desenvolvimento cognitivo de crianças de uma escola

Сomentários

Transcrição

desenvolvimento cognitivo de crianças de uma escola
DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA
PÚBLICA DO RIO GRANDE /RS
Marcela Dupont Soares11
Maria Cristina Flores Soares1,2
*[email protected]
Resumo: Este estudo teve como objetivo avaliar o desenvolvimento cognitivo infantil e
identificar fatores associados a este desfecho. Estudo transversal que utilizou um
questionário semi-estruturado para coleta dos dados e a escala de Inteligência
Wechsler para Crianças (WISC III) para avaliação da função cognitiva. A associação
entre o desfecho (favorável ou desfavorável) e as variáveis de interesse foram
analisadas pelo teste do qui quadrado. Foram avaliadas 33 crianças entre 8 e 12 anos
de idade. Mostraram associação com o desfecho desfavorável: escala de execução
(sexo masculino, p=0,058; moradia não sendo de alvenaria, p=0,052); escala verbal
(idade materna ≥ 35 anos, p=0,01; famílias com ≥ 2 filhos, p=0,03), cor não branca da
criança p=0,01), e escala total (famílias com ≥ 2 filhos, p=0,05). Os dados mostram
que as áreas do desenvolvimento cognitivo infantil são diferentemente influenciadas
pelas características demográficas, condições de moradia e história reprodutiva
materna.
Palavras Chaves: desenvolvimento cognitivo, WISC, fatores socioeconômicos,
historia reprodutiva materna.
Abstract: This study aimed to evaluate child's cognitive development and to identify
factors associated with this outcome. Sectional study that used a semi-structured
questionnaire for data collection and the Wechsler Intelligence Scale for Children
(WISC III) for assessment of cognitive function. The association between the outcome
(favorable or unfavorable) and the variables of interest were analyzed by chi square
test. We evaluated 33 children between 8 and 12 years old. Were associated with
unfavorable outcome: scale implementation (male, p = 0.058, housing is not masonry,
p = 0.052), verbal rating scale (maternal age = 35 years, p = 0.01; families with ≥ 2
children p = 0.03), nonwhite child p = 0.01), and total scale (families with children ≥ 2, p
= 0.05). The data show that areas of the child's cognitive development are differentially
influenced by demographic characteristics, living conditions and maternal reproductive
history.
1
Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - FURG
2
Instituto de Ciências Biológicas - FURG
Key Words: Cognitive development, WISC, Socioeconomic factors, maternal
reproductive history.
1. Introdução
Muitos são os fatores que podem se associar ao desenvolvimento infantil, e
se tratando especificamente do desenvolvimento cognitivo, este pode ser influenciado
desde a concepção desta criança, e por todo o seu histórico de vida, e familiar. “A
família desempenha ainda o papel de mediadora entre a criança e a sociedade,
possibilitando a sua socialização, elemento essencial para o desenvolvimento
cognitivo infantil.” (ANDRADE et al., 2005).
Sendo o desenvolvimento cognitivo infantil influenciado por vários fatores, fazse necessário a avaliação e o levantamento das possíveis associações, para verificar
influências que possa ser significativas ao desfecho. E com forma de avaliação foi
escolhido a escala WISC, sendo ela um instrumento de possibilita uma visão mais
ampla do desenvolvimento infantil, de forma que possa ser verificada diversas áreas.
“Por esta razão, os subtestes foram selecionados com o objetivo de investigar muitas
capacidades mentais diferentes, mas que juntas, oferecem uma estimativa da
capacidade intelectual geral da criança” (CRUZ, 2005)
Este estudo avaliou a inteligência geral em uma amostra de crianças de uma
escola municipal da cidade do Rio Grande/RS, buscando-se identificar os fatores que
se associam com este desfecho.
2. Metodologia
Delineamento do Estudo: Trata-se de um estudo com delineamento
transversal.
Amostra: Foi formada por crianças residentes de Rio Grande, estudantes de
uma escola pública, com idades entre 8 e 12 anos de idade.
Coleta de Dados: Para identificação das crianças e seus endereços foi
realizado um sorteio nas escolas para levantamento de amostra, e a verificação dos
respectivos endereços, posteriormente foi realizado entrevista com os pais. Na
entrevista foi realizada a aplicação de questionários de perguntas fechadas, com o
objetivo de investigar as variáveis de interesse para a determinação do desfecho
estudado.
Instrumento de Coleta de Dados: Foram utilizados dois instrumentos para a
coleta de dados. Para o levantamento da história de vida da criança será aplicado um
questionário com questões pré, peri e pós-natal. Divididas em: condições
socioeconômicas, demográficas e de moradia; história reprodutiva materna; condições
de nascimento e características da criança; atenção à criança; crescimento e
morbidades. Para avaliação da função cognitiva foi utilizado a escala de Inteligência
Wechsler para Crianças, terceira edição, com adaptação por Vera Figueiredo. A
escala total, dividida em escala de execução e verbal, distribui as crianças em seis
grupos: superior, médio-superior, médio, médio-inferior, limítrofe e intelectualmente
deficiente. Os resultados do desenvolvimento cognitivo, dicotomizados como
satisfatório (superior, médio-superior, médio) ou insatisfatório (médio-inferior, limítrofe
e intelectualmente deficiente) foram apresentados individualmente em relação à
escala total e às escalas de execução e verbal. Foram considerados os valores em
que p<0,05.
Análise dos Dados: Depois de revisados e codificados os questionários, os
resultados foram digitados utilizando o software EPI-INFO versão 6, com checagem
de amplitude e consistência para a formação do banco de dados do estudo e,
posteriormente, transferidos para o SPSS versão 8.0 em que foram analisadas as
variáveis de interesse do estudo.
Aspectos Éticos (Resolução 196/96 da CNS): O projeto foi encaminhado ao
Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande (CEPASFURG), sendo iniciada sua execução somente após o recebimento da aprovação
deste comitê. Dessa forma, os princípios éticos também foram assegurados aos
entrevistados por meio de um termo de consentimento livre e esclarecido (TCL)
assinado pelos pais/responsáveis da criança.
3. Resultados e Discussão
Foram avaliados 33 crianças de ambos os sexos, com idades entre 8 e 12
anos. Os resultados da Escala WISC III serão apresentados separadamente: Escala
de Execução, Escala Verbal e Escala Total.
3.1 Distribuição das crianças conforme a Escala de WISC III
A seguir são apresentados os resultados da distribuição das crianças de
acordo com cada uma das classificações da Escala do WISC III: Escala de Execução
(Figura 1), Escala Verbal (Figura 2) e Escala Total (figura 3).
Figura 1: Distribuição do número de crianças de acordo com a classificação do
resultado da Escala WISC III: Superior (S), Médio Superior (MD), Médio (M), Médio
Inferior (MI), Limítrofe (L) e Intelectualmente Deficiente (ID).
Figura 2: Distribuição do número de crianças de acordo com a classificação do
resultado da Escala WISC III: Superior (S), Médio Superior (MD), Médio (M), Médio
Inferior (MI), Limítrofe (L) e Intelectualmente Deficiente (ID).
Figura 3: Distribuição do número de crianças de acordo com a classificação do
resultado da Escala WISC III: Superior (S), Médio Superior (MD), Médio (M), Médio
Inferior (MI), Limítrofe (L) e Intelectualmente Deficiente (ID).
3.2 Associação entre o desfecho do WISC III e as diferentes variáveis
Os resultados da análise da associação entre o desfecho favorável (F) ou
desfavorável
(D)
são
apresentados
a
seguir:
condições
socioeconômicas,
demográficas e de moradia (tabela 1). História reprodutiva materna, condições de
nascimento e características da criança, atenção à criança, crescimento e morbidades
(tabela 2).
Na escala de Execução mostraram associação limítrofe com o desfecho as
variáveis: sexo (meninos: 56,2%, meninas: 23,5%; p=0,058); tipo de casa (alvenaria:
33,3%, outras:100,0%; p= 0,052).
Assim como neste estudo o sexo masculino também tem sido associado com
um pior desenvolvimento cognitivo. Meio et al. (2003) observaram chance superior a
três vezes deste desfecho quando analisaram crianças que tinham história de baixo
peso ao nascer.
Sabe-se que as condições de moradia refletem a situação socioeconômica da
família. Tem sido relatado que o desenvolvimento pode ser afetado isoladamente e de
forma
aditiva
pela
desnutrição
e
pelas
condições
socioeconômicas
desfavoráveis.(MACEDO et al., 2004)
Na Escala Verbal mostraram associação com o desfecho as variáveis: Idade
da mãe (≥35 anos: 68,4%, <35 anos: 21,4%; p=0,01); número de filhos (1 filho: 0,0%,
≥2 filhos: 57,1%; p= 0,03); a cor da criança apresentou associação limítrofe com o
desfecho (branca: 37,5%, não branca: 77,8%; p=0,05).
Neste
estudo
o
desenvolvimento
cognitivo
da
criança
mostrou-se
negativamente associado com a idade materna superior a 35 anos. A influência da
idade materna sobre o desenvolvimento cognitivo da criança parece ser um assunto
que desperta controvérsias (KETTERLINUS et al., 1991). Tem sido afirmado que filhos
de mães muito jovens em geral apresentam um desenvolvimento cognitivo mais
desfavorável, no entanto os estudos abordam quase que exclusivamente o extremo
inferior de idade materna.
Análise dos dados disponíveis sobre os níveis de escolaridade da população
brasileira estratificados pela cor, mostra que brancos e não brancos não se apropriam
de forma igual das oportunidades de educação e esta é uma situação que pode
influenciar o desenvolvimento cognitivo da criança. (HASENBALG e SILVA, 1990).
Na Escala Total foi verificada associação limítrofe com o desfecho a variável
número de filhos (1 filho: 0,0%, ≥2 filhos: 50,0%; p= 0,05).
Muitas vezes os pais não sabem dividir a atenção aos filhos, diminuindo ou
até mesmo excluindo desta atenção um dos filhos, e isso pode interferir no rendimento
escolar, levando em consideração o papel fundamental que a família exercer sobre a
criança. (ANDRADE et al., 2005)
Tabela 1: Análise da associação do resultado da Escala WISC III favorável (F) ou
desfavorável (D) com as condições socioeconômicas, demográficas e de moradia.
Escala Execução
Sexo
Feminino
Masculino
Renda Familiar
≥ 2 SM
< 2 SM
Escolaridade Materna
> 8 anos de Estudo
5 – 8 anos de estudo
≤ 4 anos de estudo
Escolaridade Paterna
> 8 anos de Estudo
5 – 8 anos de estudo
≤ 4 anos de estudo
Tipo de Habitação
Alvenaria
Não Alvenaria
Tipo de Sanitário
Com descarga
Sem descarga
F
%
D
%
65,0
35,0
30,8
69,2
40,0
60,0
53,8
46,2
Escala Verbal
p
F
%
D
%
0,058
56,3
43,8
41,2
58,8
50,0
50,0
29,4
35,3
35,3
50,0
30,0
20,0
100
0
76,9
23,1
95,0
5,0
100
0
F
%
D
%
57,9
42,1
42,9
57,1
36,8
63,2
57,1
42,9
0,25
0,12
52,9
35,3
11,8
20,0
46,7
33,3
40,0
26,7
33,3
33,3
41,7
25,0
94,1
5,9
87,5
12,5
100
0
93,8
6,3
0,53
0,17
42,1
47,4
10,5
30,8
30,8
38,5
35,3
29,4
35,3
40,0
40,0
20,0
94,7
5,3
85,7
14,3
100
0
92,9
7,1
0,71
0,052
0,69
0,47
0,60
p
0,39
0,44
0,24
46,2
23,1
30,8
p
0,59
47,1
52,9
0,44
31,6
52,6
15,8
Escala Total
0,38
0,48
0,42
Tabela 2: Análise da associação do resultado da Escala WISC III favorável (F) ou
desfavorável (D) com o história reprodutiva materna, condições de nascimento e
características da criança, atenção à criança, crescimento e morbidades.
Escala Execução
F
%
Cor da Criança
Branca
Não Branca
Freqüentou Creche
Sim
Não
Crianças Menores de 5
anos na casa
Sim
Não
Criança vive com a mãe
biológica
Sim
Não
Cor da mãe biológica
Branca
Não Branca
Idade Biológica
< 35 anos
≥ 35 anos
Hospitalização nos últimos
12 meses
Sim
Não
Foi levado ao Pronto
Socorro nos últimos 12
meses
Sim
Não
Tipo de Parto
Normal
Outros
Quantidade de Filhos
< 2 filhos
≥ 2 filhos
D
%
Escala Verbal
p
F
%
D
%
0,22
80,0
20,0
61,5
38,5
25,0
75,0
46,2
53,8
88,2
11,8
56,3
43,8
35,3
64,7
31,3
68,8
100
0,0
85,0
15,0
61,5
38,5
45,0
55,0
38,5
61,5
23,5
76,5
18,8
81,3
100
0,0
93,8
6,3
88,2
11,8
62,5
37,5
64,7
35,3
18,8
81,3
61,5
38,5
57,9
42,1
76,9
23,1
15,0
85,0
15,4
84,6
26,3
64,7
42,9
57,1
0,32
0,65
21,1
78,9
21,4
78,6
0,42
100
92,9
7,1
84,2
15,8
64,3
35,7
47,4
52,6
35,7
64,3
0,18
0,50
0,24
12,5
87,5
0
100
0,28
42,1
57,9
57,1
42,9
0,01
0,65
7,7
92,3
84,2
15,8
0,08
0,50
0,31
11,1
88,9
0
100
0,48
56,3
43,8
43,8
56,3
75,0
25,0
56,3
43,8
29,4
70,6
0,0
100
0,23
1,00
50,0
50,0
50,0
50,0
61,1
38,9
71,4
28,6
26,3
73,7
0
100
0,26
0,67
p
0,09
0,48
0,13
5,3
94,7
D
%
0,54
0,61
95,0
5,0
F
%
0,80
0,42
15,4
84,6
p
0,046
0,21
25,0
75,0
Escala Total
0,41
0,03
,049
4. Conclusão
Na descrição individual das escalas, em que ainda estavam separadas por
grau de interpretação da classificação, verifica-se que a maioria das crianças
encontram-se em nível médio de desenvolvimento cognitivo em todas as escalas
(Execução, Verbal, Total).
A análise inicial de associação mostrou que o desempenho cognitivo das
crianças avaliadas foi influenciado, sobretudo por fatores socioeconômicos e
demográficos e também pela história reprodutiva da mãe.
5. Referências
ANDRADE, S. A.; SANTOS. D. N.; BASTOS, A. C.; PEDROMONICO, M. R. M.;
ALMEIDA-FILHO, N.; BARRETO, M. I. Ambiente familiar e desenvolvimento
cognitivo infantil: uma abordagem epidemiológica. Rev. Saúde Pública [online].
2005, vol.39, n.4, pp. 606-611. ISSN 0034-8910.
CRUZ, M. B. Z. WISC III: Escala de Inteligência Wechsler para crianças: Manual.
Aval. psicol. [online]. 2005, vol.4, n.2, pp. 199-201. ISSN 1677-0471.
HASENBALG. C.A.; SILVA. N.V. Raça e Oportunidades Educacionais no Brasil.
Cad. Pesq. São Paulo. 1990; 73: 5-12.
LEIGH, A,; GONG, X. Does Maternal Age Affect Children’s Test Scores
Disponível em http://people.anu.edu.au/andrew.leigh/pdf/MaternalAge.pdf, acessado
em 12 de outubro de 2010.
MACEDO, C.S.; ANDREUCCI, L.C.; MONTELLI,T.C.B. Alterações Cognitivas em
Escolares de Classe Socio-Econômica Desfavorecida. Arq. Neuropsiquiatr. 2004;
62 (3-B):852-857.
MEIO, M.D.B.B.; LOPES, C.S.;MORSCH, D. S.. Fatores prognósticos para o
desenvolvimento cognitivo de prematuros de muito baixo peso. Rev. Saúde
Pública [online]. 2003, vol.37, n.3, pp. 311-318.
WESCHSLER, D. WISC III: Escala de Inteligência Wechsler para Crianças:
Manual, 3ª ed.; São Paulo. Casa do Psicólogo. 309 p.
KETTERLINUS R.D.; HENDERSON, S. ; LAMB, M.E. The Effects of Maternal Ageat-Birth on Children's Cognitive DevelopmentJournal of Research on
Adolescence, 1532-7795, Volume 1, Issue 2, 1991, Pages 173 – 188.
LEIGH, A,; GONG, X. Does Maternal Age Affect Children’s Test Scores?
Disponível em http://people.anu.edu.au/andrew.leigh/pdf/MaternalAge.pdf, acessado
em 12 de outubro de 2010.

Documentos relacionados