Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro Estudo 2 - Deus

Сomentários

Transcrição

Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro Estudo 2 - Deus
Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro
Estudo 2 - Deus é criador
Salmo 104
Elaborado por Gerson Berzins
([email protected])
Irmãos e amigos ouvintes, continuamos
nossas reflexões no tema “A Doutrina de
Deus”, hoje nos centrando no Deus
criador.
A Bíblia nos fala abundantemente deste
atributo de Deus: “No princípio criou
Deus os céus e a terra” (Gn.1.1). “Os
céus proclamam a glória de Deus, e o
firmamento anuncia as obras das suas
mãos.” (Sl.19.1). Pela fé, entendemos
que os mundos foram criados pela
palavra de Deus, de modo que o visível
não foi feito daquilo que se vê.”
(Hb.11:3).
Ao desenvolver o pensamento a respeito
do Deus Criador, dificuldades de grande
monta também se colocam a nossa
frente. Se pela fé aceitamos o universo
como criação divina, como a carta aos
Hebreus testifica, a nossa lógica tem
mais dificuldade em aceitar o ensino
bíblico. Pensamos sempre em causas.
Toda a sabedoria humana se desenvolve
em buscar as causas. Entender de onde
todas as coisas vieram. Compreender o
que é que provoca os fatos e as
realidades que nos cercam. Para nós tudo
tem uma causa. Ao aceitar que Deus é o
criador, a causa de todo o universo fica a
questão seguinte: Quem criou Deus?
Ora, se Deus é único e eterno, Ele é o
criador, mas, Ele é também incriado.
Nada o formou. Ele é a causa primeira.
Deus é a causa que não tem outra causa
precedente. Ele é o início de tudo.
E as perguntas continuam: Com o que
Deus criou o universo? A partir do nada.
Gn 1.2 nos diz que a terra era sem forma
e vazia e havia trevas sobre a face dos
abismos. Hb. 11.3 declara que “...o
visível não foi feito daquilo que se vê.”
www.pibrj.org.br
Como Deus criou todas as coisas? Será
que ele planejou tudo detalhadamente,
elaborou todos os pormenores e depois
executou seu projeto, ou será que ele
começou a criar e foi vendo como as
coisas iam tomando forma? A Bíblia nos
fala tão somente do poder criador da
palavra de Deus. “Disse Deus: haja luz e
houve luz” (Gn.1.3). Aquilo que para
nós é um conflito, o conflito entre as
palavras e os atos, não existe em Deus.
Deus diz, e a sua palavra é realidade.
Foi Deus que também criou as coisas
ruins: as doenças, as catástrofes e as
calamidades? Creio que a palavra do
Senhor a Moisés trata desta questão:
“Respondeu-lhe o Senhor: Quem fez a
boca do homem? Ou quem faz o mudo,
ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não
sou
eu,
o
Senhor?
(Ex.4.11).
Adicionalmente, podemos nos lembrar
das palavras de Deus em Isaías 45.7:
“Eu formo a luz, e crio as trevas; eu
faço a paz, e crio o mal; eu sou o Senhor
que faço todas as coisas”.
Com que finalidade Deus criou todo o
universo? Sem duvida toda a criação foi
formada para o louvor da glória de Deus
(Ef.1.12). “tudo foi criado por Ele e
para Ele” (Col.1.16).
A obra de criação feita por Deus pode
ser imitada ou reproduzida?
Esta
questão nos leva a considerar a
capacidade criadora do ser humano.
Deus criou o ser humano com uma
capacidade de criatividade, que nos
possibilita inventar coisas novas,
explorar
possibilidades
antes
desconhecidas e criar obras primas que
podem ser admiradas pela beleza da sua
originalidade. Mas, há uma diferença
Lição 02 -3T2005
Pg. 1
fundamental entre a criatividade humana
e a criação divina. Somente Deus pode
criar do nada. A nossa criatividade e
apenas transformadora. Juntamos coisas
existentes, as associamos de um modo
original e temos algo novo, algo que não
existia antes, mas sempre formada a
partir de elementos conhecidos. A
soberba e o orgulho humano procuram
reduzir a relevância do ato criador de
Deus, engrandecendo a capacidade
criadora da raça humana. No entanto, só
Deus tem a capacidade da criação
absoluta, nada usando como matéria
prima para a sua obra.
Convém analisarmos alguns desvios
teológicos
que
uma
incorreta
compreensão do Deus criador provoca.
Sem duvida, o primeiro desvio é o
Ateísmo. Negar que existe um Deus
criador.
Professar
uma
visão
evolucionista do universo, que se teria
formado ao longo de bilhões de anos,
através da transformação de material
inerte em vida e sua evolução até a forma
superior de vida humana como
conhecemos hoje. “disse o néscio no seu
coração: não há Deus” (Sl.53.1). Ao
absurdo dessa posição lembramos as
palavras de um grande apologista do
século passado, Francis Schaeffer, que
confrontado por ateístas declarou que
não tinha fé suficiente para acreditar na
teoria evolucionista. Sua fé só lhe
permitia acreditar em um Deus criador
de todo o universo.
Outro desvio desastroso é provocado por
aqueles que acreditam em um Deus
criador, mas crêem que Deus criou o
universo e depois se afastou dele, não
tendo mais qualquer influência ou
interesse nele. A medida que vamos
considerando os outros atributos de Deus
na seqüência deste estudo, devemos ter
claro para nós que a Bíblia nos apresenta
um Deus criador que também interage
pessoalmente com a sua criação e tem
www.pibrj.org.br
interesse continuado na sua obra. É o
atributo do amor, que não pode estar
dissociado do atributo de criação. Notese que de fato, nenhum atributo de Deus
pode ser considerado isoladamente. Deus
é um todo completo e complexo. A
nossa finitude é que nos obriga a
considerar
cada
atributo
divino
separadamente,
de
maneira
a
conseguirmos compreende-los.
Um terceiro desvio teológico a
mencionar é o panteísmo, que é abraçado
por muitas correntes filosóficas como as
religiões orientais. O panteísmo apregoa
que Deus está em toda a criação,
inclusive nas coisas inanimadas e assim,
toda a criação é Deus. Passa-se a adorar
a criação, ou elementos dela, como
deuses (Rm.1.25). Por mais bela que seja
a criação, há uma diferença fundamental
em reconhecer a criação como obra de
Deus ou passar a adorar a criação como
se esta fosse o próprio Deus.
“Eu te louvarei, porque de um modo tão
admirável e maravilhoso fui formado;
maravilhosas são as tuas obras, e a
minha alma o sabe muito bem”.
(Sl.139.14)
Diante da grandeza de Deus Criador
devemos nos prostrar juntarmo-nos ao
apóstolo Paulo, declarando:
“ Ó profundidade das riquezas, tanto da
sabedoria, como da ciência de Deus !
Quão insondáveis são os seus juízos, e
quão inescrutáveis os seus caminhos!
Quem, pois, conheceu a mente do
Senhor? Ou quem foi o seu
conselheiro?” (Rm 11:33-34)
Lição 02 -3T2005
Pg. 2

Documentos relacionados