- Evidosol

Сomentários

Transcrição

- Evidosol
1
A INTERAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS METAFÓRICO E METONÍMICO NA
CONSTRUÇÃO DE SENTIDO DA CHARGE ANIMADA OS LULASTONES. 1
Autora: Natália Elvira Sperandio (IFMG- Campus Muzambinho)
Resumo: este trabalho tem a finalidade de discutir a interação dos processos metafórico e
metonímico na construção de sentido de um texto multimodal. Nossa proposta não se limita
apenas a demonstrar a forma pela qual esses processos articulam-se na construção do sentido
desse texto, mas também verificar o papel dos diferentes modos semióticos na construção dessa
interação. Para isso, utilizamos como corpus as denominadas charges animadas, nessa pesquisa
em específico, a charge intitulada “Os lulastones”. Como resultado, observamos que a interação
metafórica e metonímica ocorre de forma simultânea, sendo a metáfora resultante da interação
de um conjunto complexo de metonímias. Por outro lado, verificamos que, ao serem produzidas
em um texto multimodal, essa interação torna-se mais complexa, pois há a introdução de novos
elementos na produção dessas metáforas e metonímias.
Palavras-chave: metáfora, metonímia, interação metafórica/metonímica, multimodalidade.
Introdução:
Estudos em linguística cognitiva já postulam a possibilidade de interação entre os
processos metafóricos e metonímicos. Porém, os trabalhos desenvolvidos focalizam apenas
expressões codificadas pelo modo verbal, não estendendo suas pesquisas a textos produzidos
pelos diferentes modos semióticos. Diante disso, esse trabalho tem a finalidade de demonstrar
que a interação metafórica/metonímica ocorre de modo simultânea, já que acreditamos que toda
metáfora é motivada por um conjunto de interações metonímicas. Por outro lado, ao ocorrer em
um texto multimodal, como uma charge eletrônica, essa interação torna-se mais complexa, pois
há um número maior de relações metonímicas atuando na criação dessa metáfora.
Para promover nosso estudo, adotamos como corpus as denominadas charges animadas,
nesse caso específico as charges produzidas por Maurício Ricardo. A escolha por esse objeto
de estudo é justificada pelo fato de tais charges, com o advento das novas tecnologias, terem
saído de sua forma estática para ganhar animação, cores e som. Dessa forma, as charges
animadas mantêm o mesmo fundamento das impressas, mas renovam os traços tradicionais e
apresentam novos elementos em sua composição.
Como forma de realizar nosso estudo, temos como arcabouço teórico a Teoria da
Metáfora Conceitual (LAKOFF; JOHNSON, 1980), a proposta da Metáfora Multimodal
(FORCEVILLE, 2008) as pesquisas de Radden e Kövecses (1999), Goossens(2003), Barcelona
(2003), Radden (2003) e Paiva (2010).
Nossos resultados demonstraram a importância do processo metonímico na criação do
processo metafórico, pois esse é fruto da integração das relações metonímicas presentes em
cada um de seus domínios. Além disso, pelo fato de serem produzidas em um texto multimodal,
essa interação torna-se mais complexa, com um número maior de relações metonímicas atuando
na criação dessas metáforas.
Desenvolvimento:
Com base na Teoria da Metáfora Conceitual, a metáfora será conceitualizada como uma
forma de compreender e experienciar uma coisa em termos de outra. Lakoff e Johnson (1980)
propõem um mapeamento sistemático entre dois conceitos: o domínio-fonte, considerado fonte
de inferências; e o domínio-alvo, o local em que essas inferências são aplicadas.
1
XII EVIDOSOL e IX CILTEC-Online - junho/2015 - http://evidosol.textolivre.org
2
Porém, mesmo com a ressalva de que que as metáforas são primariamente matéria do
pensamento e da ação, e derivadamente matéria da linguagem, os autores focam exclusivamente
nas metáforas produzidas pelo modo verbal. Diante disso, Forceville (2008) desenvolve a
proposta da metáfora multimodal. Para Forceville (2008), houve falha na Teoria da Metáfora
Conceitual ao ignorar as metáforas não-verbais, pois seu estudo torna-se importante para o
refinamento e o teste dessa teoria. Para o autor, as metáforas multimodais são consideradas
como aquelas que possuem fonte e alvo representados exclusivamente ou predominantemente
por diferentes modos. No entanto, o autor foca exclusivamente nas metáforas multimodais do
tipo verbo-visual, sendo cada domínio construído por um desses modos.
Em sua pesquisa, Sperandio (2014) demonstra a possibilidade de outros modos, além
do verbo-visual, atuarem na construção desses domínios. Por outro lado, a pesquisadora
evidencia a articulação desses diferentes modos na construção das metáforas multimodais.
Diferente da metáfora, os estudos do processo metonímico não tiveram destaque. No
entanto, um número significativo de pesquisas, no contexto da linguística cognitiva, está sendo
desenvolvido. Nesse trabalho, teremos como base a definição de Radden e Kövecses (1999),
sendo esse processo definido como fenômeno cognitivo no qual a entidade conceitual, o
veículo, promove acesso mental a outra entidade conceitual, o alvo, em um mesmo modelo
cognitivo idealizado (MCI).
Em relação a interação desses processos, podemos observar um número razoável de
trabalhos que se dedicam a abordá-la. Citamos como exemplos as pesquisas de Goossens (2003)
e seu conceito de metafonímia, Barcelona (2003), a proposta do continnum de Radden (2003)
e as pesquisas de Paiva (2010). No entanto, esse trabalho terá como base os estudos de
Sperandio (2014), pois essa postula o fato de toda metáfora ser fruto de um grupo complexo de
metonímias, sendo a ocorrência dessa interação simultânea. Abaixo apresentamos a charge
eletrônica utilizada como corpus para a nossa pesquisa:
3
charge Os Lulastones (Fonte: http://charges.uol.com.br/2005/06/29/desenhos-os-lulastones/. Acesso
em: 10 fev. 2014).
4
Durante a leitura da charge animada acima, podemos observar a presença de três
metáforas: LULA É FRED, GENUÍNO É BARNEY e DILMA É WILMA, sendo essas
metáforas frutos da compactação de um grupo de metonímias produzidas através das relações
dos elementos constituintes de seus espaços de input fonte e alvo. Ou seja, na metáfora LULA
É FRED há no domínio-alvo Lula as relações metonímicas PARTE pelo TODO (voz rouca por
Lula, por exemplo), PARTIDO por CANDIDATO (PT por Lula), CARGO por PESSOA (expresidente por Lula) e SIMBOLO por PARTIDO (estrela vermelha por PT); e no domínio-fonte
Fred, as relações PARTE pelo TODO (melhor amigo de Barney por Fred, por exemplo) e
VESTUÁRIO por PERSONAGEM (gravata azul por FRED, por exemplo).
Na metáfora GENUÍNO É BARNEY temos as relações PARTE pelo TODO (anda
descalço por Barney, por exemplo) e VESTUÁRIO por PERSONAGEM (vestido marrom por
Barney), e no espaço Genuíno a relação PARTE pelo TODO (ex-presidente do PT por Genuíno,
por exemplo). Por outro lado, na metáfora DILMA É WILMA no espaço Wilma há as relações
PARTE pelo TODO (idade da pedra por Wilma, por exemplo), VESTUÁRIO por
PERSONAGEM (vestido branco por Wilma) e OBJETO por PERSONAGEM (colar e brincos
de pérolas por Wilma); e no espaço Dilma a relação PARTE pelo TODO (membro do PT por
Dilma, por exemplo).
Posto isso, acreditamos que cada uma dessas metáforas foi produzida a partir das
relações metonímicas presentes em cada um de seus domínios, evidenciando a importância do
processo metonímico na criação do processo metafórico. Além disso, é possível afirmar que
essa interação ocorreu de forma simultânea, já que esses processos metonímicos foram
responsáveis pela criação dessas metáforas.
Com relação aos diferentes modos semióticos presentes na construção dessa charge,
acreditamos que aos serem introduzidos os modos pictórico, o escrito, o sonoro e a imagem em
movimento; a interação metonímica da metáfora evidenciada torna-se mais complexa, pois com
a introdução desses modos novos elementos, novos traços são utilizados na representação da
cena política retratada pelo chargista. Como ocorre nas metáforas LULA É GEPETO e
GENUÍNO É BARNEY em que ativamos, através do modo pictórico, o elemento “membro do
PT” que me permite inserir à compreensão da charge o fato de, na época, Lula não ser um
membro qualquer, mas o primeiro membro desse partido a alcançar o cargo de presidente. Por
outro lado, Genuíno era um dos membros acusados de participar do esquema do mensalão.
Da mesma forma, na metáfora DILMA É WILMA esse modo me conduz à interpretação de que
Dilma, como ministra chefe da casa civil, foi escolhida para substituir José Dirceu, expresidente do PT acusado de estar envolvido no escândalo. Logo, com o emprego desses
diferentes modos, há um número maior de elementos empregados na construção de cada um
dos espaços e com isso um número maior de relações metonímicas em cada domínio.
Conclusão
Esse trabalho, como parte de uma pesquisa de doutorado, buscou investigar a interação
metafórica/metonímica na produção de sentido de um texto multimodal, tendo como corpus
uma charge animada. Nossa intenção foi demonstrar que, como o mapeamento metafórico de
um domínio ao outro é parcial, com apenas alguns elementos sendo mapeados, o processo
metonímico está presente em cada um desses domínios, sendo esse responsável pela criação da
metáfora. Retomando a metáfora LULA É FRED, podemos evidenciar essa questão. Tal
metáfora resulta das relações metonímicas PARTE pelo TODO e VESTUÁRIO por PESSOA,
em seu domínio-fonte que, articulado às relações metonímicas PARTE pelo TODO, PARTIDO
por CANDIDATO e CARGO por PESSOA, em seu domínio-alvo, produzem a metáfora LULA
É FRED.
5
Por outro lado, observamos que, ao ocorrer em um texto multimodal, essa interação
torna-se mais complexa, pois um número maior de elementos atua na construção dessas
metáforas e, consequentemente, na interação desse processo. Fato que pode ser verificado na
metáfora DILMA É WILMA. Para ativar o espaço Wilma, recorremos aos modos pictórico (a
imagem da personagem com seus trajes típicos e acessórios), sonoro, falado, trilha sonora e a
imagem em movimento; enquanto que no espaço Dilma ativamos os modos pictórico e falado.
Cada um desses modos acrescenta novos elementos a esses espaços e, com isso, há um número
maior de associações metonímicas atuantes na construção dessas metáforas.
Referências
BARCELONA, A. The cognitive theory of metaphor and metonymy. In: BARCELONA, A.
(Ed.). Metaphor and metonymy at the crossroads: a cogntive perspective. Berlin: Mouton de
Gruyter, 2003. p.1-28.
FORCEVILLE, C. Metaphor in Pictures and Multimodal Representations. In: GIBBS, R. (ed).
The Cambridge Handbook of Metaphor and thought. Oxford: University Press, 2008, p. 462482.
GOOSSENS, L. Metaphtonymy: the interaction of metaphor and metonymy in expressions for
linguisitc action. In: DIRVEN, R.; PÖRINGS, R. (Eds). Metaphor and metonymy in
comparison and contrast. Berlin, New York: Mouton de Gruyter, 2003. p. 349-377
LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metaphors we live by. Chicago: The University of Chicago Press,
1980.
PAIVA, V. L. M. O.; NASCIMENTO, M. Processamento metafórico e metonímico na
produção de texto/sentido: um exemplo de compressão fractal. In: SILVEIRA, E. M. (Ed.). As
bordas da linguagem. Uberlândia: EDUFU, 2011. p.351-373
RADDEN, G.; KÖVECSES, Z. Towards a theory of metonymy. In: PANTHER, K. U.;
RADDEN, G. (Eds). Metonymy in Language and Thought. Amsterdam: Benjamins, 1999. p.
17-59
SPERANDIO, N. E. Entre os domínios da metáfora e da metonímia na produção de charges
animadas. Tese de doutorado, programa de estudos linguísticos, Universidade Federal de Minas
Gerais. Belo Horizonte, 2014.

Documentos relacionados

A influência multimodal dos textos digitais na construção

A influência multimodal dos textos digitais na construção (2003). Além dessas abordagens também utilizaremos os estudos desenvolvidos sobre essa interação por Paiva e Milton (2010). Nosso interesse em abordar a influência dos diferentes modos semióticos n...

Leia mais

Processamento metafórico e metonímico na

Processamento metafórico e metonímico na Processamento metafórico e metonímico na produção de texto/sentido: um exemplo de compressão fractal1 Milton do Nascimento (PUC -Minas) Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva (UFMG/CNPq)

Leia mais