Operadora Virgin Mobile chega ao Brasil em 2013

Сomentários

Transcrição

Operadora Virgin Mobile chega ao Brasil em 2013
Operadora Virgin Mobile chega ao Brasil em 2013
Uma nova operadora de telefonia móvel está chegando ao Brasil. Em 2013, a Virgin Mobile deve
entrar no mercado brasileiro. Presente em quatro continentes, a companhia está iniciando suas
operações na América Latina. Os investimentos começaram no Chile há seis semanas e, agora,
Colômbia e Brasil estão no alvo da empresa.
A novidade sobre a chegada da Virgin ao Brasil foi revelada pelo vice-presidente sênior do grupo na
América Latina, Jeffery Buckwalker. O diretor anunciou nesta terça (29), durante o MVNO Summit
Latin America 2012, que até a metade do próximo do ano as operações da companhia vão começar
no Brasil.
O foco em consumidores jovens faz parte da filosofia da Virgin em seus negócios de
telecomunicações mundo afora. A companhia marca presença em mercados maduros como os
Estados Unidos (onde utiliza a rede da Sprint), França, Austrália, Canadá e Reino Unido.
Na América do Sul, a Virgin Mobile quer se tornar a principal operadora virtual móvel nos próximos
5 anos. Por enquanto ela está presente somente no Chile, onde a rede foi inaugurada há seis
semanas. O segundo país a receber será a Colômbia, onde já está previsto o inicio de suas operações
no segundo semestre deste ano. Em seguida, os olhares se voltarão para o Brasil.
Entenda como funciona uma operadora móvel virtual
Para os consumidores, a Virgin Mobile atuará como uma sexta concorrente no mercado brasileiro,
oferecendo suas próprias tarifas, planos e aparelhos. A operação interna, no entanto, dependerá da
infraestrutura de rede de outra empresa (Vivo, Claro, Tim ou Oi), uma vez que a operadora não
investirá em infraestrutura. Em todos os países em que atua, a Virgin também aluga redes de outras
empresas
As operadoras móveis virtuais surgiram no mercado internacional por dois motivos: para utilizar
parte da banda não utilizada de uma rede de telefonia robusta; ou para forçar a concorrência
interna, com a diminuição das ofertas para o consumidor. Aqui no Brasil, o regulamento da Anatel
prevê a presença das OMVs, as operadoras móveis virtuais. Algumas empresas têm interesse pelo
negócio, mas não houve grande lançamento nessa será até o momento. Caso a Virgin Mobile
realmente desembarque por aqui, será a primeira companhia a usar o modelo e oferecer o serviço
de telecomunicações para um amplo público consumidor.
A Porto Seguro foi a primeira a anunciar um acordo com a TIM para se tornar a primeira "OMV"
brasileira. A implementação do negócio, porém, não anda conforme o esperado.
Virgin alugará rede de outra operadora para atuar no Brasil
A companhia negocia com as demais operadoras para desembarcar no país como uma prestadora
virtual de serviços móveis. Devido ao relacionamento que mantém com a Movistar no Chile, uma
empresa do grupo Telefônica, é provável que a Virgin Mobile chegue ao Brasil em parceria com a
Vivo (que recentemente unificou sua operação com os serviços de telefonia fixa, banda larga e
televisão por assinatura do grupo espanhol). No entanto, a Virgin Mobileafirma que negocia com
todas as operadoras brasileiras para definir qual infraestrutura de rede será usada na operação
nacional.
Vale destacar que o Grupo Virgin é o responsável pelas companhias, mas cada país tem a sua
franquia com administração própria. Sendo assim, ainda não há como realizar muitas previsões
sobre a sua atuação no mercado brasileiro. De qualquer forma, a Virgin Mobile tem um
posicionamento em comum em todos estes locais e que deve chegar ao nosso país: seu foco nos
planos pré-pagos e controle, oferecendo pacotes com bônus de minutos e dados.
Fonte: Techtudo
Data: 29/05/2012
Resumo: Uma nova operadora de telefonia móvel está chegando ao Brasil. Em 2013, a Virgin
Mobile, presente em quatro continentes, deve entrar no mercado brasileiro. O foco em
consumidores jovens faz parte da filosofia da Virgin em seus negócios de telecomunicações mundo
afora. Para os consumidores, a Virgin Mobile atuará como uma sexta concorrente no mercado
brasileiro, oferecendo suas próprias tarifas, planos e aparelhos. A operação interna, no entanto,
dependerá da infraestrutura de rede de outra empresa (Vivo, Claro, Tim ou Oi).