Aspectos clínicos, epidemiológicos, hematológicos e

Сomentários

Transcrição

Aspectos clínicos, epidemiológicos, hematológicos e
Trabalho de Pesquisa
Trabalho científico aprovado em primeiro lugar no Congresso Medvep de Especialidades
Veterinárias 2011, realizado de 27 a 30 de Julho de 2011, no ExpoUnimed, Curitiba - PR.
Aspectos clínicos, epidemiológicos, hematológicos
e sorológicos de animais diagnosticados com
Ehrlichia canis no Hospital Veterinário de UberabaMG
Clinical, epidemiological, haematological and sorological aspects of animals
diagnosed with Ehrlichia canis in Veterinary Hospital of Uberaba-MG
Paula Boeira Bassi – Med. Vet, Residente em Diagnóstico Laboratorial–Hospital Veterinário de Uberaba UNIUBE/FAZU/ABCZ. E-MAIL: [email protected]
hotmail.com
Thais Kunikawa Moreira – Med. Vet, Residente em Diagnóstico Laboratorial – Hospital Veterinário de Uberaba UNIUBE/FAZU/ABCZ
Camila Cristina da Silva – MedVet Hospital Veterinário de Uberaba UNIUBE/FAZU/ABCZ
Eustáquio Resende Bittar – Dr. Prof Universidade de Uberaba UNIUBE/FAZU/ABCZ
Joely Ferreira Figueiredo Bittar – Dra. Profa. Universidade de Uberaba UNIUBE/FAZU/ABCZ
Bassi PB, Moreira TK, Silva CC, Bittar ER, Bittar JFF. Medvep - Revista Científica de Medicina Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação; 2011;
9(31); 678-680.
Resumo
Objetivando traçar o perfil clínico e laboratorial para o diagnóstico da erliquiose canina, realizou-se
um estudo retrospectivo entre o período de janeiro/2004 a dezembro/2010, no qual, dos 3158 cães
suspeitos, 183 (5,8%) foram diagnosticados positivos para E.canis, pelo esfregaço sanguíneo ou sorologia. Verificou-se maior ocorrência em fêmeas (53,6%), faixa etária de seis meses a cinco anos (83,1%) e
cães de raça definida (73,8%). As principais alterações clínicas foram anorexia (77,5%), apatia (45,3%),
alterações oftálmicas (31,1%), diarréia (24,6%), êmese (13,6%) hematemese (12,6%), dor abdominal
(12,6%), abdômen distendido (9,8%), perda de peso (9,8%), dificuldade de locomoção (5,5%), sangramento nasal e bucal (9,3%) e petéquias (2,7%). As principais alterações no hemograma foram anemia
arregenerativa (60,1%), leucopenia (50,8%), desvio à esquerda regenerativo (65%), linfopenia (53,5%),
monocitopenia (55,7%) e trombocitopenia (80,9%). O estudo permitiu verificar que há uma grande
suspeita clínica da doença na região, porém poucos casos são confirmados, sendo importante realizar
esfregaço sanguíneo ou sorologia para a melhor aplicação de condutas terapêuticas e profiláticas.
Palavras-chave: Hemoparasitoses; Erliquiose monocítica canina; Rickettisiose
Abstract
In order to trace the clinical and laboratory profile for diagnosis of canine ehrlichiosis, it was performed a retrospective study in period between january/2004 and december/2010, which 3158 suspected dogs, 183 (5.8%) were diagnosed as positive for E. canis by blood smear or serology. There was
more frequency in females (53.6%), aged six months to five years (83.1%) and breed dogs (73.8%). The
main clinical findings were anorexia (77.5%), apathy (45.3%), ophthalmologic abnormalities (31.1%),
diarrhea (24.6%), emesis (13.6%), haematemesis (12.6 %), abdominal pain (12.6%), abdominal distension (9.8%), weight loss (9.8%), difficulty in locomotion (5.5%), bleeding nose and mouth (9.3%) and
petechiae (2,7%). The main changes in blood count were non-regenerative anemia (60.1%), leukopenia
(50.8%), regenerative left shift (65%), lymphopenia (53.5%), monocytopenia (55.7%) and thrombocytopenia (80.9%). The study allowed verify that there is a high clinical suspicion of this disease in the
678
Medvep - Revista Científica de Medicina Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação 2011;9(31); 678-680.
Aspectos clínicos, epidemiológicos, hematológicos e sorológicos de animais diagnosticados com Ehrlichia canis no
Hospital Veterinário de Uberaba-MG
region, but few cases are confirmed, being important to perform blood smears or serology for the best application
or therapeutic and prophylactic conducts.
Keywords: Hemoparasitoses; Canine monocytic ehrlichiosis, Rickettsiosis
Introdução
A erliquiose monocítica canina é causada pela Ehrlichia
canis pertencente à família Rickettsiaceae (1). São microrganismos intracelulares obrigatórios (2), que ocorrem por todo
o território brasileiro (3). É transmitida principalmente pelo
carrapato Rhipicephalus sanguine use também por transfusões
sanguíneas (1).Clinicamente, a erliquiose manifesta-se de forma aguda, subclínica ou crônica (4,5).Na fase aguda, os sinais
começam a aparecer após o período de incubação,quando
há multiplicação da rickettsia dentro de leucócitos (média
2-4 semanas). Na fase subclínica observa-se alterações como
trombocitopenia e anemia. A fase crônica é dificilmente diagnosticada, sendo geralmente mais grave quando na ocorrência de outras doenças (5).O diagnóstico presuntivo é baseado
nos sinais clínicos e achados laboratoriais (6) e o definitivo
pela visualização de mórulas em leucócitos no esfregaço sanguíneo, sorologia ou pela reação da polimerase em cadeia
(PCR(1, 2).Considerando a casuística em alterações clínicas
sugestivas de rickettisiose em Uberaba-MG, foi realizado um
estudo retrospectivo com o objetivo de traçar o perfil clínico e
laboratorial para seu diagnóstico.
Material e Métodos
No presente estudo, foi feito levantamento de 3158 animais
com suspeita de erliquiose, atendidos pelo Hospital Veterinário de Uberaba, no período de janeiro/2004 a dezembro/2010.
Dentre os animais que foram diagnosticados como positivos
por esfregaço de ponta de orelha, esfregaço de sangue venoso ou sorologia (Immuno Comb Kit – Biogal®), foi feita uma
análise junto a sua ficha clínica considerando alguns aspectos como idade, raça, sexo, características clínicas (anamnese,
histórico, temperatura retal, palpação de linfonodos e avaliação das mucosas) e alterações hematológicas.
Resultados e Discussão
Entre os 3158 cães suspeitos para E. canis, 183 foram
diagnosticados como positivos. Destes,173 (94,5%) foram
por esfregaço sanguíneo pela observação de mórulas intraleucocitária, o que sugere fase aguda da doença, sendo sua
detecção mais eficiente no esfregaço de sangue periférico (7).
Apenas 10 (5,5%) foram positivos através da detecção de Ig
G anti-E.canis. O exame sorológico, em alguns casos, foi solicitado após o resultado negativo do esfregaço sanguíneo,
o que sugere fase subclínica ou crônica da doença. A baixa
solicitação dos exames sorológicos se deve às condutas dos
médicos veterinários em tratar seus pacientes embasados no
histórico e em algumas alterações nos exames laboratoriais
que sugerem E. canis, como trombocitopenia e não por exames laboratoriais.
Dos 183 cães positivos avaliados, 98 (53,6%) eram fêmeas
e esta ocorrência foi significativamente mais alta se comparada a outros estudos (2, 3, 8).A maior frequência foi observada em animais entre seis meses a cinco anos 152 (83,1%) e
animais de raças conhecidas135 (73,8%),o que está de acordo
com a literatura nacional (2, 3, 8).
Durante a anamnese as principais queixas foram anorexia 142 (77,5%), apatia 83 (45,3%), alterações oftálmicas 57
(31,1%),diarréia 45 (24,6%), êmese 25 (13,6%), hematemese
23 (12,6%), dor abdominal 23 (12,6%), abdômen distendido
18 (9,8%), perda de peso 18 (9,8%), dificuldade de locomoção
10 (5,5%), sangramento nasal e bucal 17 (9,3%) e petéquias 5
(2,7%).
A erliquiose é uma doença multissistêmica, apresentando
sinais clínicos não específicos (3,4,5) e também podem ocorrer
algumas alterações oculares como opacidade corneana e uveíte (8) e distúrbios hemorrágicos como epistaxe, petéquias e/
ou hematemese como conseqüência direta da trombocitopenia (9). Algumas alterações como dificuldade de locomoção,
abdômen distendido sugestivo de edema ou esplenomegalia,
são aspectos característicos de fase crônica da doença (3,6,8).
No exame físico, 93 (50,8%) animais foram avaliados com
mucosas hipocoradas. As mucosas pálidas são estatisticamente significativas por se tratar de uma doença que pode
levar a supressão da medula óssea e outras alterações como
alguns distúrbios hemorrágicos que ocorrem secundariamente à trombocitopenia, agravando mais o quadro da doença (4,5,10).Os linfonodos de 56 (30,6%) animais estavam
reativos e com aumento de volume.Isso ocorre na fase aguda
da doença quando há multiplicação dentro das células mononucleares circulantes, também presentes nos linfonodos
(5,6).Foi observado também 134 (73,2%) animais com temperatura acima de 39,4oC. O aumento da temperatura retal é
característica da doença em fase aguda, pois há tentativa de
isolamento e destruição do agente pelo organismo e por este
motivo, a E. canis tem como meio de defesa permanecer em
microcapilares e vasos periféricos (6, 8).
Nas avaliações hematológicas foi possível observar que
110 (60,1%) animais estavam com anemia arregenerativa, sendo uma alteração comumente achada em cães com
erliquiose(2,3, 7, 8).
Em relação ao leucograma, a maior alteração encontrada
foi leucopenia (50,8%). Também se observou um decréscimo
Medvep - Revista Científica de Medicina Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação 2011;9(31); 678-680.
679
Aspectos clínicos, epidemiológicos, hematológicos e sorológicos de animais diagnosticados com Ehrlichia canis no
Hospital Veterinário de Uberaba-MG
nos valores absolutos dos leucócitos, o que pode sugerir supressão medular ou aumento da destruição destas células
durante a doença (2,6,8). Na contagem diferencial,as principais alterações observadas foram: desvio a esquerda regenerativo 119 (65,0%), linfopenia 98 (53,5%) e monocitopenia 102
(55,7%). Estas alterações são frequentemente encontradas na
erliquiose, variando de acordo com a fase da doença (1,2,3,8).
A eosinopenia não ocorreu de forma significativa (5,5%), discordando de alguns estudos (2,3,8).
Outro dado significativo encontrado foi a trombocitopenia em 148 (80,8%) cães, sendo uma alteração citada em muitos trabalhos na literatura que indicam a principal alteração
hematológica para o diagnóstico presuntivo da doença em
áreas endêmicas(2, 3, 9).
nóstico para a fase aguda da doença.
Referências
1.
Rikihisa Y; Ewing SA; et al. Analyses of Ehrlichia canis and a canine granulocitic
Ehrlichia infection. Journal of Clinical Microbiology. 1991. v. 30, p.143-148.
2.
Dagone AS; Morais HS; et al. Ehrlichiosis in anemic, thrombocytopenic, or tickinfested dogs from a Hospital population in South Brazil. Veterinay Parasitology
2002. v.117, p.285-290.
3.
Moreira SM; Bastos CV; Araújo RB; Santos M; Passos LM. Estudo retrospectivo
(1998 a 2001) da erliquiose canina em Belo Horizonte, Brasil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia 2003. v.25, n.2, p.141-147.
4.
WOODY BJ; HOSKINS JD. Ehrlichial diseases of dogs. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice 1991 v.21, p.75-98.
5.
Breitscherdt EB. Riquettsioses. In: Ettinger SJ, Feldman EC. Tratado de medicina interna veterinária. Doenças do cão e do gato.5a.Ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2004. p.422-429.
6.
Varela AS. Tick-borne Ehrlichia e and Rickettsiae of dogs. In: Bowman DD.
Companion and exotic animal parasitology. 2003. [capturado em 10 maio
2011]. Disponível: http://www.ivis.org/advances/Parasit_Bowman/varela/
chapter_frm.asp?LA=1
7.
Waner, T; Harrus, S. Canine monocytic ehrlichiosis - an overview. In: Recent advances in canine infectious diseases. [periódico online]. Ithaca: L.E.
Carmichael(Ed). 2000 v.54 (4). [capturado em 10 maio 2011]. Disponível em:
http://www.ivis.org/advances/Infect_Dis_Carmichael/waner/ivis.pdf
8.
Borin S; Crivelenti LZ;Ferreira FA. Aspectos epidemiológicos, clínicos e hematológicos de 251 cães portadores de mórula de Ehrlichia spp. naturalmente
infectados. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. 2009v.61,
n.3, p.566-571.
9.
Boudreaux MK. Adquired platelet dysfunction. In: Feldman BV, et al. Schalm´s
veterinary hematology. 5 ed. Philadelphia: Lippincott Willians & Wilkins, 2000.
p.496-500.
Conclusão
O Estudo realizado permitiu verificar e concluir que:
- A baixa casuística observada no HVU se deve ao tratamento dos animais somente pelos sinais clínicos e/
ou hematológicos apresentados.
- As alterações clínicas e hematológicas observadas nos cães infectados por E. canis são bastante
inespecíficas,independente de raça, sexo e faixa etária.
- O esfregaço sanguíneo é um importante exame diag-
680
Recebido para publicação em: 15/06/2011.
Enviado para análise em: 15/06/2011.
Aceito para publicação em: 11/07/2011.
Medvep - Revista Científica de Medicina Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação 2011;9(31); 678-680.

Documentos relacionados

Ler na íntegra em PDF

Ler na íntegra em PDF 3. Morais HA et al. (2004). Diretrizes gerais para diagnóstico e manejo de cães infectados por Ehrlichia spp. Clínica Veterinária, 9: 28-30. 4. Oriá AP, Pereira PM, Laus JL (2004). Uveitis in dogs ...

Leia mais

Oftalmopatias na erliquiose monocítica canina Eye diseases in

Oftalmopatias na erliquiose monocítica canina Eye diseases in 8. Gould DJ, et al. (2000). Canine monocytic ehrlichiosis presenting an acute blindness 36 months after importation into the UK. Journal of Small Animal Practice, 41: 263-265. 9. Ristic M et al. (1...

Leia mais

Revisão de Literatura ERLIQUIOSE TRANSMITIDA AOS CÃES

Revisão de Literatura ERLIQUIOSE TRANSMITIDA AOS CÃES aguda (início da infecção); subclínica (geralmente assintomática) e crônica (nas infecções persistentes) (GAUNT et al., 1990). Na fase aguda, o animal infectado pode transmitir a doença, sendo poss...

Leia mais

Homeopatia e isoterapia no tratamento da Ehrlichiose canina

Homeopatia e isoterapia no tratamento da Ehrlichiose canina 4Dx test, where all the dogs were positive for anti-Ehrlichia canis antibodies. The animals were watched by exams during the day 0 and weeks 1, 3, 5, 9, 13, 15 and 18, and both reached the recovery...

Leia mais

evidência sorológica e molecular de erliquiose canina no município

evidência sorológica e molecular de erliquiose canina no município Cadeia pela Polimerase convencional (PCRc) 84% e a PCR em tempo real (qPCR) 95%. Apenas um animal foi negativo nos três testes, sendo este, provavelmente, o único animal ainda não exposto à bactéri...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS As hemoparasitoses são doenças causadas por patógenos transmitidos por vetores hematófagos. Estas se caracterizam por serem enfermidades de grande importância na Medicina Veterinária, uma vez que a...

Leia mais