osíris - World Public Library

Сomentários

Transcrição

osíris - World Public Library
OSÍRIS
osiris_fim.indd 1
4/3/2009 10:29:23
Nosso objetivo é publicar obras com qualidade editorial e gráfica.
Para expressar suas sugestões, dúvidas, críticas e eventuais
reclamações, entre em contato conosco.
CENTRAL DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR
Rua Pedroso Alvarenga, 1046 • 9o andar
04531-004 • São Paulo • SP
Fone: (11) 3706-1466 • Fax: (11) 3706-1462
www.marcozero.com.br
[email protected]
É PROIBIDA A REPRODUÇÃO
Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida, copiada,
transcrita ou mesmo transmitida por meios eletrônicos ou
gravações, sem a permissão, por escrito, do editor. Os infratores
serão punidos de acordo com a Lei no 9.610/98.
Este livro é fruto do trabalho do autor e de toda
uma equipe editorial. Por favor, respeite nosso trabalho:
não faça cópias.
osiris_fim.indd 2
4/3/2009 10:29:39
Marcelo Hipólito
OSÍRIS
Deus do Egito
osiris_fim.indd 3
4/3/2009 10:29:40
© 2009 Marcelo Hipólito
Direitos desta edição reservados à Nobel Franquias S.A.
(Marco Zero é um selo editorial da Nobel Franquias S.A.)
Publicado em 2009
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Hipólito, Marcelo
Osíris: Deus do Egito/Marcelo Hipólito. – São Paulo:
Marco Zero, 2009.
ISBN 978-85-213-1479-0
1. Ficção brasileira 2. Osíris (Divindade egípcia) I. Título
08-12272
CDD-869.93
Índice para catálogo sistemático:
1. Ficção: Literatura brasileira 869.93
osiris_fim.indd 4
4/3/2009 10:29:40
Aos sonhadores e seus delírios.
osiris_fim.indd 5
4/3/2009 10:29:40
osiris_fim.indd 6
4/3/2009 10:29:40
Sumário
Parte I
O inimigo de Rá
Capítulo I
Cinco dias
11
Capítulo II
Prelúdios
27
Capítulo III
Duas filhas de Nut,
um filho de Geb
37
Capítulo IV
Hórus
53
Parte II
O Messias
69
Capítulo V
A Boa-Nova
71
Capítulo VI
A coroa de junco
87
Capítulo VII A jornada do rei
Parte III O Reino dos Mortos
osiris_fim.indd 7
9
99
111
Capítulo VIII Biblos
113
Capítulo IX
A múmia
123
Capítulo X
O guerreiro de Rá
141
4/3/2009 10:29:41
osiris_fim.indd 8
4/3/2009 10:29:41
Parte I
O INIMIGO
DE RÁ
osiris_fim.indd 9
4/3/2009 10:29:41
osiris_fim.indd 10
4/3/2009 10:29:42
Capítulo I
Cinco dias
Oh, magnífico Atum.
Atum, Completo e Eterno, Tudo e Nada, de onde
viemos e para onde retornaremos. E os atributos e dotes
de Atum eram ilimitados e divinos: os Neteru. E Atum
existia em harmonia com eles. E, por isso, Atum chamava
a si mesmo de Neter.
Atum, o Inexorável, origem de toda verdade, conhecimento e poder.
Atum, aquele que criou a si mesmo, a divindade primordial, o Neter, ou Deus da Ordem e do Princípio, pai
do Nu, água escura do Caos e das Trevas, infinita, fria e
malévola.
E Atum mergulhou no Nu, onde germinavam as forças primordiais do Cosmo imberbe – a matéria-prima da
Vida e da Morte, da Luz e da Penumbra.
E o Nu, por sua vontade e malícia, forjou as Deidades
de Khmunu, os oito demônios do Caos: os deuses-sapos
Nun, Naunet, Amen e Amaunet; e as deusas-serpentes
Heh, Hauhet, Kek e Kauket.
osiris_fim.indd 11
4/3/2009 10:29:42
Para conter as Deidades, Atum proclamou a Palavra.
Esta fez emergir do Nu sombrio o primeiro solo: árido,
estéril, duro. E Atum chamou-o Benben, a Montanha da
Aurora.
Sob o pico estreito de Benben, equilibrava-se um
mundo em forma de ovo, o qual, súbita e violentamente,
partiu-se em milhões de fragmentos.
De seu interior, saltou Rá, o Deus-Sol, dono de olhos
de fogo ardente, cabelos negros como o Nu e uma face de
estonteante beleza, feita à imagem e semelhança de Atum.
E Rá emanava um brilho incandescente e intenso.
Tragados pelo esforço criador deflagrado, Atum e Nu
transmutaram-se no Universo, no Céu, na Lua e na Terra.
Enquanto se transformava em sua própria Criação,
no Primeiro Tempo, no Sopro Inicial, Atum vislumbrou
o futuro e se maravilhou com o mundo que se impunha
em lava, trovão e cinzas.
Incapaz de refrear-se, Atum verteu uma lágrima de
pura e imaculada alegria, e esta desaguou suavemente sobre o mundo mortal, originando o Homem, nascido para
se multiplicar sobre a Terra, cujos herdeiros passariam os
dias entretidos em correrias e brincadeiras, nus e felizes.
Naquela era, as noites ainda não existiam. Havia somente a luminosidade de Rá, sob a qual os humanos amavam e deliciavam-se com os abundantes frutos da terra, as
fontes de água, ricas e frescas, e as brisas quentes e agradáveis. Eles morriam unicamente de doença ou acidente,
uma vez que paravam de envelhecer ao atingirem a adolescência; sequer sofriam a ação de predadores, inexistentes
naqueles dias de paz e inocência.
12
osiris_fim.indd 12
4/3/2009 10:29:42
Porém, ofuscados pela intensa luminosidade de Rá,
Soberano do Céu e das Estrelas, os deuses-demônios tinham se refugiado no mundo do Homem.
O brilho do Deus-Sol, contudo, seguiu-os também
àquele domínio, para guardar e proteger a humanidade
dos demônios.
Caçadas pela luz de Rá, as Deidades de Khmunu esgueiraram-se em direção ao submundo da Terra, onde as
trevas repousavam a salvo da luz solar.
No exílio de sua tumba profunda, o deus-sapo Amen
e a deusa-serpente Heh tramaram sua vingança, em uma
cópula repugnante e odiosa. E assim conceberam um rebento maldito, fadado a arruinar Rá: Apep, o Destruidor,
a Serpente do Caos, Aquele Que Tudo Devora.
Sombra severa e cruel, Apep assumiu a forma de uma
imensa serpente d’água, dotada de asas disformes e escamosas.
Cruzamento obsceno das duas raças de demônios,
mais poderoso que ambas, Apep provou-se imune ao brilho de Rá. Em seu íntimo escuro, ardia um único desejo:
aniquilar o Deus-Sol.
Ansioso por degustar o espírito de Rá, Apep rastejou
como uma praga até Bakhu, a Montanha do Horizonte, o
pico mais elevado do Egito.
Egito, Berço da Humanidade e do lendário Nilo, o
caudaloso rio surgido das águas remanescentes da lágrima
de Atum.
Apep pretendia alçar voo de Bakhu para o reino
imortal de Rá, quando a luz de Rá rareou e uma escuridão
densa e repentina se espalhou sobre o Egito, como uma
mortalha silenciosa.
13
osiris_fim.indd 13
4/3/2009 10:29:42
Contudo, aquele véu de trevas rapidamente cedeu
diante de uma luz forte, suave, prateada, feminina, até
então desconhecida do Universo.
E este foi o despontar de Silene, a Deusa da Lua, que
agora cobria preguiçosamente, com seu luar doce e sereno, o mundo mortal.
Ao fugirem do Céu, atordoados pelo brilho de Rá, os
demônios não se aperceberam da criação de uma nova geração de Neteru pelo enorme poder do Deus-Sol, herdado de Atum. Eram estes filhos-irmãos de Rá, submissos à
sua vontade e destinados a coroá-lo, glorioso e arrogante,
como o Rei dos Deuses.
Rá desposou sua irmã Nut, Deusa do Céu, a mais
formosa entre as Neteru, dona de cabelos macios, longos,
brilhosos e negros, olhos azul-celestes, seios fartos, pernas
longas e insinuantes e quadris largos e convidativos.
Rá nomeou seus irmãos príncipes e conselheiros –
Thoth, Deus da Sabedoria, e Geb, Deus da Terra.
As feições de Thoth ostentavam a beleza de Rá, a despeito do crânio calvo e da expressão fechada, assoberbada
pelo fardo do conhecimento.
Geb, por sua vez, apresentava beleza viril, de traços
fortes, córneas acres e cabeleira selvagem e indomável como seu espírito.
Por fim, restava Silene, a caçula dos Neteru, que se
mantinha afastada da família para a satisfação de Rá, invejoso do garbo e da intensidade de seu luar, capaz de
rivalizar com o brilho do próprio Deus-Sol.
A Lua, portanto, assumia-se solitária e arisca, de sorriso discreto e melancólico. Seus olhos prateados e cabelos
14
osiris_fim.indd 14
4/3/2009 10:29:42
curtos – lindos e sedosos como os de Nut – conferiam-lhe
aspecto frágil, tênue, etéreo, mas, também, carregado de
imensa sedução.
Os Neteru trajavam roupas leves e claras: os deuses
envergavam saiotes e as deusas, vestidos transparentes e
macios, atados às costas. Apreciavam ainda o uso de ouro
e joias – anéis, pulseiras e colares – e, ocasionalmente, calçavam finas sandálias de couro.
Na aurora do Universo, Rá construíra uma barca, de
casco vermelho e vela dourada, em tons vívidos e ofuscantes, com a qual cruzava o firmamento. Agora, viajava do
alvorecer ao crepúsculo acompanhado de sua corte, acomodado em seu grande trono de ouro e marfim.
Modesta, por comparação, em luxo e dimensões, a
Lua também criara uma barca para si, a bordo da qual
zarpava toda noite, quando o Sol se recolhia.
A Barca da Lua ostentava casco escuro e vela suave,
tecida com delicados fios de prata, sutis como o corpo
esbelto de Silene, sua solitária ocupante, a despejar seu
brilho prateado sobre os mortais.
Naquela primeira jornada da Lua, Apep aguardou Silene concluir seu trajeto sereno pelo Céu. Somente quando o Sol emergiu no horizonte foi que o Destruidor lançou-se de Bakhu, determinado a devorá-lo.
O bater de suas asas elevou-se num estrondo de terror e danação, que encolheu os corações humanos.
Tementes a Rá, homens e mulheres rezaram contritos, esperançosos de que o Sol, fonte de vida e calor, não
sucumbisse às trevas da Serpente do Caos.
15
osiris_fim.indd 15
4/3/2009 10:29:42
Apesar de seu poder divino, Rá se acovardou perante
a aproximação de Apep, impotente diante de seu horror
malévolo.
Esse foi o eclipse primordial – o mais longo e terrível
eclipse jamais observado. Outros viriam – frutos dos ataques ferozes de Apep –, porém, como então, testemunhariam a resistência valorosa dos defensores de Rá. Pois Rá
sobreviveu àquela primeira batalha somente pela pronta
intervenção de Thoth, que conjurou poderosos feitiços,
erguendo barreiras invisíveis e impenetráveis às presas fétidas e peçonhentas do Demônio do Caos.
E Apep recuou diante da magia de Thoth, cuja invocação, todavia, consumiu-lhe as forças. Assim, o Deus da
Sabedoria desabou e permaneceu desacordado por semanas, exaurido pelo heroico esforço.
A despeito do horror de Apep, Rá recusou-se a entregar o domínio do Céu ao Inimigo. Com Thoth combalido e inconsciente, Rá criou as deusas Hator e Maât
– poderosas Neteru, respectivamente, do Celestial e do
Equilíbrio – para guarnecer sua barca com encantamentos
e feitiços.
Com a proteção de suas novas guerreiras, Rá zarpou
na alvorada seguinte disposto a enfrentar Apep. Ao seu
lado, a belíssima Hator, de expressão confiante e determinada, reflexo da dureza de seu caráter e poder, e a linda e
alada Maât, de olhar justo e penetrante, dotada de alvas
asas às costas.
E a magia das novas deusas manteve Apep à distância.
Então, o Destruidor vociferou aos Quatro Ventos,
praguejando e babando sua cólera indócil, com seu corpo
nojento e anelado convulsionado por tremores de ódio.
16
osiris_fim.indd 16
4/3/2009 10:29:43
E a fúria de Apep só aumentava a cada jornada bemsucedida da Barca do Sol, num furor sombrio que lhe escravizava a vontade, os anseios e os pensamentos.
Rá deu-se por satisfeito e seguro. Contudo, uma nova
ameaça ainda mais insidiosa precipitaria o fim de seu reinado absoluto sobre o Universo.
Em segredo e malícia, a intriga transcorria debaixo
do teto de Rá, em pleno Palácio Celestial – uma construção maciça, de paredes lisas, desprovida de muralhas, sob
a segurança do Benben, fora do alcance das asas assassinas
de Apep.
Seus suntuosos portões se abriam para as imponentes
docas de argamassa cinzenta, onde ancoravam as barcas
do Sol e da Lua. As duas nunca permaneciam juntas, pois
a aproximação de uma significava a partida da outra.
Atrás do palácio, despontava um precipício íngreme
e abrupto, acima do mar infinito, de águas profundas, geladas e sombrias, remanescentes do Nu extinto.
A cada crepúsculo, o Palácio Celestial mudava de configuração: seus noventa e nove cômodos alternavam de lugar entre si, numa dança aleatória, desordenada e imprevisível. Os deuses, todavia, detinham a inusitada capacidade de
localizarem seu caminho com facilidade pelos compridos
corredores, amplos salões e deslumbrantes jardins.
Rá amava seu reino, sua esposa, súditos e palácio. Porém, quando o Sol mergulhava em sono profundo e a Lua
dominava o Céu, Nut e Geb se encontravam em sigilo
e consumavam seu amor proibido, desonroso e sofrido,
cientes de sua traição, embora incapazes de evitá-la, pois
maior era o desejo em seus corações.
17
osiris_fim.indd 17
4/3/2009 10:29:43
E tal perfídia perdurou longamente até uma noite fatídica, amaldiçoada entre os deuses, em que o sono de Rá
sucumbiu a um terrível presságio, vindo no sopro de um
pesadelo sombrio, que marcaria o Senhor dos Neteru – e
as eras vindouras – sob o signo da danação, submersa em
sofrimento e sangue. Neste, Rá presenciou Nut dar à luz
um novo rei, surgido para tomar-lhe o trono e diminuí-lo
perante o Homem e a Criação. Assim, despertou sobressaltado.
Ainda assombrado pelas névoas de sua visão, encontrou vago o leito marital.
Surpreso, o Deus-Sol procurou freneticamente a esposa pelo palácio. Então, súbita e terrivelmente, gemidos
de prazer abafados e incontidos o atraíram aos aposentos
de Geb.
Lá chegando, incrédulo, atônito e horrorizado, deparou-se com a lúbrica visão de Nut imersa até a cintura nas
águas tépidas da banheira de seu irmão.
A deusa oferecia os seios aos lábios famintos de Geb,
envolvido em suas coxas magníficas, torneadas, morenas
e sedosas.
Ela mantinha os olhos fechados e absortos, num êxtase profundo, denso, pleno. Os quadris de Geb golpeavam febrilmente o sexo da esposa de Rá, na loucura de
seu apetite pulsante, másculo e animalesco. Seu delírio
convulsionava as águas ardentes e lançava respingos fartos
para fora da banheira.
– Prostituta infiel! – vociferou Rá, com a voz embriagada na humilhação e ira. – Você sangra meu espírito, trai
minha coroa e desfaz minha aliança com o mais amado
dos meus irmãos! Maldita seja, mulher!
18
osiris_fim.indd 18
4/3/2009 10:29:43
E Rá baniu Geb de sua presença pela eternidade, confinando-o ao leito sombrio, remoto e silencioso do oceano
frio e escuro que jazia além do Palácio Celestial.
Com seu poder divino, o Deus-Sol lançou uma praga
sobre Nut: jamais pariria ela uma criança, em qualquer
dia do ano, enquanto o Tempo existisse.
Assim, Nut sucumbiu a uma imensa tristeza, que
se transformou em agonia e desespero quando, sete dias
após cair em desgraça, descobriu-se grávida da semente
de Geb.
Ela ocultou o fato ao marido, por temer sua fúria e
desgosto.
De fato, Rá nunca perdoou a vergonha da traição,
obrigado a conviver com sua dolorosa lembrança até o
derradeiro suspiro da Criação.
Nut, portanto, confiou seu segredo somente a Thoth,
Deus da Sabedoria, em quem buscou conforto e auxílio,
esperançosa de parir os frutos de sua relação com Geb, seu
único e verdadeiro amor.
Secretamente apaixonado por Nut, Thoth decidiu
ajudar a irmã – mesmo sob o risco de atrair para si a fúria
de Rá. Confiava, porém, na gratidão do rei, uma vez que
o salvara das mandíbulas de Apep na Batalha do Primeiro
Eclipse.
Ao longo dos dias seguintes, Thoth esculpiu em madeira um tabuleiro e duas dúzias de peças arredondadas.
Pintou o tabuleiro com quadrículos vermelhos e brancos,
e cada conjunto de peças recebeu uma dessas cores. Assim,
criou o jogo de damas.
Naquela manhã, Thoth ausentou-se da Barca do Sol
e compareceu aos aposentos de Silene no Palácio Celestial.
Ele trazia consigo o inusitado jogo, lindo e reluzente.
19
osiris_fim.indd 19
4/3/2009 10:29:43
Silene encantou-se de imediato com a novidade, um
ardil bem-sucedido, elaborado com o intuito perverso de
seduzir a mente curiosa da deusa.
Thoth ensinou-lhe as regras do jogo e convidou-a a
uma partida, desde que ela apostasse algo de real valor,
a fim de dar sabor à disputa.
Receosa e desconfiada, Silene hesitou.
Contudo, sua fascinação pelo tabuleiro e o interesse
em explorar suas inúmeras probabilidades induziram-na a
acatar o desafio do irmão.
– Se eu ganhar, irmã, você me levará esta noite consigo em sua barca, a um passeio sobre o mundo mortal.
– demandou Thoth.
Silene detestou os termos de Thoth. Ela jamais consentira na presença de qualquer Neter a bordo de sua embarcação. Ainda assim, não pretendia negar-se o prazer
do jogo.
– Eu aceito – concordou a deusa. – Todavia, no caso
da minha vitória, fico com o tabuleiro e as peças.
Thoth assentiu, armando então o jogo no assoalho
liso dos aposentos da irmã.
Silene escolheu o conjunto branco que, pelas regras
de Thoth, iniciava a partida.
Todavia, para o azar da Lua, a mente do Deus da
Sabedoria provou-se habilidosa em tecer estratagemas, induzindo ao erro os movimentos da adversária.
Os lances frios e perspicazes de Thoth, aliados ao minucioso conhecimento de regras por ele inventadas, lograram arrancar de Silene uma vitória fácil.
A Lua fora temerária e ingênua ao ignorar a óbvia
vantagem do irmão enquanto criador do jogo.
20
osiris_fim.indd 20
4/3/2009 10:29:43
O entardecer testemunhou um presunçoso Thoth a
bordo da Barca da Lua. Contrariada, embora resignada,
Silene tomou gentilmente o leme e zarpou para seu costumeiro trajeto pelo firmamento.
O orgulho de Silene a impelia a superar o irmão, o
qual ostensivamente trouxera consigo o jogo.
– O que deseja apostar agora, arrogante Thoth? –
provocou Silene.
– Um beijo em seus lábios, irmã – sorriu ele.
Arrepios de medo açoitaram Silene, acompanhados
de um estranho sentimento, desconhecido para ela. Ruborizou de imediato.
– Em troca do tabuleiro e das peças – emendou
Thoth.
– De acordo – balbuciou ela, incapaz de disfarçar o
nervosismo, para deleite do irmão.
Silene amarrou o leme no curso habitual e entregouse à partida, confiante.
Contudo, para desespero da Lua, Thoth tornou a
derrotá-la. Envergonhada e cabisbaixa, a orgulhosa Silene
entregou a boca ao irmão.
Thoth aproveitou para saborear-lhe os lábios em um
beijo luxurioso, ardente, molhado. Entrelaçou sua língua
na dela, impetuoso e altivo.
As pernas de Silene bambearam, e uma inesperada
umidade brotou-lhe em meio às coxas, fazendo seu rosto
ferver de desejo.
Thoth percebeu o efeito e sorriu debochado, a fim de
torturar ainda mais a dignidade de Silene.
O fogo da humilhação cresceu dentro da deusa: um
fogo que ela somente poderia aplacar mediante uma vitória inapelável sobre o irmão.
21
osiris_fim.indd 21
4/3/2009 10:29:43
Assim, Silene selou seu destino e caiu na armadilha
que o astucioso Thoth lhe estendera: exigiu o máximo de
seu intelecto na partida seguinte, num esforço desesperado para sobrepujar Thoth. Todavia, a despeito da melhora
em seu desempenho, novamente fracassou perante a frieza
do irmão.
Lágrimas de raiva tomaram-lhe a face deslumbrante,
enquanto pagava o preço de sua derrota. Ela se despiu
e, de pernas escancaradas, depilou-se ao prazer lascivo de
Thoth.
– Irmã, se desejar, suspendemos o jogo antes de as
apostas se tornarem altas demais para você – provocou
Thoth, com uma falsa misericórdia destinada a aumentar
a irritação de Silene.
– Nunca! – bradou Silene. – A vitória será minha e
você nunca mais verá seu tabuleiro, perverso irmão!
– Que assim seja – sorriu Thoth. – Saiba, porém,
que, se perder novamente, exigirei de você seu maior tesouro.
Ao ouvir dos lábios de Thoth o terrível preço daquela
derradeira aposta, Silene finalmente se atentou para a fria
e meticulosa artimanha de seu irmão, agora revelada em
todo seu calhorda intuito.
Silene levantou-se, linda e nua, e caminhou graciosamente até a amurada de bombordo. A embarcação atingia
seu ápice no Céu.
Preocupada e furiosa, Silene amaldiçoou a própria
inocência, que permitira ao irmão manipulá-la com tamanha facilidade.
Lá embaixo, o distante mundo mortal assemelhavase a um lago azul, crivado de montes de terra acre.
22
osiris_fim.indd 22
4/3/2009 10:29:43
Silene estremecia de raiva, medo, excitação e algo
mais. Se o vencesse, teria a posse do jogo e a chance de
desafiar o irmão a novas partidas – desculpa perfeita
para vê-lo e tê-lo por perto. Ainda que fosse um canalha,
Thoth lhe despertava sentimentos contraditórios de repulsa e fascinação, atração e furor.
Silene voltou-se ao adversário e, para sua inesperada
satisfação, surpreendeu-o admirando-lhe a nudez prateada. Sentou-se diante do tabuleiro com o olhar fixo em
Thoth, e então assentiu.
Por fim, iniciaram a derradeira partida.
Silene demonstrou notória habilidade, obviamente
desenvolvida nos intensos embates anteriores. Assim, sorriu diante do desconforto e apreensão que os movimentos
de suas peças causavam a Thoth.
Silene absorvera as regras do jogo e suas táticas com
maior presteza do que o Deus da Sabedoria havia previsto.
E essa foi a grande partida de Silene, na qual repeliu os
melhores lances e investidas de Thoth.
As peças inimigas se engolfavam e se destruíam mutuamente. Silene demonstrou gana e talento dignos de
uma Netert. Sua justa e merecida vitória avizinhava-se.
Sua honra seria restaurada, vingada e celebrada.
Contudo, o sábio e calculista Thoth desgastou ambos
os exércitos, até que restasse apenas uma única peça sobre
o tabuleiro – peça que ostentava o vermelho triunfante do
Deus da Sabedoria.
A angústia de Silene eclodiu em um pavoroso grito
de desalento, que cortou os domínios de Rá e fez tremer
as fundações do Cosmo.
Thoth estendeu à irmã a algibeira de couro que trazia
à cintura.
23
osiris_fim.indd 23
4/3/2009 10:29:43
Arrasada, Silene depositou nela sua aposta final, pagando pelo pesado preço de sua derrota: cinco raios de
luar.
Roubado de sua plenitude, o brilho de Silene empalideceu e jamais tornaria a se igualar ao do Sol.
Para sempre debilitada, a Lua não mais se ergueria no
horizonte com o esplendor de nascença. Cheia e radiante
apenas cinco noites por mês, agora minguava, entristecida e
diminuída, numa pálida lembrança de sua glória original.
Thoth desembarcou com a alvorada nas docas do
Benben. A Barca do Sol então partia para mais uma jornada diária. Ele se apressou ao Palácio Celestial, onde
Nut permanecera, com a desculpa de preparar um banquete a Rá.
Nut, contudo, aguardava ansiosa por Thoth em seus
aposentos. Ela o abraçou efusivamente quando ele retornou com a prometida salvação: os raios de Silene, que encerravam os anos de trezentos e sessenta dias, conferindolhes cinco novos dias de luz e calor.
Ainda que a maldição de Rá proibisse a esposa de
conceber em qualquer dia do ano, Thoth conseguira um
novo dia para cada uma das cinco sementes que Geb plantara no ventre adúltero de Nut. E ela não hesitou em utilizá-los.
No primeiro dos cinco novos dias, Nut deu à luz
Osíris.
Rá, por sua vez, explodiu em cólera e exigiu que a esposa lhe trouxesse o bebê, lindo, puro e sorridente, à sala
do trono do Palácio Celestial.
Diferente dos demais Neteru, gerados pela magia de
Rá, o bebê Osíris fora concebido de uma mãe e, portanto,
24
osiris_fim.indd 24
4/3/2009 10:29:44
não surgira adulto. Seu poder era frágil e imberbe, mas
destinado a crescer e desenvolver-se. Isso amedrontava Rá,
que, em sua visão, compreendera que ele viera para usurpar sua coroa.
Confrontado com um Osíris repleto de amor, bondade e inocência, Rá decidiu livrar-se do sobrinho bastardo
– mas não como gostaria. Afinal, mesmo sendo fruto de
traição infame, Osíris pertencia à família celestial. Logo,
se causasse mal à criança, Rá arriscava a revolta dos outros
deuses, numa insurreição impossível de conter.
Rá então proclamou o banimento dos filhos de Geb.
Em sua crueldade, haveria de separá-los da mãe, mas também não os enviaria ao pai no oceano de trevas, temeroso
de reuni-los e fomentar uma rebelião contra si.
Assim, o Deus-Sol condenou os filhos da Terra e do
Céu a encarnarem em corpos mortais, pelos quais viveriam como humanos e padeceriam dos males, dores e infortúnios da carne.
E imenso foi o sofrimento de Nut, submetida ao inominável capricho de seu esposo e à pavorosa dor de ser
privada dos rebentos.
Sob lágrimas incontroláveis, Nut pariu seus quatro
filhos seguintes.
No segundo dos dias, Nut concebeu Hórus, o Distante, tão lindo e nobre como Osíris. Ao terceiro dia, deu
à luz o arisco e silencioso Seth. Ao quarto amanhecer, pariu a belíssima Ísis. Por fim, ao quinto dia, Néftis. Esta,
a deusa nem embalou em seus braços maternais, pois Rá
arrancou-lhe a criança, cruel e bruscamente.
Nut gritou e chorou. Seus lamentos entristeceram os
Neteru, tocados pelo tormento da irmã, embora impotentes perante a autoridade severa de Rá.
25
osiris_fim.indd 25
4/3/2009 10:29:44
Então Rá zarpou na Barca do Sol e, ao atingir o apogeu do Céu, desdenhoso e inclemente, lançou os bebês
em direção à Terra um após o outro, na ordem estrita de
seus nascimentos.
O tempo dos deuses, contudo, diferia do tempo
dos homens: assim, os cinco deuses-bebês surgiram sob
pele mortal com anos de diferença uns dos outros, sem
contudo estarem presos à sequência em que desceram ao
mundo.
O primeiro a encarnar em forma humana foi Osíris
– bênção de esperança e renovação, promessa de salvação
àquelas paragens maculadas pelo sangue e pelo sofrimento
dos fracos e esquecidos.
26
osiris_fim.indd 26
4/3/2009 10:29:44
Capítulo II
Prelúdios
À sua criação, o mundo mortal anunciava-se belo e
sereno.
A humanidade, surgida da lágrima de Atum e bemamada por Geb, aprendera, com o Deus da Terra, a língua dos Neteru. E Geb os abençoava com frutos frescos e
água abundante para que crescessem e se multiplicassem
livremente.
E o piedoso Geb inspirava fraternidade entre os animais, conservando-os puros, felizes e avessos a desejos carnívoros, de modo que as criaturas da Terra tiravam seu
sustento da vegetação farta e jamais da carne dos mais
fracos.
Porém, o paraíso idílico de homens e animais, agraciado por séculos de bonança, haveria de encerrar-se pela
fúria e ciúme de Rá.
Ao condenar Geb à escuridão, o Deus-Sol, em sua
fria indiferença, privara a Terra de seu protetor, deixando-a
à mercê das trevas e do desespero.
osiris_fim.indd 27
4/3/2009 10:29:44
O mundo tornou-se bárbaro e inclemente. Criaturas
antes inocentes e pacíficas passaram a consumir, em deleite perverso e obsceno, o sangue, as entranhas e as carcaças
umas das outras. Dentre as bestas surgidas naqueles dias
sombrios, houve aquelas que sucumbiram ao mais inominável dos atos: o canibalismo. E uma espécie se provou
a mais cruel e selvagem, pela sua voracidade e malícia: o
Homem.
Naquele tempo, os homens andavam nus, errantes,
imundos e famintos. Desconheciam a habilidade de tecer
roupas e produzir ferramentas, viviam ao relento, sob o
jugo dos elementos, ignorantes à coleta de frutos, plantio
de cereais, estocagem de grãos e fabricação de utensílios
de pesca. Eram incapazes de desenvolver qualquer conhecimento, escrita ou arte.
Tribos de caçadores sujos e violentos abatiam e devoravam outros humanos, não poupando sequer mulheres
ou crianças em sua fome constante e despudorada, desprovida de misericórdia ou perdão.
O amor aos deuses se esvaeceu, até restar no espírito
humano somente o anseio louco pela sobrevivência, em
terras agora sombrias e ameaçadoras.
A longevidade e resistência humanas definharam para
uma existência canhestra, que raramente alcançava duas
décadas.
Nesse mundo abjeto, quando da centésima geração de
humanos surgida após a queda de Geb, nasceu Pamyles.
Pamyles pertencia a uma tribo de nove homens, doze
mulheres e três dezenas de crianças, habitantes de cavernas estreitas e sombrias, encravadas em um despenhadeiro
seco e íngreme, na vastidão do deserto ocidental.
28
osiris_fim.indd 28
4/3/2009 10:29:44
Sobreviviam da água que escorria das paredes e estalactites das cavernas e da caça a roedores, pequenos répteis, escorpiões e besouros. Armavam-se, como as demais
tribos do Egito, com paus, pedras e ossos de animais e
pessoas mortas.
Pamyles fora o primogênito do valente Let e da esquálida Naim, que daria mais dois filhos ao marido – Mem e
Laet – e perderia outros quatro em abortos espontâneos.
Mas seria Laet que lhe custaria a vida. O último suspiro de Naim coincidiria com o primeiro choro do caçula.
Acostumados a uma vida dura e implacável, em um
mundo árido e severo que não permitia fraquezas nem
lamentar os mortos, Let e os filhos maiores, Pamyles e
Mem, então com sete e cinco anos, devoraram as carnes
magras de Naim durante dias: a sua mais farta refeição em
família.
Let partia de madrugada e retornava somente à noite,
ocasionalmente com uma presa para alimentar os meninos, que, por sua vez, passavam os dias escavando o chão
arenoso da caverna em busca de vermes e lacraias, a fim de
se sustentarem e darem de comer ao bebê Laet.
Seu fardo, contudo, embora já terrível, estava para
piorar. Cerca de um ano após perderem a mãe, Let sucumbiu à picada de uma cobra, que falhara em abater a
pauladas.
Desprovidos de pais e ainda muito jovens para caçarem por si mesmos, Pamyles, Mem e Laet foram escorraçados de sua caverna por outra família e lançados à morte,
do alto do despenhadeiro, pelos homens daquela tribo.
Eram menos três bocas a serem alimentadas; mais
três cadáveres para saciarem a fome dos demais.
29
osiris_fim.indd 29
4/3/2009 10:29:44
Ao se chocarem com o solo, seus crânios estouraram,
ossos se partiram, órgãos internos se arrebentaram, suas
vísceras cobriram a terra pedregosa. Foi um final terrível
para os pequenos Mem e Laet.
Pamyles, porém, nada sofreu. Sequer ficou zonzo.
Tão somente se ergueu, assustado e aturdido, diante dos
corpos dos irmãos. Ao ouvir as passadas rápidas dos homens de sua tribo, que desciam a trilha do despenhadeiro
até eles, o garoto agarrou o quanto pôde das tripas e miolos de Mem e Laet e correu para o deserto.
Naquela noite, os pedaços de seus irmãos saciariam a
fome de Pamyles.
Ainda incerto sobre a razão pela qual os deuses o haviam poupado, Pamyles vagou pelo deserto. Assim, passou
dois dias de tormento sob o sol escaldante e duas noites de
frio debilitante e arrasador.
Ao alvorecer do terceiro dia, Pamyles jazia exaurido
numa das enormes e monótonas dunas do deserto, trêmulo e esbaforido, aguardando a morte redentora e misericordiosa que o aliviaria de sua existência desgraçada. Subitamente, uma sombra de grandes asas, refletida contra os
primeiros raios de sol, caiu sobre o menino.
“Um abutre vem arrancar minhas carnes dos ossos...”,
pensou Pamyles, antes de o pássaro bailar num rasante sobre seu corpo e arremeter na direção da linha de dunas a
leste.
Não se tratava de um abutre, mas sim de um magnífico falcão, belo e nobre. O esplendor da ave despertou
o fascínio infantil adormecido em Pamyles. Ele então decidiu segui-la na esperança que seu ninho estivesse próximo, com ovos frescos que lhe aplacassem a fome.
30
osiris_fim.indd 30
4/3/2009 10:29:44
Pamyles reuniu suas últimas forças e arrastou-se para
o leste.
Contudo, ao avançar além das dunas, em vez da ave,
avistou a salvação: o Nilo, fresco e azulado, oferecendo-se
aos seus olhos sedentos. Pamyles correu, com forças desconhecidas e improváveis a um moribundo, mergulhando
e bebendo loucamente das águas cristalinas do rio.
Banhou-se por horas. As águas sagradas do Nilo lhe
restauraram o vigor e a saúde.
Quando deixou por fim o rio acolhedor, seguindo
uma trilha formada pelos incontáveis juncos alinhados em
sua margem oriental, Pamyles deparou-se com uma clareira serena e misteriosa, onde se erguia uma rocha solitária,
lisa e branca, que gerações futuras consagrariam como o
Altar de Kawich, jamais maculado por sacrifícios de sangue, diante do qual multidões viriam orar e dar graças ao
milagre que Pamyles estava prestes a presenciar.
Foi então que a sombra do falcão ressurgiu, num voo
delicado e preciso. E o magnífico pássaro veio pousar suavemente sobre a alva rocha.
Tratava-se de uma ave gloriosa, de olhar sábio e penetrante, porte imperial e expressão desconcertantemente
humana, altiva, confiante e austera.
Então, uma poderosa voz emanou do falcão, portadora de tamanha autoridade que fez Pamyles ajoelhar-se instintivamente perante ele. Este lançou suas palavras diretamente na alma do menino. E assim a voz encheu Pamyles
de uma paz estranha aos humanos desde o tempo de Geb.
– Pamyles, és o escolhido dos deuses para proclamar
a Boa-Nova: Osíris, o bom e justo Rei, vem para restau31
osiris_fim.indd 31
4/3/2009 10:29:45
rar a luz, o amor e a abundância ao mundo dos homens
– anunciou a voz. – Deves agora iniciar a jornada pela
Criança Divina, encontrá-la e guardá-la até o abençoado
dia, quando o Rei do Egito reclamará seu trono na Terra e
trará a salvação da humanidade – emendou, solenemente.
– Eu lhe mostrarei o caminho, bravo caçador.
E o falcão decolou suavemente e arremeteu ao deserto.
Pamyles seguiu-o, com o coração elevado, repleto
de esperança e fervor inéditos para consigo e seus semelhantes.
Nas terras amaldiçoadas do Egito, esgueiravam-se
monstros capazes de aterrorizar o mais bárbaro dos canibais. Eremitas vagavam em solidão e loucura pelo deserto.
Destes, o mais insidioso e cruel nascera em um bando
nômade.
Kara, filha de Nia, viera ao mundo sob a lua cheia. Sua
jovem e bela mãe fora sequestrada de outra tribo, tendo
sido estuprada incontáveis vezes pelos nômades selvagens.
O fruto dessa maldade surgia agora – não como um bebê
normal, mas sob a forma de uma criatura desfigurada.
Nia escapou naquela mesma noite de seus captores,
ciente de que eles matariam sua filha devido às deformidades assustadoras da menina, símbolo de sua concepção
profana.
E assim Nia perseverou pelo deserto, sob as mais severas intempéries, movida unicamente por seu amor maternal. Seu esforço foi recompensado: não tardaria a se
deparar fortuitamente com um remoto e solitário oásis.
32
osiris_fim.indd 32
4/3/2009 10:29:45
Lá criou e amamentou sua filha, sobrevivendo por meio
de raízes, ovos de pássaros e da fonte d´água que mantinha aquela diminuta ilha verdejante.
Kara amadureceu forte e saudável graças aos cuidados e dedicação de Nia, que muito a amava, a despeito de
sua aparência miserável. Kara nascera manca e corcunda,
com o pescoço envergado, olhos esbugalhados, boca torta
e dentes retorcidos; tinha o braço esquerdo anormalmente
longo e magro, e o direito, curto, nodoso e mole.
Mais criatura do que gente, dona de uma alma sombria como o Abismo dos Demônios e uma maldade digna
de Apep, Kara possuía força de guerreiro, que não hesitou
em empregar contra aquela que lhe dera a vida.
Em seu décimo quinto aniversário, Kara assassinou
Nia em seu sono, esmagando-lhe a cabeça com uma enorme pedra. Gargalhava ao comer os miolos da mãe e assim
a devorou inteira, chupando-lhe os ossos antes de partir
para o deserto.
Kara varreria as infinitas dunas em busca de novas
vítimas, fossem humanas ou animais. Ela viajava à noite e
dormia de dia, sob as sombras das rochas que encontrava
e a protegiam da insolação.
Passaria as três décadas seguintes a espreitar aldeias
isoladas e tribos nômades no encalço de bebês e crianças
pequenas, suas refeições favoritas, das quais saboreava os
gritos de dor, as carnes frescas a se retorcerem em suas
mandíbulas e o sangue quente a descer-lhe pela garganta.
Assim sobrevivia Kara, besta profana e maléfica, alheia
a qualquer contato humano além do canibalismo, até que
uma manhã de intenso calor lhe trouxe fortes enjoos e
33
osiris_fim.indd 33
4/3/2009 10:29:45
fadigas. Seu ventre inchou, e então Kara descobriu-se grávida, ainda que seu hímen jamais houvesse sido rompido
e seu útero jamais fosse fecundado por um homem.
Tratava-se pois de uma gravidez sem cópula – a Primeira Imaculada Concepção: o espírito de Osíris tomara
seu ventre virgem, e agora o Neter crescia dentro dela.
E Kara alegrou-se, ignorante de como as mulheres
emprenhavam. Importava-se somente com o nascimento,
ansiosa pela refeição que as carnes de seu filho lhe proporcionariam.
Ao se sentir próxima de dar à luz, Kara dirigiu-se ao
oásis de sua infância, onde se deitou próxima aos ossos
da mãe, então cobertos de ervas venenosas, espinhosas e
malignas.
Kara berrava ao ritmo das contrações, em uma sinfonia de dor que somente cessou com a chegada ao mundo
do pequeno e indefeso Osíris, na forma de um lindo e
saudável bebê. E este, em vez de chorar, exibia um sorriso
puro e generoso.
Extasiada, a mulher cortou o cordão umbilical com
os dentes e o comeu, lambendo o próprio sangue dos dedos e levando o bebê Osíris à boca. Fechou os olhos para
saborear a primeira mordida, quando subitamente o crocitar de um falcão ecoou atrás de si.
Kara virou a face horrenda e deparou-se com um garoto de meros onze anos de idade correndo em sua direção: era Pamyles, o Escolhido, que avançava loucamente,
brandindo um pesado galho para a vilã. Um enorme pássaro o seguia em um rasante protetor, todo garras e bico,
afiadíssimos.
34
osiris_fim.indd 34
4/3/2009 10:29:45
Kara riu-se, divertida, daquele ataque tolo e fútil.
Desconhecia a identidade e motivos de seus agressores, e,
de fato, pouco se importava. Pamyles e a ave despontavam
como um almoço inesperado, porém bem-vindo.
Kara depositou gentilmente o filho na grama a fim
de devorá-lo mais tarde, tão logo terminasse com os intrusos. Tomou então duas pesadas pedras do chão, com as
quais iria matar o menino e seu falcão.
35
osiris_fim.indd 35
4/3/2009 10:29:45
osiris_fim.indd 36
4/3/2009 10:29:45
Capítulo III
Duas filhas de Nut,
um filho de Geb
Sete anos após Kara dar à luz Osíris, num outro canto distante do Egito, nascia Ísis.
Seu pai chamava-se Farir, chefe de um bando de saqueadores do deserto, habituados a atacar as tribos nômades do delta do Nilo. Thalis era a mãe de Ísis, segunda
das três esposas de Farir e até então a única que não emprenhara.
Daí a inebriante felicidade de Thalis quando finalmente engravidou, esperançosa de presentear o marido
com um belo varão. Mas uma sombra ganhou-lhe a face,
para jamais abandoná-la, ao parir uma menina: justamente a pequena Ísis.
A despeito do deboche das outras esposas, Farir as
surpreendeu ao tomar Ísis como favorita, em detrimento até de seus filhos varões, pois a beleza do bebê Ísis se
osiris_fim.indd 37
4/3/2009 10:29:45
mostrava incomparável, de olhos sedutores e azuis como
a lágrima de Atum, detentora de uma poderosa sabedoria
que emanava de seu sorriso tímido, porém encantador.
Ísis distinguia-se de seu povo, não compartilhando
seu gosto por emboscadas e saques. De fato, ela se tornaria uma criança calma, respeitadora e pacífica, dona de
curiosidade inata para investigar os mistérios da natureza. Filosofava sozinha, já que nenhum adulto conseguia
acompanhar sua perspicácia em relação aos arcanos segredos da alma humana e das forças da ciência, da magia e
do Universo.
Ao alcançar a adolescência, suas teorias se sofisticaram, a ponto de soarem como feitiçaria aos ouvidos ignorantes e bárbaros de sua tribo, infatigavelmente dedicada à luta diária pela sobrevivência. Todos desprezavam o
tempo e a energia gastos pela jovem em assuntos elusivos
e imateriais, mas nada lhes causava maior estranhamento
do que a recusa férrea de Ísis em provar carne humana.
Desde bebê, Ísis cuspia qualquer pedaço de gente que
lhe forçassem entre os lábios, levando sua mãe a reprimi-la
constantemente: afinal, aquele era muitas vezes o único
alimento disponível. Por vezes a espancava, tamanha sua
revolta diante da atitude da filha.
Ísis, contudo, mantinha-se inflexível. Ela comia somente pequenos animais caçados pelos homens ou frutos
coletados pelas mulheres. Quando estes faltavam, optava
pela fome e conservava-se afastada do bando, sempre com
olhares enojados e de censura aos banquetes onde a tribo
se servia de algum incauto viajante ou prisioneiros de aldeias saqueadas.
38
osiris_fim.indd 38
4/3/2009 10:29:45
Sua atitude lhe granjeou má fama. Disso aproveitaram-se as esposas de Farir, inclusive Thalis, invejosas de seu
amor pela filha. Estas cochichavam e envenenavam Ísis aos
ouvidos da tribo. Línguas ferinas sussurravam delações de
bruxaria contra a jovem. Finalmente, em uma noite escura e fria, a inevitável explosão de ódio irrompeu, quando
Enora, primeira esposa de Farir, avistou Ísis agachada atrás
de uma pedra, conversando com uma pomba.
Horrorizada, Enora acusou Ísis de feitiçaria diante da
tribo. E mesmo Thalis clamou pela morte da menina e
exigiu que dividissem sua carne entre o bando.
Farir recorreu à sua autoridade e liderança para proteger Ísis.
– Ísis será banida e não morta – vociferou o pai amoroso, enquanto brandia seu tosco e mortífero porrete de
osso bovino, disposto a rachar o crânio do primeiro que se
dispusesse a desafiá-lo.
Ainda que lendária, a perícia de Farir em combate provou-se inútil: Farimir, seu primogênito, atacou-o
covardemente pelas costas, após anos de espera pela oportunidade certa para usurpar a liderança do pai. Farimir
enterrou um osso grosso, curto e pontudo nos rins de Farir, que tombou numa poça ensanguentada.
Ísis, até então passiva e indiferente ao próprio destino,
lançou-se aos prantos para o pai, tomando com carinho a
cabeça do moribundo em seu colo macio e perfumado.
– Minha linda Ísis... – balbuciou Farir, limpando suavemente com os dedos encardidos as límpidas lágrimas
da filha, única pessoa a chorar pelo líder atraiçoado, enquanto o resto do bando se ocupava em celebrar, em meio
39
osiris_fim.indd 39
4/3/2009 10:29:46
a berros e urros, a ascensão de Farimir. – Você é a única
coisa boa nessa minha vida miserável e sofrida...
A cabeça de Farir então pendeu para trás, e ele faleceu.
– Tragam-me minha irmã – sibilou Farimir, enquanto puxava a arma de osso do dorso de Farir.
Dois guerreiros arrastaram desdenhosamente a menina pelos braços, largando-a violentamente aos pés do
usurpador.
Farimir se inclinou com um sorriso abjeto e asperamente ergueu o queixo de Ísis, para que ela o encarasse.
– Terei grande prazer em saborear seus miolos, irmã
– disse um afetado Farimir, para júbilo do bando que ovacionava o vilão. – Tão logo eu termine de mastigar o coração de nosso lamentável pai.
O olhar doce e sofrido de Ísis desapareceu, substituído por uma expressão tão cruel e impiedosa que fez
Farimir encolher-se e recuar.
Ísis se levantou e, a despeito de sua compleição delicada e seus meros treze anos de idade, agigantou-se perante o primogênito, contra o qual ergueu as mãos, num
gesto de maldição.
– A única carne e sangue com os quais saciará sua
fome e sede serão os seus próprios – disse Ísis, em transe
macabro, com a voz seca e grave como a de um sapodemônio das profundezas. – Devore-se, maldito, em honra ao nosso pai morto!
Mesmo os beduínos, endurecidos e acostumados ao
canibalismo, horrorizaram-se. Farimir comeu as próprias
mãos. Ele gritava de agonia e dor, incapaz de resistir ao
ímpeto sobrenatural.
Ísis voltou-se àqueles que um dia chamara de família
e povo. O brilho espectral em seus belos olhos – agora
40
osiris_fim.indd 40
4/3/2009 10:29:46
frios e desumanos – os engolfou. Em meio ao terror e
pânico, suas vítimas encheram a noite de berros, súplicas e choros, enquanto se devoravam mutuamente, como
assombrações contorcidas e repugnantes de sangue e morte. Mães agarradas aos filhos e maridos às esposas estraçalhavam-se uns aos outros, numa pavorosa orgia que se
desenrolou lenta e penosamente, para o deleite vingador
de uma Ísis tornada dura e implacável.
Quando os gemidos e soluços por fim cessaram, restavam somente pedaços de corpos inertes e desfigurados.
Ísis então ergueu o rosto para o céu limpo e estrelado.
Nuvens surgiram pela força de sua vontade, trovões sacudiram as fundações do mundo, relâmpagos cindiram as
trevas e uma chuva brutal desceu sobre aquela terra manchada de vermelho, lavando o sangue entornado e despertando Ísis de seu transe homicida.
Então, ela chorou pelo horror desencadeado por sua
fúria divina e correu para o deserto, fugindo do massacre,
desaparecendo sob a tempestade mística que açoitava o
mundo.
Néftis chegou ao Egito três anos após Ísis, parida às
margens daquele que um dia seria chamado Mar Mediterrâneo ou “Mar no Meio da Terra”.
O povo de Néftis habitava uma região remota e distante, alheio à violência que desgraçava o mundo.
Sua existência pacífica devia-se justamente ao seu
isolamento naquela planície estéril, árida e desolada, cujo
difícil acesso o mantinha em segredo.
Eram apenas seis homens e quatorze mulheres, limitados pela escassez de comida. Todavia, viviam felizes e
41
osiris_fim.indd 41
4/3/2009 10:29:46
assemelhavam-se a uma família, da qual Néftis era a amada caçula.
Néftis detinha as mesmas habilidades e poderes inatos de Ísis. Contudo, sua timidez e falta de curiosidade
intelectual atrofiaram sua mente, fazendo com que preferisse uma existência simples e o afeto de sua tribo. Adorava pescar, maior fonte de sustento de seu povo, assim
como o roubo de ovos de tartarugas e pássaros.
Dormiam na praia, espalhados ao redor da minguada
fonte de água doce daquelas paragens, a única da região.
Raramente chovia, quando se refugiavam sob as copas das
árvores à beira do areal; mesmo assim, nunca se afastavam
do mar.
Os homens e mulheres da tribo mergulhavam nas
águas do Mediterrâneo em busca de peixes, moluscos e
tartarugas, que eram caçados com mãos nuas. Tal atividade costumava iniciar-se a partir da adolescência. Néftis,
porém, para surpresa geral, começou a praticá-la aos cinco
anos de idade, com talento e presteza incomuns.
Néftis teve uma infância tranquila. Aos treze anos,
desejava casar e ter filhos com seu primo Óftis, rapaz forte
e viril, um ano mais velho que ela. Seus sonhos, contudo,
se despedaçaram, bruscamente interrompidos por uma
horda de canibais famintos, em uma madrugada fria e escura. Os cruéis selvagens daquela tribo surpreenderam seu
povo na praia e o massacraram. Óftis foi o primeiro a ter o
crânio rachado por um grosso e disforme tacape.
Caso houvesse aprimorado seus poderes celestiais,
em vez de inibi-los, Néftis teria enfrentado e derrotado os
assassinos com a mesma facilidade empregada por Ísis ao
aniquilar os traidores de Farir.
42
osiris_fim.indd 42
4/3/2009 10:29:46
Entretanto, apavorada e inútil, só lhe restou fugir pela
escuridão, fora do alcance dos braços vorazes que se esticavam para machucá-la, violentá-la, devorá-la, enquanto
seu povo sucumbia aos golpes bestiais de homens medonhos, sujos e malignos, de barbas alisadas com estrume,
dentes podres e hálitos de chacais.
E Néftis correu até a exaustão.
Sob a alvorada incipiente, caiu de joelhos em uma
clareira estreita e empoeirada: seus pés sangravam sobre
o solo pedregoso e os longos cabelos negros grudavam-se
ao rosto empapado de suor, ao passo que sua respiração
falhava.
Naquele instante, Néftis foi alcançada pela dupla
de canibais que a perseguira desde o Mediterrâneo. Os
covardes riram loucamente ao agarrarem sua presa, com
desprezo homicida por seu pavor.
Néftis experimentou o peso e o fedor dos homens.
Eles a jogaram de costas no chão áspero. Seus ventres disputavam o espaço em meio às pernas virginais da jovem,
sedentos pelo privilégio de violar sua inocência. Mãos
embrutecidas duelavam e arrancavam tufos do delicado
cabelo da mulher, cujas raízes, acompanhadas de pele e
sangue, levavam prontamente às bocas hediondas, saboreando-os em êxtase e luxúria.
Por fim, o maior deles firmou-se sobre Néftis e, com
uma expressão de perverso deboche, ganhou e fendeu seu
delicado hímen. O outro, mais atarracado, contentou-se
em lamber asquerosamente o pescoço da vítima, disposto
a arrancar-lhe um pedaço com os dentes.
Nesse momento, porém, foram violentamente surpreendidos. O maior teve seu dorso rasgado por garras fe43
osiris_fim.indd 43
4/3/2009 10:29:46
rozes, anunciadas por um breve e forte crocitar, que soou
como um grito humano de guerra.
Tomado pela dor, o gigante deixou a mulher e tentou
se erguer, cambaleante, apenas para se deparar com um
audacioso rasante do enorme pássaro vindo em sua direção. A ave lhe dilacerou a garganta, antes de arremeter de
volta ao Céu, exibindo as garras sangrentas.
O homem tombou para trás, com as mãos coladas à
traqueia estraçalhada.
Seu comparsa levantou-se de um só pulo, brandindo
seu porrete em desafio ao temível pássaro. A valorosa ave
descreveu um círculo completo no ar, após o que mergulhou sobre seu contendor, num furor de puro ódio.
Ainda deitada, estática e boquiaberta, Néftis limitouse a acompanhar o inusitado e mortífero duelo. O choque
entre homem e pássaro foi rápido e brusco; seu resultado,
formidável e assustador.
O homem perdeu ambos os olhos, arrancados e fincados às garras do falcão, que se afastou num voo firme,
seguro e arrogante, enquanto sua vítima se contorcia em
medonho sofrimento e um jorro vermelho explodia de
suas órbitas oculares vazias. Cego, atônito e indefeso, o
homem dobrou-se de joelhos, condenado, uivando em
patética aflição.
Diante da punição aos assassinos de sua família,
Néftis finalmente despertou de sua inércia e estupor, levantou, tomou o porrete caído de seu atarracado agressor
e ergueu-o sobre a cabeça com ambas as mãos.
Por um instante, Néftis hesitou, mas as lembranças
do morticínio de sua tribo não tardaram a revolver-se em
44
osiris_fim.indd 44
4/3/2009 10:29:46
sua mente, levando-a a desferir uma sequência de golpes
furiosos. O porrete despedaçou o crânio do assassino. Miolos e sangue espirraram abundantes sobre a face outrora
inocente da jovem.
Ao termo de sua explosão de ódio, Néftis soltou o
porrete, visivelmente enojada com as próprias ações.
Então o falcão crocitou para ela, como que a repreendê-la por sua fraqueza, após haver demonstrado tamanha
força e determinação.
Néftis encaminhou-se ao soberbo pássaro, pousado
sobre uma rocha baixa, áspera e achatada, próxima de
onde estava, estremecendo perante o imenso poder que
emanava da criatura. Ela se perdeu nos olhos arrebatadores da ave, enquanto a névoa de suas memórias se dissipava. Foi quando lembrou-se de seu passado divino, no
reino de Rá.
Néftis então reconheceu a verdadeira identidade do
falcão, que nada mais era que o abrigo de carne, músculos
e ossos do espírito de seu irmão, Hórus.
E assim Néftis se redescobriu como uma filha de Nut,
uma Netert aprisionada em forma mortal, humana e frágil. Este era um conhecimento até então perdido para ela,
por haver negligenciado as meditações e encantamentos
que lhe teriam desabrochado a divindade interior.
Hórus sinalizou com o bico em direção às distantes montanhas do Oeste. Trocou um derradeiro, nobre e
amoroso olhar com a irmã humana, antes de decolar para
o Leste e desaparecer na linha do horizonte.
Néftis então seguiu o caminho apontado pelo irmão,
em uma jornada dura e aflitiva pelo deserto, sob o calor
45
osiris_fim.indd 45
4/3/2009 10:29:46
inclemente do dia e o frio torturante da noite. Entretanto
perseverou, a despeito de fome e sede, das bolhas encravadas em seus pés judiados e das queimaduras de sol espalhadas por sua pele macia.
Foram nove dias de árdua caminhada até as montanhas escuras e severas.
O esforço provou-se demasiado para Néftis, que desabou esgotada ao sopé da montanha mais alta indicada
por Hórus.
Roubada de forças e esperanças, Néftis despediu-se
da vida, enquanto sua visão turvava e os sentidos lhe escapavam.
Em seu último pensamento e suspiro, rogou uma
praga contra Hórus, após amaldiçoar a si mesma por haver confiado nele, empenhando-se temerariamente numa
viagem da qual desconhecia tanto o propósito quanto
o destino, conduzida, pela malícia de seu irmão, a uma
morte tola e inútil, num canto miserável e esquecido do
mundo.
E Néftis sucumbiu ao esquecimento e às trevas.
Foi quando um brilho intenso lhe feriu os olhos.
Suas delicadas e frágeis mãozinhas debatiam-se no ar, enquanto braços duros e frios tiravam-na à força de sua mãe.
Erguida por um deus, de barriga para baixo, via o mundo
mortal flutuar em meio ao breu cósmico.
Sentia-se como um mero bebê a bordo de um imenso navio, a singrar o firmamento e iluminar as terras humanas.
Era Rá que a segurava com desdém, encarando-a com
vilania e cólera.
46
osiris_fim.indd 46
4/3/2009 10:29:46
O bebê Néftis encolhia-se diante daquelas órbitas rígidas, de onde ardia o fogo divino e primordial da Criação.
Rá lançou Néftis para a Terra: assim a jovem deusa caiu, banhada pela luz de Rá. Ao atingir a atmosfera
terrestre, Néftis acelerou sua queda, indo chocar-se não
com o solo duro do mundo físico, mas com entranhas de
carne, sangue, tendões e ossos.
Desse modo renasceu sob forma humana, irrompendo da placenta de sua mãe mortal, provando o sabor
amargo das próprias lágrimas e a dor nos pulmões que,
pela primeira vez, enchiam-se de ar.
Aos gritos, Néftis despertou de seu pesadelo. O suor
lhe escorria pela face e, por um momento, sua mente oscilou entre a realidade e letargia. Apavorou-se com um vulto desconhecido: braços ameaçadores se projetavam sobre
ela como serpentes do Abismo.
Em pânico, a deusa refugiou-se contra uma parede
úmida, áspera e gelada.
– Calma, irmã – disse a voz, gentilmente. – Você está
segura.
A serenidade de tais palavras relaxou Néftis. Ela então se concentrou no ambiente ao redor, descobrindo-se
em uma caverna abafada e lúgubre. Estranhos objetos se
encontravam espalhados pelo lugar, e ela havia sido deitada num amontoado de folhas, de inusitado conforto para
quem estava acostumada, como qualquer humano, a dormir diretamente sobre o solo.
Néftis avistou a saída da caverna, iluminada pelo sol
resplandecente e acariciada por uma brisa quente. De repente, a figura esguia, ágil e sensual moveu-se diante dela,
bloqueando a luz.
47
osiris_fim.indd 47
4/3/2009 10:29:47
– Quem é você? – arguiu Néftis, com a voz embargada
de medo e surpresa.
– Eu sou Ísis – respondeu placidamente a jovem.
– Uma Netert. Sua irmã.
Néftis empertigou-se e, para própria surpresa, reconheceu a jovem de seu breve passado no Céu.
– Eu sinto um grande poder em você – disse Néftis.
– Similar ao de Hórus.
– Você viu nosso irmão? – espantou-se Ísis. – Quando? Onde?
– Longe daqui... Por quanto tempo estive desacordada?
– Dois dias, pelo menos. Eu encontrei-a desmaiada,
ao sopé de minha montanha – esclareceu Ísis. – Você estava muito fraca e desidratada. Tenho derramado água e
leite de cabra em sua boca desde então.
Ísis estendeu uma vasilha de barro para Néftis; ela
nunca havia utilizado um utensílio feito por mãos humanas. Mesmo assim, bebeu a água fresca. E Ísis lhe ofereceu
um pedaço de queijo.
– Queijo? – perguntou Néftis, curiosa.
– É uma invenção minha – sorriu Ísis, acanhada.
– Preparado do leite coalhado de cabra. Muito nutritivo.
– Você criou todas essas coisas? – questionou Néftis,
admirada com os inúmeros artefatos distribuídos pela caverna.
Ísis assentiu e, orgulhosa, exibiu alguns deles à irmã.
– Colheres de pau, tigelas, copos de argila... – disse
Ísis, animada, e apontou para as folhas sob Néftis. – Uma
cama para descansar o corpo.
48
osiris_fim.indd 48
4/3/2009 10:29:47
– Eu nunca vi tamanhas maravilhas.
– Nenhum humano jamais viu.
Só então, finalmente à vontade na presença da irmã,
Néftis atentou para as tiras de pele de chacal que ocultavam os seios e a genitália de Ísis. Ao percebê-la vestida,
Néftis sentiu vergonha da própria nudez.
Ísis então cobriu Néftis com outros retalhos de pele
de animais.
– Como você...? – perguntou Néftis
– Inventei tudo isso? – interrompeu Ísis, completando a frase da irmã.
Néftis assentiu.
– Eu recorro à meditação em busca do conhecimento e da sabedoria que existem dentro de minha essência
Netert – disse Ísis.
Néftis encolheu-se, embaraçada.
– Eu me esquivei desse caminho.
– Eu posso ajudá-la, irmã. Posso guiá-la no desenvolvimento de seus poderes. Só não prometo que alcançará
seu pleno potencial, pois os anos passaram para você.
Néftis concordou, arrependida de haver negligenciado seu legado por tanto tempo.
– Antes, porém, fale-me de Hórus – insistiu Ísis.
– Onde o encontrou?
– No deserto, a nove dias de caminhada daqui. Ele
salvou minha vida e me pôs em sua direção, irmã.
A expressão de Ísis se tornou tensa, sombria.
– Eu invoco poções e feitiços na tentativa de desvendar o futuro, antecipar o que está por vir. Há semanas,
tenho visões da vinda de um Neter até mim. Imaginei
que pudesse ser Osíris, o Cordeiro... Desde então, desço
49
osiris_fim.indd 49
4/3/2009 10:29:47
ao sopé da montanha, todas as manhãs, na esperança de
encontrá-lo – disse Ísis, e meneou a cabeça. – Mas, em vez
disso, achei você, irmã, o que me dá igual alegria.
– De alguma maneira, Hórus conhecia sua localização – deduziu Néftis. – Por algum motivo, ele decidiu nos
reunir.
– Hórus é sábio – concordou Ísis. – Como eu, ele
deve pressentir a aproximação do momento de os Cinco
se revelarem ao mundo mortal.
– Os Cinco?
Ísis sorriu.
– Sim, querida caçula. Nós duas, mais Hórus, Seth
e Osíris, os Cinco Irmãos, destinados a trazer glória ou
ruína a este mundo.
Néftis estremeceu diante da gravidade latente na voz
da irmã.
– Nada será como antes – sentenciou Ísis. – Fogo e
sangue. Risos e lágrimas. Bênção e maldição. Devemos
nos preparar para o que está por vir.
Nessa época, uma sombra de medo e opressão irrompera no Sul do Egito, onde tribos bárbaras e cruéis multiplicavam-se como a praga, constantemente em luta umas
com as outras.
Naquele recanto esquecido, sofrido e maligno do
continente, sussurrava-se, com pavor e apreensão, o nome
de um jovem atroz, severo e destemido, cuja coragem e
sevícia tornavam-se lendárias até nos distantes domínios
núbios.
Seu nome causava temor e execração, pois ele amava o estupro de mulheres e crianças, a perversidade do
50
osiris_fim.indd 50
4/3/2009 10:29:47
canibalismo e banhar-se no sangue e lágrimas de suas vítimas.
Impaciente e violento, rompera o ventre de sua mãe
humana aos seis meses de gestação, quando devorou suas
entranhas e rasgou-a por dentro com as próprias mãos.
Filho do chefe de uma tribo voraz e assassina, mesmo
seus pares temiam sua malícia e perversidade. Aos nove
anos de idade, seu pai e quatro irmãos tentaram matá-lo
em seu sono, armados com grossos tacapes.
O pequeno monstro, contudo, apenas fingira dormir.
Surpreendeu-os, de um só pulo, veloz como um demônio, desarmando-os e espancando-os com as mãos nuas,
antes de comê-los vivos, um após o outro. Avidamente
saboreou-lhes os gritos e berros, que encheram a noite de
horror e impuseram a mais abjeta submissão aos corações
de seu povo.
Assim, levou-os à guerra contra as aldeias locais. E o
horror de sua legenda cresceu sob os incontáveis massacres e torturas que espalhou pelo Sul do Egito.
Após inúmeras campanhas, acumulou um exército
de mais de dez mil seguidores, arregimentados das aldeias
que escravizara pela força e sevícia: um número suficiente
para lançar seu assalto decisivo às tribos do Leste e unificá-las sob seu tacão malévolo, assim satisfazendo sua ambição cruel e desmedida de coroar a si mesmo como o
primeiro rei da humanidade. Era um soberano desprovido
de compaixão, misericórdia ou piedade.
E seu nome era Seth, o Perverso, o Usurpador, o Nefasto, o Profano.
Seth possuía então vinte e dois anos de idade, sendo
portanto um ano mais novo do que Osíris, de quem des51
osiris_fim.indd 51
4/3/2009 10:29:47
conhecia o paradeiro. E Seth tinha pressa em subjugar o
Egito, uma vez que, ao nascer, previra a vinda de Osíris,
Messias e Rei dos Homens.
Ciente do que lhe reservava o futuro, Seth decidira agir rápida e implacavelmente, pela força das armas,
determinado a roubar o lugar de Osíris como Senhor da
Humanidade. Previdente, tramara a morte do irmão. Para
tanto, despachara inúmeros assassinos pelo Egito, na esperança de localizar e eliminar Osíris antes de ele se revelar.
De fato, seu melhor matador – um escravo alto, forte
e ardiloso chamado Loeb – estava no encalço de inquietantes rumores, disseminados pelas aldeias do Oeste, acerca de um jovem de poderes milagrosos que curava enfermidades e pacificava as paixões humanas, cuja mensagem
de compaixão e amor conquistava, sem violência, as terras
por onde passava.
Assim, a corrida pela Coroa da Humanidade encontrava-se por um fio sutil, frágil e incerto, quando os exércitos de Seth cruzaram o Nilo, apressados em submeter os
indomáveis povos do Leste e garantir seu avanço final ao
âmago do Egito.
52
osiris_fim.indd 52
4/3/2009 10:29:47
Capítulo IV
Hórus
Hórus, o Distante, foi o segundo rebento de Nut
arremessado à Terra; contudo, foi o primeiro a alcançála. Os demais – inclusive Seth – ressentiam-se por haverem sido afastados da mãe, a quem amavam em demasia.
Daí, seus espíritos flutuarem, resistentes, em sua queda ao
mundo mortal.
Hórus, por sua vez, lançou-se à carne com a mente
aberta e o espírito leve. Ele não possuía o altruísmo de
Osíris, mas também não tinha nenhuma pretensão à Coroa dos Homens, pois sua retidão afastava-o da ambição e
egoísmo de Seth.
Não que não amasse Nut profundamente; porém,
muito maiores eram sua curiosidade e anseio de aventurar-se. Hórus desprezava os limites do corpo humano, sua
compleição terrestre, e aspirava a desvendar o mundo do
alto, admirar suas montanhas, florestas, desertos, lagos,
rios e mares. Para tanto, pernas e braços de nada lhe serviriam.
osiris_fim.indd 53
4/3/2009 10:29:47
Assim, mergulhou seu espírito nobre e despojado em
um solitário ovo de falcão – ave de porte imperial – abandonado em um penhasco alto e íngreme, na encosta de
uma remota montanha no Oeste do Egito.
Caracteristicamente, os falcões do deserto punham
três ovos em penhascos, direto no solo, sem ninho, chocados e protegidos pelos pais. Aquele ovo, contudo, restava
solitário – único sobrevivente de uma violenta tempestade
de areia que varrera a montanha na noite anterior e exterminara seus pais e irmãos.
Agraciado com a essência de um Neter, o ovo sagrado
agora se partia e dava origem a Hórus, o Deus-Falcão.
Nascido para a liberdade dos céus, desprovido de paixões humanas que lhe obscurecessem os pensamentos ou
restringissem as aspirações, Hórus surgira em pleno conhecimento e domínio de sua identidade e herança como
Neter, as quais garantiram um rápido desenvolvimento ao
seu corpo alado.
De fato, ao final daquele dia, o falcão Hórus já se
tornara uma poderosa, forte e ágil ave adulta, ganhando
os céus com impetuosidade e vigor jamais igualados pelos
de sua espécie.
E Hórus deleitou-se com as carícias do vento em sua
crista e asas, absorto no deleite inigualável de planar livremente sobre os picos mais elevados da Terra.
Em uma planície adormecida sob a neve eterna, longe do Egito e das maquinações humanas, a madrugada
fria testemunhou um habilidoso Hórus abater sua primeira presa, um coelho veloz e serelepe, todavia, incapaz de
fugir às suas garras firmes e implacáveis. Hórus conheceu
o êxtase de saborear carne quente e beber sangue fresco.
54
osiris_fim.indd 54
4/3/2009 10:29:48
Contudo, sua chegada ao mundo mortal não passaria
despercebida e impune a Apep, o Inimigo.
No seio de sua toca subterrânea, perdido em trevas e
danação, o corpo anelídeo de Apep estremecera, da cabeçorra hedionda à ponta de sua cauda pegajosa, com arrepios de ódio, ao pressentir a presença na Terra de um filho
de Nut.
Ansioso por eliminar o odioso intruso, antes que
outros Neteru o seguissem, Apep vomitou uma forma
escura e amorfa, expelida de suas entranhas fétidas, um
espectro de aversão e iniquidade. Este se esgueirou pelo ar,
para fora do Abismo, enquanto gemia seu desprezo pela
vida, sob um luar pálido e fantasmagórico. Arrastou-se
em meio à noite maligna até um sujo e miserável ninho
de abutre, perdido na encosta de um morro desinteressante. Lá, insinuou-se no maior dos ovos, chocados sob o
pássaro-mãe, adormecido, alheio ao terrível destino que
se anunciava.
A mãe abutre despertou com a alvorada e o rachar de
seus ovos. Os filhotes emergiram das cascas partidas: cinco deles de penugem clara, típica dos recém-nascidos de
sua espécie, mas o sexto e último surgiu escuro, soturno,
grande e pesado. Seu olhar penetrante atraiu a mãe, hipnotizada como o rato pela serpente, e o pequeno monstro
aproveitou-se para rasgar-lhe o pescoço com precisão e
força sobrenaturais.
O sangue jorrou sobre o ninho e a mãe tombou de
lado, agonizante, moribunda.
O filhote maligno então se voltou para seus indefesos irmãos e devorou-os, com perversa e metódica frieza.
E suas carnes tenras deram-lhe forças para um crescimento anômalo.
55
osiris_fim.indd 55
4/3/2009 10:29:48
A noite taciturna encontraria o abutre assassino com
o dobro das dimensões de sua falecida mãe.
Um vento gelado e agourento soprava forte em direção ao Norte, para onde o pássaro maldito finalmente
decolou, à caça de seu verdadeiro objetivo: Hórus.
Hórus bebericava tranquilamente de um lago sereno
e brilhante, na Europa Oriental, exausto, mas feliz, após
dias de voo por um céu azulado, de nuvens brancas e fofas
e brisas agradáveis de planar. Admirava-se com as árvores
verdejantes da imensa floresta, que se espalhavam preguiçosamente por vales gentis e suaves.
O falcão sagrado ergueu o bico da água imaculada,
ainda sonhando com as promessas trazidas pela manhã,
quando um reflexo insidioso despontou na superfície do
lago: uma figura enorme descia do Céu, em um ataque
traiçoeiro pelas costas.
Hórus decolou de imediato e encarou seu inimigo:
o abutre sem nome, conjurado por Apep, cujo instinto
maléfico, após semanas de busca incessante, finalmente o
conduzira ao seu alvo.
Mais poderoso dos herdeiros de Geb, hábil em prever o futuro melhor do que a própria Ísis, Hórus, contudo, fora plenamente surpreendido, sequer pressentira a
aproximação final de seu sinistro adversário. E este foi seu
primeiro erro... Outros viriam, e o mais grave deles provocaria uma tragédia lendária e terrível.
Agora, porém, Hórus se engalfinhara em uma luta
mortal e desesperada, de bicos, garras, sangue e dor.
Com metade do tamanho do abutre, Hórus valiase de sua inteligência, destreza e agilidade superiores para
56
osiris_fim.indd 56
4/3/2009 10:29:48
evitar a maioria dos golpes do vilão, além de lhe cobrar
uma sequência de chagas dolorosas e profundas.
A despeito da dificuldade em atingir o falcão, ao fazêlo a força superior do abutre feria Hórus com severidade.
Debilitado, repleto de cortes, as penas tingidas do próprio
sangue, Hórus bateu em humilhante retirada.
Sua vitalidade de Neter, todavia, assegurou-lhe uma
velocidade salvadora e logo o abutre perdeu contato.
Esgotado, Hórus buscou refúgio sob os grossos galhos de um antigo e frondoso salgueiro. O derrotado falcão lambia as feridas, temeroso de ser localizado e feito em
pedaços pelo abutre demoníaco. Nesse instante, a doce
voz de Nut, embargada de amor e saudade, ecoou em sua
mente, vinda do reino do Deus-Sol, e despertou lágrimas
no filho.
– Hórus, meu bem-amado! – proclamou Nut. – Seu
irmão Osíris enfrenta grande perigo! Ele precisa de sua
proteção e sabedoria!
Mesmo ferido e sob risco de novo ataque do sombrio
abutre, Hórus provou sua honradez e coragem ao atender
prontamente o chamado da mãe na defesa de seu irmão,
em sua hora de maior necessidade.
Hórus decolou prontamente de volta ao Egito, disposto a cumprir à risca as ordens e recomendações de Nut
para localizar e salvar seu vindouro irmão, enquanto seus
machucados cicatrizavam-se pelo caminho, sob o poder
de sua divindade.
E, durante o voo, seu instinto celestial gritava a proximidade cada vez maior do medonho abutre, incansável,
determinado, impiedoso, apenas aguardando o momento
apropriado para atacá-lo.
57
osiris_fim.indd 57
4/3/2009 10:29:48
Hórus revelou-se apto em seguir as coordenadas dadas por Nut e encontrar e contatar o jovem Pamyles, menino eleito por sua mãe para guardar Osíris.
E nem quando guiou Pamyles ao deserto viu-se importunado pelo maléfico abutre. Hórus conduziu-o a um
oásis verdejante e fresco, oculto em meio às terras estéreis,
rico em raízes e ovos, onde ele poderia se abrigar e sobreviver. Pamyles explorou aquele refúgio de vida e beleza, sem
notar o esqueleto abandonado sob um arbusto traiçoeiro
de ervas venenosas, recobertas de espinhos e iniquidade.
E Pamyles se maravilhou com a pequena fonte d´água
que brotava no centro do oásis e, nela, se banhou e removeu as impurezas do deserto.
O garboso falcão, por sua vez, pousou no galho de
uma árvore próxima e descansou as asas da longa jornada
pelo deserto.
Nesse instante, berros ferais eclodiram no oásis. Berros que gelaram o sangue de Pamyles e deixaram a nobre
ave em alerta.
Hórus decolou para a origem do terrível som, acompanhado de perto por Pamyles, que instintivamente agarrara um pesado galho caído à margem da fonte.
Eles se embrenharam no matagal até se depararem
com a medonha Kara e seu lindo bebê.
Hórus experimentou um alento no coração, pois seguira fielmente as instruções de Nut e trouxera Pamyles ao
momento e lugar exatos do nascimento de Osíris.
Mas, então, o Deus-Pássaro se enrijeceu. E, mesmo
diante de seu passado canibal, Pamyles enojou-se quando
a mulher comeu o próprio cordão umbilical. E Pamyles
58
osiris_fim.indd 58
4/3/2009 10:29:48
estremeceu, pois a mulher levou o Messias à boca, pronta
a devorá-lo.
Pamyles avançou, seguido por Hórus.
Com um sorriso cruel, Kara depositou Osíris na grama e tomou duas pesadas pedras do chão, uma em cada
mão. A primeira pedrada zuniu para a cabeça de Hórus.
O falcão desviou-se dela, por um triz; contudo, sua borda
mais áspera abriu-lhe um feio e profundo ferimento sob a
asa direita, e Hórus tombou.
Pamyles aproveitou-se para golpear Kara com o galho. E ele teria quebrado diversas costelas da vilã, se esta
não se provasse ágil e feroz. Ela rechaçou seu ataque ao
atingi-lo no peito com a segunda pedrada.
Pamyles caiu de costas. O ar lhe escapou dos pulmões
e ele se contorceu, zonzo, indefeso.
A mulher se projetou sobre o menino e imobilizou-o
com a força desumana de seus braços e pernas disformes.
Faminta e louca, ela sorria e babava ao aproximar as presas
do rosto do garoto.
– Vou provar sua carne, maldito! – bradou Kara.
– Morra!
Ela levou as mandíbulas à jugular de Pamyles, quando, súbita e inesperadamente, Hórus atacou.
O falcão seccionou-lhe a traqueia com as garras afiadas, e Kara tombou agarrada à ferida, num sufocado grito
de morte.
Hórus desabou sobre a clareira, com a asa ensanguentada. Recorrera a toda sua força de Neter para a arremetida mortal, e agora se concentrava em seus poderes de
cura, enquanto se virava para encarar Pamyles.
59
osiris_fim.indd 59
4/3/2009 10:29:48
O inexorável poder e sabedoria daquelas órbitas frias
e majestosas aqueceram o espírito do menino com coragem e determinação.
Então, num impulso súbito e indomável, o falcão
rompeu contato e decolou. Seu voo, inicialmente incerto,
endireitou-se, pela força e destreza de sua asa esquerda.
E o pássaro desapareceu em meio às nuvens, para jamais retornar a Pamyles.
Por um momento, o menino pensou avistar, no alto
das nuvens mais elevadas, uma sombra espectral a seguir
sorrateiramente o falcão, mas logo meneou a cabeça, convencido de uma falsa impressão.
Pamyles tomou amorosamente o bebê em seus braços, para cuidá-lo e protegê-lo naquele oásis, refúgio de
água e comida, a salvo do mundo exterior.
– Osíris, filho dos Deuses, sou Pamyles, um simples
mortal. Contudo, por minha alma, juro guardá-lo até o
dia em que você assumirá a coroa do Egito, para retornar
a luz ao mundo e salvar a humanidade de si própria.
Enquanto voava para longe de Pamyles e Osíris, as
penas de Hórus subitamente se arrepiaram. Ainda que não
avistasse o abutre maligno, sentia seu algoz a espreitá-lo.
Ao deixar seu esconderijo em auxílio a Osíris, Hórus
aceitara seu destino.
Daí, apesar da dor e ferimentos, Hórus haver se afastado de imediato de Pamyles e Osíris, pois desejava resguardá-los da crueldade do pássaro-demônio.
Sua previdência revelou-se sábia, já que a ave profana
não tardou a descer das nuvens, num ataque impetuoso.
60
osiris_fim.indd 60
4/3/2009 10:29:48
Incapaz de evitar as garras do adversário, Hórus resignou-se. Os golpes eclodiram às suas costas numa fúria
homicida e afiada.
Hórus crocitava e se retorcia sob o dilacerar profundo
de suas carnes. O sangue jorrava e respingava e a vida lhe
escapava. Sua visão turvou-se, e as asas se entorpeceram.
Hórus, porém, perseverava, agarrado a uma teimosia
férrea, em resistência valente, teimosa, honrada, sustentada pela força de seu espírito sagrado.
E, por três dias e três noites, Hórus, incrivelmente,
padeceu àquele espantoso martírio, quando, por fim, sua
obstinação vacilou. Então, um belo amanhecer lançava
seus primeiros raios de luz sobre as águas límpidas e brilhantes do Nilo, distante no horizonte.
Hórus decidiu fazer do rio sagrado seu túmulo, merecido descanso a um dorso esfacelado. Hórus recorreu
às últimas gotas de sangue em suas veias e arremeteu ao
melancólico Nilo.
O abutre exultou diante da intenção suicida de sua
vítima, que consagrava sua vitória na missão confiada por
Apep. E esse foi seu momento de maior triunfo, saboreado ardentemente.
O Mal, contudo, jamais se sacia, e a perversidade do
abutre impeliu-o, num tolo capricho, a prosseguir fustigando Hórus até o hediondo fim, sem compaixão ou remorso.
E, assim, a natureza maléfica do abutre assegurou-lhe
a ruína.
Pois, ao aproximar-se do rio, Hórus avistou uma
mancha escura a espreitar silenciosamente sob a superfície
61
osiris_fim.indd 61
4/3/2009 10:29:48
convidativa. Lançou-se a ela, com o obstinado abutre em
seu encalço.
No exato momento em que sobrevoavam a mancha, Hórus desviou-se abruptamente à esquerda e deixou
o abutre à mercê do predador que se ocultava nas águas
traiçoeiras, um grande crocodilo, o qual emergiu com a
bocarra escancarada e capturou no ar o surpreso vilão.
Aprisionado entre as enormes mandíbulas, o abutre
debateu-se inutilmente, enquanto o réptil mastigava, triturava e engolia sua vítima por inteiro.
Hórus afastou-se do rio. Seu corpo esvaído resistia
apenas por carregar em si um deus. E o falcão semimorto
esforçou-se para ganhar velocidade, ciente de que o poderoso abutre, filho de Apep, o Inimigo, não tardaria a
escapar do crocodilo e retomar a perseguição.
De súbito, o Nilo revolveu-se, sacudido pelos violentos tremores que dominaram o crocodilo. Uma espuma
vermelha brotou da boca do gigantesco réptil e seus olhos
reviraram nas órbitas, brancos e moribundos.
Então, a sinfonia de dor cessou. O imponente carnívoro boiou morto na água, de barriga para cima, e seu ventre
rompeu-se pela ação truculenta de um bico afiado.
Do estômago cindido, ergueu-se o abutre, num bater
oco de asas destruídas e ossos estraçalhados. Banhado em
sangue, bile e restos de peixes devorados, berrava como
um espectro demoníaco saído das profundezas.
Ferido, esfolado e cego do olho direito, invocou uma
maldição contra Hórus, enquanto o falcão escapava, com
empenho e sacrifício, até o remoto e esquecido oásis de
Haffis.
62
osiris_fim.indd 62
4/3/2009 10:29:49
Lá, encontrou refúgio e uma farta dieta de escaravelhos e escorpiões e recuperou-se dos ferimentos.
Suas penas renasceram límpidas e cobriram suas inúmeras, feias e profundas cicatrizes. Seu porte nobre e olhar
sagaz retornaram.
Com o tempo, congregou um pequeno exército de
espiões alados, pois Hórus falava a língua das aves e estas
o amavam.
Dezenas de pássaros, a maioria andorinhas e pardais,
passaram a vasculhar o Egito e não tardaram a lhe trazer
notícias do abutre. Este também se recuperara das feridas,
a despeito de jamais recobrar a visão do olho direito, e
buscava incansavelmente pelo Deus-Pássaro. No momento, perscrutava os domínios núbios. Mas seria Hórus, a
partir de então, quem manteria seu inimigo sob vigilância
constante, para jamais tornar a ser surpreendido por ele.
Hórus experimentaria uma década de paz e segurança
em Haffis. Contudo, uma tristeza constante atormentava
seu coração. Já que, ao evitar o abutre assassino, abandonara para sempre seu desejo de explorar o mundo que
tanto amava.
Porém, seu exílio provava-se um preço menor a pagar, porquanto o demônio se ocupasse de procurá-lo deixava ileso seu irmão, Osíris. Hórus, porém, subestimava a
tenacidade e a astúcia do Mal.
Em seu covil, Apep pressentira a chegada de Osíris
um mês antes de seu nascimento. E, pior, a presença repulsiva de mais três Neteru a acompanhá-lo. Desolado,
Apep finalmente se deu conta da futilidade de seus es63
osiris_fim.indd 63
4/3/2009 10:29:49
forços em eliminar Hórus, diante da inesperada vinda de
outros deuses.
Desafiada em sua ambição, impotente perante os desígnios de Rá, a Serpente do Caos recorreu à única vingança que lhe restava.
Por nove dias e nove noites, sibilou e se retorceu na
sua câmara fétida, de trevas absolutas, enquanto refluía
todo o odioso poder oculto em seu abjeto ser no esforço de conjurar a mais nefasta e inexorável das maldições.
E esta consumiu parte de sua força e vontade, um sacrifício voluntário que diminuiu o Destruidor e lhe privou
irremediavelmente da capacidade de gerar novos demônios, preço pago com abominável prazer, satisfeito pela
praga criada. Pois, em seu rancor e desprezo, amaldiçoou
os filhos de Geb a se destruírem uns aos outros, selando o
destino dos homens e o futuro do Egito, para sempre.
Ainda assim, manteve a caçada a Hórus, já que lhe
feria o maléfico orgulho cada dia que o Neter alado escapava ao seu desígnio. Portanto, permitiu ao abutre prosseguir na busca e destruição do Deus-Pássaro.
E a ave-demônio ansiava por provar seu valor a Apep.
Para tanto, formara seu próprio exército particular, treze
abutres escravos, dedicados a localizar o esconderijo de
Hórus.
Todavia, cansado e frustrado, após uma década de
espera infrutífera, o vilão recorreu a um novo ardil. Ele
farejou o Neter mais próximo, Néftis, e ordenou a seus
abutres que voassem em círculos além de uma passagem
encravada entre colinas secas e desinteressantes, que ligava
o deserto à costa mediterrânea.
64
osiris_fim.indd 64
4/3/2009 10:29:49
Por dias os abutres o obedeceram, até despertarem a
atenção de um bando de canibais, sobreviventes de uma
terrível tempestade de areia.
Famintos, os círculos das aves de rapina no firmamento os convenceram da presença de um ou mais cadáveres abandonados além da misteriosa passagem. Mas, em
vez de carcaças, atravessaram a terra estéril e desafiadora para, inadvertidamente, se depararem com o povo de
Néftis, adormecidos e indefesos em sua idílica praia.
Na quietude de Haffis, Hórus pressentira perigo
mortal para Néftis.
De imediato, invocou um transe de revelação. Neste, vislumbrou os cadáveres massacrados da família de sua
irmã, e esta em fuga desesperada pela noite com dois selvagens em seu encalço.
Vasculhou mentalmente o relevo distante, em busca de marcas no terreno que lhe indicassem sua posição.
Avistou uma sequência de colinas achadas e um grande
platô voltado para o Norte. Isso lhe bastou, e Hórus partiu imediatamente, ignorando, com peculiar bravura, a
óbvia armadilha para qual voava.
E, entre seus feitos lendários, aquele se provou um
testamento ao ímpeto e capacidade férreos do Deus-Pássaro, pois ele cruzou o Egito em uma única noite. E, mesmo após tamanho esforço, apresentou-se vibrante e ágil
para massacrar os perseguidores de Néftis e mostrar a ela,
agora perdida e abandonada no mundo, o caminho até
Ísis, a meros dias de caminhada dali.
E Hórus decolou prontamente em direção às nuvens
a Leste ao pressentir a aproximação dos asseclas de seu
65
osiris_fim.indd 65
4/3/2009 10:29:49
inimigo alado, atraindo para si a atenção deles e permitindo à irmã escapar incólume.
Hórus avistara suas silhuetas ardilosas ainda no interior das nuvens e antecipara-lhes o ataque. Ele abateu-se
sobre eles como a peste e rasgou pescoços e asas com seu
bico e garras.
Os treze abutres escravos tombaram em segundos
diante da perícia marcial de Hórus. Só então seu líder revelou-se perante o Deus-Pássaro, num rasante sutil como
um sussurro de mau-agouro.
Desgastado pela sua arremetida salvadora até Néftis,
a luta com os canibais e o embate contra os servos do abutre, Hórus perdera as forças para escapar ao vilão. Portanto, decidiu encerrar aquela disputa de uma vez por todas
e assegurar que sua família jamais tornasse a ser ameaçada
por sua causa.
Hórus arremeteu às nuvens mais altas, imponentes
como montanhas, brancas como os ursos do Norte do
mundo, que conhecera em seus agora distantes e saudosos
dias de exploração.
O abutre sinistro seguiu-o, veloz, próximo, confiante
em repetir o martírio infligido em seu último encontro.
Dessa vez, contudo, o filho de Geb atraiu-lhe a um destino diferente, terrível e derradeiro.
Pois, ao deixar as nuvens, Hórus manteve sua louca
ascensão ao Sol. Em seu encalço, sem reduzir a velocidade, já sobre o inimigo, o pássaro-demônio cerrou seu
único olho aos raios de luz cada vez mais intensos.
Hórus também enfrentava a luminosidade cegante de
olhos fechados. Destemido, avançava em linha reta ao Fogo
de Rá, que não tardou a lhes cobrar seu severo preço.
66
osiris_fim.indd 66
4/3/2009 10:29:49
O ar ardia e tremeluzia pelo calor crescente.
Filho de Apep, o abutre sibilava como uma serpente.
Lançou impropérios e ofensas a Hórus, mas então, quando o Sol passou a lhe queimar as asas, suplicou pela interrupção daquele voo suicida.
Hórus, porém, conservou-se impassível. O Sol fervia
gigantesco à sua frente, uma fornalha incandescente de
brilho e morte.
O abutre cogitou recuar e fugir, mas Apep o trataria
como covarde e tragá-lo-ia de volta às suas entranhas.
Preferiu acompanhar o último voo de Hórus, o qual,
destemido, ascendia cada vez mais alto. E as penas do falcão se incineraram, seu sangue ferveu nas veias, suas córneas secaram e pereceram.
Exaurido pela insolação cruenta, o abutre rodopiou e
despencou, um cadáver crivado de bolhas e queimaduras
sangrentas.
Vitorioso, com as asas flamejantes e o corpo condenado, Hórus rendeu-se ao Sol.
Plácido e seguro, senhor de sua dignidade e nobreza, livre de medo ou arrependimento, o magnífico falcão
desfez-se em uma bola de fogo e cinzas, vívida, cintilante,
triste e bela, numa morte digna de um deus.
67
osiris_fim.indd 67
4/3/2009 10:29:49
osiris_fim.indd 68
4/3/2009 10:29:49
Parte II
O
MESSIAS
osiris_fim.indd 69
4/3/2009 10:29:49
osiris_fim.indd 70
4/3/2009 10:29:50
Capítulo V
A Boa-Nova
O eclipse total já se estendia por sete dias e sete noites de trevas absolutas. Ventos frios sussurravam sobre um
mundo suspenso no medo e incerteza.
Até os mais ferozes bárbaros suplicavam pelo retorno
do Deus-Sol, diminuído perante Apep. E a cada dia de
escuridão aumentava o desespero e incredulidade dos homens em sua salvação.
Apoiado num cajado longo e pesado, Pamyles, por
sua vez, admirava calmamente o Nilo sombrio e silencioso, como o único humano a conhecer a verdadeira causa
da debilidade de Rá, que não era Apep.
Com o rosto marcado por uma vida de três décadas
de privações e sacrifícios, Pamyles ostentava uma barba
rala de tufos grisalhos, calvície avançada, olhos cansados
e pele crivada de manchas de sol, mas, também, uma expressão de contentamento e realização pelos anos passados
na companhia de Osíris, a Criança Divina. E Pamyles se
osiris_fim.indd 71
4/3/2009 10:29:50
orgulhava do pupilo, que se tornara um homem de impecável caráter, resolução e força.
Pamyles atribuía tais qualidades à herança divina
do rapaz, alheio à sua real influência e valor como tutor.
Tinha Osíris como filho amado, a quem criara a salvo de
homens e feras, em seu diminuto e secreto oásis.
Aqueles haviam sido dias felizes para Pamyles, encerrados, como deveriam, ao vigésimo primeiro aniversário
de Osíris, quando este decidiu partir e espalhar sua BoaNova pelo Egito.
Mesmo ciente, desde o nascimento de Osíris, do inexorável destino do rapaz, Pamyles não conteve a tristeza
ao vê-lo ganhar o mundo. Leal e resignado, só lhe restou
seguir Osíris em sua perigosa e extraordinária jornada,
honrado por caminhar ao lado do Messias.
Assim, pai e filho, mestre e aluno, mortal e Deus tinham se dirigido ao vale do Nilo.
Neste dia, Rá se retraiu e enfraqueceu, pois Osíris vinha reclamar sua coroa entre os homens. E Apep se abateu
sobre a Barca do Sol, ávido pela oportunidade oferecida,
enquanto Hator e Maât a defendiam com fúria e determinação.
Sete dias de escuridão e terror. Mas não para Osíris.
Este exibia fleuma inabalável ao retornar do Nilo, onde
fora se banhar. Sereno, apontou ao Norte: uma terrível
tribo de canibais se aproximava, tornados ainda mais perigosos e selvagens pelo breu maligno da Serpente da Destruição.
De tacapes em punho, os brutos cercaram o Messias
e seu Primeiro Discípulo, enchendo o ar com gritos de
matança.
72
osiris_fim.indd 72
4/3/2009 10:29:50
Pamyles estremeceu, mesmo temente ao poder de
Osíris. Afinal, encontravam-se desarmados e indefesos à
ação daqueles seres brutais.
Osíris, todavia, confiante e tranquilo, acalmou as feras humanas com o som metódico e delicado de sua voz e
o feitiço de compaixão que habitava em seu olhar.
Pamyles ficou atônito, pois os bárbaros sentaramse mansamente para ouvir as palavras doces do Messias.
E Osíris prometeu-lhes uma vida de alegria, fartura e paz.
E, perante a Boa-Nova de Osíris, o Mal sucumbiu.
E, mesmo no Céu, a mensagem de amor e perdão do
Messias reverberou com imenso poder e perfurou o coração escuro de Apep como uma adaga de fogo.
E Apep se encolheu e arrastou-se à sua toca ímpia no
submundo, sibilando de ódio e desprezo.
Assim, o eclipse cessou, o brilho de Rá retornou à
Terra e o Deus-Sol finalmente se convenceu da força de
Osíris, capaz de guarnecer até o próprio Senhor dos Neteru de seu maior inimigo.
E a tribo de bárbaros se ajoelhou diante de Osíris e
o adorou.
O milagre de Osíris, sua vitória sobre as trevas, logo
se tornaria lendário, difundido pelos fiéis até os confins
do Egito, onde doeram aos ouvidos hostis de Seth, no
distante Sul, e alimentaram seu rancor, inveja e alarme à
glória do irmão.
Uma após a outra, as tribos do Norte rendiam-se à
pregação de luz e esperança de Osíris.
Ao alcançar o delta do Nilo, Osíris já reunia milhares
de seguidores, dos quais os mais fiéis acólitos pertenciam
justamente à primeira tribo de canibais que ele convertera
e civilizara.
73
osiris_fim.indd 73
4/3/2009 10:29:50
De fato, Osíris banira o canibalismo, o estupro e o
homicídio como crimes inumanos e indignos.
E Osíris curava com o mero toque de seus dedos na
testa ou nas chagas dos enfermos. E nenhum inimigo surgia para desafiar seu séquito ou ameaçar o número crescente de devotos.
Homens e mulheres se aventuravam ao Delta, de lugares distantes, desejosos somente do amor de Osíris,
atraídos pelos rumores do Messias que caminhava sobre a
Terra e debelava o Mal. E Osíris os recompensava com sua
maior dádiva: o conhecimento.
Osíris ensinou-lhes a trançar o papiro, tranformando-o em utensílios e redes de pesca, a fazer ferramentas da
madeira e a moldar potes e vasilhas da argila.
A humanidade aprendeu a coletar os frutos da Terra
de forma ordeira, pescar gordos peixes no Nilo e criar bovinos, ovinos, patos e asnos, fornecedores de tração, leite,
ovos e carne.
A despeito das benesses, contudo, os homens ainda
viviam como nômades e tiravam do Nilo, de sua flora e
fauna, apenas o suficiente para sua subsistência. E esse
pouco escasseava à medida que a aglomeração humana aumentava no Delta, muito além de seus limitados recursos.
A semente de insatisfação popular ameaçava trazer
o caos e a desordem ao sonho de Osíris e destruir as fundações incipientes de uma civilização unificada, pacífica
e autossustentável, que o Messias tanto se esforçava em
forjar.
Osíris descobriu-se assoberbado pela multidão e percebeu, tardiamente, a extensão de sua própria arrogância. Seu ímpeto e entusiasmo levaram-no a forçar rápido
74
osiris_fim.indd 74
4/3/2009 10:29:50
demais o erguimento de um reino e este, agora, ameaçava
ruir, tola e futilmente.
Foi então, nesse momento de grave necessidade,
quando tudo parecia perdido, que suas irmãs – lindas, divinas, majestosas – surgiram do deserto e resgataram seu
sonho.
E estas causaram enorme impressão nos seguidores
de Osíris, pois cobriam seus deslumbrantes corpos com
peles de animais, numa visão que encheu a todos, mesmo
o Messias, de vergonha por estarem nus. Elas, contudo,
ignoraram o embaraço do Salvador e se ajoelharam diante
dele.
– Ó poderoso Osíris – disse a mais bela e experiente
das mulheres, com a testa ao chão. – Aqui estão suas irmãs Ísis e Néftis, para lhe servirem incondicionalmente,
na vida e na morte, agora e sempre.
E Osíris sorriu, satisfeito.
– Ergam-se, amadas irmãs – disse o Messias, abraçando-as com carinho fraternal. – Há muito eu as aguardava.
Sejam bem-vindas.
E, assim, Ísis salvou a coroa de Osíris. Ela ensinou
o irmão e seu povo a tecerem roupas a partir do papiro e
agraciou-os com a dádiva da agricultura, já que trouxera
ao Delta grãos de trigo e cevada, desconhecidos até então
da humanidade e descobertos por ela nas montanhas onde
vivera em solidão e isolamento até a chegada de Néftis.
Sabiamente, Osíris orientou os homens a cultivarem
os grãos nas margens do Nilo, cuja lama fértil e fresca logo
proporcionaria colheitas ricas e abundantes.
Seduzido pela beleza de Ísis, um grato Osíris tomou
a irmã como esposa.
75
osiris_fim.indd 75
4/3/2009 10:29:50
Juntos, ensinaram o povo a irrigar as plantações e a
separar os grãos, a secá-los e esmagá-los em farinha, posteriormente assada na feitura do pão. Eles mostraram como
plantar e colher a uva e torná-la vinho e também o preparo da cevada em cerveja.
O Bem de Osíris e Ísis, contudo, não passaria impune ao Mal, com o aparecimento de um homem alto, forte
e brutal, dono de ombros largos, maxilar protuberante e
olhar gélido, infiltrado na torrente incessante de peregrinos que formavam o incipiente primeiro reino humano.
Ele chamava a si mesmo de Calil. E, como todo recém-chegado, foi acolhido fraternamente pelos acólitos
de Osíris, que lhe deram água e frutas para se recuperar
dos rigores do deserto e roupas que lhe cobrissem a vergonha.
Já então o povo de Osíris vestia-se com tecidos leves:
túnicas e saiotes para os homens, saias e vestidos sobre os
corpos femininos.
Admirado, Calil curvou-se às dádivas de Osíris à humanidade.
Acostumado à miséria, fome e sede, Calil recebeu um
pedaço de terra, sementes e ferramentas para ará-la e obter, dignamente, seu próprio sustento.
E Calil venerou Osíris e a Palavra do Messias. E qualquer outro homem teria abandonado sua nefasta missão e
seu passado de crimes e sofrimento, mas Calil não era um
simples bárbaro.
Aos oito anos de idade, matara sua família inteira,
dois homens, quatro mulheres e seis crianças, e comera
suas carcaças, mesmo quando estas já restavam apodrecidas e infestadas de vermes e insetos.
76
osiris_fim.indd 76
4/3/2009 10:29:50
Aos treze, estuprara, pilhara e chacinara mais do que
os homens de sua tribo reunidos.
Agora, aos vinte, a maldade em sua alma arraigava-se
superior ao seu amor a Osíris e condenava-o a renegar a
própria salvação, esperança e felicidade.
Pois, na verdade, Calil era Loeb, o mais perigoso, insidioso e mortal dos assassinos de Seth.
Naqueles dias abençoados, os seguidores de Osíris se
multiplicavam em prosperidade e aceitavam, com gratidão e respeito, a lei que ele criara, a qual lhes instruía no
valor da justiça e no respeito à propriedade, a amarem o
próximo e tratarem seus semelhantes com o mesmo valor
devido a si mesmos.
Alimentavam-se somente dos animais permitidos por
Osíris: patos, bois, cabras, ovelhas e peixes, e viviam em
fartura com a explosão na produção de grãos, que tornara
o povo feliz e bem alimentado. Logo, a riqueza começou
a ser acumulada.
E, dois anos após a chegada de Osíris ao Delta, brotavam as fundações da primeira cidade humana, repleta de
cabanas de papiro trançado, lar pacífico de mais de quinze
mil habitantes.
Osíris demandou a construção de um imenso palácio
de madeira, no centro do povoado, para abrigar três grandes salões, independentes e de iguais dimensões: o Fórum
de Justiça, o Parlamento e a sala do trono.
Todavia, na manhã de início das obras do futuro
palácio, pescadores do Nilo apresentaram-se ao Messias.
Apressados e esbaforidos, vinham com o alerta da aproximação de um vasto exército, composto por milhares de
bárbaros, prestes a cruzar a fronteira ao Sul do Delta.
77
osiris_fim.indd 77
4/3/2009 10:29:50
Loeb recolhia suas cabras quando os rumores da invasão espalharam-se pela cidade. E ele soube, após meses
de espera, que chegara o momento de executar sua missão, pois Seth, seu senhor, vinha tomar as últimas terras
livres do Egito. E Loeb chorou pela morte do sonho de
prosperidade, bondade e fraternidade de Osíris, e tomou
uma faca, feita de osso de vaca e cabo de madeira trançada, presente do conhecimento de Osíris para cortar pão,
frutas e carnes, mas que agora serviria para sangrá-lo.
Loeb ocultou a faca sob o gibão amarrado à sua túnica e saiu à rua. Não tardou a encontrar Osíris no canteiro
de obras do palácio, onde o povo assustado aglomerava-se
em busca da segurança e ânimo de seu Messias.
Naquela hora de crise e pânico, Osíris acalmou-os
com gestos serenos e uma voz reconfortante que surpreendeu até um Pamyles acostumado à placidez do Messias.
– Nada temam, meus filhos – pregou Osíris à multidão. – Eu os protegerei do Mal. Irei confrontá-lo e apaziguá-lo. Aguardem meu retorno com as mentes tranquilas
e os corações leves.
Osíris beijou a esposa e deixou-a encarregada do povoado em sua ausência. Ele e Pamyles partiram sozinhos e
desarmados de encontro ao inimigo. Carregavam apenas
seus cantis de água, pães e biscoitos de trigo.
Seguiram pela margem esquerda do Nilo, resolutos,
na direção do malévolo exército. Logo se aperceberam de
uma grande sombra que os acompanhava a distância, formada por mil dos mais bravos súditos de Osíris, cidadãos
livres, armados somente com suas ferramentas de trabalho: foices, machadinhas e facões.
78
osiris_fim.indd 78
4/3/2009 10:29:51
Osíris voltou-se furioso para eles e exigiu que retornassem à segurança do Delta.
Metade deles obedeceu, por temor ao seu deus; os
demais, porém, permaneceram. Teimosos, cabisbaixos,
honrados. Um tipo de honra que a arrogância dos Neteru
jamais aceitara nos homens, mas ali estava, com toda a
nobreza e virtude do espírito humano.
Pamyles puxou o contrariado Osíris para retomarem
seu caminho ao inimigo. Prudentes, seus vassalos remanescentes o acompanhavam de longe. Entre eles, imiscuíra-se o ardiloso, maligno e traiçoeiro Loeb, insistente e
determinado como a maldição de Apep.
Ao cair da noite, um resignado Osíris sinalizou aos
homens para se aproximarem, sem mais disfarçar a admiração pela bravura e desprendimento dos corajosos voluntários, os quais, agradecidos, honraram seu líder com
juramentos de sangue e ofereceram-lhe suas vidas.
Sob estrelas indiferentes e silenciosas, Osíris entoou
uma canção de companheirismo e fé. E os homens se maravilharam com o surgimento da Música, cuja emoção e
beleza os comoveram. E eles amaram ainda mais Osíris.
Mesmo Loeb arrepiou-se quando as vozes do Messias e
de seus homens ressoaram pelo ar, cheias de poesia e sentimento.
E, agradecido, Loeb chorou pelos milagres ofertados
à humanidade por Osíris, antes de rogar uma praga ao
crime pavoroso que iria cometer, sob a influência maligna
de Seth, enraizada em seu espírito.
Pálidos raios de sol anunciaram um amanhecer melancólico a Osíris e seus homens, como se o próprio Rá
lamentasse pelo Egito. Seu mau humor contaminou-lhes
79
osiris_fim.indd 79
4/3/2009 10:29:51
os espíritos, mesmo o do Messias. Silenciosos e pensativos,
levantaram acampamento e retomaram sua caminhada ao
exército bárbaro.
Ao meio-dia, sob Sol a pino, depararam-se, subitamente, com as forças invasoras.
À sua frente, rugia uma horda de três mil bestas humanas. Brutalizadas, cruéis, endurecidas no curso das violentas campanhas de Seth travadas nas distantes montanhas do Leste, sobreviventes de emboscadas e armadilhas
praticadas pelas tribos indomadas que habitavam aquelas
paragens rochosas, inóspitas e desoladas.
De fato, Seth consumira quase dois anos na tentativa
vã e frustrante de subjugá-las, em esforços tão sangrentos
quanto infrutíferos. Seus inimigos persistiam e suas tropas
minguavam.
Para piorar, ao final do inverno, seus espiões alertaram-lhe sobre a cidade que seu irmão levantava no Delta.
Seth desesperou-se e moveu suas forças rapidamente
contra ele, pois temia perder o Egito antes mesmo de conquistá-lo. Despachou, portanto, seus melhores guerreiros
ao Norte, sob o estandarte de Fauk, seu principal comandante-escravo, enquanto se mantinha ao Sul, com suas
parcas reservas, combatendo os montanheses rebeldes.
Assim, naquele dia, Fauk enfrentava Osíris, no comando de milhares de nômades selvagens, ferais, sanguinários, agrupados em duas linhas cerradas de ataque,
armados com pesados tacapes, ansiosos por dizimarem o
valente, porém ínfimo, bando de Osíris.
Decididos a evitar um banho de sangue, Osíris e Pamyles adiantaram-se aos seus homens, que conservavam,
obedientes, suas posições.
80
osiris_fim.indd 80
4/3/2009 10:29:51
Fauk sorriu debochado da face confiante de Osíris.
Ele enxergava o medo nos olhos de Pamyles e dos demais
e isso lhe dava grande prazer, mas não nos de Osíris, e
julgou-o insano por desprezar a morte certa, a ser desencadeada sobre ele e seu patético grupo de lavradores.
Os bárbaros urravam, babavam e pulavam num frenesi de ódio e avidez pela ordem de ataque, loucos para
provarem as carnes e o sangue daqueles tolos. Eles os esfolariam vivos e então avançariam ao seu povoado, onde
violentariam suas mulheres e escravizariam seus filhos.
Nesse momento, contudo, enquanto Osíris se concentrava no exército furioso e animalesco à sua frente,
Loeb aproveitou-lhe a distração para avançar em meio aos
homens do Delta, imóveis e perplexos diante do inimigo
vasto e brutal, e sacou a faca de osso do gibão e correu
para apunhalar o Salvador pelas costas.
“De um só golpe”, Loeb pensou consigo mesmo.
“Rápido. Indolor.”
E Loeb teria matado Osíris e se tornado o favorito
de Seth, com toda comida, mulheres e escravos que seu
coração sombrio desejasse, mas Osíris o surpreendeu.
O Messias virou-se para ele, pronto a se desviar, com agilidade sobre-humana, de seu ataque covarde.
Pamyles, contudo, agiu mais rápido e, sem pensar, lançou-se, por amor a Osíris, contra a faca de Loeb.
A arma lhe empalou o ventre, profunda, forte, mortal.
Pamyles e Loeb se entreolharam por um momento,
a faca ainda alojada em suas entranhas. E Pamyles sorriu.
Sua missão estava finalmente cumprida. Ele salvara seu
rei, seu deus, seu filho.
81
osiris_fim.indd 81
4/3/2009 10:29:51
Pamyles afastou-se da lâmina e o jorro de sangue cobriu o braço de seu algoz, espalhando-se sobre o solo lamacento. Os joelhos de Pamyles dobraram-se, e ele caiu.
– Não! – irrompeu Osíris, em lágrimas.
Osíris agarrou a cabeça de Pamyles antes de ela tocar
o chão. Loeb, porém, insistiu no ataque a Osíris, com a
faca ensanguentada.
Osíris, todavia, reagiu com seu poder e divindade.
O mero erguer de sua mão direita deteve Loeb, paralisando seus músculos, à exceção do coração, agora tomado por pavor e impotência. Osíris então se voltou para o
amigo caído, que lhe acariciou o rosto, com orgulho de
pai ao filho amado.
– Eu lhe peço, minha criança, não verta lágrimas por
mim – disse Pamyles, ao limpar com os dedos gentis a face
de Osíris.
– Eu vou curar seu ferimento – apressou-se Osíris.
Pamyles, porém, agarrou-lhe o braço, impedindo-o
de tocar o ferimento.
– Não, por favor... Estou muito cansado e desejo apenas repousar... Permita-me esse único desejo... – suplicou
Pamyles.
– Mas eu não posso perdê-lo, pai... – pranteou Osíris.
– Esse é o momento para o qual você nasceu – disse Pamyles, a voz falhada, moribunda. – O motivo de
os deuses o enviarem a nós... Faça o que deve ser feito...
Cumpra seu destino... Salve o mundo...
E Pamyles faleceu.
Osíris curvou-se, num luto breve, sofrido e silencioso, antes de repousar delicadamente a cabeça de Pamyles
82
osiris_fim.indd 82
4/3/2009 10:29:51
sobre o solo sagrado do Egito e erguer-se em desafio às
tropas de Fauk. Estas berravam insultos e escárnios à perda e dor do Messias.
E Fauk gritou a ordem de ataque.
Os canibais avançaram sequiosos para trucidar os seguidores de Osíris, os quais se despediram da vida, resignados com uma morte brutal.
Osíris, contudo, permanecia impassível, centrado,
sereno. Com o inimigo a poucos passos de esmagá-lo, cerrou os olhos e levantou os braços ao Céu. Seu poder suspendeu Fauk e seus guerreiros no ar e eles se debateram,
indefesos e impotentes. Estremeceram ao soar da voz de
Osíris, magnífica como o trovão e ardente como as areias
do deserto.
– Se abraçarem minha causa, eu pouparei suas vidas – proclamou Osíris, com a imponência dos deuses.
– Porém, aqueles que se opuserem a mim perecerão. Pois, se
a vida é preciosa, aquele que a agride deixa de merecê-la.
Então, Osíris virou-se para Loeb.
– Vejam! – gritou Osíris.
A um gesto brusco da mão esquerda de Osíris, as entranhas de Loeb torceram-se do avesso e ele tombou em
meio a horríveis contorções. Perdera a aparência humana,
restava somente como uma massa sangrenta de nervos,
tendões e artérias sobrepostos, vítima de punição lenta e
pavorosa.
Perante a força de Osíris, os homens de Fauk renderam-se e juraram fidelidade eterna ao Messias. E, por
mais que o temessem, aprenderiam a amá-lo, seduzidos
pela Boa-Nova, suas dádivas e lei. Mas não Fauk, maligno
demais para acolher a bondade de Osíris.
83
osiris_fim.indd 83
4/3/2009 10:29:51
Quando o Messias retornou suavemente o exército
vencido ao chão, Fauk se adiantou e cuspiu aos seus pés.
– Eu jamais me submeterei à sua maldita civilização,
seu porco miserável, bastardo de uma rameira leprosa! –
vociferou Fauk. – Eu sou um filho do deserto, durmo sob
as estrelas, saqueio, mato e estupro! Prefiro a morte a cobrir meu corpo nu com seus trapos ridículos! Escolho a
danação a viver da terra como uma mulher!
– Que assim seja – sentenciou Osíris, friamente.
A um giro de seu pulso esquerdo, Osíris lançou Fauk
além das nuvens, para então liberá-lo. Fauk desabou diante do desmoralizado exército, sua espinha partiu-se no
solo lamacento, seus órgãos internos explodiram e voaram
em pedaços.
Assim, Osíris derrotou os guerreiros de Seth e inaugurou seu domínio sobre o Egito.
Entretanto, na noite anterior à vitória do marido,
um pesadelo assombrou o sono de Ísis, enquanto dormia
abraçada a Néftis, na esteira de papiro de sua cabana.
Em sua visão, Ísis caminhava sobre as águas escuras
e mortas do Nu primordial. Relâmpagos fustigavam os
céus e um vento penetrante assobiava opróbrios em seus
ouvidos.
Nesse instante, à sua frente, súbita e violentamente,
emergiu o Ovo de Rá, não alvo e puro, mas amarelado,
fétido, apodrecido, crivado de rachaduras.
E este se rompeu e a barca de Rá deslizou de seu interior, como um cadáver arrastado pela correnteza de um
rio agourento. A embarcação, outrora nobre e bela, restava agora espectral, um esqueleto de sua verdadeira forma,
84
osiris_fim.indd 84
4/3/2009 10:29:51
com o casco coberto de musgo, as velas rasgadas e o leme
partido.
Por um momento, Ísis admirou aquela silhueta miserável, e então se descobriu transportada ao seu tombadilho úmido e pegajoso.
A barca estava deserta, à exceção de Rá, sentado em
seu trono, na popa da fantasmagórica nau, escura, hostil
e severa. Diminuto, Apep sibilava preguiçosamente, acomodado no colo do Deus-Sol, que lhe acarinhava a pele
nodosa, escamosa, gelada.
Apep escancarou as presas para Ísis, sua asquerosa
língua bifurcada brincou no ar em um escárnio maligno,
antes de tornar a enroscar-se. Entediado, o Destruidor repousou a cabeça hedionda em meio às pernas de Rá.
– Osíris jamais será rei! – desafiou Rá, com rancor e
inveja. – Ele morrerá primeiro!
– Ele é meu marido-irmão! – protestou Ísis, altiva, a
despeito do temor ao Deus-Sol. – Eu o amo e protegê-loei de você!
– Osíris não será rei! – insistiu Rá, numa fúria redobrada. – Essa é minha vontade! A você, cabe pranteá-lo
como viúva ou acompanhá-lo no esquecimento! Escolha,
filha de Geb!
Ísis despertou de um pulo, acordando Néftis, que se
alarmou com a face suada e pálida da irmã.
– O que foi? – perguntou Néftis. – Você está bem?
Por um instante, Ísis a encarou como se não a reconhecesse.
– A escolha é minha! – gritou Ísis e chorou.
– Irmã?! – afligiu-se Néftis, sacudindo Ísis pelos ombros.
85
osiris_fim.indd 85
4/3/2009 10:29:51
Então, a vida retornou ao rosto da esposa de Osíris.
– Néftis... – balbuciou Ísis, com a mente clareando.
– Você teve um pesadelo – disse Néftis. – Mas já
passou.
Acostumada a dormir nua, Ísis tomou o vestido mais
próximo.
– Cuide de nosso povo, irmã – pediu Ísis. – Se Osíris
retornar antes de mim, diga que o amo.
Sem maiores explicações, Ísis partiu em uma jornada
perigosa, incerta e desesperada. Contudo, ela fizera sua
escolha, a única digna de uma esposa leal e amorosa.
Pois, se Rá pretendia sacrificar Osíris no altar de seu
orgulho egoísta e pervertido, Ísis faria de tudo para salvar
o marido. Torna-lo-ia um rei ou morreria tentando.
Seus pés delicados, macios e apressados levaram-na a
uma distância segura do povoado e seus olhares curiosos.
Numa clareira isolada e afastada, abandonou o vestido.
Nua e magnífica sob o luar melancólico, conjurou sua
mais poderosa magia, inspirada no voo das aves e nas correntes de vento que castigavam os picos rochosos de seu
antigo lar.
Ísis se transformou em uma ágil e bela andorinha.
Nessa forma sagrada, decolou em direção às montanhas do Leste, onde o futuro do Egito e o destino da
humanidade a aguardavam.
86
osiris_fim.indd 86
4/3/2009 10:29:52
Capítulo VI
A coroa de junco
As montanhas do Leste, cemitério dos exércitos de
Seth.
Seth fora surpreendido pela beligerância, resistência,
astúcia e conhecimento do terreno das tribos do Leste.
Os montanheses o tinham arrastado a uma guerra de
desgaste, que lhe negava uma batalha em larga escala, na
qual seus números superiores se imporiam.
Em vez disso, os rebeldes isolavam e eliminavam metodicamente suas patrulhas, postos avançados e grupos de
coleta de alimento e água.
Para piorar, os homens de Seth, acostumados ao deserto, estranhavam o frio persistente, torturador e debilitante das montanhas, enquanto seus adversários tinham
os corpos habituados àquelas condições ingratas.
Seth os julgava inconquistáveis, mas estava enganado.
Pois, se as tribos do Leste resistiram à fúria do tacape,
terminaram seduzidas pela mensagem pacífica de Osíris.
osiris_fim.indd 87
4/3/2009 10:29:52
E, ironia suprema, sua conversão originou-se dos homens
de Seth derrotados por Osíris.
Livres da influência maligna de Fauk, um punhado
deles havia se estabelecido no afortunado povoado do
Delta. A maioria, porém, retornou ao Sul do Egito em
busca de suas famílias e para espalharem a Boa-Nova do
Messias.
Concentrado na conquista do Leste, Seth não atentou à celeridade com a qual a mensagem de seu odiado
irmão havia se espalhado, irremediavelmente, entre suas
hordas.
Seth ordenou seguidos expurgos de vassalos de Osíris, mas estes se multiplicavam mais rapidamente do que
suas tropas minguantes os matavam.
Assim, um domínio construído em anos evaporouse em poucas semanas. Seus guerreiros o abandonaram
pelas palavras de amor e esperança de um Osíris distante
daquelas terras.
O Egito unificava-se, não pelo caos e violência da
arma, mas pela ordem, lei e compaixão.
Vencido, cabisbaixo, jurando vingança, Seth recolheu-se ao extremo Sul, distante da civilização nascente,
a qual desprezava com todo rancor. Ele esgueirou-se para
além dos domínios núbios e diretamente às misteriosas e
sombrias fronteiras do mundo.
A queda de Seth, contudo, ainda estava a meses de
ocorrer quando a andorinha Ísis, após longo percurso, finalmente alcançou os topos mais elevados das montanhas
do Leste, cujas encostas sorviam o sangue da guerra bárbara então em curso.
88
osiris_fim.indd 88
4/3/2009 10:29:52
Ísis se dirigiu ao mais alto dos picos, onde a boca
escancarada e escura de um vulcão enorme e silencioso a
aguardava, oculta do mundo mortal pelas névoas de uma
magia ancestral.
Porém, nas veias de Ísis corria o sangue dos Neteru,
que lhe permitira, ainda criança, em transe, avistar aquela
tenebrosa cratera como a carranca de um demônio apontada avidamente ao Céu. E ela estremecera ao pressentir a
entidade antiga e misteriosa que morava nas profundezas
sepulcrais daquele vão inóspito e sombrio. Um ser tão antigo quanto o universo, poderoso como Rá, de mente estranha e tortuosa, cuja essência gelada desvirtuara aquelas
terras condenadas ao frio perpétuo.
Ísis planou por um momento, temerosa. Contudo,
viera de muito longe para se deixar abater. Assim, mergulhou na escuridão sulfúrica do vulcão adormecido.
E desceu longamente em meio a trevas absolutas, densas e opressoras. Seus olhos divinos, hábeis em perscrutar
a mais fechada das noites, mostravam-se inúteis naquele
breu digno do Nu primordial.
Por fim, Ísis foi atraída por uma luz esverdeada, que
despontou abaixo de si, opaca, doentia, milenar. A deusa
arremeteu para ela com suas asas nervosas e deparou-se
com a fonte do brilho, sobre um platô largo e áspero, dependurado em uma das paredes abissais, deformado pela
lava secular e extinta, num desafio ao precipício que se
estendia até o centro do mundo.
A luz emanava de uma criatura feita de loucura e pesadelo. Seu titânico corpo leonino repousava sobre patas
de garras afiadas. A Esfinge, de cabeça semi-humana e
89
osiris_fim.indd 89
4/3/2009 10:29:52
olhos intensos e esverdeados, de tempos imemoriais, glacial e indiferente.
A transmutação de Atum no Universo dera origem
a uma dezena de seres bizarros, duros e caprichosos, simulacros de força, sabedoria e prepotência. Suas mentes,
complexas e inumanas, compartilhavam um único desejo:
a solidão. Assim, cada qual buscou para si um refúgio distante e isolado nos infinitos planos e realidades cósmicas.
Somente uma dessas entidades primordiais se exilou
na Terra. Os Neteru chamavam-na Esfinge, a mais perigosa das aberrações ancestrais.
E a Esfinge admirou o pequeno pássaro que vinha se
intrometer em sua solidão e quietude. Este pousou à sua
frente e assumiu a deslumbrante nudez de uma mulher de
alma divina.
– Por que vem me perturbar, criança? – rosnou a Esfinge, exibindo presas afiadas.
– Há uma lenda Netert que sempre me fascinou acima das demais – disse Ísis, avaliando a criatura e procurando amainar a atmosfera tensa –, segundo a qual, no
momento da morte de Atum, parte de sua sabedoria, ao
temer o esquecimento, transformou-se em um ser recluso
e misterioso, a Esfinge.
A Esfinge sorriu, ou pareceu fazê-lo, numa expressão
grotesca que gelaria o sangue do próprio Apep.
– Não por temor – sussurrou a Esfinge, enigmática.
– Você busca minha sabedoria?
– Venho diante de você para que me revele o Nome
de Rá.
– Aquele que conhece o verdadeiro nome de um deus
torna-se imune a seus poderes – empertigou-se a Esfinge.
90
osiris_fim.indd 90
4/3/2009 10:29:52
– Essa é única maneira de proteger seu marido da fúria de
Rá e, assim, coroá-lo rei do Egito.
Ísis ficou surpresa com a perspicácia da criatura.
– O que me oferece em troca do Nome de Rá? – perguntou a Esfinge.
– Minha vida – disse Ísis, sem hesitação.
A Esfinge ponderou por um momento.
– Você se sacrifica por amor – ironizou a Esfinge.
– Amor a Osíris, seu marido e irmão. Mas sentimentos
nada significam para mim.
Ísis se encolheu, desesperançada, e seus olhos marejaram, pois temia falhar a Osíris e seu povo.
– Então, nada tenho a oferecer...
– Talvez, haja uma coisa – disse, friamente, a Esfinge.
– Peça! – animou-se Ísis. – E eu lhe darei!
– Uma charada.
– Uma charada? – estranhou Ísis. – Eu não compreendo...
– Na escuridão e silêncio desse abismo, eu passo a
eternidade elaborando e resolvendo meus próprios enigmas – explicou a Esfinge. – Se me propor uma charada que
eu não consiga solucionar, eu lhe darei o Nome de Rá.
– De acordo – assentiu Ísis.
– Não tão rápido, criança! – alertou a Esfinge. – Caso
eu desvende seu enigma, você se entregará a mim, por inteiro e sem resistência, para que eu a devore, não sua carne
mortal, mas o conhecimento divino que existe em você.
Ísis estremeceu, assustada.
– Concorda? – perguntou a Esfinge.
A jovem refletiu, com o coração pesado. Ela precisava superar a Esfinge para salvar o marido. Todavia, suas
91
osiris_fim.indd 91
4/3/2009 10:29:52
chances eram mínimas, provavelmente nulas perante a sabedoria de Atum, herdada pela Esfinge.
Ainda assim, Ísis decidiu arriscar e aceitou o desafio.
– Pois bem – disse a Esfinge, satisfeita. – Faça seu
melhor, criança.
A tensão e urgência prejudicavam o raciocínio caracteristicamente ágil de Ísis.
– Um momento – suplicou a Netert.
Ísis sentou-se de pernas cruzadas e concentrou-se,
serenando a respiração, como fazia antes de um transe.
Seus pensamentos se acalmaram, a musculatura relaxou.
Ela meditou, demoradamente.
Então, sua expressão carregada se aliviou e seus olhos
se abriram com o espocar da ideia em sua mente.
Ísis levantou-se, de um pulo.
– Estou pronta – anunciou a mulher.
– Muito bem – disse a Esfinge, com indisfarçável deboche.
Ísis proferiu seu enigma em um tom grave e pausado.
– Que criatura no Universo caminha com quatro
pernas quando nasce, duas ao crescer e três ao envelhecer?
– perguntou Ísis.
A Esfinge encarou a mulher, com evidente surpresa.
Após milênios desvendando suas próprias charadas,
jamais supôs que a jovem Netert oferecer-lhe-ia um desafio autêntico. E isso lhe proporcionou um inusitado prazer, a despeito da certeza que o elucidaria rapidamente.
Em plena confiança de suas habilidades mentais superiores, a Esfinge dedicou-se a decifrar o enigma de Ísis.
E o que parecia fácil e óbvio transformou-se em horas de
penosa elucubração, que logo virariam dias.
92
osiris_fim.indd 92
4/3/2009 10:29:52
A despeito da fome e sede pela demorada espera, Ísis
perseverava. Ela recorria a feitiços para conservar a vitalidade.
Ao sétimo dia do desafio, cansou-se de aguardar.
– Seu tempo acabou – proclamou Ísis.
A Esfinge perdera a arrogância. Sua expressão atônita
denunciava-lhe a perturbação e a incredulidade. Andava
em círculos pelo platô, atormentada, condenada a repetir
ininterruptamente as palavras que a assombravam.
– “Que criatura no Universo caminha com quatro
pernas quando nasce, duas ao crescer e três ao envelhecer”?! – ecoava freneticamente a Esfinge, confusa, colérica, enfurecida.
– Eu exijo uma resposta! – insistiu Ísis.
A Esfinge se deteve e virou-se, com a face transtornada para Ísis.
– Ardil! Não existe tal criatura! – protestou a Esfinge.
– Seu enigma é um engodo! Vou devorá-la até os ossos por
essa farsa!
– Revele-me o Nome de Rá e eu dar-lhe-ei a resposta.
– Impossível! – vociferou a Esfinge. – Você é uma
Netert, mas sua mente é mortal e, portanto, limitada,
patética, temporal! Nenhum humano, mesmo com alma
divina, consegue me iludir!
Ísis se manteve impassível.
– O Nome de Rá – demandou Ísis. – Agora!
Contrariada, ferida em seu orgulho, a Esfinge pronunciou o maior mistério do Universo, revelando a Ísis o
nome secreto de Rá. E Ísis sorriu deleitada ao conhecê-lo.
A Esfinge, porém, não se deu por vencida. Derrubou
Ísis e prendeu-a sob uma de suas patas maciças. As enor93
osiris_fim.indd 93
4/3/2009 10:29:53
mes garras se projetaram lentamente, suas pontas cravaram na pele macia da deusa e arrancaram delicados filetes
de sangue dos seios nus da mulher.
– Qual é a solução do enigma, criança? – perguntou
a Esfinge, convencida de uma charada vazia, pela qual estriparia Ísis, em uma morte demorada e cruel.
A expressão homicida da Esfinge gelou o espírito de
Ísis, submetida a um terror avassalador e massacrante.
Ísis, contudo, domou o próprio medo e então respondeu.
– O homem – elucidou.
A Esfinge ergueu as sobrancelhas, sem entender.
– Ao nascer, o homem engatinha – disse a mulher.
– Adulto, ele caminha sobre as duas pernas. Idoso, precisa
da ajuda de um cajado para andar.
A face da Esfinge se transfigurou, da estupefação ao
choque, e daí para a humilhação. Suas garras recolheramse, e a pressão da pata do monstro afrouxou sobre o peito
de Ísis.
Incapaz de suportar a derrota para um ser inferior, a
Esfinge desfechou um grito de loucura e ódio e saltou à
morte no abismo sombrio do vulcão.
Ísis se levantou, exausta e abalada, aflita por retornar
ao amado Osíris, antes que a vingança de Rá se realizasse.
Ela retomou a forma de andorinha e decolou de volta ao
mundo mortal.
Ao deixar a boca do vulcão, bateu as asas com urgência para o delta do Nilo.
O povo se preocupava e temia, pois Osíris fechara-se
em sua cabana e dispensava comida, bebida e companhia,
mesmo a de Néftis. O Salvador minguava sob terrível tris94
osiris_fim.indd 94
4/3/2009 10:29:53
teza, pela prolongada ausência da esposa. E sua saudade
somente cedeu quando uma bela ave despontou pela janela do quarto, sob quente e agradável luz solar.
O pássaro tornou-se Ísis.
Diante da esposa linda e nua, Osíris adiou seus pedidos de explicação. Em seu louco júbilo, tomou-a nos
braços e a amou, apesar de debilitado pela fome e sede.
Em meio aos gemidos de prazer mútuo e apaixonado,
Ísis sussurrou-lhe o Nome de Rá. E, assim, Osíris tornouse imune à fúria do Maior dos Neteru.
Livre da ameaça do Deus-Sol, Osíris instituiu um reino de paz e justiça no Egito, sob leis justas e imparciais,
colheitas fartas e o despontar das artes e da ciência.
De fato, com os armazéns repletos de grãos, o trabalho ficou menos árduo, e surgiu tempo para lazer e estudo.
A expectativa de vida humana dobrou para uma média de
cinquenta anos.
Como Neteru, Osíris e suas irmãs pararam de envelhecer aos trinta anos, no auge de seu vigor, beleza e saúde.
Contudo, permaneciam mortais, sujeitos a sucumbir por
doença, acidente ou violência. Ainda assim, os sacerdotes
de Osíris pregavam a eternidade do Messias, incólume à
passagem das décadas.
Guiados por Osíris, homens e mulheres dedicaramse à escrita, poesia, literatura, medicina, filosofia, matemática, comércio, religião, música, dança, arquitetura e
engenharia. Evoluíram suas precárias cabanas originais
para casas de madeira ou argila; os campos de irrigação
ganharam complexidade e eficiência; cidades surgiram
além das fronteiras do Delta e espalharam-se pelas margens do Nilo, com ruas bem desenhadas e amplos prédios
públicos.
95
osiris_fim.indd 95
4/3/2009 10:29:53
O povoado original de Osíris assumiu-se como capital do reino e sua maior cidade. A esta o Messias chamou
Skondia, a Joia da Luz.
Com Ísis, as mulheres aprenderam a servir e cuidar
de seus maridos e filhos, manter limpos os lares, preparar
o alimento e fazer cosméticos com os quais se conservavam bonitas e perfumadas aos homens.
E estes foram os anos de glória do Egito, o auge de
sua riqueza, prestígio e sucesso.
Porém, tomado pela inveja e ódio às obras do Messias e ao amor incondicional que o povo lhe nutria, Seth
deixou as terras sinistras do Sul do Egito e se apresentou
perante o trono de Osíris, em seu enorme palácio de tijolos brancos e vermelhos, na sagrada Skondia.
Seth fingiu arrependimento por seus crimes e jurou
fidelidade perpétua ao irmão. E a bondade de Osíris foi
sua maldição, pois ele acreditou nas mentiras de Seth.
Osíris buscava o melhor nas pessoas e sua generosidade inata desejava desesperadamente que o irmão houvesse
enxergado a luz e a redenção. Assim, o amor de Osíris, sob
o qual erguera-se a primeira e melhor civilização humana,
acolheu a semente que iria destruí-la.
Osíris recebeu o irmão em seu palácio à beira do Nilo
e integrou-o à sua corte, apesar das desconfianças de Ísis.
Satisfeito com a aparente conversão de Seth, Osíris
ofereceu-lhe a mão de Néftis, e eles se casaram com honras de Estado, agraciados pelas lágrimas de felicidade do
Messias.
Com o Egito pacificado e a família reunida – à exceção de Hórus, livre e indômito –, Osíris decidiu espalhar
sua Boa-Nova pelo mundo. Ele levaria amor, conhecimento e cultura ao resto da humanidade.
96
osiris_fim.indd 96
4/3/2009 10:29:53
Osíris então reuniu uma comitiva de seus súditos
mais alegres, cantantes, dançantes e sábios para acompanhá-lo em sua jornada.
Ísis chorou, mesmo ciente da importância da missão
de Osíris, e confeccionou sozinha uma coroa de junco, a
qual levou à cabeça do esposo, diante do povo do Egito,
congregado perante as escadarias do palácio, em honra à
partida do Salvador.
– Meu marido, você é nosso rei e esta é a sua coroa
– disse Ísis, ao proclamar Osíris soberano do Egito. – Sua
alma é um Cordeiro Divino, por isso, fixo em sua coroa
os chifres de um carneiro. Você é um sol sobre a terra,
portanto, em sua fronte, adiciono o Disco de Rá, para que
resplandeça. E, por compartilhar o Dom do Amor, sobre
o alto da coroa eu finco uma romã – soluçou Ísis. – Agora,
está pronto para partir.
E esse foi o nascimento da coroa de Osíris, também
chamada Atef ou Wreret, a primeira ostentada por um rei
humano.
Com o rosto tomado pelas lágrimas, Ísis abraçou e
beijou apaixonadamente o marido.
Seth, por sua vez, recorreu à sua alma sombria para
sustentar a máscara de falsidade sob a qual dissimulava a
ira e cobiça contidas no peito.
E Osíris deixou Ísis no comando do Egito, como rainha, irmã e esposa. E incumbiu Seth de zelar pela segurança da família e da nação.
Então, Osíris partiu para terras distantes, onde difundiu justiça, sabedoria e compaixão, e dividiu com a
humanidade seu amor e sua lei, as verdadeiras riquezas
do Egito.
97
osiris_fim.indd 97
4/3/2009 10:29:53
osiris_fim.indd 98
4/3/2009 10:29:53
Capítulo VII
A jornada do rei
A jornada de Osíris seria sua mais lendária e generosa realização, com o rei do Egito levando civilização aos
domínios bárbaros futuramente conhecidos como Arábia,
Índia e China. E seu poder protegeu a comitiva do perigo,
e sua Boa-Nova enraizou-se nas almas dos homens e mulheres que se aglomeravam para ouvi-lo. E Osíris curava a
cegueira e a surdez com sua saliva, desfazia a loucura com
um beijo na testa e as deficiências sucumbiam ao mero
toque de seus dedos gentis.
Por dez anos, Osíris se ausentaria do Egito. Os dois
primeiros verões assistiriam ao governo justo, abnegado e
astucioso de Ísis, soberana tão abençoada quanto Osíris.
Nesse período, contudo, Seth insinuou-se com promessas e sorrisos e angariou a confiança da corte e da própria Ísis. Apesar de suas suspeitas iniciais às intenções do
irmão, Ísis terminou seduzida por seus conselhos aparentemente ponderados e retos.
osiris_fim.indd 99
4/3/2009 10:29:53
E tornou-se tal a reputação de Seth na condução dos
assuntos do reino que Ísis se deixou enganar pelas falsas
mesuras e palavras doces do vilão. Ansiosa por retornar à
exploração da magia, de novos cosméticos, medicamentos
e poções, Ísis cometeu a temeridade de nomear Seth seu
regente.
E Seth até se mostraria um governante piedoso e
equilibrado pelos cinco anos seguintes. Entretanto, a despeito de sua dedicação, esforço e obras, o povo amava
Osíris acima de tudo. E Seth, envenenado pela inveja e
rancor, afirmou-se severo, duro, autoritário, abandonando as mentiras e disfarces de outrora.
Dedicada a seus estudos e feitiços, somente tarde demais Ísis se atentou ao manto de trevas que Seth lenta,
porém inexoravelmente, estendia sobre o reino.
Então, Seth já substituíra os antigos conselheiros do
rei por crápulas de sua confiança, os quais agraciava com
pomposos títulos de nobreza, prestigiosos e bem remunerados, conferindo-lhes autoridade sobre as cidades de
Skondia. Homens insidiosos, seduzidos pela crueldade e
malícia do regente.
Ao final do sétimo ano da jornada de Osíris, os setenta e dois postos do Conselho Real tinham caído nas mãos
dos capangas de Seth. Logo, o regente passou a subverter
as leis de Osíris, com mudanças a princípio sutis, quase
imperceptíveis.
As taxas e impostos cobrados da população iniciaram uma suave, todavia persistente, elevação. Instituiu-se
o porte generalizado de armas, proibiu-se o testemunho
de vítimas de estupro contra seus agressores e propagou-se
o culto a Seth como Deus-Irmão de Osíris, com a cons100
osiris_fim.indd 100
4/3/2009 10:29:54
trução de imponentes templos e enormes estátuas em sua
glória, que se multiplicaram como a peste pelo Egito.
Ao nono ano da ausência de Osíris, os acólitos de
Seth defendiam abertamente uma nova religião, na qual
seu mestre impunha-se como o único e verdadeiro messias
de Rá.
No ano dez da jornada do rei, Seth organizou uma
milícia privada formada por centenas de seguidores, armada com espadas e foices de cabo curto.
Então, o regente solidificara seu domínio da administração real e planejava a usurpação da coroa do Egito.
No auge dos preparativos finais de seu golpe, mercadores
fenícios surgiram com a notícia: Osíris retornava dos longínquos reinos orientais, surgidos de seus ensinamentos.
Os egípcios celebraram a volta de Osíris ao trono de
Skondia, num frenesi espontâneo e incontrolável de festas
e orações. E Seth sucumbiu a uma cólera malévola, pois a
Wreret ameaçava escapar-lhe uma vez mais. Mesmo com
todos os seus conselheiros, sacerdotes e milicianos, Seth
não era páreo ao amor e devoção do povo a Osíris.
Furioso, tramou sua vingança final. Convocou Néftis
à sala do trono e convenceu-a, com a falsa alegação de
encomendar um presente de boas-vindas ao rei, a tirar as
medidas das roupas de Osíris, guardadas escrupulosamente nos aposentos reais, sob os cuidados de Ísis.
Em seu entusiasmo ingênuo, Néftis obteve as dimensões precisas de Osíris, dono de imponentes três metros de
altura. De posse da informação, Seth redigiu uma mensagem cifrada, entregue por seu mais leal e veloz mensageiro
à perversa Aso, rainha da Enópia.
101
osiris_fim.indd 101
4/3/2009 10:29:54
Como os demais reinos africanos à época, a Enópia
nascera inspirada na lei de Osíris e segundo o modelo de
Skondia. Situada ao Sul do Egito, seu primeiro governante fora Toal, homem bom e sensato, líder de súditos felizes
e pacíficos.
Toal, contudo, morrera de causas naturais aos sessenta e seis anos, sem deixar herdeiro varão, somente treze
filhas, geradas por treze esposas.
Caberia à sua primogênita, Aso, ascender ao trono
do sábio rei, para estarrecer e submeter seu povo a uma
crueldade digna de Seth.
Aso montaria uma guarda palaciana pérfida e violenta, que, sob suas ordens, decapitaria a mãe e estriparia
suas madrastas e irmãs, eliminando qualquer desafio ao
seu poder absoluto.
Tamanha ignomínia causou imensa revolta popular,
implacavelmente suprimida pela guarda de Aso. Eles espalharam as vísceras de centenas de inocentes – idosos,
mulheres e crianças – pelas ruas e sarjetas ensanguentadas
da Enópia.
A partir desse dia tenebroso, Aso governaria com punho de ferro sobre seus infelizes e amedrontados súditos.
Os rumores das atrocidades cometidas na Enópia
atraíram a malícia de Seth, então recém-nomeado regente
do Egito.
Seth passou a visitar regularmente aquele reino infame. Ele alegava negociar acordos de cooperação e comércio que garantissem a segurança e prosperidade da fronteira ao Sul do Egito. Mentiras destinadas a esconder seu
desejo ardente pela belíssima rainha da Enópia, de face
autoritária, pele negra, cabelos escuros, lisos e compridos,
102
osiris_fim.indd 102
4/3/2009 10:29:54
olhos azuis cristalinos, seios fartos, cintura firme e coxas
macias e quentes. Seth apaixonara-se pela perversidade
e devassidão de Aso, tão distintas da irritante bondade e
placidez de Néftis.
Seth desprezaria os prazeres de sua linda esposa pelas carícias das cortesãs de Aso, pessoalmente selecionadas
pela déspota e remetidas a Skondia em um fluxo inesgotável de escravas sexuais.
Vítima da frieza e indiferença do marido, Néftis passou a invejar o amor pleno e verdadeiro compartilhado
por Osíris e Ísis, penitenciando-se pela impureza de tais
pensamentos. E uma sombra opressora de infelicidade
agarrou-se ao coraçãozinho da bela princesa do Egito.
Seth e Aso forjaram uma aliança secreta e maligna
para tomarem a coroa do Egito e converterem Skondia
numa nova Enópia, ainda mais hedionda e poderosa, banhada em sangue, tripas e lágrimas.
O retorno de Osíris adiara seus planos, mas o casal de
conspiradores jamais abandonaria sua nefasta ambição.
Ao receber e decifrar a traiçoeira mensagem de Seth,
Aso abriu um sorriso abjeto em seu rosto severo, de traços
frios e atraentes.
E a malévola rainha convocou seus melhores artífices. Ao final de nove dias, eles lhe entregaram a encomenda minuciosamente especificada na carta de Seth. Só
então ela partiu para Skondia, levando consigo a ruína de
Osíris.
Aso seguiu com uma impressionante comitiva de
vinte guardas, doze conselheiros, trinta cortesãos e noventa escravos. Eles alcançaram Skondia antes de Osíris retor103
osiris_fim.indd 103
4/3/2009 10:29:54
nar de sua jornada, pois Osíris vinha a pé, enquanto Aso
e seus asseclas moviam-se em camelos e carroças puxadas
por bois.
Seth não escondeu a satisfação pela chegada da amante, portadora de um misterioso engradado, oculto sob estranhas peles de animais, na maior de suas carroças.
Pelos três dias seguintes, Seth trancou-se com a rainha da Enópia no quarto de hóspedes do palácio real. Permitiram o acesso somente aos escravos de Aso, que lhes
serviam vinhos, carnes, frutas e pães, de onde se ouviam
os gritos e urros de seu prazer adúltero.
Humilhada, Néftis chorou copiosamente, consolada
pela irmã, e confessou o desamor e a falta de carinho e
atenção de Seth.
– Eu morrerei sem conhecer o amor de um homem
ou gerar uma vida – lamentou-se Néftis.
Tocada pelo sofrimento da irmã, Ísis lhe ofereceu
Osíris, para que Néftis se deitasse com seu esposo e se
realizasse como mulher.
O coração de Néftis bateu mais forte e um calor tomou-lhe o rosto. Ela sempre nutrira inveja – da qual se
envergonhava – pelo feliz casamento da irmã e, agora,
com a proposta de Ísis, Néftis experimentava uma fome
ardente por Osíris; ansiava pelo prazer de perder-se em
seus braços, sentir-lhe o peso sobre o corpo e recebê-lo
dentro de si.
– Mas como você fará para seu marido me possuir?
– perguntou Néftis, confusa pelo desejo que lhe dominava e ciente de que o honrado Osíris se recusaria a trair de
bom grado a esposa.
104
osiris_fim.indd 104
4/3/2009 10:29:54
Ísis sorriu calidamente. Ela pousou a cabeça da caçula sobre o colo e acariciou ternamente seus cabelos longos
e negros.
– Deixe isso comigo, irmã – disse Ísis, confiante.
– Você terá sua noite de felicidade. Eu prometo.
Na manhã seguinte, Osíris retornou à amada Skondia. E seu primeiro ato foi beijar a esposa, com ardor e
saudade.
Ísis esforçou-se para conter o ímpeto do rei. Apesar
de trêmula, ansiosa por se render ao marido, Ísis priorizava seus deveres como rainha.
Ela então comandou um dia inteiro de festividades,
enquanto Osíris relatava aos súditos, aglomerados diante
dele no grande salão do palácio real, suas inúmeras aventuras e o êxito de sua peregrinação em levar cultura e civilização ao mundo bárbaro.
E Seth acompanhou as celebrações, recolhido a um
canto escuro do salão, soturno e mal-humorado perante a
acolhida generosa, espontânea e sincera da população em
relação ao seu verdadeiro soberano.
O crepúsculo, de brisas tépidas e convidativas, encontrou um Seth amargo e embebedado, corroído pelo
despeito e cobiça, buscando consolo na pele macia e perfumada de Aso. Inadvertidamente, ele deixou os aposentos
livres para uma aliviada Néftis, até então temerosa que o
marido, devido à presença de Osíris e preocupado apenas
com as aparências, permanecesse consigo naquela noite.
Dessa vez, contudo, Néftis deu graças pela lascívia
do esposo.
Pois, findos os festejos, Ísis acompanhou Osíris aos
aposentos reais, onde jarras de vinho os aguardavam, previamente distribuídas em torno da cama.
105
osiris_fim.indd 105
4/3/2009 10:29:55
E Osíris lambeu o deslumbrante corpo desnudo de
Ísis e esta resistiu, penosamente, à própria vontade.
Para manter sua promessa a Néftis, ofereceu ao marido seguidas taças de vinho.
Embriagado, ela então o ludibriou com uma brincadeira de casal, na qual ela corria, fugia e ria-se linda e nua
pelo quarto.
Osíris caçava a sedutora esposa como um menino
ávido. Ele exibia seu desejo de homem pela mulher. Ísis
atraiu-o ao corredor e postou-se perante os aposentos de
Néftis, acenando maliciosamente ao esposo para acompanhá-la ao interior do recinto.
Osíris invadiu os aposentos com o raciocínio incerto,
nebuloso pelo vinho.
Na escuridão, uma silhueta feminina – nua e magnífica – aguardava-o, ofegante, excitada, sobre a cama de
Seth.
Osíris lançou-se à mulher com fome e loucura. E ela
gritava, gemia, berrava de êxtase e delírio como jamais
provara em sua vida.
E o rei fez um filho em Néftis naquela noite, enquanto Ísis, escondida atrás de finas cortinas, alcançava
seu próprio e solitário prazer, ao assistir, de um canto do
recinto, ao marido satisfazer a irmã.
Ao raiar do dia, Osíris desabou cansado sobre os lençóis revolvidos e úmidos, finalmente vencido pelo cansaço. Juntas, as irmãs carregaram seu homem, ainda envolto
nas brumas do vinho, de volta aos aposentos reais.
Quando despertou, próximo da hora do almoço,
Osíris nada recordava além de uma forte ressaca.
O ardil de Ísis e Néftis funcionara à perfeição.
106
osiris_fim.indd 106
4/3/2009 10:29:55
Três dias após o retorno de Osíris, Seth organizou, no
palácio real, um suntuoso jantar em honra ao irmão, com
o comparecimento dos setenta e dois conselheiros da coroa, estranhos ao rei, para que eles lhe jurassem lealdade.
O banquete cumpria uma função específica de Estado ao representar a submissão de homens orgulhosos e
influentes à nova alta nobreza de Skondia, ao seu senhor
e soberano. Daí, a proibição da presença de mulheres, inclusive das rainhas Ísis e Aso.
Porém, mesmo ausente, a influência nefasta de Aso
marcaria aquela noite fatídica, a última de Osíris como
Rei dos Reis, na qual comida e vinho seriam consumidos
fartamente.
Um após o outro, os conselheiros ajoelharam-se perante Osíris, em falsa obediência.
Osíris e Seth riam-se e conversavam como irmãos
amorosos. Sentimento sincero da parte de Osíris. Seth,
todavia, ocultava não apenas seu ódio, mas também a ansiedade pelo desfecho do banquete. E, à meia-noite, deuse a traição, com a entrada do belíssimo cofre. Sete servos o carregavam, segundo determinação prévia de Seth.
Comprido, esquio, fabuloso, confeccionado do mais raro
cetro da distante Karbala e revestido de marfim, ébano,
ouro e prata, com um interior decorado por magníficas e
delicadas pinturas de deuses e pássaros.
Trazido no misterioso engradado, escrupulosamente
transportado por Aso desde a Enópia, o cofre selaria o
destino de Osíris.
E Osíris, dominado pelos prazeres do vinho e das
canções entoadas pelos conspiradores, maravilhou-se com
o cofre e desejou-o para si.
107
osiris_fim.indd 107
4/3/2009 10:29:55
Satisfeito diante da cobiça do irmão, Seth prometeu
o cofre ao homem que melhor coubesse dentro dele.
E Osíris fingiu indiferença quando os conselheiros,
em fila, deitaram-se no interior do cofre, um de cada vez,
como se quisessem ganhá-lo. Mas, eram magros demais,
obesos em excesso ou sem altura suficiente às dimensões
do belo artefato.
Por fim, após todos haverem tentado e fracassado,
Osíris ergueu-se de seu trono.
– Veremos se caibo nessa magnífica obra – anunciou
Osíris.
Enquanto o rei se deitava nas entranhas do soberbo
cofre, Seth e seus asseclas cercaram-no, mãos escondidas
sob as túnicas.
– Ele me serve perfeitamente! – exultou Osíris.
– O cofre é meu!
– Ele é seu, de fato – sibilou Seth, com um sorriso
maligno. – E o será para sempre!
Seth fechou violentamente a pesada tampa do cofre,
feita de deslumbrante cedro e enfeitada com divindades
em marfim e ébano. Ele e seus comparsas pregaram a tampa e vedaram-na com chumbo. E gargalharam dos pedidos de clemência de Osíris, enquanto este se debatia e
sufocava.
Assim, ignobilmente, pereceu o Cordeiro Divino, o
Salvador da Humanidade, a Bênção do Egito.
Ísis despertou abruptamente de seu sono inquieto e
angustiado. Uma dor intensa apertava-lhe o peito, no que
a vida de Osíris se encerrava. Nesse instante, passos duros
108
osiris_fim.indd 108
4/3/2009 10:29:55
e apressados soaram no corredor. Vinham negar-lhe o direito de prantear o marido morto.
Arrogante e impetuosa, à frente de um pelotão miliciano de Seth, Aso invadiu os aposentos reais, determinada a cortar a garganta de Ísis.
No entanto, a degenerada soberana da Enópia encontrou somente um recinto vazio, à exceção da linda andorinha que escapava pela janela.
109
osiris_fim.indd 109
4/3/2009 10:29:55
osiris_fim.indd 110
4/3/2009 10:29:55
Parte III
O REINO
DOS
MORTOS
osiris_fim.indd 111
4/3/2009 10:29:55
osiris_fim.indd 112
4/3/2009 10:29:56
Capítulo VIII
Biblos
Foram necessários treze homens para carregar o suntuoso cofre de cedro até o Nilo, onde o lançaram, com
abominável desprezo, sob o escárnio de Seth.
E o cofre, venerado nos séculos vindouros como o
Primeiro Sarcófago, deslizou pela superfície escura e melancólica do rio, arrastado por sua débil corrente à boca
Tanítica do Delta e, dali, até a imensidão do Mediterrâneo.
A andorinha Ísis voara até os pântanos do Delta, na
esperança de localizar o cofre, mas este já desaparecera nas
sombras da noite.
Em seu desespero, Ísis retornou à forma humana e
rendeu-se, por fim, à dor pela perda de Osíris. Ela gritava
e uivava, lacerava os seios com as unhas e jogava terra sobre o rosto e os cabelos. E tão grave foi seu lamento que as
plantas se encolheram e os animais se entristeceram.
osiris_fim.indd 113
4/3/2009 10:29:56
O raiar do Sol encontrou Ísis vagando pelos pântanos. Perdera a vontade de viver e um profundo cansaço a
dominava.
Nesse instante, deparou-se com o cadáver de uma velha eremita, em avançada putrefação, abandonado num
areal do Nilo, cujas roupas restavam como meros trapos
imundos e fétidos. Ísis, todavia, tomou aquele cadáver
como um sinal dos deuses e vestiu a túnica esfarrapada da
morta, disfarçando-se de mendicante aos espiões de Seth.
Então, Ísis partiu em busca dos restos mortais de
Osíris, sem se importar com o tempo que levasse ou os
sacrifícios dispostos em seu caminho, determinada a recuperar o marido e trazê-lo de volta à vida.
E Ísis esgueirou-se por Skondia, atenta às histórias
do povo sobre a traição de Seth e o magnífico cofre com
o qual ele ludibriara Osíris. Perscrutou em vão a terra e as
margens do Nilo por sete dias e sete noites, até, finalmente, encontrar um grupo de crianças que brincava e cantava
em êxtase à beira da boca Tanítica. Estas lhe contaram,
ainda maravilhadas, sobre o majestoso cofre que haviam
testemunhado descer o rio, em direção ao Mediterrâneo,
cinco manhãs antes.
– Quanto esplendor e beleza! – disse o mais velho
dos meninos, embevecido. – Do cofre emanava uma luz
violeta que enchia o ar de paz, música e perfume.
Revigorada pelo relato das crianças, Ísis deixou Skondia e subiu a costa da Fenícia, acompanhando a corrente
do Mediterrâneo, numa longa caminhada que lhe feriu
e sangrou os delicados pés, acostumados ao conforto do
palácio real.
114
osiris_fim.indd 114
4/3/2009 10:29:56
Contudo, seu instinto e lógica provaram-se corretos
ao seguir a corrente, que arrastara o cofre por dias, antes
de encalhá-lo num baixio escuro e pedregoso de Pleione,
nos arredores de Biblos, grande e poderosa cidade do rei
Malcander e sua esposa, a rainha Astarte.
A partir desse dia, uma tamareira tinha despontado e
crescido anormalmente ao redor do cofre. E jamais houve
árvore mais perfumada, imponente e magnífica, sepulcro
digno de um deus.
Ao cair da noite, os galhos já tinham se fechado em
torno do cofre e ocultavam-no por completo no interior
de seu esplêndido tronco.
Nos dias seguintes, a belíssima árvore tornou-se fonte
de conflito e cobiça entre as aldeias e vilarejos próximos.
Sua posse deflagrou violentos choques de camponeses armados com enxadas, foices e pás. Esses distúrbios, incomuns à ordem e estabilidade de Biblos, alarmaram o rei,
forçado a despachar pessoalmente um pelotão de suas melhores tropas para guardar a tamareira, enquanto seguia
com escolta real ao foco do inusitado conflito.
Uma vez em Pleione, porém, Malcander abandonou
suas intenções conciliadoras, extasiado perante a fabulosa
tamareira. Egoísta, decidiu tomá-la para si e ordenou sua
derrubada e cuidadoso transporte em uma carroça, cujo
interior revestiu-se com os mais ricos tapetes. Levado ao
palácio real, o tronco foi esculpido e polido na forma de
um imponente pilar.
E o rei comandou a construção de uma nova e mais
luxuosa sala do trono, adornada com os mais deslumbrantes móveis, tapeçarias e cortinas da Fenícia, em cujo
115
osiris_fim.indd 115
4/3/2009 10:29:56
centro o pilar destacava-se como seu principal e glorioso
sustentáculo.
Ísis chegou a Biblos em meio aos festejos pela inauguração da nova sala do trono e exaltações à majestosa árvore
enviada pelos deuses, alicerce do palácio real e símbolo da
prosperidade do reino.
E Ísis suspeitou do pilar e desejou conhecê-lo.
Para não atrair os agentes de Seth, espalhados pela
Terra, atuantes mesmo na distante Biblos, Ísis optou por
artimanha sutil e feminina para se insinuar na corte real.
Ela se acomodou na praia de areias brancas e agradáveis, defronte ao portão sul do palácio de Biblos, onde as
aias da rainha costumavam se banhar, segundo se informara com os mercadores da praça central. Lá, aguardou,
paciente, por dois dias inteiros, quando, finalmente, as
servas de Astarte surgiram alegres e saltitantes. E elas se
despiram e mergulharam no mar, exibindo as peles morenas e espessas cabeleiras negras e encaracoladas.
Ísis então abandonou seus trapos imundos de mendicante e nadou com elas, deslumbrante e sensual.
As servas ficaram estonteadas perante a formosura da
estranha e misteriosa mulher, de cabelos compridos, lisos
e lindos.
Satisfeita com o efeito causado nas jovens, Ísis se ofereceu para pentear-lhes os cabelos.
Desprovida de pentes e óleos, Ísis recorreu ao talento
de seus dedos suaves e experientes e criou para cada uma
delas um arranjo elaborado, belo e único.
Ao retornarem ao palácio, a rainha deslumbrou-se
com os penteados de suas cortesãs. Estas se desfizeram em
elogios à maravilhosa mulher que lhes havia surgido na
praia.
116
osiris_fim.indd 116
4/3/2009 10:29:56
Curiosa, Astarte tratou de conhecê-la. Encontrou-a
ainda sentada à areia, esplendorosa em sua nudez.
– Qual é o seu nome, mulher? – perguntou a rainha
de Biblos.
– Buto – mentiu Ísis. – Sou da nobreza de Skondia,
expulsa de minha terra pela tirania do pérfido Seth, assassino e usurpador do trono do Egito.
Astarte aceitou as palavras de Ísis, pois a forasteira
exibia porte e modos impecáveis.
A soberana ordenou às servas que trouxessem uma
rica túnica, com a qual vestiram a jovem, prontamente
convidada aos aposentos reais.
Ísis retribuiu a gentileza de Astarte com o mais belo
penteado. E exigiu as melhores ervas. Usou-as no preparo
de fragrâncias e óleos desconhecidos dos fenícios. Estes
tornaram a pele da rainha ainda mais macia e sedutora,
perfumada e irresistível.
À noite, ao se recolher, Malcander deparou-se com
a esposa a aguardá-lo em seus aposentos, linda, cheirosa
e feminina como uma deusa dos Quatro Ventos. E ele a
amou com vigor e desejo incomparáveis, mesmo aos vivenciados em sua noite de núpcias, quinze anos antes.
Naquela madrugada, Ísis aproveitou a distração dos
reis e esgueirou-se furtivamente à sala de trono, onde caiu
em lágrimas diante do Grande Pilar de Biblos. Pois, ao
deslizar as mãos gentilmente pela coluna polida e fria, reconheceu dentro dela o espírito adormecido de seu amado
Osíris.
Embevecida com os talentos de Ísis, Astarte convidou-a a servir como tutora do príncipe herdeiro Maneros,
adolescente arrogante e caprichoso.
117
osiris_fim.indd 117
4/3/2009 10:29:56
Ísis tinha pouco apreço pela falta de humildade e o
excesso de petulância de Maneros. Na verdade, Ísis detestava o jovem que a perseguia com olhares sequiosos e
galanteios desajeitados durantes suas lições de filosofia,
letras e números.
De fato, em certa ocasião, Ísis explicava-lhe a Teoria
Existencialista de Porus, quando Maneros, súbita e temerariamente, agarrou-lhe os seios por trás. De imediato, ela
lhe torceu os pulsos com tamanha força que o príncipe
dobrou os joelhos de dor, e aplicou-lhe um sonoro tabefe
na face despudorada.
Maneros, a partir desse dia, trocou as expressões de
luxúria por uma franca hostilidade à sua severa tutora.
Ísis, todavia, adorava o irmão caçula de Maneros, o
miúdo Dictys, indefeso bebê, nascido fraco e doente, mas
detentor de alma pura e bondosa, admirada por Ísis. E, a
despeito dos esforços dos curandeiros de Biblos e das rezas
de seus sacerdotes, a saúde de Dictys deteriorava. Para piorar, ele não dispunha do apoio restaurador do leite materno, pois os seios de Astarte haviam secado com Maneros,
e o bebê não aceitava os bicos de nenhuma outra mulher.
Pelo menos, até Ísis se oferecer como ama de leite.
Contudo, Ísis apenas fingia amamentar Dictys na
presença dos esperançosos monarcas. Na verdade, ela davalhe, em segredo, a ponta do dedo indicador para sugar.
E Dictys melhorou e tornou-se ativo, corado e feliz, e
Ísis conquistou a gratidão e os favores do casal real.
Toda noite, porém, enquanto o palácio dormia, Ísis
transformava-se em andorinha e voava ao redor do Grande Pilar para prantear a morte de Osíris e proclamar seu
118
osiris_fim.indd 118
4/3/2009 10:29:56
amor eterno ao marido. E sua lamentação arrastava-se até
a alvorada, quando retornava à forma humana.
E, pelos meses seguintes, Ísis dedicou-se a esse triste
e sofrido ritual.
Nesse meio tempo, sua afeição ao pequeno Dictys
tornou-se tamanha que decidiu fazê-lo imortal.
Numa noite fatídica, em vez de honrar o pilar de
Osíris, a andorinha Ísis voou em torno do berço de Dictys
e conjurou o poderoso feitiço. Este formou um halo de
fogo ao redor do berço, cujo brilho, desafortunadamente,
despertou Astarte e atraiu-a ao quarto do bebê, contíguo
aos aposentos reais. Ela encontrou o filho rodeado pelas
chamas. Os gritos de surpresa e aflição da rainha quebraram o feitiço e desfizeram o halo divino.
Astarte tomou Dictys nos braços, enquanto Malcander, atraído pela algazarra, surgia no recinto de espada em
punho. Com seu intento malogrado, Ísis abandonou o
disfarce e retornou à forma de mulher perante os reis boquiabertos. Ela se apresentou como a soberana do Egito,
deusa sobre a Terra e esposa de Osíris, Pai da Civilização.
Malcander e Astarte ajoelharam-se perante Ísis revelada, tementes ao seu poder e glória.
E Astarte arrependeu-se de sua desconfiança, pois seu
medo negara a Dictys a bênção da imortalidade.
Ainda assim, os soberanos ofereceram-lhe tesouros
e presentes. Ísis, contudo, não desejava joias, ouro ou
marfim.
– Busco apenas o Grande Pilar de Biblos – disse a
deusa.
Malcander hesitou em conceder-lhe o pedido, já que
amava o esplendor do pilar, o qual lhe conferia empáfia e
119
osiris_fim.indd 119
4/3/2009 10:29:57
soberba. Porém, maiores foram seu respeito e admiração à
esposa de Osíris, Rei dos Reis.
E os soldados de Malcander arrancaram o pilar de
sua base com grossas cordas, e o teto da sala do trono
vacilou e desabou, porém, o pilar já havia sido arrastado
a uma distância segura dos escombros. Sob as ordens de
Ísis, eles abriram o pilar a machadadas. E do seu interior
retiraram o sarcófago de Osíris.
Ísis devolveu os restos do pilar a Malcander. E o rei
ergueu um templo dedicado à exibição do pilar arruinado,
agora a relíquia mais sagrada e valiosa da Fenícia, por haver abrigado o corpo do Salvador da Humanidade.
A despeito das súplicas dos monarcas para que permanecesse na segurança de Biblos e dos perigos que a
aguardavam nos domínios de Seth, Ísis decidiu retornar
prontamente ao Egito, berço de Osíris e único lugar onde
acreditava ser possível ressuscitar o marido.
– Poderosa Netert de Skondia – disse Malcander. –
Aceite, pelo menos, transporte em minha capitânia, Mão
do Rei, até as fronteiras do Egito.
Ísis aceitou em gratidão a oferta de Malcander.
Ansioso por angariar glória ao seu nome, Maneros
ofereceu-se a comandar, nessa importante missão, o Mão
do Rei, mais veloz e poderoso navio de guerra de Biblos,
com uma tripulação de quarenta guerreiros de elite, na
jornada rumo a Skondia.
Orgulhoso da coragem e ousadia do filho, Malcander
concordou.
Assim, o Mão do Rei zarpou na manhã seguinte.
A população compareceu em massa ao ancoradouro
da cidade para se despedir da resplandecente deusa Ísis.
120
osiris_fim.indd 120
4/3/2009 10:29:57
Malcander e Astarte acenavam ao primogênito, enquanto
o Mão do Rei se afastava suavemente, impulsionado por
ventos firmes e gentis, sob um céu azul e brilhante.
Esses bons auspícios iniciais, promessas de uma viagem tranquila, contudo, logo se frustrariam pela petulância de Maneros, pois, à medida que o Mão do Rei distanciava-se da costa de Pleione, Ísis decidiu abrir o sarcófago
de Osíris, amarrado com segurança ao convés da proa, para
finalmente enfrentar a visão de seu marido putrefato.
Maneros, porém, cometeria a suprema infâmia de
espiar, sobre os ombros de Ísis, o cadáver decomposto de
Osíris e rir-se, num imprevidente e arrogante deboche, da
condição lastimável do Messias.
Ísis virou-se furiosa ao príncipe, com tamanha repulsa que Maneros, assustado, recuou e esbarrou de costas na
amurada, caindo inadvertidamente no mar.
Os homens de Maneros lançaram-se atrás dele. Todavia, a despeito das águas calmas e da claridade do dia,
o rapaz desapareceu, tragado pelas profundezas do Mediterrâneo.
Grande vergonha e tristeza atingiram a tripulação.
Confusos e abalados, os marujos hesitaram entre prosseguir ao Egito ou retornar a seus reis com a notícia da
perda de Maneros.
Contudo, Ísis exerceu sua autoridade divina sobre os
homens com uma ameaça de maldição caso não prosseguissem a Skondia.
Assim, o Mão do Rei manteve o curso ao reino de
Seth.
Na manhã seguinte, Ísis provou aos homens a extensão de seu poder. Apanhado numa forte correnteza,
121
osiris_fim.indd 121
4/3/2009 10:29:57
oriunda da boca do rio Faedrus, o Mão do Rei lutava para
se libertar, sacudido e impulsionado malignamente na direção do mar aberto, onde jamais sobreviveria.
Encolerizada, Ísis invocou uma terrível praga contra
o rio, que secou e morreu até o final das eras.
Após tantos dissabores e prolongada viagem, o Mão
do Rei, por fim, alcançou os pântanos fétidos e pegajosos
do delta do Nilo.
Ísis e seu sarcófago desembarcaram sob o manto da
noite, ocultos em meio às densas folhagens costeiras.
E o Mão do Rei partiu.
No entanto, o legendário navio desapareceria no mar,
reunido pela eternidade a Maneros, seu temerário capitão,
no leito escuro e silencioso do Mediterrâneo.
Vestígio sombrio da maldição de Ísis sobre o Faedrus
ou preço final do deboche de Maneros aos restos mortais
de Osíris, a sina triste e enigmática do Mão do Rei encerraria-se num mistério do qual apenas os deuses sabiam a
resposta.
122
osiris_fim.indd 122
4/3/2009 10:29:57
Capítulo IX
A múmia
Enquanto o cofre de Osíris avançava à boca Tanítica
para atingir o Mediterrâneo e, dali, Biblos, Néftis despertava com a primeira luz da manhã. Alheia ao assassinato
do rei e à fuga da irmã, alarmou-se com o par de milicianos postados à saída de seus aposentos.
Néftis tentou passar pelos guardas, mas estes a agarraram com firmeza pelos braços.
– Eu sou uma princesa de Skondia! – protestou
Néftis. – Como ousam me tocar, seus cães?!
Nesse instante, a linda Aso surgiu, felina e petulante.
– Você é princesa de nada! – vociferou Aso. – É menos do que uma rameira! Seu destino repousa nas mãos
impiedosas de Seth, rei do Egito!
A sabedoria dos Neteru habitava em Néftis e ela compreendeu: Seth, seu perverso irmão, havia traído Osíris,
pai da semente depositada em seu ventre.
– Onde está Osíris, o único e verdadeiro soberano da
Terra? – bradou Néftis.
osiris_fim.indd 123
4/3/2009 10:29:58
– Morto – gargalhou Aso, antes de mentir, cruelmente. – Assim como a prostituta dele.
– Ísis...
Lágrimas marcaram a face mortificada de Néftis.
– Sua irmã pereceu suplicando, com minha faca em
sua garganta – deliciou-se Aso, duplamente satisfeita por
torturar os sentimentos da esposa de seu amante e aplacar
a própria frustração em relação à fuga de Ísis.
Néftis, com insuspeita força e agilidade, escapou às
mãos dos milicianos e avançou sobre Aso, pronta para esganar a vilã, mas esta não se abalou diante do repentino
ataque e desferiu um golpe preciso com o grosso bracelete
de ouro preso ao seu pulso direito no rosto da princesa.
Néftis tombou zonza. O sangue brotou do feio corte
aberto pelo bracelete, jorrando de sua têmpora direita ao
lábio inferior.
Aso sinalizou aos guardas. Obedientes, arrastaram
Néftis ao calabouço do palácio real, onde a lançaram
numa cela escura, ínfima e abafada, desprovida de luz e
janelas.
Néftis foi abandonada naquele antro desprezível de
baratas e ratos, roubada de qualquer contato humano, à
exceção do carcereiro que, todas as manhãs, jogava-lhe
pela estreita fresta da porta metálica de sua cela um prato
imundo de pães velhos e duros e um copo de água amarelada e rançosa.
Enquanto Ísis se acomodava em Biblos e velava o
corpo de Osíris, Néftis conheceu somente solidão, fome e
desespero. Ela resistiu unicamente pela força de seu ódio
a Seth, o qual nunca a visitava, sequer para debochar dela.
Pior do que a traição, a indiferença de Seth nutriu e fortificou a ira de Néftis.
124
osiris_fim.indd 124
4/3/2009 10:29:58
Com sonhos de vingança, ela dedicou-se ao aprimoramento de seus poderes, negligenciados desde criança,
no breu de sua cela.
Néftis conjurou estranhos feitiços: convertia baratas
em pedras esverdeadas, incinerava a carne de ratos para se
alimentar, tornava frescos e macios os detestáveis pães diários e transmutava a água suja em vinho bom e saboroso.
Assim, Néftis manteve as forças e, ao nono mês de
seu martírio, deu à luz um varão robusto e saudável, o
qual chamou Anúbis.
Néftis amamentava o bebê Anúbis e temia que seu
choro chegasse aos ouvidos dos carcereiros através das
grossas paredes de sua cela. Seth não hesitaria em matar
ambos se desconfiasse da existência de Anúbis, um herdeiro de Osíris. Daí, a urgência em escapar com a criança
para longe de Skondia. Contudo, seria impossível fazêlo carregando um bebê nos braços, criaturinha indefesa e
vulnerável, incapaz de sobreviver sem a mãe.
Néftis então abraçou a única solução que lhe restava.
Para salvar Anúbis, sacrificar-lhe-ia a dádiva mais preciosa:
sua infância.
Assim, nas trevas da prisão, Néftis recitou o mais poderoso feitiço da sua vida. Ela sussurrou árdua e longamente versos de sombria e elaborada magia. E, para cada
dia de invocação, Anúbis envelheceu um ano. E o esforço
de Néftis durou trezes dias, ao final dos quais ela se quedou, esgotada.
Anúbis, porém, desabrochara em um menino de treze anos, alto, forte e musculoso. E Néftis jurou a si mesma que o ensinaria a falar, escrever, cantar e sonhar. Mas,
125
osiris_fim.indd 125
4/3/2009 10:29:58
naquele poço de sofrimento e fedor, sua primeira lição
seria outra: matar.
Pois, na manhã seguinte, já com as forças recobradas
pela carne quente de rato, Néftis esperou o carcereiro esticar o braço com a comida bolorenta pela fresta da porta
e beijou-lhe a mão.
O toque macio dos lábios da Netert causou arrepios
de excitação no braço encardido do guarda, que o puxou
de volta, apressado e surpreso.
Seguiu-se um pesado silêncio e, por um instante, o
ardil de Néftis pareceu falhar, mas, então, o pesado trinco
rangeu e deslocou-se; suas dobradiças empoeiradas, desacostumadas ao uso, gemeram nos suportes e a porta abriuse para revelar um homem imenso e ameaçador.
O carcereiro vestia saiote e sandálias, possuía crânio
tonsurado e uma barriga grande e oleosa, recoberta de pelos suados e pegajosos. Sua face maligna exibia um sorriso
obsceno quando ele esticou os dedos nodosos, de unhas
pretas de sujeira, ao objeto de desejo, Néftis. Ele se desfez
do saiote e exibiu orgulhoso à mulher o ardor de sua virilidade masculina.
Foi então que Anúbis emergiu detrás da porta da
cela. Sobre a cabeça, brandia uma pesada massa disforme
constituída de dezenas de pedras esverdeadas, outrora baratas, unidas pela magia de Néftis.
De um só golpe, baixou o pedregulho improvisado e
arrebentou o crânio do carcereiro, num jorro profuso de
miolos e sangue.
Néftis admirou as convulsões de sua vítima com perversa satisfação, antes de ela e Anúbis esgueirarem-se pelas
sombras do calabouço até uma saída de esgoto, que começava debaixo do palácio e terminava no Nilo.
126
osiris_fim.indd 126
4/3/2009 10:29:58
As córneas dos fugitivos doeram ao contato com o
brilhante sol matinal. Néftis chorou ao encarar seu tênue
reflexo nas águas plácidas do rio. Ela se viu imunda. Seu
antigo vestido de dormir estava reduzido a trapos miseráveis; os cabelos, uma massa desgrenhada, e o rosto, uma
máscara de sujeira.
Ela se desfez dos farrapos e lavou corpo e alma no
frescor do Nilo.
Anúbis, alheio aos conceitos de roupas, limpeza ou
ar fresco, encantou-se com a beleza e as cores do mundo exterior. Ele se juntou à mãe num longo e prazeroso
banho.
Então, seguiram aos confins do deserto, nus, revigorados, livres, para longe do manto de traição e perfídia
estirado por Seth sobre a infeliz Skondia.
Passara-se uma hora desde que o Mão do Rei zarpara para Biblos, e Ísis recostava-se ao sarcófago de Osíris,
feliz por retorná-lo ao Egito, a terra mais amada por seu
rei. O vento frio da noite a açoitava, mas ela se recusava
a acender uma fogueira, cuja luz poderia alertar uma das
inúmeras patrulhas de Seth.
Ísis resignava-se e esperava a aurora, ansiosa por encontrar Néftis, caso esta houvesse sobrevivido à traição de
Seth. Pois somente seus poderes combinados seriam fortes o bastante para reanimar Osíris, suas vozes entoando,
uníssonas, os cânticos de sortilégio elaborados com afinco
por Ísis durante sua estada em Biblos.
A maldade de Seth, contudo, restringia o alcance dos
transes de Ísis e ocultava dela o paradeiro de Néftis em
meio a névoas incertas.
127
osiris_fim.indd 127
4/3/2009 10:29:59
Mesmo sob o disfarce de andorinha, Ísis agora se
achava nos domínios de Seth e arriscava ser captada por
ele tão logo decolasse pela manhã ao palácio de Skondia,
na tentativa de localizar a irmã.
No entanto, Ísis seria poupada desse sacrifício, quando, inesperada e repentinamente, uma língua de fogo irrompeu do Céu e encravou-se no solo à sua frente, visível
apenas a seus olhos divinos.
Ísis se encolheu, surpresa e amedrontada: a língua era
a manifestação do Deus da Sabedoria, um Neter do mundo espiritual que lhe surgia como uma silhueta etérea, de
traços finos, débeis e sutis, simulacro efêmero dotado de
rosto, braços e torso.
Sua face carinhosa e gentil acalmou Ísis, que se levantou e o agraciou com uma respeitosa mesura.
Thoth dispensou a fala. Seus pensamentos penetraram diretamente a alma de Ísis. Ele então revelou à mulher
os crimes de Seth, a extensão de sua opressão, as execuções
sumárias dos dissidentes, as guerras covardes deflagradas
contra os reinos vizinhos e a idolatria repugnante do usurpador à própria imagem, como deus supremo da humanidade.
Thoth expôs-lhe a agonia de Néftis no calabouço e o
nascimento e infância perdida do doce Anúbis. Contudo,
acalentou a alma de Ísis com o relato de sua fuga e a localização de seu esconderijo no deserto.
Ísis verteu lágrimas ambíguas, de tristeza pelo sofrimento da irmã e alegria com sua realização como mãe. E,
livre de ciúme, lamentou-se apenas por ela própria não
haver dado um herdeiro ao marido.
128
osiris_fim.indd 128
4/3/2009 10:29:59
A língua de fogo se desfez e Thoth partiu.
Ísis apagou a fogueira provocada pela língua de fogo,
arrastou o cofre e ocultou-o sob densos arbustos. Então,
transformou-se em andorinha e arremeteu, com urgência,
para o Oeste, na direção fornecida por Thoth.
O destino, todavia, imprevisível e sardônico, preparava-se para arruinar, caprichosa e inexoravelmente, os
sonhos de Ísis.
Pois, ao se afastar velozmente, passou-lhe despercebido um grupo de homens vindos do Sul. Uma comitiva de
doze guardas palacianos, três ordenanças e quatro escrivães. À sua frente, despontava Seth, orgulhoso e soberbo.
O usurpador ostentava uma esplendorosa lança de
cabo esculpido do nobre cedro da distante Karbala e comandava seis ferozes cães batedores, implacáveis no rastro
de javalis selvagens.
Seth apreciava caçadas noturnas, pois as trevas lhe
agradavam.
Subitamente, os cães foram atraídos pelo perfume
doce, suave e maravilhoso do cofre de Osíris.
E, sob o pálido luar, Seth urrou de surpresa e horror
ao puxar dos arbustos o sarcófago de ouro, prata, marfim
e ébano. E este brilhava belo e mórbido. E despertou em
Seth a cólera dos Neteru, que lhe proporcionou uma força
digna do próprio Rá.
Com as mãos nuas, num rompante de loucura, Seth
destruiu o maciço cofre e estraçalhou o cadáver de Osíris
em quatorze pedaços. E Seth lançou-os a distâncias incríveis pela extensão das margens sombrias do Nilo – à
exceção do pênis de Osíris que afundou nas águas escuras
do rio –, desejoso que fossem devorados pelos crocodilos.
129
osiris_fim.indd 129
4/3/2009 10:29:59
Tementes ao Deus dos Homens, os répteis, porém,
recusaram os pedaços. De fato, passaram a protegê-los
para que não fossem violados. Somente o pênis do rei foi
consumido pelos peixes Lepidopus, Pleyr e Oxirinkos,
numa insensata blasfêmia que os amaldiçoou pela eternidade.
– É impossível destruir o corpo de um deus?! – berrou Seth às estrelas, para que a própria corte de Rá tremesse perante sua infâmia. – Mas eu o fiz! Eu destruí Osíris!
Seth sibilou, gargalhou e bufou de ódio e satisfação.
E debochou dos deuses, embriagado em sua glória, seguro
de seu reino e poder, livre, de uma vez por todas, da sombra de Osíris.
Retornou feliz ao palácio e dormiu um sono tranquilo e prazeroso, como jamais experimentara.
Ísis deparou-se com Néftis e Anúbis em um remoto
oásis do Oeste, perdido no deserto, e mudou de ave para
mulher diante deles.
Seu reencontro foi uma surpresa feliz e sincera. As
irmãs se abraçaram e Ísis acalentou e beijou a fronte de
Anúbis, que tomou como filho. E ela se impressionou
com o imenso poder do rapaz e o amadurecimento das
habilidades de Néftis.
Néftis, contudo, permanecia inábil no controle da
transmutação animal. Ísis, portanto, limitou-se à forma
humana. Eles empreenderam uma árdua caminhada pelas
dunas, de volta ao sarcófago de Osíris.
Contudo, ao alcançarem o Delta, Ísis avistou somente os destroços do cofre e as pegadas de seus algozes, ressecadas no lodo.
130
osiris_fim.indd 130
4/3/2009 10:29:59
Ísis tocou a maior das pegadas e se desesperou com
a maldade impregnada nela. Dela pulsavam a malícia e
crueldade de Seth, Usurpador de Skondia.
Ísis abateu-se numa dor extrema. Em desespero, ela
esfregou a terra suja em seu lindo rosto, enquanto arrancava os cabelos, chorava e gritava sua ira contra os rancorosos desígnios de Rá, invejoso da bem-amada coroa de
Osíris.
Tamanha tristeza levou Anúbis a desprezar, temerariamente, sua inexperiência na prática da magia e transmutar-se em um imponente e vigoroso chacal, de olhar
sagaz e pelo eriçado.
Néftis ficou boquiaberta pela espontânea e surpreendente habilidade de Anúbis.
– Não se preocupe, tia – rosnaram as mandíbulas ferais de Anúbis, numa sinistra voz inumana. – Eu farejarei
o rei para a senhora. Juntos, recuperaremos o corpo de
meu pai.
Lágrimas de gratidão brotaram na face de Ísis e ela
lhe acariciou o pelo macio. O sobrinho respondeu com
um alegre sacudir da cauda, antes de farejar o chão com
dedicação e perícia caninas e partir no rastro de Osíris,
seguido de perto pelas deusas.
Após três dias de busca incansável, Anúbis localizou
o primeiro pedaço do pai, seu coração, sob a dedicada
guarda de uma centena de crocodilos, que abriram respeitosa passagem à família real.
Ísis guardou cuidadosamente o órgão numa sacola
feita de papiro trançado, amarrada às costas.
Por um momento, ela se abateu pelo tratamento indigno dado ao cadáver de Osíris, mas enrijeceu-se, resig131
osiris_fim.indd 131
4/3/2009 10:29:59
nada em adiar sua vingança a Seth diante da urgência de
reaver os pedaços de Osíris, reuni-los e trazê-los de volta
à vida.
Ísis erigiu um modesto altar de pedra e lama no exato
local onde encontrou o coração de Osíris, para honrá-lo.
Com a ajuda de Néftis, Ísis construiu um pequeno
barco de fibra de papiro, com o qual elas singraram o rio
para o interior do Egito, sob a escolta protetora dos crocodilos.
Anúbis, por sua vez, seguia farejando pela margem
ocidental do Nilo, em perseguição às demais partes de
Osíris.
Contudo, seus esforços seriam interrompidos na manhã seguinte pela visão ameaçadora de dois barcos de guerra de Skondia, com velas desfraldadas velozes ao vento e
tripulações que somavam mais de quarenta vilões. Todavia,
a escolta de crocodilos frustraria o ataque ao emergir das
águas silenciosas com voracidade assassina.
Os navios inimigos emborcaram no choque com a
centena de répteis, e os soldados se viram lançados ao rio
e prontamente destroçados.
Os Neteru seguiram caminho, indiferentes ao pavoroso espetáculo de gritos e morte que ficara para trás.
Naquela noite, porém, tornariam a se emocionar ao avistarem novo pedaço de Osíris, o fígado.
Ísis e Néftis ergueram um módico altar naquele lugar
sagrado, fazendo o mesmo para cada parte recuperada de
Osíris.
De fato, os futuros reis do Egito construiriam suntuosos templos para abrigarem esses diminutos altares e,
assim, honrá-los, venerá-los e eternizá-los.
132
osiris_fim.indd 132
4/3/2009 10:29:59
E estes se tornariam o orgulho da Terra.
Dois dias depois, o Mal atentaria novamente contra
eles. Um espião de Seth, esquelético, de gestos ríspidos e
olhar nervoso, rastreara escrupulosamente os rumores de
vilas ribeirinhas sobre uma deusa a percorrer o Nilo em
um barco místico movido por feitiçaria.
Habilidoso, o espião espreitara as margens do rio até
se deparar com um inusitado agrupamento de crocodilos,
dezenas deles, guardas de uma das pernas decepadas do
rei morto. Ele então se ocultara sob os grossos arbustos de
uma clareira próxima. Silencioso e diligente, sua paciência
seria recompensada dali a três dias, quando os répteis deram acesso a um modesto barco, do qual desembarcaram
Ísis e Néftis.
O espião sorriu malignamente da beleza divina das
mulheres, que as denunciava como as irmãs foragidas de
seu senhor, e esgueirou-se para longe do rio, em direção
ao posto militar de Ti´al, a menos de meia hora de caminhada dali. Estava certo de que seria regiamente recompensado por Seth, quando Anúbis, atraído pelo cheiro do
inimigo, desferiu seu bote feroz.
As presas afiadas do chacal rasgaram a garganta do
homem. Sua vida se esvaiu pela sangrenta ferida com piedosa rapidez, enquanto uma impassível Ísis depositava na
sacola mais um pedaço do marido.
E Ísis levaria doze meses em sua triste e penosa tarefa,
até reunir os pedaços remanescentes do marido, à exceção
do pênis do Messias, devorado pelos peixes impuros.
De fato, Osíris fora mutilado, para a infelicidade de
Ísis; ainda que o ressuscitasse, ele não poderia engravidá-la.
133
osiris_fim.indd 133
4/3/2009 10:29:59
Ao término da longa jornada, Anúbis tentou retornar à forma original, mas apenas seu corpo readquiriu
os contornos humanos, já que, após haver permanecido
tanto tempo como chacal, a cabeça enrijeceu-se na forma
bestial.
Nem sequer os encantamentos combinados de Ísis
e Néftis foram capazes de lhe devolver a face humana.
Assim, Anúbis vagaria pela eternidade como uma criatura
metade homem, metade chacal.
A despeito desse infortúnio, a família real navegou
sem incidentes em seu retorno ao Delta.
Ocasionalmente, ouviam-se gritos de horror vindos
das margens sempre que os leais crocodilos massacravam
soldados tocaiados ou espiões sorrateiros de Seth, ocultos
em meio aos juncos, que se tornavam suas sepulturas anônimas.
Seth certamente estava ciente da presença de seus
inimigos no Nilo. Todavia, o tirano, perdido em delírios
de poder absoluto, raramente deixava a segurança de seu
palácio. O Usurpador recolhera-se às trevas da sala do trono, de onde comandava expurgos de traidores e inimigos
imaginários. Filósofos, poetas, médicos, escrivães, arquitetos, músicos, Seth sangrou a inteligência de Skondia até
a última gota, quando então sua paranoia voltou-se aos
antigos aliados.
O rei enlouquecido ordenava execuções sumárias de
conselheiros, generais e torturadores. Sua demência e capricho desprezavam misericórdia e limites.
Nem Aso salvou-se, estripada pelo instável soberano
ao final de uma noite tórrida e apaixonada nos aposentos reais, quando questionou seu intento de eviscerar um
134
osiris_fim.indd 134
4/3/2009 10:30:00
terço do próprio exército, num ato tolo e insano que deixaria Skondia vulnerável à cobiça e retribuição por parte
dos reinos rivais.
Seth tornara-se um covarde, incapaz de enfrentar Ísis
pessoalmente. Por isso, despachava seus assassinos à caça
da deusa somente para perecerem na vã tentativa.
Ísis e Néftis levaram as treze partes de Osíris ao ermo
do Delta onde ele fora estraçalhado por Seth. Anúbis ficou
para trás, junto ao barco, numa estreita restinga, dandolhes a privacidade necessária às suas invocações mágicas.
Ísis trançou linhas e ataduras feitas de papiro e usou
ervas para perfumá-las. Com as linhas, a deusa costurou
e reuniu os pedaços do marido. Então, firmou-os com as
ataduras, consagrando Osíris como a primeira múmia.
A seguir, Ísis e Néftis se despiram e untaram a pele
macia e quente uma da outra com óleos vegetais de odores
frescos e sensuais, antes de se depilarem mutuamente.
E elas dançaram nuas e deslumbrantes. E brilhavam
sob o belo luar: Ísis, à cabeça de Osíris; Néftis, aos seus
pés. Juntas, cantavam lamentações fúnebres e conjuravam
feitiços. Estes, porém, falhavam em ressuscitar Osíris. Por
cincos dias e cinco noites, elas tentaram.
Por fim, exaustas e vencidas, as mulheres se largaram
ao chão.
Em sua agonia e tristeza, Ísis tornou-se andorinha e
rodopiou sobre o corpo reconstituído do esposo, e piava incontrolavelmente seu desespero e desolação. Então,
pousou à boca do esposo e beijou-o numa despedida sofrida e derradeira.
Nesse instante, quando toda a esperança havia sucumbido, súbita e inesperadamente o espírito de Osíris
135
osiris_fim.indd 135
4/3/2009 10:30:00
fluiu de seu cadáver inerte e penetrou a boca de Ísis, direto
ao seu útero, onde sua alma plantou uma semente de luz e
calor, antes de retornar, lânguida, às entranhas putrefatas
da múmia.
O choque da gravidez forçou o retorno de Ísis à forma humana. Ela caiu deitada sobre Osíris, esbaforida, atônita. A semente ardia-lhe no ventre e atraiu, de estrelas
longínquas, um espírito indômito e alado. Este despontou
como um falcão de fogo no horizonte alaranjado da alvorada: a alma de Hórus.
E Hórus mergulhou em Ísis e possuiu a semente divina depositada no útero da deusa.
E, assim, deu-se a Segunda Imaculada Concepção.
E Ísis tornou-se a última mulher a engravidar sem cópula.
Néftis tomou a irmã em seus braços e sacudiu-a para
que despertasse do estupor da invasão de Hórus. Ísis ergueu os olhos e, ternamente, sorriu.
– Irmã, veja! – disse Néftis, aturdida.
A múmia de Osíris desaparecera no ar, sem deixar
vestígios. Ísis, no entanto, mostrava-se serena, pois Osíris
ressuscitara e Hórus, seu irmão, tornara a encarnar, agora
como seu filho, príncipe e herdeiro.
Sombra insone e atormentada, Seth perambulava
pelos corredores do palácio real. Seus instintos divinos
lhe gritavam, ainda que nebulosos, para a ocorrência de
eventos terríveis e misteriosos naquele alvorecer luminoso. Tramavam contra sua coroa.
Subitamente, uma estranha e agourenta luz esverdeada, tênue e hostil cintilou na sala do trono. Temeroso, Seth
desembainhou seu rico punhal de cabo de marfim e lâmina dentada fenícia e foi ao seu encontro. O Usurpador
136
osiris_fim.indd 136
4/3/2009 10:30:00
topou com o recinto vazio, à exceção da luz débil que agora
brilhava da estreita abertura existente nos fundos da sala,
atrás do imponente trono de pedra.
Seth a seguiu, com respiração acelerada e mãos
suadas.
O vão levava a uma diminuta câmara, onde o vilão
se deparou com a origem da luz: Osíris, a Múmia, encarava-o, desafiador e imponente, envolto em um brilho
próprio, verde e cadavérico.
Osíris sorriu para Seth com dentes enegrecidos pela
decomposição e apossou-se do tesouro solitário que jazia
no pequeno e áspero altar da câmara, a coroa de juncos
feita por Ísis, propriedade do verdadeiro rei de Skondia.
Seth trocara a coroa original por uma mais adequada
à sua ambição, forjada em ouro, marfim e ébano e cravejada com as maiores joias do oriente, com a qual se apresentava na sala do trono.
Todavia, ele conservara a coroa de Osíris como símbolo de sua vitória sobre o odiado irmão, triunfo que agora se provava ilusório e passageiro.
Osíris levou a coroa à cabeça, para revolta de Seth, e
sua autoridade e poder resplandeceram com glória e caráter inegáveis naquele rosto putrefato, verde como o limo
do Nilo, onde a vida do Egito se encerra e torna a florescer, no eterno ciclo de nascimento e morte.
De adaga em riste, o invejoso Seth atacou o Cordeiro
da Humanidade. A lâmina penetrou o dorso de Osíris,
mas sem lhe causar dor ou apreensão.
Seth, desconcertado, largou a arma encravada no peito do irmão e recuou em meio a súplicas miseráveis pela
própria vida.
137
osiris_fim.indd 137
4/3/2009 10:30:00
– Seth, assassino e usurpador! – bradou Osíris, com
a voz cadavérica a ecoar os gemidos de mil fantasmas.
– O filho virá vingar o pai morto! E, nesse dia, encontrar-nos-emos do Outro Lado, meu irmão, no Reino dos
Mortos. Lá, onde eu e a Justiça o aguardamos.
Então, Osíris desapareceu diante dos olhos aterrorizados de Seth.
Por um breve instante, a adaga pendeu no ar, antes
de desabar inerte sobre o chão, limpa de sangue e pele
morta.
Seth caiu de joelhos, aos prantos, sob um pavor agudo. E o pavor se tornou fúria. E a fúria converteu-se em
loucura. E ele correu, ensandecido, ao teto do palácio.
A barca de Rá já ascendia além das montanhas, para
cobrir o Egito com seus raios de luz e calor.
Seth dobrou-se ignobilmente perante o Deus-Sol.
– Ó, magnífico Rá! – clamou Seth ao Céu. – Dê-me
força para que eu destrua meus irmãos, os quais você tanto despreza, e eu prometo servi-lo pela eternidade, como
seu escravo e adorador!
Um raio de fogo despontou do Sol e, violentamente,
empalou Seth e imbuiu cada fibra de seu ser com o poder
de Rá.
Seth ergueu-se como guerreiro do Deus-Sol, acrescido e revigorado por seu esplendor. Seu medo desaparecera, seu poder triplicara, seus olhos irradiavam o fogo das
estrelas.
Seth retornou aos aposentos reais, vestiu sua armadura prateada, polida e entalhada com hieróglifos malignos, e embainhou sua espada de lâmina negra e punho de
ouro. Então, convocou os treze melhores soldados de sua
138
osiris_fim.indd 138
4/3/2009 10:30:00
guarda pessoal. Com eles, zarpou em sua enorme e assustadora barca de guerra.
O Usurpador então ergueu os braços ao Céu e as
chamas em seus olhos ferveram. E estas comandaram os
ventos do Egito, os quais, obedientes e servis, encheram
as velas da embarcação e impulsionaram-na pelo Nilo, na
direção apontada pelos instintos de Seth, agora aguçados,
livres da hesitação e do medo que lhe haviam tolhido a
alma desde que estraçalhara Osíris.
A louca velocidade do navio torturava e estalava as
tábuas do casco, que se desfazia furiosamente pelo rio,
mas não antes de ele alcançar o Delta.
Os vilões saltaram à praia por onde Ísis e Néftis retornavam ao seu barco de papiro, vindas da ressuscitação
de Osíris.
Surpreendidas em terreno aberto e prontamente cercadas, atônitas e sem ação, ainda cansadas pelos encantamentos da madrugada, descobriram-se subitamente à
mercê da maldade do Usurpador.
Os destroços do navio afundavam quando Seth brandiu sua enorme espada e, com maligna satisfação, desferiu
um golpe vigoroso para arrebentar o crânio de Ísis.
139
osiris_fim.indd 139
4/3/2009 10:30:00
osiris_fim.indd 140
4/3/2009 10:30:00
Capítulo X
O guerreiro de Rá
Anúbis guardava o barco de papiro, oculto em meio
aos juncos, quando um impetuoso estrondo sacudiu o
Delta. Na praia próxima, um navio surgiu tão veloz que
pareceu se materializar em pleno ar.
Sua tripulação saltou da embarcação moribunda ao
areal, fortemente armada.
Anúbis sentiu a presença de Seth antes mesmo de ele
se destacar do grupo. Um imenso e terrível poder emanava daquele homem de face dura e severa, maior do que
jamais imaginara.
Por um momento, ficou imóvel, atordoado como
Seth os encontrara com tamanha facilidade, mas então o
Usurpador avançou de espada em punho para Ísis.
Desarmado, porém valente, Anúbis atacou.
Ísis se encolheu diante da espada de Seth, que desceu
sobre ela com precisão assassina.
osiris_fim.indd 141
4/3/2009 10:30:01
Nesse instante, Anúbis saltou dos juncos próximos,
vigoroso e sobre-humano, e abocanhou o braço da espada
do tio. Sua intervenção salvadora desviou a lâmina, que se
limitou a acariciar levemente as pontas dos cabelos de Ísis.
Seth e Anúbis se atracaram e rolaram pelo chão. As
mandíbulas de chacal se fecharam em uma pressão sangrenta e deceparam o braço de Seth.
Todavia, com o punho restante, Seth desfechou um
soco na face canina do agressor, afastando-o de si.
Anúbis, mesmo zonzo, manteve-se alerta. Ele tomou
a espada da mão morta de Seth e investiu contra o tio.
Seth, contudo, reagiu com destreza e rapidez, num
espetacular salto de costas que o levou à retaguarda da
protetora linha de escudos dos seus soldados.
– Matem! – ordenou Seth, surpreendentemente altivo, a despeito da forte hemorragia.
Os soldados ignoraram as mulheres e convergiram
para Anúbis.
O homem-chacal, apesar de jamais haver portado
uma espada, herdara a força e o instinto guerreiro dos Neteru e, portanto, entregou-se com prazer à luta.
– Corram! – gritou Anúbis às mulheres, sem tirar os
olhos dos inimigos.
Ísis arremeteu ao barco escondido, mas Néftis permaneceu imóvel. Ela puxou a irmã pelo braço. Néftis, porém, firmou os pés, teimosamente.
– Venha, irmã! – suplicou Ísis.
– Ele é meu filho – disse a caçula, com o rosto tomado pelas lágrimas. – Eu não posso deixá-lo.
Ísis se entristeceu, pois nada podiam contra o novo
poder de Seth. Se permanecesse com Anúbis, Néftis estaria condenada.
142
osiris_fim.indd 142
4/3/2009 10:30:01
– Vá – disse Néftis. – Você carrega a esperança dos
homens em seu ventre.
Ísis hesitou em abandoná-la.
– Vá! – insistiu Néftis. – Agora!
Ísis beijou a face da irmã pela última vez e fugiu.
Néftis virou-se a tempo de ver a espada de seu filho
bater-se com as dos homens de Seth. Estes o atacaram em
conjunto, confiantes em sua superioridade numérica.
Anúbis, contudo, rechaçou-os com força e habilidade
divinas e abateu-os um após o outro. Ele perfurava olhos,
estripava barrigas, cindia membros e rasgava pescoços,
numa orgia de dor, velocidade e precisão.
Para Seth, os homens cumpriram bem seu papel.
Suas mortes garantiram-lhe a oportunidade de recuperar
o braço caído e retorná-lo ao toco sangrento no ombro.
Tendões e ossos partidos se reuniram, carnes feridas se entrelaçaram.
O braço tornou a pender do ferimento como um só,
sem cicatriz ou marca onde fora arrancado.
Seth tomou as espadas de dois soldados mortos, uma
em cada mão, e dirigiu-se a Anúbis, o qual degolava o
último de seus asseclas.
O derradeiro embate se iniciara.
As lâminas de Anúbis e Seth chocaram-se como trovões furiosos. Faíscas multicoloridas explodiram a cada
impacto cruel e violento. As espadas zumbiram e cantaram, perdidas numa sequência arrepiante, fatídica e mortal de golpes poderosos e ágeis.
Ísis alcançou a restinga onde havia amarrado seu barquinho quando Osíris materializou-se à sua frente, face
serena e apaixonada.
143
osiris_fim.indd 143
4/3/2009 10:30:01
Osíris esticou os braços para a esposa e ela se aninhou
com prazer e alívio na proteção deles.
Osíris tomou-a gentilmente pela mão e conduziu-a
ao rio. Sua divindade permitiu-lhes caminhar sobre as
águas. Seus passos suaves despertavam tênues ondulações
na superfície azul e tranquila.
Ísis maravilhou-se com o Nilo domado sob seus lindos e sedosos pés, um tapete gelado pelo qual foi conduzida até a menor ilhota do Delta, uma corcova suave,
gramada e fresca.
Ísis pisou na ilha, mas não Osíris, que soltou a mão
da esposa e permaneceu sobre o rio, junto à linha de areia
que circundava a ilhota.
– Qual é o problema, marido? – estranhou Ísis. –
Você não vem?
Osíris sorriu com lágrimas nos olhos.
– Eu agora pertenço ao mundo dos mortos, minha
amada – lamentou-se.
– Então, permita-me morrer, para que estejamos juntos, meu senhor.
– Você carrega a salvação do Egito – contestou Osíris, ao apontar para o ventre de Ísis. – Nosso filho é vida,
esperança e futuro.
Ísis se resignou, a despeito da dor no coração.
– Só desejo ficarmos juntos novamente – disse Ísis,
cabisbaixa.
Sem deixar o rio, Osíris tocou carinhosamente o queixo perfeito de Ísis e ergueu-o para que se entreolhassem.
– Não ficaremos afastados para sempre, meu amor
– confortou-a Osíris. – Você virá a mim e então a eternidade será nossa.
144
osiris_fim.indd 144
4/3/2009 10:30:01
Osíris levantou os braços ao Céu e a ilha tremeu em
suas fundações.
Ísis caiu sobre a grama enquanto a ilha se separava do
rio com a severidade de um terremoto, para flutuar no ar
e seguir as nuvens.
À medida que ascendia, Ísis assistia ao mundo diminuir e seu marido tornar-se um pontinho na distância.
Por fim, a ilha desapareceu em uma imensa formação de
nuvens brancas e silenciosas e, sozinha e triste, Ísis viu-se
cercada pela névoa alva e fofa, até a ilha despontar e, finalmente, deter-se numa posição fixa no Céu.
Lá, em seu esconderijo, Ísis daria à luz seu rebento, a
salvo da malícia de Seth.
Antes, porém, a luta feroz de Seth e Anúbis alcançava
seu trágico desfecho.
Néftis ajoelhara-se e rezava aos deuses pelo filho.
Os contendores suavam e praguejavam, suas lâminas sibilavam e cortavam o ar, ambos esbaforidos, com os
músculos latejando, doloridos pelo vigor dos golpes.
Por fim, impôs-se o inexorável: a violência de Seth
superou a força e precisão de Anúbis. A lâmina do tio
atingiu-lhe o braço da espada, feriu fundo e rompeu seus
tendões. Sua mão pendeu inerte e a espada deslizou dos
dedos paralisados.
– Não! – gritou Néftis, em desespero.
Seth sorriu para Anúbis e, com infame desdém, decapitou o sobrinho, que estrebuchou aos pés do vilão.
Seth tomou o crânio sangrento de Anúbis e jogou-o
ao colo de Néftis.
– Desgraçado! – vociferou a mulher. – Osíris terá sua
vingança, e eu também!
145
osiris_fim.indd 145
4/3/2009 10:30:01
– Talvez – debochou Seth. – Mas não será pela mão
do seu filho bastardo. E muito menos por você, prostituta
de meu irmão.
Seth ergueu a espada com a ponta virada para baixo
e, de um só golpe, perfurou o coração de Néftis.
Assim, morreu a caçula dos Neteru.
Após enviar Ísis ao Céu, Osíris mergulhou nas profundezas sombrias do Nilo. Ele nadou à caverna mais remota e escura existente em seu leito, entrada do submundo, antessala dos pilares da Terra, onde se abrigavam as
Deidades de Khmunu. E os demônios tremeram e fugiram da luz esverdeada e benigna de Osíris. Eles se esgueiraram às trevas abissais que tremulam além do próprio
submundo, vazio de caos e loucura absolutos.
Apenas uma das Deidades permaneceu para enfrentar Osíris: o pai de Apep, o Destruidor, e o mais poderoso
dos quatro deuses-sapos, Amen, o Devastador.
E Amen possuía dez vezes o tamanho de Osíris e um
esplendor e glória capazes de rivalizar com os do próprio
Messias.
– Osíris, filho de Geb – disse o deus-sapo, numa voz
oca e maligna. – Se lutarmos, eu não sobreviverei a você,
nem você a mim.
– És sábio, Amen, rei dos sapos – reconheceu Osíris.
– Mas venho tomar o submundo para erigir meu novo
reino.
– Então, enfrentar-nos-emos e lançaremos um ao outro no esquecimento.
Amen ergueu-se nas patas traseiras e estalou sua fina
e comprida língua pegajosa no ar, pronto para a batalha
suicida.
146
osiris_fim.indd 146
4/3/2009 10:30:01
Osíris, porém, curvou-se numa mesura ao gigantesco
demônio.
– Ou podemos chegar a um acordo – insinuou Osíris.
O sapo manteve a posição de ataque, contudo, sua
expressão beligerante arrefeceu e assumiu-se desconfiada
e calculista, digna de uma inteligência antiga, perniciosa
e traiçoeira.
– Junte-se aos seus irmãos nas Trevas inferiores – propôs o deus-múmia. – E, em troca, enviar-lhes-ei as almas
humanas desonradas e corrompidas, condenadas a padecerem pela eternidade sob os Khmunu, sujeitas aos seus
caprichos de tormento, fogo e gelo.
Amen sorriu maliciosamente, numa bocarra horrenda que arrepiou a pele morta de Osíris. Vencido pela própria ambição, disposto a saborear e martirizar incontáveis
almas humanas, o demônio assentiu.
Amen seguiu os irmãos ao horror do Caos Abissal
que pulsava sob o reino de Osíris. E Osíris eclodiu sua
luz pelas extensões infinitas do submundo. E seu brilho
esverdeado atraiu para si as almas humanas que até então
haviam vagado pelo mundo. E estas se reuniram a seus
pés e enfrentaram o julgamento por seus atos cometidos
em vida.
Com a argila do submundo, Osíris moldou um trono de fria beleza, do qual proferiria suas sentenças.
A deusa alada Maât juntou-se a Osíris, fascinada pelo
Reino dos Mortos. Ela presenteou seu novo rei com um
gancho e um chicote, símbolos de sua devoção ao poder
divino de Osíris. E Osíris sempre os portava em seu trono,
ostentando, soberbo, a coroa de junco.
147
osiris_fim.indd 147
4/3/2009 10:30:01
Os espíritos de Anúbis e Néftis submeteram-se a Osíris e integraram sua corte sagrada.
Dos ricos metais existentes ao norte do submundo,
Anúbis forjou uma balança. E o deus-chacal arrancava
o coração dos mortos e pesava-o na balança contra uma
pena da asa direita de Maât.
Se o coração fosse mais leve do que a pena, seu dono
era abençoado pelos deuses do submundo. Se, contudo,
se revelasse pesado e impuro, a alma sucumbia à danação
perpétua comandada por Amen, no Abismo dos Demônios.
Nove meses após ressuscitar Osíris, abandonada ao
exílio de sua ilha celestial, Ísis deu à luz Hórus.
Ísis assumia-se como andorinha durante o dia para
buscar alimento e água na Terra, e amamentava seu rebento com amor e devoção.
Aos sete anos de idade, o menino Hórus, cujo poder
excedia o do próprio pai, passou a adotar também forma
alada. E descia ao mundo dos homens como falcão, na
companhia de sua mãe, a andorinha celestial.
Aos treze anos, Hórus ousou abandonar o disfarce de
falcão e, quando na Terra, caminhava como humano em
meio aos habitantes das remotas aldeias a oeste do Egito.
E Hórus amava o convívio com velhos, adultos e
crianças. Seu carisma, inteligência, vigor e simpatia cativavam os que com ele se sentavam para conversar e reclamar das arbitrariedades de Seth: a ganância de seus coletores de impostos, a violência de suas tropas e a injustiça
de suas leis.
148
osiris_fim.indd 148
4/3/2009 10:30:02
E Hórus, sem lhes revelar sua verdadeira identidade,
tramou a queda do tio. Ele organizou os descontentes e
espalhou a rebelião pelos povoados da periferia do Egito.
Logo, pequenos grupos de insurgentes emboscavam
patrulhas isoladas de Seth e bandos armados saqueavam e
queimavam os postos avançados do tirano.
Aos dezessete anos, Hórus já comandava dúzias de
células guerrilheiras, compostas de centenas de homens
desesperados por liberdade, os quais fustigavam os rincões
de Skondia como carrapatos.
E a rebelião se agigantava a cada ano.
Temeroso, Seth deslocava seu vasto exército, dezenas
de milhares de soldados, pelas províncias do reino, à caça
dos insurgentes. Estes, porém, evitavam o combate direto
e fustigavam-lhe as linhas de suprimentos e as unidades de
reconhecimento.
Essa infrutífera perseguição pelo deserto exauria as
tropas e o tesouro real, minguante com o sistema de recolhimento de impostos em colapso pela ação da guerrilha.
Então, na madrugada de seu décimo oitavo aniversário, Osíris veio a Hórus na ilha celestial. Ele despertou o
filho de um sono tranquilo, mas manteve a esposa adormecida sob um feitiço suave e delicado. Primeira de suas
inúmeras visitas ao príncipe herdeiro, Hórus caiu de joelhos e chorou de alegria perante o pai.
– Diga-me, meu filho e irmão – demandou Osíris. –
Qual é a mais nobre ação que um homem pode desejar?
– Vingar pai e mãe pelo mal cometido contra eles
– respondeu Hórus, assertivo e valente.
Osíris ficou satisfeito. Ele ergueu o filho pelos ombros e beijou-lhe ternamente a face.
149
osiris_fim.indd 149
4/3/2009 10:30:02
Hórus surpreendeu-se: as carnes putrefatas da múmia exalavam um perfume divino.
Osíris afastou-se do filho e despertou a esposa. E eles
andaram de mãos dadas pelo Céu, pois Osíris não apenas
caminhava sobre as águas, como também pelo topo das
nuvens.
Na manhã seguinte, Hórus desceu à Terra e despachou mensageiros com uma convocação aos líderes da
rebelião para encontrá-lo diante da Primeira Catarata do
Nilo, no longínquo Sul, onde antes existira a capital da
Enópia, agora despedaçada pelas lutas fratricidas de seus
antigos nobres após a morte da rainha Aso.
Quando os rebeldes finalmente se reuniram, depararam-se, para seu assombro, com a divina Ísis postada ao
lado de Hórus.
Então, Hórus lhes revelou sua herança, como único e
justo pretendente ao trono do Egito. E eles saudaram seu
príncipe e deus, com a esperança renovada de finalmente
se libertarem das garras sombrias e malévolas de Seth.
E Hórus comandou seus seguidores na derrubada das
florestas da África e na construção de uma frota de guerra
com sua madeira. Eles navegariam até Skondia e enfrentariam as forças de Seth pela liberação do Egito e salvação
da humanidade.
Em júbilo, servos orgulhosos de um deus, filho abençoado de seu Messias, os homens se lançaram à árdua demanda com prazer, devoção e energia.
A prova de sua dedicação materializou-se em menos de quatros meses, quando os batedores avançados de
Seth trouxeram ao palácio usurpado o espantoso alerta do
avanço, pelo Nilo, de uma imensa frota com mais de duzentas embarcações.
150
osiris_fim.indd 150
4/3/2009 10:30:02
Rumores velozes e incontroláveis se disseminaram
por Skondia. Anunciavam a vinda de Hórus, herdeiro de
Osíris, para reclamar a coroa do Egito.
Seth reconheceu o brilhantismo daquela invasão naval, que anulava a esmagadora vantagem numérica de seu
exército, pelo menos até o inimigo desembarcar seus contingentes em terra.
Seth decidiu concentrar seus soldados na capital,
onde aguardaria o invasor e o destruiria em uma só batalha.
Contudo, o tirano subestimou o severo desafio à sua
liderança que representava a frota rebelde, especialmente
para um povo oprimido e cansado de corrupção e brutalidade, sedento por liberdade e mudança.
As labaredas da revolta se acenderam e se espalharam
pelas províncias de Skondia.
O governo de Seth, baseado no terror e crueldade,
soçobrou. Com a aproximação da frota rebelde, o povo
enlouquecia, amotinava-se e linchava a nobreza provinciana leal a Seth. Por onde Hórus passava, as tropas do rei
desertavam ou se uniam aos insurgentes.
Somente a capital, sob o tacão da guarda de elite do
rei, formação disciplinada e fiel, composta de nove mil
homens, mantinha-se submissa, num silêncio velado, mas
prestes a explodir. Tornou-se impossível a Seth permitir o
avanço impune dos navios inimigos enquanto suas tropas
esfarelavam-se na apatia e fraqueza.
O Usurpador possuía doze barcos de guerra. Grandes, lerdos e pesados, feitos para o Mediterrâneo, inadequados às águas rasas do Nilo. Contudo, seria a bordo
deles que Seth enfrentaria Hórus.
151
osiris_fim.indd 151
4/3/2009 10:30:02
Seth amontoou sessenta de seus melhores soldados
em cada embarcação. Desafiariam mais de dois mil invasores, distribuídos por barcos majoritariamente diminutos e
frágeis, mas também ágeis e esguios, liderados pela imponente nau de Hórus, o Vingança de Osíris, com quinze valorosos tripulantes, duros e experientes, amantes da luta.
Seth, porém, confiava no poder de Rá, latente em
suas veias, para conduzir seus homens à vitória. Ansiava
arrancar a cabeça de Hórus e pendurá-la como um troféu
macabro na sala do trono de Skondia.
Eles tinham dois dias para interceptar a frota rebelde
antes que esta atingisse a capital.
A armada de Seth zarpou na calada da noite. Ele a
comandava a bordo de sua maior embarcação, o Olho de
Rá, de casco negro e rígido.
Manteve o restante da guarda real na cidade para
conservá-la em seu nome.
As duas frotas não tardaram a se encontrar, sob sol
escaldante a pino.
Os contendores gritavam e brandiam suas armas em
provocação. Foices de cabo curto, espadas afiadas e longos
arpões convidavam-se mutuamente à matança.
Ambas as formações avançaram rapidamente, enquanto Hórus destacava seus três melhores guarda-costas
para escoltarem Ísis à popa do navio, onde deveriam protegê-la com suas vidas.
Ísis empunhava um arpão pontudo e brilhante e protestou ao ser afastada da linha de frente. Contudo, só lhe
coube acatar a ordem do filho.
Os grandes navios de Seth foram logo cercados e
abordados pelas pequenas embarcações rebeldes, cujas
152
osiris_fim.indd 152
4/3/2009 10:30:02
tripulações escalavam os costados mais altos dos navios
do Usurpador, sendo recebidas e trucidadas pelas longas
lanças dos guardas reais, mais bem treinados.
Assim, a perícia e o profissionalismo marciais dos
soldados de Seth consumiam a vantagem numérica dos
seguidores de Hórus. Poucos alcançavam os conveses dos
grandes navios negros, banhados no sangue dos insurgentes. Todavia, a despeito de suas perdas monumentais, cada
oito rebeldes mortos cobravam a vida de um assecla de
Seth.
Lenta, porém inexoravelmente, seu sacrifício debilitava as tripulações do Usurpador, assoberbadas pela massa
de valentes que se lançavam temerariamente às suas lâminas. A frota de Seth entrou em colapso, com seus navios
incendiados e postos a pique.
Nesse instante, o Olho de Rá, única embarcação de
Seth ainda não engajada, foi corajosamente abalroado
pelo Vingança de Osíris.
Diferentemente das lutas travadas ao redor das naus
capitânias, os tripulantes do Olho de Rá detinham uma
vantagem de sessenta para quinze sobre os homens de Hórus. Confiantes, saltaram a amurada do Vingança de Osíris
para massacrá-los. Subestimaram, contudo, sua destreza e
determinação. Somente Hórus, vigoroso e feroz, abateu sozinho quarenta inimigos. Seus corpos acumulavam-se aos
seus pés no convés escorregadio, encharcado de sangue.
Seth, por sua vez, manteve-se à proa do Olho de Rá,
paciente, severo. Ele avaliava calmamente cada movimento, golpe e defesa do sobrinho.
E Hórus lutava com uma foice em sua mão esquerda e uma espada na direita. Sua habilidade, entretanto,
153
osiris_fim.indd 153
4/3/2009 10:30:02
ainda que sobre-humana, não trazia temor a Seth, seguro
da proteção de Rá.
Assim, o Usurpador sacou sua espada e, de um só
pulo, dirigiu-se a Hórus no momento em que este degolava seu último contendor.
Seth tomou a foice caída de um guerreiro tombado e
atacou Hórus com todo o ódio de sua alma.
Os golpes violentos de suas armas cortavam o ar e
lançavam faíscas intensas ao bater das lâminas.
Enquanto os deuses duelavam, as tripulações do
Vingança de Osíris e do Olho de Rá terminavam de se
exterminar, até restarem somente Ísis e seus três guardacostas, desafiados por um gigantesco, musculoso e brutal
mercenário núbio.
Com sua enorme espada côncava, o núbio humilhou
as pequenas foices dos marujos e lhes rachou o crânio,
impiedosamente.
Então, o núbio estancou perante a beleza de Ísis. Ele
hesitou entre estuprá-la antes ou depois de lhe arrancar a
pele macia, para usá-la como souvenir.
Ísis, contudo, aproveitou a distração do núbio e golpeou-o com agilidade divina. Seu arpão moveu-se como
um relâmpago e rasgou as tripas do assassino. Ao puxálo das entranhas do bárbaro, suas vísceras se derramaram
como vermes multicoloridos sobre o convés.
O núbio morreu estrebuchando, no que a luta de
Hórus e Seth atingia o ápice.
Com um giro selvagem da espada, Hórus arrancou a
foice da mão do tio e arremeteu para lhe perfurar o estômago.
Contudo, Seth apenas fingira perder a foice e o equilíbrio. Ele atraiu o ataque do sobrinho e sacou uma adaga.
154
osiris_fim.indd 154
4/3/2009 10:30:02
Hórus, hábil e veloz, desviou-se parcialmente do golpe do tio. Evitou a morte, mas não a perda do olho esquerdo, esfacelado na ponta da adaga.
Hórus soltou a espada e caiu de joelhos, agarrado à
ferida aberta.
Seth então subestimou o sobrinho. Ergueu confiante a espada para decapitá-lo, porém, este apenas simulava
sucumbir à dor.
À aproximação de Seth, Hórus empalou-lhe a cintura em sua foice e, de um só golpe, castrou-o. Os testículos
do vilão deslizaram pelo convés, enquanto este rolava, ensandecido, em meio a urros de dor.
Hórus retomou a espada, pronto a dar cabo de Seth,
quando uma sombra armada chegou-lhe por trás.
Deu-se então a tragédia.
Hórus havia perdido um olho, e Ísis, maculada no
sangue do núbio, alucinara pelo desejo de vingança.
Hórus girou o punho para trás e investiu com a espada. Só tarde demais percebeu que a sombra tratava-se de
Ísis e seu arpão: seu ataque já a decapitara.
Hórus berrou de surpresa e agonia diante do cadáver
da mãe.
Seth valeu-se daquele pesadelo. Agarrou a espada de
lâmina escura e saltou pela amurada, nadando até a margem esquerda do rio. Seu ferimento cicatrizava graças aos
poderes de Rá, ainda que houvesse perdido irremediavelmente a masculinidade.
Transtornado, Hórus pousou a cabeça de Ísis no colo
e gritou uma maldição a Seth. Ergueu os olhos e avistou
o odioso tio à beira do Nilo. E o vilão se ria, maligno, da
desgraça do sobrinho.
155
osiris_fim.indd 155
4/3/2009 10:30:02
Hórus tomou o arpão da mãe morta e mergulhou
no Nilo. Seth fugiu, veloz, para o Sul, com Hórus em seu
encalço.
E eles correram durante dias. E cruzaram o Egito até
a longínqua Primeira Catarata do Nilo. Lá, finalmente
exausto, Seth voltou-se e disputou a derradeira batalha
contra Hórus Um Olho.
Herói e vilão enfrentaram-se no topo da catarata por
três dias e três noites ininterruptos. Arpão versus espada.
Justiça oposta à malícia.
Banhados em suor, sujos, maltrapilhos, com as feridas recobertas em sangue ressecado, a luta decidiu-se num
passo em falso de Hórus sobre uma pedra lodosa e escorregadia da catarata. O tropeção afundou a perna de Hórus
na água, e Seth aproveitou-se da abertura em sua defesa e
golpeou a cabeça do sobrinho.
Hórus, porém, mostrou-se mais rápido. Virou o cabo
do arpão para o alto, que acolheu o choque da lâmina negra de Seth. Hórus então cravou a ponta do arpão no pé
esquerdo do Usurpador.
Seth cambaleou da catarata para o rio. Sua espada
perdeu-se na queda alta e brutal.
Ferido e cansado, Seth arrastou-se à lama ribeirinha,
onde Hórus o aguardava, paciente e altivo.
– Amaldiçoo-o, sobrinho maldito, por roubar-me a
coroa! – praguejou Seth.
– Sou o vingador de meu pai! – bradou Hórus, antes
de virar Seth de barriga para cima com um forte chute.
– Aquele que traz justiça a um rei assassinado!
E Hórus empalou o coração ímpio de Seth no arpão
de Ísis.
156
osiris_fim.indd 156
4/3/2009 10:30:03
Seth pereceu. E o Sol se encolheu, num lamento de
Rá pelo servo conquistado. E esse momento de fraqueza
atraiu o ataque de Apep. E o Sol desapareceu por sete dias,
em seu despeito e rancor ao triunfo de Osíris, no mais
escuro e denso eclipse.
Ao sétimo dia de trevas, o poder de Osíris compeliu a
alma de Seth a apresentar-se à corte subterrânea do Reino
dos Mortos, para responder por seus crimes.
E o sorriso vitorioso de Ísis, sentada aos pés do marido, revolveu e engordou o ódio de Seth ao casal divino,
novamente reunido em felicidade eterna.
Seth maldisse o próprio destino. Anúbis veio lhe arrancar o coração sombrio e pesá-lo contra a pena de Maât
na Balança da Justiça.
Nesse momento, contudo, interveio um poderoso
clarão de luz, digno de mil sóis, que envolveu Seth num
pilar luminoso, denso e ardente. Sua intensidade estremeceu as fundações da Terra e amedrontou até mesmo os
demônios do Abismo.
Um clarão enviado por Rá, em socorro a seu vassalo.
Maât reagiu prontamente. Ela saltou sobre Seth, para
agarrá-lo e impedir-lhe o resgate.
O clarão, todavia, queimou suas asas antes que dominasse o vilão. Aleijada, ferida, Maât nunca mais voaria,
irremediavelmente presa ao submundo por trair seu deus,
Rá, o Onipotente.
Seth ascendeu no pilar de luz, que o arrancou do Reino dos Mortos e impeliu-o ao Céu. O clarão então desapareceu, tão repentino quanto surgira.
E Rá fez de Seth o substituto de Maât e novo guardião de sua barca.
157
osiris_fim.indd 157
4/3/2009 10:30:03
Condenado à guerra eterna a Apep, Seth sucumbiu
ao tormento de suas próprias escolhas, inconsequentes e
temerárias. Vendera-se por ambição e inveja e agora existia
apenas para a vontade de seu mestre, num destino abjeto
e humilhante.
Enquanto Seth se tornava o maior guerreiro de Rá,
Hórus retornava a Skondia, onde o povo o coroou rei e ele
restaurou a integridade, a bondade e a beleza ao Egito.
E Hórus governou em paz, prosperidade e sabedoria
por novecentos anos, até o dia que, finalmente, cansou-se
de vagar pelos séculos e, saudoso de seus familiares, decidiu reunir-se a eles no Reino dos Mortos.
Zeloso do bem-estar do povo e por não haver deixado herdeiros, Hórus, antes de partir, comandou seus
conselheiros a apontarem seu sucessor. E o escolhido foi
Anamaneq, ancião justo e generoso.
Assim, Hórus recolheu-se ao deserto. E, num recanto
secreto e longínquo, a ser revelado somente ao final das
eras, escavou com as próprias mãos uma humilde tumba
rasa. Nesta, deitou-se em paz e contentamento, e sucumbiu ao sono eterno, descanso merecido do velho Neter.
E a linhagem de Anamaneq desabrochou nobre e sábia, digna dos trabalhos e esperanças de Hórus.
Entretanto, a passagem dos séculos trouxe a inexorável
decadência dos reis do Egito. A cada geração, mostravamse mais fracos, mesquinhos, gananciosos e medíocres.
No entanto, tamanho seu peso, o legado de Osíris e
Hórus perduraria, e o reino se desenvolveria, a despeito da
vaidade dos soberanos e suas obras de perversa ostentação:
158
osiris_fim.indd 158
4/3/2009 10:30:03
palácios imensos e luxuosos, enormes túmulos piramidais,
templos magníficos dedicados à avareza dos sacerdotes.
E o sofrimento e as necessidades do povo seriam negligenciados por reis e rainhas que se consideravam deuses, os Faraós, ostentadores cínicos dos nomes de Osíris e
Ísis, cujo real significado de honra e justiça, esquecido, definhara como meros títulos de nobreza, status e domínio.
Contudo, o povo perseveraria fiel e temente aos primeiros reis. Embalsamariam seus finados com o intuito
de preservar-lhes os corpos da impureza e decomposição,
crentes na Segunda Vinda de Osíris, que retornaria no
pior momento da humanidade, em sua hora de maior necessidade.
Nesse dia sagrado, o Messias ressuscitará os puros de
coração e reclamará a Terra aos justos, para torná-la novamente um paraíso sob Rá. E Hórus travará com o maligno Seth sua batalha final e o vencerá. E a alma de Seth
será a última lançada aos demônios, antes de eles lacrarem
o Abismo pela eternidade.
O fim do mundo, conforme anunciado por Hórus
em seus últimos dias.
E Apep engolirá Rá, e somente o brilho de Osíris
resplandecerá sobre os solos e mares, bênção derradeira
do Messias.
Louvado seja Osíris, Rei dos Homens, Deus do Egito!
159
osiris_fim.indd 159
4/3/2009 10:30:03
COLABORARAM NESTE LIVRO
Produção gráfica e direção de arte Vivian Valli
Assistente de produção Paula Casarini
Revisão Diogo Kaupatez
Composição FA Fábrica de Comunicação
Capa Alexandre Jubran
FICHA TÉCNICA
Impressão Paym Gráfica e Editora Ltda.
Papel Offset 75 g/m2 (miolo), Cartão Supremo 250 g/m2 (capa)
Tipologia Adobe Garamond 12,5/15
Para preservar as florestas e os recursos naturais, este livro foi
impresso em papel 100% proveniente de reflorestamento
e processado livre de cloro.
osiris_fim.indd 160
4/3/2009 10:30:03

Documentos relacionados