Pedro Serra | Sabrina Guia | António Espírito Santo | António

Сomentários

Transcrição

Pedro Serra | Sabrina Guia | António Espírito Santo | António
1st Workshop from the CREaTION Project in Research Lines of Excellence
Covilhã, 18 de Novembro de 2013
Pedro Serra | Sabrina Guia | António Espírito Santo | António Albuquerque
1st Workshop from the CREaTION Project in Research Lines of Excellence
Covilhã, 18 de Novembro de 2013
Pedro Serra | Sabrina Guia | António Espírito Santo | António Albuquerque
Sistemas Bioeletroquímicos (BES)
Célula de
Combustível
Hidrogénio
Células de
Combustível
Convencionais
Eletricidade
Materiais Orgânicos
Célula de
Combustível
Luz solar
Célula de
Combustível
+
+ Enzimas ou organismos
Eletricidade
Sistemas fotoquímicos ativos e
material biológico
Eletricidade
Sistemas Bioeletroquímicos (BES)
Células de Combustível Biológicas (MFC)
1790. Galvani: Realiza experiências com electricidade e pernas de rãs.
1911. Potter: Libertação de energia eléctrica por oxidação orgânica.
1931. Cohen: Primeiras células de combustível biológicas ligadas em série.
1960. NASA: Declara o objectivo de produzir electricidade a partir de resíduos orgânicos resultantes da actividade espacial.
1962. Rohrback: Utilização de bactérias como catalisadores na produção de hidrogénio.
1963. Primeira célula de combustível biológica disponível comercialmente.
1966. Rice: Palha de arroz utilizada como substrato.
1969. Yao: Prova que a glicose pode ser utilizada como substrato para a produção de electricidade.
1986. Karube: Uma MFC com ácido fosfórico como electrólito produz cerca de 300 mA.
1991. Primeira tentativa para utilizar MFC em estações de tratamento de águas residuais.
1999. Kim B. H.: MFC sem mediador
2009. Avanços na tecnologia permitem normalizar a quantidade de energia produzida em função do volume da célula.
Condutividade;
•
Biocompatibilidade;
•
Estabilidade Química.
• Área especifica e
porosidade;
• Não passível de
ser obstruído.
Material mais comum para os elétrodos é a grafite e o carbono.
Cátodo
•
Ânodo
Materiais
• Tipicamente
dopados com o
catalisador
(platina ou outro
metal de
transição);
• Versátil para
acomodar
reacções entre
electrões ,
protões e
oxigénio.
Materiais
•
Nutrientes para a população de bactérias;
•
Fonte de energia;
•
Electroquimicamente não activo.
O substrato deve ser desenvolvido de acordo com a população bacteriológica.
Materiais
•
Conduz os protões entre as câmaras;
•
Protege o ânodo de ser exposto ao oxigénio;
•
Impede transferências químicas entre as câmaras e impede a passagem de
líquidos entre as câmaras.
CEM
Nation:
Membrana de
Troca de Catiões
AEM
Membrana de
Troca de Aniões:
AMI-7001.
Transporte de iões fosfato.
pH mais estável (maior aumento no cátodo).
BM
Membranas
Bipolares:
Membranas de aniões e catiões em série.
Maior resistência interna.
Diminuição na potência atingida.
Ultrex:
Propensa à obstrução.
Menor resistência.
Mais barata.
Materiais
•
Microorganismos procariotas:
- Núcleo e outras órgãos não delimitados por membranas;
- Parede celular feita de peptidoglicano;
Se o receptor de electrões for o oxigénio molecular, então o
metabolismos e aeróbico, caso contrário é anaeróbico.
Métodos: Arquitectura de reactores
Primeiro reactor:
Tecnologia actual:
Câmara dupla:
- Manuseamento fácil;
- Pode ser operado em modo contínuo ou descontínuo;
- Escolha típica para estudos laboratoriais;
Figura 1 – Exemplo para a primeira arquitetura de
um reactor [1].
Figura 2 – À esquerda os elementos tipicamente constituintes de uma câmara dupla; À
direita uma câmara de fluxo ascendente [2].
Métodos: Arquitectura de reactores
Primeiro reactor:
Tecnologia actual:
Câmara simples:
- Mais simples de construir;
- Não necessita de arejamento.
Figura 1 – Exemplo para a primeira arquitetura de
um reactor [1].
Figura 3 – Imagem exemplificativa de um reactor de
câmara simples [1].
Métodos: Arquitetura de reatores
Reatores:
Câmara simples
Figura 4 – Proposta de construção para um reactor
de câmara simples.
Vídeo 1 – Visualização 3D dos elementos e da
respetiva montagem para um reactor de câmara
simples.
Métodos: Arquitetura de reatores
Reatores:
Câmara dupla
Figura 5 – Proposta de construção para um reactor
de câmara dupla.
Vídeo 2 – Visualização 3D dos elementos e da
respetiva montagem para um reactor de dupla.
1st Workshop from the CREaTION Project in Research Lines of Excellence
Covilhã, 18 de Novembro de 2013
Pedro Serra | Sabrina Guia | António Espírito Santo | António Albuquerque
O principal objectivo consiste em obter energia para alimentar dispositivos
electrónicos de baixo consumo.
Absorção de Água e Nutrientes
Figura 7. Esquematização do mecanismo de absorção de
nutrientes por parte das plantas. [4]
Figura 6. Esquematização do mecanismo de absorção da água por parte
das plantas. [3]
Movimento de Solutos na Planta
Figura 8. Esquematização do transporte de nutrientes na planta. [5]
Transporte no Xilema
Transpiração
Evaporação da água para o ar
diminui o potencial hídrico na
folha
Adesão-Coesão
Coluna de água no xilema é
mantida por coesão das
moléculas de água nos
elementos dos vasos
Tensão
Baixo potencial hídrico na raiz
provoca a entrada de água do
solo, que se desloca por
osmose até à medula
Figura 9. Esquematização do transporte de solutos através do Xilema. [6]
Células Galvânicas
Figura 10. Esquematização de uma pilha galvânica.
Energia Química
Energia Elétrica
Maximum Power Point Tracking (MPPT)
Figura 11. Curva característica IV. [7]
Figura 12. Fotografia da experiência realizada
Tabela 1. Valores das medições efectuadas com os cactos em solo de constituição desconhecida.
Tensão (V)
Corrente (mA)
CACTO 1
0,731
0,01
CACTO 2
0,699
0,01
CACTO 3
0,766
0,01
CACTO 4
0,735
0,01
TOTAL
2,888
0,01
Figura 13. Circuito de medição individual.
Ensaio em Série vs. Paralelo
Figura 14. a) Associação dos elementos em série (a) e paralelo (b). Eléctrodos utilizados (c).
Resultados
Série
Paralelo
Tensão vs. Corrente
Tensão vs. Corrente
2,5
V
V
2
1,5
1
0,5
0
0
0,002
0,004
0,006
mA
eléctrodos pequenos com 8cm2
eléctrodos médios com 16cm2
eléctrodos grandes com 24cm2
0,9
0,8
0,7
0,6
0,5
0,4
0,3
0,2
0,1
0
0
0,01
0,02
0,03
mA
eléctrodos pequenos com 8cm2
eléctrodos médios com 16cm2
eléctrodos grandes com 24cm2
Resultados
Série
Paralelo
Tensão vs. Potencia
Tensão vs. Potencia
0,003
W
W
0,0025
0,002
0,0015
0,001
0,0005
0
0
0,002
0,004
0,006
0,0045
0,004
0,0035
0,003
0,0025
0,002
0,0015
0,001
0,0005
0
0
0,01
0,02
mA
0,03
mA
eléctrodos pequenos com 8cm2
eléctrodos pequenos com 8cm2
eléctrodos médios com 16cm2
eléctrodos médios com 16cm2
eléctrodos grandes com 24cm2
eléctrodos grandes com 24cm2
Ensaio Diário em Série e em Paralelo com e sem Carga
Figura 15. a) Associação dos elementos em série (a) e paralelo (b). MBED (c).
Circuito em Série Com e Sem Carga
2,5
Tensão
2
1,5
1
0,5
0
0
100
200
circuito em série sem carga
300
400
500
600
700
Valor / 5 minutos
circuito em série com carga
Circuito em Paralelo Com Carga
V
1,8
1,6
1,4
1,2
1
0,8
0,6
0,4
0,2
0
0
100
200
300
400
500
600
Valor / 5 minutos
circuito em paralelo com carga
700
A captação da energia é tanto maior quanto maior for a superfície
de contacto entre os eléctrodos e as plantas e entre os
eléctrodos e os cactos;
A partir do conceito de MPPT é possível optimizar-se o processo de
recolha de energia;
Existe a possibilidade de alimentar dispositivos electrónicos de
baixo consumo;
Futuramente pretende-se efectuar estudos e ensaios experimentais
que permitam aplicar o conceito em casos reais.
[1]
H. P. Bennetto, "Electricity generation by microorganisms," Biotechnology Education, vol.
1, pp. 163-168, 1990.
[2]
Z. Du, H. Li and T. Gu, "A state of the art review on microbial fuel cells: A promising
technology for wastewater treatment and bioenergy," Biotechnology Advances, vol. 25, pp.
464-482, 2007
[3]
http://biotic.no.sapo.pt/images/absorcaoraiz1.jpg
[4]
http://biotic.no.sapo.pt/images/sl.jpg
[5]
http://2.bp.blogspot.com/_v6uOZuoCvoI/TDTE_u4t3XI/AAAAAAAAANc/KAu7IYU533Q/s1
600/Imagem7_thumb%5B2%5D.jpg
[6]
http://img384.imageshack.us/img384/6044/htcaxi8.jpg
[7]
http://www.strumentazioneelettronica.it/images/stories/tecnologie/thumbnails/1005_HT_
Curva_I-V_modulo_fotovoltaico.jpg

Documentos relacionados

utilização da técnica de inspeção ultra-sônica b-scan

utilização da técnica de inspeção ultra-sônica b-scan espessura foi cortada ao meio sendo possível confirmar a presença dos alvéolos detectados através do exame.

Leia mais

11204806* 11204806

11204806* 11204806 para a bomba solar, função colector de tubos, regulação do número de rotações, função termóstato, opção drainback e booster, balanço da energia térmica. Entradas: para 4 sensores de temperatura Pt1...

Leia mais

Revista-corrosao-e-protecao-51

Revista-corrosao-e-protecao-51 Pimenta – Isto teve um grande peso na minha decisão de trabalhar com corrosão, pois sempre fiquei ligado aos mestres que eram referência em corrosão na Petrobras, no Brasil e no mundo. Aprendi muit...

Leia mais

caracterização microestrutural e mecânica do aço maraging 300

caracterização microestrutural e mecânica do aço maraging 300 Rev. Bras. Apl. Vac., Campinas, Vol. 35, N°1, pp. 25-30, Jan. - Abr., 2016

Leia mais

Texto Integral

Texto Integral Excelentfssimo Sr. Presidente, Nobres Vereadores:

Leia mais

Ref. 443028 - Sigfredo Melchor SL

Ref. 443028 - Sigfredo Melchor SL Pack 6 rotuladores de doble punta color negro 6 double points marker pens black colour Marqueurs noirs alimentaires Conjunto de 6 marcadores pretos x 6 u.

Leia mais

Solução de upgrade de firmware

Solução de upgrade de firmware firmware. Estas são programadas directamente no hardware do equipamento electrónico no chip de memória. A possibilidade de actualização do firmware é por isso fundamental para a evolução e para ven...

Leia mais

PROPORCIONALIDADE INVERSA

PROPORCIONALIDADE INVERSA expedição socorreram um grupo de 5 montanhistas que se encontram já sem qualquer alimento, aumentando o grupo para 17 pessoas. Para quantos dias chegará agora a comida? 6. O tempo que leva a cozinh...

Leia mais

Hidrogénio e Células de Combustível

Hidrogénio e Células de Combustível gaseificação do carvão e da biomassa. O combustível utilizado no núcleo das células é o hidrogénio, embora este gás não se encontre facilmente disponível. Por outro lado as infra-estruturas de extr...

Leia mais

do arquivo

do arquivo the agent comprises three levels, namely, the reactive level, instinctive level and the cognitive level, which runs concurrently. The reactive level is embedded in a PSoC 5LP, consisting of behavio...

Leia mais