DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

Сomentários

Transcrição

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO
DOENÇAS DO PESSEGUEIRO
DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS
1. FERRUGEM
1
SINTOMAS
. folhas:
. sup. superior: . manchas angulares, amarelas,
pequenas
. sup. inferior: . pústulas arredondadas,
recobertas de massa pulverulenta
de esporos
. ramos - pequenas pústulas
• ETIOLOGIA
. Tranzschelia discolor
CONTROLE
. Químico: Antes da brotação - quando o cálice estiver
descoberto
. Produtos recomendados:
. calda bordalesa
. óxicloreto de cobre
. óxido cuproso
. zineb
. dithianon
. thiram
. captan
. Pulv. com fung. cúpricos:no outono
ou no inverno
2
2. CRESPEIRA
. principal doença na Europa e EUA
. importante - brotações - sob condições
úmidas e frias
SINTOMAS
. folhas de ramo do ano:
. folhas tenras
- engrossamento e hipertrofia de
parte do limbo
- crispa-se total ou parcialmente
em espiral
. ataque precoce - manifesta-se sobre os brotos
- folhas pequenas - persistem na planta até secarem
3
. ataque tardio
- enrugamento é parcial
- tecido torna-se arroxeado
- epiderme superior cobre-se de pó branco (ascos)
ETIOLOGIA
. Taphrina deformans
. Sobrevivência: . na própria planta
. Folhas ficam resistentes à medida que ficam
mais velhas
CONTROLE
. Pulverizações no outono e inverno - redução
de inóculo
. Verão - 4 pulv. - a cada 15 dias - na póscolheita
. Produtos recomendados:
. mancozeb
. captan
. dithianon
. triforine
. thiram
. tebuconazole
4
3. CANCROS
Cancro do ramo: Phomopsis amygdali
Cancro de Botryosphaeria: Botryosphaeria dothidea
SINTOMAS
Cancro de Botryosphaeria: Botryosphaeria dothidea
. presença de picnídios na região do cancro
. seca de ponteiros
. folhas - manchas
. frutos – podridão
Cancro do ramo: Phomopsis amygdali
. ramos
- cancros com numerosas pontuações escuras
- seca do ramo ou morte da planta
. folhas: . manchas necróticas
. frutos: . podridão preta
5
Cancro do ramo: Phomopsis amygdali
. ramos
- cancros com numerosas pontuações escuras
ETIOLOGIA
Cancro de Botryosphaeria: Botryosphaeria dothidea
(Fusicoccum aesculi)
Cancro do ramo : Phomopsis amygdali (Fusicoccum amygdali)
. Disseminação: .vento, chuva e insetos
. Penetração: . ferimentos - ramos e frutos
. estômatos - folhas
CONTROLE
Cancro do ramo : Phomopsis amygdali (Fusicoccum amygdali)
. Evitar o estresse da planta
. Evitar o plantio em áreas com histórico da
doença
6
Cancro do ramo:
. Remoção e queima dos ramos com cancros
. Ferimentos de poda – protegidos
. Pulverização:
. antes da queda das folhas e no início do
inchamento das gemas
. produto: . fungicida + óleo emulsionável
4. SARNA DO PESSEGUEIRO
. frutos com 10-15 manchas de sarna rejeitados para fins comerciais
• SINTOMAS
. afeta folhas, ramos, brotos e frutos
. folhas e ramos - pequenas manchas verdeoliváceas
7
. frutos:
. pequenas manchas pardo-escuras espalhadas pela
superfície
. + comuns na inserção do pedúnculo
. fase de formação – queda
. + desenvolvidos - rachaduras - porta de entrada
ETIOLOGIA
. Cladosporium carpophylum
. Período de suscetibilidade: 5 a 7 dias após a queda
das pétalas
CONTROLE
. Boa abertura da planta
. Poda de ramos - bom arejamento da planta
. Pulv. com thiram, captan ou folpet - 4 a 6
semanas após a queda das pétalas
8
5. PODRIDÃO PARDA
SINTOMAS
. primavera - capulhos florais - pardacentos e morrem com
rapidez
. botões infectados - cobertos pela frutificação do fungo – mofo
. flor
↑ umidade alta
- avança para o pedúnculo
- penetra no ramo
- cancro do ramo
9
. frutos:
. ataque próximo da maturação
. pequenas manchas pardacentas, com encharcamento
nos tecidos vizinhos
. mancha aumenta rapidamente - ocupa todo o fruto
. desidrata e mumifica
ETIOLOGIA
. Monilinia fructicola
. Sobrevivência: . própria planta
. Disseminação: . vento, água e insetos
CONTROLE – podridão parda
. Poda de limpeza de inverno
. Adubação mineral equilibrada
. Região onde a doença é séria - início do tratamento sépalas estão visíveis
. Produtos recomendados:
. triforine
. Vinclozolin
. iprodione
. flusilazol
. Benzimidazóis
. Pulverização pré-colheita: . 21, 14 e 7 dias antes da
colheita
. Controle de insetos desde o início de desenv. dos
frutos até a colheita
10
. Tratamento pós-colheita:
. evitar o manuseio de frutos infectados
. na colheita - utilizar recipientes novos ou tratados
. caixas utilizadas - lavar e tratar com hipoclorito de
sódio
. resfriar os frutos após a colheita
. tratamento químico:. mergulhar os frutos /1 min.
. produtos recomendados:
.thiabendazole
.triforine
.iprodione
7. PODRIDÃO MOLE
SINTOMAS
. Frutos
. podridão mole e aquosa na polpa
. produz esporos em abundância na parte externa
11
ETIOLOGIA
. Rhizopus stolonifer
. Penetração: . Ferimentos
. Cond. fav.: . umidade alta
CONTROLE
. Armazenamento dos frutos em câmaras
frigoríficas
. Tratamento em pré ou pós-colheita - dicloram
ou iprodione
DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS
12
1. BACTERIOSE DO PESSEGUEIRO
SINTOMAS
.folhas, ramos e frutos
. folhas:
. início - pequenas manchas angulares
. depois - púrpuras ou pretas, com bordos angulares e geralmente
rodeadas de um halo verde-amarelado
. posteriormente - formação de uma camada
de abscisão . sup. inferior:
. manchas mais velhas –
pequenas escamas secas – exsudato bacteriano
. ramos:
. 2 tipos de cancros
. cancro de verão: . localizados nos entrenós
. formados após a infecção da primavera
. cancro da primavera: . localizados nas gemas e nos entrenós
. infecção de outono
13
. frutos:
. manchas pequenas, circulares e pardas
. depois: . escuras, deprimidas e provocam rachaduras
na epiderme
. halo verde-claro circundando a mancha
ETIOLOGIA
. Xanthomonas campestris pv. pruni
. infecção ocorre no período de crescimento
vegetativo
. Disseminação:
. curta distância - água
. longa distância - mudas, borbulhas, frutos e
insetos
CONTROLE
.Nutrição equilibrada das plantas
. Uso de gemas sadias no viveiro
. Isolar os plantios de pessegueiro, ameixeira e
damasqueiro
. Instalação de novos pomares em locais
protegidos de ventos dominantes
14
. Controle químico:
.Uso de calda bordalesa no outono
. Uso da mistura oxicloreto de cobre +
mancozeb
. oxitetraciclina, sulfato de estreptomicina e
terramicina + sulfato de estreptomicina
VIROSES EM PESSEGUEIRO
•
-
•
-
.
!
"
#
$
! "
%
#
$
% R
&'
&'
• 2) Q
(
&)
&)
• 3) *
+
,
"
15
- ./0* 11
• -
2
3 4
'
+
• 5
&'
(67
&'
,
ETIOLOGIA
• •
-
•
- Transmissão: .
8
8
8
8
8*
(
&'
,,
" &'
$8*+
$8
9
&'
7
$
,,,, :;
,,,, ?
<=>
;:>
16
@/ . /AB
8
&'
&'
"
(
8
8*
)
C
&'
(
D
" &'
8
1.6. CHUMBINHO
• SINTOMAS
. flor: . pequenas lesões circulares púrpuras, com
centro claro, no cálice e na corola
17
. ramos: . pequenas manchas deprimidas, castanhoroxas, com bordos de cor + intensa
• ETIOLOGIA
. Wilsonomyces carpophilus
. Sobrevivência: . própria planta
. Disseminação: . necessidade de chuva para
desalojar os esporos
. folhas:
. pequenas áreas circulares, delimitadas
. coloração amarela e depois roxa avermelhada e +
tarde marrom-avermelhada
. formação de camada de abscisão - perfurações
18
• CONTROLE
. Destruição dos ramos afetados
. Pulv. outonais: . calda bordalesa
. oxicloreto de cobre
. Pulv. na primavera (estádio C)
. Produtos recomendados:
. captan
. zineb
. thiram
.mancozeb
Cancro do colo: Phytophthora sp.
. região do colo - podridão com exsudação de goma
. área afetada: . necrose do lenho
. degradação de tecidos
. doença progride para a parte superior
ou inferior
. sintomas reflexos na parte aérea
Cancro do colo:
. Uso de porta-enxertos resistentes
. Evitar plantio em solos úmidos e de drenagem difícil
. Evitar ferimentos na raízes e no colo da planta
. Realizar a enxertia alta - 30 cm
. Plantas atacadas: . remoção da parte afetada raspagem + pincelamento com pasta fungicida
19