COORDENAÇÃO: Fabiane M. Borges e Leandro

Сomentários

Transcrição

COORDENAÇÃO: Fabiane M. Borges e Leandro
PORTUGUES (scroll down for english) FUTUROS SEQUESTRADOS VS. ANTI­SEQUESTRO DOS SONHOS, OU tratando de contribuir para um novo plex multiversal CURSO IMERSIVO DE 10 DIAS / Clínica­Arte­Imersão ESCOLA CAPACETE, RIO DE JANEIRO Do dia 20 a 30 de maio/2016 ​
COORDENAÇÃO: ​
Fabiane M. Borges e Leandro Nerefuh PRODUÇÃO: ​
Giseli Vasconcelos PARTICIPAÇÃO DE: Marcelo Marssares, Paola Barreto, Peter Pál Pelbárt e Rafael Frazão APRESENTAÇÃO Comecemos pela lama tóxica: eco da violência neo­desenvolvimentista brasileira e mundial, a matança escancarada para agarrar terras, Friboi ou ​
free os bois?, a lógica mononatural das parceiras privado­público e a contaminação de todas as águas. No cenário thinking estratégico dos governos, a polícia de choque é que se prepara para lidar com as populações que querem acesso às fontes ­ open source. Estamos mesmo na lama e a lama não é uma metáfora. Nesse contexto de previsões catastróficas de ‘fim do mundo’ por conta da ação humana destruidora dos sistemas da terra ​
‐ acarretando mesmo em um novo período geológico: o antropoceno; o capitaloceno; the ​
metabolic rift –​
esse curso tratará de desviar da nossa rota de colisão apocalíptica e apontar para algumas alternativas de futuro ou futurologias alternativas que carregam um giro tecnológico da diferença. Através da apropriação e da invenção tecno de todas as ordens: ultra low‐tech, ocultas, primitivas… que podem fornecer possibilidades de vislumbrar outros tipos de relações entre humanos, não­​
humanos e a terra (interespecifics). O curso se configura como um tratamento clínico, ritualístico, teórico e prático de encontro das potências do corpo humano com e na terra, de insurgência telúrica. Como criar tratamentos terapêuticos para sanar a lama tóxica, o imaginário carbônico, as enchentes e as secas do clima e do pensamento? Pensamos na engenharia do futuro: a geo­engenharia e a engenharia do corpo. No porvir em relação ao fracasso civilizatório atual. Na urgência da metareciclagem no campo das ficções. E na produção de cosmogonias livres. DO CURSO A partir das discussões científicas e teórico­especulativas atuais sobre a era do antropoceno e o ‘fim do mundo’, e em contraponto com futurologias alternativas, construiremos uma dinâmica de imersão conduzida a partir de diferentes técnicas de performance, de ruído, de leitura, de escuta de espectros, desenvolvimento de aparatos eletrônicos, construção de narrativas ficcionais e de propostas clínicas (subjetividade). O curso conta com pesquisadores de clínica e subjetividade, performance, cinema, eletrônica e música, que promoverão um ambiente de investigação e experimentação radical, a partir das questões que o antropoceno tem levantado no imaginário social. DA ESTRUTURA Carga horária: 5 horas por dia de práticas imersivas ­ 16h as 22h Período: 20 a 30 de Maio 2016 O curso tem base teórica, prática e técnica e prevê a construção de um processo de trabalho experimental, que será realizado no campo (sítio Capacete em Lídice ­ RJ) e na cidade (Escola Capacete no Rio de Janeiro), fazendo uso de: 1­ Linguagens performativas: ​
Uso de técnicas de corpo, improvisação de cena, construção de ações individuais e coletivas a partir de estudos auto­biográficos, construção experimental de linguagem expressiva, ritualização, gestualização, estados de presença, entre outros. 2­ Ruidocracia: ​
Uso de técnicas de linguagem sonora, produção de ruído (digital e analógico), vocalização, improvisação narrativa, construção de estados coletivos de escuta. O entendimento do ruido como ruptura da comunicação baseada na inteligibilidade: emissão­redundância­recepção. A ideia aqui é a construção de linguagens que se dão entre humanos e outras espécies. 3­ Narrativas ficcionais: Ficcionalização, desenvolvimento de escrita coletiva de caráter transnarrativo, desenvolvimento de personagens, ambientes, contextos. Interescrituras, produção cosmogônica, mítica, metafísica, ontologias diversas, tratados, escritas de associação livre. 4­ Live­Cinema: ​
Manipulação de imagens em tempo real, multi­projeções, improvisações narrativas, composição de paisagens visuais, ruídos e texturas luminosas, montagem nuclear, montagem ideogrâmica, livre associação de imagens signo. Diferentes ontologias imagéticas em colisão ­ arquivo / ao vivo / imagem midiática / imagem de exceção / imagem erro. Exercício livre de gramática audiovisual, cinemúsica da luz. 5­ Espectrologia: Criação de dispositivos eletrônicos simples (associado a bobina, bateria, saída de áudio, cabos, etc) para escuta de campos magnéticos. A partir da construção do dispositivo (cada um desenvolverá seu próprio aparato) será proposta uma série de derivas que possibilitarão a escuta espectral de ruídos dos mais diversos elementos, desde lâmpadas, eletrodomésticos até antenas, plantas, árvores, água, etc. 6­ Clínica: ​
Esquizodrama, ​
dinâmicas de grupo, técnicas de escuta, associação livre, problematização de questões levantadas pelo grupo, auto­conhecimento, o intelecto e o inconsciente coletivo, contação de sonhos, técnicas de concentração, produção imaginária, fabulação, aprofundamento de linguagens expressivas, relação com o futuro. 7­ Communitas: ​
Convivência coletiva, construção de rede, rodas de conversa, tarefas práticas, comunicação intensiva, partilhamento de processos cotidianos, resolução de problemas, alimentação, gestão colaborativa, etc. (Essa parte será mais desenvolvida nos dias passados no sítio) ENCAMINHAMENTO Como forma de conclusão dos trabalhos desenvolvidos ao longo dos 10 dias de convivência, o curso inclui uma apresentação pública do processo de trabalho, tendo o formato aberto, que pode ser: uma apresentação multimídia, uma sessão de cinema ao vivo, uma foto novela, um show de performances, uma coreografia ou agitprop, uma sci­fi (interescritura), um show de variedades. Tudo vai depender da formação do grupo. TAGS: Futurologia, ​
cibernética, tecnoprimitivismo, ficção científica, tecnoxamanismo, antropoceno, práticas rituais, onto­ficção, interescritura, ruído, pancinema, anarqueologia, onirismo, auto­ficcionalização, performance, auto­estudo experimental, subjetividade, narrativa fantástica. PROGRAMAÇÃO ​
(aberta para o imprevisto) DIA 1 ­​
Palestra inicial com Peter Pál Pelbárt, seguida de jantar DIA 2 ­ Apresentação estrutural do curso/clínica, e apresentação de cada participante em formato pecha kucha (5 minutos cada) DIA 3 ­ Experimentos em linguagens performativas, autoconhecimento, interescritura, improvisação gestual e narrativa, ficcionalização de histórias pessoais DIA 4 ​
­ Experimentos em narrativas ficcionais, ruidocracia e produção sonora DIA 5, 6 e 7 ​
­ Viagem a Lídice (sítio localizado no interior do Rio de Janeiro, região de cafesais) ­ imersão ritual ­ caminhada, cachoeira, imersão ritual, fogo, ficções, contação de histórias DIA 8 ­ ​
Oficina de criação de aparato eletrônico para escuta de espectros e de linguagens de live cine (cinema ao vivo) DIA 9 ­ Organização de todo material produzido durante a oficina ­ decisões sobre a programação do dia. DIA 10 ­ Apresentação conclusiva de processo ­ encaminhamento (em formato a ser definido pelo grupo) Metodologias diárias de oficina/clínica: prática de roteiros polivalentes (PAV ­ produto audiovisual aplicável a distintos meios); estudo de texto e hipertexto (texto, som e imagem em movimento); ​
anotação e contação de sonhos; rodas de conversa; clínica individual e/ coletiva; práticas de invenção. PÚBLICO O curso é oferecido para pessoas acima de 15 anos, de qualquer lugar do Brasil, América Latina e do mundo. O transporte fica a cargo de cada um. A hospedagem e alimentação fica a cargo do Capacete. Mínimo 10 e máximo 30 pessoas. INSCRIÇÃO 1. C
​ arta de interesse de no máximo duas páginas falando de sua experiência e do interesse no curso. O currículo vitae. O nome, identidade, cpf, endereço, cidade, email e skype. Para o seguinte email: ​
[email protected] 2.​
​
Entrevista presencial ou virtual (via skype) 3. I​nscrição única R$ 1000,00 (A ser paga 50% na inscrição e 50% no início do curso – com direito de cancelamento por parte do inscrito) BOLSA Oferecemos duas bolsas para pessoas que queiram fazer o curso mas não tenhma condições de arcar com os custos de inscrição. Favor indicar necessidade de bolsa no momento da inscrição. QUESTÕES PRÁTICAS HOSPEDAGEM NO RIO* Quartos individuais disponíveis no Capacete ­ R$500 por 10 dias Quartos compartilhados (para duas pessoas) no Capacete ­ R$600 por dez dias *não incluída no custo do curso COMIDA Jantar coletivo diário incluído para os inscritos, sendo que todos devem colaborar na cozinha. USO DA ESCOLA CAPACETE Acesso irrestrito a Escola Capacete ­ biblioteca, wifi, cozinha, banheiros, espaço para encontros e equipamento audio/visual básico. Também inclui café, chá, água e banana. VIAGEM A LIDICE* Transporte (Rio – Lídice – Rio) e três refeições diárias por três dias, incluido. Hospedagem em quarto (máx. 4 pessoas), barracas e redes. É preciso levar saco de dormir e/ou cobertores (em Maio faz bastante frio a noite), e toalhas. Lídice fica no município de Rio Claro, na serra de Angra dos Reis a duas horas e meia do Rio de Janeiro e a 20 minutos de Angra dos Reis. * Em caso de chuva, a viagem não acontece porque não faz sentido. MINI­BIOGRAFIAS Fabiane M. Borges Artista, psicóloga e ensaísta. Doutora em psicologia Clínica (Núcleo de Subjetividade PUC/SP ­ com estágio em Artes Visuais na Goldsmiths University of London). Pesquisa arte/tecnologia, subjetividade, xamanismo e processos imersivos. Atua com grupos, coletivos e redes desde o ano 2000 desenvolvendo uma série de ações como ACMSTC (Arte Contemporânea no Movimento sem Teto do Centro (Ocupação Prestes Maia ­ São Paulo/2003), Integração sem Posse (Ocupação Prestes Maia ­ São Paulo/2004­2007), Festivais do Submidialogia (Brasil/2006­2010), Festivais de Tecnoxamanismo (Brasil­Equador­Dinamarca/2014­...). Entre exposições realizadas, destacam­se Transmedialle (Berlim/2014­2016), Arte em Órbita (curadora no CAC ­ Equador/2015), MAR Poéticas do Dissenso (Rio de Janeiro/2013) e Zona de Poesia Árida (Rio de Janeiro/2015), MALM (Instituto Goethe ­ Porto Alegre 2015), entre outros. Trabalha com clínica individual e em grupo. Faz atendimento terapêutico presencial e virtual ­​
​
https://about.me/FabianeMBorges Giseli Vasconcelos Nos últimos 10 anos manejo ideias e práticas coletivas entre ativistas, pensadores, artistas, e organizações no Brasil. Graduada em Artes pela Unesp­IA, concebi e produzi festivais, oficinas, encontros e workshops tais como Mídia Tática Brasil (N5M4 ­2003 ), Digitofagia (MIS/SP ­ 2004), Autolabs (ZL SP 2004). Fui co­organizadora da publicação Net_Cultura 1.0: DIGITOFAGIA (2008), financiado pelo programa internacional Sarai Waag Exchange Platform e Radical Livros. Organizo desde 2011 a publicação Dossie: Por uma cartografia crítica da Amazônia, uma documentação que reúne a realidade cultural, política e conflituosa da região. Resido entre Estados Unidos e Brasil, numa jornada geográfica experienciando sistemas por uma vida sustentável e ações criativas geopolíticas. Leandro Nerefuh Artista construtivista tabaréu, trabalha com a tradução formal de teorias especulativas e narrativas históricas, com especial interesse na América Latina. Com mestrado em Estudo Culturais pela Universidade de Londres; foi professor de história da arte da Faculdade Zumbi dos Palmares (Armênia ­ SP), é colaborador da Escola Capacete, Rio de Janeiro, e fundador do PPUB, partido político atuante no Brasil, Paraguai e Uruguai. Entre exposições realizadas, destacam­se: ​
Arquivo Banana​
, 12 Bienal de Havana; ​
Caverna de Umbelina​
, Solo Shows, São Paulo; Agitprop Abyssal​
, Zacheta Galeria Nacional, Varsóvia; ​
Livraria Calil Trouvé​
, 33 Panorama de Arte Brasileira MAM, São Paulo; ​
Mobile Radio BSP​
, 30 Bienal de São Paulo; ​
Memórias Disruptivas​
, Museu Reina Sofia, Madri; ​
Talk Show​
, ICA, Londres. www.nerefuh.com.br Marcelo Marssares Artista plástico que trabalha som e imagem em suas relações de contato físico; o som como ativador de uma visão alterada, o campo acústico como possibilidade imersiva, a música encarada como impulso vibratório em violenta expansão. O contexto e o ambiente são fatores que contribuem para a criação de suas propostas performáticas, ambientais e participativas. Em ​
Uguanda Compressive Files​
, Capacete, morou por 9 dias no espaço expositivo da galeria disponibilizando instrumentos para aqueles que junto com ele estivessem dispostos a criar um encontro de música­não­música caótica e de improviso coletivo. Paola Barreto Artista audiovisual e pesquisadora. Graduada em Cinema (UFF) e Mestre em Tecnologia e Estéticas (PPGCOM/ UFRJ), atualmente dedica­se ao Doutorado em Poéticas Interdisciplinares (PPGAV/ UFRJ). Através de um trabalho desdobrado entre circuitos de vídeo eletrônicos e digitais, fantasmagorias e sistemas híbridos, desenvolve investigação prática e teórica sobre live cinema e vitalidade da imagem. Participou de exposições no circuito SESC em diversas cidades brasileiras, além de Festivais Internacionais como ​
Vorspiel/ Transmediale​
, em Berlim, ​
Live Performers Meeting​
, em Roma e ​
Live Cinema​
, no Rio de Janeiro. Peter Pál Pelbárt Professor titular de filosofia na PUC­SP e coordenador do departamento de filosofia da PUC­SP. Escreveu principalmente sobre loucura, tempo, subjetividade e biopolítica. Publicou ​
O Tempo não­reconciliado (Perspectiva), ​
Vida Capital (Iluminuras) e mais recentemente, ​
O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento ​
(n­1 edições), entre outros. Traduziu várias obras de Gilles Deleuze. É membro da Cia Teatral Ueinzz, e coeditor da n­1 edições. Rafael Frazão Artista visual e desenvolve trabalhos em cinema, conteúdos para internet e novas mídias. Tem experiência na criação e produção de filmes autorais de curta e longa metragem, filmes institucionais e publicidade. Tem também experiência em projetos de arte e tecnologia, video­instalações, projetos de interatividade, projeção mapeada, vjing, streaming, gambiarras tecnológicas em geral aplicados á instalações, teatro, dança e eventos. Com a produtora Filmes para Bailar participou da criação do coletivo Casa da Cultura Digital, do festival Baixo Centro e de uma série de ações relacionadas a apropriação crítica das tecnologias e a cultura livre. Atualmente estuda abordagens da neurociência na performance cênica com a obra Objeto Descontínuo, desenvolve o longa­metragem de fantasia cosmopolítica São Pã e contribui no núcleo de investigação e produção em performance 7Direções. BIBLIOGRAFIA: “A Arte do Sonhar” Carlos Castañeda “A Queda do Céu ­ Palavras de um Xamã Yanomami” ­ ​
Davi Kopenawa e ​
Bruce Albert “Antes o Mundo não existia” Mitologia dos antigos Desana­Kehíripõrã” ­ Umusi Pãrõkumu (Firmiano Arantes Lana) e Tõrãmú Kehíri (Luiz Gomes Lana). Ed. ed. ­­ São João Batista do Rio Tiquié : UNIRT ; São Gabriel da Cachoeira : FOIRN, 1995. (Coleção Narradores Indígenas do Rio Negro). “Devires Totêmicos ­ Cosmopolíticas dos Sonhos” ­ Barbara Glowczewski “Comunidade dos Espectros ­ I. Antropotecnia” ­ Fabián Ludueña Romandini “Três Ecologias” ­ Félix Guattari ­ Ed. Papiros ­ 1990 “Caosmose ­ Um Novo Paradigma Estético” ­ Félix Guattari ­ Ed. 34 ­ 1992 “Metafísicas Canibais” ­ Eduardo Viveiros de Castro ­ Ed. Cosac Naify ­ 2015 “Há Mundo Por Vir?: Ensaio Sobre os Medos e os Fins” ­ Debora Danowski e Eduardo Viveiros de Castro ­ Ed. Instituto Sócio­Ambiental ­ 2015 “Linguagem e vida” ­ Antonin Artaud ­ Ed. Perspectiva ­ 2005 “O Teatro e Seu Duplo” ­ Antonin Artaud ­ Ed. Martins Fontes. 1999 “Performance como Linguagem” ­ Renato Cohen ­ Ed. Perspectiva, 1989 “Work in Progress na Cena Contemporânea” ­ Renato Cohen ­ Ed. Perspectiva, 2004 “Arte da Performance: Do Futurismo ao Presente” ­ Ed. Martins Fonte ­ 2012 “Em Busca de um Teatro Pobre” ­ Jerzy Grotowski ­ Ed. Civilização Brasileira ­ 1987 “Testo Yonqui ­ Sexo, Drogas e Biopolítica” ­ Beatriz Preciado ­ Ed. Espasa ­ 2008 "Jamais Fomos Modernos" ­ Bruno Latour Toda e qualquer texto de Waly Salomão "Aspiro ao Labirinto" ­ Helio Oiticica "Cyclonopedia" ­ Reza Negarestani “O Contrato Natural” ­ Michel Serres Serão trabalhados conceitos como hiperstição, aceleracionismo, pós­humanismo, transhumanismo, ciborguezia, filosoficção, filo­ficção, transnarrativa, interescritura, tecnomagia, metafísica da lata de lixo de Estamira, antropoceno, animismo, subjetividade da matéria, tecnologias do it yourself, multidões queer, imaginação e ficcionalização, astrofuturismo, tecnoprimitivismo de Oswald de Andrade, etc. *** ENGLISH HIJACKED FUTURES VS. ANTI­HIJACK OF DREAMS OR An attempt to contribute to the new multiversal plex IMMERSIVE COURSE (clinic) ESCOLA CAPACETE, RIO DE JANEIRO 20 – 30 MAY 2016 COORDENATION: ​
Fabiane M. Borges e Leandro Nerefuh PRODUCTION: ​
Giseli Vasconcelos PARTICIPTATION: ​
Marcelo Marssares, Paola Barreto, Peter Pál Pelbárt, Rafael Frazão PRESENTATION We shall start from the toxic mud: echo of the neo­developmentalist violence in Brazil and worldwide, killing life and grabbing land for the sake of… The mononatural private­public enterprises and the contamination of all waters. In the strategic scenario thinking of governments, riot police gets ready to deal with peoples who claim access to sources ­ open source. We are in the mud and the mud is not a metaphor. In this context of 'end of the world' due to the destructive human activity on earth systems ­ resulting even in a new geological period: the anthropocene; the capitaloceno; the metabolic rift, etc. ­ this course/clinic will try to divert from our collision course and point to some future alternatives or futurologies that carry a technological turn of difference. By techno appropriation and invention of all orders: ultra, low­tech, hidden, primitive, occult, mainstream technologies that can provide possibilities to envision other kinds of relationships between humans, non­humans and the earth (interespecifics). The course serves as a clinical treatment, based on ritualistic, theoretical and practical ecounters with the forces of telluric insurgency (the insurgent human body in and with the earth). How to create therapeutic treatments to remedy the toxic mud, the carbon imaginary, the floods and droughts of climate and thought? We think of the engineering of the future: a geo­engineering and engineering of the body. We think in what’s to come, relative to the current civilizational failure. We think of the urgency of metarecycling in the fields of fiction, and in the production of free cosmogonies. COURSE (clinic) Based on the current scientific and theoretical speculative discussions about the era of anthropocene and the 'end of the world', and in contrast to alternative futurologies, we plan to create an immersive dynamic conducted based on different techniques of performance, noise, listening, construction of fictional narratives, and clinical proposals (subjectivity). Dreams, indigenous cosmogonies (amerindians and aboriginal), listening spectra (electronics diy), production / listening noises, ritual immersion, self­experimentation, gestualization, fictionalization, performing and storytelling, will be the basic elements of the course. With the aim to create a ten­day working process which will then be presented to an audience in Rio de Janeiro. The course will be led by researchers of subjectivity, performance, film, electronics and music, which will be promoting a radical experimentation process, based on the pressing issues that populate the social imaginary in regards to the anthropocene. STRUCTURE 10 to 20 MAY 2016 16h as 22h daily The course has a theoretical, practical and technical basis and includes the construction of an experimental work process, which will take place on two main locations: a natural land in Lidice ­ RJ, and in Capacete, Rio de Janeiro, where participants will have 5 hours a day of immersive practices, making use of : 1. Performing Languages: ​
use of body techniques, improvisation scene , building individual and collective actions from auto­biographical studies , building expressive languages , ritualization , gestualization , states of presence, among others. 2. Ruidocracia: use of techniques of sound language , noise production ( digital and analog) , vocalization, narrative improvisation , building collective states of listening . Understanding the noise and disruption of communication beyond intelligibility: emission ­ redundancy ­ reception. The idea here is to build languages ​
which exist between humans and other species . 3. Fictional narratives: fictionalization, development of collective writing transnarrative characters, character development, environments, contexts. Interescritures, cosmogonical production, mythical, metaphysical, several ontologies, treaties, free association writing. 4. Live­Cinema: improvised narrative, composition of visual landscapes, noise and light textures, nuclear assembly, ideogrammic assembly, free association sign images. Different imagery ontologies in collision ­ File / live / image media / picture exception / error image. Free exercise of audiovisual grammar, cinemusic of light. 5. Spectrology: creation of simple electronic devices (associated with coil, battery, audio output, cables, etc.) to listen to magnetic fields. From the construction of the device (each develop their own apparatus), we will propose a series of drifts that enable spectral listening noise of the most diverse elements, from lights, appliances until antennae, plants, trees, water, etc. 6. Clinic: esquizodrama, group dynamics, listening skills, free association, questioning the issues raised by the group, self­knowledge, the intellect and the collective unconscious, story­dreams, concentration techniques, imaginary production, fable, deepening expressive languages, compared with the future, etc. 7. Communitas: ​
collective living, network construction, conversation circles, practical tasks, intensive communication, sharing of everyday processes, problem solving, food, collaborative management, etc. (This part will be developed during our stay in Rio de Janeiro) MOVING ON As a way of completing the work developed over the 10 days of clinic practice, the course includes a public presentation of the working process in a format to be decided: a multimedia presentation, a revue , a live cinema session, a show of performances, choreography, agitprop experiment, a sci­fi novel, a variety show.... Everything will depend on the formation of the group. TAGS: ​
Futurology, cybernetics, tecno­primitivism, sci­fi, tecno­shamanism, anthropocene, ritual practices, onto­ficcion, interwriting, noise, pancinema, anarcheology, onirism, self­ficctionalisation, performance, experimental self­study, subjetivity, fantastical narrative. PROGRAM ​
(possible changes may occur) DAY 1 – Innaugural talk with Peter Pál Pelbárt DAY 2 – Presentation of the strucutre of the course, and individual presentations of the participants in pecha kucha format (5 minutes each) DAY 3 – Experiments in performative languages, self­knowledge, inter­writing, gestural and narrative improv, fictionalization of personal stories DAY 4 ­ Experiments in ficcional narratives, noisecracy and sound production DAY 5, 6 and 7 – Trip to Lídice (interior of Rio de Janeiro) in a ritual immersion with walks, waterfalls, fire, and live cinema DAY 8 – Workshop for building electronic devices for listening to spectres DAY 9 – Summing up and preparation for the presentation of process/results DAY 10 – Conclusive presentation in a format to be determined by the group Daily Methodologies: practice of scriptwriting; study of text and hypertext (text, sound, image); ​
annotation and telling of dreams; roundtable; individual and colective clinic. PUBLIC O curso é oferecido para pessoas acima de 15 anos, de qualquer lugar do Brasil, América Latina e do mundo. O transporte fica a cargo de cada um. A hospedagem e alimentação fica a cargo do Capacete. Mínimo 10 e máximo 30 pessoas. APPLICATION 1. L
​etter of interest (max. two pages) telling your experience and interest in the course. CV. Name, document, [email protected] 2.​
​
presencial or virtual (via skype) interview 3.​
​
Course fee R$ 1000,00 (BR real) address, contact details. TO: GRANTS We offer two grants for persons who are interested but do not have the means to pay the course fee. The grant covers the course fee only. PRACTICAL MATTERS ACCOMMODATION IN RIO Individual bedrooms available in Capacete ­ R$500 (BR real) for 10 days Shared bedrooms (for two people) in Capacete ­ R$600 (BR real) for ten days *not included in the course fee FOOD Daily colective dinner included USE OF ESCOLA CAPACETE Irrestricted access to Escola Capacete – library, wifi, kitchen, bathrooms, space for encounters, basic audio/visual equipment. Alos includes coffee, tea, water and banana. TRIP TO LIDICE Transport (Rio – Lídice – Rio) and daily meals included for all three days. Acommodation in room, tent or hammock ­ It’s necessary to take a sleeping back and/or blankets (it gets cold in May), and towels. Lidice is located in the mountains of Angra dos Reis, two hours away from Rio de Janeiro. * In case of rain, the trip will not happen because the access is restricted. HOW TO ENROLL 1. Letter of interest of no more than two pages talking about you experience and interest in the course. Curriculum vitae . Personal contact details. 2. Send to the following email : [email protected] 3. Interview in person or virtual (via skype ) 4. Pay course fee R$ 1000.00 PUBLIC The course is offered to persons over 15 years old, from anywhere in Brazil , Latin America and the world. Minimum 15 and maximum 30 people MINI­BIOS Fabiane M. Borges ​
is an artist, psychologist and essayist. PhD in Clinical Psychology (Subjectivity Center PUC / SP ­ with residency in Visual Arts at Goldsmiths University of London). Research on art and technology, subjectivity, shamanism and immersive processes. Works with groups, collectives and networks since 2000 developing a series of actions as ACMSTC (Contemporary Art in no center ceiling Movement (Occupation Prestes Maia ­ São Paulo / 2003), Seamless integration Posse (Occupation Prestes Maia ­ São Paulo / 2004 ­2007), Festivals of Submidialogy (Brazil / 2006­2010), Tecnoxamanismo festivals (Brazil­Ecuador­Denmark / 2014 ­...) Between exhibitions include:. Transmedialle (Berlin / 2014 to 2016), Art in orbit (curator at the CAC ­ Ecuador / 2015), Poetic SEA Dissent (Rio de Janeiro / 2013) and Arid Poetry Zone (Rio de Janeiro / 2015), Malm (Goethe Institute ­ Porto Alegre 2015)., etc. Works with . individual and group clinical makes and virtual therapeutic care ­ https://about.me/FabianeMBorges Giseli Vasconcelos has handled programs with collectives, activists, thinkers and organizations in Brazil, for the past ten years. She organized the “Festival Midia Tatica Brasil” (“Tactical Media Lab Festival”), as a node from The Next Five Minutes Festival ­ N5M4 (Amsterdam) ­ that spread the concept of tactical media in Brazilian electronic art and activism. She co­organized the publication Net_cultura 1.0: DIGITOFAGIA, a collection of essays inspired on discussion lists of the DIGITOFAGIA Festival that brought together the context of Brazilian digital electronic culture in its first decade; and was also responsible for the c​
onception and management of Autolabs ­ prototype labs providing media literacy workshops in radio, video, hardware, graphic design, and event production, based on tactical concepts using cheap DIY media. Since 2011, she is a project leader of the collaborative documentation “Dossier: clip/process in art, politics and accessible technologies” that brings together a geopolitical and creative context in the Amazon. She lives between the US and Brazil experiencing a geographical journey of systems for sustainable living and geopolitical creative actions. https://independent.academia.edu/GiseliVasconcelos http://america.comumlab.org Leandro Nerefuh is constructivist artist who works with the formal translation of speculative theories and historical narratives, with special interest in Latin America. He was a professor of art history at Zumbi dos Palmares University, São Paulo (2011­2012), and is currently a collaborator of Escola Capacete, Rio de Janeiro. Nerefuh is also the founder of PPUB , active political party in Brazil , Paraguay and Uruguay . Recent exhibitions include: ​
Banana Archive​
, 12 Havana Biennial, Cuba; ​
Umbelina cave,​
Solo Shows, São Paulo; ​
Abyssal agitprop​
, Zacheta National Gallery, Warsaw ; ​
Calil Trouvé,​
33 Brazilian Art Panorama MAM, São Paulo; ​
Mobile Radio BSP​
, 30th São Paulo Biennial; ​
Disruptive Memories​
, Reina Sofia Museum, Madrid; ​
Talk Show​
, ICA, London. www.nerefuh.com.br Marcelo Marssares is an artist who works with sound and image in their physical contact relationships ­ the sound as an activator of an altered vision, the sound field as an immersive possibility, music seen as vibratory surge of violent expansion. The context and environment are factors that contribute to the creation of his performing, environmental and participatory proposals. In Uguanda Compressive Files, he lived for nine days in the gallery's exhibition space providing instruments for those who were willing to create a chaotic gathering of music ­ not ­ music and collective improvisation. Paola Barreto is an audiovisual artist and researcher. Degree in Cinema ( UFF ) and Master in Technology and Aesthetics ( PPGCOM / UFRJ ) , is currently dedicated to an Interdisciplinary PhD in Poetics ( PPGAV / UFRJ ) . Her work unfolds between electronic and digital video circuits, phantasmagoria and hybrid systems, and develops theoretical and practical research on live cinema and vitality of the image. Participated in exhibitions at SESC circuit in several Brazilian cities, as well as international festivals like Vorspiel / Transmediale in Berlin, Live Performers Meeting in Rome and Live Cinema in Rio de Janeiro. Peter Pál Pelbart is a philosophy professor and coordinator of the philosophy department at PUC­ SP. He writes mostly about crazyness, time, subjectivity and biopolitics. Among his publications are: The non­reconciled Time , Life Capital, and more recently, The Other Side of nihilism : a cartography of exhaustion. He translated several works of Gilles Deleuze into Brazilian Portuguese, and is a member of the Theatrical Company Ueinzz. Rafael Frazão is a visual artist and develops work in film, internet content and new media. Frazão has experience in creating and producing short and feature films, video, projection mapping, vjing , streaming, generally applied installations, theater, dance and events. He participated in the creation of the collective House of Digital Culture, the festival Low center and a number of actions related to critical appropriation of technology and free culture. Currently, he researches neuroscientific approaches to the scenic performance with the work Discontinuous Object​
, and develops the feature sci­fi film ​
São Pan​
. BIBLIOGRAPHY: “A Arte do Sonhar” ­ Carlos Castañeda ­ Ed. Record. “A Queda do Céu ­ Palavras de um Xamã Yanomami” ­ ​
Davi Kopenawa e Bruce Albert ­ Ed. Companhia das Letras ­ 2015 “Antes o Mundo não existia” Mitologia dos antigos Desana­Kehíripõrã” ­ Umusi Pãrõkumu (Firmiano Arantes Lana) e Tõrãmú Kehíri (Luiz Gomes Lana). Ed. ed. ­­ São João Batista do Rio Tiquié : UNIRT ; São Gabriel da Cachoeira : FOIRN, 1995. (Coleção Narradores Indígenas do Rio Negro). “Devires Totêmicos ­ Cosmopolíticas dos Sonhos” ­ Barbara Glowczewski ­ Ed. N­1 ­ 2014 “Comunidade dos Espectros ­ I. Antropotecnia” ­ Fabián Ludueña Romandini. Ed. Cultura e Barbárie ­ 2013 “Três Ecologias” ­ Félix Guattari ­ Ed. Papiros ­ 1990 “Caosmose ­ Um Novo Paradigma Estético” ­ Félix Guattari ­ Ed. 34 ­ 1992 “Metafísicas Canibais” ­ Eduardo Viveiros de Castro ­ Ed. Cosac Naify ­ 2015 “Há Mundo Por Vir?: Ensaio Sobre os Medos e os Fins” ­ Debora Danowski e Eduardo Viveiros de Castro ­ Ed. Instituto Sócio­Ambiental ­ 2015 “Linguagem e vida” ­ Antonin Artaud ­ Ed. Perspectiva ­ 2005 “O Teatro e Seu Duplo” ­ Antonin Artaud ­ Ed. Martins Fontes. 1999 “Performance como Linguagem” ­ Renato Cohen ­ Ed. Perspectiva, 1989 “Work in Progress na Cena Contemporânea” ­ Renato Cohen ­ Ed. Perspectiva, 2004 “Arte da Performance: Do Futurismo ao Presente” ­ Ed. Martins Fonte ­ 2012 “Em Busca de um Teatro Pobre” ­ Jerzy Grotowski ­ Ed. Civilização Brasileira ­ 1987 “Testo Yonqui ­ Sexo, Drogas e Biopolítica” ­ Beatriz Preciado ­ Ed. Espasa – 2008 "Jamais Fomos Modernos" ­ Bruno Latour Toda e qualquer texto de Waly Salomão "Aspiro ao Labirinto" ­ Helio Oiticica "Cyclonopedia" ­ Reza Negarestani “O Contrato Natural” ­ Michel Serres *** 

Documentos relacionados