Doenças Pleurais

Сomentários

Transcrição

Doenças Pleurais
Doenças pleurais
Doenças Pleurais
Derrame pleural
Empiema
Pneumotórax
Hemotórax
Quilotórax
Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle
Pleuras - Anatomia
Pleuras - Fisiologia
• Pleura visceral – recobre a superfície externa do pulmões
• Pleura parietal – reveste a parede interna da caixa torácica.
• Líquido Pleural – Forma uma película lubrificante que possibilita o
• Devido à diferença de pressão hidrostática entre os vasos dos dois
folhetos, cerca de 700 ml de líquido circulam diariamente no
espaço pleural e são absorvidos pelos linfáticos e capilares do
deslizamento de uma pleura sobre a outra durante os movimentos
folheto visceral.
respiratórios. É estimado em 0,1 a 0,2 ml/Kg de peso.
• Qualquer alteração nas pressões que controlam a dinâmica do
líquido pleural, na permeabilidade dos capilares pleurais ou na
integridade dos vasos linfáticos, poderá acarretar excesso de
formação ou déficit de reabsorção e provocar acúmulo anormal de
líquido, caracterizando a formação do derrame pleural.
1
Derrame pleural
Derrame pleural - Caracterização
Transudatos – não há envolvimento inflamatório das pleuras, e o
Acúmulo anormal de líquido no espaço pleural resultante de um
desequilíbrio fisiológico das forças que regulam a formação e reabsorção
do líquido pleural ou de eventos fisiopatológicos decorrentes de processos
inflamatórios ou infiltrativos dos folhetos pleurais.
acúmulo de líquido é resultante do aumento da pressão hidrostática
sistêmica ou pulmonar.
Exsudatos – resultam de patologias que determinam reação inflamatória
local,
com
consequente
aumento
da
permeabilidade
capilar
e
extravasamento de proteínas para o espaço pleural. Os exsudatos podem
também se formar por impedimento ou redução da drenagem linfática
Principais causas de derrame pleural
2
Derrame pleural - Tratamento
Derrame pleural - Tratamento
Toracocentese – punção diagnóstica / punção esvaziadora
Empiema
Derrame constituído de pus
Pneumotórax
Presença de ar na cavidade pleural
Tratamento – drenagem de tórax
3
Pneumotórax
Espontâneo – primário e secundário
Pneumotórax espontâneo
O PTX espontâneo primário é uma doença de adultos jovens, a maioria
Traumático
dos pacientes estão entre as idades de 20 a 30 anos. Etiologia congênita
Iatrogênico
controversa ou de fundo genético.
Hipertensivo
O PTX espontâneo secundário está presente em 20% dos pacientes com
pneumotórax espontâneo, o evento está relacionado a uma doença
pulmonar subjacente localizada ou generalizada (DPOC)
Pneumotórax traumático
• Presente em 15 a 50% dos pacientes com
trauma torácico
– Fratura de arco costal
– Impacto sobre vítima em inspiração completa
com a glote fechada
– FPAF: Tiro
– FAB: Facada
Pneumotórax traumático
PTX fechado – sem escape de ar para o meio externo
PTX aberto – com escape de ar para o meio externo
4
Pneumotórax Iatrogênico
Pneumotórax Hipertensivo
• Situação de risco de vida
Realização de acesso venoso central em subclávia
• Válvula unidirecional que permite que o ar entre mas não saia do espaço
pleural
Barotrauma por ventilação mecânica
• Desvio do mediastino, com comprometimento do pulmão contralateral
Conseqüências:
• Ventilação progressivamente mais difícil
• Diminuição do fluxo de sangue para o coração
• Choque
Pneumotórax Hipertensivo
Pneumotórax - Quadro Clínico
Dor
Dispnéia
Expansibilidade diminuída
Hipertimpanismo a percussão
MV diminuído ou abolido
Cianose
5
Pneumotórax hipertensivo - Quadro Clínico
Pneumotórax – Interpretação radiológica
• Agitação
• Cianose
• Distensão jugular (estase jugular)
• Desvio da traquéia
• Distanciamento entre
pleura visceral e parietal
• Área hipertransparente
• Desvio do Ictus cordis
• Hipotensão arterial
• Ausência de trama vasobrônquica
• Taquicardia
• Queda progressiva do estado de consciência
• Choque
Pneumotórax – Conduta e tratamento
• Conduta expectante
–
–
–
–
–
–
Pneumotóracex pequenos
1,5% do ar intrapleural é absorvido diariamente
Sedar tosse
Analgésicos
Exercícios respiratórios (7º dia)
Controle radiográfico
• Toracocentese
– Aspiração do ar na cavidade pleural
– Pneumotórax hipertensivo
6
Pneumotórax – Conduta e tratamento
Caso clínico
• Drenagem pleural
– Tratamento padrão
– 4° ou 6° EIC, Linha axilar anterior
– Dreno em selo d’ água
– Aspiração pleural contínua
– Manter por 24h após a expansão completa do pulmão e
fechamento da fistula
Caso clínico
Identificação
R.O.R.R., 37 anos, masculino, comerciante, natural e residente
do Rio de Janeiro.
Queixa principal
Dispnéia.
História da doença atual
Paciente relata ter discutido com a esposa que o agrediu com faca
de cortar pão. Assustou-se com a quantidade de sangue e evoluiu
com dispnéia de grande intensidade. Gritou por socorro e foi
trazido ao hospital por vizinhos.
Caso clínico
• Exame físico
Hipocorado (+/4+), hidratado, anictérico, cianose de
extremidades, dispneico, grande agitação
psicomotora. Murmúrio vesicular preservado à
direita, sem ruídos adventícios e abolido à esquerda,
apresenta evisceração em base de hemitórax
esquerdo com exposição do pulmão. Abdômen
flácido e indolor.
7
Hemotórax
• É a presença de sangue na cavidade pleural resultante de lesões
Hemotórax – Quadro clínico
Proveniente de um trauma
Dor
do parênquima pulmonar, de vasos da parede torácica ou de
grandes vasos como aorta, artéria subclávia, artéria pulmonar ou
Dispnéia
Expansibilidade diminuída
Macicez a percussão
mesmo do coração.
MV diminuído ou abolido
• Hipovolemia
Cianose
• Hemotórax hipertensivo – incomum
Hipotensão, taquicardia
Choque
Hipotransparência ao RX de tórax
Hemotórax
Hemotórax- tratamento
Tratamento:
– Problema respiratório:
• Oxigênio suplementar
• Ventilações assistidas
– Problema circulatório:
• Reposição intravenosa de soluções c/ eletrólitos
– Drenagem de tórax
8
Tórax instável ou tórax flácido
Tórax instável ou tórax flácido
• Ocorre quando três ou mais costelas adjacentes são fraturadas em pelo
menos dois lugares
• Perda de suporte ósseo e a fixação à caixa torácica
• Move-se em direção oposta á do resto do tórax durante a inspiração e a
expiração
• Respiração paradoxal
Tórax instável ou tórax flácido
Conseqüências:
– diminuição na capacidade vital proporcional ao tamanho do
segmento instável
– Aumento no trabalho da respiração
– Dor, limitando a capacidade de expansão da caixa torácica
– Contusão do pulmão abaixo do segmento instável
9
10
Drenagem do tórax
11

Documentos relacionados

Pneumotórax As pleuras são membranas que

Pneumotórax As pleuras são membranas que altitude, que produzem mudanças nas pressões dos pulmões. Pode também ser decorrente de trauma e procedimentos médicos. Indivíduos altos e jovens têm um risco aumentado de desenvolver pneumotórax.

Leia mais

Derrame Pleural

Derrame Pleural (quando a pleura está inflamada). No entanto, quando se instala o derrame pleural, ocorre afastamento entre as pleuras e consequentemente este sintoma desaparece. Em outras ocasiões, quando ocorre ...

Leia mais

Afecções Pleurais - Departamento de Cirurgia e Anatomia

Afecções Pleurais - Departamento de Cirurgia e Anatomia Encontra-se presente em tumores de pulmonares - CA broncogênico ou metástases a distância principalmente de mama e órgãos abdominais.

Leia mais

Trauma torácico - Tutoriais de anestesia

Trauma torácico - Tutoriais de anestesia Lesão de veias intercostais Lesão de veias do parênquima pulmonar Lesão arterial (menos comum)

Leia mais

TRAUMA TORÁCICO

TRAUMA TORÁCICO Ferimentos penetrantes pré-cordiais (Área de

Leia mais

Aula 03 - Uroped

Aula 03 - Uroped ƒ PT = Visualiza-se linha da pleura visceral, desvio contralateral do mediatino ƒ PM = halo de hipertransparência ao redor do coração, que parece suspenso ƒ Toracocentese – punção torácica com saíd...

Leia mais

Trauma de tórax - Defesa Civil do Paraná

Trauma de tórax - Defesa Civil do Paraná 3. Mecanismos de lesão Trauma direto – Neste mecanismo, a caixa torácica é golpeada por um objeto em movimento ou ela vai de encontro a uma estrutura fixa. Nesse caso, a parede torácica absorve o i...

Leia mais