SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA - cefet-mg

Сomentários

Transcrição

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA - cefet-mg
SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS
Publicado no DOU em 30/06/2014
EDITAL Nº 154, DE 25 DE JUNHO DE 2014
O DIRETOR GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA
DE MINAS GERAIS (CEFET-MG), no uso de suas atribuições legais e nos termos da
Portaria no- 344, de 26 de setembro de 2013, publicada no DOU de 27 de setembro de 2013,
seção 1, pág. 81, e da Portaria MEC nº 1.275, de 27 de dezembro de 2013, publicada no DOU
de 30 de dezembro de 2013, seção 1, pág. 91, torna público o conteúdo programático bem
como as bibliografias para as provas do concurso público de provas destinado ao provimento
de cargos efetivos do Quadro de Pessoal do CEFET-MG, de acordo com o Edital 085/2014,
de 27 de março de 2014, publicado no D.O.U. em 28/03/2014, Seção 3, página 30, para as
unidades de Araxá, Contagem, Curvelo, Divinópolis, Leopoldina, Nepomuceno, Varginha e
Timóteo,, em conformidade com a Lei 11.091/05 , alterada pela Lei 12.772/12, art. 41, Lei
8112/91, de 11 de dezembro de 1990 e suas alterações e Decreto 6.944 de 21 de agosto de
2009.
1. Das Disposições Preliminares
1.1. O Concurso Público de que trata o presente Edital destina-se ao preenchimento de 71
(setenta e uma) vagas no CEFET-MG, unidades de de Araxá, Contagem, Curvelo,
Divinópolis, Leopoldina, Nepomuceno, Varginha e Timóteo,, para os cargos da
carreira de Técnico Administrativo em Educação, conforme descrito no Edital nº
085/14.
1.2. O conteúdo programático das provas, as bibliografias e as descrições dos cargos encontramse descritos a seguir:
PROGRAMA COMUM A TODOS OS CARGOS – NÍVEL FUNDAMENTAL
PROVA DE PORTUGUÊS
1. Leitura, interpretação e compreensão de textos. 2. Efeitos de sentido. 3. Significado das
palavras: sinônimos, antônimos, homônimos e parônimos. 4. Denotação e conotação. 5.
Figuras de linguagem. 6. Ortografia. 7. Acentuação gráfica. 8. Divisão silábica. 9. Classes e
emprego de palavras. 10. Emprego de tempos e modos verbais. 11. Emprego e colocação de
pronomes. 12. Sintaxe. 13. Termos da oração. 14. Concordância nominal e verbal. 15.
Regência nominal e verbal. 16. Crase. 17. Período composto por coordenação e subordinação.
18. Relação lógico-semântica entre as orações (conjunções). 19. Pontuação.
REDAÇÃO OFICIAL
1. A impessoalidade. 2. A linguagem dos atos e comunicações oficiais. 3. Formalidade e
padronização. 4. Concisão e clareza. 5. Concordância e emprego dos pronomes de tratamento.
6. Fechos para comunicações. 7. Identificação do signatário. 8. Padrão ofício: partes do
documento; forma de diagramação; aviso e ofício; memorando. 9. Exposição de motivos. 10.
Mensagem. 11. Telegrama. 12. Fax. 13. Correio eletrônico.
BIBLIOGRAFIA: ● BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. rev.
amp. atual. Rio de Janeiro: Lucerna, 2009. ● CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima
Gramática da Língua Portuguesa. 48. ed. rev. São Paulo: Nacional, 2008. ● CUNHA, Celso;
CINTRA, Luís F. Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 5. ed. Rio de
Janeiro: Lexikon, 2008. ● FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o
texto: leitura e redação. 16. ed. São Paulo: Ática, 2006. ● LUFT, Celso Pedro. Novo Guia
Ortográfico. 3. ed. reorganizada, rev. e atual. com a nova ortografia. São Paulo: Globo, 2013.
REDAÇÃO OFICIAL
BIBLIOGRAFIA: ● BRASIL. Presidência da República; MENDES, Gilmar Ferreira;
FOSTER JÚNIOR, Nestor José; LEMOS, Carlos Eduardo Cruz de Souza; PEREIRA, Heitor
Duprat de Brito; CUNHA, Tarcisio Carlos de Almeida; MARTINATO,
João Bosco;
ARAÚJO, Rui Ribeiro de; CÉSAR, Luis Fernando Panelli; ARDENGHY, Roberto Furian. ●
Manual de Redação da Presidência da República. 2. ed. Brasília: Presidência da República,
2002. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia. gov.br/publicacoes-oficiais1/manual-de-redacao-da-presidencia-da-republica/manual-de-redacao-da-presidencia-darepublica/view. Acesso em 25/ 05/ 2014.
PROVA DE LEGISLAÇÃO
1. Lei nº 8112 de 11 de dezembro de 1990 – Dispões sobre regime jurídico dos servidores
públicos civis da União, das Autarquias e das Fundações Públicas Federais: Conceitos (arts.1º
ao 4º); Do Provimento, Vacância, Remoção, Redistribuição e Substituição (arts. 5º ao 39);
Dos Direitos e Vantagens (arts. 40 a 115); Do Regime Disciplinar (arts. 116 a 142). 2.
Decreto nº 1171 de 22 de junho de 1994 - dispõe sobre ética no serviço público
BIBLIOGRAFIA: ● PORTAL da Legislação. Desenvolvido por: Governo Federal.
Apresenta informações acerca de todo material legislativo produzido na história do Brasil: a
Constituição, as Leis Federais, Decretos, Estatutos, dentre outros. Disponível em:
<http://www4.planalto.gov.br/legislacao>. Acesso em: 20 jun. 2014.
PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA
1. Sistema Operacional Windows XP/seven, 1.1. Noções gerais de operação, 2. Sistema
Operacional GNU/Linux, 2.1. Noções gerais de operação na interface gráfica KDE, 3.
Ferramentas de Escritório (MS-Office 2007; Libre Office.org 3.x), 3.1 Editor de Texto, 3.1.1.
Conceitos e comandos de edição de textos e tabelas, 3.2. Planilha Eletrônica, 3.2.1. Digitação
e edição de dados, construção de fórmulas para cálculos de valores, formatação de dados e
gráficos, 4. Internet e Correio Eletrônico, 4.1. Conceitos e serviços relacionados à Internet
Explorer, Firefox e chrome, Outlook e Mozilla Thunderbird.
BIBLIOGRAFIA: COX ,Joyce .Windows 7: Passo a Passo.. Editora: Bookman. 1a. Edição.
2010. FRAGA, Simone. Windows XP: básico e detalhado. Florianópolis: Visual Books, 2002.
Castillo, Elaine BellINOMINI / Suriani, Rogerio massaro. Windows Xp, (em Portugues)
2007. ÉRICA,MANZANO Joao Carlos N. G. Estudo Dirigido: Windows XP. . Editora Érica.
1a. Edição. 2001. Silva, Mario Gomes Da Erica – Terminologia Basica – Windows XP,
Office Word 2007 (em Português) 2008. KENT, Peter. nternet para leigos: passo a asso. Rio
de Janeiro: Ciência Moderna, 1999. INTERNET BASICA Autor: COELHO, PEDRO.
Internet
Explorer
6
Fabiano
Negrini
Editora
VISUAL
BOOKS.
http://compare.buscape.com.br/microsoft-office-word-2007-passo-a-passo-joyce-cox-joanpreppernau-8577800326.htmlCOX, Joyce e PREPPERNAU, Joan. Microsoft Office
Powerpoint 2007. Passo a Passo.. 1a Edição, Bookman, 2008. COX, Joyce e PREPPERNAU,
Joan. Microsoft Office Word 2007. Cox, Joyce / Preppernau, Joan Bookman Companhia ED
Microsoft Office Word 2007 (em Português) (2007.) Maria José Sousa, Sérgio Sousa
Microsoft Office 2007 ,Para Todos Nós - Edição em Português Publicado em 11-2007 – editor
FCA. WALLCE, Wang. Microsoft Office 2007 para leigos: Alta books – 1ª Edição. Passo a
Passo -. 1a Edição. BOOKMAN, 2007. FRYE, Curtis. Microsoft Office Access 2007 - 2a
Edição, Senac Editora, 2009. LAMBERT III , M. Dow; LAMBERT , Steve, e
PREPPERNAU, Joan. Microsoft Office Access 2007 -. 1a Edição, Bookman, 2008.
RONCONI, Luciana Moreira. Access 2007 - 1a Edição, Senac Editora, 2007. Série Microsoft
Press . 1a Edição, Bookman, 2008. FRYE, Curtis Microsoft Office Excel 2007. MANZANO
André Luiz N. G. Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2007. Microsoft Office Outlook
2007 Quicksteps Autor: Marttews, Marty. Office Outlook 2007 - Passo a Passo - Com CDROM. Autor: Preppernau - Editora: Artmed . VARGAS, Elton da Silva; PEREIRA, Marcelo
Gino. Guia prático: Linux. Santa Cruz do Rio Pardo, SP: Viena, 2004. Joyce, Jerry / Moon,
Marianne – Microsoft Office System 2007 – Rápido e Fácil – Editora, ARTMED – 1ª Edição
– 2008 Site http://wiki.documentfoundation.org/documentation/pt-br - libreoffice.org.
___________________________________________________________________________
PROGRAMA COMUM A TODOS OS CARGOS – NÍVEL FUNDAMENTAL
CARGO DE AUXILIAR DE BIBLIOTECA
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Fundamental Completo
- OUTROS: Experiência de 12 meses (Lei nº 11.091/2005-Anexo II)
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Atuar no tratamento, recuperação e disseminação da informação e executar atividades
especializadas e administrativas relacionadas à rotina de unidades ou centros de
documentação ou informação, quer no atendimento ao usuário, quer na administração do
acervo, ou na manutenção de bancos de dados. Colaborar no controle e na conservação de
equipamentos. Realizar manutenção do acervo. Participar de treinamentos e programas de
atualização. Auxiliar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Utilizar recursos de
informática. Executar outras tarefas de mesma natureza e nível de complexidade associadas
ao ambiente organizacional.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Atuação do auxiliar de biblioteca. 2. Estrutura física e organizacional da biblioteca: noções
de serviços e produtos da unidade de informação. 3. Estudo de usuário: noções básicas. 4.
História do livro e das bibliotecas: contexto geral. 5. Ordenamento do arranjo físico do
acervo: noções básicas. 6. Preservação e conservação do acervo: noções básicas. 7.
Processamento técnico: noções básicas de catalogação, classificação e indexação. 8.
Introdução à Biblioteconomia: conceitos básicos. 9. Tipos de bibliotecas: noções gerais. 10.
Serviços de referência e informação: noções básicas.
BIBLIOGRAFIA: ● ALMEIDA, Maria Christina Barbosa de. Planejamento de bibliotecas e
serviços de informação. 2. ed. rev. e ampl. Brasília: Briquet de Lemos, 2005. ● CASSARES,
Norma. Como fazer Conservação Preventiva em Arquivos e Bibliotecas. São Paulo: Arquivo
do Estado e Imprensa Oficial, 2000 (Projeto Como Fazer, número 5). ● CRUZ, Anamaria da
Costa. Manual de Treinamento de Pessoal para Serviços em Biblioteca. Niterói: Eduff, 1992.
● CUNHA, Murilo Bastos da Cunha. Manual de fontes de informação. Brasília, DF: Briquet
de Lemos, 2010. ● FONSECA, Edson Nery da. Introdução a biblioteconomia. 2. ed. São
Paulo: Briquet de Lemos, 2007. ● MACIEL, Alba Costa; MENDONÇA, Marília Alvarenga
Rocha. Bibliotecas como organizações. Rio de Janeiro: Interciência, 2006. ● PALETTA,
Fátima Aparecida Colombo, YAMASHITA, Marina Mayumi. Manual de higienização de
livros e documentos encadernados. São Paulo: Hucitec, 2004. ● PALETTA, Fátima
Aparecida Colombo; YAMASHITA, Marina Mayumi; PENILHA, Débora Ferrazoli. Manual
de higienização de livros e documentos encadernados. São Paulo: Hucitec, 2004. ●
PINHEIRO, Ana Virginia. A ordem dos livros na biblioteca: uma abordagem preliminar ao
Sistema de Localização Fixa. Rio de Janeiro: Interciência, 2007. ● SILVA, Divina Aparecida
da; ARAUJO, Iza Antunes. Auxiliar de biblioteca: técnicas e práticas para formação
profissional. 5. ed. Brasília, DF: Thesaurus, 2003. ● SILVA, Divina Aparecida da; ARAUJO,
Iza Antunes. Auxiliar de biblioteca: técnicas e práticas para formação profissional. 5. ed.
Brasília: Thesaurus, 2003. ● SPINELLI JUNIOR, Jayme. Introdução à conservação de
acervos bibliográficos. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 1995.
CARGO DE ASSISTENTE DE ALUNOS
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Completo
- OUTROS: Experiência de 06 meses (Lei nº 11.091/2005-Anexo II)
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Assistir e orientar os alunos no aspecto de disciplina, lazer, segurança, saúde, pontualidade e
higiene, dentro das dependências escolares. Auxiliar nas atividades de ensino, pesquisa e
extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1.Adolescência: características da adolescência; aspectos físicos e psicossociais. 2.
Sexualidade: conceitos básicos; educação sexual na escola; postura do educador; prevenção
de problemas. 3. Drogas: conceitos; prevenção e abuso; percepção sobre o usuário; modelos
de intervenção. 4. Disciplina escolar: conceito; ética e postura profissional; agressividade,
limites e violência; autonomia e obediência; a implicação das condutas éticas na consolidação
dos valores e o desenvolvimento da responsabilidade humana, institucional e social. 5.
Qualidade de vida do adolescente: Cidadania; saúde e lazer. 6. Trabalho em equipe: níveis de
interação.
BIBLIOGRAFIA: ● ABRAMOVAY, Miriam; CASTRO, Mary Garcia. Drogas nas escolas:
versão resumida. Brasília: UNESCO, Rede Pitágoras, 2005. Disponível em:
<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000067.pdf>. ● BECKER, Daniel. O
que é adolescência. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986. ● BRASIL. Estatuto da Criança e do
Adolescente. Lei Federal nº. 8.069/1990. ● BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais:
pluralidade cultural, orientação sexual. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília:
MEC/SEF,
1997.
Disponível
em:
<http://mecsrv04.mec.gov.br/
sef/estrut2/pcn/pdf/livro102.pdf>.
<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/
me000029.pdf>. ● BRASIL. Lei Federal nº 9.394, de 20 de novembro de 1996. Estabelece as
Diretrizes
e
Bases
da
Educação
Nacional.
Disponível
em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 20 jun. 2014. ●
CARVALHO, Alysson et al. Adolescência. Belo Horizonte: UFMG, 2002. ● CHAUÍ,
Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000. ● CONTINI, Maria de Lourdes
Jeffery; KOLLER, Sílvia Helena; BARROS, Monalisa Nascimento dos Santos. Adolescência
e Psicologia: Concepções, práticas e reflexões críticas. Conselho Federal de Psicologia.
Brasília: 2002. Disponível em: <http://portugues.free-ebooks.net/ebook/Adolescencia-ePsicologia-Concepcoes-praticas-e-reflexoes-criticas>. ● ABRAMOVAY, Miriam; CASTRO,
Mary Garcia. Drogas nas escolas: versão resumida. Brasília: UNESCO, Rede Pitágoras,
2005. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000067.pdf>.
Acesso em 22/09/08. ● MURAD, José Elias. Drogas: o que é preciso saber. 4º ed. Belo
Horizonte: Lê 1992. (Coleção Atualidades). ● TIBA, Içami. Disciplina: o limite na medida
certa. 42º ed. São Paulo: Gente, 1996. 240 p.
___________________________________________________________________________
PROGRAMA COMUM A TODOS OS CARGOS – NÍVEL MÉDIO
PROVA DE PORTUGUÊS
1.Linguagem, língua e ideologia (a confluência entre os signos – verbais, visuais, auditivos).
2. Noções de texto e discurso: Compreensão e interpretação de textos. Níveis de leitura de um
texto. Intertextualidade e interdiscursividade: o diálogo entre textos.Textos temáticos e
figurativos. 3. Organização do texto e gêneros textuais: Tipos e gêneros textuais.Texto
literário e texto não literário. Fatores de textualidade: aspectos pragmáticos (conhecimentos
partilhados, regras sociais de interação), aspectos semântico-conceituais (explícitos e
implícitos, coerência) e aspecto formal (coesão). 4. As variantes lingüísticas: As diversas
modalidades de uso da língua. Língua falada e língua escrita: características. 5. Semântica e
lexicologia: Campo lexical e campo semântico. A significação das palavras. Denotação e
Conotação.Sinonímia, antonímia, homonímia e paronímia. 6. Processos argumentativos:
Argumentação consistente e falaciosa. Tipos de argumentos: citação, opinião, analogias,
exemplificação, contrastes, temporalidade, dentre outros. 7. Processos de formação de
palavras: Neologismos e estrangeirismos. 8. Morfossintaxe: Emprego das classes de palavras.
Estruturação e emprego do período simples e do composto. Emprego da regência verbal e
nominal. Emprego da concordância verbal e nominal. Colocação pronominal. 9. Estilística:
Emprego das figuras de Linguagem. Vícios de linguagem. 10. Emprego dos sinais de
pontuação
REDAÇÃO OFICIAL
1.Conceito e usos. 2. Mecanismos linguísticos característicos dos textos oficiais: ortografia e
gramáticas nas redações oficiais (conforme Novo Acordo Ortográfico). 3. Comunicações
oficiais: Padrão ofício; Exposição de Motivos; Mensagem; Telegrama; Correio Eletrônico. 4.
Questões fundamentais de Técnica Legislativa
BIBLIOGRAFIA: ● BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é e como se faz. São
Paulo: Edições Loyola, 1999. ● BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa:
Atualizada pelo Novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. ● CUNHA,
Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo: De acordo com a
nova ortografia. Rio de Janeiro: Léxikon, 2013. ● EMEDIATO, Wander. A fórmula do texto –
redação, argumentação e leitura. São Paulo: Geração Editoria, 2004. ● FERNANDES,
Francisco. Dicionário de verbos e regimes. 39ª ed. Porto Alegre: Globo, 2002. ● FIORIN,
José Luiz. Linguagem e Ideologia. 8ª ed. São Paulo: Ática, 2004. ● FIORIN, José Luiz. Lições
de texto, leitura e redação. São Paulo: Ática, 2003. ● GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação
em Prosa Moderna. 27ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010. ● GNERRE,
Maurizio. Linguagem, escrita e poder. São Paulo: Martins Fontes, 1985. ● KOCH, Ingedore
Grunfeld Villaça. O texto e a construção dos sentidos. 9ª ed. São Paulo: Contexto, 2007. ●
KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Texto e coerência. 12ª ed.
São Paulo: Cortez, 2008. ● KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e
compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006. ● MARCUSCHI, Luiz
Antonio. Da fala para a escrita. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2005. ● MARTINS, Eduardo. Os
300 erros mais comuns da língua portuguesa. São Paulo: BF&A, 2009. ● SILVA, Maurício.
O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: o que muda e o que não muda. São
Paulo: Contexto, 2011.
REDAÇÃO OFICIAL
BIBLIOGRAFIA: ● Brasil. Presidência da República. Manual de redação da Presidência da
República/Gilmar Ferreira Mendes e Nestor José Forster Júnior. 2ª. ed. rev. e atual. Brasília:
Presidência
da
República,
2002.
Disponível
em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm>. Acesso em: 20 jun. 2014
PROVA DE LEGISLAÇÃO:
1. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, suas alterações e Emendas
Constitucionais: Da Administração Pública (arts. 37 a 41). 2. Lei nº 8112 de 11 de dezembro
de 1990 – Dispões sobre Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, das
Autarquias e das Fundações Públicas Federais: Conceitos (arts. 1º ao 4º); Do Provimento,
Vacância, Remoção, Redistribuição e Substituição (arts. 5º ao 39); Dos Direitos e Vantagens
(arts. 40 a 115); e Do Regime Disciplinar (arts. 116 a 142). 3. Decreto nº 1171 de 22 de junho
de 1994 e suas alterações - dispõe sobre ética no serviço público. 4.Lei nº 11091 de 12 de
janeiro de 2005 - dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos TécnicoAdministrativos em Educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao
Ministério da Educação, e dá outras providências. 5. Lei 8429 de 02 de junho de 1992 e suas
alterações– Dispõe sobre sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento
ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na Administração Pública Direta,
Indireta ou Fundacional: Das Disposições Gerais (arts. 1º ao 8º); Dos Atos de Improbidade
Administrativa (arts. 9º ao 11); e Da Declaração dos Bens (art. 13). 6. Decreto-Lei 2848 de 07
de dezembro de 1940 e suas alterações: Código Penal Brasileiro: Dos Crimes Praticados por
Funcionário Público contra a Administração em Geral (arts. 312 a 327). 7. Lei 8666 de 21 de
junho de 1993 e suas alterações – Institui normas para licitações e contratos da Administração
Pública: Dos Princípios e Definições (arts. 1º ao 6º); Das Obras e Serviços (art. 7º a 12); Dos
Serviços Técnicos Profissionais Especializados (art. 13); Das Compras (arts. 14 a 16); Das
Alienações (arts. 17 a 19); Modalidades, Limites e Dispensa (arts. 20 a 26); e Dos Contratos
(arts. 54 a 59). 8. Lei 9784 de 29 de janeiro de 1999 e suas alterações – Regula o Processo
Administrativo no âmbito da Administração Pública Federal.
BIBLIOGRAFIA: ● PORTAL da Legislação. Desenvolvido por: Governo Federal.
Apresenta informações acerca de todo material legislativo produzido na história do Brasil: a
Constituição, as Leis Federais, Decretos, Estatutos, dentre outros. Disponível em:
<http://www4.planalto.gov.br/legislacao>. Acesso em: 20 jun. 2014.
PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA (EXCETO PARA OS CARGOS DE TÉCNICO
LABORATÓRIO - ÁREA MECÂNICA, TÉCNICO LABORATÓRIO - ÁREA
ELETROTÉCNICA, TÉCNICO LABORATÓRIO - ÁREA ELETRÔNICA, TÉCNICO
LABORATÓRIO - ÁREA CONSTRUÇÃO CIVIL, TÉCNICO LABORATÓRIO - ÁREA
TRANSPORTES, TÉCNICO LABORATÓRIO - ÁREA QUÍMICA, TÉCNICO
LABORATÓRIO - ÁREA SANEAMENTO E MEIO AMBIENTE, TÉCNICO
LABORATÓRIO - ÁREA INFORMÁTICA E TÉCNICO EM TECNOLOGIA DA
INFORMAÇÃO)
1. Sistema Operacional Windows XP/seven, 1.1. Noções gerais de operação, 2. Sistema
Operacional GNU/Linux, 2.1. Noções gerais de operação na interface gráfica KDE, 3.
Ferramentas de Escritório (MS-Office 2007; Libre Office.org 3.x), 3.1 Editor de Texto, 3.1.1.
Conceitos e comandos de edição de textos e tabelas, 3.2. Planilha Eletrônica, 3.2.1. Digitação
e edição de dados, construção de fórmulas para cálculos de valores, formatação de dados e
gráficos, 4. Internet e Correio Eletrônico, 4.1. Conceitos e serviços relacionados à Internet
Explorer, Firefox e chrome, Outlook e Mozilla Thunderbird.
BIBLIOGRAFIA: COX ,Joyce .Windows 7: Passo a Passo.. Editora: Bookman. 1a. Edição.
2010. FRAGA, Simone. Windows XP: básico e detalhado. Florianópolis: Visual Books, 2002.
Castillo, Elaine BellINOMINI / Suriani, Rogerio massaro. Windows Xp, (em Portugues)
2007. ÉRICA,MANZANO Joao Carlos N. G. Estudo Dirigido: Windows XP. . Editora Érica.
1a. Edição. 2001. Silva, Mario Gomes Da Erica – Terminologia Basica – Windows XP,
Office Word 2007 (em Português) 2008. KENT, Peter. nternet para leigos: passo a asso. Rio
de Janeiro: Ciência Moderna, 1999. INTERNET BASICA Autor: COELHO, PEDRO.
Internet
Explorer
6
Fabiano
Negrini
Editora
VISUAL
BOOKS.
http://compare.buscape.com.br/microsoft-office-word-2007-passo-a-passo-joyce-cox-joanpreppernau-8577800326.htmlCOX, Joyce e PREPPERNAU, Joan. Microsoft Office
Powerpoint 2007. Passo a Passo.. 1a Edição, Bookman, 2008. COX, Joyce e PREPPERNAU,
Joan. Microsoft Office Word 2007. Cox, Joyce / Preppernau, Joan Bookman Companhia ED
Microsoft Office Word 2007 (em Português) (2007.) Maria José Sousa, Sérgio Sousa
Microsoft Office 2007 ,Para Todos Nós - Edição em Português Publicado em 11-2007 – editor
FCA. WALLCE, Wang. Microsoft Office 2007 para leigos: Alta books – 1ª Edição. Passo a
Passo -. 1a Edição. BOOKMAN, 2007. FRYE, Curtis. Microsoft Office Access 2007 - 2a
Edição, Senac Editora, 2009. LAMBERT III , M. Dow; LAMBERT , Steve, e
PREPPERNAU, Joan. Microsoft Office Access 2007 -. 1a Edição, Bookman, 2008.
RONCONI, Luciana Moreira. Access 2007 - 1a Edição, Senac Editora, 2007. Série Microsoft
Press . 1a Edição, Bookman, 2008. FRYE, Curtis Microsoft Office Excel 2007. MANZANO
André Luiz N. G. Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2007. Microsoft Office Outlook
2007 Quicksteps Autor: Marttews, Marty. Office Outlook 2007 - Passo a Passo - Com CDROM. Autor: Preppernau - Editora: Artmed . VARGAS, Elton da Silva; PEREIRA, Marcelo
Gino. Guia prático: Linux. Santa Cruz do Rio Pardo, SP: Viena, 2004. Joyce, Jerry / Moon,
Marianne – Microsoft Office System 2007 – Rápido e Fácil – Editora, ARTMED – 1ª Edição
– 2008 Site http://wiki.documentfoundation.org/documentation/pt-br - libreoffice.org.
___________________________________________________________________________
PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTO ESPECÍFICO
CARGO DE ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + experiência
- OUTROS: Experiência de 12 meses (Lei nº 11.091/2005-Anexo II)
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Dar suporte administrativo e técnico nas áreas de recursos humanos, administração, finanças e
logística; atender usuários, fornecendo e recebendo informações; tratar de documentos
variados, cumprindo todo o procedimento necessário referente aos mesmos; preparar
relatórios e planilhas; executar serviços áreas de escritório. Assessorar nas atividades de
ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Teoria Geral da Administração: Introdução à Administração; Fundamentos do
Planejamento e da Organização; Influencia e Comunicação; Significado da Administração;
Papel dos Gerentes; Enfoque Comportamental na Administração; Motivação; Liderança;
Administração Participativa; Ética e Responsabilidade Social; Cultura Organizacional;
Seleção e Implementação de Estratégias; Controle. 2. Logística e Suprimentos: Estratégia de
Estoques; Decisões Sobre Política de Estoques; Decisões de Compras e de Programação de
Suprimentos; Organização da Cadeia de Suprimentos/Logística. 3. Marketing: Marketing para
o século XXI; Desenvolvimento de estratégias e planos de marketing; Análise dos Mercados
Organizacionais. 4. Planejamento Estratégico: Princípios, Filosofias, Partes e Tipos do
Planejamento Estratégico; Processo do Planejamento Estratégico; Componentes do
Diagnóstico Estratégico; Missão e Propósitos da Empresa; Cenários; Tipos de Estratégias
Empresariais. 5. Orçamento Público: Evolução Conceitual do Orçamento Público; Princípios
Orçamentários e sua Validade; Sistema e Processo Orçamentário; Leis Orçamentárias: PPA,
LDO, LOA; Execução Orçamentária e Financeira. 6. Gestão de Pessoas: Planejamento
Estratégico de Gestão de Pessoas; Recrutamento e Seleção; Avaliação de Desempenho;
Treinamento; Desenvolvimento de Pessoas e de Organizações; Higiene, Segurança e
Qualidade de Vida; Banco de Dados e Sistemas de Informações de Gestão de Pessoas. 7.
Gestão da qualidade: Referenciais da Gestão da Qualidade, Conceitos, Métodos e Estruturas
da Gestão da Qualidade Consagrados pela Prática; Processos Gerenciais; Processos da Gestão
da Qualidade e da Qualidade Total; Gestão da Qualidade no Serviço Público; 8.
Administração Financeira: Função de Administração Financeira; Índices de Liquidez, de
Atividade, de Endividamento e de Rentabilidade; Risco e Retorno; Valor do Dinheiro no
Tempo; Decisões Financeiras de Curto Prazo; 9. Compras e Contratações Públicas: Normas
para licitações e contratos da Administração; Pregão presencial e Pregão Eletrônico; Sistema
de Registro de Preços; Tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às ME/EPP no
âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
BIBLIOGRAFIA: BRASIL. Lei n. 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o artigo 37,
inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da
administração pública e dá outras providências. BRASIL. Decreto nº 5.450, de 31 de maio de
2005. Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns,
e dá outras providências. BRASIL. Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002. Institui, no âmbito
da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da
Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e
serviços comuns, e dá outras providências. BRASIL. Lei complementar nº 123, de 14 de
dezembro de 2006. Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno
Porte. BRASIL. Decreto nº 7.892, de23 de janeiro de 2013. Regulamenta o Sistema de
Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. BRASIL.
Decreto nº 8.250, de 23 de maio de 2014. Altera o Decreto nº 7.892, de 23 de janeiro de 2013,
que regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de
junho de 1993. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria geral da administração: Da
Revolução Urbana à Revolução Digital 6a. edição. São Paulo: Atlas, 2006. GIACOMONI,
James. Orçamento público. 15. Edição ampliada, revista e atualizada. São Paulo: Editora
Atlas S.A., 2010. GITMAN, Lawrence Jeffrey. Princípios de administração financeira.
10ºEdição / Lawrence Jeffrey Gitman; tradução técnica Antonio Zoratto Sanvicente – São
Paulo: Pearson - Addison Wesley, 2005. KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a
edição do novo milênio; tradução Bazán Tecnologia e Linguística. Revisão técnica Arão
Sapio. São Paulo – Prentice Hall, 2000. PALADINI, Edson Pacheco. Gestão da Qualidade –
Teoria e Prática,2º Edição, São Paulo, Editora Atlas S.A., 2004. OLIVEIRA, Djalma de Pinho
Rebouças de. Planejamento Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 22º Edição - São
Paulo: Atlas, 2005. CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas. 3º Edição, Totalmente
Revista e Atualizada. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. CERTO, Samuel C. Administração
Moderna. Tradução: Maria Lúcia G. L. Rosa e Ludmilla Teixeira Lima; revisão técnica José
Antonio Dermengi Rios - 9º Edição – São Paulo: Pearson - Prentice Hall 2005. BALLOU,
Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. Tradução: Raul
Rubenich; consultoria, supervisão e revisão técnica: Rogério Bañolas – 5º Edição – São
Paulo: Editora Bookman 2006. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento
Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 22º Edição - São Paulo: Atlas, 2005.
CARGO DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO-ÁREA/CONSTRUÇÃO CIVIL
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Executar trabalhos técnico de laboratório relacionados com a área de atuação, realizando ou
orientando coleta, análise e registros de material e substâncias através de métodos específicos.
Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
PARTE MATERIAIS
1. Aglomerantes – ensaios. 2. cimento portland – ensaios. 3. -agregados para concreto –
ensaios.4.concreto: aditivos, dosagem, preparo, transporte e lançamento, propriedades do
concreto fresco, propriedades do concreto endurecido e ensaios. 5. materiais cerâmicos –
ensaios. 6. aço para concreto – ensaios.
PARTE SOLOS
1. INTRODUÇÃO A MECÂNICA DOS SOLOS: Formação e evolução da mecânica dos
solos; Definição e objetivos da Mecânica dos Solos; Vinculação da Mecânica dos Solos com
as demais ciências; 2. TEXTURA E ESTRUTURA DOS SOLOS: Natureza, forma e
dimensões das partículas: análise granulométrica, representação gráfica, designação de
frações conforme as normas; Estrutura dos solos: macro e micro estruturas, floculação e
dispersão, sensibilidade, amolgamento e tixotropia. 3. PLASTICIDADE E CONSISTÊNCIA
DOS SOLOS: Conceitos pertinentes a plasticidade; Limites de consistência e índice de
plasticidade; Índice de consistência; Atividade; 4. CARACTERIZAÇÃO E
CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS: Objetivos da caraterização e classificação geotécnica;
Principais sistemas de classificação de solos. Classificação de solos tropicais; 5. INDICES
FÍSICOS: Fases: sólido-água-ar; Tipos e formas que a água se apresenta no solo; Massas
específicas; Relações entre massas e volumes. 6. COMPACTAÇÃO: Aspectos gerais;
Métodos de compactação, equipamentos, processos e controle; CBR. 7.
PERMEABILIDADE: Conceito; Lei de Darcy; Fatores que influenciam na determinação do
coeficiente de permeabilidade; Ensaios de campo e laboratório; 8. INTRODUÇÃO A
RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO. Noções de atrito entre sólidos; Atrito e coesão, solos
granulares, puramente coesivos e mistos; Critérios de Mohr-Coulomb; Métodos de ensaio de
cisalhamento em laboratório: triaxial, cisalhamento direto e compressão simples; 9.
EXPLORAÇÃO DO SUBSOLO E AMOSTRAGEM: Sondagens a trado e abertura de poços
de exploração; Sondagem de simples reconhecimento (SPT); Coleta de amostras
indeformadas; 10. ENSAIOS DE LABORATÓRIO: Determinação do teor de umidade e
massa específica das partículas sólidas (picnômetro); Análise granulométrica: peneiramento e
sedimentação; Determinação de limites de consistência: LL e LP; Ensaio de compactação;
Ensaio de CBR; Ensaios de permeabilidade de carga constante e variável: laboratório e
campo; Determinação da massa específica aparente e umidade de campo; Ensaios de
cisalhamento: compressão simples, cisalhamento direto e triaxial.
BIBLIOGRAFIA: ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT
NBR 12821/2009 - Preparação de concreto em laboratório. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 67/1998 - Concreto – determinação da
consistência pelo abatimento do tronco de cone. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 5739/2007 - Concreto – ensaio de compressão de corpos
de prova cilíndricos. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT
NBR 7680/2007 - Concreto – extração, preparo e ensaio de testemunhos de concreto. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7722/2011 Concreto e argamassa – determinação da resistência à tração por compressão diametral de
corpos de prova cilíndricos. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.
ABNT NBR 8522/2008 - Concreto – determinação do módulo estático de elasticidade à
compressão. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
12142/2010 - Concreto – determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova
prismáticos. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
8953/2009 - Concreto para fins estruturais – classificação pela massa específica, por grupos
de resistência e consistência. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.
ABNT NBR 7480/2007 - Aço destinado a armadura para estruturas de concreto armado –
especificações. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
8548/1984 - Barras de aço destinado a armadura para concreto armado com emenda mecânica
ou por solda – determinação da resistência à tração – método de ensaio. ● ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6892/2013 - Materiais metálicos –
ensaio de tração – Parte 1: método de ensaio à temperatura ambiente. ● ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7480/2007 - Aço destinado a
armadura para estruturas de concreto armado – especificações. ● ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 15270-1/2005 - Componentes
cerâmicos – Parte 1: blocos cerâmicos para alvenaria de vedação – terminologia e requisitos.
● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 15270-2/2005 Componentes cerâmicos – Parte 2: blocos cerâmicos para alvenaria estrutural – terminologia e
requisitos. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 152703/2005 - Componentes cerâmicos – Parte 3: blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de
vedação – métodos de ensaio. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.
ABNT NBR NM 23/2001 - Cimento Portland e outros materiais em pó – determinação da
massa específica. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
7215/1996 - Versão corrigida 1997 - cimento Portland – determinação da resistência à
compressão. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
5732/1991 - Cimento Portland comum – especificações. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 65/2003 - Cimento Portland – determinação do
tempo de pega. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
11579/2012 - Cimento Portland – determinação do índice de finura por meio da peneira 75
µm (n° 200). ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM
248/2003 - Agregados – determinação da composição granulométrica. ● ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 9936/2013 - Agregados –
determinação do teor de partículas livres – método de ensaio. ● ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 9938/2013 - Agregados –
determinação da resistência ao esmagamento de agregados graúdos - método de ensaio. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7218/2010 Agregados – determinação do teor de argila em torrões e materiais friáveis. ● ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6467/2006 - Errata 1:2008 Agregados para concreto - determinação do inchamento em agregado miúdo – método de
ensaio. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7211/2009
- Agregados para concreto – especificação. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS. ABNT NBR NM 45/2006 - Agregados – determinação da massa unitária e do
volume de vazios. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
NM 46/2003 - Agregados – determinação do material fino que passa através da peneira 75 µM
, por lavagem. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM
27/2001 - Agregados – redução da amostra de campo para ensaios de laboratório. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 52/2009 Agregado miúdo– determinação da massa específica e massa específica aparente. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 53/2009 Agregados graúdos – determinação da massa específica e massa específica aparente. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7809/2006 - Versão
corrigida 2008 - agregado graúdo – determinação do índice de forma pelo método do
paquímetro – método de ensaio. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS. ABNT NBR NM 30/2001 - agregado miúdo – determinação da absorção de água.
● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 51/2001 Agregado graúdo – ensaio de absorção “Los Angeles”. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 26/2009 - Agregados – amostragem. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 13276/2005 Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – preparo da mistura e
determinação do índice de consistência. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS. ABNT NBR 13279/2005 - Argamassa para assentamento e revestimento de
paredes e tetos – determinação da resistência à tração na flexão e à compressão. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6457/1986.
Amostras de solo – Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6458/1984 Versão
corrigida: 1988. Grãos de pedregulhos retidos na peneira 4,8 mm – Determinação da massa
específica, da massa específica aparente e da absorção de água. ● ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6459/1984. Solo – Determinação do
limite de liquidez. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
6484/2001. Solo – Sondagens de simples reconhecimento com SPT – Procedimento. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6502/1995. Rochas
e solos. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
6508/1984. Grãos de solos que passam na peneira de 4,8 mm – Determinação da massa
específica. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
7180/1984 – Versão corrigida: 1988. Solo – Determinação do limite de plasticidade. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7181/1984 – Versão
corrigida: 1988. Solo – Análise granulométrica. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7182/1986 – Versão corrigida: 1988. Solo – Ensaio de
compactação. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR
6813/1987. Solo – Determinação da massa específica aparente in situ, com emprego de
cilindro de cravação – Método de ensaio. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS. ABNT NBR 9895/1987. Solo – Índice de suporte Califórnia – Método de ensaio.
● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 12770/1992. Solo
coesivo – Determinação da resistência à compressão não confinada – Método de ensaio. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 13292/1995.
Determinação do coeficiente de permeabilidade de solos granulares a carga constante. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 14545/2000.
Determinação do coeficiente de permeabilidade de solos argilosos a carga variável. ●
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ● BAUER, L. A. Falcão.
Materiais de Construção. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC 1994. 2v. ● CRAIG, R. F. Mecânica dos
solos. 7. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007. ● DAS, Braja M. Fundamentos de engenharia
geotécnica. São Paulo: Thomson Pioneira. 2012. ● PINTO, Carlos de Sousa. Curso básico de
mecânica dos solos: com exercícios resolvidos em 16 aulas. 3. ed. São Paulo: Oficina de
Textos, 2006. ● STANCAT, G.; NOGUEIRA, J. B.; VILAR, O. M. Ensaios de laboratório
em mecânica dos solos. São Carlos: Departamento de Geotecnia, EESC/USP. Publicação
050/88. 1981.
CARGO DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO-ÁREA/MECÂNICA
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Executar trabalhos técnico de laboratório relacionados com a área de atuação, realizando ou
orientando coleta, análise e registros de material e substâncias através de métodos específicos.
Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. DESENHO GEOMÉTRICO, DESENHO MECÂNICO E DESENHO ASSISTIDO POR
COMPUTADOR: Desenho geométrico aplicado na elaboração do desenho mecânico,
projeção ortogonal (3 vistas), perspectivas isométricas e cavaleira, secções e vistas especiais,
elaboração de desenho assistido por computador (AUTOCAD/SOLIDWORKS), leitura e
interpretação de desenhos mecânicos (componentes e conjuntos). 2. COMANDOS
ELETRICOS E CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS: Fundamentos de
eletroeletrônica, equipamentos de indução eletromagnética, instrumentos de medidas (técnicas
de utilização e medição), dispositivos de acionamento, proteção, sinalização e temporização.
Principais tipos e aplicações de comandos elétricos. Funcionamento, vantagens e aplicações
dos controladores lógicos programáveis. 3. ELEMENTOS DE MÁQUINAS E
MECANISMOS: Parafusos, porcas, tipos de roscas e arruelas, eixos e árvores, anéis elásticos,
chavetas, buchas, mancais, transmissão por correias, transmissão por engrenagens, cabos de
aço, elementos de vedação, redutores (tipos e aplicações), rolamentos (tipos e aplicações). 4.
GESTÃO DA QUALIDADE: Metodologias e ferramentas básicas da qualidade, estatística
básica aplicada ao controle do processo produtivo, descrição e padronização de processos. 5.
MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS: Classificação e
gestão da manutenção (condições básicas para realização/implementação, aplicabilidade,
vantagens e limitações de cada tipo de manutenção), noções fundamentais de lubrificação,
movimentação de cargas, instalação de máquinas, conservação e cuidados na intervenção em
equipamentos mecânicos. 6. MÁQUINAS TÉRMICAS E DE FLUXO: Princípios de
funcionamento de: sistemas de aquecimento (caldeiras e motores endotérmicos), bombas e
instalações de bombeamento e refrigeração e instalações de ar condicionado. 7. MECANICA
TÉCNICA e RESISTENCIA DOS MATERIAIS: Revisão de trigonometria, centro de
gravidade, momento de inércia, estática, tração e compressão, cisalhamento, torção simples,
esforço cortante e momento fletor, flexão pura, cálculos e dimensionamento. 8.
METROLOGIA: Sistemas de medição, conversão de unidades (sistema internacional e
sistema inglês), instrumentos (técnicas de utilização e medição), tolerâncias de fabricação,
rugosidade, controle dimensional de componentes e conjuntos mecânicos. 9. PROCESSOS
DE FABRICAÇÃO: Fundição, soldagem, conformação mecânica (planificação e caldeiraria),
usinagem convencional, usinagem assistida por computador, características dos processos,
aspectos produtivos e detalhes da fabricação de componentes metálicos. 10. COMANDOS
ÓLEO-HIDRAÚLICOS E COMANDOS PNEUMATICOS: Circuitos óleo hidráulicos
fundamentais, componentes hidráulicos (funções, características e simbologia), análise de
circuitos hidráulicos, circuitos pneumáticos, componentes pneumáticos (funções,
características e simbologia), análise de circuitos pneumáticos. Ar comprimido geração e
distribuição. 11. TECNOLOGIA DOS MATERIAIS: Propriedades dos materiais
(tecnológicas e mecânicas), metais ferrosos e não ferrosos (principais ligas, propriedades e
aplicações), tratamentos térmicos, metalografia, ensaios destrutivos e ensaios não Destrutivos
(conceitos, parâmetros fundamentais, aplicações e análise de resultados).
BIBLIOGRAFIA: ● ARAUJO, Etevaldo. Curso técnico de caldeiraria: tecnologia
mecânica. 2. ed. Curitiba: Hemus, 2012. ● BALBINOT, Alexandre; BRUSAMARELLO,
Valner João. Instrumentação e fundamentos de medidas. Rio de Janeiro: LTC - Livros
Técnicos e Científicos, 2012. 2v. ● CHIAVERINI, Vicente. Aços e ferros fundidos:
características gerais, tratamentos térmicos, principais tipos. 7. ed., ampl. e rev. São Paulo:
ABM, 2012. ● CHIAVERINI, Vicente. Tecnologia mecânica. 2a ed. São Paulo: McGrawHill, 1986. 3v. ● COLPAERT, Hubertus. Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns. 4.
ed., rev. e atual. São Paulo: Edgard Blucher, 2008. ● CUNHA, Lamartine Bezerra da.
Elementos de máquinas. Rio de Janeiro: LTC, 2005. ● DRAPINSKI, Janusz. Manutenção
mecânica básica: Manual prático de oficina. São Paulo: MacGraw-Hill, 1978. ●
FERRARESI, Dino. Fundamentos da usinagem dos metais. São Paulo: Edgard Blücher, 1977.
● FESTO DIDACTIC. H511 - Introdução à Hidráulica. São Paulo: 1995. ● FESTO
DIDACTIC. P111 - Introdução à Pneumática Industrial. São Paulo, 1999. ● FIALHO,
Arivelto Bustamante. Instrumentação industrial: conceitos, aplicações e análises. 6. ed. São
Paulo: Érica, 2007. ● FILHO, Arivelto Bustamante. Instalações Elétricas Industriais. 8. ed.
Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora, 2010. ● FRANCHI, C. M.
Acionamentos Elétricos. Editora: Érica. 4ª Edição. São Paulo, 2007. ● FRENCH, Thomas
Ewing, VIERCK, Charles. Desenho técnico e tecnologia gráfica. 8. ed. São Paulo: Globo,
2005. ● GARCIA, Amauri; SPIM, Jaime Álvares; SANTOS, Carlos Alexandre dos. Ensaios
dos materiais. Rio de Janeiro: LTC, 2000. ● GONÇALVES JUNIOR, Armando Albertozzi;
SOUSA, André Roberto de. Fundamentos de metrologia científica e industrial. Barueri, SP:
Manole, 2008. ● LIRA, Francisco Adval de. Metrologia na indústria. 3. ed. São Paulo: Érica,
2004. ● LUZ, José Raimundo da. Elementos orgânicos de máquinas: transmissão de potência
e movimentos. Belo Horizonte: FUMARC, 2007. ● MACHADO, Alisson Rocha; ABRÃO,
Alexandre Mendes; COELHO, Reginaldo Teixeira; SILVA, Marcio Bacci da. Teoria da
usinagem dos materiais. São Paulo: Editora Blucher, 2009. ● MANFE, Giovanni; POZZA,
Rino; SCARATO, Giovani. Desenho técnico mecânico: curso completo para as escolas
técnicas e ciclo básico das faculdades de engenharia. São Paulo: Hemus, 2004. 1v. ●
MARRETO, Vandir. Elementos básicos de caldeiraria. 10. ed. São Paulo: Hemus, 2008. ●
MELCONIAN, Sarkis. Elementos de máquinas. 10. ed. São Paulo: Érica, 2014. ●
MELCONIAN, Sarkis. Mecânica técnica e resistência dos materiais. 18. ed. São Paulo:
Érica, 2011. ● NIEMANN, Gustav. Elementos de máquinas. São Paulo: Edgard Blücher,
1971. 2v. ● NOVASKI Olivio. Introdução à Engenharia de Fabricação Mecânica. 2. ed. São
Paulo: Edgard Blücher, 2013. ● PEREIRA, Mário Jorge da Silva. Engenharia de manutenção:
teoria e pratica. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2009. ● PEREIRA, Mário Jorge da Silva.
Técnicas avançadas de manutenção. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2010. ● PROVENZA,
Francesco. Projetista de Máquinas. São Paulo: PROTEC, 1981. ● SANTOS, Winderson
Eugenio dos. Curso técnico em eletrotécnica: Controladores lógicos programáveis. Curitiba:
Base Didáticos, 2009. ● SOUZA, Sérgio Augusto. Ensaios Mecânicos de Materiais
Metálicos. São Paulo. Editora Edgard Blücher. 1993. ● STOECKER, Wilbert F.; SAIZ
JABARDO, J. M. Refrigeração industrial. 2. ed. São Paulo: Blücher, 2002. ●
TIMOSHENKO, Stephen. Resistência dos materiais. Rio de Janeiro: LTC, 1985. 2v. ●
VILLANUELVA Antonio Olave. Traçado prático de desenvolvimentos em caldeiraria:
desenvolvimento simples de caldeiraria, desenvolvimentos, normais de caldeiraria,
desenvolvimento de caldeiraria por triangulação. São Paulo: Hemus,1975. ● WERKEMA,
Maria Cristina Catarino. Ferramentas estatísticas básicas para o gerenciamento de
processos. Belo Horizonte: Werkema, 2006.
CARGO DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO-ÁREA/ELETRÔNICA
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Executar trabalhos técnico de laboratório relacionados com a área de atuação, realizando ou
orientando coleta, análise e registros de material e substâncias através de métodos específicos.
Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Padrões elétricos e convenções, lei de Ohm e potência elétrica, condutância. Circuitos em
corrente contínua: leis, métodos e teoremas aplicados na análise de circuitos, capacitores,
indutores, circuitos de primeira ordem, transitórios RL e RC. Circuitos em corrente alternada:
leis, métodos e teoremas aplicados na análise de circuitos em regime permanente, resposta em
frequência, filtros e ressonância, potencia ativa, reativa e aparente, correção de fator de
potencia, transformadores, sistema trifásico, sistema trifásico com carga equilibrada e
desequilibrada, potencia em sistemas trifásicos. Princípios básicos de funcionamento de
máquinas elétricas (indução, síncronas e de corrente contínua). Diodos, transistores bipolares
(BJT), JFET e MOSFET. Amplificadores de pequenos sinais com BJT, JFET e MOSFET e
amplificadores de potencia com BJT. Amplificadores operacionais (AOP), circuitos lineares e
não lineares com AOP. Osciladores e temporizadores. Dispositivos semicondutores de
potência: tiristores, diodos, transistores bipolar, MOSFET, IGBT. Retificadores de potência.
Conversores c.c.-c.c. isolados e não isolados. Controle de potência em c.a. – gradadores.
Inversores de potência transistorizados. Acionamento da máquina c.c. com conversores
estáticos de potência. Portas lógicas com diodos e transistores, circuitos lógicos
combinacionais e seqüenciais. Saídas lógicas Totem-pole, coletor aberto, e tri-state.
Parâmetros elétricos de circuitos digitais: corrente de entrada, corrente de saída, limiares dos
níveis lógicos, etc.. Sistemas de numeração binário e hexadecimal, aritimética binária.
BIBLIOGRAFIA: ● AHMED, Ashfaq. Eletrônica de potência. São Paulo: Pearson
Education do Brasil, 2000. ● BOYLESTAD, Robert L. Introdução à análise de circuitos. 12.
ed. São Paulo: Prentice Hall, 2012. ● GUSSOW, Milton. Eletricidade básica. 2. ed. São
Paulo: Pearson Makron Books, 2004. ● HART, Daniel W. Eletrônica de Potência - análise e
projetos de circuitos, Porto Alegre: McGraw-Hill, 2012. ● IDOETA, Ivan V.; CAPUANO,
Francisco G. Elementos de eletrônica digital. 38. ed. São Paulo: Erica, 2006. ● MALVINO,
Albert Paul; BATES, David J. Eletrônica. 7. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2007. 2v. ●
MALVINO, Albert Paul; LEACH, Donald P. Eletrônica digital: princípios e aplicações. São
Paulo: McGraw-Hill, 1988. 2v. ● O'MALLEY, John R. Análise de circuitos. 2. ed. São Paulo:
Makron Books, 1993. ● TOCCI, Ronald J.; WIDMER, Neal S.; MOSS, Gregory L. Sistemas
digitais: princípios e aplicações. 10.e d. São Paulo: Prentice Hall, 2007.
CARGO DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO-ÁREA/QUÍMICA
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Executar trabalhos técnico de laboratório relacionados com a área de atuação, realizando ou
orientando coleta, análise e registros de material e substâncias através de métodos específicos.
Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. PROPRIEDADES DOS MATERIAIS: Mudanças de estado físico: variação de energia e
variação do estado de agregação das partículas; Temperatura de fusão e temperatura de
ebulição; Densidade; Solubilidade; Sistemas homogêneos e sistemas heterogêneos;
Fracionamento de misturas. 2. CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS
QUÍMICOS: Construção da Tabela Periódica e configuração eletrônica; Propriedades
periódicas. 3. LIGAÇÕES QUÍMICAS: Ligação metálica; Ligação iônica; Ligação covalente
normal e ligação covalente coordenada; polaridade das ligações covalentes; Polaridade de
moléculas e interações intermoleculares. 4. TEORIA ÁCIDO–BASE: Conceito de ácido e
base de Arrhenius; Conceito de ácido e base de Bronsted-Lowry; Constante de acidez e
basicidade; pH: conceito, escala e aplicações; Indicadores ácido-base; Solução-tampão:
discussão qualitativa e cálculos. 5. FUNÇÕES INORGÂNICAS – CONCEITOS,
NOTAÇÃO, NOMENCLATURA, ESTRUTURA E REATIVIDADE: Óxidos, peróxidos e
superóxidos; Hidróxidos; Ácidos, hidrácidos e oxiácidos; Sais. 6. REAÇÕES QUÍMICAS –
CLASSIFICAÇÃO: Reação de síntese; Reação de decomposição; Reação de deslocamento;
Reação de dupla troca. 7. OXIDAÇÃO E REDUÇÃO: Estados de oxidação e número de
oxidação; Substâncias oxidantes e substâncias redutoras; Reações de oxi-redução;
Balanceamento de equações. 8. CÁLCULOS QUÍMICOS: Massa atômica – definição e
unidade; Massa de moléculas e de íons; Fórmula mínima, fórmula percentual e fórmula
molecular; Cálculos estequiométricos. 9. SOLUÇÕES: Conceitos e tipos de soluções;
Concentração em soluções – percentual, em partes por milhão, em partes por bilhão e em mol
L-1; Diluição de soluções; Misturas de soluções;. 10. TERMOQUÍMICA: Conceito de
entalpia; Variações de entalpia nas reações químicas; Lei de Hess. 11. EQUILÍBRIO
QUÍMICO: Conceito de equilíbrio químico; Constante de equilíbrio e determinação
experimental de constante de equilíbrio; Deslocamento de equilíbrio químico; Equilíbrio
iônico da água; Equilíbrio de solubilidade; Hidrólise dos sais. 12. ELETROQUÍMICA: Leis
da eletroquímica; Pilhas; variação do potencial de uma pilha; Eletrólise. 13. QUÍMICA
ORGÂNICA: Estrutura e propriedades de moléculas orgânicas; Orbitais atômicos e ligações
químicas; Hibridação; Fórmulas estruturais e isomeria constitucional; Polaridade das ligações
covalentes e das moléculas; Propriedades físicas e forças intermoleculares; Classes,
nomenclatura e propriedades dos compostos orgânicos; Estereoquímica. 14. QUÍMICA
ANALÍTICA: Análise química qualitativa inorgânica; Análise química quantitativa; Análise
gravimétrica; Análise volumétrica – volumetria de neutralização, precipitação, oxi-redução e
de complexação; Espectrometria de absorção molecular na região do UV/Vis; Espectrometria
de absorção atômica; Espectrometria de emissão atômica; Potenciometria; Expressão de
resultados experimentais. 15. SEGURANÇA EM LABORATÓRIO: Procedimentos especiais
no manuseio e estocagem de produtos tóxicos, líquidos inflamáveis, altamente reativos e
gases comprimidos; Noções de incêndio; Tipos de extintores; Regras básicas em caso de
incêndio em laboratório; Organização de almoxarifado de produtos químicos; Regras gerais
de segurança no laboratório. 16. IDENTIFICAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VIDRARIAS,
EQUIPAMENTOS E INSTRUMENTOS DE LABORATÓRIOS QUÍMICOS.
BIBLIOGRAFIA: ● BARBOSA, Luiz Claudio de Almeida. Introdução à química orgânica.
2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011. ● GOLGHER, Marcos. Segurança em
laboratório. 2. ed. Belo Horizonte: CRQ, 2008. ● RUSSELL, John B. Química Geral. 2. ed.
São Paulo: Pearson Makron Books, 1994. 1v. ● RUSSELL, John B. Química Geral. 2. ed. São
Paulo: Pearson Makron Books, 1994. 2v. ● SKOOG, D. A.; WEST, D. M.; HOLLER, F. J.;
CROUCH, S. R. Fundamentos de Química Analítica. 8. ed. São Paulo: Thompson Learning,
2007.
CARGO DE TÉCNICO LABORATÓRIO-ÁREA INFORMÁTICA
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
 ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Executar trabalhos técnicos de laboratório relacionados com a área de atuação, realizando ou
orientando coleta, análise e registros de material e substâncias através de métodos específicos.
Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Algoritmos e Técnicas de Programação: tipos de dados e variáveis; estruturas de controle;
estruturas de dados; tipos abstratos de dados; programação orientada a objetos; criação,
implementação e manutenção de páginas dinâmicas; PHP, HTML e Javascript. 2. Banco de
Dados: modelagem de dados; modelo de dados relacional; SQL. 3. Redes de Computadores:
componentes de software e hardware de uma rede; cabeamento estruturado; redes ponto-aponto; redes cliente-servidor; redes Windows e Linux; redes sem fio; protocolos de redes;
modelo OSI e TCP/IP. 4. Sistemas Operacionais: instalação, configuração e administração de
servidores Windows e Linux; configuração de estações de trabalho; segurança em servidores;
sistemas de arquivos; processos e escalonamento de processos; gerenciamento de memória. 5.
Montagem e Manutenção de Computadores: hardware: placas mãe, fontes, gabinetes;
unidades de disco; jumpers e configurações de hardware; processadores, memórias; CMOS
setup; partição e formatação do disco rígido; instalação do Windows e Linux. 6. GNU/Linux:
Comandos básicos/avançados; Configurações de rede e seus serviços: Roteamento; DHCP;
DNS; Proxy cachê; Apache; MySQL; Firewall Iptables; Samba; ProFTP; SSH e SFTP;
Instalação e gerenciamento de programas e pacotes.
BIBLIOGRAFIA: VASCONCELOS, L., VASCONCELOS, m.: Manual Prático de Redes.
5a.ed. Rio de Janeiro: Laércio Vasconcelos Computação, 2006. TORRES, Gabriel. Redes de
Computadores- Versão Revisada e Atualizada. Nova Terra, 2009. TANENBAUM, Andrew.
S. – Redes de Computadores. 5ª Ed., Pearson, 2011. FERREIRA, Fernando Nicolau Freitas, et
al. Política de Segurança da Informação: Guia Prático para Elaboração e Implementação.
Editora Ciência Moderna, 2006. MURILO, Nelson. Segurança em Redes Sem Fio. Ed.
Novatec. 2ª Ed. 2008. HUNT, Craig. Linux: Servidores de Redes. Ciência Moderna, 2004
ZIVIANI, Nivio. Projetos de Algoritmos com implementações em Java e C++. Cengage
Learning, 2006. DEITEL, P.; DEITEL, H. Java: como programar.8. ed. São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2010. DAMAS, L. Linguagem C. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007. DEITEL,
H.; DEITEL, P. C++ como programar. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.
CORMEN, T. H. et al. Algoritmos: teoria e prática. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
DATE, C.J. Introdução a Sistemas de Banco de Dados, 8ª Edição, Editora Campus.
SILBERSCHATZ, Abraham; KORTH, Henry F.; SUDARSHAN, S. Sistema de Banco de
Dados, 6ª Edição, Elsevier. TANENBAUM, Andrew. S.Sistemas Operacionais Modernos, 3ª
Edição, 2010, Prentice Hall. SILBERSCHATZ, Abraham; GAGNE, Greg; GALVIN Peter
Baer; Fundamentos de Sistemas Operacionais– 8ª Edição, 2010 - Editora LTC. MACHADO,
Francis Berenger; MAIA, Luiz Paulo. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 5ª Edição, 2013.
VASCONCELOS, Laércio: Hardware na Prática. 2a.ed. Rio de Janeiro: Laércio Vasconcelos
Computação, 2005. VASCONCELOS, Laércio: Manutenção de Micros na Prática. Rio de
Janeiro: Laércio Vasconcelos Computação, 2007. TANENBAUM, Andrew S. Organização
Estruturada de Computadores. Ed. 5, Editora Pearson, 2006. SMITH, Roderick W. Redes
Linux Avançadas. Editora Ciência Moderna, 2003. SCHRODER, Carla. Redes Linux: Livro
de Receitas. Alta Books, 2008. VIGLIAZZI, Douglas. Redes Locais com Linux.2ª ed.
Florianópolis, Visual Books, 2007. NIEDERAUER, Juliano. Web Interativa com Ajax e PHP.
São Paulo, Novatec Editora, 2007. MILANI, André. Construindo aplicações Web com PHP e
MYSQL. São Paulo. Novatec Editora, 2010. DANESH, Arman. Dominando o Linux: A
Bíblia. São Paulo, Editora MAKRON Books, 2000. LOWE, Doug. Redes para leigos. Ed. 8.
Alta Book, Rio de Janeiro, 2009.
CARGO DE TÉCNICO LABORATÓRIO - ÁREA ELETROTÉCNICA
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
 ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Executar trabalhos técnicos de laboratório relacionados com a área de atuação, realizando ou
orientando coleta, análise e registros de material e substâncias através de métodos específicos.
Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1. Plataformas de hardware e de Software. 2. Sistemas operacionais e tarefas básicas;3.
Medidas elétricas: Amperímetro, Voltímetro, Ohmimetro, Cosfimetro,Varímetro, Wattímetro;
4. Multímetros e Osciloscópios; 5. Instalações elétricas em baixa tensão; 6. Diodos: Estrutura
e funcionamento; 7. Diodos: Polarização direta e reversa; 8. Diodos: Modelos ideal e real; 9.
Diodos: Especificação e limitações; 10. Aplicações: circuitos retificadores, ceifadores,
grampeadores, filtros capacitivos, portas lógicas e fontes; 11. Diodo zener: modelo e
aplicações; 12. Projeto de fontes reguladas com diodo zener. 13. Especificação e limitações
dos transistores bipolares; 14. Configurações (base comum, emissor comum e coletor
comum); 15. Características de funcionamento: ponto de operação, reta de carga, 16.Regiões:
ativa, de corte e de saturação; 17. Técnicas de polarização em corrente contínua; 18.
Amplificação em emissor comum; Amplificação em base comum; Amplificação em coletor
comum; 19. Circuitos Resistivos e Corrente Contínua; 20. Noções gerais de medição e
segurança. 21. Medição de tensão, corrente, resistência e potência com um resistor. 22.
Circuito puramente resistivo série, paralelo e misto; 23. Circuitos resistivo e capacitivo misto:
regime permanente; 24. Circuitos resistivo e capacitivo série: regime transitório; 25.
Magnetismo e Eletromagnetismo; 26. Levantamento de curvas de magnetização; 27. Estudo
dos circuitos magnéticos com e sem entreferro; 28. Circuito resistivo e indutivo série: regime
transitório. 29. Corrente alternada monofásica- Circuito resistivo série. 30. Corrente alternada
monofásica- Circuito resistivo e indutivo série. 31. Corrente alternada monofásica- Circuito
resistivo e capacitivo série. 32. Corrente alternada monofásica- Circuito resistivo, indutivo e
capacitivo série. 33. Correção do fator de potência; 34. Motores monofásicos – Operação e
princípio de funcionamento; 35. Circuitos trifásicos. 36. Motores trifásicos- Operação e
princípio de funcionamento; 37. Simbologia das Instalações Elétricas Prediais. 38. Diagramas
elétricos multifilares e unifilares para instalações elétricas prediais; 39. Planta baixa e escalas
- Noções de leitura e traçado. 40. Divisão de circuitos elétricos em instalações elétricas
prediais - proteção; 41. Identificação e manuseio de materiais e ferramentas usados em
instalações elétricas prediais; 42. Segurança no trabalho; 43. Emendas; 44. Instalação de
interruptores simples,duas e três seções, paralelos e
intermediários em circuitos de
iluminação residencial;
BIBLIOGRAFIA: ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR
5410/2004. ● BARTKOWIAK, Robert A. Circuitos elétricos. São Paulo: Makron Books do
Brasil, 1995. ● CAPUANO, Francisco Gabriel; MARINO, Maria Aparecida Mendes.
Laboratório de eletricidade e eletrônica. 24. ed. São Paulo: Erica, 2007. ● COTRIM,
Ademaro A. M. B. Instalações elétricas. São Paulo: Makon Books, 1992. ● EDMINISTER,
Joseph A. Circuitos elétricos. 2. ed. rev. São Paulo: Makron: McGraw-Hill, 1991. ●
GUSSOW, Milton. Eletricidade Básica. São Paulo: Mcgraw-Hill Do Brasil, 1985. ●
MALVINO, Albert Paul. Eletrônica. 4. ed. São Paulo: Makron Books, c1997. 2v. ●
MORIMOTO, Carlos E. Hardware: o guia definitivo. GDH Press e Sul editores, 2007. ●
NISKIER, Julio; MACINTYRE, A. J. Instalações elétricas. Rio de Janeiro: Guanabara Dois,
1985.
CARGO DE TÉCNICO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo+ Curso Técnico em
eletrônica com ênfase em sistemas computacionais
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Desenvolver sistemas e aplicações, determinando interface gráfica, critérios ergonômicos de
navegação, montagem da estrutura de banco de dados e codificação de programas; projetar,
implantar e realizar manutenção de sistemas e aplicações; selecionar recursos de trabalho, tais
como metodologias de desenvolvimento de sistemas, linguagem de programação e
ferramentas de desenvolvimento. Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Programação 1.1. Algoritmos e estrutura de dados 1.2. Noções de UML 1.3. Programação
orientada a objetos 2. Linguagens de programação 2.1. HTML e CSS 2.2. XML 2.3.
Javascript 2.4. Java SE 2.5. Java EE 2.6. Java Server Pages 2.7. Java Server Faces 2.8.
Servlets 3. Banco de dados 3.1. Modelagem de bancos de dados 3.2. Conceitos de SGBD 3.3.
MySQL 3.4. PostgreSQL 3.5. Linguagem SQL 4. Conhecimento básico de hardware 4.1.
Computadores e seus periféricos 5. Redes de computadores 5.1. Modelos de referência
ISO/OSI e TCP/IP 5.2. Serviços e protocolos 5.2.1. TCP e UDP 5.2.2. IP v4/v6 5.2.3. ARP e
RARP 5.2.4. HTTP e HTTPS 5.2.5. Correio eletrônio: POP3, IMAP e SMTP 5.2.6. Redes
sem fio (IEEE 802.11) 5.2.7. Voz sobre IP (VoIP) 5.2.8. Roteamento 5.2.9. ICMP 5.2.10.
NAT 5.2.11. VPN 5.2.12. SNMP 5.2.13. VLAN 5.2.14. NTP 5.3. Passivos e Ativos de rede
5.4. Cabeamento estruturado 5.5. Qualidade de Serviço (QoS) 5.6. Arquiteturas IntServ e
DiffServ 5.7. Modelagem de tráfego: algoritmos leaky bucket e token bucket. 5.8. Algoritmos
de escalonamento de pacotes: FIFO, RED, SFQ e WFQ 6. Segurança da informação 6.1.
Objetivo, termos e definições 6.2. Política de segurança da informação 6.3. Gestão de ativos
6.4. Segurança em recursos humanos 6.5. Segurança física e do ambiente 6.6. Gerenciamento
das operações e comunicações 6.7. Monitoramento 6.8. Controle de acesso 6.9. Aquisição,
desenvolvimento e manutenção de sistemas de informação 6.10. Gestão de incidentes de
segurança da informação 7. Segurança de Redes e Sistemas 7.1. Técnicas de ataque 7.1.1.
Sniffing 7.1.2. Spoofing 7.1.3. Fragmentação de pacotes IP 7.1.4. Port Scanning 7.1.5. DoS e
DDoS 7.1.6. SYN Flooding 7.1.7. Smurf e Fraggle 7.1.8. Sequestro de conexões 7.2. Noções
de segurança perimetral 7.3. Sistemas de detecção de intrusão: IDS e IPS 7.4. Noções de
Autenticação 7.4.1. RADIUS e TACACS 7.4.2. Single Sign-On (SSO) 7.4.3. IEEE 802.1x
7.4.4. Certificação digital 7.4.5. Sistemas biométricos 7.5. VPN 7.6. Ferramentas de
segurança 7.7. Segurança em redes sem fio 7.8. Certificação digital 7.9. Criptografia 7.10.
Cópia de segurança (backup) e restauração 8. Sistema Operacional Windows (XP, Server
2003 e 7) 8.1. Administração e configuração dos sistemas 8.2. Configurações de rede com e
sem fio 8.3. Instalação de dispositivos e drivers 8.4. Verificação e implementação de rotinas
de backup/restauração 8.5. Gerenciamento de contas de usuário e permissões de arquivos 8.6.
Otimização dos sistemas 8.7. Manipulação do sistema de arquivos 8.8. Ferramentas do Painel
de Controle 8.9. Instalação, configuração, customização e atualização de programas 8.10.
Gerenciamento de filas de impressão 8.11. Gerenciamento de Serviço de Terminal 8.12.
Monitoramento de discos, compartilhamentos de arquivos, pastas e impressoras 8.13. Suporte
a usuários 9. GNU/Linux (Debian 7 e Ubuntu 14.04) 9.1. Kernel 9.2. Comandos e operação
básica em linha de comando 9.3. Análise de logs 9.4. Níveis de execução 9.5. Gerência de
arquivos, diretórios e sistemas de arquivos 9.6. RAID 9.7. LVM 9.8. Sistemas de
armazenamento de dados em rede (NAS e SAN) 9.9. Gerenciamento de usuários e grupos
9.10. Gerenciamento de memória, processamento e E/S 9.11. Gerenciamento de rede e
hardware 9.12. Programação Shell Script 9.13. Agendamento de tarefas 9.14. Ambientes
gráficos 9.15. Suporte a usuários 9.16. Configurações de rede e serviços 9.16.1.
Endereçamento IP v4/v6 9.16.2. Roteamento 9.16.3. ISC DHCP 9.16.4. Bind 9.16.5. NFS
9.16.6. Squid 9.16.7. Apache 9.16.8. Postfix 9.16.9. MySQL 9.16.10. PostgreSQL 9.16.11.
Firewall Iptables 9.16.12. Samba 9.16.13. OpenLDAP 9.16.14. OpenSSH 9.16.15. Bacula
9.17. Ferramentas de diagnóstico de rede 9.17.1. Wireshark/Tshark 9.17.2.
Tracepath/Traceroute 9.17.3. Dig/Nslookup 9.17.4. Nmap 9.17.5. Snort 9.17.6. Tripwire
9.17.7. Nessus 9.17.8. MRTG 9.17.9. Nagios 9.17.10. NetSNMP 9.18. Instalação, atualização
e gerenciamento de programas e pacotes 9.18.1. Compilação de programas, bibliotecas e
drivers para dispositivos 9.18.2. Ferramentas apt, aptitude e dpkg 9.18.3. Repositórios de
pacotes 10. Ferramentas e técnicas de virtualização 10.1. Modelos de virtualização 10.2.
Xen.
BIBLIOGRAFIA: ● ASCENCIO, Ana Fernanda Gomes; CAMPOS, Edilene Aparecida
Veneruchi de. Fundamentos da programação de computadores: algoritmos, pascal, C/C++ e
Java. 2. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2007. 434 p. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMAS TÉCNICAS. Tecnologia da informação - Técnicas de segurança - Código de
pratica para a gestão da segurança da informação. NBR ISO/IEC 27002:2005. Rio de Janeiro,
2011. ● BRITO, Samuel Henrique Bucke. IPv6 - O Novo Protocolo da Internet. São Paulo:
Novatec, 2013. 208 p. ● CANONICAL LTD.. Official ubuntu documentation. 2014.
Disponível em: <https://help.ubuntu.com/>. Acesso em: 25 jun. 2014. ● CARTER, Gerald.
LDAP Administração de Sistemas. Rio de Janeiro: Alta Books, 2009. 263 p. ● COSTA,
Rogério Luis de Carvalho. SQL: guia prático. 2 ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2007. 232p. ●
DEBIAN
PROJECT.
Debian:
documentação.
2014.
Disponível
em:
<http://www.debian.org/doc/>. Acesso em: 25 jun. 2014. ● DEITEL, Harvey M.; DEITEL,
Paul J. Java: como programar. 6. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2005. 1110 p. ●
FILHO, João Eriberto M. Descobrindo o Linux. 1. ed. São Paulo: Novatec, 2012. 928 p. ●
HUNT, Craig. Linux: servidores de rede. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2004. 567 p. ●
JAMIL, George Leal; GOUVÊA, Bernado Andrade. Linux para profissionais: do básico à
conexão em redes. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2006. 295 p. ● KORTH, Henry F. Sistema de
Banco de Dados. 3. ed, São Paulo: Makron, 1999. 777 p. ● KUROSE, James F.; ROSS, Keith
W. Redes de Computadores e a Internet - Uma Abordagem Top-down. 5. ed. Pearson
Education. ● LINUX DOCUMENTATION PROJECT. The linux documentation project.
2014. Disponível em: <http://www.tldp.org/>. Acesso em: 25 jun. 2014. ● LINUX KERNEL
ORGANIZATION.
Linux
kernel
documentation.
2014.
Disponível
em:
<https://www.kernel.org/doc/>. Acesso em: 25 jun. 2014. ● LOPES, Raquel V.; SAUVÉ,
Jacques Philippe, NICOLLETTI, Pedro S. Melhores práticas para a gerência de redes de
computadores. Rio de Janeiro: Campus, 2003. ● MANZANO, André Luiz Navarro Garcia.
Estudo dirigido de Microsoft Windows 7 Ultimate. São Paulo: Érica, 2012. 176 p. ●
MANZANO, André Luiz Navarro Garcia; MANZANO, João Carlos Navarro Garcia. Estudo
dirigido de Windows XP. 8. ed. São Paulo: Érica, 2008. 204 p. ● MATHEWS, Jeanna N;
DOW, Eli M. Executando o Xen: um guia prático para a arte da virtualização. Rio de Janeiro:
Alta Books, 2009. 616 p. ● MEDINA, Marco; FERTIG, Cristina. Algoritmos e programação:
teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2006. 384 p. ● MORIMOTO, Carlos Eduardo.
Redes e servidores Linux: guia prático. 2. ed. Porto Alegre: Sul editores, 2006. 448 p. ●
NAGIOS
ENTERPRISES.
Nagios
documentation.
2014.
Disponível
em:
<http://www.nagios.org/documentation>. Acesso em: 25 jun. 2014. ● NAKAMURA, Emílio
Tissato. Segurança de redes em ambientes cooperativos. 3. ed. São Paulo: Futura, 2003. 472
p. ● NEMETH, Evi; SNYDER, Garth; HEIN, Trent R. Manual completo do Linux: guia do
administrador. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2007. 684 p. ●
NETFILTER/IPTABLES PROJECT. Documentation about the netfilter/iptables project.
2014. Disponível em: <http://www.netfilter.org/documentation/>. Acesso em: 25 jun. 2014. ●
NET-SNMP. Net-SNMP documentation. 2014. Disponível em: <http://www.netsnmp.org/docs/>. Acesso em: 25 jun. 2014. ● NEVES, Júlio Cezar. Programação Shell Linux.
6. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2006. 422 p. ● OPENLDAP FOUNDATION. OpenLDAP
documentation. 2014. Disponível em: <http://www.openldap.org/doc/>. Acesso em: 25 jun.
2014.
●
OPENSSH.
OpenSSH
manual
pages.
2014.
Disponível
em:
<http://www.openssh.com/manual.html>. Acesso em: 25 jun. 2014. ● PETERSON, Larry L.;
DAVIE, Bruce S. Redes de computadores: uma abordagem de sistemas. 3. ed. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2004. 588 p. ● RAMALHO, José Antônio Alves. SQL: linguagem de bancos de
dados. 2. ed. São Paulo: Berkeley, 1999. 2 v. ● SAMBA. Samba documentation. 2014.
Disponível em: <http://www.samba.org/samba/docs/>. Acesso em: 25 de jun. 2014. ●
SCHNEIER, Bruce. Segurança.com: segredos e mentiras sobre a proteção na vida digital. Rio
de Janeiro: Campus, 2001. 403 p. ● SOARES, Luiz Fernando Gomes; LEMOS, Guido;
COLCHER, Sérgio. Redes de computadores: das LANs, MANs e WANs às redes ATM. 2. ed.
Rio de Janeiro: Campus, 1997. 705 p. ● TANENBAUM, Andrew S. Organização estruturada
de computadores. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999. 398 p. ● TANENBAUM, Andrew S.
Redes de computadores. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. 945 p. ● TANENBAUM,
Andrew S. Sistemas operacionais modernos. 2. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003. 695 p. ●
TERPSTRA, John H.; VERNOOIJ, Jelmer R. The Official Samba-3 HOWTO and Reference
Guide. 2. ed. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 2006. ● THE APACHE SOFTWARE
FOUNDATION. HTTP Server Project. 2014. Disponível em: <http://httpd.apache.org/docs/>.
Acesso em: 25 jun. 2014. ● TORRES, Gabriel. Hardware: Versão Revisada e Atualizada. Rio
de Janeiro: Nova Terra, 2013. 920 p. ● TORRES, Gabriel. Redes de computadores: curso
completo. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2001. 664 p. ● VARGAS, Elton da Silva; PEREIRA,
Marcelo Gino. Guia prático: Linux. Santa Cruz do Rio Pardo, SP: Viena, 2004. ● VEIGA,
Roberto G. A. Comandos do Linux: guia de consulta rápida. São Paulo: Novatec, 2004. 144p.
● VIANA, Eliseu Ribeiro Cherene. Virtualização de servidores Linux para redes
corporativas: guia prático. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008. 248 p.
CARGO DE TÉCNICO EM CONTABILIDADE
- REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + Curso Técnico
- HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Registro no Conselho competente.
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Identificar documentos e informações, atender à fiscalização; executar a contabilidade geral,
operacionalizar a contabilidade de custos e efetuar contabilidade gerencial; realizar controle
patrimonial. Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Plano de Contas. Livros Contábeis. Balancete de Verificação. Balanço Patrimonial.
Demonstração de Resultados do Exercício. Demonstração dos Fluxos de Caixa.
Demonstração do Valor Adicionado. Notas explicativas. Ativo Imobilizado. Teste de
Recuperabilidade. Equivalência Patrimonial. Ajuste a Valor Presente. Operações com
mercadorias. Controle de estoques (periódico e permanente). Sistemas de custeio (Absorção,
Variável, padrão e ABC). Custos de produção. Custos dos produtos vendidos. Orçamento
empresarial. Índices Financeiros (contábeis). Análise vertical. Análise Horizontal. Sistema
Tributário Nacional. Tributos diretos e indiretos. Planejamento Tributário. Lei 4.320 de 1964.
Lei 8.666 de 1993. Sistema Patrimonial. Sistema Financeiro. Sistema Orçamentário. Normas
Internacionais de Contabilidade Aplicadas às Entidades Públicas.
BIBLIOGRAFIA: ● ABREU, A. Gestão Fiscal nas Empresas. São Paulo: Atlas, 2008. ●
ALMEIDA, J. E. F. et al. Contabilidade das pequenas e medias empresas. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2014. ● ALMEIDA, M. C. Contabilidade Avançada: textos, exemplos e exercícios
resolvidos. São Paulo: Atlas, 1997. ● ALMEIDA, M. C. Contabilidade intermediária: de
acordo om as novas exigências do MEC para o curso de Ciências Contábeis. 2. ed. São Paulo:
Atlas, 2006. ● ALMEIDA, M. C. Manual prático de interpretação contábil da legislação
societária. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012. ● ANDRADE FILHO, E. O. Imposto de Renda das
Empresas. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2012. ● ANTHONY, R. N.; GOVINDARAJAN, V.
Sistemas de Controle Gerencial. São Paulo: Atlas, 2006. ● ASSAF NETO, A. Estrutura e
Análise de Balanços: um enfoque econômico-financeiro. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2009. ●
ASSOCIADOS, H. &. Guia para pesquisas de práticas contábeis: incluindo aspectos
tributários relevantes. São Paulo: Atlas, 2006. ● ATALIBA, G. Hipótese de Incidência
Tributária. 6. ed. São Paulo: Malheiros Editores Ltda, 2005. ● BRAGA, H. R.; ALMEIDA,
M. C. Mudança contabeis na lei societária: lei nº 11.638, de 28/12/2007. São Paulo: Atlas,
2009. ● CARNEIRO, M.; MATIAS, A. B. Orçamento Empresarial: Teoria, Prática e Novas
Técnicas. Sõ Paulo: Atlas, 2011. ● CHING, H. Y.; MARQUES, F.; PRADO, L.
Contabilidade & finanças: para não especialistas: atualizada de acordo com as leis 11.638/07
e 11.941/09. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010. ● DUTRA, R. G. Custos: uma
abordagem prática. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. ● FERNANDES, E. C. Impacto da Lei no.
11.638/07 sobre os tributos e a contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009. ● FERNANDES, R. M.
Orçamento Empresarial: uma abordagem conceitual e metodológica com prática através de
simulador. 1a. ed. revisada. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009. ● FOSSATI, G.
Planejamento Tributário e Interpretação Econômica. Porto Alegre: Livraria do Advogaddo,
2006. ● FREZATTI, F. Orçamento Empresarial: Planejamento e Controle Gerencial. 4. ed.
São Paulo: Atlas, 2007. ● GUERREIRO, R. Gestão do Lucro. São Paulo: Atlas, 2006. ●
GUTIERREZ, M. D. Planejamento Tributário: elisão e evasão fisal. São Paulo: Quarter
Latin, 2006. ● IUDÍCIBUS, S. Teoria da Contabilidade. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2000. ●
IUDÍCIBUS, S. et al. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de
acordo com as normas internacionais e do CPC. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013. ● KOHAMA,
H. Contabilidade Pública: Teoria e Prática. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009. ● MACHADO
SEGUNDO, H. B. Código Tributário Nacional: anotações à constituição, ao código tributário
nacional e àss leis complementares 87/1996 e 116/2003. São Paulo: Atlas, 2014. ●
MACHADO, H. B. Curso de Direito Tributário. 26. ed. São Paulo: Malheiros Editores Ltda,
2005. ● MACKENZIE, B. et al. IFRS 2012: interpretação e aplicação. Porto Alegre:
Bookman, 2013. ● MARTINS, E. Contabilidade de Custos. 10. ed. São Paulo: [s.n.], 2010. ●
MARTINS, E.; ROCHA, W. Métodos de Custeio Comparados: Custos e Margens Analisados
sob Diferentes Perspectivas. São Paulo: Atlas, 2010. ● MATARAZZO, C. Análise Financeira
de Balanços: abordagem básica e gerencial. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2003. ● MEGLIORINI,
E. Custos: Análise e Gestão. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. ● MONTONO, E.
Contabilidade Geral: esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2012. ● MOREIRA, J. C.
Orçamento Empresarial: manual de elaboração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008. ● MULLER,
A. N. Contabilidade Básica: Fundamentais Essenciais. São Paulo: Prentice Hall, 2009. ●
NAKAGAWA, M. Introdução à controladoria: conceitos, sistemas, implementação. Série
Gecon. São Paulo: Atlas, 1993. ● NIYAMA, J. K.; SILVA, C. A. T. Teoria da Contabilidade.
São Paulo: Atlas, 2008. ● OLIVEIRA, L. M. et al. Manual de Contabilidade Tributária:
textos e testes com respostas. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2011. ● PADOVEZE, C. L.
Contabilidade Gerencial: um enfoque em sistemas de informação contábil. 3. ed. São Paulo:
Atlas, 2000. ● PADOVEZE, C. L.; TAKAKURA JUNIOR, F. K. Custo e Preços de Serviços:
logistica, hospitais, transporte, hotelaria, mão de obra, serviços em geral. São Paulo: Atlas,
2013. ● PADOVEZE, C. L.; TARANTO, F. C. Orçamento empresarial: novos conceitos e
técnicas. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009. ● SÁ, A. L. Modena Análise de
Balanços ao Alcance de Todos. Curitiba: Juruá, 2005. ● SANTOS, A. Demonstração do Valor
Adicionado: como elaborar e analisar a DVA. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007. ● SANTOS, J. J.
Contabilidade e Análise de Custos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011. ● SANTOS, J. L. et al.
Imposto de Renda das Empresas Tributadas pelo Lucro Real: interpretação e prática. São
Paulo: Atlas, 2007. ● SANTOS, J. L.; SCHMIDT, P. Contabilidade Societária: atualizada
pela Lei No. 11.941/09 e pelas normas do CPC. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011. ● SANTOS, J.
L.; SCHMIDT, P.; FERNANDES, L. A. Imposto de reenda das empresas: com base no lucro
presumido, arbitrado e no simples. São Paulo: Atlas, 2006. ● TORRES, R. L. Planejamento
Tributário: elisão abusiva e evasão fiscal. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. ● YOUNG, E. &.;
FIPECAFI. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas
brasileiras. São Paulo: Atlas, 2009. ● YOUNG, L. H. B. Planejamento Tributário: Fusão,
Cisão e Incorporação. 6.ed. Curitiba: Juruá, 2010.
CARGO DE TÉCNICO EM SECRETARIADO
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Médio Profissionalizante ou Médio Completo + curso técnico.
HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: De acordo com a Lei nº 9.261/96
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Executar serviços de secretaria e escritório com a finalidade de assegurar e agilizar o fluxo
dos trabalhos administrativos junto à chefia da unidade.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Estruturação dos relatórios gerenciais. 2. Elaboração, desenho e uso de formulários. 3.
Estudos dos processos e fluxogramas. 4. Organogramas: formulação, técnicas e análise
estrutural. 5. Padronização. Especialização. Departamentalização. 6.Tipos de estrutura
organizacional. 7. Cultura organizacional. 8. Gestão de materiais e logística.
BIBLIOGRAFIA: ● BALLOU, R. H. Logística empresarial: transportes, administração de
materiais e distribuição física. São Paulo, SP: Atlas, 1995. ● BRASIL, Lei nº 10.520, de 17 de
julho de 2002, Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília,
DF. ● BRASIL, Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Diário Oficial da República Federativa
do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. ● CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria
geral da administração. 7. ed. rev. e atual. São Paulo: Elsevier: Campus, 2004. ● MARTINS,
P.G.; CAMPOS ALT.,P.R. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. São Paulo:
Saraiva, 2000. ● MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à administração. 5. ed. São Paulo:
Atlas, 2000. ● OLIVEIRA, D. de P. R.de. Sistemas, organização e métodos: uma abordagem
gerencial. 13 ed. São Paulo. Atlas, 2002. ● WAGNER III, John A.; HOLLENBECK, John R.
Comportamento Organizacional: criando vantagem competitiva. 2. ed. São Paulo: Saraiva,
2000.
___________________________________________________________________________
PROGRAMA COMUM A TODOS OS CARGOS – NÍVEL SUPERIOR
PROVA DE PORTUGUÊS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1.
Estudo de texto: interpretação, textualização dos discursos citados e relatados:
discurso direto e indireto; Tipos de intertextualidade: epígrafe, citação, alusão, referência,
paráfrase e paródia. Metalinguagem. Efeitos de sentido. 2.Texto e textualidade: tipos e
gêneros textuais; fatores de textualidade: coesão e coerência; processos argumentativos:
citação, opinião, analogias, exemplificação, contrastes, temporalidade entre outros. 3.
Variação linguística: as diversas modalidades de uso da língua. 4. Denotação e conotação;
figuras de Linguagem. 5. Sintaxe: emprego das regras de acentuação; emprego e colocação de
pronomes; emprego de modos e tempos verbais;emprego de regência verbal e nominal;
emprego de concordância verbal e nominal; emprego da crase; emprego dos sinais de
pontuação; estruturação do período simples e do período composto.
REDAÇÃO OFICIAL: a impessoalidade; a linguagem dos atos e comunicações oficiais;
formalidade e padronização; concisão e clareza; emprego dos pronomes de tratamento; Padrão
ofício: partes do documento no padrão ofício; forma de diagramação; aviso, ofício,
memorando, exposição de motivos, mensagem, telegrama; definição e finalidade; forma e
estrutura.
BIBLIOGRAFIA: BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da
variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. BECHARA, Evanildo. Moderna
gramática brasileira. Rio de Janeiro: Lucena, 2010. CITELLI, Adilson. Linguagem e
persuasão. São Paulo, Ática, 1991. CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. Lindley. Nova
gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013. FIORIN, J.
Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto leitura e redação. São Paulo: Ática,
2003. KOCH, Ingedore Villaça. A argumentação pela linguagem. 4ªed. São Paulo: Cortez,
1996. KOCH, Ingedore Villaça; TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A Coerência Textual. 17ed. São
Paulo: Contexto, 2007. LUFT, Celso Pedro. Novo Guia Ortográfico/ LUFT, Celso Pedro;
Supervisão e revisão técnica Ângela França. – 3 ed. reorganizada, rev. e atual. com a nova
ortografia. – São Paulo: Globo, 2013. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual,
análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. BRASIL. Presidência
da República; MENDES, Gilmar Ferreira; FOSTER JÚNIOR, Nestor José. Manual de
Redação da Presidência da República. 2. ed. Brasília: Presidência da República, 2002.
Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccvil_03/manual/index.htm>. Acesso em: 07 out.
2013.
REDAÇÃO OFICIAL
BIBLIOGRAFIA: ● BRASIL. Presidência da República. Manual de redação da Presidência
da República/Gilmar Ferreira Mendes e Nestor José Forster Júnior. 2ª. ed. rev. e atual.
Brasília:
Presidência
da
República,
2002.
Disponível
em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm>. Acesso em: 20 jun. 2014.
PROVA DE LEGISLAÇÃO
1. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, suas alterações e Emendas
Constitucionais: Da Administração Pública (arts. 37 a 41). 2. Lei nº 8112 de 11 de dezembro
de 1990 – Dispões sobre Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, das
Autarquias e das Fundações Públicas Federais. 3. Decreto nº 1171 de 22 de junho de 1994 e
suas alterações - dispõe sobre ética no serviço público. 4. Lei nº 11091 de 12 de janeiro de
2005 - dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos
em Educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao Ministério da
Educação, e dá outras providências. 5. Lei 8429 de 02 de junho de 1992 e suas alterações–
Dispõe sobre sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no
exercício de sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no
exercício de mandato, cargo, emprego ou função na Administração Pública Direta, Indireta ou
Fundacional: Das Disposições Gerais (arts. 1º ao 8º); Dos Atos de Improbidade
Administrativa (arts. 9º ao 11); e Da Declaração dos Bens (art. 13). 6. Decreto-Lei 2848 de 07
de dezembro de 1940 e suas alterações: Código Penal Brasileiro: Dos Crimes Praticados por
Funcionário Público contra a Administração em Geral (arts. 312 a 327). 7. Lei 8666 de 21 de
junho de 1993 e suas alterações – Institui normas para licitações e contratos da Administração
Pública: Dos Princípios e Definições (arts. 1º ao 6º); Das Obras e Serviços (art. 7º a 12); Dos
Serviços Técnicos Profissionais Especializados (art. 13); Das Compras (arts. 14 a 16); Das
Alienações (arts. 17 a 19); e Modalidades, Limites e Dispensa (arts. 20 a 26). 8. Lei 9784 de
29 de janeiro de 1999 e suas alterações – Regula o Processo Administrativo no âmbito da
Administração Pública Federal. 9. Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996 e suas alterações –
Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
BIBLIOGRAFIA: ● PORTAL da Legislação. Desenvolvido por: Governo Federal.
Apresenta informações acerca de todo material legislativo produzido na história do Brasil: a
Constituição, as Leis Federais, Decretos, Estatutos, dentre outros. Disponível em:
<http://www4.planalto.gov.br/legislacao>. Acesso em: 20 jun. 2014.
PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA
1. Sistema Operacional Windows XP/seven, 1.1. Noções gerais de operação, 2. Sistema
Operacional GNU/Linux, 2.1. Noções gerais de operação na interface gráfica KDE, 3.
Ferramentas de Escritório (MS-Office 2007; Libre Office.org 3.x), 3.1 Editor de Texto, 3.1.1.
Conceitos e comandos de edição de textos e tabelas, 3.2. Planilha Eletrônica, 3.2.1. Digitação
e edição de dados, construção de fórmulas para cálculos de valores, formatação de dados e
gráficos, 4. Internet e Correio Eletrônico, 4.1. Conceitos e serviços relacionados à Internet
Explorer, Firefox e chrome, Outlook e Mozilla Thunderbird.
BIBLIOGRAFIA: ● CASTILLO, Elaine Bellinomini. Windows XP / Elaine Bellinomini
Castillo, Rogério Massaro Suriani. São Paulo: Editora Senac, 2002. ● COELHO, Pedro.
Internet básica. Rio de Janeiro: Brasport, 1998. ● COX, Joyce. Windows 7: Passo a Passo.
Editora: Bookman. 2010. ● COX, Joyce; PREPPERNAU, Joan. Microsoft Office PowerPoint
2007: passo a passo. Porto Alegre: Bookman, 2008. ● COX, Joyce; PREPPERNAU, Joan.
Microsoft Office Word 2007: passo a passo. Porto Alegre: Bookman, 2007. ● COELHO,
Pedro. Internet básica. Rio de Janeiro: Brasport, 1998. ● COELHO, Pedro. Internet básica.
Rio de Janeiro: Brasport, 1998. ● FRAGA, Simone. Windows XP: básico e detalhado.
Florianópolis: Visual Books, 2002. ● FRYE, Curtis. Microsoft Office Access 2007. 2. ed.
São Paulo: Senac Editora, 2009. ● FRYE, Curtis. Microsoft Office Excel 2007: passo a
passo. Porto Alegre: Bookman, 2007. ● JOYCE, Jerry; MOON, Marianne. Microsoft Office
System 2007 – Rápido e Fácil. ARTMED, 2008. ● ● KENT, Peter. Internet para leigos: passo
a asso. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 1999. ● LAMBERT III, M. Dow; LAMBERT,
Steve; PREPPERNAU, Joan. Microsoft Office Access 2007. Bookman, 2008. ●
MANZANO, João Carlos. Estudo Dirigido: Windows XP. Editora Érica, 2001. ●
MANZANO, João Carlos; MANZANO, André Luiz. Estudo Dirigido: Office Excel 2007.
Editora Érica, 2001. ● MARTTEWS, Marty. Office Outlook 2007 - Passo a Passo. ●
NEGRINI, Fabiano. Internet Explorer 6.0. São Paulo: Visual Books, 2002. ● RONCONI,
Luciana Moreira. Microsoft access 2007. São Paulo: Ed. Senac, 2008. ● SILVA, Mario
Gomes. Terminologia Básica – Windows XP, Office Word 2007. São Paulo: Érika, 2008. ●
SOUSA, Maria José; SOUSA, Sérgio. Microsoft Office 2007, Para Todos Nós. Edição em
Português Publicado em 11-2007. Editor FCA. ● VARGAS, Elton da Silva; PEREIRA,
Marcelo Gino. Guia prático: Linux. Santa Cruz do Rio Pardo, SP: Viena, 2004. ● WALLCE,
Wang. Microsoft Office 2007 para leigos: Alta books, 2009
___________________________________________________________________________
PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTO ESPECÍFICO
CARGO DE BIBLIOTECÁRIO
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Curso superior em Biblioteconomia
- HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Registro no Conselho competente. Lei nº 9.674, de 26
de junho de 1998 dispõe sobre o exercício da profissão de Bibliotecário.
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Disponibilizar informação; gerenciar unidades como bibliotecas, centros de documentação,
centros de informação e correlatos, além de redes e sistemas de informação; tratar
tecnicamente e desenvolver recursos informacionais; disseminar informação com o objetivo
de facilitar o acesso e geração do conhecimento; desenvolver estudos e pesquisas; promover
difusão cultural; desenvolver ações educativas. Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa
e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Fontes de informação geral e especializada; Pesquisa; científica; Normalização: referências,
citações, numeração progressiva; Publicações técnico-científicas: relatórios, artigos
científicos, projetos de pesquisa, trabalhos acadêmicos. Controle bibliográfico da informação.
2.O profissional da informação: Legislação; Ética profissional; Habilidades; Atribuições;
Perfil. 3.Tratamento descritivo e temático da informação: Catalogação descritiva (AACR2,
RDA e FRBR); Formato MARC 21; Indexação: princípios, tipos de indexação, linguagens
naturais X controladas, pré e pós-coordenação; Cabeçalhos de assunto; Tesauros; Sistemas de
classificação: CDU e CDD; Resumos: tipos e funções. Tecnologias aplicadas à organização
da informação: Metadados, hipertexto, linguagens de marcação. 4.Unidades de informação:
Gestão e tratamento técnico da coleção: políticas; Informatização de unidades de informação;
Planejamento estratégico; Organização da informação em bibliotecas tradicionais e digitais;
Informática aplicada à
Biblioteconomia; Repositórios institucionais. 5. Serviços de referência e informação: O
processo de referência; Disseminação da informação; Novas tecnologias: internet, intranet;
Estratégias de busca; Estudo de uso e usuários.
BIBLIOGRAFIA: ● ACCART, Jean-Philippe. Serviço de referência: do presencial ao
virtual. Tradução de Antonio Agenor Briquet de Lemos. Brasília, DF: Briquet de
Lemos/Livros, 2012. ● ALMEIDA, Maria Christina Barbosa de. Planejamento de bibliotecas
e serviços de informação. 2. ed. rev. e ampl. Brasília: Briquet de Lemos, 2005. ● AMARAL,
Sueli Angélica do.: abordagem inovadora para entender o mercado e o negócio da
informação. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 40, n. 1, p. 85-98, 2011. Disponível em:
<http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ ciinf/article/view/ 1920/1396>. ● ARAÚJO JÚNIOR,
Rogério Henrique de. Precisão no processo de busca e recuperação da informação. Brasília:
Thesaurus, 2007. ● ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila.: pluralidade teórica, diversidade de
objetos. Comunicação oral apresentada ao GT03 – Mediação, Circulação e Uso da
Informação do IX ENANCIB. In: Anais do IX ENANCIB, 2008. ● ARAÚJO, Carlos Alberto
Ávila. Estudos de usuários conforme o paradigma social da ciência da informação: desafios
teóricos e práticos de pesquisa. Informação & Informação, Londrina, v. 15, n. 2, p. 23-39,
jul./dez. 2010. ● BAPTISTA, Sofia Galvão; CUNHA, Murilo Bastos da. Estudo de usuários:
visão global dos métodos de coleta de dados. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo
Horizonte, v. 12, n. 2, p. 168-184, maio/ago., 2007. ● BARBALHO, Célia Regina Simoneth;
BERAQUET, Vera Sílvia Marão. Planejamento estratégico para tomada de decisão. São
Paulo: Polis, 1995. ● BARROS, Maria Helena. Disseminação da informação: entre a teoria e
a prática. Marília: s. n., 2003. ● BETTIOL, Eugênia Maranhão. Necessidades de informação:
uma revisão. Revista de Biblioteconomia, Brasília, v. 18, n. 1, jan./jun. 1990, p. 59-69. ●
BRASIL. Lei n. 9.674, de 25 de junho de 1988. Dispõe sobre a profissão de bibliotecário, e
regulamenta seu exercício. Disponível em: <http://www.senado.gov.br>. ● CAMPELLO,
Bernadete. Introdução ao controle bibliográfico. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2006. ●
CAMPELLO, Bernadete; CALDEIRA, Paulo da Terra (Org.). Introdução às fontes de
informação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. ● CAMPELO, Bernadete Santos; CENDON,
Beatriz Valadares; KREMER, Jeanete Marguerite (Org.). Fontes de informação para
pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: UFMG, 2000. ● CINTRA, Anna Maria
Marques. et al. Para entender as linguagens documentárias. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo:
Polis, 2002. ● CÓDIGO de catalogação anglo americano. 2. ed. rev. Tradução de FEBAB.
São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. Disponível
em:<http://pt.scribd.com/doc/123870154/AACR2>. Acesso em: 5 mai. 2013. ● CONSELHO
FEDERAL DE BIBLIOTECONOMIA. Resolução CFB n.º 42, de 11 de dezembro de 2001.
Dispõe
sobre
Código
do
Ética
do
bibliotecário.
Disponível
em:
<http://www.eticaempresarial.com.br/imagens_arquivos/artigos/File/Eticaenegocios/cod_bibli
oteconomia.pdf>. Acesso em: 2 mai. 2013. ● CORTE, Adelaide Ramos et al. Avaliação de
softwares para bibliotecas e arquivos: uma visão do cenário nacional. 2. ed. rev. e ampl. São
Paulo: Polis, 2002. (Coleção Palavra-Chave). ● DIAS, Eduardo Wense; NAVES, Madalena
Martins Lopes. Análise de assunto: teoria e prática. 2. ed. rev. Brasília, DF: Briquet de Lemos
/ Livros, 2013. ● DIAS, M. M. K.; PIRES, D. Formação e desenvolvimento de coleções de
serviços de informação. São Carlos: EDUFSCar, 2003. ● FEITOSA, A. Organização da
informação na Web: das tags à web semântica. Brasília, DF: Thesaurus, 2006. ●
FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT,
1994. ● FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina de.; MAGALHÃES, Maria
Helena de Andrade; BORGES, Stella Maris. Manual para normalização de publicações
técnico-científicas. 9. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. ● FURRIE, Betty. O MARC
bibliográfico: um guia introdutório. Brasília: Thesaurus, 2000. ● GROGAN, Denis. A prática
do serviço de referência. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1995. ● LANCASTER, F.
W. Indexação e resumos: teoria e prática. Tradução de Antônio Agenor Briquet de Lemos.
Brasília: Briquet de Lemos, 2004. ● LUBISCO, Nídia M. L. (Org.) Biblioteca universitária:
elementos para o planejamento, avaliação e gestão. Salvador: EDUFBA, 2011. Disponível
em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/ 5620/1/_Biblioteca.pdf>. Acesso em: 7 out.
2013. ● OLIVEIRA, Marlene. (Coord.). Ciência da informação e biblioteconomia: novos
conteúdos e espaços de atuação. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005. ● OLIVER, Chris.
Introdução à RDA: um guia básico. Tradução de Antônio Agenor Briquet de Lemos. Brasília:
Briquet de Lemos, 2011. ● RIBEIRO, Antônia Motta de Castro Memória. Catalogação de
recursos bibliográficos AACR2 em MARC 21. 3. ed. rev. ampl. Brasília: Edição do Autor,
2006. ● ROMANI, Cláudia; BORSZCZ, Iraci (Org.). Unidades de informação: conceitos e
competências. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2006. ● SANTOS, Paula Xavier dos. A dimensão
da disseminação da informação através do uso intensivo das tecnologias de informação e
comunicação: uma alternativa à noção de impacto tecnológico. DataGramaZero. Revista de
Ciência da Informação, Brasília, v. 5, n. 4, ago./2004. Disponível em: <http://www.dgz.org.br
/ago04/Art_05.htm>. Acesso em 20 jan. 2006. ● SAYÃO, Luis et al. (Org.). Implantação e
gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. Salvador:
EDUFBA, 2009. ● SILVA, Odilon Pereira da. CDD Classificação Decimal de Dewey.
Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/81280780/SILVA-Odilon-Pereira-da-CDD-Manualteoricopratico- l>. Acesso em: 5 maio 2013. ● SOUTO, Leonardo Fernandes. Disseminação
seletiva de informações: discussão de modelos eletrônicos. Encontros Bibli – Revista
Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, n. Especial, jan./jun.
2006. Disponível em: <http://www.encontros-bibli.ufsc.br/bibesp/ esp_03/5_GT3_souto.pdf>.
Acesso em 23/11/2006. ●SOUZA, Renato Rocha. Sistemas de Recuperação de Informações e
mecanismos de busca na web: panorama atual e tendências. Perspectivas em Ciência da
Informação, Belo Horizonte, v. 11 n. 2, p. 161-173, mai./ago. 2006. Disponível em:
www.eci.ufmg.br/pcionline/include/ getdoc.php?id=819&article=457&mode=pdf. Acesso em
23/11/2006. ● SOUZA, Sebastião de. CDU: como entender e utilizar a 2ª Edição-Padrão
Internacional em Língua Portuguesa. 2. ed. Brasília: Thesaurus, 2010. ● TAMMARO, Anna
Maria; SALARELLI, Alberto. A biblioteca digital. Tradução de Antônio Agenor Briquet de
Lemos. Brasília: Briquet de Lemos, 2008. ● TARAPANOFF, Kira. Técnicas para tomada de
decisão nos sistemas de informação. 3. ed. Brasília, DF: Thesaurus, 2002. ● VALENTIM,
Marta Pomim. O profissional da informação: formação, perfil e atuação profissional. São
Paulo: Polis, 2000. ● VERGUEIRO, Waldomiro. Desenvolvimento de coleções. São Paulo:
Polis, 1989. ● VERGUEIRO, Waldomiro. Seleção de materiais de informação: princípios e
técnicas. 3. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2010. ● VIDOTTI, Silvana A. B. (Coord.).
Tecnologia e conteúdos informacionais: abordagens teóricas e práticas. São Paulo: Polis,
2004. ● WEITZEL, S. R. Elaboração de uma política de desenvolvimento de coleções em
bibliotecas universitárias. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2013.
CARGO DE NUTRICIONISTA
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Curso Superior em Nutrição
- HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Registro no Conselho competente. Lei nº 8.234, de 17
de setembro de 1991 regulamenta a profissão de Nutricionista.
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Prestar assistência nutricional a indivíduos e coletividades (sadios e enfermos); organizar,
administrar e avaliar unidades de alimentação e nutrição; efetuar controle higiênico-sanitário;
participar de programas de educação nutricional; ministrar cursos. Atuar em conformidade ao
Manual de Boas Práticas. Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Planejamento e gestão de unidades de alimentação e nutrição; Gestão da produção –
planejamento (vivenciar a administração e o planejamento de serviços de alimentação
envolvendo a elaboração de cardápios, planejamento de compras, processo de aquisição de
gêneros, recebimento e armazenamento de produtos, etapas de pré-preparo e preparo de
alimentos, distribuição das refeições); organização e controle do processo de trabalho
(recursos humanos, recursos financeiros e físicos, controle de qualidade); Controle e gestão da
qualidade; Higiene e segurança do trabalho; Higiene na unidade de alimentação e nutrição;
Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT); Organização de creches, lactários e bancos
de leite. Refeições transportadas; Sistemas de gestão informatizados.
BIBLIOGRAFIA: ● AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Control of
Communicable Diseases Manual, FDA/CFSAN. Bad Bug Book. Clostridium perfringens.
Disponível em: <http://www.cfsan.fda.gov/~mow/chap11.html>. In: Harrison et. al.
(Editores). Medicina Interna, MacGraw-Hill Interamericana. ● ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DAS EMPRESAS DE REFEIÇÃO COLETIVA – AEBRC. Manual da ABERC de Práticas
de Elaboração e Serviço de Refeições para Coletividades. Disponível em:
<http://www.aberc.com.br>. ● BRASIL. Resolução nº 216, de 15 de setembro de 2004.
Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.
Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/alimentos/ appcc.htm>. ● CESARINI, V.,
KINTON, R., TOSKETTI, D. Enciclopédia de serviços de alimentação. São Paulo: Varela,
1999. ● FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE – FEAM; FUNDAÇÃO
ISRAEL PINHEIRO – FIP. Plano de gerenciamento integrado do resíduo óleo de cozinha.
Abram S. Benenson Ed., 16. Edition,1 995. ● GANDRA, YARO R. et all. Avaliação de
serviços de nutrição e alimentação. ● KASPER, D. L.; ZALEZNIK, D. F. Gangrena gasosa e
outras infecções por clostrídios. 13. ed. México, 1995. ● LOPES, E. Guia para elaboração
dos procedimentos operacionais padronizados – POP. São Paulo: Varela, 2004. ● MEZOMO,
I. B. Os serviços de alimentação: planejamento e administração da produção. 5. ed. São
Paulo: Manole, 2002. ● OLIVEIRA, ELIZABETH VIEGAS. Planejamento e Organização do
Serviço de Nutrição e Dietética. São Paulo: IPH. S/d. São Paulo: Sarvier, 1986. ● PEREIRA
NETO J. T. Manual de compostagem: processo de baixo custo. Viçosa: UFV, 2007. ●
PROENÇA, Rossana Pacheco da Costa; SOUSA, Anete Araújo de; VEIROS, Marcela Boro;
HERING, Bethania. Qualidade nutricional e sensorial na produção de refeições. Santa
Catarina: UFSC, 2005. ● SILVA FILHO, Antônio Romão. Manual básico para planejamento
e projeto de restaurantes e cozinha industrial. São Paulo: Varela, 1996. ● TEIXEIRA, S.;
MILET, Z.; CARVALHO, J. BISCONTINI, M. T. Administração aplicada a administração
de unidades de alimentação e nutrição. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2003. ● WARD, Michael.
Técnicas Essenciais da Administração Nobel. ● WOILER, Samsão. MATHIAS, Washington
Franco. Projetos – planejamento, elaboração e análise. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.
CARGO DE PEDAGOGO
REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO:
- ESCOLARIDADE: Curso Superior em Pedagogia
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:
Implementar a execução, avaliar e coordenar a (re) construção do projeto pedagógico de
escolas de educação infantil, de ensino médio ou ensino profissionalizante com a equipe
escolar; viabilizar o trabalho pedagógico coletivo e facilitar o processo comunicativo da
comunidade escolar e de associações a ela vinculadas. Assessorar nas atividades de ensino,
pesquisa e extensão.
.CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Globalização e Educação. 2. Didática e organização do trabalho didático. 3. Currículo e
planejamento. 4. Projeto Político-Pedagógico. 5. Ambientes de aprendizagem e práticas
educativas. 6. Educação, identidade e diversidade sociocultural. 7. Educação tecnológica e
educação profissional. 8. Ensino Superior no Brasil. 9. Gestão Democrática. 10. Formação de
professores e políticas públicas para a educação. 11. Leis da educação (Nº 4.024/1961; Nº
5.692/1971;
Nº
7.044/1982
e
Nº
9.394/1996).
Disponíveis
em
http://www4.planalto.gov.br/legislacao Acesso em 21/05/2014.
BIBLIOGRAFIA: ● BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais
Anísio Teixeira. Censo da educação superior: 2011 – resumo técnico. – Brasília: INEP, 2013.
● BRITO, Sílvia Helena Andrade de; et al. (Orgs.) A organização do trabalho didático: na
história da educação. Campinas, SP: Autores Associados, HISTEDBR, 2010. ● BURBULES,
Nicholas C.; TORRES, Carlos Alberto. (org.). Globalização e Educação: perspectivas
críticas. Porto Alegre: Artmed 2004. ● CHARLOT, Bernard. Relação com o Saber, Formação
de Professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005. ●
DOURADO, Luiz Fernandes. Políticas e gestão da educação no Brasil: novos marcos
regulatórios? São Paulo: Xamã, 2009. ● FERREIRA, Eliza Bartolozzi; OLIVEIRA, Dalila
Andrade. (Orgs.) Crise da escola e políticas educativas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. ●
FRANÇA, Magna. Sistema nacional de educação e o PNE (2011-2020): diálogos e
perspectivas. Brasília, UFRN, 2009. ● GRINSPUN, Mírian Paura S. Zippin (Org.). Educação
tecnológica: desafios e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2002. ● HALL, Stuart. A identidade
cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. ● MENEGOLA, Maximiliano;
SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como planejar?: currículo, área, aula.
Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. ● MOREIRA, Adelson F; PEDROSA, José Geraldo; PONTELO
Ivan. O conceito de atividade e suas possibilidades na interpretação de práticas educativas.
Revista Ensaio. Belo Horizonte, v.13, n.03, p.13-29, set-dez: 2011. ● MOREIRA, Antonio
Flavio Barbosa; KRAMER Sonia. Contemporaneidade, educação e tecnologia. Disponível
em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 21 mai. 2014. ● PACHECO, Eliezer. (Org.)
Institutos federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. São Paulo:
Moderna, 2011. ● PACHECO, José Augusto. Escritos curriculares. São Paulo: Cortez, 2005.
● PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto políticopedagógico da escola. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire, 2001. ● PADILHA, Paulo
Roberto. Caminho para uma escola cidadã mais bela prazerosa e aprendente. Pátio, Porto
Alegre: Artmed, n.25, p.12-15, fev. 2003. ● PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro.
(Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez,
2005. ● VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma
construção coletiva. Campinas: Papirus, 2002. ● VEIGA, Ilma Passos Alencastro . Inovações
e projeto político-pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? Cad. Cedes,
Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dezembro 2003. Disponível em:
<http://www.cedes.unicamp.br.> Acesso em 21 mai. 2014.
2. Das Disposições Finais
2.1. A aprovação no concurso não assegura ao candidato o direito de ingresso no quadro de
servidores da Instituição que concorre, mas a expectativa de direito à nomeação,
ficando a concretização deste ato condicionada à observância das disposições legais
pertinentes, da rigorosa ordem de classificação, do prazo de validade do concurso e da
apresentação da documentação exigida em Lei.
2.2. O prazo de validade do concurso será de 01 (um) ano, contado a partir da data da
publicação da homologação, podendo ser prorrogado por igual período, conforme
previsto no Decreto 6.944 de 21 de agosto de 2009 e Portaria MP nº 450, de
06/11/2002.
2.3. O Concurso Público será regido pelo Edital nº 085/2014, de 27 de março de 2014,
Publicado no D.O.U. em 28/03/2014, Seção 3, página 30, sendo de responsabilidade
do candidato (a) conhecê-lo, antes de efetuar a inscrição.
2.4. A inscrição do candidato (a) implicará a aceitação tácita das condições estabelecidas
no referido Edital e da legislação em vigor, das quais não poderá alegar
desconhecimento.
2.5. Havendo previsão legal, o concurso público regido pelo Edital nº 085/2014 poderá ser
aproveitado por qualquer outra Instituição de Ensino Público da Rede Federal.
2.6.
Os casos omissos, pertinentes à realização deste Concurso Público, serão dirimidos
pela Comissão de Concurso para os Cargos da Carreira Técnico Administrativo,
seguida de aprovação pelo Diretor Geral do CEFET-MG.
Prof. Márcio Silva Basílio
Diretor-Geral do CEFET-MG
Este texto não substitui o Publicado no DOU em 30/06/2014, Seção 3, página 72.