois, regressei outra vez à costa...»
Rosa de Istambul Ó Rainha de coral despojos arrancados aos esqueletos de cidades e galerias de lava com entranhas aquosas
rocha vulcânica - verde - tambores - submersa Canta!
«- aquele respiradouro!» dedo apontado para a rua...
«Oh, a vida é um géiser - belo - os meus pulmões Não, já não sei viver em terra!»
40
45
Vi as fronteiras, o brilho da sua mente;
se é que há fronteiras - o tempo foge, às vezes
o tempo foge - para algures - a areia escoando-se...
Ou podem pôr a funcionar algum piano mecânico.
Então, podes rir e dançar o eixo aço - prata - liberta-te - e aprende -
322
JOÃO DE MANCELOS
Os tambores da ROSA DA ATLÂNTIDA abraçam-na,
a estrela flutua ardendo num golfo de lágrimas
e adormece outros mil-
50
55
interminavelmente
desde que há muito a última moeda - parou de tocar Uma ventania faz vacilar as vergas, as lapelas impecáveis, as
portas giratórias do verão abertas para mais frescos infernos...
Lá fora, um camião do cais quase o atropelou
- cambaleou lá para os lados de Bowery, enquanto a alvorada
ia apagando a Estátua da Liberdade - aquele
archote dela, vocês sabem -
60
E regressei ao lar, cruzando a ponte...
.
.
.
.
.
Ah, as jovens ilusões dos ianques, fadas acasteladas, aladas
réplicas britânicas, ágeis
e selvagens meninas do mar
florescendo na primavera - hasteiem, fantasiem
os brilhantes destinos a que os alísios conduzem...
65
Doce ópio e chá, oh como é bom!
Um tostão para os golfinhos que acompanham a quilha,
Barbatanas rasgando a brisa e contornando o Japão!
70
Brilhantes velas triangulares ponteando o Equador, contornando
[o Cabo Horn, até São Francisco, Melbourne...
Galhardetes, parábolas,
Inesquecíveis sonhos de clíperes, navegando junto à costa,
um branco majestoso sobre o azul da sorte!
O sempre e sempre Cutty vencedor é Sark!
75
Thermopylae, Black Prince, Flying Cloud, através
[do arquipélago de Sonda
- envoltos em espuma, os convés como esplanadas,
cativos dos caprichos de vento, abaixaram o pano;
na Cabeça de Java, refrescaram-se
com doce ópio e chá
mudaram de rumo e deixaram-nos no porto de
abrigo…
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 323
80
Brióis em contenda (91 dias, 20 horas e ancorados!)
Rainbow, Leandro
(a última viagem foi cá uma tragédia) - onde estarás tu
Nimbus? e os teus dois rivais
mantendo a rota de longo curso Taeping?
Ariel ?
***
CRUZEIRO DO SUL
5
Desejei-te, ó inefável Mulher Astral,
Não espiritual, mas inteiramente,
quando ainda mais solitário
O Cruzeiro do Sul toma a noite
E a despoja dos corpetes, um a um,
Soberba, serena,
longe do fogo lento
Dos paraísos inferiores,
vaporosas cicatrizes!
Eva! Madalena!
10
ou serás tu, Maria?
15
Qualquer que seja o apelo, tomba em vão entre as ondas.
Ó simiesca Vénus, ó Eva sem pátria
Nem esposo, errando sem um jardim para carpir
Guitarras ao vento, em solitários tombadilhos, perpetuamente;
Para finalmente responder a todos com um túmulo!
20
E este longo rasto de fósforo,
iridiscente,
Sulco de toda a nossa travessia - percorrido escárnio!
Os olhos estilhaçam-se, perante o seu beijo. O seu sortilégio
Faz-nos penar. Perseguido por essa visão do passado,
A alma é cuspida para os infernos.
Desejei-te tanto... As brasas do Cruzeiro
Erguiam-se no horizonte, mescladas de aromas.
É a recordação do sangue; é a memória da chama que tremeluz,
É o Deus sem nome, tudo se varre do pensamento.
25
324
30
JOÃO DE MANCELOS
Toda a noite a água te penteou, com insolência
De escuridão. Saíste, rastejante, fervente, cumprida.
As águas punidas pelo ferrão da tua cauda, o teu
cabelo bem destrado, mimado por tantos amantes.
Sim, Eva - alma da minha semente mal-amada!
Com o chegar da aurora, o Cruzeiro, qual fantasma,
Desapareceu para a outra face do mundo.
A luz afogando os líticos triliões das tua descendência.
***
O TÚNEL
5
10
15
20
25
Peças teatrais, representações sortidas, programas de espectáculos,
De Times Square às luzes de Columbus Circle
É um nunca acabar de congressos, saraus,
Reflexos de mil teatros e mil rostos Cozinhas misteriosas... A todas hás-de inspeccionar.
Qualquer dia, saberás de cor as peças de maior sucesso,
E verás o pano subir no desdém do inferno;
Ao terceiro acto, descobrirás que o paraíso está deserto,
Desentorpeces os joelhos - e já te imaginas na caminha,
A ler os casos de polícia num tablóide qualquer.
Então, toca a pegar no chapéu
e ala.
Como de costume, enquanto
desces, comentas
para uma dúzia de pessoas
a tua devoção
ao efémero.
Não consegues decidir, ao certo, o percurso a tomar;
Agradava-te uma passeata nocturna e revigorante sob o L,
Uma dezena de quarteirões? Acabas por te decidir pelo metro,
Qual pinguim, pronto a abrir passagem a cotovelo,
Através do sonolento alçapão do costume:
O comboio boceja a promessa de um rápido regresso a casa.
Encolhe-te, então, nadando por entre os fervilhantes enxames,
À saída do Square, o Circle brilha, luminiscente Cuidado com as portas envidraçadas que giram à tua direita,
Onde, encaixotados um instante apenas, os olhos se fecham
- E completamente desprevenidos regressam à luminosidade,
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 325
30
35
40
45
E lá em baixo, ao chegar à borboleta, mete
A moeda na ranhura. Os gongos já ribombam.
E assim
falas dos subterrâneos
das metrópoles, traçados sob as alamedas
e rios... Na carruagem,
a nuance do movimento,
a monotonia
da deslocação é o som
de outros rostos, igualmente infraterrestres.
«Empresta-me o teu lápis, Jimmy - agora estás a viver
em Floral Park
Flatbush - no quatro de Julho como o desnorteado sonho d e um pombo - lavrar o campo
para as batatas - atravessar a cidade - também noite após noite - a linha de Culver - as
rapariguinhas todas bonitinhas - como era dantes»
As nossas línguas abjuram, vencidos cata-ventos,
A resposta invade-nos como bolor, como os cabelos
Que crescem nos cadáveres, o fim dos ossos;
E a repetição é empedernida - «Que
50
55
queres tu? estás a fraquejar?
não me peças dinheiro, pelintra - É ESTA A
A DÉCIMA QUARTA? são seis e meia ela disse - se
não gostas de mim, porque raio
te meteste comigo, porque tinhas
de te meter comigo,
ah?»
E mesmo assim, de qualquer forma, atreveste-te -
60
65
No pensamento, os fonógrafos do hades
São túneis que se enredam a si próprios, e o amor é
Um fósforo queimado, patinando num urinolAlgures, para lá da Décima Quarta TOMA O EXPRESSO
Para afastar algum novo pressentimento de dor «Mas eu quero ser atendido neste posto ATENDIDO
Disse eu - depois da
cena ela chorou ainda um pouco, porém -»
326
70
75
80
85
90
95
100
105
JOÃO DE MANCELOS
De quem é a cabeça balançando da tumefacta correia ?
De quem é o corpo que fumega ao longo dos carris carcomidos,
Lá ao longe, relampeja uma trouxa em combustão
Nas bifurcações das cisuras cerebrais, Arquejos de uma cepa fendida no passado longínquo
Nas fissuras intersticiais da mente...?
E por que tantas vezes aqui me deparo com o teu semblante,
Teus olhos, chamas de ágata - ininterruptamente
Debaixo dos anúncios a dentífricos e a produtos anti-caspa ?
- E viajaram os seus olhos através do teu flanco,
Seus olhos, como travessas sujas?
E a Morte, lá no alto, imensa,
Sondando através de ti, rumo a mim, Ó eternidade!
E quando, Poe, arrastaram a tua infecta carne,
As mãos inseguras, através de Baltimore Naquela última noite do escrutínio, recusaste
Tremendo, negaste tu o voto no teu partido?
Para Gravesend Manor é favor mudar em Chambers Street.
A plataforma aproxima-se, o metro pára repentinamente.
Da enérgica escada rolante eleva-se uma tranquila
Serenata
De sapatos, guarda-chuvas, os olhos cabisbaixos,
Todos p reparados para se escapulirem algures lá em cima,
As ruas irrompem em chuva... E, de novo, os gongos:
Cotovelos e alavancas, guarda e sibilante porta.
O trovão é galvotérmico aqui em baixo... O vagão
Rola. O comboio curva, dobrando-se a um grito,
Tomando a última plataforma antes do mergulho
Sob o rio E agora já mais vazio
Enfurecido, curva-se para o sacão de um instante; então
Lança-se... Por todos os cantos
Os jornais voam, rodopiam e voam.
As janelas sem rostos gargarejam sinais através do rugido.
E será que também o Demónio te leva a casa,
Ó Faxineira italiana?
Depois de varreres os corredores, de despejares as escarradeiras Agora que estão limpos, e vazios os desolados hangares celestes,
Ó genovesa, trarás às crianças arianas
As carícias e os cuidados maternais ?
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 327
110
115
120
125
130
135
Demónio, bocejo relutante e fértil de incidentes!
Aquele cujo horrendo riso é um rugido hilariante
- Ou o surdo massacre no parto do dia Oh, inocular com crueldade a eminente alvorada,
As antenas dirigidas para mundos que brilham e se afundam; Levar-nos à boca mais líquido que a diáfana
Locução de uma estrela incomparavelmente antiga, e arrumar
A consciência no umbigo do mergulhante vento,
Cordão umbilical que clama - e logo em seguida morre!
Oh, o beijo da nossa agonia tu colheste
Como quem apanha moedas sob fuligem e vapor;
Oprimido, tudo tomaste, estridente gânglio,
Comovido por alguma canção que não conseguimos guardar.
E porém, qual Lázaro, sentir o declive,
A marga e a vasta vaga a quebrar-se, elevando o solo,
Um som de águas curvando e montando o céu,
Insistindo na Palavra que jamais morrerá...!
.
.
.
.
.
Um rebocador, resfolegando espirais de vapor,
Arremeteu, e com um galvânico clangor rompeu
Rio acima. Contei os ecos reunidos, um após um,
Procurando, manuseando a meia-noite nos pilares.
Pela costa, as luzes deixaram o oleoso tímpano das águas;
Algures, a escuridão cruzava o vidro contra os céus.
Caminhei sob o teu porto, Ó Cidade minha,
Sacudido pelo desenroscar das torres de relógio... Amanhã,
E no devir... Aqui à beira Rio, a Este,
Aqui, no fim das águas, os ponteiros escoam a memória
E sem deixar rasto, no abismo, jazem inexplicáveis.
A que distância fendeu o astro o oceano?
Deverão os ponteiros e as mãos retirar-se para a morte ?
Foi o beijo da nossa agonia que Tu colheste,
Ó Mão de Fogo,
que Tu colheste ***
ATLÂNTIDA
5
Através da tessitura de cabos e amarras, ascende a curva da ponte,
Mutável à luz, as suas cordas dedilhadas,
Milhas retesadas de luar corrediço sincopam
O tráfico sussurrado, telepatia de cabos.
Lá no índice da noite, granito e aço,
328
JOÃO DE MANCELOS
Malhas transparentes, imaculadas, as cintilantes pautas Vozes sibilinas bruxuleiam, correm, vacilantes,
Como se fora um deus, o herdeiro desta harpa.
10
15
20
25
30
35
40
E através do cordame, tecendo com o seu apelo
Um arco sinóptico de todas as marés As labirínticas vozes da história
Devolvem o eco, como se as embarcações do oceano
Empenhadas num sopro uno e vibrante, bradassem:
«Que o teu amor seja devoto àquele a quem ofertamos a canção!»
- Dos diques escuros, saúdam-nos os sons serenos,
E os sete mares respondem dos seus sonhos.
E no fim, obliquamente acima dos molhes de carregamento,
Novas oitavas assentam sobre os monólitos gémeos, os pilares,
E para lá dos seus cabos gelados, a lua testemunha
Dois mundos adormecidos (Ó curvas amarras do cântico!).
Mais alto ainda, sobre a nave inundada de cristal,
As redes da tempestade de neve reúnem-se e ressoam
Nas plataformas prateadas, os mastros zunindo,
Pináculo da visão, paládio, leme das estrelas.
Os olhos são diáfanos, quais gaivotas doridas pela geada,
Fendidas e impulsionadas pelas brilhantes, luminescentes asas.
Lá em cima, apropriam-se da silhueta das torres, no voo cortante,
Roçam o flanco contra a lâmina do tendão
- O amanhã inscreve-se no passado - e ligam
O enigma temporal que nenhum viajante jamais decifrou,
À excepção daquele que, através das piras de amor e morte,
Demanda o eterno riso das lanças míticas.
Como saudações ou despedidas, lá nas alturas dos planetas,
Inúmeros martelos suspiram e luzem fracamente sobre o Tiro:
Sereno, mais agudo que o longo pranto de ínfimas eras,
Da bigorna, o silêncio fixa Tróia.
E tu, lá no alto, - Jasão! implacável Grito!
Apertas ainda o freio ao ar enxameado!
Prateada, a Via Láctea, incomparável apelo,
Irradia Éolo estilhaçado nos estreitos!
Desabrochando das águas, entre o troar assustador,
A Altíssima Visão-da-Viagem, ansiosamente nua A Ponte, elevando a noite até ao ciclorâmico pico
Do mais profundo dia - Ó Coro, traduzindo o tempo
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 329
45
50
55
60
65
70
75
80
Para a Palavra profícua que os sóis
E a sinergia das águas eternamente fundem
E refundem em miríades de sílabas, - Salmo de Cataio!
É o Amor, o teu puro e penetrante Paradigma!
Abandonámos a enseada suspensa na noite,
O reflexo das lanternas portuárias afastando-se da quilha.
Pacífico aqui, até ao término dos tempos, transportando o trigo,
Os olhos hesitam, através das pontadas de poeira e aço.
E porém, o circular, indubitável friso
Da meditação do paraíso, submetendo a vaga
À onda ajoelhada, constrói dedicadamente a canção
E a estrofe primaveril desprende-se das cordas imperecíveis!
Ó Tu, Sabedoria de Aço, cujo voo é íntimo
Dos ágeis circuitos do regressar da cotovia;
Dentro de cujo laço cantam
Inúmeros pares, enlaçados na mesma crisálida.
Tu és a unidade e o garanhão luminoso dos astros
E semelhante a um órgão de som apocalíptico,
Governas a visão, o hino, a carne a partir do teu reino temporal
- Enquanto o Amor traça a rota perfeita para o leme
Ledo repique da luz secular, Mito intrínseco
Cuja feroz ausência de sombra é a ferida terminal da morte,
Ó garganta de Rio, iridescentemente elevada
Através da poção brilhante e pela textura das nossas veias;
Com brancas escarpas oscilando para a luz,
Sustidas pela angústia, as cidades são dotadas
E justificadas, conclamadas de campos amadurecidos,
E revolvem-se através das colheitas, em doce tormento.
És a eterna e esplenderosa Promessa das Deidades, Ó Tu
Cujo cântico a nova alquimia se compromete
A envolver em génese e santidade.
Para nosso regozijo, do teu punho alvo,
Sempre através dos cabos cegos, desabrocha a profecia:
Sempre através do cordame espiralado, sequela das pirâmides,
O bater cinético das asas de coros purificados,
A Nova Palavra de Deus... ascende.
As migrações requerem o vazio da memória,
Ficções que talham o coração, Indizível tu, Ponte, para ti, Ó Amor.
330
85
90
95
JOÃO DE MANCELOS
Absolve esta história, Flor imaculada entre as flores,
Ó Sapintíssima, Anémona,
Enquanto as tuas pétalas consomem os astros que nos cercam,
Tu, Atlântida, cujo esplendor é meu herdeiro,
Sustém este flutuante bardo através do tempo.
Assim, para a tua Omnipresença, intemporal,
Como as azagaias ensanguentadas de uma estrela
[tocando a finados
E a sangrar eternidade - as órficas cordas,
Em falanges siderais, faíscam e convergem
- Um hino, uma Ponte inflamada! Terá chegado a hora de Cataio,
Agora que a compaixão se impregna de erva e os arcos da aliança
Cercam a serpente junta com a águia nos ramos...?
Os sussurros antifonários oscilam no azul celeste.
UMA TRADUÇÃO DE ALGUNS POEMAS DE THE BRIDGE, DE HART CRANE 331
BIBLIOGRAFIA
Textos de Hart Crane
CRANE, Hart, 1965. The Letters of Hart Crane: 1916-1932. Editor Brom Weber.
Berkerley e Los Angeles, University of California Press
CRANE, Hart, 1966. The Complete Poems and Selected Letters and Prose of Hart
Crane. Editor Brom Weber. New York, Anchor.
CRANE, Hart, 1986. The Poems of Hart Crane. Ed. Marc Simon. Introdução de John
Unterecker. Londres e Nova Iorque, Liveright.
Traduções de Hart Crane
CRANE, Hart, 1965. Au Pont de Brooklyn et autres poèmes. Ed. M. J. Minard.
Apresentação e tradução de Jean Guiguet.
CRANE, Hart, 1987. Le Pont. Tradução de François Tétreau. Prefácio de Jeremy
Reed. Posfácio de François Boddaert. Paris, Obsidiane.
CRANE, Hart, 1989. Key West et autres poèmes. Tradução de François Tétreau.
Introdução de François Boddaert. Paris, Orphée, La Différence.
CRANE, Hart, 1995. A Ponte. Tradução de Maria de Lourdes Guimarães. Introdução
de Laureano Silveira. Lisboa, Relógio D´Água.
Obras sobre a arte da Tradução
BASSNETT, Susan, 1991. Translation Studies. London, New York, Routledge.
LADMIRAL, Jean-René, 1990. A Tradução e os seus Problemas, Lisboa, Edições 70.
LEVITIN, Alexis, 1994. «O Trabalho do Tradutor - apologia de um pragmatista»,
Colóquio / Letras - 132/133, Abril-Setembro de 1994, Lisboa, Fundação Calouste
Gulbenkian.
PAZ, Octávio, 1979. «Translation: Literature and Literality», Translation Review - 3,
U.S.A.
Diversos dicionários e enciclopédias.