Da baleação à ciência

Сomentários

Transcrição

Da baleação à ciência
Dinamização de Atividades
Oficina
PROGRAMAÇÃO . 10 julho
Sala
S.13
Título da Atividade
Nome(s) Autores
Carla Dâmaso
Da baleação à ciência - A Arte do SCRIMSHAW
Instituição
OMA - Observatório do Mar dos Açores
Maria Joana Cruz
A baleação nos Açores iniciou-se no século XVIII, praticada por navios americanos com base em Nova Inglaterra. A atividade baleeira
necessitava de mão-de-obra intensiva, constituindo uma atração para a população masculina açoriana. O conhecimento que a população
açoriana foi adquirindo a bordo dos navios americanos permitiu que, em meados do século XIX, a indústria baleeira nos Açores se
desenvolvesse, persistindo até à década de 1980. O cachalote, dadas as suas características para a produção de óleo para iluminação,
tornou-se a espécie alvo da baleação açoriana. “Scrimshaw” é uma palavra da língua inglesa, que designa a arte de entalhe e gravação ou
pintura em marfim, ou seja, dentes e ossos da mandíbula - de cachalotes. As peças são muito variadas, utilitárias e decorativas, como por
exemplo caixas, talas para corpetes de vestidos de senhora, dedais, cabos de sinete, punhos de bengala, dados e até carretilhas para recorte
da massa tenra. Essa manifestação artística está ligada à atividade da baleação e constitui a mais autêntica e conhecida manifestação da
chamada arte baleeira tendo tido origem no século XIX, nas frotas de baleação, inicialmente formadas por marinheiros norte-americanos. A
arte de Scrimshaw correspondia à ocupação nas horas de ócio a bordo e a uma expressão de saudade da família e da terra do artista. As
técnicas mais utilizadas são a incisão ou a gravação, sendo os entalhes pigmentados. Outro dos produtos da baleação era o sabão,
produzido a partir do óleo da baleia. Esta oficina pretende aliar a história, a arte, a reutilização de materiais e a Educação para a Preservação
dos Cetáceos como espécies protegidas a nível mundial, tendo como ponto de partida exatamente estes dois produtos. Assim, em duas
fases, e introduzindo conceitos da Anatomia e Conservação das Espécies, propomo-nos a desenvolver duas atividades complementares: 1 –
Produção de sabão, a partir de óleo de cozinha usado. 2 – Fazer uma abordagem simples à arte do scrimshaw, apenas a gravação e entalhe,
usando o sabão como matéria-prima, substituto do dente ou osso de baleia. Esta é uma atividade que pode ser desdobrada e adaptada às
diferentes faixas etárias, aplicando diferentes níveis de complexidade. As duas fases podem funcionar de forma independente.