Simulado 3

Сomentários

Transcrição

Simulado 3
Simulado
Física - Inglês
Português - Química
S 22203 - 3.a Série - 18/05/2002
Instruções para o preenchimento da Folha de Respostas para
provas tipo teste
A Folha de Respostas de provas tipo teste é normalmente interpretada por
leituras ópticas que, de acordo com sua tecnologia, exigem determinados
procedimentos quanto ao preenchimento.
Tenha sempre cuidado de ler as instruções e segui-las para evitar que a
sua Folha de Respostas seja rejeitada.
Na leitora utilizada no Colégio Bandeirantes devem ser observados os
seguintes procedimentos:
1. Preencha totalmente o círculo sem ultrapassar o contorno laranja.
2. Utilize apenas lápis preto n.o 2.
3. Não utilize caneta ou outro material qualquer para o preenchimento
da Folha de Respostas.
4. Não perfure ou rasure a Folha de Respostas.
A Folha de Repostas já está com os dados preenchidos: nome do aluno,
disciplina, turma, n.o de chamada, data e código da prova. Verifique se as
informações estão corretas e assine na linha sobre o nome.
Física
01. (UFRN-2002) A Lua, com seus encantos, esteve sempre povoando a
imaginação dos artistas e estimulando grandes idéias nos homens da
ciência. Palco de grandes conquistas científicas, o ambiente lunar,
comparado com o da Terra, possui um campo gravitacional fraco, o que
torna impossível a manutenção de uma atmosfera na Lua.
Sem atmosfera não há nada que filtre a radiação solar ou queime os
meteoritos que freqüentemente caem e criam crateras no solo lunar.
Após esse breve comentário sobre a Lua, professora Luana apresentou um
painel ilustrando uma situação vivida por dois astronautas, Brian e Robert.
No painel, constava o panorama do solo lunar cheio de crateras, um céu
escuro, bem diferente do normalmente azulado aqui da Terra, e um belo
flagrante da imagem de Brian refletida no capacete de Robert. Luana
afirma que o capacete de Robert está funcionando como um espelho
esférico convexo.
1
Considerando as informações e as imagens apresentadas, podemos
concluir que
a. a imagem do capacete de Robert é real, e o tempo de queda na
experiência de Brian é o mesmo para qualquer corpo.
b. a imagem no capacete de Robert é virtual, e o impacto do meteorito
não é audível pelos astronautas.
c. o impacto do meteorito é audível pelos astronautas, e o tempo de
queda na experiência de Brian é o mesmo para qualquer corpo e a
imagem no capacete é real.
d. a ausência de atmosfera na Lua torna o céu escuro e faz com que os
corpos, na experiência de Brian, caiam com acelerações diferentes.
e. a ausência de atmosfera na Lua torna o céu escuro o que torna
impossível vermos a imagem no capacete de Robert, e o tempo de
queda dos corpos é o mesmo do que seria aqui na Terra.
(UFSCar-2002/modificado) O seguinte enunciado serve para os testes de
números 02 e 03.
Um exercício sobre trocas de calor propunha que 235 g de água, à
temperatura de 25ºC e pressão de 1 atm, fossem misturados a 63 g de
gelo, à temperatura de -18ºC, num calorímetro ideal mantido sob
agitação. Para resolvê-lo um estudante testou as cinco hipóteses abaixo.
02. Considerando que os cálculos realizados pelo estudante estejam corretos,
qual das hipóteses abaixo fornece um resultado possível de ocorrer
experimentalmente, nas condições propostas pelo exercício?
(m = massa que sofre mudança de estado; t = temperatura de equilíbrio
térmico)
Hipótese
a. Não ocorre mudança de fase.
Resultado dos cálculos
m (g)
t (ºC)
—
19,9
b. Toda a massa de gelo sofre fusão e a água 63
resultante dessa fusão aumenta de
temperatura.
0,9
c. Parte da massa de gelo sofre fusão.
66,4
0,0
d. Parte da massa de água se solidifica.
-66,4
0,0
e. Toda a massa de água solidifica e a
temperatura do gelo resultante diminui.
235
161,8
2
03. Sabendo-se que a temperatura de fusão do gelo é inversamente proporcional
à pressão, diga o que ocorreria com a temperatura de equilíbrio térmico “t” e
com a massa da substância que sofre mudança de fase “m” se a pressão no
calorímetro fosse maior que 1 atm. (Suponha que os valores dos calores
específicos e dos calores latentes não dependam da pressão e da
temperatura).
t
m
a.
permanece a mesma
permanece a mesma
b.
aumenta
permanece a mesma
c.
aumenta
diminui
d.
diminui
permanece a mesma
e.
diminui
aumenta
04. (UFRN-2000) Um processo de aniquilação de matéria, ou, equivalentemente,
de conversão de massa de repouso em energia, ocorre na interação entre um
elétron (de massa m e carga -e) e um pósitron (de mesma massa m e carga
+e). Como conseqüência desse processo, o elétron e o pósitron são
aniquilados, e, em seu lugar, são criados dois fótons gama (g), que se
deslocam em sentidos opostos. O processo de aniquilação descrito pode ser
representado por
e- + e + ® g + g .
Pode-se dizer que as grandezas físicas que se conservam nesse processo são
a.
b.
c.
d.
e.
a massa de repouso, a carga elétrica e a energia.
a massa de repouso, a energia e o momento linear.
a carga elétrica, o momento linear e a energia.
a carga elétrica, a massa de repouso e o momento linear.
não há conservação de nenhuma grandeza física, uma vez que nesse
processo se aplicam apenas as leis da física moderna.
3
Este enunciado vale para os testes de números 05, 06 e 07.
(UNICAMP-2002/adaptado) Um motor de foguete iônico, digno de
histórias de ficção científica, equipa uma sonda espacial da NASA e está
em operação há mais tempo do que qualquer outro propulsor espacial já
construído. O motor iônico funciona expelindo uma corrente de gás
eletricamente carregado para produzir um pequeníssimo impulso. Cerca
de 103 g de xenônio são ejetados por dia com uma velocidade de
108.000 km/h. Após um período muito longo, esse impulso faz a sonda
atingir uma velocidade enorme no espaço. Em aproximadamente 200 dias
de viagem, a sonda chega a uma velocidade de 4 320 km/h, o que é
muito mais rápido do que seria possível com uma quantidade similar de
combustível de foguete. Aproxime um dia para 9 . 104 s.
05. Que massa de combustível teria sido consumida para atingir os 4 320 km/h?
a.
b.
c.
d.
e.
21,6 kg
20,6 kg
10,3 kg
5,15 kg
206 g
06. Qual é a aceleração média da sonda? Considere que a sonda parte do
repouso.
a.
b.
c.
d.
e.
21,6 m/s2
6 m/s2
0,67 m/s2
6,7 . 10-5 m/s
6,7 . 10-7 m/s
07. Qual é a quantidade de movimento do combustível ejetado em 1s?
a.
b.
c.
d.
e.
4
3,43 . 10-2 kg.m/s
3,4 . 102 kg.m/s
3,04 . 105 kg.m/s
1,12 . 108 kg.m/s
3,09 . 106 kg.m/s
08. (UNICAMP-2002/adaptado) Eletroforese é um método utilizado para
separação de macromoléculas biológicas, como, por exemplo, no
seqüenciamento do DNA. Numa medida de eletroforese, apresentada na
figura da esquerda, compara-se uma amostra desconhecida de DNA com
um padrão conhecido. O princípio de funcionamento do método é
arrastar os diferentes fragmentos de DNA, com carga elétrica q, por meio
de um campo elétrico E em um meio viscoso. A força de atrito do meio
viscoso é f = - a . v , sendo v a velocidade do fragmento de DNA ou de
outra macromolécula qualquer. A constante a depende do meio e das
dimensões da macromolécula. Qual é a expressão para a velocidade
terminal da macromolécula que atravessa o meio viscoso sob a ação do
campo elétrico?
a. v = |q| . E
b. v = |q| / E . a
c. v = |q| . E . a
d. v = a / |q| . E
e. v =
|q| . E
a
5
09. (UNICAMP-2002/adaptado) Um cata-vento utiliza a energia cinética do
vento para acionar um gerador elétrico. Para determinar essa energia
cinética deve-se calcular a massa de ar contida em um cilindro de
diâmetro D e comprimento L, deslocando-se com a velocidade do vento v
e passando pelo cata-vento em t segundos. Veja a figura abaixo. A
densidade do ar é 1,2 kg/m3, D = 4,0 m e v = 10 m/s. Aproxime p @ 3.
Determine a vazão da massa de ar em kg/s que passa pelo cata-vento.
Admitindo que este cata-vento converte 25% da energia cinética do vento
em energia elétrica, qual é a potência elétrica gerada?
Vazão (kg/s)
a.
b.
c.
d.
e.
144
144
288
288
576
Pot (kW)
1,8
3,6
3,6
7,2
7,2
10. (Olimpíada Paulista de Física-2001) Uma máquina fotográfica tem uma
objetiva que possui uma distância focal f = 30 mm e usa filme de
35 mm. Deseja-se fotografar um cachorro de 35 cm de altura. Qual a
distância mínima para que o cachorro seja fotografado por inteiro?
a.
b.
c.
d.
e.
6
3 cm
30 cm
33 cm
300 cm
330 cm
11. (VUNESP-2002) Uma pedra é lançada por um garoto segundo uma
direção que forma ângulo de 60º com a horizontal e com energia cinética
inicial E. Sabendo que cos 60º = 1/2 e supondo que a pedra esteja
sujeita exclusivamente à ação da gravidade, o valor de sua energia cinética
no ponto mais alto da trajetória vale:
a.
b.
c.
d.
e.
zero
E/4
E/2
3E/4
E
12. (UFSCar-2002) O diagrama mostra como varia o espaço s percorrido por
um corpo que se desloca sobre uma trajetória retilínea, em função do
tempo transcorrido t.
O diagrama v x t, onde v é a velocidade do corpo, que melhor representa
o movimento, no intervalo de tempo considerado, é:
7
13. (FATEC-2002) Uma haste de madeira, uniforme e homogênea, é presa por
um fio na sua extremidade e fica com sua metade mergulhada em água,
como mostra o esquema.
Se o peso da haste é P, o empuxo que ela sofre por parte da água tem
intensidade:
a. P
b.
3P
4
c.
P
2
d.
P
3
e.
2P
3
O enunciado seguinte é válido para os testes de números 14, 15 e 16.
(FUVEST-2000/adaptado) Uma pista é formada por duas rampas
inclinadas, A e B, e por uma região horizontal de comprimento L.
Soltando-se, na rampa A, de uma altura HA, um bloco de massa m,
verifica-se que ele atinge uma altura HB na rampa B (conforme figura), em
experimento realizado na Terra. O coeficiente de atrito cinético entre o
bloco e a pista é nulo nas rampas e igual a m na região horizontal.
Suponha que esse mesmo experimento seja realizado em Marte, onde a
aceleração da gravidade é gM = g/3 , e considere que o bloco seja solto
na mesma rampa A e da mesma altura HA.
8
14. A razão vA Terra / vA Marte entre as velocidades do bloco no final da rampa A
(ponto A) , em cada uma das experiências (Terra e Marte), é:
a. 1
b. 2
c. 2
d. 3
e. 3
15. A razão WTerra /WMarte , entre as energias mecânicas dissipadas pela força de
atrito na região horizontal, em cada uma das experiências (Terra e Marte) é:
a. 1
b. 2
c. 2
d. 3
e. 3
16. A razão HBterra /HBmarte , entre as alturas que o bloco atinge na rampa B,
em cada uma das experiências (Terra e Marte) é:
a. 1
b. 2
c. 2
d. 3
e. 3
9
17. (FUVEST-2001) Duas pequenas esferas, com cargas elétricas iguais, ligadas
por uma barra isolante, são inicialmente colocadas como descrito na
situação I. Em seguida, aproxima-se uma das esferas de P, reduzindo-se à
metade sua distância até esse ponto, ao mesmo tempo em que se duplica a
distância entre a outra esfera e P, como na situação II. O campo elétrico em
P, no plano que contém o centro das duas esferas, possui, nas duas
situações indicadas,
Situação I
a.
b.
c.
d.
e.
Situação II
mesma direção e intensidade.
direções diferentes e mesma intensidade.
mesma direção e maior intensidade em I.
direções diferentes e maior intensidade em I.
direções diferentes e maior intensidade em II.
18. (MACK-99) No vácuo, as cargas Q e -Q são colocados nos pontos B e C
da figura. Sendo k0 a constante eletrostática do vácuo, podemos afirmar
que o potencial elétrico no ponto A, em relação ao infinito é dado por:
a. 2 . k0 . Q
b. k0 . Q
c. k0 .
Q
2
d. k0 .
Q
8
e. k0 .
Q
12
10
19. (ITA-99) No instante t = 0 s , um elétron (e = 1,6 . 10-19 C ;
m = 9,1 . 10-31 kg) é projetado em um ângulo de 30º em relação ao
eixo x, com velocidade v0 de 4 . 105 m/s, conforme o esquema abaixo.
Considerando que o elétron se move num campo elétrico constante
E = 100 N/C, o tempo que o elétron levará para cruzar novamente o eixo
x é de:
a.
b.
c.
d.
e.
10 ns
15 ns
23 ns
12 ns
18 ns
20. (IME-2001) Na base de um plano inclinado com um ângulo q há uma
carga puntiforme +Q fixa. Sobre o plano inclinado a uma distância D há
uma massa M1 de dimensões desprezíveis e carga -2Q. O coeficiente de
atrito entre M1 e o plano é m. Um fio ideal preso em M1 passa por uma
roldana ideal e suspende um corpo de volume V2 e densidade r2,
totalmente imerso em um fluido de densidade rA. Considere a aceleração
da gravidade como g e a constante eletrostática do meio onde se
encontra o plano como k. Determine em função dos dados literais
fornecidos, a expressão do valor mínimo da densidade do fluido rA para
que M1 permaneça imóvel sobre o plano inclinado.
11
a. rA = r2 b. rA =
M1
. (m . cos q - sen q)
V2
2k .Q 2
M1
. (m . cos q - sen q) V2
V2 .g.D2
c. rA = r2 +
2k .Q 2
M1
. (m . cos q - sen q) V2
V2 .g.D2
d. rA = r2 +
2k .Q 2
M1
. (m . cos q + sen q) +
V2
V2 .g.D2
e. rA = r2 -
2k .Q 2
M1
. (m . sen q - cos q) V2
V2 .g.D2
12
Inglês
Text 1
13
21. The change to the euro has:
a. caused prices to go up by 2.5% in cinema prices and hairdressers,
according to the Bundesbank.
b. had very little influence over inflation in the 12 countries which have
been using it since January 2002, according to the Germany‘s central
bank.
c. made business people recalculate their prices and raise them to make
figures such as 2.10, 3.35, which are easy to deal with, or 5.49 or
13.99, which attract customers.
d. had good influence on service industries such as restaurants,
hairdressers and cinemas, as well as small items with little value.
e. made 81% of Germans believe that European goods and services have
caused inflation.
22. The following are mentioned to be causes of inflation, except:
a. the negative influence of the weather over the production of fruit and
vegetables in the South of Europe.
b. the government in Germany is charging more for the production/sale/
use of items such as electricity and cigarettes.
c. the rounding up of figures when the local prices were changed into
prices in the new currency.
d. the monetary policy of ECB since 1999, its taking over from the
Bundesbank and its researches in the euro zone.
e. changes in prices of a wide range of products and services.
23. Which question is not answered by the text?
a. Why does the ECB say the effect of the change to the euro on inflation
is negligible?
b. What was the inflation rate in the euro zone in January?
c. What do the ECB and the Bundesbank disagree about?
d. Why will the euro make businesses reduce their prices?
e. What types of products and services have had their prices raised?
14
24. When you transform “Retailers and businesses will not prosper if they
charge higher prices than those on offer in another euro zone nation“ to
the third type of conditional, you have:
a. Retailers and businesses wouldn‘t have prospered if they charged
higher prices than those on offer in another euro zone nation.
b. Retailers and businesses couldn‘t have prospered if they would charge
higher prices than those on offer in another euro zone nation.
c. Retailers and businesses wouldn‘t prosper if they had charged higher
prices than those on offer in another euro zone nation.
d. Retailers and businesses might have prospered if they hadn‘t charged
higher prices than those on offer in another euro zone nation.
e. Retailers and businesses wouldn‘t have prospered if they had charged
higher prices than those on offer in another euro zone nation.
Text 2
(PUC-Rio-2002 / Adapted)
Brazilians who insist on taking a “coffee break,“ eating “fast food“ and
spending their time at the “shopping mall“ looking for “sales“ could soon
find themselves on the wrong side of the law. A bill passed by the lower
house of Congress and awaiting debate later this year by the Senate
would make illegal the use of many English-language terms common
here.
The proposal was drafted by federal deputy Aldo Rebelo, one of the
driving forces behind a movement to preserve what he says is “the right
of the Brazilian citizen to communicate in his own language.“ Rebelo said
the movement‘s main goal is to stop the proliferation of unnecessary
foreign words that are damaging to the Brazilian cultural heritage. “Why
should a person feel stupid or ignorant because he cannot pronounce an
English word?“ he asked.
To guardians of Portuguese, like Rebelo, the flood of foreign words in
common usage is an invasion. The movement, called “verbal nationalism,“
is part of an international campaign to counter the spread of English.
Globalization and the Internet have accelerated the proliferation of
English in Brazil, which has the largest computer and Internet industry in
Latin America. English words such as “mouse“, “site“, “home page“ and
“e-mail“ are frequently encountered.
15
If the proposed legislation passes, Brazilians and foreigners who have lived
in the country for more than a year would be expected to use Portuguese
exclusively in the workplace, in school and in all communication for official
and public purposes. Excluded from these requirements would be artistic,
intellectual and scientific expression; foreign words already in official
Portuguese dictionaries; and the communication of Brazil‘s indigenous
groups. Many linguists and legal experts say the proposal is
unenforceable.
Many Brazilians initially thought the measure was a joke. That was until
the lower house of Congress passed it on March 29. “I don‘t think any
law will erase English words from our vocabulary,“ said a salesman at a
Rio computer store. “English is already incorporated into our lives,
especially with computers,“ he said. […]
Some linguists, however, point out that the increasing use of English in
Brazil is part of a cultural shift in Latin America‘s most populous nation.
While French at one time was the foreign language most favored by
educated Brazilians, nowadays many younger citizens are required in
school to learn English as a second language and are seen chatting in
English at the mall, exercising their bilingual skills.
But Rebelo‘s supporters have had some success. They pressured two
government banks recently into dropping programs called “Home
Banking“ and “Net Banking“ and replacing them with Portuguese
descriptions.
“This makes no sense,“ said Carlos Tannus, dean of the Center of Letters
and Arts at the Federal University of Rio de Janeiro. “I don‘t think we can
regulate the use of language by law,“ he said. Like many experts, Tannus
concedes that words come into and go out of fashion much like the latest
dance trends or clothing fashions.
“In a globalized world, it is perfectly normal for words from one language
to migrate to another,“ said Tarcisio Padilha, President of the Brazilian
Academy of Letters. “Many of these words will disappear as quickly they
were born. We have no reason to defend ourselves.“
By Patrice M. Jones. Chicago Tribune, July 15, 2002
16
25. The passage is primarily concerned with:
a.
b.
c.
d.
e.
presenting opposing points of view on the same issue.
encouraging the use of Portuguese in official communications.
expressing the author‘s opinion on a legal matter.
criticizing a law approved by the Brazilian Senate.
resolving the conflict between legislators and linguists.
26. About the federal deputy Aldo Rebelo, you may say that he is:
a. a politician quite concerned about the correct pronunciation of
Portuguese words.
b. a strong supporter of globalization and the Internet in Brazil.
c. a major leader of a movement which undoubtedly fuels xenophobia.
d. an advocate of the increasing use of English words in Brazil.
e. a linguist who fears the invasion of foreign words.
27. Rebelo and his supporters feel that the increasing use of English words by
Brazilians is:
a. unusual and illegal.
b. normal and justifiable.
c. wrong and unenforceable.
d. harmful and invasive.
e. temporary and inoffensive.
28. The sentence “While French at one time was the foreign language ...
exercising their bilingual skills.“ expresses an idea of:
a. addition.
b. result.
c. definition.
d. conclusion.
e. contrast.
29. Tarcisio Padilha states that “we have no reason to defend ourselves“
because:
a. the English language will disappear if the proposed legislation passes.
b. the migration of words is a common phenomenon in the new world
economy.
c. Brazilian politicians aren‘t capable of fighting the invasion of foreign
terms.
d. there are many ways to prevent the proliferation of the English
language.
e. new words in Portuguese shall be coined by the Brazilian Academy of
Letters.
17
Text 3
What age do you think people need to be before they start asking
questions such as “Do we need to have language to think?“ Sixth-former?
University student? Postgraduate? In fact, the question was posed by a
ten-year-old, whose classmates had similarly thoughtful queries:
“Why did a person make the first gun?“ “Do twins have the same
dreams?“ “What is love? How can I love my mum and hate her at the
same time?“ It is not the standard stuff of conversation in most Year Five
classrooms. Yet what distinguishes these nine and ten-year-olds is not that
they are gifted or on an acceleration program, but that at their state
primary, Holland Junior School in Hurst Green, Surrey, they are being
taught philosophy. “The idea is to get the children to ask questions rather
than answer them,“ says Pamela Cooper, their teacher.
“What is amazing is that they always come up with the big questions, the
deeply philosophical ones. We start with a text - perhaps a story from
another culture - or a picture book, then the children begin. The approach
is for them to build on what the others have said, by agreeing or
disagreeing, but in a constructive way. We are in one of Surrey‘s pockets
of deprivation, with a high level of free school meals, and 40 percent
special needs. Yet some of the children who have low levels of literacy,
perhaps because they do not have books at home, are very able when it
comes to dialogue. They can question each other and develop arguments
in a sophisticated way, and it improves their self-esteem. The children love
philosophy. They want to carry on even when the bell goes for playtime.“
(THE TIMES online, Thursday, July 26, 2001)
30. Why can the fact that philosophy is offered at Holland Junior School in
Hurst Green be regarded as amazing?
a.
b.
c.
d.
Philosophy is one of the least intricate and complex subjects to learn.
Children learn anything very easily - the sooner, the better.
The subject is not being taught to seniors.
Children do not lack motivation to learn, so why not taking that into
account?
e. Human beings need philosophy from the very beginning of their
existence in order to grasp the meaning of life.
18
31. According to the text, how have those children benefited from the study
of philosophy?
a. Children develop good reasoning skills and have the belief and
confidence in themselves boosted.
b. Learning philosophy helps the brain develop in a quicker way.
c. The learning of languages and mathematics can be favored by the
study of philosophy.
d. Philosophy makes people reflect upon life and consequently they can
live better.
e. Today‘s world lacks good thinkers and the study of philosophy will
contribute to shaping them.
40 Years On
This year marks the 40th anniversary of the launch of the rock‘s most
durable band, The Rolling Stones. Of the original members, only Mick
Jagger, Keith Richards and Charlie Watts are left: Brian Jones died in 1969
and Bill Wyman hung up his guitar a few years ago. There were plans to
make a new album to celebrate the anniversary, but these have been
abandoned. Instead Jagger, a youthful 58, has announced that he will
record a solo album soon.
(Speak Up, January 2002)
32. According to the text,
a.
b.
c.
d.
Mick Jagger is recording a solo album to celebrate the anniversary.
Bill Wyman gave up playing the guitar before 1969.
The Rolling Stones were together as a rock band for 40 years.
the plans to make an album to celebrate the anniversary were
abandoned after Brian Jones‘s death.
e. the 5-member band was launched in 1962.
19
Culinary Cubs
Sunday, Feb. 24, 2002. Spanish or Swedish? Empanadas or egg rolls? No,
it‘s not dining out - it‘s cooking in, and that chef wielding the spatula may
well be your 10-year-old. In increasing numbers, kids are in the kitchen and not just to open the refrigerator and sigh that there‘s nothing to eat.
They are poring over cookbooks, preparing the family meal and signing
up for cooking classes.
“Families are spending more time at home and more time doing things
together post-Sept. 11,“ says Julie Edelman, author of the kids‘ cookbook
Once upon a Recipe (Once upon a Recipe Press). “My mom preferred me
not to be in the kitchen, since mealtime was her time. Now, though,
mealtime is ‘our‘ time, and that has created a whole new world of
cooking with kids.“
Cooking is a skill that children can use now and in the future, as well as
an activity that allows them to be creative. It‘s educational too - kids can
see measurements in action. “It‘s application learning,“ says Maureen
Serrao-Cole, founder of Kid Chef, a cooking program for kids in Austin,
Texas. “It uses reading, math, science and art. And when you‘re talking
fractions to kids, it helps to have a cup of flour in your hand.“
Though cooking lets families spend time together, the active involvement
of kids in the kitchen may also have grown out of necessity. With many
families having two parents in the work force, children are taking on more
of the responsibility for preparing meals and after-school snacks.
It‘s no surprise that as adults have shown more interest in cooking and
eating well, those gourmet tastes have been passed down to their kids.
And even the most finicky young eaters are often more likely to eat what
they have helped to prepare - and to try food they might not otherwise
touch - if they have had a hand (ideally, well scrubbed) in making it.
Chopping and sauteing are gender-blind activities, and boys are now just
as likely as girls to take cooking classes. Cooking classes for youngsters are
now available across the country - in cookware stores, at cooking schools,
at home.“
by Evan Levy. From www.time.com
20
33. You may infer that
a. many kids are helping in the kitchen mostly because they now realize
that their moms do not have to do all the cooking.
b. parents are enrolling their kids in gourmet cooking lessons because
they want to give them the cooking knowledge and basics that will last
a lifetime.
c. one of the consequences of the destruction of the Twin Towers in New
York is that family bonds are being strengthened.
d. more boys than girls are interested in learning how to cook because
many celebrity chefs are male.
e. kids should take up more household chores as a way to lessen the
effects of generation gap.
34. What is the consequence mentioned in the text of the increasing number
of kids in the kitchen?
a. students are having fewer problems at school because cooking is
educational, inter-disciplinary and it is application learning.
b. the active involvement of kids in the kitchen may have made children
responsible for preparing meals once parents are busy working.
c. cooking is a skill that allows children to be creative and can be used at
present and in their future life.
d. children know far more about food than they did 10 years ago.
e. children are eating more since they are more open to try food they
have helped prepare.
21
Português
A imagem e o texto abaixo referem-se aos testes 35 a 37.
Bóias-frias. A comida fria consumida durante um momento de repouso na tarefa do corte
da cana. (Sebastião Salgado, Terra)
Oxalá não venha nunca à sublime cabeça de Deus a idéia de
viajar um dia a estas paragens para certificar-se de que as pessoas que por
aqui mal vivem, e pior vão morrendo, estão a cumprir de modo
satisfatório o castigo que por ele foi aplicado, no começo do mundo, ao
nosso primeiro pai e à nossa primeira mãe, os quais, pela simples e
honesta curiosidade de quererem saber a razão por que tinham sido
feitos, foram sentenciados, ela, a parir com esforço e dor, ele, a ganhar o
pão da família com o suor do seu rosto, tendo como destino final a
mesma terra donde, por um capricho divino, haviam sido tirados, pó que
foi pó, e pó tornará a ser. Dos dois criminosos, digamo-lo já, quem veio a
suportar a carga pior foi ela e as que depois dela vieram, pois tendo de
sofrer e suar tanto para parir, conforme havia sido determinado pela
sempre misericordiosa vontade de Deus, tiveram também de suar e sofrer
trabalhando ao lado dos seus homens, tiveram também de esforçar-se o
22
mesmo ou mais do que eles, que a vida, durante muitos milênios, não
estava para a senhora ficar em casa, de perna estendida, qual rainha das
abelhas, sem outra obrigação que a de desovar de tempos em tempos,
não fosse ficar o mundo deserto e depois não ter Deus em quem mandar.
José Saramago. Introdução ao livro Terra.
35. Assinale a alternativa que contenha uma tese coerente com a
inter-relação entre texto e imagem.
a. Infelizmente, a mulher, ainda nos dias de hoje, sofre discriminações no
trabalho, cabendo-lhe as piores tarefas e os mais baixos salários.
b. Tanto ou mais que os homens, as mulheres, atualmente, necessitam
trabalhar fora de casa, o que trouxe conseqüências para a constituição
da família moderna.
c. A necessidade de a mulher trabalhar para seu sustento já estava
prevista na Bíblia.
d. Ao contrário do que se costuma imaginar, as mulheres são importantes
líderes, ao lado dos homens, na luta pela questão agrária.
e. Ao trabalhar fora de casa, a mulher deixa de cumprir sua função
original: procriar.
36. Dos trechos transcritos a seguir da Introdução de Saramago, verifica-se
ironia em:
a. “as pessoas que por aqui mal vivem, e pior vão morrendo“.
b. “pela simples e honesta curiosidade de quererem saber a razão por que
tinham sido feitos“.
c. “pois tendo que sofrer e suar tanto para parir, conforme havia sido
determinado pela sempre misericordiosa vontade de Deus“.
d. “tiveram também de esforçar-se o mesmo ou mais do que eles, que a
vida, durante muitos milênios, não estava para a senhora ficar em
casa“.
e. “não fosse ficar o mundo deserto e depois não ter Deus em quem
mandar“.
23
37. Releia o seguinte fragmento do texto de José Saramago:
(...) tiveram também de esforçar-se o mesmo ou mais do que
eles, que a vida, durante muitos milênios, não estava para a senhora ficar
em casa, de perna estendida, qual rainha das abelhas (...).
Os termos destacados morfologicamente classificam-se,
respectivamente:
a.
b.
c.
d.
e.
pronome relativo; conjunção comparativa
pronome relativo; pronome interrogativo
conjunção explicativa; pronome interrogativo
conjunção explicativa; conjunção comparativa
conjunção integrante; pronome relativo
Leia o fragmento abaixo para responder aos testes 38 e 39:
A luta contra a impunidade envolve uma série complexa de
providências e ações. Nenhuma delas, porém, torna-se factível se não se
preservarem as provas e não se acompanharem adequadamente os
procedimentos policiais e judiciais.
Suely Souza de Almeida e José Paulo Netto. “Proteção de direitos
humanos e impunidade“. in Ciência Hoje, dezembro 2001.
38. O termo “factível“, considerando o contexto em que foi utilizado,
significa:
a.
b.
c.
d.
e.
24
possível
verdadeiro
bem intencionado
legal
comprovável
39. Sobre os termos destacados no texto afirma-se que:
I. O primeiro “se“ introduz uma oração subordinada condicional.
II. O segundo “se“ apresenta a função sintática de indeterminar o sujeito
do verbo “preservar“.
III. O segundo “se“ é uma partícula apassivadora, indicando que a oração
“não se preservarem as provas“ está na voz passiva sintética.
IV. Tanto o primeiro quanto o segundo “se“ introduzem uma oração
subordinada condicional.
Estão corretas as afirmações:
a.
b.
c.
d.
e.
I e II.
I e III.
II e III.
II e IV.
II, III e IV.
40. (FGV) Escolha a alternativa que preencha corretamente as lacunas das
frases abaixo.
1. Por acaso, não é este o livro ______________ o professor se refere?
2. As Olimpíadas ______________ abertura assistimos foram as de
Tóquio.
3. Herdei de meus pais os princípios morais ______________ tanto luto.
4. É bom que você conheça antes as pessoas ______________ vai
trabalhar.
5. A prefeita construirá uma estrada do centro ao morro ______________
será construída a igreja.
6. Ainda não foi localizada a arca ______________ os piratas guardavam
seus tesouros.
a.
b.
c.
d.
e.
de que, cuja, para que, com os quais, sobre que, em que.
que, de cuja, com que, para quem, no qual, que.
em que, cuja, de que, para os quais, onde, na qual.
a que, a cuja, em que, com que, que, em que.
a que, a cuja, por que, com quem, sobre o qual, onde.
25
questão 41.
Leia com atenção os dois fragmentos para responder à
Texto I
“Os Médicos Sem Fronteiras já estavam no Rio de Janeiro
quando aconteceu a chacina de Candelária, em 1993. Ali o problema da
violência urbana e da exclusão social do Rio de Janeiro ganhou
repercussão na mídia em todo o mundo – esse incidente contribuiu para a
decisão de nossa intervenção na cidade.“
Ofélia Garcia Pérez - “Quem se importa?” In Folha de S.Paulo. 23/04/01.
Texto II
“Aprendi por aí que a ordem das parcelas não altera o
produto. Na aritmética, a coisa funciona. Fora daí, é confusão e aflição de
espírito (como dizem as Sagradas Escrituras).“
Carlos Heitor Cony - “A soma das parcelas“ In Folha de S.Paulo. 23/04/01.
41. Assinale a alternativa que apresenta, das três palavras destacadas no
texto, aquela(s) que indica(m) claramente a idéia de lugar, de espaço
físico.
a.
b.
c.
d.
e.
26
ali
daí
ali
aí
aí
-
aí - daí
aí
aí
daí
42 e 43.
Leia com atenção o texto abaixo, para responder às questões
Ficamos a ver navios
“(...) o administrador de empresas Jorge Verdaguer (...)
transformou as nozes em matéria-prima para miniaturas de caravelas,
galeões, barcos gregos, chineses, ingleses, polinésios e de outras regiões
do mundo. (...)
O ponto alto do trabalho de Verdaguer, cujos antepassados
eram catalães construtores de barcos, foram as comemorações dos 500
Anos de Descobrimento do Brasil. Com o apoio da mulher, a uruguaia
Rita, ele montou a exposição itinerante ‘Uma aventura d‘além mar‘ (...)“
Manoel Dorneles - In Revista Kalunga. Abril de 2001.
42. Assinale a alternativa que apresenta uma alteração, ao mesmo tempo,
concisa, coesa e gramaticalmente correta para o começo do segundo
parágrafo.
a. As comemorações dos 500 Anos de Descobrimento do Brasil foram o
ponto alto do trabalho de Verdaguer, ao qual possui antepassados
catalães construtores de barcos.
b. As comemorações dos 500 Anos de Descobrimento do Brasil foram o
ponto alto do trabalho de Verdaguer, para cujos antepassados catalães
construíram-se barcos.
c. O ponto alto do trabalho de Verdaguer, cujos alguns antepassados
eram catalães construtores de barcos, foram as comemorações dos 500
Anos de Descobrimento do Brasil.
d. O ponto alto do trabalho de Verdaguer, cujos antepassados eram
catalães construtores de barcos, foram as comemorações dos 500 Anos
de Descobrimento do Brasil.
e. Os antepassados de Verdaguer eram catalães, alguns dos quais eram
construtores de barcos e o ponto alto do trabalho de Verdaguer foram
as comemorações dos 500 anos de Descobrimento do Brasil.
27
43. O título do texto “Ficamos a ver navios“:
I.
Remete à expressão conotativa “ficar a ver navios“, mas altera-lhe o
sentido, explorando o sentido denotativo.
II. Não é adequado ao texto, uma vez que apenas quem viu a exposição
pôde ver as miniaturas de embarcações feitas pelo artista.
III. No contexto, é ambíguo.
Das afirmações feitas, são corretas (ou é correta):
a.
b.
c.
d.
e.
I e II.
I e III.
II e III.
apenas I.
I, II e III.
44. Leia os versos que seguem com atenção.
“Como a noite descesse e eu me sentisse só, só e desesperado, diante
dos horizontes que se fechavam,
Gritei alto, bem alto: ó doce incorruptível Aurora! e vi logo que
só as estrelas é que me entenderiam.“
Assinale a alternativa correta.
a. A palavra “só“, empregada no trecho transcrito, apresenta a mesma
classificação morfológica em todas as ocorrências.
b. O pronome relativo “que“ exerce a mesma função sintática do seu
antecedente.
c. A última oração exerce função sintática de objeto direto e apresenta
uma expressão de realce.
d. A conjunção “como“ estabelece, em relação à oração principal, uma
idéia de comparação.
e. “Alto“, no texto acima, é um adjetivo e exerce função sintática de
predicativo do sujeito.
28
45. (FUVEST) Você pode dar um rolê, lapidar o estilo a bordo de um skate,
curtir o sol tropical, levar sua gata para surfar.
Considerando-se a variedade lingüística que se pretendeu
reproduzir nesta frase, é correto afirmar que a expressão proveniente de
variedade diversa é:
a.
b.
c.
d.
e.
“dar um rolê“.
“lapidar o estilo“.
“a bordo de um skate“.
“curtir o sol tropical“.
“levar sua gata para surfar“.
Leia o texto abaixo para responder aos testes 46 e 47.
– Mandaram ler este livro…
Se o tal do livro for fraquinho, o desprazer pode significar um
precipitado mas decisivo adeus à literatura; se for estimulante, outros
virão sem o peso da obrigação. As experiências com que o leitor se
identifica não são necessariamente as mais familiares, mas as que
mostram o quanto é vivo um repertório de novas questões. Uma leitura
proveitosa leva à convicção de que as palavras podem constituir um
movimento profundamente revelador do próximo, do mundo, de nós
mesmos. Tal convicção faz caminhar para uma outra, mais ampla, que um
antigo pensador romano assim formulou: Nada do que é humano me é
alheio.
Cláudio Ferraretti, inédito
46. (FUVEST) De acordo com o texto, a identificação do leitor com o que lê
ocorre sobretudo quando
a. ele sabe reconhecer na obra o valor consagrado pela tradição da crítica
literária.
b. ele já conhece, com alguma intimidade, as experiências representadas
numa obra.
c. a obra expressa, em fórmulas sintéticas, a sabedoria dos antigos
humanistas.
d. a obra o introduz num campo de questões cuja vitalidade ele pode
reconhecer.
e. a obra expressa convicções tão verdadeiras que se furtam à discussão.
29
47. (FUVEST) Mantém-se o sentido da frase “se for estimulante“ em:
a.
b.
c.
d.
e.
conquanto seja estimulante.
desde que seja estimulante.
ainda que seja estimulante.
porquanto é estimulante.
posto que é estimulante.
48. Leia o trecho transcrito de Memórias póstumas de Brás Cubas, de
Machado de Assis.
“Então considerei que as botas apertadas são uma das
maiores venturas da terra, porque, fazendo doer os pés, dão azo ao
prazer de as descalçar.“
Por meio de uma analogia entre calçar e descalçar botas
apertadas, Brás Cubas pensa a respeito dos incômodos inevitáveis da vida
humana, chegando a enunciar um princípio geral para tais sensações.
A oração fazendo doer os pés, em relação à possibilidade
de se sentir prazer, expressa uma idéia de:
a.
b.
c.
d.
e.
causa.
finalidade.
condição.
conseqüência.
oposição.
49. Assinale a única alternativa que não admite as duas opções de
concordância propostas para cada uma das alternativas seguintes.
a. (...) a nova proposta de governo o presidente e os representantes do
povo. (Debaterá/Debaterão)
b. Tu e teu vizinho (...) providências quanto ao problema apresentado.
(tomarão/tomareis)
c. Foram os meninos quem (...) as vidraças do colégio. (quebrou/
quebraram)
d. (...) uma manchete e várias notícias falsas. (Publicou-se/Publicaram-se)
e. (...) da proposta e do projeto iniciais. (Desconfiou-se/Desconfiaram-se)
30
50. Assinale a alternativa que não indica um tema abordado em O primo
Basílio, de Eça de Queirós.
a. Crítica aos valores fantasiosos divulgados pela literatura romântica.
b. Apresentação da condição das classes pobres submetidas às injustiças
sociais.
c. Condenação da hipocrisia, ociosidade e da superficialidade que
caracterizam a vida burguesa.
d. Valorização das crenças religiosas, da simplicidade e honestidade,
princípios tradicionais que regem a vida dos homens de bem.
e. Ridicularização da cultura artificial, vazia, exibicionista, manifestada por
meio de comportamentos que se revelam pretensamente refinados.
51. Sobre Fernando Pessoa, pode-se afirmar que:
a. A heteronímia é o aspecto mais marcante de sua criação poética, e
constitui-se no ocultamento do verdadeiro poeta atrás de seres
imaginários, que o protegem da exposição pública.
b. Na leitura da poesia ortônima de Fernando Pessoa podem-se localizar
traços estilísticos de todos os seus heterônimos, já que estes são um
prolongamento das várias tendências manifestadas pelo poeta.
c. As diferenças que seus heterônimos apresentam entre si são,
principalmente, de ordem filosófica; no que diz respeito a aspectos
formais, há mais semelhanças que diferenças, uma vez que são todos
poetas contemporâneos ao Modernismo.
d. Enquanto Ricardo Reis manifesta uma postura de aceitação diante do
que a vida apresenta, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro mostram
inquietação: o primeiro, pelas suas angústias existenciais; o segundo,
ao rejeitar categoricamente qualquer filosofia e tentar restaurar a plena
inocência.
e. O misticismo nacionalista é traço da poesia ortônima de Fernando
Pessoa, o que mostra sua distância em relação aos heterônimos, pois
estes apresentam uma poesia desprovida de vínculos espaciais ou
temporais.
31
52. Considere o seguinte trecho, do capítulo CXXXV de Memórias Póstumas
de Brás Cubas (“Oblivion“):
“E agora sinto que, se alguma dama tem seguido estas
páginas, fecha o livro e não lê as restantes. Para ela extinguiu-se o
interesse da minha vida, que era o amor. Cinqüenta anos! Não é ainda a
invalidez, mas já não é a frescura. Venham mais dez, e eu entenderei o
que um inglês dizia, entenderei que “coisa é não achar já quem se lembre
de meus pais, e de que modo me há de encarar o próprio
ESQUECIMENTO“.
Assinale a alternativa incorreta:
a. O capítulo em questão aborda um tema caro ao narrador: a inexorável
passagem do tempo, que traz consigo a decrepitude e a morte.
b. O narrador dirige-se, indiretamente, a uma leitora educada nos
padrões literários do Romantismo, pois afirma que ela perderá o
interesse pelo livro, uma vez que não há mais o amor entre ele e
Virgília.
c. A palavra “esquecimento“ aparece destacada em caixa alta, o que
configura uma das inovações tipográficas do livro; da mesma forma, os
capítulos formados por reticências, epitáfios, a reprodução de
assinaturas e bilhetes, são recursos que exploram os espaços brancos
da página e cujo emprego rompe com a linearidade e a sisudez do
romance tradicional.
d. O capítulo é irônico, como todo o livro: o arrogante e pretensioso Brás
Cubas não se importa com o esquecimento, pois acredita que é um ser
humano que se destaca dos demais e tem a chance de escrever do
além-túmulo.
e. O trecho apresenta dois procedimentos estilísticos típicos do livro: a
metalinguagem e a digressão.
53. Leia o que diz Quincas Borba a respeito do Humanitismo:
“Nesta igreja nova não há aventuras fáceis, nem quedas, nem
tristezas, nem alegrias pueris. O amor, por exemplo, é um sacerdócio, a
reprodução um ritual. Como a vida é o maior benefício do universo, e não
há mendigo que não prefira a miséria à morte (o que é um delicioso
influxo de Humanitas), segue-se que a transmissão da vida, longe de ser
uma ocasião de galanteio, é a hora suprema da missa espiritual.
Porquanto, verdadeiramente há só uma desgraça: é não nascer.“
32
Sobre o texto transcrito de Memórias Póstumas de Brás
Cubas, de Machado de Assis, pode-se afirmar que:
a. Quincas Borba diz que o amor é um sacerdócio pensando nas
enfadonhas obrigações que Brás Cubas cumprira junto a Virgília, de
quem este, na verdade, não gostava.
b. O exemplo mencionado pelo filósofo (não há mendigo que não prefira
a miséria à morte) nada tem a ver com sua história de vida, uma vez
que ele é um rico herdeiro.
c. A máxima com que Quincas Borba conclui sua idéia está de acordo
com a visão de existência apresentada no livro, já que Brás Cubas
aproveitou ao máximo os prazeres da vida.
d. Humanitas está para Quincas Borba assim como o emplasto está para
Brás Cubas, pois ambos são recursos contra a hipocondria.
e. Verdadeiramente há só uma desgraça: é não nascer: trata-se de uma
frase que contradiz por completo a vida sofrida de certas personagens
do livro, como Eugênia e Dona Plácida, nascidas, justamente, de uma
“ocasião de galanteio“.
54. Sobre Memórias de um Sargento de Milícias, só não se pode afirmar que:
a. A obra tem como protagonista um anti-herói de características
picarescas, o que afasta o livro dos padrões de idealização românticos.
b. À parte a dimensão fantasiosa de que se revestem as peripécias de
Leonardo, o livro pode ser considerado realista devido à análise crítica
dos costumes da corte.
c. O final do protagonista é bem sucedido, visto que ele se curva ao
universo da ordem e das regras sociais.
d. O livro não apresenta perspectiva moralista, pois o “herói malandro“
não é castigado, mas premiado, e o narrador não emite juízos de valor
sobre o que narra.
e. A ausência de polarização maniqueísta entre o que é considerado
correto ou incorreto, moral ou imoral, pode ser verificada na
caracterização dos personagens, em que predomina o humor sobre a
idealização.
33
55. Leia a seguinte afirmação crítica a respeito de Memórias de um Sargento
de Milícias:
“Diversamente de todos os romances brasileiros do século
XIX, mesmo os que formam a pequena minoria dos romances cômicos, as
Memórias de um Sargento de Milícias criam um universo que parece
liberto do peso do erro e do pecado.“
Assinale a alternativa que não apresenta um fato relacionado
ao universo mencionado na afirmação acima:
a. Luisinha prometera casamento a Leonardo, o que não a impede de
trair o juramento sem remorsos, casando-se com José Manuel.
b. A comadre forja uma calúnia para afastar do caminho José Manuel,
antagonista de Leonardo, visando à felicidade do afilhado.
c. O mestre-de-reza vale-se de sua intimidade junto à casa de D. Maria
para reverter a maledicência criada para denegrir José Manuel.
d. O patrimônio do compadre, que viria a servir de amparo ao afilhado
abandonado, origina-se de um juramento rompido desonestamente.
e. Leonardo Pataca expulsa de casa o próprio filho, para depois dar-lhe
abrigo, afastando-o da vida desregrada.
56. (UNIFESP-2002)
Um dos maiores benefícios que o movimento moderno nos
trouxe foi justamente esse: tornar alegre a literatura brasileira. Alegre
quer dizer saudável, viva, consciente de sua força, satisfeita com seu
destino. Até então no Brasil a preocupação de todo escritor era parecer
grave e severo. O riso era proibido. A pena molhava-se no tinteiro da
tristeza e do pessimismo. O papel servia de lenço. De tal forma que os
livros espremidos só derramavam lágrimas. Se alguma idéia caía, vinha
num pingo delas. A literatura nacional não passava de uma queixa
gemebunda. Por isso mesmo o segundo tranco da reação foi mais difícil:
integração no ambiente. Fazer literatura brasileira mas sem choro.
Disfarçando sempre a tristeza do motivo quando inevitável. Rindo como
um moleque.
Antonio de Alcântara Machado, Cavaquinho e saxofone.
34
Entre os textos de Manuel Bandeira (de O Ritmo dissoluto),
transcritos nas cinco alternativas, aquele que comprova a opinião de
Alcântara Machado é:
a.
E enquanto a mansa tarde agoniza,
Por entre a névoa fria do mar
Toda a minhalma foge na brisa;
Tenho vontade de me matar.
b.
A beleza é um conceito.
E a beleza é triste.
Não é triste em si,
Mas pelo que há nela de fragilidade e de incerteza.
c.
Sorri mansamente... em um sorriso pálido... pálido
Como o beijo religioso que puseste
Na fronte morta de tua mãe... sobre a sua fronte
morta...
d.
Noite morta.
Junto ao poste de iluminação
Os sapos engolem mosquitos.
e.
A meiga e triste rapariga
Punha talvez nessa cantiga
A sua dor e mais a dor de sua raça...
Pobre mulher, sombria filha da desgraça!
35
57. Leia as afirmações a seguir sobre Memórias de um Sargento de Milícias,
de Manoel Antônio de Almeida.
I.
A ausência de heroísmo pode ser considerada um traço moderno do
livro; já a linguagem e o estilo se prendem às regras românticas de
sofisticação e grandiloqüência.
II. Se, por um lado, o livro afasta-se do Romantismo devido à concepção
de um anti-herói (espécie de pícaro), por outro, encontram-se na obra
descrições espaciais tipicamente românticas.
III. A linguagem descontraída e o estilo jornalístico correspondem não
apenas ao meio pelo qual o romance foi primeiramente divulgado
(folhetim), mas também às peripécias de um herói “malandro“.
IV. A ausência de caracterizações maniqueístas e a falta de objetividade
na descrição de tipos sociais são elementos que afastam a obra do
Romantismo e aproximam-na do Realismo.
Pode-se afirmar que:
a.
b.
c.
d.
e.
somente a afirmação I é correta.
somente a afirmação II é correta.
somente a afirmação III é correta.
as afirmações I e III são corretas.
as afirmações I, III e IV são corretas.
Leia o poema a seguir para responder ao teste 58.
Pneumotórax
Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.
a vida inteira que podia ter sido e que não foi
Tosse, tosse, tosse.
Mandou chamar o médico:
– Diga trinta e três.
– Trinta e três... trinta e três... trinta e três...
– Respire.
......................................................................
– O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito
infiltrado.
36
– Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
– Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.
Libertinagem, Manuel Bandeira
58. Leia as afirmações a respeito de “Pneumotórax“, de Bandeira.
I.
A inclusão do discurso direto, a pontuação expressiva e uma linha
tracejada que cria um espaçamento gráfico são recursos que reforçam
o tom de prosa do poema e simulam uma dramatização.
II. O poema apresenta registro de linguagem essencialmente coloquial, o
que contribui para ressaltar o caráter prosaico da situação
apresentada.
III. A veracidade do que se apresenta no poema se deve à relação
inevitável com a doença realmente vivida pelo poeta Manuel Bandeira.
É correto o que se afirma em:
a.
b.
c.
d.
e.
I.
II.
III.
I e II.
II e III.
59. Considere as afirmações sobre o seguinte poema, de Manuel Bandeira:
“Macumba de Pai Zusé“
Na macumba no Encantado
Nego véio pai de santo fez mandinga
No palacete de Botafogo
Sangue de branca virou água
Foram vê estava morta!
Libertinagem, Manuel Bandeira
37
I.
A brevidade do poema faz dele um representante da estrutura típica
dos textos modernistas, que tendem a apresentar linguagem
telegráfica, informação reduzida ao essencial.
II. Apesar de breve, o poema não constitui um “poema-pílula“, uma vez
que apresenta uma pequena narrativa, com claras implicações
lógico-causais.
III. Além do coloquialismo empregado pelos modernistas como
manifestação explícita de rejeição ao beletrismo artificial parnasiano, o
poema apresenta oralidade e barbarismo.
IV. A nacionalidade, que é tema caro aos escritores modernistas, não é
traço marcante do poema, já que este aborda o misticismo de origem
africana, e não a cosmovisão indígena (tipicamente brasileira).
Está correto o que se afirma em:
a. I e III.
b. II e III.
c. II, III e IV.
d. I, III e IV.
e. I e IV.
60. Em relação ao Modernismo no Brasil, pode-se afirmar que:
a. As propostas estéticas apresentadas pelos textos modernistas
constituem um conjunto de infrações à norma culta da língua
portuguesa, o que provocou a rejeição desses textos por parte da
crítica e da população em geral.
b. Tanto sob a forma de manifestos, quanto nas próprias realizações
estéticas, as propostas ideológicas do Modernismo brasileiro fizeram-se
conhecer como uma tentativa de recuperar a verdadeira identidade
nacional, a partir de um resgate crítico de temas e personagens
marcantes da história do país.
c. A linguagem modernista, de modo geral, caracteriza-se pela ruptura
com padrões literários baseados na fragmentação do discurso e na
oralidade, como aqueles que norteavam o Parnasianismo e o
Simbolismo.
d. Trata-se de um movimento literário que sofreu influência estética e
ideológica das vanguardas artísticas européias, o que constitui um
contra-senso, já que os escritores modernistas se manifestaram
enfaticamente nacionalistas.
e. O verso livre, a justaposição de imagens, a fragmentação, o discurso
lógico-argumentativo são traços definidores da linguagem poética
apresentada pelos primeiros modernistas brasileiros.
38
Química
61. (FATEC-2001) Encontram-se descritas, a seguir, algumas propriedades de
uma determinada substância: à temperatura ambiente, apresenta-se no
estado sólido, não conduz corrente elétrica e é solúvel em água; quando
aquecida até que se funda, o líquido obtido conduz corrente elétrica.
De acordo com tais características, essa substância poderia ser
a.
b.
c.
d.
e.
sacarose
magnésio
cloreto de potássio
amônia
diamante
62. (UNESP-2001) O “gasolixo”, um combustível alternativo obtido pela
fermentação anaeróbica do lixo, é composto aproximadamente por 65% de
CH4, 30% de CO2 e 5% de uma mistura de H2S, H2 e traços de outros
gases.
Para melhorar o rendimento do “gasolixo” e diminuir a poluição
provocada por sua queima, é necessário remover CO2 e H2S. Isto pode ser
feito convenientemente borbulhando-se o “gasolixo” através de
a.
b.
c.
d.
e.
água pura.
solução concentrada de NaCl.
solução concentrada de H2SO4.
solução concentrada de SO2.
solução concentrada de NaOH.
63. (FUVEST) Propriedades de algumas substâncias:
Substância
Ponto de
fusão (°C)
Solubilidade
(g/100 cm3) a 25°C
em água
em CCl4
Densidade
(g/cm3) a 25°C
CCl4
-23,0
@0
-
1,59
iodo
113,5
0,03
2,90
4,93
água
0,0
-
@0
1,00
39
A 25°C, 3,00 g de iodo, 70 cm3 de água e 50 cm3 de CCl4 são colocados
em um funil de separação. Após agitação e repouso, qual dos esquemas
abaixo deve representar a situação final?
64. Um copo aberto, exposto à atmosfera, contém água sólida em contato
com água líquida em equilíbrio termodinâmico. A temperatura e pressão
ambientes são mantidas constantes e iguais, respectivamente, a 25°C e
1 atm. Com o decorrer do tempo, e enquanto as duas fases estiverem
presentes, é errado afirmar que
a. a temperatura do conteúdo do copo permanecerá constante e igual a
aproximadamente 0°C.
b. a massa da fase sólida diminuirá.
c. a pressão de vapor da fase líquida permanecerá constante.
d. a concentração (mol/L) de água na fase líquida será igual à da fase
sólida.
e. a massa do conteúdo do copo diminuirá.
40
65. (UE-CE) Observe os gráficos.
Podemos afirmar que:
a. os gráficos representam a reação química:
H2 (g) + I2 (g) ® 2 HI (g), porém em experiências diferentes
b. o gráfico 1 mostra o andamento da reação química:
H2 (g) + I2 (g)
2 HI (g) cuja constante de equilíbrio KC é igual a 64
c. o gráfico 2 representa a reação: 2HI (g)
atinge o equilíbrio químico
H2 (g) + I2 (g) que nunca
d. em ambas as reações químicas a constante de equilíbrio KC é igual a 64
e. a intensidade da cor violeta do I2 é diferente em cada sistema
66. (FUVEST) Misturando-se soluções aquosas de nitrato de prata (AgNO3) e
cromato de potássio (K2CrO4), forma-se um precipitado de cromato de
prata (Ag2CrO4), de cor vermelho tijolo, em uma reação completa.
A solução sobrenadante pode se apresentar incolor ou amarela,
dependendo de o excesso ser do primeiro ou do segundo reagente. Na
mistura de 20 mL de solução 0,1 mol/L de AgNO3 com 10 mL de solução
0,2 mol/L de K2CrO4, a quantidade em mol do sólido que se forma e a cor
da solução sobrenadante, ao final da reação, são respectivamente:
a. 1 x 10-3 e amarela.
b. 1 x 10-3 e incolor.
c. 1 e amarela.
d. 2 x 10-3 e amarela.
e. 2 x 10-3 e incolor.
41
67. (PUC-CAMP) Considere o diagrama de fases abaixo.
A análise desse diagrama permite concluir que:
I.
T2 corresponde à máxima temperatura em que o gás pode ser
liqüefeito, quando submetido à pressão P1.
II. sob pressão P1 e temperatura T1 só existe fase gasosa.
III. o ponto X corresponde às condições em que há equilíbrio das três
fases.
Dessas afirmações somente
a. I é correta.
b. II é correta.
c. III é correta.
d. I e II são corretas.
e. II e III são corretas.
68. A massa de um certo hidrocarboneto é igual a 2,60 g.
As concentrações, em porcentagem em massa, de carbono e de
hidrogênio neste hidrocarboneto são iguais a 82,7% e 17,3%,
respectivamente. A fórmula molecular do hidrocarboneto é
a. C4H10
b. C2H4
c. C2H6
d. C3H8
e. CH4
Dados: massas molares em g/mol: C = 12 , H = 1
69. Assinale a opção relativa aos números de oxidação corretos do átomo de
cloro nos compostos KClO2, Ca(ClO)2, Mg(ClO3)2 e Ba(ClO4)2,
respectivamente.
a. -1, -1, -1 e -1
b. +3, +1, +2 e +3
c. +3, +2, +4, e +6
42
d. +3, +1, +5 e +6
e. +3, +1, +5 e +7
70. (Mackenzie)
K > Ca > Na > Mg > Al > Zn > Fe > H > Cu > Hg > Ag > Au
Consultando a fila de reatividade acima (dada em ordem decrescente), a
alternativa que contém a equação de uma reação que não ocorre é:
a.
b.
c.
d.
e.
Cu + 2 AgNO3 ® 2 Ag + Cu(NO3)2
2 Al + 6 HCl ® 2 AlCl3 + 3 H2
Mg + FeSO4 ® Fe + MgSO4
Zn + 2 NaCl ® 2 Na + ZnCl2
2 Na + 2 H2O ® 2 NaOH + H2
71. (UNESP) O inseticida DDT (massa molar = 354,5 g/mol) é fabricado a
partir de clorobenzeno (massa molar = 112,5 g/mol) e cloral, de acordo
com a equação
2 C6H5Cl
clorobenzeno
+
C2HCl3O
cloral
®
C14H9Cl5
+
H 2O
DDT
Partindo-se de uma tonelada (1 t) de clorobenzeno e admitindo-se
rendimento de 80%, a massa de DDT produzida é igual a
a. 1,575 t
b. 1,260 t
c. 800,0 kg
d. 354,5 kg
e. 160,0 kg
72. (UNESP) O desinfetante ClO2 é preparado por decomposição do ácido
cloroso, de acordo com a equação
x HOClO (aq) ® y ClO2 (aq) + 1 Cl2 (g) + z H2O (l)
Os coeficientes x, y e z dessa equação são iguais, respectivamente, a
a. 2, 4 e 2.
b. 3, 5 e 3.
c. 6, 2 e 4.
d. 6, 4 e 3.
Alcano
Fórmula
Calor de combustão (kJ)
etano
C2H6
1428
propano
C3H8
2044
butano
C4H10
2658
e. 8, 6 e 4.
73. (FUVEST)
Determinou-se o calor de combustão de um alcano obtendo-se o valor de
3886 kJ/mol de alcano. Utilizando os dados da tabela, conclui-se que este
alcano deve ser um
a. pentano
b. hexano
c. heptano
d. octano
e. nonano
43
74. Dependendo da natureza do meio, alcalino ou ácido, a corrosão de
alumínio em meio aquoso pode ser representada pelas seguintes
semi-equações químicas:
I.
Al (c)
II. 4 OH- (aq)
III. H2 (g)
Al3+ (aq) + 3 e- (CM)
O2 (aq) + 2 H2O (l) + 4 e- (CM)
2 H+ (aq) + 2 e- (CM)
Qual das opções abaixo contém a informação errada a respeito do
processo de corrosão do alumínio?
a. A semi-equação I representa a semi-reação que ocorre em regiões da
superfície de alumínio que funcionam como anodos.
b. A semi-equação II ou III representa a semi-reação que ocorre em
regiões da superfície de alumínio que funcionam como catodos.
c. A quantidade de carga elétrica envolvida na corrosão de um mol de
alumínio em meio alcalino é igual a 3/4F.
d. A massa de alumínio dissolvida na corrosão em meio ácido envolvendo
quantidade de carga elétrica igual a 3/2F é igual a 13,5 g.
e. Nas CNTP o volume de hidrogênio produzido na corrosão de 1 mol, de
alumínio em meio ácido é igual a 33,6 L.
Dados: massa molar do Al = 27 g/mol
volume molar dos gases nas CNTP = 22,4 L/mol
75. (Mackenzie) Relacionando as substâncias da coluna A com as informações
da coluna B, a sequência numérica correta, encontrada em B, de cima
para baixo, é:
A
1. CaCO3
2. solução aquosa de
AgNO3
3. C2H2
4. NaHCO3
5. CaSO4 . 2H2O
a. 1, 2, 3, 5, 4
b. 2, 5, 1, 4, 3
c. 3, 1, 5, 4, 2
44
B
( ) germicida à base de prata que é pingado
nos olhos de recém-nascidos.
( ) presente em antiácidos.
( ) um dos constituintes da casca do ovo.
( ) gesso usado na ortopedia.
( ) gás utilizado nos maçaricos de acetileno.
d. 2, 4, 1, 5, 3
e. 3, 4, 5, 1, 2
76. (FATEC) Em 1808, John Dalton propôs um modelo atômico no qual os
átomos seriam minúsculas esferas indivisíveis e indestrutíveis. Átomos de
diferentes elementos químicos teriam massas relativas diferentes, e
átomos de um mesmo elemento químico teriam todos a mesma massa.
Transformações químicas envolveriam rearranjos no modo como os
átomos estão combinados.
Esse modelo, entretanto, teve de ser modificado para que fosse possível
explicar
a. o fato de que, em certos sistemas, um dos reagentes se esgota
(”reagente limitante”), e o outro fica em excesso.
b. a conservação da massa total de um sistema fechado no qual ocorre
transformação química.
c. o fato de que as substâncias reagem entre si obedecendo a proporções
definidas (”lei de Proust”).
d. fenômenos elétricos, como a condução de corrente elétrica por uma
solução aquosa salina, por exemplo.
e. o fato de que, numa transformação química, a massa de um dado
elemento químico é sempre a mesma.
77. Com relação à tabela periódica, assinale a alternativa incorreta.
a. Nas colunas, a energia de ionização diminui com o aumento do
número atômico.
b. O flúor é o elemento mais eletronegativo.
c. O raio do cátion Na+ é maior que o raio do átomo Na.
d. Nos períodos, o raio atômico diminui com o aumento do número
atômico.
e. O raio do íon 8O2- é maior que o raio do íon 12Mg2+.
78. (FUVEST) As espécies Fe2+ e Fe3+, provenientes de isótopos distintos do
ferro, diferem entre si, quanto ao número
a.
b.
c.
d.
e.
de elétrons e ao número de nêutrons.
atômico e ao número de oxidação.
atômico e ao raio iônico.
de prótons e ao número de elétrons.
de prótons e ao número de nêutrons.
45
79. O gráfico mostra como o volume de uma amostra de água varia com a
temperatura, a 1 atm:
Baseando-se nessas afirmações, uma aluna afirmou, sobre essa amostra,
durante a solidificação, que
I. sua densidade diminui
II. sua energia térmica diminui
III. sua entalpia diminui
Dessas afirmações somente
a. I é correta.
b. II é correta.
c. I e III são corretas.
d. III é correta.
e. II e III são corretas.
80. Analise as afirmações abaixo:
I.
quanto maior a superfície de contato dos reagentes, menor a
velocidade da reação;
II. quanto maior o número de ligações a serem rompidas nos reagentes,
mais lenta será a reação;
III. quanto menor a energia de ativação, maior a velocidade da reação;
IV. um dos produtos de uma reação química pode ser o catalisador desta
mesma reação.
Das afirmações feitas, estão corretas
a. II, III e IV.
b. I e II.
c. I, III e IV.
46
d. II e III.
e. todas.

Documentos relacionados