DN 02/08 51 979 : LISBOA : 22 : 22* Abertura

Сomentários

Transcrição

DN 02/08 51 979 : LISBOA : 22 : 22* Abertura
22
GLOBO
Terça-feira _2 de Agosto de 2011. Diário de Notícias
NATO diz
que não há
condições
para intervir
na Síria
Mortos. 142 mortos é o balanço da ofensiva
lançada domingo pelo regime de Al-Assad.
ONU reuniu-se ontem de emergência
PATRÍCIA VIEGAS
O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico deixou o aviso, o
secretário-geraldaNATO reforçou
aideialogo emseguida: acomunidade internacional não está com
disposição para embarcar num
confronto militarcomo regime sírio de Bachar al-Assad, à semelhança do que fez com o de
Muammar Kadhafi na Líbia. Isto
apesarde condenaramorte de civis emcidades como Hama, de ter
convocado uma reunião urgente
do Conselho de Segurança da
ONU e instaurado novas sanções
contrao regime sírio.
“Não é uma hipótese visível,
mesmo que fôssemos favoráveis,
algo que não somos porque não
há apoio da Liga Árabe a uma intervenção como havia no caso da
Líbiae porisso não existe perspectiva de uma acção militar com legitimidade morale legal”, declarou
William Hague à BBC Radio 4, su-
66.º ANIVERSÁRIO
Bachar al-Assad
felicita o seu Exército
› O Presidente da Síria,
Bachar al-Assad, felicitou
ontem os militares do seu
país por ocasião do 66.º aniversário da criação do
Exército militar da Síria.
“Saúdo cada soldado e felicito-o por ocasião do 66.º aniversário da criação do
Exército árabe sírio (...) que
defende os seus direitos face
aos planos agressivos que nos
visam hoje e amanhã.Vocês
representam o orgulho e a
firmeza (...) A Síria recusa as
conspirações e os conspiradores”, disse Al-Assad, numa
alocução citada pela Sana.
blinhando que os britânicos defendem um aumento da pressão
sobre o regime de Al-Assad – por
parte dos ocidentais, dos árabes e
também da Turquia. “Na Líbia,
conduzimos uma operação baseada num mandato da ONU, temos o apoio dos países da região.
Estas duas condições não estão
reunidas naSíria”, disse ao MidiLibreAnders Fogh Rasmussen.
142 pessoas morreram desde
domingo na ofensiva do Exército,
que visou adiantar-se ao início do
mês do Ramadão. Hama, palco de
um massacre em 1982, foi o principal alvo de há dois dias. Ontem
as tropas começaram air para Al-Bukamal e Deirez-Zoor.“Asituação é muito má e há pouca comidae medicamentos”, contou uma
testemunha de Deir ez-Zoor à televisão Al-Jazeera.
Asituação na Síria foi debatida
ontemànoite pelos membros permanentes e não permanentes do
Conselho de Segurança da ONU,
entre os quais Portugal, que, segundo um comunicado do MNE,
“apoiou a realização de consultas
urgentes paraanalisarasituação”.
A UE aprovou por seu lado novo
pacote de sanções ao regime sírio.
“Bashar al-Assad não tem receio de uma intervenção militar
estrangeiranaSíria. E mesmo que
tivesse, não agiriade outraforma,
pois são muitas décadas de autoconfiançado regime”, disse ontem
ao DN BarahMikhail, investigador
séniordo thinktankFRIDE.
O especialistaemMédio Oriente enumeraas razões paraque não
haja uma intervenção militar internacionalnaSíriacomo naLíbia.
“Americanos e europeus vivem
umagrave crise financeirae as coisas correram mal na Líbia. ASíria
não tem petróleo e tem vizinhos
como o Líbano e o Iraque. Barack
Obama e Nicolas Sarkozypretendem ser reeleitos em 2012 e não
queremabrirumanovafrente que
afecte asuacredibilidade.”
Imagens de vídeo, divulgadas pela Reuters, mostram tanques e feridos na cidade de Hama
DESCUBRA AS DIFERENÇAS
SÍRIA
Regime
Revolta
LÍBIA
Filho de Hafez al-Assad, Bashar
sucedeu ao pai em 2000. Lidera
um regime de partido único,
o Baas, criado em 1946.
Chegado ao poder em 1969, através
de um golpe de Estado, é o líder inspirador de um regime autoritário a
resistir às bombas da NATO.
Inspirados pelas revoltas tunisina e egípcia, os
sírios começam a contestar o regime nas ruas
a 15 de Março.
Os protestos esmagados pelas tropas de
Kadhafi a 15 de Fevereiro deram lugar a uma
guerra civil com rebeldes.
Economia
Tem algum petróleo e gás natural. EUA sobre- Tem as maiores reservas de petróleo de África :
47 mil milhões de barris. França, Reino Unido e
vivem a susto da falência. UE está afogada
EUA assumem ofensiva apesar da crise.
numa grave crise financeira e económica.
Sociedade
A população é de maioria sunita (74%). O
Presidente Al-Assad e a elite do regime e do
partido Baas são muçulmanos alauitas.
Há cerca de 140 tribos e clãs na Líbia. A
Qadhadhfa apoia Kadhafi, a Zuwayya os rebeldes, a Warfala divide-se.
Comunidade
internacional
Rússia e China bloqueiam resolução da ONU a
condenar repressão na Síria. Comunidade internacional descarta intervenção militar.
ONU aprova a resolução 1973. Zona de exclusão aérea sobre a Líbia. Kadhafi acusado pelo
TPI e rebeldes do CNT reconhecidos.
Aliados
Além de russos e chineses, a Síria conta ainda Actualmente, apenas a Venezuela levanta a voz
com o apoio da Turquia. Além disso tem o apoio para criticar a ofensiva contra Kadhafi. E o
Zimbabwe oferece-se para dar-lhe asilo.
do Irão, do Hezbollah e do Hamas.
Vizinhos
A Síria faz fronteira com o Líbano, o Iraque,
Israel, Jordânia, Turquia e Israel. Qualquer intervenção teria impacto nos países vizinhos.
Faz fronteira com o Egipto, Tunísia, Argélia,
Níger, Sudão e Chade. O impacto regional
da actual intervenção é limitado.

Documentos relacionados

Síria – um conflito interno ou mais um desafio para a comunidade

Síria – um conflito interno ou mais um desafio para a comunidade mais do uma declaração de princípio de que estes dois Estados não iriam vetar uma Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que tipificasse os procedimentos, de acordo com a Convenção pa...

Leia mais