Por que não estamos em uma nova Guerra Fria

Сomentários

Transcrição

Por que não estamos em uma nova Guerra Fria
Por que não estamos em uma nova Guerra Fria
Roberto Moll
A Guerra Fria colocou em lados opostos duas grandes potências econômicas e
militares, que carregavam visões de mundo distintas, o capitalismo e o socialismo
realmente existente. Durante aproximadamente 40 anos, essas duas potências ocuparam
zonas de influência para realizar seus interesses materiais e subjetivos, mas nunca entraram
em confronto direto porque poderiam pôr fim à humanidade. Com a extinção da União
Soviética, a maioria dos cidadãos do extinto bloco, progressivamente, abraçou o
capitalismo, tanto no plano material quanto subjetivo. Assim, os Estados Unidos, como
representante máximo dos interesses da elite capitalista internacional, passaram a atuar em
quase todo o globo como um império informal preocupado em manter e estabelecer as
regras de realização do capital em parceria com outros governos, representantes de
interesses comuns, incluso nos novos Estados que surgiram com a desintegração da União
Soviética. Como resultado, desenhou-se um mundo caracterizado pela hegemonia do
macropolo estadunidense em parceria com polos dependentes. Mas, não isento de tensões.
Nesse quadro de hegemonia capitalista, as crises, características do sistema,
continuaram a existir. Na Ucrânia, o povo foi às ruas insatisfeito com um governo corrupto
e tradicional, que acentuou os efeitos da crise econômica que atingiu o país, como em
outras regiões do globo, sobretudo da Europa. Nas ruas de Kiev, cidadãos de diferentes
classes e frações de classe com ideais socialistas, anarquistas, liberais conservadores,
fascistas e visões de mundo plurais, ecléticas e contraditórias exigiram reformas em
diversos aspectos da sociedade. Quase nenhum grupo da sociedade civil apoiou o governo
de Viktor Yanukovych, em um caso claro de crise hegemônica. Outros políticos
tradicionais tentaram captar as vozes das ruas e assumir o vácuo de poder, como Oleksandr
Turchynov e Yulia Tymoshenko. A tensão no país ameaçou a realização do capital russo,
estadunidense e europeu na região, principalmente porque afetou o mercado consumidor
ucraniano, gerou insegurança para empresas, desestabilizou o mercado financeiro e colocou
em risco o funcionamento do gasoduto que abastece a Europa.
Para tentar solucionar o problema de acordo com seus interesses materiais
imediatos, a elite europeia e políticos ucranianos de oposição, como Turchynov e
Tymoshenko, encenaram uma aproximação bilionária, garantida pela União Europeia, que
prometeu solucionar a crise, mas colocava o país sob o auspício do polo europeu. O polo
russo, que cobria a Ucrânia, reagiu à intervenção europeia e tentou sustentar o governo
Yanukovych. Ambos reforçaram construções nacionais distintas, enraizadas no passado e
em diferenças étnicas. Com essa estratégia material e simbólica, os governos europeus
garantiram o apoio do oeste. Como resposta, o governo russo tentou controlar o leste a
partir da Crimeia, onde tem uma base militar e apoio da população de origem russa. Nos
Estados Unidos, os interessados em salvaguardar as regras de realização do capital
internacional, representados por setores conservadores que anunciam com temor a
decadência estadunidense e setores liberais que defendem a democrática expressão popular
(vide o discurso do ator Jared Leto na premiação do Oscar), pressionam o governo a
intervir diretamente.
Portanto, a crise na Ucrânia não tem nenhuma relação com a Guerra Fria, mas com
a dinâmica interna do próprio capitalismo contemporâneo permeada por crises econômicas
internacionais e crises hegemônicas nacionais em meio à formação instável do bloco
hegemônico internacional organizado a partir do polo estadunidense em parceria com polos
regionais semiautônomos, que só entram em conflito dentro dos limites do sistema. Por
isso, é difícil acreditar que homens como Putin queiram ressuscitar a União Soviética e
enfrentar os Estados Unidos. A ocupação da Crimeia é a chave de barganha na negociação
sobre o controle da região, a fim de construir um rearranjo que manterá o equilíbrio de
poder dos diferentes polos. A ideia de que Putin lidera um polo criptocomunista agressivo
em uma nova Guerra Fria tem por objetivo gerar incerteza dentro e fora dos Estados, para
deslegitimar o tímido surgimento de propostas socialistas, comunistas e anticapitalistas que
emergiram em meio à crise e alimentar a indústria da segurança. Não estamos próximos de
uma Guerra Mundial. Mas, se não formos capazes de avaliar a complexidade de interesses,
grau de autonomia e a capacidade dos russos, a trágica repetição da história poderia estar
mais próxima da lógica da Primeira Guerra Mundial do que a da Guerra fria.
Postado em 12/03/2014