A Bússola de Ouro

Сomentários

Transcrição

A Bússola de Ouro
18.GeloeNeblina
19.OCativeiro343
20.ÀOutrance362
21.AsBoas-vindasdeLordeAsriel379
22.ATraição397
23.APonteparaasEstrelas407
PrimeiraParte
PRIMEIRA PARTE
OXFORD
1AGARRAFADETOKAY
LYRAeseudaemon1atravessaramoSalão,jábastanteescuro,tomando
cuidadoparaseguiremjuntoàparede,foradevistadaCozinha.Astrês
mesasgrandesaolongodoSalãojáestavamarrumadaseosbancos
compridosestavamafastados,esperandooscomensais.Noalto,aolongo
dasparedes,osretratosdeantigosReitoresestavamnapenumbra.Lyra
chegouaotabladoevoltou-separaolharaportaabertadaCozinha;não
vendoninguém,subiuparajuntodamesaprincipal.
Aliostalhereseramdeouro,nãodeprata,eos14lugaresnãoeramnum
bancodecarvalho,massimemcadeirasdemognocomalmofadasde
veludo.LyraparoujuntoàcadeiradoReitoredeuumpetelecodelevena
taçamaior;osompercorreutodooSalão.
-Vocêestádebrincadeira.Comporte-se!-cochichouodaemon.
OnomedodaemoneraPantalaimon,e,nomomento,eletinhaaformade
umamariposamarromparanãosedestacarnapenumbradoSalão.
-LánaCozinhaestãofazendobarulhodemais–Lyracochichoudevolta.E
oAdministradorsóaparecedepoisdoprimeirosino.Deixedeserranzinza.
Mas,emtodocaso,elacolocouapalmadamãosobreocristalquevibrava;
Pantalaimonesvoaçouàfrentedela,atravessandoaextensãodotablado,e
entroupelaportaentreabertadaSalaPrivativa,nooutroextremo.Logo
depoistornouaaparecer.
-Estádeserta-sussurrou.-Mastemosqueagirdepressa.
Quaseagachada,escondidapelamesa,Lyravenceurapidamentea
distânciaeentrounaSalaPrivativa,ondetornouaficardepéeolhouem
volta.Aúnicaluzvinhadalareira;apilhadelenhaembrasadesabou
enquantoelaestavaolhando,fazendosubirumacolunadefaíscaspela
chaminé.ElahaviapassadoamaiorpartedavidanaFaculdade,masnunca
tinhavistoaSalaPrivativa;sóosCatedráticoseseusconvidadospodiam
entrarali,enuncaumamulher.Nemascriadasentravamparalimpar;
essetrabalhosóquemfaziaeraoMordomo.
Pantalaimonacomodou-senoombrodela.
-Estásatisfeitaagora?Podemosir?-cochichou.
-Nãosejamedroso!Aindaquerodarumaespiada!
Eraumasalaampla,comumamesaovaldemadeiravermelhaenceradae
sobreelaváriasgarrafasetaçasdecristal,eumatabaqueiradepratacom
umapequenaestantedecachimbos.
Numaparadorvizinho,haviaumpequenoaquecedordepratoseuma
cestacombotõesdepapoula.
-Elessetratambem,hein,Pan?-elacomentoubaixinho.
Efoisentar-senumadaspoltronasdecouroverde,tãofundaqueelaficou
quasedeitada,masendireitou-seeencolheuaspernas.Depoispôs-sea
examinarosretratosnasparedes:maisCatedráticos,comcerteza;
barbadosemelancólicos,dedentrodesuasmolduras,eleslançavam
olharesdesolenedesaprovação.
1Apalavradaemonpertenceàlíngualatinaeoriginouemportuguêsa
palavra"demônio",cujosignificadoatualnãoequivaleaodalínguaoriginal
nemaousadonestaobra.(N.T.)
-Queachaqueelesconversamaqui?-agarotaperguntou,oucomeçoua
perguntar,pois,antesdeterminarafrase,elaouviuvozesdoladodefora
daporta.
-Paratrásdapoltrona.Depressa!-sussurrouPantalaimon.
Comoumraio,Lyrapuloudapoltronaefoiseesconderatrásdela.Nãoera
omelhoresconderijo:elahaviaescolhidologoapoltronaqueficavabem
nomeiodasala,esenãoficassequietinha...
Aportaseabriu,eailuminaçãodasalamudou:umdosrecém-chegados
traziaumalamparina,queelecolocousobreoaparador.Lyraviaas
pernasdele,ascalçasverde-escuroeossapatospretosbemencerados:
umcriado.Entãoumavozgrossaperguntou:
-LordeAsrieljáchegou?
EraoReitor.Lyraprendeuarespiraçãoaoverodaemondocriado(um
cão,comoosdaemonsdetodososcriados)entrartrotandoesentar-seem
silêncioaospésdele,eentãoospésdoReitorficaramvisíveistambém,
metidosnossapatosvelhosqueelesempreusava.
-Não,Reitor-disseoMordomo.-TambémnãochegounotíciadasDocas
Aéreas.
-Imaginoqueelevaichegarcomfome.Leve-odiretoparaoSalão,está
bem?
-Estábem,Reitor.
-EjáseparouumpoucodoTokayespecial?
-Já,sim,Reitor.O1898,comoosenhormandou.LordeAsrielaprecia
muitoessasafra,sebemmelembro.
-Ótimo.Agoravá,porfavor.
-Vaiprecisardalamparina,Reitor?
-Sim,podedeixá-laaí.Duranteojantar,venhaajeitaropavio,estábem?
OMordomofezumamesuraleveevirou-separasair,eseudaemon
seguiu-oobedientemente.Deseuprecárioesconderijo,Lyraficou
observandoenquantooReitoriaatéumgrandearmáriodecarvalhoaum
cantodasala,tiravaasuabecadeumcabideevestia-acomdificuldade-o
Reitortinhasidoumhomemmuitoforte,masagoratinhabemmaisde70
anoseseusmovimentoseramrígidoselentos.O
daemondoReitoreraumafêmeadecorvo,eassimqueeleterminoude
vestiratúnicaodaemonsaltoudecimadoarmárioefoiseacomodarno
seulugardecostume:oombrodireitodele.
LyrasentiaaafliçãodePantalaimon,emboraestenãoemitisseumúnico
som.Elaprópriaestavaachandodeliciosoaquelefriozinhonabarriga...
LordeAsriel,ovisitantemencionadopeloReitor,eratiodela,umhomema
quemelamuitoadmirava...etemia.Diziamqueeleestavaenvolvidoem
altaspolíticas,exploraçõessecretas,guerrasdistantes,eelanuncasabia
quandoeleiaaparecer.Eleeramuitobravo;seaapanhasseali,elaseria
severamentecastigada,masconseguiriaaguentar.
Porém,oqueelaviuemseguidamudoucompletamenteascoias.
OReitortiroudobolsoumpapeldobradoecolocou-osobreamesa.Tiroua
rolhadeumagarrafaquecontinhaumvinhoquasedourado,desdobrouo
papeledeixoucairládentroumjorrofinodepóbranco;depoisamassou
bemopapelejogou-onofogodalareira.Entãotirouumlápisdobolsoe
mexeuovinhoaté
dissolvertodoopó,edepoisrecolocouarolha.
Seudaemonsoltouumgrasnidocurto;oReitorrespondeunummurmúrio,
eolhouemvoltacomosolhossemicerradoseseveros,antesdesairpela
portaporondetinhaentrado.
Lyracochichou:
-Viuisso,Pan?
-Claroquevi!Agorasaiadepressa,antesqueoAdministradorchegue!
Mas,enquantoelefalava,ouviu-seumsinotocandoumabadaladanaoutra
pontadoSalão.
-ÉosinodoAdministrador!-Lyraexclamou.–PenseiqueagenteIater
maistempo...
PantalaimonesvoaçouatéaportadoSalãoevoltoucorrendo.
-OAdministradorjáestálá-avisou.-Evocênãovaipodersairpelaoutra
porta...
Aoutraporta,aquelaporondeoReitortinhaentradoesaído,abria-se
paraomovimentadocorredorentreaBibliotecaeaSaladeEstardos
Catedráticos.Aessahoradodia,essecorredorestavacheiodehomens
indovestirsuasbecasparaojantar,oucorrendoparadeixarpapéisou
pastasnaSaladeEstarantesdeirparaoSalão;sabendodisso,Lyratinha
planejadosairporondeentrara,contandocommaisalgunsminutosantes
dosinodoAdministrador.
SeelanãotivessevistooReitorcolocaraquelepónovinho,poderiaatéter
desafiadoacóleradoAdministradoroutentadopassardespercebidano
corredormovimentado.Masestavaconfusa,eissofezcomquehesitasse.
Entãoouviupassospesadossobreotablado:eraoAdministradorvindo
verificarseaSalaPrivativaestavapronta,comaspapoulaseovinhoque
osCatedráticosbeberiamdepoisdojantar.Lyracorreuparaoarmáriode
carvalho,abriu-oeescondeu-seládentro,puxandoaportabemno
momentoemqueoAdministradorentrou.
ElanãosepreocupoucomPantalaimon:asalaeratodadecoresescuras,e
elepodiamuitobementrardebaixodeumapoltrona.
ElaescutouoresfolegarfortedoAdministradore,pelafrestadaporta,viuoajeitaroscachimbosnaestantezinhajuntoàtabaqueira,lançandoum
olharderelanceparaosfrascosdebebidaeastaças.Depoisalisouos
cabelossobreasorelhascomambasasmãosedissealgoaoseudaemon.
Eraumcriado,demodoqueeleeraumacadela;masumcriadodealta
categoria,demodoqueocãotambémerasuperior-umsettervermelho.
Odaemonpareciasuspeitardealgumacoisaeficouolhandoemvoltacomo
sesentisseumapresençaintrusa,masnãofoiatéoarmário,paragrande
alíviodeLyra.
ElatemiamuitooAdministrador,queduasvezeslhederaumasova.Lyra
ouviuumsussurrobemfraquinho;obviamentePantalaimontinhase
enfiadonoarmário.
-Agoravamosterqueficaraqui.Porquevocênuncaescutaoqueeudigo?
LyrasórespondeudepoisqueoAdministradorsaiu.Cabiaaele
supervisionarosqueserviamamesaprincipal;elaouviuosCatedráticos
entrandonoSalão,omurmúriodevozes,oarrastardepés.
-Aindabemquenãoescutei-elacochichouemresposta.-Senãonão
teríamosvistooReitorcolocarvenenonovinho.
Pan,eraoTokayqueeletinhapedidoaoMordomo!VãoassassinarLorde
Asriel!
-Vocênãosabeseaquiloéveneno.
-Claroqueé!Vocênãoselembra?EleesperouoMordomosairdasala;se
fosseinocente,nãoseimportariaqueoMordomovisse.Eeuseiqueestá
acontecendoalgumacoisa.
Algumacoisapolítica.Oscriadossófalamsobreisso.Pan,nóspodíamos
impedirumassassinato!
-Nuncaouvitamanhabobagem-cortouele.–Comoachaquevaiconseguir
ficarquatrohorasimóvelnestearmárioapertado?Deixequeeuvávigiaro
corredor;quandoestiverdeserto,euaviso.
Elevooudoombrodela,eelaviuasombraminúsculaaparecernafresta
deluz.
-Nãoadianta,Pan,vouficaraqui-declarou.–Háoutratúnicaouseiláo
queaquidentro;voucolocaristonochãodoarmárioemeacomodar.
Tenhoqueveroqueelesfazem!
Atéentãoelaestavaagachada;ficouempécomcuidado,tateandoà
procuradoscabidesparanãofazerbarulho,edescobriuqueoarmário
eramaiordoquepensara.Haviaváriasbecasacadêmicasecapuzes,
algunsorladosdepele,amaioriacomforrodeseda.
-SeráquesãotodosdoReitor?-elasussurrou.-Quandoelerecebe
diplomashonoráriosdeoutroslugares,talvezeleslhedêembecasqueele
guardaaquiparausar...Pan,vocêachamesmoqueaquilonovinhonãoé
veneno?
-Não;assimcomovocê,euachoqueéveneno.Eachoqueissonãoéda
nossaconta.
Eachoqueinterferirseriaamaisidiotadetodasascoisasidiotasquevocê
já
feznasuavida.Nãotemosnadaavercomisso.
-Nãosejaestúpido!-Lyraexclamou.-Nãopossoficaraquisentadavendo
daremvenenoaele!
-Entãováparaoutrolugar.
-Vocêéumcovarde,Pan.
-Claroquesou.Possoperguntaroquevocêpretendefazer?Vaidarum
saltoearrancarataçadosdedostrêmulosdele?Qualéasuaidéia?
-Nãotenhoidéia,evocêsabemuitobem-elarespondeuemvozbaixa.
MasagoraquevioqueoReitorfez,nãotenhoescolha.Penseiquevocê
conhecesseaexistênciadaconsciência.Sabendooquevaiacontecer,como
équeeupossoirmesentarnaBibliotecaouemqualqueroutrolugare
ficartamborilandoosdedos?Issoeunãopretendofazer,juro!
-Eraissoquevocêqueriaotempotodo-eledissedepoisdeummomento.
Queriaseesconderaquieassistiratudo.Porqueeunãopercebiantes?
-Estácerto,euqueromesmo-elaconfessou.–Todomundosabequeeles
vêmfazerumacoisasecreta.Têmumritual,oualgumacoisaassim.Eeusó
queriasaberoqueé.
-Nãoédanossaconta!Seelesqueremterseussegredinhos,vocêdevia
apenassesentirsuperioredeixá-losempaz.Esconder-se,espiar,tudoisso
écoisadecriançaboba.
-Sabiaquevocêiadizerisso.Agoraparederesmungar.
Osdoisficaramemsilêncioporalgumtempo,Lyradesconfortávelnochão
durodoarmárioePantalaimonpousadonumcabidecomarcontrariado,
vibrandosuasantenastemporárias.
Lyrasentiaváriospensamentosbrigandodentrodasuacabeçaeadoraria
podercompartilhá-loscomoseudaemon,maseratambémorgulhosae
achoumelhortentarclarearospensamentossemaajudadele.
Oquepredominavaeraaaflição,enãoporsiprópria-detantopassarpor
situaçõesdifíceis,jáestavaacostumada.Dessavez,estavaaflitaporcausa
deLordeAsriel,edoqueaquilotudoqueriadizer.Elenãocostumava
visitaraFaculdade,eofatodeestaremnumaépocadealtatensãopolítica
significavaqueelenãoestavavindosimplesmenteparacomer,bebere
fumarcomumpunhadodevelhosamigos.ElasabiaquetantoLordeAsriel
quantooReitorerammembrosdoConselhodoGabinete,queeraoórgão
especialdeassessoriaaoPrimeiro-ministro,demodoqueavisitapodiater
algumacoisaavercomisso;masasreuniõesdoConselhodoGabinete
eramfeitasnoPalácio,nãonaSalaPrivativadaFaculdadeJordan.
Alémdisso,haviaoboatoqueestavaprovocandocochichosentreos
criadosdaFaculdade:dizia-sequeostártarostinhaminvadidoMoscóviae
estavamavançandorumoaoNorte,paraSãoPetersburgo,deonde
poderiamdominaroMarBálticoeacabarconquistandotodoooesteda
Europa.ELordeAsrielestiveranoExtremoNorte:naúltimavezemque
elaovira,eleestavapreparandoumaexpediçãoparaaLapônia...
-Pan...-elacochichou.
-Queé?
-Vocêachaquevaihaverguerra?
-Aindanão.LordeAsrielnãoestariajantandoaquiseaguerrafosse
explodirnasemanaquevem.
-Éoqueeuacho.Masdepois?
-Psiu.Vemvindoalguém.
Elasentou-seeretaeencostouoolhonafrestadaporta.EraoMordomo,
entrandoparaverificaropaviodalamparina,comooReitorordenara.A
SaladeEstareaBibliotecaeramiluminadasporluzanbárica2,mas,na
SalaPrivativa,osCatedráticospreferiamaslâmpadasdenafta,mais
antigasemaissuaves.IssonãomudariaenquantooReitorestivessevivo.
OMordomoaparouopavioecolocououtraachadelenhanalareira,
depoisescutoucautelosamentejuntoàportaantesdesurrupiarum
punhadodefolhasdatabaqueira.Maltinharecolocadoatampaquandoa
maçanetadaoutraportagirou,eeledeuumpulo,sobressaltado.Lyra
tentounãorir.OMordomoenfiouàspressasasfolhasdefumonobolsoe
virou-separaorecém-chegado.
-LordeAsriel!-exclamou.
UmarrepiodesurpresagelouascostasdeLyra.Elanãoconseguiavê-loe
tentoudominaravontadedemudardeposiçãoparaavistá-lo.
-Boanoite,Wren-disseLordeAsriel,naquelavozásperaqueLyra
sempreescutaracomumamisturadeprazereapreensão.-Cheguei
atrasadoparaojantar.Vouesperaraqui.
OMordomopareciaconstrangido;sóseentravanaSalaPrivativaaconvite
doReitor,eLordeAsrielsabiadisso.MasoMordomoviutambémoolhar
deLordeAsrielfixoemseubolsoestufadoeresolveunãoprotestar.
-DevoavisaraoReitorqueosenhorchegou?
-Nãoseriamau.Podemetrazercafé.
-Muitobem,senhor.
OMordomosaiuapressado,seudaemontrotandoobedientementeatrás.O
tiodeLyrafoiatéalareiraeestendeuosbraçosporcimadacabeça,
espreguiçando-seebocejandocomoumleão.
Estavausandoroupasdeviagem.Comosempreaconteciaquandotornava
avê-lo,Lyralembrou-sedequantoeleaassustava.
2Anbárica:traduçãoliteraldeanbaric,palavrainexistentenalíngua
inglesa;aocorrênciadaletra"n"antesdaletra"b"inexistetantoem
portuguêsquantoeminglês-oWebsterregistraumaúnicaexceção.(N.T.)
Agoraestavaforadequestãosairsemserpercebida;elateriaqueesperar
etorcer.
OdaemondeLordeAsriel,umapanterabranca,postou-selogoatrásdele.
-Vaimostrarasprojeçõesaqui?-eleperguntouemvozbaixa.
-Vou.VaisermenosconfusodoqueirmosparaoAuditório.Vãoquerer
verosespécimestambém;daquiapoucovoumandarchamaroPorteiro.
Sãotemposruins,Stelmaria.
-Vocêdeviadescansar.
Eleesticou-senumadaspoltronas,demodoqueseurostoficouescondido
deLyra.
-É,sim.Etambémmudarderoupa;comcerteza,existealgumaregrade
etiquetaquepermitequeelesmedêemumamultadeumadúziade
garrafasporentraraquisemestarvestidoadequadamente.Euprecisava
dormirunstrêsdias.Masocasoéque...Houveumabatidanaporta,eo
Mordomoentrou,trazendoumbuledecateeumaxícaranumabandejade
prata.
-Obrigado,Wren-disseLordeAsriel.-AquiloalisobreamesaéTokay?
-OReitormandousepará-loespecialmenteparaosenhor.-informouo
Mordomo.-Hásótrêsdúziasdegarrafasdo98.
-Nãohábemquesempredure.Deixeabandejaaquiaomeulado.Ah,
peçaaoPorteiroparamandarasduascaixasquedeixeinaPortaria.
-Paracá,senhor?
-Sim,paracá,ora.Evouprecisardeumatelaeumalanternadeprojeção,
tambémaqui,tambémagora.
OMordomomalconseguiaseguraroqueixodesurpresa,masconseguiu
engoliraperguntaouoprotesto.
-Wren,vocêestáesquecendooseulugar-disseLordeAsriel.-Nãome
questione;apenasfaçaoqueeulheordeno.
-Muitobem,senhor-replicouoMordomo.–Sepossodarumasugestão,
senhor,talvezsejamelhoravisaroSr.Cawsondoqueosenhorestá
planejando,senhor,senãoeleficaráumtantoperplexo,seéqueme
entende.
-Estábem.Aviseaele,então.
OSr.CawsoneraoAdministrador.Haviaumarivalidadeantigae
bemestabelecidaentreeleeoMordomo;oAdministradoreramais
graduado,porémoMordomotinhamaisoportunidadesdeinsinuar-secom
osCatedráticos,eaproveitavacadaumadelas.Eleiaadorara
oportunidadedemostraraoAdministradorquesabiamaisdoqueele
sobreoqueacontecianaSalaPrivativa.Fezumamesuraesaiu.Lyra
observouotioservir-seumaxícaradecafé,bebê-ladeumavezeservir-se
outra,quepassouabebermaisdevagar.Elaestavaperplexa:caixasde
espécimes?Umalanternadeprojeção?Queteriaeledetãourgentee
importanteparamostraraosCatedráticos?
EntãoLordeAsriellevantou-seevirouascostasaofogo.Elaoviudecorpo
inteiro,emaravilhou-secomocontrastequeelefaziacomoMordomo
gorducho,osCatedráticoscurvadoselânguidos:LordeAsrieleraum
homemalto,deombroslargos,fisionomiasoturnaeferoz,olhosque
pareciamcintilarcomumhumorselvagem.Tinhaorostodeumapessoaa
quemseobedeciaoucombatia-nuncapoderiasertratadacomoinferior
oudignadecompaixão.Todososseusmovimentoseramlargosepossuíam
umequilíbrioperfeito,comoosdeumanimalselvagem;dentrodeum
aposentocomoaquele,elepareciaumaferapresanumajaulapequena
demais.
Nomomento,suaexpressãoeradistanteepreocupada.Odaemon
aproximou-seeencostouacabeçanacinturadele,eelebaixouosolhos
paraapanteracomumolharenigmático,antesdevoltar-lheascostase
encaminhar-separaamesa.Lyraderepentesentiuoestômagodarumnó,
poisLordeAsrielhaviatiradoatampadofrascodeTokayeestava
enchendoumataça.
-Não!
Ogritoabafadosaiuantesqueelapudessecontê-lo.LordeAsrielouviu-oe
virou-seimediatamente.
-Quemestáaí?
Elanãoconseguiucontrolar-se:saltouparaforadoarmárioecorreupara
arrancarataçadasmãosdele.Ovinhovoou,molhandoabordadamesaeo
tapete,eataçacaiuedespedaçou-se.Eleagarrouameninapelopulso,
torcendo-ocomforça.
-Lyra!Quediabosestáfazendoaqui?
-Mesolteeeulheconto!
-Primeirovoulhequebrarobraço.Comoousaentraraqui?
-Acabeidesalvarasuavida!
Porumsegundoosdoisficaramimóveis,elaaseretorcerdedorefazendo
umacaretaparareprimirosgemidos,eleinclinadosobreela,detesta
franzida,comoumtrovãoanunciandotempestade.
-Quefoiquedisse?-eleperguntou,emvozmaisbaixa.
-Ovinhoestáenvenenado-elaresmungou,quasesemabriraboca.-Vio
Reitorcolocarumpóbrancodentrodele.
LordeAsrielsoltou-aeelacaiunochão;nervoso,Pantalaimonesvoaçou
paraoombrodela.Otiobaixouosolhoscomumaraivacontrolada,eela
nãoousouencará-lonosolhos.
-Entreisóparavercomoeraestasala-elacontou.–Seiquenãodeviater
feitoisso.Iasairantesquealguémentrasse,masoReitorapareceuefiquei
encurralada.Oarmárioeraoúnicoesconderijo.Eviquandoelecolocouo
pónovinho.Seeunãotivesse...
Bateramnaporta.
-DeveseroPorteiro-disseLordeAsriel.-Volteparaoarmário.Seeu
ouviromenorbarulho,voufazervocêtervontadedemorrer.
Elacorreuaseesconder,emalfecharaaportadoarmárioquandoLorde
Asrielfalouemvozalta:
-Podeentrar!
Comoeletinhadito,eraoPorteiro.
-Colocoaqui,senhor?
Lyraviuovelhoparadoàportacomarindeciso,eatrásdeleapontade
umgrandecaixotedemadeira.
-Istomesmo,Shuter.Tragaasduasparadentroecoloquenochãoperto
damesa.
Lyraacalmou-seumpouquinhoepermitiu-sesentiradornoombroeno
pulso.Elateriachoradodedorsefosseoutrotipodemenina;massóoque
fezfoicerrarosdentesemovimentardeleveobraçoatésenti-lomaisleve.
Entãoouviuoruídodevidroquebradoeoborbulhardeumlíquidoquese
derramava.
-Maldição!Shuter,seuvelhodescuidado!Vejaoquevocêfez!
Lyraconseguiavermalemal.Otioderaumjeitodederrubaragarrafade
Tokay,fazendoparecerquetinhasidooPorteiro.Ovelhopousoucom
cuidadoocaixotenochãoecomeçouasedesculpar.
-Sintomuito,mesmo,senhor.Amesaestavamaispertodoqueeu
pensava...
-Arrumealgumacoisaparalimparestasujeira.Vádepressa,antesqueo
tapetefiqueimpregnado!
Oporteiroeseujovemajudantesaíramapressados.LordeAsriel
aproximousedoarmárioefalounumcochicho:-Jáqueestáaí,podefazer
algumacoisaútil.VigieatentamenteoReitor.Semecontaralgumacoisa
interessantearespeitodele,vouimpedirquevocêtenhamaisproblemas
doqueosquejávaiter.Entendeu?
-Sim,tio.
-Sefizerumbarulhosequeraídentro,nãovouajudá-la.Vocêestáporsua
conta.
Eleafastou-se,eestavanovamenteparadodecostasparaalareiraquando
oPorteirovoltoucomumavassouraeumapáparaoscacosdevidro,além
deumpanoeumatigelaparaolíquido.
-Sópossopedirdesculpasmaisumavez,senhor;juroquenãoseioque
me...
-Limpeistoaíepronto.
EnquantooPorteiroenxugavaovinhodotapete,oMordomobateue
entroucomocriadodeLordeAsriel-umhomemchamadoThorold.Os
doiscarregavamumcaixotepesado,demadeiraenceradaealçasde
bronze.Viramoqueoporteiroestavafazendoeestacaram.
-EraoTokay,sim-disseLordeAsriel.-Umapena.Alanternaestáaí?
Coloque-apertodoarmário,Thorold,porfavor.Atelavaificarnooutro
lado.Lyrapercebeuquepelafrestadaportaconseguiriaveratelaeoque
fosseprojetadonela,eficoucuriosaemsaberseotiotinhafeitode
propósito.Protegidapelobarulhoqueocriadofaziaaodesenrolarolinho
rígidoemontaratelaesuaarmação.elacochichou:
-Estávendo?Nãovaleuapena?
-Podeserquesim...-dissePantalaimonemtomsevero,comsuavozinha
demariposa-...epodeserquenão-completou.
LordeAsrielficouparadopertodalareirabebericandoorestodocafée
observandocomarsisudoenquantoThoroldabriaacaixadalanternade
projeçãoedesencapavaaslentesantesdeverificarotanquedeóleo.
-Hábastanteóleo,senhor-disse.-Querqueeumandechamarumtécnico
parafazeraprojeção?
-Não,eumesmofareiisso.Obrigado,Thorold.Elesjáterminaramojantar,
Wren?
-Creioqueestãoquaseterminando,senhor-respondeuoMordomo.-Se
entendidireitooqueoSr.Cawsondisse,oReitoreseusconvidadosvãose
apressarquandosouberemqueosenhorestáaqui.Possolevarabandeja
docafé?
-Podelevar.
-Muitobem,senhor.
Comumamesuraleve,oMordomopegouabandejaesaiu,eThoroldfoi
comele.Assimqueaportasefechou,LordeAsrielolhoudiretamentepara
oarmárionooutroladodasala,eLyrasentiuaforçadaqueleolharquase
comoseeletivesseumaformafísica,comosefosseumaflechaouuma
lança.Entãoeledesviouosolhosefaloubaixinhocomseudaemon.
Apanteraveiosentar-secalmamenteaoladodele,alerta,elegantee
perigosa,osolhosverdesexaminandooaposentoantesdesevoltarem,
comoosolhosnegrosdele,paraaportaquedavaparaoSalão,no
momentoemqueamaçanetagirou.Lyranãoconseguiaveraporta,mas
escutouumarespiraçãoprofundaquandooprimeirohomementrou.
-Estoudevolta,Reitor-disseLordeAsriel.-Porfavor,tragaosseus
convidados;tenhoalgomuitointeressanteparamostrar.
2AIMAGEMDONORTE
-LORDEAsriel!-oReitorexclamouemtomalto,eavançouparaapertarlheamão.
Deseuesconderijo,LyraobservavaosolhosdoReitor,edefato,porum
segundo,elesforamatéamesaondeoTokayestivera.LordeAsrielfalou:
-Reitor,chegueiLordedemais,nãoquisatrapalharseujantar,demodo
quemeacomodeiaqui.Olá,Vice-reitor.Ébomvê-locomtãoboaaparência.
Perdoemmeostrajes,acabeidechegar.Sim,Reitor,oTokaysefoi.Acho
queosenhorestá
paradoemcimadele.OPorteiroderrubou-odamesa,masaculpafoi
minha.Olá,Capelão.Liseuúltimoartigocomgrandeinteresse...
Eleafastou-secomoCapelão,deixandoaLyraumavisãoperfeitadorosto
doReitor.Esteestavaimpassível,masodaemonemseuombroarrepiava
aspenasemovia-seinquietamentedeumpéparaooutro.LordeAsrieljá
estavadominandooambiente,e,emborativesseocuidadodesercortês
comoReitornoterritóriodopróprioReitor,eraóbvioondeestavaopoder.
OsCatedráticossaudaramovisitanteeespalharam-sepelasala,alguns
indosentar-seemvoltadamesa,outrosprocurandoaspoltronas,elogoo
zumbidodasconversasenchiaoar.Lyrapercebiaqueelesestavammuito
intrigadoscomacaixademadeira,atelaealanternadeprojeção.
ConheciamuitobemosCatedráticos:oBibliotecário,oVice-reitor,o
Inquiridoreoresto.
Durantetodaavida,elaconviveracomesseshomens;elesaensinavam,a
castigavam,aconsolavam,davam-lhepresentinhos,proibiam-nadechegar
pertodasfrutasnoPomar;eramtodaasuafamília.Elapodiaatéamá-los
comosefossemmesmoasuafamíliasesoubesseoqueeraumafamília,
emboranessecasofossemaisprovávelqueelasentisseissopeloscriados
daFaculdade;osCatedráticostinhamcoisasmaisimportantesafazerdo
quedarafetoaumagarotameioselvagem,meiocivilizada,queoacaso
colocaraentreeles.OReitoracendeuopaviosobopratinhodepratae
aqueceuumpoucodemanteigaantesdeabrircomumafacameiadúziade
botõesdepapoulaejogá-losnoprato.Depoisdeumjantar,semprese
serviapapoula;elaclareavaamenteeestimulavaalíngua,favorecendoa
riquezadaconversa.AtradiçãoeraopróprioReitortorrá-las.
Sobochiardamanteiganocaloreozumbidodasconversas,Lyramexeuse,procurandoumaposiçãomaisconfortável.Comenormecuidado,ela
tiroudocabideumadasbecas-umatúnicadepelequeiaatéochão-e
estendeu-anochãodoarmário.
-Vocêdeviausarumavelhaeáspera-sussurrouPantalaimon.-Seficar
confortáveldemais,vaipegarnosono.
-Seissoacontecer,vocêtemobrigaçãodemeacordar-elarespondeu.
Sentou-seeficouaouviraconversa.Umaconversabastantechata,por
sinal;quasetodasobrepolítica,eaindaporcimapolíticadeLondres,
nenhumassuntoexcitantecomoostártaros.
Ocheiroagradáveldepapoulafritandonamanteigaedefolhadetabaco
penetravapelafrestadaportadoarmário,emaisdeumavezLyra
percebeuqueestavaquasecochilando.Finalmente,porém,ouviuque
alguémdavapancadinhasnamesa.Asvozessilenciaram,eentãooReitor
falou.
-Cavalheiros,tenhocertezadequefaloportodosaodarasboas-vindasa
LordeAsriel.Asvisitasdelesãoraras,porémimensamentepreciosas,esei
queestanoiteeletemalgodegrandeinteresseparanosmostrar.Como
todossabemos,estamosnumaépocadegrandetensãopolítica;Lorde
Asrieltemqueestaramanhã
cedoemWhiteHall,eháumtremesperandocomacaldeiracheiade
vaporparalevá-loaLondresassimquetivermosterminadoestaconversa;
portanto,devemosutilizarotempocomsabedoria.Imaginoquequandoele
terminardefalarhaverá
algumasperguntas;porfavor,quesejambreveserelevantes.LordeAsriel,
gostariadecomeçar?
-Obrigado,Reitor-disseLordeAsriel.-Paracomeçar,tenhoalguns
fotogramasparalhesmostrar.Vice-reitor,achoquevaienxergarmelhor
daqui.TalvezoReitorqueirasentar-sealipertodoarmário.
OvelhoVice-reitoreraquasecego,demodoqueeraumaquestãode
cortesiaarranjar-lheumlugarpertodatela,eissofezcomqueoReitor
acabassesentadoaoladodoBibliotecário,amenosdeummetrodo
armárioondeLyraestavaacocorada.ElaouviuoReitormurmurar
enquantoseacomodavanapoltrona:
-Essedemônio!Elesabiadovinho,tenhocerteza.
OBibliotecáriocochichoudevolta:
-Elevaipedirdinheiro.Seforçarumavotação...
-Seelefizerisso,temosquenosopor,comtodaaeloqüênciaque
pudermos.AlanternacomeçouachiarenquantoLordeAsrielbombeava-a
comforça.Lyramoveu-seligeiramenteparaconseguirenxergaratela,
ondeagorabrilhavaumcírculobranco.LordeAsrielpediu:
-Alguémpodediminuiraluzdalamparina?
UmdosCatedráticoslevantou-separafazerisso,eoaposentoescureceu.
LordeAsrielcomeçou:
-Comoalgunsdevocêsjásabem,hádozemesespartiparaoNortenuma
visitadiplomáticaaoReidaLapônia.Pelomenoséoqueeufingiaqueia
fazer.Minhaverdadeiraintençãoerachegaraindamaisaonorte,atéo
gelo,paratentardescobriroqueaconteceucomaexpediçãoGrumman.
UmadasúltimasmensagensdeGrummanparaaAcademiaemBerlim
falavadeumcertofenômenonaturalquesóévistonasterrasdoNorte.Eu
estavadecididoainvestigarisso,etambémadescobriroquepudesse
sobreGrumman.Masaprimeirafiguraquevoulhesmostrarnãoserefere
aqualquerdessascoisas.
Eelecolocouoprimeiroslidenaarmaçãoedeslisou-oparatrásdalente.
Umfotogramacircularempretoebrancobemcontrastadoapareceuna
tela.Tinhasidotiradoànoite,sobaluacheia,emostravaumcasebrede
madeiraameiadistância,asparedesescurascontraanevequeorodeava
ejaziaespessanotelhado.Aoladodocasebre,haviaumasériede
instrumentosfilosóficosqueaosolhosdeLyraeramcomoalgumacoisado
ParqueAnbáriconaestradaparaYarnton:antenas,fios,isoladoresde
porcelana,tudobrilhandoaoluarepesadamentecobertodegelo.Um
homemenvoltoempeles,orostomalvisívelpelaaberturadocapuz,
postava-seemprimeiroplano,comamãoerguidacomonumasaudação.
Aoladodele,podia-seobservarumafiguramenor.Aluabanhavatudona
mesmaclaridadepálida.
-Estefotogramafoifeitocomumaemulsãopadrão,denitratodeprataLordeAsrielinformou.-Queroquevejamoutro,tiradonomesmolocal
apenasumminutodepois,comumanovaemulsão,depreparoespecial.
Eleretirouoprimeiroslideecolocououtronolugar.Esseerabemmais
escuro;eracomoseoluartivessesidobloqueadoporumfiltro.O
horizonteaindaestavavisível,comasombraescuradocasebreeotelhado
cobertodeneveclaradestacando-se,porémacomplexidadedos
instrumentosestavaocultanaescuridão.Masohomemhaviamudado
inteiramente:estavabanhadoemluz,eumafontedepartículascintilantes
pareciajorrardasuamãoerguida.
-Estaluzestásubindooudescendo?-perguntouoCapelão.
-Estádescendo-respondeuLordeAsriel.-Masnãoéluz.ÉPó.Alguma
coisanomodocomoeledisseissofezLyraimaginar"Pó"comletra
maiúscula,comosenãofosseumapoeiracomum.Areaçãodos
Catedráticosconfirmousuasensação,porqueaspalavrasdeLordeAsriel
provocaramumsilênciosúbitoecoletivo,seguidoporexclamaçõesde
incredulidade.
-Mas,como...
-Éclaroque...
-Nãosepode...
-Cavalheiros!-fez-seouviravozdoCapelão.–VamosdeixarLordeAsriel
explicar.
-ÉPó-repetiuLordeAsriel.-Éregistradocomoluzporqueaspartículas
depoeiraafetamessaemulsãocomoosfótonsafetamaemulsãodenitrato
deprata.FoiemparteparatestarissoqueaminhaexpediçãoaoNortefoi
montada.Comopodemperceber,afiguradohomemestáperfeitamente
visível.Agoraqueroqueobservemafiguraàesquerdadele.Indicoua
sombradesfocadadafiguramenor.
-Penseiqueeraodaemondohomem-disseoInquiridor.
-Não.Odaemonestavaenroladonopescoçodeleemformadeserpente.A
figuraqueossenhoresnãoconseguemvermuitobeméumacriança.
-Umacriançaseccionada?-perguntoualguém;amaneiracomoessa
pessoaseinterrompeumostravaqueelasabiaqueaquiloeraumacoisa
quenãodeviatersidodita.
Houveumsilênciointenso.EntãoLordeAsrieldissecalmamente:
-Umacriançacompleta.Oque,dadaanaturezadoPó,éexatamenteoxis
daquestão,nãoé?
Duranteváriossegundosninguémfalou.Entãoouviu-seavozdoCapelão.
-Ah-fezele,comoumhomemsedentoque,tendoacabadodebeberà
vontade,baixaocopoparapodersoltararespiraçãoqueestava
prendendoenquantobebia.-EosriosdePó...
-Caemdocéueobanhamnoquepareceserluz.Podemexaminareste
fotogramacomtodaminúcia.Voudeixá-locomvocês.Estoumostrando
agoraparademonstraroefeitodessanovaemulsão.Masgostariadelhes
mostraroutro.Elemudouoslide.Ofotogramaseguintetambémtinhasido
tiradoànoite,masdessavezsemlua.Mostravaumgrupodetendasem
primeiroplano,vagamentedelineadascontraohorizontebaixo,eatrás
delasummontedecaixoteseumtrenó.
Masomaiorinteressedafiguraestavanocéu.Jorrosevéusdeluz
pendiamcomocortinas,enlaçando-seeenfestoandoganchosinvisíveiscom
centenasdequilômetrosdealturaoudeslizandodeladonosoprodeum
ventoinimaginável.
-Queéaquilo?-fezavozdoVice-reitor.
-ÉumretratodaAuroraBoreal.
-Éumlindofotograma-disseoCatedráticodepalmeriano3.-Dos
melhoresquejávi.
3Palmerianodevereferir-seàPenínsulaPalmeriana,antigonomeda
PenínsulaAntártica.Nocaso,presume-seque
"palmeriano"seriaumidiomaensinadonaFaculdadeJordan.(N.T.)
-Perdoeminhaignorância-interpôsavoztrêmuladoDiretordoCoral.MasseeualgumdiajásoubeoqueéaAuroraBoreal,jáesqueci.Éoque
eleschamamdeLuzesdoNorte?
-É.Elatemmuitosnomes.Écompostadetempestadesdepartículas
carregadaseraiossolaresdeforçaintensaeextraordinária.Sãoinvisíveis,
masprovocamestairradiaçãoluminosaquandointeragemcoma
atmosfera.Sehouvessetempo,euteriamandadopintaresteslidepara
lhesmostrarascores;verdeerosaclaros,namaiorparte,comumtoque
deescarlateaolongodabordainferiordaquelaformaçãoquepareceuma
cortina.Istofoitiradocomemulsãocomum.Agoraqueroquevejamuma
imagemtiradacomaemulsãoespecial.Eleretirouoslide.Lyraouviuo
Reitordizerbaixinho:
-Seeleforçarumavotação,podemostentarinvocaracláusulade
residência.EleficouforadaFaculdadedurante30dasúltimas52
semanas.
-ElejátemoapoiodoCapelão...-murmurouemrespostaoBibliotecário.
LordeAsrielcolocouumnovoslideatrásdalente.Acenaeraamesma:
comoaconteceracomooutropardefotos,muitascoisasvisíveisàluz
comumerammuitomaisescurasneste,assimcomoascortinasdeluzno
céu.
Mas,nocentrodaAurora,bemacimadapaisagemsombria,Lyradistinguia
algumacoisasólida.Pressionouorostonafrestaparavermelhore
constatouqueosCatedráticospertodatelatambémseinclinavamparaa
frente.Seuassombrocresceuaoveralinocéuocontornoinconfundívelde
umacidade:torres,domos,muralhas...prédioseruas,suspensosnoar!Ela
quaseengasgou-sedesusto.OCatedráticodecassington4comentou:
-Aquiloaliparece...umacidade!
-Exatamente-confirmouLordeAsriel.
-Umacidadeemoutromundo,semdúvida?-oDecanofalou,emtomde
desprezo.LordeAsrielignorou-o.Haviaumfrêmitodeexcitaçãoentre
algunsCatedráticos,comose,tendoescritotratadossobreaexistênciado
unicórniosemjamaisteremvistoum,lhesfosseapresentadoumexemplar
vivo,recém-capturado.
-ÉaquelenegóciodoBarnard-Stokes?-quissaberoCatedráticode
palmeriano.-É,sim,nãoé?
-Éistoqueeuquerodescobrir-disseLordeAsriel.
Elepostou-seaumladodatelailuminada.Lyraviaseusolhosescuros
observandoosCatedráticosquecontemplavamoslidedaAurora;elavia
também,aoladodele,obrilhoverdedosolhosdeseudaemon.Todasas
cabeçasveneráveisestavameretas,osóculosbrilhando;apenasoReitore
oBibliotecárioestavamrecostadosemsuaspoltronas,comascabeças
muitojuntas.
OCapelãoestavadizendo:
-OsenhordizqueestavaprocurandonotíciasdaexpediçãoGrumman,
LordeAsriel.ODr.Grummantambémestavainvestigandoestefenômeno?
-Acreditoquesim,eacreditotambémqueconseguiubastanteinformação
sobreisso.Maselenãovaipodernoscontar,porqueestámorto.
-Não!-exclamouoCapelão.
-Infelizmentesim,eeutenhoaprovaaquicomigo.
UmaondadeexcitadaapreensãopercorreuaSalaPrivativaenquanto,sob
ordensdeLordeAsriel,doisoutrêsCatedráticosmaisjovenscarregarama
caixademadeiraparaafrentedasala.
4Cassington:disciplinaaparentementeimaginária,poisnãofoiencontrada
qualquerreferênciaaela.(N.T.)LordeAsrielretirouoúltimoslide,mas
deixoualanternaacesae,nobrilhoteatraldocírculodeluz,inclinou-se
paraabriracaixacomumpé-de-cabra.Lyraouviuorangidodepregos
saindodemadeiraúmida.OReitorficoudepéparaenxergar,tapandoa
visãodeLyra.Otiodelatornouafalar:
-Sevocêsselembram,aexpediçãodeGrummandesapareceuhádezoito
meses.AAcademiaAlemãmandou-oavançarparaonorteatéchegarao
pólomagnético,ealifazerváriasobservaçõesastronômicas.Foidurante
essaviagemqueeleobservouocuriosofenômenoqueacabamosdever.
Logodepois,eledesapareceu;supõe-sequetenhatidoumacidente,eseu
corpoestejatodoessetempocaídonumafendaqualquer.Naverdade,não
houveacidentealgum.
-Queéquevocêtemaí?-perguntouoDecano.–Éumsacodelixodeum
aspiradordepó?
LordeAsrielnãorespondeulogo.Lyraouviuoestalidodepresilhasde
metaleumsibilodearpenetrandonumobjeto,edepoishouvesilêncio.
Masosilêncionãoduroumuito;depoisdeuminstante,Lyraouviuuma
explosãodeexclamaçõesconfusas:gritosdehorror,protestosveementes,
vozesalteadasderaivaemedo.
-Masoque...
-Nãoéhumano...
-Elefoi...
-Masquefoiqueaconteceucomele?
AvozdoReitorcaloutodasasoutras:
-LordeAsriel,emnomedeDeus,queéqueosenhortemaí?
-EstaéacabeçadeStanislausGrumman-avozdeLordeAsrieldisse.
Acimadoruídodevozes,Lyraouviualguémirtropeçandoatéaportae
sair,soltandogemidosincoerentes.Eladesejoupoderveroqueeles
estavamvendo.LordeAsrielcontinuou:
-EncontreiocorpodeleconservadonogelopertodeSvalbard.Os
assassinosfizeramistonacabeçadele.Reparemnopadrãodeescalpelo
característico.Achoqueosenhordeveestarfamiliarizadocomisto,Vicereitor.Avozdoanciãoerafirmeaoresponder:
-Jáviostártarosfazeremisso.Éumatécnicaencontradaentreos
aborígenesdaSibériaedoTungusk5.Delá,naturalmente,essaprática
espalhou-separaasterrasdosescraelingues6,emboraeuacreditequeela
agoraestejaproibidanaNovaDinamarca.Possoexaminardeperto,Lorde
Asriel?
Depoisdeumsilênciobreve,eletornouafalar.
-Minhavisãonãoémuitonítida,eogeloestásujo,masmeparecequehá
umburaconoaltodocrânio.Estoucerto?
-Está,sim.
-Umatrepanação?
-Exatamente.
Issoprovocouummurmúriodeexcitação.OReitorsaiudafrente,eLyra
tornouaenxergaracena.OvelhoVice-reitor,nocírculodeluzdolampião,
seguravaumpesadoblocodegelobempertodosolhos,eLyraconseguiu
veroobjetodentrodele:umabolasanguinolentaquaseirreconhecível
comoumacabeçahumana.PantalaimonesvoaçouemvoltadeLyra,esua
afliçãoperturbou-a.
-Psiu,escute-elasussurrou.
5Tungusk:possivelmenteabaciaTungusca,naSibéria,ouaregiãoonde
habitavamostungues,tambémnaSibéria.(N.T.)6Escraelingues:
traduçãoliteraldeskraelings,nomedadopelosantigosexploradores
escandinavosaosíndiosnorteamericanosouaosesquimós.(N.T.)
-ODr.GrummanjáfoiCatedráticonestaFaculdade-disseoDecanoem
tomveemente.
-Cairnasmãosdostártaros...
-Mastãoaonorte?
-Elesdevemterpenetradomaisdoqueseimaginava!
-SeráqueouviosenhordizerqueoencontroupertodeSvalbard?
perguntouoDecano.
-Issomesmo.
-Entãoestáquerendodizerqueospanserbjornestêmalgohavercom
isto?
Lyranãoreconheceuaquelapalavra,masobviamenteosCatedráticossim.
-Impossível-disseoCatedráticodecassingtoncomfirmeza.-Elesnunca
secomportariamassim.
-EntãonãoconheceIofurRaknison-retrucouoCatedráticodepalmeriano,
quetinhafeitoeleprópriováriasexpediçõesàsregiõesárticas.-Nãome
surpreenderiaqueeletenhacomeçadoaescalpelaraspessoasàmodados
tártaros.
Lyratornouaolharparaotio,queobservavaosCatedráticoscomum
brilhodehumorsardônico,semnadadizer.
-QueméIofurRaknison?-alguémperguntou.
-OreideSvalbard-esclareceuoCatedráticodepalmeriano.-Sim,éisso
mesmo,umdospanserbjornes.Eleéumaespéciedeusurpador;chegouao
tronoatravésdetruques,peloquesei;maséumafigurapoderosa,nem
umpoucotolo,apesardesuasafetaçõesridículas:construirumpaláciode
mármoreimportado,criaroqueelechamadeumauniversidade...
-Paraquem?Paraosursos?-interpôsoutrapessoa,etodosriram.Maso
Catedráticodepalmerianoprosseguiu:
-EulhesdigoqueIofurRaknisonseriacapazdefazerissoaGrumman.Ao
mesmotempo,apoderdelisonjas,pode-sefazercomqueelesecomporte
demaneirabemdiferente.
-Eosenhorsabefazerissobem,nãoé,Trelawney?-comentouoDecano
comzombaria.
-Claroquesei.Quersaberoqueeledesejaacimadetudo?Atémaisdo
queumdiplomahonorário?Elequerumdaemon!Sealguémdescobrirum
meiodelhedarumdaemon,elefaráqualquercoisa.
OsCatedráticosriramcomvontade.
Lyraacompanhavaissotudocomperplexidade:oqueoCatedráticode
palmerianotinhaditonãofaziasentido.Alémdisso,elaestavaimpaciente
paraouvirmaissobreoescalpelamento,easLuzesdoNorte,eaquelePó
misterioso.Masficoudecepcionada,poisLordeAsrielhaviaterminadode
mostrarsuasrelíquiasesuasfotos,eaconversalogosetransformounum
debateacadêmicosobreaconveniênciaounãodelhedardinheiropara
outraexpedição.Osargumentoseramdisparadosdeumladoparaoutro,e
Lyrasentiuosolhospesarem.Logoestavadormindoasonosolto,com
Pantalaimonenroladoemseupescoço,nasuaformadedormirfavorita:
comoumarminho.Eladespertoucomumsustoquandoalguémasacudiu
peloombro.
-Quieta!-ordenouotio.Aportadoarmárioestavaaberta,eeleestava
agachadonafrentedaluz.-Foramtodosembora,masaindaháalguns
criadosporaí.Váparaoseuquartoagora,ecuideparanãofalara
ninguémsobreisso.
-Elesresolveramlhedarodinheiro?-elaperguntoucomvozsonolenta.
-Sim.
-QueéPó?-elacontinuou,esforçando-separaficardepédepoisde
passartantotempoapertada.
-Nãolheinteressa.
-Interessa,sim-elaretrucou.-Sequeriaqueeufosseumaespiãno
armário,deviamecontarsobreoqueeuestouespionando.Possovera
cabeçadohomem?
AalvapelagemdearminhodePantalaimonarrepiou-se;elasentiucócegas
nopescoço.LordeAsrielsoltouumarisadacurta.
-Nãosejamórbida-disse,ecomeçouaguardarosslideseacaixade
espécimes.VigiouoReitor?
-Sim,eeleprocurouovinhoantesdequalqueroutracoisa.
-Ótimo.Porenquantoeuoderrotei.Agorafaçaoquemandei,váparaa
cama.
-Masparaondeosenhorvai?
-DevoltaparaoNorte.Partoemdezminutos.
-PossoirJunto?
Eleinterrompeuoqueestavafazendoeolhou-acomosefosseaprimeira
vez.Seudaemontambémvoltouparaelaosenormesolhosverdesde
pantera,e,sobosolharesconcentradosdeambos,Lyraenrubesceu.Mas
encarou-oscomfirmeza.
-Seulugaréaqui-disseotiofinalmente.
-Masporquê?Porquemeulugaréaqui?Porquenãopossoirparao
Nortecomosenhor?QueroverasLuzesdoNorte,osursos,osicebergse
tudomais.QueroconheceroPó.Eaquelacidadenoar.Éumoutromundo?
-Vocênãovai,garota.Tireissodacabeça;estamosnumaépocaperigosa
demais.Façaoquelhemandoeváparaacama;sesecomportar,trago-lhe
umapresadeleão-marinhoentalhadapelosesquimós.Nãodiscutamais,
ouvouficarmuitozangado.
EodaemondelerosnoucomtalferocidadequeLyraderepentetomou
consciênciadecomoseriasentiraquelesdentesnagarganta.
Lyraapertouoslábioseolhoudecarafeiaparaotio.Eleestavaretirando
oardocompartimentodevácuoenãopercebeu;eracomosejáativesse
esquecido.Semumapalavra,mascomoslábiosapertadoseoolhar
furibundo,agarotaeseudaemonsaírameforamparaacama.
OReitoreoBibliotecárioeramvelhosamigosealiados,etinhamo
costume,depoisdeumepisódiodifícil,debeberumataçadeBrantWijn7e
consolar-semutuamente.Assim,depoisquesedespediramdeLorde
Asriel,elesforamatéosaposentosdoReitoreseacomodaramno
escritóriodele;comascortinasfechadaseofogonalareirareforçado,seus
daemonsnoslugaresdecostume,sobreojoelhoouoombro,elesse
prepararamparaconversararespeitodoqueacabaradeocorrer.
-Acreditamesmoqueelesabiadovinho?–perguntouoBibliotecário.
-Claroquesabia!Nãoimaginocomo,maselesabia,ederrubouagarrafa.
Claroquefoi.
-Perdão,Reitor,masnãoconsigodeixardemesentiraliviado.Nãoestava
gostandodaidéiade...
-Deenvenená-lo?
-Sim.Deassassinato.
7BrantWijnéumacorrupteladebrandewijn,hojegrafadobrandy–em
português"conhaque".(N.T.)
-Achoqueninguémgostadisso,Charles.Ocasoerasefazerissoseriapior
doqueasconseqüênciasdenãofazer.Bom,algumaProvidênciainterveio,
enãoaconteceu.Sólamentoterperturbadovocêcomessainformação.
-Não,não-protestouoBibliotecário.-Maseuqueriaqueosenhortivesse
mecontadomais.
OReitorficouemsilêncioporuminstante,antesdedizer:
-É,talvezeudevessemesmo.Oaletômetro8avisaqueasconseqüências
serãofunestasseLordeAsrielcontinuarcomsuapesquisa.Alémdomais,
acriançaseráenvolvidaequeromantê-laasalvoenquantoforpossível.
-AsatividadesdeLordeAsrieltêmalgumacoisaavercomessanova
iniciativadoTribunalConsistorialdeDisciplina?Aqueletalde...comoé
mesmoonome?...ConselhodeOblação?
-LordeAsriel...não,não.Pelocontrário.TambémoConselhodeOblação
nãoestátotalmentesubordinadoaoTribunalConsistorial.Éumainiciativa
semiprivada;estásendodirigidaporalguémquenãogostadeLorde
Asriel.Entreosdois,Charles,eutremo.
OBibliotecárioficoucalado.DesdequeoPapaJoãoCalvinohavia
transferidoasededoPapadoparaGênovaecriadooTribunalConsistorial
deDisciplina,opoderdaIgrejasobretodososaspectosdavidatinhasido
absoluto.OpróprioPapadoforaabolidoapósamortedeCalvino,eemseu
lugarcresceraumemaranhadodetribunais,colegiadoseconselhos,
conhecidoscoletivamentecomooMagisterium.Essesórgãosnemsempre
eramunidos;àsvezescresciaentreelesumaamargarivalidade.
Durantegrandepartedoséculoanterior,omaispoderosodelestinhasido
oColegiadodosBispos,porém,nosanosmaisrecentes,oTribunal
ConsistorialdeDisciplinatinhasetornadoomaisatuanteeomaistemido
detodososórgãosdaIgreja.
Maserasemprepossívelqueentidadesindependentescrescessemsoba
proteçãodeoutrafacçãodoMagisterium,eoConselhodeOblação
mencionadopeloBibliotecárioeraumadessas.OBibliotecárionãosabia
muitacoisasobreele,masascoisasqueouviracausavam-lhedesagradoe
temor,demodoqueelecompreendiaperfeitamenteaafliçãodoReitor.
-OCatedráticodepalmerianocitouumnome-disse,depoisdeum
instante.Barnard-Stokes?QuenegócioéessedeBarnard-Stokes?
-Ah,nãoédanossaesfera,Charles.Peloqueentendi,aSantaIgrejaensina
queexistemdoismundos:omundodetudoquepodemosver,ouvire
tocar,eoutromundo,omundoespiritualdocéuedoinferno.Barnarde
Stokeseramdoisteólogos...comopossodizer?..doisteólogosrenegados,
quepostulavamaexistênciadeváriosoutrosmundoscomoesteaqui,nem
céuneminferno,masmateriaisepecaminosos.Estãoaqui,bempróximos,
masinvisíveiseinatingíveis.NaturalmenteaSantaIgrejadesaprovouessa
heresiaabominável,eBarnardeStokesforamsilenciados.Mas,
infelizmenteparaoMagisterium,parecehaversólidasprovasmatemáticas
afavordessateoriadosoutrosmundos.Eupróprionuncaasestudei,mas
oCatedráticodecassingtonmedissequesãomuitosólidas.
-EagoraLordeAsrieltirouumafotodeumdessesoutrosmundos
completouoBibliotecário.-Enóslhedemosfinanciamentoparair
procurá-los.Entendo.
8Aletômetro:traduçãoliteralde"alethiometer",palavrainexistente
compostadogregoalethés,quesignifica"verdade"ou
"realidade",edogregométron,significando"medir";assim,"aletômetro"
significa"medidordaverdade"(ou"darealidade").
-Issomesmo.OConselhodeOblaçãoeseusprotetorespoderososirão
pensarqueaFaculdadeJordanéumantrodeapoioàheresia.Eentreo
TribunalConsistorialeoConselhodeOblação,Charles,tenhoquemantero
equilíbrio;enquantoisso,acriançaestácrescendo.Seiquenãoa
esqueceram;maiscedooumaistarde,elaseriaenvolvida,masserá
arrastadaagora,comousemaminhaproteção.
-Mas,peloamordeDeus,comoéqueosenhorsabedisso?Foio
aletômetrodenovo?
-Foi,sim.Lyratemumpapelimportanteadesempenhar.Aironiaéque
elatemquefazertudosemsaberoqueestáfazendo.Maspodeser
ajudada,esemeuplanocomoTokaytivessedadocerto,elaficariaem
segurançapormaisalgumtempo.Eugostariadelhepouparumaviagem
paraoNorte.Acimadetudo,euqueriapoderexplicaraela...
-Elanãoiaprestaratenção-contrapôsoBibliotecário.
-Conheçomuitobemojeitodela.Sealguémtentarlhedizerqualquercoisa
séria,elaescutamalemalporcincominutoseaícomeçaasedistrair.E
nãoadiantalhefazerperguntasdepois,porqueelateráesquecidotudo.
-EseeuconversassecomelasobreoPó?Nãoachaqueelairiaprestar
atenção?
OBibliotecáriofezumruídoindicandoatéquepontoachavaisso
improvável.
-Porqueelairiaprestaratenção?-perguntou.–Porqueumenigma
teológicodistanteinteressariaaumacriançacheiadesaúdeedeinstintos?
-Porcausadoqueelateráqueviver.Inclusiveumagrandetraição...
-Queméquevaiatraiçoá-la?
-Não,não,essaéqueéacoisamaistriste:elaéquemvaitrair,ea
experiênciaseráterrível.Éclaroqueelanãopodesaberdisso,masnãohá
umarazãoparaelanãosabersobreoproblemadoPó.Evocêpodeestar
enganado,Charles;elapodemuitobeminteressar-se,selheforexplicado
demaneirasimples.Epodeserqueissoaajudedepois.Certamente
ajudariaadiminuiraminhaansiedade.
-Esteéodeverdosvelhos:teransiedadeporcausadosjovens-comentou
oBibliotecário.-Eodeverdosjovensédesdenharaansiedadedosvelhos.
Depoisdealgumtempo,osdoissedespediram,poiseratardeeeleseram
velhoseansiosos.
3AJORDANDELYRA
AFaculdadeJordaneraamaisimponenteemaisricafaculdadedeOxford.
Eraprovavelmenteamaior,também,emboraninguémtivessecerteza
disso.Osprédios,agrupadosaoredordetrêsquadriláterosirregulares,
datavamdetodososperíodos,doiníciodaIdadeMédiaatémeadosdo
séculoXVIII.Suaarquiteturanãotinhasidoplanejada;elacresceraaos
poucos,comopassadoeopresentemisturando-seacadaesquina,eo
efeitofinaleradeumaimponênciaconfusaedecadente.Semprehavia
umapartequasedesabando,e,durantecincogerações,amesmafamília–
osParslowtrabalhavaparaaFaculdadeemtempointegral,como
pedreiros.OSr.Parslowatualestavaensinandoaprofissãoaofilho;os
dois,commaistrêsempregados,subiamcomoformigaspelosandaimes
quetinhamerigidonaesquinadaBiblioteca,ousobreotelhadodaCapela,
epuxavamparacimablocosdepedra,rolosdechumbobrilhante,vigasde
madeira.
AFaculdadepossuíafazendasepropriedadesportodaaBritânia.Dizia-se
queerapossívelcaminhardeOxfordaBristol,numadireção,oudeOxford
aLondres,emoutra,enuncasairdasterrasdaJordan.Emtodapartedo
reino,haviafornosalenhaetanquesdetintura,florestaseoficinasde
navesatômicasquepagavamaluguelàJordan,etodoprimeirodiadecada
trimestreoTesoureiroeseusfuncionáriossomavamtudo,anunciavamo
totalaoConciliumeencomendavamumpardecisnesparaoBanquete.
Partedodinheiroerareinvestida-oConselhoacabaradeaprovara
compradeumprédiodeescritóriosemManchester-,eorestoerausado
parapagarosmodestossaláriosdosCatedráticoseossaláriosdoscriados
(edosParslow,edemaisdeumadúziadefamíliasdeartesãose
comerciantesqueserviamà
Faculdade),paramanteraadegabemprovidadevinhos,paracomprar
livroseanbarógrafosparaaimensaBibliotecaqueocupavaumlado
inteirodoQuadriláteroMelroseeseestendia,comoatocadeuma
toupeira,porváriosandaresnosubsolo
-etambémparacompraroequipamentofilosóficomaismodernoparaa
Capela.EraimportantemanteraCapelanavanguardadoprogresso,
porqueaFaculdadeJordannãotinharival,naEuropaounaNovaFrança,
comocentrodeteologiaexperimental.Lyrasabiadisso,pelomenos.Tinha
orgulhodaproeminênciadasuaFaculdadeegostavadesevangloriar
dissocomosváriosmolequescomquembrincavajuntoaoCanalounos
Barreiros;eolhavaparaoseruditoseprofessoresvisitantescomdesprezo
epiedade,porqueelesnãopertenciamà
Jordan,portantodeviamsabermenos,coitados,doqueomaishumilde
ProfessorassistentedaJordan.Oqueeraessateologiaexperimental,Lyra
sabiatãopoucoquantoosmolequesdarua.Tinhaformadoaidéiadeque
eraalgorelacionadoàmagia,aosmovimentosdasestrelaseplanetas,a
minúsculaspartículasdematéria-mastudoissoeraapenaspalpite,na
verdade.Comcerteza,asestrelastinhamdaemons,comooshumanos,ena
teologiaexperimentalconversava-secomeles.LyraimaginavaoCapelão
falandosolenemente,escutandooscomentáriosdosdaemonsdasestrelas
edepoisassentindocomarsábio,ousacudindoacabeçacomtristeza.Mas
oquesepassavaentreeleselanãoconseguiaimaginar.
Enemestavaparticularmenteinteressada.Decertomodo,podia-sedizer
queLyratinhaalmademoleque;oqueelamaisgostavadefazererasubir
nostelhadosdaFaculdadecomRoger,oajudantedacozinhaqueeraseu
amigo,paracuspircaroçosdeameixanascabeçasdosCatedráticosque
passavamláembaixo,oupiarcomocorujasdoladodeforadajanelade
umasaladeaula,ouapostarcorridanasruasestreitas,roubarmaçãsno
mercado,brigar.Assimcomoelanãotinhaconsciênciadasforçaspolíticas
ocultasqueagiamsobasuperfíciedocotidianodaFaculdade,tambémos
Catedráticos,porsuaparte,nãoconseguiriamenxergarocaldofervilhante
dealianças,inimizades,guerraseacordosqueeraavidadeumacriança
emOxford.Criançasbrincandojuntas:quecenaagradável!Existealguma
coisamaisinocenteeencantadoraqueisso?
Naverdade,Lyraeseusamiguinhosestavamtravandoumaguerramortal,
naturalmente.Primeiro,ascriançasdeumafaculdade-serviçaisjovens,
filhosdecriados,Lyra–declaravamguerraàsdeoutra,masessainimizade
eraesquecidaquandoascriançasdacidadeatacavamumacriançade
faculdade;entãotodasasfaculdadesuniam-seelutavamcontraas
criançasdacidade.Essarivalidadetinhacemanoseerabastanteprofunda
eapreciada.
Masatéissoeraesquecidoquandooutrosinimigosameaçavam.Um
inimigoeraeterno:osfilhosdosoleiros,queviviampertodosBarreirose
eramdesprezadostantopelascriançasdasfaculdadescomopelasda
cidade.Noanoanterior,Lyraealgumascriançasdacidadetinham
concordadonumatréguaprovisóriaeatacaramosBarreiros,atirando
grandespedaçosdeargilasobreosfilhosdosfabricantesdetijolose
derrubandoocastelodebarroqueeleshaviamconstruído;depoisrolaram
cadaumdelesnasubstânciapegajosadeondeelestiravamosustento,até
quetodos-vencidosevencedores-ficaramparecendoumbandode
bonecosanimados.
Ooutroinimigoregulartinhasuaépoca:asfamíliasdegípcios9,que
moravamembalsas,iamevinhamcomasfeirasdeprimaveraeoutono,e
estavamsempredispostosabrigar.Haviaumafamíliaemparticularque
voltavaregularmenteparaseuatracadouronapartedacidadeconhecida
comoJericó,comquemLyravinhalutandodesdeaprimeiravezque
conseguiujogarumapedra.Naúltimavezemqueessafamíliaesteveem
Oxford,ela,RogerealgunsdosoutrosajudantesdacozinhadaJordaneda
FaculdadeSt.Michael'sprepararamumaemboscada,jogandolamana
barcaçapintadadecoresbrilhantes,atéqueafamíliainteiradesembarcou
paraexpulsá-losenessemomentooesquadrãodereserva,sobasordens
deLyra,invadiuobarcoedesatracou-odamargem,deixandoquea
embarcaçãoflutuassecanalabaixo,atrapalhandoosbarcosquepassavam,
enquantoossoldadosdeLyrarevistavamabarcaçadeumapontaàoutra,
procurandoarolha-Lyraacreditavafirmementenessarolhaeassegurou
àsuatropaqueseapuxassemobarcoafundarianomesmoinstante;nãoa
encontraram,etiveramqueabandonarobarcoquandoosgípcios
apareceram;acabaramfugindo,pingandoáguaeemmeioagritosde
triunfo,pelasruasestreitasdeJericó.
AqueleeraomundoeoreinodeLyra.Namaiorpartedotempo,elaera
umaselvagenzinhaambiciosaegrosseira,porémsempretiverauma
sensaçãovagadequeaquelenãoeraoseumundointeiro,queumaparte
desipertenciaàsolenidadeeaosrituaisdaFaculdadeJordan;eque,em
algumlugardesuavida,haviaumaligaçãocomoelevadomundoda
políticarepresentadoporLordeAsriel.Essaintuiçãoapenasfaziacomque
elasedessearesdesuperioridadeemandassenosoutrosmoleques;
nuncalheocorreratentardescobriralgumacoisasobreisso.
9Gípcios:nooriginal,gyptian,queparecederivardoinglêsegyptian
(egípcio),queporsuavezderivadogregorgipcim,queoriginoutambéma
palavragipsy(cigano),poispensava-sequeosciganoseramorigináriosdo
Egito.Defatoascaracterísticasatribuídasaopovogípcionestaobrao
colocammuitopertodosciganos.(N.T.)Demodoqueassim,comoumgato
selvagem,elapassaraainfância.Aúnicavariaçãoemseusdiasacontecia
nasvisitasirregularesdeLordeAsrielàFaculdade.Terumtioricoe
poderosoeramuitobomparasevangloriar,masopreçodissoeraterque
seragarradapeloCatedráticomaiságilelevadaàGovernantaparaser
lavadaevestidanumtrajelimpo,sendoemseguidaacompanhada(com
váriasameaças)àSaladeEstardosDecanosparatomarchácomLorde
Asriel.AlgunsCatedráticosmaisvelhostambémeramconvidados.Lyra,
rebelde,jogava-senumacadeiraatéoReitorlheordenarseveramenteque
sesentassedireito,eelaentãofaziaumacaratãozangadaqueatéo
Capelãoachavagraça.
Essasvisitasformaiseconstrangedorasnuncavariavam;depoisdochá,o
ReitoreopunhadodeCatedráticosconvidadosdeixavamLyraeotioasós,
eeleachamavaparaficardepéàsuafrenteecontaroqueaprendera
desdeaúltimavisitadele.Elaentãoresmungavatudoqueconseguia
recordarsobregeometria,ouárabe,ouhistóriaouanbarologia,eele,
recostado,pernascruzadas,observava-aenigmaticamenteatéelaficar
sempalavras.Noanoanterior,antesdaexpediçãoaoNorte,eletinha
perguntadotambém:
-Ecomovocêpassaotempoquandonãoestáestudandoesforçadamente?
Eelarespondeu:
-Eubrinco,sóisso.PoraípelaFaculdade.Só...brincadeira.
Eleentãopediu:
-Deixe-meversuasmãos,garota.
Elaestendeuasmãosparasereminspecionadas,eeleasvirou,paraveras
unhas.SeudaemonestavadeitadacomoumaEsfingenotapete,sacudindo
acaudaocasionalmenteeencarandoLyrasempestanejar.
-Sujas-declarouLordeAsriel,empurrandoasmãosdela.-Aquineste
lugarnãolhefazemtomarbanho?
-Sim,masasunhasdoCapelãoestãosempresujas.Atémaisqueas
minhas.
-Eleéumhomemculto.Qualéasuadesculpa?
-Devotersujadodepoisquelavei.
-Ondeéquevocêbrinca,parasesujartantoassim?
Elaoencaroucomsuspeita.Tinhaopalpitedequesubiraotelhadoera
proibido,emboraninguémtivesselheditoissocomtodasasletras.
-Emalgumassalasvelhas-respondeuafinal.
-Eondemais?
-NosBarreiros,àsvezes.
-E?
-EmJericóePortMeadow.
-Maisalgumoutrolugar?
-Não.
-Estámentindo.Ontemmesmovivocênotelhado.
Elamordeuolábioeficoucalada.Eleaobservavaironicamente.
-Querdizerquebrincanotelhadotambém?-continuou.-Costumaentrar
naBiblioteca?
-Não.MasencontreiumcorvonotelhadodaBiblioteca.
-Foimesmo?Eopegou?
-Eletinhaumapatamachucada.Euiamatareassarele,masRogerdisse
quetínhamosquecuidardele.Entãolhedemosrestosdecomidaeum
poucodevinho,eelemelhorouefugiuvoando.
-QueméRoger?
-Meuamigo.OajudantedaCozinha.
-Entendo.Entãovocêandoupelotelhadointeiro...
-Nãootelhadointeiro.NãodáparachegarnoPrédioSheldonporqueé
precisodarumpulodaTorredoPeregrino,porcimadeumburaco.Há
umaclarabóiaqueseabreparalá,masnãotenhoalturaparaalcançá-la.
-Vocêandoupelotelhadointeiro,excetooPrédioSheldon;equantoaos
subterrâneos?
-Subterrâneos?
-ParabaixodochãoaFaculdadeétãograndequantoparacima.Estou
surpresodeverquevocêaindanãotinhadescobertoisso.Bem,jáestoude
partida.Vocêparecebastantesaudável.Tomeaqui.Tiroudobolsoum
punhadodemoedas,deondeseparoueentregouaelacincodólaresde
ouro.
-Nãolheensinaramaagradecer?-perguntou.
-Muitoobrigada-elaresmungou.
-VocêobedeceaoReitor?
-Ah,sim.
-ErespeitaosProfessores?
-Sim.
OdaemondeLordeAsrielriubaixinho.Eraoprimeirosomqueelefazia,e
Lyraenrubesceu.
-Entãovábrincar-disseLordeAsriel.
Lyravirou-seedisparouparaaporta,aliviada,lembrando-sedeparare
dizeratélogo.
AssimtinhasidoavidadeLyraantesdodiaemqueelaresolveuescondersenaSalaPrivativaepelaprimeiravezouviufalarnoPó.
EnaturalmenteoBibliotecárioestavaenganadoaodizeraoReitorqueela
nãoprestariaatenção;elateriaouvidoansiosamentequemquerque
pudesselhefalardoPó.Nosmesesseguintes,iriaouvirmuitacoisasobreo
assunto,efinalmenteiriasabermaissobreoPódoquequalqueroutra
pessoanomundo;mas,enquantoisso,haviatodaaquelavariadavidada
Jordandesenrolando-seàsuavolta.
Dequalquermaneira,haviaoutracoisaparasepensar.Nasúltimas
semanas,umboatovinhaseespalhandopelasruas–umboatoquefazia
algumaspessoasriremeoutrassilenciarem,assimcomoalgumaspessoas
riemdefantasmaseoutrasostemem:semquequalquerpessoapudesse
imaginaromotivo,estavamcomeçandoadesaparecercrianças.
Eiscomoacontecia:aolongodamargemorientaldagranderodoviaqueé
oRioÍsis,apinhadodebarcaçasdetijolos,asfaltooumilhonavegando
devagar,abaixodeHenleyeMaidenheadatéTeddington,ondeamarédo
OceanoGermanoalcança,eaindabemmaisabaixoatéMortlake,passando
pelacasadograndemagoDr.Dee,porFalkeshall,ondeosparques-jardins
ostentamseuschafarizesesuasbandeirolasduranteodia,eseuslampiões
nasárvoreseseusfogosdeartifícioànoite;epassandopeloPaláciode
WhiteHall,ondeoReicomandasemanalmenteoConselhodeEstado;pela
TorreShot,apingarseuinfindávelchuviscodechumboderretidonos
barrisdeáguaescura;eaindamaisabaixo,até
ondeorio,agoralargoeimundo,fazumagrandecurvaparaosul.Alifica
obairrodeLimehouse,eláestáacriançaquevaidesaparecer.Éum
meninochamadoTonyMakarios.Amãepensaqueeletemnoveanosde
idade,maselatemmemóriafraca,destruídapelabebida;eledeveteroito,
oudez.Seusobrenomeégrego,porém,assimcomoaidade,trata-sede
meropalpitedamãedele,porqueeleparecemaischinêsquegrego,epelo
ladodamãetemsangueirlandês,escraelingueelascar10.Tonynãoé
muitointeligente,mastemumaespéciedeternuradesajeitadaqueàs
vezesolevaadarumabraçorudenamãeeplantarumbeijopegajosoem
seurosto.Apobremulhergeralmenteestátontademaisparatomaruma
iniciativadessas,mascorrespondecomcarinho,quandopercebeoque
estáacontecendo.
Nomomento,TonyestávagandopelomercadonaruaPie.
Estácomfome;édenoitinhaeelenãovaiencontrarcomidaemcasa.Tem
nobolsoumxelimqueumsoldadolhedeuparalevarumrecadoàsua
garotafavorita,masTonynãovaidesperdiçarseudinheiroemcomida,
quandosepodeconseguirtantacoisadegraça.
Demodoqueelevagueiapelomercadocomseupequenodaemon-uma
pardoca-noombroobservandotudo,porentreasbarracasderoupas
usadaseasdepapéis-da-sorte,osvendedoresdefrutaeovendedorde
peixefrito;equandoumabarraqueiraeseudaemonestãoambosolhando
paraooutrolado,apardocadáosinal,easmãosdeTonyvãoàfrentee
voltamparadentrodacamisalargacomumamaçãouumpunhadode
castanhas,efinalmentecomumpastelãoquentinho.
Abarraqueiraovêedáumgrito,eseudaemon-gatosalta,masapardoca
deTonyestávoando,eopróprioTonyjáestáquasenaesquina.Palavrões
epragasoacompanham,masnãoatémuitolonge;elepáradecorrerjunto
àescadadoOratóriodeSantaCatarina,ondesesentaepegaseutroféu
quenteeamassado,deixandoumrastrodemolhonacamisa.
Eeleestásendoobservado;umadamausandoumcasacolongodepelede
raposaamarelaevermelha,umalindajovem,cujoscabeloscastanhos
brilhamdelicadamentedentrodasombradeseucapuzforradodepele,
estáparadaàportadoOratório,algunsdegrausacimadogaroto.Talvezo
ofícioestejaterminando,poispelaportaatrásdelajorraluz,ládentroum
órgãoestátocando,eadamaestá
segurandoumlivrodeoraçõesornadodepedraspreciosas.
Tonynadapercebe.Feliz,comorostoenterradonopastelão,osdedosdos
péscurvadosparadentroeassolasjuntas,elemastigaeengoleenquanto
seudaemonsetransformanumaratazanaalisandoosbigodes.
Odaemondajovemdamaestásedestacandodocasacodepelederaposa.
Eletemaformadeummacaco,masnãoummacacocomum:temospêlos
compridosesedosos,deumtomdouradoforteelustroso.Com
movimentossinuosos,eledescelentamenteaescadarianadireçãodeTony
esesentanodegrauacimadogaroto.
Entãoaratazanapercebealgumacoisaesetransformaoutravezem
pardoca,virandoacabecinhadeladoesaltandodoisdegraus.
Omacacoobservaapardoca;opássaroobservaomacaco.
Omacacoestendeamãodevagar.Temamãopequenaepreta,asunhas
sãogarrasperfeitaseresistentes,osmovimentossãosuavese
convidativos.Apardocanãoconsegueresistir;aproxima-secommais
algunssaltoseentãoesvoaçaparaamãodomacaco.
Omacacoaergueeaestudadepertoantesdeselevantarevoltarpara
juntodoseuserhumano,levandoconsigoodaemon-pardoca.Adama
baixaacabeçaperfumadaparalhesussurraralgumacoisa.EentãoTony
sevira;nãoconsegueevitar.
10Lascar:marinheiroindianoempregadoemnavioeuropeu.(N.T.)
-Rateira!-chama,debocacheia,comcertosusto.
-Olá!-dizalindadama.-Qualéoseunome?
-Tony.
-Ondeéquevocêmora,Tony?
-NaalamedaClarice.
-Dequeéestepastelão?
-Decarne.
-Gostadechocolate?
-Gosto!
-Poracasotenhomaischocolatedoquepoderiabeber.Quervirmeajudar
aacabarcomele?
Tonyjáestáperdido-desdeomomentoemqueseudaemoninsensato
saltouparaamãodomacaco.Eleacompanhaajovemeomacacodourado
aolongodaruaDinamarca,passandopeloCaisdoEnforcadoedescendoa
EscadariadoReiGeorge,atéumaportinholaverdenaparededeum
armazémdetetoalto.Elabate,aportaéaberta;elesentram,aportase
fecha.
Tonynuncamaissairá-pelomenosporaquelaentrada;enuncamaisvai
veramãe;eEla,pobrebêbada,vaipensarqueofilhofugiu,e,quando
pensarnele,vaiacharqueaculpafoisuaevaisedesmancharem
lágrimas.
OpequenoTonyMakariosnãofoiaúnicacriançacapturadapelamulher
comomacacodourado.Noporãododepósito,eleencontrouumadúziade
outras,meninosemeninas,nenhumadelascommaisdedozeanosapesardeque,tendotodoselesumainfânciaparecida,ninguémtinha
certezadaprópriaidade.OqueTonynãopercebeu,naturalmente,erao
fatorquetodostinhamemcomum:nenhumacriançanaqueleporão
quentinhotinhachegadoàpuberdade.Agentildamaacomodou-onum
bancoaolongodaparedeelhemandou,porumacriadasilenciosa,uma
canecadechocolatetiradodapanelasobreofogãodeferro.Tonycomeuo
restodopastelãoebebeuolíquidoquenteedocesemprestarmuita
atençãoaoqueocercava,comotambémoqueocercavanãoprestava
muitaatençãonele:erapequeninodemaisparaserumaameaçae
demasiadoimperturbávelparadesempenharsatisfatoriamenteopapelde
vítima.Foioutromeninoquemfezaperguntaóbvia.
-Ei.dona!Porquetrouxetodosnósparacá?
Eraummolequedeardurão,comumbigodedechocolateeumaratazana
pretaemagricelacomodaemon.Adamaestavaparadapertodaporta,
conversandocomumhomemcorpulentocomardecapitãodenavio;
quandoseviroupararesponder,elatinhaumaaparênciatãoangelicalà
luzsibilantedalamparinaanaftaquetodasascriançassilenciaram.
-Queremosasuaajuda-eladisse.-Vocêsnãoseimportamemnosajudar,
nãoé?
Ninguémconseguiadizerumapalavra.Tímidosderepente,limitavam-sea
contemplá-la.
Nuncatinhamvistoumamulherassim;elaeratãograciosa,simpáticae
boazinhaqueelassentiamquenãomereciamtamanhasorte,efariamcom
prazertudoqueelapedisse,apenasparaficarmaisumpouconapresença
dela.Elarevelouqueiamfazerumaviagem;ascriançasseriambem
alimentadasevestidas,eaquelasquequisessempoderiammandaruma
mensagemparaafamíliadizendoqueestavamemsegurança.Logoo
CapitãoMagnussonaslevariaparaoseunavio,equandoamaréestivesse
propícia,iamsairvelejandorumoaoNorte.Logoaspoucascriançasque
queriammandarumrecadoparacasaestavamsentadasemvoltadalinda
dama,queescreviaoqueelaslheditavamedeixavaquedesenhassemum
Xdesajeitadonofinal,dobravaafolha,colocava-adentrodeumenvelope
perfumadoeescrevianeleoendereçoquelhedavam.Tonyteriagostado
demandaralgumacoisaparaamãe,maserarealista:amãenãoia
conseguirler.Deuumpuxãonapeledamangadocasacodadamae
cochichouquequeriaqueeladissesseàsuamãeaondeeleestavaindo;ela
inclinouacabeçagraciosaparabempertodocorpinhomalcheirosodo
menino,acariciou-lheacabeçaeprometeulevarorecado.
Entãoascriançasseamontoaramparadespedir-se.Omacacodourado
acariciouosdaemonsdetodas,etodaselastocaramnapelederaposa
paradarsorte,oucomoseestivessemrecebendoalgumaforçaou
esperançaoubondadeemanandodamulher,eeladespediu-sedetodase
levou-asatéumalanchaavaporparadanocais,deixando-asaoscuidados
dovalentecapitão.Océujáestavaescuro,orioeraumamassadeluzinhas
saltitantes.Adamaficouparadanocaisacenandoaténãoconseguirmais
verosrostosdascrianças.
Entãovoltouparadentrododepósito,comomacacodouradoaninhadoem
seuseio,ejogouapequenapilhadecartinhasnafornalhaantesdesair
porondetinhaentrado.
Eramuitofácilatrairascriançasdosbairrosmiseráveis,masfinalmente
começou-seaperceber,eapolíciatevequeentraremação,emboracom
relutância.Poralgumtempo,nãohouvemaisdesaparecimentos.Maso
boatotinhanascidoe,aospoucos,foimudando,crescendoeseespalhando,
equando,passadoalgumtempo,umascriançasdesapareceramem
NolWich,edepoisemSheffield,edepoisemManchester,aspessoasnesses
lugaresquesabiamdosdesaparecimentosemoutrascidades
acrescentavamnovosfatosàhistória,dando-lhenovovigor.Eassim
cresceualendadeummisteriosogrupodefeiticeirosqueroubavam
crianças.Algunsdiziamqueochefeeraumalindamulher,outrosfalavam
numhomemalto,deolhosvermelhos,aopassoqueumaterceiraversão
falavanumrapazqueriaecantavaparasuasvítimas,queoseguiamcomo
carneirinhos.Quantoaolocalparaondelevavamessascriançasperdidas,
nãohaviaduasversõesqueconcordassem.Algunsdiziamqueeraparao
Inferno,paraosubsolo,paraaTerraEncantada.Outrosafirmavam:para
umafazendaondeascriançaseramconfinadaseengordadasparaserem
servidasàmesa.Outrosdiziamqueascriançaseramvendidascomo
escravasparatártarosricos...
Masumacoisaemquetodosconcordavameraonomedessesraptores
invisíveis.Tinhamqueterumnome,ouentãonãopoderiamser
mencionados,efalarsobreelesespecialmenteparaquemestavaasalvo
emcasa,ounaFaculdadeJordaneradelicioso.Eonomecomqueeles
aparentementeforambatizados,semqueninguémsoubesseporquê,foi
osPapões.
-Nãofiqueforaatétarde,senãoosPapõesvãopegarvocê!
-MinhaprimaemNorthamptonconheceumamulhercujofilhofoiroubado
pelosPapões...
-OsPapõesestiveramemStratford.Dizemqueelesestãovindoparaosul!
Einevitavelmente:
-VamosbrincardecriançasePapões!
FoioqueLyradisseaRoger,oajudantedeCozinhadaFaculdadeJordan.
Eleateriaseguidoatéofimdomundo.
-Comoéquesebrincadisso?
-Vocêseescondeeeuoencontroeoabroaomeio,comoosPapõesfazem.
-Vocênãosabeoqueelesfazem.Podeserquenãofaçamnadadisso.
-Vocêestácommedodeles.Estouvendo!-disseela.
-Nãoestou.Aliás,nemacreditoneles.
-Euacredito-elaretrucoucomfirmeza.–Mastambémnãotenhomedo.
FaçooqueotitiofeznaúltimavezqueveioaJordan.Euvi.Eleestavana
SalaPrivativaehaviaumconvidadoquenãofoidelicado,etitiosófezolhar
paraelecomforça,eohomemcaiumortonahora,espumandopelaboca.
-Duvido-fezRogeremtomdedúvida.–Nuncafalaramsobreissona
Cozinha.Dequalquermaneira,vocênãopodeentrarnaSalaPrivativa.
-Claroquenãofalaram.Elesnãoiamcontaressetipodecoisaaoscriados.
E
euestivenaSalaPrivativa,sim.Dequalquermodo,titioestásempre
fazendoisso.Fezcomunstártarosqueoagarraramcertavez.Amarraram
omeutioeiamtirarastripasdele,mas,quandooprimeiroseaproximou
comumafaca,titioolhoubemparaele,eelecaiumorto,entãoveiooutro,e
titiofezamesmacoisa,enofinalsó
sobrouum.Titiodissequeiadeixarohomemescaparseeleo
desamarrasse,efoioqueelefez,eentãotitiomatouelemesmoassim,
paralhedarumalição.Rogerduvidavadessecasoaindamaisdoquedos
Papões,maseraumahistóriaboademaisparaserdesperdiçada,demodo
queosdoisserevezaramsendoLordeAsrieleostártarosqueiammorrer;
emlugardaespuma,osdoisusaramsorvete.
Noentanto,houveumainterrupção.Lyraestavaconcentradafazendoo
papeldosPapõesetinhaconseguidoencurralarRogernaadegadoporão,
ondeelesentraramcomochaveirodereservadoMordomo.Juntos
atravessaramosgrandesdomosondeoTokayeoCanarydaFaculdade,o
Burgundyeobrantwijnjaziamsobasteiasdearanhademuitosanos.Os
antigosarcosdepedraerguiam-seacimadeles,apoiadosemcolunas
grossascomodezárvoresjuntas;ochãoeradepedrasirregulares,epor
todapartehaviaestantesdegarrafasebarris.Erafascinante.EsquecendosedosPapões,asduascriançasforamdeumapontaàoutra,
cautelosamente,segurandoumavelacomdedostrêmulos,tentando
enxergaremcadacantoescuro,comumaúnicaperguntacadavezmais
fortenamentedeLyra:qualeraogostodovinho?Haviaummodofácilde
responder.Lyra-apesardosprotestosveementesdeRoger-escolheua
garrafamaisvelha,retorcidaeverdequeconseguiuencontrar,e,não
tendocomoextrairarolha,quebrouagarrafanogargalo.Encolhidosno
cantomaisescondido,osdoisbebericaramolíquidopúrpura,curiosos
paraverquandoficariamembriagadosecomosaberiamqueestavam.
Lyranãogostoumuitodosabor,mastinhaqueadmitirqueeraumsabor
soleneecomplicado.Omaisengraçadoeraobservarosdoisdaemons,que
pareciamficarcadavezmaistontos:caíam,davamrisadinhassemsentido
emudavamdeformaimitandomonstros,cadaumtentandoficarmaisfeio
queooutro.Finalmente,equaseaomesmotempo,ascrianças
descobriramcomoeraficarembriagado.
-Elesgostamdisso?-ofegouRoger,depoisdevomitarcopiosamente.
-Gostam,sim-disseLyra,nasmesmascondições.-Eeutambém
acrescentouteimosamente.AúnicacoisaqueLyraaprendeunesse
episódiofoiquebrincardePapõeslevavaalugaresinteressantes.
Lembrou-sedaspalavrasdotionasuaúltimaconversaecomeçoua
explorarosubsolo,poisoquehaviaacimadosoloeraapenasuma
pequenafraçãodotodo;comoumenormefungocujasraízesseestendem
pormuitosquilômetros,aJordan,aoseverbrigandoporespaçocoma
FaculdadeSt.Michael'sdeumlado,aFaculdadeGabrieldooutroea
BibliotecadaUniversidadeatrás,começara,aindanaIdadeMédia,a
espalhar-seporbaixodosolo.Túneis,poços,domos,porões,escadariastudoissotinhaescavadotantoaterraabaixodaJordaneporcentenasde
metrosaoredordelaquehaviaquasetantoardebaixodaterraquando
acimadela;aFaculdadeJordanficavasobreumaespéciedeespumade
pedra.
Tendoprovadoogostinhodeexplorarosubsolo,Lyraabandonouseu
territóriodecostume,osAlpesirregularesqueeramostelhadosda
Faculdade,emergulhoucomRogernolimbo.BrincardePapõesfoi
substituídoporcaçá-los,poisoqueseriamaisprováveldoquehaver
Papõesescondidosnosubsolo,àespreita?
DemodoquecertodiaelaeRogerdesceramparaacriptasoboOratório.
EraaliqueasgeraçõesdeReitorestinhamsidoenterradas,cadaumem
seucaixãodecarvalhoforradodechumbo.Oscaixõesficavamdentrode
nichosaolongodasparedesdepedra.Umaplacadepedraabaixodecada
umdavaosnomesdeles:SimonLeClerc,Reitor1765-1789Cerebaton
Requiescantinpace
-Quequerdizerisso?-Rogerperguntou.
-Aprimeiralinhaéonomedele,easegundaéromano.Easdatasnomeio
dalinhasãoquandoelefoiReitor.Eooutronomedeveserodaemondele.
Saíramcaminhandoaolongodacriptasilenciosa,lendomaisinscrições:
FrancisLyallReitor1748-1765ZoharielRequiescantinpace
IgnatiusCole,Reitor1745-1748MuscaRequiescantinpace
Lyraachouinteressanteconstatarque,emcadacaixão,umaplacade
bronzetraziaumaimagemdiferente:numeraumbasilisco;nooutro,uma
mulherloura;nooutro,umaserpente;nooutro,ummacaco.Percebeuque
eramimagensdosdaemonsdosmortos.Quandoaspessoaschegavamà
idadeadulta,seusdaemonsjátinhamperdidoopoderdetransformar-see
ficavamcomumaformaúnicaepermanente.
-Essescaixõestêmesqueletosdentro!-Rogersussurrou.
-Carneemputrefação-Lyrasussurroudevolta.–Evermes,lombrigasse
retorcendonosburacosdosolhosdeles...
-Deveterfantasmasporaqui...-disseRoger,arrepiando-se
prazerosamente.Atrásdaprimeiracripta,elesencontraramumcorredor
orladodeprateleirasdepedra.Cadaprateleiraeradivididaemquadrados,
eemcadaquadradodescansavaumacaveira.
OdaemondeRoger,comoraboentreaspernas,estremeceudeencontroa
eleesoltouumuivobreveefraco.
-Psiu!-fezele.
LyranãoenxergavaPantalaimon,massabiaque,emsuaformade
mariposa,eleestavadescansandoemseuombroecomcertezaarrepiado
também.Estendendoamão,elapegouacaveiramaispróximaetirou-ado
lugar.
-Queéqueestáfazendo?Nãopodetocarnelas!–Rogerprotestou.Semlhe
daratenção,elaficougirandoacaveiranasmãos.Derepentealgumacoisa
saiupeloburaconabasedocrânio,passouentreosdedosdelaecaiuno
chãoruidosamente.Comosusto,elaquasedeixoucairacaveira.
-Éumamoeda!-Rogerexclamou,tateandonochão.
-Podeserumtesouro!
Eleergueuamoedaàluzdavelaeambosacontemplaramdeolhos
arregalados.Nãoeraumamoeda,esimumpequenodiscodebronzecom
umaentalhegrosseirorepresentandoumgato.
-Comoosdoscaixões-disseLyra.-Éodaemondele.
Sópodeser.
-Émelhorlevardevolta-Roger,inquieto,aconselhou.
Lyragirouacaveiraedeixouodiscocairdevoltaemseulugarimemorial
antesderecolocá-lanaprateleira.Osdoisdescobriramentãoquecadaum
doscrâniostinhasuamoeda-daemonmostrandoacompanheiradavidado
donoaindapertodelenamorte.
-Queachaqueesteseramquandoestavamvivos?–Lyraperguntou.
ProvavelmenteCatedráticos,imagino.SóosReitoresganhamcaixões.Com
certeza,foramtantosCatedráticosdurantetodosessesséculosquenão
haverialugarparaenterrartodos,demodoqueelescortamacabeçae
guardam.Émesmoapartemaisimportantedeles...
NãoencontraramPapões,masascatacumbassoboOratóriomantiveram
LyraeRogerocupadosdurantemuitosdias.
Certavez,elatentoufazerumabrincadeiracomalgunsdosCatedráticos
mortos,trocandoosdiscosdentrodoscrânios,dando-lhesdaemons
errados;Pantalaimonficoutãoagitadocomissoquesetransformounum
morcegoepôs-seavoarparacimaeparabaixosoltandogritosagudose
batendoasasasnorostodela,maselanãodeuatenção;abrincadeiraera
boademais.
Porémelapagouporissomaistarde.Nacama,emseuquartinhoapertado
notopodaEscadariaDoze,elafoivisitadaporumaassombraçãoeacordou
gritandoporcausadastrêsfigurasdetúnicaparadasàcabeceiradacama
apontandoosdedosossudosantesdejogarparatrásoscapuzesemostrar
ostocossangrentosondedeveriamestarascabeças.Sóquando
Pantalaimontransformou-senumleãoerugiufoiqueelesrecuaram,
fundindo-seàmatériadaparedeatéquesórestavamdeforaosbraços,
depoisasmãosengelhadas,cinzentas,depoisosdedosemcontorções,
depoisnada.Demanhã,aprimeiracoisaqueelafezfoicorrerparaas
catacumbasedevolverasmoedas-daemonsparaseuslugares,
sussurrando
"Perdão!Perdão!"àscaveiras.
Ascatacumbaserammuitomaioresdoqueaadega,mastambémtinham
umlimite.DepoisqueLyraeRogerexploraramcadacantodelasese
certificaramdequenãohaviaPapõesporlá,voltaramaatençãoparaoutra
coisamasnãoantesdeteremsidovistossaindodacriptapeloIntercessor,
queoschamouaoOratório.OIntercessoreraumanciãogorducho
conhecidocomoPadreHeyst.Suafunçãoeradirigirtodososofíciosda
Faculdade,pregar,orareouvirconfissões.Tinhaseinteressadopelobem-
estarespiritualdeLyraquandoelaeracriança,tendosidodesencorajado
pelaindiferençaepelosarrependimentoshipócritasdela.Finalmente
chegaraàconclusãodequeespiritualmenteelanãoerapromissora.
Ouvindoochamadodele,LyraeRogerviraram-secomrelutânciaese
encaminharam,arrastandoospés,paradentrodoOratóriocomsua
penumbrarecendendoamofo.Aquiealitremulavamchamasdevelas
diantedasimagensdossantos;umruídosuaveedistantevinhadopoçodo
órgão,ondealgunsreparosestavamsendoefetuados;umcriadopoliao
púlpitodebronze.PadreHeyst,naportadasacristia,acenou-lhes.
-Ondeestiveram?-perguntou-lhes.-Jávivocêssaindodelámaisdeuma
vez.Queéqueestãotramando?
Seutomnãoeradeacusação;elepareciagenuinamenteinteressado.
Empoleiradoemseuombro,seudaemonestendeuparaelesalínguade
lagarto.Lyrarespondeu:
-Queríamosveracripta.
-Porquemotivo?
-Os...oscaixões.Queríamosvertodososcaixões–eladisse.
-Masporquê?
Eladeudeombros-suarespostacostumeiraquandosesentia
pressionada.
-Evocê?-elecontinuou,voltando-separaRoger.Odaemondorapazpôsseabalançaracauda,tentandoacalmá-lo.
-Qualéoseunome?
-Roger,Padre.
-Seéumcriado,ondetrabalha?
-NaCozinha,Padre.
-Nãodeviaestarláagora?
-Sim,Padre.
-Entãová.
Rogervirou-seesaiucorrendo.Lyraarrastouopédeumladoparao
outronochão.
-Quantoavocê,Lyra,ficocontenteemverqueestáseinteressandopelas
coisasdoOratório.Éumameninadesorte,portertantaHistóriaàsua
volta.
-Hum-fezela.
-Masmeespantaasuaescolhadecompanheiros.Éumacriançasolitária?
-Não-eladisse.
-Sente...sentefaltadacompanhiadeoutrascrianças?
-Não.
-NãoestoufalandodeRoger,oajudantedaCozinha.Estoufalandode
criançascomovocê.Criançasdeberçonobre.Gostariadeteralguns
companheirosdessetipo?
-Não.
-Outrasmeninas,talvez...
-Não.
-Sabe,nenhumdenósquerquevocêpercatodososprazerese
divertimentoscomunsdainfância.Asvezespensoquesuavidaaquideve
sersolitária,nomeiodosvelhosCatedráticos.Senteisso?
-Não.
Elejuntouospolegaressobreosoutrosdedosentrelaçados,incapazde
pensaremoutracoisaparaperguntaràquelacriançaobstinada.
-Seestivercomalgumproblema,sabequepodemecontar-disse
finalmente.-Esperoquesempresaibadisso.
-Sim.
-Temfeitosuasorações?
-Sim.
-Muitobem.Agoravá.
Comumsuspirodealíviomaldisfarçado,elavirou-seesaiu.
NãotendoconseguidoencontrarPapõesdebaixodaterra,Lyravoltoupara
asruas.Eraondesesentiaemcasa.
Então,quandoelatinhaquaseperdidoointeresseneles,osPapões
apareceramemOxford.
Aprimeiranotíciaqueelatevefoiquandosumiuummeninodeuma
famíliagípciaqueelaconhecia.
FoinaépocadaFeiradeCavalos,eabaciadocanalestavaapinhadade
barcosebarcaças,commercadoreseviajantes,eostrapichesaolongodo
caisemJericócintilavamcomosarreiosbrilhanteseressoavamcomo
ruídodeferraduraseoclamordasbarganhas.Lyrasempregostarada
FeiradeCavalos;alémdachancedeumpasseioclandestinoemalgum
cavalomalvigiado,haviainúmerasoportunidadesparaprovocaruma
batalha.
Eesseanoelaforjaraumótimoplano;inspiradapelacapturadobarcono
anoanterior,dessavezelapretendianavegarumpoucomaisantesdeser
escorraçada.Seelaeosamigosdascozinhasdasfaculdadespudessem
chegaratéAbingdon,poderiamfazerumagrandebagunçanodique...
Masnesseanonãohaveriaguerra.Enquantopercorriaabordado
estaleirodePonMeadowaosoldamanhãcomdoismoleques,passando
umparaooutroumcigarroroubadoesoprandoafumaçacombastante
ostentação,elaescutouumgritoereconheceuavoz.
-Bem,quefoiquefezcomele,seubunda-mole?
Eraumavozpoderosa,vozdemulher-masumamulhercompulmõesde
couroecobre.Lyranamesmahoravirou-seàprocuradela,poistinha
reconhecidoavozdeMãeCosta,que,emduasocasiões,tinhadeixadoLyra
quasedesmaiadacomunspescoções,masemtrêsdera-lhepãezinhos
quentes,ecujafamíliaerafamosapeloluxoepelaimponênciadeseu
barco.Erampríncipesentreosgípcios,eLyraadmiravamuitoMãeCosta,
maspretendiapassaraindaalgumtempocautelosa,poiseradelesobarco
queelahaviaroubado.
UmdosmolequescompanheirosdeLyrapegouautomaticamenteuma
pedranochãoquandoouviuagritaria,masLyraordenou:
-Podeirsoltando.Elaestánervosa.Podequebrarvocêaomeiocomoum
graveto.
Naverdade,MãeCostapareciamaisansiosadoquezangada.Ohomem
comquemfalava,ummercadordecavalos,davadeombroseespalmava
asmãos.
-Bom,eunãosei-diziaele.-Eleestavaaquienominutoseguintetinha
sumido.Nãochegueiaverparaondeelefoi...
-Eleestavaajudandovocê!Estavasegurandoseusmalditoscavalos!
-Bom,eledeviaterficadoaqui,nãoé?Saircorrendonomeiodotrabalho...
Ohomemnãochegouaterminarafrase,poisMãeCostalhepregouum
tremendotabefenalateraldacabeça,acompanhadodetantos
xingamentosesafanõesqueeleberrouevirou-separafugir.Osoutros
mercadoresdecavaloszombaram,eumpotroassustadiçoempinou,
sobressaltado.
-Queéqueestáacontecendo?-Lyraperguntouaummeninogípcioquea
tudoassistia,boquiaberto.-Porqueelaestácomtantaraiva?
-Éofilhodela-explicouomenino.-Billy.Comcerteza,elaachaqueos
Papõespegaramogaroto.Epodeserverdade,mesmo.EunãovejooBilly
desde...
-OsPapões?EntãoeleschegaramaOxford?
Omeninogípciodeu-lhesascostasparagritarparaosamigos,que
estavamobservandoMãeCosta:
-Elanãosabedenada!NemsabequeosPapõesestãoaqui!
Meia-dúziademolequesviraram-separaelacomexpressãodedesprezo,e
Lyrajogouforaocigarro,reconhecendoadeixaparaumaboabriga.No
mesmoinstante,osdaemonsdetodosseprepararamparaaguerra:cada
criançaeraacompanhadapordentes,ougarras,oupêloseriçados,e
Pantalaimon,desprezandoaimaginaçãolimitadadaquelesdaemons
gípcios,transformou-senumdragãodotamanhodeumcãoveadeiro.
Antes,porém,queabatalhacomeçasse,MãeCostaseimiscuiu,
empurrandodoisgípcioseconfrontandoLyracomosefosseumalutadora
profissional.
-Sabedele?-elainterpelouLyra.-ViuoBilly?
-Não.Acabamosdechegar.NãovejooBillyhámeses.
OdaemondeMãeCostafaziacírculosnoaracimadacabeçadela-um
falcãodeolhosamareloseferozesqueolhavamparatodososladossem
piscar.Lyraficoucommedo;ninguémsepreocupavaquandoumacriança
sumiaporalgumashoras,principalmenteumagípcia:nomundinhodos
barcosgípcios,todasascriançaserampreciosaseintensamenteamadas,e
cadamãesabiaque,seseufilhoestivesselongedesuavista,nãoestaria
longedavistadeoutramãe,queoprotegeriainstintivamente.
Noentanto,aliestavaMãeCosta,rainhaentreosgípcios,aterrorizadapela
ausênciadeumacriança.Porquê?MãeCostaolhousemverogrupinhode
crianças,virou-seesaiutropeçandoporentreamultidão,indonadireção
doancoradouro,sempregritandopelofilho.Nomesmoinstante,as
criançasesqueceramabriga,diantedaquelesofrimento.
-EssesPapõessãooquê,afinal?-perguntouSimonParslow,amiguinhode
Lyra.
Oprimeiromeninogípciorespondeu:
-Vocêsabe.Elesestãoroubandocriançasportodaparte.Sãopiratas...
-Elesnãosãopiratas-corrigiuoutrogípcio.–sãocanibais.Éporissoqueo
nomedeleséPapões.
-Elescomemcrianças?-perguntououtroamigodeLyra:HughLovat,
ajudantedeCozinhanaSt.Michael's.
-Ninguémsabe-disseoprimeiromenino.–Levamacriançaeninguém
maistemnotíciadela.
-Issonóstodossabemos-disseLyra.-Hámesesestamosbrincandode
criançasePapões,antesdevocês.Aposto.Masapostoqueninguémjáviu
umPapão.
-Jáviram-disseumgaroto.
-Quem?-Lyrainsistiu.-Vocêjáviu?Comoéquesabequenãoésóuma
pessoa?
-CharlieviuelesemBanbury-disseumameninagípcia.
-Elesficaramfalandocomumamulherenquantooutrohomemtirouo
filhodeladojardim.
-É,euvielesfazeremisso!-confirmouCharlie,ummeninogípcio.
-Comoéqueeleseram?-Lyraquissaber.
-Bom,eunãovidireito-Charlieconfessou.-Masviocaminhãodeles
acrescentou.
-Eleschegamnumcaminhãobranco.Colocamomeninonocaminhãoe
saemdisparados.
-MasporqueonomedelesficousendoPapões?–Lyrainsistiu.
-Porqueelespapamascrianças-disseoprimeirogarotogípcio.-Nos
contaramláemNorthampton.Elesestiveramporlá.Tinhaumagarotaem
Northampton,levaramoirmãodelaeeladissequeoshomensque
levarameledisseramqueiamcomerele.Todomundosabedisso.Eles
comemascrianças.Umameninagípciacomeçouachoraralto.
-ÉaprimadeBilly-Charlieinformou.
Lyraperguntou:
-QuemviuoBillyporúltimo?
-Eu!-umadúziadevozesexclamou.
-EuvioBillysegurandoaquelepangarédoJohnnyFiorelli.
-Euvielepertodovendedordemaçãcaramelada.
-Euvielesebalançandonoguindaste...
Depoisqueconseguiudestrincharaquilo,LyraficousabendoqueBilly
tinhasidovistomaisdeduashorasantes.
-Então,nasúltimasduashoras,osPapõesestiveramporaqui...Todos
olharamemvolta,estremecendo,apesardosolquente,doportoapinhado,
docheirofamiliardealcatrão,cavalosefolha-de-fumo.Oproblemaera
que,jáqueninguémsabiacomoeramessesPapões,qualquerpessoa
podiaserumPapão,comoLyradeclarouaobandodecriançasperplexas,
todaselas-asdasfaculdadeseasgípciasjáagorasoboseudomínio.
-Elestêmqueparecerpessoascomuns,senãoseriamlogodescobertoselaexplicou.-Sesóaparecessemànoite,podiamterqualqueraparência.
Mas,seaparecemàluzdodia,têmqueparecergentenormal.Então
qualquerpessoaaquipodeserumPapão...
-Nãosão,não-disseumgípcioemtomhesitante.-Conheçoelastodas.
-Estácerto,nãoestasaqui,masqualqueroutra–disseLyra.-Vamos
procurarosPapões!Eocaminhãobrancotambém!
Aquiloprovocouumestourodeboiada.Outroslogosejuntaramaos
primeiros,e,empoucotempo,haviaumastrintaoumaiscriançasgípcias
correndodeumapontaàoutradosancoradouros,entrandoesaindodos
estábulos,subindopelosguindastesparadentrodospátios,saltandopor
cimadacercaparajuntodamargem,15criançasaomesmotempo
agarradasàcordaqueseusavaparaatravessaroriodeáguasverdes,e
correndoatodapelasruasestreitasdeJericó,porentreascasinhasde
tijolos,eentrandonograndeoratóriodeSt.Barnabas,oQuímico,comsua
torrequadrada.Metadedelasnãosabiaoqueestavamprocurandoe
achavaquesetratavaapenasdeumabrincadeira,porémasmais
próximasaLyrasentiammedoeafliçãodeverdadecadavezque
avistavamumafigurasolitárianumbecoounapenumbradoOratório:
seriaumPapão?
Mas,naturalmente,nãoera.Finalmente,semsucessoecomasombrado
desaparecimentoverdadeirodeBillypesandosobretodomundo,o
entusiasmofoidesvanecendo.QuandoLyraeosdoisjovensdasfaculdades
saíamdeJericópertodahoradojantar,viramosgípciosreunidosno
ancoradourovizinhoàqueleemqueobarcodosCostaestavaatracado.
Algumasmulhereschoravamemvozalta,eoshomens,furiosos,formavam
grupinhos;todososseusdaemonsestavamagitados,erguendo-seemvôos
nervososourosnandoparaassombras.
-ApostoqueosPapõesnãoteriamcoragemdeviraqui-Lyradissea
SimonParslowquandoosdoisatravessavamasoleiradograndesaguão
daJordan.
-Não...-eleconcordoucomhesitação.-Masseiquesumiuumagarotado
Mercado.
-Quem?
LyraconheciaamaioriadascriançasdoMercado,masnãotinhaouvido
essanotícia.
-JessieReynolds,daselaria.Ontemelasaiusóparabuscarumpedaçode
peixeparaochádopai,masnahoradefecharaindanãotinhaaparecido.
E
ninguémviuela.ProcuraramnoMercadointeiroeemtodaparte.
-Ninguémmecontouisso!-disseLyraindignada.Achavaumlapso
deploráveldeseussúditosnãoamanteremsempreinformadadetudo.
-Bom,foiontemqueaconteceu.Elapodejáteraparecido.
-Vouperguntar-disseLyra,virando-separatornarasair.
MasaindanãotinhapassadopeloportãoquandooPorteiroachamou.
-Venhacá,Lyra!Vocênãopodesairestanoite.OrdensdoReitor.
-Porquenão?
-Jádisse,ordensdoReitor.Eledissequesevocêvoltasse,paranãosairde
novo.
-Entãomepegue-elaodesafiou,esaiucorrendo.
Atravessouemdisparadaaruaestreitaeentrounobecoondeos
caminhõesdescarregavammercadoriaparaoMercadoCoberto.Sendo
horadefechar,haviapoucoscaminhõesporali,masumgrupinhode
jovensfumavaeconversavapertodaportacentral,emfrenteaoaltomuro
depedradaFaculdadeSt.Michael's.Lyraconheciaumdeles,umrapazde
16anos,aquemelaadmiravaporqueeleconseguiacuspirmaislongeque
qualqueroutrapessoaqueelaconhecia;foiatélá
eficouesperandohumildementequeeleapercebesse.
-Ei,queéquevocêquer?-elefinalmenteperguntou.
-AJessieReynoldssumiu?
-Foi.Porquê?
-Porqueummeninogípciosumiuhoje,etudo.
-Estãosempresumindoessesgípcios.DepoisdetodaFeiradeCavaloseles
somem.
-Oscavalostambém-comentouumdosamigosdele.
-Masédiferente-Lyraprotestou.-Eraummenino.Ficamosprocurando
eleatardetoda,easoutrascriançasdisseramqueosPapõespegaramele.
-Osquê?
-OsPapões-elarepetiu.-NuncaouviufalardosPapões?
Aquiloeranovidadetambémparaosoutrosrapazes,e,comexceçãode
algunscomentáriosgrosseiros,elesescutaramcomatençãooqueelalhes
contou.
-Papões...-fezoconhecidodeLyra,cujonomeeraDick.-Quecoisaidiota.
Essesgípciosvivemcomessasidéiasidiotas.
-DisseramqueosPapõesapareceramemBanburyhápoucassemanase
levaramcincocrianças-Lyrainsistiu.-Comcerteza,vieramparaOxford
agoraparapegarasnossas.DevemtersidoelesquepegaramaJessie.
-SumiuummeninoláparaasbandasdeCowley-contouumdosrapazes.
Agoramelembro.Minhatia,elaveioaquiontem,porquevendepeixee
batatafritanumabarraquinha,eouviucontarisso...Ummeninopequeno...
MasnãoseidessahistóriadePapões.NãoexistemPapões.Ésóuma
história.
-Existemsim!-contestouLyra.-Osgípciosjávirameles.Achamqueeles
comemascriançasqueelespegame...Elaparouafrasenomeio,porque
derepentetinhaselembradodeumacoisa.Duranteaquelanoiteestranha
queelapassaraescondidanaSalaPrivativa,LordeAsrieltinhamostrado
umslidedeumhomemsegurandoumbastãocomjorrosdeluzentrando
nele;eaoladodohomemhaviaumafigurapequenacommenosluzem
volta;eLordeAsrieltinhaditoqueeraumacriança;ealguémperguntara
seeraumacriançaseccionada,eotiotinhaditoquenão,queessaeraa
questão.Lyrasabiaque"seccionada"queriadizercortada.Eentãouma
coisalheatingiuocoração:ondeestavaRoger?Elanãooviadesdede
manhã...Derepenteficoucommedo.Pantalaimon,comoumleãoem
miniatura,saltouparaosseusbraçosegrunhiu.Elasedespediudos
rapazesjuntoaoportãoecaminhoudevoltaparaaruaTurl,depoiscorreu
omaisquepodiaatéaFaculdadeJordan,entrandopelaportaumsegundo
antesdodaemon,agoraemformadeleopardo.
OPorteiromostrou-sesevero.
-TivequeligarparaoReitorecontaraele-declarou.-Elenãogostou.Eu
nãoqueriaestarnoseulugar,mocinha,pordinheironenhum.
-OndeestáoRoger?-elaquissaber.
-Nãovi.Eletambémvailevar.Ah,quandooSr.Cawsonopegar...Lyra
correuparaaCozinhaepenetrounaquelaagitaçãobarulhentae
fumegante.
-OndeestáoRoger?-berrou.
-Somedaqui,Lyra!Estamosocupados!
-Masondeéqueeleestá?Vocêdevesaber!-LyragritouparaoChefeda
Cozinha,quelhedeuumtapanaorelhaeexpulsou-adelá.
Bernie,oConfeiteiro,tentouacalmá-la,masnãoconseguiu.
-ElespegaramoRoger!AquelesPapõesmalditos,alguémdeviapegare
matareles!Euodeioeles!VocêsnãoseimportamcomoRoger...
-Lyra,todosnósnosimportamoscomoRoger...
-Não,porquesenãoparavamotrabalhoeiamprocurarporelenesse
instante!Odeiovocês!
-PodiahavermuitosmotivosparaoRogertersumido.Escuteavozda
razão.Temosojantarparapreparareserviremmenosdeumahora;o
ReitortemconvidadosnaResidênciaeeletambémvaijantarlá,oque
significaqueoChefedaCozinhavaiterquemandaracomidaparalábem
depressa,paranãoesfriar;comumacoisaeoutra,Lyra,avidatemque
continuar.TenhocertezadequeoRogervaiaparecer...
LyrasaiucorrendodaCozinha,derrubandoumapilhadetampasde
bandejadeprataeignorandoorugidoderaivaqueissoprovocou.
Correndo,desceuosdegrauseatravessouoQuadrilátero,passouentrea
CapelaeaTorrePalmer'seentrounoQuadriláteroYaxley,ondeficavam
osprédiosmaisantigosdaFaculdade.Pantalaimoncorriadeumladopara
ooutronafrentedelacomoumleopardoemminiaturaedisparouescada
acimaatéoúltimoandar,ondeficavaoquartodeLyra.Ameninaabriua
portadesopetão,arrastouacadeiracambaleanteparapertodajanela,
abriuapersianaepassouparaoladodefora.Logoabaixodajanelahavia
umacalhadepedraforradadechumbocomuns30cmdelargura,para
recolheraáguadachuva;depésobreela,Lyravirou-seesubiupelas
telhasaté
chegaràcumeeiradotelhado.Alielaabriuabocaegritou.Pantalaimon,
quesempresetransformavaempássaroquandoestavanotelhado,voava
emcírculosaoredordela,acompanhando-acomseugrasnaragudode
gralha.
Océudofinaldetardetingia-sedecores-pêssego,abricó,creme,
delicadasnuvensdesorvetenumlargocéualaranjado.Astorreseos
campanáriosdeOxforderguiam-seemvoltadeles,namesmaaltura;os
bosquesverdesdeChâteauVerteWhiteHammostravam-seacadaladoumaleste,outroaoeste.Emalgumlugar,haviagralhasgrasnandoesinos
tocando,edosCurraisdosBoisasbatidasritmadasdeummotoragás
anunciavamadecolagemdiáriadozepelimdoCorreioRealparaLondres.
Lyraficouvendo-osubiracimadocampanáriodaCapeladaSt.Michael's,a
principiodotamanhodapontadodedomindinhodelaquandoelaestendia
obraço,depoisficandocadavezmenor,atévirarumpontinhonocéu
perolado.
Elavirou-seebaixouoolharparaoQuadriláteroenvoltoemsombras,
ondeosCatedráticos,vestindosuasbecaspretas,jácomeçavamachegar,
sozinhosouaospares,paraaDispensa,seusdaemonscaminhandoou
voejandoaoladodeles,ouentãocalmamenteempoleiradasemseus
ombros.EstavamacendendoasluzesnoSalão;elaviaosvitraisdajanela
começandoabrilharumaumàmedidaqueumcriadopercorriao
aposentoacendendoaslamparinassobreasmesas.Osinodo
Administradorpôs-seatocar,anunciandoameiahoraantesdojantar.
Aqueleeraomundodela.Elaqueriaqueelepermanecesseamesmacoisa
parasempre,maseleestavamudandoaoseuredor,poisalguémláfora
estavaroubandocrianças.Elasesentounacumeeiradotelhado,oqueixo
apoiadonasmãos.
-ÉmelhorirmossocorreroRoger,Pantalaimon-declarou.
Elerespondeudachaminé,comsuavozdegralha:
-Vaiserperigoso.
-Claro!Euseidisso.
-Lembre-sedoqueelesdisseramnaSalaPrivativa.
-Oquefoi?
-AlgumacoisasobreumacriançalánoÁrtico.Aquelaquenãoestava
atraindooPó.
-Disseramqueeraumacriançacompleta...Edaí?
-PodeserissoquevãofazercomoRoger,osgípcioseasoutrascrianças.
-Comoé?
-Bom,queéquecompletaquerdizer?
-Seilá.Comcerteza,cortamelasnomeio.Achoqueelasviramescravas.
Issoseriamaisútil.Comcerteza,elestêmminasporlá.Minasdeurânio
paraasnavesatômicas.Apostoqueéisso.Semandassemadultosparao
fundodasminas,elesmorreriam,demodoqueusamcriançasporqueelas
sãomaisbaratas.Foiissoquefizeramcomele.
-Euacho...
MasaopiniãodePantalaimontevequeesperar;porqueumavozque
vinhadebaixocomeçouagritar:
-Lyra!Lyra!Desçadaínesteinstante!
Alguémbatianajanela.Lyrareconheceuavozeaimpaciência:eraaSra.
Lonsdale,aGovernanta.Impossívelesconder-sedela!
Derostotenso,Lyraescorregoupelotelhadoatéacalhaetornouaentrar
pelajanela.ASra.Lonsdaleestavaenchendodeáguaumapequenabacia
descascada,comoacompanhamentodegemidosebatidasqueosistema
hidráulicoproduzia.
-Quantasvezesjálhedisseramparanãoiraotelhado...Vejaoseuestado!
Vejaestasaia:estáimunda!Tirearoupaimediatamenteeselave
enquantoeuprocuroalgumacoisadecentequenãoestejarasgada.Nãosei
porquevocênãoconsegueficarlimpaearrumada...
Lyraestavadeprimidademaisatéparaperguntarporquetinhaquese
lavaresevestir,enenhumadultoforneciaumarazãoporiniciativa
própria.Elapuxouovestidopelacabeçaedeixou-ocairsobreacama
estreita,epôs-seaselavarcommávontadeenquantoPantalaimon,agora
umcanário,saltavacadavezmaisparapertododaemondaSra.Lonsdale,
umimpassívelcãodecaça,tentandoemvãoimplicarcomele.
-Vejaoestadodesteguarda-roupa!Fazsemanasquevocênãopendura
umvestido!Vejacomoesteestáamassado...
Vejaisso,vejaaquilo...Lyranãoqueriaver.Elafechouosolhosenquanto
esfregavaorostocomatoalhafina.
-Vaiterqueusaresteassimmesmo.Nãodátempodepassar.Deusme
perdoe,menina,vejaosseusjoelhos,vejaoestadodeles...
-Nãoquerovernada-Lyraresmungou.
ASra.Lonsdaledeu-lheumtapanaperna.
-Lave-ordenoucomferocidade.-Tiretodaestasujeira.
-Porquê?-Lyrafinalmenteperguntou.-Eununcalavoosjoelhos.
Ninguémvaiolharparaosmeusjoelhos.Porquetenhoquefazerisso
tudo?AsenhoratambémnãoligaparaoRoger,igualaoCozinheiroChefe.
Eusouaúnicaque...Outrotapa,naoutraperna.
-Chegadessabobagem.SouumaParslow,comoamãedoRoger.Eleé
meuprimoemsegundograu.Apostoquenãosabiadisso,porqueaposto
quevocê
nuncaperguntou,Srta.Lyra.Apostoqueissonuncalhepassoupela
cabeça.Nãomeacusedenãogostardomenino.Deussabequeeugosto
atémesmodevocê,quemedápoucosmotivosparaissoenenhuma
gratidão.
ElapegouaflanelaeesfregouosjoelhosdeLyracomtantaforçaque
deixouapelerosadaeardendo,porémlimpa.
-OmotivodissoéquevocêvaijantarcomoReitoreosconvidadosdele.
PeçoaDeusquevocêsecomporte.Falesomentequandofalaremcom
você,sejadiscretaeeducada,sorriaenuncadiga"Seilá"quandolhe
perguntaremalgumacoisa.
ElaenfiouomelhorvestidodeLyranocorpomagrodamenina,ajeitou-o,
pescounaconfusãodeumagavetaumafitavermelhaeescovouoscabelos
delacomumaescovadecerdasduras.
-Setivessemmeavisadoantes,eupodiaterlavadoosseuscabelos.Bom,é
umapena.Tomaraquenãoolhemmuitodeperto...Pronto.Agorasente-se
direito.Ondeestãoaquelessapatosbons,deverniz?
Cincominutosmaistarde,LyraestavabatendonaportadaResidênciado
Reitor,acasaimponenteeumpoucolúgubrequeseabriaparao
QuadriláteroYaxleyedavafundosparaoJardimdaBiblioteca.
Pantalaimon,queporpolidezsetransformaranumarminho,esfregou-se
napernadela.AportafoiabertaporCousins,criadodoReitorevelho
inimigodeLyra;masambossabiamqueaquiloeraumatrégua.
-ASra.Lonsdaledisseparaeuvir-Lyraexplicou.
-Sim-fezCousins,pondo-sedelado.-OReitorestánaSaladeEstar.Elea
levouparaoaposentoamploquedavaparaoJardimdaBiblioteca.Os
últimosraiosdesolalientravamatravésdovazioentreaBibliotecaea
TorrePalmer's,eiluminavaosquadrospesadoseapratariaseveraqueo
Reitorcolecionava.Iluminavatambémosconvidados,eLyraentendeupor
quenãoiamjantarnoSalão:trêsdeleserammulheres.
-Ah,Lyra!Quebomquepôdevir!-exclamouoReitor.
-Cousins,arranjeumacoisaqueelapossabeber.DamaHannah,achoque
nãoconheceLyra...AsobrinhadeLordeAsriel,asenhorasabe.
DamaHannahRelf,Diretoradeumadasfaculdadesfemininas,erauma
senhoradecabelosgrisalhoscujodaemoneraumsagüi.Lyra
cumprimentou-acomtodaeducaçãoedepoisfoiapresentadaaosoutros
convivas,queeram,comoDamaHannah,estudiososdeoutrasFaculdades
ebastantedesinteressantes.EntãooReitorchegouaoúltimoconvidado.
-Sra.Coulter,estaéanossaLyra.Lyra,venhacumprimentaraSra.
Coulter.
-Olá,Lyra-disseaSra.Coulter.
Eralindaejovem.Oscabelosnegroselisosemolduravamorostodela,e
seudaemoneraummacacodourado.
4OALETÔMETRO
-Esperoqueseulugarnojantarsejaaomeulado-disseaSra.Coulter,
abrindoespaçoparaLyranosofá.-Nãoestouacostumadacomoluxoda
ResidênciadeumReitor.Vaiterquememostrarquaisgarfosefacasdevo
usar.
-AsenhoraéumaProfessora?-Lyraperguntou.
ElaconsideravaasProfessorascomodesdémpróprioaumapessoada
Jordan:essaspessoasexistiam,porém,coitadinhas,nuncaseriamlevadasa
sérionãomaisqueanimaisvestidosdegente,representandoumapeça.A
Sra.Coulter,poroutrolado,nãosepareciacomqualquerProfessoraque
Lyrajátivessevistoecertamentenãocomoasduassenhorasidosase
sériasqueeramasoutrasconvidadas.Lyrahaviafeitoessapergunta
esperandoumarespostanegativa,poisaSra.Coultertinhaumarelegante
queencantouagarota;Lyramalconseguiatirarosolhosdela.
-Naverdade,não-respondeuaSra.Coulter.Pertençoàfaculdadeda
DamaHannah,porémamaiorpartedomeutrabalhoéfeitaforade
Oxford...Fale-mesobrevocê,Lyra.SempremorounaFaculdadeJordan?
Cincominutosdepois,Lyratinhacontadoaelatudodasuavidameio
selvagem:seuscaminhosfavoritospelostelhados,abatalhadosBarreiros,
aocasiãoemqueelaeRogertinhamapanhadoeassadoumagralha,sua
intençãodecapturarumbarcodosgípcioseirvelejandoatéAbingdon,etc.
Contou-lheaté
(depoisdeolharemvolta,ebaixandoavoz)sobreabrincadeiradelaede
Rogercomascaveirasnacripta.
-Eosfantasmasapareceramnomeuquarto,sabe,semcabeça!Não
conseguiamfalar,sófaziamunsbarulhosdegorgolejo,maseusabiamuito
bemoqueelesqueriam.Entãonodiaseguintefuiatéláembaixoe
coloqueiasmoedasdevolta.Senãoelespodiamatémematar.
-Querdizerquevocênãotemmedodoperigo?–disseaSra.Coulterem
tomdeadmiração.
Aessaalturajáestavamjantando;comoaSra.Coulteresperava,estavam
sentadasjuntas.Lyraignoroucompletamenteseuoutrovizinho-o
Bibliotecário-epassouarefeiçãointeiraconversandocomaSra.Coulter.
Quandoassenhorasseretiraramparaocafé,aDamaHannahdisse:
-Diga-me,Lyra,vãomandá-laparaaescola?
-Seil...Eunãosei-elacorrigiuatempo.-Provavelmentenãoacrescentou,comsegurança.-Eunãoiaquererdaressetrabalhoaelescontinuou,emtomdesantinha.–Eessadespesa.Certamenteémelhorque
eucontinuemorandonaJordan,sendoeducadapelosCatedráticosdaqui
quandoelestêmumtempinholivre.Comojáestãoaqui,certamentevaiser
degraça.
-Eseutio,LordeAsriel,temalgumplanoparavocê?-perguntouaoutra
senhora,queeraumaProfessoranaoutrafaculdadefeminina.
-Achoquesim-disseLyra.-Masnãoumaescola.Elevaimelevarparao
Nortenapróximaviagem.
-Eumelembro,foioqueelemecontou-disseaSra.Coulter.
Lyrapestanejou.AsduasProfessorassentaram-seligeiramentemais
eretas,emboraseusdaemons,porboaeducaçãoouporpreguiça,se
limitassemaolharderelanceumparaooutro.
-NósnosencontramosnoRégioInstitutodoPóloÁrtico-continuouaSra.
Coulter.Aliás,éemparteporcausadesseencontroqueestouaquihoje.
-Asenhoratambéméexploradora?-Lyraperguntou.
-Decertomodo,sim.EstiveváriasvezesnoNorte.Noanopassado,fiquei
trêsmesesnaGroelândiafazendoobservaçõesdaAuroraBoreal.
Foioquebastou;daíemdiante,paraLyranada–eninguémmais-existia.
ElacontemplavaaSra.Coultercomrespeitosodeslumbramentoeescutava
atentaeextasiadaasdescriçõesdaconstruçãodeiglus,dascaçadasde
focas,dasnegociaçõescomasbruxasdaLapônia.AsduasProfessorasnão
tinhamcoisastãointeressantesparacontareficaramsentadasemsilêncio
atéachegadadoshomens.
Maistarde,quandoosconvidadossepreparavamparapartir,oReitor
disse:
-Fiquemaisumpouco,Lyra;eugostariadeconversarumminutinhocom
você.Váparaomeuescritório,sente-seeesperepormimlá.
Intrigada,cansadaeexcitada,Lyraobedeceu.OcriadoCousinslevou-aao
escritórioedeixouaportaabertapropositalmenteparapoderverdo
saguão-ondeajudavaosconvidadosavestirosabrigos-oqueelaestaria
fazendo.LyraprocurouaSra.Coultercomoolhar,masnãoaviu,eentãoo
Reitorentrounoescritórioefechouaporta.
Sentou-sepesadamentenapoltronajuntoàlareira.Seudaemonesvoaçou
paraascostasdacadeiraeempoleirou-sepertodacabeçadoReitor,
fixandoemLyraosvelhosolhossemicerrados.Alamparinasibilava
baixinho.OReitordisse:
-Bem,Lyra,vocêandouconversandocomaSra.Coulter;gostoudeouviro
queeladizia?
-Gostei!
-Éumadamanotável.
-Émaravilhosa.Éapessoamaismaravilhosaquejáconheci.
OReitorsuspirou.Comseuternoegravatapretos,elesepareciacomoseu
daemon,ederepenteocorreuaLyraqueumdianãomuitodistanteele
seriaenterradonacriptasoboOratório,eumartistairiagravarodaemon
delenaplacadebronzeparaocaixão,eonomedodaemonconstariaao
ladododele.
-Eujádeviaterarranjadotempoparaterumaconversacomvocê,Lyraelecomeçou,depoisdeuminstante.–Estavapretendendomesmofazer
isso,masparecequejápassoumaistempodoqueeuimaginava.Você
sempreesteveseguraaquinaJordan,minhacara.Achoquetemsidofeliz.
Nãolhefoifácilnosobedecer,masgostamosmuitodevocê,evocênunca
foiumacriançamá.Hámuitabondadeeternuranasuanatureza,emuita
determinação.Vocêvaiprecisardetudoisso.Nomundoláfora,estão
acontecendocoisasdasquaiseugostariadeprotegervocê,prendendo-a
aquinaJordan,porémissonãoémaispossível.
Elaoencarousemfalar.Entãoiammandá-laembora?
-Vocêsabiaqueumdiateriaqueirparaaescola–oReitorcontinuou.-Nós
aquilheensinamosalgumascoisas,masnãomuitobem,nemdemaneira
organizada.Nossoconhecimentoédeoutrotipo.Vocêprecisaaprender
coisasquehomensidososnãotêmcondiçõesdelheensinar,
principalmentenasuaidade.Vocêcertamentesabiadisso.Nãoéfilhade
criados,nãopoderíamosentregá-laparaseradotadaporumafamíliada
cidade.Elespoderiamcuidardevocêemcertascoisas,masassuas
necessidadessãodiferentes.Oqueestouquerendodizer,Lyra,équeesta
partedasuavidadentrodaFaculdadeJordanestáchegandoaofim.
-Não,não!-elaprotestou.-NãoquerosairdaJordan!Gostodaqui.Quero
ficaraquiparasempre!
-Quandoagenteéjovem,pensaqueascoisasduramparasempre.
Infelizmente,elasnãoduram.Lyra,nãofaltamuitotempo,nomáximoum
pardeanos,paravocêsetornarumamoça,nãomaisumacriança.Uma
senhorita.Podeacreditar,aívocêvaiacharaFaculdadeJordanumlugar
muitodifícilparasemorar.
-Maséomeular!
-Temsidooseular.Masagoravocêprecisadeoutracoisa.
-Escola,não.Eunãovouparaaescola.
-Vocêprecisadecompanhiafeminina.Deorientaçãofeminina.
Aexpressão"orientaçãofeminina"fezLyrapensarnasProfessoras,eela
fezumacaretainvoluntária.SerexiladadaimponênciadaJordan,do
esplendorefamadeseuensino,paraumafaculdadenumprédiodetijolos
parecendoumapensãonosubúrbiodeOxford,comProfessoras
desmazeladasquecheiravamarepolhoenaftalina,comoaquelasduas!
OReitorpercebeuaexpressãodelaeviupiscarememvermelhoosolhos
degambádePantalaimon.Perguntou:
-EseporacasofosseaSra.Coulter?
Nomesmoinstante,opêlodePantalaimonmudoudemarrom-escuropara
purobranco.Lyraarregalouosolhos.
-Deverdade?
-ElaéconhecidadeLordeAsriel.Oseutio,naturalmente,estámuito
preocupadocomoseubem-estar,equandoaSra.Coulterouviufalarde
você,elanomesmoinstanteseofereceuparaajudar.Aliás,elaéviúva.O
maridomorreunumacidentemuitotristeháalgunsanos;demodoque
vocêselembredissoantesdeperguntaralgumacoisa.
Lyraassentiuansiosamenteeperguntou:
-Eelavaimesmo...tomarcontademim?
-Vocêgostaria?
-Sim!
Lyramalconseguiaficarsentada.OReitorsorriu.Issoaconteciatão
raramentequeeletinhaperdidoaprática,equemestivesseprestando
atenção(coisaqueLyranãoestavaemcondiçõesdefazer)pensariaquese
tratavadeumacaretadedesagrado.
-Bem,entãoémelhorconvidá-laparavirconversarsobreisso-disse.Ele
saiudoescritórioequandovoltou,umminutodepois,comaSra.Coulter,
Lyraestavadepé,excitadademaisparaficarsentada.ASra.Coulter
sorriu,eseudaemonmostrouosdentesbrancosnumaexpressãotravessa
esatisfeita.AopassarporLyraacaminhodeumapoltrona,aSra.Coulter
tocoudeleveseuscabeloseLyrasentiuumaondadecarinhocobri-la,e
enrubesceu.DepoisqueoReitorserviubranrwijnàSra.Coulter,eladisse:
-Bem,Lyra,querdizerquevouterumaassistente?
-Sim-disseLyrasimplesmente.Teriadito"sim"aqualquercoisa.
-Precisodeajudaemmuitacoisa.
-Possotrabalhar!
-Etalveztenhamosqueviajar.
-Nãomeimporto.Vouaqualquerlugar.
-Maspodeserperigoso.PodemosterqueirparaoNorte.
Lyraficousemfala.Finalmenteconseguiuperguntar:
-Logo?
ASra.Coulterriuedisse:
-Talvez.Massabequevaiterquetrabalharmuito.Vaiterqueaprender
matemática,navegação,geografiaceleste.
-Asenhoravaimeensinar?
-Vou.Evocêvaiterquemeajudartomandonotas,arrumandomeus
papéis,fazendovárioscálculosbásicos,etc.Ecomovamosvisitaralgumas
pessoasimportantes,temosquearrumarroupasbonitasparavocê.Há
muitoqueaprender,Lyra.
-Nãomeimporto.Queroaprendertudo.
-Tenhocertezadequevaiconseguir.QuandovoltaràJordan,seráuma
viajantecélebre.Agora,vamospartirmuitocedoamanhãdemanhã,pelo
zepelimdamadrugada,demodoqueémelhorvocêirdormir.Vejovocêno
cafédamanhã.Boanoite!
-Boanoite-retribuiuLyra.Lembrando-sedapoucaetiquetaqueconhecia,
elavirou-sedaportaedisse:-Boanoite,Reitor.
Eleassentiu.
-Durmabem.
-Eobrigada-fezLyra,dirigindo-seàSra.Coulter.
Elafinalmenteconseguiudormir,emboraPantalaimonnãotivesse
sossegadoatéelaralharcomele,eeleentãosetransformouemporcoespinhodepuramácriação.Aindaestavaescuroquandoalguémasacudiu.
-Lyra...psiu...Nãoseassuste...acorde,garota!
EraaSra.Lonsdale.Estavasegurandoumavela;elainclinou-seefalou
baixinho,segurandoLyracomamãolivre.
-Escute.OReitorquerfalarcomvocêantesdevocêseencontrarcoma
Sra.Coulternocafédamanhã.Levante-sedepressaecorraatéa
Residência.Entrenojardimebatanaporta-janeladoescritório.Entendeu?
Completamenteacordadaefervendodecuriosidade,Lyraassentiue
enfiouospésnossapatosqueaSra.Lonsdalecolocounochãoparaela.
-Nãosepreocupeemselavar.Podefazerissodepois.Agoravádiretoe
voltedireto.Voucomeçaraarrumarsuabagagemesepararalgumacoisa
paravocêusar.Agoraseapresse.
OQuadriláteroescuroaindaestavacheiodoarfriodanoite.Nocéuas
últimasestrelasaindaestavamvisíveis,masaluzquevinhadoleste
gradualmenteocupavaocéuacimadoSalão.LyracorreuparaoJardimda
Bibliotecaeficouporummomentoparadanaimensaquietude,olhos
erguidosparaospináculosdepedradaCapela,acúpulaverde-perolada
doPrédioSheldon,olampiãopintadodebrancodaBiblioteca.Agoraqueia
deixaraqueleambiente,perguntou-sesesentiriamuitasaudade.
Algumacoisasemoveunaporta-janeladoescritórioeumbrilhodeluz
cintilouporuminstante.Elalembrou-sedoquetinhaquefazerebateuna
portadevidro,queseabriudeimediato.
-Muitobem.Entredepressa.NãotemosmuitotempodisseoReitor,
fechandoacortinasobreajanelaassimqueelaentrou.
Eleestavainteiramentevestidodepreto,comodecostume.
-Querdizerqueeunãovou,afinal?-Lyraperguntou.
-Vai,sim.Nãopossoimpedir-disseoReitor,semqueLyrapercebessena
ocasiãoqueaquiloeraalgoestranhodesedizer.-Lyra,querolhedaruma
coisa,masvocêvaiterqueprometerquenãovaicontaraninguém.Você
jura?
-Juro-fezLyra.
Elefoiatéaescrivaninhaetiroudeumagavetaumpacotinhoembrulhado
emveludopreto.Quandoeledesdobrouopano,Lyraviuumacoisacomo
umrelógiodepulsogrande,ouumrelógiodeparedepequeno:umdisco
espessodebronzeecristal.Podiaserumabússolaoualgoassim.
-Oqueéisso?-elaperguntou.
-Éumaletômetro.Sóexistemseisnomundo,Lyra,enovamenteeuaviso:
mantenha-oemsegredo.SeriamelhorseaSra.Coulternãosoubesse.O
seutio...
-Masqueéqueissofaz?
-Dizaverdade.Quantoàmaneiradeoperar,vocêvaiterquedescobrir
sozinha.Agoravá,estáclareando.Corradevoltaaoseuquartoantesque
alguémaveja.
Eledobrouoveludosobreoinstrumentoecolocou-onasmãosdela.Era
surpreendentementepesado.Entãoelecolocouasmãosdecadaladoda
cabeçadameninaesegurou-adeleveporuminstante.
Elatentouerguerosolhosparaeleeperguntou:
-QueeraqueosenhoriadizerdomeutioAsriel?
-Oseutiopresenteou-oàFaculdadeJordanháalgunsanos.Elepodia...
Antesqueelepudesseterminarafrase,ouviu-seumabatidalevenaporta.
Elasentiuasmãosdeleestremecerem.
-Vádepressa,agora,criança-eledissebaixinho.–Ospoderesdeste
mundosãomuitograndes.Homensemulheressãomovidosporondas
muitomaisviolentasdoquevocêpodeimaginar,quenosarrastamatodos
nacorrenteza.Váempaz,Lyra.Sejadiscreta.
-Obrigada,Reitor-eladisseemtomformal.
Apertandoopacotedeencontroaopeito,elasaiudoescritóriopelaporta
paraojardim,olhandoderelanceparatrásevendoodaemondomestre
observando-adopeitorildajanela.Océujáestavamaisclaro;haviaum
cheironovonoar.
-Queéissoaí?-perguntouaSra.Lonsdale,fechandoapequenae
maltratadamala.
-OReitormedeu.Seráquevaicabernamala?
-Tardedemais.Nãovoutornaraabrir.Sejaoquefor,vaiterqueirno
bolsodoseucasaco.VádepressaparaaCantina;nãofaçaosoutros
esperarem...Sódepoisdesedespedirdospoucoscriadosqueestavam
acordadosedaSra.LonsdalefoiqueelaselembroudeRoger,eentão
sentiu-seculpadapornãoterpensadoneleumasóvezdepoisque
conheceraaSra.Coulter.Comoascoisastinhamacontecidodepressa!
EagoraelaestavaacaminhodeLondres;sentadajuntoàjanelanum
zepelim,comaspequenaseafiadasgarrasdaspatastraseirasdearminho
dePantalaimonenfiadasemsuacoxa,enquantoaspatasdianteirasdoseu
daemonapoiavam-senavidraçaatravésdaqualeleespiava.Aoladode
Lyra,aSra.Coultertrabalhavaemalgunspapéis,maslogoguardou-osese
pôsaconversar.Queconversainteressante!Lyraficoudeslumbrada;
dessavezaconversanãoerasobreoNorte,massobreLondres,os
restaurantesesalõesdebaile,asfestasnasEmbaixadasenosMinistérios,
asfofocasentreWhiteHalleWestminster.ParaLyraaconversarivalizava
emfascíniocomapaisagemmutantevistadaaeronave.OqueaSra.
Coulterestavadizendopareciaseracompanhadodeumperfumede
"adultez",algumacoisaaomesmotempoperturbadoraeatraente:erao
cheirodoluxo.
AaterrissagememFalkeshallGardens,aviagemdebarcoatravessandoo
riomarrom,oquarteirãodemansõesimponentesnoEmbankment,onde
ummensageirocorpulento11(umaespéciedecarregadordebagagem
condecorado)cumprimentouaSra.CoulterepiscouparaLyra,queo
estudoucomexpressãoimpassível.Edepoisoapartamento...
Lyrasófaziaabriraboca.
Emsuacurtavida,elajáhaviavistomuitabeleza,maseraumabeleza
jordaniana,umabelezaoxfordiana-imponente,pétrea,masculina.Na
FaculdadeJordan,muitacoisaeragrandiosa,masnadaeramimoso;no
apartamentodaSra.Coultertudoeramimoso.Eleeracheiodeluz,poisas
janelaslargaseramviradasparaosul,easparedeseramcobertasdeum
delicadopapellistadoembrancoedourado.Quadrosencantadoresem
moldurasdouradas,umespelhoantigo,arandelasinteressantesservindo
debaseparalumináriasanbáricascomcúpulasembabadadas;ebabados
nasalmofadas,também,esanefasestampadasdefloresescondendoo
trilhodascortinas,eummaciotapeteverdeestampadodefolhas;eaos
olhosinocentesdeLyrapareciaquecadasuperfícieestavacobertade
lindascaixinhas,pastorasearlequinsdeporcelana.
ASra.Coultersorriudaadmiraçãodamenina.
-É,Lyra,hátantacoisaparalhemostrar!Tireocasacoevoulevá-laatéo
banheiro.Vocêpodeselavar,depoisvamosalmoçarefazercompras...O
banheiroeraoutramaravilha.Lyraestavaacostumadaalavar-secomum
grosseirosabãoamarelonumabaciatrincada,ondeaáguaquepingava
dastorneirasnuncaficavamaisdoquemorna,emuitasvezesvinha
pintalgadadeferrugem;masaliaáguaeraquente,osabãoeracor-de-rosa
eastoalhaseramfelpudasemaciascomonuvens.Eemvoltadabordado
espelhofumêhaviapequenasluzescor-de-rosa,demodoquequandoLyra
olhou-seaoespelhoelaviuumafigurailuminadasuavemente,bem
diferentedaLyraqueelaconhecia.Pantalaimon,queprocuravaimitara
formadodaemondaSra.Coulter,estavaagachadonabeiradadabacia,
fazendocaretasparaela.Elaoempurrouparadentrodaáguaensaboada
ederepentelembrou-sedoaletômetronobolsodocasaco.Tinhadeixadoo
casaconumacadeiranasala.TinhaprometidoaoReitorguardarsegredo
daSra.Coulter...
Ah,aquiloeraconfuso.ASra.Coultereratãoboaesábia,aopassoque
LyratinhavistooReitortentandoenvenenartioAsriel.Aqualdosdoisela
deviamaisobediência?
Enxugou-seàspressasecorreudevoltaparaasala,ondeseucasacoainda
estavaintocado,naturalmente.
-Pronta?AchoquepodemosiralmoçarnoRégioInstitutodoPóloÁrtico.
Souumadaspoucasmulheresmembros,demodoqueémelhorusaros
privilégiosquetenho.
Umacaminhadadevinteminutoslevou-asaumimponenteprédiocom
fachadaempedra,ondeelassesentaramnumamplosalãoderefeições
comtoalhasbrancascomoneveetalheresdepratabrilhantesobreas
mesas,ecomeramfígadodevitelaebacon.
-Ofígadodevitelanãofazmal,enemodefoca,massevocêficarsem
comidanoÁrtico,nãodevecomerfígadodeurso.Eleécheiodeumveneno
quemataempoucosminutos.
11HouveemLondresumserviçodemensageirosecarregadoresde
bagagenslevesdesempenhadoporsoldadosveteranosdeguerra.(N.T.)
Enquantocomiam,aSra.Coultercomentavasobrealgunsdosmembros
nasoutrasmesas.
-Estávendoaquelesenhoridoso,degravatavermelha?ÉoCoronel
Carborn.ElefezoprimeirovôodebalãoporcimadoPóloNorte.Eo
homemaltopertodajanela,aquelequeacabadeselevantar,éoDr.
FlechaPartida.
-Eleéescraelingue?
-É,sim.FoielequemmapeouascorrentesoceânicasdoGrandeOceano
Ártico...
Lyracontemploutodosaquelesgrandeshomenscomcuriosidadee
respeito.Eramestudiosos,semdúvida,maseramexploradorestambém.O
Dr.FlechaPartidasabiasobreofígadodosursos;eladuvidavaqueo
BibliotecáriodaJordansoubesse.
Depoisdoalmoço,aSra.Coultermostrou-lhealgumasdaspreciosas
relíquiasdoÁrticonaBibliotecadoInstituto:oarpãoquemataraagrande
baleiaGrimssdur,apedracomainscriçãonumalinguagemdesconhecida
encontradanamãodoexploradorLordeRukh,mortoporcongelamentona
solidãodasuabarraca,umacendedordefogousadopeloCapitãoHudson
emsuafamosaviagemàTerradeVanTieren.Elacontouahistóriadecada
relíquia,eLyrasentiuocoraçãofremirdeadmiraçãoporaquelesgrandes
heróiscorajososedistantes.
Depoisforamàscompras.Tudonaquelediaextraordinárioerauma
experiêncianovaparaLyra,masfazercomprasfoiamaisestonteante.
Entrarnumprédioenormecheioderoupaslindas,ondeaspessoas
deixavamagenteexperimentar,ondeagenteseolhavanosespelhos...Eas
roupaseramtãobonitinhas...AsroupasdeLyratinhamvindoatravésda
Sra.Lonsdale,emuitasdelaseramusadasebastanteremendadas.Ela
raramentetevealgumacoisanova,equandotinha,eraumaroupa
escolhidapelapraticidade,nãopelaaparência;elanuncaescolheraalguma
coisaparasi.Eagora,comaSra.Coultersugerindoisto,elogiandoaquiloe
pagandotudo,emaisainda...
Quandoterminaram,Lyraestavacoradaetinhaosolhosbrilhantesde
cansaço.ASra.Coulterinstruiuqueamaiorpartedasroupasfosse
embaladaeentregueemsuacasa,maslevouumaouduascoisasconsigo
quandoelaeLyracaminharamdevoltaparaoapartamento.
Depois,umbanhocomespumaespessaeperfumada.ASra.Coulterentrou
nobanheiroparalavaroscabelosdeLyra,eelanãoesfregavae
arranhavacomoaSra.Lonsdale.Elaeradelicada.Pantalaimonobservava
comintensacuriosidadeaté
queaSra.Coulterolhouparaele,queentendeuoqueelaqueriadizere
virou-sedecostas,desviandopudicamenteoolhardaquelesmistérios
femininos,comoomacacodouradoestavafazendo.Eleantesdissonunca
tinhaprecisadodesviarosolhosdeLyra.
Então,depoisdobanho,umleitequentecomervas;eumacamisolanova
deflanelacomestampadodefloresebainharecortada,echinelosdelãde
carneirotingidadeazul-claro;edepoisparaacama.
Tãomacia,aquelacama!Tãodelicada,aluzanbáricanamesa-decabeceira!
Eoquartotãoaconchegante,comaspequenasmesas-de-cabeceiraea
penteadeiraeacômodaondeseriamguardadassuasroupasnovas,eum
tapetedeumaparedeàoutra,elindascortinascobertasdeestrelas,luase
planetas!Lyra,tensa,estavacansadademaisparadormir,encantada
demaisparaquestionarqualquercoisa.
DepoisqueaSra.Coulterlhedesejouumaboanoiteesaiudoquarto,
Pantalaimonpuxou-lheocabelo.Elaoafastoucomumgesto,masele
sussurrou:
-Ondeestáonegócio?
Elasabiaoqueelequeriadizer.Ocasacovelhoehumildeestava
penduradonoarmário;segundosdepoiselaestavadevoltanacama,
sentadadepernascruzadasàluzdaluminária,comPantalaimon
observandoatentamenteenquantoeladesdobravaoveludopretoe
contemplavaaquiloqueoReitorlhedera.
-Comofoiqueelechamou?-elacochichou.
-Aletômetro.
Nãoadiantavaperguntaroqueissosignificava.Oobjetopesavanasmãos
dela,afacedecristalbrilhando,ocorpodebronzeprimorosamente
usinado.Eramuitoparecidocomumrelógio,ouumabússola,poishavia
ponteirosapontandoparalugaresemvoltadomostrador,masemvezde
horasoupontoscardeaishaviaváriasfiguraspequeninas,todaspintadas
comprecisãoextraordinária,comosefosseemmarfimcomomaisfinoe
delicadopinceldevisom.Elagirouomostradornasmãosparaobservar
todaselas.Haviaumaâncora;umaampulhetaencimadaporumacaveira;
umtouro,umacolméia...Aotodoeram36desenhos,eelanemimaginavao
quesignificavam.
-Háumbotão,olhe-Pantalaimonavisou.-Vejaseconseguedarcorda
nele.Naverdade,haviatrêspequenospinosgiratóriosfacetados,ecada
ummovimentavaumdostrêsponteirosmenores,quesemoviamemvolta
domostradornumasériedepequenosestalidos.Podiamserapontados
paraqualquerumadasfiguras;eumavezentrandoemposição,
apontandoexatamenteparaocentrodecadauma,elesnãopodiamser
movidos.
Oquartoponteiroeramaiscompridoefino,epareciaserfeitodemetal
menosbrilhantedoqueosoutrostrês.Lyranãoconseguiucontrolaro
movimentodele;eleiaparaondequeria,comoaagulhadeumabússola,
masnãoparava.
-Ofinal"metro"significa"medida"–Pantalaimondeclarou.-Como
termômetro.OCapelãonosensinouisso.
-É,masessaéapartefácil-elarespondeunumcochicho.-Paraqueserá
queserve?
Nenhumdosdoisconseguiuadivinhar.Lyrapassoumuitotempomovendo
osponteirosparaapontarparaumououtrosímbolo(anjo,elmo,golfinho;
globo,bandolim,bússolas;vela,raio,cavalo)eobservandooponteiro
grandemover-sedemodoerráticoeincessante;emboranãotenha
entendidocoisaalguma,elaficouintrigadaedeliciadacomacomplexidade
eodetalhamento.Pantalaimontransformou-senumratoparapoder
chegarmaispertoedescansouaspatasminúsculasnaborda,osolhinhos
redondosnegrosdecuriosidadeenquantoeleobservavaosmovimentos
doponteiro.
-QueéqueachaqueoReitorquisdizersobreotioAsriel?-elaperguntou.
-Talvezagentetenhaquemanteristoemsegurançaedepoisentregara
ele.
-MasoReitoriaenvenenartioAsriel!Talvezsejaocontrário.Talvezele
fossedizer:nãoentregueaoseutio.
-Não-contradissePantalaimon.-Édelaquetemosquemanteristo
escondido...
Ouviram-sebatidaslevesnaporta.ASra.Coulterdisse:
-Lyra,seeufossevocê,apagavaaluz.Vocêestácansada,eteremosmuito
trabalhoamanhã.
Lyratinhadepressaenfiadooaletômetrodebaixodascobertas.
-Estácerto,Sra.Coulter-disse.
-Entãoboanoite.
-Boanoite.
Eladeitou-seeapagoualuz.Antesdeadormecer,enfiouoaletômetro
debaixodotravesseiro,pormedidadesegurança.
5AFESTA
Nosdiasqueseseguiram,LyrafoiatodapartecomaSra.Coulter,quase
comoseelaprópriafosseumdaemon.ASra.Coulterconheciamuitagente,
easduasfrequentavamváriostiposdelugares.Demanhãpodiahaver
umareuniãodegeógrafosnoRégioInstitutodoPóloÁrtico,aqueLyra
assistia;depoisaSra.Coulterpodiaalmoçarcomumpolíticoouumclérigo
numrestauranteelegante,ondetodoserammuitosimpáticoscomLyrae
lheofereciampratosespeciais,eelaaprendeuacomeraspargoseosabor
detripasdecarneiro.Atardetalvezfossemàscompras,poisaSra.Coulter
estavapreparandosuaexpedição-eraprecisocomprarpeles,lonase
botasàprovad'água,assimcomosacosdedormir,facaseinstrumentos
dedesenhoquedeliciaramLyra.
Depoisdissotalvezfossemtomarchácomalgumasdamastãobem
vestidasquantoaSra.Coulter,emboranãotãobelasouelegantes:eram
mulherestãodiferentesdascatedráticas,oudasmãesdefamíliados
barcosgípcios,oudascriadasdasfaculdades,quequasepareciamserde
umsexodiferente,comperigosospoderesequalidadestaiscomo
elegância,charmeegraça.Lyravestia-secomapuroparaessasocasiões,e
asdamasapaparicavam,incluindo-aemsuasconversassutiseagradáveis,
queeramsempresobrepessoas:umartista,umpolítico,doisamantes.
Equandochegavaanoite,aSra.CoultertalvezlevasseLyraaoteatro,onde
tambémhaveriamuitaspessoaselegantescomquemconversarepor
quemseradmirada,poispareciaqueaSra.Coulterconheciatodasas
pessoasimportantesdeLondres.
Nosintervalosdetantasatividades,aSra.Coulterensinava-lheos
rudimentosdegeografiaematemática.AculturadeLyratinhagrandes
lacunas,comoummapa-múndiroídopelosratos,poisnaJordan
ensinavam-lhedesordenadamente:designavamumProfessor-assistente
paraensinar-lhecertasmatériaseelacompareciaàsaulasrelutantemente
duranteumasemana,maisoumenos,atéque
"seesquecia"deaparecer,paragrandealíviodoProfessor.Ouentãoum
Catedráticoesquecia-sedoquedeveriaensinaraelaelheaplicavaum
cursointensivosobreasuapesquisanaépoca,qualquerquefosse;assim,
nãoédeadmirarqueseuconhecimentoseassemelhasseaumacolchade
retalhos.Elaconheciaalgumacoisasobreátomosepartículaselementares,
cargasanbaromagnéticas,asquatroforçasfundamentaisemaisumou
outroitemdateologiaexperimental,masnadasobreosistemasolar.Na
verdade,quandoaSra.CoulterpercebeuissoelheexplicouqueaTerrae
osoutroscincoplanetasgiravamaoredordosol,Lyrariudapiada.
Noentantoestavaansiosaparamostrarquesabiaalgumascoisas,e
quandoaSra.Coulterestavalhefalandodoselétrons,elaafirmou,comar
desapiência:
-É,sãopartículascomcarganegativa.UmpoucoparecidoscomoPó,maso
Pónãotemcarga.
Assimqueeladisseisso,odaemondaSra.Coulterergueuacabeçapara
olharparaela,etodosospêlosdouradoseriçaram-se,comoseeles
própriosfossemcarregados.ASra.Coulterpousouamãonodorsodo
daemon.
-Pó?-ecoou,emtomdepergunta.
-Sim.Doespaço,asenhorasabe.AquelePó.
-Queéquevocêsabesobreisso,Lyra?
-Ah,queelevemdoespaçoeacendeaspessoas,seagentetiveruma
câmeraespecialparafilmar.Masascriançasnão.Elenãoafetaascrianças.
-Ondefoiqueaprendeuisso?
Aessaaltura,Lyrapercebiaquehaviaumafortetensãonoar,porque
Pantalaimontinhaseesgueiradocomoumarminhoparaocolodela,e
tremiaviolentamente.
-UmapessoalánaJordan-disseameninaemtomvago.
-Nãomelembroquem.AchoquefoiumdosCatedráticos.
-Foiduranteumaaula?
-É,podetersido,ouentãopodetersidoditodepassagem.É,achoquefoi
isso.AqueleProfessor,achoqueeleeradaNovaDinamarca,eleestava
conversandocomoCapelãosobreoPó,euestavapassandoeachei
interessante.Entãotivequeparareescutar.Foiisso.
-Entendo-fezaSra.Coulter.
-Estácorretooqueelemedisse?Euentendierrado?
-Bem,nãosei.Tenhocertezadequevocêsabemuitomaisqueeu.Vamos
voltarparaoselétrons...
MaistardePantalaimondisse:
-Lembraquandoodaemondelaarrepiou-setodo?Euestavaatrásdele,e
elaagarrouapeledelecomtantaforça,queosnósdosdedosdelaficaram
brancos.Nãodavaparavocêver.Demoroumuitoatéelevoltaraonormal.
Penseiqueiapularemcimadevocê.
Aquiloeraestranho,semdúvida;masnenhumdelestinhaidéiadoporquê.
Efinalmentehaviaoutrotipodeaulas,dadascomsutilezaquenão
pareciamaulas:comolavaroscabelos,escolherascoresqueafavoreciam,
comodizernãodemaneiratãoencantadoraquenãocausasseofensa,
comopassarbatom,pó,perfume.ÉverdadequeaSra.Coulternãoensinou
estasúltimasartesdiretamente,massabiaqueLyraestavaobservando
enquantoelasemaquilava,etomavacuidadoparaqueLyravisseondeela
guardavaoscosméticoseparalheproporcionarumtempolivrepara
explorá-loseexperimentá-los.
Otempopassou,eooutonocomeçouavirarinverno.Devezemquando
LyrapensavanaFaculdadeJordan,quelhepareciapequenaesossegada,
emcomparaçãocomavidaagitadaqueelalevavaagora.Devezem
quando,pensavaemRoger,também,eficavainquieta,mashaviasempre
umaópera,ouumvestidonovo,ouumavisitaaoRégioInstitutodoPólo
Ártico,eelatornavaaesquecer-sedele.
QuandojáhaviacercadeseissemanasqueLyramoravalá,aSra.Coulter
resolveudarumafesta.Lyratinhaaimpressãodequehaviaumacoisaa
sercomemorada,emboraaSra.Coulternãodissesseoqueera.Ela
encomendouflores,debateudrinquesecanapéscomafirmadobufê,
passouhorascomLyradecidindoquemconvidar.
-TemosquechamaroArcebispo.Nãopossodeixá-lodefora,emboraele
sejaumvelhoodientoeesnobe.OLordeBorealestánacidade;eleé
divertido.EaPrincesaPostnikova.AchaqueseriacorretoconvidarErik
Andersson?Nãoseisejá
estánahoradeadmiti-lo...
ErikAnderssoneraomaisrecentedançarinodamoda.Lyranãotinha
idéiadoquesignificava"admitir",masmesmoassimgostavadedarsua
opinião.Anotoutodososnomesqueasra.Coultersugeriu,commuitos
errosdeortografia,depoisriscava-osquandoaSra.Coulterresolvianão
convidá-los.QuandoLyrafoideitar-se,Pantalaimoncochichou-lhe:
-ElanuncairáparaoNorte!Vainosprenderaquiparasempre.Quandoé
quevamosfugir?
-Vai,sim-Lyracochichoudevolta.-Équevocênãogostadela.Bem,azar
oseu;eugostodela.Eporqueelaianosensinarnavegaçãosenão
pretendenoslevarparaoNorte?
-Paraquevocênãofiqueimpaciente,sóporisso.Você,naverdade,nãovai
quererficarplantadanafestasendosimpáticaebonitinha.Elaestá
fazendodevocê
umbichinhodeestimação.
Lyravirou-lheascostasefechouosolhos.MasoquePantalaimontinha
ditoeraverdadeiro:elavinhasesentindopresaeoprimidaporaquela
vidadeetiqueta,pormaisluxuosaquefosse.Agarotadariaqualquercoisa
porumdiacomseusamigosmolequesdeOxford,comumabatalhanos
Barreiroseumacorridaaolongodocanal.Aúnicacoisaquelhefaziaser
educadaeatentacomaSra.Coultereraatentadoraesperançadeirparao
Norte-talvezencontrassemLordeAsriel,talvezeleeaSra.Coulterse
apaixonassem,secasassemeadotassemLyra,esalvassemRogerdos
Papões.
Natardedafesta,aSra.CoulterlevouLyraaumcabeleireirodamoda,
ondeseusrebeldescachoslourosforamamaciadosepenteados,esuas
unhasforamlixadasepintadas;aplicaram-lheatéumpoucode
maquilagemnosolhosenoslábios,paraensinarcomofazerisso.Depois
elasforambuscarovestidoqueaSra.Coultertinhamandadofazerpara
Lyra,ecompraramsapatosdeverniz;entãochegouahoradevoltarparao
apartamento,verificarasfloresevestir-se.Lyrasaiudoquartoradiante
comasensaçãodasuaprópriaformosura.
-Abolsaatiracolo,não,querida-disseaSra.Coulter.
Lyratinhaohábitodelevarsempreconsigoumabolsinhaatiracolode
courobranco,parateroaletômetrosempreperto.
ASra.Coulter,ajeitandoumbuquêderosasquetinhasidomalcolocado
dentrodeumvaso,viuqueLyranãosemovia,eolhoufixamenteparaa
porta.
-Ah,porfavor,Sra.Coulter,euadoroestabolsa!
-Nãodentrodecasa,Lyra.Éabsurdousarumabolsaatiracoloemsua
própriacasa.Guarde-aimediatamenteevenhameajudaraverificaressas
taças...Nãofoiapenasotomirritadocomotambémaspalavras"emsua
própriacasa"quefizeramLyraresistircomteimosia.
Pantalaimonvoouparaochãoeimediatamentetornou-seumgambá,
arqueandoascostascontraasmeiassoquetesbrancasqueelausava.
Assimencorajada,Lyradisse:
-Maselanãovaiatrapalhar.Eéaúnicacoisaqueeugostomesmodeusar.
Achoqueelarealmentecombinacom...
Elanãoterminouafrase,poisodaemondaSra.Coultersaltoudosofá
comoumraiodouradoeprendeuPantalaimonnotapeteantesqueesse
pudessesemover.Lyrasoltouumaexclamaçãodesusto,depoisdemedoe
dor,enquantoPantalaimonsecontorcia,guinchandoerosnando,sem
conseguirsoltar-sedasgarrasdomacacodourado.Poucossegundos
depois,omacacotinhaumadaspatasnegrasemvoltadagargantade
Pantalaimoneasduaspatastraseirasprendendoaspernasdogambá;
comaoutrapatadianteiraomacacoagarrouumadasorelhasde
Pantalaimonepôs-seapuxá-lacomosequisessearrancá-la.Nãoparecia
fazeraquilocomraiva,mascomumaforçafriaqueerahorríveldevere
aindapiordesentir.
Lyrachoravadeterror.
-Não!Porfavor!Paredenosmachucar!
ASra.Coulterergueuosolhosdasflores.
-Entãofaçaoqueeumando-disse.
-Euprometo!
OmacacodouradolargouPantalaimon,comosederepentesesentisse
entediado.PantalaimonvoouparaLyra,queopegounocoloparaacariciáloebeijálo.
-Agora,Lyra-disseaSra.Coulter.
Lyravirou-sedecostas,foiparaseuquartobatendoaportaatrásdesi,
masestanomesmoinstantetornouaabrir-se;aSra.Coulterestavaparada
amenosdeummetro.
-Lyra.sevocêsecomportardestamaneiragrosseiraevulgar,vamos
brigar,eeuvouvencer.Largueestabolsaimediatamente.Desmancheesta
caretadesagradável.Nuncamaisbataumaporta,naminhapresençaou
longedela.Agora,osprimeirosconvidadosvãochegarempoucosminutos,
evãoacharvocê
simpática,encantadora,inocente,educada,decomportamentoimpecável.
Esteéomeudesejo,estámeentendendo,Lyra?
-Sim,Sra.Coulter.
-Entãomedêumbeijo.
Elainclinou-seeofereceuaface;Lyratevequeficarnapontadospéspara
beijá-la.NotouamaciezdapeleeocheiroleveecuriosodacarnedaSra.
Coulter:perfumado,masumpoucometálico.Elaafastou-seecolocoua
bolsasobreapenteadeira,antesdeseguiraSra.Coulterdevoltaàsala.
-Queéqueestáachandodasflores,minhacara?-aSra.Coulterperguntou
comosenadativesseacontecido.–Escolherrosaségarantiadenãoerrar,
masoexageropodeficarfeio...Seráqueopessoaldobufêtrouxegelo
suficiente?Façameestagentileza,váverificar.Bebidaquenteéhorrível...
Lyraachoumuitofácilfingirestaralegreesimpática,emboraotempotodo
estivesseconscientedacontrariedadedePantalaimonedoódiodelepelo
macacodourado.Finalmentesoouacampainhadaporta,elogooaposento
estavarepletodesenhorasvestidasnorigordamodaecavalheiros
bonitõesouelegantes.Lyramovia-seentreelesoferecendocanapésou
sorrindocomdoçuraedandorespostasbonitinhasquandofalavamcom
ela.Elasesentiaumbichinhodeestimaçãouniversal;enoinstanteemque
pensouisso,Pantalaimonestendeusuasasasdepintassilgoepioubem
alto.
Elasentiuasatisfaçãodeleaoperceberessessentimentosdelaeficouum
poucomaisretraída.
-Equandoéquevaiparaaescola,minhacara?–perguntouumadama
idosa,examinandoLyraatravésdeumpincenê.
-Nãovouparaaescola-disse-lheLyra.
-Émesmo?Penseiquesuamãeiamandá-laparaaescoladela.Umlugar
bastantesatisfatório...
Lyraficouperplexa,atéentenderoequívocodavelhasenhora.
-Ah,elanãoéminhamãe!Eusousóaassistentedela.Souasecretária
disse,emtomimportante.
-Entendo.Equemsãoseuspais?
MaisumavezLyratevequeraciocinarparaentenderoqueelaqueria
dizer,antesderesponder:
-Umcondeeumacondessa.Morreramnumacidenteaeronáuticono
Norte.
-Queconde?
-OCondeBelacqua.EleerairmãodoLordeAsriel.
Odaemondadama,umaespéciedepapagaiovermelho,mexeu-sedeum
pé
paraooutro,comoseestivesseirritado.Avelhasenhoraestava
começandoamostrarfortecuriosidade,demodoqueLyrasorriucom
doçuraeseguiuemfrente.Estavapassandoporumgrupodehomense
umamulherjovempertodosofá
grandequandoouviuapalavra"Pó".Aessaaltura,elajáconhecia
suficientementeasociedadeparaperceberquandohomensemulheres
estavamflertando,eobservavafascinadaoprocesso,emboraficassemais
fascinadapelamençãoaoPó,edeixou-seficarporaliparaescutar.Os
homenspareciamserCatedráticos;pelomodocomoamoçaosinterrogava,
Lyraconcluiuqueelaeraestudante.
-Quemdescobriufoiummoscovita,umhomemchamadoRusakov-dizia
umhomemdemeia-idade,enquantoamoçaocontemplavacom
admiração.-Sejá
souberdessascoisas,meavise.Bom,elascostumamserchamadasde
PartículasdeRusakov,porcausadele.Partículaselementaresquenão
interagemcomoutrasdemaneiraalguma.Muitodifíceisdeserem
detectadas.Masoextraordinárioéqueparecequeelassãoatraídaspelos
sereshumanos.
-Émesmo?-fezajovem,arregalandoosolhos.
-Aindamaisextraordinário:algunssereshumanosmaisdoqueoutros
prosseguiuele.-Osadultosasatraem,masnãoascrianças.Pelomenos
nãomuito,esódepoisdaadolescência.Aliás,foiexatamenteporisso...-Ele
baixouavozechegoumaispertodamoça,colocandoamãonoombrodela.
–FoiexatamenteporissoqueoConselhodeOblaçãofoicriado.Aliás,como
anossaboaanfitriãpoderialhecontar.
-Émesmo?ElaestáenvolvidacomoConselhodeOblação?
-Minhacara,elaéopróprioConselhodeOblação.Oprojetoéinteiramente
dela...OhomemiacontarmaisalgumacoisaquandoreparouemLyra.Ela
oencarousempestanejar,etalvezeletenhabebidoumpoucodemais,ou
talvezestivesseansiosoparaimpressionaramoça,poisdisse:
-Estasenhoritasabetudosobreisso,aposto.VocêestáasalvodoConselho
deOblação,nãoestá,minhacara?
-Ah,sim-disseLyra.-Aquiestouasalvodetodomundo.Ondeeumorava,
emOxford,haviatodotipodecoisasperigosas.Haviaosgípcios,eles
roubamcriançasevendemcomoescravosparaosturcos.EemPort
Meadownaluacheiaháumlobisomemquesaidovelhoconventoem
Gostow.Umavezeuescuteiouivodele.EtambémosPapões...
-Édissoqueestoufalando-interrompeuohomem.-Éassimquechamam
oConselhodeOblação,nãoé?
LyrasentiuPantalaimonestremecerderepente,maseleestavamuitobem
comportado.Osdaemonsdosdoisadultos,umagataeumaborboleta,
pareciamnãoterpercebido.
-Papões?-repetiuamoça.-Quenomeestranho!Porquechamamde
Papões?
Lyraestavaprestesacontaraelaumadashistóriasdearrepiaroscabelos
queelahaviainventadoparaassustarosgarotosdeOxford,masohomem
jáestavafalando.
-Devetersidoporcausadalendadeumbichodevoradorquecome
crianças.Ninguémsabedireito,nemopróprioConselhodeOblação,mas
elesacharammuitobomincentivaressateoriadobicho-papão.Conselho
GeraldeOblação...Umaidéiabemantiga,aliás.NaIdadeMédia,ospais
davamosfilhosparaaIgreja,paraseremmongesoufreiras.Eascoitadas
dascriançaseramconhecidascomooblatos.Significaumsacrifício,uma
oferta,algoassim.Demodoqueessaidéiafoiaproveitadaquandoestavam
pesquisandoessenegóciodoPó...comonossaamiguinhaprovavelmente
sabe.PorquenãovaiconversarcomLordeBoreal?acrescentou,dirigindosediretamenteaLyra.-Tenhocertezadequeelegostariadeconhecera
protegidadaSra.Coulter...Éaquele,ali,ohomemdecabelosgrisalhose
umdaemon-serpente.
Lyrasabiaqueelequerialivrar-sedelaparaconversarmais
tranqüilamentecomajovem.Masajovem,aoqueparecia,aindaestava
interessadaemLyraeafastou-sedohomemparaconversarcomela.
-Espereuminstante...qualéoseunome?
-Lyra.
-EusouAdeleStarminster.Soujornalista.Podemosconversarumpouco?
Achandomuitonaturalqueaspessoasquisessemconversarcomela,Lyra
dissesimplesmente:
-Sim.
Odaemon-borboletaergueu-senoar,voejandoparaaesquerdaeadireita,
ebaixouumpoucoparacochicharalgumacoisa,eAdeleStarminsterdisse:
-Vamosatéobancodajanela.
EraolugarfavoritodeLyra;dalicontemplava-seorio,eàquelahorada
noiteasluzesdamargemopostabrilhavamacimadeseusreflexosnaágua
escuradamaréalta.Umafiladebalsassubiaorio,puxadaporum
rebocador.AdeleStarminstersentou-seedeslizoupelaalmofadapara
deixarlugarparaLyra.
-OProfessorDockerdissequevocêtemumacertaligaçãocomaSra.
Coulter.
-Éverdade.
-Queligaçãoé?Vocênãoéfilhadela,oualgoassim?Achoqueeudeveria
conhecer...
-Não!Claroquenão.Souasecretáriadela–Lyraesclareceu.
-Secretáriadela?Vocêéumpouconovinhaparaisso,nãoé?Penseique
fosseumaparenta,oucoisaassim.Comoéela?
-Émuitointeligente-disseLyra.Antesdessanoite,elateriaditomuito
mais,porémascoisasestavammudando.
-Sim,maspessoalmente-insistiuAdeleStarminster.-Querodizer,elaé
amigável,ouimpaciente,ouoquê?Vocêmoraaquicomela?Comoelaéna
vidaparticular?
-Émuitoboazinha-disseLyra,inabalável.
-Quetipodecoisasvocêfaz?Comoéoseutrabalho?
-Façocálculos,coisasassim.Paranavegação,porexemplo.
-Ah,entendo...Edeondevocêvem?Comoémesmooseunome?
-Lyra.VenhodeOxford.
-PorqueaSra.Coulterescolheuvocêpara...
Derepenteelaemudeceu,porqueaSra.Coulterempessoatinha
aparecidoaoladodela.PelomodocomoAdeleStarminsterolhouparaela,
epelaagitaçãodaborboletaesvoaçandoemvoltadacabeçadajornalista,
Lyrapercebiaqueajovemnãoforaconvidadaparaafesta.
-Nãoseioseunome,masvoudescobrirdentrodecincominutos,eentão
vocênuncamaisvaitrabalharcomojornalista-disseaSra.Coulteremvoz
baixa.Agoralevante-secommuitacalma,semfazercena,eváembora.
Devoacrescentarquequemquerquetenhatrazidovocêaquivaisofrer
também.
ASra.Coulterpareciaestarcarregadadealgumaespéciedeforça
anbárica.Chegavaaterumcheirodiferente:umcheiroquente,comometal
aquecido,saíadeseucorpo.Lyrasentiraumpoucodelemaiscedo,mas
agoraelaoviadirigidoaoutrapessoa,eapobreAdeleStarminsternão
teveforçaspararesistir.Seudaemoncaiuemseuombroebateuduas
vezesaslindasasasantesdedesmaiar,eaprópriamulherpareciaincapaz
deficarempéereta.Compassostortosecostasligeiramentecurvadas,ela
atravessouamultidãoqueconversavaruidosamenteesaiupelaportada
sala.Comumadasmãosagarradaaoombro,elaamparavaodaemon
desfalecido.
-Bem?-aSra.CoulterdisseparaLyra.
-Nãoconteinadadeimportante-Lyrafalou.
-Quefoiqueelaestavaperguntando?
-Sóoqueeufaçoequemeusou,coisasassim.
Enquantofalava,LyrapercebeuqueaSra.Coulterestavasozinha,semseu
daemon.Comopodiaserisso?Mas,nomomentoseguinte,omacaco
douradoapareceuaoladodelae,inclinando-se,elapegouamãodelee
numgestograciosopuxou-oparaseuombro.Nomesmoinstante,ela
pareceutranqüilanovamente.
-Seencontrarqualquerpessoaqueflagrantementenãofoiconvidada,
minhacara,porfavormeprocureemeavise,estábem?
Ocheiroquentedemetalestavadesaparecendo.TalvezLyrativesse
apenasimaginadoaquilo.ElasentianovamenteoperfumedaSra.Coulter,
edasrosas,edafumaçadacigarrilha,eoperfumedasoutrasmulheres.A
Sra.CoulterdeuaLyraumsorrisoquepareciadizer"Vocêeeu
compreendemosessascoisas,nãoé?",eafastou-separaconversarcomos
convidados.
PantalaimoncochichouaoouvidodeLyra:
-Enquantoelaestavaaqui,odaemondelaestavasaindodonossoquarto.
Andouespionandoporlá.Elesabedoaletômetro!Lyrasentiuqueisso
provavelmenteeraverdade,masnadapodiafazerarespeito.Oqueaquele
CatedráticoestavadizendosobreosPapões?Olhouemvoltaàprocura
dele,mas,nomesmoinstanteemqueoavistou,omensageiro(usando
nessanoiteumtrajedecriado)eoutrohomemtocaramnoombrodo
Professorefalaramcomeleemvozbaixa;eleempalideceueseguiu-os
paraforadasala.Aquilonãolevoumaisquedoissegundos,efoifeitocom
tantadiscriçãoquequaseninguémpercebeu.MasdeixouLyraaflitaese
sentindoexposta.
Elavagoupelasduasamplassalasondeafestaestavaacontecendo,mal
ouvindoasconversasàsuavolta,meiointeressadanosabordoscoquetéis
quenãotinhapermissãodeexperimentar,ecadavezmaisirritada.Não
haviapercebidoquealguémaobservavaatéqueomensageirosurgiuao
seuladoeinclinou-separadizer:
-Srta.Lyra,ocavalheiropertodalareiragostariadeconversarcomvocê.
Sevocênãosabe,eleéoLordeBoreal.
Lyraolhouparaooutroladodasala.Ohomemgrisalhoaparentando
poderolhavadiretamenteparaela;quandoosolharesseencontraram,ele
assentiuechamou-acomumgesto.
Demávontade,porémagoramaisinteressada,elaatravessouasala.
-Boanoite,filha-disseele.Suavozerasuaveecheiadeautoridade.A
cabeçaescamosaeosolhoscordeesmeraldadoseudaemonserpente
cintilavamàluzdalumináriadecristalnaparedevizinha.
-Boanoite-respondeuLyra.
-Comovaimeuvelhoamigo,oReitordaJordan?
-Muitobem,obrigada.
-Imaginoquetodosficaramtristesquandovocêpartiu.
-Ficaram,sim.
-EaSra.Coulterestámantendovocêocupada?Queéqueelaestálhe
ensinando?
Porestarsesentindorevoltadaeinquieta,Lyranãorespondeuaesta
perguntapaternalistacomaverdade,oucomumdoscostumeiros
produtosdasuaimaginação,masdisse:
-EstouaprendendotudosobreaspartículasdeRusakoveoConselhode
Oblação.
Eleimediatamentepareceuseconcentrar,comosepodeconcentraro
fachodeumalanternaanbárica.Todaaatençãodelejorravasobreelacom
força.
-Esevocêmecontaroquesabe?-disseele.
-EstãofazendoexperiênciasnoNorte-Lyracontou.Agoraestavase
sentindoarrojada.-ComooDr.Grumman.
-Continue.
-ElestêmumaespéciedefotogramaespecialondesepodeveroPó,e
quandoagentevêumhomem,parecequealuztodaestáindoparaele,e
nenhumaparaumacriança.Pelomenosnãomuita.
-ASra.Coulterlhemostrouumfotogramaassim?
Lyrahesitou,poisissonãoeramentiresimoutracoisa,emqueelanão
tinhaprática.
-Não-respondeudepoisdeuminstante.-EuvinaFaculdadeJordan.
-Quemfoiquelhemostrou?
-Elenãoestavamostrandoparamim-Lyraadmitiu.
-Euestavapassandoevi.EentãomeuamigoRogerfoilevadopelo
ConselhodeOblação.Mas...
-Quemlhemostrouofotograma?
-OmeutioAsriel.
-Quando?
-NaúltimavezemqueeleestevenaFaculdadeJordan.
-Entendo.Equemaisvocêandouaprendendo?Seráqueouvivocê
mencionaroConselhodeOblação?
-Foi,sim.Masnãoouviissodele,ouviaqui.
Oqueeraapuraverdade,elapensou.
Eleaestudavacomosolhosapertados.Eladevolveuoolharcomtodaa
inocênciaquepossuía.Finalmenteeleassentiu.
-EntãoaSra.Coulterdeveterresolvidoquevocêestáprontaparaajudá-la
nessetrabalho.Interessante.Vocêjátomouparte?
-Não-disseLyra.
Elapensava:dequeeleestáfalando?Pantalaimon,comesperteza,tinhaa
suaformamaisinexpressiva,umamariposa,enãopoderiadelataros
sentimentosdela;eelapensaraqueconseguiriamanteraexpressão
inocente.
-Eelalhecontouoqueacontececomascrianças?
-Não,issoelanãomecontou.EusóseiquetemavercomoPó,eelassão
umaespéciedesacrifício.
Tambémissonãoeraexatamenteumamentira,elapensou;afinal,não
tinhaditoqueaSra.Coulterlhecontaraisso.
-"Sacrifício"éumapalavrameioforte.Oqueéfeitoéparaobemdelas,
assimcomoonosso.EéclaroquetodasacompanhamaSra.Coulterpor
vontadeprópria.Éporissoqueelaétãopreciosa.Elastêmquequerer
fazerparte,equalacriançaquepoderiaresistiraela?Eseelavaiusar
vocêtambémparatrazê-las,melhorainda.Estoumuitocontente.
EledeuumsorrisocomoodaSra.Coulter:comoseambos
compartilhassemumsegredo.Elasorriudevoltaeducadamente,eele
virou-separaconversarcomoutrapessoa.
ElaePantalaimonsentiamohorrorumdooutro.Elaqueriaficarsozinhae
conversarcomele;tinhavontadededeixaroapartamento;queriavoltar
paraaFaculdadeJordaneparaseuquartinhohumildenaEscadariaDoze;
queriaencontrarLordeAsriel...
Ecomoemrespostaaessedesejo,elaouviuonomedelesermencionado,e
comopretextodeseservirdeumcanapénumabandejasobreamesa,
aproximousedogrupoqueconversavaaliperto.Umhomemcoma
púrpuradebispoestavadizendo:
-Não,eunãoachoqueLordeAsrielvainosincomodarporbastantetempo.
-Eondemesmoeleestápreso?
-NafortalezadeSvalbard,medisseram.Vigiadopelospanserbjornes,
sabem,osursosdearmadura.Criaturastremendas!Elenãovaiconseguir
escaparnememmilanos.Ofatoéqueeurealmenteachoqueocaminho
estábemclaro...
-Asúltimasexperiênciasconfirmaramoqueeusempreacreditei:queoPó
é
umaemanaçãodopróprioprincípiodastrevase...
-Seráqueestoudetectandoaheresiazoroastriana?
-Oquecostumavaserumaheresia...
-Esepudéssemosisolaroprincípiodastrevas...
-VocêdisseSvalbard?
-Ursosdearmadura...
-OConselhodeOblação...
-Ascriançasnãosofrem,tenhocertezadisso...
-LordeAsrielprisioneiro...
Lyratinhaouvidoosuficiente.Elavirou-se,emovendo-sesemruído,foi
paraoseuquartoefechouaporta,abafandoobarulhodafesta.
-Eentão?-cochichou,ePantalaimonsetornouumpintassilgonoombro
dela.
-Vamosfugir?-elecochichouemresposta.
-Claro.Seformosagora,comtodaessagente,elapodenãoperceberpor
algumtempo.
-Maselepercebe.
PantalaimonestavafalandododaemondaSra.Coulter.
QuandoLyrapensavanaquelafiguradouradaeesguia,elasentianáuseas
demedo.
-Destavezvoulutarcomele-afirmouPantalaimoncorajosamente.-Eu
possomudar,eelenãopode;voumudartãodepressaqueelenãovai
conseguirmesegurar.Destavezeuvouvencer,vocêvaiver.
Lyraassentiudistraidamente.Queroupadeveriavestir?Comopoderiasair
semservista?
-Vocêvaiterqueirvigiar-cochichou.-Assimqueocaminhoestiverlivre
nósteremosquecorrer.Sejamariposa-acrescentou.-Lembre-se,no
instanteemqueninguémestiverolhando...
Elaabriuumafrestadaporta,eelesaiu,umpontinhoescurocontraaluz
quenteeróseadocorredor.
Enquantoisso,elavestiaasroupasmaisquentesquepossuíaeenfiava
maisalgumasnumadasbolsasdesedacarboníferacompradanaloja
elegantequeelashaviamvisitadonaquelamesmatarde.ASra.Coulter
tinhalhedadodinheirocomose,emvezdemoedas,fossembiscoitos,e
emboraLyrativessegastadoprodigamente,aindasobraramvários
soberanos,queelacolocounobolsodoseucasacodepeledelobo.
Finalmenteelaguardouoaletômetrodentrodopedaçodeveludopreto.
Teriaaquelemacacoabominávelencontradooaparelho?Certamenteque
sim;comcertezatinhacontadoàSra.Coulter;ah,seotivesseescondido
melhor...Foipéantepéatéaporta.Porsorteseuquartodavaparaofinal
docorredormaispertodosaguão,eamaioriadosconvidadosestavanas
duassalasmaisdistantes.Haviaosomdevozesconversandoemvozbem
alta,risos,oruídoabafadodeumadescargasanitária,otilintardecopos;e
entãoumavozinhademariposadisseemseuouvido:
-Agora!Depressa!
Elaesgueirou-sepelaportaesaiuparaocorredor,eemmenosdetrês
segundosestavaabrindoaportadafrentedoapartamento.Uminstante
depoisjá
passaraporela,fechando-aatrásdesi,ecomPantalaimonnovamente
comopintassilgo,elacorreuparaasescadasefugiudali.
6ASTARRAFAS
Elacaminhoudepressa,afastando-sedorio,porqueacalçadaaolongoda
margemeralargaebemiluminada.Haviaumemaranhadoderuelasentre
aquelelugareoRégioInstitutodoPóloÁrtico,queeraoúnicolugarque
Lyratinhacertezadeconseguirlocalizar,efoinesselabirintoescuroque
elapenetrou.SeaomenosconhecesseLondrestãobemquantoconhecia
Oxford!Entãosaberiaasruasaseremevitadas,ouondeconseguiria
comida,ou,melhorquetudo,emqueportabaterparaconseguirabrigo.
Naquelanoitefria,osbecosescurosà
suavoltapululavamdemovimentoevidasecreta,eeladenadasabia
sobreisso.Pantalaimontornou-seumgato-do-mato,passandoaexaminar
aescuridãocomseusolhosqueenxergavamànoite.Atodomomento,ele
parava,arrepiandose,eelaevitavaaruelaemqueestavaprestesaentrar
.Anoiteestavacheiaderuídos;gargalhadasébrias,duasvozesestridentes
elevando-senumacanção,estalidoserangidosvindodealgumamáquina
mallubrificadanumporãoqualquer.Lyracaminhavacuidadosamentepor
issotudo,mantendo-senassombrasenosbecosestreitos,seussentidos
expandidosemisturadoscomosdePantalaimon.Devezemquando,ela
precisavaatravessarumaruamaislarga,bemiluminada,ondeosbondes
zumbiamefaiscavamsobseusfiosanbáricos.Haviaregraspara
atravessarasruaslondrinas,maselanãodavaatençãoaisso,equando
alguémgritava,elafugia.
Eraótimoestarlivreoutravez!ElasabiaquePantalaimon,caminhando
comseuspassinhosdegato-do-matoaseulado,sentiaamesmaalegriapor
estaraoarlivre,mesmosendoopoluídoarlondrino,carregadodefumaça
efuligem,erepletodebarulho.Eleslogoteriamquemeditarsobreo
significadodoquetinhamouvidonoapartamentodaSra.Coulter,mas
aindanãoeraomomento.Eemalgummomentoteriamqueencontrarum
lugarparadormir.
Numaesquinaondehaviaumagrandelojadedepartamentoscomvitrines
cujobrilhoseespelhavanacalçadamolhada,haviatambémumabancade
café:umabarraquinhasobrerodascomumbalcãosobajanelade
madeiraqueseabriaparacimaeficavacomoumtoldo.Ládentrobrilhava
umaluzamarela,eocheirodocaféespalhava-sepeloar.Oproprietário,de
jalecobranco,estavadebruçadosobreobalcão,conversandocomdoisou
trêsfregueses.
Aquiloeratentador;Lyraestavaandandohaviaumahora,eanoiteestava
friaeúmida.ComPantalaimontransformadoempardal,elafoiatéobalcão
elevantouamãoparachamaraatençãodoproprietário.
-Umcaféeumsanduíchedepresunto-pediu.
-Estánaruaatétarde,minhacara-disseumcavalheirodecartolae
cachecoldeseda.
-É-fezela,dando-lheascostasparaobservaromovimentadocruzamento.
Numteatroaliperto,asessãoterminaraegruposdepessoasocupavama
calçadailuminada,chamandoostáxisaosgritos,vestindoossobretudos.
NaoutradireçãoficavaaentradadeumaEstaçãodeTremCtônico12,com
muitagentesubindoedescendoaescada.
-Pronto,meubem-disseodonodabarraca.–sãodoisxelins.
-Deixequeeupago-ofereceuohomemdecartola.
12Ctônico:traduçãoliteraldechthonic,quesignificasubterrâneo.(N.T.)
Lyrapensou:porquenão?Consigocorrermaisdepressaqueele,emais
tardepossoprecisardetodoomeudinheiro.Ohomemdecartoladeixou
cairumamoedanobalcãoesorriuparaela.Seudaemoneraumalêmure;
agarradaàlapeladele,elaencaravaLyradeolhosarregalados.
Lyramordeuosanduíche,comosolhosvoltadosparaomovimentodarua.
Nãotinhaidéiadeondeestava,porquenuncahaviavistoummapade
Londresesequersabiaotamanhodacidadeeseteriaquecaminhar
muitoparachegaraocampo.
-Qualéoseunome?-ohomemperguntou.
-Alice.
-Quelindonome.Deixe-mecolocarumagotinhadissonoseucafé...Para
lhedarcalor...
Eleestavatirandoatampadeumfrascodeprata.
-Nãogosto-protestouela.-Gostosódecafé.
-Apostoquenuncatomouconhaqueassimantes.
-Tomei,sim.Vomiteitudo.Tomeiumagarrafainteira,ouquase.
-Façacomoquiser-disseohomem,vertendooconhaqueemseupróprio
café.-Aondeestáindo,assimsozinha?
-Voumeencontrarcommeupai.
-Equeméele?
-Éumassassino.
-Eleéoquê?
-Jádisse,umassassino.Éaprofissãodele.Estáfazendoumtrabalhoesta
noite.Estoutrazendoroupaslimpasparaele,porqueemgeraleleestá
cobertodesanguenofinaldeumtrabalho.
-Ah,vocêestábrincando.
-Nãoestou,não.
Alêmuresoltouummiadobaixoepassouparatrásdacabeçadohomem,
deondeficouespiandoLyra.Impassível,ameninabebeuocaféecomeuo
restodosanduíche.
-Boanoite-dissefinalmente.-Estouvendopapaichegando.Eleparece
meiozangado.
Ohomemdecartolaolhouemvolta,eLyrapartiunadireçãodamultidão
emfrenteaoteatro.PormaisquetivessevontadedeconheceroTrem
Ctônico(queaSra.Coultertinhaditoquenãoeraparapessoasdesua
classesocial),elaestavatemerosadeficarpresanosubsolo;melhorficar
aoarlivre,ondepoderiacorrersequisesse.
Prosseguiuemsuacaminhadapelasruascadavezmaisescurase
desertas.Estavagaroando,mas,mesmosenãohouvessenuvensnocéuda
cidade,asluzesnãoiamdeixarverasestrelas.
Pantalaimonachavaqueestavamindoparaonorte,masquempoderiater
certeza?
Ruasinfindáveis,decasinhasdetijolosidênticas,comjardinsondesócabia
umalatadelixo;grandesesoturnasfábricasatrásdecercasdearame,
comumaúnicaluzanbáricanoaltodeummuroeumvigianoturno
cochilandojuntoaoseubraseiro;devezemquandoumoratóriodesolado,
quesósediferenciavadeumarmazémpelocrucifixonafachada.Umavez
elaexperimentouaportadeumdeles,eouviuumgemidovindodeum
bancoaummetrodela,naescuridão.Percebeuqueopórticodooratório
estavarepletodevultosadormecidos,efugiu.
-Ondeéquevamosdormir,Pantalaimon?-elaperguntou,enquanto
desciamumaruadelojasfechadas.
-Numasoleiraqualquer.
-Masnãoqueroquemevejam,eelassãotãoabertas...
-Háumcanalaliembaixo...
Eleestavaolhandoparaumarualateralàesquerda.Realmente,uma
manchadebrilhoescurodenunciavaágua,equandoosdoisforam
cautelosamenteatélá,encontraramumportonamargemdeumcanal
ondecercadeumadúziadebalsasestavamamarradasaosancoradouros,
algumasaltasnaágua,outrasmaisafundadassobopesodacarga,perto
dosguindastesquemaispareciamforcas.Umaluzfracabrilhavanajanela
deumacabanademadeira,eumfiodefumaçasubiadachaminédemetal;
foraisso,asúnicasluzeseramcolocadasnoalto-naparededeum
armazémounacabinedeumguindaste-,deixandoosolonaescuridão.
Nosancoradouros,haviapilhasdebarriscomálcooldecarvão,pilhasde
grandestroncosredondos,rolosdecaboscobertosdecautchu.
Lyrafoipéantepéatéacabanaeolhoupelajanela.Umvelhoestavalendo
comdificuldadeumjornaldehistóriaemquadrinhosefumandoum
cachimbo,comseudaemon-spanieldormindoenrodilhadosobreamesa.
EnquantoLyraespiava,ohomemlevantou-seefoibuscarnofogãouma
chaleiraescurecida,ecolocouumpoucodeáguanumacanecarachada,
antesdetornaraseacomodarcomojornal.
-Seráquedevemospedirparaelenosdeixarentrar,Pan?-elasussurrou.
Maseleestavaocupado,transformando-seemmorcego,depoiscoruja,
depoisnovamentegato-do-mato;elaolhouemvolta,sentindoopânicodele,
eentãoviu-osaomesmotempoqueele:doishomenscorrendoparaela,
umdecadalado,omaispróximosegurandoumatarrafa.
Pantalaimonsoltouumgritoagudoetransformando-seemleopardopulou
sobrearaposadeaparênciaferozqueeraodaemondohomemmais
próximo,jogando-aparatrás,demodoquearaposacaiusobreaspernas
dohomem.O
homempraguejouedesviou-separaolado,eLyrapassoucorrendopor
ele,nadireçãodoterrenoabertodoancoradouro;oquenãopodiaera
ficarencurraladanumcanto.
Pantalaimon,agoraumaáguia,mergulhousobreelaegritou:
-Aesquerda!Aesquerda!
Elasedesviouparaaqueleladoeviuumespaçoabertoentreosbarrisde
álcooldecarvãoeofinaldeumbarracãodechapasdeferro,ecomouma
flechacorreuparalá.
Masaquelastarrafas!
Elaouviuumassobionoar,ealgumacoisacaiusobreela,açoitando-ae
picando-adolorosamentenorosto,ecordõesimundosdepicheenrolaramseporsuacabeça,seusbraços,suasmãos,prendendo-a;elacaiunochão,
resmungandoelutandoemvão.
-Pan!Pan!
Masodaemon-raposaatacouoPantalaimon-gato,eLyrasentiuadorem
suaprópriacarne,esoltouumgritoforteesoluçadoquandoelecaiu.Um
homempôs-seaenrolararedeemvoltadaspernasdela,dagarganta,do
corpo,dacabeça,rolando-adeumladoparaoutronochão.Elaestava
indefesa,exatamentecomoumamoscasendoenroladapelofiodaaranha.
OcoitadodoPanestavasearrastandoemsuadireção,comodaemonraposaatacando-lheascostas,enãotinhaforçassequerparamudarde
forma;eooutrohomemestavadeitadonumapoça,comumaflecha
atravessadanopescoço...
Omundointeiroficouimóvelquandoohomemqueaenrolavanarede
tambémviu.
Pantalaimonlevantou-seatéficarsentadoepestanejou,eentãohouveum
ruídobaixoeseco,eohomemdatarrafacaiu,engasgadoeofegante,bem
porcimadeLyra,quegritoudehorror:haviasanguejorrandodedentro
dele!
Passosapressados,ealguémarrastouohomemparalongeeinclinou-se
sobreele;entãooutrasmãosergueramLyra,umafacabrilhou,eos
cordõesdatarrafacaíramumporum,eeladesvencilhou-se,cuspindo,e
correuparaajoelharsejuntoaPantalaimon.Nessaposição,elaviroua
cabeçaparaolharosrecém-chegados.Trêshomensmorenos,umdeles
armadocomumarco,osoutroscomfacas;quandoaviu,oarqueirolevou
umsusto.
-NãoéaLyra?
Avozerafamiliar,maselanãoareconheceuatéqueeleavançouum
passo,ealuzcaiuemseurostoenodaemon-falcãonoombrodele.Então
elaoreconheceu:umgipcio!UmgipciodeOxford!
-SouTonyCosta-eleesclareceu.-Lembra-se?Vocêcostumavabrincar
commeuirmãozinhoBillynosbarcosemJericó,antesdeosPapões
pegaremele.
-Ah,meuDeus,Pan,estamossalvos!-elasussurrou.
Masentãoumpensamentolheveioàcabeça:tinhasidodosCostaobarco
queelaroubara;eseeleselembrasse?
-Émelhorvircomagente-eledisse.-Estásozinha?
-Estou.Eufugi...
-Estábem,nãofaleagora.Fiquequietinha.Jaxer,arrasteoscorpospara
umlugarescuro.Kerim,fiquevigiando.
Lyralevantou-se,trêmula,segurandoPantalaimon-gato-do-matonocolo.
Eletentavagirarocorpoparaveralgumacoisa;elaseguiuoolhardele,
compreendendoederepentecuriosatambém:queéquetinhaacontecido
aosdaemonsdosmortos?
Elesestavamesmaecendo,essaeraaresposta;desvanecendo-seese
dispersandonoarcomoátomosdefumaça,emboraseesforçassempara
ficaragarradosaoshomens.Pantalaimondesviouoolhar,eLyracorreuàs
cegasatrásdeTonyCosta.
-Queéqueestáfazendoaqui?-elaperguntou.
-Quieta,garota.Játemosproblemassuficientes.Vamosconversarno
barco.Elelevou-aporumapontezinhademadeiraparaocoraçãodoporto.
Osoutrosdoishomensosacompanhavamsilenciosamente.Tonyseguiuao
longodabeiradocaisesaiuparaumtrapichedemadeira;passoupara
umbarcoestreitoeabriuaportadacabine.
-Entredepressa-instruiu.
Lyraobedeceu,apalpandoabolsa(quenãosoltaranemumavez,mesmo
presanarede)paratercertezadequeoaletômetroaindaestavalá.Na
cabinecompridaeestreita,àluzdeumalamparinapresanumgancho,ela
viuumamulherforteecorpulenta,decabelosgrisalhos,sentadaauma
mesacomumjornal.LyrareconheceuamãedeBilly.
-Queméesta?-amulherquissaber.-Ora,seráaLyra?
-Issomesmo.Mamãe,temosquesairdaqui.Matamosdoishomensláno
porto.PensamosqueeramPapões,masachoqueerammercadoresturcos.
TinhamagarradoaLyra.Vamosdeixaraconversaparadepois,quando
estivermosemmovimento.
-Venhacá,criança-chamouMamãeCosta.
Lyraobedeceu,meioaliviada,meioapreensiva,poisMãeCostatinhamãos
comoporretes,eagoraelatinhacerteza:foramesmoobarcodelesqueela
capturaracomRogereoutrosamigosdasfaculdades.Masamulher
colocouasmãosdecadaladodorostodeLyra,eseudaemon-umenorme
cachorrocinzentoquepareciaumloboinclinou-separalamber
delicadamenteacabeçadegato-domatodePantalaimon.EntãoMãeCosta
rodeouLyracomseusbraçosenormeseapertou-acontraosseios.
-Nãoseioquevocêestáfazendoaqui,maspareceexausta.Podeusara
camadoBilly,depoisqueeulhederumabebidaquente.Sente-seaqui,
criança.Pareciaqueoatodepiratariatinhasidoperdoado,oupelomenos
esquecido.Lyradeslizoupelaalmofadadobancoatrásdeumamesade
tampodepinhoenquantooroncobaixodomotoragasolinasacudiao
barco.
-Aondevamos?-Lyraperguntou.
MãeCostaestavacolocandoumapaneladeleitesobreofogãodeferroe
cutucandoporentreagradeparaavivarofogo.
-Paralongedaqui.Nãofaleagora.Vamosconversardemanhã.
Enadamaisdisse;entregouumaxícaradeleitequenteaLyraesubiu
paraoconvésquandoobarcosepôsemmovimento,trocandocochichos
comoshomensdevezemquando.Lyrabebeuoleitedevagareergueu
umapontadacortinaparaobservarosancoradourosescurosque
passavampelajanela.Minutosdepoisestavadormindoprofundamente.
Despertounumacamaestreita,comoreconfortanteroncodomotor
soandolá
embaixo.Elasesentou,bateucomacabeça,soltouumpalavrão,tateouem
voltaelevantou-secommaiscuidado.Umaluzcinzentapermitiavertrês
outrascamas,todasvaziasebemarrumadas,umaabaixodadelaeas
outrasduasdooutroladodaminúsculacabine.Elapercebeuqueestava
usandoapenassuasroupasdebaixo,eviuovestidoeocasacodepelede
lobodobradosnapontadasuacama,juntocomsuabolsa.Oaletômetro
aindaestavalá.
Vestiu-sedepressaesaiupelaportanofundodocompartimento,
encontrando-senacozinhadobarco,ondeestavamaisquenteporcausa
dofogão.Nãohaviapessoaalgumaali.Pelasjanelas,elaviuumlençolde
neblinaespessa,comformasescurasquepoderiamserprédiosou
árvores.
Antesquepudessesubirparaoconvés,aportaparaforaabriu-se,eMãe
Costadesceu,enroladanumvelhocasacodetweedondeaumidadetinha
formadomilharesdepequenaspérolas.
-Dormiubem?-perguntou,pegandoumafrigideira.
-Agoravásesentarforadomeucaminhoeeuvoulhefazerumcaféda
manhã.Nãofiqueaídepé;issoaquiémuitoapertado.
-Ondeéqueestamos?-Lyraperguntou.
-NoCanalGrandJunction.Vocêfiqueescondida,criança.Nãoquerover
vocêláfora.Háproblemas.
Elacolocouduasfatiasdebaconeumovonafrigideira.
-Quetipodeproblemas?
-Nadaqueagentenãoconsigaresolver,sevocêficarescondida.Enão
quisdizermaisnadaatéLyrateracabadodecomer.
Emcertomomento,obarcodiminuiuavelocidade,ealgumacoisabateuna
lateraldele,eelaouviuvozesmasculinasirritadas;entãoumapiadade
alguémfezcomquerissem,asvozesseafastarameobarcoretomouseu
caminho.FinalmenteTonyCostadesceuparaacabine.Comoamãe,sua
roupatinhapérolasdeumidade,eelesacudiuatoucadelãsobreofogão
parafazerasgotassaltaremsobreachapaquente.
-Queéquevamosdizeraela,Mãe?
-Perguntarprimeiro,contardepois.
Eleserviucafénumaxícaradelataesentou-se.Eraumhomemfortee
sisudo,eagoraquepodiavê-loàluzdodia,Lyraviuemseurostouma
expressãodetristeza.
-Certo-eleconcordou.-Agoravocêvainoscontaroqueestavafazendo
emLondres,Lyra.PensávamosquetinhasidolevadapelosPapões.
-Euestavamorandocomumadama,certo,então...
ComdificuldadeLyrajuntouearrumousuahistória,comoseestivesse
preparandoumbaralhoparaumapartida.Contou-lhestudo,menossobre
oaletômetro.
-Eentãoontemànoitenotaldocoqueteleudescobrioqueelesfaziam
mesmo.ASra.CoulterfazpartedosPapões,eiameusarparaajudara
pegarmaiscrianças.Eojeitodefazerissoé...
MãeCostasaiudacabineefoiparaoconvés.Tonyesperouatéqueela
fechasseaportaedisse:
-Sabemosoqueelesfazem.Pelomenosumpedaço.Sabemosqueelasnão
voltam.AscriançassãolevadasparaoNorte,bemlonge,eelesfazem
experiênciascomelas.Noprincípio,agenteachavaqueexperimentavam
doençaseremédios,masnãohámotivoparacomeçarissoderepente,há
doisoutrêsanos.Entãoficamosachandoqueeramostártaros,talvez
algumacordosecretoqueestivessemfazendolápelaSibéria;porqueos
tártarosqueremirparaoNortetantoquantooresto,porcausadoálcool
decarvãoedasminasdefogo,eosboatosdeguerracomeçaramantesdos
Papões.EachamosqueosPapõesestivessemsubornandooschefes
tártarosdando-lhescrianças,porqueostártaroscomemcrianças,nãoé?
Assamecomem.
-Essanão!
-Comem,sim.Têmmuitasoutrascoisasparacontar.Vocêjáouviufalar
nosNalkainens?
-Não,nunca.NempelaSra.Coulter.Quemsãoeles?
-Éumtipodefantasmaqueexisteláemcimanaquelasflorestas.Édo
tamanhodeumacriança,masnãotemcabeça.Denoiteseguiampelotato,
eseapessoaestádormindonafloresta,elespegamelaenãosoltampor
nadanestemundo.Essapalavra,nalkainen,vemdoNorte.Eoschupadores
deartambémsãoperigosos.Ficamdeslizandopeloar.Asvezesagente
encontraummontedelesboiando,oupresosnosgalhos.Assimqueeles
tocamnapessoa,elaperdetodaaforça.Agentenãoconsegueveresses
fantasmas,sóumaespéciedeondulaçãonoar.Eossem-ares...
-Quemsãoeles?
-Sãoguerreirossemimortos.Estarvivoéumacoisa,estarmortoéoutra,
masestarmeio-mortoépiorquetudo.Elesnãoconseguemmorrerenão
podemmaisviver.Ficamvagandoparasempre.Sãochamadosdesemaresporcausadoquefazemaeles.
-Oquê?-perguntouLyradeolhosarregalados.
-Ostártarosdonorteabremascostelasdelesepuxamparaforaos
pulmões.Fazerissoéumaarte;osguerreirosnãomorrem,masseus
pulmõessótrabalhamquandoseusdaemonsosbombeiammanualmente,
demodoqueoresultadoéqueestãosemprenomeiodocaminhoentre
respirarenãorespirar,entreavidaeamorte.Estãomeio-mortos,
entende?Eosdaemonsdelestêmquebombeardiaenoite,paranão
morreremjuntocomosguerreiros.Dizemqueàsvezesnaflorestaagente
encontraumbatalhãointeirodesem-ares.Eexistemtambémos
panserbjornes,jáouviufalar?Significaursosdearmadura.Sãouma
espéciedeursospolares,sóque...
-É,jáouvifalarneles!Ontemànoiteumdoshomensdissequeomeutio,o
LordeAsriel,estápresonumafortalezavigiadopelosursosdearmadura.
-Émesmo?Eoqueseutioestavafazendoporlá?
-Explorando.Maspelojeitoqueohomemestavafalando,achoquemeutio
nãoestádomesmoladodosPapões.Achoqueestavamfelizesporeleestar
preso.
-Bom,elenãovaiconseguirfugirseosursosdearmaduraestiverem
vigiando.Sãocomomercenários,sabeoqueissoquerdizer?Vendemsua
forçaparaquempagar.Têmmãoscomooshomens,ehámuitotempo
aprenderamosegredodetrabalharoferro,principalmenteoferro
meteórico,efazemgrandesfolhasechapasparasecobrirem.Háséculos
elesatacamosescraelingues.Sãoassassinosferozes,absolutamente
impiedosos.Masrespeitamapalavradada.Quemfazumacordocomum
panserbjornepodeconfiar.
Lyrapensounesseshorrorescomtemor.
-MamãenãogostadeouvirfalarnoNorte–Tonyacrescentoudepoisde
algunsminutos.-porcausadoquepodeteracontecidocomoBilly.
SabemosqueeleslevaramoBillyparaoNorte,entende?
-Comoéquesabemdisso?
-PegamosumdosPapõeseoobrigamosafalar.Foiassimquesoubemos
umpoucodoqueelesfazem.AquelesdoisontemànoitenãoeramPapões;
eramdesajeitadosdemais.SefossemPapões,agenteiapegarelesvivos.
Sabe,nós,opovogípcio,nósfomososmaisatingidosporessesPapões,e
estamosnosjuntandopararesolveroquevamosfazer.Eraoqueagente
estavafazendonaqueleporto,abastecendo,porquevamosfazeruma
grandereuniãonosPântanos,oqueagentechamadeEncontro.Eoqueeu
achoéquevamosmandarumgrupoderesgate,depoisqueouvirmoso
queosoutrosgípciossabem,depoisquejuntarmosnossosconhecimentos.
Éoqueeufaria,sefosseoJohnFaa.
-QueméJohnFaa?
-Oreidosgípcios.
-Evocêsvãomesmosalvarascrianças?EquantoaoRoger?
-QueméRoger?
-OajudantedaCozinhadaFaculdadeJordan.Elefoilevadonomesmodia
queoBilly,navésperadeeuviremboracomaSra.Coulter.Apostoquese
eufossepresaeleiamesalvar.SevocêsvãosalvaroBilly,euqueroir
tambémesalvaroRoger.
EotioAsrieltambém,elapensou,masnãomencionouisso.
7JOHNFAA
Agoraquetinhaumamissãopelafrente,Lyrasentia-semuitomelhor.
AjudaraSra.Coultertinhasidomuitobom,masPantalaimontinharazão:
elanãoestavatrabalhandodeverdade,eraapenasumbichinhode
estimação.Nobarcogípcio,haviatrabalhodeverdadeafazer,eaMãe
Costafaziacomqueelatrabalhasse:Lyralimpavaevarria,descascava
batatasefaziachá,lubrificavaosrolamentosdoeixodahélice,mantinha
limpaagradeprotetoraemcimadahélice,lavavapratos,abriacomportas,
amarravaobarconostrapiches,eempoucosdiassentia-setãoàvontade
nessavidanovacomosetivessenascidogípcia.Oqueelanãopercebiaera
queosCostaestavamotempotodoalertas,observandosehaviasinaisde
interesseemLyraporpartedepessoasdasmargens.Emboranãotivesse
consciênciadisso,elaeraimportante,eaSra.CoultereoConselhode
Oblaçãocertamenteestariamprocurandoporelaemtodaparte.
Realmente,Tonyouviu,nasfofocasdosbaresaolongodocaminho,quea
políciaestavarevistandocasas,fazendas,canteirosdeobrasefábricassem
qualquerexplicação,emborahouvesseumboatodequeestavam
procurandoumameninasumida.Eissoeraestranho,levando-seemconta
quetantascriançastinhamsumidosemteremsidoprocuradas.Tantoos
gípciosquantoaspessoasdeterraestavamficandocadavezmais
nervososeapreensivos.
EhaviaoutrarazãoparaointeressedosCostaemLyra,maselasósaberia
dissoalgunsdiasdepois.
Assim,mantinhamameninanacabinesemprequepassavampelacasade
umguardadordecomportaouporumportodecanal,ouondequerque
pudessehavergente.Umavezpassaramporumacidadeondeapolícia
estavarevistandotodososbarcosquevinhampelocanal,prendendoo
trânsitoemambasasdireções.MasosCostasabiamcomoenfrentaresse
tipodecoisa:haviaumcompartimentosecretodebaixodacamadeMãe
Costa,ondeLyraficouapertadaduranteduashoras,enquantoapolícia
percorriaobarcodeumapontaaoutra,inutilmente.
-Masporqueosdaemonsdelesnãomeencontraram?-elaperguntou
depois.
Mamãemostrou-lheoforrodoesconderijo:cedro,quetinhaumefeito
soporíferonosdaemons;eeraverdade,poisPantalaimontinhapassadoo
tempotododormindotranqüilamentejuntoàcabeçadeLyra.
Lentamente,commuitasparadasemuitosdesvios,obarcodosCosta
aproximava-sedosPântanos,aquelavastaextensãonuncainteiramente
desbravada,comcéusimensosepântanosinfindáveis,naAngliaoriental.A
bordadoterrenomisturava-seaosriachoselagoasdemarédomarraso,e
ooutroladodomarmisturava-secomaHolanda;epartesdosPântanos
tinhamsidodrenadasefechadascomdiquespelosholandeses,algunsdos
quaishaviamseestabelecidolá;demodoquealínguanosPântanostinha
muitainfluênciaholandesa.Masalgumasáreasnãoforamdrenadas,
plantadasoudesbravadas,enasregiõescentrais-asmaisselvagens,onde
enguiasdeslizavamepássarosaquáticossereuniam,ondesinistrosfogosfátuostremeluziamecriaturasatraíamosviajantesdescuidadosparaa
mortenospântanos-opovogípciosempreencontrarasegurança.Eagora,
atravésdemilcanais,regatosecursosd'águaserpenteantes,barcos
gípciosseguiamparaoByanplats,aúnicaáreadeterrenoligeiramente
maisaltoemmeioàscentenasdequilômetrosquadradosdepântanose
atoleiros.Havialáumaespéciedeauditórionumpavilhãoantigo,feitode
madeira,comalgumasmoradiaspermanentesemvolta,trapichese
atracadouroseumMercadodeEnguias.QuandoumEncontroera
marcado,quandohaviaumaconvocaçãodegípcios,tantosbarcosenchiam
oscursosd'águaqueumapessoapodiacaminharmaisdeumquilômetro
emqualquerdireçãopassandodeumbarcoaoutroeraoquesedizia.Os
gípciosmandavamnosPântanos;ninguémmaisousavaentrarlá,e,como
osgípciosmantinhamapazecomerciavamcomhonestidade,as
autoridadesfaziamvistagrossaaocontrabandoincessanteeàsrixas
ocasionais.Seocadáverdeumgípcioaparecianumapraialevadopela
maré,ouvinhanumarededepesca,bem,erasó
umgípcio.
LyraescutavafascinadaashistóriasdoshabitantesdosPântanos,do
grandecão-fantasmaConchaNegra,dosfogos-fátuossubindodasbolhas
deóleo-debruxa,emesmoantesdechegaremaosPântanoselajá
começavaasesentirumagípcia.
LogovoltouaterosotaquedeOxford,eagoraestavapegandoosotaque
gípcio,completocomalgumaspalavrasempântano-holandês.MãeCosta
tevequelherecordaralgumascoisas:
-Vocênãoégípcia,Lyra.Comalgumapráticapoderiapassarporgípcia,
masnãoésóalínguagípcia;dentrodenóshácoisasmuitofortes.Nós
somostotalmenteumpovodaágua,evocênãoé,vocêédofogo.Oque
maisparececomvocêéofogo-fátuo,éolugarquevocêtemnoesquema
gípcio;vocêtemóleo-debruxanaalma.Enganadoraéoquevocêé,criança.
Lyraficoumagoada.
-Nuncaenganeininguém!Asenhorapergunte...
Nãohaviaaquemperguntar,naturalmente,eMãeCostariu,mascom
bondade.
-Nãoestávendoqueestoulhefazendoumelogio,suabobinha?
Ouvindoisto,Lyraacalmou-se,emboranãotivesseentendido.
ChegaramaoByanplatsàtardinha,eosolestavaprestesasepôrnumcéu
manchadodevermelho.AilhabaixaeoZaalestavamacocoradosde
encontroà
luz,comooamontoadodeprédiosemvolta;fiosdefumaçaerguiam-seno
arparado,edosnumerososbarcosapinhadosemvoltadelesvinham
cheirosdepeixefritando,defolhadefumo,degenebra.
AtracarampertodoZaal,numtrapichequeTonydissetersidousadopor
váriasgeraçõesdasuafamília.MãeCostapôsafrigideiraparafuncionar,
comduasgordasenguiassibilandoeespirrandogordura,eferveuágua
paraprepararopurê
debatataempó.TonyeKerimpassaramóleonoscabelos,colocaramsuas
melhoresjaquetasdecouroelençosazuisnopescoço,encheramosdedos
deanéisdeprataeforamcumprimentaralgunsvelhosamigosnosbarcos
vizinhosebeberumaouduastaçasnobarmaispróximo.Voltaramcom
novidadesimportantes.
-Chegamosbemnahora.OEncontrovaiserestanoitemesmo.Eestão
dizendonacidade,imaginemsó,estãodizendoqueacriançadesaparecida
está
numbarcogípcioequevaiaparecerestanoitenoEncontro!
EleriualtoedespenteouoscabelosdeLyra.Desdequetinhamentrado
nosPântanos,elevinhaficandocadavezmaisbem-humorado,comosea
expressãoferozqueseurostomostravafosseapenasumdisfarce.ELyra
sentiuaexcitaçãocresceremseupeitoenquantocomiaàspressase
lavavaalouçaantesdepentearoscabelos,enfiandooaletômetrodentro
dobolsodocasacodepeledeloboesaltandoparaterracomtodasas
outrasfamíliasquesubiamaladeiraparaoZaal.ElaachavaqueTony
estavabrincando.Logodescobriuqueelenãoestava,ouentãoelase
pareciamenoscomumagípciadoquehaviaimaginado,poismuitagente
ficouolhandoparaela,eascriançasapontavam;quandochegaramaos
grandesportõesdoZaal,estavamcaminhandosozinhos,acadaladouma
multidãodepessoasqueseafastaramdelesparapoderemobservá-lose
paradar-lhesespaço.
EntãoLyracomeçouaficarnervosadeverdade.NãosaiudepertodeMãe
Costa,eparatranqüilizá-laPantalaimontomousuaformadepantera,a
maiorqueconseguiatomar.MãeCostasubiuosdegrauscomosenadano
mundopudesseobrigá-laapararouaandarmaisdepressa,eTonye
Kerimcaminhavamorgulhosamente,comopríncipes,umdecadalado.
Oauditórioestavailuminadoporlamparinasdenafta,queiluminavam
satisfatoriamenteosrostoseoscorposdospresentes,masdeixavamas
imensastravesdotelhadoocultasnaescuridão.
Aspessoasqueentravamtinhamqueseesforçarparaencontrarlugarem
pé,poisosbancosjáestavamlotados;masasfamíliasseapertavampara
abrirespaço,ascriançasiamparaocoloeosdaemonsseenrodilhavamno
chãodebaixodosbancosouseempoleiravamforadocaminho,nas
ásperasparedesdemadeira.Nafrentedaassistência,haviaumtablado
comoitocadeirasdemadeiraentalhada.EnquantoLyraeosCosta
encontravamlugardepéaolongodaparededoauditório(nãohaviamais
ondesesentar),oitohomenssurgiramdassombrasatrásdotabladoe
pararamdiantedascadeiras.Umaondadeexcitaçãopercorreuaplatéia
enquantoaspessoaspediamsilênciooutentavamsesentarnas
extremidadesdosbancospróximos.Finalmentefez-sesilêncioesetedos
homensnotabladosesentaram.
Oúnicoqueficoudepétinhamaisde70anos,maseraaltoeforte,
musculoso.Usavapaletódelonitaecamisaquadriculada,comomuitos
gípcios;nadahavianelequeodistinguisse,alémdoardepodere
autoridade.Lyrareconheceuessear:tioAsrielotinha,etambémoReitor
daJordan.Odaemondessehomemeraumagralhamuitoparecidacomo
corvo-fêmeadoReitor.
-EsteéJohnFaa,ochefedosgípciosdoOriente–Tonycochichou.JohnFaa
começouafalardevagar,emvozprofunda.
-Gípcios!Bem-vindosaoEncontro.Viemosescutareviemosdecidir.Todos
vocêssabemarazão:hámuitasfamíliasaquiqueperderamumfilho.
Algumasperderamdois.Alguémestálevandoessascrianças.Éverdade
queosdaterratambémestãoperdendocrianças.Sobreesteassuntonão
temosrixacomosdaterra.
Fezumapausaecontinuou:
-Ora,andamfalandodeumacriançaeumarecompensa.Eisaverdade,
paraacabarcomosmexericos:onomedacriançaéLyraBelacqua,eela
estásendoprocuradapelapolíciadosandarilhos13.Háumarecompensa
demilsoberanosparaquementregaragarota.Elaéumacriança
andarilha,estásobosnossoscuidadoseassimvaicontinuar.Qualquer
pessoaquesesentirtentadaporessesmilsoberanosémelhorquevá
encontrarumlugarparaseesconderquenãosejanemnaterra,nemna
água.Nãovamosentregaracriança.
Lyrasentiu-seenrubescerdesdearaizdoscabelosatéasoladopé;
Pantalaimontransformou-seemmariposaparaseesconder.Todosos
olhos
13Andarilhos:traduçãoliteraldelandloper;quenestecontextosignifica
"osquevivememterrafirme".(N.T.)estavamvoltadosparaeles,eelasó
conseguiuolharparaMãeCostaembuscadesegurança.
MasJohnFaaestavafalandonovamente:
-Pormaisqueagenteconverse,nãovaimudarnada.Sequisermos
modificarascoisas,vamosterqueagir.Eismaisumfatoparavocês:os
Papões,essesladrõesdecrianças,estãolevandoseusprisioneirospara
umacidadenoextremoNorte,bemládentrodaterradastrevas.Nãoseio
quefazemcomelaslá.Algumaspessoasdizemquematam,outrasdizem
outracoisa.Nãosabemos.Oquesabemoséqueelesfazemissocoma
ajudadapolíciaandarilhaedospadres.Todosospoderesdosandarilhos
estãoajudando.Lembrem-sedisso:elessabemoqueestáacontecendoe
ajudamsemprequepodem.
Depoisdeoutrapausa,elecontinuou:
-Demodoqueoqueestoupropondonãoéfácil.Precisodaautorizaçãode
vocês.Estoupropondoqueagentemandeumbandodeguerreirosparao
Norteparalibertarascriançasetrazertodasdevoltavivas.Estou
propondoqueagenteuseonossoouroetodaaespertezaeacoragem
queconseguirmosjuntar.Sim,RaymondvanGerrit?
Umhomemnaplatéiahavialevantadoamão,eJohnFaasentou-separa
deixá-lofalar.
-Comlicença,LordeFaa.Látemcriançasandarilhastambém,alémdas
gípcias.Estádizendoqueagentevaisalvaressastambém?
JohnFaaficoudepépararesponder.
-Raymond,vocêestádizendoqueagentedeviapassarportodotipode
perigosparachegaraumgrupinhodecriançasassustadaseentãodizer
paraalgumasdelasqueelasvãovoltarparacasaedizerparaasoutras
queelastêmqueficar?Não,vocêébondosodemaisparaisso.Bem,temos
aaprovaçãodetodos,meusamigos?
Aperguntapegoutodosdesurpresa,poishouveuminstantedehesitação;
masentãoumrugidoencheuosalão,easpessoaspuseram-seabater
palmasdebraçosestendidos,sacudiropunhofechado,ergueravoznum
clamorexcitado.AstravesdoZaalestremeceram,edeseuspoleirosláem
cimanaescuridãoumbandodepássarosquedormiamdespertaram
apavoradosebateramasas,provocandopequenaprecipitaçãodepoeira.
JohnFaadeixouoclamorprosseguirporumminuto,depoisergueuamão
pedindosilêncio.
-Vailevaralgumtempoparaorganizarissotudo.Queroqueoschefesdas
famíliasfaçamumacoletaereúnamhomens.Tornaremosanosreunir
daquiatrêsdias.Enquantoisso,vouconversarcomacriançaecom
FarderCoram,efazerumplanoparaexporavocês.Boanoiteparatodos.
Suapresençaforte,simpleseimponenteteveopoderdeacalmara
multidão.Aspessoascomeçaramasairpelosgrandesportõesparaofrio
danoite,voltandoparaseusbarcosouindoencherosbaresdopequeno
povoado.LyraperguntouaMãeCosta:
-Quemsãoosoutroshomensnotablado?
-Oschefesdasseisfamílias,eooutrohomeméFarderCoram.
Erafácilentenderoqueelaqueriadizercom"ooutrohomem",porqueele
eraomaisidosoali.Caminhavacomumabengalaedurantetodootempo
emqueestiverasentadoatrásdeJohnFaaeletremeracomosetivesse
febre.
-Venha,émelhorlevarvocêparacumprimentarJohnFaa.Vocêdeve
chamálodeLordeFaa.Nãoseioqueelevaiperguntar,mastratededizer
averdade.Pantalaimoneraumpardalagora,cheiodecuriosidade,
empoleiradonoombrodeLyra,asgarrascravadasnocasacodepelede
lobo,enquantoelaacompanhavaTonyatravésdamultidãoatéotablado.
Alichegando,Tonyergueu-adochãoecolocou-aemcimadotablado.
Sabendoquetodosaindanosalãoestavamolhandoparaela,econsciente
daquelesmilsoberanosquederepenteelapassaraavaler,Lyraficou
vermelhaehesitou.Pantalaimonsaltouparaocolodelaetransformou-se
numgato-do-mato,sibilandobaixinhoenquantoolhavaemvoltacom
expressãovigilante.
LyrasentiuumempurrãoecaminhounadireçãodeJohnFaa.Eleera
sério,enorme,inexpressivo,maiscomoumacolunadepedradoqueum
homem,masinclinou-seeestendeuamãoparaelaapertar.Quandoela
colocouamãonadele,suamãozinhaquasedesapareceu.
-Sejabem-vinda,Lyra-disseele.
Depertoelasentiaavozdeleressoarcomoaprópriaterra.
TeriaficadoamedrontadasenãofosseporPantalaimon,epelofatodeque
aexpressãopétreadeJohnFaatinhaseamenizadoumpouco.Eleestava
sendodelicadocomela.
-Obrigada,LordeFaa-elarespondeu.
-Agoravenhaaoescritórioevamosterumaconversa-disseJohnFaa.
Estãoalimentandovocêdireito,osCosta?
-Ah,estão,sim.Comemosenguiasnojantar.
-AsverdadeirasenguiasdosPântanos,euespero.
Oescritórioeraumaposentoconfortável,comumagrandelareiraacesa,
prateleirascarregadasdeprataeporcelanaeumamesapesada
escurecidapelosanos,tendoemvoltadozecadeiras.
Osoutroshomensnotabladonãoestavamali,masoanciãotrêmuloestava.
JohnFaaajudou-oasentar-se.
-Agoravocêsesenteaquiàminhadireita-JohnFaadisseaLyra.Ele
sentou-seàcabeceira,eLyraencontrou-seemfrenteaFarderCoram.
Sentiaumpoucodemedodorostoencaveiradoedotremorcontínuodele.
O
daemondeleeraumalindagatacomascoresdooutono,enorme,que
atravessouamesacomandarelegante,decaudaerguida,eexaminou
Pantalaimon,encostandoofocinhonodeleantesdeacomodar-senocolo
deFarderCoram,entrecerrarosolhos,epôr-searonronarbaixinho.
UmamulherqueLyranãotinhanotadosaiudassombrascomuma
bandejacheiadecopos,colocou-ajuntoàJohnFaa,fezumamesuraesaiu.
JohnFaaserviupequenoscálicesdeaguardentedecereaisdeumfrasco
depedraparasimesmoeparaFarderCoram,evinhoparaLyra.
-Querdizer,Lyra,quevocêfugiu-disseJohnFaa.
-Foi.
-Equemeraadamadequemvocêfugiu?
-OnomedelaéSra.Coulter.Eeuachavaqueelaeraboa,masdescobri
queelaédosPapões.OuvialguémdizendooqueosPapõeseram,eles
eramchamadosdeConselhoGeraldeOblação,eelaestavaencarregadade
tudo,eratudoidéiadela.Etodoselesestavamplanejandoumacoisa,seilá
oqueera,sóseiqueiammefazerajudarapegarascriançasparaela.Mas
elesnãosabiam...
-Oqueelesnãosabiam?
-Bom,primeironãosabiamqueeuconheciaumascriançasqueeles
roubaram.MeuamigoRogerqueeraajudantedaCozinhadaJordan,e
BillyCosta,eumameninadoMercadoCobertoemOxford.Eoutracoisa...o
meutio,sabe,oLordeAsriel,euouviquandofalaramdasviagensdele
paraoNorte,enãoachoqueeletenhaalgumacoisaavercomosPapões.
PorqueeuespioneioReitoreosCatedráticosdaJordan,sabe,meescondi
naSalaPrivativaondeninguémpodeentraralémdeles,eouviquandoele
contouatodossobreaexpediçãoparaoNorte,eoPóqueeleviu,eele
trouxedevoltaacabeçadeStanislausGrumman,ostártarostinhamfeito
umburaconela.EagoraosPapõesprenderameleemalgumlugar.Os
ursosdearmaduraestãovigiandoele.Eeuqueroirsalvarele.Alisentada,
pequeninacontraoencostoaltodacadeiraentalhada,elapareciaferoze
decidida.Osdoisanciãosnãoconseguiramreprimirumsorriso,mas,
enquantoosorrisodeFarderCorameraumaexpressãohesitante,ricae
complicadaquetremuloupeloseurostocomoumraiodesolperseguindo
sombrasnumdiaventosodefinaldeinverno,osorrisodeJohnFaaera
lento,cálido,simplesebondoso.
-Émelhorvocênoscontaroqueouviuseutiodizernaquelanoite-pediu
JohnFaa.-Nãodeixenadadefora,estáouvindo?Conte-nostudo.Lyra
assimfez,maisdevagardoquetinhacontadoaosCosta,porémcommais
franqueza;tinhamedodeJohnFaa,eoquemaistemianeleeraabondade:
Quandoelaterminou,FarderCoramfaloupelaprimeiravez.Tinhaavoz
ricaemusical,comtantostonsquantoeramascoresdopêlodeseu
daemon.
-EssePó,elesalgumavezusaramoutronomeparaele,Lyra?
-Não,sóPó.ASra.Coultermecontouoqueera,partículaselementares,foi
oqueelafalou.
-Eelesachamquefazendoalgumacoisacomcriançaselesvãoconseguir
descobrirmaissobreisso?
-É.Masnãoseioqueé.Emboraomeutio...Esquecidecontarumacoisa.
Quandoeleestavamostrandoosfotogramas,eletinhaumoutro.Eraa
Orora...
-Eraoquê?-interrompeuJohnFaa.
-AAuroraBoreal-disseFarderCoram.-Nãoéisso,Lyra?
-Éissoaí.EnasluzesdatalOroratinhafeitoumacidade.Cheiadetorrese
igrejasecúpulasetal.EraumpoucocomoOxford,pelomenoseuachei.Eo
tioAsriel,eleestavamaisinteressadonisso,euacho,masoReitoreos
outrosCatedráticosestavammaisinteressadosnoPó,comoaSra.Coultere
oLordeBorealeeles.
-Entendo-disseFarderCoram.-Issoémuitointeressante.
-Agora,Lyra,euvoulhecontarumacoisa-disseJohnFaa.-FarderCoram,
eleéummago.Umvidente.Elevemacompanhandotudoqueestá
acontecendocomoPóeosPapõeseLordeAsrieletudo,eelevem
acompanhandovocê.TodavezqueosCostaiamparaOxford,oumeiadúziadeoutrasfamíliastambém,elestraziamalgumasnotícias.Sobrevocê,
menina.Sabiadisso?
Lyrasacudiuacabeça.Estavacomeçandoaficarassustada.Pantalaimon
estavarosnandobaixodemaisparaalguémouvir,maselasentiaorosnado
delenaspontasdosdedosenfiadosnospêlosdele.
-Ah,sim,tudoquevocêfaziavinhapararaquinosouvidosdeFarder
Coram.Lyranãoconseguiusecontrolar:
-Nósnãoestragamosnada!Juro!Foisóumpouquinhodelama!Enão
fomosmuitolonge...
-Dequeéqueestáfalando,menina?-perguntouJohnFaa.
FarderCoramriu.Quandoria,seutremorcessavaeseurostoficavajovem
ebrilhante.
MasLyranãoestavarindo.Comlábiostrêmuloseladisse:
-Emesmoseagentetivesseencontradoarolha,nãoíamosretirarela!Era
sóumabrincadeira.Nãoíamosafundarobarco,nunca!
EntãoJohnFaapôs-searirtambém.Deuumtapatãofortenamesaqueos
copostilintaram,eseusombrosenormesestremeceram,eeleteveque
enxugaraslágrimasdosolhos.Lyranuncaviraumacoisacomoaquela,
nuncaouviraumagargalhadaassim;eracomoumamontanha
gargalhando.
-É,sim-eledisse,quandoconseguiufalar.–Nósouvimosessahistória
também,garotinha!EusoubequedepoisdissoosCostanãovãoalugar
nenhumsemqueescutempiadinhas.Émelhordeixarumvigianoseu
barco,Tony,dizem.Temoscriancinhasferozesporaqui!Ora,essecasose
espalhouportodapartenosPântanos,garota.Masnãovamoscastigar
vocêporisso.Não,não!Fiquetranqüila.EleolhouparaFarderCoram,eos
doistornaramarir,porémcommenosestardalhaço.ELyrasentiu-sebem
esegura.
FinalmenteJohnFaasacudiuacabeçaeficoudenovosério.
-Euestavadizendo,Lyra,queconhecemosvocêdesdepequena.Desde
bebê.Vocêdeviasaberoquenóssabemos.Nãopossoimaginaroqueeles
lhecontaramnaFaculdadeJordansobredeondevocêveio,maselesnão
conhecemtodaaverdade.Algumavezlhecontaramquemeramosseus
pais?
AgoraLyraestavainteiramenteatordoada.
-Contaram,sim-respondeu.-Disseramqueeuera...disseramqueeles...
disseramqueLordeAsrielmelevouparaláquandomeupaieminhamãe
morreramnumacidentedeaeronave.Foioquemedisseram.
-Ah,foi?Bem,menina,voulhecontarumahistória,masumahistóriareal.
Seiqueérealporqueumagípciamecontou,etodoselesdizemaverdade
aJohnFaaeFarderCoram.Demodoqueéaverdadesobrevocê,Lyra.
Seupainãomorreunumacidentedeaeronave,porqueseupaiéLorde
Asriel.
Lyraestavapasma.JohnFaaprosseguiu:
-Foiassimqueaconteceu:quandoerarapaz,LordeAsrielsaiuexplorando
todooNorteevoltoucomumagrandefortuna.Eeraumhomem
temperamental,quesezangavafacilmente,umhomemapaixonado.Esua
mãe,elatambémeraapaixonada.Nãotãobem-nascidaquantoele,mas
umamulherinteligente.Estudiosa,eaquelesqueaviamdiziamqueera
muitobonita.Elaeseupaiseapaixonaramassimqueseconheceram.O
problemaeraquesuamãejáeracasada.Tinhasecasadocomumpolítico.
EleeramembrodopartidodoRei,umdeseusassessoresmaispróximos.
Umhomememascensão.
Houveumsilênciobreve,eJohnFaacontinuou:
-Ora,quandosuamãedescobriuqueestavagrávida,tevemedodecontar
aomaridoqueacriançanãoeradele.Equandovocênasceu,nãoeranada
parecidacomomaridodela,esimcomoseupaiverdadeiro,eelaachou
melhorescondervocêedizerqueobebêhaviamorrido.Entãolevaram
vocêparaOxfordshire,ondeoseupaitinhapropriedades,eaentregaram
paraumamulhergípciacriar.Masalguémcontoutudoaomaridodasua
mãe,eeleveiovoandoedestruiuacabanaondeagípciaestivera,sóque
elahaviafugidoparaacasagrande;eomaridoenganadofoiatrás,com
intençõesassassinas.Seupaiestavacaçando,masficousabendoevoltoua
galopeatempodeencontraromaridodasuamãeaopédaescada;mais
umminutoeeleteriaforçadoaportadoarmárioondeagípciaestava
escondidacomvocê,masLordeAsrielodesafioueelesduelaramali
mesmo,eLordeAsrielomatou.Amulhergípciaouviueviutudo,Lyra,e
foiassimquesoubemos.
JohnFaasuspiroueprosseguiu:
-Aconseqüênciafoiumenormeprocessojudicial.Seupainãoéotipode
homemdeesconderounegaraverdade,eissocriouumproblemaparaos
juizes.Eletinhamatado,sim,derramarasangue,masestavadefendendo
seularesuafilhadeuminvasor.Poroutrolado,aleipermitequeum
homemvingueaviolaçãodoseucasamento,eosadvogadosdomorto
alegaramqueeraissoqueeleestavafazendo.Oprocessosearrastou
durantesemanas,comhorasdediscussão.Nofim,osjuizespuniramLorde
Asrielconfiscandotodasaspropriedadeseasterrasdele,deixando-o
pobre;eeletinhasidomaisricoqueumrei.Quantoàsuamãe,elanãoquis
saberdenada,nemdevocê.Deuascostasatudoisso.Agípciamedisse
quemuitasvezeselatevemedopensandoemcomoasuamãeiatratar
você,porqueeraumamulherorgulhosaecheiadedesprezo.Agorachega
defalardela.Eleparoupararespirar.
-Ealémdissohaviavocê-continuou.-Seascoisastivessemsido
diferentes,Lyra,vocêpoderiacrescercomogípcia,porqueagípcia
implorouaotribunalquedeixassemvocêcomela;masnós,gípcios,somos
poucoconsideradospelalei.O
tribunaldecidiuquevocêseriacolocadanumConvento,eassimvocêfoi
paraasIrmãsdaObediênciaemWatlington.Vocênãoselembra.
JohnFaasuspirouecontinuouafalar:
-MasLordeAsrielnãopermitiuisso.Eleodiavaábades,mongesefreiras,e
sendoumhomemimpulsivo,eleumdiaapareceuelevouvocêemborade
lá.Nãoparacuidarelemesmo,nemparadaraosgípcios;levouvocêparaa
FaculdadeJordanedesafioualeiadesfazerseuato.Bem,aleideixouas
coisasporissomesmo.LordeAsrielvoltouparaassuasexplorações,e
vocêcresceunaFaculdadeJordan.Aúnicacoisaqueele,seupai,disse,a
únicacondiçãoqueimpôs,foiquesuamãenãopodiavisitarvocê.Se
algumaveztentasse,teriaqueserimpedida,eeleteriaqueserinformado,
porquetodaaraivaquehaviaemsuanaturezatinhasevoltadocontraela.
OReitorprometeufazerisso.Eotempopassou.Entãocomeçoutodaessa
afliçãoporcausadoPó.Enopaísinteiro,nomundointeiro,magosemagas
começaramtambémasepreocupar.Paranós,gípcios,issonãotinhaa
menorimportância,atéquecomeçaramalevarnossascrianças.Foi
quandonosinteressamos.Etemosligaçõesemtodotipodelugaresque
vocênemimaginaria,inclusivenaFaculdadeJordan.Vocênãosabia,mas
haviaumapessoatomandocontadevocêenoscontandotudodesdeque
vocêfoiparalá.Porquetemosinteresseemvocê,eaquelamulherquea
criou,elanuncadeixoudesepreocuparcomvocê.
-Queméquetomavacontademim?-Lyraquissaber.
Sentia-seimensamenteimportanteeestranhavaqueosseusatos
preocupassempessoastãodistantes.
-EraumcriadodaCozinha.BernieJohansen,oconfeiteiro.Eleémeio
gípcio.Vocênãosabiadisso,aposto.
Bernieeraumhomembondoso,solitário,umadasraraspessoasquetêmo
daemondomesmosexo.FoicomBerniequeelahaviagritadoem
desesperoquandoRogertinhasidolevado.
EBerniecontavatudoaosgípcios!Elaficouimpressionada.JohnFaa
continuou:
-Bem,nósouvimosdizerquevocêiasairdaFaculdadeJordan,eque
nessamesmaocasiãoLordeAsrielestavapresoenãopoderiaimpedir.E
noslembramosdoqueeledisseraaoReitorparajamaisfazer,enos
lembramosqueohomemcomquemsuamãetinhasecasado,otalpolítico
queLordeAsrielmatou,chamava-seEdwardCoulter.
-ASra.Coulter...-fezLyra,estupefata.-Elanãoéaminhamãe,é?
-É,sim.Eseoseupaiestivesselivre,elajamaisteriaaousadiade
desafiálo,evocêaindaestarianaJordansemsaberdenada.Masoqueo
Reitorpretendia,deixandovocêirembora,éummistérioquenãoconsigo
explicar.Eleestavaencarregadodetomarcontadevocê.Sóposso
imaginarqueelatenhaalgumpodersobreele.
LyraentendeuderepenteocuriosocomportamentodoReitornamanhã
dasuapartida.
-Maselenãoqueria...-elacomeçou,tentandolembrar-seexatamente.Ele...elemandoumechamardemanhãbemcedo,eeunãopodiacontarà
Sra.Coulter...eracomoseelequisessemeprotegerdaSra.Coulter...
Elaseinterrompeueolhouatentamenteparaosdoishomens;então
resolveucontar-lhestodaaverdadesobreaSalaPrivativa.
-Sabem,temoutracoisa.Naquelanoite,quemeescondinaSalaPrivativa,
vioReitortentarenvenenarLordeAsriel.Viquandoelecolocouum
pozinhonovinho,eeuconteiaotitioeelederrubouagarrafadamesae
derramouovinho.Querdizerqueeusalveiavidadele.Nuncaentendipor
queoReitorqueriaenvenenarLordeAsriel,quesemprefoitãobom.
Então,namanhãemquefuiembora,elemechamoucedinhoaoescritório,
tivequeirescondidoparaqueninguémficassesabendo,eeledisse...
Lyraconcentrou-separatentarrecordarexatamenteoqueoReitortinha
dito,masnãoadiantou.Elasacudiuacabeça.
-Aúnicacoisaqueconseguientenderfoiqueelemedeuumacoisaqueeu
tinhaqueesconderdela,daSra.Coulter.Achoquenãotemimportância
contarparavocês...
Elaenfiouamãonobolsodocasacodepeledeloboetirouoembrulhode
veludo.Colocou-osobreamesaesentiusobreele,comoumholofote,a
curiosidadesimplesesólidadeJohnFaaeainteligênciacintilantede
FarderCoram.Quandoeladesembrulhouoaletômetro,foiFarderCoram
quemfalouprimeiro:
-Nuncapenseiqueiatornaraverumdesses.Éumleitordesímbolos.Ele
lhecontoualgumacoisasobreisso,filha?
-Não.Sódissequeeuiaterquedescobrirsozinhacomofazerisso
funcionar.Echamoudealetômetro.
-Quequerdizerisso?-JohnFaaperguntou,voltando-separao
companheiro.
-Achoquevemdogregoalétheia,quequerdizer"verdade".Éummedidor
deverdade.Evocêdescobriucomoéqueseusa?-perguntouàmenina.
-Não.Pelomenosconsigofazerostrêsponteirosmenoresapontarpara
figurasdiferentes,masnãoconsigocontrolaroponteirogrande.Elese
mexeparatodaparte.Anãoseràsvezes,é,sim,àsvezes,quandoestou
bemconcentrada,consigofazeroponteirograndeirparaumladoououtro
sópensando.
-Queéqueelefaz,FarderCoram?Ecomoéqueselê?
-JohnFaaperguntou.
FarderCoramseguroudelicadamenteoinstrumentonadireçãodoolhar
fortedeJohnFaaedisse:
-Todasessasfigurasaoredordabordasãosímbolos,ecadaumdeles
significaumasériedecoisas.Aâncora,porexemplo:oprimeirosignificado
delaé
esperança,porqueaesperançanosprendecomoumaâncora,demodo
queagentenãocede.Osegundosignificadoéfirmeza.Oterceiro
significadoéempecilho,ouprevenção.Oquartoéomar.Eassimpor
diantecomdez,doze,talvezumasérieinfinitadesignificados.
-Evocêconhecetodos?
-Conheçoalguns,masparalertudoeuprecisariadolivro.Jáviolivroesei
ondeeleestá,masnãoestácomigo.
-Depoisfalaremossobreisso;continueaexplicarcomoselê-pediuJohn
Faa.
-Existemessestrêsponteirosquepodemoscontrolar,esãousadospara
fazermosumapergunta.Apontandocadaumparaumsímbolo,pode-se
fazerqualquerpergunta,porquecadasímbolotemmuitosníveis.Depois
defeitaapergunta,oponteirograndegiraeapontaparaoutrossímbolos,
quedarãoaresposta.
-Mascomoelesabeemqualnívelagenteestápensandoquandofaza
pergunta?-JohnFaaquissaber.
-Ah,elesozinhonãosabe.Sófuncionasequemperguntapensarnesses
níveis.Primeiroéprecisoconhecertodosossignificados,edevehaver
maisdemil.Depoistemqueconseguirmanterosníveisnamentesemse
impacientar,eficarobservandoosmovimentosdoponteirogrande.
Quandoeletiverdadoumavoltacompleta,apessoasaberáqualéa
resposta.SeicomoissofuncionaporquejáviumsábioemUppsala
mexendocomumdesses,efoiaúnicavezquevi.Sabequeelessão
raríssimos?
-OReitormedissequesóseisforamfabricados–Lyracontou.
-Sejamquantosforem,sãopouquíssimos.
-EvocêguardousegredodaSra.Coulter,comooReitorpediu?-JohnFaa
perguntou.
-Guardei,sim.Masodaemondela,sabem,elecostumavaentrarnomeu
quarto.Eeledescobriu,eutenhocerteza.
-Entendo.Bem,Lyra,nãoseisealgumdiavamoschegaracompreender
tudo,mastenhoumpalpite,nadamaisqueisso:LordeAsrielencarregouo
Reitordetomarcontadevocêenãodeixarsuamãechegarperto.Efoio
queelefez,pormaisdedezanos.EntãoosamigosdaSra.CoulternaIgreja
ajudaramsuamãeacriaressetaldeConselhodeOblação,aindanão
sabemoscomqueintenção,eelaficoutãopoderosaquantoLordeAsriel.
Seuspais,osdoispoderosos,osdoisambiciosos,eoReitordaJordan
mantendovocêequilibradaentreeles.Bom,oReitortemmilcoisaspara
cuidar;suaprimeirapreocupaçãoéafaculdade,demodoquesesurgir
umaameaça,eletemqueagircontraela.EaIgreja,ultimamente,Lyra,tem
ficadomaisautoritária.Criaramconselhosdissoedaquilo;estãofalando
emreviveroOfíciodaInquisição,Deusmelivre.EoReitortemquepisar
comcuidadoentretodosessespoderes.TemquemanteraFaculdade
JordannasgraçasdaIgreja,senãoelanãovaisobreviver.
Elefezumapausacurtaeemseguidacontinuou:
-OutrapreocupaçãodoReitorévocê,minhafilha.BernieJohansensempre
foimuitoclarosobreisso:oReitordaJordaneosoutrosCatedráticos
amamvocê
comosefossefilha.Fariamqualquercoisaparaquevocêfiqueem
segurança,nãosóporqueprometeramaLordeAsriel,masporsuacausa
também.Então,seoReitorentregouvocêàSra.Coulterdepoisde
prometeraLordeAsrielquenãofariaisso,eledeveterachadoquevocê
estariamaisseguracomeladoquenaFaculdadeJordan,apesardas
aparências.EquandoeleresolveuenvenenarLordeAsriel,deveter
achadoqueascoisasqueLordeAsrielestavafazendoiamcolocartodos
elesemperigo,etalveztodosnóstambém;talvezomundointeiro.
ConsiderooReitorumhomemquetemquefazerescolhasterríveis;seja
qualforasuaescolha,issovaicausardano;mas,talvez,seelefizeracoisa
certa,odanoseráumpoucomenordoqueseeleescolherdemaneira
errada.Deusmelivredeterquefazeressetipodeescolha.Equandoas
coisaschegaramaopontodeterquedeixarvocêpartir,elelhedeuoleitor
desímbolosepediuquevocêoguardasse.Ficomeperguntandooqueele
pretendiaquevocêfizessecomoinstrumento;comovocê
nãosabefazeracoisafuncionar,ficosementenderoqueeleestava
querendo.
-EledissequetioAsrieldeuoaletômetrodepresenteàFaculdadeJordan
há
muitosanos-Lyracontou,tentandolembrar-se.-Iadizermaisalguma
coisa,masbateramnaporta,eeletevequeparar.Oqueeuacheifoique
elepodiaquererqueeuescondesseoaletômetrodeLordeAsrieltambém.
-Ouaocontrário-interveioJohnFaa.
-Comoassim,John?-quissaberFarderCoram.
-ElepodiaestarpretendendopediraLyraparadevolveristoaLorde
Asriel,comoumaespéciederecompensaportentarenvenená-lo.Podeter
achadoqueoperigoqueLordeAsrielrepresentavatinhapassado.Ouque
LordeAsrielconseguiriatiraralgumproveitodesteinstrumentoedesistir
dasuaintenção.SeLordeAsrielestápresoagora,issopoderiaajudara
libertá-lo.Bem,Lyra,émelhorvocêguardaremsegurançaesteleitorde
símbolos.Seconseguiuatéagora,nãomepreocupo.Maspodechegara
horadeprecisarmosconsultá-lo,eentãovamospediloavocê.Ele
embrulhouoinstrumentonoveludoedeslizou-oporcimadamesa.Lyra
queriafazertodotipodeperguntas,masderepentesentiu-setímida
diantedaquelehomenzarrãodeolhostãovivosebondososnorostocheio
derugas.Porémumacoisaelaprecisavaperguntar.-Quemfoiamulher
gípciaquemeamamentou?
-Ora,foiamãedeBillyCosta,éclaro.Elanãoiriacontaravocêporqueeu
nãopermiti,massabequaléoassuntodestanossaconversa.Aliás,é
melhorvocê
voltarparaelaagora.Temmuitacoisaemquepensar,filha.Depoisde
passadostrêsdias,vamosteroutrareuniãoediscutiroquesehádefazer.
Comporte-se.Boanoite,Lyra.
-Boanoite,LordeFaa.Boanoite,FarderCoram–eladisseeducadamente,
apertandooaletômetrocontraopeitocomumadasmãosepegando
Pantalaimoncomaoutra.
Ambososanciãossorriram-lhecombondade.Doladodeforadoaposento,
MãeCostaestavaàesperae,comosenadativesseacontecidodesdeque
Lyranascera,agípcialevantou-aemseusbraçosenormesebeijou-aantes
delevá-laparaacama.
8FRUSTRAÇÃO
LYRAtinhaquedigeriraquelanovahistóriadasuavida,eparaisso
precisavadetempo.VerLordeAsrielcomoseupaieraumacoisa,mas
aceitaraSra.Coultercomosuamãenãoeraassimtãofácil.Algunsmeses
antes,elateriagostado,naturalmente,esabendodissotambém,ficava
confusa.
Mas,sendoLyra,nãosepreocupoumuitotempocomisso,poishaviaa
cidadedoPântanoparaexploraremuitascriançasgípciaspara
impressionar.Antesdepassadooprazodetrêsdias,elaeraespecialistapelomenosseconsideravaemmanejaravaraqueimpulsionavaosbarcos
etinhareunidoumbandodecriançascomhistóriasdeseupaipoderoso
queforapresoinjustamente.
-EentãoumanoiteoEmbaixadordaTurquiafoiconvidadoparajantarna
Jordan.EeletinhaordensdopróprioSultãoparamataromeupai,certo,e
tinhanodedoumanelcomumapedraocacheiadeveneno.Equando
chegouovinho,eleesticouobraçoporcimadataçadopapaiedeixouo
venenocairdentrodela.Fezissotãodepressaqueninguémviu,mas...
-Quetipodeveneno?-quissaberumameninaderostomagro.
-Venenodeumaserpenteturcamuitoespecial,queelesatraemtocando
flautaedepoisjogamemcimaumaesponjaencharcadademel;aserpente
mordeenãoconseguelivrarosdentes,elesentãotiramovenenodela.De
qualquermaneira,papaitinhavistooqueoturcofezedisse:"Senhores,
querofazerumbrindepelaamizadeentreaFaculdadeJordanea
FaculdadedeIzmir"(queeraafaculdadedoEmbaixadorturco)."Epara
mostrarnossaboavontadedesermosamigos,vamostrocardetaças,cada
umbebendoovinhodooutro."Oembaixadorficouencalacrado,porque
nãopodiarecusarsemcometerumaofensamortal,enãopodiabeber
porquesabiaqueovinhoestavaenvenenado.Eleficoupálidoedesmaiou
alimesmo.Quandovoltouasi,elesestavamaindatodossentados,
esperandoeolhandoparaele.Eentãoeletevequebeberovenenoou
entãoconfessartudo.
-Entãoquefoiqueelefez?
-Elebebeu.Levoucincominutosparamorrer,esofreuotempotodo.
-Vocêviuissotudoacontecer?
-Não,porquemeninasnãotêmpermissãoparasesentarnaMesa
Principal.Masviocorpodele,depois.Apeleestavatodaenrugada,como
umamaçãvelha,eosolhostinhamsaltado.Tiveramqueenfiarelespara
dentro..eassimpordiante.Enquantoisso,naperiferiadaregiãodos
Pântanos,policiaisbatiamnasportas,revistavamporõesequintais,
inspecionavampapéiseinterrogavamtodosquedissessemtervistouma
menininhaloura.EmOxford,abuscafoiaindamaissevera:vasculharama
FaculdadeJordandesdeomaisempoeiradoquartodeguardadosatéo
porãomaisescuro,efizeramomesmocomGabrieleSt.Michael's,atéque
osreitoresdetodasasfaculdadeslançaramumprotestocoletivo
invocandoseusdireitos.AúnicaidéiaqueLyratevedequeaprocuravam
eraoincessantezumbidodosmotoresagásdasaeronavescruzandoocéu.
Elasnãoeramvisíveisporqueasnuvensestavambaixas,epelo
regulamentoasaeronavestinhamquemanterumacertaalturaacimada
regiãodoPântano,masquemsabiaqueinstrumentosdeespionagemelas
poderiamestarcarregando?Eramelhorirseesconderquandoouviaos
motores,ouusarumacapacobrindoseuscabeloslouros.Eelainterrogou
MãeCostasobrecadadetalhedahistóriadoseunascimento.Teceuesses
detalhesformandoumatapeçariamentalmaisclaradoqueashistórias
quetinhainventado,ereviviavezessemcontaafugadocasebre,o
esconderijonoarmário,odesafio,ochoquedeespadas...
-Espadas?MeuDeus,garota,vocêestásonhando?-perguntouMãeCosta.
-OSr.Coultertinhaumapistola,eLordeAsrieltirou-adamãodelee
derrubou-ocomumsósoco.
Depoishouvedoistiros.Nãoseicomovocênãoselembra;devialembrar,
emborafossepequena.OprimeirotirofoideEdwardCoulter,quepegoua
armaedisparou,eosegundofoideLordeAsriel,quetornouaarrancara
armadooutroeapontouparaele.
Atiroubemnomeiodosolhosdele,espalhandoosmiolos.Então,coma
maiorcalma,eledisse:"Podesair,Sra.Costa,etragaobebê",porquevocê
estavaberrandotanto,vocêeessedaemon;elepegouvocê,brincoucom
vocêecarregouvocênosombrosdeumladoparaooutro,comótimo
humor,comomortoestendidoali,emepediuparatrazervinhoepara
limparochão.
Nofinaldaquartarepetição,Lyraestavafirmementeconvencidadequese
lembravadetudo,eatémesmoofereceudetalhesdacordocasacodoSr.
Coulteredosmantosedaspelespenduradasnoarmário.MãeCostariu.
EsemprequeestavasozinhaLyrapegavaoaletômetroeficava
contemplando-ocomosefosseoretratodeumnamorado.Entãocada
imagemtinhaváriossignificados?Porqueelanãoconseguiriaentender
todoseles?Afinal,nãoerafilhadeLordeAsriel?Lembrando-sedoque
FarderCoramtinhadito,elatentoufocalizaramenteemtrêssímbolos
escolhidosaoacasoemoveuosponteirosparacadaumdeles.Descobriu
que,sesegurasseoaletômetrodeumacertamaneiranapalmadasmãose
olhasseparaeledeumjeitoespecial,meiopreguiçoso(comoelachamava),
oponteiromaiorcomeçavaasemovimentar.Emvezdepassearpelo
mostrador,eleiadeumafiguraparaoutra.Devezemquando,paravaem
trêsdelas,àsvezesemduas,àsvezesemcincooumais,eemboraelanada
compreendesse,aquilolhedavaumacalmaagradáveleprofunda,
diferentedetudoqueelaconhecia.Pantalaimonficavadebruçadosobreo
mostrador,àsvezesemformadegato,àsvezesderato,acompanhandoo
ponteirograndecomacabeça;e,umaouduasvezes,osdois
compartilharamumvislumbredesignificadoquepareciacomoumraiode
solquetivesseatravessadoasnuvensparailuminarumamajestosa
silhuetadegrandesmontesàdistância–algumacoisamuitoalémejamais
suspeitada.ELyrasentia,nessasocasiões,omesmoarrepioquesentira
durantetodaasuavidaaoouvirapalavraNorte.
Assimsepassaramostrêsdias,commuitasidasevindasentreagrande
quantidadedebarcoseoZaal.Eentãochegouanoitedasegundareunião
doEncontro.Osalãoestavamaischeiodoqueantes,seistofossepossível.
LyraeosCostachegaramatempodesesentarnafrente,eassimqueas
luzestrêmulasmostraramqueosalãoestavarepleto,JohnFaaeFarder
Coramapareceramnaplataformaesesentaramatrásdamesa.JohnFaa
nãoprecisoupedirsilêncio;apenascolocouasmãosenormessobreamesa
eolhouparaaplatéia,eoburburinhocessou.
Eleentãofalou:
-Bom,vocêsfizeramoqueeupedi,emelhordoqueeuesperava.Agora
vouchamaroschefesdasseisfamíliasparasubiremaqui,entregarseu
ouroeoferecersuaspossibilidades.NicholasRokeby,vocêvemprimeiro.
Umhomenzarrãodebarbaspretassubiuparaaplataformaecolocou
sobreamesaumapesadasacoladecouro.
-Esteéonossoouro,enósoferecemos38homens.
-Obrigado,Nicholas-disseJohnFaa.
FarderCoramestavatomandonotas.Oprimeirohomemficouparadonos
fundosdaplataformaenquantoJohnFaachamavaoseguinte,eoseguinte;
ecadaumdelessubia,colocavaumasacolanamesaeanunciavaonúmero
dehomensquetinhaparaoferecer.OsCostafaziampartedafamília
Stefanski,enaturalmenteTonytinhasidoumdosprimeirosaseoferecer
comovoluntário.Lyrapercebeuodaemon-falcãodelemexendo-sedeuma
pataparaoutraeestendendoasasasenquantooourodosStefanskie23
homenseramoferecidosaJohnFaa.Depoisqueoschefesdasseisfamílias
tinhamsidochamados,FarderCorammostrousuasanotaçõesaJohnFaa,
queficoudepéparadirigir-seoutravezà
assistência.
-Amigos,conseguimos107homens.Agradeçoatodoscommuitoorgulho.
Quantoaoouro,nãoduvido,pelopeso,quetodosvocêsrasparamseus
cofres,emeusagradecimentossãotambémporisso.Oquevamosfazeréo
seguinte:vamosarrendarumnavioevelejarparaoNorte,encontraras
criançaselibertartodaselas.Peloquesabemos,podehaverluta.Nãoserá
aprimeiranemaúltimavezquelutamos,masnuncativemosquelutar
compessoasqueroubamcrianças,evamosprecisarterumaesperteza
foradocomum.Masnãovamosvoltarsemasnossascrianças.Sim,Dirk
Vries?
Umhomemlevantou-seeperguntou:
-LordeFaa,osenhorsabeporquelevaramnossosfilhos?
-Ouvimosdizerqueéumassuntoteológico.Estãofazendoumaexperiência,
masnãosabemosqual.Paradizeraverdadeavocês,nemsequersabemos
seoqueestãofazendocomelasébomouruim.Mas,sejacomofor,eles
nãotêmodireitodeaparecerdenoiteeroubarcriancinhasdesuascasas.
Sim,RaymondvanGerrit?
Ohomemquetinhafaladonaprimeirareuniãolevantou-seedisse:
-Essacriança,LordeFaa,essaqueosenhordissequeestavasendo
procurada,essaqueestáagorasentadanaprimeirafila.Ouvidizerqueas
casasdetodasaspessoasnabeiradosPântanosestãosendorevistadase
reviradasdecabeçaparabaixoporcausadela.Ouvidizerquehojemesmo
estãovotandonoParlamentoparaacabarcomnossosprivilégios
tradicionaisporcausadestacriança.Sim,amigos-elecontinuou,acimados
cochichosquesurgiram.-Elesvãopassarumaleiacabandocomonosso
direitodeliberdadedemovimentosdentroeforadosPântanos.Agora,
LordeFaa,oquequeremossaberéoseguinte:queméestacriançaque
podefazerissoconosco?Elanãoégípcia,peloqueouvidizer.Comoé
queumameninaandarilhapodecolocartodosnósemperigo?
LyraergueuosolhosparaJohnFaa.Seucoraçãobatiacomtantaforçaque
elamalconseguiuouvirasprimeiraspalavrasdarespostadele.
-Ora,faleclaramente,Raymond,nãosejatímido–eledisse.-Querquea
genteentregueacriançaparaosperseguidoresdela,éisso?
Ohomemficouemsilêncio,decarafeia.
-Bom,podeserquesim,podeserquenão-JohnFaacontinuou.-Masse
algumhomemoualgumamulherprecisadeumarazãoparafazerobem,
quepensenisso:essamenininhaénadamenosqueafilhadeLordeAsriel.
Paraosqueesqueceram,foiLordeAsrielquemintercedeucomosturcos
pelavidadeSamBroekman.FoiLordeAsrielquempermitiuaosbarcos
gípciospassagemlivrenoscanaisdentrodassuaspropriedades.FoiLorde
AsrielquemderrotouaLeidosCursosd'ÁguanoParlamento,paragrande
benefícionosso.EfoiLordeAsrielquemlutounoiteedianasenchentesde
53emergulhoudecabeçanaáguaduasvezesparasalvarojovemRuude
NellieKoopman.Esqueceram-sedisso?Quevergonha,quevergonha.E
agoraessemesmoLordeAsrielestápresonasregiõesmaisfrias,distantes
eescuras,nafortalezadeSvalbard.Precisodizeravocêsotipode
criaturasqueestãovigiandoelelá?Eestaéafilhinhadelequenós
estamoscuidando,eRaymondvanGerritiaentregá-laparaasautoridades
emtrocadeumpoucodepaz.Éverdade,Raymond?Fiquedepée
responda,homem!
MasRaymondvanGerritestavaafundadonoassentoenãoselevantou.
Umsussurrobaixodedesaprovaçãopercorreuograndesalão,eLyra
sentiuavergonhaqueeledeviaestarsentindo,assimcomoumaondade
orgulhoporseucorajosopai.JohnFaavirou-seeolhouparaosoutros
homensnaplataforma.
-NicholasRokeby,vocêvaificarencarregadodeencontrarumnavioevai
serocomandantedelequandopartirmos.AdamStefanski,queroquese
encarreguedasarmasemunições,ecomandeabatalha.RogervanPoppel,
vocêcuidadetodososoutrossuprimentos,dacomidaatéasroupaspara
frio.SimonHartmann,vocêvaiserotesoureiroevaiprestarcontasatodos
nósdoempregodonossoouro.BenjamindeRuyter,queroquese
encarreguedaespionagem;hámuitacoisaqueprecisamossaber,evou
colocarvocêencarregadodisso,evaifazerseusrelatóriosaFarderCoram.
MichaelCanzona,vocêvaificarresponsávelporcoordenarotrabalhodos
quatroprimeiros,evaifazerosrelatóriosparamim,eseeumorrer,você
ficaránomeulugar.Bem,jáfizasdisposiçõesdeacordocomonosso
costume,esequalquerhomemoumulherdiscordar,podedizerissocom
todaliberdade.
Depoisdeummomento,umamulherselevantou.
-LordeFaa,nãovailevarmulheresnessaexpediçãoparatomarcontadas
criançasdepoisqueasencontrar?
-Não,NelI.Vamosterpoucoespaço.Ascriançasquelibertarmosvãoestar
melhoresconoscodoqueláondeestãoagora.
-Massedescobrirquenãovaipodersoltarascriançassemalgumas
mulheresdisfarçadasdeguardas,decriadasoudeseiláoque.
-Bom,eunãotinhapensadonisso-JohnFaaconfessou.
-Prometoquevamospensarnissocommuitocuidadoquandoformospara
oescritório.
Elasesentou,eumhomemficoudepé.
-LordeFaa,ouviosenhordizerqueLordeAsrielestánocativeiro.Faz
partedonossoplanolibertarLordeAsriel?Porque,casofaça,eseele
estiverempoderdaquelesursoscomoeuachoqueosenhordisse,vamos
precisardemaisdoque107homens.EpormaisqueLordeAsrielseja
nossoamigo,nãoseisetemosodeverdefazerisso.
-AdriaanBraks,vocênãoestáenganado.Oqueeutinhaemmenteera
ficarmosdeolhoseouvidosabertosevermosoquepodemosdescobrir
enquantoestivermosnoNorte.Podeserqueagentepossafazeralguma
coisaparaajudá-lo,epodeserquenão,maspodeconfiaremmim:não
vamosusaroquevocêsnosderam,homensououro,paraqualquercoisa
alémdeencontrarmosetrazermosparacasaasnossascrianças.
Outramulherlevantou-se.
-LordeFaa,nãosabemosoqueessesPapõespodemestarfazendocomos
nossosfilhos.Todosnósouvimosboatosehistóriashorríveis.Falamem
criançassemcabeças,oucriançascortadasaomeioedepoiscosturadas,e
outrascoisashorríveisdemaisparadizer.Ficomuitotristedeterquefalar
nisso,mastodosnósescutamosessetipodecoisaequeroquetudoseja
esclarecido.Agora,casoosenhorencontreessetipodecoisa,LordeFaa,
esperoquesuavingançasejatotal.Esperoquenãovádeixaressasidéias
depiedadeebondadeimpediremquesuamãoataquecomtodaforça,
dandoumgolpepoderosonocoraçãodessamaldadeinfernal.Tenho
certezadequetodasasmãesquetiveramumfilholevadopelosPapões
concordamcomigo.
Houveumruidosomurmúriodeconcordância,eelasesentou.Emtodoo
Zaalaspessoasfaziamgestosdeconcordância.
JohnFaaesperouquesefizessesilêncio,entãodisse:
-Nadavaisegurarminhamão,Margaret,senãoforumaquestãode
estratégia.SeeunãoatacarnoNorte,vaiserparapoderatacarcommais
forçanoSul.Atacarcedodemaisétãoruimquantoatacarolugarerrado.É
claroqueháumsentimentomuitofortenoquevocêdiz.Mas,seseguirem
essesentimento,amigos,estarãofazendoaquiloqueeusempreaconselhei
anãofazer:estarãocolocandoasatisfaçãodosseussentimentosacimado
trabalhoquetêmafazer.Nossotrabalhoagoraéprimeiroosalvamento,
depoisocastigo.Nãoéagradaraninguém.Nossossentimentosnãotêm
importância.SesalvarmosascriançasenãocastigarmososPapões,
fizemosacoisamaisimportante.MassepretendemoscastigarosPapões
primeiroeassimperdermosachancedesalvarascrianças,vaiserum
fracasso.JohnFaaficouuminstanteemsilêncio.
-Masdeumacoisavocêpodetercerteza,Margaret-prosseguiu.-Quando
chegarahoradecastigar,vamoslhesdarumgolpetamanhoqueelesvão
seacovardar.Vamostiraraforçadeles.Vamosdeixartodoseles
arruinadoseliquidados,partidosemmilpedaçoseespalhadosaosquatro
ventos.Omeuprópriomarteloestásedentodesangue,amigos.Elenão
senteogostodesanguedesdequeeumateiocampeãotártaronasestepes
doCasaquistão;eleestásonhando,penduradolánomeubarco;masestá
sentindocheirodesanguenoventoquevemdoNorte.Ontemànoite,ele
faloucomigoecontousuasede,eeudisse:logo,logo.Margaret,vocêpode
sepreocuparcommilcoisas,masnãosepreocupecomqueocoraçãode
JohnFaaestejamoledemaisparalutarquandochegarahora.Equemvai
dizerquandoahorachegarvaiseroraciocínio,nãoossentimentos.
Alguémmaisquerdizeralgumacoisa?
Ninguémquis,eJohnFaapegouasinetadeencerramentoetocou-acom
força,balançando-anumgrandearco,produzindosonsqueenchiamo
salãoesubiamatéasvigas.
JohnFaaeosoutroshomensnaplataformaforamparaoescritório.Lyra
ficouumpouquinhodecepcionada:nãoiamquerê-lacomelesládentro?
MasTonyriu.
-Elestêmquefazerplanos-explicou.-Vocêjáfezsuaparte,Lyra.Agoraé
porcontadeJohnFaaedoconselho.
-Masaindanãofiznada!-Lyraprotestou,enquantoseguiaosoutros
relutantementeparaforadoSalão,descendoaruacalçadadepedrasna
direçãodoancoradouro.-SóoquefizfoifugirdaSra.Coulter!Estefoisóo
começo.QueroirparaoNorte!
-Vamosfazeroseguinte:eulhetragoumdentedeleão-marinho,está
bem?disseTony.Lyrafechouacara.QuantoaPantalaimon,eleestava
ocupadofazendocaretasparaodaemondeTony,que,desdenhoso,fechou
osolhoscastanhos.Lyrachegouaoancoradouroeficoucomseusnovos
amigos,sacudindolamparinaspenduradasemfiossobreaáguaescura
paraatrairospeixesdeolhosesbugalhadosquevinhamnadandodevagar,
arriscando-seaseremespetadospelascrianças,coisaquenuncaacontecia.
MasospensamentosdelaestavamcomJohnFaaeaconferênciano
escritório,enãodemoroumuitoantesqueelasubisseoutravezaruaatéo
Zaal.Havialuznajaneladoescritório.Ajanelaeraaltademaisparaque
Lyraenxergasseooutrolado,maselaconseguiuouvirosomdevozeslá
dentro.
Entãofoiatéaportaebateucomfirmezacincovezes.Asvozessecalaram,
umacadeirafoiarrastadaeaportaseabriu,derramandoumacálidaluz
denaftasobreodegrauúmido.
-Sim?-fezohomemqueabriuaporta.
Atrásdele,Lyraviaosoutroshomensemvoltadamesa,comsacolasde
ouro,papéisecanetas,cáliceseumfrascodegenebra.
-QueroirparaoNorte-Lyrafalouparaquetodosouvissem.-Queroir
ajudarasalvarascrianças.Eraoqueeupretendiafazerquandofugida
Sra.Coulter.Eaté
antes,eupretendiasalvarmeuamigoRoger,oajudantedeCozinhada
Jordanquefoiraptado.Queroireajudar.Seifazernavegaçãoeposso
fazerasleiturasanbaromagnéticasdaAurora,eseiquaisaspartes
comestíveisdeumurso,etodotipodecoisasúteis.Vocêsvãose
arrependersechegaremláedescobriremqueiamprecisardemime
tinhammedeixadoparatrás.Ecomoaquelamulherdisse,podemprecisar
demulherparafazerumpapel,e,ora,podemprecisardecrianças
também.Vocêsnãosabem.Portanto,deviammelevar,LordeFaa,desculpe
interrompersuareunião.
Elajáestavadentrodasalacomtodososhomenseseusdaemonsolhando
paraela,algunsachandodivertidoeoutroscomirritação,maselasótinha
olhosparaJohnFaa.Pantalaimonestavanocolodela,eseusolhosverdes
degato-domatosoltavamfaíscas.JohnFaadisse:
-Lyra,éimpossívellevarmosvocêparaoperigo,demodoquetratedenão
seiludir,minhafilha.Fiqueaqui,ajudeaMãeCostaemantenha-seem
segurança.Éoquevocêtemquefazer.
-Masestouaprendendoaleroaletômetro,também.Estáficandomais
claroacadadia!Vocêsvãoprecisardisso,vãosim!
Elesacudiuacabeça.
-Não.SeiqueseucoraçãoestavadecididoairparaoNorte,masachoque
nemaSra.Coulterialevarvocê.SequerveroNorte,vaiterqueesperar
todosessesproblemasterminarem.Agoravá.
Pantalaimoncicioubaixinho,masodaemondeJohnFaavooudascostasda
cadeiradeleeavançouparaosdoiscomsuasasasnegras,semameaçar,
mascomoumlembretedeboasmaneiras.Lyragirounoscalcanhares,ea
ave,queplanavasobresuacabeça,voltouparajuntodeJohnFaa.Aporta
fechou-seatrásdameninacomumestaloruidoso.
-Nósvamos,sim!-eladisseaPantalaimon.-Elesquetentemnosimpedir.
Nósvamos!
9OSESPIÕES
Duranteosdiasseguintes,Lyrainventouumadúziadeplanosedescartou
todoselescomimpaciência,poisnofundotodosconsistiamemircomo
clandestina,ecomoalguémpoderiaesconder-senumbarcopequeno?
Naturalmenteaviagememsiseriafeitanumnaviodeverdade,eela
conheciahistóriassuficientesparaimaginarquenumnaviohaviamuitos
esconderijos:nosporões,ouaténosescaleres,fosseláoquefosseisso;
masprimeiroelateriaquechegaratéonavio,eopercursodosPântanos
atéonavioseriafeitoàmodagípcia.
Emesmoseelaconseguissechegarsozinhaàcosta,podiaacabar
escondidanonavioerrado.Eseriamesmoumagracinhaesconder-senum
navioeacordaracaminhodoAltoBrasil...
Enquantoisso,àvoltadelaotrabalhohercúleodeprepararaexpedição
continuavanoiteedia.ElaficouporpertodeAdamStefanski,observando
enquantoeleescolhiaosvoluntáriosparaaforçadeguerra.EncheuRoger
vanPoppeldesugestõessobreossuprimentosqueseriamnecessários:ele
tinhaselembradodosóculosdeneve?Eporacasoconheciaomelhor
lugarparaencontrarmapasdaRegiãoÁrtica?Ohomemqueelamais
queriaajudareraBenjamindeRuyter,oespião.Maseletinhapartidona
madrugadaseguinteaosegundoEncontro,enaturalmenteninguémsabia
informarparaondeeletinhaidoouquandovoltaria.Assim,LyragrudouseaFarderCoram.
-Achoqueseriamelhoraceitarminhaajuda,FarderCoram,porqueeu
provavelmenteseimaiscoisassobreosPapõesdoquequalqueroutra
pessoa,poiseuquasefuiumdeles.
Provavelmenteosenhorvaiprecisardemimparaajudaradecifraras
mensagensdoSr.deRuyter.
Eleficavacompenadameninacorajosaedesesperadaenãoamandava
embora;emvezdissoconversavacomelaeescutavaaslembrançasdela
deOxfordedaSra.Coulter,eficavaobservandoenquantoelaliao
aletômetro.
-Ondeestáotallivroquetemtodosossímbolos?–elalheperguntouum
dia.
-EmHeidelberg-eleinformou.
-Esóexisteesse?
-Podehaveroutros,masesseéoúnicoqueeujávi.
-ApostoquetemumnaBibliotecaBodley'semOxford.
ElamalconseguiatirarosolhosdodaemondeFarderCoram,queerao
maisbonitoqueelajávira.QuandoPantalaimoneragato,eleeramagro,
maltratadoebravo,masSophonax,queeraonomedele,tinhaolhos
douradoseeraindescritivelmenteelegante,duasvezesmaiordoqueum
gatodeverdadeecomumapelagemmaravilhosa.Quandoaluzdosolo
tocava,iluminavamaistonsdecastanho-marrom-bege-areia-douradodo
queLyraconseguiriadistinguir.Suavontadedetocarnaquelapele,
esfregarorostonela,eraenorme,masnaturalmentenuncafezisso,poisa
maiorgrosseriaimagináveleratocarnodaemondeoutrapessoa.Os
daemonspodiamtocar-seunsaosoutros,naturalmente,oubrigar;masa
proibiçãocontraocontatogentedaemoneratãosériaquenemmesmona
batalhaumguerreirotocavanodaemondoinimigo.Eraproibido.Lyranão
selembravadeterouvidoissodealguém,massabiainstintivamente,como
sabiaquevomitareraruim,eoconfortoerabom.Assim,embora
admirasseapelagemdeSophonaxeaté
mesmoespeculassecomoeleseria,nuncafezamenormençãodetocá-lo,e
nuncafaria.
SophonaxeratãoesguioecheiodesaúdequantoFarderCorameravelho
efraco.Talvezpordoença,ouportersofridoumgrandegolpe,ofatoera
queelenãoconseguiacaminharsemseapoiaremduasbengalas,etremia
constantemente,comoumafolhaaovento.Porémtinhaamenteclara,
aguçadaepoderosa,edepressaconquistouLyracomseuconhecimento
dascoisaseafirmezacomqueainstruía.
-Oquesignificaestaampulheta,FarderCoram?–elaperguntou,
debruçadasobreoaletômetro,numamanhãensolaradanobarcodele.Elaestásemprevoltandoparalá.
-Costumahaverumapista,sevocêolharcomatenção.Queéessacoisinha
emcimadela?
Elafranziuosolhosparaolhar.
-Éumacaveira!
-Entãoqueéquevocêachaqueissosignifica?
-Amorte...Issoéamorte?
-Issomesmo.Demodoquenossignificadosdaampulhetaestáamorte.
Aliás,depoisdapassagemdotempo,queéoprimeiro,vemamorteem
segundolugar.
-Sabeumacoisaqueeupercebi,FarderCoram?Oponteiropáraemcima
delanasegundavolta!Naprimeiravolta,elesóestremece,enasegunda
elepára.Issoquerdizerqueéosegundosignificado?
-Provavelmente.Queéquevocêestáperguntando,Lyra?
-Euestoupensando...-Elaseinterrompeu,surpresaaodescobrirque
estavamesmofazendoumaperguntasemperceber.
-Eusójunteitrêsfigurasporque...EuestavapensandonoSr.deRuyter,
entende...ejunteiaserpente,ocadinhoeacolmeia,paraperguntarcomo
eleestá
indocomasuaespionagem,e...
-Porqueescolheuessestrêssímbolos?
-Porqueeuacheiqueaserpenteeraesperta,comoumespiãotemque
ser,eocadinhopodiasignificarconhecimento,umacoisaqueédestilada,e
acolmeiaeraotrabalho,porqueasabelhasestãosempretrabalhando;
então,dotrabalhoedaespertezavemoconhecimento,entende,queéa
missãodoespião;aponteiparaostrêsepenseinapergunta,eoponteiro
parounamorte...Achaqueistoestámesmofuncionando,FarderCoram?
-Estáfuncionando,sim,Lyra.Oquenãosabemoséseestamoslendo
direito.Istoéumaartemuitosutil.Seráque...
Antesqueelepudesseterminarafrase,bateramnaporta,eumjovem
gípcioentrou.
-Comlicença,FarderCoram,JacobHuismansacaboudevoltar,eeleestá
muitoferido.
-EleestavacomBenjamindeRuyter-disseFarderCoram.-Quefoique
aconteceu?
-Elenãoquerfalar-disseorapaz.-Émelhorvirlogo,FarderCoram,
porqueelenãovaidurarmuito,estásangrandopordentro.
FarderCorameLyratrocaramumolharassustadoeperplexo,massópor
umsegundo;FarderCoramsaiucaminhando,apoiadoemsuasbengalas,
comamaiorvelocidadepossível,seudaemonandandonafrente.Lyrafoi
também,saltandodeimpaciência.
Orapazlevou-osatéumbarcoatracado,ondeumamulhercomumavental
deflanelavermelhaabriuaportaparaeles.Vendooolhardesuspeitaque
elalançouaLyra,FarderCoramdisse:
-ÉimportantequeameninaescuteoqueJacobtemadizer,senhora.
Entãoamulherdeixou-osentrareficouparatrás,comseudaemon-esquilo
empoleiradonorelógiodemadeira.Numacama,sobumacolchade
retalhos,estavadeitadoumhomemcomorostobrancocobertodesuore
osolhosembaçados.
-Jámandeiviromédico,FarderCoram-disseamulhercomvoztrêmula.
Porfavornãodeixeeleficaragitado.Estásofrendomuitodedor.Ele
chegounobarcodePeterHawkerhápoucosminutos.
-OndeestáPeter?
-Estáatracando.Foielequedissequeeutinhaquechamarosenhor.
-Estácerto.Agora,Jacob,estámeouvindo?
JacobgirouosolhosparaolharparaFarderCoramsentadonacama
oposta,ameiometrodele.
-Olá,FarderCoram-murmurou.
Lyraolhouparaodaemondele.Eraumafuinha,deitadaimóveljuntoà
cabeçadele,enrodilhadamasnãoadormecida,poistinhaosolhosabertos
eembaçadoscomoosdele.
-Quefoiqueaconteceu?-FarderCoramperguntou.
-Benjaminestámorto-foiaresposta.-Estámorto,eGerardfoipreso.
Tinhaavozroucaearespiraçãodifícil.Quandoparoudefalar,seudaemon
desenrodilhou-sedolorosamenteelambeuafacedele;retirandoforças
dessegesto,elecontinuou:
-EstávamosentrandonoMinistériodaTeologia,porqueBenjamintinha
ouvido,deumdosPapõesqueaprisionamos,queoquartel-generaleraláe
queeradeláquesaíamtodasasordens...
Eletornouasilenciar.
-VocêscapturaramPapões?-perguntouFarderCoram.
Jacobassentiueolhouparaseudaemon.Eraincomumosdaemonsfalarem
comoutroshumanosalémdosseus,masàsvezesacontecia,enessa
ocasiãoelefalou:
-PegamostrêsPapõesemClerkenwelleosobrigamosanoscontarem
paraquemestavamtrabalhandoedeondevinhamasordens,coisasassim.
Elesnãosabiamparaondeestavamlevandoascrianças,anãoserqueera
paraoNorte,paraaLapônia...
Elatevequeparar,ofegante,opequenopeitoarfando,edescansarum
pouco,antesdeconseguircontinuar.
-EentãoosPapõesnosfalaramdoMinistériodaTeologiaedeLorde
Boreal.BenjamindissequeeleeGerardHookdeviamentrarnoMinistério,
eFransBroekmaneTomMendhamdeviamirdescobrirmaissobreLorde
Boreal.
-Elesconseguiram?
-Nãosabemos.Elesnãovoltaram.FarderCoram,pareciaquetudoque
fazíamoselesficavamsabendoantes,epeloquesabemos,FranseTom
foramengolidosvivosassimquechegarampertodeLordeBoreal.
-VamosvoltaraBenjamin-disseFarderCoram,percebendoarespiração
deJacobsetornarcadavezmaisofeganteevendoseusolhosfecharem-se
dedor.OdaemondeJacobsoltouumpequenomiadodepreocupaçãoe
amor,eamulheraproximou-sealgunspassos,comasmãosjuntoàboca;
masnãofalou,eodaemoncontinuouemvozfraca:
-Benjamin,GerardenósfomosparaoMinistérioemWhiteHalle
descobrimosúmaportinhalateralquenãoestavamuitovigiada.Ficamos
devigiadoladodeforaenquantoelesabriamafechaduraeentravam.Não
haviasepassadoumminutoquandoouvimosumgritodemedoeo
daemondeBenjaminveiovoando,fezumgestonoschamandoetornoua
entrar,enóspegamosnossafacaecorremosatrásdele;sóqueolugar
estavaescuro,cheiodeformasesonsquenosconfundiamcomseus
movimentoshorríveis;tentamoslutar,mashouveumaconfusãomaisem
cima,eumgrIto,eBenjamincomseudaemoncaíramdeumaescadaria
alta,odaemontentandosegurá-loemvão,poiselesseesborracharamno
chãodepedraemorreram.NãoconseguíamossaberdeGerard,mas
ouvimosavozdelesoltandoumurroláemcima,eficamosaterrorizadose
confusosdemaisparafazeralgumacoisa,eentãoumaflechanosatingiu
noombroepenetrouprofundamente...
Avozdodaemonestavamaisdébil,edohomemferidoveioosomdeum
gemido.FarderCoraminclinou-seecomdelicadezapuxouacolcha,eali,
saindodoombrodoferido,haviaapontacheiadeplumasdeumaflecha,
numamassadesanguecoagulado.
Orestodaflechaestavatãoenterradonopeitodopobrehomemquesó
aquelesdezcentímetrosficavamforadapele.Lyrasentiuumavertigem.
Houveumruídodepassosevozesláfora,noancoradouro.
FarderCoramendireitou-se.
-Chegouomédico,Jacob.Vamossairagora.Quandovocêestiverse
sentindomelhor,conversaremoscommaiscalma.
Acaminhodaporta,elecolocouamãosobreoombrodamulher.No
ancoradouro,Lyraficoupertodele,porquejáhaviaumajuntamentode
pessoascochichandoeapontando.FarderCoramdeuordemaPeter
HawkerparairimediatamentechamarJohnFaa,depoisdisse:
-Lyra,assimquesoubermosseJacobvaiviveroumorrerprecisamoster
outraconversasobreaquelealetômetro.Váseocuparemoutrolugar,
minhafilha;nósmandaremoschamá-la.
Lyraafastou-sesozinhaefoisentar-senamargemcheiadevegetação,
pondo-seajogarlamadentrodaágua.Sabiadeumacoisa:nãoestavafeliz
ouorgulhosaporconseguirleroaletômetro-estavacommedo.Fossequal
fosseopoderquefaziaaqueleponteiroandareparar,elesabiacoisas,
comoumserinteligente.
-Achoqueéumespírito-disseela,eporuminstanteficoutentadaajogar
opequenoinstrumentonomeiodopântano.
-Euveriaoespírito,sehouvesseumaídentro–dissePantalaimon.-Como
ofantasmavelhoemGodstow.Euvi,evocênão.
-Existemaisdeumtipodeespírito-disseLyraemtomdereprovação.Você
nãoconseguevertodos.Dequalquermaneira,eaquelesCatedráticos
mortossemcabeça?Euvi,lembra-se?
-Aquilofoisóumpesadelo.
-Nãofoi,não.Eramespíritos,mesmo,evocêsabedisso.Massejaqualforo
espíritoqueestámovendoessemalditoponteiro,nãoédaqueletipode
espírito.
-Podenãoserumespírito-teimouPantalaimon.
-Quemaispoderiaser?
-Poderiaser...Poderiamserpartículaselementares.
Elasoltouumarisadinhadedesprezo.
-Poderiam,sim-eleinsistiu.-Lembra-sedaquelaventoinhamovidaaluz
queelestêmnaGabriel?Então?
NaFaculdadeGabriel,haviaumobjetomuitosagradoqueficavaguardado
noaltarprincipaldoOratório,coberto(agoraLyrapensavanisso)comum
panodeveludopreto,comooqueembrulhavaoaletômetro.Elaotinha
vistoquandoacompanhouoBibliotecáriodaJordannumcultoreligioso.No
augedacerimônia,oIntercessorlevantouopanoerevelounapenumbra
umdomodevidro;dentrodelehaviaalgumacoisadistantedemaispara
servista,atéqueelepuxouumcordãopresoaumapersianaláemcima,
deixandoumraiodesolcairexatamentesobreodomo.Entãoficouclaroo
queera:umacoisinhacomoumaventoinha,comquatropáspretasdeum
ladoebrancasdooutro,quecomeçaramagirarquandoaluzbateunela.O
Intercessordisseentãoqueaquiloilustravaumaliçãomoral,poisonegror
daignorânciafugiadaluz,aopassoqueaalvuradasabedoriaeraatraída
porela.Lyraacreditounaquilo;dequalquermaneira,fossequalfosseo
significado,aspequenaspásgiratóriaseramlindas;omovimentoera
impulsionadopelaforçadosfótons,disseoBibliotecárioenquanto
voltavamparaaJordan.EntãotalvezPantalaimontivesserazão.Seas
partículaselementaresconseguiamfazergirarumaventoinha,semdúvida
podiammoverumponteirocommuitomaisfacilidade;masissoaindaa
preocupava.
-Lyra!Lyra!
EraTonyCosta,acenandoparaeladoancoradouro.
-Venhaatéaqui-elechamou.-VocêtemqueirfalarcomJohnFaano
Zaal.Depressa,garota,éurgente!
ElaencontrouJohnFaacomFarderCorameosoutroschefes,parecendo
preocupados.JohnFaafalou:
-Lyra,minhafilha,FarderCorammecontousobreasualeituradaquele
instrumento.ElamentodizerqueocoitadodoJacobacabademorrer.Acho
quevamosterquelevarvocêconoscoafinal,contraaminhavontade.
Estoumuitopreocupadocomisso,masparecequenãotemosalternativa.
AssimqueJacobforenterrado,segundoatradição,nósvamospartir.Você
compreende,Lyra:vaitambém,masnãoéumaocasiãodealegria.Há
problemaseperigosesperandoportodosnós.Voucolocá-lasobos
cuidadosdeFarderCoram.Nãolhecauseproblemasouriscos,senãovai
sentiraforçadaminhacólera.AgoraváexplicarparaMãeCostaefique
preparadaparapartir.
AsduassemanasseguintesforamasmaisatarefadasdavidadeLyra.
Atarefadas,masnãorápidas,poishaviatediososperíodosdeespera,de
esconderseemarmáriosapertadoseúmidos,decontemplarapaisagem
tristeechuvosadeoutonopassandopelajanela,deesconder-seoutravez,
dedormirpertodoescapamentodomotoreacordarcomumaterríveldor
decabeçae-piordetudonemumavezterpermissãoparasairparaoar
fresco,correrpelamargem,subiraoconvés,agarrarumacordajogadada
margem.
Masnaturalmenteeladeviaficarescondida.TonyCostacontou-lheoboato
nastavernasdacosta:que,portodooreino,caçava-seumamenininha
loura,comumagranderecompensapelasuadescobertaeseveroscastigos
paraquemaescondesse.
Haviatambémunsboatosestranhos:aspessoasdiziamqueelaeraaúnica
criançaqueconseguiraescapardosPapõesequepossuíasegredos
terríveis.Outroboatodiziaqueelanãoeraumacriançahumana,massim
umpardeespíritosemformadecriançaedaemon,enviadosaestemundo
pelospoderesinfernaisparacausargrandemal;noentanto,outroboato
diziaquenãosetratavadeumacriançamasdeumhumanoadulto,
encolhidapormagiaetrabalhandoparaostártaros,paravirespionaro
bompovoinglêseprepararocaminhoparaumainvasãotártara.Lyra
escutavaestashistóriasaprincípioachandograça,maistardecom
desânimo.Todasaquelaspessoascommedoeraivadela!Eansiavapor
sairdaquelacabineestreitaeapertada.AnsiavaporjáestarnoNorte,na
nevesobacintilanteAuroraBoreal.Eàsvezesansiavaporestardevoltaà
FaculdadeJordan,pulandopelostelhadoscomRogereosinodo
Administradorbatendoameia-horaparaojantar,eosruídosdelouça,de
frituraedegritosnaCozinha...Entãodesejavaapaixonadamentequenada
tivessemudado,quenadajamaismudasse,queelapudesseserpara
sempreaLyradaFaculdadeJordan.
Aúnicacoisaquelhetiravaotédioeairritaçãoeraoaletômetro.Elaolia
todososdias,àsvezescomFarderCorameàsvezessozinha,edescobriu
queeracadavezmaisfácilentrarnoestadodecalmaemqueos
significadosdossímbolosseesclareciam,eaquelasaltasmontanhas
tocadaspelosolemergiamemsuavisão.
Elaesforçou-separaexplicarcomoera,aFarderCoram.
-Équasecomoconversarcomalguém,sóqueagentenãoconsegueouvir
asoutraspessoaseficasesentindomeioburraporqueasoutrassãomais
inteligentesqueagente,sóqueelasnuncaficamzangadasnemnada...E
elassabemtantacoisa,FarderCoram!Quasecomosesoubessemtudo!A
Sra.Coultererainteligente,sabiamuitacoisa,masistoaquiéumtipode
conhecimentodiferente...Écomocompreender,euacho...
Elefaziaperguntasespecíficas,eelaprocuravaasrespostas.
-QueéqueaSra.Coulterestáfazendoagora?–eleperguntava;asmãos
delamoviam-senomesmoinstante,eelepedia:-Diga-meoqueestá
fazendo.
-Bem,aMadonaéaSra.Coulter,epenso"mamãe"quandocolocoo
ponteiroali;eaformigaéatarefada-essaéfácil,éoprimeirosignificado;
eaampulhetatem"passagemdotempo"entreseussignificados,enomeio
dalistaestá
"agora",eeufixoopensamentonisso.
-Ecomosabeoquesãoessessignificados?
-Écomoseeuvisse.Oumelhor,sentisse,comodescerumaescadaànoite,
agentebaixaopéeachaoutrodegrau.Bom,eubaixoopensamentoe
achooutrosignificado,eeusintoqualé.Entãojuntotudo.Existeum
truque,comodesfocarosolhos.
-Façaissoentão,evejaoqueelediz.
Lyraobedeceu.Oponteirograndecomeçouagirarnomesmoinstante,
parou,continuou,tornouaparar,numasérieprecisademovimentose
pausas.Eraumasensaçãodetamanhagraciosidadeetamanhopoderque
Lyra,compartilhandodele,sentiu-secomoumfilhotedepassarinho
aprendendoavoar.FarderCoram,observandodooutroladodamesa,
anotouoslugaresondeoponteiroparavaeobservavaamenininha
segurandooscabeloslongedorostoemordiscandodeleveolábioinferior,
osolhosaprincípioseguindooponteiro,masdepois,quandoeste
regularizavaseumovimento,olhandoparaoutraspartesdomostrador.
Masnãoaoacaso.FarderCoramerajogadordexadrez,esabiacomoos
jogadoresficavamduranteumapartida.Umbomjogadorpareciaver
linhasdeforçaeinfluênciasobreotabuleiro,seguiaaslinhasimportantes
eignoravaasfracas;eosolhosdeLyramoviam-sedomesmomodo,
segundoalgumcampomagnéticosemelhantequeelaconseguiaenxergare
ele,não.
Oponteiroparounoraio,nomenino,naserpente,noelefanteenuma
criaturacujonomeLyranãosabia:umaespéciedelagartodeolhos
grandeseumraboenroladoemvoltadogalhoondeeleestava
empoleirado.EnquantoLyraobservava,oponteirorepetiuváriasvezes
estaseqüência.
Qualéosignificadodestelagarto?
perguntouFarderCoram,
interrompendoaconcentraçãodela.
-Nãoentendo...Vejooqueeleestádizendo,masachoqueestoulendo
errado.Oraioeuachoqueéraiva,eacriança...achoquesoueu...Euestava
conseguindoumsignificadoparaolagarto,FarderCoram,masosenhor
faloucomigoeelesumiu.Estávendo,eleestáindoparaqualquerlugar.
-É,estouvendo.Sintomuito,Lyra.Estácansada?Querparar?
-Nãoquero,não.
Masseurostoestavavermelhoeosolhosbrilhantes.Tinhatodosossinais
deumasuperexcitação,intensificadapelolongoconfinamentonaquela
cabineabafada.Eleolhoupelajanela.Estavaquaseescuro,eelesviajavam
aolongodoúltimotrechoderioantesdechegaràcosta.Sobumcéu
encobertoestendia-seaamplidãomarromdeumestuárioatéumgrupo
distantedetanquesdeálcooldecarvão,enferrujadosetrespassadospor
canos,juntoaumarefinariaondeumamanchaespessadefumaçasubia
comrelutânciaparajuntar-seàsnuvens.
-Ondeéquenósestamos?-Lyraperguntou.–Possoirláforasóum
pouquinho,FarderCoram?
-AquiéaáguadoColby-eledisse.-OestuáriodorioCole.Quando
chegarmosàcidade,vamosatracarjuntoaoMercadodeDefumadose
vamosapé
atéoporto.Estaremosládentrodeumaouduashoras...
Masestavaficandoescuro,enadesolaçãodorionadasemoviaalémdo
barcodeleseumadistantebalsadecarvãoindoparaarefinaria;eLyra
estavatãovermelhaecansada,etinhaficadotantotempofechada,que
FarderCoramcontinuou:
-Bem,achoquenãotemimportânciaalgunsminutinhosaoarlivre.Não
possochamardearfresco,poiselesóéfrescoquandosopradomar;mas
você
podesesentarláemcimaeapreciarapaisagematéchegarmosmais
perto.Lyradeuumsalto,ePantalaimonnomesmoinstantetransformou-se
numagaivota,ansiosoporestenderasasasacéuaberto.Masestavafriolá
forae,emboraestivessebemagasalhada,logoLyraestavatremendo.
Pantalaimon,poroutrolado,giravanoarcompiosdefelicidade,dando
rasantesemvoltadobarco.Lyraadorouisso,sentindo-secomoele
enquantoelevoavaeinsistindomentalmenteparaqueelefossedesafiaro
daemon-biguádovelhopilotoparaumacorrida.Masodaemonignorou
Pantalaimoneacomodou-sesonolentamentenarodadotimão,pertodo
seuhumano.
Naquelaamplidãoáridaemarrom,nãohaviavida,eapenasoruído
constantedomotoreosomabafadodaáguanocascorompiamosilêncio.
Nuvenspesadascobriamocéusemoferecerchuva;oarestavacheiode
fumaça.SóaelegânciadovôodePantalaimonpossuíaalgumavidae
alegria.
Enquantoelesaíadeumrasantecomasasasbrancascontraocinzento,
algumacoisaoatingiu.Elecaiudelado,cheiodechoqueedor,eLyra
gritou,sentindotambém.Outracoisaescurajuntou-seàprimeira;nãose
moviamcomopássaros,mascomobesourosvoadores,pesadosediretos,
comumzumbidoforte.EnquantoPantalaimoncaía,tentandovirar-separa
alcançarobarcoeosbraçosdesesperadosdeLyra,ascoisaspretasnão
paravamdeatacá-lo.LyraestavaquaseloucacomomedodePantalaimon
eoseupróprio,masentãoalgumacoisapassouporelaeseelevou.
Eraodaemondopilotodobarco;comtodaasuaaparênciadesajeitadae
pesada,seuvôoerapoderosoerápido.Elaviravaacabeçaparaosladoshouveumclarãodeasasescuras,umestremecimentobrancoeuma
coisinhapretacaiusobreotetodacabineenquantoPantalaimonpousava
namãoestendidadela.Antesqueelapudesseacariciá-lo,elemudoupara
suaformadegato-domatoesaltousobreacriatura,empurrando-ada
bordadotelhadoparaondeelaestavatentandofugir.Pantalaimon
segurou-afirmementecomasgarraseergueuosolhosparaocéuque
escurecia,ondeasasasescurasdabiguáfaziamcírculosenquantoela
procuravaaoutracriatura.
Entãoabiguávoltouvoandoegrasnoualgumacoisaparaopiloto,que
disse:
-Fugiu.Nãodeixeessaoutraescapar.Tomeaqui.Elederramouorestodo
líquidodacanecadelataejogou-aparaLyra,quenomesmoinstante
prendeuoanimalquezumbiaeroncavacomoumamáquina.
-Segurefirme-pediuFarderCoramatrásdela,paraemseguidaajoelharseeenfiarumpedaçodepapelãosobacaneca.
-Queéisso,FarderCoram?-elaperguntou,trêmula.
-Vamosláparabaixodarumaolhada.Levecomcuidado,Lyra.Segure
comforça.Aopassar,elaolhouparaodaemondopiloto,pretendendo
agradecer-lhe,maselahaviafechadoosolhos.EntãoLyraagradeceuao
piloto.
-Vocêdeviaterficadoláembaixo-foitudoqueeledisse.
Elalevouacanecaparaacabine,ondeFarderCoramtinhaencontradoum
copodecerveja.Elesegurouacanecadecabeçaparabaixosobreocopoe
entãoretirouocartão,demodoqueacriaturacaiudentrodocopo.Ele
segurouocopodemodoqueambospudessemverclaramenteacoisinha
furiosa.
TinhaotamanhodopolegardeLyraeeraverde-escuro,nãopreta.Asasas
estavameretas,comoumajoaninhaprestesavoar,ebatiamtão
furiosamentequeeramapenasumborrão.Asseispernastentavam
segurar-senasuperfíciedevidro.
-Queéisso?-elaperguntou.
Pantalaimon,aindaumgato-do-mato,estavaagachadosobreamesa,os
olhosverdesseguindooscírculosdacriaturadentrodocopo.
-Seagenteabririssoaí,nãovaiencontrarvida.Nãoéanimalneminseto.
Já
viumadessasantes,enuncapenseiquefosseveroutraaquitãoaonorte.
Sãoafricanas.Têmummecanismodentro,epresonamolaumespírito
maucomumfeitiçoatravessandoocoração.
-Masquemfoiquemandouisso?
-Vocênãoprecisalerossímbolos,Lyra;podeadivinhartãobemquanto
eu.
-ASra.Coulter?
-Claro.ElanãoexplorousóoNorte;estãoacontecendomuitascoisas
estranhaslápelaslonjurasdoSul.FoiemMarrocosquevipelaúltimavez
umadessascoisas.Operigodelasémortal;enquantooespíritoestiver
dentro,elanuncapára,equandoagentelibertaoespírito,eleestátão
furiosoquemataaprimeiracoisaqueencontra.
-Masqueéqueelaestavaprocurando?
-Estavaespionando.Fuiumidiotaemdeixá-lairláfora.Edeviater
deixadovocêdecifrarossímbolos,emvezdeinterromper.
-Agoraestouentendendo!-Lyraexclamouderepente.
-Significa"ar"aquelelagarto!Euviisso,masnãoconseguiaverondese
encaixava,demodoquetenteientendereperdiopensamento.
-Ah,entãotambémestouvendo-disseFarderCoram.
-Nãoéumlagarto,éporisso;éumcamaleão.Esignificaarporqueeles
nãocomemnembebem,vivemdear.
-Eoelefante...
-AAfrica-elecompletou.-Ah!
Elesseentreolharam.Acadarevelaçãodopoderdoaletômetro,eles
ficavammaisimpressionados.
-Eleestavanosfalandodestascoisasotempotodo-disseLyra.-Devíamos
terescutado.Masoquepodemosfazercomestaaí,FarderCoram?
Podemosmatar,oucoisaassim.
-Achoquenãopodemosfazernada.Vamosterqueprenderissoaínuma
caixaenuncamaissoltar.Oquemepreocupamaiséooutro,oquefugiu.
EleagoradeveestarvoandodevoltaparaaSra.Coulter,comanotíciade
queencontrouvocê.Droga,Lyra,souumidiota.
Eleremexeunumarmárioeencontrouumalatadeguardarfolhasde
fumarcomcercadedezcentímetrosdediâmetro.Elatinhasidousada
paraguardarparafusos,maseleesvaziou-aelimpouointeriorcomum
panoantesdeinverterocoposobreelacomocartãoaindanolugar.
Depoisdeummomentodeperigo,quandoumapernadacriaturaescapou
eafastoualatacomforçasurpreendente,elesconseguiramprendê-lana
lataeenroscaratampacomforça.
-Assimquechegarmosaonavio,voucolocarumasoldaemvolta,como
segurançadisseFarderCoram.
-Masacordanãovaiacabar?
-Sefosseummecanismocomum,sim.Mas,comoeudisse,esteaquifica
sempreesticadopeloespíritopresonomeio.
Quantomaiseleluta,maisacordaédada,emaioréaforça.Agoravamos
guardaressesujeito...
Eleenroloualatanumpedaçodeflanelaparaabafarozumbidoincessante
eescondeu-adebaixodacama.
Jáestavaescuro,eLyracontemplavapelajanelaasluzesdeColbycadavez
maispróximas.Oarpesadotransformava-seemneblina,equando
atracaramaoladodoMercadodeDefumados,tudoemvoltaestava
desfocado.Aescuridãotransformadaemvéuscinza-prateadoscobriaos
caixoteseosdepósitos,asbarraquinhasdemadeiraeoprédiodegranito
commuitaschaminés,quedavamnomeaomercado,ondediaenoitehavia
peixessendodefumadospelaperfumadafumaçadocarvalho.Aschaminés
contribuíamparaoarabafado,eocheiroagradáveldepeixedefumadoarenque,cavalaehadoque-pareciasairdaspedrasdochão.Lyra,
enroladanumacapadechuvaecomumenormecapuzescondendoos
cabelosindiscretos,caminhavaentreFarderCorameopiloto.Todosos
trêsdaemonsestavamalertas,vigiandoasesquinasàfrente,vigiando
atrás,tentandoescutarasmaislevespassadas.
Maseleseramasúnicasfigurasàvista.OscidadãosdeColbyestavam
todosdentrodecasa,provavelmentebebericandoaguardentedecereais
juntoaumalareiraquentinha.Nãoencontraramninguématéchegaremao
porto,eoprimeirohomemqueviramfoiTonyCosta,vigiandoosportões.
-GraçasaDeusvocêschegaram-disseelebaixinho,deixando-ospassar.
AcabamosdesaberqueJackVerhoevenlevouumtiroeobarcodelefoi
afundado,eninguémsabiaondevocêsestavam.JohnFaajáestánonavio,
loucoparapartir.Lyraachouonavioimenso.Tinhanocentroacasado
lemeeachaminé,ocastelodaproabemaltoeumguindasteacimadeuma
grandeaberturacobertaporumalona;luzamarelabrilhandonas
escotilhasenaponte,eluzbrancanotopodomastro;etrêsouquatro
homensnoconvés,trabalhandoapressadamenteemcoisasqueelanão
conseguiaenxergar.
Elasubiudepressaarampademadeira,passandoàfrentedeFarder
Coram,eolhouemvoltacomexcitação.Pantalaimontornou-seummacaco
eimediatamentepôs-seasubirpeloguindaste,maselaochamoudevolta;
JohnFaaconversavabaixinhocomNicholasRokeby,ogípcioencarregado
donavio.JohnFaanãofazianadaàspressas.Lyraestavaesperandoque
eleacumprimentasse,maseleterminouoquediziasobreamaréea
pilotagemantesdevirar-separaosrecémchegados.
-Boanoite,amigos.OcoitadodoJackVerhoevenestámorto,talvezvocêsjá
saibam.Eosfilhosdeleforamcapturados.
-Nóstambémtemosmásnotícias-disseFarderCoram,erelatouo
encontrocomosespíritosvoadores.
JohnFaasacudiuacabeça,masnãoosrepreendeu.
-Ondeestáacriaturaagora?-perguntou.
FarderCorampegoualataecolocou-asobreamesa.Dedentrovinhaum
zumbidotãofuriosoqueapróprialatamovia-selentamentesobreotampo
demadeira.
-Jáouvifalardessesdemôniosmecânicos,masnuncaostinhavisto-disse
JohnFaa.-Nãohájeitodedomesticá-loouacabarcomacorda,issoeusei.
Tambémnãoadiantacolocarumpesodechumboejogarnofundodomar,
porqueumdiaalatairiaenferrujar,odemônioiriasaireiratrásdagarota
ondequerqueelaestivesse.Não,vamosterqueguardarevigiar.
SendoLyraaúnicamulherabordo(poisJohnFaa,depoisdemuito
meditar,tinharesolvidonãolevarmulheres),elatomouumacabinesó
parasi.Nãomuitogrande,naturalmente;naverdade,erapoucomaisque
umarmáriocomumacamaeumaescotilha.Elaguardouseuspoucos
pertencesnagavetasobacamaesubiucorrendo,excitada,paradebruçarsesobreaamuradaecontemplaraInglaterradesaparecendoláatrás,
descobrindoentãoqueamaiorpartedaInglaterratinhadesaparecidona
neblinaantesqueelasubisse.
Masoruídodaágualáembaixo,omovimentonoar,asluzesdonavio
brilhandocorajosamentenaescuridão,oroncodomotor,ocheirodesal,
depeixeedeálcooldecarvãoeramsuficientementeexcitantes.Não
demorouqueoutrasensaçãosesomasseàquelas,quandoonaviocomeçou
abalançarnasondulaçõesdoOceanoGermânico.Quandoalguémchamou
Lyraparajantar,eladescobriuquetinhamenosfomedoqueimaginara,e
depoisdealgumtempoachouqueseriaumaboaidéiadeitar-se-por
causadePantalaimon,porqueapobrecriaturaestavasesentindopoucoà
vontade.
EassimcomeçouaviagemdelaparaoNorte.
SEGUNDAPARTE
BOLVANGAR
10OCÔNSULEOURSO
JohnFaaeosoutroschefestinhamdecididoqueiriamparaTrollesund,o
principalportodaLapônia.Asbruxastinhamumconsuladonessacidade,
eJohnFaasabiaque,semaajudadelas-oupelomenossuaneutralidade
amigável-,seriaimpossívelsalvarascriançascativas.
Nodiaseguinte,quandoasnáuseasdeLyratinhamdiminuídoumpouco,
eleexplicousuaidéiaaelaeaFarderCoram.
Osolbrilhava,easondasverdesquebravam-sedeencontroàproa
formandoesteirasdeespuma.Noconvés,comabrisasoprandoeomar
inteirobrilhandocomluzemovimento,elasentiapoucoenjôo;eagoraque
Pantalaimontinhadescobertooprazerdeserumagaivotaedepoisuma
proceláriaroçandoospicosdasondas,Lyradistraiu-secomaalegriadele
enãoconseguiuficarentregueaossofrimentosdeummarinheirode
primeiraviagem.
JohnFaa,FarderCoramemaisdoisoutrêshomensestavamsentadosna
popa,sobosol,conversandosobreopróximopasso.
-Bom,FarderCoramconheceessasbruxasdaLapônia-disseJohnFaa.-E
senãomeenganoháumadívidadefavor.
-Éissomesmo,John-confirmouFarderCoram.-Foihá40anos,maspara
umabruxaissonãoénada;algumasvivemissomultiplicadováriasvezes.
-Quefoiqueaconteceuparacriaressadívida,FarderCoram?-perguntou
AdamStefanski,ohomemencarregadodatropadecombate.
-Salveiavidadeumabruxa-FarderCoramexplicou.
-Elacaiudocéu,perseguidaporumenormepássarovermelho,nuncavi
outroigual.Elacaiuferidanopântano,eeusaíprocurando.Estavaquase
afogada,eeuacoloqueidentrodobarcoedeiumtironopássaro.Elecaiu
numatoleiro,infelizmente,poiseradotamanhodeumagalinholae
vermelhocomoumalabareda.
-Ah...-murmuraramosoutros,presosànarrativadeFarderCoram.
-Bom,quandocoloqueiamoçanobarco,tiveomaiorchoquedaminha
vida,porqueelanãotinhadaemon.
Foicomoseeletivessedito"nãotinhacabeça";essaidéiaerarepugnante.
Oshomensestremeceram,seusdaemonsseeriçaram,ousesacudiram,ou
piaramroucamente,eoshomensasacalmaram.Pantalaimonesgueirou-se
paraocolodeLyra,oscoraçõesdeambosbatendoemuníssono.
-Pelomenoseraoqueparecia-continuouFarderCoram.-Tendocaídodo
céu,eujásuspeitavaqueeraumabruxa.Pareciamesmoumamulher
jovem,maismagraquealgumasemaisbonitaqueamaioria,masnãovero
daemonmecausouumgrandechoque.
-Entãoasbruxasnãotêmdaemon?-quissaberoutrohomem:Michael
Canzona.
-Osdaemonsdelassãoinvisíveis,euacho-disseAdamStefanski.-Ele
estavaláotempotodo,eFarderCoramnãoviu.
-Não,vocêestáenganado,Adam-contestouFarderCoram.-Elenão
estavalá,não.Asbruxastêmopoderdeseseparardeseusdaemonsa
umadistânciamuitomaiordoquenós.Seforpreciso,elaspodemmandar
seusdaemonsviajarparaterrasdistantes,ouatéasnuvens,ouatéofundo
domar.Eessabruxaqueeuencontreinãotinhadescansadonemuma
horaquandoodaemondelachegouvoando,porqueelesentiuomedoeos
machucadosdela,éclaro.Eeuacredito,emboraelanuncatenhaadmitido,
queograndepássarovermelhoqueeumateieraodaemondeoutra
bruxa.Poxa,fiqueitremendoquandopenseinisso.Seeusoubesse,não
teriaatirado;teriatomadooutramedidaqualquer,nomarouemterra;
maseuatirei.Dequalquermaneira,eusalveiavidadela,eelamedeu
umalembrançadissoedisseparaeulhepedirajudasealgumdia
precisasse.Eumavezelamemandouajudaquandoosescraelinguesme
acertaramumaflechaenvenenada.Nóstínhamosoutrasligações,
também...Nãonosvemoshámuitosanos,maselavaiselembrar.
-EessabruxamoraemTrollesund?
-Não,não.Elasmoramnasflorestasenatundra,nãoemumporto
marítimoentrehomensemulheres.Onegóciodelasécomanatureza.Mas
elastêmláumconsulado,eeuvoumandarumrecadoparaela,sem
dúvida.
Lyraestavaloucaparasabermaissobreasbruxas,masaconversavirou
paraaquestãodecombustívelesuprimentos,eafinalelaficouimpaciente
paraconhecerorestodonavio.Saiuvagandopeloconvésnadireçãoda
proa,elogofezamizadecomumMarinheiroQualificado-amizadeessaque
começoucomelaatirandonele,umaporuma,assementesqueguardara
damaçãquetinhacomidonocafédamanhã.
Eleeraumhomemcorpulentoetranqüilo,edepoisquelhedisseum
palavrãoeouviuoutrodelaemresposta,elessetornaramgrandesamigos.
OnomedeleeraJerry.Sobaorientaçãodele,eladescobriuqueteralguma
coisaparafazerimpediaanáusea,equeatéumtrabalhocomolavaro
convéspodiaserprazeroso,sefossefeitocomoummarinheirofazia.Ela
ficouentusiasmadacomessaidéia,edepoisdissopassouadobraras
cobertasdasuacamaàmodadosmarinheiros,aguardarseuspertences
noarmárioàmodadosmarinheiroseusarotermo"estivar"emvezde
"arrumar"paraesseprocesso.
Depoisdedoisdiasnomar,Lyraestavaresolvidaqueaquelaeraavida
queelaqueria.Tinhatodaliberdadenonavio,desdeacasademáquinas
atéaponte,elogosabiaonomedetodaatripulação.OCapitãoRokeby
deixouqueelatocasseoapitoavaporparasinalizarparaumafragatadas
Holandas14;ocozinheiroaceitouaajudadelaparamisturaropudimde
pêssego;esóumareprimendadeJohnFaaimpediuqueelasubisseao
topodomastroparacontemplardagáveaohorizonte.Onavioiaparao
Norte,ecadadiaofrioeramaisintenso.Procuraram-se,nosdepósitos,
lonasquepudessemsercortadasparaela,eJerryensinou-lheacosturar,
umaartequeelaaprendeudeboavontade,emboranaJordanativesse
desdenhado,fugindoàsaulasdaSra.Lonsdale.Juntosfizeramparao
aletômetroumasacolaàprovad'águaqueelapodiausaremvoltada
cintura,casocaíssenaágua,segundoela.Comoinstrumentoem
segurança,elausandoacapaeocapuzdelona,agarrava-seàamurada,
enquantoaespumageladaderramava-seporcimadaproaemolhavao
convés.Ocasionalmenteelasentiaenjôo,especialmentequandoovento
cresciaeonaviomergulhavapesadamenteporumacristadasondas
verde-acinzentadas,eentãofoiavezdePantalaimondistraí-laroçandoas
ondascomoumaprocelária,porqueelaconseguiasentiraeuforiade
liberdadedeleaosabordoventoedaáguaeesqueceroenjôo.Devezem
quando,eletentavaaté
14AsHolandasatualmentesãoosPaísesBaixos,ouseja:aHolandado
NorteeaHolandadoSul.EraumantigocondadodoImpérioRomanono
MardoNorte,antesdeserdividida.(N.T.)
mesmoserumpeixe,ecertavezjuntou-seaumcardumedegolfinhos,
paragrandesurpresaeprazerdeles.Lyraficou,tremendodefrio,no
castelodeproa,eriudeprazerenquantoseuamadoPantalaimon,esguioe
poderoso,saltavadaáguacommeiadúziadeoutrasfigurascinzentase
rápidas.Eraprazer,masnãoumprazersimples,poisnelehaviatambém
doremedo:eseelegostassemaisdesergolfinhodoquegostavadela?
Seuamigo,oMarinheiroQualificado,estavaporpertoeenquantoajeitava
atampadelonasobreaaberturadaproaeleparouparaobservaro
daemondameninanadandoesaltandocomosgolfinhos.Seupróprio
daemon,umagaivota,estavaempoleiradonocabrestante,comacabeça
enfiadasobaasa.ElesabiaoqueLyraestavasentindo.
-Eumelembroaprimeiravezquevimparaomar,euerabemnovinhoea
minhaBelisáriaaindanãotomaraapenasumaforma,eelaadoravaser
toninha,queéumabaleiapequena.Eutinhamedodequeelaficasseassim
parasempre.Nomeuprimeironavio,tinhaumvelhomarinheiroque
nuncapodiairàterra,porqueodaemondeletinhaficadosendoum
golfinho,eelenuncapodiasairdomar.Eraummarinheiromuitobacana,o
melhornavegadorquejáseviu;podiaterfeitofortunacomapesca;mas
nãogostava.Nuncafoifelizatémorrerepoderserenterradonomar.
-Porqueosdaemonstêmqueficarcomumaformasó?
-Lyraperguntou.-QueroquePantalaimonpossamudarsempre.Ele
tambémquer.
-Ah,elessempreficamcomumasó,esempreficarão.Fazpartede
crescer.Vaichegarumtempoemquevocêvaificarcansadadetantas
mudançasdele,evaiquererqueeletenhaumaformaestabelecida.
-Nuncavouquererisso!
-Ah,vai,sim.Vaiquerercrescercomotodasasoutrasmeninas.De
qualquermaneira,aformaúnicatemsuasvantagens.
-Quais?
-Saberquetipodepessoavocêé.AvelhaBelisária,porexemplo;elaé
umagaivota,oquesignificaqueeusouumaespéciedegaivota,também.
Nãosougrandioso,esplêndido,nembonito,massoudurãoeconsigo
sobreviveremqualquerlugar,esemprearranjocomidaeboacompanhia.
Valeapenasaberdisso.E
quandooseudaemonseestabelecernumaforma,vocêvaisaberquetipo
depessoaé.
-Maseseomeudaemonseestabelecernumaformaqueeunãogoste?
-Bom,vocêvaisedecepcionar,nãoé?Temmuitagentequegostariadeter
umdaemonleãoeacabamcomumpoodle.Eatéaprenderemase
contentarcomoquesão,reclamammuito.Achoissoumdesperdíciode
energia.
MasLyratinhaaimpressãodequenuncacresceria.
Certamanhã,havianoarumcheirodiferente,eonaviomovia-sedemodo
estranho,balançando-sedeumladoparaooutro,emvezdemergulhara
proaetornaraerguê-la.Lyradespertoueemmenosdeumminutoestava
noconvés,olhandoavidamenteparaterra:umavisãotãoestranha,depois
detodaaquelaágua,poisemborasótivessempermanecidoalgunsdias
navegando,paraLyraeracomosetivessempassadomesesnooceano.
Bemàfrentedonavioerguia-seumamontanhadeencostasverdeseo
picocobertodeneve,enosopéumacidadezinhaeumporto:casasde
mádeiracomtelhadospontudos,atorrefinadeumaigreja,caixotesno
portoenuvensdegaivotasvoandoemcírculoegritando.Ocheiroerade
peixe,masjuntocomelevinhamtambémcheirosdeterrafirme:resinade
pinheiro,barro,ealgumacoisaanimalealmiscarada,emaisalgumacoisa,
queerafria,informeelivre:podiaserneve.EraocheirodoNorte.
Emvoltadonavio,brincavamfocas,mostrandoseusrostosdepalhaço
acimadaáguaantesdemergulharemdenovoruidosamente.
Oventoquelevantavaespumadascristasbrancasdasondasera
monstruosamentefrio,eprocuravatodaaberturaquehouvessenocasaco
deLyra,elogoasmãosdeladoiameorostoestavadormente.Pantalaimon,
emsuaformadearminho,aqueciaopescoçodela,masotempoestavafrio
demaisparaqueficassemdoladodeforapormuitotemposemum
trabalhoafazer,mesmoquefosseobservarasfocas,eLyradesceupara
tomarseumingaudocafédamanhãeolharpelaescotilhadorefeitório.
Dentrodoporto,omarestavacalmo,eenquantoobarcoavançavaao
longodogigantescoquebra-mar,Lyracomeçouasentir-setontaporcausa
dafaltademovimento.ElaePantalaimonobservavamatentamente
enquantoonaviomovia-sedemodolentoemajestosoemdireçãoao
atracadouro.Duranteahoraseguinte,oruídodomotordiminuiuparaum
roncobaixo,vozesgritavamordensouperguntas,cordaseramjogadas,
passarelasbaixadas,portasabertas.
-Vamos,Lyra-chamouFarderCoram.-Jáarrumousuabagagem?
AbagagemdeLyra,porassimdizer,jáestavaarrumadadesdequeela
acordarademanhãeavistaraterrafirme.Tudoqueprecisavafazeragora
eracorreratéacabineepegarasacoladecompras.
AprimeiracoisaqueelaeFarderCoramfizeramemterrafirmefoivisitar
acasadoCônsuldasBruxas.Nãodemoraramaencontrar;acidadezinha
rodeavaoporto,sendoooratórioeacasadoGovernadorasúnicas
construçõesumpoucomaiores.OCônsuldasBruxasmoravanumacasade
madeirapintadadeverdecomvistaparaomar,equandoelestocarama
campainha,osomressooupelaruasilenciosa.
Umcriadolevou-osparaumasaletaelhestrouxecafé.
FinalmenteopróprioCônsulveiorecebê-los.Eraumhomemgordo,de
rostoexuberante,usandoumsóbrioternopreto.SeunomeeraMartin
Lanselius.Seudaemoneraumaserpentepequenadamesmacorverde
intensaebrilhantedosolhosdele,queeramaúnicacoisadebruxona
aparênciadele;masLyranãotinhacertezadecomoimaginavaaaparência
deumabruxa.
-Emquepossoajudá-lo,FarderCoram?-eleperguntou.
-Deduasmaneiras,Dr.Lanselius.Primeiro,estouansiosoparaentrarem
contatocomumabruxaqueconheciháalgunsanos,naregiãodos
PântanosnaAngliaOriental.OnomedelaéSerafinaPekkala.
ODr.Lanseliustomounotacomumalapiseiradeprata.
-Háquantotempofoioseuencontrocomela?–quissaber.
-Deveteruns40anos.Masachoqueelaselembra.
-Equaléasegundamaneiraemquepossoajudá-lo?
-Estourepresentandoumgrupodefamíliasgípciasqueperderamseus
filhos.Temosrazõesparaacreditarqueexisteumaorganização
sequestrandoessascrianças,asnossaseasandarilhas,equeessas
criançassãotrazidasparaoNortecomalgumobjetivodesconhecido.
Gostariadesaberseosenhorouoseupovoouviualgumacoisasobreisso.
ODr.Lanseliusficoubebericandocalmamenteseucafé.
-Nãoéimpossívelquenotíciasdetalatividadepossamterchegadoàs
nossasparagens-disse.-osenhorsabequeasrelaçõesentreomeupovo
eosnortelandensessãointeiramentecordiais.Seriadifícilencontraruma
justificativaparaeuircontraeles.
FarderCoramassentiucomosecompreendessemuitobem.
-Naturalmente-respondeu.-Enãomeserianecessárioperguntar-lhese
eupoderiaconseguirainformaçãodequalqueroutramaneira.Foiporisso
queprimeiropergunteipelaminhaamiga.
AgorafoioDr.Lanseliusquemassentiucomosecompreendessemuito
bem.Lyraobservavaessejogocomperplexidadeerespeito.Haviamuita
coisaacontecendopordetrásdaspalavras,eelaviuqueoCônsuldas
Bruxasestavachegandoaumadecisão.
-Muitobem-eledisse.-Naturalmente,issoéverdade,eosenhorfique
sabendoqueseunomenãonosédesconhecido,FarderCoram.Serafina
Pekkalaé
arainhadeumclãdebruxosnaregiãodoLagoEnara.Quantoàsuaoutra
pergunta,naturalmenteficaentendidoqueessainformaçãonãochegouao
senhoratravésdemim.
-Naturalmente.
-Bem,aquimesmonestacidadeexisteumafilialdeumaorganização
chamadaCompanhiadeExploraçãoProgressodoNorte,quefingeestar
procurandominério,masquenarealidadeécontroladaporumacoisa
chamadaConselhoGeralLondrinodeOblação.Poracasoseiqueessa
organizaçãoimportacrianças.Istonãoéconhecidonacidade;ogovernoda
Norueganãotemconhecimentooficialdofato.Ascriançasnãoficammuito
tempoaqui.Sãolevadasparaointerior.
-Sabeparaonde,Dr.Lanselius?
-Não.Eulhecontaria,sesoubesse.
-Esabeoqueaconteceaelaslá?
PelaprimeiravezoDr.LanseliusolhouderelanceparaLyra.
Elaoencaroudevolta,impassível.Opequenodaemon-serpenteverde
ergueuacabeçadocolarinhodoCônsulecochichoualgoemseuouvido,
deixandoveralínguapequenaerápida.OCônsuldeclarou:
-Jáouviaexpressão"oProcessoMaystadt"emrelaçãoaesteassunto.
Achoqueéumnomeusadoparaevitarousodonomereal.Tambémjá
ouviapalavra
"intercisão",masnãoseiaqueserefere.
-Enomomentohácriançasnacidade?-FarderCoramperguntou.
Eleestavaacariciandoopêlodeseudaemon,sentadoalertaemseucolo.
Lyrapercebeuqueelahaviaparadoderonronar.
-Achoquenão-disseoDr.Lanselius.-Umgrupodeumasdezchegouna
semanapassadaefoiemboraanteontem.
-Ah,hátãopoucotempoassim?Entãoissonosdáalgumaesperança.Como
foiqueviajaram,Dr.Lanselius?
-Detrenó.
-Eosenhornãotemidéiadeparaondeforam?
-Muitopouca.Nãoéumassuntoquenosinteresse.
-Naturalmente.Agora,osenhorrespondeutodasasminhasperguntasde
boavontade,esótenhomaisuma.Seosenhorfosseeu,queperguntafaria
aoCônsuldosBruxos?
PelaprimeiravezoDr.Lanseliussorriu.
-Euperguntariaondepoderiaobterosserviçosdeumursodearmadura
disse.Lyraendireitou-senacadeiraesentiuocoraçãodePantalaimondar
umsaltoemsuasmãos.
-PenseiqueosursosdearmaduraestivessemaserviçodoConselhode
Oblação-disseFarderCoram,surpreso.–Querodizer,daCompanhiade
ProgressodoNorte,ousejaláqualforonomequeestãousando.
-Pelomenosumdelesnãoestá.Vaiencontrá-lonoentrepostodetrenósno
finaldaruaLanglokur.Nomomento,eleganhaavidalá,masseu
temperamentoé
tãoforte,etãoforteéomedoqueelecausanoscachorros,queseu
empregotalveznãoduremuito.
-Entãoeleéumrenegado?
-Parecequesim.OnomedeleéIorekByrnison.Vocêmeperguntouoque
euperguntaria,eeulhedisse.Agoraeisoqueeufaria:euagarrariaa
chancedeempregarumursodearmadura,mesmoquefosseuma
oportunidademuitomaisdistantedoqueesta.
Lyramalconseguiaficarsentada.FarderCoram,noentanto,conheciao
ritualdeentrevistascomoesta,epegououtropedaçodepão-de-mel.
Enquantoelecomia,oDr.Lanseliusvirou-separaLyra.
-Fiqueisabendoquevocêpossuiumaletômetro-disse,paragrande
surpresadela;comopoderiasaberdisso?
-Sim-elarespondeu.Então,impulsionadaporumcutucãodePantalaimon,
ofereceu:
Gostariadedarumaolhadanele?
-Gostariamuito.
Elapuxoudedentrodaroupaasacoladelonaeentregou-lheoembrulho
develudo.
Eledesembrulhouoinstrumentoeergueu-ocomgrandecuidado,
contemplandoomostradorcomoumsábiocontemplandoummanuscrito
raro.
-Quemaravilha!-exclamou.-Jávioutroexemplar,masnãoeratãobonito
quantoeste.Evocêpossuiolivrodeinstruções?
-Não-Lyracomeçou.
Antes,porém,queelapudessedizermaisalgumacoisa,FarderCoram
interveio:
-Não,éumagrandepenaqueemboraLyrapossuaoaletômetronãohaja
meiodeconsultá-lo.Éummistérioigualàsmanchasdetintaqueoshindus
usamparalerofuturo.Eolivrodeinstruçõesmaispróximo,peloquesei,é
odaAbadiadeSt.JohannemHeidelberg.
Lyraentendeuporqueelediziaisso:nãoqueriaqueoDr.Lanselius
soubessedopoderdeLyra.MaselaviatambémumacoisaqueFarder
Coramnãoconseguiaver:aagitaçãododaemondoDr.Lanselius.Elalogo
percebeuquenãoadiantavafingir.
Portanto,disse:
-Naverdade,euconsigoleroaletômetro.
ElasedirigiutantoaoDr.LanseliusquantoaFarderCoram,masquem
reagiufoioCônsul.
-Émuitosábiodasuaparte-disse.-Ondefoiqueobteveesteexemplar?
-OReitordaFaculdadeJordanemOxfordmedeu.Dr.Lanselius,osenhor
sabequemfoiqueconstruiuestascoisas?
-DizemquetiveramorigememPraga.Oinventordoprimeiroaletômetro
estavaaparentementetentandodescobrirummododemedirainfluência
dosplanetas,deacordocomosprincípiosdaastrologia.Elepretendiacriar
ummecanismoquereagisseàpercepçãodeMarteouVênus,assimcomoa
bússolareageàpercepçãodoNorte.Nissoelefracassou,masomecanismo
quecriouestá
obviamentereagindoaalgo,mesmoqueninguémsaibaexatamenteaquê.
-Eondeeleconseguiuestessímbolos?
-Ah,foinoséculoXVII.Haviasímboloseemblemasportodaparte.Os
prédioseosquadrospodiamserlidoscomolivros.Tudosimbolizavaoutra
coisa;seapessoativesseodicionáriocerto,poderialeratéaNatureza.Não
eraestranhoqueosfilósofosusassemasimbologiadasuaépocapara
interpretarumconhecimentovindodeumaorigemmisteriosa.Mas,vocês
sabem,durantemaisdedoisséculoselesnãoforamcorretamenteusados.
DevolveuoinstrumentoaLyraeacrescentou:
-Possolhefazerumapergunta?Semolivrodossímbolos,comoéquevocê
lê?
-Eufaçominhacabeçaficarvaziaeentãoécomoolharparadentro
d'água.Agentedeixaosolhosencontraremonívelcerto,porqueéoúnico
queficaemfoco.Maisoumenosisso-elafalou.
-Seráquepossovê-lafazerisso?-elepediu.
LyraolhouparaFarderCoram,comvontadedeconcordar,porém
esperandoaaprovaçãodele.Oanciãoassentiu.
-Queéquevouperguntar?-Lyraquissaber.
-QuaissãoasintençõesdostártarosemrelaçãoaKamchatka?
Estanãoeradifícil.Lyragirouumponteiroatéocamelo,quesignificava
Ásia,quesignificaostártaros;outro,paraacornucópia,significando
Kamchatka,ondeficavamasminasdeouro;eoterceiroparaaformiga,
quesignificavaatividade,quesignificavapropósitoeintenção.Entãoficou
imóvel,deixandoamentereunirostrêsníveisdesignificado,esperando
tranqüilamentearesposta,queveioquasenomesmoinstante.Oponteiro
compridoestremeceusobreogolfinho,oelmo,obebêeaâncora,
dançandoentreeleseatéocadinhonumdesenhocomplicadoqueosolhos
deLyraacompanharamsemhesitação,masqueeraincompreensívelpara
osdoishomens.
Depoisqueelecompletouváriasvezesomovimento,Lyraergueuosolhos.
Pestanejouduasvezes,comosesaíssedeumtranse.
-Elesvãofingirqueatacamlá,masnãovãoatacar,porqueélongedemais,
eelesiamficarespalhadosdemais-disse.
-Podemedizercomoleuisto?
-Ogolfinho,umdossignificadosmaisprofundosdeleébrincar,fazer
brincadeiras-elaexplicou.-Seiqueéessesignificadoporqueeleparouno
símboloumcertonúmerodevezeseficouclaronesseníveleemnenhum
outro.Obebê
significa...significadificuldade...Oataqueseriamuitodifícilparaeles,ea
âncoradizporquê:porqueelesiamficaresticadoscomoacordada
âncora.Éassimqueeuvejo,entende?
ODr.Lanseliusassentiu.
-Notável-comentou.-Fico-lhemuitograto.Nãovouesquecer.
EntãoolhouestranhamenteparaFarderCoramedepoisparaLyra.
-Possolhepedirmaisumademonstração?-perguntou.
-Noquintalatrásdestacasavocêvaiencontrarváriosgalhosdepinheiro
nubígeno15penduradosnaparede.UmdelesfoiusadoporSerafina
Pekkala;você
podemedizerqual?
-Claro!-disseLyra,sempreprontaparafazerbonito.
15Pinheiro-nubígeno:traduçãoliteraldecloud-pine.(N.T.)
Pegouoaletômetroesaiudepressa.Estavaansiosaparaverotal
pinheironubígenoqueasbruxasusavamparavoar.Enquantoelaestava
ausente,oCônsulperguntou:
-Sabequeméestacriança?
-ÉafilhadeLordeAsriel-respondeuFarderCoram.
-EamãeéaSra.Coulter,doConselhodeOblação.
-Ealémdisto?
Ovelhogípciosacudiuacabeça.
-Não,eunãoseimais.Maséumacriaturaestranhaeinocente,eeunão
queroquenenhummallheaconteça.Comoelaconsegueleraquele
instrumentoeunãosei,masacreditonoqueeladiz.Porquepergunta,Dr.
Lanselius?Queéqueosenhorsabesobreela?
-Háséculosasbruxasfalamdessacriança-disseoCônsul.-Porviverem
tãopróximasdolugarondeovéuentreosmundoséfino,devezem
quandoelasescutamsussurrosimortais,asvozesdaquelesseresque
passamdeummundoaoutro.Eelesfalaramdeumacriançacomoesta,
quetemumgrandedestinoquenãopoderásercumpridonestemundo,
masnumlugarmuitoalémdele.Semestacriança,morreremostodos,éo
quedizemasbruxas.Maselatemquecumpriressedestinosemsabero
queestáfazendo,porquesomentenaignorânciadelanóspodemosser
salvos.Estáentendendo,FarderCoram?
-Não-disseFarderCoram.-Nãopossodizerqueestou.
-Oquesignificaqueeladeveserlivreparacometererros.Devemos
esperarqueelanãocometa,masnãopodemosguiá-la.Estoufelizporter
vistoestacriançaantesdemorrer.
-Mascomofoiqueosenhorareconheceu?Equefoiquequisdizer
quandofalouemseresquepassamdeummundoaoutro?Nãoconsigo
compreenderoqueosenhordiz,Dr.Lanselius,pormaisqueoconsidere
umhomemhonesto...MasantesqueoCônsulpudesseresponder,aporta
seabriueLyraentrou,triunfante,trazendoumraminhodepinheiro.
-Éesteaqui!-exclamou.-Testeitodoseles,etenhocertezadequeéeste.
OCônsulexaminou-ocomatençãoeassentiu.
-Correto-disse.-Bem,Lyra,istoénotável.Vocêtemsortedeterum
instrumentocomoeste,eeulhedesejosortecomele.Gostariadelhedar
umacoisa...
Pegouogalhoepartiuumraminhoparaela.
-Elavooucomisto?-Lyraquissaber,impressionada.
-Voou,sim.Nãopossolhedartodo,porqueprecisodeleparaentrarem
contatocomela,masistoésuficiente.Cuidebemdele.
-Voucuidar.Muitoobrigada.
Elaenfiouopedacinhoderamodentrodabolsa,aoladodoaletômetro.
FarderCoramtocounoramodepinheirocomosefosseumamuleto,e
Lyraviunorostodeleumaexpressãoquenuncatinhavistoantes:quase
nostálgica.OCônsullevou-osatéaporta,ondeapertouamãodeFarder
Coram,eadeLyratambém.
-Esperoquesejambem-sucedidos-disse.
Ficouparadonasoleira,nofriopenetrante,observando-osseguirpela
pequenarua.
-Elejásabiadarespostasobreostártaros-LyracontouaFarderCoram.O
aletômetromecontou,maseunãodisse.Foiocadinho.
-Imaginoqueestavatestandovocê,filha.Masfezbememsergentil,jáque
nãotemoscertezadoqueelejásabe.Eaqueladicadoursofoimuitoútil.
Deoutramaneira,nãoficaríamossabendo.
Conseguiramencontraroentreposto,queconsistiaemdoisarmazénsde
concretonumaáreamatagosadeterrenosbaldiosondeocapimfino
cresciaentrepedrascinzentasepoçasdelamagelada.Noescritório,um
homemcarrancudoinformouqueelespoderiamfalarcomoursonofinal
doexpediente,àsseishoras,masteriamquechegarnahora,porqueem
geraleleiadiretamenteparaoquintalatrásdoBardeEinarsson,ondelhe
davambebida.
EntãoFarderCoramlevouLyraparaamelhorlojaderoupasdacidadee
comprouparaelaalgumasroupasprópriasparaofrio.Compraramum
casacãofeitodepelederena,porqueospêlosdarenasãoocoseisolam
muitobem;eocapuzerafeitodepeledecarcaju16,porqueessepêlo
expulsaogeloqueseformaquandoapessoarespira.Compraramroupas
debaixoeforrosdebotadepeledefilhotederena,eluvasdesedapara
usardebaixodasgrossasluvasdepele.Asbotaseessasluvaseramfeitas
dapeledapernadarena,queémuitoresistente,eassolasdasbotaseram
feitascomapeledafocabarbada,queétãogrossaquantoocourodoleãomarinho,porémmaisleve.Finalmente,compraramumacapa
semitransparentequeaenvolviacompletamente,feitadeintestinodefoca.
Vestindotudoisso,comumcachecoldesedaemvoltadopescoçoeuma
toucadelãtapandoasorelhaseograndecapuzpuxadoparaafrente,ela
sentiaaté
calor;maselesiamparalugaresaindamuitomaisfrios.
JohnFaa,quetinhaficadosupervisionandoodescarregamentodonavio,
estavaansiosoparasaberoqueoCônsuldasBruxasdissera,eficouainda
maiscuriosoquandosoubedourso.
-Vamosláhojemesmo-decidiu.-Jáfaloualgumavezcomumacriatura
dessas,FarderCoram?
-Já,sim;ejáluteicontrauma,também,emboranãosozinho,graçasaDeus.
Temosquenosprepararparalidarcomele,John.Elevaipedirmuito,
tenhocerteza,edeveserranzinzaedifícildetratar;masprecisamosdele.
-Ah,precisamos,sim.Easuabruxa?
-Bem,elaestámuitolonge,eagoraérainhadeumclã-contouFarder
Coram.-Euesperavaquepudessemandarumrecadoparaela,masa
respostaiademorardemais.
-Ah,sim.Agoravoucontaroquefoiqueeudescobri,amigo.
PoisJohnFaaestavaimpacienteparalhescontarumacoisa.
Elehaviaconhecidonoportoumexplorador,umhomemdaNova
DinamarcachamadoLeeScoresby,dopaísdoTexas,eessehomemtinha
umbalão!Aexpediçãoqueelepretendiaacompanharfracassaraporfalta
defundosantesdesairdeAmsterdã,demodoqueeleestavalivre.
-Pensenoquepodemosfazercomaajudadeumaeróstata,Farder
Coram!disseJohnFaa,esfregandoasmãos.-Contrateiosujeitoparair
conosco.Parecequeestamostendosortenestelugar.
-Aindamaissorteteríamossetivéssemosumaidéiadeaondeestamos
indodisseFarderCoram.MasnadaconseguiadiminuiroprazerdeJohn
Faaporestarnovamenteemcampanha.
16Carcaju-traduçãodewolverine,pequenolobodaAméricadoNorte.(N.
T.)Depoisqueescureceuequetodaacargatinhasidoretiradadonavioe
estavaesperandonocais,FarderCorameLyraseguiramaolongodapraia
procurandooBardeEinarsson.Encontraramfacilmente:umtosco
barracãodeconcretocomumcartazdenéonvermelhopiscando
irregularmenteacimadaportaeosomdevozesaltaspassandoatravés
dasjanelasembaçadasdecondensação.Umbecodesoloacidentadoao
ladodobarlevavaaumportãodeferroquedavaparaosfundosdo
prédio,ondehaviaumbarracão.Aluzfracaquesaíapelajanelados
fundosdobarmostravaumafiguragrandeepálidaagachada,devorando
umapostadecarnequeseguravacomambasasmãos.Lyrateveum
vislumbredeumfocinhosujodesangue,olhospequenosemaus,euma
imensidãodepêlosamareladosesujos.Afigurasoltavasonsaomastigare
engolir,rosnadoseofegos.FarderCoramparoujuntoaoportãoechamou:
-IorekByrnison!
Oursoparoudecomer.Peloqueelespodiamver,oursoestavaolhando
diretamenteparaeles,maseraimpossíveldecifrarsuaexpressão.
-IorekByrnison!-tornouachamarFarderCoram.-Possofalarcomvocê?
Lyratinhaocoraçãodisparado,porquealgumacoisanapresençadourso
dava-lheumasensaçãoquasedefrio,deumaforçaperigosaebrutal,mas
umaforçacontroladapelainteligência;enãoumainteligênciahumana,
nadaparecidocomisto,porquenaturalmenteosursosnãotinham
daemons.Aquelaestranhafiguramastigandocarnenãosepareciacomo
queelahaviaimaginado,eelasentiuadmiraçãoepiedadeprofundaspela
criaturasolitária.
Eledeixouapernaderenacairnalamaefoiandandodequatroatéo
portão.Alificoudepé,comseusmaisdetrêsmetrosdealtura,comose
quisessemostrarseupoderefrisarqueaqueleportãoseriainútilpara
contê-lo.
-Bom,quemsãovocês?
Suavozeratãogrossaquepareciasacudiraterra.Ofedorquevinhado
seucorpoeraquaseinsuportável.
-SouFarderCoram,dopovogípciodaAngliaOriental.Eestamenininhaé
LyraBelacqua.
-Queéquevocêsquerem?
-Queremoslheoferecerumemprego,IorekByrnison.
-Játenhoemprego.
Oursopôs-sedequatronovamente.Suavozeratãogrossaesem
entonaçãoqueeradifícildetectarnelaalgumaexpressão,fossedeironia
ouderaiva.
-Queéquevocêfaznoentrepostodetrenós?–FarderCoramquissaber.
-Consertomáquinaseartigosdeferro.Levantocoisaspesadas.
-Quetipodetrabalhoéesseparaumpanserbjorne?
-Trabalhopago.
Atrásdourso,naportadobarabriu-seumafresta,eumhomemcolocou
nochãoumgrandejarrodebarroantesdeerguerosolhosparaeles.
-Quemestáaí?
-Sãodesconhecidos-disseourso.
Odonodobarpareciaqueiaperguntarmaisalgumacoisa,masourso
lançou-senadireçãodele,eohomem,assustado,fechouaporta.Ourso
passouumagarrapelocabodojarroelevou-oàboca.Lyrasentiuocheiro
fortedeálcool.Depoisdebeberváriosgoles,oursolargouojarroevoltou
amorderacarne,aparentementeesquecidodeFarderCorameLyra;mas
derepenteeletornouafalar.
-Quetrabalhovocêsestãooferecendo?
-Combate,comcerteza-disseFarderCoram.-Estamosviajandoparao
Norteatéencontrarmosolugarparaondelevaramalgumascrianças
roubadas.Quandoencontrarmosolugar,vamosterquelutarparalibertar
ascrianças;eentãovamostrazertodasdevolta.
-Ecomopagam?
-Nãoseioquelheoferecer,IorekByrnison.Sequiserouro,nóstemos.
-Nãoserve.
-Queéquelhepagamnoentrepostodetrenós?
-Comidaebebida.
Oursosilenciou;deixoucairoossoesfrangalhadoetornoualevarojarro
à
boca,engolindoafortebebidacomosefosseágua.
FarderCoramfalouentão:
-Desculpeaindiscrição,IorekByrnison,masvocêpodiavivercomorgulho
eliberdadenogelo,caçandofocaseleões-marinhos,oupodiairparaa
guerraeganharmuitosprêmios;queéqueprendevocêaTrollesundeao
BardeEinarsson?
Lyrasentiuocorpointeiroarrepiar-se.Achavaqueumaperguntacomo
aquela,sendoquaseuminsulto,iriaenraiveceraenormecriatura,e
impressionousecomacoragemdeFarderCoramemperguntar.Iorek
Byrnisonlargouojarroeaproximou-sedoportãoparaestudarorostodo
ancião.FarderCoramnãoseabalou.
-Seiqueméopessoalquevocêsestãoprocurando,osmutiladoresde
crianças-disseourso.-Saíramdacidadeanteontem,indoparaoNorte
commaiscrianças.Ninguémvailhesfalarsobreeles;fingemnãover,
porqueosmutiladoresdecriançastrazemdinheiroenegóciosparaa
cidade.Ora,eunãogostodosmutiladoresdecrianças,demodoquevou
respondercomeducação.Ficoaquiebeboporqueoshomensdaqui
tiraramaminhaarmadura,esemelaeupossomatarfocas,masnãoposso
irparaaguerra.Eusouumursodearmadura:aguerraéomarondeeu
nadoeoarqueeurespiro.Oshomensdestacidademederambebida,me
fizerambeberatédormir,eentãotiraramaminhaarmadura.Seeu
soubesseondeelaestá,iriaderrubaracidadeatépegardevolta.Se
queremomeuserviço,opreçoéeste:devolverminhaarmadura.Se
fizeremisto,euvouajudarnasualutaatémorrerouatévocêsvencerem.
Opreçoéaminhaarmadura;quandoeutiverdevoltaaminhaarmadura,
nuncamaisvouprecisardabebida.
11AARMADURA
Quandovoltaramparaonavio,FarderCoram,JohnFaaeosoutroschefes
passarammuitotempoemconferêncianosalãoderefeições,eLyrafoi
mandadaparaasuacabineparaconsultaroaletômetro.Cincominutos
depoiselasabiaexatamenteondeestavaaarmaduradoursoeporqueo
resgateseriadifícil.FicousemsaberseiaaorefeitóriocontarparaJohn
Faaeparaosoutros,masresolveuquesequisessemsabereleslhe
perguntariam.Talvezatéjá
soubessem.
Ficoudeitadanacamapensandonaqueleursopoderosoeselvagemeno
modocomoeleengoliaaquelabebidaforte,easolidãodelenaquele
barracãosujo.Comoeradiferentesergente,comseudaemonsemprepor
pertoparaconversar!
Nosilênciodonavioparado,semoscontínuosestalidosdemetalemadeira
ouoroncodomotorouobarulhodaáguanocasco,Lyragradualmente
adormeceu,comPantalaimonemcimadotravesseirodormindotambém.
Elaestavasonhandocomseupaiaprisionadoquandoderepente,sem
qualquerrazão,despertou.Nãotinhaidéiadashoras.Havianacabineuma
luzfracaqueelaimaginouserdalua,eelaviu,nocantodacabine,assuas
roupasnovas.E
nomesmoinstantetevevontadedeexperimentá-las.
Depoisdevesti-las,elaquissairparaoconvés,eumminutodepoisestava
notopodaescada,abrindoaporta,esaiuparaoconvés.
Viuimediatamentequealgumacoisaestranhaestavaacontecendonocéu.
Pensouquefossemnuvensmovendo-seeestremecendosobumaagitação
nervosa,masPantalaimoncochichou:
-AAuroraBoreal!
Oêxtasedelafoitãograndequeelaprecisouagarrar-seàamuradapara
nãocair.
AluzenchiatodoocéuaoNorte;suaimensidãomalpodiaserconcebida.
Comosepresasnoprópriocéu,grandescortinasdedelicadaluzpendiam
eestremeciam.Comseustonsdeverde-claroerosa,transparentescomoa
rendamaisfina,etendocomobainhaumafaixadeumpúrpuraprofundo
egritantecomoaschamasdoInferno,elasbalançavamecintilavamcom
maisgraçadoqueamaisgraciosadançarina.Lyrachegouapensarqueas
escutava:umsussurrointensoedistante.Nomeiodaqueladelicadeza
evanescente,elaexperimentouumaemoçãotãoprofundacomoaque
haviasentidoquandoestavapertodourso.Aquiloacomovia,eramuito
lindo,quasesagrado;elasentiulágrimasnosolhos,easlágrimasdividiram
aindamaisaluzemarco-írisprismáticos.Nãodemorouparaqueelase
encontrassenomesmotipodetransedequandoconsultavaoaletômetro.
Pensoucalmamente:talvezamesmaforçaquemoveoponteirodo
aletômetrocrietambémaAuroraBoreal.PodiaseratéopróprioPó.Ela
pensouistosemperceberquetinhapensado,elogoesqueceu;sófoise
lembrarmuitotempodepois.
EnquantoLyraobservava,aimagemdeumacidadeformou-seatrásdos
véusedosjatosdetranslúcidaluz:torresedomos,templosecolunatas,
amplaspraçaseparquesiluminadospelosol.Olharparaaquilodava-lhe
umasensaçãodevertigem,comosenãoestivesseolhandoparacimaesim
parabaixo,atravésdeumabismotãolargoquenadapoderiaatravessá-lo
–aquelacidadeficavaaumuniversointeirodedistância.
Masalgumacoisamovia-seatravésdoabismo,e,aotentarfocalizaravisão
nomomento,elasesentiutonta,porqueacoisinhaquesemovianãofazia
partedaAuroraBorealoudooutrouniversoatrásdaAurora;eranocéu,
acimadostelhadosdacidade.Quandoconseguiudistinguirclaramente,ela
haviasaídointeiramentedotranseeacidadecelestetinhadesaparecido.
Acoisavoadoraaproximou-seerodeouonaviocomasasasestendidas.
Depoisdesceuepousoucomrápidosmovimentosdasasaspoderosas,
parandonoconvésapoucosmetrosdeLyra.
ÀluzdaAurora,elaviuumpássaroenorme,umlindogansocinzentocom
acabeçacoroadaporumclarãodepurobranco.
Masnãoeraumpássaro:eraumdaemon,emboranãohouvessepessoa
algumaàvista.IssoencheuLyradegrandemedo.Opássaroperguntou:
-OndeestáFarderCoram?
EderepenteLyracompreendeuquemdeviaser:odaemondeSerafina
Pekkala,arainhadoclã,abruxaamigadeFarderCoram.Gaguejouem
resposta:
-Eu...Eleestá...Vouchamar.
Virou-seedesceuaescadaaostropeços;abriuaportadacabineque
FarderCoramocupavaefalouparaaescuridão:
-FarderCoram!Odaemondabruxaapareceu!Estáesperandonoconvés.
Voouatéaquisozinho,euviquandoelevinhapelocéu...
Oanciãopediu:
-Peçaparaeleesperarnoconvésderé,minhafilha.
Ogansoavançoumajestosamenteparaapopadonavio,ondeolhouem
volta,aomesmotempoeleganteeselvagem,causandoumamisturade
terrorefascinaçãoemLyra,quetinhaasensaçãodeestarfalandocomum
fantasma.EntãoFarderCoramapareceu,enroladoemsuasroupasdefrio,
seguidodepertoporJohnFaa.Osdoisvelhosfizeramumamesura
respeitosa,eseusdaemonstambémcumprimentaramovisitante.
-Saudações-disseFarderCoram.-Estoufelizeorgulhosoporvê-lode
novo,Kaisa.Agora,gostariadeentrar,ouprefereficaraquiaoarlivre?
-Euprefiroficaraoarlivre,obrigado,FarderCoram.Vaificaraquecido
poralgumtempoaqui?Osbruxoseseusdaemonsnãosentiamfrio,mas
sabiamqueosoutroshumanossentiam.
FarderCoramassegurouqueestavamtodosbemagasalhadose
perguntou:
-ComovaiSerafinaPekkala?
-Elamandalembranças,FarderCoram,estámuitobemeforte.Quemsão
estasduaspessoas?
FarderCoramapresentouosdois.Odaemon-gansoolhouatentamente
paraLyra.
-Jáouvifalardestacriança-declarou.-Asbruxasconversamsobreela.
Entãovieramguerrear?
-Guerrear,não,Kaisa.Viemoslibertarascriançasquenosroubaram.E
esperoqueasbruxasnosajudem.
-Nemtodasirãoajudar.Algunsclãsestãotrabalhandocomoscaçadores
doPó.
-ÉassimquevocêschamamoConselhodeOblação?
-NãoseioquepossaseresseConselho.ElessãocaçadoresdoPó.Vieram
paraanossaregiãohádezanoscominstrumentosfilosóficos.Pagaram-nos
parapermitirqueconstruíssemestaçõesemnossasterrasenostrataram
comcortesia.
-QuePóéesse?
-Elevemdocéu.Algunsdizemquesempreexistiu;outros,queestácaindo
agora.Ocertoéquequandoaspessoastomamconsciênciadele,ficam
apavoradas,enãodescansamatédescobriremoqueé.Masnadadisso
interessaàsbruxas.
-EondeestãoagoraessescaçadoresdoPó?
-Quatrodiasanordestedaqui,numlugarchamadoBolvangar.Nossoclã
nuncafezacordocomeles,eporcausadanossaantigadívidacomvocê,
FarderCoram,vimmostrarcomoencontraressescaçadoresdoPó.
FarderCoramsorriu,eJohnFaabateupalmascomsatisfação.
-Muitíssimoobrigado,senhor-disseaoganso.–Masdiga-nosumacoisa:
sabealgomaissobreessescaçadoresdoPó?Queéqueelesfazemnessa
taldeBolvangar?
-Construíramedifíciosdemetaleconcreto,ealgumascâmaras
subterrâneas.Queimamálcooldecarvão,quetrazemcommuitadespesa.
Nãosabemosoquefazem,masnesselugar,epormuitosquilômetrosem
volta,oarestácheiodeódioedemedo;asbruxasconseguemverestas
coisasondeoshumanosnãoconseguem.Osanimaistambémficamde
longe.Nenhumpássarovoalá;oslemingueseasraposasfugiram.Daío
nomeBolvangar:ascampinasdomal.Elesnãochamamassim:chamamde
EstaçãoExperimental.MasparatodomundoéBolvangar.
-Ecomosedefendem?
-ElestêmumacompanhiadetártarosdoNortearmadosderifles.São
bonssoldados,masnãotêmprática,porqueninguémjamaisatacouo
posto.Alémdisso,àvoltadoterreno,háumacercadearamecomenergia
anbárica.Podehaveroutrasdefesasquenãoconhecemos,pois,comoeu
expliquei,issonãonosinteressa.Lyraestavaloucaparafazeruma
pergunta;odaemon-gansosentiuissoeolhouparaelacomoselhedesse
permissãoparaperguntar.
-Porqueasbruxasfalamdemim?-elaquissaber.
-Porcausadoseupaiedoconhecimentoqueeletemdosoutrosmundos
respondeuodaemon.Aquilosurpreendeuostrês.LyraolhouparaFarder
Coram,quelheretribuiuoolharcomumleveespanto,eparaJohnFaa,
cujaexpressãoerapreocupada.
-Outrosmundos?-repetiu.-Perdoe-me,senhor,masquemundosseriam
esses?Estáfalandodasestrelas?
-Claroquenão.
-Talvezomundodosespíritos?-arriscouFarderCoram.
-Tambémnão.
-Éacidadenasluzes,nãoé?-disseLyra.
Ogansovirouparaelaasuamajestosacabeça.Tinhaosfiosnegros
rodeadosporumalinhafinadepuroazul-celeste,eseuolhareraintenso.
-Sim-respondeu.-Hámilharesdeanosasbruxassabemdosoutros
mundos.ElesàsvezespodemservistosnasLuzesdoNorte.Nãofazem
partedesteuniverso;atémesmoasestrelasmaisdistantesfazemparte
desteuniverso,masasluzesnosmostramoutrouniverso,inteiramente
diferente.Nãoémaisdistante,esimmisturadoaeste.Aqui,nesteconvés,
existemmilhõesdeoutrosuniversosquenãosabemunsdosoutros...
Eleergueuasasaseestendeu-as,antesdetornaradobrá-las.
-Acabeideesbarraremoutrosdezmilhõesdemundos,eelesnemsabem.
Estamostãopróximosquantodenósmesmos,masnãopodemostocar,ver
ououviressesoutrosmundos,anãosernasLuzesdoNorte.
-Eporquelá?-quissaberFarderCoram.
-PorqueaspartículascarregadasnaAuroraBorealtêmapropriedadede
afinaramatériadestemundo,demodoqueporummomentoconseguimos
veratravésdele.Asbruxassempresouberamdisso;masraramente
falamossobreoassunto.
-Papaiacreditanisso-Lyraafirmou.-Eusei,porqueouvielefalandoe
mostrandofigurassobreaAuroraBoreal.
-IssotemalgumacoisaavercomoPó?–perguntouJohnFaa.
-Quemsabe?-fezodaemon-ganso.-Sópossolhesdizerqueoscaçadores
doPótêmmedodelecomosefosseumvenenomortal.Foiporissoque
aprisionaramLordeAsriel.
-Masporquê?-Lyraperguntou.
-ElesachamqueelepretendeusaroPódealgumaformaparafazeruma
ponteentreestemundoeomundodooutroladodaAurora.
Lyrasentiaacabeçamuitoleve.OuviuFarderCoramperguntar:
-Eelepretendemesmo?
-Pretende,sim-respondeuodaemon-ganso.–Elesnãoacreditamqueele
consiga,achamqueeleéloucoporacreditaremoutrosmundos.Masé
verdade,estaéaintençãodele.Eeleéumafiguratãofortequeeles
ficaramcommedoqueelefosseatrapalharosplanosdeles,demodoque
fizeramumpactocomosursosdearmaduraparacapturá-loemantê-lo
prisioneironafortalezadeSvalbard.Algunsdizemquecomopartedotrato
elesajudaramonovourso-reiachegaraotrono.Lyraperguntou:
-Asbruxasdesejamqueelefaçaessaponte?Estãoafavordele,oucontra
ele?
-Estaéumaperguntacomumarespostacomplicadademais.Emprimeiro
lugar,asbruxasnãosãounidas;hádiferençasdeopiniãoentrenós.Em
segundolugar,apontedeLordeAsrielteráinfluêncianumaguerraque
existenomomentoentrealgumasbruxaseváriasoutrasforças,algumas
nomundodosespíritos.Apossedessaponte,seelaalgumdiaexistisse,
dariaumavantagemenormeaquemapossuísse.Emterceirolugar,oclã
deSerafinaPekkala,omeuclã,aindanãofazpartedequalqueraliança,
emboraestejasofrendograndepressãoparasedeclarardeumladooudo
outro.Sabem,sãoquestõesdealtapolítica,difíceisderesponder.
-Eosursos,dequeladoelesestão?-Lyraperguntou.
-Doladodequemlhespagar.Nãotêmomenorinteressenessesassuntos;
nãotêmdaemons;nãosepreocupamcomosproblemashumanos.Pelo
menosé
comoosursoscostumavamser,masouvimosdizerqueonovoreiestá
dispostoamudarosvelhoshábitos...Dequalquermaneira,oscaçadores
doPópagaramaelesparaaprisionarLordeAsriel,eelesvãofazerissoaté
aúltimagotadesanguedocorpodoúltimoursovivo.
-Masnãodetodos!-protestouLyra.-ExisteumquenãoestáemSvalbard.
Éumursorenegado,eelevaicomagente.
OgansodirigiuaLyraoutrodeseusolharespenetrantes.
Destavezelasentiuafriasurpresadele.FarderCoramremexeu-se
desconfortavelmenteedisse:
-Naverdade,Lyra,achoqueelenãovai.Ouvimosdizerqueeleestá
cumprindopenadetrabalhosforçados;nãoestálivre,comopensamos.Até
serliberado,elenãopoderáirconosco,comousemarmadura,que,aliás,
elenãovaiconseguirdevolta.
-Maseledissequefoienganado!Fizerameleficarbêbadoeroubarama
armaduradele!
-Nósouvimosumahistóriadiferente-JohnFaacontestou.-Ouvimosdizer
queeleéummalandroperigoso,istosim.
Lyraficoutãoindignadaquemalconseguiufalar:
-Seoaletômetrodizalgumacoisa,euseiqueéverdade.Euperguntei,e
eledissequeoursoestavadizendoaverdade,queelefoimesmo
enganadoesãoelesqueestãomentindo,nãoele.Euacreditonele,Lorde
Faa!FarderCoram,você
tambémviuoursoeacreditanele,nãoé?
-Eupenseiqueacreditasse,filha.Masnãotenhotantacertezaquantovocê.
-Masdequeéqueelestêmmedo?Estãoachandoqueelevaisairmatando
aspessoasassimqueestiverdearmadura?Elepodiamatarummonte
delasagora!
-Ematou-disseJohnFaa.-Bom,nãoummonte,masalgumas.Quando
tiraramsuaarmadura,elesaiuembuscadela;arrombouadelegaciaeo
bancoenemseimaisoquê,epelomenosdoishomensmorreram.Sónão
foimortoatirosporcausadasuahabilidadefantásticacommetais;
queriamusá-locomooperário.
-Comoescravo!-protestouLyracomveemência.-Nãotinhamesse
direito!
-Sejacomofor,podiamtermatadooursoporcausadoshomensqueele
liquidou,enãomataram.Elefoicondenadoatrabalhosforçadosno
interessedacidadeatépagarosestragoseaindenizaçãopelos
assassinatos.FarderCoraminterveio:
-John,nãoseioquevocêacha,masacreditoquenuncavãolhedevolvera
talarmadura.Quantomaistempoeleficarpreso,maiszangadovaiestar
quandotiveraarmaduradevolta.
-Massenóslhedevolvermosaarmadura,elevaicomagenteenuncamais
vaiincomodaracidade-disseLyra.–Euprometo,LordeFaa.
-Ecomoéquevamosfazerisso?
-Euseiondeelaestá!
Houveumsilêncio,duranteoqualtodosostrêstomaramaconsciênciado
daemondabruxaolhandofixamenteparaLyra.
Ostrêssevoltaramparaele,inclusiveseusprópriosdaemons,queaté
entãotinhammantidoaextremadelicadezademanterosolhosafastados
detãosingularcriaturaalipresentesemseucorpo.
-Vocênãovaificarsurpresaemsaberqueoaletômetroéaoutrarazãode
asbruxasestareminteressadasemvocê,Lyra.Nossocônsulnoscontou
suavisitahojedemanhã.AcreditoquefoioDr.Lanseliusquemlhefalou
dourso.
-Foi,sim-disseJohnFaa.-LyraeFarderCoramforamfalarcomele.Acho
queoqueLyradizéverdade,massenósagirmoscontraaleidessagente,
só
vamosconseguirentrarembrigacomeles,eoquedevíamosestarfazendo
éirparaessataldeBolvangar,comousemurso.
-Ah,masvocênãoviuesseurso,John-protestouFarderCoram.-Eeu
acreditoemLyra.Podíamosnosresponsabilizarporele,talvez.Elepode
fazerumagrandediferença.
-Queéqueosenhoracha?-JohnFaaperguntouaodaemondabruxa.
-Tivemospoucocontatocomosursos.Osdesejosdelessãotãoestranhos
paranósquantoosnossosparaeles.Seesseursoéumrenegado,podeser
menosconfiáveldoquedizemqueosursossão.Vocêsvãoterqueresolver
sozinhos.
-Estácerto-disseJohnFaaemtomfirme.–Masagora,senhor,podenos
dizercomochegaraBolvangar?
Odaemon-gansocomeçouaexplicar.Falouemvalesemontes,nalinhade
árvoresenatundra,nasestrelas.Lyraescutoudurantealgumtempoe
depoisrecostou-senacadeira,comPantalaimonenroladoemseupescoço,
epensounagrandiosavisãoqueodaemon-gansotrouxeraconsigo.Uma
ponteentredoismundos...Aquiloeramuitomaisesplêndidodoqueela
poderiaesperar!Esomenteseumaravilhosopaipoderiaterconcebido
tudoisso.Assimquetivessemresgatadoascrianças,elairiaaSvalbard
comoursoparalevaroaletômetroaLordeAsriel,usando-oparaajudara
libertá-lo;eosdoisjuntosconstruiriamaponteeseriamosprimeirosa
atravessar...
Emalgummomentoduranteanoite,JohnFaadevetercarregadoLyra
paraacamadela,porqueeraondeelaestavaaoacordar.Osolfraco
estavaemsuaposiçãomaisalta,apenasoespaçodeumamãoacimado
horizonte,demodoquedeviaserquasemeio-dia;breve,quandose
aproximassemmaisdoNorte,nãohaveriasolalgum.
Elavestiu-sedepressaecorreuparaoconvés,ondenadadeespecial
estavaacontecendo.Todosossuprimentostinhamsidodescarregados,
trenósejuntasdecãeshaviamsidoalugadoseaguardavamapartida;tudo
estavapronto,enadasemovia.Amaioriadosgípciosestavasentadaem
voltadecompridasmesasdemadeiranumatavernacheiadefumaça
defronteaomar,comendorosquinhasebebendocaféforteedocesobos
estalidosdealgumasantiquadaslâmpadasanbáricas.
-OndeestáLordeFaa?-elaperguntou,sentando-secomTonyCostaeos
amigosdele.-EFarderCoram?Elesforampegaraarmaduradourso?
-ElesestãoconversandocomoAlcaide.Éassimqueeleschamamo
governador.Vocêviuessetalurso,Lyra?
-Vi,sim!
Elasepôsaexplicartudosobreourso.Enquantoelafalava,maisalguém
puxouumacadeiraejuntou-seaogrupo.
-QuerdizerquevocêfaloucomovelhoIorek?-perguntou.
Lyraolhoucomsurpresaparaorecém-chegado.Tratava-sedeumhomem
altoemagro,comumbigodepretofinoeolhosazuisapertados,euma
eternaexpressãodedistanciamento,decinismoedeestarachandograça
nascoisas.Elaficouinstantaneamenteimpressionadacomele,massem
sabersegostavadeleounão.Odaemondeleeraumalebrehumilde,
magraecomamesmaaparênciavalentequeeletinha.
Ohomemestendeuamão,queelaapertoucomcautela.
-LeeScoresby-eleseapresentou.
-Oaeróstata!-elaexclamou.-Ondeestáoseubalão?Possosubirnele?
-Nomomento,eleestáembalado,senhorita.VocêdeveserafamosaLyra.
QuefoiqueachoudeIorekByrnison?
-Conheceele?
-LuteiaoladodelenacampanhadaTunguska.Droga,conheçoIorekhá
anos.Osursossãocriaturasdifíceis,masaqueleéumproblema,sem
dúvida.Digam-me,algumdoscavalheirosestádispostoaumjogodeazar?
Umbaralhosurgiudonadanamãodele.Eleomanejoucomdestreza.
-Bom,jáouvifalardahabilidadequeseupovotemcomascartas-Lee
Scoresbydeclarouenquantocortavaeembaralhavaascartascomumadas
mãosecomaoutrapescavaumcharutonobolsodacamisa.-Entãoachei
quenãoiamnegaraumpobreviajantetexanoachancedejogarcontraa
suahabilidadeeousadianocampodebatalhadepapelão.Queéque
dizem,cavalheiros?
Osgípciostinhamorgulhodesuahabilidadecomascartas,evários
homensseinteressarameaproximaramascadeiras.Enquantoresolviam
comLeeScoresbyquetipodejogoseriaequantoapostariam,odaemon
delemexiaasorelhasparaPantalaimon,quecompreendeuesaltouparao
ladodelecomoumesquilo.EleestavafalandotambémparaLyra,
naturalmente,eLyraescutou-odizerbaixinho:
-Vádiretoaoursoefalediretocomele.Assimquesouberemoqueestá
acontecendovãolevaraarmaduradeleparaoutrolugar.
Lyralevantou-se,levantousuarosquinhaconsigo,eninguémpercebeu;
LeeScoresbyjáestavadistribuindoascartasetodosolhavamcom
suspeitaparaasmãosdele.
Naluzfracadaquelatardeinterminável,elachegouaoentrepostode
trenós.Eraumacoisaqueelasabiaquetinhaquefazer,massentia-se
inquieta,ecommedotambém.Doladodeforadomaiordosbarracõesde
concreto,ograndeursoestavatrabalhando,eLyraficouolhandojuntoao
portãoaberto.IorekByrnisonestavadesmontandoumtratormovidoagás
quetinhadadoumatrombada;acoberturademetaldomotorestava
retorcidaerasgada,eumeixocurvava-separacima.Oursolevantouo
metalcomosefossepapelão,virando-onasmãosenormes,comose
estivessetestandoopeso,antesdecolocarumapatatraseiranumcantoe
depoisesticartodaafolhademetaldetalmodoqueasamassaduras
desaparecerameaformaoriginalfoirestaurada.Encostando-oàparede,
elelevantouotratorcomumadaspatasedeitou-odelado,antesde
inclinar-separaexaminaroeixoempenado.Nestemomento,avistouLyra.
Elasentiuumaondageladademedo,porelesertãopoderosoe
desconhecido.Elaocontemplavaatravésdacercadetelaauns30metros
dedistância,ecônsciadequeeleconseguiriacobriressadistânciaemum
oudoissaltoserebentaracercacomosefosseumateiadearanha,ela
quasevirou-separafugir.MasPantalaimondisse:
-Pare!Deixequeeuvoufalarcomele.
Eletomouaformadeumagaivotaesemesperarrespostadelavooupor
cimadacercaparaosologeladodooutrolado.
Haviaumportãozinhoaberto,eLyrapoderiatê-loseguido,masficoupara
trás.Pantalaimonolhouparaelaevirouumtexugo.
Elasabiaoqueeleestavafazendo.Osdaemonsnãopodiamseafastarmais
dealgunsmetrosdeseushumanos,eseelaficassejuntoàcercaeele
continuasseumpássaro,elenãoconseguiriachegarpertodourso;
portanto,eleiaterquefazerforça.
Elasesentiuinfelizeirritada.Aspatasdotexugoenfiaram-senaterra,e
eleavançou.Eraumsentimentomuitoestranhoedolorosoquandoo
daemondeumapessoaforçavaaligaçãoentreosdois;emparte,umador
físicanofundodopeito;emparte,umatristezaeumamorintensos.Eela
sabiaqueomesmoaconteciacomele.Todostestavamissoquandoeram
crianças:veradistânciaqueconseguiamcolocarentreosdois,tornandoa
reduzi-ladepoiscomintensoalívio.Eleforçouumpoucomais.
-Não,Pan!
Maselenãoparou.Oursoobservava,imóvel.AdornocoraçãodeLyra
ficavacadavezmaisinsuportável,eumsoluçosubiu-lheàgarganta.
-Pan...
Elaentãoatravessouoportãoecorreuparaelepelalamagelada;ele
transformou-senumgato-do-matoesaltouparaocolodela;osdoisficaram
fortementeabraçados,ambossoltandotrêmulossuspirosdeinfelicidade.
-Penseiquevocêiamesmo...
-Não...
-Incrívelcomodoeu...
Entãoelaenxugouaslágrimascomraivaefungoucomforça;eleaninhousenosbraçosdela,eelatomouconsciênciadequepreferiamorrerdoque
deixarqueosdoisseseparassemeenfrentaraquelatristezaoutravez;ela
enlouqueceriadesofrimentoeterror.Mesmoquandoelamorresse,eles
continuariamjuntos,comoosCatedráticosnacriptadaJordan.
Entãoameninaeseudaemonolharamparaoursosolitário.
Elenãotinhaumdaemon;estavasozinho,sempreestariasozinho.Ela
sentiuumaondadetamanhapiedadeporelequequaseestendeuamão
paratocarnopêlodele,eapenasosensodecortesiaparacomaqueles
olhosfrioseferozesaimpediu.
-IorekByrnison-elachamou.
-Sim?
-LordeFaaeFarderCoramforamtentarpegarsuaarmadura.
Elenãosemoveunemfalou.Estavaclarooquepensavadaschancesdos
doishomens.
-Maseuseiondeelaestá-continuouamenina.–Seeulhecontar,talvez
vocêmesmopossairpegar,nãosei.
-Comoéquevocêsabeondeelaestá?
-Eutenhoumleitordesímbolos.Achoqueeudevialhecontar,Iorek
Byrnison,jáqueforamelesqueenganaramvocê.Nãoachoissodireito.
Elesnãodeviamteragidoassim.LordeFaavaidiscutircomoAlcaide,mas
provavelmentenãovãoquererdevolversuaarmadura;assim,seeulhe
contar,vocêvemcomagenteeajudaalibertarascriançasdeBolvangar?
-Vou.
-Eu...-Elanãoqueriaserintrometida,masnãoconseguiacontrolarsua
curiosidade.-Porquevocêsimplesmentenãofazumaarmaduracomtodo
estemetal,IorekByrnison?
-Porquenãoadianta.Veja.-Elelevantouacapadomotorcomumadas
mãosecomasgarrasdaoutramãorasgouometalcomosefossepapel.Minhaarmaduraéfeitadeferro-celeste17especialmenteparamim.A
armaduradeumursoéaalmadele,assimcomooseudaemonéasua
alma.Vocêpoderialivrar-sedoseudaemonecolocarnolugarumboneco
cheiodeserragem?Éamesmacoisa.Agora,ondeestáminhaarmadura?
-Escute,vocêvaiterqueprometernãosevingar.Eleserraramquando
tiraramsuaarmadura,masvocêvaiterqueaguentar.
-Estábem.Semvingança.Masseelestentaremmeimpedirdepegar
minhaarmadura,vãomorrer.
-Estáescondidanoporãodacasadopadre.Eleachaquetemumespírito
dentrodelaeandatentandoexpulsaresseespírito.Maselaestálá.Ele
ergueu-senaspatastraseirasevirou-separaooeste,demodoqueos
últimosraiosdosoltingiramseufocinhodeumamareloesbranquiçadoe
brilhante
17Ferro-celeste:traduçãoliteraldesky-iron.(N.T.)
nomeiodapenumbra.Elasentiaaforçaemanardaenormecriaturacomo
ondasdecalor.
-Tenhoquetrabalharatéopôr-do-sol-eledeclarou.
-Hojedemanhã,deiaminhapalavraaodonodaqui.Aindaestoudevendo
algunsminutosdetrabalho.
-Aquiondeeuestouosoljásepôs-elaafirmou,poisosoltinha
desaparecidoatrásdopromontórioasudoeste.
Eleficoudequatro.
-Éverdade-disse,comorostoagoranasombra,comoodela.-Qualéo
seunome,filha?
-LyraBelacqua.
-Entãotenhoumadívidacomvocê,LyraBelacqua–eleafirmou.
Virou-seeafastou-se,atravessandoosolocongeladocomtantarapidez
queLyramalconseguiuacompanhá-lo,mesmocorrendo.Maselacorreu,e
Pantalaimonvooucomoumagaivotaparaveraondeoursoiaegritar
instruçõesparaela.IorekByrnisonsaiucorrendodoentrepostoedesceua
ruelaestreita,virandonaruaprincipaldacidade;passouemfrenteao
jardimdaresidênciadoAlcaideondeumabandeirapendianoarimóvele
umasentinelamarchavarigidamentedeumladoparaoutro-edesceua
colina,passandopelofinaldaruaondeoCônsuldasBruxasmorava.A
essaalturaasentinelaperceberaoqueestavaacontecendoetentava
decidiroquefazer,masIorekByrnisonjáhaviaviradoumaesquinaperto
doporto.
Aspessoasparavamparaolharousaíamdocaminhodele.Asentineladeu
doistirosparaoaltoesaiucorrendomorroabaixoatrásdourso,
estragandoacenaaoescorregarnaladeiracheiadegelo,sórecuperando
oequilíbriodepoisdeagarrar-seaumagrade.Lyranãovinhamuitoatrás;
quandopassoupelacasadoAlcaide,elaviuváriasfigurassaindoparao
pátioparaveroqueestavaacontecendo,eimaginoutervistoFarder
Coramentreelas;maspassoudepressa,correndoruaabaixonadireção
daesquinaporondeasentinelanessemomentodesaparecia,seguindoo
urso.
Acasadopadreeramaisvelhadoqueamaioria,efeitadetijolos,um
materialdealtopreço.Trêsdegrauslevavamàportadarua,queagora
pendiadelado,ededentrodacasavinhamgritoseobarulhodemadeira
despedaçada.Asentinelahesitoudoladodefora,orifledeprontidão;mas
aoverqueaspessoascomeçavamaagrupar-senacalçadaeaobservar
dasjanelas,ohomemdecidiuquetinhaqueagiredeuumtiroparaoalto
antesdeentrarcorrendo.Nomomentoseguinte,acasainteirapareceu
estremecer.
Emtrêsjanelas,asvidraçasestilhaçarameumatelhadeslizoudotelhado,
eentãoumacriadasaiucorrendodacasa,aterrorizada,ogaloqueerao
seudaemonatrásdela,batendoasasas.
Soououtrodisparodentrodacasa,eouviu-seumrugidoferozquefeza
criadagritar.Entãooprópriopadresaiucomosetivessesidoarremessado
deumcanhão,comseudaemon-pelicanodepenasarrepiadaseexpressão
deorgulhoferido.Lyraescutouordensgritadasevirou-seaoverum
pelotãodepoliciaisarmadossurgircorrendodaesquina,algunscom
pistolaseoutroscomrifles,elogoatrásvinhaJohnFaaeafiguragorducha
enervosadoAlcaide.
Osomdealgoquesepartiafezcomquetodosolhassemparaacasa.Uma
janelaaoníveldosolo,obviamentedandoparaumporão,foiarrancada
ruidosamente.AsentinelaquetinhaseguidoIorekByrnisonparadentro
dacasasaiuládedentrodisparadaeparoudefrenteparaajanelado
porãocomorifleemposiçãodetiro;eentãoajanelaescancarou-secom
violênciaeporelasurgiuIorekByrnison,oursodearmadura.
Semela,eleinspiravarespeito;comela,inspiravaterror.Aarmaduraera
vermelho-ferrugemetoscamentemontada:grandesfolhaseplacasde
metaldescoloridoemarcado,querangiameraspavamumasnasoutrasao
sesobreporem.Oelmoerapontudocomoofocinhododono,comfendas
nolugardosolhos,edeixavaasmandíbulasdeforaparaqueeleusasseos
dentes.Asentineladisparouváriostiros,eospoliciaistambémapontaram
asarmas,masIorekByrnisonsimplesmentejogoulongeasbalascomuma
sacudidela,comosefossemgotasdechuva;lançou-separaafrenteem
meioaorangidodometalederrubouasentinelaantesqueestapudesse
fugir.Odaemondasentinela,umacadelahusky,jogou-sesobreagarganta
dourso,masestedeu-lheaatençãoquedariaaumamosca;puxandoa
sentinelaparasicomumadaspatas,eleinclinou-seeenfiouacabeçado
homementreosdentes.Lyrasabiaexatamenteoqueiaacontecera
seguir:eleiaesmagaracabeçadasentinelacomoumovo,ehaveriauma
lutasangrenta,maismortes,maisatraso;eelesnuncaselivrariam,comou
semourso.
Sempensar,elalançou-separaafrenteecolocouamãonoúnicolocal
vulnerávelnaarmaduradourso-oburacoqueapareciaentreoelmoea
grandeplacadosombrosquandoelebaixavaacabeça-,ondeelaentrevia
apelagembranco-amareladaentreasbordasenferrujadas.Amenina
enfiouosdedosládentro,ePantalaimonnomesmoinstantevoouparao
localevirouumgato-do-mato,agachado,prontoparadefendê-la;mas
IorekByrnisonficouimóvel,eossoldadosnãoatiraram.
Emveementecochicho,elalhedisse:
-Iorek!Escute!Vocêtemumadívidacomigo,certo?Poisagorapodepagar.
Façaoqueeupeço:nãolutecomesseshomens.
Vamosemboradaqui.Nósprecisamosdevocê,Iorek,vocênãopodeficar.
Venhaandandocomigoatéoportoenãoolheparatrás.FarderCorame
LordeFaaestãoali,deixeaconversaparaeles,elesvãosesairbem.
Largueestehomemevenhacomigo...
Oursoabriuabocalentamente.Acabeçadasentinela,sangrenta,molhada
epálidacomoamorte,bateunochãoquandoeledesmaiou,eseudaemon
pôs-seaacariciá-loeacalmá-loenquantooursorecuavaparaoladode
Lyra.Ninguémmaissemovia.Ficaramtodosobservandooursodaras
costasà
suavítimaapedidodamenininhacomodaemon-gato,eemseguida
abriramcaminhoparadarpassagemaIorekByrnison,quecompassos
pesadosatravessouamultidãoaoladodeLyraemdireçãoaoporto.
TodaaatençãodeLyraestavaconcentradanourso;portanto,elanãoviua
confusãoatrásdeles,omedoearaivaquecresceramnasentineladepois
queelesefoi.Elacaminhavaaoladodele,ePantalaimoniaàfrentedos
dois,comoseabrissecaminho.
Quandochegaramaoporto,IorekByrnisonbaixouacabeçaedesabotoouo
elmocomumagarra,deixando-ocairsonoramentenosolocongelado.Os
gípciossaíramdocafé,sentindoquealgumacoisaestavaacontecendo,eà
luzdaslâmpadasanbáricasdoconvésdonavioassistiramaIorekByrnison
despirorestodaarmaduraedeixá-laamontoadanabeiradocais.Sem
umapalavra,elefoiatéaágua,mergulhounelasemprovocarumasó
ondulaçãoedesapareceu.
-Quefoiqueaconteceu?-perguntouTonyCostaaoouvirasvozes
indignadasdosmoradoresedapolíciadescendoparaoporto.
Lyracontou-lhe,comopôde.
-Masparaondeelefoi?-quissaberorapaz.-Poiselenãoacaboude
largaraarmaduraaínochão?Elesvãopegareladevoltaassimque
chegaremaqui!
Lyratambémtinhamedodequeissoacontecesse,poisumpolicialjávinha
virandoaesquina,depoisoutro,depoisoAlcaideeopadre,euns20ou30
espectadores,comJohnFaaeFarderCoramtentandoalcançá-los.
Maselespararamquandoviramogruponocais,poistinhasurgidomais
alguém:sentadosobreaarmaduradourso,comumtornozeloapoiadono
joelho,via-seafiguracompridadeLeeScoresby,tendonamãoapistola
maiscompridaqueLyrajáhaviavisto,apontando,demaneiracasual,para
aamplabarrigadoAlcaide.
-Parecequevocêsnãocuidaramdireitodaarmaduradomeuamigodisse,emtomdebate-papo.-Enãomesurpreenderiadeencontrartraças
nela.Agorafiquemparadinhosaí,bemcalminhos,equeninguémsemova
atéoursovoltarcomumlubrificantequalquer.Oumelhor,achoquevocês
todospodemirparacasalerjornal.Aescolhaédevocês.
-Aliestáele!-exclamouTony,apontandoparaumarampanapontado
cais.AliIorekByrnisonemergiadaáguaarrastandoumacoisaescura
atrásdesi.Umavezemcimadocais,elesesacudiu,soltandoáguaem
todasasdireções,até
seuspêlosestaremsecos.
Entãoinclinou-separatornarapegarcomosdentesoobjetonegroe
arrastou-oatéondeestavaaarmadura.Eraumafocamorta.
-Iorek!-disseoaeróstata,pondo-sedepépreguiçosamenteemantendoa
pistolafixanoAlcaide.-Oi!
Oursoergueuosolhosesoltouumrosnadocurto,antesderasgarcoma
garraumaaberturanafoca.Lyraobservou,fascinada,enquantoele
esticavaapeledoanimalmortoearrancavatirasdegordura,quecomeçou
apassaremtodaaarmadura,colocandomaisquantidadenoslugares
ondeasplacassesobrepunhamemmovimento.
-Vocêestácomestagente?-eleperguntouaLeeScoresby.
-Claro.Achoquenósdoissomosempregadosdeles,Iorek.
-Ondeestáoseubalão?-Lyraperguntouaotexano.
-Embaladoemdoistrenós-eleinformou.-Aívemopatrão.
JohnFaaeFarderCoram,juntamentecomoAlcaide,desceramocaiscom
quatropoliciaisarmados.
-Urso!-disseoAlcaideemvozaltaeáspera.–Destavezvocêtem
permissãoparapartiremcompanhiadessaspessoas.
Masfiquesabendoqueseaparecerdenovodentrodoslimitesdacidade
será
tratadosempiedade.
IorekByrnisonnãolhedeuamenoratenção,mascontinuouesfregando
gorduradefocaemtodaaarmadura;ocuidadoeaatençãoqueele
dedicavaaessatarefalembrouaLyrasuaprópriadevoçãoaPantalaimon.
Exatamentecomooursotinhadito:aarmaduraeraaalmadele.OAlcaide
eospoliciaisretiraram-se,eaospoucososespectadoresviraram-see
foram-seembora,apesardealgunsteremficadoparaassistir.
JohnFaalevouasmãosàbocaechamou:
-Gípcios!
Estavamtodosprontosparapartireansiososparaseguircaminhodesde
quetinhamdesembarcado;ostrenósestavampreparados,oscãesa
postos.JohnFaaanunciou:
-Horadapartida,amigos.Estamostodosreunidoseocaminhonosespera.
Sr.Scoresby,jáarrumousuascoisas?
-Estouprontoparapartir,LordeFaa.
-Evocê,IorekByrnison?
-Assimquevestirminhaarmadura-respondeuourso.
Elehaviaterminadodelubrificaraarmadura.Semquererdesperdiçara
carnedafoca,ergueuacarcaçanosdentesejogou-asobreotrenómaior
deLeeScoresbyantesdevestiraarmadura.
Eraimpressionanteveralevezacomqueeleamanejava:emcertoslocais,
asfolhasdemetaltinhamquasetrêscentímetrosdeespessura,maseleas
jogavaemcimadesimesmocomosefossempanosdeseda.Levoumenos
deumminuto,edestaveznãoseouviuumsórangidodoferro.
Assim,emmenosdemeiahora,aexpediçãoseguiaparaonorte.Sobum
céupontilhadodemilhõesdeestrelaseumaluaexuberante,ostrenós
avançavamaossolavancos,fazendoruídoporsobreosburacoseas
pedrasatéchegaremànevelimpanaperiferiadacidade.Entãoosom
mudou,tornando-semaisregular,eoscãescomeçaramaaumentara
velocidade.
Lyra,notrenódeFarderCoram,tãoagasalhadaquesótinhaosolhosde
fora,cochichouaPantalaimon:
-EstávendoIorek?
-ElevemcaminhandoaoladodotrenódeLeeScoresby-respondeuo
daemon,olhandoparatrásemsuaformadearminhoenquantose
agarravaaocapuzdepêlodecarcajuqueelausava.
Afrentedeles,acimadasmontanhasaonorte,osarcosvolteiospálidosdas
LuzesdoNortecomeçaramabrilharetremeluzir.Lyravia-asatravésdos
olhossemicerrados,eteveumasensaçãosonolentadeperfeitafelicidade,
deestarviajandoparaonortesobaAuroraBoreal.Pantalaimonlutava
contraasonolênciadela,masemvão;eleentãovirouumratinhoe
enrodilhou-sedentrodocapuzdela.Podiacontaraelaquando
despertassemeprovavelmenteeraumanimal,ouumsonho,ouumtipo
qualquerdeespíritolocalinofensivo;masalgumacoisaestavaseguindoa
filadetrenós,saltandocomlevezadegalhoemgalhopelospinheiros,e
aquilotraziaatéeleapreocupantelembrançadeummacaco.
12OMENINOPERDIDO
Viajaramduranteváriashoraseentãopararamparacomer.Enquantoos
homensacendiamasfogueirasederretiamneveparabeber,comIorek
ByrnisonobservandoLeeScoresbyassarcarnedefoca,JohnFaa
conversavacomLyra.
-Lyra,vocêconsegueenxergaroinstrumentoparapoderler?-perguntou.
Aluajáhaviasepostomuitotempoantes.AluzdaAuroraBorealeramais
fortedoqueoluar,poréminconstante.NoentantoLyratinhaboavisão;
enfiandoamãodentrodesuaspeles,elaretirouasacoladeveludonegro.
-Consigo,sim-disse.-Masdequalquermaneirajáseiolugardamaioria
dossímbolos.Queéquevouperguntar,LordeFaa?
-Querosabermaissobrecomoéqueestãodefendendoesselugar,
Bolvangar-elepediu.
Semsequerprecisarpensar,elaviuqueseusdedosmoviamosponteiros
apontandoparaoelmo,ogrifoeocadinho,esentiuamenteescolheros
significadoscorretoscomoumcomplicadodiagramaemtrêsdimensões.
Nomesmoinstante,oponteirograndecomeçouadançar,comouma
abelhadançandosuamensagemparaacolméia.Elaobservava
calmamente,contenteemnãosaberaprincípio,mascientedequeum
significadoestavaacaminho,eentãoascoisascomeçaramaficarclaras.
Eladeixou-odançaratéterplenacerteza.
-Éexatamentecomodisseodaemondabruxa,LordeFaa.
HáumpelotãodetártarosvigiandoaEstação,eelescolocaramcercasem
voltadelatoda.Nãoesperamseratacados,éoquedizoleitordesímbolos.
Mas,LordeFaa...
-Queé,minhafilha?
-Eleestádizendomaisumacoisa.Nopróximovale,háumavilapertode
umlagoondeaspessoasestãosendoperturbadasporumfantasma.
JohnFaasacudiuacabeçacomimpaciênciaedisse:
-Issonãotemimportânciaagora.Devehavertodotipodeespíritosnessas
florestas.Faleoutravezsobreostártaros.Quantossão,porexemplo?
Comoéqueestãoarmados?
Lyraperguntouobedientementeeanunciouaresposta:
-São60homenscomrifles,eelestêmalgumasarmasmaiores,uma
espéciedecanhão.Têmlançadoresdefogo,também.E...todososdaemons
delessãolobos,éoqueestádizendo.
Istocausouumimpactoentreosgípciosmaisvelhos,aquelesquejá
haviamparticipadodecombates.
-OsregimentosdeSibirsktêmdaemons-lobos-disseum.JohnFaa
acrescentou:
-Nuncavimaisferozes.Vamosterquelutarcomotigres.Econsultaro
urso;aquelealiéumguerreiroesperto.
Lyraestavaimpacienteedisse:
-Mas,LordeFaa,essefantasma...Achoqueéofantasmadeumadas
crianças!
-Bom,mesmoqueseja,Lyra,nãoseioquesepodefazersobreisso.
Lançadoresdechamas,60rifles...Sr.Scoresby,chegueaquiuminstante,
porfavor.Enquantooaeróstataseaproximavadotrenó,Lyrasaiude
fininhoefoifalarcomourso.
-Iorek,vocêjáviajouporaqui?
-Umavez-elerespondeu.
-Temumaaldeiaaquiperto,nãoé?
-Dooutroladodaserra-eledisse,erguendoosolhosparaotopopor
entreaspoucasárvores.
-Ficalonge?
-Paravocêouparamim?
-Paramim.
-Longedemais.Paramim,nemumpouco.
-Quantotempovocêlevaria,então?
-Eupoderiairevoltartrêsvezesantesdopróximonascerdalua.
-Porque,Iorek,escute,eutenhoumleitordesímbolosquemedizas
coisas,entende,eelemedissequetemumacoisaimportantequeeutenho
quefazernaquelaaldeia,eLordeFaanãoquermedeixarir.Elequer
viajardepressa,eseiqueissoéimportantetambém.Masseeunãoforaté
láedescobriroqueé,podemosnuncaficarsabendooqueosPapõesestão
fazendo.
Oursoficouemsilêncio.Estavasentadocomoumhumano,asenormes
patasjuntasnocolo,osolhosescurosfixosnosdela.Sabiaqueelaqueria
algumacoisa.Pantalaimonfalou:
-Podenoslevarláealcançarostrenósdepois?
-Eupoderia.MasdeiaminhapalavraaLordeFaaqueiaobedeceraelee
aninguémmais.
-Seeutivesseapermissãodele?-Lyraperguntou.
-Entãosim.
Elavirou-seevoltoucorrendopelaneve.
-LordeFaa!SeIorekByrnisonmelevaratéaaldeianooutrolado
podemosdescobriroqueestáhavendoláedepoisalcançarostrenós.Ele
conheceocaminho.Eunãoiapedir,masécomooqueeufizantes,Farder
Coram,osenhorselembradaquelecamaleão.Nahoraeunãoentendi,mas
eraverdade,nósdescobrimoslogodepois.Etenhoamesmasensação
agora.Nãoconsigoentenderdireitooqueoleitordesímbolosestá
dizendo,masseiqueéimportante.EIorekByrnisonconheceocaminho,
eledissequepodiairevoltartrêsvezesatéapróximalua,eeuestariaem
segurançacomele,nãoé?MaselesóvaisetiverpermissãodeLordeFaa.
Houveumsilêncio.FarderCoramsuspirou.JohnFaaestavamuito
preocupado,oslábiosapertados.Antes,porém,queeledissessealguma
coisaoaeróstatainterveio:
-LordeFaa,seIorekByrnisonlevaragarotinha,elavaiestartãosegura
quantoseestivesseaquiconosco.Todososursossãohonestos,mas
conheçoIorekháanosenadanestemundovaifazercomqueelerompaa
palavradada.Seordenarqueeletomecontadela,elevaifazeristo,nãose
preocupe.Quantoà
velocidade,eleconseguegaloparhorasseguidassemsecansar.
-Masporquenãopodiamiralgunshomens?-JohnFaaperguntou.
-Bom,elesiamterquecaminhar,porquenãosepodeatravessaraquela
serradetrenó-Lyrarespondeu.–IorekByrnisonpodeirmaisrápidodo
quequalquerhomemnestetipodeterreno,esoubastanteleve,demodo
queelenãovaisecansar.Eprometo,LordeFaa,prometonãodemorar
maisdoqueonecessário,nemdarqualquerinformaçãosobrenós,nem
correrqualquerrisco.
-Temcertezadequeprecisafazerisso?Esseleitordesímbolosnãoestá
bancandoobobocomvocê?
-Elenuncabrinca,LordeFaa,eachoquenãoiaconseguirbancarobobo.
JohnFaaesfregouoqueixo.
-Bem,setudodercerto,teremosmaisalgumainformação.IorekByrnison!
chamou.Estádispostoafazeroqueestameninaestápedindo?
-Façooqueosenhorpedir,LordeFaa.Diga-meparalevaragarotaeeu
levo.
-Muitobem.Leveagarotaaondeeladesejairefaçaoqueelapedir.Lyra,
agoraestoudandoassuasordens,estáentendendo?
-Sim,LordeFaa.
-Vocêvaiprocurarsejaoquefor,equandotiverencontrado,volte
imediatamente.IorekByrnison,vamosestarviajando,demodoquevaiter
quenosalcançar.
Oursoassentiucomaenormecabeça.
-Algumsoldadonaaldeia?-eleperguntou.–Vouprecisardaminha
armadura?Vamosmaisdepressasemela.
-Não,eutenhocerteza,Iorek.Obrigada,LordeFaa,prometofazeroqueo
senhormandou.
TonyCostadeu-lheumpedaçodecarne-secaparamascar,ecom
Pantalaimoncomoratinhodentrodoseucapuz,Lyrasubiuparaascostas
amplasdourso,agarrandoseuspêloscomsuasluvasdelãeprendendoos
joelhosnacinturafinaemusculosadele.Apelagemdeleera
maravilhosamenteespessa,easensaçãodegrandepoderqueela
experimentoueraavassaladora.Comoseelanadapesasse,elevirou-see
saiuagalopenadireçãodaserraedasárvoresbaixas.Levoualgumtempo
paraqueelaseacostumassecomomovimento,eentãosentiu-seinvadida
porumgrandeentusiasmo.Estavacavalgandoumurso!AAuroraBoreal
estendia-seacimadelesemarcosearabescosdourados,eàvoltadela,o
impiedosofriodoPóloÁrticoeosilêncioimensodoNorte.
AspatasdeIorekByrnisonmalfaziamruídonaneve.Asárvoreseram
magrasepoucocrescidas,poisficavamnabordadatundra,mashavia
galhossecosemoitasespinhentasnocaminho.
Oursopassavaporelascomosefossemteiasdearanha.
Subiramaserrabaixaentreerupçõesderochanegra,elogoestavamfora
dasvistasdosviajantes.Lyraqueriaconversarcomourso,eseelefosse
humanoelajáestariaamigadele;maseleeratãoestranho,selvagemefrio
queelasentiatimidez,talvezpelaprimeiraveznavida.Assim,enquanto
eleseguiaagalope,aspernaspoderosasmovendo-seincansáveis,elaficou
emsilêncio.Talvezelepreferisseassim,elapensou;eladeviaparecerum
filhotebagunceiro,malsaídodoninho,aosolhosdoursodearmadura.
Rarasvezeselapensaraemsiprópriaeachavaaexperiênciainteressante,
porémdesconfortável;aliás,bemparecidocomcavalgarourso.Iorek
Byrnisongalopavadepressa,movendoambasaspernasdeumladodo
corpoaomesmotempoebalançando-sedeumladoparaoutronumritmo
forteeregular.Eladescobriuquenãopodiaapenasficaragarradaaele;
precisavaseguirseusmovimentos.
EstavamcomcercadeumahoradeviagemeLyrasentiu-sedurae
dolorida,porémprofundamentefeliz,quandoIorekByrnisondiminuiua
velocidadeeparou.
-Olheparacima-eledisse.
Lyraergueuosolhosetevequeenxugá-loscomopulso,poissentiatanto
frioquetinhalágrimasnosolhos.Quandoconseguiuenxergar,ficou
boquiabertacomavisãodocéu.AAuroraBorealdesbotaraparaumbrilho
pálidoetrêmulo,masasestrelasbrilhavamcomodiamantes,eatravésdo
grandedomopontilhadodediamantes,centenasecentenasdeminúsculas
figurasnegrasvoavamdolesteedosulemdireçãoaonorte.
-Sãopássaros?-elaperguntou.
-Sãobruxas-disseourso.
-Bruxas?Queéqueestãofazendo?
-Reunindo-separaaguerra,talvez.Nuncavitantasaomesmotempo.
-Conhecealgumabruxa,Iorek?
-Jáserviaalgumasdelas.Eluteicontraalgumas,também.Istovaideixar
LordeFaaassustado.Seelasestãoindoajudarosseusinimigos,vocês
todosdeviamficarcommedo.
-LordeFaanãovaificarcommedo.Vocênãoestácommedo,está?
-Aindanão.Quandoestiver,voucontrolarmeumedo.Masémelhor
contarmosaLordeFaasobreasbruxas,porqueoshomenspodemnãoter
visto.Eleseguiumaisdevagar,eelaficouobservandoocéuatéseusolhos
encherem-senovamentedelágrimasdefrio,masnãoviuterminarofluxo
debruxasquevoavamparaonorte.FinalmenteIorekByrnisonestacoue
disse:
-Estaéaaldeia.
Afrentedeles,haviaumaladeiraíngremeeacidentada,eláembaixoum
punhadodeconstruçõesdemadeiraaoladodeumavastidãodeneve
muitoplana,queLyraimaginouserolagocongelado.Umcaisdemadeira
mostrouqueelaestavacerta.Osdoisestavamamenosdecincominutos
dolugar.
-Queéquevocêquerfazer?-oursoperguntou.
Lyraescorregoudascostasdeleetevedificuldadeemficardepé.Seu
rostoestavarígidodefrioeaspernastremiam,maselaagarrou-seaopêlo
deleebateuospésnochãoatésesentirmaisforte.
-Temumacriança,ouumfantasma,ouumacoisaqualquernestaaldeia,
outalvezpertodela,nãoseidireito.Querodescobrirondeestáelevaressa
coisaparaLordeFaaeparaosoutros,seeuconseguir.Penseiqueeraum
fantasma,masoleitordesímbolospodiaestarmedizendoalgumacoisa
quenãoconseguientender.
-Seeleestáaorelento,vaiterqueencontrarumabrigoqualquer-disseo
urso.
-Achoquenãoestámorto...-disseLyra.
Masnãotinhaamenorcerteza.Oaletômetrohaviaindicadoalgumacoisa
estranhaeantinatural,oqueeraalarmante;masquemeraela?Afilhade
LordeAsriel.Equemestavasobseucomando?Umursopoderoso.Como
elapodiademonstrarmedo?
-Vamosprocurar-ordenou.
Tornouamontarnascostasdele,eoursodesceuencostaabaixo,
caminhandosempressa.Oscãesdaaldeiafarejaram,ouviramousentiram
achegadadelesepuseram-seauivarapavorantemente;easrenasem
seuscurraismoviam-senervosamente,oschifresbatendounsnosoutros
comogravetossecos.Noarimóvel,ouvia-sedelongecadamovimento.
Quandochegaramàprimeiracasa,Lyraolhouparaadireitaeparaa
esquerda,tentandoenxergarnaescuridão,poisaAuroraBorealestavase
dissipando,ealuaaindademorariaanascer.Aquiealiumaluztremulava
sobumtelhadocobertodeneve;Lyrajulgoutervistorostospálidosatrás
davidraçadealgumasjanelas,eficouimaginandoasurpresadelesao
veremumacriançamontadanumgrandeursobranco.
Nocentrodapequenaaldeia,haviaumespaçoabertojuntoao
ancoradouroondeosbotestinhamsidodeixados,parecendo
protuberânciasnaneve.Obarulhodoscachorroseraensurdecedor;no
instanteemqueLyraachouqueaquiloiaacordaralguém,umaportase
abriu,eumhomemSaiusegurandoumaespingarda.Seudaemon-carcaju
saltouparaapilhadelenhaaoladodaporta,espalhandoneve.Lyra
desceuimediatamenteeficouparadaentreeleeIorekByrnison,
lembrando-sedeterditoaoursoquenãohaverianecessidadeda
armadura.Ohomemfalouempalavrasqueelanãoconseguiuentender.
IorekByrnisonrespondeunamesmalíngua,eohomem,soltouumgemido
demedo.
-Eleachaquesomosdemônios.Queéqueeudigo?-quissaberourso.
-Diga-lhequenãosomosdemônios,mastemosamigosquesão.Eestamos
procurando...sóumacriança.Umacriançaestranha.Digaistoaele.Assim
queoursodisseisto,ohomemapontouparaadireita,indicandoumlugar
distante,efalourapidamente.IorekByrnisontraduziu:
-Elequersaberseviemoslevaracriançaembora.Estãocommedodela.
Tentaramfazerqueelafosse,maselasemprevolta.
-Digaquevamoslevaracriançacomagente,masqueelesforammuito
mausemtratá-laassim.Ondeestáela,afinal?Ohomemexplicou,
gesticulandoanimadamente.Lyratevemedodequeeledisparasseaarma
poracidente,masassimqueacaboudefalarelecorreudevoltaparacasa
efechouaporta.Lyraviarostosemtodasasjanelas.
-Ondeestáacriança?-perguntou.
-Napeixaria-disseourso,virando-separaseguirnadireçãodo
ancoradouro.
Lyraseguiu-o.Estavahorrivelmentenervosa.Oursodirigia-seaobarracão
estreitodemadeira,erguendoacabeçaparafarejar,equandochegouà
porta,eleestacouedisse:
-Aídentro.
OcoraçãodeLyrabatiatãodepressaqueelamalconseguiarespirar.
Levantouamãoparabaternaportaeentão,achandoridículoessegesto,
respiroufundoparachamar,maspercebeuquenãosabiaoqueiadizer.
Ah,estavatãoescuro!Deviaterlevadoumalamparina...
Nãohaviaescolha,edequalquermaneiraelanãoqueriaqueoursovisse
seumedo.Elefalaraemcontrolaromedo:eraissoqueelateriaquefazer.
Ergueuatiradecouroderenaqueseguravaaportaeempurrou-acom
força.Elaabriu-secomruído.
Lyratevequeafastarcomospésaneveempilhadanafrentedaporta
antesdeconseguirabririnteiramenteaporta,ePantalaimonemnada
ajudava,correndodeumladoparaoutroemsuaformadearminho,uma
sombrabrancasobreosolobranco,fazendoruídosdemedo.
-Pan,peloamordeDeus!Viremorcegoeváolharparamim...
Maselenãoquis,etambémnãoquisfalar.Elanuncaoviraassim,anão
sernaocasiãoemqueelaeRogertinhamtrocadodelugarasmoedasdos
daemonsnacriptadaJordan.Agoraeleestavaaindamaisamedrontado
queela.QuantoaIorekByrnison,oursoestavadeitadonanevealiperto,
observandoemsilêncio.
-Saiadaí!-Lyraordenou,omaisaltoqueousou.-Saia!
Nãohouveresposta.Elaabriuumpoucomaisaporta,ePantalaimonsaltou
paraosseusbraçosemformadegato,cutucando-aedizendo:
-Váembora!Nãofiqueaqui!Ah,Lyra,váagora!Vireascostas!
Tentandosegurá-lo,elaviuqueIorekByrnisonficavadepéevirou-separa
verumafiguracorrendopelocaminhoquevinhadaaldeia,carregando
umalamparina.Quandoafiguraseaproximou,ergueualamparinapara
mostrarorosto:umanciãoderostolargoeenrugadoeosolhosperdidos
nomeiodemilrugas.SeudaemoneraumaraposadoArtico.
Elefalou,eIorekByrnisontraduziu:
-Eledizquenãoéaúnicacriançadessetipo.Jáviuoutrasnafloresta.As
vezeselasmorremlogo,àsvezesnãomorrem.Essaaíédurona,eleacha.
Masseriamelhorparaelasemorresse.
-Pergunteseelepodemeemprestaralamparina–disseLyra.
Oursofaloueohomementregoualamparinadeimediato,assentindo
vigorosamente.Elaentendeuqueeletinhavindotrazeralamparinapara
ela,eagradeceu.Eleassentiuoutravezerecuouparalongedela,do
barracãoedourso.Lyrapensouderepente:eseforoRoger?Erezoucom
todasasforçasparaquenãofosse.Pantalaimonestavaagarradoaela,
novamenteumarminho,aspequenasgarrasenfiadasnocasacodela.
Lyraergueualamparinaedeuumpassoparadentrodobarracão,eentão
viuoqueeraqueoConselhodeOblaçãoestavafazendoequalanatureza
dosacrifícioqueascriançasestavamtendoquefazer.
Omenininhoestavaencolhidodeencontroàgradedesecagemcomsuas
filasefilasdepeixespendurados,duroscomotábuas.Eleapertavaao
peitoumpedaçodepeixesecocomoLyraapertavaPantalaimon:com
ambasasmãos,contraocoração;mas,eratudoqueeletinha:umpedaço
depeixeseco;porqueelenãotinhaumdaemon.OsPapõestinham
separadoodaemondele.
Issoeraintercisão,eaquelaeraumacriançaseccionada!
13ESGRIMA
Oprimeiroimpulsodelafoidevirar-seesaircorrendo,ouentãovomitar.
Umserhumanosemdaemoneracomoumapessoasemrosto,oucomas
costelasà
mostraeocoraçãoarrancado:umacoisaantinaturaleestranha,que
pertenciaaomundodospesadelosnoturnos,nãoaomundodespertoe
racional.
DemodoqueLyraagarrou-seaPantalaimon;sentiaacabeçagiraretinha
ânsiasdevômito;apesardofriointensodanoite,umsuordoentio
umideceusuacarnecomumacoisaaindamaisfria.
-Rateira!-fezomenino.-VocêviuaminhaRateira?
Lyranãotinhadúvidasdoqueelequeriadizer.
-Não-respondeu,emvoztãofracaeassustadaquantoelasesentia.Comoéquevocêsechama?
-TonyMakarios-eledisse.-OndeestáaRateira?
-Nãosei...-elacomeçou,mastevequeengoliremsecoparacontrolara
náusea.-OsPapões...
Masnãoconseguiucontinuar.Tevequesairdobarracãoeirsentar-sena
nevesozinha,sóquenaturalmenteelanãoestavasozinha,nuncaestaria
sozinha,poisPantalaimonestavasempreali.Ah,serafastadadelecomo
aquelemenininhotinhasidoafastadodasuaRateira!Apiorcoisano
mundo!Elasoluçava,ePantalaimontambémgemia,eemamboshaviauma
imensapiedadeetristezaporaquelemeio-menino.
Entãoelalevantou-se.
-Venha-chamou,emvoztrêmula.-Tony,saiadaí.Vamoslevarvocêpara
umlugarseguro.
Houveummovimentodentrodapeixaria,eeleapareceuàporta,ainda
agarradoaopeixeseco.Estavausandoroupasquentes,umcasacãocom
capuzbemacolchoadoebotasdepele,masqueaparentavamserde
segundamãoenãolheassentavammuitobem.Doladodefora,sobaluz
quevinhadosrastrosdesbotadosdaAuroraBorealedochãocobertode
neve,elepareciaaindamaisperdidoedignodepenadoqueaprincípio,
quandoestavaacocoradodentrodapeixaria,àluzdalamparina.
Oaldeãoquetrouxeraalamparinatinharecuadoalgunsmetros,egritou
algumacoisa.IorekByrnisontraduziu:
-Eleestádizendoquevocêtemquepagarpelopeixe.
Lyratevevontadedemandaroursoacabarcomele,masdisseapenas:
-Vamoslivraraaldeiadestacriança.Elespodemmuitobemdarumpeixe
comopagamento.
Oursofalou.Ohomemresmungou,masnãodiscutiu.Lyracolocoua
lanternananeveepegouamãodomeio-meninoparaguiá-loatéourso.
Eleaacompanhou,semmostrarsurpresaoumedodiantedogrande
animalbranco,equandoLyraajudou-oasentar-senascostasdeIorek,ele
disseapenas:
-NãoseiondeestáaminhaRateira.
-Não,nemnós,Tony-elarespondeu.-Masnósvamos...Vamoscastigaros
Papões.Vamosfazerisso,euprometo.Iorek,seráquevocêconsegueme
carregartambém?
-Aminhaarmadurapesamuitomaisdoqueduascrianças.
ElaentãosubiuparaoladodeTonyeensinou-lheaagarrar-seaospêlos
longosdourso,ePantalaimonficoudentrodocapuzdela,aquecido,
próximoecheiodepena.LyrasabiaqueavontadedePantalaimonera
estenderobraçoeacariciaropequenomeio-menino,lambê-loeaquecê-lo
comoodaemondeleteriafeito;masograndetabuimpediaisso,
naturalmente.
Atravessaramaaldeiaemdireçãoàserra,eosrostosdosaldeões
mostravamhorroreumaespéciedealíviotemerosoaoveraquelacriatura
horrivelmentemutiladaserlevadaemboraporumamenininhaeum
grandeursobranco.
NocoraçãodeLyra,arepugnâncialutavacomacompaixão,eacompaixão
venceu.Elarodeoucomosbraçosocorpinhomagroeossudo,paraqueele
nãocaísse.Aviagemdevoltaàcaravanafoimaisfria,maisdifícilemais
escura,porémpareceupassarmaisdepressa,apesardetudoisso.Iorek
Byrnisoneraincansável,eosmovimentosqueLyratinhaquefazerpara
equilibrar-setornaram-seautomáticos,demodoqueelanãocorriaperigo
decair.Ocorpofrioemseusbraçoseratãolevequedecertomodoera
fácildesegurar,masporoutroladoeleestavainerte,rígido,semsemover
deacordocomosmovimentosdourso,portanto,decertomodo,eleera
difícildesegurar.
Devezemquando,omeio-meninofalava.
-Quefoiquevocêdisse?-Lyraperguntou.
-Eudissequeelavaisaberondeeuestou.
-É,vaisaber,sim,vaiencontrarvocê,enósvamosencontrarela.Segure
comforça,Tony.Nãoestamoslonge...
Oursogalopava.Lyranãotinhaidéiadecomoestavacansadaaté
alcançaremosgípcios.Ostrenóshaviamparadoparaodescansodoscães,
ederepenteestavamtodosali,FarderCoram,LordeFaa,LeeScoresby,
todosvindoajudar,masrecuandoemsilêncioaoveremaoutrafiguracom
Lyra.Elaestavatãorígidaquenãoconseguiasequersoltarosbraçosque
rodeavamocorpodele,eJohnFaatevequeajudá-la.
-MeuDeus,queéisto?-espantou-seele.-Lyra,minhafilha,quefoique
vocêencontrou?
-OnomedeleéTony-elamurmurouatravésdoslábioscongelados.-E
levaramodaemondele.ÉissoqueosPapõesfazem.
Oshomens,temerosos,ficavamàdistância;masourso,paraespantode
Lyra,deulhesumabronca.
-Quevergonha!Pensemnoqueestacriançafez!Vocêspodemnãoter
maiscoragemqueela,masdeviamtervergonhademostrarquetêm
menos!
-Temrazão,IorekByrnison-disseJohnFaa,virando-seemseguidapara
darordens.
-Atiçemafogueiraeesquentemsopaparaacriança.Paraasduas
crianças.FarderCoram,seuabrigoestámontado?
-Está,sim,John.TragaLyra,vamosaquecê-la.
-Eomeninotambém-disseoutravoz.-Elepodecomereseaquecer,
mesmonão...
LyraestavatentandocontaraJohnFaasobreasbruxas,masestavam
todosmuitoocupados,eelacansadademais.Depoisdemomentos
confusos,comvultosandandoapressadosdeumladoparaoutro,ela
sentiuPantalaimonmordiscardelevesuaorelha,eacordoucomorostodo
ursoapoucoscentímetrosdoseu.
-Asbruxas-dissePantalaimon.-EuchameiIorek.
-Ah,émesmo-elaresmungou.-Iorek,obrigadapormelevaremetrazer.
PossonãomelembrardecontaraLordeFaasobreasbruxas,demodo
queé
melhorvocêfazerisso.
Elaouviuoursoconcordareentãoadormeceudevez.
Quandoacordou,odiaestavaclaro,oque,naquelaregião,significavaum
céupálidoasudoesteeoarcheiodeneblinacinzentaatravésdaqualos
gípciosmoviam-secomofantasmascorpulentos,preparandoostrenóse
atrelandooscães.Lyraviaissotudodedentrodoabrigodotrenóde
FarderCoram,ondeelaestavadeitadasobumapilhadepeles.
Pantalaimonacordouantesdelaeexperimentavaaformadeumaraposa
doArticoantesdereverteràsuaformafavoritadearminho.
IorekByrnisonestavadormindonanevealiperto,acabeçaapoiadanas
patas;masFarderCoramestavadepéeatarefado,eassimqueviu
PantalaimoneleveiomancandoacordarLyra.
Elaoviuchegaresentou-se.
-FarderCoram,seioqueeraqueeunãoconseguiaentender!O
aletômetroficavadizendo"pássaro"e"não",eissonãofaziasentido,
porquesignificava
"nenhumdaemon"eeunãosabiacomoissopodiaser...Quefoi?
-Lyra,eunãoqueriacontarissoavocêdepoisdetudoquevocêfez,maso
meninomorreuháumahora.Elenãoconseguiaseacomodar,não
conseguiaficarnumlugar;nãoparavadeperguntarpelodaemon,ondeele
estava,seeleiademorar;eficavaapertandoaquelepedaçodepeixevelho
comose...Ah,nãoconsigofalarsobreisso,filha;maselefinalmentefechou
osolhoseficouimóvel,efoiaprimeiravezquepareceuestarempaz,pois
ficouigualaqualqueroutrapessoamorta,comodaemonseguindoocurso
natural.Tentaramabrirumacovaparaele,masochãoestádurocomo
ferro.EntãoJohnFaaordenouquefizessemumagrandefogueiraevão
cremarocorpodele,paraqueelenãosejadevoradopeloscomedoresde
carniça.Minhafilha,vocêfezumacoisaboaecorajosa,eestouorgulhoso
devocê.Agoraquesabemosdamaldadeterríveldequeaquelagenteé
capaz,vemosnossodevercommaisclareza.Oquevocêdevefazerécomer
edescansar,porqueadormeceucedodemaisparasealimentarontemà
noite,enestatemperaturaéprecisocomerparanãoenfraquecer...
Eleestavaarrumandocoisas,ajeitandoaspeles,apertandoascordasdo
trenó,desembaralhandoasrédeas.
-FarderCoram,ondeestáomenino?Jáfoicremado?
-Não,Lyra,estáláatrás.
-Queroirláver.
Elenãopoderiarecusar,poiselaviracoisapiordoqueumcadáver,eisto
poderiaacalmá-la.Demodoque,comPantalaimoncomoumalebrebranca
saltitandodelicadamenteaseulado,elaseguiuaolongodafiladetrenós
atéolocalondealgunshomensempilhavamlenha.
Ocorpodomeninoestavaaoladodatrilha,cobertoporumpanoxadrez.
Elaajoelhou-seelevantouopanocomamãoenluvada.Umdoshomensfez
mençãodeimpedir,masosoutrossacudiramacabeça.
Pantalaimonaproximou-seenquantoLyracontemplavaopobrerostinho
abatido.Eladescalçouumadasluvasetocounosolhosdele.Estavamfrios
comomármore,eFarderCoramtinharazão:ocoitadodoTonyMakarios
nãoeradiferentedequalqueroutrohumanocujodaemontivessepartido
namorte.Ah,setirassemPantalaimondela!Elaopegounocoloeabraçouocomosequisesseenfiá-lodentrodocoração.EtudoqueopequenoTony
tinhaeraseupobrepedaçodepeixe...Ondeestavaopeixe?
Elapuxouacoberta:opeixenãoestavalá.
Nomesmoinstanteelaestavadepé,osolhosbrilhandodefúria,
interpelandooshomens:
-Ondeestáopeixedele?
Elespararamdetrabalhar,perplexos,semsaberoqueelaqueria;mas
algunsdosdaemonsdelessabiameseentreolharam.
Umdoshomenspôs-seasorrirhesitantemente.
-Nãoouseachargraça!Vouarrancarospulmõesdequemrirdele!Era
tudoqueeletinha,sóumpedaçovelhodepeixeseco,eratudoqueele
tinhanolugardoseudaemonparaamarecuidar!Quemtirouopeixe
dele?Ondeéqueelefoiparar?
Pantalaimoneraumleopardobranco,comoodaemondeLordeAsriel,mas
elanemreparounisso;tudoqueviaeraocertoeoerrado.
-Calma,Lyra-disseumhomem.-Calma,criança!
-Quemfoiquepegou?-elatornouaperguntar.
Ogípciorecuouumpassodiantedaquelafúria.
-Eunãosabia-disseoutro,emtomdearrependimento.
-Penseiqueeraoqueeleandavacomendo.Tireidamãodeleporque
acheimaisrespeitoso.Sóisso,Lyra.
-Entãoondeestá?
Ohomemexplicou,constrangido:
-Semsaberqueeleprecisavadopeixe,eudeiparaosmeuscachorros.
Peçoquemeperdoe.
-Nãosoueuquemtemqueperdoar,éele-elarespondeu.
Imediatamentevirou-seetornouaajoelhar-se,colocandoamãonaface
congeladadacriançamorta.
Entãoteveumaidéia,eprocurouentresuaspeles.Oarfrioatravessou-a
quandoelaabriuocasacão,masempoucossegundosachouoque
procuravaetirouumamoedadeourodabolsaantesdetornara
agasalhar-se.
-Precisodasuafaca-disseaohomemquetinhatiradoopeixe;depois
virouseparaPantalaimon.-Comoeraonomedele?
Pantalaimoncompreendeu,naturalmente,edisse:
-Rateira.
Elasegurouamoedacomforçanamãoesquerdaenluvadaesegurandoa
facacomoumlápisgravounometalonomedodaemonperdido.
-Esperoqueistosirva,seeufizercomoumCatedráticodaJordan-ela
cochichouparaomeninomorto.
Forçouosdentesdeleaseabriremosuficienteparaelaenfiaramoeda.
Foidifícil,maselaconseguiu,econseguiutambémtornarafechar-lhea
boca.Entãodevolveuafacaaohomemenapenumbradamanhãvirou-se
parairatéFarderCoram.
Elelhedeuumacanecadesopasaídadofogo,queelabebericoucom
prazer.
-Queéquevamosfazercomasbruxas,FarderCoram?-elaquissaber.
Seráqueasuabruxaestavacomeles?
-Aminhabruxa?Realmentenãotenhoidéia,Lyra.Elaspodemestarindoa
qualquerlugar.Avidadasbruxasécheiadeváriostiposdepreocupações,
coisasinvisíveisparanós,doençasmisteriosasqueasatacameanósnão,
motivosdeguerraalémdanossacompreensão,alegriasetristezasligadas
àflorescênciadepequenasplantinhasnatundra...Maseugostariadeter
vistoessevôo,Lyra.Gostariadepoderverumacoisacomoessa.Agora
bebaasopatoda.Quermais?
Temosumpãoassando,também.Comabastante,filha,porquelogo
partiremos.OalimentofortaleceuLyra,eogeloemsuaalmacomeçoua
derreter.Comosoutroselafoiveropequenomeio-meninosercolocado
emsuapirafúnebre,einclinouacabeçaefechouosolhosduranteas
oraçõesfeitasporJohnFaa;eentãooshomensaspergiramálcoolde
carvãoeacenderamofogo,quenuminstantesealastrou.
Umavezcertosdequeocadávertinhasidotodoconsumido,osviajantes
recomeçaramajornada.Foiumaviagemfantasmagórica:logocomeçoua
nevar,enuminstanteomundoestavareduzidoàssombrascinzentasdos
cães,ossolavancoseestalidosdotrenó,ofriocortanteeummaragitado
degrandesflocospoucomaisescurosdoqueocéuepoucomaisclarosdo
queosolo.Atravésdetudoisto,oscãescontinuaramacorrer,caudasno
ar,soltandovaporpelaboca.Avançavamparaonorte,enquantoopálido
meio-diachegavaepassava,eocrepúsculotornavaaabraçaromundo.
Pararamparacomer,beberedescansarnumafendaentreosmontes,e
paraverificaradireção,eenquantoJohnFaaconversavacomLee
Scoresbysobreamelhormaneiradeutilizarobalão,Lyrapensouna
mosca-espiãefoiperguntaraFarderCoramoquehaviaacontecidocoma
latadefolhasdefumarondeeleaprisionaraoinseto.
-Estábemguardada-elecontou.-Estánofundodaquelavalise,masnão
dá
paraabrir;lánonavioeusoldeiatampa,comofaleiqueiafazer.Nãoseio
quevamosfazercomela,paradizeraverdade;talvezjogarnofundode
umaminadefogo,talvezistoresolvesse.Masnãoprecisasepreocupar,
Lyra.Enquantoeuestivercomela,vocêestásegura.
Naprimeiraoportunidade,elaenfiouobraçodentrodalonacongeladada
valiseetiroualatinha.Antesmesmodetocá-la,elasentiuozumbido.
EnquantoFarderCoramconversavacomosoutroschefes,elalevoualata
aIorekByrnisoneexplicousuaidéia.Aquilolheocorreraquandoelase
lembroudafacilidadecomqueelerasgaraometaldacoberturadomotor.
Eleescutou,eentãopegouatampadeumalatadebiscoitosehabilmente
enrolou-aformandoumcilindropequenoechato.
Elaficouimpressionadacomahabilidadedasmãosdele:aocontrárioda
maioriadosursos,eleeosoutrosdasuaespécietinhamgarras-polegares
opostas,comasquaispodiamsegurarcomfirmezaascoisas;alémdisso,
elepossuíaumsentidoinatodaforçaeflexibilidadedosmetais,oque
significavaquebastavaerguerumpedaçodemetal,flexioná-lodestaou
daquelamaneira,eentãorasparneleumcírculocomagarraparamarcar
olugardedobrar.Foioquefez,dobrandoaslateraisatéformaruma
caixinharedondaeumatampaquelheservisse.ApedidodeLyra,elefez
duasdessas:umadomesmotamanhodalatadefolhasdefumareoutra
ondecoubessealataeumaboaquantidadedepêlosemusgobem
comprimidosparaabafarozumbido.Fechada,acaixatinhaomesmo
tamanhoeformatodoaletômetro.
Feitoisto,elasentou-seaoladodeIorekByrnisonenquantoourso
mastigavaumpernilderenacongeladoedurocomomadeira.
-Iorek,éruimnãoterdaemon?Vocênãosesentesolitário?-elaquis
saber.
-Solitário?-elerepetiu.-Nãosei.Elesmedizemqueestáfrio:nãoseio
queéfrio,porquenãosintofrio.Domesmomodo,nãoseioqueésolidão.
Osursosforamfeitosparaficaremsozinhos.
-EosursosdeSvalbard?Elessãomilhares,nãosão?Foioqueouvidizer.
Elenãorespondeu,maspartiuacarneaomeiocomumsomcomoum
troncorachando.
-Perdão,Iorek-eladisse.-Nãoquisofender.Équeficocuriosa.Sabe,fico
aindamaiscuriosasobreosursosdeSvalbardporcausadomeupai.
-Queméoseupai?
-LordeAsriel.EeleestápresoemSvalbard,entende?AchoqueosPapões
traírameleepagaramaosursosparaqueelefiquepresolá.
-Nãosei.NãosouumursodeSvalbard.
-Penseiqueera...
-Não.JáfuiumursodeSvalbard,masagoranãosou.Fuiexpulsocomo
castigoporquemateioutrourso.Entãotiraramomeucargo,aminha
fortunaeaminhaarmadura,ememandaramvivernafronteiradomundo
humanoelutarquandoalguémmecontratasseparaisso,outrabalharem
coisasbrutaiseafogaraslembrançasnoálcool.
-Porquematouooutrourso?
-Deraiva.Entreosursosexistemmaneirasdeafastararaivadeumpelo
outro,maseuestavaforademeucontrole.Demodoquemateieleefui
castigadocomjustiça.
-Evocêeraricoeimportante-disseLyra,impressionada.-Exatamente
comoomeupai,Iorek!Foiexatamenteoqueaconteceucomeledepoisque
eunasci;eletambémmatoualguémeentãotiraramtodaafortunadele.
FoimuitoantesdevirarprisioneiroemSvalbard.Nãoseinadade
Svalbard,anãoserqueficanoExtremoNorte...Étudocobertodegelo?
Pode-sechegarláatravessandoomarcongelado?
-Nãopartindodestelitoral.Omaràsvezescongelaaosul,àsvezesnão.
Vocêiaprecisardeumbarco.
-Ouumbalão,talvez.
-É,umbalão,masentãovocêiaprecisardoventocerto.
Elemordeuopernilderena,eumaidéialoucaentrounacabeçadeLyra
quandoelaselembroudetodasaquelasbruxasnocéunoturno,masnada
falousobreoassunto.Emvezdisso,fezperguntasaIorekByrnisonsobre
Svalbardeescutouatentamenteenquantoelelhefalavadasgeleirasque
deslizavamdevagar;dasrochaseicebergsondeosleões-marinhosde
presasbrilhantesreuniam-seemgruposde100oumais;dosmares
repletosdefocas,dosnarvaisbatendoascompridaspresasbrancasacima
daáguagelada;daenormecostaescuraecercadadeferro,ospenhascos
comquase500metrosdealturaondeosimundosavantesmas-dospenhascosvoejavameseempoleiravam;dasminasdecarvãoeminasde
fogoondeosursos-ferreirosmartelavamgrandesfolhasdeferroecom
elasfabricavamarmaduras...
-Seelestomaramasuaarmadura,Iorek,ondefoiquearranjouesta?
-EumesmofizemNovaZembla,comferro-celeste.Atéfazeristoeuestava
incompleto.
-Querdizerqueosursosconseguemfazersuaprópriaalma...-disseela.
Haviamuitacoisaaaprendernomundo.-QueméoReideSvalbard?Os
ursostêmrei?
-OnomedeleéIofurRaknison.
AquelenomedisparouumalarmenamentedeLyra;elajáhaviaouvido
aquelenome,masonde?Enãotinhasidopelavozdeumurso,nemdeum
gípcio.AvozquepronunciaraessenomeeradeumCatedráticoprecisa,
pedanteeindolentementearrogante,umavozbemtípicadaFaculdade
Jordan.Elatentoulembrar-se.Ah,conheciatãobemaquelavoz!
Eentãolembrou-se:aSalaPrivativa,osCatedráticosouvindoLordeAsriel.
TinhasidooCatedráticodepalmerianoquemfalaraalgumacoisasobre
IofurRaknison.Eletinhausadoapalavra"panserbjorne",queLyranão
conhecia,enaocasiãoelanãosabiaqueIofurRaknisoneraumurso:mas
quefoiquehaviasidodito?OreideSvalbarderavaidosoepodiaser
adulado.Haviamaisalgumacoisa;seaomenoselaconseguisserecordar...
Masmuitacoisaaconteceradesdeentão.
-SeseupaiéprisioneirodosursosdeSvalbard,elenãovaiconseguir
escapar-IorekByrnisondeclarou.-Nãohámadeiraparafazerumbarco.
Poroutrolado,seeleéumfidalgo,serábemtratado.Vãolhedarumacasa
paramorar,umcriado,comidaecombustível.
-Osursospodemserderrotados,Iorek?
-Não.
-Outalvezenganados?
Eleparoudemastigareolhoudiretamenteparaela.entãodisse:
-Vocênuncavaiderrotarosursosdearmadura.Jáviuaminhaarmadura;
agoravejaasminhasarmas.
Largouacarneeestendeuaspatas,comapalmaparacima,paraqueela
visse.Cadapalmaeracobertadepelecalejadacommaisdetrês
centímetrosdeespessura,ecadagarraerapelomenostãocomprida
quantoamãodeLyra,eafiadacomofaca.Eledeixouqueelaasapalpasse.
-Umgolpepodeesmagarocrâniodeumafoca–eledisse.-Ouquebrara
colunadeumhomem,ouarrancarummembro.Epossomorder.Sevocê
nãotivessemeimpedido,emTrollesund,euteriaesmagadoacabeça
daquelehomemcomoumovo.Jáfaleidaforça,agoravoufalarda
esperteza;nãoseconsegueenganarumurso.Querumaprova?Pegueum
gravetoevamosesgrimar.Ansiosaparaexperimentar,elaquebrouogalho
deumamoitacobertadeneve,tiroutodasasfolhaseempunhou-ocomose
fosseumaespada.IorekByrnisonficousentadonaspatastraseiras,à
espera.Quandoestavapronta,elaoatacou,masnãoquisgolpeá-loporque
elepareciamuitopacífico.Demodoqueficoubrandindoaarma,
avançandopeloslados,sempretenderencostarnele,eelenãosemexeu.
Elafezissováriasvezes,enemumavezelesemoveuumcentímetro.
Finalmenteelaresolveugolpeá-lodiretamente,semforça,masapenas
tocandoapontadogalhonoestômagodele;nomesmoinstante,ele
estendeuapataeafastouogalhoparaolado.
Surpresa,elatentounovamente,comomesmoresultado.
Elesemovimentavacommuitomaisrapidezesegurançadoqueela.Ela
tentouatingi-lodeverdade,movimentandoopedaçodepaucomoaarma
deumespadachim,enemumaveztocounocorpodele.Elepareciasaber
antesdelaoqueelapretendiafazer,equandoelamiravaacabeçadele,a
enormepatadesviavaogalho.
Quandoelafaziaumafinta,elenãosemovia.
Elaficouexasperadaelançou-senumataquefurioso,golpeapósgolpe,e
nemumavezconseguiuenganaraquelaspatas;elasestavamemtoda
parte,nomomentoexatodeaparar,nolugarexatodebloquear.
Finalmenteelaficoucommedoeparou.Estavasuandodentrodaspeles,
semfôlego,exausta,eoursocontinuavasentadoimpassivelmente.Mesmo
seelativesseumaespadadeverdadecomapontaaguçada,eleestaria
ileso.
-Apostoquevocêconsegueapararumabaladeespingarda-eladisse,
jogandolongeogalho.-Comoéqueconsegue?
-Nãosendoumhumano-elerespondeu.-Éporissoquevocênunca
conseguiriaenganarumurso.Enxergamostruquesementirascomo
enxergamospernasebraços.Conseguimosverdeummodoqueos
humanosesqueceram.Masvocêsabedisso;afinal,consegueentendero
leitordesímbolos.
-Nãoéamesmacoisa,é?
Elaestavamaisnervosacomoursoagoradoquequandoeleestava
furioso.
-É,sim-eleconfirmou.-Peloquesei,osadultosnãoconseguemfazerisso.
Aquiloqueeusouparaoslutadoreshumanosvocêéparaosadultoscomo
leitordesímbolos.
-É,podeser-disseela,confusaedemávontade.-Istoquerdizerque
quandoeucrescervouesquecer?
-Quemsabe?Nuncatinhavistoumleitordesímbolos,nemalguémque
conseguisselerum.Talvezvocêsejadiferentedosoutros.
Eleficoudequatronovamenteevoltouacomersuacarne.Lyratinha
desabotoadooagasalhodepeles,masagoraofrioeramuito,eelateveque
fechálo.Nogeral,foraumepisódioinquietante.Elaestavacomvontadede
consultaroaletômetroalimesmo,masofrioerainsuportável,ealémdisso
estavamchamandoporelaporqueerahoradeseguirviagem.Elapegouas
latasqueIorekByrnisontinhafeito,colocouaqueestavavaziadentroda
valisedeFarderCoramecolocouaquecontinhaamosca-espiãjuntocom
oaletômetronasacolaquelevavanacintura.Ficoucontentequandose
puseramemmarcha.
OschefeshaviamconcordadocomLeeScoresbyquequandochegassemà
paradaseguinteiriaminflarobalãoeeleiriaespionardoar.Naturalmente
Lyraestavadoidaparavoarcomelee,obviamente,issofoiproibido;mas
elaestavaviajandonotrenódeleeencheu-odeperguntas.
-Sr.Scoresby,comovoariaatéSvalbard?
-Vocêiaprecisardeumdirigívelcomummotoragás,algumacoisacomo
umzepelim,ouentãoumbomventosul.Maseunãoteriacoragem,droga.
Vocêjáviuaquelelugar?Oburacomaisfeio,triste,ruim,esquecidoque
podeexistir.
-Eusóestavapensando,seIorekByrnisonquisessevoltar...
-Iriasermorto.Iorekéumdegredado;assimquecolocasseospésláiria
serfeitoempedaços.
-Comoéqueosenhorinflaobalão,Sr.Scoresby?
-Dedoismodos.Possofazerhidrogênioderramandoácidosulfúricoem
raspasdeferro.Agenterecolheogásqueelesoltaeaospoucosencheo
balão.Aoutramaneiraéencontrarumexaustordegásdosolopertode
umaminadefogo.Hámuitogásnosubsolodaqui,etambémóleopétreo.
Possoextrairgásdoóleopétreo,seprecisar,etambémdocarvão.Nãoé
difícilfazergás.Porémamaneiramaisrápidaéusargásdosolo.Umbom
exaustorconsegueencherobalãoemumahora.
-Quantaspessoasosenhorpodecarregar?
-Seis,seforpreciso.
-PoderiacarregarIorekByrnisondearmadura?
-Jáfizisso.Umavez,euosalveidostártaros,quandoeleestavacercado,e
elesqueriamqueelemorressedefome.FoinacampanhadoTunguska;
voeiatélá
etireiIorek.Parecefácil,droga,mastivequeadivinharopesodogarotão.
Eentãotivequecontarcomachargásdosolodebaixodafortalezadegelo
queeletinhafeito.Masládecimaeuconseguiaverotipodesoloqueera,
ecalculeiquepodíamoscavar.Sabe,paradescereutenhoquesoltargás
dobalão,esópossosubirdenovocommaisgás.
Dequalquermaneira,nósconseguimos,comaarmaduraetudo.
-Sr.Scoresby,sabequeostártarosfazemburacosnacabeçadaspessoas?
-Ah,claro.Fazemissohámilharesdeanos.NaguerradeTunguska,
capturamoscincotártarosvivos,etrêsdelestinhamumburaconacabeça.
Umdelestinhadois.
-Fazemissounsnosoutros?
-Issomesmo.Primeirocortamumsemicírculodepelenocourocabeludo,
paraquepossamlevantarapeleeexporoosso.Entãocortameretiramdo
crânioumpequenocírculodeosso,commuitocuidadoparanãoatingiro
cérebro,eentãotornamacosturarocourocabeludoporcima.
-Penseiquefizessemissonosinimigos!
-Claroquenão.Éumgrandeprivilégio.FazemissoparaqueosDeuses
possamfalarcomeles.
-JáouviufalarnumexploradorchamadoStanislausGrumman?
-Grumman?Claro.Conheciumhomemdaequipedelequandoatravesseio
rioYeniseidebalãohádoisanos.Eleiamorarcomastribostártarasporlá.
Aliás,achoqueeletambémtinhaotalburaconacabeça.Faziapartede
umacerimôniadeiniciação,masosujeitomedissequenãoentendia
patavinadaquilo.
-Então...Seeleeracomoumtártarohonorário,elesnãoiammatá-lo?
-Matá-lo?Entãoeleestámorto?
-Está,sim.Euviacabeçadele-disseLyracomorgulho.
-Foimeupaiquemencontrou.Viquandoelemostrouacabeçaparaos
CatedráticosnaFaculdadeJordanemOxford.Estavaescalpeladaetudo.
-Equemfoiqueescalpelou?
-Bom,ostártaros,foioqueosCatedráticospensaram...Mastalveznão
tenhasido.
-PodenãotersidoacabeçadeGrumman-disseLeeScoresby.-Seupai
podeterenganadoosCatedráticos.
-É,achoquesim-disseLyrapensativamente.–Eleestavapedindo
dinheiroaeles.
-Equandoviramacabeçaelesderamodinheiro?
-Foi.
-Belotruque.Aspessoasficamchocadasquandovêemessetipodecoisa.
Nãofazemquestãodeolhardeperto.
-EspecialmenteCatedráticos-Lyraacrescentou.
-Bom,vocêdevesabermelhorqueeu.Masseeramesmoacabeçado
Grumman,apostoquenãoforamostártarosqueescalpelaram.Eles
escalpelamosinimigos,nãoosseus,eeleeraumtártaroporadoção.
Enquantoseguiamviagem,Lyraficouremoendoessascoisas.Haviafortes
correntescheiasdesignificadofluindoaoseuredor:osPapõesesua
crueldade,omedoquetinhamdoPó,acidadenaAuroraBoreal,opaidela
emSvalbard,amãe...ondeestariasuamãe?Oaletômetro,asbruxas
voandoparaonorte.EopobrecoitadodoTonyMakarios;eamosca-espiã
movidaacorda;eaespertezaextraordináriadeIorekByrnison...
Elaadormeceu.EcadahoraoslevavamaisparapertodeBolvangar.14AS
LUZESDEBOLVANGAR
OfatodeosgípciosnãoteremnotíciasdaSra.CoulterpreocupavaFarder
CorameJohnFaamuitomaisdoquedeixavamLyraperceber;masnão
imaginavamqueelatambémestivessepreocupada.Lyratinhamedoda
Sra.Coulterepensavanelacomfreqüência.EemboraLordeAsrielagora
fosse"papai",aSra.Coulternuncafoi"mamãe".Omotivodissoerao
daemondaSra.Coulter,omacacodourado,quetinhadespertadouma
profundaaversãoemPantalaimoneque,comoLyrasuspeitava,haviase
intrometidonossegredosdela,particularmentenosegredodoaletômetro.
Ecertamenteestariamatrásdela;eratolicepensarocontrário.A
moscaespiãprovavaisso.Mas,quandouminimigorealmenteatacou,não
foiaSra.Coulter.Osgípciostinhamplanejadopararparadescansaros
cachorros,consertardoistrenósepreparartodasasarmasparaoataque
aBolvangar.JohnFaaesperavaqueLeeScoresbyconseguisseencontrar
algumgásdesoloparaencherobalãomenor(poiselepossuíadois,
aparentemente)esubirparaespionaroterreno.Noentantooaeróstata
entendiadascondiçõesmeteorológicascomoummarinheiroeavisouque
iahaverneblina;eassimqueelesfizeramalto,anévoaespessadesceu.
LeeScoresbysabiaquenadaveriadocéu,demodoquesecontentouem
verificaroequipamento,emboraestivessetudometiculosamenteem
ordem.Então,semqualqueraviso,umarajadadeflechascaiuda
escuridão.
Trêsgípcioscaíramnamesmahoraemorreramtãosilenciosamenteque
ninguémouviu;sóquandoelescaíramporcimadasrédeasouficaram
imóveisinesperadamentefoiqueoshomensmaispróximosperceberamo
queestavaacontecendo,eentãojáeratardedemais,porquemaisflechas
caíamsobreeles.Algunshomensolharamparacima,perplexoscomo
ruídoirregularerápidodebatidasquevinhadafiladetrenós,produzido
pelasflechasalvejandomadeiraoulonacongelada.
OprimeiroareagirfoiJohnFaa,que,nocentrodafila,gritavaordens.
Mãosfriasepernasrígidasmovimentaram-separaobedecerenquanto
maisflechascaíamcomochuva-umachuvamortal.
Lyraestavaemterrenoaberto,easflechaspassavamporcimadasua
cabeça.Pantalaimonouviuantesqueelaetornou-seumleopardoe
derrubou-a,tornando-aumalvomenor.Limpandoanevedosolhos,ela
rolouparatentarveroqueestavaacontecendo,poisasemi-escuridão
pareciatransbordardebarulhoeconfusão.Elaescutouumrugido
poderosoeosruídosdaarmaduradeIorekByrnisonquandoelesaltou
porcimadostrenósemergulhounaneblina,eistofoiseguidoporgritos,
rosnados,ruídosdecoisasrasgadaseesmagadas,gritosdeterrore
rugidosdefúriaanimal,enquantooursoosdizimava.
Masquemerameles?Lyraaindanãotinhaavistadooinimigo.Osgípcios
corriamparadefenderostrenós,masisto(comoatéLyraenxergava)fazia
delesalvosmaisfáceis;enãoerafácildispararsuasespingardasusando
luvasgrossas;elaouviraapenasquatrooucincotiroscontrauma
tempestadeincessantedeflechas.Eacadaminutotombavammais
homens.
Elapensou,angustiada:ah,JohnFaa,vocênãopreviuisto,eeunãoo
ajudei!
Maselanãotevemaisqueumsegundoparapensaristo,poisPantalaimon
soltouumrosnadopoderosoealgumacoisa-outrodaemon-lançou-se
sobreeleederrubou-o,tirandoofôlegodeLyra;eentãomãosa
agarraram,alevantaram,abafaramseusgritoscomluvasfedorentas,
jogando-apeloardeumparaooutroedepoisdeixando-acaircomforça
naneve,demodoqueelaestavaaomesmotempotonta,semfôlegoe
machucada.Seusbraçosforampuxadosparatrásaté
seusombrosestalaremealguémamarrouseuspulsos,depoiscolocaram
umcapuzcobrindotodaasuacabeçaparaabafarseusgritos,poisela
gritoumuito,ecomforça:
-Iorek!IorekByrnison!Socorro!
Masseráqueelepodiaouvir?Elanãosabia;foijogadadeumladopara
outroefinalmentecaiusobreumasuperfícieduraqueentãocomeçoua
sacudir-secomoumtrenó.Ossonsquechegavamatéelaeramferozese
confusos.LyrajulgouterouvidoorugidodeIorekByrnison,masmuito
longe;elaestavasendolevadaaossolavancosporumterrenoacidentado,
osbraçospresos,abocatapada,soluçandoderaivaemedo.Evozes
estranhasfalavamaoseuredor.
-Pantalaimon!-elasussurrou.
-Estouaqui,psiu,vouajudarvocêarespirar.Fiqueimóvel...
AspatinhasderatodePantalaimonpuxaramocapuzatéqueelaficoucom
abocalivreepôderespiraroargelado.
-Quemsãoeles?-elasussurrou.
-Parecemtártaros.AchoqueatingiramJohnFaa.
-Não...
-Viquandoelecaiu.Maseledeviaestarpreparadoparaestetipode
ataque.Nóssabemosdisto.
-Masdevíamosterajudado!Devíamosterconsultadooaletômetro!
-Psiu.Finjaqueestádesmaiada.
Ouviu-seoestalardeumchicoteeouivodecãesdecorrida.
Pelomodocomoelaestavasendojogadadeumladoparaoutro,Lyrasabia
queestavamindomuitodepressa;eemboraseesforçasseparaouviros
sonsdocombate,tudoqueconseguiudistinguirfoiumadesesperada
saraivadadedisparosabafadospeladistância.
-VãonoslevarparaosPapões-elacochichou.
Ambospensaramnapalavra"intercisão".Ummedoterrívelapossou-sede
Lyra,ePantalaimonaninhou-semaispertodela.
-Euvoulutar-eledisse.
-Eutambém.Voumatartodoseles.
-Iorektambémvaimatartodoselesquandodescobrir.Vaiesmagarum
porum.
-SeráqueestamosmuitolongedeBolvangar?
Elenãosabia,masamboscalculavamquefossemenosdeumdiade
viagem.Depoisdeviajaremdurantetantotempoqueelaseviu
atormentadapelascãibrasnocorpo,avelocidadediminuiuumpouco,e
alguémpuxoucombrutalidadeocapuz.Eladeparoucomumrostoasiático
largosobumcapuzdecarcajuiluminadoporumalamparinatrêmula.Ele
tinhaolhosnegrosquemostraramumacentelhadesatisfação,
especialmentequandoPantalaimondeslizouparaforadocasacodeLyrae
mostrouosdentesbrancosdearminhocomumrosnado.Odaemondo
homem,umcarcajugrandeepesado,rosnoudevolta,masPantalaimon
nãoseintimidou.OhomemcolocouLyraemposiçãosentada,apoiando-a
nalateraldotrenó.Elacaiudecostas,poistinhaasmãosaindaamarradas
portrás,demodoqueeleamarrou-lheospésesoltou-lheasmãos.
Atravésdanevequecaíaedaneblinaespessa,elapercebeuqueohomem
eramuitoforte,assimcomooquedirigiaotrenó;ambossesentiammuito
àvontadenaquelaterra,aocontráriodosgípcios.
Ohomemfalou,masnaturalmenteelanãoentendeu.Eletentououtra
língua,comomesmoresultado.Entãotentoufalaringlês.
-Seunome?
Pantalaimonarrepiou-setodo,eelaentendeudeimediatooqueelequeria
dizer.Entãoaquelagentenãosabiaquemelaera!
ElanãotinhasidosequestradaporcausadasualigaçãocomaSra.Coulter;
entãotalveznãoestivessemtrabalhandoparaosPapões.
-LizzieBrooks-respondeu.
-LizzieBroogs-elerepetiu.-Nóslevamosvocêparalugarbom.Gentes
boas.
-Quemsãovocês?
-Samoiedes.Caçadores.
-Paraondevaimelevar?
-Lugarbom.Gentesboas.Vocêtempanserbjorne?
-Parameproteger.
-Nãoadianta!Ra,ra,ursonãoadianta!Pegamosvocêassimmesmo!
Eleriucomvontade;Lyracontrolou-seenadarespondeu.
-Queméaquelagente?-ohomemperguntouemseguida,apontandopara
trás.
-Mercadores.
-Mercadores...Dequê?
-Peles,bebida,folhasdefumar.
-Vendemfolhasdefumar,comprampeles?
-É.
Eledissealgumacoisaaocompanheiro,quedeuumarespostacurta.
Durantetodootempo,otrenóiaemaltavelocidade,eLyraajeitou-separa
tentarverparaondeiam;masestavanevandoforte,océuestavaescuro,e
finalmenteelasentiufriodemaisesedeitou.ElaePantalaimonsentiamos
pensamentosumdooutro,etentaramficarcalmos,masaidéiadeJohn
Faamorto...EoqueteriaacontecidoaFarderCoram?Iorekconseguiria
matarosoutrossamoiedes?Ealguémconseguiriaencontraroparadeiro
dela?
Pelaprimeiravez,elacomeçouasentirumacertapenadesimesma.
Depoisdemuitotempo,ohomemsacudiu-apeloombroeentregou-lheum
pedaçodecarne-secaderenaparamascar.Erafedorentaedura,masela
estavacomfomeeaquiloeraalimento.
Depoisdecomertudo,elasesentiuumpoucomelhor.Enfiouamão
lentamentedentrodocasacoatétercertezadequeoaletômetroainda
estavaali,eentãoretiroucuidadosamentealatacomamosca-espiãe
enfiou-adentrodabotadepeles.Pantalaimonentrounabotaemformade
umratoeempurroualatabemparaofundo,prendendo-asobaperneira
decouroderena.
Depoisdisto,elafechouosolhos.Estavaexaustademedo,elogocaiunum
sonoinquieto.
Acordouquandoomovimentodotrenómudou,ficandomaissuavede
repente.Quandoelaabriuosolhos,viuluzespassandoacima,tão
brilhantesqueelatevequepuxarmaisocapuzsobreacabeçaantesde
olharoutravez.Sentia-semuitomal,comfrioecãibras,masconseguiu
sentar-sesuficientementeeretaparaverqueotrenópassavaentreduas
filasdepostesaltos,cadaumcomumabrilhantelâmpadaanbárica.
Enquantoobservavaasredondezas,otrenópassouporumportãode
metalnofinaldaavenidadeluzes,entrandonumgrandeespaçoaberto
quepareciaumapraçadesertaouumaarenaparaalgumtipodeesporte.
Eraperfeitamentelisa,regularebranca,comcercade100metrosde
extensão,rodeadaporumacercaaltademetal.
Otrenóparounoextremoopostodessaarena.Estavamdiantedeuma
construçãobaixaouumasériedeconstruçõesbaixassobumagrossa
camadadeneve.Eradifícildizer,poiselateveaimpressãodequehavia
túneisligandoasdiversaspartesdasconstruções-túneiscobertosde
neve.Deumlado,umgrossomastrodemetaltinhaumaaparência
familiar,emboraelanãoconseguisseselembrardoqueera.
Antesqueelapudessevermaiscoisas,ohomemnotrenócortouacorda
queaprendiaejogou-ananevecombrutalidade,enquantooquedirigia
gritavacomoscãesparaqueficassemparados.Umaportaseabriuno
prédioapoucosmetrosdedistânciaeumaluzanbáricaapareceu,
movendo-separaprocurá-los,comoumholofote.
OraptordeLyraempurrou-aparaafrentesemsoltá-la,comoseestivesse
exibindoumtroféu,edissealgumacoisa.Afigura,queusavaumcasaco
acolchoadofeitodesedacarbonífera,respondeunamesmalíngua,eLyra
viuseurosto.Nãoeraumsamoiede,nemumtártaro:pareciaum
CatedráticodaJordan.Eleolhouparaelaeparticularmentepara
Pantalaimon.
Osamoiedetornouafalar,eohomemdeBolvangarperguntouaLyra:
-Vocêfalainglês?
-Sim-elarespondeu.
-Oseudaemonsempretemestaforma?
Queperguntamaisinesperada!Lyranãosoubeoqueresponder.Mas
Pantalaimonrespondeuporsimesmo,tornando-seumfalcãoelançandosesobreodaemondohomem,umagrandemarmotaquetentouatingir
Pantalaimoncomummovimentorápidoecuspiuenquantoelevoavaem
voltadela.
-Entendo-disseohomememtomsatisfeito,enquantoPantalaimonvoltava
paraoombrodeLyra.
Ossamoiedespareciamesperaralgumacoisa;ohomemdeBolvangar
assentiuetirouumaluvaparaenfiaramãonobolso,deondetirouum
sacofechadoporumcordão.Colocouumadúziadepesadasmoedasna
mãodocaçador.Osdoishomenscontaramodinheiroantesdeguardá-lo
comcuidado,cadaumficandocomametade.Semolharparatrás,eles
entraramnotrenó,eoquedirigiaestalouochicoteegritouparaoscães;e
otrenóatravessouapraçaamplaeentrounaavenidadeluzes,
aumentandoavelocidadeatédesaparecernaescuridão.
Ohomemtornouaabriraporta.
-Entredepressa-disse.-Ládentroestáquentinhoeconfortável.Não
fiqueaí
foranofrio.Comoéoseunome?
Avozeradeuminglês,semqualquersotaquequeLyrapudesse
identificar.Elepareciaotipodepessoaqueelahaviaconhecidonacasada
Sra.Coulter:culto,educadoeimportante.
-LizzieBrooks-eladisse.
-Entre,Lizzie.Vamoscuidardevocê,nãosepreocupe.
Eleestavasentindomaisfriodoqueela,mesmoestandoaoarlivrepor
menostempo,eestavaimpacienteparaentrar.Elaresolveubancaraboba,
relutando,arrastandoospésaoentrarnacasa.
Haviaduasportaseumgrandeespaçoentreelas,demodoqueoar
quentenãoescapasse.DepoisqueelesentrarampelasegundaportaLyra
sentiuumcalorinsuportáveletevequeabrirocasacoejogarocapuzpara
trás.Estavamnumespaçodeunstrêsmetrosquadradoscomcorredoresà
direitaeàesquerda;nafrentedela,haviaumaespéciedebalcãode
recepçãocomoodeumhospital.Tudoestavabrilhantementeiluminado,
comsuperfíciesbrancaseaçoinoxidável.Havianoarocheirodecomidatoicinhoecafé-esobeleumlevecheirodehospital;dasparedesvinhaum
murmúriobaixo,quasebaixodemaisparaserouvido-otipoderuídocom
queapessoatemqueseacostumarparanãoenlouquecer.
Pantalaimon,agoraumpintassilgo,cochichounoouvidodela:
-Sejalerdaeburra.Muitoburra.
Algunsadultosaobservavam:ohomemqueatrouxera,outrousandoum
jalecobranco,umamulherdeuniformedeenfermeira.
-Inglesa-diziaoprimeirohomem.-Mercadores,aparentemente.
-Oscaçadoresdesempre?Ahistóriadesempre?
-Amesmatribo,peloqueeupudeperceber.EnfermeiraClara,podialevar
apequena...hum...ecuidardela?
-Claro,Doutor.Venhacomigo,queridadisseaenfermeira.Lyra
acompanhou-aobedientemente.
Seguiramporumcorredorcurtocomportasàdireitaeumacantinaà
esquerda,deondevinhaoruídodetalheresevozes,echeirodecomida.
LyracalculouqueaenfermeiratinhamaisoumenosaidadedaSra.
Coulter,eumardeneutralidade,eficiênciaesensatez;elateriacapacidade
dedarpontosnumferimentooutrocarumcurativo,masnuncadecontar
umahistória.Lyrateveummomentodeangústiaquandopercebeuqueo
daemondaenfermeiraeraumcachorrinhobranco,enãoconseguiu
entenderporqueficouangustiadacomisso.
-Qualéoseunome,querida?-perguntouaenfermeira,abrindouma
portapesada.
-Lizzie.
-SóLizzie?
-LizzieBrooks.
-Equantosanosvocêtem?
-Onze.
Lyratinhaouvidodizerqueelaerapequenaparasuaidade;istonãotinha
afetadoaidéiaquetinhadasuaprópriaimportância,maselapercebeu
queagorapodiausarissoparafazerdeLizzieumapessoatímida,nervosa
einsignificante.Estavaesperandoquelheperguntassemdeondevinhae
comotinhachegado,epreparavasuasrespostas;masnãoerasó
imaginaçãoquefaltavaà
enfermeira,mastambémcuriosidade;pelointeressequeaEnfermeira
Clarapareciademonstrar,Bolvangarpodiaestarsituadanossubúrbiosde
Londres,comcriançasaparecendoatodomomento.Odaemonda
enfermeiratrotavajuntoaseuspéscomomesmojeitoeficienteeneutro.
Noquartoondeentraram,haviaumsofá,umamesa,duascadeiraseum
arquivo,umarmáriodevidrocomremédiosecurativos,eumapia.Assim
queentraramaenfermeiratirouocasacãodeLyra,edeixou-ocairnochão.
-Tireorestodaroupa,querida-disse.-Vamosdarumaolhadaparaver
sevocêestábem,semresfriadoouqueimadurasdefrio,edepoisvamos
arranjarroupaslimpas.Vamoslhedarumbanhodechuveiro,tambémacrescentou,poisLyranãotomavabanhonemmudavaderoupahavia
algunsdias,enoambienteaquecidoestefatoficavacadavezmais
evidente.Pantalaimonremexeu-seprotestando,masLyracalou-ocomum
gesto.EleseacomodounosofáenquantoLyratiravaasroupas,peçapor
peça,sentindoraivaevergonha,masaindacomsuficientepresençade
espíritoparafingir-sedebobaeobediente.
-Easuabolsadedinheirotambém,Lizzie-disseaenfermeira.Elaprópria
desamarroucomseusdedosfortesocintocomasacolaefoicolocá-lona
pilhaderoupasdeLyra,masestacouaopalparoaletômetro.
-Queéisso?-perguntou,desabotoandoabolsadelona.
-Éumbrinquedo-disseLyra.-Émeu.
-Estábem,nósnãovamostiraroseubrinquedo,minhaqueridadissea
Enfermeira
Clara,abrindooembrulhodeveludonegro.-Quebonitinho,pareceuma
bússola!
Agora,paraochuveiro-continuou,largandooaletômetroeabrindouma
cortinadesedacarboníferanumcantodoaposento.
ComrelutânciaLyraentroudebaixodaáguamornaeensaboou-se,
enquantoPantalaimonempoleirava-senavaradacortina.Ambostinham
consciênciadequeelenãopodiasemostrarmuitoesperto,poisos
daemonsdaspessoaslerdaseramlerdostambém.Depoisqueelase
enxugou,aenfermeiratomousuatemperaturaeexaminouseusolhos,
ouvidosegarganta,depoismediusuaestaturaepesou-anumabalança,
antesdefazeranotaçõesnumaprancheta.DepoisdeuaLyrapijamaeum
roupão.Eramroupaslimpasedeboaqualidade,comoocasacodeTony
Makarios,mastambémnelashaviaumarderoupadesegundamão.Lyra
sentiumedo.
-Issonãoémeu-disse.
-Não,minhaquerida.Assuasroupasprecisamdeumaboalavagem.
-Vouterasminhasroupasdevolta?
-Imaginoquesim.Claroquesim.
-Quelugaréeste?
-OnomeéEstaçãoExperimental.
Istonãoeraumaresposta;porém,emboracomoLyraelateriaditoistoe
pedidomaisinformações,sabiaqueLizzieBrooksnãoagiriaassim.
Portanto,concordoucomacabeçaeficouquieta.
Depoisdevestida,falou,emtomdequeixa:
-Euqueroomeubrinquedo.
-Podepegar,querida-disseaenfermeira.-Masseráquenãopreferiaum
beloursinho?Ouumalindaboneca?Elaabriuumagavetacheiade
brinquedosquepareciamcoisasmortas.Lyraobrigou-sealevantare
fingirestarpensandoantesdeescolherumabonecadetraposdeolhos
grandesesemexpressão.Nuncatinhatidoumaboneca,massabiacomo
agir:apertou-adistraidamentecontraopeito.
-Eaminhabolsadedinheiro?Gostodeguardaromeubrinquedolá
dentro.
-Podepegar,minhaquerida-disseaEnfermeiraClara,queestava
preenchendoumformuláriocor-de-rosa.
Lyralevantouopaletódopijamaeprendeuocintocomasacolaemvolta
dacintura.
-Eomeucasaco,easminhasbotas?-elainsistiu.–Easminhasluvaseas
minhascoisas?
-Vamosmandarlimparparavocê-disseaenfermeiraautomaticamente.
Entãoumtelefonetocou,eenquantoaenfermeiraatendia,Lyraabaixou-se
depressaparapegaraoutralata,quecontinhaamosca-espiã,ecolocou-a
nasacolacomoaletômetro.
-Vamos,Lizziechamouaenfermeira,desligandootelefone.Vamos
arranjaralgumacoisaparavocêcomer.Imaginoqueestejacomfome.Ela
seguiuaEnfermeiraClaraatéacantina,ondehaviaumadúziademesas
brancascobertasdemigalhasedecírculosmolhadosepegajososfeitos
porcopossujos.Pratosetalheressujosestavamempilhadosnumcarrinho
deaço.Nãohaviajanelas,eparadarilusãodeluzeespaçoumadas
paredeseracobertaporumgigantescofotogramamostrandoumapraia
tropical,comumcéuazulbrilhante,areiasbrancasecoqueiros.
OhomemquelevaraLyraparadentrodacasaestavapegandouma
bandeja.
-Podecomeràvontade.
Nãohaviautilidadeempassarfome,demodoqueelacomeucom
satisfaçãoopicadinhocompurêdebatatas.Haviaumaterrinadepêssegos
emcaldae,alémdisto,sorvete.Enquantoelacomia,ohomemea
enfermeiraconversavamemvozbaixanaoutramesa;quandoela
terminou,aenfermeiratrouxe-lheumcopodeleitequenteelevoua
bandeja.
Ohomemveiosentar-sedefronteaela.Odaemondele,amarmota,nãoera
neutroealheiocomoodaemondaenfermeira,massentou-sepolidamente
noombrodeleeficouprestandoatenção.
-Bem,Lizzie,vocêcomeuobastante?
-Comi,sim,obrigada.
-Queroquemedigadeondeveio.Sabemeresponder?
-DeLondres-eladisse.
-Queéqueestáfazendotãolonge?
-Commeupai-elaresmungou.Mantinhaosolhosbaixos,evitandooolhar
damarmotaetentandopareceràbeiradaslágrimas.
-Comoseupai?Entendo.Equeéqueseupaiveiofazernestapartedo
mundo?
-Comércio.ViemoscomumacargadefolhasdefumardaNovaDinamarca
eestávamoscomprandopeles.
-Eoseupaiestavasozinho?
-Não.Commeustiosetudo,eoutroshomens–eladisse,semsaberoque
ocaçadorsamoiedetinharevelado.
-Porquefoiqueeletrouxevocênumaviagemcomoessa,Lizzie?
-Porquehádoisanoseletrouxeomeuirmãoedissequedepoisiame
trazerenuncatrazia,eeufiqueipedindomuitoeeletrouxe.
-Equantosanosvocêtem?
-Onze.
-Bom,bom.Lizzie,vocêéumagarotadesorte.Aquelescaçadoresque
encontraramvocêvieramparaomelhorlugarpossível.
-Elesnãomeencontraram.Foiumataque.Erammuitos,elestinham
flechas...
-Achoquenãofoiassim.Achoquevocêdeveterseafastadodoseupaiese
perdeu.Aquelescaçadoresencontraramvocêperdidaetrouxerampara
cá.Foiissoqueaconteceu,Lizzie.
-Euvioataque-elainsistiu.-Estavamjogandoflechas...Euqueroomeu
pai-disse,levantandoavozesentindoquecomeçavaachorar.
-Bem,vocêestáemsegurançaaquiatéelechegar–disseomédico.
-Maseuvielesatirandoflechas!
-Ah,vocêpensaqueviu.Issoacontecemuitasvezesnofriointenso,Lizzie.
Você
adormece,tempesadelosenãoconseguesaberoqueéverdadeeoque
nãoé.Nãosepreocupe,nãohouveataque.Oseupaiestáseguroedeve
estarprocurandovocê,elogochegaráaqui,poiséoúnicolugaremmuitas
centenasdequilômetros.Quesurpresaboaelevaiterquandoencontrá-la
emsegurança!AgoraaEnfermeiraClaravailevarvocêparaodormitório,
ondevaiencontraroutrascrianças,meninasemeninosqueseperderam
nanevecomovocê.Podeir.Amanhãcedovamosteroutraconversa.Lyra
levantou-se,agarradaàboneca,ePantalaimonsaltouparaoombrodela
enquantoaenfermeiraabriaaporta.
Maiscorredores.Lyraaessaalturaestavamuitocansada,comtantosono
quenãoparavadebocejaremalconseguialevantarospésnoschinelosde
lãquelhederam.Pantalaimonestavaexausto,etevequesetransformar
emumratoeacomodar-sedentrodobolsodoroupãodela.Lyrateveum
vislumbredeumafiladecamas,rostosdecrianças,umtravesseiro-então
adormeceu.
Alguémasacudia.Aprimeiracoisaqueelafezfoitatearnacinturae
certificar-sedequeasduaslatasaindaestavamláemsegurança;então
tentouabrirosolhos,masistoeraextremamentedifícil,poiselasentiaum
sonocomonuncahaviasentido.
-Acorde!Acorde!
Eramcochichosdemaisdeumavoz.Comumesforçoenorme,comose
estivesseempurrandoumarochaenormeladeiraacima,Lyraforçou-sea
despertar.Naluzfracadeumalâmpadaanbáricadebaixapotênciaque
haviaacimadaporta,elaviutrêsmeninasaoseuredor.Nãoerafácil
enxergar,poisseusolhoscustavamaentraremfoco,maselaspareciam
teraidadedela,eestavamfalandoeminglês.
-Elaacordou.
-Derampílulasdedormirparaela.Devetersido...
-Comoéoseunome?
-Lizzie-elabalbuciou.
-Vaichegarumnovocarregamentodecrianças?–umadasmeninasquis
saber.
-Nãosei.Sóeu.
-Entãoondepegaramvocê?
Lyralutouparasentar-se.Nãoselembravadetertomadoremédiopara
dormir,maspodiamuitobemtersidonoleitequente.Sentiaacabeça
cheiadealgodãoeumadorzinhalatejandoatrásdosolhos.
-Quelugaréeste?
-Énomeiodenada.Elesnãocontam.
-Geralmentetrazemmaisdeumdecadavez...
-Queéqueelesfazem?Lyraconseguiuperguntar,reunindoos
pensamentosenquantoPantalaimondespertavaaoseulado.
-Nãosabemos-disseameninaquemaisfalava.Eraaltaeruiva,com
movimentosrápidoseespasmódicos,eumfortesotaquelondrino.-Eles
medemagenteefazemtestese...
-ElesmedemoPó-disseoutragarota,simpática,gorduchaemorena.
-Vocênãosabe-disseaprimeira.
-Éisso,sim-disseaterceira,umameninadeartremidoqueninavaseu
daemoncoelho.
-Euouvielesfalando.
-Eleslevamumaporuma,ésóoqueagentesabe.Ninguémvoltamais
dissearuiva.
-Aquelegaroto,eleacha...
-Nãoconteissoaela!-fezaruiva.-Aindanão.
-Temgarotosaquitambém?-Lyraperguntou.
-Tem,sim.Muitos.Uns30,euacho.
-Temmais.Uns40-corrigiuagordinha.
-Maselesnãoparamdelevaragentedissearuiva.Geralmentecomeçam
trazendoumaturma,aíficamsendomuitos,eumporumvão
desaparecendo.
-SãoosPapões-disseagorducha.-VocêconheceosPapões.Todosnós
tínhamosmedodelesaténospegarem...
Lyraiadespertandogradualmente.Osdaemonsdasoutrasgarotas,com
exceçãodocoelho,estavamporperto,escutandojuntoàporta,eninguém
falavamaisaltoqueumcochicho.Lyraperguntouonomedelas;aruiva
eraAnnie,amorenagorduchaeraBella,amagraeraMartha.Nãosabiam
onomedosmeninos,poisosdoissexoserammantidosseparados.Não
erammaltratados.
-AquiélegaldisseBella.Nãotemmuitacoisaparafazer,anãoserquando
elesnosfazemtestesenosmandamfazerexercícioseentãonosmedem,
tiramanossatemperatura.Ésómuitomonótono.
-AnãoserquandoaSra.Coultervem-disseAnnie.
Lyratevequesecontrolarparanãosoltarumaexclamação,ePantalaimon
sacudiuasasascomtantaforçaqueasoutrasgarotasperceberam.
-Eleestánervoso-disseLyra,acalmando-o.–Devemter-nosdado
remédioparadormir,porqueestamostontos.QueméaSra.Coulter?
-Éamulherquepegoutodosnós,ouquasetodos-disseMartha.-Asoutras
criançasfalamdela.Quandoelavem,agentesabequealguémvai
desaparecer.
-Elagostadeassistirquandolevamacriança,gostadeveroqueeles
fazemcomagente.Essegaroto,oSimon,eleachaqueelesnosmatamea
Sra.Coulterficaolhando.
-Elesnosmatam?-Lyrarepetiu,estremecendo.
-Deveser.Porqueninguémvolta.
-Estãosempremexendocomosdaemons,tambémdisseBella.Pesando,
medindoetudo...
-Elestocamnosdaemonsdevocês?
-Não!Quehorror!Elesbotamumabalança,eonossodaemontemque
subiremcimadelaemudardeforma,eelestomamnotasetiramretratos.
EcolocamagentenumarmárioemedemoPó,otempotodo,nuncaparam
demediroPó.
-Quepó?-Lyraperguntou.
-Agentenãosabe-disseAnnie.-,Éumnegócioqualquerquevemdo
espaço.Nãoépódeverdade.SeagentenãotemPónenhum,entãoestá
tudobem.MastodomundotemPónofinal.
-SabeoqueeuouvioSimondizer?-falouBella.–Eledissequeostártaros
fazemumburaconocrânioparaoPóentrar.
-É,elecomcertezasabedetudo-disseAnnieemtomzombeteiro.-Acho
quevãoperguntaràSra.Coulterquandoelavier.
-Vocênãotemcoragem!-disseMarthacomadmiração.
-Tenho,sim.
-Quandoéqueelavem?-Lyraperguntou.
-Depoisdeamanhã-disseAnnie.
UmaondageladadeterrordominouLyra,ePantalaimonaproximou-se
maisdela.ElasótinhaumúnicodiaparaencontrarRogeredescobrirtudo
quepudessesobreaquelelugar,eentãofugir,ouserresgatada;esetodos
osgípciostivessemsidomortos,quemiaajudarascriançasasobreviver
naquelaimensidãogelada?
Asoutrasmeninascontinuaramconversando,masLyraePantalaimon
cobriram-seetentaramaquecer-se,sabendoque,pormuitosquilômetros
emvoltadasuacama,haviaapenasomedo.
15OSDAEMONSNASCAIXASDEVIDRO
NãoeradotemperamentodeLyraficarparadaremoendoosproblemas;
elaeraumacriançaimpulsivaeprática,ealémdissonãotinhamuita
imaginação.Ninguémquetivesseimaginaçãopensariaseriamentequeera
possívelpercorrertodaaqueladistânciaesalvarseuamigoRoger;ou,se
pensasse,umacriançacomimaginaçãopensarialogoemváriasrazõespor
queaquiloseriaimpossível.Paraserumamentirosaexperientenãoé
precisotergrandeimaginação.Muitosmentirososnãotêmimaginação;é
issoquedáconvicçãoássuasmentiras.
Demodoque,agoraqueestavanasmãosdoConselhodeOblação,Lyra
nãosepermitiuficardoentedepreocupaçãopeloqueteriaacontecidoaos
gípcios.Eramtodosbonslutadores,emesmoPantalaimontendoditoque
viuJohnFaaseratingido,elepodiaterseenganado;senãoestivesse
enganado,JohnFaapodianãoestarseriamenteferido.Elatercaídonas
mãosdossamoiedestinhasidoumafaltadesorte,masosgípcioslogo
viriamlibertá-la;seelesnãoconseguissem,nadaimpediriaIorekByrnison
detirá-ladelá;eentãoelesvoariamparaSvalbardnobalãodeLee
ScoresbyelibertariamLordeAsriel.
Paraelaeratudosimples.
Assim,namanhãseguinte,quandoacordounodormitório,elaestava
curiosaeprontaparaenfrentaroqueodialhetrouxesse.
EansiosaparaverRoger-principalmenteansiosaparavê-loantesqueele
avisse.
Nãoprecisouesperarmuito.Ascriançasdetodososdormitórioseram
acordadasás7:30pelasenfermeirasquetomavamcontadelas;vestiam-se
eiamjuntar-seásoutrasnacantina,paraocafédamanhã.Eláestava
Roger.Eleestavasentadocomoutroscincogarotosnumamesalogojuntoá
porta.Afilaparapegaracomidapassavabempertodele,demodoqueela
deuumjeitodedeixarcairumlençoeabaixou-separaapanhá-lo,demodo
quePantalaimonpudessefalarcomSalcília,odaemondeRoger.
Elaestavanafórmadeumtentilhãoebateuasasascomtantaagitaçãoque
Pantalaimontevequevirarumgatoesaltarsobreela,prendendo-ano
chãoparapodercochicharnoouvidodela.Porsorteestasescaramuças
rápidasentreosdaemonsdascriançaseramcomuns,eninguémprestou
atenção,masRogerempalideceu;Lyranuncatinhavistoumapessoaficar
tãobranca.Eleergueuosolhosparaela,quelhedeuumolharneutroe
distante;acorvoltouaorostodele,eeleencheu-sedeesperança,excitação
ealegria;foiPantalaimonquem,sacudindoSalcíliacomfirmeza,conseguiu
impedirqueRogerdesseumgritoeumpuloparaabraçarsuaamiguinha
daJordan.
Lyradesviouosolhos,agindocomomaiordesprezoquepôdefingir,
fazendocaradeimpaciênciaparaassuasnovasamigasverem.Asquatro
garotaspegaramsuasbandejascomflocosdemilhoetorradase
sentaram-sejuntas,numaconfrariainstantânea,excluindotodasasoutras
pessoasparapoderemmexericarsobreelas.Nãoseconseguemanternum
sólugarumgrupograndedecriançassemlhesdarmuitascoisaspara
fazer,edecertomodoBolvangareracomoumaescola,comatividades
programadas,taiscomoginásticae"arte".Meninosemeninaseram
mantidosseparados,anãosernorecreioenahoradasrefeições,demodo
quefoisónomeiodamanhã,depoisdeumahoraemeiadecosturasoba
supervisãodeumadasenfermeiras,queLyratevechancedeconversar
comRoger.Mastinhaqueparecernatural,estaeraadificuldade.Todasas
criançastinhammaisoumenosamesmaidade,eeraaidadeemque
meninosconversamcommeninosemeninascommeninas,todoseles
fazendoamaiorquestãodeignorarosexooposto.Elatornouaencontrar
suaoportunidadenacantina,quandoascriançasforammerendar.Lyra
enviouPantalaimoncomomoscaparaconversarcomSalcílianaparedeao
ladodasuamesaenquantoelaeRogerficavamemgruposseparados.Era
difícilconversarenquantoaatençãodoseudaemonestáemoutrolugar,
demodoqueLyrafingiaestarrevoltadaemelancólicaenquanto
bebericavaoleitecomasoutrasmeninas.Metadedasuaatençãoestavana
conversadezumbidosentreosdoisdaemons,eelanãoprestavamuita
atençãoàscompanheirasdemesa,mas,emdadomomento,ouviuuma
meninadecabeloslourosebrilhantesdizerumnomequelhedeuum
sobressalto.
EraonomedeTonyMakarios.Quandosuaatençãosevoltouparaisso,
PantalaimontevequediminuiraconversacomodaemondeRoger,e
ambasascriançasficaramescutandooqueameninaestavadizendo.
-Não,euseiporquelevaramelediziaagarota,enquantoasoutras
chegavammaispertoparaouvir.–Foiporqueodaemondelenãomudava.
Elesachavamqueeleeramaisvelhodoqueparecia,oucoisaassim,eele
nãoeramesmoumgarotonovo.Mas,naverdade,odaemonquasenunca
mudavaporqueoTonyquasenuncapensava.Euovimudar.Onomedele
eraRateira...
-Porqueelesestãotãointeressadosemdaemons?–Lyraperguntou.
-Ninguémsabe-dissealoura.
-Eusei-disseumrapazqueestavaescutando.–Oqueelesfazemématar
oseudaemonparaversevocêmorre.
-Bom,entãoporqueéqueelesfazemissocomváriascrianças?-alguém
contestou.
-Sóprecisavamfazerumavez,nãoé?
-Euseioqueelesfazem-disseaprimeiramenina.Elaagoraeraocentro
dasatençõesdetodos.Porém,comoascriançasnãoqueriamquealgum
adultosoubessedoqueestavamfalando,elastinhamqueadotarmodosde
indiferençaedistraçãoenquantoouviamcomcuriosidadeapaixonada.
-Comoéquesabe?-alguémperguntou.
-Porqueeuestavacomelequandovieramparabuscá-lo.Agenteestavana
rouparia-elaexplicou.Estavavermelhacomoumpimentão.Seestava
esperandograçolaseimplicâncias,ficoualiviada,poistodasascrianças
estavampreocupadasenenhumasequersorriu.Elacontinuou:
-Agenteestavabemquieto,eentãoaenfermeiraentrou,aqueladavoz
açucarada.Eeladisse:"Vem,Tony,seiquevocêestáaí,nãovamos
machucarvocê..."Eentãoeleperguntou:"Queéquevaiacontecer?"Eela
disse:"Agentevaibotarvocêparadormirefazerumapequenaoperação,
eentãovocêvaiacordarmuitobem."MasTonynãoacreditou.Elefalou...
-Osburacos!-alguémexclamou,interrompendo.-Fazemumburacona
cabeçadagente,comoostártaros!Aposto!
-Calaaboca!Quemaisqueaenfermeiradisse?–outracriançaperguntou.
Aessaaltura,haviamaisdeumadúziadecriançasemvoltadamesade
Lyra,seusdaemonsigualmentecuriosos,todostensos,deolhos
arregalados.Alouracontinuou:
-TonyqueriasaberoqueiamfazercomaRateira,entendem?Ea
enfermeiradisse:"Bom,elavaidormirtambém,nahoraemquevocê
dormir."ETonydisse:
"Vocêsvãomatarela,nãovão?Seiquevão.Todosnóssabemosqueéisso
queacontece."Eaenfermeiradisse:"Claroquenão.Ésóumapequena
operação.Umcortezinho.Nãovainemdoer,masagentevaifazervocê
dormirsóporsegurança."Acantinainteiraestavaemsilêncio.A
enfermeiradeplantãotinhasaídoporuminstante,eaportinholaparaa
cozinhaestavafechada,demodoqueninguémpodiaouvirdelá.
-Quetipodecorte?-perguntouummeninocomavozassustada.-Ela
dissequetipodecorteera?
-Eladissequeeraumacoisaparafazereleficarmaisadulto.Disseque
todomundotinhaquepassarporaquilo,equeesseeraomotivodos
daemonsdosadultosnãomudaremcomoosnossosfazem.Entãoeles
levamumcortequefazelesteremamesmaformaparasempre,eéassim
queaspessoasficamadultas.
-Mas...
-Querdizer...
-Entãotodososadultoslevamessecorte?
-Eos...
Derepente,todasasvozessilenciaramcomoseelasprópriastivessemsido
cortadas,etodososolhosviraram-separaaporta.
AEnfermeiraClaraestavaali,comartranqüiloenormal,eaoladodela
estavaumhomemdejalecobrancoqueLyraaindanãotinhavisto.
-BridgetMcGinn-elechamou.
Alourinhalevantou-se,estremecendo.Seudaemon-esquiloagarrava-seao
seupeito.
-Sim?-elafalou,comumavozquemalseouvia.
-TermineoseuleiteevenhacomaEnfermeiraClara-eleinstruiu.-O
restodevocêsvaiparaassuasaulas.Obedientementeascrianças
colocavamsualouçanocarrinhodeaçoinoxidávelesaíamemsilêncio.
NinguémolhouparaBridgetMcGinnanãoserLyra,queviuorostoda
outralívidodemedo.
Orestodamanhãfoiocupadocomexercíciosdeginástica.
NaEstação,haviaumpequenopavilhãodeginástica,poiseraimpossível
exercitar-seaoarlivredurantealonganoitepolar,eosgruposdecrianças
serevezavamsobasupervisãodeumaenfermeira.Ascriançastinham
queformartimesejogarbola;Lyra,quenuncaemsuavidahaviabrincado
assim,noprincípionãosabiaoquefazer.Maserarápidaeatlética,euma
lídernatural,elogoestavasedivertindo.Osgritosdascrianças,atorcida
dosdaemons,tudoistoenchiaopequenopavilhãoelogoafastavaos
pensamentosdetemor-oque,naturalmente,eraexatamenteopropósito
dosexercícios.
Nahoradoalmoço,quandoascriançasestavamnovamentenacantina,
LyrasentiuPantalaimondarumpiodereconhecimentoevirou-separa
encontrarBillyCostaparadobematrásdela.
-ORogermedissequevocêestavaaqui-elecochichou.
-Seuirmãoestávindoaí,maisJohnFaaeumbandodegípcios-eladisse.
Vierambuscarvocê.Elequasesoltouumaexclamaçãodealegria,mas
disfarçou-acomumacessodetosse.
-EvocêtemquemechamardeLizzie,nuncadeLyra-elacontinuou.-E
temquemecontartudoquesabe,certo?
Osdoissesentaramjuntos,comRogerporperto.Eramaisfácilfazeristo
nahoradoalmoço,comacantinacheia;ascriançaspassavammaistempo
indoevindoporentreasmesasehaviasempreumgrupojuntoá
portinhola.Sobobarulhodetalheres,BillyeRogercontaramaelatudo
quesabiam.Billytinhaouvidoumaenfermeiradizerqueascriançasque
faziamaoperaçãocostumavamserlevadasparalocaismaisaosul,oque
podiaexplicarcomoTonyMakariosacabouperdido.MasRogertinhauma
coisaaindamaisinteressanteparacontar.
-Acheiumesconderijo-disse.
-Onde?
-Estávendoaqueleretrato?-Elemostrouograndepaineldapraia
tropical.Olheparaocantodecimaádireita,estávendoaquelaplacano
teto?
Otetoerafeitodegrandesplacasretangularespresasnumaarmaçãode
tirasdemetal,eocantodaplacaacimadopainelfotográficoestava
levementeerguido.
-Euviaquiloeacheiqueasoutrasplacaspodiamsersoltastambém;
experimentei,esãomesmo.Ésólevantar.Eueumgarotoexperimentamos
umanoitenodormitório,antesdelevaremele.Temumespaçoláemcima,
eagentepoderastejarládentro...
-Atéondedápararastejar?
-Seilá.Sóavançamosumpouco.Imaginamosquequandochegasseahora
poderíamosnosesconderláemcima,mascomcertezairiamnos
encontrar.Lyranãoencaravaaquilocomoumesconderijo,mascomouma
passagem.Eraamelhorcoisaqueelahaviaouvidodesdequechegara!
Masantesquepudessemconversarmais,ummédicobateucomuma
colhernamesaparapedirsilêncio,depoiscomeçouafalar:
-Escutem,crianças!Prestembastanteatenção.Devezemquando,nós
fazemosumtreinamentocontraincêndio.Émuitoimportantequetodos
consigamsevestiresairdoprédiosempânico.Demodoqueestatarde
vamosfazerumtreinamento.Quandoosinotocar,vocêstêmquepararo
queestiveremfazendoeobedeceraoqueoadultomaispróximomandar.
Guardemnamemóriaolocalparaondeserãolevados.Éolugaraonde
deverãoirsehouverumincêndiodeverdade.Bem,éumaidéia,pensou
Lyra.
Duranteoiníciodatarde,Lyraeoutrasquatrogarotasforamtestadasem
buscadePó.Osmédicosnãodisseramqueeraistoqueestavamfazendo,
maserafáciladivinhar.Elasforamlevadasumaaumaparaum
laboratório,enaturalmenteistoasdeixoucommuitomedo.Lyrapensou:
quecrueldademorrersempoderatacá-los!Masaoquepareciaelesnão
iamfazerataloperaçãoporenquanto.
-Queremosfazerumasmedições-omédicoexplicou.Eradifícildistinguir
entreaquelagente:todososhomenssepareciam,comseusjalecos
brancos,suaspranchetaseseuslápis,easmulherestambémsepareciam,
poisosuniformeseaqueleestranhoardeneutralidadeeapatiafaziam
comquetodasparecessemirmãs.
-Jáfuimedidaontem-Lyradisse.
-Ah,mashojesãooutrasmedidas.Fiquesobreaquelaplacademetal.Ah,
primeirotireossapatos.Segureoseudaemon,sequiser.Olheparaa
frente,íssomesmo,paraaquelaluzinhaverde.Boamenina...
Umaluzpiscou.Omédicovirouorostodelaparaumladoeparaoutro,ea
cadavezalgumacoisaestalavaeumaluzpiscava.
-Ótimo.Agoravenhaatéestamáquinaecoloqueamãodentrodotubo.
Prometoquenãovaidoer.Estiqueosdedos.Assim.
-Queéqueosenhorestámedindo?-elaperguntou.-Pó?
-QuemfoiquelhefaloudePó?
-Umadasmeninas,nãoseionomedela.Eladissequeagenteestavacheia
dePó.Eunãoestou,pelomenoseuachoquenão.Tomeibanhoontem.
-Ah,éoutrotipodepó.Nãodáparaveraolhonu.Éumapoeiraespecial.
Agorafecheamão.Issomesmo.Ótimo.Agoratateiedentrodotuboaté
encontrarumaespéciedeargola.Achou?Segureaargola.Agorapode
botarsuaoutramãoaqui,emcimadesteglobodecobre.Ótimo.Vaisentir
umacosquinhaleve,nadaparasepreocupar,ésóumalevecorrente
anbárica...Pantalaimon,naformadeumgato-do-mato,muitotensoe
cauteloso,movia-seemvoltadaaparelhagemcomolharescheiosde
suspeita,voltandosempreparaesfregar-seemLyra.Aessaaltura,ela
estavaseguradequenãoiriamfazeraoperaçãonelaimediatamente,e
tambémdequeseudisfarcecomoLizzieBrooksestavaasalvo,demodo
quearriscouumapergunta.
-Porquevocêstiramosdaemonsdaspessoas?
-Comoassim?Quemlhefalousobreisso?
-Umagarota,nãoseionomedela.Eladissequevocêstiramosdaemons
daspessoas.
-Bobagem...
Maseleestavanervoso.Elacontinuou:
-Porquevocêslevamascriançasumaporuma,eelasnuncavoltam.E
algumasachamquevocêssimplesmentematamelas,eoutraspessoas
achamoutrascoisas,eessagarotamedissequevocêstiramos...
-Nãoéverdade.Quandolevamosascrianças,éporquechegouahorade
iremparaoutrolugar.Elasestãocrescendo.Achoquesuaamigaestácom
medosemnecessidade.Nadadisso!Nempensenisso.Queméasua
amiga?
-Eusóchegueiontem,nãoseionomedeninguém.
-Comoéqueelaé?
-Esqueci.Achoquetinhacabeloscastanhos...bemclaros,euacho...Nãosei.
Omédicofoifalaremvozbaixacomaenfermeira.Enquantoosdois
conferenciavam,Lyraobservavaosdaemonsdeles.Odaenfermeiraera
umlindopássaro,calmoedesinteressadocomoocãodaEnfermeiraClara,
eodomédicoeraumamariposagrandeepesada.Nenhumdosdoisse
movia.Estavamacordados,poisosolhosdopássaroestavamabertos,eas
antenasdamariposamoviam-selanguidamente,masnãoestavamvivazes
comoseriadeseesperar.Talveznãoestivessemmesmoansiososou
curiosos.
Finalmenteomédicovoltoueprosseguiucomoexame,pesandoLyrae
Pantalaimonseparadamente,examinando-aatrásdeumatelaespecial,
contandooseupulso,colocando-asobumpequenobocalquesibilavae
soltavaumcheirodearfresco.
Nomeiodeumdostestes,umsinocomeçouatocarsemcessar.
-Oalarmedeincêndio-disseomédico,suspirando.-Muitobem,Lizzie,
acompanheaEnfermeiraBetty.
-Masosagasalhosdelaestãonoprédiododormitório,doutor.Elanão
podesairassim.Achaquedevamosirláprimeiro?
Contrariadopelainterrupçãodoexame,elerespondeucomirritação:
-Achoqueotreinamentoéparaquesurjaexatamenteessetipode
detalhe.Queatrapalhação!
Lyramaisquedepressainterveio:
-OntemquandoeuchegueiaEnfermeiraClarabotouasminhasroupas
numarmárionaqueleprimeiroquartoondeelameexaminou.Odolado.
Eupodiausarasminhasroupas.
-Boaidéia!Vamos,então-aprovouaenfermeira.Comsecretaexcitação,
Lyraapressou-seaseguiraenfermeiraerecuperouseusagasalhosde
pele,asperneiraseasbotas,evestiu-sedepressa,enquantoaenfermeira
vestia-sedesedacarbonífera.
Entãosaíramapressadas.Nagrandepraçaemfrenteaoprincipalgrupo
deconstruções,haviaumas100pessoas,entreadultosecrianças:algumas
excitadas,outrasirritadas,muitasapenasconfusas.
-Estávendo?Valeapenafazerissoparaverocaosqueseriaseoincêndio
fossedeverdade-diziaumadulto.Alguémestavasoprandoumapitoe
balançandoosbraços,masninguémprestavaatenção.LyraavistouRoger
echamou-ocomumgesto;RogerpuxouBillyCostapelobraçoelogoos
trêsestavamjuntosnaquelaconfusãodecriançascorrendo.
-Ninguémvainotarseagentederumaolhadaporaí-Lyrasugeriu.-Vão
levaranosparacontartodomundo,epodemosdizerqueseguimosalguém
enosperdemos.Esperaramatéqueamaioriadosadultosestivesse
olhandoparaoutrolado,eentãoLyrapegouumpoucodeneve,fezuma
bolaejogou-anomeiodamultidão;numinstantetodasascrianças
estavamfazendoisto,eoarestavacheiodebolasdenevevoando.Gritose
risadasencobriamcompletamenteosgritosdosadultosquetentavam
restabeleceraordem,enuminstanteastrêscriançasdobraramaesquina
deumadasconstruções,ficandoforadavistadosoutros.Aneveeratão
espessaqueelesnãoconseguiammover-sedepressa,masistoparecianão
terimportância,poisninguémosseguiu.Lyraeosoutrosescalaramo
telhadocurvodeumdostúneiseencontraram-senumaestranha
paisagemlunardeprotuberânciasereentrâncias,tudocobertodebranco
sobocéunegroeiluminadopelosreflexosdasluzesemvoltadapraça.
-Queéqueestamosprocurando?-Billyquissaber.
-Seilá.Estamossóolhando-Lyrarespondeu,guiando-osatéumprédio
baixoequadrado,umpoucoseparadodosoutros,comumafracaluz
anbáricanocanto.Oruídodamultidãocontinuavaforte,porémmais
distante.Eraevidentequeascriançasestavamaproveitandoaomáximo
sualiberdade,eLyraesperavaqueelascontinuassemassimporalgum
tempo.Elarodeouaconstruçãoquadrada,procurandoumajanela.Oteto
estavaapenasapoucomaisdedoismetrosdochãoe,aocontráriodos
outros,nãoeraligadoaorestodaEstaçãoporumtúnel.Nãohaviajanela,
masumaporta.Umcartazacimadeladizia,emletrasvermelhas:
EXPRESSAMENTEPROIBIDAAENTRADA.
Lyraestendeuamãoparatentarabriraporta,masantesquepudesse
giraramaçanetaRogerexclamou:
-Veja!Umpássaro!Ou...Aexclamaçãoterminouemtomdedúvida,porque
acriaturaquedesciadocéunegronãoeraumpássaro;eraalguémque
Lyrajá
conhecia.
-Odaemondabruxa!Ogansobateuasenormesasas,erguendouma
chuvadenevequandopousou.
-Saudações,Lyra-disse.-Seguivocêatéaqui,emboravocênãotenhame
visto.Fiqueiesperandoquevocêaparecesseaquifora.Queéqueestá
acontecendo?Elalhecontoueperguntou:
-Ondeestãoosgípcios?JohnFaaestábem?Elesconseguiramafastaros
samoiedes?
-Amaioriadelesestáasalvo.JohnFaaestáferido,masnãogravemente.
Oshomensquealevarameramcaçadoresquecostumamatacar
caravanas,eaospareselesconseguemviajarmaisdepressadoquecom
umgrupogrande.Osgípciosaindaestãoaumdiadeviagemdaqui.
Osdoismeninosobservavamtemerososodaemon-gansoeosmodos
familiaresdeLyracomele,poisnaturalmentenuncatinhamvistoum
daemonsemseuhumano,epoucosabiamsobrebruxas.Lyralhesdisse:
-Escutem,émelhorvocêsiremvigiar,certo?Billy,vocêvaiporaquelelado,
eRoger,vigieporondeviemos.Nãotemosmuitotempo.Elescorreram
parafazeroqueelapediu,eentãoLyravirou-seoutravezparaaporta.
-Porqueestátentandoentraraí?-perguntouodaemon-ganso.
-Porcausadoqueelesfazemaídentro.Elescortam...-elabaixouavoz-...
cortamforaosdaemonsdaspessoas.Dascrianças.Eachoquetalvezisto
sejafeitoaídentro.Pelomenostemalgumacoisaaídentro,eeuiaolhar.
Masestá
trancado...
-Euconsigoabrir-disseoganso.Elebateuasasasumaouduasvezes,
jogandonevenaporta,eLyraescutoualgumacoisagirarnafechadura.
-Entrecomcuidado-disseodaemon.Lyraabriuaportacomesforçopor
causadaneve,eesgueirou-separadentro.Odaemon-gansoentroucom
ela.Pantalaimonestavaagitadoetemeroso,masnãoqueriaqueodaemon
dabruxavisseseumedo,demodoquevoouparaopeitodeLyrae
abrigou-sedentrodocasacodela.
AssimqueosolhosdeLyraseacostumaramápenumbraelaviuomotivo
dessaagitação.
Numasériedecaixasdevidroemprateleirasnasparedes,estavamtodos
osdaemonsdascriançasseccionadas:formasfantasmagóricasdegatos,
pássaros,ratoseoutrascriaturas,todosperplexos,assustadosepálidos
comofumaça.Odaemondabruxasoltouumaexclamaçãoderaiva,eLyra
apertouPantalaimoncontrasi,dizendo:
-Nãoolhe!Nãoolhe!
-Ondeestãoascriançasdessesdaemons?-ogansoperguntou,tremendo
deraiva.LyracontouseuencontrocomopequenoTonyMakarioseolhou
porcimadoombroparaospobresdaemonsencarcerados,queapertavam
osfocinhospálidoscontraovidro.Lyraescutavagritosabafadosdedore
sofrimento.Naluzfracadeumalâmpadaanbáricadebaixopoder,elaviu
emfrenteacadacaixaumnomenumcartão,ehaviaumacaixavaziacom
onomedeTonyMakarios.Haviaoutrasquatrooucincocaixasvaziascom
nomes.
-Querosoltaressespobrezinhos!-dissecomfúria.-Vouquebrarovidroe
soltartodoseles...
Eolhouemvoltaprocurandoalgumacoisaparaquebrarovidro,masnão
encontrou.
-Espere-disseodaemon-ganso.Eleeraodaemondeumabruxaemuito
maisvelhoqueela,emaisforte.Elafoiobrigadaaobedecer.
-Temosquefazeressaspessoasacreditaremquealguémseesqueceude
trancarolugarefecharascaixas-eleexplicou.-Achaqueseudisfarcevai
durarmuitotemposeencontraremvidroquebradoepegadasnaneve?
Eletemqueduraratéachegadadosgípcios.Agorafaçaexatamenteoque
eudigo:pegueumpunhadodeneveequandoeumandar,sopreum
pouquinhoemcimadecadacaixa.Elacorreuparafora.RogereBillyainda
estávammontandoguarda,eobarulhodegritoserisadasnaarenaainda
eraforte,poistinhasepassadopoucomaisdeumminuto.Elaencheuas
duasmãosdenevesoltaevoltouparadentroparafazeroqueodaemongansohaviamandado.Enquantoelasopravaumpoucodenevesobrecada
caixa,ogansodavaumestalinhocomagargantaeatrancadecadacaixa
seabria.
Depoisdedestrancartodas,elaabriuafrentedaprimeira,eafigura
pálidadeumaandorinhalançou-separafora,mascaiunochão,sem
conseguirvoar.Ogansoinclinou-seecolocou-adepécarinhosamente,com
obico,eaandorinhavirouumaratazanacambaleanteeconfusa.
Pantalaimonsaltouparaochãoparaconsolá-la.Lyratrabalhoudepressa,e
empoucosminutostodososdaemonsestavamlivres.Algunstentavam
falar,erodeavamospésdelaeatétentavambicarsuasperneiras,embora
otabuosimpedisse.Elasabiaarazão:ospobrezinhossentiamfaltado
calorsólidoepesadodocorpodosseushumanos;comoPantalaimonteria
feito,elesansiavamporseachegaremaumcoraçãopulsando.
-Agoradepressa,Lyra,vocêtemquevoltarcorrendoesemisturaras
outrascrianças-disseoganso.-Sejacorajosa,filha.Osgípciosestãovindo
omaisdepressapossível.Tenhoqueajudaressescoitadosaencontrarem
seushumanos...Eleseaproximoudelaedissebaixinho:-Masnunca
tornarãoaserunos.Estãoseparadosparasempre.Éacoisamaiscruel
quejávi...Podedeixarsuaspegadas,euvoucobri-las.Agoracorra...-Ah,
porfavor,antesdeir...Asbruxas...Elasvoammesmo,nãoé?Eunãoestava
sonhandoquandovibruxasvoando?
-Sim,minhafilha.Porquê?
-Elaspoderiampuxarumbalão?
-Claroquesim,porquê?
-SerafinaPekkalavemtambém?
-Nãotenhotempoparaexplicarapolíticadasnaçõesdasbruxas.Existem
grandespoderesenvolvidos,eSerafinaPekkaladevecuidardosinteresses
doseuclã.Maspodeserqueissoqueestáacontecendoaquisejapartede
tudoqueestá
acontecendoemtodaparte.Lyra,precisavoltarparalá.Corra,corra!Ela
correu,eRoger,queobservavadeolhosarregaladososdaemonspálidos
quesaíamdaconstrução,foiatéelaatravésdaneve.
-Elessão...ÉcomoacriptadaJordan...Sãodaemons!
-Sim,falebaixo.NãoconteaBilly.Nãoconteaninguém.Vamosvoltar.
Atrásdeles,ogansobatiaasasascomforça,jogandonevesobreas
pegadasdascrianças;osdaemonspertodeleseamontoavamcomgemidos
desofrimentoesaudade.Depoisdecobriraspegadas,ogansovirou-se
parareunirogrupodedaemonspálidos.
Elefaloualgumacoisa,eumporumelesmudaramdeformaemboraisso
lhescustasseumgrandeesforço,atéseremtodospássaros;ecomo
filhotinhoselesseguiramodaemondabruxa,voejando,caindoecorrendo
pelaneveatrásdele,efinalmente,comgrandedificuldade,levantandovôo.
Subiramnumafilairregular,pálidaefantasmagóricacontraocéuescuro,
aospoucosganhandoaltura,emboraalgunsvoassemerraticamente,
enquantooutrasperdiamaltura;masograndegansocinzentovoltou-see
oscolocounorumocerto,efinalmentesumiramtodosnaescuridão.
RogerpuxavaobraçodeLyra.
-Depressa,elesestãoquaseprontos-eledisse.
SaíramcorrendoaostropeçospelaneveaoencontrodeBilly,queacenava
daesquinadoprédioprincipal.Ascriançastinhamsecansado,ouentãoos
adultoshaviamfeitovalersuaautoridade,porquehaviaumafila
começandonaportaprincipal,commuitosempurrõesediscussões.Lyrae
osoutrosdoismisturaram-seàsoutrascrianças,masnãoantesdeLyra
dizer:
-Espalhementreascriançasqueéparaelasseprepararemparafugir.
Precisamsaberondeestãoasroupasdefrio,ficarprontasparapegaras
roupasecorrerassimquedermososinal.
Eissotemqueserumsegredomortal,entenderam?Billyassentiu,eRoger
perguntou:
-Qualseráosinal?
-Oalarmedeincêndio-disseLyra.-Quandochegarahora,euvoufazer
eledisparar.
Esperaramacontagem.SealguémdoConselhodeOblaçãotivessealguma
coisaavercomumaescola,teriapreparadomelhorotreinamento:como
nãoestavamdivididasemgrupos,elestinhamqueprocuraronomede
cadacriançanalistacompleta,queevidentementenãoestavaemordem
alfabética;enenhumdosadultosestavaacostumadoacontrolarcrianças.
Demodoquehouvemuitaconfusão,emboratodaspermanecessememfila.
Lyraobservavatudo.Aquelaspessoasnãosabiamtrabalhar;eram
negligentesemcertascoisas;reclamavamdaqueletreinamento,não
sabiamondedeviamficarasroupasdefrio,nãoconseguiamfazeras
criançasformaremumafiladecente;eessanegligênciapoderiaser
vantajosaparaela.
Estavatudoquaseterminadoquandohouveoutrainterrupção,quedo
pontodevistadeLyrafoiapiorpossível.
Elaouviuosomaomesmotempoqueosoutros.Todoscomeçaramaolhar
paraocéuescuroembuscadozepelim,cujomotoragáspulsavanoar
imóvel.Aúnicasortefoiqueelevinhadadireçãoopostaaocaminhodo
ganso.Maseraoúnicoconsolo;logoanaveestavavisível,eummurmúrio
deexcitaçãopercorreuamultidão.Ocorporoliço,leveeprateadodeslizou
acimadaavenidadeluzes,esuasprópriasluzesclareavamosolo.
Opilotodiminuiuavelocidadeeiniciouocomplicadoprocessodeajustara
altura.Lyrapercebeuafunçãodomastro:amarraraaeronave.Enquanto
osadultoslevavamascriançasparadentro,comtodasolhandoparacimae
apontando,aequipedeterrasubiaaescadadomastro,preparando-se
parareceberoscabosdeatracação.Osmotoresroncavam,eanevesubia
dosolo,eosrostosdospassageirosapareciamnasjanelasdacabine.
Lyraolhoueoqueviunãolhedeixoudúvidas.Pantalaimonagarrou-sea
ela,tornou-seumgato-do-matoesibiloudeódio,porque,olhandopela
janelacomcuriosidade,estavaolindorostodaSra.Coulter,tendonocoloo
seudaemondourado.
16AGUILHOTINAPRATEADA
Lyraimediatamenteenfiouacabeçadentrodoabrigodeseucapuzdepele
decarcajueentroupelasportasduplascomasoutrascrianças.Teria
temposuficienteparasepreocuparcomoqueiadizerquandoasduasse
encontrassemcaraacara;tinhaoutroproblemaaresolverprimeiro,qual
seja:ondeesconderasroupasdemodoquepudessepegá-lassemprecisar
pedirpermissão.Masporsortehaviataldesordemnoprédio,comos
adultostentandoapressaraentradadascriançasparadaremlugaraos
passageirosdozepelim,queninguémestavavigiandomuitobem.
Lyratirouocasaco,asperneiraseasbotasefezdelesamenortrouxaque
conseguiu,antesdeatravessaroscorredorescheiosdegenteeirparao
seudormitório.
Rapidamentepuxouamesa-de-cabeceiraparaocanto,subiuemcimadela
eempurrouumaplacadoteto.Aplacaergueu-se,comoRogertinhadito,e
láemcimaelaenfiouasbotaseasperneiras.Emseguidatirouo
aletômetrodasacolaeenfiouonobolsomaisescondidodocasaco,antesde
guardartambémocasaconoesconderijodoteto.
Depoissaltouparaochão,empurrouamesinhaparaolugarecochichou
comPantalaimon:
-Temosquefingirquesomosidiotasatéelanosver,eentãodizemosque
fomosraptados.Enadasobreosgípcios,eespecialmentesobreIorek
Byrnison.PoisLyraagorapercebiaalgoquenãotinhapercebidoantes:
quetodoomedoemsuanaturezaeraatraídoparaaSra.Coultercomoo
ponteirodeumabússolaéatraídopeloPólo.Podiasuportartodasas
outrascoisasquetinhavisto,atémesmoaterrívelcrueldadedaintercisão;
erasuficientementeforteparaisto.Masaidéiadaquelerostodelicadoeda
vozgentil,aimagemdomacacodouradoebrincalhãoeramsuficientes
parafazerseuestômagocongelaredeixá-lapálidaenauseada.
Masosgípciosestavamchegando-precisavapensarnisso,pensarem
IorekByrnison;enãosedenunciar.
Voltouparaacantina,deondevinhamuitobarulho.
Ascriançasfaziamfilaparaganharleitequente,algumasaindausandoos
casacosdesedacarbonífera.Asconversaseramsobreozepelimesua
passageira.
-Eraela.Comodaemon-macaco.
-Foielaquempegouvocêtambém?
-Eladissequeiaescreverparamamãeepapaieapostoquenão
escreveu...
-Elanuncanoscontouqueascriançasmorriam.Nuncafalousobreisso.
-Aquelemacaco,eleéopior.PegouaminhaKarossaequasematou.Eu
fiqueifraco...
TodostinhamtantomedoquantoLyra.ElaencontrouAnnieeasoutrase
sentou-secomelas.
-Escutem,vocêsconseguemguardarumsegredo?
-Sim!
Astrêsolharamparaelacomgrandeexpectativa.
-Existeumplanodefuga.Certaspessoasvêmnoslibertar,vãochegar
amanhãànoite.Talvezantes.Oquetemosquefazeréestarmosprontose
assimqueouvirmososinal,pegarmosnossasroupasdefrioecorrermos
parafora.Nadadeesperar.Vaiserprecisocorrer.Massenãopegaremos
agasalhoseasbotas,vocêsvãomorrerdefrio.
-Qualvaiserosinal?-Anniequissaber.
-Oalarmedeincêndiovaitocar,comotocouhoje.Estátudoplanejado.
Todasascriançasvãoficarsabendo,enenhumdosadultos.Especialmente
ela.Todostinhamosolhosbrilhantesdeesperançaeentusiasmo.Ea
mensagemestavaseespalhandoportodaacantina:Lyrasentiaquea
atmosferahaviamudado.Aoarlivre,ascriançasestavamalegres,cheias
deenergiaeansiosasparabrincar;então,depoisqueviramaSra.Coulter,
elasseencheramdemedoehisteriareprimida;masagorahaviaemsua
tagareliceumcontroleeumpropósito.Lyramaravilhou-secomopoderda
esperança.
Ficouvigiandoaportaaberta,mascomcautela,prontaparabaixara
cabeça;ouviram-sevozesdeadultosqueseaproximavam,eentãoaSra.
Coulterempessoaapareceuporuminstante,olhouparadentrodacantina
esorriuparaascriançasfelizes,comseuscoposdeleitequenteeseus
biscoitos,tãoquentinhasebemnutridas.
Quaseinstantaneamenteumarrepiopercorreuacantina,etodasas
criançassilenciarameficaramimóveis,olhandoparaela.
ASra.Coultersorriueseguiuemfrentesemumapalavra.
Aospoucos,aconversarecomeçounacantina.Lyraperguntou:
-Ondeéqueelesconversam?
-Provavelmentenasaladereuniões-disseAnnie.-Umaveznoslevaramlá
acrescentou,referindo-seaelaeseudaemon.-Eramuns20adultoseum
delesestavafazendoumapalestra.Eutivequeficarparadaláefazero
queelemandava,comoveradistânciaqueoKyrillionpodiaficardemim,e
entãoelemehipnotizouefezoutrascoisas...Éumasalaenormecom
muitascadeirasemesaseumapequenaplataforma.Ficaatrásda
recepção.Ei,apostoqueelesvãofingirqueotreinamentodeincêndiodeu
certo.Apostoqueelestêmmedodela,igualanós...PelorestododiaLyra
ficoupertodasoutrasmeninas,observando,Falandopouco,agindo
discretamente.Houveginástica,depoiscostura,depoisojantar,orecreio
nosalão-umaposentograndeetristonho,comtabuleirosdejogos,alguns
livrosvelhoseumamesadepingue-pongue.Emcertomomento,Lyraeos
outrostomaramconsciênciadequeestavaacontecendoalguma
emergência,porqueosadultosandavamapressadosdeumlugarpara
outroouficavamparadosemgrupinhos,conversandocomansiedade.
Lyraadivinhouqueelestinhamdescobertoafugadosdaemonse
tentavamentendercomoaquilohaviaacontecido.
MasnãoviuaSra.Coulter,oquefoiumalivio.Quandochegouahorade
dormir,elajásabiaqueteriaquecontartudoàsoutras.
-Escute,elescostumamvirverseestamosmesmodormindo?
-Umavezsó-disseBella.-Massópassamofachodalanterna,nãoolham
deverdade.
-Ótimo,porquevoudarumaolhadaporaí.Háumcaminhopelotetoque
umgarotomeensinou...
ElaexplicoueantesmesmodeterminarfoiinterrompidaporAnnie:
-Voucomvocê!
-Ébomnãoir,porqueémelhorquesóumameninafiquesumida.Todas
podemdizerqueestavamdormindoenãomeviramsair.
-Masseeufossecomvocê...
-Seriamaisfácilsermosapanhadas-Lyracompletou.Osdaemonsdas
duasseentreolhavam:Pantalaimoncomogato-do-matoeKyrillioncomo
raposa.Ambostremiamdeleve.Pantalaimonsibilouquaseinaudivelmente
emostrouosdentes,eKyrillionvirou-separaooutroladoepôs-sea
lamberosprópriospêlosdespreocupadamente.
-Estácerto-resignou-seAnnie.
Eracomumquediscussõesentreascriançasfossemresolvidasassim,por
seusdaemons,umdelessecurvandoàvontadedooutro.Oshumanos
aceitavamodesfechosemressentimento,demodoqueLyrasabiaque
Annieiafazeroqueelapedisse.
Todasfornecerampeçasderoupaparafazervolumesobascobertasde
Lyracomoseelaestivessedeitadaeprometeramdizerquenadasabiam
sobreaquilotudo.EntãoLyraescutouparatercertezadequeninguém
vinha,subiunamesinhade-cabeceira,levantouaplacaepuxou-separa
cima.
-Nãofalemnada!-sussurrouparaostrêsrostosqueaobservavam.Então
recolocoucomcuidadoaplacanolugareolhouemvolta.
Estavaagachadasobreumaestreitacanaletademetalpresanumagrade
demetal.Asplacasdotetoeramligeiramentetranslúcidas,demodoque
passavaalgumaluzdebaixo,eLyraviuqueaqueleespaçobaixoonde
estava-cercademeiometrodealtura-estendia-separatodososlados.
Estavaapinhadodecanosetubosdemetal,eseriafácilperderadireção,
masseelapermanecesseemcimadascanaleraseevitassecolocarpeso
emcimadasplacas,econtantoquenãofizessebarulho,conseguiria
atravessaraEstaçãodeumapontaàoutra.
-IgualzinholánaJordan,Pantalaimon-elasussurrou.
-AgenteespionandoaSalaPrivativa.
-Sevocênãotivessefeitoaquilo,nadadissoteriaacontecido-ele
cochichoudevolta.
-Entãotenhoqueconsertaroquefiz,nãoé?
Elamarcouasdireções,calculandoaproximadamenteondeficariaasala
dereuniões,eentãopartiu.Eraumaviagemmuitodifícil;elaprecisava
engatinhar,poisnãocaberiaalideoutramaneira,edevezemquando
tinhaqueseespremersobumtubodemetalgrandeequadrado,ouentão
passarporcimadecanosdeaquecimento.Ascanaletasdemetalpelas
quaiselaengatinhavaseguiamotopodasparedesinternas,peloqueela
podiaperceber,eenquantopermanecessenelas,sentiaumareconfortante
solidez;maseramestreitasetinhamasbordasaguçadas,atalpontoque
elacortouosnósdosdedosdasmãoseumjoelho,eempoucotempo
estavatodadoída,comcãibrasemuitoempoeirada.
Porémsabiamaisoumenosondeestavaeconseguiaverovolumeescuro
dosseusagasalhossobreotetododormitório,comoummarcoparaguiá-la
devolta.Passouporalgunsaposentosvazios,ondeasplacasnãoestavam
iluminadasporbaixo;devezemquando,ouviavozeseparavapara
escutar,maseramapenasascozinheirasnacozinhaouasenfermeiras
reunidasnaquiloqueLyraconcluiusersuasaladedescanso.Elasnada
diziamdeinteressante,demodoqueLyraseguiuemfrente.
Finalmentechegouàáreaondedeveriaestarasaladereuniões,segundo
seuscálculos;defato,haviaumaáreasemcanalização,ondetubosdo
arcondicionadoedacalefaçãodesciamporumcantoeondetodasas
placasnumespaçoamploeretangularestavamiluminadas.Elacolouo
ouvidonumaplacaeouviuummurmúriodevozesadultasmasculinas;
percebeuquetinhaencontradoolugarqueprocurava.
Commuitocuidado,elaavançoucentímetroacentímetroatéficaromais
pertopossíveldaspessoas.Entãoestendeu-sedecorpointeirosobrea
canaletademetaleinclinouacabeçadeladoparamelhorescutar.
Ouviusonsocasionaisdetalheresedelouça:elesestavamjantando
enquantoconversavam.Pareciahaverquatrovozes,inclusiveadaSra.
Coulter.Asoutraserammasculinas.Pareciamestardiscutindoafugados
daemons.
-Masquemestáencarregadodesupervisionaraquelaseção?-perguntou
avozsuaveemusicaldaSra.Coulter.
-UmestudantedepesquisachamadoMcKay-disseumdoshomens.-Mas
existemmecanismosautomáticosparaimpediressetipodecoisa...
-Quenãofuncionam-interrompeuela.
-Comtodorespeito,elesfuncionam,sim,Sra.Coulter.
McKayafirmaquetrancoutodasascaixasquandosaiudeláàs11horas
dehoje.Aportaexternaéclaroquenãoteriasequersidoaberta,poisele
entrouesaiupelaportainterna,comofazianormalmente.Éprecisoteclar
umcódigonoaparelhoquecontrolaasfechaduras,eissoficaregistradona
memóriadoaparelho.Seissonãoforfeito,oalarmetoca.
-Masoalarmenãotocou-elacontestou.
-Tocou,sim.Infelizmenteeletocouquandotodosestavamdoladodefora
tomandopartenotreinamentodeincêndio.
-Masquandovocêstornaramaentrar...
-Infelizmenteosdoisalarmesestãonomesmocircuito;éumafalhade
infraestruturaqueterádeserretificada.Aconteceuquequandooalarme
deincêndiofoidesligadodepoisdotreinamento,oalarmedolaboratório
tambémfoi.Mesmoassimofatoteriasidopercebido,porcausadas
verificaçõesnormaisquesãofeitasdepoisdequalquerquebradarotina;
masaessaaltura,Sra.Coulter,asenhorachegouinesperadamente,ecomo
deveselembrar,pediuespecificamenteparaveraequipedolaboratório
imediatamente,nasuasala.Conseqüentemente,passou-sealgumtempo
atéalguémvoltaraolaboratório.
-Entendo-disseaSra.Coulteremtomfrio.–Nessecaso,osdaemons
devemtersidolibertadosduranteotreinamento.Eissoampliaalistade
suspeitosparatodososadultosdaEstação.Jápensounisso?
-Asenhorajápensouquepodetersidofeitoporumacriança?-falou
outravoz.
Elaficouemsilêncio,eohomemcontinuou:
-Cadaadultotinhaumatarefaacumprir.Cadaumaiarequereratenção
total,etodaselasforamcumpridas.Nãohápossibilidadedequealguémda
equipepudesseterabertoaporta.Nenhumapossibilidade.Então,ou
alguémentroudeforacomaintençãodefazerisso,ouumadascrianças
conseguiuentrar,abriraportaeascaixasevoltarparaafrentedoprédio
principal.
-Equeéqueossenhoresestãofazendoparainvestigar?-elaperguntou.
Aliás,nãoquerosaber.Porfavorcompreenda,Dr.Cooper,nãoestou
criticandopormaldade.Temosqueserextraordinariamentecautelosos.
Foiumafalhaatrozcolocarosdoisalarmesnomesmocircuito.Issotem
quesercorrigidoimediatamente.Comcerteza,ooficialtártaro
encarregadodaguardapoderiaajudarnainvestigação?Mencionoisso
comomerapossibilidade.Aliás,ondeestavamostártarosduranteo
treinamento?Imaginoquejátenhapensadonisso.
-Jápensei,sim-disseohomememtomcansado.-Ocorpodeguarda
estavainteiramenteocupadopatrulhando.Todososhomens.Elesmantêm
registrodetudo,meticulosamente.
-Tenhocertezadequevocêsestãofazendoopossível-disseela.-Bem,é
isso.Umapena.Masvamosmudardeassunto.Fale-medonovo
seccionador.Lyrasentiuumarrepiodemedo.Aquilosópodiasignificar
umacoisa.
-Ah,houveumgrandeprogresso-disseomédico,aliviadoaoverquea
conversatomavaoutrorumo.-Comoprimeiromodelo,nósnão
conseguíamosanularinteiramenteoriscodamortedopacientepor
choque,masissofoimuitoaperfeiçoado.
-Osescraelinguesfaziamissomuitomelhoramão-disseohomemque
aindanãotinhafalado.
-Séculosdeprática-disseooutrohomem.
-Mas,durantealgumtempo,aúnicaopçãoerasimplesmenteusaraforça
disseoprincipalinterlocutor.-Pormaisqueissoperturbasseos
operadoresadultos.Todosselembramquetivemosquedespedirumbom
númerodelesporproblemasdeansiedadecausadapelatensão.Maso
primeirograndeprogressofoiousodaanestesiacombinadocomobisturi
anbáricodeMaystadt.Conseguimosreduziramenosdecincoporcentoo
riscodemorteporchoqueoperatório.
-Eonovoinstrumento?-aSra.Coulterquissaber.
Lyraestavatremendo.Osanguepulsavaemseusouvidos,ePantalaimon
apertavaseucorpodearminhodeencontroaela,enquantosussurrava:
-Psiu,Lyra,elesnãovãofazerisso,nósnãovamosdeixar...
-Sim,foiumacuriosadescobertadopróprioLordeAsrielquenosdeua
pistaparaessenovométodo.Eledescobriuqueumaligademanganêse
titâniotinhaapropriedadedeisolarocorpoeodaemon.Aliás,queéque
andaacontecendocomLordeAsriel?
-Talvezvocênãotenhaficadosabendo,masLordeAsrielestásob
sentençademortependente.Umadascondiçõesdoexíliodeleem
Svalbarderadesistirtotalmentedasuaobrafilosófica.Infelizmenteele
conseguiuobterlivrosematerial,elevousuaspesquisasheréticasatéo
pontoemqueépositivamenteperigosodeixálovivo.Dequalquermaneira,
parecequeoTribunalConsistorialdeDisciplinacomeçouadebatera
questãodasentençademorte,eaprobabilidadeédequeeleseja
executado.
-Masquantoaoseuinstrumentonovo,doutor,comoéqueelefunciona?
-Ah,sim...Sentençademorte?MeuDeus!Ah,sim,desculpe-me,onovo
instrumento.Estamospesquisandooqueacontecequandoaintercisãoé
feitacomopacienteconsciente,eéclaroqueissonãopodiaserfeitopelo
processodeMaystadt.Demodoquedesenvolvemosumaespéciede
guilhotina,pode-sedizer.Alâminaéfeitadaligademanganêsetitânio,ea
criançaécolocadanumcompartimento,comoumacabine,detelafeitada
mesmaliga,comodaemonnumcompartimentoigual,ligadoaoprimeiro.
Entãoalâminacaientreeles,cortandooeloentreosdois.Entãosetornam
entidadesseparadas.
-Eugostariadeassistir-eladeclarou.-Eesperoquesejalogo.Masagora
estoucansada,achoquevouparaacama.Querovertodasascrianças
amanhã.Vamosdescobrirquemfoiqueabriuaquelaporta.
Houveosomdecadeirasempurradas,cumprimentoseumaporta
fechandose.EntãoLyraouviuosoutrostornaremasentar-see
continuaremaconversa,masemtommaisbaixo.
-QueéqueLordeAsrielestáplanejando?
-AchoqueeletemumaidéiainteiramentenovadanaturezadoPó.Ocaso
é
esse.Éprofundamenteherética,entendem,eoTribunalConsistorialde
Disciplinanãopodepermitiroutrainterpretaçãoalémdaautorizada.Além
disso,elequerfazerexperiências...
-Experiências?ComoPó?
-Psiu,falemaisbaixo...
-Achaqueelavaifazerumrelatórionegativo?
-Não,não.Achoquevocêlidoumuitobemcomela.
-Aatitudedelamepreocupa...
-Nãoéumaatitudefilosófica?
-Exatamente.Éinteressepessoal.Nãogostodeusarestapalavra,masé
quasesinistro.
-Vocêestáexagerando.
-Masvocêselembradasprimeirasexperiências,quandoelaestavatão
ansiosaparaverasseparações...
Lyranãoconseguiucontrolar-se:umgemidoescapoudeseuslábioseao
mesmotempoelaestremeceu,eseupéesbarrounumatrave.
-Quefoiisso?-Foinoteto!-Depressa!
Osomdecadeirasafastadas,péscorrendo,umamesaempurradapelo
chão.Lyratentouarrastar-separalongedali,mashaviapoucoespaço,e
elanãoconseguiumover-semaisquealgunsmetrosquandoaplacaaoseu
ladofoierguidaderepente,eeladeparoucomorostoassustadodeum
homem.Estavatãopertoqueelaviatodosospêlosdobigodedele.Ele
ficoutãoespantadoquantoela,porémtinhamaisliberdadedemovimentos
econseguiuenfiaramãopeloburacoeagarrarlheobraço.
-Umacriança!
-Nãodeixequefuja...
Lyraenfiouosdentesnamãograndeesardentadohomem.Elegritou,
masnãosoltouobraçodela,mesmoquandoosdenteslherasgaramapele.
Pantalaimonrosnavaecuspia,masistonãoadiantava,ohomemeramuito
maisfortequeela;puxou-aatéqueelatevequesoltaratraveàqualse
agarravacomooutrobraço,emetadedoseucorpocaiupeloburaco.
Aindanãotinhafeitoumúnicosom.Enroscouaspernasnabordaaguçada
demetalelutoudecabeçaparabaixo,arranhando,mordendo,socandoe
cuspindocomenormefúria.Oshomensofegavameresmungavamdedor
oucansaço,masnãocessavamdepuxá-laparabaixo.
Ederepenteelaperdeuasforças.
Eracomoseumaestranhamãotivessepenetradoondenenhumamão
tinhaodireitodeirearrancadodelaalgoprofundoeprecioso.
Elasentiu-sefraca,tonta,nauseadaefrouxacomochoque.
UmdoshomensestavasegurandoPantalaimon.
EletinhaagarradoodaemondeLyracomsuasmãoshumanas,eocoitado
doPantremia,quaseloucodehorroreagonia.
Emformadegato-do-mato,seupêlooraficavaopacodefraqueza,ora
brilhavaanbaricamentedeterror...Elecurvava-separaasuaLyra,que
estendiaambasasmãosemsuadireção.
Osdoisficaramimóveis.Estavampresos.
Elasentiaaquelasmãos...Aquilonãoeracorreto...Eraproibidotocar...Era
errado...
-Elaestavasozinha?
Umhomemestudavaoespaçoacimadoteto.
-Parecequesim...
-Queméela?
-Agarotanova.
-Aquelaqueoscaçadoressamoiedes...
-É.
-Seráquefoiela...osdaemons...
-Podemuitobemtersido.Masnãosozinha.
-Seráquedevíamoscontar...
-Achoqueissoianosdeixarmal,nãoé?
-Concordo.Émelhorelanãoficarsabendo.
-Masqueéquevamosfazer?
-Elanãopodevoltarparajuntodasoutrascrianças.
-Impossível!
-Sópodemosfazerumacoisa,euacho.
-Agora?
-Temqueser.Nãopodemosdeixarparaamanhã.Amanhãelavaiquerer
assistir.
-Podíamosfazernósmesmos.Nãohánecessidadedeenvolveroutras
pessoas.Ohomemquepareciaserochefe,aquelequenãoestava
segurandoLyranemPantalaimon,batianosdentescomaunha.
Seusolhosnuncaestavamparados;iamdeumladoparaooutro
rapidamente.Finalmenteeleassentiucomumgestodecabeça.
-Agora.Façamagora.Senãoelavaifalar.Ochoquevaiimpedirpelomenos
isso.Elanãovaiselembrardequemé,oqueviu,oqueouviu...Vamos.
Lyranãoconseguiafalar;malconseguiarespirar.Tevequepermitirquea
carregassematravésdaEstaçãopeloscorredoresbrancosedesertos,
passandoporaposentosondelâmpadasanbáricaszumbiam,pelos
dormitóriosondeascriançasdormiamcomseusdaemonsaolado,
compartilhandoseussonhos;acadasegundodocaminho,elasóenxergava
Pantalaimoneelesedebruçavaparaela,olhosnosolhos.
Entãoumaportafoiabertaatravésdeumagranderoda;houveumsibilo
dear,eelesentraramnumacâmaraprofusamenteiluminada,comazulejos
brancosbrilhandoeaçoinoxidável.Omedoqueelasentiaeraquaseuma
dorfísica-aliás,tornou-semesmoumadorfísicaquandoempurraram
LyraePantalaimonnadireçãodeumagrandegaioladetelaprateada,
acimadaqualumagrandelâminaprateadaestavaprestesasepará-los
paratodoosempre.
Elafinalmenteconseguiugritar.Osomrepercutiuruidosamentenas
superfíciesazulejadas,masaportapesadatinhasefechadocomumsibilo;
elapodiagritarparasempre,masnenhumsomescapariadali.
MasPantalaimon,emresposta,haviasedesvencilhadodaquelasmãos
odiosas-eleeraleão,eraáguia:atacou-osselvagementecomasgarras,
batendoasgrandesasas,depoisviroulobo,urso,gato-do-mato,rosnando,
arranhando,umasucessãodetransformaçõesrápidasdemaisparaoolho,
eotempotodosaltando,esvoaçando,evitandoasmãosdesajeitadasque
agarravamoVazio.Maselestambémtinhamseusdaemons.Nãoeramdois
contratrês,eramdoiscontraseis.Umtexugo,umacorujaeumbabuíno
juntaram-seaosesforçosparasubjugarPantalaimon,enquantoLyralhes
gritava:
-Porquê?Porquelogovocêsestãofazendoisso?Vocêstêmquenos
ajudar.Nãodeviamestarajudandoaeles!
Elachutavaemordiacommaisafã,atéqueohomemqueaseguravadeu
umgritoesoltou-aporummomento-eelaseviulivre,ePantalaimon
lançou-sesobreelacomoumraio.Elaoapertoucontraopeito,eeleenfiou
asgarrasdegato-domatonacarnedela,eadoreraagradável.
-Nunca!Nunca!Nunca!-elagritou,eencostou-seàparedeparadefendêloatéamortedeambos.
Maselescaíramsobreelanovamente,trêshomensgrandesebrutais,eela
eraapenasumacriançaapavorada;eleslhearrancaramPantalaimon,
jogaram-nanumladodagaioladetelaelevaramodaemon,aindalutando,
paraooutrolado.Haviaumabarreiradetelaentreeles,maseleainda
faziapartedela,aindaestavamunidos.Pormaisumsegundo,eleaindaera
aalmadela.
Então,acimadosgrunhidosdoshomensedoprópriochoro,Lyraouviuum
somdezumbidoeviuumdoshomens(comonarizsangrando)mexendo
nosbotõesdeumpainel.Osoutrosdoisergueramosolhos,eelaseguiuo
olhardeles.Agrandelâminaprateadaerguia-selentamente,refletindoo
brilhodaluz.Oúltimoinstantedevidacompletaiaseropiordetodos.
-Queéqueestáacontecendoaqui?-perguntouumavozleveemusical.A
vozdela.Tudoficouimóvel.
-Queéquevocêsestãofazendo?Equeméestacriança...
Elanãocompletouapergunta,poisnesseinstantereconheceuLyra.
Atravésdaslágrimas,Lyraviu-acambaleareagarrar-seaumacadeira;o
tãolindoeimpassívelrostoficou,poruminstante,contorcidoe
aterrorizado.
-Lyra!-elaconseguiudizer.
Nomesmoinstante,omacacodouradoafastou-sedelanumsaltoe
arrancouPantalaimondedentrodagaioladetela,aomesmotempoem
queLyracaíaparaforadaoutragaiola.
Pantalaimondesvencilhou-sedaspatassolícitasdomacacoefoiseaninhar
nosbraçosdeLyra.
-Nunca,nunca-elasussurrou.
Eleapertou-secontraela,eosdoisassimficaram,comonáufragos
estremecendonumacostadesolada.ElamalouviuaSra.Coulterfalando
comoshomensesequerconseguiuinterpretarotomdavozdamulher.
Entãotodossaíramdaqueleaposentoodioso,aSra.Coulteramparando
Lyrapelocorredor,entraramporoutraporta,umquartodedormir,luz
suave,perfumenoar.
ASra.Coultercolocou-adelicadamentesobreacama.ObraçodeLyra
apertavatantoPantalaimonqueelatremiacomoesforço.Umacarinhosa
mãoacariciou-lheatesta.
-Minhaqueridacriança-disseavozdoce.–Comofoiquevocêveioparar
aqui?
17ASBRUXAS
Lyragemiaetremiaincontrolavelmente,comosetivessesidoretiradade
umaáguatãofriaquequasecongelaraseucoração.Pantalaimon
simplesmenteapertara-secontraapelenuadentrodasroupasdeLyra,
acalmando-acomoseuamor,masdurantetodootempoeleestava
conscientedaSra.Coulter,queseatarefavapreparandoumabebidaou
algoassim,eprincipalmentedomacacodourado,cujosdedinhostinham
percorridoocorpodeLyraquandosóPantalaimonpoderiaterpercebido
etinhamsentidoasacoladelonapenduradanacinturadela.
-Sente-seumpouco,querida,ebebaisto-disseaSra.Coulter.Seubraço
carinhosorodeouosombrosdeLyraelevantou-a.Lyraiaresistir,mas
relaxouimediatamente,quandoPantalaimontransmitiu-lheum
pensamento:
"Sóficaremosemsegurançasesoubermosfingir."Elaabriuosolhose
percebeuqueelesestavamcheiosdelágrimas,eparasuaprópria
surpresaevergonhapôsseachorarincontrolavelmente.ASra.Coulter,
comfrasesdeconsolo,colocouabebidanasmãosdomacacoenquanto
enxugavaosolhosdeLyracomumlencinhoperfumado.
-Choreàvontade,querida-disse,comsuavozsuave.
Lyraentãoresolveupararassimqueconseguisse.Esforçou-separaconter
aslágrimas,apertouoslábioseengoliuossoluçosqueaindalhesacudiam
opeito.Pantalaimonfaziaomesmo:enganá-los,enganá-los.Elesetornou
umratoeesgueirou-separalongedamãodeLyraparafarejar
timidamenteabebidanamãodomacaco.Erainócua:umchádecamomila,
nadamais.ElevoltouparaoombrodeLyraesussurrou:
-Beba.
Elasentou-seepegouaxícaraquentecomasduasmãos,bebericandoe
soprandoparaesfriarochá.Mantinhaosolhosbaixos.Tinhaque
representarmelhordoquejamaisfizeranavida.
-Lyra,querida-murmurouaSra.Coulteracariciando-lheoscabelos.Penseiquetínhamosperdidovocêparasempre!Quefoiqueaconteceu?
Vocêseperdeu?
Alguémlevou-adoapartamento?
-Foi-Lyrasussurrou.
-Quemfezisso,querida?
-Umhomemeumamulher.
-Convidadosdafesta?
-Achoquesim.Disseramqueasenhoraprecisavadeumacoisaque
estavanoandartérreo,eeufuibuscar.Elesmeagarraramemelevaram
numcarro.Masquandopararam,eufugidepressaemeescondi,eeles
nãomeacharam.Maseunãosabiaondeestava...
Outrosoluçoainterrompeu,agoramaisfraco,eelapodiafingirqueele
tinhasidoprovocadopelahistóriaqueestavacontando.
-Efiqueivagando,tentandoencontrarocaminhodevolta,masentãoos
Papõesmepegaram...Emepuseramnumacamionetecomoutrascrianças
emelevaramparaumlugar,umacasamuitogrande,nãoseiondeera.
Acadasegundoquesepassava,acadafraseinventada,elasesentiaum
poucomaisforte.Eagoraqueestavafazendoalgodifícilecostumeiroe
nuncamuitoprevisível,queeramentir,elatornouasentirumaespéciede
segurança,omesmosensodecomplexidadeecontrolequeoaletômetro
lhedava.Tinhaquetomarcuidadoparanãodizeralgumacoisa
obviamenteimpossível;deviaservagaemcertasparteseinventar
detalhesplausíveisemoutras;emsuma,tinhaqueserumaartista.
-Quantotempovocêficounaquelacasa?-quissaberaSra.Coulter.A
viagemdeLyrapeloscanaiseotempoqueelapassaracomosgípcios
tinhamlevadosemanas;elaprecisavajustificaressetempo.Entãoinventou
umaviagemcomosPapõesparaTrollesund,edepoisumafuga,cuja
invençãolhedeuaoportunidadedemencionarmuitosdetalhesdesuas
observaçõesdacidade;ealgumtempotrabalhandocomocriadanoBarde
Einarsson,eentãoalgumtempotrabalhandoparaumafamíliade
fazendeirosnointerior,depoispresapelossamoiedeselevadapara
Bolvangar.
-Eelesiam...iamcortar...
-Psiu,querida.Voudescobriroqueestáacontecendo.
-Masporqueiamfazerisso?Nuncafiznadaerrado!Todasascrianças
têmmedodoqueacontecelá,eninguémsabeoqueé.Maséhorrível.Éa
piorcoisa...Porqueestãofazendoisso,Sra.Coulter?Porquesãotão
cruéis?
-Pronto,pronto...Vocêestáemsegurança,minhaquerida.Nuncafarãoisso
comvocê.Agoraqueaencontrei,nuncamaisestaráemperigo.Ninguém
vailhefazermal,queridaLyra;ninguémjamaisvaimagoá-la...
-Masfazemissocomoutrascrianças!Porquê?
-Ah,meuamor...
-ÉoPó,nãoé?
-Eleslhedisseramisso?Osmédicosdisseramisso?
-Ascriançassabem.Todasfalamsobreisso,masninguémsabedireito!E
quasefizeramaquilocomigo...Asenhoratemquemedizer!Asenhora
agoranãotemmaisdireitodeesconder!
-Lyra...Lyra,querida,sãocoisascomplicadas,oPóeoresto.Nãoéassunto
paraumacriançasepreocupar.Masosmédicosfazemissopelobemda
própriacriança,meuamor.OPóéumacoisaruim,umacoisaerrada,uma
coisamáeperversa.OsadultoseseusdaemonsestãoinfectadosdePótão
profundamentequeparaelesétardedemais.Masumasimplesoperação
numacriançafazcomquefiquemasalvo.OPónãovaimaisseprendera
elas.Elasficamsegurasefelizese...
LyrapensounopequenoTonyMakarios;inclinou-separaafrenteeteve
ânsiasdevômito.ASra.Coultersoltou-a.
-Vocêestábem,minhaquerida?Váaobanheiro...
Lyraengoliuemsecoeesfregouosolhos.
-Nãoprecisamfazerissocomagente-disse.–Podiamnosdeixarempaz.
ApostoqueLordeAsrielnãodeixariaelesfazeremisso,sesoubesseoque
está
acontecendo.SeeletemoPóeasenhoratambém,eoReitordaJordane
todososadultostambém,deveestarcerto.Quandoeusair,voucontarisso
atodasascriançasdomundo.Dequalquermaneira,seéumacoisatão
boa,porqueasenhoraimpediuquefizessemcomigo?Sefosseumacoisa
boa,asenhoradeviaterdeixado.Deviaficarfeliz.
ASra.Coultersacudiuacabeçaesorriuumsorrisotristeesábio.
-Querida,certascoisasboasdoemumpouco,enaturalmenteoutras
pessoasficamperturbadassevocêfica...Masnãosignificaquelevemseu
daemonparalongedevocê.MeuDeus,muitosadultosaquifizeramessa
operação.Asenfermeirasparecembastantefelizes,nãoparecem?
Lyrapestanejou;derepenteentendiaaestranhaapatiaefaltade
curiosidadedasenfermeiras,omodocomoseuspequenosdaemons
pareciamsonâmbulos.Elapensou:nãodiganada.Eficoudebocafechada.
-Minhaquerida,ninguémsonhariaemfazerumacirurgianumacriança
semrealizartestesantes.Eninguém,nememmilanos,conseguiriaafastar
umacriançaeseudaemon!Tudoqueaconteceéumpequenocorte,e
entãoficatudobem.Parasempre!Entende,quandoapessoaécriança,o
daemondelaéumamigoecompanheiromaravilhoso,masnaidadeque
chamamosdepuberdade,aidadequevocêlogoterá,querida,osdaemons
trazemtodotipodepensamentosesentimentosperturbadores,eéisso
quedeixaoPóentrar.Umapequenaoperaçãoantesdissofazcomquea
criançanuncaseperturbe.Eodaemoncontinuacomela,sóque...
desligado.Comoum...comoummaravilhosobichinhodeestimação,por
exemplo.Omelhorbichinhodeestimaçãodomundo!Vocênãogostaria
disso?
Ah,quehipócritaperversa,quantasmentirasdeslavadaseladizia!E
mesmoseLyranãosoubessequeerammentiras(TonyMakarios,os
daemonsnascaixasdevidro...),elateriaodiadoaquelaidéia:suaalma
querida,ocarocompanheirodoseucoração,cortadodelaereduzidoaum
bichinhodeestimação?
Lyraquaseferviadeódio,eemseusbraçosPantalaimontransformou-se
numgato-domato,amaisfeiaeperversadetodasassuasformas,e
rosnou.Masnadadisseram.LyrasegurouPantalaimoncomforçaedeixou
aSra.Coulteracariciarseuscabelos.
-Bebaseuchá-disseaSra.Coulteremtomcarinhoso.
-Voumandarprepararumacamaparavocêaqui.Nãoéprecisovoltar
paraodormitóriocomasoutrasgarotas,agoraquetenhodevoltaminha
pequenasecretária.Aminhafavorita!Amelhorsecretáriadomundo.
ReviramosLondresinteiraatrásdevocê,sabia,minhaquerida?Eapolícia
procurouemtodasascidades.Ah,sentitantasaudade!Nemseidizercomo
estoufelizporencontrá-ladenovo!
Durantetodoessetempo,omacacodouradomostrava-seinquieto,num
minutoempoleiradonamesabalançandoorabo,nooutrominutoagarrado
àSra.Coulter,falandobaixinhoemseuouvido,nominutoseguinte
andandodeumladoparaoutrocomacaudaereta.Eleestavamostrandoa
impaciênciaqueaSra.Coultersentiaequefinalmenteelanãoconseguiu
maiscontrolar.
-Lyra,minhaquerida-disse.-AchoqueoReitordaJordanlhedeuuma
coisaantesdevocêirembora.Estoucerta?Elelhedeuumaletômetro.O
problemaéqueoinstrumentonãoeradele,eleapenastomavaconta.É
umacoisavaliosademaisparaficarporaí.Sóexistemdoisoutrêsno
mundointeiro,sabia?AchoqueoReitorlhedeuoaletômetronaesperança
dequeelecaíssenasmãosdeLordeAsriel.Elelhedisseparanãome
contar,nãofoi?
Lyratorceuaboca.
-É,estouvendoquesim.Bom,nãotemimportância,querida,porquevocê
nãomecontou,certo?Entãonãoquebrousuapromessa.Masescute,
querida,é
umacoisaquedeviaserguardadacomcuidado.Étãoraraedelicadaque
infelizmentenãopodemosdeixá-lacorrerriscos.
-PorqueLordeAsrielnãopodeteressacoisa?–Lyraperguntou.
-Porcausadoqueeleestáfazendo.Vocêsabequeelefoiexiladoporque
pretendefazerumacoisaerradaeperigosa.Eleprecisadoaletômetro
paraterminarseuplano,maspodeacreditar,minhaquerida,aúltimacoisa
quealguémdeviafazerédaroaletômetroaele.InfelizmenteoReitorda
Jordanestavaenganado.Masagoraquevocêsabe,nãoseriamelhorme
darparaguardar?Vocêficarialivredeterquecarregarissoporaíeda
preocupaçãodetomarcontadele.Evocêdeveterficadomesmocuriosa,
querendosaberparaqueserviaumacoisabobaevelhacomoessa...
Lyraperguntou-secomofoiquetinhaumdiaachadoaquelamulher
fascinanteeinteligente.
-Então,sevocêestácomeleagora,querida,émelhormedarparaeu
tomarconta.Estápenduradonasuacintura,nãoestá?É,foiinteligente,
guardarassim...ElalevantouasaiadeLyraecomeçouadesamarraro
cintodelona.Lyraficoutensa.Omacacodouradoestavaagachadonopé
dacama,tremendodeansiedade,asmãozinhaspretasjuntoàboca.ASra.
CoulterpuxouocintodacinturadeLyraedesabotoouasacola.Tinhaa
respiraçãoofegante.Elatirouoembrulhodeveludonegroedesdobrouo
pano,encontrandoalataqueIorekByrnisontinhafeito.
Pantalaimoneranovamenteumgatoprontoparasaltar.
Lyrapuxouaspernas,afastando-asdaSra.Coulter,egirou-asparaochão,
paraqueelatambémpudessecorrerquandochegasseahora.
-Queéisso?-perguntouaSra.Coulter,comoseachassegraça.-Quelata
engraçada!Vocêcolocoueleaídentroparaficarseguro,minhaquerida?
Todoessemusgo...Vocêfoicuidadosa,nãofoi?Outralata,dentroda
primeira!Esoldada!
Quemfezisso,minhaquerida?
Elaestavapreocupadademaisemabriralataparaesperararesposta.
Tiroudabolsaumcanivetecomváriasferramentas,abriuumalâminae
enfiousobatampa.
Nomesmoinstante,umzumbidofuriosoencheuoquarto.
LyraePantalaimonficaramimóveis.ASra.Coulter,perplexaecuriosa,
puxouatampa,eomacacodouradodebruçou-separaverdeperto.
Então,comoumacentelha,aformanegradamosca-espiãsaiudalatae
colidiucomforçacomofocinhodomacaco.
Oanimalgritouejogou-separatrás;naturalmente,aSra.Coultertambém
estavasentindoadoreomedodomacacoegritoujuntocomele,eentãoo
pequenodemôniomecânicovirou-separaelaeveioemdireçãoaoseu
rosto.Lyranãohesitou;quandoPantalaimonsaltouparaaporta,elafoi
atrás,abriuaecorreucomonuncatinhacorridonavida.
-Oalarmedeincêndio!-Pantalaimongrunhiu,correndonafrentedela.Ela
viuumalarmenaparedeequebrouovidrocomumsocodesesperado.E
tornouasaircorrendonadireçãodosdormitórios,acionandotodosos
alarmesqueencontrava,eentãooscorredorescomeçaramaencher-sede
pessoasolhandoemvoltaàprocuradoincêndio.
Aessaaltura,elaestavapertodacozinha;Pantalaimonmandou-lheum
pensamentoeelaentroucorrendo.Momentosdepois,tinhaabertotodosos
bicosdegásejogadoumfósforoacesonobicomaispróximo.Depoispegou
umsacodefarinhaejogou-ocomforçadeencontroàbeiradadamesa,
explodindoosacoeenchendooardebranco,poisouviradizerquea
farinhanoarexplodepertodofogo.
Enquantoisto,saiucorrendoparaseuprópriodormitório.Oscorredores
agoraestavamapinhados,comcriançascorrendoparatodososlados,
cheiasdeexcitação,poisoplanodefugahaviaseespalhado.Asmais
velhasiamparaosdepósitosondeasroupasficavamguardadas,levando
consigoasmaisnovas.Osadultostentavamcontrolartudo,enenhumdeles
sabiaoqueestavaacontecendo.Portodapartehaviapessoasgritando,
empurrando,chorando.
LyraePantalaimonatravessaramtudoaquilo,seguindosemprenadireção
dodormitório;assimqueláchegaramouviramumaexplosãosurdaque
sacudiuoprédio.
Asoutrasmeninastinhamfugido,olugarestavadeserto.Lyraarrastoua
mesa-de-cabeceiraparaocanto,subiunela,puxousuasroupasdoteto,
procurouoaletômetro,encontrou-obemseguro.Vestiu-sedepressa,
puxandoocapuzparaencobrirorosto,eentãoPantalaimon,uma
andorinhajuntoàporta,avisou:
-Agora!
Elacorreuparafora.Porsortealgumascriançasquejáhaviamencontrado
agasalhosestavamcorrendopelocorredornadireçãodaentrada
principal,eelajuntou-seaogrupo,suando,ocoraçãodisparado,sabendo
quetinhaquefugirouentãomorreria.
Porémocaminhoestavabloqueado;oincêndionacozinhaseespalhara,e
aexplosão-porcausadogásoudafarinha-tinhaderrubadopartedo
telhado.Aspessoassubiamporcimadasvigasretorcidasparachegarao
friocortantedoarlivre.Ocheirodegáseraforte.Entãohouveoutra
explosão,maisfortequeaprimeira.Oimpactoderruboumuitagente,e
gritosdemedoedorencheramoar.Lyralutouparalevantar-se,com
Pantalaimongritando"Poraqui!Poraqui!",ecomesforçosubiupelos
destroços.Oarestavagelado,eelaesperavaqueascriançastivessem
conseguidoencontrarsuasroupasdefrio;seriaocúmuloconseguirfugir
daEstaçãoparamorrerdefrio!
Agoraaschamaseramaltas.Quandoelachegouaotelhadosobocéu
noturno,viuaslabaredaslambendoasbordasdeumgrandeburacona
lateraldoprédio.Haviaumamultidãodecriançaseadultosjuntoàentrada
principal,masdestavezosadultosestavammaisagitadoseascrianças
estavammaisassustadas
-muitomaisassustadas.
-Roger!Roger!-Lyragritou,ePantalaimon,comavisãoaguçadadeuma
coruja,avisouquejáotinhavisto.
Nomomentoseguinte,elesseencontraram.
-Digaatodosquevenhamcomigo!-Lyragritounoouvidodele.
-Elesnãovão...Estãoapavorados...
-Conteoqueelesfazemcomascriançasquedesaparecem!Cortamos
daemonsdelascomumafacaenorme.Conteoquevocêviuestatarde,os
daemonsquenóssoltamos!Digaqueissovaiacontecercomelastambém
senãofugirem!
Rogerestavaboquiaberto,horrorizado,masconseguiucontrolar-see
correuparaogrupodecriançasmaispróximo.Lyrafezomesmo,elogoas
criançasagarravam-seaosseusdaemons.
-Venhamcomigo!-Lyragritou.-Estávindoajuda!Temosquesairdaqui!
Vamos,corram!
Ascriançasouvirameobedeceram,correndopelapraçanadireçãoda
avenidadeluzes.
Atrásdelas,osadultosgritavam,ehouveumestrondoquandooutraparte
doprédiodesabou.Ascentelhassubiramnoar,easchamasincharamcom
osomcomooderouparasgada.
Porém,acimadetodoesseruído,ouviu-seoutrosom,terrivelmente
próximoeviolento.Lyranuncaotinhaouvidoantes,massoube
imediatamentedoquesetratava:eraouivodosdaemons-lobasdos
guardastártaros.Elasentiuumaondadefraquezadacabeçaaospés,e
muitascriançasestacaram,apavoradas,poiscorrendosurgiuoprimeiro
dosguardastártaros,rifleempunhadoeasombraenormeecinzentado
seudaemonlogoatrás.
Entãosurgiuoutro,emaisoutro.Estavamtodosdearmadura,osolhos
invisíveisportrásdasfendasdoselmos.Osúnicosolhosàvistaeramos
orifíciosredondosenegrosdapontadocanodosrifleseosolhosamarelos
ebrilhantesdasdaemons-lobasacimadasbocarrascheiasdesaliva.
Lyrahesitou.Nãotinhaimaginadocomoaquelaslobaseramapavorantes.
E
agoraqueconheciaatranqüilidadecomqueaspessoasdeBolvangar
desobedeciamaograndetabu,elaseapavoroucomaidéiadaqueles
dentes...Ostártarosfizeramumabarreiranafrentedaentradadaavenida
deluzes,comseusdaemonsaolado,disciplinadasetreinadascomoeles.
Logohaveriaumasegundabarreira,poisvinhammaisguardas,emais
aindaatrásdesses.Lyrapensou,desesperada:criançasnãopodemlutar
contrasoldados.NãoeracomoasbatalhasnosBarreirosdeOxford,
quandoelaarremessavabolasdelamanosfilhosdosoleiros.
Outalvezfosse!Elalembrava-sedeterjogadoumpunhadodelamano
rostolargodeummeninodaolariaqueaatacava;elehaviaparadopara
tiraralamadosolhoseentãoosaliadosdelaoatacaram.
Naocasião,elaestavanomeiodobarro;agoraestavanomeiodaneve.
Exatamentecomotinhafeitonaquelatarde,masagoracomgrande
ansiedade,elafezumaboladeneveejogou-anosoldadomaispróximo.
-Joguemnosolhos!-elagritou,ejogououtraboladeneve.
Outrascriançasaimitaram,eentãoodaemondealguémteveaidéiade
voaraoladodospetardosedirigi-losdiretamenteparadentrodasfendas
doselmos.Logotodosfaziamisto,eempoucosmomentosostártaros
estavamcambaleantes,praguejandoetentandotiraranevepelafenda
estreitaemfrenteaosolhos.
-Vamos!-Lyragritou,elançou-sepeloportãoparaaavenidadeluzes.
Todasascriançasforamatrásdela,evitandoaslobasecorrendooquanto
podiampelaavenidaemdireçãoàescuridãoqueasesperava.
Umoficialgritouumaordem,etodososriflesforamdestravadosaomesmo
tempo;houveoutrogritoeumsilênciotenso,ouvindo-seapenasospassos
earespiraçãoofegantedascriançasemfuga.
Ossoldadosestavamfazendopontaria.Nãoiamerrar.Masantesque
pudessematirar,ouviu-seogritodeumdostártaroseexclamaçõesde
surpresadosoutros.
Lyraestacouevirou-separaverumhomemcaídonaneve,comuma
flechadepontadepenascinzentasenfiadanascostas.
Elesecontorciaetossia,cuspindosangue,eosoutrossoldadosolhavam
emvoltaprocurandoquemhaviaatiradoaflecha,masoarqueironão
estavaàvista.Entãoumaflechaveiovoandodocéueatingiuoutrohomem
nanuca.Elecaiu.Ooficialgritou,etodosolharamparaocéuescuro.
-Bruxas!-dissePantalaimon.
Eerammesmo:figuraselegantesvoandoláemcima,oarzunindopor
entrefolhasdosgalhosdepinheironubígenoemqueelasvoavam.
EnquantoLyraobservava,umadasfigurasdeuumrasanteesoltouuma
flecha;outrohomemcaiu.Entãotodosostártaroslevantaramosriflese
atiraramparaoalto,paranadasombras,nuvens-,enquantomaisflechas
choviamsobreeles.
Masooficialcomandante,vendoqueascriançasfugiam,mandouum
destacamentoatrásdelas.Algumascriançasgritaram,depoisoutras,e
finalmentetodaspararameviraram-se,apavoradaspelafigura
monstruosaquesaíradaescuridãoevinhasobreelas.
-IorekByrnison!-Lyragritou,opeitoquaseexplodindodealegria.Ourso
dearmaduraparecianãoterconsciênciadeoutracoisaalémdoseualvo
deataque;passouporLyracomoumraioecaiusobreostártaros,
espalhandosoldados,daemonseriflesparatodososlados.Entãoparoue
girou,comforçaeflexibilidade,edesfechoudoissocos,umparacadalado,
nosguardasmaispróximos.
Umdaemon-lobapulousobreele;Iorekrasgou-lheacarneemplenoar,e
elecaiusobreanevecomosangueespirrandocomosefossefogoeficoua
contorcerseeuivaratédesaparecer.Seuhumanomorreuimediatamente.
Ooficialtártaro,aoenfrentaresseataqueduplo,nãohesitou,gritouuma
longaordem,eocorpodeguardadividiu-seemdois:umpararepeliras
bruxaseogrupomaiorparadominarourso.Ossoldadosforam
incrivelmentecorajosos;ajoelharam-seemgruposdequatroedispararam
seusriflescomoseestivessemfazendoumtreinamento,enãosemoveram
nemmesmoquandoviramIorekvindoemsuadireção.Nomomento
seguinte,estavammortos.
Iorekatacououtravez,enquantoasbalasvoavamàsuavoltacomomoscas,
semlhefazermal.Lyralevavaascriançasparaaescuridãoquehavia
depoisdaavenidadeluzes.Elasdeviamseafastar,pois,pormais
perigososquefossemostártaros,muitomaisperigososeramosadultosde
Bolvangar.
Demodoqueelagritou,gesticuloueempurrouparaqueascrianças
avançassem.Enquantoasluzesficavamparatrás,lançandosombras
compridasnaneve,Lyrasentiaocoraçãoalegrar-senofrioenapurezada
escuranoitedoÁrtico,assimcomoPantalaimon,queagoraeraumalebre
deliciando-seemcorrerpelaneve.
-Aondeéquenósvamos?-alguémperguntou.
-Lánafrentesótemneve!-disseoutro.
-Estávindoumgrupoderesgate-Lyralhescontou.-Sãouns50gípcios.
Apostoquealgunssãoparentesdevocês.Todasasfamíliasgípciasque
perderamumacriançamandaramalguém.
-Eunãosougípcio-disseummenino.
-Nãofazdiferença.Vãolevarvocêtambém.
-Paraonde?-alguémperguntouemtomagressivo.
-Paracasa-Lyrarespondeu.-Foiparaissoqueeuvim,parasalvarvocês,
etrouxeosgípciosatéaquiparalevaremvocêsparacasa.Sótemosque
andarmaisumpouquinho.Oursoestavacomeles,demodoquenão
devemestarlonge.
-Viramaqueleurso?-fezummenino.-Quandoelerasgouaqueledaemon,
ohomemmorreucomosetivessemarrancadoocoraçãodele.
-Eununcasoubequeosdaemonspodemsermortos-disseoutracriança.
Agoratodosestavamfalando;aexcitaçãoeoalíviodestravaraalínguade
todos.Nãotinhaimportânciaqueconversassem,contantoque
continuassemandando.
-Éverdadequeelesfazemaquiloládentro?–perguntouumamenina.
-É,sim-Lyraconfirmou.-Nuncapenseiqueumdiaiaverumapessoa
semumdaemon.Masnocaminhodaquiencontramosummeninosozinho,
semdaemon.Elenãoparavadeperguntarporele,ondeeleestava,seele
iaconseguirachá-lo.O
nomedeleeraTonyMakarios.
-Euconheço!-dissealguém.
-É,levarameleháumasemana...
-Bom,cortarametiraramodaemondele-Lyrarevelou,sabendoqueisto
osafetaria.
-Eelemorreulogodepois.Etodososdaemonsqueelescortameles
guardamemcaixasdevidronumacasinhaláatrás.
-Éverdade,eLyrasoltouelesduranteotreinamentodeincêndio-disse
Roger.
-É,euvi!-disseBillyCosta.-Primeiroeunãosabiaoqueeram,masvi
quandoforamemboravoandocomaqueleganso.
-Masporquefazemisso?-ummeninoquissaber.Porquetiramos
daemonsdaspessoas?Issoétortura!Porquefazemisso?
-PorcausadoPó?-sugeriualguém.
Masogarotoriucomzombaria.
-OPó!-ecoou.-Issonãoexiste!Elesinventaram!Eunãoacreditonesse
Pó.
-Ei,vejamoqueestáacontecendocomozepelim!-avisoualguém.Todos
olharamparatrás.Alémdasluzes,ondeocombateaindaprosseguia,o
enormecorpodaaeronavenãoestavamaisflutuandoserenamente,preso
aomastro;aextremidadeopostaestavaafundandoeatrásdelaerguia-se
umgloboquepareciaser...
-ObalãodeLeeScoresby!-Lyraexclamou,batendopalmas.
Asoutrascriançasestavamperplexas.Lyralevou-asparaafrente,
perguntando-secomooaeróstatatinhaconseguidotrazerseubalãotão
longe.Eraóbviooqueeleestavafazendo,eeraumaótimaidéia:encher
seubalãocomogásdobalãodeles,possibilitandoafugaaomesmotempo
emqueimpediaaperseguição!
Algumasdascriançasestavamtremendoegemendodefrio,eseus
daemonstambémchoravam.
-Vamos,nãoparemdeandar,senãovãocongelar-Lyradisse.
Pantalaimon,irritadocomoqueixumedosdaemons,transformou-senum
lobinhoerosnouparaodaemon-esquiloqueestavadeitadonoombrode
suahumanagemendobaixinho.
-Entredentrodocasacodela!Fiquemaioreaqueçaela!-ordenou.O
daemondamenina,assustado,obedeceuimediatamente.
Oproblemaeraquesedacarboniferanãoeraquentecomopêlosde
verdade,pormaisquefosseacolchoada.Algumascriançaspareciam
novelosambulantes,detãocheiasderoupas,maseramroupasfeitasem
fábricaselaboratóriosdistantesdofrio,enãoerameficazes.Osagasalhos
depelesqueLyrausavatinhamaparênciasujaecheiravammal,mas
conservavamocalor.
-Senãoencontrarmoslogoosgipcios,elesnãovãodurarmuito-ela
cochichouaPantalaimon.
-Entãonãodeixeninguémparar.Sealguémsedeitar,estáperdido.Sabeo
queFarderCoramdisse...
FarderCoramtinhacontadomuitashistóriasdesuasviagensaoNorte.
TambémaSra.Coulter-supondoqueashistóriasdelafossemverdadeiras.
Masambosforammuitoclarosnumponto:eraprecisocontinuarandando.
-Faltamuito?-perguntouummenininho.
-Elasóestáfazendoagenteandaratéaquiparanosmatar-disseuma
menina.
-Prefiroaquidoquelá-disseoutracriança.
-Eunão!NaEstaçãoéquentinho,temcomida,bebidaetudo.
-Masestápegandofogo!
-Queéquevamosfazeraquifora?Apostoquevamosmorrerdefome...A
cabeçadeLyraestavacheiadeperguntaslúgubresesvoaçandocomoas
bruxas,célereseinatingíveis,eemalgumlugar,logoalémdeondeela
conseguiaalcançar,haviaumaeuforiaeumaemoçãoqueelanão
compreendia.Masquelhedeuumaondadeenergia,eelapuxouuma
meninadedentrodeumtrechodenevesoltaeempurrouummeninoque
haviaparado,gritandoparatodos:
-Nãoparem!Sigamaspegadasdourso!Eleveiocomosgípcios,entãoo
rastrodelevainoslevaratéondeelesestão!Continuemandando!
Anevecomeçavaacairemgrandesflocos;logoiriaencobririnteiramente
aspegadasdeIorekByrnison.AgoraqueasluzesdeBolvangarestavam
foradevistaeoincêndioproduziaapenasumlevebrilhonocéu,aúnica
luzvinhadoreflexofracodochãocobertodeneve.Nuvensespessas
escondiamocéu,demodoquenãohavialuanemAuroraBoreal;mascom
atençãoascriançasconseguiamdistinguiraspegadasfundasdeIorek
Byrnisonnaneve.Lyraencorajava,intimidava,batia,carregava,xingava,
levantavaearrastavacriançasconformefossenecessário,ePantalaimon,
peloestadododaemondecadacriança,dizia-lheoqueeraprecisofazer
emcadacaso.
Elarepetiaconsigomesma,semcessar:vouconseguirsalvarascrianças;
vimatéaquiparaisto,evouconseguir,droga!
Rogerseguiaoexemplodela,eBillyCosta,queenxergavamelhorquea
maioria,guiavaogrupo.Logoanevascaeratãofortequeelestinhamque
seagarrarunsaosoutrosparanãoseperderem,eLyrapensou:talvez,se
todosnósdeitarmosbemjuntos...sefizermosburacosnaneve...
Elacomeçavaaouvircoisas:oroncodeummotor,nãooruídopesadode
umzepelimmasumsommaisalto,comoozumbidodeummarimbondo.O
ruídoiaevinha.
Euivos,uivosde...seriamcães?Cãesdetrenó?Estesomtambémvinhade
muitolonge,abafadopormilhõesdeflocosdeneveelevadoporpequenas
rajadasdevento.Podiaseroscãesdostrenósdosgípciosouosespíritos
selvagensqueviviamnatundra,ouatémesmoosdaemonslibertados
chorandoporsuascriançasperdidas.
Elaestavavendocoisas...Nãoexistiamluzesnaneve?
Deviamserfantasmastambém...anãoserquetivessemandadoemcírculo
eestivessemdevoltaaBolvangar.
Maseramfachosamardadosdepequenaslamparinas,enãoobrilho
brancodeluzesanbáricas.Eestavamsemovimentando,eosuivos
estavammaispróximos;semsaberseestavaacordadaoudormindo,Lyra
viu-serodeadadefigurasconhecidas,ehomensusandoagasalhosdepeles
estavamamparando-a:osbraçospoderososdeJohnFaaergueram-nado
chão,eFarderCoramestavarindodefelicidade;eatravésdaneveque
caíaelaviagípcioscolocandoascriançasnostrenós,cobrindo-ascom
mantasdepeles,dando-lhescarnedefocaparamascar.E
TonyCostaestavaali,abraçandoBillyváriasvezes.ERoger...
-Rogervemconosco-eladisseaFarderCoram.–Eraelequeeusempre
quissalvar.VamosvoltarparaaJordannofinal.
Masquebarulho...
Eraoutravezotalruídodemotor,comoumamosca-espiãenlouquecidae
dezmilvezesmaior.
Derepente,houveumgolpequeajogoulonge,ePantalaimonnãopôde
defendê-la,porqueomacacodourado...
ASra.Coulter...
OmacacodouradolutavacomPantalaimon,mordendo-oearranhando-o,e
Pantalaimonmudavadeformatãodepressaqueeradifícilenxergá-lo,e
nãoparavadeatacar:ferroava,arranhava,mordia.Enquantoisto,aSra.
Coulter,cujorostoemolduradopelaspeleseraumamáscarade
sentimentosintensos,arrastavaLyraparaumtrenómotorizado,eLyra
lutavatantoquantooseudaemon.Aneveeratãoespessaqueelas
pareciamestarisoladas,eosfaróisanbáricosdotrenómostravamapenas
osflocoscaindopesadamente.
-Socorro!-Lyragritouparaosgípciosquenadaconseguiamenxergar.Meajudem!FarderCoram!LordeFaa!Ah,Deus,socorro!
ASra.CoulterbradouumaordemnalínguadostártarosdoNorte.Eeles
surgiram,umpelotãoarmadoderifles,osdaemons-lobasrosnandoaolado
deles.O
chefeviuaSra.CoulterlutandoelevantouLyracomumadasmãoscomo
seelafosseumaboneca,jogando-adentrodotrenóondeelacaiu,fracae
tonta.Umrifledisparou,depoisoutro:osgípciostinhampercebidooque
estavaacontecendo.Maséperigosoatirarnumalvoquenãosepodever;
ostártaros,agoraformandoumgrupoemvoltadotrenó,podiamatirarà
vontade,masosgípciosnãoousavam,pormedodeatingirLyra.
Ah,queamarguraelasentia!Equecansaço!
Aindatonta,comacabeçazunindo,elaseergueueviuPantalaimonainda
lutandodesesperadamentecomomacaco,seusdentesdecarcajufincados
nosbraçosdourados,semmudardeforma,apenasresistindo.Equemera
aquele?
NãoeraRoger?
Sim,Roger,atacandoaSra.Coultercompunhosepés,batendoacabeça
contraadela,atéserderrubadoporumtártarocomosefosseumamosca.
Eratudofantasmagórico:branco,preto,umclarãoverde,sombras,luzes
disparadas...Derepente,umvultonegrotapouosflocosquecaíam:Iorek
Byrnison,comoruídodeferroroçandoemferro.Nomomentoseguinte,as
grandesmandíbulaseasgarrasafiadaspuseram-seemação...
Entãoalgumacoisapoderosalevantou-a,eelapuxouRogerconsigo,
arrancando-odasmãosdaSra.Coulter,osdaemonsdasduascriançasem
formadepássarosvoejandoassustadosenquantoumpássaromaiorvoava
emtornodeles,eentãoLyraviu,noaraseulado,umabruxa,uma
daquelasfigurasnegraseelegantesqueelaviranocéu,masagorabem
perto;ehaviaumarconasmãosnuasdabruxa,queestendeuosbraços
pálidosenus(naquelefrio!)pararetesaroarcoeenviarumaflechapara
dentrodafendadosolhosdoelmodeumtártaroaummetrodedistância...
Aflechaentroupelafendaesaiudooutrolado,eodaemon-lobado
soldadodesapareceuemplenosalto,antesdeseuhumanoatingirochão.
LyraeRogerforamentãoerguidosnoar,agarrados,comdedoscadavez
maisfracos,aumgalhodepinheironubígeno,ondeajovembruxaestava
sentada,tensaegraciosamenteequilibrada;elaentãoinclinou-separaa
esquerda,deondealgumacoisaenormesurgia,eentãoosolo.
ElescaíramnanevejuntoàcestadobalãodeLeeScoresby.
-Puleparadentroetragaoseuamigo-falouotexano.
-Viuaqueleurso?
Lyraviutrêsbruxassegurandoumacordapassadaemvoltadeuma
pedra,prendendoobalãoàterra.
-Entraaí!-elagritouparaRoger,apressando-seasubirpelabordada
cestaecairdoladodedentro.
LogoemseguidaRogercaiuporcimadela,eentãoumpoderososomentre
umrugidoeumrosnadosacudiuoprópriochão.
-Vamos,Iorek!Embarque,velhoamigo!-gritouLeeScoresby.
Eoursoentrounacesta,produzindoumterrívelruídodemadeiraforçada.
Entãoumarajadadearmaisleveafastouporuminstanteaneblinaea
neve,eLyraconseguiuvertudoqueestavaacontecendoemvoltadeles.
ViuumgrupodegípciossobocomandodeJohnFaaatacandoa
retaguardadostártaros,empurrando-osnadireçãodasruínasflamejantes
deBolvangar;viuosoutrosgípciosajudandocadacriançanostrenós,
cobrindo-ascommantas;viuFarderCoramolhandoemvolta
ansiosamente,apoiadoemsuabengala;seudaemonacastanhadosaltava
pelaneve,olhandoparaoslados.
-FarderCoram!Estouaqui!-Lyragritou.
Oanciãoescutouevoltou-separaolhar,espantado,paraobalãoque
forçavaacordaeasbruxastentandosegurá-lo,eLyraacenando
freneticamentededentrodacesta.
-Lyra!Vocêestábem,garota?Estábem?
-Melhorquenunca!-elagritoudevolta.-Adeus,FarderCoram!Adeus!
Leveascriançasparacasaemsegurança!
-Vamosfazerisso!Vádireitinho,filha...vádireitinho...vádireitinho,minha
querida...
Nestemomento,oaeróstatabaixouobraçocomosinal,easbruxas
soltaramacorda.
Obalãoergueu-seimediatamente,subindonoarcheiodenevenuma
velocidadequeLyramalpodiaacreditar.Depoisdeuminstante,osolo
desapareceunaneblina,eelessubiramcadavezmaisrápido;elaachava
quefoguetenenhumteriaconseguidosubirtãodepressa.Estavadeitada,
agarradaaRoger,nochãodacesta,empurradapelaaceleração.
LeeScoresbygracejava,riaesoltavaberrosselvagensdealegria;Iorek
Byrnisonretiravacalmamentesuaarmadura,enfiandoumagarranas
emendasparaabri-lasearrumandoaspeçasnumapilha.Oruídodoar
quepassavaatravésdefolhasdepinheironubígenodenunciavaqueas
bruxaslhesfaziamcompanhia.Aospoucos,Lyrarecuperouofôlego,o
equilíbrioeoritmodocoração.Elasentou-seeolhouemvolta.
Acestaeramuitomaiordoqueelaimaginara.Aolongodaborda,havia
fileirasdeinstrumentosfilosóficos,epilhasdemantasdepeles,garrafas
deareumavariedadedeoutrascoisaspequenasdemaisoucomplicadas
demaisparasedistinguiremnomeiodanévoaespessaqueelesestavam
atravessandonasubida.
-Istoénuvem?-elaquissaber.
-É.Enroleoseuamigonumasmantasantesqueelevireumbonecode
gelo.Estáfrio,aqui,evaificaraindamaisfrio.
-Comofoiquenosachou?
-Asbruxas.Háumabruxaquequerconversarcomvocê.Quando
passarmosdasnuvens,vamosvernossadireçãoeentãopodemossentar
parabaterumpapo.
-Iorek,obrigadaportervindo!-disseLyraaourso.
Oursogrunhiueacomodou-separalamberosanguedospêlos.Seupeso
faziaacestinhaficarinclinadaparaumlado,masistonãotinhaamenor
importância.Rogerestavaarisco,masIorekByrnisonnãolhedeumais
atençãodoquedariaaumflocodeneve.Lyracontentou-seemficardepé
agarradaàbordadacesta(quelhebatiaembaixodoqueixo),observando
anuvemcomolhosarregalados.
Poucossegundosdepois,obalãodeixouanuvemparabaixoe,ainda
subindorapidamente,ganhouoscéus.
Quevisão!
Diretamenteacimadeles,obalãoenorme;acimaeàfrentedelesflamejava
aAuroraBoreal,commaisbrilhoegrandiosidadedoqueelajamaistinha
visto.AAuroraestavaemtodaavolta,ouquase,eelespraticamente
faziampartedela.Grandesriscosincandescentesestremeciame
repartiam-secomoasasdeanjos;cascatasdegloriosaluminosidade
desciamdepenhascosinvisíveisparaformarlagosturbilhonantesou
tombarcomoenormescascatas.
DemodoqueLyraficoumaravilhada;entãoolhouparabaixo,eoqueviu
eraaindamaismaravilhoso.
Atéondeavistaalcançava,atéoprópriohorizonteemtodasasdireções,
estendia-seumonduladomardebrancura.Picossuaveseabismos
vaporososerguiam-seouabriam-seaquieali,masnotodoaquiloparecia
umamassadegelosólida.
Ehaviatambém,surgindodela,sozinhas,aosparesouemgruposmaiores,
pequenassombrasnegras,aquelasfigurasdetamanhaelegância-as
bruxasemseusgalhosdepinheironubígeno.
Voavamvelozes,semesforço,paracimaenadireçãodobalão,inclinandoseparaosladosparadirecionarovôo.Eumadelas,aarqueiraquetinha
salvoLyradaSra.Coulter,pôs-seavoarpertodacesta,eLyraviu-acom
clarezapelaprimeiravez.
Erajovem-maisjovemqueaSra.Coulter-eclara,deolhosverdese
brilhantes;usava,comotodasasbruxas,faixasdesedanegra,massem
casaco,capuzouluvas.Parecianãosentirfrio.Levavanatestaumacoroa
simplesdepequenasfloresvermelhas.Elacavalgavaseugalhodepinheiro
nubígenocomosefosseumgaranhãoepareciaestarcontendo-oaum
metrodeLyra.
-Lyra?
-Sim!EvocêéSerafinaPekkala?
-Sou.
LyraentendeuporqueFarderCoramaamavaeporqueaquiloestavalhe
despedaçandoocoração,emboraatéummomentoanteselanãosoubesse
essascoisas.Eleestavaficandovelho;eraumvelhoalquebrado,eela
ficariajovemdurantemuitasgerações.
-Estácomoleitordesímbolos?-perguntouabruxaemvoztãoparecida
comocantoselvagemdaprópriaAuroraBorealqueLyramalconseguia
entenderosentidoporcausadadoçuradosom.
-Estou,sim.Estánomeubolso,bemseguro.
Umforterufardeasasanunciouachegadadodaemon-gansocinzento,que
logoestavadeslizandoaoladodela.Eledissealgumacoisaeentãoafastouseparaplanarnumcírculolargoemvoltadobalão-queaindanãotinha
paradodesubir.
-OsgípciosdestruíramBolvangar-contouSerafinaPekkala.-Mataram22
guardasenovemembrosdaequipe,eincendiaramtudoqueainda
sobravadepé.Vãoarrasarcompletamenteolugar.
-EaSra.Coulter?
-Nenhumsinaldela.
Elasoltouumgritoestridente,eoutrasbruxasvoaramnadireçãodobalão.
-Sr.Scoresby,acorda,porfavor-elapediu.
-Madame,ficomuitoagradecido.Aindaestamossubindo.Achoqueainda
vamossubirporalgumtempo.Quantasvãoprecisarpuxarparanoslevar
paraonorte?
-Somosfortes-foiaúnicarespostadela.
LeeScoresbyestavaprendendoumacordaforteaoaneldeferrocoberto
decouroqueseguravaascordasqueprendiamobalão,edeondea
própriacestinhaestavasuspensa.Depoisdeprendê-lacomsegurança,ele
jogouaoutrapontaparaforaeimediatamenteseisbruxasvoaramatéela,
agarraramacordaepuseram-seapuxar,dirigindoseusgalhosde
pinheironubígenonorumodaEstrelaPolar.Quandoobalãocomeçoua
mover-senaqueladireção,Pantalaimonveioempoleirar-senabordada
cestacomoumaandorinha.
OdaemondeRogerassomouparaolhar,maslogovoltouparabaixo,pois
Rogerestavadormindoprofundamente,assimcomoIorekByrnison.SóLee
Scoresbyestavaacordado,mascandocalmamenteumcharutofinoe
observandoseusinstrumentos.
-Então,Lyra,sabeporqueestáindoembuscadeLordeAsriel?perguntouSerafinaPekkala.
Lyraficouatônita.
-Paralevaroaletômetroparaele,éclaro!-respondeu.
Nuncatinhapensadonaquilo,eraóbvio.Entãorecordouseuprimeiro
motivo,tãoantigoqueelaquaseseesqueceradele.
-Ou...Paraajudá-loafugir.Éisso.Vamosajudá-loasairdelá.Mas
enquantofalava,achavaistoabsurdo.FugirdeSvalbard!Impossível!
-Pelomenostentar-disse,corajosamente.-Porquê?
-Achoqueprecisolhecontarumascoisas-disseSerafinaPekkala.
-SobreoPó?-foiaprimeiracoisaqueLyraquissaber.
-Sim,entreoutrascoisas.Masagoravocêestácansadaevaiseruma
viagemlonga.Conversamosquandovocêacordar.
Lyrabocejou.Foiumbocejodecairoqueixoeexplodirospulmões,
durandoquaseumminuto,oupelomenosparecia,epormaisqueLyra
tentasse,nãoconseguiuresistiraoataquedosono.SerafinaPekkala
estendeuamãoporcimadabordadacestaetocounosolhosdela;Lyra
caiunochãoenquantoPantalaimonvoavaparabaixo,ondesetransformou
emarminhoeacomodou-seemseulugardedormir:juntoaopescoçodela.
Abruxacavalgavaseugalhonumavelocidaderegularaoladodacestinha,
eassimviajaramparaonorte,emdireçãoaSvalbard.
TERCEIRAPARTE
SVALBARD
18GELOENEBLINA
LeeScoresbyarrumoualgumasmantassobreLyra.Elaenrodilhou-se
juntoaRoger,eosdoisdormiramenquantoobalãoviajavarumoaoPólo.
Devezemquando,oaeróstataconferiaseusinstrumentos,mascavao
charutoqueelenãopodiaacendercomohidrogêniotãopertoeencolhiasemaisdentrodesuaspeles.
-Estagarotinhaébemimportante,nãoé?-perguntou,depoisdevários
minutos.
-Maisdoqueelasaberá-respondeuSerafinaPekkala.
-Querdizerquevamostermuitaperseguiçãoarmada?Entenda,estou
falandocomoumhomemprático,quetemqueganharavida.Nãoposso
medaraoluxodeserpresooumortosemalgumaespéciede
compensaçãocombinadadeantemão.Nãoestoutentandodenegriresta
expedição,podeacreditar,madame.MasJohnFaaeosgípciosmepagaram
umaquantiasuficienteparacobrirmeutempo,minhashabilidadeseo
desgastedobalão,eésó.Nãoincluíasegurocontraatosdeguerra.Epode
ficarsabendo,madame,quequandodesembarcarmosIorekByrnisonem
Svalbard,issovaiserumatodeguerra.
Elecuspiucomdelicadezaumpedacinhodocharutoparaforadacestinha.
-Demodoqueeugostariadesaberoqueesperaremmatériadetumultos
econfusões-concluiu.
-Podehaverluta-admitiuSerafinaPekkala.-Masosenhorjálutouantes.
-Claro,quandomepagam.Masocasoéquepenseiqueissoeraum
contratonormaldetransporte,efoiassimquecobrei.
Agora,depoisdaqueleentreveroláembaixo,estoupensandoatéondevai
aminhaobrigaçãodefornecertransporte.Sesouobrigadoaarriscar
minhavidaeomeuequipamentonumaguerraentreosursos,por
exemplo.OuseessagarotinhatememSvalbardinimigostãomalhumoradosquantoosládeBolvangar.Mencionoissoapenascomoum
assuntotrivialnumaconversa.
Abruxarespondeu:
-Sr.Scoresby,gostariadepoderrespondersuapergunta.Sópossodizeré
quetodosnós,humanos,bruxaseursos,jáestamosnumaguerra,embora
nemtodossaibamosdisso.EncontrandoperigoemSvalbardousaindode
lásemumarranhão,osenhorestárecrutado,éumsoldado.
-Bom,achoissomeioprecipitado.Achoqueapessoadeviaterdireitode
escolhersequerbrigarounão.
-Nissonãotemosmaisescolhadoqueemnascerounãonascer.
-Ah,masgostodeescolher-eleinsistiu.-Gostodeescolherostrabalhos
quefaço,oslugaresaquevou,acomidaquecomoeaspessoascomquem
mesentoparaconversar.Nãogostariadepoderescolherdevezem
quando?
SerafinaPekkalapensouumpouco,depoisdisse:
-Talvezapalavra"escolher"tenhasignificadosdiferentesparanósdois,
Sr.Scoresby.Asbruxasnadapossuem,demodoquenãoestamos
interessadasempreservarvaloresouterlucro,equantoaescolherentre
umacoisaeoutra,quandosevivepormuitascentenasdeanos,aprendesequetodaoportunidadevoltará.Nóstemosnecessidadesdiferentes.O
senhorprecisaconsertarseubalãoemantê-loemboascondições,eisso
tomatempoetrabalho,euentendo;massenósqueremosvoar,tudoque
precisamosfazerécortarumgalhodepinheironubígeno;qualquerum
serve,eaindarestammuitos.Nãosentimosfrio,demodoquenão
precisamosderoupasquentes.Nãotemosmoedadetrocaanãosera
ajudamútua;seumabruxaprecisadealgumacoisa,outrabruxalhedará.
Seháumaguerra,nãopensamosnocustocomoumdosfatorespara
decidirseécorretolutarnela,nemtemosqualquerconceitodehonra,
comoosursos,porexemplo.Paraumursouminsultoéumacoisamortal;
paranósésó...inconcebível.Comoéquesepodeinsultarumabruxa?E
queimportânciateriasealguémfizesseisso?
-Bom,atéaíeuvou.Sealguémmeatacafisicamente,eurevido,masse
alguémmexinga,nãoligoamínima.Mas,madame,estáentendendoomeu
dilema,euespero.Souumsimplesaeróstataegostariadeterminarminha
vidacomconforto.Comprarumafazendinha,algumascabeçasdegado,
unscavalos...Nadadegrandioso,asenhoraestápercebendo.Nadade
palácio,escravosoumontesdeouro.Sóoventodanoitenasárvoreseum
charuto,eumcopodebourbon.O
problemaéqueissocustadinheiro.Demodoquefaçomeusvôosemtroca
dedinheiro,e,depoisdecadatrabalho,eumandoalgumouroparao
BancoWellsFargo,e,quandotiverosuficiente,madame,vouvendereste
balãoecomprarumapassagemnumvaporparaPortGalveston,enunca
maissaiodochão.
-Háoutradiferençaentrenós,Sr.Scoresby.Umabruxapreferedesistirde
respirardoquedesistirdevoar.Voarésermosinteiramentenósmesmas.
-Estouentendendo,madame,etenhoinvejadasenhora;masnãotenhoas
suasfontesdesatisfação.Paramimvoarésóumtrabalho,eeusousóum
técnico.Podiamuitobemestarregulandoválvulasnummotoragásou
montandocircuitosanbáricos.Masescolhiisso,entende?Foiumaescolha
minha.Eéporissoqueachomeiochataessaidéiadeumaguerraque
ninguémtinhameinformado.
-AbrigadeIorekByrnisoncomoreitambémfazpartedetudoisso-disse
abruxa.-Estameninaestádestinadaaterumpapelnisso.
-Asenhorafaladedestinocomosefosseumacoisafixa,eeunãoseise
gostodissomaisdoquegostodeumaguerraemquemealistaramsemeu
saber.Ondeéqueestámeulivre-arbítrio,quermedizer?-ele
argumentou.-Eestacriançaparecequetemmaislivre-arbítriodoque
qualquerpessoaquejáconheci.Está
querendomedizerqueelaéumaespéciedebrinquedodecordafazendo
umpapelqueelapróprianãopodemudar?
-Todosnóssomossujeitosaosfatos,mastodostemosquefingirquenão
somos,paranãomorrermosdedesespero-disseabruxa.-Existeuma
profeciacuriosasobreestamenina:elaestádestinadaaprovocarofimdo
destino.Mastemquefazerissosemsaberoqueestáfazendo,comose
fosseporsuapróprianaturezaenãoporforçadoseudestino.Sesoubero
quetemquefazer,tudofracassará;amortevaivarrertodososmundose
seráotriunfododesespero,parasempre.Osuniversosvãosetornar
apenasmáquinasinterligadas,cegasevaziasdepensamentos,de
sentimentos,devida...
OsdoisolharamparaLyra,cujorostoadormecido(opoucoque
conseguiamenxergardentrodocapuz)mostravaumaexpressão
obstinada.
-Achoquepartedelasabedisso-comentouoaeróstata.
-Dequalquermaneira,elaparecepreparada.Eogaroto?Sabequeela
veioatéaquiparasalvarogarotodaquelesbandidos?Eramamiguinhos
emOxfordoucoisaassim.Sabiadisso?
-Sabia.Lyraestácarregandoumacoisadeimensovalor,eparecequeos
fadosestãousandoameninacomomensageiraparaelalevaresseobjeto
aopai.Demodoqueelaveioatéaquiparaencontraroamigo,semsaber
queoamigofoitrazidoparaoNortepelosfadosparaqueelapudessevir
atrásetrazerumacoisaparaseupai.
-Éassimqueasenhoravêascoisas,é?
Pelaprimeiravez,abruxapareciainsegura.
-Éoqueparece...masnãopodemosleraescuridão,Sr.Scoresby.Émais
quepossívelqueeuestejaerrada.
-Equefoiquebotouasenhoranisso,seéquepossoperguntar?
-OquequerqueelesestivessemfazendoemBolvangar,nossoscorações
nosdiziamqueeraerrado.Lyraéinimigadeles,entãosomosamigosdela.
Nãoconseguimosenxergarmaisqueisso.Etambémaamizadedomeuclã
pelopovogípcio,desdequandoFarderCoramsalvouminhavida.Estamos
fazendoissoapedidodeles.EelestêmlaçosdeobrigaçãoparacomLorde
Asriel.
-Entendo.EntãovãorebocarobalãoatéSvalbardporamizadeaosgípcios;
essaamizadevaifazervocêsnoslevaremdevolta?Ouvouterqueesperar
umventobomeenquantoissodependerdaindulgênciadosursos?Mais
umavez,madame,querodizerqueestouperguntandosóparapassaro
tempo.
-SepudermosajudarosenhoravoltarparaTrollesund,Sr.Scoresby,
faremosisso.MasnãosabemosoquevamosencontraremSvalbard.O
novoreidosursosfezmuitasmudanças;osvelhoshábitoscaíramem
desgraça;podeserumaaterrissagemdifícil.EnãoseicomoLyravai
conseguirchegaraopai.NemseioqueIorekByrnisonpretendefazer,a
nãoserqueodestinodeleestáligadoaodela.
-Tambémnãosei,madame.Achoqueeleseligouàgarotinhacomouma
espéciedeprotetor.Elaajudouapegardevoltaaarmaduradele,entende?
Quemé
quesabeoqueosursossentem?Masseumursoalgumdiaamouumser
humano,eleamaessamenina.QuantoapousaremSvalbard,issonuncafoi
fácil.Masseeupudercontarcomvocêsparaumpuxãozinhonadireção
certa,voumesentirmaistranqüilo;esepuderretribuirdealgummodo,é
sódizer.Mas,sóporcuriosidade,podemedizerdequeladoeuestounesta
guerrainvisível?
-NósdoisestamosdoladodeLyra.
-Ah,quantoaissonãohádúvida.
Aviagemprosseguia.Asnuvensimpediamquesesoubesseavelocidade
emqueiam.Normalmenteobalãoficavaimóvelemrelaçãoaovento,
movendo-senavelocidadecomqueoarsemovia;masagora,puxadopelas
bruxas,obalãomoviaseatravésdoar,enãocomele,eresistiaao
movimento,poissuaformaredondanãotinhaaaerodinâmicadeum
zepelim.Comoresultado,acestinhabalançavadeumladoparaoutro,
muitomaisdoquenumvôonormal.
LeeScoresbynãoestavapreocupadocomseuconforto,esimcomseus
instrumentos,epassoualgumtempocertificando-sedequeelesestavam
bempresos.Segundooaltímetro,estavamaquasedezmilpésdealtura.A
temperaturaerade20grausnegativos.Elejápegaramaisfrioqueisso,
masnãomuito,enãoqueriasentirmaisfrioagora;demodoque
desenroloualonaqueusavacomobarracadeemergênciaeestendeu-a
diantedascriançasadormecidasparadesviarovento,antesdesedeitar
comascostasapoiadasnascostasdeseuvelhocompanheirodebatalha,
IorekByrnison,eadormecer.
QuandoLyraacordou,aluaestavaaltanocéu,etudoemvoltacobertode
prata,desdeasuperfíciedasnuvensláembaixoatéospingentesdegelo
nascordasdobalão.
Rogerdormia,assimcomoLeeScoresbyeourso.Aoladodacesta,porém,
abruxa-rainhavoavaserenamente.
-QuantotempofaltaparaSvalbard?-Lyraperguntou.
-Senãoencontrarmosvento,estaremosacimadeSvalbarddaquiaumas
12
horas.
-Ondeéquevamospousar?
-Dependedascondiçõesdotempo.Vamostentarevitarosrochedos.Lá
vivemcriaturasqueatacamqualquercoisaquesemove.Sepudermos,
vamosdeixarvocêsnointerior,longedopaláciodeIofurRaknison.
-QueéquevaiacontecerquandoeuencontrarLordeAsriel?Elevai
querervoltarparaOxford?Tambémnãoseisedevocontaraelequeeu
seiqueeleéomeupai.Elepodequererfingirqueaindaémeutio.Nem
conheçoeledireito.
-ElenãovaiquerervoltarparaOxford,Lyra.Parecequeháumacoisaa
serfeitaemoutromundo,eLordeAsrieléoúnicoqueconsegue
atravessaroabismoentreessemundoeonosso.Maseleprecisadaajuda
deumacoisa.
-Oaletômetro!-Lyraexclamou.-QuandooReitordaJordanmedeuo
aletômetro,acheiqueelequeriadizeralgumacoisasobreLordeAsriel,
masnãotevechance.EusabiaqueelenãoqueriaenvenenarLordeAsriel
deverdade.Elevaileroaletômetroparavercomofazeraponte?Aposto
queeupodiaajudar.Comcerteza,agoraconsigolerossímbolostãobem
quantoqualquerpessoa.
-Nãosei-disseSerafinaPekkala.-Nãosabemoscomoelevaifazerisso,e
qualseráatarefadele.Hápoderesquefalamconoscoepoderesacima
deles;ehá
segredosatéparaosmaiselevados.
-Oaletômetromediria!Eupodialeragora...
Masestavafriodemais;elanãoconseguiriasegurá-lo.Enrolou-senaspeles
epuxoubemocapuzcontraoventofrio,deixandoapenasumafendapara
enxergar.Bemàfrenteeumpoucoabaixodeles,acordacompridapresa
aoaneldobalãoerapuxadaporseisousetebruxassentadasemseus
galhosdepinheironubígeno.Asestrelastinhamobrilhofriodos
diamantes.
-Nãoestácomfrio,SerafinaPekkala?
-Nóssentimosfrio,masnãoligamosparaele,porquenãopodemosficar
doentes.Esenosagasalharmoscontraofrionãosentiremosoutrascoisas,
comoasensaçãodobrilhodasestrelas,ouamúsicadaAuroraBoreal,ou,
melhorquetudo,asensaçãosedosadoluaremnossapele.Valeapena
sentirfrio.
-Euconseguiriateressassensações?
-Não.Vocêmorreriasetirasseosagasalhos.Fiquebemagasalhada.
-Quantotempovivemasbruxas,SerafinaPekkala?FarderCoramdizque
sãocentenasdeanos.Masvocênãoparecevelha.
-Tenhomaisde300anos.Nossabruxa-mãemaisidosatemquasemil
anos.UmdiaYambe-Akkavirábuscá-la.Umdiaelavirámebuscar
também.Éadeusadosmortos.Elavemsorrindo,commuitabondade,ea
genteficasabendoqueestá
nahorademorrer.
-Existembruxostambém,ousóbruxas?
-Existemhomensquenosservem,comooCônsulemTrollesund.Eexistem
homensquetomamoscomoamantesoumaridos.Vocêémuitonovinha,
Lyra,jovemdemaisparaentender,masvoulhedizerdequalquermaneira
emaistardevocêvaicompreender:oshomenspassamdiantedenossos
olhoscomoborboletas,criaturasquesóduramumaestação.Nósos
amamos;elessãocorajosos,orgulhosos,belos,inteligentes;emorrem
quasederepente.Elesmorremtãodepressaquenossocoraçãofica
constantementecheiodedor.Damosàluzosfilhosdeles,queserãobruxas
seforemmulheres,ehumanos,seforemhomens;eentão,numpiscarde
olhos,elesjápartiram,caíram,morreram,perderam-se.Nossosfilhos
também.Quandoummeninoestácrescendo,eleachaqueéimortal.Amãe
delesabequeelenãoé.Cadavezficamaisdoloroso,atéquefinalmentea
genteficacomocoraçãopartido.TalvezsejaentãoqueYambe-Akkavem
nosbuscar.Elaémaisantigaqueatundra.Talvezparaelaavidadeuma
bruxasejatãocurtaquantoadoshomenséparanós.
-AsenhoraamavaFarderCoram?
-Sim.Elesabedisso?
-Nãosei,masseiqueeleamaasenhora.
-Quandoelemesalvou,erajovem,forte,cheiodeorgulhoebeleza.Eume
apaixoneiimediatamente.Euteriamudadominhanatureza,teria
renunciadoà
sensaçãodasestrelaseàmúsicadaAurora;nuncamaisteriavoado.Eu
teriarenunciadoatudonuminstante,semhesitar,paraserumaesposa
gípciaemorarnumbarco,cozinharparaele,compartilharseuleitoeter
seusfilhos.Masnãosepodemudaroqueagenteé,sóoqueagentefaz.
Eusouumabruxa;eleéhumano.Fiqueicomeleotemposuficientepara
terumfilhodele...
-Elenuncamedisseisso!Éumamenina?Umabruxa?
-Não.Ummenino,eelemorreunagrandeepidemiade40anosatrás,a
doençaqueveiodoOriente.Pobrecriança,eleentrouesaiudestavida
comoumafaísca.Eissodilaceroumeucoração,comosempreacontece.Eo
deCoramtambém.Eentãoveioochamadoparaqueeuvoltasseparao
meuprópriopovo,porqueYambe-Akkatinhalevadominhamãe,portanto,
eueraarainhadoclã.Entãoparti,comoerameudever.
-NuncamaisviuFarderCoram?
-Nuncamais.Ouvifalardasfaçanhasdele;soubequefoiferidopelos
escraelinguescomumaflechaenvenenadaemandeiervaseencantospara
ajudaracura,masnãoestavasuficientementeforteparairvisitá-lo.Soube
quedepoisdissoeleficoumuitoalquebrado,esuasabedoriacresceu,ele
leueestudoumuito.Fiqueimuitoorgulhosadele,masmemantive
afastada,poiseraumaépocadeperigosparaomeuclã,comameaçasde
guerraentreasbruxas,ealémdissoacheiqueeleiriameesquecere
arranjarumaesposahumana...
-Elenuncafariaisso-Lyraretrucou.-Asenhoradeviairatéele.Eleainda
amaasenhora,euseidisso.
-Maseleficariaenvergonhadopelasuaidade,eeunãoqueroqueelese
sintaassim.
-Talvezsejaverdade.Masdeviapelomenosmandarumrecado.Éoque
euacho.
SerafinaPekkalaficoulongotemposemdizercoisaalguma.
Pantalaimontransformou-senumaandorinhaevoouatéogalhodelapor
umsegundo,reconhecendoquetalvezelestivessemsidoinsolentes.Lyra
perguntouentão:
-Porqueaspessoastêmdaemons,SerafinaPekkala?
-Todomundoperguntaisso,eninguémsabearesposta.Desdequeos
sereshumanosexistem,osdaemonsexistemtambém.Éoquenostorna
diferentesdosanimais.
-É!Somosmesmodiferentesdeles...Comoosursos.Elessãoestranhos,
nãosão?Parecemumapessoa,ederepentefazemumacoisatãoestranha
outãoselvagemqueagenteachaquenuncavaiconseguirentenderum
urso...MassabeoqueIorekmedisse?Eledissequeaarmaduradeleera
paraeleoqueumdaemonéparaumapessoa.Eledissequeéaalmadele.
Masnissotambémsomosdiferentes,porqueelemesmofezasua
armadura.Tiraramaprimeiraarmaduradelequandoelefoiparaoexílio,
eleencontrouumpoucodeferro-celesteefezumanova.Écomofazeruma
almanova.Nósnãopodemosfazernossosdaemons.Entãoaspessoasem
Trollesundfizerameleficarbêbadoeroubaramaarmadura,eudescobri
ondeestava,eelepegoudevolta...Maseuqueriasaberporqueeleestá
voltandoparaSvalbard.Vãoatacarele.Podematématar...Euadoroo
Iorek.Gostotantodelequequeriaqueelenãotivessevindo.
-Elelhecontouquemé?
-Sómecontouonome.EissofoioCônsulemTrollesundquemnoscontou.
-Eleénobre.Éumpríncipe.Aliás,eleseriaagoraoreidosursossenão
tivessecometidoumgrandecrime.
-ElemedissequeoreisechamaIofurRaknison.
-IofurRaknisontornou-sereiquandoIorekByrnisonfoiexilado.Éclaro
queIofurtambéméumpríncipe,senãonãopoderiagovernar.Maseletem
aespertezadoshumanos;fazaliançasetratados.Elenãovivecomoos
ursosemfortalezasdegelo,masnumpaláciorecém-construído;falaem
trocarembaixadorescomnaçõeshumanaseexplorarasminasdefogo
comajudadeengenheiroshumanos...Eleé
muitohabilidosoesutil.DizemalgunsqueelelevouIorekaoatoqueo
condenouaoexílio,eoutrosdizemque,mesmoqueissonãosejaverdade,
eleencorajaquepensemqueé,poisissoaumentasuareputaçãode
espertezaesutileza.
-Afinal,quefoiqueIorekfez?Sabe,umadasrazõesdeamarIorekéomeu
pai,tendofeitooquefez,sercastigado.Achoqueosdoissãoparecidos.
Iorekmecontouquematououtrourso,masnuncadissecomofoi.
-Alutafoiporumaursa.OmachoqueIorekmatounãoqueriamostraros
sinaisderendição,mesmoestandoclaroqueIorekeraomaisforte.Apesar
detodooseuorgulho,osursosnuncadeixamdereconhecera
superioridadedeoutroursoerender-seaela,mas,porummotivo
qualquer,esseursonãofezisso.TemgentequedizqueIofurRaknison
influenciouamentedele,ouentãolhedeuervasembriagantesparacomer.
Dequalquermaneira,oursojoveminsistiu,eIorekByrnisonpermitiuque
seutemperamentoodominasse.Ocasonãofoidifícildejulgar,poisele
podiaferir,masnãomatar.
-Querdizerquesenãofosseissoeleseriaorei...–disseLyra.-Euouvio
professordepalmerianonaJordanfalaralgumacoisasobreIofur
Raknison,porqueeletinhaestadonoNorteeconhecidoele.Elefalou...Eu
queriatantomelembrar...Achoqueeletomouopoderatravésdeum
truque,oucoisaassim...Mas,sabe,Iorekmedisseumavezquenãose
consegueenganarumursoememostrouqueeunãoconseguiaenganar
ele.Parecequeosdoisforamenganados,eleeooutrourso.Talvezsóos
ursosconsigamenganaroutrourso,talvezaspessoasnãoconsigam.Anão
ser...AquelagenteemTrollesund,aquelaspessoasenganaramele,nãofoi?
Quandodeixaramelebêbadoeroubaramaarmadura?
-Quandoosursosagemcomogente,talvezpossamserenganados-disse
SerafinaPekkala.-Quandoosursosagemcomoursos,talveznãopossam.
Normalmenteumursonãobeberiaálcool;IorekByrnisonbebeupara
esqueceravergonhadoexílio,efoisóissoquepermitiuqueaspessoasem
Trollesundoenganassem.
-É,sim-Lyraconcordou.Achavaqueeraissomesmo.AdmiravaIorek
quaseilimitadamenteeficoufelizcomaconfirmaçãodanobrezadele.-A
senhorafoimuitointeligente.Eujamaissaberiadissoseasenhoranão
tivessemecontado.AchoquedevesermaisinteligentedoqueaSra.
Coulter.
Aviagemcontinuava.Lyramascouumpoucodecarnedefocaque
encontrounobolso.Depoisdealgumtempo,perguntou:
-SerafinaPekkala,oqueéoPó?Porqueachoquetodaessaconfusãoépor
causadoPó,sóqueninguémmedizoqueéisso.
-Eunãosei-afirmouSerafinaPekkala.-Asbruxasnuncasepreocuparam
comoPó.Sópossolhedizerqueondehápadres,hámedodoPó.ASra.
Coulternãoéumpadre,naturalmente,maséumapoderosaagentedo
MagisteriumefoielaquemcriouoConselhodeOblaçãoeconvenceua
IgrejaafinanciarBolvangar,porcausadointeressedelanoPó.Não
conseguimosentenderossentimentosdela.Mashámuitascoisasque
nuncaconseguimosentender.Vemosostártarosfazendoburacosno
crânioeficamoscuriosas,achamosestranho.EntãoessePódeveseruma
coisaestranha.Ficamoscuriosas,masnãonospreocupamosnemcortamos
coisasparadescobriroqueé.DeixamosissoparaaIgreja.
-AIgreja?-fezLyra.
Umacoisatinhalhevoltado:alembrançadeconversarcomPantalaimon,
nosPântanos,sobreoquepodiaestarmovendooponteirodoaletômetro,e
elestinhampensadonaventoinhamovidaaluznoaltarprincipalda
FaculdadeGabriel,ecomoaspartículaselementaresempurravamas
pequenashélices.OIntercessortinhasidobemclarosobrealigaçãoentre
aspartículaselementareseareligião.
-Podeser...Afinal,amaioriadascoisasdaIgrejaésegredo-disse.-Masa
maioriadascoisasdaIgrejaévelha,eoPónãoévelho,peloquesei.Será
queLordeAsrielvaipodermecontar...?Tornouabocejar.-Achomelhor
medeitar,senãovoucongelar-disseaSerafinaPekkala.-Sentibastante
friolánochão,masnuncatantofrioassim.Achoquecomumpoucomais
eumorreria.
-Entãodeite-seeseenrolenasmantas.
-É,voufazerisso.Seeutivessequemorrer,iapreferirmorreraquiem
cimadoqueláembaixo.Quandonosbotaramdebaixodaquelacoisade
cortar,acheiqueestavanahora...Nósdoisachamos...Ah,aquilofoimuito
cruel.Masagoravamosdormir.Noschamequandochegarmos-pediu.E
deitou-senapilhademantas,desajeitadaedoloridaemtodasaspartesdo
corpocomaintensidadeprofundadofrio,omaispertoquepôdedo
adormecidoRoger.
Eassimosquatroviajantesseguiramcaminho,dormindonobalão
encrustradodegelo,rumoàsrochasegeleiras,asminasdefogoeas
fortalezasdegelodeSvalbard.
SerafinaPekkalachamouoaeróstata,queacordoudeimediato,dormente
defrio,mascônscio,pelomovimentodacesta,dequealgumacoisaestava
errada:elabalançavaintensamente,sacudidapelosventosfortesque
açoitavamobalãodegás,easbruxasquepuxavamacordamal
conseguiamcontê-lo.Sesoltassemacorda,obalãoseriaarrastado,ea
julgarpelabússolaeleserialevadonadireçãodeNovaZembla,aquase
150quilômetrosporhora.
-Ondeéquenósestamos?-elegritou.
Lyraouviuapergunta.Estavasemidesperta,temerosaporcausado
movimento,ecomtantofrioqueseucorpointeiroestavadormente.Não
conseguiuescutararespostadabruxa,maspelafendanocapuzelaviu,à
luzdeumalanternaanbárica,LeeScoresbyagarrar-seaumcaboepuxar
umacordaquesubiaeentravadentrodoprópriobalão.Eledeuumpuxão
forteelevantouoolharparaaescuridão,antesdeenrolaracordanuma
ranhuradoaneldesuspensão.
-Estoutirandoumpoucodogás-elegritouparaSerafinaPekkala.-Vamos
descer.Estamosaltodemais!
Abruxagritoualgumacoisaemresposta,masLyranovamentenão
escutou.Rogertambémestavadespertando;osestalosdacestaeram
suficientesparaacordarqualquerum-istosemfalarnossolavancos.O
daemondeRogerePantalaimonestavamagarradosumaooutroemforma
desagüi,eLyraconcentrouseemficardeitada,imóvel,controlandoo
medo.
-Tudobem-disseRoger,parecendomuitomaisanimadoqueela.-Assim
queagentedescervamosfazerumafogueiraparanosaquecer.Tenhouns
fósforosnobolso.RoubeidacozinhaemBolvangar.
Obalãoestavamesmodescendo,poisumsegundodepoiselesforam
envolvidosporumanuvemespessaecongelante;derepentetudoficou
escuro.EracomoanévoamaisfortequeLyrajáhaviavisto.Depoisdeum
instante,ouviu-seoutrogritodeSerafinaPekkala,eoaeróstatadesenrolou
acordaesoltou-a.Acordasubiurapidamente,emesmocomtodoo
barulhodacestaedoventoLyraouviu,ousentiu,umfortesomvindode
algumlugaracimadela.
LeeScoresbyviu-aarregalarosolhos.
-Éaválvuladogás-elegritou.-Funcionacomumamolaeprendeogáslá
dentro.Quandoeupuxoparabaixo,ogásescapaporcima,eagentedesce.
-Jáestamos...
Elanãoterminou,poisumacoisahorrívelaconteceu:umacriaturacom
metadedotamanhodeumhomemecomasasdecouroegarrasrecurvas
estavarastejandopelalateraldacestinhanadireçãodeLeeScoresby.A
coisatinhaacabeçachata,olhosesbugalhadoseumaenormebocade
sapo,deondesaíamlufadasdeumfedorinsuportável.Lyranãoteve
temposequerdegritarantesqueIorekByrnisonlevantasseapatae
jogasselongeacoisa,quecaiuparaforadacestaedesapareceucomum
guincho.
-Avantesma-dos-penhascos-fezIorekByrnisonlaconicamente.
Nomomentoseguinte,SerafinaPekkalaapareceue,agarradaàlateralda
cesta,falouemtomurgente:
-Osavantesmas-dos-penhascosestãonosatacando.Vamospousarobalão,
eentãovamosterquenosdefender.Elesestão...
MasLyranãoouviuorestodoquefoidito,porquehouveumsomdecoisa
rasgada.etudoviroudelado.Entãoumgolpeterrívelarremessouostrês
humanoscontraalateraldobalãoondeaarmaduradeIorekByrnison
estavaempilhada.Iorekestendeuapataparasegurá-los,porcausados
solavancosdacesta.SerafinaPekkaladesaparecera.Obarulhoera
assustador:acimadequalqueroutrosom,vinhamosguinchosdos
avantesmas-dos-penhascos,eLyravia-ospassaresentiaseucheiro
terrível.
Entãoocorreuoutrosolavanco,tãorepentinoquejogoutodosnochão
outravez,eacestacomeçouacaircomumavelocidadeapavorante,
girandotodootempo.Pareciaquetinhamsesoltadodobalãoeestavam
emquedalivre;entãoaconteceuoutrasériedesolavancosebatidas,a
cestasendojogadarapidamentedeumladoparaoutrocomoseestivesse
rebatendoentreparedesdepedra.AúltimacoisaqueLyraviufoiLee
Scoresbyatirandocomsuapistoladecanolongodiretamentenacarade
umavantesma-dos-penhascos;elaentãofechouosolhoscomforçae
agarrou-seaopêlodeIorekByrnisoncomgrandemedo.Uivos,guinchos,o
açoiteeoassobiodovento,osestalosdacestaparecendoumanimal
torturado,tudoissoenchiaoarcomumterrívelbarulho.
Entãoaconteceuomaiorsolavancodetodos,queajogouparaforada
cesta.Todooardeseuspulmõesfoiexpulsoquandoelaaterrissoutão
embaladaquenãosabiaondeeraemcimaeondeeraembaixo;eseu
rosto,dentrodocapuzbempuxado,estavacheiodepó:cristaissecose
frios...
Eraneve;elahaviacaídonumafaixadenevesolta.Estavatãoatordoada
quemalconseguiapensar.Ficouimóvelporalgunssegundosantesde
cuspiranevedabocanumgestosemenergia,eentão,comamesmafalta
deenergia,soprouaté
formarumpequenoespaçopararespirar.
Nadapareciaestardoendoexcepcionalmente;elasesentiaapenassem
fôlego.Cautelosamentetentoumexermãos,pés,braços,pernas,eerguera
cabeça.Conseguiaenxergarmuitopouco,poisseucapuzaindaestava
cheiodeneve.Comesforço,comosesuasmãospesassemumatonelada
cadauma,elalimpouaneveeolhouparafora.Viuummundocinzentocinzentosclaros,cinzentosescurosepretos-,ondelufadasdenévoa
vagavamcomofantasmas.
Osúnicossonseramosguinchosdistantesdosavantesmas-dos-penhascos
bemacima,eofragordeondasbatendoemrochedosacertadistância.
-Iorek!-elagritoucomvozfracaetrêmula,etentounovamente,mas
ninguémrespondeu.-Roger!-chamou,comomesmoresultado.
Pareciaqueestavasozinhanomundo,masistonaturalmenteelanunca
estava,ePantalaimonesgueirou-separaforadoagasalhodelacomoum
ratoparalhefazercompanhia.
-Verifiqueioaletômetro,eeleestáinteiro-eladisse.
-Estamosperdidos,Pan!-elaexclamou.-Viuaquelesavantesmasdospenhascos?EoSr.Scoresbyatirandoneles?Deusnosajudeseeles
desceremaqui...
-Émelhortentarmosencontraracesta,talvez-disseele.
-Émelhornãogritarmos-elaacrescentou.-Fizistohápouco,masé
melhornão,paraelesnãoouvirem.Queriasaberondeestamos.
-Podemosnãogostardesaber-eleobservou.-Podemosestarnofundode
umabismosemcaminhoparacima,ecomosavantesmas-dos-penhascoslá
noaltoparanoscaçaremquandoanévoadissipar.
Elatateouemvolta,depoisdedescansarporváriosminutosmais,e
descobriuqueaterrissaranumafendaentredoisrochedoscobertosde
gelo.Anévoacongelanteencobriatudo;deumladohaviaofragordas
ondasauns50
metros,julgandopelosom,edecimaaindavinhamosguinchosdos
avantesmasdos-penhascos,emboraparecessemestardiminuindoum
pouco.Elanãoenxergavamaisdoquedoisoutrêsmetros,eatémesmoos
olhosdecorujadePantalaimoneraminúteis.
Trabalhosamente,escorregandoedeslizandopelaspedrasásperas,ela
afastou-sedasondasesubiuumpoucoapraia,encontrandoapenas
rochaseneve,enenhumsinaldobalãooudealgumdeseusocupantes.
-Nãopodemterdesaparecidotodos-elasussurrou.
Pantalaimon,emformadegato,andavaumpoucoàfrentedela,e
encontrouquatrosacosdeareiarebentados,oconteúdoespalhadoejá
congelando.
-Lastro-Lyrainformou.-Eledeveterjogadoforaparapodersubir
novamente...
Elaengoliuemsecoparalimparonónagarganta,ouomedoemseupeito,
ouambos.
-Ah,meuDeus,estouapavorada-confessou.–Esperoquetodosestejam
bem.
Eleentãoveioparaosbraçosdelaeemformaderatoesgueirou-separa
dentrodoseucapuz,ondeficariaescondido.
Elaouviuumruído,algumacoisaarranhandoapedra,evirou-separaver
oqueera.
-Ior...!
Masnãochegouadizerapalavrainteira,poisnãosetratavadeIorek
Byrnison.Eraumursodesconhecido,usandoumaarmadurapolidae
cobertadeorvalhocongelado,comumaplumanoelmo.
Eleficouimóvelaunsdoismetrosdedistância,eelapensouqueestava
realmenteperdida.
Oursoabriuabocaerugiu.Dosrochedosveioumecoquefezaumentaro
ruídodosguinchosnocéu.Outroursosurgiudanévoa,emaisoutro.Lyra
ficouimóvel,apertandoseuspequenospunhoshumanos.
Osursosnãosemoveramatéoprimeirodelesfalar:
-Seunome?
-Lyra.
-Deondevocêvem?
-Docéu.
-Numbalão?
-Sim.
-Venhaconosco.Vocêénossaprisioneira.Agoramexa-se.Depressa.
Exaustaeapavorada,Lyrapôs-seacaminhar,aostropeções,pelaspedras
ásperaseescorregadias,seguindooursoeseperguntandoseasua
espertezaconseguirialivrá-ladaquelasituação.
19OCATIVEIRO
OsursoslevaramLyraporumatrilhaquesubiaatéotopodopenhasco,
ondeaneblinaeraaindamaisespessadoquenapraia.Osguinchosdos
avantesmasdos-penhascoseofragordasondasficavammaisfracosà
medidaqueelasubia,efinalmenteoúnicosomeraoincessantepiardos
pássarosmarítimos.Subiramemsilêncio,vencendorochedosegeleiras,e
emboraLyranãocessassedeexaminar,deolhosarregalados,aneblina
cinzaqueosenvolvia,eforçasseosouvidostentandoescutaroruídoda
chegadadeseusamigos,elapareciaseroúnicoserhumanoemSvalbard,
eIorekpoderiamuitobemestarmorto.
Ourso-sargentonãofaloucomelaatéatingiremterrenoplano.Alifizeram
alto.Pelosomdasondas,Lyracalculouquetinhamchegadoaotopodo
penhascoenãoousousaircorrendoparanãocairnoprecipício.
-Olheparacima-disseourso,nomomentoemqueumabrisaafastavaa
pesadacortinadenévoa.
Dequalquermaneira,aluzdodiaerapouca,masLyraolhouassim
mesmo,eseviudiantedeumaenormeconstruçãodepedra.Eratãoalta
quantoapartemaisaltadaFaculdadeJordan,porémmuitomaiscompacta,
etodaentalhadacomcenasdebatalhasmostrandoosursosvitoriososeos
escraelinguesrendendo-se,tártarosacorrentadostrabalhandocomo
escravosnasminasdefogo,zepelinschegandodetodasaspartesdo
mundotrazendopresentesetributosaoreidosursos,IofurRaknison.
Pelomenosfoioqueourso-sargentodissequeosentalhes
representavam;elapróprianãoconseguiaveressascoisas,poiscada
protuberânciaereentrânciadafachadaornamentadaestavaocupadapor
mergulhõesegaivotasrapineirasquepiavam,gritavamevoejavam
constantementeemcírculos,ecujasfezestinhamcobertotodooprédio
comespessasmanchasdeumbrancosujo.
Osursospareciamnãoverasujeira;fizeram-naatravessaroenormearco,
pisandonochãocongelado,imundocomasfezesdospássaros.Haviaum
pátio,escadariaseváriosportões,eemcadaumdeleshaviaursosde
armaduraqueexigiamasenhaparalhesdarpassagem.Suasarmaduras
eramclarasebrilhantes,etodosusavamplumasnoselmos.Lyranão
conseguiadeixardecompararcadaursoqueviacomIorekByrnison,eele
sempresesaíamelhor;eramaisforte,maisgracioso,esuaarmaduraera
deverdade,comcordeferrugem,manchasdesangueemarcasdeluta,e
nãoumaarmaduraelegante,polidaedecorativacomoamaioriadasque
elaviaagora.
Amedidaquepenetravamnoprédio,atemperaturaaumentava,eoutra
coisatambémaumentava:ocheironopaláciodeIofurerainsuportávelgorduradefocarançosa,sangue,dejetosdetodotipo.Lyrabaixouocapuz
parasentirmenoscalor,masnãoconseguiudeixardefranzironariz;
esperavaqueosursosnãoentendessemasexpressõesdorostohumano.A
cadapoucosmetros,haviaalçasdeferroprendendolamparinasagordura
depeixe,enaquelaluzfracanemsempreerafácilenxergarondeela
estavapisando.
Finalmentepararamdiantedeumapesadaportadeferro.
Umurso-guardapuxouaenormetranca,eosargentoderepenteviroua
cabeça,empurrandoLyrapelascostas,jogando-aatravésdaportae
desequilibrando-a.Antesqueelaconseguisseficardepé,ouviuaporta
sendotrancadaatrásdesi.Aescuridãoeratotal,masPantalaimontornouseumvagalumeelançouumbrilhominúsculoemvoltadeles.
Estavamnumacelaestreitacomparedesdeondepingavaumidade,ea
mobíliaeraapenasumbancodepedra;nocantomaisdistante,haviauma
pilhadeandrajosqueelaimaginouseracama.Istoeratudoqueela
conseguiaver.Lyrasentou-se,comPantalaimonnoombro,etateounas
roupasembuscadoaletômetro.
-Eletemlevadomuitapancada,Pan.Esperoqueaindafuncionecochichou.Pantalaimonvoouparaopulsodelaeficoualibrilhando
enquantoLyrapreparavaamente.Umapartedosseuspensamentos
achavaincrívelqueelapudesseestaremterrívelperigoemesmoassim
mergulharnacalmanecessáriaparaleroaletômetro;noentanto,aquilo
agorafaziapartedeladetalmaneiraqueasperguntasmaiscomplicadas
destacavam-secomseussímboloscomamesmanaturalidadecomque
seusmúsculosmoviamseusbraços;malprecisavapensarneles.Elamoveu
osponteirosepensou:
"OndeestáIorek?"
Arespostafoiimediata:
"Aumdiadedistância,levadopelobalãodepoisdaqueda;masestávindo
depressa."
"ERoger?"
"ComIorek."
"QueéqueIorekByrnisonvaifazer?"
"Elepretendeforçaraentradadopalácioelibertá-la,apesardetodasas
dificuldades."
Elaguardouoaletômetro,aindamaisansiosadoqueantes.
-Elesnãovãopermitir,nãoémesmo?Sãomuitos.Euqueriaserumabruxa,
Pan,aívocêpoderiairatéele,levaretrazerrecados,eagentepoderia
fazerumbomplano...
Entãoelalevouomaiorsustodesuavida,quandoumavozmasculina
perguntou,apoucospassosdela:
-Quemévocê?
Eladeuumsaltoeumgritodemedo.Pantalaimonimediatamentevirou
morcego,guinchando,evoouemvoltadacabeçadelaenquantoela
recuavaatéaparede.
-Hein?Quemestáaí?-insistiuohomem.-Fale!Fale!
-Virevaga-lumedenovo,Pan.Masnãocheguepertodemais-elapediu,
comvoztrêmula.
Opontinhodeluzdançoupeloarevoejouemvoltadacabeçadohomem.
Afinal,nãoeraumapilhadeandrajos:eraumhomemdebarbagrisalha
acorrentadoàparede,comolhosquecintilavamàluzdePantalaimone
cabelossujosquelhechegavamaosombros.Seudaemon,umaserpentede
aparênciaexausta,estavadeitadonocolodeleeocasionalmentedardejava
alínguaparaPantalaimon.
-Qualéoseunome?-elaperguntou.
-JothamSantelia-elerespondeu.-SouProfessorRegius18deCosmologia
naUniversidadedeGlouscester.Quemévocê?
-LyraBelacqua.Porqueestápreso?
-Maldadeeinveja...Deondevocêvem?Hein?
-DaFaculdadeJordan.
18Regius:designaçãodecertascátedras,emalgumasfaculdadesinglesas
eescocesas,queforamfundadasouestabelecidasporordemreal.(N.T.)
-Oquê?DeOxford?
-É.
-AquelesafadodoTrelawneyaindaestálá?Hein?
-Oprofessordepalmeriano?Estásim-eladisse.
-Estámesmo?Hein?Deviamterforçadoademissãodelehámuitotempo.
Plagiadorpérfido!Moleque!
Lyrafezumsomneutro.
-Elejápublicouseutrabalhosobreosfótonsderaiogama?-perguntouo
Professor,erguendoorostoparaLyra.
Elarecuou.
-Nãosei-disse.Então,porpurohábito,começouainventar.-Não,agora
melembro.Eledissequeaindaprecisavaverificarcertoscálculos.E...disse
queiaescreversobreoPótambém.Éisso.
-Safado!Ladrão!Traidor!Vigarista!-bradouovelho.
EletremiacomtantaviolênciaqueLyraachouqueeleiaterumataque.
SeudaemondeslizoulentamentedocolodoProfessor,quedavamurros
naspernas,cuspindoumachuvadesaliva.
-É,eusempreacheiqueeleeraladrão.Evigarista,etudomais-disse
Lyra.Seeraimprovávelquesurgisseemsuacelaumagarotinhaque
conheciaoprópriohomemqueeraasuaobsessão,oProfessorRegiusnão
percebeu.Eleestavamesmolouco-oquenãoeradeestranhar,coitado;
maspodiateralgumainformaçãoútilparaLyra.
Elasentou-seaoladodelecautelosamente,nãosuficientementepertopara
queeleatocasse,masobastanteparaqueaminúsculaluzdePantalaimon
oiluminasseclaramente.
-UmacoisaqueoProfessorTrelawneydiziaparasegabareraque
conheciamuitobemoreidosursos...
-Parasegabar?Hein?Eleémesmoumgabola!Umfanfarrão!Eum
mandrião!Nemumaúnicalinhadepesquisaelefez!Foitudopirateadode
homensmelhoresqueele!
-É,temrazão-disseLyraemtomveemente.–Equandoelefazalguma
pesquisa,faztudoerrado.
-Sim!Sim!Perfeitamente!Nãotemtalentonemimaginação,éumafraude
doprincípioaofim!
-Porexemplo,apostoqueosenhorsabemaisqueelesobreosursosdisseLyra.
-Ursos!Ra!Eupoderiaescreverumtratadosobreeles!Foiporissoque
meprenderam,sabia?
-Porquê?
-Porqueseidemaissobreeles,eelesnãoousammematar.Nãotêm
coragem,pormaisquetenhamvontade.Eusei,entende?Tenhoamigos.
Sim,amigospoderosos!
-É,eapostoqueosenhoréumprofessormaravilhoso,tendotanto
conhecimentoecomtantaexperiênciadeensinar...
Mesmonasprofundezasdaloucuradele,aindabrilhavaumacentelhade
bomsenso,demodoqueeleolhouparaameninacomatenção,quasecomo
sesuspeitassedesarcasmoporpartedela.Maselahaviapassadoavida
inteiralidandocomprofessoresidososedesconfiadoseretribuiuoolhar
delecomumolhardeadmiraçãoqueoconvenceueacalmou.
-Professor...-fezele.-Ensinar...É,eupoderiaensinar.Seeutivesseum
bomaluno,acenderiaumafogueiranamentedele!
-PorqueoseuconhecimentonãodeveriasimplesmentedesaparecerLyracontinuou,emtomencorajador.–Deviaserpassadoadiante,paraque
aspessoasselembremdosenhor.
-É,sim-fezele,assentindocomseriedade.-Vocêémuitoperspicaz,
garota.Qualéoseunome?
-Lyra-elatornouadizer.-Podemeensinarsobreosursos?
-Osursos...-eleecoou,emtomdedúvida.
-Eurealmentegostariadeaprendersobrecosmologia,oPóetudomais,
masnãosousuficientementeinteligenteparaisso.Epodíamoscomeçar
comosursoseprogrediratéoPó,quemsabe?
Eleassentiuoutravez.
-É,achoquetemrazão.Existeumacorrespondênciaentreomicrocosmoe
omacrocosmo!Asestrelasestãovivas,menina.Sabiadisso?Tudoláem
cimaévivo,eexistemgrandespropósitosláfora!Ouniversoestácheiode
intenções,entende?
Tudoacontececomumpropósito.Oseuémerecordaristo.Muitobom,
muitobom;nomeudesesperoeutinhaesquecido.Ótimo!Excelente,minha
menina!
-Então:jáviuoReiIofurRaknison?
-Ah,sevi!Vimparacáaconvitedele,sabia?EleiamefazerVicechanceler.SeriaumtapadeluvanoRégioInstitutodoPóloÁrticohein?
Hein?EnaquelesafadodoTrelawney!Ah!
-Quefoiqueaconteceu?
-Fuitraídoporhomensindignos.EntreelesTrelawney,éclaro.Eleestava
aqui,sabia?EmSvalbard.Espalhoumentirasecalúniassobreaminha
qualificação.Calúnias!Invenções!Quemfoiquedescobriuaprova
definitivadahipótesedeBarnard-Stokes,hein?Hein?Sim,ovelhoSantelia.
Trelawneynãoconseguiuaceitarisso.Mentiudoprincípioaofim.Iofur
Raknisonmandoumejogaraqui.Umdiavousair,vocêvaiver.Vouser
Vice-chanceler,orasevou.ETrelawneyvaimeprocurar,implorando
piedade!QueroveroRégioInstitutodoPóloÁrticorecusarmeustextos!
Ah!Voudenunciartodoseles!
-AchoqueIorekByrnisonvaiacreditarnosenhor,quandoelevoltar...disseLyra.
-IorekByrnison?Nãoadiantaesperarporisso.Aquelelánuncavaivoltar.
-Eleestávindo.
-Entãovaisermorto.Elenãoéurso,entende?Éumrenegado.Comoeu.
Umdegredado,entende?Semdireitoaqualquerumdosprivilégiosdeum
urso.
-SeIorekByrnisonvoltasseedesafiasseIofurRaknisonparaumaluta...
-Ah,nãoiampermitirisso-disseoProfessoremtomdecidido.-Iofur
nuncairáserebaixarreconhecendoodireitodeIorekByrnisondelutar
comele.Ioreknãotemmesmoessedireito;elepodeserumafoca,ouum
leão-marinho,masnãoumurso.Seriamortocomlançadoresdefogoantes
dechegarperto.Nãoháesperança.Nãoexistepiedade.
-Ah...-suspirouLyra,comodesesperopesandonopeito.-Eosoutros
prisioneirosdosursos,sabeondeficam?
-Outrosprisioneiros?
-Assimcomo...LordeAsriel.
DerepenteoProfessormudouinteiramente;encolheu-secontraaparede
esacudiuacabeçacomnervosismo.
-Psiu!Falebaixo!Podemouvir!
-PorquenãopodemosfalarnoLordeAsriel?
-Proibido!Muitoperigoso!IofurRaknisonnãopermitequeonomedele
sejamencionado!
-Porquê?-Lyraperguntou,aproximando-seecochichandotambém,para
nãoassustá-lo.
-ManterLordeAsrielprisioneiroéumatarefaespecialdadaaIofurpelo
ConselhodeOblação-cochichoudevoltaovelho.-ASra.Coulterem
pessoaveiovisitarIofurelheofereceutodotipoderecompensasparaele
manterLordeAsrielforadocaminho.Seidissoporquenaépoca,entende,
euaindatinhaaconfiançadeIofur.ConheciaSra.Coulter!Éverdade.
Tivemosumalongaconversa.Iofurestavaencantadocomela.Nãoparava
defalarnela.Fariaqualquercoisaporela.SeelaquerqueLordeAsriel
fiquepresoamilquilômetrosdedistância,assimserá.Qualquercoisapela
Sra.Coulter,qualquercoisa.Elevaidaronomedelaàcapitaldoseupaís,
sabiadisso?
-EntãoelenãodeixaninguémvisitarLordeAsriel?
-Não!Nunca!MaseletambémtemmedodeLordeAsriel,entende?Iofur
está
jogandoumapartidadifícil:estámantendoLordeAsrielemconfinamento
paraagradaràSra.Coulter,masdeixaLordeAsrieltertodoo
equipamentoquequiser,paraagradá-lo.Estejogonãopodedurarmuito.É
umequilíbrioinstável.Agradaraosdoislados.Hein?Aestruturadesta
situaçãovaidesmontarlogo,logo.Seidissodefontesegura.
-Émesmo?-fezLyra,distraída,pensandofuriosamentesobreoqueele
acabaradedizer.
-É,sim.Alínguadomeudaemonsenteosabordaprobabilidade,entende?
-É,aminhatambém.Quandoéquenosalimentam,Professor?
-Nosalimentam?
-Devemcolocarcomida,senãomorreríamosdefome.Eochãoestácheio
deossos.Imaginoquesejamdefoca,nãosão?
-Foca...Nãosei.Podeser.
Lyralevantou-seetateouatéaporta.Nãohaviamaçaneta,naturalmente,
nemfechadura,enãohaviaumasófrestaporondepassassealuz.Ela
encostouoouvido,masnadaescutou.Depoisouviuoruídodascorrentes
doanciãoquandoelevirou-separaooutrolado,finalmentepondo-sea
roncar.
Elatateoudevoltaaobanco.Pantalaimon,cansadodeemitirluz,tornara-se
ummorcego,oqueparaeleeraótimo;ficouvoejando,guinchando
baixinho,enquantoLyra,sentada,roíaasunhas.
Derepente,semomenoraviso,elarecordouoquetinhaouvidoo
CatedráticodepalmerianodizernaSalaPrivativatantotempoantes.
AlgumacoisavinhacutucandosuamentedesdequeIorekByrnison
mencionarapelaprimeiravezonomedeIofur,eagoraelaselembrava:o
ProfessorTrelawneytinhaditoqueaquiloqueIofurRaknisonqueriamais
quetudoeraumdaemon.
Éclaroquenahoraelanãohaviaentendidooqueelequeriadizer;ele
tinhafaladoem"panserbjornes"emvezdeusarapalavrainglesa,de
modoqueelanãosabiaqueestavamfalandodeursosenãopodia
imaginarqueIofurRaknisonnãoeraumhomem.Eumhomem
naturalmenteteriaseudaemon,demodoqueaquilonãofaziasentido.
Masagoraeraóbvio.Somandotudoqueelahaviaouvidosobreourso-rei,
oresultadoera:opoderosoIofurRaknisondesejavamaisquetudoserum
humanoeterseuprópriodaemon.
Eaopensaristoveio-lheumplano:ummododefazeroqueIofurRaknison
normalmentejamaisteriafeito;ummododeconduzirIorekByrnisonao
tronoaquetinhadireito;ummodo,emsuma,dechegaraolugaronde
tinhamaprisionadoLordeAsrieleentregar-lheoaletômetro.
Essaidéiaesvoaçouebrilhoudelicadamente,comoumabolhadesabão,e
elatemiaencará-ladefrente,paranãodestruí-la.
Masestavafamiliarizadacomtodotipodeidéias,edeixou-arebrilhar,
olhandoparaoutroladoepensandoemoutracoisa.
Estavaquasedormindoquandoosferrolhosforamcorridosruidosamente,
eaportafoiaberta.Aluzjorrouparadentro,eelasepôsdepénomesmo
instante,comPantalaimonescondidorapidamentenobolso.
Assimqueourso-guardabaixouacabeçaparalevantarapostadecarne
defocaejogá-laparadentro,elaestavaaoladodele,dizendo:
-MeleveaIofurRaknison.Vaiterproblemassenãofizerisso.Éurgente.
Eledeixouacarnecairdabocaeergueuosolhos.Nãoerafácillera
expressãodeumurso,maselepareciazangado.
-ÉsobreIorekByrnison-elafaloudepressa.-Seideumacoisasobreele,e
oreiprecisasaber.
-Digaoqueéeeumandoavisar-disseourso.
-Issonãoseriacerto.Ninguémpodesaberantesdorei-eladisse.-Sinto
muito,nãoquerosergrosseira,masvocêsabe,aleidizqueoreitemque
ficarsabendoprimeiro.
Talvezelefosseburro;dequalquermaneira,fezumapausaedepoisjogou
acarnedentrodacelaantesdedizer:
-Estábem.Vemcomigo.
Levou-aparaoarlivre,oqueaagradoumuito.Anévoasedissipara,e
estrelasbrilhavamacimadopátiocercadodemurosaltos.Oguarda
conferencioucomoutrourso,queveiofalarcomela.
-NãopodefalarcomIofurRaknisonquandobementender-disse.-Vaiter
queesperaratéelequererfalarcomvocê.
-Maséurgenteoqueeutenhoparadizeraele–elaargumentou.-É
sobreIorekByrnison.TenhocertezadequeSuaMajestadeiaquerer
saber,masaomesmotemponãopossocontaraoutrapessoa,entende?
Nãoseriaapropriado.Eleiaficarfuriososesoubessequenósnãoagimos
dentrodaetiqueta.Aquilotudopareciafazersentido,ouentãodeixouo
ursosuficientementeconfusoparaobrigá-loaraciocinar.Lyratinha
certezadequesuainterpretaçãoestavacorreta:IofurRaknisonestava
introduzindotantasmudançasquenenhumdosursossabiacomo
proceder,eelapoderiaexploraressainsegurançaparachegaraIofur.
Assim,oursofoiconsultaroursoacimadele,enãodemorouparaque
LyrafossenovamentelevadaparadentrodoPalácio,masdestavezpara
osaposentosreais.Aquelaparteeratãosujaquantoaoutra,eoareraaté
maisirrespiráveldoqueodacela,porquetodososfedoresnaturais
estavammisturadosaumacamadapesadadeperfumeadocicado.
Mandaramqueelaesperassenocorredor,depoisnaante-sala,depois
juntoaumaportaenorme,enquantoursosdiscutiam,debatiameiam
apressadosdeumladoparaoutro.Eelatevetempoparaolharemvoltae
contemplararidículadecoração:asparedeseramcobertasdetrabalhos
emgessodourado,algumaspartesjádescascandooudesmanchando-se
porcausadaumidade,eostapetesfloridosestavamimundos.
Finalmenteaportaenormefoiabertapordentro.Umclarãodeluzdemeia
dúziadecandelabros,umtapeteroxoemaisperfumeadocicadopairando
noar;eascarasdeumadezenadeursos,todosolhandoparaela,nenhum
delesdearmadura,mastodoscomomesmotipodeenfeites:colar
dourado,cocardeplumasroxas,umafaixacarmimnacintura.
Curiosamente,haviatambémpássarosnoaposento:andorinhas-do-mare
gaivotasrapineirasempoleiravam-senasancadegessoemergulhavam
parabicarospedaçosdepeixequecaíamdoninhodosoutrospássaros
noscandelabros.Enumtabladonoextremoopostodoaposento,erguia-se
umtronoenorme.Erafeitodegranito,paraserforteemaciço,mascomo
todasascoisasnopaláciodeIofur,eleeradecoradocomarabescose
festõesdouradosquepareciampurpurinanumamontanha.
Sentadonotronoestavaomaiorursoqueelajávira.IofurRaknisonera
maisaltoemaiscorpulentoatéqueIorek,esuacaraeramuitomais
dinâmicaeexpressiva,comumaespéciedehumanidadequeelanunca
tinhavistoemIorek.QuandoIofurolhouparaela,eracomoseelavisseum
homemolhandodedentrodosolhosdele,otipodehomemqueela
conheceranacasadaSra.Coulter-umpolíticosutil,acostumadoaopoder.
Eleusavaumapesadacorrentedeouroemvoltadopescoçoenelaum
penduricalhochamativo,esuasgarras-comunsbons20centímetroscada
umaeramfolheadasaouro.Oefeitoeradeenormeforça,energiae
esperteza;eleerasuficientementecorpulentoparacarregaraquelasjóias
detamanhoabsurdo;neleelasnãopareciamridículas,esimbárbarase
magníficas.
Elavacilou.Derepente,suaidéiapareciatolademais.
Masadiantou-se,poiseraobrigadaaisto,eentãoviuqueIofursegurava
algonocolo,comoumserhumanosegurariaumgato-ouoseudaemon.
Eraumagrandebonecaestufada,ummanequimcomrostohumano
paradoemorto.EstavavestidacomoaSra.Coultergostavadesevestir,e
separeciaumpoucocomela.Iofurestavafingindoquetinhaumdaemon!
EntãoLyraviuqueestavasalva.
Elaseaproximoudotronoefezumaprofundamesura,comPantalaimon
quietoeimóvelemseubolso.
-Nossassaudações,grandeRei-eladisseemvozbaixa.
-Querdizer,minhassaudações,nãoasdele.
-Nãoasdequem?-Iofurperguntou.
Tinhaavozmaisfinadoqueelaimaginara,mascheiadesutilezasetons
expressivos.Enquantofalava,elebalançavaamãodiantedabocapara
espantarasmoscasquesejuntavamali.
-DeIorekByrnison,Majestade.TenhoUmacoisamuitoimportantee
secretaparalhecontar,eachoque,naverdade,deviafazerissoem
particular.
-ÉalgumacoisasobreIorekByrnison?
Elaseaproximou,pisandocuidadosamentenochãocobertodesujeirade
pássaros,eafastouasmoscasquezumbiamjuntoaoseurosto.
-Algumacoisasobredaemons-disse,paraqueapenaseleouvisse.Acara
delemudoudeexpressão.Elanãoconseguiudecifraranovaexpressão,
masnãohaviadúvidadequeeleestavaimensamenteinteressado.De
repente,eleinclinou-separaafrente,fazendocomqueelasaltassedelado,
erugiuumaordemparaosoutrosursos.Todoselesfizeramumamesurae
recuaramemdireçãoàporta.Ospássaros,quetinhamsealvoroçadocom
orugido,piavamevoavambaixoantesdeseacomodaremnovamenteem
seusninhos.
QuandosóficaramIofurRaknisoneLyranasaladotrono,elevoltou-se
ansiosamenteparaela.
-Então?Digaquemévocê.Quehistóriaéessadedaemons?
-Eusouumdaemon,Majestade-eladisse.
Eleficouimóvel.
-Dequem?-quissaber.
-DeIorekByrnison.
Foiacoisamaisperigosaqueelajáfalaranavida.Viaclaramentequesóo
espantodeleoimpediadematá-laalimesmo.Entãoapressou-sea
continuar.
-Porfavor,Majestade,deixe-mecontartudoprimeiro,antesdemematar.
Vimatéaquicorrendoperigo,comoosenhorbemsabe,enadadoqueeu
tenhoadizerpoderiaprejudicá-lo.Aliás,euqueroéajudar,efoiporisso
quevim.IorekByrnisonfoioprimeiroursoaconseguirumdaemon,mas
deviatersidoosenhor.Euprefiromuitomaisserseudaemondoquedele,
porissoeuvim.
-Como?-eleperguntouofegante.-Comoéqueumursoconsegueum
daemon?Eporqueele?Ecomoéquevocêconsegueficartãolongedele?
Asmoscascaíamdabocadoursocomominúsculaspalavras.
-Istoéfácil.Eupossomeafastardeleporquesoucomoosdaemonsdas
bruxas.Sabequeelespodemseafastarcentenasdequilômetrosdeseus
humanos?Poiséamesmacoisa.EelemeconseguiuemBolvangar.O
senhorjá
deveterouvidofalaremBolvangar,porqueaSra.Coulterdeveter-lhe
faladodisso,maselaprovavelmentenãolhecontoutudoqueelesfaziamlá.
-Cortavam...
-Sim,aintercisão;issoéumaparte.Maselesfaziammuitasoutrascoisas
lá,comoporexemploimplantesdedaemons.Eexperiênciascomanimais.
QuandoIorekByrnisonsoubedisso,ofereceu-separaumaexperiência,
paraverseconseguiamfazerumdaemonparaele.Elesconseguiram,eo
daemonsoueu.MeunomeéLyra.Osdaemonsdoshumanostêmformade
animais,portanto,odaemondeumursotemformahumana.Eeusouo
daemondele.Possoleramentedeleesaberexatamenteoqueeleestá
fazendo,ondeestáe...
-Ondeéqueeleestá?
-EmSvalbard.Estávindoparacáomaisrápidopossível.
-Porquê?Queéqueelequer?Deveestarlouco!Vãoacabarcomele.
-Elequeramim,estávindomebuscar.Masnãoqueroserdaemondele,
IofurRaknison,querosersua.Porque,depoisqueelesviramcomofica
poderosoumursocomdaemon,opessoalemBolvangarresolveunão
repetiraexperiência.IorekByrnisonéoúnicoursoaterdaemon.Coma
minhaajuda,elepoderialevantartodososursoscontraosenhor.Épara
issoqueelevemaSvalbard.Ourso-reirugiudeódio.Orugidofoitãoalto
queoslustresdecristaltilintaram,todosospássarosnograndesalão
piarameosouvidosdeLyrazumbiram.
Maselaconseguiusesairbem.
-Éporissoquegostomaisdosenhor-disseaIofurRaknison.-Porqueo
senhoréentusiasmado,forteeinteligentetambém.Eutinhaque
abandonarIorekByrnisonevirlhecontar,porquenãoqueroqueele
governeosursos.Temqueserosenhor.Eexisteummododemetirar
deleemefazerseudaemon,masosenhornãosabedissoe,senãofor
avisado,podefazercomeleoquecostumafazercomursosrenegados;
querdizer,nãolutarcomele,masmatarcomlançadoresdefogooucoisa
assim.Esefizesseisso,euiaapagarcomoumaluz,emorreriacomele.
-Masvocê...Comoéque...
-Eupossorealmentemetornarseudaemon,massóseosenhorderrotar
IorekByrnisonnumalutadosdois.Entãoaforçadelevaipassarparao
senhor,eaminhamentevaifluirparadentrodasua,eseremoscomouma
pessoa,pensandoospensamentosumdooutro;eosenhorvaipoderme
mandaraqualquerlugarE
euiaajudarachefiarosursosparacapturarBolvangar,seosenhor
quiser,eobrigarqueelesfaçammaisdaemonsparaosseusursos
favoritos;ou,sepreferirseroúnicoursocomdaemon,poderíamos
destruirBolvangarparasempre.Nósdoisjuntos,IofurRaknison,
poderíamosfazerqualquercoisa!
Durantetodootempo,elaseguravaPantalaimonnobolsocomamão
trêmula,eeleestavaomaisimóvelpossívelnamenorformaderatoque
conseguiaassumir.
IofurRaknisonandavadeumladoparaoutrocomardeexplosiva
excitação.
-Umalutadenósdois?-dizia.-EutenhoquelutarcomIorekByrnison?
Impossível!Eleéumrenegado!Comopodeserisso?Comoéqueposso
lutarcomele?Éaúnicamaneira?
-Éaúnicamaneira-Lyraecoou.
Elaqueriaquenãofosse,porqueIofurRaknisonpareciamaioremais
ferozacadaminuto.PormaiorquefosseoseuafetoporIorekepormais
fortequefossesuaconfiançanele,elanãoconseguiaacreditarqueele
derrotasseestegiganteentregigantes.
Maseraaúnicaesperançaqueelestinham;serdestruídoàdistânciapor
lançadoresdefogonãoeraumaesperança.
IofurRaknisonvirou-sederepente.
-Entãoprove!Provequevocêéumadaemon!
-Estábem-disseela.-Possofazerisso,éfácil.Possodescobriralguma
coisaqueosenhorsabeeninguémmais;qualquercoisaquesóum
daemonconseguiriadescobrir.
-Entãomedigaqualfoiaprimeiracriaturaquematei.
-Paraissovouterqueficarsozinha.Quandoeuforseudaemon,osenhor
vaipodervercomoéquefaçoisso,masatélátemquesersegredo.
-Váparaasalaatrásdestaaquievoltequandosouberaresposta.Lyra
abriuaportaeentrounumaposentoiluminadoporumatochaecontendo
apenasumarmáriodemognocomenfeitesdepratasujos.Elatirouo
aletômetroeperguntou:
"OndeestáIorekagora?"
"Aquatrohorasdedistância,ecorrendomaisainda."
"Comoéquepossodizeraeleoqueeufiz?"
"Temqueterconfiançanele."
Elapensouansiosamentenocansaçoqueelecertamenteteria.Masentão
refletiuquenãoestavafazendoaquiloqueoaletômetroacabavadelhe
dizer:confiarnele.Deixoudeladoestepensamentoefezaperguntaque
IofurRaknisonqueria.Qualeraaprimeiracriaturaqueelehaviamatado?
Veioaresposta:oprópriopaidele.
Elafezoutrasperguntasedescobriuquequandojovem,emsuaprimeira
expediçãodecaça,Iofurestavasozinhonogeloquandoencontrouumurso
solitário.Osdoisdiscutiramelutaram,eIofurmatouooutro.Maistarde,
quandosoubequesetratavadeseuprópriopai(poisosursoseram
criadospelasmãeseraramenteviamospais),eleescondeuaverdade,
portantoninguémsabiadistoalémdopróprioIofurRaknison.
Elaguardouoaletômetro,pensandoemcomolhedizeristo.
-Comlisonja!-sussurrouPantalaimon.-Ésóoqueelequer.
DemodoqueLyraabriuaportaeencontrouIofurRaknisonesperando,
comexpressãodetriunfo,esperteza,apreensãoecobiça.
-Eaí?
Elaajoelhou-sediantedeleeencostouacabeçanapatadianteiraesquerda
dele,poistodososursoseramcanhotos.
-Peçooseuperdão,IofurRaknison!Nãosabiaqueeratãofortee
grandioso!
-Queéisso?Respondaaminhapergunta!
-Aprimeiracriaturaqueosenhormatoufoioseuprópriopai.Achoqueo
senhoréumnovodeus,IofurRaknison.Sópodeser.Sóumdeusteria
poderparafazerisso.
-Vocêsabe!Conseguever!
-Sim,porqueeusouumdaemon.
-Diga-memaisumacoisa.QuefoiqueLadyCoultermeprometeuquando
esteveaqui?
MaisumavezLyrafoiparaaoutrasalaeconsultouoaletômetroantesde
voltarcomumaresposta.
-ElalheprometeuqueiafazeroMagisteriumemGênovaconcordarqueo
senhorfossebatizadocomocristão,mesmonãotendodaemon.Bem,
infelizmenteelanãofezisso,IofurRaknison,eparasersinceraachoque
elesnuncaconcordarãoseosenhornãotiverdaemon;achoqueelasabia
dissoenãolhecontouaverdade.Mas,dequalquermaneira,quandoo
senhormetivercomodaemon,poderáserbatizadosequiser,pois
ninguémpoderásercontra.Osenhorpoderáexigirisso,eelesnãovão
poderrecusar.
-Sim...Éverdade.Eladisseissomesmo.Étudoverdade.Eelameenganou?
Euconfieinela,eelameenganou?
-Foi,sim.Maselanãotemmaisimportância.Comsualicença,Iofur
Raknison,esperoquenãofiquezangadoporeudizerisso,masIorek
Byrnisonestá
aquatrohorasdaqui,etalvezfossemelhorosenhordarordensaos
guardasparaquenãoataquemele.Sepretendelutarcomele,elevaiter
quechegaratéoPalácio.
-É...
-Equandoelechegar,talvezsejamelhoreufingirqueaindapertençoaele
equemeperdi.Elenãovaidescobrir.Euvoufingir.Osenhorvaicontar
aosoutrosursosqueeusoudaemondeIorekequevoupertencerao
senhorquandoosenhorlutarcomeleevencer?
-Nãosei...Queéquedevofazer?
-Achomelhornãocontar.Quandoestivermosunidos,osenhoreeu,
poderemospensarnoqueémelhor,eentãochegaraumadecisão.Agorao
queosenhorprecisafazeréexplicaratodososoutrosursosporquevai
lutarcomIorekcomoseelefosseumursocomum,mesmosendoum
renegado.Porqueelesnãovãoentenderetemosqueinventarummotivo
paraisso.Dequalquermaneira,elesvãoobedecer,massetiveremum
motivo,vãoadmirarosenhoraindamais.
-É.Queéquedevemosdizeraeles?
-Diga...Digaaelesqueparatornarseureinointeiramenteseguroosenhor
mesmochamouIorekByrnisondevoltaparalutarcomele,eovencedor
vaigovernarosursosparasempre.Entenda:sedisserqueaidéiadavinda
delefoisua,elesvãoficarmesmoimpressionados.Vãopensarqueo
senhorconseguechamarIorekdelonge.Vãopensarqueosenhor
conseguefazerqualquercoisa.
-É...
Ograndeursoestavadomado;Lyrasentiaopoderquetinhasobreele
quasecomoumaembriaguez,esePantalaimonnãotivessemordiscadosua
mãoparalembraroperigoquetodoscorriam,elapoderiaterperdidoo
sensodeproporção.Masvoltouaterbomsensoerecuouumpassopara
observareesperarenquantoosursos,sobasordensexcitadasdeIofur,
preparavamocampodecombateparaIorekByrnison;eenquantoisso
Iorek,semsaberdecoisaalguma,aproximava-sedepressadaquiloqueelagostariadepodercontaraele-eraumcombatedevidaoumorte.
20AOUTRANCE
Lutasentreursoseramcomunseocasiõesdegrandesrituais.Porémera
raroumursomataroutrourso,e,quandoissoacontecia,emgeralerapor
acidente,ouquandoumursointerpretavamalossinaisdeoutro,comofoi
ocasodeIorekByrnison.Casosdeassassinato,comoaconteceucomIofur,
quematouoprópriopai,eramaindamaisraros.
Masocasionalmentesurgiamcircunstânciasemqueaúnicamaneirade
resolverumadisputaeraatravésdeumcombatemortal.Eparaissohavia
todoumcerimonial.
AssimqueIofuranunciouqueIorekByrnisonestavaacaminhoehaveria
umconfronto,ocampodecombatefoivarridoealisado,efabricantesde
armadurasvieramdasminasdefogoparaverificaraarmaduradeIofur.
Cadapinofoiexaminado,cadaelofoitestado,easplacasforampolidas
comaareiamaisfina.AmesmaatençãofoidadaàsgarrasdeIofur;afolha
deourofoiraspada,ecadagarra
-comquase20centímetros-foiafiadaeafiladaatésetornarumaarma
mortal.Lyraobservavatudocomumacrescentesensaçãodenáuseana
bocadoestômago,poisIorekByrnisonnãoreceberiatodosessescuidados.
Elevinhamarchandosobreogelocercade24horas,semalimentoou
descanso;podiater-seferidonaquedadobalão.Eelahaviapreparado
essalutaparaelesemqueelesoubesse!Emdadomomento,depoisque
IofurRaknisontestouopotencialdassuasgarrasnumleãomarinhorecémabatidocortando-lheapelecomosefossepapel,eaforçadeseusmurros
nocrâniodoanimal(comdoismurros,eleorachoucomosefosseumovo)
,LyratevequeinventarumadesculpaepedirlicençaaIofurparair
chorardemedo.AtéPantalaimon,quenormalmenteconseguiaalegrá-la,
poucotinhaadizerdeotimista.Tudoqueelapodiafazereraconsultaro
aletômetro,quelhedissequeIorekestavaaumahoradeláerepetiuque
eladeviaconfiarnele;deu-lhetambém(eistofoimaisdifícildedecifrar)
umarepreensãoporfazerduasvezesamesmapergunta.
Aestaaltura,anotíciatinhaseespalhadoentreosursos,eocampode
combateestavaapinhado.Osursosdeposiçãomaiselevadaocupavamos
melhoreslugares,ehaviaumlocalespecialparaasursas-inclusiveas
esposasdeIofur,naturalmente.Lyratinhaumacuriosidadeenormea
respeitodasursas,poissabiamuitopoucosobreelas,masestanãoera
horadeficarporalifazendoperguntas.Emvezdisso,elaficoupertode
IofurRaknisoneobservouoscortesãosemvoltadeleexibindosuaposição
acimadosursoscomuns;elatentouadivinharosignificadodasvariadas
plumas,medalhasecomendasquetodospareciamusar.Lyrapercebeu
quealgunsdosmaisgraduadoslevavampequenosbonecos,comoa
bonecadetraposdeIofur,talvezparalisonjeá-loimitandoumhábitoque
eleiniciara.Ameninaficousatisfeitaquandopercebeuque,aoveremque
Iofurnãoestavausandooseuboneco,elesficaramsemsaberoquefazer
comosdeles.Deveriamjogarfora?Osbonecosestavamproscritos?
Comodeveriamagir?
Poiselacomeçavaaconstatarqueaqueleeraoestadodeespíritoreinante
nacorte:elesnãotinhamcertezadaquiloqueeram.NãoeramcomoIorek
Byrnison,puros,seguroseabsolutos;haviaumaeternamortalhade
insegurançaenvolvendotodoseles,enquantoobservavamunsaosoutrose
observavamIofur.EobservavamLyra,também,comevidentecuriosidade.
ElapermaneciadiscretamenteaoladodeIofur,semnadadizer,baixando
osolhossemprequeumursoolhavaparaela.
Aestaaltura,anévoasedissiparaeoarestavaclaro;e,porumcapricho
dasorte,obreveintervalodeclaridadeporvoltadomeio-diacoincidiucom
ahoraqueLyraachavaqueIorekiachegar.Tremendo,paradanum
montinhodenevenabordadocampodecombate,elaergueuosolhos
paraaleveclaridadenocéuedesejoucomtodoocoraçãoavistaruma
esquadrilhadevultosnegroseelegantesdescendoparalevá-la,oua
cidadeescondidadaAuroraBoreal,ondeelapoderiaandaremsegurança
pelaslargasavenidasàluzdosol,ouaindaosbraçosgenerososdeMãe
Costa,sentirocheiroamigodecarneecomidaqueenvolviamLyrana
presençadela...
QuandoLyradeuporsi,estavachorando,vertendolágrimasque
congelavamquaseinstantaneamenteequeelaarrancavadorosto
dolorosamente.Estavacommuitomedo.Osursos,quenãochoravam,não
conseguiamentenderoqueestavaacontecendocomela;achavamqueera
umprocessohumanoqualquer,semsignificado.Enaturalmente
PantalaimonnãopodiaconsolarLyracomocostumavafazer,emboraela
mantivesseamãonobolsosegurandocomfirmezaopequenoratinho;ele,
porsuavez,acariciavaosdedosdelacomofocinho.Pertodela,osferreiros
estavamfazendoosajustesfinaisnaarmaduradeIofurRaknison.Coberto
deaçopolido,asplacaslisasenfeitadascomfiosdeouroincrustrados,ele
pareciaumagrandetorredemetalbrilhante;oelmocobriaaparte
superiordacabeçanumacintilantecarapuçacinza-prateada,comfendas
naalturadosolhos,eaparteinferiordocorpoeraprotegidaporumsaiote
demalhademetalbemajustado.FoiquandoviuissoqueLyratomou
consciênciadequetinhatraídoIorekByrnison,poisIoreknãopossuía
nenhumadessascoisas:aarmaduradelesó
protegiaascostaseoslados.ElaolhouparaIofurRaknison,tãodinâmicoe
poderoso,esentiuumadorprofunda,comoumamisturadeculpaede
medo.Disseentão:
-Comlicença,Majestade.Osenhorselembradoqueeulhedisseantes...
Suavoztrêmulasoavafinaefraca.IofurRaknisonvirouacabeça
poderosa,tirandosuaatençãodoalvoquetrêsursosestavamsegurando
nasuafrenteparaqueeleorasgassecomsuasgarrasmortais.
-Queé?Queé?
-Lembra-se,eudissequeeramelhoreuirfalarcomIorekByrnison
primeiro,efingirque...
Masantesqueelaconseguisseterminarafrase,houveumalvoroçodos
ursosnatorredevigia.Osoutrostodos,sabendodequesetratavaaquilo,
manifestaramtambémsuatriunfanteexcitação.
TinhamavistadoIorek.
-Porfavor?-disseLyraemdesespero.-Euconsigoenganarele,osenhor
vaiver.
-Certo,certo.Vá.Eencorajeele!
IofurRaknisonmalconseguiafalardetantaraivaeexcitação.
Lyraafastou-sedeleeatravessouocampodecombatevazioedeserto,
deixandosuaspequenaspegadasnaneve;eosursosdooutrolado
abriramcaminhoparaqueelapassasse.Amedidaqueoscorpanzisse
afastavam,ohorizonteseabria,escuronapalidezdaluzdodia.Onde
estavaIorekByrnison?Elanãoconseguiaenxergar;masatorredevigia
eraalta,eelesconseguiamvercoisasqueelaaindanãopodiaver.Tudo
queelapodiafazereraavançarcaminhandopelaneve.
EleviuLyraantesqueelaovisse;comumruídofortedemetaleuma
chuvadeneve,IorekByrnisonestavaaoseulado.
-Ah,Iorek!Eufizumacoisahorrível!Meuamigo,vocêvaiterquelutar
comIofurRaknison,enãoestápreparado!Estácansadoefaminto,easua
armadura...
-Quecoisahorrívelvocêfez?
-Conteiaelequevocêestavachegando,porqueliissonoleitorde
símbolos,eeleestádesesperadoparasercomoumapessoaeterum
daemon,desesperado.Entãoenganeiele,dizendoquesouseudaemone
queiaabandonarvocêparaserdele,masparaissoacontecereleteriaque
lutarcomvocê.Porque,senão,meuqueridoIorek,elesnuncairiamdeixar
vocêlutar,iambotarfogoemvocêantesdevocêchegarperto...
-VocêenganouIofurRaknison?
-Foi.Fizeleconcordaremlutaremvezdematarvocêcomoumrenegado,
eovencedorvaiserreidosursos.Tivequefazerisso,porque...
-LyraBelacqua?Não,vocêéLyradaLínguaMágica-eledeclarou.-Tudo
queeuqueroélutarcomele.Vamoslá,queridodaemon.
ElacontemplouIorekByrnisonemsuaarmaduramarcadapelotempo,alto
eferoz,esentiuqueocoraçãoiaexplodirdeorgulho.
CaminharamladoaladoemdireçãoaopaláciodeIofur,ondeocampode
combateestendia-senosopédamuralha.Osursosocupavamasameias,
rostospálidosenchiamtodasasjanelas,eoscorpospesadosformavam
umadensaparedebranca,marcadadepontinhospretosdeolhose
focinhos.Osmaispróximosafastaram-separaumlado,formandoduas
filas,entreasquaisIorekByrnisoneseudaemonpassaram.Osolhosde
todososursosestavamfixosneles.Iorekparounabordadocampode
combate;nabordaopostaestavaIofurRaknison.Oreidesceudomontede
neveeosdoisseencararamapoucosmetrosdedistância.
LyraestavatãopertodeIorekqueconseguiasentirumtremordentro
dele,comoumgrandedínamogerandopoderosaenergiaanbárica.Ela
tocoudelevenopescoçodele,nabordadoelmo,edisse:
-Boaluta,meuqueridoIorek.Vocêéoverdadeirorei,eelenãoé.Elenão
é
nada.
Entãoelarecuou.
-Ursos!-rugiuIorekByrnison.Dasmuralhasdopalácioveioumeco,
espantandoospássarosdeseusninhos.-Eisostermosdestecombate:se
IofurRaknisonmematar,eleseráreiparasempre,livrededesafioou
disputa.SeeumatarIofurRaknison,sereioseurei.Minhaprimeiraordem
atodosvocêsserá
derrubarestepalácio,estacasaperfumadadefalsidadeepurpurina,e
jogaroouroeomármorenomar.Ometaldoursoéoferro.Nãoéouro.
IofurRaknisonpoluiuSvalbard.Euvimparapurificá-la.IofurRaknison,eu
desafiovocê!
EntãoIofuraproximou-sealgunspassos,comosemalconseguissese
controlar.
-Ursos!-rugiuporsuavez.-IorekByrnisonvoltouameuconvite.Euo
atraí
paracá.Soueuquemtemqueditarostermosdocombate,quesão:seeu
matarIorekByrnison,acarnedeleseráretalhadaeservidaaos
avantesmas-dospenhascos.Acabeçavaificarexpostaemcimadomeu
palácio.Amemóriadeleseráobliterada.Serácrimegravefalaronome
dele...
Eleprosseguiu,edepoiscadaumdosdoistornouafalar.
Eraumafórmula,umritualfielmenteobedecido.Lyraolhavaparaosdois,
tãodiferentes:Iofurtãobrilhanteepoderoso,imensoemsuaforçae
saúde,emsuaarmaduraesplêndida,orgulhosoefidalgo;eIorek,menoremboraelanuncativesseimaginadoqueeleumdiaiaparecerpequeno-e
mal-equipado,aarmaduraamassadaeenferrujada.Masaarmaduradele
eraasuaalma;eleatinhafabricado,eelalheserviaperfeitamente.Ambos
eramumacoisasó.Iofurnãoestavacontentecomasuaarmadura;ele
queriatambémoutraalma.Estavainquieto,aopassoqueIorekestava
imóvel.
Eelaestavaconscientedequetodososoutrosursostambémfaziamessa
comparação.MasIorekeIofurerammaisdoqueapenasdoisursos:eram
doistiposdevida,doisfuturos,doisdestinos.Iofurtinhacomeçadoaleválosnumadireção,eIorekirialevá-losemoutra,enomesmoinstanteem
queumfuturomorria,outrocomeçariaaexistir.
Enquantooritualdocombatecaminhavarumoàsegundafase,osdois
começaramadarpassosinquietosnaneve,aproximando-seaospoucos,
balançandoacabeça.Entreosespectadoresnãohaviaomenormovimento,
mastodososolhosseguiamosdois.
Finalmenteoscombatentesficaramimóveisesilenciosos,observando-se
defrenteatravésdalarguradocampodecombate.
Então,comumrugidoeumachuvadeneve,ambososursosavançaramno
mesmomomento.Comoduasgrandesmassasdepedra,equilibradasem
picosvizinhosesoltasporumterremoto,querolamasencostasreunindo
velocidade,saltandoacimadeabismosereduzindoárvoresagravetosaté
colidiremumacomaoutracomtantaforçaqueambassãoesmigalhadas,
transformando-seempóelascasdepedra-foiassimoencontrodosdois
ursos.Oestrondoressoounoarevoltoucomoeco.Maselesnãoforam
destruídoscomoaconteceriacomapedra;amboscaíramdelado,eo
primeiroalevantar-sefoiIorek.Elegiroueagarrou-seaIofur,cuja
armadurasofreradanosnacolisãoequenãoconseguialevantaracabeça
comfacilidade.Iorekfoidiretoaopontovulnerávelnopescoçodooutro,
passouasgarraspelapelebrancaeentãofincou-asdebaixodabordado
elmodeIofurepuxou-oparaafrente.
Sentindooperigo,Iofurrosnouesacudiu-secomoLyratinhavistoIorek
sacudir-senabeirad'água,enviandolençóisdeáguaparaoalto;Iorek
caiulonge,ecomumhorrívelguinchardemetalretorcido,Iofurficou
ereto,esticandooaçodasplacasdascostasapenascomsuaforçabruta.
Então,comoumaavalanche,elesejogousobreIorek,queaindatentava
levantar-se.
Lyrasentiu-sesemfôlegocomaforçadaqueda.Certamenteochão
estremeceusobela.ComoIorekpoderiasobreviveraisto?Eleestava
lutandoparagirarocorpoeconseguirfincarospésnochão,masestava
comospésparacimaeIofurtinhaenfiadoosdentesemalgumlugarperto
dagargantadeIorek.Pingosdesanguequentevoavampeloar:umdeles
caiunocasacodeLyra,eelaapertou-onamãocomoumsinaldeamor.
EntãoIorekenfiouaspatastraseirasnoselosdosaiotedeIofurepuxou,
rasgando-o;afrenteinteiracaiu,eIofurjogou-separaumladopara
examinaroestrago,permitindoqueIorekficassedepé.
Poruminstanteosdoisursosficaramafastados,recuperandoofôlego.
Iofuragoratinhaamalhadeaçoparaatrapalhar,poisemvezdeproteção
elasetransformaranumobstáculo;aindaestavapresaaele,eera
arrastadapelochãoentreaspernasdele.
NoentantoIorekestavaempiorsituação:sangravamuitopelaferidano
pescoçoeofegavaintensamente.
MassaltousobreIofurantesqueoreiconseguissesedesvencilhardo
saiotedemalhadeaço,ederrubou-onumacambalhota,atacandoem
seguidaapartenuadopescoçoondeabordadoelmoestavaempenada.
Iofurjogou-olonge,eentãoosdoiscolidiramoutravez,jogandoparaoalto
esguichosdenevequevoavamemtodasasdireçõeseàsvezestornavam
difícilverquemestavavencendo.Lyraassistia,malousandorespirare
apertandoasmãoscomtantaforçaquechegavamadoer.Elapensouter
vistoIofurabrindoumburaconabarrigadeIorek,masistonãodeviaser
real,porquelogoemseguida,depoisdeoutraexplosãodeneve,osdois
ursosestavamdepénaspatastraseirascomodoisboxeadores,eIorek
tentavaarranharorostodeIofurcomsuasgarraspoderosas,enquanto
Iofuratacavadevoltacomamesmaselvageria.
Lyraestremeciaacadagolpe.Comoseumgiganteestivessegirandoum
martelo,eessemartelotivessecincopinosdeaço...Ferrobatiaemferro,
dentebatiaemdente,respiraçõesofegavam,péstrovejavamnaneve
revoltaesujadesangue,formandoumaespéciedelamavermelha.
Aestaaltura,aarmaduradeIofurestavaemestadolastimável,asplacas
rasgadaseempenadas,asincrustaçõesdeouroarrancadasoucobertasde
sangue,eocapaceteforaarrancado.AarmaduradeIorekestavaem
melhorescondições,apesardesuafeiúra:amassada,porémintacta,
suportandoosmurrospossantesdourso-reiedesviandoaquelasgarras
brutais.
Poroutrolado,IofureramaioremaisfortequeIorek,queestavacansado
efamintoequetinhaperdidomaissangue.Eleestavaferidonabarriga,
emambososbraçosenopescoço,aopassoqueIofursangravasomentena
mandíbula.Lyradariatudoparaajudarseuqueridoamigo,masnada
podiafazer.
EascoisasagoraestavamruinsparaIorek.Eleestavamancando;cadavez
quecolocavaapatadianteiraesquerdanochão,percebia-sequeelanão
agüentavaopesodele.Nuncaausavaparaatacar,eosgolpesdesuamão
direitatambémerambemfracos,comparadosaosmurrospoderososque
elederapoucosminutosantes.
IofurhaviapercebidoissoecomeçouaprovocarIorek,chamando-ode
mãoquebrada,filhotedesmamado,enferrujado,candidatoamortoeoutras
coisas,enquantooatacavaportodososladoscomsocosqueIoreknão
conseguiaevitar.Iorektevequerecuar,umpassodecadavez,eagacharsesobachuvademurrosdosarcásticourso-rei.
Lyrachorava.Oseuquerido,oseuamigocorajoso,oseudefensor
destemidoestavaprestesamorrer,eelanãoialhefazeratraiçãodenão
assistir,pois,seeleolhasseparaela,tinhaqueverolhosbrilhantesde
amoreconfiança,nãoumrostoescondidocovardementeoucostas
voltadasparaelepormedo.
Demodoqueelaficouassistindo,masaslágrimasnãodeixavamqueela
enxergasseoqueestavarealmenteacontecendo;talvezfossemesmoalgo
impossíveldever.Iofurcertamentenãoenxergava.
PorqueIorekestavarecuandoapenasparaencontrarsolofirmeesecoe
umarochasobreaqualseapoiar,eoinútilbraçoesquerdoestava,na
verdade,forteeapto.
Nãosepodeenganarumurso;porém,comoLyralhemostrara,Iofurnão
queriaserumurso,queriaserumhomem,eIorekestavaconseguindo
enganá-lo.Finalmenteeleencontrouoqueprocurava:umapedra
firmementeancoradanaterra.Encostou-senela,tensionandoaspernase
esperandoaocasião.QuechegouquandoIofurergueu-senafrentedele,
urrandosuavitóriaevirandoacabeça,provocantemente,paraolado
esquerdodeIorek,aparentementeoladomaisfraco.
FoientãoqueIorekatacou.Comoumaondaquevemaumentandosua
forçaatravésdemilharesdequilômetrosdeoceanoequecausapouca
agitaçãoemáguasprofundas,masque,quandochegaaoraso,ergue-seno
araterrorizandoaspessoas,antesdetombarsobreaterracomforça
irresistível-assimIorekByrnisonergueu-secontraIofur,explodindoparao
altoemcimadospésplantadosnarochasecaedilacerandocomumferoz
movimentodamãoesquerdaoqueixodesprotegidodeIofurRaknison.
Foiumgolpeterrível,quearrancouaparteinferiordamandíbula,aqual
vooupeloarespalhandorespingosdesanguepelaneveamuitosmetros
dedistância.AlínguavermelhadeIofurficoupenduradasobreagarganta
exposta.Oursorei,derepente,perderaosdentes,avoz,aluta.Ioreknão
precisavademaisnada;avançando,enfiouosdentesnagargantadeIofur
esacudiu-sedeumladoparaoutro,erguendodosoloocorpoenormee
batendocomelenochãocomoseIofurfosseumafocanabeirad'água.
Entãofezforçaparacima,eavidadeIofurRaknisonesvaiu-seentreseus
dentes.
Haviaaindaumritualasercumprido.Iorekabriuopeitodesprotegidodo
reimorto,arrancandoapeleparaexporascostelasestreitas,brancase
vermelhas,comooarcabouçodeumbarcovirado;enfiouamãoentreas
costelas,arrancouocoraçãodeIofur-vermelho,soltandovapor-ecomeuoalimesmo,nafrentedossúditosdeIofur.Houveentãoaclamações,
alvoroço,pandemônio,osursosavançandoemmassaparahomenagearo
matadordeIofur.AvozdeIorekByrnisonergueu-seacimadoclamor:
-Ursos!Queméoseurei?
Eobradoretornounumrugido,comosefossetodososseixosdomundo,
açoitadospelasondasdeumatempestadenomar.
-IorekByrnison!
Osursossabiamoquetinhamafazer;cadaenfeite,medalhaefaixafoi
jogadoforaepisoteadocomdesprezo,paralogoseresquecido.Agora
eramursosdeIorek,ursosdeverdade,nãosemi-humanosinseguros,
conscientesapenasdeumatorturanteinferioridade.Correramparao
Palácioecomeçaramaatirargrandesblocosdemármoredoaltodas
torres,soltandoaspedrasdasameiascomsuasmãospoderosase
arremessando-asporcimadosrochedosparaoancoradourocentenasde
metrosabaixo.
Iorekignorou-osesoltouasplacasdaarmaduraparacuidardos
ferimentos;antes,porém,quecomeçasse,Lyraestavaaseulado,batendo
comospésnanevevermelhaegritandoparaosursospararemde
destruiroPalácio,poishaviaprisioneirosládentro.Elesnãoouviram,mas
Ioreksim,equandoelerugiu,elespararamnomesmoinstante.
-Prisioneiroshumanos?-elequissaber.
-É,sim,queIofurRaknisonbotounasmasmorras.Elestêmquesairese
abrigaremalgumlugar,senãovãomorrernasruínasdopalácio...Iorek
deuordensrápidasealgunsursoscorreramparadentrodoPaláciopara
soltarosprisioneiros.Lyravirou-separaIorek.
-Deixequeeucuidodevocê,querotercertezadequenãoestámuito
ferido,meuqueridoIorek,ah,euqueriaterunscurativosoucoisaassim!
Estecortenabarrigaestáhorrível...
Umursocolocounochão,aospésdeIorek,umbocadodemassaverde
rígida,congelada.
-Musgo-de-sangue-Iorekexplicou.-Enfieistodentrodasferidas,Lyra.
Cubracomapeleeentãosegureumpoucodeneveemcimaatéamassa
congelar.Elenãodeixouqueosursoscuidassemdele,apesardaansiedade
deles;asmãosdeLyraeramhábeis,eelaestavadesesperadaparaajudar.
Assim,agarotinhainclinou-sesobreograndeurso-rei,enfiandoomusgode-sangue,puxandoapeleporcimaecongelandooferimentoatépararde
sangrar.Quandoterminou,tinhaasluvasempapadasdesanguedeIorek,
masosferimentosestavamtratados.
E,aessaaltura,osprisioneirostinhamsaído,numgrupodecercadeuma
dúziadehomenstremendoepiscandomuito.
LyraachouquenãohaviamotivoparafalarcomoProfessor,poisele
estavalouco;elagostariadesaberquemeramosoutroshomens,mas
haviamuitascoisasurgentesafazer.EnãoqueriadistrairIorek,quedava
ordensbrevesqueenviavamursoscorrendoparatodososlados,masela
estavapreocupadacomRoger,LeeScoresbyeasbruxas,estavacomfome
ecansada...Achouqueamelhorcoisaafazernaquelemomentoeraficar
foradocaminho.
Assim,enrodilhou-senumcantosossegadodocampodecombate,com
Pantalaimoncomofilhotedeloboparaaquecê-la,eempilhouneveemcima
desicomoumursofaria;eadormeceu.
Algumacoisacutucou-lheopé,eumavozdeursodesconhecidadisse:
-LyradaLínguaMágica,oreiquerfalarcomvocê.
Elaacordouquasecongeladaenãoconseguiuabrirosolhos,poisas
pálpebrastinhamendurecidodefrio;porémPantalaimonlambeu-aspara
derreterogelodoscílios,eelalogoconseguiuveràluzdaluaojovemurso
quehaviafalado.Tentouficardepé,mascaiuporduasvezes.Ourso
ofereceu:
-Subaemmim.
Eagachou-separaoferecerascostaslargas;pendurada,quasecaindo,ela
conseguiuficarmontadaenquantoelealevavaparaumvaleprofundo
ondemuitosursosestavamreunidos.
Eentreeleshaviaumafigurinhaquecorreuparaelaecujodaemondeu
umsaltoparasaudarPantalaimon.
-Roger!-elagritou.
-IorekByrnisonmefezficaraquiforananeveenquantovinhabuscar
você.Nóscaímosdobalão,Lyra!Depoisquevocêcaiu,nósfomos
carregadospormuitosemuitosquilômetros,eentãooSr.Scoresby
esvazioumaisumpoucoobalãoenósbatemosnumamontanhaecaímos
porumaladeiracomonuncaseviu.NãoseiondeoSr.Scoresbyfoiparar,
nemasbruxas.SóeueIorekByrnison.Eleveiodiretoparacá,procurando
você.Eaquimefalaramdocombate...
Lyraolhouemvolta.Sobadireçãodeumursomaisvelho,osprisioneiros
humanosestavamconstruindoumabrigodemadeiraeretalhosdelona.
Pareciamfelizesemterumtrabalhoafazer.Umdelesbatianuma
pederneiraparaacenderofogo.
-Temoscomida-disseojovemursoquehaviadespertadoLyra.Umafoca
recém-abatidaestavasobreaneve.Oursoabriu-acomumagarrae
mostrouaLyraondeencontrarosrins.Elacomeuumdeles,cru:era
quente,macioemaisdeliciosodoquesepoderiaimaginar.
-Comaagorduratambém-disseourso,arrancandoumpedaçoparaela.
Tinhasabordecremetemperadocomavelãs.
Rogerhesitou,masseguiuoexemplodela.Osdoiscomeramgulosamente,
e,empoucosminutos,Lyraestavainteiramenteacordadaecomeçandoa
sentircalor.Limpandoaboca,elaolhouemvolta,masIorekByrnisonnão
estavaàvista.
-IorekByrnisonestáconversandocomseusconselheiros-informouo
jovemurso.Querfalarcomvocêdepoisquevocêtiversealimentado.Sigame.Eleoslevouporcimadeumaelevaçãonaneveatéumlugarondeos
ursosestavamcomeçandoaconstruirumaparededeblocosdegelo.Iorek
estavasentadonocentrodeumgrupodeursosmaisvelhos,elevantou-se
paracumprimentá-la.
-LyradaLínguaMágica,venhaouviroqueestãomedizendo-chamou.
Nãoexplicouapresençadelaaosoutrosursos,outalvezelesjásoubessem
sobreela;masderam-lheumlugaretrataram-nacomimensacortesia,
comoseelafosseumarainha.ElasentiuumorgulhodesmedidodesentarseaoladodeseuamigoIorekByrnison,sobaAuroraBorealquecintilava
graciosamentenocéupolar,ejuntar-seàconversadosursos.
OqueaconteciaeraqueodomíniodeIofurRaknisonsobreelestinhasido
comoumfeitiço;algunsculpavamainfluênciadaSra.Coulter,quevisitara
Iofurelhederamuitospresentes,antesatédoexíliodeIorek,emboraeste
nãosoubessedisso.Umdosursoscontou:
-EladeuaIofurRaknisonumadrogaparadaraHjalmurHjalmursonpara
queeleficasselouco.
LyracalculouqueHjalmurHjalmursoneraoursoqueIorektinhamatado
eporcausadistosidoexilado.EntãoaSra.Coulterestavaportrásdaquilo
também!E
haviamais:
-Existemleishumanasproibindocertascoisasqueelaplanejavafazer,
masasleishumanasnãovigoramemSvalbard.Elaqueriamontaraqui
outraestaçãocomoBolvangar,sóquepior,eIofuriapermitirisso,contra
todososcostumesdosursos;poisjátivemoshumanosnosvisitando,ou
prisioneiros,masnuncamorandooutrabalhandoaqui.Aospoucos,elaia
aumentarseupodersobreIofurRaknisoneodelesobrenós,atévirarmos
escravosdela,fazendotudoqueelaordenasse,enossoúnicodeveriaser
tomarcontadaabominaçãoqueelaiacriar...Quemfalavaeraumurso
velho.SeunomeeraSorenEisarson,eeleeraumconselheiroquetinha
sofridomuitosobasordensdeIofurRaknison.
-Queéqueelaestáfazendoagora,Lyra?–IorekByrnisonperguntou.
QuandosouberdamortedeIofur,quaisserãoosplanosdela?
Lyrapegouoaletômetro.Estavaescurodemaisparaenxergar,eIorek
pediuquetrouxessemluz.
-QuefoiqueaconteceucomoSr.Scoresbyeasbruxas?
-Lyraperguntou,enquantoesperavam.
-Asbruxasforamatacadasporbruxasdeoutroclã.Nãoseiseeram
aliadasdosmutiladoresdecrianças,masestavampatrulhandonossoscéus
emgrandenúmeroeatacaramduranteatempestade.Nãovioque
aconteceuaSerafinaPekkala.QuantoaLeeScoresby,obalãotornoua
subirdepoisqueeucaícomomenino,eelefoidentro.Masoseuleitorde
símbolosvailhecontarodestinodeles.Umursochegoupuxandoumtrenó
noqualhaviaumtabuleirocheiodecarvãoembrasa,ejogouumgalho
resinosodentrodele.Ogalhopegoufogonomesmoinstante,enestaluz
LyragirouosponteirosdoaletômetroeperguntousobreLeeScoresby.
Pelaresposta,eleaindaestavanoar,levadopelosventosemdireçãoa
NovaZembla,escaparailesodosavantesmas-dos-penhascosetinhalutado
contraasbruxasdooutroclã.LyracontouaIorek,queassentiu,satisfeito.
-Seestánoar,estáemsegurança-disse.-EquantoàSra.Coulter?
Arespostafoicomplicada,comoponteiroindodeumsímboloaoutro
numaseqüênciaquedeixouLyrapensandodurantemuitotempo.Osursos
estavamcuriosos,masreprimidospelorespeitoporIorekByrnisoneo
deleporLyra,enquantoelaosesqueciaemergulhavanotranse
aletométrico.
Amensagemdossímboloseradesalentadora.
-Estádizendoqueela...Elasoubequeestávamosvoandoparacáe
conseguiuumzepelimdetransportearmadocommetralhadoras,achoque
éisto,eestávoandoparaSvalbardagoramesmo.Elaaindanãosabeque
IofurRaknisonfoiderrotado,éclaro,maslogosaberá,porque...Ah,sim,
porquealgumasbruxasvãoficarsabendopelosavantesmas-dospenhascosevãocontaraela.Demodoqueachoqueháespiõesnoarpor
todaparte,Iorek.
Elavinhapara...parafingirajudarIofurRaknison,mas,naverdade,ia
tomaropoderdelecomumexércitodetártarosqueestávindopormar,
eleschegarãoempoucosdias.
Elafezumapausamaslogoprosseguiu:
-EassimquepuderelavaiatéondeLordeAsrielestápresoevaimandar
matarele.Porque...Agoraestáficandoclaro:umacoisaqueeununcatinha
entendido,Iorek!ÉporissoqueelaquermatarLordeAsriel:porqueela
sabeoqueelevaifazeretemmedo,querfazerelamesmaeobtero
controleantesdele...Devesersobreacidadenocéu,sópodeser!Elaestá
tentandochegarláprimeiro!E
agoraeleestádizendooutracoisa...
Elainclinou-sesobreoinstrumento,concentrando-sefuriosamente
enquantooponteiroiadeumladoparaoutro.Elemovia-sequaseque
depressademaisparaavista:Roger,olhandoporcimadoombrodela;
nemconseguiaveroponteiroparar,esópercebiaumdiálogorápidoentre
osdedosdeLyramovendoosponteirosmenoreseoponteirogrande
respondendo,umalinguagemtãoextraordináriaquantoaprópriaAurora
Boreal.
Finalmenteelapousouoinstrumentonocoloe,pestanejandoesuspirando,
saiudaprofundaconcentração.
-Sim,entendooqueeleestádizendo-afirmou.–Elaestádenovoatrásde
mim.Queralgumacoisaqueeutenho,porqueLordeAsrieltambémquer.
Precisamdissoparaesse...Paraessaexperiência,sejaláoquefor...
Elaseinterrompeupararespirarprofundamente.Algumacoisaa
incomodava,eelanãosabiaoqueera.Tinhacertezadequeaquelacoisa
tãoimportanteeraopróprioaletômetro,porque,afinaldecontas,aSra.
Coultertentaraficarcomele,equemaispoderiaser?Porém,nãoeraisso,
poisoaletômetrotinhaoutramaneiradesereferirasimesmo.
-Imaginoquesejaoaletômetro-disse,emtomdetristeza.-Foioqueeu
penseiotempotodo.TenhoqueentregareleaLordeAsrielantesqueela
apareça.Seelapegaroaletômetro,todosnósmorreremos.Aodizeristo,
elasesentiutãocansada,tãoexaustaetriste,quemorrerteriasidoum
alívio.MasoexemplodeIorekByrnisonimpediaqueelaadmitisseisto.
Guardouoaletômetroesentou-sedecostasretas.
-Aquedistânciaelaestá?-Iorekperguntou.
-Apoucashoras.AchoqueémelhorlevaroaletômetroparaLordeAsriel
omaisdepressapossível.
-Voucomvocê-decidiuIorek.
Elanãodiscutiu.EnquantoIorekdavaordenseorganizavaumgrupo
armadoparaacompanhá-losnapartefinaldaviagemparaonorte,Lyra
ficouimóvel,poupandosuaenergia;sentiaqueduranteaúltimaleitura
algumacoisaseperderanela.Fechouosolhosedormiu;maistardeelesa
acordaram,epuseram-seacaminho.
21ASBOAS-VINDASDELORDEASRIEL
Lyracavalgavaumursojovemeforte,eRogerviajavamontadoemoutro,
aopassoqueIorekcaminhavaincansavelmenteàfrente;atrásdelesiaum
grupoarmadocomumlançadordefogo,defendendoaretaguarda.O
caminhoeralongoedifícil:ointeriordeSvalbard,montanhoso,compicos
irregularesedesfiladeirosprofundoscortadosporravinasevalesde
paredesíngremes;eofrio,intenso.Lyrarecordouostrenósvelozese
maciosdosgípciosacaminhodeBolvangar;comoaquelaviagemparecia
agorarápidaeconfortável!Oaraquieraomaispenetranteefrioqueela
jáconhecera;oupodiaserqueoursoqueelamontavanãofossetãoágil
quantoIorekByrnison;outalvezelaestivessecansadaatéaalma.De
qualquermaneira,foiumaviagemdesesperadamentedura.Elapouco
sabiasobreparaondeestavamindo,ouaquedistânciaficava;tudoque
sabiaeraoqueoursoanciãoSorenEisarsonlhecontaraenquanto
preparavamolançadordefogo.
Eleparticiparadasnegociaçõesarespeitodascondiçõesdo
encarceramentodeLordeAsrieleselembravamuitobem.
Eledisseque,noinício,osursosdeSvalbardconsideravamLordeAsriel
igualaqualquerdosoutrospolíticos,reisoubaderneirosquetinhamsido
exiladosparaaquelailhadistante.Osprisioneiroseramimportantes,senão
teriamsidomortosporseuprópriopovo;podiamservaliososparaos
ursosumdia,seseusdestinospolíticosmudassemeelesvoltassema
governarsuasterras;portanto,podiavalerapenanãotratá-loscom
crueldadeoudesrespeito.
DemodoqueLordeAsrieltinhaachadoascondiçõesemSvalbardnem
melhores,nempioresdoqueasdecentenasdeoutrosexiladosantesdele.
Mascertascoisasfaziamseuscarcereirosteremmaismedodeledoque
dosoutrosprisioneiros;haviaumardemistérioedeperigoespiritualque
envolviaqualquercoisarelacionadaaoPó;elestinhamvistoopânico
evidentedaquelesquehaviamlevadoLordeAsrielatélá;ehaviaas
comunicaçõesparticularesentreaSra.CoultereIofurRaknison.
Alémdisso,osursosnuncatinhamvistoalguémcomanaturezaorgulhosa
eautoritáriadeLordeAsriel.EledominavaatémesmoIofurRaknison,
discutindocomfirmezaeeloqüência,econvenceuourso-reiapermitirque
elepróprioescolhesseolugarondeiamorar.
Oprimeiroquelhederamerabaixodemais;eledissequeprecisavadeum
lugarnoalto,acimadafumaçaedapoluiçãodasminasdefogoedos
ferreiros.Deuaosursosumaplantadoalojamentoquedesejavaelhes
disseondedeviaserconstruído;eleossubornoucomouroelisonjeoue
intimidouIofurRaknison;deboavontade,achandograça,osursos
puseram-seatrabalhar.Empoucotempo,umacasafoiconstruídanuma
pontadeterraviradaparaonorte:umaconstruçãoamplaesólida,com
lareirasquequeimavamgrandesblocosdecarvãoretiradosdaterrae
carregadosporursos,ecomgrandesjanelasdevidrodeverdade.Aliele
vivia,umprisioneiroagindocomoumrei.
Eentãodedicou-seareuniromaterialparaumlaboratório.
Comfuriosaconcentração,mandoubuscarlivros,instrumentos,agentes
químicos,todotipodeferramentaseaparelhos.Edeumjeitooudeoutro,
recebeutudoquepedira-umaparteabertamente,outracontrabandeada
pelosvisitantesqueeleinsistiaterdireitodereceber.Porterra,marear,
LordeAsrielreuniuseumaterial,eaosseismesesdeprisãojápossuía
todooequipamentoquequeria.Eentãocomeçouatrabalhar,pensando,
planejandoecalculando,esperandoaúnicacoisaqueprecisavapara
completarotrabalhoquetantoassustavaoConselhodeOblação.Eessa
coisaestavacadavezmaispróxima.
AprimeiravisãoqueLyratevedaprisãodeseupaiveioquandoIorek
Byrnisonfezaltonosopédeumrochedoparaqueascriançasesticassem
aspernas,queestavamficandoperigosamentefriaserígidas.
-Olheláparacima-eledisse.
Umaclivecobertoderochasegelodeumaantigaavalanche,ondeuma
trilhatinhasidotrabalhosamenteaberta,levavaaotopodeumpenhasco
destacadoemsilhuetacontraocéu.NãohaviaAurora,masasestrelas
brilhavam.Openhascomostrava-senegroehostil,masnotopovia-seum
prédioespaçoso,deondejorravaluzemtodasasdireções-nãoobrilho
enfumaçadoeinconstantedaslamparinasagorduradepeixe,nemaluz
brancaechocantedosholofotesanbáricos,masaluzcálidadanafta.
Asjanelasdeondealuzemergiatambémmostravamoformidávelpoder
deLordeAsriel.Ovidroeraummaterialcaro,queemgrandesextensões
ajudavaamanterocalornessasregiõesinóspitas;assim,essematerial
evidenciavadinheiroeinfluência,muitomaisdoqueopaláciovulgarde
IofurRaknison.Montaramnosursospelaúltimavez,eIorekguiou-os
encostaacimaatéacasa.Haviaumpátiocobertodeneve,rodeadoporum
murobaixo;quandoIorekempurrouoportão,ouviu-seumacampainha
tocaremalgumlugardentrodacasa.Lyradesceudourso.Malconseguia
ficardepé.AjudouRogeradesmontartambéme,umapoiandoooutro,os
doisrumaramparaaporta,atravessandoanevequechegavaatéseus
quadris.
Ah,comoládentrodeviaestarquentinho!Ah,comoiaserbomdescansar
empaz!
Elaestendeuamãoparaacordadasineta,masaportaseabriuantesque
pudessepegá-la.Haviaumpequenovestíbulomaliluminado,queservia
paramanteroarquentedentrodecasa,eparadosobalamparinaestava
umapessoaqueelareconheceu:Thorold,ocriadodeLordeAsriel,com
seudaemon-pinscherAnfang.
Comumgestocansado,Lyraempurrouocapuzparatrás.
-Quem...-Thoroldcomeçou,maslogoareconheceu,econtinuou:-Nãoé
Lyra?ApequenaLyra?Estousonhando?
Eleestendeuamãoparatrásparaabriraportainterna.
Umsalãocomumfogodecarvãoardendonumaplataformadepedra,a
cálidaluzdenaftabrilhandonostapetes,naspoltronasdecouro,na
madeiraencerada...LyranãoviaistodesdequedeixaraaFaculdade
Jordan,esentiuagargantaapertada.
Apanterabranca,daemondeLordeAsriel,rosnou.
AliestavaopaideLyra,seurostomorenoeforte,aprincípiointenso,
triunfanteeansioso.Eentãoacordesapareceu;elearregalouosolhos,
horrorizado,aoreconhecerafilha.
-Não!Não!
Cambaleouparatráseagarrou-seàprateleirasobrealareira.
Lyranãoconseguiasemover.
-Saia!-LordeAsrielgritou.-Dêmeia-voltaesaia,váembora!Nãomandei
buscá-la!
Elanãoconseguiafalar.Porduasvezesabriuabocaeentãoconseguiu
dizer:
-Não,não,euvimporque...
Elepareciaapavorado;nãoparavadesacudiracabeçaeergueuasmãos
comoseparaafastá-la.Elanãoconseguiaacreditarnaquilo.
Deuumpassoàfrenteparatranqüilizá-lo,eRogerveioficaraoseulado,
ansioso.Osseusdaemonssaíramvoejando,eummomentodepoisLorde
Asrielpassouamãopelatestaecontrolou-seumpouco.Acorcomeçoua
voltaraoseurostoenquantoelecontemplavaasduascrianças.
-Lyra-disse.-ÉmesmoLyra?
-Sou,sim,tioAsriel-elarespondeu,achandoqueaquelenãoerao
momentoparafalardeseuverdadeiroparentesco.-Vimlhetrazero
aletômetro,dapartedoReitordaJordan.
-Ah,sim,naturalmente-fezele.-Queméesteaí?
-ÉRogerParslow-elaexplicou.-ÉajudantenaCozinhadaFaculdade
Jordan.Mas...
-Comofoiquechegouaqui?
-Euestavacontando,IorekByrnisonestáláfora,elenostrouxeaqui.Veio
comigodesdeTrollesund,enósenganamosIofur...
-QueméIorekByrnison?
-Umursodearmadura.Elenostrouxeaqui.
-Thorold!-elechamou.-Prepareumbanhoparaessesdoisealguma
comida.Depoiselesvãoprecisardormir.Asroupasdelesestãoimundas;
arranjealgumacoisaparaelesusarem.Façaissoagora,enquantoeu
conversocomesseurso.
Lyrasentiuacabeçarodar.Talvezfosseocalor,talvezalívio.Elaobservou
ocriadofazerumamesuraesairdosalão,eLordeAsrielsairparao
vestíbuloefecharaportaatrásdesi,eentãoelasedeixoucairnapoltrona
maispróxima.
Pareciaque,noinstanteseguinte,Thoroldestavafalandocomela.
-Venhacomigo,senhorita.
Elaforçou-sealevantarefoicomRogerparaumbanheiroaquecido,onde
toalhasmaciasestavampenduradasnumvaralaquecidoeumabanheira
deáguaquentesoltavavaporàluzdenafta.
-Vávocêprimeiro-disseLyra.-Voumesentarláforaparaconversarmos.
EntãoRoger,fazendocaretaporcausadaáguaquente,entrounabanheira
etomoubanho.Elestinhamnadadosemroupamuitasvezes,brincandono
ÍsisounoCherwellcomoutrascrianças,masagoraeradiferente.
-Estoucommedodoseutio-disseRogeratravésdaportaaberta.-Quer
dizer,doseupai.
-Émelhorcontinuarchamandoeledemeutio.Eutambémtenhomedo
dele,àsvezes.
-Quandoagenteentrou,elenãomeviu.Sóviuvocê.Eficouapavorado,até
mever.Entãoseacalmouderepente.
-Eleficouchocado,sóisso-disseLyra.–Qualquerpessoaficaria,vendo
alguémquenãoesperavaver.Aúltimavezqueelemeviufoidepois
daquelecasodaSalaPrivativa.Devetersidomesmoumchoque.
-Não,foimaisqueisso-Rogerinsistiu.-Eleestavaolhandoparamim
comoumlobooucoisaassim.
-Vocêestáimaginandocoisas.
-Nãoestou.TenhomaismedodeledoquetinhadaSra.Coulter,averdade
é
esta.
Enquantoelejogavaáguaemcimadocorpo,Lyrapegouoaletômetro.
-Querqueeupergunteaoleitordesímbolossobreisso?-perguntou.
-Bom,seilá.Algumascoisaseuprefironãosaber.Parecequetudoque
ouvidepoisqueosPapõeschegaramemOxford,tudofoiruim.Tudono
futurodepoisdecincominutostemsidoruim.Comoagora,estebanhoestá
gostoso,enofuturodaquiacincominutosvaiterumatoalhaquentinha.E
enquantoeumeenxugo,voupensarnumacomidagostosacincominutos
depois,massóvouatéaí.Depoisdecomer,talvezdentrodecincominutos
eupossaestardormindonumacamaconfortável.Masirdepoisdisso,não
sei,Lyra.Nósvimoscoisashorríveis,nãofoi?E
aindavemmais,comcerteza.Entãoachomelhornãosaberoqueestáno
futuro.Prefiroopresente.
-Estácerto.Asvezessintoissotambém-disseelaemtomcansado.Assim,
emboraficassecomoaletômetronamãopormaisalgumtempo,era
apenascomoumamuleto;nãomexeunosponteirosenãopercebeuqueo
ponteirograndesemexia.Pantalaimonobservavaemsilêncio.
Depoisqueambostomarambanhoecomerampãocomqueijo,bebendo
vinhocomáguaquente,ocriadoThorolddisse:
-Omeninodeveirparaacama.Vou-lhemostrarocaminho.Srta.Lyra,
LordeAsrielpedequeváaoencontrodelenaBiblioteca.
LyraencontrouLordeAsrielnumaposentocomjanelaslargasquedavam
paraomarcongeladobemabaixodeles.Haviaumfogodecarvãonuma
amplalareiraeumalamparinaanaftacomachamabembaixa,demodo
quehaviapoucosobstáculosentreosocupantesdasalaeapaisagem
escuraeestreladaláfora.LordeAsriel,reclinadonumagrandepoltronaa
umladodalareira,indicouqueelaocupasseaoutrapoltrona,defrente
paraele.
-SeuamigoIorekByrnisonestádescansandoláfora-informou.-Ele
prefereofrio.
-ElelhecontoualutacomIofurRaknison?
-Nãocomdetalhes.MasentendiqueagoraeleéoreideSvalbard.Issoé
verdade?
-Claroqueé.Ioreknuncamente.
-Parecequeelesenomeouseuguardião...
-Não.JohnFaadisseaeleparatomarcontademim,eeleestá
obedecendo.EstáseguindoasordensdeJohnFaa.
-ComoéqueJohnFaaentrounestahistória?
-Eulhecontoseosenhormecontarumacoisa–elapropôs.-Osenhoré
meupai,nãoé?
-Sou.Edaí?
-Daíquedeviatermecontadoantes.Nãodeviaesconderessetipode
coisadaspessoas,porqueelassesentemidiotasquandodescobrem,eisso
écrueldade.Quediferençafariaseeusoubessequeerasuafilha?O
senhorpodiatermecontadohámuitosanos.Podiatermecontadoe
pedidoparaeuguardarsegredo,eeuguardaria,poismesmosendomuito
criança,euteriafeitoissoseosenhormepedisse.Euteriatantoorgulho
quenadaarrancariaissodemim,seosenhormepedisseparaguardar
segredo.Masosenhornão.Contouaoutraspessoas,masnãoamim.
-Quemlhecontou?
-JohnFaa.
-Elefaloudasuamãe?
-Falou,sim.
-Entãonãorestamuitacoisaparaeucontar.Achoquenãoqueroser
interrogadoecondenadoporumagarotainsolente.Querosaberoque
vocêviuefeznasuaviagemparacá.
-Eulhetrouxeomalditoaletômetro,nãotrouxe?–Lyraexplodiu.Estava
quasechorando.-CuideideledesdequesaídaJordan,escondibem
escondidoemepreocupei,passandoportudoquenosaconteceu.E
aprendicomoéqueseusaecarregueieleportodoomalditocaminho,
quandopodiasimplesmenteentregareleeficaremsegurança,eosenhor
nemdizobrigado,nemmostraqualquersinaldeestarfelizemmever.Não
seiporqueresolvifazerisso.Masfiz,persisti,mesmonopaláciofedorento
deIofurRaknison,comtodosaquelesursosmecercando,eupersisti,
sozinha,eenganeiele,fazendo-olutarcomIorekparaqueeupudessevir
atéaquiporsuacausa...Equandoosenhormeviu,quasedesmaiou,como
seeufossealgumacoisahorrívelqueosenhornuncamaisqueriaver.O
senhornãoé
humano,LordeAsriel.Nãoémeupai.Meupainãometratariaassim.Os
paisamamasfilhas,nãoamam?Osenhornãomeama,eeunãoamoo
senhor,epronto.EuamoFarderCoram,amoIorekByrnison.Amoumurso
dearmaduramaisdoqueamoomeupai.EapostoqueIorekByrnisonme
amamaisqueosenhor.
-VocêmesmamedissequeeleestásóobedecendoordensdeJohnFaa.Se
vaificarsentimental,nãovouperdermeutempoconversandocomvocê.
-Entãopegueoseumalditoaletômetro,eeuvouvoltarcomIorek.
-Paraonde?
-Paraopalácio.ElepodelutarcontraaSra.CoultereoConselhode
Oblaçãoquandoelesaparecerem.Seeleperder,eutambémvoumorrer,
masnãomeimporto.Seelevencer,vamosmandarbuscarLeeScoresby,e
euvouembarcarnobalãodelee...
-QueméLeeScoresby?
-Umaeróstata.Elenostrouxeaquieentãocaímos.Pronto,aquiestáo
aletômetro.Estáemperfeitoestado.
Elenãofezmençãodepegaroinstrumento,demodoqueelaocolocouna
gradedebronzequerodeavaafrentedalareira.
-Bom,achoqueéminhaobrigaçãodizerqueaSra.Coulterestáacaminho
deSvalbardeassimquesouberoqueaconteceuaIofurRaknisonelavirá
paracá.Numzepelim,commuitossoldados,evãomatarnóstodospor
ordemdoMagisterium.
-Nãovãonosalcançar-eledissecalmamente.
Estavatãocalmoerelaxadoquepartedaraivadelasedesfez.
-Osenhornãotemcomosaber-eladisse,hesitante.
-Massei.
-Entãotemoutroaletômetro?
-Nãoprecisodeumaletômetroparaisso.Agoraquerosaberdasua
viagemparacá,Lyra.Comecedoprincípio.Conte-metudo.
Elaassimfez.ComeçounanoiteemqueseescondeunaSalaPrivativa,
depoisfalounosequestrodeRogerpelosPapõeseotempoquepassou
comaSra.Coulter,etudoquetinhaacontecido.
Eraumalongahistória,equandoterminou,eladisse:
-Sótemumacoisaqueeuquerosaber,eachoquetenhoessedireito,
comotinhaodireitodesaberquemeusoudeverdade.Ecomonãome
contouaquilo,vaimecontarissocomorecompensa.Pronto:oqueéPó?E
porquetodomundotemtantomedodele?
Eleaencaroucomosequisesseadivinharseelacompreenderiaoqueele
estavaprestesadizer.Lyrapensou:elenuncahaviaolhadoseriamente
paraela;até
entãotinhasidosemprecomoumadultoobservandoasgracinhasdeuma
criança.Masparecequeeleachouqueelaestavapronta.
-Póéoquefazoaletômetrofuncionar-disse.
-Ah...Acheiquefossemesmo!Quemais?Comofoiquedescobriramisso?
-Decertomodo,aIgrejasempresoube.Duranteséculos,elesvêmfazendo
sermõessobrePó,sóquenãousamestenome.Mas,háalgunsanos,um
moscovitachamadoBorisMikhailovitchRusakovdescobriuumnovotipo
departículaelementar.Vocêjáouviufalaremelétrons,fótons,neutrinose
oresto?Receberamonomedepartículaselementaresporquenãopodem
serdivididas:nãohánadadentrodelasalémdelasmesmas.Bem,esse
novotipodepartículaerarealmenteelementar,maseramuitodifícilde
sermedidaporquenãoreagiademodonormal.Acoisamaisdifícilpara
Rusakovfoientenderporqueanovapartículapareciajuntarseondehavia
sereshumanos,comosefosseatraídapornós.Eespecialmentepor
adultos.Pelascriançastambém,masnãotanto,atéseusdaemonsfixarem
suaforma.Duranteosanosdepuberdade,elascomeçamaatrairPócom
maisforça,eelepousanelascomopousanosadultos.
Eleparoupararespirar,maslogoprosseguiu:
-Ora,todasasdescobertasdessetipo,portereminfluêncianasdoutrinas
daIgreja,têmqueseranunciadasatravésdoMagisteriumemGênova.E
essadescobertadeRusakoveratãoimprováveleestranhaqueoInspetor
doTribunalConsistorialdeDisciplinasuspeitouqueRusakovestivesse
possuídopelodiabo.Fizeramumexorcismonolaboratórioeinterrogaram
RusakovsegundoasregrasdaInquisição,masafinaltiveramqueaceitaro
fatodequeRusakovnãoestavamentindooutentandoenganá-los:oPó
realmenteexistia.Assimsurgiuoproblemadedecidiroqueeraisso.E
devidoànaturezadaIgrejasópoderiamterescolhidoumacoisa:o
MagisteriumdecidiuqueoPóeraaevidênciafísicadopecadooriginal.
Sabeoqueépecadooriginal?Elatorceuoslábios.Eracomoestardevolta
à
Jordan,sendosabatinadasobrealgumacoisaquemallhetinhamensinado.
-Maisoumenos-respondeu.
-Nãosabe,não.Váatéaprateleiraatrásdaescrivaninhaemetragaa
Bíblia.Lyraassimfezeentregouaopaiograndelivrodecapapreta.
-Lembra-sedahistóriadeAdãoeEva?
-Claro.Elanãodeviacomerofruto,masfoitentadapelaserpenteecomeu.
-Quefoiqueaconteceuentão?
-Hum...Elesforamexpulsos.Deusexpulsouosdoisdoparaíso.
-Deustinhaditoparaelesnãocomeremofruto,senãoelesiammorrer.
Lembre-se,elesestavamnusnoparaíso,eramcomocrianças,seus
daemonstinhamaformaquedesejassemter.Masouçaoqueaconteceu...
EleprocurouoCapítuloTerceirodoGênesiseleu:
"Eamulherdisseàserpente:'Nóscomemosdofrutodasárvoresque
estãonoparaíso.MasdofrutodaárvorequeestánomeiodoparaísoDeus
mandouquenãoocomêssemos,enemotocássemos,paraquenãosuceda
quemorramos.'
"Porémaserpentedisseàmulher:'Vósdenenhummodomorrereis.Pois
Deussabeque,emqualquerdiaquecomerdesdele,abrir-se-ãoosvossos
olhos,evossosdaemonsassumirãosuasformasverdadeiras,esereiscomo
deuses,conhecendoobemeomal'
"Viu,pois,amulherque(ofrutoda)árvoreerabomparacomer,e
formosoaosolhos,eumaárvoredesejávelpararevelaraforma
verdadeiradodaemondealguém;etiroudofrutodela,ecomeu;edeua
seumarido,quetambémcomeu.
"Eosolhosdeambosseabriram,eelesviramaformaverdadeiradeseus
daemons,efalaramcomeles.
"Masquandoohomemeamulherconheceramseusprópriosdaemons,
viramqueumagrandetransformaçãonelesseefetuara,poisatéaquele
momentopareciaqueeleseramcomotodasascriaturasdaterraedocéu,
enãohaviadiferençaentreeles.
"Eelesenxergaramadiferença,econheceramobemeomal;e
envergonharam-se,Ecoseramfolhasdefigueiraparacobrirsuanudez..."
Elefechouolivro.
-Efoiassimqueopecadochegouaomundo-disse.-Opecado,avergonha
eamorte.ElesurgiunomomentoemqueosdaemonsdeAdãoeEvase
tornaramimutáveis.
-Mas...-Lyralutouparaencontraraspalavrasquequeria.-Masissonãoé
verdade,é?Nãoécomoquímicaouengenharia,nãoéessetipode
verdade,é?
AdãoeEvanuncaexistiram,nãoé?OCatedráticodecassingtonmedisse
queerasóumaespéciedecontodefadas.
-Acátedradecassingtontradicionalmenteédadaaumlivre-pensador;a
funçãodeleédesafiarafédosCatedráticos.Naturalmenteeletinhaque
dizerisso.MaspenseemAdãoeEvacomoumnúmeroimaginário,comoa
raizquadradademenosum:agentenuncavêumaprovaconcretadeque
eleexiste,masquandoincluímosessenúmeronasnossasequações,
podemoscalculartodotipodecoisaqueseriaimpossívelimaginarsemele.
Dequalquermaneira,essahistóriaéoqueaIgrejavemensinandohá
milharesdeanos.EquandoRusakovdescobriuoPó,finalmentehaviauma
provafísicadequealgumacoisaaconteciaquandoainocênciase
transformavaemexperiência.Aliás,aBíblianosdeutambémonome
"Pó";noprincípiochamava-sePartículasdeRusakov,maslogoalguém
observouumcuriosoversículonofinaldoCapítuloTerceirodoGênesis,
quandoDeusamaldiçoaAdãoportercomidoofruto.
EletornouaabriraBíbliaemostrouaLyra.Elaleu:
"Comerásopãocomosuordoteurostoatéquevoltesàterra,dequefoste
tomado:porquetuéspó,eempótehásdetornar..."
LordeAsrielcontinuou:
-OsestudiososdaIgrejasempreficaramconfusoscomatraduçãodeste
versículo.Algunsdizemquenãodeveriaser"aopóretornarás"massim
"serássujeitoaopó",eoutrosdizemqueoversículointeiroéumaespécie
detrocadilhocomaspalavras"terra"e"pó"equeelesignificanaverdade
queDeusestá
admitindoquesuapróprianaturezaéparcialmentepecaminosa.Nãohá
umconsenso;nãoseconseguechegaraumaconclusão,porqueessetexto
foimodificado.Masapalavraserviabemdemais,eéporissoqueas
partículasficaramconhecidascomoPó.
-EquantoaosPapões?-Lyraquissaber.
-OConselhoGeraldeOblação...Aquadrilhadasuamãe.Foimuita
espertezadelaidentificaraoportunidadedeformarsuaprópriabasede
poder,maselaéumamulheresperta,comovocêjádeveterpercebido.É
vantajosoparaoMagisteriumpermitirquefloresçatodotipodediferentes
organizações.Podemjogarumascontraasoutras;seumadercerto,
podemfingirqueaapoiaramotempotodo,eseelafracassar,elespodem
fingirqueeraumaorganizaçãoclandestinaquenuncafoilicenciada.Sabe,
suamãesempreambicionouopoder.Noprincípio,tentouconseguirpoder
pelamaneiranormal,atravésdocasamento,masistonãofuncionou,como
vocêdeveterouvidocontar.Demodoqueelatevequerecorrerà
Igreja.Naturalmenteelanãopodiaseguirocaminhoqueumhomem
seguiria,serpadreesubirnahierarquiadaIgreja,demodoqueteveque
fazerumacoisaalternativa:tevequecriarsuaprópriaordem,seus
próprioscanaisdeinfluência,etrabalharcomisso.Foiumaboajogada
especializar-senoPó.Todomundotinhamedodele,ninguémsabiaoque
fazer;equandoelaseofereceuparadirigirumainvestigação,o
Magisteriumficoutãoaliviadoqueelesaapoiaramcomdinheiroe
recursosdetodotipo.
-Maselesestavamcortando...-Lyranãoconseguiudizeroresto;as
palavrasficarambloqueadasemsuagarganta.-Osenhorsabeoque
estavamfazendo!PorqueaIgrejadeixouquefizessemumacoisacomo
essa?
-Haviaumprecedente.Jáocorreraumacoisaparecida.Sabeoque
significaapalavra"castração"?Significaremoverosórgãossexuaisdeum
meninoparaqueelenuncadesenvolvaascaracterísticasdeumhomem.
Umcastratotemavozfinapelorestodavida,eéporistoqueaIgreja
permitiaisso:eraútilnoscorosdaIgreja.Algunscastratitornaram-se
grandescantores,artistasmaravilhosos.Muitostornaram-seapenasmeiohomens,balofosetemperamentais.Algunsmorreramporcausada
operação.MasaIgrejanãoseimportoucomaidéiadeumpequenocorte,
entende?Haviaumprecedente.Eissoseriamuitomaishigiênicodoqueos
métodosantigos,quandonãoexistiaanestesianemcurativosesterilizados.
Agoraaoperaçãoseriamuitomaissuave.
-Nãoé,não!-Lyraexclamoucomferocidade.–Nãoénão!
-Não.Claroquenão.ÉporissoquetiveramqueseescondernoExtremo
Norte,nadistânciaenaescuridão.EporissoaIgrejaficoutãocontenteem
teralguémcomoasuamãetomandoconta.Quemiriaduvidardeuma
mulhertãoencantadora,tãobem-relacionada,tãosimpáticaeeducada?
Masporsetratardeumaoperaçãoobscuraeclandestina,elaeraalguém
queoMagisteriumpoderianegarconhecer,sefossenecessário.
-Masdequemfoiaidéiadefazeressecorte?
-Foidela.Elaadivinhouqueasduascoisasqueacontecemnaadolescência
poderiamestarligadas:amudançanodaemoneofatodequeoPócomeça
apousar.Talvez,seodaemonfosseseparadodocorpo,pudéssemosnão
sersujeitosaoPó,aopecadooriginal.Aquestãoeraseseriapossível
separarodaemondocorposemmatarapessoa.Maselaviajoupormuitos
lugareseviumuitascoisas.ViajoupelaÁfrica,porexemplo.Osafricanos
conseguemcriarumescravochamadozumbi.Elenãotemvontadeprópria;
trabalhadiaenoitesemfugiresemreclamar.Pareceumcadáver...
-Éumapessoasemseudaemon!
-Exatamente.Assim,eladescobriuqueerapossívelsepararosdois.
-E...TonyCostamecontousobreosfantasmashorríveisqueexistemnas
florestasdoNorte.Imaginoquedevemseromesmotipodecoisa.
-Issomesmo.Dequalquermaneira,oConselhoGeraldeOblaçãocresceu
porcausadeidéiascomoestaedaobsessãodaIgrejacomopecado
original.OdaemondeLordeAsrielvibrouasorelhas,eelepousouamão
nabelacabeçadoanimal.
-Maisumacoisaaconteciaquandofaziamocorte,porémelesnão
perceberam-elecontinuou.-Aenergiaqueligaocorpoaodaemoné
imensamentepoderosa;quandoocorteéfeito,todaessaenergiasedissipa
numafraçãodesegundo.Elesnãoperceberam,poisconfundiramcom
choque,outrauma,ouraiva,etreinaram-separanãosentiraquilo.De
modoquedeixaramdeveroqueessaenergiapodiafazerenunca
pensaramemaproveitá-la...
Lyranãoconseguiaficarquieta;levantou-se,caminhouatéajanelaeficou
contemplandoaescuridão.Eleseramcruéisdemais!Pormaisquefosse
importantedescobrirsobreopecadooriginal,eracrueldadedemaisoque
tinhamfeitoaTonyMakariosetodososoutros.Nadajustificavaisso.
-Eoqueosenhorestavafazendo?-elaperguntou.Tambémcortou
alguém?
-Estouinteressadoemcoisacompletamentediferente.Achoqueo
ConselhodeOblaçãonãoavançaosuficiente;euqueroiràprópriafonte
doPó.
-Afonte?Deondeelevem,então?
-DooutrouniversoqueconseguimosveratravésdaAuroraBoreal.Lyra
virou-seoutravezparaasala.Seupaiestavarecostadonapoltrona,
relaxadoepoderoso,osolhostãoferozesquantoosdeseudaemon.Ela
nãooamava,nãoconseguiaconfiarnele,masnãopodiadeixardeadmirálo,admiraroluxoextravagantequeelereuniranaquelaimensidão
desolada,admiraropoderdaambiçãodele.
-Oqueéesseoutrouniverso?-perguntou.
-Umdosincontáveisbilhõesdemundosparalelos.Asbruxassabemsobre
elesháséculos,masosprimeirosteólogosaprovaremmatematicamentea
existênciadelesforamexcomungados,háuns70anosoumais.Noentanto,
é
verdade;nãohácomonegar.Masninguémpensavaqueumdiaseria
possívelatravessardeumuniversoparaoutro.Issoviolarialeis
fundamentais,nósachávamos.Bem,estávamoserrados.Aprendemosa
enxergaromundoláemcima;ora,sealuzconsegueatravessar,nós
tambémconseguimos.Etivemosqueaprenderaenxergaresseoutro
mundo,Lyra,assimcomovocêaprendeuausaroaletômetro.Ora,esse
mundoetodososoutrosuniversossurgiramcomoresultadoda
possibilidade.Vejaoexemplodejogarumamoedaparaoalto:podecair
caraoucoroa,eantesqueelacaianãosabemoscomovaicair.Secaircara,
istosignificaqueapossibilidadedecaircoroaestádestruída,masaté
aquelemomentoasduaspossibilidadeseramiguais.
Elesilenciouporuminstante.
-Masemoutromundoelacaicoroa-prosseguiu.–Equandoissoacontece,
osdoismundosseseparam.Estouusandooexemplodeumamoedapara
tornaracoisamaisclara.Naverdade,essasdestruiçõesdepossibilidade
acontecemdomesmomodononíveldaspartículaselementares:emdado
momento,váriascoisassãopossíveis;nomomentoseguinte,apenasuma
aconteceeorestonãoexiste.Porémsurgiramoutrosmundos,ondeelas
acontecem.EeupretendoiraessemundoportrásdaAuroraBoreal,
porqueachoqueédeláquevemoPódonossouniverso.Vocêviuaqueles
slidesquemostreiaosCatedráticosnaSalaPrivativa;viuoPójorrando
nestemundo,vindodaAuroraBoreal.Vocêmesmaviuaquelacidade.Sea
luzpodeatravessarabarreiraentreosuniversos,seoPópode,senós
conseguimosveraquelacidade,entãopodemosconstruirumapontee
atravessar.É
precisoumadescargadeenergiafenomenal,mastenhocomofazerisso.
EmalgumlugarestáaorigemdetodooPó,todamorte,pecado,miséria,
destruiçãonomundo!
Ossereshumanosnãoconseguemverqualquercoisasemquererdestruí-
la,Lyra.Esteéqueéopecadooriginal.Eeuvouacabarcomele.Amorte
vaimorrer.
-Foiporissoqueprenderamosenhoraqui?
-É.Estãoapavorados.Ecomrazão.
Eleficoudepé,imitadopeloseuprópriodaemon-orgulhoso,lindoeletal.
Lyraficouimóvel.Tinhamedodopai,admirava-oprofundamenteeachava
queeleestavainteiramentelouco,masquemeraelaparajulgar?
-Váparaacama-eleordenou.-Thoroldvailhemostrarondedormir.Ele
virou-separasair.
-Osenhorestáesquecendooaletômetro-elaavisou.
-Ah,é.Naverdade,nãoprecisomaisdele.Dequalquermaneira,nãoiaser
útilsemoslivros.Sabe,achoqueoReitordaJordanestavadandoo
aletômetroparavocê.Elepediumesmoquevocêotrouxesseparamim?
-Sim,ora!-elaexclamou.
Masparouparapensareconcluiuque,naverdade,oReitornãotinhalhe
pedidoparafazerisso;elaimaginavaqueeraoqueelepretendia.
-Não-corrigiu.-Nãosei.Penseique...
-Bem,eunãooquero.Eleéseu,Lyra.
-Mas...
-Boanoite,garota.
Sempalavras,perplexademaiscomissoparaexprimirumasequerdas
dezenasdeperguntasquelheenchiamamente,elapegouoaletômetroe
embrulhou-onoveludopreto.Entãosentou-sepertodofogoeficouvendo
LordeAsrielretirar-sedoaposento.
22ATRAIÇÃO
Eladespertoucomumhomemsacudindo-lheobraço.EntãoPantalaimon
acordoucomumpuloerosnou,eelareconheceuThorold.Elesegurava
umalamparinaanaftanamãotrêmula.
-Senhorita,senhorita,levante-sedepressa!Eleestáquasedelirando,
desdequeasenhoritafoidormir.Nuncavimeuamotãodescontrolado.
Arrumoumuitosinstrumentoseváriasbateriasnumtrenó,atrelouos
cachorrosepartiu.Maslevouomenino,senhorita!
-Roger?ElelevouoRoger?
-Elemedisseparaacordarevestiromenino,enempenseiemdiscutir,
nuncafizisso.Omeninoficouperguntandopelasenhorita,masLorde
Asrielqueriaelesozinho.Sabe,quandoasenhoritachegou?Quandoeleviu
quemera,nãoqueriaacreditar,eficoumandandoasenhoritairembora?
AcabeçadeLyraestavatãocheiadepensamentosetemoresqueelamal
conseguiapensar.
-Sei!Sei!-afirmou.
-Eraporqueeleprecisavadeumacriançaparaterminaraexperiência,
senhorita!ELordeAsrieltemumjeitinhotodoespecialdeconseguiroque
quer;ésó
pedire...
AgoraacabeçadeLyraestavacheiadetrovões,comoseelaestivesse
tentandoevitarquecertainformaçãochegasseaoseuconsciente.Tinha
saídodacamaeiavestirsuasroupasquandocaiunochãoderepente.Um
agudogritodedesesperoenvolveu-a.Ogritosaíradela,maseramaiordo
queela;eracomoseodesesperoéqueestivessegritando.Poiselahavia
selembradodaspalavrasdele:aenergiaqueuneocorpoaodaemoné
imensamentepoderosa;eparaservirdeponteentreosdoismundosera
precisoumadescargadeenergiafenomenal...
Elaacabavadeperceberoquefizera.
TinhalutadoparachegaratéaliparatrazeralgoaLordeAsriel,pensando
saberoqueelequeria;enãoeraoaletômetro.
Tudoqueelequeriaeraumacriança.
EelatinhatrazidoRogerparaele!
PoristoeletinhagritadoquandoviuLyra:"Nãomandeibuscá-la!";ele
mandarabuscarumacriança,eodestinolhetrouxerasuaprópriafilhaeraoqueelehaviapensado,atéverRoger.
Ah,queangústiaterrível!ElapensavaqueestavasalvandoRogereo
tempotodoestavatrabalhandoparatrairoamigo...
Lyraestremecia,aossoluços,numfrenesideemoção.Aquilonãopodiaser
verdade!
Thoroldtentouacalmá-la,masnãosabiaomotivoparatantosofrimento,e
tudoquepodiafazereradar-lhetapinhasnervososnoombro.
-Iorek...-elasoluçou,afastandoocriado.-OndeestáIorekByrnison?O
urso?Aindaestáláfora?
Ovelhodeudeombros,semsaberresponder.-Meajude!-elapediu,
tremendodefraquezaemedo.-Tragameusagasalhos.Tenhoqueir.
Agora!
Rápido!
Elepousoualamparinaefezoqueelapedia.Quandodavaordensnaquele
tomimperioso,elaficavamuitoparecidacomopai,emborativesseorosto
molhadodelágrimaseoslábiostrêmulos.EnquantoPantalaimonandava
deumladoparaoutrosacudindoacaudacomforça,apelagemquase
faiscando,Thoroldcorreuparatrazeraspelesdela,rígidasefedorentas,e
ajudarLyraaagasalhar-se.Assimquetodososbotõesestavamfechados,
elacorreuparaaporta,esentiuofrioatingirsuagargantacomouma
espadaecongelaraslágrimasemseurosto.
-Iorek!-elasepôsagritar.-IorekByrnison!Venha,precisodevocê!
Houveumvulcãodeneve,umruídodemetal,eoursoapareceuaseu
lado;estiveradormindotranqüilamentesobanevequecaía.Naluzda
lamparinaqueThoroldseguravajuntoàjanela,Lyraviuacabeça
compridaesemrosto,asfrestasescurasdosolhos,obrilhodepêlos
brancossobometalpreto-avermelhado,etevevontadedeabraçá-lo,
procurandoconsolonoelmodeferro,napeledepontasdegelo.
-Quefoi?-eleperguntou.
-TemosquealcançarLordeAsriel.ElelevouoRogerevai...nãoconsigo
nempensarnisso...Ah,Iorek,eulheimploro,vádepressa,meuquerido!
-Entãovenha-eleretrucou.
Lyrasaltouparaascostasdourso.Nãohavianecessidadedeperguntaro
caminho;orastrodotrenólevavaparaaplanície,eIoreklançou-seno
encalçodele.SeumovimentofaziaagorapartedeLyra,demodoque
equilibrar-sehaviasetornadoumacoisaautomáticaparaela.Elecorria
maisdepressadoquenuncapeloespessomantodenevesobreosolo
rochoso,easplacasdasuaarmaduraroçavamumasnasoutrasnumritmo
regular.
Atrásdeles,osoutrosursosvinhammaisdevagar,puxandoolançadorde
fogo.Ocaminhoestavaclaro,poisaluaestavaalta,esualuz,derramandosesobreomundonevado,eratãoclaracomotinhasidonobalão:um
mundodepratabrilhanteenegrumetotal.OrastrodotrenódeLorde
Asrieliadiretoparaumaserradepicospontiagudos,formasaguçadase
estranhasquesobressaíamnumcéutãonegroquantooveludoque
embrulhavaoaletômetro.Nãohaviasinaldotrenó-ouhaviaumlevíssimo
movimentonaencostadopicomaisalto?Lyratentouenxergar,forçando
osolhos,ePantalaimonvoouomaisaltoquepôdeparaespiarcomsua
visãoclaradecoruja.
-ÉLordeAsriel,sim,eleestáchicoteandofuriosamenteoscães,etemuma
criançacomele...
LyrasentiuIorekByrnisondiminuiravelocidade;algumacoisatinha
chamadosuaatenção.Eleerguiaacabeça,virando-aparaaesquerdae
paraadireita.
-Queé?-elaquissaber.
Elenãodisse.Estavaescutandocomatenção,maselanadaconseguia
ouvir.Masentãoouviualgumacoisa:umruídomisteriosoemuitodistante
decoisaroçandoeestalando.Eraumsomqueelajáouvira:osomda
AuroraBoreal.Umvéudebrilhotinhacaídodonadaependiacintilanteno
céuaustral.Todosaquelesbilhõesetrilhõesdepartículascarregadas
invisíveis,epossivelmentetambém-elapensoudePó,formavamuma
radiânciadescendodaatmosferasuperior.Nessanoite,aAuroraBorealia
serbemmaisbrilhanteeextraordináriadoquequalqueroutraqueLyra
jávira,comosesoubessedodramaquesedesenrolavaláembaixoe
quisesseiluminá-locomosmaisimpressionantesefeitosespeciais.Mas
nenhumdosursosestavaolhandoparacima:tinhamaatençãovoltada
paraaterra.EntãonãohaviasidoaAuroraqueatraíraaatençãodeIorek!
Oursoagoraestavaimóvel,eLyraescorregoudascostasdele,sabendo
queeleprecisavadeliberdadedemovimentosparapoderseorientar.
Algumacoisaopreocupava.
Lyraolhouemvoltaeparatrás,paraavastidãoplanaquelevavaàcasade
LordeAsriel,olhouparaasmontanhasquetinhamatravessadomaiscedo,
enadaviu.AAuroraBorealficoumaisintensa;osprimeirosvéus
tremularamedeslizaramparaumlado,ecortinasirregularesdobraramseedesdobraram-seacimadeles,aumentandoemtamanhoebrilhoacada
minuto;espiraisearabescosretorciam-sedeumhorizonteaoutro,e
tocavamoprópriozênitecomarcosdeluz.Elaescutavacommaisclareza
doquenuncaoportentosocantosibiladodevastasforçasintangíveis.
-Asbruxas!-exclamouumavozdeurso.
Lyravirou-se,comalegriaealívio,masumfocinhopesadoempurrou-a
pelascostasejogou-anochão;semfôlegoparalevantar-se,ameninaficou
caída,ofeganteetrêmula,poisnolugarondeelaestiveradepéhaviaagora
apenaverdedeumaflecha;apontaeocaboestavamenterradosnaneve.
"Impossível!",elapensou,maseraverdade,poisoutraflechabateu
ruidosamentenaarmaduradeIorek,queestavadepéacimadela.
NãoeramasbruxasdeSerafinaPekkala;eramdeoutroclã.
Ficaramvoandoemcírculos,maisdeumadúziadelas,dandorasantes
paraatirarumaflechaetornandoasubirdepressa,eLyrapraguejou,
dizendotodosospalavrõesquesabia.IorekByrnisondeuordensrápidas.
Eraevidentequeosursostinhampráticaemlutarcontrabruxas,poisno
mesmoinstanteelessecolocaramemposiçãodefensiva,easbruxas
passaramaoataque.Elassóconseguiamacertarnoalvoseatirassemde
perto,eparanãodesperdiçarflechas,elasmergulhavam,atiravamaflecha
enomesmoinstantesubiam.Masquandochegavamaopontomaisbaixo
domergulho,tendoasmãosocupadascomoarcoeaflecha,elasficavam
vulneráveis,eosursossaltavamparaoaltocomasgarrasestendidase
puxavamasbruxasparaochão.Váriasforamderrubadasassim,elogo
liquidadas.Lyraagachou-sejuntoaumarocha,observando.Algumas
bruxasatiraramnela,maserraramoalvo;eentãoLyra,olhandopara
cima,viuqueamaiorpartedogruposedestacavaeiaembora.
Seelaficoualiviadacomisso,oalívionãoduroumaisqueunsinstantes:da
direçãoqueasbruxastinhamtomadovinhammuitasoutras,ecomelasno
céuhaviaumgrupodeluzesbrilhantes;evindodooutroladodaplanície
deSvalbard,sobaradiânciadaAuroraBoreal,elaouviuumsomque
abominava:opulsardeummotoragás.Ozepelimestavachegando,
trazendoabordoaSra.Coulteresuatropa.
Iorekrosnouumaordem,eosursostomaramoutraformação.Lyraficou
observandoenquantoelespreparavamolançadordefogo.Avanguarda
daesquadrilhadebruxastambémviuistoeasaraivadadeflechas
recomeçou,masosursosconfiavamemsuasarmadurasetrabalharam
depressaparamontaroaparelho:umbraçocompridoqueseestendia
paraoaltoemânguloeumacuiacomummetrodediâmetro;eumgrande
tanquedeferrocobertodefumaçaevapor.Enquantoelaobservava,
surgiuumalabaredabrilhante,eumaequipedeursosbemtreinadospôsseemação.Doisdelesbaixaramobraçodolançadordefogo,outrojogou
pásdefogodentrodacuiaeveioaordemdedisparo;oenxofreflamejante
foilançadoparaocéuescuro.
Asbruxasestavamtãoapinhadasnocéuacimadelesquetrêsdelascaíram
noprimeirotiro,maslogoficouóbvioqueoverdadeiroalvoeraozepelim.
Opilotonuncatinhavistoumlançadordefogo,ouentãosubestimavao
poderdaarma,poiscontinuouvoandodiretamenteparaosursos,sem
subiroudesviar-se.Entãoficouclaroqueelestambémtinhamumaarma
poderosanozepelim:umametralhadoramontadanonarizdagôndola.
Lyraviucentelhasvoandodaarmaduradealgunsursos,eviu-os
enrodilhar-separaseprotegerem,antesdeouviroruídodasbalas.Ela
gritoucommedo.
-Elesestãoseguros-disseIorekByrnison.-Essasbalasdebrinquedonão
conseguemfurarumaarmadura.
Olançadordefogofuncionoudenovo:destavezumamassadeenxofreem
chamasfoijogadaparaoaltoeatingiuagôndola,explodindonumacascata
debrasas.Ozepelimfezumacurvaparaaesquerdaeafastou-senum
grandearcoantesdevoltarparaogrupodeursosquetrabalhavam
depressajuntoaolançadordefogo.Enquantoozepelimseaproximava,o
braçodaarmadescia;ametralhadoracuspiubalas,edoisursoscaíram,
arrancandoumrugidobaixodeIorekByrnison;quandoaaeronaveestava
quaseacimadeles,umursogritouumaordem,eobraçodoaparelhofoi
erguido.
Destavez,oenxofrefoilançadocontraobalãodegásdozepelim.A
estruturarígidaseguravaumacoberturadesedaimpermeabilizadaque
continhaohidrogênio,e,emboraelafossesuficientementefortepara
resistirapequenosgolpes,opesodetodaaquelacargademineralem
chamasfoidemais:asedarasgou-sedeumladoaoutroeoenxofreeo
hidrogênioencontraram-se,numacatástrofedechamas.Nomesmo
instante,asedaficoutransparente;todooesqueletodozepelimficou
visível,escurocontraoinfernovermelhoeamarelo,eflutuounoarpelo
quepareciaserumtempoimpossivelmentelongoantesdecairdevagar,
quasecomrelutância.Pequenasfiguras,escurascontraaneveeofogo,
saíramdelecambaleandooucorrendo,easbruxasdesceramparaajudar
aarrastá-losdaschamas.Emmenosdeumminuto,ozepelimtinhase
tornadoumamassademetaisretorcidos,fumaçaealgumaschamas
esparsas.Masossoldadosabordo,eosoutrostambém(emboraLyra
estivessedistantedemaisparaidentificaraSra.Coulter,sabiaqueela
estavalá),nãoperderamtempo;comaajudadasbruxas,elesarrastaram
earmaramametralhadoraecontinuaramocombateemterrafirme.
-Vamos-disseIorek.-Elesvãoaguentarmuitotempo.
Elerugiu,eumgrupodeursosdestacou-seeatacouoBancodireitodos
tártaros.Lyrasentiaavontadequeeletinhadeestarlátambém,masos
nervosdelagritavamparaquepartissem,esuamenteestavacheiade
imagensdeRogereLordeAsriel;eIorekByrnisonsabia,poisdeuas
costasàlutaecomeçouasubiramontanha,deixandoseusursos
combatendoostártaros.
Enquantosubiam,Lyraforçavaosolhosparaenxergaràfrente,masnem
mesmooolhardecorujadePantalaimonconseguiavislumbrarqualquer
movimentonoBancodamontanhaqueelesestavamsubindo.Porémas
marcasdotrenódeLordeAsrielestavamclaras,eIorekseguia-as
rapidamente,saltandoatravésdaneve,fazendo-asubiratrásdesi.Oque
aconteciaatrásdeleseraexatamenteisto:algoquehaviaficadoparatrás.
Lyrasentiaqueestavadeixandoomundoparatrás,detãodistantee
decididaqueestava,detãoaltoqueestavamsubindo,detãoestranhae
misteriosaaluzqueosbanhava.
-Iorek,vocêvaiencontrarLeeScoresby?
-Vivooumorto,vouencontrar.
-EsevirSerafinaPekkala...
-Eucontoaelaoquevocêfez.
-Obrigada,Iorek-eladisse.
Poralgumtempo,ficaramemsilêncio.Lyrasentiu-secairnumaespéciede
transequenãoeradormirnemestaracordada,quaseumestadodesonho
conscientenoqualelasonhavaqueestavasendocarregadaporursospara
umacidadenasestrelas.
IacontaristoaIorekByrnisonquandoeleparou.
-Osrastroscontinuamemfrente,maseunãoposso-disseele.
Lyrasaltouparaochãoeparouaoladodele.Estavamdepénabeirade
umabismo.Eradifícildizersesetratavadeumafendanogeloouuma
fissuranarocha,masistonãofaziadiferença.Oqueimportavaeraqueo
precipíciomergulhavanaescuridãoinsondável.
EorastrodotrenódeLordeAsrielchegavaatéaborda...eiaemfrente,
atravésdeumapontedenevecompactada.
Eraevidentequeapontetinhasentidoopesodotrenó,poishavianela
umarachadurajuntoàoutrabordadoabismo,easuperfíciedaponte
pertodarachaduratinhacedidoquasemeiometro.Poderiasuportaro
pesodeumacriança,masnuncaodeumursodearmadura.
EorastrodeLordeAsrielatravessavaaponteesubiaamontanhadooutro
lado.SeLyracontinuasse,teriaqueirsozinha.Elavoltou-separaIorek
Byrnison.
-Tenhoqueatravessar-declarou.-Obrigadaportudoquefezpormim.
NãoseioquevaiacontecerquandoeualcançarLordeAsriel.Podemos
morrertodos,mesmoqueeunãochegueatélá.Masseeuvoltar,virei
fazerumavisitaparaagradecermaisumavez,ReiIorekByrnison.
Elacolocouamãonacabeçadele,eeleassentiudelicadamente.
-Adeus,LyradaLínguaMágica-disse.
Comocoraçãoapertadoedolorido,elacolocouumpénaponte.Aneve
estalousobseupeso,ePantalaimonvoouparapousarnaoutra
extremidadedaponteeencorajá-laaprosseguir.
Eladeuumpassoapósoutro,perguntando-seacadapassosenãoseria
melhorcorreratéooutroladoedarumpuloparaamargemouirdevagar
comoestavafazendo,pisandodeleve.Nametadedopercurso,elaouviu
outroestalidodaneve;pertodeseuspés,umpedaçodegelodespencouno
abismo,eapontecedeumaisalgunscentímetros.
Elaficouimóvel.Pantalaimon,emformadeleopardo,estavaagachado,
prontoparasaltareagarrá-la.
Aponteaguentou.Eladeuoutropasso,maisoutro,eentãosentiuque
algumacoisacediasobseuspésesaltouparaabordacomtodaaforça
quetinha.Aterrissoudebarrigananeveenomesmoinstanteaponte
inteiracaíanoabismo.Pantalaimontinhaasgarrascravadasnaspelesdo
agasalhodamenina.Depoisdeumminuto,elaabriuosolhoserastejou
paralongedaborda.Já
nãohaviacaminhodevolta.Elaficoudepéelevantouamãoparaourso
queaobservava.IorekByrnisonergueu-senaspatastraseiraspara
despedir-se,eentãovirou-seedesceuamontanhacorrendo,parair
ajudarseussúditosnabatalhacontraaSra.Coultereossoldadosdo
zepelim.
Lyraestavasozinha.
23APONTEPARAASESTRELAS
QUANDOOursodesapareceudevista,Lyrasentiuqueumagrande
fraquezaadominava,eàscegastateouembuscadePantalaimon.-Ah,
meuqueridoPan,nãopossocontinuar!Estoutãoapavorada,tãocansada,
viajeitanto,estoumorrendodemedo!Queriaqueoutrapessoaestivesse
nomeulugar,eujuro!
Odaemonencostou-seaopescoçodela,mornoereconfortante.
-Nãoseioquefazer-Lyrasoluçou.-Édemaisparanós,Pan,nósnão
vamosconseguir...
Elaagarrou-seaele,ninando-oedeixandoossoluçosecoarempelaneve.
Pensava:mesmosea...aSra.Coulterchegasseprimeiro,istonãoiasalvar
Roger.ElalevariaomeninoparaBolvangaroucoisapior,emematariapor
Vingança...
-Porqueelesfazemessascoisas,Pan?Seráquetodoselesodeiamtanto
assimascrianças,apontodequererfazerisso?Porquê?
MasPantalaimonnãosabiaresponder;tudoquepodiafazereraapertá-la
comforça.Aospoucos,enquantoatempestadedemedoseacalmava,ela
recuperouaconfiançaemsi.Afinal,elaeraLyra!Podiaestarcomfrioe
commedo,maseraLyra!
-Euqueria...-começouadizer,masparou;querernãolevavaanada.Com
umúltimosuspirotrêmulo,elaestavaprontaparaseguiremfrente.Aesta
altura,aluamorrera,eocéuaosulestavaprofundamenteescuro,embora
milhõesdeestrelasalibrilhassemcomodiamantesnoveludo.AAurora
Boreal,porém,brilhava100vezesmaisqueelas.Lyranuncaatinhavisto
tãobrilhanteeespetacular;acadamovimento,novosmilagresdeluz
dançavampelocéu.Eportrásdainconstantecortinadeluz,aqueleoutro
mundo,acidadeiluminadapelosol,mostrava-se,claraesólida.
QuantomaisLyraePantalaimonsubiam,maisaterraáridaestendia-se
abaixodeles.Aonorteestavaomarcongelado,comrachadurasondeduas
placasdegelotinhamcolidido,mas,excetoisto,planoeinfinito,chegando
atéopróprioPóloeindoalémdele,semcaracterísticas,semvida,semcor,
nucomoLyrajamaispoderiaterimaginado.Paraolesteeparaooeste,
erguiam-semaismontanhasdepicosaltosepontudos,asescarpas
cobertasdeneveecortadaspeloventoemlâminasaguçadascomo
cimitarras.Paraosul,estavaocaminhoporondetinhamvindo,eLyra
olhouparatráscomemoção,esperandoverseuqueridoamigoIorec
Byrnisonesuatropa;masnadasemovianaplanície.Elanemsequerpodia
tercertezadeestarenxergandoosrestosdozepelimouanevemanchada
devermelhoemvoltadoscadáveresdosguerreiros.
Pantalaimonlevantouvôoevoltouparaopulsodelaemformadecoruja.
-Estãologoatrásdopico!-disse.-LordeAsrielpreparoutodososseus
instrumentos,eRogernãoconseguefugir...
Enquantoelefalava,aAuroraBorealpiscoueperdeuintensidade,como
umalâmpadaanbáricanofimdotempodeuso,eentãodesapareceude
vez.Napenumbra,porém,LyrasentiaapresençadoPó,poisoarparecia
cheiodemásintenções,comoformasdepensamentosaindapornascer.
Naescuridãoqueaenvolvia,elaouviuumavozinfantil:
-Lyra!Lyra!
-Estouindo!-elagritoudevolta,ecambaleouparacima,caindo,
levantando,lutando,esforçando-se,jánofinaldesuasforças,porém
avançandosempararatravésdanevequebrilhavafantasmagoricamente.
-Lyra!Lyra!
-Estouquasechegando-elaofegou.-Quasechegando,Roger!
Pantalaimon,emsuaaflição,transformava-serapidamente:leão,arminho,
águia,gato-do-mato,salamandra,coruja,leopardo,todasasformasqueele
jáhaviatomado,umcaleidoscópiodeformasemmeioaoPó...
-Lyra!
Elachegouaotopoeviuoqueestavaacontecendo.
Auns50metrosdedistância,LordeAsrielestavatorcendojuntosdoisfios
quelevavamaotrenótombadodelado,sobreoqualhaviaumafilade
baterias,vidrosepeçasdeaparelhagem,jácobertosdecristaisdegelo.Ele
vestiapelesgrossasetinhaorostoiluminadopelachamadeuma
lamparinadenafta.DeitadacomoaEsfingeaoladodeleestavaseu
daemon,movimentandoacaudapreguiçosamentesobreaneve,alinda
pelagembrilhando.
EmsuabocaestavaodaemondeRoger.
Apequenacriaturalutava,arranhava,mordia,passandodepássaroa
cachorro,depoisgato,rato,outravezpássaro,incessantementechamando
porRoger,apoucosmetrosdedistância,tambémlutando,tentando
dominaropânicoeadoregritandodesofrimentoedefrio.Elechamavao
nomedeseudaemonechamavaLyra;elecorreuparaLordeAsriele
agarrou-lheobraço,masLordeAsrieljogou-olonge.Eletornouatentar,
chorandoeimplorando,masLordeAsrieljogou-onochãooutravez.
Estavamnabeiradeumabismo;atrásdeleshaviaapenasastrevas
infinitas.Estavammaisde300metrosacimadomarcongelado.
Lyraenxergoutudoissoàluzdasestrelas;masentão,enquantoLorde
Asrielligavaseusfios,aAuroraBorealiluminou-seinteiraoutravez,como
acentelhadepodermortalquebrincaentredoisterminais,sóqueneste
casoumdelestinhamaisdemilquilômetrosdealturae30milde
comprimento.AAuroraBorealmergulhavaecrescia,ondulando,
cintilando,umagloriosacataratadeluz.
Eeracontroladaporele...
Ouentãoeleestavarecebendoenergiadela,poishaviaumfioquesaíade
umimensocarretelnotrenóesubiadiretamenteparaocéu.Daescuridão
surgiuumcorvo,queLyraidentificoucomoodaemondeumabruxa.Havia
umabruxaajudandoLordeAsriel,eelalevaraofioparaasalturas.
EaAurorabrilhavaoutravez.
Eleestavaquasepronto.Virou-separaRogerechamou-o,eRoger
obedeceu,sacudindoacabeça,implorando,chorando,massemnadapoder
fazer.
-Não!Fuja,correndo!-Lyragritou,lançando-seencostaabaixo.
PantalaimonsaltousobreapanterabrancaearrancouodaemondeRoger
dosdentesdela.O
daemon-panterasaltousobreele,ePantalaimonsoltouooutrodaemon;
ambos,mudandodeformasemparar,viraram-seederamcombateao
enormeanimal.Eletentavaatingi-loscomsuasgarrasafiadas,eseurugido
encobriuaté
mesmoosgritosdeLyra.Asduascriançastambémlutavamcontraeleou
contraasformasnoar,aquelasmásintençõesquedesciampelosjorrosde
Pó...ElánoaltoaAuroraBorealoscilava,eseubrilhoiluminavaoraum
prédio,oraumlago,oraumafiladepalmeiras,tudotãopertoquedavaa
impressãodequesepodiapassarcaminhandodeummundoaooutro.
LyradeuumpuloeagarrouamãodeRoger,puxando-ocomforça.Osdois
sedesvencilharamdeLordeAsrielecorreramdemãosdadas,masRoger
caiuecontorceu-se,poisapanteratornaraacapturarseudaemon;Lyra
conheciaaqueladoretentouparar...
Masnãoconseguiramparar.
Orochedoestavadeslizandodebaixodeles.
Umaplataformadeneve,deslizandoinexoravelmenteparaoabismo...Para
omarcongelado,centenasdemetrosabaixodeles...
-LYRA!
Coraçãopulsando...Mãosqueaagarravamcomforça...
Elánoaltoamaiormaravilha:odomoceleste,cravejadodeestrelas,
profundo,derepentefoiperfuradocomoseporumaespada.
Umjatodeluz,umjatodepuraenergialiberadacomoumaflechalançada
porumarcoimenso,disparouparacima.Ascortinasdeluzecorqueeram
aAuroraBorealrasgaram-secomumsomfortequechegouàs
extremidadesdouniverso;haviaterrasecanocéu...
Aluzdosol!
Aluzdosolbrilhandonapelagemdeummacacodourado...
Poisadescidadaprateleiradenevehaviacessado;talvezuma
protuberâncianaencostativesseinterrompidoaqueda.Lyraavistou,na
neveremexidadotopodamontanha,omacacodouradosurgirdoarao
ladodapanteraeviuosdoisdaemonsseeriçarem,forteseatentos.O
macacotinhaacaudaereta,eapanterabalançavaadeladeumladopara
outro.Entãoomacacoestendeuapatahesitantemente,apanterabaixoua
cabeçaemgraciosoreconhecimento,osdoissetocaram...EquandoLyra
desviouoolhardeles,viuaprópriaSra.CoulterpresanosbraçosdeLorde
Asriel.Aluzbrincavaemvoltadelescomoraiosecentelhasdeintensa
energiaanbárica.Lyra,impotente,sópodiaimaginaroquetinha
acontecido:aSra.Coulterhaviaconseguidoatravessaroabismoechegar
atéali...Seupaiesuamãe,juntos!
Enumabraçoapaixonado:umacoisainimaginável.
Elaarregalouosolhos.OcorpodeRogerestavamortoemseusbraços,
imóvel,quieto,descansando.Elaouviuospaisconversando.Amãedisse:
-Elesnuncavãopermitir...
-Permitir?-opairepetiu.-Nósjápassamosdafasedepedirpermissão
comosefôssemoscrianças.Eutorneipossívelquequalquerumatravesse
sequiser.
-Elesvãoproibir!Vãovedarapassagemeexcomungarquemtentar!
-Vaitergentedemaisquerendopassar.Elesnãovãoconseguirimpedir.
IssovaisignificarofimdaIgreja,Marisa,ofimdoMagisterium,ofimde
todosessesséculosdetrevas!Olheparaaquelaluzlánoalto:éosolde
outromundo!Sintaocalordelenasuapele,agora!
-Elessãomaispoderososquetudo,Asriel.Vocênãoconhece...
-Eunãoconheço?Ninguémnomundoconhecemaisdoqueeuopoderda
Igreja!Maselanãoésuficientementepoderosaparaisso.Dequalquer
maneira,oPóvaimudartudo.
Agoraéimpossívelimpedir.
-Eraissoquevocêqueria?Sufocartodosnós,matartodosnóscompecado
etrevas?
-Euqueriamelibertar,Marisa!Econsegui.Olhe,vejaaspalmeiras
balançandonapraia!Estásentindoovento?Éoventodeumoutromundo!
Sintanoscabelos,norosto...
LordeAsrielafastouocapuzdorostodaSra.Coulterevirouacabeçadela
paraocéu,deslizandoosdedospeloscabelosdela.Lyraobservavasem
ousarmoverumsómúsculo.
Amulheragarrou-seaLordeAsrielcomoseestivessetontaesacudiua
cabeça,aflita.
-Não,não...Elesestãovindo,Asriel.Sabemparaondeeuvinha...
-Entãovenhacomigoparaforadestemundo!
-Nãotenhocoragem...
-Você?Logovocê,nãotemcoragem?Atésuafilhaviria.Suafilhateria
coragemparaqualquercoisa,envergonhandoamãedela.
-Entãovácomela,eboaviagem.Elaémaissuadoqueminha,Asriel.
-Não.Foivocêquemalevou;tentoumoldá-la.Naquelaépoca,vocêa
queria.
-Elaerarústicademais,teimosademais.Deixeipassartempodemais...Mas
ondeéqueelaestá?Seguiaspegadasdelaatéaqui...
-Aindaquerficarcomela?Duasvezestentouprendê-laeduasvezesela
fugiu.Seeufosseela,iasaircorrendoparanãolhedarumaterceira
oportunidade.Asmãosdele,aindasegurandoacabeçadela,derepente
ficaramtensasepuxaram-naparaelenumbeijoapaixonado.ParaLyra
aquilopareciamaiscrueldadedoqueamor.
Olhandoparaosdaemonsdosdois,viuumacenaestranha:apantera
tensa,agachada,comasgarrassobreacarnedomacacodourado,eo
macacorelaxado,feliz,cambaleandonaneve.
ASra.Coulterdesvencilhou-sedobeijoedisse:
-Não,Asriel,meulugarénestemundo,nãonooutro...
-Venhacomigo!-eledisse,emtomurgenteeautoritário.-Venha
trabalharcomigo!
-Vocêeeunãopodemostrabalharjuntos.
-Não?Vocêeeupodemosdesmontarouniversoetornaramontar,
Marisa!
PodemosencontrarafontedoPóedestruí-laparasempre!Evocêgostaria
defazerpartedessagrandeobra,nãominta.Podementirsobretodoo
resto:sobreoConselhodeOblação,sobreosseusamantes...Sim,euseide
Boreal,enãomeimporto.PodementirsobreaIgreja,podeatémentir
sobreamenina,masnãomintasobreoquerealmentedeseja...
Esuasbocasnovamenteseuniramcomumdesejoavassalador.Seus
daemonsbrincavamviolentamente;apanteradeitou-sedecostas,eo
macacopassouasgarrasnapelemaciadopescoçodela,eelaronronoude
prazer.
-Seeunãofor,vocêvaitentarmedestruir-disseaSra.Coulter,
desvencilhando-se.
-Porqueeuiriaquererdestruirvocê?-perguntouele,rindo,comaluzdo
outromundobrilhandoemvoltadacabeça.-Seviercomigo,setrabalhar
comigo,voumepreocuparcomvocê;seficaraqui,perdereitodoo
interesse.Nãopensequevoumelembrardevocêporumsegundoque
seja.Agora:oufique,parafazersuasmaldadesnestemundo,ouvenha
comigo.
ASra.Coulterhesitou;fechouosolhosepareceuoscilar,comosefosse
desmaiar;masrecuperouoequilíbrioeabriuosolhos,quemostravam
umatristezabelaeinfinita.
-Não-disse.-Nãovou.
Osdoisdaemonsestavamnovamenteseparados.LordeAsrielbaixoua
mãoemergulhouosdedosfortesnospêlosdapantera;entãovirou-see
afastou-sesemoutrapalavra.Omacacodouradosaltouparaosbraçosda
Sra.Coultersoltandopequenosgemidosdetristezaeestendendoosbraços
paraapanteraqueseafastava;orostodaSra.Coultereraumamáscara
delágrimas.
Lyraasviabrilhar:eramreais.
Entãoamãedelavirou-se,sacudidapelopranto,eafastou-semontanha
abaixo,desaparecendodevista.Lyraobservou-afriamente,depoisergueu
osolhosparaocéu.Nuncatinhavistotamanhamaravilha.
Acidadealiflutuando,tãovaziaesilenciosa,pareciarecém-construída,à
esperadeserocupada,ouadormecida,àesperadeserdespertada.Osol
daquelemundobrilhavanestemundo,tornandodouradasasmãosde
Lyra,derretendoogelonocapuzdepeledeloboqueRogerestavausando,
tornandotransparentesasfacespálidasdomenino,brilhandoemseus
olhosabertosecegos.Elasentiu-sedilaceradadeinfelicidade.Ederaiva,
também.
Poderiatermatadoopai;sepudessearrancarocoraçãodele,teriafeito
isso,porcausadoqueelefizeraaRoger.Eaela:eletinhamentido.Ela
aindaestavaabraçadaaocorpodeRoger.Pantalaimondiziaalgumacoisa,
maselaestavacomocérebroemtumultoenãoescutouatéqueeleenfiou
suasgarrasdegato-do-matonamãodela.Elapestanejou.
-Quefoi?-perguntou.
-OPó!-eledisse.
-Queéquevocêestádizendo?
-OPó.ElevaiencontraredestruirafontedoPó,nãoé?
-Foioqueeledisse.
-EoConselhodeOblação,aIgreja,Bolvangar,aSra.Coultereoresto,todos
queremamesmacoisa,nãoé?
-É...Ouqueeleparedeafetaraspessoas...Porquê?
-PorqueseelesachamqueoPóéruim,eledeveserbom.Elanão
respondeu;umaondadeexcitaçãocresciaemseupeito.Pantalaimon
continuou:
-NósouvimostodosfalaremsobreoPó,eelestêmmuitomedodele,esabe
deumacoisa?Nósacabamosacreditandoneles,mesmovendoquetudo
quefaziameraerrado,perversoecruel...PensamosqueoPódeviaser
ruim,porqueeleseramadultosediziamisso.Masesenãofor?Eseele
for...Elaointerrompeu:
-É!Esenaverdadeeleforbom...
LyraolhouparaPantalaimoneviuseusolhosverdesdegato-do-mato
cintilarem.
Sentiuumavertigem,comoseomundointeiroestivesseoscilandosobseus
pés.
SeoPóeraumacoisaboa...Sefossealgoaserprocuradoevalorizado...
-NóstambémpodemosprocuraroPó!-elaexclamou.
Eraoqueelequeriaouvir.
-Podemosencontrarantesdelee...
Aenormidadedaquelamissãosilenciou-os.Lyraergueuosolhosparao
céuemchamas.Tinhaconsciênciadecomoerampequenos,elaeseu
daemon,comparadoscomamajestadeeavastidãodouniverso;edecomo
sabiampouco,emcomparaçãocomosprofundosmistériosacimadeles.
-Nóspodemos,sim-Pantalaimoninsistiu.-Chegamosatéaqui,nãofoi?
Podemosconseguir.
-Nósestaremossozinhos.IorekByrnisonnãovaiestarláparanosajudar.
NemFarderCoram,nemSerafinaPekkala,ouLeeScoresby,ninguém.
-Entãosónós.Nãoimporta.Dequalquermaneira,nãoestamossozinhos
como...
Elasabiaqueeleestavaquerendodizer:"ComoTonyMakarios,como
aquelespobresdaemonsperdidosemBolvangar;aindasomosumser
único;nósdoissomosumsó."
-Etemosoaletômetro-elacompletou.-É,achoquetemosquefazerisso,
Pan.VamossubirláeprocuraroPó,equandoencontrarmos,vamossaber
oquefazer.
OcorpodeRogerjaziaimóvelnosbraçosdela.Elaocolocounochão
carinhosamente.
-Efaremos-finalizou.
Elavoltou-separaooutrolado.Atrásdeles,ficavamador,amorteeo
medo;àfrentedeles,aincerteza,operigoemistériosinimagináveis.Mas
elesnãoestavamsozinhos.
Assim,Lyraeseudaemonderamascostasaomundoemquenasceram,
virando-senadireçãodosol,ecaminharamparaocéu.
FinaldoLivroUm
SobreaObra:
Detemposemtempossurgeumescritorcujoimpactoétãoextraordinário
quemarcaaimaginaçãodetodaumageração.FoiassimcomLewisCarrol,
foiassimcomTolkien.Nosanos90,esteescritoréoinglêsPhilipPullman,
autorde"ABÚSSOLADOURADA".Traduzidoemmaisde17idiomas,o
romancevemconquistandoleitoreseacríticaespecializadaporonde
passa.Primeirapartedatrilogia"FronteirasdoUniverso",járendeuao
autorosprêmiosTheGuardianChildren’sFictionPrizeeCarnegiePrizee
aindicaçãodaPublishersWeeklycomoomelhorlivrode1996para
públicojovem.
SobreaDigitalizaçãodestaObra:

Documentos relacionados