REFLEXÕES SOBRE A FILOSOFIA HUMANISTA COMO

Сomentários

Transcrição

REFLEXÕES SOBRE A FILOSOFIA HUMANISTA COMO
REFLEXÕES SOBRE A FILOSOFIA HUMANISTA COMO FUNDAMENTO DA
PSICOTERAPIA HUMANISTA
Iolanda Aguiar e Oliveira ( * )
O humanismo considera o homem como centro de todas as coisas. Ele
exalta as potencialidades do homem e afirma sua dignidade. Valoriza o homem
como um ser em busca de si mesmo e de seu desenvolvimento, como um ser
livre e autônomo, que é critério de si mesmo, que faz suas escolhas e define o
seu sentido. Para o humanismo, o valor do homem é infindável.
O homem, de acordo com o pensamento humanista, define seus
próprios valores e normas sob os quais rege a sua própria vida, que, por sua
vez, têm origem no próprio homem e na sua capacidade de decidir o que é
coerente consigo mesmo. Essa decisão está fundamentada na sua experiência
e na sua essência. O homem é o único ser capaz de definir o sentido da sua
vida e o faz livremente. A partir dos critérios que elabora para guiar sua vida,
decide autonomamente por que é que existe no mundo e faz valer o seu
sentido. Ele conta apenas consigo mesmo e pode confiar somente na sua
percepção, nos seus sentidos, nos seus critérios, nas suas potencialidades, e
assim por diante. A individuação seria, então, a referência do homem em si
mesmo.
A filosofia humanista, como o próprio nome diz, pensa, concebe e
enaltece o homem. Não obstante, o humanismo recebe críticas acerca da sua
compreensão de homem e de mundo e, naturalmente, sobre sua concepção de
individuação, muitas vezes mal interpretada e distorcida. Acredita-se que
pensar o homem como centro de todas as coisas e enaltecê-lo favorece uma
tendência social ao individualismo, ao narcisismo, ao egocentrismo e ao
egoísmo. Entende-se que, ao se dizer que o homem apenas pode contar
consigo mesmo, se está propondo que se desfaça da noção do coletivo e se
concentre no individual. Contudo, a compreensão humanista de individuação
está muito distante desta noção.
O homem tem uma tendência natural ao social. Isto por que se
compreende um ser de dignidade, de potencialidades e capaz de se autodeterminar. Compreende, assim, que se possui esses direitos, as outras
pessoas também devem ser respeitadas nesses mesmos direitos. Da mesma
forma, o homem também se percebe e se constitui a partir da percepção que
tem do seu ambiente. Ele quer fazer parte do seu entorno, da mesma forma
que deseja ser inserido por ele. Se puder favorecer aos outros que criem o seu
sentido, também poderá encontrar o seu próprio. Nessa lógica, se contribuir
para a auto-realização do outro, auto-realizará a si mesmo.
Os postulados básicos da filosofia humanista se resumem em união,
igualdade, naturalidade, racionalidade e liberdade. A partir deles e de sua interrelação a filosofia humanista se forma. Apesar de sua inter-dependência,
acredito orientar minha vida sob esses princípios, mas alguns se sobressaem
mais do que outros.
Hierarquicamente, creio que a liberdade é o postulado de maior valor
em minha vida pessoal. Acredito que as pessoas são livres para fazer escolhas
e tomar decisões dentro de suas limitações, assim como têm a capacidade de
se auto-determinar, de criar seus próprios valores a partir de seus próprios
critérios e, enfim, capaz de referenciar-se em si mesmo. Creio que quando as
pessoas reconhecem sua liberdade, tal como a responsabilidade inerente a ela,
se tornam capazes de compreender e respeitar o outro em sua liberdade. Por
essa razão, seqüencialmente, acredito na igualdade como segundo maior
postulado.
Ao compreender o homem como um ser de escolhas, que deve ser
respeitado em sua auto-determinação e dignidade, ficam-se menosprezadas as
diferenças e destacadas as semelhanças entre os seres humanos. Torna-se
possível, assim, compreender a tendência do homem à união. Apenas nos
tornamos autônomos, livres e autênticos em relação com o outro. Nossa
individualidade está em relação direta com a existência da coletividade. Os
homens se constituem e se compõem de acordo com o ambiente pelo qual
estão envoltos. Eles se auto-realizam mediante a auto-realização do outro.
Dessa maneira, a união segue como o terceiro postulado de maior importância
na filosofia humanista.
A natureza é composta por todos os seres. Logo, o homem não apenas
a compõe como é ela própria. Desta forma, não é de direito do homem se
apropriar da natureza e dela se utilizar como se simplesmente fosse um
recurso disponível para exploração. Ela é, assim, uma parte dele mesmo e
deve ser respeitada como tal. A naturalidade é, conseqüentemente, o quarto
postulado de maior importância no humanismo.
A racionalidade, enquanto habilidade de avaliação e julgamento de
valores e significados, em minha orientação pessoal, é o quinto postulado de
maior importância na filosofia humanista. A racionalidade não se define pelo
puro e simples uso da razão. Ela também se fundamenta no uso dos
sentimentos para distinguir e avaliar.
A auto-realização é, para mim, a coerência concebida a partir da
realização e inter-relação existente entre os cinco postulados. É o sujeito que
se compreende enquanto um ser livre e autônomo, que faz parte de uma
comunidade e que também é a natureza, que usa da sua racionalidade para
tomar decisões e definir a si mesmo. A auto-realização se dá quando o homem
encontra o seu sentido e consegue responder a si mesmo a sua razão de
existir.
Compreendo o mundo como sendo o meu ambiente, o meu entorno, o
meu redor, o meu contexto. O mundo sou eu por que dele faço parte, nele
interfiro e por ele sou influenciada. O mundo é a natureza, é a construção
humana, são as minhas relações diretas e indiretas, próximas e distantes. O
mundo é aquilo que componho e aquilo do qual eu sou composta. É o que me
transforma e o que posso transformar.
( * ) Psicóloga, aluna do curso de Especialização em Psicoterapia HumanistaFenomenológico-Existencial - FUMEC