Catalogo_HSA

Сomentários

Transcrição

Catalogo_HSA
CATÁLOGO GERAL
FICHA TÉCNICA
Título HSA Catálogo Geral
Concepção e Maquetização Insulae Design Studio, Lda
Propriedade HSA-Handleserv Sintimex Angola, Lda
Impressão e Acabamento Grafitime-Impressão e Artes Gráficas, Lda
Emissão 2014
www.hsa-angola.com
Handleserv Sintimex Angola
A HSA-Handleserv Sintimex Angola nasce de uma parceria entre a
Handleserv, uma Trading com larga experiência no campo da importação
e exportação para o mercado angolano e da Sintimex, empresa líder na
comercialização de equipamentos de protecção individuais no trabalho,
fundada em 1960 em Portugal.
A sua actividade desenvolve-se ainda no fornecimento dos mais variados
tipo de produtos para colmatar as amplas necessidades das mais diversas
indústrias que servem de alavanca ao desenvolvimento e reconstrução de
Angola. Dentro do portfólio de clientes dos seus sócios, encontram-se já
empresas com grande importância no panorama angolano, tais como a Ene,
Somague, Edifer, Sociedade Mineira de Catoca.
A HSA propõe desenvolver uma cultura de prevenção contra os acidentes
de trabalho nas empresas e indústrias Angolanas, oferecendo um Plano 0%
Acidentes.
04
Plano
0%
Acidentes
Auditoria
Interna de SST
Auditoria interna de SST
(Segurança e Saúde no
Trabalho) que identifica os
riscos laborais.
Acções
Correctivas e
Preventivas
Manutenção e
Assistência Técnica
Técnicos especializados
efectuam verificações
periódicas, de forma a
garantir o bom estado dos
equipamentos.
Formação
e Treino
Acções de formação e treino
para uma correcta utilização
dos EPC’s e EPI’s. Adopção
de medidas preventivas e de
actuação em situações de
emergência.
Desenvolvimento e
implementação de acções
correctivas e preventivas, para
combater os riscos laborais.
1
6
5
0%
Acidentes
4
Acções de
Sensibilização
Sensibilização dos
trabalhadores para os riscos
a que estão expostos e
formação sobre as medidas
a adoptar na prevenção e
correcção dos mesmos.
2
3
Oferta de EPC’s
e EPI’s
Oferta de uma gama
completa de Equipamentos
de Protecção Colectiva
(EPC’s) e Individuais (EPI’s),
adequada às necessidades
identificadas.
LANÇAMENTO DE LINHA EXCLUSIVA PALANCA
PARA O MERCADO ANGOLANO
Botas
Capacetes
Máscaras
Arneses
Óculos
Auriculares
Inovação, Qualidade e Serviço
Líderes em
Equipamentos de
Protecção Individual
Protecção
Anti-Queda
O ABC da
Protecção Anti-Queda
O ABC da Protecção Anti-Quedas, cobre os requisitos
fundamentais de todo o sistema de protecção contra quedas.
Use-o como um guia ao avaliar as suas necessidades de se
proteger contra quedas. No entanto, deve consultar sempre
um especialista nesta área, se se sente inseguro de qualquer
aspecto da mesma ou sobre os equipamentos que a constituem.
Ancoragem / Dispositivos de Ancoragem
Os Dispositivos de Ancoragem proporcionam um ponto seguro de fixação
(a uma estrutura existente) ao sistema de prevenção de quedas. Podem
ser permanentes ou temporários e variam de acordo com o tipo de
estrutura disponível.
Suportes do Corpo
Os arneses de corpo inteiro conectam o trabalhador ao sistema de
prevenção de quedas. São especialmente concebidos para proteger o
trabalhador contra ferimentos graves em caso de uma queda, sendo ao
mesmo tempo confortáveis de usar.
Dispositivos de Conexão
Os conectores são dispositivos que conectam o arnês de corpo inteiro
ao sistema de ancoragem. Podem ser produtos únicos ou múltiplos
dispositivos a trabalhar em conjunto.
Sistemas Descentes / Salvamento
Os Sistemas Descentes e Salvamento permitem a
recuperação de um trabalhador ferido ou incapacitado.
No caso de um resgate, este equipamento facilita a
recuperação rápida do trabalhador, sem comprometer outros
trabalhadores no processo.
08
Arnêses
Um equipamento de
Protecção Anti-Queda!
A
rnês, é uma espécie de cinto de segurança para trabalhos em
altura desde escalada, espeleologia, reparações e intervenções
industriais, etc, que funciona como elemento de suporte do corpo do
trabalhador.
Trata-se de um equipamento anti-queda composto por um conjunto
de fitas de alta resistência (geralmente um tecido de poliamida, nylon
ou outras fibras sintéticas), costuradas de modo a permitir circundar
o escalador nas duas pernas e cintura, fivelas e outros acessórios,
ligados a um cabo de amarração, que, por sua vez, está ligado, directa
ou indirectamente, a um ponto de ancoragem resistente. O ponto de
ancoragem deve poder suportar uma força estática de 10 kN durante 3
minutos, sem deformação permanente.
Na parte frontal possui uma alça onde a corda de segurança é
amarrada ou fixada através de um mosquetão. Além disso possui
diversos suportes nas laterais e na parte posterior para o transporte de
equipamentos a serem utilizados durante os trabalhos.
segurança
contra incêndio
Não espere pelo
inesperado!
Aposte na Qualidade,
na Experiência, na
Prevenção!
A HSA dispõe de uma
certificados que lhe ofer
revisão e manutenção
garantia de q
ma equipa de técnicos
erecem uma adequada
ão dos extintores, com
e qualidade!
O Que Precisa de
Saber Relativamente
à Manutenção de
Extintores
O
s extintores constituem o meio mais adequado
para atacar um incêndio na fase inicial, dado o
seu fácil manuseamento e imediata disponibilidade
de utilização por uma única pessoa.
Não têm capacidade para combater incêndios de
grandes dimensões, já que são equipamentos de
primeira intervenção com capacidade limitada.
A eficácia dos extintores depende, em grande
medida, da realização de inspecções regulares
e manutenções anuais, as quais devem ser
cumpridas por uma empresa com serviços
certificados.
EPC’S
EPI’S
Protecção da Cabeça
Protecção dos
Olhos e Face
Protecção Auditiva
Protecção Respiratória
Vestuário
Protecção das Mãos
Calçado de Segurança
Protecção Anti-Queda
Equipamentos para
Trabalhos em Tensão
Segurança contra
Incêncio
Diversos
Sinalização
Formação
Garanta o sucesso da sua equipa,
investindo na sua formação.
Descubra as diferentes formações
da HSA.
Adquira novos conhecimentos e competências de forma a diminuir os riscos
e a garantir a segurança no trabalho da sua empresa.
As sessões de formação da HSA são interactivas e têm uma forte
componente prática que permite aproximar a formação à realidade de
cada empresa. Através de conteúdos e métodos pedagógicos específicos
(Manuais, Suporte Personalizado, ...) conseguímos maximizar a eficácia das
nossas acções de formação.
Temos especialistas em diferentes áreas, disponíveis para dar resposta a
todas as suas necessidades.
Sensibilização em Higiene e Segurança no
Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
Segurança na Construção Civil
Treino Básico de Combate a Incêndios
Treino Avançado de Combate a Incêndios
Segurança no Sector Mineiro
Segurança no Sector Agrícola
Trabalhos em Altura
13
ÍNDICE
GERAL
01 PROTECÇÃO DA CABEÇA
16
02 PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
22
03 PROTECÇÃO AUDITIVA
34
04 PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
40
05 VESTUÁRIO
50
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
68
07 CALÇADO DE SEGURANÇA
84
08 PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
94
09 TRABALHOS EM TENSÃO
108
10 SEGURANÇA CONTRA INCÊNCIOS
112
11 DIVERSOS
124
12 SINALIZAÇÃO
134
13 FORMAÇÕES
138
14 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
144
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
01
PROTECÇÃO
DA CABEÇA
Capacetes
Bonés
Arneses
Francaletes
Bandas Anti-Suor
Os capacetes têm como função principal resguardarem o crânio de agressões externas durante a execução de
trabalhos. A selecção do capacete deve efectuar-se em função dos riscos a que o trabalhador está exposto,
nomeadamente dos choques resultantes de quedas de objectos ou do impacto da cabeça contra um obstáculo, ou
ainda devido a factores agressivos (por exemplo, ácidos, eléctricos e protecções incandescentes).
Devem:
• Ter capacidade de absorção de choque, como características adequadas ao conforto;
• Ter cores claras para maior reflexão dos raios solares e conforto térmico no Verão, podendo a entidade
empregadora definir um código de cores específico que permita distinguir a categoria dos seus empregados;
• Satisfazer os requisitos e apresentar de forma legível a sua marcação normativa;
• Ter uma resistência o mais uniforme possível e não ter reforços especiais em qualquer ponto, bem como as
superfícies exteriores e interiores, serem cuidadosamente acabados e apresentarem bordos lisos e arredondados.
Os capacetes de protecção podem ser de dois tipos I e II;
Diferem de tipo apenas por estes não terem pala e possuírem aba de dimensão que pode ser variável em toda a
periferia do casco. São constituídos, em ambos os tipos, fundamentalmente pelo casco (parte exterior) e pelo arnês
(conjunto de elementos cuja função principal é de absorção da energia transmitida pelo choque);
Os capacetes de tipo I são mais utilizados em trabalhos de construção civil em geral, sendo os de tipo II mais
aconselhados em trabalhos de escavações em galerias ou outros em que se exija maior eficiência na protecção.
01 PROTECÇÃO DA CABEÇA
ABS
ABS
HDP E
LDP E
Capacete Tirreno TX Palanca
CAPTXPALANCA
FPC001
Capacete 5-RS Palanca
CAP5RSPALANCA
FPC003
Cap. Focus c/Ajuste por Rodízio
CAPFOC
FPC017
O capacete TIRRENO é composto por casco em ABS
e arnês, e é fabricado com materiais ligeiros e de alta
resistência, que não produzem efeitos nocivos para a
saúde e higiene do utilizador, assegurando uma efectiva
protecção para temperaturas que vão desde os 30ºC até
aos 50ºC.
O capacete 5-RS é composto por casco em polietileno
e arnês, e é fabricado com materiais ligeiros e de alta
resistência que não produzem efeitos nocivos para a
saúde e higiene do utilizador, assegurando uma efectiva
protecção para temperaturas que vão desde os 30ºC até
50ºC.
Capacete de segurança com teia de suspensão de 6
pontos em nylon com banda de conforto para a testa,
4 pontos de fixação na cinta do queixo e 3 níveis de
ajustamento em altura. As slots de 30mm para acessórios
suporta a maioría dos acessórios disponíveis.
De 55 a 6 3 c m .
De 5 2 a 6 1cm.
D e 52 a 60cm.
44
1
kg
61 6 g
kg
60
1
i
kg
5 6 4 ,3 g
kg
26,5kg
kg
330g
kg
EN 397 - DIN VDE 0680.
EN 397:1995 + A1:2000, EN 50365:2002.
EN 397:1995 + A1:2000.
20
1
i
ABS
HDPE
LDPE
Ter y l ene
Capacete JSP MK7 c/Rolete e
Viseira não Ventilado
JSPMK7ROLVISNV
Capacete JSP Evolite Branco c/
Rodízio Ventilado (peso 299g)
FPC016
Capacete MK7 com rolete de ajuste. Para indústria geral.
Capacete disponível numa ampla gama de tamanhos e
cores. Versões do mesmo, oferecem isolamento eléctrico.
Inclui calha de chuva. Superfície para impressão de
logotipo e/ou nome da empresa. Compatível com outros
produtos de segurança da gama.
1
38 0 g ( a r n ê s )
FPC011
De 5 3 a 6 4cm.
Vários t a m a n h o s .
kg
JSPEVOLRODVENBRA
Capacete ultra-leve e confortável em ABS, ajustável a
todos os tipos de cabeça.
Ideal para as indústrias da construção, engenharia,
fabricação, electricidade, telecomunicações, autoestradas, manutenção e indústrias no geral.
1
i
kg
EN 397. Mod. não ventilado EN 50365.
kg
<2 9 9 g
i
kg
EN 397:1995.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
Quando utilizar:
Em caso de risco de queda de objectos, choques ou riscos combinados
(anti-ruído mais protecção da face).
Importante na escolha:
- Casco anti-penetração para uma protecção eficiente da caixa craniana.
- Amortecimento proporcionado pelo casco e pelo arnês de fixação que
absorvem os choques provocados por massas em movimento.
- Ergonomia adequada para uma deflexão proporcionada que permite desviar
18
a queda perpendicular de um objecto em cima da cabeça.
NORMAS
EN 397: Capacetes de Protecção para a Indústria
A norma exige que seja marcado: o número da norma europeia, nome ou
identificação do fabricante, ano e trimestre de fabrico, tipo de capacete,
tamanho ou a tabela de tamanhos. Indicações complementares como as
instrucções ou recomendações de ajuste, montagem, utilização, limpeza,
i
PROTECÇÃO DA CABEÇA
ABS
ABS
LDPE
LDPE
PVC
PVC
Pol i és ter
P o lié st e r
Capacete Peltor G2000
(ABS c/Ventilação)
PELG2000C
Capacete Peltor G3000C
(ABS c/Ventilação)
FPC013
PELG3000C
CAP5RGPALANCA
FPC014
Capacete Peltor com design atraente e excelente
protecção com possibilidade de acomodar vários
acessórios. Destinado ao uso em ambientes com elevados
níveis de exigência de protecção, excelente ventilação e
máximo campo de visão.
De 54 a 6 2 c m .
De 5 4 a 6 2cm.
kg
kg
310g
D e 52 a 61cm.
60
1
kg
kg
EN 397.
EN 397.
FPC004
O capacete 5-RG é composto por casco em polietileno
e arnês, e é fabricado com materiais ligeiros e de alta
resistência que não produzem efeitos nocivos para a
saúde e higiene do utilizador, assegurando uma efectiva
protecção para temperaturas que vão desde os 50ºC até
30ºC. Equipado com rolete para ajuste à cabeça.
Para diferentes utilizações e utilizadores.
i
i
34 0 g
P olietileno
Capacete 5-RG c/Rolete Palanca
Capacete Peltor com design atraente e excelente
protecção com possibilidade de acomodar vários
acessórios.
Ideal para as indústrias da construção, engenharia,
mecânica, etc.
kg
01
321g
kg
i
26,5kg
EN 397:1995 + A1:2000, EN 50365:2002.
ABS
ABS
P o lie t ile n o
Cap. Tirreno TXR c/Rolete Palanca
CAPTXRPALANCA
FPC002
O capacete TIRRENO é composto por casco e arnês, e
é fabricado com materiais ligeiros e de alta resistência
que não produzem efeitos nocivos para a saúde e higiene
do utilizador, assegurando uma efectiva protecção para
temperaturas que vão desde os 30ºC até aos 50ºC.
Equipado com rolete para ajuste à cabeça.
Cap. 5-P c/Prot. Auricular Palanca
CAP5PALANCA
FPC006
O Capacete 5-P é composto pelo capacete de protecção
e protectores auriculares.
Ún ic o , a justável .
1
De 55 a 6 3 c m .
kg
36
1
kg
69 0 g
kg
i
688g
i
Capacete Cadí Palanca
CAPCADÍPALANCA
D e 57 a 68cm.
1
kg
EN 352-3:2002, EN 13819-1:2002, EN 138192:2002, EN 24869-1:1992, EN ISO 4869-2:1995,
EN ISO 4869-3:1995.
EN 397:1995 + A1:2000.
desinfecção, manutenção revisão e armazenamento, são definidas pelas
instrucções de uso.
EN 812: Bonés Anti-choque para a Indústria
São essencialmente destinados a ser usados em ambientes fechados. O
boné anti-choque não foi previsto para proteger o utilizador contra a queda de
objectos e não pode em caso algum substituir um capacete de protecção para
a indústria.
FPC005
Capacete de segurança para trabalho em altura e resgate.
Incorpora ranhuras laterais para acoplar telas de
protecção facial e/ou protecção auricular e pinças para
adicionar uma luz frontal.
Para diferentes utilizações e utilizadores.
kg
325g
i
kg
EN 12492.
EN 12492: Capacetes para Resgate, Montanhismo
Esta norma exige que os capacetes apresentem uma carcaça de policarbonato
de alta resistência a choques mecânicos. O queixo é muito resistente e só se
solta apenas para forças superiores a 50 daN e com ventilação (ficando sem
protecção face a projecções de metal fundido e face a riscos elétricos).
EN 13819
Protectores auditivos. Ensaios.
19
01 PROTECÇÃO DA CABEÇA
ABS
Ny l on
Boné JSP Hard Cap EN812-A1+
JSPHARCAP
FPC012
Inovador e universal boné, com reflectores e forro
de protecção removível. Ideal para as indústrias
da construção, engenharia, mecânica, jardinagem,
reparações e trabalhos domésticos, etc.
Arnês Polietileno s/ Rolete Capacete 5-RS Palanca
ARN5RSPALANCA
FPC010
Arnês de substituição para capacete 5-RS e 5-RS Mineiro,
com banda anti-suor e anti-alérgica.
Para substituição em capacetes 5-RS e 5-RS Mineiro.
Arnês fabricado por injecção de polietileno linear
de baixa densidade, com grande capacidade de
absorção de impactos.
Único , a j u s t á v e l .
i
Arnês Polietileno c/ Rolete p/
Capacete 5-RG Palanca
ARN5RGPALANCA
FPC019
Teia de suspensão de 6 pontos para capacetes 5-RS,
5-RG e TX, com banda anti-suor, anti-alérgica. Fabricado
a partir de polietileno de baixa densidade. Regulável em
altura.
Para usos em locais de construção e indústria em geral.
D e 55 a 63cm.
De 5 5 a 6 3cm.
kg
kg
P olietileno
P o lie t ile n o
i
i
EN 397:1995.
kg
kg
kg
kg
N/A.
N/A.
Pol i és ter
P o lié st e r
ABS
Nylon
Francalete CHSR c/ Barbaqueixo
p/Capacetes Palanca
FRACHSRPALANCA
Francalete CHS p/Capacetes
Palanca
FPC009
FRACHSPALANCA
FPC007
BANASPALANCA
FPC008
Francalete para capacetes de segurança 5-RS, 5-RG,
5-RS Mineiro, TIRRENO TX e TIRRENO TXR. Desenhado
para suporte do capacete em utilização em obras.
Os pontos de encaixe são de polietileno linear.
Francalete para capacetes de segurança 5-RS, 5-RG,
5-RS Minero, TIRRENO TX e TIRRENO TXR.
Desenhado para suporte do capacete em utilização em
obras. Os pontos de encaixe são de polietileno linear.
Banda anti-suor para capacetes de segurança 5-RS,
5-RG, 5-RS Minero, TIRRENO TX e TIRRENO TXR.
A utilizar sempre que se faça uso do capacete em obras
de menor ou maior importância. De fácil montagem e
desmontagem para substituição ou lavagem.
Largu r a 1 6 m m .
L a r g u r a 1 6mm.
Ú ni co.
1
i
kg
kg
N/A.
kg
8g
EN 397:1995.
EN 24869
Acústica. Protectores auditivos contra o ruído. Parte 1: Método subjectivo de
medida da atenuação acústica. (ISO 4869-1:1990). (versão oficial EN 248691:1992).
EN 50365
Capacetes eléctricamente isolados para utilização em instalações de baixa
tensão.
20
Banda Anti-suor p/Capacete 5-RS
e 5-RG Palanca
i
i
kg
kg
kg
N/A.
PROTECÇÃO DA CABEÇA
01
21
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
02
PROTECÇÃO
DOS OLHOS E FACE
Óculos
Óculos Panorâmicos
Óculos Universais
Óculos de Soldar
Máscaras para Soldar
Viseiras
Acessórios
Os olhos são órgãos muito sensíveis do corpo humano e, como tal, propícios a acidentes cujas causas podem ser
das mais variadas, nomeadamente:
• Projecções de poeiras, provocadas por acção de correntes de ar, vento violento, operações de polimento;
• De partículas metálicas ou não, provenientes de ferramentas ou de peças trabalhadas ou ainda devido à natureza
das superfícies das peças;
• Partículas de tinta, líquidos corrosivos, reboco projectado, argamassa e ainda metal em fusão durante as
operações de soldadura.
Quando a protecção dos olhos não puder ser assegurada por dispositivos de protecção colectiva, as protecções
oculares individuais devem ser objecto de selecção criteriosa em função dos riscos associados à execução de cada
tipo de trabalho.
As suas principais características e utilizações são em função das armações ou das oculares, podendo-se encontrar:
• Óculos com armações clássicas e com escudos: os clássicos protegem apenas contra choques moderados e só
se aplicam quando não for necessária a protecção lateral, por exemplo em trabalhadores de torneamento, furação,
trabalhos sobre pedra pouco dura, circulação em oficinas;
• Óculos com armações e protecções laterais, protegem contra quaisquer projecções sólidas ou radiações que
possam atingir o olho lateralmente, nomeadamente durante operações de esmerilagem e de soldadura a gás, nos
trabalhos com madeira ou materiais plásticos e pelos ajudantes de soldadores a arco;
• Óculos lobo e de máscara: podem ser munidos com uma ou duas oculares que envolvem a região orbital, sendo as
armações geralmente em materiais plásticos flexíveis e equipados com uma correia regulável.
Os óculos são utilizados na protecção contra poeiras, gases e vapores e contra projecções de partículas ou líquidos.
Saliente-se que os óculos estanques às poeiras ou às projecções de partículas e de líquidos, são geralmente
ventilados para evitar a condensação, mas deve ter-se em atenção que o dispositivo de ventilação é concebido em
função do agente que se pretende proteger.
Para a escolha de protecção ocular adequada deve ter-se em atenção um conjunto de características que podem
ser comuns a todas as utilizações, nomeadamente: as de boa transparência e campo de visão, neutralidade óptica,
indeformabilidade, inflamabilidade, resistência aos choques, resistência à abrasão, ausência de estilhaços cortantes
por ocasião de uma rotura e, insensibilidade ao vapor de água.
Devem também considerar-se outras características específicas conforme os riscos na sua utilização, a própria forma
e ainda os materiais que as constituem.
02 PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Ny l on
P o lica rb o n a t o
PC
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
TPR
Óculos Univis U10 C. Oculares
Soldador Policarbonato Din 14
Óculos North Illusion T1500 Polic
Cinzento
Óculos Bollé Axis Pc Anti-risco
Anti-embaciante
Os óculos BOLLÉ de modelo Univis 10 foram projectados
para fornecer uma protecção eficaz contra o risco de
impacto de partículas de alta velocidade e baixa energia.
Deste modo, podem suportar o impacto de pequenos
projecteis, tais como lascas de madeira, de metal ou de
plástico, caules e ramos que surgem quando se utiliza
máquinas de jardim, etc. Não são recomendados para
utilização em condução de veículos.
Óculos de lente única de forma discreta e, cómodo apoio
à face. Extremamente leves e confortáveis de usar.
Protege contra impactos de partículas no ar, de maior
robustez, de acordo com as normas.
Óculos de visão panorâmica, com lentes anti-risco e
anti-embaciantes.
Protecção ultra-violeta contra pós, aerossois líquidos,
gases, metais fundidos e ejecção.
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
OCUU10DIN4
FPOF046
OCUNORT1500FUM
28 g
i
10
1
kg
24g
OCUAXI
i
12
1
Único, a j u s t á v e l .
kg
FPOF044
kg
FPOF043
kg
28g
i
10
1
kg
EN 166, EN 170.
EN 166, EN 172.
kg
EN 166, EN 169, EN 170.
Óculos Panorâmicos 595-I
Incolor Palanca
OCU595IPALANCA
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
FPOF011
Óculos Panorâmicos 595-A
Amarelo palanca
OCU595APALANCA
OCU595GPALANCA
FPOF027
Os óculos panorâmicos 595-I são feitos de materiais de
alta resistência sem arestas ou saliências que possam
ser irritantes para o utilizador. São óculos de montagem
universal com lente orgânica uniocular, incolores.
Os óculos panorâmicos 595-A são feitos de materiais de
alta resistência sem arestas ou saliências que possam
ser irritantes para o utilizador. São óculos de montagem
universal com lente orgânica uniocular de cor amarela.
Os óculos panorâmicos 595-G são feitos de materiais de
alta resistência sem arestas ou saliências que possam
ser irritantes para o utilizador. São óculos de montagem
universal com lente orgânica uniocular de cor preta.
Único , a j u s t á v e l .
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
12
1
kg
kg
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002.
i
Quando utilizar:
12
1
i
kg
kg
Perigos mecânicos: poeiras, choque, partículas sólidas.
Perigos térmicos: líquidos quentes, salpicos de material fundido, chama.
Perigos químicos ou biológicos: salpicos de ácidos, de dissolventes, de
alcalinos, ou de sangue infectado.
Perigos de radiação: ultra-violeta (UV), infravermelha (IV), laser.
Perigos eléctricos: contacto directo, curto-circuitos e arcos voltaicos.
Importante na escolha:
12
1
kg
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002,
EN 170:2003.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
24
FPOF026
Óculos Panorâmicos 595-G
Cinzento Palanca
i
kg
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002,
EN 170:2003.
Determinar o tipo de protecção:
- Óculos com hastes: protecção dos olhos contra impactos com pouca energia
(resistência mecânica a um impacto de 45m/s) e contra radiações nocivas.
- Óculos panorâmicos: protecção dos olhos contra impactos com energia
média (resistência mecânica a um impacto de 120m/s), riscos de perigos
químicos, biológicos, mecânicos, térmicos e contra radiações nocivas.
- Viseiras: protecção dos olhos e cara contra impactos com energia média ou
PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Ny l on
N ylo n
Nylon
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Panorâmicos 600-I Incolor
Palanca
OCU600IPALANCA
FPOF035
Armação de segurança de lentes, moderna e estilizada
que oferece uma protecção excelente.
Em situações de riscos mecânicos, resistência a impactos
45 m/s (F) e radiações UV.
Único , a j u s t á v e l .
i
1
kg
25 g ( a r m a ç ã o )
Óculos Panorâmicos 596-I Incolor
Palanca
Óculos Panorâmicos 596-G
Cinzento Palanca
Óculos de segurança, modernos e estilizados que
ofereçem uma protecção excelente.
Apoio do nariz macio e de formato universal para um
ajuste fácil e confortável. Hastes de comprimento ajustável
por um sistema pantoscópico. O revestimento das lentes
ligeiramente espelhado permite manter uma lente nítida
enquanto reflete a luz em vez de a absorver.
Óculos de segurança, modernos e estilizados que
ofereçem uma protecção excelente.
Apoio do nariz macio e de formato universal para um
ajuste fácil e confortável. Hastes de comprimento ajustável
por um sistema pantoscópico. O revestimento das lentes
ligeiramente espelhado permite manter uma lente nítida
enquanto reflete a luz em vez de a absorver.
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
OCU596IPALANCA
kg
FPOF016
kg
26g
kg
Ny l on
N ylo n
P o lica rb o n a t o
FPOF018
Os óculos 597-I foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. A sua qualidade e neutralidade ópticas (classe1),
permitem uma utilização prolongada sem qualquer
desconforto para o utilizador. Não são recomendados
para utilização em condução de veículos.
Único , a j u s t á v e l .
28g
UNE EN 166:2001, EN 170:2002.
kg
FPOF017
Ún ic o , a justável .
i
1
kg
kg
26g
Os óculos 597-G foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. A sua qualidade e neutralidade ópticas (classe1),
permitem uma utilização prolongada sem qualquer
desconforto para o utilizador. Não são recomendados para
utilização em condução de veículos.
i
1
kg
OCU597GPALANCA
i
EN 166:2001, EN 172:1994/A1:2000/A2:2001.
Pol i c ar bonato
Óculos 597-G
FPOF015
1
kg
EN 166:2001, EN 172:1994/A1:2000/A2:2001.
Óculos Panorâmicos 597-I Incolor
Palanca
OCU596GPALANCA
i
1
UNE EN 166:2001, EN 170:2002.
OCU597IPALANCA
02
28g
kg
EN 166:2001, EN 172:1994/A1:2000/A2:2001.
forte por corpos sólidos, assim como projecções (líquidos, metais em fusão)
que poderiam provocar feridas na sua cara. indicado também contra perigos
eléctricos e de radiação.
Determinar a característica da protecção: anti-riscos, anti-embaciamento,
tonalidade da lente variável, ...
Seleccionar o tipo de lentes: monobloco, biocular.
Escolher o tipo de armação: design, clássico, ...
NORMAS
EN 166 (Norma das Especificações Gerais)
Aplicável a qualquer tipo de protectores individuais dos olhos contra os perigos susceptíveis de danificar a visão com excepção das radiações de origem
nuclear, dos raios X, das emissões laser e dos infravermelhos gerados por
fontes a baixa temperatura, para os quais existem normas distintas.
EN 167
Métodos de ensaios ópticos.
25
02 PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
Nylon
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Panorâmicos 598-I Incolor
Palanca
OCU598IPALANCA
Óculos Panorâmicos 598-G
Cinzento Palanca
FPOF039
O mais recente em óculos de segurança. Desenho de
perfil baixo que oferece uma protecção excelente.
Os óculos modelo 598-I oferecem uma excelente
protecção contra riscos de impactos de particulas de alta
velocidade e baixa energia. O seu desenho especial e
inovador limita minimamente o ângulo de visão lateral.
Único, a j u s t á v e l .
kg
36 0 g
i
12
1
OCU598GPALANCA
FPOF038
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
360g
i
12
1
kg
kg
EN 166, EN 170 - UV.
N ylo n
Nylon
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Bollé BL13-CI
OCUBL13
FPOF008
kg
kg
kg
EN 170.
Óculos Medop Tipo BI13 Azul
Frente
OCUMEDFLAAZU
i
26
240
1
kg
kg
UNE EN 166.
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002.
EN 168
Protecção individual dos olhos. Métodos de ensaio não ópticos.
EN 169
Filtros para soldadura.
EN 170
Filtros Ultravioleta.
EN 171
Filtros Infravermelhos.
FPOF048
Os óculos Medop foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. Não são recomendados para utilização em condução
de veículos.
Ú ni co, aj ustável .
Ún ic o , a justável .
240
i
FPOF019
Os óculos BOLLE BL13-CI foram projectados para
fornecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia.
Deste modo, podem suportar o impacto de pequenos
projécteis, tais como lascas de madeira, de metal ou de
plástico, caules e ramos que surgem quando se utiliza
máquinas de jardim, etc. A sua qualidade e neutralidade
ópticas (classe 1), permitem uma utilização prolongada
sem qualquer desconforto para o utilizador. Não são
recomendados para utilização em condução de veículos.
Único, a j u s t á v e l .
10
kg
Pol i ami da
Os óculos panorâmicos 569-I foram projectados para
fornecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia.
Deste modo, podem suportar o impacto de pequenos
projécteis, tais como lascas de madeira, de metal ou de
plástico, caules e ramos que surgem quando se utiliza
máquinas de jardim, etc. A velocidade dos projécteis
deve ser inferior a 45 m/s. O seu desenho especial, limita
minimamente o ângulo lateral de visão e graças à sua
neutralidade óptica, permite um uso prolongado sem
produzir desconforto ao utilizador.
1
23g
i
10
1
UNE EN 166:2001, EN 172:1994 + A1:2000 +
A22001
OCU569IPALANCA
FPOF045
O mais recente em óculos de segurança. Desenho de
perfil baixo que oferece uma protecção excelente.
Os óculos modelo 598-G oferecem uma excelente
protecção contra riscos de impactos de particulas de alta
velocidade e baixa energia. O seu desenho especial e
inovador limita minimamente o ângulo de visão lateral e
oferecem óptima resistência à radiação UV.
kg
Óculos Universais 569-I Incolor
Palanca
kg
OCUSUBSUPNYL
Os óculos Bollé foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. Não são recomendados para utilização em condução
de veículos.
kg
UNE EN 166:2001.
Óculos Bollé Super Nylson Polic
EN 172
Filtros de Brilho ofuscante para uso industrial.
EN 175
Equipamentos para trabalhos de soldadura.
EN 207
Óculos para protecção laser.
EN 208
Óculos para regulação laser.
i
PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Bollé BL13 Fumado CI
Anti-Risco
OCUBL13CF
Óculos Universais 569-A
Amarelo Palanca
FPOF051
Os B-LINE é uma gama de proteção ocular acessível a
todos, adequada para os riscos industriais mais comuns.
Benefícia da experiência e qualidade Bollé Safety.
Os óculos Bollé BL13 foram projectados para fornecer
uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia.
Recomendados para trabalho ao ar livre, as proteções
EN172 garantem 99,99% de filtragem da radiação solar
ultravioleta.
Único , a j u s t á v e l .
OCU569APALANCA
FPOF024
Ún ic o , a justável .
i
400
1
i
240
Óculos Panorâmicos 569-G
Cinzento Palanca
Os óculos panorâmicos 569-A são feitos de materiais de
alta resistência sem arestas ou saliências que possam
ser irritantes para o utilizador. São óculos de montagem
universal com lente orgânica uniocular de cor amarela.
kg
kg
1
30kg
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002,
EN 170:2002.
OCU569GPALANCA
FPOF025
Os óculos panorâmicos 569-G foram projectados para
fornecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia e contra
a radiação solar (âmbito laboral). Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. Oferecem também uma excelente protecção contra
os raios UV. O seu desenho especial, limita minimamente
o ângulo lateral de visão e graças à sua neutralidade
óptica e à sua leveza, permite um uso prolongado sem
produzir desconforto ao utilizador.
Ú ni co, aj ustável .
kg
kg
02
i
400
1
UNE EN 166.
kg
kg
30kg
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002,
EN 172:2002.
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Panorâmicos 580-T
Incolor Palanca
OCU580TPALANCA
FPOF022
Óculos Panorâmicos 580-A
Amarelo Palanca
OCU580APALANCA
FPOF020
Óculos Panorâmicos 580-V Verde
Palanca
OCU580VPALANCA
FPOF021
Os óculos de protecção 580/2 foram projectados para
fornecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia. Podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules
e ramos que surgem quando se utiliza máquinas de
jardim, etc. Os óculos oferecem também uma excelente
protecção contra a radiação UV, mantendo o utilizador
protegido às fontes de irradiação, tais como lâmpadas
de vapores de mercúrio a baixa pressão. O seu desenho
especial, limita minimamente o ângulo lateral de visão
e graças à sua neutralidade óptica e à sua leveza,
permite um uso prolongado sem produzir desconforto
ao utilizador, sendo compatíveis com o uso de lentes
graduadas.
Os óculos de protecção 580 foram projectados para
fornecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia. Podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules
e ramos que surgem quando se utiliza máquinas de
jardim, etc. Os óculos oferecem também uma excelente
protecção contra a radiação UV, mantendo o utilizador
protegido às fontes de irradiação, tais como lâmpadas
de vapores de mercúrio a baixa pressão. O seu desenho
especial, limita minimamente o ângulo lateral de visão
e graças à sua neutralidade óptica e à sua leveza,
permite um uso prolongado sem produzir desconforto
ao utilizador, sendo compatíveis com o uso de lentes
graduadas.
Os óculos de protecção 580 foram projectados para
fornecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia. Podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules
e ramos que surgem quando se utiliza máquinas de
jardim, etc. Os óculos oferecem também uma excelente
protecção contra a radiação UV, mantendo o utilizador
protegido às fontes de irradiação, tais como lâmpadas
de vapores de mercúrio a baixa pressão. O seu desenho
especial, limita minimamente o ângulo lateral de visão
e graças à sua neutralidade óptica e à sua leveza,
permite um uso prolongado sem produzir desconforto
ao utilizador, sendo compatíveis com o uso de lentes
graduadas.
Único, a j u s t á v e l .
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
400
kg
kg
i
3 0 kg
UNE EN 166:1996, EN 167:1996, EN 168:1996.
EN 370
Especificações sobre filtros de soldadura.
EN 1731
Especificações para viseira de rede.
400
1
kg
kg
30kg
UNE EN 166:1996, EN 170:1995.
i
400
1
kg
kg
i
30kg
UNE EN 166:1996, EN 170:1995.
EN 379
Protecção individual dos olhos. Filtros automáticos para soldadura.
EN 397
Capacetes de protecção para a Indústria.
27
02 PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Panorâmicos 590-I
Incolor Palanca
FPOF010
OCU590IPALANCA
Os óculos panorâmicos 590-I são feitos de materiais de
alta resistência sem arestas ou saliências que possam
ser irritantes para o utilizador. São óculos de montagem
universal com lente orgânica uniocular, incolor.
São também ideais para motociclismo, tendo um ajuste
perfeito com o capacete.
Óculos Panorâmicos 590-A
Amarelo Palanca
OCU590APALANCA
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
kg
26g
i
12
1
kg
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Bollé Squale Amarelo
FPOF029
OCUBLSQUALEA
FPOF030
Os óculos BOLLÉ foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. Não são recomendados para utilização em condução
de veículos.
Único, a j u s t á v e l .
Ún ic o , a justável .
kg
43 g
kg
EN 166, EN 169, EN 170 e EN 172.
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002,
EN 172:2002.
Pol i c ar bonato
Os óculos BOLLÉ foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. Não são recomendados para utilização em condução
de veículos.
180
kg
kg
Pol i c ar bonato
Óculos Bollé Squale Incolor
1
i
180
1
kg
43g
i
Óculos Bollé Parchoc Visiteur
Incolor
OCUBLPARVISI
Júni or e Adul to.
300
1
kg
EN 166, EN 169, EN 170 e EN 172.
28
FPOF028
Os óculos BOLLÉ foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules
e ramos que surgem quando se utiliza máquinas de
jardim, etc. Utilização compatível com óculos graduados
(sobrepostos) Também em versão junior. Não são
recomendados para utilização em condução de veículos.
kg
36g
kg
EN 166, EN 169 e EN 170.
EN 1731
Especificações para viseira de rede.
i
10
1
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002,
EN 170:2003.
UNE EN 166:2002, EN 167:2002, EN 168:2002.
OCUBLSQUALEI
FPOF009
Os óculos panorâmicos 590-G são feitos de materiais de
alta resistência sem arestas ou saliências que possam
ser irritantes para o utilizador. São óculos de montagem
universal com lente orgânica uniocular de cor cinza.
kg
kg
OCU590GPALANCA
Os óculos panorâmicos 590-A são feitos de materiais de
alta resistência sem arestas ou saliências que possam
ser irritantes para o utilizador. São óculos de montagem
universal com lente orgânica uniocular de cor amarela.
Único, a j u s t á v e l .
i
FPOF023
Óculos Panorâmicos 590-G
Cinzento Palanca
i
PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Pol i c ar bonato
A ce t a t o
A cetato
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
Óculos Universais 568-P Palanca
OCU568PALANCA
Os óculos modelo 568-P oferecem uma excelente e
duradoura protecção contra riscos de impactos de
partículas de alta velocidade e baixa energia. Desta
forma os óculos são capazes de resistir ao impacto de
pequenos projectéis, tais como lascas de madeira, metal
e plásticas, caules e ramos que se desprendam ao utilizar
maquinaria de jardim, etc. A velocidade dos projécteis
deve ser inferior a 45 m/s. O seu desenho especial limita
mínimamente o ângulo de visão lateral e graças à sua
neutralidade óptica, possibilita um uso prolongado sem
produzir desconforto ao utilizador.
Os óculos 571 foram projectados para fornecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia. Deste modo, podem
suportar o impacto de pequenos projécteis, tais como
lascas de madeira, de metal ou de plástico, caules e
ramos que surgem quando se utiliza máquinas de jardim,
etc. A velocidade dos projecteis deve ser inferior a 45 m/s.
O seu desenho especial, limita ao mínimo, o ângulo de
visão lateral e graças à sua neutralidade óptica permite
um uso prolongado sem produzir danos ao utilizador.
i
8
kg
Ú ni co, aj ustável .
kg
UNE EN 166 e EN 170.
UNE EN 166:1996, EN 167:1996, EN 168:1996,
EN 169:1993 e EN 175:1997.
UNE EN 166:1996, EN 167:1996, EN 168:1996.
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
P olicar bonato
Único, a j u s t á v e l .
5
32kg
kg
kg
32kg
i
400
1
P o lica rb o n a t o
FPOF042
1
i
Pol i c ar bonato
Protecção ultra-violeta contra pós, aerossois líquidos,
gases, metais fundidos e ejecção.
95 g
OCU571VPALANCA
FPOF032
Os óculos 571-V foram projectados para enfrentar as
radiações emitidas nos processos de soldadura oxiacetilénica e oxi-corte, oferecendo uma duradoura e
efectiva protecção. Todo ele com excelente rendimento e
oferecendo os mínimos obstáculos para que o utilizador
possa exercer a sua actividade sem moléstias e com total
normalidade. Os materiais utilizados e o seu desenho
permitem que este possa adaptar-se perfeitamente à
morfologia do seu utilizador.
Pol i c ar bonato
Óculos Attack Bollé Visor Anti-risco
Anti-embaciante
OCUATTACK
kg
kg
640g
400
1
UNE EN 166:1996, EN 167:1996, EN 168:1996.
kg
FPOF031
OCU571PALANCA
Ún ic o , a justável .
Único , a j u s t á v e l .
kg
Óculos Universais 571-V Palanca
Óculos Universais 571 Palanca
FPOF037
1
02
i
Óculos Panorâmicos Normal Bollé/
North tipo Monofiltre
OCUMON
FPOF014
Os óculos panorâmicos Normal Bollé/North foram
projectados para fornecer uma protecção eficaz contra
o risco de impacto de partículas de alta velocidade e
baixa energia. Deste modo, podem suportar o impacto
de pequenos projécteis, tais como lascas de madeira, de
metal ou de plástico, caules e ramos que surgem quando
se utiliza máquinas de jardim, etc. O seu desenho especial
permite um amplo campo de visão, podendo ser usados
com óculos graduados. A sua qualidade e neutralidade
ópticas (classe 1), permitem uma utilização prolongada
sem qualquer desconforto para o utilizador.
200
1
63g
OCU539PALANCA
FPOF007
Os óculos panorâmicos 539 foram projectados para
fornecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia. Deste
modo, podem suportar o impacto de pequenos projécteis,
tais como lascas de madeira, de metal ou de plástico,
caules e ramos que surgem quando se utiliza máquinas
de jardim, etc. O seu desenho especial permite um
amplo campo de visão, podendo ser usados com óculos
graduados. A sua qualidade e neutralidade ópticas
(classe 1), permitem uma utilização prolongada sem
qualquer desconforto para o utilizador.
Ú ni co, aj ustável .
Ún ic o , a justável .
kg
Óculos Panorâmicos 539 Palanca
UNE EN 166 3459 BT CE.
i
kg
kg
kg
8
1
i
UNE EN 166:2001.
29
02 PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Pol i ami da
P o lica rb o n a t o
Fib r a vulcanizada
Pol i c ar bonato
P o lica rb o n a t o
Vid r o inactínico
Óculos Soldadura 80 Palanca
OCU80PALANCA
FPOF036
Os óculos modelo 80 oferecem uma excelente e
duradoura protecção nos processos de soldadura
oxiacetilénica e de oxicorte, impedindo que a vista do
utilizador possa ser danificada pelas radiações emitidas
nestes processos. Ainda, estão capacitados para proteger
contra impactos de partículas sólidas. Com um excelente
rendimento e oferecendo os mínimos obstáculos para
que o utilizador possa exercer a sua actividade com total
normalidade e sem desconforto. Os materiais empregues
e o desenho dos óculos permitem que estes possam
adaptar-se perfeitamente à morfologia do utilizador.
Óculos Soldar JSP pala Móvel
Stanley c/ Vidros Din 5
Máscara Cabeça p/ Soldadura 412R Palanca
Óculos em PVC com pala elevatória de lente escura e
armação com lentes incolores. Os óculos de protecção
oferecem uma robusta e geral proteção contra partículas
a 12 m/s. Adequados para uso de soldadura a gás. Outros
métodos de soldadura irão exigir um escudo protector
com lentes mais escuras.
O visor 412-R é ideal para qualquer processo de
soldadura, podendo variar a tonalidade de filtragem dos
óculos adequada para cada tipo de trabalho. A viseira
apresenta em cada caso, uma perfeita proteção contra a
radiação emitida pelos trabalhos de soldadura e contra a
projecção de partículas sólidas. Também é indicado para
uso em trabalhos onde há risco de choque eléctrico de
até 500V e 4mA.
JSPOCUSOLSTADIN5
Ún ic o , a justável .
i
1
Único, a j u s t á v e l .
i
10
1
kg
110g
MAS412RPALANCA
FPOF005
Ú ni co, aj ustável .
kg
i
50
1
kg
UNE EN 166, EN 169 e EN 175.
kg
kg
FPOF040
300g
kg
UNE EN 175:1997.
UNE EN 166:1996, EN 175:1996.
F i br a v ul c ani z ada
Fib ra d e vid ro
Fib ra vulcanizada
Vi dr o i nac tíni c o
Vid ro in a ct í n ico
Vidr o m iner al
Máscara de Mão p/ Soldadura 418U Palanca
Máscara Cabeça p/ Soldadura 409A Palanca
FPOF006
FPOF001
MAS418UPALANCA
O visor 418-U é ideal para qualquer processo de
soldadura, podendo variar a tonalidade de filtragem dos
óculos adequada para cada tipo de trabalho. O visor
apresenta em cada caso, uma perfeita proteção contra a
radiação emitida pelos trabalhos de soldadura e contra a
projecção de partículas sólidas. Também é indicado para
uso em trabalhos onde há risco de choque eléctrico de
até 500V e 4mA.
Único, a j u s t á v e l .
100
1
kg
29 0 g
kg
i
MAS409APALANCA
A máscara de soldar e armação dobrável 409-A foi
projetado para fornecer uma protecção eficaz contra
as radiações emitidas pelos processos de soldadura,
assim como, contra as partículas incandescentes que se
desprendem durante estes processos.
O visor 409-A é ideal para qualquer tipo de soldadura,
variando a tonalidade adequada de filtragem do óculo
para cada tipo de soldadura em que o equipamento é
utilizado. A tela apresenta em cada caso, uma perfeita
protecção contra a radiação emitida nos processos de
soldagem e contra a projecção de partículas sólidas.
Também é indicado para uso em processos onde há risco
de choque eléctrico de até 500V e 4mA.
Ún ic o , a justável .
UNE EN 175:1997.
kg
509g
UNE EN 175:1997.
30
i
1
kg
Máscara Protashell s/ Vidros
MASPROSVID
FPOF054
Máscara de soldar em fibra vulcanizada com janela “flipup”. A máscara Protashell é adequada para qualquer tipo
de soldadura.
51x108mm.
i
1
kg
kg
UNE EN 175.
PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
F i br a v ul c ani z ada
Fib ra d e vid ro
F ibr a de vidr o
Vi dr o mi ner al
Vid ro in a ct í n ico
Vidr o inactínico
Máscara Minishell c/ Vidros 110x60
Din 11 Lamador
MASMINCVID11
FPOF052
A máscara Minishell é adequada para qualquer tipo
de soldadura, variando a tonalidade adequada de
filtragem do óculo para cada tipo de soldadura em que
o equipamento é utilizado. A tela apresenta em cada
caso, uma perfeita protecção contra a radiação emitida
nos processos de soldagem e contra a projecção de
partículas sólidas. Também é indicado para uso em
processos onde há risco de choque eléctrico de até 500V
e 4mA.
14
kg
469g
Máscara Soldar Electrónica Bollé
B800V (var 4/9-13)
MASBOLB800V
i
Máscara Cabeça p/ Soldadura 405
Electrónica Palanca
FPOF041
Máscara electro-óptica, completa, de tom variável 4/9-13.
Útil para todo o tipo de procedimentos de soldadura de 5
ampéres (eléctrodos MIG / MAG, TIG / WIG, corte e solda
a arco plasma), excepto gás e soldadura a laser. Está
particularmente adaptado para a soldadura TIG e tem
uma detecção especial para este tipo de trabalhos.
MAS405EPALANCA
FPOF003
Útil para todo o tipo de procedimentos de soldadura de 5
ampéres (eletrodos MIG / MAG, TIG / WIG, corte e solda
a arco plasma), excepto gás e soldadura a laser. Está
particularmente adaptado para a soldadura TIG e tem
uma detecção especial para este tipo de trabalhos.
Ú ni co, aj ustável .
Ún ic o , a justável .
i
1
50x 10 8 / 5 5 x 1 1 0 / 6 0 x 1 1 0m m .
75x 98 / 8 5 x 1 1 0 / 9 0 x 1 1 0 mm .
1
02
kg
380g
kg
kg
510g
i
16
1
kg
15kg
EN 175 e EN 169.
EN 379 e EN 175.
kg
UNE EN 175.
F i br a de v i dr o
Fib ra d e vid ro
Fib r a de vidr o
Vi dr o i nac tíni c o
Vid ro in a ct í n ico
P oliam ida
Máscara Cabeça p/ Soldadura 405
Variomatic Palanca
Máscara Cabeça p/ Soldadura
Electrónica 420 Palanca
MAS405VPALANCA
FPOF004
A máscara de soldadura 405 foi projectada para fornecer
uma protecção eficaz contra as radiações emitidas
pelos processos de soldadura, assim como, contra as
partículas incandescentes que se desprendem durante
estes processos. O seu fabrico é com materiais muito
leves, de primeira qualidade e elevada resistência. O filtro
desta máscara possui detectores de luz, que permitem o
escurecimento automático quando se aplica a soldadura.
Tudo sem necessidade de interruptores ou bateria.
MAS420PALANCA
FPOF056
A máscara de soldadura 405 foi projectada para fornecer
uma protecção eficaz contra as radiações emitidas
pelos processos de soldadura, assim como, contra as
partículas incandescentes que se desprendem durante
estes processos. O seu fabrico é com materiais muito
leves, de primeira qualidade e elevada resistência. O filtro
desta máscara possui detectores de luz, que permitem o
escurecimento automático quando se aplica a soldadura.
Tudo sem necessidade de interruptores ou bateria.
Único, a j u s t á v e l .
3 2 5 x2 3 5 m m.
16
1
kg
55 5 g
kg
1 5 kg
EN 175, DIN EN 379:2009-12.
i
i
1
kg
558g
Máscara Soldar c/ Adapatador
Capacete Gamador c/ Vidros
MASSOLADACAP
FPOF053
Máscara de soldar adaptável a qualquer capacete de
segurança equipados com uma ranhura de 30 mm.
Resistente a impactos e de lentes removíveis. Suporta
lentes de soldadura padrão (não fornecidas).
50x108/55x110/60x110mm.
75x98/85x110/90x110mm.
8
1
kg
310g
i
kg
EN 175.
kg
EN 175, DIN EN 379:2009-12.
31
02 PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
Pol i eti l eno
P o lie t ile n o
P olietileno
F i br a de v i dr o
Fib ra d e vid ro
P olicar bonato
Máscara Cabeça Electrónica p/
Soldadura 415-E Palanca
Máscara Cab. p/Soldadura 415-A
c/ Capacete Amarelo
Viseira 436 Incolor p/ Adaptação
Capacete Palanca
A máscara de soldadura 415-E foi projectada para
fornecer uma protecção eficaz contra as radiações
emitidas pelos processos de soldadura, assim como,
contra as partículas incandescentes que se desprendem
durante estes processos. O conjunto é composto por
capacete e viseira de soldadura com engate para o
capacete.
A máscara de soldadura só pode ser utilizada nas
seguintes aplicações: electrodos, argon/hélio, MIG/MAG,
TIG/MIG, soldadura com plasma e processos oxicorte.
Não é adequada para a soldadura a laser ou qualquer
outro tipo de soldadura não descrita no parágrafo anterior.
Conjunto composto por capacete e viseira de soldadura
rebatível com engate para o capacete. O seu sistema
de fixação é totalmente regulável para conseguir-se um
ajuste perfeito ás diferentes fisionomias dos utilizadores. A
máscara de soldadura 415-A foi projectada para fornecer
uma protecção eficaz contra as radiações emitidas pelos
processos de soldadura, assim como, contra as partículas
incandescentes que se desprendem durante estes
processos.
A viseira facial 436-I foi projectada para oferecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia e contra a radiação
solar (âmbito laboral). Deste modo, podem suportar o
impacto de pequenos projécteis com elevada velocidade
(até 190 m/s), tais como lascas de madeira, de metal
ou de plástico, caules e ramos que surgem quando se
utiliza máquinas de jardim, etc. O seu desenho especial,
limita minimamente o ângulo lateral de visão e graças à
sua neutralidade óptica e à sua leveza, permite um uso
prolongado sem produzir desconforto ao utilizador.
MAS415EPALANCA
FPOF002
MAS415AEPALANCA
FPOF055
Ún ic o , a justável .
i
1
Único , a j u s t á v e l .
i
1
FPOF012
Ú ni co, aj ustável .
i
1
kg
kg
UNE EN 397.
kg
kg
VIS436IPALANCA
kg
kg
UNE EN 397:1995 e EN 166:2001.
UNE EN 175:1997, EN 379:1994 e EN 397:1995.
A ce t a t o
Pol i eti l eno
P o lipr opileno
Mal ha metál i c a
Viseira 436 Malha em rede p/
Adaptação Capacete Palanca
VIS436MPALANCA
FPOF013
A viseira facial 436 foi projectada para oferecer uma
protecção eficaz em trabalhos florestais, de jardinagem,
corte, limpeza e outras actividades afins, que requerem
protecção conjunta da cabeça, olhos e rosto. O conjunto
é composto por capacete e grade rebatível com engate.
O seu desenho especial limita minimamente o ângulo
de visão lateral e permite uma perfeita adaptação
às diferentes fisionomias dos utilizadores, graças ao
mecanismo de ajuste do sistema de fixação.
Único, a j u s t á v e l .
i
1
kg
50 8 g
Viseira FHK67 Foco1, 5a Ad.
Capacete (Electricidade)
VISELEADACAP
FPOF047
Protecção facial adequada contra arcos de curto-circuitos
elétricos e respingo líquido, como contra impactos de
baixa ou média energia (dependente da variante), quando
acoplada a um capacete de segurança de certificação
CE. Normalmente usado por electricistas, que trabalham
com conexões de alta tensão, que são por vezes expostos
à súbita descarga de energia que ocorre durante um
arco elétrico ou curto-circuito. Esta condição explosiva
inclui um amplo espectro de energia electromagnética, o
plasma, fragmentos e pulverização de materiais fundidos.
Ún ic o , a justável .
i
1
kg
UNE EN 397:1995 e EN 1731:1997.
32
A cetato
kg
Viseira Bollé Sambueé AntiEmbaciante (de cabeça)
VISBOLSAM
190x290mm.
50
1
kg
kg
EN166 F38 (FHK67/Foco 1.5A e Foco 1.5BF) e
EN166 B38 (FHK67/Foco 1.5DE).
FPOF033
A viseira facial Bolle foi projectada para oferecer uma
protecção eficaz contra o risco de impacto de partículas
de alta velocidade e baixa energia e contra a radiação
solar (âmbito laboral). Deste modo, podem suportar o
impacto de pequenos projécteis com elevada velocidade
(até 190 m/s), tais como lascas de madeira, de metal
ou de plástico, caules e ramos que surgem quando se
utiliza máquinas de jardim, etc. O seu desenho especial,
limita minimamente o ângulo lateral de visão e graças à
sua neutralidade óptica e à sua leveza, permite um uso
prolongado sem produzir desconforto ao utilizador.
200g
kg
UNE EN 166 e EN 170.
i
PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
02
Vid ro in a ct í n ico
Pol i pr opi l eno
Vidr o inactínico
Pol i c ar bonato
Viseira Medop c/ Visor de
Policarbonato (de cabeça)
MEDVISPANCOMPOLINC
Vidro 108x51 Protane Din 11
FPOF034
A viseira facial de modelo MEDOP foi projectada para
oferecer uma protecção eficaz contra o risco de impacto
de partículas de alta velocidade e baixa energia e
em sectores de trabalhos diversos tais como: pintura,
jardinagem, trabalhos florestais, construcção, trabalhos
em madeira, agricultura, etc, quer no exterior quer no
interior. O seu desenho especial, limita minimamente o
ângulo lateral de visão e graças à sua neutralidade óptica
e à sua leveza e permite um uso prolongado sem produzir
desconforto ao utilizador.
VID1075111
Vidro Protane de tonalidade DIN 11 com as dimensões de
108x51mm para máscara de soldar.
Para utilização em máscaras de soldar.
1 0 8 x5 1 m m.
25
1
i
i
1
kg
190x 3 6 0 m m .
FPOF049
Vidro 108x51 Proclear
Incolor=105x50 (marcação CE)
VID10751INC
FPOF050
Vidro Proclear de tonalidade incolor com as dimensões de
108x51mm para máscara de soldar.
Para utilização em máscaras de soldar.
108x51mm.
i
1
kg
UNE EN 166 e EN 169.
kg
kg
UNE EN 166 e EN 169.
kg
kg
UNE EN 166.
33
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
03
PROTECÇÃO
AUDITIVA
Protectores Auriculares
Protectores de Cordão
Recargas p/ Distribuidores
Distribuidores
A perda de audição é uma das principais doenças profissionais, mas muitas vezes é dificil convencer o trabalhador
do risco a que se expõe ao ruído. O ruído está associado a muitas das nossas actividades diárias e não pensamos
nele como um risco. Por esta razão, os ouvidos necessitam de protecção, daí a HSA ter uma completa gama de
produtos e serviços que garantem a segurança dos ouvidos, satisfazendo assim as suas necessidades. Dispõe de
soluções para cada situação e para cada pessoa, com produtos cuja gama vai desde os clássicos tampões aos
auriculares electrónicos de alta tecnologia.
Os protectores auriculares podem ainda ser utilizados em combinação com capacetes e viseiras de protecção facial.
Para seleccionar e utilizar correctamente a protecção auditiva sugerimos que nos consulte, podendo assim ajudá-lo
com o material através de cursos de formação e de apoio técnico.
03 PROTECÇÃO AUDITIVA
Res i na ac etál i c a
R e sin a a ce t á lica
P olipr opileno
ABS
ABS
ABS
Protector Auricular T/Auscultador
11 Palanca
Protector Auricular T/Auscultador
12 Palanca
Protector Auricular Silenta
Supermax
O protector auditivo 11 foi especialmente desenhado para
proteger o utilizador de forma óptima, contra a exposição
continuada ao elevado ruído, reduzindo os seus efeitos
prejudiciais.
Ideal para trabalhos em ambientes de elevado ruído ao
longo de um dia de trabalho.
Máxima eficácia nas condições laborais mais exigentes.
O protector auditivo 12 foi especialmente desenhado para
proteger o utilizador de forma óptima, contra a exposição
continuada ao elevado ruído, reduzindo os seus efeitos
prejudiciais. A sua cor chamativa, proporciona aos
utilizadores uma segurança adicional, devido à sua
alta visibilidade. Ideal para trabalhos em ambientes de
elevado ruído ao longo de um dia de trabalho.
Máxima eficácia nas condições laborais mais exigentes.
Os auriculares Silenta Supermax são a protecção
auricular mais eficaz da gama Silenta. Estão projectados
para ambientes extremamente barulhentos e ruídosos,
atenuando com eficiência mesmo em baixas frequências.
A boa acomodação é garantida por uma banda de
cabeça de estrutura leve de arame que assegura a
pressão sobre as orelhas com conforto mesmo por
períodos longos de utilização. Os auriculares Silenta
Supermax são uma excelente opção por exemplo para
técnicos de aeroportos, campos de tiro, e industrias onde
seja necessária uma alta atenuação.
PROA11PALANCA
FPA001
S, M e L .
i
1
kg
26 9 g
PROA12PALANCA
S, M e L.
i
1
kg
EN 352-1:2002, EN 13819-1:2002, EN 138192:2002, EN 24869-1:1992, EN ISO 4869-3:1995.
FPA002
kg
269g
SILSUP
FPA012
40x70mm.
kg
i
1
EN 24869-1:1993, EN ISO 4869-3 2007, EN 3521:2002, EN 13819-1 (2004), EN 13819-2 (2004).
Certificação CE nº008/2009.
kg
130g
kg
EN 352, AS/NZS 1270:2002.
PVC
PVC
ABS
ABS
P OM
PP
P UR- E
PVC
Protector Auricular Peltor Optime 3
H540 Alta Visi.
Protector Auricular T/Auscultador
14 Palanca
Protector Auricular T/Auscultador
Bilsom Match 1
A gama de protecção auditiva passiva Optime III da
Peltor está disponível nas opções de banda de cabeça,
banda de pescoço ou para montagem em capacete.
Estes produtos foram desenvolvidos para fornecer um
elevado nível de atenuação, particularmente em situações
de baixas frequências em ambientes de trabalho
especialmente ruidosos. Quando usados correctamente,
estes produtos reduzem a exposição a sons elevados com
níveis perigosos de ruído.
O Optime III para montagem em capacete foi projectado
para ser utilizado com uma ampla gama de capacetes de
segurança industrial.
O protector auditivo 14 foi especialmente desenhado para
proteger o utilizador de forma óptima, contra a exposição
continuada ao elevado ruído, reduzindo os seus efeitos
prejudiciais. O seu desenho ergonómico permite aos
utilizadores desempenhar as suas actividades com total
comodidade e sem transtornos, podendo adaptar-se
fácilmente a diferentes morfologias. Ideal para trabalhos
em ambientes de elevado ruído ao longo de um dia de
trabalho. Máxima eficácia nas condições laborais mais
exigentes.
Adequados como protecção ao ruído, como por exemplo:
no Exército/Defesa, ambientes ATEX, indústrias automotiva
e aviação, construção naval, construção, catering, química
e petro-química, energia ou eletricidade, alimentícia e
pescas, agricultura, médica e farmacêutica, laboratórios,
siderurgia, aço e metal, fundição, vidro, mineira e
pedreiras, espaços verdes e protecção contra incêndios,
madeiras, defesa doméstica, limpezas industriais,
logística, manutenção, impressão e do papel, serviços
de telecomunicações, indústrias têxteis, transportes,
utilitários, tratamento de águas, soldagem, etc.
PELOPT3H540A
FPA013
PROA14APALANCA
Ún ic o , a justável .
Único , a j u s t á v e l .
i
1
i
1
kg
kg
FPA003
UNE EN 352-1:1993, EN 352-3:2002.
kg
270g
BILMACH1
Ú ni co, aj ustável .
i
1
kg
UNE EN 352-1:2002, EN 24869-1:1993, EN ISO
4869-3:2007, EN 13819-1 (2004), EN 13819-2
(2004).
FPA010
kg
141g
kg
UNE EN 352-1:2002, BS EN 24869-1:1993, ISO
4869-1:1990.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
Quando utilizar:
As entidades patronais devem colocar à disposição do colaborador protecção
auditiva adequada, quando o nível de ruído constante exceder os 80bB, sendo
que a utilização dos mesmos é obrigatória quando o ruído constante exceder os
85dB (Directiva Europeia 2003/10/EC).
36
Importante na escolha:
- Identificar o nível de ruído: estável, flutuante, intermitente, impulsivo;
- Caracterizar o ruído no posto de trabalho: intensidade (dB) e frequência (Htz);
- Calcular a atenuação necessária para voltar a valores aceitáveis (80dB).
SNR (Standard Noise Reduction) é utilizado como sistema de avaliação que
permite comparar o nível de protecção entre os protectores. Assim, mediante o
índice SNR e as características de conforto é possível determinar que produto
se adapta melhor ao pretendido.
PROTECÇÃO AUDITIVA
PO M
P o lia m id a
PP
ABS
03
PVC
PUR- E
PVC
Protector Auricular JSP Supamuff
Green
JSPPROAURSUPMUF
FPA011
Para protecção do ruído em diversas aplicações, como
por exemplo: no Exército/Defesa, ambientes ATEX,
indústrias automotiva e aviação, construção naval,
construção, catering, química e petro-química, energia
ou eletricidade, alimentícia e pescas, agricultura, médica
e farmacêutica, laboratórios, siderurgia, aço e metal,
fundição, vidro, mineira e pedreiras, espaços verdes e
protecção contra incêndios, madeiras, defesa doméstica,
limpezas industriais, logística, manutenção, impressão
e do papel, serviços de telecomunicações, indústrias
têxteis, transportes, utilitários, tratamento de águas,
soldagem, etc.
Protector Auricular T/Auscultador
10 Palanca
Protector Auricular c/ Cordão 13-C
Palanca (cx 100 pares)
O protector auditivo 10 foi especialmente desenhado para
proteger o utilizador de forma óptima, contra a exposição
continuada ao elevado ruído, reduzindo os seus efeitos
prejudiciais. O seu desenho ergonómico permite aos
utilizadores desempenhar as suas actividades com total
comodidade e sem transtornos, podendo adaptar-se
fácilmente a diferentes morfologias.
Ideal para trabalhos em ambientes de elevado ruído ao
longo de um dia de trabalho.
Máxima eficácia nas condições laborais mais exigentes.
O protector auricular 13-C utiliza-se para a protecção
dos ouvidos contra o ruído procedente de maquinaria,
e em geral, contra qualquer tipo de ruído que possa ser
prejudicial ou incómodo para o utilizador. Os tampões
auditivos deverão ser utilizados durante todo o tempo de
permanência em zonas ruidosas.
i
13 0 g
Ú ni co, aj ustável .
kg
165g
i
140
kg
i
100
1
1
1
FPA005
TAMA13PALANCA
Ún ic o , a justável .
40x 70 m m .
kg
FPA004
PROA10PALANCA
kg
kg
UNE EN 352-2:1994.
30kg
UNE EN 352-1.
kg
UNE EN 352-1.
Monopr eno
TP E
C o n f o rm ing M ater ial
Te cnhology
Pol i és ter
Protector Auricular 3M 1271 c/
Cordão (fio)
3M1271
FPA007
O tampão auditivo 3M 1271 é reutilizável e está
desenhado para inserção no canal auditivo e ajudar a
reduzir a exposição a níveis prejudiciais de ruído e som
altos. São adequados como protecção ao ruído em
diversas aplicações, como por exemplo: na indústria do
metal, automação, construção, indústria téxtil, indústria
química e farmacêutica, imprensa, trabalhos com madeira,
etc.
Único , a j u s t á v e l .
i
1
Protector Auricular Bilsom 556 S c/
Caixa Nova Ref.ª Fusion
Protector Auricular How. Leight
Smartfit Cord
Proteccção do ruído no Exército/Defesa, ambientes
ATEX, indústrias automotiva e aviação, construção naval,
construção, catering, química e petro-química, energia
ou eletricidade, alimentícia e pescas, agricultura, médica
e farmacêutica, laboratórios, siderurgia, aço e metal,
fundição, vidro, mineira e pedreiras, espaços verdes e
protecção contra incêndios, madeiras, defesa doméstica,
limpezas industriais, logística, manutenção, impressão e
do papel, serviços de telecomunicações, indústrias têxteis,
transportes, utilitários, tratamento de águas, soldagem,
etc.
Proteccção do ruído no Exército/Defesa, ambientes
ATEX, indústrias automotiva e aviação, construção naval,
construção, catering, química e petro-química, energia
ou eletricidade, alimentícia e pescas, agricultura, médica
e farmacêutica, laboratórios, siderurgia, aço e metal,
fundição, vidro, mineira e pedreiras, espaços verdes e
protecção contra incêndios, madeiras, defesa doméstica,
limpezas industriais, logística, manutenção, impressão e
do papel, serviços de telecomunicações, indústrias têxteis,
transportes, utilitários, tratamento de águas, soldagem,
etc.
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
BIL556S
UNE EN 352-2:1993.
kg
70g
kg
EN 352-1
Protectores Auriculares. Requisitos gerais.
EN 352-2
Tampões Auditivos. Requisitos de segurança e ensaios.
EN 352-3
Protectores Auriculares colocados em capacetes. Requisitos gerais.
EN 352-4
Protectores Auriculares com dependência de nível.
89g
FPA009
i
1
kg
EN 352-2:2002, EN 13819-1:2002, EN 138192:2002.
NORMAS
HLSMACOR1PAR
i
1
kg
kg
FPA008
kg
EN 352-2:2002.
EN 352-5
Protectores Auriculares com atenuação activa do ruído.
EN 352-6
Protectores Auriculares com entrada de áudio eléctrica.
EN 352-7
Tampões Auditivos com dependência de nível.
EN 352-8
Protectores Auriculares com áudio de entretenimento.
EN 458
Selecção, cuidado, uso, manutenção.
37
03 PROTECÇÃO AUDITIVA
Es puma
E sp u m a
Protectores Auriculares PELTOR
NEXT SOLAR
Protector Auricular 3M 1110 c/
Cordão (fio)
O tampão auditivo SOLAR utiliza-se para a protecção
dos ouvidos contra o ruído procedente de maquinaria,
e em geral, contra qualquer tipo de ruído que possa ser
prejudicial ou incómodo para o utilizador. Os tampões
auditivos deverão ser utilizados durante todo o tempo de
permanência em zonas ruidosas.
O tampão auditivo 3M utiliza-se para a protecção dos
ouvidos contra o ruído procedente de maquinaria, e
em geral, contra qualquer tipo de ruído que possa ser
prejudicial ou incómodo para o utilizador. Os tampões
auditivos deverão ser utilizados durante todo o tempo de
permanência em zonas ruidosas. A fórmula ultra-macia
da espuma permite um uso confortável durante todo o
dia, e o formato afunilado para fácil inserção garante uma
vedação eficaz por fixação ao canal auditivo.
Disponível com ou sem cordão “LiveWire”.
O tampão auditivo 13-E utiliza-se para a protecção dos
ouvidos contra o ruído procedente de maquinaria, e
em geral, contra qualquer tipo de ruído que possa ser
prejudicial ou incómodo para o utilizador. Os tampões
auditivos deverão ser utilizados durante todo o tempo de
permanência em zonas ruidosas. A fórmula ultra-macia
da espuma permite um uso confortável durante todo o
dia, e o formato afunilado para fácil inserção garante uma
vedação eficaz por fixação ao canal auditivo.
Disponível com ou sem cordão “LiveWire”.
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
PELNEXSOL
FPA006
Único, a j u s t á v e l .
i
1
3M1110
kg
kg
FPA016
kg
kg
Distribuidor Bilsomat400 c/400
Pares 303Inst (1006202)
Protecção do ruído no Exército/Defesa, ambientes ATEX,
indústrias automotiva e aviação, construcção naval,
construção, catering, química e petro-química, energia
ou eletricidade, alimentícia e pescas, agricultura, médica
e farmacêutica, laboratórios, siderurgia, aço e metal,
fundição, vidro, mineira e pedreiras, espaços verdes e
protecção contra incêndios, madeiras, defesa doméstica,
limpezas industriais, logística, manutenção, impressão
e do papel, serviços de telecomunicações, indústrias
têxteis, transportes, utilitários, tratamento de águas,
soldagem, etc.
Dispensador de tampões.
Protecção do ruído no Exército/Defesa, ambientes ATEX,
indústrias automotiva e aviação, construcção naval,
construção, catering, química e petro-química, energia
ou eletricidade, alimentícia e pescas, agricultura, médica
e farmacêutica, laboratórios, siderurgia, aço e metal,
fundição, vidro, mineira e pedreiras, espaços verdes e
protecção contra incêndios, madeiras, defesa doméstica,
limpezas industriais, logística, manutenção, impressão
e do papel, serviços de telecomunicações, indústrias
têxteis, transportes, utilitários, tratamento de águas,
soldagem, etc.
i
1
kg
48 g
EN 352-2:2002.
100
1
i
kg
PVC
Recarga p/Distribuidor Bilsomat
400-303I (200p.)
Único , a j u s t á v e l .
FPA017
N/A.
Pol i ur etano
FPA014
TAMA13EPALANCA
kg
N/A.
RECBIL400303L
Protector Auricular c/ Cordão Azul
13-E Palanca (cx 100 pares)
i
1
N/A.
BILDIS400303L
FPA015
Ún ic o , a justável .
i
1
kg
kg
kg
N/A.
EN 13819-1
Métodos de Ensaios Físicos.
EN 13819-2
Métodos de Ensaios Acústicos.
EN 24869
Acústica. Protectores auditivos contra o ruído. Parte 1: Método subjectivo de
medida da atenuação acústica. (ISO 4869-1:1990). (versão oficial EN 248691:1992).
38
E spum a
AS/NZS 1270
Acústica - Especificações de design, materiais e performances de protectores
auriculares convencionais.
PROTECÇÃO AUDITIVA
03
39
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
04
PROTECÇÃO
RESPIRATÓRIA
Máscaras Filtrantes
Máscaras Faciais
Filtros
Outros Aparelhos
Os trabalhadores podem estar sujeitos de um modo frequente ou ocasional a poluição no seu ambiente de trabalho.
Os ambientes de trabalho podem assim ser poluídos essencialmente, quer por falta de oxigénio, quer pela
existência de partículas e/ou por gases e vapores, cujos graus de contaminação podem ser avaliados com base nas
propriedades dos contaminantes. Deste modo, os aparelhos de protecção individual podem ser de dois tipos: uns
dependem da atmosfera ambiente e têm a função de purificar o ar recebido pelo trabalhador, sendo designados
por aparelhos filtrantes (máscaras para filtragem física ou química do ar inalado); e outros são independentes da
atmosfera ambiente e têm a função de fornecer o ar ou oxigénio puro.
Os EPI’s de vias respiratórias do tipo filtrante, só devem ser utilizados quando a concentração de oxigénio na
atmosfera seja de, pelo menos 16% em volume.
A utilização dos filtros é limitada, variando em função da protecção filtrante:
- FFP1: máximo nível de utilização 4xTLV (Valor Limite de Exposição);
- FFP2: máximo nível de utilização 10xTLV (Valor Limite de Exposição);
- FFP3: máximo nível de utilização 50xTLV (Valor Limite de Exposição).
Os filtros empregues nas máscaras classificam-se em:
• Mecânicos - protecção de pós e partículas; distinguem-se pela cor branca, letra P e o número indica o seu poder
de retenção:
P1 - poder de retenção normal para partículas sólidas;
P2 - alto poder de retenção para partículas sólidas e líquidas;
P3 - máximo poder de retenção para partículas sólidas e líquidas.
• Químicos - protecção de gases e vapores químicos; distinguem-se pela cor branca, letra P, e o número indica o seu
poder de retenção (1, 2 ou 3).
04 PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
Pol i pr opi l eno
Máscara VIVAIR (máscara de
higiene) (MASVIV)
MASVIV
FPR013
Máscara em forma de concha, descartável, dotada de
correias elásticas e de um clipe nasal.
A máscara VIVAIR está desenhada para oferecer
a máxima protecção na indústria agro-alimentar,
colectividades, sector industrial, altas tecnologias, sector
da saúde.
Único.
i
50
kg
kg
P o lip ro p ile n o
P olipr opileno
P o lié st e r
P oliéster
Máscara Willson 3203 Super One
FFP1S1 s/ Válvula EN149
Máscara Willson 3204 Super One
FFP1S1 c/ Válvula
Máxima protecção na indústria automóvel, construção,
ferro e aço, médico e farmacêutico, têxtil e nas
actividades de manuseamento de líquidos e pós,
manutenção, moagem (pequenos trabalhos), tratamento
de paredes (simples salpicos) ou ainda contra alguns pós,
neblinas e fumos que contenham carbonato de cálcio,
cimento, barro, celulose, charcarvão, algodão, farinha,
vidro wool, caulim, metais (ferrosos e não ferrosos)
e fluidos de metalurgia, vidro fibres, óleos (vegetal e
mineral).
Máximo nível de utilização: 4 x TLV.
A meia-máscara de filtragem moldada não reutilizável
FFP1 pertencente às Séries Economy, foi criada para
oferecer uma aplicação muito intuitiva sem comprometer
o conforto. Força uma forma exclusiva “Um tamanho para
todos” com uma área do nariz pré-formada, uma válvula
e dois elásticos agrafados. Estrutura semi-rígida: forma
mantida, mesmo em ambientes com humidade e cargas
pesadas. Parte superior pré-formada (sem suporte do
nariz) para um ajuste rápido e fácil, altamente eficiente
e seguro. Volume interno excelente para falar e respirar
facilmente.
Máximo nível de utilização: 4 x TLV.
WIL3203
FPR044
Ún ic o .
N/A.
i
30
kg
7g
kg
WIL3204
Ú ni co.
20
kg
EN 149:2001 + A1:2009.
WIL3206
P o lip ro p ile n o
Pol i és ter
P o lié st e r
FPR016
Máscara Willson 5209 FFP2 c/
Válvula
WIL5209
Máxima protecção nas indústrias da agricultura e
horticultura, fabrico automóvel e de peças, construção,
comida, fundição, ferro e aço, médico e farmacêutico,
exploração mineira e pedreira, óleo e gás, têxtil, madeira
e nas actividades de limpeza e alimentação animal,
colheita em agricultura, corte e moldagem de metais,
manuseamento de líquidos e pós, manutenção, moagem,
pintura, se for numa área bem ventilada, estucagem,
lixagem, manuseamento de sementes, trabalhos em
madeira, ou ainda contra alguns pós, neblinas e fumos
que contenham alérgenos, carbonato de cálcio, barro,
carvão, betão, fibras, farinha, insecticidas e herbicidas,
metais, minerais (quartzo, molibdénio...), óleos, plásticos,
silicato de sódio, vernizes (à base de água), madeira
(dura).
Máximo nível de utilização: 10 x TLV.
Único .
Ún ic o .
kg
12 g
kg
EN 149:2001.
i
20
kg
15g
Quando utilizar:
Em casos de exposição a agressões respiratórias como poeiras, aerossóis,
fumos, gases ou vírus.
Importante na escolha:
kg
P olipr opileno
Máscara Medop P2 Dobrável FFP2
s/ Válvula ref.ª 905283
MASMEDP2PLE
FPR047
Meia máscara confeccionada a partir de tecidos filtrantes
dobrados e soldados por ultra-sons. Aptas para utilização
em minarias, construção, fundições de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 10 x TLV.
Ú ni co.
20
kg
11g
i
kg
EN 149:2001.
i
kg
EN 149:2001.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
- Identifique o meio ambiente: poeiras, fumos metálicos, gás, vapor, etc.
Conhecer o produto tóxico: avaliar e anotar a toxicidade (concentração).
- Avalie o Risco: comparar os níveis de perigo com as normas de segurança
e considerar outra protecção - pele, olhos e corpo. Avaliar o risco de Atmosfera
Explosiva (ATEX).
42
FPR014
Máxima protecção nas indústrias da agricultura e
horticultura, fabrico automóvel e de peças, construção,
comida, fundição, ferro e aço, médico e farmacêutico,
exploração mineira e pedreira, óleo e gás, têxtil, madeira,
corte e moldagem de metais, manuseamento de líquidos
e pós, manutenção, moagem, pintura, se for numa área
bem ventilada, lixagem, manuseamento de sementes,
carpintaria, ou ainda contra alguns pós, neblinas e fumos
que contenham, alumínio, alérgenos, carbonato de
cálcio, charcarvão, barro, celulose, betão (em pó), cobre,
algodão, farinha, metais, fibras de vidro, manganésio,
molibdénio, óleos, plásticos, quartzo, silicato de sódio,
enxofre, titânio, vanádio, tintas e vernizes (à base de
água), madeira (dura).
Máximo nível de utilização: 10 x TLV.
20
11g
i
EN 149:2001.
Pol i pr opi l eno
Máscara Willson 3206 FFP2 c/
Válvula
FPR015
- Seleccione a Máscara certa - descartável, reutilizável, meia máscara,
capuchos, motorizadas, ar assistido. Determinar o tipo de filtro: A, B, mc, K e
a classe 1,2,3.
NORMAS
EN 136
Máscaras completas para utilizar com filtros e equipamentos de protecção
respiratória (ARI de adução de ar comprimido, de ar livre ou autónomo,
respiração assistida, etc). Inclui ensaios relativos à resistência à temperatura,
PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
Pol i pr opi l eno
04
P o lip ro p ile n o
P olipr opileno
P oliéster
Máscara Medop P2 Dobrável FFP2
c/ Válvula Refª 905284
MASMEDP2PLECV
FPR048
Meia máscara confeccionada a partir de tecidos filtrantes
dobrados e soldados por ultra-sons.
Aptas para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 10 x TLV.
Único .
i
20
kg
11 g
kg
Máscara FFP3 NR D SL 23305 c/
Válvula
Máscara Medop FFP1S1 c/ Válvula
(=3204) Ref.ª 911160
FPR045
MASFFP323305
FPR046
MASMEDFFP1VAL
Projectada para oferecer uma utilização muito intuitiva
sem comprometer o conforto do utilizador. Tem uma
forma adequada para apoio ao nariz, com uma válvula de
inspiração. Estrutura semi-rígida: forma mantida, mesmo
em ambientes com humidade e cargas pesadas. Parte
superior pré-formada de apoio ao nariz, para um ajuste
rápido e fácil, altamente eficiente e seguro, com válvula de
inspiração. Volume interno excelente para falar e respirar
facilmente. Sem látex, sem silicone, sem PVC.
Máximo nível de utilização: 50 x TLV.
Projectada para oferecer uma aplicação muito intuitiva
sem comprometer o conforto do utilizador. Tem uma
forma adequada para apoio ao nariz, pré-formada, e dois
elásticos agrafados. Sem látex, sem silicone, sem PVC.
Sem restricções quanto a aplicações e alergias. Estrutura
semi-rígida: forma mantida, mesmo em ambientes com
humidade e cargas pesadas. Parte superior pré-formada
para um ajuste rápido e fácil, altamente eficiente e seguro.
Volume interno excelente para falar e respirar facilmente.
Amiga do ambiente.
Máximo nível de utilização: 4 x TLV.
Ún ic o .
Ú ni co.
EN 149:2001.
20
kg
19g
i
kg
20
kg
EN 149:2001 + A1:2009.
Pol i pr opi l eno
11g
i
kg
EN 149:2001.
P o lip ro p ile n o
P olipr opileno
Máscara Filtrante s/ Válvula 1710
(tipo FFP1) Palanca
Máscara Filtrante c/ Válvula 1710-V
(tipo FFP1) Palanca
Meia Máscara Filtrante FFP1 c/
Carvão Activo Mod.1710-C Palanca
Meia máscara confeccionada a partir de tecidos filtrantes
dobrados e soldados por ultra-sons.
Aptas para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 4 x TLV.
Meia máscara confeccionada a partir de tecidos filtrantes
dobrados e soldados por ultra-sons, com válvula de
exalação.
Aptas para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 4 x TLV.
MASF1710PALANCA
FPR007
Único .
20
kg
i
MASF1710VPALANCA
20
EN 149:2001 + A1:2008.
aos choques, à chama, à radiação térmica, à tracção, aos produtos de
limpeza e de desinfecção. Além disso, a inspecção visual deve abranger a
marcação e o manual de uso do fabricante.
EN 137
Equipamentos autónomos de respiração de circuito aberto de ar comprimido
com máscara completa. Requisitos, ensaios, registos.
EN 139
Equipamentos de protecção respiratória com línha de ar comprimido para
utilizar-se com máscaras, mascarilhas ou adaptador facial tipo boquilha.
Requisitos, ensaios, registos.
FPR005
12
i
i
kg
kg
kg
kg
MASF1710CPALANCA
Meia máscara confeccionada com carvão activo e válvula
de exalação.
Aptas para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 4 x TLV.
Ú ni co.
Ún ic o .
kg
EN 149:2001 + A1:2008.
FPR023
EN 149:2001.
EN 140
Meias-máscaras e quarto de máscara para utilizar com filtros e equipamentos
de protecção respiratória (ARI de adução de ar comprimido. Respiração
assistida, etc).
EN 141/EN 14387
Filtros anti-gás e filtros combinados para equipamentos de protecção
respiratória de pressão negativa. Estão classificados segundo o seu tipo e
classe. Existem 3 classes que correspondem a uma diferença de capacidade
de filtro e uma concentração máxima de tóxico autorizada em ar contaminado.
43
04 PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
P o lip ro p ile n o
P olipr opileno
Máscara Filtrante s/ Válvula 1720
(tipo FFP2) Palanca
Máscara Filtrante c/ Válvula 1720-V
(tipo FFP2) Palanca
Meia Máscara Filtrante FFP2 c/
Carvão Activo Mod.1720-C Palanca
Meia máscara confeccionada a partir de tecidos filtrantes
dobrados e soldados por ultra-sons.
Aptas para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 10 x TLV.
Meia máscara confeccionada a partir de tecidos filtrantes
dobrados e soldados por ultra-sons, com válvula de
exalação.
Aptas para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 10 x TLV.
Meia máscara confeccionada com carvão activo e válvula
de exalação.
Aptas para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 10 x TLV.
Ún ic o .
Ú ni co.
Pol i pr opi l eno
MASF1720PALANCA
FPR008
Único.
i
12
MASF1720VPALANCA
FPR024
kg
kg
EN 149:2001 + A1:2008.
i
12
kg
kg
EN 149:2001.
EN 149:2001 + A1:2008.
Polipropileno
FPR006
i
12
kg
kg
MASF1720CPALANCA
Polipropileno
E lastóm er o
Ter m oplástico
Máscara Auto-Filtrante Conforto s/
Válvula 708 Palanca
FPR010
MASF708PALANCA
Máscara descartável para particulas não tóxicas.
Como elemento de higiene (indústria alimentar, etc.)
Único .
50
kg
i
Máscara Filtrante c/ Válvula 1730
(tipo FFP3) Palanca
MASF1730PALANCA
Máscara Sundstrom SR90-3
Aprovado Indústria Alimentar
FPR009
Meia máscara confeccionada a partir de tecidos filtrantes
dobrados e soldados por ultra-sons. Apresenta-se com
válvula de exalação para facilitar a expulsão do ar.
Apta para utilização em minarias, construção, fundições
de ferro e aço.
Máximo nível de utilização: 50 x TLV.
Ún ic o .
kg
12
EN 149:2001 + A1:2008.
i
SUNMASSR90
FPR043
Máscara Sundstrom em elastómero termoplástico sem
visor.
A máscara pode ser usada quer como um dispositivo de
filtração, em combinação com os filtros da gama de filtros
Sundstrom, ou como um aparelho de respiração com um
fluxo contínuo de ar em conjunto com o acessório de ar
comprimido SR 307.
S/M e M/L.
i
kg
kg
EN 149:2001 + A1:2008.
kg
kg
EN 140:1998.
Classe 1: 0,1%; Classe 2: 0,5%; Classe 3: 1%. A norma inclui ainda os
ensaios de laboratório destinados a garantir a conformidade da resistência
aos choques, à temperatura, à humidade, aos ambientes corrosivos e da
resistência mecânica e respiratória.
EN 143
Filtros contra partículas para equipamentos de protecção respiratória de
pressão negativa. São eficazes contra o pó e fibras, maioria de fumos e
bactérias. Adaptados para semi-máscaras conformes EN 140 ou máscaras
completas EN 136.
44
Existem 3 classes:
P1 - Eficácia de filtração baixa;
P2 - Eficácia de filtração média;
P3 - Eficácia de filtração alta.
A norma refere-se à resistência aos choques, à temperatura, à humidade e aos
ambientes.
EN 149
Meias-máscaras filtrantes contra partículas de uso único. Existem 3 classes de
protecção FFP1, FFP2 e FFP3. A norma diz respeito aos ensaios de resistência
PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
Elastómero
04
N e o p re n e
S ilicone
P o lica rb o n a t o
P olicar bonato
FPR040
Máscara Scott Panaseal Adaptável
a Aparelhos Respiratórios
Máscara Sundstrom em Silicone
SR200 Visor Policarbonato
Meia máscara reutilizável, da Série 6000 da 3M.
Económica, de baixa manutenção, simples de manusear e
extremamente leve. Disponíveis em três tamanhos, todas
as máscaras têm um sistema de ligação de baioneta
3M™, permitindo a sua ligação a uma larga gama de
filtros opostos para o proteger contra gases, vapores
e partículas, dependendo das suas necessidades
individuais.
A máscara PanaSeal foi projectada como aparelho de
respiração profissional, especificamente como aparelho
SCBA ( Self Contained Breathing Apparatus), de combate
em incêndios, a partir da gama de aparelhos Airline e
Escape. Também é adequada para fornecer proteção
respiratória para qualquer ambiente IPVS (Imediatamente
Perigoso à Vida e à Saúde).
A máscara pode ser usada quer como um dispositivo
de filtração, em combinação com os filtros da gama de
filtros Sundstrom, ou como um aparelho de respiração
com um fluxo contínuo de ar em conjunto com o anexo
de ar comprimido SR 307. Pode ser também usada como
topo da cabeça, juntamente com a unidade de ventilação
Sundström SR 500.
S, M e L .
2 3 x1 7 x1 3 cm.
Ú ni co, aj ustável .
Máscara 3M 6200 de Duplo Filtro
3M6200
MASSCOPANASEAL
FPR041
83g
kg
kg
1 kg
kg
kg
kg
EN 136:1998.
Si l i c one
P o lie t ile n o
P olietileno
Pol i c ar bonato
S ilico n e
S ilicone
Máscara Facial 731 Silicone
Palanca
Máscara 762-S A1 Palanca
MAS762SA1PALANCA
FPR001
O seu desenho permite um acoplamento completamente
estanque à face do utilizador, proporcionando a máxima
hermeticidade contra os contaminantes do meio ambiente.
A máscara facial é compatível com filtros contra gás,
filtros contra o pó e filtros combinados que têm rosca de
conexão standard conforme a norma EN-148/1.
Ideal para trabalhar em atmosferas contaminadas cuja
proporção de oxigénio contido na área, seja superior a
17% em volume.
Máscara 757-S A1 Palanca
FPR012
MAS757SA1PALANCA
A máscara 757-S está desenhada para oferecer a máxima
protecção face à maioria dos contaminantes, seja em
fase de gás, vapor ou em combinação com partículas.
O conjunto adapta-se perfeitamente a todo o tipo de
gestos e movimentos, oferecendo sempre o máximo nível
de protecção. A máscara caracteriza-se pela sua baixa
manutenção e pelos seus acessórios, trazendo grande
comodidade, sensatez de utilização e duração.
Ún ic o , a justável .
Ú ni co, aj ustável .
i
i
i
1
kg
FPR011
A máscara 762-S está desenhada para oferecer a máxima
protecção face à maioria dos contaminantes, seja em
fase de gás, vapor ou em combinação com partículas.
O conjunto adapta-se perfeitamente a todo o tipo de
gestos e movimentos, oferecendo sempre o máximo nível
de protecção. A máscara caracteriza-se pela sua baixa
manutenção e pelos seus acessórios, trazendo grande
comodidade, sensatez de utilização e duração.
Único , a j u s t á v e l .
kg
i
EN 136, EN 137:2006 e EN 139.
N/A.
MASF731PALANCA
FPR042
i
i
kg
SUNMASSR200
kg
kg
UNE EN 140:1998.
kg
kg
UNE EN 149:1998.
EN 136:1998.
aos choques, aos produtos de limpeza e de desinfecção, à temperatura, à
chama e os ensaios de resistência respiratória.
EN 271
Equipamentos de protecção respiratória com línha de ar comprimido com
mangueira de ar fresco de ventilação assistida com capuz utilizados para as
operações de protecção de abrasivos. Requisitos, ensaios, registos.
EN 371/EN 14387
Filtros AX anti-gás e filtros combinados contra compostos orgânicos com ponto
de ebulição baixo (<65º). Estes filtros são de uso único.
EN 405
Meias-máscaras filtrantes com válvulas e filtros anti-gás ou anti-gás e
partículas. Especifica os ensaios em termos de resistência as manipulações,
ao desgaste, aos choques, à chama e à resistência respiratória.
EN 12941
Equipamentos filtrantes de respiração assistida com capacetes ou capuchos
contra partículas, gases e vapores. 3 classes para todo o equipamento: TH1,
TH2, TH3. Os capuchos de filtração contra partículas levam a marcação:
TH1P, TH2P e TH3P.
45
04 PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
Poliéster
Máscara c/ Capuz PVC 761 A1
Palanca
MASC761A1PALANCA
PREFIL221
FPR026
O conjunto, composto por capuz, mascarilha e filtro,
oferece uma plena protecção da cabeça, pescoço e
nuca, face a agentes como água, pó, e certas substâncias
químicas...(em função do filtro); produzido com materiais
leves e de alta resistência que não produzem efeitos
nocivos para a saúde e higiene do utilizador.
Pré-filtro 221 para máscaras SR90.
O pré-filtro SR 221 é um disco que é utilizado para
prender as partículas grossas, prolongando o tempo de
vida dos filtros de partículas P3 SR 510 R, SR P3 610 R, R
SR P3 710, filtro combinado SR 299-2 ABEK1-Hg-P3 P e
SR 599 A1BE2K1-Hg-P3 R.
82x 59x 5 1 c m .
Ún ic o .
70
1
kg
26 K g
kg
SUNFIL218
FPR028
Filtro de gás 218-A2 (EN141) de protecção de compostos
orgânicos com ponto de ebulição acima dos 65ºC.
Adequado para protecção contra gases e vapores
orgânicos, tais como solventes, com pontos de ebulição
> 65 °C.
Ú ni co.
i
i
i
kg
1 ,1 g
kg
kg
kg
EN 141 e EN 14387:2004.
N/A.
N/A EN 140:1999, EN 143:2001 e EN14387:2004.
ABS
ABS
ABS
Filtro 315 (219)-A1B1E1 p/Máscara
SR-90 H02-3212
Filtro 297-A1B1E1K1 p/Máscara
SR-90 H02-5312
Filtro 316-K1 p/Máscara SR-90
H02-4212 (amoníaco)
Filtro de Gás 315 A1B1E1 (EN141). Protegem de
compostos orgânicos com ponto de ebulição acima dos
65ºC, de compostos inorgânicos e de gases/vapores
ácidos. Adequado para protecção contra gases e vapores
orgânicos, tais como solventes, com pontos de ebulição
> 65 °C.
Filtro de Gás 297 ABEK1 (EN141). Protege de compostos
orgânicos com ponto de ebulição acima dos 65ºC, de
compostos inorgânicos, de gases/vapores ácidos e de
amoníaco. Adequado para protecção contra gases e
vapores orgânicos, tais como solventes, com pontos de
ebulição > 65 °C.
Filtro de Gás 316 K1 (EN141) indicado para protecção de
amoníaco.
Adequado para protecção contra gases e vapores
orgânicos, tais como solventes, com pontos de ebulição
> 65 °C.
Único .
Ún ic o .
SUNFIL315
FPR030
SUNFIL297
FPR029
kg
kg
EN 141 e EN 14387:2004.
SUNFIL316
FPR031
Ú ni co.
i
i
i
kg
kg
EN 14387:2004.
EN 12942
Equipamentos Filtrantes de Respiração Assistida com máscaras completas,
meias-máscaras ou quartos de máscaras (ex. EN 147) contra partículas, gases
e vapores. As 3 classes são: TM1, TM2 e TM3.
EN 14593-1
Aparelho de protecção respiratória de ar comprimido com válvula de comando
e máscara completa (substitui a EN139).
EN 14593-2
Aparelho de protecção respiratória de ar comprimido com válvula de comando
e meia-máscara (substitui a EN139).
46
Filtro 218-A2 p/Máscara SR-90
(vapores orgânicos + pintura)
Pré-Filtro 221 p/Máscara SR90
(maior duração do filtro)
FPR038
ABS
kg
kg
EN 141 e EN 14387:2004.
NFPA 1981
Esta norma estabelece níveis de protecção respiratória e requisitos funcionais
para SCBA usado pelo pessoal dos serviços de emergência.
AS/NZS 1716Esta norma especifíca requisítos para equipamentos de protecção
respiratória, para fornecer, de acordo com o tipo, vários tipos de protecção.
PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
ABS
04
ABS
ABS
Filtro 510 P3 p/Máscara SR-90
(micropoeiras)
Filtro p/Máscaras 757/762 ABEKP3
Palanca
Filtro p/Máscaras 757/762 A1P3
Palanca
Filtro de partículas 510 P3 para máscaras de micropoeiras
SR-90.
Filtro de partículas 510 P3 é um filtro mecânico que
fornece protecção contra todos os tipos de partículas
(poeira, fumaça, névoa, spray de amianto), e até mesmo
bactérias, vírus e poluição radioativa.
Os filtros 757/762 que se usam nas máscaras de modelo
757/762, estão aprovados para a protecção contra certos
gases e vapores orgânicos e inorgânicos, poeiras, fumos
e névoas com e sem óleo. ABEK - Classe 1 (até 1000
ppm), valores e gases orgânicos com ponto de ebulição
> 65ºC, gases e vapores inorgânicos, gases e vapores
ácidos, vapores de amoníaco. P3 - até 50 x TLV, poeiras,
fumos e neblinas com ou sem gordura.
Os filtros 757/762 que se usam nas máscaras de modelo
757/762, estão aprovados para a protecção contra certos
gases e vapores orgânicos e inorgânicos, poeiras, fumos
e névoas com e sem óleo. A1 - classe 1 (até 1000 ppm)
valores e gases orgânicos com ponto de ebulição > 65ºC.
P3 - até 50 x TLV, poeiras, fumos e neblinas, com ou
sem gordura. Ideal para trabalhos de pintura, soldadura,
indústria de aço, indústria de vidro, indústria farmacêutica,
indústria mineira, etc.
SUNFIL210
FPR027
Único.
i
FILA1B1PALANCA
FPR002
Ún ic o .
i
10
kg
kg
EN 143 e EN 12941/12942:1998.
FILA1P3PALANCA
FPR003
Ú ni co.
kg
kg
EN 14387:2004 e EN 143:2000.
i
10
kg
kg
EN 14387:2004 e EN 143:2000.
Filtro p/Máscaras 757/762 A1
Palanca
FILA1PALANCA
FPR004
Os filtros 757/762 que se usam nas máscaras de modelo
757/762, estão aprovados para a protecção contra certos
gases e vapores orgânicos e inorgânicos, poeiras, fumos
e névoas com e sem óleo. A1 - classe 1 (até 1000 ppm)
valores e gases orgânicos com ponto de ebulição > 65ºC.
Ideal para trabalhos de pintura, soldadura, indústria de
aço, indústria de vidro, indústria farmacêutica, indústria
mineira, etc.
Filtros 3M 6057-ABE1 (EN141)
Filtros p/Máscara 731 Refª725 P3
Filtros de Vapor e de Gás da Série 6000 da 3M™.
Protecção contra gases e vapores orgânicos (ponto
de ebulição superior a 65º) e inorgânicos e gases
ácidos, amoníaco e derivados. Aptos para utilização em
Meias-Máscaras e Máscaras Panorâmicas da série 6000
da 3M. Utilização para cloro, lexívias, ácido clorídico,
dióxido de enxofre, dissolventes em geral.
O filtro 725 P3 é feito de materiais de alta resistência que
não produzem efeitos nocivos sobre a saúde e higiene do
seu utilizador. Para utilização na máscara 731.
O filtro 725 P3 está projetado para ambientes com
conteúdo superior a 17% de oxigénio e contaminados com
particulas sólidas e liquídas, oferecendo uma efectiva e
duradoura protecção.
Ún ic o .
Ú ni co.
3M6057
FPR025
FIL725P3PALANCA
i
Único .
10
kg
Polietileno
Polietileno
ABS
kg
i
kg
kg
EN 141.
FPR017
i
1
kg
+-142,7g
kg
UNE EN 143:1992.
EN 14387:2004 e EN 143:2000.
47
04 PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
Polietileno
Polietileno
Polietileno
Filtro p/Máscaras 731 Refª 725 A2B2-E2-K2-HGP3 Palanca
Filtro p/Máscaras 731 Refª 725 A2B2-E2-K2-P3 Palanca
Filtro p/Máscaras 731 Refª 725 A2P3 Palanca
FIL725HGP3PALANCA
FPR018
O filtro químico 725 A2B2E2K2HgP3 foi projectado para
oferecer uma excelente protecção contra inumeros
gases e vapores de agentes químicos, como gases e
vapores orgânicos com um ponto de ebulição maior que
65ºC, certos gases e vapores inorgânicos (halógeneos,
gases ácidos, etc.), dióxido de enxofre, amoníaco e seus
derivados. Combina esta protecção com um filtro de
partículas que oferece máxima proteção (classe 3) contra
aerossóis de partículas sólidas e partículas líquidas, tais
como poeiras, névoas, fibras no ar, aerossóis, vapores e
aerossóis líquidos e sólidos, segundo a norma EN-143. O
seu roscado normalizado permite acoplar-se a qualquer
máscara de rosca padrão de acordo com EN 148/1.
Único.
i
1
kg
+-400g
FIL725K2P3PALANCA
i
1
kg
+- 4 0 0g
FPR020
Ú ni co.
i
kg
+-300g
kg
UNE EN 141:2001 e EN 143:2001.
kg
UNE EN 141:2001 e EN 143:2001.
Polietileno
Polietileno
Filtro p/Máscaras 731 Refª725 B2E2-P3 Palanca
Filtro p/Máscaras 731 Refª 725 A2
Palanca
Filtro SR-99 p/Ar Comprimido
Portátil H03-2612
O filtro químico 725 B2E2P3 foi projectado para oferecer
uma excelente protecção contra inúmeros gases e
vapores de agentes químicos, como vapores inorgânicos
(halógeneos, gases ácidos, etc.). Combina esta protecção
com um filtro de partículas que oferece máxima proteção
(classe 3) contra aerossóis de partículas sólidas e
partículas líquidas, tais como poeiras, névoas, fibras no
ar, aerossóis, vapores e aerossóis líquidos e sólidos. O
seu roscado normalizado permite acoplar-se a qualquer
máscara de rosca padrão de acordo com EN 148/1.
O filtro químico 725 A2 foi projetado para enfrentar
ambientes com conteúdo superior a 17% de oxigénio
e contaminados com produtos orgânicos tais como
disolventes e tintas, com ponto de ebulição maior que
65ºC, oferecendo uma efectiva protecção. No desenho do
filtro, valorizou-se a comodidade do utilizador, permitindo
uma fácil e cómoda respiração. Graças à sua forma de
campânula reduz-se a resistência à respiração provocada
pela perda de carga. O seu roscado normalizado permite
acoplar-se a qualquer máscara de rosca padrão de
acordo com EN 148/1.
Filtro portátil para Ar Comprimido H03-2612.
O filtro de ar SR-99 utiliza-se para gerar ar limpo para
respirar a partir de ar comprimido.
FIL725B2P3PALANCA
FPR021
Único .
i
1
kg
+- 4 0 0 g
UNE EN 141:2001.
48
FIL725A2P3PALANCA
O filtro químico 725 A2P3 foi projectado para oferecer uma
excelente protecção contra inúmeros gases e vapores
orgânicos com um ponto de ebulição maior que 65ºC.
Oferece ainda a máxima eficácia de filtração segundo
a norma EN-143 contra particulas sólidas e líquidas,
estando perfeitamente apto para proteger-se contra pó
fino, névoas, fibras em suspensão, fumos, aerosóis sólidos
e aerosóis líquidos. O seu roscado normalizado permite
acoplar-se a qualquer máscara de rosca padrão de
acordo com EN 148/1.
1
Ún ic o .
kg
UNE EN 141:2001 e EN 143:2001.
FPR019
O filtro químico 725 A2B2E2K2P3 foi projectado para
oferecer uma excelente protecção contra inumeros
gases e vapores de agentes químicos, como gases e
vapores orgânicos com um ponto de ebulição maior que
65ºC, certos gases e vapores inorgânicos (halógeneos,
gases ácidos, etc.), dióxido de enxofre, amoníaco e seus
derivados. Combina esta protecção com um filtro de
partículas que oferece máxima proteção (classe 3) contra
aerossóis de partículas sólidas e partículas líquidas, tais
como poeiras, névoas, fibras no ar, aerossóis, vapores e
aerossóis líquidos e sólidos, segundo a norma EN-143. O
seu roscado normalizado permite acoplar-se a qualquer
máscara de rosca padrão de acordo com EN 148/1.
kg
FIL725A2PALANCA
FPR022
Ún ic o .
175
1
kg
232g
UNE EN 141:1992.
kg
i
FILSR99
FPR032
Ú ni co.
i
kg
kg
N/A.
PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
04
Fib ra C a rb o n o
A lu m í n io
F i br a Car bono
Fib ra Vid ro
Al umíni o
F i br a Vi dr o
Garrafa Metálica Scott Sigma 300
bar p/Aparelho de Respiração
Garrafa Scott Fibra Carbono 6,8L
300 bar (right angle)
Apar. Respirat. Autónomo SIGMA
ACSm-PS c/Máscara Panaseal
O aparelho de respiração Scott Sigma é um aparelho de
ar comprimido auto-suficiente de circuito aberto. Consiste
numa placa de costas, arnês para transporte e sistema
pneumático, composto por um redutor com conector
de cilindro integrado, manômetro, apito e válvula de
demanda. O aparelho pode ser configurado numa série
de maneiras diferentes para cilindros individuais de vários
tamanhos e para a opção de máscaras Vision 3, PanaSeal,
PanaVisor ou Promask PP.
Cilindro Scott em fibra de carbono de peso e perfil
reduzido.
O cilindro para 60 min. é ideal também para
agrupamentos de bombeiros que atendam áreas com
edifícios de grande altura.
Equipamento respiratório autónomo com arnês retardador
da chama.
O ACS é um aparelho respiratório autónomo de ar
comprimido e circuito aberto para ser utilizado em
aplicações marinhas e industriais onde seja necessário
protecção respiratória de alto nível.
GAR300BARSIG2PS
FPR033
C600x L 2 7 8 x P 2 0 0 m m .
(c/ cilin d r o 6 L / 2 0 0 b a r )
Ún ic o .
i
i
+- 3 k g ( s / c i l i n d r o )
FPR034
APARESSIGACS
i
kg
kg
NFPA 1981:2007.
FPR035
Ú ni co.
kg
kg
1
kg
GARSCOFIBCAR
BS EN 137:2006 e AS/NZS1716.
kg
EN 137:1998.
Apar. Respirat. Autónomo Sabre
SIGMA 2 PS c/Garrafa 6L 300
Bilha com Oxigénio Medicinal B50
FPR036
SCOSIGCGAR6L300BAR
O equipamento Sigma 2 é um conjunto SCBA
(equipamento autónomo) de baixo custo com os mesmos
elevados níveis de protecção respiratória como o Sabre
Contour. Composto para fornecer uma solução simples e
eficaz para o uso na indústria e outros ambientes de nãocombate a incêndios.
Único.
i
kg
BILOXIMED
FPR037
Bilha com oxigénio medicinal B50 para analgesias
inalatórias ou sedação consciente.
A inalação da mistura dos gases oxigênio e óxido nitroso
tem sido utilizada há décadas pelas suas propriedades
sedativas e analgésicas. Em Medicina, essa técnica
é utilizada para aliviar dores amenas a moderadas
(traumas, queimaduras, partos, etc) ou em intervenções
potencialmente dolorosas, tais como: punção lombar,
biópsia, endoscopia, suturas ou redução de fracturas
simples, às vezes em combinação com anestésicos locais.
Ún ic o .
CAPJACARECOMMKIIST
FPR039
Capacete de jato de areia em poliéster reforçado de uma
leve fibra de vidro, com um revestimento de borracha azul.
Ú ni co.
i
1
kg
2kg (c/manguei ra)
kg
EN 271.
i
kg
EN 137, EN 139, AS/NZS1716.
Capacete Jacto Areia Commander
MKII Saia Bisonyl
kg
kg
N/A.
49
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
05
VESTUÁRIO
P ERSONALIZÁVEL
Polos e T-Shirts
Camisas
Batas, Aventais e Túnicas
Calças
Jardineiras
Fatos-Macaco
Coletes
Gabardinas, Parkas e Fatos p/Chuva
Casacos e Blusões
Toucas e Coifas
Capuzes e Bonés
Polainitos
A protecção do corpo contra os efeitos indesejáveis que resultam dos diferentes riscos conduz à confecção de
diferentes tipos de vestuário que podem ou não proteger o corpo inteiro, como por exemplo, batas, aventais, fatos de
uma ou duas peças.
O vestuário de protecção protege contra agressões mecânicas e químicas, contra o calor e o frio, contra a
transpiração, alergias, etc.
Deve satisfazer as seguintes exigências:
Nível de desempenho – Designa uma categoria particular relativa aos resultados de ensaios que avaliam os efeitos
de um risco, sendo quantificado por um número. Os níveis de desempenho são graduados de 1 a 5, no entanto
estes níveis resultam de ensaios em laboratório, a que não corresponde necessariamente ás condições em que o
utilizador vai estar sujeito no local de trabalho. Deve assim ter-se em atenção esta situação, aquando da análise dos
dados fornecidos pelo fabricante quanto ao desempenho do vestuário de protecção em função do risco ou riscos em
questão.
Envelhecimento – Traduz-se como sendo a alteração de uma ou mais propriedades dos materiais que constituem
o vestuário de protecção. Esta alteração de propriedades pode ser provocada por vários factores e leva à alteração
dos níveis de desempenho.
Ergonomia – As roupas de protecção devem ser adequadas e confortáveis, de tal modo que o trabalhador possa
sentir-se à vontade na sua utilização. Devem possuir baixa resistência ao vapor, e permitir a ventilação necessária às
exigências fisiológicas do trabalhador.
Dimensões – A roupa de protecção deve ser justa ao corpo, mas sem dificultar os movimentos do trabalhador, de
acordo com o estabelecido na norma ISO 3635:1981.
Pictogramas – O vestuário deve possuir símbolos simples e de fácil compreensão relativos aos riscos a que esse
vestuário visa proteger.
Marcação – Cada peça de vestuário deve possuir uma marcação, a qual deve ser constituída por:
Identificação do fabricante ou seu representante autorizado;
Designação do tipo de produto ou nome comercial ou código;
Designação das dimensões;
Número da EN específica;
Pictograma relativo ao risco a proteger e se aplicável o nível de desempenho;
Instruções de limpeza.
05 VESTUÁRIO
100% Algodão
T-Shirt Adulto Mukua Cores
MK160C
AMFTSHMK160
100% Algodão
FV046
T-shirt unissexo de manga curta em malha jersey, super
macia, para usos diversos.
Corte tubular com decote moderno. Duplo rib com licra
com pesponto unico e elegante. Tapa costuras de ombro
a ombro.
S - XX L .
T-Shirt Adulto 100% Algodão Gold
Manga Curta 180g/m2
T-Shirt Adulto 100% Algodão Basic
Manga Curta 150g/m2
T-shirt unissexo de manga curta em malha jersey, em
100% algodão de 180grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
T-shirt adulto de manga curta em malha jersey, em 100%
algodão de 150grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
S - XXL.
S - XXL.
FV011
TSHGOLDI180G
i
1 0 /1 0 0
kg
kg
kg
FV013
i
1
150g
kg
N/A.
N/A.
kg
kg
180g
TSHBASIC150G
i
1
10
100% Algodão
N/A.
100% Algodão
100% Algodão
T-Shirt Adulto 100% Algodão
Premium Manga Curta 150g/m2
T-Shirt Senhora 100% Algodão
Decote Bico Manga Curta 150g/m2
T-Shirt Adulto 100% Algodão Silver
Manga Curta 140g/m2
T-shirt adulto de manga curta em malha jersey, em 100%
algodão de 150grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
T-shirt de senhora de manga curta em malha jersey, em
100% algodão de 150grs/m2, para usos diversos.
Decote em bico. Pesponto duplo em todas as costuras.
Tapa costuras de ombro a ombro.
T-shirt adulto de manga curta em malha jersey, em 100%
algodão de 140grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
S - XX L .
S - XXL.
TSHPRE150G
FV009
kg
15 0 g
TSHBICO150G
i
1
kg
N/A.
FV012
i
1
kg
150g
N/A.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
NORMAS
EN 340 - Requisitos Gerais
Norma de referência, não podendo ser utilizada só, mas unicamente
em associação com outra norma apresentando exigências relativas ao
desempenho de protecção.
Esta norma especifica as exigências gerais de desempenho relativas a
ergonomia, a inocuidade, aos tamanhos, durabilidade, envelhecimento,
compatibilidade e marcação do vestuário de protecção bem como
informações fornecidas pelo fabricante com o vestuário de protecção.
52
100% Algodão
kg
TSHSILVER140G
FV014
S - XXL.
i
1
kg
140g
kg
N/A.
EN 342
Vestuário de protecção contra o frio.
EN 343
Vestuário de protecção contra a chuva.
EN 368
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos.
EN 369
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos. Método de ensaio.
VESTUÁRIO
100% Algodão
100% Algodão
T-Shirt Adulto 100% Algodão
Majestic Manga Curta 170g/m2
TSHMAJ170G
FV008
T-Shirt Palanca 100% Algodão
Manga Curta 150g Amarela
TSHPALANCAAM
05
100% Algodão
T-Shirt Palanca 100% Algodão
Manga Curta 150g Branca
FV053
TSHPALANCABR
FV054
T-shirt unissexo de manga curta em malha jersey, em
100% algodão de 170grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
T-shirt unissexo de manga curta em malha jersey, em
100% algodão de 150grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Duplo rib com pesponto único e elegante.
Tapa costuras de ombro a ombro.
T-shirt unissexo de manga curta em malha jersey, em
100% algodão de 150grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Duplo rib com pesponto único e elegante.
Tapa costuras de ombro a ombro.
S - XX L .
S - XL.
S - XL.
i
1
i
1
kg
17 0 g
kg
150g
kg
kg
N/A.
kg
i
1
150g
kg
N/A.
N/A.
100% Algodão
100% Algodão
100% Algodão
T-Shirt Adulto 100% Algodão
Amazone Manga Curta 140g/m2
T-Shirt Adulto 100% Algodão Combi
(2 cores) Manga Curta 150g
T-Shirt Adulto 100% Algod. Midway
2 cores c/ vivo Manga Curta 165g
T-shirt adulto de manga curta em malha jersey, em 100%
algodão de 140grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
T-shirt adulto de manga curta em malha jersey, em 100%
algodão de 150grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
Combinado (com 2 cores).
T-shirt adulto de manga curta em malha jersey, em 100%
algodão de 165grs/m2, para usos diversos.
Corte tubular. Pesponto duplo em todas as costuras. Tapa
costuras de ombro a ombro.
Corpo em duas cores com vivo.
S - XXL.
S - XXL.
TSHAMAZONE140G
FV016
S - XX L .
i
1
kg
14 0 g
kg
N/A.
EN 381
Protecção para utilizadores de serras manuais.
EN 469
Vestuário de protecção de combate a incêndios.
EN 470-1
Protecção durante a soldadura e técnicas conexas.
EN 471
Vestuário de protecção de alta-visibilidade.
TSHCOMBI150G
FV010
i
1
kg
150g
N/A.
TSHMIDWAY165G
kg
FV015
i
1
kg
165g
kg
N/A.
EN 531
Proteccção para trabalhadores da indústria com exposição ao calor.
EN 533
Vestuário de protecção contra o calor e chamas. Materiais e conjunto de
materiais com propagação limitada de chama.
EN 553
Protecção contra o calor e a chama.
EN 943-2 TIPO 2 e TIPO 1
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos e gazes, incluindo
53
05 VESTUÁRIO
65% Poliéster
35% Algodão
Polo Piquet s/ Bolso Gola Cor
100% Algodão Manga Curta
100% Algodão
100% Algodão
Polo Mukua Manga Curta Cores
MK210C (caixa 50 un.)
Polo Piquet c/ Bolso 100% Algodão
Manga Curta (várias cores)
Polo de manga curta em malha piquet, sem bolso, 100%
algodão, para usos diversos. Gola reforçada, costuras
reforçadas de ombro a ombro. Carcela com 3 botões ao
tom. Rib na manga. Pesponto duplo na baínha.
Polo de manga curta em malha piquet, sem bolso, 100%
algodão, para usos diversos. Gola e costuras reforçadas
de ombro a ombro. Carcela com 3 botões ao tom.
Rib na manga. Pesponto duplo na bainha.
Polo de manga curta em malha piquet, com bolso, 100%
algodão, para usos diversos. Gola e costuras reforçadas
de ombro a ombro. Carcela com 2 botões ao tom.
45 - 5 6 .
S - XXL.
POLOPMCSBGC
22 0 g
AMFPOLMUKMK210
i
1 0 /5 0
1
kg
FV062
kg
220g
POLOPMCCB
kg
kg
i
1
i
50
220g
kg
N/A.
N/A.
100% Algodão
100% Algodão
100% Algodão
Polo Piquet s/ Bolso 100% Algodão
Manga Curta (várias cores)
Polo Mukua Senhora Cores
MK212C (caixa 50 un.)
Polo de manga curta em malha piquet, sem bolso, 100%
algodão, para usos diversos. Gola e costuras reforçadas
de ombro a ombro. Carcela elegante com 2 botões ao
tom.
Polo de senhora de manga curta em malha piquet, sem
bolso, 100% algodão, para usos diversos. Gola e costuras
reforçadas de ombro a ombro com fita interior. Carcela
elegante com 3 botões ao tom. Corte cintado.
XS - X X L .
S - XL.
POLOPMCSB
FV007
S - XXL.
1
kg
N/A.
FV037
FV006
AMFPOLMUKMK212C
FV041
Polo Mukua Manga Curta Bicolor
MK213
AMFPOLMUKMK213
FV051
Polo bi-color de manga curta em malha piquet, sem
bolso, 100% algodão, para usos diversos. Gola e costuras
reforçadas de ombro a ombro. Carcela com 3 botões ao
tom. Rib da manga em cor contraste com a cor do corpo
do polo. Gola com risca em cor contraste. Resistente à
lavagem. Ideal para fardamento.
S - XL.
i
1
kg
22 0 g
kg
5/50
1
kg
N/A.
220g
N/A.
i
10/50
1
kg
kg
220g
kg
N/A.
aerossóis líquidos e poeiras.
EN 1073
Vestuário de protecção contra a contaminação radioactiva.
EN 1149
Vestuário de protecção electrostático.
EN 13034 TIPO 6
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos.
EN 13982-1 TIPO 5
Vestuário de protecção a utilizar contra poeiras.
54
EN 14058
Vestuário de protecção contra climas frescos.
EN 14126
Vestuário de protecção contra agentes infecciosos.
EN 14605 TIPO 4 e TIPO 3
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos.
EN ISO 11611
Vestuário de protecção para utilização em soldadura e processos afins.
i
05
VESTUÁRIO
100% Algodão
Polo Mukua Manga Comprida
MK211 Cores (caixa 40 un.)
AMFPOLMUKMK211
FV040
Polo de manga comprida em malha piquet, sem bolso,
100% algodão, para usos diversos. Gola e costuras
reforçadas de ombro a ombro. Carcela elegante om 3
botões ao tom. Rib na manga. Pesponto duplo na bainha.
Camisa Trabalho 100% Algodão
Meia Manga c/ Bolso e FR Palanca
CAMFRPALANCA
FV059
Camisa de sinalização em algodão (100%), de 200grs/m2,
com fecho por botões. 1 Bolso na frente. Faixas reflectoras
nas mangas e nas costas.
AMFTUNV589
FV047
Túnica com decote em V, para usos diversos.
Em sarja, com 3 bolsos e aberturas laterais.
0, 2, 4, 6, 8, 10 e 12.
kg
22 0 g
kg
200g
N/A.
65% Poliéster
35% Algodão
65% Poliéster
35% Algodão
Bata Senhora Manga Curta Série
952
Bata de senhora, riscada, de manga curta e dois bolsos
na frente, para uso em hotelaria e restauração.
Gola smoking branca. Dois bolsos com debrum.
Cinto cosido na pinça da cinta para atar nas costas.
Fecha com botões na frente.
AMFBATMCUR
FV043
Bata de senhora de manga curta com 3 bolsos e cinto nas
costas, para usos diversos.
Fecha com botões na frente.
38 - 60.
i
1
40 - 6 0 .
i
1
65% Poliéster
35% Algodão
Bata Senhora Manga Curta P907
FV032
AMFBATSMC952
kg
kg
kg
N/A.
N/A.
i
1
i
1
i
1 0 /4 0
1
kg
190g
Bata Homem Manga Comprida
P700
AMFBATMCOM
46 - 64.
i
1
kg
N/A.
FV042
Bata de homem de manga comprida com 3 bolsos e cinto
nas costas, para usos diversos.
Fecha com botões na frente.
kg
190g
kg
N/A.
kg
kg
Túnica Decote V Série 589
M - XXL.
S - XX L .
kg
65% Poliéster
35% Algodão
100% Algodão
N/A.
EN ISO 11612
Vestuário para protecção contra o calor e chamas.
EN 17491
Vestuário de protecção. Métodos de ensaio para vestuário de protecção contra
produtos químicos.
EN 61482
Esta norma regula o vestuário de protecção resistente ao calor e ás chamas,
para trabalhadores expostos a arcos eléctricos.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
55
05 VESTUÁRIO
65% Poliéster
35% Algodão
35% Poliéster
65% Algodão
Bata Escolar Mukua Modelo
Menina MK912
AMFBATMK912
FV048
Bata Escolar Mukua Modelo
Menino
MK913
65% Poliéster
35% Algodão
Bata Escolar Mukua Modelo
Homem
FV029
MK915
Bata de manga curta, para uso escolar ou diverso.
Um bolso na frente. Fecha para o lado esquerdo com 8
botões. Cinto fixo nas costas. Resistente e ideal para uso
frequente.
Bata de manga curta, para uso escolar ou diverso.
Um bolso na frente. Fecha para o lado esquerdo com 8
botões. Cinto fixo nas costas. Resistente e ideal para uso
frequente.
5/ 6, 7/ 8 , 9 / 1 1 , 1 2 / 1 4 e 1 5 /1 6 .
5 /6 , 7 /8 , 9/11, 12/14 e 15/16.
S - XL.
i
1 /5 0
1
kg
kg
i
1
kg
kg
N/A.
i
1
kg
kg
N/A.
N/A.
Polietileno
Polietileno
Avental Polietileno Branco 120x70
25 Microns (emb.100un.)
Bata Descartável em Polietileno
(saco 100 un)
BATPOLIETBRA100
FV090
Bata descartável em polietileno. Recomendada para a
indústria alimentar, laboratórios, hospitais, serviços de
emergência, veterinários, escolas, indústria farmacêutica,
entre outros. Fechada por 3 botões de mola e mangas
com base no decote.
AVEPOLBRA
100
1
kg
kg
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
100
1
i
kg
kg
FV088
Avental descartável em polietileno de 25 microns.
Recomendado para a indústria alimentar, laboratórios,
hospitais, serviços de emergência, veterinários, escolas,
indústria farmacêutica, entre outros.
120x70cm.
Único, a j u s t á v e l .
56
FV072
Bata de manga curta com 2 bolsos na frente e cinto nas
costas, para usos escolares ou diverso.
Fecha com 6 botões na frente. Gola de cantos
arredondados. Resistente, para uso frequente.
N/A.
i
VESTUÁRIO
65% Poliéster
35% Algodão
05
65% Poliéster
35% Algodão
Com fio Kevlar
Avental com Peito Mukua MK802
Avental Crute p/ Soldador
Avental curto com bolso, para uso em hotelaria e
restauração. Um bolso na frente dividido ao meio.
Ajustável por cordão do mesmo tecido.
Avental com peito e bolso, para uso em hotelaria e
restauração. Um bolso na frente dividido ao meio. Peito
ajustável por alça de ombro com fivela.
Avental de protecção em crute de 1ª qualidade, para
soldadores ou outros. Cintas de aperto em crute com
fivelas. Cosido com fio Kevlar.
88x 50 c m .
7 7 x8 9 c m
90x60cm.
Avental Curto em Sarja SW401
AMFAVESW401
210g
AMFAVEMK802
i
1 0 /1 0 0
1
kg
FV031
210g
kg
AVETELSUS90115B
kg
kg
65% Poliéster
35% Algodão
100% Algodão
FV081
Avental em tela com suspensórios e regulador, para usos
diversos. Tela com revestimento em nylon.
Único, a j u s t á v e l .
i
1
i
EN ISO 11611. Classe 1/2 A1.
Tela revestida
em Nylon
Avental Tela com Suspensórios
FV066
1
N/A.
N/A.
Calças 100% Algodão Modelo
Vaqueiro 260g/m2
CALMODVAQUEIRO
FV087
Calças Trabalho 65% Poliéster
35% Algodão c/ Bolsos Laterais
FV018
CALMODTRAB
Calça modelo vaqueiro em sarja, 100% algodão, para
usos diversos. Dois bolsos traseiros e dois na frente.
Modelo corte straight (direito). Fecho na frente com ziper e
botão. Alças na cintura para cinto.
Calças de trabalho em poliéster e algodão, para uso
profissional diverso. Dois bolsos na frente e um traseiro.
Modelo corte straight (direito). Fecho na frente com ziper e
botão. Alças na cintura para cinto.
4 0 , 4 2 , 4 4, 46, 48, 50 e 52.
38, 40, 42, 44, 46, 48, 50, 52, 5 4 e 58.
kg
kg
AVECR
i
10/100
1
kg
kg
FV030
i
1
N/A.
kg
260g
EN 1149-1, EN 469 e EN 340.
i
1
kg
kg
kg
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
57
05 VESTUÁRIO
65% Poliéster
35% Algodão
100% Algodão
35% Poliéster
65% Algodão
Calças 100% Algodão Azul Escuro
c/ Bolsos Laterais
Calças Trabalho Multibolsos Série
345
Calças Trabalho Multibolsos Bicolor
PT345
Calças de trabalho em algodão, para uso profissional
diverso. Dois bolsos na frente e dois laterais. Modelo corte
straight (direito). Fecho na frente com ziper e botão.
Alças na cintura para cinto.
Calças de trabalho multibolsos, para uso profissional
diverso. Modelo corte straight (direito). Fecha na frente
com fecho ziper e botão. Alças na cintura, elástica, para
cinto. Pesponto de segurança na parte de trás e seis
bolsos (4 com pála e fecho de velcro).
Calças de trabalho multibolsos, para uso profissional
diverso. Modelo corte straight (direito). Fecha na frente
com fecho ziper e botão. Alças na cintura, elástica, para
cinto. Pesponto de segurança na parte de trás e seis
bolsos (4 com pála e fecho de velcro).
34 - 60.
34 - 60.
CALALGAZUBOL44
FV063
S - XX L .
i
1
kg
kg
AMFCALMB345
FV035
i
1
kg
N/A.
190g
AMFCALMBPT345
F
Cores contraste
i
1
kg
kg
N/A.
FV038
190g
kg
N/A.
65% Poliéster
35% Algodão
65% Algodão
35% Poliéster
Calças Tipo Enfermeiro Série 335
Calças Basic Bege 848BG
CALBAS848
FV064
AMFCALENF335
FV034
Calças de trabalho em algodão e poliéster, para uso
profissional diverso. Dois bolsos na frente e dois laterais
com pála e fecho por velcro. Modelo corte straight
(direito). Fecha na frente com fecho ziper e botão. Alças
na cintura, elástica, para cinto.
Calças de trabalho em algodão e poliéster, para uso na
insdústria da saúde e limpeza. Com pinças, elástico no
cós traseiro e bolso. Modelo corte straight (direito). Fecha
na frente com fecho ziper e botão. Combina com as
túnicas 587, 590 e 597.
36 - 6 0 .
0 - 12.
i
1
kg
24 0 g
N/A.
kg
i
1
kg
190g
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
58
80% Poliéster
20% Algodão
Calças Multibolsos Vértice Série
P31601
AMFCALMBP31601
FV039
Calças de trabalho V-Pro, multibolsos, para uso
profissional diverso. Modelo corte straight (direito). Fecha
na frente com fecho ziper e botão. Alças na cintura,
elástica, para cinto. Pesponto de segurança na parte de
trás e cinco bolsos (3 com pála e fecho de velcro).
38 - 60.
i
1
kg
kg
190g
N/A.
kg
VESTUÁRIO
65% Poliéster
35% Algodão
65% Poliéster
35% Algodão
05
100% Algodão
Calças Multibolsos Reflectores p/
Alta Visibilidade P159
Calças de Trabalho 65% Poliéster
35% Algodão c/ BL Palanca
Calças de Trabalho 100% Algodão
c/ BL e FR Palanca
Calças de trabalho, multibolsos, para uso profissional
diverso. Modelo corte straight (direito). Fecha na frente
com fecho ziper e botão. Alças na cintura, elástica,
para cinto. Pesponto de segurança na parte de trás e
seis bolsos (4 com pála e fecho de velcro). Duas faixas
reflectoras, abaixo do joelho em cada perna.
Calças de trabalho, para uso profissional diverso. Modelo
corte straight (direito). Fecha na frente com fecho ziper e
botão. Alças na cintura, elástica, para cinto. Pesponto de
segurança na parte de trás e cinco bolsos (2 com pála e
fecho de velcro). Duas faixas reflectoras, abaixo do joelho
em cada perna.
Calças de trabalho, para uso profissional diverso. Modelo
corte straight (direito). Fecha na frente com fecho ziper e
botão. Alças na cintura, elástica, para cinto. Pesponto de
segurança na parte de trás e cinco bolsos (2 com pála e
fecho de velcro). Duas faixas reflectoras, abaixo do joelho
em cada perna.
S - XX X L .
M - XXL.
M - XXL.
AMFCALMBP159
FV036
i
1
kg
19 0 g
CALMODPALANCA
kg
FV001
i
1
kg
kg
kg
kg
65% Poliéster
35% Algodão
Calças Frio 345
FV067
Com as costas mais altas a fim de proteger a zona dos
rins. Com dois bolsos à frente, um bolso atrás e fecho
nas pernas com vistas. Este fato deve ser armazenado
em local seco, protegido das temperaturas elevadas e
da exposição aos raios UVA. Acabamento anti-alérgico.
Deve ser usado em câmaras frigoríficas com temperaturas
de actividade moderada até aos -55º (inclusivé), quando
usado como conjunto (casaco+calça+capuz).
M - XL .
Jardineiras Série P290
AMFJARP290
i
100% Algodão
FV045
Jardineira em sarja com cinco bolsos, para usos diversos.
Alças e cintura com elástico para melhor ajuste. Botões
nas laterais da cintura e fivelas em PVC.
34 - 60.
i
1
kg
1
i
N/A.
93% Nomex
5% Kevlar
CALFRI345
FV060
1
N/A.
N/A.
190g
N/A.
kg
kg
CALMODAPALANCA
Fato-Macaco 100% Algodão
Palanca
FATMACPALANCA
FV058
Fato-Macaco em algodão, de 200g, para usos diversos.
Com fecho central e elástico na cintura. Tem 5 bolsos (4
frontais e 1 traseiro.
M - XXL.
i
1
kg
kg
200g
kg
N/A.
EN 340 e prEN 342.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
59
05 VESTUÁRIO
65% Poliéster
35% Algodão
100% Algodão
Fato-Macaco Cantex 5461-88-03
EN531
Fato-Macaco 65% Poliéster 35%
Algodão Laranja c/ FR 3M 200gr
Fato-Macaco 100% Algodão c/ FR
Palanca
Fato-macaco anti-fogo, com pespontos em contraste.
Botões e molas de pressão na frente. Bolsos no peito
com paletas; bolso vertical espaçoso com fecho de
correr, bolsos laterais com acesso ao interior; bolsos
para joelheiras ajustáveis em altura; bolsos atrás, um com
paleta; bolso para metro. Cintura ajustável e pregas/foles
nas costas para facilidade de movimentos e conforto.
Fato-Macaco em poliéster e algodão, de cor laranja, com
faixas reflectoras, de 200g, para uso profissional diverso.
Com fecho central e elástico na cintura, faixas reflectoras
3M na cintura e nos joelhos e 5 bolsos (4 frontais e 1
traseiro).
Fato-Macaco em algodão, com faixas reflectoras, de 200g,
para uso profissional diverso. Com fecho central e elástico
na cintura, faixas reflectoras 3M na cintura, pernas, braços
e peito e 5 bolsos (4 frontais e 1 traseiro).
TRA54618803
FV075
FATMACFR
i
kg
kg
200g
FV057
kg
kg
i
1
i
1
kg
FATMACFRPALANCA
M - XXL.
M - XXL.
XS - X X X L .
1
FV019
200g
kg
N/A.
N/A.
EN 531 A B1 C1 (D3) E3, IEC61482-1-2 CL.2 e
EN 1149-5.
Tecido Nomex
5% Kevlar
Fato-Macaco Ignífugo Nomex
Confort NX50
FATMACNOMCNX50
Fato-Macaco Tyvek s/ Capuz
FV026
Fato-Macaco em tecido Nomex 220g, com acolchoado
interior em poliéster contra o frio, para ser usado em
locais fechados e de baixas temperaturas e/ou negativas.
As fibras utilizadas neste tipo de tecido incluem 93%
Nomex, que é uma fibra meta-aramida inerentemente
ignífuga que não derrete, proporcionando uma resistência
natural à chama sem a necessidade de um tratamento
químico no processo têxtil. O tecido tem um acabamento
de fluorcarbono repelente de água e óleo e que ajuda a
proteger contra manchas.
i
1
Fato-Macaco Tyvek Classic Expert
Branco c/ Capuz
FATMACTYV
S - XXXL.
kg
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
100
1
kg
kg
FV005
Fato-Macaco Tyvek com capuz, para uso com produtos
químicos inorgânicos, na indústria diversa. Fecho de
correr e elástico de ajuste.
Ún ic o .
EN ISO 11612 A1+A2 B1, C1 F1, EN1149-5 e
EN61482-1-2.
60
FV080
Fato-Macaco Tyvek sem capuz, para uso com produtos
químicos inorgânicos, na indústria diversa. Fecho de
correr e elástico de ajuste.
i
1
22 0 g
FATMACPRO
N/A.
M - XX X L .
kg
Tyvek com
capuz
Tyvek sem
capuz
kg
i
kg
EN 13034:2005+A1 2009, EN ISO 174914:2008 A, EN ISO 13982-1:2004+A1:2010, EN
14126:2003, EN 1073-2:2002 e EN 1149-5:2008.
VESTUÁRIO
DuPont microperfurado
Anti-estático
Fato de Protecção 3M 4540+
(Branco/Azul) Tipo 5/6
3MP4540
FV065
Fato de protecção 4540 descartável 3M recomendado
para pintura com spray, lacagem, aplicação de resina,
manutenção e limpeza industrial ligeira, processamento
de fármacos, em tecido microporoso laminado, de alta
qualidade.
FV073
Fato-macaco com gola e dois bolsos, em tecido exclusivo
DuPont micro-perfurado de polietileno não tecido, para
uso diverso. Pulso e costas com elástico para melhor
conforto e juntas costuradas. Com tratamento anti-estático.
Fato-Macaco Frio 541 c/ Capuz
FATMAC541
i
1
kg
kg
60g
i
100
1
FV025
Fato-Macaco 100% em nylon com acolchoado interior
em poliéster, de protecção contra o frio, para ser usado
em locais fechados e de baixas temperaturas e em
temperaturas negativas.
S - XXL.
S - XXL.
M - XX L .
kg
100% Nylon
Poliéster interior
Fato-Macaco Proshield (tipo Tyvek)
Proper CCF5 Cinza s/ Capuz
FATMACPROPRO
05
i
1
kg
kg
kg
EN 342.
N/A.
EN 340, EN 368, EN 369, EN ISO 13982-1, EN
1149-1, EN 533 e EN 13034.
Tychem TK
da DuPont
65% Poliéster
35% Algodão
65% Poliéster
35% Algodão
Fato-Macaco Tyvek Tychem TK 1A
ET-L (Fato Estanque)
Colete Repórter BTM Multibolsos
65% Poliéster 35% Algodão
Colete Repórt BTM Multib. 65%
Poliéster 35% Algodão c/ Bolsos C.
Fato-macaco à prova de gás com botas e luvas
incorporadas. Desenvolvido especificamente para
protecção contra gases tóxicos e corrosivos, produtos
químicos liquidos e sólidos, adequado para aplicações
industriais e na manipulação de materiais perigosos e de
preparação doméstica.
Colete tipo repórter BTM, em poliéster e algodão, de 200g,
com vários bolsos com pala, para uso profissional diverso.
Aperto por fecho zip.
Colete tipo repórter BTM, em poliéster e algodão, de 200g,
com vários bolsos com pala, para uso profissional diverso.
Fecha por fecho ziper. Modelo Indiana: 9 bolsos à frente
e 2 nas costas.
FATMACTYCHEMTK
FV074
COLREPBTM
S - XXL.
i
1
S - XX L .
i
1
kg
kg
FV020
kg
200g
N/A.
FV021
COLREPBTMBT
M - XXL.
i
1
kg
kg
200g
kg
N/A.
EN 943-2.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
61
05 VESTUÁRIO
Colete Frio 12
REF12
FV078
Colete Frio 13
REF13
FV076
Um colete muito prático, desportivo e quente, curto à
frente mas longo atrás para protecção dos rins.
Este modelo pode ser produzido com ou sem bolsos.
Acolchoado, fecho ziper e colarinho em tecido para
melhor conforto. Protege de temperaturas entre -5º a 5ºC,
produzido em 100% de poliamida no exterior (com cerca
de 60gr/m2), 100% de poliéster no enchimento (200gr/
m2) e poliéster no forro (60gr/m2). Pode ser utilizado como
forro amovível de um fato de protecção contra intempéries.
Tem acabamento anti-alérgico.
Um colete muito prático, desportivo e quente, curto à
frente mas longo atrás para protecção dos rins.
Este modelo pode ser produzido com ou sem bolsos.
Acolchoado, fecho ziper e colarinho em tecido para
melhor conforto. Protege de temperaturas entre -5º a 5ºC,
produzido em 100% de poliamida-66 no exterior (com
cerca de 205gr/m2), 100% de poliéster no enchimento
(200gr/m2) e poliéster no forro (60gr/m2). Pode ser
utilizado como forro amovível de um fato de protecção
contra intempéries.
Tem acabamento anti-alérgico.
S - XX L .
S - XXL.
i
1
kg
kg
i
1
REF125
FV077
Casaco com comprimento até à cintura, proporciona
uma protecção mais leve, dois bolsos revestidos
com enchimento, gola e punhos de malha. Também
disponível em versão mais comprida e com capuz: P125L.
Acolchoado, fecho ziper e colarinho em tecido para
melhor conforto. Tem acabamento anti-alérgico.
Deve ser armazenado em local seco, protegido das
temperaturas elevadas e da exposição aos raios UVA. Se
não possuir embalagem original, pode ser suspenso num
cabide. Lavar à mão em água tépida ou à máquina em
ciclo ligeiro. Não usar solventes ou líxivia.
Disponível em preto e branco.
S - XXL.
i
1
kg
kg
EN 340, ENV 343, Abril 96. CE 96 0072.
EN 340, ENV 343, Abril 96. CE 96 0072.
Colete com Mangas Frio 125
kg
kg
EN 340, prEN 342. CE 96 0072.
Rede de Nylon
Colete Sinalização Rede Amarelo
(modelo 2012)
Colete Sinalização Rede Laranja
(modelo 2012)
COLSINREDLAR
FV084
COLSINREDAMA
Colete Sinalização CH (EN471-95)
FV085
Colete de sinalização de alta visibilidade, em rede de
nylon, para facilitar o arejamento.
Com duas faixas reflectoras paralelas e horizontais. Fecho
em velcro.
Para usos diversos.
Colete de sinalização de alta visibilidade, em rede de
nylon, para facilitar o arejamento.
Com duas faixas reflectoras paralelas e horizontais. Fecho
em velcro.
Para usos diversos.
Único.
Ún ic o .
i
1
kg
kg
N/A.
i
kg
kg
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
COLSINCH
FV004
Colete de sinalização fluorescente de alta visibilidade de
classe 2. Tecido 100% poliéster. Faixas reflectoras em
poliéster (65%) e algodão (35%), com revestimento de
elastómero e microesferas de vidro. Faixas reflectoras
paralelas de 50mm de largura. Fecho em velcro.
M - XXL.
1
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
62
100% Poliéster
Rede de Nylon
i
1
kg
kg
EN 471 (Classe 2).
VESTUÁRIO
100% Poliéster
PVC interior
FV002
Conjunto composto por casaco e calças, próprio para
trabalhos à chuva.
Suporte 100% poliéster com revestimento interior de PVC
de 190 g/m2. Casaco com capuz inamovível e cordão de
aperto. Molas de pressão. 2 bolsos com dobra no casaco.
Calças com elástico na cintura.
S - XX L .
kg
19 0 g
Fato Chuva de Nylon (c/ bolsa)
FATCHUNYLBOLSA
FATOCHUTIV
S - XXXL.
i
1
190g
kg
100% Poliéster
PVC exterior
FV069
Fato para chuva de alta visibilidade, 100% poliuretano
sobre nylon tricotado. Costuras termo-seladas. Resistente
ao frio, à água e a óleos de origem animal. Com faixas de
alta visibilidade 3M Scotchlite.
Disponível em amarelo fluorescente.
S - XX L .
i
1
kg
EN 471:03+A1:07 e EN 343:04.
kg
kg
EN 343:2003 e 89/686/CEE.
100%
Poliuretano
FATCHUHV750
i
1
N/A.
Fato Chuva 100% Poliur. Alta Visib.
Poseidon HV750
FV070
S - XXL.
N/A.
kg
Fato Chuva PVC Tivano
Conjunto composto por casaco e calças, próprio para
trabalhos à chuva.
Suporte em poliéster com revestimento de PVC. Casaco
com capuz inamovível e cordão de aperto. Molas de
pressão e fecho de correr. Casaco com forro em malha
tipo rede para arejamento e 4 bolsos.
Calças com elástico na cintura e dois bolsos.
kg
kg
FV003
Conjunto composto por casaco e calças, próprio para
trabalhos à chuva.
Suporte 100% poliéster com revestimento interior de PVC
de 190 g/m2. Casaco com capuz inamovível e cordão de
aperto. Molas de pressão. 2 bolsos com dobra no casaco.
Calças com elástico na cintura. Com bolsa de
acondicionamento.
i
1
100% Nylon
Poliéster interior
100% Poliéster
PVC interior
Fato Chuva Descartável Tela Nylon
(PVC/Poliéster/PVC)
FATOCHUPVC
05
100% Poliéster
Nylon exterior
Gabardina Chuva Tela Nylon (PVC/
Poliéster/PCV)
GABCHUPVC
FV023
Gabardina Chuva Nylon em Bolsa
FV022
GABCHUNYLBOLSA
Gabardina com suporte em poliéster (100%) com
revestimento exterior de PVC de 190g/m2. Capuz com
cordão de aperto, molas de pressão e costuras seladas.
120cm de altura.
Gabardina com suporte em poliéster (100%) com
revestimento exterior em nylon. Capuz embutido na gola
com cordão de ajuste, molas de pressão e costuras
seladas com fita vulcanizante. 120cm de altura.
Bolsa individual.
S - XXXL.
S - XXXL.
i
1
kg
190g
N/A.
kg
i
1
kg
kg
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
63
05 VESTUÁRIO
Parka BTM Adulto 100% Poliéster
c/ Gola Polar
PARBTMADULTO
FV017
Parka BTM adulto, 100% poliéster com gola polar, para
usos diversos.
Frente com fecho ziper e botões de mola. Velcro nos
punhos para fácil ajuste.
Casaco Blusão Três Fechos P695
Casaco PU
Blusão em sarja com fecho ziper. Cintura com elástico
nos lados e nos punhos para melhor ajuste. 2 bolsos com
fecho de correr.
Casaco em poliuretano, para usos diversos.
Tela revestida em poliuretano com fecho ziper e botões
de pressão. Mangas com elásticos para melhor ajuste e
gola reforçada.
AMFCASBLU3FP695
FV061
45 - 56.
N/A.
N/A.
N/A.
80% Poliéster
20% Algodão
Forro 100%
Nylon
Blusão de Alta Visibilidade Ref.ª
P155
AMFBLUP155
Blusão t/ Aviador Eagle 842
BLUSEAG842
FV033
Blusão de alta visibilidade, para usos diversos.
Com tecido fluorescente e duas faixas reflectoras de 5
cms nos braços e peito. Fecho ziper e dois bolsos de vivo
com fecho.
kg
21 0 g
EN 471 e EN 340.
FV049
Blusão tipo aviador, em poliéster e algodão, com forro
100% nylon. Mangas destacáveis, dois bolsos lateriais e
duplos, cós e mangas com elástico. Resistente mesmo em
uso frequente.
Blusão Frio 56 com Platinas
(0º a 6º)
BLUFRI56
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
FV027
Blusão desportivo, utilizado por camionistas, forças
da ordem, etc, podendo ser usado como uniforme.
De protecção contra o frio, pode ser usado em locais
fechados e de baixas temperaturas e/ou negativas. Pode
ser usado em separado ou com o PPE P345/P395.
S - XXXL.
i
1
kg
kg
kg
i
1
i
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
64
Isolamento térmico
Permeável ao ar
M - XXL.
S - XX X L .
1
i
kg
kg
kg
kg
kg
FV083
1
i
1
i
1
CASPU
Ú ni co.
S - XX L .
kg
100%
Poliuretano
65% Poliéster
35% Algodão
100% Poliéster
Gola Polar
kg
kg
EN 340 e EN 342.
VESTUÁRIO
Isolamento térmico
Permeável ao ar
Casaco Frio 342
REF342
Crute de bovino
FV028
Casaco com fecho à frente com elástico exterior e interior,
dois bolsos grandes, um bolso no peito do lado esquerdo
com palete e abertura para canetas, punhos de malha
com fios de elástico ajustáveis a todas as grossuras de
pulso. Casaco de protecção contra o frio, podendo ser
usado em locais fechados e de baixas temperaturas e/ou
negativas. Pode ser usado em separado ou com o PPE
P345/P395 e o capuz P40/P42/P44/P45.
Casaco Crute s/ Gola
CASCRSGOL
M - XXL.
i
Casaco Nomex III p/ Bombeiro
1420021
CASNOMIII
S - 3XL.
kg
kg
EN 1149-1, EN 469 e EN 340.
Poliéster e
Algodão
Touca de Senhora Branca P93
AMFTOU93
Polipropileno
FV052
Touca de senhora com rede respirável na parte superior,
para usos diversos. Elástico na parte inferior. Pala em
sarja.
Único .
10
1
62 g
i
1
N/A.
EN 340 e EN 342.
kg
FV086
O casaco foi projectado para oferecer protecção nas
intervenções de combate a incêndios e actividades
associadas com o calor elevado ou em risco de fogo.
Protege contra os riscos resultantes de breves contactos
com chamas e radiação de calor e onde possa haver
a necessidade de dissipar a acumulação de cargas
electrostáticas.
kg
kg
kg
kg
FV068
1
i
Nomex Confort
Casaco de soldador em crute de bovino, para usos
diversos.
Crute de pele de bovino, mangas compridas agregadas,
fecho por molas de pressão, punhos rectos, sem gola
(colarinho). Comprimento do casaco 73 cm.
S - XX X L .
1
05
i
Touca Carlota Clip Acordeon
(emb100)
TOUCARLIACO
Fibra de aramida
FV089
Capuz Fibra Aramida 180g 01SN
Abertura Face
CAPFIBA18001SN
FV071
Touca clip tipo acordeão de polipropileno não-tecido,
bordada por um elástico.
Recomendada para a indústria agro-alimentar,
laboratórios, hospitais, serviços de emergência,
veterinários, escolas, indústria farmacêutica, entre outros.
Capuz em fibra para protecção do calor e do frio.
Feito de tecido de fibra de aramida de 180g. Retardante
ao fogo. Para ser usado combinado. Resistente a altas
temperaturas. Protecção contra metais fundidos, óleos e
produtos químicos.
Ún ic o .
Ú ni co.
kg
100
1
N/A.
kg
kg
N/A.
i
i
1
kg
180g
kg
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
65
05 VESTUÁRIO
Pele de cavalo
Capuz Cavalo p/ Soldador
CAPCAV
FV082
Capuz em pele de cavalo para soldador, para usos
diversos. Fecho por velcro. Protecção adicional para os
ombros.
Único.
i
1
kg
kg
100% Algodão
Forro de Nylon
Malha canelada
N/A.
Capuz Frio Ref. 40
CAPFRI40
FV024
Capuz com cordão de aperto, forrado com nylon. Tira de
malha canelada em volta do rosto que ajusta fechando
com tranca sueca ajustável ao pescoço. Fibra antialérgica. Este capuz deve ser armazenado em local seco,
protegido das temperaturas elevadas e da exposição aos
raios UVA. Se não possuir embalagem original, pode ser
suspenso num cabide. Este tecido tem acabamento antialérgico e pode ser usado por seres humanos.
Lavar à mão em água tépida ou à máquina em ciclo
ligeiro. Não usar solventes ou líxivia.
Ún ic o , a justável .
Boné Valência 5 Painéis Setas
Cores S24-Z
AMFBONS24Z
Ú ni co, aj ustável .
i
1
kg
i
1
FV044
Boné de 5 painéis, extra suave, com 4 orifícios bordados
de respiração. Pala pré-curva e sem costura frontal. Ajuste
em velcro.
190g
kg
N/A.
kg
kg
EN 340 e prEN 342.
100% Algodão
Boné Palanca p/ Adulto
BONEPALANCA
100% Algodão
Boné Palanca p/ Adulto
FV055
Boné de 5 painéis, extra suave, com 4 orifícios bordados
de respiração. Pala pré-curva e sem costura frontal. Ajuste
em velcro. Para usos diversos.
N/A.
kg
i
1
kg
190g
N/A.
P ERSONALIZÁVEL
Todo o nosso vestuário pode ser personalizado com logótipo ou outro, por
serigrafia ou bordado.
66
FPV056
Boné de 5 painéis, extra suave, com 4 orifícios bordados
de respiração. Pala pré-curva e sem costura frontal. Ajuste
em velcro. Para usos diversos.
i
1
19 0 g
BONEPALANCA
Ún ic o , a justável .
Único, a j u s t á v e l .
kg
100% Algodão
Boné Setas Bicolor Milão S28
Cores
AMFBONS28
FPV050
Boné bicolor de 5 painéis, extra suave. Fácil
personalização e ideal para transfer gráfico. Ajuste em
velcro. Para usos diversos.
Ú ni co, aj ustável .
50/200
1
kg
kg
190g
N/A.
kg
i
VESTUÁRIO
05
100% Crute
Polainitos Crute p/ Protecção
Calçado (par) Imp. CAT1 Soldador
POLAINICR
FPV079
Polainitos em crute para soldador. Costuras resistentes ao
uso. Ajustáveis por velcro. 100% crute.
Único, a j u s t á v e l .
i
1
kg
kg
N/A.
67
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
06
PROTECÇÃO DAS
MÃOS
Luvas em Crute
Luvas em Pele
Luvas em Poliamida
Luvas em Kevlar
Luvas em Nitrilo
Luvas em Nylon
Luvas em PVC
Luvas em Látex
Luvas em Vinil
Luvas em Malha de Aço
Luvas em Fibra
Manguitos
As luvas de segurança protegem as mãos dos trabalhadores contra riscos mecânicos - como abrasão, corte e
perfuração, riscos químicos e riscos biológicos - como fungos e bactérias. Devem-se avaliar os riscos e actividades
desenvolvidas. O tamanho da mão do utilizador também deve ser considerado. No mercado, há vários tipos de
materiais, texturas e tamanhos. As novidades estão voltadas mais para a tecnologia na construção da luva do
que necessariamente a novas fibras. Existe uma preocupação ergonómica em associar-se diferentes tipos de
protecção, por exemplo, mecânica e química. Desenvolvem-se luvas que favorecem o manuseio de pequenas
peças e ao mesmo tempo protejam da contaminação química. Procura-se aliar durabilidade, conforto e um melhor
dimensionamento do custo-benefício.
Exemplos:
Luva de Látex Oferece protecção contra agentes que possam causar ferimentos em trabalhos com produtos
químicos, como ácidos, cimento e diesel. É indicada para azulejadores, pintores e encanadores.
Luva de Malha e Borracha Luva resistente, confortável e de boa flexibilidade; indicada para trabalhos que exijam
resistência ao corte e abrasão, e a produtos químicos.
Luva de Malha Pigmentada É ideal para proteção das mãos, contra agentes abrasivos e escoriantes.
Confeccionada em quatro fios de algodão, com pigmentos de PVC num dos lados e punho com elástico.
Luva de PVC Indicada para carpinteiros por ser sem forro e punho; têm pouca espessura, para permitir bom tacto
e maleabilidade. Protege o trabalhador durante a preparação de tintas e manipulação de produtos químicos, como
cimento e cal.
Luva Nitrílica Indicada para proteção das mãos em trabalhos que envolvam o manuseio de produtos químicos.
É um elastómero de excepcional resistência química quando comparado a outras matérias-primas.
Da mesma forma, é mais resistente do ponto de vista mecânico, estiramento, perfuração, corte e abrasão.
Indicada para trabalhos em contacto com gorduras (animais e vegetais), alimentos, inclusivé in natura, óleos, graxas,
derivados de petróleo, detergentes, solventes, soluções ácidas ou alcalinas e emulsões aquosas.
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
Crute Bovino
Crute Bovino
Crute Bovino
Luvas 24CR 5CR US D591 (tipo
chefe crute)
Luvas Tipo Americano Pele Cromo
10 Costa Branca C542 VUR
Luvas Tipo Americano Crute 1ª
Qualidade (462)
Luva inteiramente em crute de bovino, tipo americano,
elástico de aperto no dorso e orla têxtil. Para uso em
trabalhos de construção, manipulação de produtos
metalúrgicos e manipulações usuais. Protecção mecânica
reforçada para uso geral.
Luva tipo Americano em crute de bovino superior,
dobrada na palma e nos dedos, tipo americano. Para uso
em trabalhos de construção, condutores de carros de
manutenção, manipulação de caixas de madeira, cartão e
plásticos, expedição e recepção de mercadorias, etc.
Luvas de protecção em crute. Luvas de trabalho
recomendadas para trabalhos gerais,indústria eléctrica,
montagem, mecânica, cargas e descargas. Luva tipo
Americano em crute de 1ª qualidade, com reforço na
palma e dedos.
Luvas de protecção cosidas com fio polyester/algodão.
8, 9 e 1 0 .
10.
LUVUSCR
FPM003
i
1
kg
kg
LUVAMECAVCBR
FPM005
i
1
LUVAMECRCIN
10.
kg
kg
EN 388.
EN 388.
EN 420.
Crute Bovino
Crute Bovino
Crute Bovino
Luvas 35CR 5CR (soldador) F524)
Luvas Tipo Americano Crute c/
Reforço C-853
Luvas Welder I (crute vermelho
forrado p / soldador)
Luva tipo estivador em crute de bovino dobrada e corte
americano. Proteccção arterial, reforço em crute na palma,
no polegar e no dedo indicador, reforço no dorso e ponta
dos dedos em crute de bovino. Dorso e manga em tela de
algodão branca, elástico no dorso, debrum de protecção
das costuras no polegar e na palma. Foro de tla na palma
e nos dedos. Armazenagem. Depósitos. Manipulações
usuais. Manipulação de caixas e cartões. Estivador.
Transportes.
Luva alcochoada em crute vermelho para soldador.
Luva de soldador de 5 dedos em crute anti-calor do tipo
americano com forro de moletom na mão e de tela na
manga.
Debrum de protecção das costuras.
Protecção arterial.
LUVAMECRREF
FPM010
LUVWEL
kg
kg
kg
FPM002
Luva inteiramente em crute de bovino, tipo americano,
reforço do dedo indicador, protecção arterial, manga de
15 cm em crute. Para uso em trabalhos de soldadura e
actividades conexas, trabalho em metais e manutenção
industrial.
Ú ni co (10).
i
1
i
1
i
LUV35CR5CR
FPM057
Ún ic o .
10.
1
i
1
kg
kg
FPM029
kg
kg
EN 388.
kg
EN 388, EN 407 e EN 420.
EN 388.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
NORMAS
“As directivas Europeias CEE/89/686 e CEE/93/68: regem a concepção dos
Equipamentos de Protecção Individual (EPI). Essas directivas determinam os
processos de certificação e as características técnicas das luvas de protecção
segundo 3 categorias, de acordo com o nível de risco: mínimo, intermédio ou
mortal/irreversível. Para cada tipo de risco, existe uma categoria CE.”
70
EN 374 - Micro Organismos
A norma EN 374-2 especifica um método de ensaio para a resistência
à penetração das luvas de protecção contra os produtos químicos e/ou
os microorganismos. Quando as luvas resistem à penetração, ensaiadas
segundo esta parte da EN374, constituem uma barreira eficaz contra os riscos
microbiológicos.
A norma EN 374-3 concerne à determinação da resistência dos materiais que
constituem as luvas de protecção contra produtos químicos não gasosos
potencialmente perigosos em caso de contacto contínuo.
É conveniente insistir, por conseguinte, no facto de que este ensaio não toma
PROTECÇÃO DAS MÃOS
Couro Bovino
Crute Bovino
Luvas Cr. Verde Ignífugo Anéis Aço
(500ºC - 180 seg) Ref.ª 308
LUVIGAAÇO308
FPM031
Luva em crute ignífugo. Para trabalhos de padaria e a
altas temperaturas. Luva crute ignífugo com reforço com
anéis de aço, própria para trabalhos de padaria a 500º,
durante 180 seg.
Comprimento total: 34 cm.
Único ( 1 0 ) .
Luvas Couro Criogénicas
Siliconizadas 40 cm (-170ºC)
LUVCRIOG
Flor Bovino
FPM030
Sobre-luva Regeltex criogénica e siliconizada. Para
protecção contra riscos mecânicos. Deve ser utilizada por
cima da Luva Dieléctrica Regeltex, com a finalidade de
proteger a mesma contra os riscos mecânicos, e contra
o Arco Eléctrico em caso de necessidade. Estas luvas
confeccionadas em couro de vaca na zona da mão e em
crute no canhão, têm uma tira de velcro para melhor se
ajustar ao braço.
Luvas 35CR 5CAV Cromo (F23235)
Ú ni co.
i
1
EN 388 (X5X4) e EN 407 (444XXX).
i
1
kg
kg
FPM028
LUV35CR5CAV
Luva em flor de bovino superior e cano em crute.
Condutores de carros de manutenção, manipulação de
caixas de madeira, de cartão e plásticos, Construção,
Transportes, expedição e recepção de mercadorias.
Costuras reforçadas.
i
1
06
EN 388.
kg
kg
kg
kg
EN 388 (3222) e EN 511 (222).
Flor Bovino
Flor Bovino
Flor Bovino
Luvas 24CAV 5CAV US c/ Crute
D662 (chefe mista cinza)
Luvas 24CAV 5CAV US c/ Forro
D632/D332 (chefe pele) p/ Frio
Luvas 24CAV 5 CAV US D232/
D332 (tipo chefe pele)
Luva em flor de bovino superior, tipo chefe, polegar
integrado à palma, elástico de aperto no dorso, orla
têxtil no punho. Costas em crute. Para uso em trabalhos
de construção, condutores de carros de manutenção,
manipulação de caixas de madeira, cartão e plásticos,
expedição e recepção de mercadorias, etc. Costuras
reforçadas.
Luva em flor de bovino superior, tipo chefe, polegar
integrado à palma, elástico de aperto no dorso e orla têxtil
no punho. Luva de protecção mecânica reforçada para
uso geral. Costuras reforçadas.
Luva em flor de bovino superior, tipo chefe, polegar
integrado à palma, elástico de aperto no dorso, orla
têxtil no punho. Para uso em trabalhos de construção,
condutores de carros de manutenção, manipulação
de caixas de madeira, cartão e plásticos, expedição e
recepção de mercadorias, etc. Costuras reforçadas.
LUVUSCAVMIS
FPM006
LUVUSCAVCFO
Ún ic o .
i
1
8, 9, 1 0 e 1 1 .
i
1
kg
kg
FPM051
8, 9, 10 e 11.
EN 388 (2121).
EN 388.
i
1
kg
kg
FPM004
LUVUSCAVBUF
kg
kg
EN 388.
em conta as condições susceptíveis de aparecer em serviço e recomenda-se
não utilizar os resultados do ensaio, que têm um valor essencialmente relativo,
mais para comparar materiais em função das grandes categorias de tempo de
impermeabilidade.
EN 388 - Riscos Mecânicos
A norma EN 388 aplica-se a todas as classes de luvas de protecção no
referente ás agressões físicas e mecânicas por abrasão, corte, perfuração e
desgaste. Esta norma não se aplica ás luvas anti-vibratórias.
Nível Exigência:
1º Nível: 0 a 1 - Penetração: indica que o produto resiste ou não resiste à
penetração de água e de ar.
2º Nível:0 a 6 - Permeabilidade: Indica o tempo que necessita um produto
perigoso para atravessar a película protectora por permeabilidade.
Nível de exigência:
1º Nível: 0 a 4 - Resistência à abrasão.
2º Nível: 0 a 5 - Resistência ao corte.
3º Nível: 0 a 4 - Resistência ao desgaste.
4º Nível: 0 a 4 - Resistência à perfuração.
71
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
Fibra DuPont
c/ Picots
Pele sintética
Flor de cabra
Luvas Pele Pelica Cinza Malha
Azul Tuf419 (2121)
Luvas Marigold XRT R p/
Mecanicos (2111)
Luvas em pele flor de cabra com costas em malha.
Recomendadas para fabrico e manipulação de produtos
metálicos, manuseio de cabos, indústrias de pneumáticos,
usos agrícolas, trabalhos onde se requeira o tacto, etc.
Luvas em pele flor de cabra com costas em malha.
Maleabilidade e conforto. Grande destreza. Boa
longevidade.
Luva industrial de protecção em pele sintética. Ideal para
uso geral em ambientes secos, em todos os sectores
de engenharia, transporte e manutenção. Excelente
alternativa às luvas de pele.
FPM045
LUVVENSVE920B
MARXRTR
7 , 8 , 9 , 1 0 e 11.
i
MARKT2D
Ú ni co, aj ustável .
EN 388 e EN 420.
N/A.
FPM040
Luvas para manuseamento de precisão. Luva apropriada
para aplicações finais anti-borboto, manuseamento de
produto, maquinaria e montagem. Para manuseamento
com precisão. Protege os componentes de impressões
digitais. Excelente destreza e boa resistência à abrasão.
Fabricada com linha 100% poliamida, cosida com
linha fina (Galga 13) sem costura em processo c.n.c.
contínuo. Pulso em latex que garante melhor ajuste. Forma
ambidestra que duplica a duração da luva.
Luvas Malha Algodão Tipo C com
Forchetas
LUVMALC
i
Luvas Poliamida c/ Picots PMP60
LUVPICI
FPM016
Luva 100% algodão de 180 g/m2, tipo usual, polegar
agregado, punho com bainha de acabamento e
montagem dos dedos tipo garfo. Em operações de
acabamento minucioso requerendo que o produto seja
protegido. Ex.: mecânica delicada, relojoaria, laboratórios
de fotografia.
7, 8, 9 e 10.
180g
i
1
i
1
kg
FPM046
Luva anti-deslizante em poliamida. Para todo o tipo de
montagem, manipulação precisa e cuidada, requerendo
uma primeira protecção mecânica da mão e uma
protecção do produto manipulado. Coberta com pontos
azuis em plastoprene, da palma da mão aos dedos.
8, 9 e 10.
6/ 8, 7/9 , 8 / 1 0 e 9 / 1 1 .
kg
Poliamida c/
Picots
100% Algodão
Luvas C.A. tipo Monylon Confort I
kg
kg
kg
100% Poliamida
1
i
1
EN 388:94 e EN 420:94.
LUVMONYLONI
FPM073
Luvas de isolamento térmico. Ideal para uso em indústrias
de alimentos e de pesca, construção, comércio de
alimentos e trabalho ao ar livre em geral. Luvas de
isolamento térmico com alguma rugosidade nas palmas.
Feitas de fibra DuPont e Thermastat ®. Suave com rápida
acção de absorção para maior secagem.
kg
kg
kg
kg
i
72 pares
1
7 - 10 .
1
FPM076
Luvas Marigold KT2D Azul
Insulator (c/ Picots) p/ Frio
kg
kg
kg
EN 388 e EN 420.
N/A.
EN 388:1994.
EN 407 - Resistência ao Calor e/ou Fogo
A norma EN407 especifica os métodos de ensaio, as exigências gerais, os
níveis de eficiência térmica e de marcação das luvas de protecção contra o
calor e/ou o fogo. Aplica-se a todas as luvas que devem proteger as mãos
contra o calor e/ou as chamas, numa ou das várias formas seguintes: fogo,
calor de contacto, calor por convecção, calor radiante, pequenas protecções
de metal fundido ou grandes projecções de metais em fusão. Os ensaios de
produtos só podem ser realizados para níveis de eficiência e não para níveis
de protecção.
Nível de Exigência: Nível: 1 a 4
72
EN 420 - Requisitos Gerais para Luvas de Protecção
Ergonomia, constituição (pH neutro e ausência de substâncias dadas
como alérgenas), inocuidade e conforto (tamanho, sensibilidade - 5 níveis),
transmissão e absorção do vapor de água. Informações sobre as condições
de uso e os níveis de resistência proporcionados pelas luvas segundo as
normas EN apresentadas.
EN 421
Luvas de protecção contra radiações ionizantes e contaminação radioactiva.
PROTECÇÃO DAS MÃOS
Para-Aramida
e Algodão
Poliamida c/
Picots
Luvas Comasec Picolon Confort
LUVCOMPIC
FPM001
Para uma aderência excelente e anti-borboto para o
manuseamento e montagem de objectos ligeiramente
afiados e escorregadios. Características idênticas à
Monylon Confort I com pontos. Excelente aderência e
destreza graças aos pontos. Boa resistência à abrasão.
Galga 13 (linha fina), sem costura e cosida por processo
c.n.c. contínuo. Pulso em latex garante melhor ajuste.
Luva de protecção anti-cotão branca para manipulações
delicadas, montagem de peças e manutenção.
Excelente flexibilidade e resistência a abrasão.
LUVKEVRGT
8, 9 e 10.
i
50
kg
kg
Luvas Marigold PGK10 nº9 (Kevlar
e Látex) (2544)
MARPGK10
FPM026
Luva 100% Kevlar®. Útil para as indústrias Mecânica,
Acondicionamento, Manutenção e Manipulação de peças
gordurosas e oleosas. Borracha natural de latex que
oferece uma grande aderência e uma grande resistência.
Os acabamentos enrugados oferecem uma boa aderência
em ambientes secos e molhados. Ideal para a construção
e industrias de automóveis.
7, 8, 9 e 10.
i
1
kg
kg
EN 388, EN 407 e EN 420.
kg
kg
FPM023
Luva tricotada em para-aramida espesso, forrada com
uma sub luva tricotada em algodão pesado. Metalurgia
e fundição, industria vidreira, industria dos plásticos,
industria automóvel, etc. Manipulação de peças quentes,
abrasivas e cortantes. Contactos prolongados até 250ºC e
contactos rápidos até 350ºC.
7, 8, 9 e 1 0 .
i
100% Kevlar
Luvas Kevlar RGT 12425 nº 10 (T.
Polys) 350.ºC
1
1
06
EN 388, EN 407 e EN 420+A1.
EN 388 e EN 420.
Nitrilo
Luvas Vinil T525PF sem Pó
LUVVINSP
Nitrilo
FPM012
Luva descartável em nitrilo azul AQL 1,5 (sem pó).
Manipulações finas e delicadas, polimento das jóias,
assemblagem de precisão, trabalhos em laboratórios,
cozinhas de colectividades, cabeleireiros, preparação de
géneros alimentícios, trabalhos que produzam sujidades
porém pouco agressivos, tratamentos para uso veterinário,
laboratórios, exames e tratamentos médicos não estéreis.
8, 9, 1 0 e 1 1 .
100
1
i
Luvas Nitrilo (0,13mm) (cx100un)
Aql 1,5 c/ Pó
Luvas Mapa 997BL Nitrilo s/ Pó
(cx.100un)
Luva descartável em nitrilo azul AQL 1,5 (com pó).
Manipulações finas e delicadas, polimento das jóias.
assemblagem de precisão, trabalhos em laboratórios,
cozinhas de colectividades, cabeleireiros, preparação de
géneros alimentícios, trabalhos que produzam sujidades
porém pouco agressivos, tratamentos para uso veterinário,
laboratórios, exames e tratamentos médicos não estéreis.
Luva em nitrilo para trabalhos precisos, clorada no interior
e com exterior fino no seu corpo e rugoso nos dedos
para melhor aderência. Indústria mecânica automotiva,
industria alimentar, manipulação de alimentos, trabalhos
de laboratório, etc. Não contêm proteínas naturais do látex
de borracha. Excelente resistência mecânica, ideal em
ambientes oleosos. Manguito laminado para evitar rasgar,
garantindo que a luva permaneça no braço.
LUVNIT
FPM041
6 /7 , 7 /8 , 8/9 e 9/10.
100
1
kg
kg
EN 420.
Nitrilo
i
MAP997BL
6, 7, 8 e 9.
EN 420.
EN 511 - Resistência ao Frio
A norma EN511 define as exigências e métodos de ensaios das luvas de
protecção contra o frio transmitido por convecção ou condução até 50 graus
negativos. Este frio pode estar relacionado com as condições climáticas ou
com uma actividade industrial. Os valores específicos dos diferentes níveis
de eficiência determinam-se segundo as exigências específicas de cada
categoria de risco ou no âmbito de cada aplicação especial. Os ensaios de
produtos só podem ser realizados para níveis de eficiência e não para níveis
de protecção.
100
1
kg
kg
FPM069
i
kg
kg
EN 374.
EN 659 - Risco Bombeiro
Esta norma aplica-se unicamente às luvas de protecção destinadas aos
bombeiros no combate a incêndios e nas operações de busca e de resgate.
Define os métodos de ensaios e as capacidades mínimas de tais luvas.
EN 1082 - Vestuário de Protecção
Luvas e protectores dos braços contra cortes e golpes resultantes
do uso de facas de mão.
73
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
Malha Aramida
e Nitrilo
Nitrilo
Borracha em
suporte têxtil
Luvas Marigold G25G (nitrilo verde)
(4101)
Luvas Showa Best 4560 Zorb-It
Ultimate (4332) (=N300 Marig.)
Luvas Marigold K2000 Verde
(3143)
Luva em nitrilo de alta resistência a solventes de base
oleosa, flocada no interior a algodão e com altos relevos
na palma e dedos para melhor aderência. Ideal para
a industria de manutenção, montagens mecânicas,
automóvel e gráfica. Luva de punho aberto para melhor
arejamento das mãos mantendo-as frescas. Boa
resistência à perfuração e abrasão.
Luvas em malha de aramida e revestimento em esponja
de nitrilo. Para a indústria automativa, construção e vidro.
Uma luva flexível e de fácil manutenção que proporciona
uma protecção eficaz contra os cortes e com excelente
durabilidade.
Protege a mão de óleos, hidrocarbonetos, massa
lubrificante e da abrasão, com uma excelente preensão de
longa duração.
Costas da mão respiráveis para reduzir a transpiração.
A superfície permite a melhor preensão, mesmo em
situações de oleosidade.
Luva de protecção industrial em borracha natural com
suporte têxtil. Ideal para todo o tipo de manipulações
mecânicas que necessitem boa destreza e aderência.
Exemplos de aplicação: construção, recolha de resíduos,
trabalhos de manutenção em geral. Luva sem costuras
em polialgodão, tricotada em processo “non-stop”, jogo
10. Revestimento em borracha natural na palma e ponta
dos dedos. Acabamento rugoso. Punho elástico garante
boa fixação.
MARG25G
FPM072
6, 5, 7, 5 , 8 , 5 , 9 , 5 e 1 0 , 5.
i
1
kg
kg
SHOBEST4560
FPM085
MARK2000
8, 9, 10 e 11.
6 , 7 , 8 , 9 , 10 e 11.
EN 374, EN 388 e EN 420.
i
72 pares
1
i
1
kg
kg
kg
kg
FPM020
EN 388 e EN 420.
EN 388.
Nylon e
Poliuretano
Nylon
Poliuretano
Nylon e Nitrilo
Luvas Polyco Matrix F Grip Nylon/
Nitrilo
Luvas Nylon Branco Revestido
Nitrilo Cinza 5071PG=MatrixF
Luvas Mapa Ultrane 549 Cor
Branco em Nylon/Poliuretano
Luva Matrix F Grip, de Nylon sem costuras e com
revestimento esponjoso de nitrilo. Manipulação de
componentes, trabalhos mecânicos ligeiros, electrónica,
linhas de montagem, etc. O revestimento de espuma de
nitrilo permite boa aderência em piso molhado ou seco.
Luva de nylon e nitrilo com punho elástico. Manipulação
de peças pequenas e gordurosas, indústria em geral,
automação e construção, montagens ligeiras e manuseio
de pequenos electrodomésticos.
Luva fina de excelente sensibilidade táctil. Na industria
da eletrônica (montagem de componentes eléctricos,
manuseio de microprocessadores), indústria mecânica
automotiva (pequenos parafusos e fixadores de
montagem, montagem intrincada, classificação de
peças pequenas), Cosméticos e Indústria Farmacêutica
(preparação cosméticos e/ou medicamentos).
POLMATFG
FPM017
kg
240
1
i
1
EN 388 e EN 420.
FPM008
6 , 7 , 8 , 9 e 10.
8, 9 e 1 0 .
kg
LUVNYLNITBRACIN
i
MAP549
6, 7, 8, 9, 10 e 11.
kg
kg
EN 388.
74
96 par
1
kg
kg
EN 388 (3121).
EN 12477 - Risco Soldador
Exigências e métodos de ensaios para luvas utilizadas para a soldadura
manual dos metais, o corte e técnicas conexas. As luvas tipo soldador são
classificadas em dois tipos: B quando se requer uma grande destreza e A para
os outros procedimentos de soldadura.
ISO 13999 - Vestuário de Protecção
Luvas e protectores de braço, contra cortes e golpes resultantes do uso de
facas de mão.
EN 60903 - Trabalhos sob Tensão
Luvas de material isolante.
FPM067
i
PROTECÇÃO DAS MÃOS
Poliamida c/
Picots
MARN300
Luvas Mapa Latex 385
MAP3858
FPM074
Luva de protecção de 5 dedos em Nitrilo. Luva ideal
para uso em indústria mecânica com ligeiro risco de
corte. Luva com palma recoberta e punho tricotado.
Revestimento de nitrilo preto resistente a óleos e gorduras
residuais. Altamente flexível com grande destreza para um
óptimo conforto na sua utilização.
8, 9 e 10.
Luvas 701 P. Malha Costa Fechada
(2190)
8, 9 e 10.
kg
kg
EN 4221.
Nitrilo em
suporte jérsei
Nitrilo em
suporte jérsei
Nitrilo sobre
têxtil
Luvas HYC702 Punho Lona Costa
Aberta (4221)
Luvas HYC704 Lite P. Malha
Aberto (3121)
Luvas de nitrilo em malha de algodão jérsei. Indicadas
para a Indústria Mecânica, Acondicionamento,
manipulação de peças mecânicas e oleosas, trabalhos
em metal, trabalhos em meio florestal, manipulação de
materiais de construção, Indústria Mineira, etc.
Luva de protecção mecânica reforçada para uso geral.
Indicadas para a Indústria Mecânica, Acondicionamento,
manipulação de peças mecânicas e oleosas, trabalhos
em metal, trabalhos em meio florestal, manipulação de
materiais de construção, Indústria Mineira, etc. Luva
imbuída em nitrilo sobre suporte de algodão jérsei, punho
de malha canelado e dorso arejado. Espessura: 0,80 mm.
FPM042
LUVNITPLCA
8, 9 e 1 0 .
i
1
LUVNITPMCALIT
FPM043
7 , 8 , 9 e 10.
i
1
kg
EN 4221.
i
1
EN 374, EN 388, EN 421 e EN 511.
EN 388 e EN 420.
kg
FPM049
LUVNITPMCF
Luva em nitrilo (100%), imbuído e vulcanizado, sobre
suporte de malha de algodão jérsei e punho em tela de 6
cm. Toda revestida. Indicadas para a Indústria Mecânica,
Acondicionamento, manipulação de peças mecânicas e
oleosas, trabalhos em metal, trabalhos em meio florestal,
manipulação de materiais de construção, Indústria
Mineira, etc.
kg
kg
kg
kg
i
100
1
i
FPM064
Luva em nitrilo de dorso ventilado. Indústrias de
Reflorestamento e Limpeza, Indústria Mecânica (manuseio
de folhas de metal grossas, não acabadas ou não afiadas,
corte ou cisalhamento em metal), Serviços Públicos
(coleta e processamento de lixo).
6, 7, 8 , 9 e 1 0 .
1
Nitrilo em
suporte jérsei
Nitrilo
Luvas Marigold N300 Nitrotough
Costa Aberta (4.2.4.2)
06
Luvas HYC705 Lite Punho Malha
Costa Fechada (nitrilo)
LUVNITPMCFLIT
7, 8, 9 e 10.
N/A.
i
1
kg
kg
FPM007
Luva imbuída em nitrilo sobre suporte de algodão jérsei,
punho de malha canelado. Espessura: 0,80 mm. Indústria
mecânica e acondicionamento, manipulação de peças
mecânicas oleosas, trabalhos em metal, trabalhos em
meio florestal, manipulação de materiais de construção,
indústria mineira, etc. Conforto do suporte têxtil,
isolamento térmico, boa destreza, adequadas a trabalhos
muito exigentes, maleabilidade, destreza, grande
longevidade.
kg
250G
kg
EN 3121.
75
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
Nitrilo
PVC em
malha jérsei
Nylon
Luvas Mapa Ultrane 548 cor Preto
em Nylon/Poliuretano
Luvas Polyco Matrix P Grip Nylon/
PU
Luvas PVC North Strongoflex
Punho Malha Costa
Luva de protecção industrial em espuma de poliuretano
de cor preta, sem costura interior e de dorso ventilado.
Ideal para utilizações na indústria automativa/mecânica,
eletrónica, cosmética e farmacêutica que necessitem boa
destreza, aderência, manipulação detalhada de peças
pequenas, montagem de componentes eléctricos e
preparo de medicamentos e cosméticos.
Luva de nylon tricotado sem costuras com revestimento
de poliuretano na palma. Para desempenho de trabalhos
mecânicos ligeiros, electrónica, manipulação de
componentes, cadeias de montagem, etc.
Luva em PVC sobre suporte jérsei algodão. Punho
em malha canelada. Parcialmente revestida, com
o dorso arejado. Útil para as indústrias Mecânica,
Acondicionamento, Manutenção e Manipulação de peças
gordurosas e oleosas. Resistência óptima à abrasão. Boa
resistência do PVC aos riscos químicos.
MAP548
FPM021
POLMATPGR
6 , 7 , 8 , 9 e 10.
i
96 par
1
98 0 g
i
1
6, 7, 8 , 9 , 1 0 e 1 1 .
kg
FPM009
EN 388 e EN 420.
PVC
PVC
Luvas Marigold P56B Insulator
(4121) PVC
Luva de protecção industrial em PVC com suporte
térmico de cor azul. Ideal para manipulações em geral
em exterior, bem como, aplicações químicas. Indústrias
químicas, Industria petroquímica, serviços de manutenção
e limpeza. Revestimento integral em PVC Suave.
Acabamento rugoso na parte da mão e liso no cano.
Desenhada para proteger a temperaturas de -30ºC.
Luvas PVC HK 27cm ou 35cm
Luva de protecção industrial em PVC com suporte térmico
de cor azul. Ideal para manipulações em geral em exterior,
bem como, aplicações químicas. Indústrias químicas,
Industria petroquímica, serviços de manutenção e limpeza.
Revestimento integral em PVC Suave. Acabamento rugoso
na parte da mão e liso no cano. Desenhada para proteger
a temperaturas de -30ºC.
Luva suporte em malha jérsei de algodão de revestimento
exterior em PVC. Forma anatómica. Disponível com
comprimento de 27cm, 35cm.
Aplicações diversas.
kg
EN 374, EN 388, EN 420 e EN 511.
76
i
FPM018
LUVPVCHK27 ou LUVPVCHK35
kg
120
1
6/72
1
kg
EN 374, EN 388, EN 420 e EN 511.
i
FPM011
Ú ni co.
8, 9 e 10.
8, 9 e 1 0 .
6 /7 2
PVC
Luvas Marigold P56B (4121) PVC
MARP56B
FPM075
MARP56BINS
kg
kg
kg
EN 388 (3121).
1
i
1
EN 388.
FPM025
Ú ni co (T9).
kg
kg
kg
LUVNORPVCPMCA9
kg
kg
EN 388.
i
PROTECÇÃO DAS MÃOS
Luvas PVC Verde Mapa Telsol 311
(T/HK27) (Stock Lot)
FPM063
Luva suporte em malha jérsei de algodão de revestimento
exterior em PVC. Forma anatómica. Disponível com
comprimento de 27cm.
Aplicações diversas.
Único.
i
1
Luvas PVC Branca Strongoflex
Super 604W 40cm
LUVNORPVC40
LUVPVCS40
FPM044
7/8, 9/10 e 11/12.
i
i
10/100
1
kg
kg
kg
kg
FPM047
Luva de forro vermelho em PVC, mergulhada em algodão
e de acabamento liso. Luvas de protecção química para
manuseio em ambientes agressivos, tais como: com
óleos e/ou gorduras, químicos, hidrocarbonetos, etc.
Adequadas para as indústrias química e petroquímica.
Comprimento: 40 centímetros e espessura 1.2/1.4 mm.
Ún ic o .
1
EN 388.
Luvas PVC S40 Sofraf Mainbis
Luvas de resistência química de alta qualidade. Forro
100% algodão, revestido em PVC de alta qualidade.
Projectadas com uma gramagem elevada de PVC,
tornando-as mais pesadas mas oferencendo uma
proteção superior. Ideal para uso na maioria dos óleos
leves e diversos produtos químicos.
kg
kg
PVC
PVC
PVC
MAP311
06
EN 374-2003, EN 388-2003 e EN 420-2003.
EN 374, EN 388 e EN 420.
Látex
PVC
Látex
Luvas Marigold P57B c/ Manguito
62cm (4121) PVC
Luvas Anti-corte Látex Amarelas c/
Punho Malha
Luvas Ven Látex (cx100 par) AQL
1,5 V1381 c/ Pó
Luva de protecção industrial em PVC com suporte térmico
de cor azul com manguito. Ideal para manipulações
em geral em exterior, bem como, aplicações químicas,
indústria química, indústria petrolífera, serviços de
manutenção e limpeza. Forro interior sem costuras de
material acrílico em jogo 13. Revestimento integral em
PVC Suave. Acabamento rugoso na parte da mão e liso no
cano. Desenhada para proteger a temperaturas de -30ºC.
Luvas em látex com costas abertas e protecção anti-corte
e anti-derrapante. Punho em malha. Útil para as indústrias
Mecânica, Acondicionamento, Manutenção e Manipulação
de peças gordurosas e oleosas.
Luva de látex descartável, de cor natural. Recomendada
para exames médicos, trabalho de laboratório, preparação
de fármacos, inspecção de produtos e controle de
qualidade, electrónica e outros trabalhos de montagem
complexa. Resistente a ácidos, bases, álcool e soluções
aquosas diluídas de vários produtos químicos. Resistência
mecânica e química superior às outras luvas descartáveis​​.
MARP57B9
FPM019
Ún ic o .
i
1
7, 8, 9 e 1 0 .
i
1
kg
FPM027
LUVANTLAMA
kg
EN 374-1994, EN 388-1994 e EN 420-1994.
kg
kg
FPM086
VEN1381
S - XL.
i
1
EN 388.
kg
kg
EN 374-1, EN 388 e EN 420.
77
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
Látex
Luvas Látex T425PF s/ Pó
(cx 100 un)
LUVLATSP
Luvas Látex T425 c/ Pó (cx 100 un)
LUVLAT
FPM013
Luva descartável em látex AQL 1,5 (sem pó). Laboratórios,
assemblagem de pequenas peças, preparações
alimentares, pequenas limpezas que produzam
sujidades, tratamento de cabelos, tipografia, preparação
de medicamentos, manipulações delicadas, exames e
tratamentos médicos não estéreis, etc.
Espessura : 0.125 mm. Uso único, AQL 1,5. Protecção
contra as projecções de produtos irritantes e de
determinados productos químicos.
S -XL.
Luvas Mapa 400 Neoprene
Vermelha
Luva dieléctrica em borracha natural com punho recto.
Para trabalhos em tensão. Deve ser usada com uma outra
luva. Fabricada em latex natural de cor mel. Resistente a
baixas temperaturas (-25ºC).
Luva em neoprene e látex natural. Indústrias automativa e
mecânica (fabrico de baterias e pintura com spray), outras
indústrias (limpeza e manutenção industrial, preparação
de colas indústriais), etc. Acabamento interior: Flocado
e acabamento externo: Anti-derrapante. Comprimento:
31cm e espessura: 0,75mm. Óptima destreza, graças
à espessura reduzida da luva. Boa aderência, graças à
textura anti-derrapante em alto-relevo.
FPM015
8, 9, 1 0 e 1 1 .
i
kg
kg
MAP400
FPM065
Luvas Látex Vermelha Solo 211
Stock Lot 8-8.1/2 (T. Único)
MAP211
i
1
kg
kg
EN 374 e EN 388.
FPM062
Luva em látex natural com mistura de nitrilo. Limpeza
e manutenção geral em ambientes húmidos, Indústria
mecânica, manuseio de pequenas peças oleosas, outras
indústrias. Forro confortável em algodão. Acabamento
clorado para uma melhor protecção de manuseio de
produtos. Comprimento: 31cm.
8,5.
6 , 7 , 8 , 9 e 10.
EN 60903.
78
Látex
Luvas Regeltex para Trabalhos em
Tensão
1
kg
Látex e
Neoprene
Látex
REGELEXX
i
EN 374-3, EN 388 e EN 407.
EN 374-1, EN 388 e EN 420.
EN 374-1, EN 388 e EN 420.
FPM054
1
kg
kg
kg
LUVVEN920
Luva em latex sobre suporte jersei algodão. Performance
máxima à abrasão. Mais flexibilidade e maior longevidade
acrescida. Impermeável. Malha jersei para melhor
protecção mecânica e térmica e maior conforto.
Comprimento: 30cm e espessura: 1,25mm.
Resiste ao calor de contacto de 100ºC durante 15
segundos, à abrasão, ao rasgo e às acetonas.
i
100
1
Luvas Venitex Svenizette
Antialérgica Forro Malha 920
6,5, 7,5, 8,5, 9,5 e 10,5.
6 /7 , 7 /8 , 8/9 e 9/10.
kg
kg
FPM032
Luva descartável em látex AQL 1,5 (com pó). Laboratórios,
assemblagem de pequenas peças, preparações
alimentares, pequenas limpezas que produzam
sujidades, tratamento de cabelos, tipografia, preparação
de medicamentos, manipulações delicadas, exames e
tratamentos médicos não estéreis, etc.
Espessura : 0.125 mm. Uso único, AQL 1,5. Protecção
contra as projecções de produtos irritantes e de
determinados productos químicos.
i
100
1
Látex sobre
Algodão
Látex
i
1
kg
kg
EN 374 e EN 388.
PROTECÇÃO DAS MÃOS
Látex
06
Látex
Látex
Luvas Trevo Latex Preto T.
Industrial (=VE480N) (=MAP415)
Luvas Mapa 124/194 Ménage
Amarela (32/0,40)
Luvas em latex preto. Indústria mecânica automativa,
limpeza industrial, manutenção, indústria aeronáutica, etc.
Toque fino para protecção química leve. Sensibilidade
táctil, devido à sua reduzida espessura. Conforto e
absorção de suor, devido ao acabamento em algodão
no forro. Boa aderência, devido ao relevo antiderrapante.
Corte direito no pulso. Comprimento: 32cm e espessura:
0.60mm.
Luvas em latex preto. Indústria mecânica automativa,
limpeza industrial, manutenção, indústria aeronáutica, etc.
Toque fino para protecção química leve. Sensibilidade
táctil, devido à sua reduzida espessura. Conforto e
absorção de suor, devido ao acabamento em algodão
no forro. Boa aderência, devido ao relevo antiderrapante.
Corte direito no pulso. Comprimento: 32cm e espessura:
0.60mm.
Luva em látex natural para trabalhos de manutenção
e de conservação, indústrias alimentícias, tarefas
comuns de limpeza, indústria mecânica, montagem de
pequenas peças sem óleo ou graxa, serviços públicos
(limpeza), manuseio de detergentes domésticos, etc.
Acabamento interior flocado a algodão e aderência
standard. Acabamento interior flocado a algodão e
aderência standard e acabamento externo antiderrapante.
Comprimento 30.5 cm e espessura 0.38 mm.
6, 7, 8 , 9 , 1 0 e 1 1 .
6 , 7 , 8 , 9 , 10 e 11.
Luvas Venitex Latex VE480N
(=MAP415)
LUVVEN480
FPM053
i
1 0 /1 0 0
1
kg
kg
LUVTREPRETO
FPM050
i
10/100
1
i
100
1
kg
kg
EN 374, EN 374:AKL e EN 388:2011.
Látex
FPM058
6, 7, 8, 9 e 10.
kg
kg
EN 374, EN 374:AKL e EN 388:2011.
MAP124
EN 374, EN 388 e EN 421.
Látex
Látex
L. Venitex Látex Ménage Amarela
Flocada Algodão (=MAP124)
Luvas Regeltex Class 00 - Teste
2.500V. (500V) EN60903
Luvas Regeltex Class 0 - Teste
5.000V. (1.000V) EN60903
Luva em látex natural para trabalhos de manutenção e
de conservação, indústrias alimentícias, tarefas comuns
de limpeza, indústria mecânica, montagem de pequenas
peças sem óleo ou graxa, serviços públicos (limpeza),
manuseio de detergentes domésticos, etc. Acabamento
interior flocado a algodão e aderência standard e
acabamento exterior anti-derrapante. Comprimento 33 cm
e espessura 0.40 mm.
Luvas dieléctricas para trabalhos de tensão com 0,5
mm de espessura, isolantes para trabalhos sob tensão.
Categoria AZC. Resistentes até 2 500V e a uma tensão
máxima de 500V. Devem ser sempre usadas com umas
outras luvas.
Luvas dieléctricas para trabalhos de tensão com 1,0
mm de espessura, isolantes para trabalhos sob tensão.
Categoria AZC. Resistentes até 5 000V e a uma tensão
máxima de 1 000V. Devem ser sempre usadas com umas
outras luvas.
8 a 1 1 e 2 8/36cm
8 a 11 e 36/41cm
LUVLATAM
FPM034
100
1
kg
i
kg
kg
EN 60903 e CEI 903, EN 60903:2003, IEC
60903:2002.
FPM078
REGELE0
i
1
6, 7, 8 , 9 e 1 0 .
kg
FPM079
REGELE00
i
1
kg
kg
EN 60903 e CEI 903, EN 60903:2003, IEC
60903:2002.
EN 374, EN 388 e EN 421.
79
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
Látex
Látex
Luvas Regeltex Class 1 - Teste
10.000V. (7.500V) EN60903
Luvas Regeltex Class 2 - Teste
20.000V. (17.000V) EN60903
Luvas Regeltex Class 3 - Teste
30.000V. (26.500V) EN60903
Luvas dieléctricas para trabalhos de tensão com 1,5
mm de espessura, isolantes para trabalhos sob tensão.
Categoria AZC. Resistentes até 10 000V e a uma tensão
máxima de 7 500V. Devem ser sempre usadas com umas
outras luvas.
Luvas dieléctricas para trabalhos de tensão com 2,3
mm de espessura, isolantes para trabalhos sob tensão.
Categoria AZC. Resistentes até 20 000V e a uma tensão
máxima de 17 000V. Devem ser sempre usadas com
umas outras luvas.
Luvas dieléctricas para trabalhos de tensão com 2,9
mm de espessura, isolantes para trabalhos sob tensão.
Categoria AZC. Resistentes até 30 000V e a uma tensão
máxima de 26 500V. Devem ser sempre usadas com
umas outras luvas.
8 a 11 e 3 6 / 4 1 c m
8 a 1 1 e 3 6/41cm
8 a 11 e 36/41cm
FPM080
REGELE1
kg
kg
REGELE2
i
1
FPM081
kg
kg
EN 60903 e CEI 903, EN 60903:2003, IEC
60903:2002.
Vinil c/ Pó
Polietileno
LUVVINCP
FPM083
REGELE4
8 a 11 e 3 6 / 4 1 c m
i
1
kg
kg
FPM056
Luva descartável de vinil azul com pó, tão finas que
parecem uma segunda pele. Pó de amido vegetal sobre
o interior da luva, absorve a transpiração. Recomendadas
para produção alimentar, indústria farmacêutica,
laboratórios, serviços de emergências, hospitais, clínicas,
entre outros. A suave formação de vinil proporciona
grande comodidade, tornando assim a luva mais flexivel
e de uso mais facilitado. Embora sejam descartáveis, as
luvas Finesse são suficientemente resistentes para serem
reutilizadas, em determinadas situações. Ajustam-se
indistintamente a ambas as mãos.
Luvas Polietileno (saco 100 un.)
Tipo Palhaço
LUVPOL100
Ú ni co.
100
kg
EN 374.
Incolor
100
1
1
kg
FPM048
Luva descartável em 100% polietileno. Sem pó para
reduzir os riscos de contaminação por poeiras; sem látex
reduzindo o risco de hiper-sensibilidade e reacções
alérgicas; testadas para a manipulação de produtos
alimentares.
Para uso na manipulação de alimentos, em postos de
combustível, em estações Self-Services, Cabeleireiros, etc.
6 ,5 , 7 ,5 , 8,5, 9,5.
EN 60903 e CEI 903, EN 60903:2003, IEC
60903:2002.
kg
EN 60903 e CEI 903, EN 60903:2003, IEC
60903:2002.
Luvas Vinil T525 c/ Pó (cx100un)
Luvas dieléctricas para trabalhos de tensão com 2,9
mm de espessura, isolantes para trabalhos sob tensão.
Categoria AZC. Resistentes até 40 000V e a uma tensão
máxima de 36 000V. Devem ser sempre usadas com
umas outras luvas.
i
1
kg
Látex
Luvas Regeltex Class 4 - Teste
40.000V. (36.000V) EN60903
FPM082
REGELE3
i
1
EN 60903 e CEI 903, EN 60903:2003, IEC
60903:2002.
80
Látex
i
kg
kg
N/A.
i
PROTECÇÃO DAS MÃOS
FPM014
Luva em malha de aço inoxidável com cintas texteis
AISI 316L com diâmetro de 0,5mm, para uso com facas
e ferramentas/objectos cortantes. Fivela ajustável de
aperto rápido. Versão reversível; pode ser usada na mão
esquerda e na mão direita. O tecido textil fornece grande
conforto e adaptação a todas as morfologias. Não contém
substâncias alergénicas. Aconselha-se a lavagem da luva
à máquina ou à mão pelo menos uma vez ao dia e em
água quente e sabão (50ºC) ou numa mistura de água
quente e detergente.
S - XL .
i
100
1
LUVMALACO5VERD
FPM037
X S /6 ,5 .
S/7,5.
i
kg
159g
kg
Malha de Aço
kg
FPM038
Luvas Malha Aço 5D Chainex nº4
(L/9,5) Azul
Protective Glove PPE; EN 1082-1 e ISO 13999-1.
LUVMALACO5AZU
Luvas Malha Aço 5D Cores
Diversas + 15 cm Malha Aço
FPM035
Luva Chainex de 5 dedos com punho em malha de aço,
com comprimento total de 257mm. Ambidextra. Ajuste
por cinta de nylon com molas de pressão. Luva ligeira
e de grande flexibilidade. Concebida em aço inoxidável
AISI 316L, tem os seus aneis de 4mm de diâmetro e
0.50mm de espessura, soldados. As molas de aço inox
e de plástico podem ser usadas em contacto com os
alimentos; um agente anti-bacteriano é aplicado nas
molas de plástico para evitar contaminações. Estas são
removíveis, podendo ser compradas e mudadas pelo
utilizador. As de plástico, são suaves e se adaptam-se a
todas as morfologias, garantindo o conforto e ergonomia
na utilização.
M / 8, 5.
L /9 ,5 .
195g
kg
Malha de Aço
Luva Chainex de 5 dedos com punho em malha de aço,
com comprimento total de 245mm. Ambidextra. Ajuste
por cinta de nylon com molas de pressão. Luva ligeira
e de grande flexibilidade. Concebida em aço inoxidável
AISI 316L, tem os seus anéis de 4mm de diâmetro e
0.50mm de espessura, soldados. As molas de aço inox
e de plástico podem ser usadas em contacto com os
alimentos; um agente anti-bacteriano é aplicado nas
molas de plástico para evitar contaminações. Estas são
removíveis, podendo ser compradas e mudadas pelo
utilizador. As de plástico, são suaves e se adaptam-se a
todas as morfologias, garantindo o conforto e ergonomia
na utilização.
kg
176g
Malha de Aço
Luvas Malha Aço 5D Chainex nº3
(M/8,5) Vermelha
i
1
i
1
Protective Glove PPE; EN 1082-1 e ISO 13999-1.
LUVMALACO5VERM
FPM039
Luva Chainex de 5 dedos com punho em malha de aço,
com comprimento total de 232mm. Ambidextra. Ajuste
por cinta de nylon com molas de pressão. Luva ligeira
e de grande flexibilidade. Concebida em aço inoxidável
AISI 316L, tem os seus anéis de 4mm de diâmetro e
0.50mm de espessura, soldados. As molas de aço inox
e de plástico podem ser usadas em contacto com os
alimentos; um agente anti-bacteriano é aplicado nas
molas de plástico para evitar contaminações. Estas são
removíveis, podendo ser compradas e mudadas pelo
utilizador. As de plástico, são suaves e se adaptam-se a
todas as morfologias, garantindo o conforto e ergonomia
na utilização.
1
Protective Glove PPE; EN 1082-1 e ISO 13999-1.
LUVMALACOBRA
Luva Chainex de 5 dedos com punho em malha de aço,
com comprimento total de 220mm. Ambidextra. Ajuste
por cinta de nylon com molas de pressão. Luva ligeira
e de grande flexibilidade. Concebida em aço inoxidável
AISI 316L, tem os seus aneis de 4mm de diâmetro e
0.50mm de espessura, soldados. As molas de aço inox
e de plástico podem ser usadas em contacto com os
alimentos; um agente anti-bacteriano é aplicado nas
molas de plástico para evitar contaminações. Estas são
removíveis, podendo ser compradas e mudadas pelo
utilizador. As de plástico, são suaves e se adaptam-se a
todas as morfologias, garantindo o conforto e ergonomia
na utilização.
kg
kg
Luvas Malha Aço 5D Chainex nº2
(S/7,5) Branca
Luvas Malha Aço 5D Chainex nº1
(XS/6,5) Verde
Luvas Malha Aço 5D Chainex nº0
(XXS/5.5) Castanha
LUVMALACOCAS
Malha de Aço
Malha de Aço
Malha de Aço
kg
Protective Glove PPE; EN 1082-1 e ISO 13999-1.
06
D i versos.
213g
XXS XS
i
1
kg
FPM036
LUVMALACO5D
Luva Chainex de 5 dedos com punho em malha de aço.
Ambidextra. Ajuste por cinta de nylon com molas de
pressão. Luva ligeira e de grande flexibilidade. Concebida
em aço inoxidável AISI 316L, tem os seus anéis de 4mm
de diâmetro e 0.50mm de espessura, soldados. As molas
de aço inox e de plástico podem ser usadas em contacto
com os alimentos; um agente anti-bacteriano é aplicado
nas molas de plástico para evitar contaminações. Estas
são removíveis, podendo ser compradas e mudadas pelo
utilizador. As de plástico, são suaves e se adaptam-se a
todas as morfologias, garantindo o conforto e ergonomia
na utilização.
kg
Protective Glove PPE; EN 1082-1 e ISO 13999-1.
M
L XL
i
1
kg
S
kg
Protective Glove PPE; EN 1082-1 e ISO 13999-1.
81
06 PROTECÇÃO DAS MÃOS
Fibra
Anti-alérgica
Crute Bovino
Manguitos Crute 40 Cm (par) - I
Luvas Frio P25
FPM024
LUVFRI25
Luva forrada com o mesmo enchimento dos fatos para
frio, com saco e um só dedo para uma maior protecção e
punho em malha.
Fibra anti-alérgica.
40cm.
Único.
kg
kg
kg
EN 340 e EN 342.
82
i
1
i
1
kg
FPM022
MANGUICRIMP40
Par de protectores de mangas em crute de bovino.
Elástico de aperto nas extremidades, de uma só peça em
cor cinza (crute natural).
N/A.
PROTECÇÃO DAS MÃOS
06
83
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
07
CALÇADO DE
SEGURANÇA
Sapatos em Tecido
Sapatos em Couro
Sapatos em PVC
Botas em Couro
Botas em PVC
Galochas em PVC
Socas em PVC
O calçado é fabricado com os materiais adequados, necessários para cumprir com as normas a que foi destinado.
O uso em circunstâncias para as quais não foi concebido, assim como a colocação de acessórios no mesmo, poderá
modificar as suas características e diminuir ou anular as suas funções de protecção.
• Necessário fazer prévia inspecção ao calçado antes de o usar;
• Não utilizar calçado danificado;
• Inutilizar o calçado aquando de um desgaste acentuado no relevo da sola e ou após utilização em que tenham
sido levados aos limites as suas características de segurança e protecção;
• Arejar o calçado sempre que possível, ou em caso de transpiração excessiva usar alternadamente dois tipos de
calçado;
• Mudar de meias diariamente;
• Lavar o exterior do calçado, incluindo o rasto com água simples e escova para retirar a sujidade;
• Secar o calçado à temperatura ambiente e não expor a temperaturas elevadas;
• Guardar o calçado num local seco e arejado;
• Não usar o calçado de outra pessoa;
• Secar o calçado quando este estiver húmido.
07 CALÇADO DE SEGURANÇA
Sapatos Lemaitre Kiwi S1 (Sporty)
LEMKIWIS1
FCS043
Sapatos em tecido tridimensional e poliuretano para usos
diversos.
38 - 4 8 .
i
1
kg
1, 1 k g
kg
EN ISO 20345:2011.
Sapatilha Timberland Pro Outdoor
Trekker (6201035)
Sapatos Satexo S1P Ref. S150/
Dakar (perfurado)
As sapatilhas Timberland Pro Outdoor Trekker são de
couro de camurça confortável e respirável e malha
superior para manter os seus pés secos sob pressão. Um
componente não metálico que pode falhar em aço ou pela
biqueira composta, mas ainda fornecer alguma protecção
com reforços laterais TPU, uma entressola em EVA, e uma
sola de borracha nitrílica, assegurando uma resistência ao
deslizamento, bem como resistência ao calor até 300ºc.
As Timberland Pro Outdoor Trekker são flexíveis e leves,
perfeitas para climas quentes, bem como para trabalhos
em interiores.
Sapatos em camurça perfurada para trabalhos diversos.
Sola anti-estática e anti-derrapante, resistente a óleos e
hidrocarbonetos.
Corpo do sapato em camurça perfurada e sola em poliuretano de dupla densidade.
Ilhós metálicos para atacadores.
Uso em construção civil, mineração, campos de petróleo e
ambientes químicos.
SAPTIMPROTRE
FCS036
SAPSAT150
36 - 47.
i
1
37 - 45.
i
1
kg
kg
EN 345.
kg
kg
FCS002
EN ISO 20347/EN ISO 20347-01 HRO.
Sapatos Lemaitre Crossix S1P
(cinza perfurado)=Dino Aere Cz
LEMAIRCROSSIX
Sapatos Lemaitre Airfox S1P (cinza
perfurado)=Dino
FCS003
Sapatos 100% crute de búfalo, cinza de aspecto
aveludado. Aba acolchoada em couro. Biqueira de aço.
Resistência da sola à perfuração.
Resistência eléctrica. Absorção de energia pelo
calcanhar. Sola anti-estática e anti-derrapante, resistente
aos hidrocarbonetos. Palmilha removível. Ideal para pisos
industriais e construção.
35 - 4 8 .
i
1
kg
1, 3 2 0 k g
kg
LEMAIRFOX
FCS004
Sapatos em camurça com forro de tecido e sola em
poliuretano, de cor cinza e aspecto aveludado.
Revestimento tridimensional, muito respirável e macio para
maior ventilação do pé e conforto melhorado.
2,2 mm de espessura de couro para melhor resistência (à
abrasão e ao rasgamento) e maior durabilidade.
Aba acolchoada em couro. Biqueira reforçada de
policarbonato. Resistência da sola à perfuração.
Resistência eléctrica. Absorção de energia pelo calcanhar.
Sola anti-estática e anti-derrapante, resistente aos
hidrocarbonetos. Ideal para pisos industriais e construção.
39 - 47.
EN ISO 20345:2007.
800g
LEMDINS1PAER
i
FCS018
Sapato para protecção no manuseio de óleos e gorduras.
Janela bi-densidade para um maior conforto e absorção
de energia no calcanhar. Camurça perfurada de cor
cinza. Com biqueira de aço (pode ter também a palmilha
em aço). Sola anti-estática em poliuretano de dupla
densidade, resistente a óleos. Resistência de contacto até
180ºC. Para usos diversos.
35 - 47.
i
1
kg
kg
1
kg
Sapatos Lemaitre Dino S1P Aere
(cinza perf.)
EN 345.
kg
EN ISO 20345:2007.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
NORMAS
EN 344-1 / EN ISO 20344
Define as exigências gerais e os métodos de prova do calçado de segurança,
de protecção e de trabalho para uso profissional. Esta norma só pode ser
utilizada junto com as normas EN 345-1 / EN ISO 20345, EN 346-1 / EN ISO
20346 e EN 347-1 / EN ISO 20347, que precisam as exigências do calçado em
função dos níveis de risco específicos.
86
EN 345-1 / EN ISO 20345
Especificação do calçado de segurança, categorizado por “S”. Biqueira de
segurança para garantir uma protecção contra os choques de energia máxima
equivalendo a 200 joules e contra um esmagamento de 15 kN.
EN 346-1 / EN ISO 20346
Especificação do calçado de protecção, categorizado por “P”. Biqueira de
segurança para garantir a protecção contra os choques de energia máxima
equivalente a 100 joules e contra um esmagamento de 10 kN.
CALÇADO DE SEGURANÇA
Sapatos Palanca Airsafe S1P
(verde perfurado)
SAPALAIRSAFE
FCS045
Sapatos em camurça perfurada para trabalhos diversos.
Sola anti-estática e anti-derrapante, resistente a óleos e
hidrocarbunetos.
Corpo do sapato em camurça perfurada e sola em
poliuretano de dupla densidade. Ilhós metálicos para
atacadores. Biqueira e palmilha de aço, 200J e 1100N
respectivamente.
Uso em construção civil, mineração, campos de petróleo e
ambientes químicos ou outros.
35 - 4 8 .
LEMCOO
i
1
1120g
Sapatos Satexo S1P Ref.30/
Tornado I - EN 345
SACTORSAP
FCS026
Sapato em pele Flor anti-estático, confortável e com
durabilidade. Colarinho e língua acolchoados. Tecido
respirável. Sola em PU dupla densidade, calcanhar
fechado e com absorvedor de energia. Biqueira de aço,
suporta uma força de impacto até 200J. Lâmina em aço.
Para usos diversos.
35 - 48.
i
1, 2 k g
FCS030
Sapatos ligeiros com um design moderno e óptimo
conforto, em couro preto hidrófugado. Forro em fibra
sintética em poliéster e polipropileno. Palmilha intercalar
de antiperfuração em aço inox. Isolamento contra o frio.
Para usos diversos.
kg
1
kg
Sapatos Lemaitre Cooper S3
(Sporty)
07
36 - 47.
kg
kg
EN 344-1 e EN 345-1.
i
1
kg
EN 345.
kg
EN 20345:2011.
Sapatilha Timberland Pro Mudsill
Black
Sapatos Safe Way c/ Pala Ref.
P322 Branco S2 Hidrof.+Biq. Aço
Sapatos Safe Way Ref.P311
Branco S1
Aproveitando a robusta experiência de exteriores
e dedicação à qualidade, artesanato e inovação, a
Timberland PRO oferece aos profissionais o melhor em
sapatilhas de caminhada combinadas com um estilo
casual. A Timberland mistura nas suas sapatilhas casuais,
sempre testadas em campo, materiais técnicos de
trabalho, como biqueiras protectoras, solas de borracha
e couros Ever-Guard™, para um resultado elegante mas
técnico e com performances de trabalho ideiais, para que
os trabalhadores não tenham que sacrificar o seu conforto
e desfrutar de sapatilhas mais leves, mais resistentes e de
boa aparência, mesmo em ambientes de trabalho.
Sapato lavável a 30ºC para 40 ciclos de lavagem, com
sola injectada de poliuretano monodensidade antiestática, anti-derrapante, resistente a óleos e ácidos, de
cor branca. Palmilha STROBEL de tecido não-tecido, de
cor cinza, em latex anti-estática e anti-bacteriana, antibolor, “Cambrelle”. Biqueira de aço EN345, resistente a
200 joules, anti-ferrugem de formato anatómico e sintético.
Usos diversos.
Sapato lavável a 30ºC para 40 ciclos de lavagem, com
sola injectada de poliuretano monodensidade antiestática, anti-derrapante, resistente a óleos e ácidos, de
cor branca. Palmilha STROBEL de tecido não-tecido, de
cor cinza, em latex anti-estática e anti-bacteriana, antibolor, “Cambrelle”. Biqueira de aço EN345, resistente a
200 joules, anti-ferrugem de formato anatómico e sintético.
Usos diversos.
35 - 47.
35 - 47.
SAPTIMPROMUDB
FCS035
i
kg
10
1
36 - 4 5 .
1
FCS010
SAPSW322S2
kg
920g
kg
EN 345-1 S2.
SAPSW311
i
10
1
kg
920g
FCS038
i
kg
EN 345 S1.
kg
EN ISO 20345-S1P HRO.
EN 347-1 / EN ISO 20347
Especificação do calçado de trabalho, categorizado por “O”. Define os
requisitos básicos relativos a calçado de trabalho, sem biqueira de segurança.
87
07 CALÇADO DE SEGURANÇA
Botas Palanca Black s/ Biqueira e
s/ Palmilha de Aço
BOTPALBLACK
Botas Palanca Metal Free S3
FCS046
Botas de excelente resistência às agressões externas,
com tratamento hidrófugo.
Conforto excelente mesmo em condições extremas
(flexão). Perfil ultra direito para uma grande superfície
de apoio e com numerosas ranhuras, que confere um
excelente coeficiente de aderência. Sola em poliuretano
de dupla densidade, resistente ao deslizamento sobre
solo industrial e gorduroso.
Uso em construção civil, mineração, campos de petróleo e
ambientes químicos ou outros.
BOTPALMFREE
Botas de excelente resistência às agressões externas,
com tratamento hidrófugo. Conforto excelente mesmo em
condições extremas (flexão). Perfil ultra direito para uma
grande superfície de apoio e com numerosas ranhuras,
que confere um excelente coeficiente de aderência.
Sola em poliuretano de dupla densidade, resistente ao
deslizamento sobre solo industrial e gorduroso.
Biqueira e palmilha em compósito Kevlar, 200J. Palmilha
não metálica de 1100N.
35 - 48.
35 - 4 8 .
90 0 g
i
1
i
1
kg
FCS047
kg
1 ,0 kg
BOTPALANCA
35 - 48.
kg
1,4kg
LEMBLAFOX
FCS029
Bota impermeável reforçada, em couro de boa resistência
a materiais agressivos. Protecção do “tendão de Aquiles”.
Revestimento com costuras reforçadas. Excelente
conforto, mesmo em condições extremas de flexão.
Biqueira de 200 joules. Absorção de energia no calcanhar.
Resistência à penetração e aos óleos.
35 - 4 7 .
i
1
kg
Botas Satexo S1P Ref. S40
Tornado II EN345
Botas Workland Alex Plux
(metal-free) S3
WORALEPLUS
FCS037
Botas em pele preta, com sola em poliuretano de dupla
densidade, com design atractivo.
Pele com tratamento hidrófugo e forro em Cambrelle.
Biqueira em policarbonato injectado e palmilha em paraaramida (não metálica). Sola em poliuretano de dupla
densidade, anti-derrapante e anti-estática, resistente a
óleos e temperaturas de contacto de 180ºC.
Para usos diversos.
37 - 47.
i
1
i
1
kg
kg
FCS005
BOTSATTOR
Bota com revestimento em pele flor e sola em poliuretano
de dupla densidade, anti-estática e anti-derrapante,
resistente a óleos e hidrocarbonetos.
Cano almofadado. Ilhós metálicos para atacadores.
Para uso na construção civil, mineração, campos de
petróleo e ambientes químicos.
37 - 47.
kg
EN 344-1 e EN 345-1.
kg
kg
EN 345.
EN ISO 20345:2004 S3.
SIMBOLOS RELATIVOS A ESPECIFICAÇÕES PARTICULARES
p
Resistência da sola à perfuração.
E
Absorção de energia pelo calcanhar.
C
Resistência eléctrica, condutividade.
A
Resistência eléctrica, anti-estática.
88
i
EN 20345 S3.
Botas Lemaitre Blackfox S1P
70 0 g
10
1
EN 20345:2011.
kg
FCS001
Botas de excelente resistência do couro às agressões
externas. Protecção do Tendão d’Aquiles, reforço das
costuras do forro. Óptimo calçado. Conforto excelente
mesmo em condições extremas (flexão). Perfil ultra direito
para uma grande superfície de apoio e com numerosas
ranhuras, que confere um excelente coeficiente de
aderência. Resistente ao deslizamento sobre solo
industrial e gorduroso. Biqueira 200 joules reforçada.
Uso em construção civil, mineração, campos de petróleo e
ambientes químicos.
kg
EN 20345:2011.
kg
Botas Palanca S3 Biqueira e
Palmilha Aço c/ trata. Hidrófugo
HI
Sola isoladora contra o calor.
CI
Sola isoladora contra o frio.
WRU
Resistência à absorção de água pelo corte do calçado de couro.
HRO
Resistência da sola ao calor de contacto.
ORO
Resistência da sola de marcha aos hidrocarbonetos.
CALÇADO DE SEGURANÇA
Botas Siili Askel Scarpa Preto
Ref.004070 S3
BOTSIIASKSCAS3
FCS023
Botas Palanca Solder S3
(para soldador)
BOTPALSOLDER
FCS048
07
Botas Cofra Tago S3 UK SRC p/
Soldador (aperto fivela)
BOTCOFTAG
FCS021
Bota de cano médio para protecção no manuseio de
liquidos e gorduras em trabalhos diversos. Forro interior
em tecido não-tecido de absorção da transpiração e
cano em material sintético macio e confortável de alta
resistência. Palmilha interior anti-estática, amovível, forrada
a tecido respirável. Biqueira: Resistente a 200 J (EN345).
Palmilha de Segurança: Aço, anti perfuração (EN345).
Ideal para a construção civil, empreiteiras, exploração de
petróleo, indústria química, mineradoras, refinarias em
geral e siderúrgicas.
Botas de excelente resistência às agressões externas,
com tratamento hidrófugo. Conforto excelente mesmo em
condições extremas (flexão). Perfil ultra direito para uma
grande superfície de apoio e com numerosas ranhuras,
que confere um excelente coeficiente de aderência.
Sola em poliuretano de dupla densidade, resistente ao
deslizamento sobre solo industrial e gorduroso.
Biqueira e palmilha de aço, de 200J e 1100N
respectivamente.
Para usos diversos.
Bota para protecção no manuseio de liquidos e gorduras
em trabalhos diversos. Pele impermeável, com protecção
da ponteira em poliuretano. Fecha com uma fivela de
metal lateral para ajuste. Forro em TEXELLE respirável,
absorvente, anti-estático e resistente a abrasão. Palmilha
perfurada, removível, anatómica e anti-estática. Sola FLEXSOLE em poliuretano, directamente injectado no peito do
pé, anti- derrapante e anti-estática. Biqueira em aço, com
máximo de absorção de choque 200 Joules.
Usos diversos.
36 - 4 7 .
35 - 48.
39 - 47.
i
1
kg
kg
kg
EN 345.
FCS027
LEMRANGS3
Bota em pele impermeável reforçada no calcanhar para
melhor e extra conforto. Forro em Cambrelle.
Sola 4x4 - PU2D.
Para usos diversos.
38 - 4 8 .
i
1
kg
N/A.
1 ,3 kg
EN 345.
Botas Altas Lemaitre Buran S3 p/
Soldador
Botas Dunlop Acifort Rigger Fur
Linning FS A442713.FL S5 Frio
FCS015
LEMBURS3
Uma gama de calçado com biqueira e palmilha não
metálica. Palmilha ligeira, flexível e inalterável, aplicada
sob totalidade da superfície da sola. O facto de não ser
metálica, optimiza as suas capacidades isolantes ao frio e
ao calor, proporcionando o máximo conforto. Passadores
dos atacadores não metálicos. Esta exclusividade da
Lemaitre Securité, é concebida na base do policarbonato
injectado, duas vezes mais leve que a tradicional biqueira
de aço. O facto de não ser condutora aumenta o conforto
do pé.
BOTDUNACIFORT
40 - 48.
6
1
i
1
1 ,5 5 kg
FCS011
Bota composta em poliuretano expandido com biqueira e
palmilha de aço. Sola resistente aos óleos, anti-estática e
anti-derrapante, com absorção de energia no calcanhar
e isolamento ao frio. Resistente a óleos e massas de
origem animal, vegetal e mineral, sangue, desinfectantes,
solventes e outros produtos químicos.
Para usos diversos.
38 - 48.
kg
kg
kg
kg
i
1
CE EN 20345:2011.
Botas Lemaitre Ranger S3CI
kg
i
1
kg
i
kg
kg
EN 345-1 S5 CI.
EN 345.
WR
Resistência à penetração da água da junção sola/corte do calçado de couro.
M
Protecção dos metatarsos contra os choques.
CR
Resistência da pala ao golpe.
89
07 CALÇADO DE SEGURANÇA
Botas PVC 1/2 Cano
BOTPVCMC
FCS022
Bota de PVC bicolor, de meio cano, com palmilha e
biqueira de aço, ou somente biqueira, para protecção no
manuseio de liquidos e gorduras em trabalhos diversos.
Alto teor de borracha nitrílica na sola e no cano, que lhe
confere resistência química.
Sola antiderrapante. Forro em poliéster.
Ideal para a construção civil, empreiteiras, exploração de
petróleo, indústria química, mineradoras, refinarias em
geral e siderúrgicas.
38 - 47 .
BOTPVC
i
kg
BOTPVCBP
FCS007
Bota de cano alto para melhor protecção no manuseio de
liquidos e gorduras.
Resistência a óleos industriais, massas, combustíveis,
etc. Com biqueira e palmilha de aço. Anti-estática e antiderrapante. Absorção de energia no calcanhar. Sola de
PVC e nitrílo. Cano e corpo de PVC e nitrílo.
Para usos diversos.
i
1
i
kg
kg
kg
kg
Botas PVC c/ Biq. e Palmilha Aço
S5-EN345
36 - 47.
1
EN 344.
EN ISO 20347 + A1:2007.
EN ISO 20347.
Botas PVC Cano Joelho Branca
Safe S5
Botas PVC Palanca c/ Biq. e Palm.
Aço SB+P Preta Ref. Segurança
Botas PVC Palanca Cano Joelho
Preta Ref. Cabana
Bota de cano alto para melhor protecção no manuseio de
liquidos e gorduras.
Resistência ao óleo, gorduras animais, desinfectantes,
solventes e outros produtos químicos. Absorção de
energia no calcanhar: 23 joules. Sola de 70% PVC e 30%
borracha nitrílica. Cano de 90% PVC e 10% borracha
nitrílica. Com biqueira e palmilha de aço. Anti-estática e
anti-derrapante.
Para usos diversos.
Bota de segurança individual de cano alto para uso na
construção civil, agricultura, etc.
Esta bota não é anti-estática. Por esse motivo, NÃO pode
ser utilizada em gasolineiras, petrolíferas ou aplicações
onde o risco de combustão é elevado. Nestas situações
utilizar as nossas botas S5 (BOTPVCBP) Botas PVC c/ Biq.
e Palm. Aço SAFE S5 - EN 345 Preto.
Esta bota é fabricada com os melhores materiais
disponíveis, necessários para cumprir com as normas
a que foram destinados. O uso em circunstâncias para
as quais não foi concebida, assim como a colocação de
acessórios na bota, pode modificar as suas características
e diminuir ou anular as suas funções de protecção.
Bota de protecção individual para uso ocupacional Classificação II - inserido na categoria 0B descrita na EN
ISO 20347 acrescida da absorção de energia ao choque
sofrido ao nível do tacão até 20J.
BOTPVCBR
FCS006
kg
EN 20345:2004 S5.
10
1
i
1
kg
FCS019
BOTPVCPALANCASBP
38 - 47.
35 - 4 8 .
90
FCS016
Bota de cano alto para melhor protecção no manuseio de
liquidos e gorduras.
Resistência ao óleo, gorduras animais, desinfectantes,
solventes e outros produtos químicos. Absorção de
energia no calcanhar: 23 joules. Dedo do pé e calcanhar
reforçado e protecção no tornozelo. Sola e cano em PVC.
Anti-estática e anti-derrapante.
Para usos diversos.
35 - 48.
1
kg
Botas PVC Cano Joelho Preta Ref.
Ginnochio
kg
i
38 - 47.
10
1
kg
EN ISO 20345 SB + P CE07.
FCS044
BOTPVCPALANCA
kg
kg
EN ISO 20347 20B + E CE06.
i
CALÇADO DE SEGURANÇA
07
Botas PVC Palanca Cano Joelho
Preta Ref. Senhora
Sapatos PVC Dunlop Bicolour
Wellie Shoe Branco c/ Sola Verde
Galocha Tipo Sapato PVC Verde c/
Sola Preta
Bota de segurança individual de cano alto para uso
ocupacional, designadamente na indústria Agro-alimentar.
Esta bota é fabricada com os melhores materiais
disponíveis, necessários para cumprir com as normas
a que foram destinados. O uso em circunstâncias para
as quais não foi concebida, assim como a colocação de
acessórios na bota, pode modificar as suas características
e diminuir ou anular as suas funções de protecção.
Sapato impermeável em PVC branco e sola em borracha
nitrílica, resistente a óleos e massas de origem animal,
vegetal e mineral, sangue, desinfectantes, solventes e
outros produtos químicos. Isolamento ao frio. Resistência
a ácidos de baixa concentração e bases, desinfectantes
e fertilizantes. Sola resistente a hidrocarbonetos e antiderrapante.
Uso na indústria alimentar.
Galocha verde e sola preta.
Resistência a óleos industriais, massas, combustíveis, etc.
Sola de PVC, anti-derrapante. Cano e corpo de PVC.
Para usos diversos.
27 - 3 7 .
36 - 46.
FCS049
BOTPVCPALANCAS
10
1
i
kg
kg
EN ISO 20347 20B + E CE06.
FCS009
Soca verde em PVC.
Resistência a óleos industriais, massas, combustíveis, etc.
Sola anti-derrapante.
Para usos diversos.
35/ 36 - 4 7 / 4 8 .
10
kg
kg
980g
i
GALPVCVERPRE
FCS008
35 - 48.
10
1
i
kg
kg
N/A.
kg
EN ISO 20347:2012. OB.FO.CI.SRA.
Soca Tipo Clog Cor Verde
1
16
1
kg
SOCCLOVERDE
FCS012
SAPPVCDUNWS
i
Soca Safe Way K035 Azul
Perfurada
SOCSWK035
FCS040
Socas termoplásticas auto-laváveis, com forma confortável
e envolvente. Alça e palmilha removível, anatómica e
anti-estática, resistentes a altas temperaturas. Lavável
na máquina a 90º. Absorção de energia no calcanhar,
orifícios de ventilação lateral, suporte do arco para melhor
estabilidade e conforto do pé.
Para usos diversos.
34 - 47.
i
1
N/A.
kg
kg
EN ISO 20347:2007.
Soca Safe Way T/ Clog
(cores diversas)
SOCSWK037
FCS042
Socas termoplásticas auto-laváveis, com forma confortável
e envolvente. Alça e palmilha removível e opcional,
anatómica e anti-estática, resistentes a altas temperaturas.
Lavável na máquina a 90º. Absorção de energia no
calcanhar, orifícios de ventilação lateral, suporte do arco
para melhor estabilidade e conforto do pé.
Para usos diversos.
34 - 47.
10
1
kg
i
kg
EN ISO 20347:2007.
91
07 CALÇADO DE SEGURANÇA
Soca Safe Way K051 Branca
Perfurada
SOCSWK051
SOCSWK031
FCS041
Soca Aberta p/ Indústria Saúde
3ZUE420
AMFSOC3ZUE420
FCS020
Socas termoplásticas auto-laváveis, com forma confortável
e envolvente. Alça e palmilha removível, anatómica e
anti-estática, resistentes a altas temperaturas. Lavável
na máquina a 90º. Absorção de energia no calcanhar,
orifícios de ventilação lateral, suporte do arco para melhor
estabilidade e conforto do pé.
Para usos diversos.
Socas termoplásticas auto-laváveis, com forma confortável
e envolvente. Alça e palmilha removível, anatómica e
anti-estática, resistentes a altas temperaturas. Lavável
na máquina a 90º. Absorção de energia no calcanhar,
orifícios de ventilação lateral, suporte do arco para melhor
estabilidade e conforto do pé.
Para usos diversos.
Soca confortável e fléxivel. Biqueira de aço. Tornozelo
acolchoado. Forro interior com grande capacidade
de absorção do suor. Forma larga. Corte ergonómico.
Palmilha interior amovível e aveludada. Sola antideslizante, anti-estática e resistente aos óleos.
Para protecção no manuseio de liquidos e gorduras em
trabalhos diversos.
34 - 4 7 .
34 - 47.
36 - 47.
i
1
kg
kg
EN ISO 20347:2007.
92
FCS039
Soca Safe Way K031 Branca
Perfurada
i
1
kg
kg
EN ISO 20347:2007.
i
1
kg
kg
EN ISO 20347 OB.
CALÇADO DE SEGURANÇA
07
93
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
08
PROTECÇÃO
ANTI-QUEDA
Arnêses
Kit Arnêses
Cintos e Cinturões
Cabos Amortecedores
Cordas e Cintas de Amarração
Absorvedores
Dispositivos Anti-Queda
Linhas de Vida
Mosquetões
Mochilas e Tripés
Os anti-quedas são componentes do sistema de paragem de quedas colocados entre o arnês e um ponto de
ancoragem. A sua função é de parar a queda o mais rapidamente possível.
Existem três famílias de anti-quedas:
• Os anti-quedas com absorvedor de energia;
• Os anti-quedas móveis;
• Os anti-quedas auto-retrácteis.
Os EPI’s anti-quedas estão classificados como categoria 3. Isto significa que se trata de produtos para o nível de
risco mais elevado, que pode prejudicar de maneira irreversível a saúde do utilizador.
Os equipamentos anti-queda foram desenvolvidos para cobrir da forma mais ampla possível as distintas situações
com risco de queda no trabalho.
A sua manutenção é simples mas requer uma rotina por parte do trabalhador ou encarregado.
É também necessário ler atentamente o manual de instruções que acompanha o produto.
08 PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Arnês Anti-Queda Dieléctrico 60D
Palanca
Arnês Anti-Queda 21-C Atex
Palanca
ARNAQ21CAPALANCA
FPAQ001
Este modelo foi concebido e fabricado de forma a não
poder ocorrer nele qualquer arco ou faísca de origem
eléctrica, electrostática ou causada por um golpe que
possa causar uma mistura explosiva e, por conseguinte, é
adequado para utilização em áreas de risco de explosão,
em áreas classificadas como zona 1, ou zona 21, devido
à presença de gases ou vapores inflamáveis ​​classificadas
como IIA ou IIB ou poeiras combustíveis, e, também, em
áreas classificadas como zona 2 e zona 22. Os materiais
saõ de 1ª qualidade e suportam os ambientes e as
condições de trabalho mais exigentes.
FPAQ004
ARNAQ60DPALANCA
O arnês anti-quedas 60D está desenhado especialmente
para trabalhos em redes eléctricas. Todas as fivelas
reguladoras estão revestidas de material poliéster
dieléctrico. O arnês pode completar-se com o cinturão
de posicionamento mod.61D. Anti-quedas em altura (EN
361): dispõe de dois pontos de ancoragem anti-quedas,
uma fivela dorsal em D e outra esternal, na cinta, para
conectar um sistema anti-quedas.
ARNAQ10BPALANCA
kg
kg
i
1
i
1
i
kg
kg
FPAQ028
O arnês anti-quedas 10 BASIC está especialmente
concebido e fabricado para trabalhar em situações
onde há risco de queda em altura, sendo reforçado e
confeccionado com cintas, fivelas e costuras de alta
resistência, para em caso de acidente, evitar a queda com
toda a segurança. Os materiais de todos os componentes,
são de alta qualidade e suportam os ambientes e as
condições de trabalho mais exigentes.
A j ustável .
Aju stá ve l.
1
A jus t á v e l .
Arnês Anti-Queda 10 Basic Palanca
EN 361:2002.
EN 361:2002.
kg
kg
EN 361:2002.
Arnês Anti-Queda 28-N Palanca
Arnês Anti-Queda 26-C Palanca
ARNAQ26CPALANCA
FPAQ007
ARNQ28NPALANCA
FPAQ031
ARNAQ30CPALANCA
FPAQ033
O arnês anti-quedas PALANCA mod. 26-C está
especialmente concebido e fabricado para trabalhar
em situações onde há risco de queda em altura, sendo
reforçado e confeccionado com cintas, fivelas e costuras
de alta resistência, para em caso de acidente, evitar a
queda com toda a segurança. Os materiais de todos
os componentes, são de alta qualidade e suportam os
ambientes e as condições de trabalho mais exigentes.
O arnês 26-C converte-se num elemento de segurança
indispensável para todo o tipo de trabalhos verticais (em
telhados, fachadas, torres ou postes eléctricos, etc.).
O arnês anti-quedas PALANCA mod. 28-N está
especialmente concebido e fabricado para trabalhar
em situações onde há risco de queda em altura, sendo
reforçado e confeccionado com cintas, fivelas e costuras
de alta resistência, para em caso de acidente, evitar a
queda com toda a segurança. Os materiais de todos
os componentes, são de alta qualidade e suportam os
ambientes e as condições de trabalho mais exigentes.
O arnês 28-N converte-se num elemento de segurança
indispensável para todos o tipo de trabalhos verticais (em
telhados, fachadas, torres ou postes eléctricos, etc.).
O arnês anti-quedas PALANCA mod. 30-C está
especialmente concebido e fabricado para trabalhar
em situações onde há risco de queda em altura, sendo
reforçado e confeccionado com cintas, fivelas e costuras
de alta resistência, para em caso de acidente, evitar a
queda com toda a segurança. Os materiais de todos
os componentes, são de alta qualidade e suportam os
ambientes e as condições de trabalho mais exigentes.
O arnês 30-C converte-se num elemento de segurança
indispensável para todos o tipo de trabalhos verticais (em
telhados, fachadas, torres ou postes eléctricos, etc.).
A jus t á v e l .
Aju stá ve l.
Aj ustável .
i
1
kg
kg
EN 361:1993.
i
1
kg
kg
EN 361:2002.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
NORMAS
Os arneses e cinturões de segurança cumprem distintas normas dependendo
do campo de aplicação e do seu objectivo.
O uso de equipamentos anti-queda exige uma adequada formação prática e
teoria dos trabalhadores.
96
Arnês Anti-Queda 30-C Palanca
i
1
kg
kg
EN 361:2002.
EN 341
Equipamento de protecção pessoal para a prevenção de quedas em altura.
Equipamento de descida para salvamento.
EN 353-1: Dispositivos Deslizantes sobre Linha de Ancoragem Rígida
Sistema composto de um anti-queda móvel com sistema de bloqueio
automático integrado ao suporte de segurança rígido (carril, cabo…).
Um elemento de absorção de energia pode ser integrado ao conjunto.
EN 353-2: Dispositivos Deslizantes sobre Linha de Ancoragem Flexível
Sistema composto de um anti-queda móvel com sistema de bloqueio
PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Arnês Anti-Queda Atlas Palanca
ARNAQATPALANCA
FPAQ002
O arnês anti-quedas Atlas é um equipamento de
protecção individual indicado contra quedas em altura (EN
361): dispõe de dois pontos de ancoragem anti-queda,
um dorsal e um esternal, fivela de aço em D de 8 mm,
para conexão de um sistema de prevenção de quedas.
A jus t á v e l .
i
1
kg
kg
EN 358:1999, EN 361:2002 e EN 813:2008.
Arnês Anti-Queda Atlas Plus
Palanca
ARNAQAPPALANCA
FPAQ034
08
Arnês Anti-Queda Atlas Tree
Integral Palanca
ARNAQATIPALANCA
FPAQ035
O arnês anti-quedas Atlas Plus está especialmente
concebido e fabricado para trabalhar em situações
onde há risco de queda em altura, sendo reforçado e
confeccionado com cintas, fivelas e costuras de alta
resistência, para em caso de acidente, evitar a queda com
toda a segurança. Os materiais de todos os componentes,
são de alta qualidade e suportam os ambientes e as
condições de trabalho mais exigentes. O arnês Atlas Plus
converte-se num elemento de segurança indispensável
para todos o tipo de trabalhos verticais (em telhados,
fachadas, torres ou postes eléctricos, etc.).
O arnês anti-quedas Atlas Tree Integral está
especialmente concebido e fabricado para trabalhar
em situações onde há risco de queda em altura, sendo
reforçado e confeccionado com cintas, fivelas e costuras
de alta resistência, para em caso de acidente, evitar a
queda com toda a segurança. Os materiais de todos
os componentes, são de alta qualidade e suportam os
ambientes e as condições de trabalho mais exigentes. O
arnês Atlas Tree Integral é um equipamento de protecção
individual indicado para a realização de trabalhos no
sector da arboricultura, corte e podas.
Aju stá ve l.
Aj ustável .
i
1
kg
kg
i
1
kg
kg
EN 358:1999, EN 361:2002 e EN 813:2008.
EN 358:1999, EN 361:2002 e EN 813:2008.
Arnês Anti-Queda Rotativo Rota
Confort Palanca
Kit A-Q 10 Basic Palanca c/
Absorvedor Energia + 2 Mosquet.
Kit A-Q 10 Basic Palanca c/
Corda CU 29/1 + 2 Mosquetões
O arnês anti-quedas ROTA CONFORT é um equipamento
de protecção individual indicado contra quedas em
altura (EN 361): dispõe de dois pontos de ancoragem
anti-queda, um dorsal, composto por fivela em D e outro
esternal, a partir de cintas têxteis para ligar um sistema
de prevenção de quedas. Posicionamento no trabalho
e contenção (EN 358): apresenta duas fivelas laterais
Dropside em D. Os pontos laterais, dividem a carga
pelo cinturão, para as situações de trabalho onde o
posicionamento é necessária.
O kit arnês 10 Basic Palanca, é composto por arnês, 1
absorvedor de energia e 2 mosquetões 30.
O kit arnês 10 Basic Palanca está especialmente
desenhado e produzido para trabalhos em altura.
O kit arnês 10 BASIC está especialmente concebido e
fabricado para trabalhar em situações onde há risco de
queda em altura, sendo reforçado e confeccionado com
alças, fivelas e costuras de alta resistência, para em caso
de acidente, evitar a queda com toda a segurança. Os
materiais de todos os componentes, são de alta qualidade
e suportam os ambientes e as condições de trabalho
mais exigentes. O kit arnês 10 BASIC converte-se num
elemento de segurança indispensável para todos o tipo
de trabalhos verticais (em telhados, fachadas, torres ou
postes eléctricos, etc.).
ARNAQRCPALANCA
FPAQ003
KITAQ10BAEPALANCA
Aju stá ve l.
i
1
i
1
kg
kg
A jus t á v e l .
FPAQ052
EN 361:2002.
kg
kg
EN 358:1999.
automático integrado ao suporte de segurança flexível (corda, cabo…).
Um elemento de absorção de energia pode ser integrado ao conjunto.
EN 354: Elementos de Amarre
Elementos de conexão ou componentes de um sistema. Pode tratar-se de
cordas, fibras sintéticas, cabos metálicos, correias ou correntes. Comprimento
máximo de 2 m. Advertência: uma corda sem absorsor de energia não deve
ser utilizada como um sistema de interrupção das quedas.
EN 355: Absorvedores de Energia
Componente de um sistema de interrupção das quedas que permite
interromper uma queda de altura em plena segurança reduzindo ao mesmo
FPAQ053
KITAQ10BCOPALANCA
Aj ustável .
i
1
kg
kg
EN 361:2002.
tempo o impacto do choque.
EN 358: Sistema de Estabilização no Trabalho
Um sistema de estabilização no trabalho é composto por componentes (cinto
mais corda de estabilização no trabalho) ligados entre si para formar um
equipamento completo.
EN 360: Dispositivos Anti-Queda Retrácteis
Anti-queda com bloqueio automático e sistema de tensão e de retrocesso
automático da corda. Um elemento de absorção de energia pode ser
integrado no anti-queda.
97
08 PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Kit A-Q 28-N Completo Palanca c/
Corda + 2 Mosquetões e Cinturão
Kit A-Q 30-C Palanca c/ Corda CU
29/1 + 2 Mosquetões
O kit arnês 28-N Palanca, é composto por arnês, 1
absorvedor de energia e 2 mosquetões 30.
O kit arnês 28-N Palanca está especialmente desenhado e
produzido para trabalhos em altura.
O kit arnês 28-N Completo Palanca, é composto por
arnês, 1 corda de 14mm, 2 mosquetões 30 e um cinturão.
O kit arnês 28-N Completo Palanca está especialmente
desenhado e produzido para trabalhos em altura.
O kit arnês 30-C Palanca, é composto por arnês, 1 corda
de 14mm e 2 mosquetões 30.
O kit arnês 30-C Palanca está especialmente desenhado e
produzido para trabalhos em altura.
A jus t á v e l .
Aju stá ve l.
A j ustável .
Kit A-Q 28-N Palanca c/ Absorvedor
de Energia + 2 Mosquetões
KITAQ28NPALANCA
FPAQ005
i
1
kg
kg
FPAQ006
KITAR28NCPALANCA
i
1
kg
kg
EN 361:2002, EN 354:2010 e EN 362:2004.
Kit A-Q 30-C Palanca c/ Absorvedor
Energia + 2 Mosquetões
Cinto Tipo Arnês Protecta AB10213
(=AB102-PR-2)
KITAQ30CPALANCA
FPAQ054
A jus t á v e l .
i
1
kg
kg
PROAB10213
i
kg
EN 361:2002.
FPAQ029
Cinto Tipo Arnês Protecta AB11313
(Ex.AB113)
PROAB11313
FPAQ030
O arnês anti-quedas AB10213 está especialmente
concebido e fabricado para trabalhar em situações
onde há risco de queda em altura, sendo reforçado e
confeccionado com cintas, fivelas e costuras de alta
resistência, para em caso de acidente, evitar a queda com
toda a segurança. Os materiais de todos os componentes,
são de alta qualidade e suportam os ambientes e as
condições de trabalho mais exigentes.
O arnês anti-quedas AB11313 está especialmente
concebido e fabricado para trabalhar em situações
onde há risco de queda em altura, sendo reforçado e
confeccionado com cintas, fivelas e costuras de alta
resistência, para em caso de acidente, evitar a queda com
toda a segurança. Os materiais de todos os componentes,
são de alta qualidade e suportam os ambientes e as
condições de trabalho mais exigentes.
Aju stá ve l.
A j ustável .
i
1
EN 361:2002.
kg
kg
EN 361.
98
FPAQ055
1
kg
EN 361:2002, EN 355:2002 e EN 362:2004.
O kit arnês 30-C Palanca, é composto por arnês, 1
absorvedor de energia e 2 mosquetões 30.
O kit arnês 30-C Palanca está especialmente desenhado e
produzido para trabalhos em altura.
KITAR30CPALANCA
i
1
kg
1,15kg
kg
EN 361.
EN 361: Arneses Anti-Queda
Dispositivo de preensão do corpo destinado a interromper as quedas. O arnês
de anti-queda pode ser composto de correias, ferragens e outros elementos
dispostos e ajustados no corpo de um individuo de forma adequada para
segura-lo durante uma queda e após interrupção da queda.
EN 363: Sistema de Interrupção das Quedas
Conjunto de equipamentos de protecção individual contra as quedas de altura
ligados entre si e destinados a interromper uma queda.
Um sistema de interrupção das quedas deve incluir no mínimo um arnês antiqueda e um sistema anti-queda.
EN 362: Dispositivos de Ligação
Elemento de ligação ou componente de um sistema. Um dispositivo de ligação
pode ser um mosquetão ou um gancho.
EN 364: Procedimentos de Ensaio
Descreve os procedimentos de ensaio dos diferentes EPI contra as quedas de
altura assim como a aparelhagem de ensaio.
PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Cinto Tipo Arnês Protecta AB201
(Arborista)
PROAB201
FPAQ032
O arnês anti-quedas Protecta está especialmente
concebido e fabricado para trabalhar em situações
onde há risco de queda em altura, sendo reforçado e
confeccionado com cintas, fivelas e costuras de alta
resistência, para em caso de acidente, evitar a queda com
toda a segurança. Os materiais de todos os componentes,
são de alta qualidade e suportam os ambientes e as
condições de trabalho mais exigentes.
Cinturão Dieléctrico 61-D Palanca
Cinto Tipo Arnês Protecta AG551
Atlas
PROAG551
FPAQ044
O cinto de arnês anti-quedas Protecta Atlas está
especialmente concebido e fabricado para trabalhar
em situações onde há risco de queda em altura, sendo
reforçado e confeccionado com cintas, fivelas e costuras
de alta resistência, para em caso de acidente, evitar a
queda com toda a segurança. Os materiais de todos
os componentes, são de alta qualidade e suportam os
ambientes e as condições de trabalho mais exigentes.
i
1
720g
kg
kg
FPAQ018
1 ,6 5 kg
kg
CIN24CATPALANCA
EN 358:1999.
CIN25C2CEPALANCA
FPAQ043
FPAQ019
O cinturão de fixação 25-C/2 está especialmente
desenhado e fabricado para ser usado em situações onde
exista risco de queda em altura. O cinturão permite ao
utilizador amarrar-se à estrutura na qual está a trabalhar,
ficando seguro, protegendo-o a todo o momento contra o
risco de queda. O cinturão de fixação está projectado de
forma a que se possa adaptar a diferentes constituíções
fisicas dos utilizadores, e a toda a classe de gestos e
posturas necessárias para que estes possam exercer
a sua actividade com total comodidade. fabricado com
materiais altamente resistentes.
Cabo Amort. Queda 47-A Duplo c/
Absorvedor Cinta Elástica Palanca
CABAQ47ADPALANCA
40
1
150cm.
kg
50
kg
kg
i
1
1
i
FPAQ038
O absorvedor de energía mod. 47-A Duplo constitui um
componente indispensável para formar um sistema antiquedas seguro. Como parte de um sistema anti-quedas,
projectado para evitar quedas em altura em condições de
segurança. O seu desenho especial, assegura uma força
de travagem inferior a 6 kN e uma distância de travagem
máxima inferior a 4,75 m.
Aju stá ve l.
135cm , a j u s t á v e l .
kg
kg
Cinturão 25-C/2 CE Palanca
O cinturão de fixação de mod. 24-C-AT está
especialmente concebido para trabalhos onde possa
existir o risco de queda em altura. Permite ao utilizador
amarrar-se à estrutura em que este está a trabalhar
deixando-o firme e seguro, permitindo-o ter as mãos
totalmente livres para desempenhar a sua actividade. O
cinturão está projectado de forma que possa adaptarse ás diferentes constituíções físicas dos utilizadores,
e toda a classe de movimentos e posturas necessárias
para que estes possam exercer a sua actividade em total
comodidade.
i
1
EN 361.
Cinturão Suspensão 24-C-AT
Palanca
EN 358:2000.
i
1
EN 361.
kg
CIN61DPALANCA
O cinturão dieléctrico mod. 61D dispõe de dois anéis
laterais para serem utilizados ao mesmo tempo, unidos
à correia de fixação para movimentar a carga ao nível
da cintura, para trabalhar cómodamente com os pés em
apoio. O cinturão dieléctrico mod. 61D está desenhado
especialmente para trabalhos em rede eléctrica. Todas as
fivelas reguladoras estão cobertas de material dieléctrico.
O cinturão pode complementar-se com o arnês antiquedas mod. 60D.
A j ustável .
A jus t á v e l .
kg
08
i
kg
kg
EN 355:2002 + VG 11 PFE 63.
EN 358:1992.
EN 365: Exigências Gerais para as Instrucções de Uso e Marcação
Descrição das marcações que tem de aparecer nos EPI contra as quedas
de altura assim como as informações que tem de aparecer nas instruções
de uso e os métodos de ensaios para as roupas de protecção dissipando a
electricidade estática para evitar a formação de chispas capazes de provocar
um incêndio. Essas exigências não são suficientes em ambientes inflamáveis
enriquecidos em oxigénio e o método de ensaio não é aplicável aos tecidos
contendo fibras com núcleo condutor. A presente norma europeia não é
aplicável para a protecção contra as tensões do sector.
EN 795: Dispositivos de Ancoragem
Elemento ao qual se pode amarrar um elemento de protecção individual.
EN 813: Arneses de Assento
Para manter a posição de trabalho sentado estando em suspensão. As anilhas
situam-se se possível na zona do centro de gravidade do corpo.
99
08 PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Cabo Amor. Queda 51-Y Elástico c/
Absorvedor Energia Palanca Duplo
Cabo Amort. Queda 47-A c/
Absorvedor Cinta Elástica Palanca
Cabo Amor. Queda 50 Elástico c/
Absorvedor Energia Palanca
O absorvedor de energía mod. 51-Y constitui um
componente indispensável para formar um sistema antiquedas seguro. Como parte de um sistema anti-quedas,
projectado para evitar quedas em altura em condições de
segurança. O seu desenho especial, assegura uma força
de travagem inferior a 6 kN e uma distância de travagem
máxima inferior a 4,75 m.
O absorvedor de energía mod. 47-A constitui um
componente indispensável para formar um sistema antiquedas seguro. Como parte de um sistema anti-quedas,
projectado para evitar quedas em altura em condições de
segurança. O seu desenho especial, assegura uma força
de travagem inferior a 6 kN e uma distância de travagem
máxima inferior a 4,7 m.
O absorvedor de energía mod. 50 constitui um
componente indispensável para formar um sistema antiquedas seguro. Como parte de um sistema anti-quedas,
projectado para evitar quedas em altura em condições de
segurança. O seu desenho especial, assegura uma força
de travagem inferior a 6 kN e uma distância de travagem
máxima inferior a 4,75 m.
175cm .
175cm.
175cm.
FPAQ040
CABAQ51YPALANCA
i
1
kg
kg
kg
kg
CABAQ50PALANCA
i
1
EN 355:2002 + VG 11 PFE 63.
FPAQ039
i
1
kg
kg
EN 354:2002 e EN 355:2002.
EN 354:2002.
Cabo Amortecedor Queda 35 Semi
c/ Absorvedor Energia Palanca
Cabo Amortecedor Queda 52 c/
Absorvedor Energia Palanca
Cabo Amortecedor Queda 34-A c/
Absorvedor Energia Palanca
O absorvedor de energia 35 SEMI é um componente
essencial para compor um sistema anti-quedas seguro.
Como parte do sistema anti-quedas, está desenhado
para evitar quedas em altura, em total segurança. O
seu desenho especial assegura uma força de travagem
inferior a 6 kN e uma distância máxima de paragem
inferior a 4,75 m.
O kit arnês 30-C Palanca, é composto por arnês, 1 corda
de 14mm e 2 mosquetões 30.
O kit arnês 30-C Palanca está especialmente desenhado e
produzido para trabalhos em altura.
O conjunto absorvedor de energía mod. 34-A, constitui
um componente indispensável para conjuntamente com
um arnês de segurança, formar um sistema anti-quedas
seguro. O conjunto absorvedor está concebido para a
protecção durante a instalação de andaimes, já que o
desenho da faixa de amarração anti-quedas em forma
de Y permite ao utilizador estar conectado à estrutura em
todo o momento.
FPAQ010
CABAQ35SPALANCA
CABAQ52PALANCA
i
1
i
1
kg
FPAQ008
+/- 1 8 5 c m.
175cm .
kg
EN 355:2002 + VG 11 PFE 63.
1 00
FPAQ037
CABAQ47APALANCA
kg
kg
CABAQ34APALANCA
FPAQ036
175cm.
i
1
EN 355:2002 + VG 11 PFE 63.
kg
kg
EN 355:2002, EN 354:2002 e EN 362:1993.
PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Cabo Amortecedor Queda 53 c/
Absorvedor Energia Palanca
CABAQ53PALANCA
O absorvedor de energia 53 é um componente essencial
para compor um sistema anti-quedas seguro. Como
parte do sistema anti-quedas, está desenhado para
abraçar a estrutura sem ter que estrangular a fita. Oferece
uma grande versatilidade por ser capaz de encurtar
ou estender o comprimento da corda. O seu desenho
especial assegura uma força de travagem inferior a 6 kN e
uma distância máxima de paragem inferior a 4,75 m.
+ / - 18 5 c m .
i
1
CJ42SPALANCA
FPAQ067
FPAQ066
O conjunto mod. 40 deve utilizar-se em combinação com
um arnês anti-quedas (como os arneses Climax mod. 26C, 27-C, 28-C e 29-C) e com um absorvedor de energía.
o conjunto forma um sistema anti-quedas extremamente
seguro e resistente que permite ao utilizador amarrarse a qualquer tipo de ponto de ancoragem seguro,
evitando assim a queda livre em caso de acidente.
Assim, o conjunto converte-se numa ferramenta ideal
e indispensável para a realização de qualquer tipo de
trabalho em altura, evitando de forma óptima o risco de
queda.
175cm.
175cm.
i
1
EN 355:2002 + VG 11 PFE 63.
CJ40SPALANCA
O conjunto mod. 42 deve utilizar-se em combinação com
um arnês anti-quedas (como os arneses Climax mod. 26C, 27-C, 28-C e 29-C) e com um absorvedor de energía.
O conjunto forma um sistema anti-quedas extremamente
seguro e resistente que permite ao utilizador amarrarse a qualquer tipo de ponto de ancoragem seguro,
evitando assim a queda livre em caso de acidente.
Assim, o conjunto converte-se numa ferramenta ideal
e indispensável para a realização de qualquer tipo de
trabalho em altura, evitando de forma óptima o risco de
queda.
kg
kg
Conjunto Mod. 40 Semi Palanca
Conjunto Mod. 42 Semi Palanca
FPAQ009
08
kg
kg
i
1
kg
kg
EN 354:2002.
EN 354:2010.
Cabo Amortecedor Queda 37-A
c/ Absorvedor Energia Palanca
Cabo AE522/6 Sanchoc 2m + 2
Mosquetões
Corda Amarração Semi-Estática
CU 31/1 14mm Palanca
O absorvedor de energia 37 é um componente essencial
para compor um sistema anti-quedas seguro. Como
parte do sistema anti-quedas, está desenhado para evitar
quedas em altura, em total segurança. O seu desenho
especial assegura uma força de travagem inferior a 6 kN
e uma distância máxima de paragem inferior a 4,75 m. O
absorvedor de energia mod. 37, é fabricado com materiais
altamente resistentes, capazes de suportar as situações
de trabalho mais exigentes, assegurando em todo o
momento uma perfeita protecção.
O absorvedor de energia AE522/6 é um componente
essencial para compor um sistema anti-quedas seguro.
Como parte do sistema anti-quedas, está desenhado
para evitar quedas em altura, em total segurança. O seu
desenho especial assegura uma força de travagem inferior
a 6 kN.
Trata-se de um elemento de amarração e de fixação
regulável destinado a âmbitos de trabalho com ambas as
mãos. A corda é composta por três cordões de poliamida
de alta tenacidade, o que lhe atribui uma grande
resistência.
O equipamento de amarração é um equipamento
de protecção individual, que se deve utilizar como
componente de um sistema de protecção contra quedas.
CABAQ37APALANCA
FPAQ011
PROAE5226
i
1
185cm .
i
1
kg
FPAQ060
kg
kg
821g
EN 355.
FPAQ021
CORA3114PALANCA
1,65m.
i
1
kg
kg
kg
EN 358.
EN 354:2002 e EN 355:2002.
101
08 PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Corda Amarração Anti-Estática CU
29/1 1,5M Palanca
CORA2920PALANCA
FPAQ046
O elemento de amarração anti-quedas CU.29/1 constitui
um componente indispensável para formar um sistema
anti-quedas seguro. A corda está concebida para unir-se,
mediante conectores apropriados (mosquetão mod.30) a
um arnês anti-quedas (como os arnêses mod.26-C, 27-C,
28-C ou 29-C), e em conjunto, constituir um sistema antiquedas totalmente seguro para tabalhar evitando o risco
de queda em todo o momento da sua utilização.
Corda 14mm 2M S/R 29/1 Palanca
COR142291PALANCA
FPAQ020
O elemento de amarração anti-quedas CU.29/1 constitui
um componente indispensável para formar um sistema
anti-quedas seguro. A corda está concebida para unir-se,
mediante conectores apropriados (mosquetão mod.30) a
um arnés anti-quedas (como os arneses mod.26-C, 27-C,
28-C ou 29-C), e em conjunto, constituir um sistema antiquedas totalmente seguro para tabalhar evitando o risco
de queda em todo o momento da sua utilização.
2m.
1, 5m .
FPAQ045
10, 20, 30, 40 e 50m.
i
1
EN 354:1993.
EN 354:1993.
COR1410PALANCA
Corda de poliamida de alta tenacidade, de 14 mm de
diâmetro, torcida, de 3 fios. Constitui um elemento de
conexão sobre o qual está montado um dispositivo antiquedas deslizante, com bloqueio automático. A corda
de amarração anti-quedas constitui um componente
indispensável para formar um sistema anti-quedas
seguro. A corda está concebida para unir-se, mediante
conectores apropriados a um arnés anti-quedas, e em
conjunto, constituir um sistema anti-quedas totalmente
seguro para trabalhar evitando o risco de queda em todo
o momento da sua utilização.
kg
kg
kg
kg
i
150
1
i
150
1
Corda 14mm Palanca
kg
kg
EN 353-2.
Corda Semi-Estática 11mm
Palanca
COR115PALANCA
FPAQ047
O elemento de amarração semi-estático de classe A, é
utilizado como meio de progressão. É um equipamento
de protecção individual, que se deve utilizar como
componente de um sistema de protecção contra quedas.
Está fabricado com materiais altamente resistentes,
capazes de suportar situações de trabalho das mais
exigentes, assegurando a todo o momento, uma perfeita
proteccção, constituindo uma ferramenta indispensável
para a realização de qualquer trabalho em altura.
CINAMVINPALANCA
kg
EN 353-2 e EN 1891-98.
1 02
PALANCA
45x350mm.
N/A.
i
1
i
kg
kg
FPAQ041
O absorvedor de energía mod. 32 A constitui um
componente indispensável para formar um sistema antiquedas seguro. Como parte de um sistema anti-quedas,
projectado para evitar quedas em altura em condições de
segurança.
3 6 c m ( a lç a peq.) 68cm (al ça gr.).
1
i
kg
FPAQ042
Elemento de amarração. Projectado com dois braços
de comprimentos diferentes (36 e 68 cm), sendo o mais
largo o utilizado como corda de segurança, em Linhas
de Vida, e o mais curto, utilizado em todas as manobras
necessárias para este tipo de operações.
Destinado a realizar manobras em que se requeira
trabalhos em suspensão vertical.
5, 10, 1 5 , 2 0 , 3 0 , 4 0 , 5 0, 1 0 0 e 2 0 0 m .
1
Absorvedor de Energia 32 A
Palanca
Cinta Amarração Modelo Vinatzer
Palanca
kg
kg
EN 355:2002.
PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Dispositivo Anti-Queda Retráctil 2,5
Palanca
DISARC25PALANCA
FPAQ014
O dispositivo anti-quedas retráctil, mod. 2,5 M, foi
desenhado para ser utilizado como parte de um sistema
anti-quedas conforme a norma EN 360. Em condições
normais de trabalho, a corda de amarração retráctil
(cinta de fibra sintética), desliza para fora à medida que
o trabalhador afasta-se, e para dentro quando este se
aproxima da unidade, até que seja recolhida.
DISADA14PALANCA
FPAQ013
Este é um dispositivo anti-queda para cabos de
ancoragem verticais flexíveis com Ø 14 mm. É fornecido
com fecho de segurança e mecanismo que evita a
colocação errada da corda. Permite o movimento vertical
do utilizador sem alterar manualmente a sua posição. Em
caso de queda, trava automáticamente.
35cm.
200cm .
i
1
kg
Dispositivo Anti-Queda Deslizante
A.D.A. 14 Palanca
1,075kg
i
1
Dispositivo Anti-Queda Retráctil 6
Palanca
FPAQ012
DISARC6PALANCA
O dispositivo anti-quedas retráctil, mod. 6M, foi
desenhado para ser utilizado como parte de um sistema
anti-quedas conforme a norma EN 360. Em condições
normais de trabalho, a corda de amarração retráctil
(cinta de fibra sintética), desliza para fora à medida que
o trabalhador afasta-se, e para dentro quando este se
aproxima da unidade, até que seja recolhida.
6m.
i
1
kg
kg
kg
EN 360:2002.
kg
kg
EN 353-2:2002.
08
EN 360.
Dispositivo Anti-Queda Retráctil 10
Palanca
Dispositivo Anti-Queda Retráctil 15
Palanca
Dispositivo Anti-Queda Retráctil 20
Palanca
O dispositivo anti-quedas retráctil, equipado com um
cabo de aço de 4 mm de diâmetro e invólucro plástico.
Inclui um conector superior de travamento manual (rosca)
e diâmetro de abertura de 16 mm e, um inferior giratório,
de travamento automático e de diâmetro de abertura de
19 mm. O conector inferior incorpora um indicador de
esforço.
O dispositivo anti-quedas retráctil, equipado com um
cabo de aço de 4 mm de diâmetro e invólucro plástico.
Inclui um conector superior de travamento manual (rosca)
e diâmetro de abertura de 16 mm e, um inferior giratório,
de travamento automático e de diâmetro de abertura de
19 mm. O conector inferior incorpora um indicador de
esforço.
O dispositivo anti-quedas retráctil, equipado com um
cabo de aço de 4 mm de diâmetro e invólucro plástico.
Inclui um conector superior de travamento manual (rosca)
e diâmetro de abertura de 16 mm e, um inferior giratório,
de travamento automático e de diâmetro de abertura de
19 mm. O conector inferior incorpora um indicador de
esforço.
10m .
15m.
20m.
DISARC10PALANCA
FPAQ015
i
1
kg
4,8kg
EN 360.
DISARC15PALANCA
kg
FPAQ016
i
1
kg
7 kg
EN 360.
kg
FPAQ017
DISARC20PALANCA
i
1
kg
8,8kg
kg
EN 360.
103
08 PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Dispositivo Anti-Trauma Palanca
DISPANTTPALANCA
FPAQ049
É um dispositivo anti-trauma, composto por duas bolsas e
respectivas alças.
É um equipamento ideal e indispensável para a realização
de trabalhos em altura, destinado a segurar uma pessoa
a um ponto de ancoragem para evitar qualquer queda
desde uma determinada altura ou para detê-la de forma
segura.
DISAQOTTOPALANCA
FPAQ048
É um dispositivo anti-quedas deslizante. A sua fácil
montagem e desmontagem sobre a linha de ancoragem
torna ideal para trabalhar em torres de telecomunicações.
Permite ao utilizador, movimentos na vertical sem
necessidade de trocar manualmente a sua posição. Em
caso de queda, bloqueia-se automáticamente.
Ún ic o .
130cm .
kg
kg
i
1
i
1
kg
Dispositivo de Ancoragem Vigadur
Palanca
Dispositivo Anti-Queda Deslizante
Otto Palanca
285g
FPAQ063
Ú ni co.
i
1
kg
EN 353-2:2002.
N/A.
DISANCVIGPALANCA
O dispositivo de ancoragem está fabricado em alumínio,
sendo muito ligeiro e cómodo de transportar. O sistema
de ajuste activa-se mediante dois botões de pressão
que permitem utilizar o equipamento em vigas que vão
desde os 76 aos 255 mm. A largura da aba da viga não
pode exceder os 23 mm. Incorpora uma fevilha em “D” de
grande diâmetro (50 mm) que facilita a conexão de todo o
tipo de conectores.
kg
3,5kg
kg
EN 795.
Dispositiv de Descenso Automático
PCX-525 c/ Corda 10mt Palanca
Disposit. de Descenso Automático
PCX-525 c/ Corda 20mt Palanaca
Linha de Vida Horizontal 20M
Palanca
É um dispositivo de descida automática de classe A,
desenhado como sistema de resgate e salvamento.
O equipamento só pode ser utilizado com cordas
certificadas. Está totalmente proíbida a sua utilização para
içar materiais.
É um dispositivo de descida automática de classe A,
desenhado como sistema de resgate e salvamento.
O equipamento só pode ser utilizado com cordas
certificadas. Está totalmente proíbida a sua utilização para
içar materiais.
Único , 1 0 m ( c o r d a ) .
Ún ic o , 2 0 m (corda).
A linha de vida horizontal temporal modelo Horizont,
constitui um dispositivo de ancoragem móvel e
transportável que permite um deslocamento do trabalho
na horizontal. Está concebida para ancorar-se com
um sistema anti-quedas formado por um arnês e um
dispositivo absorvedor de energia com uma conexão
compatível. Deve instalar-se sempre entre dois pontos
de ancoragem que suportem, no mínimo, 15 kN de força
estática e estar localizados à mesma altura.
FPAQ050
DDAPCX52510PALANCA
i
1
kg
1,4kg
EN 341.
DDAPCX52520PALANCA
kg
FPAQ051
i
1
kg
1 ,4 kg
kg
LINVIDAHPALANCA
20m.
i
1
EN 341.
kg
kg
UNE EN 795:1996.
1 04
FPAQ022
PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Linha de Vida Horizontal Completa
20M Palanca
Mosquetão c/ Segurança 30
Palanca
A linha de vida horizontal temporal modelo Horizont
Complet, constitui um dispositivo de ancoragem móvel e
transportável que permite um deslocamento do trabalho
na horizontal. Está concebida para ancorar-se com
um sistema anti-quedas formado por um arnês e um
dispositivo absorvedor de energia com uma conexão
compatível. Deve instalar-se sempre entre dois pontos
de ancoragem que suportem, no mínimo, 15 kN de força
estática e estar localizados à mesma altura.
O mosquetão modelo 30 é um componente essencial
para formar um sistema anti-quedas ou de fixação
completamente seguro. O mosquetão está concebido
para utilização como uma ligação entre os diferentes
componentes de um sistema anti-queda ou fixação, e,
por sua vez, para ligar todo o sistema para o ponto de
ancoragem da estrutura de trabalho. É compatível com
os componentes de qualquer sistema anti-queda, sempre
que as dimensões dos pontos de fixação permitem uma
adequada conexão.
LINVIDAHCPALANCA
FPAQ023
20m.
i
1
MOSS30PALANCA
kg
175g
i
kg
250g
kg
EN 362:2004.
kg
MOSSKHALUPALANCA
Mosquetão c/ Segurança PCX-002
Palanca
FPAQ058
O mosquetão KH é um mosquetão em alumínio de alta
resistência, em forma de “D”, que facilita a ligação e
favorece o posicionamento correcto do aparelho ao
longo do eixo longitudinal. O mosquetão modelo KH tem
fecho automático para impedir totalmente o desbloqueio
involuntário ou acidental do mosquetão, obrigando
o utilizador a realizar duas operações voluntárias e
consecutivas para desengatar-se: empurrar e fazer girar o
casquilho de segurança.
.
i
1
EN 362:2004.
i
FPAQ025
EN 362:2004.
Mosquetão c/ Segurança KH ALU
Palanca
87 g
MOSSKHPALANCA
Mosquetão em aço de alta resistência, em forma de
pêra, que permite uma grande abertura e importante
capacidade de conexão.
Sistema de bloqueio automático, ideal para manipulações
frequentes. Desbloqueio rápido em duas etapas:
pressionar e girar o casquilho de segurança.
1
1
UNE EN 795:1996.
kg
Mosquetão c/ Segurança KH
Palanca
1 0 7 x5 7 m m.
kg
kg
FPAQ026
08
MOSSPCX002PALANCA
FPAQ059
O mosquetão PCX-002 é um mosquetão em alumínio de
alta resistência, em forma de “D”, que facilita a ligação e
favorece o posicionamento correcto do aparelho ao longo
do eixo longitudinal. O mosquetão modelo PCX-002 tem
fecho automático para impedir totalmente o desbloqueio
involuntário ou acidental do mosquetão, obrigando
o utilizador a realizar duas operações voluntárias e
consecutivas para desengatar-se: empurrar e fazer girar
o casquilho de segurança. O diâmetro de abertura é de
20 mm.
.
i
1
kg
kg
82g
kg
EN 362.
105
08 PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Mosquetão c/ Segurança 31
Palanca
Mosquetão c/ Segurança 49
Palanca
MOSS49PALANCA
FPAQ027
MOSS31PALANCA
MOSS32PALANCA
FPAQ057
O mosquetão modelo 49 é um componente essencial
para formar um sistema anti-quedas ou de fixação
completamente seguro. O mosquetão está concebido
para utilização como uma ligação entre os diferentes
componentes de um sistema anti-queda ou fixação, e,
por sua vez, para ligar todo o sistema para o ponto de
ancoragem da estrutura de trabalho. É compatível com
os componentes de qualquer sistema anti-queda, sempre
que as dimensões dos pontos de fixação permitem uma
adequada conexão.
O mosquetão modelo 31 é um componente essencial
para formar um sistema anti-quedas ou de fixação
completamente seguro. O mosquetão está concebido
para utilização como uma ligação entre os diferentes
componentes de um sistema anti-queda ou fixação, e,
por sua vez, para ligar todo o sistema para o ponto de
ancoragem da estrutura de trabalho. É compatível com
os componentes de qualquer sistema anti-queda, sempre
que as dimensões dos pontos de fixação permitem uma
adequada conexão.
O mosquetão modelo 32 é um componente essencial
para formar um sistema anti-quedas ou de fixação
completamente seguro. O mosquetão está concebido
para utilização como uma ligação entre os diferentes
componentes de um sistema anti-queda ou fixação, e,
por sua vez, para ligar todo o sistema para o ponto de
ancoragem da estrutura de trabalho. É compatível com
os componentes de qualquer sistema anti-queda, sempre
que as dimensões dos pontos de fixação permitem uma
adequada conexão.
250m m .
.
130mm.
i
1
kg
22 8 g
kg
kg
kg
kg
MOCPVC35LPALANCA
FPAQ024
i
1
kg
kg
PROAK043
Saco Protecta AK0100 para Tripé
AM100
FPAQ061
Saco de transporte em lona com corda de aperto e fecho
no topo.
Para usos diversos.
PROAK100
FPAQ062
Saco de transporte para tripé em tecido revestido a PVC
com fecho rápido de velcro, para tripé AM100.
2 0 0 x3 5 0 mm.
i
1
kg
30x 60 c m .
230g
EN 362:2004.
Saco Protecta Nylon AK043
(H500xD300)
Mochila/saco em PVC para transporte e conservação de
equipamento. Ideal como mochila de costas ou saco de
mão para transporte do equipamento e ainda conservação
do mesmo. Incorpora três cintas, para ombros e cintura,
que fazem uma boa distribuição da carga. Ainda,
inclui uma asa lateral e outra na parte superior, para se
utilizar como saco em vez de mochila e fecho mediante
cremalheiras. Tem a dimensão de 30x60 cm, com
capacidade para até 50 litros.
N/A.
515g
i
1
EN 362:1993.
Mochila em PVC p/ Transporte
Arnês 35L Palanca
kg
i
1
EN 362:2004.
1 06
FPAQ056
Mosquetão c/ Segurança 32
Palanca
322g
N/A.
kg
i
1
kg
kg
N/A.
PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Tripé Móvel AM100 - Alu 2,35 M.
Ce
Tripé de Resgate Portátil Completo
Palanca
Tripé em alumínio anodizado com 8 alturas reguláveis,
pode ser movido de um lugar para outro com facilidade e
agilidade e é equipado com quatro pontos de ancoragem.
Tem um limite de carga de trabalho de 500kg.
Para trabalhos em espaços confinados.
Tripé em alumínio anodizado com 8 alturas reguláveis,
pode ser movido de um lugar para outro com facilidade e
agilidade e é equipado com quatro pontos de ancoragem.
Tem um limite de carga de trabalho de 500kg.
Para trabalhos em espaços confinados.
PROAM100
FPAQ064
TRIRESCPALANCA
08
FPAQ065
1, 69m ( f e c h a d o )
i
1
kg
14 , 5 k g
EN 795 Classe B.
kg
i
1
kg
1 7 kg
kg
EN 795.
107
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
09
TRABALHOS
EM TENSÃO
Caixas para Luvas
Verificadores Pneumáticos
Tapetes Isolantes
09 TRABALHOS EM TENSÃO
Caixa Polipropileno p/ Luvas
Dieléctricas Bt Class 0 e 00
REGCAILUVELE
Verificador Pneumático p/ Luvas de
Electricidade Bt
FTT001
Caixa de armazenamento em polipropileno para luvas
dieléctricas.
Caixa azul em plástico injectado, com alça para fácil
transporte e um sistema de fecho por grampos, para
o armazenamento de luvas em boas condições.
Recomendado para luvas de baixa tensão (classe 00 e 0).
REGVERPNEU
42 0 g
i
kg
Tapete Isolante 1000x700x5mm
(<50 Kv)
TAPISO10007005
FTT004
Tapete isolante em borracha natural de cor cinza.
Referência Relatório: 99F13130
Temperatura Ambiente: 21ºC (±2ºC)
Humidade da Atmosfera: 45% (±10%)
Frequência: 50Hz
1000x 7 0 0 x 5 m m .
i
1
kg
IEC 60243-1.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
NORMAS
EN 60903
Luvas de material isolante.
IEC 60243-1
Força eléctrica.
110
FTT003
1000x700x3mm.
EN 60903:2003.
i
1
kg
kg
kg
kg
IEC 60243-1.
N/A.
kg
i
1
1
TAPISO10007003
Tapete isolante em borracha natural de cor cinza.
Referência Relatório: 99F13130
Temperatura Ambiente: 21ºC (±2ºC)
Humidade da Atmosfera: 45% (±10%)
Frequência: 50Hz
Ún ic o .
160x 4 2 0 x 4 6 m m .
kg
FTT002
Verificador pneumático para luvas de electricidade.
Utilizável para luvas de baixa tensão de classe 00 e 0 da
gama Electrovolt.
Tapete Isolante 1000x700x3mm
(30 Kv)
TRABALHOS EM TENSÃO
09
111
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
10
SEGURANÇA
CONTRA INCÊNDIO
Extintores CO2
Extintores Pó ABC
Extintores Água
Suportes Extintores
Armários
Difusores, Manómetros, Válvulas
Tramos, Bifurcações, Carreteis
Bocas de Incêndio
Mantas Ignífugas
Baldes de Areia
Portas Corta-Fogo
Detectores de Fumo
Quando falamos em sistemas de protecção contra incêndios, a primeira coisa que nos vem à mente são os extintores
de incêndio. E com certeza, é o sistema mais utilizado e conhecido por todos, pois o uso dos extintores é obrigatório
em todos os ambientes de trabalho e assim devem estar por um motivo bem especial: os extintores são usados e
indicados para o combate imediato ao incêndio. Ou seja, o principal uso do extintor é para apagar e deter o fogo no
seu estágio inicial, para pequenos focos. Não são, portanto, recomendados e nem muito úteis em grandes incêndios
ou no estágio mais avançado destes.
E como a maioria dos incêndios se iniciam ainda pequenos e certamente ainda sem a presença de profissionais
especializados e treinados (como bombeiros), todos os funcionários devem ser capacitados para usar os extintores
de incêndio ou outros equipamentos de segurança contra incêndios.
Embora seja um item de vital importância, simplesmente ter um extintor não nos dá garantia de protecção ao local e
aos trabalhadores. O uso e a localização dos extintores dentro de uma empresa, fábrica ou indústria deve obedecer
a uma série de medidas, especificações e regras, que caberá ao profissional de Segurança do Trabalho garantir que
esteja tudo dentro do ideal.
As principais medidas de segurança para a utilização dos extintores de incêndio, que devem ser sempre fiscalizadas
e asseguradas pelos profissionais de segurança do trabalho, são:
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Os extintores devem estar de acordo com as normas respectivas;
Devem estar posicionados em locais não obstruídos e de fácil visualização, além de estarem bem sinalizados;
Devem possuir manutenção e inspecção regularmente;
Distribuição correcta e suficiente para cada ambiente;
Extintor localizado na parede (de preferência na altura de uma pessoa de estatura média) ou, no chão em suportes
adequados;
Lacre sempre exposto, a mostrar que este não foi rompido;
O local de instalação deve ser de fácil acesso e público, para todos os trabalhadores;
Assegurar que todos saibam a localização dos extintores;
Assegurar que os funcionários saibam utilizar um extintor de incêndio.
10 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Extintor de CO2 Portátil de 2Kg Bili
Extintor de CO2 Portátil de 5Kg Bili
Extintor de CO2, portátil de 2kg. Eficácia 34B.
Uso aconselhável em fogos de classe A e B.
Extintor de CO2, portátil de 5kg. Eficácia 89B.
Uso aconselhável em fogos de classe A e B.
485x 1 1 6 m m .
7 4 5 x1 3 6 mm.
BILEXTCO22
FSCI008
i
1
kg
6,3 5 k g
BILEXTCO25
kg
FSCI009
kg
CE 0099 e 0062.
1 3 ,7 5 kg
BILEXCO210C
FSCI011
Extintor de CO2, móvel de 10kg. Eficácia 89B.
Uso aconselhável em fogos de classe A e B.
i
1
Extintor CO2 10kg c/ Carro de
Transporte Bili
963x154mm.
kg
CE 0099 e 0062.
i
1
kg
30,62kg
kg
CE 0099.
Extintor CO2 20kg (2x10) c/ Carro
de Transporte Bili
BILEXCO210CI
FSCI011
Extintor de CO2, móvel de 10kg. Eficácia 89B.
Uso aconselhável em fogos de classe A e B.
963x 1 5 4 m m ( x 2 ) .
i
1
kg
30 , 6 2 k g ( x 2 )
Extintor de Pó ABC Portátil de 1kg
Bili
BILEXTPOQ1
BILEXTPOQ2
FSCI002
Extintor de Pó ABC, portátil de 1kg. Eficácia 5A - 21B.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
Extintor de Pó ABC, portátil de 2kg. Eficácia 5A - 21B.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
3 5 5 x8 0 m m.
375x110mm.
i
1
kg
CE 0099.
FSCI001
Extintor de Pó ABC Portátil de 2kg
Bili
kg
2 ,1 0 k g
CE 0062.
kg
i
1
kg
3,70kg
kg
CE 0062.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
NORMAS
EN 671
Sistemas fixos de combate. Sistemas de mangueira. Carretéis de mangueira
com mangueira semi-rígida.
EN 694
Mangueiras de combate a incêndios. Mangueiras semi-rígidas para sistemas
fixos.
EN 3-7
114
Extintores portáteis. Características, requisitos de desempenho e métodos de
ensaio.
EN 2869
Material aeroespacial.
EN 10130
Produtos planos laminados a frio de aço a baixo carbono para conformação a
frio.
EN 14540
Mangueiras de combate a incêndios. Mangueiras planas estanques para
sistemas fixos.
SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Extintor de Pó ABC Portátil de 3kg
Bili
BILEXTPOQ3
FSCI003
Extintor de Pó ABC, portátil de 3kg. Eficácia 13A - 55B.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
470x 1 1 0 m m .
i
1
kg
5, 1 0 k g
Extintor de Pó ABC Portátil de 6kg
Bili Eficácia 27A - 183B
BILEXTPOQ6
Extintor de Pó ABC Portátil de 9kg
Bili
BILEXTPOQ9
Extintor de Pó ABC, portátil de 9kg. Eficácia 34A - 144B /
34A - 233B.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
5 1 5 x1 5 0 mm.
580x180mm.
i
1
kg
9 ,3 0 kg
kg
BILEXTPOQ12
FSCI007
i
1
kg
CE 0099 e 0062.
Extintor de Pó ABC Portátil de 12kg
Bili
FSCI006
Extintor de Pó ABC, portátil de 6kg. Eficácia 21A - 113B /
27A - 183B.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
kg
CE 0062.
FSCI005
10
13,50kg
kg
CE 0099 e 0062.
Extintor de Pó Químico ABC 25kg
c/ carro Bili
BILEXTPOQ25
Extintor de Pó Químico ABC 50kg
c/ carro Bili
FSCI029
BILEXTPOQ50
FSCI030
Extintor de Pó ABC, portátil de 12kg. Eficácia 43A - 233B.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
Extintor de Pó ABC, portátil de 25kg.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
Extintor de Pó ABC, portátil de 50kg.
Uso aconselhável em fogos de classe A, B, C e classe E,
para tensões eléctricas inferiores a 35Kv.
585x 1 9 0 m m .
9 3 0 x2 5 0 m m.
1050x300mm.
i
1
kg
16 , 8 0 k g
CE 0062.
kg
i
1
kg
4 5 kg
kg
EN 10130-1999. CE 0099.
i
1
kg
50kg
kg
EN 10130-1999. CE 0099.
EN 14604
Alarmes de fumo.
EN 23400
Material de combate a incêndios. Acessórios de conexão de 45mm.
CE 0099 e 0062
115
10 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Extintor Água AFF 6LTS Eficácia
21A - 183B
BILEXTAGUA6LT
FSCI024
Extintor portátil de 6 litros, de água, mais aditivo AFFF.
Protege áreas de risco de fogo classe A e B.
Fogos de classe A, B e fogos eléctricos até 35.000V.
Comércio, hotelaria e habitações.
Suporte Veículo 1 Cinta p/ Extintor
Bili Pó ABC 2 e 3kg
Suporte Veículo 1 Cinta p/
Extintor Bili Pó ABC 6kg
Suporte para extintor de pó ABC para veículos.
Suporte para extintor de pó ABC para veículos.
BILSUPVEI1CINPOQ2
542x 1 5 0 m m .
i
9kg
kg
kg
BILSUPVEI1CINPOQ6
i
1
1
kg
FSCI046
i
1
kg
kg
N/A.
kg
FSCI012
N/A.
EN 3-7.
Suporte Veículo p/ Extintor Bili Pó
ABC 9kg
Suporte Veículo 2 Cintas p/
Extintor Bili Pó ABC 6kg
BILSUPVEI2CINPOQ6
FSCI012
Suporte para extintor de pó ABC para veículos.
kg
N/A.
116
FSCI047
i
1
kg
kg
N/A.
BILSUPVEIPOQ12
FSCI048
Suporte para extintor de pó ABC para veículos.
Suporte para extintor de pó ABC para veículos.
i
1
kg
BILSUPVEIPOQ9
Suporte Veículo p/ Extintor Bili Pó
ABC 12kg
i
1
kg
kg
N/A.
SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Suporte p/ Ext. em Base Seb-Base
Pó ABC 6kgs; CO2 2kg e 5kg Bili
BILSUPEXTBASE
FSCI027
Suporte para extintor em base.
Estrutura em chapa zincor com pintura epoxy RAL3000.
Suporte p/ Ext. em Tripé Pirâmide
Ref. SET Bili
BILSUPTRIPSET
kg
kg
Suporte Parede p/ Extintor CO2 de
5kg Ref. SPARED5 Bili
N/A.
BILSUPPARPQ
Armário Extintor ABS Modelo GISA
p/ Extintor Pó ABC 6 e 9kg
FSCI050
Suporte de parede para extintores CO2 5kg.
Suporte de parede para extintores de pó químico ABC
6,9 e 12kg.
.
.
i
1
kg
kg
N/A.
i
1
BILARMEXTGISA
N/A.
FSCI031
Armário de extintor em ABS, para extintores de pó ABC
de 6 e 9kg.
Aplicação na parede. Cinta de fixação no interior. Leve e
resistente. Impermeável e hermético à água.
AB S6/9: 690x280x230mm.
AB SC O2: 800x290x200mm.
kg
kg
kg
kg
Suporte Parede p/ Extintor Pó
Químico ABC 6,9 e 12kg Bili
FSCI049
i
1
N/A.
N/A.
BILSUPSPARED5
FSCI041
Suporte de parede para extintores de pó ABC 6kg, CO2
2kg e CO2 5kg.
i
1
kg
kg
BILSUPSPARED2
FSCI051
.
i
1
Suporte Parede p/ Extintor CO2 de
2kg Ref. SPARED2 Bili
Suporte em tripé piramidal para extintores Pó ABC, 6kgs
e CO2 5 kgs.
300x 2 2 0 x 4 0 m m ( b a s e )
840mm ( c o l u n a )
10
i
1
kg
kg
N/A.
117
10 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Mangueira p/ Extintor Pó Químico
ABC 6kg Bili 180000045
BILMANG
FSCI038
Mangueira para extintor de pó químico ABC.
Para aplicação em extintores de pó químico ABC 6kg Bili
180000045.
Difusor Bili p/ Extintor CO2 5kg s/
Mangueira TROMPA 5
Difusor directo (sem mangueira) para extintor CO2 2kg,
ref.ª VASOEXT2.
Para adaptação em extintor CO2 2kg.
Difusor com mangueira 75 cm para extintor CO2, ref.ª
TROMPA 5.
Para adaptação em extintor CO2 5kg.
BILDIFCO22
i
1
kg
kg
Difusor Bili p/ Extintor CO2 2kg s/
Mangueira VASOEXT2
FSCI033
i
1
kg
kg
N/A.
BILDIFCO210
FSCI032
Difusor Bili para extintor CO2 10kg com mangueira de
1,50m, TROMPA 10.
Para adaptação em extintor CO2 10kg.
N/A.
Manómetro Pressão Extintores Bili
180000010
BILMAN
FSCI035
Manómetro 0 a 16 BAR Diâmetro
43mm Bili p/ Carretel
BILMAN43
FSCI036
Manómetro para carretel S.I..
Pressão 0 a 16 BAR.
Manómetro de verificação de pressão para extintores.
Sinal verde = Ok.
Sinal vermelho = Pouca / Excesso pressão.
43mm.
i
1
118
i
kg
kg
1, 50m ( m a n g u e i r a )
kg
N/A.
FSCI034
1
N/A.
Difusor Bili p/ Extintor CO2 10kg c/
Mangueira TROMPA 10
kg
BILDIFCO25
i
1
kg
kg
N/A.
i
1
kg
kg
N/A.
SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Manípulo Completo p/ Extintor Bili
1800000200
BILMANCOMEXT
FSCI037
Manípulo completo para extintores Bili.
BILVALST2018
kg
BILVALPQ18048
FSCI042
Válvula manual para extintor de pó químico ABC de 4, 6,
9, 12 e 25 kg.
i
kg
kg
N/A.
Tramo 20 Mangueira Semi-Rígida
Racorada MGS2520RC Bili
BILTRAMANGSAC
Tramo 20 Mangueira Satur Plana
45RC Bili Ref. MG4520RC
FSCI039
Mangueira flexível de 25mm de diâmetro e 20 m de
comprimento.
Indicada para bocas de incêndio, veículos de incêndio e
indústria em geral.
BILTRAMANGSAT
FSCI040
Mangueira flexível de 45mm de diâmetro e 20 m de
comprimento.
Indicada para bocas de incêndio, veículos de incêndio,
segurança civil, forças armadas e indústria em geral.
45x2000mm.
i
1
FSCI018
1
N/A.
Válvula p/ Extintor Pó Químico ABC
de 4, 6, 9, 12 e 25kg Bili
i
1
kg
N/A.
BILVAL25
Válvula 25 de esfera em latão cromado e rosca de 1”,
macho-fêmea, com adaptador de manómetro. Para redes
de incêndio.
kg
kg
Válvula 25 Esfera Latão Cromado
Rosca 1” Mach-Fem
i
1
N/A.
kg
FSCI043
Válvula para extintor CO2.
Válvula manual para extintor CO2 de 2, 5, 7 e 10 kg
ST-2018, Bili.
i
1
kg
Válvula Manual p/ Extintor CO2 de
2, 5, 7 e 10kg ST-2018 Bili
10
kg
kg
EN 694:2001.
i
1
kg
kg
EN 14540:2004.
119
10 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Bifurcação 45x45mm em Alumínio
Fundido e Latão
BILBIFUR45
FSCI028
Bifurcação 45x45mm em alumínio fundido e latão, para
instalações em bocas de incêndio.
pressão de teste: 20 BAR.
Carretel Bili fixo à parede c/ 20m
Mangueira 525 ou 450mm
Boca Incêndio p/ Carretel BIE Plus
Cx Vermelha 650x680x195mm Bili
Carrete equipado, fixo ou rebatível, sem armário.
Para instalar directamente à parede ou para colocação em
armários ou em nichos apropriados.
Boca de incêndios equipada, segundo a norma EN 671-1,
de 650Ax680Lx195P mm.
Ideal para uso em escolas, escritórios, hospitais, recintos
desportivos, etc.
BILCARPAR20
45x 45 m m .
FSCI025
1
i
1
kg
kg
EN 23400 ISO 9001:2008.
BILCAIPORPLUS
650x680x195mm.
kg
kg
EN 694:2001.
BILCAIPOR
EN 671-1.
Boca Inc. t/ Carretel Bie 2525 Cx
Vermelha 650x680x180mm Bili
Boca Inc. t/ Carretel Bie 2520 Cx
Vermelha 650x680x180mm Bili
FSCI019
Boca de incêndio pivotante ou rebatível equipada com
mangueira semi-rígida.
Ideal para uso em escolas, escritórios, hospitais, recintos
desportivos, cinemas, etc.
BILCAIPOR2525
Manta Ignífuga Bili 120x120
BILMANIGN120120
FSCI019
Boca de incêndio pivotante ou rebatível equipada com
mangueira semi-rígida.
Ideal para uso em escolas, escritórios, hospitais, recintos
desportivos, cinemas, etc.
650x 68 0 x 1 8 0 m m .
i
kg
EN 671-1 e EN 694:2001.
1 20
FSCI014
Manta ignífuga fabricada em fibra de vidro de alta
qualidade, revestida com borracha de silicone para
garantir a impermeabilização contra as gorduras e óleos,
reduzindo assim o risco de vapores.
Embalada em caixa própria, ideal para uso em ambientes
industriais ou domésticos. Uso único.
120x120mm.
1
kg
i
1
kg
kg
FSCI026
i
1
kg
kg
EN 671-1 e EN 694:2001.
i
1
kg
kg
EN 2869:1997.
SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Manta Ignífuga Bili 120x180
BILMANIGN120180
FSCI015
Manta ignífuga fabricada em fibra de vidro de alta
qualidade, revestida com borracha de silicone para
garantir a impermeabilização contra as gorduras e óleos,
reduzindo assim o risco de vapores.
Embalada em caixa própria, ideal para uso em ambientes
industriais ou domésticos. Uso único.
120x 1 8 0 m m .
BILBALAREAM5
FSCI022
i
1
kg
BILBALARETAM100
FSCI023
Balde para serviço de incêndio, em chapa zincor,
rectângular, sem pá.
Para apoio ao chão em locais diversos.
480x 4 8 0 x 4 8 0 m m .
4 8 0 x4 8 0 x480mm.
kg
N/A.
kg
kg
Balde p/ Areia com Tampa 100LT s/
Pá 480x480x480
i
i
1
N/A.
Balde para serviço de incêndio, em chapa zincor,
rectângular, com pá.
Para apoio ao chão em locais diversos.
kg
FSCI021
300x220x140mm.
N/A.
Balde p/ Areia com Tampa 100LT e
Pá 480x480x480
1
BILBALARETAM5
3 0 0 x2 2 0 x140cm.
EN 2869:1997.
BILBALARETAM100P
FSCI020
Balde para serviço de incêndio, em chapa zincor,
rectângular, para fixação à parede ou apoio ao chão.
Pintura epoxy RAL-3000.
Capacidade 5L de areia.
kg
kg
Balde p/ Areia com Tampa 5Lt
300x220x140
Balde para serviço de incêndio, em chapa zincor,
rectângular, para fixação à aprede ou apoio ao chão.
Pintura epoxy RAL-3000.
Capacidade 5L de areia.
i
1
kg
Balde p/ Areia sem Tampa 5Lt
Rectângular
10
Porta Corta-Fogo 900x2050
RAL7038
BILPORCF
i
1
FSCI016
A porta corta fogo é uma porta resistente ao fogo, utilizada
com a finalidade de garantir proteção contra incêndios,
também impedindo a passagem de fogo ou fumos entre
compartimentos, facilitando a fuga de pessoas e resgates.
i
1
kg
kg
N/A.
kg
kg
N/A.
121
10 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
Porta Corta-Fogo 1 Folha EI260
RAL7038
BILPORCF1F
FSCI017
A porta corta fogo é uma porta resistente ao fogo,
utilizada com a finalidade de garantir protecção contra
incêndios, também impedindo a passagem de fogo
ou fumos entre compartimentos, facilitando a fuga de
pessoas e resgates.
Detector Fumo 547019
DETFUMO547019
FSCI045
Detector de fumo com bateria incluída, para detecção de
fumos em espaços diversos.
Volume de som do emissor de sinais: aproximadamente
85db(A) a 3m de distância.
1 1 ,6 x1 1 ,6 x 4,9cm.
i
1
1
kg
kg
N/A.
1 22
kg
kg
EN 14604.
SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
10
123
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
11
DIVERSOS
Caixas Primeiros Socorros
Testes Alcoolémia e Alcoolímetros
Lava-Olhos
Coletes Salva-Vidas
Bóias de Salvação
Cápsulas de Protecção
Barreiras de Sinalização
Cintas de Amarração
Detectores de Gás
Medidores de Ruído
Lanternas
Bóias de Mar
11 DIVERSOS
Caixa Primeiros Socorros Europa
T. Médio
Caixa Primeiros Socorros Medis T.
Grande
Caixa Primeiros Socorros Safira
Encastrável (1 a 6 pessoas)
Caixa em ABS com tratamento anti-sujidade, equipada
com os acessórios essenciais para apoio nos primeiros
socorros. Obrigatório em alguns países do uso em
viaturas no geral.
Caixa em ABS com tratamento anti-sujidade, equipada
com os acessórios essenciais para apoio nos primeiros
socorros. Recomendado para 2 a 3 pessoas. Ideal
para pequenas empresas, em campismo e em viaturas
comerciais.
Caixa em ABS com tratamento anti-sujidade, equipada
com os acessórios essenciais para apoio nos primeiros
socorros. Recomendado no máximo até 6 pessoas. Ideal
para pequenas fábricas e empresas.
CAIPRISOCM
FD005
263x 1 7 0 x 8 3 m m .
i
1
CAIPRISOCG
CE.
CAIPRISOC103M
FD010
Caixa em ABS com tratamento anti-sujidade, equipada
com os acessórios essenciais para apoio nos primeiros
socorros. Recomendado no máximo até 6 pessoas.
i
1
Caixa Primeiros Socorros Metálica
Mural 102-M (+ 6 pessoas)
CAIPRISOC102M
CAIPRISOC9438
FD022
Caixa em ABS com tratamento anti-sujidade, equipada
com os acessórios essenciais para apoio nos primeiros
socorros.
12
1
i
kg
CE.
Caixa Primeiros Socorros Ref.ª
9438 (26x17x7,5cm)
260x170x80mm.
1
kg
CE.
FD009
4 6 0 x3 0 0 x140mm.
kg
kg
CE.
Caixa em ABS com tratamento anti-sujidade, equipada
com os acessórios essenciais para apoio nos primeiros
socorros. Recomendado para empresas com mais de 6
pessoas.
370x 3 0 0 x 1 4 0 m m .
i
kg
kg
kg
CE..
Caixa Primeiros Socorros Metálica
Mural 103-M (1 a 6 pessoas)
FD007
1
i
1
kg
CAIPRISOCSAFENC
282x220x112mm.
2 3 5 x2 0 0 x87mm.
kg
kg
FD006
kg
kg
CE.
INFORMAÇÃO ADICIONAL
NORMAS
EN 12195
Os dispositivos de amarração de carga em veículos rodoviários.
EN 13501
Classificação com base no comportamento face ao fogo dos produtos de
construção e elementos para edificação.
1 26
EN 61326
Equipamento eléctrico de medição, controle e uso em laboratório.
Compatibilidade Eletromagnética (EMC).
EN ISO 12402
Dispositivos de flutuação pessoal.
NFX 20-702
Luvas de material isolante.
NFPA 1901
Norma para aparelhos de incêndio em veículos.
i
DIVERSOS
Caixa Primeiros Socorros Trina T.
Pequena
Teste Alcoolémica Descartável
Contralco
Caixa em ABS com tratamento anti-sujidade, equipada
com os acessórios essenciais para apoio nos primeiros
socorros. Pequeno estojo útil para viaturas, campismo e
escutismo.
Testes para detecção rápida de alcoolemia, descartáveis.
Produto de utilização única (uso individual e descartável).
Os testes detectores de álcool são mais do que apenas
meios de confiança de verificação dos níveis de
álcool: são o complemento ideal para campanhas de
consciencialização e de prevenção para a problemática
entre bebida e condução.
CAIPRISOCP
FD008
235x 1 9 0 x 4 3 m m .
TESTALCO
Teste Alcoolémica Descartável
Mission Bad 0.05
TESTALCOM
kg
i
1
CE.
kg
1 3 ,8 g
kg
Alcoolímetro ACE AL7000
ALCACEAL7000
FD016
Alcoolímetro de análise do ar expirado a fim de detectar
a presença de álcool nos pulmões. A leitura é convertida
em B.A.C. (Blood Alcohol Concentration) e apresenta
o resultado em gramas por litro (g/l). O AL-7000 utiliza
um avançado semicondutor de óxido para detectar a
presença de álcool. O AL7000 é um aparelho que mede a
taxa de alcoolémica através do ar expirado. Os resultados
obtidos são utilizados para diagnosticar intoxicações
derivadas do álcool.
i
1
98 g
EN 61326:1997+A1:1998+A2:2001.
NFX 20-702.
ALCZAPCDP3000
Garrafa Lava-Olhos Plum 200ml
Ref. 4685
FD017
Avançado alcoolímetro portátil de precisão, equipado
com um novo tipo de sensor electroquímico de última
tecnologia que possibilita uma precisa medição da
concentração de álcool como também uma grande
resistência às interferências e estabilidade do
comportamento do sensor. O seu excelente interface e
visor LCD a cores, proporciona uma boa sensibilidade,
claridade e funcionalidade de utilização. A boquilha
descartável com válvula anti-retorno, garante a higiene e
segurança do utilizador.
GARLAVOLH4685
10
1
i
1
120g
FD013
Garrafa lava-olhos para situações de emergência. Garrafa
com solução estéril de cloreto de sódio (0,9%), de formato
ideal para transportar em caixa de ferramentas, caixa de
primeiros socorros, ou numa pequena mochila própria
(opcional) de prender ao cinto (ref.ª nº4692). Com apoio
ocular de desenho ergonómico e tampa.
1 1 2 x6 5 x2 3mm.
kg
kg
kg
Alcoolímetro Portátil Zaphir CDP
3000
kg
i
1
CE.
kg
FD012
Testes para detecção rápida de alcoolemia, descartáveis.
Produto de utilização única (uso individual e descartável).
Os testes detectores de álcool são mais do que apenas
meios de confiança de verificação dos níveis de
álcool: são o complemento ideal para campanhas de
consciencialização e de prevenção para a problemática
entre bebida e condução.
i
1
kg
FD011
11
i
kg
kg
CE.
kg
CE, SMQ e Fuel Sensor.
ANZI S1
Normas, especificações, métodos de medição e teste, e terminologia no
campo da acústica física, incluindo acústica arquitetónica.
ANZI Z358
Equipamentos de emergência de lava-olhos e chuveiro.
127
11 DIVERSOS
Garrafa Lava Olhos Plum 500ml
Ref. 4603
GARLAVOLH4603
FD014
Garrafa lava-olhos para situações de emergência. Garrafa
com solução estéril de cloreto de sódio (0,9%), com apoio
ocular de desenho ergonómico e tampa.
Funciona com um simples aperto manual.
Tempo de autonomia: 5 minutos aproximadamente.
Lava Olhos Haws 7500 Portátil
(64 Litros)
HAW7500
Lava Olhos Haws 7260BT Axion
FD021
Lava-olhos em polietileno de alta densidade, com 64 litros
de capacidade, funcionamento por gravidade e com pega
de transporte. Suportes de montagem incluídos.
Utilizar sempre que os olhos de qualquer indivíduo sofra
exposição a materiais corrosivos ou prejudiciais em
instalações de trabalho diverso.
HAW7260BTAXI
FD023
Lava-olhos em plástico ABS de 27,9cm com cabeça de
lavagem AXION MSR, com tratamento anti-bacteriano,
para parede, de modelo 7260BT.
Utilizar sempre que os olhos de qualquer indivíduo sofra
exposição a materiais corrosivos ou prejudiciais em
instalações de trabalho diverso.
279mm.
.
12
1
i
i
1
kg
kg
CE.
kg
kg
kg
kg
i
1
ANZI Z358.1-2009 pela CSA.
ANZI Z358.1 pela CSA.
Chuveiro e Lava Olhos Haws 8320
Bacia Lava Olhos em ABS
HAW8320G
FD020
Chuveiro lava-olhos para situações de emergência.
Utilizar sempre que os olhos de qualquer indivíduo sofra
exposição a materiais corrosivos ou prejudiciais em
instalações de trabalho diverso.
Colete Salva-Vidas KRU XS
COLSALVIDKRU150
FD024
Colete salva vidas leve e confortável.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
i
kg
kg
ANZI Z358.1 pela CSA.
1 28
COLSALVIDADVSOLAS
EN ISO 12402.
i
1
kg
kg
FD030
Colete salva-vidas Lalizas Advanced.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
i
1
1
Colete Salva-Vidas Lalizas
Advanced Solas
kg
kg
EN ISO 12402-4/7/9.
DIVERSOS
Colete Salva-Vidas Lalizas 100N
Colete Salva-Vidas Lalizas 55N
Solas 74
COLSALVID55NSOLAS
COLSALVID100N
FD031
Colete salva-vidas Lalizas de 55 Newtons.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
kg
kg
Colete Salva-Vidas Lalizas 100N
Fechado
Colete salva-vidas Lalizas de 100 Newtons, fechado.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
kg
EN ISO 12402-4/7/9.
EN ISO 12402-4/7/9.
Colete Salva-Vidas Falcon 275N
COLSALVIDFAL275N
FD032
Colete salva-vidas Lalizas de 150 Newtons, fechado.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
i
1
kg
COLSALVID150NF
kg
kg
EN ISO 12402-4/7/9.
FD025
Colete salva-vidas FALCON 275N de câmara dupla, para
soldadores, bombeiros e/ou indivíduos em situações em
que possa ocorrer perigo.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
i
1
i
kg
kg
Colete Salva-Vidas Lalizas 150N
Fechado
FD029
FD027
1
EN ISO 12402-4/7/9.
EN ISO 12402-4/7/9.
COLSALVID100NF
COLSALVID150N
Colete salva-vidas Lalizas de 150 Newtons.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
i
1
kg
kg
Colete Salva-Vidas Lalizas 150N
FD026
Colete salva-vidas Lalizas de 100 Newtons.
Para uso em situações de trânsito ou de perigo, de
indivíduos, junto a costas marítimas, em terra ou alto mar.
i
1
11
i
1
kg
kg
N/A.
129
11 DIVERSOS
Boias Solas Giove
BOIASOLGIOVE
FD028
Boia de salvação em mar.
Construcção em material plástico e enchimento com
espuma de poliuretano, com faixas reflectoras.
kg
2,5 k g
BOIAESFMAR
Boia PVC Marcação em Mar
Lalizas
FD040
Bóia esférica em plástico, com 01 olhal, para marcação
em mar ou de arinque.
600x 1 2 0 m m .
i
1
Boia Esférica em Plástico para
Marcação em Mar
151mm.
kg
N/A.
i
1
kg
150g
BOIAPVCMAR
FD041
Bóia em PVC em plástico, para marcação em mar. As
bóias Lalizas são ideais para ancoragem e amarração.
A sua superfície é mole, feita em PVC, o que faz com
que não danifiquem os acabamentos do seu barco.
Vêm equipadas com hastes de amarração curtas,
galvanizadas. Possuem uma cavilha com olhal grande
(8-12cm) e pino giratório, que lhes conferem resistência e
durabilidade máximas.
kg
N/A.
i
1
kg
kg
N/A.
Lanterna Frontal 8 Leds Cilíndricos
de 5mm Palanca
LANFRO8PALANCA
FD015
Lanterna frontal de 8 leds cilíndricos de 5 mm, acessíveis
a partir de um simples interruptor electrónico tipo botão
de pressão. Apresenta um desenho versátil e polivalente
graças aos seus três níveis de iluminação que se adaptam
de acordo com a actividade.
Carcaça fabricada em ABS. Resistente à água. Foco
ajustável verticalmente para dirigir o feixe luminoso. Arnés
de cabeça ajustável mediante cinta elástica.
Lanterna Maglite 2D
LANTMAGLITE2D
FD038
A lanterna Maglite® foi desenhada para durar uma vida,
sendo a sua resistência um ponto forte. É precisamente
pela sua resistência que profissionais das mais diversas
áreas, de todo o mundo, têm vindo a adoptar as lanternas
Maglite ® D-Cell, como lanternas preferídas.
254mm.
i
1
i
1
kg
16 0 g
N/A.
1 30
kg
kg
674g
N/A.
Lanterna Portátil StreamLight
LiteBox
LANLITBOXDAISQ
FD039
Lanterna portátil streamlight litebox com ligação isqueiro
ou 220v. Carcaça termoplástica ABS de alta resistência.
Seis leds C4, impenetrável ao choque com um tempo
de vida de 50,000 horas. Leds vermelhos e verdes com
status do nível de carga.
292x130mm.
i
1
kg
kg
3,58kg
kg
NFPA 1901-14.1.11.2, 2003.
DIVERSOS
Medidor de Ruídos PCE-322
MEDRUIPCE322
FD035
Medidor de nível de som de classe II com registrador de
dados e interface de memória de valores de medição,
cabo USB, saída analógica, transmissão e software de
avaliação e conector de saída de sinal. O medidor de
ruído pode ser utilizado para a medição simples ou para
registro de dados de comprimento. Os valores que são
transmitidos através da interface ou saída analógica
podem ser avaliados de várias maneiras.
Kit Sonómetro + Calibrador PCE999 + PCE-SC41
SONPCE999
Dosímetro PCE-355
FD036
O sonómetro PCE-999 reúne todas as características
que normalmente só se poderão encontrar em aparelhos
significativamente mais caros. Este sonómetro de precisão
de classe II com um desenho estilizado, é ideal para
medir o som e o ruído em diferentes ambientes, no posto
de trabalho, no controle de máquinas, em obras, em
lugares com grande afluência de público.
2 1 0 x5 5 x3 2mm.
i
1
kg
kg
i
1
N/A.
DOSPCE355
FD037
O dosímetro PCE-355 é utilizado para medir a dose de
acústica no posto de trabalho ou no sector industrial. É um
dosímetro de pequeno formato com um microfone externo
que se coloca ao colo mediante um clip. Composto
por memória de dados, registador de dados internos e
software transferível. O dosímetro pode conectar-se a um
PC para realizar uma programação por meio de cabo de
dados. Quando finalizado a fase de medição, o aparelho
pode ser conectado de novo a um PC para que, por meio
de software os dados possam ser transferidos e validados.
106x60x34mm.
i
1
kg
kg
11
IEC 651, tipo II.
kg
350g
kg
ANSI S1.25-1991, IEC 651, tipo II.
Cogumelo p/ Protecção Varão de
Ferro 6/20mm
Detector Gás BW Micro 5
(5 canais)
DETGASBWMICROM5
FD033
COG620
FD018
Detector de gás BW Micro, série 5 de 5 canais,
para detecção de gases até 5 riscos atmosféricos
simultâneamente.
Cogumelo de protecção de varão de ferro 6/20 mm, para
sinalização de varões em ferro, que se apresentam fora
das estruturas de cimento.
14, 5x 7 , 4 x 3 , 8 c m .
6 a 20mm.
i
1
kg
kg
N/A.
i
1
kg
kg
Cápsula Protecção Cogumelos
20-25-32 mm Verde - Protec
8-10-12-16 mm Laranja - Protec
CAPPROTEC202532 / CAPPROTEC8101216
FD001
A Cápsula Protec é uma cápsula plástica de protecção
temporária, reutilizável, usada para protecção de pessoas
contra ferimentos causados pelas pontas dos varões de
aço do betão armado na construção civil.
20-25-32mm.
8-10-12-16mm.
N/A.
100
1
kg
13,4g
kg
i
1,35kg
EN 13501-1.
131
11 DIVERSOS
Barreiras de Sinalização TITAN
Vermelha
JSPBARSIN
FD034
Barreiras de segurança e sinalização.
Para prevenção e separação em situações de perigo e
sinalização.
1, 2x 1, 5 m e 1 , 2 x 2 m .
i
1
Perfil Móvel em Plástico 60x120x40cm (P.M.P.)
Perfil Móvel em Plástico 80x130x45cm (P.M.P.)
Perfil móvel em plástico para separador de via. Para
sinalizar e separar a via de trabalhos ou direcções de
via a tomar. Fabricados em polietileno de alta densidade
de alto peso molecular. Tampas, com vedante, 100%
estanque.
Perfil móvel em plástico para separador de via. Para
sinalizar e separar a via de trabalhos ou direcções de
via a tomar. Fabricados em polietileno de alta densidade
de alto peso molecular. Tampas, com vedante, 100%
estanque.
6 0 x1 2 0 x4 0cm.
80x130x45cm.
PERMOV60
kg
N/A.
kg
COLRETAZUL
FD004
CINAM50PALANCA
FD002
Coluna em alumínio com cinta retráctil azul. Para sinalizar
e separar zonas de trabalho ou direcções a tomar.
Estrutura tubular em alumínio com base de apoio. Cinta
azul com mola de enrolamento.
A cinta de amarração de cargas mod. 50mm é ideal para
amarrar cargas em veículos.
Cinta em poliéster de alta tenacidade e terminais em aço
com banho de zinco para cargas.
36x 98 c m .
5 0 m m x8 m t.
i
1
kg
kg
N/A.
i
1
kg
kg
EN 12195-2.
9 kg
N/A.
Cinta Amarração Cargas Mod.
50MM 8M Palanca
FD003
i
1
kg
N/A.
Coluna Alumínio c/ Cinta Retráctil
Azul
1 32
6 kg
PERMOV80
i
1
kg
kg
FD003
kg
DIVERSOS
11
133
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
12
SINALIZAÇÃO
Emergência
Contra Incêndio
Instrucções de Segurança
Sinalização Panorâmica
Perigo
Obrigação
Proibição
Informação
Compostos
Qualidade
Impressão em Vinil
Plantas de Emergência
A dimensão dos sinais é definida pela distância máxima de observação e compreensão do sinal.
Os sinais deverão ter medidas adequadas e estar em conformidade com as características das instalações onde irão
ser instalados. A fórmula mencionada na norma ISO 3864 - 1984:
A>
L
2000
2
Em que:
L - representa a distância de observação do sinal (em metros);
A - a área de um símbolo e respectiva cor de segurança envolvente (em metros quadrados).
(Esta fórmula só é válida para distâncias inferiores a 50 metros e não se aplica a sinais só com textos.)
PLACAS FOTOLUMINESCENTES
As placas fotoluminescentes são de 4 tipos:
Tipo 1
Neste tipo de sinalização o sinal é de uma única face e de aplicação paralela à parede, ou seja, visível apenas de
frente.
Tipo 2
Neste caso temos um sinal de duas faces opostas em que a aplicação é perpendicular à parede e a fixação é
efectuada com o auxilío de um sistema de calha dupla em alumínio termolacado.
Tipo 3
Este é um sinal de duas faces mas, neste caso, de aplicação por suspensão no tecto. Os sinais tê dois furos na parte
supserior para aplicação de corrente se suspensão.
Tipo PA
Este é o sinal com melhor visibilidade pois as duas faces do sinal formam, com a parede, um ângulo de 45º,
proporcionando uma zona de visibilidade de 180º, ou seja, é visivel de qualquer ponto.
12 SINALIZAÇÃO
Sinalização de Emergência
Sinalização Contra Incêndio
Fotoluminiscente
Fotoluminiscente
EXXX
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
CXXX
i
Instrucções de Segurança
Fotoluminiscente
SXXX
PAXXX
i
Sinalização de Perigo
i
Não fotoluminiscente
GXXX / DXXX
1 36
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
Sinalização de Obrigação
Fotoluminiscente e não fotoluminiscente
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
i
Sinalização Panorâmica
Fotoluminiscente
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
OXXX
i
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
i
SINALIZAÇÃO
Sinalização de Proíbição
Sinalização de Informação
Não fotoluminiscente
Fotoluminiscente e não fotoluminiscente
PXXX
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
IXXX
i
Sinais Compostos
i
Não fotoluminiscente
BXXX
QXXX
i
Impressão em Vinil
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
i
Plantas de Emergência
Não fotoluminiscente
Fotoluminiscente
TXXX
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
Sinais para Qualidade
Não fotoluminiscente
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
12
PLXXX
i
Para mais informações consultar catálogo de sinalética.
i
137
ÍNDICE
TIPOLÓGICO
13
FORMAÇÃO
Sensibilização em Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
Segurança na Construcção Civil
Segurança no Sector Mineiro
Trabalhos em Altura
Segurança no Sector Agrícola
Treino Báscio de Combate a Incêndios
Treino Avançado de Combate a incêndios
Outros
Na HSA desenvolvemos uma formação única para cada cliente. Através de conteúdos e métodos pedagógicos
específicos (Manuais, Suporte Personalizado, ...) conseguímos maximizar a eficácia das nossas acções de formação.
As sessões de formação da HSA são interactivas e têm uma forte componente prática que permite aproximar a
formação à realidade de cada empresa. Através de conteúdos e métodos pedagógicos específicos (Manuais,
Suporte Personalizado, ...) conseguímos maximizar a eficácia das nossas acções de formação.
Temos especialistas em diferentes áreas, disponíveis para dar resposta a todas as suas necessidades.
Adquira novos conhecimentos e competências de forma a diminuir os riscos e a garantir a segurança no trabalho da
sua empresa.
13 FORMAÇÃO
Sensibilização em Higiene e
Segurança no Trabalho
Objectivos:
Sensibilização e consciencialização dos formandos para a importância da
Segurança e Higiene no Local de Trabalho, para que compreendam os perigos
existentes na sua organização e dos riscos associados.
Conteúdos Programáticos:
- Conceitos básicos de Segurança e Higiene no Trabalho;
- Identificação das obrigações do colaborador e da Organização;
- Identificação das diferentes tipologias de Risco (Riscos Físicos, Riscos
Biológicos, Riscos Químicos).
Destinatários:
Colaboradores da Organização que estejam sujeitos a riscos no seu local de
trabalho.
Higiene e Segurança no Trabalho
Objectivos:
Formação dos formandos para a importância da Segurança e Higiene no Local
de Trabalho, permitindo-lhes compreender os perigos e riscos existentes na
sua organização e as formas de prevenção adequadas a cada situação.
Conteúdos Programáticos:
- Conceitos básicos de Segurança e Higiene no Trabalho;
- Identificação das obrigações do colaborador e da Organização;
- Identificação das diferentes tipologias de Risco (Riscos Físicos, Riscos
Biológicos, Riscos Químicos);
- Conhecimento das formas de prevenção, actuação e avaliação dos riscos
profissionais (inclui a utilização de EPI’s adequados aos riscos em causa).
Destinatários:
Colaboradores da Organização que estejam sujeitos a riscos no seu local de
trabalho.
Responsáveis pela Higiene e Segurança no Trabalho de empresas.
Segurança na Construcção Civil
Objectivos:
Proporcionar aos colaboradores na área da construcção civil, o conhecimento
dos riscos e aspectos inerentes às diversas fases da obra e das medidas de
prevenção e de protecção adequadas.
Conteúdos Programáticos:
- Enquadramento legal;
- Introdução ao Plano de Segurança e Saúde (PSS);
- Plano de Emergência Interno (em obra);
- Plano de Análise e Participação de Acidentes;
- Planos de Protecção Colectiva e Individual;
- Procedimentos Gerais de Segurança em Obra;
- Sinalização de Segurança;
- Equipamentos de Protecção Individual e Colectiva;
- Definição das Medidas de Controlo para os diferentes Riscos para a
Segurança.
Destinatários:
Colaboradores da Organização que trabalhem em obras;
Responsáveis pela Higiene e Segurança no Trabalho das empresas.
1 40
FORMAÇÃO
13
Segurança no Sector Mineiro
Objectivos:
Proporcionar aos colaboradores do sector mineiro o conhecimento dos riscos
e aspectos inerentes às diversas actividades aí desenvolvidas e das medidas
de prevenção e de protecção adequadas.
Conteúdos Programáticos:
- Enquadramento legal;
- Introdução ao Plano de Segurança;
- Procedimentos Gerais de Segurança;
- Sinalização de Segurança;
- Equipamentos de Protecção Individual e Colectiva;
- Actuação em caso de emergência.
Destinatários:
Colaboradores da Organização que trabalhem nas minas;
Responsáveis pela Higiene e Segurança no Trabalho das empresas.
Trabalhos em Altura
Objectivos:
No final da formação, os formandos ficarão aptos a:
- Actuar de forma correcta quando participarem em trabalhos em altura;
- Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança
para trabalhos em altura, no acesso a estruturas.
Conteúdos Programáticos:
- Enquadramento legal e normativo;
- EPI’s anti-queda;
- Sistemas e componentes anti-quedas;
- EPC’s, Linhas de Vida Verticais e Horizontais;
- Cuidados específicos nos trabalhos em altura;
- Uso, manutenção e inspecção de um EPI anti-queda.
- Parte prática.
Destinatários:
Trabalhadores e técnicos que realizam ou verificam trabalhos em altura.
Segurança no Sector Agrícola
Objectivos:
Proporcionar aos colaboradores do sector agrícola o conhecimento dos riscos
e aspectos inerentes às diversas actividades aí desenvolvidas e das medidas
de prevenção e de protecção adequadas.
Conteúdos Programáticos:
- Enquadramento legal;
- Riscos na utilização de equipamentos;
- Riscos na utilização de químicos;
- Movimentação manual de cargas;
- Riscos Biológicos.
Destinatários:
Colaboradores da Organização que desenvolvam actividade no sector
agrícola;
Responsáveis pela Higiene e Segurança no Trabalho de empresas agrícolas.
141
13 FORMAÇÃO
Treino Básico de Combate a Incêndios
Objectivos:
Proporcionar aos formandos os conhecimentos para:
- Identificar os meios de detecção e combate a incêndios existentes;
- Saber como actuar em situações de emergência, operando meios de 1ª
intervenção.
Conteúdos Programáticos:
- Classes de Fogos;
- Métodos de extinção;
- Componente prática com meios de 1ª intervenção.
Destinatários:
Elementos das equipas de 1ª intervenção de empresas;
Responsáveis pela Higiene e Segurança no Trabalho de empresas;
Todos os que pretendem desenvolver competências na área.
Curso CPAT-Curso Prevenção de Acidentes de Trabalho
Objectivos:
- Sensibilizar os participantes para o cumprimento de algumas especificidades
da Legislação;
- Apoiar a elaboração de documentos internos;
- Dar a conhecer prazos e documentação a comunicar ao MAPESS;
- Incentivar nos participantes uma cultura de prevenção para a área de
Segurança e Higiene no Trabalho, contribuindo para a motivação dos
trabalhadores e das condições laborais.
Destinatários:
Colaboradores que devem implementar a Comissão de SHST, bem como o
desenvolvimento de um grupo de trabalho dentro da Empresa, preocupado
com as questões de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho.
Responsáveis pela Higiene e Segurança no Trabalho das empresas.
Conteúdos Programáticos:
- Apresentação da Acção e Objectivos;
- O desenvolvimento da Saúde ocupacional nas empresas e na sociedade;
- A Legislação Angolana em vigor na área;
- Normas Internacionais: OSHAS 18000;
- Criação da Comissão de Prevenção de Acidentes de Trabalho;
- Grupo de trabalho;
- Regulamento;
- Avaliação de Riscos de acordo com actividade e instalações;
- Formulários de registo de acidentes e incidentes;
- Comunicação ao MAPESS (prazos);
- Estatísticas Anuais;
- Custos com Absentismo motivado por Acidentes de Trabalho;
- Dúvidas e Elaboração do Regulamento do CPAT local.
1 42
FORMAÇÃO
13
Treino Avançado de Combate a Incêndios
Objectivos:
Proporcionar aos formandos os conhecimentos para:
- Identificar o risco de incêndio;
- Conhecer os meios de detecção e combate a incêndio existentes;
- Saber como actuar em situação de emergência, operando meios de 1ª
intervenção.
Conteúdos Programáticos:
- Enquadramento legal e normativo;
- Química e Física do Fogo;
- A Combustão;
- Evolução de um incêndio;
- Classes de fogos;
- Métodos de extinção;
- Componente prática com meios de 1ª intervenção.
Destinatários:
Elementos das equipas de 1ª intervenção de empresas;
Responsáveis pela Higiene e Segurança no Trabalho de empresas;
Todos os que pretendam desenvolver competências na área.
Outros
Evacuação e/ou Salvamento
Emergência (nível I e nível II)
Curso Básico de Combate a Incêndios
Brigadas de Incêndio
Protecção contra Produtos e Atmosferas Perigosas
Atmosferas Explosivas - ATEX
Espaços Confinados
Aposte na Qualidade,
na Experiência,
na Eficácia!
Garanta o sucesso da
sua equipa, investindo
na sua formação.
Descubra as diferentes
formações da HSA.
Formação
e Treino
Acções de formação e
treino para uma correcta
utilização dos EPC’s
e EPI’s. Adopção de
medidas preventivas e de
actuação em situações de
emergência.
143
INDÍCE
TIPOLÓGICO
14
ESPECIFÍCAÇÕES
TÉCNICAS
Normas
Glossário de Abreviaturas
Simbologia Utilizada
Interpretar a Informação
Relação de Medidas
Glossário Geral
14 ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
NORMAS (por ordem de categorias)
PROTECÇÃO DA CABEÇA
PROTECÇÃO AUDITIVA
EN397
Capacetes de protecção para a Indústria.
A norma exige que seja marcado: o número da norma europeia,
nome ou identificação do fabricante, ano e trimestre de fabrico,
tipo de capacete, tamanho ou a tabela de tamanhos. Indicações
complementares como as instrucções ou recomendações de ajuste,
montagem, utilização, limpeza, desinfecção, manutenção, revisão e
armazenamento, são definidas pelas instrucções de uso.
EN 812
Bonés anti-choque para a Indústria.
São essencialmente destinados a ser usados em ambientes
fechados. O boné anti-choque não foi previsto para proteger o
utilizador contra a queda de objectos e não pode em caso algum
substituir um capacete de protecção para a indústria.
EN 12492
Capacetes para Resgate, Montanhismo.
Esta norma exige que os capacetes apresentem uma carcaça de
policarbonato de alta resistência a choques mecânicos. O queixo é
muito resistente e só se solta apenas para forças superiores a 50
daN e com ventilação (ficando sem protecção face a projecções de
metal fundido e face a riscos eléctricos).
EN 13819
Protectores auditivos. Ensaios.
EN 24869
Acústica. Protectores auditivos contra o ruído. Parte 1: Método
subjectivo de medida da atenuação acústica. (ISO 4869-1:1990).
(versão oficial EN 24869-1:1992).
EN 50365
Capacetes eléctricamente isolados para utilização em instalações
de baixa tensão.
EN 352-1
Protectores auriculares.
EN 352-2
Tampões auditivos.
EN 352-3
Protectores auriculares colocados em capacetes.
EN 352-4
Protectores auriculares com dependência de nível.
EN 352-5
Protectores auriculares com atenuação activa do ruído.
EN 352-6
Protectores auriculares com entrada de áudio eléctrica.
EN 352-7
Tampões auditivos com dependência de nível.
EN 352-8
Protectores auriculares com áudio de entretenimento.
EN 458
Selecção, Cuidado, Uso, Manutenção.
EN 13819-1
Métodos de ensaios físicos.
EN 13819-2
Métodos de ensaios acústicos.
EN 24869
Acústica. Protectores auditivos contra o ruído. Parte 1: Método
subjectivo de medida da atenuação acústica. (ISO 4869-1:1990).
(versão oficial EN 24869-1:1992).
AS/NZS 1270
Acústica - Especificações de design, materiais e performances de
protectores auriculares convencionais.
PROTECÇÃO DOS OLHOS E FACE
EN 166
(Normas das Especificações Gerais)
Aplicável a qualquer tipo de protectores individuais dos olhos contra
os perigos susceptíveis de danificar a visão com excepção das
radiações de origem nuclear, dos raios X, das emissões laser e dos
infravermelhos gerados por fontes a baixa temperatura, para os
quais existem normas distintas.
EN 167
Métodos de ensaios ópticos.
EN 168
Protecção individual dos olhos. Métodos de ensaio não ópticos.
EN 169
Filtros para soldadura.
EN 170
Filtros ultravioleta.
EN 171
Filtros infravermelhos.
EN 172
Filtros de brilho ofuscante para uso industrial.
EN 175
Equipamentos para trabalhos de soldadura.
EN 207
Óculos para protecção laser.
EN 208
Óculos para regulação laser.
EN 370
Especificações sobre filtros de soldadura.
EN 379
Protecção individual dos olhos. Filtros automáticos para soldadura.
EN 397
Capacetes de protecção para a Indústria.
EN 1731
Especificações para viseira de rede.
14 6
PROTECÇÃO RESPIRATÓRIA
Máscaras Descartáveis
EN 149
Meias-Máscaras Filtrantes.
Contra partículas de uso único. Existem 3 classes de protecção
FFP1, FFP2 e FFP3. A norma diz respeito aos ensaios de resistência aos choques, aos produtos de limpeza e de desinfecção, à
temperatura, à chama e aos ensaios de resistência respiratória.
EN 405
Meias-Máscaras Filtrantes.
Com válvulas e filtros anti-gás ou anti-gás e partículas. Especifica
os ensaios em termos de resistência às manipulações, ao
desgaste, aos choques, à chama e à resistência respiratória.
Máscaras Reutilizáveis
EN 140
Meias-Máscaras e Quarto de Máscaras.
Para utilizar com filtros e equipamentos de protecção respiratória
(ARI de adução de ar comprimido, respiração assistida, etc).
EN 136
Máscaras Completas.
Para utilizar com filtros e equipamentos de protecção respiratória
(ARI de adução de ar comprimido, de ar livre ou autónomo,
respiração assistida, etc). Inclui ensaios relativos à resistência à
temperatura, aos choques, à chama, à radiação térmica, à tracção,
aos produtos de limpeza e de desinfecção. Além disso, a inspecção
visual deve abranger a marcação e o manual de uso do fabricante.
EN 143
Filtros Contra Particulas.
Para equipamentos de protecção respiratória de pressão negativa.
São eficazes contra o pó e fibras, maioria de fumos e bactérias.
Adaptados para semi-máscaras conformes EN 140 ou máscaras
completas EN 136. Existem 3 classes: P1-Eficácia de Filtração
Baixa; P2-Eficácia de Filtração Média; P3-Eficácia de Filtração Alta.
A norma refere-se a resistência aos choques, à temperatura, à
humidade e aos ambientes.
ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
EN 141/EN 14387
Filtros anti-gás e Filtros Combinados.
Para equipamentos de protecção respiratória de pressão negativa.
Estão classificados segundo o seu tipo e classe (ver quadro
abaixo). Existem 3 classes que correspondem a uma diferença
de capacidade de filtro e uma concentração máxima de tóxico
autorizada em ar contaminado. Classe 1: 0,1%; Classe 2: 0,5%;
Classe 3: 1%. A norma inclui ainda os ensaios de laboratório
destinados a garantir a conformidade da resistência aos choques,
à temperatura, à humidade, aos ambientes corrosivos e da
resistência mecânica e respiratória.
EN 371/EN14387
Filtros AX anti-gás e filtros combinados.
Contra compostos orgânicos com ponto de ebulição baixo (<65º).
Estes filtros são de uso único.
Respiração Assistida
EN 12941
Equipamentos Filtrantes de Respiração Assistida.
Com capacetes ou capuchos contra partículas, gases e vapores. 3
classes para todo o equipamento: TH1, TH2 e TH3. Os capuchos
de filtração contra partículas levam marcação: TH1P, TH2P e TH3P.
EN 12942
Equipamentos Filtrantes de Respiração Assistida.
Com máscaras completas, meias-máscaras ou quartos de (ex: EN
147) máscaras contra partículas, gases e vapores. As 3 classes
são: TM1, TM2 e TM3.
Equipamentos Isolantes de Adução de Ar
EN 14594
Aparelho de protecção respiratória de ar comprimido de débito
contínuo. Requísitos, ensaios, marcação (substitui a EN 1835, EN
12419, EN 270 e EN 139).
EN 14593-1
Aparelho de protecção respiratória de ar comprimido com válvula
de comando e máscara completa (substitui EN 139).
EN 14593-2
Aparelho de protecção respiratória de ar comprimido com válvula
de comando e meia-máscara (substitui EN 139).
Outras
EN 137
Equipamentos de Protecção Respiratória.
Equipamentos autónomos de respiração de circuito aberto de ar
comprimido com máscara completa. Requisitos, ensaios, registos.
EN 139
Equipamentos de Protecção Respiratória.
Equipamentos de protecção respiratória com línha de ar
comprimido para utilizar-se com máscaras, mascarilhas ou
adaptador facial tipo boquilha. Requisitos, ensaios, registos.
EN 271
Equipamentos de Protecção Respiratória.
Equipamentos de protecção respiratória com línha de ar
comprimido com mangueira de ar fresco de ventilação assistida
com capuz utilizados para as operações de protecção de abrasivos.
Requisitos, ensaios, registos.
NFPA 1981
Esta norma estabelece níveis de protecção respiratória e requisitos
funcionais para SCBA usado pelo pessoal dos serviços de
emergência.
AS/NZS 1716
Esta norma especifíca requisítos para equipamentos de protecção
respiratória, para fornecer, de acordo com o tipo, vários tipos de
protecção.
14
VESTUÁRIO
Vestuário de Protecção Técnica
EN 340
Norma de referência, não podendo ser utilizada só, mas
unicamente em associação com uma outra norma apresentando
exigências relativas ao desempenho de protecção.
Esta norma especifica as exigências gerais de desempenho
relativas à ergonomia, à inocuidade, aos tamanhos, durabilidade,
envelhecimento, compatibilidade e marcação do vestuário de
protecção bem como informações fornecidas pelo fabricante com o
vestuário de protecção.
EN 471
Vestuário de protecção de alta-visibilidade.
EN 381
Protecção para utilizadores de serras manuais.
EN 1149
Vestuário de protecção electroestático.
Vestuário de Protecção Química
EN 14126
Vestuário de protecção contra agentes infecciosos.
En 13034 TIPO 6
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos.
En 13982-1 TIPO 5
Vestuário de protecção a utilizar contra as poeiras.
EN 14605 TIPO 4 e TIPO 3
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos.
En 943-2 TIPO 2 e TIPO 1
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos e gazes,
incluindo aerossóis líquidos e poeiras.
Vestuário de Protecção Térmica
EN 470-1
Protecção durante a soldadura e técnicas conexas.
EN 553
Protecção contra o calor e a chama.
En 531
Protecção para trabalhadores da indústria com exposição ao calor.
Vestuário de Protecção contra as Intempéries
EN 342
Vestuário de protecção contra o frio.
EN 14058
Vestuário de protecção contra climas frescos.
EN 343
Vestuário de protecção contra a chuva.
Outras
EN ISO 11611
Vestuário de protecção para utilização em soldadura e processos
afins.
EN ISO 11612
Vestuário para protecção contra o calor e chamas.
EN 61482
Esta norma regula o vestuário de protecção resistente ao calor e às
chamas, para trabalhadores expostos a arcos eléctricos.
EN 469
Vestuário de protecção de combate a incêndios.
EN 368
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos.
EN 369
Vestuário de protecção contra produtos químicos líquidos. Método
de ensaio.
EN 533
Vestuário de protecção contra o calor e chamas. Materiais e
conjunto de materiais com propagação limitada de chama.
147
14 ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
NORMAS (por ordem de categorias)
EN 17491
Vestuário de protecção. Métodos de ensaio para vestuário de
protecção contra produtos químicos.
EN 1073
Vestuário de protecção contra a contaminação radioactiva.
PROTECÇÃO DAS MÃOS
Directivas Europeias, Marcação CE - Luvas
“As Directivas Europeias CEE/89/686 e CEE/93/68: regem a
concepção dos Equipamentos de Protecção Individual (EPI).
Essas directivas determinam os processos de certificação e
as características técnicas das luvas de protecção segundo 3
categorias, de acordo com o nível de risco: mínimo, intermédio ou
mortal/irreversível. Para cada tipo de risco, existe uma categoria
CE.”
EN 388
Riscos Mecânicos.
A norma EN 388 aplica-se a todas as classes de luvas de protecção
no referente ás agressões físicas e mecânicas por abrasão, corte,
perfuração e desgaste. Esta norma não se aplica ás luvas antivibratórias.
Nível de exigência:
1º Nível: 0 a 4 - Resistência à abrasão.
2º Nível: 0 a 5 - Resistência ao corte.
3º Nível: 0 a 4 - Resistência ao desgaste.
4º Nível: 0 a 4 - Resistência à perfuração.
EN 374
Microorganismos.
A norma EN 374-2 especifíca um método de ensaio para a
resistência à penetração das luvas de protecção contra os produtos
químicos e/ou os microorganismos. Quando as luvas resistem à
penetração, ensaiadas segundo esta parte da EN374, constituem
uma barreira eficaz contra os riscos microbiológicos.
A norma EN374-3 concerne à determinação da resistência dos
materiais que constituem as luvas de protecção contra produtos
químicos não gasosos potencialmente perigosos em caso de
contacto contínuo.
É conveniente insistir, por conseguinte, no facto de que este ensaio
não toma em conta as condições susceptíveis de aparecer em
serviço e recomenda-se não utilizar os resultados do ensaio, que
têm um valor essencialmente relativo, mais para comparar materiais
em função das grandes categorias de tempo de impermeabilidade.
Nível exigência:
1º Nível: 0 a 1 - Penetração: indica que o produto resiste ou não
resiste à penetração de água e de ar.
2º Nível: 0 a 6 - Permeabilidade: Indica o tempo que necessita
um produto perigoso para atravessar a película protectora por
permeabilidade.
EN 407
Resistência ao Calor e /ou Fogo.
A norma EN 407 especifíca os métodos de ensaio, as exigências
gerais, os níveis de eficiência térmica e de marcação das luvas de
protecção contra o calor e/ou o fogo. Aplica-se a todas as luvas
que devem proteger as mãos contra o calor e/ou as chamas, numa
ou das várias formas seguintes: fogo, calor de contacto, calor por
convecção, calor radiante, pequenas protecções de metal fundido
ou grandes projecções de metais em fusão. Os ensaios de produtos
só podem ser realizados para níveis de eficiência e não para níveis
de protecção.
Nível de exigência:
Nível: 1 a 4.
14 8
EN 420
Requisitos Gerais para Luvas de Protecção.
Ergonomia, constituíção (pH neutro e ausência de substâncias
dadas como alérgenas), inocuidade e conforto, transmissão e
absorção do vapor de água.
EN 421
Luvas de protecção contra radiações ionizantes e contaminação
radioactiva.
EN 511
Resistência ao Frio.
A norma EN511 define as exigências e métodos de ensaios das
luvas de protecção contra o frio transmitido por convecção ou
condução até 50 graus negativos. Este frio pode estar relacionado
com as condições climáticas ou com uma actividade industrial. Os
valores específicos dos diferentes níveis de eficiência determinamse segundo as exigências específicas de cada categoria de risco ou
no âmbito de cada aplicação especial. Os ensaios de produtos só
podem ser realizados para níveis de eficiência e não para níveis de
protecção.
EN 659
Risco Bombeiro.
Esta norma aplica-se unicamente às luvas de protecção destinadas
aos bombeiros no combate a incêndios e nas operações de busca
e de resgate. Define os métodos de ensaios e as capacidades
mínimas de tais luvas.
EN 1082
Vestuário de Protecção.
Luvas e protectores dos braços contra cortes e golpes resultantes
do uso de facas de mão.
EN 12477
Risco Soldador.
Exigências e métodos de ensaios para luvas utilizadas para a
soldadura manual dos metais, o corte e técnicas conexas. As
luvas tipo soldador são classificadas em dois tipos: B quando se
requer uma grande destreza e A para os outros procedimentos de
soldadura.
ISO 13999
Vestuário de Protecção.
Luvas e protectores de braço, contra cortes e golpes resultantes do
uso de facas de mão.
EN 60903
Trabalhos sob Tensão.
Luvas de material isolante.
CALÇADO DE SEGURANÇA
EN 344-1 / EN ISO 20344
Define as exigências gerais e os métodos de prova do calçado de
segurança, de protecção e de trabalho para uso profissional. Esta
norma só pode ser utilizada junto com as normas EN 345-1 / EN
ISO 20345, EN 346-1 / EN ISO 20346 e EN 347-1 / EN ISO 20347,
que precisam as exigências do calçado em função dos níveis de
risco específicos.
EN 345-1 / EN ISO 20345
Especificação do calçado de segurança, categorizado por “S”.
Biqueira de segurança para garantir uma protecção contra os
choques de energia máxima equivalendo a 200 joules e contra um
esmagamento de 15 kN.
EN 346-1 / EN ISO 20346
Especificação do calçado de protecção, categorizado por “P”.
Biqueira de segurança para garantir a protecção contra os
choques de energia máxima equivalente a 100 joules e contra um
esmagamento de 10 kN.
EN 347-1 / EN ISO 20347
Especificação do calçado de trabalho, categorizado por “O”. Define
os requisitos básicos relativos a calçado de trabalho, sem biqueira
de segurança.
ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
Simbolos relativos a especifícações particulares
p
Resistência da sola à perfuração.
E
Absorção de energia pelo calcanhar.
C
Resistência eléctrica, condutividade.
A
Resistência eléctrica, anti-estática.
HI
Sola isoladora contra o calor.
CI
Sola isoladora contra o frio.
WRU
Resistência à absorção de água pelo corte do calçado de couro.
HRO
Resistência da sola ao calor de contacto.
ORO
Resistência da sola de marcha aos hidrocarbonetos.
WR
Resistência à penetração da água da junção sola/corte do calçado
de couro.
M
Protecção dos metatarsos contra os choques.
CR
Resistência da pala ao golpe.
PROTECÇÃO ANTI-QUEDA
Os arneses e cinturões de segurança cumprem distintas normas
dependendo do campo de aplicação e do seu objectivo.
O uso de equipamentos antiqueda exige uma adequada formação
prática e teoria dos trabalhadores.
EN 341
Equipamento de protecção pessoal para a prevenção de quedas em
altura. Equipamento de descida para salvamento.
EN 353-1
Dispositivos Deslizantes sobre Linha de Ancoragem Rígida Sistema
composto de um antiqueda móvel com sistema de bloqueio
automático integrado ao suporte de segurança rígido (carril,
cabo…).
EN 353-2
Dispositivos Deslizantes sobre Linha de Ancoragem Flexível.
Sistema composto de um antiqueda móvel com sistema de bloqueio
automático integrado ao suporte de segurança flexível (corda,
cabo…). Um elemento de absorção de energia pode ser integrado
ao conjunto.
EN 354
Elementos de Amarre.
Elementos de conexão ou componentes de um sistema. Podem
tratar-se de cordas, fibras sintéticas, cabos metálicos, correias ou
correntes. Comprimento máximo de 2 m. Advertência: uma corda
sem absorvedor de energia não deve ser utilizada como um sistema
de interrupção das quedas.
EN 355
Absorvedores de Energia.
Componente de um sistema de interrupção das quedas que permite
interromper uma queda de altura em plena segurança reduzindo ao
mesmo tempo o impacto do choque.
EN 358
Sistema de Estabilização no Trabalho.
Um sistema de estabilização no trabalho é composto por
componentes (cinto mais corda de estabilização no trabalho) ligados
entre si para formar um equipamento completo.
EN 360
Dispositivos Anti-Queda Retrácteis.
Anti-queda com bloqueio automático e sistema de tensão e de
retrocesso automático da corda. Um elemento de absorção de
energia pode ser integrado no anti-queda.
14
EN 361
Arneses Anti-Queda.
Dispositivo de preensão do corpo destinado a interromper as
quedas. O arnês de antiqueda pode ser composto de correias,
ferragens e outros elementos dispostos e ajustados no corpo de um
individuo de forma adequada para segurá-lo durante uma queda e
após interrupção da queda.
EN 362
Dispositivos de Ligação.
Elemento de ligação ou componente de um sistema. Um dispositivo
de ligação pode ser um mosquetão ou um gancho.
EN 363
Sistema de Interrupção das Quedas.
Conjunto de equipamentos de protecção individual contra as
quedas de altura ligados entre si e destinados a interromper uma
queda. Um sistema de interrupção das quedas deve incluir no
mínimo um arnês anti-queda e um sistema anti-queda.
EN 364
Procedimentos de Ensaio.
Descreve os procedimentos de ensaio dos diferentes EPI contra as
quedas de altura assim como a aparelhagem de ensaio.
EN 365
Exigências Gerais para as Instrucções de Uso e Marcação.
Descrição das marcações que tem de aparecer nos EPI contra as
quedas de altura assim como as informações que tem de aparecer
nas instruções de uso e os métodos de ensaios para as roupas de
protecção dissipando a electricidade estática para evitar a formação
de chispas capazes de provocar um incêndio. Essas exigências não
são suficientes em ambientes inflamáveis enriquecidos em oxigénio
e o método de ensaio não é aplicável aos tecidos contendo fibras
com núcleo condutor.
EN 795
Dispositivos de Ancoragem.
Elemento ao qual se pode amarrar um elemento de protecção
individual.
EN 813
Arneses de Assento.
Para manter a posição de trabalho sentado estando em suspensão.
As anilhas situam-se se possível na zona do centro de gravidade
do corpo.
EN 1891
Equipamento de protecção pessoal para a prevenção de quedas
em altura.
TRABALHOS EM TENSÃO
EN 60903
Luvas de material isolante.
IEC 60243-1
Força eléctrica.
SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO
EN 671
Sistemas fixos de combate. Sistemas de mangueira. Carretéis de
mangueira com mangueira semi-rígida.
EN 694
Mangueiras de combate a incêndios. Mangueiras semi-rígidas para
sistemas fixos.
EN 3-7
Extintores portáteis. Características, requisitos de desempenho e
métodos de ensaio.
EN 2869
Material aeroespacial.
EN 10130
Produtos planos laminados a frio de aço a baixo carbono para
conformação a frio.
EN 14540
Mangueiras de combate a incêndios. Mangueiras planas estanques
para sistemas fixos.
EN 14604
Alarmes de fumo.
149
14 ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
NORMAS (por ordem de categorias)
EN 23400
Material de combate a incêndios. Acessórios de conexão de 45mm.
DIVERSOS
EN 12195
Os dispositivos de amarração de carga em veículos rodoviários.
EN ISO 12402
Dispositivos de flutuação pessoal.
EN ISO 13501
Classificação com base no comportamento face ao fogo dos
produtos de construção e elementos para edificação.
EN 61326
Equipamento eléctrico de medição, controle e uso em laboratório.
Compatibilidade Eletromagnética (EMC).
NFPA 1901
Norma para aparelhos de incêndio em veículos.
NFX20-702
Aparelhos para testes de alcoolémia.
ANZI S1
Normas, especificações, métodos de medição e teste, e
terminologia no campo da acústica física, incluindo acústica
arquitetónica.
ANZI Z358
Equipamentos de emergência de lava-olhos e chuveiro.
SINALÉTICA
EN ISO 3864:1984
Determina a fórmula para as medidas adequadas da sinalética.
EN 3992:1994
Define alguns pictogramas para sinalização de segurança.
NP 3992:1994
Define planta de emergência como complemento da sinalização
de segurança, tendo como objectivo orientar, informar e instruir
os utilizadores. Define locais de fixação, simbologia e legenda a
utilizar.
GLOSSÁRIO DE ABREVIATURAS
abreviaturas técnicas
AB
Anti-embaciamento
ABS
Acrilonitrilo Butadieno Estireno
APV
Valor de proteção assumida
AR
Anti-riscos
CE
Conformidade Europeia
CERTIF
Associação para a Certificação de Produtos
CO2
Dióxido de Carbono
daN
Décanewton
dB
Décibeis, unidade para medição acústica
EPI’s
Equipamentos de Protecção Individual
EPC’s
Equipamentos de Protecção Colectiva
ESD
Descarga Electroestática
EVA
Etileno vinilacetato
FDA
Food and Drug Administration
H
Valores de atenuação a altas frequências
HDPE
Polietileno de alta densidade
IPVS
Imediatamente Perigoso à Vida e à Saúde
ISO
International Standards Association
L
Valores de atenuação a baixas frequências
LDPE
Polietileno de baixa densidade
M
Valores de atenuação a frequências médias
m
Metro
15 0
m2
Metro quadrado
mbar
Unidade de medida de pressão
Mf
Valor médio de atenuação
min
Minutos
mm
Milímetros
NBR
Borracha nitrílica
PE
Polietileno
PEBD
Polietileno de baixa densidade
PH
Potencial de Hidrogénio
PN
Pressão nominal
Pó ABC
Para fogos de classes A, B e C
PP
Polipropileno
PVC
Policloreto de vinílo
PU
Poliuretano
seg
Segundos
sf
Desvio padrão
SCBA
Self Contained Breathing Apparatus
SNR
Atenuação global do protector
TPE
Borracha termoplástica
UNE EN
Standard Europeu
ºC
Graus celsius
‘‘
Polegadas
kg
Kilograma
ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
14
SIMBOLOGIA UTILIZADA
i
kg
Folheto informativo
kg
Kilogramas por conjunto
Unidades por caixa pequena
Conformidade Europeia
Unidades por caixa grande
Disponibilidade de produtos em stock
Kilogramas por unidade ou par
Disponibilidade de produtos mediante ENCOMENDA
EN 374-1
Protecção a MicroOrganismos
EN 374-2
Protecção a MicroOrganismos
en 14126
vestuário de protecção contra agentes
infecciosos
EN 388
RISCOS MECÂNICOS
EN 374-3
Protecção a MicroOrganismos
en 13034 (tipo 6)
vestuário de protecção contra produtos
químicos líquidos
en 13982-1 (tipo 5)
vestuário de protecção a utilizar contra
partículas sólidas
en 14605 (tipo 3 e tipo 4)
vestuário de protecção contra produtos
químicos líquidos
EN 374
Protecção Química ou Impermeabilidade
EN 407
Protecção ao Fogo e Calor
en 470-1
Soldador
en 531
exposição solar
en 533
anti-inflamável
en 11611
protecção utilizada segundo soldadura e
técnicas conexas
en 14116
protecção ao fogo e calor
en 11612
proteccção para trabalhadores da indústria
com exposição ao calor
EN 421
Protecção contra Radiações Ionizantes
e Radioactivas
en 1073-2
vestuário de protecção contra contaminação
radioactiva
EN 368 (TIPO 6)
Contra Químicos líquidos
EN 369
Protecção Química
En 465
Protecção química
EN 466
protrecção química (tipo 3)
en 467
protecção química
en 468
protecção química
en 469
protecção química
PrEN 943-1
protecção química e de gases
Pren 13034
protecção contra químicos líquidos
pren 13982-1
resistência à penetracção
en 1149-5
roupa de protecção com dissipação de carga
electroestáctica
en 1149-1
anti-estáctico
en 343
contra intempéries
en 343
vestuário de protecção contra a chuva
en 381-5
protecção para utilizadores de serras manuais
en 471
vestuário de sinalização de alta visibilidade
EN 511
risco frio
EN 342
Protecção ao Frio
en 14058
vestuário de protecção contra climas frescos
151
14 ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
INTERPRETAR A INFORMAÇÃO
Designação do produto.
Arnês Polietileno Capacete RS
Referência do produto.
ARN5RSPALANCA
Código da ficha técnica
interna.
FPC010
Arnês de substituição para capacete 5-RS e 5-RS Mineiro,
com banda anti-suor e anti-alérgica.
Para substituição em capacetes 5-RS e 5-RS Mineiro.
Arnês fabricado por injecção de polietileno linear
de baixa densidade, com grande capacidade de absorção de impactos.
Pequeno texto
explicativo do produto.
Tamanho/dimensões/
medidas do produto.
Quantidade por embalagem
ou conjunto.
Cores disponíveis.
De 5 5 a 63cm.
Folheto informativo
disponível.
i
Peso individual.
Peso do conjunto.
kg
kg
N/A.
Normas afectas ao produto.
Disponibilidade do produto.
RELAÇÃO DE MEDIDAS
MEDIDAS
Calças
Medida Europeia
36
Cintura
72
Medida Americana
38
40
76
80
S
42
44
84
88
M
Calças de Hotelaria
46
48
62
36
92
96 100 104 108 112 116 120 124
72
L
50
52
XL
54
XXL
38
40
42
44
S
M
L
60
3XXL
38
40
76
80
M
46
48
50
52
54
56
58
60
62
64
66
M
L
XL
XXL
50
36
38
40
50
Medida Europeia
36
37
90
94
98 102 106 110 114 118
Pé
22.4
23
Medida Americana
XS
S
M
4
5
44
L
46
48
XL XXL XXXL
T-shirt cava
L
XL XXL 3XL
Tórax 120 124 128 132 136 140
15 2
92
96 100 104 108 116 120
XL
50
52
XXL
54
58
60
XXL+
52
54
56
58
60
62
64
66
68
S
M
L
XL
XXL
3XL
Sapatos
Tórax
M
88
48
100 104 108 112 116 120 124 128 132 136
XXL+
Medida Europeia
S
84
46
Casacos
Blusas
Tamanho
44
L
116 120 124 128 132 136 140 144 148
XL XXL 3XL
42
42
Macacões
Tórax 115 119 123 127 131 135
Medida Americana
58
XXL+
Camisas
Medida Europeia
56
Medida Americana
38
6
6.5
Polos
S
M
L
XL XXL 3XL
106 112 118 124 130 136
39
40
41
24.3 25.1 25.6 26.5
7
8
42
43
27
27.8 28.3 28.7 29.7 30.6
44
9
10
10.5
S
M
L
XL XXL 3XL
11
46
12
47
13
Sweetshirt
Parkas
132 136 140 144 148 152
45
S
M
L
XL XXL 3XL
116 120 124 128 132 136
ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
14
GLOSSÁRIO GERAL
A
ABRASÃO
A abrasão designa o desgaste pela acção da fricção. Para a norma
mecânica EN 388 das luvas. Para a EN 343 do vestuário e EN ISO
20344 do calçado, o teste consiste em saber em quanto tempo
o produto se deteriora. O nível permite dar uma indicação da
resistência e da longevidade.
ABS
O Acrilonitrilo Butadieno Estireno, é um termoplástico empregue
pela indústria para produtos rígidos, leves e moldados. É um
material utilizado para a realização da estrutura dos capacetes de
estaleiro.
ABSORVEDOR DE ENERGIA
Aparelho anti-queda composto por uma corda que inclui um
elemento dissipador de energia que garante a travagem de uma
queda em altura em total segurança e em condições normais de
utilização.
Acetato
Fibra obtida pela acção de resinas artificiais na celulose e
distingue-se por ter um baixo peso, excelentes qualidades ópticas,
estabilidade ao calor e boa resistência à maior parte dos produtos
químicos. Apresenta, no entanto, alguns inconvinientes tais
como resistência fraca à abrasão e aos riscos, possibilidade de
inflamação na proximidade de uma fonte de calor superior a 100ºC.
aço
Utilizado para a palmilha anti-perfuração devido à sua resistência
a uma força de 1100N, mesmo para a biqueira do calçado de
segurança 100 a 200 joules.
acolchoado
Forro isolante feito de uma sobreposição de matérias entre elas,
costuras decorativas (fibra + forro).
Acrílico
Fibra sintética semelhante muitas vezes à lã: grande elasticidade
(não se amarrota), grande leveza, isolamento térmico igual ao da
lã; grande resistência à abrasão e à tracção. É termoplástico e tem
fraco poder absorvente, secando rápidamente.
Aerossóis
No campo da química, um aerossol é um conjunto de partículas,
sólidas ou líquidas, em suspensão num meio gasoso. Um aerossol
é uma suspensão de partículas extremamente finas (de tamanho
coloidal) num gás (risco de contaminação das vias respiratórias).
Algodão
Fibra têxtil natural vegetal constituída por filamentos de seda que se
desenvolvem das graínhas do algodão, sendo composta por cerca
de 94% de celulose. Conforto, fácil manutenção e bom poder de
absorção são as suas principais características.
Alimentar (sola)
Sola de cor branca a fim de não marcar o solo. É anti-derrapante
para ser utilizada em superfícies extremamente deslizantes.
Almofadado (forro)
Forro associado a uma espessura do almofadado para melhorar a
performance térmica do vestuário.
Ancoragem (Ponto de)
Elemento ao qual se pode ligar um sistema anti-queda.
Ancoragem Dorsal
Ponto de ligação de um sistema anti-queda sobre um arnês.
Ancoragem Esternal
Ponto de ligação de um sistema anti-queda a um arnês.
Ancoragem Lateral
Ponto de ligação de um sistema de fixação ao posto de trabalho ou
a um sistema de retenção.
Ancoragem Ventral
Ponto de ligação de um sistema de fixação ao posto de trabalho ou
a um sistema de retenção.
Anti-embaciamento (AB)
Tratamento da superfície ocular efectuada para evitar a formação
de vapor. Este tratamento é incompatível com o tratamento
espelhado no mesmo óculo.
Anti-estático
É simultaneamente, condutor e dissipador. Frequentemente pedido
no meio industrial, o calçado com esta característica, oferece um
bom compromisso quando estão presentes os dois riscos de
descarga eléctrica e electrocussão.
Anti-estático (vestuário)
O vestuário de protecção denominado de anti-estático é concebido
para evitar o risco de faíscas, de flash eléctrico forte e repentino,
devido à acumulação de carga eléctrica sobre o corpo. É
principalmente utilizado em meios que apresentam riscos elevados
de explosão, a exemplo, na indústria química, refinarias, fábricas
de armamento e minas. É também muito utilizado para proteger
materiais sensíveis às descargas eléctricas tais como locais
de fabrico de componentes electrónicos e montagem de semicondutores. É também utilizado em locais de atmosfera controlada
tais como oficinas de pintura de automóveis, com o objectivo de
evitar a emissão de partículas susceptíveis de se depositarem
sobre a pintura das carroçarias.
Anti-flash
Tratamento de superfície da lente que lhe confere um aspecto
espelhado, o que permite reduzir o cansaço ocular aquando
da exposição a uma forte intensidade luminosa e que limita os
inconvinientes ligados a esta exposição (cefaleias, ...). Este
tratamento é incompatível com um tratamento anti-embaciante. A
cor do tratamento pode ser dourada.
Anti-queda com retrocesso automático
Anti-queda com uma função de bloqueio automático e um sistema
automático de tensão da corda.
Anti-queda deslizante
Anti-queda com uma função de bloqueio automático e um sistema
de guia. O sistema anti-queda desloca-se ao longo de um suporte
de segurança. Acompanha o operador nas suas deslocações sem
uma intervenção manual. Em caso de queda, o sistema anti-queda
bloqueia-se automaticamente no suporte de segurança.
Anti-riscos (AR)
Tratamento da superfície ocular para evitar os riscos superficiais.
Este tratamento é obtido por imerssão num solvente “base de
silicone”. Este tratamento não deixa nenhuma cor sobre o ocular e
não altera a visão.
APV - Assumed Protection Value
Método completo e preciso de avaliação do nível de atenuação de
um protector anti-ruído.
Aramida
Fibra sintética termo-estável, utilizada essencialmente em
aplicações anti-calor (vestuário não inflamável), onde se distingue
dois tipos desta fibra:
- as para-aramidas como o Kevlar (anti-corte e resistente à chama
e ao calor);
- as meta-aramidas como o Nomex (anti-estático e resistente à
chama e ao calor).
Arco eléctrico
Um arco eléctrico é uma corrente eléctrica visível num círculo
isolado (gás, ar, vazio...). O arco cria-se por uma ionisação da
matéria isolante. Esta ionisação dá-se tanto em superfícies
condutoras quando estão próximas. A dificuldade na soldadura
a arco está em dominar o arco num movimento contínuo para
guardar a forma que se deseja. A soldadura eléctrica a arco produz
uma grande quantidade de calor localizado gerando a fusão dos
materiais, este realiza ligações resistentes depois do arrefecimento.
Arnês (capacete)
Pode ser em material têxtil ou polietileno. Tem por papel amortecer
o choque a que se é sujeito na sequência da queda de um objecto.
É composto por dois elementos: a banda de aperto e o capacete.
Arnês Anti-queda
Sendo um dispositivo de preensão do corpo destinado a amparar
as quedas, um arnês é um componente de um sistema de travagem
das quedas. Graças à sua concepção, deve reter o indivíduo
durante e após a queda com um ângulo de 50º relativamente à
vertical.
Arpéu Rotativo
Elemento frequentemente adicionado a um dispositivo de ligação
ou a um sistema anti-queda que permita uma rotação independente
de duas peças.
ATEX
Regulamentação europeia, que tem como objectivo o
melhoramento da saúde e da segurança dos trabalhadores
expostos aos riscos de atmosferas explosivas.
153
14 ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
B
Banda de ajuste
Elemento do abafador anti-ruído (com as conchas e a espuma) que
assegura a pressão da protecção nos ouvidos.
Banda de aperto
Trata-se de um elemento do arnês dos capacetes de estaleiro.
Pode ser de polietileno BD (baixa densidade), em nomaz ou em
nylon. Sendo que a sua regulação é levada a cabo por meio de
um sistema de aperto com cremalheira (roda) ou de um sistema de
aperto deslizante (linguetas de aperto ao crâneo).
Barra Nasal
Peça flexível posicionada na parte de cima das máscaras
respiratórias descartáveis de utilização única (no nariz) para ajustar
a peça facial à morfologia do utilizador.
Base óptica
Trata-se do raio de curvatura da lente. A base óptica mais curvada
é 9; a menos curvada é 4; a mais comum é 6.
Bi-densidade (sola)
Bi-densidade significa que a sola é constituída por 2 partes
sobrepostas; a parte de baixo em contacto com o solo é mais rígida
ao passo que a parte de cima é mais maleável e amortecedora.
Biqueira de segurança
Estrutura em aço, alumínio ou compósito que protege do risco de
choque e de esmagamento dos dedos dos pés. O desempenho é
medido a 100 ou 200 joules. Estes são os dois testes principais. Há
também a resistência à corrosão (biqueira de metal), ao calor, aos
hidrocarbonetos e ao frio para uma biqueira em compósito.
Bloqueador de sentido
Elemento adicionado sobre um anti-queda deslizante evitando a
escalada no inverso sobre o seu suporte de segurança.
Blusão
Casaco curto que tapa apenas o tronco e que se aperta na cintura.
O blusão comprido é uma alternativa entre blusão e parka.
Borracha
Elastómero de síntese fabricado a partir de petróleo e que possui
propriedades elásticas e resistentes. As vantagens deste material
constituem em oferecer propriedades mecânicas que se traduzem
por uma boa aderência, uma boa resistência à abrasão, ao calor de
contacto, aos óleos e às massas lubrificantes.
Braçadeira
As braçadeiras são faixas de tecido que se usam à volta do braço.
As braçadeiras fluorescentes são acessórios que permitem uma
visualização mais fácil. Não se tratam de EPI’s.
Bumper Cap
Biqueira de protecção destinada a proteger contra um desgaste
prematuro da parte da frente da sola.
C
Cano
Parte alta do calçado que se situa por cima da sola e que é
constituída pela lingueta, pela gola e por talões.
Capacete
Existem capacetes de 4 pontos e de 6 pontos de ancoragem ou
mais. Os capacetes com 6 pontos de fixação garantem uma melhor
repartição da força exercida sobre o capacete. Os arneses podem
ser em polietileno ou em tecido, este último para uma melhor
absorção da transpiração.
Carbono (fibra)
A fibra de carbono é utilizada nos materiais pelas suas
propriedades anti-estáticas.
Carvão Activo
Denomina-se carvão activo ou carvão absorvente ou carvão
medicinal um carvão tratado por pirólise para aumentar a sua
capacidade de absorção. Um grão de carvão activo possui uma
rede de poros e de canais de dimensão próxima da rede das
moléculas. O carvão activo cria um princípio quimíco que permite
captar as moléculas tóxicas dos gases/vapores.
Casaco
Um casaco é uma peça de vestuário com mangas, fechada à
frente, que tapa o tronco até à cintura ou até às ancas.
15 4
Classe Óptica
Parâmetro que mede a qualidade óptica dos oculares. Existem
3 classes de qualidade óptica. A classe 1 corresponde à melhor
qualidade, sendo recomendada para óculos de uso permanente. A
classe 2 é utilizada para um uso intermitente ao passo que a classe
3 é utilizada apenas para um uso extremamente breve.
Colete
Um colete é uma peça de roupa curta, sem mangas, que pode ser
usado tanto por baixo como por cima de uma outra peça de roupa.
Concentração
Quantidades de produtos químicos no ar respirado por um operário
no seu posto de trabalho e que podem afectar negativamente a
saúde. Daí a necessidade de propor concentrações limites abaixo
das quais se pode calcular que os riscos de intoxicação são fracos
ou inexistentes.
Concha (de abafadores anti-ruído)
Elemento do abafador anti-ruído (com a banda de ajuste e a
espuma) que proporciona a atenuação do efeito acústico.
Corda
Enquanto termo genérico, uma corda pode ser em fibras sintéticas,
em cabo metálico, em correia ou em corrente.
Correia das alças
Correia utilizada na concepção de um arnês, sendo que tem por
papel manter o posicionamento das alças do arnês sobre os
ombros de modo a evitar o risco de perda do arnês no caso de
queda. A correia das alças não é um elemento obrigatório num
arnês.
Correias principais
As correias principais são elementos que são utilizados na
concepção de um arnês anti-queda. Devem ser previstas para
suportar o corpo durante a queda de um indivíduo e após a
travagem da queda. As outras correias que entram na concepção
de um arnês são denominadas correias secundárias.
Cremalheira
Sistema de aperto para capacetes de estaleiro para uma fácil
regulação através de uma roda (aperta-se e roda-se).
Croupon (Pele)
Parte que corresponde à garupa do animal situada por baixo da
pele flor.
Croute
Parte interna da derme, obtida pelo corte ou por qualquer outra
operação que leva à eliminação da camada externa. A resistência à
abrasão e a resistência ao calor (depois do tratamento THT) são as
vantagens do croute.
D
Decibéis
A pressão acústica, ou seja, a intensidade ou a amplitude dos sons
e dos ruídos, expressa-se em decibéis (dB), e determina o perigo
para o homem. O limiar de segurança foi fixado em 85 dB: acima
deste valor, a dor instala-se e as lesões aparecem.
Os decibéis são, geralmente medidos, graças a um sonómetro que
transforma o sinal acústico em corrente eléctrica.
Deflector
Trata-se do papel desempenhado pelo capacete que, devido à
sua forma arredondada, desvia a trajectória de uma massa em
movimento, sem a bloquear por paragem brutal, evitando assim a
violência do choque.
Desgaste (sola de)
A sola de desgaste, também denominada sola de contacto, constitui
a parte do calçado em contacto com o solo. Consequentemente,
esta deve ser a parte mais resistente possível. Com a entre sola,
compõem as duas partes de uma sola de sapato.
Deslizante
Sistema de aperto para capacetes de estaleiro, ao meio de uma
fita plástica deslizante. Este sistema distingue-se do sistema de
cremalheira com roda.
Diopetria
Unidade de potência dos sistemas ópticos que se destina a
determinar a medida da refracção, ou seja, a possibilidade que um
meio ou um objecto possui de desviar os raios luminosos.
ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
Unidade de potência igual ao inverso da distância focal, expressa
em metros. A distância focal é a distância que existe entre a lente
ou o meio que provoca a refracção e o ponto de convergência
desses raios. O sistema visual humano faz 60 dioptrias (40 para a
córnea e 20 para o cristalino).
Directivas Europeias
As Directivas Europeias são um acto jurídico comunitário tomado
pelo Conselho da União Europeia isolada ou juntamente com o
Parlamento consoante os casos. Liga os Estados destinatários da
Directiva quanto ao objectivo a alcançar mas deixa-lhes a escolha
dos meios e da forma para alcançar esse objectivo nos prazos
fixados pela própria directiva.
Dispositivo Anti-transpiração
Faixa anti-transpiração posicionada na parte do arnês do capacete
em contacto com a testa. Estes dispositivos podem ser em esponja
nylon ou versão nomaz.
Dispositivo de Ligação
Elemento de ligação. Um dispositivo de ligação pode ser um
mosquetão ou um gancho.
Dissipador de energia
Elemento de um sistema anti-queda concebida para dissipar a
energia cinética desenvolvida durante a queda.
Dolomite
A dolomite é uma rocha sedimentar com carbonato composta de
menos de 50% de dolomite. Tem um carbonato com duplo calcio
e magnésio, que cristaliza em prismas em formato de losango.
A dolomite é uma rocha sedimentar composta principalmente de
dolomite (entre 90% e 100%) e calcário, que não tem a mesma
densidade. É uma parte fundamental na erosão da rocha. O teste
dolomite, efectuado por poeiras de dolomite, teste opcional para as
peças faciais filtrantes (EN 149:2006) garante uma melhor duração
de vida de performances de resistência à penetração.
Dual Grip
Nome de uma sola de desgaste criada para oferecer um sistema de
aderência adaptado às superfícies lisas ou móveis, com grampos
com uma superfície de contacto larga e canais centrais para
evacuação dos líquidos.
E
Elastano
Fibra extensível feita à base de fios de elastómero sintético. O
elastano é sempre associado a outras fibras afim de dar as suas
propriedades ao tecido, tais como flexibilidade e elasticidade.
Entre Sola
A entre sola é também denominada camada de conforto, enquanto
a sola de desgaste fica em contacto com o solo; juntas, compõem
as duas partes de uma sola de sapato.
EPI - Equipamento de Protecção Individual
Segundo a directiva europeia, sendo todo o equipamento destinado
a ser guardado pelo trabalhador em vista de se proteger contra
vários riscos susceptíveis de ameaçar a segurança ou a saúde no
trabalho, mesmo sendo um complemento ou acessório destinado a
este objectivo.
Ergonomia
Conjunto dos estudos e das pesquisas sobre a organização
metódica do trabalho e da disposição do equipamento de protecção
em função das possibilidades anatómicas do homem.
ESD - Electrostatic Discharge (descarga
electrostática)
Todo o contacto e toda a separação fisica de materiais sólidos
podem gerar descargas electrostáticas. Uma pessoa, ou um
vestuário utilizado por essa pessoa, pode ter carga eléctrica. Se
apropriado, o ESD pode produzir danos, se a pessoa ou o objecto
carregado estiver em contacto com um dispositivo sensível ao ESD
(microcircuitos, semi-condutores, circuitos electrónicos, ...).
A norma EN 61340-5-1 (Protecção de dispositivos electrónicos
contra fenómenos electrostáticos) define as exigências gerais das
zonas protegidas contra o ESD, o EPA (ESD Protected Areas).
Pode ser admitido em zona EPA e, em função da configuração
do posto de trabalho, o vestuário e o calçado devem fazer testes
específicos de dissipação de carga eléctrica determinada pelas
14
normas europeias e americanas. Em função dos resultados destes
testes, o produto terá a marcação especifica ESD. Os outros
EPI (luvas, protecção da cabeça e sistema anti-queda) não são
mencionados nesta norma.
Espuma
Elemento do abafador anti-ruído (com a banda de ajuste e as
conchas) que atenua o ruído e proporciona conforto.
Estanque (costura)
Costura sobre a qual é aplicado um filme plástico impermeável para
evitar a penetração da água por capilaridade (passagem de água
por absorção dos fios e/ou dos furos do picotado) no interior de
uma montagem. Costura de montagem recoberta por termocolagem
de uma banda de matéria compatível com este vestuário para
travar as infiltrações de água e assegurar a estanquecidade do
vestuário.
Estável
Ruído cujas flutuações não excedem 1 dB durante o período de
medição.
Estrutura
Modo de entreleçamento dos fios de tecelagem e de trama
de matérias tecidas. Cada estrutura tem as suas próprias
características estéticas e mecâncias. As principais estruturas dos
tecidos sem tela são a sarja e o cetim. As três estruturas da base
da tecelagem são o jersei, o interlock e o canelado. Na tecelagem,
o modo de entrelaçamento das malhas é chamado de ligação.
Estrutura do capacete
A estrutura do capacete é um dos componentes do capacete
de estaleiro. A sua função consiste em limitar as lesões por
choques de contacto (esmagamento e penetração). É fabricado
principalmente por injecção a partir de dois tipos de materiais:
- HDPE (high density polyethylene - polietileno de alta densidade),
material de performance, o mais económico e o mais utilizado.
- ABS (acrylontrile butadiene styrene - acrilonitrilo butadieno
estireno), material mais rígido.
F
Fato-macaco
Peça de vestuário constituída por uma única peça que cobre o
corpo inteiro.
Fibra de vidro
A fibra de vidro é um filamento de vidro extremamente fino.
Por extensão, os materiais compósitos reforçados desta fibra
(geralmente associadas a polimeros) são assim chamadas de
fibras de vidro. O vidro monolítico é uma matéria muito frágil em
fila até um diametro inferior ao décimo de milímetro, perde a sua
fragilidade e torna-se numa matéria de alta resistência mecânica.
Filtros
Tipo de aparelho de protecção respiratória utilizado em pressão
positiva (em ventilação assistida) ou em pressão negativa (em
ventilação livre).
Fixação ao posto de trabalho (sistema de)
Sistema que permite que um utilizador possa manter-se fixado ao
seu posto de trabalho numa posição determinada.
Flanela
Tela ligeiramente áspera ao toque, no entanto macia e fofa, e tem
origem na lã.
Flash Eléctrico
Os flashes eléctricos são queimaduras eléctricas sem passagem
de corrente no corpo. Em baixa tensão, na sequência de um
arco eléctrico, as lesões cutâneas são superficiais e afectam
principalmente as mãos e o rosto. A protecção é assegurada pelo
policarbonato com uma espessura >1,4mm. A melhor protecção é
assegurada pelo ecrã de protecção facial.
Flocado (Luva)
Procedimento de acabamento por depósito de partículas de
algodão. Resultando um contacto agradável e macio e limita a
transpiração.
Flor
É a parte externa da derme que não foi sujeita a qualquer operação
de correcção mecânica. É a parte da pele que é mais macia e
resistente.
155
14 ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
Flutuante
Ruído cujas flutuações são nitidamente superiores a 5dB durante o
período de medição.
Fole
Trata-se da parte que se situa de cada um dos lados da lingueta
(pala). Assegura a protecção e estanquicidade do fecho.
Forro
Trata-se da parte que fica em contacto com o pé. É muitas vezes
em pele ou tecido; melhora o suporte do calçado e funciona como
uma segunda pele a nível de conforto.
FPA - Factor de Protecção Atribuído
Fórmula que permite definir o nível de protecção alcançado em
situação de trabalho por 95% dos operadores formados ou que
usam os aparelhos de protecção respiratória ou APR utilizado
correctamente após o contrôle de um aparelho bem conservado e
bem ajustado. A concentração máxima de exposição corresponde
a: FPA x VL.
Francalete
Acessório dos capacetes de estaleiro, que se destina a evitar a
queda do capacete. Pode ser simples ou com protecção do queixo,
com dois ou quatro pontos de fixação utilizado para trabalhos em
altura.
Frequência
A frequência expressa-se em hertz. Apenas os sons cujas
frequências variam entre 20 e 20 000 Hz são audíveis. Numa
frequência entre 20 e 200 Hz, o som audível é grave. Abaixo deste
valor, tratam-se de infra-sons. Numa frequência entre 2000 e 20
000 Hz, o som audível é agudo. Acima deste valor, tratam-se de
ultra-sons.
FTI
Fuga total para o interior e corresponde ao desempenho da peça
facial com filtro e exprime-se em %. Quanto mais baixa for a
percentagem (%), mais alto será o desempenho da protecção.
FFP1: 22%; FFP2: 8%; FFP3: 2%.
Fumos
Finas partículas em suspensão no ar (aérosois).
G
Guincho
Dispositivo de elevação que permite segundo o tipo de produto,
seja para carregar materiais ou pessoas, numa situação de
evacuação.
H
Hidrófilo
Um tecido hidrófilo é composto por materiais que absorvem a àgua
ex.: algodão, lã, ...).
Hidrófobo
Um tecido hidrófobo é composto por materiais que não absorvem a
água (ex.: poliamida, acrílico, poliéster, ...).
Hidrófugo
Tratamento da pele à base de óleos minerais, sintéticos ou de
resinas fluoradas, com o propósito de tornar a pele resistente à
penetração da água. Este tratamento confere à pele características
mecânicas mais perdurantes no caso de abrasão e aumenta
o conforto da luva, daí uma destreza e uma duração de vida
acrescidas.
HML
High Medium Low: 3 níveis de medições das frequências.
I
Ignifugação
Tratamento dos materiais têxteis com substâncias não inflamáveis
de modo a reduzir os riscos de fogo ou abrandar a propagação da
chama.
Impacto do Choque
Trata-se da força a que um corpo é sujeito no momento da
travagem de uma queda, sendo que essa força é expressa em daN
(décanewton).
15 6
Impermeável
Um tecido tratado impermeável permite confeccionar vestuário
completamente estanque ao ar e à água. Os conjuntos para a
chuva com os seus revestimentos em poliuretano ou PVC são
perfeitos para o vento e para a chuva. A impermeabilização é,
na maior parte das vezes, realizada através da operação de
revestimento. O revestimento é a colocação de uma película de
plástico (PVC, Poliuretano ou Acrílico) sobre a superfície de um
tecido.
Infra-sons
Sons de baixíssima frequência, imperceptíveis ao homem (<20Hz).
O ouvido humano médio só reconhece os sons num intervalo de
frequências determinado que se situa aproximadamente entre 30Hz
(abaixo deste valor, os sons são considerados infra-sons) e 15kHz
(acima deste valor, os sons são considerados ultra-sons). Alguns
fisiologistas alargam, inclusivamente, os limites deste intervalo
entre 20Hz e 20kHz.
Infravermelhos
A radiação infravermelha (IV) é uma radiação electromagnética com
um comprimento de onda superior ao da luz visível mas mais curto
do que o das microondas.
Injectada (sola)
Sistema de fabrico de solas. Injecta-se material líquido num molde.
Este material vai, de seguida, solidificar-se e assumir a forma do
molde.
Inocuidade
A inocuidade é parte integrante da norma relativa às exigências
gerais do vestuário de protecção, a EN 340. Controla-se,
nomeadamente, o pH dos materiais, o teor em crómio VI dos
couros, a emissão de níquel dos materiais metálicos, os corantes
azóicos e a solidez das tintas para tingir.
Interlock (estrutura tipo)
A ligação de base na elaboração de um tecido de malha; as 2
faces são idênticas. Caracteriza-se por uma boa estabilidade
dimensional. É muito utilizado para a confecção do vestuário de
desporto.
Intermitente
Ruído cujas flutuações descem para o nível ambiente em vários
momentos.
J
Jardineiras
As jardineiras são uma peça de roupa de trabalho que é constituída
por umas calças e uma parte de cima com peitilho que cobre o
peito e que é segurada por alças. Mais habitualmente conhecidas
por suspensórios.
Jersei
Malhas leves e macias que apresentam um direito e um avesso
bem distintos. São muito utilizadas para a confecção de t-shirts e de
roupa interior. As vantagens são a flexibilidade e o conforto.
K
Kevlar
Fibra para-aramida fabricada pela DuPont de Nemours. Combina
leveza e resistência. Sendo de peso igual, o Kevlar é cinco vezes
mais resistente do que o aço. É extremamente resistente ao corte;
carboniza-se entre 425ºC e 475ºC; não se derrete; auto-extinguível;
estabilidade dimensional; estabilidade química e alteração da cor
aos UV.
L
Laminagem
Um tecido laminado é um complexo de várias camadas de tecido
(montagem por colagem ou calor) de várias camadas tecidas,
tricotadas ou não-tecido, para melhorar as performances da peça.
ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
Látex Natural
Trata-se de um polisopreno natural, proveniente de uma árvore
(hévea braziliensis). Faz parte dos elastómeros, é elástico, macio e
robusto. Também tem características de ser impermeável à água e
resistente aos detergentes e a certos tipos de álcool.
Linha de Vida
Trata-se de um suporte de fixação ao qual se liga um sistema
anti-queda de forma a garantir a segurança das deslocações na
horizontal de quem trabalha em altura. O suporte de fixação pode
ser uma corda, uma correia, um cabo ou uma calha.
M
Malha
Todos os tecidos formados de malha ou de laçadas entrelaçadas,
realizado por agulhas ou ganchos. As malhas são extensíveis. As
estruturas (ou a ligação) de base são: malha de canelado, interlock
e jersei.
Manga protectora
Manga de 15 cm presente nas luvas de soldador destinada a
proteger o punho e antebraço das projecções de metais em fusão.
Membrana
É um fino filme de polimero (PU ou Poliéster) que se aplica sobre a
superfície interna de um tecido para melhorar a impermeabilidade e
a respirabilidade.
Mesh
Trata-se de nylon de malha alveolada que permite a circulação do
ar e a evacuação da transpiração.
Microfibra
Fibra têxtil sintética ligeira, muito fina e macia ao toque, de aspecto
pele de pêssego.
Moldado
A moldagem é a técnica que consiste em formar um objecto com
a ajuda de um molde que adopta, em concavidade, a forma do
objecto pretendido.
O material moldado deve poder passar do estado líquido para o
estado sólido ou ser pastoso mas suficientemente consistente para
poder ser desmoldado sem ficar deformado.
N
Não-tecido
Os tecidos não-tecidos podem ser encontrados no fabrico de
inúmeros produtos: vestuário de utilização única, interior de
edredão, saco de cama, produtos de limpeza, fraldas para bebé,
revestimentos do chão e parede, reforços, revestimento de roupa,
etc. Os três procedimentos de fabrico dos tecido não-tecidos são:
- por via seca, exploram-se directamente as fibras à saída das
cardas para realizar colchões de fibras;
- por via fundida, os filamentos sintéticos são esticados numa
corrente de ar quente e depois envolvidos;
- por via húmida, utiliza-se um procedimento semelhante ao do
fabrico do papel.
NBR (Nitrilo)
É um tipo de nitrilo: látex acrilonitrilo butadiéne (NBR).
Neopreno
Trata-se de um látex de síntese. É obtido por polimerização de um
composto clorado: policloropreno. O neopreno tem as mesmas
vantagens do látex. Tem também uma excelente protecção contra
os produtos químicos, oleosos e hidrocarboretos e resiste ao calor.
Nitrilo
Trata-se de um látex de síntese. A sua vulcanização confere-lhe
características próximas ás do látex natural, além de inúmeras
vantagens resistência à abrasão e excelentes performances em
meios oleosos e gordurosos, como boa resistência aos produtos
químicos.
Nobuck (pele)
Pele flor cuja parte de cima foi polida, o que confere um aspecto
aveludado fino e sedoso.
Nylon
Marca patenteada pela DuPont de Nemours. Trata-se de uma
poliamida.
14
O
Oxford
Tela de fios espessos com acabamento acetinado que lembra a
tecelagem Oxford das camisas em tela de algodão.
P
Pala
Parte da frente que se situa ao nível do peito do pé e dos lados.
Paragem de quedas (sistema de)
Os equipamentos de protecção contra as quedas em altura ou
sistemas de paragem de quedas são constituídos por 3 elementos:
- um dispositivo de preensão do corpo destinado a parar quedas
(arnês anti-queda);
- um sob sistema de conexão destinado a parar uma queda em
altura (anti-queda de retorno automático, anti-queda deslizante ou
corda com absorvedor de energia);
- um ponto de ancoragem seguro.
Parka
Uma parka é, por definição, mais curta do que um sobretudo,
mais comprida do que um casaco e possui um capuz, sendo
impermeável.
Permeação
Ainda que a luva não apresente qualquer porosidade ou
imperfeição, o produto químico pode passar progressivamente
através da luva e entrar, então, em contacto com a pele.
A norma EN 374 avalia este desempenho: mede o tempo (em
minutos) necessário para que a substância química integre o
material de protecção (1mg/m2) e atravesse-o.
Pespontagem
Trata-se da etapa no decorrer da qual as diferentes partes do cano,
gola, pala, talões e fole, são montadas.
Piqué (Malha)
Tecido que apresenta uma estrutura ondulada pronunciada.
Placa Dorsal
Elemento de um arnês que permite cruzar as correias ao nível das
costas e posicionar na altura adequada o encosto dorsal.
Plantilha interior ou palmilha
É a sola que se encontra no interior do sapato, em contacto com a
planta do pé.
Pó (Luvas)
Processo de acabamento por colocação do pó (geralmente amido
de milho). Resulta num contacto agradável e macio e limita a
transpiração. Para as luvas de uso único, o pó facilita colocar e tirar
as luvas.
Poeiras
Particulas sólidas em suspensão no ar.
Polar
Malha riscada sobre uma ou duas faces a fim de obter um aspecto
macio e aveludado. Polar popularmente chamado lã polar,
comporta um conforto inigualável graças à sua ligeireza, à sua
respirabilidade e à sua elasticidade.
Esta malha não oferece o efeito de corta-vento.
Poliamida
Fibra sintética que apresenta qualidades de resistência à atracção
e à abrasão. É uma fibra elástica que pode retomar a sua forma
original após a deformação. Seca rapidamente porque absorve
pouca água.
É resistente aos insectos (nomeadamente aos ácaros).
Policarbonato (PC)
O policarbonato é um polímero (materiais plásticos) com excelentes
propriedades mecânicas e uma resistência térmica que permite
uma utilização até 120ºC. A sua resistência ao choque é ideal.
Daí a sua utilização em inúmeros sectores. Filtra 99,9% dos UV
entre 0 e 380nm, o tratamento UV 400 prolonga esta protecção
até 400nm e absorve uma parte da luz azul do espectro da luz. A
sua sensibilidade aos agentes químicos e aos ultravioletas limitam,
ainda assim, a sua utilização.
157
14 ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
poliéster
Fibra sintética que apresenta várias vantagens similares à
poliamida. Tem a facilidade de poder ser misturado com lã
e algodão, que completa a sua incapacidade de absorver a
transpiração, ao seu toque muito áspero e a sua tendência em
formar borbotos.
Polietileno (PE)
Polímero obtido por polimerização das moléculas de etileno. É um
material com boa resistência química e uma grande estabilidade e
que se presta facilmente à reciclagem.
Polimerização
Processo químico através do qual resinas ou plásticos são fixados
a matérias têxteis através do calor.
Polímero
Um polímero é o nome da cadeia de moléculas que entra no fabrico
dos fios sintéticos antes de ser derretido e transformado em fios. A
operação de polimerização é o processo de fabrico de um polímero
por encadeamento de pequenas moléculas (monómero) numa
cadeia molecular de peso (massa) molecular múltiplo.
Polipiropileno (PP)
Pertence ás fibras poliolefinas: classe de polímeros que engloba os
polietilenos e os polipropilenos (ver não-tecidos).
Vantagens: excelente resistência à fricção (abrasão) e à tracção.
Inconvenientes: péssima resistência térmica.
Poliuretano (PU)
O poliuretano é um polímero que se transforma em resina ou
em espuma sintética utilizada nas massas de revestimento, em
determinadas membranas e no fabrico de fois de elastanos (lycras).
O poliretano é muito utilizado como revestimento, o que torna os
tecidos impermeáveis.
O vestuário confeccionado com tais revestimentos é, na maior
parte das vezes, respirante, constituindo uma excelente solução
alternativa a produtos bastante mais dispendiosos à base de
membranas impermeáveis e respirantes.
Apresenta boa resistência mecânica (desgaste, abrasão, rasgo e
micro-cortes).
pólo
Os pólos estão na origem das camisas de desporto de gola rebatida
em malha, mais precisamente em jersei; abre somente no peito até
à gola.
pongee
Tecido com acabamento sedoso e brilhante.
Ponto de Injecção
Ponto através do qual a prensa envia o polietileno para o molde e
que é cortado à saída da desmoldagem.
Ponto de Luva (costura)
Costura realizada no ponto de luva, que consiste em entrecruzar
três fios à volta de duas bordas de tecido a montar.
Popeline
Tecido em tela muito fechada, em algodão, utilizada principalmente
para confecção das camisas.
Pré-Filtro
Filtro pouco espesso para a protecção contra poeiras (P2 ou P3), a
utilizar sobre máscaras completas e semi-máscaras, associado aos
filtros anti-gás (A/B/E/K) afim de obter um filtro combinado de gás e
poeiras.
Prova de queda
Dispositivo mecânico e visual que permite identificar imediatamente
se um dispositivo anti-queda sofreu um impacto de queda.
Punhos de Malha
Acabamento tricotado do punho da luva, que permite manter a luva
no punho e evitar a penetração de partículas de pó e resíduos no
interior da luva.
PVC
O (poli)cloreto de vinil ou cloreto de polivinil é um polímero,
conhecido geralmente sob a abreviação PVC. O PVC resiste a
numerosos solventes, ácidos e produtos químicos (notávelmente
aos hidrocarbonetos). Os tecidos revestidos a PVC são verdadeiras
barreiras contra as intempéries. A duração do uso deve ser limitada
em função da temperatura do ambiente de trabalho.
15 8
R
retenção (sistema de retenção)
Sistema destinado a prender um indivíduo a um ponto de fixação de
modo a impedir qualquer queda em altura.
Retro-Reflectora (banda)
São bandas apostas no vestuário para alta visibilidade. A 3M
Scotchlite utiliza 2 tipos de tecnologias, as micro-prismas (melhor
contraste, rigidez adaptada a determinadas peças de vestuário) e
as micro-esferas (resistentes à lavagem, grande maleabilidade), e
propõe vários tipos de bandas diferentes (cosidas ou soldadas).
Os materiais retro-reflectores permitem reflectir a luz tanto de dia
como de noite.
S
Sarja
Um tecido com uma estrutura de tipo “sarja” caracteriza-se por
nervuras (efeitos de relevo na diagonal) no direito do tecido, sendo
que o avesso é diferente. A estrutura de tipo “sarja” é uma estrutura
resistente ao desgaste e à tracção.
Sintético
Fibras de origem química. Fazem parte desta família os poliésteres,
as poliamidas, os acrílicos, as para-aramidas, os polietilenos, os
elastanos, ...
SNR
Simplified Noise Reduction: método simples, pouco preciso, mas
muito utilizado (medição de decibéis sem tomar as frequências em
conta).
Sobre Óculos
Óculos de protecção estudados para colocar por cima de óculos de
correcção.
Softshell
O softshell, literalmente “protecções macias”, são matérias híbridas.
Entre lã polar e corta-vento, a “softshell” tem por função combinar
várias vantagens: conservar o calor do corpo, evacuar a humidade
e fazer barreira às agressões exteriores, principalmente o vento e
a chuva fina. Pode ser laminado para melhorar as performances
(respirante, semi-impermeável).
SOLA
A sola é a parte que forma a parte de baixo do sapato. Fica em
contacto com o solo.
Várias solas podem compor um calçado de protecção. Os materiais
utilizados para a sua elaboração, a sua concepção bem como o
procedimento de fabrico garantirão os desempenhos ergonómicos
pretendidos, a saber: fixação, anti-deslizamento, segurança e
conforto de uso.
Suporte de fixação
Elemento no qual se desloca um sistema anti-queda deslizante. O
suporte de fixação pode ser uma corda, um cabo ou uma calha.
T
Taeki
Fibra sintética em polietileno de alta tenacidade (PRHT). As suas
características mecânicas são exceptionais, notavelmente à
abrasão e ao corte. A fibra TAEKI de 2ª geração é claramente mais
macia, qua a 1ª geração, procurando assim um maior conforto.
tampões auriculares
Tampões (auriculares ou auditivos) anti-ruído descartáveis ou
reutilizáveis (EN 352-2): inseridos no canal auricular para tapálo. Geralmente em poliuretano ou PVC, podem ser também
associados a um cordão, uma banda de ajuste e /ou um encaixe
em metal detectável (utilização na indústria agro-alimentar).
TASLON
Tecido com superfície rugosa. O cruzamento muito serrado das
fibras fazem um tecido sólido.
Tecelagem
Em tricot, o modo de entrelaçamento das malhas é chamado de
tecelagem. As três tramas de base para a tecelagem são o jersei, o
interlock e a malha elástica.
ESPECIFÍCAÇÕES TÉCNICAS
Tela (estrutura)
A estrutura tela é a estrutura de base dos tecidos. Caracteriza-se
pela disposição inversa e em alternância dos fios de urdidura sobre
os fios de tramas. Não existe qualquer diferença entre o direito e
o avesso no tecido. Esta estrutura é particularmente resistente à
abrasão e extremamente fácil de impermeabilizar.
Termocolagem
Operação de colagem por pressão e calor (banda de alta
visibilidade sobre uma peça de vestuário).
Tira de assento
Correia utilizada na concepção de um arnês. Desempenha uma
função dupla: assento e repartidor de esforço no caso de queda
evitando, deste modo, um esforço demasiado violento entre pernas
e todas as consequências que daí poderão advir. Uma tira de
assento não é um elemento obrigatório num arnês.
Tirante de ar
O tirante de ar é a altura entre os pés de uma pessoa equipada de
um sistema anti-queda e o obstáculo mais próximo.
Trama
São os fios horizontais que se destinam à realização do tecido, em
oposição aos fios verticais em cadeia.
tripé
Dispositivo de ancoragem temporária e transportável para utilizar
sem deslocações verticais em espaços confinados.
T-Shirt
As t-shirts são peças de vestuário de algodão que cobrem o tronco,
sem gola, com mangas curtas, e cuja forma faz lembrar um T.
TYVEK
O material de base do TYVEK é o polietileno. Sob o efeito da
pressão e do calor, obtém-se uma amplitude de filamentos
contínuos que se ligam por fusão para realizar um tecido não-tecido
simultâneamente leve, maleável e resistente.
14
Vinil
Polímero termoplástico de síntese. É utilizado por luvas
descartáveis. É impermeável à água, ao álcool e aos detergentes,
mas não é elástico.
Visível (luz)
A luz visível, também denominada espectro visível ou espectro
óptico, é a parte do espectro electromagnético que é visivel para
o olho humano. Não existe qualquer limite exacto no espectro
visivel: o olho humano adaptado à luz possui, geralmente,
uma sensibilidade máxima à luz com um comprimento de onda
aproximado de 550nm, o que corresponde a uma cor amarelada.
VL - Valor Limite de Exposição
Concentração calculada em mg/m3 ou em ppm, para uma duração
de exposição igual ao dia de trabalho, seja 8 horas de exposição ou
correspondente ao risco tóxico.
VLECT - Valor Limite de Exposição a Curto Termo
Concentração calculada mg/m3 dentro de um período máximo de
15 min que convém não ultrapassar.
Vulcanização
A vulcanização é um procedimento inventado pela GoodYear e que
consiste em aquecer a borracha a altas temperaturas para obter a
sua transformação.
W
Welding
Palavra inglesa para soldadura.
U
Ultra-sons
Sons de altíssima frequência, imperceptíveis para o homem (>20
000Hz).
Ultravioleta
A radiação ultravioleta é uma radiação electromagnética com
um comprimento de onda intermédio entre a luz visível e o dos
raios X. Os ultravioletas podem ser subdivididos em UV próximos
(380-200nm de comprimento de onda) e ultravioletas extremos
(200-10nm). Os golpes de sol devem-se, primeiro, aos UV-B. Os
UV-A causam golpes de sol aquando de exposições extremamente
prolongadas. Os UV-B de forte intensidade (315-280nm) são
perigosos para os olhos e podem causar o “flash do soldador” ou
fotoqueratite.
urdidura
São fios verticais que se destinam à tecelagem do tecido em
oposição aos fios da trama horizontal.
V
Válvula
Igualmente denominada de válvula de fecho, confere um nível
de conforto suplementar à máscara, baixando rapidamente a sua
temperatura no momento da expiração e da rejeição de CO2.
Presentemente sobre as máscaras descartáveis, semi-máscaras ou
máscaras respiratórias completas.
Veludo (pele)
A pele croute de veludo é confeccionada a partir da carne e polida
sem flor para obter o seu aspecto aveludado, tal como o Nobuck,
mas que lhe advém da flor.
Ventilação
Características de certos capacetes de estaleiro comportando furos
situados na parte de cima da estrutura de modo a permitir uma
melhor evacuação do calor e da transpiração.
Verificação
Controle visual do EPI de categoria III.
159
TALATONA
HSA com novas instalações
em Talatona
As novas instalações HSA estão localizadas no Centro Logístico de Talatona,
armazém E-05, via C3A, Gleba GU03, Bairro de Talatona, no Município de Belas.
Um completo e moderno centro de logística, perfeito para quem procura qualidade
e situado numa das mais importantes zonas de Luanda e região de grande
potencial empresarial.
É assim dado mais um passo importante no crescimento da empresa e, esperamos
desta forma, estar mais “perto” de si, proporcionando cada vez mais valor ao
serviço prestado aos nossos clientes.
unem
edro
de
Loy
Luanda
International
School
Av
a
on
lat
. Ta
a
Ru
v
n
Co
C.
Av. Talatona
Av. Luanda Sul
Belas
Shopping
8
Centro
Logística
Talatona
HSA
Hotel
4 Pétalas
Talatona
Convention
Center
sS
õe
ç
en
Condomínio
Mirantes
Talatona
Via Lu
Estr.
da S
anda
Sul
amb
a
Av. P
n-D
o Va
Castr
Est
rad
Condomínio
Residências
Talatona
aT
ala
ton
a/
Ca
ma
ma
Este catálogo encontra-se protegido por direitos de autor.
A sua reprodução, total ou parcial, só será possível mediante consulta à HSA.
As fotografias dos produtos do catálogo são simbólicas das suas caraterísticas. A sua imagem
real, assim como as suas características técnicas, podem alterar, em função das constantes
actualizações das mesmas.
A HSA reserva-se no direito de alterar os preços sem aviso prévio.
Para a comercialização dos produtos, são válidas as Condições Gerais de Venda da HSA.
A HSA não se responsabiliza por eventuais erros tipográficos.
O presente catálogo foi concebido ao abrigo do antigo acordo ortográfico.
Handleserv Sintimex Angola, S.A.
Centro de Logística Talatona
Armazém E-05, Via C3A - Gleba GU03
Bairro Talatona, Município de Belas, Província de Luanda, ANGOLA
T. (+244) 927 366 596 / 932 596 364 / 930 211 125
[email protected]
www.hsa-angola.com

Documentos relacionados