3º EMN

Сomentários

Transcrição

3º EMN
O OLHO HUMANO E A ÓPTICA DA VISÃO
O globo ocular humano é um sistema óptico bastante complexo, constituído por
diversos elementos, alguns com funções ópticas e outros não.
Os raios luminosos atravessam a córnea, o cristalino, o humor aquoso e o humor vítreo e
atingem a retina.
O mecanismo da visão pode ser melhor entendido, se compararmos o globo ocular a uma
câmara fotográfica: o cristalino seria a objetiva; a Íris, o diafragma, e a retina seria a placa ou
película (filme). Desta maneira os raios luminosos, ao penetrarem na córnea e no humor aquoso,
passando pela pupila, chegam ao cristalino, que leva a imagem mais para trás ou para frente,
permitindo que ela se projete sobre a retina. Esse ajuste da imagem na retina pelo cristalino se
dá através dos músculos ciliares que prendem o cristalino às paredes do globo ocular. Diferente
de uma máquina fotográfica, no globo ocular a focalização da imagem sobre a retina é obtida à
custa de uma variação da distância focal do cristalino pela ação destes músculos que se
contraem ou relaxam modificando o formato do cristalino.
Observa-se que as faces do cristalino são mais curvas, com menor raio de curvatura,
quando os músculos ciliares estão contraídos e menos curvas, com maior raio de curvatura,
quando esses músculos estão relaxados.
A esse processo de variação da distância focal pelo cristalino permitindo a focalização da
imagem sobre a retina, chamamos de Acomodação Visual. Para uma pessoa de visão normal, o
foco do cristalino se encontra exatamente sobre a retina.
A máxima distância focal ocorre, como já vimos, quando os músculos ciliares estão
relaxados e, nesse caso não se realiza nenhum esforço de acomodação. A posição do objeto
nessa situação é denominada ponto remoto (distância máxima de visão distinta).
Para uma pessoa emétrope (pessoa de visão normal), o ponto remoto fica numa distância
D considerada no infinito. É importante salientar que, na óptica da visão, distâncias superiores a
10 metros podem ser consideradas infinitamente grandes quando comparada as demais
distâncias envolvidas no estudo do globo ocular.
Á medida que o objeto se aproxima do olho, para manter a focalização da imagem sobre a
retina, é necessário como já vimos, que os músculos ciliares passem a atuar sobre o cristalino
visando diminuir sua distância focal.
A menor distância focal do cristalino será obtida quando os músculos ciliares tiverem
máxima contração, o que corresponde ao máximo esforço de acomodação.
A posição do objeto nessa situação corresponde ao ponto próximo (distância mínima de
visão distinta).
Essa distância é variável de pessoa para pessoa, além de variar com a idade, não
constituindo isso nenhuma anormalidade. Estabelece-se por convenção uma distância mínima
de visão distinta igual a 25 centímetros.
A zona de acomodação corresponde à distância entre o ponto próximo e o ponto
remoto.
Mas o que de fato enxerga, não são os olhos e sim o cérebro, embora não se saiba
exatamente como ele interpreta as imagens sempre invertidas (reais) que se formam na retina.
A imagem formada na retina chega ao cérebro através do nervo óptico ligado à mesma.
Na retina existem dois tipos de fotorreceptores: os cones e os bastonetes.
Os cones são os responsáveis pela visão detalhada à luz do dia, enquanto os bastonetes
funcionam mais eficientemente do que os cones quando se está sob luz fraca. Os bastonetes, no
entanto são pouco sensíveis a cores. A luz incidente no fotorreceptor desencadeia uma reação
fotoquímica que origina um impulso elétrico, ou seja, um impulso nervoso. Através do nervo
óptico, os impulsos nervosos são enviados ao cérebro que interpreta o estímulo recebido e o
observador vê o objeto observado.
A transição da visão diurna - baseada nos cones - para a visão noturna - baseada nos
bastonetes - não é instantânea. Tal fenômeno é denominado adaptação no escuro e depende de
diversos fatores, entre eles: dilatação das pupilas, regeneração da rodopsina e ajuste funcional
da retina, de forma que os bastonetes estejam mais disponíveis para as células ganglionares,
uma vez que os bastonetes não são encontrados na fóvea, mas apenas na retina periférica.
AMETROPIAS
Dizemos que um olho é normal (emétrope), quando pode receber sobre a retina as
imagens de objetos situados desde o ponto remoto, infinitamente afastado, até o ponto
próximo, a 25 cm do olho.
Qualquer alteração nesse intervalo de visão distinta recebe o nome de ametropia.
Presbiopia
Com o avançar da idade, o cristalino vai gradualmente perdendo sua flexibilidade e,
em conseqüência disso, a amplitude de acomodação diminui. A esse processo chamamos
de presbiopia ou vista cansada.
Miopia
A miopia é um defeito de visão que não permite a visualização nítida de um objeto
afastado, em razão, principalmente, de um alongamento do globo ocular na direção do
eixo óptico ou por um aumento da vergência do cristalino.
Pelo fato do olho ser mais alongado, a imagem se forma antes da retina, não sendo
possível sua visualização distinta.
O ponto remoto de um míope é mais próximo da
vista uma vez que o míope não enxerga longe.
Hipermetropia
A hipermetropia é o defeito da visão que acontece em razão, principalmente, de
um encurtamento do globo ocular na direção do eixo óptico ou por uma diminuição da
vergência do cristalino e impede a visualização de objetos muito próximos à vista.
Pelo fato to olho ser
encurtado, a imagem se forma
depois da retina.
Para um olho hipermétrope, o ponto próximo se encontra mais afastado da vista, ou
seja, a uma distância superior a 25 cm.
Astigmatismo
O astigmatismo consiste em defeito na
curvatura da córnea e mais raramente, do
cristalino. Em um globo ocular astigmático a
córnea não se apresenta como uma perfeita
calota esférica, ou seja, seu raio de curvatura é
variável de acordo com a direção considerada.
Em conseqüência, o olho não é capaz de
distinguir, ao mesmo tempo, com a mesma
nitidez, linhas verticais e horizontais. Essa
anomalia pode se somar à miopia ou à
hipermetropia.
Estrabismo
O estrabismo é um defeito que se manifesta quando os olhos se
movimentam em direções diferentes e não conseguem focalizar juntos
o mesmo objeto. Ele pode ser causado por diferenças acentuadas nos
graus de miopia ou hipermetropia dos dois olhos, por desenvolvimento
insuficiente ou desigual dos músculos que os movem, ou ainda por algum problema do sistema
nervoso central.
Daltonismo
O daltonismo é uma anomalia genética, geralmente herdada, na qual o portador é incapaz
de distinguir cores. Os cones, receptores de luz localizados sobre a retina do globo ocular,
contêm pigmentos que selecionam as luzes vermelha, verde e azul (cores primárias da luz
através das quais se obtêm todas as demais cores). Se a quantidade de pigmento é reduzida ou se
um ou mais dos três sistemas de cones estiver ausente, o portador será daltônico. Os daltônicos
normalmente vêem o mundo em tonalidades de amarelo, cinza-azulado e azul.
Catarata
A catarata é a deficiência da
passagem da luz através do olho, devido à
opacidade do cristalino que deixa de ser
um meio transparente à passagem de luz.
Conjuntivite
A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva. Ela ocorre quando
corpos estranhos, como ciscos, entram nos olhos. O movimento das
pálpebras e as lágrimas conduzem o cisco para o canto do olho. Daí ele
pode ser facilmente retirado. Quando isso não acontece, só o médico deve
removê-lo. A conjuntivite também pode ser causada por infecções
oculares, alergias, etc.
Glaucoma
Glaucoma é o conjunto de enfermidades que têm em comum o
aumento da pressão ocular, a perda do campo visual e a atrofia do
nervo óptico.
A forma mais comum de glaucoma é conhecida como
glaucoma primário de ângulo aberto. Nesta condição, o nervo óptico
é danificado lentamente e o paciente perde a visão de forma gradual.
Juntamente com a catarata, é uma das razões mais comuns de
cegueira.
Pterígeo
Pterígeo é o crescimento anormal da conjuntiva, que
invade a córnea.
Terçol
Uma infecção muito comum das pálpebras é o
terçol, provocado por bactérias que aí se alojam.
Caracteriza-se por inchaço e vermelhidão da área
infectada e acaba espontaneamente.
Correção das Ametropias Miopia, Hipermetropia e Astigmatismo
A correção da Miopia é feita através do uso de lentes divergentes. Essa correção visa
buscar um afastamento do ponto remoto do olho do míope.
A lente divergente a ser usada deve possibilitar que, a um objeto muito distante, seja
conjugada uma imagem localizada no ponto remoto do olho do míope (maior distância que
um míope consegue enxergar). Essa imagem desempenhará o papel de objeto para o olho
míope.
Note que o foco imagem da lente corretiva coincide com a posição do ponto remoto
do míope.
Para calcularmos o grau da lente corretiva (vergência), basta então fazer a seguinte
conta:
C
1
f
sendo C a vergência da lente e f o foco que para o míope se encontra no
seu ponto remoto. O sinal negativo se deve à convenção de foco para lente divergente.
Lembramos que para calcular a vergência em dioptrias (graus), o foco deve estar em
metros.
A correção da hipermetropia é feita com o uso de lentes convergentes. Essa correção
visa buscar uma aproximação do ponto próximo que para o portador de hipermetropia fica
mais afastado dos olhos.
A lente convergente a ser usada deve possibilitar que, a um objeto localizado a 25 cm
(ponto próximo de uma pessoa normal que o portador de hipermetropia não enxerga) seja
conjugada uma imagem localizada no ponto próximo do portador de hipermetropia de
maneira que este consiga visualizar.
Para a lente corretiva temos p = 0,25m (25 cm da visão de um olho saudável) e p´=
ponto próximo do hipermétrope.
A vergência em dioptrias (graus) fica sendo:
C
1
f
1
0,25
1
p
Lembrando que p´ de imagem virtual é sempre negativo! e a imagem
conjugada pela lente corretiva tem que ser virtual porque deve estar direita!
A correção do astigmatismo é feita com o uso de lentes cilíndricas cujo
comportamento não é estudado neste curso pela complexidade.
EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES
1 (UNIFESP) Uma pessoa idosa que tem hipermetropia e presbiopia foi a um oculista que
lhe receitou dois pares de óculos, um para que enxergasse bem os objetos distantes e outro
para que pudesse ler um livro a uma distância confortável de sua vista.
Hipermetropia: a imagem de um objeto distante se forma atrás da retina.
Presbiopia: o cristalino perde, por envelhecimento, a capacidade de acomodação e
objetos próximos não são vistos com nitidez.
Dioptria: a convergência de uma lente, medida em dioptrias, é o inverso da distância
focal (em metros) da lente.
Considerando que receitas fornecidas por oculistas utilizam o sinal mais (+) para lentes
convergentes e menos ( ) para divergentes, a receita do oculista para um dos olhos dessa
pessoa idosa poderia ser,
a) para longe: 1,5 dioptrias; para perto: +4,5 dioptrias
b) para longe: 1,5 dioptrias; para perto: 4,5 dioptrias
c) para longe: +4,5 dioptrias; para perto: +1,5 dioptrias
d) para longe: +1,5 dioptrias; para perto: 4,5 dioptrias
e) para longe: +1,5 dioptrias; para perto: +4,5 dioptrias
2 (VUNESP-SP) Uma pessoa apresenta deficiência visual, conseguindo ler somente se o
livro estiver a uma distância de 75 cm. Qual deve ser a distância focal dos óculos
apropriados para que ela consiga ler, com o livro colocado a 25 cm de distância?
3 (FUVEST) O ponto remoto correspondente à maior distância que pode ser focalizada na
retina. Para um olho míope, o ponto remoto, que normalmente está no infinito, fica bem
próximo dos olhos.
a) Que tipo de lente o míope deve usar para corrigir o defeito?
b) Qual a distância focal de uma lente para corrigir a miopia de uma pessoa cujo ponto
remoto se encontra a 20 cm do olho?
4 (UFRO) Se você justapuser uma lupa de distância focal 10 cm com uma lente dos
óculos de um míope, com distância focal 5 cm, obterá um conjunto de convergência, em
dioptrias, igual a:
a) 5
b) 10
c) 15
d) -10
e) -5
5 (UF Santa Maria RS) A distância máxima de visão distinta de um míope é igual a 25
cm. Determine a vergência das lentes que essa pessoa deve usar para corrigir o problema.
6 (UNICAMP-SP) Nos olhos das pessoas míopes, um objeto localizado muito longe, isto
é, no infinito, é focalizado antes da retina. À medida que o objeto se aproxima, o ponto de
focalização se afasta até cair sobre a retina. A partir deste ponto, o míope enxerga bem. A
dioptria D, oi grau , de uma lente definida como D = 1/ (distância focal) e 1 grau = 1m 1 .
Considere uma pessoa míope que só enxerga bem objetos mais próximos do que 0,4 m de
seus olhos.
a) Faça um esquema mostrando como uma lente bem próxima dos olhos pode fazer com
que um objeto no infinito pareça estar a 40 cm do olho.
b) Qual a dioptria (em graus) dessa lente?
c) A partir de que distância uma pessoa míope que usa óculos de 4 graus pode enxergar
bem sem os óculos?
7 (UFPA) Nas figuras abaixo representa-se de forma simplificada um olho humano
normal.
a) Em (1), raios paralelos provenientes de um objeto no infinito produzem uma
imagem na retina que se situa no fundo do olho a uma distância de 2 cm. Qual é a
distância focal, em cm, do olho nessa situação?
b) Em (2), se o objeto é trazido até 40 cm do olho, para que a imagem se forme sobre a
retina, qual é o novo valor, em cm, da distância focal?
c) Supondo agora um olho hipermétrope, a imagem de um objeto se formará antes ou
depois da retina? Qual é o tipo de lente usada para corrigir esse defeito? Qual é a
vergência dessa lente, em dioptrias, para que o hipermétrope, cujo ponto próximo
está a 1 m, possa ler de forma nítida a uma distância de 25 cm, considerando
desprezível a distância da lente ao olho?
8 (FATEC-SP) Sabe-se que o olho humano normal focaliza a imagem dos objetos
exatamente sobre a retina. Pessoas míopes possuem o globo ocular alongado. Assim:
a) a imagem forma-se antes da retina, sendo necessário o uso de lente convergente.
b) a imagem forma-se após a retina, sendo necessário o uso de lente divergente.
c) a imagem forma-se antes da retina, sendo necessário o uso de lente divergente.
d) a imagem forma-se após a retina, sendo necessário o uso de lente convergente.
e) a imagem forma-se após a retina, sendo necessário o uso de lentes acromáticas.
9 (PUC-PR) Um presbita tem 1,5 m para a mínima distância de visão distinta. Ele
necessita ler a 50 cm. A vergência das lentes que deve utilizar, supondo-as de espessura
desprezível, é:
a) 4 di
b) 4 di
c) 0,75 di
d) 0,75 di
e) 4/3 di
10 (FGV-SP) Um olho hipermétrope tem o ponto próximo a 50 cm. Esse olho deveria
utilizar lente de contato de x dioptrias para observar objetos a 25 cm. Então, x vale:
a) 2,0
b) 1,0
c) 1,0
d) 1,5
e) 2,0
11 (PUC-MG) Uma pessoa sofre de hipermetropia, não distinguindo objetos a uma
distância inferior a 2,0 m de seus olhos. Para ler as questões desta prova, deverá usar:
a) óculos com lentes côncavas.
b) óculos com lentes convexas.
c) óculos com lentes cilíndricas.
d) um espelho plano a 25 cm de distância da folha.
e) um espelho plano a 50 cm de distância da folha.
GABARITO
1 e
2 f = 37,5 cm
3 a) lente divergente
b) |f | = 20 cm
4 d
5 ( - 4 di)
6 b) | D | = 2,5 graus
c) Sem óculos, esse míope enxergará bem apenas os objetos que estiverem a uma
distância menor do que 25 cm.
7 a) 2 cm
b) 40/21 cm
c) No olho hipermétrope, a imagem se forma depois da retina e o defeito é corrigido
com lentes convergentes. Para o hipermétrope em questão, a lente a ser usada deve ter
divergência igual a + 3 di.
8 c
9 e
10 e
11 b
This document was created with Win2PDF available at http://www.daneprairie.com.
The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Documentos relacionados

Nome:Bruno e Gabriel

Nome:Bruno e Gabriel luminosidade de cada ambiente, comprimindo-se ou dilatando-se. Em ambientes com grande luminosidade a pupila pode atingir um diâmetro de até 1,5mm, fazendo com que entre menos luz no globo ocular,

Leia mais

Clique para um arquivo em pdf

Clique para um arquivo em pdf COPYRIGHT AMERICAN ACADEMY OF OPHTHALMOLOGY

Leia mais

Ametropias - WordPress.com

Ametropias - WordPress.com não consegue relaxar os músculos da acomodação e ver nitidamente objetos que estão longe

Leia mais