Gabarito

Сomentários

Transcrição

Gabarito
ES00257801
Gabarito
Simulado de Física, Inglês, Português e Química
Física
01. Alternativa a.
No primeiro trecho: 60 . 1 = Ds 1 Þ Ds 1 = 60 km ü Ds total = 60 + 21
ý
No segundo trecho: 42 . 0,5 = Ds 2 Þ Ds 2 = 21 km þ Ds total = 81 km
vm =
Ds
Dt
vm =
81
= 54 km/h : 3,6 = 15 m/s
1,5
02. Alternativa b.
antes
depois
Q 0
Q/2 Q/2
antes
depois
Q/2 0
Q/4 Q/4
antes
depois
Q/4 0
Q/8 Q/8
03. Alternativa c.
F - fat = Fres
Þ
Þ
- fat = 6 - 14
F - fat = m . a
Þ
Þ
14 - fat = 2 . 3
Þ
fat = 8 N
04. Alternativa a.
O fenômeno que permite a observação de nossa própria imagem ao olhar para uma lâmina de vidro
transparente é a reflexão parcial da luz.
05. Alternativa e.
Adotando-se o referencial, para Epg = 0, no plano mais baixo da trajetória, a energia necessária para
o garoto conseguir vencer o desnível é dada por:
Eg = m . g . h
Þ
Eg = 50 . 10 . 0,5
Þ
Eg = 250 J
Como o sistema é conservativo (não há atritos) e o garoto havia adquirido 300 J de energia cinética,
ele consegue vencer o desnível e ainda lhe sobram Ec = 300 - 250 = 50 J de energia cinética que não
foram transformadas em energia potencial gravitacional.
06. Alternativa d.
Q1 . Q2
, portanto os dois gráficos decrescem
d2
com o aumento da distância d, e como k0 (do vácuo) é a maior constante eletrostática, concluímos
que F0 > FL .
A força elétrica é dada pela lei de Coulomb: Fel = k ×
07. Alternativa e.
Decompondo a força da vela nos eixos x e y temos:
No eixo x: Resx = 3000 - 3000 = 0
No eixo y: Resy = 5000 - 4000 = 1000 N
Fres = m . a Þ 1000 = 20000 a Þ a = 1/20 = 0,05 m/s2
08. Alternativa a.
ì p . V A = n A . R . TA
pV = nRT Þ í A
î pB . VB = nB . R . TB
Þ
Þ
2pB . 2VB = n A . R . TA
Þ Dividindo membro a membro:
pB . VB = 20 . R . 5TA
¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾
n
4 = A Þ n A = 400 moles
100
09. Alternativa b.
N
Ds = A Þ 280 =
560 = 35 v
Þ
N
a = tg a Þ a =
20 + 15
×V
2
v = 16 m/s
16
= 3,2 m / s 2
5
10. Alternativa a.
vA = v e RA = 2R ; vB = 2v e RB = R
aA =
v2
;
2R
aB =
(2v) 2
4v 2
=
R
R
Þ
aA
v2
R
1
=
× 2 =
aB
2R 4v
8
11. Alternativa c.
Quando dois corpos, não importa o tamanho, estão em equilíbrio térmico, eles estão à mesma
temperatura. E se eles estão isolados do meio ambiente não há troca de calor com o meio ambiente.
Mas os corpos estão continuamente emitindo e recebendo calor, de modo que a quantidade de
calor que cada corpo emite é igual à quantidade de calor que o mesmo corpo recebe, assim o corpo
não sofre variação de temperatura, ou seja, o saldo da quantidade de calor trocada entre os corpos é
zero. A alternativa mais adequada é a alternativa c.
2
12. Alternativa a.
F1
F
= 2
A1
A2
Þ
F
10
= 2
20
500
F2 = 250 N
Þ
13. Alternativa e.
H
2
=
15 0,60
Þ H =
30
0,60
Þ H = 50 m
14. Alternativa c.
Qf + Q q = 0
Þ
mf . c . Dqf + mq . c . Dqq = 0
60 . (35 - 20) + V . (35 - 80) = 0
Þ
Þ
900 - 45 . V = 0
d . Vf . Dqf + d . Vq . Dqq = 0
Þ
V = 20 l
15. Alternativa d.
Um ângulo de 30º com a superfície significa um ângulo de 60º com a normal à superfície.
Um ângulo de 60º com a superfície significa um ângulo de 30º com a normal à superfície.
nar . sen î = nlíq . sen r
Þ
1 . sen 60º = nlíq . sen 30º
Þ
3
1
= nlíq ×
2
2
nlíq = 3 = 1,73
16. Alternativa d.
Imagem projetada deve ser real. Apenas espelhos côncavos e lentes convergentes fornecem, de um
objeto real, uma imagem real e ampliada. Como não há alternativa com espelho côncavo, resta a
lente convergente.
17. Alternativa a.
A balança marca a força com que o corpo se apoia nela, ou seja a normal N.
Fel = k . x
N + Fel = P
Þ
Þ
Fel = 20 . 0,2 = 4 N
N+4=5
Þ
N=1N
3
18. Alternativa b.
Emec A = Emec B
m . g . hA = m . v2/2
10 . 5 . 2 = v2 Þ
19. Alternativa d.
Para o corpo A:
Na altura h: EA = mA . g . h + mA . v2/2
No solo:
EA = mA . vA2/2
Para o corpo B:
Na altura h: EB = mB . g . h + mB . v2/2
No solo:
EB = mB . vB2/2
v2 = 100
Þ
v = 10 m/s
ü mA . g . h + mA . v2/2 = mA . vA2/2
ï
ý
2
2
ï 2gh + v = vA
þ
ü mB . g . h + mB . v2/2 = mB . vB2/2
ï
ý
2
2
ï 2gh + v = vB
þ
Portanto vB = vA .
20. Alternativa a.
tres = DEc
4
Þ
0
F . d . cos q = Ec final - Ec inicial
Þ
8 . 4 . 1 = Ec final
Þ
Ec final = 32 J
Inglês
21. Alternativa a.
O texto fala sobre lavagem de dinheiro feita pelos mafiosos.
22. Alternativa b.
Esta alternativa reúne as asserções II, III e IV, as quais explicam como a Mafia tem conseguido fazer a
"lavagem" do dinheiro ganho ilegalmente. Menciona-se também que o controle complacente nas
fronteiras facilita a entrada e saída destas obras de arte.
23. Alternativa e.
O tom do texto é franco, direto.
24. Alternativa b.
O tempo verbal da sentença é Past Perfect (had+ past participle).
25. Alternativa c.
A palavra "flattered" pode ser traduzida por "lisonjeada" ou "orgulhosa". É como ela se sente pois as
pesquisas mostraram que ela deve vencer os Republicanos.
26. Alternativa c.
Esta alternativa menciona a inferência II, a qual fala sobre rumores não desmentidos, dando a
entender que ela realmente se candidatará. A inferência IV nos faz acreditar que ela seja
Nova-iorquina, pois a última sentença do parágrafo diz que enquanto ela está lá, os Democratas não
estarão a procura de um(a) Nova-iorquino(a).
27. Alternativa c.
O verbo modal "might" expressa possibilidade, probabilidade e "make a bid" significa candidatar-se,
pleitear uma vaga, etc.
28. Alternativa c.
Não se esqueça de que quando é necessário descobrir o sujeito, o verbo da pergunta deve estar
sempre na 3.a pessoa do singular.
Exemplos:
Graduate students are often required to write long papers.
Who is often required to write long papers?
Many movie fans consider "Casablanca" one of the greatest films ever.
Who considers "Casablanca" one of the greatest films ever?
Fashion designers have said that appearance is important.
Who has said that appearance is important?
5
29. Alternativa d.
Quando um "negative adverbial" (never, seldom, rarely, not only, etc.) é usado no início de uma
sentença para enfatizar a idéia, é necessário usar um verbo auxiliar e inverter a posição do sujeito.
Exemplos:
Travelers should never leave their luggage unattended.
Never should travelers leave their luggage unattended.
(never + auxiliar + sujeito + verbo principal)
Serious businessmen are hardly ever late for appointments.
Hardly ever are businessmen late for appointments.
(hardly ever + verb to be + sujeito)
Parents seldom supervise their children.
Seldom do parents supervise their children.
(seldom + auxiliar + sujeito + verbo principal)
30. Alternativa c.
The paragraph does not talk about technology as such, but about the ethical questions which are
brought about by the fast changes in technology.
31. Alternativa a.
The main idea is found in the last sentence of the paragraph.
32. Alternativa d.
In the very beginning, the sender of the letter praises someone (Nadya Labi) for the article she had
written last November - ... applause should be given to... - , but he takes the opportunity to criticize
parents as well.
33. Alternativa d.
… uma fita gravada logo após o acidente... que pegou um representante da El Al dizendo que
"explosivos" e "veneno" estavam a bordo.
34. Alternativa b.
Somente os veteranos da guerra do Golfo já tinham apresentado os mesmos problemas respiratórios
e outros sintomas apresentados pelos residentes de Amsterdam e pelos membros das equipes de
resgate.
6
Português
35. Alternativa d.
A afirmação na alternativa d está totalmente equivocada. Percebe-se claramente no texto
que o governador de Minas agiu de forma totalmente irresponsável ao não pagar suas dívidas.
36. Alternativa b.
A escravidão é considerada no panfleto liberal "abominável" (detestável), na análise de
Nabuco, motivo de humilhação, vergonha para os brasileiros: "Se isso [o assunto escravo] ofende o
estrangeiro, como não humilha o brasileiro!".
37. Alternativa c.
"Tísico" refere à pessoa que tem tuberculose na fase em que a doença já é crônica e a
febre, constante. Ser "tísico profissional" significa ser essencialmente um doente, isto é, o poeta julga
ter exercido o ofício (profissão) de tuberculoso.
38. Alternativa b.
Embora todas as alternativas refiram-se a dados que efetivamente estão no texto, a
alternativa b é a única que apresenta a síntese da idéia central do texto: atividades industriais causam
impactos nocivos ao meio ambiente.
39. Alternativa c.
"Grandes indústrias e impactos industriais" seria um título adequado para o texto de
Samuel Murgel Branco, pois sintetiza a idéia central do texto. As demais alternativas fazem referências
acessórias ou são exemplos particulares, não sendo, portanto, adequadas para um título de um texto
informativo.
40. Alternativa a.
A benevolência para com o escravo relaciona-se ao humanitarismo que identificamos na
palavra "filantropia".
41. Alternativa e.
A preposição "por" introduz um agente da passiva: "toda aquela gente".
42. Alternativa b.
Há na alternativa palavras de mesma grafia: um verbo e depois um substantivo.
43. Alternativa d.
Na frase original há uma relação de causa e conseqüência que não ocorre na alternativa
d, que expressa uma concessão.
7
44. Alternativa d.
A forma "houvera" (mais-que-perfeito do indicativo) foi substituída pelo
mais-que-perfeito do subjuntivo porque:
· a conjunção se expressa hipótese, pedindo o emprego do subjuntivo e
· o texto remete a um passado anterior ao que está descrito: portanto pretérito-mais-que perfeito.
45. Alternativa c.
O sentido expresso pela conjunção nos dois caso é o de "condição".
46. Alternativa c.
O que anula as demais opções:
a. eminente e não iminente.
eminente significa "grande", "ilustre"; iminente tem o sentido de "próximo", "prestes a acontecer".
b. esplendor e não explendor.
beneficente e não beneficiente.
praxe e não prache.
d. Ressuscitar e não Ressucitar.
e. digladiam e não degladiam
privilegiam e não previlegiam.
47. Alternativa b.
a.
c.
d.
e.
em cujo quintal brincávamos.
com quem (ou com o qual) ninguém simpatizava.
de quem (ou do qual) a maioria desconfiava.
Os ideais por que (ou pelo qual ansiamos).
48. Alternativa a.
As relações não apresentadas no texto são:
exclusão: exclusive menos, exceto...
explicação: pois, isto é, ou seja...
oposição, contraste ou adversidade: mas porém, todavia...
alternância: ou, ora... ora...
retificação: aliás, ou melhor...
49. Alternativa d.
O termo "trégua", precedido do demonstrativo "essa", refere-se a "fase menos aguda".
50. Alternativa c.
Para que se tenha uma oração na voz ativa, o sujeito deve ser agente da ação. É o que
ocorre na frase "a tradição assegura (um valor)". As frases das alternativas a, d e e estão na voz
passiva; a frase da alternativa b traz "a tradição" como objeto do verbo "assegurar".
8
51. Alternativa b.
"D. Plácida acabaria como tantas outras criaturas humanas" anuncia um fatalismo típico
da fase realista e que podemos constatar ao longo de todo o trecho destacado onde a consciência do
narrador o acusa de oportunista ao submeter D. Plácida, figura pobre e carente, "a um papel torpe",
"à custa de obséquios e dinheiros".
Trata-se do momento em que Brás Cubas, depois de escolher D. Plácida para cuidar da
casa onde os amantes manteriam seus encontros secretos, sente-se constrangido por um
questionamento que condena sua atitude. Mas, afinal, acaba por tranqüilizar a consciência ao criar
um jogo lógico com as palavras e pensamentos.
52. Alternativa c.
Os termos "águia" e "pavão" constituem metáforas que simbolizam a obstinação,
coragem e poder de Lobo Neves e a vaidade superficial, ornamental de Brás Cubas que não manifesta
capacidade em concretizar planos, "alçar vôos".
53. Alternativa d.
A interferência do narrador cria um momento digressivo (um desvio na narrativa) em que
o narrador avalia e explica o comportamento de Virgília, por meio de uma analogia "águia"/ "pavão"; e
por meio de um pensamento que sintetiza a reflexão de Brás Cubas: ao contrário das patas do cavalo
de Átila, os seus beijos fecundam, criam vida.
54. Alternativa d.
A seqüência correta é: F; V; V; F. A afirmação II é falsa, pois os sentimentos não superam
o interesse por posição social e econômica. A afirmação IV é incorreta, pois Brás Cubas desencanta-se
com Eugênia por esta ser coxa.
55. Alternativa a.
Ao afirmar que O guarani não é de sua autoria, sendo apenas transcrição de um antigo
manuscrito, José de Alencar confere à ficção valor documental o que simula uma situação de maior
credibilidade aos fatos extraordinários que irá narrar.
56. Alternativa b.
Sendo tratado como "rei", "bárbaro inculto" e "criança singela", Peri é ambiguamente
caracterizado: a majestade do indígena não pode ultrapassar a nobreza de D. Antônio, sua força não
pode se opor aos brancos, sua sagacidade intuitiva não pode colocar em dúvida a superioridade da
cultura letrada.
57. Alternativa c.
Não há dissimulação no trecho; o narrador compara a situação de Fabiano na cidade
com seus hábitos no sertão. Com isso, relativiza a importância da roupa como causa da sensação de
opressão que sufoca o personagem. Apesar de também na catinga Fabiano usar uma roupa que lhe
impede os movimentos, lá ele está em seu ambiente e não se sente subjugado como ocorre na
cidade.
9
58. Alternativa a.
O poema ressalta a idéia de que os processos de mecanização, os artefatos tecnológicos
colaboram para a criação de um mundo sem sentido, pois auxiliam as atividades mais supérfluas e
não resolvem os problemas centrais da vida humana.
59. Alternativa d.
Todo o trecho apresentado, embora apresente verbos em terceira pessoa, expressa uma
opinião do personagem, como se tentasse reproduzir seu pensamento; trata-se, portanto de discurso
indireto livre.
60. Alternativa a.
1. "E sons soturnos, suspiradas mágoas, / Mágoas amargas e melancolias": aliteração (consoante "s") e
assonância (vogal "u"); sinestesia em "sons soturnos" (audição + visão);
2. Atmosfera diáfana, nebulosa: "sobe em nuvens de fumo"; a causa da tristeza parece indefinida:
"tristeza ociosa", "Como ave sem rumo";
3. O eu lírico confessa que não compreende o segredo, que desafia seu olhar: "Cansei-me de tentar o
teu segredo", "O meu olhar quebrei (...) / Como a onda na crista dum rochedo";
4. A desilusão causa indiferença frente à vida e chega a impedir a capacidade de sonhar: "Em meu
peito reinava a fria indiferença; / Tinha descarrilado o vagão dos meus sonhos".
10
Química
61. Alternativa a.
A água sofre redução de acordo com a equação incompleta:
+1
0
H2O ¾® H2
redução
A amônia (NH3) sofre oxidação formando NO de acordo com a equação incompleta:
-3
+2
NH3 ¾® NO
oxidação
O dióxido de nitrogênio (NO2) sofre desproporcionamento (auto-oxidorredução), formando NO e
HNO3 de acordo com a equação incompleta:
+4
+2
+5
NO2 ¾® NO + HNO3
redução
oxidação
62. Alternativa e.
Três gases incolores X, Y e Z são identificados determinando-se algumas propriedades:
I.
Solubilidade em água:
X possui alta solubilidade em água, é uma substância polar: SO2 (H2 e He são apolares, pouco
solúveis em água)
II.
Reação com oxigênio na presença de catalisador:
Z não reage com oxigênio, é o gás nobre He. H2 e SO2 reagem com oxigênio produzindo H2O
e SO3 respectivamente.
III.
Reação com solução aquosa de uma base:
SO2 reage com base, pois é óxido ácido.
H2 e He não reagem.
Portanto:
X é SO2 , Y é H2 e Z é He
11
63. Alternativa b.
Pela Hipótese de Avogadro, volumes iguais de gases diferentes, nas mesmas condições de
temperatura e pressão, apresentam o mesmo número de moléculas:
n x = nCH4
m CH4
mx
=
Mx
MCH4
0,88 g
0,32 g
=
Mx
16 g/mol
M x = 44 g/mol
Seja NxOy a fórmula do óxido. Admitindo-se apenas um átomo de nitrogênio e um átomo de oxigênio
na fórmula, teremos como massa molar (14 + 16) g/mol = 30 g/mol.
Como a massa molar do óxido é 44 g/mol, a diferença entre essa massa e a citada acima será
(44 - 30) g/mol = 14 g/mol.
Essa massa corresponde a mais 1 mol de átomos de nitrogênio.
Portanto, a fórmula molecular do óxido é N2O.
O vestibulando poderia determinar as massas molares de cada gás citado nas alternativas.
MNO = 28 g/mol
MN2O = 44 g/mol
MNO 2 = 46 g/mol
MN2O 3 = 76 g/mol
MN2O5 = 108 g/mol
64. Alternativa b.
Na primeira experiência a massa de ferro que reage é:
40 g - 12 g = 28 g
Aplicando a Lei de Proust temos:
ferro
bromo
28 g — 120 g
7g —
y
Þ
y = 30 g
\
A fórmula do brometo de ferro é:
Fe
28 g
56 g/mol
Br
120 g
80 g/mol
Fe
0,5 mol
0,5 mol
Br
1,5 mol
0,5 mol
FeBr3
12
40 g - 30 g = 10 g
\
x = 10 g
65. Alternativa b.
Na nascente a concentração de O2 dissolvido é máxima, pois não há poluição. Na cidade, devido à
poluição, a concentração de oxigênio diminui, pois o O2 é consumido. Continuando o percurso até o
mar, por regiões não-poluidoras, a concentração de oxigênio dissolvido é regenerada.
66. Alternativa b.
67. Alternativa c.
A massa de H3PO4 (ácido fosfórico) será dada por:
24,5 ton solução — 100%
x
—
80%
x = 19,6 ton de H3PO4.
A equação da reação de neutralização com óxido de cálcio (CaO) será:
2 H3PO4 + 3 CaO ® Ca3(PO4)2 + 3 H2O
2 mols
3 mols
2 (98 g)
3 (56 g)
19,6 ton
y
y =
19,6 ton . 3 . 56 g
= 16,8 ton
2 . 98 g
68. Alternativa c.
Em 1,0 L do refrigerante temos 3,0 g de CO2 dissolvido. O volume aproximado de CO2 liberado (30ºC
e 1 atm) será calculado pela seguinte relação:
44 g — 25 L
3,0 g —
x
x = 1,7 L
13
69. Alternativa e.
As moléculas de água se mantêm fortemente unidas por meio de interações do tipo ligações de
hidrogênio.
70. Alternativa c.
Melhor processo que representa uma expansão isotérmica (aumento do volume a temperatura
constante) é a alternativa c, pois a pressão e o volume são grandezas inversamente proporcionais.
71. Alternativa c.
Cálculo do número de moléculas em 3,66 x 10-8 g de 2-feniletanol:
122 g — 6,0 x 1023 moléculas
3,66 x 10-8 g — x moléculas
x = 1,8 x 1014 moléculas
Cálculo do número de moléculas por litro de água:
1,8 x 1014 moléculas — 1 x 106 litros de água
y
— 1 litro
y = 1,8 x 108 moléculas
72. Alternativa b.
Podemos montar a seguinte relação:
1 mol de AuCl3 . 2 H2O — 1 mol de Au
¯
¯
342,5 g ¾¾¾¾¾¾¾ 200,0 g
68,50 g ¾¾¾¾¾¾¾
x
x = 40,00 g
73. Alternativa e.
A operação I pode ser uma decantação ou uma filtração, pois são métodos de separação de misturas
heterogêneas do tipo sólido-líquido. A operação II é uma destilação simples, pois é um método de
separação de misturas homogêneas. O líquido W é uma mistura homogênea, pois o ponto de
ebulição não é constante, então concluímos que a mistura heterogênea S é formada, no mínimo, de
quatro componentes, sendo dois sólidos e dois líquidos.
14
74. Alternativa a.
O sal que constitui a carapaça da concha é o carbonato de cálcio (CaCO3) que, ao ser colocado em
ácido clorídrico, sofre reação segundo a equação:
CaCO3 (s) + 2 HCl (aq) ® H2O (l) + CO2 (g) + CaCl2 (aq)
75. Alternativa e.
Utilizando os resultados das experiências 2 e 1, observamos:
[S2O32-]
2
0,125
1
0,250
velocidade
2,0 . 10-2
dobra
4,0 . 10-2
dobra
Teremos: v = k [S2O32-]
Utilizando as experiências 5 e 4 observamos:
[H+]
5
1,2
4
2,4
velocidade
4,0 . 10-2
dobra
4,0 . 10-2
não muda
A velocidade da reação independe da concentração de íons H+.
76. Alternativa e.
mol
, de cargas positivas e negativas é igual a zero, portanto, teremos:
L
mol
mol
= 0 Þ x = 0,60
[ 0,10 ( +1) + 0,15 ( +2) + 0,20 ( +3) + 0,20 ( -2) + x ( -1) ]
1
424
3 1424
3 1424
3 1424
3 123 L
L
21+
2+
3+
A soma das concentrações, em
H
Mg
Fe
SO 4
Cl
77. Alternativa a.
Pela tabela observamos um aumento linear tanto da hemoglobina desativada e a concentração de
CO.
78. Alternativa b.
Calor absorvido pelo ferro (80%)
30000 J — 100%
x
—
80%
x = 24000 J
Aumento da temperatura do ferro
1 mol Fe — 25 J
2 mol Fe — 50 J
15
50 J — 1ºC
24000 J —
x
x = 480ºC
480ºC + 30ºC = 510ºC
79. Alternativa a.
Dividindo a primeira equação por 2, a segunda por 3, a terceira por 6 e aplicando a Lei de Hess,
temos:
Å
1/2 Fe2O3 (s) + 3/2 CO (g) ® Fe (s) + 3/2 CO2 (g)
DH = -12,5 kJ
FeO (s) + 1/3 CO2 (g) ® 1/3 Fe3O4 (s) + 1/3 CO (g)
DH = -12 kJ
DH = +7,83 kJ
1/3 Fe3O4 (s) + 1/6 CO2 (g) ® 1/2 Fe2O3 (s) + 1/6 CO (g)
¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾
FeO (s) + CO (g) ® Fe (s) + CO2 (g)
DH = -16,67 kJ
80. Alternativa d.
A equação da velocidade é v = k [NO2]2, portanto, a reação deve ocorrer em mais de uma etapa.
16