Estudo de Viabilidade

Сomentários

Transcrição

Estudo de Viabilidade
ANÁLISE DE VIABILIDADE
ECONÔMICO-FINANCEIRA
SOLICITANTE
VOTORANTIM WEALTH MANAGEMENT
OBJETO
BB PROGRESSIVO II
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
FII
RELATÓRIO No 16.834.001/0612
DATA BASE: julho/2012
SUMÁRIO EXECUTIVO
O presente trabalho de avaliação e análise de viabilidade econômico-financeira do BB Progressivo
II Fundo de Investimento Imobiliário – FII foi desenvolvido com o objetivo de subsidiar a oferta
pública secundária de cotas.
Para a análise do objeto deste estudo, foram formuladas algumas premissas básicas e pressupostos
que são fundamentais nos resultados obtidos. Estas condições descritas adiante no item específico se
não atendidas podem alterar as conclusões do estudo, representando fatores limitantes do uso do
relatório.
Com base nos dados referidos, nas informações e premissas fixadas e de acordo com os critérios
usuais de análises econômico-financeiras desenvolvidas ao longo deste trabalho, estimamos os
seguintes indicadores e conclusões:
Cenário 1: Sem o ajuste pela desvalorização da moeda em função do reajuste anual dos alugueis e
sem receita financeira sobre as reservas em caixa.
Valor Econômico do FII (“Fair Value”)
R$ 1.614.799.944,00
Cenário 2: Com o ajuste pela desvalorização da moeda em função do reajuste anual dos alugueis e
com receita financeira sobre as reservas em caixa.
Valor Econômico do FII (“Fair Value”)
R$ 1.630.829.875,00
2
Com relação a Taxa de rendimento sobre o custo de investimento (“Yield on cost”) a expectativa é
que os resultados apresentem a evolução abaixo para o cenário consolidado do investidor original e
dos novos cotistas:
Ressaltamos que os indicadores e valores estimados neste estudo estão vinculados às condições
econômicas dos negócios e aos cenários construídos para essa simulação, devendo o usuário deste
laudo analisar estes resultados em conjunto com as condições, premissas e pressupostos fixados nos
modelos de projeção dos fluxos de caixa que fazem parte integrante deste trabalho. O relatório
deverá ser monitorado no final dos anos seguintes para reavaliar a efetiva concretização do
planejamento estratégico que norteou as projeções e do qual dependem os resultados obtidos.
É importante ressaltar que este relatório é formado por estimativas e projeções estruturadas pela
Consult em um modelo de análise econômico-financeira, baseada em dados fornecidos pela
solicitante e levantamentos de mercado efetuados por nossa equipe técnica. Estes demonstrativos,
estimativas e projeções refletem significativamente premissas e julgamentos em relação aos futuros
resultados esperados, incluindo pressupostos do plano de aquisição e operação, da conjuntura
econômica, entre outras premissas das quais dependem os resultados projetados.
Desta forma ratificamos que a Consult não está por meio deste relatório fornecendo qualquer
garantia de que os valores aqui contidos são verdadeiros e representam resultados e performances
assegurados. A performance efetiva do fundo está sujeita a um número de fatores não controláveis
pela Consult e pela própria solicitante, incluindo-se principalmente a conjuntura econômica, os
valores de locação, taxas de vacância, política de impostos e outras variáveis relevantes.
Este relatório não deve ser considerado como uma recomendação de investimento ou
desinvestimento.
3
ÍNDICE
I.
INTRODUÇÃO ........................................................................................................................... 5
II.
1.
2.
3.
4.
5.
6.
METODOLOGIA .................................................................................................................... 7
NORMAS TÉCNICAS ............................................................................................................... 7
CLASSIFICAÇÃO DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO .......................................................... 8
CRITÉRIO ADOTADO ............................................................................................................ 10
ESPECIFICAÇÃO DA AVALIAÇÃO ..................................................................................... 10
DEFINIÇÃO TÉCNICA DO VALOR ESTABELECIDO ........................................................ 12
DEFINIÇÃO TÉCNICA DOS INDICADORES DE VIABILIDADE ...................................... 15
III.
CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO ................................................................................... 16
IV. AVALIAÇÃO E ANÁLISE ECONÔMICO–FINANCEIRA ............................................ 19
1. MODELO DE ANÁLISE .......................................................................................................... 19
2. PRESSUPOSTOS, RESSALVAS E FATORES LIMITANTES .............................................. 22
3. FLUXO DE CAIXA LÍQUIDO DO COTISTA DO FUNDO (FCFE) ....................................... 24
3.1. PARÂMETROS DE CUSTOS DE AQUISIÇÃO E REGISTROS ....................................... 25
3.2. PARÂMETROS PARA PROJEÇÃO DE RESULTADOS ................................................... 26
3.3. REINVESTIMENTOS NO CONTEXTO DO BANCO DO BRASIL ................................... 31
3.4. OUTROS PARÂMETROS ADICIONAIS ........................................................................... 34
3.5. FLUXOS OPERACIONAIS PROJETADOS ...................................................................... 35
4. CUSTO DE CAPITAL (WACC)............................................................................................... 36
5. VALOR ECONÔMICO DO FUNDO (NPV)............................................................................ 39
6. VALORES REFERENCIAIS E INDICADORES DE VIABILIDADE .................................... 40
7. ANÁLISE DE SENSIBILIDADE E NÍVEL DE INCERTEZAS .............................................. 41
8. ANÁLISE DE DESVIOS PARA ALTERAÇÕES NO CENÁRIO ESPERADO ..................... 44
V.
CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................................ 45
VI.
TERMO DE ENCERRAMENTO ........................................................................................ 46
ANEXOS
-
FLUXOS DE CAIXA ANUAL PROJETADOS;
-
FLUXOS DE CAIXA MENSAL PROJETADOS;
-
PARÂMETROS DE MERCADO PARA LOCAÇÃO
4
I.
INTRODUÇÃO
A Consult Engenharia e Avaliações Ltda. (nome fantasia Consult Soluções Patrimoniais), com
sede na Rua Nelson Camargo nº 391, 1º andar, na cidade de Osasco, estado de São Paulo,
CNPJ nº 48.882.971/001-39, elaborou o estudo de viabilidade econômico-financeira do BB
Progressivo II Fundo de Investimento Imobiliário – FII, a ser administrado por Votorantim
Asset Management Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda..
O objetivo específico deste trabalho solicitado pelo administrador do FII é avaliar e analisar a
viabilidade econômico-financeira da oferta pública secundária de cotas do Fundo de
Investimento Imobiliário, através do qual analisamos os indicadores de viabilidade para os
novos cotistas.
Este estudo foi construído com base em diretrizes estabelecidas, adotando-se premissas
fixadas para a nova oferta e os preços, valores e condições comerciais apresentadas pelo
solicitante para as novas aquisições e locações.
O resultado da análise, bem como as etapas e informações necessárias a execução e
fundamentação do trabalho estão apresentados em capítulos específicos, distribuídos no corpo
do relatório e em seus anexos.
Considerou-se como premissa, para efeito de análise, os bens livres de hipotecas, arrestos,
usufrutos, penhores, passivos ambientais ou quaisquer ônus ou problemas que prejudiquem o
seu bom uso ou comercialização, inclusive livre de dívidas ou pendências referentes a eventos
do passado.
Este estudo está embasado em subsídios técnicos e foi elaborado com base em informações
fornecidas pelos executivos e funcionários do solicitante. Estas informações fornecidas foram
consideradas como verdadeiras uma vez que não faz parte do escopo de nosso trabalho
qualquer tipo de procedimento de diligência e auditoria.
5
Desta forma, a Consult não assume qualquer responsabilidade futura pela precisão das
informações citadas acima.
Algumas das considerações e premissas descritas neste relatório estão baseadas em eventos
futuros que fazem parte da expectativa dos executivos da empresa solicitante e dos
consultores, à época deste estudo. Estes eventos futuros podem não ocorrer e os resultados
apresentados neste relatório poderão sofrer alterações.
A Consult e seus sócios não têm qualquer interesse financeiro nas empresas ou imóveis
relacionados a esta operação ou no próprio FII, caracterizando, assim, sua independência. Os
honorários contratados para a execução destes trabalhos não são baseados e não têm qualquer
relação com os valores e indicadores aqui reportados. Isto posto, o arbitramento de todos os
valores e indicadores aqui apresentados emanam da formação de opiniões técnicas,
devidamente sustentadas e com total independência.
O laudo é considerado pela Consult Soluções Patrtimoniais como documento sigiloso,
absolutamente confidencial, ressaltando-se que os trabalhos não devem ser utilizados para
outra finalidade que não seja as estabelecidas anteriormente.
6
II.
METODOLOGIA
1.
NORMAS TÉCNICAS
As normas de avaliação da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas são
constituídas de 7 partes sob o título geral de “Avaliação de bens” e número referencial NBR
14653.
A parte 1 refere-se a Procedimentos Gerais, contudo só deverá ser utilizável em conjunto com
as demais partes, conforme abaixo:
•
•
•
Parte 2: Imóveis Urbanos
Parte 3: Imóveis Rurais
Parte 4: Empreendimentos
•
•
•
Parte 5: Máquinas, equipamentos, instalações e bens industriais em geral
Parte 6: Recursos Naturais e Ambientais
Parte 7: Patrimônios Históricos (em fase de elaboração)
O presente trabalho estará embasado nas diretrizes estipuladas nas normas da ABNT, NBR
14653-1, NBR 14653-2 e NBR 14653-4.
A interpretação das especificações constantes das Normas da ABNT é discutida e apresentada
através de estudos analíticos pelo Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia –
IBAPE, Instituto de Engenharia e outras associações de classe.
Este estudo também está embasado em subsídios técnicos e foi elaborado de acordo com a
Instrução Normativa CVM 472/08 que dispõe sobre a constituição, a administração, o
funcionamento, a oferta pública de distribuição de cotas e a divulgação de informações dos
Fundos de Investimento Imobiliário – FII, como também pela instrução CVM Nº 516, de 29
de dezembro de 2011 que dispõe sobre a elaboração e divulgação das Demonstrações
Financeiras dos Fundos de Investimento Imobiliário – FII.
7
2.
CLASSIFICAÇÃO DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO
De uma forma geral, conforme figura abaixo, existem 3 abordagens originais de avaliação de
onde derivam todas as metodologias comumente utilizadas em todo o mundo:
Nas normas vigentes da ABNT, NBR 14653-1, item 8.2 “Métodos para identificar o valor de
um bem, de seus frutos e direitos”, os processos avaliatórios são divididos em 4 grupos
relacionados a seguir:
Método COMPARATIVO Direto de Dados de Mercado
Identifica o valor de mercado do bem por meio de tratamento técnico dos atributos dos
elementos comparáveis, constituíntes da amostra.
Método Involutivo (variante da RENDA)
Identifica o valor de mercado do bem, alicerçado no seu aproveitamento eficiente, baseado em
modelo de estudo de viabilidade técnico-econômica, mediante hipotético empreendimento
compatível com as características do bem e com as condições do mercado no qual está
inserido, considerando-se cenários viáveis para execução e comercialização do produto.
8
Método Evolutivo (CUSTO)
Identifica o valor do bem pelo somatório dos valores de seus componentes. Caso a finalidade
seja a identificação do valor de mercado, deve ser considerado o fator de comercialização.
Método da Capitalização da RENDA
Identifica o valor do bem, com base na capitalização presente de sua renda líquida prevista,
considerando-se cenários viáveis.
Para melhor entendimento dos processos avaliatórios por parte do solicitante, reproduzimos
também os itens 8.3 “Métodos para identificar o custo de um bem” e 8.4 “Métodos para
identificar indicadores de viabilidade da utilização econômica de um empreendimento” da
NBR 14653-1.
MÉTODOS PARA IDENTIFICAR O CUSTO DE UM BEM
Método Comparativo Direto de Custo
Identifica o custo do bem por meio de tratamento técnico dos atributos dos elementos
comparáveis, constituintes da amostra.
Método da Quantificação de Custo
Identifica o custo do bem ou de suas partes por meio de orçamentos sintéticos ou analíticos a
partir das quantidades de serviços e espectivos custos diretos e indiretos.
MÉTODOS
PARA
IDENTIFICAR
INDICADORES
ECONÔMICA DE UM EMPREENDIMENTO
DE
VIABILIDADE
Os procedimentos avaliatórios usuais com a finalidade de determinar indicadores de
viabilidade da utilização econômica de um empreendimento são baseados no se fluxo de caixa
projetado, a partir do qual são determinados indicadores de decisão baseados no valor presente
líquido, taxas internas de retorno, tempos de retorno, dentre outros
9
3.
CRITÉRIO ADOTADO
Após a apreciação da metodologia básica pode-se concluir que todos os métodos são
comparativos genericamente, isto porque, em qualquer um deles estaremos sempre
comparando elementos, sejam eles valores de venda ou oferta, de locação, taxas de renda,
atratividade ou mesmo a forma e o aproveitamento eficiente de terrenos e imóveis.
No presente caso, tendo em vista a finalidade da avaliação, a natureza dos bens avaliandos,
suas situações geo-sócio-econômicas e a disponibilidade de dados e evidêncas de mercado
seguras, optamos pelo "Método da Renda" na sua variante de Valor Econômico por Fluxo de
Caixa Descontado, para a definição dos valores referenciais e indicadores.
Também foram utilizados o Método Comparativo para a determinação de valores parciais de
avaliação, como por exemplo o valor locativo das unidades e de venda dos terrenos dos
imóveis.
4.
ESPECIFICAÇÃO DA AVALIAÇÃO
Como as avaliações foram fundamentadas principalmente pelo "Método da Renda" na sua
variante de Valor Econômico por Fluxo de Caixa Descontado, analisamos a especificação das
avaliações de acordo com o item 10 da NBR 14653-4, que define que o laudo deve ser
enquadrado em graus I, II ou III quanto à fundamentação, conforme tabela abaixo:
Item
Tabela 4 - Identificação de valor e indicadores de viabilidade
Para indentificação de valor
Grau III
Grau II
Atividade
Grau I
Sintética, com a
apresentação dos
indicadores básicos
operacionais
Ampla, com os elementos
operacionais devidamente
explicitados
Simplificada, com base
nos indicadores
operacionais
Com base em análise
deterministica para um
prazo mínimo de 24
meses
Com base em análise
qualitativa para um prazo
minimo de 12 meses
Da conjuntura
Sintética da conjuntura
7.5.1.4
Análise setorial e
diagnóstico de mercado
Taxas de descontos
Com base em análise do
processo estócástico para
as variáveis-chave, em um
périodo mínimo de 36 meses
De estrutura, conjuntura,
tendências e conduta
Fundamentada
Arbitrada
7.5.1.5.1
Escolha do modelo
Probabilístico
Justificada
Determinístico
associado aos cenários
Simplificada
Rendas líquidas
Mínimo de 3
Simulação com
indedificação de
elasticidade por variável
Risco justificado
Mínimo de 1
7.5.1.1
Análise operacional do
empreendimento
7.5.1.2
Análise das séries
históricas do
empreendimento 1)
7.5.1.3
7.5.1.5.1
7.5.1.5.2
7.5.1.5.3
7.5.1.5.4
Estrutura básica do fluxo
Completa
de caixa
Cenários fundamentados Mínimo de 5
Simulações com
Análise de sensibilidade apresentação do
comportamento gráfico
Análise de risco
Risco fundamentado
Determinístico
Simulação única com
variação em torno de 10%
Risco arbitrado
1) Só para empreendimento em operação
10
Atribuindo 01 ponto para os itens em grau I , 02 pontos para os itens em grau II e 03 pontos
para itens em grau III. O enquadramento global deve considerar a soma dos pontos obtidos
para o conjunto dos itens, atendendo à tabela a seguir.
T ab e la 5 - E n q u a d ra m en to d o s lau d o s se g u n d o se u g ra u d e fu n d a m en ta çã o
(p a ra id en tific aç ão d e va lo r)
G rau s
III
II
I
P o nto s
R e striçõ es
m aior o u igu al a 2 2
m áxim o de 3 iten s
em gra us infe rio res,
ad m itin do -se n o
m áxim o um ite m n o
G ra u I
d e 1 3 a 21
de 7 a 12
m áxim o de 4 iten s
e m g rau s in feriore s
ou nã o a ten dido s
m ín im o d e 7 ite ns
ate nd id os
(p ara in dicad ore s de via bilida de )
G rau s
P o nto s
R e striçõ es
III
m aior o u igu al a 1 8
m áxim o de 4 iten s
em gra us infe rio res,
ad m itin do -se n o
m áxim o um ite m n o
G ra u I
II
d e 1 1 a 17
I
de 5 a 10
m áxim o de 4 iten s
e m g rau s in feriore s
ou nã o a ten dido s
m ín im o d e 5 ite ns
ate nd id os
Dentro deste critério, definimos o seguinte grau de fundamentação para o presente laudo:
Item
7.5.1.1
7.5.1.2
Comentários
Pontos
1
Os levantamentos, as pesquisas e as projeções operacionais
apresentadas permitem uma analise sintética dos indicadores
operacionais dos empreendimentos.
1
O fundo está em estruturação e ainda não apresenta históricos de
desempenho, não permitindo analisarmos os resultados realizados.
7.5.1.3
2
Executamos uma análise da conjuntura imobiliária local de cada
imóvel.
7.5.1.4
2
No item IV- 4 justificamos de forma detalhada a taxa adotada.
7.5.1.5.1
2
Como não existia uma base de dados que permitisse uma análise
probabilística das diversas variáveis exigíveis em um modelo desta
natureza, adotamos um modelo determinístico associado a cenários.
7.5.1.5.1
2
Simplificada com algumas adaptações em função do tipo de
empreendimento e das informações disponíveis.
11
7.5.5.1.2
1
Estabelecemos como base um cenário que consideramos o mais
provável dentro das informações disponíveis no momento da avaliação.
Adicionalmente projetamos desvios nas variáveis chaves do modelo,
proporcionando a análise de resultados mais otimistas ou pessimistas.
7.5.5.1.3
3
Elaboramos a análise de sensibilidade estimando a influência relativa
nos resultados e com a apresentação do comportamento gráfico das
variáveis chave.
7.5.5.1.4
2
Contemplamos a análise de risco por meio de um prêmio de risco
justificado na composição da taxa de desconto.
TOTAL
16
Laudo enquadrado no grau II
O presente trabalho será classificado como "Grau II", conforme o que dispõem as normas da
ABNT.
5.
DEFINIÇÃO TÉCNICA DO VALOR ESTABELECIDO
Existem muitos tipos e definições relativas ao valor. É de grande importância para o uso e
conhecimento das avaliações, que o tipo e a definição de valor em questão sejam identificados
de maneira clara, e que as metodologias usadas estejam adequadas com as finalidades da
avaliação. Uma mudança na definição de valor pode ter um efeito material nos valores que se
atribuem aos bens.
A definição e entendimentos de valor sempre foram controversos na engenharia de avaliações,
existindo várias definições, com diferentes enfoques. Como paradigma, para valor de
mercado, o IBAPE adota a linha de definição das normas IVSC, ou seja:
“Quantia mais provável pela qual um bem seria negociado em uma data de referência,
entre vendedor e comprador prudentes e interessados no negócio, com conhecimento de
mercado mas sem compulsão, dentro das condições do mercado vigentes.”
Se considerarmos as normas da ABNT, a definição técnica é a seguinte:
“Quantia mais provável pela qual se negociaria voluntariamente e conscientemente um
bem, numa data de referência, dentro das condições do mercado vigente.”
Para as normas contábeis definidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis, o valor justo
de um ativo é definido como:
“Valor justo de um ativo é o valor pelo qual um ativo pode ser negociado entre partes
interessadas, conhecedoras do negócio e independentes entre si, com ausência de fatores
que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem uma transação
compulsória.”
12
A instrução CVM Nº 516, de 29 de dezembro de 2011, define valor justo da seguinte forma:
“Art. 7º Após o reconhecimento inicial, as propriedades para investimento devem ser
continuamente mensuradas pelo valor justo.
§1º Entende-se por valor justo o valor pelo qual um ativo pode ser trocado ou um passivo
liquidado entre partes independentes, conhecedoras do negócio e dispostas a realizar a
transação, sem que represente uma operação forçada.
§2º O valor justo de uma propriedade para investimento deve refletir as condições de
mercado no momento de sua aferição.
§3º A melhor evidência do valor justo é dada pelos preços correntes de negociação em um
mercado líquido, de ativos semelhantes, na mesma região e condição e sujeitos a contratos
similares de aluguéis ou outros.
§4º Na impossibilidade de aplicar o disposto no parágrafo anterior, a instituição
administradora deve usar, na ordem, as seguintes informações para estimar o valor justo:
I – preços correntes praticados em um mercado líquido de ativos de diferente natureza,
condição, localização, sujeitos a diferentes contratos de aluguéis ou outros, ajustados
para refletir estas diferenças;
II – preços recentes de ativos semelhantes praticados em mercados menos líquidos,
ajustados para refletir quaisquer mudanças nas condições econômicas em relação à
data da ocorrência daqueles preços; ou
III – projeções de fluxos de caixa descontados baseados em estimativas confiáveis de
fluxos futuros de caixa, consubstanciado nos termos do contrato de aluguel ou qualquer
outro contrato existente e, quando possível, em evidências externas de valores correntes
de aluguéis de ativos na mesma localização e condição, devendo usar taxas de desconto
que reflitam as avaliações atuais do mercado quanto às incertezas no valor e prazo dos
fluxos de caixa.”
Entendemos por “mercado líquido” citado acima o conceito de “mercado ativo” apresentado
pelas normas contábeis definidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis, conforme
abaixo:
“Mercado ativo é um mercado onde todas as seguintes condições existem:
(a) os itens transacionados no mercado são homogêneos;
(b) vendedores e compradores com disposição para negociar são encontrados a qualquer
momento para efetuar a transação; e
(c) os preços estão disponíveis para o público.”
De qualquer forma, os valores de mercado são mensurados em ambientes onde é possível se
fazer uma comparação direta, ou ter suporte de mercado para tal assertiva.
13
Para imóveis residenciais, comerciais e outros bens padronizados e com mercado ativo
normalmente é possível estimar valores diretamente por comparação, contudo no caso de
empreendimentos de grande porte, imóveis especializados ou em estágios intermediários de
projeto, desenvolvimento ou implantação, cotas de fundos de investimento imobiliários ou
mesmo imóveis não posicionados em mercados ativos ou líquidos, não é possível fazer a
avaliação por comparação direta em função da pouca amostragem de evidências de mercado.
Nestas situações é exigida a construção de um contexto especial, estabelecendo-se premissas e
pressupostos que suprem a ausência de evidências de mercado e permitem ao avaliador se
apoiar nas teorias da Engenharia de Avaliações e das Finanças Corporativas para embasar a
aferição de um referencial de valor que represente a melhor aproximação do valor de mercado
justo (“fair market value”) para as cotas do FII.
14
6.
DEFINIÇÃO TÉCNICA DOS INDICADORES DE VIABILIDADE
Os indicadores de viabilidade dependem das características do empreendimento e do
empreendedor. Neste estudo estaremos analisando o valor presente líquido, a taxa interna de
retorno e o período de recuperação, que de acordo com as normas tem a seguinte definição
técnica:
Valor presente líquido: Este indicador de viabilidade é expresso pelo valor presente do fluxo
de caixa descontado, projetado no horizonte do empreendimento, incluindo o valor do
investimento a realizar.
O empreendimento será considerado viável quando o seu valor presente líquido for nulo ou
positivo, para uma taxa de desconto equivalente ao custo de oportunidade de igual risco.
Taxa interna de retorno: Este indicador de viabilidade é expresso pela taxa de desconto que
anula o valor presente do fluxo de caixa projetado no horizonte do empreendimento, incluindo
o valor do investimento a realizar.
O empreendimento será considerado viável quando a sua taxa interna de retorno for igual ou
superior à taxa de desconto equivalente ao custo de oportunidade de igual risco.
Tempo de retorno: Este indicador de viabilidade é expresso pelo tempo necessário para que a
renda líquida acumulada do empreendimento iguale o investimento nele comprometido.
O tempo de retorno pode ser simples ou descontado: o simples corresponde ao tempo
necessário para anular a diferença entre as despesas de investimento e as receitas líquidas, sem
considerar a remuneração de capital; o descontado corresponde ao tempo necessário para
anular a mesma diferença, quando as parcelas são descontadas a uma taxa de desconto.
A utilização isolada do período de recuperação como indicador de viabilidade não é
conclusiva, mas é útil para comparar alternativas de investimento a uma mesma taxa de
desconto.
Adicionalmente foi analisada também a Taxa de rendimento sobre o custo de investimento
(“Yield on cost”) que representa um indicador importanmte no segmento imobiliário
convencional e também de fundos de investimento imobiliário.
15
III. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO
O objeto deste estudo é o BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO
IMOBILIÁRIO - FII, que realizará uma oferta pública de quotas escriturais e nominativas no
mercado secundário, a ser realizada no Brasil, em mercado de balcão não organizado,
conforme procedimentos previstos na Instrução da Comissão de Valores Mobiliários.
O Prospecto Preliminar conterá as informações relevantes necessárias ao conhecimento pelos
Investidores da Oferta, das Cotas ofertadas, do Fundo emissor, suas atividades, situação
econômico-financeira, os riscos inerentes à sua atividade e quaisquer outras informações
relevantes, e foi elaborado de acordo com as normas pertinentes.
Com relação ao diagnóstico de mercado sobre o objeto de estudo, podemos entender
claramente a situação atual e as perspectivas futuras através da leitura do material que
constará do capítulo específico Visão Geral do Mercado de FII e do Setor Imobiliário do
Prospecto a ser elaborado.
A seguir apresentamos um sumário das características do fundo extraída do prospecto:
• Nome do Fundo: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO
•
•
•
•
•
•
•
•
IMOBILIÁRIO – FII;
Administrador: Votorantim Asset Management Distribuidora de Títulos e Valores
Mobiliários Ltda.;
Coordenador Líder: BB - Banco de Investimento S.A.;
Banco Escriturador: Banco do Brasil S.A.;
Consultor Imobiliário: não haverá;
Quantidade de Cotas da Oferta Secundária: aproximadamente 15.930.000 (quinze
milhões e novecentos e trinta mil);
Valor Nominal Unitário das Cotas: R$ 100,00 (cem reais), na data da emissão da
Oferta. No entanto, este valor será atualizado diariamente, de acordo com a variação
do patrimônio líquido contábil do Fundo;
Valor Total da Oferta Secundária: aproximadamente R$ 1.593.000.000,00 (um
bilhão e quinhentos e noventa e três milhões de reais);
Preço de Aquisição das Cotas: R$ 100,00 (cem reais);
•
•
Regime de Colocação: Melhores Esforços;
Objeto / Prazo: Fundo de investimento imobiliário, constituído sob a forma de
condomínio fechado, de prazo indeterminado;
•
Público Alvo da Oferta Secundária: investidores qualificados e investidores
simples.
16
A identificação, caracterização e diagnóstico de mercado dos imóveis avaliandos,
relacionados a seguir, encontram-se em cada anexo de avaliação apresentado:
17
Com relação a caracterização mais ampla do Fundo, seu portfólio de empreendimentos, bem
como o diagnóstico de mercado sobre o objeto de estudo, podemos entender claramente a
situação atual e as perspectivas futuras através da leitura do material constante do Prospecto
Preliminar de Oferta Pública de Quotas.
18
IV.
AVALIAÇÃO E ANÁLISE ECONÔMICO–FINANCEIRA
1.
MODELO DE ANÁLISE
O modelo de análise estabelecido para a avaliação e análise econômico-financeira por Fluxo
de Caixa Descontado (DCF) contempla o ciclo completo de vida de um empreendimento de
base imobiliária, podendo-se dividir genericamente em 2 períodos básicos:
• Ciclo de Implantação: é a fase de formatação, desenvolvimento, construção, implantação e
equipagem do empreendimento até a sua inauguração e início da operação. No presente
caso os imóveis já estão prontos e serão adquiridos nesta situação;
• Ciclo Operacional: é o período de exploração do empreendimento no conceito de renda de
longo prazo, normalmente com uma fase inicial, após a implantação, de inserção gradativa
no mercado, passando assim para um período de maturação ou consolidação com evolução
vegetativa até atingir a maturidade representada pela estabilidade. Ao final teremos um
período de declínio ou exaustão até o final da vida útil considerada. Nas projeções a fase
operacional usualmente se divide em 2 partes:
a) Período de projeção explícita: admitindo a fase inicial de projeção, onde é possível
prever-se determinado comportamento dos fluxos de caixa com certo grau de certeza,
procurando abranger no mínimo as fases de inserção no mercado e maturação
vegetativa;
b) Valor Residual: equivalente ao ciclo posterior ao de projeção explícita, normalmente
representado pela fase de estabilidade, passando para a fase de declínio ou exaustão até
o final da vida útil do empreendimento. Este fluxo de caixa futuro de longo prazo é
substituído por um valor equivalente único no final do período de projeção explícita.
No presente caso como os empreendimentos já se encontram com contratos de aluguel em
andamento ou mesmo em formalização final, a fase operacional considera este perfil de
projeção.
19
Graficamente podemos ilustrar o modelo de análise de um empreendimento convencional de
base imobiliária através da figura abaixo que resume o fluxo de caixa de um projeto desta
natureza.
O custo de capital, como em todo negócio “Start up”, tem comportamento decrescente
conforme figura acima, variando de acordo com a estrutura de capital do projeto (dívida de
longo prazo/patrimônio líquido) e também do perfil de risco de cada fase de evolução do
empreendimento.
O Risco se reduz gradualmente com a materialização física do projeto no Ciclo de
Implantação e posteriormente a medida que o negócio alcança a sua maturidade no Ciclo
Operacional, o risco usualmente se estabiliza no nível de outros empreendimentos
consolidados e performados.
20
Nesta linha de raciocínio faremos a análise econômico-financeira do projeto global do fundo
que é equiparado a um empreendimento com vários imóveis, analisando o orçamento de
investimentos de aquisição dos imóveis, custos e despesas de estruturação do fundo, despesas
e receitas projetadas futuras, fixando o fluxo de caixa esperado e gerando referenciais e
indicadores de viabilidade que embasem um arbitramento de valor, seguindo as seguintes
etapas genéricas de cálculo:
a) Fluxo de Caixa do Projeto: consolidação de um fluxo de caixa esperado para o projeto de
investimento, abrangendo os investimentos desde o início dos estudos para a viabilização
do projeto, percorrendo a fase de formatação, desenvolvimento, implantação e operação,
encerrando assim o ciclo de análise.
b) Taxas de Retorno: com base no fluxo de caixa esperado para o ciclo completo do
empreendimento determinamos as taxas de retorno do projeto, apresentando-a no conceito
interno;
c) Custo de Capital: determinação da taxa de desconto dos fluxos de caixa futuros, no
conceito de custo de capital, dimensionando a atratividade do investidor frente ao risco do
investimento, variável e decrescente a medida que o projeto evolui e se materializa. Este
modelo fixa um custo de capital na visão do investidor posicionado em cada período de
evolução do projeto;
d) Valor Econômico do Empreendimento: fixado o fluxo de caixa esperado e definido um
custo de capital específico para cada período, efetua-se o desconto dos fluxos futuros com
base em cada taxa de desconto, obtendo o valor do empreendimento em cada data.
e) Análise de sensibilidade do modelo: verificando-se variável por variável sua influência
no resultado final e hierarquizando-as em função de sua representatividade no retorno
esperado;
f) Análise de Desvios: é evidente que as previsões carregam em si, um certo grau de
incertezas e limitações, principalmente quando pensamos no mercado econômicofinanceiro e, mais ainda, em se tratando da economia brasileira.
O grau de incertezas, ou seja, o risco, estará intimamente ligado com a probabilidade de
ocorrência dos eventos em estudo. A definição mais simples e prática segundo José
Roberto Securato em seu livro “Decisões Financeiras em Condições de Risco” parece ser a
dada por Salomon e Pringle: “risco é o grau de incerteza a respeito de um evento”.
A análise de desvios é fundamental em um estudo desta natureza visto que estamos
trabalhando com expectativas de resultados dependentes de situações que irão ocorrer no
futuro.
Neste caso a análise será efetuada através de simulações de variações de cenários nas
variáveis chaves.
21
2.
PRESSUPOSTOS, RESSALVAS E FATORES LIMITANTES
Para a análise deste fundo objeto deste estudo foram formuladas algumas premissas básicas e
pressupostos que são fundamentais nos resultados obtidos. Estas condições se não atendidas
podem alterar as conclusões do estudo, representando fatores limitantes do uso do relatório, as
quais detalhamos abaixo:
•
•
o valor monetário usado neste relatório refere-se ao poder de compra do Real – R$ na
data base de avaliação, conceito de moeda de poder aquisitivo constante;
A condução da política econômica brasileira que atingiu consensualmente a maturidade,
com o compromisso de equilíbrio, manterá a estabilidade macro-econômica e o país
seguirá numa rota ponderada por suas limitações, considerando-se as seguintes diretrizes:
o Não haverão avanços institucionais relevantes que potencializem as condições de
o
desenvolvimento;
Haverão pressões por políticas sustentáveis, exigindo a não-adoção de políticas que
possam gerar um crescimento maior, mas que impliquem em desequilíbrios;
No ambito do crescimento econômico não é factível imaginar que o país volte a
o
exibir números verificados na época do “milagre econômico”, contudo continuará
crescendo a taxas superiores a média mundial;
Em relação a taxa de juros esperamos uma redução sustentável no médio e longo
o
prazo a patamares compatíveis com o mercado internacional;
•
as autorizações, licenças, alvarás, estudos técnicos ou outros documentos legais
necessários a aprovação, construção e funcionamento dos empreendimentos estão ou
serão viabilizados na forma exigida pelos órgãos competentes;
•
os aspectos técnicos construtivos dos empreendimentos foram ou serão executados
adequadamente, não ocorrendo vícios ou defeitos nas obras que tragam conseqüências
negativas no futuro, afetando o desempenho dos empreendimentos;
•
os empreendimentos estão livres de ônus, dívidas ou pendências referentes a eventos do
passado;
•
não tivemos acesso aos contratos locação e dos compromissos de compra e venda dos
imóveis, trabalhamos com as bases informadas pela solicitante de datas, valores, prazos e
condições comerciais;
22
•
a avaliação considerou os valores, condições e particularidades dos contratos de locação
existentes;
•
•
admitimos que os contratos serão cumpridos até o final, sem inadimplência e vacância;
Admitimos que o fundo irá se beneficiar totalmente da isenção de impostos para as
receitas do FII e também para a rendimento do cotista;
•
as despesas recorrentes do fundo foram provisionadas mensalmente e consideradas fixas
em moeda constante ao longo de toda a projeção do fluxo explícito e residual;
•
o prospecto da oferta pública de cotas não estava elaborado e todas as informações
necessárias ao desenvolvimento dos estudos de viabilidade foram fornecidas pela
solicitante e poderão sofrer alterações quando da finalização do prospecto definitivo;
•
os parâmetros complementares adotados para arbitramento de cenário foram fixados
apenas para reproduzir com mais realidade as transações previstas, podendo apresentar
mudanças no momento de ocorrência do fato em função de dependerem de diversas
variáveis não monitoráveis no âmbito do planejamento dos empreendimentos.
Desta forma, ressaltamos que os indicadores de viabilidade obtidos neste estudo estão
vinculados às premissas estabelecidas e aos cenários arbitrados para simulação, devendo o
decisor analisar estes resultados em conjunto com os parâmetros fixados no modelo de
projeção.
23
3.
FLUXO DE CAIXA LÍQUIDO DO COTISTA DO FUNDO (FCFE)
Em termos gerais, os fluxos de caixa do cotista do fundo são os fluxos que sobram após o
pagamento de despesas operacionais e impostos, mas antes que sejam feitos qualquer
pagamento aos cotistas (capital próprio - Equity).
Neste contexto estaremos verificando a viabilidade de investimento na visão dos cotistas que
nesta modelagem representam os investidores do negócio.
Os parâmetros utilizados para o arbitramento do fluxo mais provável estão apresentadas nos
itens seguintes, adaptando-se a composição de apuração do resultado disponível ao modelo
apresentado acima e considerando-se a estrutura tributária do fundo de investimento
imobiliário.
24
3.1. PARÂMETROS DE CUSTOS DE AQUISIÇÃO E REGISTROS
Os custos de aquisição dos imóveis são de R$ 1.458.567.760 conforme informado pela
Votorantim Wealth Management, distribuindo-se da seguinte forma:
CUSTOS DE AQUISIÇÃO DOS IMÓVEIS
CUSTOS COM REGISTROS E ITBI
Foi estimado um custo de 4% sobre os custos de aquisição dos imóveis, totalizando R$
56.098.760,00.
25
3.2. PARÂMETROS PARA PROJEÇÃO DE RESULTADOS
As receitas operacionais são compostas basicamente pelos aluguéis dos imóveis, não existindo
outras receitas em nossas projeções, sendo que as bases adotadas para as projeções dos
alugueis de cada imóvel foram as abaixo relacionadas:
Segundo informações da Votorantim Wealth Management os contratos serão formalizados
com base nos valores acima e nas condições abaixo:
26
Para as projeções de receitas de alugueis após o término dos contratos relacionados
anteriormente, projetamos valores esperados por metro quadrado de locação para cada imóvel,
admitindo-se parâmetros pesquisados em cada local e uma expectativa de evolução nos
próximos anos, estabilizando posteriormente conforme apresentado em anexo.
Com base nas premissas e parâmetros anexos obtivemos a seguinte evolução dos alugueis de
forma ilustrativa geral, mantendo praticamente :
De uma forma geral os alugueis tem uma tendencia de permanecerem estáveis ao longo do
período de projeção explícita e também no período residual.
27
Com estas condições teremos a seguinte projeção de receitas para os próximos 10 anos
mantendo-se praticamente constantes em função de que os contratos são de 10 anos e só terão
reajuste com a inflação:
O nível de vacância esperado pode ser visualizado abaixo, tendo sido considerado vacância
apenas após o término dos contratos existentes ou em fase de formalização, estabelecendo
uma provisão para eventuais possibilidades de não renovações apenas no período residual,
fixando em 3,5% na fase de estabilidade e passando a cair gradualmente para 7% no fim da
vida útil:
28
Sobre o potencial de aluguéis foi aplicado um deflator que ajusta a perda real de receitas em
moeda constante em função do reajuste não ser feito em periodicidades inferiores há 12
meses. Para isto utilizou-se uma inflação inicial de 5,5% a.a. chegando a 4% a.a. em 5 anos e
mantendo-se constante até o final da projeção.
As receitas financeiras proveniente da aplicação das reservas de caixa do FII foram projetadas
com base em uma rentabilidade líquida de impostos de 85% do CDI em moeda constante.
Definida as bases das receitas, partimos para as projeções das despesas operacionais que
reduzirão o resultado líquido.
Estas despesas são representadas basicamente por provisões para despesas de limpeza,
segurança e outros gastos equivalentes ao condomínio de assumido pelos locatários (IPTU,
taxa de lixo) das áreas vagas que devem ser assumidos pelos proprietários, além das despesas
recorrentes do fundo e uma provisão para eventuais inadimplências irrecuperáveis.
Neste caso como os imóveis já estão alugados, admitimos que durante o prazo destes
contratos existentes ou em formalização não terão despesas com encargos de áreas vagas ou
inadimplência.
Os impostos de renda e contribuição social sobre o lucro, PIS e COFINS foram
desconsiderados admitindo-se que o fundo terá os benefícios de isenção destes tributos.
Também não foram considerados impostos de renda para os cotistas na distribuição de
resultados.
29
As despesas de estruturação inicial e as recorrentes do fundo foram consideradas conforme
diretrizes apresentadas pela solicitante, conforme abaixo:
Estas despesas foram consideradas como pagas pelo fundo na data de investimento dos novos
cotistas.
As despesas de gestão de contratos ou imobiliária foram desconsideradas das projeções por
orientação da solicitante por já estarem incorporadas no escopo da taxa de administração,
controladoria e custódia.
As taxas variáveis sobre o patrimônio do Fundo para a administração, controladoria e custódia
foram projetadas considerando que o PL do fundo acompanhará o valor econômico (“Fair
value”) que foi projetado com base na distribuição de remuneração dos cotistas e um yield on
cost de 8,5% ao ano.
30
3.3. REINVESTIMENTOS NO CONTEXTO DO BANCO DO BRASIL
Conforme diretriz da Votorantim Wealth foi necessário estimar um montante aproximado para
investimento nos imóveis no curto e médio prazo (próximos 10 anos) para colocá-los em
condições ideais para uso do banco.
Na falta de prazos adequados para um orçamento detalhado, procuramos identificar alguns
itens aparentes que segundo a sensibilidade do avaliador podem necessitar de reparos e
consequentemente reinvestimentos de valores relevantes, conforme componentes da
edificação analisados a seguir:
01.Pisos
02. Forros
03. Paredes Internas
04. Fachadas
05. Vidros
06. Anomalias
estruturais
07. Anomalias funcionamento
portas
08. Anomalias funcionamento
janelas
09. Sistema hidráulico
10. Sistema elétrico
11. Sistema telefonia
12. Sistema ar condicionado
13. Segurança contra incêndio
14. Elevadores
15. Escadas rolantes
16. Infiltrações – Cobertura
17. Proteção de descargas
atmosféricas
18. Áreas externas (pisos,
paisagismo, fechamentos)
Cada componente da edificação foi analisado e enquadrado em uma nota de acordo com a
escala abaixo:
- Nota 0: item em péssimo estado ou inoperante, necessitando substituição completa;
- Nota 1: item em mau estado, funcionamento precário, necessitando substituição parcial;
- Nota 2: item em estado regular, com problemas eventuais de funcionamento, necessitando
de reparos simples ou item em estado normal de desgaste e/ou funcionamento, porém que
necessita de substituição ou modernização para atendimento a demandas atuais;
- Nota 3: item em estado normal de desgaste e/ou funcionamento;
- Nota 4: item em bom estado e/ou funcionamento;
- Nota 5: item em ótimo estado e/ou funcionamento perfeito.
31
Dentro deste contexto, buscamos informações junto ao departamento responsável pela obras
de reformas e manutenção do banco, debatendo com eles evidências e parâmetros de
intervenções efetuadas em imóveis do banco, em período recente, para estruturar um modelo
de estimação de custos de reformas para os imóveis avaliandos.
Para tanto, efetuamos um trabalho em conjunto com o setor especifico que é responsável
pelas cotações e contratações dos serviços de reformas nos imóveis identificando:
• imóveis que foram objetos de reformas;
•
orçamentos realizados para os imóveis objetos de reformas;
•
enquadramento dos imóveis objetos de reforma no modelo de pontuação acima,
avaliando o estado de cada componente construtivo na situação do imóvel antes da
reforma;
•
especificações padrões ideais para os componentes construtivos dos imóveis para diretriz
de reformas e reparos de imóveis do banco.
Este procedimento permitiu-nos determinar, para cada imóvel, uma verba a ser provisionada
para reinvestimento nos imóveis a seguir relacionada:
32
Estes parâmetros de reinvestimentos no contexto do banco foram utilizados apenas nos
cenários de Sale & Lease Back e Fundo de Investimento Imobiliário para os primeiros 10
anos de projeção.
33
3.4. OUTROS PARÂMETROS ADICIONAIS
O investimento dos novos cotistas foi considerado como no dia imeditamente anterior ao
início da vigência dos alugueis.
Adicionalmente a partir do período residual consideramos as provisões para reinvestimentos
reais, que compõem o Fundo de Reposição de Ativos que foi projetado com base no conceito
de depreciação de edificações conforme critério de Kuentzle, que estabelece menor
intensidade de depreciação na fase inicial de vida do prédio, aumentando com o
envelhecimento da construção seguindo a equação de uma parábola.
A vida útil real arbitrada foi de 70 anos total, ajustando cada imóvel em função da sua idade
aparente e considerando que o FRA provisionado pelos proprietários refere-se a 40% desta
depreciação calculada média ponderada para os imóveis.
Nesta fase de projeção para o valor residual consideramos que está provisão para
reinvestimentos para reposição de ativos será suportada pela Reserva para contingências e
complementada pelo FRA.
O valor residual foi calculado com base no valor presente dos fluxos futuros estimados para a
fase posterior de projeção explícita de 10 anos, considerando o prazo restante da vida útil do
imóvel, representando um ciclo de estabilidade ou evolução vegetativa, passando para a fase
de declínio até o final da vida útil. Considerando que nesta fase sem um investimento
significativo para reciclagem este perde qualidade e, portanto, a renda é decrescente em
função dos aspectos mercadológicos e físicos, visto que as taxas de depreciação vão se
acentuando.
Este critério adotado pode ser comparado ao conceito tradicional de estabelecer uma
perpetuidade ao final do ciclo de projeção explicita que teria um resultado equivalente caso
adotassemos uma taxa de desconto de 8,5% ao ano.
34
3.5. FLUXOS OPERACIONAIS PROJETADOS
Com base nos parâmetros de projeção estabelecidos obtivemos os fluxos futuros esperados
apresentados em anexo, que apresentam a seguinte conformação a seguir, excluindo o efeito
de distribuição das sobras de caixa captadas:
35
4.
CUSTO DE CAPITAL (WACC)
A taxa utilizada para descontar o fluxo de caixa do cotista converte o fluxo de caixa futuro
em valor presente para os cotistas que esperam ser recompensados pelo custo de
oportunidade de se investir recursos em um negócio específico em vez de investir em outros
negócios com risco equivalente.
O princípio mais importante a ser seguido quando se calcula o custo de capital é que ele tem
de ser consistente com o método de avaliação e com a definição do fluxo de caixa a ser
descontado.
Para estimar-se os custos de financiamento de capital próprio (Ke), utilizou-se uma
combinação de parâmetros do mercado norte-americano e de mercados emergentes, uma vez
que os indicadores nacionais são escassos e isoladamente provocam distorções no modelo,
recomendando-se adotar os prêmios de mercado praticados nos Estados Unidos e a taxa livre
de risco vigente dentro da realidade brasileira, que já inclui um prêmio pelo Risco Brasil.
Além de adotar uma taxa livre de risco que já tem o Risco Brasil embutida, alguns ajustes
devem ser feitos para adequar os parâmetros internacionais a realidade brasileira e também as
características específicas da avaliação em referência, abordando no cálculo os efeitos do
nível de diversificação da carteira do potencial investidor e também do nível de liquidez e
porte deste perfil de ativo no mercado local e no estágio de desenvolvimento em que está.
O cálculo foi efetuado dentro do conceito tradicional de CAPM – Capital Asset Pricing
Model, estimando-se a taxa de juros livre de risco e o prêmio pelo risco em função do Beta
para o negócio em estudo, conforme fórmula abaixo:
Ke = Rf + ( Rp x Beta ) + Rliq
36
Onde:
Rf = taxa de retorno livre de risco
Rp = prêmio de risco esperado para o mercado em geral
Beta = risco sistemático da empresa (eventualmente o Beta Total incluindo o risco não
sistemático)
Rliq = risco de liquidez e porte
Para a taxa livre de risco (Rf) foi utilizado o parâmetro de títulos do tesouro nacional,
fixando em 5,0% ao ano no momento atual e depois estabilizada em 4,2% após 5 anos.
Com relação à taxa de retorno do mercado em geral (Rm) foi considerado o prêmio médio de
6,04% ao ano (fonte Aswath Damodaran) acima da taxa livre de risco conforme históricos de
performance de longo prazo dos índices de ações nos Estados Unidos no momento atual e
depois estabilizada em 5,0% após 5 anos.
No que se refere à adoção do indicador de risco Beta para o empreendimento, optamos por
nos orientar em função dos referenciais apresentados no site do professor Aswath
Damodaran para as empresas brasileiras enquadradas no setor “Real Estate (Operations &
Services)”.
Consideramos as taxas de atratividade de investidores do mercado imobiliário e fixamos o
beta médio desalavancado de 0,50 (65% do beta médio das empresas selecionadas do quadro
anexo) para o momento atual em que o empreendimento já está operando.
O prêmio pelo risco de liquidez e tamanho do empreendimento, visto que todos os
referenciais para a formação da taxa de desconto se basearam em parâmetros de empresas
negociadas em bolsa e de porte relevante, foi arbitrado para ajustar tanto as diferenças de
valores entre empresas negociadas em bolsa e não negociadas em bolsa, ou seja, com baixa
liquidez em relação as empresas de capital aberto, como também em relação ao porte da
empresa (“small cap”), haja vista que as pequenas empresas normalmente apresentam
spreads em seus custos de capital em relação as empresas de maior porte.
No presente caso adotamos 0,50% ao ano para este perfil de investimento atualmente com
uma queda gradual para 0,30% em 10 anos.
37
Na fórmula de cálculo do Ke não foi considerado o Beta alavancado, admitindo-se que o
investimento é financiado totalmente com capital próprio.
As projeções do custo de capital para o empreendedor adaptado no modelo de avaliação
podem ser visualizadas no gráfico abaixo:
Assim, o custo de capital adotado como taxa de desconto do fluxo de caixa para o investidor
é o seguinte:
Ke = 5,0% + ( 6,04% x 0,50 ) + 0,50% = 8,50 % (data base da avaliação)
Ke = 4,2% + ( 5,00% x 0,50 ) + 0,30% = 7,00 % (valor residual)
Estes parâmetros de rentabilidade foram dimensionados pelos critérios do CAPM
apresentados anteriormente, mas também checados e confrontados com os níveis de taxas de
atratividade de participantes do mercado imobiliário nacional em cada fase de evolução do
ciclo de vida de empreendimentos desta natureza.
38
5.
VALOR ECONÔMICO DO FUNDO (NPV)
O valor econômico do fundo equiparado ao valor do empreendimento foi calculado com base
no critério do Fluxo de Caixa Descontado (DCF – Discounted Cash Flow), dentro do conceito
de valor presente líquido (NPV), considerado em cada data analisada o fluxo de caixa futuro
descontado pelo respectivo custo de capital (WACC) calculado no item anterior, conforme
fórmula abaixo:
n
NPVi = ∑
i =1
FCFi
(1 + WACC ) i
Onde:
NPVi = Valor Econômico do Fundo na data (i)
FCFi = Fluxo de Caixa Líquido dos cotistas na Data (i)
WACC = custo médio ponderado de capital
Com base no modelo de cenário proposto, arbitrou-se os seguintes valores referenciais para o
fundo:
Valor Econômico do FII (fair value)
R$ 1.614.799.944,00 (Cenário 1)
R$ 1.630.829.875,00 (Cenário 2)
Estes valores foram calculados na data imediatamente após o investimento pelos novos
cotistas, após o investimento para aquisição e estruturação, ou seja, é o valor econômico das
cotas na mesma data após os investimentos.
39
6.
VALORES REFERENCIAIS E INDICADORES DE VIABILIDADE
Com base no modelo estabelecido e considerando-se os cenários esperados para o fundo,
arbitrou-se as seguintes taxas de retorno para o Cotista que irá fazer os investimentos:
Cenário 1: Sem o ajuste pela desvalorização da moeda em função do reajuste anual dos
alugueis e sem receita financeira sobre as reservas em caixa.
Cenário 2: Com o ajuste pela desvalorização da moeda em função do reajuste anual dos
alugueis e com receita financeira sobre as reservas em caixa.
Com relação a Taxa de rendimento sobre o custo de investimento (“Yield on cost”) a
expectativa é que os resultados apresentem a evolução abaixo para o cenário consolidado do
investidor original e dos novos cotistas:
Não podemos esquecer também que o investidor deve ter consciência que qualquer decisão
com base nestas informações deve ser precedida de uma análise cuidadosa das premissas e
parâmetros fixados para a simulação, visto que estes resultados são vinculados aos cenários
arbitrados, podendo apresentar diferenças em suas variáveis que carregam normalmente um
grau de incerteza usual nestes modelos de simulação.
40
7.
ANÁLISE DE SENSIBILIDADE E NÍVEL DE INCERTEZAS
O nível de incerteza envolvido na operação será dimensionado com base no critério abaixo,
considerando-se a percepção do analista do grau de incerteza associado a cada variável
projetada, aquilatando inclusive a participação aproximada de cada uma na composição do
resultado analisado.
Para tanto estabeleceu-se os pesos abaixo em função do nível de incerteza admitido:
INCERTEZA
PESO
Probabilidade de Confirmação sem Variação Negativa
0
Total, não existe risco de variação
Muito baixa
0,50
Alta, existe muito pequeno risco de variação
Baixa
1,00
Alta, existe pequeno risco de variação
Média/baixa
1,50
Média, existe algum risco de variação
Média
2,00
Média, existe risco razoável de variação
Média/alta
2,50
Baixa, existe risco significativo de variação
Alta
3,00
Baixa, existe alto risco de variação
Nenhuma
Para o modelo de simulação proposto, analisou-se a sensibilidade de cada variável para uma
alteração negativa de 15%, obtendo-se os seguintes resultados para a situação dos eventuais
Novos Investidores que entrarem no fundo no estágio atual e participarão do ciclo completo
do empreendimento:
41
A análise de sensibilidade das variáveis na visão do investidor mostra que a variável mais
significativa do modelo de viabilidade é o Custo de Aquisição, seguido do Aluguel base dos
contratos e do Aluguel de mercado estabilizado que influênciam no valor residual. O nível de
incertezas é classificado como baixo, com um coeficiente de 0,77.
42
Se retirarmos da análise de sensibilidade as variáveis de custos de aquisição e outros que não
apresentam risco de variação em função de que estão fixadas e garantidas pela Votorantim
Wealth, teríamos a seguinte situação de representatividade e relevância para as demais
variáveis do modelo de simulação:
Nota-se que neste contexto as variáveis mais relevantes passam a ser o Aluguel de mercado
estabilizado, a vida útil remanescente e o Risk free.
43
8.
ANÁLISE DE DESVIOS PARA ALTERAÇÕES NO CENÁRIO ESPERADO
A análise de desvios foi efetuada através de variações de cenários com simulações de
alterações de mercado e desempenho, retratando desta forma um intervalo de resultados
possíveis nestas hipóteses alternativas.
Projetando-se quebras e melhorias nas variáveis mais significativas dos empreendimentos nos
períodos de operação e exaustão, desconsiderando-se os custos de aquisição dos imóveis e de
estruturação do fundo, obteve-se as seguintes alterações na taxa interna de retorno do Fundo
para os novos investidores.
Esta análise mostra que a variável principal, Aluguel de mercado estabilizado, tem influência
isolada mais significativa no modelo de cálculo, alterando os resultados do fundo em proporção
relevantes.
44
V.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Diante dos critérios expostos, concluímos os seguintes resultados para a Taxa de Retorno dos
cotistas do FII avaliando para a data de referência de julho de 2012:
a) Cenário 1: Sem o ajuste pela desvalorização da moeda em função do reajuste
anual dos alugueis e sem receita financeira sobre as reservas em caixa :
Taxa Interna de Retorno:
8,8% ao ano
Yield on cost:
8,5% ao ano (ano 1)
Valor presente líquido:
R$
37.644.000,00
Valor Econômico do FII (fair value):
R$ 1.614.799.944,00
b) Cenário 2: Com o ajuste pela desvalorização da moeda em função do reajuste
anual dos alugueis e com receita financeira sobre as reservas em caixa:
Taxa Interna de Retorno:
8,7% ao ano
Yield on cost:
8,5% ao ano (ano 1)
Valor presente líquido:
R$
21.621.000,00
Valor Econômico do FII (fair value):
R$ 1.630.829.875,00
É importante ressaltar que este relatório é formado por estimativas e projeções estruturadas
pela Consult em um modelo de análise econômico-financeira, baseada em dados fornecidos
pela solicitante e levantamentos de mercado efetuados por nossa equipe técnica. Estes
demonstrativos, estimativas e projeções refletem significativamente premissas e julgamentos
em relação aos futuros resultados esperados, incluindo pressupostos do plano de aquisição e
operação, da conjuntura econômica, entre outras premissas das quais dependem os resultados
projetados.
Desta forma ratificamos que a Consult não está por meio deste relatório fornecendo qualquer
garantia de que os valores aqui contidos são verdadeiros e representam resultados e
performances assegurados. A performance efetiva dos empreendimentos está sujeita a um
número de fatores não controláveis pela Consult e pela própria solicitante, incluindo-se
principalmente a conjuntura econômica, os valores de locação, taxas de vacância, política de
impostos e outras variáveis relevantes.
Este relatório não deve ser considerado como uma recomendação de investimento ou
desinvestimento.
PELO DEPARTAMENTO TÉCNICO
DA
CONSULT SOLUÇÕES PATRIMONIAIS
SYLVIO WEY DE ALMEIDA
ENGENHEIRO
CREA NO 178.878/D
CARLOS EDUARDO FONSECA
ECONOMISTA
CORECON nº 39777
45
VI.
TERMO DE ENCERRAMENTO
Nada mais havendo a ser esclarecido, damos por encerrado o presente laudo, de no
16.834.001/0612 que se compõe de 46 (quarenta e seis) folhas computadorizadas de um só
lado e rubricadas, sendo a última folha datada.
Em anexo:
-
Fluxos de caixa anual projetados
-
Fluxos de caixa mensal projetados;
-
Parâmetros de mercado para locação
São Paulo, 20 de julho de 2012.
46
FLUXOS DE CAIXA ANUAL
PROJETADOS
+
+
=
Aplicações + Disponibilidades
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
Receitas Operacionais
Ano
+
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
+
=
=
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
1.592.529
(1.592.529)
130.940
317.926
0,0%
3.022
3.022
(3.022)
(3.022)
(3.022)
(3.022)
(3.022)
1.458.568
(1.461.589)
(1.461.589)
1.592.529
130.940
1.592.529
130.940
Ano 0
134.664
134.664
106.222
140.632
317.926
37
140.613
0,0%
140.632
8.148
4.128
51
50
240
320
200
2.704
132.484
1
132.482
(2.180)
134.663
134.663
1
134.664
24.718
109.946
(1.351.643)
1.592.529
134.664
(24.718)
Ano 1
134.853
134.853
79.097
140.837
317.926
37
141.415
0,0%
140.837
8.149
4.125
51
50
240
320
200
2.708
132.688
1
132.686
(2.166)
134.852
134.852
1
134.853
27.125
107.729
(1.243.915)
1.592.529
134.853
(27.125)
Ano 2
134.436
134.436
63.981
141.030
317.926
37
142.096
0,0%
141.030
8.141
4.112
51
50
240
320
200
2.712
132.889
1
132.888
(1.547)
134.434
134.434
1
134.436
15.116
119.320
(1.124.594)
1.592.529
134.436
(15.116)
Ano 3
FCaixa(Ano)
134.177
134.177
47.506
141.211
317.926
37
142.390
0,0%
141.211
8.136
4.104
51
50
240
320
200
2.716
133.075
1
133.073
(1.102)
134.175
134.175
1
134.177
16.475
117.701
(1.006.893)
1.592.529
134.177
(16.475)
Ano 4
133.959
133.959
33.168
141.372
317.926
37
142.667
0,0%
141.372
8.133
4.098
51
50
240
320
200
2.719
133.239
1
133.237
(721)
133.958
133.958
1
133.959
14.338
119.621
(887.272)
1.592.529
133.959
(14.338)
Ano 5
133.763
133.763
22.151
141.435
317.926
37
142.822
0,0%
141.435
8.129
4.092
51
50
240
320
200
2.721
133.307
1
133.305
(457)
133.762
133.762
1
133.763
11.016
122.747
(764.525)
1.592.529
133.763
(11.016)
Ano 6
133.611
133.611
14.155
141.435
317.926
37
142.852
0,0%
141.435
8.124
4.087
51
50
240
320
200
2.721
133.311
1
133.310
(300)
133.609
133.609
1
133.611
7.996
125.615
(638.910)
1.592.529
133.611
(7.996)
Ano 7
133.502
133.502
8.479
141.435
317.926
37
142.885
0,0%
141.435
8.121
4.084
51
50
240
320
200
2.721
133.315
1
133.313
(187)
133.500
133.500
1
133.502
5.676
127.826
(511.084)
1.592.529
133.502
(5.676)
Ano 8
133.424
133.424
4.409
141.435
317.926
37
142.856
0,0%
141.435
8.118
4.081
51
50
240
320
200
2.721
133.317
1
133.316
(107)
133.423
133.423
1
133.424
4.070
129.354
(381.730)
1.592.529
133.424
(4.070)
Ano 9
133.358
1.575.347
133.358
0
141.435
317.926
37
142.827
0,0%
141.435
8.116
4.079
51
50
240
320
200
2.721
133.319
1
133.318
(39)
133.356
133.356
1
133.358
4.409
128.948
(252.781)
1.592.529
133.358
(4.409)
Ano 10
Página 1 de 2
1.592.529
1.339.748
1.575.347
(252.781)
1.339.748
0
1.592.529
130.940
1.412.257
84.336
40.992
509
500
2.400
3.200
2.000
27.162
3.022
1.327.921
15
1.327.907
(8.805)
1.336.712
1.336.712
15
1.336.726
1.458.568
130.940
(252.781)
1.423.423
1.412.257
Total
+
+
=
Aplicações + Disponibilidades
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
Receitas Operacionais
Ano
+
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
+
=
=
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
Ano 0
0,0%
95,8%
0,0%
0,0%
95,8%
0,0%
95,8%
0,0%
0,0%
95,8%
56,2%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,8%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,2%
0,0%
94,2%
-1,5%
95,8%
0,0%
95,8%
0,0%
95,8%
0,0%
19,3%
76,5%
-883,2%
0,0%
0,0%
1130,8%
95,8%
-19,3%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,8%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,2%
0,0%
94,2%
-1,6%
95,8%
0,0%
95,8%
0,0%
95,8%
0,0%
17,6%
78,2%
-961,1%
0,0%
0,0%
1132,4%
95,8%
-17,6%
75,5%
100,4%
100,0%
Ano 2
100,0%
100,0%
Ano 1
0,0%
95,3%
0,0%
0,0%
95,3%
45,4%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,8%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,2%
0,0%
94,2%
-1,1%
95,3%
0,0%
95,3%
0,0%
95,3%
0,0%
10,7%
84,6%
-797,4%
0,0%
0,0%
1129,2%
95,3%
-10,7%
100,8%
100,0%
Ano 3
FCaixa(Ano)
0,0%
95,0%
0,0%
0,0%
95,0%
33,6%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,8%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,2%
0,0%
94,2%
-0,8%
95,0%
0,0%
95,0%
0,0%
95,0%
0,0%
11,7%
83,4%
-713,0%
0,0%
0,0%
1127,8%
95,0%
-11,7%
100,8%
100,0%
Ano 4
0,0%
94,8%
0,0%
0,0%
94,8%
23,5%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,8%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,2%
0,0%
94,2%
-0,5%
94,8%
0,0%
94,8%
0,0%
94,8%
0,0%
10,1%
84,6%
-627,6%
0,0%
0,0%
1126,5%
94,8%
-10,1%
100,9%
100,0%
Ano 5
0,0%
94,6%
0,0%
0,0%
94,6%
15,7%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,7%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
-0,3%
94,6%
0,0%
94,6%
0,0%
94,6%
0,0%
7,8%
86,8%
-540,5%
0,0%
0,0%
1126,0%
94,6%
-7,8%
101,0%
100,0%
Ano 6
0,0%
94,5%
0,0%
0,0%
94,5%
10,0%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,7%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
-0,2%
94,5%
0,0%
94,5%
0,0%
94,5%
0,0%
5,7%
88,8%
-451,7%
0,0%
0,0%
1126,0%
94,5%
-5,7%
101,0%
100,0%
Ano 7
0,0%
94,4%
0,0%
0,0%
94,4%
6,0%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,7%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
-0,1%
94,4%
0,0%
94,4%
0,0%
94,4%
0,0%
4,0%
90,4%
-361,4%
0,0%
0,0%
1126,0%
94,4%
-4,0%
101,0%
100,0%
Ano 8
0,0%
94,3%
0,0%
0,0%
94,3%
3,1%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,7%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
-0,1%
94,3%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
0,0%
2,9%
91,5%
-269,9%
0,0%
0,0%
1126,0%
94,3%
-2,9%
101,0%
100,0%
Ano 9
0,0%
94,3%
0,0%
1113,8%
94,3%
0,0%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
5,7%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
0,0%
94,3%
0,0%
3,1%
91,2%
-178,7%
0,0%
0,0%
1126,0%
94,3%
-3,1%
101,0%
100,0%
Ano 10
Página 2 de 2
112,8%
94,9%
0,0%
111,5%
-17,9%
0,0%
100,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
6,0%
0,0%
0,0%
0,0%
2,9%
0,0%
0,0%
0,2%
0,2%
0,1%
1,9%
0,2%
94,0%
0,0%
94,0%
-0,6%
94,7%
0,0%
94,7%
0,0%
94,7%
103,3%
9,3%
-17,9%
0,0%
112,8%
9,3%
0,0%
94,9%
0,0%
100,8%
100,0%
Total
FLUXOS DE CAIXA MENSAL
PROJETADOS
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
-
-
61
1
2012
jan/12
61
0,0%
-
-
-
62
2
2012
fev/12
62
0,0%
-
-
-
63
3
2012
mar/12
63
0,0%
-
-
-
64
4
2012
abr/12
64
0,0%
-
FluxoCaixa
-
-
65
5
2012
mai/12
65
0,0%
-
-
-
66
6
2012
jun/12
66
0,0%
-
-
-
67
7
2012
jul/12
67
0,0%
-
-
-
68
8
2012
ago/12
68
0,0%
-
-
-
69
9
2012
set/12
69
0,0%
-
1.592.529
(1.592.529)
130.940
70
10
2012
out/12
70
0,0%
3.022
3.022
(3.022)
(3.022)
(3.022)
(3.022)
(3.022)
1.458.568
(1.461.589)
(1.461.589)
1.592.529
130.940
130.940
11.427
11.427
126.820
72
12
2012
dez/12
72
11.946
317.926
38
11.932,40
0,0%
11.946
691
351
4
4
20
27
17
38
0
230
11.256
0
11.255
(172)
11.427
11.427
0
11.427
2.060
9.367
(1.442.793)
18.796
11.427
(2.060)
Página 1 de 11
11.489
11.489
128.880
71
11
2012
nov/12
71
12.000
317.926
38
11.986,00
0,0%
12.000
686
345
4
4
20
27
17
38
0
231
11.314
0
11.314
(174)
11.489
11.489
0
11.489
2.060
9.429
(1.452.161)
9.429
11.489
(2.060)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.374
11.374
124.760
73
1
2013
jan/13
73
11.893
317.926
37
11.879,04
0,0%
11.893
688
350
4
4
20
27
17
38
0
229
11.205
0
11.205
(169)
11.374
11.374
0
11.374
2.060
9.314
(1.433.479)
28.110
11.374
(2.060)
11.327
11.327
122.701
74
2
2013
fev/13
74
11.840
317.926
37
11.825,92
0,0%
11.840
685
348
4
4
20
27
17
38
0
228
11.155
0
11.154
(172)
11.327
11.327
0
11.327
2.060
9.267
(1.424.212)
37.377
11.327
(2.060)
11.280
11.280
120.641
75
3
2013
mar/13
75
11.787
317.926
37
11.773,04
0,0%
11.787
683
346
4
4
20
27
17
38
0
227
11.104
0
11.104
(176)
11.280
11.280
0
11.280
2.060
9.220
(1.414.992)
46.597
11.280
(2.060)
11.233
11.233
118.581
76
4
2013
abr/13
76
11.734
317.926
37
11.720,40
0,0%
11.734
680
345
4
4
20
27
17
38
0
226
11.054
0
11.054
(179)
11.233
11.233
0
11.233
2.060
9.173
(1.405.819)
55.771
11.233
(2.060)
11.186
11.186
116.521
77
5
2013
mai/13
77
11.682
317.926
37
11.692,49
0,0%
11.682
678
344
4
4
20
27
17
38
0
225
11.004
0
11.004
(183)
11.186
11.186
0
11.186
2.060
9.126
(1.396.692)
64.897
11.186
(2.060)
FluxoCaixa
11.140
11.140
114.461
78
6
2013
jun/13
78
11.629
317.926
37
11.640,20
0,0%
11.629
675
342
4
4
20
27
17
38
0
224
10.954
0
10.954
(186)
11.139
11.139
0
11.140
2.060
9.080
(1.387.612)
73.977
11.140
(2.060)
11.118
11.118
112.401
79
7
2013
jul/13
79
11.603
317.926
37
11.613,87
0,0%
11.603
673
341
4
4
20
27
17
38
0
223
10.930
0
10.929
(189)
11.118
11.118
0
11.118
2.060
9.058
(1.378.554)
83.035
11.118
(2.060)
11.074
11.074
110.341
80
8
2013
ago/13
80
11.554
317.926
36
11.565,14
0,0%
11.554
672
340
4
4
20
27
17
38
0
222
10.883
0
10.882
(191)
11.074
11.074
0
11.074
2.060
9.014
(1.369.540)
92.049
11.074
(2.060)
11.030
11.030
108.282
81
9
2013
set/13
81
11.506
317.926
36
11.516,61
0,0%
11.506
670
339
4
4
20
27
17
38
0
221
10.836
0
10.836
(194)
11.030
11.030
0
11.030
2.060
8.970
(1.360.570)
101.019
11.030
(2.060)
10.987
10.987
106.222
82
10
2013
out/13
82
11.458
317.926
36
11.468,29
0,0%
11.458
667
337
4
4
20
27
17
38
0
220
10.790
0
10.790
(196)
10.986
10.986
0
10.987
2.060
8.927
(1.351.643)
109.946
10.987
(2.060)
11.522
11.522
103.961
11.458
11.458
101.701
84
12
2013
dez/13
84
11.950
317.926
38
11.986,05
0,0%
11.950
692
352
4
4
20
27
17
38
0
230
11.258
0
11.258
(200)
11.458
11.458
0
11.458
2.260
9.197
(1.333.185)
128.405
11.458
(2.260)
Página 2 de 11
83
11
2013
nov/13
83
12.000
317.926
38
12.036,56
0,0%
12.000
677
336
4
4
20
27
17
38
0
231
11.323
0
11.323
(198)
11.521
11.521
0
11.522
2.260
9.261
(1.342.382)
119.207
11.522
(2.260)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.413
11.413
99.441
85
1
2014
jan/14
85
11.900
317.926
38
11.935,76
0,0%
11.900
689
350
4
4
20
27
17
38
0
229
11.211
0
11.210
(202)
11.413
11.413
0
11.413
2.260
9.152
(1.324.032)
137.557
11.413
(2.260)
11.359
11.359
97.180
86
2
2014
fev/14
86
11.850
317.926
37
11.885,68
0,0%
11.850
687
349
4
4
20
27
17
38
0
228
11.163
0
11.163
(196)
11.359
11.359
0
11.359
2.260
9.099
(1.314.933)
146.656
11.359
(2.260)
11.306
11.306
94.920
87
3
2014
mar/14
87
11.800
317.926
37
11.835,81
0,0%
11.800
684
347
4
4
20
27
17
38
0
227
11.116
0
11.116
(191)
11.306
11.306
0
11.306
2.260
9.046
(1.305.887)
155.702
11.306
(2.260)
11.254
11.254
92.659
88
4
2014
abr/14
88
11.750
317.926
37
11.786,15
0,0%
11.750
681
346
4
4
20
27
17
38
0
226
11.069
0
11.069
(185)
11.254
11.254
0
11.254
2.260
8.993
(1.296.894)
164.696
11.254
(2.260)
11.201
11.201
90.399
89
5
2014
mai/14
89
11.701
317.926
37
11.761,82
0,0%
11.701
679
344
4
4
20
27
17
38
0
225
11.022
0
11.022
(179)
11.201
11.201
0
11.201
2.260
8.941
(1.287.953)
173.637
11.201
(2.260)
FluxoCaixa
11.149
11.149
88.139
90
6
2014
jun/14
90
11.652
317.926
37
11.712,47
0,0%
11.652
676
343
4
4
20
27
17
38
0
224
10.976
0
10.976
(174)
11.149
11.149
0
11.149
2.260
8.889
(1.279.064)
182.526
11.149
(2.260)
11.121
11.121
85.878
91
7
2014
jul/14
91
11.627
317.926
37
11.687,61
0,0%
11.627
674
341
4
4
20
27
17
38
0
224
10.953
0
10.953
(168)
11.121
11.121
0
11.121
2.260
8.861
(1.270.203)
191.386
11.121
(2.260)
11.072
11.072
83.618
92
8
2014
ago/14
92
11.581
317.926
37
11.641,60
0,0%
11.581
672
340
4
4
20
27
17
38
0
223
10.909
0
10.909
(163)
11.072
11.072
0
11.072
2.260
8.811
(1.261.392)
200.198
11.072
(2.260)
11.023
11.023
81.357
93
9
2014
set/14
93
11.536
317.926
36
11.595,77
0,0%
11.536
670
339
4
4
20
27
17
38
0
222
10.866
0
10.866
(157)
11.023
11.023
0
11.023
2.260
8.763
(1.252.629)
208.960
11.023
(2.260)
10.975
10.975
79.097
94
10
2014
out/14
94
11.490
317.926
36
11.550,12
0,0%
11.490
668
337
4
4
20
27
17
38
0
221
10.823
0
10.823
(152)
10.975
10.975
0
10.975
2.260
8.714
(1.243.915)
217.675
10.975
(2.260)
11.470
11.470
77.837
11.406
11.406
76.578
96
12
2014
dez/14
96
11.953
317.926
38
12.040,87
0,0%
11.953
690
351
4
4
20
27
17
38
0
230
11.262
0
11.262
(143)
11.406
11.406
0
11.406
1.260
10.146
(1.223.558)
238.032
11.406
(1.260)
Página 3 de 11
95
11
2014
nov/14
95
12.000
317.926
38
12.088,46
0,0%
12.000
676
336
4
4
20
27
17
38
0
231
11.324
0
11.323
(147)
11.470
11.470
0
11.470
1.260
10.211
(1.233.704)
227.885
11.470
(1.260)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.358
11.358
75.318
97
1
2015
jan/15
97
11.906
317.926
38
11.993,47
0,0%
11.906
687
349
4
4
20
27
17
38
0
229
11.218
0
11.218
(140)
11.358
11.358
0
11.358
1.260
10.099
(1.213.459)
248.130
11.358
(1.260)
11.311
11.311
74.059
98
2
2015
fev/15
98
11.859
317.926
38
11.946,25
0,0%
11.859
685
347
4
4
20
27
17
38
0
228
11.174
0
11.174
(137)
11.310
11.310
0
11.311
1.260
10.051
(1.203.408)
258.181
11.311
(1.260)
11.263
11.263
72.799
99
3
2015
mar/15
99
11.812
317.926
37
11.899,22
0,0%
11.812
683
346
4
4
20
27
17
38
0
227
11.129
0
11.129
(134)
11.263
11.263
0
11.263
1.260
10.003
(1.193.405)
268.185
11.263
(1.260)
11.216
11.216
71.539
100
4
2015
abr/15
100
11.766
317.926
37
11.852,38
0,0%
11.766
680
345
4
4
20
27
17
38
0
226
11.085
0
11.085
(130)
11.215
11.215
0
11.216
1.260
9.956
(1.183.449)
278.140
11.216
(1.260)
11.168
11.168
70.280
101
5
2015
mai/15
101
11.719
317.926
37
11.810,22
0,0%
11.719
678
343
4
4
20
27
17
38
0
225
11.041
0
11.041
(127)
11.168
11.168
0
11.168
1.260
9.909
(1.173.540)
288.049
11.168
(1.260)
FluxoCaixa
11.121
11.121
69.020
102
6
2015
jun/15
102
11.673
317.926
37
11.763,72
0,0%
11.673
676
342
4
4
20
27
17
38
0
224
10.997
0
10.997
(124)
11.121
11.121
0
11.121
1.260
9.862
(1.163.678)
297.911
11.121
(1.260)
11.097
11.097
67.760
103
7
2015
jul/15
103
11.650
317.926
37
11.740,29
0,0%
11.650
674
340
4
4
20
27
17
38
0
224
10.976
0
10.976
(121)
11.097
11.097
0
11.097
1.260
9.837
(1.153.841)
307.748
11.097
(1.260)
11.052
11.052
66.501
104
8
2015
ago/15
104
11.607
317.926
37
11.696,93
0,0%
11.607
672
339
4
4
20
27
17
38
0
223
10.935
0
10.935
(118)
11.052
11.052
0
11.052
1.260
9.793
(1.144.049)
317.541
11.052
(1.260)
11.009
11.009
65.241
105
9
2015
set/15
105
11.564
317.926
37
11.653,72
0,0%
11.564
670
338
4
4
20
27
17
38
0
222
10.894
0
10.894
(115)
11.008
11.008
0
11.009
1.260
9.749
(1.134.300)
327.290
11.009
(1.260)
10.965
10.965
63.981
106
10
2015
out/15
106
11.521
317.926
37
11.610,67
0,0%
11.521
668
337
4
4
20
27
17
38
0
221
10.853
0
10.853
(112)
10.965
10.965
0
10.965
1.260
9.705
(1.124.594)
336.995
10.965
(1.260)
11.432
11.432
62.608
11.372
11.372
61.236
108
12
2015
dez/15
108
11.956
317.926
38
12.053,10
0,0%
11.956
689
350
4
4
20
27
17
38
0
230
11.266
0
11.266
(105)
11.372
11.372
0
11.372
1.373
9.999
(1.104.536)
357.053
11.372
(1.373)
Página 4 de 11
107
11
2015
nov/15
107
12.000
317.926
38
12.097,79
0,0%
12.000
676
335
4
4
20
27
17
38
0
231
11.324
0
11.324
(109)
11.432
11.432
0
11.432
1.373
10.059
(1.114.535)
347.054
11.432
(1.373)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.327
11.327
59.863
109
1
2016
jan/16
109
11.912
317.926
38
12.008,58
0,0%
11.912
687
348
4
4
20
27
17
38
0
229
11.225
0
11.225
(102)
11.327
11.327
0
11.327
1.373
9.954
(1.094.582)
367.008
11.327
(1.373)
11.282
11.282
58.490
110
2
2016
fev/16
110
11.868
317.926
38
11.964,22
0,0%
11.868
684
346
4
4
20
27
17
38
0
228
11.183
0
11.183
(99)
11.282
11.282
0
11.282
1.373
9.909
(1.084.672)
376.917
11.282
(1.373)
11.238
11.238
57.117
111
3
2016
mar/16
111
11.824
317.926
37
11.920,02
0,0%
11.824
682
345
4
4
20
27
17
38
0
227
11.142
0
11.141
(96)
11.238
11.238
0
11.238
1.373
9.865
(1.074.808)
386.782
11.238
(1.373)
11.193
11.193
55.744
112
4
2016
abr/16
112
11.780
317.926
37
11.875,99
0,0%
11.780
680
344
4
4
20
27
17
38
0
227
11.100
0
11.100
(93)
11.193
11.193
0
11.193
1.373
9.820
(1.064.987)
396.602
11.193
(1.373)
11.149
11.149
54.371
113
5
2016
mai/16
113
11.736
317.926
37
11.836,83
0,0%
11.736
678
342
4
4
20
27
17
38
0
226
11.059
0
11.059
(90)
11.149
11.149
0
11.149
1.373
9.776
(1.055.211)
406.378
11.149
(1.373)
FluxoCaixa
11.105
11.105
52.998
114
6
2016
jun/16
114
11.693
317.926
37
11.793,10
0,0%
11.693
676
341
4
4
20
27
17
38
0
225
11.018
0
11.017
(87)
11.105
11.105
0
11.105
1.373
9.732
(1.045.480)
416.110
11.105
(1.373)
11.082
11.082
51.625
115
7
2016
jul/16
115
11.671
317.926
37
11.771,06
0,0%
11.671
674
340
4
4
20
27
17
38
0
224
10.997
0
10.997
(84)
11.082
11.082
0
11.082
1.373
9.709
(1.035.771)
425.818
11.082
(1.373)
11.040
11.040
50.252
116
8
2016
ago/16
116
11.631
317.926
37
11.730,26
0,0%
11.631
672
339
4
4
20
27
17
38
0
224
10.959
0
10.958
(81)
11.040
11.040
0
11.040
1.373
9.667
(1.026.104)
435.485
11.040
(1.373)
10.999
10.999
48.879
117
9
2016
set/16
117
11.591
317.926
37
11.689,60
0,0%
11.591
670
338
4
4
20
27
17
38
0
223
10.920
0
10.920
(79)
10.999
10.999
0
10.999
1.373
9.626
(1.016.478)
445.111
10.999
(1.373)
10.958
10.958
47.506
118
10
2016
out/16
118
11.550
317.926
37
11.649,09
0,0%
11.550
668
336
4
4
20
27
17
38
0
222
10.882
0
10.882
(76)
10.958
10.958
0
10.958
1.373
9.585
(1.006.893)
454.696
10.958
(1.373)
11.397
11.397
46.311
11.341
11.341
45.116
120
12
2016
dez/16
120
11.958
317.926
38
12.065,55
0,0%
11.958
688
349
4
4
20
27
17
38
0
230
11.270
0
11.270
(71)
11.341
11.341
0
11.341
1.195
10.146
(986.545)
475.044
11.341
(1.195)
Página 5 de 11
119
11
2016
nov/16
119
12.000
317.926
38
12.107,51
0,0%
12.000
676
335
4
4
20
27
17
38
0
231
11.324
0
11.324
(73)
11.397
11.397
0
11.397
1.195
10.202
(996.691)
464.898
11.397
(1.195)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.299
11.299
43.921
121
1
2017
jan/17
121
11.917
317.926
38
12.023,73
0,0%
11.917
686
347
4
4
20
27
17
38
0
229
11.231
0
11.231
(68)
11.299
11.299
0
11.299
1.195
10.105
(976.441)
485.149
11.299
(1.195)
11.258
11.258
42.727
122
2
2017
fev/17
122
11.876
317.926
38
11.982,05
0,0%
11.876
684
346
4
4
20
27
17
38
0
228
11.192
0
11.192
(66)
11.258
11.258
0
11.258
1.195
10.063
(966.378)
495.212
11.258
(1.195)
11.216
11.216
41.532
123
3
2017
mar/17
123
11.834
317.926
38
11.940,52
0,0%
11.834
682
344
4
4
20
27
17
38
0
228
11.153
0
11.153
(63)
11.216
11.216
0
11.216
1.195
10.021
(956.356)
505.233
11.216
(1.195)
11.175
11.175
40.337
124
4
2017
abr/17
124
11.793
317.926
37
11.899,14
0,0%
11.793
680
343
4
4
20
27
17
38
0
227
11.114
0
11.114
(61)
11.175
11.175
0
11.175
1.195
9.980
(946.376)
515.213
11.175
(1.195)
FluxoCaixa
11.134
11.134
39.142
125
5
2017
mai/17
125
11.753
317.926
37
11.862,81
0,0%
11.753
678
342
4
4
20
27
17
38
0
226
11.075
0
11.075
(59)
11.134
11.134
0
11.134
1.195
9.939
(936.437)
525.152
11.134
(1.195)
11.093
11.093
37.947
126
6
2017
jun/17
126
11.712
317.926
37
11.821,69
0,0%
11.712
675
341
4
4
20
27
17
38
0
225
11.036
0
11.036
(56)
11.093
11.093
0
11.093
1.195
9.898
(926.539)
535.050
11.093
(1.195)
11.070
11.070
36.752
127
7
2017
jul/17
127
11.689
317.926
37
11.798,91
0,0%
11.689
674
339
4
4
20
27
17
38
0
225
11.016
0
11.015
(54)
11.070
11.070
0
11.070
1.195
9.875
(916.665)
544.925
11.070
(1.195)
11.031
11.031
35.557
128
8
2017
ago/17
128
11.651
317.926
37
11.760,28
0,0%
11.651
672
339
4
4
20
27
17
38
0
224
10.979
0
10.979
(52)
11.031
11.031
0
11.031
1.195
9.836
(906.829)
554.761
11.031
(1.195)
10.992
10.992
34.362
129
9
2017
set/17
129
11.613
317.926
37
11.721,78
0,0%
11.613
670
337
4
4
20
27
17
38
0
223
10.942
0
10.942
(50)
10.992
10.992
0
10.992
1.195
9.797
(897.031)
564.558
10.992
(1.195)
10.954
10.954
33.168
130
10
2017
out/17
130
11.575
317.926
37
11.683,41
0,0%
11.575
668
336
4
4
20
27
17
38
0
223
10.906
0
10.906
(48)
10.954
10.954
0
10.954
1.195
9.759
(887.272)
574.317
10.954
(1.195)
11.370
11.370
32.250
11.317
11.317
31.331
132
12
2017
dez/17
132
11.961
317.926
38
12.077,97
0,0%
11.961
688
348
4
4
20
27
17
38
0
230
11.273
0
11.273
(44)
11.317
11.317
0
11.317
918
10.399
(866.421)
595.168
11.317
(918)
Página 6 de 11
131
11
2017
nov/17
131
12.000
317.926
38
12.117,64
0,0%
12.000
676
335
4
4
20
27
17
38
0
231
11.324
0
11.324
(46)
11.370
11.370
0
11.370
918
10.452
(876.820)
584.769
11.370
(918)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.279
11.279
30.413
133
1
2018
jan/18
133
11.922
317.926
38
12.038,43
0,0%
11.922
685
346
4
4
20
27
17
38
0
229
11.236
0
11.236
(42)
11.279
11.279
0
11.279
918
10.361
(856.061)
605.529
11.279
(918)
11.240
11.240
29.495
134
2
2018
fev/18
134
11.883
317.926
38
11.999,02
0,0%
11.883
683
345
4
4
20
27
17
38
0
229
11.199
0
11.199
(41)
11.240
11.240
0
11.240
918
10.322
(845.738)
615.851
11.240
(918)
11.202
11.202
28.577
135
3
2018
mar/18
135
11.844
317.926
38
11.959,74
0,0%
11.844
681
344
4
4
20
27
17
38
0
228
11.162
0
11.162
(40)
11.202
11.202
0
11.202
918
10.284
(835.454)
626.135
11.202
(918)
11.164
11.164
27.659
136
4
2018
abr/18
136
11.805
317.926
37
11.920,59
0,0%
11.805
679
343
4
4
20
27
17
38
0
227
11.125
0
11.125
(39)
11.164
11.164
0
11.164
918
10.246
(825.208)
636.381
11.164
(918)
FluxoCaixa
11.126
11.126
26.741
137
5
2018
mai/18
137
11.766
317.926
37
11.881,56
0,0%
11.766
677
341
4
4
20
27
17
38
0
226
11.089
0
11.089
(37)
11.126
11.126
0
11.126
918
10.208
(815.000)
646.589
11.126
(918)
11.088
11.088
25.823
138
6
2018
jun/18
138
11.728
317.926
37
11.842,67
0,0%
11.728
676
340
4
4
20
27
17
38
0
226
11.052
0
11.052
(36)
11.088
11.088
0
11.088
918
10.170
(804.830)
656.760
11.088
(918)
11.051
11.051
24.905
139
7
2018
jul/18
139
11.689
317.926
37
11.803,90
0,0%
11.689
674
339
4
4
20
27
17
38
0
225
11.016
0
11.016
(35)
11.050
11.050
0
11.051
918
10.132
(794.697)
666.892
11.051
(918)
11.013
11.013
23.987
140
8
2018
ago/18
140
11.651
317.926
37
11.765,25
0,0%
11.651
672
338
4
4
20
27
17
38
0
224
10.979
0
10.979
(34)
11.013
11.013
0
11.013
918
10.095
(784.602)
676.987
11.013
(918)
10.975
10.975
23.069
141
9
2018
set/18
141
11.613
317.926
37
11.726,74
0,0%
11.613
670
337
4
4
20
27
17
38
0
223
10.943
0
10.943
(32)
10.975
10.975
0
10.975
918
10.057
(774.545)
687.044
10.975
(918)
10.938
10.938
22.151
142
10
2018
out/18
142
11.575
317.926
37
11.688,35
0,0%
11.575
668
336
4
4
20
27
17
38
0
223
10.907
0
10.907
(31)
10.938
10.938
0
10.938
918
10.020
(764.525)
697.064
10.938
(918)
11.355
11.355
21.485
11.303
11.303
20.819
144
12
2018
dez/18
144
11.961
317.926
38
12.080,53
0,0%
11.961
687
347
4
4
20
27
17
38
0
230
11.274
0
11.274
(29)
11.303
11.303
0
11.303
666
10.636
(743.200)
718.389
11.303
(666)
Página 7 de 11
143
11
2018
nov/18
143
12.000
317.926
38
12.120,21
0,0%
12.000
675
335
4
4
20
27
17
38
0
231
11.325
0
11.325
(30)
11.354
11.354
0
11.355
666
10.688
(753.837)
707.753
11.355
(666)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.265
11.265
20.152
145
1
2019
jan/19
145
11.922
317.926
38
12.040,98
0,0%
11.922
685
346
4
4
20
27
17
38
0
229
11.237
0
11.237
(28)
11.265
11.265
0
11.265
666
10.599
(732.602)
728.988
11.265
(666)
11.227
11.227
19.486
146
2
2019
fev/19
146
11.883
317.926
38
12.001,56
0,0%
11.883
683
345
4
4
20
27
17
38
0
229
11.200
0
11.200
(27)
11.227
11.227
0
11.227
666
10.561
(722.041)
739.548
11.227
(666)
11.189
11.189
18.820
147
3
2019
mar/19
147
11.844
317.926
38
11.962,27
0,0%
11.844
681
343
4
4
20
27
17
38
0
228
11.163
0
11.163
(26)
11.189
11.189
0
11.189
666
10.523
(711.518)
750.071
11.189
(666)
11.151
11.151
18.153
148
4
2019
abr/19
148
11.805
317.926
38
11.923,11
0,0%
11.805
679
342
4
4
20
27
17
38
0
227
11.126
0
11.126
(25)
11.151
11.151
0
11.151
666
10.485
(701.033)
760.556
11.151
(666)
FluxoCaixa
11.114
11.114
17.487
149
5
2019
mai/19
149
11.766
317.926
37
11.884,08
0,0%
11.766
677
341
4
4
20
27
17
38
0
226
11.089
0
11.089
(25)
11.114
11.114
0
11.114
666
10.447
(690.586)
771.003
11.114
(666)
11.076
11.076
16.821
150
6
2019
jun/19
150
11.728
317.926
37
11.845,17
0,0%
11.728
675
340
4
4
20
27
17
38
0
226
11.053
0
11.052
(24)
11.076
11.076
0
11.076
666
10.410
(680.176)
781.413
11.076
(666)
11.039
11.039
16.154
151
7
2019
jul/19
151
11.689
317.926
37
11.806,39
0,0%
11.689
673
339
4
4
20
27
17
38
0
225
11.016
0
11.016
(23)
11.039
11.039
0
11.039
666
10.372
(669.804)
791.785
11.039
(666)
11.001
11.001
15.488
152
8
2019
ago/19
152
11.651
317.926
37
11.767,74
0,0%
11.651
671
338
4
4
20
27
17
38
0
224
10.980
0
10.980
(22)
11.001
11.001
0
11.001
666
10.335
(659.469)
802.120
11.001
(666)
10.964
10.964
14.822
153
9
2019
set/19
153
11.613
317.926
37
11.729,22
0,0%
11.613
670
337
4
4
20
27
17
38
0
223
10.943
0
10.943
(21)
10.964
10.964
0
10.964
666
10.298
(649.171)
812.418
10.964
(666)
10.927
10.927
14.155
154
10
2019
out/19
154
11.575
317.926
37
11.690,82
0,0%
11.575
668
335
4
4
20
27
17
38
0
223
10.907
0
10.907
(20)
10.927
10.927
0
10.927
666
10.261
(638.910)
822.679
10.927
(666)
11.344
11.344
13.682
11.292
11.292
13.209
156
12
2019
dez/19
156
11.961
317.926
38
12.083,28
0,0%
11.961
687
347
4
4
20
27
17
38
0
230
11.274
0
11.274
(18)
11.292
11.292
0
11.292
473
10.819
(617.220)
844.370
11.292
(473)
Página 8 de 11
155
11
2019
nov/19
155
12.000
317.926
38
12.122,96
0,0%
12.000
675
334
4
4
20
27
17
38
0
231
11.325
0
11.325
(19)
11.344
11.344
0
11.344
473
10.871
(628.039)
833.550
11.344
(473)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.255
11.255
12.736
157
1
2020
jan/20
157
11.922
317.926
38
12.043,72
0,0%
11.922
684
345
4
4
20
27
17
38
0
229
11.237
0
11.237
(18)
11.255
11.255
0
11.255
473
10.782
(606.438)
855.152
11.255
(473)
11.217
11.217
12.263
158
2
2020
fev/20
158
11.883
317.926
38
12.004,29
0,0%
11.883
683
344
4
4
20
27
17
38
0
229
11.200
0
11.200
(17)
11.217
11.217
0
11.217
473
10.744
(595.693)
865.896
11.217
(473)
11.180
11.180
11.790
159
3
2020
mar/20
159
11.844
317.926
38
11.964,99
0,0%
11.844
681
343
4
4
20
27
17
38
0
228
11.163
0
11.163
(17)
11.179
11.179
0
11.180
473
10.707
(584.987)
876.603
11.180
(473)
11.142
11.142
11.317
160
4
2020
abr/20
160
11.805
317.926
38
11.925,82
0,0%
11.805
679
342
4
4
20
27
17
38
0
227
11.126
0
11.126
(16)
11.142
11.142
0
11.142
473
10.669
(574.318)
887.272
11.142
(473)
FluxoCaixa
11.105
11.105
10.844
161
5
2020
mai/20
161
11.766
317.926
37
11.886,78
0,0%
11.766
677
341
4
4
20
27
17
38
0
226
11.089
0
11.089
(15)
11.105
11.105
0
11.105
473
10.632
(563.686)
897.903
11.105
(473)
11.067
11.067
10.371
162
6
2020
jun/20
162
11.728
317.926
37
11.847,87
0,0%
11.728
675
340
4
4
20
27
17
38
0
226
11.053
0
11.053
(15)
11.067
11.067
0
11.067
473
10.594
(553.091)
908.498
11.067
(473)
11.030
11.030
9.898
163
7
2020
jul/20
163
11.689
317.926
37
11.809,08
0,0%
11.689
673
339
4
4
20
27
17
38
0
225
11.016
0
11.016
(14)
11.030
11.030
0
11.030
473
10.557
(542.534)
919.055
11.030
(473)
10.993
10.993
9.425
164
8
2020
ago/20
164
11.651
317.926
37
11.770,42
0,0%
11.651
671
337
4
4
20
27
17
38
0
224
10.980
0
10.980
(13)
10.993
10.993
0
10.993
473
10.520
(532.014)
929.575
10.993
(473)
10.956
10.956
8.952
165
9
2020
set/20
165
11.613
317.926
37
11.731,89
0,0%
11.613
669
336
4
4
20
27
17
38
0
223
10.944
0
10.943
(13)
10.956
10.956
0
10.956
473
10.483
(521.531)
940.059
10.956
(473)
10.920
10.920
8.479
166
10
2020
out/20
166
11.575
317.926
37
11.693,48
0,0%
11.575
667
335
4
4
20
27
17
38
0
223
10.907
0
10.907
(12)
10.919
10.919
0
10.920
473
10.447
(511.084)
950.505
10.920
(473)
11.337
11.337
8.140
11.285
11.285
7.801
168
12
2020
dez/20
168
11.961
317.926
38
12.080,82
0,0%
11.961
687
347
4
4
20
27
17
38
0
230
11.274
0
11.274
(11)
11.285
11.285
0
11.285
339
10.946
(489.141)
972.449
11.285
(339)
Página 9 de 11
167
11
2020
nov/20
167
12.000
317.926
38
12.120,50
0,0%
12.000
675
334
4
4
20
27
17
38
0
231
11.325
0
11.325
(11)
11.337
11.337
0
11.337
339
10.997
(500.087)
961.503
11.337
(339)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.248
11.248
7.462
169
1
2021
jan/21
169
11.922
317.926
38
12.041,28
0,0%
11.922
684
345
4
4
20
27
17
38
0
229
11.237
0
11.237
(11)
11.248
11.248
0
11.248
339
10.909
(478.232)
983.358
11.248
(339)
11.210
11.210
7.123
170
2
2021
fev/21
170
11.883
317.926
38
12.001,86
0,0%
11.883
682
344
4
4
20
27
17
38
0
229
11.200
0
11.200
(10)
11.210
11.210
0
11.210
339
10.871
(467.361)
994.229
11.210
(339)
11.173
11.173
6.784
171
3
2021
mar/21
171
11.844
317.926
38
11.962,56
0,0%
11.844
680
343
4
4
20
27
17
38
0
228
11.163
0
11.163
(10)
11.173
11.173
0
11.173
339
10.834
(456.527)
1.005.062
11.173
(339)
11.136
11.136
6.444
172
4
2021
abr/21
172
11.805
317.926
38
11.923,40
0,0%
11.805
678
342
4
4
20
27
17
38
0
227
11.126
0
11.126
(9)
11.135
11.135
0
11.136
339
10.796
(445.731)
1.015.859
11.136
(339)
FluxoCaixa
11.098
11.098
6.105
173
5
2021
mai/21
173
11.766
317.926
37
11.884,37
0,0%
11.766
677
341
4
4
20
27
17
38
0
226
11.090
0
11.089
(9)
11.098
11.098
0
11.098
339
10.759
(434.971)
1.026.618
11.098
(339)
11.061
11.061
5.766
174
6
2021
jun/21
174
11.728
317.926
37
11.845,46
0,0%
11.728
675
339
4
4
20
27
17
38
0
226
11.053
0
11.053
(8)
11.061
11.061
0
11.061
339
10.722
(424.249)
1.037.340
11.061
(339)
11.024
11.024
5.427
175
7
2021
jul/21
175
11.689
317.926
37
11.806,68
0,0%
11.689
673
338
4
4
20
27
17
38
0
225
11.016
0
11.016
(8)
11.024
11.024
0
11.024
339
10.685
(413.564)
1.048.025
11.024
(339)
10.987
10.987
5.088
176
8
2021
ago/21
176
11.651
317.926
37
11.768,03
0,0%
11.651
671
337
4
4
20
27
17
38
0
224
10.980
0
10.980
(7)
10.987
10.987
0
10.987
339
10.648
(402.916)
1.058.673
10.987
(339)
10.951
10.951
4.749
177
9
2021
set/21
177
11.613
317.926
37
11.729,50
0,0%
11.613
669
336
4
4
20
27
17
38
0
223
10.944
0
10.944
(7)
10.951
10.951
0
10.951
339
10.611
(392.305)
1.069.285
10.951
(339)
10.914
10.914
4.409
178
10
2021
out/21
178
11.575
317.926
37
11.691,11
0,0%
11.575
667
335
4
4
20
27
17
38
0
223
10.908
0
10.908
(6)
10.914
10.914
0
10.914
339
10.575
(381.730)
1.079.860
10.914
(339)
11.280
11.280
3.674
180
12
2021
dez/21
180
11.961
317.926
38
12.078,40
0,0%
11.961
686
347
4
4
20
27
17
38
0
230
11.274
0
11.274
(5)
11.280
11.280
0
11.280
367
10.912
(359.854)
1.101.736
11.280
(367)
Página 10 de 11
11.331
11.331
4.042
179
11
2021
nov/21
179
12.000
317.926
38
12.118,07
0,0%
12.000
675
334
4
4
20
27
17
38
0
231
11.325
0
11.325
(6)
11.331
11.331
0
11.331
367
10.964
(370.766)
1.090.823
11.331
(367)
+
+
=
Investimento na aquisição das Cotas
Remuneração das Cotas
Impostos
Valor Residual
Fluxos de Caixa Líquidos dos Cotistas
Cotistas
Aplicações + Disponibilidades
=
-
-
=
=
-/+
=
=
+
=
=
=
+
=
=
Receitas Operacionais
Mês
Ano
Área locável (m2)
Unitário de mercado locação (R$/m2)
Potencial de Mercado de Alugueis
Vacância do empreendimento
Área vaga (m2)
Alugueis Efetivos
Receitas de estacionamento
Outras receitas
Impostos sobre receitas
PIS
COFINS
Despesas Operacionais
Despesas de condomínio/IPTU (vacância)
Inadimplência irrecuperável
Gestão de contratos de locação
Taxa de administração,controladoria e custódia
Taxa CVM/BOVESPA
Despesas com auditoria
Despesas com formador de mercado
Despesas com reavaliação anual dos imóveis
Despesas com publicações legais
Despesas com seguro dos imóveis
Outras despesas
Reserva de contingências
Despesas iniciais de estruturação e distribuição
Lucro antes juros, imp., deprec. e amortiz. (EBTIDA)
Depreciação
Lucro antes de juros e Impostos (EBIT)
Receitas/Despesas financeiras
Lucro antes de Impostos
Impostos (IR/CSSL)
Lucro líquido
Depreciação e Amortização
Fluxos de Caixa Provenientes de Operações
Investimento em novos ativos
Reinvestimentos para reposição de ativos
Fluxos de Caixa Operações + Investimentos
Fluxos de Caixa Acumulado
Integralização dos Cotistas
Reservas e provisões
Fluxos de Caixa Acumulado após integralizações
Remuneração de Cotistas
Fluxos de Caixa Líquidos do período
+
Meses
FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO
VotorantimWealthFII_16834_120719
11.242
11.242
3.307
181
1
2022
jan/22
181
11.922
317.926
38
12.038,86
0,0%
11.922
684
345
4
4
20
27
17
38
0
229
11.238
0
11.237
(5)
11.242
11.242
0
11.242
367
10.875
(348.979)
1.112.611
11.242
(367)
11.205
11.205
2.940
182
2
2022
fev/22
182
11.883
317.926
38
11.999,44
0,0%
11.883
682
344
4
4
20
27
17
38
0
229
11.200
0
11.200
(4)
11.205
11.205
0
11.205
367
10.837
(338.141)
1.123.448
11.205
(367)
11.167
11.167
2.572
183
3
2022
mar/22
183
11.844
317.926
38
11.960,16
0,0%
11.844
680
343
4
4
20
27
17
38
0
228
11.163
0
11.163
(4)
11.167
11.167
0
11.167
367
10.800
(327.341)
1.134.248
11.167
(367)
11.130
11.130
2.205
184
4
2022
abr/22
184
11.805
317.926
37
11.921,01
0,0%
11.805
678
342
4
4
20
27
17
38
0
227
11.127
0
11.126
(3)
11.130
11.130
0
11.130
367
10.763
(316.579)
1.145.011
11.130
(367)
FluxoCaixa
11.093
11.093
1.837
185
5
2022
mai/22
185
11.766
317.926
37
11.881,98
0,0%
11.766
676
340
4
4
20
27
17
38
0
226
11.090
0
11.090
(3)
11.093
11.093
0
11.093
367
10.725
(305.853)
1.155.736
11.093
(367)
11.056
11.056
1.470
186
6
2022
jun/22
186
11.728
317.926
37
11.843,08
0,0%
11.728
675
339
4
4
20
27
17
38
0
226
11.053
0
11.053
(2)
11.055
11.055
0
11.056
367
10.688
(295.165)
1.166.424
11.056
(367)
11.019
11.019
1.102
187
7
2022
jul/22
187
11.689
317.926
37
11.804,31
0,0%
11.689
673
338
4
4
20
27
17
38
0
225
11.017
0
11.017
(2)
11.018
11.018
0
11.019
367
10.651
(284.514)
1.177.075
11.019
(367)
10.982
10.982
735
188
8
2022
ago/22
188
11.651
317.926
37
11.765,67
0,0%
11.651
671
337
4
4
20
27
17
38
0
224
10.980
0
10.980
(1)
10.982
10.982
0
10.982
367
10.614
(273.900)
1.187.690
10.982
(367)
10.945
10.945
367
189
9
2022
set/22
189
11.613
317.926
37
11.727,15
0,0%
11.613
669
336
4
4
20
27
17
38
0
223
10.944
0
10.944
(1)
10.945
10.945
0
10.945
367
10.578
(263.322)
1.198.267
10.945
(367)
10.908
10.908
0
190
10
2022
out/22
190
11.575
317.926
37
11.688,76
0,0%
11.575
667
335
4
4
20
27
17
38
0
223
10.908
0
10.908
(0)
10.908
10.908
0
10.908
367
10.541
(252.781)
1.208.808
10.908
(367)
11.239
1.575.347
1.586.586
0
192
12
2022
dez/22
192
11.961
317.926
38
12.075,99
0,0%
11.961
721
36
346
4
4
20
27
17
38
0
229
11.239
0
11.239
(0)
11.239
11.239
0
11.239
11.239
(230.216)
1.231.373
11.239
(0)
Página 11 de 11
11.326
11.326
0
191
11
2022
nov/22
191
12.000
317.926
38
12.115,66
0,0%
12.000
674
334
4
4
20
27
17
38
0
231
11.326
0
11.325
(0)
11.325
11.325
0
11.326
11.326
(241.456)
1.220.133
11.326
(0)
PARÂMETROS DE MERCADO PARA
LOCAÇÃO
Aluguel de mercado inicial - R$/m2
Aluguel de mercado estabilizado - R$/m2
Prazo para atingir estabilização de mercado - meses
Prazo de manutenção da estabilização de mercado - meses
Aluguel de mercado no final vida útil - R$/m2
Ocupação inicial - %
Prazo de ocupação até estabilizar vacância - meses
Vacância estabilizada - %
Prazo de manutenção da estabilização de vacância - meses
Vacância no final da vida útil - %
Encargos áreas vagas inicial - R$/m2
Prazo para estabilizar os encargos áreas vagas - meses
Encargos áreas vagas estabilizado - R$/m2
Gestão de contratos de locação - % da receita efetiva
Inadimplência irrecuperável - % dos alugueis efetivos
Vida útil remanescente de projeção (anos)
Parâmetros esperados de mercado
Aluguel de mercado inicial - R$/m2
Aluguel de mercado estabilizado - R$/m2
Prazo para atingir estabilização de mercado - meses
Prazo de manutenção da estabilização de mercado - meses
Aluguel de mercado no final vida útil - R$/m2
Ocupação inicial - %
Prazo de ocupação até estabilizar vacância - meses
Vacância estabilizada - %
Prazo de manutenção da estabilização de vacância - meses
Vacância no final da vida útil - %
Encargos áreas vagas inicial - R$/m2
Prazo para estabilizar os encargos áreas vagas - meses
Encargos áreas vagas estabilizado - R$/m2
Gestão de contratos de locação - % da receita efetiva
Inadimplência irrecuperável - % dos alugueis efetivos
Vida útil remanescente de projeção (anos)
Parâmetros esperados de mercado
Aluguel de mercado inicial - R$/m2
Aluguel de mercado estabilizado - R$/m2
Prazo para atingir estabilização de mercado - meses
Prazo de manutenção da estabilização de mercado - meses
Aluguel de mercado no final vida útil - R$/m2
Ocupação inicial - %
Prazo de ocupação até estabilizar vacância - meses
Vacância estabilizada - %
Prazo de manutenção da estabilização de vacância - meses
Vacância no final da vida útil - %
Encargos áreas vagas inicial - R$/m2
Prazo para estabilizar os encargos áreas vagas - meses
Encargos áreas vagas estabilizado - R$/m2
Gestão de contratos de locação - % da receita efetiva
Inadimplência irrecuperável - % dos alugueis efetivos
Vida útil remanescente de projeção (anos)
Parâmetros esperados de mercado
32,59
32,59
204
29,33
97%
12
3,5%
102
7,0%
16,00
12
16,00
0,0%
0,3%
37
Contrato 45
021-belem Predio
26,89
26,89
360
24,20
97%
12
3,5%
180
7,0%
9,00
12
9,00
0,0%
0,3%
50
Contrato 23
020_Cuiaba
55,77
55,77
300
50,19
97%
12
3,5%
150
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
45
Contrato 1
058-jabaquara
131,79
133,11
24
360
119,80
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 46
041-Leblon
28,03
29,75
60
360
26,78
97%
12
3,5%
180
7,0%
6,00
12
6,00
0,0%
0,3%
55
Contrato 24
015-Uberlandia
23,09
23,09
276
20,78
97%
12
3,5%
138
7,0%
15,00
12
15,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 2
059-ipiranga
31,37
29,83
60
360
26,85
97%
12
3,5%
180
7,0%
7,00
12
7,00
0,0%
0,3%
55
Contrato 47
033-Niteroi-RJ
37,26
37,26
276
33,53
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 25
050-campinas
23,67
23,67
276
21,30
97%
12
3,5%
138
7,0%
15,00
12
15,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 3
060-Bras
46,27
46,27
300
41,64
97%
12
3,5%
150
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
45
Contrato 48
005-Fortaleza
24,58
24,58
312
22,12
97%
12
3,5%
156
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
46
Contrato 26
075-Piracicaba
48,75
48,75
300
43,88
97%
12
3,5%
150
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
45
Contrato 4
064-Santana
PARÂMETROS DE MERCADO
33,12
33,12
168
29,81
97%
12
3,5%
84
7,0%
19,00
12
19,00
0,0%
0,3%
34
Contrato 49
002-manaus
28,71
30,51
24
360
27,46
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 27
074-campinas
36,98
36,98
252
33,28
97%
12
3,5%
126
7,0%
18,00
12
18,00
0,0%
0,3%
41
17,42
18,41
24
360
16,57
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 50
054-sorocaba
19,48
19,48
312
17,53
97%
12
3,5%
156
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
46
Contrato 28
053-Aracatuba
51,73
51,73
276
46,56
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 5
Contrato 6
065-Santo Amaro 066-Ana Rosa
18,19
18,19
360
16,37
97%
12
3,5%
180
7,0%
10,00
12
10,00
0,0%
0,3%
50
Contrato 51
076-sorocaba
22,03
27,28
84
360
24,55
97%
12
3,5%
180
7,0%
5,00
12
5,00
0,0%
0,3%
57
Contrato 29
027-Toledo
69,95
69,95
300
62,96
97%
12
3,5%
150
7,0%
12,00
12
12,00
0,0%
0,3%
45
Contrato 7
068-Moema
29,29
29,29
168
26,36
97%
12
3,5%
84
7,0%
18,00
12
18,00
0,0%
0,3%
34
Contrato 52
048-aracaju
30,23
31,82
24
360
28,64
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 30
077-Bauru
27,67
27,67
360
24,90
97%
12
3,5%
180
7,0%
9,00
12
9,00
0,0%
0,3%
50
Contrato 8
070-casaverde
41,18
41,18
276
37,06
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
45,57
45,57
360
41,01
97%
12
3,5%
180
7,0%
10,00
12
10,00
0,0%
0,3%
50
Contrato 11
069-brooklin
27,25
31,28
60
360
28,15
97%
12
3,5%
180
7,0%
6,00
12
6,00
0,0%
0,3%
55
29,41
29,41
204
26,47
97%
12
3,5%
102
7,0%
18,00
12
18,00
0,0%
0,3%
37
30,52
30,52
204
27,47
97%
12
3,5%
102
7,0%
18,00
12
18,00
0,0%
0,3%
37
Contrato 55
017-BH-RuaES
20,30
20,30
312
18,27
97%
12
3,5%
156
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
46
Contrato 32
Contrato 33
051-sjriopreto 049-ribeirao preto
26,58
28,09
24
360
25,28
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 10
072-Vila Carrao
Contrato 53
Contrato 54
018-BH-RuaBahia 014-BH-RuaRJ
22,01
22,01
276
19,81
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 31
026-maringa
61,18
61,18
300
55,06
97%
12
3,5%
150
7,0%
12,00
12
12,00
0,0%
0,3%
45
Contrato 9
071-Paraiso
Aluguel de mercado inicial - R$/m2
Aluguel de mercado estabilizado - R$/m2
Prazo para atingir estabilização de mercado - meses
Prazo de manutenção da estabilização de mercado - meses
Aluguel de mercado no final vida útil - R$/m2
Ocupação inicial - %
Prazo de ocupação até estabilizar vacância - meses
Vacância estabilizada - %
Prazo de manutenção da estabilização de vacância - meses
Vacância no final da vida útil - %
Encargos áreas vagas inicial - R$/m2
Prazo para estabilizar os encargos áreas vagas - meses
Encargos áreas vagas estabilizado - R$/m2
Gestão de contratos de locação - % da receita efetiva
Inadimplência irrecuperável - % dos alugueis efetivos
Vida útil remanescente de projeção (anos)
Parâmetros esperados de mercado
Aluguel de mercado inicial - R$/m2
Aluguel de mercado estabilizado - R$/m2
Prazo para atingir estabilização de mercado - meses
Prazo de manutenção da estabilização de mercado - meses
Aluguel de mercado no final vida útil - R$/m2
Ocupação inicial - %
Prazo de ocupação até estabilizar vacância - meses
Vacância estabilizada - %
Prazo de manutenção da estabilização de vacância - meses
Vacância no final da vida útil - %
Encargos áreas vagas inicial - R$/m2
Prazo para estabilizar os encargos áreas vagas - meses
Encargos áreas vagas estabilizado - R$/m2
Gestão de contratos de locação - % da receita efetiva
Inadimplência irrecuperável - % dos alugueis efetivos
Vida útil remanescente de projeção (anos)
Parâmetros esperados de mercado
Aluguel de mercado inicial - R$/m2
Aluguel de mercado estabilizado - R$/m2
Prazo para atingir estabilização de mercado - meses
Prazo de manutenção da estabilização de mercado - meses
Aluguel de mercado no final vida útil - R$/m2
Ocupação inicial - %
Prazo de ocupação até estabilizar vacância - meses
Vacância estabilizada - %
Prazo de manutenção da estabilização de vacância - meses
Vacância no final da vida útil - %
Encargos áreas vagas inicial - R$/m2
Prazo para estabilizar os encargos áreas vagas - meses
Encargos áreas vagas estabilizado - R$/m2
Gestão de contratos de locação - % da receita efetiva
Inadimplência irrecuperável - % dos alugueis efetivos
Vida útil remanescente de projeção (anos)
Parâmetros esperados de mercado
37,93
37,93
276
34,14
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 35
029-curitiba
54,71
54,71
276
49,24
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
18,22
18,22
300
16,40
97%
12
3,5%
150
7,0%
12,00
12
12,00
0,0%
0,3%
45
Contrato 36
061-SCSul
27,39
31,91
60
360
28,72
97%
12
3,5%
180
7,0%
6,00
12
6,00
0,0%
0,3%
55
30,55
32,28
24
360
29,05
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 37
052-Sjcampos
39,49
41,82
24
360
37,64
97%
12
3,5%
180
7,0%
7,00
12
7,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 15
031-Campos
43,05
54,77
84
360
49,29
97%
12
3,5%
180
7,0%
5,00
12
5,00
0,0%
0,3%
57
Contrato 38
038-Jacarepagua
128,03
115,79
120
360
104,21
97%
12
3,5%
180
7,0%
6,00
12
6,00
0,0%
0,3%
60
78,96
80,86
24
360
72,77
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 39
035-Tijuca
71,97
71,11
24
360
64,00
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
54,23
54,23
276
48,81
97%
12
3,5%
138
7,0%
13,00
12
13,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 19
056-lapa
43,04
43,04
300
38,74
97%
12
3,5%
150
7,0%
12,00
12
12,00
0,0%
0,3%
45
Contrato 20
057-penha
29,22
29,22
312
26,30
97%
12
3,5%
156
7,0%
12,00
12
12,00
0,0%
0,3%
46
43,44
44,66
24
360
40,19
97%
12
3,5%
180
7,0%
7,00
12
7,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 21
Contrato 22
067-freguesia 013_Juiz_Fora_MG
33,14
33,87
24
360
30,48
97%
12
3,5%
180
7,0%
7,00
12
7,00
0,0%
0,3%
52
69,81
69,81
300
62,83
97%
12
3,5%
150
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
45
30,13
30,98
24
360
27,88
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
33,82
34,77
24
360
31,29
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
29,35
31,32
24
360
28,19
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 40
Contrato 41
Contrato 42
Contrato 43
Contrato 44
036-D.Caxias 009-Brasilia-SBS1
046-Florianopolis-321
047-Florianopolis-329 019-Cgrande
31,55
31,55
276
28,40
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
Contrato 16
Contrato 17
Contrato 18
040- Copacabana 037-cinelandia-rj 073-bom retiro
32,53
32,53
216
29,28
97%
12
3,5%
108
7,0%
17,00
12
17,00
0,0%
0,3%
38
61,25
61,25
312
55,13
97%
12
3,5%
156
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
46
35,65
35,65
312
32,09
97%
12
3,5%
156
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
46
52,55
52,55
312
47,30
97%
12
3,5%
156
7,0%
12,00
12
12,00
0,0%
0,3%
46
35,09
35,09
312
31,58
97%
12
3,5%
156
7,0%
12,00
12
12,00
0,0%
0,3%
46
32,59
32,59
276
29,33
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
45,72
45,72
276
41,15
97%
12
3,5%
138
7,0%
14,00
12
14,00
0,0%
0,3%
43
120,92
120,92
300
108,83
97%
12
3,5%
150
7,0%
11,00
12
11,00
0,0%
0,3%
45
19,62
21,13
60
360
19,02
97%
12
3,5%
180
7,0%
6,00
12
6,00
0,0%
0,3%
55
21,10
22,60
24
360
20,34
97%
12
3,5%
180
7,0%
7,00
12
7,00
0,0%
0,3%
52
45,51
45,51
204
40,96
97%
12
3,5%
102
7,0%
19,00
12
19,00
0,0%
0,3%
37
Contrato 56
Contrato 57
Contrato 58
Contrato 59
Contrato 60
Contrato 61
Contrato 62
Contrato 63
Contrato 64
Contrato 65
Contrato 66
016-BH-Tamoios080-Sbento-483 A080-Sbento-483 B081-Sjoao-central 0A81-Sjoao-central B 011-Goiania 006-EdVirgo-Brasilia
008-brasilia-CjNac 043-CaxiasdoSul 044-Passo Fundo 007-Brasilia-AsaS
12,61
13,36
24
360
12,02
97%
12
3,5%
180
7,0%
8,00
12
8,00
0,0%
0,3%
52
Contrato 34
024-ponta grossa
21,87
21,87
252
19,68
97%
12
3,5%
126
7,0%
16,00
12
16,00
0,0%
0,3%
41
Contrato 12
Contrato 13
Contrato 14
062-Campos Elyseos 063- Pinheiros 045- Porto Alegre
PARÂMETROS DE MERCADO