Milícia radical Estado Islâmico completa um ano fortalecida

Сomentários

Transcrição

Milícia radical Estado Islâmico completa um ano fortalecida
Milícia radical Estado Islâmico completa
um ano fortalecida
28.06.2015 Diogo Bercito/ Folha de Sao Paulo/ Brazil
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/06/1648818-milicia-radical-estado-islamico-completaum-ano-fortalecida.shtml
Há algo em comum entre o Estado Islâmico e a região histórica de Lerna, no Peloponeso: a ideia de
um monstro que, combatido, multiplica-se e torna-se mais forte.
Lerna era lar, na mitologia grega, da hidra enfrentada por Hércules. Cada uma de suas sete cabeças
se transformava em duas quando cortada. A analogia parece válida para a facção terrorista instalada
entre a Síria e o Iraque.
Os EUA bombardeiam militantes do Estado Islâmico desde agosto de 2014. Recentemente, o governo
americano disse que mais de 10 mil militantes foram mortos.
Mas analistas têm apontado que, no melhor dos cenários, esse número é equivalente ao de novos
recrutas unindo-se à organização.
Já são mais de 20 mil estrangeiros e não há, por ora, falta de guerreiros nas fileiras do Estado
Islâmico –que comemora o aniversário de califado nesta segunda (29).
Seus militantes obtiveram, na verdade, uma série de vitórias estratégicas nos últimos meses, como a
conquista da cidade histórica de Palmira, no deserto sírio, e a tomada de Ramadi, no Iraque.
"O EI está se beneficiando de vitórias simbólicas, e isso vai certamente atrair mais guerreiros", diz
à Folha Barah Mikail, analista do centro de estudos europeu Fride.
A necessidade de uma contranarrativa que frustre o recrutamento leva pesquisadores a debater por
qual razão forasteiros se unem a milícias. Relatos incluem promessas de heroísmo, aventura e fama,
mas também da chance de viver em um território regido pela lei islâmica.
Não há informações de brasileiros lutando no Estado Islâmico. Mas o brasileiro Kaíke Guimarães está
detido na Espanha, acusado de tentar fazê-lo. O belga Brian de Mulder, filho de brasileira, viajou por
sua vez à Síria em 2013 e tornou-se Abu Qassem Brazili, apesar de não ter a nacionalidade brasileira.
Em ambos os casos, as famílias contam que os jovens não se integravam e se radicalizaram em
mesquitas.
"A principal resposta é que a maior parte dessas pessoas busca alternativas e perspectivas que
permitam que elas sintam que são parte de um grande feito", diz Mikail.
No caso de recrutas dentro do território sírio, outra explicação é a de que milícias moderadas se
frustraram com a falta de apoio na guerra contra o ditador Bashar al-Assad.
"Precisavam de um substituto. O Estado Islâmico tem os recursos", afirma Hozan Ibrahim, diretor do
grupo Cidadãos pela Síria.
Mas analistas têm sugerido um número bastante mais amplo de explicações para o sucesso do EI em
atrair jovens a suas fileiras.
Um documentário britânico defende, por exemplo, a tese de que a frustração sexual é um dos
fatores-chave do processo. Em janeiro deste ano, Boris Johnson, prefeito de Londres, chamou os
recrutas de "punheteiros".
Já foi sugerido, também, o papel de uma cultura machista para convencer mulheres a se casarem
com militantes. O processo foi descrito por uma jornalista que fingiu ser Mélodie, jovem muçulmana
interessada em ir ao califado.
Ela escreveu a história no livro "Na Pele de uma Jihadista". "Não tenho certeza de que quero ir à
Síria", escreveu a jornalista a seu recrutador. "Se concordar em se casar comigo, vou tratá-la como
uma rainha", respondeu o militante.

Documentos relacionados

Uma geracao ISIS surge nos Estados Unidos

Uma geracao ISIS surge nos Estados Unidos pessoais, familiares, tribais e comunitários. Esses norte-americanos de origem somali --dentre os quais 15 em seguida entraram para as fileiras do EI no Iraque ou na Síria-- haviam crescido no mesm...

Leia mais

Sete perguntas para entender o `Estado Islâmico` e como ele surgiu

Sete perguntas para entender o `Estado Islâmico` e como ele surgiu Os líderes da Al Nusra rejeitaram esta fusão. Mas os combatentes leais a Abu Bakr o seguiram em seu empenho jihadista. Em dezembro de 2013, o ISIS se concentrou no Iraque e aproveitou a divisão pol...

Leia mais

O Estado Islamico esta proximo do fim

O Estado Islamico esta proximo do fim e o EI recuando. Ao longo de 2016, os homens do EI já tiveram de abandonar Tikrit e Ramadi. Em breve começará a batalha de Mosul, a segunda maior cidade do Iraque e "capital" do "califado" à beira ...

Leia mais