Perfeição vs. Santidade 1. Parábola do Fariseu e do Publicano

Сomentários

Transcrição

Perfeição vs. Santidade 1. Parábola do Fariseu e do Publicano
Perfeição vs. Santidade
1. Parábola do Fariseu e do Publicano
“Dois homens subiram ao Templo para orar; um era fariseu, o outro,
um cobrador de impostos. O fariseu rezava, de pé, desta maneira: ‘Ó
meu Deus, eu te agradeço por não ser como os outros homens, que são
ladrões, injustos, adúlteros, nem mesmo como este cobrador de
impostos. Jejuo duas vezes por semana, pago o dízimo de tudo que
possuo’. Mas o cobrador de impostos, parado à distância, nem se
atrevia a levantar os olhos para o céu. Batia no peito, dizendo: ‘Ó meu
Deus, tem piedade de mim, pecador! ‘ Eu vos digo: Este voltou
justificado para casa e não aquele” (Lc 18, 10-13).
2. Perfeição ou… Santidade
Na nossa vida podemos tentar seguir dois caminhos distintos: o da perfeição
ou o da santidade… podemos tentar ser perfeitos ou santos.
Ser perfeito significa não ter fraqueza, defeito, falha, qualquer tipo de
imperfeição…Buscar a perfeição é um ideal humano que exige esforço pessoal.
E nesse esforço, posso contar apenas comigo mesmo, com a minha força de
vontade, o meu espírito combativo, a minha determinação férrea… Perfeição
é esforço humano, projecto pessoal, conquista própria…
Na bíblia, a perfeição é uma qualidade humana: perfeito é aquele que cumpre
a Lei, através do seu esforço (cf. Lc 18,10-13). Por tudo isto, a busca da
perfeição, em vez de abrir a pessoa para os outros e Deus, fecha-a sobre si
mesma, sobre o seu Eu orgulhoso e auto-suficiente…
Perfeição e pecado são incompatíveis: se há pecado (= falha, imperfeição)
não há perfeição. E se não for perfeito, como é que os outros e Deus podemme amar? Se não for perfeito, como posso ser e merecer ser amado?
Queremos ser perfeitos… porque, no fundo, queremos ser fortes,
infalíveis, intocáveis, valorizados, bajulados, auto-suficientes, superhomens e super-mulheres…
Queremos ser perfeitos… e essa é a nossa grande tentação, o grande
pecado de “querer ser como Deus…”
Queremos ser perfeitos… mas somos feitos de barro, do pó da terra, de
fragilidade,
contingência…
“Somos
vasos
de
argila…”
frágeis,
quebradiços, rachados…
Queremos ser perfeitos… mas não é essa a vontade de Deus. Ele quer,
sim, que sejamos “misericordiosos como o Pai do céu é misericordioso”
ou “santos como o Pai do céu é santo”. Ser santo é a nossa vocação
fundamental! Mas, o que significa ser santo? Qual é o itinerário que
precisamos percorrer para realizar esta nossa vocação à santidade?
Santidade é acção de Deus na nossa fraqueza. Ela está relacionada com a
compaixão-misericórdia-amor de Deus. Santidade tem a ver com o amor e não
com a perfeição.
Santo é o Senhor. Ele é o “Único Santo” o “Três Vezes Santo”. E dizer que
Deus é o santo significa dizer que Ele é o Amor. Amor que é pura gratuidade.
Amor que continuamente nos cria e recria. Amor que cuida, guarda, protege…
(cf. Os 11,1; Dt 32,9ss).
No início de tudo está o amor de Deus. E a santidade consiste, antes de tudo,
em deixarmo-nos amar por Deus. Só esta experiência é transformadora. Só ela
muda o nosso coração… só ela nos converte plenamente…
Santidade é a capacidade de amar e isso é dom de Deus. Ora, sendo dom de
Deus, Ele a dá agora porque Ele ama-nos agora, no hoje de nossa vida…
Amamos?… Então já estamos a percorrer o caminho da santidade…
Ser santo não é ser perfeito ou não ser pecador. Ser santo é ser capaz de amar
com tudo o que sou, qualidades, dons, fragilidades, fraquezas, limitações… Ao
contrário da perfeição, santidade e pecado não se excluem: posso ser santo e
pecador… A perfeição não admite o pecado. A santidade vê, na consciência do
pecado, a oportunidade da abertura à experiência de ser amado por Deus.
Santidade é a recusa a ficar fechado no pecado; é esvaziarmo-nos
progressivamente da nossa auto-suficiência…
Santidade é reconhecer que não podemos viver sós, que a vida só tem sentido
quando nos abrimos ao amor de Deus.
Na Parábola do Fariseu e Publicano, o primeiro acha-se perfeito, segundo a
Lei. Essa perfeição leva ao orgulho, ao desprezo dos outros, ao fechamento a
Deus. O Publicano reconhece a sua fragilidade, a sua incapacidade e volta-se
para Deus. O lugar do nosso relacionamento com Deus não é em cima de um
pedestal mas é aquele assumido pelo Publicano: “Tem piedade de mim,
porque sou pecador…”
O santo não é “o maior”. Mas é aquele que se sente amado por Deus e é esse
amor que carrega e dá sentido à sua vida.
O amor de Deus é que dá a vida e a santidade. É este amor, sem condições,
que nos torna capazes de amar porque gera o amor em nós. É ele que nos
abre aos outros e a toda a criação. É esse amor que anima a nossa missão de
co-criadores, de construtores do Reino. É ele que nos faz escutar o clamor da
realidade, os gritos das pessoas que vivem no nosso mundo que não nos
deixam indiferentes. É esse amor que nos faz responder com amor… que nos
coloca ao serviço dos irmãos, nos faz trilhar o caminho de Jesus Cristo…
vocação à santidade tem, pois, um itinerário: parte do amor de Deus, o Todo
Santo, que, quando acolhido pelo ser humano, gera nele o amor e uma
resposta comprometida. Esse é o itinerário dos discípulos de Jesus.
3. Para meditar
> Retoma agora a leitura de Lc 18,10-13. O que ela fala à tua vida?
> Como me relaciono com os outros e com Deus: como o Fariseu ou
como o Publicano?
> Como experimento o amor de Deus na minha vida? Aponta exemplos.
> A Quaresma é um tempo de conversão, um convite à santidade.
Sentindo-me amado por Deus, que compromisso concreto assumo para
trilhar este caminho da santidade?

Documentos relacionados

o fariseu, o publicano e um homem em cristo jn darby

o fariseu, o publicano e um homem em cristo jn darby Lucas 18:9-14 e II Corintios 12:1-11 Lemos em Lucas 18 que – dois homens subiram ao templo a orar, um fariseu e outro publicano. Não é tão fácil como aprece erradicar o – fariseu – , pois há muito ...

Leia mais