Guerra e Modernidade Industrial

Сomentários

Transcrição

Guerra e Modernidade Industrial
GUERRA, REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E
DESENVOLVIMENTO TECNOCIENTÍFICO
LUIZ ROGÉRIO FRANCO GOLDONI
1
1. INTRODUÇÃO
Ao longo do século XIX e nas primeiras décadas do século XX, integrantes da elite
brasileira, inclusive os militares, sonharam com a ascensão do país ao estreito círculo das
“nações modernas”, “civilizadas” ou “cultas”, conforme a terminologia da época. A herança
do sistema colonial-escravagista representava considerável fardo para homens cuja
formação intelectual era fortemente vinculada aos valores hegemônicos na Europa
ocidental (CARVALHO, 1980). Como o domínio de novas tecnologias e a capacidade
industrial eram os esteios das percepções de modernidade e civilização, os integrantes da
elite brasileira se engajaram na luta pela expansão das atividades industriais.
Como demonstram Roberto Simonsen (1973), Celso Furtado (2007) e Nícea Vilela
Luz (2004), entre outros, os primeiros surtos manufatureiros registrados no Brasil
ocorreram ainda no Império, sofrendo os efeitos impulsionadores da Guerra do Paraguai,
durante a qual o país sentiu a profunda dependência da produção europeia.
A Europa vivenciava fases adiantadas da revolução industrial e os Estados Unidos,
ao longo de seu mortífero processo de unificação, haviam acelerado o passo no caminho
para se tornar uma potência autônoma. A revolução industrial, que dera o ponto de partida
para o estabelecimento de uma “nova ordem mundial”, chegara a um estágio em que as
relações de poder passaram a ser fortemente afetadas pela supremacia no domínio
tecnológico e industrial.
A modernidade industrial, desencadeada com o uso de instrumentos mecânicos no
sistema produtivo, seria animada posteriormente pelo trabalho de químicos e físicos. As
pesquisas dos químicos permitiram o suprimento de tinturas e alvejantes para a indústria
têxtil, possibilitaram a manufatura de produtos metálicos e produziram largo espectro de
medicamentos, fertilizantes e materiais explosivos extremamente letais. Tais avanços
possibilitaram o contínuo e crescente desenvolvimento de novas armas e petrechos bélicos
que alteraram os aparelhos militares, as formas de guerrear e os fundamentos da
configuração do poder no ambito mundial. Como analisou Paul Kennedy (1989, p. 144):
Embora seja difícil generalizar, as oscilações no equilíbrio entre as grandes potências,
provocadas pelo padrão desigual de transformação industrial e tecnológica,
provavelmente afetaram, mais do que as finanças e o crédito, os resultados das guerras de
meados do século XIX.
Para compreender os esforços do Estado brasileiro em sua busca pela autonomia
em armas e equipamentos militares, cabe ter em conta, mesmo que em rápidos traços, a
relação entre o desenvolvimento científico e tecnológico e as mudanças nos aparelhos
militares e na arte da guerra.
1
Doutor em Ciência Política, com ênfase em Estudos Estratégicos, pela Universidade
Federal Fluminense (UFF). Professor do Instituto de Estudos Estratégicos (INEST) da UFF.
Pesquisador do Observatório das Nacionalidades e Editor-executivo da revista Tensões
Mundiais.
2. PÓLVORA E AS PRIMEIRAS ARMAS DE FOGO
A emergência da modernidade industrial ocorre paralelamente com a
disseminação do uso da polvora negra, uma mistura de enxofre purificado, carvão vegetal
i
em pó e salitre cristalino inventada pelos chineses por volta do ano 900. Os orientais
usavam este produto em fogos de artifício e de sinalização. Em meados do século XI, a
pólvora seria empregada para lançar “flechas de fogo”, objetos em chamas utilizados como
armas (LE COUTEUR; BURRESON, 2006, p. 84, 85). Apesar de a pólvora ter sido usada
inicialmente na China, na Arábia e na Índia, somente os europeus vislumbraram seu uso
letal a partir de disparos por meios mecânicos. Segundo Philbin (2006, p. 37, 38), isso teria
ii
ocorrido antes do século XIII.
A primeira arma de fogo, o arcabuz, um tubo de ferro carregado com pólvora
inflamável a partir de um arame aquecido, seria fabricada por volta de 1300 e 1325, ou seja,
cerca de 400 anos após a invenção da pólvora (LE COUTEUR; BURRESON, 2006, p. 85). Logo
os europeus experimentariam armas de fogo portáteis. Por volta de 1490, artesãos e
sineiros franceses desenvolveram um tipo de canhão que decidiria os confrontos e assédios
pelos séculos seguintes (KEEGAN, 1996, p. 331-338).
Com a invenção do mosquete na metade do século XVI, ficou claro que as armas
de fogo dominariam os campos de batalha. O mosquete, disparado por mecanismo
primário, era uma arma capaz de penetrar uma armadura localizada a cerca de 200 metros.
A necessidade de aperfeiçoamento da pólvora fora se impondo:
À medida que armas mais sofisticadas foram se desenvolvendo (os mosquetes, as
espingardas de pederneira), evidenciou-se a necessidade da queima de pólvora em
proporções diferentes. Armas levadas à cintura precisavam de uma pólvora que
queimasse mais rapidamente; rifles, de uma que queimasse mais devagar; canhões e
foguetes, de uma queima ainda mais lenta. Uma mistura de álcool e água era usada para
produzir um pó que se aglutinava e podia ser comprimido e peneirado para dar frações
finas, médias e grossas. Quanto mais fino o pó, mais rápida a queima, e assim se tornou
possível fabricar pólvora apropriada para as várias aplicações (LE COUTEUR; BURRESON,
2006, p. 85, 86).
3. O VAPOR E A REVOLUÇÃO NOS TRANSPORTES
A Revolução Industrial alteraria a potência e a distância das armas, introduziria
meios de transporte mais eficazes para as tropas e suprimentos e desenvolveria veículos de
combate. Conforme Fuller (2002, p. 87), em 1759, o francês Cugnot teria pensado na guerra
quando criou o primeiro veículo acionado a vapor fixando uma caldeira em um chassi de
viatura. O valor deste invento para fins militares seria reconhecido por Napoleão, que
discursou no Instituto da França sobre “o automóvel de guerra”.
O general francês tinha aguda percepção da importancia da velocidade de
deslocamento de meios e homens. Liddel Hart (2010, p. 138, 139) observou que, nas
guerras napoleônicas, a grande diferença do exército francês para os demais estava na
cadência da marcha da tropa. Enquanto seus adversários marchavam nos “ortodoxos” 70
passos por minuto, o Exército francês combatia na cadência de 120 passos por minuto. O
deslocamento rápido e a possibilidade de “multiplicar a massa pela velocidade” tornavam o
Exército de Napoleão praticamente invencível.
O vapor revolucionaria os meios de transporte, as noções de distância e tempo de
deslocamento e, consequentemente, a dinâmica da guerra. Em 1775, o estadunidense
iii
James Rumsey, aparentemente, construiu o primeiro navio a vapor. Em 1801, a
iv
locomotiva criada pelo engenheiro inglês Richard Trevthick revolucionaria a guerra. Para
Fuller (2002, p. 93), nenhum outro progresso da Revolução Industrial exerceria influência
mais profunda no futuro da paz e da guerra. A caldeira do trem de ferro possibilitaria o
rápido transporte das tropas e dos cada vez mais numerosos e pesados petrechos bélicos,
deixando a tropa mais perto da linha de suprimentos.
Conforme Liddell Hart (2010, p. 181), as ferrovias passaram a desempenhar um
papel vital na guerra. Enquanto a barreira estratégica de Napoleão se dava mediante o
domínio do curso de um rio ou de uma montanha, as barreiras da Guerra de Secessão
ocorriam com o domínio de um único ponto: um entroncamento ferroviário. O domínio de
Atlanta – entroncamento de quatro grandes ferrovias e importante centro logístico
confederado – por Sherman, em 1864, representou um golpe fatal nas forças
confederadas. “Nessa e nas guerras que se seguiram, os exércitos passaram a depender da
ferrovia para sua manutenção, sem perceber até que ponto dela se tinham tornado
dependentes” (HART, 2010, p. 175).
A Guerra de Secessão (1861-65) foi um grande laboratório técnico-industrial:
contou com o submarino e com um sistema de logística rápido e ágil, capaz de transportar
v
as modernas peças de artilharia então concebidas. As novidades então desenvolvidas
deixariam inteiramente superados inventos que haviam impressionado Jomini, como a
arma movida a vapor de Jacob Perkins, capaz de disparar mil balas por minuto:
Os meios de destruição estão chegando à perfeição com rapidez aterradora. [...] [O]s fuzis
a vapor de Perkins, que vomitam tantas balas quanto um batalhão – multiplicarão as
oportunidades de destruição, como se as hecatombes de Eilau, Borodino, Leipzig e
Walterloo não fossem suficientes para dizimar as populações europeias (FULLER, 2002, p.
94).
4. O DESENVOLVIMENTO DA INFANTARIA E A “GUERRA DE TRINCHEIRA”
Devido aos seus altos custos, o desenvolvimento da Artilharia seria mais lento do
que o da Infantaria. A espoleta de percussão de cobre, inventada em 1816 e a bala Minié,
fabricada pela primeira vez em 1849, tornaram o fuzil a arma individual mais mortífera do
século XIX (FULLER, 2002, p. 89, 90). A invenção do fuzil de carregamento pela culatra ou
“fuzil de agulha”, em 1844, na Prússia, alteraria as configurações do combate:
diferentemente do fuzil de pederneira, permitia o carregamento enquanto o combatente
estivesse deitado, o que lhe propiciava uma grande vantagem. A Guerra Austro-Prussiana
(1866) revelou as vantagens do fuzil de agulha (adotado pelos prussianos) frente ao fuzil de
carregamento pela boca (usado pelos austríacos). Apesar do maior alcance do fuzil Lorrenz
em relação ao fuzil Drysa (mil metros contra quatrocentos metros) a possibilidade de atirar
deitado e “entrincheirado” foi decisiva.
[O] carregamento rápido e fácil do fuzil de agulha, na posição deitado, tinha efeito
desmoralizador sobre a Infantaria austríaca, que era obrigada a levantar-se para carregar.
Afirmou um coronel austríaco que, em ação, seus homens sentiam-se a maior parte do
tempo como que desarmados, enquanto os prussianos estavam sempre prontos para
atirar (FULLER, 2002, p. 115).
A vantagem tecnológica possibilitou que, durante a batalha de Nachod, meia dúzia
de batalhões prussianos detivessem, durante duas horas, apenas com o fogo de seus fuzis,
mais de vinte batalhões austríacos, infligindo-lhes baixas cinco vezes maiores. Em Sadowa,
embora os austríacos tivessem uma superioridade numérica de cinco para três, suas baixas
foram duas vezes maiores do que as dos prussianos (FULLER, 2002, p. 115). O Exército
vi
prussiano utilizava com maestria o fuzil nos campos de batalha. Ao que parece, os
prussianos muito aprenderam com a Guerra Civil Americana, na qual a pá tornou-se o
vii
complemento indispensável do fuzil Spencer de carregamento pela culatra.
A Revolução Industrial tornou as batalhas da Guerra de Secessão totalmente
diferentes daquelas disputadas a menos de meio século, nas guerras napoleônicas:
Na época de Napoleão, o mosquete de perdeneira tinha um alcance eficaz de, no
máximo, cem metros, e como era ultrapassado pelo fogo de metralha, o canhão era a
melhor arma. Em 1861, porém, o mosquete fora substituído pelo fuzil Minié com um
viii
alcance eficaz de quinhentos metros, e, como tinha alcance maior do que o fogo de
metralha [dos obuseiros de shrapnel], a tática sofre profunda transformação. O canhão
teve que recuar para trás da Infantaria e transformou-se de arma de assalto em arma de
apoio e o fogo de Infantaria começava a quinhentos metros em lugar de cem. [...] o fogo
individual bem-conduzido era mais eficaz do que as rajadas e, para ser completamente
eficaz, exigia iniciativa individual e manobras em ordem dispersa.
Duas das características marcantes da guerra foram: a inutilidade do assalto
frontal e a necessidade de entricheiramento de campaha, ambas como consequência da
bala de fuzil (FULLER, 2002, p. 103).
As inovações técnicas, a produção em massa e a padronização de armas e
equipamentos aumentavam dramaticamente as mortes nas batalhas. O advento do fuzil de
repetição, na Alemanha, em 1884, multiplicou por oito vezes o poder de fogo do infante. O
emperramento da culatra e o tempo gasto para recarregar a arma foram reduzidos. Na
mesma época, os franceses desenvolveriam o fuzil Lebel, que utilizava a pólvora sem
fumaça, dificultando a localização do atirador. Em seguida, a letalidade da metralhadora
poria um fim definitivo nos combates em campo aberto.
O primeiro protótipo de uma metralhadora semiautomática foi desenvolvido em
1870, na França. A mitrailleuse de Reffeye era composta por 25 canos paralelos e podia
disparar 125 tiros por minuto, com o alcance de 1.200 metros. Para surpreender os
prussianos, os franceses mantiveram o segredo sobre a nova arma até as vésperas dos
combates. Como os próprios soldados franceses só tomaram conhecimento do novo
armamento nesse momento, seu uso, durante a guerra Franco-Prussiana, nas palavras de
ix
seu inventor, Reffeye, foi “perfeitamente idiota” (FULLER, 2002, p. 117).
Em 1884, o estadunidense Hiram Maxim aperfeiçoou a invenção de Reffeye,
fazendo com que um único cano fosse capaz de disparar 600 balas por minuto mediante
x
um mecanismo acionado através da energia capturada por seu recuo. Nas palavras de
Keegan (1996, p. 326), “o operador da arma de Maxim podia ser considerado um
trabalhador industrial fardado, uma vez que sua função se limitava a puxar a alavanca de
partida, o gatilho, e mover o aparelho ao longo de uma série de arcos mecanicamente
controlados”. Esse “operário da guerra” tinha em suas mãos o poder de fogo de
praticamente um batalhão napoleônico.
Teoricamente, o trabalhador industrial fardado descrito por Keegan poderia tirar a
vida de mil homens em menos de dois minutos. Diferentemente do artilheiro, que
mantinha uma distância maior do alvo e ao disparar mirava na área a ser atingida, o
operador da metralhadora mirava diretamente na pessoa. A mecanização do ato de matar
remete, com as devidas ressalvas, ao personagem de Chaplin em “Tempos Modernos”: as
linhas de montagem da indústria e da guerra “desumanizavam” os gestos de torcer
parafusos ou apertar gatilhos.
5. A REVOLUÇÃO QUÍMICA
Na segunda metade do século XIX, a busca por armas mais eficientes e resistentes
levou ao desenvolvimento de um novo elemento: o aço. Philbin assim resumiu esta proeza
tecnológica de tanta importancia para a humanidade:
O aço é produzido a partir do ferro, e a história da sua produção é na realidade a história
do controle da quantidade de carbono no ferro, o que afeta diretamente a força e a
durabilidade do material. Se o ferro possuir 0,3% a 1,7% de carbono, é considerado aço, se
possuir um percentual de carbono inferior a 0,3% é considerado ‘ferro batido’ ou
‘maleável’, demasiado mole ou maleável para muitas das finalidades que o aço pode ter.
Se o percentual de carbono for superior a 1,7%, então é considerado ferro fundido,
material pesado e forte comumente utilizado na confecção de acessórios de banheiro,
mas com a desvantagem de ser muito quebradiço. Um golpe preciso pode fazer com que
caia ou quebre, uma desvantagem se, por exemplo, vier a ser utilizado nas estruturas de
um arranha-céu [ou de um canhão]! (PHILBIN, 2006, p. 111).
Embora o estadunidense William Kelly realizasse bem-sucedidas experiências com
a nova liga metálica, o inglês Henry Bessemer seria o responsável pela criação de um
“conversor” capaz de produzir um tipo de aço mais fácil de ser trabalhado e superior ao
ferro fundido (PHILBIN, 2006, p. 113). Bessemer, que criara um projétil giratório, se frustrou
quando percebeu que a pressão exercida por sua nova munição fazia com que os canhões
explodissem e por causa disto desenvolveu pesquisas visando produzir uma peça mais
resistente. A descoberta de Bessemer seria logo empregada na construção civil e na
indústria em geral. Mas Bessemer não seria reconhecido pela produção de canhões de aço.
xi
Os armamentos do também inglês, William Armstrong e principalmente do alemão Alfred
Krupp (que dominou a tecnologia somente em 1863, ano em que recebeu uma grande
encomenda da Rússia) dominariam o mercado de armas. Keegan (1996, p. 325) aponta que
xii
no final do século XIX os canhões Krupp já equipavam vários exércitos.
O progresso da química ocorrido no século XIX seria fundamental para a indústria
e para a guerra. Descoberta em 1845 pelo suíço Friedrich Schönbein, a nitrocelulose
(algodão-pólvora) começou a ter uso militar na década de 1880.
Apenas no final de década de 1860 o processo de eliminação dos resíduos do ácido nítrico
que tornavam o algodão-pólvora instável foram dominados, logo a nitrocelulose seria
extensivamente usada em explosivos comerciais e militares. O controle do processo de
nitração permitiu a fabricação de diversos tipos de nitroceluloses. O colódio, uma
nitrocelulose misturada com álcool e água, foi amplamente utilizado nos primórdios da
fotografia. Os primeiros filmes cinematográficos eram feitos com celuloide, uma mistura
de nitrocelulose com cânfora (LE COUTEUR; BURRESON, 2006, p. 82, 83).
O grupo “nitro” presente na nitrocelulose e no trinitrotolueno (TNT) possibilitou
um manuseio mais seguro e um carregamento mais rápido das armas. Até a Primeira
Guerra Mundial, as munições e explosivos conteriam principalmente TNT e ácido pícrico (LE
xiii
COUTEUR; BURRESON 2006, p. 92, 93).
O ácido pícrico, primeiro corante sintético da história – responsável pela produção
de uma tonalidade amarela brilhante e intensa – fora criado em 1771. Um século após,
descobriu-se que seria possível explodi-lo com um detonador. Empregado em projéteis por
franceses (1885) e ingleses (1899-1902), este produto tinha dois grandes inconvenientes:
não funcionava bem quando molhado e não penetrava blindagens espessas, explodindo no
contato com metais (LE COUTEUR; BURRESON, 2006, p. 92, 93, 159).
No início da Grande Guerra, enquanto franceses e ingleses ainda utilizavam ácido
pícrico em munições, a indústria química alemã fornecia projéteis e bombas compostos por
ácido nítrico. O TNT não é afetado pela umidade e, fundindo-se facilmente, podia ser
depositado em bombas e cartuchos. Por não ser tão sensível a choques, as munições com
ácido nítrico penetram em blindagens.
Le Couteur e Burreson (2006, p. 163) ressaltam que o domínio da indústria química
pelos alemães foi possível com a aproximação entre as atividades industriais e acadêmicas.
Em outros países, a pesquisa química continuaria como prerrogativa das universidades. Em
1913, Fritz Haber produziu pela primeira vez o amoníaco sintético, matéria-prima para
xiv
fertilizantes e explosivos. Quando a Inglaterra cortou o fornecimento do amoníaco
xv
chileno, o processo de Haber já havia sido adotado pela indústria alemã.
Na década de 1910, a Alemanha reunia em seu território as três maiores indústrias
químicas do mundo, a Bayer, a Badische Anilin und Soda Fabrik (BASF) e a Hoechst, todas
fundadas no início da década de 1860 com o propósito de fabricar corantes sintéticos.
Como o ácido pícrico tinha o inconveniente de ser explosivo, as indústrias alemãs se
especializaram na produção da alizarina (corante vermelho-alaranjado que apresenta ótima
fixação e não desbota), da magenta (corante vermelho brilhante também conhecido como
fucsina) e do índigo sintético. No início do século XX, embora a produção de corantes
sintéticos tivesse aumentado em todo o mundo, as três companhias alemãs respondiam
por 90% do mercado mundial.
Esse predomínio na fabricação de corantes foi acompanhado por uma liderança decisiva
na química orgânica, assim como por um papel preponderante no desenvolvimento da
indústria alemã. Com a deflagração da Primeira Guerra Mundial, o governo alemão pôde
arregimentar as companhias fabricantes de corantes para se tornarem sofisticados
produtores de explosivos, gases venenosos, fertilizantes e outros produtos químicos
necessários à manutenção da guerra (LE COUTEUR; BURRESON, 2006, p. 164).
Com a substanciosa renda dos corantes, a Bayer colocou no mercado a aspirina,
sintetizada pela primeira vez em 1853, um dos feitos mais marcantes da farmacologia. Além
de medicamentos que aumentariam a expectativa de vida da população e reduziria as
mortes nos campos de batalha, os alemães produziriam os primeiros compostos venenosos:
o gás cloro, o gás de mostarda e o fosgênio. A ideia de empregar produtos químicos como
armas asfixiantes não era nova. No cerco a Sebastopol (1854-55), durante a Guerra da
Crimeia, Dundonald propôs a utilização do enxofre incandescente como produto asfixiante.
Contudo, a proposta do Lorde inglês foi rejeitada por ser considerada “demasiadamente
terrível para ser encarada” (FULLER, 2002, p. 91).
O primeiro ataque químico registrado aconteceu em abril de 1915, com o uso do
gás cloro, produto facilmente obtido através da eletrólise da água salgada. A nuvem
amarelo-esverdeada do gás semeou o terror matando todos os que estavam na linha de
frente. Em julho de 1917, os alemães empregaram em seus ataques o gás mostarda (que
também contém cloro), raramente letal, mas que provoca severas queimaduras em suas
vítimas. Muito poderoso, esse gás é utilizado em granadas de artilharia. Seus efeitos são
lentamente anulados e podem causar baixas dias após a detonação das granadas (FULLER,
2002, p. 167). A busca por novos corantes sintéticos deu origem também a perfumes,
xvi
tintas, pesticidas, plásticos e explosivos. Químicos ainda desenvolveriam os combustíveis
para motores, outra inovação de grande impacto sobre a atividade guerreira.
6. UM GRANDE “LABORATÓRIO DE TESTES”: A HECATOMBE DE 1914-1918
Em 1896, apenas 20 anos após o lançamento do motor de quatro tempos de
Nikolaus A. Otto e onze anos depois do motor de combustão interna projetado para
bicicleta de Gottlieb Daimler, o Exército francês já utilizava viaturas motorizadas em suas
manobras de treinamento. Em 1899, a Inglaterra apresentou uma viatura tática de quatro
rodas, munida por uma metralhadora Maxim, que atirava através de um escudo blindado.
O tanque militar foi empregado pela primeira vez em 1916, na batalha de Somme. O
choque sobre a tropa foi impressionante. De acordo com um relatório alemão “os homens
se sentiam incapazes de resistir aos carros’, sentiam-se desarmados” (FULLER, 2002, p.
168).
Finalmente, os impasses da alonga e extenuante guerra de trincheira (que punha a
prova não apenas os combatentes, mas toda a retaguarda de apoio) aprofundados pelo
desenvolvimento de armas que favoreciam a defesa, estavam com seus dias contados. Nos
longos debates entre os estrategistas, a expressão “guerra de movimento” passou a ser
largamente usada. A Batalha de Cambrai, de novembro de 1917, seria decidida pelos
blindados britânicos, que avançaram cerca de 20 quilômetros dentro das linhas alemãs,
possibilitando a captura de 10 mil soldados inimigos e centenas de peças de artilharia e
infantaria. Na batalha de Amiens, em agosto de 1918, 604 tanques Aliados romperam de
vez a frente alemã (PHILBIN, 2006, p. 341). Apesar da supremacia da indústria química
alemã, os tanques aliados, movidos com motor de combustão interna, combinados com o
esgotamento econômico e a fome do povo alemão, puseram fim à guerra. Nas palavras de
Fuller (2002, p. 135):
O motor de combustão interna encerrava em seu bojo a maior revolução havida na vida
civil e na guerra desde que o homem primitivo domou o cavalo. [...] Ele tornou o petróleo
uma fonte de energia tão indispensável, que sua obtenção se transformou num dos mais
vitais problemas políticos. Modificou completamente, logística e taticamente, a
organização dos exércitos. Aboliu o transporte hipomóvel, levou à adoção das viaturas-decombate blindadas e abriu nos céus uma rota universal para o suprimento, para a
artilharia e para os exércitos aeroterrestres.
A Primeira Guerra Mundial assistiu a utilização maciça das novidades introduzidas
pela revolução industrial, incluindo o uso de tanques, submarinos, encouraçados, telégrafo,
telefone e do avião, desenvolvido pelo brasileiro Santos Dumont em 1906. Na medida em
que as novidades eram incorporadas pelos aparelhos militares, crescia o número de mortos
no campo de batalha. Em Bordino (1812) e em Waterloo (1815) as baixas do Exército
francês foram de 23% e de 37,5% respectivamente. Na batalha de Verdun (1916) dos 1,5
milhões de soldados franceses, 500 mil foram mortos ou feridos. Cerca de 45% dos
soldados franceses alistados em unidades de campo foram mortos ou feridos durante a
Primeira Guerra Mundial (KEEGAN, 1996, p. 373).
As inovações tecnológicas e a ampliação da indústria bélica fizeram da Guerra de
1914-18 uma “guerra de material”, travada tanto nas trincheiras quanto nas linhas de
produção das fábricas, nos laboratórios e nas universidades. Durante a guerra, os ingleses
fabricaram 2.636 tanques e os franceses 3.870 (os alemães produziram apenas 20)
(PHILBIN, 2006, p. 341). O recém-inventado avião foi amplamente utilizado pelos dois lados
envolvidos no conflito. Da noite para o dia, fábricas quase artenesais foram levadas a
produzir aeroplanos em larga escala. Ao analisar o envolvimento dos cientistas ingleses nos
assuntos da guerra, Edgerton (1996, p. 5) mostrou que, em 1909, apenas três anos após o
primeiro voo do 14 Bis, a Inglaterra criaria o Advisory Committee on Aeronautics – Comitê
Consultivo em Aeronáutica – (mais conhecido como Aeronautical Research Council –
Conselho de Pesquisa em Aeronáutica), com a participação de acadêmicos britânicos.
Cientistas consultores trabalharam no Comando de Bombardeiro da Força Aérea Real
(RAF’s Bomber Command). A colaboração das universidades com as indústrias químicas
permitiu que a Alemanha produzisse massivas quantidades de explosivos e os inéditos
gases venenosos. O mesmo se pode dizer dos combustíveis usados pelos veículos das
potências em conflito. Em suma, cientistas e engenheiros das mais diversas especialidades
xvii
foram definitivamente incorporados aos empreendimentos militares.
A metalurgia, fornecia quantidades crescentes de aço e das mais variadas e
complexas ligas metálicas para a manufatura de navios, submarinos, tanques, aviões,
armas, projéteis, granadas e bombas. O poder de fogo do fuzil seria duplicado em relação
aos modelos da década de 1880 ampliando, consequentemente, a letalidade dos embates
da infantaria. Por outro lado, a “chuva de metal” da artilharia causou impacto tão
devastador que alteraria a própria geografia das zonas de combate. Em 1870, na batalha de
Sedan, o exército prussiano deu 33.134 descargas de artilharia; em 1916, a artilharia
britânica dispararia um milhão de tiros na semana anterior à batalha do Somme (KEEGAN,
1996, p. 322). Comboios ferroviários transportariam rapidamente milhões de combatentes
e milhares de toneladas de equipamentos bélicos para as frentes de batalha.
Diante das variadas e extraordinárias novidades proporcionadas pelo
desenvolvimento científico e tecnológico, os aparelhos militares seriam profundamente
reconfigurados, tornando-se organizações com estrutura e funcionalidade altamente
complexas, mas, obviamente, sem perder os traços que marcam a vida militar desde
tempos remotos.
7. CONCLUSÃO
Informadas, através da literatura especializada, sobre os avanços tecnológicos e
industriais, bem como sobre as novas configurações das organizações militares e da guerra,
as elites brasileiras durante a Primeira República firmavam a convicção de que a construção
de um Estado soberano exigia a modernização de suas corporações e a implantação de um
parque industrial capaz de atenuar a dependência das importações de material bélico e
reduzir a grande diferença entre a capacidade militar do país em relação a das potencias
industriais.
No que diz respeito aos oficiais do Exército, alguns deles de grande erudição e
vivacidade intelectual, certamente não alcançavam a complexidade requerida pela
montagem do aparelho militar longamente forjado pelas potências industriais. Tratava-se
de um saber técnico cujo domínio teórico teria que ser obrigatoriamente desenvolvido a
partir de experiências práticas, ou seja, deveria ser concretizado no trabalho do dia a dia
com o corpo da tropa e com o manuseio de equipamentos que o país não produzia. Os
desafios eram consideráveis e o seu enfrentamento repercutiria na vida brasileira ao longo
de todo o século XX. Como ter um aparelho militar moderno no seio de uma sociedade
atrasada? João Roberto Martins (2010) mostra as contradições entre a aquisição dos
modernos dreadnoughts no início do século passado pela Marinha brasileira e o fato dos
marinheiros locados naquelas embarcações serem ainda vitimas de castigos corporais.
Durante a Primeira República, o Exército passou por uma série de reformas que
tinham como objetivo aumentar sua eficiência como instrumento bélico. A corporação
armada buscou a melhora da organização do ensino de formação e do aperfeiçoamento
dos quadros permanentes. Aprimorou o recrutamento de contingentes; perseguiu a
modernização do equipamento, a melhoria dos aquartelados e o adestramento das grandes
unidades.
A tendência modernizadora teve continuidade ao longo da década de 1920.
Contudo, as cisões políticas no interior das Forças Armadas, provocadas pelo próprio
processo modernizador, acabariam por frear esse processo.
Por suas grandes repercussões na vida nacional, a modernização do Exército conduzida
pelos militares franceses merece atenção. De fato, o principal instrumento de força do
Estado brasileiro amplia sua dependência em relação aos fornecedores estrangeiros e,
sobretudo, entra em descompasso com a realidade: seria impossível, num país “atrasado”,
o uso adequado de equipamentos e técnicas desenvolvidas em países industrializados. A
mudança no Exército gera profundas clivagens entre os oficiais: os mais jovens passam a
desafiar abertamente a hierarquia e a envolver-se em rebeliões posteriormente
conhecidas como tenentistas. Compreendendo a relação estreita entre a eficiência militar,
as condições socioeconômicas, o desenvolvimento técnico-científico, os serviços públicos
e a formação do sentimento patriótico necessário para legitimar o serviço militar universal
e obrigatório, os oficiais mais jovens se preparam para intervenções de longo alcance na
vida nacional. Sem dúvida, a França foi fundamental na preparação do Exército que
interferiu decisivamente na vida brasileira ao longo do século XX (DOMINGOS NETO, 2007,
p. 221).
As clivagens mencionadas alimentariam os movimentos tenentistas de 1922 e
1924. A vida da corporação foi, então, completamente tumultuada, registrando-se inclusive
o fechamento da Escola Militar de Aviação. Todos os aparelhos recém-adquiridos da França
foram inutilizados. O debate político tomou conta do corpo de oficiais, sem qualquer
respeito pelos princípios hierárquicos. A atenção do comando da corporação ficou voltada
para o combate aos oficiais rebelados que, em 1924, iniciaram uma longa marcha pelo
território brasileiro, que ficaria conhecida como a “Coluna Prestes”.
Após 1930, rebeldes e legalistas cerrariam fileiras sob a bandeira da modernização
conduzida por um civil, Getúlio Vargas. Os tenentes rebeldes dos anos 1920 passaram a
integrar a corrente hegemônica de uma corporação que lograra adquirir um dos traços
caracterizadores do aparelho militar moderno: a coesão doutrinária no que diz respeito aos
assuntos militares.
REFERÊNCIAS
BIDDLE, Stephen. Military Power: Explaning Victory and Defeat in Modern Battle. 5 ed.
Princeton: Princeton University Press, 2006.
DOMINGOS NETO, Manuel. Acerca da Modernização do Exército. In: Revista Comunicação e
Política, Rio de Janeiro: CEBELA, v. 22, n. 3. 2004.
__________________. O Militar e a Civilização. In: Tensões Mundiais, Fortaleza:
Observatório das Nacionalidades, v.1, n.1. p. 37-70, jul./dez. 2005.
__________________. Gamelin, o modernizador do Exército. Tensões Mundiais, Fortaleza:
Observatório das Nacionalidades; São Paulo: Annablume, v.3, n.4. p. 219-256, jan./jun.
2007.
EDGERTON, D.E.H. Britsh Scientific Intellectuals and the Relations of Science, Tecnology,
and War. In: FORMAN, Paul; SÁNCHEZ-RON, José M (Eds). National Military Establishments
and the Advancement of Science and Technology: Studies in 20th Century History.
Dordrecht/Boston/Londres: Kluwer Academic Publishers, 1996.
ELIAS, Nobert. Sobre o Tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1998.
FULLER, John Frederick Charles. A Conduta da Guerra. – 2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do
Exército Editora, 2002.
KEEGAN, John. Uma História da Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
KENNEDY, Paul. Ascensão e Queda das Grandes Potências: Transformação Econômica e
Conflito Militar de 1500 a 2000. 20 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1989.
LE COUTER, Penny; BURRESON, Jay. Os Botões de Napoleão: as 17 moléculas que mudaram
a história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.
LIDDELL HART, Basil Henry. As Grandes Guerras da História. – 6 ed. São Paulo: IBRASA,
2010.
LONGO, Waldimir Pirró e. Tecnologia militar: conceituação, importância e cerceamento. In:
Tensões Mundiais, Fortaleza: Observatório das Nacionalidades; São Paulo: Anablume, v.3,
n.5. p. 111-143, jul./dez. 2007(a).
MANCHESTER, William. The Arms of Krupp (1587-1968). 7 ed. Nova York: Bantam Books,
1973.
MARTINS FILHO, João Roberto. A Marinha Brasileira na Era dos Encouraçados, 1895-1910 –
Tecnologia, Forças Armadas e Política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.
MASSON, Philippe. Histoire de l’armée allemande (1939-1945). Paris: Perrin, 1994.
PHILBIN, Tom. As 100 Maiores Invenções da História: uma classificação cronológica. Rio de
Janeiro: DIFEL, 2006.
ROSINSKI, Herbert. The German Army. Londres: Pall Mall Press, 1977.
SODRÉ, Nelson Werneck. A História Militar do Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1979.
TÄGIL, Sven. Alfred Nobel's Thoughts about War and Peace. Nobelprize.org, 1998.
<http://nobelprize.org/alfred_nobel/biographical/articles/tagil/index.html>. Acesso em 19
de mai. 2011.
SOBRE O ARTIGO E O AUTOR
Citação:
GOLDONI, Luiz Rogério Franco. Guerra, Revolução Industrial e Desenvolvimento
Tecnocientífico. Coleção Meira Mattos, revista das ciências militares, nº 26, 2º
quadrimestre 2012. Rio de Janeiro: ECEME, 2012.
Resumo:
Analisa-se as relações entre o desenvolvimento tecnológico e industrial e as formas de
guerrear. Esboça-se uma visão de conjunto das novidades aportadas pela revolução
industrial com reflexos diretos sobre a guerra e as organizações militares. Disserta-se sobre
como vantagens tecnológicas – como a de carregar um fuzil pela culatra ao invés de pela
boca da arma e a utilização da pólvora sem fumaça –, interferiram decisivamente no
resultado de guerras e consequentemente no ordenamento internacional. Ilustra-se a
aproximação ou mesmo a sobreposição entre as inovações com “fins militares” e as de
“interesse civil”. A “revolução química” possibilitou tanto a produção de corantes sintéticos
e medicamentos quanto a manufatura de explosivos e gases venenosos. Também analisa-se
a relação entre a guerra e a revolução dos transportes, fenômeno que causou grande
impacto nas concepções de espaço e de tempo. O transporte de um volume cada vez maior
de tropas, suprimentos, equipamentos e petrechos promoveria novos paradigmas no
planejamento militar.
Palavras-chaves: Guerra; Revolução industrial; Revolução química; Ciência; Tecnologia.
Autor:
LUIZ ROGÉRIO FRANCO GOLDONI
Doutor em Ciência Política, com ênfase em Estudos Estratégicos, pela Universidade Federal
Fluminense (UFF). Professor do Instituto de Estudos Estratégicos (INEST) da UFF.
Pesquisador do Observatório das Nacionalidades e Editor-executivo da revista Tensões
Mundiais.
LATTES: http://lattes.cnpq.br/8793582164819371
Contato:
Email: [email protected]
Endereço para correspondência:
Rua Osvaldo Cruz, nº 17/602. Icaraí, Niterói-RJ. CEP 24230-210
Recebido para em 29 de agosto de 2012
Aprovado para publicação em novembro de 2012
Notas de fim:
i
Os ingredientes da pólvora “só foram registrados no início do ano 1000 d.C., e
mesmo então as proporções realmente necessárias dos componentes, sal de nitrato,
enxofre e carbono, não foram especificadas. O sal de nitrato (chamado de salitre ou ‘neve
chinesa’) é nitrato de potássio [...]. O carbono era usado no fabrico da pólvora na forma de
carvão vegetal, que lhe dava a cor preta” (LE COUTEUR; BURRESON, 2006, p. 84).
ii
“O antecessor do canhão foi a lança de fogo, um tubo de bambu com vários
metros de comprimento, perfurado em suas extremidades, atado com cordas reforçadas e
no qual o peso era fixado para mantê-lo em fazer a pontaria. Quando a lança de fogo era
acesa, a partir de um estopim fixado na boca da arma, ela arremessava fogo, gases e
projéteis de sua boca de modo muito semelhante às pistolas de hoje. Armas semelhantes a
essa eram utilizadas na China por volta do século XIII e, posteriormente, se alastraram pelo
Oriente Médio” (PHILBIN, 2006, p. 293).
iii
Em 1776, o também norte-americano David Bushnell construiu o primeiro
submarino tripulado por um só homem (FULLER, 2002, p. 91). Em fevereiro de 1864, o
Hulney – um submarino confederado de seis metros de comprimento, 1,5m de altura e um
metro de largura, movido por uma hélice acionada no interior por sete ou oito homens –
afundou o navio da União Housatonic. No confronto o submarino sofreu uma série de
danos e também afundou (Id., Ibid., p. 106; PHILBIN, 2006, p. 357).
iv
A primeira estrada de ferro seria inaugurada somente em setembro de 1825.
v
“A mobilização de 1914 justificou todos os esforços que os estados-maiores
europeus tinham feito para aperfeiçoar a organização ferroviária para a guerra nos
quarenta anos anteriores de paz. Exércitos enormes – 62 divisões de infantaria francesas
(de 15 mil homens cada), 87 alemãs, 49 austríacas, 114 russas – foram apanhados em seus
aquartelamentos de paz e distribuídos pelos campos de batalha, junto com milhões de
cavalos, no prazo de um mês a partir da deflagração da guerra” (KEEGAN, 1996, p. 321).
vi
Para Liddell Hart (2010, p. 191), a inferioridade austríaca decorria de seu
armamento inferior. A superioridade do fuzil de carregar pela culatra, sobre o de carregar
pela boca, garantiu a vantagem aos prussianos.
vii
Os fuzis Spencer e Drysa seriam superados pelo fuzil francês Chassepot, criado em
1870, que também era carregado pela culatra, mas tinha um alcance de 1.200 metros.
viii
Claude-Étienne Minié criou um projétil de base oca com uma carvilha de ferro que
permitia o fácil carregamento do fuzil por sua boca. Quando a arma disparada, a carvilha de
ferro se expandia e se prendia firmemente ao estriamento do cano do fuzil. O cilindro do
projétil, que possuía um cone de metal na ponta, começaria a girar ao passar pelo cano da
arma. O projétil seria guiado aerodinamicamente até o alvo com força e precisão sem
precedentes (PHILBIN, 2006, p. 98, 99).
ix
De nada adiantaria ter o equipamento sem o preparo para operá-lo. Stephen
Biddle (2006) assinala que durante as guerras entre os israelenses e os árabes, estes apesar
de possuir caças modernos, superiores aos dos israelenses, não obtiveram a supremacia
aérea por não terem o conhecimento necessário para maximizar o uso de seus
equipamentos.
x
A metralhadora Maxim pesava 18 quilos, era refrigerada à água e tinha carregador
de fita. No segundo quartel do século XIX foram criadas também a metralhadora
Nordenfeld (1873), a Hotchkiss (1875), a Gardner (1876), a Browning (1889) e a Colt (1895)
(FULLER, 2002, p. 133).
xi
Armstrong fabricou cerca de 1.600 canhões de retrocarga entre 1857 e 1861
(KEEGAN, 1996, p. 325).
xii
Para maiores informações sobre a Indústria Krupp e as relações da dinastia Krupp
(responsável por fornecer armas ao I, II e III Reich) com o governo alemão ler “The Arms of
Krupp” (1587-1968), de William Manchester. Os petrechos bélicos Krupp equipariam
inclusive as Forças Armadas brasileiras.
xiii
O “idealizador” da fundação Nobel, o químico e industrial sueco Alfred Nobel, não
fazia ideia de como o seu principal invento, a dinamite, iria alterar a forma de se fazer
guerras. “Alfred's own great invention, dynamite, had not been developed with the idea of
using it in war. However, this did not prevent it from soon being put to use in such a
context as well” (Tägil, 1998). A dinamite logo seria largamente utilizada na Guerra FrancoPrussiana. Nobel, posteriormente faria sua fortuna com o desenvolvimento de novas armas
e tecnologia militar. Seus biógrafos discordam se a criação, em seu leito de morte, da
Fundação Nobel que se consagraria no futuro como uma “promotora da paz universal e do
saber” foi uma atitude de arrependimento e busca por redenção de um homem que fez sua
fortuna com as guerras ou um reflexo de seus ideais pacifistas. Segundo um de seus
biógrafos:
“According to the Austrian countess Bertha von Suttner, Alfred Nobel, as early as
their first meeting in Paris in 1876, had expressed his wish to produce a material or a
machine which would have such a devastating effect that war from then on, would be
impossible. The point about deterrence later appeared among Nobel's ideas. In 1891, he
commented on his dynamite factories by saying to the countess: ‘Perhaps my factories will
put an end to war sooner than your congresses: on the day that two army corps can
mutually annihilate each other in a second, all civilised nations will surely recoil with horror
and disband their troops’. Nobel did not live long enough to experience the First World War
and to see how wrong his conception was” (Id., Ibid.).
xiv
O amoníaco, em reação com o oxigênio, produz dióxido de nitrogênio, o precursor
do ácido nítrico, que por sua vez é matéria-prima para a fabricação dos compostos nitrados,
como o TNT (LE COUTEUR; BURRESON, 2006, p. 95, 96).
xv
A produção de explosivos “nitrados” da Alemanha passou de mil toneladas por
mês em 1914 para seis mil toneladas por mês, em 1915 (KEEGAN, 1996, p. 323).
xvi
De alguma forma, devemos o nome de nosso país à “eterna” busca do homem
pelos corantes, que saciavam o desejo dos nobres de possuir roupas coloridas. A extração
do Pau-brasil foi a primeira atividade econômica desenvolvida pelos portugueses em seu
novo território. Visava-se a obtenção de um corante natural que produzia uma tonalidade
de “vermelho brasa” extremamente rara e desejada.
xvii
Em 1902, o astrônomo e ex-colaborador do Gabinete de Guerra inglês, Sir Norman
Lockyer, fez a seguinte análise em seu discurso “The Influence of Brain Power in
History”: “Todo avanço científico é agora, e será no futuro, cada vez mais aplicado na
guerra. [...] A ciência vai finalmente comandar todas as operações de paz e de guerra [...]
quanto mais a ciência avançar, mais as velhas diferenças entre o cidadão comum e o
homem em armas irá desaparecer” (EDGERTON, 1996, p. 6. Minha tradução).