Nesta edição

Сomentários

Transcrição

Nesta edição
JUNHO 2010
NEWSLETTER C.B.L.
Nº 6
Nesta edição:
Resultados do mês passado
Peru do Mês: Luís Correia
Desafio Lógico
Crónica de Bruno Araújo Gomes
NOTÍCIAS
VAMOS TER NOVOS VIZINHOS!
Caros Bridgistas,
Como já deverá ser do conhecimento de muitos, o clube Paris Bridge aceitou o convite que lhes foi endereçado para partilhar as nossas instalações.
O Paris junta-se assim à Federação Portuguesa de Bridge, Associação
Regional de Bridge de Lisboa, Núcleo de Bridge do CBL e Academia de
Bridge de Lisboa como utilizador do espaço que possuímos na Avenida
António Augusto Aguiar.
Deste modo e a partir de 14 de Julho, o Paris Bridge organizará
os seus torneios todas as 4ªs e 6ªs feiras , com excepção do mês de Agosto
e de algumas 6ªs feiras (4-5 até ao final do ano) em que existam provas oficiais calendarizadas para as nossas instalações.
A partir de Outubro, o Paris irá conjuntamente com o NB CBL organizar o seu
habitual Torneio Cavendish às quintas-feiras, para qual temos expectativas
de uma grande participação.
Resta-nos desejar as maiores felicidades ao Paris Bridge neste seu novo
desafio e que este possa contar com a colaboração e apoio de todos os
Bridgistas de Lisboa.
CALENDÁRIO
Julho 2010
seg
ter
qua
qui
sex
sáb
dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
A não perder…
2ª e 5ª: Simultâneos Nacionais;
Dia 7: Torneio Academia;
Dia 10: Nacional de Pares Mistos;
Dia 14: 1º Torneio Paris Bridge;
Dia 16: Torneio Paris Bridge;
Dia 21: Torneio Paris Bridge/Academia;
Dia 23: Torneio Paris Bridge;
Dia 28:Torneio Paris Bridge/Academia;
Dia 30: Torneio Paris Bridge.
PERU DO MÊS
LUÍS “CALABRES” CORREIA
Quando é que começou a jogar bridge e
porquê?
Comecei a jogar Bridge em Moçambique, durante a guerra. Era Oficial da Força Aérea Portuguesa, e no Clube de Oficiais, na Base Aérea em Tete, havia
vários camaradas que jogavam Bridge
no velho esquema “long d’abord”. O
bichinho pegou, e a partir daí nunca
mais parei. Durante quase 20 anos andei
a jogar o chamado Bridge Social, com
convenções de Partida Livres.
Um dia apareci no CBL, comecei a jogar
na famosa “Mesa dos Milagres”, depois
federei-me e comecei a jogar Bridge de
Competição. Rapidamente trepei no
Ranking Federativo, e poucos anos
depois estava em 1ºs Categorias, onde permaneci por quatro anos consecutivos, chegando à Categoria de 1♦.
Por razões de saúde tive que abrandar o meu ritmo em competição.
Nessa altura descobri o BBO – Bridge Base Online, onde rapidamente me
tornei um BBOer muito conhecido. Após ter conhecido pessoalmente Fred
Gitelman, o seu criador, atribuiu-me ele diversas responsabilidades no BBO.
Encarregado de indicar os jogadores que têm o perfil para atribuição da
BBO Star para Portugueses (e não só), Comentador Vugraph, tradutor oficial
das versões do BBO em Português e ser dono dum Clube Privado, o famoso
“Unibridge Club” , www.unibridge-club.com, actualmente com 3600 membros, o qual é reconhecido como o melhor clube de bridge online do mundo, e aquele em que diariamente joga a maior quantidade de BBO Stars e
outos jogadores de craveira mundial (há muitos jogadores que recusam a
BBO Star, tendo direito a ela).
No BBO arranjei amigos todas as partes do mundo, tendo por isso jogado
com jogadores de elevado nível internacional, que nunca teria oportunidade de ver à minha frente a jogar ao vivo.
É director da Federação Portuguesa de Bridge. Como tem sido essa experiência?
Tem sido uma experiência muito enriquecedora. Tenho o privilégio de trabalhar com uma equipa excepcional, que apenas por “amor à camisola”
dedicam o seu tempo (e dinheiro) em prol do melhoramento do Bridge
Nacional em todas as suas vertentes.
O que considera que pode ser melhorado no bridge nacional?
Embora já muito tenha sido feito, principalmente no saneamento financeiro
da FPB, na elaboração de Normas e Regulamentos que não eram revistos
há vários anos, falta ainda um trabalho que considero árduo: fazer um trabalho de esclarecimento os praticantes acerca dos seus direitos e deveres.
É muito constrangedor ver ainda que ainda tantos jogadores tenham um
desconhecimento quase absoluto das Regras do jogo que elegeram como
seu Desporto de eleição. O que mais me entristece, é a muita falta de respeito para com os Directores de Torneio. Os praticantes abandonam as
salas sem haver autorização de mudar, levantam-se para ir fumar a seu belprazer, discutem as mãos jogadas em alta voz, o que pode desvirtuar algumas classificações, etc.
Qual a sua maior ambição enquanto praticante e enquanto dirigente da
FPB?
A minha maior ambição como praticante é continuar a jogar Bridge
enquanto puder, e o melhor que souber. Sei que tenho perdido muitas qualidades nos últimos anos, mas os muitos medicamentos que tomo para os
males do corpo “queimam neurónios”, e isso não ajuda. Tenho perfeita
consciência que já fui muito melhor jogador do que o que sou actualmente.
Também me custa muito aceitar, que alguns antigos parceiros me abandonaram completamente e nem para um simples Torneio de Regularidade me
convidam. O meio bridgístico não escapa à regra, é uma selva como em
todos os outros campos sociais. Jogavam comigo quando estava bem
financeiramente e lhes pagava os torneios, hoje infelizmente não o estando,
não tenho vergonha de o afirmar, simplesmente voltam as costas. È triste.
Como Director da FPB, continuar a dar o meu contributo para melhorar muitos dos males de que ainda enferma a nosso amado Bridge. Não esquecendo, como já referi anteriormente, a extraordinária equipa directiva, não posso deixar de realçar a figura do Presidente Francisco da Costa-Cabral, personalidade que a todos os níveis, acho com mais valor e empenho em
melhorar o panorama bridgístico nacional.
Qual foi o seu maior triunfo bridgistico?
O meu maior sucesso foi te vencido um dos saudosos Festivais Cidade de
Setúbal e de durante quatro anos seguidos a minha Equipa ter disputado a
antigo Campeonato Nacional da Primeira Divisão, que foi em minha opinião a Prova de Topo do Bridge
Nacional de todos os tempos. E o
ter também durante vários anos
seguidos ter ganho o prestigiado
Troféu BPI. Alguns resultados em
Festivais em Espanha me deixam
também gratas saudades.
Ultimamente, fiquei muito honrado
por ter sido eleito Personalidade
do Ano de 2009 – Categoria Bridge, atribuído pela Confederação
do Desporto de Portugal.
Tem alguma história engraçada que queira partilhar?
Teria muitas para contar, engraçadas e tristes. Mas vamos a uma que acho
hilariante. Precisamente na primeira vez que entrei no CBL, há vinte e muitos
anos, para ir ver como decorria um torneio, pois nunca tinha assistido a
nenhum, uma senhora logo à entrada veio ter comigo e pergunta-me:
- Joga Bridge?
- Bem, tenho jogado um bridge simples durante alguns anos, mas sem convenções. Só sei jogar Albarran, Stayman, Baron e Ricos Quartos.
- Não há problema, quer jogar comigo hoje?
- Com muito gosto, mas terá que desculpar os meus erros, eu nem sequer sei
mexer numa Bidding-Box!!!
- Então vamos jogar e faremos o que pudermos.
Inscrevemo-nos, jogámos o torneio, e quando acabou fui para o Bar beber
uma cerveja, não fazendo nenhuma ideia de como tinha corrido.
Alguns minutos depois, a Senhora aparece:
- Luis, Luis, venha por favor, ganhámos o torneio e temos que ir receber o
prémio.
- O quê? Ganhámos? Como é possível!!!
- É verdade, ganhámos com 64%.
Essa Senhora chama-se Maria Luísa Perdigão.
Obrigada Luís!
CONVENÇÕES COM NOMES ESQUISITOS
POR JOSÉ PINHEIRO
CONVENÇÕES AVULSAS PARA INTERVIR SOBRE
1 SEM TRUNFO
Meckwell
 Dobre – mostra um unicolor menor ou ambos os ricos . Após a resposta
obrigatória 2♣, o interveniente passa se unicolor a paus , corrige para 2♦ ou
marca 2♥ se tiver os ricos
 2♣, 2♦; – o menor referido e um rico
 2♥, 2♠; – natural
2NT – menores
Foi popularizada por Jeff Meckstroth e Eric Rodwell , daí o nome.
Crash
Acrónimo para Color-Rank-Shape
2♣ : dois naipes da mesma cor (♠+♣, ou ♥+♦)
2♦ : dois naipes do mesmo “Rank” (♠+♥, ou ♣+♦)
2NT : dois naipes com a mesma “forma” (♠+♦, ou ♣+♥)
2♥ : natural
2♠ : natural
Após a intervenção em 2♣, 2♦ and 2NT o respondente terá de ter em conta
que provavelmente que os bicolores possiveis na mão do interveniente ,
correspondem aos seus naipes mais curtos . As respostas são assim convertíveis.
Por Exemplo, após 1ST 2♣ CRASH, um respondente com ♠10 7 5 ♥Q 9 8 4 2 ♦K
J 6 ♣K 3 partirá do principio que o bicolor do parceiro é Paus e Espadas e
marcará 2♠. A que se seguirá passo, caso tenha os naipes pretos ou 3♦
caso tenha os vermelhos . Neste ultimo caso o respondente corrigirá para
3♥.
Dont
O nome provem de “Disturb Opponents' NoTrump” e foi criado por Marty
Bergen
 Dobre – qualquer unicolor. Após 2♣ do parceiro, o interveniente passa ou
corrige para o seu naipe
 2♣, 2♦, 2♥ – mostra o naipe falado e outro qualquer de ranking superior
 2♠ – espadas
DONT é normalmente aplicado contra aberturas em Sem Trunfo fortes (1517) .
Contra a abertura em 1 ST fraco (10-12 ou 12-14) é por vezes utilizado com
algumas alterações:
 Dobre é tendencialmente punitivo e mostra 13 pontos ou mais
 2♣ qualquer unicolor
2♦, 2♥, 2♠ mostra um bicolor do naipe falado com um naipe de ranking
superior, sendo paus o naipe de ranking mais elevado.
Hello
Permite mostrar unicolores e bicolores , e no caso dos primeiros ainda há a
possibilidade de transfer.
 Dobre é punitivo
 2♣ mostra ouros ou um bicolor rico-menor. Respondente marca 2♦ que
pode ser passado (se unicolor a ouros) ou marca 2♥ ou 2♠ (bicolor com o
rico mencionado e um menor não especificado)
 2♦ transfer para copas
 2♥ ambos os ricos
 2♠ espadas (natural)
 2NT transfer para paus
 3♣ ambos os menores
 3♦ bicolor rico forte
Uma das vantagens é que por design o respondente será na maior parte
das vezes o declarante, forçando a mão forte de 1 ST a sair.
Foi criada por Jerry Helms and Bill Lohmann
DESAFIO LÓGICO
POR JOANA BRÍGIDO
Este mês decidimos fazer-lhe um desafio lógico.
Abaixo encontra a explicação de como resolver este desafio.
O problema vem logo a seguir. Divirta-se!
COMO RESOLVER ESTES DESAFIOS LÓGICOS
Preencha a matriz com um “V” para significar Sim e “x” para Não seguindo
as indicações do problema. Ao preencher um “V”, nas restantes casinhas
dessa linha e coluna deverá colocar um “x”.
Problema:
Quatro pares de noivos casaram-se em diferentes dias da semana passada.
Descubra quem casou com quem e em que dia da semana, sabendo que:
1. Ana casou na 2ª feira mas não foi com Manel
2. O casamento de José foi 4ª feira e João casou 3ª mas não foi com Maria
Clara casou no dia a seguir ao casamento de Joana
1
ANA
J J
O O
à S
O É
M
Á
R
I
O
M
A
N
E
L
x
2
ª
3
ª
4
ª
5
ª
V
x
x
x
JOANA
x
MARIA
x
CLARA
x
2ª
3ª
4ª
5ª
x
Com a informação do ponto 1,
coloca-se V na intercepção da
coluna 2ª com a linha Ana.
Preencha com x as restantes posições horizontais e verticais referentes aos outros dias da semana e iniciados como exemplificado.
Coloca-se também um x na intercepção da coluna Manuel com as
linhas Ana e 2ª para indicar que
Manel não casou com Ana nem na
2ª feira.
2
ANA
J J
O O
à S
O É
x
M
Á
R
I
O
x
M
A
N
E
L
x
x
3ª
4ª
5ª
2
ANA
x
x
V
x
x
x
x
V
x
x
x
x
J J
O O
à S
O É
M
Á
R
I
O
M
A
N
E
L
x
V
x
x
x
CLARA
2ª
3ª
4ª
5ª
5
ª
V
x
x
x
2
ª
3
ª
4
ª
5
ª
V
x
x
x
x
JOANA
MARIA
4
ª
x
CLARA
2ª
3
ª
x
JOANA
MARIA
2
ª
x
x
x
x
x
x
x
x
x
V
x
V
x
x
x
x
V
x
x
x
x
x
V
x
O ponto 2, similarmente, dá origem
ao preenchimento que aparece a
azul.
Assim, para Ana, só resta a opção
Mário e Coloca-se um V no único
quadradinho vazio relativo aos noivos.
Na coluna de Manel, referente aos
dias, só há um quadradinho vazio
que é, portanto, o dia em que
casou.
Completam-se os preenchimentos
(vermelho).
3
ANA
J J
O O
à S
O É
M
Á
R
I
O
M
A
N
E
L
x
V
x
x
JOANA
MARIA
x
CLARA
2ª
3ª
4ª
5ª
3
ANA
MARIA
2ª
3ª
4ª
5ª
x
x
x
x
x
x
x
V
x
x
x
x
V
x
x
x
x
x
V
J J
O O
à S
O É
M
Á
R
I
O
M
A
N
E
L
x
V
x
x
2
ª
3
ª
4
ª
5
ª
V
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
V
x
V
x
x
x
x
V
x
x
x
x
x
V
x
No ponto 3 é dito que Clara casou
no dia a seguir ao de Joana.
Logo, Clara não pode ter casado
na 3ª, nem Joana na 5ª. No entanto, uma delas tem que ter casado
na 4ª e, portanto, Maria não
casou na 4ª.
Portanto, Maria só pode ter
casado na 5ª.
x
x
x
V
x
x
CLARA
5
ª
x
V
x
4
ª
x
x
JOANA
3
ª
x
x
x
2
ª
x
x
V
x
3
ANA
JOANA
MARIA
CLARA
2ª
3ª
4ª
5ª
J J
O O
à S
O É
M
Á
R
I
O
M
A
N
E
L
x
x
V
V
x
x
2
ª
3
ª
4
ª
5
ª
x
V
x
x
x
x
x
x
V
x
x
x
x
V
x
x
x
V
x
V
x
x
x
x
V
x
x
x
V
x
V
x
x
x
x
V
x
x
x
x
x
V
Continuando a preencher as
casas vagas com os únicos valores
possíveis, chegamos à solução:
Ana – Mário – 2ª
Joana – João – 3ª
Maria – Manel – 5ª
Clara – José – 4ª
Já lhe deixámos um exemplo de como resolver um desafio lógico.
Agora vamos pô-lo à prova...boa sorte!
DESAFIO LÓGICO Nº 1
Em cada uma das Quintas-feiras de certo mês, cinco jogadores iniciados
ganharam um torneio de Regularidade do CBL, emparceirando com jogadores de 1ª.
Seguindo as indicações abaixo, descubra quais as parcerias vencedoras
em cada uma das Quintas-feiras e qual o prémio que ganharam.
A jogadora iniciada que jogou com o Fanha ganhou uma garrafa de vinho
Neto jogou a 23 mas Bruno não jogou a 30
Paulo ganhou chávena de café como prémio
Não foi Moraes que jogou a 30 e ganhou voucher para um jantar no CBL
Ana Luísa emparceirou com Acácio vencendo o torneio em data anterior
ao que Mariana ganhou mas em data posterior a quem teve chocolates
como prémio
Mariana não jogou com o Tó.
CAMPEONATO DE PARES MÍSTICOS
Dona Joaquina, senhora de pose fina, levantou a pesada impaciência e
fulminou o marido, já combalido, com o habitual olhar 2 cabides. O coitado
do senhor Alfredo, habituado a viver no medo, levantou-se e aquiesceu a
pouca sorte, trocando de mesa com o Aristides e parceira. Que bandalheira.
- Pares sobem, jogos descem…
Trocados os assentos quentinhos, ficam os que não podem e os que por
direito não se mudam. Agitam-se jogadas mortas e espetam-se vazas tortas.
Começa nova contagem e novo leilão. Dois sem trunfo, pois então, que isto
de ter pontos é coisa para versados. Não se iludam e estamos conversados.
- Pares sobem, jogos descem…
Alfredo “Às de Trunfo”, melhor jogador lá da rua, dá de avanço em piropos
o que lhe falta em jeiteira, enquanto a parceira amua. Mais uma voz de
papo cheio que acaba num malvado carteio. Devias era estar deste lado
que já não te armavas em engraçado. Jogou-se o que deu. Valeu? Sim…
um cabide dobrado.
- Pares sobem, jogos descem…
Ouvem-se cadeiras e fumaças apressadas, que o Oliveira já está à espera.
Mais a Vera. Com esses é só maçadas. Jogam transfer não sei para onde,
nem sei para quê. Deixa lá, o homem é Conde, não se vê?! Mas podia
jogar com alguma nobreza, sempre dava um tonzinho diferente à mesa.
- Pares sobem, jogos descem…
Laurentino e parceira olearam a placa a noite inteira. Antes da carta certa
murmuravam lamúrias entre dentes, soltos mas reluzentes. Não há lugar
para brincadeira! O jogo quer-se sério e vitorioso. Para falha, já basta o tropeção adulteroso. Jogas tu, trinco eu. Troca que não gosto de fazer de
morta.
- Pares sobem, jogos descem…
Entre espadas e outras abanadas, Alcina era mais dada a copas, topas?
Assuntos de coração que não se resolvem com paus, pelo menos maus.
Para bater couro mais vale jogar ouro. Pelo sim pelo não, corta-se do morto
e apura-se da mão… não vá dar para o torto e não haver solução.
- Pares sobem, jogos descem…
De porte autoritário e mandão, Manuel Juiz, o doutor, era dos árbitros um
senhor. Ou talvez não. Mandava subir e descer, carregava em botões e
dava cartas, fazia da pose o saber e iludia as disputas mais fartas. Mais
dado às artes do xadrez, onde sentia ser o rei, de Bridge sabia as cores e do
resto nem falarei.
- Pares sobem, jogos descem…
Campeonato de manha tamanha só podia ser num local. Depois do como
é preciso o onde, e para isso não há igual. Sabemos onde se joga bem. É
num clube onde ninguém se esconde: jogo eu, jogas tu e o Abel. Ainda
joga a prima, a tia e a mãe e ainda há espaço para mais alguém. Senhoras
e senhores, eis o CBL!
- Pares sobem, jogos descem…
Bruno Araújo-Gomes
CLASSIFICAÇÕES DO MÊS
CLASSIFICAÇÕES DO MÊS
ACADEMIA DE BRIDGE
SOLUÇÃO DO PROBLEMA DO
MÊS PASSADO: TÉCNICA DE CONTROLE
Sul não pode jogar em duplo corte nos naipes pobres (após ter tirado o
Ae
Reo
Ae
R). Os cortes na terceira e quarta volta a paus conduziriam inevitavelmente a perder o contrato, mesmo no caso duma distribuição 3/3 nos naipes negros.
Portanto deve-se apurar o naipe de paus.
"O apurar um naipe lateral comprido exige muitas precauções; seja para
proteger o comprimento em trunfos na mão curta; seja para evitar um
recorte na mão comprida".
A fim de evitar a volta de cortes seja o mais curto possível, existe uma forma muito elegante de jogar esta mão, que é dar um golpe em branco a
paus.
Agora Sul, ao jogar as copas, ganha com o
A da sua mão, vai ao morto a
jogar trunfo para a
D, e volta à mão cortando o
6, com um trunfo
pequeno.
Elimina os trunfos adversários e termina, entrando no
R, para fazer
todos os paus firmes.
AV. ANTÓNIO AUGUSTO DE AGUIAR, Nº 163, 4º
ESQ.
Tel: 213877751
Venha visitar-nos!
NA WEB: www.centrodebridge.pt
COMENTÁRIOS, SUGESTÕES, CONTRIBUIÇÕES?
EMAIL: [email protected]
EDITORIAL
* Bruno Araújo Gomes * José Pinheiro * Mariana Leitão * Pedro Durão * Rita Russo *
Com o especial contributo de Joana Brígido, que muito agradecemos.
Os nossos agradecimentos ao nosso entrevistado do mês, Luís Correia.

Documentos relacionados

Centro de Bridge de Lisboa

Centro de Bridge de Lisboa FPG: Primeiro de tudo muito obrigado! E relativamente às Equipas Open, aí não foi o peru do mês, mas sim o peru do ano! Joguei os últimos dois encontros e a minha equipa estava em 1º, joguei de tal...

Leia mais