revisão sistemática da perda óssea ao redor de implantes em

Сomentários

Transcrição

revisão sistemática da perda óssea ao redor de implantes em
REVISÃO SISTEMÁTICA DA PERDA ÓSSEA AO REDOR DE IMPLANTES
EM PRÓTESES MÚLTIPLAS E UNITÁRIAS
Marcela Melo Dos Santos ¹
Guaracilei Maciel Vidigal Júnior ²
Na implantologia oral, as complicações mais comuns são os problemas biomecânicos, que ocorrem
após o implante dentário ser submetido às cargas mastigatórias. As trajetórias de tensão sobre as
estruturas da prótese e do tecido ósseo não são somente causadas pelas forças oclusais, mas também
podem estar relacionadas a uma prática clínica inadequada (2, 5) ou defeitos de fabricação, como no
caso de tensões induzidas pelo desajuste de próteses implanto-suportadas. O critério original,
estabelecido para avaliar a taxa de sucesso do implante, utiliza o nível da crista óssea marginal
como um importante indicador para avaliar a resposta dos tecidos periimplantares às cargas (1).
Para a obtenção e manutenção da osseointegração uma condição biomecânica adequada no sistema
prótese-implante-osso é muito importante. Pois uma concentração elevada de tensões poderá causar
problemas como: o afrouxamento ou fratura do parafuso de retenção da prótese (4); e perda óssea
periimplantar (3), podendo finalizar em fratura do implante ou fracasso da osseointegração. Esta
concentração de tensões pode ser controlada pelas cargas aplicadas e pela observação do
assentamento passivo da prótese ao implante (6,7). A falta de assentamento passivo ocorre
essencialmente em próteses de múltiplos elementos, em função dos desajustes inerentes ao processo
de confecção laboratorial, quando ocorrem contrações durante o resfriamento das fundições ou
expansões durante a presa do gesso. Por isto, a falta do assentamento passivo ocorre em próteses
múltiplas, mas não ocorre em próteses unitárias. Entretanto a literatura apresenta poucos estudos
clínicos avaliando o efeito das tensões causadas pelos desajustes das próteses sobre o osso ao redor
dos implantes. Até o momento não existem estudos clínicos controlados randomizados sobre o
assunto. Assim justifica-se a realização de uma revisão sistemática como a melhor forma de obter
uma resposta sem vieses. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a perda óssea marginal
periimplantar em próteses aparafusadas múltiplas e unitárias através de uma revisão sistemática de
literatura com meta-análise.
Foram selecionados, através dos seguintes critérios de inclusão, estudos clínicos longitudinais de
tratamento com implantes , em seres humanos, com avaliação da perda óssea marginal, feita
somente por meio de radiografias periapicais, expressa em valores médios com desvio-padrão. As
buscas dos estudos foram realizadas nas bases de dados eletrônicas (Medline via pubmed;Science
direct;OVID;The Cochrane Library ; Scopus) e de artigos publicados nos periódicos (Clinical oral
____________________
¹ Discente do Curso de Odontologia, UNIGRANRIO
² Docente da Escola de Ciências da Saúde, UNIGRANRIO
implants research;The International Journal Periodontics & Restorative Dentistry;The International
Journal of Prosthodontics;The International Journa of Oral & Maxillofacial implants ), usando as
seguintes palavras-chave: perda óssea (bone loss),implantes (implants) e próteses (prosthesis). Para
a seleção dos estudos foram utilizados critérios de exclusão. Os critérios de exclusão aplicados
foram: relatos de caso; radiografias panorâmicas, ausência dos valores de média e desvio-padrão
dos resultados; estudos com implantes tipo "plataforma shift"; carga imediata; estudos in vitro e em
animais; artigos que não forem em língua inglesa; estudos com acompanhamento inferior a um ano;
artigos com estudos com próteses removíveis; e estudos onde foram realizados enxertos ósseos.
Estas fases foram realizadas por dois pesquisadores e, em caso de dúvidas, um terceiro pesquisador
determinou a inclusão/exclusão do estudo.
Os artigos selecionados foram submetidos à fase de extração de dados, onde foram analisadas as
variáveis, as características da metodologia e os desfechos clínicos. Nesta fase foram extraídos os
seguintes dados: número de pacientes envolvidos no estudo; projeto do implante; número de
implantes; sistema de implante (marca comercial); tipo de prótese sobre implante (unitária ou
múltipla); período de acompanhamento; número de passos cirúrgicos (um ou dois); região (maxila
ou mandíbula); conexão protética; sistema de retenção; taxa de sucesso dos implantes; perda óssea
em milímetros expressa em valores médios e desvio-padrão.
Após a busca eletrônica e a busca manual nos periódicos selecionados (tabela 1), usando as
palavras-chave, 364 títulos foram selecionados. Após a análise dos títulos, 101 trabalhos foram
excluídos por não se enquadrarem nos critérios de inclusão ou por serem duplicatas (tabela 2; tabela
3). Em seguida, aplicando os mesmos critérios de inclusão/exclusão aos 263 resumos dos trabalhos
restantes, foram selecionados 19 trabalhos para fase de extração de dados (tabela 4; tabela 5 ; tabela
6).
Tabela 1-Referente aos resultados de busca manual e busca eletrônica
TOTAL ENCONTRADOS
Medline (via Pubmed)
113
Science Direct
47
Scopus
37
OVID
23
Cochrane Library
57
Manual
39
Tabela 2 – Referente aos critérios de exclusão
Critérios de exclusão
Número de artigos excluídos
Sem avaliação radiográfica
64
Radiografia panorâmica
17
Sem Desvio padrão
46
Total de artigos excluídos
127
Tabela 3 - Critérios de exclusão
Critérios de exclusão
Número de artigos avaliados
Relato de caso
Estudo em animais
Estudo em cadáveres
Estudo In vitro
Implante Imediato
Carga Imediata
Enxerto ósseo
Prótese múltipla cimentada
Plataforma Switch
Doença Sistêmica
Prótese removível
Acompanhamento inferior a 1 ano
Total de artigos excluídos
19
08
02
59
08
52
16
15
07
03
26
02
217
Tabela 4-Envolvendo próteses unitárias
Hall JAG et
al., 2006
14
14
Henriksson K &
Jemt T, 2003
20
24
Sistema/fabricante
Southern
Implants
MK III – Nobel
Biocare
Múltipla/Unitária
Unitária
Sistema de retenção
Aparafusada
Unitária
Cimentada=13
Aparafusada= 11
Período de
acompanhamento
1 ano
Região
Projeto
Conexão Protética
Taxa de
sobrevivência
Taxa de sucesso
Perda óssea
periimplantar (mm)
Nº de pacientes
Nº de implantes
Desvio padrão (mm)
Jemt T,
2008
27
32
Brånemark
System –
Nobel
Biocare
Unitária
Vigolo P et
al., 2006
20
40
Glauser R
et al., 2004
19
36
Drago CJ,
2003
69
104
Vigolo &
Zaccaria, 2010
44
60
Osseotite 3i
MK II –
Nobel
Biocare
Osseotite –
3i
Osseotite –
Biomet 3i
Unitária
Unitária
Unitária
Unitária
Cimentada
Cimentada
Cimentada
Cimentada
Cimentada
1 ano
15 anos
4 anos
4 anos
1 ano
5 anos
Maxila
Maxila
Maxila
Maxila
Mandíbula
Maxila
Mandíbula
Maxila
Cônico
Externa
Cilíndrico
Externo
Cilíndrica
Externo
Maxila 32
Mandíbula
08
Cilíndrico
Externa
Cilíndrico
Externa
Cilíndrico
Externa
Cilíndrico
Externa
100%
-
100%
-
100%
-
100%
-
100%
-
0,66
0,4
1,2
0,45
0,8
0,78
0,3
0,5
0,16
0,2
0.78
1,01
Cimentada= 0,3
Aparafusada=0,4
Cimentada = 0,6
Aparafusada= 0,3
Tabela 5-Envolvendo próteses múltiplas
Jemt e Book, 1996
Arvidson et al.
1998
Carlsson GE etal.,
2000
Lindquist et al.,
1996
Fischer K et
al.,2008
Nº de pacientes
7
91
44
45
7
Nº de implantes
44
517
273
270
39
Sistema/fabricante
Brånemark system Nobel Biocare
Astra Tech –
Astra Tech
Brånemark system Nobel Biocare
Brånemark system Nobelpharma
SLA -Straumann
Múltipla/Unitária
Múltipla (total)
Múltipla (total)
Múltipla (total)
Múltipla (total)
Múltipla (total)
Sistema de retenção
Aparafusada
Aparafusada
Aparafusada
Aparafusada
Aparafusada
Período de
acompanhamento
Região
1 ano
5 anos
15 anos
15 anos
5 anos
Maxila
Mandíbula
Mandíbula
Mandíbula
Maxila
Projeto
Cilíndrico
Cilíndrico
Cilíndrico
Cilíndrico
Cônico
Conexão Protética
Externo
Interno
Externo
Externo
Interno
Taxa de
sobrevivência
Taxa de sucesso
Perda óssea
periimplantar (mm)
-
98,7%
98,9%
98,9%
95,7%
-
0,5
0,26
1,4
1,2
0,3
Desvio padrão (mm)
0,56
0,53
0,40
0,74
1,0
Tabela 6-Envolvendo próteses múltiplas
Bryant SR et al.,
2003
66
306
Ekelund JA et al.,
2003
30
179
Sistema/fabricante
Brånemark system –
Nobel Biocare
Brånemark system –
Nobel Biocare
Múltipla/Unitária
Múltipla (parcial)
Múltipla (total)
Sistema de retenção
Aparafusada
Aparafusada
Período de acompanhamento
20 anos
Projeto
Conexão Protética
Taxa de sobrevivência
Taxa de sucesso
11 anos
Mandíbula
Maxila
cilíndrico
Externa
89,1%
-
cilíndrico
Externa
98,9%
-
Perda óssea periimplantar (mm)
1,62
1,6
Desvio padrão (mm)
0,84
0,9
Nº de pacientes
Nº de implantes
Região
Mandíbula
Steenberghe
DV et al., 1990
147
427
Brånemark
system – Nobel
Biopharma
Múltipla
(parcial)
Aparafusada
Chang M e wennström JL,
2010
16
43
5 anos
Mandíbula
Maxila
cilíndrico
Externa
Mesial = 0,4
Distal = 0,4
Mesial = 0,7
Distal = 0,6
3 anos
Mandíbula = 29
Maxila =14
Cilíndrico
Externa
-
Osseotite – Biomet 3i
Múltipla (parcial)
Aparafusada
0,6
1,4
Os resultados, desta fase, serão submetidos à meta-análise, com auxílio do programa STATA 10.01
IC, para avaliação da homogeneidade ou não dos estudos e obtenção da medida sumária.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALBREKTSSON, T.; ZARB, G.; WORTHINGTON, P.; ERIKSSON, R.A. The long-term efficacy
of currently used dental implants. A review and proposed criteria for success. Int. J. Oral
Maxillofac. Implants. V.1. p. 11-25, 1986.
JEMT, T.; BOOK, K. Prosthesis misfit and marginal bone loss in edentulous implants patients. Int.
J. Oral Maxillofac. Implants. V.11. p. 620-625, 1996.
LOPEZ, J.C.R.R.; FREIRE, F.M.; DALAPICULA, S.S.; CONZ, M.B.; VIDIGAL, JR. G.M.
Respostas do tecido à carga mecânica. Implant News. V.5. n.6. p. 633-636, 2008.
MISCH, C.E. Fatores de estresse: influencia no plano de tratamento. 1. ed. São Paulo: Ed Santos,
2006. Cap. 6. p.71-90.
NATALI, A.N.; PAVAN, P.G.; RUGGERO, A.L. Evaluation of stress induced in peri-implant bone
tissue by misfit in multi-implant prosthesis. Dent. Mater. V.22. n.4. p. 388-395, 2006.
SILVA, G.C.C.; FRAGA, M.T.; MENDONÇA, J.A.G. Adaptação passiva de próteses implantosuportadas: relação com a indução de tensões e importância clinica. Implant News. V.5. n.4. p. 393398, 2008.
YOSHIDA, H. Estudo comparativo das tensões induzidas por dois tipos de prótese sobre implantePrótese retida por cimento e Prótese retida por parafuso- utilizando o método da fotoelasticidade.
São Paulo,2001 [tese].

Documentos relacionados