HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA O homem, desde os

Сomentários

Transcrição

HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA O homem, desde os
HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA
O homem, desde os mais remotos tempos, procurou um meio de registrar sua passagem pelos
lugares e de delimitar seus territórios. Os mapas foram a primeira forma de expressão
utilizada, surgindo antes mesmo da escrita. Os primeiros mapas aparecem junto a desenhos
registrados pelos povos primitivos em cavernas, e até hoje não tiveram seu significado
totalmente desvendado.
Durante a Idade Média, a cartografia experimentou uma fase de estagnação, em que todas as
conquistas científicas realizadas anteriormente foram substituídas por uma representação
simbólica, de caráter religioso. Isodoro (570-636 d.C.), bispo de Sevilha, criou o Mapa
Etimologias, também conhecido como mapa T-0. Esse mapa esquemático tinha o seguinte
significado: o T representava os três cursos d'água que dividiam o ecúmero, o Mediterrâneo,
que separa a Europa da África; o Nilo, separando a África da Ásia; e o Don, entre a Ásia e a
Europa. Além disso, o T simbolizava a cruz e na sua junção estaria localizada Jerusalém, centro
do mundo. Esses mapas, em sua maioria, eram circulares e emoldurados por um grande
oceano.
A partir de 1413, com o início das grandes viagens marítimas, a cartografia ressurge como
meio de garantir a segurança dos viajantes e de representação das novas descobertas. Os
navegantes costumavam carregar consigo anotações sobre os rumos (direções) e as distâncias
entre os portos visitados. Também eram feitos desenhos, cujo objetivo provável era facilitar a
navegação, sem preocupação com sistemas de projeções. Essas anotações receberam o nome
de Portulanos ou Cartas Portulanos e buscavam representar a costa dos continentes e, em
especial, o Mar Mediterrâneo.
Durante muitos séculos, os mapas foram um privilégio da elite. Apenas reis, nobres, o alto
clero, grandes navegadores e armadores de expedições marítimas tinham acesso a esse tipo
de informação. Somente após a invenção da imprensa, na segunda metade do século 15, os
mapas puderam ser mais amplamente utilizados.
Em 1570 surgia o primeiro grande atlas mundial, confeccionado por Ortelius (1527-1598). O
Theatrum Orbis Terrarum, originalmente escrito em latim, teve várias edições e mais de 7 mil
cópias impressas em diferentes idiomas. Tratava-se de um conjunto precioso de mapas,
produzidos pelos mais importantes cartógrafos da época, incluindo Mercator, que em 1569
produziu o primeiro mapa-múndi com projeção cilíndrica, que recebeu seu nome e até hoje é
largamente empregado. Embora tenha alcançado seu objetivo inicial, a Projeção de Mercator
gerou uma grande distorção nas distâncias, sobretudo na região dos polos, mostrando as
massas continentais muito dilatadas nessas latitudes.
Síntese feita por Silas Junqueira, formador de professores e autor de livros didáticos, com base
no texto História da Cartografia, do Atlas Geográfico Escolar do Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE) online, disponível em http://atlasescolar.ibge.gov.br/conceitosgerais/historia-da-cartografia (Acesso em 04.04.2014). Material complementar à reportagem
Pode Virar o Mapa Cabeça para Baixo, publicada na edição 272 da revista NOVA ESCOLA, em
maio de 2014.

Documentos relacionados

De Mercator ao Google Maps

De Mercator ao Google Maps Apesar das antigas convenções ainda hoje usadas nos mapas-múndi, seria possível argumentar que, graças às novas tecnologias, entramos em uma nova era da cartografia. No centro de tudo isso encontra...

Leia mais

cartografia - Colégio Santa Rosa

cartografia - Colégio Santa Rosa Permite a obtenção de algumas informações da superfície terrestre a distância, ou seja, sem o contato direto com o lugar analisado, por meio de fotografias aéreas e imagens de satélite.

Leia mais