Cabo Verde ganha quatro medalhas nos Jogos da CPLP

Сomentários

Transcrição

Cabo Verde ganha quatro medalhas nos Jogos da CPLP
Cabo Verde ganha quatro medalhas nos Jogos da CPLP
Cabo Verde conquista duas medalhas na Olimpíada de Matemática da CPLP………………… Pág. 2
Professores do EB e ES participam em acção de formação no Brasil ………………………….. Pág. 2
Cabo Verde ganha quatro medalhas nos Jogos da CPLP………………………………………………….. Pág. 3
Um olhar sobre o Ensino Técnico…………………………………………………………………………………...
Pág. 4
Chega ao fim o primeiro “Educa Censo”…………………………………………………………………………... Pág. 5
anta Maria
Educação em Notícias
Julho/Agosto
Cabo Verde conquista duas medalhas na 2ª Olimpíada de Matemática da CPLP
João Varela (Santo Antão) e
Darline Ester Oliveira da Escola
Secundária Olavo Moniz (Sal).
Esses alunos participaram nas
Olimpíadas de Matemática, realizado a nível nacional e ficaram classificados nos primeiros
lugares, na categoria C.
A Olimpíada de Matemática
Onísia dos Santos João Neves Miriam Faria Darline Oliveira
da CPLP vai já na sua segunda
edição e envolve a participaA aluna Miriam Faria da Escola Secundária Jorge Barbosa (S.Vicente) e ção de jovens das oito nações que
o aluno João Boal e Neves da Escola constituem a comunidade de países
Secundária Amor de Deus (Praia) que falam a língua portuguesa. Esta
conquistaram duas medalhas de competição tem, de entre vários obBronze, na 2ª edição das Olimpíadas de Matemática da CPLP, que
decorreu de 20 a 28 de Julho, no
Brasil – Bahia – Salvador.
Cabo Verde esteve representado
por mais dois alunos, Ounísia Delgado dos Santos da Escola Secundária
jectivos, a melhoria da qualidade
de ensino e a descoberta de talentos em matemática e fomentar
o estudo desta área científica nos
países lusófonos.
Participaram nestas olimpíadas
um total de 28 alunos oriundos de
Portugal, Timor Leste, Angola, Cabo-Verde, Moçambique, Brasil e
S. Tomé e Príncipe.
As Medalhas de ouro e prata foram conquistadas por Portugal e
Brasil, respectivamente.
Recorde-se que em 2011, Cabo
Verde participou na 1ª edição
das Olimpíadas de Matemática
da CPLP, em Coimba, Portugal,
com três melhores alunos de Matemática. Os alunos conquistaram
uma medalha de bronze e uma
menção honrosa.
Professores do Ensino Básico participam em formação no Brasil
Sessenta professores do Ensino
Básico de todos os concelhos do
país estão a participar numa acção de formação em Língua Portuguesa e Matemática, desde o
dia 12 de Julho, no Brasil.
Esta capacitação que decorre até
o dia 8 de Agosto de 2012, surge no quadro da cooperação
existente entre Cabo Verde e
Brasil, no domínio de formação
de professores e tem como objectivos capacitar os docentes para
que possam, em sala de aulas,
engajar-se em actividades que
retractam temáticas em contextos
de actuação social.
De referir, que cinquenta professores do Ensino Secundário, também deslocaram-se ao Brasil no
passado dia 19 Julho para receberem formação em língua portuguesa. Esta capacitação irá
decorrer até o dia 17 de Agosto
do ano em curso.
A cooperação com o Brasil no âmbito de formação de professores iniciou em 2008, com a capacitação de
professores de Matemática do Ensino
Secundário, sendo que até o presente, cerca de trezentos professores já
receberam formação naquele país.
NCI
Salienta-se, que a capacitação
de professores neste país tem
beneficiado até então, os docentes do ensino secundário. É a primeira vez que os professores do
Básico são contemplados.
2
Educação em Notícias
Julho/Agosto
Cabo Verde ganha quatro medalhas nos Jogos da CPLP
Cabo Verde conseguiu quatro medalhas, sendo uma de prata e três
de bronze no atletismo (sub-16), na
VIII edição dos Jogos Desportivos
da CPLP, que decorreu de 7 a 15
de Julho, em Mafra, Portugal.
A medalha de prata foi conquistada na prova de estafeta olímpica
feminina, por uma equipa constituída por Larissa Estrela, Dara Delgado, Paula Brito e Irene Tavares.
Esta mesma equipa subiu ao pódio
para receber medalhas de bronze,
na prova dos 4x100 metros.
De igual modo, na prova
dos 4x100 masculinos, os
atletas Sidney Livramento,
Nuno Lopes, Ygor Andrade e Eliandro Gomes, conseguiram medalha de
bronze.
Na estafeta olímpica masculino, os atletas caboverdianos voltaram a subir ao pódio para receber a medalha de
bronze. Já nas modalidades de
ténis e futebol os nossos atletas
ficaram em quarto lugares.
Cabo verde esteve representado
nesta competição por 34 atletas,
nas diversas modalidades, como
Atletismo, Futebol, Ténis, Desporto
Adaptado, Estafetas e Salto em
comprimento.
De regresso ao país, o chefe da
delegação cabo-verdiana, José
Luís Gomes, afirmou não ter ficado "muito feliz com os resultados" mas que gostou da participação cabo-verdiana, pois, para além da vertente competitiva,
os jogos da CPLP apostam,
igualmente na vertente social.
A participação nos Jogos Desportivos da CPLP teve um investimento de cerca de seis milhões
de escudos cabo-verdianos, um
valor que, segundo Gerson Melo,
chefe da delegação adjunto,
“deve ser visto não como um custo, mas um investimento em futuros atletas e no desenvolvimento
do Desporto Cabo-verdiano”.
São Tomé e Príncipe será o palco dos IX Jogos Desportivos da
CPLP, marcados para 2014.
Coordenadores Pedagógicos recebem formação em Abordagem por Competências
Coordenadores Pedagó- A formação foi promovida pelo
gicos de todas as ilhas do Ministério da Educação e Despaís, receberam de 30 de porto e contou com o financiaJulho a 4 de Agosto, uma mento da UNICEF.
acção de formação em De referir que esta mesma forAbordagem por Compe- mação foi ministrada para protências. Esta capacitação fessores do ensino secundário
visa apoiar esses docentes das escolas que vão acolher o
com as novas técnicas e
alargamento da experimentação
orientações didácticas e
da revisão curricular.
No âmbito da generalização de pedagógicas para a implemenprogramas e manuais no primeiro tação e desenvolvimento das
ano do Ensino Básico, trinta e quatro competências básicas.
NCI
3
Educação em Notícias
Julho/Agosto
Fernanda Marques reúne-se com delegados
para preparação do próximo ano lectivo
No âmbito de preparação do ano os do sistema educativo. Responlectivo 2012/2013, a Ministra da sabilidade, Honestidade IntelectuEducação e Desporto, Fernanda al, Transparência e Excelência são
Marques, reuniu no passado dia 28 os quatro eixos fundamentais,
Vai Acontecer
A ilha Brava vai acolher o
acto central de abertura do
ano lectivo 2012/2013. O
sorteio foi realizado no
passado dia 28 de Julho,
no encontro com os delegados da Educação, que
decorreu na cidade da
Praia. O concelho de S.
Miguel (ilha de Santiago)
vai receber a cerimónia de
comemoração do Dia do
Professor Cabo-verdiano e
o de Ribeira Brava de S.
Nicolau o acto central do
Dia do Desporto Caboverdiano.
de Julho, com todos os delegados do através dos quais a gestão do
Ministério da Educação e Desporto sistema deve primar.
do país, com vista a fazer o balanço Durante o encontro todos os deledo ano lectivo findo e traçar as li- gados apresentaram o balanço
nhas de orientações para o próximo do ano lectivo findo nos seus resano lectivo.
pectivos concelhos e perspectiva-
Segundo Fernanda Marques o próxi- ram o próximo ano.
mo ano será um ano de reforço de A ocasião serviu ainda para fazer
gestão das competências de gestão o sorteio da ilha que vai acolher o
pedagógica e desportiva e conside- acto central de abertura do novo
rou que esses são os grandes desafi- ano lectivo.
Votos de Boas férias
Aproveitamos para desejar boas férias a todo o pessoal docente, discente e à comunidade educativa no seu todo e que as férias sirvam para retemperar as forças que precisamos para novos
desafios que se nos esperam visando a implementação do sistema integrado, a Educação e a
Formação. Votos da Directora Geral do Ensino Básico e Secundário, Teresa Lima.
NCI
4
Educação em Notícias
Julho/Agosto
Chega ao fim o primeiro “Educa Censo”
A primeira operação estatística
realizada a nível da Educação
chega ao fim, com balanço positivo. A avaliação é da Directora de
Serviço de Estudos, Planeamento e
Cooperação, Domingas Fernandes,
que afirmou que os objectivos traçados foram atingidos, embora
com alguns constrangimentos encontrados, nomeadamente o período das provas gerais internas nas
escolas secundárias e a época das
eleições autárquicas, factos que
condicionaram a recolha das informações junto dos alunos e professores que estavam em campanhas
eleitorais
“Conseguimos inquirir seis concelhos no tempo previsto, ou seja,
até 9 de Junho e os restantes concelhos, com excepção de Praia e
S. Vicente, na semana de 14 a
15”, frisou Domingas Fernandes.
O Censo Escolar terminou no passado dia 28 de Junho, mas ainda
com alguns trabalhos de rabiscagem por fazer. Praia e S.Vicente
foram os concelhos onde o censo
levou mais tempo para a sua finalização.
Apesar de ainda se encontrar na
fase de rabiscagem dos dados, na
cidade da Praia, Domingas Fernandes, avançou-nos que, de uma
forma geral, os estabelecimentos
de ensino foram inquiridos na totalidade, faltando apenas uma escola secundária privada da cidade
da Praia.
Quase todos os alunos, um total de
54 mil do pré-escolar ao ensino
secundário foram inquiridos, salvo
aqueles que já tenham abandonado os estabelecimentos de ensino.
Quanto ao número de professores
inquiridos, aquela responsável não
nos precisou um número, pois afirmou que neste momento não pode
avançar com esses dados, porque
ainda estão na fase de rabiscagem
e recolha de algumas informações.
Embora seja a primeira vez que se
realize o censo a nível da educação, Fernandes mostra-se expectante em relação aos dados recolhidos.
“Neste momento estamos a verificar os inquéritos, e o que tudo indica vamos ter resultados satisfatórios, porque é a primeira vez que
se realiza o censo escolar. Normalmente recolhemos os dados, mas
são os coordenadores estatísticos e
os professores a recolherem todas
essas informações. Fomos além disNCI
so, os alunos e professores declaram as suas informações através
de entrevistas” destacou, Domingas Fernandes.
Através do Censo Escolar foram
recolhidos um conjunto de informações quantitativas e qualitativas, nomeadamente informações
sobre o número de alunos, professores, estabelecimentos de ensino, estado de conservação dos
mobiliários, apoio socioeducativos, acesso e uso da casa de banho, água potável, entre outras.
As informações recolhidas, de
acordo com Domingas Fernandes,
vão facilitar a elaboração de um
conjunto de documentos, nomeadamente o Plano Estratégico da
Educação e outros documentos
estratégicos e alimentar a Base
de Dados do Sistema Educativo.
5
Educação em Notícias
Julho/Agosto
Um olhar sobre o Ensino Técnico
O Ensino Técnico (ET) figura como
uma opção estratégica do Governo para construir um sistema educativo que oferece uma melhor
qualificação de jovens que querem
ingressar no mercado de trabalho
e prosseguir os seus estudos e uma
opção credível à preparação para
a vida activa.
A formação técnica profissional
tem os seus antecedentes na Escola
Industrial e Comercial do Mindelo
há cerca de quatro décadas, com
cursos técnico-profissionais, cuja
duração era de 3 anos. Mas, o
Ensino Técnico propriamente dito
começou a desenvolver-se a partir
de 1995, com a construção da Escola Secundária Polivalente Cesaltina Ramos, na Praia e com a nova
Lei de Base do Sistema Educativo
de 1990, que começou assim, a
dar corpo ao Ensino Técnico. Contudo, segundo afirma a Directora
Geral do Ensino Básico e Secundário, Teresa Lima, nessa altura, as
mudanças introduzidas “não foram
estruturantes e nem de forma profunda tendo em conta a insuficiência de actividades práticas” e justifica que não havia professores
formados para o ensino técnico e
nem escolas técnicas adaptadas
ao novo sistema do ensino, nem tão
pouco rigor na elaboração dos
programas. Entretanto, o ET conheceu uma nova dinâmica de desenvolvimento, através da implementação do plano estratégico da
educação, que despoletou a necessidade de se construir mais escolas
técnicas no país a partir do ano
2000. O Governo nessa altura consagrou pela primeira vez na sua
orgânica, a Direcção do Ensino Técnico, integrada na Direcção Geral
do Ensino Básico e Secundário. Conforme explica Teresa Lima, com esta medida, o Governo conferiu visibilidade e importância ao ET em
2001, facto que contribuiu para
resgatar a confiança e desmistificar
o ET e valorizar este sector.
Actualmente, o ET funciona em quatro escolas técnicas do país, mais
concretamente na Escola Industrial e
Comercial do Mindelo, em São Vicente, na escola secundária João
Varela em Porto Novo, na escola
secundária Cesaltina Ramos na
Praia e na Escola Técnica Grã Duque Henri, em Assomada. Esta área
do ensino inicia-se no 3ºciclo, ou
seja no 11ºano de escolaridade,
com a duração de 2 anos e conta
ainda com mais um ano de especialização, o Ano Complementar Profissionalizante (ACP).
O ET constitui uma mais-valia tanto
para os alunos que querem prosseguir os estudos, como para aqueles
que pretendem seguir a formação
profissionalizante. Pois, segundo a
Directora Geral, nesta área de ensino os alunos adquirem competências básicas e necessárias que lhes
permitam enveredar por uma dessas duas opções sem sobressaltos.
NCI
Formação dos professores e
monitores – uma grande
aposta
Após o investimento na construção
de mais duas escolas técnicas, nomeadamente a escola técnica Grã
Duque Henri e a do Porto Novo,
ambas financiadas pela Cooperação Luxemburguesa, o Ministério da
Educação, apostou fortemente na
capacitação dos professores do ET,
no aumento do espólio bibliográfico e na aquisição de equipamentos
de primeira qualidade. Foi a partir
de então, que surgiu o projecto de
reforço do ET, cujo objectivo, segundo afirma Teresa Lima era formar
professores e monitores com qualidade, a primeira grande componente do projecto. No âmbito deste
projecto, foram formados 240 professores do ET em diferentes áreas
de formação e 45 monitores. Esta
capacitação trouxe uma dinâmica
diferente no uso dos laboratórios
que até então permaneciam fechados na maioria das escolas onde o
ensino estava mais virado para a
componente teórica. Os professores
são formados no estrangeiro para
reforçar a componente tecnológica
e prática, e no país como forma de
valorizar as nossas Instituições de
formação, seguida de formação
pedagógica presencial no ex- ISE,
de todos os formados quer no estrangeiro, quer a nível nacional em
diversas instituições de formação
com as quais estabeleceu– se acordos de colaboração e subvenções
financeiras.
A formação pedagógica e em
abordagem por competências são
de facto, uma outra aposta neste
momento de consolidação dos ganhos obtidos no ET até à presente
data, articulando o ensino técnico à
6
Educação em Notícias
Julho/Agosto
Um olhar sobre o Ensino Técnico
uma componente prática muito forte
e a prática simulada em contexto
de sala de aula e nas oficinas laboratoriais”.
Para Teresa Lima, se o número de
alunos ultrapassar os cinco mil será
necessário a construção de mais
escolas técnicas, e justifica que nesta área de ensino não se pode coabitar com turmas numerosas.
formação profissional e o emprego, a fim de criar oportunidades Ganhos e perspectivas futuras
de formação e de inserção profissional respondendo às necessida- Nos últimos tempos o ET já consedes reais do mercado de trabalho. guiu ganhos significativos, no que
tange ao aumento do número de
Procura do ET tem aumentado alunos nesta área de ensino. Contudo, Jacqueline Moniz, Técnica da
Apesar de se considerar que a via Direcção do Ensino Técnico, considetécnica não tem muita visibilidade ra que os ganhos não se resumem
porque ela só inicia a partir do apenas aos números. “Os nossos
3ºciclo, aquela responsável reco- laboratórios estão completamente
nhece, contudo, que esta área do apetrechados de materiais e equiensino vem desenvolvendo e tendo pamentos modernos que faz com
um grande impulso e esforço de que esses professores, monitores
todos para elevar a taxa de ocu- estejam também à altura do mercapação. Do ano passado a esta do”.
parte, a taxa de ocupação no ET Outro grande ganho do ET é a fortem aumentado significativamente mação dos professores. Neste moe tem havido uma grande procura, mento todos os professores do ET
afirma Teresa Lima. O exemplo têm formação. Segundo Jacqueline
deste aumento é, de acordo com a Moniz, os professores estão capacinossa fonte, o caso da escola técni- tados e têm competências pedagóca de Assomada, que este ano já gicas para apoiar os alunos e deregistou 750 inscrições na via téc- senvolver prática laboratorial de
nica e 55 no ano complementar acordo com o mercado de trabalho.
profissionalizante.
Acrescenta ainda, “que para além
Embora a tendência da taxa de da via técnica os professores estão
ocupação esteja a aumentar, a habilitados para nível de formação
quantidade não é uma condição profissional e trabalhar com cursos
para o sucesso da Via técnica, pa- de nível IV e V.
ra a Directora Geral. “O que im- Relativamente às perspectivas futuporta no ET não é a quantidade e ras, prevê-se para os próximos temnós temos estado a fazer um tra- pos, um ajustamento de alguns ponbalho junto dos parceiros, junto do tos programáticos do ET para uma
próprio Ministério da Educação, articulação com a formação profisporque o que importa no ET é a sional. Segundo Teresa Lima, vai se
qualidade do ensino ministrado e rever alguns conteúdos na abordaa possibilidade de os alunos terem gem por competências assim como a
NCI
carga horária, que considera muito
elevada para os alunos da via técnica. “Vamos ter que rever a carga
horária porque o aluno tem pouco
tempo de estudo, passa maior parte do seu tempo na escola porque
tem 34 horas semanais”.
Uma outra perspectiva e que a Directora Geral considera como um
grande desafio é a revisão da metodologia do ensino da Matemática
e da Física para uma melhor articulação com as disciplinas específicas
das áreas de estudo da Via Técnica, nomeadamente a Electricidade
no sector industrial, pois para a
área de serviço os alunos já têm
essas especificidades nas Estatísticas, no Calculo Financeiro, no Direito Fiscal e Comercial entre outras
disciplinas.
“Outro grande desafio neste momento é ajustar os programas do
ETP na metodologia de abordagem
por competências e de forma articulada lá onde for possível com o
Sistema Nacional de Qualificações,
respondendo às novas exigências
do desenvolvimento do País.”
7
Educação em Notícias
Técnicos do MED recebem formação de Inspectores do Ensino Técnico e Formação Profissional
Os Técnicos do Ministério da
Educação e do Instituto do Emprego e Formação Profissional
(IEFP) receberam de, 9 a 18 de
Julho, na Praia, uma formação
de Inspectores e supervisores do
Ensino Técnico e Formação Profissional, cujo objectivo é a ca-
pacitação dos mesmos
para os sectores de
formação profissional e
ensino técnico em Cabo
Verde.
São vinte e três formandos, que trabalham
na área técnica e no
sector da formação
profissional, incluindo
professores, supervisores, técnicos
do Ministério da Educação e do
IEFP, que durante dez dias receberam esta formação.
Esta capacitação surge no quadro
de uma parceria entre o Ministério
da Educação e Desporto e o Ministério da Juventude, Emprego e De-
senvolvimento dos Recursos Humanos, através da Direcção Geral do Emprego.
O objectivo desta acção, de
acordo com Teresa Lima, é capacitar os técnicos na acreditação
dos centros de formação profissional e reforçar as competências
de supervisão das escolas técnicas
Este projecto de capacitação dos
técnicos vai já na sua segunda
edição, sendo a primeira realizada em 2011.
Refira-se que a formação é ministrada pelos técnicos francófonos e conta com o financiamento
da CEDEAO.
FOTO REPORTAGEM - PARTICIPAÇÃO DE CABO VERDE NOS VIII JOGOS DA
CPLP
Jogo entre a equipa de Futebol de
Cabo Verde e Portugal
Medalha de Bronze - Estafeta
Olímpica - Masculino
O 2º dia de medalhas – 4 medalhas – 1
de Prata e 3 de Bronze
Representantes de Cabo Verde na
modalidade Ténis
Jogo de basquetebol
Momentos do Hino Nacional
FICHA TÉCNICA
Propriedade: Ministério da Educação e Desporto Edição: Núcleo de Comunicação e Imagem (Textos, Imagens)
Impressão: Tipografia Santos Tiragem: 1000 exemplares

Documentos relacionados