GenealoGia Do

Сomentários

Transcrição

GenealoGia Do
Humberto Schubert Coelho
Genealogia DO
E spírito
Uma Antropologia Filosófica Espírita
FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
PARTE I
Introdução
1. Uma proposta de autoconhecimento
Se há entre os problemas da Filosofia um
que não se deve olvidar, do qual depende diretamente o bem-estar e o progresso da civilização,
é o problema do autoconhecimento. Desde os
tempos mais remotos, o homem busca um sentido para sua existência e nesta busca se envolve
em questões míticas, religiosas, científicas ou
filosóficas de difícil solução.
O Espiritismo propõe novas perspectivas de interpretação da natureza humana e a
própria reformulação das perguntas filosóficas,
procurando modificar o ângulo de visão sobre
estes problemas. Sua natureza contém implicitamente uma reconciliação entre Ciência e
Religião, perpassadas por uma filosofia que é
ao mesmo tempo positiva e espiritualista. Esta
reconciliação entre a Ciência e a Religião é feita
de forma não ortodoxa, uma vez que, rigorosamente falando, o Espiritismo não poderia ser
classificado nem como Ciência nem como Religião. Kardec esclarece isso com muita lucidez
na introdução de O Livro dos Espíritos quando
fala que a ciência inaugurada pelo Espiritismo
é uma ciência dos fenômenos espirituais, acerca
dos quais as ciências vigentes nada conhecem e
por isso mesmo não se pronunciam.1
Espiritismo coincide com Ciência no sentido de ser uma investigação sistemática de fenômenos ao mesmo tempo em que está aberto
à crítica dos novos tempos e das novas descobertas, submete-se a formas de averiguação que
se assemelham às do método utilizado pelas
ciências da natureza, sem por isso se prender a
elas ou depender diretamente dos resultados e
processos delas decorrentes.
...
1
O Livro dos Espíritos, Introdução.
4
GeNeaLOgia DO ESpÍritO
PARTE II
Corporeidade
Mens sana in corpore sanum.
5.O homem corpóreo
Devemos esclarecer logo de início o que
entendemos por corporeidade, para que não
se faça analogia com os conceitos da Filosofia
relacionados ao tema. Enquanto para outros a
corporeidade representará a identidade entre o
homem e seu corpo, em outras palavras o corpo
como sendo o próprio ser, aqui entenderemos
que a corporeidade é o conjunto de experiências
vivenciais ímpares do homem quando corporificado. O corpo, para nós espíritas, não será o
homem, e sim o homem é que se manifestará
corporeamente, com o corpo.
A corporeidade para o espírita deve ser o
reconhecimento do corpo como limite para o conhecimento e a sensação do Espírito, bem como
materialização de sua vontade e necessidade. É o
elo que o homem tem com o mundo material e
as experiências relativas a esta realidade.
Para fins de conceituação, o homem encarnado não pode ser dicotomizado em corpo e
alma, isso seria o mesmo que separar a música
do som. É muito comum que se encontre entre
os espíritas uma distinção muito clara entre Eu
e meu corpo, o que é totalmente absurdo, já que
Eu só sou Eu com meu corpo, em meu corpo,
melhor dizendo Eu sou neste corpo.
A distinção que se faz entre corpo e alma,
distinção muito conveniente, é uma figuração
utilizada pelos Espíritos para tornar mais evidente a classe de prioridades que os homens
devem adotar. É preciso que se esclareça a independência do espírito de seu corpo e a facilidade
com que ele assume outros tantos sem deixar de
ser um mesmo espírito. Mas como a Filosofia
tem investigado já há muito,1 o homem concreto
(que para nós representa a condição de homem
encarnado) está em dependência total para com
1
Merleau-Ponty. Fenomenologia da percepção.
6
GeNeaLOgia DO ESpÍritO
seu corpo, sua situação corpórea, circunscrição
espaço-temporal, saúde, etc.
O corpo pode ser mera vestimenta para o
espírito que se desprende dele, mas de forma alguma o é para nós. Efeitos físicos dos mais corriqueiros, desde uma queimadura, ingestão de
remédios ou drogas, até infecções podem alterar
totalmente estados de personalidade e comportamento, causar reações instintivas ou emotivas
diversas; enfim, alterar totalmente os padrões
mentais do indivíduo, caracterizando o grau de
envolvimento do espírito com a matéria que lhe
coloca em uma condição na qual é impossível
falar de dualismo.
Ainda predomina no meio espírita a visão cartesiana e dualista do corpo como máquina perfeitíssima, na qual o espírito se
sentaria sobre a glândula pineal e pilotaria
o corpo, como um motorista em relação ao
seu veículo. Esta visão não está em desacordo com as informações apresentadas pelos
espíritos, no entanto urge que se enxergue esta
imagem do ponto de vista espiritual que é.
Uma vez que nós mesmos estamos na condição encarnada, e sofremos sob as vicissitudes
da matéria, esta comparação deixa de ser comPARTE II • CORPOREIDADE
7
pleta e adequada, pois a separação clara entre
corpo e alma não existe de fato para nós. Nós
nos vemos, a nós mesmos, como seres corpóreos
— pensamos, lembramos, sentimos e agimos segundo as predisposições orgânicas e influências
de energias animalizadas.
O Espiritismo, para ser bem compreendido,
não deve ser interpretado como uma filosofia dualista, que opere uma separação radical e essencial
(em termos de essência, substância) entre corpo e espírito. Ele é, ao contrário, a filosofia monista por excelência, ao afirmar, com Bruno e Spinoza (dois dos
filósofos acolhidos no círculo dos filósofos espíritas), que a substância do Universo não é senão
uma, e que esta única substância é Deus mesmo,
do qual emergimos e no qual vivemos.
Matéria e Espírito são, no Espiritismo, mais
do que em qualquer outra filosofia, diferenças de
grau. Matéria e Espírito não são princípios antagônicos, visto que Deus não cria coisas mortas, e
por isso, na matéria mais elementar, há uma força
imponderável que lhe sustenta a existência, também o Espírito não é ideia pura, mas uma forma
mais quintessenciada do princípio fundamental de
todas as coisas. É exatamente o que nos dizem os
Espíritos em O Livro dos Espíritos:
8
GeNeaLOgia DO ESpÍritO
82. Será certo dizer-se que os Espíritos são
imateriais?
“Como se pode definir uma coisa, quando faltam
termos de comparação e com uma linguagem deficiente? Pode um cego de nascença definir a luz?
Imaterial não é bem o termo; incorpóreo seria mais
exato, pois deves compreender que, sendo uma
criação, o Espírito há de ser alguma coisa. É a matéria quintessenciada, mas sem analogia para vós outros, e tão etérea que escapa inteiramente ao alcance
dos vossos sentidos.”2
Esta resposta deve nos satisfazer por ora.
Trataremos em pormenores do assunto no capítulo 24. Por enquanto basta-nos pensar que
tanto a matéria quanto o Espírito que constituem nosso ser provêm de um mesmo princípio,
e esta perspectiva nos obriga a compreender a
vida humana como uma unidade e não como
uma dicotomia.
A ênfase que damos ao aspecto espiritual
no Espiritismo se deve ao fato de que o homem
olvidou este elemento de sua natureza, vivendo
somente segundo a matéria, o que o reduz a algo
que é só metade dele.
2
O Livro dos Espíritos (grifo nosso).
PARTE II • CORPOREIDADE
9
Ao nos referirmos ao estado encarnado,
portanto, pode-se encarar o homem, a título de
simplificação pedagógica, segundo a distinção
dualista (espírito e carne), em que um abismo
separa o que seriam as duas substâncias do homem. Mas deve-se ressaltar sempre que esta
imagem figurativa se ajusta ao ponto de vista do
Espírito, e não responde a todas as questões relativas à Antropologia. A Antropologia deve lidar antes com o homem encarnado, e o ponto
de vista da vida material. Neste aspecto, não podemos falar em separação de corpo e alma, pois
minha condição no mundo corpóreo é uma
condição híbrida e não a de Espírito.
...
10
GeNeaLOgia DO ESpÍritO
PARTE III
Relação e alteridade
“A ação do Bem em favor de si mesmo, do grupo social e da comunidade,
tendo em vista todos os seres sencientes,
constitui um princípio ético imbatível,
porque fruto do amor, do respeito à lei
natural vigente em toda parte.” 3
13. Eu, o diferente e nossa relação
Está na lei — Ama o teu próximo como a
ti mesmo —; desnecessário dizer quanto a máxima cristã tem sido negada através dos tempos.
Não cabe tratar aqui da pregação evangélica e
de outros tipos de aconselhamento quanto ao
Divaldo P. Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis – Autodescobrimento.
3
cumprimento das leis cristãs, no entanto pode-se dissertar sobre o significado dos termos e as
possíveis causas do não cumprimento desta regra tão essencial.
Relação e alteridade são processos interdependentes, pois só se pode relacionar-se
com algo que se identifica como “outro”. Até
mesmo quando conversamos com nós mesmos,
mentalmente, estabelecemos uma relação de
diferença, um mini alter ego, com o qual possamos dialogar.
A lei de amor ao próximo passa pelo processo de alargamento da consciência. É este
alargamento que me permite identificar o outro
não como uma extensão do Eu, mas como um
outro-Eu, de posse dos mesmos direitos de autoafirmação que o meu Eu possui. É a partir deste
ponto que se pode falar de moral.
Na trilha desta investigação usaremos de
algumas analogias entre termos sociológicos,
morais e filosóficos de modo a facilitar as relações e abranger mais completamente o tema. As
leis do amor ao próximo estarão então indissoluvelmente ligadas à liberdade, à igualdade e à
fraternidade.
12
GeNeaLOgia DO ESpÍritO
14. Liberdade
A liberdade — ponto crucial de qualquer
regra ou conduta que se pretenda moral. A moral pode ser vista como ato consequencial livre.
Esta nomenclatura técnica simboliza o fato de
a moral ter obrigatoriamente uma relação com
um ato consequencial (uma ação que gere consequências, quaisquer que sejam elas) e com a
liberdade. Liberdade é um conceito muito vago,
por isso é difícil defini-la. No entanto, a prática
nos ensina a definir intuitivamente o que é e o
que não é “ato livre”.
Ao contrário da lei jurídica em que o indivíduo é obrigado a cumprir as regras, a lei moral deixa a cargo do indivíduo a liberdade para
escolher entre seguir ou não seguir as regras. As
leis morais do Cristianismo, por exemplo, se infringidas, não acarretarão qualquer prejuízo direto ao indivíduo (no âmbito socioeconômico).
Se mesmo assim ele seguir estas leis, isso constitui um exercício de liberdade ou livre-arbítrio.
Nós, espíritas, conhecemos bem a relação entre
liberdade e responsabilidade. Quanto maior o
grau de liberdade e consequentemente as possibilidades de ação de um indivíduo maior a sua
responsabilidade.
PARTE III • RELAÇÃO E ALTERIDADE
13
Podemos entender que a liberdade está
também relacionada ao poder em todos os
sentidos. A capacidade de sentir, receber informação e analisar as condições do meio e as
possibilidades de ação são formas de se inteirar
sobre determinada situação. Por outro lado, a
capacidade de agir sobre o grau de influência
que temos sobre uma circunstância, seja política e economicamente, seja através do trabalho,
seja através da palavra etc., estará ligada à nossa
capacidade de ação.
Estas capacidades de percepção e ação
estão indissoluvelmente ligadas ao grau de liberdade do indivíduo, pois ref letem quanto o
indivíduo sabe sobre a situação e quanto é capaz de inf luir sobre ela. Um homem que tem
duas opções é indiscutivelmente menos livre
que um homem com múltiplas possibilidades
de lidar com o mesmo caso.
...
14
GeNeaLOgia DO ESpÍritO
Sobre o autor
Humberto Schubert Coelho nasceu em
26 de abril de 1982. Viveu a maior parte
de sua vida em Juiz de Fora (MG), onde
teve contato com grandes personalidades do
Movimento Espírita.
Graduou-se em Filosofia no ano de
2004, especializando-se em Filosofia da Religião em 2007.
Atualmente é professor de Filosofia e
Alemão, e está se doutorando nos temas
Deus, Espírito, liberdade.
Dedica-se aos trabalhos realizados
pela Sociedade Espírita Joanna de Ângelis,
em Juiz de Fora, na área de evangelização
da infância, mediunidade e palestras
doutrinárias.
É articulista da revista Reformador e
de outros periódicos espíritas e de Filosofia.
Escreve também em jornais leigos sobre Política, Economia e Teoria da religião.
Sobre o livro
Ainda que o título desta obra possa motivar
o leitor a considerá-la como de cunho predominantemente filosófico, o autor, nas suas reflexões,
apenas se utiliza da Filosofia como meio para estabelecer ligação com o Sagrado, destacando o
aspecto religioso dos assuntos abordados.
Com isso, alcança o objetivo a que se propôs de “consolar o Espírito dos que laboram na
própria elevação e dar-lhes força para prosseguir”.
Qual via de mão dupla entre a Filosofia
Contemporânea e o Espiritismo, esta obra objetiva a conversão de referências e conceitos que
podem tanto esclarecer ao leitor espírita interessado por Filosofia quanto aos estudiosos de Filosofia interessados pelo Espiritismo.
16
GeNeaLOgia DO ESpÍritO

Documentos relacionados

Relação de Livros para alugar

Relação de Livros para alugar Amor e luz Amor Jamais Te Esquece (O) Amor me Trouxe de Volta (O) Amor - A linguagem Silenciosa da Vida Amor Venceu (O) Anais Analisando as Traducões Bíblicas Anjos, Arcanjos, Rituais e Salmos Anjo...

Leia mais