A Importância da Biblioteca Escolar no Ensino e Aprendizagem da

Сomentários

Transcrição

A Importância da Biblioteca Escolar no Ensino e Aprendizagem da
A Importância da Biblioteca Escolar no Ensino e Aprendizagem da
Leitura e Escrita
Marina de Assis Fernandes Matos Almeida1
Resumo
É notório que a leitura e escrita são extremamente importantes para o crescimento pessoal,
profissional e social do ser humano. No contexto atual, a escola ainda é a principal formadora dessas
habilidades, sendo o professor o mediador na construção do conhecimento. O presente artigo é uma
reflexão referente ao desenvolvimento do Projeto de Intervenção Aprendendo com as Tecnologias da
Informação e Comunicação no Espaço Escolar, realizado na Escola Municipal Professora Maria do
Socorro Coelho Silva – Guaraí – To, onde foi possível verificar e analisar alguns fatores que
provocam a falta de motivação e interesse dos alunos pela prática da leitura, problema este que vem
afetando o desempenho acadêmico dos mesmos e causando reprovação. Para embasamento do
trabalho foi realizada uma pesquisa - ação com os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental cujo
enfoque está no uso das tecnologias e o espaço da biblioteca escolar, sendo utilizado como
procedimento metodológico, revisão bibliográfica e a aplicação de 02 (dois) questionários com
professores, alunos e coordenador pedagógico. Os resultados apontam que mesmo sem um
bibliotecário a escola desenvolve ações de incentivo à leitura na biblioteca escolar e que após o
desenvolvimento do Projeto de Intervenção as ações foram intensificadas e o ensino e aprendizagem
da leitura teve um considerável avanço.
Palavras-chave: Ensino e Aprendizagem; Leitura e Escrita; Biblioteca Escolar;
INTRODUÇÃO
No contexto educativo atual, a fluência na leitura e escrita nas séries iniciais
do Ensino Fundamental ainda é um desafio enfrentado em âmbito escolar. Grande
parte dos alunos apresenta um acentuado desinteresse pelos conteúdos curriculares
sendo que o déficit na capacidade leitora é uma das principais causas.
1
Graduada em Pedagogia pela Unitins - TO e especializanda no curso de Coordenação
Pedagógica pela Universidade Federal do Tocantins - UFT.
O desenvolvimento do hábito de leitura nas crianças depende de um
ambiente democrático e propicio ao processo de ensino e aprendizagem. A
biblioteca escolar como um espaço de aprendizagens, acesso e uso da informação,
deve atender as expectativas dos alunos pelo menos na sua função peculiar de
leitura e pesquisa, onde o professor é o principal mediador nesse processo e
responsável por revitalizar esse espaço e promover a leitura de forma produtiva e
prazerosa.
Esse artigo além de descrever as atividades desenvolvidas pelo Projeto de
Intervenção voltados ao incentivo à leitura, realizadas na biblioteca/sala de leitura da
Escola Municipal Professora Maria do Socorro Coelho Silva, discute a importância
da leitura e da biblioteca escolar no processo de ensino e aprendizagem. A referida
escola é situada à Rua W-7 esquina com B-14, Nº 3955, Setor São Luís, Guaraí –
Tocantins e atende atualmente 489 alunos numa faixa etária entre 03 (três) e 14
(quatorze) anos.
Vale ressaltar que a construção desse trabalho foi subsidiada por estudos
bibliográficos e experiências vivenciadas no contexto escolar, as quais permitiram
perceber a biblioteca como um espaço dinâmico e facilitador do aprendizado.
Ensino e biblioteca são instrumentos complementares (...), ensino e
biblioteca não se excluem, completam-se. Uma escola sem biblioteca
é um instrumento imperfeito. A biblioteca sem ensino, ou seja, sem a
tentativa de estimular, coordenar e organizar a leitura, será, por seu
lado, instrumento vago e incerto (FILHO apud SILVA, 2003, p. 67).
Desse modo, torna-se interessante esclarecer que o Projeto de Intervenção
permitiu duas vertentes de estudos: a primeira é voltada para o uso das tecnologias
no processo de ensino e aprendizagem. A segunda é sobre a biblioteca escolar e o
uso que se faz desse espaço dentro da escola, sendo este o principal foco desse
texto.
Com o objetivo de suscitar discussões mais consistentes referente ao
processo de ensino e aprendizagem da leitura e escrita, tendo a biblioteca escolar
como um espaço privilegiado para esta ação, os objetivos do projeto estiveram
voltados para:
 Desenvolver o gosto pela leitura de forma lúdica e prazerosa utilizando a
biblioteca escolar e as TICs;
 Mobilizar a equipe escolar para a realização de um trabalho mais amplo de
incentivo à leitura utilizando as TICs e a Biblioteca Escolar;
 Estender a prática de leitura às famílias para que sejam também
estimuladores da leitura;
As ações que deram embasamento para construção desse trabalho foram
desenvolvidas com professores, equipe pedagógica e os alunos do 5º ano B num
total de 29(vinte e nove) alunos no período de fevereiro a agosto de dois mil e onze.
Os dados foram coletados por meio de questionários aplicados a alunos e
professores,
estudo
bibliográfico,
textos
didáticos
e
principalmente
pelas
experiências vivenciadas no contexto escolar. A fim de se obter êxito no
desenvolvimento das ações as mesmas foram divididas em quatro etapas.
1ª ação:
Foram ministradas aulas de informática básica no laboratório de informática onde os
alunos conheceram as funções básicas do computador e a internet;
2ª ação:
Realizada na sala de aula, com leitura e produção de vários gêneros textuais;
3ª ação:
Nesta utilizou-se a sala de leitura/Biblioteca Escolar, para realização das rodas de
leitura e conversa com alunos, com a participação de alguns pais onde foi discutido
a importância de incentivar os alunos a lerem também em casa.
4ª ação:
A quarta ação foi realizada com os professores. Para tanto, organizou-se um
momento de reflexão sobre a importância da leitura na escola e o uso das TICs no
fazer pedagógico. Foi discutido também a importância da biblioteca como
instrumento de grande relevância no processo de ensino e aprendizagem.
Biblioteca Escolar: Instrumento Facilitador do Processo de Ensino e
Aprendizagem
Sabe-se que a leitura e escrita são habilidades necessárias ao exercício da
cidadania. Segundo Villardi (1994) a leitura é importante para se compreender o
meio, pois:
Construir uma concepção de mundo é ser capaz de compreender o
que nos chega por meio da leitura, analisando e posicionando-se
criticamente frente às informações colhidas, o que se constitui como
um dos atributos que permitem exercer, de forma mais abrangente e
complexa, à própria cidadania (p.4).
Nesse sentido, Yunes (2003) afirma que ler significa:
Uma descoberta, mudar de horizontes, interagir com o real,
interpretá-lo, compreendê-lo e decidir sobre ele. Ler é, pois interrogar
as palavras, duvidar delas; ampliá-las. Deste contato,
desta troca nasce o prazer de conhecer, de imaginar, de inventar a
vida. O ato de ler é um ato de sensibilidade e da inteligência, da
compreensão e da comunhão com o mundo: expandimos o estar no
mundo, alcançamos esferas de conhecimento antes não
experimentadas e, no dizer de Aristóteles, nos comovemos e
ampliamos a condição humana. (P. 37).
Para tanto, cabe à escola propiciar condições adequadas para que o
processo de ensino e aprendizagem ocorra de forma contextualizada, levando-se
em consideração os anseios e experiências vivenciadas no seu cotidiano e possa
representar uma oportunidade de diálogos e reflexões que contribuam para a
melhoria do processo educativo. Nessa perspectiva a biblioteca escolar torna-se
imprescindível, visto que:
É uma instituição do sistema social que organiza materiais
bibliográficos, audiovisuais e outros meios e os coloca à disposição
de uma comunidade educacional. Constitui parte integral do sistema
educativo e participa de seus objetivos, metas e fins. A biblioteca
escolar é um dos instrumentos de desenvolvimento do currículo e
permite o fomento da leitura e a formação de uma atividade científica;
constitui um elemento que forma o indivíduo para a aprendizagem
permanente, estimula a criatividade, a comunicação, facilita a
recriação e apóia os docentes em sua capacitação e lhes oferece a
informação necessária para a tomada de decisões em aula. Trabalha
também com os pais de família e com outros agentes da comunidade
(CASTRILLON 1983 apud MAYRINK 1991, p. 304).
Nesse sentido, a escola deve fazer da biblioteca escolar um ambiente
organizado, prazeroso, com atividades diversificadas, acessível aos alunos, aos
profissionais da educação e comunidade. Para Davies (1974) a biblioteca escolar
constitui um instrumento precioso no processo educacional do cidadão, uma força e
um fator impulsor da educação.
A biblioteca escolar: Possui a função educativa e cultural. A primeira
auxilia a ação do aluno e a do professor e, a segunda complementa a
educação formal, ao oferecer possibilidades de leitura, colaborando
para que os alunos ampliem os conhecimentos e as idéias acerca do
mundo, além de incentivar o gosto pela leitura na comunidade escolar
(RIBEIRO 1994, p.61).
Com o avanço tecnológico, a Escola Municipal Professora Maria do Socorro
Coelho Silva tornou-se mais autônoma e segura no desenvolvimento de suas ações
e propostas de ensino adquirindo uma consciência crítica e reflexiva. É perceptível a
utilização de várias estratégias e materiais pedagógicos com o objetivo de fazer com
que o educando se interesse pelos conteúdos curriculares, e o ensino e
aprendizagem da leitura seja de fato significativo. Em relação à leitura Bragatto
Filho (1995), afirma que:
A leitura não é comparável a nenhum outro meio de aprendizagem e
comunicação, porque ela tem um ritmo que é governado pela vontade
do leitor: a leitura abre espaços de interrogação, de meditação e de
exame crítico, isto é, de liberdade; a leitura é uma correspondência
não só com o livro, mas também com o nosso mundo interior, através
do mundo que o livro nos abre (p. 7).
É nessa perspectiva que as ações realizadas na biblioteca são de extrema
importância para melhoria da capacidade leitora dos alunos. Por meio da leitura
devem tornar-se aptos ao exercício da cidadania, contribuindo para transformação
do meio no qual estão inseridos. Para Amato & Garcia (1989) “a biblioteca, inserida
no processo educativo, deverá servir de suporte a programas educacionais,
integrando-se à escola como parte dinamizadora de toda ação educacional”.
Diante disso, e tomando por base a realidade na qual estamos inseridos
compreende-se que as ações que direcionam a prática da leitura na biblioteca
escolar devem está integradas à prática desenvolvida na sala de aula e na escola,
pois segundo Carvalho (1992):
A biblioteca escolar tem como objetivos específicos facilitar o ensino,
fornecendo material bibliográfico adequado tanto para o uso dos
professores como para uso dos alunos; desenvolve neste o gosto
pela boa leitura, habituando-os ao utilizar os livros; desenvolver-lhes a
capacidade de pesquisa, enriquecendo sua experiência pessoal,
tornando-os, assim hábitos a progredir nas profissões para as quais
estão sendo preparados (P.9).
Desse modo, é imprescindível que o educando identifique a biblioteca escolar
como um lugar onde se consegue realmente adquirir respostas para os
questionamentos e, além disso, possa ter prazer e motivação para estudar os vários
temas abordados na escola.
Por meio do desenvolvimento das atividades na Escola Municipal Professora
Maria do Socorro Coelho Silva, foi possível detectar alguns serviços e materiais
ofertados na biblioteca escolar os quais podem ser considerados como pontos
positivos no ensino e aprendizagem da leitura e escrita.
 Desenvolvimento de Projetos Educacionais (Leitura e Pesquisa Escolar);
 Atendimento a consultas aos alunos e professores;
 Empréstimos domiciliares;
 Acervo de referência – Acervo de mapas, dicionários, enciclopédias, globos,
entre outros, destinados ao uso de pesquisas rápidas e/ou acompanhamento
em trabalhos mais específicos;
 Interação entre alunos e professores e entre alunos de diferente faixa etária;
Apesar do trabalho ser bem direcionado na biblioteca escolar, verificou-se a
ausência de um bibliotecário, sendo que as ações são desenvolvidas por uma
professora. Segundo o depoimento da professora – X que atualmente é
responsável pela biblioteca escolar, mesmo sem um profissional bibliotecário,
após a realização do Projeto Aprendendo com as Tecnologias da Informação e
Comunicação no Espaço Escolar, percebeu que houve um considerável aumento
nas atividades de alunos e professores na biblioteca da Unidade de ensino.
O desenvolvimento do Projeto de Intervenção foi importante, pois
permitiu tanto aos alunos quanto aos professores perceberem a
importância do ato de ler, bem como ver a biblioteca escolar como um
espaço de troca de experiências e de diferentes saberes. Antes da
realização do Projeto a procura pela biblioteca era mais voltada para
professores e alunos da Educação Infantil que realizavam contação
de histórias infantis. Hoje essa realidade mudou. Realizamos
empréstimos de livros todos os dias principalmente para os alunos do
5º ano. Todos os professores já estão utilizando o espaço da
biblioteca para realização de atividades de leitura e pesquisa com os
alunos, onde é perceptível a melhora na capacidade leitora dos
mesmos. Outro ponto que percebo um avanço surpreendente é a
procura por empréstimo de livros por parte de alguns pais. Além
disso, os alunos têm permanecido mais tempo na escola, pois tem
visitado a biblioteca escolar com mais freqüência no contra turno para
realização de leituras e pesquisas. Para que os alunos voltem outras
vezes procuramos diversificar as dinâmicas de leitura e as atividades
com leitura individual, coletiva, orientada, livre, apresentação de
peças teatrais, rodas de conversa, construção de vários gêneros
textuais principalmente poesia e dramatização de histórias lidas ou
ouvidas (RELATO DA PROFESSORA X).
Diante do exposto, percebe-se que não é a ausência de um bibliotecário na
escola que impede a realização de atividades de promoção da leitura. A escola deve
adotar mecanismos para melhoria do processo educativo de forma coletiva e com a
participação efetiva da comunidade escolar e local, pois o relato da professora – X
mostrou que o envolvimento de todos os responsáveis é um fator determinante no
processo de construção do conhecimento. Para Bontempo (2004):
A estrutura da escola, as características dos alunos, as pressões
familiares, a experiência do professor, os recursos disponíveis (um
bom quadro, pincéis ou giz coloridos, bloco ortográfico), o incentivo
que a criança recebe no lar e na escola são fatores que devem
merecer atenção do professor (P.43).
Assim pode-se afirmar que a biblioteca escolar é um espaço propicio ao
desenvolvimento de atividades pedagógicas. Para tanto, deve ser disponibilizado
aos alunos, a possibilidade de ampliação do conhecimento por meio de diversos
materiais e atividades, bem como um acervo atualizado e diversificado, numa
perspectiva de transformação da realidade. Segundo Campello (2002), “A escola
que pretenda investir na leitura como ato verdadeiramente cultural não pode ignorar
a importância de uma biblioteca aberta, interativa, espaço livre para expressão
genuína da criança e do jovem”.
Desse modo, é relevante que a biblioteca na escola seja um espaço onde
haja participação de todos os responsáveis pela educação, a partir do momento que
cada um tiver consciência da importância desse espaço coletivo e democrático na
construção do conhecimento o ensino e aprendizagem terá melhores resultados.
Aguiar (1986) diz que:
A biblioteca é um espaço democrático, conquistado e construído
através do fazer coletivo (alunos, professores, e demais grupos
sociais), e sua função básica é transmitir a herança cultural às novas
gerações de modo que elas tenham condições de reapropriar-se do
passado, enfrentar os desafios do presente e projetar-se no futuro (p.
141).
Nesse sentido, observa-se que as atividades que foram desenvolvidas na
biblioteca escolar contribuíram para que o ambiente fosse propício ao aprendizado
tornando a biblioteca parte indissociável da escola e dos sujeitos escolares, pois
para Sanches Neto (1998) muitas vezes “a biblioteca é encarada como um anexo da
escola,
quando na verdade, ela deveria ser a sua alma”. Ainda nesse enfoque
Carvalho (1972) diz que:
Hoje, não se compreendem mais as bibliotecas como um mero
depósito de livros, mas como uma fonte dinâmica de cultura, que
deve atender às várias e amplas necessidades de seus
freqüentadores, sejam estes crianças ou adultos, estudantes ou
intelectuais, universitários ou pesquisadores (p.198).
Nesse sentido, compreende-se que é uma das funções da escola criar
mecanismos de incentivo ao uso da biblioteca escolar, a fim de que todos os
responsáveis pelo processo educativo percebam esse espaço como primordial para
o desenvolvimento das habilidades necessárias ao exercício da cidadania, visto que
a leitura possibilita ao individuo a descoberta de novas maneiras de contribuir com o
meio do qual faz parte.
Considerações Finais
A Biblioteca Escolar deve ser um ambiente ativo da aprendizagem. Para
tanto, necessita ser vista por todos os envolvidos na educação como parte
integrante da escola e as ações nela desenvolvidas devem constar no Projeto
Político Pedagógico, fazer parte do currículo.
No decorrer do desenvolvimento do Projeto de Intervenção: Aprendendo com
as Tecnologias da Informação e Comunicação no Espaço Escolar observou-se que
tanto os alunos quanto os professores tiveram melhor compreensão quanto a
importância da biblioteca escolar para disseminação da leitura e escrita. Outro ponto
que vale ressaltar é que na Escola Municipal Professora Maria do Socorro Coelho
Silva o espaço da biblioteca é bem amplo e organizado, dispõe de mobiliários, um
bom acervo e recursos tecnológicos de boa qualidade, sendo estes os fatores que
contribuíram de forma relevante para o êxito obtido nas ações propostas.
A partir da realização do projeto de intervenção percebeu-se que as
atividades na biblioteca escolar foram intensificadas e as mesmas passaram a fazer
parte do planejamento dos professores, sendo que essa mudança começou a
acontecer apenas com os professores do 5º ano onde o projeto foi desenvolvido,
mas aos poucos foi obtendo a adesão dos outros professores, resultando em ações
coletivas como a realização de projetos de incentivo à leitura com a participação de
toda a escola.
É importante salientar que apesar da considerável mudança de postura da
escola em relação à biblioteca escolar ainda faz-se necessário implementar e criar
mecanismos para sustentabilidade das ações existentes, a fim de que cada vez mais
os alunos e professores utilizem a biblioteca escolar de forma dinâmica e interativa
na construção de novos conhecimentos necessários ao exercício da cidadania.
Referências
AGUIAR, V. T. de; ZILBERMAN, R.. Leitura em crise na escola: as alternativas do
professor. 6. ed. Porto Alegra (RS) : Mercado Aberto, 1986.
ARAÚJO, Vania Maria Rodrigues Hermes de. Informação: instrumento de
dominação e de submissão. Ciência da Informação, Brasília, v. 20, n. 1, p. 37-44,
jan./jun. 1991.
AMATO, Mirian; GARCIA, Neise Aparecida Rodrigues. A biblioteca na escola. In:
GARCIA, Edson Gabriel (Coord.). Biblioteca Escolar: estrutura e funcionamento. São
Paulo: Loyola, 1989. p. 9-23.
BOMTEMPO, Luiza. AMAE Educando. Belo horizonte, ano 37, n.321, p.41-44,
março, 2004.
BRAGGATTO FILHO, P. Pela leitura literária na escola de 1.grau. São Paulo (SP):
Ática, 1995.
CAMPELLO, B. S. A biblioteca escolar: temas para uma prática pedagógica. Belo
Horizonte (MG): Autentica, 2002.
CARVALHO, D.Q. Bibliotecas Escolares: manual de organização e funcionamento.
Rio de Janeiro: FENAME, 1972.
DAVIES, Ruth Ann. La biblioteca escolar: propulsora de la educacion. Buenos Aires:
Bowker Editores, 1974.
RIBEIRO, Maria Solange Pereira. Desenvolvimento de coleção na biblioteca escolar:
uma contribuição à formação crítica sócio-cultural do educando. Transinformação,
São Paulo, v.6, n.1/2/3, p.60-73, Jan./ Dez.1994
MAYRINK, Paulo Tarcísio. Diretrizes para a Formação de Coleções de Bibliotecas
Escolares. In: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação, 16., 1991,
Salvador. Anais... Salvador: Associação Profissional dos Bibliotecários do Estado da
Bahia, 1991. 2 v., v1. p.304-314.
SANCHES NETO, M. Desordenar uma biblioteca: comércio & indústria da leitura na
escola. Revista Literária Blau, Porto Alegre (RS), v. 4, n. 20, p. 20-24, mar. 1998.
SILVA, Waldeck Carneiro da. Miséria da biblioteca escolar. São Paulo: Cortez, 2003.
VILLARDI, Raquel. Ensinando a gostar de ler: e formando leitores para
a vida inteira. Rio de Janeiro: Qualitymark/Dunya Ed., 1999.144 p.
YUNES, Eliana; OSWALD, Maria Luiza (orgs.). A experiência da leitura. São Paulo:
Loyola, 2003.