5º dia da novena "O meu prisioneiro do amor"

Сomentários

Transcrição

5º dia da novena "O meu prisioneiro do amor"
5º dia da novena
"O meu prisioneiro do amor"
A Eucaristia é o centro da Igreja, do culto, dos sacramentos. Na Eucaristia Jesus realiza seu desígnio de amor:
ficar com os homens até o fim dos tempo a para ser o alimento, a luz, a força, o companheiro, o viático dos
homens.
São Geraldo Majela conseguiu participar dos frutos da Redenção vivendo em contato contínuo com a Eucaristia.
Desde criança gostava de ficar na igreja muitas horas para fazer companhia a seu "prisioneiro do amor".
Geraldo teve o privilégio de fazer a primeira comunhão pelas mãos do Arcanjo São Miguel. Jesus tinha em
Geraldo um companheiro assíduo durante o dia e durante a noite. A Ele Geraldo falava como a um amigo, a Ele
expunha suas necessidades também materiais, e Jesus respondia sempre a seu servo fiel, algumas vezes
também com milagres.
Como religioso, gostava das tarefas da sacristía, pois lhe davam a oportunidade de estar mais frequentemente
na igreja. Nos dias tristes da calúnia, o sofrimento maior de Geraldo foi o de não poder participar da comunhão
(foi‐lhe proibido como punição). Mas ele ofereceu este sofrimento e a si próprio no altar com Cristo, que o
transformou progressivamente n'Ele.
A carta de Geraldo, a que nos referimos, de 17/12/1751, foi dirigida à Irmã Maria de Jesus. Eram duas almas
profundamente espirituais, ligadas por profunda amizade, firmada na consagração deles a Deus. "Grande
conceito tinha Geraldo desta religiosa e grande conceito também fazia dele a Madre Irmã Maria... e pareciam
dois serafins..." (Padre Tannoia, biógrafo do Santo).
"As comunhões de uma parte me têm sido de grande consolação e de outra de
grande confusão, pensando na infinita bondade de Deus em ter empenhado
suas queridas esposas na salvação de quem tantas vezes, ingratamente, o
ofendeu...
Peço‐lhe que diga, por amor a Jesus Cristo, àquela minha irmã que
indignamente comungarei, conforme deseja, para que se tome santa com a
ajuda de Deus."
(Pausa para reflexão)
‐ Santifico os domingos e dias santos?
‐ vivo em intima comunhão com Jesus cristo como são Geraldo, ou seja, Jesus está unido comigo todos os dias
mesmo que eu não o receba na eucaristia?
‐ aceito com resignação os sofrimentos desta vida, mesmo que eu seja punido (a) como são Geraldo foi de não
participar mais da santa eucaristia, terei fé, continuarei fiel à fé católica?
O mistério eucarístico é o centro da vida cristã. Jesus Cristo nos amou e morreu por nós; seu amor o levou a
tornar‐se nosso alimento, para estabelecer uma perfeita união nossa com Ele. A Santa Missa, renovando o
sacrifício da cruz, realizado por Cristo, memorial de sua morte e ressurreição, se constitui no sagrado Banquete
de seu Corpo e de seu Sangue, do qual o povo de Deus participa na santa Comunhão. A Comunhão do Corpo de
Cristo transforma nossa vida na própria vida de Cristo.
ORAÇÃO: Deus, nosso Pai, cremos no mistério do Corpo e Sangue de Jesus presente na Eucaristia. Cremos e
adoramos! Principalmente fazemos nossa Comunhão, através do convite de Jesus para que, revigorados com
este Pão, possamos continuar nosso caminho de salvação. São Geraldo foi o anjo da Eucaristia: sua vida era
sempre uma contínua adoração, contínua comunhão com Vosso Filho. Fazei Pai nosso que nós aproximemos de
vós todos os dias com o mesmo ardor de São Geraldo, para que um dia possamos ver e amar a Cristo não mais
sob a espécie eucarística, mas em sua Pessoa no céu.