Kung Fu - Revista Master

Сomentários

Transcrição

Kung Fu - Revista Master
EDITORIAL
S
im, 2015 foi um ano difícil para o Brasil. A crise política afetou todos os campos, só não
nosso comprometimento com as artes marciais. Em 49 anos de vida, 17 deles dedicados à
produção de livros e revistas sobre este assunto, pude constatar que é nesse tipo de situação que crescemos.
Ao longo da história, as artes marciais sofreram com preconceito e consequentemente
com falta de visibilidade, mas nem por isso deixamos de acreditar em seu poder transformador. Foi justamente por essa razão que nunca desisti, a ponto de ter editado mais de 1 milhão de
exemplares de revistas e livros com distribuição nacional e repecussão internacional.
Nesta primeira edição do ano, além da minha história, convido você a saber a importância do
Open Internacional de Taekwondo, que reuniu os maiores nomes da modalidade no Rio de Janeiro, e
o Kukkiwon, o quartel-general do desporto.
Um ponto que a Master gosta de pautar é a motivação. E um dos exemplos disso no Brasil é o mestre Daniel Lucena, que fez da pequena Santa Isabel, no interior de São Paulo, um celeiro de eventos. O
secretário de esportes está entre os idealizadores da Homenagem Esportiva, que em 2015, levou atletas, professores, mestres e personalidades midiáticas à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.
No início de um novo ano é impossível não fazermos uma retrospectiva,
uma espécie de balanço para as entidades. E o que não faltou para a Federação
do Estado de São Paulo de Taekwondo (FESPT) e Confederação Brasileira de
Muaythai Tradicional (CBMTT) foi motivo para comemorar.
A FESPT, por exemplo, completou três anos de atuação, e a CBMTT festejou
uma década de descentralização.
Este ano, queremos estar mais perto de você. Já é possível assinar a Master.
É bem simples, basta acessar a Bueno Shop ou via Facebook (revista Master).
Venha para o nosso time e vamos evoluir juntos. Feliz 2016!
SUMÁRIO
Fábio Bueno
FIQUE POR DENTRO Homenagem Esportiva 2015 consagra grandes nomes na ALESP 04
Fábio Bueno comemora a marca de mais de 1 milhão de exemplares06
FILOSOFIA
Quem são os Sete Deuses da Sorte?
08
Animais inspiram movimentos marciais 09
CADERNOS 12
Hung
Gar
carrega
tradição
e
filosofia
10
KUNG FU |
KARATE | Integrantes da Shinshukan se reúnem com Paulo Skaf (FIESP)11
Armas de Okinawa eram supremacia ao povo11
EVENTOS | Copa da Amizade de Kung Fu & Desafio de Campeões12
HAPKIDO | Hapkido faz resgate social de crianças e adolescentes14
FIQUE POR DENTRO | Cubatão brilha no Sul-Americano de Kickboxing15
JUDÔ | Campeonato Paulista de Judô Sênior Fase final movimenta o ginásio Adib Moysés Dib 16
TAEKWONDO | Brasil domina e vence o Open Internacional Cidade Maravilhosa de Taekwondo
20
FESPT comemora três anos com a confiança de filiados 24
Kukkiwon - Academia Mundial do Taekwondo enaltece o setor técnico 27
Mestre Marcos Starling inaugura academia em Lagoa Santa/ MG
32
PERFIL | Max Quevedo fecha temporada com títulos, homenagens e seminários33
MUAYTHAI | Muaythai brasileiro é revolucionado com CBMTT34
PERFIL | Crispim Siva | João Ronaldo
36
Fight Night 1º Torneio de Muay Thai Asiático37
Cinthia Fonseca é a força da mulher no Muay Thai 38
HOMENAGEM | Kazunori Yonamine 39
CAPA | Daniel Lucena investe no fomento do esporte brasileiro 40
ARNIS KALI | arte filipina de combate com armas
43
DEFESA PESSOAL | Por que é importante aprender Defesa Pessoal? 44
PERFIL | Taylor Lima se prepara brilhar nas telas de cinema
45
ENTREVISTA | Erich Luiz Meirelles
46
SAÚDE ESPORTIVA | Estilos de Seitai
47
Associação Brasileira de Qigong para Saúde promove práticas corporais chinesas 48
KICKBOXING | Aprimoramento faz a diferença nas artes marciais 50
HOMENAGEM | Kazunori Yonamine 52
A Revista MASTER é uma publicação da Bueno Editora. A revista não
se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados ou pelos
serviços e produtos apresentados pelas empresas que anunciam, os quais
estão sujeitos às normas legais e o Código de Defesa do Consumidor. As
informações contidas nas matérias não substituem, em hipótese alguma,
a visita regular ao médico ou profissional especializado. Somente estes
profissionais estão aptos a fornecer o melhor diagnóstico e tratamento
para a solução de cada caso em particular. O conteúdo dos artigos
publicados não reflete necessariamente o ponto de vista da Bueno Editora,
sendo de inteira responsabilidade dos entrevistados e colaboradores,
assim como a veracidade dos fatos apresentados e o material fotográfico
enviado pelos mesmos. A Revista MASTER reserva o direito de editar os
textos fornecidos pelos colaboradores para adequar ao perfil da editora.
BUENO EDITORA
Av. Dr. Bernardino de Campos, 338 A Conj. 22
Santos/SP CEP 11065-000 Tel. (13) 3345 3241
[email protected]
www.buenoeditora.com.br
Diretor Geral:
Fábio Amador Bueno
[email protected]
Editora Chefe:
Elaine Ferreira
[email protected]
Jornalista:
Girliani Martins
[email protected]
Diagramação e arte:
Alan Emerson Silva e Felipe Bueno
Colunista de Filosofia Marcial
e Terapias Holísticas:
José Augusto Maciel Torres
[email protected]
Publicidade:
Tel.: (13) 3323 0467
[email protected]
Foto da Capa:
Alan Emerson Silva
Colaboram nesta edição:
Confederação Brasileira de Taekwondo,
Confederação Brasileira de Judô, Confederação
Brasileira de Muaythai, Federação Paulista de Judô,
Federação do Estado de São Paulo de Taekwondo,
Luiz Rodolfo de Aragão Ortiz.
OPERAÇÃO EM BANCAS:
Assessoria: Edicase/ www.edicase.com
Distribuição exclusiva em bancas:
FC Comercial e Distribuidora S/A.
Impressão: Vox
Contatos com a redação:
[email protected]
Venda de exemplares:
www.buenoeditora.com.br/shop
[email protected]
FIQUE POR
POR DENTRO
DENTRO
FIQUE
Homenagem Esportiva 2015
consagra grandes nomes na ALESP
Casa da democracia também foi palco do lançamento da 7ª edição do livro
Grandes Mestres das Artes Marciais do Brasil
U
m dos momentos mais aguardados na carreira de qualquer profissional ligado ao desporto é ser reconhecido. Em 28 de agosto
de 2015, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), atletas, técnicos,
artistas marciais e demais personalidades
do segmento receberam a Homenagem Esportiva 2015.
Há três anos, a premiação valoriza nomes das artes marciais, atletas paralímpicos, praticantes de Vôlei, Futebol, Natação e de outras modalidades.
Neste ano, a solenidade realizada no Auditório Franco
Montoro homenageou mais de 600 profissionais. Antes da
cerimônia, o público prestigiou uma série de palestras. A primeira a subir no púlpito foi a psicóloga esportiva, doutora e
jornalista, Katia Rubio, que discorreu sobre o legado olímpico. Em seguida, vieram o representante da Fundação Casa,
Robson Leite Gonçalves, com o tema inclusão social, o presidente do Instituto Brasileiro de Artes Marciais Chinesas, Dr.
Gilberto Cabral, que falou sobre os benefícios obtidos com
o esporte, e o sensei Paulo Duarte, exemplo de superação
e um dos maiores nomes do Judô no Brasil. Sob sua tutela,
vários jovens foram descobertos e lapidados, incluindo os
medalhistas Rogério Sampaio, Leandro Guilheiro, Daniele
Sangrando e tantos outros.
Após um intervalo, foi dado início a Homenagem Esportiva e ao lançamento do livro Grandes Mestres das Artes Marciais do Brasil. Na mesa de honra, estavam os idealizadores
da premiação, o parlamentar Luiz Carlos Gondim (deputado
estadual), o representante do deputado federal Roberto de
Lucena, Daniel Lucena (secretário de esportes de Santa Isabel) e Fábio Bueno (Bueno Editora).
4
| FIQUE POR DENTRO | REVISTA MASTER
Eles receberam os grão-mestres Hong Soon Kang, Hee
Kwan Lee e José Augusto Maciel Torres, assim como os representantes do secretário estadual de esportes, Jean Madeira,
e da cidade de São Paulo, Celso Jatene.
Gondim abriu a solenidade ressaltando o papel de atletas e técnicos na construção de uma sociedade mais justa e
saudável. Em seguida, os mestres de cerimônia entregaram
medalhas personalizadas e diplomas. Alguns foram reconhecidos ainda com os títulos de Mestre e Doutor Honoris Causa
em Artes Marciais.
A confraternização contou com representantes de vários
estados, entre eles, Rio de Janeiro, Amazonas, Paraná, Rio
Grande do Sul, Bahia, Goiás, Santa Catarina e São Paulo.
O grão-mestre em Hapkido, Hee Kwan Lee, veio diretamente dos Estados Unidos para o evento. Na ocasião, uma comissão de paratletas de Santa Isabel exemplificou o poder transformador do esporte e, é claro, emocionou a todos.
Nesta edição, alguns dos precursores das artes marciais
foram homenageados, como o Hong Soon Kang, Song Un
Kim, Sang Min Cho, Yong Min Kim, Ryuzo Ogawa (in memoriam), Matsuo Ogawa (in memoriam), Flavio Molina (in memoriam), Kun Mo Bang, Chan Kwok Wai, Álvaro de Aguiar,
Wellington Narany e Yeo Jin Kim, e também professores e
mestres, entre eles, Milton Corrêa, Hatiro Ogawa, Hitoshi
Ogawa, Paulo Duarte, Francisco Carvalho Filho (Chico do
Judô), Flavio Joo Bang, Carlos Fernandes e Paulo Zorello,
além da jornalista Lucilene Caetano, do lutador de MMA Felipe Sertanejo, entre outros.
Durante a solenidade do lançamento do livro Grandes
Mestres - 7ª edição, que rendeu muitos elogios, especialmente por proporcionar uma noite memorável.
Hee Kwan Lee
Regina Lacerda
Paulo Duarte
Grão-mestre de Hapkido • 9º Dan
Michigan/ EUA
Prefeita Regional de Brasília
Brasília/ DF
Sensei de Judô Santos/ SP
Felipe Sertanejo
J. R. R. Abrahão
Oberdan Alvares
Chang Kyu Lee
Atleta de M.M.A./ UFC
São Paulo/ SP
Comendador Prof. Dr. Ph.D. 5º Dan
Goshin-Jitsu | 4º Karate Shotokan
Mestre de Hapkido/ TKD
5º Dan
Representante de FURNAS/ RJ
Grão-mestre de Taekwondo 7º Dan
Rio de Janeiro/ RJ
Robson Maciel
Alex Marques
Max Quevedo
Professor de Karate Shotokan 5º Dan
4º Dan Goshin Jitsu - São Paulo/ SP
Professor de Taekwondo
Suzano/ SP
José A. M. Torres
Diretor da FACEI
Mestre de Karate
7º Dan
Kátia Rubio
6º Dan
3º Dan
Dra. em Psicologia do Esporte/ USP
São Paulo/ SP
Grão-mestre de Taekwondo 7º Dan
Capão do Leão/ RS
Antônio Altmeyer
Fernando Garcia
Mestre Kung Fu, Instrutor Chefe
Krav Maga RC/ RS
Mestre de Muay Thai, Instrutor Chefe
Camboriú/ SC
Taylor Lima
Israel Cruz
Mestre de Kung Fu
Rio Claro/ SP
Mestre de Muay Thai
São Paulo SP
Fábio Bueno, Luiz Carlos Gondim e Daniel Lucena
Os educadores marciais sentiram o carinho do público,
posaram para fotos e distribuíram autógrafos. Posteriormente, se dirigiram à mesa para receberem medalhas personalizadas e diplomas.
Alessandro Puglia, Robson Maciel, Gilberto Seon, Marcos
Starling e Song Un Kim foram alguns dos contemplados.
O livro Grandes Mestres há sete anos se propõe a resgatar a essência das modalidades e a apresentar as biografias
de educadores marciais. A 7ª edição está disponível na loja
virtual da Bueno Shop (www.buenoeditora.com.br/shop).
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
5
FIQUE
POR
DENTRO
FIQUE
FIQUE POR
POR DENTRO
DENTRO
Da
Fábio
redação
Bueno
Daredação
Redação|| Fotos:da
Alan
Emerson
Fábio Bueno comemora a marca de mais de
1 milhão de exemplares
de revistas e livros sobre artes marciais
À frente da Bueno Editora,
pretende fortalecer os laços
com federações e demais
entidades
Coleção Artes Marciais, 17 volumes, distribuídos no Brasil e em Portugal. A obra foi um sucesso, tiragem esgotada e reimpressão
6
| FIQUE POR DENTRO | REVISTA MASTER
R
econhecido por onde passa, Fábio Bueno sabe bem
o significado da palavra luta. Aos 49 anos, é o editor
de livros e revistas marciais que está há mais tempo
no mercado. São 17 anos de muitas matérias, diagramações e fotos, e mais de 1 milhão de exemplares
distribuídos nas bancas e livrarias do Brasil.
Se, em 2015, as artes marciais vivem um momento de efervescência e são oferecidas em academias de todo o país, na década
de 90, época em que Fábio iniciou, o contexto era outro: ligado à
violência e preconceito.
Nos anos 1970, quando o mestre Emerson Bernardo criou os
primeiros títulos, no Rio de Janeiro, o mercado era ainda mais fechado. As publicações traziam mais artigos que matérias, pelo fato
de não existirem colunistas marciais. Vários, deles, eram, inclusive,
traduzidos do inglês para o português.
Com a implantação do Taekwondo, Muay Thai e do Kickboxing
no Brasil, o segmento arrematou novos praticantes. Em 1978, a revista Do, editada pelo mestre Woo Jae Lee, aumentou a divulgação
e trouxe na capa de estreia o mestre Hong Soon Kang.
Entre 1980 e 1990, surgiram outros títulos e livros, como
Combat Sport, Kiai e Top Fight, com conteúdo sobre Kung Fu, Hapkido, Karate e outras modalidades.
Nessa fase, Fábio Bueno já atuava em um estúdio que atendia
algumas editoras do país, como a Escala, Naquela época, ele produziu revistas sobre ecoturismo, informática, pesca esportiva e etc,
No final dos anos 1990, seu então editor-chefe, Fábio Kataoka, faixa
preta de Karate, identificou a ausência de títulos dedicados às artes
marciais nas bancas e pelo fato de Bueno ter afinidade com o tema
por ter praticado Full Contact e Taekwondo, lhe confiou a missão
de criar uma revista. Nascia assim, em 1998, a Inside Kumite, pela
editora Millennium, com 25 mil exemplares, distribuídos bimestralmente em todo o Brasil.
O título só permaneceu na ativa durante um ano
e teve seis edições. De acordo com Fábio Bueno, não
durou muito por conta de falhas editoriais.
Kataoka e Bueno lançaram uma nova revista, desta vez por outra editora, totalmente reestruturada e
com ênfase nas artes marciais tradicionais. Foi a vez
da Fighter Magazine invadir o cenário impresso. A
revista fez um grande sucesso e durou mais de seis
anos e 21 edições, todas com 25 mil exemplares.
Com a Fighter, o editor ganhou notoriedade e o
respeito de professores e mestres. Logo em seguida,
produziu a Shaolin Gong Fu, Coleção Defesa Pessoal,
Coleção Artes Marciais, lançada pela Editora Online
no Brasil e na Europa. Esta série fez tanto sucesso
que se esgotou rapidamente, a ponto de ter sido
reimpressa e redistribuída.
Em meados de 2000, como colaborador da Escala, fez vários livros. Em 2009, após tantos anos atuando em São Paulo para conglomerados, identificou que havia chegado o momento
de abrir seu próprio escritório. A decisão teve o apoio da esposa,
Elaine Ferreira, que havia acabado de deixar a gerência de um banco e assumiu a sociedade da empresa.
A Bueno Editora foi fundada em Santos, no litoral sul de São Paulo, com o objetivo de ser referência na produção de livros e revistas
de artes marciais no Brasil e em serviços de design, assessoria de
mar­keting e imprensa.
A Master, uma das primeiras apostas, se conceituou como a
única revista no Brasil que aborda as principais modalidades. Suas
capas já foram estreladas por Fábio Goulart (Taekwondo), Lyoto
Machida (Karate e MMA), Victor Penalber (Judô), Rosicleia Campos
(Judô), Natália Falavigna (Taekwondo), Tainara Lisboa (Muay Thai),
entre outros.
“
Ainda em 2009, o diretor da Bueno ousou ao colocar à venda
um livro inédito de biografias sobre artistas marciais, o Grandes
Mestres das Artes Marciais no Brasil. “O GM Carlos Silva e o Dr. José
Augusto Maciel Torres me mostraram livros de grandes mestres
editados nos Estados Unidos, e sugeriram produzir uma obra semelhante por aqui. Tive que reformular todo o modelo para adaptar a
nossa realidade”, conta.
Hoje, a obra é referência nacional e já foi enviada
para mais de 20 países por intermédio de seus participantes. São sete edições e mais de 700 biografados.
Para 2016, o autor pretende aumentar este número,
uma forma de continuar homenageando grandes nomes e tirar mais educadores do anonimato, dando-lhes o devido reconhecimento.
O diretor da Bueno também continuou colaborando com outras editoras, produzindo a Roteiro do
Pescador e a Octagon Magazine (MMA) para a Fontana, e a Almanaque Brasileiro de Tatuagem para a
Escala, etc.
Em 17 anos de labuta, teve cerca de 20 títulos entre revistas e livros de artes marciais. Sempre envolvido com algum projeto, Bueno, como é chamado, não
tinha se dado conta da marca impressionante que alcançou. “Estive por anos focado no trabalho, quando
parei para fazer as contas, me deparei com números que eu nem
imaginava. Se somarmos todas as tiragens das revistas e dos livros,
ultrapasso com facilidade a casa de 1 milhão de exemplares distribuídos nas bancas e livrarias do Brasil. Muita gente me aborda nos
eventos e comenta que possui minhas revistas e livros guardados
com carinho, e que iniciaram a vida marcial por influência delas.
Isso é muito gratificante”, fala.
Há sete anos com a Bueno Editora, está dedicado a fortalecer
os laços com federações e demais entidades. “Nossos produtos estão em constante evolução. A Bueno Editora não é uma simples
produtora de livros e revistas, oferecemos assessoria de marketing
e temos ferramentas para que as confederações, federações, mestres e professores cresçam e atinjam seus objetivos”, conclui.
Estive por
anos focado
no trabalho,
quando parei
para fazer as
contas, me
deparei com
números que
eu nem
imaginava
”
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
7
Da Redação
CULTURA & FILOSOFIA
Quem são os Sete Deuses da Sorte?
Figuras religiosas estão associadas à felicidade, longevidade, alegria, honestidade,
prosperidade, saúde e à beleza.
A
A deusa Benzaiten é a única mulher no grupo e remete
à arte, à saúde e à beleza. Nas
imagens, sempre está com um
instrumento musical e acompanhada de uma ou mais serpentes brancas. Os japoneses
até acreditam que sonhar com
serpente branca é sinal de boa
sorte.
Reprodução
cultura japonesa é rica em gastronomia, filosofia,
artes marciais e, é claro, em religiosidade, tendo influências do Hinduísmo, Taoísmo e Budismo, sendo
esta a opção de 84% da população.
As divindades estão muito presentes no cotidiano do povo e sete deuses, em si, simbolizam
esta expressividade.
Os Sete Deuses da Sorte, como são chamados, costumam ser
representados em forma de estátuas, miniaturas ou gravuras.
O número 7 é muito simbólico para os nipônicos, pois de acordo com o Budismo, para alcançar a iluminação espiritual, a alma
precisa reencarnar sete vezes. Após um falecimento de um ente
querido, o período de luto também deve ser de sete semanas.
Os Sete Deuses são Benzaiten, Bishamonten, Daikoku, Ebisu,
Fukurokuju, Hotei e Jurojin. De todos eles, apenas Ebisu é considerado japonês, o restante é da Índia ou China.
A origem deles é incerta, mas há pesquisas que indicam que
tudo começou no Período Muromachi, instaurado entre 1336 e
1573, com a unificação das cortes de Quioto e Yoshino.
Ebisu é o deus da sinceridade e está associado à
honestidade e ao trabalho.
Sua figura é de um pescador, devido a isso foi escolhido para protegê-los.
Reprodução
Reprodução
Figura alegre, Daikoku é
sempre lembrado pela prosperidade e riqueza. Muito popular entre os agricultores japoneses, protege as colheitas,
trazendo fartura às famílias.
Reprodução
Um dos quatro guardiões
do Budismo, Bishamonten,
é o deus dos guerreiros. Por
isso, é representado com armadura e lanças. Os samurais que queriam ganhar uma
batalha, dirigiam preces a ele.
Acredita-se também que tem
poder de cura.
Reprodução
Reprodução
O alegre Hotei é o deus
da generosidade humana e
da benevolência. O contentamento pelas coisas simples da
vida é a sua marca registrada.
Reprodução
Felicidade, longevidade e
sabedoria são
regem
as palavras
Fukurokuju.
que
regem Fukurokuju.
Especula-se
que quem
Especulaganha
-se que
uma
estatueta
quem ou
ganha
pintura
umadele
estatuetaa ou
tende
ficar
pintura
popular
dele
e atende
viver
a ficar popular e a viver mais.
mais.
Jurojin é o deus da felicidade, da alegria e da
longevidade. Se parece
bastante com Fukurokuju.
Segundo a crença, só permite que a morte se aproxime quando a pessoa está
preparada para evoluir espiritualmente.
Os Sete Deuses reforçam a espiritualidade e a fé, combustíveis que impulsionam os japoneses e outros povos ao redor do mundo.
8
| CADERNO DE FILOSOFIA | REVISTA MASTER
Da Redação | Fotos: reprodução
Animais
inspiram
movimentos
marciais
Comportamento originou
diversos estilos e ultrapassou
as barreiras da natureza
A
o longo do tempo, o vínculo do ser humano com
os animais não despertou somente características como lealdade, solidariedade e amor, mas
instinto e força.
Centenas de estilos, sobretudo, chineses, basearam-se no comportamento animal. Quando
se fala nisso, a primeira modalidade que vem
a mente é o Kung Fu, porém, há outras, como
Kenpo e o Silat.
O Pencak Silat, natural na Indonésia, se desenvolveu com a observação de vários animais,
como o macaco, a águia e o tigre.
O Kenpo indiano evoca os
animais e os ritmos da natureza. Alguns de seus movimentos
mais famosos são o da serpente, garça e do gato,
que desenvolvem a agilidade, a força e a atenção.
No Kung Fu, o tigre é cultuado pelo poder das
garras, coragem e destreza. Este estilo fortalece
os ossos, as articulações, tendões, costas e coluna vertebral.
O estilo da garça se inspira em sua paciência,
concentração e foco, e o da serpente deriva da velocidade e observação. O dragão e o leopardo, por sua vez, combinam beleza, agilidade e imponência.
De um modo geral, a observação desse comportamento esmiuçou a relação entre homem e animal.
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
9
Da Redação| Fotos: Reprodução
KUNG FU
Hung Gar
carrega tradição e filosofia
Sistema chinês tem discípulos no mundo inteiro. Por aqui, representante oficial em
São Paulo é o Shifu Ricardo Sobreira.
Lam Sai Wing
Lam Jo
Kung Fu tem muitas ramificações, a exemplo o
Hung Gar, desenvolvido no século XVII. Como todos os estilos, sua história é baseada por meio de
árvore genealógica.
Após o ataque que resultou na destruição do Templo Shaolin, alguns monges sobreviveram, sendo um deles chamado
Gee Sin See, que teve como discípulo o rebelde Hung Hei Kung, sob
a tutela de seu mestre, treinou e desenvolveu as técnicas Shaolin,
devotando sua vida lutando contra os manchus.
Depois de ter fugido para o sul da China, Hung Hei Kung adaptou
o estilo para as condições climáticas e geográficas da região. O nome
da vertente foi mudado para Hung Gar com o objetivo de esconder
suas origens, pois aquele que fosse pego praticando o sistema Shaolin era prontamente executado.
Tempos depois, com o fim da proibição da prática Shaolin, Hung
Hei Kung abriu uma escola de Kung Fu em Cantão, sul da China. Posteriormente, recebeu como discípulo o irmão mais novo, Luk Ak Choy
(perito no Shaolin dos cincos animais). Juntos, haviam treinado o abade Gee Sin See.
Por ocasião do destino, mestre e discípulo se separaram e Luk
Ah Choy abriu a própria escola. Seus dois melhores discípulos foram
Wong Tai e seu filho Wong Kai Wing, os dois possuíam grande habilidade ao dominar as técnicas do Hung Gar.
Nos últimos 100 anos, em Cantão, existiram 10 grandes mestres
que se destacaram por suas habilidades inigualáveis. Por conta de a
grande fama, chegaram a ser conhecidos como “Os Dez Tigres De
Cantão”, entre eles, cinco eram mestres de Hung Gar. Desses, o mais
conhecido e habilidoso chamava-se Wong Fei Hung (filho de Wong
Kai Wing), conhecido como o pai do Hung Gar Moderno.
Devido à bondade, generosidade, grande habilidade em artes
marciais e medicina, era querido e respeitado.
Wong Fei Hung modificou o Hung Gar, desenvolvendo técnicas
poderosas e incorporando-as ao estilo. Um de seus maiores legados
é o Fu Hok Seung Ying. Mais tarde, levou o Hung Gar para Hong
Kong e lá treinou muitos alunos habilidosos, como o açougueiro
Lam Sai Wing, um dos melhores artistas marciais da época, que
enfrentou vários desafios feitos ao seu mestre, tornando-se uma
figura muito conhecida.
Lam Sai Wing teve muitos alunos, como seu sobrinho Lam Jo, que
herdou todo o seu legado. É considerado o último dos grandes mestres de sua geração.
10
| CADERNO DE KUNG FU | REVISTA MASTER
Li Hon Ki
Ricardo Sobreira
Usando seu vasto conhecimento, aprimorou e enriqueceu ainda
mais o Hung Gar, adicionando várias técnicas e toi tchás (luta combinada) com armas, tendo assim poder e estabilidade e a estabilidade
com a rapidez e mobilidade.
Com a nova caracterização, o Hung Gar da Família Lam Jo tem
o aspecto de firmeza, velocidade, explosão e flexibilidade, contudo,
combina grande beleza harmônica (em conjunto).
Motivado pelo grande sucesso do trabalho, formou professores
e mestres, que se espalharam pelo mundo transmitindo seus ensinamentos. Um deles é o grão-mestre Li Hon Ki, que chegou ao Brasil
em 1979, sendo o introdutor oficial do Hung Gar na América do Sul.
Além de artista marcial, foi lutador profissional, ator, diretor, dublê e roteirista em diversos filmes na China. Nesse período trabalhou
ao lado de grandes nomes das artes marciais, como Bruce Lee, Jackie
Chan, Sammo Hung, Lau Kar Leung, Gordon Liu, entre outros.
Além de Hung Gar, também é mestre em Wing Chun e Tai Chi
Chuan, assim como PhD em Medicina Tradicional Chinesa. Atualmente, viaja por toda a América do Sul ensinando seus alunos com
muita dedicação.
No Brasil, um de seus discípulos é o shifu Ricardo Sobreira, representante oficial em São Paulo. O shifu iniciou seu treinamento de
Kung Fu Hung Gar em 1997. A partir de 2002 passou a treinar diretamente com o grão-mestre Li Hon Ki, formando-se
Gee Sin See
em 2004 e o seguindo até os dias atuais.
Hung Hei Kung
Participou de inúmeros eventos (competições
Luk Ak Choy
de lutas e taolu), conquistando vários títulos, o
respeito de grandes mestres, professores e tamWong Tai
bém de seus alunos, por sua cordialidade e total
Wong Kai Wing
dedicação às artes marciais. Shifu Ricardo treina
Wong Fei Hung
dedicadamente para desenvolver ao máximo seu
Lam Sai Wing
conhecimento dentro do Hung Gar. Ensina seus
Lam Jo
alunos com toda a qualidade, mantendo a essênLi Hon Ki
cia, tradição, filosofia e respeito aprendidos com
seu mestre.
Ricardo Sobreira
Associação de Artes Marciais Ricardo Sobreira
www.equipericardosobreira.blogspot.com
[email protected]
Facebook: Shifu Ricardo Sobreira
(11)2772-7666 | (11) 95192-6518
PUBLIEDITORIAL
O
Lam Sai Wing
KARATE
Por Luiz Rodolfo de Aragão Ortiz
Armas de Okinawa
deram supremacia
ao povo
Técnicas de autodefesa foram aprimoradas
com ferramentas agrícolas e outros utensílios
T
Da Redação | Foto: Fábio Bueno
Integrantes da Shinshukan
se reúnem com Paulo Skaf,
presidente da FIESP
C
onciliador e defensor de condições de igualdade, o paulistano Paulo Skaf se enquadra perfeitamente no perfil da Escola
Shinshukan. Em 2013, ao conhecer a história de um jovem
atleta que não tinha recursos para competir no exterior, o presidente da Federação da Indústria do Estado de São Paulo (FIESP) e
do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), do Serviço
Social da Indústria (Sesi-SP), não ficou de braços cruzados e decidiu
ajudá-lo, implantando o Karate no programa Atleta do Futuro, na
unidade de Santos.
Começava aí sua ligação com a “arte das mãos vazias”. Bem-sucedida na Baixada Santista, a modalidade também foi inserida
no Sesi de São Paulo, reafirmando o compromisso do empresário
com o esporte e associações.
No dia 1 de dezembro, na sede da FIESP, Paulo Skaf se reuniu
com o grão-mestre Masahiro Shinzato e com representantes da Escola Shinshukan, incluindo o diretor-executivo Mistuhide Shinzato,
o doutor Gabriel Hush e o sensei Gilson Nunes. O encontro teve
ainda a participação do editor da revista Master, Fábio Bueno. A
comitiva, ciente de suas realizações, teceu agradecimentos e o homenageou com a faixa preta 2º dan social em
.
O presidente Paulo
Skaf, por meio da diretoria de bem-estar e qualidade de vida, tem exercido papel fundamental no
aspecto social da modalidade em todo o estado.
O Juiz Desembargador
João Cláudio Caldeira,
presente na reunião, é
um ilustre praticante
de Karate, foi um dos
primeiros alunos da
Academia Shinshukan,
em Santos/ SP, matriculado no ano
de 1962.
oda modalidade de caráter filosófico carrega sua história,
e o Kobu-Do, termo em japonês que significa “arte marcial
antiga”, está intrinsecamente ligado à história de Okinawa,
hoje um estado do Japão, onde é ensinado tradicionalmente técnicas com armas rústicas de madeira e metal, repassadas de geração
para geração, de mestres para discípulos em vários países.
Em Okinawa quase todos os documentos que comprovariam detalhes da história desta arte foram destruídos em combates, incêndios e bombardeios no decorrer da Segunda Guerra Mundial. Um
grande desenvolvimento das artes de combate em Okinawa ocorreu
na memorável “Idade Dourada do Comércio”, quando a ilha de Okinawa virou palco do Reino RyuKyu e unificada por Sho Hashi.
Em ascensão econômica, o local virou alvo de grupos invasores. Para conterem essa ameaça, os nativos tiveram que aprimorar suas técnicas de autodefesa. Uma lei que proibia o uso de
armas deixou os okinawanos indefesos contra ataques de samurais japoneses, desta forma se protegendo apenas com punhais
e ferramentas de trabalho do campo, de maneira improvisada. O
Karate-Do (To-De) e o Kobu-Do (Ti-Gua), artes marciais originárias
de Okinawa, se desenvolveram bastante nessa época de dificuldade. As práticas com o Boo (bastão utilizado fundamentalmente
para pendurar potes de água nos ombros) foram essenciais para
que se protegessem dos agressores.
Inicialmente, as armas eram ferramentas de agricultores, como
o Nunchaku (utilizado para amassar milho), a Tonfa (utilizada para
amassar trigo e segurar panelas na parede) e o Kama (utilizado
para cortar grama e legumes).
No início do século XX, Okinawa passou a incorporar o Karate-Do e Kobu-Do no sistema de educação pública. Essa modernização
contribuiu para a divulgação dessas artes marciais, apresentadas ao
público por meio de demonstrações em todo o Japão continental,
e de lá, para o mundo. No Brasil, um dos primeiros introdutores do
Karate-Do e Kobu-Do foi o grande mestre Yoshihide Shinzato (in memoriam), que deixou Okinawa, em 1954, e se estabeleceu em Praia
Grande, no estado de São Paulo, quando iniciou os ensinamentos em sua própria casa. Mais tarde, fundou a
primeira academia em Santos, cidade vizinha.
O treinamento rigoroso de Karate-Do e Kobu-Do é fruto do grande vigor espiritual, mental e
físico do povo de Okinawa. Dessa forma, essas
artes tradicionais difundidas no Ocidente vêm
contribuindo para a construção de um bom
caráter, promovendo educação comportamental, saúde, segurança pessoal,
responsabilidade, civilidade, cidadania e
integração social.
DOJÔ OLYMPICO CLUB
Copacabana / RJ
[email protected]
www.facebook.com/ortiz.escolartesmarciais
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
11
EVENTOS
Por Redação| Fotos: Alan Emerson
Copa da Amizade de Kung Fu
& Desafio de Campeões
destacam trabalho social e união entre equipes
Competições organizadas pelo mestre Wanderley Luccas foram aplaudidas por
dirigentes esportivos, parlamentares, praticantes e familiares de atletas
C
Ver. Vaguinho Mestre Wanderley Luccas e Dep. Wellington Moura
Watson de Castro venceu uma das melhores lutas contra Douglas
Oneal (chutando).
Mestre Wanderley Luccas
12
| EVENTOS | REVISTA MASTER
ampeão brasileiro, mundial e detentor de outros títulos, o mestre Wanderley Luccas, mesmo sem muitos recursos financeiros, viabilizou o sonho de competir fora do Brasil, em torneios nos Estados Unidos,
Cingapura e em outros países. Fascinado pelo alto
nível organizacional dos eventos, quis trazer para sua
cidade, Diadema, algo desta magnitude. Foi, então, que surgiu em
1999, a primeira Copa da Amizade de Kung Fu e o Desafio de Campeões, que em 2015, atingem a marca de 11 edições.
Em Diadema, região metropolitana de São Paulo, os eventos
aproximam atletas, familiares e professores pela união, trabalho
social e dedicação do organizador.
Em 2015, as celebrações ocorreram em 18 de outubro, no Ginásio Poliesportivo Ayrton Senna. Para assistir às lutas, o público só
precisou doar 1 kg de alimento não perecível.
Na abertura, o mestre Wanderley, líder da Lucca’s Team, agradeceu o auxílio dos atletas e de todos os envolvidos. “Eu tenho de
agradecer aos professores, que são amigos e vieram me prestigiar.
E é claro, aos familiares e alunos, por terem me ajudado na organização. Cerca de 80 voluntários estiveram conosco”, discursou.
Querido por muitos dirigentes, políticos e artistas marciais, o
promotor recebeu os aplausos e o apoio do vereador Vaguinho,
do deputado Wellington Moura, do editor da revista Master, Fábio
Bueno, do presidente municipal do PRB, Dário Barbosa, dos mestres Benedito e Barbosa, dos shifus Carlos (Hung Gar), Alexandro
(MSKF), Rinaldo (Cinco Formas), Marcelo Leite (ZN Combat), Eraldo
Moraes, Edilson Soares (Warriors Fighter), Edson Cocchi (Makson),
Fábio Lachi (ATS), Fabricio
Alexandre (Kwok Family) e Silvânio Silva, do
taekwondista Lira e de
muitos outros.
Mestres e professores que prestigiaram o evento
PUBLIEDITORIAL
Ao ser anunciado para compor a mesa de honra, Vaguinho ressaltou o empenho de Wanderley e falou sobre os planos na cidade.
“A organização foi espetacular, vimos as famílias interagindo. Diadema tem formado inúmeros atletas e campeões. Estamos tentando
criar uma liga de artes marciais em nosso município, que promova
eventos e seja referência educacional. O Wanderley é o nosso parceiro nessa empreitada”, conta.
O deputado Wellington Moura, disse que as artes marciais estão atreladas à saúde e à qualidade de vida, logo, todo incentivador
merece respeito e admiração. “O Wanderley tem os meus parabéns
por acreditar no esporte e na inclusão social. Seu projeto Pequeno
Shaolin afasta os jovens das drogas e da criminalidade. Isso é fantástico”.
A Dança do Leão (coreografia chinesa com máscaras) foi feita
pela equipe da Mestre Lily Lau, de Taboão da Serra.
Depois dos discursos, os alunos da Lucca’s Team, se apresentaram e iniciaram as competições. Em cinco áreas, os participantes de
lutas, formas e Sanda Boxe Chinês, deram um show à parte.
Estreante no profissional, o aluno de Wanderley Luccas, Mateus
Moura, teve o braço erguido na classe Sanda. “O meu adversário
era visivelmente mais forte, porém, consegui impor meu jogo de
luta”, detalha.
O atleta Douglas Oneal não ganhou, em contrapartida, foi muito elogiado pela garra. Aos 19 anos, já pretende elevar o Kung Fu a
nível mundial e futuramente entrar para o UFC. “Na principal companhia de arte marcial do planeta, terei a chance de mostrar o que
é o Kung Fu. Sei que sempre poderei contar com o mestre Wanderley, que me supervisiona há cinco anos e meio”, fala.
Markus Perez veio da Vila Mariana e saiu com a sensação de dever cumprido por ter conquistado mais uma vitória. Ele é campeão
brasileiro de Muay Thai, internacional de Jiu Jitsu e tricampeão do
Troféu ADCC.
O locutor do campeonato e vice-presidente da União Ton Lon
Kung Fu do Brasil, Wagner Irineu, avaliou que a cada ano a equipe
se aprimora. “Esse crescimento é fruto de muito treino. Toda vez
que venho a Copa comprovo isso. O Kung Fu de Diadema está em
ótima fase”.
De acordo com Wanderley Luccas, a Copa e o Desafio têm conseguido mais patrocinadores e a expectativa é que atraiam mais
competidores em 2016. “Esporte é entretenimento, cultura e lazer. Estamos com uma parceria e vamos crescer mais. São eventos
abertos, que permitem até as crianças participarem. Meu sonho
é levar os brasileiros para competirem no exterior, assim como eu
tive a oportunidade”, fala.
Para o shifu José Marcos, da Associação Marques Souza, os organizadores de outros eventos podem se espelhar. “Já participo há
muitos anos e é incrível ver essa harmonia entre famílias e atletas.
Diadema precisa de mais torneios como este”.
*Para visualizar mais fotos acesse: goo.gl/HLftkc
Mestre Luccas e a sua esquerda o Deputado Wellington Moura
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
13
HAPKIDO
Mestre em HKD e TKD tem trabalho pautado
pelo comprometimento social
O tricampeão mundial de Hapkido, Oberdan Alvares, colabora com
projetos e representa a Global Hapkido Association no Brasil
O
Com Daniel Lucena, GM Hee Kwan Lee e Fábio Bueno recebendo o título de Doutor Honoris Causa em Artes Marciais.
Na capa da
MASTER 6ª
edição.
14
| CADERNO DE HAPKIDO | REVISTA MASTER
do Rio de Janeiro.
Mestre em Hapkido e Taekwondo, e praticante de Aikijutsu,
e Kyuk Too Ki, Oberdan Alvares e sua equipe Dan Moo Sool Kwan não desapontam. Em 2015,
o grupo conquistou o bicampeonato no 5º Rio Open Internacional.
Com 26 competidores, arrematou, em média, 50 medalhas. Entre
os competidores, estavam alunos das academias e integrantes do
projeto social da Vila Olímpica de Sampaio.
Durante o Campeonato Mundial da Global Hapkido Association,
nos EUA, Oberdan ganhou seis láureas, sendo três de ouro em luta,
armas (espada coreana) e formas (hyumg), uma de prata em salto
à distância e duas de bronze, uma em salto à altura e a outra em
defesa pessoal.
Nesse período, foi à Coreia do Sul com a finalidade de realizar o exame para instrutor de Gongkwon Yusul na Internacional
Gong Kwon Yusul Association, com o grande mestre Kang Jun. Fez
também o exame de graduação internacional de Taekwondo para
mestre e levou o nome do Brasil ao Encontro de Hapkido da Global
HPKD Federation.
Oberdan é o primeiro a obter o título de representante brasileiro da Global e o primeiro árbitro nacional da GHA a atuar no Mundial dos EUA. Além de ter o título cidadão honorário de Springfield,
graças à prefeita Susan Anderson e ao GM Hee Kwan Lee.
No Rio de Janeiro, fundou e preside a Federação de Hapkido
do Estado, que realizou o 1º Exame Internacional de Faixa Preta da
GHA no Brasil e o 1º Seminário Internacional de Técnicas de DamBom para Defesa Pessoal na Academia All Defense, no Méier.
Constantemente, representa a Furnas em eventos nacionais e
internacionais. Em agosto de 2014, o hapkidoísta foi destaque na
Homenagem Esportiva e recebeu o Doutor Honoris Causa em Artes
Marciais pela World University Erich Fromm (EUA). A solenidade
contou ainda com o fundador da GHA, Hee Kwan Lee, e representantes de FURNAS.
Na ocasião, pelo apoio e engajamento, Furnas foi agraciada
com o título de empresa do esporte.
Em 2015, o mestre carioca recebeu a graduação internacional
da World Taekwondo Chang Moo Kwan, da Coreia do Sul, com o
aval do GM Alexandre Gomes. Paralelamente, a Dan Moo Sool
Kwan foi reconhecida na World Taekwondo Chang Moo Kwan como
escola referência no país.
No fim de 2015, ganhou um grande apoio, o patrocínio da Sicoob Cecremef, uma instituição financeira normatizada e fiscalizada
pelo Banco Central. A partir de agora, será atleta (Hapkido e Tae­
kwondo) exclusivo da marca.
PUBLIEDITORIAL
Oberdan com Daniel Lucena na Homenagem Esportiva 2015.
esporte impulsiona vidas, gera esperança e combate à desigualdade. Em uma das maiores metrópoles do país, o tricampeão mundial de Hapkido,
Oberdan Alvares, faz um trabalho de resgate na
Vila Olímpica de Sampaio, em que concede aulas
de Hapkido e Taekwondo para jovens e adultos
FIQUE POR DENTRO
Da Redação| Fotos: Arquivo pessoal
Cubatão brilha
no Sul-Americano de Kickboxing
Equipe liderada por Carlos Cruz trouxe cinco
medalhas na bagagem
PUBLIEDITORIAL
A
cidade de Cubatão finalizou bem o ano de 2015. No
9º Campeonato Sul-Americano de Kickboxing, última grande competição realizada no Chile, a equipe
da Baixada Santista participou com três atletas e
conquistou cinco medalhas.
O responsável pela delegação, o professor Carlos Cruz, atuou ainda como um dos técnicos da seleção brasileira
de Kickboxing.
A campanha teve início com Maria Eduarda, que é tricampeã
brasileira e atual campeã pan-americana Full Contact até 48 kg. A
atleta não decepcionou, tanto que conquistou mais uma medalha
de ouro nesta modalidade e foi campeã na modalidade Kick Light
até 50 kg. Bruna Correia ganhou a medalha de bronze na modalidade Kick Light até 60 kg e o ouro no Full Contact até 60kg em uma
disputa difícil com uma atleta da Argentina. Thiago Matos, de apenas 12 anos, arrematou a prata na modalidade Point Fight sub-12.
O líder da equipe, Carlos Cruz, participou do evento como um
dos técnicos da seleção brasileira. Mais de 150 brasileiros lutaram.
Pela primeira vez na história, o Sul-Americano teve 10 países (Brasil, Chile, Argentina, Equador, Bolívia, Colômbia, Paraguai, Uruguai,
Venezuela e Peru).
Para fechar com chave de ouro, o Brasil sagrou-se campeão por
equipe com 163 medalhas, seguido pelo Chile com 129, e pelos
“hermanos” argentinos com 124.
O presidente da Confederação Brasileira de Kickboxing (CBKB),
Paulo Zorello, disse que o campeonato serviu de preparação para
algumas mudanças da Confederação Pan-Americana, da qual é o
atual dirigente. “No próximo Pan, que acontecerá em Cancún, no
México, em 2016, o nosso objetivo é elevar o nível dos atletas”.
Os cubatenses que estiveram no Sul-Americano tiveram o apoio
de várias empresas, das quais agradecem, como Multitrans (Cubatão), Somaprev, Globalfisio, Paula Rabello Coiffeur e Colégio Objetivo (Cubatão). Destacam também todos aqueles que compraram
rifa e camisetas ou doaram alguma quantia em dinheiro.
Segundo o treinador da equipe, sem ajuda dos amigos, estas
conquistas não teriam acontecido. “As dificuldades que os atletas
encontram para participar de campeonatos são muitas. Essa luta
que é travada fora do tatame ninguém fica sabendo”, disse.
Em 2016, a Equipe Carlos Cruz Kickboxing, que é filiada à CBKB,
não medirá esforços para classificar os atletas que formarão a seleção brasileira, apta para o Campeonato Pan-Americano, que será
organizado em outubro.
GRANDES
MESTRES
DAS ARTES
MARCIAIS
DO BRASIL
8ª EDIÇÃO/ 2016
INDICAÇÕES E INSCRIÇÕES
[email protected]
(13) 3345 3241
http://buenoeditora.wix.com/grandesmestres
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
15
JUDÔ
JUDÔ
Da Redação| Fotos: Alan Emerson
Campeonato Paulista de
Judô Sênior
Fase final movimenta o ginásio Adib Moysés Dib
Torneio definiu a seleção que defenderá o estado no Campeonato
Brasileiro de Judô. Além disso, senseis receberam a Homenagem
Esportiva 2015 e o título de Mestre Honoris Causa
C
inco áreas de lutas, 10 associações, oito categorias
participantes e mais de 370 inscritos. Os números
do Campeonato de Judô Sênior – Fase Final realmente impressionam e revelam todo o empenho da
Federação Paulista (FPJ).
Em 12 de setembro, o ginásio municipal Adib
Moysés Dib, em São Bernardo do Campo, Região do Grande ABC,
foi tomado pelos principais atletas da classe, que almejavam um
lugar na seleção paulista e se credenciar para representar o estado
no Campeonato Brasileiro de Judô.
O torneio teve a presença do presidente da FPJ, Alessandro Puglia, do vice-dirigente da CBJ, Chico do Judô, do diretor da Associação Messias, Milton Corrêa, dos medalhistas olímpicos Chiaki Ishii,
Rogério Sampaio e Henrique Guimarães, do promotor esportivo
José Jantália, do árbitro Jeferson Vieira, do gestor nacional de arbitragem, José Pereira Silva, dos senseis Fernando Catalano e Fábio
Feltrim, do diretor comercial da Adidas Combat no Brasil, Murilo
Saba, de delegados regionais, e outros.
Entre os que atletas que se classificaram estão Amanda Alves
Santos, Gabriela Chibana, Eleudis Valentim, Fabiana Santos de Oliveira, Jessica Baptista Santos, Jonathan Bauer Freitas, Phelipe André Pelin, Lucas Bernardo, Eduardo Barbosa, Eduardo Yudi Santos,
Raphael Magalhães, Rafael Buzacarine e Leandro Gonçalves, representantes do Esporte Clube Pinheiros, SESI, Associação Divinolândia, Associação Bushido Pais e Amigos, Associação Moacyr, AD Ateneu Mansor, SEJEL-Cotia e de São José dos Campos.
A campeã da categoria meio-leve e caçula da seleção brasileira
de Judô, Eleudis Valentim, disse que o nível forte dos adversários é
o que torna a chegada ao pódio mais instigante. “Sempre é muito
bom ganhar. O Paulista é um campeonato forte e muito acirrado,
todos querem ser campeão. Só me orgulho em dizer que venci”.
16
| CADERNO DE JUDÔ | REVISTA MASTER
Bruno Mendonça, atleta da Academia Rogério Sampaio, em ação.
Milton Correa, Chico do Judô e José Jantalia.
Alessandro P. Puglia (pres. FPJ) e o medalhista Rogério Sampaio
De acordo com Alessandro Puglia, São Paulo é referência no
Judô, não somente pelo número de praticantes, mas pela influência
nipônica. “Os fãs de nosso esporte podem ficar muito animados,
pois o estado será muito bem defendido no Campeonato Brasileiro.
Nos últimos anos houve um aumento expressivo na quantidade de
participantes. A comunidade está compreendendo que não é um
trabalho individual, mas em conjunto. As escolinhas estão fazendo
a sua parte. E assim, vamos avançando”, afirma.
O vice-presidente da CBJ, Chico do Judô, concordou e completou dizendo que a disputa sênior tem uma característica diferente:
a junção dos tops das categorias. “Sem dúvidas, o Paulista é um dos
carros-chefes da FPJ. O Alessandro tem feito um grande plano organizacional, fortalecendo a base e trazendo para perto dos jovens
ícones como Chiaki Ishii, primeiro judoca a ganhar uma medalha
olímpica para o Brasil, e o Rogério Sampaio, uma lenda do esporte
brasileiro”, afirma.
Em tempo, o campeão brasileiro Rogério Sampaio disse que
acompanha anualmente a competição, ainda mais pelo fato de ela
destacar os principais atletas do estado. Recentemente, ele aceitou o convite para treinar judocas de alto rendimento entre 14 e
18 anos no Centro de Aperfeiçoamento Técnico (CAT). “Estou bem
empolgado. As atividades serão ministradas todas as terças-feiras, a
partir das 19h. Valorizarei os fundamentos, as técnicas, o desenvolvimento e, é claro, afiarei a parte de competitividade. Vamos treinar muito forte. Para participar, os praticantes de 14 anos precisam
ser, no mínimo, faixa verde e os demais precisam ter a faixa roxa
como graduação básica.”, conta.
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
17
JUDÔ
JUDÔ
Da Redação | Fotos: Alan Emerson
Autoridades na mesa de honra
Os resultados das lutas podem ser conferidos no site da Federação
Paulista de Judô: http://goo.gl/hoys3P
Confira o resultado do Campeonato Paulista Por Faixas (13/09):
http://goo.gl/2Xz5bv
Álbum completo no Facebook da Master: https://goo.gl/ijWY0s
18
| CADERNO DE JUDÔ | REVISTA MASTER
PUBLIEDITORIAL
Por sua vez, Chiaki Ishii, retomou às atividades com a instituição, elogiou a organização e o novos planos pedagógicos. “Fiquei
muito feliz em ter visto essas lutas de perto. Agora, estou de volta.
A palavra é a essência do Judô. Vou ajudar a todos e não somente uma categoria. O Caminho Suave precisa se renovar, mas sem
perder sua tradição”, comenta.
Durante o campeonato também ocorreu o 2ª Exame de Árbitros. O gestor nacional de arbitragem da CBJ, Sensei Pereira, ratificou a qualidade dos aprovados e afirmou: “Ninguém faz nada
sozinho. A evolução do Judô é um trabalho em conjunto. O Brasil
reúne os melhores árbitros do mundo e São Paulo alguns dos melhores do país”.
Ele salientou que, para a formação de um árbitro internacional, é imprescindível ter fluência em, pelo menos, dois idiomas.
Por essa razão, além dos testes de conhecimento técnico, todos
são submetidos a uma prova que atesta a fluência em língua estrangeira por meio da participação em competições reais.
Para o diretor da Associação de Judô Messias, Milton Corrêa,
a disputa mostrou que o brasileiro tem encontrado seu próprio
estilo e buscado o autoconhecimento. “Embora se inspire em
atletas de outros países, o judoca brasileiro tem hoje o seu próprio estilo e impõe respeito. Estamos evoluindo bastante, pela dedicação, rigor e disciplina. A Federação Paulista está de parabéns
por apresentar este progresso. Cada evento tem uma novidade
que ajuda a estreitar a relação entre atletas e treinadores, como
a cabine para os técnicos, que veio para agregar ainda mais qualidade. O presidente Alessandro é um líder inovador e o Chico um
visionário”, frisa.
O medalhista olímpico e técnico Henrique Guimarães aproveitou o momento para falar sobre o treinamento de base e o seu
projeto social na Cracolândia, em São Paulo. “Como educador, sei
muito bem a importância do esporte. Lá, na Cracolândia, transformo vidas por meio do Judô. Ajudo jovens e adultos a resgatarem
sua autoestima e a vontade de viver”, fala.
No Campeonato Paulista de Judô Sênior – Fase Final não foram apenas os atletas que brilharam, vários senseis receberam
a Homenagem Esportiva 2015 e o título de Mestre Honoris Causa, entre eles, Chico do Judô, Alessandro P. Puglia, Milton Corrêa,
Chiaki Ishii e Rogério Sampaio.
O evento teve o apoio do Governo de São Paulo, Adidas, MKS
Combat Gear e Suco do Bem.
Sensei José Pereira Silva, Gestor Nacional de Arbitragem da CBJ.
Atletas prestam juramento
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
19
TAEKWONDO
Da Redação| Fotos: Alan Emerson
Brasil domina e vence o
Open Internacional
Cidade Maravilhosa de
Taekwondo
Tendo a Urca como cenário, torneio de alto nível contou com as maiores
autoridades da modalidade, como o presidente da WTF, Chungwon
Choue, e o do COB, Carlos Arthur Nuzman, o diretor técnico da WTF,
Chakir Chelbat, além da coordenadora técnica da CBTKD, Natália
Falavigna e o supervisor técnico, Carlos Negrão
20
| CADERNO DE TAEKWONDO | REVISTA MASTER
Carlos Negrão e Natália Falavigna
Q
Crianças representam seus países
Coronel Alfredo Bottino, Carlos Fernandes, Carlos Arthur, Chungwon Choue e Cel. Luís Nóbrega
uando se trata de anfitrião,
o Rio de Janeiro está sempre na liderança. Após ser
definido como sede das
Olimpíadas de 2016, do Arnold Classic Brasil e c onsequentemente do Desafio de TKD, foi a vez de
os cariocas receberem de 08 a 11 de outubro, o
XVII Open Internacional Cidade Maravilhosa de
Taekwondo, com grandes atletas das categorias
juvenil e adulto.
Realizado pela Confederação Brasileira de
Tae­kwondo (CBTKD) e homologado pela Federação Mundial de Taekwondo (WTF), na Escola de
Educação Física do Exército (EsEfex), na Urca, a
competição contou com representantes do Paraguai, Argentina, Venezuela, Uruguai, Colômbia,
Panamá, entre outros países.
Na classificação geral, o grande vencedor foi
o Brasil, com 219 pontos, seguido pelo Uruguai,
com 18 pontos, e a Colômbia, com 13 pontos.
Seminário Internacional de Arbitragem
Em 08 de outubro, a WTF já começou promovendo o Seminário
Internacional de Arbitragem, ministrado pelo instrutor e diretor
técnico da entidade, Chakir Chelbat. A atividade formou e capacitou árbitros a atuarem fora do Brasil, bem como apresentou as
regras atuais do Taekwondo mundial. Posteriormente, teve o Curso
Técnico da PATU, contemplando profissionais da área.
O coordenador de arbitragem nacional da CBTKD, Milton Iwama,
contou que o programa de treinamento durou uma semana. “Foram sete dias de muito aprimoramento e conhecimento. Tivemos
seis árbitros convidados para participar do Open Internacional. Os
profissionais que estarão nos Jogos Olímpicos passaram por duas
etapas, falta somente uma, que acontecerá em fevereiro e valerá
como evento teste”, anuncia.
Na cerimônia de abertura, a área de luta foi ocupada pela bateria de samba do Grupo Manguerô, que contagiou a plateia pelo som
e simpatia das passistas.
O Hino Nacional foi tocado pela Banda da Polícia Militar e as
autoridades mais importantes do Taekwondo, como o presidente da WTF, Chungwon Choue, em visita inédita ao Brasil, o diretor técnico da WTF, Chakir Chelbat, e o comandante da PATU, Jo
Hi Choi, foram recebidas por modelos profissionais contratadas
como Taekwondo Girls.
Atletas em combate
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
21
TAEKWONDO
Milton Iwama
Leonardo Moraes contra Mayko Camandulli
Presidente do COB é graduado 7º Dan
Na sequência, o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB),
Carlos Arthur Nuzman, foi agraciado com o título de grão-mestre
7º dan. Ele vestiu um dobok (roupa de luta do TKD), recebeu um
diploma e uma placa honorífica das mãos do presidente da CBTKD,
Carlos Fernandes.
Para Nuzman, o Taekwondo é um dos esportes que mais evoluíram, tanto administrativamente quanto tecnicamente. “Fiquei muito
feliz por esta honraria. O desenvolvimento do
esporte é reconhecido em todo o mundo. No
Brasil, a CBTKD tem alavancado bem nossos
atletas. Desde que ganhamos como sede dos
Jogos, o trabalho se intensificou e aumentamos
os laços com as federações”, fala.
De acordo com o presidente da CBTKD, Carlos Fernandes, a graduação é mais do que justa
para aquele que tanto faz por nosso esporte. O
dirigente frisou ainda que o Brasil está mostrando sua competência
na realização de grandes eventos.
Também participaram da solenidade, a medalhista olímpica
e coordenadora técnica da CBTKD, Natália Falavigna, o supervisor técnico da confederação, Carlos Negrão, o diretor técnico,
Alexandre Lima, o supervisor financeiro, Valdemir Medeiros, o
secretário-geral, José Leal, o gerente do Taekwondo do comitê
organizador das Olimpíadas Rio 2016, Mark Kauffman, o comandante do Centro e Capacitação Física do Exército, Alfredo Bottino,
e o comandante da Escola de Educação Física do Exército, Luis
Fernando Medeiros Nóbrega.
Lutas
Desde o primeiro dia, os certames foram dominados pelos brasileiros. Nas finais masculinas da classe adulta, Maicon Andrade, um
dos fortes nomes do Taekwondo atual, derrotou o uruguaio Braian
Edward por 5 a 2, na categoria acima de 87kg.
Confiante, ele disse que a vitória serviu
como estímulo para as Olimpíadas. “Meu sonho desde pequeno é representar o país nos
Jogos. Trabalho diariamente para concretizá-lo. Esse Open foi um grande aprendizado.
Quero agradecer aos meus treinadores
Clayton dos Santos, Reginaldo dos Santos,
Rafael Valério e Jefferson Falcão, à Associação dos Pais de São Caetano, a minha equipe
2 Brothers, à CBTKD e a toda a minha família”, frisa.
Na divisão até 74 kg, Nickollas Ribeiro
emplacou 13 a 10 no uruguaio Jonatan Rodriguez. Ambos os brasileiros são da Academia 2 Brothers.
No peso até 58 kg, Leonardo Moraes protagonizou uma luta
equilibrada contra Mayko Camandulli, mas o superou por 6 a 3. Pelo
feminino, Paloma Ferreira e Barbara Fugivala deixaram para trás as
compatriotas Carolina Gomes e Vitoria Lima, respectivamente.
Embora seja titular da seleção brasileira na classe até 67 kg,
Paloma competiu em uma nova, até 62 kg. A atleta da Carmen Carolina Pro Team/Marcio Miyashiro anunciou que seu objetivo agora
é conseguir a vaga neste peso. “Estou descendo de categoria, uma
experiência nova e um grande desafio. Quero agora a vaga de titular nela”, explica.
Fiquei muito feliz por
esta honraria.
O desenvolvimento do
esporte é reconhecido
em todo o mundo.
No Brasil, a CBTKD tem
representado muito
bem nossos atletas
22
| CADERNO DE TAEKWONDO | REVISTA MASTER
Carlos Fernandes, Carlos Arthur Nuzman e Chungwon Choue
No último dia de confrontos, 11 de outubro, um clássico entre
Brasil e Argentina levantou a arquibancada. Pela classe até 63 kg,
o paranaense Felipe Kenji levou o título diante do “hermano” Sebastian Gonçalves, por 9 a 6. Já Ícaro Soares venceu Joelmir Rocha
apenas por dois pontos, 6 a 4.
As mulheres mostraram superioridade também com Milena
Titonelli, reserva da seleção brasileira e atleta da 2 Brothers, que
derrotou Bárbara Polinne por 15 a 1. Todos os campeões ganharam
10 pontos no ranking mundial.
As lutas impressionaram a torcida que lotou a Escola de Educação Física do Exército e também aos que acompanharam à distância, em tempo real, via aplicativo de vídeo gratuito Lynx.Ly.
A CBTKD fez uma premiação para eleger os melhores atletas e
técnico. No masculino, Igor Caetano de Oliveira e Felipe Kenji ganharam, enquanto no feminino, Natalia Diniz e Paloma Ferreira se
consagraram.
Para o secretário-geral da CBTKD, José Leal, o campeonato foi
uma oportunidade para os atletas que não têm recursos para competir no exterior. “Eles puderam lutar em casa, e o que é melhor,
pontuar no ranking mundial”, afirma.
De olho em 2016
O supervisor técnico da CBTKD, Carlos Negrão, elogiou o desempenho dos atletas e disse que a comissão pretende potencializar os resultados para os Jogos Olímpicos de 2016. “A ideia é somar
forças, usando todo o nosso conhecimento para ajudar aos atletas.
A gente tem que correr, fazer um esforço para trabalhar em equipe. Esse Open no Brasil permitirá que as autoridades reconheçam o
nosso nível organizacional e o talento dos competidores”.
A coordenadora técnica da CBTKD e medalhista olímpica, Natália Falavigna, ressaltou que é preciso preparar a base para colher
grandes frutos. “Temos de
criar uma cultura administrativa e um modelo de gestão,
melhorando aspectos que os
nossos representantes vivenciam no dia a dia”.
Segundo o técnico da seleção júnior, Rodney Saraiva,
a CBTKD e o COB não estão
medindo esforços para que
o Brasil esteja no pódio em
2016. “O Maicon Andrade, assim como a Iris Sing, a Josiane
Lima e o Guilherme Félix são
apenas alguns dos nomes mais
cotados para lutarem por medalhas”, analisa.
Maicon Andrade
Curiosidade
A primeira medalha olímpica do Brasil foi conquistada
em 1920, pelo militar do Exército Brasileiro, Guilherme
Paraense, na modalidade pistola. De lá para cá, as Forças
Armadas não pararam de investir em seus integrantes.
PUBLIEDITORIAL
Fechamento
*Para visualizar mais fotos acesse: goo.gl/BsQTPt
*Resultados: goo.gl/z9QxYS
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
23
TAEKWONDO
FESPT
comemora três anos
com a confiança de filiados
Federação reestruturou gestão e fomentou o esporte
em todo o estado. Filiados falam dos pilares e da força
do Taekwondo paulista
E
m três anos de existência, a Federação do Estado de São Paulo de Taekwondo (FESPT), que tem
como presidente de honra o grão-mestre Kun
Mo Bang, proporcionou meios e condições para
o desenvolvimento de todos, bem como resgatou a essência.
Sob a liderança de José de Souza Júnior, criou cursos de
capacitação, oficinas, seminários, campeonatos e exames de
graduação em todo o estado paulista.
As realizações em 2015 foram o Curso Estadual para Instrutor, Mestre e Examinador, Seminário Estadual de Arbitragem,
Seminário Estadual para Técnicos, Campeonato Paulista 2015
(GUB), Campeonato Paulista Menores (Poom), Campeonato
Paulista Maiores (Poom e Dan), 43º Campeonato “Cidade de
Marília” (edição exclusiva para GUB), Copa FESPT (Seletiva
Estadual para o Campeonato Brasileiro CBTKD), Campeonato
Paulista Universitário, Seminário Internacional FESPT, Campeonato Paulista da Juventude (Estadual Escolar), participação
dos atletas nos Jogos Regionais e 79º Jogos Abertos Horácio
Baby Barioni da SELJ, Exames de Graduação Dan e Poom, Taça
FESPT (Seletiva Estadual para a Copa do Brasil) e o Grande
Prêmio Paulista de Taekwondo.
Por este comprometimento, ganhou em pouco tempo a
confiança dos associados, sendo constantemente elogiada
por figuras como Márcio Miyashiro, Adriano M. Ferraris Fernandes, Pedro Paulo, Alex Vinícius Marques, Marcelo Todaro,
Pedro Lopes, Valter Berto Junior, Givaldo Gomes, Marcelo Todaro, Nivaldo Coelho, Antônio Sérgio e Carlos Costa.
Depoimentos
Alex Vinícius Marques
Associação Fúria Taekwondo Suzano
Mestre Pedro Paulo
TKD Du Sol Team
Mestre Adriano M. Ferraris Fernandes
Academia Boituva Taekwondo
Nesses três anos no comando do Taekwondo paulista, a FESPT continua inovando em todas as áreas. O crescimento de nosso esporte no estado é nítido. Para ajudar
as academias, desenvolveu o Plano de Apoio e Suporte.
No primeiro kit, a FESPT entregou raquetes e escudos. No
que diz respeito à formação marcial e esportiva foram realizados diversos cursos com palestrantes internacionais,
incluindo Ireno Fargas (Espanha) e Fernando Akilian (Argentina). Na parte competitiva, há alguns anos São Paulo
não chegava ao pódio tantas vezes em Brasileiros e Copas
do Brasil, entretanto, com o trabalho da federação isso
mudou, desde o primeiro Brasileiro. Na classificação geral, fomos campeões, ficamos à frente do próprio Paraná,
anfitrião e com o maior número de atletas. Desde então, a
FESPT não sai mais das primeiras colocações. Não sei dizer
se a FESPT é a melhor federação de Taekwondo do Brasil,
já que não conheço a realidade de outros estados, mas
pelo seu crescimento em tão pouco tempo e o trabalho
sério que vem fazendo, posso dizer que já é uma das melhores. Estamos juntos FESPT!
Estou há 23 anos no Taekwondo. Com a chegada da
FESPT, eu e minha equipe nos sentimos mais a vontade
para fazer parte deste grupo e há três anos estamos envolvidos 100% com ela, tanto os faixas pretas quanto os
coloridas. É uma grande honra. Hoje, temos uma federação que se preocupa com o Taekwondo no estado de SP e
em dar apoio às grandes e às pequenas academias, para
assim fortalecer ainda mais o TKD. Na FESPT ganhamos
material de treino e oportunidades, além de um contato
direto com todos da federação. Oferece cursos de capacitação com os melhores mestres, cursos com profissionais
nacionais e internacionais, eventos para faixas pretas,
cursos de técnicos, de árbitros, entre outros. Tudo é gratuito para os faixas pretas filiados. Isso nunca aconteceu e
mostra que a FESPT se preocupa conosco e busca melhorar cada dia mais.
Os eventos são organizados e fortes. Eu e minha
equipe, TKD Du Sol Team, temos orgulho desse time e
nos colocamos à disposição. Confiamos no trabalho da
FESPT e contamos com o seu apoio. Parabéns pelo trabalho maravilhoso!
A FESPT é uma entidade nova e que tem muito para
oferecer dentro de uma administração moderna e efetiva.
Estar nela é trilhar o melhor caminho no Taekwondo de
São Paulo e do Brasil.
Ser filiado à FESPT significa acompanhar a vanguarda do Taekwondo no estado, pois nesta federação
se concentram os técnicos e mestres que fizeram e ainda
fazem a história de nosso esporte. A entidade concentra a
maioria dos atletas de alto rendimento, que representam
nosso estado e a nação em eventos nacionais e internacionais, ou seja, se você deseja oferecer o melhor a sua
equipe, tem que estar com os melhores, precisa se associar à FESPT.
24
| CADERNO DE TAEKWONDO | REVISTA MASTER
Avenida Das Roseiras, 140
Cep: 17519-200 • Marília • São Paulo
Tel.: (14) 3316-8980 (14) 3316-8970
PUBLIEDITORIAL
www.fespt.com.br
Mestre Antônio Sérgio
Associação Desportiva TKD Itu
Mestre Marcelo Todaro
SEEST São Caetano do Sul
Mestre Valter Berto Junior
VBJ Taekwondo
A FESPT é uma federação onde todos trabalham e
colhem resultados. Estou muito satisfeito. O estado de
São Paulo precisava disso. Todos da minha equipe são filiados e os faixas pretas possuem o certificado da CBTKD.
Trabalho com consciência tranquila junto a minha equipe.
Agradeço a todos.
Liberdade para trabalhar é a primeira palavra que
vem à mente quando penso na FESPT. Sou o coordenador
da equipe de São Caetano do Sul com os mestres e técnicos
Reginaldo dos Santos e Clayton dos Santos, o Reginaldo
também coordena o Taekwondo da S. E. Palmeiras. Juntos
com a FESPT tivemos várias vitórias em menos de dois anos,
e nossa equipe obteve mais de 90 medalhas internacionais.
Conquistamos muitos títulos nacionais pela instituição.
Dessa forma, o crescimento de nossa modalidade foi grande
no estado de São Paulo. A FESPT é incomparável e tem gestão democrática e participativa, ações profissionais e visão
empreendedora. Seu objetivo é fazer todos crescerem, sem
qualquer tipo de distinção ou privilégios. Parabéns!
A equipe VBJ Taekwondo registra e parabeniza a
FESPT pelo excelente trabalho que faz em prol do Taekwondo e seus filiados.
Quero ressaltar a transparência e empenho nos
eventos, não visando lucro como outras entidades, sem
contar o respeito com o próximo, isto é, todos são tratados da mesma forma. Portanto, parabenizo ao nosso
presidente Dr. Júnior e ao grão-mestre Flávio Bang pelo
excelente trabalho e condução. Vocês são símbolos de
transparência, integridade e dedicação árdua.
Agradeço ainda ao restante da equipe, como técnicos,
árbitros, secretárias, enfim, todos que trabalham para que
essa locomotiva não pare. Sucesso, sabedoria e saúde a todos.
Mestre Nivaldo Coelho
NC Taekwondo
Mestre Márcio Miyashiro
ATESP Miyashiro Taekwondo
Sou filiado à FESPT, responsável pelo Taekwondo na
cidade de Vinhedo com o mestre Carlos Costa, tendo como
coordenadores e professores Maria Rabelo Coelho e Jonatas
Portella. Desde o início de sua criação, migramos com os
atletas e alunos. A FESPT vem trabalhando para resgatar a
credibilidade do esporte. Acredito que, com a experiência e
apoio de grandes mestres e atletas envolvidos, chegaremos
aos melhores resultados.
Quero parabenizar também os funcionários pelo
atendimento, uma vez que buscamos sempre atender aos
prazos. Fico muito grato e honrado em fazer parte desta
grande equipe e aproveito para agradecer o respeito de
todos. Vamos crescer juntos.
A FESPT mudou a forma de administrar o Taekwondo
no estado de São Paulo. Trabalho principalmente com o
alto rendimento e viajo bastante, logo notei que, mesmo sem apoio e recurso financeiro, a federação sempre
apoiou os atletas e treinadores de SP. É uma gestão realmente profissional que, com pouco, consegue fomentar
o Taekwondo, suas academias, seleções, cursos, entre
muitas outras realizações jamais vistas no estado. É uma
gestão transparente e democrática, formada por profissionais bem estabelecidos e de sucesso que contribuem
com suas experiências e sabedoria, cada um em sua área.
Ela quer ver o nosso Taekwondo melhor. Sinto segurança e
confiança como jamais senti em uma entidade.
Mestre Pedro Lopes
Associação Alto Rendimento Sorocaba
Tenho 37 anos de Taekwondo na cidade de Sorocaba,
mais de 200 faixas pretas formados e 100% dos alunos
credenciados na FESPT. Então, fico feliz em fazer parte da
federação. Nela, reencontrei os verdadeiros conceitos do
Taekwondo baseados no respeito, disciplina e sabedoria
de seus integrantes. A administração é impecável, com
eventos de alto nível técnico e que valoriza seus mestres,
professores e alunos. Sou 100% FESPT.
Mestre Carlos Costa
OTC Carlos Costa
Mestre Givaldo Gomes
Central Team Mauá e Ribeirão Preto
O Estado de São Paulo é o que mais tem talentos no
Taekwondo brasileiro, porém, no passado, pecamos na administração. Há pouco tempo houve uma mudança quando
nasceu a FESPT. Temos visto que pessoas de grande reconhecimento no Taekwondo tomaram as rédeas de nosso esporte,
o que nos motiva a continuar, ajudando outras pessoas, sejam
alunos ou mestres. Tudo que é novo gera mais trabalho e às
vezes certa desconfiança, mas todos os envolvidos estão se
unindo para um Taekwondo evoluído, formando profissionais
com mais qualidade e construindo um futuro melhor. A FESPT
une e transforma o Taekwondo paulista.
O objetivo da FESPT é organizar o Taekwondo do
Estado de São Paulo junto a CBTKD, com transparência e
união de todos, passando confiança e sinceridade. A FESPT
é uma federação onde todos trabalham e colhem resultados. Estou muito satisfeito com a FESPT, o estado de São
Paulo precisava disso.
Hoje, todos da minha equipe são filiados à FESPT e os
faixas pretas possuem o certificado da CBTKD, trabalho com
consciência tranquila com minha equipe. Agradeço a todos.
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
25
TAEKWONDO
FESPT
1º Curso Técnico Interestadual
Brasileiro CBTKD
Com o objetivo de aprimorar o conhecimento técnico, físico e
de arbitragem, e capacitar novos profissionais, foi realizado de 03
a 04 de julho, na Faculdade de Educação Física da UNICAMP, em
Campinas, o 1º Curso Técnico Interestadual Brasileiro, idealizado
pelo grão-mestre Flávio Bang. O curso foi organizado pela FESPT e
realizado pela Confederação Brasileira de Taekwondo. A finalidade
é percorrer todo país capacitando novos técnicos e treinadores.
42º Campeonato Brasileiro Adulto e 23º
Campeonato Brasileiro Master CBTKD
A FESPT participou do 42º Campeonato Brasileiro Adulto e do 23º
Brasileiro Master entre 29 e 30 de agosto em Jaraguá do Sul, Santa
Catarina, e foi vice-campeã na divisão sênior (adulto) masculino.
Jogos Universitários
Paulista 2015
O evento da FUPE contou mais uma vez com o apoio e a estrutura da FESPT. Os JUP’s aconteceram em 16 de agosto no Ginásio Poliesportivo do Centro Olímpico, no Ibirapuera, e tiveram a
participação de várias instituições de ensino superior do estado
de São Paulo.
Árbitros da FESPT se atualizam no Seminário
Internacional de Arbitragem da WTF
Entre 05 e 08 de outubro, na Escola de Educação Física do Exército, na Urca, no Rio de Janeiro, o Seminário Internacional de Arbitragem da WTF, formou novos árbitros e os credenciou a outro nível.
A FESPT contou com os mestres Nelson Miyamoto (coordenador
nacional de arbitragem CBTKD) e Ricardo Ogata (coordenador estadual de arbitragem FESPT e árbitro internacional kyorugi WTF),
com a professora Suellen Rodrigues (coordenadora estadual de
arbitragem FESPT, 1ª árbitra internacional kyorugi WTF do Brasil e
membro do Bang Taekwondo Club) e com o professor Sandro Hirata
(coordenador regional de arbitragem FESPT).
26
| CADERNO DE TAEKWONDO | REVISTA MASTER
Campeonato Brasileiro Menores 2015 (XXVI
Júnior, XXII Infantil, IV Sub-21 e III Cadete)
De 11 a 12 de julho, a Seleção Paulista FESPT participou do Campeonato Brasileiro Menores 2015 da CBTKD, em Londrina, no Paraná, e sagrou-se campeã nas categorias júnior e sub-21, e vice-campeã na cadete. Com isso, a FESPT mostra os resultados do seu
trabalho de base e a importância de fomentar a renovação dos atletas de alto rendimento.
Campeonato Paulista
Menores 2015
O Campeonato Paulista Menores definiu os atletas das categorias
infantil, cadete, júnior e sub-21 para a Seleção Paulista, que disputará o Campeonato Brasileiro Menores da CBTKD. O evento foi promovido em 20 de junho, no Tênis Clube de São José dos Campos.
Campeonato Paulista
Maiores 2015
Realizado no dia 16 de agosto, no Ginásio Poliesportivo do Centro Olímpico, no Ibirapuera, em São Paulo, o Campeonato Paulista
Maiores formou a seleção paulista maior para o Brasileiro Adulto e
Master da CBTKD.
Presidente da FESPT, José de Souza Júnior,
participa de cerimônia no Palácio do Governo
PUBLIEDITORIAL
Boletim
O presidente da FESPT, José de Souza Júnior, esteve no dia 19 de
agosto no Palácio do Governo do Estado de São Paulo para participar de um evento com o secretário estadual de esportes, lazer e
juventude, Jean Madeira, e com o governador Geraldo Alckmin. A
cerimônia foi em homenagem aos atletas.
FESPT faz reunião com secretário
estadual de esportes
Rodney
Saraiva
festeja 10 anos de sucesso de
projeto social e consolidação
na seleção brasileira júnior de
Taekwondo
O presidente da FESPT, José de Souza Júnior, e o mestre Flávio Bang,
representante da Confederação Brasileira de Taekwondo, reuniram-se
no dia 01 de setembro de 2015 com o secretário estadual, Jean Madeira, secretária-adjunta, Lívia Galdino, e com a editora Geisa Guedes
na SELJ. Durante a reunião, vários assuntos foram tratados e alinhadas
algumas ações entre a FESPT e a SELJ para 2016. O secretário Jean Madeira também fará visita à Marília, município que sedia a federação.
Madrinha da FESPT, Rafaela Butareli,
participa do programa Silvio Santos no SBT
Seletiva Estadual 2015
A Seletiva Estadual (Taça FESPT) teve a supervisão da Confederação Brasileira de Taekwondo e ocorreu no dia 22 de novembro de
2015. Serviu para classificar os atletas para a Copa do Brasil, realizada de 11 a 13 de dezembro em João Pessoa, na Paraíba.
Academia Brasileira de Treinadores
O Comitê Olímpico do Brasil (COB), por meio do Instituto Olímpico Brasileiro, realizou em 19 de novembro de 2015, a formatura
da segunda turma da Academia Brasileira de Treinadores (ABT). A
FESPT foi representada pelos mestres Rodney Saraiva, Camilo Bueno e Márcio Miyashiro, e pelos professores Diego Souto Morine e
Paula Avakian.
A Academia Brasileira de Treinadores (ABT) é uma iniciativa do Instituto Olímpico Brasileiro (IOB) e tem o objetivo de complementar,
via atividades de cunho educacional de qualidade, a formação profissional de treinadores, na dimensão do esporte de alto rendimento,
e, desse modo, contribuir de forma relevante para a conquista de resultados positivos no esporte olímpico. Esta edição do curso foi chancelada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), Comitê Olímpico
do Brasil (COB), Confederação Brasileira de Judô (CBJ), Confederação
Brasileira de Lutas (CBLA), Confederação Brasileira de Taekwondo
(CBTKD) e Conselho Federal de Educação Física (CONFEF).
Novidade
A FESPT está em processo de finalização do calendário 2016, que
terá grandes ações e atividades. O novo ano dará continuidade à
transformação, desenvolvimento e à evolução do Taekwondo no
estado de São Paulo.
E
m oito anos no comando da seleção brasileira júnior
de Taekwondo, Rodney Saraiva, viu seus atletas despontarem em campeonatos nacionais e internacionais. Líder nato, tem ainda um trabalho social que é
sinônimo de esperança para crianças e adolescentes.
No “Taekwondo, Educando e Abrindo Fronteiras”,
criado em 2005, no bairro Morrinhos, em Guarujá, litoral sul de São
Paulo, revela talentos e faz com que compreendam os valores éticos do esporte.
O projeto, vinculado à Secretaria Municipal de Educação e Esporte do Guarujá, atende mais de 350 crianças carentes. Ganhou
visibilidade a partir de 2010, quando Kelly Santos se classificou para
o Mundial e tornou-se a primeira aluna a integrar a seleção brasileira júnior.
Após Kelly, outros conseguiram a titularidade na equipe nacional, e têm figurado entre os melhores do Brasil. Em 2015, o projeto
completou 10 anos de sucesso e está com planos de expansão.
O mestre Rodney Saraiva, 6º Dan em Taekwondo, contou que,
antes mesmo de ganhar uma sede, o projeto já mostrava seu potencial. “São 10 anos de muita labuta. Desde o primeiro campeonato que eles participaram, quando nem tínhamos sede, trouxeram
medalhas. De lá para cá, só ascendemos”, detalha.
Em relação à seleção júnior, o educador adiantou que atletas como
Milena Titoneli, Vinicius Brunini e Juliano Adjunto, campeões pan-americanos, podem futuramente competir na classe adulta. “Trabalho
não somente pensando no presente, mas objetivando boas colocações
para eles no futuro. Se um atleta brilha na equipe júnior, ele tem plenas
condições de avançar de categoria”, fala.
Rodney é técnico da seleção júnior, proprietário de uma academia que leva o seu nome e funcionário público da Prefeitura
de Guarujá.
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
27
PUBLIEDITORIAL
A madrinha da FESPT, Rafaela Butareli, foi um dos destaques
do programa Silvio Santos (SBT) no dia 18 de outubro de 2015. No
quadro Duelo das Misses, ela enfrentou Karla Mandro. Rafaela é
formada em enfermagem, estudante de Medicina e praticante de
Taekwondo.
Mestre revelou talentos em
comunidades carentes
TAEKWONDO
KUKKIWON
Academia Mundial do Taekwondo
enaltece o setor técnico
Entidade promove avaliação de graduação, educação de instrutores,
pesquisas, intercâmbio internacional e suporte.
N
ão tem como falar em Taekwondo e não citar o
nome do Kukkiwon, a sede mundial da modalidade. Estabelecida no coração econômico de Seul, na
Coreia do Sul, em 30 de novembro de 1972, pelo
próprio governo, a entidade regulamenta apenas
o setor técnico, sendo supervisionada pela Divisão
Internacional do Ministério da Cultura, Esportes e Turismo.
Não é de sua responsabilidade a parte administrativa, esta função
é da World Taekwondo Federation, a famosa WTF. Seu principal objetivo é promover o esporte nos âmbitos cultural, espiritual e filosófico.
O Kukkiwon também faz avaliação de graduação, educação de
instrutores, pesquisas, relações públicas, intercâmbio internacional
e suporte.
Anualmente, realiza o World Taekwondo Hanmadang, campeonato tradicional que traz demonstrações e os melhores das categorias poomsae, ho shin sul e kiopa.
É a academia mundial do Taekwondo e também o nome de um
estilo reconhecido pela WTF, resultante da unificação de 10 kwans.
Para qualquer praticante, ser graduado pelo Kukkiwon é a
maior forma de coroação, ainda mais levando em conta que seu sis-
tema de avaliação e graduação é adotado em quase todo o planeta.
Contudo, é importante frisar que o reconhecimento do certificado
internacional passa por critérios administrativos e legislativos em
cada país. No Brasil, por exemplo, a CBTKD o submete a um procedimento de validação.
Sob a administração de Won Sik Kang, o Kukkiwon tem estreitado laços ao redor do mundo. Esporadicamente, realiza cursos,
seminários e exames fora do continente asiático.
Em 2015, realizou um exame (regularização do 3º ao 7º Dan) e
um seminário de poomsae no Brasil em comemoração aos 45 anos
do Taekwondo nacional. Com isso, os mestres brasileiros interagiram
com os melhores instrutores e tiveram seus dans homologados.
Anteriormente, em 2013, houve um Curso de Mestres Internacionais, que enalteceu a relação entre a CBTKD e o órgão. A
cada visita da delegação coreana, o Taekwondo brasileiro se fortalece. De um modo geral, as pesquisas, seminários e demais funções auxiliam tanto na evolução da modalidade quanto no aprimoramento dos profissionais.
Mestres Brasileiros com registro no Kukkiwon
7º Dan
7º Dan
7º Dan
Marcos Starling
Paulo César
Gilberto Seon
[email protected]
(31) 99905 9962 | Minas Gerais/ MG
[email protected]
(79) 98836 7736 | Aracaju/ SE.
[email protected]
(11) 4092 2345 | São Paulo/ SP
28
| CADERNO DE TAEKWONDO | REVISTA MASTER
7º Dan
7º Dan
Attilla Torres
Fabiano Morciani
[email protected]
(71) 99964 9929 | Salvador/ BA
[email protected]
(12) 3913 4712 | São José dos Campos/ SP
Processo seletivo foi bastante rigoroso, mas mestre conseguiu comprovar habilidades
U
7º Dan
Marcus Martins
[email protected]
(21) 98268 6046 | Rio de Janeiro/ RJ
7º Dan
Max Quevedo
[email protected]
(53) 9121 3598 | Capão do Leão/ RS
m dos mestres agraciados com o 7° Dan no Exame Nacional,
feito pelo Kukkiwon no Brasil, foi Fabiano Morciani, examinador nacional e mestre pela Confederação Brasileira de
Taekwondo.
Para ter o novo dan reconhecido pela mais importante instituição
de Taekwondo no mundo, o brasileiro se preparou bastante. “Eu fui
bronze no Pan-Americano, a primeira medalha do Brasil em competições internacionais de poomsae, além de ter disputado cinco
Mundiais. Como o poomsae foi a base do exame, aproveitei o Seminário com o mestre Park, que antecedeu o Exame Nacional, para me
atualizar sobre as técnicas”, detalha.
O Seminário de Poomsae, liderados por Park e Jong Bum, durou
dois dias. Na sequência, foi feita a avaliação, aguardada por mestres
de várias regiões do Brasil.
A banca foi composta pelos grão-mestres Choon-Keun Kim (presidente do Comitê Técnico do Kukkiwon), Tae-Seon Kim (membro do
Comitê Técnico do Kukkiwon) e por Jong Beom Park (presidente do
Comitê Educacional da KTA). Os serviços administrativos ficaram a
cargo de Na Young Jip, chefe do setor internacional.
A anistia teve a atenção do vice-presidente do Kukkiwon, Oh Hyun
Deuk, e do líder da Federação de Taekwondo do Estado de São Paulo
(FETESP), Yeo Jun Kim. Os representantes do Kukkiwon, inclusive, destacaram que aquela era a maior comitiva já vista no Brasil.
A tensão dos candidatos prevaleceu, ainda mais pelo fato de
saberem que estavam diante dos melhores instrutores do mundo. O mestre Fabiano Morciani teve de comprovar oito Poomsaes: Chonkwon Poomsae, e sete facultativos, a partir do Tae Guk
Pal Jang.
Para ele, o exame imprime credibilidade perante a comunidade
marcial. “Esse credenciamento, acima de tudo, traz o respeito e a credibilidade. O certificado da Kukkiwon é um documento inquestionável
que tem grande valor e significado porque representa os ideais e princípios do Taekwondo, além de ser reconhecido
em todo o mundo como o padrão de excelência
na formação de mestres”, explica.
Devidamente diplomado, Morciani continua
treinando e ensinando, pois essas são as únicas
maneiras de continuar no caminho marcial.
Academia Fabiano Morciani
Av Manoel Borba Gato,128 - São José dos Campos/ SP
FACEBOOK:Academia de Taekwondo Fabiano Morciani
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
29
TAEKWONDO
6º Dan
6º Dan
5º Dan
Daniel Ravazzani
Wanderlei Neto
Marcelo Pacheco
[email protected]
(13) 97421 4010 | Praia Grande/ SP
[email protected]
(11) 97367 6351 | Itu/ SP
[email protected]
(16) 99731 3586 | Ibitinga/SP
5º Dan
4º Dan
4º Dan
Natanael Lima
White Wágner
Marcelo Ayres
[email protected]
(61) 8517 6648 | Brasília/ DF
[email protected]
(11) 97254 3875 | Atibaia/ SP
[email protected]
(15) 98130 2637 | Sorocaba/ SP
PUBLIQUE
O SEU LIVRO
www.portaljorgeguedes.com
30
| CADERNO DE TAEKWONDO | REVISTA MASTER
Vários formatos | Pequenas a grandes tiragens
Produção com acompanhamento do autor
Registro no ISBN | Fotografia | Distribuição
e Assessoria nas vendas | Ilustrações
[email protected]
(13) 3345 3241 | 3323 0467
6º Dan
Paulo Ribeiro
4º Dan
Fabian Teodoro
[email protected]
(11) 5544 9827 | São Paulo/ SP
Mestre, agora 4º Dan, classificou o curso como
um divisor na carreira
S
ão mais de 20 anos de treinamentos e, pelo menos, 14
anos de especialização como professor, treinador e técnico de Taekwondo. E o reconhecimento por toda essa
dedicação aconteceu no Exame Nacional, quando Fabian Teodoro alcançou o 4º dan.
No entanto, o mestre teve que deixar as aulas na academia, os problemas pessoais e profissionais de lado para focar
100% na preparação. “O mais difícil foi fazer o corpo e a mente
caminharem juntos. O curso exigiu muito. Passei muitas horas
praticando e repetindo exaustivamente os movimentos dos
poomse, buscando a técnica perfeita. Acho que nunca fiquei
tão cansado fisicamente e mentalmente ao mesmo tempo”,
comenta.
Fabian classificou o curso do Kukkiwon como uma realização pessoal. “Esse dan veio em ótimo momento. E se um
dia, quiser mudar de país, serei reconhecido como mestre em
qualquer lugar do mundo. O Taekwondo é a minha vida. Devo
a ele tudo o que conquistei: família, academia, alunos, amigos, filosofia de vida, valores esportivos e medalhas”.
Fora do ambiente competitivo, o
taekwondista está focado apenas nos
alunos e na equipe. Ele tem o auxílio de
oito professores em quatro academias,
quatro condomínios e em um projeto
social.
Matrix Academia
Av. Padre Antônio José dos Santos, 545 - São Paulo/ SP
CEP 04563-001 Cel: (11)97327-4520
[email protected]
(47) 9629-3029 | Balneário Camboriu/ SC
Exames impulsionam carreira de mestres
Graduações trazem respeito e motivação
É
incontestável. Diplomas e troféus renovam o espírito
esportivo. Quando foi reconhecido com o 6º dan pelo
Kukkiwon e o 7º dan pela Chang Moo Kwan, o mestre
Paulo Ribeiro chegou ao mais alto nível de realização pessoal.
O exame teve o comando do grão-mestre Pan, que residiu
10 anos no Brasil, e do presidente da Chan Moo Kwan. E para
quem pensa que esta etapa não exigiu muito do taekwondista
está enganado. Paulo treinou em um clima gélido, com temperatura abaixo de zero.
Esteve na Coreia do Sul, berço do Taekwondo, em quatro
momentos (1989, 1992, 1996 e 2014), e liderou a seleção brasileira no Pan de Porto Rico, em 1990, e no Mundial de Poomsae,
na Colômbia, há menos de três anos.
Possui mais de 30 anos de carreira, metade envolvido
como professor, treinador e técnico. O amor pelo Taekwondo contagiou os filhos. Michel Ribeiro, por exemplo, competiu
pela seleção no Pan de El Salvador, em 2009, a mais velha tem
quatro Mundiais na categoria poomsae, enquanto o caçula
Bruno se prepara para fazer exame de faixa preta. “É uma satisfação ver meus filhos no tatame, se espelhando em mim.
Desde que venci o Brasileiro, em 1990, melhorei minha visão
de mundo para moldar as futuras gerações”, explana.
Durante uma década, o mestre esteve
à frente da Fundação de Esportes de Balneário Camboriú, trazendo títulos estaduais, nacionais e internacionais. Ministra
aulas e revela talentos em Balneário Camboriú e Camboriú, terras catarinenses.
Balneário Camboriú Taekwondo Club
Rua 500, nº 287 - Centro, Balneário Camboriú/ SC
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
31
TAEKWONDO
por Girliani Martins| Fotos: Arquivo Pessoal
PERFIL
Mestre Marcos Starling
inaugura academia em Lagoa Santa/ Minas Gerais
Após 30 anos nos Estados Unidos, retornou à
terra natal para compartilhar conhecimentos. Sua
academia oferece aulas de Taekwondo, Krav Maga,
Kung Fu, Boxe Chinês e Jiu Jitsu Tradicional
E
PUBLIEDITORIAL
m janeiro de 1984, o mestre em Taekwondo Marcos Starling enfrentou uma das maiores lutas fora do tatame: deixar Minas Gerais, seu estado natal, para morar nos Estados
Unidos. A decisão não foi fácil, mas a todo tempo teve o
apoio da esposa, Daisy.
No novo país, pôde lapidar os conhecimentos técnicos e lecionar.
No início, ministrou aulas de Defesa Tática para o Exército Americano
no Texas. Paralelamente, também competia em outras modalidades,
como Karate, sagrando-se campeão estadual em 1986.
No ano seguinte, migrou para Massachusetts, estado mais promissor, e começou a ensinar Taekwondo em uma academia. Em 1988,
abriu seu próprio dojang e formou mais de 10 campeões, incluindo as
duas filhas: Kira e Bryna Starling.
Na década de 90 vieram mais realizações. Com o apoio do Grão-mestre Yong Min Kim, organizou o 1º time americano que veio
competir no Brasil, atuou como vice-presidente da Associação de
Taekwondo do Estado de Massachusetts, diretor do comitê de exibições, técnico do time estadual, árbitro nacional, secretário-geral
e presidente do Torneio Estadual. Além disso, conquistou o recorde
mundial em demonstração de quebramento, durante a cerimônia de
abertura do Pan-Americano de TKD em Boston, que teve a presença
do presidente da PATU, secretário-geral do Kukkiwon, membros da
diretoria do WTF e do Korean Tiger Team.
Ainda no estado de Massachusetts, mas em Lawrence, foi proclamado Cidadão Honorário Proeminente e Sargento Honorário pelo
chefe de polícia da cidade. Starling ganhou o reconhecimento do
senador Edward M. Kennedy e do até então governador William F.
Weld. Quando assumiu a presidência dos EUA, até Bill Clinton o convidou para prestigiar sua posse.
Em mais de 30 anos vivendo em solo americano, o mineiro não
conheceu somente uma nova cultura, aprofundou os estudos de Tae­
kwondo, fez pesquisas com outros mestres, descobriu segredos da
arte que poucos têm acesso, graduou-se em Krav Maga e Police Defensive Tactics, e criou seu próprio Sistema de Defesa Tática Pessoal,
baseado no “Combate de Sobrevivência” (Survival Combat), realizando vários seminários no país. Tanta dedicação o fez entrar para o Hall
da Fama de Artes Marciais, em 2002.
Entretanto, após muito sucesso nos Estados Unidos, está de volta
ao Brasil e disposto a compartilhar tudo o que sabe sobre Taekwondo americano e geral. Em sua academia recém-inaugurada, situada
em Lagoa Santa, em Minas Gerais, cidade com pouco mais de 50 mil
habitantes, disponibiliza aulas regulares de Krav Maga, Kung Fu, Boxe
Chinês, Jiu Jitsu tradicional para crianças e, é claro, Taekwondo.
Marcos Starling é especialista em defesa tática policial e pública, e respeitado pelas façanhas em demonstrações de concentração
(energia Ki). Nos últimos meses, tem sido requisitado para ministrar
os cursos “Mestres e Professores de Taekwondo” e “Aprimoramento Técnico do Ensino do Taekwondo e Gestão de uma Academia”, as
palestras sobre ataques a pontos de pressão no corpo humano (faixa
marrom e acima da vermelha) e adrenalina: adrenal stress e resposta
à crise, além de o seminário “Faixas Pretas de TKD e Karate: bases e
suas aplicações”.
Academia em Lagoa Santa
Av. Acadêmico Nilo Figueiredo, 817, Centro, Lagoa Santa, Minas Gerais
Tel: (31) 9905-9962 (Vivo) | (31) 7303-4784 (Tim) | (31) 8583-0781 (Oi)
Site: www.starlingmartialarts.com | Facebook: Starling Martial Arts.
32
| CADERNO DE TAEKWONDO | REVISTA MASTER
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Formação complementar
O Grão-mestre pratica outras modalidades, como voo de asa delta, Scuba
Diving (mergulho), montanhismo e natação. É 7º dan em Taekwondo pelo
Kukkiwon (Moo Yong Lee, 9º Dan- EUA) e 8º em MooDukKwan (Moo Yong
Lee, 9º dan-EUA), bem como árbitro internacional pela WTF, instrutor de
Krav Maga, defesa tática policial, combate de sobrevivência, defesa tática do Exército Americano e de defesa tática do Exército Brasileiro. Possui
cursos de Educação Física, Relações Humanas, Gerenciamento de Comunidades, Instrutor de Mergulho, Mergulhador de Resgate, Mergulhador de
Wreck Diver e Mergulhador Noturno.
Da Redação| Fotos: Arquivo Pessoal
PERFIL
Max Quevedo
fecha temporada com títulos, homenagens e seminários
Grão-mestre divulgou projeto social, faturou novos troféus e realizou eventos no
Rio Grande do Sul e em outros estados.
MAX QUEVEDO 7 DAN KUKKIWON
PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA CREF 3707/RS
PUBLIEDITORIAL
O
que dá para fazer em 12 meses? O Grão-mestre gaúcho Maximiliano Quevedo de Oliveira
Rocha, conhecido como Max Quevedo, aproveitou bem o tempo. Conquistou oito títulos,
o bicampeonato de Hapkido WSHF, realizou
cursos e seminários, expandiu seu projeto social e atuou como árbitro de Boxe e Muay Thai.
No ano em que completou 40 anos de prática marcial, o
7º dan conseguiu mais visibilidade para o programa Cidadão
Atleta, desenvolvido nas cidades de Capão do Leão, Pelotas
e Tapes no Rio Grande do Sul, e em São Bernardo do Campo,
no estado de São Paulo. O projeto atende
gratuitamente crianças que vivem em periferias, levando cidadania por meio das
artes marciais.
Na temporada, Max defendeu seu estado na Copa América/Liga Nacional em
Arujá, onde recebeu a Homenagem São
Paulo, assim como foi representante leonense na 9ª Copa Mercosul de Taekwondo
ITF em Foz do Iguaçu. A organização prestou homenagens pelo seu trabalho.
Participou do Master Class de Taekwodo ITF no Paraguai e Brasil, sendo avaliado pelo mestre
Parm Rai, diretor técnico da ITF, e consagrou-se como instrutor internacional de Taekwondo ITF. É o primeiro profissional do Rio Grande do Sul com esta graduação na linha
Choi Jung Hwa.
Nos meses seguintes, sagrou-se campeão mundial de
poomsae no 23º Championship Open Taekwondo e no 22º
Championship de Hapkido WSHF Curitiba. Ganhou, inclusive,
um prêmio pela melhor apresentação do evento. Seus títulos
não pararam. Vieram o de campeão poomsae do Mercosul Desafio Brasil x Argentina pela Liga Gaúcha e Nacional, campeão
da Copa Quem Luta não Briga e do Circuito Costa Doce da Federação Gaúcha e CBTKD, campeão gaúcho Tapes LGT/RS, que
o levou ao Brasileiro, campeão em forma do Carioca Open, da
Copa Sul e do Festival 45 anos de TKD no Brasil.
Por pouco, não venceu o Brasil Games/FETESP, ficando
em segundo lugar, entretanto, compensou no Sul-Americano
Copa Fronteira, conquistando o bicampeonato.
Realizou exame de graduação WTF pelo Kukkiwon, firmando-se como o primeiro grão-mestre da região sul do estado e o terceiro 7º dan do Rio Grande do Sul. Foi avaliado
pela cúpula do Taekwondo mundial.
Esteve duas vezes na Assembleia Legislativa do Estado de
São Paulo. A primeira para receber o prêmio de Destaque
Esportivo, indicação dos deputados Roberto de Lucena (federal) e Luiz Carlos Gondim (estadual), e depois na Homenagem Esportiva, pela participação no livro Grandes Mestres
do Brasil (editoria Muay Thai). Na solenidade ganhou o título
de Mestre Honoris Causa da Faculdade Einstein (6ª edição
pelo Taekwondo e 7ª pelo Muay Thai) e se sentiu realizado
com a homenagem feita pelo presidente da Global Hapkido,
o GM Hee Kwan Lee.
O grão-mestre organizou o Campeonato Gaúcho, a seletiva para o Brasileiro no Maranhão (Liga Nacional), com a
chancela da CBC, WFMC e AFSO, e o 2º Seminário de TKD ITF
OBTI no Rio Grande do Sul.
Durante a Copa Sul Open de Muay Thai e MB Boran, em
Caxias do Sul, colheu os louros de sua trajetória por meio de
uma grande homenagem, do mesmo modo que ocorreu na
Festa das Crianças de Canguçu, sob o intermédio do vereador João Durão.
Para completar, foi destaque desportivo do programa Esporte e Cia, transmitido pela TVC e apresentado por Rogério Farias, e inspirou um decreto de lei em
Capão do Leão, sancionado pelo prefeito
Cláudio Vitória pela sua luta, conquistas e
por divulgar o nome do município em todo
o Brasil.
Na esfera do legislativo, recebeu menção honrosa das Câmaras de Vereadores
de Pelotas (Edmar Campos), Capão do
Leão (Nazi Medeiro), Canguçu (João Durão) e Tapes. Em breve, isso acontecerá em
São Bernardo do Campo e na Assembleia
Legislativa Estadual do Rio Grande do Sul.
Quando foi árbitro de Boxe ANB e de Muay Thai no 5º
Street Boxe, mais uma vez, reconheceram seus trabalhos.
Sempre em busca de conhecimento, participou de vários seminários, como o de padronização Técnica da Liga
Gaúcha de Taekwondo, Hapkido/Hwarang-Kundo GM Hong
Song Kang, Poomsae Kukkiwon GM Park, Hapkido/Hwarang
Kundo, Muay Thai com o arjan tailandês Pairojnoi Siamchai,
Muay Thai Boran com Ekger Mono, Master Class no Paraguai
e 45 anos de TKD no Brasil.
Por outro lado, esteve também ministrando seminários de
Taekwondo WTF e ITF no Rio de Janeiro (ATAG), São Bernardo
do Campo (equipe Imoogi) e no Rio Grande do Sul (AKAAP).
Castro Alves,05 Jardim América
Capão do Leão/ RS - CEP 96160-000
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
33
Da Redação| Fotos: Arquivo Pessoal
MUAYTHAI
Muaythai brasileiro é
revolucionado com CBMTT
Turma de 2014 no Seminário Internacional da CBMTT na PUC/ RS.
N
o dia 01 de maio de 2005, nascia a entidade
que deixaria a sua marca na história das artes marciais do Brasil, a Confederação Brasileira de Muaythai Tradicional (CBMTT).
Com um trabalho voltado e focado no
apoio ao atleta, a CBMTT oferta o melhor
do Muaythai aos seus membros com a chancela das duas
entidades de ordem mundial, a Internacional Federation
of Muay­thai Amateur (IFMA) e o World Muaythai Council
(WMC), que coordenam com o governo tailandês, a área
amadora e profissional, respectivamente.
Ao longo de seus 10 anos de existência, transformou o
Muaythai brasileiro em uma máquina de títulos dentro dos
ringues e uma referência em gestão administrativa e qualidade técnica, sempre alinhada com as últimas tendências e
normas técnicas emanadas pela IFMA-WMC.
Sua primeira preocupação foi
transmitir o verdadeiro Muaythai
Confederação para seus filiados que, até então,
conheciam uma forma distorcida
compareceu só
praticada no Brasil e chamada erroaos maiores neamente de Boxe Tailandês. Para
campeonatos isto, desde 2006 realiza cursos de
e capacitação técnica
internacionais e qualificação
em concordância com o currículo inaumentou sua ternacional da IFMA, como aconterepresentatividade ceu em 19 de dezembro de 2015, na
Pontifícia Universidade Católica do
Rio Grande do Sul (PUC-RS), onde o
Dr. Ms. Chao Wathayotha, professor
da Universidade de Khon Kaen, área de Muaythai, ministrou
uma atividade para instrutores e alunos filiados à CBMTT e
as suas federações.
Já na área de arbitragem, a presidente da Entourage
Commission da IFMA , Ingrid Jost, tem ministrado cursos de
arbitragem em todos os Estados do Brasil, formando um excelente corpo de árbitros e juízes que qualificam os campeonatos em solo nacional.
Ao longo dos anos, a CBMTT oportunizou aos seus atletas
filiados a possibilidade de defenderem e representarem as
cores do Brasil em 24 edições do Campeonato Sul-Americano, organizados pela Confederação Sul-Americana de Muay­
thai (CSMT), três Campeonatos Pan-Americanos, sendo duas
edições no Brasil pela Pan American Muaythai Union (PAMU)
e participou de todos Campeonatos Mundiais, sempre conquistando medalhas.
Mestre Chao, ministrante do Seminário Internacional 2015 na PUC/RS.
“
”
34
| CADERNO DE MUAYTHAI | REVISTA MASTER
Mestre Camacho com Yodsanklai Fairtex, campeão do King’s Cup.
A CBMTT, que tem sede na cidade de Porto Alegre, no
Rio Grande do Sul, prepara sua seleção para representar o
Brasil no Campeonato Mundial de Muaythai, que será realizado entre os dias 19 e 29 de maio de 2016 em Jonkoping, na
Suécia. Mais de 100 países estão confirmados.
Mas até atingir este patamar, muitas águas rolaram e
muito trabalho foi desenvolvido. E quem soou o gongo para
o início desta batalha rumo ao sucesso foi o superintendente
técnico nacional, o mestre Carlos Camacho, fundador e segundo presidente da CBMTT, que convicto de todo potencial
da modalidade, elaborou todo trabalho e articulou com os
entusiastas e praticantes desta arte marcial, a fundação das
atuais federações estaduais, que hoje dão sustentação a este
projeto e que, em 2015, fizeram uma belíssima apresentação no Campeonato Brasileiro, feito em Marituba, no Pará,
e organizado pelo presidente da FEMTTEPA, Agnaldo Silva.
Os campeões deste evento defenderão as cores da bandeira brasileira no Mundial da Suécia.
Equipe Campeã 2015 - Pará.
Júnior
Organização
Campeonato brasileiro
Adulto
Brasil e Argentina no President World Cup no Irã.
Pelos relevantes trabalhos em prol do Muaythai mundial, Mestre Camacho recebe a placa das mãos do Gen. Chetta Tanajaro e do Dr. Tapsuwan
PUBLIEDITORIAL
Mestre Camacho e Ingrid Jost com o Presidente da IFMA,
Dr. Tapsuwan e Presidente do WMC, General Chetta Tanajaro.
JUNTE-SE A NÓS!
A CBMTT está de portas abertas para todos
aqueles que amam o Muaythai e querem
somar neste projeto.
[email protected]
(51) 8110.3663
Presidentes e técnicos das seleções estaduais participantes
Agnaldo Silva (PA) • Tiago Araujo (RS) • Ari Ribeiro e Lucas S. Figueiredo (MT) • Tárcio
Silva e Ricardo Gomes(AM) • Mauricio Baião (MG) • Tuniko Junior e Alceu de Alvarenga
(RJ) • Rafael Augusto (PE) • Antonio Locatelli e Waldemir Schmidt (PR) • Paulo Ribeiro
(SC) • Joilson Leite(MS) • Sérgio Ramos (GO) • Manoel Junior (MA) • Carlos Lima (TO)
e Ranieri Souza (AC).
Árbitros: Anclayderson Andrade (PA) • Ari Ribeiro (MT) • Carlos Henrique (PR) • Dennys
Martins (PA) • Juliana Leite (PA) • Sergio Ramos (GO)
Juízes: • Alinne Baraúna (PA) • Anclayderson Andrade (PA) • Ari Ribeiro (MT) • Ary
Aguiar (PA) • Carlos Henrique (PR) • Dennys Martins (PA) • Guilherme Priebe (RS) •
Jorge Amorim (PA) • Juliana Leite (PA) • Raquel Soares (PA) • Sergio Ramos (GO)
Staffs: • Dennis Coelho • Alesson Lima • Aldair Cardoso • Dennys Thauanã • Rômulo
Rodrigues • Marcelo Raiol • Felipe Marques • Mizael Santos • Jefferson Silva
Campeões e medalhistas por categoria
Masculino 42-45 kg
• 1º Heitor Pereira (MT) • 2º Leonardo Souza (RS) • 3º Yan Santos (AM)
Feminino 45-48 kg
• 1º Larissa Moraes (PA) • 2º Fabiana Andrade (PA) • 3º Janaina Silva (PA)
Masculino 51-54 kg
• 1º Joel Neto (PA) • 2º Hildenberg Cavalcante (RJ) • 3º Mateus Carvalho (MG)
Feminino 54-57 kg
• 1º Geovana De Assis (PR) • 2º Laila Almeida (PA)
Masculino 54-57 kg
• 1º Wanderson Brito (PA) • 2º Anderson Abreu (PA) • 3º Angelo Gabriel (PA)
Masculino 57-60 kg
• 1º Luiz Felipe dos Santos (MG) • 2º Carlos Ariel (PA) • 3º Thiago Rodrigues (PA)
Feminino 60-63,5 kg
• 1º Ana Laís Nepomuceno (PA) • 2º Conceição Oliveira (PA)
Masculino 60-63,5 kg
• 1º Luiz Eduardo Quinto (PA) • 2º Kevin Santana (PA) • 3º Ariel Calumby (MS)
Masculino 63,5-67 kg
• 1º Felipe Silva (PA) • 2º Luan Preste (AM) • 3º Rafael Teixeira (RJ)
Masculino 67-71 kg
• 1º Henrique Menezes (PA) • 2º Lucas Henrique Souza (PA) • 3º Eric Miranda (RS)
Feminino 48-51 kg
• 1º Aryane Vasconcelos (PE) • 2º Karla Caroline (PA) • 3º Rayla Costa (PA)
Feminino 51-54 kg
• 1º Juliana Macedo (PA) • 2º Yasmin Viana (PA)
Masculino 51-54 kg
• 1º Fabricio Seixas (AM) • 2º João Junior (PA) • 3º Wescley Salomão (MS)
Feminino 54-57 kg
• 1º Larissa Ferreira (PA) • 2º Darlene Brito (PA)
Masculino 54-57 kg
• 1º Gabriel Azeredo (RJ) • 2º Kaleby Silva (PA) • 3º Raimundo Neto (PA)
Feminino 57-60 kg
• 1º Laynna Dantas (PA) • 2º Darlene Sales (PA) • 3º Debora Guerreiro (PA)
Masculino 57-60 kg
• 1º Marlos Souza (MT) • 2º Marcos Beckman (PA) • 3º Franklin Prado (RS)
Feminino 60-63,5 kg
• 1º Fabíola Silva (PA) • vBruna Lima (PA) • 3º Grazielle Coelho (MT)
Masculino 60-63,5 kg
• 1º João Paulo Carvalho (PA) • 2º Tadeu Borges (PA) • 3º Neto Moraes (PA)
Feminino 63,5-67 kg
• 1º Paula Silva (PA) • 2º Andresa Almeida (RS)
Masculino 63,5-67 kg (A)
• 1º Henrique Muller (MG) • 2º Ericles Ferreira (AM) • 3º Vinicius Maia (PA)
Masculino 63,5-67 kg (B)
• 1º Paulo Souza (RS) • 2º José Cavalcanti (PE) • 3º Khrystian Nascimento (PA)
Masculino 67-71kg
• 1º Raniel Carvalho (PA) • 2º Leandro Angelo (PA) • 3º Jeremias Junior (AM)
Feminino 71-75 kg
• 1º Daniela Cruz (MT) • 2º Mariana Knak (RS)
Masculino 71-75 kg (A)
• 1º Gabriel Pereira (RS) • 2º Luiz Neto (AM) • 3º Mychel La Roque (PA)
Masculino 71-75 kg (B)
• 1º Dionatan Dos Santos (SC) • 2º Alailson Felicio (PA) • 3º Tiago Silva (PE)
Masculino 75-81 kg (A)
• 1º Ruan Guedes (PA) • 2º Romario Nunes (RS) • 3º Alan Araujo (MT)
Masculino 75-81 kg (B)
• 1º Flavio Santos (RS) • 2º Rudinei Quadros (RS) • 3º Max Gonçalves (PA)
Masculino 81-86 kg
• 1º Rafael Brito (PA) • 2º Filipe Farias (PA) • 3º Jardel Moro (MT)
Masculino 86-91 kg
• 1º Denis Souza (MT) • 2º Samuel dos Santos (RS)• 3º José Neto (PE)
Masculino +91 kg
• 1º Luis Henrique da Silva (PA) • 2º Victor Siqueira (RJ)
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
35
MUAYTHAI
Crispim
Silva
leva a bandeira de
Palmas/ Tocantins
ao alto
do pódio
João
Ronaldo
Elói Mendes, em
Minas Gerais,
impulsiona
Muay Thai
M
PUBLIEDITORIAL
aranhense de nascimento e tocantinense de coração, é
dono de 12 cinturões, contudo sete de Kickboxing e cinco de Muay Thai, Luiz Carlos Crispim da Silva sonha com
mais títulos. Em 43 anos de vida, 25 somente de artes marciais, começou a traçar um caminho vitorioso com o Taekwondo, em São Luís.
Hoje, é 2º Dan em Karate e Kickboxing, grau preto de Muay Thai e
faixa azul de Jiu Jitsu. Também é seis vezes campeão de Kickboxing e
Karatê pela CBMA, WKA e WKU.
Aos 22 anos, deixou sua cidade natal para morar em Palmas, capital de Tocantins, que o recebeu de braços abertos.
É bicampeão pan-americano pela ISKA, bicampeão sul-americano pela ISKA em Jundiaí (São Paulo), campeão pan-americano pela
IMATE no Distrito Federal e Buenos Aires, campeão do mundo em
Karate, campeão de Karate semi-contato em Anápolis (Goiás) e campeão pan-americano pela UIAMA e campeão de MMA em Alta Floresta/ MT, categoria 57 Kg.
Mestre Crispim conta que, com o apoio do governo de Tocantins,
por meio da Fundação Municipal do Esporte e Lazer (Fundesportes),
tem conseguido atingir grandes resultados. “O patrocínio mensal é
muito importante, pois me ajuda nos campeonatos e com outras
despesas, que só quem vive de esporte enfrenta. Sou grato pelo incentivo do governo de Palmas e da Empresa Durax. Amo o que faço,
as artes marciais, minha cidade Palmas e todo o Tocantins”, destaca.
Crispim formou-se em Pedagogia e no momento cursa Educação
Física. É casado há 20 anos e pai de um filho.
Homem de fé, atribui seu sucesso a Deus e à família. “O que mais
prezo nesse mundo é Deus e Nossa Senhora Aparecida, de quem
sou devoto. Além deles, me inspiro em minha família. Não posso
deixar de agradecer também todos meus treinadores e amigos, em
especial ao Torrão e ao Zacarias.
Secr. da Fundesporte/ Palmas Ten. Cleiton Alen
36
| CADERNO DE MUAYTHAI | REVISTA MASTER
PUBLIEDITORIAL
U
nânime entre 17 milhões
de pessoas ao redor do
planeta, o Muay Thai
mostrou que o Brasil é um de
seus territórios mais fortes, com
200 mil praticantes.
Na lista de mestres está João
Ronaldo, grau preto e presidente
da Liga Mineira de Muay Thai.
Sua entrada no ramo esportivo se deu com o Taekwondo, em 1976, sob a tutela do
mestre Eliton, em Varginha.
Foram pouco mais de dois anos
de treinamento. Depois, migrou para o Karate (1979).
Quando passou a residir em
São Paulo, teve contato com outras lutas e fez boas amizades com Henrique e Serginho do Kick­boxing.
Na região central, no Bom Retiro, conheceu o grande mestre Álvaro de
Aguiar na academia Tigre (1987).
Por lá, soube o valor da lealdade com Ailton Pessoa, Luizão, Luiz
Aparecido, Paulo Nicolai, Valter, Alemão, Torrão, Japão, Serginho, Henrique, Jorge Arias, Toni da Pirelli, Tomás da Cruz, entre outras feras.
Por cinco anos, treinou com o mestre Álvaro, até a sua ida para
os Estados Unidos. “Entre 1993 e 1994, me formei com ele em Kickboxing, Full Contact e Muay Thai. No dia do meu exame, não havia
ninguém para lutar, então, tive que enfrentá-lo. O bicho pegou, pois
como ele iria competir nos EUA, fazia uma preparação de seis a oito
horas por dia, todavia, deu tudo certo”, conta.
Nessa época, dava aulas de Muay Thay, Kickboxing e Full Contact
em Jaçanã, na Academia Tanque Velho, onde tem dois alunos faixas
pretas nessas duas últimas correntes.
No Parque Edu Chaves, recorda-se que o mestre Álvaro lecionava
com a ajuda de dois professores: Serginho e Henrique. Nesse local
treinavam ainda o amigo Jorge Arias e o seu pai Sô Arias, pessoas das
quais nutre muita admiração.
Formou-se em Boxe com outro grande mestre, Ailton Pessoa, após
ter completado 3 mil horas de treino. Outras referências dos quais teve
o prazer de lidar foram Manoel Krei de Almeida e Seu Luiz, no CMTC
Clube, no qual participou de várias lutas de Boxe com sucesso.
Teve bons resultados na Forja e nos Torneios de Boxe e Kid Jofre.
Ademais, recebeu muitos elogios do até então presidente da Federação Paulista de Pugilismo, Milton Campos.
Apesar de ser formado em Kickboxing, Full Contact, Boxe, Karate
e Defesa Pessoal, praticante de MMA e Vale-Tudo, e ter feito cursos
de Defesa Pessoal com Lacerda, conhecido como o “Mestre da Morte”, e de Jiu Jitsu, com Edson Carvalho, classifica o Muay Thai como
a luta mais completa, em decorrência do conjunto de chutes, socos,
cotoveladas, joelhadas, clinchs, torções e quedas.
Com 20 anos neste esporte e de volta à Minas Gerais, João Ronaldo fundou a Liga Mineira de Muay Thai em Elói Mendes, graças ao
apoio do mestre Álvaro de Aguiar,
Matriz LMMT:
presidente da Federação Baiana.
Poliesportivo
“Fundei a liga em 01 de junho de
Mutucão
2007 e tenho muito apreço por
Eloi Mendes/ MG
ensinar tudo o que aprendi em
(35) 99958 6544
minha carreira”.
Da Redação| Fotos: Alan Emerson
EVENTOS
Fight
Night
1º Torneio de
Muay Thai
Asiático
“
”
Para o lutador da Brasilândia, Luis Brasileiro, o campeonato foi
o melhor evento que participou em Osasco. “Eu já disputei outros
circuitos, mas esse se destaca pelo atendimento e infraestrutura.
Se eu venci com ampla vantagem é por causa do meu treinador, o
Rocha. O Muay Thai é mais que uma arte marcial, é um estilo de
vida. Quando você decide abraça-lo, vê tudo de outra maneira”.
No Torneio Fight Night, a Ferreira Team foi a vencedora do desafio final. A Rocha Muay Thai e a China Team também conquistaram troféus.
Academias participantes
Resistência: Samara Maria, Ana Luzia Vieira, Fábio Ferreira,
Rafael de Souza
EFH Team: Alexandre Silva
China Team: Erivaldo Augusto, Augusto Soldado, João Paulo.
CTC Cobra: Gabriel Alexandre, Bruno França, Everton Moraes,
Bia Ferreira
Golden Tiger Team: Natália, Tiago Predador, Jeferson Predador,
Bruno Predador, Flávio, Cleber Moraes.
Leo Martial Arts: Ariel de Souza, Danilo dos Santos
Gueto Thai: Claudio Fernando, Melquise, Clauston
Alfa 1: Rodrigo Ferreira Team – Gleison Teixeira Campos
CARD PRINCIPAL
Ferreira Team venceu o desafio final com Gleison Teixeira. Equipe
Mahd Team Alexandre venceu por WO a Gold Tiger Team.
Flavio Predador Rocha Muay Thai Luis Brasileiro venceu por nocaute a Dinho Fighter Team Thiago Tubarão
Ao centro, o professor Anderson Alves
www.revistamaster.com.br
| nº 09 | 37
*Para visualizar
mais fotos acesse: migre.me/sacFh
PUBLIEDITORIAL
O
sasco, uma das mais ricas e populosas cidades
do estado de São Paulo, anualmente é palco de
inúmeros eventos esportivos, mas nenhum deles
tinha o Muay Thai como protagonista. Sabendo
disso, o mestre Anderson Alves, da AMTI, trouxe
para a cidade, em 14 de novembrode 2015, o 1º
Torneio Fight Night, com 15 lutas, sendo três profissionais.
No Clube dos Sargentos, as equipes CTC Cobra, Resistência,
Leo Martial Arts, Golden Tiger Team, Dinho Fighter Team, China
Thai e Gueto Tai não economizaram golpes nos ringues, levando
o público ao delírio.
Antes das lutas, os atletas fizeram uma oração e cantaram o Hino Nacional. Sem distinção
Cidade de gênero, homens e mulheres lutaram de forda região ma igualitária, sob a arbitragem da Associação
Thai Internacional.
metropolitana de Muay
Muito emocionado pelo momento que prode São Paulo porcionou à cidade de Osasco, o organizador AnAlves salientou o apoio e a participação
recebeu derson
dos familiares. “Esse evento aconteceu devido a
15 lutas, dois motivos: para mostrar a capacidade de nossos atletas e o poder do esporte. Foi um sucesso
sendo três graças ao apoio de muitos parceiros, como AFT
profissionais Muay Thai, Andexpress, Studio Renove, Clube
dos Subtenentes, Groma Alinha Motos, Farma
100, Tenicar, Focar Auto Center, Casa de Carnes
Oliveira, Nova Forma e a Marombar. Sem o vereador Rogério Lins e o secretário de juventude, Alexandre Capriotti,
nada disso teria acontecido. O esporte é a solução para muitas mazelas de nosso país, pois resgata crianças e jovens do caminho das
drogas e da violência. Ter visto tantas famílias torcendo e acompanhando os resultados foi sensacional”, fala.
No amador, o ringue ficou pequeno para Gueto Team e Golden
Tiger.
Surpreso, o mestre Francisco Ferreira Carvalho, da Ferreira Team,
foi chamado para ser homenageado. Ele recebeu das mãos do mestre Anderson Alves o cinturão. “Tenho 16 anos de Muay Thai e nem
esperava por esta homenagem. Na vida, às vezes a gente se sente
desmotivado, mas um campeonato como esse nos fortalece. As lutas
não deixaram nada a desejar. Todos estão de parabéns”, explica.
Da Redação
MUAYTHAI
PERFIL
Cinthia Fonseca
é a força da mulher no Muay Thai
No passado, professora da Isamp Sport era a única no ringue. Hoje,
orgulha-se de ver as mulheres dominando as academias
Arquivo Pessoal
Isamp Sport de Artes Marciais
(11) 5922-1210 | 5667-4460 | 7833-6818
[email protected]
38
| CADERNO DE MUAYTHAI | REVISTA MASTER
PUBLIEDITORIAL
© Alan Emerson Silva
E
la mede apenas 1m58, mas quando entra no ringue
cresce. Cinthia Santos da Fonseca, de 20 anos, é o
exemplo de que arte marcial não depende de estatura
ou qualquer outro fator físico, apenas de dedicação.
Quando adolescente, sua grande adversária era
a balança. O excesso de peso a fez levantar do sofá
e procurar uma academia de Boxe, pois esta modalidade sempre
lhe chamou a atenção. Na região onde morava, na Zona Sul de São
Paulo, em Interlagos, não havia esta opção, somente Muay Thai.
Nunca ouvira falar na arte tailandesa, então, já estava pronta
para descartá-la, porém, a mãe aconselhou que fosse assistir a uma
aula experimental.
Aos 13 anos, pisou pela primeira vez em um dojo e ficou assustada ao ver que a área era território apenas de homens. “Eu
fiquei perplexa quando entrei na academia e não vi nenhuma mulher. Pensei: isso não é para mim. Porém, depois de ter feito a aula
experimental, mudei de opinião. Fiquei apaixonada pelos golpes e
chutes”, conta.
Pouco a pouco, os treinos surtiram efeitos. Emagreceu, perdeu
a timidez e começou a construir uma carreira de sucesso. Após
cinco meses, subiu no ringue convicta de que queria aquela rotina
para a vida. É hoje campeã internacional, sul-americana, intercontinental e bicampeã brasileira.
Ao olhar para o passado e ver que o cenário marcial era sexista,
orgulha-se de ter ousado. Atualmente, as mulheres são presença
constante nas academias e correspondem a mais de 40% das turmas. “Na minha época, não tinha todo esse incentivo. O fato de ter
treinado somente com meninos me tornou mais resistente. Seja
para emagrecer ou para adquirir fortalecimento físico, o fato é que
as mulheres estão dominando as artes marciais”, analisa.
Professora de Muay Thai na Isamp Sport, Cinthia é daquelas
que primam pela rigidez e tradição, reflexo de sua formação. Seus
alunos, contudo, sabem que isto é necessário para manter a disciplina e os bons resultados. “Eles brincam me chamando de carrasca, mas treinam comigo porque querem vencer. E para tanto, têm
que treinar muito”, fala.
Por estar no último semestre do curso de Educação Física,
não sobra muito tempo para treinar, somente no período de férias. Apesar de gostar de MMA e de Cris Cyborg, não cogita deixar
os ringues tão cedo. O Muay Thai arrebatou-a. Tem a modalidade
marcada na pele e no coração. “Jamais vou abandonar minha arte,
fiz até uma tatuagem para homenageá-la. Tudo o que sou devo a
minha mãe, ao meu mestre Israel Cruz, que é um pai e super professor, às companheiras de luta e à equipe Isamp Sport: Murilo,
Odomar Souza e muitos outros”.
Em Guarulhos,
Mestre
Kamikase
transmite valores do Jiu Jitsu e Muay Thai
F
Faixa preta teve a
honra de ser
lapidado pelo
lendário
Rickson
Gracie
ilho mais velho de seis irmãos, Albertino Cabral da Silva nasceu em Surubim, mas construiu a carreira longe
do agreste pernambucano. Com apenas seis meses de
vida, veio com a família para o Rio de Janeiro, cidade
em que mais tarde encontraria um dos herdeiros do
Brazilian Jiu Jitsu, Rickson Gracie, que venceu todos os
400 desafiantes que apareceram em seu caminho.
Dos 10 aos 18 anos, Albertino, que ainda não era conhecido
como Kamikase, treinou com Rickson na garagem da casa dele. Por
não ter dinheiro, o jovem limpava os tatames em troca de meia
hora de aula. A alternativa deu certo. Formou-se faixa preta em Jiu
Jitsu e aprendeu com a lenda marcial a ser íntegro e honesto.
Em seguida, ingressou no Exército. Durante 10 anos serviu
o país e conheceu o Muay Thai por intermédio do mestre José
Wellington de Moraes, o Jacaré. Começou a dar aulas da modalidade, pois a autodefesa faz arte da preparação militar.
Em 1998, deixou de ser conhecido como Albertino e ganhou o
apelido de Kamikase, com “S” mesmo, que significa vento de Deus.
Na época, aceitou o desafio de enfrentar um lutador com 23 kg a
mais que ele. Não se intimidou, tanto que o derrotou aos 57 segundos de luta, com um arm-lock voador, justificativa da alcunha.
Continuou voando, conquistando os títulos de tricampeão do
Intercontinental de Muay Thai, campeão do Qualit Fight, da Organização Internacional de Artes Marciais, do Fight Dog I, do Guina
Fight de Muay Thai, e do Kombat League Itália.
Kamikase disputou campeonatos no Brasil e exterior (Europa), mas chegou um momento em que decidiu transmitir seus
conhecimentos para a nova geração. Então, passou a ser instrutor de artes marciais e a dar aulas em academias.
Há alguns anos deixou o Rio para morar em Guarulhos,
região metropolitana de São Paulo, onde é professor da Kamikase Team Europa, na Academia Acqua Sport.
Seus alunos não têm somente um conhecedor de golpes à
disposição, mas um parceiro. A afinidade entre eles é tanta que as
medalhas são meros bônus.
Faixa preta de Jiu Jitsu e Muay Thai, mestre Kamikase aconselha que, para ser um grande lutador, é essencial ter disciplina
. “Quem realmente sonha em vencer no mundo do combate,
precisa saber que abrirá mão de muitas coisas. Não existe sucesso sem abdicação”.
Kamikase
11-96640-3744
facebook/mestrekamikase
[email protected]
PUBLIEDITORIAL
PERFIL
Da Redação
Mestre Kamikase com Peter Aerts, na Holanda
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
39
CAPA
Da Redação| Fotos: Alan Emerson
Daniel
Lucena
investe no fomento do
esporte brasileiro
Mestre em Kung Fu Shaolin,
Kickboxing e Jiu Jitsu otimizou o
desporto em Santa Isabel e alavancou
a União Internacional de Artistas
Marciais da América e a Associação
Shaolin, uma das escolas marcial
em destaque no Brasil
A
53 km de São Paulo está Santa Isabel, município
turístico que atrai visitantes pelas raízes culturais,
traços interioranos e eventos esportivos. Antes de
integrar o Circuito Turístico das Águas Nascentes
do Governo de São Paulo, ficou famosa graças ao
cartunista Maurício de Souza, que atravessou fronteiras levando consigo o nome dela.
Além deste cidadão ilustre, é terra natal de um dos maiores
promotores do esporte no Brasil, Daniel Lucena, mestre em Kung
Fu Shaolin, Kickboxing e Jiu Jitsu.
Diferentemente do “rei dos gibis”, Lucena nunca mudou de cidade. Nasceu e cresceu entre cachoeiras, montanhas e lavouras.
Filho de Antônio Vieira de Lucena e Eunice Alves de Lucena, aprendeu desde cedo o valor das miudezas do cotidiano.
Em 1978, aos sete anos, um problema de bronquite o levou à
academia de Boxe. Os treinos eram em família, com Duda Lucena,
seu irmão mais velho. Ainda criança, percebeu que podia ir além, e
melhorar não somente os sintomas da doença, como ser um grande praticante.
Mais tarde, treinou Kung Fu, Kickboxing e Jiu Jitsu, tornando-se
mestre em todas estas artes marciais com o auxílio de lendas como
Kato, Cido, Amaro, Cabral, Monge Buzzi. Torrão, Paulo Zorello, Morganti, Dimiglio, Walbert Gomes e Rolker Gracie.
Cinturões
No Brasil, é dele o nocaute mais rápido, aos 10 segundos, pela
World Association of Kickboxing Organizations (WAKO). Fora este
título, é campeão paulista de Full Contact e Kung Fu, campeão brasileiro de Kung Fu Luta Profissional e Full Contact Profissional-CBKFS,
campeão mundial de Jiu Jitsu pela CBJJE e UIAMA, campeão pan-americano de Light Contact, de demonstração por equipe, vice-campeão paulista de Contato Português e há poucos meses venceu o 1° Internacional Master e garantiu a medalha de prata no Pan
de Jiu Jitsu Esportivo, na categoria peso pena. “Nos últimos anos,
em razão dos eventos que promovo em Santa Isabel, fiquei um pouco ausente. Ter a oportunidade de competir e alcançar resultados
como esses são muito gratificantes. Agradeço a todos os meus mestres pelos valiosos ensinamentos”, disse.
40
| CAPA | REVISTA MASTER
Cargos
Por sempre ter demonstrado interesse em fomentar o desporto,
foi convidado para ser técnico da Seleção Brasileira de Artes Marciais entre 2002 e 2008, e da Seleção Brasileira na Europa País Basco
- Espanha em 2003, além de ter atuado como árbitro da Associação
Mundial Organizadora de Kickboxing, UIAMA, Confederação Brasileira de Kickboxing Tradicional (CBKBT/SP) e Confederação Brasileira de
Jiu Jitsu Esportivo (CBJJE), bem como vice-presidente da Federação
Paulista de Kickboxing (FPKB), diretor técnico nacional da Confederação Brasileira de Kung Fu Shaolin (CBKFS), entre outros.
Associação Shaolin Internacional de Artes Marciais
Em 1992, realizou um de seus maiores sonhos: fundar uma escola com diversas modalidades em Santa Isabel, a Associação Shaolin Internacional de Artes Marciais (ASIAM), que realiza um trabalho
social com crianças carentes e idosos.
Atleta dedicado e professor entusiasta, lapidou o talento de vários atletas, como Lincoln Shirato, 4º Dan em Kickboxing, faixa verde
de Kung Fu e azul de Jiu Jitsu, que o considera um segundo pai. “Temos 25 anos de amizade. É uma honra e um privilégio conhecê-lo
bem. Desde os meus dois anos, me levava para a sua academia. Entrei na família Shaolin muito cedo. Sou muito grato por tudo que fez
por mim e pelo desporto. O Daniel me ensinou tudo que sei dentro
e fora do tatame. Considero-lhe bem mais que um mestre, é meu
segundo pai. Com o seu apoio e o da minha família, tive a felicidade
de ser o primeiro faixa preta de Kickboxing do Brasil aos 14 anos”.
UIAMA
Em 2002, filiou-se à União Internacional de Artistas Marciais
da América (UIAMA), sede na Argentina e comandada por Carlos
Hernandez. O objetivo dela é unir vários estilos e uma só entidade,
por meio de seminários e campeonatos nacionais e internacionais,
reconhecendo mestres e professores.
No segundo ano de parceria, Lucena foi chamado para ser vice-presidente. Se hoje, a UIAMA possui mais de 20 países filiados,
como Angola, Equador e Paraguai, é em grande parte, graças ao
seu trabalho.
Para ele, o sucesso está na união e no comprometimento dos
atletas. “Não visamos lucros, pois a atleta só paga para entrar e não
existe mensalidade. Cada estado filiado é livre para fazer seus próprios eventos. Com o mestre Carlos Hernandez, que é também um
grande amigo, procuro agregar conhecimento e cultura à instituição”, explica.
Frequentemente, traz para o Brasil vários eventos chancelados
pela UIAMA. O último foi o Sul-Americano, organizado em agosto
de 2015, com cerca de 800 inscritos.
No torneio, além de lutas de formas (mãos nuas), formas
com armas, Wushu Moderno, Tai Chi Chuan, Kung Fu, Thaiboxing,
Muay Thai, Low com projeção/Boxe Chinês, Submission,
Grappunch, Karate e Ninjutsu, houve um seminário de Jiu Jitsu
com o renomado Mestre Rolker Gracie um grande evento
marcial. Na ocasião, ele conquistou o 4º grau da modalidade, um
reconhecimento do Rolker Gracie e do Walbert Gomes.
Na 12ª edição, o Sul-Americano teve praticantes de São Paulo,
Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pará, Amazonas, Mato
Grosso, Angola, Argentina e de muitos outros estados e países.
Carreira pública
De tanto levar o nome de sua terra natal para os campeonatos
mundo afora e pelo mérito social, assumiu a secretaria de esporte
e lazer em 2013.
No decorrer desse tempo, descentralizou as atividades, indo
além do Futebol, Natação e Vôlei, e incentivou as modalidades
marciais. Na cidade, implantou os Projetos Judô, Jiu Jítsu e Patinação, que contribuem para a disciplina e tornam as crianças e adolescentes mais responsáveis.
Depois que começou a organizar campeonatos, verificou um
crescimento, afinal, as ações aproximam os moradores e movimentam a economia local.
Para quem o conhece a muitas décadas, como o mestre Gilberto Cabral da Costa, ele é um promotor da cidade e das artes marciais. “Em 1995, eu só vim para Santa Isabel por causa de o apoio
e o convite da família Lucena. É uma cidade que eu abracei junto
à minha formação. Ele está de parabéns pelo que tem feito. A sua
contribuição permite que artistas marciais não fiquem no anonimato, sejam reconhecidos e honrados”, conta.
De acordo com Lucena, isto é resultado de seu entendimento
como cidadão e praticante. “Eu nunca imaginei que um dia fosse ser secretário de esporte, queria ser basicamente faixa preta, porém, quando comecei a compreender o contexto das artes
marciais, procurei ajudar a fomentar esta área em Santa Isabel
e depois em outros estados, e hoje chegando ate fomentar em
outro países”, revela.
Atualmente, coordena as secretarias de turismo e desenvolvimento econômico
Homenagem Esportiva
Em 2013, em parceria com os parlamentares Luiz Carlos Gondim e Roberto de Lucena, teve a ideia de reconhecer e valorizar o
trabalho de atletas em suas diferentes áreas de atuação. Foi aí que
nasceu a Homenagem Esportiva, solenidade realizada anualmente
na Assembleia Legislativa do Estado de
São Paulo (ALESP).
Planos
Aos 44 anos, sendo 36 de prática marcial, Daniel Lucena é 7º Thuen em Kung Fu
Shaolin, 6º Dan em Kickboxing e 4ª Grau
em Jiu Jitsu. Formado em Massoterapia e Educação Física, possui pósgraduação em Psicopedagogia
e o título de Doutor Honoris
Causa em Esportes, Saúde e
Artes Marciais.
É seminarista, competidor e dedica-se principalmente às entidades das quais é
associado e ao desenvolvimento
dos atletas isabelenses.
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
41
CAPA
Principais filiados e alunos do mestre Daniel Lucena
Ezequias - 4° Dan Hapkido
São Paulo/ SP
Benedito - 1° Dan Kickboxing
Itaquaquecetuba/ SP
Cezar - 1° Dan Kickboxing
Santa Isabel/ SP
China Torres
Roxa de Jiu Jitsu
Santa Isabel/ SP
Clewton Fernandes - Preta de
Kung Fu, 2° Dan de Kickboxing
e Marrom de Jiu Jitsu
Fábio Silva Jacinto - Hapkido
5° Dan, 1° Dan Kickboxing
São José dos Campos/ SP
Fernanda Cristina Ricardo
1° Dan de Kickboxing
Caraguatatuba/ SP
Francisco
Marron de Kickboxing
São Jose dos Campos/ SP
Gabriel Lucena - 1° Dan
Kickboxing- Santa Isabel/ SP
Giuvaldo Fonseca- 4° Dan
Kickboxing- Guarulhos/ SP
Hamilton Xavier - Marrom
Jiu Jitsu Primavera do Leste
Mato Grosso
Ibañez Javier Anibal
1° Dan de Kickboxing
Buenos Aires/ AR
Jackson Correia - 2° Dan
Kickboxing - Pomerode/ SC
João Muniz -1° Dan Kickboxing
Rio de Janeiro
José Roberto - Mestre
Hapkido - 1° Dan Kickboxing
Osasco/ SP
Linlcon Shirato- 4° Dan Kickboxing- Santa Isabel/ SP
Lurdes Rosa - Jiu Jitsu- Roxa
Itaquaquecetuba-SP
(in memoriam)
Mestre Liboni Jiu Jitsu
Jundiaí/ SP
Nega Van -1° Dan Kickboxing
Santa Isabel/ SP
Oscar Osorio - Defesa Pessoal
Jiu Jitsu - Colombia
Renan Dornelas 1° Dan
Kickboxing-Santa Isabel/ SP
Ronaldo Passos
1° Dan Kickboxing
Carapicuiba/ SP
Sidorco Junior - Jiu Jitsu Azul
Santa Isabel/ SP
Villalva Carlos Ramon - Mestre
Kung Fu, Kickboxing e Intr.de
Jiu Jitsu- Buenos Aires/ AR
Danilo Silva- 1° Dan
Kickboxing - Santa Isabel/SP
Pedro Juan Benitez/ Kung Fu
Buenos Aires/ AR
Marcio José - 2º Dan Kickboxing
Guarulhos/ SP
Cristiano Silva - Mestre
Kung Fu- Araçatuba/ SP
42
| CAPA | REVISTA MASTER
Por Girliani Martins
Arnis Kali
ARNIS KALI
ARTE FILIPINA DE COMBATE COM ARMAS
P
Alessandro Lucas
Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal
ense em uma arte marcial que mescla, de forma
criativa e inteligente, técnicas com terapias tradicionais. Sim, o Arnis Kali Maharlika consegue.
O praticante chamado de mandirigma é
direcionado a um caminho de crescimento em
todos os campos: físico, mental e espiritual. O
autoconhecimento sempre foi o propósito dos fundadores da
vertente, os mestres Dada Inocalla e Madhuree Inocalla.
Os treinos incluem uma variedade de armas, combates em
pé, chaves e projeções, e técnicas complementares.
O Arnis Kali fez parte do treinamento militar e era praticado
e ensinado à nobreza. Só depois de alguns anos, pôde ser conhecido por outras classes.
No Brasil tem mais de 35 anos de implantação e é representado unicamente por Dada Inocalla. O guru Alessandro Lucas, seu
discípulo, é um dos grandes difusores tanto em território nacional
quanto internacional.
Além de ter feito intercâmbios técnicos com grandes mestres,
treinou com o professor Raymundo Ortega Wong no México e com
Nicholas Wachiman na Argentina.
Em dezembro de 2014, Alessandro e Dada fizeram um tour
de treinamento intensivo em várias regiões das Filipinas. Visitaram também Camarines Norte, berço natal do fundador e do
Arnis Kali Maharlika.
No Rio Grande do Sul, estado em
que é representante oficial do sistema, realiza cursos de formação com
faixas pretas e iniciantes em várias
cidades, agregando conhecimento e
técnicas eficazes e realísticas para serem usadas no contexto atual.
O guru explica que o sistema se
caracteriza pelo domínio de técnicas simples e eficientes de defesa pessoal; desenvolvimento da
autoconfiança, superação do
medo e da insegurança; aprimoramento de habilidades
físicas, motoras e sensoriais;
condicionamento físico; capacidade de concentração e
alívio do estresse. “É uma arte
completa que prima pelo treinamento holístico, ou seja, mente e
corpo”, disse.
Sistema criado por Dada e
Madhuree Inocalla está há 35
anos no Brasil e prioriza a
busca pelo autoconhecimento
Mestre Dada Inocalla
PUBLIEDITORIAL
cursos e seminários
www.institutohwaranghapkido.blogspot.com.br | www.arniskalirs.blogspot.com.br
[email protected] | [email protected]
Facebook: [email protected]
(51) 9519-0607
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
43
DEFESA PESSOAL
Por José Augusto Maciel Torres
Por que é importante aprender
Defesa Pessoal?
O ponto central não está nos golpes, mas na neutralização e proteção da vida
44
| DEFESA PESSOAL | REVISTA MASTER
© dmitrimaruta - Fotolia
B
asta falar em Defesa Pessoal para que muitos a associem
ao uso de socos e pontapés que visem machucar uma
única pessoa e/ou várias em curto espaço de tempo.
Mas isto é um ledo engano, visto que o seu principal objetivo é exatamente o contrário: evitar ferir e ser ferido.
Se o nosso maior patrimônio é a vida, ninguém tem
o direito de extingui-la, a não ser em casos extemos. A Defesa Pessoal
é um termo Lato Sensu e não uma conceituação meramente Stricto
Sensu. A ação de se defender ou proteger outros por meio de socos e
pontapés não representa o real conceito do sistema.
Na verdade, Defesa Pessoal é o esforço racional para proteção
de algum bem, inclusive, é bom lembrar que a legitima defesa objetiva encerra a agressão. A condição básica é a atitude preventiva,
que nada mais é que uma visão proativa, facilmente desenvolvida
com vivência tácita.
O ato de se defender é muito natural. Todos nós nascemos com instintos de defesa e ataque, cabendo ao contexto social criar as normas
para condicionar estes dois pontos e elaborar leis que possibilitem um
processo de direitos e deveres dos indivíduos dentro da sociedade. A
conclusão, então, é que a defesa da vida é algo instintivo e coube ao
estado, de forma histórica, aplicar esses princípios de igualdade.
Dentro de uma visão axiológica e seguindo métodos epistemológicos vigentes, cada país estabelece limitações sociais e individuais para
a Defesa Pessoal, usando-a sem exageros e limitando-a a proteção.
A legítima defesa se caracteriza, em qualquer parte do mundo,
como um mecanismo que pode ser usado por qualquer que queira assegurar a sua vida ou de outros com finalidades semelhantes. Dentro
do contexto neoliberal, no qual vivemos, é preciso que tenhamos uma
visão da importância de cursos voltados ao tema, para garantirmos um
entendimento adequado, evitando que seja a ação seja usada de má
fé ou por impulso.
Ela nada mais é que um conjunto de medidas ostensivas ou discretas
com a finalidade de colocar de forma preventiva a vida de pessoas físicas e/ou jurídicas contra riscos ocasionais ou provocados, que venham a
criar problemas na sua integridade física, bens patrimoniais ou até mesmo em aspectos organizações empresariais.
Funciona como um mecanismo da eliminação do caos e pela volta
do equilíbrio individual, social e empresarial, quando usado em casos
específicos. No processo da legitima defesa é recomendado ter menos
emoção e mais racionalidade, algo que no momento do conflito é muito difícil de ser feito. Em razão disso, surge a importância de constantes
treinamentos teóricos e práticos. Assim, no momento exato do conflito
é possível acionar o contexto tácito, já que as constantes repetições
dos movimentos de Defesa Pessoal, aliados a um processo de emotividade e racionalidade, possibilitarão um pleno condicionamento.
Quem recorre à legítima defesa precisa ter consciência do que
está fazendo e procurar sempre a neutralização, pois o objetivo neste caso não é exagerar no revide e sim pausar a agressão.
A Confederação de Goshin Jitsu e Defesa Pessoal do Brasil, fundada em 24 de março de 2009, em Salvador, na Bahia, assim como
a Faculdade Einstein (FACEI), vem realizando diversos cursos a níveis
de extensão e pós-graduações relacionados à Defesa Pessoal e afins.
José Augusto Maciel Torres
Pres. da Confederação de Goshin Jitsu e Defesa Pessoal do Brasil
www.portaldadefesapessoal.com.br
www.portaldasartesmarciais.com.br | www.facei.edu.br
se prepara para brilhar nas telas de cinema
Shifu é o introdutor do Kung Fu
em Rio Claro, município do
interior de São Paulo
O
professor Taylor Lima tem 33 anos de artes marciais e é
aficionado por esportes de combate.
Nascido em Rio Claro, no interior de São Paulo,
iniciou a carreira aos 12 anos por meio do Karate (estilo Kyokushinki), permanecendo até a faixa laranja,
quinto kyu.
Pouco tempo depois, migrou para o Kung Fu (estilo Tong Long), onde
se encontrou como artista marcial, estudando técnicas, origem e a filosofia. Tanto empenho o levou a se tornar faixa preta e a ser o introdutor
desta modalidade em sua cidade natal.
Em parceria com o professor Osni Ferraz, também graduado no estilo, desenvolveu vários projetos e se aprofundou em outras práticas, vindo a se graduar em Kung Fu (Chin Wu), Kempo Chinês (Lohan Tao) e Krav
Maga (Israel Self Defense).
No Kung Fu, conquistou vários títulos na modalidade combate (Kuo
Shu Avançado e Lei Tai), bem como realizou cursos táticos e seminários.
Participou do “Seminário Internacional de Lutas, Cenas de Ação e
Coreografia de Artes Marciais”, em Buenos Aires, na Argentina, ao lado
de grandes nomes, como Mohammed Quissi, conhecido como Tong Po,
que contracenou com Jean-Claude Van Damme, estrela de “O Grande
Dragão Branco” e “Kickboxer- O desafio do Dragão”, e também com Juan
Olmedo, do filme “Justiça Própria”.
Em mais três décadas nas artes marciais, estabeleceu contato com
inúmeras entidades, sendo membro ativo de grandes federações e
instrutor credenciado pela Confederação Brasileira de Krav Maga Real
Combat, que tem como tutores os mestres Renato Pires e Sergio Kobra,
diretor geral e presidente, respectivamente. Também é professor e representante da International Chinese Kempo Karate Federation (ICKKF).
Ultimamente, desenvolve vários trabalhos e projetos que enfatizam
a Defesa Pessoal Urbana, cursos táticos e aulas regulares, além de atuar
como segurança pessoal e artístico.
Taylor Lima está se preparando para seguir a carreira de ator. Sua
predileção é por filmes de ação e artes marciais. Em 2016, participará
do Campeonato Mundial Inter Estilos, o World Hall Styles Championship
Self Defense Scenic Street Demo Shows, que será realizado de 18 a 20 de
março na cidade de Caldas da Rainha, em Portugal.
Mohammed Quissi, (Tong Po, do filme “O Grande Dragão Branco”).
Filmografia de Mohammed Quissi.
Taylor Lima
(19) 99960-5338 | (19) 98366-0746
[email protected]
Facebook: Prof. Taylor Lima
PUBLIEDITORIAL
PERFIL
Taylor Lima
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
45
SAÚDE
ESPORTIVA
ENTREVISTA
Erich Luiz Meirelles se consagra
no universo editorial
a força da mulher no Muay Thai
Escritor lançou duas obras: “Não quis o destino” e “O reflexo dos vencedores”,
que compõe uma série de três volumes
possibilitando assim que as futuras gerações usufruam destes ensinamentos. Por conhecimento de causa, no final das contas, a procura imediata amadurece e se transforma em outra realidade que busca interiorizar algo consistente que agrega e traz uma proposta de filosofia de vida.
MASTER: As artes marciais geram pessoas violentas?
ELM: Na verdade há uma tremenda distorção na construção deste pensamento. A sociedade é muitas vezes levada a crer de
forma errônea e associar agressividade à autodefesa.
O agressor não faz parte de nenhum tipo de sistema
ou método de ensino sério. O que vemos são indivíduos que resolvem colocar suas desilusões para fora
e exacerbar com veemência esta conduta.
Em um contexto geral, as artes marciais oferecem aos seus praticantes o aprimoramento do corpo
e da mente, com ênfase na disciplina, respeito e na
confiança; virtudes das quais só acrescentam e são
necessárias para o devido ajustamento do mundo
em que vivemos.
MASTER: Quais são os seus ídolos?
ELM: Por incrível que pareça e não querendo ser
presunçoso, nunca fui do tipo entusiasta, a ponto de
MASTER: Qual é o significado desta obra para
Erich Luiz Meirelles
ficar idolatrando alguém e nem muito menos de ficar
sociedade?
fazendo comparações, por isso posso realmente afirmar, que não possuo
Erich Luiz Meirelles: Defino pelo que já escrevi na sinopse da série que
este devaneio de ter um ídolo ou mais. Entretanto, me espelho no trabaintitulei como “O reflexo dos Vencedores”, fascinante volume que tem por
lho iniciado pelo grão-mestre Dirceu Amaral Camargo, exemplo para mim
finalidade narrar o poder de transformação de jovens discípulos aprendie para inúmeros mestres de Kung Fu espalhados por este Brasil afora.
zes (que são o tema central). Com ele, dá para se identificar com várias
situações narradas. Por enquanto, estamos com um projeto inicial de três
MASTER: Qual a importância das federações?
volumes. Pretendo mostrar de uma forma objetiva todo o processo que os
ELM: A meu ver, elas ocupam uma posição importantíssima e não podejovens discípulos aprendizes enfrentam até se tornarem professores.
mos deixar de ressaltar as ligas, confederações e escolas, bem como as
O leitor sentirá em alguns momentos que os acontecimentos do livro
pessoas de extrema relevância, como os shifus Paulo José da Silva, Renato
foram escritos para ele mesmo, pois de fato muitos são bem comuns no
Calheiros de Barros, Jairo I. Figueiredo, Paulo Di Nizo Filho, Marcus Vinícius,
cotidiano. O desfecho da trama é surpreendente. Outro fator importanEdilson Moraes, Adriel Almeida e Cleber Souza, entre outros que comprete, sem sombra de dúvida, é mostrar para os leigos que este universo
enderam a necessidade de se doar para este processo de construção no
transcende o âmbito da luta. O leitor passará a enxergar o verdadeiro
âmbito marcial, atuando como difusores dos anseios da classe da qual reaspecto filosófico da prática e a importância de manter viva esta exprespresentam, com ética, seriedade e sempre seguindo os princípios.
são cultural, que muitas vezes é mencionada, porém, pouco esclarecida,
criando várias distorções por falta de conhecimento.
MASTER: Qual o poder que as artes marciais exercem na construção do
caráter em seus praticantes?
MASTER: Qual seria seu chamado para o leitor adquirir sua obra?
ELM: A resposta
ELM: Meu chamado é em forma de desafio. Solicito aos leitores da revem ao encontro
vista “Saúde Hoje e Sempre” e também aos da “Master” que comecem
de uma das minhas
agora a fazer parte deste novo universo de conhecimentos. O primeiro
obras, “Não Quis O
passo será adquirir a obra propriamente dita, seguindo a ordem cronoDestino” (Editora
lógica, “O Reflexo dos Vencedores – Volume I”. A partir daí, permita-se
Biblioteca 24 Hoimaginar como parte integrante desta história, assumindo o lugar de um
ras). Ela mostra ao
dos jovens discípulos aprendizes. No segundo passo, comece uma proleitor que as escofunda introspecção sobre o que está lendo e ao mesmo tempo avalie
lhas e os destinos
se realmente aguentaria passar por todos os rigores e provações, ou até
do
protagonista
mesmo se desistiria de tudo ao sinal da primeira dificuldade. A ideia é
acabaram se funse deixar enriquecer em um ambiente desconhecido ainda por muitos.
dindo no firmamento da construMASTER: O Kung Fu é capaz de sobreviver a todo este apelo da qual o
ção e da formação
mundo instantâneo necessita?
de seu caráter. Em
ELM: Em primeiro lugar, é bom salientar que não só o Kung Fu, mas as
suma, sua história
demais artes marciais que trabalham com um sistema e um método de
de vida é o resultaensino pré-determinado, possuem pessoas capacitadas que têm como
do final.
objetivo claro o de manterem viva a expressão cultural que representam,
46
| SAÚDE ESPORTIVA | REVISTA MASTER
PUBLIEDITORIAL
S
e não bastasse ser respeitado nas artes marcias, o sifu Erich
Luiz Meirelles, 8º duan em Kung Fu, se destaca no âmbito
literário, com “Não quis o destino”, publicado em 2014, e “O
reflexo dos vencedores”, primeiro de uma série de três volumes lançado no início de 2015.
O primeiro conta a história de um grupo de jovens da
região central de São Paulo, que tem como protagonista o perspicaz Luiz.
O nome não é mera coincidência. Assim como Erich
Luiz, o jovem passa por várias provações até se firmar
na vida.
A ideia do autor é que a cada página, o leitor se
sinta movido a saber o desfecho do personagem.
Em “O reflexo dos vencedores”, o pano de fundo
é a transformação de jovens aprendizes em professores, sob uma ótica objetiva e envolvente.
Fora a carreira literária, Erich é professor de Kung
Fu, colunista da revista “Saúde Hoje e Sempre” e tetracampeão estadual de combate em Kuoshu pela Federação Paulista de Arte Marcial Chinesa de Kuoshu.
Na entrevista a seguir, ele fala sobre as obras,
suas referências e os preceitos do Kung Fu.
JOSÉ AUGUSTO MACIEL TORRES
SAÚDE ESPORTIVA
Estilos de Seitai
Prática compreende um conjunto de manipulações na coluna vertebral. É indicado
para aliviar dores nas costas e patologias, organizando o corpo como um todo
Mesmo com esta variedade, a essência filosófica e marcial
nipônica continua a mesma e leva ao objetivo central: o tratamento de dores e/ou patologias da coluna vertebral, proporcionando ao ser humano um completo equilíbrio.
No campo virtual é possível encontrar várias informações sobre o método. Existem também alguns livros disponíveis no Brasil
sobre o tema, como “O método de cura de Yawara pelo processo
do professor Suzuki” e “O fator decisivo da lombalgia Wa Nyu Seitai
(teoria e prática)”, de Sadakazu Nakata, e “Seitai Preventivo e Seitai
Corretivo”, escrito por Teruyoshi Hoga, e Yawara Seitai - práticas e
indicações, assinado por Teruo Suesada.
47
| SAÚDE ESPORTIVA | REVISTA MASTER
É composto por uma série de movimentos aplicados nas regiões articulares, que obedecem aos princípios anatômicos básicos,
tratando de forma indolor vários distúrbios músculos-esqueléticos.
Em síntese, possui manobras geradoras de reposição vertebral,
que leva a um alívio muito rápido da dor e conduz ao processo de
eliminação das patologias.
Fundamentos
Sua fundamentação está na visão global dos conteúdos terapêuticos orientais. A cultura do Seitai defende a ideia de que a “doença é a desobediência” e a “saúde é obediência”. Portanto, só é
possível ter boa saúde quando obedecemos as leis cósmicas que
regem todo o Universo. Aceita-se ainda a existência de uma energia
vital, sendo Chi para os chineses e Ki para os japoneses.
O profissional habilitado no Seitai realiza ajustes vertebrais,
promove a remoção de qualquer compressão nos nervos espinhais,
recupera a capacidade de transmissão dos impulsos nervosos do
sistema nervoso central para tecidos e órgãos do corpo, faz manipulações vertebrais individuais, levando em consideração o local,
grau e direção do desvio da coluna vertebral, e os aspectos somáticos, espirituais e mentais do paciente, e conscientiza que o problema tem que ser conduzido dentro de um aspecto integral, afastando pensamentos e hábitos errôneos.
Cursos
Em nosso país há poucos cursos e a maioria está concentrada
na região sul. A prática não é tão difundida quanto a massagem e a
Quiropraxia, mas tem grande potencial.
Prof. Dr. José Augusto Maciel Torres
presidente da Academia Brasileira de Seitai
www.seitai.com.br
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
PUBLIEDITORIAL
O
Seitai é uma técnica nipônica de manipulação da
coluna vertebral desenvolvida entre os séculos XV
e XVI, que busca tratar todas as ordens de distúrbios ósseos e musculares. O termo significa “organizar o corpo”.
Tudo começou com os lendários samurais.
Movidos pelas necessidades, criaram uma série de movimentos
precisos, aparentemente violentos, mas que ao serem aplicados
possibilitavam o alívio completo do corpo e proporcionavam condições de restabelecimento para novas lutas.
A princípio, estas técnicas manipulativas ficaram restritas somente aos praticantes de artes maciais. Com a ida dos japoneses
para as Américas, o Ocidente pôde conhecer os benéficos do Seitai.
Após a Segunda Guerra Mundial, devido principalmente ao
exercito japonês, o mundo teve mais contatos com o procedimento manipulativo.
No Brasil, o Seitai chegou com a imigração japonesa. Inicialmente, circulou dentro das colônias. Nessa época, os mestres atendiam
apenas aos seus conterrâneos. Com o passar do tempo, ficaram
mais flexíveis. O público brasileiro os chamavam de “massagistas de
coluna´´ ou ´´japoneses que estalam coluna´´.
Assim como as artes marciais, o Seitai tem diversos estilos,
escolas, métodos e linhas. As diferenciações são estabelecidas de
acordo com a formação do professor ou mestre.
Cada vertente imprime um sistema único e recebe o nome de
quem o criou ou de um termo nipônico com significado importante ou
marcante. Na atualidade, o Seitai saiu do circuito japonês e, é inclusive,
conhecido na Europa e nos Estados Unidos, a ponto de diversos estilos
usarem termos em inglês ou em outras línguas estrangeiras.
© BillionPhotos
Conceitos
47
SAÚDE
SAÚDE ESPORTIVA
ESPORTIVA
Da Redação| Fotos: arquivo pessoal
Homenagem do vice
presidente da CHQA para
a ABQS aos professores
Jaime Kuk e Cassiano M
Takayassu pelos serviços
prestados em prol da
divulgação e do ensino do
Qigong no Brasil
Associação Brasileira de Qigong para Saúde promove
práticas corporais
chinesas
Entidade introdutora do Qigong para Saúde e do Daoyin Yangsheng Gong no Brasil
V
ocê sabia que existe um exercício baseado na
Medicina Chinesa que une técnicas corporais
completas ao controle da respiração? Sim, é
o Qigong, que tem inclusive uma entidade
por aqui, a Associação Brasileira de Qigong
para Saúde (ABQS).
Fundada em 2012, por meio dos esforços dos professores Cassiano M. Takayassu, Jaime Kuk e Thiago Costa, e do
mestre Miguel Martins, tem como objetivo central o fortalecimento e a divulgação das práticas corporais chinesas. A
ABQS ministra cursos, seminários e atividades abertas para
praticantes avançados, leigos e profissionais da área de saúde em geral.
Foi a introdutora no Brasil do Qigong Renovado para
Saúde (Health Qigong) e do Dao Yin Yang Sheng Gong.
Desde a sua criação, traz anualmente o presidente da Associação Espanhola de Qigong para Saúde e da Associação
Espanhola de DaoYin Yang Sheng Gong, Miguel Martins, e
também educadores da Associação Chinesa de Qigong para
Saúde (Chinese Health Qigong Association).
Possui muitos instrutores e professores formados em
vários estados brasileiros. Em território nacional, é a única
escola autorizada a ministrar cursos de Dao Yin Yang Sheng
Gong com o aval do Dr. Zhang Guan De.
48
| SAÚDE ESPORTIVA | REVISTA MASTER
História
Em 1992, com o intuito de popularizar o Kung Fu (Wushu) de
Combate à Organização de Desportes da China, foi organizada
uma vertente moderna das artes marciais tradicionais chinesas
adequada aos tempos atuais, em que o foco nunca foi o combate
ou a autodefesa, mas o nicho esportivo. A esta modalidade deram o nome de Wushu Olímpico ou Moderno.
Por volta de 2002, a Administração Estatal Chinesa de Cultura Física e Desportes criou um novo departamento oficial, a
Associação Chinesa de Qigong para Saúde (CHQA), que teve a
tarefa de reunir, organizar, padronizar e promover os diferentes
estilos chineses de Qigong no mundo.
A CHQA identificou a necessidade de popularizar e difundir
essas práticas tradicionais. A partir dai, houve um grande passo
pioneiro e inovador. Enviaram vários experts e mestres a diferentes regiões da China, a fim de reunir as principais vertentes
de Qigong.
Dentre os mais de 800 estilos reunidos durante a investigação, os especialistas da Associação Chinesa fizeram uma seleção
das formas mais praticadas, descartando as que consideravam
sem fundamentos ou místicas.
Os trabalhos selecionados foram submetidos a estudos científicos por parte deste comitê especializado em Medicina Tradicional
Chinesa (MTC) e Moderna e também por Comissões Desportivas e de
outras áreas relacionadas à saúde. O intuito era estudá-los e atualizá-los para reapresentá-los, perante a comunidade de praticantes.
Essas investigações e pesquisas resultaram no “Qigong Renovado”, que se baseia nos pilares dos conhecimentos e habilidades antigas, ao mesmo tempo em que enriquece, acrescentando avanços médicos, de educação e higiene corporal, bem
como outras tecnologias.
Estas melhoras, unidas a investigações contínuas, aos avanços científicos no campo da bioeletricidade humana, o Qi e a
crescente compreensão da relação intima entre a sua circulação
e o corpo, e as suas funções orgânicas, os sistemas corporais
e a saúde, fizeram uma autêntica revolução do Qigong no inicio do século XXI, cerca de 5 mil anos depois de sua aparição.
Desmitificaram-no, tornando-o compreensível e ao alcance de
seus praticantes, apresentando assim um novo Qigong Renovado para Saúde.
Até 2013 haviam sido revisados várias formas clássicas para
a sua difusão mundial, como Yijinjing (Tratado de Fortalecimento
dos Músculos e Tendões), Ba Duan Jin (8 Brocados de Seda), Wu
Qin Xi (O Jogo dos 5 Animais), Liu Zue Jue (Os Seis Sons de Cura),
Mawandui Daoyin Shu (A Arte do Daoyin de Mawandui), Da Wu
Qi Gong (A Grande Dança do Qigong), Shi Er Duan Jin (Os 12
Brocados de Seda Sentados) e Taiji Yangsheng Zhang (Exercícios
com Bastão para a Saúde).
A pedido do governo chinês, que o considerou um dos grandes tesouros da China, pela sua eficiência na profilaxia e nas
condições de Saúde em geral, o Dr. Zhang Guan De elaborou o
Dao Yin Shi Er Fa (Daoyin 12 Técnicas) que reúne a base do sistema Daoyin Yangsheng Gong. Sendo esta uma forma que pertence ao DYYSG e ao Qigong Renovado para Saúde.
Daoyin Yangsheng Gong (DYYSG)
Dao Yin: conduzir o Qi.
Gong: exercício, trabalho.
O Dao Yin Yang Sheng Gong é um método de Qi Gong criado pelo mestre Dr. Zhang Guang De. Está baseado nos critérios
teóricos da MTC, comprovando seu efeito no tratamento de enfermidades crônicas e na manutenção da saúde.
O professor Dr. Zhang Quande nasceu na cidade de Tangshan, província de Hebei (China), em 1931.
Em 1974 nasceu oficialmente o Dao Yin Yang, Sheng Gong,
depois que lhe entregaram cópias de manuscritos e peças de
porcelana antigas onde se retratava alguns exercícios antigos do
Qi Gong. A partir daí, mestre Zhan Quan De estudou e desenvolveu este sistema, compilando-o em 7 volumes com mais de 7000
caracteres cada um. Entretanto, devido a uma grave doença, foi
internado. Após dois anos praticando Dao Yin, teve alta, assim
como mais 86 pacientes da mesma enfermaria.
Desde aí, o DYYSG tornou-se o primeiro sistema de Qi Gong
a ser aprovado pelas autoridades de saúde da China e pelo ministério da educação e desporto, tendo sido premiado pelo governo pelo desempenho e usado como matéria de estudo nas
universidades do país.
Zhang Guande não quis guardar o sistema para si ou só para
a China, assim difundiu o sistema DYYSG por 64 países nos cinco continentes. Eleito pelo governo chinês como um dos 100
melhores mestres, recebeu a condecoração pelo seu estudo e
desenvolvimento de um sistema para a saúde, de grande valia
para o orçamento governamental da China.
Milhares de pacientes que sofriam de patologias médicas foram tratados por meio do DYYSG. Em 1990, o Dao Yin Yang Sheng
Gong foi reconhecido pelo ministério da saúde e educação.
O Dyysg é integrado nas diferentes faculdades de desporto
e medicina. Em 1992, o professor Zhang Quan De recebeu o segundo prêmio pela investigação científica para a saúde na China.
Em 1998, ganhou o oitavo duan pela Federação de Wushu da
China, e nesse mesmo ano, o Dyysg foi integrado como “cadeira”
nas universidades de desporto.
É presidente honorário do Centro Internacional de Dao Yin
Yang Sheng Gong, vice-presidente permanente do departamento de investigação do Wushu na China, e líder honorário
da Federação Europeia de Dao Yin Yang Sheng Gong, com sede
na França.
Mestre Miguel Martins, presidente da Assoc. Espanhola de
Qigong para Saúde, com o Mestre Dr. Zhang Guan De.
Encontro de Praticas Corporais Chinesas na Zona Leste, em
São Paulo. Reuniu mais de 800 pessoas, com a participação da
ABQS e organização da Prefeitura de São Paulo.
Hoje, o Dao Yin Yang Sheng Gong e o Qigong Renovado para
Saúde são os únicos sistemas de Qi Gong aprovados e reconhecidos pelo governo chinês, sendo praticado em todo o mundo
por milhões de pessoas.
Curso de Formação em Qigong Renovado para Saúde Daoyin Yang
Sheng Gong para 2016 com o Mestre Miguel Martins (Espanha).
Associação Brasileira de Qigong para Saúde (ABQS)
Tel: (11) 3101-0849 | (11) 99564-4584 | (11) 99980-8656
[email protected] | www.abqsaude.com.br
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
49
PUBLIEDITORIAL
Yang Sheng: manter, conservar a saúde.
Da Redação | Fotos: arquivo pessoal
Da Redação | Fotos: Arquivo Pessoal
“
Atletas com
formação
abrangente têm
mais chances
de se destacar
nos ringues
”
Aprimoramento faz a diferença
nas artes marciais
C
om a competitividade presente nos mais distintos meios, é fundamental se atualizar. O atleta
Wevesson Félix, de Resplendor, em Minas Gerais,
nunca se acomodou, a ponto de ter se formado
em várias modalidades.
Aos oito anos, já morando em Cariacica, no Espírito Santo, com incentivo do tio, que lhe ensinou as primeiras técnicas, matriculou-se em uma academia de artes marciais, nas aulas
de Kung Fu. Aos 17 anos, conheceu o mestre José Renato Martins
que o aperfeiçoou, dando-lhe a chance de se formar em Kung Fu e
Kickboxing.
Depois, começou a competir, conquistando centenas de títulos
profissionais e amadores. Por ser um atleta inquietante, treinou e
disputou campeonatos de outras artes marciais, entre elas, Karate
Shotokan, Taekwondo, Sanda, Boxe e Muay Thai.
Tem 126 lutas no currículo, sendo 115 vitórias e 11 derrotas.
Wevesson trouxe para o Brasil os cinturões de campeão mundial
de Kickboxing UNK/UIAMA, Full Contact UNK/UIAMA e K1 UNK/
UIAMA, o de campeão pan-americano UNK/UIAMA, sul-americano
UNK/UIAMA e o da Copa Internacional OIAM.
É 5º dan em Kickboxing, 7º nível em Sanda, faixa azul de
Taekwondo, faixa vermelha de Karate Shotokan e grau preto de
Muay Thai, além de ser filiado e graduado pela Confederação
Brasileira de Kickboxing, Confederação Brasileira de Kung Fu/
Wushu, União Internacional de Artistas Marciais da América,
Federação Capixaba de Esportes de Contato e FEKKES.
No fim de 2016, no auge de seus 38 anos, encerrará a carreira após quase duas décadas como competidor. Depois disso, seu
foco será a Team Força Fight, da qual como técnico sagrou quatro
campeões mundiais de Kickboxing, K1 e Full Contact, e vários ven-
50
| CADERNO DE KICKBOXING | REVISTA MASTER
cedores amadores de Sanda, Kickboxing,Muay Thai, Full Contact
e Boxe em Estaduais, Interestaduais, Brasileiros, Pan-Americanos,
Sul-Americano, Mundiais e etc.
Wevesson Félix é o diretor desta equipe e do Centro de Treinamento Team Força Fight Artes Marciais, que tem revelado vários
talentos a cada ano dentro do esporte de combate.
Centro de Treinamento Team Força Fight
Artes Marciais
[email protected]
PUBLIEDITORIAL
PERFIL
Wevesson Félix
KICKBOXING
KICKBOXING
HOMENAGEM
In memoriam
Kazunori Yonamine
Hanshi • 9º Dan
Uma vida em prol
do Karate
Sensei espalhou o nome da
Shorin-Ryu Shidokan no Brasil e em
outros dojos da América do Sul
O
sensei Kazunori Yonamine nasceu na cidade de
Hae­baru, na Ilha de Okinawa, no Japão, em 24 de
dezembro de 1947. Veio para o Brasil com a família aos 12 anos e, paralelamente à dificuldade natural de
aprendizagem de uma nova língua, foi um dos alunos mais
brilhantes em matemática.
Esforçado, dedicado e trabalhador desde menino, sempre se preocupou em cuidar de todas as pessoas.
O entusiasmo pela vida, adicionado a um forte senso
de responsabilidade, fez do jovem Kazunori uma pessoa de
vanguarda familiar. Como primogênito, cuidava dos irmãos
com extremo zelo, e entre os amigos, a liderança e energia
eram percebidas em sua postura e olhar.
A prática de Karate-Do aconteceu naturalmente, apesar
de a distância que tinha que percorrer diariamente até o
dojo. Após um dia inteiro de estudo e trabalho na lavoura,
saía da cidade de Praia Grande até Santos, onde teve sua
iniciação com o sensei Yoshihide Shinzato, tornando-se
reconhecido pelo verdadeiro modelo de Karate e sendo
admirado por todos pela técnica e espírito.
Passou a visitar sua terra natal e a treinar com o sensei Katsuya Miyahira, o herdeiro mais respeitado de Chosin
Chibana.
Graduou-se e virou representante da Shorin-Ryu Shidokan no Brasil e depois na América do Sul, onde expandiu
a “Escola do Caminho do Coração do Guerreiro” por diversos dojos, liderados por seus fieis alunos e seguidores.
Hoje, a Okinawa Shorin-Ryu Karate-do Shidokan do Brasil
é uma realidade cultural no país.
Seu legado de benevolência, virtudes e excelência jamais deixará de ser reverenciado. A família Shorin-Ryu Shidokan tem um respeito muito grande pelo Hanshi Kazunori
Yonamine e por toda a sua família, que escolheram o Brasil
para firmar solo e prosperar vidas.
PUBLIEDITORIAL
Homenagens
• Moção de Aplausos da Câmara de Vereadores de Piracicaba – 2015
• Título de Cidadão Vicentino – Câmara Municipal de São
Vicente – 2015
24/ 12/ 1947
22/ 10/ 2015
www.revistamaster.com.br
|
nº 09 |
51

Documentos relacionados

o SEgrEDo - Revista Master

o SEgrEDo - Revista Master por conceitos emitidos em artigos assinados ou pelos serviços e produtos apresentados pelas empresas que anunciam, os quais estão sujeitos às normas legais e o Código de Defesa do Consumidor. As in...

Leia mais