Descarregar - War Thunder

Сomentários

Transcrição

Descarregar - War Thunder
1
[CONTEÚDO]
[ÁS DO MÊS] Tn. JG Tetsuzo Iwamoto…………………………………………………………………… 2
Autor: Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder
[FORÇAS AÉREAS] Força Aérea de Israel……………………………………………………………….. 7
Autor: Jan "RayPall" Kozák
[EVENTO] Desembarques na Normandia……………………………………………………………. 11
Autor: A equipa War Thunder
[PERFIL DE AERONAVE] TBF-1c / Avenger Mk 1…………………………………………………… 13
Autor: Joe “Pony51” Kudrna
[PERFIL DE VEÍCULO] M46 Patton……………………………………………………………………….. 16
Autor: A equipa War Thunder
[EVENTO] Batalhas sobre Malta…………………………………………………………………………. 19
Autor: A equipa War Thunder
[FORÇAS TERRESTRES] Schwere Panzerjäger-Abteilung 653………………………………… 21
Autor: Sean "Gingahninja" Connell
[FORÇAS AÉREAS] Força Aérea Expedicionária Mexicana……………………………………. 24
Autor: Sean "Gingahninja" Connell
[ARMAS] Armas do Ar, as RCM e HMC………………………………………………………………… 27
Autor: Joe “Pony51” Kudrna
[PERFIL DE TANQUES] PzKpfw KV-1B 756(r)………………………………………………………… 31
Autor: Jan "RayPall“ Kozák
[FORÇAS AÉREAS] Corpo Aéreo Irlandês……………………………………………………………… 35
Autor: Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder
[EVENTO] Blue on Blue……………………………………………………………………………………….. 38
Autor: Adam “BONKERS” Lisiewicz
_____________________________________________________________________
© 2009—2015 by Gaijin Entertainment
1
#A6M2 Mod 21, Sargento-Ajundante de Primeira Classe Tetsuzo Iwamoto, Grupo Aéreo
do Porta-Aviões Zuikaku, Ataque a Pearl Harbor, 7 de dezembro de 1941.
camuflagem criada por max_86z | Download
[ÁS DO MÊS] Tn. JG Tetsuzo Iwamoto
2 junho - Autor: Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder
Tetsuzo Iwamoto nasceu em junho de
1916 na província de Karafuto no
Japão, o terceiro filho dentre três
filhos e uma filha. Seu pai foi um policial e se tornou um oficial de alta
patente após se mudar com sua família para Sapporo. Depois de seu pai se
aposentar sua família se mudou para
uma cidade menor chamada Masuda,
aonde Tetsuzo frequentou a escola
municipal de Ensino Médio Agropecuária e Florestal enquanto seus pais
mudavam sua vocação para o cultivo.
Apesar de ser um aluno superdotado
tanto academicamente e fisicamente,
sua popularidade com seus profes-
sores era fraca devido à sua insubordinação, sua natureza rebelde e às
vezes, rude.
O jovem Iwamoto se formou no ensino médio em 1934, mas já havia decidido que uma vida de fazendeiro não
era para ele. Embora aparentemente
viajando para longe de casa para fazer
seus exames de vestibular para a
faculdade, Iwamoto se alistou na
Marinha Imperial Japonesa como
recruta, uma decisão que desapontou
profundamente seus pais que estavam contando com sua ajuda na fazenda da família. Após um ano e meio
2
de serviço, Iwamoto trabalhava como
mecânico do porta aviões Ryuujou;
inspirado pelo estilo de vida dos aviadores embarcados, ele decidiu se
juntar à fraternidade de elite dos
pilotos navais. Após passar no exame
de entrada Iwamoto iniciou o treinamento de voo e se formou em dezembro de 1936.
grande formação de I-15 e I-16 chineses sobre Nanchang. Quebrando formação com os bombardeiros que
havia sido incumbido de proteger, os
caças japoneses A5M engajaram as
aeronaves inimigas e Iwamoto incrivelmente abateu quatro inimigos com
um provável quinto abatido. Em 29 de
abril Iwamoto repetiu o incrível feito
de abater quatro aeronaves em um
dia e quando ele foi ordenado de
volta ao Japão em setembro, ele havia
abatido 14 inimigos em 82 missões e
era o maior ás naval japonês da guerra.
Após uma excursão como instrutor,
sargento-ajudante de primeira classe
Iwamoto retornou para as linhas de
frente abordo do porta aviões Zuikaku, agora pilotando o lendário caça
A6M “Zero”. Iwamoto estava voando
para o dia da infâmia - o ataque em
Pearl Harbour - mas voou como
suporte aéreo sobre o grupo de porta
aviões ao invés de escoltar o grupo de
ataque. Iwamoto estava fortemente
envolvido na guerra aérea no Pacífico
desde o início, frequentemente liderando grupos de A6Ms contra seus
inimigos americanos, britânicos e
australianos. Iwamoto se envolveu
em combates aéreos violentos na
batalha do mar de corai em maio de
1942, quando o grupo aéreo de
Zuikaku sofreu perdas significativas.
Isto levou ao retorno para o Japão
para reabastecimento, treino e substituição da tripulação resultando na
falta de Iwamoto e seu grupo da batalha de Midway.
Tetsuzo Iwamoto
Seis meses de treinamento avançado
de voo se seguiram, incluindo operações embarcadas. Mas Iwamoto
não veria combate até fevereiro de
1938. Agora parte do 12º Grupo Aéreo, o piloto de primeira classe Iwamoto foi enviado à China onde hostilidades estavam sendo trocadas entre
China e Japão desde junho de 1937.
Em sua primeira missão de combate,
seu grupo de voo foi atacado por uma
3
As perdas devastadoras de Midway
resultaram em Iwamoto sendo pressionado de volta ao serviço como um
instrutor de voo em um esforço para
juntar o pequeno time no Japão que
freneticamente treinava novas tripulações aéreas para deter o avanço dos
aliados. Após um ano em serviços de
instrucionais, chefe-ajudante oficial
Iwamoto retornou para as linhas de
frente e se juntou ao 253º grupo
aéreo, pilotando A6Ms de Rabaul em
novembro de 1943. Envolvido em
combates aéreos diários, o experiente
líder de combate liderou seu quadro
de cada vez mais pilotos novatos e
inexperientes contra o poderio da
marinha americana e da USAAF.
Enquanto esteve em operação a partir
de Rabaul, Iwamoto alegou o abate
da incrível quantia de 142 aeronaves
inimigas.
de frente, antes de retornar para o
combate nos céus de Formosa e das
Filipinas no outono e inverno. Em
novembro de 1944 as habilidades e
liderança de Iwamoto foram ainda
mais reconhecidas quando ele recebeu uma comissão como oficial nas
fileiras da marinha japonesa, ainda
como um alistado. As últimas missões
de Iwamoto foram junto ao 203º
grupo aéreo, defendendo Kuyshu e
Okinawa, no longínquo sudoeste
japonês contra os ataques dos bombardeiros de longo alcance B-29 e o
poderio das forças aéreas dos porta
aviões da marinha americana. Os
últimos meses de guerra para Iwamoto se passaram treinando pilotos
kamikaze em no aeródromo de
Iwakuni na ilha de Honshu.
Iwamoto foi promovido para Subtenente em sua aposentadoria forçada da marinha japonesa seguindo a
rendição de sua nação. Incapaz de
encontrar trabalho no Japão pós-
Após se retirar de Rabaul, Iwamoto
retornou para o Japão em junho de
1944 para uma breve pausa das linhas
4
guerra, em parte graças ao sentimento antimilitarista, Iwamoto deparou
com problemas de alcoolismo e caiu
em depressão. Quando as forças de
ocupação aliadas finalmente partiram
do Japão em 1952, Iwamoto encontrou um emprego breve em uma
fábrica de fiação mas não iria durar no ano seguinte começaria a sofrer
dores abdominais e após várias cirurgias, ele ficava cada vez mais fraco.
Em maio de 1955, com 38 anos de
idade, Tetsuzo Iwamoto morreu por
choque séptico após sua última operação. Várias fontes afirmam que suas
palavras finais foram para sua esposa:
“quando melhorar, eu quero voar de
novo”.
vo e impetuoso no chão, Iwamoto era
inversamente um aviador tático, calmo que favorecia táticas de bater e
correr ao invés do dogfight clássico.
Existe uma boa chance de que ele foi,
e sempre será, o maior ás japonês de
todos os tempos.
O número final de abates de Iwamoto
ainda está aberto para debate. A
combinação da prática japonesa de
creditar vitórias para um esquadrão
ao invés do indivíduo, registos perdidos, e discrepâncias entre os processos de confirmação entre o Japão e
nações aliadas significa que o número
final nunca será confirmado: a maioria das fontes oficiais creditam Iwamoto 80 abates; seu diário pessoal
afirma 202 vitórias, 26 compartilhadas e 22 não confirmadas. Seus
tempos de guerra resultaram na
distinção da Ordem da Pipa Dourada,
5º Classe. Um homem franco, opinati-
Ordem Japonesa do Papagaio Dourado,
5º Grau
5
Numa das atualizações futuras iremos introduzir as Marcas de Abates de Flor de Cerejeira
usadas por Tetsuzo Iwamoto
Decalque feito por Jej 'CharlieFoxtrot' Ortiz
6
'P-51D-5 da Força Aérea de Israel de 1956, skin feita por _TerremotO_ | download
[FORÇAS AÉREAS] Força Aérea de Israel
3 junho - Autor: Jan "RayPall" Kozák
O antecessor direto da Força Aérea de
Israel (
, abreviando
FAI) foi chamada de Sherut Avir, que
foi o nome de uma divisão do Haganah israelita, forças armadas subterrâneas. Este corpo aéreo inicialmente possuía somente um pequeno
número de aeronaves civis militarizadas, mas agentes de Israel negociaram entregas com a Checoslováquia,
aproveitando o facto que os checos já
forneciam Israel com armas para a
infantaria e munições.
declarar independência e cinco dias
depois dos países vizinhos árabes
responderem com uma rápida ofensiva, iniciando a chamada guerra de
independência.
As primeiras aeronaves adquiridas
foram caças Avia S-199 - uma conversão checa do Messerschmitt Bf
109 G-6, equipado com o motor em
linha Junkers Jumo 211F ao invés do
motor padrão Daimler-Benz DB 605.
Apesar das características de manejo
serem más, o esquadrão de caças de
Israel foi formado, e após a fundação
oficial da Força Aérea de Israel a 28
de maio de 1948, quatro S-199 apelidados de Sakeen (“faca” em hebreu),
Caças desmontados foram transportados via aérea para Israel, com a
primeira entrega chegando no dia 20
de maio de 1948 - seis dias depois de
7
foram enviados para o combate pela
primeira vez em 29 de maio, conduzindo ataques terrestres contra forças
egípcias perto de Ashdod.
FAI entrou na era dos jatos adquirindo
caças a jato Gloster Meteor em 1953.
Em 1956, a FAI participou da operação Kadesh - o nome-código do
ataque de Israel para reivindicar o
Canal de Suez, apoiado pela França e
Grã-Bretanha.
Junto a mais S-199, os checos eventualmente providenciaram Israel com
caças Supermarine Spitfire LF.Mk.IXe,
entregando-os em 1948 com muitos
chegando ao seu destino após o fim
das hostilidades. A primeira vitória
aérea foi conquistada no dia 3 de
junho, quando Modi Alon, pilotando
um Avia S-199, abateu dois aviões de
transporte Douglas DC-3 improvisados como bombardeiros pelas
forças egípcias para bombardear Tel
Aviv.
Em 8 de junho, ocorreu o primeiro
combate aéreo, com Gideon Lichtaman abatendo um Spitfire egípcio.
Até o fim das hostilidades, novos
modelos de aeronaves foram adquiridos de várias fontes, incluindo bombardeiros pesados Boeing B-17 Flying
Fortress, caças-bombardeiros de Havilland Mosquito e caças North American P-51 Mustang.
Um piloto da Força Aérea de Israel, 1949
Durante a operação, Mustangs da FAI
conduziram ataques a baixíssimas
altitudes cortando linhas telefónicas
no Sinai com suas asas e hélices,
enquanto aeronaves de transporte
assistiam com paraquedistas e o resto
da FAI provendo suporte aéreo e
defendendo unidades terrestres contra aeronaves egípcias. O melhor
momento da FAI foi em 5 de junho de
1967, quando caças de Israel incapacitaram as forças aéreas da Jordânia,
egípcias e sírias em um único ataque
decisivo, alcançando superioridade
Após o final da guerra da independência, pilotos voluntários estrangeiros, que representavam o núcleo
da FAI foram indeferidos, e a FAI
começou a depender apenas de pilotos de Israel. Doutrinas táticas foram
desenvolvidas incluindo a importância
do reconhecimento aéreo e novos
esquadrões foram formados a partir
da aquisição de aeronaves estrangeiras. No início da década de 1950, a
8
aérea sobre os três países como parte
da operação foco. Durante a guerra
dos seis dias, pilotos de Israel reivindicaram mais de 450 aeronaves inimigas destruídas, com a maioria absoluta no chão. Após este comflito, caças
McDonnell Douglas F-4 Phantom
(apelidados Kurnass - “Marretas”)
foram vendidas a Israel pelos EUA,
iniciando o apoio militar americano a
Istael, que continua até aos dias de
hoje.
causar severas perdas nas forças aéreas egípcias e sírias, mas por um
preço alto - mais de 100 aeronaves da
FAI foram abatidas, a maioria por
causa de SAMs ou artilharia antiaérea.
Esta experiência dolorosa influenciou
a doutrinas táticas da FAI após o conflito com atenção focada em minimizar a ameaça dos SAM.
O próximo conflito foi a Guerra do
Desgaste entre 1967 e 1970 contra o
Egipto, caracterizada por emboscadas
de artilharia, incursões de comandos
e extensiva atividade aérea. A FAI,
euquipada com caças Phantoms e
Dassault Mirage, de novo prevaleceram contra a Força Aérea Egípcia que
possuía caças como os MiG-21, perdendo aproximadamente 26 aeronaves contra 114 egípcios abatidos.
Após a Guerra do Desgaste, a FAI foi
modernizada, adquirindo mais Phantoms e Mirages, suplementados por
A-4 Skyhawks e caças bombardeiros
domésticos IAI Sa’ar (versão construída sob licença do Dassault Super
Mystére).
Spitfire Mk.IXe da Força Aérea de Israel
Nos anos de 1970, e no início dos
anos de 1980, a FAI não só substituiu
as perdas da guerra de Yom Kippur,
como também se expandiu significativamente. Além de caças Skyhawks e
Phantoms, também foram adquiridos
caças F-15 Eagle e F-16 Fighting Falcon, suplementados pelos caças domésticos IAI Nesher e IAI Kfir, este
último sendo um derivado do francês
Dassault Mirage 5. Em 1981, a FAI
conduziu um ataque aéreo bem
sucedido na instalação nuclear em
Osiraq no Iraque, enquanto em 1982,
a FAI participou da primeira guerra do
Líbano,
destruindo
locais
de
lançamento de SAM no vale Beqaa no
Líbano e reivindicando mais de 80
aeronaves sírias abatidas sem perdas
O maior desafio para a FAI veio com o
ataque surpresa conjunto do Egipto,
Síria e Jordânia em 1973, iniciando a
guerra do Yom Kippur. Desta vez, a
FAI sofreu sérias perdas nas mãos dos
egípcios e sírios com posições bem
preparadas com mísseis terra-ar
(SAM) e artilharia antiaérea. A FAI
conseguiu contribuir no conflito e
9
em combates aéreos no lado de Israel.
estratégicas brilhantes, a FAI superou
todos os desafios com orgulho e honra, e pode se orgulhar de sua história
rica e interessante.
Da década de 1990 até aos dias de
hoje, a atenção principal da FAI tem
sido na faixa de Gaza, com a atividade
da FAI culminando após a retirada
unilateral de Israel em 2005. Em 2007,
a FAI destruiu uma suspeita instalação
nuclear na Síria em Deir ez-Zor, e a
partir de 2011, a FAI começou a operar o sistema defensivo antimísseis
Iron Dome.
Existem muitas aeronaves em jogo
que estiveram em serviço na FAI ao
longo de sua história, tente voá-las
você mesmo em honra destes pilotos
habilidosos.
Desde a coleção ralé de aeronaves
civis militarizadas em 1948 até se
tornar numa das mais modernas
forças aéreas de hoje, 2015, a Força
Aérea de Israel passou por um desenvolvimento rápido marcado por números conflitos contra inimigos numericamente superiores. Graças à
habilidade dos pilotos e decisões
Primeiro Ministro Ben Gurion falardoando pilotos da FAI
Numa das próximas atualizações iremos incluir o decalque da
''Força Aérea de Israel'' ao War Thunder:
Decalque feito por Colin 'Fenris' Muir
10
Wallpaper 1280x1024 | 1920x1080
[EVENTO] Desembarques na Normandia
4 junho - A equipa War Thunder
A caminho dos finais de 1943, e nos
primórdios de 1944, as forças
germânicas começaram a fortificar a
costa francesa, cruando uma proteção
eficaz, desde o Mar Mediterrâneo a
La-Manche. O principal foco foi concentrado na fortificação da costa de
Pas-de-Calais, onde os aliados previam fazer a sua principal ofensiva.
posições de metralhadoras e armamentos antitanques estratégicos,
onde pontos fortes da dimensão de
pelotões e companhias cobriam a
segunda linha, com comprimentos
aproximados de 1.5 a 2 quilómetros.
As posições defensivas foram compostas por duas áreas, populadas com
minas, ouriços checos, e várias armadilhas. Os sectores defensivos da
primeira linha estavam cobertos com
11
Apesar disto, e tendo obtido detalhada inteligência no planeamento das
estratégias defensivas alemãs, as
tropas britânicas e americanas foram
capazes de atacar onde eles não estavam nada à espera.
exército no assalto inicial, e cerca de
7000 navios. Adicionalmente a isto,
11000 aviões estiveram envolvidos.
No dia 11 de junho, os aliados tinham
consolidado a Península de Cotentin à
frente de Cherbourg, mas o progresso
continuou lento pois os alemães tinham resistido ferozmente. O final da
Campanha da Normandia veio com a
destruição do 7º Exército Germânico
na bolsa de Falaise em agosto.
Quando os desembarques finalmente
começaram, apenas 14 das 58 divisões alemãs que estavam situadas
na França foram capazes de enfrentar
os aliados (85 divisões no total foram
colocadas na Franca e Itália, enquanto
240 estavam ainda concentradas na
Frente Oriental). Embora houvesse
resistência feroz nas outras zonas
costeiras, a praia de Omaha era o
único local onde o sucesso era seriamente em dúvida. Como a invasão da
Normandia era o maior assalto anfíbio
alguma vez feito, a mão de obra e os
equipamentos envolvidos eram massivos, envolvendo cinco divisões de
A invasão aliada teve um efeito psicológico forte para ambas as forças
cercadas nazis e soviéticas, que tinham combatido desde o oriente. A
grande inspiração, e os ideais das
unidades de cinco nações livres, encorajaram cada soldado e oficial das
forças aliadas. Era agora claro para
eles: a vitória na Segunda Guerra
Mundial estava nas suas mãos.
12
TBF-1C da VC-8. Camuflagem com modelos de dano criada
por Hueynam1234 | Download aqui!
[PERFIL DE AERONAVE] TBF-1c / Avenger
Mk 1
9 junho - Autor: Joe “Pony51” Kudrna
Pode ser um corpulento torpedeiro
monomotor, mas não subestime seu
potencial de combate e sua Classificação de Batalha de 2.7 em seu ponto
ideal. É um avião de guerra excelente
onde causa caos entre as forças terrestres e participa com companheiros
caças. Pode não ser muito, mas a
metralhadora calibre .50 (12.7 mm)
em sua torre traseira superior tem
uma excelente área de cobertura e a
metralhadora calibre .30 (7.62 mm)
protege a traseira inferiormente.
metralhadora calibre .30 (7.62 mm)
no nariz das versões anteriores. Esta é
uma excelente escolha pois nas
versões seguintes houveram melhoras
envolvendo o rádio e radar muito
posteriormente (meados de 1944) a
versão -3 introduziu pontos de montagem de armamentos sob as asas
para foguetes e mais bombas. A única
diferença é sua versão inglesa ser 40
km/h mais lento.
No jogo é uma aeronave sólida e
apesar de carregar somente 4 bombas, estas são de 500 libras (225 kg) e
suficientes na maioria dos alvos, ou
pode-se optar pelo torpedo “peixe”
caso decida caçar porta aviões. Complementando seu armamento explo-
No jogo, o TBF-1C americano e seu
irmão britânico Avenger Mk. 1 (TBF1B por designação da Grumman)
possui duas metralhadoras calibre .50
(12.7 mm) que substituíram a única
13
sivo, um par de M2 calibre .50 (12.7
mm) para metralhar alvos terrestres
ou outras aeronaves caso esta seja
sua escolha. A Classificação de Batalha dos Avengers em 2.7 o pareia
entre aeronaves mais fracas e
felizmente para você, o Avenger é
robusto e pode sofrer alguns disparos
antes de se sentir afetado, mas os
dois artilheiros traseiros irão retribuir,
logo, use-os em sua vantagem. Não é
um dogfighter de jeito nenhum, mas
também não é perú. Não se esqueça
de seu incrível manejo em baixas
velocidades, sendo uma aeronave
naval, possui uma velocidade de estol
muito baixa permitindo curvas fechadas e facilmente força a aeronave
inimiga a errar ou fazer ''overshoot''.
Quando se deparar com um TBF evite
dar o artilheiro superior um alvo fácil,
como qualquer bombardeiro. Ataques
cortantes são a melhor escolha, ou se
a situação apertar, faça uma aproximação por baixo, para encontrar o
artilheiro com a arma menos efetiva.
Ataques de mergulho funcionam bem
também, mirando no piloto, mas seja
cauteloso com uma aeronave lenta
próximo ao chão, ou você virará uma
panqueca no chão.
TBF-1C em modo de Raio-X
Avenger Mk.1 premium disponível na árvore tecnológica britânica por 1000 GE
TBF-1C com asas dobráveis. Note a
posição das armas da torre comparada com o estabilizador vertical. Figura
da coleção de autores.
No final da década de 1930, a marinha norte americana precisava urgentemente de um substituto para seu já
obsoleto bombardeiro torpedeiro TBD
14
“Devastator”. Leroy Grumman propôs
um design aceito em várias entradas
mas era uma aeronave grande, pesada para a época. Designado TBF
(como F vem depois de D) foi pedido
em abril de 1940 e realizou seu primeiro voo em 7 de agosto de 1941 (o
TBM é um TBF produzido pela companhia automotiva General *M*otors,
logo, M). Desde o princípio era uma
máquina incrivelmente balanceada,
voo estável, interior espaçoso, e uma
tecnologia avançada para outras aeronaves da Grumman. Seu incrível
projeto original de dobra de asas para
trás foi aplicada ao velho caça Grumman F4F que até a variação -4 eram
fixas e o mais moderno caça F6F
Hellcat foi projetado com o mesmo
mecanismo desde o começo.
TBF-1C com asas dobráveis. Note a posição das armas da torre comparada com
o estabilizador vertical. Figura da coleção
de autores
Junto a sua longa lista de conquistas,
o afundamento dos porta aviões leves
Ryuujou e Hiyou, o ataque final ao
couraçado Hiei e a participação nos
ataques ao Musashi e ao Yamato. O
futuro presidente dos Estados Unidos
George H. W. Bush foi o piloto mais
jovem de um e o vencedor de prêmios da academia, ator Paul Newman foi
um grande artilheiro! No pós-guerra
continuou em uso militar em muitas
nações em uma variedade de funções,
mas também encontrou usos em
missões civis com a Nova Zelândia
utilizando-os para fumegar colheitas e
no Canadá muitos se tornaram aeronaves de combate a fogo são as
razões do porquê estas aeronaves são
aero navegáveis hoje. Seu uso mais
incomum em tempo de guerra foi o
abate de uma bomba voadora V-1
alemã! O incidente mais famoso foi o
desaparecimento misterioso dos 5
Avengers do “Grupo de voo 19” no
“Triângulo das Bermudas”.
Seu legado vem do que esta aeronave
era capaz e o que ela fazia. Era de
construção ampla então podia
carregar o que era esperado dela, mas
ao fazer isso, foi visto que ela podia
operar uma grande variedade de
equipamentos especiais que não era
possível em outras aeronaves navais,
geralmente liderando o desenvolvimento de novos rádios, radares, armas e uma das primeiras plataformas
para guerra antissubmarino (ASW).
Também encontrou serviço com muitas forças armadas com a marinha
real do Reino Unido sendo um dos
primeiros usuários (o nome usado,
“Tarpon” foi logo abandonado em
prol ao usado pela marinha americana).
Este é um belo Perú!
15
M46 Patton da 64th Tank Bat. [Han River 1951], camuflagem criada
por Tiger_VI | download!
[PERFIL DE VEÍCULO] M46 Patton
11 junho - Autor: A equipa War Thunder
No War Thunder, o M46 Patton é um
tanque médio da era V dos EUA. Possui uma Classificação de Batalha de
7.0 em todos os modos de jogo. O
armamento principal do Patton é um
canhão de 90 mm M3A1. Existem
vários tipos de munições à disposição,
a munição predefinida disponível é a
penetrante M318A1 que possui 206
mm de penetração a 100 metros em
superfícies direitas. As munições
desbloqueáveis APCBC M82 também
estão disponíveis, tendo 169 mm de
penetração em superfícies direitas a
100 m. Duas munições APCR também
podem ser desbloqueadas e usadas, a
M304 e a M332, com 302 e 314 mm
de penetração a 100 m, respetivamente. O tanque também está
equipado com a munição explosiva
M71 com 19 mm de penetração a
todas as distâncias.
A armadura mais espessa está na
frente, com o casco e torre frontais
com 101 mm de blindagem. Os lados
do Patton têm uma espessura de 76
mm. A velocidade no qual pode recarregar é de 11.8 segundos. O motor
do Patton gera 810 cavalos a 2800
rotações por minuto, com uma
velocidade máxima de 29 mph (47
Km/h). O M46 também está disponível em versão premium, o “M46 Patton (73 Tank Battalion)”. Sendo um
nível IV norte americanos, mantém o
mesmo armamento, munições e armadura, mas vem pintado com a
insígnia de um tigre na parte da frente
do tanque.
16
M46 "Tiger" premium do 73 Tank Battalion disponível por 6090 GE
O M46 Patton viu o seu desenvolvimento a surgir como uma substituição
de outros veículos das forças armadas
norte americanas que tinham sido
usados na Segunda Guerra Mundial.
Naquela altura eram principalmente
os M4 Sherman, e os M26 Pershing
que equipavam as forças armadas.
Embora fosse considerado que o M26
tivesse uma boa performance, mostrando resultados favoráveis em
comparação com os tanques americanos iniciais (M4 Sherman incuído), a
sua mobilidade não era considerada
suficiente para a utilização pretendida, partilhando a mesma transmissão
do M4A3, que não era de confiança.
resultado, em novembro, o altamente
melhorado tanque recebeu a sua
nova designação: O M46. Em comparação com o seu predecessor, o M46
possuía vários benefícios, incluindo
modificações na transmissão, melhoramentos da unidade de energia que
levava a uma maior razão potência/massa e uma nova arma com
modificações no cano. No total, 1168
M26 Pershing foram reconstruidos no
M46 Patton ewm duas variantes diferentes.
De forma a aliviar os retrocessos que
eram considerados relevantes no
M26, os trabalhos começaram em
janeiro de 1948 no melhoramento do
desenho do M26. No entanto, os
melhoramentos não acabaram na
transmissão, e a quantidade de modificações foram-se amontoando. Como
Tanque médio M-46 Patton na Coreia, 8
de julho de 1952
17
O M46 serviu em combate durante a
Guerra da Coreia, e foi considerado
superior aos tanques T-34-85 norte
coreanos. O M46 serviu ao lado de
outros tanques norte americanos,
incluindo os M26 e Sherman, no en-
tanto, com o aumento de Pattons
disponíveis nas forças armadas norte
americanas na Coreia, eles foram
capazes de substituir completamente
os já inferiores M26, concluindo a sua
retirada em 1951.
Numa das futuras atualizações iremos adicionar o Emblema da US Marine Corps:
Emblema criado por Branislav "InkaL" Mirkov
18
Wallpaper 1280x1024 | 1920x1080
[EVENTO] Batalhas sobre Malta
12 junho - Autor: A equipa War Thunder
Os britânicos já tinham na sua posse
um canhão aéreo de 20 mm capaz por
por volta do inicio dos anos 40 - o
Hispano-Suiza HS.404, um canhão
francês que tinha sido adquirido e
manufaturado sob a designação de
‘Hispano Mk.I’. Esta versão inicial
tinha carregadores de tambor com 60
munições, e estava instalado nos
Westland Whirlwinds e nos caças
noturnos Bristol Beaufighter, que lhes
deu poder de fogo suficiente para
destruir os bombardeiros alemães
com relativa rapidez. A decisão foi de
montar esta arma também nos Spit-
fires e Hurricanes. Em relação aos
Spitfires, uma modificação para a asa
era necessária para acomodar este
armamento. Então, a asa ''B'' foi construida, em contraste com a ''A'' original destinada a armamentos de
base de metralhadoras. Esta nova asa
permitia a instalação de dois canhões
Hispano Mk.I e quatro metralhadoras
.303, embora os canhões tivessem de
ser instalados ao seu lado, pois a
posição não usual dos tambores estavam acima da posição da arma e portanto não cabiam na asa do Spitfire.
19
Um dos mais conhecidos posicionamentos de Spitfires armados com
estes canhões foi no Certo de Malta.
Situada no Mar Mediterrâneo, e ocupada por forças britânicas, Malta
tinha um enorme valor estratégino.
Devido ao seu ''porta-aviões jamais
afundável'', tal como a ilha era por
vezes referida, a RAF era capaz de
romper as linhas de mantimentos do
Eixo e agitar o fluxo de suprimentos
para o norte de África, enfraquecendo
assim as forças do eixo. Devido a isto,
foi planeado que Malta deveria ser
sujeita a devastadores raides aéreos
para poder destruir o maior número
de forças britânicas possíveis. A campanha de raides aéros começou a 11
de junho de 1940. As forças da RAF na
área consistiam principalmente em
caças Hawker Hurricane e Gloster
Gladiator, com os Gladiators a serem
substituidos pelos Hurricane a partir
de 1940. As forças britânicas foram
capazes de se manterem firmes contra as numericamente superiores
forças italianas, confirmando 45
aviões italianos abatidos no final de
1940, com a ajuda de operações reabastecimento de aviões para substituir as perdas. Esta foi uma parte
crucial de toda a operação, pois a
posição da ilha constrangiu o fornecimento de peça, e muitos Hurricanes
tiveram de ficar no chão devido a
problemas de manutenção.
A partir de janeiro de 1941, a situação
piorou para os britânicos ao se encontrarem com a Luftwaffe. Pilotos de
caças
experientes
conseguiram
conquistar a superioridade aérea
sobre a ilha, e os bombardeiros
germânicos atacaram as rotas marítimas para literalmente esfomear os
defensores da ilha, No entanto, apesar dos aliados sofrerem perdas pesadas em termos de navios e aviões,
os britânicos continuaram a lutar.
Tornou-se difícil, pois os Hurricanes
eram inferiores em relação aos mais
modernos caças germânicos Bf 109.
20
Jagdtiger do Schwere Panzerjäger-Abteilung 653 [Alemanha, 1945]
camuflagem criada por Tiger_VI | Download
[FORÇAS TERRESTRES] Schwere
Panzerjäger-Abteilung 653
17 junho - Autor: Sean "Gingahninja" Connell
O Schwere Panzerjäger-Abeitlung 653
(653º Batalhão Pesado de Panzerjäger) foi um batalhão de
caçatanques composto de 3 companhias equipadas com tanques Ferdinand e o novo Jagdtiger, armado com
o poderoso canhão de 12,8 cm.
tiro de 3 por minuto. A arma podia
utilizar uma variedade de projéteis, já
que sua munição era composta pelo
projétil e pela carga, separadas uma
da outra. Isto permitia uma variedade
de papéis que o Jagdtiger podia realizar. Se a tripulação optar por uma
carga leve ou média a arma tomava a
função de uma peça de artilharia,
enquanto com uma carga pesada, era
usada em papéis antitanque ao disparar o PzGr. 43 APCBC-HE. O PzGr. 43
era capaz de penetrar 200 mm de
blindagem a uma distância de 1000 m
e 148 mm de blindagem a 2000 m.
O Jagdtiger foi desenvolvido a partir
do chassi de um Tiger II alongado em
estilo casamata e foram encomendados aproximadamente 150, apesar de
somente 80 serem completados e
entregues às unidades. Sua arma
principal de 12,8 cm foi projetada
pela família Krupp no final de 1944.
Ela disparava um projétil de 28 kg (62
libras) a uma velocidade de aproximadamente 950 m/s a cadência de
O Jagdtiger pesava aproximadamente
72 toneladas e o veículo sofria pela
severa falta de potência do motor,
21
devido ao uso do mesmo utilizado
pelos Tiger I/II e pelo Panther. O motor, um Maybach HL230 P30, era
capaz de produzir 690 cavalos-vapor e
foi feito de ferro fundido, que permitia o uso de cilindros maiores ao custo
do maior peso do veículo. O Jagdtiger
alcançava velocidades de aproximadamente 34 km/h (21 mph) na
superfície de estradas.
o comando do 17º exército até a
batalha de Berlim em maio de 1945.
Em outubro de 1944 uma nova 3ª
companhia foi equipada com o novo
Jagdtiger que se encontrou com a 1ª
companhia na frente ocidental e
combateu forças dos EUA e do Reino
Unido. A 1ª companhia entrou em
combate na floresta das Ardenas
durante a batalha das Ardenas enquanto a recém formada 3ª companhia
participou na Operação Nordwind sob
o comando da 17ª Divisão SS Panzergrendier.
A operação Nordwind foi a última
grande ofensiva pelo exército alemão
na frente ocidental em que o objetivo
era atravessar as linhas do US 7th
Army e do 1º Exército Francês. A operação no final foi um fracasso com
pesadas perdas sofridas no lado
alemão.
Todas as três companhias do 653º
batalhão participaram de combates
ao longo da guerra incluindo grandes
batalhas como a de Kursk e de Dnieper onde a 1ª companhia, consistindo
de Ferdinands, combateu e sofreu
pesadas casualidades na batalha. Em
fevereiro de 1944 a 1ª companhia
recebeu 11 novos Ferdinands e participou da batalha de Anzio na Itália.
O famoso ás de Tiger Otto Carius
comandou um Jagdtiger com o 512º
Batalhão Pesado Antitanque (Schwere
Panzerjäger-Abteilung 512) no início
de 1945, em que a companhia de
Carius participou na defesa do Rio
Reno e posteriormente se rendeu ao
exército americano em 15 de abril de
1945. Carius escreveu em sua autobiografia “Tigers na lama”, ele acreditava que os Jagdtigers não foram
usados em todo seu potencial. Uma
grande parcela dos ressentimentos
pessoais de Carius foram devidos à
fraqueza do motor e transmissão e à
frequência em que o canhão precisa-
A 2ª e 3ª companhias sofreram pesadas perdas em agosto de 1943 onde
somente 12 veículos continuaram
operacionais após um pesado conflito
na Frente Oriental. Os 12 veículos
remanescentes foram consolidados
na 2ª companhia onde continuaram
lutando contra a União Soviética sob
22
va ser calibrado após movimentação
do veículo, mesmo após pequenas
distâncias percorridas fora da estrada.
muito maiores comparadas à dos
aliados.
Apesar de todos os problemas que o
Jagdtiger encontrou, tropas aliadas
ainda temiam o tanque devido a
incapacidade dos tanques aliados
penetrarem a blindagem frontal, e
devido às distâncias em que o Jagdtiger conseguia engajar, que eram
Numa das futuras atualizações iremos introduzir o ''Emblema do Sturmgeschütz Abteilung
197", do esquadrão que precedeu o Schwere Panzerjäger-Abteilung 653
Decalque feito por Branislav 'InkaL' Mirkov
23
Camuflagem do P-47 da Força Aérea Mexicana | 1280x1024 / 1920x1080
[FORÇAS AÉREAS] Força Aérea
Expedicionária Mexicana
19 junho - Autor: Sean "Gingahninja" Connell
A história da Força Aérea Mexicana
data de abril de 1913 durante a Revolução Mexicana quando o Secretariado da Guerra e Armada ordenou dois
pilotos do Exército de Milícia Aérea
Auxiliar bombardear alvos na Cidade
do México. Em fevereiro de 1915 o
líder mexicano do exército fundou o
Braço da Aviação Militar, que se tornar-se-ía na Força Aérea Mexicana.
britânicos assim como bombardeiros
bimotor Farman F.50. A partir de
1923-1929, o México ficou muito
envolvido numa guerra territorial
violente que incluía apoio militar.
Durante espe período, muitas batalhas foram decididas pelo uso do
apoio aéreo.
De 1944 a 1945 a Força Expedicionária Aérea Mexicana (MEAF) estava
recebendo treino nos EUA juntamente com forças aliadas através dos
acordos de Lend-Lease. O 201º Escuadron é o mais conhecido MEAF pelas
suas ações no Pacífico contra os jo-
Nos anos 20, sob conselho do Coronel
norte americano Ralph O’Neill, a
Força Aérea Mexicana atualizou o seu
obsoleto inventário de aviões ao
comprar vários Avro 504K e 504J
24
poneses. O 201º tinha o papel de
ataque ao solo. O 201º voou 59 sortidas de combate no Sudeste do Pacífico sobre os teatros das Filipinas, Luzon, e Formosa, no qual foi muito
bem sucedido no papel de ataque ao
solo.
O 201º tinha 35 pilotos ativos no
Sudeste do Pacífico neste período e
teve apenas cinco perdas; três foram
em operações de combate e duas em
voos de treinamento. Estas perdas
infelizmente pesaram na razão pelo
qual o esquadrão não foi usado nos
papéis de apoio sobre Okinawa. O P47 no qual muitos consideram uma
aeronave icónica durante a Segunda
Guerra Mundial, também tinha as
suas limitações, que afetava a performance do 201º. Como o esquadrão
foi usado primariamente como uma
unidade de interdição aérea, a missão
foi sempre considerada crítica, principalmente devido ao consumo de
combustível. Durante uma missão de
bombardeamento em posições na Ilha
Formosa, dois P-47 do esquadrão
tiveram de fazer aterragens de
emergência devido a faltas de combustível. O tempo de voo médio para
um P-47 conduzindo uma missão de
varrimento no Pacífico era de aproximadamente 20 minutos. Quando
equipado com bombas, o tempo de
voo era cortado consideravelmente.
Republic P-47D-30-RA Thunderbolt do
Escuadrón 201 sobre as Filipinas no verão
de 1945
Sobre Luzon o 201º voou 31 sortidas
de combate de 4 de junho de 1945 a 4
de junho do mesmo ano, no qual a
maioria foi missões pré-programadas
de interdição aérea (CAS). No entanto, múltiplas missões firam iniciadas
devido a alertas de ação imediata,
tanto de fontes aéreas como terrestres. Apesar de relatos de aeronaves
hostis na área, o esquadrão não esteve em combate contra aeronaves
japonesas. Durante o período que
esteve sobre a Formosa, foi dado o
''OK'' para dar voos de 6 a 9 de julho
quando vários aviões inimigos foram
avistados na área. Infelizmente, nenhum contacto foi feito com aeronaves inimigas. Esta foi a única vez que o
201º foi usado em missões de varrimento.
Após a Segunda Guerra Mundial a
Força Aérea Mexicana continuou a
adquirir novos e mais modernos
aviões e helicópteros. Actualmente os
mais modernos aviões da Força Aérea
Mexicana são os F-5 Freedom Fighter
e os Pilatus PC-9. A força aérea
também tem uma vasta variedade de
helicópteros incluindo os UH-60 Blackhawk, Mi-8 e Mi-17. A Força Aérea
Mexicana não teve de operar em
tempos de guerra desde a Segunda
25
Guerra Mundial, no entanto, os esforços com outras agências governa-
mentais mexicanas no combate ao
comércio de drogas continuam.
Republic P-47D-28 do Escuadrón 201, camuflagem criada por RiderR2 | download
Numa das atualizações futuras iremos introduzir o decalque da Força Aérea Mexicana
no War Thunder:
Decalque feito por Colin 'Fenris' Muir
26
[ARMAS] Armas do Ar, as RCM e HMC
23 junho - Autor: Joe “Pony51” Kudrna
Um armamento de combate de aeronaves é tão importante na sua habilidade de combate como o piloto ou o
avião em si. A combinação certa de
armamentos nas circunstâncias certas
é um factor determinante que pode
elevar mesmo o mais mediano avião a
mortífero. Para explorar isto, a seguinte questão tem que ser levantada:
como é que os armamentos evoluíram?
aéreas pudessem ocorrer, e que neste
caso metralhadoras seriam a escolha
óbvia ao invés de pistolas e espingardas. A maioria das metralhadoras
aéreas primitivas foram ou baseadas
na arma Maxim (máquina) ou na
Lewis, no entanto nenhuma era ideal;
uma realidade semelhante aconteceu
com o primeiro avião a ser empurrado
para combate.
Os primeiros armamentos aéreos
eram metralhadoras de calibre de
fusil (Rifle Calibre Machinegun RCM), com dimensões variando entre
os 6 e os 9 mm, e as metralhadoras
pesadas (Heavy Machine Gun - HMC)
entre os 10 e 15 mm (incluindo o
calibre de .50 inch).
Quando estalou a Primeira Guerra
Mundial em meados de 1914, o conceito de combate aéreo era mais
ficção futura que realidade, pelo que
não houve muito esforço no desenvolvimento de armas para aeronaves.
Ainda sim, alguns previram batalhas
When the First World War broke out
in mid 1914, the concept of aerial
combat was seen more as a fiction
than reality so there was limited thought into the design of specific air
armaments. Still, some did foresee
27
the possibility battles in the air would
develop, and machine-guns were an
obvious choice over pistols and rifles.
Most early airborne machine-guns
where either based on the Maxim
(machine) Gun, Danish Madsen, or
the new Lewis machine-gun, however
neither were optimal; a similar reality
for the first aircraft pressed into combat.
eventualmente a M1921 .50 BMG (B
de Browning, 12,7x99 mm), basicamente uma M1919 e cartucho .30-06
aumentados; No entanto ele não
pararia o seu desenho ali. Browning e
a empresa continuaram a trabalhar
no desenho, melhorando-o na incontestável melhor metralhadora pesada
do mundo. Não foi até anos mais
tarde que outras empresas e nações
se devotariam ao tempo e esforços
gastos para produzir e melhorar as
suas variantes de armamento.
Com o progredir da guerra, a capacidade de carga das aeronaves e melhor desempenho das metralhadoras
produziram o iconico biplano com
duas metralhadoras. Claro que outros
armamentos existiam, mas foi quase
inteiramente armamentos RCM e
balas sólidas redondas, frequentemente chamadas de ''ball'' (termo
vindo das bolas de mosquete) que
estavam presentes do aviões. Durante
a guerra, John Moses Browning introduzue a altamente confiável metralhadora M1917 no exército norte
americano, que mais tarde levou à
melhorada M1919 .30-06 Springfield
especializada para aeronaves. Mais
tarde foi modificada para a britânica
.303 (7.62x56mmR) que foi equipada
em virtualmente todas as aeronaves
britânicas pós Grande Guerra até à
Segunda Guerra Mundial.
Reciprocamente, a tecnologia de
aviação acelerou com a ciência de
materiais e os menores custos de
produção levou a uma abundância de
materiais mais resistentes, o que
melhorou a estrutura dos desenhos,
que por sua vez permitiu aos construtores de aeronaves substituir madeira
e tecidos vulneráveis por estruturas
de metal superiores. Maiores velocidades e cargas eram possíveis, e objetivos ambiciosos em aeronaves civis
eram conseguidos com muita fanfarra, por vezes produzindo melhores
resultados que o esperado. Esta ''Era
de Ouro'' da aviação como é chama-
No frente europeia em 1918, o general americano Pershing testemunhou
defesas, veículos e o primeiro avião
blindado, o Junkers J.I. Com isto, ele
exigiu algo para derrotá-los! Trabalhando quase simultaneamente na
M1919, Browning criou o que seria
28
da, foi uma tremenda revolução tecnológica.
tinham dificuldades para destruir
grandes aeronaves inimigas. Apesar
disso, esforços para criar melhores
configurações da RCM continuou com
os alemães, combinando duas MG-81J
juntas com a intimidante MG-81Z, e
os russos desenvolveram o que seria a
metralhadora definitiva, a UltraShKAS (Ultra-ШКАС) com uma taxa de
fogo de 3000 disparos por minuto
(mas foi em breve abandonada em
prol do canhão)! Apesar do impacto
mínimo das RCM, parecia que os
canhões também tinham desvantagens, e mesmo as metralhadoras de
13 mm não podiam ser colocadas nos
espaços inicialmente desenhados
para as RCM. O resultado foi que as
RCM persistiram em muitas aeronaves mesmo com baixa eficácia. Isto foi
mais notado em aeronaves da Luftwaffe.
Curiosamente quanto mais melhorias
na performance de aeronaves, ano
após ano, os armamentos eram praticamente os mesmos: apenas duas
metralhadoras, e alguns com quatro.
No entanto, outras configurações
foram propostas e usadas - incluindo
HMG e o primeiro caça equipado com
canhões em meados de 1930, no
entanto as RCM eram norma. A confiança nas RCM alcançou um crescendo em novembro de 1934 quando o
líder de esquadrão da RAF Ralph Sorley especificou que todos os caças
futuros da RAF deveriam ser armados
com nada menos que oito RCM e
argumentou corretamente que o
combate seria decidido em momentos cruciais, e naqueles momentos,
aquele que tivesse mais balas no ar
seria necessário. O que ele e muitos
outros não perceberam foi uso de
novos materiais resistentes nas aeronaves os tornavam mais resistentes às
RCM.
Do outro lado do Atlântico, a USAAF
estava utilizando a versão leve para
aeronaves da M1921 .50 inch
12.7x99mm HMG, a Browning. O
desenvolvimento longo, mas contínuo
resultou na variante AN/M2 e sua
inclusão em alguns aviões caças no
final da década de 1930. Com experiência na Europa, não demorou muito para acelerar a produção e fazê-lo
equipamento padrão em todos os
caças da força aérea norte americana,
acontecendo mais depressa que em
outras fações que estavam finalizando
seus designs. Também foi mais tarde
que a RAF adotou a AN/M2 ao invés
da Vickers HMG. Baseado nela, a
ligeiramente inferior Breda-SAFAT
Durante a batalha da Grã-Bretanha
muitos bombardeiros da Luftwaffe
conseguiram voltar à costa francesa.
Embora viessem cheios de buracos de
balas e que muitos nunca mais voltariam a voar, parecia para a RAF que
estavam a atirar massos de papel.
Equipar os caças Hurricane Mk. IIB
com 12 RCM pareceu não melhorar a
situação. A Luftwaffe descobriu a
mesma realidade, e mesmo caças
equipados com canhões de 20 mm
29
italiana e extremamente modificada e
única Ho-103/104 japonesa. A semioriginal Berezin russa era um pouco
melhor que a AN/M2. A vencedora
era indiscutivelmente a alemã MG131, 56% mais leve e oferecendo
quase o poder de fogo de uma
AN/M2. Isto provou ser uma vantagem chave para o combate aéreo,
mas foi usada pela LuftWaffe em
pequenos números, na sua maioria
modelos de Bf-109 e FW-190 tardios.
AN/M2 HMG era a arma ideal em
encontros de caças. Também provou
ser devastadora contra unidades
terrestres e navais devida à sua cadência de tiro, velocidade, massa e
características de penetração, ajudada ainda por múltiplas instalações.
Isto fez a logística muito mais simples,
incluindo treino e manutenção (praticamente idêntica à M1919 .303),
tornando-a padrão em praticamente
todos os aviões norte americanos.
Naquele tempo, era a arma perfeita
para as forças militares americanas e
em particular da USAAF, tornando-se
numa lenda e numa extremamente
importante arma para muitos países
até aos dias de hoje.
Enquanto muitos lados tinham que
lidar com vários perfis de combate e
alvos, os americanos estavam em
uma posição vantajosa, pois a grande
maioria dos aviões inimigos eram
caças vulneráveis; a Browning M1921
30
Warthunder 1280x1024 | 1920x1080
[PERFIL DE TANQUES] PzKpfw KV-1B 756(r)
24 junho - Autor: Jan "RayPall“ Kozák
No War Thunder, o PzKpfw KV-1B
756(r) é um tanque pesado alemão
Premium de Patente 3 e Classificação
de Batalha de 5.3. Por ser um veículo
Premium, ele vêm com todas as modificações já pesquisadas (incluindo a
munição).
Sua blindagem frontal tem 75 mm de
espessura inferiormente (inclinada
em 26º) e superiormente (inclinado à
30º), com uma placa de 40 mm inclinada em 72º entre elas. A blindagem
lateral não inclinada de 75 mm de
espessura, enquanto a blindagem
infero posterior possui 70 mm com
14º de inclinação (a superior a esta
possui 60 mm). Placas de 25 mm
adicionais foram aplicados às blindagens frontais inferior e superior,
totalizando 100 mm de blindagem.
Três outras placas de 25 mm protegem o anel da torre. A blindagem da
Pesando 47,5 toneladas, têm velocidade máxima de 37 Km/h, alcançada
em 15 segundos em superfície plana.
Possui rotação de torre de 12º por
segundo, e um tempo de recarga de
6.2 segundos com um carregador
completamente treinado.
31
torre tem 105 mm em todas as direções, com a mantlet do canhão
possuindo 50 mm de blindagem. A
cúpula do comandante possui uma
espessura de 50 mm em todas as
direções, e a blindagem no topo do
chassi têm 30 mm de espessura, e 40
mm no topo da torre.
mm (blindagem reta), 69 mm (à 30º)
e 39 mm (à 60º) respectivamente à
todas as distancias em troca de
velocidade do projétil. Como armamento secundário, o tanque é
equipado com uma metralhadora
coaxial MG 34 calibre 7.92 mm com
4350 cartuchos, enquanto a munição
para o armamento principal é 80
cartuchos.
Este tanque é às vezes apelidado
“Baby Tiger” apesar de ser basicamente um tanque soviético, o apelido
é apropriado. A blindagem frontal é
na verdade melhor que a do Tiger
(mesma espessura, mas inclinada em
30º), e quando angulada apropriadamente, pode ser muito resistente ao
fogo inimigo. Adicionalmente, a
transmissão montada posteriormente
significa que você não precisa se preocupar com o tanque sendo imobilizado devido a penetrações frontais.
Além disso, o desempenho da arma
KwK 40 é completamente adequada
em sua classificação de batalha, mesmo com a munição básica, já que
pode penetrar confiavelmente a maioria absoluta de sua oposição, e quando mirada em pontos fracos, ela
pode destruir qualquer tanque
inimigo que encontrar. Do mesmo
jeito que com o Tiger, não tenha a
impressão que você é invencível!
Tiros no flanco são extremamente
perigosos para você devido aos seus
tanques de combustível, grandes e
frágeis, ocupando o espaço atrás da
blindagem lateral, são propensos à
pegarem fogo ou explodir. O mantele-
Vista de Raio-X do PzKpfw KV-1B 755(r)
Em relação ao poder de fogo, o
tanque está armado com um canhão
de 7,5 cm KwK 40 L/48. Com a munição base Pzgr.39 APCBC, a uma
distância de 10 metros esta arma
penetra até 136 mm de blindagem,
123 mm contra uma blindagem a 30º
e 51 mm contra uma blindagem a 60º.
A 1000 m de distância, a penetração
diminui para 109 mm (blindagem
reta), 98 mm (a 30º), e 41 mm (a 60º)
respectivamente,
enquanto
na
distância máxima de 2000 metros, a
penetração é de 86 mm (blindagem
reta), 77 mm (a 30º) e 32 mm (a 60º).
Alternativamente, você pode usar a
munição Pzgr.40 APCR, permitindo
uma maior penetração à curtas e
médias distâncias (até 177 mm), mas
pior penetração em superfícies inclinadas e à maiores distâncias. O terceiro tipo de munição disponível é o
Hl.Gr.38B HEAT, capaz de penetrar 80
32
te do canhão possui somente 50 mm
de espessura, e apesar de ser um alvo
pequeno, mesmo armas pequenas
irão penetrar o local, incapacitando
sua tripulação e arma, ameaçando
ainda uma detonação de sua munição
armazenada na torre. Devido à isso, é
recomendado que você reduza sua
carga de munição antes de se juntar à
batalha para remover os cartuchos da
torre e diminuir as chances de uma
explosão da munição. Quando se
deparar com este tanque do lado
inimigo, é recomendado atirar na
janela de visão do motorista, pois lá
não se utiliza o aplique de 25 mm
extra.
armados com a nova arma de 7,5 cm
KwK 40 L/43. Este canhão era capaz
de penetrar a armadura frontal do KV1 em distâncias de combate, finalizando a superioridade soviética. Os
soviéticos responderam com várias
novas variantes do KV-1 em uma
tentativa de reforçar a blindagem
frontal (modelos 1941 e 1942), ou
para melhorar a mobilidade em troca
de blindagem mais leve (KV-1S). Apesar destas tentativas, o KV-1 começou
a ficar obsoleto, e eram gradualmente
removidos do serviço a favor dos
novos tanques pesados série IS com
armamento e blindagem melhores.
Com ótima blindagem, bom poder de
fogo para sua Classificação de batalha, e boa mobilidade para um
tanque pesado, o PzKpfw KV-1B
756(r) é definitivamente digno as GE
gastas e irá lhe oferecer um tanque
pesado agradável, garantindo um
ganho extremo de PP e SL devido a
ser premium.
Durante ferozes combates entre blindados na frente oriental, os alemães
foram capazes de capturar muitos KV1, a maioria abandonada pela tripulação devido a falhas mecânicas ou
danos sofridos em combate. Os
alemães eventualmente consertaram
estes tanques, pintaram com sua
camuflagem e foram usados contra os
soviéticos sob a designação PzKpfw
KV-1A 753(r) (para modelos 1941
capturados) ou PzKpfw KV-1B 755(r)
(modelo 1942). A maioria dos tanques
era utilizada com seu armamento
original, mas a decisão foi feita para
Quando o exército alemão encontrou
o tanque pesado soviético KV-1 em
1941 durante os estágios iniciais da
operação Barbarossa, tiveram uma
experiência chocante. Estes gigantes
soviéticos eram impenetráveis às
armas alemãs de 3,7 cm, 5 cm, e 7,5
cm de cano curto, enquanto o KV-1
despachava qualquer tanque alemão
à distância com facilidade. Mas a
maré mudou com o advento do
tanque médio PzKpfw IV Ausf.F2 e da
arma de assalto StuG III Ausf.F, ambos
33
modificar os KV-1 capturados instalando armas alemãs e outras modificações. O resultado foi designado
PzKpfw KV-1B 756(r) e foi baseado no
KV-1 modelo de 1942 com uma torre
fundida e apliques de 25 mm de blindagem. O canhão soviético de F-34 de
76,2 mm foi removido, e o canhão
alemão KwK 40 L/43 de 7,5 cm foi
colocado no lugar junto ao novo design de mantelete vindo do tanque
médio PzKpfw IV Ausf.G - isto mudou
significativamente o poder de fogo do
tanque. Outras mudanças incluíram a
cúpula do comandante, vinda do
tanque PzKpfw IV com uma escotilha
de duas partes, ventilador no topo da
torre retirada do tanque médio T-34
mod. 1942, e uma cesta de utilidades
no deque traseiro.
Somente um PzKpfw KV-1B 756(r) foi
produzido. Ele foi anexado ao 204º
Regimento Panzer, uma parte da 22ª
Divisão Panzer, e foi utilizado operacionalmente em 1943 na batalha de
Kursk. Seu destino é desconhecido.
Numa das atualizações futuras iremos adicionar o "Emblema da 22ª Divisão Panzer"
ao War Thunder:
Criado por Branislav "InkaL" Mirkov
34
No.1 Fighter Squadron, Irish Army Air Corps em Baldonnel, Irlanda.
Camuflagem criada por CmdNomad | Download
[FORÇAS AÉREAS] Corpo Aéreo Irlandês
25 junho - Autor: Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder
A origem da aviação militar na Irlanda
é sem igual. Quando o governo
britânico iniciou diálogos com o
Governo Provisório da Irlanda do Sul
em 1922, quando o líder revolucionário Michael Collins requisitou uma
aeronave para ser extraditado de
Londres pioraria o nível do diálogo. A
aviação irlandesa nasceu com a
compra de um único biplano Martinsyde Type A. Em junho de 1922 o
quartel general dos serviços aéreos
irlandeses em Baldonnel cresceu para
13 aeronaves e 14 pilotos. Em 1924 as
forças de defesa irlandesas foram
oficialmente estabelecidas.
Baldonnel, mas o comandante oficial
do aeródromo - o comandante James
Fitzmaurice - se juntou à tripulação
alemã em seu voo de 37 horas para a
Gronelândia. Durante o período entreguerras ocorreram mais desenvolvimentos do corpo de aviação irlandês quando, a partir da adoção
bem sucedida do esquema piloto
cadete, um esquema de garoto aprendiz foi introduzido para equipes
terrestres em 1936. No mesmo ano se
estabeleceram as linhas aéreas nacionais da Irlanda, Aer Lingus, que inicialmente compartilhava Baldonnel
com o Corpo de Aviação Irlandês.
Em 1928 o primeiro voo transatlântico de leste para oeste colocou a
aviação irlandesa no palco do mundo.
Não somente o voo foi lançado de
Com o início da guerra na Europa, a
Irlanda estava em posição favorável
de se manter neutra, apesar do estado de emergência ser declarado pelo
35
governo irlandês. O Corpo de Aviação
Irlandês foi encarregado de patrulhar
o espaço aéreo e linhas costeiras,
ciente do fato que as aeronaves
britânicas e alemãs se combatiam
somente a algumas dezenas de
quilômetros de distância. Na época a
aeronave mais moderna do Corpo de
Aviação Irlandês era o Gloster Gladiator, dos quais somente quatro foram
supridos pela Grã Bretanha. Outras
aeronaves incluíam o de Havilland
Dragon, Supermarine Walrus, Westland Lysander e o Avro Anson.
Aviação Irlandês começou a operar
seus primeiros Hawker Hurricanes
que, ao lado de seus Gladiators, foram usados para interceptar e abater
dezenas de balões de barragem que
se soltaram e voaram à deriva através
da Grã Bretanha e alcançaram a Irlanda.
Após a guerra, com o fim de embargos e menor necessidade de aeronaves militares pelo mundo afora, o
Corpo de Aviação Irlandês estava em
uma posição melhor para importar
aeronaves mais modernas. Hurricanes
foram substituídos por Supermarine
Seafires que foram aposentados da
marinha para economizar peso e em
1956 um treinador de Havilland Vampire se tornou o primeiro jato militar
irlandês. Após o inverno severo de
1962/63, foi adicionada uma divisão
para aviação de asas rotatórias com a
alocação de helicópteros Alouette III
para busca e resgate.
Air Corps Avro Anson C.19 em uso de
1946 a 1962
Após um período de expansão nos
anos de 1970, a capacidade principal
do Corpo de Aviação Irlandês se encontra em sua frota de asas rotatórias, aeronaves de transporte e
patrulha marítima.
Enquanto ingleses e alemães combatiam, 163 aeronaves estrangeiras
fizeram pousos forçados na Irlanda;
não somente isso criou cenários interessantes com tripulações britânicas e
alemãs sendo internadas próximas
umas da outras - as vezes em edifícios
adjacentes - mas também permitiu
equipes terrestres do Corpo de
Aviação Irlandês oportunidades para
criar métodos de arrumação e, em
alguns casos, capaz de voar e adicionados ao contingente do Corpo de
Aviação. Deste jeito, o Corpo de
36
Numa das atualizações futuras iremos adicionar as Roundela da IAC & o emblema do No. 1
Fighter Squadron IAC no War Thunder:
Decalques feitos por Colin 'Fenris' Muir
37
Wallpaper 1280x1024 | 1920x1080
[EVENTO] Blue on Blue
26 junho - Autor: Adam “BONKERS” Lisiewicz
Em 1917, as Forças Expedicionárias
Americanas lideradas pelo General
John Pershing chegou a França para
participar na luta contra a Alemanha
na Frente Ocidental da 1ª Guerra
Mundial. Foi aí, que os Americanos
viram pela primeira vez os novos
tanques leves Renault FT-17. Esta
máquina recolucionária foi vista como
perfeita para a nova Força de Tanques
Americana que estava prestes a ser
criada. Em 1918, graças a compra da
licença, os Americanos começaram a
produção em série do seu próprio FT17, conhecido como o M1917. Esta
máquinas, juntamente com os
tanques pesados Mark VII formariam
a espinha dorsal da Força de Tanques
Americana. No entanto em 1920,tudo
mudou. Com a aprovação do Acto da
Defesa Nacional, a ideia de produzir
um tanque pesado foi abandonada.
Em vez disso, os designs seriam para
ser um dos dois - um tanque leve de 5
toneladas e um tanque médio de 15
toneladas. Esta decisão abriu o caminho para inúmeros projectos, protótipos e modelos-piloto produzidos por
construtores Americanos, no entanto
o progresso era lento devido às gran-
38
des restrições de um pequeno
orçamento. Também, os conflitos em
relação ao devido uso dos tanques enquanto muitos oficiais acreditavam
que tanques deviam estar limitados a
papéis de suporte à infantaria, o General Douglas MacArthur, Chefe do
Executivo do Exército dos EUA, suportava a noção que os tanques deveriam ser usados pela cavalaria em ofensivas rápidas. Pelo facto de a Cavalaria
não poder usar “tanques” uma nova
definição para veículos blindados
surgiu - o “Carro De Combate”.
dagem era de apenas 16 mm. O Exército interessou-se primeiramente pelo
Carro de Combate T1 desenhado por
Walter Christie, mas decidiu mais
tarde não dar seguimento ao projecto. Os projectos de Christie foram,
no entanto, escolhidos pela União
Soviética, que então procedeu à produção da série de tanques BT. Nos
EUA, o Exército escolheu o protótipo
Tanque Leve T2 para ser produzido
em massa. Padronizado como M2, ele
viria a ser o tanque principal da era
pré-2ª Guerra Mundial.
Mesmo assim, os novos veículos estavam armados com metralhadoras de
caliblre .50 no melhor dos casos, que
os relegou a papéis de suporte à infantaria. A experiência da Guerra Civil
Espanhola ressoou pelo Executivo
Geral Americano, visto os relatórios
provarem, que um tanque deveria
estar armado com um canhão para
alcançar sucesso em batalhas contra
blindados inimigos. Isto preparou o
início do design to Tanque Leve M3.
Entratanto, o Exército Americano
rapidamente começou a modernizar
os seus Tanques Leves M2 para a
versão M2A4. Essa versão tinha uma
arma de 37 mm como armamento
principal, substituíndo a metralhadora
M2 .50 cal, e também uma amelhorada blindagem. Entretanto, o protótipo
T7, que se tornaria no Tanque Leve
M3, começava a ganhar forma. Os
testes confirmaram a prontidão do
veículo para combate, e foi enviado
para produção em série em 1941. O
novo Tanque Leve M3, apelidado de
Modelo FT-17
“Carros de Combate” nos termos
actuais podem ser dificilmente considerados como tanques – rápidos,
blindagem ligeira e armados com
armamento de baixo calibre. Em
1930, 2 projectos foram desenvolvidos em simultâneo para a cavalaria e
o exército – era suposto a Cavalaria
ser fornecida com o piloto T5, mais
tarde conhecido como o Carro de
Combate M1. Enquanto extramemente rápido (com uma velocidade máxima de 72 km/h em terra batida),
estava armado apenas com três metralhadoras (1 .50 cal. e duas .30 cal.)
e a sua espessura máxima de blin-
39
“Stuart” ou “Honey” pelos Britânicos,
iniciou combate em Novembro de
1941 no Norte de África. Aí no entanto,, ele sofreu grandes perdas e não
era do agrado dos Britânicos, principalmente pelo armamento. Os
tanques Stuart e M2A4 também participaram na Campanha do Pacifico,
combatendo nas Filipinas e em Guadalcanall – ai, no entanto, combates
entre tanques eram raros de se ver
devido ao terreno desfavorável. O M3
deu provas dele mesmo em Guadalcanal, largamente multiplicando o
poder de fogo usado contra os Japoneses pelos USMC. As críticas nivelaram e o M3 foi notado, e em pouco
tempo uma versão amelhorada to
tanque - o M5 - surgiu. Mesmo assim
a aparência do M5 não resolvia o
desatroso poder de fogo - o tanque
ainda era equipado com uma arma de
37 mm, que relegou o seu uso para
missões de reconhecimento e suporte
de infantaria. No entanto, um novo
tanque leve estaria brevemente a
caminho.
especificação para um novo tanque
leve. Ele teria como armamento uma
arma de 75 mm e estaria equipado
com o máximo possível de peças do
M5 para facilitar a manutenção. Em
1943, o protótipo T24 foi apresentado
e depois de mais testes, foi adoptado
pelo exército americano como o
Tanque Leve M24. A produção
começou em 1944, e pelo facto de
muitas Divisões Blindadas não terem
conseguido substítuir os seus M3 e
M5 antes do final da guerra, o M24 foi
usado mais tarde na Coreia, no entanto rapidamente provou ser inadequado contra os tanques médios T-34-85
usados pela Coreia do Norte. O M24
também participou em batalhas na
Indochina, onde foi usado pelos Franceses no cerco de Dien Bien Phu.
Mesmo antes da Guerra da Coreia, os
EUA já trabalham num substituto com
um design mais moderno. O protótipo
Tanque Leve T37 abriu o caminho
para o M41 Bulldog. A nova máquina
estava armada com um canhão de
alta velocidade de 76 mm, e era capaz
de disparar uma grande variedade de
munições, inclusive a Armor Piercing
Discarding Sabot (APDS). O Walker
Bulldog veio tarde para ver uma larga
parte da Guerra da Coreia, no entanto, ele participou na Guerra do Vietnam, onde foi usado pelo Exército do
Vietname do Sul como substituto do
M24 Chaffee. O Bulldog tinha
também os seus contras. Não era
económico a apenas um pequeno
número de aeronaves conseguiam o
transportar. O E´xercito Americano
tentou mais tarde criar novos tanques
Armoured Car М1
Baseado em relatórios de combate do
Norte de África, o Departamento de
Material Bélico depressa liberou uma
40
para substituir o M41 - principalmente o T71 e o T92 – mas esses designs
nunca ultrapassaram a fase de protótipo.
éticos.Depois de longos testes e constantes mudanças nos designs, o novo
tanque foi posto em serviço em 1967,
sobre o nome de M551 “Sheridan”.
Ele depois participou na Guerra do
Vietname, apesar de as tripulações
nunca terem disparado uma ATGM
sobre o inimigo devido ao carácter de
suporte de infantaria da sua missão.
Os Sheridans a combater no Vietname
sofreram bastantes perdas devido a
minas anti-tanques, que facilmente
abriam o chassi em alumínio do
Sheridan. Depois do Vietnam, o
Sheridan foi usado pelo Exército Americano na Operação Just Cause (Causa
Justa), tal como também na Guerra do
Golfo. Os últimos Sheridans foram
removidos do inventório em 1996.
Actualmente, o M2 Bradley IFV e o
M1128 Stryker MGS preenchem os
lugares normalmente ocupados por
tanques leves no Exército Americano.
М3A1 em Guadalcanal
A aparição do tanque médio T-54
rapidamente fez surgir a questão
sobre o melhoramento da arma do
M41. No entanto, uma enorme quantidade de novos designs fez com que
o Departamento de Material Bélico
cancelasse os planos de melhoramento da arma do M41. Em vez disso, um
novo tanque leve seria desenvolvido.
Depois de quase uma década, um
novo design da Cadilac capturou a
atenção dos Americanos. Apelidado
de XM551, o novo tave tanque viria a
ser armado, não com o convencional
canhão de alta velocidade, mas uma
arma de cano curto de 152 mm, capaz
de disparar as MGM-51 Shillelagh
ATGM. Deste modo, o novo tanque
teria uma chance em combate contra
os tanques principais e pesados Sovi-
М24 Chaffee
41
T49
Numa das atualizações futuras iremos adicionar o emblema "Wolfpack" do 15th Tank
Battalion, 6th Armored Division no War Thunder:
Decalque feito por Branislav "InkaL" Mirkov
42