Ata Notarial

Сomentários

Transcrição

Ata Notarial
~
..
~~
~i
República Federativa do Brasil
lºTABELlONATO
~.'
~~
.~.~:.
,-/
:, _
~
~
l~
.::
,~~
í
~
.=
E._.
I
COMARCA DE CURITIBA
I' Tabelionato de Notas de Curttlba
Tabel130 Bel. luIZ Marcelo Glovannettl
Rua Paula Gomes. 110. Cep. 80511HJ70. Cu,"lba. PR
1tabeUonat~ltab6lonato
com.br -WNW.1tabeJlonato com br
Fone: 41 ]014.1727. Fu 41 ]014-1720
..;i1í~m'~
~
ESTADO DO PARANÁ
GIOVANNETTI
""B~OI'i"!Ox
ÇIOVIlNN£"l
~
""'_
" ,.• -
Jtl~r.5on li"!/. m.
fie......
UI'
A',.,'••••••".
Cun'.. . .R
\1. •
" ~~!:JI~~nr.
r."'_~'2j":~.":.o:.
Ú~oJ::;~f
Colég/o
.
c-"tolHkr.J
• s so c , • o o
1'' '"' 0
r
l
'RUB~ICA
,FOLHA
1878.N
ESC
033
r PROTOCOLO
~0169,
)'AGINA
010019~4
O
2
Ata Notarial para Registro de Degravação de Conteúdo d~
Áudio elaborada por sOlicitação de: IPPUC - Instituto de:(
'•
7'
Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, redigida na;:::
f
b .
("
orma a alxo:
~
~.'r.;::.B.;:
.
SIAlIIBIAlM quantos a presente Ata Notarial para Registro de '~
Degravação de Conteúdo..deÁudio virem que, lios treze dias do mês de agosto do ano de dois mil e -:;
quatorze (1310812014), nesta cidade de Curitiba. Càpital do Estado do Paraná - República Federativa :;
do Brasil, nesta Serventia Notarial, eu, Renato JefersonBolzani, Escrevente Autorizado do Tabelião que i:.
esta subscreve, lavrei o presente instrumento por solicitação de: IPPUC - Instituto de Pesquisa e C
Planejamento Urbano de Curitiba, com sede na Rua Bom Jesus, 669, na cidade de Curitiba, Paraná, ;:
inscrito no CNPJ sob nO76.582.33710ÓO'1-16, neste ato representado por seu.Presidente: Sérgio Póvoa Z
'. g;.;"
Pires, brasileiro, divorciado, arquiteto e urbanista, portador da Cédula de Identidade RG 767.022/PR,
~~1~'
. inscrito no CPF/MF sob 233.704.679.68, estabelecido na Rua Bom Jesus, 669, na cidade de Curitiba, ~
:~. '.:~
Paraná. O' presente é reconhecido pelos documentos apresentados, do que dou fé. Item I • Da
-'
. \'
Constatação e Registro: A pedido do solicitante, na forma aqui repre.sentado, aos vinte e oito dias do '
mês de maio do ano de dois mil e quatorze (2810512014), realizei diligência externa e me dirigi até o Z
fi!f(ç.~ Auditório I da Rua da Cidadania Pinheirinho, localizada na Avenida Winston Churchill, 2033, Bairro ~
'~1,(;~ª1: Pinheirinho, nesta cidade de Curitiba, Paraná, para acompanhar e proceder ao registro de Ata Notarial l
~~~.
referente a Audiência Pública de Revisão do Plano Diretor de Curitiba. Então, acompanhei a
audiência de seu inicio, ocorrido ás 18 horas e 40,minutos, até seu término, ocorrido ás 21 horas e 30 Z
minutos, na qual compareceram 161 pessoas, tendo sido registradas 10 perguntas elou sugestões elou ,~
"~~~:f
observações. Durante a diligência, fiz 02 fotografias do local visitado (Imagem 01/02 e 02/02). A ~
.~i'.:':~É audiência compôs-se da seguinte forma: 1) Apresentação; 2) Video da Campanha do Plano Diretor; 3) :
~ .
'C. É
Apresentação do Diagnóstico Perceptivo; 4). Apresentação do Diagnóstico técnico; 5) c.
Perguntas/sugestõeslobservações. O evento foi gravado através de áudio e video, supervisionado e ::
.,::;"¥'[email protected]:~ revisado por mim, Escrevente Autorizado, para posterior degravação e transcrição na forma a seguir: ~
, r.;::?l
Cerimonial: Senhoras e senhores. Gostaria de s.olicitara todos, por gentileza, ocuparem seus lugares,
" "t;: t~f
e também, desliguem ou coloquem no modo silencioso, seus aparelhos celulares. Nós temos, conosco, :.
~':~,".Q.t.4'$;.~.~'.1 a Sonia, que está em treinamento para intérprete, e ela estará, a Sonia que está aqui, ela estará 4:
auxiliando na abertura, com a tradução, se tiver alguma pessoa precisando da interpretação da Sonia, ~
#~
por favor, fique á vontade; A Audiência Inaugural de Revisão do Plano Diretor, aconteceu no dia 28 de ~
.''5:..~
março, das 18:30 as 22:30 no Salão de Atos do Parque Ba~igui. Nesse primeiro evento, a comunidade
, __>, . j..'1.'
teve a oportunidade de conhecer o processo que regula a revisão do Plano Diretor. A presente..J
:-:/.~:~< audiência foi previamente agendada e divulgada, e configura a continuidade de'um processo público e ~
participativo de revisão do Plano Diretor do Municfpio de Curitiba,"conforme determinação do Artigo 39,
parágrafo terceiro da Lei 10.257 de 2001, Estatuto das Cidades. Nesta fase, entre os dias 26 e 29 de ~
;3c~.~
Maio e 02 a 09 de Junho, vocês poderão é..., vão ocorrer as audiências públicas nas 9 regionais, com o C
~.~
propósito de recebimento, compilação de anális..e,dascontribuições da sociedade ao plano diretor, serão ~
. ~
'..
apresentados os seguintes aspectos: Metodologia utilizada; Atividades que envolvem as análises Z
,~T~
técnicas; Temas abordados;' Oportunidades e mecanismos de participação da comunidade; e as datas i3
~,~.
-'
dos principais eventos internos e externos que serão realizados sob a coordenação e monitoramento do E
~..'~
Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC, instituição que detém o compromisso C
~Ali::; legal de revisar o Plano Diretor, _assimco-mào de zelar permanentemente pela sua execução, com o ::i.
apoio do Conselho da Cidade de' Curitiba e Órgãos e Instituições Municipais. que também estão ~
'.'r.28.~...':: envolvidos nesse processo, alem da participação popular e da sociedade civil organizada, o processo de ~
'5: ,~. revis(io do' Plano Diretor no âmbitOdo Poder Público Municipal, contará com a cooperação e integração ê.; ..
~"í<i:~
e a participação ativa da Camara Municipal de Curitiba, do Conselho da Cidade de Curitiba, dos Órgãos ~
.:t
públicos Municipais, assim como entidades privadas e organizações não governamentais. Na S
sequência. em setembro de 2014~serárealízada~_ultima série de audiências públicas as regionais, com ~
o objetivo de compatilíilizar e elaborar a redação final das propostas apresentadas pela comunidade. ~
Além das audiências, serão realizadas uma série de debates e eventos, como por exemplo, o Terceiro X
Seminário Curitiba do Âmanhã,"previsto para à.primeira quinzena de agosto, nos dias 28 e 29 de .'j
novembro, será realizada a vigésima audiência pública, conferência em atendimento a resolução n° 3f
25/2005,
artigo 10. do CONCIDADES, para validação do Plano Diretor Revisado, pelos vário~_1)
seguimentos da .. população, foram' convidadas:- todas as autoridades municipais, vereadores~
administradores regionais, ministério público, e também Tribunal de Contas, e para dar inicio (~
..'S .\'(
~
~
.~~.~T~i.:
.~j .
<-¥jJF~~:
n°
~.m:
~e~"~~if
2
~~~~I
ª
Ô
~;;-~~=l
B
~7"~
'211 1.J3 •• + mii#-l$'" .!in '!3 ,i ! li.!.' 1101%' l,i'l5tV i3 i,MP Wi-"I,W 1.101Ui"':' Si! i~lU'
~i º
1 TA B E LI O N ATO
G I OVA N N E
ESTADO DO PARANÁ
.
I
I
l'Tabellonatode~otasdeCurnlba
làbellao Bel. LUIZ"""ceio Glovannettl
República Federativa do
;"
!
. ONÃTo
CIOVt'.~TT.
RprJolto
~
91
.,_
"'-loIm 'fipJ I
I
rvRO
:~-2.
I
[FOLHA
1878-N
J
.1:'
, • '
..
a.;;;:.:;..
'ijQiJ;~ít.'!'"
-nl\A'll'Iilf'a
:
COMARCA DE CURITIBA
.• 1-
Rua Paula Gomes. 110"ceP' 8051~70" CunUba. PR
~~n!:,.~ 1 .;'
[email protected]çpm.br-YNM'.ltabeUonalO.~'":"br
••
.
BraSill~4
.
e~c
I
: RUBRICA
034
I PROTOCOLO
•
:'PAGlNA
0100197,4
O
02
audi~ncia pública, convidamos paracDmpór a mesa, o Presidente do IPPUC-;8ergio Pires, o DiretoB
PreSidenteda COHAB, Ubiraci Rodrigues, o Administrador da Regional Pinheirinho, Edegar alto Hauber.:C
Junior, queremos registrare agradecer as presenças do representante do vereador Jorge Bernardi,~
demais secretários murjiCipais, e represeptantes de outras secretarias, administradores regionais, Q
. servidores municipais, profissionais da imprensa e convidados, convidamos também para compor a
mesa o secretário em exercicio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Rafael Rolim de Moura. v:
leitura do Editalfde.'Convocação publicado no Diário Oficial no dia 05 de Maio de 2014, assim como em ~
veiculos de comunicação virtual e jornal impresso de grande circulação estadual no dia 08 de Maio.\:
Comunicado, realização da 48 Audiência Pública e Consulta Pública. O Instituto de Pesquisa e f
Planejamento Urbano de Curitiba, representado por seu Presidente Sergio Povoa Pires, no uso da ;
competência que lhe foi atribuida por meio da lei Municipal 11.266/2004,Artigo 5°, Inciso 5°, Resolve: ~
Primeiro: Comunicar aos interessados que será realizada a Quarta Audiência Pública de Revisão do Z
Plano Diretor de Curitiba no dia 28 de Maiá de 2014, Quarta-feira, com inicio as 18:30 e previsão de
término as 21:30, em cumprimento ao disposto do Artigo 48, Inciso 2°, da lei Municipal 11.266/2004, e :':
no Artigo 40, Parágrafo 4°, Inciso 1", da lei Federal n° 10.257/2001, Capítulo Segundo: A audiência terá "
como objetivo iniciar e estimular' o processo de diagnóstico da cidade de Curitiba nos aspectos contidos ~
no Plano Diretor e voltados a sua revisão, na oportunidade.será distribuído informativos,.contendo dados ;:
sobre ó tema e a metodología adotada para revisão do Plano Diretor de Curitiba. local, a Audiência ~
Pública será realizada na Rua da Cidadania do Pinheirinho, situada na Avenida Winston Churchil, 2033, ;
Pinheirinho,.em Curitiba. Capitulo Terceiro: Comunicar que permanece aberta até a data de 12 de :
Setembro de 2014, a consulta pública para a apresentação de questionamentos, criticas e sugestões S
para a revisão do Plano Diretor de Curitiba, em conformidade com a lei Municipal 11.266/2004, e com a ~
lei Federal 1.257/2001, a sugestão de Projeto. de lei de Revisão do Plano Diretor, elaborado após ~
.estudos técnicos e manifestações colhidas nas diversas audiências públicas que serão realizadas ao "
longo. do procedimento, será debatida e deliberada pela população em conferência especialmente;
designada para este fim, prevista para os dias 28 e 29 de novembro de 2014, oportunidade em que se ~
definirá, mediante deliberação dos presentes sobre o teXto final do Projeto de lei de Revisão do Plano ".
Diretor de Curitiba que será encaminhado a Câmara Municipal de Curitiba. As informações a respeito da
Revisão do Plano Diretor de Curitiba, estão disponível no seguinte endereço eletrônico: '::
"www.curitiba.pr.gov.br/planodiretor..•no mesmo endereço eletrônico podem ser feitas as colaborações, ~
sugestões, criticas e solicitações de informações, eventuais dÚVidaspoderâo ser encaminhadas com a ;:
identificação do respectivo autor, nome completo, profissão, ocupação, endereço, e-mail, telefone, fax, e
entidade, instituição que' representa, quando for' caso, para o endereço eletrônico, E
[email protected], informações adicionais poderão ser obtidas por meio do telefone 41 3250 C
1414. Curitiba, 02 de Maio de 2014, Sergio Póvoa Pires, Presidente do Instituto de Pesquisa e <i.
Planejamento Urbano de Curitiba: Hoje acontece a quarta audiência pública de revisão do Plano Diretor ~
de Curitiba das 18:30 as 21:30. das 20 anunciadas que acontecerão em cumprimento ao disposto no O
Artigo 48, Inciso 2°, da lei Municipal 11.266/2004, e no Artigo 40, Parágrafo 4°, Inciso 1°, da lei Federal cc
10.257/2001, neste"momento, convidamos o administrador da regional Pinheirinho, Edegar alto Hauber
Junior, para fazer a sua saudação. ....
::;
Edegar Olto Hauber Junior: Boa noite a todas e a todos, é..., um prazer estar com vocês aqui de novo ~
na Rua da Cidadania, agradecer a todos aqui que cooperaram com as oficinas do Plano Diretor que ;::;
fizemos aqui na regionál'doPinheirinho, foi feita uma aqui na Igreja do Capão Raso e a outra lá na ~
Paróquia Santana, no.Caximba, colocara vocês que essa é uma, é um modelo que o Gustavo, que o ~
Prefeito Gustavo Fruet a questão de participação da população, a abertura pro diálogo, pra conversa e Z
pra também contemplar os anseios e os desejos da população, trazer o Plano Diretor mais próximo da :,
comunidade, dar essa continuidade na mão dó Sergio,Pires, o nosso presidente do IPPUC, o Bira, que ;:'
tem sido um grande parCeirOda COHAB, e agradecer 'a presença do Rafael, nosso secretário em
exerclciono meio-ambiente, é, dizer a vocês que essa questão do Plano Diretor, nas oficinas nós já ~
percebemos muita coisa (inint) necessidade da população e acho que (inint) contemplado nessa Z
questão aqui do plano que será exposto a vocês. Mais uma vez, uma boa noite a todos.
,é
J Cerimonial:
Queremos registrar e agradecer as presenças dos representantes do vereadores Bruno fi:
, Pessutti e Johny Stíea. A partir desse momento, as pessoas que desejarem fazer uso da palavra nessa
~..audiência pública, podem se dirigir as mesa de apoio junto a entrada desse auditório, munidas de
documento de identidade para fazer sua inscrição, lembramos que as perguntas devem ser curtas eZ
i objetivas, pára dar oportunidade para que todos façam suas contribuições, pedimos que o tempo de falá.!)
não ultrapasse a 3 min'utos, para que o debate seja realizado com clareza e desta forma seja proveit0só5
Fone: 41 ]014-2727.
FiU<41 ]014-272'
A'
,
o
C I A
o o
0169
1:
¥
ê
9
e
5
9
«
I
I
.'~'tii~!':~"9~I"i,:~,
••R,i~h~Tj~m~.!!t~'~'
!3~:.it~!1-•••••
iii-" ••••
m••.'~!.j••ij!j••,ã-.••t!9.••!I.i••••:'i..••
' \~1'•••i"~i
- 1f.••"!Rj,!.U•••ii.:•..••,3"',i ''''i3 "'0. ••
'-
<5i
,- Tab"lionalo de
República Federativa do BraSill-
1ºTABELIONATO
GIOVANNETTI
,=
de Curnlba
1~
l
tatlf'llão Bel Luiz \'\alcelo GIO\annettl
Ru,] Paula Gome<;. 110 - CeP 8051()'()70 - Cumlba - PR I
ESTADO DO PARANÁ
1"':i.6' "-";el'.'
¥
t;,
I - .." "~'8 (....
[email protected]:abellonato,com,br
Fone: 41 JOl4-Z7Z7.FU41
'.'
.l/'NM_1tabeII0na10~~~~:I_.~::
: :'7
8~~~
~),.FiiJll
,t}UDt
~~"::~~,~
.".
~
1..1:.'1
I
PR
:~ .. "., ,~, _
01,"""»0'---
JOl4-Z7Z0
~
COMARCA OE CURITIBA
LIVRO
II
1878-N
coe ESC
0169
FOLHA
RUBRICA
035
II PROTOCOLO
pAGINA
,
01001974
O
~
'!
02:j
para todos os presentes e contnbua para o processo de Revisão .do Plano Diretor de Curitiba, as)
inscrições podem ser realizadas até as 09 horas da noite. E neste momento, senhoras e senhores, nós:{
convidamos a todos paraassistirern um vídeo da campanha do Plano Diretor.?
Vídeo: Se sua cidade:falasse, o que ela diria? Que quer mais árvores, mais avenidas, viadutos, querç
mais transporte coletivo, ciclovias, mais espaco para lazer, a sua.cidade não fala, mas ela tem voz, é a S;.
sua voz, a minha'voz, a voz dos que ao longo dotempo fizeram Curitiba ser o que é hoje. É uma história ~
antiga, veja o passeio p9blico, ri parquêmáis antigo da cidade, bem no centro, ele foi criado em 1886, ~
por que a voz dos Curitibanos da.época, disse que Curitiba tinha que prevenir as enchentes, que eram.
comuns, o lago do passeio público cumpriu essa função, a mesma idéia foi repetida quase um século
depois com a implantação de qezemis de parques, hoje eles são as praias de uma Curitiba sem mar, ;;
alem de embelezar, regulam a vazão dos rios, se os parques não existissem, Curitiba viveria o caos que "
é comum em outras cidades brasileiras, quando,cai uma chuva mais forte. Outro exemplo, no inicio dos <
anos 70, Curitiba crescia mais tjue as outras Capitais, para evitar uma ocupação desordenada, a voz =
dos urbanistas ~isse que era preciso planejat'do desenvolvimento. A cidade foi então organizada para
crescer com base num tripé formado pelo uso do solo, sistema viário e transporte coletivo, ou seja, a
prefeitura lE;lvOU
as avenidas.e os ônibus e 'atrás deles foram as pessoas, a cidade definiu o que poderia ser construido em cada bairro, e que altura os prédios poderiam ter, definiu o tamanho das calçadas e a ~distância entre elas e as construções, você já reparou que nossa cidade tem mais jardins na frente das ;
casas, e justamente por causa dessa norma de afastamento. Foram criadas as grandes avenidas, ;
chamadas estruturais ao das quais a cidade se expandiria, nos eixos estruturais, Curitiba implantou um ~
sistema pioneiro de transporte coletivo com canaletas exclusivas, os ônibus expressos que viraram S
referência para o mundo, tudo isso faz parte do Plano Diretor que foi escrito em 1965 e atualizado nos"
anos seguintes. O tempo passou, outras vozes nasceram, outras chegaram de longe com sotaques que ~
tornaram a nossa Curitiba uma cidade muiti-cultural. Agora em 2014 está na hora de Curitiba resgatar a "
sua tradição de cidade planejada e inovadora. Nós que somos os herdeiros de uma tradição de mais de ::
50 anos de planejamento urbano seremos os'.responsáveis pela revisão do Plano Diretor, a Prefeitura ~
organizou essa discussão para que você fique no centro das decisões, haverá audiências públicas e -=:
vários canais de interação, pela internet, redes sociais, e pelos métodos tradicionais, com participação e ~
inclusão, o novo Plano Diretor será uma oportunidade de reduzir a,desigualdade e tornar Curitiba mais ;c
humana para todos, estamos engajados nó planejamento humano, no desenvolvimento sustentável para?
as futuras gerações de Curitibanos, com mais moradias, investimento maciço em saúde da família, ;;
educação como prioridade, mais professores, mais escolas e centros de educação infantil, e menos ,"
carros, uma cidade aberta ao mesmo para o metrô, a bicicleta e o pedestre. Você esta vivendo esse ~
momento históricó; venha participar da'revis'ão do plano diretor dessa cidade que amamos, coloque C
também a sua assinatura no plano que vai desenhar a Curitiba dos próximos 50 anos.;(
Cerimonial: Você,esta vivendo essa história, qual é a Curitiba que queremos. Neste momento senhora~ :2
e senhores, nós cbnvidamos para conduzir O-Strabalhos, o presidente do IPPUC, Sergio Pires.
. (!)
Sergio Pires: Boa noite, muito bom,nesse friozinho bom nosso de cada dia, uma vontade de comer
pinhão, vamos ter esperar um pouquinho. A conversa que nós queremos ter com vocês hoje é uma -:;'
conversa de muita esperança e de muita discussão. Nós temos nesse ano de 2014, uma grande
discussão pela frente que é falar falar sobre o destino da cidade que nós tanto gostamos. O prefeito;-;
Gustavo Fruet quando' assumiu, ele determinou que nós nos jogássemos num trabalho pra que nós
possamos fazer de Curitiba uma cidade cada vez mais humanizada, mais inovadora, e mais?"
paí'ticipativa, é nesse sentido que eu gostaria de conversar com vocês hoje, nós vamos ter depois?
algumas outras' pessoas também conversando, nós pretendemos nessa noite de hoje, mostrar pra ::;
vocês a metodologia (inint) quer participar da discussão do.plano diretor, nós vamos discutir também o :-,
diagn~stico perceptivo qu~ foi alvo-das oficinas que foram, que aconteceram (inint) aqui também, o
projeto que tá sendo desenvolvido junto com a Secretaria da Educação, que é o urbanista mirim, e =
depois falar um pouco de um"diagnóstico mais técnico, e dos nossos desafios pros próximos anos, ai <nós vamos abrir a palavra pra sugestões, pra contribuições de todos vocês, então o que eu queria ~
primeiro, é convidá-los, diferentemente das outras audiências, e muitos de vocês tem participado, C
quando.os assuntos são pontuais e eles vão influenciar diretamente no orçamento, nós temos ainda a ,E
LOA esse ano pra discutir. Eu queria pedir vocês, que vocês pudessem ter um vôo mais alto, vocês
olharem pra região de \!bd!s, quase com um.olhar de palisarinho, deixando de lado as questões dO$
buraco do asfalto, da valeta, do ponto de ônibus, olhar um pouco mais de cima, pra que a gente"'=
pudesse sonhar um sonhocbletivo, por que eu acho que. é ísso que faz a cidade ser mais legál,
ímportante que cada um de.vocês contribua com ó seu olhar, mais um olhar maior, como é que voc€'5'
Ô
Z
¥
E
9
é2
VALIDO EM TODO
o TERRITORIO
NACIONAL
QUALQUER
ADULTERAÇAO
ou RASURA
INVALIDA ESTE DOCUMENTO
~
República Federativa do Brasil
19TABELlONATO
,
ESTADO DO PARANÁ
GIOVANNETrf __
, '/.,
.
" Tabelionatode "'atas deturnlba
!
Tabeli!o Bel. luIZ Marcelo Glovannettl
~...
RuaPauIaGomes,l10-Cep,80SHHl70-Curltlba-PR
COMARCA OE CURITIBA
'\.5
GI,
R~n.1O
,••...•
i:,
'IRO
na
l£2.~.f'l ,.-
1tabellonatMPl tabellonato.cçm.br . Y'NfW.l tabellonato.com.br
fone: ~I ]014-2727" fiU ~I ]01~.2720
C~,..,11
AS
S
~r:ot.HA
1878-N
o
C I A
o o
,coe. ESC
0169
+-
, ~ueAICA
036
I PROTOCOlO
i pAGINA
0100191,4
00 102
aqUi, na região do.Pinheinnho, na administração do Plnheirinhovêem a cidade de Cuntlba como um3
todo, (inint) enfoque que vocês dão, por exemptopro centro da cidade, ou como é que vocês percebem:(
Santa Felicidade, Atuba, e como é que vocês ,acham que são percebidos, que tipo de ajuda, vocês~
acham que vocês p0clem contribuir para melhorar a vida de todos os Curitibanos, a administração'~
regional do Pinheirinho>nós estamos trazendo'essa audiência, nós estamos fazendo essa audiência em F,
cada uma das administrações regionais, mas' elas não são audiências sobre a regional, elas são:;;
audiências sobre o Plano Diretor da cidade'como um todo com um olhar da regional, isso eu acho que é ~
'. uma inovação, acho que é um ponto muito importante pra que todos nós possamos refletir e a partir daí, '"
ajudar o prefeíto Gustavo Fruet e sua administração, mas mais do que tudo, ajudar a nós mesmos a "
criarmos uma cidade melhor pra nós vivermos,.e (lnint) melhor pros nossos filhos, O Plano Diretor nada •
mais é do que um regramento, de que maneira 'a gente vive nessa cidade, onde é que a gente vai poder ~
circular, onde é que a gente vai poder criar os nossos filhos, onde é que ter escola, onde é que pode ~
construir mais alto, mais baixo, daqui a 6 anos, nós vamos estar vivendo um momento mágico, aqui no
Pinheirinho, aqui mesmo nessa estação, vai ser a segunda estação do metrô de Curitiba, então vocês ".
,
imagínelT! o impacto na vida de vocês que isso vai ter,~_né,vai ser um re-arranjo todo, of)de o
desenvolvimento social o desenvolvimento econômico, o desenvolvimento ambiental vão dar as mãos ~
pra nós construirmos uma nova cidade, então imaginem q!Je(inint) aqui do lado, lá embaixo a gente vai ;:
ter um metrô e na parte de cima da, dando lugar, saindo o ônibus, nós vamos ter um parque linear, ,
onde nós vamos poder passear com os nosso filhos" onde nós vamos poder nos encontrar, onde vao ter ~
árvores, onde vao ter lugarespra gente tomar um café, pra ter um negócio, vamos começar a sonhar ~
juntos, mas eu não digo só sonhar, vamos fazer com que esse Plano Diretor faça com que nós S
sonhemos um sonho e que tornemos esse sonho realidade, então é isso que eu quero pedir pra vocês ~
nessa noite e vamos começar a pensar mais alto, vamos pensar grande, vamos ver o que que a genle ~
faz por esta cidade que a gente tanto gosta, então como eu falei, o Plano Diretor é como re-arranjar a ~
nossa casa, dentro da nossa casa a gente tem o lugar onde a gente dorme, onde a gente vê televisão, ::
um lugar onde a gente vai tomar banho, né, um lugar onde a gente vai passear 'com as crianças, enfim, :;
(inint) cidade funciona do mesmo jeito, e quem faz esse regramento todo é o Plano Diretor de uma ::
cidade, nós temos, como (inint) essa pergunta, qual é a cidade que a gente quer daqui pra frente, isso;;
nos instiga a pensar em várias coisas, ela ê a mola propulsora da discussão do Plano Diretor, mas -:.
depois nós vamos poder ver de uma maneira m<;jisdetalhada como isso tá acontecendo, a nossa idéia é
que até o final do ano o prefeito Gustavo Fruet possa enviar à Câmara deVereadores a mensagem com."'
o novo Plano Diretor, ao mesmo tempo que nós discutimos o Plano Diretor, nós tambêm discutimos;:.
alguns planos setoriais, como habitação, como segurança, como desenvolvimento econômico, como iY
zoneamento e uso do solo, que vão depois ensejar um segundo momento aqueles planos setoriais C
como a gente chama, e depois desses planos setoriais, nós temos aquilo que a gente pode chamar de
plano de desenvolvimento da regional, por que daí nós temos um macro e ai começamos a diminuir até;;;
que a gente possa ter discussões que fiquem nas próprias (inint) que fiquem (inint) grupo de ruas, pra 0
que gente possa chegar com uma lente mais de perto nisso tudo, a gente parte de um sonho maior, pro co:
sonho menor, e o sonho menor alimentando esse ,sonho maior, pra participar desse plano nós temos
alguns, algumas pessoas e alguns participes, o primeiro deles são os órgãos da própria prefeitura, seus:'1;
vários conselhos setoriais, cOnselho de saúde, conselho de educação, depois nós temos também o ~
conselho da cidade de Curitiba, esse conselho foi ampliado no começo do ano passado, passou de 16:'
membros, pra 32, pra vocês terem um idéia do que significa isso, o governo federal, no seu conselho f\
tem aproximadamente 84 membros, então pra uma população de 200 milhões tem 84, Curitiba prauma ~
população de 1 milhão e 800 ter 32,. vocês .(inint)que a gente tem uma participação bastante importante"
de vários segmentos, empresários, trabalhadores, movimentos, das organizações não governamentais, :~
da academia, enfim, ali é o lugar onde se discute' também a cidade onde as pessoas estão ~
representadas, num outro momento a ~sociedade organizada, um associação de moradores, uma :
associação de bairros, o conselho de arquitetura, de advogados, de contadores, enfim, quem quiser?
discutir o plano diretor, é isso é muito bem vindo, por que ai a gente vai estar exercitando a cidadania de Z
uma maneira mais plena, além disso, de uma maneira bastante individualizada, ninguém precisa saber
• o que que é um plano diretor, ninguém nasceu sabendo isso, por isso depois a Monica vai conversar Ei:
I conosco um pouco do qúe foi feito,nas oficinaspra que as pessoas possam entender mais de que forma C,
! isso pode acontecer, é que a gente tá chamando a comunidade, a gente tem (inint) a gente as <{
organizações ',não governamentais, e de outro lado. a gente brinca até, tem os individuos. não.Z
I governamentais, né e isso faz com qJe as pessoas possam participar de uma maneira individual e fázer..!>
suas proposições e suas sugestões. Na câmara de verE!adores,existe um trabalho muito, de parcerj85'
muito grande com a câmara, de maneira muito harmoniosa, onde a câmara dos vereadores além das
" .eu ':'lj'iioi,:,J.id.j.lil.i'lioI'!F'J !.j"IIi!,.:iih!,illS,HWI.I.i'FHIi.''''N"i.lUiij.:.3il la u.1
1
«
Si
i::
i
~i
lQTABELlONÁTO
GIOVANN~~)'1't
"Tabellonatode"otasdeCurttlba
;\-':~'R
,
ltabe!lonat~'tabell0na1Q,com.br
o'
República Federativa do Brasil
ESTADO DO PARANÁ
COMARCA DE CURITIBA
NArO
~J~~v.
-.£TT
,to'
o rI,
••
('I"lJ,O
TabellAo Bel, luiz Marcelo Çllownnettl
,
c' ,...,
,~a
I'••:,.,,](.o:'Y.
Rua Paula Gomes, 110. cep, B0S1lHl70- Cúr1tlba- P r, ••, ',"I ~".
Fone:.l )01"2727. Fu.l
S'·
-¥MW,1tabellqna~ o,cõilii;r-)01"2720
,
, A',
1
ai
<.Q/lN'Mto,...,
's
s o c 'A o o
PR
2"0
1"""'0
1878-N
ICOO.ESC
0169
I
IFOlHA
l
; AUBR\CA
,
037
[PROTOCOlO
'pAGINA
010019~4
00
2
audiências públicas do executivo, também,tãpromovendo suas própnas audiências públIcas, ela tem)
alguns temas que estão sendo discutidos na câmara de vereadores; já devemos ter ai nos próximo~
dias a terceira audiência 'pública na câmara dê'vereadores, com o apoio e a sistematização de tudo isso,::':
o conselho de ',arquitetura e urbanismo e além disso tudo os municipios da região metropolitana, nós:]
temos' participado da discussão da revisão dos planos diretores de alguns municlpios vizinhos de Çf
Curitiba, nós convidamos todos. os prefeitos para, participarem dessa discussão, eles enviaram ''! '
representantes por que a gente tem que enténder que nós temos na realidade duas Curitibas, uma que ~
é Curitiba legal qUe a gente chama, que ficam dentro dos limites da cidade e sobre essa Curitiba legal
que nós temos jurisdição, mas,n6stemos aquela Curitiba real, que é a que se conurba com Fazenda' ~:
Rio Grande, com Araucária, com Almirante Tamandaré, com São José dos Pinhais, com Colombo, e de
que forma que essa conexão é feita, de que forma que essa integração é feita, existem vários ~
consórcios, o consórcio de saúdé, o consórcio de residuos sólidos, o consórcio do transporte enfim, é ~
muito importante; pra isso nós íemos a participação nessa discussão e o apoio do secretário municipal '"
de assuntos metropolitanos, isso é uma visão,do que que vai acontecer no ano todo, nós tivemos o •
lançamento da discussão do 'plano diretor, foi uma idéia do prefeito Gustavo Fruet que foi muito
interessante, ele escolheu; a Escola João XXIII fez 50 anos esse ano, o IPPUC, que foi responsável •
pela discussão do 1° Plano Diretor de 1965, fez 50 anos" e ele escolheu justamente essa escola pra ;':
lançar a, digamos o' caminho desse sonho,' com crianças, a idéia é que dentro desse projeto do ;
urbanista mirim, que vocês vão poder conhecer um pouquinho melhor ali na frente, o IPPUC e a ~
Secretaria de Educação juntos, possam suscitar nas criança's a discussão sobre a cidade, que elas ~
possam conversar com seus pais, com seus amigos, com seus professores com as pessoas com as ~
quais elas se relacionam, pra nos trazer a impressão que elas tem do que que deve ser uma cidade boa ~
de se viver. Eú acho que isso é muito importante por que nós estamos criando ai, novas lideranças, nós 'é
podemos, estar vendo aí, dentro dessas crianças, um novo vereador, um novo prefeito, então nós '"
estamos apostando muito nisso, foi muito feliz essa escolha do prefeito Gustavo Fruet, nós vamos ter de ~
abril até agosto aquilo que a gente chama de meses'de diagnóstico, aonde junto com a sociedade nós ~
vamos colher contribuições então a visão de vocês, aquilo que vocês percebem, aquilo que vocês :;
gostariam de ver mudado, aquilo que vocês acham que pode ser melhorado, nós vamos estar colhendo ;:
esse material, para que a partir de agosto, com um apoio de todo um grupo técnico sobre o qual eu "
falava, na sequência do qual participam vários órgãos da 'prefeitura, nós possamos ter uma proposta ~
que vai ser novamente trazida a discussãó em outras audiências públicas nessas mesmas regionais, e -:
depois n6s temos a discussão do conselho da cidade e a validação disso tudo numa grande conferência"
pra que nós possamos ter ai uma, todo um trabalho bem feito,' eu queria convidar pra vir a mesa aqui o
vereador Pedro Paulo, pra que viesse aqui nos brindar. Muito obrigado pela sua presença vereador. A :} ,
gente, nesses dias a gente tem sido mais um cidadão em trânsito do que qualquer outra coisa, Tá ai um <I:.
dos itens pra gente discutir né, de queforma que a gente vai fazer com que a mobilidade não nos afete ~
tanto, por isso que nós apOstamos na multimOdalidade, por isso que nós vamos desde o pedestre, (j
bicicleta, até passando pelo ônibus, até um modal como o metrô. Bom, esse é um panorama geral, né, ~
foram feitas oficinas de capacitação, elas aconteceram nas administrações regionais, depois a gente vai
poder ver isso de uma maneira mais detalhada com a Monica, foi feita, foi lançada, a primeira audiência ~
inaugural do plano diretor no salão de atos do parque Barigui, atualmente estão acontecendo reuniões, Ô
nas câmaras temáticas no âmbito do conselho da cidade, amanhã, nós temos uma reunião a tarde ~
sobre isso, as audiências públicas na câmara de vereadores com todos, com os temas sendo discutidos ~
naquela casa-de leis, e, as audiências públicas da segunda até a décima que acontecerão nas ~
administrações regionais, depois, mais discussões com a sociedade organizada, nós pretendemos fazer ~
um seminário amplo, pra discutir de uma maneira assim mais conceitual o que são planos diretores, ;~
quais são; o que tá se trazendo no Brasil, nós vamos trazer algumas pessoas de fora pra nos ajudar a ;;;
~
ter uma visão do que que tá àcontecendo em outras partes desse nosso pais, pra que depois, nas',
audiências, nas propostas,! a gente possa voltar já com alguma coisa mais formatada, e depois a ;
conferência de validação do plano, mais pro final do ano (inint) do metrô, Nós temos de 12 de abril a 12
de setembro as consultas públicas, (inintj quer dizer, vocês podem acessar os sites da prefeitura, do ,5
IPPUC, vócês podem fazer as suas contribuições por escrito, por protocolo, enfim, através também do E
urbanista mirim, eu imagino que várJosde vocês tenham filho em idade escolar nas escolas municipais, C,
ela começa, não são todas nesse primeiro momento, nós pretendemos que isso atinja todas as escolas?f.
do município, então essas são outras formas de como é que a gente pode participar (inint) canais de~
participação no plano diretor, aqui é pra mostrar a garantia da participação popular, eu acho impórtante~.D
tão importante quanto o resultado que nós venhamos obter do plano diretor, é a maneira como nós,6j
construímos, né, então, a artir dessa con'un ão a ente vai ter aquilo ue a gente pode chamar do
E
:1
,
'
Z
..
o'.
I.
II
B~l~
Oi
¥
l
~~, \\~::
]"TABELlONATO
G IOV
.
.
Q
..'õN~TOl
.
República Federativa do Brasil
'"
-~~~-
ESTADO DO PARANÁ
ANNETjf~,~"
~_,...~:!
r\.9. GS ~~:NN£TT•
•~~TI~i
!"Tabelionato de Notas de Cumlba
:
Re'}'0
'~£'.!1&!'/.1JI.ni
lL
i"". r'l.•..•.. ,. ..• f'tI).JiJ4t:iii,jt[!j
;:..: ~',,-~:
TabeM.o Bel.lUlZ Marcelo Glovannettl
':-"'llo~!
~
,..~~:
Rua Paula Gomes, 110 .Cep, B051(}j)70, Curnlba. PR
~"~./::
[email protected]!ronato.com.br-\¥MV.1tabelJonato.com.br
Fone: 41 ]014-2727, F~ 41 ]014-2720
•.2<'
,";Im
r FOlHA
lID
~,ESC
C.-IIfo,IMr"
038
1878.N
~~';2~f
'I
PROTOCOlO
I
RUBRICA
'
."PAGlNA
01001974
00 22
plano diretor efetivamente cidadão pra Cidade de CUritiba, E aí nós temos que responaer a guma~
, _(~.~
perg~ntas pra que nós possamos che~a~ lá~'a primeira del~s é como .vai q~e vai saber dos eventos .da<f.
0Jj)~
revlsao do plano direto.r, através do DiáriO OfiCiai do munlclplo, atraves de Jornal de grande clrculaçao, ~
através de cartazes" panfletos, nós tomamos o cuidados de fazer divulgação disso em todos os Q
terminai~" ônibus, equipamentos púbHcos, postos d: saúde, escolas, c.re.ches, enfim" pra que a '%.
populaçao possa tom;jr conheCimento diSSO,tudo, atraves da Imprensa, televlsao, Internet, radlo, hOJeeu ~
2- ,,'
,fiz uma entrevista lá, numa'das televisões pra falar do plano diretor, quer dizer a midia também tá ~
~
'-~
começando a entender a necessidade disso:acontecer, e nos sites da prefeitura, e no site do IPPUC,
,-' ~
todas essas informações que vocês eStão vendo aqui, estarão disponiveis no site do IPPUC, da IPI ~~:
prefeitura, vocês podem acessá-los tá lá plllnO diretor, e vocês tem uma série de coisas depois eu vou ~
. ~'~
ter que' falar sobre isso. Que forma que a gente pode contribuir, nessas consultas públicas através dos ~,
:.':;/.'7/'J.i,~~i~: protocolos da prefeitu.ra, o que é sempre importante, qualquer contribuição que venha, nós queremos
saber quem está oando essa contribuição, e essa pessoa que contribuiu ela também vai ter que ter um
';,j'7;~: número de garantia pra rastrear essa ,proposta, depois as audiências públicas, tanto no executivo, ~
~~':J: quanto no legislativo, na internet, depois eu vou falar um pouquinho mais detalhado sobre esses •
~. ,.,.~
formulários de contribuição, comentários, além de (inint) isso é muito importante por que nós vamos .•
,.l~
mostrar pra vocês no site, a lei de 2004, e nessa lei pra facilitar a vida de todos, todos vão poder fazer ~
_
-~:
emendas e sugestões a cada umdos artigos, a cada uma das cláusulas, dos parágrafos, pra que possa
{;._ ;>"d::
A'
,
o
C I A
,0169
o o
~rr:~:
?iifI!!j
~
':\"W(~
~.~<
'03
:'1f"f':::: '
~",'
F
~~=r~l
, ,~'~
poder vendo o que nos vamos mostrar a segUir, nos chamar pra discutir a Cidade, onde voces qUiserem, ~
fico aqui a disposição, e também, e princiPalm..ente através do seu representante, do representante do ~
:/,,,, ="1:
seu seguimento, no conselho da cidade, né, então também nós temos lá o nome de todas as pessoas, ~
quem são,elàs, enfim, pra que vocês possam saber direitinho: esse é o site da prefeitura, como vocês ~
6::'~::.
veem; alia gente tem um banner mUito claro sobre o plano diretor, quando a gente abre, a gente tem"
:. ~~~:~
uma série de assuntos, daquilo que a gente chama de cardápio, aqui do lado, o que que é, a história do ::.
plano,l~gislação, enfim, material de apoi?••tO,dale~islação a respeito, tudo o que que f~i feito até agora,
...;:;:;r..;dt
as notiCias, tudo que aconteceu nas audlenclas publicas, tudo o que aconteceu nas ofiCinas, e mais do,
que isso, quais são os temas que nós vamos poder discutir, né, nós podemos falar de zoneamento, nós '~
,.~'~:g podemos falar de meio ambiente, nós podemos falar de habitação, de preservação do patrimônio "',
:'-' i"l.~~
cultural, enfim, e depois, é aquilo que eu tava falando, essa. aqui é um exemplo, nós temos toda a lei de j
;__~
2004 e'áqui vocês podem fazer as observações que vocês queiram, pra que nós possamos ter ai um,
um plano melhor, é, quais são os, critérios pras sele,ções dessas c?ntribuições? Primeiramente elas ~
r.;:::--=:::::
chegam a um grupo téCniCO, depOIS vou falar quem e esse grupo tecnlco e ela tem 2 cammhos, um '"
,,'S .,~ assunto tem, não tem relevância com o plano diretor e ele é'encaminhado pra secretaria, pro órgão
~:
responsável por aquele assunto, ou ele'temhaver
e ele vai ser incluido na pauta de discussão desses
.;; ~:
grupos técnicos, esse grupo técnico, esses grupos são formados por é ... , profissionais de todas as 27 Z
s,ecretarias e órgãosd;;;)pre!eitura, são'equiPe. m.ultidiSC.
iplinares, : esses são os assunto~ que cada um ~
:[email protected],~, dos grupos se dedica,! voces podem fazer sugestões, (Inmt) voces podem fazer sugestoes por locaiS,
~/.0~por
assunto, vamos dizer que vocês tenham alguma sugestão no que diz respeito a segurança e defesa ....J
social, vocês podem fazer esse tipo de sugestão ou instrumentos de politica urbana, em cada um <t:
;- ~:
desses lugares tá detalhado pra vocês ente..nderem o que vem a ser isso, estrutura urbana, política de ~
~'~
des~!rIvol~imento social, região metr~politana, enfim, nós levaremos muito a sério a contribuição de
,$S 'S,~
voces. Nos_vamos nos basear em, sntérios de mOnitoramento desse plano diretor, eXistem Indicadores Õ
~_
dentro do IPPUC, indicadores dé (inint) que são utilizados hoje também pela Fundação do Cabral a <1.
~~:
avaliação do grupo técni,:o d~revisão, e isso é importante vo~s ,saberem ~ocês terem consciência. de Z
ffii ,~
que as pessoas queestao lidando com o plano diretor, a malona delas tem mUitos anos de prática, .-,
afinal de contas o IPPUC nasceu em 1965, eu tõ lá, pra vocês terem uma idéia desde 75, entrei como É
:~~
estagiário, agora estou. fech.ando o meu ciclo, tem outras pessoas, que não tem tantos cabelos brancos:.
ç-':;:;; _:
como eu tenho, que tão se imbuindo do esplrito muito sério de discussão, tem gente que tátrabalhando
-;:
. -, ~
e tá discutindo a cidade há muito tempo, então não são pessoas que estão começando ontem, né, nós
estamos colocando a disposição de Curitiba, os 48 anos de experiência em planejamento urbano, o que ;:5
• li não é pouca coisa,.a cidade de curitib.a ..tem sido reconhecida em várias partes por suas atitudes' E
inovadoras e, principalmente por criar "um ambiente de inovação, então se a gente fizer uma
j re,trospectiva, m~itos de você,s S,ãonovos na cid8;de possivelmente, estão aqui há 10 ?nos, outros estão ~
! ha mais do que ISSO,eu gosto de dizer que, a exemplo do que a gente fala que de, mediCO e louco, todo:==
~
i mundo tem um pouco;-em Curitiba, além de médico e louco, todo mundo tem um pouco de planejado(J)
~
,
'urbano,
por que todo mundo dá um palpite a respeito de uma questâo urbana, quer seja na CiCIOVi~::;
quer seja na mudança da rua,'na mão' da rua, uer se'a no ônibus, tem que parar do outro lado, quer
'
b
i
]Yk~~f
".:"7~:~
Z
,##'ifg
ê
a:
..~'~.':
M
O
~5!i
¥
~' ~,
I
I
Z
r
'V....,
.:'-~~r:'1
~~!í~~;1
q
"
1, ••.•
'",'
••
I
I
I
-
~~J~\
~'(i;:~1~19,TABELlONATO
...
~I~i.
~.'
1:-...:>~:~~
(,~.
"';'.".. """'~
República Federativa do Brasil
.
GIOYANNE;r.IJ
..• --~
~T:o-a
A.'
"~E IUNAi'j
.'
~":"~ '!.
ESTADO DO PARANÁ
COMARCA
OECURITIBA
1'1'~llonatode"-tasdeCurnlba
','~~_.
CJO~Al"o;N~TTI
Re, l-f.C''':
'!O~' :'t~f
,,(l~
TabelIAoBel.lulzMarceloGlovannettl
: •..
[LIVRO
RuaPaular~mes.ll0.Cep,80S1nn70.Cu"tlba.PR
~R
1878-N
1tabe1lona~l taÍJeilOt'latocom.::: V'MW1::m.llpnalDlfo~"
'.•~ .• ~~, 1"0 '!1'Oll ESC
M
~»~
g~'
. 'I/S \"
on~: 41 m3014-2'2
,'.
~
_~~
\.l:
g:;
.::
.a ;
>~\.'~:
'\~'~~
~4j
~i
$fT~:
, . ~\~:
:3;~
I,",~":',~,~,
'~",.r~
'.
'h'Fu 4 l3014.2720 t
• 'b
AS
,
~
C "
t 0169
DO.
~F'OlHA
,i
,'~UBRIC"
039
i pRoTOCOLO
,
l'
I pAGINA
01001974 ' .' O
:J~
seja u a me 1orla de um pon O e om us, e assim sucesslvamen e, e tam em, com a partlclpaçao ua ..•
câmaras temáticas do co~selho da cidade, junto a esse grupo revisor, isso é muito importante por que ait
não são só os técnicos que estão sentando pra discutir a cidade, existem os segmentos representados-g
dentro do CONCITIBA que junto com os técnicos também estão ajudando nessa revisão. Todas asr.]2
informações a respeito dos indicadores estarão disponiveis no site do Plano Diretor, e como é que vai ~
ser aprovada essa proposta, vai ser discutida"dentro do, depois de todas as discussões, depois de toda '-::
~~ta~~n~~~
~~;~~~~~::r~~~t~~~ ~~~i~~:~c~a~:e:all~;:gãoo~~c~~~:~~r~ap~~d;~:'a1:i~,
~~n~~:~:~~
que por sUá vez encaminha uma mensagem de lei ao, ao legislativo, então esse é o caminho que a
gente tem, é um caminho árduo, não é um caminho, digamos assim, fácil, é um caminho de muita'
discussão, e nós vamos ter que trabalhar com muita tolerãncia e com aquilo que a gente sempre teve
em Curitiba, muita criatividade, e com muita dedicação, por vocês estarem aqui hoje, a noite, depois de
uma dia, passando digamos ai, para um .ierceiro turno, todos vocês merecem nosso respeito, e aquilo
que vocês nos trouxerem vai ser muito, são propostas que serão muito bem vindas e serão acolhidas
fi'"
""
.?-~:
"
.~~~
~
d
,.t.
,I""
~
~
•
S
~
q~ a ••••• P=' te, ai ,m
m"h" '" lod~ oó'. ., q"'ro,ham" a9"a , M",i~.q"' f~ ,
parte da nova geração' de urbanistàs da cidade, pra falar pra vocês um pouco das, do diagnóstico ::
perceptivo da comunidade, e aquilo que aconteceu nas .oficinas de capacitação de diagnóstico, pra ~
depois nós termos uma conversa com o urbanista Miguel Roguski e abrir nossas conversas pras ,
~ ~ ...::
contribuições, Monica, por faÍ/or.
~
~'~
Monica: Boa noite todos, antes de eu.começar eu vi que tem um pessoal de pé lá, ainda tem pelos:
~.-.
..~~_'_~~.~:,:,.:menos umas 10 cadElIrasvazias, se vocês quiserem sentar aqui mais próximo, fiquem a vontade tá. $
, . ..'::"""_ .
Bom, então conforme o Sergio introduziu, meu nome é Monica, e eu vim aqui apresentar um pouco do ~
;$i
~.
resultado que a gente teve das oficinas que a gente fez com a comunidade, a gente fez uma na regional ~
~
•.t."''Jí:?::. %:2._.Jl~
do Pinheirinho e uma na região do Tatuquara, então assim, só pra explicar como que entra essas ~
'~~.\~
oficinas, o diagnóstico final que vai compor pra servir de base pra elaboração do Plano Diretor, ele vem:
do somatório do diagnóstico perceptivo com o diagnóstico técnico e mais as contribuições feitas pela ~
população, e, essas oficinas elas compõe o diagnóstico perceptivo, bom, então foram 10 oficinas, nas 9 ~
~ ~, '. ~,J
administrações e 1,. na região do Tatúquara, a gente teve cerca de 800 participações e essas oficinas
\~~f
elas tiveram 3 objetivos principais, primeiro foi capacitar a população pra participar desse processo de ';;
_' ... ".\.
. revisão do 'plano.d.iretor,. segundo, identificar qual a percep'ção da comunidade sobre a cidade sobre o ~
seu bairro, sobre a sua regional, como que eles veem a cidade hoje, e terceiro, detectar a visão de l!I
fE'i""~::
futuro, qual cidade, qual regional nós querElmOSnOfuturo, bom, então aqui tá algumas imagens, né, a
. r.;;:=
..<i
comunidade era reunidaem'grupos pra discussão e pra elaboração de trabalhos, então, aqui tem uma E
."-.'5: ~
imagem dos grupos discutindo e produzindo um pouco de material, mapas, retratos, ilustrações, e O
~~
depois esse material era exposto pra .pr6'pria comunidade poder ver o trabalho produzido, bom, foram
~.:
abordados as seguintes dimensões: sócio-econômica, meio ambiente, mobilidade e transporte, e a partir:s
'~~:::;~1(dos dados coletados' a gente conseguiu também fazer uma análise sobre a estruturação urbana e a 0
::,'~
educação. Bom, então, qual foi o diagnóstico sobre a dimensão,sócio-econômica, o diagnóstico a gente
.~.~~:
tem vários contrastes, tanto dentro do limite da regional, como' na cidade com um todo, então a gente 'j
"tem área ma~sbem dotadas de infraestrutura, \servi~o, .comércio, equipamentos e t:m áreas que ~
~
~"~~.:
Justamente sao carentes desse serviço, desse comerCIO, onde mora uma populaçao com maior li;
,\(
_
vulnerabilidade e a gente também tem problema de algumas barreiras fisicas, que foi fortalecem ainda ';::!
~~~
.
.
.~"-.'5::\'
mais esses contrastes, então às. vezes a população que mora nessas áreas mais carentes não (\
_ ::Jfji5
conseguem acessar tão facilmente aarea com infraestrutura por conta de algumas barreiras, o que ~
~_ jl'"d:
seriam essas barreiras, rodovias, contorno, linha férrea, rios, então aqui foi uma imagem mostrando que:2
• .~~~
aqui a região central concentra toda essa questão de comércio, acesso, lazer cultura e a periferia, 0
,~~
.' justamen.te ca.rece ge tóda essa.. infraestrutura,.é..., também foi possivel notar algumas áreas que ~stão
8?~
. sofrendo um grande aumento populaCionale ISSOfOI um caso que a gente VIUbastante aquI na regional J
do Pinheirinho, onde'tá vindo muita gente morar aqui na regional, e geralmente quando acontece esse ~
~.
aumento. populacional a oferta de equipamentos não consegue acompanhar no mesmo ritmo, então
~.
justamente a carêncià:por infraestrutura ne'ssas áreas que estão aumentando, e geralmente essa
;. carência são pra équipamentos _desaúde, educação e no caso da 'cultura e lazer, todas as regionais, C!:
t.irand~a matri:, iden.tificaram 9ue\os.equipamentos de cultura e lazer e~tão con~entrad.osno centro ~.o C
•
'!t.munlclplo, entao quando alguem quer acessar, tem ,que se deslocar ate a reglao central por que nao«
"q 'tem essa oferta nos bairros, também foi identificada 'a necessidade de equipamentos que ofereçam, ouz
atividades no contr~turrio, ou equipamentos integrais que tenham/atividades com os jovens e com as.!)
,~
~.; crianças que nâo deixem eles ociosos e susceliveis a criminalidade e uso de drogas,' bem, ent~5
'~~
. --..,
:~Jlii~
..:;W,.a:~
¥
\~i
O
ri.
X
-==::-~' .
~::..i
E
~
º
Z
Ii ..
.H
ii
'~I
~:C::------A
'2\1.:.0
'1oi' ••• 'h.j•lU•"1""*11
"
li'.iltl,.ii!i!i1miliMéloI'
I'.,Hli-;'[email protected]'j.:.di!
Ij'!'"
(Si
República Federativa do Brasil r~ij
19TABELlONATO
ESTADO DO PARANÁ
GIOVANNETTI
l' Tabeilonato de "otas de (urnlba
Tabelião Bel. Luiz Marcelo Glovannettr
RuapauIaGomes.l10-cep,a051l}j)70-(urnlba-p~
,.. -"'-
;:1'I.8E 50
!"..~ "'::O~~'
;
\.;:;:0;
Fe~~
.~,,::.:.
caMARCA
'"
~
ATO
&8'f#Plal
I
I
;
~H
[email protected]!on4ff~:~~~~
~~,;'~,' ~:~'t!..:~~~~
Fone: 41 ]014-2727' Fu 41 ]014-2720
\...L. •••• -.•...,.-, o < , , o o
PR
' I,Mio
DE CURITIBA
, R()SRICA
. FOLHA
,1878.N
[eco E"SC
0169
040
i PROTOCOLO
PÁGINA
01001974
00 022
canforme eu falei, o aumento da demanda é.superlar ao aumento da oferta e, um casa que a gente
enc?ntrou .be';l esPTcifico é. da reg.i?nal da Pinheirinho, que essa população.que tá .vindo mararem~
Cuntlba; naa e uma populaçaa que Ja morava emCuntlba e se mudou pra reglaa sul, e uma populaçãa ~
que vem de outros locais, par issa há uma diversidade cultural muito grande, até camo forma de ilustrar
isso eles citaram, aqui na regianal a gente tema primeira aldeia urbana do sul da Brasil, a gente tem a~
primeiro CTG de Curitiba, e a gente tem.a praça Zumbi dós Palmares que tem lá a Memorial africana, ,:
então isso mostra a diversidade cultural que existe aqui, e as vezes acontece que a populaçãa que vem, ;
ela nãa tem nenhum víncula cam a cidade de Curitíba, par que tuda aquilo que tá nas cartões pastais,
.ou a que é propagado na '.midia, não tá acessível a essa papulaçã6.',então eles sentem essa falta de "
identidade com o Município e isso acaba gerandovandalisma ou a aumento da criminalidade, é..., par •
curiasidade agara, quem que mara na regional do Pinheirinho e que nasceu em Curitiba, par favor, ~
levanta a mão, quem que mara;na regional do'Pinheirinho e que veio de outro lugar, entãa tá bam. É, e ~
isso também com a prablema da falta de acalhimento a esse migrante que vem de .outros locais, então'
aqui ilustrações mostrando a Curitiba que vemos na prapaganda é diferente da realidade, e aqui uma •
•
ilustração mostrando o aumenta populacional que acaba' gerando um aumento da violência, da
criminalidade e da demanda por equipamenta de saúde e educação, principalmente, com relação a ,,
segurança, todas as regionais, falaram viver problemils de segurança, aqui também foi bem ~
característico até falaram que tem vialência bem é.." acentuada na região,' principalmente ali da f
Caximba, que é algo quétem que ser levado em cansideração; e geralmente essa violência fai ~
relacianada a espaços degràdados ou sub-utilizadas cama praças, que as vezes não é utilizada pela
papulação pra lazer, mas pro uso de drogas, e, áreas de maior vulnerabilidade cama ocupações $
irregulares, com relação as atividades econômicas, a gente percebeu na regional Pinheirinho, uma
grande carência por camércia e serviços, quando foi feito a mapa da regional, principalmente, essa ~
porçãa ao sul aqui, que é campasto pela Campa da Santana, Tatuquara e Caximba, a úníca via que fai ;;
relaciona ao, camércia é (inint),. a única, o resta tadas com carência de mais estabelecimentas ::camerciais, entãa issa acaba geranda uma dependência,em relação a .outrasregiões e também região ~
metrapalitana de Curitiba, Araucária, que a população tem que ir pra .outroslacais pra procurar serviças, ::.
camércio, mercado de trabalha, cam relaçãa as áreas verdes •.é..., sempre quando a gente falava ;;
"retrata Curitiba" e falava meio ambiente, apareceu várias, parqUes, áreas verdes, que é uma caisa que "
vem na cabeça das pessoas, entretanto a gente viu quejinint) não atado municipio, que tem áreas, par
exemplo aqui na regianal, principalmente ali na região do Pinheirinha que carecem justamente de mais Z
equipamentos de áreas verdes, também levantau-se que aqui na' regional tem uma grande área com Õ
cobertura vegetal, entretanto que tá safrendo uma pressão par ocupação, e o medo da população é que E
justamente essa área verde toda se! acabe nos próximos anos. Entãa aqui (inint) ilustrações das O
parques que pertencem a Curitiba, mas nesse caso nenhum na regianal, aqui outras ilustrações dos <i.
parques, entretanto, áreas bastante adensadas e com poucas equipamentos, por isso o alerta vermelho ~
para o,verde, com relaçãa aos recursos hídricos foi unânime, todas as regionais identificaram os rios (!)
como!polui~os.'toda,s, e dai issa tá r~lacionada há uma série de motivos com.oa falta de saneamento,-a
falta de CUidadada' própna populaçao que as,vezes Joga lixo no na, e a propna SANEPAR como naa -.J
senda tão eficiente na questão do saneamenta, e também com relaçãa aos recursos hídricos, foi ~
levantada a ocorrência de inundações, entãa isso em relação a ocupação as margens das rios, as
impermeabilízação da"salo aa sistema de drenagem insuficiente, essa imagem aqui embaixa, fai ~
praduzida ali na região da Tatuquara, mostranda valetas abertas e ratos andanda pela rua, então aqui ('\
mais umas ilustrações que mostram essá ocupaçãa na margem das rios e a papulação (ínint) a :::l
inundações e a questão da SANE",AR, com relaçãõ'aas reslduos sólidos, tem uma visão positiva cam a ~
limpeza pública, a papulaçãa achá,que a limpeza pública é eficiente, entretanto muita lixo é jogada em ).terrena baldio, em espaços públieOs,/inclusive reslduos da construção civil, outra coisa pasitiva foi a
coleta seletiva, reciclagem e pragramas do municípia como o câmbia verde, que a pessoa pode ir lá e ",
trocar produtor reciclávéis par é, produtos hartigranjeiros, e algo que aconteceu em todas os bairros ~
mais periféricas, fai a questãa de animais abandonados na,rua, entãa aqui algumas regiões mastranda Z
até alra região do Caximba, (inint) entulho em espaços livres, com relaçãa a mabilidade foi levantada ,~
J que várias locais/da cidade tem obstáculos~sãobarreiras, aquilo que eu tinha comentada anteriormente, E
~ as vezes é uma grande estrutura urbana, é uma linha férrea, o que acontece, tem paucos cruzamentas,
aqui vocês canhecem bem, todo mundo levantau a linha verde cama um problema, entãa tem paucos 5:
I cruzamentos e daí as vias que fazem esse cruzamenta acabam sendo sobrecarregadas, funciana coma~
i um gargalo, por que tado o tráfega vai pra essas/ruas e elas acabam sendo identificadas cama'.!)
congestionadas, também" foi (inint) relaci6nado aa'aumenía da ,número de veiculos e justamente.65
aumento da população, lacais cam oucas vias de acesso também foi àl o bem característico aqui da
,.. .
,
"
º
i
Ô
iE
9
I
...
~~I~
]"TABELlONATO
~~~.
GIOVANN~JJ!.!'~ATÔ"
~.
f~w~'.
;;<:7'.'!U:
1 Tabelionato de Notas de Cumlba
Tabe!iAo Bel. luiz 'v\arcelo GICJVa1lnettl
~-,-:g~~'
.
I
~Aif~i Rua Paula Gomes, nO.Cep,
'•:•~~
A
wâ
ESTADO DD PARANÁ
COMARCA DE CURITIBA
:~~9
C~O"'.l!:ro;l'I'!E'-fI
:
;
R~(,.to ),.1.
1
ir.C!
pG-:':íii ~.
8051il'070.Curnlba.
[email protected]
.WNW.1tabellonato,com,br
Fone: 41 lOI4-2727. F"" 41 lOI4.2720
~:.:;.:
República Federativa do Brasil
11io
"aJ
<-.....u.u~.J
ASSO
C I A
::
o o
[ LIVRO
; tOU-tA
1878-N
ICOD.I!SC
,0169
iAuBRICA
i 041
'
I PROTOCOLO
pAQNA,
01001974
O
22
I
.,~~;,~:
regional, a Influencia metropolitana. tanto da população que mora na região metropolitana que vem::J
trabalhar aqui em Curitiba, como quem mora aqui e vai, necessita, aqui foi levantado que muita gente-;:(
~~,
que JJlora na regional vai traoalhar ali em Araucária, 'áreas com concentração de estabelecimentos ~
econômicos e aqui-no caso, não foi nem a concentração, mas justamente por depender de acessar o
\(.\I~ ..•;
comé~cioem outros locais, todo mundo acaba tendo que se locomover pra essa região, então aqui tá Sf, .
~.'~~:
.
algumas nustrações né, (inint) mobilidade, à linha verde como uma barreira, (inint) poucas travessias, a v
~--'
';;:l
infraestrutura, foi levantado que é a pavimentação é bem precária, as ruas estão esburacadas, não tem
~~
calçada, então elas não estão padronizadas, pouca oferta de ciclovia, e que que isso gera, acaba que o
~
motorista, o pedestre.e o ciclista tem que disputar o mesmo espaço, todo mundo tem que andar'na rua,
~:7t'i~
isso acaba gerando um trânsito bem inseguro e algumas áreas ficam condicionadas ao automóvel por '~
.(ii:i::~: que a pessoa não tem segurança pra sair a pé ou de bicicleta então ele acabe tendo que recorrer ao ;:
automóvel, então aqui estão:algumas ilustrações mostrando esse problema, acessibilidades, e Z
::.----'"
transporte público foi visto como positivo a iniegração, a infraestrutura, as vias exclusivas que a gente
~(t;,1í~: tem, entretanto, foram identificadas áreas com baixo atendimento, aqui na regional, geralmente mais a ~
• :~
porção sul, Tatuquara o Caximba, foi identificado' como um local com baixo atendimento pelo transporte '
.'l'S:,~
público, então'foi identificado que faltam terminais e integração entre os bairros, tem locais aqui no ;:
.'~
municipio que é mais fácil você ir pro centro do que ir pra um bairro vizinho,'e agora só pra finalizar falar ;?
sobre a estruturação urbana e habitação foi levantado alguns, os mesmo contrastes sócio-econômicos ~
~,.~
também se reflétem na estrutura do, são áreas mais carentes de infraestrutura, a questão de ocupação
íI::c,~,S::
irregular, geralmente em local que tá muito urbanizado a população acaba ocupando a margem dos,
~.;;;4:~ rios, antigo traçado ferroviário, entretanto, em locais onde não tá tão consolidada essa ocupação ocorre '.
t:C/-", _A
de forma mais dispersa e aqui também féi relacionado que a região ali do Caximba tá aumentando muito o' número de ocupação irregular. Com relação a paisagem urbana dai a região central foi
r..::.'
identificada como um local de identidade, uma diversidade muito grande, que a gente tem um ~
c'\..lI:;::\l
patrimônio histórico lá, entretimto o que eu comentei com vocês, é algo que tá muito distante da L--....
realidade da regional, a região sul, principalmente, ali, aqui na regional vizinha de vocês, principalmente ';
~~
a regional do Bairro Novo, como um local ainda com uma paisagem rural onde tem propriedades rurais,
'" %=-;:::lf
." r,
foi identificado como negativo, tantos condominios residenciais; como áreas industriais, que tem ;;
terrenos bem grandes com muros fechados, sem relação oom a rua, então fica monótono e a pessoa •
::c... ' ""J
que anda Já se sente insegura, e alguns eixos comerciàis mais periféricos essas ruas a gente tem ~
~
bastante comércio, nos bairros como uma poluição visual muito grande, muita informação, muita placa, ~
.~~~j:
muito, e carro de som, caixa de som na rua, então uma poluição visual e sonora muito grande, então
r..:::~
aquí'só mostrando a diversidade né"do, da regional vizinha de vocês onde ainda tem propriedade rurais, E
.:..•..
'\..11:;::,
';<
entretanto está sendo ocupada por habitações.e esse sim, pra finalizar essa parte das oficinas, é..., eu G,
::~~
queria dizer, primeiro agradecer a toda a comunidade que participou, por que sem vocês não teria como
.o::~: fazer e esse diagnóstico perceptivo, eu queria dizer que isso fez parte de um processo preparatório, ~
'.T'" ~:l
porém a gente dá todo apoio pra que essas oficinas sejam replicadas, então se vocês quiserem fazer t!)
.',~".'<:
isso na comunidade'de vocês, é só contar éom a gente que a gente dá um jeito, por que tão importante c:
.~, .~
quanto esse diagnóstico, é debater sobre a cidade, é sentar em grupo e discutir como que tá a cidade
agora e qual a cidade que a gente quer, e o material completo pra quem tem interesse tá disponivel no ~
;.;.~~j: site lá do plano diretor, dentro do site da prefeitura de Curitiba, então aqui só vou mencionar um pouco
r..::.Só
sobre o projeto urbanista mirim que também trata de diagnóstico perceptivo então esse programa ele é ;;;
uma parce
.. ria entre o IPPUC ~ .a-Secretaria M.unicipal de Educação, então é trabalhado com os ~
~"=.: __
estudantes das escolas municipais sob a temática como quero que Curitiba seja nos próximos 10 anos? ~
• . ••.
;;:~:
Então esses estudantes eles o objetivo é envolver desde as crianças, no processo de revisão do plano Z
~~~~
diretor, e eles preenchem formulários que eles fazem com os pais com a comunidade com os familiares, :~
'" ~~
sobre a cidade que a'Qente deseja nos .próximos anos, .então aqui estão algumas imagens né de
.~..~.-é.:
algumas crianças com formulários _pra preenchJmento, e esse projeto envolve 184 escolas já foram :l,:
:/,,,,,,
preenchidos mais de450 formulários, mas ainda é um processo que tá em desenvolvimento e a gente :<
~!
ainda não ;tabulou todos os dados e nafsequência nós vamos trazer alguns resultados, mas só pra Z
" curiosidáde de vocêS;a gente Já viu algumas coisas sobre como que ,eles queriam que fosse a cidade C
daqui a 10 anos, então, uma cidade sem violência, uma cidade sem poluição, uma cidade de mais E
~, parque e mais movimento, com mais praças, cheia de parques e florestas, escolas melhores e mais
q educação, e eu gostaria que a cidade fosse mais alegre e colorida. Então eu fico por aqui, agora o .:%
Miguel Roguski vai apresentar um pouco sobre o diagnóstico técnico, mas eu queria de agradecer~
i-novamente a comunidade por ter participado desse processo, obrigada..
Sl2
Miguel Roguski: Boa noite a todos, então, vamos mexendo aqui, é..., a Monica apresentou então ess5
t .~..
~
I~
º
S
•.~.I.j.~:,::,:
'ífJjJ
t!
v
~.l~~:
~lt
'.'
~~i
C
<'
9
f.if).: .
(5
.'-S.~
E,
iJ
.
h
i
~
.i
_'~
:!~ r::::;.<Ir:
~ií~:
;:_~
.9
!;7
'tlll •••j'ii':'.i'iU.j•lrl•
".
-NO!!.: 'Ii.iiil!.ii'4;iI.!i!!u4-tFloÍ.:ii.'l1w"1
,
C/IMUj,j' .:;[email protected]'Ii••
6!i:
a
..
ESTADO DO PARANÁ
GIOVANNETTI
.': .
r,,~-"F-.-""'-"'-.' . .tfATÓl
" Tabel,onato de Notas de CUlnlba,
Tabel130Bel. luIZ Marcelo Glovannettr
:"8
1
,
I
República Federativa do Brasil .
lºTABELlONATO
G l O ,,~~
Rf'n~to JE"!(,
Ec"'....
Rua Paula Gomes. "0. cep, 8051ll<l70. CUlnlba. ~~.., r,v" (,<~.' 10
i r.l_~ '(1) S'~I1.4:t: 7 ~
[email protected]~QtoR.~r
•
Fone: 41 ]014.2727. FD 41 ]014-2720
• s so
l':¥.T:n
l(;VJ,ftli'O
ar1ika
,'" '.
COMARCA DE CURITIBA
~.:.:.~
ítt "
.'
.
j
20
ê$;;
I
'LIVRO
, Rl18RICA
1878.N
042
! PROTóCOlo
[000 ESC
•
pAGINA
I
I
01001974
01 022
parte do diagnóstico perceptivo e agora vamos olhar esse ladlnho aqUi dlagnosllco lecmco ainda emJ
nível preliminar né, por que ele tá em desenvolvimento pra formar essa equação com o diagnóstico final.;£
Bem. essa aí é umà visão. a tal visão de passarinho né. de Cudtiba né com o Litoral lá no fundo ali a Z
estrutura da cidade. tá aqui Ó. o Pinheirinho tá aqui. então é sobre ela 'que nós vamos estar fala~do e
aqui é como fica. é...• no mapa. fica aqui. aparecendo. como fica no mapa. é .... Curitiba. que.é esse ~
pedaço aqui. mas só que ele já tem toda essas conturbações que significa que a cidade tá em. é .... v
integrada. integrada, ah tá, o vereador Toninho da farmácia. onde está. convidamos pra vir a mesa aqui
por favor. Bem. vou continuando aqui. é .... el1tão; esse núcleo total de Curitiba é.... e sua região '"
conurbada. né. onde, a organização é quase metade ou representa metade da população dessa
'
metrópole que hoje é 'a grande Curitiba né. Esse aqui é um mapa é
tanto mostra aqui então é. a ~
densidade de pessoas e de domicílios, principalmente de domicílios. é
casas, né. apartamentos e <
tudo. Esse aqui é Q eixo estrutural Sul e Norte né. aqui é a região do Bigorrilho. aqui vai pro Cajuru. e a I
gente támais ou menos aqui né. então isso aqui é hoje né. hoje digamos. 2010, 4 anos atrás. e aqui é a
ocupação máxima Prevista já no Plano Diretor. então quer dizer, entre o que temos hoje e o que pode •
ser ocupado em Curitiba. o mais escuro é a densidade quanto mais pessoas habitações é ...• podem :
estar é.... no mesmo éspaço.\então a precisão do Plano Diretor é uma ocupação um pouco mais densa ~
e hoje a gente ainda tá Ó. pretinho. o mais escurinho só em. alguns lugarezinhos, então toda essa região
aqui que é a região do Pinheirinho. é...• logo depois do Palladium. tá bastante vazia né. em contraste
'
aqui com essas mesmas cores. então há muito espaço pra ocupação né. é.... nesse sentido é uma "
oportunidade do Plano Diretor a continuidade desse processo né da sua estrutura atual. Ok. Então
olhando o próximo. mapa né, esse aqui é, ele congrega todas as atividades. o comércio, serviços, ~
indústria e tal, a gente vê aqui o centro da cidade que concentra o maior é numero de atividades."
econômicas e essas atividades estão vindo em direção ao Sul aqui né. já formando o pólos é ... , nessa ~
região pro sul principalmente, porém. os serviços e o comércio ele ..tá na verdade espalhado em toda ;;
cidade, só que aqui como a gente tem muito prédio etc. então serviços (inint) vários andares e tal. de
forma que a região onde ela mais se concentra (inint) aqui na estrutural que vem em direção ao sul. ~
saindo do centro, da mesma forma. aqui mostra do lado de cá. é um. é. também é um mapa. só que tá
mostrando por bairros né. mas aqui é concentração de pessoas. densidade demográfica. pessoas. ::.
então quanto mais vermelho aqui. mais pessoas. amarelo. o verde menos 'pessoas. então a
. concentração da população. tá nessa'região, tá nessa região aqui que é o bairro novo. um pouco na ..,
região do Cajuru, né. que, um pouquinho aqui nessa região do Bigorrilho né. então as estruturais aqui, ~
aqui esse mapa mostra é ..., em'azul as manchas formadas é .... pela política oficial de habitação de 0
interesse s'ocial do municipio. realizada pela COHAB né, aqui a região do Bairro Novo. aqui a região do :;;
Tatuquara. Campo do Santana e'aqui as regiões próximas a CIC né. então que (inint) formam 25% da Õ
cidade construlda pela COHAB. e. aqui temos também em verdinho. são as áreas já é.... regularizadas
pela COHAB né, é, em vermelhinho aquelas que ainda. ou estão em processo de regularização ou não Z
estão ainda regularizadas ríé, então isso aqui é um processo longo. mas é um processo de transformar (,0
o que é vermelhinho. que é a questão da habitação irregular. sem titulação. na cidade formal de todos cc:
nós né. e aqui é a produção nesses pontinhos todos, é a produção do pessoal da construção civil. isso .-..J
quer dizer a dinâmica da construção da cidade né fazendo com que os prédios comecem acontecer e
aqui a gente vê que são habitações até 4 pavimentos etc. não tá vendo as casas. tá vendo prédios de 4 ~
pavimentos esses aqui e aqui próximos de 5 a 10 e acima de 10 aqui. então a gente vê a grande:d.
concentraçãoé (inint) estrutu~a mesmo da cidade então, isso ai mostra que há uma disciplina na cidade ""
quanto a construções, aqui essescdois mapas também mostram a mesma coisa né. de 5 a 10 que eu ~
havia falado .né. e aqui por (inint) esse colorido é o zoneamento da cidade. é. as regiões da cidade com
diferentes tidos de normas pra construção. mas é. principalmente a construção próxima aos eixos de ;'i;
transporte que conformam a caracteristica de Curitiba com esses corredores de prédios ao longo das ~
estruturais. aqui testamos vendo o rendimento médio da população. quanto mais escuro, é. maior a "
renda, né, e. aqui. d preço da terra né. o preço da terra urbana também. quanto mais escuro. mais caro é o lote, é. urbano, aqui temos então é, os equipamentos sociais da cidade. a gente vê. são 1205 ~
equipamentos nas-vãrias~é. serviços né, que a municipalidade apresenta a'população e vemos que a O
J uma, vamos
dizer. uma grande. rede né. de serviços. né. é..., através desses. equipamentos. E
I praticamente em toda cidade. toda cidade onde tem gente né. Aqui já é uma visão metropolitana, é a
região é de Curitiba aqui né. Curitiba .... aqui Tatuquara. aqui estamos nós aqui no Pinheirinho né, essa .<t:.
! aqui é a região do Pinheirinho. aqui é a região da CIC e vemos assim esses verdes são regiões deZ
i áreas de preservação, á preservação aqui do manancial de águas. do reservatório do Passaúna, aqul-:..0
do Irai, né. em Pinhais. formando também uma 'zona de proteção. aqui temos. a proteção da área d~)
proteção ambiental do Igua u a ui é o rio I ua u. então. e aqui temos a região do Tatuquara, é. são
.
C I •
D
0169
o
Q
S
?
-<
o
«
'5
$
"
q
I
...
"
~1~
~
República Federativa do Brasil!
lºTABElIONATO
~~Sv't
'~s::
COMARCA DE CURITIBA
l'T_ionatode~~ld~:
ANN~~T~lb~ .o,~;'JC:11
I
~:
'_
:
'fl
1
::C,'\'
ESTADO DO PARANÁ
T_I.W Bel.lulz Marcelo GIOIIannettl
Rl'nA1o lei:
ial
RuaPauIaGomes.ll0.Cep,80511M10.Curttlba.~
..• I.'..••
tr:.~~.~,
'si/p~
[email protected]~.~~~ J.
F~'1"'.t"Ow2110
fOne: 41 ]114-2727. Fax 41 ]014-2720
' s s o C I , o o
1
I '
I
RUBRICA
I' 'OL"'043
LIVRO
1878.N
I'Cod. esc.
0169
•
[PROTOCOt.O
01001974
I,'
pAGINA
\
01
22
:~1í~
"-1081
;,.~~
) \":
1 '
11
':2
~
,\ ~
1%
-,'S:""
~l£'::
. ~..
.;>-;:}~:
"'~' 11
S
i
r.::::
:,'S~
~
âreas verdes e de lazer ne, e...; compondo o sistema de areas verdes do mUnicípIOné, então é 0:J
que faz com que a gente.tenha 58 m' por habitante, é..., na cidade, embora ele esteja, tem regiões aqui<:(
que não (inint) Curitiba, tem essa desigualdade tem áreas que tem muito verde, tem áreas que tem ~
pouco verde, então aí tá mais um desafio pra esse Plano Diretor né, outro desafio também tá aqui isso
aqui se c~amtéa8POirâmide
estaria que é a idade média da população então começa com O a 4 anos, 5 a 9 i;;
anos e vai a.
anos ou'mais,né, então~a gente vê .que na década de 70 que é esse primeiro aqui. é v
a base da pirâmide era muito ampla, né. e formava o que se chamava pirâmide né. etária da população.
hoje tá mais pro losango né, isso quer dizer, ele tá,mais gordo aqui na, entre a população de 24 de 20 a "
31 né, que éa população é..., que forma a'.maior, maior contingente populacional e nesse sentido a "
gente tá num momento de oportunidade, que eles chamam 'bônus demográfico. por que toda essa, ~
população tá economicamente ativa, tá produzindo, tá trabalhando. só que isso aqui vai envelhecendo. ~
vai seguindopra lá, o que que acaba acontecendo é que isso significa que nos temos a cidade a
população tá envelhecendo e precisamos oferecer serviços para a terceira idade né e pensar como que
vamos fàzer- a reposição né, da nossa capacidade de produção futura, aqui vamos ver a questão da, ~
segurança, sobre o aspecto do olhar um dos indicadores é a questão de homicídios né. então mostra
que que Curitiba, vamos dizer.,sallou de 2001 é que tinha 28 por cem mil, 28 assassinãtos por cem mil ~
né, é um indicador de violênéia né. ele foi até 56. até 20.08 ficou num patamar e graças a Deus. tá ::
surtindo efeito as políticas de segurançaqLle decrescem e nós agora, graças a Deus estamos é. mesmo "
patamar de 2001, porém precisamos diminuir,' por que o que se fala é que em termos internacionais. é. ~
um estágio que sai da febre, né, dessa doença é 10 por cem mil. então ainda temos muito pra chegar lá.
é. e aqui mostra no mapa as áreas mais violentas são as mais escuras. então aqui Ó, essa região no ~
Pinheirinho. e aqui bem no sul. e aqui a região, São Miguel. então nós temos uma região bastante
violenta aqui no sul. então a questão muito quente. ainda a ser resolvida, Bem. vamos agora falar de
uma outra questão. a 'questão é.... de investimentos definidos né, então. temos ai é.... e são"
investimentos que dão impacto nos próximos 10 anos, tem outros investimentos, só que esses são c
aqueles que tem impacto grande e um deles é esse tal dePAC 2 Transporte. ele promove'efeitos de ~
longo prazo e são eles: Metrô que tá aqui no sul da cidade. estamos.aqui no Pinheirinho né, o metrô;
é,.., a Linha Verde, aqui é o BRT que são as canaletas de transporte e a questão de desalinhamento
das estações ou a permissão de ultrapassagem dos ônibus né. é. ao longo das canaletas permite um ~
aumento de até 50 % na capacidade é..., desse sistema de transporte, e o interbairros 11também tem ~
todo um projeto específico e o interbairro~ 11,faz justamente a ligação entre as estruturais da cidade, né. '"7
então ele tem esse importante papel'ligando os terminais, aqui temos um dos impactos prováveis é a
questão da via onde passa aqui o:transporte da, em canaletas. o..., expresso né. de se transformar ;;;;
numa via de pedestres e bicicletas né, somente tendo acesso pro tráfego local. pras pessoas que
moram na região, né. então, é uma das propostas que. que. podem acontecer decorrentes do metrô. né.
aqui outra questão é que se coloca é a questão que o metrô ele vai ocasionar uma modificação muito Z
grande nos sistema de transporte e então a gente vai ter que fazer um reestudo do sistema de i:5
transporte, um re-olhar das conectoras que a gente tem,'principalmente na região sul. né. a conectora 1, cc
2, 3, 4 né, e como que isso, a gente pode aproveitar e potencializar esse sistema de transporte de ~.
maneira que ele seja melhor. maiseficiente. mais confortável. Outra questão aqui é, é o programa de
drenagem e desastres naturais que já vem responder a um estudo que tá sendo. que foi feito né. sobre (3
as mudanças climáticas e faz com que esse aqui é o rio Barigui né. esse aqui é o rio Atuba. aqui
várzea do Iguaçu né, e aqui o Atuba né, Atuba, Belém. Barigui. então. tamo aqui né, então o Barigui
aqui ele. com esse programa ele',tá constituindo esses parques continuos. (inint) parque continuo que ~.,~
vai lá desde_o Tanguá até a foz do Barigui, então ele trás muito beneficio pra essa região como o .
Cambui" ó parque Cambui. o parque Guairacá 111,já que tá nesse processo né, então ele traz uma ~<:,
vantagem grande pra es~a região, esse aqui ,é o plano que eu tava falando, né, o estudo de ~
vulnerabilidades sócio econômicas e ambientais pra questão das mudanças climáticas, então ele mostra
a questão é, aqui os vermelhinhOSsão as áreas de inundação. né, por que as mudanças climáticas vão :::
trazer um aumento de até 30 a temperatura de Curitiba e faz com que a gente tenha épocas muito (inint) Z
de secas e de chuvas e chuvas muito intensas. né. então é..,. a intensidade das chuvas faz com que as (';
recomendações nos façam com que a gente cuide muito bem do sistema de drenagem da cidade e em E
especial ao longo dos rios e a observância dos seus é. das suas portas. de inundação. por que o rio ~
C
naturalmente enche, mesmo quando não há pessoas. porém. é, a o observância dessas quotas de
inundação faz com que a gente não tenha tantos impactos negativos é... com a retirada de pessoas que ~';
estão onde o rio naturalmente deveria se espalhar. Aqui sob o aspecto de como é..., trabalhamos
Plano Diretor. a gente trabalha sob alguns pilares que são algumas questões que conduzem queS
estruturam é.... o raciocinio para o desenvolvimento a estrutura urbana, qual sejam. o sistema viário.e" ':'ij'iio ':'I.i,#;ijhi.:;jj,JIIW.! !I"ii!\ioiiá!I.i1i"i.'WI •••1"'9";1" Wlli'!Ujij.:.:gi! 13li"
'
~~:
~"f1~1
~~,%
~.:~,~
~ 4:?j
~
'S:~"
r.::::-:'
i;,
~_,~~~.':.:
~
,,:~-:
~l
'.~~I
:-:/,;<é/!J:~i.
/"
r:-:~:
:f,?f!dfig
. r.;;;;:,0}}
:_i's':;Z
:=-,?.~~..
.••
_~:
-'" /~=l
~
3
,5
<t
~¥f~l
~~,,;;//:1:5:~,;.)
':::%:
-
~\
f
~<
~~>d
1,,_-_:'::
__
.~'fl.~
~"2;:
Z
a ri'
r"
~'~~1i
'>'
,;';-;
--=
,
«
05!?
6!i
l'Tabelionato
TabellAo Bel.
, .
lº TABELIONATO
GIOVANNEfJ!-,!. \"
I\.~
CIO ~
•
Rpn>!o
M.arcelo GIO\Iannettl
;
RuaPauIaGomes.ll0.(ep,BOS1~70.Curttlba.PR
[email protected]
Fone: 41 lot4-2727.Fu41
t"!;eo
~nTl
!~"~.";.':'3_.<9.1"IQ'."as
-~8 _
~l
'.'
• 'Mr\'\r\I.1 tabellonato.cõniDT
lOI4-2720
fIT""
I
- .'-
_
'
•-
-"r."i!!,ml'll7MJlrm--'
,s s o
C "
E;::A~~A~~~~:~AA
/ :~
ONATO
&
de "lotas deCurlUba
luiz
.
Repubhca Federativa do BraSill~_I::
D
o
' •.lIVRO:
• ""
14.2JlO
1878-N
COtJ.E'sc.
l
0169
Fl;uBRICA
F"OlHA
,!
044
r PROTOCOLO
I
'pAGINA
01001974'
01
22
I
uso do solo e transporte em 66, porém o processo vai ficando cada vez mais complexo ne, a genfe Ja,O
75,77 já tinhao econômico social, o ambiental e é já em 2004 tivemos um processo onde a genté já vê-:ti.
a questão da transparência, da sustentabilidade, da segurança, da participação, da mobilidade, e assim
por diante né, ie a gente tem agora um grande desafio pra 2014, por que com a questão da "
sustentabilidade urbana( é, que já tava sendo visto na,.no plano na revisão de 2004, é o desafio de olhar ~
a cidade como um corpo vivo né, como se fosse uma pessoa, isso quer dizer um ambiente vivo onde as v
trocas é..., são muito intensas e formam então as, os desafios para 2014, e falando em desafios aqui ~
então vocês até receb~ram é ..., onde essa folha né, com, onde vocês podem preencher as perguntas, ~
fazer as perguntas né, mas ao mesmo tempo estão ali escritos né e, estamos coletando opinião de
vocês é, quanto aos grandes desafios que teremos aqui pra uma 'cidade inclusiva, próspera, segura,
:;
aprazível, então é, isso as equipes técnicas né, estão trazendo isso, como ampliar o acesso e a
qualidade dos serviços públicos né, então é úm'dos desafios do Plano Diretor é viabilizar a habitação de
interesse social em várias áreas da cidade, isso quer dizer não ficar fazendo novas cidades,
'
preenchendo o restante, pra de repente ocupar mais essa estrutura como eu mostrei ainda tá bastante •
ociosa, permitindo, ela tem uma infraestrutura é de transporte de (inint), de água de saneamento que
permite um adensamento muito maior, e, como fazer com que ricos e pobres possam usufruir dessa infraestrutura, essa éuma das questôes principais do PlanÇl Diretor né, é, como ela ser mais verde, rios ~
limpos, então como fazer com que os nossos rios sejam mais limpos e o verde distribuído em toda a ,
cidade né, aproveitar melhor a infraestrutura urbana existente, ampliar essas integração metropolitana, <
valorização do patrimônio cultural que nós temos, o desafio da cidade mais segura, o centro ser um
centro vivo e atrativo, é, ter menos carros nas ruas, como fazer a cidade, ser uma cidade em que a :
gente pode andar a pé, ou trabalhar próximo de casa, ou andar de bicicleta ou pegar um metrô mais, ser ~
tudo concentrado, sem que a gente precise se mexer tanto, ou fazer viagens tão longas e que nós ~
te'l'lham05 todos os modais de transporte, veiculos, as bicicletas, o transporte, os pedestres convivendo ~
harmoniosamente, como é que a gente pode fazer isso, o desafio do desenvolvimento econômico ::
continuo né, prosperidade, uma cidade próspera né, com oportunidade de renda, como que a gente ~
pode fazer isso, então __
esses desafios a gente convida pra que vocês também possam estar "
contribuindo nessa reflexão e assim fazer uma cidade mais humana, participativa e inovadora, então é -:ç
isso que temos para esse momento onde o Sergio mencionou que essa fase á a fase de diagnóstico, é ';
a fase de vocês nos ajudaram a pensar"'sobre a cidade, agradec~mos.
:J
Sérgio Pires: Muito obrigado Migúel, muito obrigado Mônica, ou vou passar pra outra etapa da nossa $
cónversa, eu quero lembrar aqueles que não fizeram perguntas ainda e querem fazer perguntas, por
favor se dirijam até aquelas mesas lá fora, a gente tem até as nove horas para que isso aconteça. Eu ~
queria chamar a primeira pessoa pra vir a frente, Claudionor Nogga? É Nogga mesmo? Maravilha.::;
Nogga. Claudionor é nome de sambista né?
. <i.
Claudionor
Nogga: Sambista? Também. Boa noite lideranças do Campo do Santana, Tatuquara, Z
representantes de vereadores que ..a gente viu aqui, meu nome é Claudionor da Silva de MenezesG
Nogga né, conhecido no mundo da capoeira e do esporte, administração regional, Toninho da Farmácia,
Pedro Pãulo, iguafeu comentei, os vereadores que mandaram os seus representantes, tem gente que ..-J
não pode na oportunidade e não manda nem representante praparticipar de uma excelente conferencia <[.
como essa né, aonde foi falado, a nossa Urbanista Junior né, que é nova né, falou tudo, falou tudo, eu ~
não vou me estender porque três minutos ...também
nem tenho tanto pra falar, mas já foi percebido o':::.
•.••....
nosso probléma aonde no.,campo,do Santana em um ano e meio de gestão, porque eu sou ... igual eu (C;;
falo, eu sou baiano do Paràná né, eu sou filho de baiano, nasci no norte do Paraná e vivo em Curitiba, e ~
a gente adota Curitiba, a gente é curitibano a importância né, não só de críticar, mas do esforço dessa -;'
nova gestão, não to puxando o saco porque ainda não aconteceu as coisas no Campo do Santana, mas ";
a gente percebe que em um ano e meio a nossa necessidade, coisas que a gente mora em Curitiba a ':f
quinze anos, a dez no Campo do Santana venho batendo na tecla, a gente perde jovens, a gente vê ij
jovens, amigos entrando no caminho das drogas por falta de espaço cultural, por falta de espaço -~
• _esportivo, isso a quinze anos que eu moro aqui né, mas agora a um ano e meio já se enfrentou esse ~
_ .~problema,
parabenizar o Edgar qúe não mede esforços, ao)IPPUC, eu só não entendo como morador (;
i. que o IPPUC deixa'se desenvolver uma coisa que era pra ser eficiente que é a Linha Verde e virou um E:
~~ pinheirinho de semáforo que não funciona em horário de pico e nem quando tem que funcionar né, o C
.' ~~ IPPUC tá aí,a gente tá aprendendo muito hoje aqui a pensar no Campo do Santana que é a mais nova ~
cidade e última a se desenvolver em Curitiba,.porque eu moro em Rio Bonito que eu falo é a cidade RioZ
j Bonito, é a vila né, morei no litoral e é menor que a Vila 'do Rio Bonito, então parabenizar as Iiderança(~
_..:~ do Tatuquara, porque estão em peso aqui e aonde a gente vai, e agora nO,Campo do Santàna estam~
~
.
'
?:c
r
C
8
-,,'
,
:
-'
'
;l
i
"""1 "4'i!., •••iihitUJ.lin'!\3..i,!li'ii1!!.m.tl.ili5.j;iWloi
•.Ii"Wj.fil'C/"IU'fiii"t
311'4'1i.'
<Ei
I' Tabelionato
(f" .
9
1 TABELIONATO
.
G IOVA N N H'J:::"Tt'! •.•
de Notas de QJ~t1ba
~
1,9"
CIO""
,Ren,!c
l.
ESTADO DO PARANÁ
.
. ATO
COMARCA DE CURITIBA
.N£TT.
!efe""~nj
!"" "Met:~':
I
'1.'1
/,.N.
- •••••.•... _...
'iJó
tep, 80511HJ70- eu~t1ba -I'R (f",},'.•.
iabellao BeL luiZ MarcefoGlcNanneltl
Rua Paula Gomes. 110-
República Federativa do Brasil
.
10 PR
..2" 20
~t~1~'
[email protected]\r'v'\r\W.ltabellonato.com.br
fOne: 413014-2727. FiU 413014-2720
C-.llto,...t
ÁS
S
o c ,
Á
o o
l
'tillRo
I
RuBRICA
fOUlA
1878-N:
COOESC
045
f PROTOCOlO
0169,
. pAGINA
01001974'
01
\
22
aprendendo com vocês, porque é que as coisas aContecem mais no Tatuquara, a nossa regional.
representa mais o Campo do Santana, mas é porque vocês participam, vocês falaram tudo, a gente só ~
,
vai aguardar e participar cada vez mais dessa gestão porque a gente tá percebendo a necessidade, a?,
,
vontade de acontecer, porque eu moro ali, eu já vi jovens se perdendo, eu venho aqui e peço, falo com ;)
o nosso administrador, vou na Câmara falo cóm o vereador, falo com o Pedro, mas precisa desenvolver, ~.
precisa pensar no Campo do Santana,'é -uma cidade; a gente vê jovens se perdendo, a nossa cultura lá .;
infelizmente ainda não está acOntecendo, acontece a natural que é a do menino pichar por falta de ~ .
opção e da gente perder jovens, só uma salva de palmas pra galera do Tatuquara, e pra essa -:
administração pelo esforço, que táse esforçando para que aconteça.
Sérgio Pires: Bom, na verdade são várias perguntas né Claudionor, eu acho que tem uma série de •
coisas acontecendo, eu vou começar talvez pela mais dificil de se explicar que é o projeto da Linha v
Verde, você eu não sei a quanto tempo você está em Curitiba, nós tinhamos ai a 116 que é aquilo qUI\! S
você conhecia, enfim; foi feito uma proposta, a idéia é que a Linha Verde pudesse ser mais ~
humanizada, nós estamos trabalhando para qúe isso aconteça, em alguns momento nós temos que c
encarar que a cidade cresceu e que os enfrentamentos que a gente tem que ter com relação a
mobilidade são imensos, não é possível que nós tenhamos o mesmo numero de carros hoje andando no ;
mesmo número de vias hoje sem que nós tenhamos probl.emasdessa ordem, o Governo Federal nos ~
ajudou bastante fazendo com que as pessoas tenham acesso ao carro de uma maneira mais facilitada,
mas isso por outro lado trouxe para as Prefeituras um ônus muito grande que é dos investimentos em ;'
infraestrutura, como a sincronização de semáforos, o ônus das pessoas ficarem paradas em grandes
engarrafa'mentos, nós estamos experimentando uma coisa que a gente lutava para não acontecesse $
que é ser grande, quase assim como o Peter Pan né, não querer ficar mais velho. Então durante um •
bom tempo Curitiba sentiu essa sindrome de poxa vida, eu quero continuar sendo pequena, quero
resolver as coisas em uma outra escala, isto não acontece maís, nós crescemos, nós temos maioridade "
e a gente tem que enfrentar esses problemas que são problemas horrorosos de serem encontrados,
nós perdemos grande parte do tempo das nossas vidas andando de carro e em engarrafamentos, pra ,~
isso que a gente está apostando na multimodalidade, praisso que o Prefeito Gustavo Fruet apostou na
execução do (inint) nessa região, pra isso que a URBS vai ajudar uma redefinição das linhas de ônibus ~
a partir do modelo do metrô, porque nós acreditamos que o transporte coletivo é a saida, agora o
transporte coletivo multimodal aonde o ser humano é .0 éentro disso tudo, então a gente tem que ~
procurar, quando se fala das drogas, perfeito, eu acho que essa nossa juventude a gente tem que dar a 2
mão praela e fazer com que ela"nãose perca, sempre, agente sabe todos os dias, todos os pais
de '",
.
familia, a gente sabe o estrago que a droga pode fazer nas nossas vidas, pra isso o Prefeito criou'aquilo ;v
que é chamado de Centro de Gestão Integrada no'gabinete, porque as drogas tem dois mundos, tém o Õ
mundo da saúde e do auxilio e da ajuda das 'pessoas que dependem delas, mas também tem um lado
digamos (inint) e ai tá aqui na Guarda Municipal, o Instrutor Frederico, que é lidar com traficante né, que ~
é o outro lado obscuro, negro ou complicado dessa...dessa história toda, mas uma das propostas que o ~
Gustavo..,o Prefeito Gustavo Fruet trouxe para nós foi a idéia do Portal,do Futuro, para que ele seja um c:::
centro irradiador, que está 'sendo capitaneado pela Secretarià de Espôrtes, Lazer e Juventude, para que
nós possamos ter nesses centros um lugar onde 05 nossos jovens possam ser acolhidos e vejam que <i
tem coisas para fazer, tem o acesso a cultura, a produção cultural, possam desenvolver coisas, possam 11'
Z
praticar esportes, possam entrar no mundo digital, enfim, fazendo as pessoas se...usarem o seu tempo, .••'
elas não vão estar usando o seu tempo em coisas que tão...tão mal fase. Com relação ao Campo do ~,
Santana, a gente tem um projeto muito bonito que estamos desenvolvendo em conjunto com a COHAB, ~.'
toda a parte sul da cidade que diria do contorno para baixo, tendo essa grande triangulo de um lado 'c
.
com -o 'Rio Barigui, do outro o Rio Iguaçu, cortado no meio pela BR, estudo uma nova área de ,'~
desenvolvimento; mas ela pode sér uma área belíssima para as pessoas que moram aqui, é isso que a .~
gente quer fazer com cada um de vocês, eu vou passar a palavra pro Bira, que vai botar aqui em ",
"
poucas palavras o que que a gente tá pensando para o Campo do Santana, e vocês vão gostar eu :(
;i
9
acho.;
Z
UbiraciRodrigues:
Boa,noite, boa noite a todos, que momento...você, você veja bem Claudionor né? 0Claudionor. Que momento importante nós estamos vivendo, porque por exemplo quando a gente fala de c:
Plano Diretor, você veja que o Campo do Santana é uma área que hoje...ela é atingida direto pelo Plano C
Diretor já existente, tem o plano de zoneamento que o Sérgio abordou aqui no começo, então ela é
atingiâa diretamente com o que existe hoje, e que momento importante que a gente atingiu que é estarL
podendo discutir, discutir esse Plano Diretor, porque uma coisa é a cidade formal que a gente coloca,0
essa que está no papel, e uma coisa é a cidade real né, você que mora ~o C:ampodo Santana, eu voS
5-
.«,", 1""1 ,:"".Ol'l' ' ' i.:••••I'' .' ' h' ' j!;j'"il
•••.j[.'' 1
"'' 3' ' .I,"'' .'.,"ji'' l!.'"I!j'"' "', •.' ii.''k' ' W•• J.""••••, I.'"$'"h",j ' ' 1,1,'",.\1'' ' ' ',*'' 1' ' '
!
,"", 3""11 '"'4"in'"
~i
República Federativa do Brasil
1ºTABELIONATO
G IOVA N N fi.'F.3
~f.' -:;'~'\
.
CIOV:
ESTADO DO PARANÁ
lj:OMARCA DE CURITIBA
,
RPrl~tc Jl'!fcrsO
'_
<'''tI..,._
I \ r~ J"iV\t ac-:I. ,
" Tabellonato,de Notas de CurtUba
rabellão Bel.LuIZMarcelo Glovannetll
iLi>!'.:..:.'))~!~"
Rua Paula Gomes, 110. cep, 8051l)'()70. Curitiba- PR
~':::~t:::;~~~~:;;b~~=:=-lIonatocom,br
Á
r FOU"
[l""'O
S S
o
C I
Á
o o
r
'RueRICA
1878-N
I
~~69
I PR~1L~0197,(AG'" 01
046
22
muito lá para aquela região, você vê que ela está se expandido aesordenadamenle, qua~do a gente.:rassumiu há um ano e meio atrás, a gente tinha umadificuldade que era assim, os proprietários de terras<{
lá daquela região que tem aqueles 'sítios lá, eles não queriam vender, e nós chegamos agora em um ~
momento que se juntou vários' propríetários de terras e esses proprietários de terras estão dispostos a 19
dar as terras, colocar a terra a disposição do municipio, então o que que acontece, nós estamos Si,
fazendo o planejamento de um novo bairro vamos dizer assim, que a gente espera que dê certo, porque '
tem uma série de legislàçãó quê a gente têm que passar então hoje não adianta eu detalhar aqui pra . ~
você que eu já tenho até o projeto, que ele pode não dar certo, mas a gente quer tentar começar a tirar ~
ele do papel ainda esse ano, e é um projeto assim, que ele tem colaboração internacional, hoje nós ,
temos uma equipe da Prefeitura qUé está no Japão apresentando esse projeto, já foi discutido na ,
Colômbia, já foi apresentado para os suecos, então a gente tem todo um interesse internacional em
cima disso, e é um projeto que tem junção de várias secretarias, não é só IPPUC e COHAB que está S
fazendo, a gente tem a Secretaria do Meio Ambiente que está junto nesse projeto, a gente tem a "
Secretaria do Esporte e lazer, a'gente tema Secretaria de Educação, Secretaria da Saúde, Secretaria
do Abastecimentó,;a
gente tem um projeto dentro do Gabinete de Gestão Integrada de Segurança'
participando desse projeto, na verdade nós queremos fazer o primeiro vamos dizer, bairro ;'
verdadeiramente sustentável de Curitiba ali no Campo do. Santana, e o que que vai acontecer nesse ~
bairro? A gente quer fazer um bairro que ele vai ter aproximadamente em torno de cinco mil unidades
habitacionais, mas é um bairro que a gente pretende ganhar comércio, que é um bairro que tenha i:
escola, e a gente está direcionando essas éscolas não só para atender esse novo bairro, mas para
atender uma defasagem de escolas do Rio Bonito, a gente vai trazer creche, posto de saúde, tudo para ~
o mesmo momento, transporte, um ligação com urna outra cidade, a agricultura familiar, porque ali tem
umas torres onde a gente não consegue produzir unidade habitacional, a gente está querendo trazer
hortas comunitárias pra esse bairro, então não verdade é um projeto que a gente quer discutir muito'.
coma comunidade para a gente pensar o desenvolvimento da região sul, eu acho que voces fazem um
trabalho aqui quando se faz essas oficinas, essas discussões, de começar a pensar o desenvolvimento ~
dessa região sul, porque a gente não pode participar por exemplo que essa parte do Campo do Santana se desenvolva desordenadamente como foi no Tatuquara, porque hoje por exemplo eu recebo gente lá ;;;
pedindo uma cancha de futebol no Tatuquara, me pedindo para asfaltar uma rua no Tatuquara, pedindo ...:
para ...então 'á gente quer, para alargar uma rua fulano da COHAB pediu pra alargar a rua, nem a :';
COHAB quer alargar rua, (inint), O pessoal vai lá me pedir pra alargar rua mas não é obra da COHAB -:;
alargar rua, a COHAB faz casas, então àssim, na verdade é:,;é, a gente está pensando em outro ';,
modelo pra isso e um bairro onde a gente trate o lixo de uma maneira diferente, então a gente está ~
pensando nisso para fazer ali na região sul, para que a gente consiga dar um desenvolvimento na
região sul, um desenvolvimento que acompanhe a cidade de Curitib~, que Curitiba merece, e como as ~
pessoas que vão morar lá merecem, a gente não quer mais fazer bairros onde as pessoas de mais 2
baixa renda vão morar, como se as pessoas estivessem lá largadas, não é assim, a gente .quer fazer um (3
negócio planejado para que as pessoas que vão morar lá sintam um orgulho danado de morar no bairro,
e dai com isso a gente vai beneficiar todo o' Tatuquara, vai beneficiar todo o Rio Bonito, eu acho que a .-J
gente vai beneficiar muito essa região, vai estruturar muito essa região da cidade,
'$
Sérgio Pires: Claudionor, pra vocês todos, nada disso vai ser feito sem nós discutirmos, a gente tem as ;.;
propostas e existe um lado técnico, a gente não pode discutir sobre aquilo que a gente não conhece, =i.
então nós estamos lá nos debruçando com vários técnicos da Prefeitura, de várias áreas, para que nós
possamos trazerem audiências como essa uma proposta para vocês verem o que a gente tá pensando. -'
Deixa de existir o momento em que nós vamos impor soluções, nós vamos simplesmente trazer essas '%
propostas, vamos discutir com vocês e vamos colocar nossos pontos de vista que são cinquenta anos ;~
de experiência na COHAB néCBira? Quarenta e oito anos de experiência no IPPUC, e assim .~
sucessivamente, Georges, Castro? Georges Castr, é você? Não, não é. Mas eu vou fazer a pergunta ;;;
que ele fez que é uma pérgunta bastante interessante, instigante que nos faz ficar pensando, O mundo ~
está em constante mudança e sempre pra melhor, veja bem, é uma atitude positiva, é muito boa, e a ~
nossa cidade é uma' cidade modelO, o que podemos mostrar de inovador para as outras cidades C
J mundiais em 2014? Tá feito o desafio, a Prefeitura faz um pedaço disso, a sociedade faz outra, nós ê2
, temos que propiciar um espaço de inovação para que as pessoas possam também inovar, isso não é
uma prerrogativa única do Poder Público, o Poder Público faz um pedaço disso, outro pedaço cabe a
i sociedade, as organizações não governamentais, as academias, a todos vocês, então eu devolvo essa2
í pergunta dO...do Georges, o que' que vocês vão fazer pàra ajudar Curitiba a se tornar o modelo de'.!)
2014? Nós temos feito algumas lições de casa, uma delas vocês vão conhecer logo na via calma da~
C
8
3
9
I
<C
.,1..
.
ti! lui.:.t.'h.j.!ii.i.Ui
.
j.j3-'i /.Ii.II!\io:[email protected],iVi31 •••ili.'fillo,i1 G"i'!'$j!j,:.:;ii9tii ••
CJ
Q
,l"'''--'
,._"
....
,,-,,~.
;-.r~OI
~i
l<.?TABELlONATO
GIOVANNE~LU_._._
" "
I"':'..•••.
'" •.••
.'9
Tabell.loBel.luiz MarceloGlovannetU
;
RuapauIaGomes.llO,ceP'8051~70'Curnlba'PR);~~~
101"2721, fu.l
"'-K'Il..
'
Oro'"
Rer~~!o
101.,2720
'
• , , o
COMARCA DE CURITIBA
tO
J
'/
••
ESTADO DO PAAANÁ
--
~!l'I
"", •• (,ç, '. '
~ 'f'. I~H 3'"1
[email protected]/lOnatO.com.br~YNvW.ltabellonato.co'iii:'br'--"'~
fone:.l
..~•...
República Federativa do Brasil . ~,
9It#RiJ.
r~4-2"20,
C , ,
oo
PR
I LI\IRO
i
I
i"'LHA
1878-N
ESC
0169
'.'.
RUBRICA
047
j PR,OTOCOlO
I
I
iPAGINA
01001974
01
22
Avenida Sete de Setembro, que vai fazer com que o clchsta passe a eXlstrr Junto com o transito, ele queU
passou por tantos anos invisivel, isso que está por traz disso, é o respeito que a gente vai ter que ter ~
com as administrações;- por isso que eu volto a dizer, a nossa prioridade é o ser humano, outra ?,
inovação, quando najmplantação de metrô, vocês imaginem um grande parque linear aonde estava o '-~
ônibus expresso, isso é uma inovação, .coisas pequenas não sei se vocês puderam ver em alguns
lugares do Centro da cidade, Tubotecas que foram boladas, com uma sugestão de uma pessoa que v
não pertencia a Prefeitura, mas ela adotou essa, sugestão e foram criadas aquelas Tubotecas, que são
àquelas pequenas livrarias, as pessoas podem levare trazer livros, com oapoio da URBS, da Fundação
~
Cultural,€: do próprio IPPUC, são coisas peqúenas, se por outro lado a Curitiba inovadora com a...
transplante de medula óssea, ou quando se fez a vários anos atrás o primeiro bebê de proveta do Brasil,
;;
e também questões menores, como uma Virada Cultural no Passeio Público, e nós fomos comer
v
cachorro quente, quer dizer, eu acho mais, ..comer vina né? E a gente foi comer esse negócio, então
<~
essa parte da'lnovação eu acho importante cada um de vocês trazer pra si também, se a Prefeitura tem
um dever, a sociedade também pode ajudar. Lecy? A Lecy está oU não? Mas não ê a Lecy Brandão é ,
outra Lecy. Então aqUi ela fala em mais áreas verdes, rios limpos, a gente viu essas imagens então ai
•
na tela, terrenos vagos limpos, quer dizer, os terrenos baldios eles tem dono, e ai eles não são limpos
~
por várias razões, mas eu acho que a gente tem que pensar duas vezes, puxa vida, tá lá, especulação
2
imobiliárias em cima eventualmente, mas as pessoas tem que ter um pouco de vergonha na cara, se o "
terreno é delas, elas tem que cuidar, isso faz parte da cidadania, (inint) e creches, existe toda uma "
proposta aide segurança, a Prefeitura vai contratar nos próximos anos acho que são mil e quinhentas
né Bira? Mil e quinhentos novos Guardas Municipais, hoje a gente está fazendo frente a todo o tipo de ~
violência urbana com a Guarda Municipal, e ai nessa proposta do governo Gustavo Fruet .e do grupo de ,Gestão Integrada, postos de saúde e escolas, o Prefeito vai fazer a maior revolução na educação, ao .~
'final e 2016 nós vamos ter pelo menos 30% do orçamento municipal dedicado a educação, imagine o '"
que é isso, 30% de todo o dinheiro arrecadada no municipio vai pra educação, hoje pela constituição a
gente tem investimentos na saÚde, eu acho que 12% que a gente tem que investir na saúde ou 15%, ~
né, hoje nós chegamos a 18%: então vejam,bem, só em saúde e educação nós temos 48 ...38% do
orçamento municipal (inint), os postos de saúde eles ampliaram os seus horários em alguns deles,
, existe toda uma preocupação com esses dois itens. Pois bem, Célio Repitaly? Venha a frente Celio. ;
(inint)
Célio Reptsky: Boanoite a todos e a todas, meu nome é Célio Joacir Reptsky, polonês, né...
~
Sérgio Pires: (inint)
Célio Reptsky: Não falo nada de polonês, meu pai falava.
::;;
Sérgio Pires: Eu também não, só sei isso.
Õ
Célio Reptsky: Bom, é.;>o meu questionamento é em duas áreas, na área do meio ambiente e na área ?
da cultura, nós temos, é ...não tem como Sergio,eu falar, olhar pra Curitiba com o olhar de passarinho,
sem antes a gente ter aquela angústia de ver o nosso bairro, a nossa região com muita necessidade,
então eu vou partir do principio seguinte, eu gostaria de ver um Plano Diretor aonde a nossa ...nós co::
leigos, e eu sou totalmente leigo nessa questão do Plano Diretor tivesse especificado lá, Regional do:
Pinheirinho nós próximos dez anos nós vamos fazer isso, isso, isso e isso, porque é muito vago essa ~
questão, a gente olha sehá possibilidade disso, disso e disso, há possibilidade, não quer dizer que vá :l'
ser feito nessa gestão ou em qualquer outra gestão que venha assumir a Prefeitura, e nós temos na,
nossa região, eu gostaria de ver na área do meio ambiente, ali 0 ...0 Ribeirão Pinheirinho, ele se, <)
é ...(inint) o pessoal vai de realocar tudo, pegando uma área que já é da Secretaria do Meio Ambiente na
região aqui do Pinheirinho, e onde nós temos um IPPUC que vai fazer cinquenta anos e nunca pensou 2
em criar um parque no p'inheirinho, e nós temos área né? Outra questão, é que nem a COHAB e o
IPPUC está pensando nésse novo bairro, quando pensar, já pensem que lá como aqui no Pinheirinho, E
não temos uni' equipamenío na área da cultura, enquanto o Centro da cidade tem mais de 70% dos ~
equipamentos, e hoje dai vão colocar, vão fazer um ...um espaço linear na Sete de Setembro, onde tem ~
, tudo, eu _sempre faloisso ...então eu' sempre falo uma situação que ,ela é bem, pra mim é bem "
. decorrente, do ladO de cá da BR onde nós estamos, nós temos alguns equipamentos, do lado de lá nós .:,
não temos nada, nós temos oito mini praças né, na nossa região do lado de lá da BR, o Tatuquara já o:
tem mais praças que nós e é um bairro que começou há poucos anos, né?. Então o meu
questionamento é esse, eu gostaria de saber ...de ver que o Plano Diretor fosse especificado 5Pinheirinho, Centro Cultural,' um bosque, é ...enfim, tudo. Tatuquara e todos. os outros bairros, né? ~
Porque dai ficaria mais fácil pra nós, ficaria muito mais fácil pra nós pra gente poder é mais como diria~
assim, não seria palpável, mas é Illais fácil pra gente c:ompreender e ,cobrar no futuro porque que aqUil~5
ª
S
iS
2'
(5
9
é
;t
3
9
", li
I
uj ii.:.:.I,IIj.j.!u.j.lioi 'F':
,!+.ll'
!!'N.' U11i1u-fW \.I. W (1,j.)11'1'1'M##"
I
31' f~'ij,.
6;; GIOVAN
1"TABELIONATO
N ElTl1
.~~._.,..
l' Tabelionatode ~otas de Curnlba
Tabell!o Bel.LuIZMarceloGlovannettl
..'
r's
1 'l~':5lc.O
~
;
,Rer,>lo
República Federal;va do BrasH
"l.
.
I
[UVRO
61a
p"
~.
•
o
COMARCA DE CURITIBA!\",
ONATõ1
e'",
RuaPaulaGomes.110. cepo8051()'{)70. Cuiniba• PR !~..• ""., "" ,<
~ tabe
I ~-.l'~ '~íl 3111,1
ltabel lonat~
1
1I0nato.com.br•""".llabellonato:com'llr'
--..
Fone:.1 ]01"2727. Fax.1 ]01••2720
AS'
riI
ESTADO DO PARANA
C I A
•
o o
..:..'.:L
Ic:otl
I
1878-N
1.0 lH,A
I 048
I
PRotoeo1'°00 1974'
'5C
0169
O
I
n~
,.
. RuBRICA
'
O
pAG, ••••••
não foi feito. Obrigado.-..
.
Rafael Rolim de Moura: ;Vamos lá Celio, então eu acho que respondendo a você, eu respondo várias<t
perguntas do pessoalaqúi da região sul de Curitiba, o Prefeito Gustavo Fruet quando nos colocou nas?;
posições que estamos hoje, nos determinou eu tivéssemos uma atenção especial na região sul,':;
principalll1ente na questão ambiental, primeira questão refere-se a despoluição dos rios, então a gente
assumiu"a F;'refeituracom um estrutura be'm defasada de fiscalização de água e esgoto, chamamos a . v
SANEPAR pela primeira vez para que eles tenham o planejamento estrutural deles em consonante com
o que nós determinamos também, então para que a gente possa ter uma ação efetiva da despoluição ~
dos rios então ter a SANEPAR próxima, e também preservar para que os rios fiquem despoluidos
também com o máximo dê áreas verdes ao seu redor, quando a gente fala 'de áreas verdes a gente •
entra em conflito" inclusive um dos conflitos hoje mais frequentes aqui na região sulé a questão do ~
Parque do Bugil,um parque que como poucos de Curitiba, tá sendo construido na base de muito ~
dialogo, várias reuniões com a comunidade, com padres, com pastores, com lideranças vem' ~
acontecendo (inint) amanhã inclusive a noite 'tem mais uma reunião com a comunidade promovida pelo •
vereador Mestre,Pop, onde estaremos mais uma vez explicando que não há clima de terror lançado na '
comunidade, isso não é real com a nossa intenção, o que a gente quer é preservar um pouco mais as.
áreas verdes da região sul de Curitiba, trazendo mais p.arques, bosques e jardinetes, já temos um ~
levantamento de toda a região sul e a determinação do Prefeito para que nós tenhamos mais espaço de ;
convivência nessa região sul, os próximos parques serão criados com muito mais frequência também ~
nessa região, e eles pedem então com isso Celio aliar tanto essa questão do bom desenvolvimento
nessa questão do belíssimo projeto do Campo do Santana, colaborando na questão ambiental da $
melhor maneira possivelné, eu acho que já tem tido um bom diálogo pra isso, então aliar tanto a
questão do desenvolvimento quanto a questão também ambiental, proteger nossos rios, nossas áreas
verdes e trazendo mais parques e praças para a região sul de Curitiba, é isso.
";
Célio Reptsky: É só, só...só uma questão, por exemplo, nós temos aqui do Parque do Bugil, já faz :.,
parte do Tatuquara, .né, Campo do Santana, no Pinheirinho nós não temos parques né, nós temos uma ~
área aqui no Jardim Natal, aonde passa ali o Ribeirão do'Pinheirinho né,.que dá pra fazer um...e é uma '"
área da Secretaria do Ambiente né, então, aqui no Pinheirinho é aquilo que eu falo, nós temos pro lado ;;
. de lá da BR um espaço minimo com áreas da Prefeitura e que não tá sendo contemplada a nossa '"
reglao.
.
,..
Rafael Rolim de Moura: Essa área é um (inint) regional né, o Edgar já passou ó endereço certinho pra ~
poder verificar qual a possibilidade né da gente poder enfim, fazer um projeto pra essa região especifica f'
que o senhor nos colocou.
.'
I
~
Sérgio Pires:' Obrigado Rafael. Eu queria s6 lembrar a Vclcês que foi distribuida essa ...esse folheto C
bastante denso e isso pode ajudar a todos para que a gente possa discutir melhor a cidade enfim, isso é ;;i
uma espécie de orientação que agente fez em um trabalho elaborado lá dentro dO...do IPPUC e dentro ~
dos órgãos da Prefeitura pra que a gente possa trazer uma série de informações a todos. Eu gostaria de 0
chamar Gilberto Rodrigues. A proposta dele é uma pr.opostabastante pontual, nos vamos levar isso pra
dentro de uma secretaria de governo, Secretaria de Obras. Qual a proposta para fazer asfalto no ..J
Tatuquara? Então é aquilo ao que eu me referi. Jadir Silva de Lima? Ele fala aqui, não dá para entender ~
direito, mas ele fala.cadastro das indicações fiscais e dáum número, ele deixou o telefone e nós vamos
entrar em contato com ele para saber do que se trata. Izabel, não? Israel? Bom, eu acho que é Israel, ~
ele pergunta a respeito da URSS, a URBS é uma companhia de economia mista que cuida do ~--;
transporte coletivo, cuida de várias permissões dentro da cidade, a Rodoferroviária, bancas de revista, ~
os táxis, enfim, pena que elé não está aqui para poder dizer especificamente o que ele quer. José .;< I
Roque Gregorovickz? Por favor, Por gentileza.
;.;
José Roque Gregorovickz: Senhoras e senhores, a todos boa noite, as autoridades aqui presentes, 'É'
não vou denominar porque iria esquecer os nomes, então a todos boa noite. Eu fiz aqui um...um ~,
verdadeiro...eu considero que o Tatuquara hoje devido ao crescimento demográfico da região ?
populacionál é uma das regiões mais êarentes de Curitiba, é carente em tudo, então eu sonho com uma Z
Tatuquara a nivel déPinheirinho, como o rapaz acabou de dizer, a nível do lado de cá da BR, eu sonho l~
__• com um Tatuquara.assim, talvez não pra,mim porque a minha idade não permite, mas para os meus ,~
filhos e netos, então baseado nisso, eu fiz aqui'u'ma lista com oito pedidos aqui que eu acho... o
i Tatuquara por seu crescimento tornou-se muito carente, precisamos de quase tudo, tais como: melhora:<=C
i da qualidade..do ensino'básico, esse é um problema da Brasil, o ensino básico no Brasil está em um/~~
I patamar muito baixo, tem que ser reestudado pelas Secretarias de Educação de uma maneira melhor:.!>
de educar, quem sabe criar um contra turno, segundo turno em todas as escolas ~ra usar ess5
ª'
a
S
"
.-
-
/
Ô
i",
.s
!
e "I.:oi! lu en."i.j.hHHi
Ija..:,Oi'iii ".ilIO"!'!!.#",
19'•••-11.'9"")'1'1'/.'' ' 'filj. Si!Ihi ••
I
a','"
~i
lºTABELlONATO
GIOVANNETTI
. "
r ;,;-:::;--y;" YJ\BW NATO]
l"Tabelionatode"lolasdeCurttlba
TabeMoBel,luiz MarceloGloVannet11
i'l,S C:H:~V. ~l"-:JõTTI
;,R.ca.o
J..
!;r.Cf"'.
:":~.".~~7
,~; 'i; .
RuapauIaGomes.ll0.Cep,8051Q.mO.Curnlba.p~
[email protected];)e1lonato.com.by Vv\\W.1tabello~-:com:br':~
.
Fone: 41301
' , ,
•. 2727,
Fu
41301 •. 2720
Cffi!~IO
Au~~"al
l
. -........
o
C I ,
l"VRO
,'~il.,~~
~
-'
o o
'--'
I
1878-N'
CODESC
,0169
1
, AUBRICA
fOLHA
049
I PA01'OCOLo
pAGINA
01001974
O
221
crianças, tirar elas da' rua, tirar do meio da marginalidade. MaiS atenção com a sauaepu
Ica, e u
outro problema muito carente, hoje no posto que eu uso um dos melhores postos do Tatuquara, Posto~
Pompéia tem quatro médicos, é um posto, um dos melhores estruturados na região do Tatuquara, ~
mesmo assim é muito carente, falta medicamentos, não há um médico substituto, eu acho que na falta (9
de um médico por uma razão qualquer que ele não pudesse comparecer deveria se ter Um substituto,
eu já fui conselheiro, Presidente dõConselho Municipal de Cidades do Interior, e lá existia um médico ',j
substituto, o Secretario de Saúde se faltava um médico no posto, o o Secretario de Saúde que era ~
médico, ia lá e atendia no posto, então ,eu acho que isso é uma necessidade que se tem, eu digo no "
Tatuquara mas que acho que' em toda a cidade. Eu, deixa eu ver onde que eu parei...segurança,
'segurança praticamente no Tatuquara não existe nada pra nada, roubam tudo pelo amor de Deus, aqui ~
tá uma,calamidade, o nosso barracão do Eco-Cidadão foi roubado três vezes, isso é um absurdo, da ~
ultima ,vez roubaram sessenta mil reais de cabos, o barracão não está funcionando porque roubaram
7
tudo, é uma falta de segurança total, E como sugestão, eu gostaria de sugerir a criação de um parque,
"
nós não temos nenhum parque no Tatuquara, eu queria um parque com uma área da chamada (inint) é
quase pronto aquilo, valia a pena verificar aquilo, já temos uma estrutura boa com a antiga (inint) e ~
quase, tá quase pronto aquele parque, falta bem pouco. Segundo, completar o corredor do Tatuquara, o ~
corredor do Tatuquara ele veio do Portão, até o final da J!Jvenilson no alto do Jardim da Ordem, esse Z
corredor deveria ser concluido e chegar ate o Cachimba. É, a conclusão da regional, mas uma regional :"
com infraestrutura para funcionar, não uma regional como o nosso amigo ... uma vez eu pedi coisas pra ~
ele, ele falou eu não tenho nem um carfinho de areia hoje, isso aconteceu, porque no começo aqui não
tinha estrutura nenhuma na regional, hoje tá bem melhorzinho mas ainda tá muito a quem do ~
necessário, e não adianta criar uma regional que tenham funcionários e não tenham os equipamentos.
Melhorar o escoamento com limpezaconstante dos arroios que passam ...que possam causar enchentes "e alagamentos. Quinto, buscar mais recursos para a habitaçãó, fazer com que ...pra mim
COHAB tem ~
uma estrutura fantástica, eu l:onheço a COHAB, eu acho que eu conheço a COHAB, desde o nosso-~
amigo Bira, todos aqui eu conheço, eu acho que eu conheço a COHAB, a COHAB tem uma estrutura ~
fantástica, então aqui primeiro precisava funcionar, pra iSso eu acho que a COHAB teria que ter mais ~
autonomia e "mais recursos financeiros, então eu acho que é uma necessidade. Dar apoio as entidades "
e lideranças, esse apoio é financeiro e atendimento nas suas justas reinvindicações, porque eu acho ~
que a Associação de Moradores são pouco valorizadas, falta treinamento pra, pra, pra essas lideranças, ~
pra essas Associações de Moradores, eu acho que deveria ter uma atenção especial, porque é nós que '7
conhecemoS o problema, é nós que trazemos o problema pra ser resolvido, então eu acho que ~
precisava umatendiménto
muito melhor nesse caso. Outra coisa que eu gostaria de sugerir aqui, foi ~,
feito uma avenida ligando a Juvenilson com a... passando pela (inint) Santa, foi até a beira da linha do O
trem e parou, eu acho que a parte mais necessária parou, e eu tenho a impressão que aquilo é bem ~
fácil de resolver, porque o interesse da 'América Latina Logistica em evitar passagem de nível por cima Z
dos trilhos, a gente sabe que é muito grande, então eu tenho certeza que se a Prefeitura entrar em
contato q>m a ALl, na certa pode ate ter algum apoio e construir uma trincheira ligando essa ...essa
avenida que está praticamente terminada com a Avenida Roberto Osório de Almeida, lá do lado do CIC -'
no caso né, aquilo ia fa'cílitar muito 'o tráfico de todo o)Tatuquara principalmente ali Ordem daquela <t
região ali toda, e ligava com a Rodovia do Xisto ...eu pediria um pouco mais de tempo, ligaria com a ~
Rodovia do Xisto, e a BR 116, senhor da plaquinha, muito obrigado, obrigado a todos.
(!)
Sérgio Pires: É seu José Roque, o senhor nos deu aqui uma, uma lista e por isso que nós vamos ficar
de cabelo branco também assimné
não mas tem muita coisa aqui que são ...que a gente vai repassar ..••
para as secretarias êu gostaria de eu acho que o senhor fez aqui pacto com o Bira em, porque ele ~
satisfeito da vida com o senhor aqui, porque mais autonomia e mais dinheiro é tudo o que ele quer. "
Desculpe? Isso a gente.~:a gente, o'Bi!lencourt faz parte da Secretaria de Relações com a Comunidade,
eu vou pedir que ele primeiro fale depois nós comentamos mais as outras coisas, por favor.
",
Bittencourt: Amigo, muito boa noite a todos, o senhor José Roque entre as suas inúmeras observações
falou inclusive sobre as Associações de Moradores, eu vim essa noite aqui e está aqui conosco também Z
o companheiro João Pereira que cuida, do setor de assessoria comunitária da Secretaria, da
• Comunidade: e,por acaso nós discutimos ontem e hoje sobre o levantamento feito no (inínt), eu gostaria c:.
, até de trazer essas informações ...essa informação a todos da seguinte forma senhor José, uma das C
1 preocupações principais da secretaria atendendo as orientações que foram feitas é exatamente essa de <i!.
treinamento e orientação nas associações de moradores. para que os senhores saibam, reza a lenda~
i que existem setecentas associações de moradores em Curitiba, que tem mais duzentas e trezentas em.9
andamento, só que quando a gente vai ver no papel, exi,stem menos de cem, sabe o que acontece? D~'5
e
ç;
a
0.
'8
3
E
Z
º
I
(Ei
1º TABELIONATO
,
GIOVANNE.:g . \'"1\15
I' Tabelionato de Notas de Curttlba
TabeMo Bel.lUlz Marcelo GICMlnnettl
í"t;!jRPrla!ll
CIOV.
)ele
NJ:TTI
' .
I
'r
Lo
[ F t.•• ~~
r __
;.~
~:_;:<
RuaYaula Gomes, 110- c.p, 8OS1lHl70 - Curn'iJ<l- f!~ :,IJ.,'1!!
[email protected]
fOne, 41 ]01"'2727 _ FiIll41 ]01 •..2720
•
o
fl'I8/~
rlapH
.•
•
• , so
1
LrvRO
iJb'lrt'lis1C2J
c.-....,t.d.r.J
C
I •
o o
I,
1878-N
reoo ESC-
I
FOLHA
I
050
[PROTOCOlO
0169
I PÁGINA \
01001974
01
22
a~
pessoal, ah, gostaria de fazer um convênio tal. dá pra vocês ajudarem, ele dIZ dil,eiltao p~r favor,
pra você'trazer o documento? Ele diz eu só tenho a ata de abertura, dai o que que nós temos lá dentro
desse departamento tem 'um pessoal que está orientando. o pessoal das associações tem feito contato Z
na secretaria e exatamente além da regulafização das associações, nós estamos também preparando o (,9
treinamento dessas pessoas e o!!entação 'em diversas ações para associações dos moradores, então~
achO muito legal o senhor falar nisso porque realmente a associação tem o que? Boa vontade, a v'
comunidade tem boa vontade, quem dirige a associação tem também, mas de repente acho que eles
estão precisando também de uma orientàção para obter resultados melhores, Obrigado pela sua '"
sugestão. obrigado Presidente, ,
Sérgio Pires: Bom. o senhor nos deu uma bela-lição de casa, como outras pessoas já nos deram, nós •
vamos conversar com todas essas secretarias. vou levar as suas sugestões. o senhor jpa conhece
bastante o Edegar. ele tá fazendo a lição""de casa dele de uma maneira bem, ..bem boa, aqui a
secretaria do meio ambiente. enfim. Muito obrigado pela sua contribuição, nós vamos levar isso muito a
sério. Paulo Cezar Motz? Matos? É voéê? Vénha pra frente,
"
Paulo Cezar Matos: Bom, boa noite a todos. meu nome é Paulo Cezar Matos, trabalho com grafite e ,.
pintura comercial aqui no Pinheirinho aqui. Como falou bastante de Tatuquara, eu morei no Tatuquara.
na época que era 'época da Gleba da Ordem. então eu conheço bastante oS..,tem bastante problema lá. ;;
deixei um irmão meu lá. fazer o que, não está mais entre nós naquela violência, mas é isso ai. Minha
pergunta é sobre o...cadê o papel? Desculpa. A possibilidade na regional o fortalecimento da nossa ,
regional né, trazer um centro cultural pra cá que seria bem interessante concentrar, diversificar a cultura
e espalhar isso pra criançada p nir!. para os jovens aí. precisa de um fortalecimento nas regionais e <
também o questionamento da regional do Tatuquara né, se já tem uma previsão, como é que vai ser, se
vai ser lá no Rio Bonito né. lá em cima, acho legal também até centralizar um pouco, porque as vezes
coitado do Jacksson. o pessoal eles ficam muito lá e cá. e acaba gerando ate um certo conflito que foi a ;;
questão das pinturas, teve um projeto de pintura da COHAB né. nas entregas das moradias ali perto do ;:'
Rio Bonito, Santa Rita ali, que dai o Jacksson estava procurando o,pessoal para fazer essa intervenção ~
sendo ele do Pinheirinho chamou nós só que não deu pra ir porque tinha que realocar, o pessoa do
Tatuquara, gerou um conflito.'pequeno
conflito porque nós somos amigos né, nós conhecemos o ~
pessoal que fez lá e também respeitamos o trabalho do pessoal da regional aqui, então essa .••.
descentralização seria ,ótimo e um incentivo maiór, e eu também queria colocar a posição do mecenato. ~
a extinção do mecenatd, tudo bem, pode ser extinto;. mas eu quería saber como que vai ser feito essa :::
renuncia fiscal. como é que ela vai entrar com um fundo de cultura especifica, como é que ele vai ser /"
melhor destinado, isso é bem interessante por ísso que eu to nessa luta a quinze anos na luta, colorindo ~
a cidade. já fiz vários projetos pro pessoal da prefeitura também é .... ficam pra trás, então acho que tem O
que se olhar com olhar mais clínico pra periferiá e dar um certo valor melhor pra nós ai. por que tá difícil. ;(
e estou lutandO pelo futuro da minha filha, eu sei que isso vai um longo tempo, são pra 10 anos aí nessa?
projeção, então até lá ela vai estar com 17,anos e espero que o pai dela tenha contribuído com algo C)
positivo pra isso ai. muito obrigado, boa noite a todos.
c::
Sergio Pires: Bom, eu vou primeiro passar a palavra pro Edegar pra falar a respeito da regional
Tatuquara e pra nós podermos falar um pouquínho sobre essa questão cultural.
<t:
Edegar alto Junior: Em relação'aregional
do Taturaquara, ela tá sendo construída lá no prédio e deve ~
ficar pronto o ano que vem, nós não temos,ainda bem a data exata, mas deve ser alguma coisa em;:;
torno de março. março, abril deve estar pronta a. regional, então dai depende de estruturar em relação a ~
equipe pra poder colocar em funcionamento; mas os investimentos ali em relação ao Tatuquara tem ~
sido bastante, você que é da Gleba da Ordem. deve. saber o. quanto tá sendo feito nessa gestão em Z
relação ao Tatuquara. inclusive na quinta-feira passada assinamos lá a ordem de serviço da UPA que 0
passa a ser construlda lá na regional. também'ao lado da regional e em relação ao que você perguntou ~
da questão da cultura, amanhã inicia a conf€irência de cultura. acho que você deve estar em contato 7,
com o Jacson e essas qúestões quevocé colocou aqui vão ser discutidas lá, então eu acho importante ~
a participação e o envolvimento dentro dessa conferência pra que você possa ser. ..• então é o local Z
certopra essa discussão, lá bom.
'.
"
Sergio Pires: A pessoa certa. no local certo, então você já podem. já sabe de quem cobrar, também as E
ações na comunidade nas questões culturais. não só pra prefeitura. enfim. mas uma das coisas que eu Ç'
queria te dizer ir! que um dos nossos. desafios dentro do planejamento é trazer duas questões pra perto
uma delas é a arte. e outra delas o designe, e estou falando aqui (inint) por que o Ferreira Goulart. que 7'
é um poeta que eu gosto muito, ele tem uma frase que eu sempre repito, gosto de repetir. diz que a arté.!'
existe por que a vida só não basta. Isso que você tá fazendo. que outras pessoas fazem. é que faz coô
O
<t
S
9
,ê
«
'2\11.:.0 'ioi,i•••• U;lWoi-l.oiriu! !i,.:i!Ig.ii'9.'.u:i!lé.'lItl:"i'i.'WI;"@i1Iio!'fil'oi.3"'13
i1t+
'y
CEi
,
1ºTABELlONA10
GIOVANN-::II
~~
ESTADO DO PARANÁ
,,'
'I' \"1\8Q1
f~-
República Federativa do Brasil'
.
COMARCA DE CURITIBA
ATO
l' Tabelionato de 'lotas de Curitiba
R CIOVAN~I
,
"",to J~.re
lã
Tabe1I30
Bel.Lul~Ceto Glovannenl
,C6C!'eV9
•io
r LIVRO
Rua Paula Gomes. 110 - cep, 8051()'()70 _Curmba )(:."::.~'~
,~;'~. , ~o
i!t',~I"R. 1878-N
,[email protected]\'\\W.ltabellonãfo:êõm~br-.- -''r~'...1E.., (COO l;SC
fOne:.1 101"2727, fU.1 101••2720
A ••
o f I A o o
0169
.
I
FOLHA
• RuBRICA
051
[PROTOCOlO
'
~pAGINA
01001974
'
019 22
I
que a gente faça o coração bater mais forte e a sentir a palxao nas nossas velas, então planeJament~
urbano, ele não pode estar dissociado nem da arte" nem do designe, é isso que a gente pretende é, ~
dentro desse book, desses novos dias, Muito obrigado pela tua participação. E agora eu queria chamarZ
.a Norma, pra última pergunta da noite; nós chegamos aqui com a questão que diz respeito.
()
Norma; Boa noite a todos, meu nome é Norma, e..., eu tenho insistido em levantar essa bandeira que ai 2
está na minha pergunta, me chama muito a atenção neste encontro que nós temos tido pra tratarmos do 2
Plano Diretor, a ausência nas citações, desculpe o secretário, mas nos seus pares, a ausência da ~
fundação cultural ou desse setor da cultura na discussão digamos como eu cito ali no planejamento "
desse novo bairro do Campo do Santana, né, eu ouvi aqui, não me lembro se foi na fala da Monica ou' ,
do Miguel, da questão cinza que a gente percebe da nossa cidade e eu fiquei pensando, será que o •
colorido, será que a cereja do bolo, não seria chamar a cultura pra fazer parte dessas discussões? Por •
que o que que acontece, nós temos hoje, não só no Pinheirinho como notadamente no Tatuquara a ~
~
ausência, e comó já foi repetidas vezes dito aqui, de um equipamento cultural, né, e dai a minha
insistência, e daí eu levantar sempre essa bandeira, e. a fundação cultural onde é que tá? Né, então ~
você vê o secretario se pronunciar até por que eu estou à 25 anos na prefeitura, 17 dos quais ná :
fundação cultural, e 8eu passei, desses 17 na lei de ,incentivo, a qual o senhor fez parte, como ~
conselheiro, lembro-me' por que quando eu estava chegand.o na (inint) o senhor estava saindo, o senhor ~
sabe muito bem do que eu estou falando né, essa questão da criação, acho muito importante o esporte
como exercicio físico, acho muito importante até por que minha origem é a educação, a educação; mas "
eu diria, e o exercicio pra mente, pra criatividade, pra criação, enfim, por ai vai.
Sergio Pires: Som Norma, vou te dizer o seguinte, eu'sou arquiteto e urbanista de profissão, mas eu ~
sou aquarelista de vocação, a minha vida eu dediquei a, desde que eu nasci quase, a desenhar e a
pintar, então isso tá dentro das minhas veias, cresci com minha avó tocando piano (inint) fez com que '
eu pudesse apreciar cada vez mais a música e fazer com que todo universo se expandisse, é, as
questões da cultura, elas fazem parte neSSeprojeto do Campo do Santana, fazem sim, talvez nós não
tenhamos citado aqui, mas todos os órgãos da prefeitura estão envolvidos, talvez esse seja o principal, ~
projeto projeto que vai colocar tode munde na mesma mesa, entãe, esse prejete tá sende tão :;
acalentado, vai ser discutide cem a seciedade (inint) as questões de lecalizaçãe des centres culturais ~
que, aqui ou ali, da mesma maneira, um centro de saúde, da mesma maneira uma escela, ele l'
pressupõe, eu não (inint) prefeitura a tanto tempo, uma ceisa que a gente tem que saber lidar que são _~
os .orçamentosque são as verbas de custeio, enfim, mas eu veu levar a tua sugestão ae (inint) tem sido .
um gran'de parceiro, eu CiteIaqui ne cemeço danessa cenversa aquilo que nós fízemes a tubeteca né, :'::
foi uma das, des primeiros trabalhes que a génte fez em conjunto, depois definições do espaço pra ,:;
expressãe cultural, o IPPUC ajudeu muito a fundaçãe na velta de carnaval pra Marechal Deedere, e
várias .outras discussões de que a gente faz cem determinades espaçes, enfim, faz parte de nosse
dia-a-dia, né se ele nãe ficou muito claro, quere deixar c1area tedos vecês que existe uma mania muito 2
grande, que quande a gente Jala de meie ambiente a gente fala de desenvelvimente social, a gente fala 0
em secretaria de .obras,a gente fala da secretaria da mulher, a gente dialoga (inint) reuniões periódicas
a cada 15 dias .ondeos assuntes sãe discutides e sãe celocados na mesa, existe uma integraçãe tetal .-J
nesse sentide, e que existe também sãe os tempos, a gente tem que ter tempes pra que as ceisas ~
possam efetivamente acontecer e
impertância de reuniões come essa nãe só pra discutir e 'f1.
orçamento, mas pra discutir o rume da cidade né, eu tá no serviçe público, cemo eu falei, eu entrei '''t.
,
'"
comoestagiárie {inint) e, eu aprendi a exercitar a democracia na minha casa, cem .osmeus pais, cem os ;.\
meus avós e isso a gente faz per que a gente tem (inint) a gente nãe faz por que é imposte nem nada, :j
eu tive o privilégie, há 24 anes atrás, de ser direterde IPPUC e trabalhar.cem o Mauricio Fruet que foi e '!
meu grandeprefesser de democraCiadentre do serviçe público, e agera, quis e destine que pudesse me ;;;,
juntar ao Gustavo nessa outra -caminhada, eu ache que isse que tá acentecende heje (inint) :.'
administrader regienaldª.matríZ,.-trabalhos pí'a criàr as (inint) regienais, entãe, tude isse que a gente faz ~
é per 1 só metivo, é por que a gente gosta de estar aqui, per que a gente se jega de cabeça, per que a <gente briga, quase come um apestolàde, se não eu não tava aqui,_eutava talvez vivende come artista, f,
vendendo minhas aquarelas aí per fera, ou fazende (inint) também, ou fazende outre tipe de coisa, mas ,,;:
não, é per que eu acredito, ceme .outras pesseas acreditam e .outras pesseas que tãe aqui que E
acreditam na prefeitura, que acreditarn nessa neva administraçãe que ela tá aqui pra mudar, pra mudar O
a realidade, mas pra' mudár a realidade junte, nãe imper seluções, entãe, antes da gente fazer e
fechamento, eu queria agradecer a tedes, mas eu queria escutar e que que e Toninhe tem pra nesZ
centar, dépois e Sira, depois o Pedro Paule, depeis e Rafael, pra que depeis agente pessa ir pre final2
dessa nessa reuniãe.
*
O
;£
3
a
<i.
Ô
<5i
'M'
República Federativa do Brasil ~ ~
9
1 TABELIONATO
rl'ro.~o
GIOVANNETTI
r.'--
~
i(~RPr"~at
~,
l'TabelionalOde Nolasde Cur1tlba
TabeMo ~eL luiz Marcelo Glovannettl
;
Rua Paula Gomes, 110- cep, 8051l(ll70 -Cur1tlba- PR
[email protected]!onatojJ:'lrt:.t:f~:i
Fone: 41 ]014-1717, Fax 41 ]014-1710
.~~_~.•~~.•.
l
Á
~"%~ ..~~R tcoc
5 n"'("-"A-~!:~2"
f"
COMARCA DE CURITIBA
I I LMto
i"".",,,,,c' , ",n~~i
't,'
•..., ,
ESTADO DO PARANÁ
: FOLHA
1878-N
:~1
-RuBRICA
052
ESC
}PR01OCOLO
0169
I,'
I"
01001974
PAGINA
02
22
Tonin~o: 80a noite a todos, senhoras e senhores, boa noite aos nobres amigos Bira, nosso amlgo:J
Presidente dó IPPUC, Sergió, o Edegar. o~Antonio, é, Rafael Rolim do meio ambiente, Pedro Paulo:4'.
meu colega de câmara.',trabalhamos juntos. é..., e agradecer né, cada um de vocês por estarem aqui, b
por que a nossa cidade é isso ai né. a gente, quer ver sempre a melhoria da cidade. nós trabalhamos
por uma Curitiba_.melhor a cada,:dia, o nosso empenho, o empenho da câmara de vereadores,
juntamente com a prefeitura de Curitiba, juntamente com o Gustavo Fruet. nosso prefeito e os .~
administradores regionais. companheiros, os amigos que são das secretarias. e, a nossa grande S
parceria que é com a comunidade que é o, a principal razão de nós estarmos aqui, né, é a comunidade,
pra trazer melhoria pra nossa comunidade),então a 30 anos eu estou nessa cidade, moro aqui na CIC
(inint) e..., já estamos trabalhando há um longo tempo pela comunidade.,e vamos continúar trabalhando. '.'
eu estoiJ apenas há um ano. é::., quase 1 ano e meio lá na câmara como vereador. mas a gente já
trabalha com a comunidade há 'mais de 12 anos (inint) então tem um longo percurso aí que a gente ~.,
trabalhou e vem trabalhando conkibuindo com a cidade mesmo sem ter mandato de vereador. não é, e '
hoje o Toninho da Farmácia tá ai pra somar força com a comunidade, com os amigos. com as
secretarias, não é,da mesma forma que sempre foi né, não é por que é vereador que tem que mudar a '
postura. tem que ficar (inint) que tem que estar longe da/comunidade agora que eu acredito que tenha ;:
que ficar mais próximo ai da comunidade e próximo dos .amigos pra somar as forças ai pra ter uma :'
Curitiba cada dia melhor. Grande abraço a todos.
•
Ubiraci: Boa noite a todos, é, eu vou resgatar pra fazer uma fala de encerramento aqui, é. duas j
situações, eu esse dias eu ouvi no rádio que, o repórter dizia que foi feita uma pesquisa com (inint),
pessoal estrangeiro que mora 'em, nas 12 cidades sedes da copa do mundo. então foi feito uma ~
pesquisa, nessa pesquisa perguntou pro estrangeirO assim. qual a melhor cidade brasileira é melhor pra
morar e trabalhar? Que cidade deu? Curitiba. Né, então. é...• e ontem a gente tava lá no Cajuru. e uma
senhora de 65 anos, pegou o microfone pra fazer uma pergunta e ela tá na. no programa da prefeitura ?
de ensino (inint). então nós, e ela (inint) fala dela eu vou copiar ela, ela falando assim. gente, essa é a
cidade que a gente tanto ama, então. eu acredito que vocês estão morando aqui em Curitiba por que ~
vocês gostam da cidade. é..., e eu queria chamar vocês pra uma responsabilidade muito grande. por
que o Plano Diretor, ele é revisto a'cada 10 anos, é.... a legislação exige isso, eu vou dizer pra vocês ;;
que a gente tá num momento único, é um momento em que toda a população de Curitiba tem o poder "
de interferir e sugerir dentro desse plano diretor. então é. se a gente gosta dessa cidade, e se a gente
quer dar outro destino pra essa cidade. o ano de 2014 ele é um ano muito importante. se aqui a 10 anos -;
essa cidade vai estar melhor ou pior a responsabilidade é de todos nós. por que nesse momento a ~
prefeitura abre pra comunidade toda a possibilidade de poder interferir no futuro dessa cidade. é. então i;;
a responsabilidade é de todos nós, não é do prefeito, não é dos vereadores, é da comunidade toda, Õ
então eu queria muito agradecer a vocês, por que é. o Coritiba tá jogando agora, tá perdendo, daqui a
pouco o Atlético vai jogar e vocês optaram por vir aqui e discutir o futuro da cidade (inint) quando você Z
diz assim. poxa eu quero. daqui a 10 anos como é que a min~a filha de 17, eu quero que ela (inint) viver
alguma coisa de cultura aqui no bairro. 'não só cultura, de muitas outras coisas. e se ela vai viver numa
cidade melhor ou pior, por que é ,hoje tá aqui na nossa mão, então eu queria dizer pra vocês é que esse -I
é um ano muito importante pra cidade, e ai a comunidade de Curitiba tem que entender que esse é um 4:
ano muito importante (inint) todos os (inint)'que 'eu tenho participado eu tenho (inint) gente. esse é um ~
ano muito importante e quando à gente fala, em plano diretor a comunidade aqui do Pinheirinho, G
Tatuquara, Campo do Santana. mais do que nunca tem que participar, quando você pega Campo do
Santana do jeito que a gente falou aqui, que ela tá, é uma região em desenvolvimento. o destino que a
gente vai dar pra essa região é isso que se decide. é...• eu vou dizer pra vocês que o nosso projeto ele -;'
só não, anda mais por que ele tá atrelado um conjunto de legislação que nos impede de fazer uma ;~
série de coisas, não',é,Rafael, e esse conjunto de legislação é construido quando você faz o plano ::
diretor. então a gente ,tem hoje a oportunidade de interferir nesse conjunto de legislação, modificar '=
coisas que por ventura. é..., poderiam facilitar o desenvolvimento da região. então vocês aqui, Pinheiro, <da regional do Pinheirinhó, da regional Tatuquara, dessa região como um todo. mais do que nunca Z
sofrem o efeito sofrem ri efeito desse'conjunto de legislação, mais do que nunca vocês tem que avaliar.
J fazer aquele olhar de passarinho que o Sergio disse, a'valiar, avaliar e sugerir, e participar, e tentar fazer E
, com que a cidade se desenvolva e seja melhor pra vocês morarem. viverem. seja mais segura, mais C
I cultura: mais esporte, tudo que vocês estão pedindo aqui. dentro de uma interferência (inint) então <f.
1 assim. boa noite,a todos"e muito obrigado por 'vir partiCipar desse momento importante. que não acaba~
I aqui, é a gente tem outras audiências aqui e é importante a participação das pessoas, deixar o futebol!)
um pouquinho de lado e vir pra discutir o futuro 'da nossa cidade. Tá bom genté.
ºç:
v'
1
;i
6
8
3
;t
a
é
5
,
+"111'00 I .• , m"hhl.:-!iU
,
iH li !!'.hl!.\@.f(,.\I'lj.'lRl.ul..,M'I.'il 121!I.Ih.jij, .:aii li lU'
/
~i:
lºTABELlONATO
A
...
,
República Federativa do Brasil
ESTADO DO PARANÁ
GIOVAN N~=f:.:rF\,;i"a.
~
ATôl
'ITI'
elOv.
" Tabelionatode Notas de eumlba
J~I£oo 8 z,w •
;,ReM!O, ecc;,,,,,,,,,"
"e"lO
TabenaoBel.lulZ Martelo Glovannettl
I"'" p"" (l<,.,.....
• Wta "id.H..1
RuaPaulaGomes, 110. Gep, 8051(j.()70. Cumlba.i>Ii;:~:J:'PJ:'!~'
• "c1i:TEtr.RWEJ
[email protected]
-VY\\W.ltabellonato.com.br
fOne: 41 ]014-2727. Fax 41 ]014-2720
A' ,
o c , , o o
~
COMARCA DE CURITIBA
t'L1VRO
'. 1878-N
ICOQ. ESC
C~~
f.:.t~
0169
IFOLHA
i
IRu.""'"
053
I
PROTOCOLO
I
~
01001971
I
I pAGINA
021
2
Sergio Pires: A coisa (inint) quando a gente começa a falar de futebol e de religiâo cada um lem a sua::;
própria opinião e ai eu, com relação ao Bira eu só tenho a lamentar, mas eu quero passar a palavra-:t
para o Rafael.
Z
Rafael: Quero parabenizar a comunidade .pela participação nesse momento tão importante que o
municipio vive, é....
, e convidá.los aqui nas diversas frentes que hoje existem né presidente, pra poder '%:
debater o plano diretor e (inint) essa participação, então que não seja (inint) aqui a participação de ,;
todos, nós precisamos e muito da contribuição que a gente só consegue construir uma Curitiba com
esforço .conjunto do poder público e da comunidade, e que consiga fazer essa cidade muito melhor para :;
os nosso'filhos, é isso, boa noite, "
'
~
Pedro Paulo: Os últimos tem que ser mai~Uáp{dos, bom éu também já (inint) quero cumprimentar e :::.
participar,desse debate, o que a gente faia, hé Toninha, a gente tem que ouvir, ,diz o ditado que Deus ~
deu duas orelhas e 'uma boca' pro cidadão ouvir mais e falar menos, mas na política não tem muito jeito ~
a gente tem que falar muito, mas esse momento de reflexão ele é fundamental como já fio dito aqui, e
ali na ponta desse slide tem lá objetivo doque nós queremos pra Curitiba, inclusiva, próspera, segura, :;
aprazivel, e participativa, eu lembro que, eu sou nascido aqúi no Pinheirinho, a primeira que eu vi falar
em participação foi lá na década de 80, eu':era molecão ainda (inint) era adolescente, mas eu ouvi falar
em participação, e parece que é muito tempo, mas nosso pais ainda é no'vo na sua democracia, as Z
pessoas ainda não ,entendem muitas veies por que que tem que participar, por que que tem que "
criticar, por que quetem que sugerir, por a decisão tem que ser nossa, por isso a gente elege vereador, ~
prefeito, governador, presidente, é logicamente que o prefeito não pode ouvir a cada um, e a todo .'
momento, né, mas "esse espaços aqui de participação eles são muito importante, e eu, antes de ser <
vereador, logicamente (inint) eu participei muito aqui de conferência de saúde, de assistência social, é,
cultura nós estamos tendo um momento novo que são as primeiras conferencias de cultura, nunca
pudemos (inint), mas era uma participação diferente, por que as pessoas não tinham controle pra falar, ~
não era qualquer um que podia pegar o microfone e falar o que bem entendesse (inint) diversas
conferências que eu participei, então esse é um momento novo, aberto não ter medo de ouvir, acho que
essa é a principal qualidade dessa gestão, pode não estar resolvendo todos os problemas que são
muitos, e, também não' foi prometido resolver tudo, por que ai é demagogia, resolver todos os ~
problemas, a nossa vida,'fica sem graça 'se a gente resolver todos os problemas, ou seja nós nunca
vamos conseguir resolvér todos os problemas, mas a qualidade maior do gestor é quando ele se abre '
pra ouvir, quando ele aceita que ele tem limites, o Bira falou numa coisa importante, que eu e o Toninho ~
convivemos no dia-a-dia, projetos de lei que nós gostariamos de apresentar, de aprovar e não podemos ~.
por que a legislação e maior, a estadual a federal limita, proibe, impede e parece que a solução é tão
fácil né, e o gestor tem o mesmo dilema, o gestor local, municipal ele também tem que implementar O
mudanças e a lei federal ,muitasvezes não permite, e particularmente tenho falado várias vezes quando
eu posso de uma lei pra mim tem que ser. reformada, já devia ter sido reformada, que é a lei de Z
licitações, é uma lei que deixa tudo mais caro, e a quaiidade é sempre, não é das melhores nas obras i3
públicas, tem que ser reformada essa legislação, nós ficamos aqui em Curitiba com várias obras c::
travadas, por que o cidadão interessado vai na justiça, contrata um adliogado, consegue uma liminar,
"pum" travou a obra, a empresa contratada deixou de prestar o serviço, o gestor tem que esperar meses ~
pra que ele desista ou refaça o contrato, quer dizer, enfim, um próblema sério, são as lutas do dia-a-dia,
mas como eu disse, eu sou sempre_umotimista, os problemas existem pra gente rever melhor, por que
a nossa vida é a vida, de enfrentamento de problemas, é isso que traz graça, o sonho vem dai, e nesse ?'
momento aqui eu quero parabenizar:'o IPPUC e aos demaiS gestores aqui pela integração, pelo esforço, ~
pela coragem, pela coragem de debater e dizer que esse é só um momento que, a partir de agora nós Z
teremos um momento verdadeiro de participação das pessoas, é, na construção daquela cidade lá"
inclusiva, próspera, segura, aprazivel, a parti'r da nossa participação, e um parabéns a cada um de 'if
vocês não (inint) temos 'aqui na mesa a metade é coxa-branca, tem atleticano, acho que tem um :
paranista, tem um paranista, procura-se ele, tem um, mas aqui também (inint) valeu a participação.
Sergio Pires: Bom eu acho que das qualidades que a gente tem que ter na vida é ponderar-se né, ~
ponderar-se com relação até a uma série de insanidades que a vida nos proporciona e que nos faz ouvir C
J enfim, mas brincadeiras' a-parte, eu só, isso é muito sério, o que tá acontecendo aqui, a gente tá E
_,fazendo história, todos estão fazendo história, voces estão fazendo história, a prefeitura de Curitiba, a ç
l câmara de vereadores, eu queria agradecer demais todo apoio e todo trabalho da, de todas as pessoas
j da prefeitura, as pessoas que compõe a secretaria de meio ambiente, a COHAB, a administração;;-?'
i regional, todas as outras secretarias que fizeram tudo isso possivel eu queria agradecer imensamente á,,!)
equipe do IPPUC que tem -se dedi~ado de uma maneira extraordinária, agora eu descobri uma nO~5
º
S
S
E
<i
9
'3
:v
«
«
e li ':'14'.1.' ''''éhjiUiúid:!!3 ,i,! 1";1/*"3;1
I.:,!5d.j
B'.'. II.tWI"i1'Ml'F'liijij,i.:3ii li mi
/6i
lºTABELlONATO
'>.Oil
I ...-:-...;' .~.,
'~g ~
i "-
1""
I
COMARCA OE CURITIÉlA
.• "1110----.-..,
~. NATO'.
O
l' TabellOnalOde Notas de Úlfltlba
1-~~tbTTII
TabeMo Be~ LuIZMarcelo Glovannettl.
;
Per ~~~
~/í:!il'
lIVRO
Rua Paula Gomes, 110- c.p, 8051O-()70- Curnlba. PR ,I,~
'.'
""".s
~
0"
1878.N
.1" '~'lr ., ~PlrsR('if.~. "'n
1tabellonatOCltabellonato.com.br
- \\'\\W.l tabellonato:ecrrfr.br • ~.--- ~ ..LJi.fj;Q~~~
Fone: 41 ]014-2727. Fax 41 ]014-2720
_
A S S o C I A D o
*ii
ESTADO DO PARANÁ
,GIOVA'NNEln~._...•..' ~
•
I.
R~pública Federativa do Bra~i( l'~'
_
!..~.:.£.., eoc
ESC
0169
.""~
IFOlHA
I
~
~~ •.
••lrlo'
IRUIlAiI;ii
054
PROTOCOLO
'PAGINA
01001974
02
22
denominação pra Monica né, urbanista junior, tinha urbanista mirim, agora a gente tem urbanlsfa JUnlorp
'sênior, pós sênior, enfim, agradecer o Toninho da Farmácia, Pedro'Paulo o apoio que a câmara deci
vereadores tem dado a éssa.proposta nós estamos acompanhando, participando de todas as audiências b.
públicas do legislativo, enfim, agradecera todos que tiveram aqui ese di'spuseram a ficar aqui até essa ~
hora da nOite,lmui,toobrigado por tudo, nós vamos escrever um novo momento da história <;leCuritiba, £:::0
Deus abençoe a todos.'
,
•
I
;.l
Edegar Otto Junior: Pediram pra fazer o encerramento, então, só comunicando que nós tivemos 161 ~.
pessoas presentes aqui na audiência e agradecer a todos,' uma boa noite.
' . \
"':
Todos os nomes mencionados neste instrumento .foram, gradativamente, sendõ identificados no ~
transcorrer do arquivo de áudio ou ainda, fornecidos pelo solicitante, ficanao este responsável pela !J:
veracidade das informações declaradas. A presente ata notarial é a transcrição fiel do conteúdo audivel v
e intelegível do arquivo apresentado, inclusive com seus vícios coloquiais de linguagem e não constitui (
trabalho pericial. O solicitante foi por,mim alertada sobre a:validade desta Ata Notarial está ciente de
que este instrumento somente terá efeito e eficácia relevante quanto ~ceita pelo Juízo competente. Item
11' Da Fundamentação: Para constar, lavro a presente Atá Notarial, para os efeitos do Artigo nO364 do O
Código de Processó Civil Brasileiro e de acordo com a competênc(a exclusiva que Il)e,confere a Lei n~ ~
8.935, de 18/11/19 4, em seus incisos 111do artigos 6.0.e 7°. Ato lavrado sob 'número de ordem Z
32893/2014. E, de omo assim constatei, do
e dou fé, 'Iavrei o prese te.instrumento, por me ser ;
solicitado, que apó li o e acha~o conformê; i aceito e assinado p ante mim, Renato Jeferson ~
Bolzani,
,Escrevente
utori ado, que o es revi E eu, Bel. Luiz Marcelo,~
Giovannetti, 1° T, li o, o subscrevi. Nada m s. _. asl dada em eguida, conforme e tudo com o ~
original, a qual me reporto e dou fé. C.' 630,00 V C.
8,91. (a. Sergio Póvoá Pires.
;;
J
e
'1
t",.
~\
~
EM TESTEMUNHO -
~
"
~
í
i
Z
oE
(..
O
\
~.
z'
raoHC. EOpD
FUNARPEN - SELO DIG
Valid
,
<9
'á
0\
,f
~
. 3<t.
z
(!)
ti.
t
. ,-
I
\
\. ,
•• \
~,
2
{5
1E
o.
~
~
\
,~
£
\(!)
.... .. .
Ô
. I'.