Claudia Gaspar

Сomentários

Transcrição

Claudia Gaspar
A PESSOA SUBMETIDA A CIRURGIA CARDÍACA E FAMÍLIA: SUBSÍDIOS DA
INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM NA ORIENTAÇÃO PRÉ-OPERATÓRIA
Cláudia Sofia Rodrigues Gaspar – Enfermeira CHLN/HSM, Serviço de Cirurgia Cardiotorácica; Estudante de Mestrado em Enfermagem na Área de
Especialização Pessoa em Situação Crítica – ESEL.
Anabela Mendes – Mestre em Enfermagem; Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica; Estudante de
Doutoramento em Enfermagem UCP; Professora-Adjunta ESEL – Orientadora do Projeto Formativo em que se insere este Poster.
INTRODUÇÃO
DESENVOLVIMENTO
A vivência de uma transição saúde-doença3
pela pessoa submetida a cirurgia cardíaca e
família tem implicações significativas na
dinâmica individual e familiar. Devido aos
sentimentos de medo e vulnerabilidade1
associados a esta transição, emerge a questão:
Quais os subsídios das intervenções de
Enfermagem junto da pessoa submetida a
cirurgia cardíaca e família? Para lhe dar
resposta realizámos uma Revisão da
Literatura.
A pessoa doente e família vivenciam um Processo de Transição
Múltiplo e Sequencial3, associado a sentimentos de incerteza face
ao futuro. A intervenção do ENFERMEIRO no período préoperatório deverá atenuar esta incerteza, pela concretização da
orientação pré-operatória, entendida como um CUIDADO DE
ENFERMAGEM2,4. Da revisão da literatura concluímos que a
orientação pré-operatória assume-me como essencial e benéfica,
contribuindo para : 1,2,4
Redução
Redução
tempo
analgesia Pósinternamento
operatório
CONCLUSÃO
É assim importante, que no momento pré-operatório pessoa doente
e família recebam orientações apropriadas, lhes proporcionem
maior segurança no período pós-operatório.
1 Lapum,
Adesão
ensinos para a
alta
J., Peter, E., Angus, J. E., & Watson, J. W. (2011). Patients´discharge experiences: Returning home after open-heart surgery. HEART&LUNG, pp. 226-235.
M. (Março de 2011). Using targeted information to meet the needs of surgical patients. Nursing Standard, pp. 35-39.
3 Meleis, A, et al. (2000). Experiencing Transitions: An Emerging Middle-Range Theory. Advanced Nurse Science. 23(1):12-28.
4 Santos, J. d., Henckmeier, L., & Benedet, S. A. (2011). O impacto da orientação pré-operatória na recuperação do paciente cirúrgico. Enfermagem em Foco, pp. 184-187.
2 Pritchard,
Otimismo
pós-operatório