CONES VAGINAIS E BEN-WA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE

Сomentários

Transcrição

CONES VAGINAIS E BEN-WA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE
CONES VAGINAIS E BEN-WA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE
ESFORÇO: RELATO DE CASO
Paula Nayra Soares de Oliveira
Ana Kelly Ferreira Cavalcante
Denise Maria Sá Machado Diniz
Leandro Oliveira Gurgel Ferreira
Tereza Emanuella Bessa Vasconcelos
INTRODUÇÃO: A incontinência urinária é qualquer perda involuntária de urina e tem
grande repercussão na vida do indivíduo acometido, causando constrangimento e exclusão
social. A incontinência urinária que ocorre aos esforços tem grande prevalência, sendo a
principal queixa urinária entre as mulheres. O tratamento fisioterápico beneficia as pacientes
acometidas através da reeducação e fortalecimento da musculatura perineal. OBJETIVO:
Objetivou-se verificar os efeitos de exercícios do assoalho pélvico associados ao uso de cones
vaginais e ben-wa no ganho de força perineal para diminuir ou curar a incontinência.
METODOLOGIA: Paciente de 51 anos, plurípara, com diagnóstico médico de IUE através
da história clínica e exame urodinâmico, foi encaminhada a UREDAPE para realização de
fisioterapia do assoalho pélvico, sem fazer uso de outra terapia relacionada ao problema e não
sendo submetida a cirurgia pélvica. RESULTADOS: Apresentou-se um caso de diagnóstico
médico de incontinência urinária aos esforços, submetido à avaliação fisioterapêutica que,
após receber tratamento fisioterápico através de cinesioterapia com uso de cone vaginal e benwa, relatou desaparecimento de alguns sintomas como noctúria e perda urinária ao erguer
peso e obteve melhora da qualidade de vida. O estudo foi submetido e aprovado pelo
CEP/FIC, com protocolo de nº 164/09. CONCLUSÃO: Concluiu-se que a fisioterapia do
assoalho pélvico pode ser eficaz, simples, não invasiva e de baixo custo para o tratamento da
incontinência urinária.
PALAVRAS-CHAVE: Assoalho Pélvico. Incontinência Urinária. Relatos de Casos.
An da Jor de Fisiot da UFC. Fortaleza, 2010; 1(1):46

Documentos relacionados

Artigo Técnico

Artigo Técnico Idade das mulheres: de 31 a 52 anos (média de 42,5 anos); índice de massa corpórea: 21,2 a 34,7 Kg/m2 (média de 27,1 kg/m2 ). O tempo médio da queixa de IUE variou de dois a 10 anos (média de 5,4 a...

Leia mais