História 1 – A morte não chegou

Сomentários

Transcrição

História 1 – A morte não chegou
HISTÓRIA DE LINS
EE DONA GENOVEVA JUNQUEIRA (GENOVEVA)
Alunos: Karol Alcantra, José Eduardo, Cyntia Danielly M. Aniceto, Lilian Fernandes
da Silva, Luana Maria Medina Saraiva, Taiany Caroliny de Falchi Aleixo, Carlos
Eduardo, Luan Guilherme Silva de Carvalho
História 1 - A MORTE NÃO CHEGOU
Em uma escola, dois alunos chamados Gaby e Jason, roubavam a cantina, o tempo
foi passando e o caso cada vez ficando mais grave, até que um dia por ventura,
duas meninas más que eram da mesma escola decidiram tirar fotos deles roubando
e os chantagear de alguma forma já que na escola haviam duas meninas que elas
não gostavam.
Com as provas que Alice e Duda tinham, elas poderiam chantagear eles de
qualquer maneira, desde aí pedem a eles que deem uma lição em Sunny e Jully, ou
iriam falar com a diretora.
Duda – Oi amiga. Bom eu estava falando com Gaby e Jason e decidi que eles terão
que dar uma lição em Jully e Sunny.
Alice – Adorei o plano, só que temos que fazer tudo com calma e planejarmos com
cuidado.
Duda - Olha tirei fotos de Jason e Gaby roubando a cantina da escola, agora eu vou
ter o poder de usar eles contra Jully e Sunny.
Alice – Eu posso ajudar no que você quiser e precisar.
Duda - Tenho certeza que você irá ajudar mesmo.
Então encontram-se no corredor.
Duda e Alice – Agora vocês farão tudo que mandarmos.
Gaby – E o que certamente eu e Jason teremos que fazer e porquê?
Alice – Ah então vocês não sabem, vejam fizemos fotos.
Jason – Não, nós não sabemos.
Alice – Eu tenho provas de que vocês estão desviando dinheiro da cantina, porém
terão que acabar, detonar com a Sanny e a Jully, antes que a gente mostre pra
elas e elas abrirem a boca para a diretora que acabará ferrando vocês.
Gaby – Está bem, nós vamos procurar elas e fazer o que querem o mais rápido
possível.
Jason e Gaby vão atrás de Jully e Sunny, até que se encontram e pergunta.
Jason – O que vocês vão fazer hoje a noite?
Jully – Vamos até a biblioteca para pegarmos alguns livros que serão bem úteis
para a prova da semana que vem, por quê?
Jason – Nada não, só pra saber.
Jully – Credo que estranho.
A noite chega, as meninas estavam andando sozinhas e de repente são
surpreendidas por duas pessoas encapuzadas.
Jully – Socorro! O que está acontecendo?
Sunny – O que querem?
Jason – Calem a boca, e venham com a gente.
Os dois as pegam e as levam para a escola, lá no fim do corredor há uma sala vaga
e abandonada então prendem as meninas lá dentro e vão saindo com cuidado.
Jully – O que vocês vão fazer com a gente? Por favor, deixe–nos sair daqui?
Jason – Fiquem aí.
Ninguém descobre que elas estavam trancadas, até que Sanny tem uma ideia de
tentar quebrar os vidros da janela e sair.
Sunny – Olha uma cadeira ali, vou tentar quebrar os vidros.
Jully – Ótima ideia amiga, só que toma cuidado para que nada de ruim aconteça.
Sunny consegue quebrar a janela, mas os cacos de vidro voaram e acabaram
atingindo sua amiga que fica com vários ferimentos.
Jully – Ai, estou com dor Sunny, sem contar que estou sangrando! Saia da sala vá
buscar ajuda lá fora.
Sunny sai a traz ajuda que a leva, então Sanny combina coma amiga que ia fingir
que tinha morrido a iria aterrorizar quem fez aquilo com elas.
Sunny – Vamos fazer o seguinte, você finge que está morta e começamos a
aterrorizar o pessoal, e eles terão que se entregar e o que merecem.
Então Sanny sai correndo e vai falar com a turma.
Sanny – Gente, gente a Jully se feriu gravemente com os vidros e acabou não
resistindo.
Todos ficam com medo e assustados.
Então eles ficam todos discutindo o que fizeram com a menina que não era pra
chegar a tanto e de repente o fantasma aparece no meio deles.
Duda – Minha nossa vocês estão vendo o que estou vendo?
E começam a gritar.
Alice – Sim, é a Jully.
Duda – É ela mesmo.
Alice – Olha o Jason e a Gaby, vamos falar com eles.
Duda – Vamos nos entregar, acho que já deu o que tinha que dar, Jully morreu e
está assombrando todos que fizeram mal a ela e Sanny não quer vir mais para a
escola.
Gaby – Mas vamos nos entregar justo agora?
Jason – É! Justo agora que tudo deu certo? Não podem saber que fizemos esse tipo
de coisa aqui na escola.
Alice – Já passou da hora de dizer isso a todos. Precisam realmente saber o que
fizemos.
Jason – Então vamos logo até a diretoria, já que não vamos mais esconder isso
mesmo.
Batem na porta da diretoria.
Gaby – Com licença, precisamos falar com o diretor Eduardo senhor.
Gustavo – Ele está muito ocupado falando com uma mãe, por telefone! Logo passo
o caso para ele, mas então... Não querem ir falando comigo?
Duda – Desculpa, mas só podemos tratar desse caso com ele, preferimos esperar.
Minutos se passam.
Gustavo – Entrem, o diretor irá atendê-los.
Eduardo – Boa tarde meus caros jovens! Há que devo a honra de receber ótimos
alunos como vocês, aqui em minha sala?
Gaby – Alice, na hora que ele souber o fato, mudará seus pensamentos a respeito
de BONS ALUNOS.
Alice – Bom o assunto não é muito agradável senhor! Mas temos que dizer isso
antes que piore o caso. É muito sério e isso está acontecendo faz tempo.
Eduardo – Por favor, sentem-se e digam!
Sunny – Bom... Alice e Duda viram Gaby e Jason desviando dinheiro da cantina e
com isso decidiram chantageá-los vingando-se de mim e de Jully, só que com tudo
isso Jully acabou se ferindo gravemente e acabou morrendo.
Eduardo – Olha terei que pedir desculpa à vocês, mas não acredito nessa historinha
boba.
Nelson – Com licença diretor. Desculpe eu me meter, mas eu estava passando aqui
na frente da sua sala e sem querer eu ouvi a conversa. Eu estou de prova de tudo o
que aconteceu até agora. Acompanhei as coisas desde o começo, sem eles
saberem, isso tudo é realmente verdade.
Eduardo – Bom... Então, neste caso, vocês machucaram uma pessoa gravemente,
então vocês terão duas opções, ou eu faço um boletim de ocorrência agora e você
vão todos para a Fundação Casa, ou então a partir de hoje irão ajudar o faxineiro
Nelson, lavar banheiro, prato e todo o chão da escola.
Duda – Ai credo, e vai quebrar todas as minhas unhas.
Alice – Amiga imagina então na fundação casa, a minha mãe vai me matar. Iremos
ajudar o senhor Nelson com certeza.
Gustavo – Então irei transferir vocês par ao cargo de faxineiros, sem direito a
salário algum como punição.
Duda – Vamos trabalhar a não vamos ganhar nada?
Eduardo – Cala a boca, então preferem a fundação casa?
Duda – Desculpa, e obrigada pela atenção diretor, nós merecemos tudo isso.
Eduardo – Espero que consigam meu perdão honrando o trabalho e que aprendam
alguma lição.
Nelson – Então agora são todos meus... Andem logo, temos uma escola toda para
limpar, vamos.
Neste momento todos saem e entra Jully e conversa com o diretor e Sanny
Eduardo – Boa lição vocês deram a elas.
Jully – Elas já estavam merecendo.

Documentos relacionados