“pelos meus olhos”. - Grupo de Estudos Culturais, Identidades e

Сomentários

Transcrição

“pelos meus olhos”. - Grupo de Estudos Culturais, Identidades e
III SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES
INTERÉTNICAS
GT 8 - Antropologia visual: um olhar sobre as imagens em movimento
Violência perpetrada por parceiro íntimo: Uma reflexão antropológica do Filme “Pelos
meus Olhos”
Fabiana Santos Andrade
VIOLÊNCIA PERPETRADA POR PARCEIRO ÍNTIMO: UMA REFLEXÃO
ANTROPOLÓGICA DO FILME “PELOS MEUS OLHOS”.
Fabiana Santos Andrade 1
Universidade Federal de Sergipe
E-mail: [email protected]
RESUMO
O presente trabalho tem o objetivo de refletir sobre a violência perpetrada por parceiro
íntimo, conhecida também como violência doméstica, através de uma análise
antropológica. Para apresentar um certo número de práticas, discursos, representações e
imaginários que empregam a violência na modernidade, pretende-se utilizar a análise do
filme “Pelos meus olhos”. A escolha do tema se deve ao fato de que a violência
perpetrada por parceiro íntimo ocorre em todos os países, independentemente do grupo
social, religioso, cultural ou econômico e por ela ser representada em muitos filmes da
Atualidade. Para este trabalho, serão utilizadas referências que abordam a temática a
partir de autores como Mari-France Hirigoyen, Saffioti e Sabadell, sob a perspectiva da
antropologia visual de Geertz, MacDougall e Cabrera incluindo análise do poder e
dominação de Arendt e Pierre Bourdieu.
Palavras-chave: Violência entre parceiros íntimos, Cinema, Pelos meus olhos, Poder.
________________________
1
Mestranda em Antropologia na Universidade Federal de Sergipe (UFS), especialista em Violência,
Criminalidade e Políticas Públicas (UFS).
1
INTRODUÇÃO
No limiar do século XXI, o panorama mundial é marcado por questões sociais
mundiais que se manifestam, de forma articulada e com distintas especificidades, nas
diferentes sociedades. (TAVARES DOS SANTOS, 2004). Castel (2005) afirma que as
sociedades modernas são construídas sobre o alicerce da insegurança, em virtude de não
encontrarem em si mesmas a capacidade de assegurar proteção; caracterizam-se como
individualistas e, com a crise da modernidade, provocaram o desemprego, e a
precariedade das relações de trabalho dentre outros fatos importantes. Conforme Louis
Dumont (2008), o sentido de individualismo não se refere ao indivíduo empírico ou à
unidade do grupo social, mas à dimensão moral do termo que se relaciona à forma de
consciência do homem moderno de pensar sobre si mesmo como indivíduo, logo, como
autônomo em relação ao grupo social.
O sociólogo Zygmunt Bauman (2001) relata sobre os dramas próprios das
sociedades contemporâneas, inseridas na experiência da modernidade líquida, em que
tudo é fluido e temporário e grande parte dos indivíduos estão permanentemente
confrontados com sua condição de vulnerabilidade, desamparo e insuficiência sem que
o Estado e as demais instituições políticas da própria sociedade ofereçam a atenção
devida para os referidos dramas.
O Relatório mundial sobre violência e saúde (OMS, 2002) afirma que a
violência perpetrada por parceiro íntimo ocorre em todos os países, independentemente
do grupo social, religioso, cultural ou econômico. A grande carga de violência de
gênero (masculino/feminino) recai sobre mulheres em relação aos homens, embora as
mulheres também possam ser violentas e a violência também possa ser encontrada em
relacionamentos com parceiros do mesmo sexo.
Mari-France Hirigoyen (2006) menciona que estudos epidemiológicos sobre a
violência no casal são difíceis de ser realizados porque nenhum País conseguiu chegar a
um acordo quanto a uma definição e porque as respostas são muito difíceis de ser
interpretadas devido a uma grande subjetividade. Algumas dificuldades, a seguir, são
2
encontradas ao se analisar a violência no casal: a) o que é dito inaceitável numa época
varia em função do tempo, da cultura e do casal; b) o grau de tolerância do indivíduo
depende de sua história e sensibilidade; c) alguns atos não são condenados no plano
jurídico mesmo causando prejuízos psicológicos.
A autora trata a violência no casal como “um tratamento brutalizante que se
produz na intimidade do casal, quando um dos dois parceiros, seja qual for o seu sexo,
tenta impor seu poder pela força”. (HIRIGOYEN, 2006, p.15). Nesse caso, a
proximidade afetiva cria a gravidade da violência na qual os sofrimentos mais intensos
são gerados nos mais fortes afetos. As condutas agressivas ligadas ao álcool são comuns
pois geralmente na população os atos violentos cometidos sob o domínio do álcool
abrangem mais da metade dos homicídios; “[...] não é o álcool que provoca diretamente
a violência, apenas permite a liberação da tensão interna até então controlada, criando
uma sensação de onipotência”. (HIRIGOYEN, 2006, p. 125).
O cinema, por sua vez, é responsável por grande parte do imaginário criado sobre
o corpo em uma dada sociedade; desta forma, analisa as representações corporais
veiculadas por este meio e, de certa maneira, é uma ferramenta para desvelar quais
símbolos e sentidos são atribuídos ao corpo por tal sociedade. Em contrapartida, as
formas de pensar, sentir e desejar o mundo possuem um vínculo histórico com o espaço
discursivo criado pelo cinema. Este tem papel fundamental na criação das sensibilidades
modernas, na aprendizagem de como ser um sujeito moderno ou na incitação do desejo
de sê -lo. (ADELMAN et al., 2011).
De acordo com Simmel, a vida urbana instaura novas formas de percepção que se
adequam ao seu ritmo acelerado; uma delas é o cinema que torna possível compreender
através de fragmentos e criar novas formas de narrá-los. (ADELMAN et al., 2011).
Sendo o cinema um âmbito de produção e reflexão do imaginário individual, ele é
também responsável pela elaboração de uma cultura visual, na qual a relação entre o
real e a representação se altera constantemente e produz a tendência de entender o real
apenas em suas representações. (CHARNEY e SWARTZ apud ADELMAN et. al.,
2011). Em virtude da relevância desse assunto na atualidade e do cinema ser um meio
acessível para as possibilidades de discussões antropológicas, esse presente trabalho tem
3
como objetivo refletir sobre aspectos que fazem parte do ciclo de violência perpetrada
por parceiro íntimo presente no filme “Pelos meus olhos” 2 3.
O filme
O filme “Pelos meus olhos” é um drama espanhol que se passa na cidade de
Toledo. As cenas iniciais nos mostram um conjunto habitacional de prédios quadrados,
com tijolos visíveis no período da noite; vê-se uma jovem (Pilar) ao jogar dentro de uma
mochila três ou quatro roupas e vai imediatamente ao quarto do filho (Juan) que dorme,
vestindo-o às pressas. Há uma grande urgência na ação e ambos correm do apartamento
dirigindo-se para refugiar-se na casa da irmã (Ana) com seu filhinho que, apesar da
hora, são recebidos por ela. Pilar ao ser espancada pelo marido resolve dar um novo
rumo na vida e abandona o esposo (Antonio), situação que foi bem compreendida pela
sua irmã. Em virtude de ser restauradora, Ana sugere que a irmã procure um emprego e
faz uma recomendação num museu, sendo admitida em seguida. No entanto, Antonio
vê-se sozinho e não como aceita essa condição passa a cortejar sua mulher com bilhetes,
presentes, e palavras de amor. Aproxima-se de Pilar com a promessa de frequentar um
grupo de ajuda para homens violentos como ele e então eles se amam, passando a se
encontrar escondidos, como um casal de namorados.
Ana desaprova esses encontros e volta a estimular sua irmã a se separar e ter
vida própria. Ana está noiva de um escocês e juntas providenciam os preparativos do
casamento, formando agora uma grande família: Ana, o noivo, Pilar, Juan e sua mãe.
Esta é uma mulher viúva e que sempre foi infeliz no casamento por aguentar o
temperamento difícil do marido em silêncio; como ela vem de outra geração pede que
sua filha aceite seu infortúnio de qualquer modo.
________________________________
2
Pelos meus olhos / Diretor: Icíar Bollaín / Argumento e Roteiro: Icíar Bollaín e Alicia Luna /
Fotografia: Carles Gusi / Produção: Alta Productión, Producciones La Iguana / Música: Alberto
Iglesias / Intérpretes: Laia Marull, Luis Tosar, Candela Peña, Rosa María Sardà, Nicolas
Fernandez Luna / País e Ano: Espanha, 2003 / Dados técnicos e duração: Cor, 106 min.
3
Este filme brilhante foi o grande vencedor dos Goyas; levou o Oscar espanhol de filme, direção, atriz,
ator, atriz coadjuvante, roteiro e som; No total, teve 39 prêmios e outras 17 indicações.
4
O terapeuta de Antonio é muito eficiente e simula situações percebidas como um
calor que gera um desconforto incontrolável e se instala em seus pacientes antes da ira
começar. Esse desconforto é identificado como fúria que precisa ser controlada e para
tal alguns recursos são utilizados como pensar em uma cena de paz, sair do local para
encontrar-se consigo mesmo ou escrever em um diário com páginas coloridas que
oferece aos clientes; As páginas vermelhas escuras são para os momentos de desespero.
Com o assédio amoroso dando resultado, Antonio consegue que Pilar volte para
ele. Esse era um amor muito embasado “na pele” dos dois e no sexo de elevada
excitação; eles tinham um jogo infalível em que havia uma troca de presentes, todavia
eles eram seus corpos percebidos quando Antonio pedia as orelhas de Pilar, seus seios,
suas coxas, seus braços e ela lhes dava, inclusive seus olhos. Pilar decide voltar para seu
marido, durante a festa de casamento de Ana, momento em que triunfa um clima de
amor e alegria; desentende-se com sua irmã, e em um momento de desabafo afirma que
que ninguém pode saber melhor do que ela onde é o seu lugar, ou seja, ao lado do
marido, que havia mudado; em seguida, Ana chora na festa pela decisão tomada por
Pilar.
O medo é uma constante na vida de Pilar durante os nove anos em que vivera
com Antonio, no trabalho atual e em sua casa a qual retornara. Quando Antonio chega,
ela e o filho sempre se assustam por não saberem o estado em que ele se encontra.
Apesar da busca terapêutica, a essência de Antonio não mudou ao passo em que eles
continuam formando um casal conflitante e imaturo. À medida que Pilar se estabelece
no trabalho e convive com outras mulheres, adquire nova confiança que a deixa mais
bonita e madura, o que não acontece da mesma forma para Antonio que possui uma
autoestima baixa e medo de perder sua mulher, além de fantasiar situações medíocres
tonando-se extremamente controlador. Tais problemas são exaustivamente discutidos
com o terapeuta, mas para ele uma mudança de atitude provoca bastante angústia além
de ter medo de perder o controle sobre si mesmo e seu relacionamento com sua mulher.
Pilar faz um trabalho voluntário com muita eficiência, em uma igreja-museu em
Toledo, cuja função é mostrar os quadros aos turistas e explicar o motivo pelo qual eles
foram pintados daquela maneira, sempre com a mitologia de plano de fundo na origem
das obras. Antonio mesmo não aceitando o trabalho de Pilar esforça-se e lhe dá um livro
5
de arte; ele vai se corroendo de ciúmes, aos poucos, pelo sucesso de sua mulher e tornase mais inseguro e agressivo e então passa a vigiá-la, no museu, durante suas
explicações.
Em uma situação, Pilar esquece de ligar o celular por não ter costume de ter esse
tipo de aparelho; ele não para de tocar e a circunstância foge do controle de ambos,
quando ela é convidada a trabalhar em Madri. O sonho deles era que eles fossem morar
em um local bem longe de Toledo e do controle familiar, já que a possibilidade era
grande porque ele trabalhava para seu pai como vendedor. A proposta da mulher de se
mudarem para Madri para começarem uma nova vida fez com que ele se sentisse
inferiorizado e parte para a coação e agressão verbal. Pilar não cede a seus apelos e
Antonio tenta suicídio em sua presença, cortando-se com uma faca de cozinha; ele é
levado ao hospital e fica bem uma vez que o corte foi superficial.
Depois desse episódio, as duas irmãs voltam a ficar unidas e o filme termina
com um final aberto no qual Pilar, escoltada por suas colegas de trabalho, entra em sua
casa para fazer suas malas e pegar somente dois enfeites que gostava muito, ou seja, um
prato e uma foto dela e seu pequeno Juan enquanto Antônio a olha pensativo. Pilar parte
para seu novo destino e deixa Juan para ser cuidado por sua irmã Ana e o marido,
devendo retornar para buscá-lo.
Reflexões antropológicas sobre a violência apresentada no filme
A Antropologia é também compreendida como um exercício do olhar e como
consequência os filmes podem ser submetidos aos estudos antropológicos, uma vez que
eles são também um exercício do olhar. Segundo MacDougall (2009, p.68), “antes que
os filmes sejam uma forma de representar ou comunicar, eles são uma forma de olhar.
Antes de expressar ideias, eles são uma forma de olhar. Antes de descrever qualquer
coisa, eles são uma forma de olhar”. Nesse sentido, a proposta de Geertz (1989) de uma
Antropologia interpretativa entende que os filmes são recortes do mundo, descrições de
fatos pequenos, que estão entrelaçados densamente, e interpretações de segunda ou
terceira mão.
6
Geertz (1997) sinaliza que a Arte é um elemento essencial da vida social pois ela
denota e divulga modos de se pensar a vida. Ao levar em consideração que os
sentimentos que um povo tem pela vida surgem e são transmitidos na ciência, na moral,
no direito e na arte, a expressão artística pode ser entendida como um sistema cultural,
assim como o parentesco e a religião, revelando maneiras de estar no mundo e que estão
inseridas nas formas de expressões sociais e nas atitudes.
A variedade, que os antropólogos já aprenderam a esperar, de crenças
espirituais, de sistemas de classificação, ou de estruturas de parentesco que
existem entre os vários povos, e não só em suas formas mais imediatas, mas
também na maneira de estar no mundo que encorajam e exemplificam,
também se aplica a suas batidas de tambor, a seus entalhes, a seus cantos e
danças (GEERTZ, 1997, p.146).
Percebe-se que o autor concebe a expressão artística como consequência de uma
sensibilidade coletiva, formada na totalidade da vida social e aponta que a ligação entre
vida e arte acontece no plano semiótico, e não no plano instrumental. Compreende-se
que essa proposta para Geertz (1997) é uma maneira de se pensar sobre o reflexo da
vida, ou seja, as representações artísticas fornecem modos de experimentar a realidade e
materializar preocupações recorrentes da vida. Neste ângulo o cinema, como um
produto cultural, é a concretização de um trabalho de equipe que possui várias
sensibilidades individuais, diferenciados e se direciona a um público determinado, que é
capaz de compreender e interpretar e seus significados. Percebe-se que o filme é uma
obra de ficção cuja relação com a vida social decorre da possibilidade de ser produto de
uma experiência coletiva que o transcende. Desta forma, o cinema pode ser uma forma
útil para refletir sobre questões presentes nas análises antropológicas, como, por
exemplo, a violência.
O meio de comunicação audiovisual de massa tornou-se uma experiência
cotidiana para a maioria das pessoas pois ele pode fazer a mediação de nossas relações
com o mundo; assim eles são instrumentos são de representação e divulgação de valores
e traços culturais. O cinema faz um recorte na realidade, questiona e dramatiza o
7
cotidiano comum ao espectador, revelando particularidades e gestos sutis inseridos nos
meios sociais. Assim como a Antropologia e, especificamente a Antropologia Visual, o
cinema trabalha também com o cruzamento de olhares, e “é nesse cruzamento de
intencionalidades que reside a possibilidade de pensar a imagem como um objeto fértil
para a reflexão antropológica” (BARBOSA e CUNHA, 2006, p.54).
O cinema faz parte da vida social contemporânea e se pode afirmar que a relação
entre ele e a sociedade se fundamenta numa interferência dupla, ou seja, o cinema
produz imagens de nossas fantasias, nossas necessidades, nossos desejos e constitui
“nossos imaginários, nossas relações com o Outro, nossos conhecimentos, nossas
opiniões” (FRANÇA, 2005, p.34). Nesse sentido, o cinema nos conta histórias, e,
conforme afirma Cabrera (2006, p.21), “é claro que um filme sempre pode ser colocado
em palavras. [...] Só que isto só será plenamente compreensível somente vendo- se o
filme, instaurando a experiência correspondente, com toda a sua força emocional”.
Muito mais que simples histórias, os filmes expõem experiências coletivas,
questionamentos e formas de como estar no mundo, revelando ideologias e concepções
acerca da realidade social, ou seja,
[...] os conceitos -imagem do cinema, por meio desta experiência
instauradora e plena, procuram produzir em alguém (um alguém
sempre muito indefinido) um impacto emocional que, ao mesmo
tempo, diga algo a respeito do mundo, do ser humano, da natureza etc.
e que tenha um valor cognitivo, persuasivo e argumentativo através de
seu componente emocional. (CABRERA, 2006, p. 22).
A cineasta espanhola Icíar Bollain4 em seu filme trata com muita sensibilidade
uma relação matrimonial desnudada pelo contexto da violência na qual o amor e a
convivência desgastada são transformadas num inferno que atormenta a vida de Pilar,
uma mulher submissa e mãe de um garoto que observa as brigas dos seus pais com
olhos lastimosos.
__________________
4
Iciar Bollain nasceu em Madri, em 1967, em uma família basca; foi atriz em mais de 30 filmes e/ou
episódios.
8
Na violência contra a mulher, o abuso pelo parceiro íntimo é mais comumente
parte de um padrão repetitivo, de controle e dominação, do que um ato único de
agressão física. O abuso pelo parceiro pode tomar várias formas, tais como: agressões
físicas (como golpes, tapas, chutes e surras), abuso psicológico (por menosprezo,
intimidações e humilhação constantes), coerção sexual etc. (OMS, 2002).
A violência no seio da família tem uma dinâmica própria, diferente da violência
nas ruas ou no ambiente de trabalho. Ela ocorre entre pessoas muito próximas e as
vítimas mais frequentes são mulheres, crianças e idosos (SCHRAIBER, 2007). O
conceito de violência doméstica está ligado ao conceito de território englobando as
situações nas quais os envolvidos desfrutam de uma certa intimidade e convivência
dentro de um espaço que pode ser simbólico ou concreto. “Estabelecido o domínio de
um território, o chefe, via de regra um homem, passa a reinar quase incondicionalmente
sobre seus demais ocupantes. O processo de territorialização do domínio não é
puramente geográfico, mas também simbólico” (SAFFIOTI, 2004, p. 72).
A violência entre cônjuges ou companheiros constitui uma das faces da violência
familiar que está relacionada com os valores do mundo patriarcal. Em vários casos, a
mulher fica numa posição de bode expiatório uma vez que grande parte da violência,
produzida numa sociedade marcada pela cultura patriarcal caracterizada pela
competitividade como também pelo aumento da agressividade, é orientada para o seu
corpo. (SABADELL, 2005). O autor afirma que “O problema não é a postura de certos
homens, mas uma cultura que influencia toda a sociedade. Trata-se do patriarcado que
consiste em uma forma de relacionamento, de comunicação entre os gêneros,
caracterizada pela dominação do gênero feminino pelo masculino” (SABADELL, 2005,
p. 264). Assim, percebe-se que o patriarcado indica o predomínio de valores
masculinos, fundamentados em relações de poder que é exercido através de complexos
mecanismos de controle social que oprimem e marginalizam as mulheres. A dominação
do gênero feminino pelo masculino costuma ser marcada (e garantida) pela violência
psíquica e/ou física em uma situação na qual as mulheres (e as crianças) encontram-se
na posição mais vulnerável, sendo desprovidas de meios e reação efetivos. O autor
afirma ainda que:
9
No âmbito das relações privadas, a violência contra a mulher é um
aspecto central da cultura patriarcal. A violência doméstica é uma
forma de violência física e/ou psíquica, exercida pelos homens contra
as mulheres no âmbito das relações de intimidade e manifestando um
poder de posse de caráter patriarcal. Podemos pensar na violência
doméstica como uma espécie de castigo que objetiva condicionar o
comportamento das mulheres e demonstrar que não possuem o
domínio de suas próprias vidas. (SABADELL, 2005, p. 235-236 ).
A temática do poder é vista por Arendt (2004) como sinônimo de consenso, interação
dialógica. Enquanto o poder for significado como forma de submeter o outro à própria
vontade, como sinônimo de violência, haverá sempre espaço para configurar
legitimação a essa forma de gerenciamento de conflito. Violência é ausência de poder,
incapacidade de argumentação harmoniosa respeitosa e construção conjunta de
consensos.
Apesar dos golpes e das humilhações que Pilar suporta do seu marido, ela
continua a acreditar na paixão que a uniu a Antonio, homem ciumento e brutal, que
possui uma consciência alterada em relação a realidade. A esposa, ao retornar ao lar,
acredita na possibilidade de nunca mais acontecer e se volta contra as pessoas que
confrontam a situação real, ao mesmo tempo em que o mundo passa a ser perseguidor
daquele amor que é parte dela mesma; esse outro é parte de si mesma, o que revela que
ambos não pouco saudáveis na relação.
Vários estudos quantitativos e qualitativos mostram que a violência praticada
por parceiro íntimo associa-se à aceitação da violência e normas hierárquicas de gênero,
como o “direito” masculino para controlar bens e comportamentos femininos. Esse
aspecto pode propiciar o surgimento de conflitos caso a mulher desafie esse controle ou
o homem não possa mantê-lo. (D’Oliveira et al., 2009).
Segundo Yves Michaud (1989), do ponto de vista antropológico, as causas da
violência podem ser explicadas a partir do estudo da agressividade. Para tal, alguns
pontos de vista são levados em consideração como: o neurofisiológico (os organismos
se mantêm em vida reagindo aos estímulos do ambiente que são agressores para eles); o
etológico (entendendo que a agressividade é própria do homem bem como dos outros
animais); antropológica pré-histórica (percebendo que a agressão acompanha a
conquista, a destruição e a exploração na medida em que há uma violência humana que
10
anima invenções, descobertas e produção de cultura); psicológico e psicanalista
(estudando elementos ligados a agressividade e violência a partir de situações de
interação, de personalidade, o papel da frustração, modos de socialização, etc).
A violência pode ser compreendida através de uma microfísica do poder, de
FOUCAULT, uma vez que existe uma rede de poderes que envolve todas as relações
sociais, marcando as interações entre classes e os grupos. Apresenta-se como uma
“microfísica da violência” na vida cotidiana da sociedade contemporânea cuja prática
violenta se insere em uma rede de dominações de vários tipos – classe, gênero, etnia,
etária, por categoria social, ou a violência simbólica – que resultam na produção de uma
teia de exclusões, possivelmente sobrepostas.(TAVARES DOS SANTOS, 2002).
Para Pierre Bourdieu (1989), o poder simbólico é construtor da realidade, como
conhecemos e construído por ela, e perpetua-se por instrumentos simbólicos de
dominação: a divisão do trabalho (classes sociais), a divisão do trabalho ideológico
(intelectual, formador do discurso) e a função de dominação que existe nestas duas
divisões. Também os mitos, as lendas, as ideologias dominantes, bem como a língua de
um povo são considerados instrumentos de dominação.
O autor afirma também que todos os tipos de expressão cultual aparecem como
instrumentos de perpetuação de um poder que é simbólico: ditados, discursos,
provérbios, enigmas, cantos, poemas, representações decorativas, etc. Além desses, a
organização do espaço, a divisão do tempo, mas, sobretudo, a divisão de papeis e de
lugares para homens e mulheres funcionam também para esse fim. (BOURDIEU,
1995).
Numa pesquisa realizada pelo antropólogo americano Dr. David Guilmore, com
homens de cultura latina, foram identificados cinco pontos básicos que definem uma
espécie de código de virilidade. Neste, para que o indivíduo seja considerado homem é
preciso cumprir as seguintes regras: 1. Ser competitivo; 2. Ser sexualmente potente; 3.
Ter autocontrole; 4. Ser um bom provedor; 5. Fazer-se respeitar pela mulher. Assim, o
homem que não conseguir satisfazer as expectativas impostas terá a sua identidade
ameaçada e não encontrará embasamento para sua masculinidade no imaginário cultural
(MINISTERIO DA SAUDE, 2001).
11
A violência praticada contra parceiro íntimo compreende fenômenos como a
humilhação, desqualificação, exposição a situações vexatórias, críticas destrutivas,
desvalorização da mulher como mãe e amante, o seja, formas de violência psicológicas
que culminam com a violência física. No filme, Antonio humilha a esposa, Pilar, não
apenas em casa mas também em seu local de trabalho, trazendo prejuízos como a perda
da autoestima, da liberdade (de pensar, de sentir), da individualidade acreditando que o
amor justifica todas as tentativas e sacrifícios, nos quais a noção do abismo em que se
encontra é perdida.
Percebe-se alguns jogos românticos do casal e que mais caracteriza a doação de
Pilar ao seu marido encontra-se na seguinte frase: “te dou meu corpo, meu sexo, minha
boca, minhas orelhas, meu nariz, meus olhos". A princípio parece uma brincadeira
inocente, mas se transforma numa armadilha uma vez que ela coloca todo seu corpo e
sua alma nas mãos do esposo. Ruth Benedict (2006) desenvolve a ideia de que no nível
da cultura o tipo básico da personalidade se manifestava como um padrão cultural, ou
seja, cada cultura tem seu estilo, sua configuração ou modelo cultural. Personalidade é
entendia como um vínculo de hábitos organizados e relativamente persistentes que se
encontram rodeados por zonas de elementos de conduta mais fluidos que estão num
processo de se tornar hábito; ela é formada pelas normas e valores e costumes que são
transmitidos pelos padrões culturais e que ditam parâmetros que orientam as ações dos
indivíduos.
Evidencia-se atualmente que em muitos casos existe uma relação de
codependência entre vítima e opressor e a violência torna-se como um ingrediente
emocional para a mulher; a vítima, por sua vez, acredita ser um indivíduo de menor
valor que precisa do seu opressor para sobreviver, e então “mergulha” num círculo
vicioso no qual o homem humilha e agride e a mulher sente medo, vergonha e culpa. A
situação pode ser piorada caso a vítima esteja rodeada por pessoas que sugerem que é
melhor a mulher continuar num relacionamento violento do que ficar longe do esposo
como é o caso do discurso da personagem Aurora, mãe de Pilar: “Uma mulher nunca
está melhor sozinha”.
Na trama, Antonio busca auxilio psicológico através de terapia individual e de
grupo no qual são retratadas diferentes pessoas com o mesmo problema de
12
agressividade e emocionais; em uma cena, Pilar confronta Antonio lendo suas anotações
e ao dizer que ele não tinha motivo por sentir medo, ele sente insegurança, falta de amor
próprio e continua a projetar suas frustrações em sua esposa. O processo terapêutico de
Antonio embora reforce a identificação do padrão de pensamentos e sensações que
podem disparar o comportamento agressivo dispensa a participação da esposa e omite o
envolvimento do álcool nesses episódios.
Os estudos sobre grupos socioterapêuticos com agressores pesquisados por com
Ramos, Santos e Dourado (2009), têm se mostrado pertinentes para a apresentação de
situações dos conflitos. Eles propiciam reflexões sobre as relações sociais, familiares e
conjugais nas quais os homens inicialmente alegam que reagem agressivamente à
violência e em seguida passam a acessar livremente as emoções presentes no momento
em que ocorreram as agressões. Nesse sentido, Fontoura e Ramos (2009) acreditam que
a intervenção socioterapêutica com esse tipo de grupo é fundamental para que sejam
ampliadas reflexões acerca das relações interpessoais e dos papeis sociais, para a
promoção da co-responsabilização pelas relações estabelecidas pelos atores envolvidos
e para a compreensão da lei.
No final do filme, Pilar percebe que a sua história é semelhante a de sua mãe e
que se repete mais uma vez; a mãe conta que permaneceu no matrimônio por causa das
filhas conta e ao discutir com Pilar, esta se dá conta de que não é aquilo que queria mais
para si mesma. Assim como a personagem exibida na trama, muitas mulheres vítimas de
violência praticada por seus companheiros repetem histórias de gerações anteriores na
mesma família. Culturalmente, muitas aprenderam a silenciar na relação e a se
conformar com os atos violentos praticados diariamente e nem sempre existe apoio
familiar nesses casos ou um suporte social para proteger essas pessoas. Na trama,
quando Pilar decide trabalhar e estudar ela passa a conhecer novas perspectivas diante
do mundo além de ter o apoio de sua irmã Ana.
Considerações Finais
Diante do que foi exposto, considera-se importante refletir sobre a conduta
violenta não como um discurso social de aspecto único e singular, mas sim como um
fenômeno inserido na realidade do mundo social que se expressa de diversas maneiras.
13
Acredita-se também que este fenômeno é um fator proveniente de múltiplas causas,
podemos destacar: história pessoal, personalidade, influência da cultura e sociedade, etc.
Conforme MacDougall (2009) os filmes representam uma forma de olhar antes
mesmo de expressarem ideias ou comunicarem o que se predispõem a mostrar. Ao meu
ver, tornam-se instrumentos profundos e possíveis para se refletir sobre problemáticas
muito frequentes na sociedade contemporânea e que ainda é marcada fortemente por
resquícios de uma cultura que percebe o homem como gênero detentor de ditar normas,
comportamentos, discursos e atitudes da mulher, sobretudo quando são cônjuges. Em
contrapartida, é notório que muitos avanços já foram feitos na Sociedade, sobretudo, no
que se refere aos dispositivos legais e sociais que protegem a mulher quando estão em
condição de vulnerabilidade, assim como os benefícios trazidos pela sua inserção no
mercado de trabalho.
As reflexões e análises apontam para um recorte sobre a violência sob a
perspectiva conjugal observada na relação vivenciada pelos personagens apresentados.
Compreende-se que diante de qualquer perspectiva sobre a temática há uma leitura
parcial desse fenômeno mas também se tem a clareza de que o desenvolvimento deste
trabalho traz contribuições importantes de autores para a compreensão da questão.
Referências Bibliográficas
ADELMAN, Miriam et al. (orgs.) Mulheres, homens, olhares e cenas. Curitiba: Editora
UFPR, 2011.
ARENDT, Hannah. Crises da República. Trad. José Volkmann. São Paulo: Editora
Perspectiva. 2004. p. 93-156. (Coleção Debates).
BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de
Janeiro: Zahar, 2003. 13
BARBOSA, Andréa; CUNHA, Edgar Teodoro da. Antropologia e Imagem. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.
14
BENEDICT, Ruth. Padrões de Cultura. Tradução: Alberto Candeias. Lisboa: livros do
Brasil, 2000.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Memória e
Sociedade. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil; Lisboa: Ed. Difel, 1989.
_________. A dominação Masculina. Educação e Realidade. Porto Alegre, V. 20; n. 2,
p. 133-184, jul/dez. 1995.
CABRERA, Julio. O Cinema Pensa: uma introdução à filosofia através dos filmes. Rio
de Janeiro: Rocco, 2006.
CAVALCANTI, Stela Valéria Soares de Farias. Violência Doméstica: análise da lei
“Maria
da Penha”, nº 11.340/06. Salvador, BA: Edições PODIVM, 2007.
D'OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas et al . Fatores associados à violência por
parceiro íntimo em mulheres brasileiras. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 2,
Apr. 2009. Disponível em http://www.scielo.br/scielo. Acesso em 08 Jan. 2013.
Dumont, Louis. Homo Hierarchicus: O Sistema de Castas e Suas Implicações. Trad.
Carlos Alberto da fonseca. 2 ed. ed. Da universidade de São Paulo: São Paulo, 2008.
FONTOURA, Fernanda; RAMOS, Maria. E. C. A Violência no casal: uma análise a
partir do grupo socioterapêutico com homens encaminhados pela Justiça. 2009.
Disponível
em
http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/87.%20a%20
viol%CAncia%20no%20casal.pdf.
FRANÇA, Andréa. Foucault e o cinema contemporâneo. ALCEU, Rio de Janeiro, v.5,
n.10, p.30-39, jan./jun. 2005.
GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.
GEERTZ, Clifford. O saber local : novos ensaios em antropologia interpretativa.
Petrópolis, Vozes, 1997.
15
HIRIGOYEN, Marie-France. A violência no casal: da coação psicológica à agressão
física. Tradução: Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
MACDOUGALL, David. “Significado e Ser”. In: BARBOSA, Andréa; CUNHA, Edgar
Teodoro da; HIKIJI, Rose Satiko G. (orgs.). Imagem-conhecimento: Antropologia,
cinema e outros diálogos . Campinas: Papirus, 2009.
MICHAUD, Yves. A violência. Trad. L. Garcia. São Paulo. Ed. Ática.1989.
MINISTÉRIO da SAÚDE. Violência intrafamiliar: orientações para prática em
serviço. Secretaria de Políticas de Saúde. – Brasil. 2001. 14
RAMOS, M. E. C.; SANTOS, C.; DOURADO, T. Violência intrafamiliar: desvelando a
face (oculta) das vítimas. In: LIMA, F. R.; SANTOS, C. (Orgs). Violência doméstica:
vulnerabilidades e desafios na intervenção criminal e multidisciplinar. Rio de Janeiro:
Lumen Juris, 2009. p. 147-158.
SABADELL, Ana Lucia. Manual de Sociologia Jurídica: introdução a uma leitura
externa do Direito. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.
SAFFIOTI, Heleieth I. B. Fundação Perseu Abramo, 2004. Gênero, patriarcado,
violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004. p. 797-807, 2007.
SANTOS, J. V dos. Microfísica da violência, uma questão social mundial. In: Ciência e
Cultura (on-line) São Paulo, v. 54, n.1, p.22-24, Jun-Set. 2002. Disponível
em:<http://www.cienciaecultura.bvs.br/scielo>. Acesso em: 20 Jul. 2013.
SCHRAIBER, Lilia Blima et al. Prevalência da violência contra a mulher por parceiro
íntimo em regiões do Brasil. Rev. Saúde Pública [online], v. 41, n. 5, p. 797-807, 2007.
16

Documentos relacionados