acupuntura no tratamento da dor crônica

Сomentários

Transcrição

acupuntura no tratamento da dor crônica
CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL
SUSANA MARIA DA SILVA BRITO
ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA DOR CRÔNICA
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP
2009
CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL
SUSANA MARIA DA SILVA BRITO
ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA DOR CRÔNICA
Monografia
apresentada
à
Faculdade
de
Educação, Ciência e Tecnologia – UNISAÚDE/
CENTRO
DE
ESTUDOS
FIRVAL
–
como
requisito à conclusão do Curso de Formação de
Especialista em Acupuntura..
Orientada pela Prof.(a)Dra. Miriam Leite Kajiya
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
2009
Brito, Susana Maria Silva.
Acupuntura no tratamento da dor crônica
São José dos Campos 2009
44. pag.
Registro nº ..............
Orientadora: Dra. Miriam Leite Kajiya.
Monografia (pós graduação) Faculdade de Educação, Ciência e Tecnologia –
Unisaúde- São José dos Campos - Curso de Especialização em Acupuntura
1- Acupuntura. 2- Analgesia. 3- Dor Crônica.
2 - INTRODUÇÃO
Na atualidade, a mídia tem insistido na divulgação dos benefícios
oferecidos pelo tratamento da acupuntura, em especial no que diz respeito à queixa
principal da maioria do pacientes em ambulatório, a dor. E, a
acupuntura se
apresenta como uma modalidade terapêutica alternativa ou mesmo complementar
aos tratamentos convencionais (YAMAMURA, 2004).
Dor é a principal queixa dos pacientes. E, muitas dessas dores são
recidivantes ou já denominadas dor crônica. A dor crônica representa um grave
problema de saúde pública, com grande repercussão socioeconômica pelo alto
índice de morbidade comparáveis às das doenças cardiovasculares (BALDRY;
THOMPSON, 2007).
Ainda de acordo com Baldry e Thompson (2007), conforme sua análise
de trabalhos publicados, a acupuntura tem apresentado um efeito positivo e potente
no tratamento da dor. Esta é, inclusive, o grande fator aliado na aceitação que a
acupuntura tem recebido no ocidente, onde os médicos tanto da Europa como da
América decidiram explorar, mesmo que de forma empírica, a aplicação clínica da
acupuntura, nos casos de alívio da dor musculoesquelética
Desde então, a procura para o alívio das dores, principalmente aquelas que a
medicina convencional não consegue solucionar é uma das razões para o crescente
número de pesquisas sobre os mecanismos analgésicos da acupuntura, que tem
como foco a liberação de substâncias endógenas no mecanismo de analgesia. Esta
aceitação do efeito da acupuntura no alívio da dor foi facilitada pela descoberta dos
opióides endógenos, que trouxe uma lógica em termos ocidentais para o efeito sobre
a sensibilidade do paciente à dor. Além do alívio da dor, a acupuntura é comumente
usada na (Medicina Tradicional Chinesa) MTC para tratar várias doenças
(HOPWOOD et al., 2001).
Conforme
estudos de
Bellotto (2005) muitos dos pacientes buscam a
acupuntura por iniciativa própria, estimulados por resultados satisfatórios obtidos
anteriormente ou mesmo por indicação de pessoas que já obtiveram resultados
positivos com a técnica.
Com o objetivo de ressaltar os benefícios oferecidos pela acupuntura, este
trabalho traz uma revisão bibliográfica de estudos já realizados nas últimas quatro
décadas, no ocidente, focando, principalmente, a principal e importante queixa dos
paciente: a dor.
2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
2.1. Medicina Tradicional Chinesa (MTC)
Com cinco mil anos de prática, a acupuntura é provavelmente a técnica
médica mais antiga que sobreviveu a diversas outras surgidas nos últimos cinqüenta
séculos. Baseia-se na observação dos fenômenos que regem a natureza e busca
compreender todos os princípios que a organizam (YAMAMURA, 2004).
Nesta visão a medicina chinesa coloca o homem e o universo como
partes integrantes de um todo, em que um representa ou demonstra os mesmos
sinais que o outro.
2.1.1 - Técnicas terapêuticas da MTC
A medicina tradicional chinesa além das agulhas, utiliza ervas
(fitoterapia), moxabustão, massagens shiatsu, exercícios físicos (Tai Chi Chuan,
Liang Kong) e dietas alimentares (PALMEIRA,1990; SOUZA,2001).
2.1.2 - O diagnóstico na MTC
A Medicina Chinesa busca enfatizar todos os acontecimentos tidos como
sensações geradoras das alterações funcionais e orgânicas que provocam o
aparecimento de sintomas e de sinais. O fator causal destes processos nada mais é
do que o desequilíbrio da Energia interna, ocasionado pelo meio ambiente também
em desarmonia, determinando a exteriorização do sintoma. Tendo ainda como
fatores causais: alimentação desbalanceada, emoções retidas ao longo da vida;
fadigas geradas por vários tipos de excessos (YAMAMURA, 1993).
Com intuito de estudar o indivíduo e o seu meio, a Medicina Chinesa
aborda vários setores: de como pode o indivíduo crescer e desenvolver-se de
maneira normal e saudável, até os casos extremos do processo de adoecimento
procurando destacar cinco setores essenciais: a alimentação, que é a fonte
mantenedora da vida, a prática de atividade física (Tai Chi Chuan), a Acupuntura, as
Ervas Medicinais, que são formas de tratamento e o Tao Yin,baseado no
treinamento interior, além do estudo sobre a fisiologia e fisiopatologia energética dos
Zang Fu (Órgãos e Vísceras) (YAMAMURA, 1993).
Este sistema se fundamenta no conhecimento dos seguintes princípios
teóricos:
A relação de Yin/Yang
A Teoria dos Cinco Elementos
Os Oito Princípios do Ba Gua
A Teoria dos Órgãos Zang Fu
Os Meridianos de Energia
Figura1 –Tao
Fonte:http://media.photobucket.com/image/TAO/marinops/tao_yinyangearth2.jpg-2009
O símbolo representa o TAO ou o Tai-chi (o Fato Supremo). A Linha
ondulada representa o movimento do Yang e do yin, um sucedendo ao outro em
ciclos contínuos. Tudo é cíclico. Os pequenos círculos mostram que não existem o
yang absoluto ou o Yin absoluto. Tudo é relativo.
2.2 - Acupuntura
Acupuntura é um ramo da medicina tradicional chinesa e um método de
tratamento chamado complementar de acordo com a nova terminologia da (OMS) Organização Mundial da Saúde. Sendo uma das
especialidades fisioterapêutica
desde 1985, e tornou-se especialidade médica em 1995, bem como de diversas
áreas da saúde (BANNERMAN, 1979).
Acupuntura consiste na aplicação de agulhas, em pontos definidos do
corpo, chamados de "Pontos de Acupuntura", com objetivo de efeito terapêutico em
diversas condições de desarmonias ou desequilíbrio orgânico. A tradução do termo
em chinês é Chen-Chui,sendo Chen
(agulha) e Chui (fogo)respectivamente
(YAMAMURA,2004).
2.2.1 - Meridianos Acupunturais
Os meridianos acupunturais só recentemente tem sido estudados pelos
cientistas ocidentais. De acordo com a antiga teoria chinesa os pontos de
acupuntura se situam ao longo de um sistema invisível de meridianos que
atravessam todos os tecidos do corpo por onde corre uma energia invisível, nutritiva
denominada “Ch’í”, que chega aos órgãos mais profundos, levando-lhes um alimento
vital de natureza energética sutil ( GERBER, 1996).
Os meridianos acupunturais já são considerados parte do corpo físico e
constituem o elo físico entre o corpo etério (essência) e o corpo físico, tendo sido
demosntrado anatomicamente em diversos experimentos científicos realizados na
Coréia por um grupo de cientistas liderados pelo professor Kim Bong Han
(IANDOLI, 2001).
Nos experimentos realizados pelo professor
Kim, durante os anos 60,
foram utilizados coelhos, injetando P32 (um isótopo de fósforo ) colocado na ponta
das agulhas de acupuntura. Observou-se a a absorção de tal substância nos tecidos
circunjacentes. A observação mostrou que o isótopo de fósforo era absorvido por um
sistema tubular
com aproximadamente 0,5 a 1,5 mícrons de diâmetro, e que
seguiam o traçado clássico dos meridianos acupunturais (IANDOLI, 2001).
Mai tarde em 1985, Pierre De Vernejoul juntamente com colaboradores
da Universidade de Paris, confirmaram as descobertas do Prof. Kim em seres
humanos, utilizando o tecnécio radioativo 99. De Vernejoul utilizou uma gama
câmara e mediu inclusive a velocidade de difusão da substância nos meridianos ( 30
centímetros a cada quatro a seis minutos. Eles verificaram, ainda, que utilizando o
mesmo método, injetando a mesma substância radiotiva em pontos aleatórios, não
se produziu o mesmo efeito (IANDOLI, 2001).
Os dois pesquisadores constataram que esse sistema tubular não se
relaciona diretamente com o sistema vascular constituindo-se via distinta, composta
por 12 pares principais do sistema superficial, e outro conjunto de ductos do sistema
profundo, sendo este último subdividido em diversos subsistemas tais como:
Sistema de ductos internos: acompanha os vasos sanguíneos e linfáticos e
tem fluxo geralmente no mesmo sentido, porém, nem sempre. Esses ductos
se formam antes dos vasos na embriogênese.
Sistema de Ductos Intra-Esternos: está localizados ao longo dos órgãos
internos, formando uma rede independente dos sistemas de vasos linfáticos,
sanguíneos e sistema nervoso.
Sistema de Ductos Externos : localizado ao longo da superfície externa da
parede dos vasos.
Sistema de Ductos Neurais: distribuidos pelo SNC e Periféricos.
Todos os sistemas e subsistemas estão interligados. Outros estudos
histológicos também relizados pelo Dr. Kim, sob microscopia eletrônica, revelaram
novas particularidades desses sitemas, inclusive mostrou que os ductos terminais
chegam até o núcleo das células, onde estão os centros de controle genético e
metabólico ( IANDOLI, 2001).
Acuponto é uma região da pele em que é grande a concentração de
terminações nervosas sensoriais, essa região está em relação íntima com nervos,
vasos sangüíneos, tendões e cápsulas articulares (WU, 1990).
Os acupontos possuem propriedades elétricas diferentes das áreas
teciduais adjacentes como: a condutância elevada, menor resistência, padrões de
campo organizados e diferenças de potencial elétrico e por esse motivo são
denominados pontos de baixa resistência elétrica da pele (ALTMAN apud ONETTA,
2005).
Em seus estudos Onetta (2005)
observou
a participação do Sistema
Nervoso Autônomo na Acupuntura, através dos nervos simpáticos, observando
também que os pontos de Acupuntura possuem impedância menor entre si que os
pontos próximos ou circunjacentes.
Estudos morfofuncionais identificaram plexos nervosos, elementos
vasculares e feixes musculares como sendo os mais prováveis sítios receptores dos
acupontos (HWANG, 1992).
2.3 - Mecanismos de Ação da Acupuntura
De acordo com o conhecimento atual, a Acupuntura é um método de
estimulação neurológica em receptores específicos, com efeitos de modulação da
atividade neurológica em três níveis – local, espinhal ou segmentar, e supra-espinhal
ou suprasegmentar( WIKIPÉDIA, 2009).
Chiang e Cols (1973) demonstraram que o efeito da Acupuntura é
conduzido através dos nervos, ao constatarem que o estímulo acupuntural não surtia
efeito quando aplicado em área bloqueada por anestésico local.
Nos estudos de Levine (1976) a acupuntura aplicada em áreas de pele
acometidas por Neuralgia pós-herpética não se mostrou eficaz. Embora o efeito
analgésico das neuragias tenham sido obtido puncionando-se áreas à distância.
Em 1984,
correspondem a
Chan concluiu que muitos dos pontos de Acupuntura
locais de penetração das fibras nervosas na fáscia muscular.
Foram localizados 309 pontos sobre terminações nervosas e 286 pontos localizados
sobre os principais vasos sanguíneos, rodeados pelos Nervi vasorum, a inervação
própria dos vasos sanguíneos (WIKIPÉDIA, 2009).
Wang e Cols
(1985) descobriram
que a aplicação de agulhas de
Acupuntura estimulava fibras nervosas específicas e que as sensações produzidas
pelo estímulo por acupuntura correspondem as mesmas
experimentadas pelo
estímulo das fibras nervosas do tipo A delta (A δ), como choque, sensação de peso
ou parestesia.
Alguns pontos de Acupuntura correspondem aos pontos gatilhos (Trigger
points, em inglês), que são pontos localizados na musculatura, sensíveis ao toque e
que condicionam o surgimento de sintomas à distância (MELSZACK,1997).
Os estudos publicados no ocidente, na maioria dos casos, ensaios
clínicos, onde se busca avaliar a eficácia da acupuntura no tratamento de dores
crônicas de diferentes etiologias e localizações anatômicas, em geral, têm
apresentado importantes deficiências metodológicas (LEWITH, 1984 e PATEL,
1987).
2.3.1- Ação da Acupuntura no Sistema Nervoso Central
O estímulo da agulha de acupuntura atinge áreas do encéfalo mais
elevadas, como o Hipotálamo e a Hipófise, promovendo o equilíbrio do
funcionamento destes centros. Como a Hipófise é uma Glândula, ocasionalmente
chamada de Glândula Mãe, que coordena a função de diversas outras glândulas do
corpo, o efeito da Acupuntura sobre este órgão afeta o funcionamento das Glândulas
supra renais, da tireóide, dos ovários, dos testículos, e assim tem ação terapêutica
sobre a hipertensão arterial, dismenorréia, tensão pré-menstrual, disfunções da
libido, e outras patologias (IANDOLI, 2001).
Podemos considerar, hoje, os meridianos acupunturais como sendo um
sistema distribuidor de fluidos energéticos com conexão direta com o núcleo,
poderíamos dizer até mesmo que já temos um modelo anátomo-fisiológico para a
ligação Corpo-Espirito a ser desenvolvido, corrigido e aprimorado ( IANDOLI, 2001).
2.3.2- Neurotransmissores na Acupuntura
Estudos tem demonstrado, até o presente momento, que a acupuntura
afeta a liberação de serotonina e dos peptídeos opióides, beta-endorfina, metaencefalina, a dinorfina .A colecistocinina, peptídeo envolvido no processo digestivo,
é antagonista da acupuntura. Considerando que a colecistocinina é estimulante da
secreção ácida do estômago, temos daí a compreensão do efeito benéfico da
acupuntura sobre as gastrites, úlceras e na doença de refluxo gastroesofágico
(HAN et al., 1986).
Por certo tempo, acreditou-se
que a ação da acupuntura seria fruto
apenas da liberação de endorfinas, entretanto a rápida
analgesia e sua maior
duração mostrou que há um aumento da quantidade de outros opióides liberados
pela acupuntura. Um exemplo é a Naloxona, inibidor da ação de opióides, muito
utilizada em medicina, o qual antagoniza os efeitos da acupuntura (MAYER ,1977).
De acordo com estudos do professor Kim, o conteúdo dos meridianos
acupunturais revelaram várias substâncias como: DNA, RNA aminoácidos, ácido
hialurônico, nucleotídeos livres, adrenalinas, corticóides, esteróides e outras
substâncias hormonais em concentrações muito diferentes das encontradas na
circulação sanguìnea; como por exemplo a adrenalina que foi encontrada em uma
concentração cerca de dez vezes maior que a encontrada no sangue. E, por fim,
mostrou que a alta concentração de
hormônios encontrados nestes meridianos
mostram uma importante relação desse sistema tubular com as glândulas endócri
nas( IANDOLI, 2001).
2.4 - Sensações Somáticas: Dor
A maioria das doenças do corpo causa dor. E, a intensidade dessa dor
vai determinar o grau de impedimento na prática das atividades de vida diária. A dor
tem como propósito a proteção do corpo; ocorre sempre que algum tecido estiver
sendo lesado e nos permite reagir com intenção de remover o estímulo doloroso
(GUYTON; HALL, 2006).
2.4.1 - Tipos de dor
A dor é classificada de forma geral como aguda e crônica. Se a dor
persiste por mais de seis meses é considerada crônica (PRENTICE, 2002).
A dor aguda é definida ainda como dor rápida em pontadas, dor em
alfinetadas e dor elétrica. Já a dor crônica é referida como dor lenta, dor surda, dor
latejante, dor nauseante, levando a sofrimento prolongado e muitas vezes
insuportável (GUYTON; HALL, 2006).
A dor é um fenômeno inerente ao ser vivo sendo considerada um
mecanismo de alerta e defesa que o impele a identificar o estímulo agressor e a
procurar meios de restituir a normalidade (LIANZA, 1995; BASIN, 1998).
A identificação dos fatores de precipitação ou intensificação da dor é,
muitas vezes, esquecida.
De acordo com Teixeira e Pimenta, determinadas
atividades, posições, mudanças no clima, hora do dia, ou humor são comumente
associadas com alteração da intensidade da dor. O que determina a necessidade de
identificarmos esses fatores que contribuam com o agravamento da queixa dolorosa,
buscando integrá-los ao auxilio do alívio da algia (GONZALEZ et al, 2008).
2.5 - Diagnóstico Clínico na Medicina Ocidental
De acordo com Scott (2004), os sentimentos subjetivos têm pouco espaço
na anamnese da medicina ocidental moderna. A
medicina atual se baseia em
observações microscópicas de bactérias, vírus e genes. Apesar de os sinais Frio e
Calor ainda permearem algumas áreas do sistema médico, baseando - se no que o
paciente sente, indicando quais medicamentos usar, muitas dessas práticas foram
abandonadas e substituídas por testes materiais objetivos (MACIOCIA, 2006).
Geralmente a maioria dos encaminhamentos feitos para os consultórios
de acupuntura traz em seus prontuários, um diagnóstico clínico baseado
exclusivamente em sintomas: de algias (dor) numa proporção de 39%, englobando:
dores articulares, de coluna, tendinites e fibromialgia, sendo a cronicidade desses
sintomas o motivo de encaminhar o paciente para o tratamento da acupuntura
(GÓIS, 2007).
De acordo com levantamento de Góis (2007) 74% dos pacientes
encaminhados para tratamento com acupuntura, apresentavam a patologia há mais
de um ano, sendo somente 22 % com período menor de instalação, ou reincidência.
O que demonstra claramente a cronicidade das doenças.
2.6- O Diagnóstico na Medicina Oriental
No contexto da medicina chinesa, a constituição do ser humano é
baseada em matéria, (palpável), e Qi (Energia) elemento mais sutil e dinâmico,
constituindo parte do conceito do Yin e yang no universo. E, com a união desses
dois elementos, Energia e Matéria dão a formação harmoniosa do corpo humano
(YAMAMURA, 2003).
A saúde é resultado do equilíbrio perfeito da energia “CHI” (Qi, energia
vital, bio-energia), que transita pelo corpo através dos doze canais já denominados
de Meridianos. Estes meridianos conduzem a energia por todo o corpo, procurando
manter o equilíbrio Yin/ Yang (SOUZA, 1987).
A circulação de energia por entre os diversos canais pode sofrer
interferência por fatores externos, que poderão ocasionar estagnação ou bloqueio
dessa energia e do sangue gerando processos dolorosos ou mau funcionamento
dos órgãos (ROSS, 2004).
O processo de adoecimento tem seu início com a quebra da harmonia do
Yin e yang. E isso se dá pela vida irregular com: alimentação desregrada, o
estresse, as emoções reprimidas, as intoxicações, as fadigas (física mental e
sexual). Esses fatores enfraquecem a Energia Vital dos Zang Fu (Órgãos/Vísceras)
gerando doenças (YAMAMURA, 2003).
Maciocia (1996) relata que é o baço (Pi), responsável pelo transporte do
Qi dos alimentos aos músculos de todo o corpo e, em particular, aos quatro
membros, sendo ele facilmente atacado pela Umidade Exterior e pode invadir o
organismo de diferentes maneiras, devido às circunstâncias do meio ambiente ou
hábitos de vida.
Conforme Scott (2004) ressalva, a medicina chinesa considera a mente
e a consciência fatores importantes no diagnóstico. Os sentimentos de raiva,
compaixão e angústia são naturais nos indivíduos, entretanto, desequilíbrios desses
sentimentos geram doenças. Da mesma forma, calor, frio, secura, umidade
constantemente se diversificam em nosso organismo. Podendo gerar alterações
(MACIOCIA, 2006).
Quando de alguma forma, entrarmos em contato ou sermos submetidos a
algum dos agentes causadores de doença inatos, tais como; alimentação
desregrada, emoções reprimidas, estresse intenso, uso de drogas, trauma, fadiga,
estaremos susceptíveis a desarmonia do nosso sistema energético, determinado por
sensação de energias estranhas ou mesmo por um estado de vazio de energia,
culminando no processo de adoecimento (YAMAMURA, 2004).
O sistema de penetração da doença tem um curso longo (10 a 20 anos)
atingindo os três níveis : energético,funcional e orgânico. Esse processo instalado
nos Zang
Fu tende a
longo prazo se aprofundarem de forma cada vez mais
intensa, acometendo a parte orgânica manifestando como doença (YAMAMURA,
2004).
Na introdução do livro Diagnóstico na medicina chinesa de Maciocia
(2006) nos deparamos com uma forma simples e clara da importância do
diagnóstico.
O diagnóstico que significa conhecer ou compreender um paciente é
o âmago da medicina. Uma vez deduzido e compreendido o
conhecimento sobre o paciente e sua doença, sua natureza e seu
provável curso ficam desvendados. Os princípios de tratamento se
tornam claros e a evolução da doença previsível. Mas sem uma clara
compreensão do paciente e da condição sendo tratada, o médico fica
tateando no escuro. O tratamento se torna ocidental e a cura incerta.
A medicina chinesa, embora difícil de ser exercida, chega a um
diagnóstico mais certo e mais completo, um diagnóstico que
incorpora todos os aspectos da vida do paciente, de forma que chega
a um tratamento mais seguro do que a medicina ocidental. (Jullian
Scott. 2004)
Conforme Oliveira (2003) salienta, a medicina tradicional chinesa tem
uma forma de avaliação diferente para a dor. Segundo os orientais, o organismo
humano é formado por cinco órgãos: coração, fígado, baço/pâncreas, pulmões e
rins. Eles agiriam como estações geradoras, produzindo uma energia que circula
pelo corpo através de canais, denominados meridianos. Seus retransmissores
seriam os intestinos e o estômago. Quando estes sofrem agressões, a energia fica
bloqueada em um dos meridianos e vem a dor. "Se a força vital da vesícula biliar
pára na cabeça, a pessoa pode ter enxaqueca", diz o acupunturista Ysao
Yamamura, da Universidade Federal de São Paulo (OLIVEIRA, 2003).
2.7 - Dor Na Medicina Chinesa
A medicina chinesa é um vasto meio de conhecimento de órgãos e
concepção filosófica que abrange vários setores relacionados à saúde e ao processo
de adoecimento (ROSS, 2004).
Uma das manifestações clínicas mais freqüentes de quando somos
atingidos por algum fator perverso, é a dor. Na concepção da medicina chinesa,
nosso sistema energético sofre concentração maior de polaridade positiva (yang) ou
negativa (yin) gerando estímulos nos diferentes receptores de dor, presentes
principalmente, nas camadas superficiais, bem como, em tecidos mais internos tais
como: periósteo, ligamentos articulares, cápsulas e paredes arteriais (YAMAMURA,
2004).
A dor é fator de grande importância para o diagnóstico na medicina
chinesa. Geralmente é abordada de forma mais completa, sendo abordados: a
localização, a natureza, o tempo, e a resposta à pressão (MACIOCIA, 2006).
Os acupontos podem se apresentar sensíveis doloridos ou muito
doloridos à palpação. O grau de sensibilidade de um acuponto é proporcional ao
grau da dor. Pacientes que apresentam acupontos com sintomas muito intensos ou
mesmo mais crônicos podem precisar de tratamento por mais tempo que aquele
com sintomas mais leves (YUN-TA MA et al, 2006).
Quando ocorre agressão energética, atingindo os Zang Fu (Órgãos /
Vísceras), pode ocorrer isquemia do tecido visceral, gerando infartos ou estiramento
brusco de ligamentos dos órgãos e vísceras, gerando processos dolorosos viscerais
(YAMAMURA, 2004).
Yun-ta Ma (2006) defende que a dor crônica se cerca, se programa na
medula e provavelmente também nos centros cerebrais, formando uma “memória da
dor”. Isso se dá pelo fato de os acupontos enviarem impulsos contínuos ao sistema
nervoso central (SNC), criando um circuito da dor. Permitindo-nos explicar o porquê
da dificuldade de tratar a dor crônica, visto que, o terapeuta além de tratar as lesões
visíveis, precisa ainda apagar essa memória de dor do SNC.
Parâmetros como área da dor, natureza da dor, tempo (hora) da dor,
fatores que afetam a dor, dor no órgão versus dor no meridiano são fundamentais
para um perfeito tratamento e prognóstico (MACIOCIA, 2006).
Dependendo dos fatores energéticos causais a dor pode ser classificada
como:
1- Fator yang: tem polaridade positiva, se apresenta em forma de dor
aguda, intensa, localizada, do tipo pontada. Sendo referida como dor latejante,,
sensação de choque elétrico ou de cólica.
Para Maciocia (2006) a dor localizada é decorrência de fleuma, estase, de
sangue, ou obstrução por frio ou umidade ou ambos. A dor com característica
migratória decorre da estagnação do Qi. Exceto nos casos de Vento nas
articulações.
A dor de natureza branda indica-nos deficiência. A Deficiência pode
causar dor pela subnutrição dos canais e este tipo de dor é aliviado pelo repouso.
Entretanto a dor aguda e intensa demonstra característica de plenitude.
A dor por plenitude decorre de obstrução dos canais por algum agente
agressor tais como:
Estagnação de QI
Frio ou calor interno
Estase de sangue
Umidade
Fleuma
Retenção de alimentos
Estes agentes patógenos obstruem a circulação do Qi ou do sangue ou
mesmo de ambos gerando dor (MACIOCIA, 2006).
2- Falso Yang: apresenta também polaridade positiva, mas em
decorrência de deficiência de yin Qi. Sendo
referida como dor em queimação ou
ardor. A dor com esse padrão sempre indica Calor ou Calor por Vazio, podendo
surgir na região epigástrica ou nos membros (MACIOCIA, 2006).
As dores que apresentam característica yang caminham pelo trajeto das
fibras A - delta, que vão da periferia para a medula, seguindo daí pelo trato neoespinotalâmico lateral, até a região sensorial do encéfalo (YAMAMURA, 2004).
3- Fator yin gera um aumento da polaridade negativa decorrente da
presença de frio e umidade. Levando ao quadro de dor contínua, insidiosa, sem
localização precisa, é sentida mais profundamente e
de intensidade variada. O
paciente refere dor pesada, constritiva ou em aperto (MACIOCIA, 2006).
As dores de característica yin são sentidas pelas fibras C, que fazem uma
condução mais lenta da dor, seguindo da periferia para a medula e desta para o
trato paleoespinotalâmico lateral até o encéfalo, fazendo interligações no tronco
cerebral e daí para o tálamo e córtex cerebral (YAMAMURA, 2004).
De acordo com Yun-ta (2006) a dor deve ser considerada não só ao nível
da organização biológica, mas também na psicológica. Pois, na dor aguda,
conseguiremos trabalhá-la ao nível neurofisiológico, mas a dor crônica já foi
incorporada na organização psicológica. E o paciente com dor crônica demonstra
características psicológicas especiais na referência de seus sintomas dolorosos, nas
áreas de percepção da dor, nas emoções e nas expectativas de melhora.
A dor nas costas é uma das principais queixas nos consultórios, podendo
ter característica aguda por trauma recente gerando estagnação local de Qi e de
sangue (XUE), ou mesmo uma lesão antiga com resquício de fraqueza de circulação
do QI e sangue, sofrendo invasão de Vento-Frio resultando em dor (ROSS, 1994).
A dor nas costas pode ter característica de Frio ou Calor tanto externo
quanto interno, visto que o Frio interno e a Umidade no corpo podem se transformar
em Umidade - Calor causando dor por Yin deficiente ou Yang deficiente.
2.8 - Os Efeitos da Acupuntura na Dor Crônica.
Antigos estudos sobre a acupuntura no ocidente mostram que os médicos
não usavam as agulhas em pontos de acupuntura tradicional da medicina chinesa e
sim pontos Ashi para tratamentos das dores musculoesquelética. Esta prática
apresentava certos resultados positivos, entretanto hoje já sabemos que a dor não é
necessariamente sentida no local de sua origem. Mas que é referida para aquele
local através do sistema nervoso central. Entretanto essa é a gênese fundamental
da prática da medicina tradicional chinesa (BALDRY, 2007).
Ao inserir agulhas nos pontos Ashi (Acupuntos sintomáticos) promovemos
um efeito não especifico da terapia de acupuntura, pois não gera a restauração da
homeostase, ou seja, do equilíbrio orgânico. A utilização de pontos sintomáticos
gera efeito específico, pois promove lesões nos tecidos moles já sensibilizados
acelerando diretamente a recuperação local (YUN-TA et al, 2006).
De acordo com Yun-ta, os pontos AH (acupontos homeostáticos) se
tornam pontos Ashi, citando o exemplo dos pontos AH da coluna lombar, sempre
sensível em pacientes com dor lombar. Dessa forma, os pontos AH podem ser
também pontos ashi. Isto é observado claramente no exame de palpação dos canais
de meridianos (YUN-TA et al, 2006).
Saidah et al. (2003) diz que além do estímulo pela agulha de acupuntura
nos acupontos, estudos demonstraram os efeitos dos micro-traumas causados pela
inserção e a manipulação da agulha. Esta lesão microscópica provoca respostas
imunológicas e inflamatórias, com vaso dilatação local provocando alterações no
tônus.
Christ (2006) detectou em sua pesquisa, que vários trabalhos mostraram
que a maioria dos pacientes obtém uma diminuição significativa da dor logo nas
primeiras sessões ( média de 50% de diminuição da dor na primeira sessão).
Entretanto, alguns pacientes têm a necessidade de um tratamento mais prolongado
para um melhor resultado. Sua pesquisa mostrou, também, que os efeitos colaterais
ou a piora das dores com o uso da acupuntura, foram muito baixos. Concluiu, ainda,
que a acupuntura no manejo do tratamento de certas patologias crônicas mostra
melhores resultados em umas em detrimento de outras.
Góis (2005) defende que a acupuntura oferece um bom resultado,
inclusive nos casos de doenças crônicas e nos idosos. Defendendo sua ampliação
nos demais serviços públicos como opção eficaz, natural e de baixo custo.
Procurando manter a base filosófica e cientifica dos orientais.
Lorenzetti et al. (2006) concluiram a eficácia da acupuntura, em especial
no tratamento da lombalgia crônica,
Bellotto et al. (2005) atestaram que
os pacientes retornam a outros
tratamentos, bem como fazem indicação da acupuntura
após sucesso do
tratamento.
Inserção de agulha de acupuntura em pontos situados em um joelho
saudável, através do arco de reflexo contra lateral somato-somático pode interferir
nos mecanismos desequilibrados em comum ao joelho afetado e, consequentemente,
na dor e no movimento do joelho (SAIDAH, 2003).
Os resultados do tratamento com 20 sessões de acupuntura "do lado
oposto” técnica de medicina tradicional chinesa, apresentou uma melhoria
significativa na maioria dos parâmetros estudados anteriormente. Enquanto
fisioterapia revelou melhores resultados mais tarde. No entanto, os resultados eram
semelhantes no final do tratamento pós cirurgia artroscopica do joelho ( SAIDAH,
2003) .
Scognamillo (2001) relata estudos realizados com o acuponto zuzanli (E36)
em que são fixadas agulhas permanentes neste ponto, com resultado de diminuir
ulcerações no estômago, causados por jejum.
Ensaios clínicos controlados afirmam que
tratamento de processos inflamatórios crônicos
(SCOGNAMILLO-SZABÓ et al, 2001).
acupuntura tem eficácia no
como
por exemplo, artrites
A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou em 1978, um relatório
reconhecendo oficialmente a acupuntura como uma prática médica eficaz e
aceitável. E os institutos Nacionais de Saúde deram como eficazes os tratamentos
nos casos de dor pós-operatória, náuseas durante a gravidez ou quimioterapia. A
partir daí, em 2000, a Associação Medica Britânica chegou a conclusões
semelhantes aumentando inclusive a lista de indicações, por exemplo, dores nas
costas (SERVAN-SCHREIBER, 2004).
No Brasil, a acupuntura é especialidade da fisioterapia desde 1985 e
atualmente é também uma especialidade de outras áreas da saúde; em maio 2006
o governo lançou a
Portaria nº971 que fala
das práticas integrativas
e
complementares na área da Saúde, incluindo a acupuntura.
Estes são passos importantes para a aceitação e implementação da
acupuntura como terapia não só tida como complementar, permitindo ao menos
abastados os benefícios dessa técnica milenar. Principalmente para o tratamento da
dor que é o sintoma que mais leva o paciente aos ambulatórios. (SERVANSCHREIBER, 2004 ) .
A acupuntura não classifica as doenças de forma tão restrita como
fazemos aqui no Ocidente. Para a medicina chinesa não existe uma doença, mas
sim uma desarmonia ou desequilíbrio do Yin Yang do homem que necessita de um
tratamento geral, visando seu equilíbrio como um todo (SERVAN-SCHREIBER,
2004).
Poderíamos dizer que os pontos de acupuntura, através dos meridianos,
são a ligação com o meio interno do organismo. É comum o paciente, durante e
após a sessão de acupuntura sentir bem estar, uma leveza um pouco difícil de
descrever. Isto decorre devido a liberação de endorfina pelo nosso organismo
durante a sessão de acupuntura (STUX, 2005).
Acupuntura promove um equilíbrio geral no organismo, pois nenhuma
doença existe de forma isolada, sempre está associada a algum desequilíbrio. Além
do sintoma principal que trouxe o paciente ao consultório, haverá outros sintomas,
mesmo de menor importância, que são reflexos do mesmo desequilíbrio. Que,
quando tratado com
acupuntura, promoverá a cura do paciente como um todo
(YAMAMURA, 2001).
Independentemente de como funciona, a acupuntura vem continuamente
ganhando aceitação na medicina Ocidental. Em 1997, o National Institutes of Health
publicou Guidelines on basic training, and safety in acupuncture (Orientações sobre
a formação de base e a segurança em acupuntura) com os procedimentos oficiais
para seu uso.
Uma lista de doenças tratáveis com a acupuntura foi desenvolvida em
junho de 1979 por representantes de 12 países que se reuniram em Pequim, no
Seminário Internacional da OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre
Acupuntura, Moxabustão e Anestesia para Acupuntura. Essa lista em anexo baseiase em experiências clínicas.
2.9- Padrões de Disfunção e Sugestão de Tratamento.
1- Dolorimento: Deficiência (quatro membros ou tronco) ou Umidade:
E-25(Tianshu): Regularizam a função do Qi; Drena a Umidade e a Umidade - Frio;
Dispersa a Umidade e a Umidade Calor. Indicado em lombalgia, afecções crônicas do
Wei e dos Intestinos: todas as afecções ginecológicas quando associados com VC4
(Guanyuan), BP6(Sanyinjiao), B-57 (Chengshan) Distribui o Wei Qi para o membro
inferior.
2-Peso: Umidade ou Fleuma (membros, cabeça ou todo o corpo) : B57(Chengshan)
Todas as afecções do membro inferior; E-38 (Tiaokou): Ativa a circulação do Xue
(sangue); relaxa o Qi dos tendões e dos músculos. Dispersa o Vento e o Frio
3-Em distensão: Estagnação do Qi (hipocôndrio, epigástrio, abdome inferior, tórax,
cabeça):
E-25(Tianshu), VC12(Zhongwan), IG4 (Hegu), E-36 (Zusanli).
4-Plenitude: retenção de alimentos (epigástrio, abdome inferior:
E-30 (Qichong) Harmoniza o Qi Nutrição, Dispersa e elimina a estagnação do Qi do
Wei; IG-4(Hegu), E-36(Zusanli), CS-6 (Neiguan).
5-Vazio: Deficiência de Qi e de Sangue ou deficiência do Rim (cabeça):
IG-4(Hegu), dores em geral. Associado ao F-3(Taichong) harmoniza a energia do
Alto e do Baixo.
6-Sensação de frio: Frio ou deficiência de Yang (abdome ou membros) :
IG-11 (Quchi) Regulariza a circulação do Qi e de Sangue nos canais de Energia.
Elimina o Vento Perverso e a Umidade; associado ao
E-36 (Zusanli) promove
regularização geral de Energia, harmoniza o yin e o yang. Dor e inflamação de Braço
7-Em queimação: Calor ou Calor por Vazio (epigástrio ou membros):
I G-14 (Binao) Dispersa o Vento Calor, Clareia a Visão e os Canais de Energia.
Braquialgia, ombro doloroso, Dores oculares, etc.
8-Cólica: Frio ou estase de Sangue (epigástrio, abdome inferior):
VC-4 (Guanyuan) Fortalece o Yin Qi e aquece o frio Tonifica o Qi e o Xue (sangue) e
aumenta a Energia Essencial. Restaura o colapso de Yang Qi e Yin Qi. Ainda VC-6
(Qihai); VC-12 (Zhongwa)
9-Espástica: Deficiência do Sangue do Fígado com estagnação do Qi do Fígado
(membros, abdome), ascensão do Yang do Fígado (cabeça):
F-2 (Xingjian): Harmoniza o Xue Qi (sangue); Dissipa o yang excessivo do Gan.
Acalma o Shen (Mente).
10-Aflitiva: Fleuma ou Qi em Contracorrente (tórax, epigástrio): F-3 (Taichong) –
Redireciona o Qi em tumulto contracorrente., faz a limpeza do fogo do Gan e do
Calor.
11-Entupimento: Deficiência do Baço com Calor ou Fleuma (tórax, epigástrio):
BP1(Yinbai). Harmoniza e Tonifica o Pi Qi ( Baço/Pâncreas);BP-2( Dadu). Dissolve
estagnação do Tubo digestivo.
12-Pressão: Estagnação grave do Qi (hipocôndrio, epigástrio)
BP-21(Dabao) Harmoniza o Qi e Xue (sangue) e promove sua circulação. Dores em
todo corpo.
13- Tração: Vento do Fígado (cabeça) F-13 (Zhangmen), Ponto de Reunião dos
Órgãos. Dores muito intensas na região dorsal, como se a coluna vertebral
estivesse quebrada. VB-8 (Shuaigu) Dispersa o vento e o calor perverso. VB-20
(Fengchi) Dispersão vento do Gan.
14-Cortante: Estase de sangue (abdome inferior) VB-20(Fengchi) Ativa a circulação
do Xue (Sangue)
15-Latejante: Ascensão do yang do Fígado (cabeça) F-2 (Xignjian) Dissipa o Yang
excessivo do Gan.
16-Perfurante: Estase de Sangue (cabeça, tórax, hipocôndrio, epigástrio, abdome
inferior) CS-6 (Neiguan) Harmoniza o tonifica o Xin Qi (Coração), O Xue (Sangue) do
Xin (Coração); C-9 (Shaochong) Promove a circulação de Qi e do Xue (Sangue).
17-Furtiva: Deficiência do Qi e do Sangue ou Frio por vazio no Interior (abdome,
região lombar): C-6 ( Yinxi ) Tonifica o Xin Qi; Fortalece e circula o Xue (Sangue).
Angina do Peito, Precordialgia. (YAMAMURA,2006).
3. Conclusão
Durante as últimas décadas o uso da acupuntura
tem se expandido
por vários países, sendo crescente o interesse nos meios científicos de validarem
seus benefícios. Esses benefícios já foram analisados e reconhecidos
pela
organização Mundial de Saúde (OMS) como uma prática terapêutica eficiente de
prevenção , tratamento, bem como, de promoção da saúde. Embora
alguns
autores, no ocidente, concluírem serem ainda insuficientes os estudos científicos
sobre seus benefícios, grande é o interesse em buscar mais dados positivos no
tocante às vantagens de seu uso, principalmente no controle da dor, que é um
fator preponderante em favor de sua utilização.
Bibliografia
ALTMAN, S.. Acupuncture as an emergency treatment. California veterinarian, v
15, nº1, p.6-8. 1979
ALTMAN, S. Terapia pela acupuntura na clínica de pequenos animais. In
ETTINGER, S.J.Tratado de medicina interna veterinária: moléstia do cão e do gato..
v 7, p 454-459,São Paulo: Ed.Manole, 1992.
BALDRY, P E; THOMPSON, J W. Acupuntura,
musculoesquelética. Ed. Roca, 2007.
pontos-gatilho
e
dor
BANNERMAN, R H. Acupuntura: A opinião da OMS. Revista saúde do mundo
(OMS), dezembro, p.23-28, 1979.
BAZIN, S; KITCHEN, S. Eletroterapia de Calyton. São Paulo: Ed. Manole, 1998.
BEAU, G. A medicina chinesa. Rio de Janeiro: Ed. Interciência, 1982.
BELLOTTO, Júnior N; MARTINS, L C; AKERMAN, M. Impacto dos resultados no
tratamento por acupuntura: conhecimento, perfil do usuário e implicações para
promoção da saúde. Ed. Arq Med ABC, 2005.
CAILLIET, R. Dor: Mecanismos e tratamento. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas
Sul, 1999.
CARNEIRO, N M. Fundamentos da Acupuntura Médica. Florianópolis : Ed.
Sistema, 2001.
CHAN, S H. Whats is being stimulated in acupucture: evaluation of the existence of a
specific substrate. Rev. Neurosci Biobehav. 1984 Spring; 8 (1) : 25-33.
CHRIST, C D. Acupuntura e dor crônica. Revista dor, pesquisa, clínica e
terapêutica. v 7, Nº1, janeiro/fevereiro/março de 2006. Disponível em:
http://www.saudetotal.com.br/artigos/mtc/mono001.asp acesso em 12/2008.
CIRILO, A. C. M - Acupuntura: Ciência, legalidade e prática médica. Goiânia: Ed.
Kelps, 2006.
DE VERNEJOUL, P. Disponível
em:http://news.google.com/newspapers?nid=MEAAAAIBAJ&pg=1154.2704352
acesso em 27.março.2010.
FOCKS, C. Atlas de acupuntura. Com Seqüência de Fotos e Ilustrações, textos
didáticos e indicações Clínicas. Tradução: Maria Renata de Seixas Brito. Barueri.
São Paulo: Ed. Manole , 2005.
GÓIS, A L B. Acupuntura, especialidade multidisciplinar: uma opção nos serviços
públicos aplicada aos idosos. Rev. Bras. Geriatria Gerontologia, V 10 nº1, 2007.
GERBER, R. Medicina vibracional. Ed.Cultrix,1996.
GONZALEZ, D A B. et al. Avaliação do efeito da acupuntura Koryo Sooji Chim no
tratamento da dor em pacientes com osteoartrose. ConScientiae Saúde, v 7(2):159167, 2008.
GREEN, S. et al. Acupuncture for lateral elbow pain. Cochrane Database of
Systematic Reviews 2002, Issue1. Art. No.: CD003527.Disponível em:
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/acupuntura_para_epicondilite_lat
eral_txt.pdf acesso em 21/03/2010.
GUYTON, A. C. Neurociência básica, anatomia e fisiologia. Rio de Janeiro: Ed.
Guanabara Koogan,1991.
____________. Fisiologia humana e mecanismos das doenças. 6ª ed. Rio de
Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 1998
GUYTON, A C; HALL, J E. Tratado de fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Ed.
Guanabara Koogan, 1996.
_______________________.Tratado de fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Ed.
Guanabara Koogan, 2006.
HAN, J S; DING, X ; FAN, S G. Cholecystokinin octapeptide (CCK-8):
Antagonism to eletroacupuncture analgesia and a possible role in eletroacupuncture
tolerance. V 27, p 101-115, 1986. Citado em: <http:www. wikipédia.org>.Acesso em:
21/03/2009.
HOPWOOD, V; LOVELEY, M; MOKONE, S. Acupuntura e técnicas relacionadas
à fisioterapia. São Paulo: Ed. Manole, 2001.
HWANG, Y C. Anatomy and classification of acupoints. Problems in Veterinary
Medicine, v.4, n.1, p.12-15, 1992.
HAN, Kim Bong. On the kyungrak system., Foreign languagcs publishing house,
Pyongyang. 1964. In IANDOLI
Jr, D.Fisiologia transdimensional. São
Paulo:,Federação Espírita, Ed. Jornalística, 2001.
IANDOLI JUNIOR, D.Fisiologia transdimensional. São Paulo: Ed. Jornalística,
2001.
LEVINE, J D; GORMLEY, J. FIELDS, H L. Observations on the analgesic effect of
needle puncture (acupuncture). P 2:14 159,1976.
LIANZA S. Medina de reabilitação. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan,1995.
WANG L G: Tratado Contemporâneo de Acupuntura e moxibustão; Ceimec;
2001
LORENZETTI, B T A et al. Eficácia da acupuntura no tratamento da lombalgia. Rev.
Arq. Ciênc. Saúde Unipar. Umuarama: V.10, n.3. p.191-196, set./dez.2006.
MACCIOCIA , G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para
acupunturistas e fitoterapeutas. São Paulo: Ed. Roca, 1989; 1996
MAYER, D J; PRICE, D D. Antagonism of acupuncture analgesia in man by the
narcotic antagonist naloxone. Brain Research 121;368-372. Citado em
<http:www.wikipédia.org>. 1977. Acesso em21/03/2009.
NOGIER, R; BOUCINHAS. J C. Prática fácil de auriculoterapia e auriculomedicina
São Paulo: Ed. Ícone, 2001.
OLIVEIRA, F. A dor sob controle. Artigo originalmente publicado na Revista Saúde.
http://www.cuidadospaliativos.com.br/artigos.php- 3/6/2003
ONETTA, R C. Bases neurofisiológicas da acupuntura no tratamento da dor. 98
f. Monografia do curso de fisioterapia da Unioeste, Cascavel, 2005.
GRANET, M. - La pensée chinoise, Ed. Albin Michel, Paris, 1968.apud PALMEIRA,
G. A acupuntura no ocidente. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v 6, n 2, Jun.
1990.
PALMEIRA, G. A acupuntura no ocidente. Cad. Saúde Pública, v 6, n 2, Jun. Rio
de Janeiro: 1990.
PRENTICE, W E. Modalidades terapêuticas em medicina esportiva. Ed. Manole,
2002.
REICHMANN, B T. Auriculoterapia: Fundamentos de acupuntura auricular. Curitiba:
Rd. Tecnoduta, 2002.
ROSS, J. Combinação dos pontos de acupuntura: A chave para o êxito clínico.
São Paulo: Ed. Roca, 2003.
________Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional chinesa. São
Paulo : Roca, 2004.
SAIDAH, R. et al . Acupuntura em relação a dor, atividade física e a necessidade
de apoio para a marcha no pós-operatório das cirurgias artroscópicas no
joelho. Acta Ortop. Bras. São Paulo, v. 11, n. 1, Jan. 2003 .
SCOGNAMILLO-SZABO, M V; BECHARA, R; HENRIQUE.G. Acupuntura: bases
científicas e aplicações. Cienc. Rural, v 31, n 6, Santa Maria: Dec. 2001.
SERVAN-Schreiber, D. Curar: o stress, a ansiedade e
medicamento nem psicanálise . São Paulo: Sá Editora, 2004.
SOUZA, M P. Acupuntura Pediátrica sem agulhas
massagem nos pés) . Brasília: Ed. Élun, 1987.
depressão sem
(técnicas de tratamento e
____________Tratado de Auriculoterapia. Brasília: Ed.Look, 2001.
STUX, G; Acupuntura Clínica. São Paulo: Ed. Manole, 2005.
WHITE, A. Acupuntura Médica : Um enfoque científico do ponto de vista ocidental /
Editado por Jacqueline Filshie; São Paulo : Roca, 2002.
WHO- Acupuncture: Review and Analysis of Reports on Controlled Clinical Trials
87 pages,2003.
WIKIPÉDIA. Acupuntura Desenvolvido pela Wikimedia Foundation. Disponível em:
<http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Acupuntura&oldid=15469153>. Acesso em:
28 maio 2009.
WU, D Z. Acupuncture and neurophisiology. Clinical Neurology and Neurosurgery,
v.92, n.1, p.13-25, 1990.
YAMAMURA, Y. Acupuntura tradicional. A arte de inserir. São Paulo: Ed. Roca,
2004.
YUN-TA,MA; Mila Ma; ZangHee Cho. Acupuntura para controle da dor: um
enfoque integrado. [tradução Maria Inês Garbino Rodrigues]. São Paulo: Ed.Roca,
2006.
ANEXOS
Doenças, sintomas e condições tratáveis com a acupuntura
A partir de 1970, diversos estudos científicos foram feitos para avaliar a
eficácia da acupuntura. Em 1979, a Organização mundial de Saúde publicou uma
lista com 41 doenças que apresentaram excelentes resultados com o tratamento de
acupuntura. Após 25 anos de pesquisas em varias instituições importantes, a OMS
publicou o livro Acupuncture: Review and anlysis of reports on controlled clinical
trials, como resultado destas pesquisas.
Este livro traz
moxabustão,
ventosa,
a eficácia da acupuntura e também as técnicas de
sangria,eletro-acupuntura,
lase-acupuntura,
magneto-
acupuntura, shiatsu, tui-ná e acupressura que foram avaliadas e comparadas com
tratamentos convencionais de 147 doenças.
O resultado da eficácia da acupuntura, verificado pela medicina cientifica
inclui afecções físicas, distúrbios orgânicos, desordens mentais e psicossomáticas,
condições especificas dos homens mulheres e crianças, alem de problemas
relacionados ao tratamento do câncer, cirurgias e dependência química podem ser
visto aqui.
Afecções físicas:
Distensão muscular : Alívio da dor e desaparecimento dos sintomas em 82% dos
casos
Dor cervical: Eficácia em 67% dos casos
Pescoço rígido : Cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão
Espondilose cervical : Melhora significativa
Dor aguda na coluna : Melhora imediata da dor aumento significativo na flexão extensão das costas ganho na condição de manter o corpo ereto
Dor lombar: Eficácia em 72% dos casos (superior à medicação convencional)
Ciática: Acupuntura distal com agulha superficial: eficácia em 72% dos casos
acupuntura local com agulha profunda: eficácia em 96% dos casos
Inflamação no tórax e costelas: Cura obtida em 65% dos casos
Dor no joelho: Eletro-acupuntura: alivio completo da dor em 65% dos casos
“Cotovelo de tenista”: Eficácia em 62% dos casos alívio da dor em 80% após a 1
sessão
Periartrite no ombro:Cura obtida em 66% dos casos
Fibromialgia: Melhora significativa
Fascite na planta do pé : Melhora significativa
Osteoartrite: Eficácia em 61% dos casos (superior à medicação convencional)
Artrite reumatóide: Acupuntura: alívio da dor e melhora dos sintomas gerais em
65% dos casos eletro-acupuntura: alívio da dor em 90% dos casos
Gota / artrite Melhora em 100% dos casos redução do ácido úrico similar à
medicação convencional
Afecções de pele:
Acne:
Shiatsu / tuina: a acne desapareceu em 42% dos casos após 30 dias de tratamento
acupuntura: a acne desapareceu em 59% dos casos após 10 dias de tratamento
Eczema: Melhora razoável
Irritação na pele: Melhora significativa
Micose: Desaparecimento em 53% dos casos após 3 meses (eficácia superior ao
tratamento com vitaminas C e E)
Herpes zoster: Desapareceram a dor e as sarnas após 1,5 a 6 dias
Psoriasis vulgar: Cura obtida em 85% dos casos
Psoriasis eritroderma: Melhora significativa em 50% dos casos
Doenças, sintomas e condições tratáveis com a acupuntura
Psoriasis pustular: Melhora significativa em 50% dos casos
Afecções no pulmão e vias respiratórias:
Gripe comum: Melhora razoável
Dor de garganta: Melhora em 90% dos casos
Amidalite: Alívio significativo da dor e da febre
Rinite alérgica: Eficácia em 97% dos casos (superior e mais duradoura que a
medicação convencional)
Bronquite aguda: Melhora significativa
Asma: Efeito antiasmático em 93% dos casos maior ventilação pulmonar em 68%
dos casos
Doença pulmonar obstrutiva crônica: Melhora significativa após 3 s emanas
Afecções no coração:
Hipertensão :Eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais
Hipotensão: A pressão foi normalizada em 95% dos casos
Doença coronariana e angina
Melhora dos sintomas 85% dos casos
melhora na dor em 74% dos casos
melhora no eletrocardiograma em 69% dos casos
Doença cárdio-pulmonar crônica: Eficácia em 90% dos casos
Neurose cardíaca: Eficácia superior à medicação convencional
Afecções no fígado e vesíc ula biliar:
Cólica biliar Eletro-acupuntura: eficácia em 7 2% dos casos acupuntura: eficácia em
94% dos casos
Cálculo na vesícula biliar: Cura obtida e melhoria das funções biliares em 92% dos
casos
Hepatite B (vírus portador): O vírus ficou negativo em 30% dos casos o organismo
produziu anticorpos em 50% dos caso s
Afecções no estômago e intestinos:
Dor abdominal :
Shiatsu / tuina: melhora em 96% dos casos após 1.3min
acupuntura: melhora em 98% dos casos
Cólica estomacal: Alívio da dor em 98% dos casos
Cólica intestinal :Alívio da dor em 98% dos casos
Espasmo gastro-intestinal: Alívio da dor em 98% dos casos após 30 min
Soluços: Melhora significativa
Náuseas e vômitos:
Eletro-acupuntura: eficácia similar à medicação
acupuntura: eficácia em 90% dos casos
magneto-acupuntura: eficácia em 93% dos casos
moxa: eficácia em 98% dos casos
Diarréia: Melhora significativa
Constipação : Melhora significativa
Hiperacidez no estomago: Eficácia em 95% dos casos
Gastrite crônica: Melhora significativa
Úlcera: Acupressura: eficácia em 80% dos casos
acupuntura: eficácia em 97% dos casos
Cólon irritado Melhora significativa em 93% dos casos
Enterite: (inflamação bacteriana no intestino)
Cura obtida em 87% dos casos
Cultura de fezes ficou negativa após 7 dias
Hemorróidas : Moxa: cura obtida em 77% dos casos
Doenças, sintomas e condições tratáveis com a acupuntura
Afecções no rins:
Cólica renal: Alívio da dor em 100% dos casos
Calculo renal : Eletro-acupuntura: pedras expelidas em 78% dos casos
acupuntura: cura obtida em 90% dos casos
Retenção urinária traumática: Eficácia superior à medicação convencional
Incontinência: Melhora significativa
Infecção urinária recorrente: Desobstrução do trato urinário em 85% dos casos
Afecções do sistema circulatório:
Síndrome de raynaud (mãos e pésfrios)
Melhora significativa
aumento considerável do fl uxo sanguíneo
Flebite: Melhora significativa
Dor em tromboangeite: Eficácia em 93% dos casos
Excesso de gordura no sangue: Diminuição em 90% dos casos
Afecções do sistema nervoso:
Enxaqueca :Eficácia em 80% dos casos
Tontura: Eficácia em 75% dos casos
Neuralgia do trigêmeo: Efeito analgésico em 100% dos casos
Neuralgia (dor dos nervos): Efeito analgésico em 100% dos casos
Dor radicular (raízes dos nervos) :Laser-acupuntura: melhora significativa
Distrofia reflexa do simpático: Melhora razoável
Bexiga neurogênica: Eficácia consideravelmente mais rápida que o trata mento
convencional
Lesão crânio-cerebral: Cura obtida em 86% dos casos
Arteriosclerose: Eletro-acupuntura: aumento da memória, da inteligência e da
capacidade de cuidar de si mesmo em 68% dos casos
Coma : Recuperação em 59% dos casos
AVC - seqüela: hemiplegia: Recuperação em 66% dos casos
AVC - seqüela: perda da força muscular:
Recuperação em 75% dos casos
AVC - seqüela: desvio da boca e paralisia da fala:
Recuperação em 76% dos casos
AVC - seqüela: dificuldade de articular palavras:
Eficácia em 90% dos casos
Paralisia facial:
Acupuntura: cura obtida em 77% dos casos
acupuntura c/ transfixação de pontos: cura obtida em 91% dos casos
acupuntura c/ sangria: cura obtida em 96% dos casos
Paralisia causada por poliomielite: Eficácia superior à medicação convencional
Febre hemorrágica epidêmica: Moxa: regula a micção, cura a perda de proteína
pela urina e reduz o inchaço dos rins
Afecções do sistema endócrino:
Obesidade: Supressão do apetite em 95% dos casos
Diabetes mellitus : Redução do açúcar do sangue em 20% dos casos
Afecções dos órgãos dos sentidos:
Sensibilidade Melhora em 50% dos casos
Dor Eliminação da dor em 90% dos casos
Olhos
Secura nos olhos: Aumento significativo dos fluidos dos olhos
Conjuntivite: Melhora razoável
Vista turva: Cura obtida em 50% dos casos
Daltonismo :Discriminação das cores melhorou após 3 cursos de tratamento de 7 12 dias cada
Ouvidos
Ataque súbito de surdez :Eficácia em 90% dos casos após 2 semanas
Zumbido Eficácia em 23% dos casos (superior à medicação convencional)
Cura obtida em 85% dos casos
Nariz
Sangramento nasal
Sinusite e obstrução nasal : Melhora significativa
Excesso de salivação: Diminuição da saliva em 97% dos casos
Falta de salivação: Aumento significativo da saliva
Inflamação na gengiva: Melhora razoável
Dor de dente pós-tratamento : Efeito analgésico com duração de 24 a 48 horas
Dor de dente pós-cirurgia: Efeito analgésico com duração de 2 a 3 horas
Boca
Dor de dente após extração: Melhora significativa
Afecções da cabeça:
Dor de cabeça:
Shiatsu / tuina: alívio imediato em 48% dos casos
acupuntura: alívio imediato em 66% dos casos
eletro-acupuntura: alívio imediato em 80% dos casos
diminuição da freqüência em 50% dos casos
alteração significativa no e xame de eletromiografia
Dor crânio-mandibular:
Acupuntura tradicional: eficácia similar ao tratamento convencional
(imobilização)
Acupuntura intradermica: eficácia em 60% dos casos
Disfunção da ATM : Eficácia similar ao tratamento convencional
Espasmo facial : Shiatsu / tuina: eficácia em 40% dos casos
acupuntura: eficácia em 70% dos casos
Afecções psíquicas e psicossomáticas:
Depressão: Eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais
Ansiedade :Eficácia superior à medicação convencional
Insônia: O sono foi totalmente normalizado em 98% dos ca sos
Síndrome do stress competitivo; Eficácia em 93% dos casos
Esquizofrenia: Laser-acupuntura: eficácia superior à da medicação convencional
(78% dos casos)
Retardo mental: Aumento de 21% no quocient e de inteligência aumento de 18% na
adaptatividade social
Afecções masculinas:
Impotência sexual (não orgânica)
Eficácia em 60% dos casos
Ejaculação precoce: Eficácia em 83% dos casos
Inflamação na próstata: Alívio dos sintomas e melhora das funções sexua is
superior à medicação convencional
Afecções femininas:
TPM : Alívio completo dos sintomas, sem recorrência por 6 meses, em 92% dos
casos
Dor menstrual: Melhora em 91% dos casos
Cistite: Moxa + shiatsu / tuina: eficácia em 88% dos casos após 1 a 2 meses de
tratamento
Doenças, sintomas e condições tratáveis com a acupuntura
Obstrução da trompa Cura obtida em 81% dos c asos
Policisto no ovário :Cura obtida em 94% dos casos
Infertilidade: Eficácia em 75% dos casos
Menopausa: Massagem + ventosa: eficácia em 77% dos casos
Gestação e amamentação:
Enjôo:
Acupressura: melhora em 20% dos casos
acupuntura: melhora em 69% dos cas os
moxa: melhora em 97% dos casos
Correção da posição do feto : Moxa: eficácia em 93% dos casos (aumenta
atividade fetal e encaixa a cabeça do bebê)
Indução ao parto : A dilatação do útero foi similar à oxitocina as contrações uterinas
foram inferiores à oxi tocina
Dor do parto : Efeito analgésico considerado bom
Lactação deficiente: Eletro-acupuntura: aumento da lactação em 92% dos casos
Afecções infantis:
Diarréia: 1 dia de tratamento: cura em 82% dos c asos 3 dias de tratamento: cura
em 98% dos casos
Coqueluche: Cura obtida em 98% dos casos
Convulsão : Convulsões cessaram em 98% dos casos após 2 min de se colocar as
agulhas
Obesidade infantil: Redução significativa dos níveis de gordura, glicose, hidrocor
tisona e tri-iodotironina
Pós-entubação operatória: Redução significativa do espasmo da laringe (5% dos
casos)
Encefalite viral (estágio terminal) Acupuntura + medicação: eficácia em 82% dos
casos
Dependência química:
Álcool Diminui a necessidade de ing erir álcool
Tabaco : Aumento na vontade de não fumar em 13 % dos casos
redução no hábito de fumar em 20% dos casos
redução no prazer de fumar em 70% dos casos
Cocaína: Diminuição dos sintomas da abstinência em 44% dos casos
Heroína : Diminuição dos sintomas d a abstinência (anorexia, suor espontâneo e
insônia) redução da freqüência do uso de heroína
Desintoxicação de álcool : Redução do álcool no sangue
Desintoxicação de tabaco: Redução da concentração de nicotina
Pós-operatório:
Convalência: Efeito analgésico superior e mais rápido que a medicação
convencional
Mal-estar e vômitos: Eletro-acupuntura: efeito inferior à medicação convencional
(50% dos casos)
acupuntura: efeito similar à medicação convencional (90% dos casos)
Cirurgia de amídalas:Alivio significativo da dor e da salivação acelera a cicatrização
Cirurgia de hemorróidas : Melhora da dor e do desconforto em 77% dos casos
Cirurgia de artroscopia: Alivio significativo da dor
Cirurgia cerebral: Cura dos sintomas em 86% dos casos
Dor do pós-operatório: Reduz pela metade a quantidade de analgésicos narcóticos
(ex. Morfina)
Dor após exame de endoscopia: Eficácia similar à medicação, mas sem efeitos
colaterais
Recuperação: Ganho de força muscular e de movimentos em 93% dos casos após
10 dias de tratamento
Câncer:
Reações adversas ao tratamento de radioterapia e/ou quimioterapia
Náuseas, vômitos e falta de apetite foram eliminadas em 93% dos casos tontura e
cansaço foram minimizadas consideravelmente
Perda de leucócitos Acupuntura: aumento dos leucócitos em 87% dos casos
moxa: aumento dos leucócitos em 90% dos casos
Dor causada por câncer
Analgesia imediata: efeito em 70% dos casos (similar à medicação convencional)
analgesia prolongada: efeito em 92% dos casos (superior à medicação
convencional)
FONTE:
http://www.acupuntura.psc.br/Textos/doencas_trataveis_com_acupuntura.pdf