Italianidade: pertencimento, reivindicações e negociações ident

Сomentários

Transcrição

Italianidade: pertencimento, reivindicações e negociações ident
Italianidade: pertencimento, reivindicações e negociações identitárias
na região central do Rio Grande do Sul, Brasil
MARIA CATARINA CHITOLINA ZANINI
professora Adjunta do departamento de Ciências Sociais da UFSM.
Tem formação em Antropologia Social e pesquisa identidades étnicas em contextos migratórios.
MARIA CATARINA CHITOLINA ZANINI/UFSM (Brasil) – [email protected]
Este artigo tem por objetivo refletir acerca de algumas especificidades da reivindicação
de pertencimento étnico entre descendentes de imigrantes italianos na região central do
Rio Grande do Sul, no Brasil. Baseado em pesquisa etnográfica que se deu de 1997 a
2001, em Santa Maria e no município de Silveira Martins, tanto nas zonas rurais como
urbanas, observou-se como a invocação da italianidade tem emprestado força às
reconstruções das memórias acerca do passado colonizador e das histórias familiares
também.
Palavras- chaves: (1) italianidade; (2) identidade étnica; (3) memórias
Italianity: belonging, reivindications(claiming) and identity negotiations in the
central zone of Rio Grande do Sul, Brazil.
This article aims to reflect on some specific issues related to the ethnic Italian identity
among descendents of Italian settlers in the central zone of Rio Grande do Sul, in Brazil.
Springing from an ethnographic research developed from 1997 to 2001, in Santa Maria
and Silveira Martins, both in urban and rural zones, it was perceived that the claim of
italianity has given force to the reconstruction of memories of the time of settlement and
of familial stories as well.
Key words: (1) italianity; (2) ethnic identity; (3) memories
Italianidade: pertencimento, reivindicações e negociações na região
central do Rio Grande do Sul, Brasil
1
Este ensaio tem por objetivo elencar algumas especificidades da reivindicação de
pertencimento étnico entre descendentes de imigrantes italianos na região central do Rio Grande
do Sul (no Brasil) e suas dinâmicas no contexto transnacionalizado contemporâneo. Minha
pesquisa etnográfica ocorreu de 1997 a 2001, tendo início na zona urbana de Santa Maria e,
posteriormente, deslocando-se para a zona rural desta e do município de Silveira Martins, locais
em que pesquisei descendentes de imigrantes italianos. Posso dizer que meu campo, de fato,
ainda não se concluiu, pois muitas das relações que estabeleci durante a pesquisa se estenderam
para outros domínios de minha existência, tornando-se uma forma constante de aprendizado
sobre as italianidades locais. Como sou descendente de italianos (e meu esposo também) e moro
na cidade que tomei como local de pesquisa, o campo etnográfico me introduziu em redes de
relações sociais de difícil classificação.
Aprendi muito e continuo a aprender o que significa ser ítalo-brasileiro. Compreendo
que, para os próprios descendentes, essas sejam categorias em constante negociação, seja de
forma consciente ou não. Por identidade étnica defino aquela identidade situacional que se
processa, conforme Barth (2000), através da adscrição. Observo, igualmente, que a identidade
étnica é uma entre tantas opções identitárias que os indivíduos utilizam e podem reivindicar
para se autodefinirem perante os “outros”. Por que priorizavam a identidade étnica em
determinados momentos, onde e como a manipulavam? Por que, em consonância ao quadro
contemporâneo dor processos identitários, nesta era globalizada, reivindicar origem se torna
algo importante para estes descendentes? Estas eram algumas de minhas questões em campo.
Procurava compreender, igualmente, quais sinais diacríticos eram (e são) utilizados para
elaborar as fronteiras de pertencimento às italianidades locais e que significado estes elementos
11
Este artigo foi apresentado originalmente na VI Ram (Reunión de Antropologia Del Mercosur),
na cidade de Montevidéu, 2005, no GT 38-Fronteiras e interfaces migratórias em perspectiva comparada.
A versão que aqui se apresenta possui adendos oriundos do debate no GT e também de minhas revisões
acerca das questões apresentadas.

possuíam para aqueles descendentes que os legitimavam enquanto portadores de “origem”,
formadores de suas individualidades e estilos de vida.2
Essas disputas em torno dos elementos de uma italianidade mais autêntica [estavam
situadas no interior de um campo (cf.Bourdieu, 1983, p.89) no qual se observavam forças,
agentes, leis e jogos de poder. Poder este legitimado pela possibilidade de visibilização
continuada do grupo e constante atualização das narrativas imigrantistas como exemplo de
sucesso a ser seguido. É uma dinâmica que interage num contexto maior, mas que tem como
ponto de partida as identificações individuais, pois é o indivíduo que lhe atribui significação e
legitimação quando “opta”, situacionalmente, pela auto-identificação de “italiano”.
Pretendo encaminhar aqui, de forma ensaística, algumas reflexões acerca da
noção de pertencimento, no caso específico por mim estudado, ressalto. Desde o final
da pesquisa sistemática que resultou em minha tese de doutorado defendida em 2002, na
USP, tenho sido convidada a me manifestar acerca da italianidade em nível local, o que,
muitas vezes, não tem sido fácil, pois falar dos resultados da pesquisa in loco perante os
informantes (ou colaboradores) não é algo isento de questionamentos e de tensões.
Posso dizer que, de um modo geral, os resultados de meus estudos tiveram uma boa
aceitação e também boas indagações por parte de descendentes. Isso, creio, porque
sempre fiz questão de deixar claro os objetivos da pesquisa antropológica. Pouco tempo
após defender a tese, esta já estava sendo lida e comentada localmente. Como todo
trabalho de pesquisa no qual, reflexivamente, muito de nós emerge, necessitei exercitar
um certo distanciamento de seus resultados e também das relações que se estabeleceram
durante a investigação. Processo que ainda não se efetivou de todo, uma vez que,
enquanto descendente e antropóloga, sou, por vezes, indagada acerca de meu papel
junto às entidades que promovem a revivificação da italianidade local.
Compreendo que, atualmente, minha pesquisa tenha simplesmente tomado um
novo recorte. Considero um privilégio poder estudar, in loco, um fenômeno rico como o
22
Concordo com Weber quando salienta que: “A crença na afinidade de origem – seja esta objetivamente
fundada ou não – pode ter conseqüências importantes particularmente para a formação de comunidades
políticas. Como não se trata de clãs, chamaremos “grupos étnicos” aqueles grupos humanos que, em
virtude de semelhanças no habitus externo ou nos costumes, ou em ambos, ou em virtude de lembranças
de colonização e migração, nutrem uma crença subjetiva na procedência comum, de tal modo que esta se
torna importante para a propagação de relações comunitárias, sendo indiferente se existe ou não uma
comunidade de sangue efetiva” (1994, p.270).
da reivindicação identitária que se insere em dinâmicas locais e globais ao mesmo
tempo. Estou desenvolvendo projeto de pesquisa que pretende investigar a forma como
os italianos locais foram (e estão sendo) representados em dois jornais diários locais, de
1990 a 2005, período no qual compreendo ter havido uma nova discursividade acerca da
italianidade. Essa nova discursividade deve ser compreendida dentro do que denomino
de trajetória de construção das italianidades locais, desde a chegada dos primeiros
imigrantes italianos até os dias de hoje. Ela é perpassada pela história de seu país de
origem, a Itália, bem como pelos diversos momentos de vivência dos “italianos” na
história brasileira. Ao aportarem no Brasil, em finais do século XIX, ainda não
possuíam, acerca de si mesmos, a noção de pertencimento italiano, pois a Itália,
enquanto Estado nacional, unificara-se somente em 1870. Unificação esta que, de fato,
deu-se bem mais tarde e num processo bastante custoso que até os dias atuais torna
visível sua complexidade. Portanto, quando aqueles emigrados saíram da Itália, tinham,
como noção identitária de pertencimento, a de seu paese de nascimento e de moradia.
Falavam dialetos distintos, adoravam santos distintos, alimentavam-se distintamente,
casavam-se distintamente,etc. Enfim, eram vicentinos, mantovanos, feltrinos, trentinos,
entre outras origens regionais. A noção de italiano como uma categoria genérica se deu
por meio do processo colonizador, já em terras brasileiras. Julio Lorenzoni (1975),
jovem migrante de 14 anos, que faz a travessia com sua família em 1877, narra, em suas
memórias, que na viagem de navio da Itália para o Brasil os dialetos eram tantos que
não era possível as pessoas entenderem-se verbalmente. Havia, segundo ele, uma
balbúrdia de vozes. Na Itália, muitas regionalidades hostilizavam-se, característica que
foi trazida para cá. Contudo, no processo de ruptura provocado pela travessia, eram
partidários de uma experiência comum, a migração, o que fez com que
redimensionassem algumas de suas categorias distintivas. Eram imigrantes italianos na
América brasileira, e foi a partir desse novo encontro cultural que tiveram de refazer
suas trajetórias de vida.
A categoria genérica de italianos serviu como uma distintividade em relação aos
nativos. Os brasileiros em geral eram tidos como “negri”. Negro era um designativo da
natividade brasileira, ou seja, o “outro” das Américas, e não necessariamente tinha
referência à cor da pele. De acordo com Lorenzoni, já na distribuição dos lotes, os
imigrantes procuravam se agrupar de acordo com as regionalidades italianas de origem.
Eram italianos no universo da colônia para fora, entre si se autodenominavam feltrinos,
vicentinos, mantovanos e eram portadores de determinado nome de família, falavam
dialetos distintos e veneravam santos distintos, elemento muito importante entre os
emigrados. Contudo, havia um idioma comum: o catolicismo. Foi a religião que os
tornou, acima de tudo, italianos em terras brasileiras. Foi ela que permitiu àqueles
homens e mulheres elaborarem uma discursividade acerca das semelhanças e
diferenças. Esse fato está muito bem documentado em várias colônias italianas no sul
do país (Costa e De Boni, 1982). Na colônia Silveira Martins, a maçonaria teve um peso
bastante significativo, contudo, suas ligações com o catolicismo de imigração também
foram complexas (cf.Vescio, 2001).
O Estado Novo e a brasilidade revista
A vizinhança com a sociedade regional, apesar das alcunhas com as quais os
imigrantes italianos e seus descendentes eram tratados, tais como “gringos”3 ou
“colonos”, foi relativamente pacífica ao longo do processo colonizador. Os registros
históricos revelam que, já nas primeiras décadas, em finais do século XIX, imigrantes
italianos rumaram da Colônia Silveira Martins para o núcleo urbano e rural de Santa
Maria, o que denominei de “descida da serra”, em referência à forma como nomeiam
este transcurso geográfico que, em verdade, é bem mais do que isso. Trata-se de uma
nova ruptura, dessa vez do universo da “colônia” para o universo da “cidade”. Quando
33
Segundo alguns informantes eram chamados também de “gringos sujos”.
ali chegaram, passaram a desenvolver atividades de comércio e serviços, tornando-se,
alguns deles, em poucos anos, uma elite local. Outros se inseriram no setor de serviços:
ferreiros, marceneiros, carpinteiros, pedreiros, sapateiros, pintores, etc. Durante meu
trabalho de campo, encontrei descendentes que seguiram a trilha profissional dos
antepassados, no caso específico observado, gerações sucessivas de comerciantes,
carpinteiros, pedreiros e ferreiros. Alguns desses indivíduos faziam questão de utilizar
as ferramentas de trabalho de seus antepassados e, se não o faziam, constantemente
ressaltavam a importância daquelas em contraste “às de hoje”. Nos galpões e oficinas
que visitei, havia uma mistura de objetos, ferramentas e utensílios diversos que
remetiam, constantemente, ao aprendizado do ofício, recebido no universo doméstico,
de pai para filho (homem). Além disso, alguns somente sabiam trabalhar com
ferramentas existentes na Itália e que não estavam disponíveis no Brasil, o que fez com
que se tornassem, muitos deles, fabricantes (e inventores) de peças de trabalho também.
No período do Estado Novo (1937-1945), com a política de nacionalização
patrocinada por aquele regime e, posteriormente, a partir de 1942, com os
acontecimentos decorrentes da II Guerra Mundial, a situação dos descendentes de
italianos em nível local começou a se transformar4. Porém, há que se observar que a
nacionalização do ensino e a proposta ideológica estadonovista vinham, já havia tempo,
conflitando com a existência de uma pertença nacional que não fosse a brasileira. Nas
páginas do jornal local A Razão, de 15 de abril de 1941, é afirmado que:
“...No nosso Estado, por exemplo, a ameaça dos quistos
inassimilados, refratários à mentalidade nacional, chegara ao cúmulo. O
desastre fora preparado pela ausência da escola nacional e
consequentemente, pela fundação da escola estrangeira, mantida pelo
colono e dirigida pelo professor alienígena- alemão, italiano ou polonês.
46
Tema trabalhado por mim também no artigo O Estado Novo e os descendentes de imigrantes
italianos: entre feridas, fatos e interpretações (2005), publicado na obra Mordaça verde e amarela.
Aqui surge, grandiosa, serena, mas bem enérgica e bem orientada, a mão
da reforma. A política de nacionalisação (sic) do ensino já aplainou,
quasi (sic) por completo, o abuso que vinha operando essa mentalidade
inassimilada e dissociada dos interesses nacionais...” (pg.2).
Como o Brasil declarara guerra ao Eixo (Itália, Alemanha e Japão), as
perseguições e repressões aos imigrantes de italianos, japoneses e alemães e seus
descendentes se intensificaram quantitativamente5. Ser italiano era sinônimo de
“perigo” e estes passaram a ser tratados como inimigos em potencial6. Fatos que estão
documentados nos periódicos locais e também nas memórias de muitos descendentes
que presenciaram os acontecimentos daquele período. Houve a proibição de se falar os
dialetos publicamente, as sociedades italianas foram fechadas e, em agosto de 1942,
houve o “quebra-quebra”, quando casas comerciais e residenciais de descendentes de
italianos e alemães foram invadidas, saqueadas e muitos pertences que remeteriam à
italianidade e à germanidade foram jogados na praça central da cidade de Santa Maria.
Depois da tensão daquele período e preocupados com sua ascensão social, os
italianos mantiveram um certo silêncio discursivo acerca de sua italianidade.
Compreendo que foi a partir dos conflitos desse período histórico que a brasilidade foi
positivada de uma forma mais marcante. Pode ser dito que os descendentes e
imigrantes, de alguma forma, já se sentiam brasileiros pela terra de nascimento. A
brasilidade se referia à terra que lhes havia proporcionado sobrevivência familiar, a
mesa farta e a manutenção de uma determinada ordem moral. Contudo, o “nativo”
brasileiro era depreciado quando comparado ao “civilizado” italiano. A brasilidade
55
Na data de 19 de março de 1943, foi publicado no jornal local que “Fugiu ontem o único súdito
do Japão que vivia em Santa Maria” (A Razão, p.3).
66
É interessante observar que, no jornal A Razão, no ano de 1937, os anúncios da Societá Italiana
Di Mutuo Soccorso i Recreativa eram publicados em italiano, tal como o exposto no dia 07 de janeiro:
“Invito – Si invitano i Sign. Consoci e Distinte Famiglie al ballo che avrá luogo nella sede sociale, sábato
9 corrente con inizio alle ore 22...” (pg.4). Essa atitude, alguns anos depois, seria considerada
extremamente ofensiva à nação brasileira.
associou-se à italianidade reprimida e fez com que muitos passassem a assumir uma
sociabilidade mais discreta.
As medidas repressivas adotadas pelo Estado Novo seja mediante suas
legislações, seja por meio de seu aparato policial mediante suas legislações ou por meio
de seu aparato policial, fez com que aqueles imigrantes e seus descendentes refizessem
política e simbolicamente seu pertencimento. Documentos foram queimados, guardados
em porões, em árvores; fotos foram destruídas, mutiladas, escondidas. Enfim,
eliminaram, guardaram e ressemantizaram objetos que remetessem mais proximamente
a uma noção de pertença italiana e que pudessem servir para represálias policiais. Em
meu trabalho de campo, ouvi narrativas diversas sobre como as famílias passaram por
esse processo que denominei de “varredura cultural”. A italianidade passou a ser
experimentada como algo perigoso: não se podia falar em dialeto, não se podia
encontrar publicamente com outros italianos, não podia se exibir algo que pudesse ser
considerado potencialmente italiano, pois poderia ser interpretado como um ato de
traição à nação brasileira. Segundo Seyfert, o Exército entrara na campanha fazendo
uma “obra de conquista”, que levaria “o espírito de brasilidade a uma parte do território
ocupada por colonizadores alienígenas” (1997, p.23). Pode-se dizer que foi o aparato
policial que desempenhou um papel decisivo nas repressões aos imigrantes e
descendentes. Ele era o braço executor que atingia as pequenas localidades e lá estava,
vigilante.
No jornal local A Razão, durante aquele período, era constante o chamamento
para que a população em geral se tornasse guardiã dos valores nacionais e espionasse os
considerados “perigosos”. No dia 01 de janeiro de 1942, com o título Santa Maria,
como todo o país, deve dirigir a atenção no sentido de brasilidade de seu povo e
subtítulo As raças que preponderam na formação da população santamariense foi
publicado um desses chamamentos, no qual é exposto que:
“Assimiláveis e inassimiláveis – embora saibam o português, falam o alemão
e o italiano- uma zona “italiana” na brasileiríssima Santa Maria- em Silveira
Martins, não se tem encanto por Mussolini, mas a população inteira fala o
italiano – desde o ônibus impera o italiano...Basta dois desses italianos ou
alemães se encontrarem nos cafés, nas ruas, nos clubes, para que travem,
desde logo, a língua de seu paíz (sic) de origem. Sabe tão bem quanto nós,
manejar a nossa língua, mas preferem trocar cumprimento ou palestrar numa
língua estrangeira...Todos devem saber o que isso representa para a formação
do espírito de brasilidade de que o país precisa para zelar pela sua própria
existência...Passageiros e condutores, desde que o ônibus dá o sinal de
partida e mesmo antes. Começam a falar em italiano, dando a impressão de
que o veículo corre por terras mussolinianas” (Jornal A Razão,01/01/1952,
p.3)
As crianças que iam para a escola aprendiam o português e ensinavam a seus
pais e irmãos mais velhos. Na escola, igualmente, passaram a ter aulas de História e
Geografia brasileiras e a desenvolver um sentimento de pertencimento nacional. Essa
confusão que se processou na mentalidade de muitos descendentes que possuíam idade
escolar fez com que, por meio da ideologia nacionalista repassada por aquela
instituição, levassem para dentro de suas casas um desprezo pelas origens italianas.
Vergonha que foi assimilada de diferentes formas, conforme as gerações e os
constrangimentos sofridos. Para aquelas famílias que foram expostas publicamente às
sanções, as feridas, em alguns casos, ainda não haviam cicatrizado quando de minha
pesquisa de campo. Individualmente, também, encontrei fortes ressentimentos
guardados desde aquele período. Para alguns descendentes, os fatos eram pouco
compreendidos no período e continuaram a ser fonte de questionamentos sobre por que
foram tratados daquela forma, uma vez que muitos só se preocupavam em “trabalhar e
rezar” e pouco se envolviam em política. A questão é que a repressão atingiu a todos,
indistintamente. As prisões, pelo pesquisado, atingiram somente os homens. Contudo, o
confinamento, o isolamento forçado, a violência simbólica exercida nos domínios da
privacidade atingiu a homens, mulheres, crianças e idosos.
Na coluna de Paulo Mendes, publicada no jornal A Razão, de 07/01/1943, nos
Conselhos para combater a Quinta-coluna7, é dito que os brasileiros não se
prejudicariam se aceitassem os seguintes conselhos:
“Se teu vizinho ou teu amigo mais íntimo se desinteressa pela guerra e seus
resultados, desconfia dele e vigia-lhe os passos e as palavras. Pode ser o
centro de uma conspiração perigosa.
-Desconfia e vigia todos os que, por sua forma, procurarem
inocentar as pessoas notoriamente conhecidas como partidárias da
Alemanha, Itália ou Japão.
-Procura uma forma de levar os indiferentes a emitirem opinião sobre a
guerra. Se não se pronunciarem, escreve-lhes o nome na lista negra.
-Em qualquer parte, a todas as horas, em qualquer reunião, nos
cafés, nas ruas, nos bailes, ao menos por um momento conduz a palestra
no sentido da guerra. E observa com cuidado todos os que ficarem de
boca fechada. Os que ficarem calados ou abandonarem o recinto podem
ser envenenadores da opinião ou elementos destinados a amolecer as
nossas energias para a luta... (Mendes, 07/01/1943, p.2).
Esse era o clima de tensão vivido naquele período histórico. Das páginas do
jornal local transparecia um discurso nacionalista corrente e formalizado através do
aparato policial. E quem seriam os inimigos? Aqueles que potencialmente tivessem
simpatia pelos países do Eixo, tal como os imigrantes e descendentes de italianos,
alemães ou japoneses. O mesmo jornalista, na data de 08/01/1943, declara que:
“Ainda ontem um amigo me dizia: “Não há lugar no Brasil onde a Quintacoluna tenha sido tão impiedosamente combatida como em Santa Maria. E,
não há lugar no Brasil onde a Quinta-coluna mais tenha resistido. Aqui esse
mal tem as semelhanças do pão de ló: quando mais se bate, mais cresce...E
talvez esse meu amigo tenha razão” (Mendes, 08/01/1943, p.2).
77
“Quinta-coluna” era a denominação atribuída pelos nacionais aos simpatizantes dos países do
Eixo. Eles eram, igualmente, associados à imagem da serpente.
Os acontecimentos permaneceram nas memórias individuais e familiares e,
quando de meu trabalho de campo, muitos foram os relatos que ouvi, seja de
acontecimentos vividos, presenciados ou narrados através de gerações. Do que mais
falavam eram as prisões ocorridas e o “quebra-quebra” de agosto de 1942, no centro de
Santa Maria. Uma informante ainda lembrava-se do perfume que dominava o ambiente
naquele dia, pois uma loja de alemães que comercializava artigos de beleza fora
invadida e depredada.
O que me importava era compreender como aquela experiência histórica havia
interferido na noção de pertencimento italiano. O que observei é que os imigrantes e
descendentes de italianos, visando a ascender socialmente e ressentidos dos
acontecimentos, “aceitaram relativamente” as regras impostas pelo Estado Novo.
Contudo, nos domínios domésticos havia uma certa resistência que se verificava no fato
de continuarem a falar os dialetos na intimidade, de manterem suas formas tradicionais
de alimentação, de vestimenta etc... No entanto, o receio de que poderia haver alguém
“ouvindo atrás das portas” era grande. A tensão havia invadido os domínios privados,
da casa. E essa tensão fez com que os pais fossem os repressores de filhos e que os
filhos que iam à escola, por sua vez, fossem os transmissores da brasilidade para dentro
dos lares italianos. As gerações que se seguiram somaram a esse sentimento o de que o
colono era alguém “atrasado”, “rude” e “da roça”. Em, um Brasil que se industrializava
e que passava a ter nas cidades um pólo gerador de padrões comportamentais e
estéticos. Porém, a vontade de fazer com que a italianidade fosse visibilizada
positivamente e publicamente estava lá.
A Ítalo-brasilidade renegociada
Contudo, na década de 70 do século passado, quando dos festejos, em nível
nacional, para o Centenário de comemoração da Imigração Italiana, muitos
descendentes, já bem posicionados economicamente e socialmente, fizeram um trabalho
discursivo novo acerca da italianidade, positivando-a. Os elementos para tal construção
foram buscados nas sagas migrantistas, no empreendorismo dos pioneiros e no
progresso e civilização que teriam levado às regiões de migração, aliados ao padrão
moral do “italiano”, tido como “gente de bem”, trabalhador, religioso e apegado à
família.
Esse movimento teve seus reflexos em Santa Maria que, já em 1985, criou sua
primeira entidade italiana, a qual, posteriormente, em 1991, converteu-se na Associação
Italiana de Santa Maria (AISM). De lá para cá e por meio das dinâmicas desse tipo de
movimento, as italianidades locais têm sido reconstruídas e negociadas. Nesse processo,
muitos agentes interétnicos têm desempenhado um papel importante, bem como os
intercâmbios com os governos regionais italianos que têm promovido uma rede de troca
importante em nível local. A criação dos Circolos (lombardo, vicentino, veneto, da
Emiglia-romana etc...) tem desempenhado um papel importante na fomentação de uma
nova reconstrução identitária particularizada. Contudo, os indivíduos não abandonam a
adscrição generalista de italianos, mas começam a se denominar mais particularmente:
“sou feltrino”, “sou mantovano”, “sou vicentino”. E essas reivindicações passam a ser
acionadas nos mercados simbólicos locais. Junto a cada uma delas, reside uma série de
sinais diacríticos formadores da tipologia ideal de cada “origem” específica. A
convivência dos descendentes de muitos desses circolos se dá no interior da Associação
Italiana de Santa Maria, o que promove, em muitas situações, como observei em meu
trabalho de campo, brincadeiras e ironias de uns para com os outros. No entanto,
dividem o mesmo prédio, a mesma estrutura administrativa e a mesma diferenciação em
relação aos que não seriam “italianos” nas origens.
A italianidade, a partir das últimas décadas do século passado, mediante o
trabalho de valorização promovido pelos agentes interétnicos em nível estadual,
regional e local, fez com que os descendentes redimensionassem sua noção de
pertencimento. Esta noção de origem passou a ser positivada através da trajetória
construída sobre si mesmos, desde a travessia, do pioneiro, do colonizador até os dias
atuais, quando muitos, já bem situados socialmente e economicamente podem elaborar
uma discursividade nova sobre os itinerários dos migrantes, seus antepassados. Ou seja,
a trajetória daqueles indivíduos que, idealmente, fizeram a si mesmos, civilizaram as
localidades para onde foram destinados e conseguiram, apesar das adversidades
enfrentadas, manter coesa suas estruturas familiares e morais. São estes os valores que
se agregam aos indivíduos quando eles elaboram um “discurso sobre si” (cfe.Bourdieu,
2000, p.189) baseado na italianidade. Os aspectos negativos, se houveram, são omitidos
ou reinterpretados à luz das novas situações sociais.
Quais
são
os
sinais
diacríticos
relevantes
no
empreendimento
reivindicador?
Tenho defendido a idéia de que não há uma só italianidade, mas sim
italianidades distintas, que se processam diferentemente de acordo com o contexto no
qual os imigrantes se inseriram. As italianidades também são entrecortadas pela posição
de classe dos indivíduos, pelo gênero, instrução e pela origem urbana ou rural, entre
tantos outros elementos. Enfim, aliada a uma construção coletiva de pertencimento, há a
elaboração de uma trajetória individual patrocinada pela origem. Além disso,
compreendo que, na contemporaneidade, a reivindicação de uma noção de
pertencimento étnico como a que tem ocorrido entre os descendentes de imigrantes
italianos da região central do estado deve ser entendida como a elaboração de um
“discurso sobre si”. A italianidade não reforçaria necessariamente a noção de um “nós”
coletivo, mas fortaleceria a idéia de trajetória individual pela reconstrução do passado
imigrantista assentado na figura dos antepassados. É no mito de origem patrocinado
pela travessia que o descendente busca e inicia sua saga de “imigrante italiano”. É muito
comum se ouvir: “Você é descendente de quem?” E a resposta: “Eu sou descendente do
antepassado Pio, Pietro, Paolo, Giovanni”. Dessa partida individual, soma-se o
sobrenome que passa a agregar os iguais “no sangue” que, mais amplamente, alcança a
noção de “raça”.
Contudo, para além das distintividades internas à italianidade, a noção de
“brasileiro” designa aquele que tem outra origem. O que significa ser brasileiro? O
brasileiro é, em termos gerais, aquele com quem o “italiano” contrasta para se
autodefinir. Considerado menos trabalhador e religioso que aquele, é a este que muitas
críticas valorativas são dirigidas. Os principais sinais diacríticos adviriam do encontro,
em nível local, dessas duas grandes categorias. Posteriormente, passaram a entender que
os brasileiros também não teriam o mesmo compromisso que eles têm com relação à
família enquanto instituição. Após o período do Estado Novo, considero que noção de
ítalo-brasilidade foi trabalhada de forma mais positiva entre os descendentes. Antes, ela
já existia entre os imigrantes e seus descendentes, contudo, de forma diferenciada. Foi
após as tensões daquele período que se definir brasileiro passou a ser uma necessidade
de sobrevivência social e econômica. A brasilidade foi em grande parte positivada pelos
atributos advindos da terra que lhes patrocinara a condição de proprietários e a fartura
nas mesas. Fartura esta que se tornará um grande sinal adscritivo em relação aos demais
brasileiros. A concepção de que os italianos e seus descendentes comiam muito e bem,
em verdade, foi alicerçada no processo colonizador. Os relatos acerca dos emigrados
narram as difíceis situações em que viviam na Itália. Não havia fartura. A comida se
tornou, em solo brasileiro, uma fronteira adscritiva importante. Além disso, os
alimentos que, no Brasil, passam a fazer parte de uma culinária italiana não
necessariamente estavam no mundo da cultura de origem italiana. Eles foram
ressemantizados. Assim como ocorreu com a polenta, com a sopa de capeletti, com o
galeto e outros alimentos que sofreram trocas com o universo brasileiro: novos
temperos, novos cozimentos, novas texturas. Contemporaneamente, por meio da
atuação dos Circolos e dos intercâmbios constantes com as regiões italianas, há uma
nova culinária local surgindo, que introduz elementos mais sofisticados na cozinha. Para
além de uma cozinha imigrante camponesa, ela traz porções menores, mistura de
sabores e utilização de vegetais e verduras que não constavam tradicionalmente na
cozinha local, mas que estão sendo incorporados como “da tradição” e no gosto.
A religião, da mesma forma, é utilizada largamente como um símbolo adscritivo,
todavia, em meu trabalho de campo, observei que ela serve, algumas vezes, mais como
um diferenciador tipológico do que algo que se observe na prática ritualizada. A
autodefinição de católico é ainda importante e, nas trajetórias do mundo camponês, as
referências à religiosidade praticante são ainda bastante fortes. Contudo, diria que ela
serve mais como um delimitador valorativo de pertencimento, no sentido de que o
“italiano” é cristão e possui uma carga disciplinar pautada no catolicismo, do que como
prática institucional. A prática ritual, em muitos casos, é decrescente, como o terço
diário, a ida à missa todos os domingos, a confissão etc... Entre os jovens,
especialmente, há uma resistência à vivência de um catolicismo mais punitivo.
Há que se considerar, entretanto, que, como já salientei anteriormente, a
italianidade é invocada a partir do sujeito que elabora um “discurso sobre si”, no qual
esta assume um valor positivo. Portanto, não se deve esquecer que a reivindicação desse
tipo de pertença passa pelos crivos da classe social, do nível de instrução, do gênero, da
localidade de onde provém o descendente (se rural ou urbana), entre outros.
A
identidade étnica, dessa forma, permite que o indivíduo elabore uma discursividade
sobre si, em que os elementos afetivos e simbólicos possuem um peso bastante forte.
Elementos que são retirados do mundo dos antepassados, que passam a ser tratados
como algo “sagrado”, portador de uma força significativa extremamente forte, de mana
(cfe.Mauss,1974, p.138). O passado adquire sentido na medida em que é compartilhado
no presente e utilizado como um “guia para a ação”. Porém, não se deve esquecer do
processo coletivo que envolve a partilha do passado, como mostra Santos (2002, p.42),
em seu estudo na cidade de Caxias do Sul, onde, segundo a autora,
a próspera
burguesia industrial local se apropriou da Festa da Uva e a utilizou como elemento de
afirmação de identidade étnica de italiano.
Onde está a origem de pertencimento num mundo globalizado?
Pode-se dizer que, entre os descendentes de italianos por mim pesquisados, a
origem italiana é uma marca que, segundo eles, encontrar-se-ia, de forma essencialista,
nos indivíduos. Contudo, antropologicamente, considero importante observar a
manipulação desse pertencimento, ou seja, quando, partindo do essencialismo, os
indivíduos negociam posições e distinções sociais clivadas pela origem. Por que nem
sempre consideram interessante se auto-denominarem italianos? Em que momentos
acionam essa classificação? Por quê?
Onde estaria essa origem? A noção de sangue, marco biológico e simbólico, é
algo muito forte nas discursividades das origens. Origem esta que começa na travessia.
Travessia por mim compreendida como o processo que se inicia nas condições que
propiciaram e findaram por permitir a migração. Ela começa na Itália e finda aqui,
quando se dão conta de que, de emigrados, tornaram-se imigrantes, seres em ruptura. As
narrativas locais acerca dos antepassados começam, na maior parte das vezes,
localmente. O passado italiano, para alguns incerto, é simplesmente o ponto de partida
da saga dos migrantes. Esse eixo discursivo proporcionado pelo processo de construção
das memórias é usado como elemento diferenciador do brasileiro comum, indistinto. O
antepassado, aquele partindo do qual a saga familiar é contada, veio de lá, em
contraposição aos daqui.
A travessia, mito fundador das origens, é marcada de imagens, sons, tons,
ganhos e perdas. Ela, narrada de diferentes formas, percorre os imaginários do processo
migratório como uma lembrança nostálgica: Por que teriam saído da Itália? Como
teriam saído? Quem e como eram os antepassados? Por quais dificuldades passaram?
Acompanhei, através de narrações, muitas travessias. Viajamos também, eu e meus
informantes, naquele universo proporcionado pelas memórias, memórias que adquiriam
sentido ali, quando a mim estavam sendo narradas.
Atualizadas por meio dos encontros familiares, das entidades, dos programas de
rádio, de novelas, nas missas, nas procissões, nas casas, essa forma narrativa é
acompanhada de uma forte carga emocional proporcionada pelas memórias dos
descendentes. Compreendo que o itinerário das origens permite aos
indivíduos
refazerem laços, físicos, sociais e simbólicos, e muito da força desse tipo de
reivindicação étnica encontra aí sua morada. Processo maior que denominei de
“construção de memórias”, patrocinado pelos agentes interétnicos locais e pelo desejo
dos descendentes de elaborarem um discurso sobre si baseado na italianidade, no
pertencimento à cultura de origem italiana.
Quem são os agentes interétnicos locais?
No início de minha pesquisa de campo, em 1997, visualizava alguns agentes
interétnicos localmente: escritores, religiosos, membros das entidades italianas, artistas,
comerciantes, professores universitários, entre outros. Contudo, após alargar minhas
redes de relações, observei que há agentes interétnicos em diversos níveis. Alguns
possuem as discursividades das entidades italianas, outros não. Promovem a adoração
aos antepassados como uma forma de manter vivos laços familiares em pequena escala.
Compreendo que ambos estão fortalecendo e ajudando a refazer as noções de
pertencimento local. Quanto mais eu me inseria em domínios domésticos, mais eu
observava a força deste sentimento, pois nele se inseriam laços duradouros e
extremamente carregados de afetividade. Não seria a Itália o alvo principal de adoração,
mas sim as redes de relações que a noção de origem trilhava: casa, terra, pais, mães,
nonnos, nonnas, bisnonnos, bisnonnas, tios, tias, irmãos... A italianidade refazia, por
meio da narrativa sobre si, um elo de pertencimento que, para além de um sentimento
coletivo, elevava sentimentos de menor alcance como o orgulho de ser membro de
determinada família, de possuir tal sobrenome e poder agregar tais sagas às suas
próprias imagens individuais.
Considerações finais
Poderíamos dizer que a ítalo-brasilianidade é trabalhada positivamente e
pragmaticamente uma vez que os descendentes, em sua maior parte, não teriam desejo
manifesto de viver na Itália, o que cultivam é uma distintividade que tem
operacionalidade aqui, no universo brasileiro. Observei, em minha pesquisa de campo,
que o desejo de permanecer por mais tempo na Itália estava mais presente entre os
jovens, porém, muitos salientavam que estavam indo para lá simplesmente com o
intuito de estudar e poder voltar mais capitalizados para o Brasil. Designar-se “italiano”
fazia mais sentido aqui, na medida em que se acionam positividades que se agregavam
às suas identidades individuais e denotam determinado estilo de vida. A Itália
imaginada e cultivada é aquela dos antepassados, não necessariamente a Itália industrial
contemporânea. Muitas das memórias com as quais trabalhei remetiam ao universo
camponês de um mundo que foi remodelado nas colônias. Não seria a Itália de hoje.
Era,antes, a Itália mentida nos imaginários locais e nostalgicamente sentida.
Dessa forma, reivindicar italianidade no Brasil fazia parte de um processo de
negociação identitária que promoveria distinção (cfe.Bourdieu, 1998), uma vez que os
descendentes, idealmente, agregam a si mesmos valores positivos traçados através dos
itinerários migrantistas. Ao assumirem a italianidade como uma opção e um estilo de
vida, incorporavam também, valorativamente, a saga dos antepassados que, pioneiros,
teriam “civilizado” e desenvolvido suas regiões de colonização.
BIBLIOGRAFIA
BARTH, Frederik. Os grupos étnicos e suas fronteiras. IN: LASK, Tomke. O guru, o
iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria,
2000. p.25-67
BOURDIEU, Pierre. Pierre Bourdieu: sociologia. In: Ortiz, Renato (org). Pierre
Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983.
_________________. A ilusão biográfica. IN: FERREIRA, Marieta de Moraes e
AMADO, Janaina. Usos e abusos da História Oral. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV,
2000.
_________________. O Poder simbólico. 2 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
A nacionalisação (sic) do ensino no estado. A Razão, Santa Maria, 15 abr.1941.
DE BONI, Luis A. E COSTA, Rovílio. Os italianos do Rio Grande do Sul. 2 ed. Caxias
do SUL: EST; Porto Alegre: Vozes, 1982.
DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins
Fontes, 1996.
Fugiu ontem o único súdito do Japão que vivia em Santa Maria. A Razão, Santa Maria,
19 mar.1943.
HOBSBAWN, Eric e RANGER, Terence (org). A invenção das tradições. 2 ed. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1997.
LORENZONI, Julio. Memórias de um imigrante italiano: Porto Alegre: Sulina, 1975.
MARCUS, George. Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para
etnografias sobre a modernidade no final do século XX ao nível mundial. Revista de
Antropologia, São Paulo, v.34, p.197-221, 1991.
MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. Vol II, São Paulo: EPU, 1974.
MENDES, Paulo. A obra envolvente da Quinta-coluna. A Razão, Santa Maria, 08
jan.1943.
MENDES, Paulo. Conselhos para combater a Quinta-coluna. A Razão, Santa Maria, 07
jan.1943.
POZZOBON, Zolá Franco. Uma odisséia na América. Caxias do Sul: EDUCS, 1997.
SANTOS, Miriam de Oliveira. Marcando diferenças para forjar semelhanças. Travessia,
São Paulo, ano XV, n.44, p.41-45, set-dez 2002.
SEYFERTH, Giralda. A assimilação dos imigrantes como questão nacional. Mana, Rio
de Janeiro, vol3, n.1, p.1-23, 1997.
SOCIETÀ Italiana di Mutuo Soccorso i Recreativa. A Razão, Santa Maria, 07 jan.1937.
VESCIO, Luiz Eugenio. O crime do Padre Sório: maçonaria e Igreja Católica no Rio
Grande do Sul 1893-1928. Santa Maria: EDUFSM; Porto Alegre: EDUFRGS, 2001.
WEBER, Max. Economia e sociedade. Vol.1. 3 ed. Brasília: Edunb, 1994.
ZANINI, Maria Catarina Chitolina. O Estado Novo e os descendentes de imigrantes
italianos: entre feridas, fatos e interpretações. IN: DALMOLIN, Cátia (org). Mordaça
verde e amarela. Santa Maria: Palotti, 2005. p. 113-128

Documentos relacionados