Anais Ciências Biológicas - Jornada de iniciação cientifica 2012

Сomentários

Transcrição

Anais Ciências Biológicas - Jornada de iniciação cientifica 2012
ANAIS DA JORNADA DE
INICIAÇÃO CIENTÍFICA
DOS CURSOS DE
GRADUAÇÃO DA
FACULDADE ARAGUAIA
Ciências Biológicas
DE 28/05 A 01/06/2012
FACULDADE ARAGUAIA
Unidade Centro
Endereço: Rua 18 nº 81 - Centro - Goiânia-GO, CEP: 74.030.040
Fone: (62) 3224-8829
Unidade Bueno
Endereço: Av. T-10 nº 1.047, Setor Bueno - Goiânia-GO, CEP:
74.223.060
Fone: (62) 3274-3171
Site Institucional
www.fara.edu.br
Diretoria Geral:
Prof. Arnaldo Cardoso Freire
Diretoria Financeira:
Profa. Adriana Cardoso Freire
Diretora Administrativa
Profa. Ana Angélica Cardoso Freire
Diretoria Pedagógica:
Profa. Ms. Rita de Cássia R.Del Bianco
Diretor de Pós-Graduação:
Professor Hernalde Menezes
Coordenador do Curso de Ciências Biológicas:
Prof. Ms. Marcus Vinícius Paiva de Oliveira
Colegiado Docente do Curso de Ciências Biológicas:
Profa. Ms. Adélia Freitas da Silva
Profa. Ms. Ana Maria da Silva Curado Lins
Profa. Ms. Ana Cláudia Alves de Oliveira Santos
Prof. Ms. Erivelton de Oliveira Alves
Profa. Ms. Gislene Lisboa de Oliveira
Prof. Ms. Guilherme Ferreira de Lima Filho
Prof. Ms. Hélcio Marques Júnior
Prof. Esp. Inácio Araújo Machado
Profa. Ms. Joice Duarte Batista Lobo
Profa. Ms. Josiane Kunzler
Profa. Ms. Karla de Castro Pereira
Profa. Ms. Lívia Santos Brisolla
Profa. Ms. Ludmilla Marques de Oliveira
Prof. Ms. Marcus Vinícius Paiva de Oliveira
Profa. Ms. Maria Tereza Faria
Profa. Ms. Mary Joyce Ribeiro da Cruz
Prof. Dr. Milton Gonçalves da Silva Junior
Profa. Ms. Paola Regina Carloni
Prof. Esp. Paulo Cesar Rodrigues
Prof. Ms. Rafael Braga do Amaral
Profa. Ms. Simone de Almeida Jacomo
Prof. Ms. Thiago Santos
APRESENTAÇÃO
O momento é oportuno para realizar uma discussão
construtiva das pesquisas realizadas durante a realização das
atividades
do
Eixo
Temático
“Avaliação:
do
contexto
acadêmico ao profissional” do Curso de Ciências Biológicas.
Este momento propiciará aos docentes e discentes do curso
intensificar sua reflexão sobre a necessária integração de
ensino/pesquisa, reflexão que deve apontar com criatividade
para os âmbitos local, regional, nacional e inclusive para o
internacional.
Outra tarefa sobre a qual a Coordenação do Curso de
Ciências Biológicas juntamente com o Núcleo Integrado de
Iniciação Científica devem se debruçar é a manutenção e
aprofundamento da qualidade da pesquisa, seja vertical seja
horizontalmente.
Apresentando esta safra de trabalhos de pesquisas,
acreditamos que feitas com qualidade poderão percorrer
caminhos que dê ingresso à apreciação da comunidade
universitária, bem como à comunidade científica.
Prof. Ms. Marcus Vinícius Paiva de Oliveira
PROGRAMAÇÃO DO EVENTO
DATA: 31 de maio de 2012.
HORÁRIO: 18h40min – 22h00
LOCAL: Bloco 01 – Unidade Bueno – Faculdade Araguaia
Av. T-10, n° 1.047, Setor Bueno – Goiânia - Goiás
COORDENADORES DO EVENTO:
Coordenação do curso, Colegiado Docente e Discente, Núcleo
Docente Estruturante.
1° PERÍODO – BLOCO 01 – UNIDADE BUENO
Sala
131
Horário
Título da Apresentação
Orientador
Avaliador
18:40
Análise da presença de elementos biológicos nos Profa. Ms. Adélia Profa.
Ms.
poemas de Cora Coralina
Freitas da Silva
Josiane Kunzler
19:15
Preferência dos alunos do terceiro ano do
Ensino Médio na escolha do curso no Ensino
Superior
Avaliação histoquímica das folhas de duas
espécies conhecidas popularmente como Boldo:
Boldo-do-Chile (Peumus boldus Molina),
Monimiaceae e Boldo- baiano (Vernonia
condensata Baker), Asteraceae. Grupo 01
Profa. Ms. Lívia
Santos Brisolla
INTERVALO
----
19:50
20:15
Profa. Ms. Maria
Tereza de Faria
----
20:40
Pesquisa da presença de enzimas diastásicas no Prof. Ms. Marcus Profa.
Ms.
controle de qualidade de amostras de méis – Vinícius
P.
de Josiane Kunzler
Goiânia – GO – Grupo 01
Oliveira
21:15
A importância de aulas práticas no processo de Profa. Ms. Karla de
ensino-aprendizagem de Química
Castro Pereira
2° PERÍODO – BLOCO 01 – UNIDADE BUENO
SALA
Horário
18:40
113
Título da Apresentação
Orientador
Avaliação de Livros Didáticos para a Disciplina Profa. Ms. Camila Profa. Ms. Karla
de Histologia: estudo comparativo no Ensino Chaves e Profa. Ms. de
Castro
Médio
Gislene Lisboa
Pereira
19:15
Prof. Esp. Inácio de
Araújo
19:50
Pesquisa da presença de enzimas diastásicas no Prof. Ms. Marcus
controle de qualidade de amostras de méis – Vinícius
P.
de
Goiânia – GO – Grupo 02
Oliveira
20:15
Avaliador
INTERVALO
----
----
20:40
Métodos Curadoriais e a Divulgação de Temas Profa. Ms. Josiane Profa. Ms. Karla
de Geologia no Museu Estadual Professor Kunzler
de
Castro
Zoroastro Artiaga
Pereira
21:15
Os Principais Teratogênicos e Seus Efeitos
Profa. Ms. Ana
Maria da S. C. Lins
3° PERÍODO – BLOCO 01 – UNIDADE BUENO
SALA
122
Horário
Título da Apresentação
Orientador
Avaliador
18:40
Estudo sobre a opção pela licenciatura ou não de Profa. Ms. Lívia Prof.
Ms.
alunos do Ensino Médio de uma escola pública e Santos Brisolla
Guilherme
F.
privada
Filho
19:50
Protocolo para cultura de microorganismos Prof. Ms. Thiago
(protozoários e metazoários) aquáticos para Santos
utilização em aulas práticas
INTERVALO
----
20:15
----
20:40
Avaliação histoquímica das folhas de duas Profa. Ms. Maria Prof.
Ms.
espécies conhecidas popularmente como Boldo: Tereza de Faria
Guilherme
F.
Boldo-do-Chile
(Peumus
boldus
Molina),
Filho
Monimiaceae e Boldo- baiano (Vernonia
condensata Baker), Asteraceae- Grupo 02
21:15
A Avaliação no Processo Educativo
Prof.
Oliveira
Erivelton
5° PERÍODO – BLOCO 01 – UNIDADE BUENO
SALA
123
Horário
Título da Apresentação
Orientador
Avaliador
18:40
Prevalência da Automedicação entre Estudantes Profa. Ms. Ana Profa. Ms. Mary
do Curso de Ciências Biologias de uma Cláudia A. de O. Joyce Ribeiro da
Instituição de Ensino Superior
Santos
Cruz
19:15
A Influência do Desmatamento sobre a Extinção Prof. Ms. Rafael
do Lobo-guará no Estado de Goiás
Braga do Amaral
19:50
Educação e meios de comunicação, como Prof. Ms. Hélcio
progredir com essa relação no campo Marques Júnior
educacional
20:15
20:40
INTERVALO
----
----
A Avaliação do Biólogo como Perito: Divulgação Profa. Ms. Ludmilla Profa. Ms. Ana
e Explanação da Aplicabilidade do Biólogo como Marques
de Maria da S.
Perito
Oliveira
Curado Lins
6° PERÍODO – BLOCO 01 – UNIDADE BUENO
SALA
112
Horário
Título da Apresentação
18:40
Reflexões sobre o processo
educacional no Brasil
19:15
Utilização de respirometria para avaliação das
taxas de consumo de oxigênio resultantes de
poluição em amostras de água de Goiânia
A Avaliação do Conteúdo de Evolução
Ministrado no Ensino Médio
19:50
20:15
20:40
INTERVALO
da
Orientador
Avaliador
avaliação Profa. Ms. Paola Prof. Ms. Hélcio
Regina Carloni
Marques Júnior
Prof. Ms.
Santos
Thiago
Profa. Ms. Mary
Joice Ribeiro da
Cruz
----
----
Avaliação Parasitológica da Areia do Parque Profa. Ms. Karla de Prof. Ms. Hélcio
Municipal Flamboyant Lourival Louza em Castro Pereira
Marques Júnior
Goiânia-Goiás – Grupo 01
7° PERÍODO – BLOCO 01 – UNIDADE BUENO
SALA
132
Horário
Título da Apresentação
18:40
Avaliação Parasitológica da Areia do Parque
Municipal Flamboyant Lourival Louza em
Goiânia-Goiás – Grupo 02
Avaliação de Livros Didáticos para a Disciplina
de Biologia Molecular: estudo comparativo no
ensino médio
Profa. Ms. Karla de Prof. Ms. Thiago
Castro
Santos
Avaliação da Curadoria Paleontológica no
Museu Professor Zoroasto Artiaga
Profa. Ms. Josiane
Kunzler
19:15
19:50
20:15
INTERVALO
20:40
Jardins Zoológicos: Avaliação do potencial para
conservação biológica
Orientador
Avaliador
Profa. Ms. Gislene
Lisboa de Oliveira e
Profa. Ms. Camila C.
Pina de Barros
----
----
Prof. Ms. Guilherme Prof.
Ms.
Filho
Marcus Vinícius
P. de Oliveira
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Gilbió Fernandes Moraes, Kamylla Ferreira Santos, Renata
Venâncio Ferreira, Paulla Carolina de Oliveira Sousa.
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Língua Portuguesa
Orientador (res): Profª. Ms. Adélia Freitas da Silva
Análise da presença de elementos biológicos nos poemas de Cora Coralina
Moraes, GBF1; Santos, KF1; Ferreira, RV1; Sousa. PCO1; Silva, AF2
Neste trabalho, analisa-se a presença de elementos biológicos nos poemas de Cora
Coralina que compõem o livro Villa Boa de Goyaz, 2 ed. São Paulo: Global Editora,
2003. O objetivo geral desse estudo foi verificar a possível influência de tais elementos
na inspiração criadora da poetisa. Inicialmente, foi feita uma leitura da obra completa, a
fim de perceber se, de fato, havia, nas palavras usadas, predomínio de elementos
biológicos que pudesse representar suporte de inspiração. Em seguida, procedeu-se a
releitura, ocasião em que foi observado o largo emprego da palavra rio. A partir daí,
outra releitura foi realizada, a fim de verificar duas outras palavras também frequente
na referida obra. Trata-se das palavras uva (Vitis Vinifera) e pimenta (Caspium SP). O
objetivo específico, então, foi verificar se uva e pimenta tinha emprego tão expressivo
quanto ao da palavra rio. A partir dessa observação aleatória, procedeu-se a contagem
de ocorrências, com auxílio de programa de internet, o que possibilitou a visualização
dos dados em gráfico e a contagem em porcentagem. Os dados mostraram que, do
universo pesquisado, ou seja, os poemas que compõem o livro Villa Boa de Goyaz, a
palavra água compõe 61% do universo, a palavra pimenta 21% e, por fim, a palavra
uva compõe 18% . Os resultados apontam para o fato de que o elemento rio é
predominante nos poemas. É provável que esse fenômeno se dê devido ao fato de a
casa, onde Cora viveu por mais de meio século, estar situada tão próxima ao Rio
Vermelho de onde, provavelmente, a autora buscou inspiração.
Palavras-chave: Literatura; Elementos Biológicos; Poesia.
1
2
Acadêmicos do 1º período do curso de Ciências Biológicas da Faculdade Araguaia
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Andreza da Silva, Divina Cristina, Flávio Veiga, Graciely Cardoso,
Karina Macedo, Rafaela Maiara, Renilson Pereira e Wedeusleia Alves
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Educação
Orientador (res): Profa. Ms. Lívia Brisolla
Preferência dos alunos do terceiro ano do Ensino Médio na escolha do curso no
Ensino Superior
Brisolla, LS1; Rosa, ASC2; de Oliveira, DCF2 ; Rodrigues, FV2; de Mendonça, GC2; de
Souza, KMA2; Borges, RMR2; Filho, RPS2; de Oliveira, WA2.
e-mail: [email protected]
O presente trabalho surgiu a partir da dificuldade que se percebe entre muitos alunos do
terceiro ano do Ensino Médio para escolherem um curso no Ensino Superior. O objetivo
geral do presente estudo foi perceber quais os motivos que levam os alunos a
escolherem tal curso. A pesquisa foi realizada com aplicação de questionários. Foram
selecionadas duas escolas, uma particular e outra pública na cidade de Goiânia. Percebese a preocupação por parte dos alunos em cursar um curso superior pela necessidade do
mercado, tanto alunos da escola pública, quanto da privada, destacam que o motivo
principal não é a realização profissional e sim o retorno financeiro. A idade analisada
foi de meninos e meninas entre 16 a 30 anos de idade. Ao analisar os dados, das duas
escolas, constata-se a preferência pelo curso de Direito como primeira opção e como
segunda opção o curso de Administração.
Palavras-chave: Ensino Médio, Escola Pública e Privada.
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 1o período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Cícero da Costa Rodrigues; Glenia da Silva Oliveira; Maikon Maia
da Silva; Ricardo Umbelino de Souza; Thayssa Pacheco Monteiro; Andréia
Ribeiro Teles Galvão; Darylha Euripa Silva Hugues; Deuzina Sousa Costa;
Marina Castro Costa; Polliana Francisca Alves e Weder de Mastos Marques.
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Ciências Biológicas
Orientador (res): Profa. Ms. Maria Tereza Faria
Avaliação histoquímica das folhas de duas espécies conhecidas popularmente como
Boldo: Boldo-do- Chile (Peumus boldus Molina), Monimiaceae e Boldo-baiano
(Vernonia condensata Baker), Asteraceae.
Faria, MT1; Rodrigues, CC2; Oliveira, GS2; Silva, MM2; Souza, RU2; Monteiro, TP2;
Galvão, ART2; Hugues, DES2; Costa, DS2; Costa, MC2; Alves, FP2 ; Marques, WB2.
e-mail: [email protected]
O uso de plantas para fins medicinais está bastante difundido na sociedade e o uso
correto das mesmas encontra-se diretamente relacionado com a sua identificação. Os
metabólitos secundários são substâncias contidas nas plantas medicinais, responsáveis
total ou parcialmente pela sua ação farmacológica. Estas substâncias garantem
vantagens adaptativas e estão envolvidas nos mecanismos de adequação ao meio e
perpetuação da espécie produtora. O presente trabalho objetivou realização de testes
histoquímicos em folhas de duas espécies de Boldo visando à identificação de alguns
metabólitos secundários. METODOLOGIA: Foram realizados testes histoquímicos nas
folhas e pó das espécies, para detecção de alcalóides com o reagente de Dittmar;
lipídeos com reagentes Sudan IV e steinmetz; compostos fenólicos totais com reagentes,
cloreto férrico, cloreto de zinco iodato e Dicromato de potássio; amido com lugol e
cloreto de zinco iodato; Estas reações foram inicialmente precedidas da elaboração de
cortes transversais à mão livre das amostras de plantas, seguidos da deposição destes em
lâminas de vidro para execução das respectivas reações e cobertos com lamínula.
Posteriormente foram analisados em microscopia de luz e foto documentados.
RESULTADOS: As reações histoquímicas permitiram a formação de produtos com
colorações características, onde os alcalóides coram-se de marrom- castanho na
presença de Dittmar; lipídeos coram- se de laranja a vermelho na presença de Sudan IV
e Steinmetz; amido na presença de Lugol, Cloreto de zinco iodado e steinmetz,
coloração azul escura a negra; compostos fenólicos totais na presença de Cloreto de
ferro III, Cloreto de zinco iodato e Dicromato de potássio e para identificação de Drusas
de oxalato de cálcio, acido sulfúrico concentrado. Foi possível a visualização e
identificação de estruturas anatômicas contendo metabólitos secundários como
glândulas endógenas, tricomas glandulares e células parenquimáticas. CONCLUSÕES:
Tais testes visam auxiliar nos processos de identificação de drogas, contribuindo em
trabalhos de rotina de controle de qualidade de plantas medicinais.
Palavras-chaves: boldo, histoquímica, plantas medicinas.
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 1º e 3º períodos do curso de Ciências Biológicas – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Elza Góes dos Santos; Rafaella Maria de Castro; Wallace Costa
Silva; Aline Braga de Oliveira Sales; Luiz Fernando de Carvalho Tavares;
Yasmin Dorneles Carritilha; Bruno Fernandes Vaz
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Ciências Biológicas
Orientador (res): Prof. Ms. Marcus Vinícius Paiva de Oliveira
Pesquisa da presença de enzimas diastásicas no controle de qualidade de amostras
de méis – Goiânia - GO
Silva, CW1; Santos, EG1; Castro, RM1; Sales, APA2; Tavares, LFC2 ; Carritilha, YD2;
Vaz, BF2; Oliveira, MVP3.
e-mail: [email protected]; [email protected]
O mel natural é um produto de gosto adocicado, açucarado fornecido por abelhas da
espécie Apis mellifera L., Apidae. Bioquimicamente, o produto é uma solução aquosa
concentrada de açúcares, com predominância de monossacarídeos como a glicose, a
frutose e também, pequenas quantidades de dextrinas. Adicionalmente, outras moléculas
são encontradas como enzimas, cerídeos, óleos voláteis, ácidos orgânicos, éteres,
substâncias gomosas, albuminóides e minerais. Além de ser apreciado como um
alimento e utilizado como ingrediente de sobremesas, o mel é amplamente utilizado em
formulações farmacológicas por apresentarem propriedades cicatrizante, expectorante,
digestiva, diurética, vasodilatadora, conservante, hidratante, tonificante e revigorante.
Tais propriedades somente estarão presentes se o mel for natural e não artificial ou
adulterado. A principal forma de falsificação do mel é pela adição de açúcar comercial,
glicose comercial, dextrinas e amido. Além disso, pode ocorrer no comércio mel
artificial que é constituído apenas por sacarose com adição de aromatizantes e
flavorizantes de mel natural. O presente trabalho teve como objetivo pesquisar a
presença de enzimas diastásicas em amostras de mel vendidos no comércio varejista na
cidade de Goiânia. Tais enzimas são fornecidas pelas abelhas no processo de produção
na colméia, o que é utilizada como uma marcadora de autenticidade do mel. Foram
avaliadas oito amostras e um controle de mel seguindo o protocolo da Farmacopéia
Brasileira para pesquisa farmacognóstica deste produto. As reações foram feitas em
duplicata, em dias diferentes e por equipes diferentes de acadêmicos. Os resultados
foram positivos para a presença de das enzimas diastásicas, deste modo, nos remete à
autenticidade dos produtos. O controle de qualidade do mel de abelhas é composto por
outras reações, deste modo, mais pesquisas se fazem necessárias para a autenticidade
final do mel.
Palavras-chave: mel, controle, autenticidade, qualidade.
1
Acadêmicos do 1° período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 2° período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
3
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
2
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Karla de Castro Pereira, Bruno dos Santos Tiago, Dayne Brandão
Bizerra, João Batista da Silva Neto, Mariana Lopes de Moraes Reis, Michel
Fiaia da Silva, Reinaldo de Oliveira Alves
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Química
Orientador (res): Profa. Ms. Karla de Castro Pereira
A importância de aulas práticas no processo de ensino-aprendizagem de Química
Pereira, KC1; Tiago, BS2; Bizerra, DB2; Silva-Neto, JB2; Reis, MLM2 ; Silva, MF2 ;
Alves, RO2
e-mail: [email protected]
Mudanças emergenciais devem ser tomadas em relação à práxis pedagógica, pois as
finalidades da educação são a consolidação e o aprofundamento do conhecimento, a
formação de cidadãos, compreensão de fundamentos científico-tecnológicos e relação
das teorias com a vivência do cotidiano. No entanto, para que estes objetivos sejam
alcançados é necessária a implantação de novas metodologias para melhorar o processo
de ensino-aprendizagem. As aulas práticas são importantes ferramentas neste processo,
uma vez que aproximam o conteúdo de Química, por exemplo, do cotidiano do aluno.
Além de despertar o seu interesse, estimular a pesquisa e motivar a sua participação,
para que não seja apenas o ser passivo da educação, ou seja, aquele que apenas escuta o
que o professor fala, mas se torna o sujeito ativo que constrói os próprios
conhecimentos. Dentro deste contexto, este trabalho teve como objetivo avaliar o
desempenho da aula prática, “Tipos de Misturas”, como ferramenta metodológica no
processo de ensino-aprendizagem. Esta metodologia foi realizada para alunos do 1º ano
do ensino médio do Colégio Estadual Jardim Balneário Meia Ponte, Goiânia-Goiás.
Inicialmente, foram ministradas duas aulas expositivas (45 minutos cada) e aplicado um
questionário para avaliar o conhecimento adquirido. Em outro momento, foram
ministradas duas aulas práticas (45 minutos cada) e aplicado o questionário com as
mesmas questões de conhecimento acrescido de outras para obter a opinião dos alunos
em relação à aula. Para avaliação dos resultados, foram comparados os números de
acertos de cada questão. Houve um aumento na quantidade de acertos e os alunos
relataram que as práticas são interessantes e motivadoras, evidenciando a importância
desta metodologia no processo de ensino-aprendizagem.
Palavras-chave: ensino, metodologia, tipos de Misturas.
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 1º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Ana Paula Aparecida Meires, Danielle Rodrigues da Silva, Lilian de
Oliveira Cabral, Lorrany Cristine Sousa Rocha, Mario Honorato Pinheiro Neto,
Maxwarlley Silvério Alves, Valéria Ferreira Lima.
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral.
Área do Conhecimento: Ciências Biológicas.
Orientador (es): Camila Chaves Pina de Barros; Gislene Lisboa de Oliveira.
Avaliação de Livros Didáticos para a Disciplina de Histologia:
Estudo comparativo no Ensino Médio
Meires, APA1; da Silva, DR1; Cabral, LO1 ; Rocha, LCS1; Pinheiro Neto, MH1; Alves,
MS2; Lima, VF1; Barros, CCP2; Oliveira, GL2
e-mail: [email protected] / [email protected]
O livro didático tem papel determinante na organização curricular e na prática
pedagógica dos professores. Como sugerem os Parâmetros Curriculares Nacionais do
Ensino Médio (PCNEM), o livro didático precisa contemplar conhecimentos modernos
em um contexto de historicidade, discutindo, paralelamente, temas de apelo social. Por
isso apresenta grande responsabilidade no processo de formação do aluno. O presente
trabalho tem como principal objetivo analisar os aspectos gerais e o conteúdo de
Histologia de dois livros didáticos de Biologia para o ensino médio, adotados por
muitos professores da rede pública e particular de ensino. Foram escolhidos dois livros:
“Livro I”, publicado em 2001, ofertado em três volumes, de maior custo; e “Livro II”,
volume único, publicado em 2008, de menor custo. A análise foi realizada através de
ficha avaliativa com critérios predefinidos, aos quais foram atribuídas notas de 1 a 3,
sendo a nota 1 equivalente a “fraco”; 2 equivalente a “regular” e 3 equivalente a “bom”.
Quanto aos aspectos gerais de ambos os livros, estes foram considerados “regular”, pois
poderiam ser mais elaborados, principalmente no contexto visual, tornando-os mais
atraente para o aluno. Em termos de conteúdo, o Livro I foi considerado relevante,
sendo conceituado como “bom”, devido à linguagem científica, explicativa e de
incentivo a pesquisa. O Livro II, embora rico em conceitos, foi considerado superficial
devido à linguagem simplificada e com poucos termos científicos, sendo conceituado
como “regular”. Conclui-se que ambos os livros são de caráter conteudista, voltados à
memorização do assunto e, embora tenham um relevante papel na formação dos alunos,
seus conteúdos não se apresentam contextualizados com o cotidiano destes. Seria de
suma importância que os autores analisados trabalhassem atividades discursivas e não
apenas objetivas, como foi observado no final de cada capítulo, a fim de promover a
aprendizagem significativa do aluno ao invés da assimilação mecânica e momentânea.
Outra questão observada nos livros analisados, foi a dissociação entre teoria e prática,
sendo fraco o incentivo às atividades práticas e em grupos. Portanto, para poder exercer
seu papel junto à escola, esta ferramenta precisa estar atualizada e, concomitantemente,
ter um papel decisivo para reduzir, ou mesmo eliminar, a lacuna entre ciência e
cidadania.
Palavras-chave: aprendizagem significativa, prática pedagógica, formação do aluno.
1
2
Acadêmicos do 2º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docentes do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Ângela Rejana Santana, Camila Dias Resende Rodrigues, Jonathan
de Souza Britto e Wesclei Pereira dos Santos
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Geologia
Orientador (res): Profa. Ms. Josiane Kunzler
Métodos Curadoriais e a Divulgação de Temas de Geologia no Museu Estadual
Professor Zoroastro Artiaga
Santana, AR1; Rodrigues, CDR1; Britto, JS1; Santos, WP1; Kunzler, J2.
Email: [email protected]
Vistos como ferramentas de ensino complementar, onde se estimula a criatividade e o
desenvolvimento do senso crítico através de suas exposições, os museus tornam as
informações científicas mais acessíveis à sociedade, sem ter a pretensão de substituir o
ensino formal. Em Goiânia, o Museu Estadual Professor Zoroastro Artiaga, com sua
exposição de exemplares de Geologia, cativa a atenção de seus visitantes para um
assunto pouco divulgado no estado. Dessa forma, a presente pesquisa busca analisar a
divulgação de temas de Geologia pelo museu e demonstrar a importância de métodos
curadoriais para a excelência de tal iniciativa. O Zoroastro Artiaga, no intuito de
caracterizar a história de Goiás, busca, além de dados da história regional e suas
culturas, informações geológicas desde o Big-Bang, por entender que o início da
história do estado é intrínseco à origem do Universo e, posteriormente, da Terra. Para
isso, são utilizados painéis ilustrativos, esquemas, reconstituições ambientais e
exposição de rochas, minerais e fósseis, que facilitam a visualização de conceitos pouco
conhecidos. Dentre os exemplares rochosos são representados os três tipos de rochas
com o granito, o calcário e o gnaisse. Os minerais por sua vez, são representados por
uma grande variedade de quartzo, ametista, limonita, pirita, jaspe, calcedônia, feldspatos
e micas, entre outros. Em exposição também podem ser observadas as reconstituições
em 3D de uma caverna com representação de estalactites e desenhos rupestres, de um
jazigo de minérios, o qual indiscutivelmente faz parte da história de Goiás, e de
ambientes atuais com fauna e flora da região. Observa-se que a exposição de temas de
Geologia busca a interpretação da relação da história recente com a origem do território
goiano, geologicamente falando, mas a ausência de monitores, ou guias, dificulta essa
representação. Ainda que todos os elementos curadoriais citados sejam de extrema
relevância, o museu necessita de atualização de algumas informações científicas e de
melhor dinamismo para tornar a exposição mais atrativa e auto-explicativa. Além disso,
para que o conhecimento seja passado de forma prática e eficiente, há a necessidade de
confecção de etiquetas de alguns exemplares do acervo lá existente, uma vez que, por
conter informações sobre os espécimes, elas auxiliam o visitante na compreensão do
conteúdo exposto. Pode se considerar que o Museu Estadual Professor Zoroastro
Artiaga, por meio de sua exposição, divulga informações adicionais para espectadores
de todas as faixas etárias e escolaridades e permite a visualização de vários minerais e
rochas, atrelando conceitos básicos da Geologia e da Biologia, da evolução, do tempo
geológico e da história, mas ainda merece devido tratamento curadorial para que a
relação entre as diferentes partes da exposição possam conversar entre si naturalmente.
Palavras-chave: Goiás, Exposição, Rochas
1
2
Acadêmicos do 2º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Larisse de Souza Rodrigues, Nawyla Pereira Campos, Ana Maria
da Silva Curado Lins.
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Embriologia
Orientador (res): Profa. Ms. Ana Maria da Silva Curado Lins
Os Principais Teratogênicos e Seus Efeitos
Lins, AMSC1; Campos, NP2; Rodrigues, LS2.
e-mail: [email protected]
Os defeitos congênitos vêm apresentando relevância crescente como causa de
sofrimento e prejuízos à saúde da população. Define-se como malformação congênita a
anomalia estrutural presente ao nascimento. Uma definição mais ampla seria a
expressão “defeito congênito”, incluindo toda anomalia funcional ou estrutural do
desenvolvimento do feto decorrente de fator originado antes do nascimento, seja
genético, ambiental ou desconhecido, mesmo quando o defeito não for aparente no
recém-nascido e só manifestar-se mais tarde. Grávidas podem depender do uso de
medicações para minimizar os agravos da doença preexistente. A gravidez, por si só,
pode causar situações que comprometem o bem-estar materno, como náuseas e vômitos,
as quais necessitam de tratamento. O obstetra deve estar atento à transferência
placentária de drogas e a exposição do feto a agentes teratogênicos ou tóxicos, que
podem comprometer o seu desenvolvimento ou mesmo sua vida futura. O transporte
através da placenta envolve o movimento de moléculas entre três compartimentos:
sangue materno, citoplasma do sinciciotrofoblasto e sangue fetal. Esse movimento pode
ocorrer pelos seguintes mecanismos: difusão simples, difusão facilitada, transporte
ativo, bombas e endocitose. Este estudo teve como objetivo listar as drogas utilizadas
por gestantes para tratar doenças, adquiridas durante a gestação ou preexistentes e seus
efeitos teratogênicos. Com o uso de anticonvulsivantes a incidência de malformações
maiores em recém-nascidos expostos e de 4 a 6%, comparado com 2 a 4% na população
geral. A politerapia e mais lesiva, especialmente se o acido valproico e a hidantoina
fazem parte da associação. Para as pacientes epilépticas clinicamente assintomáticas ha
dois anos recomenda-se a suspensão das drogas em uso, porem se apresentam crises,
torna-se prudente consultar neurologista para discussão da terapia anticonvulsivante
com melhores benefícios e menores efeitos colaterais. Os anestésicos locais e os
opióides são largamente utilizados durante a resolução da gestação. A lidocaína
utilizada como anestésico por via perineal para episiotomia, na dose fixa de 400 mg,
apresenta alta concentração plasmática materna e alta taxa de transferência placentária
no momento do nascimento, que vem alertar para o cuidado no uso de doses repetidas.
A bupivacaina administrada por via epidural representa anestésico seguro,
apresentando-se na forma racêmica e com transferência placentária em torno de 30%. A
fentanila, anestésico opióide, utilizado por via epidural na resolução por cesariana, na
dose fixa de 0,10 mg, apresenta alta taxa de transferência placentária, da ordem de 90%,
o que vem alertar para cautela no uso de doses repetidas em analgesia durante o trabalho
de parto.
Palavras-Chave: Embriologia, congênito, placenta.
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicas do 2º período do curso de Ciências Biológicas – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Ana Paula Nogueira, Aurélio Rodrigues, Beatriz Pessoa, Catarina
Rodrigues, Francielly de Jesus, Lorena Campos, Maria de Lourdes, Nedima
Esmeria, Salatiel Teodoro
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Educação
Orientador (res): Profa. Ms. Lívia Santos Brisolla
Estudo sobre a opção pela licenciatura ou não de alunos do Ensino Médio de uma
escola pública e privada
Brisolla, LS1; Rodrigues, NE2; Sousa, FJ2; Pereira, BP2; Quintino, ML2; Rodrigues,
AS2; Rodrigues, CL2 ; Nogueira, APR2; Cunha, LC2; Teodoro, SM2
e-mail: [email protected]
O presente estudo busca refletir sobre a opção de alunos do Ensino Médio de uma
escola pública e outra particular sobre a opção para o curso de graduação. O objetivo
geral foi verificar a partir de uma pequena amostra o interesse pela licenciatura como
formação profissional. De acordo com os dados levantados nas escolas da rede publica e
privada do Ensino Médio, observou-se que alunos do sexo masculino da instituição
pública optam pela continuação de seus estudos na área de exatas, como os cursos de
Engenharia, Ciências Contábeis e Administração. Já o sexo feminino predomina o
interesse pela área de Humanas e Biológicas. Na instituição particular observa-se que o
grupo masculino foi unânime ao escolherem a área de Exatas, cerca de 50% do total e
os outros 50% se dividiram em outras áreas de estudo, já no sexo feminino notou-se um
maior interesse pela área de biológicas, o que corresponde a 52% do total e 25%
voltados para a área de Humanas, sendo que o restante optou por outras áreas. A
licenciatura é vista com certa resistência e principalmente como segunda ou terceira
opção de curso. Levando em consideração os gráficos elaborados e feita uma analogia
dos resultados entre a escola pública e privada, podemos perceber o predomínio da área
de Exatas no sexo masculino, e no feminino as áreas de Humanas e Biológicas. O
interesse pela licenciatura na rede pública e privada é baixo, prevalecendo à preferência
por outras áreas profissional. Com a pesquisa levantada conclui-se que há uma pequena
parte dos estudantes que visam cursar a área da Licenciatura, levando a entender que
entre outros motivos o que é notável é o descaso do poder público com os profissionais
da área e a falta de estrutura de forma geral.
Palavras-chave: licenciatura, escola pública e privado.
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 3o período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Jeniffer Julie da Silva Matinada,Tayane Carvalho Silva, Brenda
Garcia, Érica de Fátima Oliveira, Maria Lúcia Gonçalves da Silva, Melliane de
Oliveira Martins Silva
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Educação
Orientador (res): Erivelton Oliveira Alves
A Avaliação no Processo Educativo
Alves, EO1; Matinada, JJS 2; Silva, TC2; Garcia, B2; Oliveira, EF2; da Silva, MLG2;
Silva, MOM2
e-mail: [email protected]
A educação é uma ação intencional cujo propósito é provocar modificações no sujeito, e
influenciar pela aprendizagem seu modo de pensar e agir. O objetivo geral deste
trabalho foi identificar as formas de avaliação escolar e como elas são inseridas e
apresentadas aos alunos. Foram analisados seis artigos científicos que abordam sobre o
tema educação, formas de avaliação e aprendizagem dos alunos, sobre o quais se
desenvolveu o presente trabalho. Avaliar é uma atividade que visa provocar mudanças,
orientar a aprendizagem, tornar o aluno consciente do processo de construção do
conhecimento e a verificação das competências adquiridas. No processo avaliativo o
professor deve conhecer a realidade e as idéias prévias do aluno, trabalhá-las em sala de
aula, bem como entender a importância da motivação de aprendizagem do aluno,
determinar os objetivos a serem alcançados, selecionar e organizar os conteúdos a serem
ministrados organizá-los em um cronograma e elaborar métodos e técnicas para
aprendizagem significativa. Ao selecionar os métodos de avaliação o professor não deve
considerar somente a nota obtida pelo aluno, mas seu progresso na aquisição do
conhecimento, e como o processo de avaliação contribuiu para o mesmo. As formas de
avaliação (provas, trabalhos e outros) devem ser planejadas e elaboradas de maneira a
não prejudicar o aluno. Toda instituição escolar deve elaborar o planejamento de ensino
de acordo com as diretrizes do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e o
Projeto Político Pedagógico da Instituição. As ações pedagógicas devem ser registradas
no Plano de Ensino e apresentadas e discutidas com os alunos e, compartilhado por
diferentes pessoas dentro do sistema educativo. O professor é responsável por analisar o
que contribuiu para a aprendizagem do aluno, o que deve ser modificado e tomar
decisões didáticas visando à melhoria da aprendizagem. Nessa perspectiva a avaliação é
um conjunto de atuações com a função de alimentar, sustentar e orientar a intervenção
pedagógica. Segundo a LDB (Lei de Diretrizes de Base) a avaliação deve ser contínua e
sistemática para uma melhor interpretação qualitativa do conhecimento adquirido pelo
aluno. Neste contexto, a avaliação é o instrumento para se conhecer o desenvolvimento
do aluno no processo de aprendizagem em determinados momentos da escolaridade.
Como instrumento de reflexão deverá dinamizar oportunidades para que o aluno possa
refletir sobre o conhecimento adquirido e sobre o conhecimento que constrói. Concluise que a ação educativa destina-se a promover o desenvolvimento das pessoas e a
avaliação deve contribuir para que isso ocorra numa perspectiva construtivista dos
processos educacionais.
Palavras-chave: educação, aprendizagem, avaliar.
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 3º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Idália B. Araujo, Luciano P. Lopes, Monique M. Nogueira,
Samantha S. Nunes, Israel V. Pacheco, Marcus Vinicius A. Soares, Luiz Carlos
P. Silva, Neiroaity R. dos Santos
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Zoologia
Orientador (res): Prof. Ms. Thiago Santos
Protocolo para cultura de microorganismos (protozoários e metazoários) aquáticos
para utilização em aulas práticas
Araujo, BI1; Lopes, LP1; Noqueira, MB1 ; Nunes, SS1; Pacheco, IV1; Soares, MVA1 ;
Silva, LCP1; Souza, FC1; Santos, NR1; Santos, T2
e-mail: [email protected]
A zoologia de invertebrados tem como um de seus objetos de estudo a relação entre
forma e função, como por exemplo, a o efeito da proporção entre amplitude do eixo
dorso-ventral e amplitude do eixo proximal-distal na capacidade do animal de realizar
trocas gasosas por difusão. Amostras de animais não microscópicos são, em geral,
comuns em laboratórios de aulas práticas de zoologia pois sua manipulação, a fim de se
identificar e comparar estruturas específicas, é facilitada pelo tamanho e, quando as
amostras são de animais ainda vivos, o estudo do comportamento pode ser realizado
através observação direta. No entanto a variação dentro do espectro morfológico do
tamanho corporal é muito grande desde alguns milésimos de micrômetros até metros de
comprimento e processos comuns a animais maiores são realizados, muitas vezes, por
meio de estruturas e comportamentos diferentes em animais menores. Para se observar
tais estruturas e/ou comportamentos é preciso de amostras que contenham uma
quantidade mínima de indivíduos (como são muito pequenos a observação depende da
quantidade), o que nem sempre pode ocorrer, dependendo de onde se coleta, da estação
do ano ou período do dia. Uma forma de se solucionar os problemas com amostras de
baixa qualidade é a cultura destes organismos em laboratório. O objetivo do presente
trabalho foi a elaboração de um protocolo para se cultivar metazoários (e protozoários)
em laboratório a partir de amostras ambientais para fins de aulas práticas. Amostras
ambientais foram coletadas em corpos d’água em Goiânia, combinadas e armazenadas
em laboratório durante uma semana. Concomitantemente, três conjuntos de meios de
cultura foram preparados em 10 placas de petri cada: i) água destilada e 10 grãos de
arroz; ii) água destilada e meia folha de alface; iii) água destilada e 10 grãos de arroz e
meia folha de alface. Cada conjunto foi acondicionado em caixas opacas à luz durante
uma semana para que o conteúdo vegetal fosse parcialmente decomposto, liberando
nutrientes na água. Após uma semana, o conteúdo sólido dos meios de cultura foi
descartado e estes foram inoculados com 10 ml da amostra ambiental, após isto, os
meios foram acondicionados em caixas opacas à luz por uma semana (período de
crescimento populacional). Ao final deste período amostras dos três conjuntos de meios
de cultura foram observadas ao microscópio óptico e os organismos foram identificados
e seus comportamentos filmados. Foram encontrados protozoários do filo Ciliophora
(gêneros Aspidisca aff sp., Coleps aff sp., Paramecium aff sp., ) e metazoários do filo
1
2
Acadêmicos do 3º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Rotifera (genêros Euchlanis aff sp. e Philodina aff sp.) e Nematoda. Além disso, o
comportamento de alimentação (tanto filtragem quanto predação) e processos de
excreção celular puderam ser observados e registrados.
Palavras-chave: meio de cultura, Ciliophora, Rotifera.
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Daniella Regina Garcia, Enirce Divina dos Santos, Kamilla Nogueira
Brasil, Natanael Sales Vieira, Reinaldo Reis Pimentel, Tais de Sousa Matias
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Microbiologia
Orientador (res): Profa. Ms. Ana Claudia Alves de Oliveira Santos
Prevalência da Automedicação entre Estudantes do Curso de Ciências Biologias de
uma Instituição de Ensino Superior
Pimentel, RR1; Sales-Vieira, N1; Garcia, DR1; Santos, ED1; Santos, VP1; Nogueira, K1;
Matias, T1; Santos, ACAO2
A automedicação é uma pratica antiga utilizada desde primórdios humanos. Os
primeiros registros sobre automedicação foram identificados por meio dos remédios
conhecidos como homeopatas, posteriormente foram inseridos neste contexto os
medicamentos alopatas. A automedicação é definida como uso de medicamento sem
prescrição médica visando o alívio de sintomas indesejáveis. Este trabalho teve como
objetivo avaliar a frequência da automedicação com enfoque no uso de antimicrobianos
entre acadêmicos em Ciências Biológicas de uma instituição de ensino superior. O
estudo foi realizado através da aplicação de um questionário aos alunos do 1º 6º e 7º
períodos, mediante assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido. Foram
avaliadas as seguintes variáveis: uso de medicamento sem prescrição médica, motivo da
automedicação, drogas utilizadas, frequência de automedicação nos últimos 12 meses,
dentre outras. Participaram do estudo 38 alunos, destes 37 (97,3%) praticaram a
automedicação, sendo 18 (47,3%) alunos do 1º período, 7 (18,4%) do 6º período e 12
(31,5%) do 7º período. Quanto aos motivos para automedicação a dor de cabeça foi o
sintoma mais referenciado 33 (86,8%). As classes de drogas mais utilizadas foram as
de: analgésico/antitérmicos e medicamentos para resfriado 29 (76,3%), xaropes para
tosse e anti-inflamatórios 24 (63,1%) e antimicrobianos 16 (42,1%). Com relação a
frequência de automedicação nos últimos 12 meses, 9 (23,6%) não se automedicaram,
18 (47,3%), se automedicaram entre uma e duas vezes, 5 (13,1%) entre três e quatro
vezes, 7 (18,4%) mais que cinco vezes. Os descritos neste estudo resultados estão de
acordo com os relatos da literatura, tendo a categoria dos analgésicos como o
medicamento mais utilizado, um dos destaques neste trabalho relaciona-se ao alto
percentual com relação ao uso de antibióticos. Os dados apresentados apontam a
necessidade da implantação de políticas educativas que visem o esclarecimento sobre os
malefícios oferecidos na pratica da automedicação.
Palavras-chave: prescrição, medicamentos, sintomas.
1
2
Acadêmicos do 5º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor(es): Cleitton Miranda, Elisângela Rosa Silva dos Santos, Iron Rosa
Junior, Lorrainy Rocha Correia, Luiz Henrique Braga Rosa, Ricardo Carvalho
Costa, Yara Jose da Silva
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Zoologia
Orientador: Prof. Ms. Rafael Braga do Amaral
A influência do desmatamento sobre a extinção do Lobo-guará no estado de Goiás
Miranda, CP 1; Santos, ERS1; Junior, IR1; Correia, LR1; Rosa, LHB1; Costa, RC1; Silva,
YJ1; Amaral, RB2
O desmatamento e fragmentação de habitats vêm contribuindo para a extinção do loboguará no Estado de Goiás. A expansão da agricultura e pecuária com seus respectivos
impactos têm contribuído para que os hábitos e características desse símbolo do cerrado
brasileiro refletiram a sua dificuldade de sobrevivência. Atualmente, o lobo-guará
também está ameaçado de extinção devido à caça predatória é carnívoro, mas pode ser
considerada onívora (ele come de tudo um pouco). Na sua dieta também é indispensável
o fruto da lobeira (Solanum lycocarpum), que serve como um vermífugo natural
essencial para sua saúde. Além disso, o lobo guará é reconhecidamente um importante
dispersor de sementes. Aliado a esses fatores existem ainda as crendices populares, que
associam a utilização de partes do corpo do lobo-guará à cura de doenças, ao aumento
da potência sexual e à redução na incidência de picadas de cobra. Políticas de
conservação da biodiversidade, como reprodução em cativeiro, criação de reservas
naturais possam amenizar o problema de ameaça da espécie caso os efeitos antrópicos
no bioma minimizam a importância desse animal para o equilíbrio do ecossistema. O
Parque Nacional das Emas (Parna Emas) está situado na região sudoeste do estado de
Goiás e possui uma população de lobos-guarás de aproximadamente 70 indivíduos.
Populações de carnívoros são sensíveis, entre outros fatores, à fragmentação de habitats,
aumentando-se a sensibilidade de acordo com a área de vida das espécies. A área de
vida do lobo-guará no Parque Nacional das Emas é de aproximadamente 80km2.
Entretanto, fazem-se necessárias ações constantes e efetivas para redução da degradação
do hábitat do lobo-guará e, conseqüentemente, de sua mortalidade.
Palavras-chave: Lobo-guará, Cerrado, Goiás, Desmatamento.
1
2
Acadêmicos do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docente do 5º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Hélcio Marques Junior, Adriano Almeida Rodrigues, Laryssa
Raquel Schmaltz, Lorena Cristina Marques, Luana Pereira de Lurdes, Nayara
Fernandes Menezes e Sandra Cristina de Oliveira.
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Educação
Orientador (res): Prof. Ms. Hélcio Marques Junior
Educação e meios de comunicação, como progredir com essa relação no campo
educacional.
Marques, HJ1; Rodrigues, AA2; Scmaltz, LR2 ; Marques, LC2; Lurdes, LP2; Menezes,
NF2; Oliveira, SC2
Os Meios de Comunicação constituem elementos de suma importância para a obtenção
de níveis satisfatórios de qualidade do aprendizado nas escolas, pois desempenham
funções lúdicas, integradoras e sociais no espaço em que estão inseridas,
proporcionando vários benefícios ao meio educacional, pois cada vez torna-se maior o
uso dos meios de comunicação com objetivos educacionais e de integração do cidadão à
sociedade.O presente estudo foi eminentemente teórico resultante de uma análise quanto
ao uso dos meios de comunicação e as novas tecnologias pelos profissionais envolvidos
no processo educacional no campo escolar, com base na leitura de vários artigos
utilizados na graduação de Ciências Biológicas da Faculdade Araguaia, tendo como
metodologia a comparação do referencial teórico, tendo como objetivo mostrar o quanto
o uso da comunicação e as novas tecnologias podem ser considerados ferramentas
importantes para o aprendizado dentro e fora do espaço físico da escola. Os resultados
permitiram observar que a uma grande necessidade de aproximar a educação da
comunicação e das tecnologias, além-claro da importância que o professor enquanto
mediadores dessas novas ferramentas saibam usá-las de forma correta e corrente,
procedendo assim em várias relações de aprendizado envolvida nesse processo,
expondo assim temas de grande importância ligados a essa mesma semântica com
inúmeras possibilidades quanto ao o uso das tecnologias e mídias para a educação.
Palavras-chave: Comunicação, Educação, Tecnologias.
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 5º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Eduardo Lima, Tainá de Souza, Ludmilla Marques de Oliveira
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Ciências Biológicas
Orientador (res): Profª Ms. Ludmilla Marques de Oliveira
A Avaliação do Biólogo como Perito: Divulgação e Explanação da Aplicabilidade
do Biólogo como Perito
Lima, EV1; Bispo, TS1; Oliveira LM2
O Biólogo é o profissional que utiliza a amplitude da Ciência, promovendo a interação
do homem com o meio em que se insere bem como recursos para fins do
aprimoramento da vida, obtidos através de pesquisas em campo, laboratoriais e salas de
aula. Fundamenta-se através do estudo da origem, estrutura e evolução do meio e dos
elementos que o compõem. O objetivo desta apresentação é expor a atuação do Biólogo
destacando a atuação do mesmo como Perito legal dentro das três grandes áreas em que
a Biologia se divide – Meio Ambiente e Biodiversidade, Biotecnologia e Produção, e
Saúde - ressaltando todas as exigências no âmbito curricular, e sua abrangência prática
no encargo já acima mencionado. Foi iniciada uma pesquisa, a fim de estabelecer todos
os pré-requisitos do profissional atuante, e agendada uma palestra que será ministrada
pelo órgão IML/GO otimizando com mais informações e detalhamentos o cotidiano e
rotina na qual o profissional Perito é inserido, que se caracteriza por realizar análises
críticas e cientificas dos locais onde ocorreram crimes, apurando todos os dados
possíveis acerca das causas, dimensões e naturezas dos danos causados de ordem
ambiental e ou localizar provas técnicas, e analisar vestígios orgânicos, como mancha
de sangue, sêmem, saliva, pelos ou cabelos retirados do local periciado de um delito,
utilizando até mesmo o conhecimento da genética e biologia molecular para
contextualizar seu laudo final, sendo estes de ordem material. Atribuição esta que é
nomeada judicialmente e que exige domínio teórico, destreza e experiência na prática
que ao final exigirá a apresentação de um parecer técnico que caberá como prova ou não
do processo em questão.
Palavras-chave: Biologia, Biólogo, Área de Atuação, Perito Legal, Perícia.
1
2
Acadêmicos do 5º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): José Eduardo Pereira Costa e Tathyana Adamovich Vieira Pessoa
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Evolução
Orientador (res): Profa. Ms. Mary Joyce Ribeiro da Cruz
A Avaliação do Conteúdo de Evolução Ministrado no Ensino Médio
Cruz, MJR1; Costa,EP2; Pessoa, TAV2
Email: [email protected]
A Evolução e todas as teorias que a acercam é notadamente a mais importante das
teorias biológicas. Sabendo dessa importância dentro das ciências biológicas e da vida,
nos atentamos para a grade curricular no ensino brasileiro, tentando entender se há uma
disparidade no que é de fato a evolução e a evolução ensinada no ensino médio. Sendo
assim esse trabalho tem por objetivo fazer uma avaliação do ensino da disciplina
evolução através dos livros didáticos mais utilizados no ensino brasileiro. Para
realização desse trabalho utilizamos como base a literatura recorrente para a graduação
em Ciências Biológicas na disciplina de Evolução: Evolução - autor Mark Ridley - 3ª
edição- 2006, editora Artmed e livros didáticos mais utilizados para o ensino médio na
disciplina de Biologia: Biologia das populações 3- autores Amabis e Martho – 2004,
editora Moderna, Bio 3- Sonia Lopes - 2006, editora Saraiva e Biologia Atual Vol 3 autor Wilson Roberto Paulino - 8 edição -1996, editora Ática . Analisou-se como os
seguintes autores tratavam conceitos como: seleção natural, evolução, adaptação,
Lamarckismo e Darwinismo, e foi feita uma comparação entre o conceito encontrado
para os termos supracitados na literatura para ensino superior e para ensino médio.
Através da análise comparativa observou-se que os livros em maioria são semelhantes
em diversos pontos ao tratar da disciplina de evolução. É fato também que alguns
termos como mudança e transformação são utilizados erroneamente, principalmente
para explicar a adaptação e mutação das espécies. Os resultados demonstram que
mesmo utilizando os melhores e mais atuais livros didáticos é importante que os
professores atentem-se ao seu conteúdo de uma forma geral. Estudos futuros utilizando
uma maior fonte literária e um maior número de conceitos poderão abranger melhor
esse assunto, e elucidar um maior número de questionamentos.
Palavras-chave: Biologia; Darwinismo; Livro didático
1
2
Docente do Curso de Ciências Biológicas – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 6º período do Curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Rhauciene Dutra, Rafael Romeiro, Daniela Edwiges Sturmer, Arline
Katiane de Assis Pereira
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Parasitologia
Orientador (res): Profa. Ms. Karla de Castro Pereira
Avaliação Parasitológica da Areia do Parque Municipal Flamboyant Lourival
Louza em Goiânia-Goiás
Pereira, KC1 ; Dutra, R2; Romeiro, R2; Sturmer, DE2; Pereira, AKA2.
e-mail: [email protected]
As parasitoses são responsáveis por um alto índice de morbidade mundial. Elas podem causar
sérios danos à saúde humana e, até mesmo, provocar a morte. Essas doenças são decorrentes,
principalmente, da precariedade de fatores como saneamento básico, estado nutricional, higiene
pessoal e más condições sócio-econômicas. Além disso, as contaminações se agravam devido
ao contato com fezes de animais veiculadores de parasitos, como cães, gatos e pombos. A
contaminação parasitária de parques e praças é um problema de saúde pública, pois estes
ambientes são passíveis a infecções protozoárias e helmínticas de fezes destes animais. O
presente trabalho teve como objetivo pesquisar, identificar e demonstrar a presença de cistos de
protozoários e/ou ovos e larvas de helmintos na areia do Parque Municipal Flamboyant Lourival
Louza da cidade de Goiânia, Goiás. A coleta da areia foi feita na área de recreação infantil e a
análise foi realizada através do método parasitológico de Hoffman. Colocou-se
aproximadamente 2g de areia em um Becker (300mL), acrescentando água destilada até a
cobertura completa da areia e triturando com o bastão de vidro. Em seguida, adicionou-se 20mL
de água destilada, colocando o preparo para filtrar em um cálice cônico de 200mL de
capacidade, por intermédio de gazes cirúrgicas dobradas formando um filtro de quatro camadas.
Após uma hora, o material sedimentado foi corado com Lugol e analisado ao microscópio
óptico de luz com as objetivas de 10x e 40x. Foram encontrados cistos de protozoários na areia
do parque. No entanto, não foi possível identificar as espécies, sendo assim, necessita-se de
mais análises. Verificou-se que possivelmente o fácil acesso de animais aos locais de recreação
é um fator contribuinte da positividade da área analisada.
Palavras-chave: cistos, protozoários, método de Hoffman.
________________________________
1
2
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Acadêmicos do 6º e 7º períodos do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Camilo Teixeira Pacheco, Célia dos Santos Araújo, Daniella de
Jesus Mendes, Diogo Damião Soares de Albuquerque, Iara Kelly de Sousa
Gomes dos Santos, Leyla Fernannda Vieira Lima, Nayara Lourranny Miranda.
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral.
Área do Conhecimento: Biologia Molecular
Orientador (es): Profa. Ms. Camila Chaves Pina de Barros e Prof a. Ms. Gislene
Lisboa de Oliveira.
Avaliação de Livros Didáticos para a Disciplina de Biologia Molecular: estudo
comparativo no ensino médio
Mendes, DJ1; Pacheco, CT1; Araújo, CS1; de Albuquerque, DDS1; dos Santos, IKSG1;
Lima, LFV1; Miranda, NL1; Barros, CCP2; Oliveira, GL2
e-mail: [email protected] / [email protected]
O uso do livro didático pelo professor como material didático, ao lado do currículo, dos
programas e outros materiais, instituem-se historicamente como um dos instrumentos
para o ensino e aprendizagem. Devido a seu importante papel de mediador educacional,
os livros didáticos vêm ao longo dos anos se aperfeiçoando, servindo como elemento
facilitador do ensino. Como propõem os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino
Médio (PCNEM), o livro didático precisa contemplar conhecimentos modernos em um
contexto de historicidade, discutindo, paralelamente, temas de apelo social. Por isso
apresenta grande responsabilidade no processo de formação do aluno. O presente
trabalho tem como principal objetivo analisar os aspectos gerais e o conteúdo de
Biologia Molecular de dois livros didáticos de Biologia para o ensino médio, adotados
por muitos professores da rede pública e particular de ensino. Foram escolhidos dois
livros: “Livro I”, publicado em 2001, ofertado em três volumes, de maior custo; e
“Livro II”, volume único, publicado em 2008, de menor custo. A análise foi realizada
através de ficha avaliativa com critérios predefinidos, aos quais foram atribuídas notas
de 1 a 3, sendo a nota 1 equivalente a “fraco”; 2 equivalente a “regular” e 3 equivalente
a “bom”. Quanto aos aspectos gerais de ambos os livros, estes foram considerados
“regular”, pois poderiam ser mais elaborados, principalmente quanto às ilustrações, pois
quando presentes não mostram vinculação com o texto de maneira adequada para o
aluno, tornando-os mais atraente. Em termos de conteúdo, o Livro I foi considerado
relevante, sendo conceituado como “bom”, devido à linguagem científica, explicativa e
de incentivo a pesquisa. O Livro II, embora rico em conceitos, foi considerado
superficial devido à linguagem simplificada e com poucos termos científicos, sendo
conceituado como “regular”. Conclui-se que ambos os livros são de caráter conteudista,
voltados à memorização do assunto e, embora tenham um relevante papel na formação
dos alunos, seus conteúdos não se apresentam contextualizados com o cotidiano destes.
Outra questão observada nos livros analisados foi a dissociação entre teoria e prática,
sendo fraco o incentivo às atividades práticas e em grupos. Portanto, percebeu-se que os
livros didáticos necessitam de constante reformulação. Sabe-se que eles são de extrema
valia e importância no cenário educacional público e privado, mas é necessário que
sofram atualizações e ampliação de conteúdos, lançamento de textos mais
1
2
Acadêmicos do 7º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docentes do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
contextualizados promovendo novas formas de inserir os temas relacionados à Biologia
Molecular.
Palavras-chave: ensino aprendizagem, elemento facilitador, formação do aluno.
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Cayenne Miguel Ribeiro, Daniely Miranda Marinho, Juliana Leite
Borges Ribeiro, Patricia de Souza Carvalho e Vivian Cristina de Oliveira.
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Biologia da Conservação
Orientador (res): Prof. Ms. Guilherme Ferreira Lima Filho; Prof. Esp. Paulo
Cesar Rodrigues.
Jardins Zoológicos: Avaliação do potencial para conservação biológica
Marinho, DM1; Ribeiro, CM1; Ribeiro, JLB1; Carvalho, PS1; Silva, VCO1; Rodrigues,
PC2; Lima Filho, GFL2
e-mail: [email protected]
Apesar de ser um local visitado pela população em sua maioria devido ao lazer, os
jardins zoológicos foram criados para o estabelecimento de populações de criação em
cativeiro de animais raros e ameaçados de extinção, ou seja, os zoológicos se destacam
por ser uma importante ferramenta para a Biologia da Conservação, uma vez que
oferece estrutura para haver interação entre a biologia de cada espécie com o meio
ambiente. Ultimamente, esta é a grande preocupação dos pesquisadores: oferecer
instalações para o desenvolvimento de tecnologias de criação de colônias para estes
animais raros e ameaçados. Este tipo de criação se refere á conservação ex-situ, ou seja,
a criação de animais fora do seu habitat natural, portanto ambientar estes animais á um
espaço desconhecido e totalmente diferente exige muito das técnicas da Biologia da
Conservação. Com este intuito os programas de criação em cativeiros são orientados
quanto ao adequado tratamento e manejo dessas espécies, como: informações
nutricionais, técnicas anestésicas, condições ideais de habitação, vacinas e antibióticos.
Visando o sucesso da reprodução destas espécies diversas técnicas estão sendo
desenvolvidas com o auxílio da medicina e da veterinária, como a adoção cruzada,
inseminação e incubação artificiais e transferência de embriões. Porém a manutenção
destas espécies raras ou extintas nos cativeiros não necessariamente implica em sucesso
na perpetuação da espécie, uma vez que devem ser levadas em consideração questões
éticas como a necessidade, eficiência, benefícios e malefícios. No entanto, a pesquisa
baseada na conservação ex situ é uma estratégia crucial para o aprimoramento do
conhecimento da biologia de cada espécie para posterior conservação in situ,(apesar de
que existem algumas espécies que são economicamente inviáveis para a conservação ex
situ como é o caso dos rinocerontes e elefantes africanos). Outra importância dos jardins
zoológicos se refere quanto á Educação Ambiental. Ao observar o “habitat” de cada
espécie na prática, há uma maior fixação do conteúdo apresentado em sala de aula, uma
vez que as visitas tenham cunho pré-estabelecido com a identificação da biologia de
cada espécie ali presente.
Palavras-chave: Biologia da Conservação, educação ambiental, conservação ex situ.
1
2
Acadêmicos do 7º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docentes do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Deleon Mesquita Campos, Fernanda Garcia da Silva
Modalidade do Trabalho: Exposição oral
Área do Conhecimento: Fisiologia vegetal/Tratamento de resíduos
Orientador (res): Prof. Ms. Thiago Santos
Utilização de respirometria para avaliação das taxas de consumo de oxigênio
resultantes de poluição em amostras de água de Goiânia
Campos, DM1; Silva, FG1; Santos, T2
e-mail: [email protected]
Ecossistemas naturais, onde são encontrados minerais, luz, água, ar (e.g. O2, CO e CO2
e N2), matéria orgânica e organismos autotróficos e heterotróficos, a produção de
oxigênio derivada do processo de fotossíntese é parcialmente eliminada na atmosfera e
parcialmente consumida pelos próprios autótrofos quanto por organismos heterótrofos
durante o processo de decomposição e respiração celular (para manter as taxas
metabólicas constantes os organismos aeróbios oxidam moléculas orgânicas liberando
energia que é redirecionada para os processos metabólicos do organismo). O saldo da
produção/consumo de O2 varia entre ecossistemas dependendo da razão entre biomassa
de autótrofos e heterótrofos, da disponibilidade de luz e nutrientes minerais (essenciais
para a fotossíntese) e da disponibilidade de matéria orgânica (essencial para a respiração
celular). Em ambientes marinhos a produção de O 2 geralmente excede seu consumo
enquanto que em ambientes terrestres alagados o saldo geralmente é próximo a zero ou
até mesmo negativo. O aporte de efluentes derivados de redes de esgoto em corpos
d’água, especialmente em grandes cidades, ou a contaminação do solo por lixiviado de
lixões pode aumentar anormalmente a concentração de matéria orgânica no ambiente
gerando um incremento nas taxas de oxidação desta matéria e consequentemente no
aumento de consumo de O2. É possível medir o grau de poluição de uma amostra
ambiental através das taxas de consumo de oxigênio ou TCO: quanto maior a TCO
maior a poluição da amostra. No presente trabalho a TCO de amostras do lago Vaca
Brava serão medidas e comparadas com amostras de água da rede de abastecimento de
Goiânia e com água destilada. Para tal será utilizado um respirômetro: aparelho
composto por um erlenmeyer que conterá as amostras a serem analisadas; um bequer
contendo solução aquosa de KOH (esta solução reage com o CO 2 liberado durante as
reações de oxidação da matéria orgânica produzindo KHCO 3); um manômetro que
medirá a pressão interna do erlenmeyer (a medida que reações de oxidação estão
consumindo oxigênio e liberando dióxido de carbono este último é consumido pela
solução de KOH gerando assim um déficit de pressão atmosférica no interior do
erlenmeyer: quanto mais matéria orgânica, maior TCO e mais rapidamente a pressão
interna deve diminuir). As amostras devem conter uma quantidade igual de água
destilada e material ambiental a fim de se garantir a presença de uma quantidade
mínima de oxigênio inicial e o respirômetro deve estar completamente vedado. Esperase que as amostras contendo água do Vaca Brava apresentem um rápido decaimento da
pressão (uma grande TCO) e que este decaimento se interrompa também rapidamente
(consumo total do O2 ) enquanto que na amostra de água da rede de abastecimento o
1
2
Acadêmicos do 6º período do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
decaimento se de lentamente e da água destilada o decaimento da pressão deve ser o
menor, se aproximando da constância.
Palavras-chave: TOC, Vaca Brava, respirômetro.
IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO
Autor (es): Fernanda Fonseca de Sousa, Jean Carlos Coelho Luz, Luciana
Zacarelli Bersaneti, Mirelly Gabrielly Mendes e Renata Agra de Lima
Modalidade do Trabalho: Exposição Oral
Área do Conhecimento: Paleontologia
Orientador (res): Profa. Ms. Josiane Kunzler
Avaliação da Curadoria Paleontológica no Museu Professor Zoroasto Artiaga
Agra, RL1; Sousa, FF1; Zaccarelli, LB1 ; Mendes MG1; Luz, JCC1; Kunzler, J2
e-mail: [email protected]
Situado no centro da cidade de Goiânia, o Museu Estadual Professor Zoroastro Artiaga,
traz uma exposição permanente sobre a história do estado de Goiás. A mesma é traçada
desde a formação do Universo, utilizando para isso amostras de rochas, minerais e
fósseis, além de diversas ferramentas museográficas como gravuras, painéis,
reconstituições em três dimensões, entre outros, que facilitam a comunicação entre a
ciência e a sociedade. Sendo este o único museu goiano de caráter público a divulgar
assuntos sobre Paleontologia, o objetivo deste trabalho é analisá-lo quanto ao seu
aspecto curadorial com enfoque na exposição de fósseis, na tentativa de demonstrar a
necessidade do profissional Biólogo em um museu. Acompanhando um roteiro
confeccionado pela professora orientadora, a observação do museu se deu por toda a
exposição e considera-se que, de maneira generalizada, ela é satisfatória e atinge seus
objetivos, contribuindo para a divulgação dos conhecimentos sobre a história do nosso
estado. Além disso, a localização do museu e a entrada gratuita permitem fácil acesso
para a população. Dos fósseis expostos têm-se concreções de peixes, pequenos répteis,
uma grande quantidade de troncos petrificados e fragmentos de ossos de um
representante importantíssimo da conhecida megafauna de mamíferos, o Megatherium,
vulgo “Preguiça Gigante”. Exceto este, nenhum outro fóssil representa o território
goiano, o que, em vista dos autores deste trabalho, acarreta em certa descaracterização
do propósito da exposição quanto à história do estado. Mesmo reconhecendo a
relevância da iniciativa do museu em divulgar esse conhecimento paleontológico como
parte indissociável da história de Goiás, considera-se que para tal é indispensável a
exposição de fósseis coletados em território do estado em questão, o que provavelmente
deve não ocorrer devido à baixa quantidade de estudos nesta área, dentre outros
motivos. Além disso, a falta de etiquetas informativas a respeito dos exemplares pode
ser considerada o equívoco de maior gravidade, devido às mesmas representarem a
identidade dos espécimes, agregando valor a eles. Considerando-se que em um museu o
papel da curadoria paleontológica, como qualquer outra, é organizar exposições,
garantir a integridade do material exposto, identificar e catalogar os exemplares, além
de garantir que as exposições sejam compreendidas, através da preocupação com a
fidelidade das informações reproduzidas, os autores deste trabalho se comprometem a
catalogar e etiquetar os exemplares de fósseis presentes na exposição, além de propor à
direção do museu retificações das informações equivocadas, ainda que essas se
apresentem quase imperceptíveis. Propõe-se que atuação de um Biólogo nessa
instituição sanaria as dificuldades citadas, otimizando a efetividade do museu.
Palavras-chave: Exposição, Paleontologia, Goiás.
1
2
Acadêmicos do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia
Docente do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura – Faculdade Araguaia

Documentos relacionados